Você está na página 1de 15

SISTEMA ENDÓCRINO E HOMEOSTASE

SISTEMA ENDÓCRINO – SISTEMA NERVOSO


Também controla Atua por meio de
atividades corporais por impulsos nervoso
meio da liberação de pelos axônios. Pelas
mediadores, chamados sinapses eles
hormônios desencadeiam
neurotransmissores

Um hormônio é uma molécula mediadora liberada em alguma parte do corpo que regula a atividade celular
em outras partes do corpo.
HORMÔNIO – LÍQUIDO INTERSTICIAL – CORRENTE SANGUÍNEA.

O sangue circulante leva hormônios às células de todo o corpo.

O sistema nervoso atua em glândulas e músculos específicos. A influência do sistema endócrino é muito mais ampla;
ajuda a regular praticamente todos os tipos de células do corpo.

Norepinefrina atua tanto como neurotransmissor quanto como hormônio, que é liberada como neurotransmissor
pelos neurônios pós-ganglionares simpáticos e como hormônio pelas células cromafins da medula da glândula
suprarrenal.

Glândulas: Exócrinas e Endócrinas


As glândulas endócrinas secretam seus produtos (hormônios) no líquido intersticial que circunda as células secretoras
e não para ductos. Do líquido intersticial, os hormônios se difundem para os capilares sanguíneos e o sangue os
transporta para as células-alvo pelo corpo. Em virtude da dependência do sistema circulatório para distribuir seus
produtos, as glândulas endócrinas são alguns dos tecidos mais vascularizados do corpo.

GLANDULAS ENDÓCRINAS Células de órgãos e tecidos


que secretam hormônios:
• hipófise
• glândulas • Hipotálamo
tireoides • Timo
• paratireoides • Pâncreas
• suprarrenais • Ovários
• pineal • Testículos
• Rins
• Estômago
• Fígado
• intestino delgado
• pele
• coração
• tecido adiposo
• placenta

Hormônios atuam apenas em células-alvo específicas.

hormônio circulante –passam das células secretoras que os produzem para o líquido intersticial e, depois para o
sangue.

hormônios locais- atuam nas células vizinhas ou nas mesmas células que os secretaram sem primeiro, entrar na
corrente sanguínea.

• Parácrinos – vizinha.
• Autócrinos – sobre si.
Hormônios locais são inativados rapidamente; os hormônios circulantes podem permanecer no sangue e exercer
seus efeitos por alguns minutos ou, às vezes, por algumas horas. Em tempo, os hormônios circulantes são inativados
pelo fígado e excretados pelos rins. Em casos de insuficiência renal ou hepática, é possível observar níveis sanguíneos
muito elevados de hormônios.

Classes químicas dos hormônios

Hormônios lipossolúveis:
• hormônios esteroides são derivados do colesterol
• hormônios da tireoide (T3 e T4) são sintetizados pela conexão de iodo ao aminoácido tirosina.
• O gás óxido nítrico (NO) é tanto um hormônio quanto um neurotransmissor. Sua síntese é catalisada pela
enzima óxido nítrico sintase

Hormônios lipossolúveis, inclusive os hormônios esteroides e tireóideos, se ligam a receptores dentro das células-
alvo.

Mecanismo de ação:

1. Um hormônio lipossolúvel livre se difunde do sangue, pelo líquido intersticial e através da bicamada
lipídica da membrana plasmática, para dentro da célula.

2. Se a célula for uma célula-alvo, o hormônio se liga aos receptores localizados no citosol ou no
núcleo, ativando-os. O complexo receptor-hormônio ativado modifica a expressão do gene: ativa e
desativa genes específicos do DNA nuclear.

3. Com a transcrição do DNA, ocorre formação de novo RNA mensageiro (mRNA) que deixa o
núcleo e entra no citosol, onde dirige a síntese de uma nova proteína, muitas vezes uma enzima, nos
ribossomos.

4. As novas proteínas alteram a atividade das células e causam respostas típicas do hormônio em
questão.

Hormônios hidrossolúveis:
• Os hormônios aminados são sintetizados pela descarboxilação (remoção da molécula de CO2) ou modificação
de determinados aminoácidos. Têm um grupo amina (–NH3+). As catecolaminas (epinefrina, norepinefrina e
dopamina – são sintetizadas pela modificação do aminoácido tirosina). A histamina é sintetizada a partir do
aminoácido histidina por mastócitos e plaquetas. A serotonina e melatonina derivam do triptofano.
• Os hormônios peptídicos e os hormônios proteicos são polímeros de aminoácidos. O hormônio antidiurético e
a ocitocina são exemplos de hormônios peptídicos; o hormônio do crescimento humano e a insulina são
hormônios proteicos. Vários hormônios proteicos, como o hormônio tireoestimulante, possuem grupos de
carboidrato afixados e, dessa forma, são hormônios glicoproteicos.
• hormônios eicosanoides são derivados do ácido araquidônico, um ácido graxo de 20 carbonos. Os dois
principais tipos de eicosanoides são as prostaglandinas (PG) e os leucotrienos (LT).

os hormônios hidrossolúveis se ligam a receptores que se projetam da superfície da célula-alvo. Esses receptores
são proteínas transmembrana integrantes da membrana plasmática

2. Como os hormônios são transportados no sangue?


• A maior parte das moléculas de hormônio hidrossolúvel circula no plasma aquoso sanguíneo na forma
“livre”.
• Hormônio lipossolúvel encontra-se ligada a proteínas transportadoras.

Função dessas proteínas:


1. Tornar os hormônios lipossolúveis temporariamente hidrossolúveis, aumentando, desse modo, sua solubilidade no
sangue.

2. Postergar a passagem de moléculas hormonais pequenas pelo mecanismo de filtragem nos rins, reduzindo, assim, a
perda hormonal na urina.

3. Oferecer uma pronta reserva de hormônio na corrente sanguínea.

Os receptores de hormônios lipossolúveis estão localizados dentro das células-alvo, enquanto os receptores de
hormônios hidrossolúveis fazem parte da membrana plasmática das células-alvo.

------------------------------------------------------------

Tanto os hormônios esteroides quanto os da tireoide são efetivos por via oral. Esses hormônios não sofrem degradação
durante a digestão e atravessam com facilidade o revestimento intestinal por serem lipossolúveis. Em contrapartida,
hormônios proteicos e peptídicos, como a insulina, não são efetivos por via oral porque as enzimas digestivas os
destroem, quebrando suas ligações peptídicas. Esse é o motivo pelo qual as pessoas dependentes de insulina precisam
administrá-la por injeção.

Outros efeitos hormonais incluem alteração da permeabilidade da membrana plasmática, estimulação do transporte
de uma substância para dentro ou para fora de células-alvo, alteração da velocidade de reações metabólicas
específicas e promoção de contrações da musculatura lisa ou cardíaca. Esses efeitos variados dos hormônios são
possíveis em parte porque um único hormônio é capaz de desencadear várias respostas celulares diferentes.

RESPONSIVIDADE: A responsividade de uma célula-alvo a um hormônio depende (1) da concentração sanguínea do


mesmo, (2) da abundância de receptores hormonais na célula-alvo e (3) de influências exercidas por outros hormônios.

3. Quais as diferenças entre efeitos permissivos,


sinérgicos e antagônicos dos hormônios?

EFEITO PERMISSIMO: Uma célula-alvo responde com mais vigor quando o nível de um hormônio sobe ou quando
apresenta mais receptores (suprarregulação). Além disso, as ações de alguns hormônios nas células-alvo demandam
exposição simultânea ou recente a um segundo hormônio. Nesses casos, diz-se que o segundo hormônio tem efeito
permissivo. A epinefrina sozinha estimula fracamente a lipólise (degradação de triglicerídeos), mas quando existem
concentrações baixas de hormônios da tireoide (T3 e T4), a mesma quantidade de epinefrina estimula a lipólise de
maneira muito mais intensa. Dependente .

EFEITO SINÉRGICO: Quando o efeito de dois hormônios que agem juntos é maior ou mais amplo do que o efeito
de cada hormônio agindo sozinho, diz-se que os dois hormônios apresentam um efeito sinérgico. o desenvolvimento
normal de ovócitos nos ovários precisa tanto do hormônio folículo estimulante da adeno-hipófise quanto de
estrogênios do ovário.

EFEITO ANTAGONICO: Quando um hormônio faz oposição às ações de outro hormônio, diz-se que os dois
hormônios apresentam efeitos antagônicos. a insulina, que promove a síntese de glicogênio pelos hepatócitos, e o
glucagon, que estimula a degradação do glicogênio no fígado.

Controle da secreção hormonal:


A secreção hormonal é regulada por (1) sinais do sistema nervoso, (2) alterações químicas no sangue e (3) outros
hormônios.
Hipotálamo e hipófise
o hipotálamo é uma pequena região do encéfalo abaixo do tálamo e a principal conexão entre os sistemas nervoso e
endócrino. Sintetizam, pelo menos, nove hormônios diferentes e a hipófise secreta sete. Juntos, esses hormônios
desempenham funções importantes na regulação de praticamente todos os aspectos do crescimento,
desenvolvimento, metabolismo e homeostasia.

4. Observe uma figura do eixo hipotálamo-hipófise, aponte e dê o nome de suas


partes / regiões.

Sistema porta hipofisário:


Hormônios hipotalâmicos que liberam ou inibem hormônios da adeno-hipófise chegam à adeno-hipófise por meio de
um sistema porta. Em geral, o sangue passa do coração, por uma artéria, para um capilar, daí para uma veia e de volta
ao coração. Em um sistema porta, o sangue flui de uma rede capilar para uma veia porta e, em seguida, para uma
segunda rede capilar antes de retornar ao coração. O nome do sistema porta indica a localização da segunda rede
capilar. No sistema porta hipofisário, o sangue flui de capilares no hipotálamo para veias porta que carreiam sangue
para capilares da adeno-hipófise.

ADENO HIPÓFISE

• representa cerca de 75% do peso total da glândula


• composta por tecido epitelial
• a adeno-hipófise consiste em duas partes: a parte distal, que é a porção maior, e a parte tuberal que forma uma
bainha ao redor do infundíbulo.
• A liberação de hormônios da adeno-hipófise é estimulada por hormônios liberadores e suprimida por
hormônios inibidores do hipotálamo.
• Os hormônios da adeno-hipófise viajam até os tecidos alvo ao longo do corpo. Os hormônios da adeno-hipófise
que atuam em outras glândulas endócrinas são chamados de hormônios tróficos ou trofinas.
• Cinco tipos de células da adeno-hipófise – somatotrofos, tireotrofos, gonadotrofos, lactotrofos e corticotrofos
– secretam sete hormônios

SOMATOTROFOS: secretam hormônio do crescimento (GH) (somatotrofina). Estimula vários tecidos a secretarem
fatores de crescimento insulino-símiles (IGF), hormônios que estimulam o crescimento corporal geral e regulam
aspectos do metabolismo.

TIREOTROFOS: secretam hormônio tireoestimulante (TSH), tireotrofina. Controla as secreções e outras atividades da
glândula tireoide.

GONADOTROFOS: secretam duas gonadotrofinas: hormônio foliculoestimulante (FSH) e hormônio luteinizante (LH). O
FSH e o LH atuam nas gônadas; estimulam a secreção de estrogênios e progesterona e a maturação de ovócitos nos
ovários, além de estimularem a produção de espermatozoides e a secreção de testosterona nos testículos.

LACTOTROFOS: secretam prolactina (PRL), que inicia a produção de leite nas glândulas mamárias.

CORTICOTROFOS: secretam hormônio adrenocorticotrófico (ACTH), corticotrofina. Estimula o córtex da glândula


suprarrenal a secretar glicocorticoides como cortisol. Alguns corticotrofos, remanescentes da parte intermédia,
também secretam hormônio melanócito-estimulante (MSH).

O cortisol secretado pelo córtex da glândula suprarrenal suprime a secreção de CRH e ACTH.

NEURO HIPÓFISE

• é composta por tecido neural.


• consiste em duas partes: a parte nervosa, a porção bulbosa maior, e o infundíbulo
• Embora não sintetize hormônios, a neuro-hipófise armazena e libera dois hormônios
• É composta por axônios e terminais axônicos de mais de 10.000 células hipotalâmicas neurossecretoras
• corpos das células neuronais dos dois núcleos paraventricular e supraóptico sintetizam o hormônio ocitocina
(OT) e o hormônio antidiurético (ADH), também chamado de vasopressina.
• O sangue chega à neuro-hipófise pelas artérias hipofisárias inferiores, ramos da artéria carótida interna. Na
neuro-hipófise, as artérias hipofisárias inferiores drenam para o plexo capilar do infundíbulo, uma rede capilar
que recebe a ocitocina e o hormônio antidiurético secretados (ver Figura 18.5). Desse plexo, os hormônios
passam para as veias porto-hipofisárias posteriores para serem distribuídos às células-alvo em outros tecidos.

OCITOCINA: Durante e depois do parto, a ocitocina atua em dois tecidos-alvo: o útero e as mamas da mãe. Durante o
parto, o alongamento do colo do útero estimula a liberação de ocitocina, que, por sua vez, intensifica a contração das
células musculares lisas da parede uterina depois do parto, a ocitocina estimula a ejeção de leite (“descida”) das
glândulas mamárias em resposta ao estímulo mecânico produzido pela sucção do bebê. A função da ocitocina em
homens e mulheres não grávidas não é clara. Experimentos realizados em animais sugerem que a ocitocina exerça ações
no encéfalo que promovem o comportamento parental de cuidado em relação ao filho. Também pode ser responsável,
em parte, pelas sensações de prazer sexual durante e depois do intercurso.

HORMÔNIO ANTIDIURÉTICO: É uma substância que diminui a produção de urina. Faz com que os rins devolvam mais água
ao sangue, diminuindo o volume urinário. Na ausência de HAD o débito urinário aumenta mais de 10 vezes, passando
do normal 1 ou 2 dois litros para cerca de 20 ℓ por dia. Também diminui a perda de água pela sudorese e causa
constrição das arteríolas, o que eleva a pressão do sangue. O outro nome desse hormônio, vasopressina, traduz esse
efeito sobre a pressão arterial. O HAD retém água corporal e aumenta a pressão do sangue.

6. Como é a estrutura da neurohipófise? Descreva a histologia da relação


hipotálamo-neurohipófise.

5. Como os hormônios hipotalâmicos de liberação e de inibição influenciam


as secreções da adenohipófise?

Células neurossecretoras no hipotálamo secretam cinco hormônios liberadores, que estimulam a secreção de
hormônios da adeno-hipófise, e dois hormônios inibidores, que suprimem a secreção de hormônios da adeno-
hipófise. Depois o feedback negativo na forma de hormônios liberados pelas glândulas-alvo diminui secreções de
três tipos de células da adeno-hipófise. Nessas alças de retroalimentação negativa, a atividade secretora dos
tireotrofos, gonadotrofos e corticotrofos diminui quando os níveis sanguíneos dos hormônios das suas glândulas-
alvo se elevam. Por exemplo, o ACTH estimula o córtex das glândulas suprarrenais a secretar glicocorticoides,
principalmente cortisol. Por sua vez, o nível elevado de cortisol diminui a secreção tanto de corticotrofina quanto
de hormônio liberador de corticotrofina (CRH) pela supressão da atividade dos corticotrofos da adeno-hipófise e
das células neurossecretoras do hipotálamo.

Hormônio tireoestimulante
O hormônio tireoestimulante (TSH) estimula a síntese e a secreção de tri-iodotironina (T3) e tiroxina (T4), que são
produzidas pela glândula tireoide. O hormônio liberador de tireotrofina (TRH) do hipotálamo controla a secreção de
TSH. A liberação de TRH, por sua vez, depende dos níveis sanguíneos de T 3 e T4; níveis elevados de T3 e T4 inibem a
secreção de TRH via feedback negativo. Não existe hormônio inibidor da tireotrofina.

11. Descreva a localização da glândula tireoide e das glândulas paratireoides.

A glândula tireoide, em formato de borboleta, está localizada logo abaixo da laringe. É composta pelos lobos direito e
esquerdo, um em cada lado da traqueia, conectados por um istmo, anteriormente à traqueia.

Grande vascularização.

Parcialmente incrustadas na face posterior dos lobos direito e esquerdo da glândula tireoide, encontramos várias
pequenas massas de tecido arredondadas chamadas de glândulas paratireoides

12. Explique como as concentrações sanguíneas de T3/T4, TSH e TRH seriam alteradas
em um animal de laboratório que se submetesse a uma tireoidectomia (remoção
completa de sua glândula tireoide).

13. Como são produzidos, armazenados e secretados os hormônios tireoidianos?

A glândula tireoide é a única glândula endócrina que armazena seu produto secretório em grandes quantidades –
normalmente o suficiente para cerca de 100 dias.

O hormônio liberador de tireotrofina (TRH) do hipotálamo e o hormônio tireoestimulante (TSH) da adeno-hipófise


estimulam a síntese e a liberação dos hormônios da tireoide.

Hipotálamo (TRH)- SANGUE (sistema porta hipofisário)- Adeno- hipófise (TRH) – TIREOIDE (T3 E T4)

Hormônios da tireoide são derivados do AMINOACIDO TIROSINA. Seu transporte é livre no sangue ligado a proteínas
plasmáticas porque são lipofílicos. E tem receptores nucleares.

SÍNTESE:

1. Retenção de iodeto.
2. Síntese de tireoglobulina.
3. Oxidação de iodeto
4. Iodação da tirosina.
5. Acoplamento de T1 e T2
6. Pinocitose e digestão de coloide
7. Secreção de hormônios da tireoide.
8. Transporte no sangue.

14. Como é regulada a secreção de T3 e T4 e quais são os efeitos fisiológicos


destes hormônios?
Níveis reduzidos de T3 e T4 ou taxa metabólica baixa estimulam o hipotálamo a secretar TRH O TRH entra
nas veias porto-hipofisárias e flui para a adeno-hipófise, onde estimula os tireotrofos a secretar TSH. O TSH
estimula a atividade celular dos folículos da tireoide, inclusive captação de síntese e secreção de hormônio e
crescimento das células foliculares. As células foliculares da tireoide liberam T3 e T4 no sangue até que a
taxa metabólica volte ao normal. O nível elevado de T3 inibe a liberação de TRH e TSH (inibição por feedback
negativo).

Condições que aumentam a demanda de ATP: ambiente frio, hipoglicemia, altitude elevada e gravidez –
também intensificam a secreção dos hormônios da tireoide.

EFEITOS:
• Os hormônios da tireoide aumentam a taxa metabólica basal (TMB), que consiste no consumo de oxigênio em
condições basais ou padrão (acordado, em repouso e jejum) por meio da estimulação do uso de oxigênio celular
na produção de ATP. Quando a taxa metabólica basal aumenta, o metabolismo celular dos carboidratos, lipídios
e proteínas se torna mais intenso.
• Outro efeito importante dos hormônios da tireoide é o de estimular a síntese de bombas adicionais de sódio e
potássio (Na+-K+ ATPase), o que utiliza grandes quantidades de ATP para continuamente ejetar íons sódio (Na+)
do citosol no líquido extracelular e íons potássio (K+) do líquido extracelular no citosol. Com a produção e a
utilização de mais ATP pelas células, mais calor é liberado e a temperatura corporal sobe. Esse fenômeno é
chamado de efeito calorigênico. Têm participação na regulação da temperatura corporal normal. Mamíferos
normais são capazes de sobreviver a temperaturas muito baixas, mas aqueles cuja glândula tireoide foi
removida não conseguem.
• Na regulação do metabolismo, os hormônios da tireoide estimulam a síntese de proteína e aumentam o uso de
glicose e ácidos graxos para a produção de ATP. Além disso, intensificam a lipólise e a excreção de colesterol,
reduzindo, desse modo, o nível de colesterol sanguíneo.
• intensificam algumas ações das catecolaminas (norepinefrina e epinefrina), pois promovem a suprarregulação
dos receptores beta (β). Por essa razão, os sinais/sintomas do hipertireoidismo incluem frequência cardíaca
aumentada, batimentos cardíacos mais fortes e pressão arterial elevada.
• Junto com o hormônio do crescimento e com a insulina, os hormônios da tireoide aceleram o crescimento
corporal, sobretudo o crescimento dos sistemas nervoso e esquelético. A deficiência de hormônios da tireoide
durante o desenvolvimento fetal ou infância causa grave retardo mental e restrição do crescimento ósseo.

Calcitonina
O hormônio produzido pelas células parafoliculares da glândula tireoide é a calcitonina (CT). A CT diminui o nível
sanguíneo de cálcio por meio da inibição da ação dos osteoclastos, células que degradam a matriz celular óssea. A
secreção de CT é controlada por um sistema de feedback negativo.

6. Como é regulada a secreção do hormônio paratireoideo (PTH)? Quais são


as ações do PTH?

PARATIREOIDES- PRODUZEM PAROTORMONIO (PTH).

Paratormônio
O paratormônio é o principal regulador dos níveis de cálcio (Ca2+), magnésio (Mg2+) e fosfato (HPO42–) no
sangue.

CÉLULAS RECEPTORAS DE CALCIO : CaSR. Ativa a liberação de cálcio na sangye . Liberado em resposta a
HIPOCALCEMIA.
• A ação específica do PTH é aumentar a quantidade e a atividade dos osteoclastos. O resultado é
reabsorção óssea estimula o OSTEOCLASTO acentuada, o que libera cálcio (Ca2+) e fosfatos (HPO42–)
no sangue.
• O PTH também atua nos rins. Primeiro, retarda a perda de Ca2+ e Mg2+ do sangue para a urina. Em
segundo lugar, acentua a perda de HPO42– do sangue para a urina. Uma vez que mais HPO42– é perdido na
urina do que ganho dos ossos, o PTH diminui o nível sanguíneo de HPO42– e eleva os níveis sanguíneos de Ca2+
e Mg2+.
• Um terceiro efeito do PTH sobre os rins é a promoção da formação do hormônio calcitriol, que consiste na
forma ativa da vitamina D. O calcitriol, também conhecido como 1,25-di-hidroxivitamina D3, aumenta a taxa de
absorção sanguínea de Ca2+, HPO42– e Mg2+ no sistema digestório. No intestino.

CONTROLE:

O nível sanguíneo de cálcio controla diretamente a secreção de calcitonina e paratormônio por meio de
alças de feedback negativo que não envolvem a glândula hipófise.

O nível sanguíneo de íons cálcio (Ca2+) acima do normal estimula as células parafoliculares da glândula tireoide a
liberarem mais calcitonina. A calcitonina inibe a atividade dos osteoclastos, diminuindo, dessa forma, o nível sanguíneo
de Ca2+. O nível sanguíneo de íons cálcio (Ca2+) abaixo do normal estimula as células principais da glândula
paratireoide a liberarem mais PTH. O PTH promove a reabsorção de matriz óssea extracelular, o que libera Ca 2+ no
sangue e retarda a perda de Ca2+ na urina, elevando o nível de Ca2+ no sangue. O PTH também estimula os rins a
sintetizarem o calcitriol, que consiste na forma ativa da vitamina D. O calcitriol estimula a absorção mais acentuada
de Ca2+ dos alimentos no sistema digestório, o que ajuda a aumentar o nível sanguíneo de Ca 2+.

Hipotiroidismo de Hashimoto: inflamação na tireoide.

HIPOTIROIDISMO; ATRASO NA MATURAÇÃO OSSEA E NO FECHAMENTO DAS EPIFES; 7

Hipotireoidismo congênito- teste do pezinho.

Bócio endêmico- deficiência de IODO. Aumento da glândula.

HIPERTIROIDISMO – ACELARAÇÃO NA MATURAÇÃO OESSOA E FECHAMENTO DAS EPIFISES( estrutura cartilaginosa de


crescimento longitudinal)

16. Como se dá a síntese de vitamina D e quais são suas funções?

• Produzida e ingerida.
• Hormônio esteroide
• Ligada a globulina séricas (sangue)
• Receptor nuclear

Ergocalciferol ( vit. D2) – ORIGEM VEGETAL

Colecalciferol )vit. D3) - ORIGEM ANIMAIL. Adquirido e sintetizado

Radiação ultravioleta- figado- RIM- PTH (ativa a vit d3)

Atuação intestino e ossos.

Vt. Reabsorção de cálcio.


Deficiência: RAQUITISMO. Aumenta a reabscção óssea.

17. Explique o eixo hipotálamo-hipófise que controla a secreção do GH


(hormônio do crescimento), respondendo os seguintes itens abaixo:

a) Onde é secretado, onde atua e como é o eixo hipotálamo-hipofisário de regulação;

b) Explique o feedback negativo que controla a secreção dos hormônios ligados a esse eixo;

c) Cite os efeitos periféricos do GH e IGF-1.

CRESCIMENTO EXTRAÚTERINO – MASSA 20X

• 1 INFANCIA- ACELERADO(4- 5 ANOS ) E LENTO.


• PRE PUBERBADE- ACELERAÇÃO DO CRESCIMENTO
• PUBERDADE – ESTIRÃO DE CRESCIMENTO. ALCANÇA A ALTURA FINAL

• Somatotrofos são as células mais numerosas na adeno-hipófise e o hormônio do crescimento (GH) é o


hormônio mais abundante da adeno-hipófise.
• A função do GH é promover a síntese e a secreção de pequenos hormônios proteicos chamados fatores de
crescimento insulino-símiles ou somatomedinas.
• Em resposta ao hormônio do crescimento, as células no fígado, no músculo esquelético, na cartilagem, nos
ossos e em outros tecidos secretam fatores de crescimento insulino-símiles (IGFs).

1. Os IGF ( SANGUE- FIGADO) fazem com que as células cresçam e se multipliquem pela intensificação da
captação de aminoácidos nas células e aceleração da síntese proteica
2. reduzem a degradação de proteínas e o uso de aminoácidos para a produção de ATP
3. o hormônio do crescimento aumenta a taxa de crescimento do esqueleto e dos músculos esqueléticos
durante a infância e a adolescência.
4. Em adultos, o hormônio do crescimento e os IGF ajudam a manter a massa dos músculos e ossos e
promovem a cicatrização de lesões e o reparo tecidual.
5. intensificam a lipólise no tecido adiposo, aumentando o uso dos ácidos graxos liberados para a
produção de ATP pelas células corporais.
6. O GH e os IGF influenciam o metabolismo dos carboidratos pela redução da captação de glicose,
diminuindo o uso de glicose para a produção de ATP pela maioria das células corporais
7. podem estimular os hepatócitos a liberar glicose no sangue.

Além de modular o metabolismo (estimula síntese proteica, estimula uso de lipídeos como fonte de energia, aumenta
a glicemia ) de lipídeos como fonte de energia, aumenta a glicemia )

Controle: (1) o hormônio liberador do hormônio do crescimento (GHRH)- HIPOTALAMO, que promove a secreção do
GH- SANGUE, e (2) o hormônio inibidor do hormônio do crescimento (GHIH)- SOMATOSTATINA, que o suprime. E
FEEDBACK NEGATIVO

Estímulos que promovem a secreção do hormônio do crescimento:

• são diminuição de ácidos graxos e aumento de aminoácidos no sangue


• sono profundo (estágios 3 e 4 do sono não REM);
• intensificação da atividade da parte simpática da divisão autônoma do sistema nervoso, como pode ocorrer
durante o estresse ou exercícios físicos vigorosos;
• e outros hormônios, inclusive glucagon, estrogênios, cortisol e insulina.

Fatores que inibem a secreção do hormônio do crescimento humano:


• nível sanguíneo mais elevado de ácidos graxos e mais baixo de aminoácidos;
• sono de movimento rápido dos olhos;
• privação emocional;
• obesidade;
• baixos níveis de hormônios da tireoide;
• e hormônio do crescimento propriamente dito (por meio de feedback negativo).

A hiperglicemia é um sinal de excesso de hormônio do crescimento (GH). A hiperglicemia persistente, por sua vez,
estimula o pâncreas a secretar insulina de maneira contínua. Essa estimulação excessiva, se durar semanas ou meses,
pode causar esgotamento das células beta, uma capacidade das células beta pancreáticas de sintetizar e secretar
insulina fortemente reduzida. Dessa maneira, a secreção excessiva de hormônio do crescimento pode ter efeito
diabetogênico; isto é, causa diabetes melito.

• NANISMO – não produz GH,


• GIGANTISMO- tumor na hipófise e produz muito GH.
• PIGMEUS (África) não produz IGF1.
• ACROMEGALIA- VIDA ADULTA. Excesso de GH.

Vários hormônios no crescimento :HG, IGF 1; GLICOCORTICOIDE; PTH E VITAMINA D, ESTROGENOS E ANDROGENOS, T3
E T4

ADULTO: GH mantem a produção de massa corporal magra. Massa musculas e óssea. Além de modular o metabolismo
.

18. O pâncreas é uma glândula mista, logo possui uma parte endócrina (que
produz hormônios) e uma exócrina (que produz enzimas digestivas). A parte
endócrina corresponde as Ilhotas de Langerhans, composta principalmente,
mas não unicamente, pelas células do tipo alfas (α) e betas (ß).

• O pâncreas é uma glândula tanto endócrina quanto exócrina.


• Localiza-se na curvatura do duodeno
• Os ácinos (células exócrinas) produzem enzimas que fluem para o sistema digestório por uma rede de ductos.
• Dentro do acinos exócrinos existem 1 a 2 milhões de minúsculos grupos de tecido endócrino, chamados de
ilhotas pancreáticas ou ilhotas de Langerhans.( pequenas porções circulares que ficam imersas no pâncreas)

Hormonios não entram no ducto pancreático, mas eles irão direto para a circulação sanguínea, e os vasos
direcionam para o FIGADO.

1. As células alfa ou A constituem cerca de 17% das células das ilhotas pancreáticas e secretam
glucagon. Localizam-se na periferia das ilhotas

O glucagon eleva o nível sanguíneo de glicose e a insulina reduz.

2. As células beta ou B constituem cerca de 70% das células das ilhotas pancreáticas e secretam
insulina. Localizam-se mais no centro das ilhotas

3. As células delta ou D constituem cerca de 7% das ilhotas pancreáticas e secretam somatostatina.


• A somatostatina atua de maneira parácrina para inibir a liberação tanto de insulina quanto de glucagon das
células beta e alfa vizinhas.
• Pode funcionar como hormônio circulante para retardar a absorção de nutrientes do sistema digestório.
• a somatostatina inibe a secreção de GH
4. As células F constituem o restante das células das ilhotas pancreáticas e secretam polipeptídio
pancreático

O polipeptídio pancreático inibe a secreção de somatostatina, a contração da vesícula biliar e a secreção de enzimas
digestivas pelo pâncreas.

Controle da secreção de glucagon e insulina

1. O nível sanguíneo baixo de glicose (hipoglicemia) estimula a secreção de glucagon pelas células alfa das
ilhotas pancreáticas. ( JEJUM, NOITE, PERIODO ENTRE REFEIÇÕES)

2. O glucagon atua nos hepatócitos, acelerando a conversão de glicogênio em glicose (glicogenólise) e


promovendo a formação de glicose a partir do ácido láctico e de determinados aminoácidos (gliconeogênese).
Consequentemente, os hepatócitos liberam glicose no sangue de maneira mais rápida e a glicemia se eleva.

Período pôs predial. Musculo esquelético é o primeiro. GLICOGENOLISE: glicogênio- lactato, glicose- fígado).
Proteólise: – proteína- aa e fígado. lipólise:– glicerol- fígado. Fígado- glicogênio hepático.

No fígado se converte em glicose.

3. Se a glicemia continua subindo, o nível sanguíneo elevado de glicose (hiperglicemia) inibe a liberação de
glucagon (feedback negativo).

CATABOLISMO:
• Glucagon (pâncreas); Adrenalina (adrenal); Cortisol (adrenal)

4. A glicose sanguínea alta (hiperglicemia) estimula a secreção de insulina pelas células beta das ilhotas
pancreáticas.

Momento anabólico, momento de sintetizar glicogênio e não quebrar;

5. A insulina age em várias células do corpo para acelerar a difusão facilitada da glicose para as células; para
apressar a conversão de glicose em glicogênio (glicogênese); para intensificar a captação de aminoácidos pelas
células e para aumentar a síntese de proteína; para acelerar a síntese de ácidos graxos (lipogênese); para
retardar a conversão de glicogênio em glicose (glicogenólise) e para tornar mais lenta a formação de glicose a
partir do ácido láctico e de aminoácidos (gliconeogênese).
• Então age no musculo esquelético que capta a glicose, faz síntese de proteína e glicogênio. ( reserva para
atividade física)
• Tecido adiposo capta a glicose
• ( glut 4) e faz a síntese/ estoque de lipídios.
• Fígado faz a síntese de glicogênio(PARA MANUTENCÃO DA GLICEMIA), proteína e lipídios.( VLDL )

6. O resultado disso é a queda do nível de glicose do sangue.

7. Quando o nível sanguíneo de glicose cai para abaixo do normal, ocorre inibição da liberação de insulina
(feedback negativo) e estímulo à liberação de glucagon

INSULINA:
• Estimula a captação de glicose no musculo esquelético, no tecido adiposo e no fígado.
• Regula a síntese de glicogênio, triglicérideos e proteínas
Recepetor de insulina de insulina – ativa uma cascata de sinalização . 1 sinaliza transcrição genica de aa; translocação
do GLUT 4 da membrana ( transportador de glicose)
• Meia vida de 5 a 6 min ( rápida ação e degradação)
GLUCAGON:
• Meia vida – 3 a 4 min
• Cadeia de 29 aa
• Fígado é o principal do efeito. Fomenta a GLICONEOGENE E A GLICOGENOLISE.

Com relação às estas últimas, cite os hormônios produzidos por cada um dos
tipos celulares e suas respectivas ações sobre os tecidos muscular
esquelético, adiposo e hepático, quando houver.

7. A adrenal é dividida em 2 regiões: córtex e medula. Com relação ao córtex há 3 zonas: glomerulosa,
fasciculada e reticular. Partindo dessas informações, responda:

Dê o nome dos principais hormônios produzidos por cada uma dessas regiões e zonas;

Descreva a função de cada um dos principais hormônios produzidos nessas áreas.

8. Descreva onde é produzido, quais são os fatores estimulatórios e quais são as funções do hormônio
antidiurético (ADH, também chamado de vasopressina).

9. A via renina-angiotensina-aldosterona (RAA) é um importante controlador do volume sanguíneo e da


pressão arterial, assim responda as questões:

Descreva a via renina-angiotensina-aldosterona: cite onde cada componente é produzido e como cada um
deles é ativado.

Quais são as maneiras pelas quais a angiotensina II e a aldosterona podem elevar a pressão arterial e quais são
os tecidos-alvo em cada caso?

10. Como é regulada a secreção e qual a função do peptídeo natriurético (PNA)?


Faça uma tabela comparativa entre as classes químicas dos hormônios e dê um exemplo de cada
uma. Para essa tabela comparativa descreva os seguintes itens:

a) síntese e armazenamento;

b) forma de liberação;

c) transporte no sangue;

d) meia-vida;

e) localização do receptor;

f) resposta da ligação ligante-receptor (resposta intracelular).

Você também pode gostar