Você está na página 1de 5

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE – UFRN

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO PÚBLICA– PPGP


MESTRADO PROFISSIONAL EM GESTÃO PÚBLICA
INSTITUIÇÕES POLÍTICAS BRASILEIRAS - PPGP0015

ALEX SANDRO DANTAS DE MEDEIROS

ATIVIDADE FINAL
ACCOUNTABILITY E OUVIDORIAS – AUTONOMIA DESEJADA

AGOSTO / 2020
NATAL – RN
ALEX SANDRO DANTAS DE MEDEIROS

ATIVIDADE FINAL
ACCOUNTABILITY E OUVIDORIA – AUTOMIA DESEJADA

Atividade final da disciplina Instituições


Políticas Brasileiras - PPGP0015, do Mestrado
Profissional em Gestão Pública, do Programa
de Pós-Graduação em Gestão Pública (PPGP)
da Universidade Federal do Rio Grande do
Norte (UFRN).

Professor: Pós-doutor em Administração


Pública, Thiago Ferreira Dias.

AGOSTO / 2020
NATAL – RN
2
SUMÁRIO

1 INTRODUÇÃO ............................................................................................................... 04

2 DESENVOLVIMENTO .................................................................................................... 06

3 EXEMPLO NO BRASIL.................................................................................................. 09

4 09
CONCLUSÃO ....................................................................................................................
10
5 REFERÊNCIA ..................................................................................................................

3
1 - INTRODUÇÃO

O Estado Democrático de Direito permite, de forma sistêmica, com seu arcabouço


legislativo, atividades governamentais para formulação e implementação das políticas de
controle social, apoiando-se na máxima imposta pela expressão de Democracia, ou seja, o
sistema político apoiado na soberania popular.

A Constituinte de 1988 delimitou obrigações aos Entes Federados no intuito de


otimizar e proporcionar a eficiência necessária a implementação de políticas públicas aos
munícipes, levando necessariamente a justiça social proposta pela Constituição Cidadã.
Assim, o Estado deve se obrigar, constitucionalmente e socialmente, junto à sociedade a
implantação de mecanismos necessários a dinamizar a transparência pública.

No entanto, a transparência por si só, não deve ser levado a cabo exclusivamente
visando a publicidade dos atos da Administração Pública, mas deve ir além desta
premissa, pois só prevalecerá, tal premissa, com a ampla participação do povo e da
conduta ética dos agentes da administração. Assim essa sociedade participativa não se
embasa na tradicional escolha dos governantes, mas deve instaurar uma legitimação
visando a condução dos atos públicos.

Nessa concepção constitucional, a sociedade participativa é um fator decisório para


a reforma do Estado e de suas instituições, legitima os valores sociais permanentemente
dentro de um campo organizacional, desta forma temos uma estruturação social formada
por indivíduos visando um fim específico dentro da coletividade e, no caso concreto, ora
sob análise, temos o necessário amadurecimento institucional das ouvidorias inseridas no
accountability da Administração Pública.

Assim, as formas de accountability vertical, mormente quanto ao controle de ações


governamentais e o accountability horizontal, mormente quanto ao controle exercido por
outras organizações no aparato do Estado, praticadas por O´Donnell (1998/1999) servirão
como suporte indispensável ao fortalecimento da democracia, resultando numa maior
eficiência da Administração Pública

Assim, um forte condutor à redemocratização, são as denominadas ouvidorias que


4
5 REFERÊNCIA

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil.

Estado, instituições e democracia: democracia / Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. –


Brasília: Ipea, 2010. v.2 (556 p.): gráfs., mapas, tabs. (Série Eixos Estratégicos do
Desenvolvimento Brasileiro ; Fortalecimento do Estado, das Instituições e da Democracia;
Livro 9)

Lyra, R. P (Org). Autônomas x obedientes: a ouvidoria pública em debate. Paraíba: Editora


Universitária da UFPB, 2004.

Você também pode gostar