Você está na página 1de 14

Darmila Abílio

Relatório de Estagio Pedagógico


Curso de licenciatura em ensino de Geografia com Habilidade em História

Unipùngé
Tete
2021
Darmila Abílio

4 Ano Turma: A
Relatório de Estagio Pedagógico
Curso de licenciatura em ensino de Geografia com Habilidade em História

Relatório de Estagio Pedagógico de


História ser apresentado no Curso de
Licenciatura em Ensino de Geografia
com Habilitações em Ensino de
História, a ser entregue ao
Departamento de Geociências e
Ambiente.

Docente: Ivos Baulene

Unipùngé
Tete
2021
Índice

Introdução .................................................................................................................................................... 2
2. Estágio pedagógico em História ................................................................................................. 3

2.1 Planificação ............................................................................................................................... 3

2.1.1 Importancia da planificacao ................................................................................................... 3

2.1.2 Plano analítico ........................................................................................................................ 4

2.1.3 Planificação quinzenal ........................................................................................................... 4

2.1.3 Plano de aula .......................................................................................................................... 4

2.1.3.1 Introdução/ Motivação ........................................................................................................ 5

2.1.3.2 Mediação/Assimilação ........................................................................................................ 5

2.1.3.2 Domínio/Consolidação ....................................................................................................... 5

2.1.3.3 Controlo/ avaliação ............................................................................................................. 5

2.1.4. Elementos de um plano de aula ............................................................................................ 6

2.1.4.1 Objectivos ........................................................................................................................... 6

2.1.4.2 Metodologia ........................................................................................................................ 6

2.1.4.3 Conteúdos ........................................................................................................................... 7

2.1.3.4 O que é uma aula? .............................................................................................................. 7

2.2 Vantagem de planificação ......................................................................................................... 7

2.3 Programa de Ensino .................................................................................................................. 8

2.3.1 Análise do programa da classe e da dosificação elaborada pela escola. ................................ 8

2.3.2 Objectivos da aprendizagem da História na 8ª Classe ........................................................... 8

2.4 Visão Geral dos Conteúdos da Disciplina de História da 8ª Classe ......................................... 9

3. Conclusão.................................................................................................................................. 11

Bibliografia ................................................................................................................................... 12
2

Introdução

No presente relatório da disciplina de estágio pedagógico da disciplina de História, temos


o prazer de esmiuçar os conteúdos abordados ao longo do semestre no que se refere a planos de
aulas ou de lição, plano analítico e plano quinzenal, e ainda faremos sobre programa de ensino e
vantagem e desvantagem dos pontos já mencionados.
Prática profissionalizante ou estágio profissional refere-se ao processo pelo qual os
estudantes são posto a realidade com os assuntos que são abordados ao longo da formação,
portanto, refere-se por a prova os formando ou confronto com a realidade. Relatório é o
documento que se caracteriza por conter informação que reflecte o resultado de uma investigação
ou de um trabalho, adaptado ao contexto de uma determinada situação.
Portanto, o presente relatório está da seguinte maneira: começamos com a introdução,
desenvolvimento, onde faremos a referência os conteúdos aqui abordados, seguidamente as
referências bibliográfica e as conclusões.

1.2 Objectivos do estágio pedagógico


Geral:

 Compreender as actividades desenvolvidas na disciplina de Estagio pedagógico de


História.

Específicos
 Analisar desenvolvidas ao longo do semestre na disciplina de Estagio pedagógico em
História;
 Descrever os aspectos ligados a planos de lição, analítico e quinzenal;
 Analisar os programas de Ensino, esmiuçar a sua importância e desvantagem.

2.1.Metodologia
Como metodologia do presente relatório, privilegiamos a pesquisa bibliográfica, onde faz
um revisão e leitura de alguns artigos importante que abordam os assuntos relacionados com o
tem em questão e por outro lado usaremos a introspecção, que é auro reflexão.
3

2. Estágio pedagógico em História

Estágio é um componente curricular de caráter teórico-prático que tem por objetivo


principal proporcionar ao estudante a aproximação com a realidade profissional, com vistas ao
aperfeiçoamento técnico, cultural, científico e pedagógico de sua formação acadêmica, no
sentido de prepará-lo para o exercício da profissão e da cidadania.

2.1 Planificação

Segundo Dias (2010:72), o plano é um projecto, uma idealização da aula onde são
definidos objectivos cognitivos, psicomotores e afectivos, os conteúdos e as estratégias definidas
para cada segmento de acordo com as funções didácticas, reflectindo-se para a questão da gestão
do tempo. Incluiu-se preparação e introdução da matéria, transmissão e assimilação da matéria
nova, a consolidação e aprimoramento de conhecimentos, habilidades e hábitos, a aplicação de
conhecimentos, habilidades e hábitos e, a avaliação e controlo dos conhecimentos, habilidades e
hábitos e meios de ensino, será de particular valor a obediência ao tempo de cada uma das partes.
Planificação é um processo de racionalização, organização e coordenação numa ordem
sequencial e objectiva da acção docente, articulando a actividade escolar e a problemática do
contexto social. (Libaneo, 1990:222). Quanto a planificação Trimestral o grupo da disciplina já
tinha feito, e os praticantes obtinham os temas a partir da tutora que baseava-se no plano
trimestral.

2.1.1 Importancia da planificacao

A importância dada a planificação não significa que se nega que “as melhores aulas
surjam de repente, por causa de uma palavra, de uma insignificância em que o professor não
tinha pensado antes”. Uma aula pode e muitas vezes deve “acontecer”, porque uma coisa é a aula
inerte no papel e outra é a aula viva, dinâmica, que a trama complexa de inter-relações humanas,
a diversidade de interesses e características dos alunos não permite ser um decalque do que está
no papel.
4

2.1.2 Plano analítico

É aquele que faz a distribuição das unidades de ensino em semanas, prevendo momentos de aula,
das avaliações, para além doutras que mereçam destaque na planificação semestral ou trimestral.

2.1.3 Planificação quinzenal

Esta planificação faz a previsão e sistematização das actividades que o professor ira
desenvolver durante quinze dias. Os directores de disciplina reúnem-se habitualmente nos
sábados alternadas e com base na dosificação trimestral ou semestral e o programa de ensino e
provem as aulas que serram leccionadas nas duas semanas seguintes. Esta planificação tem
grandes vantagens visto que, há informatização dos conteúdos a leccionar numa classe, durante
quinze dias.

2.1.3 Plano de aula

O plano de aula é um guia de orientação para a planificação do processo de ensino.”


Libâneo (1994:241). O praticante planificava aulas com base nos manuais, livros do aluno e
outros materiais didácticos disponíveis, permitindo lhe a reunir todos os pressupostos de uma
aula.
Os planos de aulas eram entregue ao supervisor 48 horas antes do dia de leccionação e
no dia marcado era entregue à tutora que o verificava e assinava posteriormente. Além das aulas
normais, o autor teve o privilegio de dar teste, trabalho e ficha de exercício. Verificou-se muita
rigorosidade por parte do supervisor e tutora na verificação e correcção dos planos Portanto, os
planos eram elaborados no sentido de cobrir os 40 minutos sem ter actividades que não
atingissem nem que ultrapassassem o tempo estipulado.
Enquanto para PILETTI (1969), “o plano de aula é a sequência de tudo que vai ser
desenvolvido em um dia, assim, tornando-se como a sistematização de todas as actividades que
se desenvolve no período de tempo em que o professor e o aluno interagem numa dinâmica de
ensino e aprendizagem.” Pois, as aulas eram planificadas de acordos com os seus momento:
5

2.1.3.1 Introdução/ Motivação

É o momento inicial de preparação para o estudo de material nova, que compreende


actividades de preparação prévia do professor, a preparação dos alunos, a introdução da material
e a colocação didáctica dos objectivos, (Libaneo, 1990: 181).

2.1.3.2 Mediação/Assimilação

Nesta etapa se realiza a percepção dos objecto e fenómenos ligados ao tema, a formação de
conceitos, desenvolvimento das capacidades cognoscitivas de observação, imaginação e de
raciocínio dos alunos a partir das formas de estruturação e organização lógica e didáctiva dos
conteúdos, (Ibid.:183).

2.1.3.2 Domínio/Consolidação

É preciso que os conhecimentos sejam organizados, aprimorados e fixados na mente dos


alunos, a fim de que estejam disponíveis para orientá-los nas situações concretas de estudo e da
vida a partir de formação de hablidades e hábitos para a utilização independente e criadora dos
conhecimentos. (Ibid.:188).

2.1.3.3 Controlo/ avaliação

A avaliação do ensino/aprendizagem deve ser vista como um processo sistemático e


continuo, no decurso do qual vão sendo obtidas informações e manifestações a cerca do
desenvolvimento das actividades do professor e alunos, por meio de procedimentos e
instrumentos de mensuração (observação, provas, exercícios teóricos e práticos, tarefas) que
proporcionam dados quantitativos e qualitativos; (Ibid.:190).
Na escola, a aula é a forma predominate de organizacão do processo de ensino; é a forma
didáctica básica de organização de processo de ensino, na qual objectivos e conteúdos se
combinam com métodos e formas didácticas, (Libaneo 1990:178). Pois, é na aula que se criam,
6

se desenvolvem e se transformam as condições necessárias para que os alunos assimilem


conhecimentos, habilidades, atitudes e convicções e, assim, desenvolvem suas capacidades
cognoscitivas.

2.1.4. Elementos de um plano de aula


2.1.4.1 Objectivos

Os objectivos consistem na descrição clara do que se pretende alcançar como resultado da


nossa actividade. Os objectivos nascem da própria situação (comunidade, da família, da escola,
da disciplina, do professor e, principalmente, do aluno).

 Devem ser atingidos pelo aluno no espaço desta aula


 Indicam a capacidade que queremos ver desenvolvida no aluno em relação ao conteúdo,
assim, é importante estar atento para qual o nível de operação mental que estará em
questão
 Serão determinantes da escolha das estratégias, dos recursos, da distribuição do tempo e,
quando for o caso, da avaliação não são actividades.

2.1.4.2 Metodologia

 É o momento no qual o conteúdo novo será trabalhado junto com aluno


(desenvolvimento) decorre naturalmente do momento da introdução, não há um “corte”
no desenvolvimento da aula;
 A escolha das estratégias deve ser decorrente/estar coerente com o que visam os
objectivos (essas estratégias permitem ao aluno atingir aqueles objectivos?)
 As estratégias escolhidas devem: permitir ao aluno ser sujeito de sua aprendizagem,
reconstruindo saberes, agindo sobre o conhecimento; permitir ao professor ser mediador,
não um transmissor que se constitui como:
 Única fonte do conhecimento a ser aprendido:
 Há estreita relação entre as estratégias escolhidas e a participação/envolvimento do aluno
na aula, motivo pelo qual não podemos desconsiderar as características dos alunos que
estão, hoje, nas escolas;
7

 É fundamental ao professor ser criativo permitindo a seu aluno, ao aprender, exercer ele
também os processos de criatividade, questionamento, compreensão, construção do
conhecimento.

2.1.4.3 Conteúdos

Os conteúdos a ser ter em conta na planificação do PEA pelo professor já vêm indicados,
em linhas gerais, pelos programas de ensino que se baseia nos esquemas conceptuais que os
presidem e os temas organizadores. Neste sentido, quando os professores duma mesma escola
não trabalham em conjunto sobre um mesmo programa pode haver diferenças de interpretação.
Isso é que faz com que na mesma escola diferentes professores dêem as rubricas com ênfases
diferentes e por ordens diferentes. Este facto poderá aparentemente não ser importante, mas a
discrepância de situações em que inevitavelmente os alunos se encontrarão ao enfrentarem os
exames repercutiríeis, naturalmente, a nível da classificação.

2.1.3.4 O que é uma aula?

Podemos dizer que a aula é um momento estruturada de trabalho no qual se processa o


processo de ensino. Isso significa que a ideia de aula pressupõe sujeitos – professor e alunos; um
objecto de trabalho e, por isso, elemento de ligação entre eles – o conteúdo; situações didácticas
capazes de permitir a acção conjunta e colaborativa entre os sujeitos e seu objecto de trabalho.
Porém, a ideia de aula traz um componente diferenciado: a percepção de que o trabalho de
professores e alunos sobre o conhecimento, através de situações didácticas, exige uma
estruturação através de momentos e etapas no espaço escolar.

2.2 Vantagem de planificação

Assim a planificação da aula é a sistematização de todas as actividades que se


desenvolvem no período de tempo em que o professor e aluno interagem numa dinâmica de
ensino e aprendizagem. Mas porquê é importante planificar as actividades de ensino-
8

aprendizagem? Para responder essa questão solicitamos a visão de Piletti (2004:75), para este
autor a planificação:
 Evita a rotina e a improvisam;
 Contribui para a realização dos objectivos visados;
 Promove a eficiência do ensino;
 Garante maior segurança na direcção do ensino;
 Garante economia de tempo e energia.

2.3 Programa de Ensino

Em muitos países e estudioso relacionam porem, o currículo e programa de ensino, no


entanto, “ currículo é um plano de acção pedagógica muito mais vasto que um programa de
ensino […]: compreende, em geral, não somente programas, para as diferentes matérias, mas
também uma definição das finalidades da educação pretendida, uma especificação das
actividades de ensino e de aprendizagem, o que implica os conteúdos do programa e, finalmente,
indicações precisas sobre as maneiras como o ensino o aluno serão avaliados”.

2.3.1 Análise do programa da classe e da dosificação elaborada pela escola.

O programa de ensino da 8ª classe contém 2 Unidades.


1ª Unidade: História como ciência
2ª Unidade: Origem e evolução do Homem
Da análise feita no programa da 8ª classe, verificou-se que os conteúdos são abordados
claramente, mas não se tem cumprido na sua integra o planificado, pela insuficiência de tempo
(45 minutos) por cada aula, isto é, muitos conteúdos e poucas aulas semanais, o que faz com que
o professor não siga com rigor todos os passos duma aula.

2.3.2 Objectivos da aprendizagem da História na 8ª Classe

São objectivos do ensino da História na 8ª classe:


9

Utilizar e alargar os conhecimentos adquiridos no Ensino Básico para interpretação do


mundo à sua volta;
Explicar os mecanismos da produção do conhecimento histórico;
Identificar as etapas da evolução histórica da Humanidade com ênfase nas formas de
organização económica e social, nas transformações tecnológicas, políticas e culturais;
Situar os acontecimentos no tempo e no espaço usando as medidas e meios adequados;
Relacionar a história da Pátria e do continente africano com o desenvolvimento das
sociedades de classe no mundo.
Utilizar e alargar os conhecimentos adquiridos no Ensino Básico para interpretação do
mundo à sua volta;
Analisar o processo de Hominização destacando a importância do trabalho para a
evolução física e intelectual do Homem;
Desenvolver o hábito de trabalhar colectiva e independentemente com disciplina e
perseverança, conservando cuidadosamente todos os materiais escolares;
Despertar nos alunos a consciência da relação entre a História da pátria, do Continente
Africano e do Mundo, contribuindo para a formação da memória e identidade nacional;
Comparar os períodos históricos tratados a partir das relações estabelecidas na produção e
explicar o progresso histórico;
Compreender a situação da África antes da ocupação colonial;
Analisar as relações sociais africanas pré-colonial.

2.4 Visão Geral dos Conteúdos da Disciplina de História da 8ª Classe

Unidades Temáticas Conteúdos


1.1 História como Ciência: sua importância
1- A História como Ciência 1.2 As fontes da história
1.3 A História e outras ciências.
1.4 O tempo e a História
2.1 A origem do Homem
2.2 A África - Berço da Humanidade
10

2- Origem e Evolução do Homem 2.3 A evolução da vida económica, social e


espiritual dos Homens em África
2.4 Teoria de surgimento do Homem:
Criacionista e Evolutiva.
3.1. Surgimento da diferenciação social nos
exemplos do Egipto e Mesopotâmia;
3.2. Mesopotâmia: Código de Hamurábi
3- As diferenciações sociais e a Formação 3.3. Desenvolvimento da sociedade
de Estados esclavagista na Europa:
3.3.1 A democracia esclavagista em Atenas;
3.3.2 Esclavagismo em Roma;
3.4 Moçambique: da comunidade primitiva
à formação dos primeiros estados.
4.1. A emergência do Feudalismo na Europa.
4. As relações sociopolíticas na Europa e 4.1.1 Características económicas, políticas,
na África entre século XV sociais e culturais da sociedade feudal.
4.2. A África do século V-XV:
5. África pré-colonial. 4.2.1 Caracterização geral.
4.2.2 O exemplo da Etiópia
11

3. Conclusão

Findo o relatório onde abordamos sobre as actividades desenvolvidas ao longo do


semestre na disciplina de Estagio Pedagógico em história, onde falamos sobre plano de aula onde
ficou claro é antevisão das actividade que o professor levara a cabo na sala de aula no processo
de leccionação, falamos também sobre plano analítico, que no entanto refere a distribuição dos
conteúdos em semanas e que por fim, serão distribuídos em duas semanas, refere portanto, o
plano quinzenal.
Falamos nesse trabalho também sobre programas de ensino, que porem, quando falamos
sobre programa um plano que distribuiu as actividades, conteúdos e objectivo do nível macros
das actividades que os professores devem levar acabo na efectivação das actividades leccionava
na sala de aula.
12

Bibliografia

MAVANGA, Gil Gabriel, Didáctica e Física II, edição: Valdinácio Florêncio Paulo. 2004

LIBANEO, José Carlos, Didáctica Geral textos velhos. 2002.

PILETTI, Claudino, Didáctica Geral 2002, 23a edição

ALARCÃO, Isabel. (org.). Formação reflexiva de professores. Estratégias de Supervisão. Porto,


Porto Editora, 1996.

Você também pode gostar