Você está na página 1de 5

As Cartas do

Apocalipse
Olhe para o Horizonte
Igreja de Esmirna

Satanás atacou vigorosamente a igreja dos séculos II e III, cristãos


eram queimados vivos, eram atirados aos leões, eram martirizados no
Coliseu romano, por todo império romano. Mas todo esse esforço de
Satanás não conseguiu conter o avanço do cristianismo, a igreja prosperou.
Um dos antigos pais da igreja, Justino Mártir, declarou: “o sangue dos
mártires é a semente do evangelho.” Quanto mais as forças do mal
perseguiam a igreja, mais ela crescia. Cristo havia estabelecido a Sua igreja
e as portas do inferno não podiam prevalecer contra ela.
Na antiga Esmirna, o mercado era o centro da vida e as pessoas iam
até lá para discutir sobre política e temas religiosos... no alto do mercado
ficava as estátuas dos deuses romanos: Poseidon, Ártemis e Demétrio, cada
um deles possuía um papel fundamental na cultura pagã, que dominava os
cidadãos de Esmirna, que era parte integrante do Império Romano, e o
mesmo exigia fidelidade total ao seu imperador, o Imperador Domiciano
(81 – 96 d.C.), foi um dos imperadores mais tiranos que Esmirna já teve e
foi um dos que mais perseguia os cristãos, tentando aterrorizá-los e
subjugá-los.
Os seguidores de Jesus não participavam dos ritos de adoração ao
imperador, que era algo obrigatórios naquela época, então eles foram
acusados de serem desleais, de ameaçarem a lei e a ordem romana. Além
de terem as ameaças do imperador, os cristãos de Esmirna tinham outros
problemas; os grupos judeus que tinha na cidade se voltaram contra eles
com fanatismo religioso.
Em Apocalipse 2.9 Jesus afirma aos cristãos que Ele conhece e sabe
que estão passando por momentos difíceis, que estão sendo blasfemados
pelos fanáticos religiosos, que viraram a sinagoga de Satanás (os judeus),
Jesus sabia que eles estavam em perigo e no versículo 10 Ele fala para eles
não temerem. Mas como não ter medo em tais circunstâncias? Como eles
poderiam se manter firmes na fé? Como evitariam que o medo destruísse as
convicções que tinham, por mais firmes que fossem?
Jesus, o Grande Médico, não só disse “não temas”, sua receita
envolveu muito mais que isso, Suas palavras de cura foram mais
abrangentes. De acordo com o Seu concelho, é possível não ter medo; Jesus
pediu para que olhassem para além dos problemas, pois existe uma outra
batalha em andamento, uma guerra entre Deus e Satanás, e Jesus ressalta
que eles fazem parte desse grande drama. Suas tribulações não estavam
acontecendo por acaso, não era uma questão de estarem no lugar errado na
hora errada. Eles realmente corriam perigo por terem se posicionado a
favor do bem contra o mal, suas vidas testificavam da verdade e as forças
das trevas se enfureceram contra eles.
Por meio de uma simples declaração, Jesus convidou o Seu povo a
ter essa visão ampla, Ele os encorajou a olhar para além das circunstâncias
imediatas, ao invés disso, deveriam olhar para o horizonte, a verem como
estavam inseridos no grande drama. Isso fez com que tudo o que estavam
passando fizesse sentido, isso os ajudou a não temer.
No versículo 10, Jesus os avisa que por 10 dias o diabo os lançaria na
prisão, mas o que Ele queria dizer mesmo é que as tribulações têm um
limite, um prazo de validade; 10 dias ou 10 anos, elas não durarão para
sempre. Quando estamos passando por momentos difíceis, temos a
sensação de que vai durar para sempre, que essa situação não terá fim, não
conseguimos encontrar ou enxergar uma solução, sentimos apenas a dor, a
frustração. Por isso Jesus nos dá um conforto: “lembrem-se, os momentos
difíceis não durarão para sempre, Deus continua soberano, Deus impõe
limites.” Podemos estar no calor da batalha, mas temos a convicção de
quem irá vencer a guerra; por isso, esqueça a dor do presente e olhe para o
horizonte.
Sabe o que torna as provações tão dolorosas? A nossa imaginação.
Ficamos pensando em todas as coisas terríveis que podem acontecer e,
acabamos cheios de ansiedade. O cenário que formamos em nossa mente é
de modo geral, mais sombrio do que realmente é. Então´, o que Jesus quer
dizer é: “Ok, vamos pensar em um quadro mais sombrio, qual é a pior
coisa? O que poderia acontecer? Você poderia morrer e digamos que você
morra por minha causa, o resultado disso é que Eu lhe darei a coroa da
vida e receberá a vida eterna na minha segunda vinda”.
Os cristãos de Esmirna estavam passando por sofrimento, alguns
poderiam ser presos ou até morrer, mas eles poderiam olhar para além
daquele terrível contexto, eles podiam ver outro horizonte, até mesmo além
da morte. Eles tinham a garantia de Jesus que o vencedor não sofreria
nenhum mal referente a segunda morte (morte eterna), porque a única coisa
que precisavam temer é a eterna separação de Deus, é a única coisa que
pode nos derrotar. Com Cristo estamos seguros, até nas piores situações.
Jesus consegue nos dar a garantia da vida eterna por ser quem É e pelo que
fez. Ele venceu o reino da morte e segura firmemente a coroa da vida em
Suas mãos e ninguém pode tirá-la dEle.
Está é a Palavra de cura que chegou aos cristãos perseguidos de
Esmirna, e que serve para nós hoje, é uma palavra que nos faz atravessar as
adversidades, a qualquer tragédia que nos sobrevenha. Não precisa temer,
nem ficar paralisado com os momentos difíceis, só é preciso erguer os
olhos e olhar para o horizonte. Há uma explicação para o que está
acontecendo, pode não ser visível agora, mas olhe além disso e verá que
existe um sentido na visão ampla. Olhe para o horizonte, esta tribulação
não durará para sempre. Olhe para o horizonte mesmo que a situação seja a
pior para isso, Jesus tem em Suas mãos a coroa da vida esperando por você.
Essa é a prescrição do Grande Médico, ela funciona hoje em dia, pois ela
funcionou durante toda a história.
“Hoje eu agradeço-lhes por permitirem que eu compartilhe do
Cálice de Cristo e dos Mártires cujos corpos e almas ressurgirão na
eternidade do espírito. Aceite-me como um sacrifício vivo”. – Policarpo
(bispo de Esmirna)
Policarpo foi um discípulo do apostolo João e era o bispo da igreja,
foi preso pelos oficiais romanos em uma época em que os cristãos estavam
sendo presos e mortos, seus corpos eram esfolados por se negarem a adorar
a César. Mas Policarpo recebeu os oficiais de maneira tão serena que os
chocou, ele os convidou para jantar e lhes pediu uma hora para que pudesse
orar tranquilamente e depois desse tempo eles o levariam para o estádio
que ficava no centro da cidade. Uma grande multidão estava reunida e
comemorou quando Policarpo entrou e foi conduzido a uma pilha de
madeira, mas ele ainda teve uma oportunidade de negar a Jesus, mas ele
respondeu: “Há 86 anos eu sirvo a Cristo e Ele nunca me fez mal nenhum,
como posso agora blasfemar o Rei que me salvou?” E mesmo diante de
toda aquela multidão, com ameaças e afrontas ele dizia: “não tenho razão
para trocar o melhor pelo pior”. A multidão ficava surpresa com toda
confiança e alegria que Policarpo exalava, e segundo relatos, seu rosto
brilhava como a graça.
Policarpo não viu apenas pagãos cheios de ódio naquele estádio, não
via apenas as madeiras que estava prestes a incendiá-lo, ele olhou para
além do horizonte. As palavras que João o havia transmitido dava a ele
segurança, fortalecendo-o naquele terrível e glorioso dia em Esmirna. A
multidão o sentenciou a morte (queimado vivo) quando souberam que ele
não havia renunciado e depois que os soldados o prepararam para a morte,
Policarpo fez uma oração de agradecimento a Deus pela honra que teve de
testemunhar da Sua fé. E mesmo estando em chamas continuou falando a
cerca do Reino e da vida eterna.
Deus pode nos dar esse tipo de confiança, só Ele pode nos ajudar a
olhar além das chamas ameaçadoras, nos manter fortes até o fim.

Esmirna
Hoje chamada de Izmir, na Turquia, Esmirna era um importante
porto da Ásia Menor e era famosa por ser a cidade natal de Homero, o
autor grego da Ilíada (poema de Ílion, em torra de um episódio ocorrido
durante o sítio de 10 anos que os gregos fizeram) e da Odisseia (história
das aventuras de Ulisses, durante 10 anos, depois que deixou Tróia até
chegar ao lar). Ali havia um templo dedicado ao Imperador Tibério, em
troca de favores políticos. Policarpo, um dos discípulos do apostolo João,
era bispo de Esmirna e foi martirizado no ano de 155.
Alguns dos principais pontos de Esmirna:
1. Apresentação de Jesus a Esmirna: Cristo eterno, que tornou a
viver – essa fala de Jesus é também como um “freio” para
alguns cristãos que queriam dar sua vida para “ganhar nome”.
2. Sinagogas de Satanás (sinagogas eram/são lugares que os
judeus iam/vão para meditar na palavra) – Jesus se refere aos
judeus de Esmirna de sinagogas de Satanás porque eles eram
judeus em termos conceituais (origem), mas não tinham obras
dos judeus, eles se associaram aos romanos.
3. Incentivo a Esmirna: Suportar a perseguição e as prisões – o
período de 10 dias é para dizer que eles passariam por um
tempo de opressão, mas que teria fim. Teoricamente seria
como se eles estivessem tendo uma “oportunidade” de negar a
Cristo.
4. Promessa a Esmirna: coroa da vida e vitória sobre a segunda
morte – não sofreriam o dano da morte eterna.

Você também pode gostar