Você está na página 1de 30

PHD03131 - Hidráulica

Prof. Miguel Gukovas


Prof. Marco Antonio Palermo

Andrew Leal | 10266722


Dante Ikeda | 10751532
Juliana Lins | 10751702
Lucas Karmann | 4563698
Pedro Ferreira | 8044438

PROJETO HIDRÁULICO
EDIFÍCIO RESIDENCIAL CLARICE
ÍNDICE 
 
1. Etapa 1 ……………………………………………………………………………………………………….……………………………………….…………………………​1 
2. Etapa 2 ………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………….… ​2 | 3 
3. Etapa 3 ……………………………………………………………………………………………………………………………………………………….…………… ​4 | 8 
4. Etapa 4 ……………………………………………………………………………………………………………………………………………………………...…… ​9 | 12 
5. Etapa 5 …………………………………………………………………………………………………………………………………….…………………………… ​13 | 19 
6. Etapa 6 ………………………………………………………………………………………………………………………………………………………………… ​20 | 22 
7. Tabelas peças gráficas ………………………………………………….…………………………….……………………………………… ​23 | 27 
8. Referências bibliográficas……………………………………………………………………………………………….……………...……… ​28  
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
1. Etapa 1  

O  Edifício  Clarice  se  localiza  na  rua Orense, em Diadema, São Paulo. Este edifício, 


de  alvenaria  estrutural  de  concreto,  conta  com  4  pavimentos  e  uma  área  construída  de 
250m².  Estamos  excluindo  desta  conta  um  último  pavimento,  relacionado  aos 
reservatórios.  

Fonte: Ferramenta Earth View do Google Maps 

O  primeiro  pavimento térreo conta com dimensões 25,00 m x 10 m x 3,60 m. Nele 
estão  localizados  a  garagem,  a  portaria,  o  reservatório  de  água  inferior  e  também  um 
jardim.  

Do  segundo  ao  quarto  pavimento  podemos  encontrar  os  apartamentos.  As 
dimensões  de  cada  andar  são  15,  60  m  x  10  m  x  2,75  m,  na  qual  temos  dois 
apartamentos.  Cada  apartamento  conta  com  dois  dormitórios,  sala,  cozinha,  área  de 
serviço,  banheiro  completo,  banheiro  tipo  lavabo e varanda, totalizando uma área útil de 
55m².  

Por  fim,  o  último  pavimento,  ou  a  cobertura, possui dimensões de 14,85 m x 10 m 


x  2,75  m.  Ela  é  composta  por  uma  churrasqueira,  por  uma  lavanderia  coletiva,  por  um 
banheiro de funcionários e por um jardim. 

1
2. Etapa 2 

2.1​.Cálculo da População   

A partir da análise das plantas, observou-se a presença de 2 apartamentos por 


andar, cada unidade com 2 quartos. Considerando que o prédio possui 3 andares de 
apartamentos, o cálculo populacional é: 

 
População = 3 andares x 2 apartamentos/andar x 2 quartos/apartamento x 2 
pessoas/quarto = 24 pessoas 

 
 
Item  Quantidade  Índice  Tipo  Habitantes  Total  Total 
por índice  Unidade  edifício 

Apartamento  6 (3and x 2  2  Dormitório  2  4  24 


u)  social 

2.2 ​.Consumo diário 

Considerando  o  consumo  diário  para  apartamentos  de  150  litros/pessoa, 


obtem-se: 

 
24 pessoas x 200 litros/pessoa/dia = 4.800 litros/dia 

2.3.​ Diâmetro do alimentador predial: 

O  dimensionamento  do  alimentador  predial  pode  ser  obtido  pela  fórmula  que  o 
coloca  em  função  do  consumo  diário  (CD)  e  da  velocidade  máxima  obtida  no 
alimentador (1 m/s): 

D​ap​ ​= 1000 √ 4. CD/ π. V​ap


 

Onde:  

D​​ap​ - Diâmetro do alimentador predial 

CD - Consumo diário 

V​​ap ​- Velocidade do alimentador predial (1 m/s)  

2
Realizando os cálculos, o alimentador predial tem 7,28 mm.​​ Seguindo os 
diâmetros comerciais, o aproximamos para 15 mm​​. 

2.4.​ Reservação:  

Reservatório  l/hab/dia  Habitantes  Consumo Diário 

Consumo diário (CD)  200  24  4.800  

Reserva Incêndio (RI)  20% CD  -  960 

Total (litros)      5760 

  Volume do  Capacidade  Ajustado  


reservatório 

Inferior (litros)  60% CD   2880   3000 

Superior (litros)  40% CD + RI  1920 + 960 = 2880  3000 

3
3. Etapa 3 

planta esquemática do abastecimento de água fria 

4
 

corte esquemático do abastecimento de água fria, laranja 


está relacionado ao sistema de proteção contra incêndios 

   

5
 

isométrica esquemática do abastecimento de água fria no banheiro (todas as tubulações 


possuem 20mm de diâmetro) 

     

3.1​ Sistema de recalque: 

O diâmetro comercial de recalque é calculado por meio da fórmula:  

Dr​=​k​√​Qr​.√​4 ​X, ​onde ​k​=0,9 

Adicionando uma folga de 15% ao consumo diário anteriormente calculado de 4,8 


m3, chegamos ao total de 5,52 m3, dessa maneira: 

Qr =​ 5, 52/6 

Qr =​ 0, 92 m3/h ​Qr ​= 0, 00025 m3/s  

Dr ​= 0,9 . ​√​0,00025 . ​√​4 ​0,25 ​Dr ​= 0, 0102 ​m 

Dr ​= 10, 2 ​mm  

6
Assim, o diâmetro comercial de recalque é 16mm e o de sucção é 20mm. 
 

3.2​ Dimensionamento 

Para  o  dimensionamento  das  instalações  de  água  fria,  utilizamos  incialmente  o 


método de Hunter: 

Q = 0,3. ​√ΣP  

O  ábaco  e  utilizado  como  referência  para  a  obtenção  dos  diâmetros  das 


tubulações de acordo com a vazão total e peso da água que passa por tais.  

Pensando  no  banheiro,  temos  pesos  de  0,3  para  o  lavatório  e  a  bacia  sanitária  e 
peso de 0,4 para o chuveiro. Assim todas as tubulações possuem 20mm.  

Considerando  o  uso  simultâneo  de  um  chuveiro,  uma  bacia  sanitária  com  caixa 
de  descarga,  uma  pia  de  cozinha  e  uma  máquina  de  lavar  (0,4+0,3+0,7+1,0)  foi  possível 
encontrar  o  valor  do  peso  de  um  apartamento  (  2,4),  que  necessitaria  de  um  ramal 
predial de 25mm.  

Cada  uma  das  duas colunas de alimentação é calculada pela soma dos pesos de 


todos os equipamentos de uso provável, que para o primeiro andar é 2,4, para o segundo 
é  4,8  e  para  o  terceiro  andar  é  7,2.  Dessa  forma,  o  diâmetro  da  coluna  seria  variável, 
sendo de 32mm do terceiro ao segundo andar e de 25mm do segundo ao térreo.  

7
3.3​ Quantitativo de peças  

Item  Diâmetro (mm)  Quantidade 

Joelho 90​°   20  7 un 

T90​° saída bilateral  20  2 un 

Registro globo  20  2 un 

Tubulação de PVC  20  6,5m 


 

8
4. Etapa 4 

De acordo com a NBR-8160/99 o projeto define os elementos necessários para o 
escoamento  e  tratamento  dos  esgotos sanitários, tanto nas tubulações primárias quanto 
nas secundárias. 

a) Os tubos com diâmetro igual ou superior a Ø100mm, terão inclinação de 1%. 

b) Os tubos com diâmetro igual ou inferior a Ø 75mm, terão inclinação de 2%. 

O  local  é  atendido  pelo  sistema  de  coleta  de  esgotos  da  SABESP,  e  fica 
dispensado do sistema de tratamento do tipo Fossa / Filtro. 

4.1​ Dimensionamento da caixa de gordura: 

V = (2 x Z) + 20 

Onde: 

V = Volume em litros. 

Z = Número de contribuintes. 

V = (2 x 24) + 20 

V = 68 Litros 

Conexão  de  resina  de  PVC,  do  tipo  ponta  e  bolsa,  destinado  a  execução  de 
instalações  prediais  das  águas  de  esgoto  sanitário  com  funcionamento  pela  ação  da 
gravidade  e  na  temperatura  ambiente.  As  conexões  com  diâmetros  nominais  de  50 
milímetros  e  maiores  serão  do tipo junta elástica com ponta lisa e bolsa com alojamento 
para anel de borracha. 

Os  tampões  serão  do  tipo  articulado  em  ferro  fundido  e  apresentarão 
fechamento  hermético.  Já  o  ralo  será  do  tipo  Ralo  Sifonado  em PVC com porta grelha e 
grelha de PVC;  

4.2​ Cálculo das Unidades Hunter de Contribuição por apartamentos: 

. Tanque de Lavar roupas / 3UHC / 40mm 

. Máquina de Lavar Roupas / 3UHC/ 50 mm 

. Pia de Cozinha Residencial / 3 UHC / 50 mm 

9
. Bacia Sanitária / 6UHC/ 100 mm 

. Lavatório residencial / 1UHC/ 40 mm 

Soma: 16 UHC 

16 UHC x 3 pav = 48 UHC P/ Apartamentos 

. Bacia sanitária / 6UHC/ 100 mm 

. Lavatório / 2UHC/ 40 mm 

. 2 Tanques de lavar roupas / 3UHC / 40 mm 

. Pia churrasco / 3UHC/ 50 mm 

SOMA: 14 UHC P/ Área Comum 

SOMA TOTAL: TERRAÇO + APARTAMENTOS 

48 UHC + 14 UHC = 62 UHC 

4.3​ Ramais de esgoto: 

Área de serviço: 40 mm 

Cozinha: 40 mm 

Banheiro: 75 mm 

4.4​ Dimensionamento dos Tubos de queda : 

3  tubos de queda. Um para a Área de serviços (espuma), outro para a cozinha (gordura) e 
um para o banheiro.  

Cada um com o dimensionamento de 40 mm. 

4.5​ Dimensionamento dos Coletores e subcoletores :  

MAIOR UHC = Banheiro (6UHC). 

6 x 4 = 24 - i = 1% > 100 mm 

10
 

Diâmetro da coluna de ventilação de 18 a 60 UHC, com bacia sanitária = 75 mm 

Comprimento máximo permitido para a coluna de ventilação = 61 m 

Planta do esgotamento. Sem escala. 

11
 

Corte esquemático do esgotamento. Sem escala 

 
Considerando a presença de 6 apartamentos, optou-se pela utilização de uma 
caixa de gordura dupla, conforme tabela abaixo: 
 

 
 
 
 

12
5. Etapa 5 
 
Dimensionamento do sistema de captação e condução de águas pluviais. 
   
Para  o  cálculo  inicial  da  vazão,  consideram-se  as  áreas  da  cobertura  e  do  térreo 
expostas à precipitação da chuva (áreas de contribuição). 
 

 
 
planta da área de contribuição da cobertura 
 

 
 
planta da área de contribuição do térreo 
 
 
A  área  total  da  área  de  contribuição  da  cobertura  é  de  aproximadamente 
108,9​m2​​ ,  enquanto  a  do  pavimento  térreo  é  de  123,2m​2  (sendo 20m​2 de jardim e 103,2m​2 
pavimentados). 
 
Para o dimensionamento da vazão, utilizou-se da fórmula  

13
 
Q = (i * A * C)/60 
 
Sendo  Q  =  vazão,  i  =  intensidade  pluviométrica  e  A  =  área  de  contribuição,  e  C  o 
coeficiente de absorção superficial. 
 
Admitiram-se  para  o  valor  da  intensidade  pluviométrica  os  valores  extraídos  da 
tabela a seguir, correspondentes a São Paulo. 
 
 

 
 
 
5.1 ​Cobertura 
 
Uma  vez  que  o  escoamento  das  águas  da  cobertura  se  dá  sobre  lajes 
impermeáveis, admite-se para o coeficiente de absorção superficial o valor de 1. 
 
Levando  em  consideração  que  o  objeto  de  projeto  é  a  cobertura  de  um  edifício, 
toma-se  por  parâmetro  para  a  adoção  dos  valores  da  intensidade  pluviométrica  o 
período de retorno de 5 anos. Assim, tem-se que ​i​ equivale a 172mm/h. 
 
Considerando a área da cobertura de 108,9​m2​​ , tem-se: 
 
Q = (172 * 108,9)/60  
 
Q = 312,18 l/min 
 

14
5.2 ​Térreo 
 
Para  o  cômputo  da  área  de  contribuição  do  pavimento  térreo,  foram 
consideradas  as  áreas  das  paredes  externas  do  edifício,  assim  como  as  paredes 
componentes do vão central, somando-se assim: 
 
- área do jardim: ​20m​2  
- área pavimentada: 103,2m​2  
- área das paredes do edifício: 638,7​m2​​ . Para o cálculo, o valor da área é dividido 
por 2, considerando-se 319,35m​2​.  
 

 
 
Da  tabela  acima,  extrai-se  o  valor  de  0,2  para  o  coeficiente  de  absorção  do 
jardim, enquanto as demais áreas, impermeabilizadas, correspondem a um coeficiente 1. 
 
Sendo  uma  área  externa  e  onde  empoçamentos  podem  ser  tolerados,  tem-se 
um período de retorno de 1 ano. Daí, tira-se a intensidade pluviométrica de 122mm/h. 
 
Qjardim = (122 * 20 * 0,2)/60 = 8.13l/min 
 
Qpavimentado = [122 * (103,2 + 319,35) * 1]/60 = 859,185l/min 
 
Assim, a vazão total do pavimento térreo é de 867.315l/min. 
 
 
 
 
 

15
5.3 ​Posicionamento e dimensionamento dos condutores verticais e horizontais 
 
 

 
 
Condutores de água pluvial - térreo 
 
 

 
 
Condutores de água pluvial - cobertura 
 

16
 
 
 
Condutores de água pluvial - caixa d`água 
 
 
 

 
 
 
Condutores de águas pluviais - corte 
 

17
Para o dimensionamento dos condutores verticais e horizontais, fez-se uso das 
tabelas passadas em aula, a seguir: 
 
 

 
 
 
Tabela para o dimensionamento de condutores horizontais 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Tabela para o dimensionamento de condutores verticais 
 

18
 
 
 
Tabela para o dimensionamento para calhas 
 
 
 
Como  a  vazão  na  cobertura  é  de  312,18l/min,  o  diâmetro  das  calhas deve ser de 
125mm  e  com  declividade  de  1%, e dutos horizontais de 125mm e declividade de 0,5%. O 
diâmetro dos condutores verticais deve ser de 75mm.  
 
No  térreo,  uma  vez  que  os  condutores  são  responsáveis  pelo  escoamento  tanto 
da  água  pluvial  proveniente  da  cobertura  quanto  da  pavimento  térreo,  a  vazão  a  ser 
considerada  para  cálculo  deve  ser  equivalente  à  soma  das  vazões  do  térreo  e  da 
cobertura,  ou  seja,  1179,5l/min.  Assim,  o  diâmetro  dos  condutos  do  pavimento  térreo 
deve ser de 200mm, com 1% de declividade. Os ralos devem ser de 20cmX20cm.  
 
Deve  ser  posicionada  uma  caixa  e  inspeção  no  encontro  de  duas  tubulações, 
assim  como  antes  da  saída  da  tubulação  de  água  pluvial  para  a  rede  de  coleta pública. 
Ao todo, devem ser instaladas 5 caixas de inspeção. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

19
6. Etapa 6 
 
Dimensionamento do sistema de abastecimento de água quente por aquecimento solar.  

Lei  de  aquecimento  solar  –  03/07/07  -  Lei  n°  14.459:  dispõe  sobre  a  instalação  de 
sistema  de  aquecimento  de  água  por  energia  solar  em  edificações  residenciais  e  não 
residenciais  do  Município  de  São  Paulo.  Nas  novas  edificações  destinadas  ao  uso 
residencial,  que  tenham  um  número  de  banheiros  igual  ou  superior  a  4  (quatro)  por 
unidade  habitacional  deverá  ser  instalado  o  sistema  de  aquecimento  solar  completo. 
Nas  novas  edificações  destinadas  ao  uso  residencial  que  possuam  até  3  banheiros  por 
unidade  habitacional,  deverá  ser  executada  toda  a  infraestrutura  (prumadas,  respectiva 
rede  de  distribuição  e  suporte  estrutural  adequado)  que  permita  a  instalação  do 
reservatório térmico e das placas coletoras de energia solar. 

As  instalações  hidráulicas e os equipamentos de aquecimento de água por energia solar 


deverão ser dimensionados para atender, no mínimo, a 40% de toda a demanda anual de 
energia  necessária  para  o  aquecimento  de  água  sanitária  e  água  de piscinas, de acordo 
com  a  Metodologia  de  Avaliação  da  Contribuição  Solar  constante  do  Anexo  Único  do 
Decreto n° 49.148 (2008), atendendo às Normas Técnicas Oficiais. 

Para  o  sistema  de  aquecimento  solar,  tomamos  como  referência  a  seguinte  estimativa 
(CARVALHO JÚNIOR, Roberto de. Instalações Hidráulicas e o projeto de arquitetura. 4 ed. 
São Paulo: Blucher, 2011. p. 91): 

Consumo de água quente: 100L/pessoa: 2400L de volume do reservatório  

1 m² de área coletora para cada 50 L de água aquecida: 48m² de área de placa  

Adotamos  coletores  solares  da  marca  SOLETROL:  2050  x  1030  (mm).  Sendo  assim 
necessário ​23 placas coletoras​.  

A inclinação° foi adotada segundo esta tabela, para a cidade de São Paulo: 

20
 
As  placas  estão  na  inclinação  de  30°  para  a  face  Nordeste.  A  posição  ideal  das  placas 
seria  para  a  face  Norte,  mas  devido  à  falta  de  espaço,  decidiu-se  por  orientá-las  dessa 
maneira.  
 
 
 

 
 
 
Esquema do sistema de aquecimento solar de água na cobertura (sem escala) 
 

21
 
 
 

Corte esquemático do abastecimento de águas com sistema de aquecimento solar 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

22
7. Tabelas e peças gráficas: 
 
 
Quadro de peças (Quantitativo e custo de materiais): 
 
 
Item  Quantidade  Preço total ​R$  Fonte 

Caixa d’água 3000 L  2  3.700  www.copafer.com.br 

Água Fria 

Tubo de PVC 16 mm  1m  -  NÃO ENCONTRADO 


(deve ser substituído pelo 
de 20 mm) 

Tubo de PVC 20 mm  96m  1.161,6O  www.copafer.com.br 

Tubo de PVC 25 mm  6m  12,30  www.cec.com.br 

Tubo de PVC 32 mm  6m  12,70  www.cec.com.br 

Joelho 90​° 20 mm  36  0,75  www.copafer.com.br 

T​90​° saída bilateral 20 mm  22  1,70  www.cec.com.br 

Registro Globo 20 mm  24  63,57  www.copafer.com.br 

Água Quente 

Coletor  solar  da  marca  23  13.000,00  www.soletrol.com.br 


SOLETROL:​: 2050 x 1030 (mm). 

Reservatório  para  Aquecedor  1  8.000,00  www.solaresol.com.br 


Solar 2500 Litros Inox 

Tubo de ferro 20mm  42m  1.700,00  www.leroymerlin.com.br 

Tubo de ferro de 25 mm  6m  300,00  www.leroymerlin.com.br 

Esgotamento 

Tubo de PVC 40 mm  50,32 m  494,10  https://www.obramax.co


m.br/ 

Tubo de PVC 50 mm  25,6 m  221,70  https://www.obramax.co


m.br/ 

Tubo de PVC 75 mm  65,02 m  519,60  www.copafer.com.br 

23
Tubo de PVC 100 mm  21,26 m  159,10  www.copafer.com.br 

Joelho 90° PVC 40 mm  12  34,80  https://www.obramax.co


m.br/ 

Joelho 45° PVC 40mm  12  94,80  https://www.copafer.co


m.br/ 

T 90° PVC 40 mm  12  122,04  https://www.copafer.co


m.br/ 

Sifão PVC 40 mm  12  183,00  https://www.copafer.co


m.br/ 

Joelho 45° PVC 100 mm  12  68,28  https://www.obramax.co


m.br/ 

T 45° PVC 100 mm  12  94,80  https://www.obramax.co


m.br/ 

Caixa Sifonada  24  302,88  https://www.copafer.co


m.br/ 

Águas Pluviais 

calhas 125mm  5,4m  236,94  www.copafer.com.br 

ralos 20cmX20cm  10  115,90  https://www.leroymerlin.


com.br/ 

condutos   65,5m  2321,00  www.copafer.com.br 


verticais 75mm 

condutos  52,71m  3220,56  www.copafer.com.br 


horizontais 200mm 

condutores   5m  165,00  www.copafer.com.br 


horizontais 125mm 

caixa de passagem  5  313,30  www.copafer.com.br 

Total     R$​36.600,30    

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

24
 
 

 
 
 
isométrica representando as redes de água quente e fria 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

25
 
 
 
 
Planta-tipo com traçados da rede de água potável, quente e fria, esgoto e águas 
pluviais 
 

26
 

 
 
 
planta do pavimento térreo com sistema de águas pluviais e esgotamento 
 
 
 

27
8. Referências bibliográficas 
 

ABNT.​ ​NBR no 5626 NB 92, setembro de 1998​.​ Instalações Prediais de Água Fria. Brasil, 
1998.  

ABNT.​ NBR no 15569:2008, de 18 de março de 2008. Sistema de aquecimento solar de 


água em circuito direto - Projeto e instalação. Brasil, 2008. 

ABNT.​ ​NBR no 8160 NB 19, de setembro de 1999. ​Sistemas Prediais de Esgotos 


Sanitários Projeto e Execução. Brasil, 1999. 
 
ABNT.​ ​NBR no 10844 NB 611, setembro de 1989. I​ nstalações Prediais de Águas Pluviais. 
Brasil, 1989.  
 
 
 
 
 
 

28

Você também pode gostar