Você está na página 1de 355

CLÁUDIO VAZ TORRES / ELAINE RABELO NEIVA

E COLABORADORES

PSICOLOGIA SOCIAL
PRINCIPAIS TEMAS E VERTENTES
INDEX BOOKS GROUPS

P676 Psicologia social [recurso eletrônico] : principais temas e


vertentes / Cláudio Vaz Torres, Elaine Rabelo Neiva
[organizadores]. – Dados eletrônicos. – Porto Alegre :
Artmed, 2011.

Editado também como livro impresso em 2011.


ISBN 978-85-363-2652-8

1. Psicologia social. I. Torres, Cláudio Vaz. II. Neiva, Elaine


Rabelo.

CDU 316.6

Catalogação na publicação: Ana Paula M. Magnus – CRB 10/2052

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

PSICOLOGIA SOCIAL
PRINCIPAIS TEMAS E VERTENTES

CLÁUDIO VAZ TORRES / ELAINE RABELO NEIVA


E COLABORADORES

Versão impressa
desta obra: 2011

2011

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

© Artmed Editora S.A., 2011

Capa
Tatiana Sperhacke
Ilustração da capa
©iStockphoto.com/Ace_Create
Preparação do original
Elisângela Rosa dos Santos
Editora Sênior – Ciências humanas
Mônica Ballejo Canto
Projeto e editoração
Armazém Digital® Editoração Eletrônica – Roberto Carlos Moreira Vieira

Reservados todos os direitos de publicação, em língua portuguesa, à


ARTMED® EDITORA S.A.
Av. Jerônimo de Ornelas, 670 - Santana
90040-340 Porto Alegre RS
Fone (51) 3027-7000 Fax (51) 3027-7070

É proibida a duplicação ou reprodução deste volume, no todo ou em parte,


sob quaisquer formas ou por quaisquer meios (eletrônico, mecânico, gravação,
fotocópia, distribuição na Web e outros), sem permissão expressa da Editora.

SÃO PAULO
Av. Embaixador Macedo Soares, 10.735 - Pavilhão 5 - Cond. Espace Center
Vila Anastácio 05095-035 São Paulo SP
Fone (11) 3665-1100 Fax (11) 3667-1333

SAC 0800 703-3444

IMPRESSO NO BRASIL
PRINTED IN BRAZIL

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Autores

Cláudio Vaz Torres (org.). Ph.D. em Psicologia pela California School of Professional Psychology,
San Diego, Califórnia, EUA. Pós­‑doutorado em Marketing pela Griffith University, Austrália. Pós­
‑doutorado em Pesquisa e Psicologia Transcultural pela University of Sussex, Inglaterra. Professor
do Departamento de Psicologia Social e do Trabalho do Instituto de Psicologia na Universidade
de Brasília, onde também atua como professor do Programa de Pós­‑Graduação em Administra‑
ção. Um dos fundadores do grupo de estudo e pesquisa em comportamento de consumo da
Universidade de Brasília – Consuma/UnB. É membro e contribui ativamente com a International
Association for Cross­‑cultural Psychology, International Academy for Intercultural Research, The
American Psychological Association (Divisão 52) e Sociedade Interamericana de Psicologia.
Elaine Rabelo Neiva (org.). Doutora em Psicologia pela Universidade de Brasília. Professora do
Departamento de Administração da Universidade de Brasília. Atua no Programa de Pós­‑graduação
em Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações – PSTO. Fundadora do grupo de Pesquisa
Inovare da Universidade de Brasília. É membro da International Association of Applied Psychology
(Divisão 1) e da Sociedade Interamericana de Psicologia.

Amália Raquel Perez­‑Nebra. Psicóloga e Dou‑ Psicologia pela Universidade de Brasília.Bacha‑


tora em Psicologia Social, do Trabalho e das rel em Psicologia e Psicóloga pela Universida‑
Organizações pela Universidade de Brasília. de Federal de São Carlos. Tem experiência do‑
Estágio doutoral na Universidad Autónoma de cente em cursos de graduação em Psicologia
Madrid. Professora do Centro Universitário de e Administração de Empresas. Pesquisadora
Brasília – UniCEUB. Fundadora e coordenadora e consultora em Psicologia do Trabalho e das
do Grupo Consuma – Grupo de Estudo e Pes‑ Organizações, incluindo tópicos relacionados
quisa em Comportamento do Consumidor.  a Administração de Empresas.

Amanda Zauli. Graduada em Desenho Indus‑ Ana Lúcia Galinkin. Pós­‑Doutora em Psicologia
trial pela Escola Superior de Desenho Indus‑ Social pela Universidade René Descartes, Paris,
França. Doutora em Sociologia pela Universi‑
trial – ESDI, da UERJ. Atuou como tutora de
dade de São Paulo. Mestre em Antropologia
cursos de graduação e de pós­‑graduação em
Social pela Universidade de Brasília. Psicóloga
educação a distância no Centro de Educação a
pela Universidade Federal de Minas Gerais.
Distância da Universidade de Brasília – CEAD/
Professora Associada II no Programa de Pós­
UnB. Especialista em Desenvolvimento Ge‑
‑Graduação em Psicologia Social do Trabalho e
rencial. Mestre em Gestão Social e Trabalho. das Organizações, Universidade de Brasília.
Doutoranda em Psicologia Social, do Trabalho
e das Organizações (PSTO) na Universidade de Angela Maria de Oliveira Almeida. Psicóloga
Brasília. pe­la Universidade de São Paulo. Mestre em Psi‑
cologia da Educação, pela PUC/SP. Mestre em
Ariane Agnes Corradi. Doutoranda no Interna‑ Psicologia do Desenvolvimento pela Univer­sité
tional Institute of Social Studies, Universidade Catholique de Louvain. Doutorado em Psicolo‑
Erasmus Rotterdam, Países Baixos. Mestre em gia pela Université Catholique de Louvain. Pro‑

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

vi Autores

fessora Associada I da Universidade de Brasí‑ Hugo Rodrigues. Psicólogo pela Universidade


lia. Coordenadora do Laboratório de Psicologia de Brasília (bacharelado e licenciatura). Mestre
Social do Desenvolvimento. Diretora do Centro em Psicologia Social, Organizacional e do Tra‑
Internacional de Pesquisa em Representações balho. Dou­torando pela mesma instituição.
e Psicologia Sociais.
Jaqueline Gomes de Jesus. Doutora em Psico‑
Áurea de Fátima Oliveira. Professora do Insti‑ logia Social, do Trabalho e das Organizações
tuto de Psicologia da Universidade Federal de pela Universidade de Brasília. Professora em
Uberlândia. Doutora em Psicologia pela Uni‑ diferentes instituições de ensino superior e in‑
versidade de Brasília (UnB). Leciona nos cursos tegrante do Conselho Nacional de Combate à
de graduação em Psicologia e Administração, Discriminação, vinculado à Presidência da Re‑
e pós­‑graduação lato sensu e strito sensu. pública. Assessora Técnica da Secretaria Na‑
cional de Políticas sobre Drogas.
Bartholomeu T. Tróccoli. Possui Licenciatura
em Psicologia pelo Instituto Paraibanos de Edu‑ José Augusto Dela Coleta. Psicólogo pela Uni‑
cação. Psicólogo pelo Instituto Paraibanos de versidade de São Paulo, Ribeirão Preto. Doutor
Educação. Mestre em Psicologia Social pela em Psicologia pela Fundação Getúlio Vargas,
Universidade Federal da Paraíba. Mestre e Rio de Janeiro. Foi professor da Universidade
Doutor em Personality and Social Psychology Federal Fluminense e aposentou­‑se como Pro‑
pela University of Wisconsin, Madison. Profes‑ fessor Titular da Universidade Federal de Uber‑
sor Associado I da Universidade de Brasília. lândia. Professor em cursos e programas de
Coordenador do Laboratório de Pesquisa em graduação, Mestrado e Doutorado nas áreas de
Avaliação e Medida – LabPAM da UnB. Psicologia, Educação, Administração e Enfer‑
magem ministrando as disciplinas relacionadas
Carlos Eduardo Pimentel. Psicólogo. Mestre em à Psicologia Social, Psicologia Organizacional e
Psicologia Social pela Universidade Federal da do Trabalho, metodologia de investigação cien‑
Paraíba. Doutorando em Psicologia Social, do tífica. Professor na Universidade de Uberaba no
Trabalho e das Organizações na Universidade campus de Uberlândia, MG.
de Brasília. Bolsista do CNPq.
Maria Cristina Ferreira. Doutora em Psicologia
Christin­‑Melanie Vauclair. Professor na Univer‑ pela Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro.
sity of Kent, Canterbury, Inglaterra. Doutor pelo Pós­‑Doutora em Psicologia Transcultural pela
Centre for Applied Cross­‑Cultural Research, Vic‑ Victoria University of Wellington, Nova Zelân‑
toria University of Wellington, Nova Zelândia. dia. Professora Titular da Universidade Sal‑
Recebeu o prêmio German Study Award, Ham‑ gado de Oliveira. Coordenadora do Mestrado
burger Koerber Stiftung, por seu trabalho no em Psicologia dessa instituição. É membro e
desenvolvimento de treinamento para gerentes contribui ativamente com a International As‑
alemães que trabalham no Brasil. sociation for Cross­‑cultural Psychology, The
American Psychological Association e com a
Hartmut Günther. Estudou psicologia nas uni‑
Sociedade Interamericana de Psicologia.
versidades de Hamburg, Alemanha (1966­‑67) e
de Marburg, Alemanha. Psicólogo pelo Albion Maria de Fátima de Souza Santos. Psicólo‑
College, Michigan, EUA. Mestre em Psicologia ga pela Universidade Federal de Pernambu‑
Experimental (AEC) pela Western Michigan co. Doutora em Psicologia pela Université de
University. Doutor em Psicologia Social pela Toulouse le Mirail. Professora Associada II da
University of California at Davis. Professor Ti‑ Universidade Federal de Pernambuco, no De‑
tular na Universidade de Brasília.  partamento de Psicologia e da Pós­‑Graduação
em Psicologia.
Helga Cristina Hedler. Doutora em Psicologia
Social, do Trabalho e das Organizações pelo Marilia Ferreira Dela Coleta. Psicóloga pela
Instituto de Psicologia da Universidade de Universidade Federal Fluminense. Mestre pela
Brasília. Professora na Universidade Católica Universidade de Brasília. Doutora em Psicolo‑
de Brasília – UCB, no Curso de Mestrado em gia pela Universidade de Brasília. Professora do
Gestão do Conhecimento e da Tecnologia da Instituto de Psicologia da Universidade Federal
Informação. Professora convidada do Curso de Uberlândia, onde atua no programa de Pós­
de Especialização em Gestão da Qualidade do ‑graduação em Psicologia e no curso de gra‑
Instituto de Educação Superior de Brasília. duação em Psicologia. Membro Associado Ple‑

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Autores vii

no da Sociedade Brasileira de Psicologia, tendo Sinésio Gomide Júnior. Psicólogo. Mestre e


assumido cargo na Diretoria em duas gestões. Doutor em Psicologia pela Universidade de
Brasília. Professor Associado na Universidade
Mirlene Maria Matias Siqueira. Psicóloga pela Federal de Uberlândia.
Universidade de Brasília. Mestre em Psicologia
pela Universidade de Brasília. Doutora em Psico‑ Solange Alfinito. Doutora em Psicologia So‑
logia pela Universidade de Brasília. Pós­‑doutora cial, do Trabalho e das Organizações pela Uni‑
como docente visitante em 2010 na Universida‑ versidade de Brasília. Mestre em Economia de
de de Coimbra. Mestre em Psicologia Organi‑ Empresas pela Universidade Católica de Brasí‑
zacional e do Trabalho (WOP­‑P) do Programa lia. Professora no Departamento de Adminis‑
Erasmus Mundus. Presidente da Comissão Or‑ tração da UnB, onde também atua como pro‑
ganizadora do IV CBPOT. Professora Titular na fessora do Programa de Pós­‑Graduação em
Universidade Metodista de São Paulo. Administração. Membro do grupo de estudo e
pesquisa em comportamento do consumidor
Onofre Rodrigues de Miranda. Administrador da Universidade de Brasília – Consuma/UnB.
de Empresas pela Universidade de Brasília.
Taciano L. Milfont. Mestre em Psicologia Social
Especialista em Gestão e Desenvolvimento
pela Universidade Federal da Paraíba. Ph.D. em
da Educação Profissional pelo SENAC e UnB.
Psicologia Social e Ambiental pela University
Mestre em Psicologia Social e das Organiza‑
of Auckland, Nova Zelândia. Professor (Senior
ções pela UnB. Doutor em Psicologia Social,
Lecturer) na Victoria University of Wellington,
do Trabalho e das Organizações pela UnB. Pro‑
Nova Zelândia, onde também atua no Centre
fessor Titular do Curso de Administração Geral
for Applied Cross­‑Cultural Research. Já rece‑
e MBA em Gestão Estratégica da Faculdade
beu prêmios internacionais por suas pesquisas
Cambury.
e desde 2010 faz parte do corpo editorial do
Patrícia Nunes da Fonsêca.  Doutora em Psico‑ Journal of Environmental Psychology.
logia Social pela Universidade Federal da Paraí‑ Túlio Gomes da Silva Mauro. Mestre pelo De‑
ba. Professora do Departamento de Psicopeda‑ partamento de Psicologia Social do Trabalho e
gogia da Universidade Federal da Paraíba. Líder das Organizações da Universidade de Brasília.
do Núcleo de Estudos em Desenvolvimento Hu‑ Atua como consultor em Gestão de Pessoas
mano, Educacional e Social (NEDHES). Membro e Desenvolvimento Organizacional. Professor
da Sociedade Brasileira de Psicopedagogia. do Departamento de Psicologia da Universida‑
de Paulista – UNIP.
Ronald Fischer. Professor (Senior Lecturer)
na Victoria University of Wellington, Nova Ze‑ Valdiney V. Gouveia. Doutor em Psicologia
lândia. Membro do Centre for Applied Cross­ Social pela Universidad Complutense de Ma‑
‑Cultural Research. Doutor pela Universidade de drid, Espanha. Professor Associado do Depar‑
Sussex, Inglaterra. Editor Associado do Journal tamento de Psicologia na Universidade Federal
of Cross­‑Cultural Psychology. Seu trabalho com da Paraíba, atuando como professor e orienta‑
valores e pacificação recebeu em 2010 o prê‑ dor na gradua­ção e pós­‑graduação (Mestrado
mio Otto Klineberg Intercultural and Internatio‑ e Doutorado). Pesquisador 1B do CNPq. É fun‑
nal Relations Award agraciado pela Society for dador e membro do grupo de pesquisas Bases
the Psychological Study of Social Issues. Normativas do Comportamento Social.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Sumário

Parte I
Fundamentação
1. Breve história da moderna psicologia social ................................................. 13
Maria Cristina Ferreira

2. Psicologia social no Brasil: uma introdução .................................................. 31


Elaine Rabelo Neiva e Cláudio Vaz Torres

3. Métodos de pesquisa em psicologia social ................................................... 58


Hartmut Günther

Parte II
O indivíduo
4. Cognição social ............................................................................................... 79
Bartholomeu T. Tróccoli

5. Normas sociais: conceito, mensuração e implicações para o Brasil ......... 100


Cláudio Vaz Torres e Hugo Rodrigues

6. Conhecendo a si e ao outro: percepção e atribuição de causalidade ....... 134


José Augusto Dela Coleta e Marilia Ferreira Dela Coleta

7. Influência social e poder ............................................................................... 153


Ronald Fischer e Christin­‑Melanie Vauclair

8. Atitude e mudança de atitudes .................................................................... 171


Elaine Rabelo Neiva e Túlio Gomes Mauro

9. Estratégias de mensuração de atitudes em psicologia social .................... 204


Carlos Eduardo Pimentel, Cláudio Vaz Torres e Hartmut Günther

10. Preconceito, estereótipo e discriminação . .................................................. 219


Amalia Raquel Pérez­‑Nebra e Jaqueline Gomes de Jesus

11. Atração e repulsa interpessoal ..................................................................... 238


Jaqueline Gomes de Jesus

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

10 Sumário

Parte III
O grupo e o contato intergrupal
12. Identidade social e alteridade ....................................................................... 253
Ana Lúcia Galinkin e Amanda Zauli­

13. Contato intergrupal: conflito realístico, privação relativa e equidade . ...... 262
Solange Alfinito e Ariane Agnes Corradi

14. A teoria das representações sociais ............................................................ 287


Angela Maria de Oliveira Almeida e Maria de Fátima de Souza Santos

15. Valores humanos: contribuições e perspectivas teóricas .......................... 296


Valdiney V. Gouveia, Patrícia Nunes da Fonsêca, Taciano L. Milfont e Ronald Fischer

16. Cultura, valores humanos e comunicação nas relações intergrupais ........ 314
Onofre Rodrigues de Miranda e Helga Cristina Hedler

17. Aplicações da psicologia social às organizações ........................................ 340


Sinésio Gomide Júnior, Áurea de Fátima Oliveira e Mirlene Maria Matias Siqueira

Índice ....................................................................................................................... 356

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Parte I
Fundamentação

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

1
Breve história da moderna psicologia social
Maria Cristina Ferreira

Introdução os psicólogos sociais da primeira vertente


tendem a enfatizar principalmente os pro-
A psicologia social é uma disciplina relati- cessos intraindividuais, enquanto os da se-
vamente recente, já que adquiriu tal status gunda tendem a privilegiar as coletividades
apenas no começo do século XX, razão pela sociais.
qual alguns dos que contribuíram para a A história “oficial” da psicologia social
construção de seu passado ainda estão vi- foi contada, durante muito tempo, nos ca-
vos e atuantes em suas respectivas áreas de pítulos dos Handbooks of Social Psychology,
investigação. Um rápido exame dessa curta escritos por Gordon Allport e sucessiva-
história evidencia que, desde o início, essa mente publicados nos anos de 1954, 1968
área da psicologia social foi marcada por e 1985 com ligeiras modificações. Contudo,
uma relativa falta de consenso acerca de seu o trabalho de Allport tem sofrido críticas
objeto de estudo. Ainda assim, é possível ob- (Apfelbaum, 1992) associadas ao fato de
servar que o binômio indivíduo­‑sociedade, ser uma história parcial, que ressalta ape-
isto é, o estudo das relações que os indiví- nas as raízes da psicologia social psicológi-
duos mantêm entre si e com a sociedade ou ca, procurando assim legitimar tão somente
a cultura, esteve frequentemente no centro os pressupostos teóricos e metodológicos
das preocupações dos psicólogos sociais. de parte da comunidade científica que atua
No entanto, a ênfase maior dada ao no âmbito dessa modalidade de psicologia
indivíduo ou à sociedade irá acompanhar a social. Publicações mais recentes (Álvaro e
evolução da teorização no campo da psico- Garrido, 2007; Farr, 1999; Jahoda, 2007;
logia social desde os seus primórdios, levan- Vala e Monteiro, 2004) têm procurado supe-
do à caracterização de duas diferentes mo- rar tais limitações ao abordar as raízes não
dalidades da disciplina: a psicologia social apenas da psicologia social psicológica, mas
psicológica e a psicologia social sociológica. também da psicologia social sociológica e de
A psicologia social psicológica, segundo a outras vertentes que, ao longo do tempo, fo-
definição de Gordon Allport (1954), que se ram desenvolvendo­‑se em outras partes do
tornou clássica, procura explicar os senti- mundo, de forma independente da corrente
mentos, pensamentos e comportamentos do dominante que era praticada sobretudo nos
indivíduo na presença real ou imaginada de Estados Unidos.
outras pessoas. Já a psicologia social socio- O presente capítulo tem como objetivo
lógica, segundo Stephan e Stephan (1985), realizar uma revisão descritiva e cronológi-
tem como foco o estudo da experiência so- ca dos principais eventos apontados como
cial que o indivíduo adquire a partir de sua marcantes no desenvolvimento das diferen-
participação nos diferentes grupos sociais tes modalidades nas quais se desdobra a
com os quais convive. Em outras palavras, moderna psicologia social, como forma de

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

14 Torres, neiva & cols.

contextualizar suas origens, sem ter a pre- XIX, tendo exercido grande influência sobre
tensão de esgotar o assunto. Nesse sentido, a psicologia. Em 1859, Darwin publica a
inicia­‑se com a abordagem dos autores que, obra Origem das espécies, na qual desenvolve
na segunda metade do século XIX, desen- a tese da seleção natural (Boeree, 2006a).
volveram reflexões sobre temas que exer- Segundo ela, na briga pelos escassos recur-
cerão significativa influência na construção sos da natureza, somente as espécies com
da nova disciplina para, em seguida, tecer maior capacidade de adaptação às varia-
comentários sobre as obras que assinalaram ções da natureza conseguiram sobreviver e
a sua fundação. Posteriormente, discutem­ reproduzir­‑se. Darwin acreditava, portanto,
‑se os desdobramentos que ocorreram nos que o ser humano constitui­‑se como o pro-
Estados Unidos, na Europa e na América duto final de um processo evolucionista que
Latina, para, à guisa de conclusão, trazer envolveu todos os organismos vivos, ou seja,
algumas reflexões acerca do estado atual um animal social que desenvolveu maior ca-
da psicologia social. Cumpre ressaltar que pacidade de se adaptar física, social e men-
a excelente revisão histórica de ambas as talmente às mudanças ambientais e sociais.
vertentes da psicologia social, realizada por Para ele, então, haveria uma continuidade
Álvaro e Garrido (2007), mostrou­‑se funda- entre as espécies humanas e não humanas.
mental à elaboração do presente capítulo. Tempos depois, Herbert Spencer
(1820­‑1903), fundamentando­‑se na teoria
da seleção natural, converte­‑se em um dos
Os precursores principais líderes do movimento conhecido
da psicologia social como darwinismo social, sendo dele a ex-
pressão “sobrevivência do mais adaptado”.
A expressão “psicologia social” foi utilizada No livro Princípios de psicologia, publicado
pela primeira vez em 1908, ou seja, no iní- em 1870, ele aplica as ideias de Darwin so-
cio do século XX, em dois diferentes livros, bre o desenvolvimento da espécie humana
razão pela qual esse ano é considerado por ao desenvolvimento de grupos, socieda-
muitos como a data de fundação da discipli- des e culturas, enfatizando a existência de
na. Porém, ao longo do século XIX, quando uma continuidade entre ambos (Boeree,
os limites entre a sociologia e a psicologia 2006a). Seu principal argumento era o de
ainda não eram muito claros, foram publi- que as nações e os grupos étnicos podiam
cadas várias obras nas quais o indivíduo e a ser classificados na escala evolucionista de
sociedade já eram abordados e discutidos. acordo com o seu grau de desenvolvimento,
Seus autores eram pensadores oriundos de organização, poder e capacidade de adap-
vários campos do saber, como, por exemplo, tação. Desse modo, os povos mais civiliza-
a filosofia, a antropologia, a biologia, etc., dos e avançados em termos culturais eram
já que naquela época o papel profissional do hierarquicamente superiores aos povos mais
psicólogo social ainda não havia sido insti- atrasados no que tange à escala evolucio-
tuído. Entre esses, merecem destaque os es- nista. As abordagens de Darwin e Spencer
tudos de Darwin e Spencer, na Inglaterra, os exerceram forte influência na psicologia dos
estudos de Wundt, na Alemanha, e os estudos instintos, praticada ao início do século XX
de Durkheim, Tarde e Le Bon, na França. por alguns psicólogos sociais, conforme se
verá mais à frente.

Os precursores da psicologia
social na Inglaterra O precursor da psicologia
social na Alemanha
A teoria da evolução de Charles Darwin
(1809­‑1882) é considerada uma das mais Wilhelm Wundt (1832­‑1920) é o principal
poderosas e populares inovações do século representante da psicologia dos povos, que

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 15

surgiu na esteira do movimento de reunifi- termos coletivos. Por essa razão, detém­‑se
cação da Alemanha e que tinha como foco o no estudo da língua, da arte, dos mitos e
estudo dos principais atributos em comum dos costumes, como forma de compreender
que definiam o caráter nacional ou o pensa- a mente. Em síntese, haveria uma íntima
mento coletivo do povo alemão (Mcgarty e relação entre a mente humana e a cultura,
Haslam, 1997). Suas ideias, entretanto, so- entre o indivíduo e o contexto cultural no
freram uma considerável evolução ao longo qual ele se desenvolve. Desse modo, a psico-
de sua carreira. Assim é que, inicialmente, logia deveria estudar as produções mentais
ele defendia que a psicologia científica de- coletivas originadas das ações de conjuntos
veria ser vista como uma ciência natural que de indivíduos se quisesse chegar à mente
se ocupava do estudo da mente, isto é, dos humana (Farr, 1999). A psicologia dos po-
processos mentais básicos (sensação, ima- vos de Wundt exerceu influência principal-
gem e sentimentos). Para Wundt, esse tipo mente sobre a psicologia social sociológica,
de investigação deveria ser conduzido por em virtude da ênfase atribuída à questão da
meio da introspecção, ou seja, mediante a determinação sócio­‑histórica do indivíduo e
auto­‑observação rigorosa e controlada do ao uso da metodologia não experimental.
modo pelo qual esses fenômenos ocorriam
(Álvaro e Garrido, 2007).
Em virtude dessas preocupações, Wundt Os precursores da psicologia
criou em 1879, na cidade de Leipizig, o pri- social na França
meiro laboratório de psicologia do mundo,
tendo ali realizado uma série de experimen- Conforme já mencionado, entre os pre-
tos com o objetivo de estudar os processos cursores da psicologia social na França
mentais básicos, além de ter fundado o pri- encontram­‑se Durkheim, Tarde e Le Bon.
meiro periódico de psicologia experimental. Emile Durkheim (1858­‑1917) é considerado­
Tais ações levaram­‑no a ser considerado o um dos fundadores da sociologia, tendo
fundador da psicologia experimental. publicado várias obras nas quais aborda a
Com o passar do tempo, porém, Wundt evolução da sociedade, os métodos da socio-
sentiu necessidade de estudar os proces- logia e a vida religiosa. No livro intitulado
sos mentais mais complexos ou superiores, Representações individuais e representações
como a memória e o pensamento, tendo coletivas, publicado em 1898, ele desenvolve­
constatado que o método experimental não o conceito de representações coletivas (Melo
era adequado a tal estudo. Assim, propôs Neto, 2000), que exerceu significativa influ-
uma distinção entre a psicologia experimen- ência sobre a psicologia social europeia. Para
tal, responsável pelo estudo dos processos ele, as representações coletivas (como a re-
mentais básicos, e a Völkerpsychologie (psi- ligião, os mitos, etc.) constituem­‑se em um
cologia dos povos), dedicada ao estudo dos fenômeno ao nível da sociedade e distinto­
processos mentais superiores por meio do das representações individuais, que estão no
método histórico­‑comparativo. Com isso, nível do indivíduo. Nesse sentido, postula­
ele estabelece uma clara distinção entre os que os sentimentos privados só se tornam
fenômenos psicológicos mais externos, que sociais quando extrapolam os indivíduos e
estariam na periferia da mente, e os fenô- associam­‑se, formando uma combinação
menos mais profundos, que constituiriam a que se perpetua no tempo, transformando­
mente propriamente dita (Álvaro e Garrido, ‑se na representação de toda uma sociedade.
2007). As posições de Durkheim influenciarão so-
Em sua Völkerpsychologie, Wundt toma bretudo o psicólogo social Serge Moscovici,
a mente como um fenômeno histórico, um que, muitos anos depois, desenvolve a teo-
produto da cultura e da linguagem de um ria das representações sociais.
determinado povo, que não poderia ser ex- Gabriel Tarde (1843­‑1904), na obra
plicada em termos individuais, mas sim em As leis da imitação, publicada em 1890, de-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

16 Torres, neiva & cols.

fende que a vida social tem como mecanis- barbárie que não praticariam se estivessem
mo básico a imitação (Karpf, 1932). Desse sozinhas.
modo, qualquer produção individual, surgi- Quando enfatiza a irracionalidade das
da sob a forma de uma invenção ou desco- multidões, Le Bon estabelece um vínculo en-
berta, propaga­‑se na vida social por meio da tre a psicologia social e a psicopatologia, ao
imitação, uniformizando­‑a. Para ele, as ini- qual se contrapõe a psicologia social psicoló-
ciativas individuais constituem­‑se em uma gica de base cognitiva, surgida nos anos de
invenção, enquanto as uniformidades da 1970 (Farr, 1999). Por outro lado, a questão
vida social associam­‑se à imitação, que con- da sugestão ou influência social, implícita na
siste, portanto, em uma socialização da ino- psicologia das multidões, posteriormente se
vação individual. Avançando em suas pro- converterá em objeto de atenção da psicolo-
posições, o autor ressalta que as pessoas de gia social psicológica de base experimental.
status inferior costumam imitar as de maior No entanto, o estudo da mente grupal e do
status, que o processo de imitação começa comportamento das multidões propriamen-
lentamente e com o tempo se acelera e que te dito, foco central da obra de Le Bon, so-
a cultura nacional é imitada antes da estran- mente será resgatado mais recentemente,
geira (Álvaro e Garrido, 2007). As ideias de por autores como Moscovici e colaboradores
Tarde exercerão influência no trabalho de (McGarty e Haslam, 1997).
Ross, que publicou um dos primeiros livros
de psicologia social.
Em 1895, Gustav Le Bon (1814­‑1931)
publicou o livro Psicologia das multidões A fundação da psicologia social
(Melo Neto, 2000), que exerceu significa-
tiva influência nos trabalhos de vários psi- No início do século XX, a psicologia social
cólogos sociais posteriores. Nesse livro, o começa a adquirir o status de uma discipli-
autor defende a tese de que as massas ou na independente, e seu centro de gravidade
multidões constituem­‑se em seres psíquicos começa a mudar da Europa para os Estados
de características diferentes dos indivíduos Unidos (Jahoda, 2007). Duas obras, publica-
que as compõem. Nesse sentido, quando das no ano de 1908, irão marcar a fundação
eles se juntam às massas, perdem suas ca- oficial da psicologia social moderna: Uma
racterísticas superiores e sua autonomia, introdução à psicologia social, de William
passando a ser regidos por uma alma cole- McDougall, e Psicologia social: uma resenha
tiva, com características independentes das e um livro texto, de Edward Ross (Pepitone,
de seus membros, além de mais primitivas 1981). Cumpre registrar, porém, que esses
e inconscientes. As multidões seriam, ­assim, dois autores, embora fossem contemporâne-
as responsáveis pelo fato de os sujeitos per- os e tivessem usado a expressão psicologia
derem sua individualidade e passarem a social nos títulos de seus livros, não estavam
fazer parte de um todo com características falando do mesmo assunto.
totalmente distintas das partes que o com- Edward Ross (1866­‑1951) era um so-
põem. ciólogo norte­‑americano que, influenciado
Segundo Le Bon, ao se encontrar em pelas obras de Tarde e de Le Bon, caracte-
uma multidão, o indivíduo sufoca sua per- rizou a psicologia social como o estudo das
sonalidade consciente e passa a ser domi- uniformidades de pensamentos, crenças e
nado pela mente coletiva da multidão, que ações decorrentes da interação entre os seres
é capaz de levar seus membros a apresen- humanos (Pepitone, 1981). Segundo Ross,
tar comportamentos unânimes, emocionais os fenômenos subjacentes a essa uniformi-
e desprovidos de racionalidade. Em outras dade são a imitação, a sugestão e o contá-
palavras, as pessoas perdem sua capacidade gio, o que explicaria a rápida uniformidade
de raciocínio e tornam­‑se altamente suges- verificada entre as emoções e as crenças das
tionáveis, o que as leva a cometer atos de multidões. Embora Ross tenha especificado

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 17

algumas variáveis que interferem na suges- social psicológica e a psicologia social socio-
tão (como, por exemplo, o prestígio da fon- lógica que se avizinhava. A partir do início
te), sua análise da vida social humana não do século XX, ambas as correntes sofrerão
se reverteu no desenvolvimento de um mo- grande impulso nos Estados Unidos, ainda
delo teórico formal, tendo ele se limitado a que trilhando direções distintas. Nesse sen-
organizar observações extraídas da história, tido, acompanharemos inicialmente a evolu-
da literatura e do trabalho de outros auto- ção da psicologia social psicológica para, em
res. seguida, trilharmos os caminhos percorridos
McDougall (1871­‑1938), por outro pela psicologia social sociológica ao longo
lado, era um psicólogo britânico que foi do século XX.
fortemente influenciado pelas concepções
de Darwin e Spencer sobre a evolução. Sua
obra gira em torno do conceito de instinto,
O desenvolvimento da
ressaltando a importância de certas carac-
terísticas inatas e instintivas para a vida so- psicologia social psicológica
cial. Segundo ele, os instintos apresentam nos Estados Unidos
três componentes: a percepção, que leva o
indivíduo a prestar atenção aos estímulos Nas primeiras décadas do século XX, os
relevantes a seus instintos; o comporta- Estados Unidos assistem à ascensão do beha-
mento, responsável por levar o indivíduo a viorismo, segundo o qual uma psicologia
manifestar condutas destinadas a satisfazer verdadeiramente científica deveria estudar
seus instintos; e a emoção, que faz com que e explicar apenas o comportamento humano
os instintos estejam associados a estados observável, sem considerar construtos men-
emocionais positivos ou negativos (Boeree, tais não observáveis, como a mente, a cog-
2006b). nição e os sentimentos (McGarty e Haslam,
Propôs ainda uma classificação dos 1997). Com isso, os psicólogos sociais pro-
instintos em primários, de segunda ordem gressivamente abandonam as explicações
e pseudoinstintos (Álvaro e Garrido, 2007). do comportamento social em termos de
Os instintos primários são em número de instintos, bem como o uso da introspecção,
sete e associam­‑se a emoções. Entre eles, es- passando a adotar uma psicologia social
tão, por exemplo, a fuga, associada ao medo, eminentemente experimental e focada no in-
e o combate, associado à raiva. Os instintos divíduo (Jahoda, 2007). Consequentemente,
secundários são em número de quatro e a divisão entre psicologia social psicológica
mostram­‑se importantes para a vida social, e sociológica aprofunda­‑se na medida em
como, por exemplo, o instinto gregário. Já que a psicologia passa a ser vista muito mais
os pseudoinstintos são em número de três e como uma ciência natural do que como uma
interferem nas interações entre as pessoas, ciência social (Pepitone, 1986).
como no caso da imitação, por exemplo. Os Cumpre registrar, porém, que o primei-
estudos de McDougall são considerados pre- ro experimento em psicologia social ocorreu
cursores das teorias motivacionais, que pos- ainda no século XIX, tendo sido conduzido
teriormente se tornarão objeto de investiga- por Tripplett em 1897 (Rodrigues, 1972).
ção de alguns psicólogos sociais (McGarty e Esse experimento foi realizado com crianças
Haslam, 1997). que foram solicitadas a enrolar um anzol o
No momento em que a psicologia co- mais rapidamente possível, sozinhas ou na
meça a se definir como uma disciplina in- presença de outras crianças que faziam a
dependente, a publicação concomitante das mesma tarefa. Os resultados mostraram que
obras de Ross e McDougall, estando situadas elas agiam muito mais rapidamente quan-
uma no âmbito da psicologia e outra, no âm- do estavam acompanhadas do que quando
bito da sociologia, pode ser vista como uma estavam sozinhas, lançando assim as bases
evidência da separação entre a psicologia do estudo do fenômeno de facilitação social,

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

18 Torres, neiva & cols.

que ainda hoje é um dos temas de interesse imigraram para os Estados Unidos. Além dis-
da psicologia social psicológica. so, os psicólogos sociais foram convocados a
Entretanto, é somente em 1924 que cooperar na resolução dos problemas sociais
surge o livro­‑texto de psicologia social de provocados pela guerra. Tais fatos influen-
Floyd Allport (1890­‑1978), considerado um ciarão sobremaneira os novos rumos toma-
dos mais famosos psicólogos sociais beha- dos pela psicologia social psicológica no pe-
vioristas da época (Pepitone, 1981). O autor ríodo que vai da década de 1930 à década de
contrapõe­‑se ao estudo da consciência cole- 1950. Nesse sentido, os psicólogos europeus
tiva ou mente grupal pela psicologia social, trarão para a psicologia norte­‑americana a
por acreditar não ser possível a existência perspectiva do gestaltismo, que substituirá
de uma mente comum a várias pessoas, de o behaviorismo até então dominante. Para
modo similar ao que ocorre com um indi- o gestaltismo, as propriedades perceptivas
víduo particular. Além disso, ele considera de um objeto formavam uma gestalt, isto
que a psicologia social faz parte da psicolo- é, um todo que apresentava características
gia do indivíduo e não da sociologia e, como distintas da soma das partes que o consti-
tal, deve ocupar­‑se do estudo das influên- tuem (McGarty e Haslam, 1997). Entre os
cias do comportamento do indivíduo em ou- psicólogos sociais europeus que, nos anos
tras pessoas e das reações a tais influências 1940, desenvolveram trabalhos influencia-
(Karpf, 1932). dos pelas ideias do gestaltismo destacam­
Allport desenvolve uma série de expe- ‑se Muzar Sheriff (1906­‑1988), Kurt Lewin
rimentos sobre facilitação social, demons- (1890­‑1947), Fritz Heider (1896­‑1988) e
trando que os grupos nos quais as pessoas Solomon Asch (1907­‑1996).
estavam juntas, mas trabalhando individual­ Com o objetivo de explorar as condições
mente, em tarefas mentais ou perceptuais, e os fatores que levam à formação e à perma-
apresentavam melhor desempenho do que nência das normas sociais, Sheriff (1936) de-
pessoas que estavam sozinhas realizando o senvolveu vários experimentos. Neles, uma
mesmo tipo de tarefa. Com sua obra, ele de- pessoa era solicitada a fazer julgamentos de
fine, portanto, os limites da psicologia social estímulos ambíguos (o quanto uma luz em
psicológica como uma disciplina objetiva e um quarto escuro se movia, quando na rea­
de base experimental (Jones, 1985). lidade estava parada), individualmente ou
Nos anos de 1920, inicia­‑se também na presença de outras pessoas. Observou­‑se
o estudo das atitudes, sob a coordenação que a pessoa, ao tomar conhecimento dos
de Thurstone e colaboradores, que desen- julgamentos feitos pelos demais (norma so-
volveram uma metodologia própria para a cial), antes ou depois do próprio julgamento,
investigação do referido construto, toma- tendia a convergir para a norma do grupo e a
do como um fenômeno mental (McGarty e desconsiderar a própria norma.
Haslam, 1997). Esse trabalho pioneiro sus- Lewin era um psicólogo judeu que
citou o desenvolvimento de várias outras imigrou para os Estados Unidos em 1933 e,
técnicas para a mensuração das atitudes. juntamente com seus colaboradores (Lewin,
Tais técnicas, aliadas à sofisticação cada vez Lippitt e White, 1939), desenvolveu pesqui-
maior do método experimental, garantirão sas sobre o clima grupal, nas quais estudou
o status científico da psicologia social psico- experimentalmente, em grupos reais, a in-
lógica ao longo das décadas subsequentes fluência dos estilos de liderança no compor-
(Graumann, 1996). tamento do grupo. Os resultados levaram­‑no
a concluir que o papel do líder era central
para o funcionamento do grupo, já que di-
A Segunda Guerra Mundial ferentes estilos de liderança provocavam ní-
veis distintos de produtividade e agressão.
Com a escalada do nazismo na Europa e a Lewin (1943) também propôs a teoria de
Segunda Guerra Mundial, muitos cientistas campo, na qual o grupo era visto como um

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 19

campo de forças que tinha primazia sobre Asch (1946) coloca­‑se contra a posição
suas partes, isto é, sobre seus membros. Ele adotada pelos psicólogos sociais adeptos do
inaugurou ainda um programa a que deno- behaviorismo, procurando aplicar os princí-
minou de pesquisa­‑ação, cujo objetivo era pios gestaltistas no campo da percepção de
avaliar o comportamento dos membros de pessoas, que até hoje consiste em uma das
grupos da comunidade e colaborar com sua áreas centrais de estudo da psicologia so-
mudança de atitudes e comportamentos. cial psicológica. Segundo ele, ao formarmos
Em contraste com a posição de Allport uma impressão sobre uma pessoa, construí­
e de outros psicólogos sociais experimen- mos um todo organizado sobre ela, uma im-
tais, para quem o grupo representava tão pressão que difere do somatório de todas as
somente uma variável externa que exercia suas características pessoais. Os trabalhos
influência sobre os indivíduos que dele par- de Sheriff, Lewin, Heider e Asch exerceram
ticipavam, a concepção de Lewin de que o forte influência sobre toda uma geração de
grupo tem uma dinâmica própria, não re- seguidores que fizeram a história da psico-
dutível à soma das partes que o compõem, logia social psicológica nas décadas subse-
soou como bastante original e teve grande quentes.
impacto nas discussões teóricas travadas na
época (Pepitone, 1981). Seus engenhosos
experimentos trouxeram a realidade social O período do pós­‑guerra
para dentro do laboratório e converteram­
‑se em um modelo paradigmático de pesqui- O período do pós­‑guerra constituiu­‑se em
sas sobre processos e estruturas grupais que uma fase de intensa produção pelos psi-
eram ao mesmo tempo empíricas e teóricas cólogos sociais da época, estimulada pela
(Smith, 1961). continuação dos esforços de cooperação
Os trabalhos seminais de Heider empreendidos durante a guerra e pela cons-
(1944, 1946, 1958) lançaram as bases con- tatação por parte das entidades militares e
ceituais de duas linhas de pesquisa que do- governamentais de que as ciências sociais e
minarão as décadas subsequentes. Nas pu- comportamentais estavam preparadas para
blicações de 1944 e 1958, ele estabelece os colaborar no gerenciamento dos comple-
fundamentos das teorias de atribuição, ao xos problemas humanos daquele período.
defender a ideia de que, em suas relações Desse modo, nas duas décadas seguintes à
interpessoais, o indivíduo percebe o outro Segunda Guerra Mundial, a psicologia so-
e suas ações como um todo organizado e, cial psicológica converte­‑se em um campo
por essa razão, tende a procurar as causas científico produtivo, com bases solidamen-
do comportamento do outro, como forma te estabelecidas, e torna­‑se responsável por
de tornar o mundo social mais organizado, uma série de pesquisas inovadoras, talento-
estável e previsível. Para tanto, utiliza­‑se sas e cada vez mais sofisticadas do ponto de
de fatores pessoais, internos (capacidade, vista metodológico, as quais desencadearão
esforço, etc.) ou de fatores impessoais, ex- o surgimento de novas direções de pesquisa
ternos (sorte, situação, etc.). Já no artigo de e teorização (Jackson, 1988).
1946, Heider constrói os pilares das teorias Com o intuito de melhor compreender
da consistência cognitiva ao propor o princí- as razões que levaram pessoas aparente-
pio do equilíbrio cognitivo, segundo o qual mente normais e civilizadas a cometer hor-
as pessoas tendem a manter sentimentos e rores contra outros seres humanos durante
cognições coerentes sobre um mesmo objeto a guerra, Theodor Adorno (1903­‑1969)
ou pessoa, de modo a obter uma situação dedica­‑se ao estudo dos tipos de persona-
de equilíbrio. Quando esse equilíbrio se des- lidade. Ele pertencia à Escola de Frankfurt
faz, elas vivenciam uma situação de tensão – nome utilizado para designar o Instituto
e procuram restabelecê­‑lo mediante a mu- de Pesquisa que funcionava na Universidade
dança de algum dos elementos da situação. de Frankfurt – e, a exemplo de outros emi-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

20 Torres, neiva & cols.

nentes psicólogos já citados, também imi- las mãos de Solomon Asch (1907­‑1996), que
grou para os Estados Unidos durante a anteriormente havia realizado estudos sobre
guerra. Logo após o término do conflito, irá a formação de impressões, e Leon Festinger
publicar, juntamente com outros membros (1919­‑1989). Tais pesquisas constituíram as
de sua equipe (Adorno, Frenkel-Brunswik, bases da teorização sobre influência social e
Levinson e Sanford, 1950), a obra A perso‑ processos intragrupais, temas presentes na
nalidade autoritária, na qual defende a tese maior parte dos modernos manuais de psi-
de que o preconceito contra as minorias so- cologia social psicológica.
ciais em geral (bem como o antissemitismo, Na sequência dos estudos iniciados
em particular) está associado a um tipo de por Sheriff nos anos de 1930, Asch (1952)
personalidade autoritária, caracterizado por dedicou­‑se a pesquisas sobre a influência
traços de rigidez de opiniões, adesão a valo- social, procurando avaliar a influência da
res convencionais e intolerância. pressão do grupo sobre o julgamento dos in-
Outra consequência do período do divíduos. Em contraste com os experimen-
pós­‑guerra foi o ressurgimento do interesse tos de Sheriff, nos quais os estímulos eram
pela pesquisa sobre atitudes. Enquanto na ambíguos, ele usou estímulos sem nenhuma
primeira fase da pesquisa sobre o tema o ambiguidade (comparação de linhas de va-
foco era a mensuração das atitudes, confor- riados tamanhos com uma linha de tama-
me já apontado, nessa nova fase os psicólo- nho padrão). Ainda assim, seus experimen-
gos sociais se concentrarão na investigação tos demonstraram que, quando uma pessoa
experimental da mudança de atitudes. tem certeza de que seu julgamento está cor-
Tais estudos iniciaram­‑se ainda nos reto, mas é confrontada com uma maioria
tempos de guerra, sob a liderança de Carl que fez um julgamento errado, ela tende a
Hovland (1912­‑1961), com o objetivo de se conformar com essa maioria e mudar seu
verificar os efeitos de filmes bélicos e de julgamento, seja porque realmente passa a
programas de treinamento do exército norte­ acreditar que estava enganada em seu julga-
‑americano sobre as atitudes dos soldados. mento e que a maioria é que estava correta,
Terminada a guerra, Hovland e colaborado- seja porque tem necessidade de ser aceita
res (Hovland, Jonis e Kelley, 1953) desenvol- pelo grupo.
veram um extenso programa de pesquisas ex- Os estudos de Asch sobre conformida-
perimentais sobre comunicação e persuasão, de suscitaram uma série de desdobramentos
com o intuito de elucidar as influências das posteriores, relacionados à investigação dos
características do comunicador (como, por diferentes fatores que influenciavam tal fe-
exemplo, seu prestígio, seu grau de credibili- nômeno, além de inspirar os experimentos
dade, etc.), da mensagem (como, por exem- clássicos de Milgram (1965) sobre obediên-
plo, seu conteúdo) e da audiência (como, por cia à autoridade. Em tais experimentos, o
exemplo, suas características de personalida- autor demonstra que os indivíduos sentem­
de) na mudança de atitudes. Esses estudos ‑se tão submissos à autoridade do experi-
fizeram com que as atitudes tivessem um mentador que, atendendo às suas instru-
papel central na psicologia social psicológi- ções, são capazes de ministrar choques cada
ca durante os anos de 1960, tendo ocupado vez mais fortes em uma determinada pessoa
maior espaço do que qualquer outro tópico (por causa de erros que ela vai simulando
nos livros­‑texto da época (McGuire, 1968). cometer durante o desempenho de uma
Contudo, nos anos de 1970, esse interesse tarefa), apesar de ela demonstrar que está
entrou em declínio com a consequente ascen- sentindo dores cada vez piores.
são do cognitivismo. Festinger (1954) recebeu influências de
Uma terceira consequência do pós­ Lewin, tendo publicado uma das primeiras
‑guerra foi o impulso que as investigações teorias formais em psicologia social – a teoria
sobre grupos receberam, especialmente pe- da comparação social –, com base nos resul-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 21

tados de uma série de experimentos destina- destinadas a testar seus pressupostos sobre
dos a testar hipóteses sobre as pressões para as inconsistências, contradições, tensões ou
a uniformidade que ocorrem nos grupos. De perturbações da harmonia cognitiva que
acordo com essa teoria, as pessoas, quando movem o comportamento social, bem como
não têm um padrão objetivo de comparação, sobre os diferentes fatores que interferiam
sentem necessidade de se comparar com os na redução ou não da dissonância. Apesar
demais membros de seu grupo e confirmar de ter sido também alvo de críticas, ela foi a
que eles têm crenças e habilidades seme- principal responsável pelo desenvolvimento
lhantes às suas, o que as faz se sentirem mais da psicologia social psicológica nas décadas
seguras. Quando, por outro lado, surge um seguintes (Rodrigues, Assmar e Jablonski,
membro com opinião divergente, o grupo 2000).
faz pressão para que ele mude essa opinião À medida que o interesse pelas teo-
e conforme­‑se às regras grupais e, caso isso rias da dissonância e do equilíbrio decaía,
não aconteça, rejeita­‑o, levando esse mem- a pesquisa sobre as teorias da atribuição au-
bro a escolher outros grupos de comparação. mentava, tendo marcado os anos de 1970
A teoria de Festinger foi submetida a inú- e 1980. Essas teorias desenvolveram­‑se a
meros desdobramentos, especialmente por partir dos trabalhos de Heider (1944, 1958)
Shachter (1959), que desenvolveu uma sé- sobre as relações interpessoais e têm como
rie de experimentos sobre a necessidade de principal objetivo a investigação acerca do
comparação de experiências emocionais. modo pelo qual as pessoas inferem causas
No final dos anos de 1950 e ao longo sobre o próprio comportamento e sobre o
dos anos de 1960 e 1970, as pesquisas sobre comportamento das outras pessoas, isto é,
mudança de atitudes e sobre processos gru- o que as leva a concluir que o responsável
pais foram progressivamente sendo substi- pelo comportamento é o próprio indivíduo
tuídas pelas teorias de base cognitiva. Nesse ou a situação. Tais preocupações foram in-
sentido, as teorias da consistência domina- tensamente exploradas nas obras de Jones e
ram a década de 1960, sob a influência do Davis (1965), Kelley (1967), Ross (1977) e
princípio do equilíbrio cognitivo de Heider Weiner (1986), sendo as responsáveis pelo
(1946). Entre elas, merece destaque a teo­ fato de, ainda hoje, as teorias atribuicionais
ria da dissonância cognitiva de Festinger constituírem­‑se em importante campo de
(1919­‑1989), que antes já havia desenvolvi- estudo e pesquisa da psicologia social psi-
do a teoria da comparação social. cológica.
De acordo com Festinger (1957), as As teorias da atribuição representam
pessoas tendem a buscar a harmonia ou a também a consolidação definitiva do cogni-
congruência entre suas crenças e atitudes. tivismo, que se tornou, a partir dos anos de
Desse modo, quando são induzidas a emitir 1980, a perspectiva dominante na psicolo-
atitudes contrárias às suas crenças, entram gia social psicológica atual. Tal abordagem
em dissonância cognitiva, o que lhes causa focaliza­‑se na compreensão da cognição so-
desconforto e as leva a mudar suas crenças cial, isto é, do processamento da informa-
ou atitudes, de modo a alcançar novamente ção social, baseado no pressuposto de que
a congruência. Assim, por exemplo, se uma o comportamento social pode ser explicado
pessoa fuma e sabe que isso é prejudicial à por meio dos processos cognitivos a ele sub-
saúde, ela poderá resolver essa dissonância jacentes (Fiske e Taylor, 1984). Ela se volta
parando de fumar (mudança de atitude) ou para o estudo da categorização dos objetos
buscando informações de que fumar não é sociais, ou seja, para a análise das estraté-
prejudicial à saúde (mudança de crenças). gias que as pessoas utilizam para formar
A teoria da dissonância suscitou, nas impressões, crenças ou cognições sobre os
décadas seguintes, um volume considerá- estímulos sociais que as rodeiam (o próprio
vel de pesquisas experimentais rigorosas, indivíduo, bem como outras pessoas, grupos

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

22 Torres, neiva & cols.

e eventos sociais), e do modo pelo qual tais consequentemente, desenvolver modelos e


categorias afetam seu comportamento. teorias que não são capazes de contribuir
para a explicação da nova realidade social
que surgia. Além disso, criticava­‑se a artifi-
A crise da psicologia social cialidade dos experimentos conduzidos em
laboratório, a falta de compromisso ético de
O período que vai do pós­‑guerra aos anos de seus mentores e a excessiva fragmentação
1970 é visto por alguns autores (Apfelbaum, dos modelos teóricos (Jones, 1985).
1992) como a era de ouro da psicologia Tais críticas suscitaram grande resis-
social, em função da grande evolução ob- tência da comunidade científica estabeleci-
servada na construção e na verificação de da à época. No entanto, contribuíram para
teorias, assim como na elaboração de pro- o movimento de internacionalização da psi-
cedimentos metodológicos e estatísticos cologia social, responsável pelo desenvolvi-
cada vez mais sofisticados. Com o passar do mento de uma psicologia social europeia,
tempo, porém, o modelo de pesquisa­‑ação mais preocupada com o contexto social,
orientado para a comunidade e para o estu- e, mais recentemente, de uma psicologia
do dos grupos, introduzido por Lewin ainda latino­‑americana.
nos anos de 1930, foi sendo paulatinamente
abandonado e substituído pela investigação
de fenômenos e processos eminentemente
intraindividuais, de natureza cognitiva. O desenvolvimento da
Tendo como meta última a investiga- psicologia social sociológica
ção das leis universais capazes de explicar nos Estados Unidos
o comportamento social, a psicologia social
psicológica estrutura­‑se progressivamente Durante o século XIX, as questões psicos-
como uma ciência natural e empírica, que sociais estiveram entre as preocupações de
desconsidera o papel que as estruturas so- filósofos, sociólogos e psicólogos europeus
ciais e os sistemas culturais exercem sobre e norte­‑americanos. No início do século XX,
os indivíduos (Pepitone, 1981). É nesse porém, os sociólogos sentiram a necessida-
contexto que a década de 1970 assistirá ao de de se diferenciar dos psicólogos sociais
surgimento da chamada “crise da psicologia que, no contexto da psicologia, passaram a
social”, que marcará em definitivo os novos adotar o behaviorismo como paradigma e a
rumos tomados pela psicologia social psico- praticar uma psicologia social psicológica
lógica a partir de então. que aos poucos se tornava cada vez mais in-
A crise da psicologia social ou “era das dividualista. Surge então a psicologia social
dúvidas” surgiu, portanto, em consequência sociológica, cuja principal vertente é o inte-
da excessiva individualização da psicologia racionismo simbólico e que tem, nas figuras
social psicológica e dos movimentos sociais de Charles Cooley (1864­‑1929) e George
ocorridos nos anos de 1970 (como o femi- Mead (1863­‑1931) seus mais notáveis pre-
nismo, por exemplo), tendo se caracteriza- cursores.
do pelo questionamento das bases concei-
tuais e metodológicas da psicologia social
psicológica até então dominante, no que
tange à sua validade, relevância e capacida- Os precursores da psicologia
de de generalização (Apfelbaum, 1992). Os social sociológica
questionamentos voltam­‑se principalmente
à sua relevância social, isto é, ao fato de Cooley era um sociólogo que recebeu in-
essa vertente da psicologia social usar uma fluências de Spencer, tendo defendido uma
linguagem científica cada vez mais neutra concepção evolucionista da mente e da so-
e afastada dos problemas sociais reais e, ciedade. Em sua obra Natureza humana e

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 23

ordem social, datada de 1902, ele ressaltou ções sociais que a comunicação e a expres-
a influência do ambiente social na configu- são tornam­‑se possíveis, bem como a possi-
ração da natureza humana e, consequen- bilidade de uma pessoa prever a reação do
temente, da natureza da identidade ou self outro a seus atos, isto é, de assumir o papel
(Álvaro e Garrido, 2007). do outro (Jahoda, 2007).
Ao explicar a formação da identidade, Analisando a emergência desse pro-
Cooley usa a expressão “eu refletido no es- cesso na infância, Mead enfatiza a impor-
pelho” para designar o fato de que tal for- tância dos jogos infantis, em virtude de eles
mação está eminentemente associada ao permitirem à criança assumir o papel dos
modo pelo qual a pessoa imagina que apa- outros (outro significativo) ou dos membros
rece diante das outras pessoas, assim como da sociedade em que vive (eu generaliza-
ao modo pelo qual ela imagina que as outras do). Com isso, ela passa a ter consciência
pessoas reagem a ela e aos sentimentos daí de si mesma, formando assim a sua própria
decorrentes, que podem ser de orgulho ou identidade, que reflete a internalização das
de decepção. Em outras palavras, segundo normas e dos papéis presentes em sua co-
o autor, o indivíduo, ao interagir com as ou- munidade (Álvaro e Garrido, 2007).
tras pessoas, torna­‑se consciente da imagem Em síntese, para Mead, o indivíduo
e dos sentimentos que essas outras pessoas é produto do desenvolvimento das pesso-
nutrem por ele, isto é, elas atuam como um as em sociedade e estrutura­‑se por meio
espelho no qual o indivíduo se vê. do processo de interação simbólica, que
Para Cooley, o desenvolvimento da leva as pessoas a tomarem consciência de
identidade ocorre no contexto da intera- si próprias, mediante a perspectiva dos de-
ção com os outros e por meio do uso da mais membros de seu grupo social. Ele si-
linguagem e da comunicação. Tais formula- tua, portanto, a formação da identidade no
ções serviram de base a desenvolvimentos campo das relações interpessoais, da organi-
posteriores, tendo influenciado Mead, que zação social e da cultura ao postular que o
também adota a expressão “eu refletido no sujeito apropria­‑se do conjunto de padrões
espelho” ao discorrer sobre a identidade. comuns a diferentes grupos socioculturais
Mead era um filósofo norte­‑americano para desenvolver seu próprio eu (Stephan e
que estudou por algum tempo com Wundt Stephan, 1985).
em Leipizig, o que teve grande influência Mead é considerado um behaviorista
em sua obra. Posteriormente, ele passou a social, porque, ainda que defendesse o es-
dar aulas de filosofia em Michigan, onde tudo do comportamento observável, consi-
conviveu com Cooley, que na época estava derava que este era apenas um meio para
escrevendo sua tese de doutorado, e depois se chegar à experiência interna do indivíduo
em Chicago, onde permaneceu até a sua (Álvaro e Garrido, 2007). Suas proposições,
morte. Suas aulas de psicologia social foram apesar de terem recebido várias críticas,
posteriormente compiladas no livro A men‑ exerceram forte influência no desenvolvi-
te, o eu e a sociedade: do ponto de vista de mento da psicologia social sociológica, ten-
um behaviorista social, publicado após a sua do dado origem a duas diferentes correntes
morte, em 1934 (Farr, 1999). teóricas: a escola de Chicago e a escola de
A linguagem desempenha um papel Iowa.
fundamental no pensamento de Mead, a
ponto de ele considerar o ato comunicativo
como a unidade básica de análise da psi- A Escola de Chicago
cologia social. Segundo ele, a linguagem é
um fenômeno inerentemente social e, con- Durante os anos de 1930 e 1940, as ideias de
sequentemente, as atitudes e os gestos só Mead não tiveram grande impacto. Caberá,
adquirem significado por meio da interação porém, a Herbert Blumer (1900­‑1987), em
simbólica. É, portanto, no contexto das rela- Chicago, nos anos de 1950, e a Manford

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

24 Torres, neiva & cols.

Kuhn (1911­‑1963), em Iowa, nos de 1960, lizaram a análise de documentos, cartas e


reacenderem o interesse pela temática. histórias de vida para traçar um perfil da
Blumer era um sociólogo que, após a morte situação social desses imigrantes, segundo
de Mead, assumiu seu curso anual de aulas a sua própria perspectiva (Álvaro e Garrido,
de psicologia social, tendo cunhado de in- 2007). Em contrapartida, Bogardus (1925),
teracionismo simbólico a posição defendida outro membro da escola de Chicago, desen-
por Mead. Segundo ele, o uso da expressão volveu a primeira escala para a medida de
derivou­‑se da ênfase na compreensão do atitudes, numa evidência de que ambos os
modo pelo qual as pessoas interagem com as tipos de metodologia ali conviviam (Álvaro
outras usando símbolos. Desse modo, o in- e Garrido, 2007).
teracionismo simbólico pode ser visto como
uma forma sociológica de psicologia social
iniciada em Chicago por Blumer, a partir de A Escola de Iowa e a psicologia social
sua interpretação da obra de Mead. sociológica na atualidade
Segundo Blumer (1969), os principais
pressupostos do interacionismo simbóli- Conforme já mencionado, Kuhn (1964) é
co são os seguintes: a pessoa interpreta o um dos principais representantes da esco-
mundo para si própria, atribuindo­‑lhe sig- la de Iowa, responsável pela continuidade
nificado; o comportamento não é uma re- do interacionismo simbólico ao longo dos
ação automática a um dado estímulo, mas anos de 1960. Ele, no entanto, distancia­‑se
sim uma construção criativa derivada da mais das ideias de Mead do que a escola de
interpretação da situação e das pessoas que Chicago. Nesse sentido, defendia a utiliza-
nela se encontram; a conduta humana é im- ção dos mesmos métodos de pesquisa das ci-
previsível porque os significados e as ações ências naturais, tendo testado algumas das
dependem de cada situação, enquanto a in- proposições de Mead e abandonado outras,
terpretação das situações e a construção do por considerá­‑las não passíveis de serem
comportamento são processos que ocorrem submetidas à verificação empírica.
durante a interação social. Além disso, ele postulava que o self e
A escola de Chicago costuma ser iden- a sociedade dependiam da estrutura social.
tificada com a abordagem qualitativa de pes- Desse modo, afirmava que as expectativas
quisa, talvez porque Blumer fosse da opinião da sociedade a respeito do desempenho de
que o estudo do comportamento humano determinados papéis limitavam as intera-
deveria ser conduzido por meio de métodos ções sociais ao exercer influência sobre as
próprios que, em vez de impor estruturas concepções que as pessoas desenvolviam
ao indivíduo, fossem capazes de captar as acerca de si próprias e dos outros, sobre
realidades subjetivas construídas em cada as definições das situações e sobre os sig-
situação (Stephan e Stephan, 1985). Na rea­ nificados que as pessoas construíam. Kuhn
lidade, porém, a escola de Chicago primou (1964) destaca, porém, o papel ativo do in-
pelo ecletismo metodológico, tendo usado divíduo nesse processo, na medida em que é
abordagens quantitativas e qualitativas na ele quem escolhe os papéis a desempenhar,
tentativa de estudar cientificamente a rea- podendo também modificá­‑los.
lidade social e resolver os problemas sociais Orientados predominantemente pela
que a cidade de Chicago enfrentou nos anos perspectiva do interacionismo simbólico, e
de 1930 e 1940, tais como o aumento da usando primordialmente a observação par-
imigração, da criminalidade e da violência ticipante como método, aliada ao uso de
(Álvaro e Garrido, 2007). entrevistas, os psicólogos sociais adeptos da
A esse respeito, vale destacar a pes- corrente sociológica prosseguiram, nos anos
quisa realizada por Thomas e Znaniecki subsequentes, investigando temas como a
(1918), com o objetivo de analisar as ati- interação face a face, os processos de socia-
tudes de imigrantes poloneses, na qual uti- lização, a formação e o desenvolvimento da

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 25

identidade, o comportamento desviante e o Nos anos de 1960, em vários países eu-


comportamento coletivo. ropeus, os psicólogos já realizavam pesquisas
Novos desdobramentos teóricos tam- psicossociais, mas foi ao final da década que
bém foram surgindo com o tempo, entre os começaram a ser realizados esforços mais sis-
quais podem ser citadas a escola dramatúr- temáticos, não apenas por parte do Comitê
gica de Goffman (1985) e a teoria da identi- Transnacional, mas também por meio de ou-
dade de Stryker (1980). Goffman deteve­‑se tras iniciativas mais isoladas, dirigidas à in-
na análise da interação face a face, consi- tegração dos psicólogos sociais europeus em
derando seus participantes como atores uma comunidade científica atuante. Assim
que podem ser mais ou menos eficazes no é que, desde os anos de 1970, a psicologia
desempenho de seus papéis. Stryker, por social europeia vem crescendo progressiva-
sua vez, propõe que a identidade apresen- mente em tamanho e influência.
ta múltiplos componentes, os quais se en- Apesar de ela ter caminhado inicial-
contram associados aos diferentes papéis mente lado a lado com a psicologia social
desempenhados pelo indivíduo, sendo que psicológica, começou rapidamente a adqui-
alguns componentes são mais salientes e, rir sua própria identidade e a demonstrar
por essa razão, mais evocados nas situações. maior preocupação com a estrutura social.
Esses desdobramentos contribuíram para a Nesse sentido, os temas de estudo mais fre-
revitalização da psicologia social sociológi- quentes entre os psicólogos sociais europeus
ca que, durante certo tempo, permaneceu são as relações intergrupais, a identidade
à margem da psicologia social psicológica, social e a influência social, que remetem
dominante no cenário acadêmico da psi­ a uma psicologia dos grupos (Graumann,
cologia. 1996). Entre os principais representantes
dessa moderna psicologia social europeia,
destacam­‑se Henri Tajfel (1919­‑1982) e
O desenvolvimento da Serge Moscovici.
psicologia social na Europa Tajfel (1981) procurou enfatizar a
dimensão social do comportamento indivi-
No ano de 1964, quando a psicologia so- dual e grupal, postulando que o indivíduo
cial psicológica já estava firmemente esta- é moldado pela sociedade e pela cultura.
belecida nos Estados Unidos, foi criado no Apoiando­‑se em tal perspectiva, desenvol-
país um Comitê Transnacional, sob o patro- veu a teoria da identidade social, por meio
cínio do Social Science Research Council, da qual defende que as relações intergrupais
com o objetivo de promover a internacio- estão intimamente relacionadas a processos
nalização da psicologia social (Moscovici e de identificação grupal e de comparação so-
Marková, 2006). Em sua formação inicial, cial.
o comitê era composto por seis psicólogos Moscovici (1976), retomando os estu-
norte­‑americanos e dois europeus, sob a dos sobre influência social, que até então se
presidência de Leon Festinger. Suas primei- preocupavam exclusivamente com os efeitos
ras iniciativas foram no sentido de fomen- da maioria dos membros do grupo, isto é,
tar o desenvolvimento da psicologia social com as pressões para a conformidade, intro-
na Europa, razão pela qual promoveu a duz na área o conceito de influência das mi-
realização de vários encontros científicos e norias, tendo realizado investigações com o
treinamentos para os psicólogos sociais eu- intuito de averiguar a inovação e a mudança
ropeus, nos quais os conhecimentos por eles social introduzida por essas minorias. Outro
produzidos começaram a ser divulgados. O campo de estudos a que ele se dedicou
Comitê Transnacional exerceu também um (Moscovici, 1981) foi o das representações
papel ativo na construção e na consolida- sociais, derivado do conceito de representa-
ção da Associação Europeia de Psicologia ções coletivas de Durkheim e caracterizado
Experimental. como modos de compreensão da realidade

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

26 Torres, neiva & cols.

compartilhados por diferentes grupos so- tionamento à psicologia social psicológica


ciais. A teoria das representações sociais foi norte­‑americana, marcada pelo experimen-
amplamente difundida nas décadas seguin- talismo e pelo individualismo, em prol de
tes, inclusive no Brasil, caracterizando­‑se uma psicologia social mais contextualizada,
hoje como uma das principais tendências da isto é, mais voltada para os problemas po-
psicologia social europeia. líticos e sociais que a região vinha enfren-
tando. Estimulados pela arbitrariedade dos
regimes militares e pela grande desigualda-
de social do continente, esses psicólogos so-
O desenvolvimento da psicologia ciais defendem uma ruptura radical com a
social na América Latina psicologia social tradicional (Spink e Spink,
2005).
A psicologia social praticada na América Então, passam a praticar o que tem
Latina, até a década de 1970, esteve for- sido designado como psicologia social crí-
temente influenciada pelo paradigma da tica (Álvaro e Garrido, 2007) ou psicologia
psicologia social psicológica de natureza ex- social histórico­‑crítica (Mancebo e Jacó­
perimental, dominante à época nos Estados ‑Vilela, 2004), expressões que abarcam,
Unidos. Ao final dos anos de 1960, de modo na realidade, diferentes posturas teóricas,
similar ao que já havia ocorrido na Europa, como, por exemplo, o socioconstrucionis-
o Comitê Transnacional, fundado com o ob- mo (Gergen, 1997), a análise do discurso
jetivo de promover a internacionalização da (Potter e Wetherell, 1987) e a psicologia
psicologia social, procurou também atuar marxista, entre outras. Em que pesem as
na América Latina (Moscovici e Marková, diferenças observadas entre essas corren-
2006). Nesse sentido, três de seus membros tes, a psicologia social crítica, grosso modo,
mantiveram contatos com vários psicólogos caracteriza­‑se por romper com o modelo
sociais latino­‑americanos e, em seguida, o neopositivista de ciência e, em consequên-
Comitê Transnacional estimulou a criação cia, com seus postulados sobre a necessida-
de um comitê local, além de patrocinar al- de de o conhecimento científico apoiar­‑se
guns encontros com esse grupo e um primei- na verificação empírica de relações causais
ro treinamento para os psicólogos sociais entre fenômenos. Em contraposição a tal
latino­‑americanos, no qual foi amplamente modelo, defende o caráter relacional da
discutida a necessidade de a psicologia so- linguagem e a importância das práticas dis-
cial estar mais diretamente vinculada aos cursivas para a compreensão da vida social
problemas sociais da América Latina. (Álvaro e Garrido, 2007).
Alguns dos psicólogos desse comitê lo- Na esteira da psicologia social críti-
cal fundam, em 1973, a Associação Latino­ ca, irão surgir, na América Latina, diversos
‑Americana de Psicologia Social (ALAPSO), manuais de psicologia social organizados
que nos anos seguintes continuará a fomen- segundo tal perspectiva crítica (como, por
tar o desenvolvimento de atividades na área exemplo, Aguilar e Reid, 2007; Cordero,
da psicologia social. Contudo, os proble- Dobles e Pérez, 1996; Montero, 1991),
mas políticos que muitos dos países latino­ bem como algumas associações de psico-
‑americanos vivenciaram naquele período, logia social que se contrapõem à ALAPSO,
aliados a dissidências entre os membros do como é o caso, por exemplo, da Associação
comitê local, acabaram por inviabilizar a con- Venezuelana de Psicologia Social (AVEPSO).
tinuação da ação do Comitê Transnacional Um autor frequentemente citado como legíti-
em prol da internacionalização da psicolo- mo representante dessa nova perspectiva na
gia social psicológica na América Latina. psicologia social latino­‑americana é Martin­
Ao final da década de 1970, porém, ‑Baró (1942­‑1989), psicólogo e padre jesuí­
muitos dos psicólogos sociais latino­‑america­ ta espanhol, radicado em El Salvador, que
nos iniciam um forte movimento de ques- defendeu em suas obras o desenvolvimento

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 27

de uma psicologia social comprometida com cial teórico orientado pela concepção de que
a realidade social latino­‑americana. Para ele o ser humano constitui­‑se em um produto
(1989), a construção teórica em psicologia histórico­‑social, de que indivíduo e socieda-
social deve emergir dos problemas e confli- de implicam­‑se mutuamente (Jacques et al.,
tos vivenciados pelo povo latino­‑americano, 1998).
de forma contextualizada com sua história. No que tange à breve história da psi-
No Brasil, as primeiras publicações cologia social brasileira, cabe registrar, por
com foco na análise de questões psicosso- fim, o desenvolvimento dos cursos de pós­
ciais começaram a surgir na década de 1930 ‑graduação stricto­‑sensu no país a partir da
(Bomfim, 2003). Contudo, a instituciona- década de 1980. Esses cursos exerceram im-
lização da psicologia social ocorre apenas portante papel na estruturação de diferen-
em 1962, quando o Conselho Federal de tes linhas de pesquisa na área de psicologia
Psicologia, por meio do Parecer no 403/62, social, orientadas por paradigmas e tendên-
criou o currículo mínimo para os cursos de cias diversificadas, bem como no incremen-
psicologia, estabelecendo, assim, a obriga- to da produção científica brasileira em psi-
toriedade do ensino da psicologia social. cologia social.
A partir de então, e até os anos de
1970, a psicologia social psicológica norte­
‑americana foi a dominante, tal como ocor- Considerações finais
reu no restante da América Latina. Uma
das obras adotadas nos cursos de psicologia A revisão dos eventos que marcaram a his-
social durante esse período, que expressa tória da psicologia social contemporânea re-
tal tendência, é o livro Psicologia social, de vela que, no século XIX, as reflexões sobre
Aroldo Rodrigues, publicado pela primeira o indivíduo e a sociedade desenvolveram­‑se
vez em 1972. Seu autor também foi o res- no contexto da psicologia e da sociologia,
ponsável pelo desenvolvimento de uma pro- sem que houvesse a preocupação com o
fícua linha de pesquisa em psicologia social estabelecimento de limites sobre a nature-
psicológica no país, a qual foi divulgada em za do conhecimento psicossocial. No início
uma série de artigos publicados em perió- do século XX, ocorre uma nítida separação
dicos nacionais e estrangeiros ao longo dos entre esses dois campos do conhecimento,
anos de 1970 e 1980. com a subdivisão da psicologia social, que
A partir do final da década de 1970, os se situava na interface dos dois, em psico-
psicólogos sociais brasileiros também parti- logia social psicológica e psicologia social
cipam ativamente do movimento de ruptura sociológica, que passam a ter suas próprias
com a psicologia social tradicional ocorrido questões centrais, suas teorias e seus méto-
na América Latina. Assim, a partir da publica- dos (House, 1977).
ção, em 1984, do livro organizado por Silvia No contexto da psicologia social psico-
Lane e Vanderley Codo, intitulado Psicologia lógica que se desenvolveu a partir de então,
social: o homem em movimento, sucederam­ o indivíduo sempre esteve no centro das
‑se vários outros manuais brasileiros de psi- principais perspectivas teóricas e dos temas
cologia social (Campos e Guareschi, 2000; de pesquisa. Desse modo, as teorias e os
Jacques et al., 1998; Lane e Sawaia, 1994; programas de pesquisa que lidavam com os
Mancebo e Jacó­‑Vilela, 2004) na perspecti- fenômenos grupais ou coletivos, trabalhan-
va da psicologia crítica. do com conceitos relacionais, acabaram por
Outra importante contribuição a tal sofrer uma solução de descontinuidade e ti-
movimento foi a fundação, em 1980, da veram pouco impacto na área. Tal tendência
Associação Brasileira de Psicologia Social individuocêntrica amparou­‑se na concepção
(ABRAPSO), estabelecida com o propósito da psicologia como uma ciência natural em-
de redefinir o campo da psicologia social e pírica e, com o passar do tempo, revelou­
contribuir para a construção de um referen- ‑se incapaz por si só de explicar o compor-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

28 Torres, neiva & cols.

tamento social em todas as suas nuances Nesse sentido, DeLamater (2003) enfatiza
(Pepitone, 1981). que a psicologia social consiste hoje em um
Ainda assim, durante muito tempo, os campo que se situa na interface da psicolo-
livros de psicologia social adotados nos cur- gia e da sociologia, buscando compreender
sos de psicologia abordavam, em sua maio- a natureza e as causas do comportamento
ria, apenas a psicologia social psicológica, o social humano, partindo do pressuposto de
que fez com que a psicologia social socioló- que o contexto intraindividual e o social in-
gica tenha permanecido, ao longo de várias teragem mutuamente, influenciando e sendo
décadas, com menos peso do que a psicolo- influenciado pelo comportamento individu-
gia social psicológica no âmbito da psicolo- al. Orientados por tal perspectiva, os manu-
gia (Jackson, 1988). Entretanto, a crise por ais de psicologia social mais recentes têm
que passou a psicologia social psicológica procurado contemplar as várias vertentes
nos anos de 1970 contribuiu para modificar nas quais a disciplina atualmente se desdo-
substancialmente esse quadro. bra, na tentativa de contribuir para a cons-
Devido a isso, a psicologia social psico- trução de um conhecimento psicossocial de
lógica, sem abandonar os temas tradicional- natureza científica e capaz de ser aplicado à
mente estudados, passou por uma correção realidade social dos novos tempos.
de rumos e prosseguiu na expansão de seu
corpo de conhecimentos. Paralelamente, fo-
ram surgindo novos olhares sobre antigos
tópicos (como, por exemplo, no caso do Referências
estudo da identidade e das relações inter-
grupais), novos tópicos de estudo (como, ADORNO, T.W.; FRENKEL-BRUNSWIK, E.; LE-
por exemplo, a análise das influências da VINSON, D.J.; SANFORD, R.N. The autoritarin
cultura sobre o comportamento social, pela personality. New York: Harper, 1950.
psicologia transcultural) e um maior esforço AGUILAR, M.A.; REID, A. (orgs.). Tratado de psico‑
de aplicação dos conhecimentos sociopsico- logia social: perspectivas socioculturales. Barcelona:
lógicos na resolução dos problemas sociais Anthropos, 2007.
(Jackson, 1988). ÁLVARO, J.L.; GARRIDO, A. Psicologia social:
Acrescente­‑se a isso o fato de que a perspectivas psicológicas e sociológicas. São Paulo:
McGraw-Hill, 2007.
psicologia social sociológica ressurgiu com
nova força, levando um número cada vez ALLPORT, G.W. The historical background of mo-
dern social psychology. In: LINDZEY, G. (org.).
maior de psicólogos sociais a recorrer ao in-
Handbook of social psychology. Reading, M.A.:
teracionismo simbólico e a outros modelos Addison-Wesley, 1954.
psicossociológicos como estrutura de refe-
ALLPORT, G.W. The historical background of social
rência teórica de suas pesquisas. Além disso, psychology. In: LINDZEY, G.; ARONSON, E. (orgs.).
novos e diversificados paradigmas teóricos e Handbook of social psychology. 2.ed. Reading, M.A.:
metodológicos, que têm como traço em co- Addison-Wesley, 1968.
mum a crítica aos pressupostos da psicologia ALLPORT, G.W. The historical background of social
social tradicional, desenvolveram­‑se e vêm psychology. In: LINDZEY, G.; ARONSON, E. (orgs.).
sendo designados de psicologia social crítica Handbook of social psychology. 3.ed. New York:
ou pós­‑modernas (Álvaro e Garrido, 2007). Random House, 1985.
Por fim, as últimas décadas assistiram à in- APFELBAUM, E. Some teachings from the history
ternacionalização da psicologia social e à of social psychology. Canadian Psychology, v. 33,
consequente produção de um conhecimen- p. 529-539, 1992.
to psicossocial cada vez mais expressivo na ASCH, S. Forming impressions of personality.
Europa e na América Latina. Journal of Abnormal and Social Psychology, v. 41,
A psicologia social contemporânea p. 258-290, 1946.
pode ser assim considerada uma disciplina ASCH, S. Social psychology. New York: Prentice
plural que convive com várias tendências. Hall, 1952.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 29

BLUMER, H. Symbolic interactionism: perspective HOUSE, J.S. The three faces of social psychology.
and method. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall, Sociometry, v. 40, p. 161-177, 1977.
1969. HOVLAND, C.I.; JANIS, I.L.; KELLEY, H.H. Com‑
BOEREE, C.G. History of psychology, part three: the munication and persuasion. New Haven: Yale
1800’s. 2006a. Disponível em: <http://wwww. University Press, 1953.
ship.edu/%7Ecgboeree/histoyofpsych.html>. JACKSON, J.M. Social psychology, past and present:
Acesso em: 25 ago. 2007. an integrative orientation. Hillsdale: Lawrence
BOEREE, C.G. History of psychology, part four: the Erlbaum Associates, 1988.
1900’s. 2006b. Disponível em: <http://wwww. JACQUES, M.G.C.; STREY, M.N.; BERNARDES,
ship.edu/%7Ecgboeree/histoyofpsych.html>. N.M.G.; GUARESCHI, P.A.; CARLOS, S.A.; FONSE-
Acesso em: 25 ago. 2007. CA, T.M.G. Psicologia social contemporânea. 3.ed.
BOMFIM, E.M. Contribuições para a história Petrópolis: Vozes, 1998.
da psicologia no Brasil. In: JACÓ-VILELA, A.M.; JAHODA, G. A history of social psychology: from
ROCHA, M.L.; MANCEBO, D. (orgs.). Psicologia the eighteenth-century enlightenment to the Second
social: eelatos na América Latina. São Paulo: Casa World War. Cambridge: Cambridge University
do Psicólogo, 2003. Press, 2007.
CAMPOS, R.H.F.; GUARESCHI, P.A. Paradigmas em JONES, E.E. History of social psychology. In: KIM-
psicologia social: a perspectiva latino-americana. BLE, G.A.; SCHLESINGER, K. (orgs.). Topics in the
Petrópolis: Vozes, 2000. history of psychology. Hillsdale: Lawrence Erlbaum
CORDERO, T.; DOBLES, I.; PÉREZ, R. Dominación Associates, 1985.
social y subjetividad: contribuiciones de la psicologia JONES, E.E.; DAVIS, K.E. From acts to dispositions:
social. San José: Editorial de la Universidad de the attribution process in person perception. In:
Costa Rica, 1996. BERKOWITZ, L. (orgs.). Advances in experimental
DELAMATER, J. Handbook of social psychology. social psychology. New York: Academic Press,
New York: Kluwer Academic/Plenum Publishers, 1965.
2003. KARPF, F.B. American social psychology: its origins,
FARR, R.M. As raízes da psicologia social moderna development, and european background. New York:
(1872-1954). 2.ed. Petrópolis: Vozes, 1999. McGraw-Hill, 1932.
FESTINGER, L. A theory of social comparison pro- KELLEY, H. Attribution theory in social psycholo-
cesses. Human Relations, v. 7, p. 117-140, 1954. gy. In: LEVINE, D. (orgs.). Nebraska symposium
FESTINGER, L. A theory of cognitive dissonance. on motivation. Nebraska: University of Nebraska
Stanford, CA: Stanford University Press, 1957. Press, 1967.
FISKE, S.T.; TAYLOR, S.E. Social cognition. Rea- KUHN, M. Major trends in symbolic interaction
ding, MA: Addison-Wesley, 1984. theory in the past twenty years. The Sociological
Quarterly, v. 5, p. 61-84, 1964.
GERGEN, K. Social psychology as social construc-
tion. In: MCGARTY, C.; HASLAM, A.A. (orgs.). The LANE, S.; CODO, W. (orgs.). Psicologia social: o
message of social psychology. London: Blackwell homem em movimento. São Paulo: Brasiliense,
Publishers, 1997. 1984.
GOFFMAN, E. A representação do eu na vida coti‑ LANE, S.; SAWAIA, B. Novas veredas da psicologia
diana. 9.ed. Petrópolis: Vozes, 1985. social. São Paulo: Brasiliense, 1994.
GRAUMANN, C.F. Introduction to the history of LEWIN, K. Defining the “field at a given time”.
social psychology. In: HEWSTONE, M.; STROEBE, Psychological Review, v. 50, p. 292-310, 1943.
W.; STEPHENSON, G.M. (orgs.). Introduction to LEWIN, K.; LIPPITT, R.; WHITE, R.K. Patterns of
social psychology. 2.ed. London: Blackwell Publi- aggressive behavior in experimentally created
shers, 1996. “social climates”. Journal of Social Psychology, v.
HEIDER, F. Social perception and phenomenal 10, p. 271-299, 1939.
causality. Psychological Review, v. 51, p. 358-374, MANCEBO, D.; JACÓ-VILELA, A.M. Psicologia
1944. social: abordagens sócio-históricas e desafios contem‑
HEIDER, F. Attitudes and cognitive organization. porâneos. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2004.
Journal of Psychology, v. 21, p. 107-112, 1946. MARTIN-BARÓ, I. Sistema, grupo y poder: Psicolo‑
HEIDER, F. The psychology of interpersonal rela‑ gia social desde Centroamérica. San Salvador: UCA
tions. New York: John Wiley & Sons, 1958. Editores, 1989.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

30 Torres, neiva & cols.

MCGARTY, C.; HASLAM, S.A. Introduction and a RODRIGUES, A. Psicologia social. Petrópolis:
short history of social psychology. In: MCGARTY, Vozes, 1972.
C.; HASLAM, A.A. (orgs.). The message of social RODRIGUES, A.; ASSMAR, E.M.L.; JABLONSKI, B.
psychology. London: Blackwell Publishers, 1997. Psicologia social. 18.ed. Petrópolis: Vozes, 2000.
McGUIRE, W.J. The nature of attitudes and attitude ROSS, L. The intuitive psychologist and his shor-
change. In: LINDZEY, G.; ARONSON, E. (orgs.). tcoming: distortions in the attribution process. In:
Handbook of social psychology. 2.ed. Reading, BERKOWITZ, L. (orgs.). Advances in experimental
MA: Addison-Wesley, 1968. social psychology. New York: Academic Press,
MELO NETO, G.A.R. A psicologia social nos tempos 1977.
de S. Freud. Psicologia: teoria e pesquisa, Brasília, SCHACHTER, S. The psychology of affiliation. Stan-
v. 16, p. 145-152, 2000. ford: Stanford University Press, 1959.
MILGRAM, S. Liberating effects of group pressure. SHERIFF, M. The psychology of social norms. New
Journal of Personality and Social Psychology, v. 1, York: Harper, 1936.
p. 127-134, 1965.
SMITH, M.B. Recent developments in the field of
MONTERO, M. Acción y discurso: problemas de la social psychology. Annals of the American Academy
psicologia política. Caracas: Eduven, 1991. of Political and Social Science, v. 338, p. 137-143,
MOSCOVICI, S.A. Social influence and social chan‑ 1961.
ge. London: Academic Press, 1976. SPINK, M.J.; SPINK, P. A psicologia social na
MOSCOVICI, S.A. On social representations. In: atualidade. In: JACÓ-VILELA, A.M.; FERREIRA,
FORGAS, J.P. (orgs.). Social cognition: perspectives A.A.L.; PORTUGAL, F.T. (orgs.). História da psi‑
on everyday understanding. London: Academic cologia: rumos e percursos. Rio de Janeiro: Nau
Press, 1981. Editora, 2005.
MOSCOVICI, S.A.; MARKOVÁ, I. The making of STEPHAN, C.W.; STEPHAN, W.G. Two social psycho‑
modern social psychology: the hidden story of how logies: an integrative approach. Homewood, I.L.:
an international social science was created. Cam- The Dorsey Press, 1985.
bridge: Polity, 2006. STRYKER. Symbolic interactionism: a social
PEPITONE, A. Lessons from the history of social structural approach. Menlo Park, CA: Benjamin/
psychology. American Psychologist, v. 36, p. 972- Cummings, 1980.
985, 1981. TAJFEL, H. Human groups and social categories:
PEPITONE, A. Culture and the cognitive paradigm studies in social psychology. Cambridge: Cambridge
in social psychology. Australian Journal of Psycho‑ University Press, 1981.
logy, v. 38, p. 245-256, 1986. VALA, J.; MONTEIRO, B. Psicologia social. Lisboa:
POTTER, J; WETHERELL, M. Discourse and social Fundação Calouste Gulbenkian, 2004.
psychology: beyond attitudes and behavior. London: WEINER, B. An attributional theory of motivation
Sage, 1987. and emotion. New York: Springer-Verlag: 1986.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

2
Psicologia social no Brasil: uma introdução
Elaine Rabelo Neiva
Cláudio Vaz Torres

O objetivo deste livro é apresentar a diver- sociais acerca da validade dos métodos uti-
sidade de estudos e abordagens que carac- lizados em suas pesquisas, preponderante-
terizam a psicologia social brasileira, mos- mente experimentais, da relevância social
trando seus enfoques divergentes, algumas de seus resultados, além da ética envolvi-
vezes complementares, que foram construí­ da em alguns de seus experimentos. Essas
dos a partir de posições teóricas e políticas críticas permanecem até hoje, envolvendo,
que procuram gerar conhecimentos bastante inclusive, movimentos dissidentes no Brasil,
aplicáveis à realidade nacional, sem descon- como a psicologia social crítica. Este livro
siderar os temas clássicos da psicologia so- tem por objetivo, além de apresentar os te-
cial e possibilidades de estudos ainda pouco mas da psicologia social clássicos, abordar
explorados no Brasil. outras vertentes de estudo que envolvem os
A psicologia social se beneficia de fenômenos grupal e cultural e, dessa forma,
teo­rizações oriundas dos grandes sistemas mostrar como a psicologia social tem con-
psicológicos (behaviorismo, gestalt, psica- tribuído para a compreensão do homem no
nálise, etc.), mas também apresenta teori- contexto social.
zações próprias, desenvolvidas a partir das Como forma de realizar tal empreendi­
pesquisas realizadas nos últimos 60 anos. mento, este capítulo foi construído para
O campo ainda apresenta microteorias, não apresentar a psicologia social no Brasil, rea­
desenvolvendo algo mais global e pretensio- lizando uma retrospectiva histórica e apre-
so na explicação do comportamento huma- sentando dados sobre a situação atual dessa
no no contexto social. Contudo, vários fe- área no Brasil. Ao final do capítulo, há uma
nômenos psicossociais foram identificados e discussão mais acurada sobre os objetos da
analisados, enfatizando­‑se os fatores que os psicologia social, bem como dos objetivos
influenciam. Nas últimas quatro décadas, a do livro, ressaltando a diversidade de obje­
psicologia social tem sido totalmente domi- tos que são motivadores de pesquisa e as
nada pela psicologia social­‑cognitiva, com teorizações que fundamentam as pesquisas
preponderância de estudos que avaliem os realizadas.
fenômenos sociais sob a perspectiva indivi-
dual. Em uma das chamadas “crises da psi-
cologia social”, nos anos de 1960 e 1970, A psicologia social no Brasil:
os estudos se envolveram mais com fenô- um pouco de história
menos que abarcassem a interação e a rela-
ção entre os indivíduos. Essa crise consistiu Segundo Bomfim (2004), o curso pioneiro
em uma crítica e autocrítica dos psicólogos em psicologia social no Brasil foi ministrado

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

32 Torres, neiva & cols.

por Raul Briquet (1935), seguido pelo tra- 2. crença sobre o grau de controle do am-
balho de Arthur Ramos. Na década de 1930, biente sobre o comportamento humano;
surgiram os primeiros cursos superiores em 3. visão excludente versus visão includente
psicologia social, cabendo a Raul Carlos do self.
Briquet o pioneirismo docente. Médico, nas-
cido em São Paulo em 1887, foi responsável Talvez pelas influências da impreci-
pela cadeira de psicologia social na Escola são do objeto sofrida em outros países, à
Livre de Sociologia e Política de São Paulo. psicologia social caberia o estudo das bases
Desse curso, resultou uma publicação do psicológicas do comportamento social, das
primeiro livro acadêmico em psicologia so- inter­‑relações psicológicas dos indivíduos
cial, editado em 1935. O livro foi estrutura- na vida social e da influência dos grupos
do em duas partes: a primeira versa sobre sobre o indivíduo. Para Ramos, a psicologia
as contribuições da sociologia, da biologia social, uma disciplina entre a psicologia e a
e da psicologia; a segunda, denominada de sociologia, estava em crescente importân-
especial, traz temáticas específicas acerca cia, embora não tivesse seus métodos e ob-
da psicologia social, tendo o autor realizado jetivos ainda claros. A imprecisão no objeto
uma análise dos fatores psíquicos que moti- refletia, e era reflexo, da imprecisão em sua
vam o comportamento social, o instinto, o própria nomeação, sendo denominada como
hábito, as três formas de identidade social interpsicologia, psicologia social, psicologia
(sugestão, imitação e simpatia), a inteligên- coletiva, psicologia das raças, psicologia dos
cia e a vida social. povos, psicologia das massas ou psicologia
O segundo curso de psicologia social das seitas. O próprio Ramos nomeava o pro-
foi ministrado em 1935, por Arthur Ramos fissional da área ora como psicossociólogo,
– médico, nascido em Alagoas em 1903 –, ora como sociopsicólogo.
e resultou na edição do livro Introdução à A articulação entre a psicologia social e
Psychologia Social, publicado em 1936, na antropologia social configurou­‑se como uma
Escola de Economia e Direito da extinta contribuição do curso de Ramos, fundamen-
Universidade do Distrito Federal. Para ele, tada nos escritos de Malinowski (1917),
a psicologia social era uma disciplina entre Franz Boas (1932) e Lévy­‑Bruhl (1922). Sua
a psicologia e a sociologia que necessitava visão se pautava na ideia de psi­cologia so-
de maiores delimitações de seu campo, com cial comparada, com uma perspectiva cultu-
crescente importância, embora seus métodos ralista, originária da antropologia cultural,
e objetivos ainda não estivessem claros. Na e em função de seu ponto de vista cultural,
sua visão, caberia à psicologia social estudar complementaria e questionaria o critério
as bases psicológicas do comportamento so- evolucionista linear, explicando a evolução
cial, as inter­‑relações psicológicas dos indi- psicológica dentro de suas culturas.
víduos na vida social e a influência total do Segundo Bomfim (2004), Briquet e
grupo sobre a personalidade. Vale notar que Ramos forneceram um panorama geral da
tal diferenciação ainda é discutida por auto- psicologia, acentuando as contribuições do
res mais atuais, como Sampson (1985), que behaviorismo, da psicanálise e do gestaltis-
defende a psicologia social como área que se mo, tratando de forma semelhante temas
localiza entre um contínuo bipolar de para- como a sugestão, a imitação, a simpatia, a
digmas do conhecimento, cujos polos foram opinião pública, a censura e a propaganda,
por ele denominados como Individualismo os dois últimos pontos claramente influen-
Autocontido e Individualismo Abrangente. ciados pelo zeitgeist da época. A fundamen-
A diferenciação entre eles é feita com base tação de Ramos para a psicologia social se
nos critérios de: pautava na motivação biológica, no hábi-
to, na aprendizagem social, nas estruturas
1. compreensão do limite entre o self e o instintivo­‑afetivas, nas reações da persona-
“outro”; lidade, na interação mental, na interferên-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 33

cia, no conflito e nos desajustamentos psi- foram criados órgãos como o “Conselho
cossociais, sem relegar temas como a vida Nacional de Pesquisas” (CNPq), em 1951, a
dos grupos, a relação entre o individual e o “Campanha de Aperfeiçoamento e Difusão
social, a psicologia da cultura, a estrutura do Ensino Secundário” (CADES), em 1954,
da mentalidade primitiva, a lógica afetiva e o “Serviço de Educação de Adultos”, em
e sua relação com o pensamento mágico­ 1957. Segundo Bomfim (2004), esse mo-
‑simbólico, as esferas primitivas da realidade mento foi importante para a psicologia
e a sobrevivência das estruturas primitivas. social, pois possibilitou as primeiras teses
Metodologicamente, Ramos também de doutorado com temáticas comprometi-
propunha a utilização de várias formas de das com essa perspectiva, como a tese de
coleta de dados, tais como medidas fisioló- Carolina Bori, que versava sobre a Análise
gicas e morfológicas, os métodos biográfi- dos Experimentos de Interrupção de Tarefas
cos, os métodos de autorrelato e impressão e da Teoria da Motivação na obra de Kurt
pessoal, os questionários e entrevistas e os Lewin (1943), e a tese de Dante Moreira
testes. Entre os vários pontos de congruên- Leite, sob o título de Caráter Nacional do
cia dos dois cursos, ressalta­‑se a visão pa- Brasileiro (1954), que analisou a visão do
norâmica da psicologia social presente tanto que seja o “brasileiro” em diferentes obras
no curso de Ramos como no de Briquet. representativas do chamado “pensamento
Essa abordagem abrangente seria con- social brasileiro”, apontando, nelas, caracte-
trastada, na década de 1940, em um tercei- rísticas conservadoras ou progressistas.
ro curso, ministrado por Donald Pierson, A psicologia social, no início dos anos
na Escola Livre de Sociologia e Política da de 1960, foi atravessada por uma crise que
Universidade de São Paulo. O referido cur- questionava seu caráter teórico e ideológi-
so foi registrado no livro Teoria e Pesquisa co, colocando em cheque tanto sua meto-
em Sociologia (1945), uma coletânea de dologia como as teorizações utilizadas, pois
artigos sobre sociologia e ecologia humana muitos consideravam que a psicologia não
(Bomfim, 2004). havia desenvolvido uma base sólida de co-
Segundo Bomfim (2003a), três fatores nhecimentos estruturada na realidade social
fazem parte do contexto de evolução da psi- e nas vivências cotidianas. Sua teorização
cologia social no Brasil: os relacionados com era centrada, segundo Krüger (1986), no
os avanços de áreas afins, como a sociologia, cognitivismo (relevo aos fatores cognitivos
a antropologia, a educação, a história social e do indivíduo), no experimentalismo como
a própria psicologia; o progresso da psicolo- método de pesquisa, no individualismo (ou
gia social em países da Europa, nos Estados seja, na análise dos fenômenos sociais a par-
Unidos e na América Latina, e, ainda, as con- tir da perspectiva do indivíduo), no etnocen-
dições históricas e econômicas mundiais, es- trismo (já que este modelo de indivíduo era
pecialmente, as condições nacionais, que se o estabelecido na cultura norte­‑americana),
caracterizavam por demandas sociais de co- no uso de microteorias (ou seja, na inves-
munidades, grupos e movimentos sociais, ofe- tigação de microespaços do social) e, final-
receram rumos para a teorização e as pesqui- mente, na perspectiva a­‑histórica, já que o
sas no campo do conhecimento psicossocial. “homem” considerado nesses estudos seria
Na década de 1950, as demandas de- um ser humano presente em todos os tem-
senvolvimentistas tornam­‑se mais premen- pos e espaços. Essa crise teórica, de caráter
tes no país, sustentadas por crenças de que internacional, residiu principalmente nas
um parque industrial forte proporcionaria a dúvidas sobre o método experimental e so-
qualidade de vida do Brasil, de que a indus- bre sua adequação à complexidade e às exi-
trialização e a urbanização levariam à qua- gências do objeto de estudo, pois as regras
lificação dos recursos humanos, construin- do comportamento humano, contrariamen-
do um país moderno e desenvolvido, com te às das ciências naturais, não podem ser
maior ênfase no setor educacional. Assim, estabelecidas definitivamente, uma vez que

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

34 Torres, neiva & cols.

elas se alteram em função das circunstân- Rodrigues, publicado pela primeira vez em
cias culturais e históricas. 1972. Aroldo Rodrigues foi o responsável
Ao final da década de 1970, esse mo- pelo desenvolvimento de inúmeras pesqui-
vimento se intensifica na América Latina, sas, publicadas em periódicos nacionais e
em oposição à psicologia social psicológica estrangeiros entre 1970 e 1980, em psico-
norte­‑americana, marcada pelo experimen- logia social psicológica no país. No restante
talismo e pela perspectiva individual, em da América Latina, contudo, surge a obra
busca de uma psicologia social mais voltada Psicología Social de las Américas (Kimble,
para os problemas políticos e sociais que a Hirt, Díaz­‑Loving, Hosch, Lucker e Zárate,
região vinha enfrentando. Estimulados pela 2002), que faz uma união entre a psicolo-
arbitrariedade dos regimes militares e pela gia social psicológica e a psicologia social
grande desigualdade social do continente, crítica ou histórico­‑crítica, sob um diferente
esses psicólogos sociais iriam defender uma enfoque.
ruptura radical com a psicologia social tra- A partir da década de 1970, o campo
dicional (Spink e Spink, 2005). da psicologia continuava crescendo, com a
Um autor considerado representante implantação dos primeiros cursos de mes-
dessa nova perspectiva na psicologia so- trado específicos em psicologia social na
cial latino­‑americana é Martin­‑Baró (1942­ Pontifícia Universidade Católica de São
‑1989), psicólogo e padre jesuíta espanhol, Paulo, os quais geraram dissertações com
radicado em El Salvador, que defende em temáticas voltadas à realidade brasileira. A
suas obras o desenvolvimento de uma psico- produção literária também aumentava, com
logia social comprometida com a realidade uma grande ênfase nas traduções dos livros
social latino­‑americana. Para Martin­‑Baró estrangeiros.
(1989), a teorização em psicologia social No Brasil, outros psicólogos aderiram
deveria ser contextualizada na história da ao movimento da psicologia social crítica,
região, marcada por problemas e conflitos segundo Bonfim (2003a), discutindo e ana-
vivenciados pelo povo latino­‑americano. lisando as diferenças individuais, grupais e
Assim, nasce uma tendência designada das comunidades e questionando seu papel
como uma psicologia social crítica (Álvaro e político. Os argumentos principais afirma-
Garrido, 2007) ou psicologia social histórico­ vam que as investigações deveriam se esten-
‑crítica (Mancebo e Jacó­‑Vilela, 2004), que der do individual para o social e levar em
aglutina diferentes posturas teóricas, como conta o político e o econômico, no sentido
o socioconstrucionismo (Gergen, 1997), de se obter uma compreensão apropriada da
a análise do discurso (Potter e Wetherell, evolução da psicologia contemporânea e da
1987) e a psicologia marxista, entre outras. vida social.
Na esteira desse movimento, surgem, na Segundo Bomfim (2003b), pelo fato
América Latina, diversos manuais de psico- de a psicologia social no Brasil crescer em
logia social organizados segundo a perspec- meio às conturbações políticas e sociais in-
tiva crítica (como, por exemplo, Aguilar e ternas, houve também uma preocupação
Reid, 2007; Cordero, Dobles e Pérez, 1996; com o ­caráter aplicado da psicologia so-
Montero, 1991), bem como algumas asso- cial com ações pautadas em intervenções
ciações de psicologia social. em comu­nidades e em organizações com
No Brasil, até os anos de 1970, a psi- e sem fins lucrativos. Cresceram, também,
cologia social psicológica norte­‑americana nas empresas e nas instituições brasileiras,
também esteve dominante, de modo seme- as práticas de dinâmica de grupo e de inter-
lhante ao que ocorreu no resto da América venção psicossociológica, que privilegiavam
Latina. Uma das obras bastante adotada as relações interpessoais, empresariais e/ou
nos cursos de psicologia social durante esse terapêuticas. Houve, ainda, um crescente
período, e que expressa tal tendência, é o aumento no número de cursos de psicologia
livro Psicologia social, de autoria de Aroldo criados no país. Nesses cursos, as produções

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 35

como Relações Humanas: psicologia das re‑ que se ocupa, em especial, da vinculação
lações interpessoais (1978), de Agostinho científica de pesquisas desenvolvidas com
Minicucci, e Psicosociologia das Relações base na perspectiva da psicologia social
Pú­blicas (1975), de Cândido de Andrade, ­crítica. A ABRAPSO foi estabelecida em ju-
podem ser citados como outras obras nacio- lho de 1980 com o propósito de redefinir o
nais da área. campo da psicologia social e de contribuir
O movimento de ruptura com a Psi­ para a construção de um referencial teórico
cologia Social tradicional se tornou forte orientado pela concepção de que o ser hu-
no Brasil a partir do final da década de mano se constitui em um produto histórico­
1970, com a publicação, em 1984, do livro ‑social, de que indivíduo e sociedade se im-
organizado por Silvia Lane e Wanderley plicam mutuamente (Jacques et al., 1998),
Codo intitulado Psicologia Social: o homem o que contribuiu para a consolidação do mo-
em movimento. A partir dele, outros manu- vimento.
ais brasileiros de psicologia social tiveram Além do aumento da produção de ar-
o mesmo enfoque (Campos e Guareschi, tigos e de dissertações de mestrado, foram
2000; Jacques, Strey, Bernardes, Guareschi, criados os primeiros cursos de doutorado
Carlos e Fonseca, 1998; Lane e Sawaia, específicos nessa área e defendidas as pri-
1994; Mancebo e Jacó­‑Vilela, 2004, entre meiras teses nos cursos instituídos, e a cria-
outros). De acordo com Bomfim (2003), ção das associações científicas promoveu o
Lane fez seguidores e iniciou teorizações debate científico de modo sistemático, por
características de psicólogos sociais sócio­ meio de encontros com a categoria em dife-
‑históricos, que produzem artigos criticando rentes eventos científicos.
o Estado e o modo neo­‑liberal de produção Nesse período, a psicologia social no
que tem um forte impacto na construção Brasil, de acordo com Bomfim (2003b),
de subjetividades. Segundo Lane e Codo buscou autonomia científica, por meio de
(1984), a psicologia deve assumir um ca- um conjunto de atividades: crescimento
ráter de compromisso com a criação da expressivo da produção publicada, detalha-
consciência entre os atores sociais, consi- mento das temáticas como educação, saúde,
derando principalmente o contexto da luta comunidade, trabalho, etc., inclusão de ou-
de classes. tras perspectivas teóricas e de objeto como
Silvia Tatiana Maurer Lane e Aniela (representações sociais, relações de gêne-
Ginsberg foram professoras fundadoras do ro, movimentos sociais, etc.) inseridos em
Programa de Estudos Pós­‑Graduados em estudos contextualizados em comunidades
psicologia social da PUC­‑SP, o primeiro cur- carentes, além de publicação de estudos e
so de mestrado e doutorado da área a fun- de ampliação da divulgação de aplicações
cionar no Brasil, entre 1972 e 1983, em que da psicologia social.
a psicologia social tornou­‑se uma disciplina Segundo Bomfim (2004), Pinel (2005),
(teórica/prática) referendada em pesquisas Camino (2006) e Lima (2009), a psicolo-
empíricas sobre os problemas sociais brasi- gia social brasileira foi marcada por duas
leiros. Segundo Bomfim (2003), os textos tendências em oposição, representadas
desenvolvidos por professores e autores es- por Aroldo Rodrigues e José Augusto Dela
colhidos são adotados como bibliografia bá- Coleta (empirista, adotando uma aborda-
sica em muitos cursos de psicologia do Brasil gem mais de experimental­‑cognitiva, pre-
e, também, em concursos públicos na área ocupada com processos individuais que se
da saúde e educação. Receberam o prêmio relacionam com o contexto social) e Silvia
outorgado pela Sociedade Interamericana Lane (marxista e sócio­‑histórica). As discor-
de Psicologia (SIP), em julho de 2001. dâncias teóricas e metodológicas presentes
Outro evento importante para a psi- neste campo evidenciaram não apenas posi-
cologia social foi a fundação da Associação ções antagônicas em relação a temas impor-
Brasileira de Psicologia Social (ABRAPSO), tantes no campo da psicologia social, mas

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

36 Torres, neiva & cols.

também deram visibilidade a alguns autores “qualitativas como frouxas metodologica-


que representavam essas rivalidades. mente e sem validade” (Bauer e Gaskell,
De maneira geral, alguns argumentos 2004, p. 35), além da impossibilidade
que resumem as críticas e posições de am- de estipular explicações causais sobre o
bos os lados podem ser levantados: comportamento humano.
f) Outro argumento se fundamenta nas te-
a) A psicologia social baseia­‑se em um mé- orizações com pouco respaldo empírico,
todo descritivo e experimental, ou seja, de caráter metateórico, que se sustentam
um método que se propõe a descrever e em visões ideológicas de mundo e de ser
relacionar aquilo que é observável, fatual. humano. Essas teorizações se tornam
É uma psicologia que organiza, dá nome difíceis de serem transformadas em
aos processos observáveis dos encontros problemas científicos, muitas vezes se
sociais. tornando uma repetição de discursos.
b) Tem seu desenvolvimento comprometido
com os objetivos da sociedade norte­ Segundo Camino (2006), um olhar
‑americana do pós­‑guerra, que precisava mais apurado a respeito desse aspecto de-
de conhecimentos e de instrumentos que monstrará que, no cerne deste problema,
possibilitassem a intervenção na realida- encontra­‑se a questão do tipo de explicação
de, de forma a obter resultados imedia- mais adequado ao comportamento humano.
tos, com a intenção de recuperar a nação, Esse debate tem tomado a forma de dua-
garantindo o aumento da produtividade lismos, como, por exemplo, subjetividade­
econômica. Os temas mais desenvolvidos ‑objetividade, natureza­‑cultura, explicação­
estiveram centrados na compreensão do ‑compreensão, individual­‑social, quanti­
indivíduo, desconsiderando fatores que tativo­‑qualitativo, etc. Nesse debate, esco-
sejam característicos da relação interpes- lher um polo dos dualismos significa neces-
soal e social. sariamente negar a relevância ou o poder
c) Os métodos experimentais trazem pers- heurístico do outro. Ainda para Camino
pectivas reduzidas do contexto social, o (2006), a primeira dessas concepções tem
que gera um conhecimento centrado no como ponto de partida o lugar central ocu-
indivíduo, nos processos sociocognitivos, pado pelo indivíduo e seus processos intra­
partindo de uma noção estreita do social. psíquicos para a explicação dos fenômenos
Este é considerado apenas como a relação sociais. Essa concepção, denominada na
entre pessoas – a interação pessoal – e atualidade de psicologia social psicológica,
não como um conjunto de produções hu- coloca a psicologia social como um ramo da
manas capazes de, ao mesmo tempo em psicologia geral. A segunda, denominada de
que vai construindo a realidade social, psicologia social sociológica, tem suas ori-
construir também o indivíduo. gens no pensamento psicossocial presente
d) Por outro lado, a psicologia social crítica na sociologia e preconiza, como objeto de
tornou esse debate relacionado a toma- estudo da psicologia social, o social. Dito em
das de posições políticas, o que produziu outros temos, na primeira, o social seria o
uma psicologia social comprometida com adjetivo, e, na segunda, o social seria o pró-
as lutas sociais, engajada com as mu- prio substantivo.
danças sociais que seriam resultantes do Enfim, envolvida em discussões sobre
empoderamento das classes populares e, a natureza do objeto, definido por uns como
ao mesmo tempo, um tanto quanto mani- societal, ou, por outros, como a introjeção
queísta e dicotomizada, sobretudo no que do social no indivíduo, o campo específico
se refere aos aportes metodológicos. da psicologia social é o campo da articula-
e) Além do maniqueísmo, existem os ar- ção de diferentes níveis de análise, desde os
gumentos que consideram as pesquisas processos cognitivos até os níveis culturais.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 37

A psicologia social no Brasil hoje A pesquisa contou com o apoio da


ANPEPP (Associação Nacional de Pesquisa e
Para que seja desenhado um retrato da psi- Pós­‑graduação em Psicologia) para realizar
cologia social no Brasil, serão apresentados o contato com os pesquisadores e divulga-
os dados da pesquisa de redes sociais de ção da pesquisa.
pesquisadores da pós­‑graduação em psicolo- De forma resumida, pode­‑se conside-
gia no Brasil, realizada por Neiva e Corradi rar que a amostra da pesquisa foi constituí­da
(2008). Serão apresentados e discutidos os por:
dados sobre a pesquisa no que tange aos
pesquisadores da área de psicologia social. • 395 pesquisadores que responderam à
A classificação dos pesquisadores por área pesquisa, sendo que 350 responderam
foi feita por meio da análise do Currículo completamente.
Lattes dos pesquisadores. A partir da clas- • 2.787 indicações de pesquisadores entre
sificação, foi traçada uma rede com os pes- membros de Grupos de Trabalho (GTs)
quisadores que foram classificados na área de 2006 da ANPEPP, outros pesquisadores
de psicologia social, demonstrando as cone- no Brasil e pesquisadores estrangeiros.
xões da área. • 1.344 pesquisadores foram indicados no
A pesquisa foi realizada em 2007, por bojo das 2.787 indicações totais.
meio de um questionário eletrônico, que foi
respondido por vários pesquisadores que se Para separar os pesquisadores perten-
encontram vinculados a programas de pós­ centes a essa rede social, foi elaborada uma
‑graduação no Brasil na área de Psicologia. classificação dos pesquisadores por meio
A base de dados para identificar os respon- do Currículo Lattes. A classificação, por
dentes dos questionários foi elaborada a meio do autorrelato, indicado pelo Lattes,
partir dos dados disponíveis nas bases do demonstra uma ampla possibilidade de ob-
CNPq, da CAPES e da Associação Nacional jetos que são classificados como objetos da
de Pesquisa e Pós­‑graduação em Psicologia psicologia social, enfatizando desde temas
no Brasil – ANPEPP. Os dados dos respon- bastante aplicados como comportamentos
dentes foram validados pelos Coordenadores do consumidor, violência, pesquisa transcul-
dos Programas de pós­‑graduação em psico- tural e construção da subjetividade até estu-
logia vinculados a ANPEPP. Novos nomes dos com temas de aplicação menos visível,
de pesquisadores poderiam ser inseridos no como atribuição de causalidade e erros de
banco de dados a partir dos vínculos indica- julgamento, etc.
dos pelos pesquisadores que respondiam ao A rede de psicologia social possui ca-
questionário. racterísticas muito peculiares. Trata­‑se de
A pesquisa teve por objetivo caracte- uma rede com 403 atores (dos 1.344 atores
rizar as redes de pesquisadores brasileiros participantes da pesquisa), constituindo a
e estrangeiros (com conexões com brasilei- rede com maior número de atores dentre as
ros) envolvidos com a pós­‑graduação em subáreas da psicologia. Os 403 atores envol-
psicologia. O questionário online usado para veram 522 indicações de relacionamentos
a pesquisa envolveu questões sobre as ca- realizados entre os pesquisadores da rede
racterísticas das redes sociais sob o ponto de social. Considerando o número de relações
vista dos atores (pesquisadores). Os temas existentes sobre as relações possíveis, a den-
do questionário foram relações existentes sidade da rede é de 0,4%, considerando­‑se
entre os pesquisadores, tipo de conteúdo seus 403 atores. O índice de coesão da rede
transacionado nas relações entre pesquisa- está em torno de 0,8%, enquanto que a dis-
dores, tais como participação em bancas, tância média entre os atores (distância geo­
publicações conjuntas, realização de pesqui- désica) é de 2,3 atores. Ou seja, cada pes-
sas ou apresentações de trabalhos, etc. quisador da rede precisa, em média, de 2,3

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

38 Torres, neiva & cols.

contatos intermediários para se relacionar Neiva e Corradi, 2008). Existiram redes com
com qualquer ator da rede social. O diâme- distância geodésica em torno de 3 atores e
tro (maior distância entre atores) da rede de diâmetro em torno de 9 atores, com número
psicologia social é de 9 atores. Mais da me- de atores ligeiramente inferior ao da rede
tade da rede apresenta uma distância entre de psicologia social (em torno de 220 e 280
2 e 5 atores, conforme mostra a Tabela 2.1. atores).
A densidade diz respeito à proporção entre Não se trata de uma rede social com
os vínculos possíveis e os vínculos existen- subgrupos dispersos, voltados para redes
tes na rede social. A coesão aborda o grau sociais com pesquisadores estrangeiros (net­
de fragmentação da rede que permite des- working internacional) e pouca imersão na
conexões ou quebras entre relacionamentos rede nacional. Na rede de psicologia social,
possíveis. A distância geodésica aborda as há uma distribuição de pesquisadores es-
distâncias entre os atores que podem exigir trangeiros (76 estrangeiros para 307 atores
intermediários para que as conexões entre nacionais, o que caracteriza 19% dos 403
as pessoas ocorram, ou seja, a distância geo- pesquisadores da rede social). Os conteúdos
désica aborda quantas pessoas são necessá- mais trocados pelos atores seguem a ten-
rias para que um ator acesse outros atores. dência predominante em todas as subáreas
O diâmetro é formado pela maior distância da psicologia, pois os conteúdos trocados
geodésica da rede social. pelos autores, em sua maioria, são partici-
De maneira geral, pode­‑se avaliar pação em bancas de dissertações e teses e
que é uma rede satisfatoriamente conecta- participação em simpósios e mesas redondas
da, considerando­‑se seu tamanho, com um em congressos. Há uma tendência pequena
conjunto de relações consideráveis, não se para realização de pesquisas conjuntas e pu-
tratando das redes com maiores índices de blicações em coautoria.
fragmentação, ou menores índices de coe- Verificou­‑se a presença de 35 cliques.
são e densidade. Há uma distância média Os cliques constituem subgrupos na rede
entre atores relativamente baixa para o ta- que se caracterizam por relações recíprocas
manho da rede, e o diâmetro também não entre os pesquisadores. Trata­‑se de uma rede
é alto, para uma rede com tais proporções, com um conjunto relativamente inferior de
principalmente se levarmos em conside- subgrupos ou panelinhas, o que abre espaço
ração os resultados das outras redes (ver para uma endogenia menor dos subgrupos
quando consideradas as demais redes das
subáreas da psicologia (existem redes com
38 ou 37 cliques e 220 a 300 atores).
Tabela 2.1 A Figura 2.1 apresenta uma ilustração
Frequências da distância geodésica das relações entre os pesquisadores classifi-
cados como psicólogos sociais, além de es-
Frequência Proporção
pecificar os tipos de papéis apresentados pe-
1 402.000 0,182 los pesquisadores e o formato geral da rede
2 449.000 0,203 social. É uma rede que apresenta quatro
3 465.000 0,211 pesquisadores totalmente desconectados da
4 329.000 0,149 rede social. Alguns atores indicados como
5 245.000 0,111 conectores centrais, estabelecendo elos den-
6 156.000 0,071 tro dos subgrupos (marcados em cinza cla-
7 98.000 0,044 ro), outros atores que desempenham o pa-
8 48.000 0,022 pel de expansores de fronteiras, conectando
9 17.000 0,008 subgrupos diferentes (marcados em branco)
Fonte: UCINET.
e atores que atuam em função dupla (conec-
tores e expansores, simultaneamente, mar-
cados em preto).

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 39

559
1336 1349
1516 1060

833 1545

940 859 752


957 1513 729 1853
583 1867
633 485 537
603 504 740 1134 1769 1151
840 1426
1203 1074
802 111 927 12501664 1646 1607
889 1500
1624 1993 637
874 89
1807 1287 585 862 596 644
1726 872 1606
800 490 792 1006
681 1233 1691 1515 500 1802 512
1637 938 1805
1445 923 904 973
841265781 1327
824 297 1108 974 934
1138 470 1114
922 1242 877 1230
1134 166 566 837
1519 1551 896 2126 958 738
1238
1835 1670 10 1000
1679
773 548
1062 883
793 777
1133 1456 1522 1070 1843
750 623 772 1765 1047 1009
1620 666 1766 962 475 1085
1665 757 909 899 720
642 569 965 1371 1592 902
1055 1814 5555 975
1065 000 878 1073 558 1030 1728
1061 628 1713 782 1602
1689 1797 1716
1059 480 1605
853 907 1106
1775 901 1596 1767
1071
1739 1319
1775 1469 512 953 575
608 929 1465 1124
932 507 1325
926 560 596 697
1660 1262 1040 1799 1295
526 1037 978 1614
950 8 938
1661 578
915 1719 1146 1036 1118 1112 1789 1027
511 735 1798 707
1348 1857 979 1010 667
809
1269 1279
1855 1836 279 1023
1368 1479
1469 1816
1708 778 1787 1707 1902 578
1029 1341
95 1692 884 968 1361
946 1137
1804 967 963 1839 519
1011 696
1328 1779 813 918
951 1475 1588
1899 1554 503
1888 667 1608 1347
986 464
1367
1107 1476
1169
1361 799 976 1018
1590
1901
1362 1115
1107 1417 1109
715
1770 1770

1291
854
766 855

856
1224 1084
1117
906 1172

Figura 2.1
Representação da rede de psicologia social e os papéis de seus atores.

Uma análise preocupante ocorre quan- rede social. Outros três atores (0,74%, mar-
do são consideradas as características da cados em branco) realizam o papel de conec-
rede social de pesquisadores em psicologia tores centrais, que se encarregam de manter
social no que diz respeito aos papéis desem- conectados os membros dos subgrupos da
penhados pelos atores na rede social. rede. O conector central repassa conteúdos
A rede apresentada pela Figura 2.1 ilus- transacionados entre os próprios membros
tra a divisão desses atores no que diz respeito do subgrupo. Alguns atores atuam em ambos
aos papéis que eles representam na rede so- os papéis (conectores e expansores). No caso
cial. Desses 403 atores, apenas 22 (5,46%, da psicologia social, são 11 atores, ou 2, 73%
marcados em preto) atuam como expansores (cinza escuro), do grupo de pesquisadores.
de fronteiras, responsáveis por realizar a co- Considerando­‑se os dados apresenta-
nexão entre os subgrupos diferentes das re- dos no parágrafo anterior, a rede de psico-
des sociais. São atores que mostram a possi- logia social possui mais possibilidades de
bilidade de intercâmbio entre os vários atores crescimento do que possibilidades de forta-
que representam tendências diferenciadas na lecimento das relações internas. São muitos

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

40 Torres, neiva & cols.

atores (33 ao todo) realizando as atividades 11,17% (45) deles são bolsistas do CNPq,
de conexão entre as partes mais diferen- o que se traduz no menor índice de bolsis-
ciadas da rede, enquanto que um número tas quando comparadas todas as subáreas
bem menor (14 ao todo) realiza as ativida- da psicologia. Outro questionamento bas-
des de repasse de conteúdos, de materiais e tante pertinente a área de psicologia social
de informações entre os membros de seus diz respeito ao menor número de bolsistas
subgrupos. Os conectores centrais são extre- presentes na área. Tendo em vista que os
mamente importantes, porque estão preo­ bolsistas são escolhidos por critérios de pro-
cupados com a manutenção das conexões dutividade científica, pode existir uma baixa
internas, e não com a expansão delas. Outro produção nas pesquisas em psicologia social
fator mais preocupante diz respeito ao fato no país.
de que a maioria dos conectores centrais A Figura 2.2 ilustra a distribuição dos
rea­liza duplo papel como expansores e co- psicólogos sociais pelo território nacional.
nectores ao mesmo tempo. De acordo com Neiva e Corradi (2008), um
Considerando­‑se também os papéis dos fatores que interferem no aproveitamen-
representados por esses atores, apenas to e na produção da rede está relacionado à

559 1607
1008 537 1117 1172 1364
833 1000 644 637 906
151 1426 1362
957 934 1653 973 766
1115 1291 915
1203 837 1606 799 1367
1901 1053
512 1114 1107
1807 1347 1417 586 1061
1770
1646 1102 963 1735
1764
738 966
1341 974 493 740 504 1775
696 720 971 1500 884 1059
976 548
18991888 1074 526
1728 1476 1839 500
1047 1116
883 1739 1779
985 1030 1665 809
1716 792 465 492 946 951
1265 773 550
1835
1009 958 1169 1602 778
1767 922 511
519 888 1269
1554 813 112 1262 1857
1343 1768 1797 1456
575 1475 1361 560 1836
1596 95 1327 1279 880 1166 1031
697 503 556 464
466 771 882 1713 10061523 757
904 103 1469 1551
938 1230 903 666
1803 902 1037 642 628
996 907 1824 1445
1027 1769 1323 1139 1465 907
905 1238 878 1242 1689
1124 457 551 1040 965 569 896 1287
1018 1867 861 1108 771 1070 1126 1130
909 1667 877 927
1023 1123 978 1069 1106 1057 608
681
925 667 558
1664 782 988 1670 1679 923
1224 729 1029 470 489 1660
854 1583 859
1593
1112 979 1592 793
15911661
781 583
901 1071 647 638 585
856 752 1319 1110 1515
1119 480 475 1787 889 1545 603 518
911 872
1118 678 1765 1805 1141
1084 1014 929 957 840
1608 1531 1233
1624 899 531
855 578 1368 1798 633
952 1702 485 1637
1109 1588 1348
1799 1328 797 1146 843 1134
967 926 1519
1590 1295 1513 1620
507 495 1692
1063 802 1726
1121 918 1804 940 800
1789 1816 707 1336 874 1138
1667 824
1479 1349 1133 1065 750 1665 1855 1719
1902 1614 1516

Legenda:
Pesquisadores estrangeiros Pesquisadores do Nordeste
Pesquisadores de outras áreas do conhecimento Pesquisadores do Rio de Janeiro
Pesquisadores do Sul Pesquisadores de Minas Gerais
Pesquisadores de São Paulo Pesquisadores do Espírito Santo
Pesquisadores do Centro­‑ Oeste Pesquisadores do Norte

Figura 2.2
Distribuição dos pesquisadores por Estado/Região.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 41

proximidade geográfica e à distribuição de não se mostram como tais na prática; dife-


recursos. rentes abordagens teóricas e metodológicas
Os 403 atores estão distribuídos entre que não permitem que a parceria se efetive
6 pesquisadores da região norte, 44 do nor- na prática, pois a colaboração requer tempo
deste, 46 de São Paulo, 20 de Minas Gerais, e energia (recursos individuais escassos),
46 do Rio de Janeiro, 3 do Espírito Santo, especialmente entre estranhos (mérito/
34 da região centro­‑oeste e 42 da região sul. reconhecimento) e depende de condições
A região sudeste precisou ser dividida na geográficas que tornam a colaboraçao mais
pesquisa em função da alta concentração de difícil quando potenciais colaboradores são
pesquisadores. Ainda entre esses 403 atores, geograficamente muito distribuídos, como é
96 (ou 23,82%) são pesquisadores estrangei- o caso da rede de psicologia social.
ros e 76 (ou 18,86%) de outras áreas do co- O nível de cooperação também pode
nhecimento (sociologia, antropologia, etc.). ser definido pela área à qual o pesquisador
Trata­‑se de uma rede com índices medianos pertence. Estudos de Storer, Carpenter e
de presença de pesquisadores estrangeiros e Frame, Gordon e Lodahl (Balancieri et al,
de pesquisadores de outras áreas, quando a 2005) mostram que as ciências básicas e na-
rede é comparada com outras subáreas da turais apresentam um índice maior de coope-
psicologia. A Figura 2.2 ilustra essa distribui- ração do que as ciências aplicadas e sociais.
ção por estados/regiões brasileiras. Katz e Martin (1997) mostram que expe-
É uma rede com pesquisadores dis- rimentalistas tendem a colaborar mais do
tribuídos em todo o território nacional, que teóricos. Alguns trabalhos demonstram
realidade diferente de outras áreas da psi- que os trabalhos individuais predominam
cologia como Desenvolvimento, Processos na área de humanidades, como Poclación e
Psicológicos Básicos e Escolar e Educacional, Noronha (2002) e Newman (2004).
que possuem uma quantidade maior de pes- Enfim, essa dispersão de objetos e essa
quisadores entre os estados de São Paulo e distribuição geográfica pode se concretizar
o sul do país (Neiva; Corradi, 2008). A loca- em uma rede social da área que mantém
lização geográfica pode ser mais importante um potencial considerável de contatos para
que as atividades de networking para se ter uma rede com tal tamanho, mas a produção
acesso a recursos de pesquisa (concentra- nacional pode ficar comprometida.
ções de pesquisadores por Estado). Contudo,
considerando­‑se as inferências sobre produ-
ção feitas a partir do número de bolsistas na
rede, a rede de psicologia social pode estar Temas de pesquisa e pós­‑graduação
mais preocupada em realizar networking do em psicologia social no Brasil
que em fomentar produção em grupo, tão
necessária à construção do conhecimento. Dos 58 programas de pós­‑graduação em
De acordo com Neiva e Corradi (2008), funcionamento atualmente no Brasil, 9
os fatores que mais influenciam o desenvol- adotam o termo psicologia social em sua
vimento de parcerias entre os pesquisadores nomenclatura formal. Os programas que se
brasileiros são a abordagem teórica, a abor- dedicam ao estudo de temas da psicologia
dagem metodológica e as afinidades pesso- social foram agrupados no Quadro 2.1. É
ais, o que parece se reproduzir na área de importante ressaltar que todas as regiões
psicologia social. brasileiras possuem algum programa que se
Existem algumas razões a serem con- dedica aos temas da psicologia social, além
sideradas para que não ocorra colaboração de envolver importantes universidades bra-
entre os pesquisadores ou para que a colabo- sileiras no Rio de Janeiro, em São Paulo, no
ração não se transforme em produtos cien- Distrito Federal e no nordeste.
tíficos. Essas razões podem se concretizar Os 307 pesquisadores brasileiros clas-
em interesses aparentemente similares que sificados como pertencentes à subárea da

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

42 Torres, neiva & cols.

Quadro 2.1
Relação dos programas de pós­‑graduação em psicologia social no Brasil

Programa Universidade

Psicologia Social Pontifícia Universidade Católica de São Paulo


Psicologia Social Universidade Estadual do Rio de Janeiro
Psicologia Clínica e Social Universidade Federal do Pará
Psicologia Social Universidade Federal da Paraíba
Psicologia Social e Institucional Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Psicologia Social, do Trabalho e das Organizações Universidade de Brasília
Psicologia Social Universidade de São Paulo
Psicologia Social FUF
Psicossociologia de Comunidades e Ecologia Social Universidade Federal do Rio de Janeiro

psicologia social foram objeto de uma aná- Para onde olhar quando se quer compreender
lise de conteúdo quanto a seus temas de os mecanismos usados para explicar o com-
pesquisa e uma classificação desses temas, portamento manifesto? A psicologia sempre
realizadas por três pesquisadores. Os temas teve uma relação ambivalente com o social.
encontrados e classificados se encontram na Essa divisão entre psicologia e as outras ci-
Tabela 2.2. ências sociais possui origens remotas e leva-
Os temas mais frequentes, de acor- ram à dessocialização da psicologia social e
do com as classificações dos currículos dos a despsicologização das demais ­ciências so-
pesquisadores, foram: construção social ciais. Emile Durkeim (2002) afirma que o
da subjetividade; atividade, consciência, fenômeno sociológico não pode ser reduzi-
identidade, afetividade, emoções, lingua- do ao fenômeno psicológico, por outro lado,
gem e pensamento sob a perspectiva sócio­ Floyd Allport (1920, 1924) definiu a psicolo-
‑histórica; história, representações sociais e gia social como uma ciência dos indivíduos,
cultura e construção da cidadania e inclu- e Gordon Allport (1954), seu irmão, definiu
são social. Dentre os temas mais frequentes, a psicologia social como o estudo de como os
dois dizem respeito a fenômenos no nível pensamentos, os sentimentos e os comporta-
individual sob a perspectiva social, e os dois mentos dos indivíduos são influenciados pela
últimos dizem respeito a fenômenos que presença de outros imaginários ou atuais.
ocorrem mais no nível social. A ideia das causas dos comportamen-
Quando se olha para essa diversidade tos serem originárias nas mentes dos indi-
de temas e para a ambivalência entre temas víduos tornou­‑se especialmente prevalente
que ora retratam aspectos individuais, ora depois da revolução cognitiva, e o social
retratam aspectos mais coletivos, retorna­‑se passou a ser visto como fonte de informação
à questão sobre qual é o objeto da psicologia (Baerveldt, 2004). Alguns fatores compli-
social. cadores, como cultura e fatores históricos,
Enfim, o que é o social da psicologia foram completamente negligenciados ou
social? A psicologia tenta explicar compor- transformados em processos cognitivos co-
tamento. Comportamento é algo observável. letivos (Gardner, 1985).

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 43

Tabela 2.2
Relação de temas indicados pelos pesquisadores da área de psicologia social

Temas Nº de pesquisadores

Construção da cidadania e inclusão social 31


Estudos sobre gênero, raça e idade 22
Cotidiano e participação social 15
Cultura e diversidade 12
Construção social da subjetividade 49
Comportamento, relacionamento e interação social 11
Atividade, consciência, identidade, afetividade,
emoções, linguagem e pensamento sob as perspectivas
antropológica e sócio­‑histórica 37
Aspectos teóricos e metodológicos ligados à psicologia social 11
Psicologia política e movimentos sociais 13
Estudos sobre a violência 23
Trabalho e ação social 14
Processos sociocognitivos e psicossociais (atribuição de
causalidade, erros de julgamento, etc.) 9
História, representações sociais e cultura 33
Valores humanos e cultura 12
Psicologia ambiental 7
Estudos sobre justiça social 8

Quando a psicologia social e a cogni- Os métodos experimentais ou correlacionais


ção social definem o “social”, há uma indica- conseguem cobrir essa dimensão específica
ção usual do social como variável indepen- do social?
dente e do comportamento como variável O próprio Gordon Allport (1937), en-
dependente. Além da tradição experimental tre suas diversas aproximações inovativas
na psicologia social, principalmente nos es- ao estudo da psicologia humana, utilizava­
tudos norte­‑americanos, há também os estu- ‑se de escritas pessoais e das criações artís-
dos correlacionais, especialmente na forma ticas dos indivíduos. Nem ele, autor da defi-
da psicologia transcultural (abordada mais nição mais psicológica de psicologia social,
adiante), que transforma a cultura como era restritivo quanto aos métodos e aborda-
uma fonte de variáveis independentes para gens metodológicas do fenômeno psicosso-
compreender comportamentos, atitudes, cial (Nicholson, 2000). Conforme ressaltado
sentimentos ou características individuais anteriormente, Allport (1954) define que a
(Gardner, 1985). Contudo, quais são as vari- psicologia social tenta entender e explicar
áveis dependentes e independentes quando como os pensamentos, os sentimentos e os
o pesquisador está interessado no que ocor- comportamentos dos indivíduos são influen-
re “entre as pessoas” em um determinado ciados pela presença atual, imaginada ou
contexto? Como estudar e compreender o implícita dos outros. Todavia, na realidade,
que ocorre em uma conversa ou diálogo? a psicologia social não se interessa apenas

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

44 Torres, neiva & cols.

em como o indivíduo é influenciado por ou- as e de seus ambientes sociais, com ênfase
tros ou por seu meio. Fica clara a preocupa- nas relações entre os eventos e “entre” as
ção dos psicólogos sociais atuais sobre como pessoas e seus ambientes sociais. Em função
o meio (e os outros!) são influenciados pelo desse foco dualístico (pessoas e ambiente
indivíduo. A psicologia social é, de fato, uma social), torna­‑se difícil encontrar leis uni-
via de mão­‑dupla. versais, pois as disciplinas limítrofes dificil-
De acordo com Markus e Zajonc mente alcançam leis universais. A missão
(1985), no Handbook of Social Psychology, da psicologia social de explicar a influência
o definidor do social é a reciprocidade e a recíproca do psicológico e do contexto social
intersubjetividade, ou seja, o social não é das realidades coloca as leis universais em
somente um fator de certo estímulo, mas é cheque.
alguma coisa que acontece entre pessoas, na
interação. Isso coloca diversos desafios para
a tradição empírica individualista da psico-
logia social, o que coloca questionamentos Em busca de conclusões...
sobre o fato de a psicologia experimental
colocar indivíduos separados em algumas A maioria dos modelos estudados pela psico-
condições experimentais e isso trazer gran- logia social foi desenvolvida principalmente
des explicações sobre o que acontece entre nos Estados Unidos e em países da Europa
as pessoas. Por outro lado, os estudos cor- Ocidental, destacadamente o Reino Unido.
relacionais precisam avançar nas formas de Tais modelos enfocam prioritariamente o
estudo sobre o que as pessoas compartilham indivíduo em diversos contextos, tais como
e quais pessoas compartilham certos arran- organização, escola, família ou convívio so-
jos, convenções e acordos. cial, inserido em um contexto nacional ou
Gold e Douvan (1997) propõem uma cultural, e tentam explicar o comportamento
integração nos estudos da psicologia social, por meio dos valores e das metas individu-
destacando uma integração de teorias e da- ais (Triandis, 1994). Como resultado dessa
dos empíricos e uma integração de objetos. ênfase no indivíduo, boa parte da pesquisa
Não se trata de considerar que a psicologia em psicologia social realizada nas últimas
social tenha um único objeto, mas seus obje- três décadas tem ignorado as diferenças
tos individuais (a introjeção do outro) e so- culturais e nacionais nos valores e crenças
ciais (compartilhamento, o que forma e de- das pessoas, e como essas diferenças afetam
fine o grupal e o coletivo) possuem origem, seu comportamento cotidiano. Contudo, o
natureza e repercussão no indivíduo, embo- rápido desenvolvimento no ambiente or-
ra não se resuma ao psicológico. A integra- ganizacional e a globalização do mercado
ção possui foco na interação entre o social e de trabalho não podem mais ser ignorados
o psicológico. Isso está relacionado às pes- (Earley e Erez, 1997). Tais processos têm
soas e seus ambientes sociais. Esse tipo de um impacto direto na vida de indivíduos co-
psicologia social é vital às ciências sociais, muns, em sua motivação, comportamento,
porque a natureza de ambos, indivíduos e desempenho e demais resultados. Logo, é
ambiente social, depende fortemente desse necessário confrontar as diferenças cultu-
encontro. Segundo Gold e Douvan (1997), rais de necessidades pessoais, normas para
os psicólogos sociais estiveram perdidos, e comportamento e valores, para citar alguns.
a crise continua em função das frequentes O que parece estar faltando é uma literatura
posições antagônicas presentes entre pes- que integre os contextos culturais e nacio-
quisadores. Segundo esses mesmos autores nais nos quais diferentes pessoas vivem com
(1997), a psicologia social não pode aspirar modelos teóricos desenvolvidos em países
à descoberta de leis universais devido à na- muito específicos nos quais a ênfase no in-
tureza dessa ciência. A psicologia social é o divíduo é clara. As pesquisas desenvolvidas
estudo das influências recíprocas das pesso- nesses países – que representam menos de

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 45

um quinto da população mundial quando Essa similaridade é a base de um argumen-


levamos em consideração sua orientação in- to que será desenvolvido mais adiante nos
dividualista, comparados aos outros quatro próximos capítulos sobre relacionamentos
quintos da população que têm uma orienta- entre grupos e contatos intergrupais.
ção coletivista – podem não estar refletindo Dentre esses temas já tradicionais de
com adequação as preferências culturais e, pesquisa, os psicólogos sociais interessados
consequentemente, podem estar propondo na percepção da pessoa buscam determinar
modelos de explicação da realidade que têm a maneira pela qual as pessoas fazem julga-
sua eficácia reduzida. mentos sobre os outros e como elas contro-
A proposta deste livro é trazer uma lam o julgamento que os outros fazem delas.
perspectiva integradora para o objeto da psi- O primeiro caso é conhecido como formação
cologia social, considerando­‑se a produção da impressão, e o segundo, como gerencia‑
de pesquisa nacional e outras possibilidades mento de impressão. A formação de impres-
de estudo não presentes na realidade brasi- são e outros tipos de julgamento social são
leira, sem ignorar as contribuições clássicas afetados por processos e estruturas cogni-
da psicologia social. Portanto, aqui serão tivas. Dentre elas, algumas são ressaltadas
abordados vários temas que foram tangen- a seguir, aliadas a uma breve apresentação
ciados pela literatura científica brasileira. dos pontos mais pesquisados:
Afinal, o que você irá encontrar neste livro?
1. Os “esquemas” (ou schemata) e protótipos.
As pessoas desenvolvem esquemas, ou
redes de informação que são organizadas
O que você irá e mentalmente interconectadas, basea-
encontrar neste livro? das nas experiências pessoais e sociais
anteriores e, então, usam tais esquemas
Como poderemos notar no decorrer do livro, para julgar situações atuais. As pesquisas
de uma forma geral, os psicólogos sociais sobre os esquemas demonstraram que
investigam alguns fenômenos da psicologia as pessoas tipicamente prestam mais
social que merecem destaque, especialmen- atenção às evidências que confirmam os
te por serem considerados “clássicos” na esquemas que já existem: elas interpretam
área. Dentre eles, vemos a proliferação de a informação e os eventos de uma forma
pesquisas em estudos sobre a percepção da consistente com seus esquemas e também
pessoa; a influência social; o preconceito tendem a se lembrarem mais daquelas in-
e a discriminação; e a atribuição de causa. formações que são consistentes com seus
Diversas dessas tradições de pesquisas serão esquemas (p. ex., Cohen, 1981; Rothbart,
exaustivamente abordadas neste livro, com Evans e Fulero, 1979). Já os protótipos re-
especial enfoque em trabalhos realizados no presentam outro tipo de estrutura mental
país. e se referem a modelos que criamos sobre
De acordo com o levantamento de as qualidades típicas de certos grupos ou
temas dos pesquisadores, esses processos categorias (p. ex., líderes, criminosos,
cognitivos têm recebido uma atenção res- idosos).
trita dos pesquisadores, pois somente nove 2. A heurística. Para facilitar o processa-
pesquisadores se dedicam a tal empreendi- mento e uso das grandes quantidades
mento na literatura brasileira, em contrapo- de informação a que as pessoas estão
sição, a literatura internacional oferece uma expostas no cotidiano de suas vidas, elas
vasta gama de descobertas nessa área. É desenvolvem “regras de conduta”, ou
mister relembrar diretamente algumas des- heurística. Tversky e Kahneman (1974)
sas pesquisas clássicas, sobretudo pelo fato fizeram a distinção entre dois tipos de
de que todas, embora tratem de fenômenos heurística, ambos os quais podem enviesar
distintos, trazem consigo uma similaridade. a formação de impressão e outros julga-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

46 Torres, neiva & cols.

mentos sociais. Quando estamos usando “inteligente, habilidosa, fria, determinada,


a heurística representativa, o julgamento prática e cuidadosa”. De acordo com Asch,
que fazemos sobre alguém é baseado na isso ocorre porque o termo “fria” é um
similaridade que essa pessoa tem com um traço central, que carrega mais peso do
membro “típico” de um grupo (p. ex., “ela que outros traços, uma vez que ele fornece
se veste e se parece como uma advogada; uma informação única, que é associada a
logo, ela deve ser uma advogada”). A heu- um grande número de características.
rística de disponibilidade é a tendência de 5. Efeito de primazia. Quando alguém se
se utilizar aquela informação que é mais confronta com informações discrepan-
facilmente acessada na memória. Por tes sobre uma pessoa, sua impressão é
exemplo, Srull e Wyer (1980) encontra- normalmente mais influenciada pela in-
ram que os participantes de sua pesquisa formação que é apresentada em primeiro
tinham uma maior tendência a interpretar lugar, e tal fenômeno foi chamado “efeito
situações sociais ambíguas como uma de primazia”. Contudo, sob certas circuns-
“situação hostil” quando eram expostos a tâncias, o “efeito recente” pode acontecer.
palavras que sugeriam hostilidade (p. ex., Se uma atividade irrelevante acontece
briga, discussão) antes de analisarem a entre a apresentação de duas informações
situação. Embora a heurística nos auxilie conflituosas sobre uma pessoa, ou se o
em nossa convivência diária, ela também indivíduo é avisado para não fazer um
pode levar a erros de julgamento, uma julgamento imediato, a informação mais
vez que faz com que as pessoas ignorem recente sobre a pessoa terá maior impacto
informações importantes. Por exemplo, a sobre a formação da impressão.
falácia do comum (base rate fallacy) é a 6. Atração física. A aparência física tem
tendência a ignorar informações que se um impacto poderoso na formação da
relacionam a características ou eventos impressão. Por exemplo, há maior ten-
que ocorrem com frequência na população dência a se perdoar crianças atrativas por
(p. ex., crianças de rua). uma transgressão do que crianças pouco
3. Exemplares e abstrações. O estudo da atrativas (Dion, 1972). Crianças atrativas
formação de impressão sob uma perspec- também são julgadas mais favoravelmente
tiva cognitiva revelou que exemplares e em termos de QI e de sucesso acadêmico
abstrações são contribuintes importantes futuro (Clifford e Walster, 1973).
às impressões que formamos dos outros 7. Estigma. Indivíduos estigmatizados são
(Sherman e Klein, 1994). Exemplares são aqueles que possuem características que
comportamentos concretos que são apre- não são valorizadas por um grupo social.
sentados por uma pessoa. Eles são particu- Hoje em dia, os estigmas incluem algumas
larmente importantes durante os estágios deficiências físicas e mentais, além de
iniciais da formação de impressão. À fatores como pobreza ou obesidade. As
medida que cresce nossa experiência com respostas às pessoas estigmatizadas são
uma pessoa, nossas impressões são mais afetadas por fatores como a visibilidade
determinadas por abstrações mentais, as do estigma e crenças sobre a habilidade da
quais são derivadas de observações repeti- pessoa em controlar o estigma. Por exem-
das do comportamento daquela pessoa. plo, as reações a pessoas infectadas com
4. Traços centrais. As principais pesquisas HIV tendem a ser mais negativas quando
sobre o tema foram desenvolvidas por a aquisição do vírus se deu em decorrên-
Asch (1946), que notou que certos traços cia de comportamento sexual promíscuo
centrais influenciam a impressão dos do que quando o vírus foi adquirido por
outros. Uma pessoa descrita como “inte- transfusão sanguínea.
ligente, habilidosa, determinada, prática 8. Contexto social. A formação de impressão
e cuidadosa” tende a ser percebida mais também é influenciada pelo contexto
positivamente do que uma descrita como social. Essa influência foi demonstrada

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 47

por Rosenhan (1973), que utilizou, em tuação social através de seu “self público” e
sua pesquisa, oito “pseudopacientes”, então se esforçam para adequá­‑lo à situa­
que se internavam em instituições para ção. Essas pessoas são excepcionalmente
tratamento mental com a queixa de que boas em determinar quais comportamentos,
estavam ouvindo vozes. Uma vez admi- atitudes, etc. são desejáveis socialmente ou
tidos nos hospitais, os pseudopacientes esperadas em situações diferentes. Elas tam-
paravam imediatamente com os supostos bém são extremamente sensíveis às técnicas
sintomas e agiam normalmente quando de gerenciamento de impressão utilizadas
interagindo como outros pacientes ou com pelos outros e, consequentemente, usam
os empregados do hospital. Embora mais essas mesmas técnicas em seu favor. Por
de um terço dos verdadeiros pacientes outro lado, indivíduos com baixo automo-
afirmavam que os pseudopacientes eram nitoramento tentam alterar a situação para
sãos, todos, com a exceção de apenas um adequá­‑la a seu self público. Essas pessoas
dos pseudopacientes, foram diagnostica- são guiadas principalmente por suas pró-
dos com esquizofrenia. Os resultados do prias crenças e valores.
estudo de Rosenham indicaram que os Outro tema bastante pesquisado, mas
comportamentos tendem a ser percebi- com pouca investigação no Brasil, de acordo
dos de forma consistente com o contexto com o levantamento de temas (11 pesqui-
social no qual eles aparecem. sadores se dedicam a investigar o compor-
tamento, o relacionamento e a interação
Já os psicólogos sociais interessados social), se refere à influência social. Tal
em gerenciamento de impressão (ou auto­ número se mostra ainda mais reduzido se
apresentação) identificaram várias estra- focarmos somente na influência social. Esta
tégias (ou táticas comportamentais) que ocorre quando as atitudes ou comportamen-
são usadas pelas pessoas para criarem uma tos de uma pessoa são o resultado direto ou
imagem ou identidade aceita socialmente. indireto de pressão social. As respostas mais
Um dos métodos mais comuns de gerencia- comuns à pressão social são a conformida-
mento de impressão ficou conhecido como de, a concordância e a obediência. A confor-
engraçamento (Snyder, 1987). Esse método midade, por exemplo, ocorre quando uma
refere­‑se a táticas que pessoas com pouco po- pessoa muda suas ações para corresponder
der social usam para aumentar ou melhorar às ações de outras pessoas como resposta à
sua imagem aos olhos de outra pessoa que pressão social indireta real ou imaginada.
tem mais poder social do que elas e, assim, Ela pode envolver a aceitação pública ou
reduzir a diferença de poder entre as duas. privada de comportamentos, de atitudes ou
Engraçamento inclui as técnicas de “melho- de crenças. Em outras palavras, os compor-
ramento” ou “aumento”, tanto de si mesmo tamentos aparentes de uma pessoa podem
como dos outros. Exemplos dessa técnica são refletir ou não suas atitudes e crenças inter-
o elogio e a concordância. Outros métodos nas. A conformidade começou a ser pesqui-
de gerenciamento de impressão são a inti- sada por Sherif (1935), que usou o efeito
midação, a autopromoção, a exemplificação autocinético, ou fenômeno da percepção no
(convencer os outros de que o indivíduo é qual um ponto estacionário de luz parece
uma boa pessoa) e suplicação (convencer os mover­‑se em uma sala escura. Sherif pediu
outros de que o indivíduo merece ou tem aos participantes esua pesquisa que dessem
necessidade de algo). estimativas de quanto o ponto de luz tinha
Segundo Snyder (1987), as pessoas se movido. Quando eles faziam estimativas
também se diferenciam em termos de auto‑ sozinhos, encontrou­‑se uma grande variân-
monitoramento, ou quanto a sua habilidade cia na posição do ponto de luz. Contudo,
ou necessidade de gerenciar a impressão quando esses participantes eram colocados
que outras pessoas formam delas. Indivíduos em um grupo, observou­‑se um “efeito de
com alto automonitoramento analisam a si- convergência”, ou seja, depois de escutar

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

48 Torres, neiva & cols.

a estimativa dos outros membros do grupo objetivo da pesquisa de Milgram era saber
(na verdade, assistentes de pesquisa), os se os participantes concordariam em obede-
participantes se conformavam com relação cer à autoridade (o pesquisador), mesmo se
à norma imposta pelo grupo. Asch (1958) essa obediência resultasse em dor a outra
fez uma pesquisa similar, mas substituiu o pessoa.
efeito autocinético por uma tarefa não am- No início dos experimentos, o profes-
bígua. Foi pedido aos participantes de seu sor e o pesquisador estavam juntos em uma
experimento que julgassem qual de um con- sala, enquanto que o aluno era colocado
junto de três linhas tinha o mesmo tamanho em outra sala, da qual não podia ser visto,
de uma quarta. Embora não houvesse uma mas de onde podia ser ouvido. Para avaliar
resposta correta, Asch notou que, quando os o efeito de fatores situacionais, Milgram fez
participantes eram colocados junto com um alterações posteriores nas condições expe-
grupo de confederados, a maioria de suas rimentais. Ele aumentou, por exemplo, a
respostas se conformava com as respostas proximidade entre o aluno e o professor, e
dos assistentes de pesquisa, mesmo quan- observou que, quanto mais próximo o alu-
do essas respostas estava claramente incor­ no estava do professor, menor a tendência
retas. do professor em obedecer ao pesquisador.
Já a concordância ocorre como uma Contudo, na maioria das condições, os pro-
resposta a um pedido direto de um grupo fessores concordavam em dar choques elé-
ou pessoa em particular. Pesquisas sobre os tricos nos alunos, mesmo quando eles grita-
“profissionais da concordância” mostram vam em desespero. O mais interessante foi
que essas pessoas usam, basicamente, seis que, em resposta a um questionário que foi
estratégias (Cialdini, 1993): reciprocida- mandado meses depois aos participantes,
de, consistência, validação social, amizade, 84% deles disseram que estavam extrema-
autoridade e criação de limites. Segundo mente felizes em terem participado da pes-
Cialdini, alguns estudos mostraram que os quisa.
vendedores tendem a obter mais concordân- Como serão apresentados neste livro,
cia ao enfatizarem as consequências negati- diversos outros temas investigados na psi-
vas de não se comprar o produto. cologia social se tornaram clássicos na área.
Outro tema investigado no campo da Dentre eles, outra tradição de pesquisa des-
influência social diz respeito à obediência. tacada neste capítulo diz respeito ao precon‑
Ela acontece quando uma pessoa se subme- ceito e à discriminação. O tema do preconcei-
te à demanda de uma autoridade. Os expe- to e da discriminação possui uma dedicação
rimentos conduzidos por Milgram (1963) maior dos pesquisadores brasileiros, na
tornaram­‑se pesquisas clássicas na área da medida em que 22 pesquisadores indicam
obediência. Embora os estudos de Milgram que estudam gênero, raça e idade, objetos
tenham sido criticados por problemas éti- diretamente relacionados ao preconceito e
cos e metodológicos, eles continuam sendo à discriminação.
vistos como uma demonstração poderosa O preconceito refere­‑se a atitudes into-
da influencia social. Neles, os participantes lerantes, injustas ou negativas com relação a
foram informados que seriam os “professo- um indivíduo simplesmente por que esse in-
res”, enquanto que outra pessoa (na verda- divíduo pertence a um grupo, enquanto que
de, um assistente de pesquisa) seria o “alu- a discriminação refere­‑se a comportamentos
no”. A tarefa do professor seria a de fazer negativos, injustos ou agressivos com rela-
com que o aluno se lembrasse de uma lista ção a membros de um grupo em particular.
de palavras. Contudo, toda vez que o aluno Vários conceitos se relacionam à explicação
cometesse um erro, o pesquisador ordenava dos preconceitos e da discriminação.
ao professor que desse uma descarga elétri- Dentre esses conceitos, destaca­‑se a es‑
ca no aluno, sendo que cada choque subse- tereotipia. Estereótipos são “esquemas” diri­
quente tinha uma descarga elétrica maior. O gidos a grupos inteiros e contêm impressões

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 49

simplificadas, rígidas e generalizadas com go rígido e externalizado, e um id primitivo


relação aos membros de tais grupos. Os es- e forte. Observou­‑se que um alto escore na
tereótipos têm um forte efeito na maneira Escala F está associado ao preconceito, as-
pela qual a informação social é processada: sim como a intolerância por ambiguidade,
a informação relacionada a um estereótipo o conservadorismo político e social e um
que foi ativado é processada mais rapida- clima de família que enfatiza uma ideologia
mente; as pessoas prestam mais atenção às tradicional.
informações que são consistentes com seus O preconceito e a discriminação tam-
estereótipos; informações que são inconsis- bém estão associados à crença de que um
tentes com um estereótipo são normalmente grupo representa uma ameaça direta ao
negadas ou refutadas. Embora o estereótipo bem­‑estar de um indivíduo. Essa explicação
possa ser considerado como um processo é reforçada pelo fato de que, historicamente,
natural que previne contra uma sobrecarga os incidentes de violência racial aumentam
cognitiva, por meio da redução de grandes durante períodos de depressão econômica.
quantidades de informação para um núme- Sears (1988) desenvolveu a ideia de racismo
ro maneável de categorias, ele torna­‑se pro- simbólico (ou moderno). Essa noção propõe
blemático – ou seja, leva ao preconceito e à que o preconceito e a discriminação estão
discriminação – quando os traços atribuídos menos fortes e presentes do que costuma-
a um grupo são predominantemente negati- vam estar, que eles realmente representam
vos, quando a pessoa que está estereotipan- uma forma de resistência às mudanças ra-
do é dogmática e não acomoda suas crenças ciais, e que estão baseados em um sentimen-
a novas informações, ou quando o estereóti- to moral de que negros e outras minorias
po gera uma profecia autorrealizadora. violam valores tradicionais como a ética do
Os estereótipos podem ser mantidos trabalho. Os racistas simbólicos negam seus
por vários processos, incluindo a correlação preconceitos e atribuem os problemas so-
ilusória, que é uma tendência a per­ceber ciais e econômicos dos grupos minoritários
uma forte relação entre duas variáveis, a fatores internos (p. ex., pouco esforço ou
normalmente distintas. A correlação ilusó- disciplina). Recentemente, a noção de racis-
ria contribui para a estereotipia quando se mo moderno também tem sido aplicada ao
supõe­ que uma característica negativa se gênero. Segundo Swim (1995), o sexismo
aplica a todos ou a grande parte dos mem- moderno é caracterizado pela negação da
bros de um grupo, porque essa característi- discriminação contra a mulher e pelo res-
ca foi exibida por um ou poucos membros sentimento com relação às demandas por
do grupo. igualdade social.
Já o conceito de personalidade auto­ Finalmente, em seu livro A Natureza
ritária foi introduzido após a Segunda do Preconceito, Allport (1954) argumenta
Guerra, por um grupo de cientistas inte- que o preconceito intergrupal cresce de uma
ressados em antissemitismo (Adorno et al., combinação de fatores históricos, culturais,
1950). Segundo Adorno, o preconceito e a econômicos, cognitivos e de personalidade,
discriminação estão relacionados a certas e propõe que, uma vez que o preconceito
características de personalidade, especial- tem determinantes múltiplos, o enfoque em
mente com o autoritarismo. Esses cientistas apenas um deles não vai levar a uma com-
criaram uma Escala F, ou escala de fascismo preensão ou resolução total do problema.
(F Scale), que avalia nove componentes do Allport nota, contudo, que as várias causas
autoritarismo (p. ex., agressão autoritaris- do preconceito são internalizadas pelo indi-
mo, superstição, estereótipos, etc.), sendo víduo e, consequentemente, é o indivíduo
que cada um desses componentes corres- que se engaja em práticas discriminatórias,
ponde a uma das funções do ego, superego podendo este aprender a agir de maneiras
ou id. Segundo Adorno, altos níveis de auto- mais igualitárias e não discriminatórias. Em
ritarismo refletem um ego fraco, um supere- termos de intervenções, Allport sugere que

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

50 Torres, neiva & cols.

nem sempre o “senso comum” deve preceder situacionais quando eles estão inferindo a
o “senso de direito”, e que leis que proíbam causa do comportamento de um indivíduo.
a discriminação podem ser eficazes mesmo Por exemplo, um observador tende a atri-
quando não refletem o consenso público. buir o fracasso de um indivíduo na execução
Além do preconceito e da discrimina- de uma tarefa mais como um resultado da
ção, outro tema bastante investigado e que falta de inteligência ou habilidade do indiví-
será bem detalhado no presente livro são os duo do que como um resultado de uma ca-
estudos sobre atribuição de causa. O termo racterística da tarefa em si (isto é, da dificul-
atribuição se refere ao processo de deter- dade). Essa falha na atribuição é conhecida
minar ou inferir a razão pela qual um com- como erro fundamental de atribuição, e tem
portamento ocorre. Uma importante parte sido usada na explicação de vários fenôme-
do trabalho sobre atribuição foi feita por nos, tais como as atribuições defensivas da
Heider (1958), cuja teoria sugere que nós crença em um mundo justo – tendência que
naturalmente desenvolvemos teorias sobre as pessoas têm em considerar a vítima como
as causas do comportamento. A pesquisa a causa de seu próprio infortúnio (Lerner,
desenvolvida por Heider e outros acadê- 1966).
micos mostrou que as atribuições de causa Notem, porém, que as pesquisas na
podem ser descritas em termos de algumas perspectiva da psicologia transcultural so-
dimensões. Essas dimensões formam de fato bre atribuição de causa sugerem que a ten-
uma taxonomia, que pode ser utilizada para dência a superestimar o papel dos fatores
entender ou atribuir causas do comporta- disposicionais é uma característica limitada
mento. Assim, o comportamento pode ser a culturas individualistas (p. ex., países do
atribuído a características disposicionais Norte Europeu, Estados Unidos). Pesquisas
(internas) do indivíduo, assim como o hu- desenvolvidas com culturas mais coletivis-
mor, as habilidades ou o desejo, ou também tas (p. ex., China, Índia) encontraram que
pode ser atribuído a fatores situacionais (ex- os membros dessas culturas tendem a fa-
ternos), tais como características da tarefa, zer atribuições mais situacionais. Segundo
da situação social ou do ambiente físico. As Morris e Peng (1994), essas diferenças se
reações humanas podem ser, ainda, o resul- relacionam às teorias implícitas sobre o
tado de fatores percebidos como estáveis ou comportamento social: enquanto as culturas
constantes, ou de fatores instáveis ou tem- individualistas adotam uma teoria sobre o
porários. Além disso, os indivíduos perce- comportamento social centrada na pessoa,
bem que alguns comportamentos têm efei- as culturas coletivistas tendem a aderir a
tos específicos (que envolvem um número uma teoria centrada na situação.
limitado de eventos, condições ou outros fe- Assim, é importante agora elaborar
nômenos), enquanto que outros têm conse- um pouco mais sobre o conceito de culturas
quências globais (ou seja, afetam uma gran- individualistas e coletivistas, além do papel
de variedade de fenômenos). Finalmente, as da psicologia transcultural na explicação
pessoas entendem que algumas causas do desses termos. A presença de temas como
comportamento estão sob o controle do in- cultura e diversidade (12 pesquisadores) e
divíduo (p. ex., esforço, atenção), enquanto valores humanos e cultura (12 pesquisado-
que outras são incontroláveis (p. ex., apti- res) mostram que os pesquisadores estão
dão, sorte). Esses critérios, segundo Heider, descobrindo essa perspectiva de pesquisa no
são responsáveis por atribuições de culpa Brasil. Tal perspectiva reflete uma tendên-
aos atores do comportamento, ou então à cia internacional de realização de pesquisas
alocação de recompensas aos mesmos. transculturais.
Um achado consistente da pesquisa so- Conforme dito anteriormente, todas (e
bre atribuição de causa é que observadores outras) pesquisas clássicas da psicologia so-
tendem a superestimar o papel dos fatores cial trazem em si uma similaridade: a maio-
disposicionais e ignorar o papel dos fatores ria delas foi originalmente desenvolvida em

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 51

países individualistas. É interessante notar, Seguindo a proposta de Kluckhohn, parece


contudo, que o simples fato de essas pesqui- claro que o maior interesse da psicologia
sas terem sido originadas em países indivi- social esteja nos elementos subjetivos da
dualistas faz com que elas tragam consigo cultura. Todavia, vários são esses elementos
um viés também individualista, que se refle- subjetivos, o que acaba por tornar o concei-
te nos sujeitos recrutados para as pesquisas, to muito amplo para a utilização científica.
na escolha de método utilizado, e até mes- Esse ponto tem sido discutido por diversos
mo no próprio fenômeno estudado. O que autores (p. ex., Smith, Bond e Kagitçibasi,
talvez seja mais interessante de se observar 2006), que defendem o “desempacotamen-
é que tudo isso ocorre pelo simples fato de to” do conceito de cultura, ou seja, a ne-
que esses pesquisadores também carregam cessidade de se identificar, precisar e isolar
consigo características individualistas! Ora, esses elementos subjetivos para que, então,
é claro que todas as manifestações culturais eles possam ser utilizados como variáveis de
desse tipo (como, por exemplo, o individu- pesquisa.
alismo) são parte de um fenômeno social Em um esforço para “desempacotar”
maior, a cultura. Se a cultura pode ser en- (Smith e Bond, 1999) a cultura, além de
tendida como lentes que distorcem a reali- identificar estruturas valorativas que permi-
dade e nossa compreensão do mundo, então tam o estabelecimento de uma diferenciação
é importante perguntarmos até que ponto entre as culturas, Geert Hofstede coletou
essas pesquisas e seus resultados têm apli- dados em mais de 50 países, investigando
cação direta a outros grupos, assim como a experiência de trabalho, a estabilidade, a
as culturas coletivistas, das quais o Brasil formação de equipes e outras variáveis li-
é um exemplo citado na literatura (p. ex., gadas ao contexto organizacional. Uma das
Triandis, 1995). mais importantes descobertas de seu estu-
Mas, afinal, o que são essas “mani- do é que a cultura pode ser utilizada como
festações culturais” citadas anteriormente? uma variável causal e preditora. Sua pesqui-
Para que possamos discuti­‑las, é necessário sa demonstrou que os povos têm intenções
antes entender o que está por trás do con- diferentes, dão atribuições diferentes para a
ceito de cultura. O conceito de cultura vem mesma situação e até mesmo se comportam
sendo profundamente discutido por mui- de maneira diferente por causa do grupo
tos autores (p. ex., Hofstede, 1993; Smith cultural do qual fazem parte. Para Triandis
e Bond, 1999; Triandis, 1994) que acabam (1994), as pesquisas de Hofstede fornecem
por defini­‑lo de forma diferente e, em al- um conjunto de padrões de comparação por
guns casos, complementar. O dicionário da meio dos quais outros estudos podem ser
Língua Portuguesa de Aurélio Buarque de organizados conceitualmente. Smith, Bond
Holanda apresenta uma definição de cul- e Kagitçibasi (2006) também ressaltam que,
tura bastante geral e que, de certo modo, no trabalho de Hofstede, a cultura nacional
representa uma síntese das diversas defi- é conceituada em termos de seu significado,
nições existentes na literatura científica. o que tornou apropriado o estudo das cultu-
Nele, a cultura é apresentada como “com- ras por meio do levantamento dos valores
plexo dos padrões de comportamento, das em amostras representativas dos membros
crenças, das instituições e de outros valores de cada uma dessas culturas.
espirituais e materiais transmitidos coletiva- Em seu trabalho, Hofstede (1980, 1983,
mente e característicos de uma sociedade”. 1984, 1991, 1993) identificou a variação de
Essa noção parece ser complementar àquela quatro dimensões culturais. Essas quatro di-
apresentada por Kluckhohn (1962), de que mensões são: masculinidade­‑femininidade,
a variável cultura pode ser dividida entre evitação das incertezas, distância do poder
elementos objetivos (expresso nos artefatos e individualismo­‑coletivismo. Discussões
produzidos por grupos sociais) e subjetivos extensas e revisões sobre essas dimensões
(valores, crenças e normas desses grupos). são apresentadas por Smith e Bond (1999),

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

52 Torres, neiva & cols.

Smith, Bond e Kagitçibasi (2006) e Torres pos enfatizam metas pessoais ou grupais.
(2009), dentre outros. Aqui, nós nos limi- Hofstede (1983) observou que membros
taremos a apresentar uma breve descrição de culturas individualistas tendem a se fo-
dessas dimensões, relacionando­‑as aos obje- car “em seu próprio trabalho”, enquanto
tivos deste capítulo. que membros de culturas coletivistas dão
A masculinidade é encontrada em so- preferência às metas grupais. Para Singelis,
ciedades que têm uma grande diferenciação Triandis, Bhawuk e Gelfand (1995), o com-
sexual, enquanto a feminilidade é uma ca- portamento social em culturas coletivistas
racterística de culturas em que a diferen- é mais bem predito por normas sociais e
ciação sexual é mínima. Hofstede (1980) obrigações, enquanto que, em culturas indi-
também encontrou que países femininos en- vidualistas, o comportamento social é mais
fatizam mais a qualidade de vida do que o bem predito por atitudes e outros proces-
investimento em uma carreira ou no traba- sos internos. Smith e Schwartz (1997) en-
lho, enquanto que o contrário é verdadeiro contraram evidências empíricas para essa
para culturas masculinas. Já a evitação das afirmação. Alguns autores (p. ex., Triandis,
incertezas, a segunda dimensão, é refletida 1995) propõem que a dimensão cultural
em uma ênfase nos comportamentos rituais, individualismo­‑coletivismo é essencial para
nas regras e na estabilidade no emprego. O a análise de uma cultura, e um grande nú-
autor observou altos índices de evitação das mero de pesquisas (p. ex., Egri e Herman,
incertezas em culturas que apresentam altos 2000; Triandis e Gelfand, 1988) demonstra-
níveis de estresse, e que se correlacionam ram a influência dessa dimensão no compor-
negativamente com a necessidade de alcan- tamento de membros de um grupo cultural.
ce de metas. Hofstede observou que países Outro esforço de desempacotamento
com alta evitação das incertezas tendem a da cultura foi realizado por uma série de es-
ser mais ideológicos e menos pragmáticos tudos desenvolvidos por Shalom Schwartz
no que se refere à tomada de decisão do que e colaboradores. Esses estudos (p. ex.,
países com baixa evitação das incertezas. Schwartz, 1994) identificaram 56 valores e
A distância do poder, sua terceira di- construíram um questionário no qual os res-
mensão, se refere à extensão em que mem- pondentes devem indicar o quanto cada um
bros de uma cultura aceitam a desigualda- desses valores age como um princípio guia
de de poder e o quanto eles percebem a de suas vidas. Até esta data, respostas indi-
distância entre aqueles com poder (p. ex., viduais foram obtidas em mais de 80 paí­
chefes) e aqueles com pouco poder (p. ex., ses, incluindo todas as regiões do mundo.
subordinados). A distância do poder reflete Quando analisados em termos de culturas
a base sobre a qual o líder tem poder sobre nacionais, os resultados demonstram, com
o subordinado (Smith e Bond, 1999). Em notável consistência, que as relações espa-
culturas com alta distância do poder, as re- ciais das médias dos itens podem ser suma-
gras e as normas sociais são construídas pe- rizadas como pertencentes a 7 domínios ou
los superiores e determinadas pelos líderes. dimensões. Schwartz nomeou essas dimen-
Em culturas com baixa distância do poder, sões como: igualitarismo, conservadorismo,
as regras tendem a ser consensuais, e, logo, hierarquia, domínio, autonomia afetiva e
os subordinados estão mais diretamente en- autonomia intelectual. É importante notar,
volvidos em sua elaboração. É interessan- ainda, que os estudos dessas dimensões de-
te notar que, quanto maior a distância do monstraram que sua estrutura é consistente
poder, maior a conformidade em torno de em diferentes culturas, ou seja, que a mes-
uma norma social (Smith, Dugan, Peterson ma relação estrutural dos valores se repete
e Leung, 1998). nas diferentes culturas pesquisadas.
Finalmente, o individualismo­‑coleti­ Estudos como o de Hofstede e
vis­­mo, a outra dimensão identificada por Schwartz nos dizem que as culturas podem
Hofstede, reflete a extensão na qual os gru- ser entendidas em termos de significados e

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 53

que, por isso, é apropriado estudá­‑las por Esse tipo de comparação e estudo é
meio da avaliação dos valores de amostras o mote da psicologia transcultural, que,
representativas de membros de cada cultu- conforme citado anteriormente, é uma das
ra. Vale reforçar, porém, que, pelo fato de abordagens da psicologia social que vem
duas nações se diferirem em termos de uma ganhando reconhecimento na comunidade
dada dimensão de valores, não é lógico se acadêmica brasileira. Os psicólogos trans-
inferir que, porque essas duas culturas se culturais, tradicionalmente, trabalham com
diferenciam dessa forma, então quaisquer ferramentas como questionários, escalas e
dois membros dessas culturas também irão entrevista/observação estruturada e têm
se diferenciar da mesma maneira. O nível uma predominância quantitativa em suas
de análise cultural não pode ser perpassa- análises e opções metodológicas, as quais,
do para o nível de análise individual. Além com uma orientação empírica, objetivam a
disso, as pesquisas de Hofstede e Schwartz testagem de diferenças entre amostras de
também demonstraram que há significados nações e/ou grupos étnicos. Assim como
consistentes entre culturas. As polaridades outros representantes da psicologia trans-
que emergiram do estudo de Schwartz (con- cultural no restante do mundo, os pesqui-
servadorismo versus autonomia; domínio e sadores brasileiros (ou seja, Alvaro Tamayo,
hierarquia versus igualitarismo) podem ser Valdiney Gouveia, Maria Cristina Ferreira,
entendidas como fortes reminiscentes das Cláudio Torres, dentre outros) que têm
dimensões de Hofstede de individualismo­ interesse nessa abordagem da psicologia
‑coletivismo e distância do poder, respecti- social, procuram tipicamente o estabeleci-
vamente. mento da variância explicada por valores
Todavia, talvez um dos pontos mais culturais. Também como seus colegas de
importantes a ser frisado sobre todas essas outros países, esses pesquisadores tendem
dimensões é que elas não são absolutas. Em a publicar em revistas como o Journal of
outras palavras, nenhuma cultura pode ser Cross­‑Cultural Psychology da International
classificada simplesmente como individua- Association for Cross­‑Cultural Psychology,
lista ou hierárquica. Uma cultura tem alto embora revistas nacionais (p. ex., Brazilian
grau de individualismo ou de hierarquia em Administration Review – ANPAD; Revista
relação a outra cultura. Tais manifestações Psicologia: Organizações e Trabalho, da
culturais são, dessa forma, puramente re- SBPOT) também têm publicado artigos com
lacionais. O Brasil, por exemplo, pode ser essa ênfase. Vale notar que os pesquisadores
considerado como coletivista em relação representantes da psicologia transcultural
aos Estados Unidos, mas, seguramente, é se diferenciam daqueles da psicologia inter-
individualista quando comparado à nossa cultural, uma vez que os representantes do
vizinha Colômbia (Hofstede, 1984). Já na segundo grupo estão mais preocupados com
teoria de Schwartz, quando comparado à a relação interpessoal entre membros de di-
Europa Ocidental, o Brasil tem altos es­cores ferentes grupos culturais. Já os pesquisado-
em hierarquia e baixos em autonomia in- res voltados para a psicologia cultural têm
telectual. Quando comparado aos Estados uma preocupação maior com os processos
Unidos, o Brasil também apresenta maio- por meio dos quais a cultura é transmitida
res escores em autonomia intelectual, com entre os membros do grupo.
os EUA apresentando maiores escores em Finalmente, vale uma nota de alerta:
autonomia afetiva. A dimensão de domínio conforme destacado, grande parte da psi-
parece ser maior para os EUA, enquanto o cologia social foi originalmente desenvol-
Brasil apresenta maior escore para harmo- vida principalmente nos Estados Unidos e
nia. Todavia, quando comparado a países no Reino Unido. Isso se reflete nos manuais
da Ásia, da África e do Oriente Médio, o de psicologia social utilizados em diversos
Brasil apresenta uma posição praticamente cursos introdutórios em grandes centros
inversa! acadêmicos no mundo. O Manual de Baron

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

54 Torres, neiva & cols.

e Byrne (1994), talvez um dos livros­‑texto Enfim, o objetivo deste livro é mostrar
mais utilizados nos Estados Unidos, contém as diversas tendências e temas presentes na
por volta de 1.700 citações. Todavia, ape- psicologia social no Brasil, alguns bastante
nas um pouco mais de 100 delas se referem explorados, outros com possibilidades de
a estudos desenvolvidos fora dos Estados exploração ainda não tomadas por psicólo-
Unidos. Já o livro­‑texto de Hogg e Vaughan gos da área. Outra vocação do livro está na
(1995), um dos mais conhecidos e utiliza- apresentação das várias formas de estudo
dos na Europa, contém mais de 500 citações da influência recíproca dos indivíduos e dos
de estudos feitos fora dos Estados Unidos, ambientes sociais. Tal estudo muitas vezes
de um total de 2 mil referências utilizadas requer abordagens diferenciadas e respeito
na obra. Contudo, a maioria dessas 500 ao conhecimento produzido pelo outro di-
citações se refere a estudos conduzidos na ferente. Esperamos que os leitores aprovei-
Europa Ocidental, na Austrália e na Nova tem!
Zelândia, ou seja, todos países individua-
listas, pelo menos quando comparados à
América Latina! Esses dados demonstram a Referências
urgente necessidade de que o leitor, ao bus-
car os conhecimentos da psicologia social, ADORNO, T.; FRENKEL-BRUNSWICK, K.; LEVIN-
também exercite a habilidade da tradução. SON, D.; SANDFORD, R. The Authoritarian Perso‑
Mas não a tradução da língua inglesa, que, nality. New York: Harper & Row, 1950.
afinal de contas, pode ser considerada como AGUILAR, M. A.; REID, A. (Org.). Tratado de
a Língua Franca da área, ou o Latim dos psicologia social: Perspectivas socioculturales.
nossos tempos. O que é necessário é uma Barcelona: Anthropos, 2007.
tradução cultural. Nem tudo o que lemos e ALLPORT, F. Social psychology. Psychological Bul‑
estudamos pode ser diretamente aplicado a letin, v. 17, p. 85–94, 1920.
nossa realidade. Nem tudo que é produzido ALLPORT, F. Social psychology. Boston: Houghton
no, aproximadamente, um quinto do mundo Mifflin, 1924.
que é individualista é diretamente aplicável ALLPORT, G. Personality: a psychological interpre-
aos quatro quintos restantes do mundo, que tation. Oxford: Holt, 1937.
é coletivista. ALLPORT, G. W. The Nature of Prejudice. Reading:
Além da perspectiva da psicologia Addison-Wesley, 1954.
transcultural, a perspectiva sociológica e ÁLVARO, J. L.; GARRIDO, A. Psicologia social:
antropológica e dos estudos que se funda- Perspectivas psicológicas e sociológicas. São Paulo:
mentam sobre a teoria das representações McGraw-Hill, 2007.
sociais serão abordados neste livro, pois são ASCH, S. E. Forming impressions of personality.
objeto de atenção de vários pesquisadores Journal of Abnormal and Social Psychology, v. 41,
sociais brasileiros, principalmente com uma p. 258-299, 1946.
interface grande com a psicologia escolar ASCH, S. E. Effects of group pressure upon modifi-
e educacional. Conforme retratado pelo cation and distortion of judgments. In: MACCOBY,
E. E. (Ed.). Readings in Social Psychology. New
levantamento de temas, os temas história,
York: Holt, Rinehart & Winston, 1958.
representações sociais e cultura (abordados
por 33 pesquisadores), estudos sobre vio- BALANCIERI, R.; BOVO, A.; KERN, V.; PACHECO,
R.; BARCIA, R. A análise de redes de colaboração
lência (23 pesquisadores), construção social científica sob as novas tecnologias de informação e
da subjetividade (49 pesquisadores) e ativi- comunicação: um estudo na Plataforma Lattes. Ciên‑
dade, consciência, identidade, afetividade, cia da Informação, v. 34, n. 1, 2005. Disponível em:
emoções, linguagem e pensamento sob a <http://www.ibict.br/cienciadainformacao/viewar-
perspectiva antropológica e sócio­‑histórica ticle.php?id=680>. Acesso em: 20 jul. 2008.
(37 pesquisadores) são preponderantes no BARON, J. Thinking and deciding. 3rd ed. New York:
contexto brasileiro. Cambridge University Press, 2000.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 55

BARON, R. A.; BYRNE, D. Social Psychology: (Ed.). Bilingualism, Multiculturalism, and Second
Understanding human interaction. 7. ed. Boston: Language Learning. New Jersey: Lawrence Erl-
Allyn and Bacon, 1994. baum Associates Incorp. Publishers, 1985. cap.
BOMFIM, E. M. Contribuições para a história 3, p. 43-63.
da psicologia no Brasil. In: JACÓ-VILELA, A. M.; GERGEN, K. Social psychology as social construc-
ROCHA, M. L.; MANCEBO, D. (Org.). Psicologia tion. In: MCGARTY C.; HASLAM, A. A. (Org.). The
social: Relatos na América Latina. São Paulo: Casa message of social psychology. London: Blackwell
do Psicólogo, 2003a. p. 123-144. Publishers, 1997. p. 113-128.
BOMFIM, E. Históricos cursos de Psicologia Social GOLD, M.; DOUVAN, E. A new outline of social
no Brasil. Psicologia & Sociedade, v. 16, n. 2, p. psychology. Washington, DC: APA, 1997.
32-36, 2004. HEIDER, F. The Psychology of Interpersonal Rela‑
BOMFIM, E. Psicologia Social no Brasil. Belo Hori- tions. New York: Wiley, 1958.
zonte: Edições do Campo Social. 2003b.
HOFSTEDE, G. Culture’s consequences. Beverly
BRIQUET, R. Psicologia Social. São Paulo: F. Alves. Hills, CA: Stage, 1980.
1935
HOFSTEDE, G. The cultural relativity of organiza-
CAMINO, L. A Psicologia Social e sua complexidade tional practices and theories. International Business
teórica e metodológica: Abordagens integrativas. In: Studies, 14, 75-89, 1983.
XI SIMPÓSIO DE PESQUISA E INTERCÂMBIO CIEN-
HOFSTEDE, G. The cultural relativity of the quality
TÍFICO DA ANPEPP. Anais... Florianópolis, 2006.
of life concept. Academy of Management Review, v.
CAMPOS, R. H. F.; GUARESCHI, P. A. Paradigmas 9, p. 389-398, 1984.
em psicologia social: A perspectiva Latino-Ameri-
cana. Petrópolis: Vozes, 2000. HOFSTEDE, G. Cultures and organizations: Sof-
tware of the mind. Maidenhead, UK: McGraw-
CIALDINI, R. B. Influence: Science and Practice. Hill, 1991.
New York: HarperCollins, 1993.
HOFSTEDE, G. Cultural constrain in management
CLIFFORD, M.; WALSTER, E. The effect of physical theories. Academy of Management Executive, v. 7,
attractiveness on teacher expectations. Sociology p. 81-94, 1993.
of Education, v. 46, p. 248-251, 1973.
HOGG, M. A.; VAUGHAN, G. M. Social Psychology:
COHEN, C. E. Person categories and social per-
An introduction. Hempstead: Prentice Hall, 1995.
ception: Testing some boundaries of processing
effects of prior knowledge. Journal of Personality JACQUES, M. G. C.; STREY, M. N.; BERNARDES,
and Social Psychology, v. 40, p. 441-452, 1981. N. M. G.; GUARESCHI, P. A.; CARLOS, S. A.; FON-
SECA, T. M. G. Psicologia social contemporânea. 3.
CORDERO, T.; DOBLES, I.; PÉREZ, R. Dominación
ed. Petrópolis: Vozes, 1998.
social y subjetividad: Contribuiciones de la psico-
logia social. San José: Editorial de la Universidad KATZ, J. S.; MARTIN, B. R. What is Research Colla-
de Costa Rica, 1996. boration? Research Policy, v. 26, p. 1-18, 1997.
DION, K. Physical attractiveness and evaluation of KIMBLE, C.; HIRT, E.; DÍAZ-LOVING, R.; HOSCH,
children’s transgressions. Journal of Personality and H.; LUCKER, G. W.; ZÁRATE, W. Psicologia Social de
Social Psychology, v. 24, p. 207-213, 1972. las Américas. México: Pearson Educación, 2002.
DURKHEIM, E. As regras do método sociológico. KRÜGER, H. Introdução à psicologia social. São
São Paulo: Martin Claret, 2002. Paulo: EPU, 1986.
EGRI, C. A.; HERMAN, S. Leadership in the North LANE, S.; CODO, W. (Org.). Psicologia social: O
American environmental sector: Values, leadership homem em movimento. São Paulo: Brasiliense,
styles, and contexts of environmental leaders and 1984.
their organizations. The Academy of Management LANE, S.; SAWAIA, B. Novas veredas da psicologia
Journal, v. 43, p. 571-604, 2000. social. São Paulo: Brasiliense, 1994.
BOAS, F. Anthropology and Modern Life. New York: LERNER, M. J. The Unjust Consequences of the Need
Norton, 1932. to Believe in a Just World. New York: APA, 1966.
BRUHL, L. La méntalite primitive. Paris: Librairie LEITE, D. M. O caráter nacional brasileiro: des-
Félix Alcan, 1922. crição de características por meio de ideologias e
GARDNER, R. C. Attitudes and Motivation in estereótipos. Tese (Doutorado) – Universidade de
Second Language Learning. In: REYNOLDS, A. G. São Paulo, São Paulo, 1954.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

56 Torres, neiva & cols.

LEWIN, K. Defining the “field at a given time”. SCHWARTZ, S. H. Beyond individualism/collec-


Psychological Review, v. 50, p. 292-310, 1943. tivism: New dimensions of values. In: KIM, U.;
LIMA, R. S. História da Psicologia Social no Rio TRIANDIS, H. C.; KAGITÇIBASI, C.; CHOI, S. C.;
de Janeiro: Dois importantes personagens. Frac‑ YOON, G. (Ed.). Individualism and Collectivism:
tal: Revista de Psicologia, v. 21, n. 2, p. 409-424, Theory application and methods. Newbury Park,
2009. CA: Sage, 1994.
MANCEBO, D.; JACÓ-VILELA, A. M. Psicologia SEARS, D. Biased indoctrination and selectivity of
social: Abordagens sócio-históricas e desafios con- exposure to new information. Sociometry, v. 28, p.
temporâneos. Rio de Janeiro: EDUERJ, 2004. 363-376, 1988.
MARKUS, H.; ZAJONC, R. B. The cognitive SHERIF, M. A study of some social factors in
perspective in social psychology. In: LINDSEY, perception. Archives of Psychology, v. 27, n. 187,
G.; ARONSON, E. (Ed.). The Handbook of Social p. 1-60, 1935.
Psychology. New York: Addison-Wesley, 1985. SHERMAN, J. W.; KLEIN, S. B. Development and
MARTIN-BARÓ, I. Sistema, grupo y poder: Psico- representation of personal impressions. Journal
logia social desde Centroamérica. San Salvador: of Personality and Social Psychology, v. 67, p. 972-
UCA Editores, 1989. 983, 1994.
MILGRAM, S. Behavioral study of obedience. SILVA, R. N. A invenção da psicologia social. Rio
Journal of Abnormal and Social Psychology, v. 67, de Janeiro: Vozes, 2005.
p. 371-378, 1963. SINGELIS, T. M.; TRIANDIS, H. C.; BHAWUK, D.
MONTERO, M. Acción y discurso: Problemas de la P. S.; GELFAND, M. J. Horizontal and vertical di-
psicologia política. Caracas: Eduven, 1991. mensions of individualism and collectivism: A the-
oretical and measurement refinement. Journal of
MORRIS, M. W.; PENG, K. Culture and cause:
Cross-Cultural Research, v. 29, p. 240-275, 1995.
American and Chinese attributions for social and
physical events. Journal of Personality and Social SMITH, P. B.; BOND, M. H. Social psychology across
Psychology, v. 67, p. 949-971, 1994. cultures: Analysis and perspectives. 2nd ed. Boston:
Allyn & Bacon, 1999.
NEIVA, E. R.; CORRADI, A. A. A pesquisa de redes
sociais de pesquisadores no Brasil: Primeiros Resul- SMITH, P. B.; SCHWARTZ, S. H. Values. In: BERRY,
tados. In: I SEMINÁRIO NOVOS HORIZONTES DA J. W.; SEGALL, M. H.; KAGITÇIBASI,nd C. (Ed.). Han‑
PÓS-GRADUAÇAO EM PSICOLOGIA NO BRASI. dbook of cross-cultural psychology. 2 ed. Boston:
Apresentação..., 2008. Allyn Bacon, 1997. v. 3.
NICHOLSON, I. A. M. A coherent datum of per‑ SMITH, P. B.; BOND, M. H.; KAGITÇIBASI, C.
ception: Gordon Allport, Floyd Allport and the Understanding Social Psychology Across Cultures:
politics of personality. Journal of the History of the Living and working in a changing world. London:
Behavioral Sciences, v. 36, p. 471-487, 2000. Sage, 2006.
POTTER, J.; WETHERELL, M. Discourse and social SMITH, P. B.; DUGAN, S.; PETERSON, M. F.;
psychology: Beyond attitudes and behavior. Lon- LEUNG, K. Individualism: Collectivism and the
don: Sage, 1987. handling of disagreement: A 23 country study.
International Journal of Intercultural Relations, v.
RAMOS, A. Introdução à psicologia social. Rio de
22, p. 351-367, 1998.
Janeiro: Casa do estudante do Brasil, 1957.
SNYDER, M. Public and Private Realities: The
RODRIGUES, A. Psicologia social. Petrópolis:
Psychology of Self-Monitoring. New York: W. H.
Vozes, 1972.
Freeman, 1987.
RODRIGUES, A.; ASSMAR, E. M. L.; JABLONSKI,
SPINK, M. J.; SPINK, P. A psicologia social na atu-
B. Psicologia social. 18. ed. Petrópolis: Vozes,
alidade. In: JACÓ-VILELA, A. M.; FERREIRA, A. A.
2000.
L.; PORTUGAL, F. T. (Org.). História da psicologia:
ROSENHAN, D. L. On being sane in insane places. Rumos e percursos. Rio de Janeiro: Nau Editora,
Science, v. 179, p. 250-258, 1973. 2005. p. 565-585.
ROTHBART, M.; EVANS, M.; FULERO, S. Recall SRULL, T. K.; WYER, R. S. Category accessibility
for confirming events: Memory processes and and social Perception: Some implications for the
the maintenance of social stereotypes. Journal of study of person memory and interpersonal judg-
Experimental Social Psychology, v. 15, p. 343-355, ments. Journal of Personality and Social Psychology,
1979. v. 38, p. 841-856, 1980.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 57

SRULL, T. K.; WYER JR, R. S. The role of category book of industrial and organizational psychology. 2.
accessibility in the interpretation of information ed. Palo Alto, CA: Consulting Psychologists Press,
about persons: Some determinants and implica- 1994. v. 4, p. 103-172.
tions. Journal of Personality and Social Psychology, TRIANDIS, H. C. Individualism and collectivism.
v. 37, p. 1660-1672, 1989. Boulder, CO: Westview Press, 1995.
SRULL, T. K. Organizational and retrieval process
TRIANDIS, H. C.; GELFAND, M. J. Converging me-
in person memory: An examination of processing
asurement of horizontal and vertical individualism
objectives, presentation format, and the possible role
and collectivism. Journal of Personality and Social
of self-generated retrieval cues. Journal of Personality
Psychology, v. 74, p. 118-128, 1998.
and Social Psychology, v. 4, p. 1157-1170, 1983.
TVERSKY, A.; KAHNEMAN, D. Availability: A
TORRES, C. V. Do Social Norms Have an Influen-
heuristic for judging frequency and probability.
ce in Leadership Style Preference? Assessing
Cognitive Psychology, v. 5, p. 207-232, 1973.
leadership style differences between Americans
and Brazilians. London: VDM Verlag Dr. Muller TVERSKY, A.; KAHNEMAN, D. Judgment under
Publishers, 2009. uncertainty: Heuristics and biases. Science, v. 815,
TRIANDIS, H. C. Cross-cultural industrial and p. 1124-1131, 1974.
organizational psychology. In: TRIANDIS, H. C.; WYER, R. S.; SRULL, T. K. Handbook of social cog‑
DUNNETTE, M. D.; HOUGH, L. M. (Ed.). Hand‑ nition. Hillsdale, NJ: Erlbaum, 1984. v. 1-3.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

3 1
Métodos de pesquisa em psicologia social
Hartmut Günther

Não é distante, somente parece como se fosse.


(Berra, 1998, p. 100)2

A psicologia social estuda a relação recípro- 3. perguntar às pessoas sobre o que fazem,
ca entre o indivíduo e seu meio social: de pensam ou experienciam acerca de algo
um lado, trata do impacto que as pessoas no passado, no presente ou no futuro.
exercem em seus amigos, familiares, colegas
e até em desconhecidos. Por outro, estuda a Cada uma dessas três famílias de téc-
maneira como cada um de nos é influencia- nicas para conduzir estudos empíricos – ob-
do pelos outros no que diz respeito a nossos servação, experimento e levantamento de
sentimentos, experiências e comportamen- dados – apresenta vantagens e desvantagens
tos. Essa relação recíproca entre o indivíduo distintas (Kish, 1987). Tais vantagens estão
e um dado meio social sempre diz respeito ligadas à qualidade e à utilização dos dados
a algum objeto, espaço, ideia, pessoa (a si obtidos e devem ser consideradas pelo pes-
próprio, ao meio social ou a terceiros) so- quisador quando este for escolher o método
bre os quais se tem atitudes, experiências ou mais apropriado para um determinado obje-
disposições comportamentais. Este capítulo tivo de pesquisa. Não obstante as variações
trata de algumas das maneiras de se estudar dentro de cada uma dessas três grandes
esse triângulo e de se chegar a explicações e áreas, podemos afirmar que o ponto forte
compreensões dos fenômenos da interação da observação é o realismo da situação estu-
social. dada; que o experimento possibilita tanto a
Como o conteúdo deste livro sugere, randomização de características das pessoas
a psicologia social estuda um grande nú- estudadas quanto inferências causais; e que
mero de assuntos e envolve um número di- o levantamento de dados, especialmente por
versificado de abordagens metodológicas. amostragem, isto é survey, assegura melhor
Entretanto, podemos afirmar que são três representatividade e permite generalização
os caminhos principais para se estudar e se para uma população além da estudada.
compreender o comportamento humano3 No presente capítulo, apresentamos
no contexto da psicologia social empírica: um tour d’horizon dessas principais manei-
ras de estudar a relação recíproca entre o in-
1. observar o comportamento que ocorre divíduo e o meio social. Como fio condutor,
naturalmente no âmbito da vida real; consideramos uma série de pesquisas sobre
2. criar situações artificiais e registrar o com- um mesmo tema – comportamento pró­‑social
portamento diante de tarefas definidas – para demonstrar o uso de diferentes mé-
para estas situações; todos dentro da psicologia social, bem como

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 59

seus pontos fortes e fracos. Após delimitar o 2. de fatores circunstanciais: hora, local,
fio condutor, comportamento pró­‑social, ini- tempo disponível;
ciamos com observações gerais sobre pesqui- 3. de fatores sociais: a presença de outras
sa social e tecemos algumas considerações pessoas, isto é, alternativas de ajuda;
sobre procedimentos qualitativos e quanti- 4. da avaliação do custo pessoal, por exem-
tativos. A seguir, trataremos de análise de plo, no caso da interferência em uma
conteúdo, de observações, de experimentos briga, qual a chance de ser bem­‑sucedido
e de levantamento de dados. Concluímos o ou de apanhar por sua vez, ou, até a ex-
capítulo com algumas considerações sobre a pectativa de retribuição futura?
divulgação dos resultados de pesquisa.
Até este ponto, fizemos uma reflexão
em nível de senso comum a respeito do tópico
em questão. Podemos prosseguir discutindo
O fio condutor: o assunto com amigos ou colegas sem che-
comportamento pró­‑social garmos a conclusões que possam nos permi-
enquanto objeto de estudo tir entender, predizer e controlar o compor-
tamento em questão. Para realizar pesquisa
– O que faria se encontrasse um milhão de maneira sistemática na psicologia social,
de dólares? devemos delimitar nosso assunto e chegar
– Procurava encontrar a pessoa que a perguntas mais específicas. O processo de
perdeu o dinheiro e, caso fosse pobre, delimitação implica que escolhemos entre as
devolveria. possíveis razões mencionadas anteriormen-
(Berra, 1998, p. 59) te para realizar uma pesquisa sistemática.
Por exemplo, qual a relação entre gênero
O comportamento pró­‑social assume e ajuda, levando em conta o esforço neces-
muitas variantes. Pode ser material ou espi- sário, as circunstâncias e o esforço exigido?
ritual, pode basear­‑se em altruísmo, egoís­ Importante, como primeiro passo, será uma
mo, reciprocidade ou aprendizagem de revisão da literatura sobre o tema.
normas sociais (Aronson, Wilson e Akert, Uma busca realizada em janeiro de
2002). É fácil verificar que as pessoas va- 2008, usando somente a palavra­‑chave
riam quanto a sua disposição para ajudar helping behavior, produziu 2.286 referên-
o outro. A variação está no ato em si: pas- cias a artigos em revistas científicas no site
sar o sal na mesa fora do alcance do outro, www.scirus.com; aproximadamente 11 mil
entregar um objeto que caiu despercebido, referências diversas no site Google scholar;
oferecer o assento no ônibus lotado, deixar 934 referências a artigos no PsychInfo da
um pedestre passar, desviar o caminho para American Psychological Association e 16 no
dar carona a alguém, doar sangue, dar con- site www.scielo.org, neste caso, com o ter-
forto ao próximo, interferir em uma briga mo equivalente em Português. Esse exemplo
para proteger aquele que parece ser o mais aponta que o uso do termo­‑chave relacio-
fraco, para citar apenas alguns atos de aju- nado ao conceito global de comportamento
da. Mas a variabilidade também está na ra- pró­‑social já nos rende muitas indicações.
pidez da resposta, na disposição de ajudar Repetir a busca com outros termos, tais
a “qualquer” pessoa, ou somente determi- como pro­‑social behavior ou altruism, deverá
nados indiví­duos, na disposição de ajudar resultar em mais referências, além de dupli-
sob “qualquer” circunstância, ou somente catas. Antes e além de delimitar as referên-
em determinadas situações. Além do mais, cias assim obtidas, seja em termos do tipo de
a decisão de ajudar dependerá ajuda, do contexto, das pessoas envolvidas,
entre outros aspectos, é importante escolher
1. de fatores individuais: gênero, idade, os termos­‑chave com cuidado: embora, nes-
educação; te exemplo, ajuda, caridade, cortesia, apoio

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

60 Torres, neiva & cols.

e seus correspondentes em outras línguas insistiu na combinação de vários métodos


façam parte do conceito mais amplo chama- (vide Lazarsfeld, 1944, p. 60).
do comportamento pró­‑social, começar com O conceito exemplar deste capítulo,
um termo em vez de outro pode nos enca- comportamento pró­‑social, interessa tanto
minhar em direções bastante distintas. Cabe à psicologia, pelo viés do comportamento
salientar que não é aconselhável limitar a em nível individual, quanto, por exemplo,
busca a estudos em um determinado inter- à sociologia, no que se refere ao comporta-
valo de tempo (p. ex., os últimos 10 anos) e mento cooperativo entre grupos, ou, ainda,
rotular o que foi publicado antes de uma de- à ciência política no contexto de assistên-
terminada data de “velho” ou superado. No cia internacional. Entretanto, não apenas
caso concreto, ao usar o limite de 10 anos resultados encontrados em áreas de conhe-
estar­‑se­‑ia ignorando estudos importantes cimentos correlatos acerca de um mesmo
realizados na década de 1960, como, por tema contribuem para uma compreensão
exemplo, os estudos de Berkowitz e Daniels mais aprofundada. Igualmente importan-
(1964), Bryan e Test (1967), Darley e te é estar aberto para abordagens teóricas
Latané (1968), Epstein e Hornstein (1969) e metodológicas diversas de uma mesma
ou Latané e Darley (1968). área.
Duas palavras­‑chave caracterizam a
abordagem metodológica implícita no es-
tudo de Lazarsfeld e colaboradores: multi-
Algumas observações gerais método e triangulação. O primeiro termo
sobre pesquisa social dispensa definição, e o segundo é definido
por Vogt como “usando mais do que um mé-
Você deve ter cuidado quando não sabe todo para estudar a mesma coisa” (1993, p.
para onde vai, porque pode ser que não 234). Podemos acrescentar, com Sommer e
chegue lá. (Berra, 1998, p. 102) Sommer (2002, p. 6), que usar procedimen-
tos múltiplos é melhor do que usar apenas
Fenômenos sociais podem ser estuda- um, que múltiplos olhares dentro de uma
dos a partir do referencial teórico e com mé- área como a psicologia social não somente
todos de diferentes áreas do conhecimento. são desejáveis, mas se fazem necessários,
A pesquisa social baseada em múltiplos mé- vez que constituem operações convergen-
todos tem uma longa tradição nas ciências tes (Webb, Campbell, Schwartz e Sechrest,
sociais. Em 1933, Lazarsfeld, Jahoda e Zeisel 2000).
publicaram um estudo sobre os desempre- Começamos o capítulo com uma refe-
gados de Marienthal, um vilarejo perto de rência a Kish (1987) e a seu alerta de que,
Viena, Áustria. Os autores, respectivamente, ao escolher um ou outro método de pesqui-
sociólogo com doutorado em matemática sa, o pesquisador estará, necessariamente,
aplicada, psicóloga social com doutorado fazendo um compromisso em relação ao re-
em psicologia geral e cientista social com sultado final de seu trabalho: aceita as van-
um doutorado em ciências sociais e outro tagens e as desvantagens de um método em
em direito, faziam parte do centro de pes- vez destas de outro método. Implícito nessa
quisa em psicologia econômica. Neurath constatação é a recomendação de se utili-
(1983) observa que o que tornou esse tra- zar mais de um método ao estudar um tema
balho um clássico “foi a então relativamente qualquer, visto que, por si só, cada uma das
nova combinação entre observação quali- abordagens se mostra incompleta. Brewer
tativa e análise de dados qualitativos” (p. e Hunter (1989) afirmam que pesquisa de
124). Enquanto Mayring (2002) cita partes campo, levantamento de dados, experimen-
do estudo de Lazarsfeld e colaboradores tação e pesquisa não reativa constituem
como exemplos de diferentes vertentes da os principais métodos das ciências sociais.
abordagem qualitativa, o próprio Lazarsfeld Indicando a possibilidade de, sempre que

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 61

possível, adotar­‑se uma estratégia de pes- Mesmo havendo diferentes maneiras


quisa multimétodos, estes autores – como de se usar os métodos para pesquisar fenô-
Kish – apontam que: menos sociais, há alguns pontos em comum
que precisam ser levados em conta para se
interpretar os resultados de qualquer um aumentar a probabilidade de se chegar a re-
desses métodos é tarefa incerta na melhor sultados úteis. Agregando as considerações
das hipóteses. A maior fonte de incerteza de Grunenberg (2001), de Mayring (2002),
é que qualquer estudo que utiliza apenas de Miles e Huberman (1994), bem como
um único tipo de método de pesquisa [...] as de Steinke (2000) acerca de critérios de
deixa de lado hipóteses rivais não testadas qualidade de pesquisa social, seguem algu-
[...] que colocam em questão a validade mas exigências – formuladas em termos de
dos achados do estudo. (p. 14) perguntas – para uma análise sobre até que
ponto uma pesquisa pode ser considerada
Sommer e Sommer resumem diferen- de boa qualidade (Günther, 2006).
tes abordagens (veja Quadro 3.1) e apon-
tam, ainda, as seguintes vantagens de se
utilizar de mais de um método como pesqui-
sador: quando um procedimento não pode
As perguntas da pesquisa
ser utilizado por razões fora do controle do são claramente formuladas?
pesquisador, ou por falta de recursos, em
termos de tempo, dinheiro ou número de O primeiro passo para conduzir uma pes-
pessoas para realizar um determinado estu- quisa é definir e delimitar a pergunta de
do, a utilização de mais de um método ofe- pesquisa. Quanto maior a clareza sobre o
rece flexibilidade ao lidar com dificuldades. que se quer saber, maior a chance de se

Quadro 3.1
Opções de pesquisa social

Problema Abordagem Técnica de pesquisa

Obter informação confiável sob condições Estudar pessoas em Experimento laboratorial,


controladas um laboratório simulação
Descobrir como as pessoas se comportam Observá­‑las Observação sistemática
em público
Descobrir como as pessoas se comportam Solicitar que Documentos pessoas
na sua vida privada mantenham um diário
Descobrir o que as pessoas pensam Perguntar às pessoas Entrevista, questionário,
escalas de atitudes
Identificar traços de personalidade ou Administrar um teste Testes psicológicos
habilidades mentais estandardizado
Identificar padrões em material escrito Tabulação sistemática Análise de conteúdo
ou visual
Compreender um evento não usual Investigação detalhada Estudo de caso
e demorada
Descobrir o que as pessoas fizeram Avaliar documentos Pesquisa de arquivos
no passado públicos

Referência: Sommer e Sommer (2002, p. 6)

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

62 Torres, neiva & cols.

obter êxito em uma pesquisa. Uma revi- dente, desorientação, agressão verbal? No
são de literatura sobre o assunto em ques- caso de adesivos religiosos, que forma de
tão ajuda no início de qualquer pesquisa. cordialidade seria esperada?
Considerando­‑se nosso exemplo de com-
portamento pró­‑social, uma pergunta ge-
ral poderia ser: quem ajuda quem, como Explicitou­‑se a teoria que pode
e sob quais circunstâncias? Para chegar a
perguntas mais específicas, pesquisáveis, é
ser derivada dos dados e utilizada
necessário operacionalizar as quatro partes em outros contextos?
dessa pergunta geral: o quem ajuda pode
se referir a pessoas de determinado gênero, Uma distinção importante entre pesquisa
idade, educação ou nível socioeconômico. de natureza qualitativa e exploratória ver‑
O quem recebe ajuda, idem. O como pode sus pesquisa quantitativa e inferencial é que
variar em termos de prontidão, isto é, aju- um objetivo central da primeira consiste na
dar de maneira espontânea versus solicita- tentativa de se chegar a uma teoria por meio
do, generosa versus de forma avarenta. Já de um processo indutivo. Uma pesquisa de
as circunstâncias podem variar em termos cunho quantitativo e inferencial visa confir-
de ambiente ou do tipo de ajuda necessá- mar uma teoria já existente, representando,
ria. Desta maneira, podemos chegar a per- assim, um processo dedutivo. Seja qual for
guntas do tipo: “Os jovens ajudam mais aos a natureza da pesquisa, é importante espe-
jovens do que aos idosos em situações de cificar qual a teoria que orienta nossa pes-
emergência de rua?”, “Sob quais condições, quisa, no caso de investigação quantitativa.
desconhecidos intervêm em um assalto?”, No caso de pesquisa qualitativa, é mais im-
“Os motoristas com carros com adesivos re- portante, ainda, deixar explícito para o lei-
ligiosos se mostram mais cordiais no trân- tor onde esperamos chegar ao realizar uma
sito?” pesquisa exploratória.

Operacionalizar variáveis O delineamento da pesquisa


é consistente com o objetivo
Após ter­‑se delimitado a pergunta, será ne- e as perguntas?
cessário operacionalizar as variáveis por
meio das quais os conceitos serão pesqui- Como apontado acima, a escolha do delinea­
sados. No exemplo anterior, os termos jo- mento de pesquisa, isto é, a opção por uma
vens e idosos se referem a faixas etárias, e abordagem observacional, experimental, de
podem ser operacionalizadas em termos de levantamento de dados ou uma análise de
idade em anos. O conceito ajudar é que pre- conteúdo deve ser consequência da pergun-
cisa de uma definição e operacionalização ta de pesquisa a ser respondida. Não cabe
mais detalhada. O nível de ajuda, no caso modificar uma pergunta para que esta se
de um assalto, pode variar, por exemplo, en- adapte a um método preferido.
tre: gritar para chamar atenção de qualquer
um por perto, chamar alguém competente,
como a polícia, intervir pessoalmente. Outra Os construtos analíticos
variável a definir seria a rapidez, isto é, o foram bem explicitados?
tempo em segundos após a verificação da
existência de uma emergência. Outras variá- Conceitos como altruísmo ou disposição para
veis que precisam ser operacionalizadas são ajudar são chamados construtos hipotéticos,
“situação de emergência!”: estamos falando isto é, algo que existe teoricamente, mas não
de quais emergências – agressão física, aci- é observável diretamente. Que alguém pode

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 63

ser considerado altruísta ou ter disposição sentido, precisam satisfazer dois critérios de
para ajudar é inferido a partir de observa- qualidade: fidedignidade e validade, sendo
ções de comportamento diretos – no caso, que o segundo não existe sem o primeiro.
vendo este alguém concretamente ajudando
alguém, ou indiretos – analisando as respos-
tas numa escala de atitudes, por exemplo. Fidedignidade
Assim, a questão que se coloca é: o compor-
tamento observado ou as atitudes expressas Fidedignidade diz respeito à consistência
permitem inferências acerca do altruísmo da medição repetida de um mesmo objeto
ou da disposição de ajudar? sob circunstâncias semelhantes (Vogt, 1993;
Yarenko, Harari, Harrison e Lynn, 1986).
Uma balança poderia ser considerada fide-
Os procedimentos metodológicos digna se, pesando um mesmo objeto várias
são bem documentados? vezes, indicasse o mesmo peso. Medidas
psicológicas, que, por parte do medidor, exi-
Todos os passos de uma pesquisa precisam gem interpretação de eventos, como seria o
ser descritos e explicitados. Quem foram as caso de uma observação, ou que, por parte
pessoas observadas, entrevistadas, partici- da pessoa avaliada, permitem um processo
pantes dos experimentos? Quais foram os de aprendizagem, como seria o caso de um
instrumentos e equipamentos utilizados? teste de conhecimento, correm o risco de ser
Quais foram os procedimentos para a cole- menos fidedignas. Medidas psicológicas cuja
ta de dados? A descrição dos participantes aplicação e interpretação não dependem da
precisa ser suficientemente completa para competência do aplicador e que contêm re-
que se possa saber como foram recrutadas gistros (perguntas, itens, observações) es-
e quais suas características. O detalhamento tandardizados tendem a ser mais fidedignas
dos instrumentos e dos procedimentos deve – veja Pasquali (1999) para maiores deta-
permitir que outros pesquisadores possam lhes, inclusive maneiras de como calcular o
replicar o estudo. Há de se observar, en- índex de fidedignidade que varia entre zero
tretanto, que estudos fora do laboratório e um.
sempre sofrerão do fator “circunstâncias
sócio­‑históricas”, razão pela qual não são to-
talmente replicáveis (Gergen, 1973). Ainda Validade
assim, descrever o método usado em uma
pesquisa permite ao leitor avaliar as inter- Mesmo sendo fidedigno, um instrumento
pretações dos dados oferecidas pelo autor e não é, necessariamente, válido. Validade
considerar possíveis explicações alternativas trata da correspondência entre o que um
– veja “A discussão dos resultados” a seguir. instrumento pretende medir e do constru-
to hipotético que está sendo investigado.
Mesmo se o balanço mencionado registre
Os instrumentos de maneira fidedigna o peso em libra, não
são fidedignos e válidos? seria um instrumento válido se o objetivo
fosse verificar o peso em quilogramas. Um
Há várias maneiras de registrar comporta- teste de conhecimento não seria válido
mento: ficha de observação, check­‑list, esca- como instrumento para averiguar inteligên-
la de atitudes, testes de competência, para cia – (Campbell e Stanley, 1963). Há de se
mencionar as mais importantes. Esses ins- salientar que, enquanto existem medidas
trumentos têm em comum o objetivo de re- quantitativas e genéricas do grau de fide-
gistrar e, assim, refletir de maneira mais fiel dignidade de um instrumento, a validade de
o comportamento sob investigação. Nesse um instrumento representa um julgamento

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

64 Torres, neiva & cols.

essencialmente qualitativo e específico para essa pergunta, a utilidade de nossos resulta-


cada situação estudada. dos de pesquisa estará comprometida.

Adotaram­‑se regras explícitas Randomização


nos procedimentos analíticos?
Assim sendo, uma questão fundamental de
Os procedimentos analíticos qualquer pesquisa em­pírica é se os resulta-
são bem documentados? dos poderiam ter sido alcançados por acaso
ou se são consequência de algum artefato
Os procedimentos de análise de dados preci- de seleção. O livro clássico de Campbell e
sam ser, igualmente, explícitos e explicitados. Stanley (1963) continua sendo a referência
No caso de procedimentos quantitativos, tal para verificar até que ponto um determina-
detalhamento frequentemente está implí- do delineamento, especialmente experimen‑
cito no procedimento estatístico escolhido. tal, pode ser considerado verdadeiramente
Entretanto, especialmente no caso de proce- randômico ou não, e quais as implicações de
dimentos qualitativos, como, por exemplo, violar as pressuposições da randomização.
uma análise de conteúdo, a explicitação e a No caso de levantamento de dados, diferen-
documentação de procedimentos analíticos tes planos de amostragem (Kish, 1965) po-
são indispensáveis. Novamente, tais explica- dem ajudar a tratar o problema da rando-
ções fazem­‑se necessárias para que o leitor mização. No caso de estudos de observação,
possa acompanhar, compreender e, se for o bem como que utilizar técnicas de análise de
caso, replicar os passos analíticos. conteúdo, existem possibilidades de rando-
mizar situações, segmentos de observações
ou de textos.
Os dados foram coletados em todos
os contextos e tempos e com todas as
pessoas sugeridas pelo delineamento? O detalhamento da análise leva
em conta resultados não esperados
A preocupação subjacente é a randomiza- e contrários ao esperado?
ção de contextos, tempos e pessoas. Espe­
cialmente no caso de pesquisa “exemplar”, A vantagem da abordagem experimental é
a partir da qual queremos realizar inferên- a de permitir maior controle sobre os pro-
cias acerca de outros ou “todos” os demais cedimentos e as circunstâncias da pesqui-
contextos ou pessoas, devemos selecionar sa, excluindo, assim, variáveis estranhas e
alguns eventos ou pessoas que podem ser indesejáveis. Uma vez que tal delimitação
considerados representativos. Como foi feita frequentemente resulta em pesquisa “artifi-
tal seleção – randomicamente, sistematica- cial”, faz­‑se um contraste com a abordagem
mente, aleatoriamente, “a dedo”? Somente observacional, que inclui explicitamente “to-
quando tal seleção é feita randomicamente das” as variáveis de uma pesquisa (Günther,
podemos argumentar que nossos resultados 2006). Mas, mesmo no caso de experimen-
podem permitir inferências para outros con- tos, é necessário mostrar flexibilidade e re-
textos, tempos, pessoas além dos estudados. gistrar eventos inesperados. O exemplo pri-
Caso contrário, sempre fica a pergunta, “será mordial para tal flexibilidade é a pesquisa
que o que foi encontrado não é um simples de Pavlov, pesquisador de fisiologia que es-
reflexo daquela situação, daquele tempo, tudou a salivação em cachorros. Quando se
daqueles participantes?” Se o procedimen- deparou com reações inesperadas nos ani-
to que tivermos selecionado der margem a mais, mudou o rumo de suas investigações

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 65

e chegou a estudar o condicionamento con- sociais; e se o psicólogo aplicado se der


dicional, que seria chamado, posteriormen- conta de que não existe nada mais prático
te, de condicionamento clássico (Boring, do que uma boa teoria. (1997, p. 288)
1957).

Participantes da pesquisa
A discussão dos resultados considera Definida a pergunta da pesquisa e especi-
possíveis alternativas de interpretação? ficadas as características dos participantes,
precisa­‑se refletir sobre o acesso à amostra
Foi afirmado anteriormente que, quanto de pessoas. Onde e como serão recrutados?
mais específica a pergunta, quanto mais No caso de observação do comportamento,
detalhada a hipótese sob estudo, mais ex- em que locais serão feitas as observações?
pectativas para uma determinada classe de As pessoas vão saber que estão sendo obser-
resultados. Mesmo assim, é importante não vadas? No caso de um experimento, onde
fechar os olhos para explicações alternati- serão recrutados os participantes? No caso
vas, especialmente quando os resultados de entrevistas, questionários ou aplicação
encontrados não correspondem ao espera- de escalas e testes, onde e como as pessoas
do. Por outro lado, é importante precaver­‑se serão abordadas ou recrutadas: na rua, em
contra resultados incongruentes em termos locais como shoppings, escolas, rodoviárias,
das teorias conhecidas. Não vale argumen- em seus locais de trabalho ou em suas ca-
tar que a ciência “tradicional” ou os méto- sas? Caso as características pessoais – como
dos positivistas não conseguem dar conta gênero, idade, educação, natureza do traba-
dos resultados não usuais encontrados. lho – sejam parte da pergunta de pesquisa,
é necessário ter acesso a participantes com
determinadas características.
Os resultados estimulam ações –
básicas e aplicadas – futuras?
Procedimentos, instrumentos
Existe uma longa discussão acadêmica sobre e análise de dados
a importância relativa da pesquisa dita apli-
cada versus a pesquisa básica. Sem querer
Mais do que simplesmente os participantes,
alongar essa temática neste momento, cabe
são os procedimentos e os instrumentos que
citar a observação de Lewin acerca do as-
diferenciam as técnicas de pesquisa que se-
sunto:
rão apresentadas a seguir. Não somente pre-
cisam ser escolhidas em função da pergunta
O maior calcanhar­‑de­‑aquiles da psico-
específica de uma pesquisa, mas também do
logia aplicada tem sido o fato de que,
que é factível, e do tipo de inferência que
sem ajuda teórica apropriada, ela teve
almejamos. O tipo de análise de dados, por
de seguir o método dispendioso, inefi-
sua vez, é consequência direta da pergunta,
ciente e limitado de ensaio e erro. Muitos
dos participantes e dos procedimentos.
psicólogos que trabalham hoje em dia
em um campo aplicado têm consciência
aguçada de uma cooperação estreita en-
tre a psicologia teórica e a aplicada. Isto Análise dos resultados
pode ser conseguido na psicologia, como
aconteceu na física, se o teórico não trata O escopo deste capítulo não permite abor-
dos problemas aplicados com pretensiosa dar, em qualquer nível de profundidade, a
antipatia ou com medo de problemas análise dos dados coletados durante a pes-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

66 Torres, neiva & cols.

quisa. Cabe fazer, inicialmente, uma distin- perguntas exigem, por sua vez, respostas
ção entre estatística descritiva e inferencial. qualitativas. A variabilidade existe por essa
A estatística descritiva relata a distribuição ou aquela razão. Tem essas ou aquelas im-
dos dados por meio de tabelas e gráficos. plicações. Na tentativa de se partir de uma
Tabelas apresentam frequências e percen- pergunta qualitativa e de se chegar a uma
tagens em termos numéricos, enquanto resposta qualitativa, há dois caminhos, não
gráficos permitem visualizar a distribuição necessária e mutuamente excludentes: o de
dos dados (Nicol e Pexman, 1999, 2003). procedimentos qualitativos e o de procedi-
Entretanto, a distribuição de frequências, as mentos quantitativos.
aparentes diferenças entre grupos ou even-
tuais relações estabelecidas por meio de ta-
belas e gráficos necessitam de uma resposta Procedimentos qualitativos
à seguinte pergunta: aqueles resultados são
sistemáticos ou se chegou a eles por acaso? Procedimentos qualitativos tendem a ser in-
Realizando poucas observações em um úni- dutivos e exploratórios: sem partir de hipó-
co local, dificilmente será possível fazer afir- teses formais e explícitas, tenta­‑se construir
mações sobre o comportamento das pessoas um referencial teórico a partir de dados
em geral. O mesmo ocorre se entrevistamos coletados essencialmente por meio de ob-
apenas nossos amigos ou pessoas que estão servações, incluindo, aqui, registros de com-
convenientemente disponíveis. É por meio portamento, tais como documentos, diários,
de estatísticas inferenciais que podemos sa- filmes e gravações que registrem manifes-
ber até que ponto os resultados são sistemá- tações humanas observáveis. Em segundo
ticos ou foram obtidos por acaso (Bisquerra, lugar, a análise desses dados costuma ser
Sarriera e Martínez, 2004; Dancy e Reidy, interpretativa, usando­‑se técnicas de análise
2006; Siegel e Castellan, 2006). de discurso e de análise de conteúdo (Bauer
e Gaskell, 2002).
Os pesquisadores que usam métodos
qualitativos recorrem, frequentemente, à
Abordagem quantitativa clássica afirmação de Dilthey (1894) “expli-
versus qualitativa camos a natureza, compreendemos a vida
mental” (Hofstätter, 1957, p. 315). Querem
Noventa por cento do jogo é 50% mental. salientar que visam compreender a vida
(Berra, 1998, p. 69) mental e, portanto, utilizam métodos – qua-
litativos – apropriados para a psicologia. Já
Apontamos acima três caminhos prin- os pesquisadores que usam métodos quan-
cipais para realizar pesquisa no contexto titativos, argumentam que explicar e com-
das ciências sociais: observação, experimen- preender não são processos antagônicos, e
tos e levantamento de dados. Antes de tra- que a vida mental faz parte dos fenômenos
tar cada um deles individualmente, convém naturais.
ressaltar o que eles têm em comum. O que
une os mais diversos métodos e técnicas de
pesquisa incluídos nessas três grandes famí- Procedimentos quantitativos
lias de abordagem é o fato de todos partirem
de perguntas essencialmente qualitativas Para explicar o comportamento humano no
(Günther, 2006). Qualquer pesquisa parte contexto da psicologia social, a abordagem
da constatação de que as pessoas variam, se quantitativa tende a ser dedutiva e confir-
comportam de maneira diferente. Isso traz matória, partindo de uma teoria. Parte de
à tona a pergunta a respeito da razão pela expectativas explícitas ou hipóteses formais
qual existe esta variabilidade. Como lidar para verificar a existência de diferenças ou
com ela? Quais as suas implicações? Estas relações nos fenômenos sociais, para testá­

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 67

‑las desta maneira. Em segundo lugar, não esse assunto, mesmo antes de efetuar uma
se restringe a métodos observacionais, mas revisão sistemática da literatura especia-
tenta, sempre que possível, realizar a coleta lizada. Recortamos artigos sobre pessoas
de dados, em qualquer dado contexto, de que prestaram ajuda, avisamos a nossos
maneira sistemática, e de tal forma que seja amigos que estávamos interessados no as-
possível recorrer a técnicas da estatística in‑ sunto. Pedimos a eles que, sempre que en-
ferencial para questionar se os dados cole- contrassem algo interessante, recortassem
tados e analisados, bem como os resultados tal notícia. Colecionamos não somente ar-
aos quais se chegou dessa maneira são, de tigos sobre ajuda prestada, mas também
fato, sistemáticos ou se poderiam ter sido sobre ajuda negada. Quando chegamos a
encontrados por acaso. Para chegarmos a um número razoável de artigos, decidimos
conclusões científicas, é desejável, se não começar com a análise do conteúdo desses
necessário, que possamos apontar a contri- artigos. Ressaltamos anteriormente que,
buição dos diferentes antecedentes ao com- quanto maior clareza sobre o que queremos
portamento de nosso interesse e eliminar os saber, mais chance de êxito obteremos em
acontecimentos randômicos e os obtidos por uma pesquisa. Entretanto, em um primeiro
acaso como possíveis explicações. momento de coleta de material documen-
A seguir, apresentam­‑se quatro abor- tal, podemos coletar “qualquer” material
dagens de pesquisa, sendo duas de nature- que encontramos, o que nos encaminharia
za mais descritiva – a análise de conteúdo para procedimentos mais qualitativos, ou,
e a observação – e duas de natureza mais pelo menos, sem formular hipóteses especí-
inferencial – experimento e levantamento ficas. Já em um segundo momento, quando
de dados. sabemos de fontes confiáveis para material
documental, é possível formular hipóteses e
buscar trechos de textos, desenhos ou ima-
gens de maneira sistemática.
Análise de conteúdo

Na realidade, não falei tudo aquilo que Procedimentos


eu disse. (Berra, 1998, p. 9)
Os sujeitos nesta modalidade de pesquisa
A análise de conteúdo é uma entre vá- não são pessoas propriamente ditas, mas
rias técnicas de pesquisa usadas para des- material produzido por ou sobre elas. Por
crever e sistematizar o conteúdo de comuni- exemplo, no caso de relatos na imprensa es-
cações pictóricas, escritas ou verbais (Vogt, crita sobre eventos de ajuda prestada ou ne-
1993). A técnica pode ser utilizada com gada, os recortes constituem as unidades de
material visual (filme, vídeo, desenhos, ilus- análise. Cada recorte descreve uma situação
trações, obras de artes plásticas), com ma- e fala das pessoas envolvidas, do local, das
terial impresso (jornais, revistas, livros, do- circunstâncias do evento. Assim, cada relato
cumentos pessoais) e com registros verbais pode ser classificado em termos de atribu-
(entrevistas e questionários). Idealmente, tos, tais como fonte (nome do jornal), data,
nos dois primeiros casos, a seleção do ma- confiabilidade da fonte e detalhamentos do
terial é randômica, embora frequentemente conteúdo.
sejam usadas amostras de conveniência, isto O procedimento em si consiste na análi-
é, material ao alcance do pesquisador. se do conteúdo dos artigos. Günther (2006)
No caso de nosso projeto hipotético/ apresenta uma sistematização dos procedi-
ilustrativo sobre comportamento de aju- mentos de uma pesquisa qualitativa.
da, imagine que colecionamos relatos de O instrumento para uma análise de
ocorrências de ajuda nos jornais desde que conteúdo pode ser um programa de com-
começamos a pensar em um estudo sobre putação por meio do qual se sistematize e

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

68 Torres, neiva & cols.

analise o material coletado (p. ex., AtlasTI precisando falar com as pessoas sobre seus
ou MAXqda). pensamentos ou intenções. Além do mais,
não sendo um intruso, você não interfere
no comportamento, nem provoca reatância
Vantagens desse método nas pessoas observadas (Webb, Campbell,
Schwartz, Sechrest e Grove, 1981). Em ge-
Observamos anteriormente que, “quanto ral, os estudos de observação não exigem
maior clareza sobre o que queremos saber, muito equipamento, mas sim tempo, já que
mais chance de êxito em uma pesquisa”. pode demorar até que surja o comportamen-
Entretanto, e especialmente no início de um to de interesse. A seguir, comentaremos três
conjunto de pesquisas, existe menos clareza tipos de observação: informal, sistemática e
sobre o que pode ser investigado no decor- participante.
rer do projeto. Assim, nesse momento ini- É por meio de observações informais
cial, uma abordagem mais aberta, especu- que registramos o que acontece em torno de
lativa, pode ser mais útil para se começar a nosso meio social e ambiental. Sem catego-
entender um dado assunto. Cabe aqui uma rias preestabelecidas nem hipóteses formais,
distinção feita por Kidder e Fine (1987) en- esse tipo de observação se aproxima mais
tre a pesquisa qualitativa com a letra Q mai- dos estudos qualitativos. Tais observações
úscula, que envolve observação participante são importantes na fase inicial de qualquer
e pesquisa de campo etnográfica. Pesquisa pesquisa e constituem a base para formular
qualitativa com a letra q minúscula, por ou- perguntas sistemáticas acerca de determina-
tro lado, refere­‑se à coleta de dados aberta, do comportamento.
mas que faz parte de uma pesquisa estrutu- Em estudos de observação sistemática,
rada em termos de objetivo e procedimento. utiliza­‑se algum esquema de categorias para
Em outras palavras, a vantagem da pesqui- classificar os comportamentos de interesse.
sa inicial, aberta, é a de dar apoio inicial a Os comportamentos podem ser enumerados
ideias para pesquisas subsequentes. em termos de frequência, de intensidade, de
pessoas envolvidas (só, em díade ou grupo),
das características das pessoas, etc. Os re-
gistros podem ser realizados em planilhas,
Desvantagens check­‑lists, gravados ou filmados. Havendo
dois observadores, é possível verificar até
Como frisamos anteriormente, ao tentar
que ponto há concordância entre ambos.
chegar a explicações sobre fenômenos so-
Enquanto que em estudos de obser-
ciais, deve­‑se atentar à pergunta “mas será
vações informais e sistemáticas as pessoas
que os resultados foram obtidos na base de
observadas podem nem saber que são ob-
eventos não randômicos?” Quanto maior o
jetos de estudo, a observação participante
número de eventos arquivais usados para a
explicita que os sujeitos fazem parte de um
análise de conteúdo, maior será a dificulda-
estudo e que estão sendo observados. O pes-
de de responder a essa pergunta de maneira
quisador torna­‑se parte da vida dos obser-
convincente.
vados. Quando tal delineamento é factível,
o estudo se torna mais ético, à medida que
as pessoas do estudo sabem que estão sendo
Observação observadas e por quem estão sendo observa-
das. Entretanto, a presença explícita de um
Você pode observar muito coisa só olhan- observador pode provocar reatância entre
do. (Berra, 1998, p. 95) os sujeitos da pesquisa, ficando a dúvida de
até que ponto as pessoas observadas estão
A vantagem da observação é estar se comportando de maneira autêntica e não
diante do comportamento que interessa, não encenando algum comportamento que acre-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 69

ditam ser o esperado por parte do pesquisa- (sexo, idade aproximada) e seu comporta-
dor. Especialmente no caso de uma observa- mento na situação. Para tanto, uma ficha
ção de duração mais longa, recomenda­‑se a de observação que permita anotar os dados
observação participante, já que a presença relevantes de uma maneira que não chame
demorada de um estranho desconhecido atenção será preparada. Preferencialmente,
pode provocar desconfiança e reatância, haverá dois observadores independentes, o
pois os observados tendem a se acostumar que permitirá estabelecer a fidedignidade
com o a presença do pesquisador conhecido das observações pelo estabelecimento do
e o ignorarem mais facilmente. grau de concordância entre as observações
dos dois pesquisadores.

Exemplos de estudos observacionais


Vantagens e desvantagens
Conforme comentado anteriormente, os
estudos observacionais são custosos em Como apontado acima, a vantagem de estu-
termos de tempo, já que podem demorar dos observacionais é o realismo da situação
até que o comportamento de interesse pos- estudada, algo não alcançável em estudos
sa surgir. Diante desse problema, Silva e experimentais, de levantamento de dados
Günther (2001) criaram “oportunidades de ou aqueles que utilizam material arquival.
ajudar” em um ônibus lotado, no sentido Há de se destacar, ainda, que comporta-
de verificar quem entre os passageiros sen- mento não acontece em um vazio, isto é,
tados se ofereceria para segurar um pacote depende não somente de fatores internos,
de um passageiro em pé. Outros estudos subjetivos, mas do contexto social e físico,
que criaram “oportunidades de ajudar” o que Barker e colaboradores (Barker, 1968;
para poder observar mais sistematicamen- Schoggen, 1989; Sommer e Wicker, 1991)
te eventuais comportamentos pró­‑sociais chamaram de behavior setting. Entre as des‑
são os de Levine e colaboradores (Levine vantagens, deve­‑se mencionar o alto custo
e Norenzayan, 1999; Levine, Norenzayan e de tempo, especialmente, em se tratando de
Philbrick, 2001). comportamentos de pouca frequência. Em
segundo lugar, a falta de controle sobre o
surgimento da situação de interesse signifi-
Um estudo hipotético ca ausência de randomização e generaliza-
ção. Além do mais, quanto mais complexo
No caso de um estudo hipotético sobre com- o comporta­mento e/ou a situação dentro
portamento pró­‑social, podemos pensar em da qual o comportamento acontece, mais
observar o comportamento dos pedestres trabalhoso serão o registro e a análise dos
em um determinado trecho que apresenta dados (Scott, 2005).
irregularidades, talvez buracos, impedi- Cabe ainda mencionar alguns livros
mentos por causa de uma construção ou que tratam especificamente de técnicas ob-
de carros mal estacionados. Qual seria o servacionais. Fagundes (1993) apresenta um
comportamento de ajuda no sentido de dar texto didático de observação sistemática, en-
preferência a pessoas com problemas de lo- quanto Danna e Matos (1996) se propõem a
comoção, ajudar mães com carinho de bebê ensinar, de maneira básica, como observar
e situações semelhantes? Será que existem o comportamento humano. Esses dois livros
alguns padrões de cortesia ou ajuda? concentram sua atenção no comportamento
Procedimentos. Os sujeitos desta pesqui- imediato das pessoas sendo observadas, já o
sa seriam as situações de encontro e de inte- artigo de Pinheiro, Elali e Fernandes (2008),
ração de pessoas estranhas entre si no ponto considera a interação entre as pessoas e o
problemático. O registro consiste em anotar ambiente, inclusive os resquícios do com-
o número de pessoas, suas características portamento das pessoas no ambiente.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

70 Torres, neiva & cols.

Experimento aleatória, não há como assegurar que foi a


exposição à situação experimental que cau-
Não sei qual o melhor jeito, mas nenhum sou determinado comportamento, e não al-
é ruim. (Berra, 1998, p. 84) guma circunstância alheia a ele.

O experimento, especialmente em sua


modalidade laboratorial, é um delineamen- Reduzir variabilidade externa
to no qual o pesquisador tem controle so-
bre algumas das condições sob as quais a À medida que o experimentador tem con-
pesquisa está sendo realizada, bem como trole sobre as condições experimentais, cabe
controle sobre algumas das variáveis que tentar reduzir a variabilidade externa e in­
acredita que possam causar o fenômeno desejada. Em outras palavras, se o objetivo
estudado. As variáveis sob controle do ex- de uma pesquisa for verificar a diferença
perimentador são chamadas variáveis inde- entre jovens de sexo masculino e feminino
pendentes (VI). O fenômeno sob estudo é no que diz respeito a determinado compor-
definido como variável dependente (VD).4 tamento, convém manter outras variáveis,
Uma distribuição randômica dos sujeitos da como, por exemplo, classe social, nível edu-
pesquisa entre as condições experimentais e cacional ou idade, o mais homogêneo possí-
de controle de uma pesquisa é o requisito vel. Isto quer dizer, dever­‑se­‑ia chamar para
mínimo para uma pesquisa ser considera- participar do experimento apenas jovens de
da um experimento verdadeiro (Campbell uma mesma classe social, de um mesmo nível
e Stanley, 1963). Uma importante variante educacional e de uma mesma idade, já que
é o experimento natural, situação na qual uma variabilidade não controlada em tais
as condições experimentais e de controle fatores poderia influenciar o comportamento
não foram preparadas pelo experimentador, em questão.
mas por condições alheias e, desta manei-
ra, não estão sob o controle do pesquisador.
Silbereisen (2005) relata uma série de ex- Especificar/limitar o comportamento
perimentos naturais sobre mudanças sociais
e desenvolvimento humano em decorrência Da mesma maneira como a variabilidade
da reunificação alemã. Este acontecimento entre os fatores antecedentes deve ser con-
permitiu aos psicólogos comparar, em for- trolada, é importante especificar e delimi-
ma de experimento natural, comportamen- tar bem o comportamento sob estudo. Por
tos e expectativas de vida entre os cidadãos exemplo, em vez de falar simplesmente em
de um mesmo país após ter vivido sob dois “comportamento de ajuda”, convém opera-
regimes políticos distintos durante 40 anos. cionalizar tal comportamento: comporta-
Campbell e Stanley apontam uma série de mento de abrir a porta para uma senhora
aspectos que afetam a qualidade de um ex- (Moser e Corroyer, 2001), levantar­‑se e ofe-
perimento. Entre eles, cabe mencionar aqui recer um assento em um ônibus, etc.
os seguintes.

Reatância à situação
Randomizar sujeitos experimental e ética de pesquisa
O controle sobre a distribuição aleatória de Uma diferença importante entre observação
participantes da pesquisa entre as diferentes e levantamento de dados por questionário
condições experimentais é crucial para que ou entrevista é que a observação garante
se possa atribuir a essas eventuais causas o maior validade ecológica do comportamen-
fenômeno sob estudo. Sem essa distribuição to, enquanto entrevistas e questionários

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 71

permitem explorar melhor as razões para Um estudo hipotético


determinadas ações. Qual a situação do
experimento nessa distinção? Muitos ex- No caso de nosso estudo imaginário de
perimentos constituem uma oportunidade ajuda, idealizamos uma réplica de experi-
para se observar comportamento, mesmo mentos clássicos de Darley e Latané (1968;
que a situação não tenha validade ecoló- Latané e Darley, 1968). A questão em ambos
gica. Por outro lado, sendo uma situação os estudos foi a potencial interferência da
artificial, os experimentos provocam re- presença de outras pessoas na decisão indi-
atância semelhante a dos levantamentos vidual de prestar ajuda, sendo a hipótese de
de dados nos participantes, que se per- que, quanto maior o número de transeuntes,
guntam: “o que é que o experimentador menor a probabilidade de ajuda por parte de
quer de mim, realmente?” Dependendo da qualquer pessoa. A variável independente
questão de pesquisa, o experimento pode em ambos os estudos foi o número de pesso-
incluir o engano do participante. Embora as presentes além do sujeito da pesquisa. No
o exemplo mais famoso para iludir os par- caso do estudo de Darley e Latané, uma pes-
ticipantes seja o experimento de Milgram soa invisível precisava de ajuda, e o sujeito
(1963), muitos estudos experimentais im- fez parte de um grupo formado entre uma e
plicam em alguma forma de encenação para quatro outras pessoas. Já no experimento de
esconder o verdadeiro objetivo do estudo. Latané e Darley, a emergência estava visível,
Adair, Dushenko e Lindsay (1985) relatam e o sujeito estava ou sozinho ou na presença
que 81% dos autores de estudos publicados de duas outras pessoas.
em 1979 na mais prestigiosa revista da psi-
cologia social, o Journal of Personality and
Social Psychology, relataram alguma forma Pergunta/hipótese da pesquisa
de esclarecimento pós­‑experimental para
os participantes de um estudo envolvendo O número e as características de outras pes-
alguma forma de encenação e engano. O soas influenciam a probabilidade de prestar
argumento principal em favor de tal proce- ajuda por parte de uma pessoa do sexo femi-
dimento é que os experimentos tratam de nino versus do sexo masculino?
comportamentos socialmente normatizados
(seja positivamente, por exemplo, de ajuda,
ou negativamente, por exemplo, de agres- Procedimentos
são). Assim, não seriam viáveis se o parti-
cipante soubesse o verdadeiro objetivo da Os sujeitos dessa pesquisa imaginária serão
pesquisa. Neste sentido, os estudos experi- convidados para uma entrevista sobre a vida
mentais de ajuda de Darley e Latané (1968; no campus da universidade. A entrevista será
Latané; Darley, 1968) ou de Silva e Günther realizada ou de forma individual ou em for-
(1999) somente puderam ser realizados por ma de grupo focal, isto é, na presença de mais
meio de encenação. Por outro lado, há de dois ou quatro confederados. Os sujeitos va-
se tomar cuidado em respeitar a dignidade riam de gênero. No caso de grupo focal, os
e a integridade física e psicológica dos par- membros variam igualmente, de tal manei-
ticipantes de qualquer pesquisa: na medida ra a ter grupos do mesmo sexo e grupos nos
do possível, deve­‑se fornecer explicações quais o sujeito é homem (ou mulher) e os
aos participantes sobre a pesquisa, se não confederados são mulheres (ou homens).
antes do início, sem dúvida, após sua con- Quanto ao procedimento. A entrevista
clusão, além de não expor os participantes a será realizada ao ar livre e a certa distância
qualquer desconforto desnecessário – o fim dos prédios da universidade para se asse-
científico não justiça os meios – veja Artigo gurar um ambiente tranquilo. No decorrer
16 do Código de Ética do Conselho Federal da entrevista, acontecerá uma emergência a
de Psicologia (2005). poucos metros dali.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

72 Torres, neiva & cols.

O registro da variável dependente será A entrevista foi caracterizada por Bingham


feito por um observador alheio e aparen­ e Moore (1959) como uma conversa com
temente desassociado da entrevista, ano­ objetivo. Essa consideração aplica­‑se,
tando o tempo que levou para o sujeito igualmente, ao questionário, definido com
notar a emergência, bem como seu compor- “um conjunto de perguntas sobre um de-
tamento. terminado tópico que não testa a habilida-
de do respondente, mas mede sua opinião,
seus interesses, aspectos de personalidade
Vantagens desse método e informação biográfica” (Yaremko, Harari,
Harrison e Lynn, 1986, p. 186). A definição
O procedimento nesta pesquisa supõe cin- do questionário deixa aberta a forma da
co condições randômicas: sujeito sozinho, interação entre pesquisador e participante
sujeito com dois confederados do mesmo – pode ser individual ou em grupo, face a
sexo, com dois confederados do sexo opos- face, via correio ou via internet, sendo que
to, com quatro confederados do mesmo sexo a aplicação individual e face a face de um
e com quatro confederados do sexo aposto. questionário pode se tornar uma entrevis-
À medida que os sujeitos são distribuídos ta estruturada. Entretanto, a observação
randomicamente entre as cinco condições, de Bingham e Moore é fundamental – seja
será possível estabelecer uma relação causal qual for a forma da interação, o pesquisa-
entre a condição da entrevista e a proporção dor deve lembrar que está conversando com
de sujeitos em cada condição de ter presta- outro ser humano, ele não está “extraindo”
do ajuda. informação de maneira impessoal. Uma vez
que não há muito controle sobre os par-
ticipantes de um experimento ou de uma
situação de observação, técnicas de amos-
Desvantagens tragem podem ser utilizadas de tal manei-
ra a se obter amostras de participantes de
Bons experimentos em psicologia social de- uma população determinada. Por exemplo,
pendem do grau em que os cenários experi- em um estudo observacional, a pesquisa
mentais controlados são plausíveis para os se limita às pessoas que circulam em um
sujeitos, especialmente a medida que preci- determinado local; em um estudo experi-
sam de certo grau de engano. No caso desse mental, a pesquisa se limita às pessoas que
exemplo, o engano consistirá de fazer o su- concordam em participar do experimento.
jeito acreditar que faz parte de uma entre- Tendo informação sobre as características
vista e que a emergência foi suficientemente de uma população (p. ex., todas as matrí-
crítica para merecer uma possível interven- culas de alunos ou todos os endereços de
ção de sua parte. um bairro), é possível obter uma amostra
randômica de participantes a serem en-
trevistados ou para os quais se envia um
questionário. Além do mais, por meio de
Levantamento de dados questionários e entrevistas, é possível saber
dos estados subjetivos, das atitudes, das
Nunca responda a uma carta anônima. opiniões, das justificativas das ações toma-
(Berra, 1998, p. 93) das por parte dos participantes de uma pes-
quisa. Entretanto, da mesma maneira que
Entrevistas (Günther, I., 2008) e ques- a reatância ao processo de pesquisa cons-
tionários (Günther, H., 2008) constituem titui um problema no caso do experimen-
maneiras de perguntar às pessoas sobre o to, perguntas, especialmente a respeito de
que elas fazem, pensam, sentem, tanto no assuntos sensíveis, nem sempre produzem
momento, quanto no passado e no futuro. respostas autênticas.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 73

Um estudo hipotético Vantagens e desvantagens


do levantamento de dados
Pergunta/hipótese da pesquisa. No caso
de nosso estudo imaginário de ajuda, con- A principal vantagem do uso de questioná-
sideramos um estudo sobre a participação rios e entrevistas consiste na possibilidade
em organizações voluntárias. Quais são as de explorar atitudes, opiniões, razões para
características, quais são as motivações para fazer ou não fazer determinadas coisas, algo
que uma pessoa se engaje em uma ação de impossível no caso de observação ou méto-
solidariedade? Além do mais, será que a dos não intrusivos, já que estes, por defini-
oportunidade de ajudar aumenta a atitude ção, excluem o contato com os participantes
favorável de se engajar em uma ação de aju- da pesquisa.
da voluntária?
Procedimentos. Os sujeitos dessa pes-
quisa, alunos universitários de ambos os
sexos e de cursos humanistas (psicologia e Considerações finais
serviço social), técnico (engenharia mecâ-
nica e matemática) e da saúde (médicos, O jogo não terminou até que tenha termi-
enfermeiras) serão convidados para uma nado. (Berra, 1998, p. 121)
entrevista sobre a vida no campus da uni-
versidade. Há de se enfatizar que pesquisar e pu-
blicar na ciência são as duas faces da mes-
ma moeda; uma não vale sem a outra. Cabe
Procedimentos lembrar que publicar uma pesquisa quer
dizer “torná­‑la pública”. Uma pesquisa que
A entrevista será realizada de forma indivi- não for publicada, não contribuirá para a
dual, em um espaço reservado para tal ati- ciência, sequer existirá. A pesquisa e a pu-
vidade. No caminho para sala de entrevista, blicação são interdependentes da concep-
parte dos alunos passa por uma situação que ção da pesquisa como processo cíclico, que
implica em ajuda, por exemplo, uma pessoa passa pelas seguintes fases (Tavares e Diniz,
deixa cair um objeto. Desta maneira, criam­ 1993):
‑se três grupos de sujeitos:
1. Selecionar um objeto de pesquisa e definir
a) encontrar uma oportunidade para ajudar, a problemática, considerando­‑se resulta-
sendo que o participante da pesquisa, de dos de pesquisas anteriores.
fato, ajuda; 2. Relacionar a problemática a teorias e a
b) encontrar uma oportunidade para ajudar, pesquisas anteriores.
sendo que o participante da pesquisa, de 3. Formular hipóteses.
fato, não ajuda; 4. Identificar os elementos do método (vari-
c) não encontrar uma situação de ajuda. áveis, relações, medidas, procedimentos,
população, critérios, estatística a utili-
Os grupos (a) e (b) constituem uma mani- zar).
pulação experimental, o grupo (c) constitui 5. Implementar o estudo e coletar os da-
um grupo de controle. dos.
O instrumento de pesquisa consiste em 6. Analisar os dados.
um questionário com perguntas sobre a qua- 7. Interpretar e relacionar os resultados
lidade de vida em geral, a qualidade de vida à problemática original, às teorias e às
no campus da universidade e a disposição da pesquisas referidas.
pessoa de se engajar em uma atividade vo- 8. Apresentar resultados, sugerir estudos,
luntária na universidade, por exemplo, doar receber retroalimentação da comunidade
sangue durante a semana universitária. científica.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

74 Torres, neiva & cols.

9. Selecionar um objeto de pesquisa e definir AMERICAN PSYCHOLOGICAL ASSOCIATION.


a problemática, levando em consideração Manual de publicação da American Psychological
resultados de pesquisas anteriores (fecha- Association. 4. ed. Porto Alegre: ArtMed, 2001a.
mento do ciclo). AMERICAN PSYCHOLOGICAL ASSOCIATION.
Publication manual. 6 th ed. Washington, DC:
Autor, 2010.
Sendo a publicação o outro lado da
ARONSON, E.; WILSON, T. D.; AKERT, R. M. Psico‑
pesquisa, em um relato, explicitam­‑se os
logia social. 3. ed. Rio de Janeiro: Livros Técnicos
passos desse processo cíclico da pesquisa, e e Científicos Editora, 2002.
o próprio relato tem caráter cíclico. O ter- ATLAS.TI. Disponível em: <www.atlasti.de>.
mo relato de pesquisa está sendo utilizado
BARKER, R. G. Ecological psychology: Concepts
genericamente para incluir desde trabalhos and methods for studying the environment of
em nível de graduação até teses de doutora- human behavior. Stanford, CA: Stanford U Press,
do e publicações em revistas especializadas; 1968.
aplica­‑se a trabalhos baseados em dados em- BAUER, M. W.; GASKELL, G. (Ed.). Pesquisa quali‑
píricos, em dados secundários, bem como a tativa com texto, imagem e som. Um manual prático.
resenhas de literatura. Não cabe entrar em Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.
detalhes sobre como preparar um relato de BERKOWITZ, L.; DANIELS, L. R. Affecting the
pesquisa, entre as muitas publicações sobre salience of the social responsability norm: Effects
o assunto, apontamos apenas duas: algu- of past help on the response to dependency re-
lationships. The Journal of Abnormal and Social
mas dicas preparadas por Günther (no pre-
Psychology, v. 68, p. 275-281, 1964.
lo) e o Manual de Publicação preparado pela
BERRA, Y. The Yogi book: I didn’t really say
American Psychological Association (2001;
everything I said. New York: Workman Publishing,
2010). 1998.
BINGHAM, W. V.; MOORE, B. V. How to interview.
New York: Harper, 1959.
Notas BISQUERRA, R.; SARRIERA, J. C.; MARTÍNEZ,
F. Introdução à estatística: enfoque informático
1. A elaboração deste trabalho teve apoio do com o pacote estatístico SPSS. Porto Alegre, RS:
Conselho Nacional de Desenvolvimento Cien- Artmed, 2004.
tífico e Tecnológico (CNPq).
2. As citações ilustrativas no início das seções BORING, E. G. A history of experimental psycho‑
logy. 2nd ed. New York: Appleton-Century-Crofts,
deste capítulo são oriundas de um livro de
1957.
Yogi Berra, jogador de beisebol conhecido por
suas observações pouco convencionais. BREWER, J.; HUNTER, A. Multimethod research:
3. Usamos o termo comportamento de maneira A synthesis of styles. Thousand Oaks, Califórnia:
genérica para nos referir tanto a comporta- Sage, 1989.
mentos quanto a experiências subjetivas, tais BRYAN, J. H.; TEST, M. A. Models and helping:
como atitudes, sentimentos e emoções. Naturalistic studies in aiding behavior. Journal
4. Esta nomenclatura – VI e VD – persiste mesmo of Personality and Social Psychology, v. 6, p. 400-
no contexto de experimentos naturais e de 407, 1967.
levantamento de dados, mesmo considerando­ CAMPBELL, D. T.; STANLEY, J. C. Experimental and
‑se que estas são situações em que o pesqui- quasi-experimental designs for research. Chicago:
sador não tem controle sobre as variáveis. Rand McNally, 1963.
CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Código
de ética profissional do psicólogo. Brasília: Autor,
Referências 2005. Disponível em: <http://www.pol.org.br/
legislacao/pdf/cod_etica_novo.pdf>. Acesso em:
ADAIR, J. G.; DUSHENKO, T. W.; LINDSAY, R. C. 30.06.2008.
Ethical regulations and their impact on research DANCEY, C. P.; REIDY, J. Estatística sem matemá‑
practice. American Psychologist, v. 40, p. 59-72, tica para psicologia. 3. ed. Porto Alegre: Artmed,
1985. 2006.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 75

DANNA, M. F.; MATOS, M. A. Ensinando observa‑ LATANÉ, B.; DARLEY, J. M. Group inhibition of
ção: uma introdução. São Paulo: Edicon, 1996. bystander intervention in emergencies. Journal
DARLEY, J. M.; LATANÉ, B. Bystander interven- of Personality and Social Psychology, v. 10, p. 215-
tion in emergencies: Diffusion of responsibility. 221, 1968.
Journal of Personality and Social Psychology, v. 8, LAZARSFELD, P. F. The controversy over detailed
p. 377-383, 1968. interviews: an offer for negotiation. Public Opinion
EPSTEIN, Y. M.; HORNSTEIN, H. A. Penalty and Quarterly, v. 8, p. 38-60, 1944.
interpersonal attraction as factors influencing the LAZARSFELD, P. F.; JAHODA, M.; ZEISEL, H. Die
decision to help another person. Journal of Experi‑ Arbeitslosen von Marienthal [Os desempregados
mental Social Psychology, v. 5, p. 272-282, 1969. de Marienthal]. Leipzig: Hirzel, 1933. (Uma edi-
FAGUNDES, A. J. F. M. Descrição, definição e regis‑ ção em língua inglesa foi publicada em 1971 por
tro de comportamento. São Paulo: Edicon, 1993. Aldine-Atherton, Chicago, sob o título: Marienthal:
The sociography of an unemployed community).
GERGEN, K. J. Social psychology as history. Jour‑
LEVINE, R. V.; NORENZAYAN, A. The pace of life in
nal of Personality and Social Psychology, v. 26, p.
31 countries. Journal of Cross-cultural Psychology,
309-320, 1973.
v. 30, p. 178-205, 1999.
GRUNENBERG, H. Die Qualität qualitativer Fors-
LEVINE, R. V.; NORENZAYAN, A.; PHILBRICK,
chung. Eine Metaanalyse erziehungs-und sozialwis-
K. Cross-cultural differences in helping stranges.
senschaftlicher Forschungsarbeiten. [A qualidade da
Journal of Cross-cultural Psychology, v. 32, p. 543-
pesquisa qualitativa. Uma meta-análise de trabalhos
560, 2001.
de pesquisa das áreas de educação e ciências so-
ciais]. Marburg: Philipps-Universität, 2001. Disponí- LEWIN, K. Problems of research in social psycholo-
vel <http://www.maxqda.de/maxqda/downloads/ gy. In: CARTWRIGHT, D. (Ed.). Field theory in social
grunenberg.pdf>. Acesso em: 30 jul. 2005. science: Selected theoretical papers. Washington,
DC: American Psychological Association, 1997.
GÜNTHER, H. Pesquisa qualitativa versus pesquisa
p. 279-288.
quantitativa: esta é a questão? Psicologia: Teoria e
Pesquisa, v. 22, p. 201-209, 2006. MAXqda. Disponível em: <www.maxqda.com/
maxqda-eng/start.htm> (inglês) ou <www.ma-
GÜNTHER, H. Como elaborar um questionário. In: xqda.com/maxqda-spa/> (espanhol).
PINHEIRO, J. Q.; GÜNTHER, H. (Org.). Métodos de
pesquisa nos estudos pessoa-ambiente. São Paulo: MAYRING, Ph. Einführung in die qualitative Sozial‑
Casa do Psicólogo, 2008a. p. 105-147. forschung [Introdução à pesquisa social qualitati-
va]. 5. ed. Weinheim: Beltz, 2002.
GÜNTHER, H. (no prelo). Como Elaborar um Re-
lato de Pesquisa. (Série: Planejamento de Pesquisa MILES, M. B.; HUBERMAN, A. M. Qualitative data
nas Ciência Sociais, nº 02). Brasília, DF: UnB, La- analysis: An expanded sourcebook. 2. ed. Thou-
boratório de Psicologia Ambiental. Disponível na sand Oaks: Sage, 1994.
URL www.unb.br/ip/Ipa/pdf/02Sugestoes.pdf MILGRAM, S. Behavioral study of obedience.
GÜNTHER, I., A. O uso da entrevista na interação Journal of Abnormal and Social Psychology, v. 67,
pessoa-ambiente. In: PINHEIRO, J. Q.; GÜNTHER, p. 371-378, 1963.
H. (Org.). Métodos de pesquisa nos estudos pessoa- MOSER, G.; CORROYER, D. Politeness in the
ambiente. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2008. urban environment: Is city life still synonymous
p. 53-73. with civility? Environment and Behavior, v. 33, p.
611-625, 2001.
HOFSTÄTTER, P. R. Psychologie. Frankfurt: Fis-
cher, 1957. NEURATH, P. Paul F. Lazarsfeld – Leben und Werk
[Paul F. Lazarsfeld – vida e obra]. In: KREUZER, F.
KIDDER, L.; FINE, M. Qualitative and Quantitative
(Org.). Des Menschen hohe Braut: Arbeit, Freizeit,
Methods: When Stories Converge. Multiple Me-
Arbeitslosigkeit [A elevada esposa do homen:
thods in Program Evaluation (New Directions for
trabalho, lazer e desemprego]. Viena: Deuticke,
Program Evaluation, No. 35). San Francisco, CA:
1983. p. 115-136.
Jossey-Bass, 1987.
NICOL, A. A. M.; PEXMAN, P. M. Presenting your
KISH, L. Survey sampling. New York: Wiley, 1965. findings: A practical guide for creating tables.
KISH, L. Statistical design for research. New York: Washington, DC: American Psychological Asso-
Wiley, 1987. ciation, 1999.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

76 Torres, neiva & cols.

NICOL, A. A. M.; PEXMAN, P. M. Displaying your SILVA, A. V.; GÜNTHER, H. Ajuda entre passageiros
findings: A practical guide for creating figures, pos- de ônibus. Estudos de Psicologia (Natal), v. 6, p.
ters, and presentations. Washington, DC: American 79-86, 2001.
Psychological Association, 2003. SOMMER, R.; SOMMER, B. A practical guide to
PASQUALI, L. Testes referentes a construto: teoria behavioral research: Tools and techniques. 5th ed.
e modelo de construção. In: PASQUALI, L. (Org.). New York: Oxford U Press, 2002.
Instrumentos psicológicos: manual prático de SOMMER, R.; WICKER, A. W. Gas station psycho-
elaboração. Brasília: Laboratório de Pesquisa em logy: The case for specialization in ecological
Avaliação e Medida da Universidade de Brasília, psychology. Environment and Behavior, v. 23, p.
1999. p. 37-71. 131-149, 1991.
PINHEIRO, J. Q.; ELALI, G. A.; FERNANDES, O. STEINKE, I. Gütekriterien qualitativer Forschung.
Observando a interação pessoa-ambiente: vestígios [Critérios de qualidade de pesquisa qualitativa].
ambientais e mapeamento comportamental. In: In: FLICK, U.; VON KARDORFF, E.; STEINKE, I.
PINHEIRO, J. Q.; GÜNTHER, H. (Org.). Métodos (Org.). Qualitative Forschung: Ein Handbuch [Pes-
de pesquisa nos estudos pessoa-ambiente. São Paulo: quisa qualitativa: um manual]. Reinbek: Rowohlt,
Casa do Psicólogo, 2008. p. 75-104. 2000. p. 319-331.
SCHOGGEN, Ph. Behavior settings: A revision and TAVARES, M.; DINIZ, G. Novos rumos em pesquisa:
extension of Roger G. Barker’s Ecological Psycho- o papel do clínico pesquisador. Apresentação ao
logy. Stanford, CA: Stanford U Press, 1989. Departamento de Psicologia Clínica do IP/UnB,
SCOTT, M. M. A powerful theory and a paradox: 1993.
Ecological psychologists after Barker. Environment VOGT, W. P. Dictionary of statistics and methodology.
& Behavior, v. 37, p. 295-329, 2005. Newbury Park, CA: Sage, 1993.
SIEGEL, S.; CASTELLAN JR., N. J. Estatística não- WEBB, E. J.; CAMPBELL, D. T.; SCHWARTZ, R. D.;
paramétrica para ciências do comportamento. 2. ed. SECHREST, L. Unobtrusive measures (ed. revisada).
Porto Alegre, RS: Artmed, 2006. Thousand Oaks, CA: Sage, 2000.
SILBEREISEN, R. K. Social change and human de- WEBB, E. J.; CAMPBELL, D. T.; SCHWARTZ, R. D.;
velopment: Experiences from German unification. SECHREST, L.; GROVE, J. B. Nonreactive measures
International Journal of Behavioral Development, v. in the social sciences. 2nd ed. Boston, MA: Houghton
29, p. 2-13, 2005. Mifflin, 1981.
SILVA, A. V.; GÜNTHER, H. Comportamento de YAREMKO, R. M.; HARARI, H.; HARRISON, R. C.;
ajuda no contexto urbano: um estudo experimental LYNN, E. Handbook of research and quantitative
por meio do telefone. Psicologia: Teoria e Pesquisa, methods in psychology. Hillsdale, NJ: Erlbaum,
v. 15, p. 189-197, 1999. 1986.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Parte II
O indivíduo

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

4
Cognição social
Bartholomeu T. Tróccoli

Cognição social refere­‑se aos proces- truturas de conhecimentos armazenados na


sos cognitivos por meio dos quais as pessoas memória) de nossa cognição social. As atri-
compreendem e explicam as outras pessoas buições são respostas às indagações das cau-
e a si mesmas. Essa compreensão ocorre de sas dos comportamentos que observamos e
forma instantânea, quase automática, mas tentamos compreender.
também pode envolver considerações e aná- Na segunda parte do capítulo, analisa-
lises detalhadas e lentas. Quando considera- remos os diferentes processos da cognição
mos a complexidade das pessoas, a primeira social: atenção, memória e inferência. Cada
característica que chama a atenção na cogni- um desses componentes é analisado em ou-
ção social é a rapidez com a qual compreen- tras áreas da psicologia, tais como a psicolo-
demos e julgamos os outros. Essa rapidez de gia cognitiva, mas também são, com ajustes
julgamento tem seu preço: embora sejamos e adaptações, fundamentais para nossa au-
bons avaliadores em geral, também comete- tocompreensão e para nossa compreensão
mos inúmeros erros quando julgamos o que dos outros.
são os outros e o que somos nós. Talvez o
estudo da cognição social possa ajudar­‑nos
a diminuir esses erros melhorando nosso Cognição social:
autoconhecimento e nossa capacidade per-
ceptiva e interpretativa dos outros. compreenden­do os outros
De uma forma direta e simples, a cognição
social pode ser definida como o pensar do
Plano do capítulo indivíduo a respeito de si próprio e dos ou-
tros. Entretanto, embora a ênfase inicial
Este capítulo começa pela definição e evo­ tenha sido no pensar (cognição), os psicó-
lução da inteligência social humana e intro- logos sociais também procuram associar
dução aos componentes básicos (schemas sentimentos e comportamentos à cognição
e atribuições) dos processos da cognição social. O estudo das relações entre nossos
social. A inteligência social humana surgiu pensamentos a respeito dos outros e de nos-
junto com o aumento do número de mem- sos sentimentos, avaliações, emoções e com-
bros dos primeiros grupos de hominídeos. portamentos deu origem à distinção entre a
Os humanos desenvolveram “teorias da “cognição quente” versus “cognição fria”,
mente” para que pudessem julgar os com- bem como à visão pragmática que relaciona
portamentos dos outros, especialmente a cognição ao comportamento: as ações são
os comportamentos de reciprocidade. Os causadas pelos processos mentais envolvi-
schemas dizem respeito aos conteúdos (es- dos no pensamento.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

80 Torres, neiva & cols.

Pensar sobre os outros é a atividade psicologia evolucionista atual defende que


central de nossas vidas. Todos nós somos a seleção natural provocou o surgimento de
psicólogos amadores, pois estamos constan- módulos mentais responsáveis pela supera-
temente explicando nossas ações e as ações ção desses obstáculos (Cosmides e Tooby,
dos outros. Quando, por exemplo, alguém 1992; Buss, 2005). O modelo da mente
nos agride verbalmente em resposta a uma modular propõe que a mente é composta
observação qualquer que acabamos de fazer, de vários módulos que se comunicam e in-
entendemos imediatamente que essa pessoa teragem como uma estrutura inata que se
“pode ter se sentido ofendida ou ameaçada desenvolveu naturalmente e de forma se-
pela minha posição”. Estamos apenas reco- melhante aos órgãos biológicos. Para a psi-
nhecendo que o outro possui uma crença cologia evolucionista, os diversos módulos
(acredita que tenho alguma intenção) e um mentais são adaptações que surgiram para
desejo (quer evitar algo que considera nega- resolver problemas adaptativos, permitindo
tivo). A explicação das ações como resulta- a sobrevivência e a reprodução de nossa es-
dos das crenças e desejos é o que define a pécie. Alguns módulos surgiram já nos an-
chamada “psicologia senso comum” ou “psi- cestrais de nossos ancestrais e são comparti-
cologia leiga”. lhados com outros animais; outros são bem
A psicologia leiga é produto do perío­ mais recentes e resultaram de adaptações
do formativo da espécie humana, período a ambientes radicalmente diferentes dos
que começou depois da separação da linha- ambientes de outras espécies. De qualquer
gem humana da linhagem dos chipanzés maneira, os módulos não param de evoluir
há cerca de 6 milhões de anos1. Ambientes e todos foram se modificando durante o pe-
diferentes colocam problemas adaptativos ríodo formativo da espécie humana.
diferentes, exigindo diferentes adaptações. Os problemas colocados pelo ambien-
Para compreender a evolução da mente hu- te social foram inicialmente compartilhados
mana, o ambiente social da espécie é mais pelos humanos assim como por todos os ou-
importante do que o ambiente físico. Como tros primatas. A luta por recursos escassos
os outros primatas, nossos ancestrais viviam poderia ser enfrentada com o surgimento de
inicialmente em pequenos grupos – mas que coalizões formadas por dois ou três mem-
foram ficando maiores com as consequentes bros da espécie. No entanto, após a sepa-
estruturas sociais cada vez mais complexas ração de nossa linhagem da linhagem dos
–, nos quais as questões colocadas pelas chipanzés, o tamanho dos grupos humanos
interações eram tão importantes quanto a foi aumentando cada vez mais, criando um
sobrevivência aos predadores. Quais os pro- valor também cada vez maior para a estra-
blemas adaptativos enfrentados por nossos tégia de formação de alianças e coalizões.
ancestrais? Vários autores (p. ex., Evans e A associação com outros em busca de for-
Zarate, 1999; Buss, 2005) sugerem os se- mação de amizades passou a ser tão im-
guintes: portante quanto saber escolher a comida
certa ou possuir a habilidade para detectar
• Evitar predadores predadores. Mas a formação de alianças é
• Achar a comida certa uma tarefa difícil, porque envolve questões
• Formar alianças e amizades de altruísmo recíproco: a troca de favores só
• Ajudar crianças e parentes funciona se forem observadas regras do tipo
• Entender a mente dos outros “ajudo você agora e você me ajuda depois”.
• Comunicar­‑se com os outros Existe sempre o risco de que um membro da
• Selecionar parceiros sexuais aliança fique com os benefícios sem contri-
buir com nenhum dos custos envolvidos.
Todos esses problemas colocaram O problema da não reciprocidade é
obstáculos cruciais para a sobrevivência de tão grave que a espécie que não desenvolver
nossa espécie, e o modelo predominante na mecanismos para enfrentá­‑lo não sobrevive.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 81

A questão é simples: o membro da espécie alguém tem feito menos bem por nós (ou
que não colabora com o pacto do altruísmo nossos amigos de alianças cooperativas) do
recíproco tem mais chances de sobreviver que o fazemos por ele, então, na próxima
e reproduzir do que os que são facilmente vez que houver uma solicitação de ajuda,
enganados. Genes que favorecem esse tipo nos sentiremos bem menos inclinados – ou
de comportamento vão ficar cada vez mais mesmo nos recusaremos – a ajudar. Essa
frequentes no pool genético da espécie e, contabilidade social também envolve me-
eventualmente, todos serão egoístas e não canismos mentais complexos, porque exige
altruístas. Como ninguém mais vai ajudar que, de alguma maneira, sejam atribuídos
ninguém, as alianças se desfazem, ficando diferentes valores para diferentes ações.
impossível viver em grupos. Quando uma pessoa doa seu bem para outra
Não surpreende, portanto, que todas que está necessitada, os valores associados
as espécies que vivem em grupos descobri- a essa ação de cooperação e a consequente
ram mecanismos para enfrentar a questão retribuição vão depender de outros fatores
dos membros egoístas e aproveitadores. Ao contextuais. Neste caso, a contabilidade so-
analisar as soluções encontradas por diver- cial levará em conta, por exemplo, a situa­
sas espécies, Axelrod propôs, na década de ção econômica de quem fez a doação ou
1980 (p. ex., Axelrod, 1984), a existência empréstimo: a bondade de uma pessoa rica
de três condições, que, quando implemen- é valorizada de uma forma bem diferente da
tadas, neutralizam o problema dos apro- bondade de quem tem muito pouco e faz um
veitadores: (1) organismos encontram os grande sacrifício em favor do outro. O valor
mesmos organismos repetidas vezes; (2) da ação também vai depender do custo para
organismos podem reconhecer aqueles que o doador e do benefício para o receptor da
já encontraram antes, diferenciando­‑os dos ação, mas os custos e benefícios de qualquer
que são totalmente estranhos; e (3) orga- ato de bondade não podem ser fixados pre-
nismos possuem memória suficiente para viamente, pois dependem do contexto no
lembrar de como aqueles que já encontra- qual ocorrem2.
ram os trataram nesses encontros prévios. Esse é o ponto principal para a apre-
Por que a existência dessas três condições sentação da cognição social. Nós humanos
elimina o risco do altruísmo não correspon- desenvolvemos sistemas sociais complexos
dido? Porque os aproveitadores podem ser que só podem funcionar – no sentido do
punidos e os cooperadores podem ser re- sucesso reprodutivo e da sobrevivência da
compensados. Quem se recusou a retornar espécie – se alicerçados em sistemas cogni-
os favores pode ser punido com a expulsão tivos igualmente complexos que se manifes-
do grupo ou com a recusa de qualquer ajuda tam em nossa inteligência social.
posterior. Quem cooperou e retribuiu pode
ser recompensado com ajuda contínua na
hora da necessidade.
Crescimento dos grupos
Todas as três condições foram surgindo
em nossos ancestrais hominídeos ao longo humanos e o surgimento
de seu período formativo. A interação contí- da inteligência social
nua entre eles demonstrava que a existência
desses grupos só era possível porque a evo- No período entre 6 milhões a 150 mil anos
lução tinha projetado tanto módulos sofisti- atrás, o tamanho médio dos grupos hominí-
cados de reconhecimento facial quanto uma deos saltou de cerca de 50 para 150 mem-
boa memória para interações sociais. Todos bros. Como já abordamos anteriormente, à
nós somos extremamente sensíveis ao altru- medida que os grupos foram aumentando,
ísmo recíproco e mantemos uma espécie de vários módulos dedicados às trocas sociais
“contabilidade social” para cada conhecido foram evoluindo, favorecendo a formação
ou amigo. Se nossos registros indicam que de alianças estáveis que mantiveram os gru-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

82 Torres, neiva & cols.

pos sociais coesos (o que também pode ser “Onde Sally pensa que os doces estão?”.
observado nos vários tipos de primatas). No Antes dos 4 anos e meio, a criança respon-
caso dos humanos, entretanto, a evolução de “no bolso da Ana” o que é uma resposta
fez surgir um módulo bastante complexo e típica de quem ainda não desenvolveu
sofisticado: o “módulo de leitura da mente”, uma teoria da mente. A criança não tem a
isto é, o módulo mental que permitiu que noção de que os outros podem ter crenças
fizéssemos suposições ou inferências sobre o diferentes de suas próprias crenças. Ela
que as outras pessoas estão pensando, tendo acha que todas as outras pessoas acredi-
por base suas ações, palavras e comporta- tam no que ela acredita. E ela acredita no
mentos3. que ela viu: Ana colocou os doces no bol-
Grupos maiores exigem mais capa- so. Portanto, Sally também tem a mesma
cidade de memória para acompanhar os crença. Após os 4 anos e meio, a resposta
comportamentos dos outros, bem como muda radicalmente: “Sally acredita que os
capacidades de raciocínio social bem mais doces estão debaixo da almofada”.
sofisticadas, que possibilitem manter equi-
líbrios delicados entre lealdades e amiza- Com o surgimento da teoria da mente,
des conflitantes. Nesse ponto, já estamos a criança já compreende que outras pesso-
considerando estratégias e jogos políticos as podem manter crenças que são diferen-
bastante sofisticados, nos quais mentiras, tes das suas e que também podem manter
promessas, jogos de cena e até mesmo sin- crenças que são falsas. Só então a criança
ceridade e franqueza, ajudam­‑nos a manter pode tentar manipular outras pessoas por
nossos amigos e a enganar nossos inimigos. meio da indução de falsas crenças, isto é, só
Aos poucos, surgem os psicólogos amadores então a criança aprende a mentir. E sem a
armados com uma “teoria da mente”: uma capacidade para mentir, não é possível jogar
teoria sobre como a mente humana funcio- os jogos políticos necessários para a vida em
na. O principal axioma dessa teoria afirma grupos sociais.
que as ações são causadas por processos
mentais, tais como crenças e desejos.
A explicação do surgimento da teoria Linguagem e altruísmo recíproco
da mente dentro de uma perspectiva evo-
lucionista de adaptação à seleção natural Nossos ancestrais adquiriram a capacidade
e sexual implica que a psicologia leiga não para usar linguagens complexas e sofisti-
é uma invenção cultural. Ela é uma parte cadas antes de deixar a África há cerca de
inata, herdada, da mente humana, que se 100 mil anos. Na década de 1950, Noam
desenvolve nos primeiros anos de vida até Chomsky demonstrou que seria impossível
estar completa por volta dos 4 anos e meio. para as crianças aprenderem uma língua de
Nessa idade, a criança já consegue passar forma tão rápida apenas com os estímulos
nos “testes de falsa crença”: dados pelos pais e pelo ambiente cultural.
A criança só aprende uma língua porque
Uma psicóloga apresenta dois bonecos ela nasce pré­‑programada para este tipo de
à criança. Os bonecos, chamados Sally e aprendizagem. Por que então nossos ances-
Ana, estão em um quarto de uma casa de trais desenvolveram mais essa capacidade
brinquedo, junto de uma cama onde há inata? Qual o problema adaptativo supera-
almofadas. Primeiro, a criança observa do com o uso da linguagem?
Sally colocar alguns doces debaixo de A teoria mais comum sugeria que a lin-
uma almofada para logo em seguida sair guagem é um sistema de comunicação que
do quarto. Enquanto Sally está fora, Ana evoluiu para ajudar nossos ancestrais na caça
tira os doces debaixo da almofada e os e na defesa contra os predadores. De acordo
coloca em seu bolso. Quando Sally volta com essa teoria, a função da linguagem era
ao quarto, a psicóloga pergunta à criança a de troca de informações sobre o ambiente

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 83

físico e ecológico, uma vez que sons são bem colocadas pelas interações sociais de nos-
mais eficazes do que sinais visuais na escuri- sos ancestrais. Agora, descrevemos alguns
dão da noite e através de longas distâncias. dos princípios que norteiam os estudos da
Essa teoria, entretanto, foi contestada por cognição social: (1) o indivíduo como um
Robin Dunbar (2004), quando propôs que avarento cognitivo; (2) orientação para os
a função básica da linguagem é a troca de processos; (3) pessoas como agentes cau-
informações sobre o ambiente social. Mais sais; (4) percepção mútua; (5) centralida-
uma vez, a questão do altruísmo recíproco de do eu; (6) qualidade da percepção; (7)
está na raiz de uma nova proposição para orientação pragmática (tático­‑ motivada); e
um mecanismo inato. Em grandes grupos, predominância dos processos automáticos
o altruísmo recíproco só funciona quando (indivíduo como ator­‑ativado).
existe informação suficiente sobre quem é
ou não é de confiança. Com grupos cada vez 1. O indivíduo como um avarento cognitivo.
maiores, não é possível distinguir – apenas As pessoas não gostam de pensar muito,
por meio da experiência direta, pessoal – exceto quando acham que é necessário.
entre os aproveitadores e os que cooperam. Elas procuram fazer render ao máximo
Sem a linguagem, isto é, sem um sistema de o pouco do esforço cognitivo que conse-
comunicação sofisticado, os grupos não po- guem exercer. Devido a essa tendência,
deriam crescer, ficando bastante limitados Fiske e Taylor (1991; 2008) definiram as
no número possível de membros. Existe um pessoas como “avarentas” no uso de seus
limite no número de pessoas que um indi- recursos cognitivos. Não que as pessoas
víduo pode manter relações físicas diretas não consigam realizar trabalhos cogniti-
e constantes para que possa estimar qual a vos complexos. Elas o fazem quando eles
probabilidade de cooperação futura4. são importantes e necessários. Mas o mun-
Para Dunbar (2004), a linguagem evo- do é muito complicado, especialmente as
luiu para ajudar nossos ancestrais na ob- outras pessoas e, frente a essa realidade,
tenção de informações sobre quem merece é melhor utilizar “atalhos cognitivos”,
ou não confiança, principalmente quando buscar simplificações e aproximações, em
não ocorre uma reciprocidade direta. Na vez de proceder com análises minuciosas e
reciprocidade indireta, o indivíduo é altruís­ bem fundamentadas. Vários dos processos
ta com outra pessoa na esperança de esta- que serão analisados mais adiante estão
belecer sua reputação como generoso e de relacionados com a “sovinice cognitiva”
confiança. Esse é um bom exemplo em que das pessoas.
a linguagem ajuda na troca de informações 2. Orientação para processos. A abordagem
sociais, permitindo que os humanos usufru- da cognição social sempre utilizou a abor-
am das vantagens de se viver em grandes dagem predominante na psicologia cogni-
grupos. Daí o fascínio humano pela fofoca: tiva, na qual os processos cognitivos são
ela é a forma mais eficaz de comunicação descritos como processos computacionais:
para se obter informações sobre a confiabili- as pessoas recebem informações (input),
dade dos outros. codificam o que receberam, armazenam
na memória, recuperam da memória para
realizar inferências e para gerar produtos
(output). A psicologia cognitiva tende a
Características gerais definir os processos cognitivos como for-
da cognição social mados por estágios sequenciais. O mesmo
ocorre na cognição social. A sequência
Até agora, estabelecemos as bases evoluti- atenção → memória → julgamento, bem
vas de algumas das características do fun- como outras sequências paralelas (atenção
cionamento do cérebro humano, que surgi- → julgamento ou atenção → memória)
ram como adaptações às primeiras questões são alguns dos principais referenciais

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

84 Torres, neiva & cols.

des­critivos da psicologia cognitiva e da descrever as pessoas. Qual a qualidade


abordagem da cognição social. da psicologia leiga? Embora cometamos
3. Pessoas como agentes causais. Parte funda- muitos erros, é evidente que, em média,
mental da teoria da mente que recebemos chegamos a interpretações razoáveis, uma
por meio de nossa herança evolutiva é a vez que conseguimos conviver razoavel-
percepção de que as pessoas são agentes mente bem. Uma das razões está no uso
causais. Percebemos as pessoas como de opiniões alheias como técnica de va-
sendo impulsionadas internamente em lidação de nossos julgamentos. É sempre
direção a suas ações e objetivos. Sentimos possível confrontar nossa percepção com
que os outros possuem agendas internas, a percepção de um amigo em comum em
não observáveis. Isso faz com que as busca de algum respaldo coletivo.
pessoas fiquem bem mais interessantes 7. Orientação pragmática (tático­‑motivada).
e complexas como alvos de percepção e Seguindo William James, um dos lemas
julgamento. enfatizados na cognição social é que o
4. Percepção mútua. Outra característica que “pensamento tem por objetivo a ação”
torna as pessoas interessantes e nossa (Fiske e Taylor, 1991, 2008). Como ana-
percepção sobre elas em algo bem mais lisamos anteriormente, esta característica
complexo, é que elas também retornam a está profundamente alicerçada em nossa
percepção afetando o observador. Nossos história evolutiva. O pensamento social
impulsos naturais para compreender e das pessoas surgiu em função do planeja-
explicar os outros se misturam com o mento, da preparação e do ensaio prévio
que percebemos como a percepção e o para as interações do indivíduo com seu
julgamento deles a nosso respeito. A cog- grupo social de alianças e amizades. O
nição social é uma percepção mútua, um indivíduo é um tático­‑motivado ao pensar
processo de mão dupla. para agir, escolhendo entre várias estraté-
5. Centralidade do eu. Uma das consequên- gias políticas e sociais que garantam suas
cias do processo de mão dupla mencio- alianças e reciprocidade mútua. Para Fiske
nada no item anterior é que a percepção e Taylor (1991):
de outra pessoa envolve o eu de quem
percebe. O observador olha para outra O contexto pragmático social do pensar
pessoa e termina por também perceber a si sobre os outros significa que a cognição
próprio. As reações que a pessoa julga per- social tanto é causa quanto efeito da in-
ceber nos outros também define o que ela teração social. A ligação com a interação
é: a adequação de seus comportamentos, social significa que (a) a qualidade e a
opiniões e crenças, da maneira de vestir, exatidão das percepções das pessoas são
etc. A centralidade do eu do observador suficientes para os propósitos do dia a dia;
é inevitável. (b) elas constroem significados baseados
6. Qualidade da percepção. Todas as carac- nos traços, estereótipos e histórias mais
terísticas mencionadas até o momento úteis (convenientes e coerentes); e (c)
chamam a atenção para a questão da seus objetivos determinam como pensam.
exatidão e da qualidade do processo de (Fiske, 1995, p. 157)
observação de fenômenos não observá-
veis. Traços não observados são difíceis de 8. Predominância dos processos automáticos
comprovar, e este é também um grande (indivíduo como ator­‑ativado). Nos últimos
problema em áreas como a psicologia da anos, outro modelo do ser humano tem
personalidade, por exemplo. Nas áreas surgido na cognição social. O modelo
da avaliação psicológica, são utilizados indivíduo como ator­‑ativado considera
modelos e análises estatísticas comple- que há uma predominância de processos
xas em busca de algum tipo de validação afetivos e comportamentais automáticos,
dos traços não observados que possam isto é, não acessíveis à consciência. A qua-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 85

se maioria das ações do tático­‑motivado uma teoria sobre “pessoa extrovertida” ou


não acontece como fruto de deliberações sobre quaisquer outros conceitos, objetos ou
conscientes. Pelo contrário: associações eventos. Uma implicação é que você pode
inconscientes, ativadas em milésimos de não ter um schema sobre um conceito ou
segundos, ativam/preparam (priming algo em particular.
effects) cognições, avaliações, afetos, mo- Quais são os tipos de schemas? No
tivações e comportamentos (Dijksterhuis exemplo acima, temos um schema de pessoa
e Bargh, 2001; Fazio e Olson, 2003). extrovertida. Mas as pessoas também pos-
suem todo tipo de schemas sobre traços de
personalidade (estável, agressivo, cordial),
ou de pessoas em uma determinada situa-
Elementos da cognição social ção (comportamento em um restaurante,
na sala de aula, no cinema). Neste caso, te-
As pessoas usam suas estruturas cognitivas mos o equivalente a scripts que descrevem
para chegar a uma compreensão rápida e ou prescrevem como a pessoa deve se com-
bastante satisfatória a respeito dos outros e portar em certas situações. Outros tipos são
de si mesmas. Quais são os elementos que os schemas sobre objetivos sociais (vingança,
formam os conteúdos das estruturas cogni- sedução, ajuda) e os schemas sobre papéis
tivas? São dois os elementos principais que sociais que contêm os comportamentos e os
preenchem nossas estruturas cognitivas: atributos que esperamos de determinadas
schemas e atribuições. pessoas que ocupam posições sociais (che-
fes, líderes, administradores, professores,
estudantes de graduação, estudantes de
Schemas pós­‑graduação, membros de uma quadrilha,
políticos, etc). Os schemas sobre papéis são
Os schemas são estruturas cognitivas com- schemas equivalentes a estereótipos.
postas de conhecimentos sobre conceitos, Schemas sobre o próprio eu (self­‑sche­
objetos ou eventos, representados por seus mas) constituem a base de nosso autoconcei-
atributos e pelas relações entre esses atri- to, mas também pode ser que não tenhamos
butos (Fiske, 1982; Fiske e Neuberg, 1990), nenhum schema sobre uma determinada di-
os quais expressam pré­‑concepções ou teo- mensão de nosso eu. Se você nunca foi do
rias sobre conceitos, objetos ou eventos. No tipo esportivo, por exemplo, não há como
nosso caso, os schemas que nos interessam ter uma rede de conhecimentos e de pré­
são pré­‑concepções ou teorias a respeito ‑concepções sobre esse componente de seu
das outras pessoas e de nós mesmos. Você, eu. Como os self­‑schemas são bastante elabo-
por exemplo, provavelmente tem um sche‑ rados, tendemos, entre outras coisas, a nos
ma sobre o que é uma pessoa extrovertida: lembrar mais de informações que nos dizem
quais são suas principais características? O respeito do que de informações que nos são
que ela faria em uma situação tensa? É uma indiferentes. (Kihlstrom, Cantor, Albright,
pessoa confiável? Amiga? Prestativa? Emo­ Chew, Klein e Niedenthal, 1988).
cionalmente Instável? Barulhenta? Por pos- Qual, então, são as funções dos sche‑
suir um schema “pessoa extrovertida”, você mas? Schemas influenciam a maneira como
responde facilmente a estas perguntas por- codificamos, relembramos e julgamos as
que você tem uma série de pré­‑concepções informações que temos acesso sobre con-
sobre ela. Para os psicólogos cognitivistas, ceitos ou eventos. Os schemas também di-
um schema não passa de um termo com- rigem nossa atenção para determinados as-
plicado para representar esse conjunto de pectos das informações a que temos acesso.
conhecimentos ou pré­‑concepções. Pré­ Um exemplo retirado de uma pesquisa de
‑concepções possuem muitos elementos, Owens, Bower e Black (1979) serve para
informações conectadas entre si, formando ilustrar as funções dos schemas. Nessa pes-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

86 Torres, neiva & cols.

quisa, três grupos de participantes leram guntando quanto peso tinha ganho até o
cada um uma versão do seguinte relato: momento. O treinador de seu time de fute-
bol tinha dito que ele só seria escalado para
Cris(tina) acordou sentindo­‑se enjoada o próximo jogo se ganhasse bastante peso e
novamente e ficou pensando se poderia passasse no teste antidoping. A pressão era
estar grávida. Como iria dizer ao professor muito grande...” Continue com a mesma
que ela estava namorando? E a questão história já transcrita acima. Para o terceiro
do dinheiro ainda era outro problema... grupo, grupo controle, não foi fornecida
Cris foi para a cozinha, tirou a chaleira do nenhuma introdução, e a história se inicia
armário, fez café, olhou o café e decidiu depois dos três pontos (...).
adicionar um pouco de leite e açúcar. Entre a primeira e a segunda versão da
Depois, vestiu­‑se e foi ao médico. Quando história, o significado muda radicalmente
chegou ao consultório do médico, Cris foi por conta dos schemas ativados. Na primei-
examinada inicialmente pela enfermeira, ra, temos o schema “gravidez indesejada” e,
que procedeu com os exames prelimina- na segunda o schema “candidato a atleta”.
res rotineiros. Cris subiu na balança, e a Essa mudança radical ocorre porque nossos
enfermeira registrou seu peso. O doutor schemas para as duas situações levam a dife-
entrou na sala, examinou os resultados rentes codificações e à ativação de conheci-
desses procedimentos, sorriu e disse
mentos e reações emocionais adicionais que
“Bom, parece que todas as minhas ex-
trazem para o que está escrito. Por exem-
pectativas foram confirmadas.” Cris foi
plo, para entender melhor a influência do
embora e, quando foi chegando à sala de
schema “gravidez indesejada” da primeira
aula, decidiu sentar­‑se na primeira fila.
história, imaginemos que nossa persona-
Cris entrou na sala e sentou­‑se. O pro-
gem tivesse tido oportunidade de conversar
fessor foi para frente da sala e começou
sua aula. Durante toda a aula, Cris não
com o professor. Como ela estaria se sen-
conseguiu se concentrar no que estava tindo em uma situação dessas? Ansiosa?
sendo dito. A aula parecia não terminar Desconfortável? Você não acha que teria
nunca. Mas, finalmente, terminou. Como sido melhor ter combinado um encontro
o professor foi cercado pelos alunos logo com o professor em outro momento em vez
após a aula, Cris saiu rapidamente da de tentar conversar na recepção? Cristina
sala. No final daquela tarde, Cris foi a ficou feliz quando descobriu que aumen-
uma recepção no departamento e ficou tou de peso desde a última consulta? E na
olhando para ver quem estava lá. Cris foi segunda versão da história, como Cristiano
até o professor, querendo conversar com estava se sentindo com relação a seu pro-
ele, sentindo­‑se um pouco nervosa sobre o fessor? Por que queria falar com o professor
que dizer. Um grupo de pessoas começou na recepção? Como ele estava se sentindo
a jogar alguns jogos. Cris foi até uma mesa em relação a seu peso? Qualquer pessoa que
onde estavam refrigerantes e salgadinhos. tenha schemas ativados por essas histórias
O lanche estava bom, mas Cris não se é capaz de compreendê­‑las, preenchê­‑las,
interessou por conversar com as outras imaginar caminhos e cenários alternativos,
pessoas presentes. Depois de certo tempo, e assim por diante.
Cris decidiu ir embora. (Owens, Bower e Para analisar mais ainda o papel dos
Black, 1979 apud Fiske, 1995, p. 163) schemas, Owen e colaboradores (1979) so-
licitaram, meia hora depois da leitura, que
Um dos três grupos da pesquisa de os participantes relatassem de memória
Owen e colaboradores (1979) leu esta ver- tudo que tinham lido nas histórias, pro-
são da história. Agora, considere a mesma curando ser o mais fiel possível ao relato
história com uma introdução diferente, original. Os resultados mostraram que os
substituindo as primeiras linhas até os três dois grupos, cujas histórias ativaram sche‑
pontinhos (...): “Cris(tiano) acordou se per- mas distintos, relembraram mais detalhes

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 87

na ordem correta e com menos erros e Fiske e Neuberg, 1990; Gollwitzer, 1990;
acréscimos de informações extras do que o Hilton e Darley, 1991). Em outras situações,
grupo de controle. Os schemas ativados di- os fatores que influenciam esta relação são
rigem a atenção das pessoas para detalhes a congruência entre schemas e dados (Fiske,
cruciais, guiam a memória e influenciam o Neuberg, Beattie e Milberg, 1987) e o valor
julgamento. diagnóstico dos dados (Hilton e Fein, 1989;
A rapidez com a qual as pessoas jul- Leyens, Yzerbyt e Schadron, 1992). Trata­
gam as outras acontece porque o julga- ‑se, de fato, de uma questão de superação
mento é feito automaticamente on­‑line. Os de nossos schemas e estereótipos em função
schemas permitem que façamos julgamentos dos dados e informações a respeito de uma
e avaliações simplificadas, polarizadas e au­ determinada pessoa em particular. Os fa-
tomáticas. Somos apresentados a alguém tores que podem diminuir a influência dos
que nunca vimos antes e, imediatamente, schemas e estereótipos são mais atenção e
temos reações positivas ou negativas já a mais motivação para que possamos ir além
partir do momento que começamos a re- das reações automáticas altamente influen-
ceber informações (tom de voz, aparência, ciadas por nossos schemas.
postura, conteúdo do que diz). Acontece
que, quando encontramos alguém que ati-
va algum schema ligado a outra pessoa ou Atribuições
evento, ocorre uma reação ou transferência
das mesmas reações de julgamento para a Os schemas são definidos como um dos dois
pessoa que acabamos de conhecer – sem que elementos básicos da cognição social. O ou-
tenhamos nenhuma consciência disso. Pode tro são as atribuições. As pessoas são perce-
ser até que o novo conhecido não nos lem- bidas como agentes causais e é importante
bre ninguém em particular, mas venha de saber como elas atribuem causas aos com-
categorias de pessoas (ocupação, etnia, lo- portamentos dos outros e a seus compor-
cal de nascimento) sobre as quais temos for- tamentos. Não só atribuímos causas, como
tes reações afetivas ou de opinião (Andersen essas atribuições têm profundas influências
e Cole, 1990; Fiske, 1982; Devine, 1995). sobre nossas reações afetivas e comporta-
A categoria mais forte que existe é “nós” mentos futuros. Esta é a razão pela qual as
versus “eles”, uma divisão inter­‑grupos que atribuições são parte fundamental de nossos
sempre desencadeia julgamentos positivos pensamentos a respeito dos outros e de nós
para o nosso grupo e negativos para os de mesmos. Quando atribuímos disposições ou
fora (Brewer, 1979; Mullen, Brown e Smith, traços como causas de comportamentos ob-
1992). Não é de surpreender, portanto, que servados, fornecemos toda informação ne-
cada um de nós provoque reações tão diver- cessária para ficar armazenada no schema
sas nas outras pessoas. relativo aos traços, comportamentos e rea-
Os schemas afetam nossa atenção, me- ções afetivas em questão.
mória e julgamentos, mas não são as úni- Weiner (2000; 2005) propõe duas teo­
cas influências em nossos pensamentos a rias para explicar as atribuições de causas
respeito dos outros. Afinal, também temos a que o indivíduo recorre para explicar os
outras evidências e informações que perce- próprios comportamentos (teoria da atribui‑
bemos ou recebemos de outras fontes. Os ção intrapessoal) e os comportamentos dos
schemas atuam em confronto com as evidên- outros (teoria da atribuição interpessoal).
cias; e o equilíbrio que surge dependerá de Embora os modelos atribucionais de Weiner
vários fatores. Em algumas situações, nossa tenham sido desenvolvidos para explicar
motivação – quando temos pouco tempo, questões motivacionais nos comportamen-
sobrecarga cognitiva, cansaço, por exemplo tos de desempenho, vamos utilizar suas pro-
– nos leva a uma predominância de nossos posições para descrever como as atribuições
schemas sobre as evidências (Brewer, 1988; de causalidade são realizadas pelas pessoas

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

88 Torres, neiva & cols.

quando tentam entender a si próprias e/ou de eventos considerados negativos, inespe-


entender os outros. rados ou importantes. A Figura 4.1, a seguir,
apresenta uma adaptação do modelo da
Teoria da Atribuição Intrapessoal de Weiner
Teoria da atribuição intrapessoal (2000, 2005). Nesse modelo, eventos que
significam a obtenção ou não de algum ob-
O processo de atribuição de causas que o in- jetivo provocam automaticamente reações
divíduo realiza para explicar e compreender afetivas positivas (alegria, felicidade) ou
seu comportamento é desencadeado a partir negativas (tristeza, frustração). Essas emo-

Tipos de causas e
suas consequências
Aptidão: expectativa alta de
sucesso; emoções positivas.
Esforço: boas expectativas de
Se positivo: sucesso; emoções positivas +
Evento
• Feliz determinação + precaução.
Positivo
Habilidade: boas expectativas de
sucesso; emoções positivas +
incerteza quanto à habilidade.
Sorte, acaso, ajuda: baixa expec‑
Se o evento foi
tativa de sucesso; emoções ime‑
inesperado, negativo
diatas positivas, mas passageiras.
ou importante,
Alcançou então ocorre uma
objetivo busca por causas que
podem ser descri‑
Não alcançou tas em um espaço
objetivo tridimensional: Tipos de causas e
• Locus suas consequências
• Estabilidade Falta de aptidão: expectativa
• Controlabilidade muito baixa de sucesso; emoções
negativas (vergonha, humilhação,
embaraço).
Baixo esforço: boas expectativas
Se negativo: de sucesso; emoções negativas
Evento passageiras (baixa autoestima,
• Tristeza
Negativo culpa).
• Frustração
Falta de habilidade: expectativas
moderada de sucesso; emo‑
ções negativas substituídas por
apreensão.
Falta de sorte, acaso ruim, falta
de ajuda: expectativa positiva
cautelosa de sucesso; emoções
negativas, mas passageiras.

Figura 4.1
Teoria de Atribuição Intrapessoal.
(Baseado em Weiner, 2005).

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 89

ções ocorrem sem interferência cognitiva. Para Weiner, o enquadramento das cau-
Só a partir dessas reações emocionais é que sas no espaço tridimensional (locus, estabi-
o processo de atribuição é desencadeado lidade e controlabilidade) é de fundamental
se o evento ocorrido for considerado pelo importância, porque os tipos de atribuições
indivíduo como negativo, inesperado ou causais possuem diferentes consequências
muito importante. De acordo com Weiner, motivacionais que se manifestam nas expec-
as causas atribuídas ao comportamento que tativas e reações afetivas das pessoas. E são
resultou no alcance ou não dos objetivos do essas expectativas e emoções que Weiner
indivíduo (aptidão inata, sorte, ajuda dos considera como os principais determinantes
outros, etc.) podem ser enquadradas em um das ações motivacionais. Um fracasso atri-
espaço tridimensional composto pelas di- buído à falta de aptidão, por exemplo, leva
mensões locus (interno ou externo), estabili‑ a sentimentos de vergonha, humilhação e
dade (estável ou instável) e controlabilidade embaraço, além de nenhuma expectativa de
(controlável ou incontrolável). que será possível reverter a situação no futu-
Vamos supor, por exemplo, que o indi- ro. Afinal, o fracasso decorreu de uma causa
víduo acaba de ser aprovado em um concur- interna, estável e incontrolável. Já um fra-
so público. Devido à importância do evento, casso atribuído à falta de esforço, também
desencadeia­‑se um processo atribucional provoca emoções negativas (baixa autoesti-
no qual a questão é atribuir uma causa ao ma, culpa), mas que são passageiras. Além
evento “fui aprovado no concurso”. Por uma do mais, as expectativas para um sucesso no
série de fatores, que não discutiremos aqui, futuro ainda permanecem: a causa do fra-
o indivíduo termina considerando que sua casso foi interna, instável e controlável. Na
aprovação foi consequência de sua grande Figura 4.1, estão listadas estas e outras con-
competência inata. O indivíduo atribui sua sequências motivacionais que ocorrem em
aptidão à causa do que ocorreu. Nesse caso, função das expectativas para o futuro e das
ele fez uma atribuição que pode ser defini- reações afetivas do indivíduo.
da no espaço tridimensional como interna,
estável e incontrolável. Interna porque é pro-
priedade dele, estável porque é permanente Teoria da atribuição interpessoal
e constante, e incontrolável porque ele já
nasceu com elevada capacidade cognitiva Os mesmos mecanismos são desencadeados
e intelectual que são características inatas. quando ocorre nossa percepção em relação
Vamos contrastar agora esse tipo de atri- aos outros. O comportamento do outro nos
buição com a atribuição de outro candidato chama a atenção e desencadeia uma busca
que, embora também tenha sido aprovado, automática por uma causa. Assim como no
considerou que tudo aconteceu em razão de caso da percepção do próprio comportamen-
seu esforço. Diferentemente do primeiro in- to, as causas que atribuímos aos comporta-
divíduo, temos uma causa interna, não está‑ mentos dos outros também são classificadas
vel e controlável. dentro da mesma tridimensionalidade.
São as seguintes algumas das atribui- Nesse ponto, ocorrem grandes dife-
ções mais comuns com suas respectivas de- renças entre os dois tipos de atribuição.
finições no espaço tridimensional: Primeiro, na atribuição intrapessoal, o indi-
víduo sempre enquadra o evento como algo
• Aptidão: interna, estável, incontrolável que correspondeu ou não a seus objetivos.
• Esforço: interna, instável, controlável Os eventos podem ser resumidos como su-
• Habilidade: interna, instável, contro­ cesso ou fracasso provocando reações afe-
lável tivas positivas ou negativas de imediato e
• Acaso: externa, instável, incontrolável sem a participação de processos cognitivos.
• Ajuda: externa, instável, incontrolável O mesmo não ocorre na atribuição interpes-
• Sorte: externa, instável, incontrolável soal. Os eventos podem ser os mais diversos,

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

90 Torres, neiva & cols.

tais como sucesso ou fracasso em tarefas, ras linhas dos dois conjuntos da Figura 4.2
doenças, pedidos de ajuda, etc. Mas, qual- – fracasso em uma tarefa por falta de esfor-
quer que seja o evento, é desencadeada uma ço ou por falta de aptidão –, veremos que o
atribuição de causas – que, da mesma forma modelo prevê duas reações afetivas opostas
que na atribuição intrapessoal, podem ser com consequências comportamentais igual-
descritas em função do locus, estabilidade mente distintas. Para o mesmo evento, o ob-
e controlabilidade –, com a diferença que a servador sente raiva ou simpatia e procede
dimensionalidade da causa é usada apenas com comportamentos opostos.
para considerar o outro como responsável Comparando os dois modelos das
ou não pelo evento. Isto é, o observador Figuras 4.1 e 4.2, podemos observar que
atribui ou não a responsabilidade pelo que atribuições de falta de esforço como causa
ocorreu ao indivíduo observado e só então de um fracasso, por exemplo, levam a re-
sente a reação afetiva de raiva (o indivíduo ações afetivas e comportamentais opostas.
é percebido como responsável) ou simpatia Quando se trata do indivíduo, a atribuição
(o indivíduo não é percebido como respon- de pouco esforço – em contraste com a atri-
sável). buição de falta de aptidão –, resulta em sen-
Na Figura 4.2, encontram­‑se as sequên­ timentos moderadamente negativos e pas-
cias envolvidas na atribuição interpessoal sageiros, bem como em comportamentos de
considerando­‑se algumas das causas mais persistência e esperança de sucesso no futu-
comuns. Se acompanharmos as duas primei- ro. Já para um observador, ocorre o oposto:

Evento Causa Reação


comportamental

Fracasso em Falta de esforço


uma tarefa Reprimenda

Câncer do pulmão Comportamento Condenação


por ser fumante irresponsável
Responsável Raiva
Não apareceu Alcoolismo Abandono
no trabalho
Retaliação
Agrediu uma Intencional
pessoa maldade

Fracasso em Falta de aptidão Decide não


uma tarefa recriminar

Cego de Inata sem Nenhuma


nascimento controle condenação
Não Simpatia
responsável
Faltou a escola Resfriado forte Ajuda

Agressão Esbarrou sem Nenhuma


querer retaliação

Figura 4.2
Teoria da Atribuição Interpessoal.
(Baseado em Weiner, 2005).

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 91

a atribuição de falta de esforço a um fracas- belece propriedades únicas aos conteúdos


so provoca raiva e comportamentos negati- de nossa cognição social (schemas e atri-
vos quando contrastado com a atribuição de buições). Só podemos perceber e lidar com
falta de aptidão. Esta provoca sentimentos aquilo que percebemos e, até certo ponto,
de simpatia e comportamentos compreensi- com aquilo de que temos consciência.
vos ou de ajuda. Sendo a atenção seletiva, quais os fa-
tores que a influenciam? Um dos principais
é a saliência do estímulo. Se estivermos em
um ambiente onde existe um excesso de es-
Processos da cognição social timulação, nossa atenção será dirigida para
estímulos que são salientes no ambiente.
Schemas e atribuições, objetos dos dois úl- Claro que podemos ter nossa atenção to-
timos tópicos, são os conteúdos sobre os talmente voltada para alguma preocupação
quais formamos nossas impressões. Neste premente e não prestamos mais atenção ao
e nos próximos dois tópicos, considerare- ambiente. Neste caso, entretanto, a saliên-
mos os três principais processos que operam cia é de nossos problemas e pensamentos
sobre os schemas e as atribuições: atenção, internos. A saliência é determinada pelo
memória e inferência. contexto imediato do estímulo. Uma pessoa
alta em uma festa tem uma saliência bem
diferente de um jogador bem alto em um
Atenção time de basquetebol.
Dois outros fatores ajudam na captu-
A atenção é constituída por dois outros pro- ra da atenção da pessoa. O primeiro são os
cessos: codificação e consciência. Na codi- schemas. Qualquer comportamento que vá
ficação, transformamos toda estimulação de encontro ao conhecimento prévio que
que nos atinge através do(s) sentido(s) que temos de papéis ou schemas de pessoas vai
atendemos no momento, em algo que toma- chamar nossa atenção. A inconsistência com
mos consciência e guardamos temporaria- o schema chama a atenção. Fiske (1995),
mente ou permanentemente em nossa me- por exemplo, descreve um professor que
mória. Consciência é aquilo de que temos decide ir dar aula vestido de palhaço como
conhecimento em um determinado momen- um caso típico de contraste entre o compor-
to. Podemos ficar quietos e estar cientes de tamento e o schema de papel de professor.
nossas cognições, dos ruídos externos, das O segundo fator que provoca a saliência do
sensações que o ambiente provoca em nosso estímulo são os objetivos do observador na-
corpo, e assim por diante. quele determinado momento. Esses objeti-
A atenção pode então ser definida vos ajudam a focalizar a atenção, tornando
como a codificação e a consciência de estí- saliente aquilo que lhe está relacionado.
mulos internos ou externos a nosso organis- Quais as consequências da saliência?
mo. A principal característica da atenção é O que está saliente assume uma importância
que ela é limitada. Não podemos atender a maior do que outros estímulos não salientes,
todos os estímulos que nos atingem; temos inclusive, em termos de causalidade. Isto é,
que nos restringir a uma pequena parte a as atribuições de causalidade das pessoas
cada momento. Como nossa atenção é bas- vão sofrer influência do que é mais saliente
tante limitada, ela tem que ser bem sele­ para elas. Os estímulos salientes passam a
tiva. ter maior probabilidade de assumir o papel
Na cognição social, a seletividade da causal principal em um determinado con-
atenção é importante porque os objetos do texto. Uma determinada pessoa que chame
pensamento social, os outros e nós mes- a atenção do observador, por exemplo, vai
mos, são muito complexos e multifacetados. ganhar mais crédito e parecer mais influen-
Nossa atenção seletiva, portanto, já esta- te do que os outros que não chamaram tanta

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

92 Torres, neiva & cols.

atenção, simplesmente porque o observador formar uma sigla”. Por que é mais fácil dessa
prestou mais atenção a esta pessoa. Uma forma? É mais fácil por causa da integração
maior atenção também tende a polarizar ou das informações, em um todo coerente, da
exagerar as avaliações do observador a res- formação de ligações entre os traços descri-
peito da pessoa saliente. Se quem observa tivos da pessoa (a ligação entre teimosia e
gosta da pessoa sendo observada, o gostar ousadia reforça mais ainda a impressão ge-
aumenta mais ainda. Se não gosta, também ral, por exemplo). Quanto mais traços e mais
aumenta o não gostar. As avaliações ficam ligações, melhor a memorização.
polarizadas. Finalmente, maior saliência Além disso, quanto mais o observa-
também aumenta a probabilidade de a pes- dor está envolvido com a pessoa observada
soa ser lembrada posteriormente. Aumenta e quanto mais relevante para o observador
a probabilidade de ela ficar registrada na é a impressão (autorreferente) geral do ou-
memória de quem observa. tro, melhor será sua memória. A criação de
Quaisquer que sejam as razões para certa empatia (tentar se colocar no lugar do
que prestemos mais atenção a certas pessoas­ outro) ajuda mais ainda a relembrar infor-
ou aspectos dessas pessoas, a principal con- mações sobre outra pessoa. Estranhamente,
sequência é que a atenção vai mudar a ma- tentar se colocar no lugar do outro ou, me-
neira como julgamos e interagimos com elas. lhor ainda, antecipar uma interação com a
Boa parte do que pensamos sobre os outros pessoa (como poderíamos lidar com alguém
acontece on­‑line, automaticamente, em uma que é ousado, convencido, distante e teimo‑
velocidade muito grande. A atenção influen- so?) é ainda melhor em termos mnemônicos
cia enormemente que tipo de informação do que interagir de fato com a pessoa. Em
teremos para fundamentar nossa compreen- uma interação real você estaria decidindo
são dos outros ou de nós mesmos. também sobre seu comportamento, além
de tentar formar uma impressão a respei-
to do outro. Você estaria muito ocupado
Memória (Hastie, Ostrom, Ebbesen, Wyer, Hamilton
e Carlston, 1980; Srull e Wyer, 1989; Wyer
Pesquisas que investigaram as memórias e Srull, 1984).
sobre outras pessoas demonstraram que os
objetivos, envolvimento do observador e a
impressão geral formada pelo conjunto de Inferência
informações, têm um grande impacto sobre
o quanto nos relembramos posteriormen- A questão da inferência na cognição social
te (Devine, Sedikides e Fuhrman, 1989; diz respeito ao que fazemos com a informa-
Hamilton, 1981; Hamilton, Katz e Leirer, ção que obtivemos por meio dos processos
1980; Srull, 1983). Ao tentar memorizar in- de atenção e retenção (memória). Como fa-
formações sobre outra pessoa é bem mais efi- zemos para ir além da informação de que
caz tentar formar uma impressão ou descri- dispomos? Qual a qualidade de nossas in-
ção geral dela do que tentar gravar pedaços ferências? Qual a qualidade de nossos jul-
isolados de informação, tais como descrições gamentos?
de traços de personalidade. Por exemplo, se Para determinar a qualidade de nossas
descrevemos para você uma pessoa como inferências e julgamentos precisamos nos re-
ousada, convencida, distante e teimosa, a ferir a questões normativas. A pergunta pas-
melhor estratégia é tentar formar uma im- sa a ser “Qual a qualidade de nossas inferên-
pressão geral desse tipo de pessoa (imagine cias e julgamentos quando comparadas com
uma pessoa descrita por esses adjetivos), e o que é sugerido por princípios normativos
não tentar memorizar cada adjetivo ou usar ou padrões de qualidade?” (Nisbett e Ross,
truques mnemônicos do tipo “memorize as 1980; Kahneman, Slovic e Tversky, 1982;
primeiras letras de cada adjetivo tentando Gilovich, 1991; Sutherland, 1992; Goldstein

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 93

e Hogarth, 1997; Baron, 2000; Gigerenzer, Interpretando dados aleatórios


2000; Gigerenzer e Selten, 2001; Gilovich,
Griffin e Kahneman, 2002). Tendemos a “ver” ordem onde não existe ne-
As respostas obtidas nas pesquisas re- nhuma e percebe­mos um processo coerente
alizadas nas últimas décadas não têm sido atuando onde existe apenas a presença do
muito boas. Diferentes pesquisadores têm acaso (os testes psicológicos projetivos se
demonstrado que os mesmos processos cog- aproveitam dessa propensão). Relacionada
nitivos, sociais e motivacionais responsáveis a esta percepção de ordem, consideramos
pelas grandes realizações da inteligência e que eventos aleatórios são por definição
julgamento humanos também estão envolvi- aqueles eventos que não apresentam ordem
dos em falhas e distorções que vão dos sim- “aparente”, isto é, são eventos que têm uma
ples aos grandes erros de julgamento. Não aparência “desordenada”. Uma das pesqui-
se trata de falta de informação ou de educa- sas de Tversky e Kahe­man (1973) ilustra
ção. A superutilização ou a má aplicação de bem essa tendência. Estudantes foram soli-
nossas capacidades cognitivas é que causam citados a avaliar a probabili­dade relativa de
os problemas. Eles constituem os custos ine- três sequências de nascimentos de meninos
vitáveis de nossos poderes cognitivos porque (H) e meninas (M), considerando os primei-
os problemas de inferências e de julgamen- ros seis bebês nascidos em um determina-
to ocorrem quando utilizamos nossas capa- do dia no hospital da cidade. As sequências
cidades cognitivas no limite e sem o auxílio apresentadas aos estudantes foram as se-
de um bom conhecimento normativo. Este guintes:
último ponto tem levado vários autores a
questionarem as conclusões pessimistas das 1. H H H H H H
últimas décadas de pesquisa. Afinal, a má 2. H H H M M M
qualidade de nossas inferências e julgamen- 3. M H H M M H
tos não tem impedido o sucesso adaptativo
e reprodutivo de nossa espécie. E os proble- A probabilidade de ocorrência de cada
mas surgem quando nossas inferências são uma das três sequências é quase idêntica. No
confrontadas com padrões de qualidade entanto, a maioria dos sujeitos da pesquisa
nem sempre explicitados de forma relevante escolheu a sequência (3) como a que apre-
e pertinente à linguagem cognitiva cotidia- senta a maior probabilidade de ocorrência.
na, adaptada ao mundo real (Gigerenzer e Considerando o que sabem sobre a distri-
Selten, 2001; Gigerenzer, 2000). Temos que buição de nascimentos e sobre o processo
ter cautela quando julgamos nossas capaci- de geração do evento aleatório, as pessoas
dades inferenciais. Afinal, lidamos com um julgam a terceira sequência como a mais re-
mundo que se apresenta como um conjun- presentativa. A segunda sequência tem uma
to de dados confusos, frequentemente ale- aparência muito “ordenada” e a primeira
atórios, incompletos, não representativos, representa menos ainda uma sequência ale-
inconsistentes, secundários, de difícil com- atória: ela não reflete a aleatoriedade do
preensão. São justamente nossos sucessos e processo de nascimento nem a distribuição
fracassos para lidar com este tipo de dados dos sexos na população. O mesmo ocorre na
que revelam a grande capacidade do racio- chamada “falácia do jogador”. Após observar
cínio juntamente com suas limitações de jul- uma longa sequência de números baixos em
gamento e de racionalidade. um lançamento de dados, o jogador tende
E quais são as principais limitações? a acreditar que o próximo será um número
Elas podem ser agrupadas em algumas ca- alto porque tal resultado tornaria a sequên-
tegorias: interpretação de dados aleatórios, cia geral dos eventos mais “representativa”
de dados incompletos e não representativos, de uma sequência aleatória.
à profecia autorrealizante de ver o que já se Para Kahneman, Slovic e Tversky (1982)
esperava ver. é o heurístico da “representatividade”­ que

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

94 Torres, neiva & cols.

se encontra na raiz da percepção errônea de rias forças misterio­sas do tipo “fases da


sequências aleatórias. Esses heurísticos são lua”. As pessoas também “percebem” uma
atalhos cognitivos que simplificam e facili- face na lua, São Jorge lutando contra o dra-
tam a inferência e o julgamento. As pessoas gão, canais em Marte, ou, para as que são
recorrem a esse heurístico quando conside- religiosas, todo tipo de imagens em panos,
ram que os efeitos devem se assemelhar a madeiras, nuvens, árvores e no campo. São
suas causas (grandes efeitos exigem grandes simplesmente exemplos de sequências alea-
causas, efeitos com­plexos decorrem de cau- tórias, mas que não possuem a “aparência”
sas complexas); que eventos que estão inter­ aleatória.
ligados devem aparentar essa inter­ligação e
que exemplares devem aparentar semelhan-
ça com a categoria da qual fazem parte (p. Interpretando dados incompletos
ex., um psicólogo deve ter a “aparência” do
protótipo representativo do psicólogo). A reação mais comum das pessoas a qual-
Muitas vezes o julgamento baseado na quer atitude um pouco mais cética sobre a
representatividade é um julgamento corre- veracidade de crenças e fenômenos consiste
to. Outras vezes, porém, o uso excessivo da no relato de um testemunho próprio ou do
representatividade leva a julgamentos errô- depoimento dado por outra pessoa. Reações
neos. Nem todos os psicólogos têm “cara” de como “Conheço alguém que ficou bom de-
psicólogos e alguns grandes efeitos (p. ex.: pois que colocou este amuleto debaixo do
epidemias) possuem causas praticamente travesseiro”, são as respostas favoritas das
invisíveis (p. ex.: vírus). Mas, qual a relação pessoas que acreditam em práticas e crenças
do heurístico com a questão da aleatorieda- alternativas: “Eu vi acontecer”. “Minha vizi-
de? No caso do lançamento de uma moeda, nha ficou completamente curada”. “Acontece
por exemplo, o aspecto mais saliente é o o tempo todo com muita gente”.
conjunto de resultados que deve produzir – O que estas afirmações possuem em
espera­‑se uma divisão meio a meio com 50% comum é a apresentação de evidência po-
de caras e 50% de coroas. Ao examinar uma sitiva que justifica e explica a convicção
sequência de resultados, esse aspecto salien- da pessoa. Mas o problema com esse tipo
te dos 50% – 50% é comparado automati- de evidência é que não é suficiente para a
camente com a sequência que se obteve. Se comprovação de nenhum fenômeno. Casos
a sequência estiver grosseiramente dividida de pacientes que relatam terem ficado cura-
em 50% – 50% perceberemos um processo dos com a ajuda de tratamentos pela ho-
aleatório – isto é, a sequência “representa” meopatia ou tratamento espiritual existem
uma distribuição aleatória. Qualquer outra aos milhares, mas não constituem evidência
divisão provoca julgamentos de não aleato- suficiente de que esses tratamentos interfe-
riedade. O erro está em não saber que isso riram ou promoveram a remissão de alguma
é o que deve ocorrer só a longo prazo. A “lei doença ou condição. Ainda seria necessário
dos grandes números”, de acordo com os levar em conta, por exemplo, o número de
estatísticos, assegura a ocorrência de uma pacientes que apresentaram remissão sem o
divisão 50/50 somente após um grande nú‑ recurso aos tratamentos (receberam um pla-
mero de lançamentos da moeda. Para poucos cebo acreditando que era o tratamento ver-
lançamentos, sequências “desequilibradas” dadeiro), os que não apresentaram melhora
são perfeitamente possíveis. alguma mesmo recorrendo aos tratamentos,
A “ilusão do agrupamento” manifesta­ e os que não melhoraram, mas também
‑se em várias outras formas. Pessoas que não foram tratados (mas acreditavam que
trabalham em maternidades observam uma tinham sido tratados). A Tabela 4.1 a seguir
série de nascimentos de meninos seguidos apresenta graficamente os grupos que de-
por uma série de nascimentos de meninas vem ser observados para que possamos tes-
e terminam por atribuir tais eventos a vá- tar a eficácia de um tratamento. São quatro

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 95

Tabela 4.1
Situações que devem ser investigadas para que se possa verificar a suposta
relação entre cura de doenças e os tratamentos homeopáticos ou espirituais

Pacientes curados Pacientes não curados

Receberam tratamentos A B

Receberam placebo C D

Cada cela deve ser preenchida com o número de casos observados de acordo com as condições das marginais:
A = número de pacientes que receberam os tratamentos e foram curados
B = número de pacientes que receberam os tratamentos e não foram curados
C = número de pacientes que não receberam os tratamentos (mas acreditavam que sim, pois receberam um
placebo) e foram curados
D = número de pacientes que não receberam os tratamentos (mas acreditavam que sim, pois receberam um
placebo) e não foram curados

as evidências necessárias e suficientes para procuram ativa e deliberadamente apenas os


que possamos julgar e inferir. dados que confirmem suas crenças e julga-
Para verificarmos corretamente se o mentos (cf. Skov e Sherman, 1986; Snyder e
tratamento leva à cura, teríamos que com- Swann, 1978; Trope e Bassok, 1982).
parar as quatro informações das condições
A, B, C e D. Mas não é isso que as pesso-
as fazem (cf., Crocker, 1981). O que mais Profecia autorrealizante
chama nossa atenção são as condições “A”
e “B”, pois confirmam que “pacientes foram A profecia autorrealizante ocorre quando
tratados e foram curados” e “pacientes não nossa expectativa termina por provocar o
foram tratados e não foram curados”. Na próprio comportamento que originalmente
verdade, as pessoas terminam por observar antecipamos. Imagine uma situação em que
apenas a condição em que existe um bom acreditamos que alguém é antipático e hos-
número de casos positivos para concluir til. Nosso comportamento em direção a essa
que o tratamento funciona. Infelizmente, a pessoa vai com certeza refletir nossa expec-
evidência da condição A é necessária, mas tativa, podendo então provocar respostas
não é suficiente. Cognitivamente, é bem que comprovam o que é esperado. Pesquisas
mais fácil lidar com a confirmação positi- indicam que profecias dessa natureza são
va, já que encerra toda evidência necessária muito comuns em situação de aprendiza-
para a ocorrência de um julgamento. Já as do, nas quais o professor não acredita na
informações das celas B e C, isoladamente, capacidade do aprendiz. Por não acreditar,
não dizem lá muita coisa – exceto quando termina agindo de uma forma que provoca,
fazemos um grande esforço de análise e as induz a não aprendizagem do aluno. Nesse
consideramos juntas com as outras duas ce- caso, ocorreu uma profecia autorrealizante
las. Como conciliar esses fatos com o “avaro porque existiu algum mecanismo que trans-
cognitivo” que somos? formou a expectativa em ação confirmató-
Finalmente, outras pesquisas indicam ria (muitas vezes inconsciente por parte de
igualmente que a excessiva suscetibilidade quem tem a expectativa inicial). Sem esse
das pessoas à confirmação positiva é apenas mecanismo, não existe profecia autorrea­
um dos aspectos da questão. As pessoas não lizante. Ao provocarmos a realização de
gostam do papel de “advogado do diabo” e nossas expectativas, terminamos por basear

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

96 Torres, neiva & cols.

nossos julgamentos sobre informações que Tróccoli, 2005; ver também Gigerenzer e
não estariam disponíveis se não tivéssemos Selten, 2001; Gigerenzer, 2000).
provocado o surgimento delas em primeiro
lugar. Lidamos com o que observamos sem
considerar como as coisas seriam diferentes Comentários finais
se tivéssemos agido diferentemente.
Outras profecias são apenas aparente- A cognição social compreende estudos sobre
mente autorrealizantes e ocorrem quando como percebemos, processamos, armazena-
nossas expectativas alteram as circunstân- mos e usamos informações que recebemos
cias que impedem ou limitam as ações da de nosso mundo social. Nos últimos 20
outra pessoa – ações que poderiam descon- anos, surgiram revistas e livros especializa-
firmar nossas expectativas. Suponha que al- dos contendo centenas de pesquisas sobre
guém ache você agressivo e se afaste evitan- como pensamos a respeito de nós e dos ou-
do todo tipo de contato. Como você poderá tros (p. ex., Hamilton, 2005; Fiske e Taylor,
mostrar que a crença e a expectativa do ou- 2008). Não só isso, mas novas teorias, ques-
tro em relação a você não são verdadeiras? tões e metodologias (p. ex., a neurociência
Ele vai continuar achando você agressivo cognitiva social) também surgiram como
porque já achava antes e nada de novo vai consequência do estudo do fenômeno social
desconfirmar essa crença. a partir da perspectiva da cognição social. A
cognição social, então, deve ser considerada
não como mais um tópico da psicologia so-
cial, mas como uma abordagem nova sobre
Problemas inferenciais: o que fazer? seus diversos tópicos (cf., Devine, Hamilton
e Ostrom, 1994). A psicologia social abran-
Embora os estudos sobre os fundamentos ge uma grande variedade de tópicos, tais
de nossa cognição social possam transmitir como atitudes, agressão, altruísmo, amor,
uma visão pessimista da qualidade de nos- percepção interpessoal, tomada de decisões
sos julgamentos e inferências, duas obser- e relações grupais, entre outros. A cognição
vações devem ser consideradas. Primeiro, social é uma novidade conceitual e metodo-
a maneira como pensamos sobre os outros lógica que introduz as questões cognitivas
é boa o suficiente para que consigamos so- subjacentes aos tópicos tradicionais da psi-
breviver razoavelmente bem em sociedade. cologia social. Em todas as áreas de estudo
Com a prática advinda da experiência e da psicologia social, as pessoas processam
da maturidade, chegamos a um ponto em informações do mundo social; a questão é
que, na maioria das vezes, conseguimos compreender como a informação está sendo
negociar de forma relativamente adequada processada e usada quando desenvolvemos
nossos relacionamentos sociais. Apesar dos atitudes, reagimos agressiva ou altruisti-
heurísticos, vieses, atenção limitada e me- camente, como decidimos e participamos
mória seletiva, conseguimos nos adaptar e dos diversos grupos sociais. Neste capítulo,
aprender com nossos erros e com os erros apresentamos de forma bem resumida um
dos outros. pouco dessa nova abordagem. Esperamos
Segundo, é esta possibilidade de apren- que o incentivo tenha sido suficiente para
dizagem e de aperfeiçoamento que deve ser que você continue descobrindo os novos ho-
explorada quando se considera a qualidade rizontes da cognição social.
de nossos julgamentos e inferências. Vários
estudos demonstraram que é possível melho-
rar nossos julgamentos e evitar parte dos vie- Notas
ses e erros que cometemos (Cheng, Holyoak,
Nisbett e Oliver, 1986; Fong, Krantz e Nisbett, 1. Considera­‑se que esse período formativo
1986; Nisbett, Krantz, Jepson e Fong, 1982; durou até cerca de 150 mil a 100 mil anos

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 97

atrás, quando nossos ancestrais saíram da humanos para cerca de 150 membros, em mé-
África e começaram a colonizar o mundo. A dia, tornou inviável a manutenção das alianças
partir da saída da África, o tempo tem sido com base em cooperações diretas e mútuas.
muito curto (100 mil anos ou cerca de 5 mil Não haveria tempo para outras atividades,
gerações) para a evolução produzir quaisquer além de ser extremamente cansativo manter
mudanças significativas em uma espécie. Isto esse tipo de relacionamento com todos os out-
implica que toda a história do surgimento da ros membros de grupos tão grandes. Dunbar
civilização e cultura humana (a agricultura só considera que o equivalente nos hominídeos
surgiu há 10 mil anos) é irrelevante quando se foi à evolução da linguagem para a transmis-
trata de compreender a mente humana. Como são de informação verbal, principalmente por
nossas mentes não evoluíram em um mundo meio das fofocas. Uma implicação é que os
de cidades de tecnologia avançada, temos meios modernos de comunicação a distância
cérebros da “idade da pedra” vivendo em um (e­‑mails, salas de bate­‑papo na internet, etc.)
mundo de alto desenvolvimento tecnológico. jamais substituirão inteiramente a necessidade
Descontando todos os problemas decorrentes humana de boas conversas ao pé do ouvido.
desse fato, não podemos deixar de reconhecer
a tremenda capacidade adaptativa de nosso
cérebro.
2. Embora não seja nosso objetivo discutir a Referências
questão do altruísmo e da cooperação, de-
vemos acentuar que estes comportamentos
não evoluíram apenas nas situações com base ANDERSEN, S. M.; COLE, S.W. “Do I know you?”:
estritamente recíproca. O biólogo William The role of significant others in general social
Hamilton (1964) demonstrou que a grande perception. Journal of Personality and Social
ocorrência de altruísmo não recíproco em Psychology, v. 59, p. 384-399, 1990.
todo o reino animal (relações pais e filhos e AXELROD, R. The evolution of cooperation. New
entre outros parentes, por exemplo) só pode York: Basic Books, 1984.
ser compreendida quando se considera que BARON, J. Thinking and deciding. 3rd ed. New York:
a unidade fundamental da evolução não é o Cambridge University Press, 2000.
organismo, mas o gene individual. O altruísmo
não recíproco só ocorre entre organismos ge- BREWER, M. B. In-group bias in the minimal inter-
neticamente relacionados: parentes próximos group situation: A cognitive-motivational analysis.
compartilham muitos genes, e os genes que Psychological Bulletin, v. 86, p. 307-324, 1979.
predispõem o indivíduo a ajudá­‑los estão, BREWER, M. B. A dual process of impression. In:
na verdade, ajudando suas próprias cópias. SRULL, T. K.; WYER JR, R. S. (Ed.). Advances in
Posteriormente, o biólogo Richard Dawkins Social Cognition. Hillsdale, NJ: Erlbaum, 1988.
(1989) popularizou e aperfeiçoou essa teoria v. 1, p.1-36.
em seu livro antológico O Gene Egoísta. BUSS, D. M. (Ed.). The Handbook of Evolutionary
3. Outras espécies desenvolveram sistemas Psychology. New York: Wiley, 2005.
semelhantes. A separação radical entre a
espécie humana e espécies não humanas de- CHENG, P.W.; HOLYOAK, K. J.; NISBETT, R. E.;
nuncia o que Dawkins (2003, cap. 3) chama OLIVER, L. M. Pragmatic versus syntactic appro-
de “mente descontínua”, isto é, a crença em aches to training deductive reasoning. Cognitive
uma separação radical quando o que existe Psychology, v. 18, p. 293-328, 1986.
é uma diferenciação gradual e, às vezes, até COSMIDES, L.; TOOBY, J. (Ed.). The adapted mind:
sutil entre nós e outros animais, tais como os Evolutionary psychology and the generation of cultu‑
chipanzés. re.Oxford: Oxford University Press, 1992.
4. Isto é o que ocorre entre os chimpanzés, que CROCKER, J. Judgment of covariation by social
dedicam boa parte do tempo livre ao comporta- perceivers. Psychological Bulletin, v. 90, p. 272-
mento de grooming. No grooming, os chimpan- 292, 1981.
zés se limpam retirando parasitas e pedaços de
sujeiras presos nos pelos daqueles com os quais DAWKINS, R. O gene egoísta. 2. ed. São Paulo:
mantêm alianças. Existem evidências indicando Companhia das Letras, 1989.
que, na necessidade, há maior probabilidade DAWKINS, R. A devil’s chaplain. Reflections on
de ajuda por parte daqueles que são compan- hope, lies, science and love. New York: Houghton
heiros de grooming. O aumento dos grupos Mifflin, 2003.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

98 Torres, neiva & cols.

DEVINE, P. G. Prejudice and out-group perception. everyday problems. Cognitive Psychology, v. 18, p.
In: TESSER, A. (Ed.). Advanced social psychology. 253-292, 1986.
New York: McGraw-Hill, 1995. p. 132-154. GIGERENZER, G.; SELTEN, R. (Ed.). Bounded
DEVINE, P. G.; HAMILTON, D.; OSTROM, T. (Ed.). rationality. The adaptive toolbox. Cambridge: The
Social cognition: Impact on social psychology. San MIT Press, 2001.
Diego: Academic Press, 1994. GIGERENZER, G. Adaptive thinking. Rationality
DEVINE, P. G.; SEDIKIDES, C.; FUHRMAN, R. W. in the real world. New York: Oxford University
Goals in social information processing: The case of Press, 2000.
anticipated interaction. Journal of Personality and GILOVICH, T. How we know what isn’t so: The
Social Psychology, v. 56, p. 680-690, 1989. fallibility of human judgment in everyday life. New
DIJKSTERHUIS, A.; BARGH, J. A. The perception- York: Free Press, 1991.
behavior expressway: Automatic effects of social GILOVICH, T.; GRIFFIN, D.; KAHNEMAN, D. (Ed.).
perception on social behavior. In: ZANNA, M. P. Heuristics and biases. The pschology or intuitive
(Ed.). Advances in experimental and social psycho‑ judgment. New York: Cambridge University Press,
logy. New York: Academic Press, 2001. v. 33, p. 2002.
1-40.
GOLDSTEIN, W. M.; HOGARTH, R. M. (Ed.). Rese‑
DUNBAR, R. I. M. Grooming, gossip and the evo‑ arch on judgment and decision making. New York:
lution of language. New York: Faber and Faber, Cambridge University Press, 1997.
2004.
GOLLWITZER, P. M. Action phases and mind-sets.
EVANS, D.; ZARATE, O. Introducing Evolutionary In: HIGGINS, E. T.; SORRENTINO, R. M. (Ed.).
Psychology. Maryland: Icon Books UK, 1999. Handbook of Motivation and cognition: Foundations
FAZIO, R. H.; OLSON, M. A. Implicit measures of social behavior. New York: Guilford, 1990. v. 2,
in social cognition research: Their meaning and p. 53-92.
use. Annual Review of Psychology, v. 54, p. 297- HAMILTON, D. L. Organizational processes in
327, 2003. impression formation. In: HIGGINS, E. T.; HER-
FISKE, S. T.; TAYLOR, S. E. Social cognition. 2nd MAN, C. P.; ZANNA, M. P. (Ed.). Social Cognition:
ed. New York: McGraw-Hill, 1991. The Ontario Symposium. Hillsdale, NJ: Erlbaum,
FISKE, S. T.; TAYLOR, S. E. Social cognition. From 1981. v. 1, p. 135-160.
brains to culture. 3nd ed. New York: McGraw-Hill, HAMILTON, W. D. The genetical evolution of
2008. social behavior. Journal of Theoretical Biology, v.
FISKE, S. T.; NEUBERG, S. L. A continuum of 7, p. 1-52, 1964.
impression formation, from category-based to HAMILTON, D. L. (Ed.). Social Cognition. New
individuating processes: Influences of information York: Psychology Press, 2005.
and motivation on attention and interpretation. HAMILTON, D. L.; KATZ, L. B.; LEIRER, V.O. Cog-
In: ZANNA, M. P. (Ed.). Advances in experimental nitive representation of personality impressions:
social psychology. New York: Academic Press. 1990. Organizational processes in first impression forma-
v. 23, p. 1-74. tion. Journal of Personality and Social Psychology,
FISKE, S. T. Schema-triggered affect: Applications v. 39, p. 1050-1063, 1980.
to social perception. In: CLARK, M. S.; FISKE, S. HASTIE, R.; OSTROM, T. M.; EBBESEN, E. B.;
T. (Ed.). Affect and Cognition: The 17th Annual WYER, R. S.; HAMILTON, D. L.; CARLSTON, D. E.
Carnegie Symposium on Cognition. Hillsdale, NJ: (Ed.). Person memory: The cognitive basis of social
Erlbaum, 1982. p. 55-78. perception. Hillsdale, NJ: Erlbaum, 1980.
FISKE, S. T. Social cognition. In: TESSER, A. (Ed.). HILTON, J. L.; DARLEY, J. M. The effects of interac-
Advanced Social Psychology. New York: McGraw- tion goals on person perception. In: ZANNA, M. P.
Hill, 1995. p. 217-235. (Ed.). Advances in experimental social psychology. New
FISKE, S. T.; NEUBERG, N. L.; BEATTIE, A. E.; York: Academic Press, 1991. v. 24, p. 235-267.
MILBERG, S. J. Category-based and attribute- HILTON, J. L.; FEIN, S. The role of typical diag-
based reactions to others: Some informational nosticity in stereotype-based judgments. Journal
conditions of stereotyping and individuating pro- of Personality and Social Psychology, v. 57, p. 201-
cesses. Journal of Experimental Social Psychology, 211, 1989.
v. 23, p. 399-427, 1987. KAHNEMAN, D.; SLOVIC, P.; TVERSKY, A. Judg‑
FONG, G. T.; KRANTZ, D. H.; NISBETT, R. E. The ment under uncertainty: Heuristics and biases.
effects of statistical training on thinking about Cambridge: Cambridge University Press, 1982.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 99

KIHLSTROM, J. F.; CANTOR, N.; ALBRIGHT, J. S.; about persons: Some determinants and implica-
CHEW, B. R.; KLEIN, S. B.; NIEDENTHAL, P. M. tions. Journal of Personality and Social Psychology,
Information processing and the study of the self. v. 37, p. 1660-1672, 1989.
In: BERKOWITZ, L. (Ed.). Advances in experimental SRULL, T. K. Organizational and retrieval process
social psychology. New York: Academic Press, 1988. in person memory: An examination of processing
v. 21, p. 145-180. objectives, presentation format, and the possible
LEYENS, J. Ph.; YZERBYT, V.Y.; SCHADRON, G. role of self-generated retrieval cues. Journal of
The social judgeability approach to stereotypes. Personality and Social Psychology, v. 4, p. 1157-
European Review of Social Psychology. New York: 1170, 1983.
Wiley, 1992. v. 3, p. 91-120. SUTHERLAND, S. Irrationality. Why we don’t
MULLEN, B.; BROWN, R.; SMITH, C. Ingroup bias think straight! New Jersey: Rutgers University
as a function of salience, relevance, and status: An Press, 1992.
integration. European Journal of Social Psychology, TRÓCCOLI, B. T. Uma abordagem do Ensino da Es-
v. 22, p. 103-122, 1992. tatística Vinculada ao Indivíduo e ao Mundo Real.
NISBETT, R.; ROSS, L. Human inferences: Strategies In: BOCK, A. M. B.; VARGAS, H. M.; ROMERO, J.
and shortcomings of social judgment. New Jersey: A. M. (Org.). Psicología, Educación y Sociedad
Prentice-Hall, 1980. en México y Brasil: Un Compromiso Social para
NISBETT, R. E.; KRANTZ, D. H.; JEPSON, C.; América Latina. Jesús Hernández Garibay: México,
FONG, G. T. Improving inductive inference. In: 2005. p. 307-332.
KAHNEMAN, D.; SLOVIC, P.; TVERSKY, A. (Ed.). TROPE, Y.; BASSOK, M. Confirmatory and diag-
Judgment under uncertainty: Heuristics and biases. nosing strategies in social information gathering.
New York: Cambridge University Press, 1982. p. Journal of Personality and Social Psychology, v. 43,
445-462. p. 22-34, 1982.
OWENS, J.; BOWER, G. H.; BLACK, J. B. The TVERSKY, A.; KAHNEMAN, D. Availability: A
“soap-opera” effect in story recall. Memory and heuristic for judging frequency and probability.
Cognition, v. 7, p. 185-191, 1979. Cognitive Psychology, v. 5, p. 207-232, 1973.
SKOV, R. B.; SHERMAN, S. J. Information-gathering WEINER, B. Intrapersonal and interpessonal
processes: Diagnosticity, hypothesis-confirmatory theories of motivation from an attributional pers-
strategies, and perceived hypothesis confirmation. pective. Educational Psychology Review, v. 12, p.
Journal of Experimental Social Psychology, v. 22, p. 1-14, 2000.
93-121, 1986. WEINER, B. Motivation from an attributional
SNYDER, M.; SWANN, W. B. Hypothesis-testing perspective and the social psychology of perceived
processes in social interaction. Journal of Perso‑ competence. In: ELLIOT, A. J.; DWECK, C. S. (Ed.).
nality and Social Psychology, v. 36, p. 1202-1212, Handbook of Competence and Motivation. New
1978. York: Guilford Press, 2005. p. 156-172.
SRULL, T. K.; WYER, R. S. JR. The role of category WYER, R. S.; SRULL, T. K. Handbook of social cog‑
accessibility in the interpretation of information nition. Hillsdale, NJ: Erlbaum, 1984. v. 1-3.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

5
Normas sociais: conceito, mensuração
e implicações para o Brasil
Cláudio Vaz Torres
Hugo Rodrigues

Introdução (1995), comparando teorias implícitas de


educadores, encontrou que brasileiros en-
Este capítulo trata a respeito de como as fatizam a conformidade e a adaptação. Em
normas sociais podem ser utilizadas para a seu estudo, Strohschneider e Güss (1998)
compreensão do comportamento humano, encontraram que estudantes colegiais bra-
bem como do modo como a cultura pode sileiros têm uma alta tendência em aceitar
influenciar essa relação, apontando diver- qualquer situação como dada e não ques-
sos exemplos de como esse conceito pode tionar sobre suas causas quando uma situ-
ser operacionalizado. Vale adiantar que to- ação mal definida e ambígua é apresentada
dos esses temas terão como mote a cultura para eles. Relacionadas com os resultados
do Brasil, e a operacionalização das normas de Friedlmeier (1995) e de Strohschneider
– como medida e conceito – será focada a e Güss (1998), diversos pesquisadores (p.
nossa população, visando colaborar com ex., Droogers, 1988) sugeriram que um im-
uma psicologia social brasileira, para o bra- portante conceito para entender o modo de
sileiro. ver o mundo do brasileiro está associado ao
Com isso em mente, podemos come- termo jeitinho. Podemos entender o jeitinho
çar com a metáfora sugerida por Candido como uma forma “especial” de se resolver
(1972) para discutir a cultura nacional do algum problema ou situação difícil, ou como
brasileiro. Para ele, o Brasil pode ser repre- uma solução criativa para alguma emergên-
sentado pela figura de uma grande família, cia, seja sob a forma de conciliação, de es-
na qual existem algumas regras formais perteza ou de habilidade. Quando se julga
mais um consenso com relação a autorida- que está tudo irremediavelmente perdido,
de paterna. Essa interpretação do Brasil tem que daquela vez não tinha realmente saída,
evidências em alguns estudos empíricos. tudo magicamente se resolve, por meio do
Schwartz (1994) observou que brasileiros jeitinho. É uma maneira especial de se resol-
apresentam baixo escores em autonomia ver o problema, eficiente e rápida. Espera­
intelectual e emocional (relacionadas com ‑se que essa forma possa produzir resulta-
a dimensão individualismo de Hofstede, dos em curto prazo, não importando que
1980), e altos escores em conservação e a solução seja definitiva ou não, ideal ou
hierarquia (correlacionados com a noção provisória. Juntos, esses resultados sugerem
de distância de poder proposta pelo mes- que, no contexto do brasileiro, existe muito
mo autor). De modo similar, Friedlmeier pouco espaço para a participação na reso-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 101

lução de problemas e que a participação na O uso de práticas organizacionais com


tomada de decisão não é muito encorajada. uma forte influência individualista e, por
Para Ettorre (1998), pouca participação nas isso, com pouco suporte das normas so-
decisões organizacionais pode ser devida ciais, pode ativar sentimentos antagonistas
ao fato de as organizações brasileiras terem nos brasileiros. Por exemplo, os brasileiros
uma política de gerentes paternalistas, que tendem a considerar que os líderes devem
devem fornecer uma cultura protetora. Ele ocupar uma alta posição de poder na hierar-
sugere que “gerentes brasileiros confundem quia da sociedade. Desse modo, eles podem
responsabilidade com os negócios da com- entender que o interesse da gerência em
panhia” (Ettorre, 1998, p. 12). incentivar a participação dos funcionários
Ettorre (1998) também notou que na tomada de decisão como uma mensa-
existe uma grande quantidade de improvi- gem indireta, que comunica a ideia de que
sação e criatividade empresarial no Brasil. o líder deseja compartilhar o poder. Nesse
Contudo, ele sugere que essas práticas ge- caso, compartilhar a tomada de decisão
renciais podem mudar em um futuro próxi- pode fazer com que um brasileiro conside-
mo devido à grande onda de privatizações re que o líder não tem poder legítimo (ou
que ocorreram nos anos de 1990 e 2000 nas competência), e que, por isso, não é mere-
indústrias brasileiras. Pois, como já observa- cedor de ser um líder. (Nogueira, Torres e
do (Droogers, 1988), as estruturas político­ Guimarães, 2001; Torres, 2009). Esse pode
‑sociais do Brasil ainda estão se formando. E não ser o caso em outro país, especialmente
é esperado que as organizações privatizadas um país individualista, onde a maioria dos
possam requerer uma nova classe de execu- estudos sobre liderança são desenvolvidos.
tivos que sejam habilidosos em mudanças Mesmo a utilização de achados em outras
organizacionais (Santos, 1998), especial- culturas coletivistas como uma aproximação
mente para reduzir problemas organiza- para a cultura brasileira pode ser um erro.
cionais, tais como aqueles encontrados em Pois, como Pearson e Stephan (1998) no-
companhias brasileiras que operavam com tam, os brasileiros tendem a ser passionais
27% de produtividade quando comparadas e emocionais, uma característica que não é
com suas semelhantes norte­‑americanas compartilhada pela maioria das culturas co-
(Ettorre, 1998). Isso sem falar do impacto letivistas da Ásia. Desse modo, não apenas
da globalização e da maior conscientização pessoas de culturas individualistas podem
do consumidor nacional, que é diferente dos ter dificuldades em compreender as reações
outros consumidores e exige de modo dife- emocionais de brasileiros, mas também pes-
rente. soas de diferentes culturas coletivistas (p.
É importante que qualquer mudan- ex., asiáticas).
ça ou manutenção das práticas gerenciais Alguns pesquisadores (p. ex., Graham,
sejam sensíveis à cultura. Ettorre (1998) 1985; Smith et al., 1998) consideram que,
observou que qualquer pessoa que faz ne- quando se discute coletivismo, os estudos
gócios no Brasil precisa aprender a cultura vêm superenfatizando os dados de culturas
brasileira. Da mesma maneira, qualquer asiáticas. Esses mesmos pesquisadores vêm
prática organizacional deve levar em con- alegando que esses dados podem não refletir
sideração a cultura em questão, no caso, a a estrutura das culturas latino­‑americanas,
brasileira. Modelos organizacionais ou de apesar de ambos serem considerados como
predição/controle de comportamento norte­ culturas coletivistas (Hofstede, 1980). Por
‑americanos e/ou europeus não podem ser exemplo, Graham (1985) encontrou uma
aplicados diretamente no contexto brasilei- larga diferença em vigor e franqueza em ne-
ro sem se levar em consideração as diferen- gociações na América Latina, quando com-
ças culturais que, no caso do brasileiro, são paradas com as japonesas.
fortemente influenciadas por normas sociais Essas diferenças culturais refletem di-
(Rodrigues, 2007). ferentes sistemas sociais, que, por sua vez,

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

102 Torres, neiva & cols.

podem ser explicados e entendidos devido Normas sociais


à natureza regulatória das normas sociais.
Compreender melhor o funcionamento das Na psicologia social, existe uma longa dis-
normas sociais pode contribuir para a cons- cussão sobre o poder preditivo e explicativo
trução de um corpo teórico mais adequado das normas sociais, bem como sobre qual
para entender o comportamento social do seria sua estrutura e definição. Alguns au-
brasileiro, bem como para fornecer uma li- tores (p. ex., Krebs e Miller, 1985; Marini,
nha de guia para adequar modelos vindos 1984; Darley e Latané, 1970 apud Kallgren,
de outras culturas. Reno e Cialdini, 2000) consideram o con-

Quadro 5.1
POKER FACE: UMA EXIGÊNCIA CULTURAL

A universalidade das expressões facial das emoções foi indicada pela primeira vez por Darwin
(1998) na emblemática obra: “A expressão das emoções no homem e nos animais”. Contudo,
Ekman (2003) ressalta que, na época, sua argumentação foi desconsiderada, bem como durante
os anos seguintes, em função dos paradigmas predominantes, que enfatizavam explicações em
função da socialização e desprestigiavam as que utilizassem de padrões inatos da espécie. Ou
seja, as normas sociais vigentes no meio acadêmico da época não facilitaram a disseminação
desse conhecimento.
Contudo, hoje, autores como: Ekman e Friesen (2003); Elfenbein e Ambady (2003); Matsumoto
(1990); Smith, Bond e Kagitçibasi (2006) – dentre outros – colocam que a demonstração de deter‑
minadas emoções através do uso de uma mesma estrutura muscular para cada tipo de emoção é
um fenômeno universal, capaz de fornecer um mapa reconhecível por todos da reação emocional
que os indivíduos têm a diferentes estímulos do dia a dia, indicando o modo adequado – em
função de respostas evolutivamente construídas – de reagir. Por exemplo, simplificadamente, é
mais seguro aproximar­‑se de uma pessoa que reagiu à sua presença contraindo o zygmaticus
maior do que quando esta mesma pessoa está com esse músculo relaxado, mas com o levator
labii superioris contraído. Ekman (2003, 2006, 2009) coloca que no primeiro caso a pessoa estaria
demonstrando alegria, felicidade; mas expressaria ódio, nojo no segundo.
Algumas culturas exigem que determinadas emoções não sejam demonstradas, pelo menos
não o tempo todo ou em todos os contextos. Friesen (1972 apud Smith, Bond e Kagitçibasi, 2006)
– em sua tese de doutorado – demonstrou que, durante a exposição de um vídeo que mostrava
uma amputação, quando sozinhos, japoneses (analisados como coletivistas) demonstravam o seu
desconforto com a cena do mesmo modo que estadunidenses (individualistas).
Entretanto, quando acompanhados por um experimentador a reação ao vídeo muda‑
va. Americanos continuavam expressando-se do mesmo modo, mas os japoneses evitavam
demonstrar o desconforto através da não demonstração de emoções ou com risos. Tal au‑
tor ressalta que existe uma norma cultural, no Japão, que recomenda que afetos negativos
não devam ser demonstrados em público e que nos Estados Unidos haveria outra, que enfa‑
tizaria a sua demonstração real, sem – neste caso – maximizar. Cabe colocar que as estraté‑
gias utilizadas são definidas por Matsumoto (1990, 1992) e Gross (1998 e 2002) como de re‑
gulação de emoção. Acrescentando que, de acordo com o primeiro, tal regulação ocorre em
função da obrigação em conforma-se a uma norma social específica – a regra de expressão.
Pesquisas recentes indicam um padrão específico sobre o que deve ser demonstrado, maximiza‑
do ou suprimido em cada cultura e que tal fato é determinado por normas sociais. Indicando que
a poker face, o ato de não demonstrar uma emoção, mesmo quando ela é intensa, não é apenas
uma estratégia para ganhar num jogo de azar, mas – muitas vezes – uma necessidade cultura.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 103

ceito vago, muito geral e inadequado para a melhores preditores para escolher norma
verificação empírica. Outros autores (p. ex., ou atitude como o melhor preditor, devido a
Berkowitz, 2004; Prentice e Miller, 1993, um viés cultural que será mais bem discuti-
1996; Cialdini, Reno e Kallgren, 1991; do adiante. Como exemplos, temos Wallace
Lapinski e Rimal, 2005) consideram normas e colaboradores (2005), que, em uma re-
um conceito central para o entendimento cente metanálise, verificaram que a existên-
do comportamento social humano (Kallgren cia de pressão social de algum tipo (isto é,
et al., 2000). Os principais aspectos dessa presença de outros importantes, ambientes
discussão se referem à definição desse cons- com fortes normas) diminuía bastante o
truto e de sua capacidade de predizer com- poder preditivo de atitudes, e Bontempo e
portamentos e intenções. Rivera (1992), que realizaram uma metaná-
Com relação ao primeiro ponto (de- lise indicando que, em países coletivistas, as
finição do conceito), a literatura está cada normas subjetivas tinham mais peso do que
vez mais próxima do consenso de que a nor- as atitudes na equação da teoria do compor-
ma se refere a aspectos descritivos (isto é, o tamento racional.
que é feito, o comportamento mais popular) A despeito dessas discussões, as normas
e a aspectos injuntivos (isto é, o que todos sociais têm sido bem­‑sucedidas em interven-
deveriam fazer). Essa distinção, feita há ções e estudos, tais como: redução da quan-
mais de 50 anos, foi recuperada por Cialdini tidade de lixo jogado no chão em lugares
(Cialdini e Goldstein, 2004; Cialdini e Trost, públicos (p. ex., Cialdini, 2003), prevenção e
1998; Cialdini et al., 1991; Reno et al., diminuição da ocorrência de alcoolismo em
1993; Kalgreen et al., 2000) e vem sendo colégios e universidades (Borsari e Carey,
amplamente utilizada por diversos pesquisa- 2003), medição da aceitação de comporta-
dores (p. ex., Ajzen, 2002; Lapinski e Rimal, mento agressivo (Henry, Cartland, Ruchross
2005). Um outro aspecto relevante dessa e Monahan, 2004), redução da quantidade
discussão é o de se normas são capazes de de fumo consumido (Linkenbach e Perkins,
predizer comportamento, ou pelo menos in- 2003 apud Berkowitz, 2004), agressão se-
tenção em se comportar. xual (Bruce, 2002, apud Berkowitz, 2004),
Com relação à capacidade preditiva, preferência por diferentes marcas de cerve-
esse ponto parece estar relacionado a fato- ja (Yang, Allenby e Fennel, 2002), atrações
res culturais (Trafimow e Fishbein, 1994), que devem estar presente em um parque
ao comportamento em si e ao setting onde ecológico (Manning e Kamp, 1996), estilos
ele ocorre (Lapinski e Rimal, 2005; Wallace de liderança (Torres, 2009), para citar ape-
et al., 2005). Esses fatores podem predizer nas alguns.
quais comportamentos são mais influen- Neste capítulo, discutiremos o con-
ciados por normas sociais. Neste caso, pa- ceito de normas sociais, bem como as par-
rece haver uma espécie de tradeoff entre ticularidades associadas a esse conceito.
normas sociais e atitudes na explicação do Serão apresentadas diferentes definições e
comportamento humano (Rodrigues, 2007; modelos de normas sociais, como elas são
Bomtempo e Rivero, 1992; Wallace et al., construídas e como interagem com outros
2005), sendo a relação desses dois constru- processos sociais, contribuindo para a expli-
tos vital para a compreensão do comporta- cação do comportamento humano.
mento humano (Ajzen, 1991). A literatura Entretanto, antes de apresentar a defi-
tem buscado cada vez mais descobrir que nição de normas sociais, é importante notar
(ou quais) tipo(s) de comportamento é(são) que (de modo similar ao que acontece com
mais influenciado(s) por atitudes ou normas o conceito de cultura) diferentes autores
sociais (Fekadu e Kraft, 2002), curiosamen- vêm enfatizando diferentes aspectos des-
te tentando predizer quais fatores serão os se construto em suas definições e modelos

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

104 Torres, neiva & cols.

de normas sociais. Lautmann (Feldman, normativa da personalidade. Desse modo,


1991) realizou uma extensa análise de mais regras e papéis provêm meios para a cone-
de cem definições de normas e valores e xão entre organizações sociais e indivídu-
observou que todas explicavam as normas os. Considerando que uma regra, ou papel,
como uma obrigação coletiva ou algum podem ser definidos como um conjunto de
tipo de dever. Jackson (1966, 1975) consi- normas de conduta (Gold, 1997), podemos
dera as normas sociais como um contínuo observar como as normas interagem na di-
de comportamentos e as respectivas sanções nâmica da psicologia social. Mais adiante
e recompensas associadas a sua realização. será discutida a importância das normas so-
Emmerich, Goldman e Shore (1971) defi- ciais para a psicologia e o quanto essa área
nem norma como crença compartilhada de carece de maiores estudos e atenção.
como o indivíduo necessita agir com relação Gold (1997) defende que normas va-
aos outros. Essa pode ser a maior diferença riam em sua generabilidade, e que nem todo
entre as normas e os valores: valores não se valor social pode ser entendido como uma
referem apenas a comportamento, mas tam- norma social. Apenas quando as normas fo-
bém a uma grande gama de outros objetos rem universais, elas poderão ser entendidas
(tais como opiniões e objetivos) e não indi- como valores. Gold diferencia entre papéis
cam o que é obrigatório, mas sim o que é sociais e normas. Um papel social consiste
desejável. em um conjunto de normas, ou “um conjunto
de obrigações e privilégios que se aplicam aos
ocupantes de determinadas posições sociais”1
(Gold, 1997, p. 72). Desse modo, quando
Definições e estudos normas relacionadas entre si são agrupadas,
sobre normas sociais um papel social é criado. Normas, por outro
lado, prescrevem como determinadas pesso-
Feldman (1991) considera que normas se- as de um certo grupo (p. ex., pessoas ocu-
riam regras estabelecidas pelos grupos pra pando um determinado papel na sociedade)
regularizar o comportamento de seus mem- se comportam para receber aprovação de
bros. Para Porras e Robertson (1992), nor- seus colegas, ou para evitar sanções sociais.
mas são padrões de condutas, aplicáveis Outros pesquisadores encontraram suporte
aos membros do grupo. Já Cialdini e Troost para a diferenciação entre normas e papéis
(1998) consideram o construto como fon- (p. ex., Bond, 1991). Além do mais, normas
tes de informação prescritivas (isto é, como são parte do sistema de crenças de qualquer
deveria ser) e descritivas (isto é, como está grupo. Uma norma é apenas social quando é
sendo) sobre qual comportamento realizar compartilhada por dois ou mais indivíduos;
em determinadas situações. Gold (1997) e eles concordam (sendo conscientes dessa
notou que Durkheim distingue entre o ter- concordância) que alguém, em uma posição
mo coletivo “norma social” e sua contra- social particular, precisa agir e sentir de uma
parte psicológica, a “representação social”. determinada maneira. As normas sociais são
Para Gold, existe uma necessidade urgente usadas para prescrever e descrever padrões
de mecanismos que permitam a tradução de comportamento, sendo caracterizadas
do conceito de normas sociais do ponto de por imperativos morais.
vista sociológico para o psicológico. É possí- Para Miler e Prentice (1996), uma
vel que o estudo de normas pela perspectiva nor­ma social é um atributo de um grupo,
da psicologia social possa fornecer tais me- po­dendo ser considerada tanto descritiva
canismos. Nessa área da psicologia, regras ou prescritiva para os membros. Indivíduos
e papéis fornecem a regulamentação nor- podem se comparar com relação às normas.
mativa das organizações sociais, que, por Esses autores diferenciam entre normas lo-
sua vez, fazem contato com indivíduos por cais e globais. Para eles, normas locais são
meio de componentes de regulamentação “padrões relativos” construídos de acordo

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 105

com as necessidades de pequenos grupos social e cultural. A ênfase não é mais apenas
em situações específicas (p. ex., inferidos no nível individual. Normas globais devem
da situação) em vez de recuperados da me- chamar a atenção do pesquisador para um
mória. Por outro lado, os indivíduos trazem sistema mais amplo, no qual as necessidades
normas globais (ou “padrões absolutos”) do indivíduo estão em constante interação
para qualquer contexto social, sendo que es- com a dinâmica da sociedade e da cultura.
sas normas influenciam a avaliação de suas Algum suporte para a diferenciação
experiências. entre normas locais e globais propostas por
Quando Milles e Prentice discutem Miller e Prentice (1996) é encontrado na li-
normas locais, sua ênfase é a autoavaliação teratura. Por exemplo, Nisan (1987) exami-
do indivíduo. Eles acreditam que as nor- nou a construção de normas morais em 60
mas locais “simplesmente influênciam a ex‑ garotos e garotas de 1a e 4a séries em Israel.
periência psicológica do indivíduo”2 (Miller e Ele observou a existência de duas orienta-
Prentice, 1996, p. 803). Segundo essa pers- ções distintas para as normas sociais: uma
pectiva, normas locais são estudadas, em na qual o critério para o julgamento social
sua maioria, a partir de um nível individual dos comportamentos era a consequên­cia
de análise. Aqui, a ênfase é no indivíduo que destes para os outros envolvidos (isto é, em
está comparando alguém – ou ele mesmo – um nível “micro”, envolvendo apenas os
com o grupo. Embora quando falamos sobre membros de um pequeno grupo); e outra
normas locais, continuamos falando sobre nas quais as normas parecem ter uma vali-
(pequenos) grupos, o foco de investigação dade absoluta (isto é, em um nível “macro”,
parece estar direcionado para as razões in- incluindo todos os membros da sociedade).
dividuais para a autoavaliação. Nesse caso, A distinção entre essas duas orientações é
a norma se torna uma das ferramentas dis- congruente com a diferenciação proposta na
poníveis que os indivíduos utilizam para teoria de Miller e Prentice (1996).
comparar e avaliar sua posição relativa a Para Jackson (1966a), a cultura não é
um grupo. apenas concreta, mas um sistema de ideias
Entretanto, quando normas globais são padronizadas, mesmo se parcialmente ma-
discutidas, o nível de análise muda para o nifestas em termos concretos. Esse autor ob-
que Gold (1997) chamou de “fronteira” en- servou que uma maneira de entender a cul-
tre o indivíduo e o ambiente da organização tura de um povo é por meio de suas normas.

Quadro 5.2
A especificidade das normas sociais

Tendemos a considerar as normas de nossa cultura como algo universal, sendo que muitas vezes
isso simplesmente não condiz com a realidade. Por exemplo, durante a socialização do brasileiro,
este aprende que arrotar à mesa é considerado com um gesto de má educação. No entanto, para
alguns grupos culturais mais exóticos (no sentido antropológico do termo), arrotar é um sinal de
que a comida estava boa. Em algumas culturas, o luto é demonstrado com o azul, ou mesmo com
o branco, e não com o preto. Durante o período do Império, no Brasil, as casas possuíam uma
grande bacia na qual se despejava uma solução antisséptica no interior, para servir de alvo e pon‑
taria ao exercício de escarrar em público. Eram as escarradeiras, populares em toda sala de visita
das casas mais abastadas, onde o dono da casa e seus convidados podiam “escarrar” durante as
festividades (Antunes, Waldman e Moraes, 2000).
Essas são apenas algumas especificidades culturais, que podem ser descritas em termos de
normas sociais. São comportamentos específicos que, devido a seu significado em cada cultura (a
cada tempo), podem ou não ser passíveis de uma sanção por parte da sociedade.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

106 Torres, neiva & cols.

Sarbin (em Jackson, 1966a) define normas var que aquilo que as pessoas fazem é fre-
como uma unidade de cultura, significando quentemente mais importante do que o que
que as normas podem ser entendidas como elas dizem. Como notado por Hall (1973),
um componente de cultura. Assim, uma vez se uma pessoa recebe informações sobre
que as normas podem ser compreendidas as normas de diferentes culturas, ela pode
como uma unidade de cultura, então po- ajustar seu comportamento para agir de
dem ser conceitualizadas como um padrão acordo. Contudo, Hall (1977) sugere que,
abstrato de ideias que são aprendidas pelos quando ocorre o contato entre duas cultu-
membros de um sistema social (Jackson, ras, entender e aceitar a realidade da cultu-
1966a). Nessa óptica, a definição de cultura ra local (p. ex., normas sociais) não é uma
leva à definição de norma. tarefa fácil, é algo que precisa ser vivido, e
Jackson (1966a) também considera não lido ou planejado. Uma pessoa pode re-
como requerimento para a definição de nor- latar conhecer e respeitar as normas de uma
ma social que esta seja considerada um con- certa cultura e, mesmo assim, nem sempre
ceito interacional ou suprapessoal, e não um conseguir agir de acordo com esse conheci-
conceito de ordem individual, tal como a ati- mento. Entretanto, quando é necessário agir
tude. Esse requerimento é necessário, pois a de acordo com ele, a tarefa se torna mais
norma – como qualquer atividade grupal or- plausível de ser realizada.
ganizada – requer um mínimo de consenso Uma outra maneira de entender as nor-
e um processo para alcançar a objetividade. mas sociais é por meio da conceitualização
Desse modo, o autor define normas sociais de Fishbein e Ajzen (1974; Ajzen e Fishbein,
como “a distribuição de prescrições pelos ou‑ 1980) de normas subjetivas. Apesar desses
tros, para a gama de comportamentos que os autores afirmarem que as normas subjetivas
atores podem realizar em uma determinada não são iguais às normas sociais, mas sim
situação”3 (Jackson, 1966a, p. 35). Desse uma pressão social percebida, esse constru-
modo, percebe­‑se que não é possível utilizar to é capaz de captar a influência das normas
a concepção de normas em um nível indi- na atitude que as pessoas mantêm com rela-
vidual de análise, sendo preferível o nível ção a um determinado comportamento e à
cultural ou grupal. realização do comportamento em si. Apesar
Sherif (1968, apud DeRidder, Schrui­ de a concepção de normas sociais ser mais
jer e Tripathi, 1992) define “grupo” co­mo adequada se considerada como um contí-
uma unidade social que consiste de um nú- nuo de comportamentos com as respectivas
mero de indivíduos que sanções e recompensas associadas a sua
realização (Jackson, 1966, 1975; Torres,
a) em um dado momento do tempo, têm 2009), podendo ser de natureza descritiva
papéis e relacionamentos com status e prescritiva (Hagger e Chatziarantis, 2005;
entre si, Fekadu e Kraft, 2002), a utilização desse
b) e que possui um conjunto de valores ou conceito pode trazer uma nova luz a ques-
normas (compartilhados) que regulam a tões associadas ao entendimento e à previ-
atitude e o comportamento dos membros são do comportamento humano.
individuais, pelo menos no que se refere Contudo, apesar de não serem o mes-
à consequência destes. mo construto, a semelhança entre as nor-
mas sociais e a norma subjetiva extrapola a
Atitudes, sentimentos, aspirações e ob- semelhança de nomes. Como a norma sub-
jetivos compartilhados que caracterizem as jetiva é relativa à realização de um único
identidades dos membros são relacionados comportamento, pode­‑se dizer que a nor-
a essas propriedades, especialmente às nor- ma social é constituída de diversas peque-
mas e aos valores comuns para o grupo. nas normas subjetivas. Diferentemente das
Quando se pretende estudar o com- normas sociais, a norma subjetiva assume
portamento humano, é importante obser- um aspecto muito mais prescritivo do que

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 107

Quadro 5.3
Componentes das normas sociais

E ae, vamos nessa?


O que faria com que pessoas “normais” saíssem do conforto de suas casas para correrem riscos e
muitas vezes serem submetidas a situações de desconforto? E ainda por cima pagando caro por isso?
Será que o praticante de turismo de aventura não pensa em nada disso quando planeja suas férias?
Um estudo realizado por Rodrigues (2007) pode fornecer algumas respostas a essas pergun‑
tas. Esse autor pesquisou os determinantes da intenção de se praticar turismo de aventura em
duas culturas distintas, mais especificamente, a brasileira e a norte­‑americana.
Em primeiro lugar, foi identificado que o praticante de turismo de aventura – nessas duas
culturas – está consciente desses aspectos e pensa quando está planejando suas férias. Em suma,
são crenças que fazem parte da atitude que eles possuem com relação a essa modalidade. Esse
fato não é novidade, sendo, inclusive, bastante óbvio. Pessoas com uma alta atitude podem dar
pouco valor a aspectos ditos negativos (p. ex., desconforto e insetos) ou valorizar aquilo que a
maioria das pessoas consideraria negativo (p. ex., perigo). Logo, a resposta àquelas perguntas
deve estar associada à atitude que mantemos com relação à realização do comportamento, já que
reflete a intensidade e a valência de avaliações afetivas que mantemos com relação aos compor‑
tamentos que realizamos.
Contudo, quando se analisou a relação da atitude com a intenção de praticar turismo de aven‑
tura na população brasileira, a correlação é, no máximo, desanimadora, diferentemente do que
acontece na amostra norte­‑americana, na qual a atitude pôde ser considerada como um dos de‑
terminantes da formação da intenção de se praticar essa modalidade de turismo.
Para os brasileiros, a melhor preditora de intenção foi justamente as normas subjetivas, so‑
bretudo o componente injuntivo das normas (versus o componente descritivo). Isso significa que,
tendo uma alta ou baixa atitude, para o brasileiro, a pressão social para realizar algo ou não é um
determinante muito mais forte do que a avaliação afetiva individual.
Resumindo, enquanto na população norte­‑americana as respostas àquelas perguntas no iní‑
cio deste texto estão mais ligadas a aspectos atitudinais, na população brasileira o mesmo não
é verdade. Para os brasileiros, a realização desse tipo de comportamento se deve muito mais a
aspectos normativos do que atitudinais.
Pesquisas como essa apontam para a necessidade de se analisar os determinantes da reali‑
zação dos comportamentos específicos em cada grupo cultural. A não realização desse fato pode
levar a erros de compreensão, tais como atribuir explicações atitudinais para a realização de um
comportamento como a escolha da modalidade de férias do brasileiro.

descritivo, uma vez que – como já colocado nhecido como norma injuntiva (Hagger e
– a norma subjetiva se refere à percepção Chatziarantis, 2005). Conforme menciona-
do indivíduo com relação à aprovação/re- do anteriormente, a norma não depende
provação de se realizar um comportamento, apenas de aspectos injuntivos, pois, como
ao passo que a norma social também serve apontado por Cialdini e Goldstein (2004) e
como um padrão de comparação para deci- Cialdini e Trost (1998), principalmente em
dir se algo é ou não adequado, ou perten- situações de ambiguidade, o indivíduo bus-
cente a um determinado grupo ou categoria ca realizar o comportamento mais realizado
(Prentice e Miller, 1996). (popular) com base na crença de que este
A operacionalização originalmente seria o comportamento mais socialmente
proposta por Fishbein e Ajzen (1974; Ajzen aceito. Esse fenômeno também é conheci-
e Fishbein, 1980) reflete principalmente do como heurística de maioria (Anderson,
o aspecto prescritivo da norma, mais co- 1996), ou norma descritiva.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

108 Torres, neiva & cols.

Devido a essa confusão sobre os di- por outras ciências sociais além da psicolo-
ferentes tipos de normas, a norma subjeti- gia, tais como a antropologia e a sociologia
va merece uma discussão mais profunda. (p. ex., Komarovsky, 1973). Contudo, neste
Inicialmente definida como a percepção da capítulo enfatizaremos como as normas po-
pressão percebida em realizar ou não um de- dem ser utilizadas para entendermos como
terminado comportamento (Fishbein e Ajzen, diferentes comportamentos se manifestam
1974), Cialdini e Trost (1998) acrescentam em diferentes culturas.
que são cognições compartilhadas que po- Para DeRidder, Schruijer a Tripathi
dem afetar o comportamento de um indiví- (1992), as normas devem ter uma impor-
duo, dependendo de características pessoais tância primária para a psicologia, pois, da
(isto é, automonitoramento, locus de contro- existência de normas sociais, provém a base
le), situacionais (Ehrhart e Naumann, 2004) para a comunicação intra e entre grupos.
e da cultura (Bomtempo e Rivero, 1992). Essa importância é ainda mais marcante
Entretanto, conforme apontado por em culturas como a brasileira, que tem as
outros autores (p. ex., Lapinsky e Rimal, normas sociais como um importante fator
2005; Fekadu e Kraft, 2002), o conceito, de determinação de pensamento e compor-
como pensado originalmente, não é capaz tamento, podendo, inclusive, ter uma influ-
de lidar com todos os aspectos da influência ência maior do que as atitudes (Rodrigues,
normativa. Ajzen (1991, 2002) afirma que 2007). Dentre os estudos que vêm utilizando
a norma subjetiva é o somatório do produto o conceito ou testando teorias psicológicas
entre a percepção das crenças mais salientes que utilizam o conceito de normas sociais,
da probabilidade de que um certo compor- pode­‑se destacar, por exemplo, a investiga-
tamento seja aprovado ou desaprovado por ção feita por Wellen, Hogg e Terry (1998)
uma pessoa ou grupo referente com a mo- sobre quais seriam os efeitos das normas
tivação que o indivíduo tem em se confor- sociais dos membros de um determinado
mar nesse referido comportamento. Apesar endo­grupo4 na relação entre a atitude e o
de essa definição ser realmente mais seme- comportamento. Esses autores encontraram
lhante à definição de normas injuntivas, que essa relação varia em função da saliên-
Ajzen (2002) considera que a norma sub- cia do pertencimento ao grupo. Seu objeti-
jetiva deva incluir os aspectos das normas vo era testar a teoria da Identidade Social
sociais propostos por Cialdini e colaborado- (Tajfel e Turner, 1978), e seus achados suge-
res (Cialdini e Goldstein, 2004; Cialdini e rem que as normas do endogrupo influen-
Trost, 1998; Cialdini et al., 1991; Reno et ciam a tomada de decisão, fazendo com que
al., 1993; Kalgreen et al., 2000), que suge- indivíduos que tenham o pertencimento ao
rem que estas são baseadas tanto no aspecto grupo como mais saliente tomem a decisão
injuntivo (isto é, o que deve ser feito) quan- com base mais em normas sociais do que os
to no aspecto descritivo (isto é, o que todos que têm um pertencimento menos saliente.
estão fazendo), sendo que pode haver uma A despeito de diversos estudos bem enco-
maior prevalência de uma sobre a outra. rajadores, que sugerem o uso de normas
sociais para o teste de teorias psicológicas
(isto é, Smith e Bond, 1999; Smith, Bond
Estudos sobre normas e Kagitçibasi, 2006), observa­‑se que diver-
sas teorias são desenvolvidas na parte “oci-
Normas sociais vêm sendo estudadas por ou- dental”5 do mundo (isto é, principalmente
tras disciplinas além da psicologia social. Por Estados Unidos e Europa), onde as pesqui-
exemplo, Monteil (1994) notou que o estu- sas apontam uma menor influência das nor-
do da aquisição e da construção das normas mas sociais. Em determinadas situações,
sociais é uma área de convergência entre a essa influência pode ser até bem marcante,
psicologia social e a do desenvolvimento. podendo obscurecer a influência de outros
Além do mais, normas vêm sendo estudadas construtos, tais como a atitude (Wallace,

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 109

Paulson, Lord e Bond Jr., 2005; Bomtempo, chosas, e o poder de cada norma é derivado
Lobel e Triandis, 1995). Contudo, poucos somente do valor que ela tem para aquela
modelos ou teorias são testados – ou desen- cultura na qual ela opera. Sanções como leis
volvidos – em outras culturas. Desse modo, surgem para manter tais normas. Os defen-
a norma social tende a não receber muita sores dessa perspectiva argumentam que o
atenção, mesmo em outras culturas. Para estabelecimento da norma vem do reforça-
Smith, Bond e Kagitçibasi (2006), essa li- mento e da punição dos comportamentos
mitação da psicologia social não ameaça que são repetidamente realizados no dia a
apenas a generalização de nossas teorias, dia (Cialdini e Trost, 1998). Entretanto, ela
mas também os estudos planejados para não explica o surgimento das normas que
testá­‑las, mesmo utilizando, ou não, o con- aparentemente são aleatórias, tais como o
ceito de normas sociais. Além disso, Walker vestiário. É uma norma social a utilização,
e Gibbins (1996) afirmam que o estudo de pela parte dos homens, de ternos e gravatas,
normas sociais é essencial para a psicologia. mesmo em países tropicais como o nosso,
Eles sugerem que esse construto pode ser e essa prática era comum mesmo em uma
mais importante do que outros construtos época em que não havia ar­‑condicionado.
relacionados às ciências sociais. Além do Em uma perspectiva funcional, as
mais, quando DeRidder e colaboradores normas se desenvolvem para encorajar ou
(1992) observaram que pouca atenção foi restringir comportamentos relacionados ao
dada para o conceito de normas sociais, desenvolvimento do grupo (Sherif, 1936
eles também notaram que poucos estudos apud Cialdini e Trost, 1998). Schaller e
relataram a importância das normas sociais Latané (1996) argumentam que sistemas
em diferentes culturas. Suh, Diener, Oishi e de crenças culturalmente compartilhados,
Triandis (1998), por exemplo, compararam tais como estereótipos e normas, se desen-
a importância da emoção versus normas no volvem de um modo muito similar à seleção
que se refere à satisfação com a vida entre natural: em que, por meio de processos de
61 países individualistas e coletivistas. Eles comunicações, indivíduos indicam padrões
encontraram que, em culturas coletivistas, de comportamentos que são efetivos, rele-
normas sociais e emoções são fortes pre- vantes e informativos, para determinadas
ditoras de satisfação, enquanto que, para situações. Normas bem­‑sucedidas seriam
países individualistas, as emoções foram adaptativas à “sobrevivência” nesses contex-
preditores muito mais fortes do que as nor- tos. Elas comunicam como adquirir status,
mas. Infelizmente, estudos que levam em se afiliar com outros, adquirir comida, etc.
consideração as normas sociais de culturas Para Gold (1997), as organizações
diferentes da norte­‑americana não são mui- ­sociais influenciam os indivíduos, por meio
to comuns na literatura de psicologia (ou do processo da socialização. A função da
outras ciências sociais). ­socialização seria a de implantar motivos
(isto é, razões pelas quais os indivíduos
mudariam suas ações) e recursos (isto é,
Construção das normas expectativas) apropriados para os indivídu-
os em seu ambiente social. A socialização é
Diferentes perspectivas argumentam como um conceito­‑chave quando se estuda a cons­
as normas sociais surgem nos sistemas so- trução de normas nas ciências sociais. Pode­
ciais de cada cultura. Todas fornecem expli- ‑se afirmar que a socialização é a matéria­
cações para o comportamento normativo, ‑prima para o aspecto regulatório de regras
sendo que a maior diferença está no tipo de e papéis, e a conformidade para com as
comportamento que é suscetível às pressões normas é o aspecto central do processo de
normativas arbitrárias. socialização. A construção de normas so-
Em uma perspectiva societal, as nor- ciais é uma operação inerente ao processo
mas são culturalmente específicas e capri- de socialização.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

110 Torres, neiva & cols.

Um dos modos pelos quais grupos e exemplo, o interesse em pertencer/perma-


pessoas constroem suas normas é por meio necer no grupo faz com que eles se compor-
da observação do comportamento de ou- tem de maneiras muitas vezes diferente do
tros que pertencem à mesma categoria so- que todos no grupo acreditam. Isso ilustra o
cial com a qual estes se identificam – ou quanto, não apenas as normas sociais, mas a
gostariam de pertencer –, realizando um percepção das normas comportamentais dos
certo discernimento com relação as conse- outros e de grupos relevantes, é igualmente
quências reforçadoras de se comportar ou importante, pois o modo como as pessoas
não de acordo com o esperado (Prentice e pensam sobre os outros é um processo im-
Miller, 1996; Cialdini e Trost, 1998; Gold, portante da construção da norma. Torres
1997). Deste modo, Gold (1997) coloca que (2009) defende que, uma vez que o concei-
a conformidade depende, em grande par- to de cultura se refere – também – ao modo
te, da aprovação social, esteja ela presente como as pessoas “vêm” o mundo, ou à per-
ou seja ela apenas imaginária. Cialdini e cepção compartilhada da realidade, pessoas
Goldstein (2004) e Cialdini e Trost (1998) do mesmo grupo cultural podem não endos-
destrincham a necessidade de aprovação sar as mesmas normas sociais, mas prova-
social e defendem que a conformidade às velmente percebem e entendem o compor-
normas sociais obedeceria a três motivações tamento dos outros de modo similar.
diferentes. A primeira seria o interesse em A terceira motivação seria a de manter
acertar, em realizar o comportamento cor- um autoconceito positivo. Muitas vezes as
reto. Geralmente essa motivação ocorre em pessoas precisam manter certas caracterís-
indivíduos em situações de ambiguidade, ticas para poder construir socialmente sua
mas com interesse em emitir o comporta- autoimagem (isto é, “macho”, advogado,
mento mais adequado. Nessa situação, eles adulto). Arndt e colaboradores (2002) rea­
seguiriam o comportamento realizado (o lizaram um estudo indicando que pessoas
que acreditam ser realizado) pela maioria. com a autoestima mais instável e mais fo-
Staub (1972) observou que, em situações de cada em atributos extrínsecos tendem a
emergência, não apenas as expectativas nor- se conformar mais à opinião da maioria e,
mativas, mas também a percepção de como muitas vezes, chegam a se desvalorizar para
as outras pessoas entendem a aplicação da se adequarem à norma. O ser humano em-
norma naquela situação específica, parecem prega uma grande variedade de estratégias
afetar fortemente o comportamento dos en- para se proteger, como, por exemplo, o falso
volvidos. consenso, que é uma maneira de proteger
Outra motivação seria a de construir o self (Berkowitz, 2004). Prentice e Miller
e manter relações sociais. Em situações em (1996) afirmam também que existem situ-
que os indivíduos buscam pertencer a um ações em que o indivíduo diminui as rea-
novo grupo, ou permanecer em seus gru- lizações de um objeto de comparação para
pos, eles buscam padrões compartilhados poder manter sua autoestima.
de comportamento. Esses padrões são mui- Nessa divisão da necessidade de apro-
tas vezes transmitidos oralmente, mas tam- vação social – como outros conceitos na psi-
bém por meio da observação e inferência cologia e nas ciências sociais –, é esperada
dos comportamentos dos outros membros uma elevada covariância. Contudo, a divi-
dos grupos. Como exemplo, podemos citar são não é meramente um recurso didático,
Buffalo e Rodgers (1971), que observaram apresentando uma considerável validade
que o comportamento de delinquentes ju- empírica (Cialdini e Trost, 1998; Cialdini
venis é contra suas próprias normas morais e Goldstein, 2002). É obvio – e esperado –
(que seriam surpreendentemente social- que todas essas motivações estejam presen-
mente aceitáveis e desejáveis) e se compor- tes na situação real em que o comportamen-
tam com base em sua percepção de quais to ocorre. Muitas vezes é possível inclusive
seriam as normas de seus colegas. Nesse o conflito dessas motivações (isto é, acertar

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 111

versus pertencer), pois muitas vezes o am- de pensamentos, emoções e comportamen-


biente pode suportar motivações opostas. tos de outros em seu ambiente. Prentice e
Nessas situações, o comportamento baseado Miller (1996), propõem que os indivíduos,
em normas é baseado em diferentes pistas quando constroem normas sociais, levam
situacionais que ativam diferentes tipos de em consideração as causas de seus próprios
normas (Cialdini et al, 1991). comportamentos quando analisam o quanto
Staub (1972) afirma que toda situação o comportamento dos outros reflete as es-
tem uma multiplicidade de normas gerais e colhas que estes fazem. Além deste aspecto
de pistas situacionais que podem acionar os inferencial da construção das normas, esses
comportamentos apropriados. Esse ponto autores observaram que, durante seu estabe-
de vista é defendido também por Cialdini e lecimento, estas podem às vezes ser formal-
colaboradores (Cialdini et al., 1991; Reno mente codificadas. Contudo, é mais comum
et al., 1993; Kalgreen et al., 2000) em uma que sua comunicação e reforçamento ocor-
série de estudos de campo envolvendo jogar ra de modo menos explícito. Por exemplo,
lixo no chão. Sua hipótese central era a de Gold (1997) argumenta que a linguagem é
que a norma (não importa o tipo) não iria adquirida e mantida substancialmente pelos
afetar o comportamento, a não ser que ela mesmos processos que as normas sociais.
fosse feita saliente na situação, ou seja, ela Indivíduos são socializados a agir de acordo
seria dependente da ativação no ambien- com seu grupo linguístico, e o reforçamen-
te. Esses pesquisadores encontraram que, to de seu grupo social é frequentemente um
tornando a norma injuntiva saliente (por processo sutil (Hall, 1973).
meio da manipulação de placas e cartazes), Feldman (1991) sugere quatro dife-
a quantidade de lixo jogada no chão dimi- rentes maneiras para a construção das nor-
nuiu, não importando a quantidade de lixo mas. Para esse autor, elas podem ser desen-
no ambiente. Entretanto, tornando a norma volvidas:
descritiva mais saliente (por meio da mani-
pulação da quantidade de lixo no ambien- a) por um líder de um grupo social, para
te), só conseguiram diminuir a ocorrência garantir a sobrevivência do grupo;
desse comportamento em ambientes limpos b) por um acontecimento crítico na história
quando um assistente de pesquisa jogava do grupo, clarificando quais compor-
lixo no chão, pois, em situações em que o tamentos seriam consistentes com os
ambiente estava sujo, jogar lixo no chão valores do grupo;
aumentava a quantidade de lixo jogado no c) pelos primeiros comportamentos exibidos
chão, o que não chamava atenção (e, logo, no grupo, indicando rotina;
não tornava a norma saliente). Esses autores d) e por comportamentos que já ocorriam
também observaram que a ativação das nor- antes da formação do grupo, mas que
mas tinha um certo caráter transituacional, são considerados como padrões de um
pois a norma ativada em um cenário conti- determinado tipo de indivíduo (isto é,
nuava efetiva em um outro. Esses dados são auto­categorização).
semelhantes aos encontrados por Solomon
Ash (1991 apud Cialdini e Goldstein, 2004; Existe uma considerável concordância
Bond e Smith, 1996) em seus estudos sobre na literatura no que concerne ao período da
conformidade. vida em que as principais normas sociais de
É importante ressaltar que compor- uma cultura são construídas. Wardle (1992)
tamentos como a contrução e o estabeleci- propôs um modelo para explicar o desen­
mento de normas só podem acontecer pelo volvimento de uma identidade birracial
encontro de duas ou mais pessoas (Gold, saudável entre crianças. De acordo com seu
1997). Para a contrução de normas, Miller modelo, o desenvolvimento das normas so-
e Prentice (1996) notaram que os indiví- ciais e valores ocorria no “Estágio 1” de seu
duos começam com alguma representação modelo, que compreende as idades de 3 a

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

112 Torres, neiva & cols.

7 anos. De mesma forma, Pataki e Painter uma cultura pode ser observada. Esse autor
(1994) notaram que a construção de nor- nota que uma forte definição de cultura é
mas sociais para a amizade e o pertenci- aquela que tem aspectos normativos para
mento ocorre quando a criança está na 3a os diferentes papéis, e que implica em uma
série, com idades entre 7 e 8 anos. Esses e condição na qual “todos devem” (p. 123),
outros estudos aparentemente indicam que significando que a definição de normas seria
as normas e valores que são moldados e en- intrínsica à definição de cultura.
dossados nessa primeira infância tendem Rohner (1984 apud Smith e Bond,
a acompanhar os indivíduos pelo resto de 1999) propõe que não devemos distinguir
suas vidas. Desse modo, normas relativas a entre os conceitos de cultura e sistema so-
diferentes comportamentos podem vir a ser cial. Ele define um sistema social em termos
desenvolvidas também nos primeiros rela- de “os comportamentos de diversos indiví-
cionamentos das crianças com seus pais. É duos dentro de uma população culturalmen-
importante citar que o desenvolvimento de te organizada, incluindo seus padrões de in-
normas sociais só ocorre em um determi- terações social e redes de relacio­namentos
nado contexto cultural. Como mencionado sociais” (p. 127). Como discutido anterior-
anteriormente, um indivíduo sozinho não mente, a maioria das definições de cultura
pode construir uma norma. Ele (ou ela) se baseia na análise dos compor­tamentos
precisa de contato com outros indivíduos, e ações de seus membros. Uma vez que a
precisa saber (ou imaginar) quais são as ex- definição de normas se refere a quais com-
pectativas do outro naquela situação espe- portamentos “devem” ser feitos em uma si-
cífica e precisa perceber como este entende tuação, pode­‑se entender com clareza como
como as normas se aplicam nessa situação as normas sociais estão claramente inseri-
específica. das na definição de cultura. Deste modo,
É importante ressaltar que a norma­ estudando­‑se o mesmo sistema social, em
é um construto com uma essência pre- diferentes culturas, podermos inferir como
dominantemente regulatória na realiza- as diferentes culturas entendem esses com-
ção de dife­rentes comportamentos. In­de­ portamentos, e o que significa o comporta-
pendentemente do modo como é construí- mento ideal em cada cultura.
da, sua formação sempre vai depender de Em culturas diferentes, Smith e Bond
uma considerável da influência da cultura (1999) observaram que indivíduos (de dois
no desenvolvimento da cultura no grupo países diferentes) podem desempenhar
(Triandis, 1994). papéis sociais idênticos em suas culturas.
Entretanto, eles frequentemente têm dife-
rentes históricos em cada grupo de culturas,
Normas versus cultura o que irá afetar o modo como eles desem-
penham seus papéis em cada cultura. Desse
Diversos autores (p. ex., Gold, 1997; modo, o mesmo papel pode ser definido de
Bomtempo e Rivera, 1992; Wallace et al., modo similar em cada cultura, mas as nor-
2005; Triandis e Suh, 2002) consideram que mas que guiam o comportamento dos atores
há uma relação entre normas sociais e cul- sociais podem ser diferentes. Por exemplo,
tura. Vários autores consideram que a defi- dois indivíduos podem ter exatamente o mes-
nição de cultura inclui a noção de crenças mo cargo (p. ex., analista de produção) com
e normas compartilhadas (Lehman, Chiu as mesmas atribuições (isto é, mesma descri-
e Schaller, 2004; Wan, Chiu, Peng e Tam, ção de cargo) em duas culturas, mas Payett e
2007; Smith, Bond e Kagitçibasi, 2006). Morris (1995) observaram que o modo como
Gold (1997) afirma que, quando indivíduos esses indivíduos executam suas tarefas está
compartilham as mesmas crenças e possuem atrelado à cultura. É necessário estudar os
uma “consciência de consenso” (p. 120), diferentes contextos culturais desses indiví-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 113

dios para poder entender o que cada norma ao escolherem como se comportar em uma
social implica em cada contexto. dada situação. Essa hipótese vem encontran-
Smith e Bond (1999) consideram, do algumas evidências de sua validação (p.
ainda, que o conceito de cultura é muito ex., Smith et al., 1998). Então, por exem-
abrangente para o uso científico. Cultura é plo, seria plausível considerar que o protó-
um conceito capaz de lidar com uma grande tipo de um líder em uma cultura coletivista
gama de variação do comportamento e pen- seria aquele que dá maior valor para suas
samento humano. No entanto, qual aspecto normas sociais. Por outro lado, um líder em
da cultura é responsável pela variação em uma cultura individualista poderá ser mais
uma parte específica do comportamento hu- bem identificado como aquele que fornece o
mano? Afirmar que qualquer diferença entre que está faltando para a realização de tare-
dois grupos específicos é devido à cultura é fas, ou de funções relacionadas com relacio-
de pouca utilidade prática e científica, pois, namentos. Também podemos observar que
ao final, não se sabe o que realmente cau- as normas podem ser usadas para explicar
sou a diferença (Smith, Bond e Kagitçibasi, e justificar o ponto de vista da organização
2006; Dimaggio, 1997). como superior, para reafirmar o direito da
Além disso, considerando que a cultura administração definir qual é o ponto de vis-
só pode ser medida indiretamente, por meio ta que irá prevalecer em uma dada situação
das crenças, valores e normas compartilha- (Izraeli e Jick, 1986).
das que a constitui (entre outros construtos), A relação entre seres humanos e as
e que existe uma considerável dificuldade dimensões culturais é uma via de “mão
em mensurar (indiretamente) essas crenças, dupla”, na qual os indivíduos e o ambien-
valores e normas em sua completude, uma te moldam um ao outro. Hall (1969) afir-
solução para o estudo de culturas pode ser ma que pes­soas influenciam a norma de
da escolha de um dos componentes, como seu grupo cultural e são influenciadas por
a norma. O uso do conceito de norma pode ela. Ele também propõe que as normas, de
nos ajudar a especificar os estudos de cul- modo similar às leis (isto é, uma forma de
tura. Uma outra vantagem é que se trata de norma mais estruturada), são essenciais
um conceito que é diretamente relacionado para a sobrevivência de uma cultura e para
a um comportamento observável. a manutenção das pes­soas em uma cultura.
Leis e normas podem ser criadas por várias
razões. Como observado pelos autores, des-
Normas e dimensões culturais de os tempos do Código de Hamurabi (1700
a.e.c.),6 existe “a necessidade de reforçar leis
Revisando os estudos relativos à noção de que substituam os costumes tribais” (Hall,
self, Smith, Bond e Kagitçibasi (2006) en- 1969, p. 167). Desse modo, pode­‑se notar
contraram que estudos realizados em cultu- que as normas sociais sempre fizeram parte
ras mais coletivistas apresentam resultados de qualquer grupo social, podendo ser de-
diferentes daqueles realizados em culturas monstradas por suas dimensões culturais.
mais individualistas. Participantes de cultu- Quando indivíduos de diferentes cul-
ras mais coletivistas (p. ex., Brasil) tendem turas entram em contato, eles vivenciam as
a perceber os outros e a si mesmos em ter- diferentes normas que se aplicam a cada um.
mos mais situacionais. Uma vez que as nor- Contudo, diversas dificuldades podem ocor-
mas se relacionam com o comportamento rer, levando ao fracasso na leitura correta da
apropriado para uma situação específica, e norma que se aplica a cada um. Gerando di-
que indivíduos de uma cultura mais coleti- versos mal­‑entendidos. Contudo, quando o
vista tendem a perceber a si nos termos da contato passa a ocorrer com maior frequên­
situação, então há uma considerável chance cia, elas passam a compreender melhor o
deles se apoiarem mais em normas sociais comportamento do outro (Hall, 1969).

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

114 Torres, neiva & cols.

Desviando das normas plo, embora todas as culturas reconheçam


o conceito de equidade, esta norma não é
Um grupo social pode reforçar normas por igualmente relevante em todas as culturas.
diferentes motivos. Estes podem ser meca- Replicando estudos clássicos de psicologia
nismos para aumentar a predição dos com- social no Brasil, Rodrigues (1992) encon-
portamentos de seus membros, uma forma trou que a teoria de equidade tem algumas
de expressar os valores do grupo (para jus- limitações nesse país. No Brasil, o compor-
tificar as atividades do grupo para os mem- tamento em si é reconhecido, não o produ-
bros), ou mesmo uma forma de especificar to ou o resultado do comportamento. Os
as fronteiras do grupo, facilitando sua so- brasileiros tendem a dar mais valor para
brevivência (Feldman, 1991). os comportamentos envolvidos na tarefa
DeRidder, Schruijer e Tripathi (1992) do que ao processo envolvidos na execução
forneceram um quadro integrativo para en- da mesma, e a atribuir um menor valor ao
tender a relação entre grupos étnicos em produto final obtido pela tarefa. Essa prefe-
uma sociedade e entre grupos em organiza- rência parece ser consistente com a suges-
ções que precisam coexistir por longo perío- tão de que as pessoas em países coletivistas
do de tempo: a Teoria de Violação da Norma. tentam distribuir os recursos de modo que
Essa abordagem é baseada na observação de a solidariedade endogrupo possa ser manti-
que, através dos anos, cada grupo existente da, e tendem a distribuir as recompensas de
desenvolve normas implícitas e/ou explícitas modo que seja justo para todos os membros
que estipulam como seus membros devem dos endogrupos (Triandis, 1994). Por outro
agir e reagir frente a membros dos outros lado, Hall (1969) sugere que normalmen-
grupos. Membros de cada grupos conhecem te “norte­‑americanos (sic) aparentemente
essas normas. Geralmente, os membros dos dirigem sua atenção mais diretamente ao
grupos assumem tacitamente que as normas conteúdo do que à estrutura e à forma” (p.
são respeitadas. Desse modo, a violação de 183). É interessante notar que essas normas
uma norma por um membro de um grupo é se tornam muito mais claras quando os indi-
considerada como um potente fator ativador víduos se desviam delas (Derider, Schruijer
de um negativo comportamento intergrupal. e Tripathi, 1992). Desse modo, no exemplo
A severidade das sanções do grupo é anterior, os brasileiros podem se tornar mais
uma função do grau de desvio e da relevân- conscientes do valor que dão ao comporta-
cia da norma (Triandis, 1994). As culturas mento quando interagem com alguém que
aparentemente diferem na extensão em que não é da mesma cultura, e que dá mais va-
uma norma em particular é considerada lor ao produto da tarefa, violando a norma
relevante para seus membros. Por exem- brasileira.

Quadro 5.4
Diferenciação das normas entre culturas

Então, como vai a família?


As normas tendem a ser diferentes nas diversas culturas. Por exemplo, Archer e Fitch (1994) obser‑
varam que, em diversas organizações norte­‑americanas, a norma é falar muito pouco sobre a família
de alguém, pois tal exposição implica em obscurecer uma importante linha entre o que é público
ou privado na vida das pessoas, ou mesmo privilegiar a família em detrimento do trabalho. Já em
organizações latino­‑americanas, pode ser considerado não educado não perguntar sobre a família
de alguém.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 115

Quadro 5.5
Normas e aprendizagem de linguagens

O que você quer dizer com isso?!?


Aprender uma outra língua é importante para fazer negócios em uma outra cultura. Mas, como
observado por diversos autores (p. ex., Hall, 1969; Pinker, 2007), linguagem é mais do que apenas
um meio para expressar pensamentos. De fato, ela é um grande elemento na formação do pen‑
samento. Todavia, para o entendimento ocorrer, mais importante do que a linguagem em si é a
atenção para as normas e crenças que a cultura mantém com relação à linguagem (Archer e Fitch,
1994). Duas diferentes culturas (e talvez até subculturas) têm diferentes linguagens. Os indivíduos
dessas culturas habitam diferentes mundos sensoriais (Hall, 1969; Best, 1992). Por isso, elas irão
filtrar o mundo de modos diferentes, levando a diferentes percepções (e diferentes experiências)
da mesma situação. Essas diferenças podem resultar na ativação de diferentes normas, que enfa‑
tizarão aspectos diferentes do comportamento social.

Quadro 5.6
Normas sociais e características culturais

Amor de mãe é sagrado?


Mãe é aquela pessoa que cuida de nós desde o ventre, e, por isso, se cria com ela um vínculo
“místico e mágico”, que faz com que todas as ações que esta toma com relação aos filhos seja
sempre um ato de amor geralmente proposital. Contudo, uma mãe é uma pessoa como qualquer
outra. E por isso é capaz de fazer tudo o que pessoas são capazes de fazer. Diversos autores, das
mais diversas áreas (p. ex., Walzer, 1996; Chase; Rogers, 2001) vêm indicando que a maternidade
é socialmente construída, e que não há nenhuma outra base para explicar o comportamento que
não estruturas sociais. Desse ponto de vista, a maternidade é um sistema social, com todas as im‑
plicações que isso traz no que se refere a diferentes culturas. Logo, o “amor” de uma mãe de uma
cultura não é maior ou menor, nem melhor ou pior. O próprio amor é um sistema social, regulado
por diferentes normas em cada cultura.
Entretanto, como todo sistema governado por normas, este está sujeito a pessoas que fogem
à realização dos comportamentos tidos como aceitáveis. Isso significa que, dar à luz não é sufi‑
ciente para ter “amor de mãe”, o que é uma escolha (que pode ou não ser realizada), moldada
socialmente, regulada por normas sociais.

Normas sociais e posição ou situação, o que faz com que seu


o conceito de situação comportamento se torne independente do
comportamento de outras pessoas? Como
Normas podem ser entendidas nos termos as normas se tornam recíprocas? Jackson
de o que uma pessoa supostamente deve fa- (1966a) sinaliza que a falta de possibilida-
zer em uma determinada situação por causa des dedutivas dificulta o estudo sobre re-
de sua posição/status social. Se as normas gras, normas e papéis. Para esse autor, na
são definidas como o comportamento ide- psicologia social, fala­‑se sobre “conceitos­
al de um indivíduo, determinado por sua ‑ideias”, como self, grupo e norma social,

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

116 Torres, neiva & cols.

mas nos dirigimos a conceitos qualitativos, possível observar se a norma compartilha


tais como envolvimento de ego, integração alguma característica que está presente na
de ego ou características da regulamentação contingência, ou outras teorias situacionais.
normativa. Desse modo, Jackson (1944a, A condição “se... então...”. “Se” ou “quan-
1966b, 1975) propôs um modelo para des- do” uma situação ocorre, “então” um com-
crever e discutir a norma como um “conceito portamento específico precisa ocorrer para
ideia”, em outras palavras, um modelo que ocorrer a aceitação (ou não punição) pelo
fornecesse uma mensuração quantitativa e grupo. O componente “se” dessa condição
descritiva da norma. foi nomeado por Jackson (1966a) como
O Modelo de Retorno Potencial (MRP)7 contexto situacional. Podemos entender
proposto por Jackson (1966a, 1966b, 1975) esse conceito como um componente da nor-
representa uma ferramenta importante para ma, que seria – talvez – a menor unidade
a mensuração de normas sociais. O modelo de cultura que é viável analisar. Dessa for-
fornece uma definição operacional de nor- ma, o conceito contextual é importante não
mas sociais nos termos de um relativo grau apenas por ­fornecer as bases para identifi-
de aprovação ou preferência que as pessoas car unidades que podem ser “manuseadas”,
têm para uma determinada gama de com- mas esse contexto situacional pode auxiliar
portamentos (ou presença de objetos). O no aprendizado de novas culturas, indican-
MRP foi utilizado para mensurar normas so- do o que se pode ou não realizar nessa cul-
bre diversos tipos de comportamentos, tais tura. Cabe notar aqui que a diferença entre
como: comportamentos agressivos (Henry, contexto situacional e sistema social é que o
Cartland, Ruchross e Monahan, 2004), o ato segundo ocorre no primeiro, e no contexto
de jogar lixo no chão (Heywood e Murdock, que estão as pistas situacionais que indicam
2004), comportamentos pró­‑sociais gerais se o sistema é ou não plausível de ocorrer
(Labovitz e Hagedorn, 1973) e o comporta- naquele contexto social, sendo as normas
mento de liderança (Torres, 2009; Nogueira, sociais que indicam quais serão as recom-
Torres e Guimarães, 2001). pensas e punições associadas à realização
Identificando um conjunto de compor- de cada comportamento.
tamentos que são preferidos por um grupo Para Hall (1977), os contextos situa-
em uma situação particular (isto é, compor- cionais são os blocos de construção tanto
tamentos que são mais “aprovados” em uma de vidas individuais quanto de instituições.
situação), podemos identificar qual com- Para Hall, esse conceito é uma função
portamento é considerado “ideal” por esse
grupo. Se analisarmos simultaneamente o a) do indivíduo,
padrão cultural do grupo enquanto mensu- b) de sua construção psíquica e
rando as normas com relação à realização c) de instituições que vão desde o casamen-
do comportamento que estamos interessa- to até grandes corporações e cultura,
dos, então torna­‑se possível notar se exis- que fornece o significado para as duas
te uma relação entre o padrão cultura e a anteriores.
variável de interesse. Esse modelo e seus
pressupostos são mais bem detalhados mais Pode­‑se afirmar que o problema na
adiante. construção de contextos situacionais é de-
terminar quais são os comportamentos sig-
nificantes que devem ser incluídos.
Contexto situacional
O conceito de contexto situacional é extre- Construção de contextos situacionais
mamente importante para qualquer opera-
cionalização de medidas de normas sociais. Para a criação de um contexto situacional,
Esse cuidado teórico metodológico torna pode­‑se começar com um período de obser-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 117

vações de campo e entrevistas. Com isso, é do para a mensuração da pressão social do


possível se obter uma considerável gama de que a realização de um comportamento em
informação a respeito das atividades, das re- um determinado contexto situacional, que
lações e dos valores dos membros de cada sis- muitas vezes é confundido com normas so-
tema social. Um conjunto extenso de itens é ciais.
então construído, cada um a respeito de uma
dimensão do comportamento e da situação.
Todavia, Jackson (1944a, 1966b) coloca que, Mensurando normas sociais
nesse método, o ponto de corte de inclusão
ou exclusão de um item é tão arbitrário que O modelo de retorno potencial
diferentes investigadores podem fornecer di-
ferentes medidas da mesma norma. O Modelo de Retorno Potencial (MRP) tem
Por outro lado, para construir um con- como objetivo explicar, medir e descrever as
texto situacional, pode­‑se começar com um normas graficamente por meio da impres-
tipo ideal ou modelo de um sistema social. são da aprovação pelos membros de um
Após a seleção desse modelo, constroem­‑se grupo com relação a um continuum de com-
dimensões de comportamentos que poderiam portamentos. Jackson (1966b) notou que as
ser executados pelos indivíduos (Jackson, sociedades gastam muito tempo treinando
1966). Por exemplo, aqueles comportamen- seus membros no que eles devem fazer em
tos que podem se referir ao modo como ges- várias situações hipotéticas. Esse “treina-
tores tomam uma decisão a respeito de um mento” social tem implicações – tais como
problema organizacional. Nesse exemplo, a aprovação por obediência e reprovação por
decisão pode ser feita desde um modo auto- não obediência. O MRP desenha uma cur-
crático, baseado apenas em sua opinião, até va que demonstra o grau de aprovação e de
um modo participativo, com as colaborações reprovação de uma gama de comportamen-
dos subordinados. Quando todos os compor- tos em uma situação específica. Note que o
tamentos que um gestor poderia tomar (para modelo não descreve uma norma para cada
esse exemplo, ações que refletem a tomada comportamento na situação. Em vez disso,
de decisão e resolução de problemas, basea- o modelo descreve o modo normativo de se
da em uma teoria sobre estilos de liderança), comportar em uma determinada situação,
então uma dimensão comportamental pode por meio da análise da aprovação para um
ser construída para a tomada de decisão de continuum de comportamentos. Esse con‑
liderança (Torres, 2009). tinuum de comportamentos relacionados
Como notado por Jackson (1966b), com a norma precisa ter uma quantidade de
quando o objetivo da pesquisa é explicar alternativas, com pelo menos uma que seja
uma dimensão particular de uma estrutura mais aprovada/desejável do que as outras.
social, a dimensão comportamental pode Jackson (1966) sugere que o MRP
ser padronizada em uma situação hipotética apresente a definição de normas nos termos
diferente, que pode ser usada em cada item da distribuição da aprovação e reprovação
do questionário. Por outro lado, quando o potencial que um indivíduo pode receber
propósito do estudo é investigar um papel por outros (membros de um grupo social
particular em sua plenitude, ou um papel es- relevante) dentro das diversas alternativas
pecífico em uma estrutura social ou cultura, que um ator pode se comportar dentre de
então cada item pode utilizar uma dimen- um continuum sob condições específicas,
são comportamental diferente, de modo que ou seja, em uma situação definida. Nesse
a definição da situação se torna explícita. modelo, normas são vistas como a unidade
A seguir dois diferentes modelos de componente de um papel social. Definição
mensuração de normas serão abordados. O coerente com o trabalho de Gold (1997) no
primeiro é um modelo de mensuração de qual a noção de normas são constituídas de
normas sociais. O segundo é mais apropria- regras/papéis sociais.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

118 Torres, neiva & cols.

Quadro 5.7
Normas sociais e comportamento humano

Meu chefe é um anormal!


Fala­‑se muito de liderança. Atual­
mente, é um dos temas mais po‑
pulares nos cursos e congressos
que envolvam gestão. Cultua­‑se
autores e livros que foram publi‑
cados em outros países, pois eles
“deram certo” nessas culturas e
ajudaram diversos gestores a tor‑
nar sua equipe de trabalho mais
eficiente, gerando diversos casos
de sucesso.
Mas o quanto esses casos de
sucesso se aplicam ao Brasil?

O gráfico acima (Torres e


Ferdman, 1999) mostra o quan‑
to que os brasileiros consideram
normal diversos tipos de estilos
de liderança, classificados em um
contínuo entre autocrático e par‑
ticipativo, em comparação com
como os norte­‑americanos ava‑
liam os mesmos estilos.
Os resultados indicam que o
estilo que é considerado mais acei‑
tável entre os norte­‑americanos
não é considerado sequer aceitável
no Brasil, e vice­‑versa. Daí surge o
risco de se tentar implantar mode‑
los de sucesso em outras culturas.
A mera “cópia” sem uma pré‑
via adaptação do modelo para nossas práticas culturais pode sofrer sanções por parte dos cola‑
boradores com os quais o modelo irá ser aplicado.
No gráfico acima, o mesmo estudo foi replicado por Torres, Minghetti, Vasconcelos e Brasileiro
(2000), mas utilizando apenas a amostra nacional. Nota­‑se o efeito da diversidade cultural do bra‑
sileiro e, como consequência significa que um determinado estilo de gestão que “funcionou” em
uma região específica pode não ser adequada em outra, chamando a atenção para a importância
de se levar a cultura em consideração, mesmo em regiões do Brasil.

Curva de retorno potencial representada ao longo da coordenada (eixo


Y). A dimensão de retorno potencial se re-
O modelo pode ser visto como tendo duas fere à aprovação ou reprovação dos com-
dimensões ortogonais: a dimensão compor- portamentos pelos respondentes. A outra
tamental posicionada ao longo da abscissa dimensão é relativa ao comportamento (ou
(eixo X); e a dimensão do retorno potencial variabilidade de comportamentos) que pode

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 119

ocorrer em uma dada situação. Por exem- dimensão comportamental. Um exemplo de


plo, quando exposto a um problema que uma representação de norma pode ser visto
requer uma decisão (isto é, uma situação), na Figura 5.1.
um indivíduo pode tomar a decisão sozinho; O modelo assume que o que é signi-
consultando algumas pessoas específicas; ou ficante na regulamentação do comporta-
com a participação geral de outras pessoas. mento das pessoas é o nível da tendência
O comportamento da pessoa nessa situação, das respostas dos membros de um sistema.
ou o modo como a pessoa toma a decisão, Desse modo, ele pode ser utilizado para
pode ou não ser aprovado por outros mem- descrever qualquer situação na qual uma
bros de seu grupo social em diferentes mag- norma social serve para governar o compor-
nitudes. Uma curva de retorno potencial tamento dos membros de um grupo (Porter,
pode ser desenhada para ilustrar uma distri- Lawler e Kackman, 1975).
buição hipotética da aprovação­‑reprovação
(ou retorno – para utilizar o vocabulário do
autor do modelo) que os membros de um
grupo em particular podem fornecer para a
Índices e propriedades do
realização de um comportamento específico modelo de retorno potencial
em uma situação definida. A curva marca
a quantidade de aprovação que cada di- Jackson identificou algumas propriedades
mensão comportamental pode receber com do MRP, que podem ajudar a explicar as ca-
a realização do ato específico, descrito na racterísticas de uma norma. É importante

Figura 5.1
Curva de retorno potencial e suas medidas.
Nota: Diagrama esquemático mostrando a representação da norma no MRP. A curva (que é a curva
de retorno potencial) mostra a distribuição de aprovação­‑reprovação entre os membros de um sistema
social com relação a uma gama de comportamentos. Note que cada ponto na curva representa a média
das respostas dos membros do grupo. (adaptado de Jackson, 1966a).

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

120 Torres, neiva & cols.

ressaltar que as médias da distribuição de cepção da performance de um determi-


respostas dos membros de um grupo são nado comportamento em uma situação
utilizadas para desenhar a curva de retorno particular. A intensidade indica o quanto
potencial As respostas individuais ou o grau que o continuum de comportamentos é
de aprovação ou reprovação dadas por um importante para o grupo. Para Jackson
indivíduo são agregadas para representar as (1966a), a intensidade pode ser utiliza-
respostas de um dado grupo ao qual os indi- da para medir a importância da norma.
víduos pertencem. Uma medida de intensidade é obtida do
A seguir seguem essas propriedades: modelo, calculando a “média absoluta”
de todas as expectativas (tanto acima
• Ponto de retorno máximo – É o ponto mais quanto abaixo da abscissa) para todas
alto da curva. Representa o comporta- as posições da dimensão comportamen-
mento ideal prescrito pelos membros do tal (Jackson, 1966a). Deste modo, o
sistema social. Ou seja, é o ponto onde os intervalo que vai do ponto de retorno
membros irão fornecer o maior grau de máximo até o ponto de reprovação
aprovação. No senso comum, esse ponto máxima reflete a intensidade da norma.
geralmente recebe o termo de “norma”. Esse índice representa a força das ex-
A variância no ponto de máximo retorno pectativas para cada comportamento, a
fornece um índice de integração interna despeito da norma ser ou não aprovada
da parte da norma que pode regular as (Jackson, 1966a). Em outras palavras, a
relações de autoridade. intensidade representa a percepção dos
• Gama de comportamentos tolerados – respondentes a respeito do quão forte o
Como mencionado anteriormente, a grupo irá aprovar ou reprovar o conti‑
norma é mais do que um simples valor nuum de comportamentos.
de comportamento, é uma gama de ações • Cristalização – Este índice se refere à
possíveis. Nesse modelo, a gama de com- quantidade de concordância (ou con-
portamentos tolerados é o segmento da senso) que envolve a norma. Pode ser
dimensão comportamental que é apro- definido como a discrepância entre as
vada pelos membros do sistema social. expectativas entre todos os pares de pes-
Ou seja, esse índice é representado pelos soas em um sistema social, ou qualquer
comportamentos que aparecem acima da outro subconjunto (Jackson, 1966a).
abscissa. Esses comportamentos devem Ele é calculado por meio da variância
ser ordenados de modo a descrever um de cada ponto na escala de aprovação
continuum de alguma qualidade (isto é, e reprovação para o continuum de com-
critério) antes de serem representados portamento. Quanto menor a variação de
na abscissa. Por exemplo, os comporta- todos os pontos, mais clara é a descrição
mentos podem ser organizados em um da norma. O consenso é frequentemente
continuum que vá de uma tomada de considerado como a integração de um
decisão não participativa e arbitrária sistema social e, por implicação, como um
até uma tomada de decisão que seja alto potencial para controle social. Uma
participativa e democrática. Esse índice vez que o consenso entre os membros de
do modelo pode ser usado para realizar um sistema social aumenta, pode­‑se dizer
comparações entre atores conjuntos de que a norma foi fortalecida. Em outras
indivíduos ou sistemas sociais quando o palavras, um maior consenso significa
mesmo comportamento está envolvido que a norma é capaz de influenciar mais
(Jackson, 1966b). o grupo.
• Intensidade – Jackson notou que a inten- • Poder normativo – A combinação de uma
sidade de uma norma permite observar alta intensidade e uma alta cristalização
em que grau a norma existe no sistema é uma indicação adequada de que os
social, ou seja, quão marcante é a per- membros de um sistema sentem uma

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 121

forte obrigação na realização do compor- normativo de regulação, em vez de pensar


tamento, em concordar com “a norma”. a norma em termos de uma coisa (Jackson,
Jackson (1975) define a combinação de 1966a). Isso torna possível investigar se, e
uma alta cristalização e uma alta inten- em que forma, e em qual grau a norma exis-
sidade como poder normativo. Para esse te, em vez de considerá­‑la como certa.
autor, esse índice é “um atributo objetivo Se duas culturas diferentes represen-
de um sistema normativo, em contraste tam dois sistemas sociais, é interessante
com definições de poder social em termos entender as peculiaridades de cada cultura
da percepção de um ator” (p. 243). É in- e como elas diferem. O que é considerado
teressante observar que normas com um como apropriado em cada sistema social
alto poder normativo são muito difíceis pode estar relacionado a diferenças (cul-
de serem modificadas, pois há uma eleva- turais) entre eles. Deste modo, devemos
da concordância com relação ao que deve entender as peculiaridades do brasileiro e
ser feito (cristalização) e a aprovação/ como o Brasil difere de outros países em ter-
reprovação tende a ser elevada. mos culturais. Considera­‑se que essas dife-
• Diferença de retorno potencial – Jackson renças implicam em diferenças nas normas
(1966a) considera que a diferença entre para diferentes comportamentos em dife-
os componentes positivos e negativos rentes países. Talvez, por exemplo, a dife-
dos componentes da intensidade cons- rença entre a Nova Zelândia e o Brasil, em
titui a diferença de retorno potencial. suas culturas nacionais, sejam relacionadas
Esse índice representa a percepção dos a diferenças na “preferência” por diferentes
respondentes quanto ao grupo ter uma comportamentos.
natureza mais punitiva ou apoiadora (isto
é, dependendo se o valor for positivo ou
negativo). O próprio Jackson (1996a) Normas subjetivas
indica que “índices positivos em várias
situações que são reguladas normativa- Fishbein e Ajzen (1974; Ajzen e Fishbein,
mente sugerem um clima mais de suporte 1980) afirmam que as normas subjetivas
ou tolerância; de modo correspondente, não são iguais às normas sociais, mas sim
índices negativos sugerem um ambiente uma pressão social percebida, e que, ape-
punitivo ou restritivo” (p. 40). sar de geralmente estarem em consonância
• Modelo de retorno potencial e sistemas com atitudes, muitas vezes elas entram em
sociais – Jackson também observou conflito. É mais adequado considerarmos as
que sistemas sociais variam na clareza normas sociais como um contínuo de com-
de informação que seus membros for- portamentos com as respectivas sanções e
necem sobre suas ações com relação à recompensas associadas a sua realização
conformidade ou não com a norma. Em (Jackson, 1966, 1975; Torres, 2009), e que
algumas situações, mesmo quando pes- podem ser de natureza descritiva e prescri-
soas reagem fortemente e possuem um tiva (Jackson, 1966, 1975; Cialdini, Reno
elevado consenso, eles podem suprimir e Kallgrenn, 1991; Cialdini e Trost, 1998;
algumas manifestações de suas reações. Torres, 2009; Kallgren, Reno e Cialdini,
O processo de fornecer pistas sobre a 2000; Reno, Cialdini e Kallgren, 1993;
reação é normativamente regulado, e Cialdini, 2003; Cialdini e Goldstein, 2004).
varia de um sistema para o outro. Deste Contudo, apesar de não serem o mes-
modo, mudanças em um sistema social mo construto, a semelhança entre as nor-
ou estruturas sociais podem afetar signifi- mas sociais e a norma subjetiva extrapola
cativamente a percepção das normas. a semelhança de nomes. Como a norma
subjetiva é relativa à realização de um úni-
O modelo implica que devemos pensar co comportamento, pode­‑se dizer que as
a “normalidade” em termos de um processo normas sociais são constituídas de diversas

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

122 Torres, neiva & cols.

pequenas normas subjetivas. Contudo, dife- merece uma discussão mais a fundo. Ajzen
rentemente das normas sociais, a norma sub- (1991) mantém a definição de norma sub-
jetiva assume um aspecto muito mais prescri- jetiva do modelo anterior (Fishbein e Ajzen,
tivo do que descritivo, uma vez que – como 1975), que as coloca como a percepção da
já colocado – a norma subjetiva se refere à pressão percebida em realizar ou não um
percepção do indivíduo com relação à apro- determinado comportamento (Fishbein
vação/reprovação de se realizar um compor- e Ajzen, 1975). Já Cialdini e Trost (1998)
tamento, ao passo que a norma social tam- acrescentam que são cognições comparti-
bém serve como um padrão de comparação lhadas que podem afetar o comportamento
para se decidir se algo é ou não adequado, de um indivíduo, dependendo de caracterís-
ou pertencente a um determinado grupo ou ticas pessoais (isto é, automonitoramento,
categoria (Prentice e Miller, 1996). locus de controle), situacionais (Ehrhart e
Como já visto anteriormente, a se- Naumann, 2004) e cultural (Bomtempo e
melhança entre as normas sociais e a nor- Rivero, 1992).
ma subjetiva extrapola a semelhança de Entretanto, conforme apontado por
nomes. Contudo, a norma subjetiva é re- outros autores (p. ex., Lapinsky e Rimal,
lativa à realização de um único comporta- 2005; Fekadu e Kraft, 2002), o conceito não
mento – seu objetivo é verificar a pressão é capaz de lidar com todos os aspectos da in-
social percebida na realização de um único fluência normativa. Ajzen (1991, 2002) afir-
comportamento em um contexto específico. ma que a norma subjetiva é o somatório do
Considerando que a norma social seja cons- produto entre a percepção das crenças mais
tituída de diversas pequenas normas sub- salientes da probabilidade de que um certo
jetivas, a norma subjetiva é relativa a uma comportamento seja aprovado ou desapro-
dimensão comportamental da norma. Sua vado, por uma pessoa ou grupo referente,
natureza é muito mais prescritiva do que com a motivação que o indivíduo tem em se
descritiva, uma vez que a norma subjetiva conformar nesse referido comportamento.
se refere à percepção do indivíduo com re- Apesar de essa definição ser realmente mais
lação à aprovação/reprovação de se realizar semelhante à definição de normas injunti-
um comportamento, e não como padrão de vas, Ajzen (2002) considera que a norma
comparação para decidir se algo é ou não subjetiva deve incluir os aspectos das nor-
adequado, ou pertencente a um determina- mas sociais propostos por Cialdini (Cialdini
do grupo ou categoria. e Goldstein, 2004; Cialdini e Trost, 1998;
A operacionalização originalmente Cialdini et al., 1991; Reno et al., 1993;
proposta por Fishbein e Ajzen (1974; Ajzen Kalgreen et al., 2000), que sugere que es-
e Fishbein, 1980) reflete principalmente tas são baseadas tanto no aspecto injuntivo
o aspecto prescritivo da norma, mais co- (isto é, o que deve ser feito) quanto no as-
nhecido como norma injuntiva (Hagger e pecto descritivo (isto é, o que todos estão
Chatziarantis, 2005). A norma não depende fazendo), sendo que pode haver uma maior
apenas de aspectos injuntivos, pois, como prevalência de uma sobre a outra.
apontado por Cialdini e Goldstein (2004) e Contudo, diversas pesquisas vêm apon-
Cialdini e Trost (1998), principalmente em tando para um fraco poder preditivo das
situações de ambiguidade, o indivíduo bus- normas subjetivas (p. ex., Sheeran, Norman
ca realizar o comportamento mais realizado e Orbell, 1999). Até mesmo Ajzen (1991),
(popular), com base na crença de que este quando descreve seu modelo, afirma que,
seria o comportamento mais socialmente na maioria das vezes, atitudes e crenças de
aceito. Esse fenômeno é conhecido como controle percebido seriam suficientes para
heurística de maioria (Anderson, 1996), ou predizer intenção. A desconsideração desse
norma descritiva. construto tem sido tão forte que diversos
Devido a essa confusão sobre os dife- autores têm deliberadamente retirado esse
rentes tipos de normas, a norma subjetiva componente na hora de trabalharem com a

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 123

teoria do comportamento planejado, subs- (de 0,41 para 0,30, para cada desvio­‑padrão
tituindo ou não por outro construto con- acima de média de pressão social), a atitude
siderado semelhante (Armitage e Connor, continuou apresentando correlações signi-
2001). ficativas. Desta forma, mesmo em culturas
Entretanto, outros autores (p. ex., predominantemente individualistas, a in-
Armitage e Conner, 2001; Hagger e Chatzia­ fluência normativa apresenta algum tipo de
rantis, 2005) vêm defendendo o construto importância. Esse tipo de dado é interessan-
e colocam que o primeiro motivo pelo qual te, pois, apesar de evidente (Hagger, Nikos
ele não tem apresentado sucesso está nos e Chatziarantis, 2005), vem sendo sistema-
métodos de mensuração, pois a quase tota- ticamente ignorado nos estudos que utili-
lidade dos estudos trabalha com normas so- zam a teoria do comportamento planejado
ciais com itens muito gerais (p. ex., todas as (Armitage e Connor, 2001).
pessoas que são importantes para mim apro- Bomtempo e Rivero (1992) realizaram
vam/desaprovam que eu pratique turismo uma metanálise comparando os pesos obti-
de aventura em minhas próximas férias), dos na predição de intenção, utilizando a
e a maioria utiliza apenas um único item. teoria da ação racional (TAR), e verificaram
Armitage e Connor (2001), testando a hipó- que havia uma troca da magnitude entre as
tese de que o fraco poder preditivo da norma atitudes e a norma subjetiva na extensão
subjetiva era devido à potencialmente fraca em que as culturas eram classificadas como
confiabilidade do tipo de medida utilizada, mais ou menos individualista, com base nos
realizaram uma metanálise em que o tipo de estudos de Hofstede (1980). Quanto mais a
mensuração utilizado foi considerado como cultura era tida como coletivista, menor era
uma variável moderadora entre a norma o peso de atitudes e maior o da norma sub-
subjetiva e a intenção/comportamento. Eles jetiva. Infelizmente, eles não controlaram o
encontraram que, quando eram utilizadas tipo de comportamento realizado e, por isso,
medidas com apenas um item, a média das os resultados dessa metanálise podem estar
correlações múltiplas ficou em 0,28, ao pas- enviesados. Entretanto, são mais indícios de
so que, quando foram utilizados múltiplos por que a norma subjetiva vem apresentan-
itens, esse média foi para 0,38, indicando do um baixo poder preditivo na literatura
que, pelo menos parcialmente, o baixo po- internacional, já que geralmente os estudos
der preditivo era devido ao método de men- são realizados em culturas individualistas,
suração utilizado. nas quais se espera que as atitudes tenham
Outros fatores estão no contexto no um maior poder preditivo. Se os dados de
qual o comportamento está sendo realizado Bomtempo e Rivero (1992) estiverem corre-
e na cultura em que os indivíduos estão in- tos, um aumento no poder preditivo de um
seridos. Wallace e colaboradores (2005) re- levaria a uma diminuição do poder prediti-
alizaram uma metanálise tentando verificar vo de outro.
em quais situações as atitudes prediriam um A partir desses dados, surge a neces-
comportamento. Utilizando como variável sidade de se utilizar uma medida de norma
dependente o quanto que o comportamento subjetiva que seja mais confiável e adequa-
estava sobre algum tipo de pressão social, da com a literatura. O primeiro problema a
os resultados mostraram que, em situações ser resolvido é o de que modo medir os dois
em que havia uma pressão social maior, as componentes (injuntivo e descritivo). A li-
atitudes apresentavam um baixo poder pre- teratura reconhece que a definição original-
ditivo. Essa pesquisa foi realizada apenas mente proposta por Fishbein e Ajzen (1974)
com estudos publicados em língua inglesa reflete mais o componente injuntivo, por se
(predominantemente nos Estados Unidos, preocupar mais com o que deve ser feito e
na Inglaterra e na Austrália), e, apesar do não com o que está sendo realizado. Apesar
poder preditivo de atitudes ter diminuído de ser representada como diretamente pro-
nessas situações de forte poder normativo porcional (∝) ao somatório da importância

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

124 Torres, neiva & cols.

da opinião de grupos/ indivíduos que são coeficientes de regressão). Ajzen (1996) de-
salientes na tomada de decisão (m), vezes fende que tal estratégia é uma solução ele-
a motivação em se conformar a essa opinião gante para esse tipo de problema, apesar de
(n), conforme ilustrado na equação dois reconhecer que ela é mais descritiva do que
abaixo, muitas vezes ela é medida com itens preditiva, pois seria inferida com base nos
únicos relativos à percepção geral, o que en- dados, e não na população como um todo.
fraquece o poder preditivo da medida. Entre as principais limitações desse
procedimento, está que ele não leva em con-
NI ∝ ∑ mini (1) sideração aspectos de autoidentidade/auto-
De modo semelhante, o componente categorização que, de acordo com Armitage,
descritivo das normas subjetivas também Conner e Norman (1999), é uma importan-
tende a ser mensurado apenas perguntando­ te variável moderadora nessa relação, pois
‑se aos sujeitos itens globais de quanto eles dela dependeria a conformidade e até mes-
acreditam que as pessoas a sua volta reali- mo a saliência da norma. Mesmo assim ele é
zam ou não determinado comportamento, capaz de fornecer um índice interessante da
apesar de, em sua maioria, tal componente pressão social percebida para a realização
ser ignorado. Uma representação do com- ou não de um comportamento.
ponente descritivo das normas subjetivas
pode ser encontrada na equação 2, em que
a Norma Descritiva (ND) seria diretamen- Conclusão
te proporcional à percepção do sujeito do
quanto as pessoas próximas a ele realizam O que faz com que o brasileiro se comporte
o comportamento (q). de uma maneira e não de outra depende de
vários fatores. Neste capítulo, abordamos
ND ∝ ∑ qi (2)
apenas um dos aspectos, as normas sociais.
Para resolver o problema de qual nor- Contudo, ele trouxe à tona uma discussão
ma seria a mais saliente e de que modo elas importante, o quanto nossas decisões e
contribuiriam em conjunto na formação da pensamento podem ser guiados por nor-
intenção de se comportar, o escore da norma mas sociais, e também por que não se deve
subjetiva pode ser inferido do escore predito importar modelos desenvolvidos em outras
por normas injuntivas e descritivas com base culturas e aplicá­‑los no Brasil, sem pelo me-
em uma equação de regressão. A ideia é que nos uma breve “tradução”.
a magnitude dos betas de cada uma das va- Mesmo sendo um país considera-
riáveis vai indicar qual seria o componente do moderadamente coletivista (Hofstede,
mais saliente, uma vez que a norma mais sa- 1980), diversos fatores vêm indicando que
liente (por ter maior capacidade de influen- intervenções baseadas apenas em atitudes
ciar o comportamento) vai ser responsável podem levar a ações/intervenções no mí-
por uma maior parte da variância da variá- nimo inadequadas, até mesmo com rela-
vel dependente. Logo, a inclusão de norma ção aos modos como lidar com as pessoas e
injuntiva e descritiva, entrando de uma vez como estabelecer uma hierarquia. Faz­‑se ne-
em um bloco de uma regressão, irá refletir cessária a adoção de modelos nacionais de
um escore razoavelmente preciso da norma tomada de decisão, de liderança e de outros
subjetiva. Tal procedimento não é novo, e fenômenos que ocorram em um cenário tipi-
estratégias semelhantes já foram utilizadas camente brasileiro. Sem esquecermos nossa
por autores como Fishbein e Ajzen (1974) diversidade cultural. Nossa extensão geo-
em sua Teoria de Ação Racional, na qual gráfica e diferentes histórias de colonização
uma regressão era utilizada para inferir se em diferentes regiões trazem uma conside-
as atitudes ou a norma subjetiva teria uma rável dificuldade na hora de se generalizar
maior influência em intenção (por meio dos os resultados de diferentes pesquisas, mes-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 125

mo dentro do território brasileiro, devido Referências


a diferenças culturais, ainda que se espere
certa constância em alguns aspectos. AARTS, H.; DIJKSTERHUIS, A. P. The Silence of
Intervenções baseadas em – e muitas the Library: Environment, Situational Norm, and
Social Behavior. Journal of Personality & Social
vezes copiadas de – outras culturas levam
Psychology. v. 84, n. 1, p. 18-28, 2003.
a, no mínimo, um desperdiço de tempo e
ALTEMEYER, B. Enemies of freedom: Understand-
dinheiro. Cada vez vemos mais estratégias ing right-wing authoritarianism. New York: Jossey-
que se baseiam no modo como as pessoas se Bass, 1981.
comportam e tomam suas decisões (isto é, ANDERSON, N. H. A Functional Theory of Cogni‑
gestão de pessoas; marketing) sendo aplica- tion. Nova Jersey: Lawrence Erlbaum Associastes,
das aos brasileiros, sem nenhum cuidado de 1996.
“tradução”, considerando­‑se seus achados ANDERSON, N. H. Empirical Direction in Design
como uma verdade inquestionável. Esquece­ and Analysis. Nova Jersey: Lawrence Erlbaum
‑se de que, nas culturas em que foram de- Associates, 2001.
senvolvidas, houve um estudo anterior, ba- ANDERSON, N. H. Foundation of information inte‑
seado em um corpo teórico que descreve o gration theory. New York: Academic Press, 1981.
modo de pensamento dos indivíduos mem- ANTUNES, J. L. F.; WALDMAN, E. A.; MORAES, M.
bros daquela cultura, e não da “nossa”. A tuberculose através do século: ícones canônicos e
A utilização de normas sociais como signos do combate à enfermidade. Ciência & Saúde
Coletiva, v. 5, n. 2, p. 367-379, 2000.
um instrumento que poderia ajudar a mape-
ar os “modos de funcionamento” do brasilei- ARCHER, L.; FITCH, K. Communication in Latin
American multinational organizations. In: WISE-
ro ajudaria a produzir um novo corpo teó­ MAN, R. L.; SHUTER, R. (Ed.). Communicating in
rico que auxiliasse na compreensão desse multinational organizations. Thousand Oaks, CA:
grande povo e na construção de uma ciência Sage Publications, 1994. p. 75-93.
psicológica realmente nacional, que retrate ARDICHVILI, A.; CARDOZO, R. N.; GASPARISHVILI,
o povo brasileiro e toda a sua diversidade, A. Leadership styles and management practices of
cada vez com maior validade empírica e cri- Russian entrepreneurs: Implications for transferabil-
tério. ity of Western HRD interventions. Human Resource
Development Quarterly, v. 9, p. 145-155, 1998.
ARNDT, J.; SCHIMEL, J.; GREENBERG, J.; PYSZC-
ZYNSKI, T. The intrinsic self and defensiveness:
Notas evidence that activating the intrinsic self reduces self-
handicapping and conformity. Personality & Social
Psychology Bulletin, v. 28, n. 5, p. 671-684, 2002.
1. “A set of obligations and privileges that apply
to incumbents of social positions.” ASHMOS, D. P.; DUCHON, D.; MCDANIEL, R. R.
2. Do original, “Simply influence the psychological Participation in strategic decision making: The
experience of the self.” role of organizational predisposition and issue
3. Do original, “the distribution of prescriptions by interpretation. Decision Sciences, v. 29, n. 1, p.
others for the total range of an actor’s behavior 25-51, 1998.
in a defined situation”. ASHMOS, D. P.; MCDANIEL, R. R. Understand-
4. Também relatado na literatura como “in­ ing the participation of critical task specialists in
‑group”. strategic decision making. Decision Sciences, v. 27,
5. Considerado, aqui, “ocidental” a partir do ponto n. 1, p. 103-113, 1996.
de vista etnocêntrico de culturas dominantes, BECHTEL, R. B.; VERDUGO, V. C.; PINHEIRO, J.
onde apenas os países pertencentes ao eixo Q. Environmental belief systems: United States,
economicamente dominante são chamados de Brazil, and Mexico. Journal of Cross-cultural Psy‑
“West”, e não do ponto de vista geográfico. chology, v. 30, p. 122-128, 1999.
6. Seguindo a norma culta internacional, os au- BECKER, T. E.; MARTIN, S. L. Trying to look bad
tores optaram por utilizar a abreviação “Antes at work: Methods and motives for managing poor
da Era Corrente”. impressions in organizations. Academy of Manage‑
7. Do original, “Return Potential Model – RPM”. ment Journal, v. 38, p. 174-799, 1995.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

126 Torres, neiva & cols.

BERKOWITZ, E. R. The social norms approach: CHASE, S. E.; ROGERS, M. F. Mothers and Children:
Theory, research, and Annotated bibliography. Feminist Analyses and Personal Narratives. New
Nacional Social Norms Resource Center, 2004. Jersey: Rutgers University Press, 2001.
Disponível em: <www.socialnorm.org>. Acesso CIALDINI, R. B. Crafting normative messages to
em: ago. de 2004. protect the environment. Current directions in
BEST, J. B. Cognitive Psychology. 4. ed. Minneapo- psychological science, v. 12, p. 105-109, 2003.
lis: West Publishing, 1992. CIALDINI, R. B.; GOLDSTEIN, N. J. Social Influ-
BOMTEMPO, R.; LOBEL, S.; TRIANDIS, H. Com- ence: Compliance and conformity. Annual Review
pliance and Value Internalization in Brazil and of Psychology, v. 55, p. 591-621, 2004.
the U.S.: Effects of allocentrism and anonymity. CIALDINI, R. B.; GOLDSTEIN, N. J. Social Influ-
Journal of Cross-Cultural Psychology, Local, v. 21, ence: Compliance and conformity. Annual Review
n. 2, p. 200-213, 1990. of Psychology, v. 55, p. 591-621, 2004.
BOMTEMPO, R.; RIVERO, J. C. Cultural Variation
CIALDINI, R. B.; RENO, R. R.; KALLGREN, C. A.
on Cognition: the role of self-concept in the atti-
A focus theory of normative conduct: Recycling
tude-behavior link. In: ENCONTRA DA ACADEMIA
the concept of norms to reduce littering in public
AMERICANA DE ADMINISTRAÇÃO, ago. 1992, Las
places. Journal of personality and social psychology,
Vegas, Nevada, Estados Unidos.
v. 58, n. 6, p. 1015-1026, 1991.
BORSARI, B.; CAREY, K. B. Descriptive and injunc-
CIALDINI, R. B.; TROST, M. R. Social Influence:
tive norms in college drinking: A meta-analytic
social norms, conformity and compliance. In: GIL-
integration. Journal of Studies in Alcohol, v. 64, p.
BER, D. T.; FISKE, S. T.; LINDZEY, G. (Org.). The
331-341, 2003.
handbook of social psychology. 4th edition. Boston:
BOYACIGILLER, N.; ADLER, N. J. The parochial McGraw-Hill, 1998. v. 2, p. 151-192.
dinosaur: Organizational science in global con-
text. Academy of Management Review, v. 16, p. COHEN, J. A power primer. Psychological Bulletin,
262-290, 1991. v. 112, p. 155-159, 1992.
BRISLIN, R. W. Translation and content analysis COHEN, J. Statistical power analysis for the behav‑
of oral and written materials. In: TRIANDIS, H. ioral sciences. New York: Academic Press, 1977.
C.; BERRY, J. W. (Ed.). Handbook of cross-cultural COX, T. H.; LOBEL, S. A.; MCLEOD, P. L. Effects
psychology. Boston: Allyn & Bacon, 1980. v. 4, p. of ethnic group culture differences on cooperative
398-444. and competitive behavior on group task. Academy
BRISLIN, R. W.; LONNER, W.; THORNDIKE, R. of Management Journal, v. 34, p. 827-847, 1991.
M. Cross-cultural research methods. New York: CRONBACH, L. J. Essentials of psychological testing.
Wiley, 1973. 5th edition. New York: Harper Collins, 1990.
BUFFALO, M. D.; RODGERS, J. W. Behavioral DA MATTA, R. Relativizando: Uma introdução à
norms, moral norms, and attachment: Problems antropologia social. Rio de Janeiro: Rocco, 1991.
of deviance and conformity. Social Problems, v. 19,
DARWIN, C. The expression of the emotions in man
p. 101-113, 1971.
and animals.3rd.ed. New York: Oxford University
BURNS, J. M. Leadership. New York: Harper & Press, 1998.
Row, 1978.
DEN, H.; DEANNE, N.; MACZYNSKI, J.; MOTOW-
BURSTEIN, A. Psychosocial basis of health care. IDLO, S. J.; JARMUZ, S.; KOOPMAN, P.; THIERRY,
Baltimore: Williams & Wilkins, 1980. H.; WILDEROM, C. P. Cross-cultural perceptions of
CAMPBELL, D. J.; BOMMER, W.; YEO, E. Percep- leadership: A comparison of leadership and soci-
tions of appropriate leadership style: participation etal and organizational culture in the Netherlands
versus consultation across two cultures. Asia Pacific and Poland. Polish Psychological Bulletin, v. 28, p.
Journal of Management, v. 10, p. 1-19, 1993. 255-267, 1997.
CANDIDO, A. The Brazilian family. In: SMITH, T. DERIDDER, R.; SCHRUIJER, S. G.; TRIPATHI, R. C.
L.; MARCHANT, A. (Ed.). Brazil: Portrait of half a Norm violation as a precipitating factor of negative
continent. Westport, CT: Greenwood Press, 1972. intergroup relations. In: DERIDDER, R.; TRIPATHI,
p. 291-312. R. C. Norm violation and intergroup relations. New
CHARTRAND, T. L.; BARG, J. A. The chameleon York: Oxford University Press, 1992. p. 3-37.
Effect: the perception-behavior link and social DESSEN, M. A.; TORRES, C. V. Family and social-
interaction. Journal of Personality and social psy‑ ization factors in Brazil: An overview. In: LONNER,
chology. v. 76, p. 893-910, 1999. W. J.; DINNEL, D. L.; HAYES, S. A.; SATTLER, D. N.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 127

(Org.). Online Readings in Psychology and Culture. ERS, M.; OSKAMP, S.; COSTANZO, M. A. (Ed.).
Western Washington University, Bellingham, Wash- Diversity in organizations: New perspectives for a
ington, USA: Center for Cross-Cultural Research, changing workplace. Thousand Oaks, CA: Sage,
2002. unit 13, chapter 2. Disponível em: < http:// 1995. p. 37-61.
www.www.edu/~culture >. FERDMAN, B. M. The dynamics of ethnic diver-
DORFMAN, P. International and cross-cultural sity in organizations: Toward integrative models.
leadership. In: PUNNETT, B. J.; SHENKAR, O. In: KELLY, K. (Ed.). Issues, theory and research in
(Ed.). Handbook for international management industrial/organizational psychology. Amsterdam:
research. Cambridge, MA: Blackwell, 1996. p. North Holland, 1992. p. 339-384.
267-349. FIEDLER, F. E. A theory of leadership effectiveness.
DROOGERS, A. Brazilian minimal religiosity. In: New York: McGraw-Hill, 1967.
BANCK, G.; KOONINGS, K. (Ed.). Social change in
FIELD, R. H. G. A test of the Vroom-Yetton nor-
contemporary Brazil. Amsterdam: CEDLA, 1988.
mative model of leadership. Journal of Applied
p. 165-175.
Psychology, v. 67, p. 523-532, 1982.
EARLEY, P. C. East meets West meets Midwest:
Further explorations of collectivistic and indi- FIELD, R. H. G.; HOUSE, R. J. A test of the Vroom-
vidualistic work groups. Academy of Management Yetton model using manager and subordinate
Journal, v. 36, p. 319-348, 1993. reports. Journal of Applied Psychology, v. 3, p.
362-367, 1990.
EKMAN, P. Emotions revealed: recognizing faces
and feelings to improve communication and emo- FREEMAN, M. A. Demographic Correlates of Indi-
tional life. New York, NY: Holt Paperbacks, 2003. vidualism and Collectivism. Journal of Cross-Cul‑
tural psychology, v. 20, n. 3, p. 321-341, 1997.
EKMAN, P.; FRIESEN, W. V. Unmasking the face:
aguide to recognizing emotions from facial expres- FRIEDLMEIER, W. Subjektive erziehungstheoreien
sions. Cambridge, MA: Malor Books, 2003. im kulturvergleich [Subjective educational theo-
ries in cultural comparison]. In: TROMMSDORFF,
EKMAN, P. Telling lies: clues to deceit in the mar-
G. (Ed.). Kindheit und jugend in verschiedenen
ketplace, politics and marriage. New York, NY:
kulturen. Weinheim, Germany: Juventa, 1995.
Norton & Company, 2009.
p. 43-64.
EKMAN. P. Cross-cultural studies of facial expres-
sion. In: EKMAN, P. (Ed.). Darwin and facial expres‑ GEERTZ, C. The interpretation of cultures. New
sion: acentury of research in review. Los Altos, CA: York: Basic Books, 1973.
Malor Books, 2006. GELFAND, M. J.; EREZ, M.; AYCAN, Z. Cross-
ELFENBEIN, H. A.; AMBADY, N. Universals and Cultural Organizational Behavior. Annual Review
cultural differences in recognizing emotions. Cur‑ of Psychology, v. 58, p. 479–514, 2007.
rente Directions in Psychological Science, 12(5), GOLD, M. A new outline of social psychology.
159-164, 2003. Washington, DC: American Psychological Associa-
ETTORRE, B. A business case for today’s Brazil tion, 1997.
and Argentina. Management Review, v. 87, n. 9, GOUVEIA, V. V.; ANDRADE, J. M.; MILFONT, T.
p. 10-15, 1998. L.; QUEIROGA, F.; SANTOS, W. S. Dimensões
FARRIS, G. F.; BUTTERFIELD, A. Control theory Normativas do Individualismo e Coletivismo: É
in Brazilian organizations. Administrative Science suficiente a dicotomia pessoal vs. social? Psico‑
Quarterly, v. 17, p. 574-585, 1972. logia: Reflexão & Crítica, v. 16, n. 2, p. 223-234,
FEKADU, Z.; KRAFT, P. Expanding the theory of 2003.
planned behavior: The role of social norms and GOUVEIA, V. V.; CLEMENTE, M. O individualismo-
group identification. Journal of health psychology, coletivismo no Brasil e na Espanha: correlatos
v. 7, n. 1, p. 33-43, 2002. sócio-demográficos. Estudos de Psicologia, v. 5, n.
FELDMAN, D. C. The development and enforce- 2, p. 317-346, 2000.
ment of group norms. In: STEERS, R. M.; POR- GRAHAM, J. L. The influence of culture on the
TER, L. W. (Ed.). Motivation and work behavior. process of business negotiations. Journal of Inter‑
5th edition. New York: McGraw-Hill, 1991. p. national Business Studies, v. 16, p. 81-96, 1985.
220-230. GREENFIELD, P. M.; KELLER, H.; FULIGNI, A.;
FERDMAN, B. M. Cultural identity and diversity MAYNARD, A. Cultural pathways through univer-
in organizations: Bridging the gap between group sal development. Annual review of psychology, v.
differences and individual uniqueness. In: CHEM- 54, p. 461-490, 2003.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

128 Torres, neiva & cols.

GROSS, J. Emotion regulation: affective, cogni- HOFSTEDE, G. The cultural relativity of organiza-
tive, and social consequences. Psychophysiology, tional practices and theories. International Business
281-291, 2002. Studies, v. 14, p. 75-89, 1983.
GROSS, J. The emerging field of emotion regu- HOFSTEDE, G. The cultural relativity of the quality
lation: an integrative review. Review Of General of life concept. Academy of Management Review, v.
Psychology, 271-299, 1998. 9, p. 389-398, 1984.
GULLIKSEN, H. Theory of mental tests. New York: HOFSTEDE, G.; BOND, M. H. The Confucius con-
Wiley, 1950. nection: From cultural roots to economic growth.
HAGGER, M. S.; CHATZIARANTIS, N. L. D. First- Organizational Dynamics, v. 15, p. 5-21, 1988.
and higher-order models of attitudes, normative HOUSE, R. J. A path goal theory of leader effec-
influence, and perceived behavior control in the tiveness. Administrative Science Quaterly, v. 16, p.
theory of planned behavior. British journal of social 321-333, 1971.
psychology, v. 44, p. 513-535, 2005.
HUI, C. H. Measurement of individualism – Col-
HAGGER, M. S.; CHATZISARANTIS, N. L. D.; lectivism. Journal for Research in Personality. v. 22,
BARKOUKIS, V.; WANG, J. C. K.; HEIN, V.; PIHU, M.; p. 17–36, 1988.
SOÓS, I.; KARSAI, I. Cross-cultural generalizability
of the Theory of Planned Behavior among young HUI, C. H.; VILLAREAL, M. J. Individualism-
people in a physical activity context. Journal of Sport Collectivism and Psychological Needs: Their Rela-
and Exercise Psychology, v. 29, n. 1, p. 1-19, 2007. tionships in Two Cultures. Journal of Cross-Cultural
Psychology, v. 20, p. 310-323, 1989.
HALL, E. T. Beyond culture. New York: Anchor
Books, 1977. INDVIK, J. Path-goal theory of leadership: A meta-
analysis. Proceedings of the Academy of Management
HALL, E. T. The hidden dimension. New York: An-
Meetings, v. 2, 189-192, 1986.
chor Books, 1969.
IZRAELI, D. M.; JICK, T. D. The art of saying no:
HALL, E. T. The silent language. New York: Anchor
Linking power to culture. Organizational Studies,
Books, 1973.
v. 7, p. 171-192, 1986.
HEINE, S. J.; LEHMAN, D. R.; PENG, K.; GREEN-
HOLTZ, J. What’s Wrong With Cross-Cultural JACKSON, J. A conceptual and measurement mo­
Comparisons of Subjective Likert Scales? The del for norms and roles. Pacific Sociological Review,
Reference-Group Effect. Journal of Personality and v. 9, p. 35-47, 1966a.
Social Psychology, v. 82, n. 6, p. 903-918, 2002. JACKSON, J. Normative power and conflict po-
HELLER, M. The role of language in the formation tential. Sociological Methods and Research, v. 4, p.
of ethnic identity. In: PHINNEY, J. S.; ROTHERAM, 237-263, 1975.
M. J. (Ed.). Children’s ethnic socialization: Plural- JACKSON, J. Structural characteristics of norms.
ism and development. Newbury Park, CA: Sage, In: BIDDLE, B. J.; THOMAS, E. J. (Ed.). Role theory:
1987. p. 180-200. Concepts and research. New York: Wiley, 1966b.
HERSEY, P.; BLANCHARD, K. H. Management of p. 113-126.
organizational behavior. 4th edition. New Jersey: JAHODA, G. Do we need a concept of culture?
Prentice-Hall, 1982. Journal of Cross-Cultural Psychology, v. 15, p.
HIGGINS, E. T. Knowledge Activation: Accessibil- 139-152, 1984.
ity, applicability and salience. In: HIGGINS, E. T.; KAGITÇIBASI, C. Social norms and authoritarian-
KRUGLANSKI, A. W. (Org.). Social Psychology: ism: A Turkish-American comparison. Journal of
Handbook of basics principles. New York: Guilfor Cross-Cultural Psychology, v. 4, p. 157-174, 1970.
press, 1996. p. 133-168.
KALLGREN, C. A.; RENO, R.; CIALDINI, R. B. A
HOFSTEDE, G. Cultural constrain in management focus theory of normative conduct: When norms
theories. Academy of Management Executive, v. 7, do and do not affect behavior. Journal of personal‑
p. 81-94, 1993. ity and social psychology. v. 26, n. 8, p. 1002-1012,
HOFSTEDE, G. Culture’s consequences. Beverly 2000.
Hills, CA: Sage, 1980. KEMMELMEIER, M.; BURNSTEIN, E.; KRUMOV,
HOFSTEDE, G. Cultures and organizations: Soft- K.; GENKOVA, P.; KANAGAWA, C.; HIRSHBERG, M.
ware of the mind. Maidenhead, UK: McGraw-Hill, S.; ERB, H. P.; WIECZORKOWSKA, G.; NOELS, K.
1991. A. Individualism, Collectivism, and Authoritarian-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 129

ism in Seven Societies. Journal of Cross-Cultural MARKUS, H. R.; KITAYAMA, S. Culture and Self:
Psychology, v. 34, p. 304–322, 2003. Implications for cognition, emotion and cognition.
KEPPEL, G. Design and analysis: A researcher’s Psychological Review, v. 98, p. 224-253, 1991.
handbook. 3 rd edition. Englewood Cliffs, NJ: MARKUS, H. R.; KITAYAMA, S.; HEIMAN, R. J.
Prentice-Hall, 1991. Culture and “basic” psychological principles. In:
KIM, M. S.; SHARKEY, W. F.; SINGELIS, T. M. Re- HIGGINS, E. T.; KRUGLANSKI, A. W. (Ed.). Social
lationship between individual’s self construal and psychology: Handbook of basic principles. New
perceived importance of interactive constraints. York: Guilford, 1996. p. 857-913.
International Journal of Intercultural Relations, v. MARTINEZ, O.; SEDLACEK, W. E. Changing the
18, p. 117-140, 1994. odds: Open admissions and life changes of the
disadvantaged. Journal of Higher Education, v. 68,
KLEIN, K. J.; DANSEREAU, F.; HALL, R. J. Level
p. 593-595, 1984.
issues in theory development, data, collection, and
analysis. Academy of Management Review, v. 19, MATSUMOTO, D. American-japanese cultural
p. 195-229, 1994. diffe­rences in the recognition of universal facial
expressions. Journal of Cross-Cultural Psychology,
KLEINBERG, J. Working for Japanese managers.
23(1), 72-84, 1992.
In: WEINSHALL, G. (Ed.). National culture and
management. New York: Walter de Gruyter, 1992. MATSUMOTO, D. Cultural similarities and differ-
p. 102-126. ences in display rules. Motivations and Emotion,
14(3), 195-213, 1990.
LAPINSKY, M. K.; RIMAL, R. N. An explication of
social norms. Communication theory, v. 15, n. 2, MERRITT, A. C.; HELMREICH, R. L. Human fac-
p. 127-147, 2005. tors on the flight deck: The influence of national
culture. Journal of Cross-Cultural Psychology, v.
LATHAM, G. P.; WEXLEY, K. N. Increasing produc‑
27, p. 5-24, 1996.
tivity through performance appraisal. New Jersey:
Addison-Wesley, 1981. MILLER, G. J. Cultural Diversity in the morality of
caring: individually-oriented versus duty-oriented
LEE, H. O.; BOSTER, F. J. Collectivism-Individual-
interpersonal code. Cross Cultural Research, v. 28,
ism in Perceptions of Speech Rate: A Cross-Cultural p. 3-39, 1994.
Comparison. Journal of Cross-Cultural Psychology,
v. 23, p. 377-388, 1992. MINER, J. B. The validity and usefulness of theories
in an emerging organizational science. Academy of
LEHMAN, D. R.; CHIU, C.; SCHALLER, M. Psychol- Management Review, v. 9, p. 296-306, 1984.
ogy and Culture. Annual Review of psychology, v.
55, p. 689-714, 1994. NAHAVANDI, A. The art and science of leadership.
New Jersey: Prentice Hall, 1997.
LEUNG, K. Cross-cultural differences: Individual-
level and cultural-level analysis. International NESDALE, D.; NAITO, M. Individualism-Collectiv-
Journal of Psychology, v. 24, p. 703-719, 1989. ism and the Attitudes to School Bullying of Japa-
nese and Australian Students. Journal of Cross-
LEVINE, R. V.; NORENZAYAN, A. The pace of life in Cultural Psychology, v. 36, p. 537-556, 2005.
31 countries. Journal of Cross Cultural Psychology,
v. 30, p. 178-205, 1999. O’REILLY, C. Corporations, culture, and commit-
ment: motivation and social control in organiza-
LIKERT, R. New ways of managing conflict. New tions. In: STEERS, R. M.; PORTER, L. W. (Ed.).
York: McGraw-Hill, 1976. Motivation and work behavior. 5th edition. New
LUTHANS, F. Organizational Behavior. 7th edition. York: McGraw-Hill, 1991. p. 242-254.
New York: McGraw-Hill, 1995. OYSERMAN, D.; COON, H. M.; KEMMELMEIER,
MANNING, R.; KAMP, D. J. M. V. Norm Congruence M. Rethinking Individualism and Collectivism:
among tour boat passengers to glacier bay national Evaluation of Theoretical Assumptions and Meta-
park. Leisure Sciences, v. 18, p. 125-141, 1996. Analyses. Psychological Bulletin, v. 128, n. 1, p.
MARCONDES, M. A. P.; MOTA, I. S. Estudo da 3-72, 2002.
capacidade de carga do sistema praia-mar do PASA, S. F. Leadership influence in a high power
parque estadual da ilha de Anchieta. Boletim distance and collectivist culture. Leadership &
técnico do Instituto Florestal. São Paulo: Instituto Organization Development Journal, v. 21, n. 8, p.
Florestal, 1986. 414-426, 2000.
MARINI, M. M. Age and sequencing norms in the PATTON, W. D. Organizational leadership: From
transition to adulthood. Social Forces, v. 63, p. sophistry to spirituality. Review of Public Personnel
229-244, 1984. Administration, v. 18, n. 1, p. 87-94, 1998.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

130 Torres, neiva & cols.

PAVETT, C.; MORRIS, T. Management styles within a ORGANIZACIONAL E DO TRABALHO, 2., 27 jul.
multinational corporation: A five comparative study. 2006, Brasília.
Human Relations, v. 48, p. 1171-1185, 1995. SACKETT, P. R.; LARSON, J. R. Research strate-
PEARSON, V. M.; STEPHAN, W. G. Preferences gies and tactics in industrial and organizational
for styles of negotiation: A comparison of Brazil psychology. In: DUNNETTE, M. D.; HOUGH, L. H.
and the U.S. International Journal of Intercultural (Ed.). Handbook of industrial and organizational
Relations, v. 22, p. 67-83, 1998. psychology. 2nd edition. Palo Alto, CA: Consulting
PINKER, S. Como a mente funciona. 2. ed. São Paulo: Psychology Press, 1990. v. 1, p. 419-489.
Companhia da Letras, 2007. SANTEE, R. T.; JACKSON, J. Cultural values as a
POORTINGA, Y. H.; JANSEN, X. H. Overall analy- source of normative sanctions. Pacific Sociological
sis. In: DERIDDER, R.; TRIPATHI, R. C. (Ed.). Review, v. 20, p. 439-454, 1977.
Norm violation and intergroup relations. New York: SANTOS, N. R. Governo corta na saúde e educação
Oxford University Press, 1992. p. 137-146. para pagar uma dívida impagável [Government
POORTINGA, Y. H.; SINHA, J. B. Methodological cuts on health and education to pay an invaluable
concerns, choice of groups and instruments. In: debt]. Jornal da Ciência, v. 401, p. 7-8, 1988.
DERIDDER, R.; TRIPATHI, R. C. (Ed.). Norm vio‑ SCHWARTZ, S. H. A Theory of Cultural Values and
lation and intergroup relations. New York: Oxford Some Implications for Work. Applied Psychology:
University Press, 1992. p. 38-50. An International Review, v. 48, n. 1, p. 23-47,
PORRAS, J. I.; ROBERTSON, P. J. Organizational 1999.
development: Theory, practice and research. In: SCHWARTZ, S. H. Are there universal aspects in
DUNNETTE, M. D.; HOUGH, L. M. (Ed.). Hand‑ the structure and contents of human values? Jour‑
book of industrial and organizational psychology. nal of Social Issues, v. 50, p. 19-45, 1994.
2nd edition. Palo Alto, CA: Consulting Psychologists SCHWARTZ, S. H.; BARDI, A. Value Hierarchies
Press, 1992. v. 3, p. 719-822. Across Cultures: Taking a Similarities Perspec-
PRENTICE, D. A.; MILLER, D. T. Pluralistic Igno- tive. Journal of Cross-Cultural Psychology, v. 32,
rance and Alcohol use on campus: Some conse- p. 268-290, 2001.
quences of misperceiving the social norm. Journal SCHWARTZ, S. H.; BILSKY, W. Toward a theory
of personality and social psychology, v. 64, n. 2, p. of the universal content and structure of values:
243-256, 1993. extensions and cross-cultural replications. Journal
PRENTICE, D. A.; MILLER, D. T. The constructions of Personality and Social Psychology, v. 58, p. 878-
of social norms and Standards. In: HIGGINS, E. 891, 1990.
T.; KRUGLANSKI, A. W. (Ed.). Social Psychology: SEDLMEIER, P.; GIGERENZER, G. Do studies of
Hand Book of basic principles. New York: Berkley, statistical power have an effect on the power of
1996. p 133–168. studies? Psychological Bulletin, v. 105, p. 309-316,
QUINN, K. A.; MACRAE, C. N. Categorizing Oth- 1989.
ers: The Dynamics of Person Construal. Journal SHACKLETON, V. Business leadership. London:
of Personality and Social Psychology, v. 88, n. 3, p. Routledge, 1995.
467-479, 2005.
SHAFIRO, M. V.; HIMELEIN, M. J.; BEST, D. L.
RENO, R. R.; CIALDINI, R. B.; KALLGREN, C. A. Ukrainian and U.S. American Females: Differ-
The transsituacional influence of social norms. ences in Individualism/Collectivism and Gender
Journal of personality and social psychology, v. 64, Attitudes. Journal of Cross-Cultural Psychology, v.
n. 1, p. 104-112, 1993. 34, p. 297-303, 2003.
ROCCAS, S.; SAGIV, L.; SCHWARTZ, S. H.; KNAFO, SHEERAN, P.; NORMAN, P.; ORBELL, S. Evidence
A. The Big Five Personality Factors and Personal that intentions based on attitudes better predict
Values. Personality and Social Psychology Bulletin, behavior than intentions based on subjective
v. 28, n. 6, p. 789-801, 2002. norms. European journal of social psychology, v.
RODRIGUES, A. Replication: A neglected type of 29, p. 403-406, 1999.
research in social psychology. Interamerican Jour‑ SHEERAN, P.; ORBELL, S. Implementation inten-
nal of Psychology, v. 15, p. 111-138, 1982. tions and repeated behavior: augmenting the pre-
RODRIGUES, H.; TORRES, C, V. Atitudes, Nor‑ dictive validity of the theory of planned behavior.
mas e Turismo de aventura: um estudo piloto. European journal of social psychology, v. 29, p.
In: CONGRESSO BRASILEIRO DE PSICOLOGIA 349-369, 1999.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 131

SIMPSON, J. A.; WOOD, W.; WORCHEL, S. Intro- STEPHENS, G. K.; GEE, C. R. Doing business in
duction: Where is the group in social psychology? Mexico: Understanding cultural differences. Orga‑
A historical overview. In: SIMPSON, J. A.; WOOD, nizational Dynamics, v. 8, p. 39-55, 1990.
W.; WORCHEL, S. (Ed.). Group process and produc‑ STROHSCHNEIDER, S.; GÜSS, D. Planning and
tivity. Newbury Park, CA: Sage, 1992. p. 1-10. problem solving: Differences between Brazilians
SINGELIS, T. M.; BOND, M. H.; SHARKEY, W. F.; and German students. Journal of Cross-Cultural
LAI, C. S. Y. Unpackaging culture’s influence on Psychology, v. 29, p. 695-716, 1998.
self-esteem and embarrassability: The role of self- SUE-CHAN, C.; ONG, M. Goal assignment and
construals. Journal of Cross-Cultural Psychology, v. performance: Assessing the mediating roles of goal
30, p. 315-341, 1999. commitment and self-efficacy and the moderating
SINGELIS, T. M.; BROWN, W. J. Culture, self, and role of power distance. Organizational Behavior
collectivist communication: Linking culture to indi- and Human Decision Processes, v. 89 n. 2, p. 1140-
vidual behavior. Human Communication Research, 1161, 2002.
v. 21, p. 354-389, 1995. SUH, E.; DIENER, E.; OISHI, S.; TRIANDIS, H. C. The
SINGELIS, T. M.; TRIANDIS, H. C.; BHAWUK, shifting basis of life satisfaction judgments across cul-
D. P. S.; GELFAND, M. J. Horizontal and vertical tures: Emotions versus norms. Journal of Personality
dimensions of individualism and collectivism: A and Social Psychology, v. 74, p. 482-493, 1998.
theoretical and measurement refinement. Cross- TANIZAKI, T. Y. Atitudes e intenções de jovens estu‑
Cultural Research, v. 29, p. 240-275, 1995. dantes em relação ao intercurso sexual pré-marital:
SJOEBERG, L.; MONTGOMERY, H. Double denial Uma aplicação da teoria de Fishbein & Ajzen. Dis-
in attitude formation. Journal of Applied. Social sertação (Mestrado) – Universidade de Brasília,
Psychology, v. 29, p. 606-621, 1999. Brasília, 1984.
SKINNER, B. F. Selection by consequences. Science, TEAGARDEN, M. B.; VON GLINOW, M. A.; BO-
v. 213, p. 501-504, 1981. WEN, D. E.; FRAYNE, C. A.; NASON, S.; HUO, Y.
SMITH, P. B.; BOND, M. H. Social Psychology Across P. Toward a theory of comparative management
Cultures. 3th edition. Boston: Allyn and Bacon, research: An idiographic case study of the best
2006. international human resources management
project. Academy of Management Journal, v. 38,
SMITH, P. B.; BOND, M. H. Social Psychology: Across p. 1261-1287, 1995.
cultures. 2nd edition. Boston: Allyn & Bacon, 1999.
TORRES, C. V. Do social norms have an influence in
SMITH, P. B.; DUGAN, S.; PETERSON, M. F.; leadership style preference? Assessing leadership style
LEUNG, K. Individualism: Collectivism and the differences between American and Brazilians. VDM
handling of disagreement: A 23 country study. & Co., Saarbrücken, Alemanha, 2009.
International Journal of Intercultural Relations, v.
22, p. 351-367, 1998. TORRES, C.V.; VASCONCELOS, R.; MINGHETTI,
R.; BRASILEIRO, F. Avaliação das normas para
SMITH, P. B.; PETERSON, M. F.; AKANDE, D.; CAL- estilos de liderança nas regiões brasileiras: difer-
LAN, V.; CHO, N. G.; JESUINO, J.; D’AMORIM, M. enças culturais e de liderança.In: XXXI Reunião
A.; KOOPMAN, P.; LEUNG, K.; MORTAZAWI, S.; Anual da Sociedade Brasileira de Psicologia. Rio de
MUNENE, J.; RADFORD, M.; ROPO, A.; SAVAGE, Janeiro, 2001.
G.; VIEDGE, C. Organizational event management
in fourteen countries: A comparison with Hofst- TRAFIMOW, D.; FISHBEIN, M. The moderating ef-
ede’s dimensions. In: BOUVY, A. M.; VAN DER fect of behavior type on subjective norm-behavior
VIJVER, F.; SCHMITZ, P.; BOSKI, P. (Ed.). Journeys relationship. Journal of Social Psychology, v. 134,
into cross-cultural psychology. Amsterdam: Swets p. 755-763, 1994.
& Zeitlinger, 1994. p. 364-373. TRAFIMOW, D.; TRIANDIS, H. C.; GOTO, S. Some
SMITH, P. B.; SCHWARTZ, S. H. Values. In: BERRY, tests of the distinction between private self and
J. W.; SEGALL, M. H.; KAGITÇIBASI, C. (Ed.). collective self. Journal of Personality and Social
Handbook of cross-cultural psychology. 2nd edition. Psychology, v. 60, p. 649–655, 1991.
Boston: Allyn & Bacon, 1997. v. 3. TRIANDIS, H. C. Cross Cultural Psychology. Asian
SMITH, P. B.; TROMPENAARS, F.; DUGAN, S. The Journal of Social Psychology, v. 2, p. 127-143,
Rotter locus of control scale in 43 countries: a 1999.
test of cultural relativity. International Journal of TRIANDIS, H. C. Cross-cultural industrial and
Psychology, v. 30, p. 337-400, 1995. organizational psychology. In: TRIANDIS, H. C.;

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

132 Torres, neiva & cols.

DUNNETTE, M. D.; HOUGH, L. M. (Ed.). Hand‑ VAN DE VIJVER, F.; LEUNG, K. Methods and data
book of industrial and organizational psychology. analysis for cross-cultural research. Thousand Oaks,
2nd edition. Palo Alto, CA: Consulting Psychologists CA: Sage, 1997.
Press, 1994. v. 4, p. 103-172. VAN DE VIJVER, F.; TANZER, N. K. Bias and equiva-
TRIANDIS, H. C. Cross-Cultural Industrial and lence in cross-cultural assessment: An overview.
organizational psychology. In: TRIANDIS, H. C.; European Review of Applied Psychology, v. 47, p.
DUNNETTE, M. D.; HOUGH, L. M. (Ed.). Hand‑ 263-279, 1997.
book of industrial and organizational psychology.
VAN HORN, K. R.; GARIAN, K. R.; SOUZA, E. Z.;
2nd edition. Palo Alto, CA: Consulting press, 1994.
FEIJÓ, M. Cultural attitudes and values in Brazilian
v. 4, p. 103-172.
and U.S. college students. In: INTERAMERICAN
TRIANDIS, H. C. Individualism and collectivism. CONGRESS OF PSYCHOLOGY, 25, 1995, San Juan,
Boulder, CO: Westview Press, 1995. Puerto Rico.
TRIANDIS, H. C. The psychological measurement VAN HORN, K. R.; MARQUES, J. C. Development
of cultural syndromes. American Psychologist, v. of interpersonal negotiation strategies in Brazilian
51, p. 407-415, 1996. adolescents. Interamerican Journal of Psychology,
TRIANDIS, H. C.; BONTEMPO, R.; VILLAREAL, v. 32, p. 21-31, 1999.
M. J.; ASAI, M.; LUCCA, N. Individualism and
VAN MAANEN, J.; LAURENT, A. The flow of cul-
collectivism: Cross-cultural perspectives on self-
ture: Some notes on globalization and multina-
ingroup relationships. Journal of Personality and
tional corporation. In: GHOSHAL, S.; WESTNEY,
Social Psychology, v. 54, p. 323-338, 1988.
D. E. (Ed.). Organization theory and the multina‑
TRIANDIS, H. C.; CHEN, X. P.; CHAN, D. K. Sce- tional corporation. London: McMillan Press, 1994.
narios for the measurement of collectivism and p. 40-67.
individualism. Journal of Cross-Cultural Psychology,
v. 29, n. 2, p. 275-280, 1998. VERLUYTEN, S. P. Power distance in a mid-range
power distance culture: Thailand. In: CONFER-
TRIANDIS, H. C.; GELFAND, M. J. Converging ENCE OF THE ACADEMY OF INTERCULTURAL
measurement of horizontal and vertical individu- RESEARCH, march 1998, Fullerton, CA.
alism and collectivism. Journal of Personality and
Social Psychology, v. 74, p. 118-128, 1998. VON GLINOW, M. A.; HUO, Y. P.; LOWE, K. Lead-
ership across the Pacific Ocean: A tri-national
TRIANDIS, H. C.; GELFAND, M. J. Converging
comparison. International Business Review, v. 8,
Measurement of horizontal and vertical individu-
alism and collectivism. Journal of personality and n. 1, p. 1-15, 1999.
social psychology, v. 74, n. 1, p. 118-128, 1998. VROOM, V. H.; JAGO, A. G. The new leadership:
TRIANDIS, H. C.; LEUNG, K.; VILLAREAL, M.; Managing participation in organizations. New
CLACK, F. L. Allocentric vs. Idiocentric Tendencies: Jersey: Prentice Hall, 1988.
Convergent and discriminant validation. Journal of VROOM, V. H.; YETTON, P. W. Leadership and
Research in Personality, v. 19, p. 395–415, 1985. decision-making. Pittsburgh: University of Pitts-
TRIANDIS, H. C.; MCCUSKER, C.; AND HUI, C. H. burgh Press, 1973.
Multimethod probes of individualism and collectiv- WALLACE, D. S.; PAULSON, R. M.; LORD, C. G.;
ism. Journal of Personality and Social Psychology, BOND JR.; C. F. Which behaviors do attitudes
v. 59, p. 1006-1020, 1990. predict? Meta-analyzing the effects of social pres-
TRIANDIS, H. C.; SUH, E. M. Cultural influences sure and perceived difficulty. Review of general
on personality. Annual review of psychology, v. 53, psychology, v. 9, p. 214-227, 2005.
p. 133–160, 2002. WALZER, S. Thinking about the Baby: Gender and
TRIANDIS, H. C.; SUH, E. M. Cultural Influences Divisions of Infant Care. Oxford: Oxford University
on personality. Annual Review of Psychology, v. 53, Press, 1996.
p. 133-60, 2002. WAN, C.; CHIU, C.; PENG, S.; TAM, K. Measuring
TROMPENAARS, F.; TURNER, C. H. Riding the Cultures Through intersubjective cultural norms:
waves of culture: Understanding Cultural Diversity implications to predicting relative identification
in Business. 2nd edition. Londres: Nicholas Bradley with two or more cultures. Journal of Cross Cultural
Publishing, 2000. Psychology. v. 38, n. 2, p. 213-226, 2007.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 133

WELSH, D. H.; LUTHANS, F.; SOMMER, S. M. WILLIAMS, J. C. Good decisions: The essence of
Managing Russian factory workers: The impact of leadership. Baylor Business Review, v. 13, p. 6-8,
U.S.-based behavior and participative techniques. 1995.
Academy of Management Journal, v. 36, p. 58-79, YANG, S.; ALLENBY, G. M.; FENNEL, G. Modeling
1993. Variation in brand preference: the roles of objective
WHITE, C. J. Culture, emotions and behavioral environment and motivating conditions. Marketing
intentions: Implications for tourism research and Science, v. 21, n. 1, p. 14-31, 2002.
practice. Current issues in tourism, v. 8, n. 6, p.
510-531, 2005.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

6
Conhecendo a si e ao outro:
percepção e atribuição de causalidade
José Augusto Dela Coleta
Marilia Ferreira Dela Coleta

Estudos em psicologia social têm demons- por um grupo de pesquisadores tendo à fren-
trado que, ao lado dos motivos básicos de te Edward E. Jones (Jones et al., 1972).
preservação do eu e da espécie, um outro fa- A partir daí, um número incalculável
tor importante na determinação do compor- de artigos sobre o tema surgiu nas principais
tamento humano é a forma de compreensão revistas de psicologia social, principalmente
dos eventos que ocorrem ao redor dos indi- nos Estados Unidos, geradores também de
víduos, de explicação das causas geradoras livros importantes, como aqueles da série
dos fenômenos que os afetam. editada por Harvey, Ickes e Kidd (1976a,
O conjunto de teorias, postulados e re- 1978, 1981), New directions in attribution
sultados de pesquisas referentes ao proces- research, de textos básicos de psicologia
so de explicação da ocorrência dos fatos na social, com abordagem da teoria de atribui-
vida de cada um constituiu­‑se em um profí- ção (Harvey e Smith, 1977), dos livros de
cuo campo de pesquisas na psicologia social Bernard Weiner (1986, 1995, 2006) sobre
contemporânea, denominado atribuição de sua teoria atribucional, e de relevantes revi-
causalidade. sões como aquela de Kelley e Michela (1980)
As bases para o desenvolvimento des- que aponta a consulta a mais de 900 refe-
ses estudos remontam ao artigo extrema- rências de artigos sobre atribuição nos anos
mente heurístico de Fritz Heider publicado de 1970, principalmente na literatura norte­
em 1944, intitulado Social perception and ‑americana, e as elaboradas por Rodrigues
phenomenal causality, cujas ideias centrais (1984a) e por Dela Coleta (1990) envolven-
foram posteriormente desenvolvidas em seu do os estudos no meio brasileiro. Um impor-
livro de 1958, The Psychology of Interpersonal tante livro foi publicado por Antaki e Brewin
Relations. (1982) tratando de uma série de alternati-
Durante os anos de 1960 e início dos vas de aplicação das teorias de atribuição de
anos de 1970, a teoria de atribuição de causalidade à prática clínica e educacional,
causalidade experimentou importante de- incluindo, entre outros aspectos, a aborda-
senvolvimento, principalmente com as con- gem do papel da atribuição de causalidade
tribuições de Jones e Davis (1965), Daryl no tratamento psicológico; terapia do estilo
Bem (1967) e de Harold Kelley (1967). Esse atribucional; a relação entre atribuição, de-
crescimento culminou na publicação de pressão e desamparo; atribuição a eventos
um livro em 1972, frequentemente citado, acidentais; aspectos atribucionais da medi-
Attribution: perceiving the causes of behavior, cina; administração da dor; modelos rela-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 135

cionando atribuição, expectativas, valores valeria o ser humano para compreender e,


e resultados educacionais; e abordagem do consequentemente, controlar seu comporta-
comportamento hiperativo à luz dos proces- mento, o comportamento de seu semelhan-
sos atribucionais. te e seu próprio mundo.
As pesquisas sobre esse assunto têm Aqui convém lembrar a distinção entre
envolvido os mais variados temas tradicio- cognição e percepção. Para Heider, o termo
nalmente estudados pela psicologia social, percepção refere­‑se mais propriamente aos
agora sob essa nova visão, e as aplicações casos em que existe certa estruturação de
das descobertas atingem as áreas da edu- seus componentes, e cognição diz respei-
cação, dos esportes, da psicologia clínica e to mais de perto aos eventos pouco estru-
aconselhamento, das relações interpessoais, turados nos quais os elementos brutos e o
do preconceito e estereótipo, da psicologia percepto dos mesmos estão mais distantes,
ambiental, da psicologia social do trabalho sendo, portanto, mais inconclusiva que a
e até da metodologia da pesquisa. percepção. Pode­‑se supor também que a
No Brasil, entretanto, até 1982, data cognição, ou percepção, como preferem al-
da publicação do primeiro livro sobre este guns, dos eventos sociais, segue leis menos
tema em nosso país, intitulado Atribuição de rígidas, estruturadas e estáveis que a per-
causalidade: teoria e pesquisa, (Dela Coleta, cepção de objetos ou eventos meramente
1982), somente alguns poucos (cerca de físicos.
uma dezena) trabalhos haviam sido dedi- Sabe­‑se que as pessoas não são sempre
cados a esse palpitante tema da psicologia lógicas e racionais ao efetuarem a atribuição
social. Na edição revista e ampliada dessa de causalidade aos eventos, mas refletem
obra, Dela Coleta e Dela Coleta (2006) ci- seus desejos, suas motivações e suas ne-
taram quase 500 referências sobre o tema, cessidades pessoais, o que torna o processo
sendo mais de 150 produzidas ou publica- muito mais complexo e as leis gerais que o
das no Brasil, onde o leitor encontrará um norteiam, de aplicação mais difícil. Na ver-
vasto conjunto aprofundado de informações dade, em boa parte das vezes, o processo de
sobre o assunto. atribuição de causalidade a um dado efeito
Sobre o papel das atribuições, Heider não necessariamente se submete a princí-
afirma que os homens buscariam sempre pios lógicos, mas, na maior parte das vezes,
definir as origens dos eventos que lhes ocor- é psico­‑lógico, ou seja, garante uma lógica
rem ou que observam, tendo em vista que pessoal, de significado para o indivíduo,
muitas vezes sem compromisso com evidên-
... o homem deseja conhecer as fontes de cias da realidade.
suas experiências, saber de onde vêm, Pode­‑se considerar, então, que a atri-
saber como surgem, não apenas por curio- buição de causalidade, de origem, de respon-
sidade intelectual, mas também porque sabilidade, constitui­‑se em uma organização
essa atribuição lhe permite compreender das experiências do indivíduo, baseando­‑se
o seu mundo, predizer e controlar acon- na busca pessoal da compreensão, na cau‑
tecimentos referentes a ele e aos outros. salidade fenomenal, formando uma relação
(Heider, 1970, p. 169) unitária entre a origem e as mudanças que
acarreta aos fenômenos e ao próprio com-
O ponto final desse processo de análi- portamento de quem fez tal atribuição.
se das causas dos eventos é a atribuição de Neste sentido, Heider definiu, em prin-
causalidade e de responsabilidade por parte cípio, dois fatores básicos aos quais as pes-
do percebedor. soas dirigiriam a atribuição de causalidade
Assim, a atribuição de causalidade, dos fenômenos que observassem: as forças
isto é, o processo pelo qual se buscariam do ambiente (atribuição externa ao sujeito
explicações acerca do porquê das ocorrên- envolvido na ação, causas impessoais, situa-
cias, seria um elemento poderoso do qual se cionais) e as características das pessoas (atri-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

136 Torres, neiva & cols.

buição interna ao sujeito envolvido na ação, dos fatos. Afirmam Jones e Nisbett (1972,
causas pessoais, disposicionais). p. 80) a esse respeito: “Existe uma profunda
Especificou melhor ainda, indicando tendência dos atores em atribuir suas ações
que as causas atribuídas ao ambiente pode- a exigências situacionais, enquanto os ob-
riam compreender tanto as características servadores tendem a atribuir a mesma ação
da situação, as dificuldades enfrentadas pelo a disposições pessoais estáveis”.
sujeito, as facilidades que o ambiente lhe Em uma extensão desses mesmos
proporcionou como as ocorrências devidas princípios, os observadores acreditam que
ao acaso, a eventos meramente fortuitos. As os atores dos comportamentos geradores
causas relativas ao sujeito seriam oriundas dos efeitos considerados possuem conjuntos
de duas fontes distintas: as características de respostas pré­‑determinadas e são porta-
estáveis do sujeito, suas habilidades, capaci- dores de traços de personalidade bastante
dades, potencialidades (ser capaz), ou suas estáveis, que terminam por governar os
necessidades do momento, suas motivações, comportamentos emitidos. Assim sendo, os
seu esforço, seu empenho, sua intenção em observadores classificam os atores em qua-
conseguir aquele efeito (tentar). dros bastante diferenciados, comparando­‑os
Ainda que Heider (1958) tivesse cha- com os outros atores, aparentando possuir
mado a atenção para possíveis diferenças uma teoria da personalidade dos atores que
entre os processos de atribuição de causa- segue uma linha normativa, nomotética,
lidade utilizados pelas pessoas que prati- com grupos e traços bem característicos e
caram os atos e aquelas outras que apenas diferenciados.
observaram os fatos, os grandes teóricos Por outro lado, os atores veem seus
da atribuição de causalidade que o segui- próprios comportamentos como decorrentes
ram ou só tratavam da atribuição por par- das circunstâncias particulares enfrentadas
te dos observadores (Jones e Davis, 1965), no momento, não admitindo uma categori-
ou não diferenciavam suficientemente os zação a sua personalidade, nem esta como
processos, quer para os atores quer para os determinante de seu comportamento em to-
observadores (Kelley, 1967), ou mesmo fa- das as circunstâncias. Concebem, por outro
ziam afirmações de que ambos estariam na lado, sua reação aos estímulos como algo
mesma situação e tenderiam a efetuar atri- pouco predizível e controlável, ao mesmo
buições semelhantes (Bem, 1967, 1972). tempo em que consideram sua personalida-
Entretanto, essas suposições teóricas vieram de um conjunto de valores, possibilidades e
a ser convenientemente sistematizadas, e estratégias de ação, em lugar de um grupo
uma distinção clara dos processos atribucio- de traços geradores de disposição de respos-
nais utilizados por atores e observadores só tas, comparando seus comportamentos e
foi objetivamente esclarecida com o traba- reações a si próprios, com seus atos anterio-
lho de Jones e Nisbett (1972) enfatizando res, e nunca com os outros.
a divergência de percepção das causas do Se o observador possui uma teoria de
comportamento por parte de atores e obser- personalidade do ator que tende para a linha
vadores de um mesmo fenômeno. normativa e nomotética, quando se refere a
Jones e Nisbett (1972) calcam as di- seu próprio comportamento as pes­soas ten-
ferenças das atribuições pelos sujeitos ato- dem a considerar mais as teorias que refor-
res e observadores no fato de que o ator do çam a importância dos fatores situacionais,
comportamento que provocou determinado históricos, em um modelo ideográfico, com
efeito apresenta a tendência a efetuar atri- os comportamentos obedecendo a tratamen-
buições de maneira a enfatizar o papel do to ipsativo. Ou por outra: “Traços de perso-
meio ambiente na provocação dessa ocor- nalidade são coisas que as outras pessoas
rência, enquanto os observadores tenderiam têm” (Jones e Nisbett, 1972, p. 92).
a indicar as disposições e as características As supostas razões determinantes des-
do ator como responsáveis pela ocorrência se fenômeno poderiam ser reunidas em três

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 137

grandes grupos: diferenças na obtenção de endeu até seu autor, que fez uma analogia
informações da situação e das pessoas; di- de sua publicação com um fósforo que usou
ferenças no processamento destas informa- para acender seu cachimbo e que jogou fora
ções; diferenças motivacionais. enquanto passeava em uma floresta e, quan-
Para tornar mais completa essa dis- do olhou para trás, viu que havia um grande
tinção, os estudos têm demonstrado a incêndio (Furnham e Steele, 1993).
existência de uma tendência de as pessoas Controle percebido (Perceived control)
atribuírem crédito a si próprias, a suas ca- é definido como o sentimento que o indi-
racterísticas, a sua capacidade, a seu esfor- víduo experimenta referente à medida com
ço, por atos com efeitos positivos, e a evi- que é capaz de determinar a ocorrência dos
tar aceitar responsabilidade nos casos de fenômenos, de provocar um dado efeito. É
comportamentos que produzi­ram um efeito a expectativa de que as causas internas pos-
negativo. Ao mesmo tempo, esse viés atri- sam suplantar as causas externas na origem
bucional implica a recusa em aceitar como dos fatos, de que os reforçamentos ocorrem
causa de comportamento dos outros que pela ação específica do indivíduo e não pela
produziram um final positivo suas caracte- ação das outras pessoas ou do meio que o
rísticas pessoais, disposições mais estáveis, cerca.
esforço, enquan­to se procuraria imputar às A principal contribuição à sistematiza-
variáveis pessoais dos outros a causalidade ção da in­fluência dos princípios de percepção
a fatos de cunho negativo. de controle na área da apren­dizagem social
A esse fenômeno atribuiu­‑se a deno- foi desenvolvida por Julian Rotter (Rotter,
minação de egotismo (ego­tism) (Snyder, 1966; James e Rotter, 1958) para quem “...
Stephan e Rosenfield, 1976, 1978) e a op- o potencial para o comportamento X ocorrer
ção por esse termo, em vez de outros corre- na situação 1, em relação ao reforçamento
latos, como defensividade, egoísmo, egocen­ A, é função da expectativa da ocor­rência do
trismo, racionalização, prende­‑se ao fato de reforçamento A, seguindo o comportamento
que estes últimos, de um modo ou de outro, X, na situação 1, e o valor deste reforçamen-
pressupõem envolvimento de natureza di- to A na situação 1” (Lefcourt, 1976, p. 26),
versa, conforme a teoria na qual tiveram ori- obedecendo à equação seguinte:
gem, o que contribui­ria para certa confusão
de entendimento dessa nova proposta. BPx.S1.RA = f (Ex1.RA.S1 & RV A.S1)

Assim, a probabilidade de ocorrência


Atribuição de causalidade de uma dada resposta tor­na­‑se função direta
e locus de controle do valor do reforçamento que a segue e da
ex­pectativa de que o comportamento possa
A percepção de controle é um construto provocar tal reforço na­quela situação.
introduzido na linguagem e nas linhas de Rotter também cunhou o termo locus
pesquisa psicológica no início dos anos de de controle (locus of con­trol) para designar
1960, e desde esse período vem merecen- o que ou quem detém o controle, o foco, o
do substancial atenção dos estudio­sos, e local do con­trole na determinação dos even-
um número impressionante de descobertas tos, conforme percebido pelo indiví­duo.
esclarecedoras desse fenômeno. Para que O locus de controle decorreria do pro-
se tenha uma ideia da penetração e disse- cesso de aprendizagem social, no qual as
minação deste construto, somente a mono- experiências de sucesso e de fracasso e as
grafia publicada por Rotter (1966) recebeu causas atribuídas pelo indivíduo para esses
até 1990 quase 5 mil citações, segundo o acontecimentos fariam com que ele adqui-
Current Contents (Rotter, 1990). risse uma percepção relativamente estável a
A repercussão do artigo original sobre respeito da fonte de controle dos eventos de
o locus de controle foi tão grande que surpre- sua vida.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

138 Torres, neiva & cols.

Locus de controle é um construto que as quais não poderiam exercer controle de


pretende explicar a per­cepção das pessoas forma alguma, e os externos defensivos, ou
a respeito da fonte, do lugar de origem, do externos outros podero­sos, que perceberiam
controle dos eventos, se própria do sujeito – o controle como a cargo de outras pessoas,
interno – ou pertencente a algum elemento que um dia poderiam ainda ser influencia-
fo­ra de si próprio – externo. das, controladas por eles.
De acordo com esse construto, as pes- A escala de Rotter de locus de controle
soas tenderiam a perce­ber o exercício de interno­‑externo, a mais empregada de todas
controle sobre as ocorrências de ma­neira elas, que consumiu cinco anos de pesquisa e
geral como, em um extremo, dependentes cinco formas preliminares antes que a escala
de suas próprias capa­cidades ou esforços fosse publicada (Rotter, 1990), com adapta-
ou, no outro extremo, como dependentes de ção ao meio brasileiro (Dela Coleta, 1979a),
ou­tras pessoas, do ambiente, de entidades, é um instrumento com 23 itens válidos de
do acaso, todas fora de seu próprio contro- escolha forçada, com duas opções em cada
le. Deixa­‑se claro aqui que os indivíduos se item – uma interna e outra exter­na – com-
posicionariam, a res­peito do locus de con- preendendo ainda mais seis itens distrativos
trole, em um contínuo, que variaria desde (filler itens), sendo corrigida na direção da
a in­ternalidade extrema até a externalidade externalidade, isto é, quanto maior o escore
total, não havendo, na verdade, “pessoas in- do sujeito, mais externo será seu locus de
ternas” ou “pessoas externas”, mas sim su- controle.
jeitos com locus de controle com maior ten- A escala multidimensional de Le­
dência à internalidade ou à externalidade. venson, com 24 itens no total, sendo 8 para
Para Lefcourt (1976) “... o locus de medida de cada dimensão, diferencia­‑se da
controle de um indivíduo é frequentemente escala de Rotter por se apresentar em um
inferido da expressão momentânea de seu formato Likert, com seus itens referindo­‑se
senso de causalidade, que, se solicitado em à própria pessoa, e não às pessoas em ge-
diferentes épocas, deve ser rela­tivamente ral. Diversos procedimentos foram utiliza-
consistente”. E ainda dos para a adaptação desta escala ao meio
brasileiro, demonstrando os resultados que
... locus de controle não é uma ca­ os índices de confiabilidade das subescalas
racterística a ser descoberta dentro dos eram aceitáveis, mas relativamente baixos,
indivíduos. Ele é um construto, uma fer- e semelhantes aos obtidos por Levenson
ramenta de trabalho na teoria da aprendi- (Dela Coleta, 1987).
zagem social, que permite a interpretação O locus de controle, inicialmente pro-
de observações feitas pelas pessoas em posto como medida generalizada da percep-
resposta a questões sobre causalidade. ção de controle, gerou estudos e medidas es-
(p. 111­‑112) pecíficas para aspectos particulares da vida
do indivíduo, tais como o trabalho, a escola,
Complementarmente ao conceito de o casamento ou a saúde, sendo aceito atual-
locus de controle e à diferenciação unidi- mente que é possível, ao mesmo tempo, um
mensional estabelecida por Rotter (1966) indivíduo ser mais interno a respeito de um
e seguidores entre sujeitos predominante- tema, e mais externo ao se considerar ou-
mente internos ou externos, alguns estudos tro. Assim, todos nós teríamos uma tendên-
(Levenson, 1974) propõem, ao lado da di- cia a perceber o controle de nossa vida de
mensão internalidade, a discriminação de um modo geral, como também teríamos a
dois tipos de sujeitos exter­nos: os externos percepção de controle mais em nossas mãos
autênticos, que perceberiam a origem do con- em algumas áreas, enquanto que, em ou-
trole como relacionado ao destino, ao azar, tras, nos sentiríamos controlados por outras
ao acaso, a entidades sobrenaturais, sobre pessoas ou por outros fatores externos. Uma

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 139

dona de casa pode sentir controle absoluto poderosos para a saúde na situação de do-
de sua cozinha, avaliar que conhece as re- ença, como já haviam sugerido Wallston e
ceitas e onde se encontram os ingredientes Wallston (1981, p. 217)
e utensílios, mas pode sentir total falta de
controle ao entregar o carro ao mecânico Apesar de ser uma dimensão externa,
para conserto, enquanto outra poderá sentir a crença nos outros poderosos para a
controle absoluto em seu ambiente de tra- saúde pode levar ao engajamento em
balho, mas não ter a mesma percepção ao comportamentos de saúde visto que a
tentar comunicar­‑se com seus filhos adoles- pessoa segue as recomendações de outro
centes. poderoso (particularmente o profissional
Os resultados de dezenas de estudos de saúde).
realizados em diversas partes do mundo,
no Brasil inclusive, e resenhados por Dela Em situações de atribuição de causa-
Coleta e Dela Coleta (2006) parecem ofere- lidade e julgamento de outros, os indivídu-
cer suporte ao fato de que maiores níveis de os mais internos atribuem maiores respon-
Internalidade no Locus de Controle estariam sabilidades que os externos aos motoristas
significativamente associados, entre deze- acusados de atropelamentos que causam
nas de outros fenômenos, a mais altos níveis ferimentos à vítima, recomendam maiores
de escolaridade e sócio­‑econômico, maior níveis de sentença de prisão ao acusado,
resistência a influências e a “tentações” no acreditam mais que o motorista poderia ter
processo de tomada de riscos, maior tole- evitado o acidente. No âmbito acadêmico, os
rância ao desconforto, mais questionamen- indivíduos mais internos apresentam maior
tos quando não são dadas instruções sufi- valor incentivo dos estudos (mais facilidade
cientes, maior tempo gasto para tomada de para iniciar e persistir no comportamento
decisão, maior resistência à coerção, maior de estudar), maior possibilidade subjetiva
curiosidade, mais planejamentos de longo de aprovação em exames escolares, maior
prazo, visão do futuro mais positiva, melho- índice de aprovação em processo seletivo de
res respostas de enfrentamento (coping) das ingresso no nível superior e, talvez a mais
adversidades, níveis mais altos de satisfação consistente das relações, considerando­‑se
conjugal, melhores resultados no tratamen- diferentes culturas, maiores níveis de inter-
to de doenças, comportamentos de saúde nalidade correspondem a índices superiores
mais adequados relativos a tabagismo, a va- de desempenho acadêmico em diferentes
cinação, a prática de exercícios, a controle níveis de escolaridade.
de natalidade, a perda de peso, a controle Como extensão desses princípios, a
de diabetes e a hipertensão, a uso de apa- percepção do locus de controle pelo sujei-
relhos ortopédicos e ortodônticos, a uso de to pode vir a ser o mediador na realiza-
medicação, a prevenção do enfarte, de di- ção ­pessoal do indivíduo (achievement),
versos tipos de câncer e da AIDS. uma vez que as pessoas precisam neces­
Ainda na área da saúde, a crença dos sariamente perceber que seus atos são re-
indivíduos na externalidade denominada levantes à determinação dos eventos para
Outros Poderosos para a saúde, que se refe- que venham a se engajar nessas atividades.
re a acreditar que a própria saúde deve es- Nesse sentido, o sacrifício, o empenho do
tar sob o controle de profissionais de saúde, sujeito em realizar algo superior ao que já
família e outros, está relacionada a seguir dispõe no momento seria função direta da
as recomendações médicas em 11 de 15 percepção de que é capaz de determinar as
comportamentos de prevenção e controle ocorrências, sendo mui­to duvidosa a parti-
de doenças cardiovasculares. Estes resulta- cipação das pessoas em empreendimentos
dos, aparentemente contraditórios, confir- que elas mesmas não acreditam que pos-
mam a importância da externalidade­‑outros sam controlar.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

140 Torres, neiva & cols.

Atribuição de ânimo como sendo propriedades internas;


causalidade e motivação ajuda de outras pessoas, dificuldade da
tarefa e acaso como fatores externos.
A importante diferenciação efetuada por 2. Causas que ocorrem com muita frequência,
Heider entre o ser capaz (can) e o tentar repetidamente, ou que ocorrem apenas de
(try), a causalidade pessoal e impessoal, in- vez em quando (estabilidade versus insta‑
fluenciou diretamente, entre outros, os tra- bilidade da causa), sendo esforço estável,
balhos de Weiner e colaboradores (Weiner capacidade, ajuda estável e dificuldade
et al., 1972) nos estudos de atribuição de da tarefa consideradas como estáveis; e
causalidade ao suces­so e ao fracasso, e na esforço instável, estado de ânimo, ajuda
proposta de explicação do processo mo- instável e acaso como instáveis.
tivacional com base na teoria de atribui- 3. E ainda uma terceira dimensão de causali-
ção (Weiner, 1991), que, segundo o pró- dade, proposta primeiramente por Heider
prio Heider (Harvey, Ickes e Kidd, 1976b), (1958), e rotulada por Weiner (1979)
constitui­‑se em uma das linhas de pesquisa como controlabilidade, associando­‑se a
ligadas à teoria de atribuição que mais se esta dimensão frequentemente as causas
desenvolveram após a publicação de seus esforço estável, esforço instável e ajuda
trabalhos seminais. como controláveis e acaso, capacidade,
Para Weiner e colaboradores (Weiner, dificuldade da tarefa e ânimo como in-
1972; Weiner et al., 1972) que propuseram controláveis.
um novo modelo atribucional para a motiva-
ção de realização, fundamentado nas ideias Para melhor explicitar as relações des-
apresentadas por Heider (1958), os indiví- sas três dimensões causais com as causas
duos utilizariam quatro elementos causais explicativas de eventos envolvendo sucesso
dis­tintos para julgar, antecipar, predizer, in- ou fracasso em realizações apresenta­‑se o
terpretar um evento envol­vendo ­realização: Quadro 6.1.
capacidade, esforço, dificuldade da tarefa e Estudos realizados (Weiner, Russell
acaso, dos quais seria função todo e qual- e Lerman, 1978; Weiner, 1979) sobre a
quer resultado da ação das pessoas. relação entre atribuição de causalidade e
No entanto, não se pode deixar de reações emocionais demonstraram que a
notar que frequentemente aparecem como consequência afetiva decorrente da ob-
causas outros fatores, tais como: cansaço, tenção de sucesso ou fracasso na realiza-
disposição, doenças e influência de outras ção de uma tarefa variava de intensidade
pessoas, cada uma apontada para um caso de acordo com a importância do evento,
específico. Assim sendo, mais tarde, o pró- da expectativa do sujeito para tal resul-
prio Weiner (1985), além do locus da causa tado e da atribuição causal que ele faz à
(interna ou externa), de sua estabilidade ocorrência. Em relação a esse fato, pode­
(estável ou instável), apontou outras dimen- ‑se apresentar um modelo (Figura 6.1) que
sões incluindo a controlabilidade da causa resume as relações entre atribuição e emo-
(controlável ou incontrolável), o grau de ções e deixa claro que as reações emocio-
generalidade da causa (geral ou específica, nais de um indivíduo diante do sucesso ou
globalidade x especificidade), sendo assim fracasso na realização de uma tarefa serão
definidas as três principais dimensões topo- influenciadas por fatores próprios da vida
gráficas, às quais ele denominou “dimen- do indivíduo (antecedentes) e pelas causas
sões causais”: a que ele atribui o resultado, levando em
consideração as dimensões em que se en-
1. Causas atribuídas a fatores internos ou ex‑ quadram tais causas, exercendo influências
ternos ao indivíduo (locus da causalidade), sobre as expectativas, as motivações e o
sendo frequentemente associadas a esse comportamento futuro desse mesmo indi-
grupo: esforço, capacidade, e estado de víduo (Weiner, Russell e Lerman, 1978).

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 141

Quadro 6.1
Dimensões causais e causas explicativaS do sucesso e do fracasso

Dimensão Dimensão Dimensão


Interna x Estável x Controlável x
Externa Instável Incontrolável CAUSAS

Interna Estável Controlável Esforço sistemático


Interna Estável Incontrolável Capacidade, aptidão
Interna Instável Controlável Esforço não sistemático
Interna Instável Incontrolável Estado de ânimo
Externa Estável Controlável Ajuda sistemática
Externa Estável Incontrolável Características da atividade
(tarefa fácil, tarefa difícil)
Externa Instável Controlável Ajuda não sistemática
Externa Instável Incontrolável Acaso, sorte, destino

Utilizando a adaptação dos modelos emprego apresentam maiores expectativas


propostos por Weiner (1979), Weiner, Russel de perderem o emprego no futuro quando
e Lerman (1978), Dela Coleta, Siqueira e comparados aos sujeitos que optaram por
Dela Coleta (1988) estudaram os processos atribuições internas, ocorrendo o contrário
atribucionais, os sentimentos, as expectati- com os sujeitos do sexo feminino.
vas e as respostas de enfrentamento utiliza- Tomando­‑se somente os sujeitos do
das em uma situação considerada de vitima- sexo masculino, observaram os autores asso-
ção, envolvendo a perda do emprego, em ciações entre predominância de atribuições
uma centena de sujeitos de ambos os sexos. internas à perda do emprego e realização de
Os resultados mostraram primeira- outros trabalhos temporários, resolução de
mente que a perda de emprego era atribuída problemas pendentes, atividades de estudos,
às condições econômicas da empresa ou do menos atividades de lazer, utilização menor
país, ao não atendimento das exigências da de recursos baseados em outras pessoas e na
tarefa e do emprego, às características dos fé para conseguir um novo emprego e afir-
sujeitos, às dificuldades de relacionamento mações mais frequentes de que, para con-
com os colegas, apontando, ainda, os fato- seguirem um novo emprego, devem mudar
res controlabilidade, estabilidade e interna- seu comportamento em relação à tarefa e à
lidade das causas, nesta ordem, como con- empresa, do que entre aqueles sujeitos que
tribuidores para o evento considerado. optaram por explicações externas, lembran-
As respostas relacionadas aos senti- do sempre que os sujeitos do sexo feminino
mentos experimentados quando da perda comportam­‑se de forma totalmente inversa
do emprego mostraram predominância de àqueles do sexo masculino.
estados de ânimo bastante negativos, sendo Enfim, concluem os autores terem
observados com maior frequência depres- obtido tendência de relação entre diferen-
são, raiva, ansiedade, nervosismo, baixa au- tes atribuições de causalidade à perda de
toestima, desamparo, conformidade e indi- emprego, e os sentimentos diversos frente
ferença. Os sujeitos do sexo masculino que a esta situação, conduzindo a divergentes
optaram por atribuições externas à perda do expectativas de se conseguir um novo em-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

142 Torres, neiva & cols.

Causas de Dimensões causais


Efeitos Consequências
Antecedentes sucesso ou Maturidade
causais comportamentais
fracasso cognitiva

Informações Capacidade Estabilidade Mudança de – Intensidade


específicas Esforço expectativa – Escolha
(Normas sociais, Dificuldade Locus da causa – Persistência
experiências da tarefa Reação afetiva – Índice de
anteriores, tempo Acaso resposta
gasto na tarefa) Estado de ânimo

Esquema causal Cansaço Controlabilidade – Resistência à


(crenças suficientes Ajuda de outros Intencionalidade extinção
X necesárias) Generalidade – Tempo gasto
para solucionar
Diferenças o problema
individuais (na
necessidade de
realização, sexo)

Esquema de
Reforços

Figura 6.1
Modelo Atribucional de Motivação de Realização.
Fonte: (Weiner, Russel e Lerman, 1978, p. 60, com pequenas adaptações).

prego, acompanhados de distintas soluções nho no esporte de sentimentos, expectativas


comportamentais para esse problema e de e comportamentos negativos.
diferentes crenças associadas à evitabilida- Os modelos e postulados propostos
de na reocorrência do evento vitimador. por Weiner e colaboradores envolvendo
Cardoso de Sá (2009), trabalhando as dimensões de causalidade, a relação da
com quase duas centenas de jogadores de atribuição de causalidade com os estados
futebol das categorias juvenil e adulto, e emocionais e com as expectativas de com-
valendo­‑se do modelo anteriormente expos- portamento futuro, a imputação de reforços
to, encontrou que os jogadores que se ava- ou punição à realização em função da atri-
liavam mais positivamente explicavam tal buição de causalidade a esses resultados,
desempenho utilizando predominantemen- encontram confirmação em nosso meio e,
te causas internas, estáveis e controláveis, salvo algumas particularidades, podem e
enquanto aqueles com menores índices de devem ser aplicados na compreensão, na
autoavaliação empregavam causas externas, explicação e na predição do comportamento
instáveis e controláveis. Na opinião do au- do brasileiro.
tor, tais explicações provocavam nos sujeitos
de ambos os grupos sentimentos positivos,
expectativas e disposições para comporta-
mentos futuros associados ao esporte. Para Atribuição de
melhor explicar seus resultados, o autor cita causalidade a acidentes
o conceito de otimismo ingênuo do brasi-
leiro, proposto por Rodrigues (1984b), que Acidentes são eventos em geral repentinos,
protegeria os sujeitos com baixo desempe- com muitas causas, com origem nas pessoas

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 143

envolvidas, em outros indivíduos, no meio satisfeitos em seu trabalho, integra­dos e


ambiente e na interação entre todos esses participantes na empresa, atribuem, prefe-
elementos, sendo muito difícil explicar com- rencialmente os acidentes a causas “pesso-
pletamente como eles ocorrem e qual a real ais”. Ao contrário, os operários insatisfeitos
contribuição de cada uma das variáveis re- com seu trabalho, pouco inte­grados e pouco
lacionadas. participantes, invocam muito mais frequen-
Como os seres humanos têm a ten- temente as causas “não pessoais” que impli-
dência a buscar explicações para tudo o que cam a responsabilidade da empresa.
ocorre com eles ou ao seu redor, as pessoas Nas respostas dos operários à ques-
quase sempre encontram uma explicação tão “os acidentes acontecem geralmente
pessoal, mais ou menos verdadeira, mais por quê?”, Dela Coleta (1979b) encontrou
ou menos lógica e fatual, para explicar es- que o maior percentual está a cargo do item
ses eventos e, em função disso, sentir maior “falta de orientação da forma como o ope-
controle pessoal da situação, proteger sua rário deve comportar­‑se para evitar aciden-
autoestima e, psicologicamente, evitar no- tes”, seguido por “acontece por acaso”. Ao
vas ocorrências de tal natureza. agrupar os dados das diversas categorias,
Sobre a percepção de origem e da atri- encontrou que 52% dos operários atribuem
buição de causalidade aos acidentes de tra- a origem dos acidentes às variáveis da em-
balho, muitos estudos têm sido conduzidos, presa, 22% aos empregados e 26% ao acaso,
e os resultados obtidos têm sido muito ricos. não havendo nesse particular diferença sig-
Olivier (apud Faverge, 1967), analisando nificativa entre os grupos de sujeitos multi
os relatórios de acidentes, mostrou que os e pouco acidentados. O acaso e as crenças
contramestres de minas de carvão atribuí- na fatalidade e no destino como causas ex-
am mais frequentemente (40,7%) as causas plicativas dos acidentes de trabalho também
dos acidentes à imprudência dos operários e são reportados por Barbichon (1962) em
às más condições de traba­lho, enquanto os pesquisa conduzida com operários de minas
contramestres­‑chefes declaravam mais fre- de carvão.
quentemente (58,3%) a imprudência como Em um estudo com sujeitos multiaci-
causa dos acidentes de trabalho. Assim, dentados, no período de três anos (mínimo
quanto mais próximo se está da realidade de 11 acidentes por sujeito), encontrou­‑se
dos acidentes, mais frequentemen­te se evo- que tais sujeitos apontavam, em primeiro lu-
cam causas mecânicas, técnicas e da orga- gar, o acaso como responsá­vel pela ocorrên-
nização para explicar o fato e, quanto mais cia de acidentes, vindo a seguir o trabalho
se sobe na hierarquia da empresa, mais se arriscado e a desordem no local de trabalho,
atribui a origem dos aci­dentes a causas pes- sendo só depois mencionados, com muito
soais dos operários. menor frequência, a distração e a precipita-
Em outro estudo sobre o mesmo as- ção dos operários (Dela Coleta, 1991).
sunto, Vibert (1957), considerando a re­ Sobre esse mesmo tema, Dela Coleta
presentação das causas dos acidentes como (1980a) encontrou variações importan­tes
possíveis componentes de sua de­terminação, na quantidade de responsabilidade atri-
apresenta os resultados das respostas de buída ao ator ou à vítima de um aci­dente
310 questionários aplica­dos a operários de envolvendo atropelamento de um pedestre
sete empresas do nordeste de Paris. Ao ana- por um automóvel, quando se variavam as
lisar os resultados mais particularmente e consequências, o sexo, o status e a idade dos
levando em conta a atribuição dos acidentes autores do atropela­mento e das vítimas.
a “causas pessoais” (desatenção, negligên- O mesmo autor (Dela Coleta, 1980b),
cia) ou a “causas não pessoais” (ritmo muito em sua tese de doutorado sobre atri­buição
rá­pido de trabalho, má proteção das máqui- de causalidade em sujeitos vítimas de uma
nas) e considerando outras variáveis dos su- perda importante (presos, am­putados e ce-
jeitos, o autor conclui que “... os operários gos), encontrou, entre 40 sujeitos amputa-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

144 Torres, neiva & cols.

dos (quase todos por acidentes de trabalho causadoras dos acidentes, são citadas a for-
ou de trânsito), que 32,5% dos casos atribu- mação deficiente do trabalhador, os conhe-
íram a origem de seu estado às outras pes­ cimentos insuficientes da forma correta de
soas, 30% ao destino, ao acaso, a Deus, 15% execução e, por outro lado, a imprudência e
à empresa, à sociedade em geral, 12,5% à o desrespeito às normas do segurança (Dela
falta de recursos, à situação econômica, ao Coleta, 1991).
tipo de trabalho e somente 10% a suas pró- Dela Coleta e colaboradores (1986)
prias características, falhas e erros. submeteram casos de acidentes verdadei-
Quando questionados a indicar uma ramente ocorridos em uma indústria side-
forma de prevenção a essas ocorrên­cias, rúrgica a três grupos de sujeitos: aos pró-
os sujeitos amputados responderam, em prios acidentados, a seus chefes imediatos
primeiro lugar, não haver “nada” capaz de e a seus chefes superiores, pedindo­‑lhes que
evitar o fato, vindo a seguir “comportamen- indicassem a intensidade em que diversas
to diferente de entidades e empresa”, “com- causas poderiam explicar aquela ocorrên-
portamento diferente de outras pessoas”, e cia. Entre muitas informações recolhidas,
poucos indicaram um comportamento dife- verificou­‑se a nítida tendência dos aciden-
rente de sua parte como forma de preven- tados a atribuírem causas externas, impes-
ção a essa perda. soais, aos acidentes sofridos; dos chefes
Em interessante estudo com operá- imediatos atribuírem igualmente às causas
rios de uma grande empresa siderúrgica pessoais e impessoais e dos chefes superio-
mostrou­‑se claramente que os operários ten- res indicarem muito mais as causas pessoais
dem a indicar com muito maior frequência dos operários co­mo explicadores da origem
uma falha humana como variável responsá- dos mesmos acidentes.
vel pela ini­ciação de um acidente de traba- Por meio dos estudos expostos nas
lho do que condições materiais e ambientais páginas anteriores, pode­‑se verificar clara-
inadequadas, sem diferenças marcantes en- mente uma divergência atribucional entre
tre acidentados e não acidenta­dos. Como distintas classes de sujeitos com variados ní-
forma de prevenção desses acidentes, do veis hierárquicos (quanto mais alto o nível
mesmo modo, colocam maior responsabili- do sujeito na organização, maior a tendência
dade sobre as pessoas, indicando como prá- a atribuições pessoais para os acidentes de
ticas prevencionistas: haver treinamento de trabalho; quanto mais baixo o nível hierár-
segurança para todos os funcionários, usar quico, maior a preferência por explicações
equipamento de proteção adequado, cons- externas), uma forte tendência à indicação
cientizar os funcioná­rios para trabalhar com do acaso, do destino, da pré­‑determinação
segurança, fazer palestras e exibir filmes so- como explicação para a ocorrência desses
bre segurança (Dela Coleta, 1991). eventos e, ainda, a predominância da indi-
Outro importante estudo com profis- cação das variáveis do homem como cau-
sionais de nível superior, de diversas espe- sas dos acidentes de trabalho. Para que os
cialidades, todos estudiosos e empregados processos de prevenção de acidentes, mor-
em atividades de segurança no trabalho, de- mente aqueles implicando modificações das
monstrou que 75% concordam com a exis- atitudes e dos comportamentos dos ope-
tência de predisposição individual a sofrer rários frente ao risco e aos acidentes, pos-
acidentes do trabalho, que, das três causas sam alcançar altos níveis de eficiência seria
apontadas como mais importantes para ex- desejável que ações fossem desenvolvidas
plicar a ocorrência de acidentes de trabalho, buscando alterar os processos atribucionais
duas referem­‑se a causas pessoais – execu- utilizados pelas pessoas envolvidas com tais
ção inadequada das tarefas e deficiências do eventos, visando garantir as modificações
trabalhador – e uma envolve deficiência nos almejadas na redução do número desses in-
equipamentos. Dentre as variáveis pessoais, fortúnios.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 145

Atribuição de causalidade separado recentemente para verificar as cau-


nas relações conjugais sas percebidas da separação. Das 10 pessoas,
9 declararam que o envolvimento romântico
Os primeiros estudos utilizando as teorias fora do casamento foi um aspecto importan-
de atribuição de causalidade para a com- te de sua separação e 8 sujeitos apontaram
preensão das relações conjugais buscavam a insensibilidade e a falta de afeição e de
inicialmente identificar as causas percebi- intimidade sexual. Os outros aspectos avalia-
das para o bom e o mau funcionamento da dos pelos sujeitos como importantes foram as
relação de casais e verificar as divergências diferenças de valores, de hábitos pessoais, de
atribucionais intra e entre casais. orientação religiosa, alcoolismo e abuso físi-
Sobre o conflito atribucional entre co. Todas as mulheres da amostra tomaram a
casais jovens, Orvis, Kelley e Butler (1976) iniciativa da separação, em geral mandando
mostraram que os comportamentos que o marido embora de casa.
geraram divergência entre os casais en- Ainda sobre as causas do fracasso con-
volviam: ser crítico, exigente ou inflexível, jugal, Newman e Langer (1981) pediram a
emocional, agressivo, insensível ou frio em um grupo de mulheres que explicassem a
relação ao outro; envolver­‑se muito em re- causa de seu divórcio e classificaram as res-
lacionamentos e atividades externas, ser in- postas em duas categorias: as explicações
conveniente em situações sociais, não gos- que enfatizavam as características (nega-
tar das pessoas ou evitá­‑las, ter hábitos ou tivas) do marido, por exemplo, o egoísmo
vícios desagradáveis, não apresentar moti- (atribuição interna estável), e as explicações
vação, ser passivo ou relaxado, não cumprir que enfatizavam a insatisfação com a intera-
com suas responsabilidades, evitar as ativi- ção entre o casal. Nenhuma dessas mulheres
dades ou engajar­‑se em uma determinada deu explicações que se referissem a sua pró-
atividade ou em uma maneira específica de pria pessoa, positivas nem negativas, mos-
fazer uma atividade. trando uma tendência egotista.
Investigando áreas de divergências e Holtzworth­‑Munroe e Jacobson (1985)
falta de conhecimento da divergência por compararam as causas percebidas para o
parte de adultos jovens que viviam juntos e comportamento do cônjuge junto a 20 casais
experimentavam conflito em seu relaciona- recrutados na comunidade e mais 22 casais
mento, Harvey e Wells mostraram diferen- com casamento infeliz, a metade já em tera-
ças entre os sexos: os homens indicaram a pia conjugal. Os resultados indicaram que os
incompatibilidade sexual como uma pode- casais infelizes desconfiavam dos compor-
rosa fonte de conflito, enquanto as mulhe- tamentos positivos de seus companheiros,
res subestimaram essa atribuição feita pelos os atribuíam às circunstâncias externas ou
homens. Estes também superestimaram a ao estado do cônjuge, os percebiam como
importância atribuída pelas mulheres à in- não intencionais, involuntários, de causas
compatibilidade sexual no conflito. O mes- instáveis e específicas. Os comportamentos
mo resultado discrepante foi obtido quando negativos foram atribuídos aos traços de
as mulheres avaliaram problemas financei- personalidade do cônjuge, percebidos como
ros como fonte de conflito. Sobre possíveis intencionais, voluntários, de causas estáveis
causas de conflito no relacionamento, os e globais. O grupo de casais “felizes” forne-
homens citaram, mais do que as mulheres, ceu explicações causais opostas a essas.
os assuntos sexuais, e as mulheres mencio- Outros estudos confirmaram essa ten-
naram, mais do que os homens, a presença dência individual em utilizar atribuições
de uma possível amante na vida do compa- internas para explicar o comportamento do
nheiro (Harvey, Wells e Alvarez, 1978). outro e a tendência de casais infelizes em
Os mesmos autores entrevistaram um atribuir mais os comportamentos negativos
pequeno grupo de 10 pessoas que haviam se do cônjuge a fatores internos, enquanto os

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

146 Torres, neiva & cols.

casais felizes mostram maior tendência para média das classificações das causas mostrou
atribuições internas aos comportamentos a seguinte ordem de importância: amor, res-
positivos do cônjuge (Jacobson, Macdonald, peito mútuo, companheirismo, confiança,
Follete e Berley, 1985; Fincham, Beach e sexo, comunhão de ideias, certos traços de
Baucom, 1987). personalidade, persistência, sorte, incluindo
Uma análise geral desses resultados também o dinheiro e a felicidade.
mostra que os casais não percebem as di- O propósito do estudo de Dela Coleta
vergências entre suas atribuições e que cada (1989) era identificar as causas de sucesso
um acha que o outro deve perceber as coisas no casamento, na opinião de homens e mu-
como ele as percebe, sendo possível inferir, lheres, moradores no interior do país, todos
com alguma segurança, que boa parte dos casados há pelo menos três anos, com filhos.
conflitos conjugais tem suas origens nas A pergunta sobre “as seis coisas principais
divergências atribucionais às diversas ocor- que devem existir para se conseguir e man-
rências da vida diária. ter um casamento ideal” gerou uma lista de
No Brasil, alguns estudos sobre a atri- 58 causas, que foram agrupadas, resultando
buição de causalidade ao fracasso do re- em uma lista final de 37 causas, destacando­
lacionamento conjugal mostraram causas ‑se 14 delas (Figura 6.2).
semelhantes e as mesmas tendências ego­ Quando essas causas foram avaliadas
‑defensivas, observando­‑se maior frequên- por casais casados, destacaram­‑se o amor
cia de causas externas em amostras com ní- em primeiro lugar em importância para o
vel sócio­‑econômico mais baixo. sucesso no casamento relativamente às de-
Em dois desses estudos foi elabora- mais causas, o dinheiro em último e as ou-
da uma lista de causas com base nos fato- tras causas agrupadas entre esses extremos
res propostos por Weiner e colaboradores (Dela Coleta, 1991).
(1972), envolvendo o locus e a estabilidade Com uma amostra de 100 homens e
das causas da separação, e pedindo­‑se aos mulheres, entre casados e separados (Dela
sujeitos que apontassem a concordância com Coleta et al., 1996), procurou­‑se comparar
cada uma (Machado e Dela Coleta, 2002). esses subgrupos quanto às causas percebidas
Os resultados indicaram que os indivíduos para o sucesso e o fracasso no casamento,
atribuíram sua separação principalmente ao encontrando­‑se respostas muito semelhan-
outro, concordando que o cônjuge não sou- tes. Tanto os homens quanto as mulheres
be fazer o casamento dar certo ou não se es- apontaram para o sucesso: amor, compreen-
forçou o bastante. Outras causas frequentes são, respeito, diálogo e compatibilidade, fide-
envolveram a falta de sorte de encontrar a lidade e confiança; entretanto, as mulheres
pessoa certa para se casar, a falta de habi- indicaram a fidelidade, o companheirismo e
lidade do casal para manter o casamento, o carinho com frequências mais altas.
azar na escolha, a falta de esforço de ambos, Em outro estudo (Norgren et al.,
a dificuldade de viver junto de outra pessoa, 2004), uma amostra de casais satisfeitos,
a escolha errada, as circunstâncias externas mantendo casamentos de longa duração,
que interferiram no casamento, a vontade indicou os componentes importantes para
de Deus, o destino e características de per- sua satisfação: confiança e respeito mútuos,
sonalidade do outro. A maioria discordou abertura, honestidade e integridade, gostar
das atribuições que se referiam à própria um do outro, concordância sobre compor-
pessoa, fosse por falta de habilidade, de es- tamento sexual, tomar as decisões juntos,
forço ou por características disposicionais interesses compartilhados a respeito dos fi-
próprias, confirmando­‑se novamente o fe- lhos, atratividade do cônjuge, humor e ale-
nômeno do egotismo. gria juntos, orientação espiritual semelhan-
No Rio de Janeiro, Jablonski e Rodri­ te. As indicações das causas da permanência
gues (1986) perguntaram a 400 jovens sol- no relacionamento revelaram, em primeiro
teiros: “o que faz durar um casamento?”. A lugar, o amor e a convicção de que o casa-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 147

Figura 6.2
Elementos essenciais para um casamento ideal.

mento é uma parceria para a vida toda; em te a falta de respeito e o egoísmo do par-
segundo, a complementação, a sinceridade, ceiro. Na categoria referente ao prazer, ho-
a paciência e a compreensão mútua. mens e mulheres acusaram a falta de desejo
Buscando aprofundar a temática sexu- sexual como uma das três causas principais
al no relacionamento conjugal, Dela Coleta de fracasso no relacionamento sexual.
(1992) procurou identificar as causas de su- Foi possível concluir que o relaciona-
cesso e de fracasso no relacionamento sexual mento sexual, satisfatório ou não, é atribuí-
entre pessoas heterossexuais casadas. Sobre do a causas internas (estáveis ou instáveis),
as causas de fracasso no relacionamento se- com algumas poucas referências a causas
xual, as mulheres indicaram a falta de intera- externas instáveis, como dinheiro, tempo,
ção entre o casal, de prazer, de amor, de co- ou problemas externos ao casal, mas que
municação, condições internas desfavoráveis também afetam seu relacionamento.
e falta de liberdade sexual, enquanto, para os O estudo de Marques (Marques, 2005;
homens, a ordem de frequência resultou em: Dela Coleta et al., 2004) foi baseado na
falta de prazer, de comunicação, de amor, de proposta de Weiner e colaboradores (1972)
interação entre o casal, condições externas e em sugestões de Sillars (1981) e Brehm
desfavoráveis, condições internas desfavorá- (1985) sobre o conflito no relacionamento
veis e falta de liberdade sexual. conjugal e buscou verificar a relação das
As diferenças entre os grupos mascu- atribuições causais com as emoções, as ex-
lino e feminino foram maiores na categoria pectativas e as ações, tendo como estímu-
“interação do casal”, na qual as mulheres lo desencadeante do processo a agressão à
concentraram suas respostas nas atitudes mulher pelo parceiro, conforme o modelo
negativas com relação ao par, principalmen- seguinte:

Afeto
Estímulo Cognições causais Resposta
Expectativa de meta

Figura 6.3
Modelo atribucional de ação (Weiner et al., 1972).

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

148 Torres, neiva & cols.

Em entrevistas realizadas em um pos- de sentimentos dirigidos contra o parceiro


to da Delegacia da Mulher, onde iam para (mais raiva, ódio, rejeição e nojo), expecta-
formalizar a queixa sobre as agressões, as tivas negativas se continuasse vivendo com
mulheres citaram com maior frequência os ele (risco de vida), expectativas positivas se
ciúmes, os problemas psicológicos do par- decidisse deixá­‑lo (vida digna) e intenção
ceiro, o álcool ou as drogas como as causas de romper o relacionamento.
percebidas por elas para a primeira e a últi- Os estudos conduzidos no Brasil so-
ma ocorrência de agressão. bre as causas de sucesso no relacionamento
Considerando­‑se os resultados rela- conjugal e sexual levam a algumas conclu-
tivos às dimensões locus e estabilidade da sões. Em primeiro lugar, o amor é a causa
causa da violência do parceiro, verificou­ apontada com maior frequência nos estudos
‑se que as principais causas percebidas na sobre casamento, ocorrendo o mesmo em
primeira agressão foram classificadas como outras culturas (Rhyne, 1981; Diaz­‑Loving,
internas e instáveis. Os resultados relativos Gamboa e Canales, 1988; Buss et al., 1990;
à atribuição decorrente da última agressão Sharlin, Kaslow e Hammerschmidt, 2000).
mostraram que a maioria das mulheres iden- No relacionamento sexual, o amor
tificou as causas como internas e estáveis, é a causa de sucesso mais citada pelos ho-
mostrando que a causa continuava a ser o mens e a segunda causa para as mulheres,
próprio parceiro (causa interna, pessoal), que in­dicam, com maior frequência, respei-
mas que houve uma mudança na atribui- to, compreensão, interesse, sinceridade e
ção à estabilidade da causa, passando a ser atenção. A semelhança dessas causas com
percebida mais como devida a característi- aquelas relativas ao relacionamento conju-
cas estáveis da personalidade do parceiro, gal sugere que o sexo não é percebido como
sendo bem menor o número daquelas que um fim em si mesmo nem como um aspecto
a perceberam como decorrente de estados isolado do casamento, mas integrado aos
momentâneos e situacionais. demais ­aspectos da interação conjugal, sen-
Com relação à dimensão controlabi- do isso verdadeiro principalmente para as
lidade da causa, verificou­‑se que a grande mulheres.
maioria das entrevistadas acreditava que, Para um casamento bem­‑sucedido,
na época da primeira ocorrência, era possí- as condições econômicas, apesar de serem
vel controlar a violência do parceiro; entre- consideradas de menor importância em re-
tanto, essa tendência inverteu­‑se em relação lação às outras causas, sempre são citadas
à ultima agressão, com a maioria conside- nos estudos brasileiros, o que não ocorre
rando a causa incontrolável, não mais acre- em estudos conduzidos em outros países.
ditando serem capazes de modificar a causa Entretanto, esta é uma das causas principais
da ocorrência da violência. de divórcio e separações, juntamente com a
A análise das relações entre atribui- infidelidade e a falta de amor, citadas em
ções, sentimentos, expectativas e ações diversos estudos (Levinger, 1966; Bentler
relativas à última agressão sofrida indicou e Newcomb, 1978; Albrecht, 1979; Kelly e
que a atribuição a causas internas, estáveis Conley, 1987; Pasquali e Moura, 2003).
e incontroláveis da agressão está relaciona- Em segundo lugar, diferenças de gêne-
da a maior culpa percebida no agressor, a ro foram observadas em todos os estudos.
menor culpa atribuída a si mesma, a maior O sexo e os filhos parecem ser mais impor-
intenção de agredir e a maior probabilidade tantes para o sucesso no casamento para os
de ter evitado a agressão, quando compa- homens do que para as mulheres, enquan-
rada às atribuições predominantemente in- to a comunicação, o respeito, a confiança,
ternas, instáveis e controláveis feitas para a o companheirismo, a compatibilidade e a
primeira agressão sofrida. Estas atribuições compreensão são mais importantes para
de causa, de culpa e de responsabilidade elas, tanto no casamento quanto no relacio-
ao parceiro relacionaram­‑se ao predomínio namento sexual em particular.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 149

O sucesso e o fracasso no relaciona- tam mais sentimentos difusos, expectativas


mento conjugal e sexual são semelhante- positivas para o relacionamento e tendem
mente atribuídos às mesmas causas por a manter a relação. Aquelas que atribuem
homens e mulheres de diferentes culturas, causas internas, porém estáveis e incontro-
entretanto, a ordem de importância destas láveis, para o comportamento agressivo do
causas varia em função do sexo. companheiro, apresentam mais sentimentos
Diferenças de gênero identificadas na negativos dirigidos a ele, piores expectativas
literatura sugerem que, em geral, os homens para a vida conjugal, melhores expectativas
estão mais satisfeitos com seus casamentos para a vida sem ele e intenção de deixá­‑lo.
e menos satisfeitos quanto ao relacionamen- Além disso, tendem a procurar a delegacia
to sexual do que as mulheres, consideram para dar fim às agressões.
mais a incompatibilidade sexual como uma Conforme sugere Rhyne (1981), ou-
poderosa fonte de conflito, percebem mais o tras variáveis que têm demonstrado influen-
sexo e o amor como duas coisas separadas, ciar a percepção de valor dessas causas são
apresentam maior orientação para o sexo a idade e o número de filhos, a idade dos
sem restrições, apesar de que nos estudos cônjuges e o tempo de casamento, suge-
atuais verificam­‑se menores diferenças en- rindo que a fase do ciclo de vida familiar
tre homens e mulheres em atitudes com re- pode promover modificações na percepção
lação à sexualidade, com poucas diferenças dos sujeitos sobre os fatores aos quais são
comportamentais. As mulheres dão maior atribuídos o sucesso ou o fracasso da vida
importância ao carinho e ao romance, de- conjugal e sexual.
sejam mais o envolvimento afetivo antes do
sexual e consideram mais importantes os
problemas financeiros e a infidelidade como
causas de conflito. Ambos culpam mais as Referências
mulheres pelo fracasso no casamento.
Diferenças atribucionais entre ator ALBRECHT, S. L. Correlates of marital happiness
e observador também são encontradas na among the remarried. Journal of Marriage and the
Family, v. 41, p. 857-867, 1979.
relação conjugal, mostrando que homens e
mulheres são egotistas em suas explicações ANTAKI, C. L.; BREWIN, C. Attributions and
psychological change: applications of attributional
do conflito, atribuindo maior responsabili-
theories to clinical and educational practice. Lon-
dade ao outro. Além disso, na explicação dres: Academic Press, 1982.
do próprio comportamento, o ator utiliza
BARBICHON, G. La perception des risques chez
causas externas e estados internos tempo- les mineurs. Bulletin du CERP, v. 1, n. 11, p. 1-12,
rários, enquanto o observador enfatiza as 1962.
características do ator (traços) e sua atitude
BEM, D. J. Self-perception: an alternative interpre-
negativa. Ao se considerar a qualidade do tation of cognitive dissonance phenomena. Psycho‑
relacionamento conjugal, os casais infelizes logical Review, v. 74, n. 3, p. 183-200, 1967.
atribuem os comportamentos positivos do BEM, D. J. Self-perception theory. In: BERKOWITZ,
outro a circunstâncias externas ou ao estado L. (Ed.). Advances in experimental social psychology.
do mesmo, como atos não intencionais e in- Nova York: Academic Press, 1972. v. 6, p. 1-62.
voluntários; os comportamentos negativos BENTLER, P. M.; NEWCOMB, M. D. Longitudinal
são atribuídos a características estáveis do study of marital success and failure. Journal of
outro (traços de personalidade) e percebi- Consulting and Clinical Psychology, v. 46, n. 5, p.
dos como atos intencionais e voluntários, en- 1053-1070, 1978.
quanto os casais felizes dão causas opostas BREHM, S. S. Intimate relationships. Nova York:
para os mesmos comportamentos. Mulheres Random House, 1985.
vítimas de agressão no relacionamento con- BUSS, D.M. et al. International preferences in
jugal, que atribuem os maus tratos a causas selecting mates: A study of 37 cultures. Journal of
internas, instáveis e controláveis, apresen- Cross-Cultural Psychology, v. 21, p. 5-47, 1990.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

150 Torres, neiva & cols.

CARDOSO DE SÁ, L. Atribuição de causalidade DELA COLETA, M. F. Locus de Controle e Satisfação


ao nível de competência em jogadores de futebol. Conjugal. Dissertação (Mestrado). Universidade de
Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Brasília, Brasília, 1989.
Uberlândia, Uberlândia, MG, 2009. DELA COLETA, M. F. Causas atribuídas ao sucesso
DELA COLETA, J. A. A escala de locus de controle e fracasso no casamento. Psico, v. 22, n. 2, p. 21-
interno-externo de Rotter: um estudo exploratório. 39, 1991.
Arquivos Brasileiros de Psicologia, v. 31, n. 4, p. DELA COLETA, M. F. Causas de sucesso e de fra-
167-181, 1979a. casso no relacionamento sexual: análise temática.
DELA COLETA, J. A. Estudo de variáveis biográ- In: SOCIEDADE BRASILEIRA DE PSICOLOGIA
ficas, sociais, organizacionais e atitudinais em (Org.). XXII Reunião Anual de Psicologia. Resu‑
grupos de sujeitos multi e pouco acidentados. mos de Comunicação Científica... Ribeirão Preto,
Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 7, p. 1992. p. 35.
28, p. 24-30, 1979b.
DELA COLETA, M. F.; ALFREDO, A. S.; SILVA, R.
DELA COLETA, J. A. Atribuição de responsabili- F.; BATISTA, R. L.; COUTINHO, S. A. Elementos
dade por um acidente – um estudo explora­tório. causais de sucesso e de fracasso no casamento e
Arquivos Brasileiros de Psicologia, v. 32, n. 1, p. locus de controle [Resumo]. In: SOCIEDADE DE
95-128, 1980a. PSICOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO (Org.).
DELA COLETA, J. A. Atribuição de causalidade em II Reunião Anual da Sociedade de Psicologia do
presos, amputados e cegos: aceitação e luta contra Triângulo Mineiro. Anais... Uberlândia, 1996. p.
o infortúnio. Tese (Doutorado) – Fundação Getúlio 103.
Var­gas, Rio de Janeiro, 1980b. DELA COLETA, M. F.; MARQUES, T. M.; REIS, A.
DELA COLETA, J. A. Atribuição de causalidade: H.; BORGES, M. R.; MOREIRA, M. A. S.; FER-
teoria e pesquisa. Rio de Janeiro: Editora da Fun- NANDES, M. N. Violência conjugal: percepções
dação Getúlio Vargas, 1982. e reações de mulheres agredidas [Resumo]. In:
DELA COLETA, J. A. Principales desarollos e aplica- SOCIEDADE BRASILEIRA DE PSICOLOGIA (Org.).
ciones de la Teoria de Atribuicion de causalidad en XXXIV Reunião Anual de Psicologia (CD-ROM).
el Brasil. Revista de Psicologia Social y Personalidad, Anais... Ribeirão Preto, 2004.
v. 6, n. 1-2, p. 57-73, 1990. DÍAZ-LOVING, R.; GAMBOA, M.; CANALES, L.
DELA COLETA, J. A. Acidentes de trabalho. São Exploraciones en la configuración semantica del
Paulo: Atlas, 1991. noviazgo, el matrimonio y la infidelidad. In: ASO-
CIACIÓN MEXICANA DE PSICOLOGÍA SOCIAL
DELA COLETA, J. A.; MELLO E SILVA, L. H. L.; (Org.). La Psicologia Social en Mexico. Mexico: Ed.
FREITAS, L.; PETERS, L. R. As causas dos aciden- AMEPSO, 1988. v. 2, p. 172-178.
tes de trabalho para operários acidentados e não
acidentados, chefes e supervisores de segurança. FAVERGE, J. M. Psychosociologie des accidents du
Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, v. 53, n. travail. Paris: PUF, 1967.
14, p. 42-51, 1986. FINCHAM, F. D.; BEACH, S. R.; BAUCOM, D. H.
DELA COLETA, J. A.; DELA COLETA, M. F. Atribui‑ Attribution processes in distressed and nondistres-
ção de Causalidade: teoria, pequisa e aplicações. sed couples: 4. Self-partner attribution differences.
Taubaté-SP: Cabral Livraria e Editora Universitária, Journal of Personality and Social Psychology, v. 52,
2006. n. 4, p. 739-748, 1987.
DELA COLETA, J. A.; SIQUEIRA, M. M. M.; DELA FURNHAM, A.; STEELE, H. Measuring Locus of
COLETA, M. F. Atribuiciones de causalidad e reac- Control: A critique of general, children’s, health
ciones ante el desempleo [Resumo]. In: UNIVER- and work-related locus of control questionnaires.
SIDAD DE LOS ANDES (Org.). Memórias EVEMO, British Journal of Psychology, v. 84, p. 443-479,
v. 2, p. 16-40, Mérida: Chile, 1988. 1993.
DELA COLETA, J. A.; SANTAMARINA, M. B.; HARVEY, J. H.; ICKES, W.; KIDD, R. F. New direc‑
CASTRO, S. A. Atribuição de causalidade a eventos tions in attribution research. Hillsdale: Lawrence
naturais e acidentais em amostras de baixo nível Erlbaum Associates, 1976a. v. 1.
cultural. Relatório (Pesquisa). Universidade Fede- HARVEY, J. H.; ICKES, W.; KIDD, R. F. A conversa-
ral de Uberlândia, Uberlândia, 1986. tion with Fritz Heider. In: HARVEY, J. H.; ICKES,
DELA COLETA, M. F. Escala multidimensional de W.; KIDD, R. (Ed.). New directions in attribution
locus de controle de Levenson. Arquivos Brasileiros research. Hillsdale: Lawrence Erlbaum, 1976b. v.
de Psicologia, v. 39, n. 2, p. 79-97, 1987. 1, p. 3-18.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 151

HARVEY, J. H.; ICKES, W.; KIDD, R. F. New direc‑ LEY, H. H.; NISBETT, R. E.; VALINS, S.; WEINER,
tions in attribution research. Hillsdale: Lawrence B. (Org.). Attribution: perceiving the causes of
Erlbaum Associates. 1978. v. 2. be­havior. Morristown: General Learning Press,
HARVEY, J. H.; ICKES, W.; KIDD, R. F. New direc‑ 1972. p. 79-94.
tions in attribution research. Hillsdale: Lawrence KELLEY, H. H. Attribution theory in social psycho-
Erlbaum Associates, 1981. v. 3. logy. In: VINE, D. L. (Ed.). Nebraska Symposium on
HARVEY, J. H.; SMITH, W. P. Social psychology – an Motivation. Lincoln: University of Nebraska Press,
attributional approach. Saint Louis: Mosby, 1977. 1967. p. 192-238
HARVEY, J. H.; WELLS, G. L.; ALVAREZ, M. D. At- KELLEY, H. H.; MICHELA, J. L. Attribution theory
tribution in the context of conflict and separation and research. Annual Review of Psychology, v. 31,
in close relationships. In: HARVEY, J. H.; ICKES, p. 457-501, 1980.
W.; KIDD, R. (Ed.). New directions in attribution KELLY, E. L.; CONLEY, J. J. Personality and compa-
research. Hillsdale: Lawrence Erlbaum, 1978. v. tibility: A prospective analysis of marital stability
2, p. 236-260. and marital satisfaction. Journal of Personality and
HEIDER, F. Social perception and phenomenal Social Psychology, v. 5, n. 1, p. 27-40, 1987.
causality. Psychological Review, v. 51, n. 6, p. 358- LEFCOURT, H. M. Locus of Control: current trends
374, 1944. in theory and research. Hillsdale: Lawrence Erl-
HEIDER, F. The psychology of interpersonal rela‑ baum Associates, 1976.
tions. Nova York: John Wiley, 1958. LEVENSON, H. Activism and powerful others:
HEIDER, F. Psicologia das relações interpessoais. distinctions within the concept of internal-external
São Paulo: Pioneira/Ed. da Uni­versidade de São control. Journal of Personality Assessment, v. 38, n.
Paulo, 1970. 4, p. 377-383, 1974.
HOLTZWORTH-MUNROE, A.; JACOBSON, N. S. LEVINGER, G. Sources of marital dissatisfaction
Causal attributions of married couples: When do among applicants for divorce. American Journal
they search for causes? What do they conclude for Orthopsychiatry, v. 36, p. 803-807, 1966.
when they do? Journal of Personality and Social
MACHADO, L. M.; DELA COLETA, M. F. A per-
Psychology, v. 48, n. 6, p. 1398-1412, 1985.
cepção de homens e mulheres separados sobre o
JABLONSKI, B.; RODRIGUES, A. Atitudes e expec- casamento. Revista da Sociedade de Psicologia do
tativas de jovens solteiros (as) com relação ao casa- Triângulo Mineiro, v. 6, n. 2, p. 90-95, 2002.
mento [Resumo]. In: SOCIEDADE DE PSICOLOGIA
DE RIBEIRÃO PRETO (Org.). XVI Reunião Anual MARQUES, T. M. Violência Conjugal: Estudo sobre
da Sociedade de Psicologia de Ribeirão Preto. a permanência da mulher em relacionamentos
Resumos... Ribeirão Preto, 1986. p. 105. abusivos. Dissertação (Mestrado) – Universidade
Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2005.
JACOBSON, N. S.; MACDONALD, D. W.; FOLLETTE,
W. C.; BERLEY, R. A. Attributional processes in dis- NEWMAN, H. M.; LANGER, E. J. Post-divorce
tressed and nondistressed married couples. Cognitive adaptation and the attribution of responsibility.
Therapy and Research, v. 9, n. 1, p. 35-50, 1985. Sex Roles, v. 7, p. 223-232, 1981.
JAMES, W. H.; ROTTER, J. B. Partial and 100% NORGREN, M. B. P.; SOUZA, R. M.; KASLOW, F.;
reinforcement under chance and skill conditions. HAMMERSCHMIDT, H.; SHARLIN, S. A. Satisfação
Journal of Experimental Psychology, v. 55, n. 5, p. conjugal em casamentos de longa duração: uma
397-402, 1958. construção possível. Estudos de Psicologia, v. 9, n.
3, p. 575-584, 2004.
JONES, E. E.; KANOUSE, D. E.; KELLEY, H. H.; NIS-
BETT, R. E.; VALINS, S.; WEINER, B. Attribution: ORVIS, B. R.; KELLEY, H. H.; BUTLER, P. Attribu-
perceiving the causes of behavior. Morristown: tional conflict in young couples. In: HARVEY, J.
General Learning Press, 1972. H.; ICKES, W.; KIDD, R. (Ed.). New directions in
JONES, E. E.; DAVIS, K. E. From acts to dispositions attribution research. New York: Jossey Bass, 1976.
the attribution process in per­son perception. In: v. 1, p. 225-253.
BERKOWITS, L. (Ed.). Advances in experimental PASQUALI, L.; MOURA, C. F. Atribuição de causa-
social psychology. Nova York: Academic Press, lidade ao divórcio. Avaliação Psicológica, v. 2, n.
1965. v. 2, p. 219-266. 1, p. 1-16, 2003.
JONES, E. E.; NISBETT, R. E. The actor and the RHYNE, D. Bases of marital satisfaction among
observer: divergent perception of the causes of men and women. Journal of Marriage and the
behavior. In: JONES, E. E.; KANOUSE; D. E.; KEL- Family, v. 40, p. 941-955, 1981.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

152 Torres, neiva & cols.

RODRIGUES, A. Atribuição de causalidade: estu- WALLSTON, K. A.; WALLSTON, B. S. Health locus


dos brasileiros. Arquivos Brasileiros de Psicologia, of control scale. In: LEFCOURT, H. M. (Ed.). Rese‑
v. 36, p. 5-20, 1984a. arch with the Locus of Control Construct. Assessment
RODRIGUES, A. Atribuição de causalidade ao Methods. Nova York: Academic Press, 1981. v. 1,
sucesso e fracasso como mediador da reação p. 189-243.
emocional e de expectativa de comportamento. WEINER, B. Theories of motivation: from mecha-
Arquivos Brasileiros de Psicologia, v. 36, p. 12-25, nism to cognition. Chicago: Rand McNally, 1972.
1984b. WEINER, B. A Theory of motivation for some
ROTTER, J. B. Generalized expectancies for in- classroom experiences. Journal of Educational
ternal versus external control of reinforcement. Psychology, v. 71, p. 3-25, 1979.
Psychological Monographs: general and applied. WEINER, B. An attributional theory of achievement
Washington: 80 (whole n. 609), 1966. motivation and emotion. Psychological Review, v.
ROTTER, J. B. Internal versus external control of 92, n. 4, p. 548-573, 1985.
reinforcement: a case history of a variable. Ameri‑ WEINER, B. An attributional theory of motivation
can Psychologist, v. 45, n. 4, p. 489-493, 1990. and emotion. Nova York: Spring-Verlag, 1986.
SHARLIN, A. S.; KASLOW, F.; HAMMERSCHMIDT, WEINER, B. Metaphors in motivation and at-
H. Together through thick and thin: a multinational tribution. American Psychologist, v. 46, n. 9, p.
picture of long-term marriages. Nova York: The 921-930, 1991.
Haworth Clinical Practice Press, 2000.
WEINER, B. Judgements of responsibility: a foun-
SILLARS, A. L. Attributions and interpersonal dation for a theory of social conduct. Nova York:
conflict resolution. In: HARVEY, J. H.; ICKES, Guilford, 1995.
W.; KIDD, R. (Org.). New directions in attribution
WEINER, B. Social motivation, justice, and the mo‑
research. Hillsdale: Lawrence Erlbaum, 1981. v.
ral emotions: An attributional approach. Mahwah:
3, p. 281-305.
Lawrence Erlbaum Associates Publishers, 2006.
SNYDER, M. L.; STEPHAN, W. E.; ROSENFIELD, D.
WEINER, B.; FRIEZE, I.; KUKLA, A.; REED, L.;
Egotism and attribution. Journal of Personality and
REST, S.; ROSEMBAUM, R. M. Perceiving the
Social Psychology, v. 33, n. 4, p. 435-441, 1976.
causes of success and failure. In: JONES, E. E.;
SNYDER, M. L.; STEPHAN, W. E.; ROSENFIELD, D. KANOUSE, D. E.; KELLEY, H.H.; NISBETT, R. E.;
Attributional egotism. In: HARVEY, J. H.; ICKES, VALINS, J.; WEINER, B. (Ed.). Attribution: percei‑
W.; KIDD, R. (Ed.). New directions in attribution ving the causes of behavior. Morristown: General
research. Hillsdale: Lawrence Erlbaum, 1978. v. Learning, 1972. p. 95-120.
2, p. 91-117.
WEINER, B.; RUSSEL, D.; LERMAN, D. Affective
VIBERT, P. La répresentacion des causes des ac- consequences of causal ascription. In: HARVEY, J.
cidents du travail. Bulletin du CERP, v. 6, n. 4, p. H.; ICKES, W. J.; KIDD, R. F. (Ed.). New directions
423-429, 1957. in attribution research. Nova Iorque: Lawrence
Erlbaum, 1978. v. 2, p. 59-90.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

7
Influência social e poder
Ronald Fischer
Christin­‑Melanie Vauclair

A influência social é, sem sombra de dúvi- ampliar o escopo para outras áreas que jul-
das, um dos tópicos mais importantes na gamos serem importantes e interessantes.
psicologia social. Alguns autores chegam a Quais os tipos de influência social que
argumentar que a psicologia social é quase podemos diferenciar? Ng (2001) definiu
sinônimo da pesquisa da influência social três tipos de influência basicamente diferen-
(Levy, Collins e Nail, 1998; Vaughan e Hogg, tes. Em primeiro lugar, o tipo mais comu-
2005). Allport (1924) definiu a psicologia mente estudado envolve a influência direta
social como o estudo sobre como as pesso- pessoa­‑a­‑pessoa, em consonância com gran-
as são influenciadas pela presença (real ou de parte das pesquisas listadas nos livros de
imaginária) dos outros. Esta é uma noção psicologia. Esse tipo de pesquisa se destaca
bastante individualista da psicologia social pelo foco no indivíduo, segundo a definição
e da influência social, que negligencia os fe- de psicologia social de Allport, com uma cla-
nômenos em nível mais indireto e de grupo ra tendência individualista, já que se con-
(Ng, 2001). Forgas e Williams (2001) enfa- centra na pessoa influenciada por algum
tizam que todo e qualquer comportamento outro agente (influenciador) e na influência
interpessoal envolve alguma forma de pro- da informação mais do que na influência
cessos de influência mútua, e que os grupos normativa (Ng, 2001). Ela se encaixa na re-
ou sociedades só existem e funcionam por cente mudança das teorias de psicologia so-
causa das formas de influência social efeti- cial para social­‑cognitiva e dos paradigmas
vas, difundidas e compartilhadas. Em opo- que conceitualizam as pessoas como uma
sição a essa visão geral, muito da pesquisa entidade autônoma de significação e pen-
psicológica tem se concentrado em fenôme- samento racional. As influências normativas
nos mais estreitos na descrição de influên- advindas de grupos e estruturas sociais são
cia social. Nos livros de psicologia social, os menos centrais. O segundo nível de influên-
capítulos sobre influência social geralmente cia está relacionado à manipulação indireta
discutem estudos de conformidade e obedi- das normas e costumes sociais e das atitudes
ência (Asch, 1952; Milgram, 1963; Sherif, sociais ou culturais. Aqui, um agente pode
1936), facilitação social (Triplett, 1898; influenciar os outros manipulando agendas,
Zajonc, 1965.), vadiagem social1 (Karau mobilizado valores e normas sociais para
e Williams, 1993; Ringelmann, 1913) e direcionar a discussão ou excluir ou isolar
mudança de atitude e persuasão (Petty e algumas pessoas da discussão. O nível final
Cacioppo, 1986). Neste capítulo, analisa- é o mais sutil, indireto e difícil de observar.
remos alguns desses estudos e abordagens Aqui, as atitudes, crenças e comportamen-
clássicas sobre a influência social, além de tos são influenciados pelos outros sem que

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

154 Torres, neiva & cols.

a pessoa tenha consciência das estratégias gação social e criar e abrir caminhos para
de influência. O melhor exemplo talvez se- pesquisas futuras de relevância teórica e
jam as influências culturais nas pessoas. A prática. Começaremos delineando e descre-
cultura é um conjunto difuso de tradições, vendo alguns trabalhos clássicos na litera-
normas, ideologias e valores que influencia tura sobre influência social e poder. Devido
como as pessoas pensam, sentem e se com- ao grande volume desse trabalho, nosso
portam sem que o indivíduo tenha consci- panorama é seletivo e se concentra apenas
ência dessa influência em seus pensamen- em alguns estudos­‑chave, descobertas e áre-
tos, sentimentos ou comportamentos. Tais as de influência social. Depois, enfatizamos
processos são reproduzidos e perpetuados os processos sociais e grupais com grande
por meio de mecanismos de socialização e potencial para a pesquisa futura. Nós nos
ajudam a estabilizar e a manter os grupos baseamos em pesquisas que são relevantes
sociais e as sociedades. para o Brasil, quando disponíveis, e discu-
Um outro insight resultante dessa dis- tiremos as condições culturais e sociais no
tinção de três níveis é que muitas pesquisas Brasil quando vincularmos a pesquisa inter-
sobre a tradição da influência social se con- nacional aos exemplos brasileiros.
centram na pessoa que é influenciada, dando
menos ênfase sobre o agente ou a fonte de
influência. A pesquisa sobre o poder (French
e Raven, 1959; Raven, 1965; Raven, 1993; Tipologias clássicas da
Raven e French, 1958) faz a diferença entre influência social e do poder
diferentes fontes de poder que influenciam
as pessoas. Alguns desses trabalhos têm Levy e colaboradores (1998) apresentaram
renascido nos ambientes organizacionais, uma taxonomia de tipos de influência social
como, por exemplo, no trabalho sobre as es- que se encaixariam no primeiro nível da
tratégias de influência social de subordina- classificação de Ng. Observando a grande
dos (Ralston et al., 2009). O trabalho sobre superposição entre a influência social e a
liderança na psicologia organizacional é ou- psicológica social, eles analisaram as prin-
tro exemplo de exercício de influência social cipais pesquisas e identificaram o mínimo
que tem sido dissociado da pesquisa sobre de características elementares que melhor
influência social. Uma segunda questão que diferenciam o número máximo de estudos
fica clara quando analisamos a pesquisa por e abordagens de influência social. Assim, a
essa lente de três níveis de influência so- questão era identificar as diferenças essen-
cial é que os processos sociais e em nível de ciais ou fundamentais que podem nos ajudar
grupo têm sido amplamente ignorados (Ng, a organizar os estudos clássicos na psicolo-
2001). Como observado anteriormente, a gia da influência social. Eles identificaram
pesquisa de psicologia social tem os indiví- as quatro características­‑chave abaixo:
duos como foco. As influências normativas
ou interpessoais e os processos grupais não a) nível de processamento cognitivo (cons-
assumiram um papel central na pesquisa de ciente x inconsciente);
influência social. Neste capítulo, adotamos b) intencionalidade percebida (intencional x
uma perspectiva mais ampla da pesquisa de não intencional x ortogonal/irrelevante);
influência social em consonância com a con- c) status relativo de influência (maior sta‑
ceitualização da influência social de Forgas tus x status de par/igual x baixo status x
e Williams (2001) e a diferenciação de Ng ortogonal/irrelevante);
(2001). Assim, pretendemos equilibrar a d) direção da mudança (positivo x negativo
tendência individualista na pesquisa da psi- x ortogonal/irrelevante).
cologia social, enfatizar alguns processos
importantes de influência social que recebe- Apesar de essa tipologia levar poten-
ram atenção em vários campos da investi- cialmente a 72 diferentes tipos de influên-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 155

cia, eles identificaram “apenas” 24 tipos de tanto pública quanto privada, ao passo que
influências sociais. Pegando um exemplo a conformidade só envolve acordo públi-
clássico para futura discussão, a “obediên- co pós­‑exposição, mas desacordo privado.
cia” pode ser classificada como um tipo de Portanto, a conversão é o caso de mudanças
influência na qual a pessoa que está sendo genuínas e profundas nas atitudes e crenças
influenciada: após uma tentativa de influência. A confor-
midade, por outro lado, se caracteriza por
a) tem conhecimento consciente da tentati- um acordo público superficial, mas as pes-
va de influência; soas não mudam suas atitudes privadas.
b) percebe que a tentativa de influência é Também ajuda a pensar sobre algumas res-
intencional; postas de influência social menos conheci-
c) o influenciador tem status superior; das. Por exemplo, o contágio desinibitório
d) a pessoa se comporta de forma coerente se refere ao comportamento quando um
com a posição do influenciador. indivíduo discorda publicamente e concor-
da privadamente antes da tentativa de in-
Assim, a estrutura apresenta uma cate- fluência, mas depois concorda tanto priva-
gorização de tipos de influência, separando­ da quanto publicamente com o evento. Um
‑os por um processo de mistura de influên- bom exemplo é quando alguém pensa em
cia e o resultado do processo de mudança. roubar algum objeto (p. ex., um artigo de
Os modelos de processo que fazem a distin- luxo), mas tem medo de fazê­‑lo. Ao teste-
ção entre tipos de mecanismos de influência munhar uma rebelião, na qual outra pessoa
(p. ex., Petty e Cacioppo, 1986) contribuem quebra uma vitrine e rouba alguma coisa,
com as dimensões nas quais os resultados a pessoa­‑alvo também pode participar do
são diferenciados (p. ex., nível de processa- saque. Nesse caso, a observação da outra
mento cognitivo e status). pessoa realizando o ato está exercendo a in-
Nail, MacDonald e Levy (2000) de- fluência social e remove a inibição prévia da
senvolveram um modelo descritivo de res- pessoa­‑alvo.
postas sociais para identificar as dimensões Os dois modelos se concentram em
conceituais que podem ser utilizadas para aspectos do processo de influência e no re-
classificar os vários tipos de influência. Com sultado da influência. Esses modelos se en-
essa categorização, o foco é ainda mais di- caixam no primeiro nível da classificação de
reto nas respostas das tentativas de influên- Ng e são exemplos típicos de resposta ou
cia social. As respostas são diferenciadas em visão voltada ao influenciado. A próxima ti-
termos de: pologia se concentra no poder, que são as
características (capacidade ou habilidade)
a) se há um acordo de pré e pós­‑exposi­ do influenciador que exerce influência ou
ção; traz mudanças nos outros. French e Raven
b) se o acordo ou não acordo é expresso (1959) distinguiram cinco bases de poder.
pública ou privadamente. São elas: poder de recompensa, poder coer-
civo ou de punição, poder legitimado, poder
Cruzando as duas dimensões, são dis- pericial e poder referente. Posteriormente,
tinguidas 16 respostas sociais. Assim, por Raven (1965) acrescentou o poder informa-
exemplo, podemos fazer a distinção entre as cional. O poder de recompensa é definido
respostas de congruência, conversão e con- como o poder de distribuir recompensas pela
formidade. Congruência é se há um acordo conformidade. Quanto maior a recompensa
privado e público de pré e pós­‑exposição. (recompensas de valência positiva ou remo-
Nesse caso, não ocorre qualquer mudança ção de valências negativas), maior o poder
de atitude ou comportamento, e as pessoas de uma pessoa. O poder coercivo ou de pu-
estão em acordo. A conversão é caracteri- nição se refere ao poder de punir pela não
zada por um desacordo de pré­‑exposição, conformidade. A força do poder coercivo

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

156 Torres, neiva & cols.

depende da magnitude da valência negativa pessoais e impessoais de poder coercivo e


da punição em relação à probabilidade de a de recompensa. A versão original visava
pessoa evitar a punição por meio da confor- somente aos aspectos impessoais (p. ex.,
midade. O poder legitimado é a crença de a ameaça de demitir um funcionário ou a
que o agente está autorizado a comandar e a promessa de uma promoção). As formas
tomar decisões, sendo reconhecido em uma pessoais se concentram na aprovação, no
determinada estrutura de poder. Apesar de apreço e em recompensas socioemocionais,
geralmente ser vinculado às relações de pa- assim como na desaprovação, no desapreço
péis, também pode se basear em promessas e em punições socioemocionais. O poder le-
ou algum código ou padrão que é aceito pelo gítimo foi distinguido em quatro categorias.
indivíduo e permite que um agente afirme Primeiramente, a versão original era mais
seu poder. O poder pericial é a crença que próxima do poder de posição legítima, no
um agente tem mais perícia e conhecimen- qual se acreditava que um supervisor tinha
to do que a pessoa­‑alvo. Ele aumenta com o o direito de prescrever o comportamento e
diferencial de conhecimento entre o agente o subordinado era obrigado a cumprir. Em
e a pessoa­‑alvo, assim como com os níveis segundo lugar, o poder de reciprocidade le-
de conhecimento absoluto depreendidos. A gítimo é a obrigação de cumprir com uma
dimensão adicionada por Raven (1965) foi solicitação de um agente porque, em uma
o poder informacional. Trata­‑se da crença de ocasião anterior, o agente fez algo positivo
que um agente tem mais informação do que para o alvo. Em terceiro lugar, a igualdade
um alvo. A distinção mostrou ser importante legítima se baseia na teoria da equidade
porque os poderes pericial e informacional (Adams, 1965). A conformidade é exigida
estão associados a diferentes estratégias de para compensar alguma resistência, sofri-
persuasão (Petty e Cacioppo, 1986). O po- mento ou dano causados sobre o agente, ou
der referente é a identificação, a atração e um esforço empreendido por este. Por fim, a
o respeito por um agente ou fonte de in- dependência legítima se relaciona à respon-
fluência (p. ex., um grupo). Quanto maior sabilidade social, na qual a pessoa é obriga-
a identificação e o desejo de se associar à da a ajudar e a cuidar dos outros que preci-
fonte de influência, maior o poder. Pesquisas sam de tal assistência. Essas bases de poder
sobre essas fontes de poder originais mos- foram distinguidas em estudos rea­lizados
tram que os poderes periciais e referentes nos EUA e em Israel. Além disso, podem ser
normalmente produzem mais resultados po- categorizados em bases duras (poder coer-
sitivos, mas os poderes de recompensa, coer- civo e de recompensa pessoal e impessoal,
civo e legitimado geralmente são negativos poder legítimo de reciprocidade e igualda-
em relação a variáveis importantes como a de) e em bases suaves (poder pericial, poder
satisfação no trabalho, o desempenho e a referente, poder informacional, poder legiti-
satisfação com os supervisores (Podsakoff e mado de dependência e posição).
Schriesheim, 1985). Contudo, a análise rea-
lizada por Podsakoff e Schriesheim também
apontou que a medição e a operacionaliza- Abordagens e tópicos
ção do poder têm sido problemáticas, e os
estudos de campo não permitem qualquer
clássicos selecionados
conclusão final.
Mais recentemente, Raven, Schwarz­ Estudos de conformidade
wald e Kozlowski (1998) expandiram o nú- do grupo de Asch
mero de bases de poder e desenvolveram
um instrumento para superar muitas das Solomon Ash (1952) tinha interesse em am-
limitações observadas. Raven e colabora- pliar o trabalho de Sherif (1936), no qual
dores fizeram uma distinção entre as bases Sherif mostrou que os grupos de pessoas de-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 157

senvolvem normas para orientar o compor- mesmo status. Há uma discordância priva-
tamento em situações de incerteza. Sherif da antes e depois da tentativa de influên-
(1936) usou uma ilusão ótica (autocinese, cia, mas cerca de um terço dos participantes
que é uma ilusão ótica consistente de um cumpriam com a publicidade do grupo. Em
ponto fixo de luz em uma sala escura, que termos de bases de poder, a influência pode
parece se mover) para analisar como os gru- ser gerada pelo poder de referência, já que
pos de pessoas fazem julgamentos sobre esse as pessoas querem ser apreciadas pelo gru-
movimento aparente. Acontece que, com o po e, assim, seguem a norma do grupo.
passar do tempo, as pessoas em pequenos Diversos estudos tentaram replicar
grupos convergiram sobre o movimento per- esse efeito. Com isso, Bond e Smith (1996)
cebido (observe que não havia movimento, realizaram uma metanálise para estimar o
já que a luz era fixa). Assim, as estimativas efeito médio, se a conformidade depende
convergiram para uma norma social. Essa do desenho do estudo, é estável ao longo
norma emergente se transferiu para as ses- do tempo e se há diferenças entre as pes-
sões subsequentes e se perpetuou com o soas de diferentes culturas. Primeiro, Bond
tempo (inclusive quando entraram novas e Smith descobriram que o nível de confor-
pessoas no grupo). Esse foi um dos primei- midade em todos os estudos era de aproxi-
ros experimentos que mostrou os efeitos da madamente 29%. Um pouco menos que um
influência social e delineou um processo terço dos participantes se ajustou e fez o jul-
importante para a emergência das normas gamento errado. Em segundo lugar, diversas
sociais (as normas surgem para reduzir a in- variáveis do desenho do estudo tiveram um
certeza). Nesses experimentos, os estímulos impacto significativo. Quando o material era
eram ambíguos. O interesse de Asch agora muito ambíguo, a conformidade aumenta-
era no que aconteceria se o material de es- va. A conformidade também era maior se o
tímulo fosse menos ambíguo e um grupo de grupo fosse composto por membros internos
pessoas fizesse estimativas incorretas. Em (em comparação a membros externos, como
diversos estudos, foi apresentado aos par- estrangeiros, alunos de outra universidade,
ticipantes uma série de linhas de extensão etc.) e se os grupos aumentassem de tama-
variada, e eles tinham que escolher qual das nho. As mulheres também apresentaram
três linhas tinha a mesma extensão que uma níveis mais elevados de conformidade. Os
linha padrão. Cada participante nesses gru- estudos realizados nos EUA mostraram uma
pos, que variavam de 7 a 9 pessoas, precisa- redução significativa na conformidade entre
va dar uma opinião. A pessoa­‑alvo sempre os anos de 1950 e 1990. Em terceiro lugar,
era a última a dar sua opinião. Sem que a a conformidade era maior em amostras de
pessoa­‑alvo soubesse, os outros membros sociedades mais coletivistas. A explicação é
do grupo eram colaboradores do experi- que, nas sociedades coletivistas, as pessoas
mentador e fizeram julgamentos errados. estão em mais harmonia com as necessida-
A variável dependente era se a pessoa­‑alvo des e as metas do grupo e tentam preser-
mudaria de opinião (segundo o consenso do var a harmonia social. Assim, seria falta de
grupo errado) e, em caso positivo, quantos educação contradizer uma maioria, mesmo
julgamentos seriam necessários para tanto. que as pessoas sentissem que a maioria ha-
Em média, cerca de 33% dos julgamentos via tomado a decisão errada. Geralmente o
apresentaram certo nível de conformidade. Brasil é descrito como uma sociedade cole-
Segundo as tipologias analisadas acima, os tivista (Hofstede, 1980). Rodrigues (1982)
estudos mostram sinais de conformidade fez algumas réplicas do paradigma original
(Levy et al., 1998) ou cumprimento (Nail et de Asch no Brasil e encontrou taxas de con-
al., 1998) diretos. A tentativa de influência formidade cerca de 30% mais altas, em mé-
envolve um processamento consciente, é dia, em todos os estudos. Um estudo mais
intencional, e os membros do grupo têm o antigo de Whittaker e Mead (1967) mostrou

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

158 Torres, neiva & cols.

efeitos ainda maiores no Brasil, com níveis bre o aprendizado. Um dos participantes era
de conformidade de até o dobro da média um colaborador e, por meio de um sorteio
de todos os estudos e países. Assim, pode- manipulado, era sempre designado para o
mos esperar que as taxas de conformidade papel de aprendiz. A tarefa desse aprendiz
no Brasil fossem bastante altas, refletindo a era realizar alguma tarefa de aprendizagem
maior orientação de grupo no Brasil em com- e memória, enquanto o verdadeiro partici-
paração aos EUA ou à Europa Ocidental. No pante era o professor. De uma sala próxima,
entanto, esses estudos estão um pouco defa- o professor deveria dar choques se o apren-
sados e, como mostram os estudos nos EUA, diz cometesse algum erro. Para tanto, o pro-
as taxas de conformidade reduzem com o fessor tinha que usar um gerador de choque
passar do tempo. Talvez isso aconteça por que tinha 30 estágios crescentes, variando
causa dos níveis crescentes de individualiza- de 15 a 450 volts. Cada professor experi-
ção e de uma tendência geral a valores mais mentava um choque de 45 volts e observava
individualistas e igualitários, com o crescen- o aprendiz ser amarrado na cadeira e ligado
te desenvolvimento econômico (Inglehart e à máquina. O experimentador instruía a au-
Baker, 2000). Por causa da crescente pros- mentar a voltagem após cada erro cometi-
peridade e do desenvolvimento econômico do pelo aprendiz. Os estágios da voltagem
do Brasil hoje em dia, em comparação a 50 estavam claramente marcados, onde 15V
anos atrás, os níveis de conformidade de- era “choque leve”, 375V tinha um rótulo
vem ser mais baixos hoje em dia. “Perigo: Choque Extremo” e os dois níveis fi-
nais (435V e 450V) estavam marcados com
XXX. O aprendiz cometia um erro em qua-
Estudos de obediência de Milgram tro testes, em média. As reações do aprendiz
eram padronizadas: a 75V podiam ser ouvi-
Possivelmente, uma das séries mais famo- das, a 120V o aprendiz gritava que os cho-
sas e controversas de estudos psicológicos, ques doíam, a 150V o aprendiz pedia para
o trabalho de Milgram (1963, 1965, 1992) ser solto, a 180V os gritos podiam ser ouvi-
sobre obediência, é um clássico da influên- dos e a 250V um grito agonizante era ouvi-
cia social. Milgram tinha interesse no traba- do. Em algumas variações do experimento,
lho de Asch, mas com tarefas menos triviais, o professor podia ouvir o aprendiz socar a
nas quais as ações do participante trazem parede, de dor. A 300V, não havia mais res-
algumas consequências reais para os outros. posta alguma, e o professor era instruído a
Milgram (1963) observou que a obediência tratar a falta de resposta como uma resposta
é um elemento básico na estrutura da vida errada e continuar a administrar os choques.
social. Qualquer vida em comunidade re- Muitos participantes sentiram uma angústia
quer um tipo de sistema de autoridade. A muito grande, e expressaram sua falta de
obediência é o mecanismo psicológico que vontade de continuar. O experimentador en-
liga a pessoa ao propósito político. Ela serve tão respondia com estímulos padronizados
como um cimento que une os homens aos e crescentes para continuar o experimento
sistemas de autoridade (Milgram, 1963, p. (que variava desde “continue, por favor” até
371). Chocado com as atrocidades cometi- “você não tem outra escolha, você tem que
das durante o Holocausto e o período nazista continuar”.). No experimento original, dos
na Alemanha, ele estava ansioso por investi- 40 participantes, 26 continuaram a adminis-
gar o processo de obediência, como pessoas trar os choques até atingir o nível máximo.
aparentemente calmas e normais podem se- Assim, mais de 50% dos membros da comu-
guir ordens ultrajantes de matar e torturar nidade cumpriram com as solicitações de um
outros seres humanos. Em seu experimento experimentador, mesmo que estivessem, em
original, os membros da comunidade recru- princípio, colocando em risco um cidadão.
tados por anúncio participaram em um su- Outro aspecto que vale ser mencionado é
posto estudo sobre os efeitos da punição so- que a maioria das pessoas experimentou al-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 159

tos níveis de estresse. Quatorze dos 40 parti- De forma geral, esses estudos suscita-
cipantes mostraram sinais de riso ou sorriso ram muito interesse e atenção. Essas conclu-
nervoso, com um riso fora de hora e bizarro. sões certamente ajudam a explicar por que
Três participantes apresentaram apoplexias pessoas normais podem cometer atrocida-
maduras e incontroláveis. No caso de um des quando induzidas a fazê­‑las. As pessoas
participante, o experimento teve que parar podem atender a demandas que violam seus
porque o participante (professor) apresen- próprios valores pessoais e códigos morais.
tou apoplexias convulsivas enquanto tenta- Em tempos de conflito e guerra, tais confli-
va administrar os choques. Isso mostra que tos morais são mais acentuados. Contudo,
as pessoas médias que obedecem às ordens mesmo em situações menos extraordiná-
das autoridades podem fazê­‑lo contra seus rias, as pessoas enfrentam situações em
próprios valores, sentindo estresse e descon- que também devem cumprir com demandas
forto extremos. Este estudo foi replicado na que violam seus princípios morais pessoais
Itália, Alemanha, Austrália, Grã­‑Bretanha, ou alguns princípios morais gerais. Dadas
Jordânia, Espanha, Áustria e nos Países as difíceis condições econômicas de muitas
Baixos (Smith e Bond, 1998). Apesar de as pessoas no Brasil, algumas podem ter que
taxas de obediência variarem, esta normal- trocar alguns valores e crenças para alcan-
mente girava ao redor de 50% ou mais na çar os fins. Além disso, o experimento levou
maioria das amostras. a um debate significativo sobre a ética dos
Descobriu­‑se que vários fatores in- experimentos psicológicos.
fluenciavam o nível de obediência. A pro-
ximidade social ou imediação com a vítima
tem um efeito profundo. Se não houver con- Persuasão e mudança de atitude
tato verbal ou visual, os níveis de obediência
são mais altos. Em condições em que a víti- A literatura sobre mudança de atitude e per-
ma só soca a parede, a obediência é de qua- suasão diz respeito aos processos de infor-
se 100%. Quando o professor segura a mão mação que as pessoas se envolvem quando
do aprendiz, o nível de obediência cai signi- são expostas a mensagens que visam mudar
ficantemente (mas ainda continua alto, em suas atitudes. Esta linha de pesquisa tem
cerca de 30%). Assim, a proximidade social aplicações óbvias nas áreas de propaganda
aumenta a identificação com a vítima como e marketing, inclusive marketing social e
um ser humano e diminui a obediência. campanhas de saúde voltadas a induzir mu-
Outro fator é a presença da figura de danças positivas nas pessoas. A persuasão
autoridade. Se o experimentador estiver au- envolve três variáveis: o comunicador ou a
sente ou der as ordens por telefone, os níveis fonte de persuasão, a comunicação ou men-
de obediência caem. Com modelos de papel sagem e a audiência ou alvo da tentativa de
que mostram a desobediência (se recusar a persuasão. Essas três variáveis precisam ser
obedecer ordens, iniciar uma revolta), os ní- analisadas quando abordamos a persuasão.
veis de obediência caem. Por outro lado, os Cada uma dessas variáveis pode ser anali-
modelos de papel que obedecem às ordens e sada mais detalhadamente, e uma ampla
administram choques até o fim não aumen- gama de pesquisas mostrou que as várias ca-
ta mais o nível de obediência em compara- racterísticas dessas variáveis de comunica-
ção à situação em que as pessoas estão sós ção devem levar a uma mudança de atitude.
(Milgram, 1965). O status e a legitimidade Essas conclusões estão resumidas em diver-
do experimentador também importaram, se sas revisões. Por exemplo, comunicadores
o experimento fosse realizado em um prédio mais dignos de confiança, mais atrativos,
comercial decadente em uma área pobre no assim como uma grande similaridade entre
centro da cidade, em comparação ao presti- o comunicador e o público, normalmente
giado laboratório Yale, os níveis de obediên- levam a mais mudança de atitude; a maior
cia também caíam. familiaridade das mensagens e mensagens

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

160 Torres, neiva & cols.

passadas como metáforas (Sopory e Dillard, persuasão. O modelo de processo dual da


2002) são mais eficiente; as pessoas com persuasão foi criado para representar essas
alta e baixa autoestima têm mais probabili- diferenças (Eagly e Chaiken, 1993; Petty e
dade de serem persuadidas, em comparação Cacioppo, 1986). Esses modelos sugerem
com pessoas com níveis mais moderados que as pessoas podem usar duas estratégias
de autoestima; as pessoas são persuadidas diferentes quando enfrentam uma tentativa
mais facilmente se receberem mensagens de persuasão. A principal distinção é se as
dignas de confiança sobre tópicos dos quais tentativas de influência são processos com
elas têm relativamente pouca informação alto esforço mental ou conscientemente,
(veja Petty e Wegener, 1998). Um problema ou se a informação é processada com pou-
com grande parte das campanhas de saúde co esforço e de forma inconsciente. Este é
pública, como aquelas contra o fumo (p. ex., um dos elementos centrais (nível de proces-
as imagens de pacientes de câncer nos ma- samento) da tipologia da influência social
ços de cigarro), é se a indução ao medo fun- apresentada acima (Levy et al., 1998). Se as
ciona para mudar as atitudes das pessoas. pessoas são motivadas a prestarem atenção
Uma análise recente de mais de 100 estudos à mensagem, elas provavelmente escrutina-
sobre esse assunto (De Hoog, Stroebe e De rão o conteúdo das mensagens e têm menor
Wit, 2007) concluiu que a severidade tem probabilidade de serem persuadidas por
efeitos positivos sobre as atitudes. É interes- dicas como a atratividade ou a similarida-
sante observar que as imagens não tiveram de dos comunicadores. As pessoas adotam
um impacto maior do que outras induções a rota central (Petty e Cacioppo, 1986) ou
ao medo. Outro efeito interessante e surpre- processamento sistemático da informação.
endente foi observado no chamado efeito As mensagens com maior convencimento
latente. Normalmente, se as pessoas rece- factual têm mais chances de serem persu-
bem uma mensagem com uma pista de des- asivas. Se as pessoas não forem capazes ou
conto (informação que contradiz ou reduz motivadas a processar a informação cuida-
o impacto da mensagem original, ou seja, o dosamente (p. ex., quando o tópico não é
comunicador não é digno de crédito), elas muito interessante, as pessoas são distraí-
serão menos persuadidas logo após a expo- das, a mensagem e o tópico são muito com-
sição, mas, com o tempo, o público muda as plicados para que o público processe), elas
atitudes em relação à primeira mensagem. contam com dicas periféricas, como atrativi-
Esse efeito é confiável e particularmente for- dades, similaridade, status do comunicador
te se a mensagem inicial tiver um forte im- e aspectos não relacionados ao conteúdo da
pacto inicial e quando o público tiver maior mensagem (p. ex., clareza, familiaridade,
habilidade ou motivação para pensar sobre simpatia). Este tipo de processamento uti-
a mensagem (Kumkale e Albarracin, 2004). liza a rota periférica de persuasão (Petty e
Este efeito pode explicar por que as deman- Cacioppo, 1986), ou as pessoas usam o pro-
das ou notícias ultrajantes têm maior proba- cessamento heurístico da informação (Eagly
bilidade de serem acreditadas com o tempo, e Chaiken, 1993). Muitas propagandas
apesar de as pessoas saberem que vêm de usam as dicas periféricas como uma tentati-
uma fonte não confiável. va de persuadir as pessoas a comprarem de-
Essa pesquisa com foco nas três vari- terminados produtos. As pessoas expostas a
áveis da persuasão normalmente focava o anúncios nas ruas, TV ou rádio geralmente
impacto das variáveis individuais seleciona- têm sua atenção distraída enquanto fazem
das. O que se concluiu foi que muitos des- outras coisas e, consequentemente, têm
ses efeitos eram contraditórios e, às vezes, pouco incentivo ou tempo para processar
por exemplo, a similaridade levava a mais cuidadosamente a informação apresentada.
persuasão, enquanto, em outras vezes, a Para ser eficiente, a propaganda conta com
similaridade tinha pouco impacto sobre a dicas periféricas.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 161

Novas direções e aplicações a) identificar as estratégias de persuasão


da influência social adequadas para os públicos individua-
listas e coletivistas;
b) traduzir essas estratégias e desenvolver
A tecnologia, a cultura e o um protótipo de jogo persuasivo que seja
marketing social persuasivos sensível à cultura;
c) avaliar esse protótipo com públicos indi-
Como discutido anteriormente, a persuasão vidualistas e coletivistas.
é uma das áreas centrais da pesquisa de in-
fluência social. Muitas pesquisas se concen- Khaled começou analisando as estraté-
tram nos efeitos tradicionais da propaganda, gias de persuasão existentes implantada em
especialmente nas sociedades ocidentais. muitos dispositivos da tecnologia de infor-
Contudo, há uma nova tecnologia emergen- mação, tais como sites na internet ou jogos de
te que muda a forma unidirecional e passiva computador (Khaled, Noble e Biddle, 2005).
de persuasão, como estudado na pesquisa Ficou claro que a maioria das estratégias de
anterior. As tecnologias persuasivas são um influência é voltada a um público individua­
exemplo e têm a ver com quaisquer siste- lista. Assim, ela desenvolveu um conjunto
mas interativos de computação elaborados de estratégias concentradas na audiência
para influenciar e mudar as atitudes e os coletivista, inclusive estratégias como har-
comportamentos das pessoas (Fogg, 2003). monia, opinião do grupo, monitoramento e
Igualmente, há um crescente reconheci- desempenho da equipe. Por exemplo, a es-
mento de que a cultura influencia como as tratégia de harmonia se concentra em uma
pessoas percebem, reagem e são influencia- das principais preocupações entre os atores
das pelas tentativas de persuasão (p. ex., coletivistas, já que a preservação da harmo-
Aaker e Williams, 1998). Como abordado nia social em um grupo é de suma importân-
anteriormente, muitas pesquisas sobre in- cia. Depois, ela realizou várias entrevistas e
fluência social se concentram nas pessoas grupos focais com os participantes interessa-
e apresentam viés individualista. Há pouca dos e usuários da tecnologia para identificar
pesquisa focada nos processos de persuasão as necessidades de diversos usuários finais
em ambientes mais coletivistas. Esta é uma e obter insumos para a elaboração de um
situação preocupante, considerando­‑se que protótipo sensível à cultura (Khaled, Barr,
muito do trabalho de persuasão aplicado Noble, Fischer e Biddle, 2006). Isso levou
visa mudar as atitudes e os comportamentos ao desenvolvimento de um protótipo coleti-
de saúde. As minorias em muitas sociedades vista e individualista. Com base na literatura
modernas e em muitos países em desenvol- sobre abandono do fumo, nas teorias cultural
vimento costumam ser mais coletivistas e e de aprendizagem social, as duas versões do
voltadas ao grupo, além de apresentarem jogo incorporaram comportamentos­‑modelo
piores comportamentos e atitudes de saú- para resistir ao tabagismo, apresentaram in-
de quando comparadas com membros dos formações e estratégias para largar o fumo
grupos majoritários individualistas ou com ou reduzir os efeitos da abstinência e permi-
sociedades individualistas (p. ex., Khaled, tiam aos atores experimentarem diferentes
2008). estratégias comportamentais, todas no con-
Para solucionar essa lacuna, Khaled e texto da cultura do público. Os dois protóti-
colaboradores se envolveram em um pro- pos foram refinados e testados repetidamen-
grama de pesquisa que visa desenvolver um te com pessoas com histórico individualista e
jogo interativo para ajudar os adolescentes e coletivista (Khaled et al., 2008). Depois, uma
jovens adultos a deixarem de fumar (Khaled, versão final do jogo foi testada para verificar
Barr, Noble, Fischer e Biddle, 2007). Há três a adequação ao respectivo público­‑alvo e se
principais metas: seria mais persuasivo.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

162 Torres, neiva & cols.

Ao total, oito atores participaram de quanto depois do jogo. No geral, os parti-


um primeiro estudo qualitativo. Quatro ato- cipantes apresentaram atitudes positivas
res eram do grupo minoritário coletivista em relação a abandonar o fumo e atitudes
(Maori – povo indígena na Nova Zelândia) mais negativas sobre o tabagismo depois de
e quatro eram do grupo majoritário indivi- jogar. Acima de tudo, o jogo culturalmente
dualista (Pakeha ou neozelandeses brancos) congruente trouxe mais atitudes positivas e
jogaram um jogo congruente com a cultura maior resistência ao tabagismo e às tentati-
(os Maori jogaram um jogo coletivista, en- vas de influência que incentivam o fumo do
quanto os neozelandeses jogaram a versão que o jogo culturalmente incongruente. Em
individualista do jogo) ou um jogo incon- alguns casos, jogar a versão incongruente
gruente com a cultura (os Maori jogando do jogo aumentou a probabilidade expressa
a versão individualista, enquanto os neo- de experimentar cigarro.
zelandeses jogaram a versão coletivista). Esse programa de pesquisa mostra que
As pessoas jogaram usando o protocolo de a cultura influencia a persuasão e o proces-
“pensar em voz alta” que eles costumam so de influência, que as tentativas de per-
usar para jogar, mas verbalizando todos suasão culturalmente incongruentes podem
os seus pensamentos e ações enquanto jo- chegar a ter efeitos negativos e que há mui-
gavam. O comportamento foi gravado em to a se ganhar prestando mais atenção aos
vídeo e analisado utilizando­‑se métodos fatores culturais nas estratégias de persua-
qualitativos mais aprofundados. Ficou claro são, ­principalmente quando o foco é gerar
que as pessoas que jogavam o jogo cultural- mudanças positivas para a saúde. Essa pes-
mente congruente mostraram maior identi- quisa reúne vários tópicos deste capítulo e
ficação, aceitaram o jogo e empregaram as do livro (tais como, normas sociais, valores
estratégias da forma esperada. Na condição e cultura).
incongruente, as pessoas se sentiram menos
identificadas, aceitaram menos e relataram
frustração com determinadas característi-
cas do jogo que eram incongruentes com Moralidade
os valores e as tradições culturais do grupo.
Uma observação interessante foi a de que a A moralidade é uma questão não muito
maioria dos atores tinha experiências mais abordada nos manuais de psicologia social.
negativas quando jogavam a versão da mi- Contudo, é um tópico extremamente impor-
noria, provavelmente por causa do menor tante para entender os processos psicológi-
conhecimento e da exposição dos membros cos sociais, tais como a influência social. A
do grupo majoritário às normas e tradições moralidade e a influência social estão inti-
do grupo minoritário. mamente relacionadas. Geralmente, o que
Em um segundo estudo (Khaled et al., é “moral” se refere aos princípios de com-
2009), 141 adolescentes e jovens adultos portamento certo e errado, ou a cumprir
jogaram uma versão do jogo no modelo 2 com os padrões de comportamento certo.
x 2. Dessa vez, as orientações de valor fo- É nesta última qualidade que a moralidade
ram medidas com uma versão reduzida da se torna um assunto instigante para a pes-
Pesquisa de Valor de Schwartz (Schwartz, quisa sobre influência social. Os padrões
1992; também consulte Gouveia, neste vo- morais em um grupo social prescrevem as
lume). As pessoas foram classificadas em diretrizes consensuais e desejáveis para um
relação a seu endosso dos valores mais in- comportamento social aceitável. As pessoas
dividualistas ou coletivistas, e foram desig- são influenciadas por seu grupo social para
nadas aleatoriamente para jogar uma vez que se comportem dentro desses padrões
a versão coletivista ou individualista do de comportamento desejável e são punidas
jogo. As atitudes em relação ao tabagismo se os violarem (veja também Vauclair, 2009
e ao abandono foram avaliadas tanto antes sobre uma discussão teórica sobre a inter­

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 163

‑relação entre moralidade e cultura). Assim, ticularmente promissora para pesquisas fu-
os efeitos de moralidade estão claramente turas sobre moralidade e influência social.
no terceiro nível da tipologia de Ng apresen-
tada no início deste capítulo.
A moralidade facilita o funcionamento
do grupo (De Waal, 1996; Haidt e Joseph,
Raciocínio moral e
2004; Krebs, 2008) e melhora a convivên- resistência à conformidade
cia do mesmo ao regular os comportamen-
tos pessoais que refletem autointeresse e Imagine a seguinte situação: um homem
autoindugência (Janoff­‑Bulman, Sheikh e chamado Heinz tem uma esposa que está à
Hepp, 2009). Sem um consenso sobre os có- beira da morte devido a um tipo especial de
digos morais, as pessoas desconsiderariam câncer. Um farmacêutico desenvolveu um
os direitos e o bem­‑estar dos outros sempre remédio que pode salvar a vida dela. No en-
que quisessem entrar em conflito social. Em tanto, querendo ganhar o máximo de dinhei-
nível de sociedade, as transgressões dos in- ro possível, o farmacêutico cobra de Heinz
divíduos são regulamentadas por leis que mais do que ele pode pagar. Heinz implora
envolvem sanções para determinados com- ao farmacêutico e explica sua situação, sem
portamentos antissociais. Em nível de grupo sucesso. Ele se desespera e arromba a loja
social, a moralidade é um tópico de pesquisa do farmacêutico para roubar o remédio para
bastante complexo, já que as pessoas podem sua esposa.
desenvolver sua própria moralidade pesso- Este é um tipo de dilema moral que
al que pode ou não estar de acordo com os Lawrence Kohlberg (1984) apresenta aos
mandados de uma autoridade, possivelmen- participantes. Seu interesse particular era
te levando a uma resistência em vez de à nos motivos que eles apresentariam sobre se
conformidade (lembremos, por exemplo, do Heinz deveria ou não ter roubado a droga
clássico experimento de Milgram menciona- para sua esposa. É importante observar que
do anteriormente neste capítulo). Portanto, Kohlberg não estava interessado na decisão
a conformidade com as regras e os regula- final do indivíduo (ou seja, roubar ou não
mentos tem a ver tanto com as capacidades roubar), mas apenas na justificativa para a
internas do indivíduo quanto com as influ- decisão. Kohlberg propôs um modelo de-
ências externas do ambiente. talhado de raciocínio moral, diferenciando
Há poucas pesquisas sobre a influência seis estágios sucessivos de desenvolvimento
social e a moralidade. Porém, há duas prin- moral. Os estágios se referem a três dife-
cipais teorias da psicologia que explicam o rentes níveis de raciocínio moral, chamados
comportamento de conformidade das pesso- de moralidade pré­‑convencional, conven-
as. A teoria cognitiva de Kohlberg (1984) se cional e pós­‑convencional. No nível pré­
concentra no indivíduo e considera a con- ‑convencional (estágio 1 e 2), o indivíduo
formidade como uma função da maturidade julga o comportamento focando em si mes-
do indivíduo para o raciocínio moral. A teo- mo. O raciocínio moral é centrado no medo
ria cognitiva social de Bandura (1991), por de punições. No nível convencional (estágio
outro lado, inclui os efeitos condicionantes 3 e 4), o indivíduo julga o comportamen-
do ambiente como um fator para explicar o to em termos da convenção conhecida so-
comportamento de conformidade. As pró- bre “o que as pessoas dizem” que é certo
ximas seções apresentam um panorama re- ou errado. Os convencionalistas tendem a
sumido e seletivo das pesquisas realizadas raciocinar em termos de conformidade e or-
nesses dois marcos teóricos. Terminaremos dem sociais. No nível final pós­‑convencional
apresentando uma perspectiva teórica re- (estágio 5 e 6) – o nível mais maduro do
cente sobre a moralidade – a abordagem de pensamento moral –, os indivíduos tendem
intuicionismo social de Haidt (2001) ao jul- a usar o princípio moral de justiça em seu
gamento moral – que consideramos ser par- raciocínio, que é independente de qualquer

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

164 Torres, neiva & cols.

convenção social. Kohlberg entrevistou Moral bastante mais altas do que as que su-
crianças, adolescentes e adultos, analisando cumbiram à influência social (veja também
as respostas a questões como o dilema de Tracy e Cross, 1973). Le Furgy e Woloshin
Heinz, classificando seu pensamento em um (1969) investigaram os efeitos de longo
dos seis estágios. prazo da influência social sobre o raciocínio
Posteriormente, pesquisadores que moral. Eles concluíram que os adolescentes
estudaram a influência social e o raciocínio em geral eram suscetíveis à influência so-
moral esperavam que, no nível convencio- cial, independentemente de sua maturidade
nal, os indivíduos seriam mais suscetíveis moral. Porém, havia uma diferença em re-
à influência social, já que seu raciocínio se lação aos efeitos de longo prazo. Os jovens
concentra em agir de acordo com a ordem so- classificados como moralmente maduros
cial. Por outro lado, os pós­‑convencionalistas antes de serem expostos à pressão do par
não deveriam sucumbir à pressão social se tendiam a voltar a seu estágio mais elevado
seus princípios morais pessoais estivessem de raciocínio moral no longo prazo (depois
em conflito com esta (Blasi, 1980). Há vá- de 100 dias), ao contrário dos participantes
rios estudos que enfocaram esta hipótese moralmente imaturos, que tendiam a per-
empregando uma abordagem experimental manecer no estágio mais baixo após a pres-
e tentando estudar a conformidade compor- são do par.
tamental em um ambiente de laboratório. McGraw e Bloomfield (1987) pesqui-
Os estudos podem ser distinguidos pelo uso saram explicitamente o impacto dos fatores
de uma situação similar à de Milgram, um morais sobre o processo de tomada de deci-
experimento similar ao de Asch ou proce- são do grupo. Eles realizaram um estudo no
dimentos menos padronizados. Os expe- qual os participantes deveriam decidir quem
rimentos do tipo de Milgram trouxeram em um grupo de pacientes renais em estado
resultados complexos e ambíguos, que indi- terminal deveria ter acesso a uma rara má-
cam que não há uma relação de mão úni- quina renal. Primeiramente, a decisão era
ca entre os estágios de raciocínio moral e o tomada individualmente. Então os partici-
abandono na tarefa de administrar punições pantes foram divididos em pequenos grupos
(p. ex., Podd, 1972). Os estudos mostraram e solicitados a chegarem a uma decisão con-
que as diferenças de comportamento entre sensual. Como a orientação de gênero tam-
os indivíduos raciocinando em diferentes bém tem relação com a influência social nos
estágios são mais perceptíveis sob determi- grupos (as mulheres tendem a ser mais facil-
nadas condições como, por exemplo, quan- mente influenciadas dos que os homens nas
do os sujeitos são expostos ao aviso para interações de grupo, Eagly e Carli, 1981),
parar (Turiel e Rothman, 1972). Os experi- os autores estavam interessados especifica-
mentos semelhantes ao de Asch apresenta- mente no efeito de interação do raciocínio
ram um quadro mais consistente, com uma moral e orientação do papel de sexo. Eles
relação entre estágio moral e resistência à previram que os indivíduos sem conflitos (p.
conformidade (p. ex., Saltzstein, Diamond ex., uma orientação sexual tipo feminina/
e Belenky, 1972). O último grupo de estu- estágio mais baixo e orientação sexual tipo
dos utilizando procedimentos menos padro- masculina/estágio mais elevado) teriam
nizados também apresentou claro apoio à mais influência sobre as decisões do grupo
hipótese de “resistência à conformidade”. do que os indivíduos em conflito (TSM/me-
Por exemplo, Fodor (1971, 1972) elaborou nor estágio e TSF/maior estágio). Na reali-
experimentos nos quais as decisões e o ra- dade, eles concluíram que os indivíduos tipi-
ciocínio morais dos participantes eram tes- ficados de sexo puro, com raciocínio moral
tados. Segundo os resultados dos estudos, e orientações de gênero compatíveis tinham
as pessoas que resistiam à influência do ex- mais influência objetiva sobre a decisão do
perimentador e não mudaram sua opinião grupo, se sentiam mais influentes e tinham
inicial obtiveram Pontuação de Maturidade mais possibilidade de serem selecionados

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 165

como mais influentes, em comparação com sim como os reforços que a pessoa recebeu
os participantes incompatíveis em raciocínio (Bandura, 1997). Quando um indivíduo de-
moral/gênero. É interessante que tenha sur- senvolve padrões morais, o comportamen-
gido apenas um efeito significativo e intera- to moral ou imoral produz dois conjuntos
ção e nenhum efeito principal significativo de consequência: reações autoavaliativas e
devido às orientações de papel de sexo ou efeitos sociais que, mais uma vez, têm efeito
raciocínio moral. Os autores discutiram essa sobre o comportamento.
conclusão, que indicava mecanismos mais Diversos estudos confirmaram o po-
complexos em relação ao raciocínio moral der da modelagem para influenciar o ra-
e à influência social, que também deve con- ciocínio moral (Bandura, 1986). Holstein
siderar a multidimensionalidade das situa- (1977), por exemplo, concluiu que o nível
ções sociais. de raciocínio moral dos pais predizia o ní-
Essa questão toca em uma das prin- vel de raciocínio moral de seus filhos. Se os
cipais críticas feitas em relação à teoria de pais empregassem regras morais simples,
estágio de Kohlberg. A influência social só seus filhos fariam o mesmo, enquanto se
tem uma pequena função no raciocínio mo- os pais empregassem um raciocínio moral
ral. Como mostram os estudos analisados mais complexo, seus filhos também o fa-
anteriormente, a opinião das pessoas sobre riam. Os pais não são a única fonte de in-
questões morais é considerada um pertur- fluência do raciocínio moral das crianças.
bador externo para a mudança autorregu- Outros adultos, pares e modelos simbólicos
lada (Bandura, 1991). Bandura (1991), também têm um papel importante. Porém,
por exemplo, enfatizou que as influências o raciocínio moral dos adultos é o mais in-
sociais são importantes para entender como fluente (Brody e Henderson, 1977; Dorr e
a moralidade e o funcionamento moral tra- Fey, 1974). Outros estudos mostraram que
balham. as crianças mudavam seus padrões morais
se fossem expostas a visões opostas dos mo-
delos (p. ex., Bandura e Mcdonald, 1963;
Cowan, Langer, Heavenrich e Nathanson,
A inclusão da influência social 1969; Crowley, 1968).
no funcionamento moral Apesar de a influência social mediante
a modelagem ser uma forma poderosa de
Bandura (1991) argumenta que os pa- influência, nem sempre ela altera o raciocí-
drões para o raciocínio moral estão muito nio moral. As pessoas só podem ser influen-
mais abertos à influência social do que as ciadas pelas opiniões moldadas se elas as
teorias de estágio nos levariam a esperar. entenderem (Bandura, 1991). Por exemplo,
Ele propôs uma teoria cognitiva social que uma criança muito nova que esteja em um
postulava um modelo causal que envolvia nível pré­‑convencional de raciocínio moral,
três fatores, ou seja, aspectos ambientais no qual as preocupações egocêntricas de-
(ambiente social e físico), aspectos pessoais sempenham um papel dominante, não terá
(cognitivo, afetivo e biológico) e compor- a capacidade cognitiva de entender o prin-
tamental (capacidade comportamental de cípio de justiça social como um critério final
realizar um determinado comportamento), para decidir sobre o certo e o errado. Além
que estão permanentemente influenciando disso, as pesquisas mostram que modelos
uns aos outros. O ambiente social apresen- consistentes de julgar diferentes dilemas
ta modelos para o comportamento e, aqui, morais têm mais impacto sobre o raciocínio
se relaciona aos mecanismos de influência moral das crianças do que os modelos que
social. O mecanismo psicológico subjacente entram em desacordo (Brody e Henderson,
é o aprendizado observacional, que é uma 1977; Keasey, 1973). Quando as visões
forma de modelagem e ocorre quando uma moldadas eram consistentes, a perspectiva
pessoa observa as ações de outra pessoa, as- moral das crianças mudava mais ainda ao

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

166 Torres, neiva & cols.

ser exposta ao raciocínio moral dois está- o raciocínio post hoc tem problemas em exe-
gios acima do delas, do que pelo raciocínio cutar esse trabalho.
apenas um estágio acima. Isso é consistente Até o momento, a evidência empírica
com as conclusões na psicologia social, se- tem sustentado a importância das reações
gundo as quais quanto mais discrepante o afetivas nos julgamentos morais. Haidt,
raciocínio persuasivo for das próprias visões, Koller e Dias (1993), por exemplo, conclu-
mais as atitudes podem mudar (consulte íram em um estudo transcultural (Brasil e
Bandura, 1991). No entanto, é necessário EUA) que o “dano” não pode explicar todos
realizar mais pesquisas para entender como os julgamentos morais que os indivíduos fa-
as pessoas lidam com fatores moralmente zem. Eles criaram histórias que não envol-
relevantes, como as influências sociais al- viam qualquer dano plausível (p. ex., limpar
teram o peso dado a esses fatores, e como o banheiro com a bandeira nacional, comer
os diferentes aspectos do julgamento moral um cachorro ou se masturbar com uma ga-
mudam com o desenvolvimento. linha morta). As reações afetivas dos par-
Haidt (2001) propôs um modelo mais ticipantes a essas histórias, principalmente
recente de funcionamento moral que inclui no Brasil, foram melhores indicadores de
a influência social no funcionamento moral. seus julgamentos morais do que suas recla-
Seu modelo intuicionista social expande o mações de consequências danosas. Haidt
modelo racionalista, chamando a atenção e Hersh (2001) chegaram a resultados se-
para o papel do afeto e das influências so- melhantes quando entrevistaram liberais e
ciais no julgamento moral. Seu modelo in- conservadores nos EUA sobre a questão da
clui duas formas diferentes de julgamento homossexualidade.
moral: uma é intuitiva e não racional (ou O modelo de Haidt é uma abordagem
seja, afetiva) e a outra é deliberativa e refle- intrigante para entender a moralidade e a
xiva (ou seja, raciocínio moral). Ele enfatiza influência social. Geralmente passamos por
que o raciocínio moral ocorre naturalmen- uma mudança em nossas intuições morais
te em um ambiente social, ou seja, é feito relativas a determinada situação quando al-
interpessoalmente e não privadamente. A guém releva características de situação que
influência social é conceitualizada como não havíamos observado antes ou quan-
tendo um impacto sobre a intuição do indi- do nos persuade a avaliar a importância
víduo por meio da persuasão fundamentada de algumas características que não foram
(p. ex., argumentos), assim como por meio consideradas suficientemente (Saltzstein
de formas não racionais de persuasão social e Kasachkoff, 2004). No entanto, como
(como normas sociais implícitas). Haidt ar- Saltzstein e Kasachkoff (2004) apontam, o
gumenta que as intuições morais vêm em modelo de intuição social deixa importantes
primeiro lugar quando são influenciadas questões sem resposta, demandando, assim
por alguém em nosso pensamento moral mais pesquisas empíricas futuras. Por exem-
que, então, causa diretamente um julga- plo, a influência social realmente gera intui-
mento moral que, por sua vez, causa o ra- ções em primeiro lugar que, depois, influen-
ciocínio moral. O raciocínio moral só serve ciam o julgamento e o raciocínio moral de
para justificar racionalmente a intuição em uma pessoa? Na verdade, é o conhecimento
primeiro lugar. Como evidência da impor- que os outros condenariam um ato (norma
tância das intuições, Haidt (2004) se refere social) que nos leva ao sentimento que algo
ao fenômeno de “mudez moral”2, que ocor- como se masturbar com uma galinha morta
re quando os indivíduos não conseguem é errado? Ou há bons motivos e argumentos
explicar as fortes condenações de ações que que não são tão rápidos e automáticos como
não causam nenhum dano. Haidt interpre- nossas respostas emocionais para chegar a
ta a mudez moral como uma evidência da um julgamento moral? E há diferenças cul-
importância das instituições que criaram um turais? Vauclair e Fischer (2009), por exem-
forte julgamento que um ato é errado, mas plo, concluíram que os indivíduos de países

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 167

de orientação coletivista julgam as questões como um aspecto importante da cultura


pessoais­‑sexuais (p. ex., homossexualidade brasileira e uma estratégia relevante de re-
e divórcio) de uma forma mais inflexível lações interpessoais e influência social. Até
do que os países de orientação individua- o momento, eles realizaram três grandes
lista. Os estudos futuros poderiam adotar estudos (veja Ferreira et al., 2009; mesa
essa conclusão como um passo futuro e foco redonda na conferência brasileira – as refe-
no processo de fazer julgamentos morais e rências serão apresentadas posteriormente).
o papel da influência social ao analisar as O primeiro estudo de entrevista qualitativa
diferenças culturais em relação à persuasão com 20 alunos e membros do público iden-
fundamentada e social. Esses tipos de estu- tificou temas e incidências críticas do jei‑
dos poderiam contribuir substancialmente tinho. Então eles construíram 53 cenários
com nosso entendimento do funcionamento do jeitinho. A entrevista foi realizada entre
da moral, contribuindo com a área tão pou- alunos no Rio de Janeiro e Brasília, com ins-
co pesquisada de influência social e afeto e truções para avaliar quão típico o cenário é
cognição moral. para o jeitinho e quão típico esse compor-
tamento é para os brasileiros. Além disso,
foram ­empregados grupos focais para ava-
liar os ­cenários. Os resultados apontaram
O jeitinho brasileiro
claramente uma estrutura multidimensional
como uma tática de do jeitinho. Foram distinguidos diferentes
influência brasileira tipos de jeitinho em um modelo de escala
mul­tidimensional: criatividade, malandra-
Na última seção, falamos brevemente so- gem, mentira e violação da lei. Essas formas
bre a cultura e as normas culturais como podem ser diferenciadas em termos da ex-
táticas de influência social e discutimos um tensão em que violam as normas sociais ou
determinado aspecto familiar a muitos lei- legais (de violação leve a violação severa).
tores deste volume: o jeitinho brasileiro. A Um estudo posterior, com 27 cenários, foi
cultura e as normas e práticas culturais são realizado com 387 indivíduos no Rio de
outro exemplo dos tipos de processos de in- Janeiro e em Brasília. Cada cenário rece-
fluência que Ng incluiu em seu nível mais beu uma nota em termos de criatividade,
elevado de influência social. O jeitinho bra- violação da lei, jeitinho e malandragem.
sileiro é uma estratégia de influência social Os resultados mostraram diferentes con-
específica típica da cultura brasileira. O que ceitos do jeitinho no Rio de Janeiro e em
é o jeitinho? Barbosa (1992) discutiu o jei‑ Brasília. No Rio, o jeitinho tem um elemen-
tinho como uma estratégia fluida e flexível to de malandragem mais forte, enquanto
de solução de problema em contextos alta- em Brasília o jeitinho tem mais o conceito
mente burocráticos, na qual as pessoas ten- de violação da lei. Até certo ponto, esses
tam criar vínculos sociais igualitários com conceitos correspondem às imagens estere-
as figuras de autoridade ou vigias. Barbosa otipadas de Brasília e do Rio de Janeiro.
(1992) situou o jeitinho como uma forma Um pensamento comum é que o jeitinho é
mista entre relações sociais e corrupção. um exemplo brasileiro tí­pico da influência
Almeida (2007) também situou o jeitinho sobre os outros diante de obstáculos ou
entre a corrupção e a prestação de favores. problemas. Essas estratégias de influência
Duarte (2006), por outro lado, discutiu vá- específicas da cultura não foram estudadas
rias classificações e apontou uma natureza sistematicamente na psicologia, e ainda há
multidimensional do jeitinho. muito a aprender utilizando os métodos de
Recentemente, um grupo de psicólo- pesquisa étnico­‑psicológica (veja também
gos sociais formou a Conexão Brasil para Smith, 2008, que apresenta um panorama
desenvolver uma étnica­‑psicologia brasi- mais geral sobre essas táticas de influência
leira. Eles escolheram o jeitinho brasileiro social específicas da cultura).

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

168 Torres, neiva & cols.

Conclusões BLASI, A. Bridging moral cognition and moral


action: A critical review of the literature. Psycho‑
Neste capítulo, tentamos preencher a logical Bulletin, v. 88, p. 1-45, 1980.
lacuna entre os estudos clássicos de influên- BOND, R.; SMITH, P. B. Culture and conformity:
cia social com foco em estratégias de influ- A meta-analysis of studies using asch’s (1952b,
ência lineares, descontextualizadas e diretas 1956) line judgment task. Psychological Bulletin,
v. 119, p. 111-137, 1996.
e os processos de influência mais difusos,
naturalistas e culturais. A influência social é BRODY, G. H.; HENDERSON, R. W. Effects of mul-
tiple model variations and rationale provision on
um tópico importante de pesquisa, que tem
the moral judgments and explanations of young
importantes implicações práticas. children. Child Development, v. 48, p. 1117-1120,
1977.
COWAN, P. A.; LANGER, J.; HEAVENRICH, J.;
Notas NATHANSON, M. Social learning and Piaget’s
cognitive theory of moral development. Journal
1. Social loafing. of Personality and Social Psychology, v. 11, p. 261-
2. Moral dumbfounding. 274, 1969.
CROWLEY, P. M. Effect of training upon objecti-
vity of moral judgment in grade-school children.
Journal of Personality and Social Psychology, v. 8,
Referências p. 228-232, 1968.
AAKER, J.; WILLIAMS, P. Empathy versus pride: DE HOOG, N.; STROEBE, W.; DE WIT, J. B. F. The
The influence of emotional appeals across cultures. impact of vulnerability to and severity of a health
Journal of Consumer Research, v. 25, p. 241-261, risk on processing and acceptance of fear-arousing
1998. communications: A meta-analysis. Review of Gene‑
ral Psychology, v. 11, p. 258-285, 2007.
ADAMS, J. S. Inequity in social exchange. Advances
in Experimental Social Psychology, v. 62, p. 335- DE WAAL, F. Good natured: The origins of right
343, 1965. and wrong in humans and other animals. London:
Harvard University Press, 1996.
ALLPORT, G. W. Social psychology. Boston, MA:
Houghton-Mifflin, 1924. DORR, D.; FEY, S. Relative power of symbolic adult
and peers models in the modification of children’s
ALMEIDA, A. C. A cabeça do brasileiro. Rio de moral choice behaviour. Journal of Personality and
Janeiro: Record, 2007. Social Psychology, v. 29, p. 22-34, 1974.
ASCH, S. E. Social psychology. Englewood Cliffs, DUARTE, F. A double-edged sword: The ‘jeitinho’ as
NJ: Prentice Hall, 1952. an ambiguous concept in the Brazilian imaginary.
BANDURA, A. Social foundations of thought and Journal of Interdisciplinary Social Sciences, v. 1, p.
action: A social cognitive theory. Englewood Cliffs, 125-131, 2006.
NJ: Prentice-Hall, 1986. EAGLY, A. H.; CARLI, L. Sex of researchers and
BANDURA, A. Social cognitive theory of mo- sex-typed communications as determinants of sex
ral thought and action. In: KURTINES, W. M.; differences in influenceability: A meta-analysis of
GEWIRTZ, J. L. (Ed.). Handbook of moral behavior social influence studies. Psychological Bulletin, v.
and development: Theory, research and applications. 90, p. 1-20, 1981.
Hillsdale, NJ: Erlbaum, 1991. p. 71–129. EAGLY, A. H.; CHAIKEN, S. The psychology of
BANDURA, A. Self-efficacy: The exercise of control. attitudes. Fort Worth, TX: Harcourt, Brace, Jova-
New York: Freeman, 1997. novich, 1993.
BANDURA, A.; MCDONALD, F. J. Influence of FODOR, E. M. Resistance to social influence
social reinforcement and the behavior of models among adolescents as a function of level of moral
in shaping children’s moral judgments. Journal development. Journal of Social Psychology, v. 85,
of Personality and Social Psychology, v. 5, p. 274- p. 121-126, 1971.
281, 1963. FODOR, E. M. Delinquency and susceptibility of
BARBOSA, L. O jeitinho brasileiro: A arte de ser social influence among adolescents as a function
mais igual que os outros. 8th ed. Rio de Janeiro: of moral development. Journal of Social Psychology,
Editora Campos, 1992. v. 86, p. 257-260, 1972.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 169

FOGG, B. J. Persuasive technology: Using computers Journal of Personality and Social Psychology, v. 65,
to change what we think and do. San Francisco, p. 681-706, 1993.
CA: Morgan Kaufmann Publishers, 2003. KEASEY, C. B. Experimentally induced changed
FORGAS, J. P.; WILLIAMS, K. D. (Eds.). Social in moral opinions and reasoning. Journal of Per­
influence: Direct and indirect processes. The sonality and Social Psychology, v. 26, p. 30-38,
Sydney symposium of social psychology. New York: 1973.
Psychology Press, 2001.
KHALED, R. Culturally sensitive persuasive tech‑
FRENCH, J. R. P.; RAVEN, B. The bases of social nology. Doctoral thesis – Victoria University of
power. In: CARTWRIGHT, D. (Ed.). Studies in social Wellington, Wellington, New Zealand, 2008. Avai-
power. Ann Arbor, MI: Institute for Social Research, lable at <researcharchive.vuw.ac.nz/bitstream/
1959. p. 150-167. handle/10063/365/thesis.pdf?sequence=1>.
FURGY, W. G. L.; WOLOSHIN, G. W. Immediate KHALED, R.; BARR, P.; NOBLE, J.; FISCHER, R.;
and long-term effects of experimentally induced BIDDLE, R. Our place or mine? Exploration into
social influence in the modification of adolescents’ collectivism-focused persuasive technology design.
moral judgments. Journal of Personality and Social Lecture Notes in Computer Science, v. 3962, p. 72-
Psychology, v. 12, p. 104-110, 1969. 83, 2006.
HAIDT, J. The emotional dog and its rational tail: KHALED, R.; BARR, P.; NOBLE, J.; FISCHER, R.;
A social intuitionist approach to moral judgment. BIDDLE, R. Fine tuning the persuasion in persua-
Psychological Review, v. 108, p. 814-834, 2001. sive games. Lecture Notes in Computer Science, v.
HAIDT, J. The emotional dog gets mistaken for 4744, p. 36-47, 2007.
a possum. Review of General Psychology, v. 8, p.
KHALED, R.; NOBLE, J.; BIDDLE, R. Developing
283-290, 2004.
culturally-aware persuasive technology. In: 7th
HAIDT, J.; HERSH, M. Sexual morality: The cul- INTERNATIONAL WORKSHOP ON INTERNA-
tures and reasons of liberals and conservatives. TIONALISATION OF PRODUCTS AND SYSTEMS.
Journal of Applied Social Psychology, v. 31, p. Paper… Melbourne, 2005.
191-221, 2001.
KOHLBERG, L. The psychology of moral develop‑
HAIDT, J.; JOSEPH, C. Intuitive ethics: How inna- ment: Essays on moral development. San Francisco,
tely prepared intuitions generate culturally varia- CA: Harper & Row, 1984. v. 2.
ble virtues. Daedalus, Fall, v. 3, p. 55-66, 2004.
KREBS, D. L. Morality: An evolutionary account.
HAIDT, J.; KOLLER, S. H.; DIAS, M. G. Affect, Perspectives on Psychological Science, v. 3, p. 149-
culture, and morality, or is it wrong to eat your 172, 2008.
dog? Journal of Personality and Social Psychology,
v. 65, p. 613-628, 1993. KUMKALE, G. T.; ALBARRACIN, D. The sleeper
effect in persuasion: A meta-analytic review.
HOFSTEDE, G. Culture’s consequences: Interna-
Psychological Bulletin, v. 130, p. 143-172, 2004.
tional differences in work-related values. Beverly
Hills: CA Sage, 1980. LEVY, D.; COLLINS, B. E.; NAIL, P. A new model
of interpersonal influence characteristics. Journal
HOLSTEIN, C. E. The relation of children’s moral
of Social Behaviour and Personality, v. 13, p. 715-
judgment level to that of their parents and to com-
733, 1998.
munication patterns in their family. In: SMART, M.
S.; SMART, R. C. (Ed.). Adolescents: Development McGRAW, K. M.; BLOOMFIELD, J. Social influence
and relationships. New York: Macmillan, 1977. on group moral decisions: The interactive effects
p. 238-248. of moral reasoning and sex role orientation. Jour‑
INGLEHART, R.; BAKER, W. E. Modernization, cultu- nal of Personality and Social Psychology, v. 53, p.
ral change, and the persistence of traditional values. 1080-1087, 1987.
American Sociological Review. Special Issue: Looking MILGRAM, S. Behavioral study of obedience.
forward, looking back: Continuity and change at the Journal of Abnormal and Social Psychology, v. 67,
turn of the millennium, v. 65, p. 19-51, 2000. p. 371-378, 1963.
JANOFF-BULMAN, R.; SHEIKH, S.; HEPP, S. Pros- MILGRAM, S. The individual in a social world:
criptive versus prescriptive morality: Two faces of Essays and experiments. 2 ed. New York, NY, En-
moral regulation. Journal of Personality and Social gland: Mcgraw-Hill Book Company, 1992.
Psychology, v. 96, p. 521-537, 2009. MORAL. Merriam Webster’s online dictionary. Dis-
KARAU, S. J.; WILLIAMS, K. D. Social loafing: A ponível em: <http://www.merriam-webster.com/
meta-analytic review and theoretical integration. dictionary/moral>. Acesso em: 5 dez. 2009.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

170 Torres, neiva & cols.

NAIL, P. R.; MACDONALD, G.; LEVY, D. A. Proposal mericana de Psicología/Interamerican Journal of


of a four-dimensional model of social response. Psychology. v. 16, p. 91-109, 1982.
Psychological Bulletin, v. 126, p. 454-470, 2000. SALTZSTEIN, H. D.; DIAMOND, R. M.; BELENKY,
Ng, S. H. Influencing through the power of lan- M. Moral judgment level and conformity behavior.
guage. In: FORGAS, J. P.; WILLIAMS, K. D. (Ed.). Developmental Psychology, v. 7, p. 327-336, 1972.
Social influence: Direct and indirect processes. The SALTZSTEIN, H. D.; KASACHKOFF, T. Haidt’s moral
Sydney symposium of social psychology. New York, intuitionist theory: A psychological and philoso-
NY, US: Psychology Press, 2001. p. 185-197. phical critique. Review of General Psychology, v. 8,
PETTY, R. E.; CACIOPPO, J. T. Communication p. 273-282, 2004.
and persuasion: Central and peripheral routes to SCHWARTZ, S. H. Universals in the content and
attitude change. New York: Springer, 1986. structure of values: Theoretical advances and
PETTY, R. E.; WEGENER, D. T. Matching versus empirical tests in 20 countries. Advances in Experi‑
mismatching attitude functions: Implications mental Social Psychology, v. 25, p. 1-65, 1992.
for scrutiny of persuasive messages. Personality SHERIF, M. The psychology of social norms. Oxford,
and Social Psychology Bulletin, v. 24, p. 227-240, England: Harper, 1936.
1998. SMITH, P. B.; BOND, M. H. Social psychology across
PODD, M. Ego identity status and morality: The cultures. 2. ed. London: Prentice Hall Europe,
relationship between two developmental cons- 1998.
tructs. Developmental Psychology, v. 6, p. 497-507, SOPORY, P.; DILLARD, J. P. The persuasive effects
1972. of metaphor: A meta-analysis. Human Communi‑
PODSAKOFF, P. M.; SCHRIESCHEIM, C. A. Field cation Research, v. 28, p. 382-419, 2002.
studies of French and Raven’s bases of power: TRACY, J.; CROSS, H. Antecedents of shift in
Critique, reanalysis, and suggestions for future moral judgment. Journal of Personality and Social
research. Psychological Bulletin, v. 97, p. 387-411, Psychology, v. 26, p. 238-244, 1973.
1985.
TRIPLETT, N. The dynamogenic factors in pa-
RALSTON, D. A. et al. Ethical preferences for cemaking and competition. American Journal of
influencing superiors: A 41-society study. Journal Psychology, v. 9, p. 507-533, 1898.
of International Business Studies, v. 40, p. 1022-
1045, 2009. TURIEL, E.; ROTHMAN, G. R. The influence of
reasoning on behavioral choices at different stages
RAVEN, B. H. Social influence and power. In: STEI- of moral development. Child Development, v. 43,
NER, I. D.; FISHBEIN, M. (Ed.). Current studies p. 741-756, 1972.
in social psychology. New York: Holt, Rinehart &
VAUCLAIR, C.-M. Measuring cultural values at the
Winston, 1965. p. 371-382.
individual-level: Considering morality in cross-
RAVEN, B. H. The bases of power: Origins and cultural value research. Mackenzie Business Review.
recent developments. Journal of Social Issues, v. Special Issue: Human Values- Theory and Practices,
49, p. 227-251, 1993. v. 10, p. 60-83, 2009.
RAVEN, B. H.; FRENCH, J. R. P. Legitimate power VAUCLAIR, C.-M.; FISCHER, R. Do cultural values
coercive power, and observability in social influen- explain individuals’ moral attitudes? A cross-
ce. Sociometry, v. 21, p. 83-97, 1958. cultural multi-level approach. Manuscript under
RAVEN, B. H.; SCHWARZWALD, J.; KOSLOWSKY, review. 2009.
M. Conceptualizing and measuring a power/inte- VAUGHAN, G. M.; HOGG, H. A. Introduction to so‑
raction model of interpersonal influence. Journal cial psychology. 4 ed. French Forest NSW, Australia:
of Applied Social Psychology, v. 28, p. 307-332, Pearson Education, 2005.
1998.
WHITTAKER, J. O.; MEADE, R. D. Social pres-
RINGELMANN, M. Recherches sur les moteurs sure in modification and distortion of judgment
animés: Travail de l’homme. Annales de l’institut – a cross-cultural study. International Journal of
National Agronomique, v. 2, p. 1-40, 1913. Psychology, v. 2, p. 109-113, 1967.
RODRIGUES, A. Replication: A neglected type ZAJONC, R. B. Social facilitation. Science, v. 149,
of research in social psychology. Revista Intera‑ p. 269-274, 1965.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

8
Atitudes e mudança de atitudes
Elaine Rabelo Neiva
Túlio Gomes Mauro

Introdução ples fato de ler essas perguntas, é possível


que você classifique algumas situações ou
Todos os dias, quando você abre as pági- objetos, colocando­‑se contra ou a favor.
nas de um jornal, quando conversa com um É por meio desse processo contínuo
amigo, quando liga a televisão ou acessa a de compreensão das coisas em termos de
internet, ou simplesmente quando caminha bom ou ruim, apropriado ou inapropriado,
pela rua e observa o ambiente a sua volta, conveniente ou inconveniente, que você
lida com uma imensa diversidade de infor- assume uma “posição” frente ao mundo o
mações, as quais são, de alguma forma, per- cerca. Essa “posição” é chamada de atitu-
cebidas, analisadas e organizadas, fazendo de. Formalmente, “atitude é uma tendência
com que o mundo tenha sentido e a existên- psicológica que é expressa pela avaliação
cia humana seja menos caótica, imprevisível de uma entidade em particular com algum
e inexpressiva. grau de favor ou desfavor” (Chaiken, Wood
A fim de compreender melhor o espa- e Eagly, 1996, p. 269).
ço, você tenta achar uma regularidade, um As atitudes exercem influência sobre
padrão nos objetos do mundo e, a todo ins- o comportamento e sobre a maneira de ver
tante, tenta organizar avaliativamente esses o mundo. O conhecimento das atitudes de
objetos em termos de aprovável ou desapro- outras pessoas permite saber como elas pen-
vável, favorável ou desfavorável, desejável sam, sentem ou reagem a certos eventos. É
ou indesejável, sem necessariamente ter a possível que você se identifique com pessoas
atenção voltada para isso. Por exemplo, o que mantêm atitudes parecidas com as suas,
que você pensa sobre a utilização do exér- bem como pode evitar certas situações ou
cito no combate à violência e ao tráfico de objetos que trazem resultados indesejáveis.
drogas nas favelas brasileiras? Você acha que De fato, é bem difícil pensar em uma socie-
o sistema de cotas raciais deve ser implan- dade sem atitudes.
tado nas universidades? Qual é sua opinião Alguns dos principais problemas já
sobre produtos reciclados? Qual é sua posi- enfrentados pela humanidade têm suas
ção frente a “fastfood”? Aborto? Japoneses? raízes nesse fenômeno psicológico. Adolf
Comercialização de produtos “piratas”? Bolo Hitler provavelmente odiava os judeus e
de chocolate? Guerra do Iraque? Dietas de outras minorias não arianas, homossexuais
emagrecimento? Rio de Janeiro? Música e comunistas. Além disso, ele utilizava mé-
eletrônica? Eutanásia? Flamengo? Pelo sim- todos muito persuasivos e eficientes para

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

172 Torres, neiva & cols.

difundir suas atitudes e conquistar legiões mentares e sente enorme satisfação em rea­
de seguidores. Suas atitudes políticas insti- lizar as tarefas de casa. É possível inferir
garam a guerra mais sangrenta da história, que tal aluno mantém uma atitude positiva
e suas atitudes raciais levaram diretamente frente à matemática. Respostas desfavorá-
aos horrores do holocausto nazista. No en- veis, por sua vez, indicam uma atitude ne-
tanto, apesar das ideias e ações de certos gativa frente ao objeto atitudinal. Pode­‑se
grupos serem repugnantes à compreensão, inferir que um indivíduo apresenta uma
as atitudes dessas pessoas as direcionavam atitude negativa frente ao cigarro se este
para o que elas consideravam a coisa certa tem uma sensação desagradável ao fumar,
a ser feita, como acontece atualmente em procura se afastar de pessoas que estão fu-
várias questões delicadas, como atentados mando, acha que fumar é inapropriado e
de extremistas religiosos, alguns conflitos tenta convencer seus amigos fumantes a
geopolíticos, dentre outras. Isso ilustra algo largar o cigarro.
em comum entre Adolf Hitler, Osama Bin Para que uma atitude seja formada, é
Laden, George Bush e você: todos possuem necessário que o indivíduo entre em contato
atitudes, e estas influenciam nosso compor- com um objeto em particular e emita uma
tamento de muitas maneiras complexas. resposta avaliativa. Uma atitude não pode
(Chaiken, Wood e Eagly, 1996; Gilbert, Fiske ser formada sem que o indivíduo tenha um
e Lindzey, 1998). mínimo de informação sobre o objeto. Uma
Tal como outros construtos psicológi- pessoa não pode formar uma atitude frente
cos, as atitudes não podem ser observadas a sushi, por exemplo, se ela não tem a mí-
diretamente, mas sim inferidas de respos- nima ideia do que seja isso (se ela em sua
tas observáveis. Tais respostas são eliciadas vida nunca viu, ouviu falar ou leu a respeito
por um estímulo proveniente de uma enti- de sushi). A partir do momento em que a
dade específica, denominada de objeto da pessoa experimenta essa comida, ela se tor-
atitude, ou objeto atitudinal, o qual pode na capaz de responder avaliativamente e de
ser qualquer coisa passível de discrimina- formar uma atitude frente a esse objeto. O
ção ou de retenção pela mente do indiví- leitor pode questionar, no entanto, se é pos-
duo (Chaiken, Wood e Eagly, 1996). Sendo sível a formação de atitudes sem que haja
assim, podem se constituir objetos de ati- o contato direto com o objeto. A resposta
tudes: pessoas (presidente da república, é: claro que sim! Muitos nunca lutaram em
seus pais, John Lennon), objetos (óculos, uma guerra, ou foram ao Egito, ou pularam
computador), grupos (partidos políticos, de paraquedas, porém, dispõem de infor-
grupos étnicos), lugares (Brasília, China), mações sobre esses objetos para que pos-
organizações (Petrobrás, Globo), conceitos sam responder avaliativamente sobre eles e,
(democracia, qualidade de vida), ideologias consequentemente, formarem uma atitude.
(catolicismo, capitalismo), comportamentos É totalmente plausível que uma pessoa for-
(uso de preservativos, comportamentos pró me uma atitude frente a sushi, sem nunca
ambientais), eventos (mudança organiza- tê­‑lo experimentado, por meio das informa-
cional), produtos (alimentos, programas de ções que ela tem sobre esse objeto: é uma
computador), dentre outros. comida de origem japonesa, feita com arroz
Respostas favoráveis em relação ao avinagrado, algas marinhas, frutos do mar e
objeto atitudinal indicam uma atitude peixes geralmente crus.
positiva do indivíduo frente ao mesmo. Atitude é um construto psicológico que
Imagine, por exemplo, um aluno do ensino assume uma posição de destaque em psico-
médio que considera a matemática sua ma- logia social por ser um dos mais antigos e
téria favorita, se esforça para não faltar às estudados. De fato, esse campo já foi defi-
aulas, sente­‑se motivado a resolver proble- nido como o estudo das atitudes (Thomas e
mas e equações, afirma ser esta a matéria Znaniecki, 1918 apud Fazio e Olson, 2003).
mais importante, busca referências comple­ Segundo Ajzen (2001), esse construto conti-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 173

nua a ser atualmente o maior foco de teoria vem de sua origem latina, que une dois ter-
e pesquisa nas ciências sociais e comporta- mos actus (ação) e aptitudo (aptidão).
mentais. O objetivo deste capítulo é, pois, A distinção entre o termo do dia a dia
descrever o construto atitudes de maneira e o conceito formal de atitude é de suma im-
ampla, contextualizando cada tópico com portância, tanto para a compreensão teóri-
os principais resultados de pesquisa nos ca desse fenômeno quanto para a produção
últimos anos. O capítulo tem início com a empírica nesse campo, uma vez que uma
conceituação e a descrição da estrutura das definição imprecisa adotada pelo pesquisa-
atitudes. Em seguida, apresenta­‑se uma dis- dor pode influenciar a escolha do tipo de
cussão acerca da relação entre atitudes e medida a ser empregada e a interpretação
comportamentos, seus atributos, caracterís- dos resultados obtidos.
ticas, processo de formação e mudança de No contexto das ciências sociais, o ter-
atitudes. Por fim, é apresentada uma síntese mo atitude remete a um construto psicológi-
do capítulo e conclusões acerca desse cam- co em torno do qual, apesar de seu notável
po de estudo. desenvolvimento teórico e empírico, ainda
persistem várias controvérsias acerca de sua
definição. Analisando a multiplicidade de
definições de atitude, é possível selecionar
Conceituação de atitude entre elas algumas que merecem especial
atenção, tanto por seus pontos em comum
O termo atitude muitas vezes é utilizado de quanto por suas particularidades. São desta-
forma indiscriminada do significado que este cadas cinco conceituações, principalmente
assume na linguagem cotidiana: um grave por seu valor histórico.
equívoco, que, infelizmente, tem sido obser- A história da pesquisa em atitudes é
vado na literatura acadêmica. Segundo Brei longa. Tem sua origem no século passado.
(2002), em análise pelo dicionário, a pala- Seus antecedentes estão nos estudos so-
vra atitude foi inicialmente utilizada como bre “atitudes motrizes” de Fere (1888), de
um termo técnico, no campo da arte, para Langen (1889) e de Munstergerg (1890
traduzir a disposição de uma figura em está- apud Solozábal, 1981). As definições que
tua ou desenho. Tinha o sentido de postura se originaram a partir dos estudos de 1920
dada à imagem ou à figura, por exemplo, geraram muitas implicações para as me-
“atitude da mulher na imagem ou no retra- didas e para seu desenvolvimento teórico.
to”, etc. Dentre elas, pode­‑se citar Allport (1935) e
Segundo o dicionário Aurélio (Holan­ Thurnstone (1931).
da, 1986), na linguagem coloquial, o termo Allport (1935, p. 19) define atitude
atitude pode se remeter a: como “um estado mental e neurológico de
prontidão, organizado por meio da expe-
1. Posição do corpo, porte, jeito, postura. riência, exercendo uma influência diretiva
2. Modo de proceder ou agir; comportamen- ou dinâmica sobre a resposta do indivíduo
to, procedimento. a todos os objetos e situações com que se
3. Afetação de comportamento ou procedi- relaciona.” Essa definição considera a ati-
mento. tude como um todo apto a reagir de uma
4. Propósito, ou maneira de se manifestar certa maneira, dando ênfase às implicações
esse propósito. comportamentais que podem ser extensas a
5. Reação ou maneira de ser em relação todas as situações ou objetos com que se re-
a determinada(s) pessoa(s), objeto(s), laciona (Alpport, 1935).
situação(ões), etc. Para Thurnstone (1931), a atitude é
um afeto pró ou contra um objeto psicológi-
Na linguagem cotidiana, Brei (2002) co. A partir dessa definição, várias medidas
afirma que a ambiguidade do termo atitude psicológicas de atitudes foram construídas.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

174 Torres, neiva & cols.

Doob (1947, conceitua atitude como zem reações avaliativas, outros sugerem a
uma resposta implícita e geradora de im- necessidade dos indivíduos em se engajar
pulsos, considerada socialmente significati- em respostas avaliativas. Alguns indivíduos
va na sociedade do indivíduo. Observa­‑se, possuem maior necessidade de avaliar que
nessa análise, uma posição behavorista e a outros e, por isso, produzem mais atitudes
não inclusão do comportamento ostensivo, (Petty e al., 1997).
sem negar a influência da atitude sobre o Outra questão central está na ideia de
mesmo. que as atitudes são disposições para avaliar
Para Smith, Bruner e White (1956), objetos psicológicos, e isso implica em uma
a atitude é uma predisposição para experi- única atitude sobre um objeto. Os estudos
mentar uma classe de objetos de certas for- sugerem que as atitudes mudam, mas não
mas, com afeto característico; ser motivado há uma substituição, e sim uma sobreposi-
por essa classe de objetos e agir em relação ção da antiga atitude. Exemplos seriam: ati-
a tais objetos de maneira característica. tudes duais, duas diferentes atitudes frente
Triandis (1971, definiu atitude como a um mesmo objeto no mesmo contexto,
uma ideia carregada de emoção que predis- uma atitude implícita ou habitual e outra
põe um conjunto de ações a um conjunto explícita (McConnnel et al., 1997); avalia-
particular de situações sociais. ções diferentes do mesmo objeto em con-
Segundo Olson e Zanna (1993), atitu- textos diferentes podem ser consideradas
des têm sido definidas como: evidências de atitudes múltiplas frente ao
mesmo objeto ou atitudes frente a diferen-
• Avaliação: “tendência psicológica que é tes objetos psicológicos; atitudes contexto­
expressa pela avaliação de uma entidade ‑dependentes: muitos autores afirmam que
particular com algum grau de favorabilida‑ as inconsistências entre atitudes e compor-
de ou desfavorabilidade” (Eagly e Chaiken, tamentos se devem à existência de múlti-
1993, p. 1). plas atitudes deste tipo frente a alvos sociais
• Afeto: “o afeto associado com um objeto (McConnnel et al, 1997).
mental” (Greenwald, 1989, p. 432). Observa­‑se que as definições apresen-
• Cognição: “um tipo especial de conheci­ tadas divergem em palavras utilizadas, mas
mento, notamente conhecimento cujo con- tendem a caracterizar as atitudes sociais
teúdo é avaliativo ou afetivo” (Krugglanski, como variáveis não observáveis, porém di-
1989, p. 298). retamente inferíveis de observações e como
• Predisposições comportamentais: “o estado sendo integradas a partir dos seguintes
de uma pessoa que a predispõe a uma res- componentes: cognitivo, afetivo e compor-
posta favorável ou desfavorável quanto tamental.
a um objeto, pessoa ou ideia” (Triandis, Contudo, como também é possível
1991, p. 485). ver pelas definições apresentadas, conceito
e estrutura estão muito interligados, cons­
Enfim, segundo alguns autores, há tatando­‑se que, também quanto à estrutura,
uma concordância geral de que a atitu- não existe um acordo entre os teóricos. A
de representa uma avaliação sumária de estrutura interna envolve a discussão sobre
um objeto psicológico capturado em seus quantos componentes fazem parte da atitu-
atributos dimensionais como bom­‑ruim, de. Esse enfoque inclui algumas tendências
nocivo­‑positivo, prazeroso­‑desagradável, principais: bicomponente (afeto e cognição),
gostável­‑não (Ajzen e Fishbein, 2000; unicomponente (afeto) e tricomponente
Eagly e Chaiken, 1993; Petty et al., 1997). (afeto, cognição e comportamento).
Contudo, pesquisas recentes mostram que Em uma primeira fase do estudo das
julgamentos avaliativos diferem e mui- atitudes, a abordagem multicomponentes
to de julgamentos não avaliativos. Alguns foi mais comum entre os pesquisadores.
autores sugerem que alguns objetos indu- É a visão da atitude como constituída de

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 175

sentimento, pensamento e ação. Tal distin- dância com uma afirmativa implica que
ção vem desde os filósofos gregos. Depois, o respondente também concorda com
passou­‑se a enfatizar a visão unidimensio- as afirmativas que estão em um nível
nal e, posteriormente, a definição tripartite inferior da hierarquia.
voltou a ser mais aceita (Triandis, 1991). • Escala de distância social: essas escalas
são usadas para medir as atitudes com
relação a diferentes grupos nacionais,
Mensuração das atitudes raciais e étnicos. Quando são utilizadas,
os respondentes indicam sua inclinação
Vários instrumentos têm sido utilizados para ter vários níveis de contato com
para se medir as atitudes. Os métodos mais diferentes grupos­‑alvo.
comuns são as medidas de autodescrição, as
medidas fisiológicas e as técnicas observa- Pelo fato de algumas vezes as pessoas
cionais. não estarem dispostas a revelar suas verda-
deiras atitudes, as escalas autodescritivas
nem sempre nos dão as melhores informa-
Medidas autodescritivas ções. Assim, para reduzir a inadequação
dessas escalas, pesquisadores desenvolve-
Uma grande quantidade de escalas auto- ram várias técnicas alternativas. Uma des-
descritivas têm sido desenvolvidas com o sas técnicas, a bogus pipeline (Jones e Sigall,
propósito de se medir as atitudes. As escalas 1971) refere­‑se a dizer aos participantes
mais comuns são: que foram conectados a uma máquina com
eletrodos e que essa máquina irá medir suas
• Escalas Likert (e “Tipo Likert”): as escalas respostas verdadeiras por meio do monito-
Likert contêm uma série de afirmativas ramento de mudanças fisiológicas (embora
sobre um objeto. Os respondentes devem a máquina não possa fazer isso).
indicar seu nível de concordância ou
discordância com cada afirmativa, em
termos de uma escala de 5 pontos (p. ex., Medidas fisiológicas
concordo fortemente, concordo, indife-
rente, discordo, discordo fortemente). As As medidas fisiológicas baseiam­‑se no fato de
escalas tipo Likert apresentam variações que, uma vez que as respostas emocionais
no número de pontos ou na ancoragem são acompanhadas de reações fisiológicas,
(p. ex., 100% das vezes, sempre, ocasio- medidas como a resposta galvânica de pele,
nalmente, etc). eletromiograma e dilatação pupilar podem
• Escalas de diferencial semântico: aqui ser utilizadas para se avaliar as atitudes. O
os respondentes avaliam um objeto em problema com essas medidas é que, embora
termos de vários itens bipolares, desenha- elas possam demonstrar se uma pessoa está
dos para medir três dimensões: nível de tendo uma reação emocional frente a um
favorabilidade (bom­‑ruim), poder (fraco­ objeto, elas não podem indicar a intensida-
‑forte) e atividade (ativo­‑passivo). de ou a direção dessa reação.
• Escala de Thurstone: as escalas de Thurstone
contêm uma série de afirmativas que já
foram avaliadas previamente em termos Técnicas observacionais
de favorabilidade, e apenas pedem que o
respondente marque as afirmativas com Finalmente, as técnicas observacionais para a
as quais ele concorda. medição das atitudes variam de pouco estru-
• Escala de Guttman: as afirmativas na turadas e informais até técnicas altamente
escala de Guttman são ordenadas em estruturadas e formais. Uma técnica pouco
uma hierarquia, de forma que a concor- estruturada e informal, a observação parti-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

176 Torres, neiva & cols.

cipante, funciona ao fazer com que o obser- brancas sob um fundo vermelho ou preto),
vador participe ativamente nas atividades a constatação de que esta é uma bebida
do experimento. Uma técnica mais estrutu- gaseificada de cor escura, de origem norte­
rada, a Análise do Processo Interativo (IPA) ‑americana, comercializada geralmente em
de Bales (1950), é usada para avaliar como garrafas ou latas em bares, restaurantes,
as pessoas interagem em pequenos grupos. mercados e etc. Quando o objeto atitudinal
No IPA, o observador avalia as verbalizações é de alguma forma qualificado, ou a este é
dos membros do grupo em termos de 12 ca- associado alguma avaliação ou juízo de va-
tegorias criadas para medir as orientações lor, essa resposta pertence a categoria afe-
sociais­‑emocionais e de tarefa. tiva. “Eu gosto de Coca­‑cola”, “Coca­‑cola é
saborosa e refrescante”, “me sinto satisfeito
quando bebo Coca­‑cola” são exemplos de
Componentes das atitudes respostas afetivas. A constatação de uma
inclinação para ação em direção ao objeto
A perspectiva mais proeminente de estudo atitudinal, como a decisão de comprar Coca­
da estrutura interna das atitudes é o mode- ‑cola, representa uma resposta pertencente
lo de três componentes, segundo o qual as à categoria comportamental.
respostas eliciadas por um objeto atitudinal O modelo de três componentes descre-
podem pertencer a três classes: cognitiva, ve a estrutura interna das atitudes de uma
afetiva ou comportamental. A categoria cog- maneira muito conveniente, pois distingue
nitiva é composta por pensamentos, cren- claramente as categorias de resposta por
ças, percepções e conceitos acerca do objeto suas definições e parece exaurir o universo
atitudinal. A categoria afetiva, por sua vez, de possibilidades de respostas atitudinais
traz sentimentos e emoções associadas ao (seria difícil pensar em uma resposta frente
objeto da atitude. Por fim, a categoria com- a um objeto atitudinal que não se encaixe em
portamental engloba ações, ou intenções uma das três categorias – cognitiva, afetiva
para agir. e comportamental!) (Fazio e Olson, 2003).
O esquema abaixo ilustra as três clas- Apesar de ser o modelo mais difundido, as
ses de resposta frente ao refrigerante Coca­ pesquisas empíricas apresentam ­resultados
‑cola. A constatação do fato de que a Coca­ conflitantes referentes à validação desse
‑cola é um refrigerante que possui cafeína modelo, principalmente quanto à validade
corresponde a uma representação cognitiva discriminante (a análise fatorial não neces-
do objeto Coca­‑cola, assim como a identi- sariamente distingue as três categorias de
ficação de sua logomarca (letras cursivas resposta como três fatores independentes).

Componente cognitivo
Coca-cola tem cafeína

Componente afetivo
Eu gosto de Coca-cola Coca-cola

Componente comportamental
Vou comprar Coca-cola

Figura 8.1
Estrutura tricomponentes da atitude.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 177

Por outro lado, alguns teóricos argu- co, o funcionário tem percepções, crenças
mentam que sentimentos e emoções podem e conceitos acerca da mudança dentro da
preceder crenças sobre o objeto atitudinal empresa, resultante de informações, cons-
e que, portanto, as respostas atitudinais tatações pessoais e experiências vivenciadas
são exclusivamente de natureza afetiva. anteriormente, que formam uma significa-
Conforme essa perspectiva, conhecida como ção de mudança dentro dessa organização.
mono­‑componente ou unicomponente, o Estes fatores determinam afetos favoráveis
aspecto avaliativo da atitude é enaltecido, ou desfavoráveis em relação à mudança or-
sendo esta frequentemente mensurada por ganizacional.
meio de escalas bipolares representando o Sapp (2001) argumenta que as cren-
grau de favorabilidade/desfavorabilidade ças não são formadas em isolamento de
do indivíduo frente ao objeto atitudinal. crenças acerca de objetos substitutos, ou
Outros teóricos assumem uma perspectiva seja, as pessoas avaliam os atributos de um
bicomponente, segundo a qual as respostas objeto em relação aos atributos de objetos
atitudinais pertencem a duas categorias ape- que elas percebem como possíveis substi-
nas: cognitiva e afetiva. Essa tendência se tutos. No exemplo anterior, o funcionário
consagrou principalmente em virtude da de- busca, simultaneamente, informações acer-
finição de Thurnstone (1931), que originou ca da mudança organizacional por qual está
medidas de atitudes usadas até o presente passando sua empresa e outros tipos de mu-
momento. Em virtude de se mencionar os dança que sua empresa já tenha passado, ou
componentes da atitude, faz­‑se necessário casos de mudanças em outras organizações,
abordar cada um deles nos tópicos seguin- ou enfrentadas por pessoas conhecidas, etc.
tes do texto, enfatizando principalmente os Dessa forma, a compreensão da consistência
resultados de pesquisas empíricas. lógica de crenças sobre objetos em compara-
ção a crenças acerca de objetos substitutos
é muito importante para a predição de ati-
O componente cognitivo tudes frente ao objeto. Sapp (2001) inves-
tigou a consistência lógica de um conjunto
Considere a seguinte situação: um funcioná- de crenças de indivíduos japoneses sobre
rio constata que a empresa onde ele trabalha comer carne proveniente de três países e o
passará por uma mudança. Segundo Lines efeito das inconsistências lógicas do conjun-
(2005, p. 11), “para que haja uma carga afe- to de crenças para produtos substitutos na
tiva pró ou contra um objeto social definido, estimativa das atitudes frente ao consumo
faz­‑se necessário que se tenha alguma re- de carne. Seus resultados foram os de que
presentação cognitiva desse objeto”. Dessa os indivíduos usam objetos substitutos para
forma, o funcionário buscará saber, por melhorar a consistência de suas crenças so-
exemplo, do que se trata a mudança, quais bre determinado objeto. Então, os estudos
são seus objetivos, suas causas, seu alcance, sugerem que o aspecto cognitivo de um ob-
certamente se lembrará de situações de mu- jeto atitudinal depende em larga escala do
dança organizacional já vividas por ele, por aspecto cognitivo de objetos similares.
outras pessoas, fará comparações e etc.
No dizer de Rosenberg e colaborado-
res (1960), as cognições incluem percep- O componente afetivo
ções, conceitos e crenças acerca do objeto
da atitude e são normalmente eliciadas por Segundo Triandis (1971, p. 11), o compo-
perguntas verbais na forma oral ou escrita. nente afetivo “é a forma como uma pessoa
A representação cognitiva de um ob- se sente em relação a um objeto atitudinal,
jeto atitudinal é um elemento indispensá- sendo geralmente determinada pela associa-
vel para que a pessoa forme uma atitude ção prévia do objeto de atitude com estados
em relação ao mesmo. Nesse caso específi- agradáveis ou desagradáveis”.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

178 Torres, neiva & cols.

Para Fishbein (1963), o componente portância das características das comidas e


afetivo é definido como sentimento pró ou as reações emocionais frente uma variedade
contra um determinado objeto social. Este de alimentos para a determinação de suas
autor argumenta que atitudes. A análise fatorial identificou cinco
bases informacionais das atitudes frente a
as crenças e os comportamentos associa- comida:
dos a uma atitude são apenas elementos
pelos quais se pode medir a atitude, não 1. Afeto positivo (ex.: estimulante, prazero-
sendo, porém, parte integrante dela. Sen- so, refrescante, vívido, etc.) α= 0,92.
do a atitude uma variável interveniente 2. Afeto negativo (depressivo, envergonha-
é, como tal, inferível de um fato, mas do, culpado, enauseado, etc.) α= 0,87.
não diretamente observável. (Fishbein, 3. Qualidades sensoriais gerais (aparência,
1963, p. 36) cor, sabor, odor, etc.) α= 0,84.
4. Qualidades sensoriais específicas (cremo-
O componente afetivo tem conotação so, gorduroso, molhado, salgado, doce,
avaliativa e representa um sentimento po- etc.) α= 0,78.
sitivo ou negativo vinculado a um objeto, 5. Qualidades cognitivas abstratas (saudável,
determinando uma atitude. É o caso dos leve, seguro, etc) α= 0,75.
funcionários que formam atitudes positivas
ou negativas em relação à mudança organi- A regressão dos cinco fatores com os
zacional como efeito do teor de suas crenças diversos tipos de comida avaliados indicou
a respeito da mesma. Essas atitudes podem que afeto positivo, afeto negativo e qualida-
ser observadas por afirmações verbais, escri- des sensoriais gerais são importantes pre-
tas ou faladas, de gosto ou não do sujeito ditores de atitudes frente à comida. Esses
em relação ao objeto da atitude (“mudança resultados indicam que as pessoas formam
é uma coisa boa para todos na empresa”, suas atitudes frente à comida com base em
“estou inseguro em relação a essa mudan- crenças acerca das qualidades sensoriais da
ça” e etc.). comida (componente cognitivo) e afetos
Os componentes das atitudes foram atribuídos à comida (componente afetivo).
estudados por Aikman, Crites e Fabrigar
(2006) no contexto de atitudes frente à co-
mida. Esses autores concebem as atitudes O componente comportamental
como julgamentos avaliativos globais sobre
determinado objeto, os quais podem com- Segundo Newcomb, Turner e Converse
preender diferentes tipos de informações (1965), as atitudes humanas são propiciado­
(cognitivas, afetivas, etc). Por exemplo, uma ras de um estado de prontidão, que, se ati-
atitude levemente positiva em relação a ba‑ çado por uma motivação específica, resulta-
con (+1 em uma escala bipolar de +4 a –4) rá em um determinado comportamento. Já
pode refletir um sentimento ou avaliação os autores Katz e Stotland (1959) veem nas
positiva frente ao sabor do alimento (+4) atitudes a própria força motivadora da ação.
e uma percepção negativa de seus benefí- Essa afirmativa é muito controversa, já que a
cios à saúde (­‑3). Dessa forma, os autores relação entre atitude e comportamento não
conduziram um estudo com o objetivo de possui uma grande base empírica (Ajzen e
investigar que tipo de informação contribui Fishbein, 2000; Ajzen, 2001).
para a aversão ou preferência das pessoas Newcomb, Turner e Converse (1965)
pelos alimentos. representam da seguinte forma o papel das
A pesquisa teve um caráter explorató- atitudes na determinação do comporta­
rio, no qual os participantes indicaram a im- mento:

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 179

Experiências Atitudes atuais


pessoais da pessoa

Comportamento
Situação atual

Figura 8.2
Influência das atitudes sobre o comportamento.

Observa­‑se, na representação de A visão unicomponente


Newcomb, Turner e Converse (1965), que
as atitudes sociais criam um estado de pre- Nesta concepção unitária, a atitude foi con-
disposição à ação que, quando combinado ceituada como uma quantidade de afeto a
com uma situação específica desencadean- favor ou contra algum objeto. Devido a essa
te, resulta em comportamento. Contudo, tal concepção, os autores concluíram que a me-
afirmativa pode ser questionada por alguns lhor forma de medi­‑la seria pela localização
estudos na área. do sujeito em uma dimensão bipolar afetiva
Outra teoria que aborda a questão da ou avaliativa frente a um objeto.
atitude e do comportamento é a teoria da A atitude é vista como uma variável la-
ação racional de Fishbein e Ajzen (1975) e tente ou subjacente que se presume influen-
a teoria da ação planejada de Ajzen (1988). ciar ou guiar o comportamento. Essa visão
Outras informações sobre a relação entre leva à implicação de que as atitudes não são
comportamento e atitude serão apresenta- idênticas às respostas exteriorizadas. Assim,
das posteriormente. as atitudes não podem ser observadas dire-
Enfim, pode haver uma relação entre tamente, mas inferidas a partir do compor-
atitudes e comportamento, mas esta nem tamento. A Figura 8.3 representa a noção
sempre é a melhor preditora do comporta- das atitudes pela visão unicomponente:
mento em questão. Vários fatores situacio- Festinger (1957) foi um dos primeiros
nais e culturais se apresentam em algum psicólogos sociais a investigar empiricamen-
grau como preditores de comportamento. te o impacto das atitudes no processamento
A relação entre atitudes e comportamento de informação. Ele desenvolveu a hipótese
será discutida mais adiante. de seletividade, que propõe que, antes de

Resposta afetiva

Estímulo Atitude Resposta cognitiva

Respostas
comportamentais

Figura 8.3
Os componentes da atitude.
Reproduzido de Eagly e Chaicken (1993).

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

180 Torres, neiva & cols.

adotar uma postura com relação a um obje- havia um forte preconceito contra os chine-
to, as pessoas aceitam receber informações ses nos Estados Unidos (alguns estabeleci-
que dão suporte e informações que refutam mentos mantinham placas na porta com a
suas ideias. Contudo, uma vez comprome- inscrição: “proibida a entrada de chineses e
tidas com uma postura, as pessoas selecio- cães”). Este pesquisador, que é de raça bran-
nam as informações que dão suporte a suas ca, viajou por várias cidades dos EUA acom-
posições e excluem aquelas que as contradi- panhado de um jovem casal de estudantes
zem. A hipótese de seletividade não foi to- chineses, registrando a reação dos funcioná-
talmente confirmada, mas algumas pesqui- rios dos diversos hotéis, restaurantes e cafés
sas demonstraram que as pessoas tendem a que visitaram. Eles foram atendidos em 66
avaliar as informações que são consistentes hotéis e 184 restaurantes e cafés, sendo que
com suas atitudes como mais positivas e me- apenas um hotel recusou­‑se a atendê­‑los.
morizam essas informações mais facilmen- Seis meses depois, LaPierre enviou um ques-
te (Pomerantz et al., 1995). Finalmente, tionário pelo correio para cada estabeleci-
Greenwald e Banaji (1995) sugerem que as mento visitado, o qual continha a pergunta:
atitudes podem ter um efeito implícito nos “Você aceitaria chineses como clientes em
julgamentos sociais, e que tal efeito pode seu estabelecimento”? Dos 81 restaurantes
explicar diversos fenômenos, incluindo o e 47 hotéis que responderam, 92% disseram
efeito do halo e o efeito da mera exposição. que não, tendo os restaurantes afirmado
As pesquisas na área de atitudes ques- que dependia das circunstâncias. Resultados
tionam a visão multicomponente em virtude bastante similares foram encontrados por
de algumas correlações fracas entre atitudes outros pesquisadores em replicações desse
e comportamento. O próximo tópico tratará experimento (Lapiere, 1934).
dessa questão. Alvo de algumas ressalvas metodo-
lógicas, esse clássico estudo ilustra uma
discrepância saliente entre atitudes e com-
portamentos. Todavia, Lima (2004) faz
Comportamento e atitude uma análise do experimento de LaPierre
elucidando que a generalidade do indicador
De maneira geral, as pessoas acreditam que das atitudes e a especificidade da situação
sua avaliação global sobre determinado ob- observada parece funcionar de modo a ma-
jeto determina a forma como elas reagem ximizar a discrepância entre as atitudes e o
ou se comportam frente a esse objeto. No comportamento.
entanto, a noção de que as atitudes causam
comportamentos é muito frágil, tendo em
No estudo de LaPierre, perguntava­‑se na
vista que um único comportamento é tipi-
carta se aceitariam chineses como clien-
camente influenciado por vários outros fa-
tes, o que, com sua formulação geral, en-
tores, além das atitudes. O simples fato de via os respondentes para o estereótipo de
uma pessoa possuir atitudes positivas frente chinês, e além do mais, podia ser utilizada
a métodos anticoncepcionais não determina pelos respondentes de forma a dar uma
o comportamento de uso dos mesmos. Da imagem respeitável do estabelecimento,
mesma forma, possuir atitudes positivas em de acordo com as normas vigentes. A
relação a determinado produto alimentício situação observada, pelo contrário, é
não é suficiente para a predição do compor- extremamente específica: os chineses
tamento de compra e consumo desse produ- encontravam­‑se acompanhados por um
to (Ajzen, 2001). branco, provavelmente apresentavam
O primeiro a relatar que não existe um bom status socioeconômico, tinham
uma relação direta de causalidade entre ati- um aspecto de saber comportar­‑se corre-
tudes e comportamentos foi o psicólogo so- tamente e encontravam­‑se de passagem.
cial Richard LaPiere, em 1934. Nessa época, Isto é, não tinham nada a ver com o chinês

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 181

que os funcionários do restaurante visua- rentes entre a atitude e o comportamento.


lizaram quando responderam à escala de Por outro lado, não são só as atitudes frente
atitudes. (Lima, 2004, p. 209) a comportamentos específicos que permitem
a previsão das ações, mas também as atitu-
Haveria, portanto, uma diferença en- des frente a comportamentos gerais. Wiegel
tre o poder preditivo das atitudes frente a e Newman (1976 apud Lima, 2004), mos-
comportamentos em um nível mais geral tram que as atitudes ambientais se correla-
(ex.: roubar) e das atitudes frente a compor- cionam de forma mais significativa com um
tamentos mais específicos (roubar um pão índice de comportamentos pró­‑ambientais
em uma padaria, sem uso de violência, para gerais do que com o de comportamentos es-
alimentar seu filho faminto). pecíficos (reciclagem, assinar uma petição a
Analisando os três componentes das favor de causas ambientais, etc).
atitudes e tomando como ponto de apoio a De maneira geral, as atitudes estão
teoria da consistência, deve­‑se concluir que correlacionadas com o comportamento.
as atitudes são internamente consistentes. Stocké (2006) buscou analisar se as atitu-
Esta consistência é mais notória nos compo- des de respondentes frente a surveys (pes-
nentes cognitivo e afetivo. A inconsistência quisas de levantamento de dados por meio
aparente reside entre esses componentes e de aplicação de questionários) explicam o
o comportamento, podendo ser explicada comportamento de responder ou não aos
pelo fato de as pessoas possuírem atitudes itens. A hipótese central desse autor era de
não apenas em relação aos objetos em si, que os respondentes com atitudes positivas
como também em relação à situação que frente a surveys adotariam uma orientação
os envolve. Por exemplo, um fumante pode cooperativa e estariam mais propensos a
recusar­‑se a acender um cigarro em um responder todos os itens e questões difíceis
restaurante, pois este, apesar de manter e delicadas, como fornecer dados acerca
atitudes fortemente positivas frente ao ci- da renda familiar. Foram testadas as deci-
garro, possui atitudes negativas em relação sões de se recusar a fornecer informações
à promoção de uma situação de incômodo na pesquisa, o comportamento de deixar o
e desconforto em outras pessoas (Ajzen e item em branco e o percentual de respostas
Fishbein, 2000). “não sei”. Além disso, o julgamento geral do
Triandis (1971, p. 14) salienta que respondente acerca de sua vontade de par-
ticipar da pesquisa também foi incluído. Os
atitudes envolvem o que as pessoas resultados indicaram que as atitudes frente
pensam, sentem e como elas gostariam a surveys são um importante determinante
de se comportar em relação a um obje- para a predisposição dos respondentes com-
to atitudinal. O comportamento não é pletarem o questionário ou deixarem itens
apenas determinado pelo que as pessoas em branco. Os participantes com atitudes
gostariam de fazer, mas também pelo mais positivas frente a surveys apresentaram
que elas pensam que devem fazer e pelas os menores valores em todos os indicadores
consequências esperadas de seu compor- de não resposta (recusa em fornecer infor-
tamento. mações, percentual de itens em branco e
respostas “não sei”).
Além disso, as pessoas têm atitudes Para Sivacek e Crano (1982 apud
em relação a determinados objetos de uma Chaiken, Wood e Eagly, 1996), a correspon-
situação e também em relação à situação dência entre atitudes e comportamento será
como tal. tanto maior quanto maior for o interesse in-
Ajzen (2001) conclui que o fato de vestido pela pessoa no conteúdo atitudinal,
possuirmos atitudes em relação a certos ob- ou seja, quanto maior o interesse no objeto,
jetos sociais e às situações nas quais estão maior será a congruência entre a atitude e o
imersos explica certas inconsistências apa- comportamento de um indivíduo. Por exem-

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

182 Torres, neiva & cols.

plo, se o casamento assume uma posição referentes a um comportamento relacionado


central na vida de uma pessoa, seus com- com o objeto da atitude, ou seja, a percepção
portamentos serão mais congruentes com do que outras pessoas esperam que ela faça
suas atitudes frente ao casamento, em com- e sua motivação em conformar­‑se a essa ex-
paração a uma pessoa cujo casamento não pectativa – norma subjetiva. Enquanto as ati-
assume um papel importante em sua vida. tudes gerais influenciam de forma indireta
As atitudes frente ao casamento desta pes- como uma tendência para ação, as atitudes
soa terão um fraco valor preditivo de seus específicas são úteis para prever um com-
comportamentos. portamento específico. Por exemplo, uma
A tentativa de estudar a discrepância pessoa que tem atitudes positivas frente à
entre atitude e comportamento estendeu­‑se utilização de sites de relacionamento (salas
por algumas vias diferentes. Chaiken, Wood de bate­‑papo, Orkut e etc.) pode optar por
e Eagly (1996) relatam que as pesquisas re- não acessá­‑los por meio do computador da
ferentes à relação atitude­‑comportamento empresa onde trabalha, conformando­‑se
em psicologia social têm configurado duas com as expectativas de seus superiores, os
tradições teóricas. A primeira delas consiste quais não são favoráveis à utilização desse
em uma família de modelos de expectativa­ tipo de site no local de trabalho. Da mesma
‑valor que consideram as atitudes um im- forma, um indivíduo pode manter atitudes
portante determinante do comportamento, fortemente positivas frente a assistir a no-
mediado pela intenção em realizar o com- velas, porém evita fazê­‑lo na presença de
portamento. Na tradição teórica alternativa, seus colegas de faculdade, pois supõe que
o comportamento é predito por meio de ati- assistir a novelas não é um comportamen-
tudes frente ao objeto, sem especificações to aceito por aquele grupo. Nesses casos, a
de passos intermediários. norma subjetiva (a percepção do indivíduo
do que as pessoas que são importantes para
ele esperam que ele faça) predirá melhor o
Teoria da ação racional comportamento do que a atitude geral.
Na teoria da ação racional, Ajzen e
Dentro da primeira tradição teórica encon­ Fishbein (1980) consideram que todo com-
tram­‑se os estudos de Ajzen e Fishbein portamento é uma escolha, uma opção pon-
(1980). Esses autores afirmam que as atitu- derada de alternativas em que o melhor
des são importantes fatores na previsão do preditor do comportamento será a intenção
comportamento humano, mas distinguem comportamental, sendo a atitude apenas
entre as atitudes gerais, relativas a um ob- um dos dois fatores importantes na decisão.
jeto em particular, e as atitudes específicas, Essa atitude frente ao comportamento é vis-

Modelos de expectativa – valor

Atitudes ð Intenção em realizar


o comportamento ð Comportamento

Tradição teórica alternativa

Atitudes ð Comportamento

Figura 8.4
Relação entre comportamento e atitude.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 183

ta, nesse modelo, com as perspectivas de de comportamentos, ou em certas popula-


expectativa­‑valor, ou seja, como o resultado ções, a norma subjetiva ter mais peso na de-
somatório das crenças acerca das consequ- terminação da intenção do comportamento.
ências do comportamento (expectativa) ele- Por isso, o modelo da ação racional inclui
vadas pela avaliação dessas consequências ainda uma variável intermediaria referente
(valor). A figura 8.5 ilustra o modelo dos à importância das atitudes e das normas na
autores. definição da intenção comportamental.
Outro fator importante na definição da Eagly e Chaiken (1993) encontram
intenção comportamental tenta integrar as correlações significativas entre a intenção e
pressões sociais e refere­‑se à norma subjeti- o comportamento, variando com a proximi-
va em relação ao comportamento, isto é, às dade temporal do comportamento, da espe-
pressões de outros significantes que afetam cificidade da situação apresentada e da ex-
a realização do comportamento. Também periência anterior do indivíduo na situação.
essa norma subjetiva é vista como o resul- O modelo de Azjen foi utilizado por
tado somatório das crenças normativas – Chiou, Huang e Chuang (2005) com o in-
expectativas acerca do comportamento que tuito de investigar as relações entre atitudes
os outros significantes pretendem que o in- frente ao objeto e à percepção de norma so-
divíduo adote – reforçado pelo valor dessas cial no contexto de intenção de compra de
crenças – a motivação para seguir cada um “merchandise” (CDs, camisetas, pôsteres e
dos referentes. etc.) de grupo musical por adolescentes em
Concluindo, a teoria da ação racional Taiwan. A pesquisa foi desenvolvida com
vê a atitude como um dos preditores do uma amostra de 471 participantes do sexo
comportamento, podendo, em certos tipos feminino, a qual foi dividida em dois gru-

Crença
de que o comportamento
provoca certos
resultados Atitude

Avaliação
dos resultados

Importância relativa
Fatores atitudinais do Intenção Comportamento
comportamento

Crença
de que os indivíduos
pensam que a pessoa deve
ou não concretizar o
comportamento Norma subjetiva
relativa ao
comportamento
Motivação
para seguir o que os grupos
ou indivíduos pensam sobre
o comportamento

Figura 8.5
Teoria da ação racional.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

184 Torres, neiva & cols.

pos, de acordo com escore obtido em uma comportamentos estariam mais sob controle
escala de afinidade com o grupo musical F4 atitudinal que normativo para uma grande
(um dos grupos de música pop de maior ex- quantidade de pessoas, ao passo que, para
pressão entre as adolescentes de Taiwan): outros comportamentos, o oposto seria ver-
grupo de adoradores do F4 (N=93) e grupo dadeiro. Os dados indicam, por exemplo,
de não adoradores do F4 (N=378). que a influência social pode ser estudada
Os resultados referentes ao grupo de considerando­‑se pessoas, comportamentos
adoradores do F4 apontaram uma correla- ou ambos.
ção significativamente positiva entre atitu- Muitos foram os estudos com a inten-
des frente ao F4 e intenções de compra de ção de avaliar a teoria da ação racional e
“merchandise” (r= 0,51; p= 0,0001). A re- a diversidade de considerações apontadas,
lação entre norma percebida e intenção de porém Ajzen (1988) reformula o mode-
compra não foi significativa, indicando que lo, mantendo sua estrutura básica, acres-
aquelas pessoas que adoram o F4 são mais centando como determinante da intenção
propensas a formar suas intenções de com- comportamental uma nova variável – o
pra de “merchandise” com base em fatores controle percebido sobre o comportamento.
pessoais, como atitudes frente ao objeto e Essa variável, a qual corresponde à dificul-
não em fatores sociais, como percepção de dade percebida na realização do compor-
norma social. Para os não adoradores do F4, tamento, permite incluir diretamente a ex-
os resultados apontaram uma correlação periência anterior com o comportamento.
significativamente positiva, porém modesta, Assim, comportamentos habituais são per-
entre norma social e intenção de compra de cebidos como mais fáceis de serem postos
“merchandise” (r=0,32; p= 0,0001). Esses em prá­tica e, portanto, com maior nível
resultados sugerem que aqueles que não de controle percebido. Essa percepção de
adoram o F4 são mais propensos a formar controle sobre o comportamento parece ter
suas intenções de compra com base em fato- consequências motivacionais ao nível de
res sociais, como a expectativa de julgamen- intenção, mas também, de uma forma me-
to das pessoas de seu convívio social. nos ponderada, diretamente sobre o com-
Trafimow e Finlay (2001) argumen- portamento. Essa extensão da teoria inicial
tam que não só as pessoas podem estar sob tem permitido aumentar significativamente
controle atitudinal ou normativo para uma a capacidade preditiva do modelo em mui-
extensa variedade de comportamentos, mas tas situações. No exemplo da compra de
também comportamentos podem estar sob “merchandise” de grupo musical citado an-
controle atitudinal ou normativo para uma teriormente, o controle percebido sobre o
vasta quantidade de pessoas. Esses autores comportamento pode ser ilustrado em uma
realizaram um estudo no qual os partici- situação em que as atitudes e a percepção
pantes responderam a escalas de atitudes, de norma subjetiva de uma pessoa influen-
norma subjetiva e intenções para cada um ciam positivamente a intenção de compra
dos 30 comportamentos selecionados (ter fi- de CDs, camisetas, pôsteres, etc., porém, a
lhos, comer vegetais regularmente, ir à igre- percepção de falta de dinheiro para com-
ja, usar o cinto de segurança, escolher uma prar, ou a ausência de tempo, o desconhe-
profissão que beneficia a sociedade, den- cimento do local de venda, ou até mesmo
tre outros). Os resultados sugerem que as a falta de costume de comprar esse tipo de
duas formas de controle podem acontecer material pode influenciar negativamente o
simultaneamente, ou seja, algumas pessoas comportamento.
estariam mais sob controle atitudinal que Manstead, Proffitt e Smart (1983), ci-
normativo em relação a uma grande varie- tados por Lima (2004), salientam que a in-
dade de comportamentos, enquanto outras trodução de variáveis emocionais na predi-
parecem estar mais sob controle normativo ção da intenção comportamental aumenta o
que atitudinal. Simultaneamente, alguns poder preditivo do modelo.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 185

Abordagens alternativas resultado salientando a maior confiança e


certeza dos indivíduos cujas atitudes se ba-
A teoria da ação racional de Azjen enfatiza seiam em experiências diretas.
comportamentos cujas consequências são Posteriormente, Fazio, Chen, Mcdonel
avaliadas antes da ação comportamental. e Sherman (1982) mostraram que os indi-
Conforme Chaiken, Wood e Eagly (1996), víduos que têm suas atitudes baseadas na
dependendo do grau em que é esperado experiência direta respondem em escalas de
que um comportamento produza bons re- atitudes informatizadas com um tempo de
sultados e a aprovação das outras pessoas, latência menor e apresentam maior corres-
o indivíduo tende a se engajar nesse com- pondência entre atitudes e comportamento.
portamento, o qual terá mais probabilidade Ainda sob essa linha de estudo, Fazio
de acontecer. No entanto, a teoria parece si- (1990) mostrou que há uma ativação auto-
lenciosa em relação a comportamentos que mática das atitudes altamente acessíveis na
não necessariamente seriam mediados pela presença do objeto de atitude, o que levaria,
intenção comportamental, ou seja, compor- por meio da centralização da atenção sele-
tamentos relativamente mais espontâneos. tiva nos aspectos congruentes com a atitu-
Segundo Fazio e Olson (2003), há várias de, a uma definição da situação de forma a
evidências de que atitudes podem exercer tornar altamente provável a ocorrência do
uma influência direta no comportamen- comportamento.
to, sem serem mediadas por intenções, ou Considerando o modelo MODE (Moti­
mesmo pensamentos. As pesquisas que se va­cion and Oportunity as Deter­mi­nants)
desenvolveram nessa linha constituíram o proposto por Fazio (1990), as atitudes in-
que Chaiken, Wood e Eagly (1996) deno- fluenciam os comportamentos. Suponhamos
minaram de tradição teórica alternativa do que um indivíduo em um ambiente organi-
estudo da relação atitude­‑comportamento. zacional seja informado de um processo de
Os aspectos automáticos e implícitos do mudança interna. Essa notícia ativa sua ati-
processamento humano de informação têm tude negativa relativa à mudança, fazendo­‑o
ocupado um papel de destaque na psicolo- lembrar das consequências de uma mudança
gia social e, particularmente, nas pesquisas dentro da organização (crenças congruentes
de atitudes. com a atitude). Desse modo, a implantação
Vários teóricos exploraram a ideia de um processo de mudança é vista como
de que alguns comportamentos podem ser perigosa para o próprio indivíduo (definição
produtos de predisposições aprendidas, as dos acontecimentos), tornando provável a
quais podem ser denominadas de hábitos adesão de um comportamento de resistên-
(Chaiken, Wood e Eagly, 1996). Segundo es- cia ou protesto. A definição do acontecimen-
ses autores, os processos cognitivos que con- to pode ainda ser influenciada pelas normas
trolam tais comportamentos podem ser con- do grupo em que o indivíduo se insere.
ceituados de automáticos, podendo ocorrer De acordo com a ideia de que atitu-
sem o controle consciente do indivíduo. des podem produzir uma tendência ao com-
Fazio e Zanna (1981), em seus estu- portamento sem a percepção consciente do
dos, analisam que as atitudes muito acessí- indivíduo, Greenwald e Banaji (1995), in-
veis orientam o comportamento por meio troduzem o conceito de atitudes implícitas.
da ativação de processos automáticos. Em Em contraste com as atitudes explícitas, que
seus trabalhos, observou­‑se a importância são prontamente acessíveis cognitivamente
da forma como a atitude tinha sido formata- e baseadas em crenças salientes, as atitudes
da na predição do comportamento, ou seja, implícitas são difíceis de serem identificas
as atitudes que se formam com base em introspectivamente e são baseadas em afe-
experiências diretas são mais preditoras do tos profundamente mantidos.
comportamento do que as que se baseiam A distinção entre atitudes implícitas e
na experiência indireta. O autor explica tal explícitas aumentou a busca por métodos

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

186 Torres, neiva & cols.

mais precisos e confiáveis de mensuração mentaram as possibilidades de as pessoas se


desse construto. Segundo Zhou e Wang tornarem bem­‑sucedidas e, assim, o desejo
(2007), as medidas de atitudes explícitas são de pertencerem à classe dos ricos. Os au-
diretas e dependem da habilidade do indiví- tores relatam que uma das mais populares
duo de acessar precisamente suas atitudes e saudações de final de ano entre os chineses
de sua vontade de reportá­‑las ao pesquisa- é “que você ganhe mais dinheiro”, indican-
dor. Esse aspecto é acentuado especialmen- do que, no nível afetivo, as pessoas se iden-
te quando a pesquisa trata de atitudes que tificam com a riqueza. O estudo conduzido
envolvem questões sociais sensíveis, como por esses autores consistiu na utilização de
preconceito ou questões de gênero, por medidas implícitas e explícitas para acessar
exemplo. As medidas de atitudes implícitas, atitudes frente aos ricos em uma amostra
por outro lado, envolvem julgamentos sob de estudantes universitários chineses. Os
controle da ativação automática das atitudes, resultados das duas medidas de atitudes se
quando não há percepção consciente de que apresentaram significativamente diferentes
as atitudes estão sendo expressas. Segundo e não correlacionados entre elas, sugerindo
Cunningham e colaboradores (2001), dentre dissociação entre atitudes implícitas e explí-
os métodos mais influentes de medida de ati- citas entre os participantes. Os participan-
tudes implícitas estão a técnica avaliativa pri‑ tes mostram uma atitude explícita negativa
ming (Fazio, Sanbonmatsu, Powell e Kardes, frente aos ricos e, ao mesmo tempo, atitude
1986) e o teste de associação implícita (IAT) implícita positiva, corroborando as hipóte-
(Greenwald, Mcghee e Schwartz, 1998). ses dos autores.
Um aspecto que se destaca nessa linha Seguindo a mesma linha teórica e uti-
teórica e que tem sido alvo de investigação lizando medidas similares, White, Jackson
empírica é a ideia de que atitudes implíci- e Gordon (2006) encontraram dissociação
tas e explícitas podem estar dissociadas, ou entre atitudes explicitas positivas e atitu-
seja, atitudes implícitas podem contradizer des implícitas fortemente negativas fren-
atitudes explícitas frente ao mesmo objeto te atletas portadores de deficiência física.
sem causar dissonância cognitiva (Zhou e Cunningham e colaboradores (2001) encon-
Wang, 2007). Zhou e Wang (2007) pesquisa- traram dissociação entre medidas implícitas
ram esse fenômeno no contexto de atitudes e explícitas de atitudes raciais: participantes
frente a pessoas ricas na China. Os autores autorreportaram, simultaneamente, atitudes
supunham que, em um país em desenvolvi- explícitas não preconceituosas e uma dificul-
mento como a China, onde existe uma gran- dade implícita em associar pessoas negras
de diferença entre ricos e pobres, as atitudes com atributos positivos. No estudo de rea-
frente aos ricos poderiam ser um constru- lizado por Siegrist, Keller e Cousin (2006),
to complexo, pois, apesar de as pessoas se medidas implícitas revelaram­atitudes nega-
referirem aos ricos como bem­‑sucedidos, tivas frente a estações de energia­ nuclear,
inteligentes e etc., eles também são vistos as quais não foram detectadas por medidas
como arrogantes, prepotentes, frios e etc. explícitas. Os resultados de Sherman e cola-
Os autores relatam que, antes do grande boradores (2003) mostraram­ que indivídu-
desenvolvimento econômico vivenciado por os fumantes apresentaram dissociação en-
esse país na última década, existia uma in- tre atitudes implícitas e explícitas frente ao
tensa e difundida ideologia de que os ricos cigarro. Indivíduos não fumantes, por sua
eram maus, e os pobres, virtuosos. Além vez, mantinham atitudes implícitas e explí-
disso, casos de corrupção em que pessoas citas fortemente negativas frente ao cigarro,
conseguiram suas fortunas por meios ilíci- corroborando a hipótese da congruência en-
tos contribuíram para que muitos chineses tre atitudes e comportamento.
se sentissem desprivilegiados e injustiçados Baron e Banaji (2006) desenvolveram
em relação aos ricos. Por outro lado, com o um estudo com o objetivo de examinar o de-
desenvolvimento da economia chinesa, au- senvolvimento de atitudes raciais implícitas.

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 187

Resultados de estudos prévios apontaram beneficia minha saúde”, “...contribui para


que crianças norte­‑americanas brancas co- minha vida social”, etc.) e, para cada um
meçam a reportar atitudes explícitas negati- desses itens, uma medida de avaliação do
vas frente a membros de seu exogrupo por tipo Likert de 7 pontos (“...melhorar minha
volta dos 3 anos. Tais atitudes começam a condição física é...” extremamente bom =
declinar em direção à neutralidade em tor- +3 ou extremamente ruim = – 3); atitudes
no dos 7 anos, até desaparecerem aos 12. O frente ao exercício físico e intenções com-
que é desconhecido, no entanto, é o desen- portamentais, ambas por meio de uma esca-
volvimento paralelo de associações automá- la do tipo Likert de 7 pontos; ambivalência
ticas (implícitas) de atributos positivos e ne- atitudinal, por meio da medida de ambiva-
gativos frente a categorias raciais. O estudo lência de ‘Griffin’ citada por Thompson e co-
dos autores consistiu na aplicação de medi- laboradores (1995); e o comportamento de
das de atitudes implícitas e explícitas frente ir ao clube, por meio do registro do compu-
a pessoas brancas e negras em três grupos tador da utilização da carteira de membro
de participantes: um grupo de crianças de 6 na entrada do clube.
anos, um grupo de crianças de 10 anos e um Os resultados apresentaram uma as-
grupo de adultos. Os resultados mostraram sociação significativamente positiva entre
que o grupo de crianças de 6 anos apresen- comportamento e intenção (β = 0,38, p <
taram um viés implícito pró pessoas brancas 0,0001), relação negativa entre comporta-
e anti pessoas negras, o qual foi repetido nas mento e ambivalência (β = 0,15, p < 0,03)
medidas explícitas de autorrelato, indican- e ambivalência elevada estava associada
do uma associação entre atitudes implícitas com fraca relação intenção­‑comportamento
e explícitas. O viés implícito pró pessoas (β = 0,14, p < 0,04), corroborando as hipó-
brancas e anti pessoas negras foi identifi- teses dos autores.
cado com a mesma magnitude no grupo de Finalmente, outra questão a ser abor-
crianças de 10 anos e adultos, porém, as me- dada na relação entre comportamentos e
didas explícitas mostraram atitudes menos atitudes são os aspectos culturais. Alguns
negativas frente a pessoas negras no grupo autores têm assumido a posição de que as
de crianças de 10 anos e atitudes neutras atitudes nem sempre predizem os comporta­
no grupo dos adultos. Esse resultado suge- mentos. A cultura seria uma variável que
re que, na amostra estudada, a dissociação determinaria esse grau de predição. Em cul­
entre atitudes implícitas e explícitas frente a turas individualistas, as atitudes seriam gran-
grupos sociais aumenta com a idade. des preditoras de comportamentos. Em cul-
Outro fator associado à relação entre turas coletivistas, as normas seriam melhores
comportamento e atitude tem sido a ambi- preditoras (Triandis, 1993, 1995, 1996).
valência das atitudes. A ambivalência ocor- Muitos modelos foram propostos com
re quando as valências (positiva/negativa), o intuito de explicar a relação entre as atitu-
atributos das atitudes, não são totalmente des e o comportamento. A figura a seguir re-
definidas em relação a um objeto específico. presenta um modelo elaborado por Chaiken
Tal fator diminuiria a magnitude da predição e Eagly (1996), para fins heurísticos, que
do comportamento pela atitude. O estudo de busca englobar as variáveis que as pesquisas
Sparks, Harris e Lockwood (2004) buscou têm incorporado a seus modelos causais.
investigar o papel moderador da ambiva- Esse modelo posiciona atitude em uma
lência na relação intenção­‑comportamento rede de outras variáveis psicológicas rele-
em uma amostra de 197 indivíduos matri- vantes ao comportamento. Lendo da direita
culados em um clube de atividades físicas. para a esquerda, o modelo inclui:
Os participantes responderam a um questio-
nário contendo várias medidas: medida de a) comportamento;
crenças frente ao exercício físico no padrão b) intenção para manifestar o comporta-
Likert de 4 pontos (“...me exercitar no clube mento;

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

188 Torres, neiva & cols.

Hábito

Atitude frente
ao objeto

Resultados Atitude frente


ao comportamento Intenção Comportamento
utilitários

Resultados
normativos

Resultados de
autoidentidade

Figura 8.6
Teoria do comportamento planejado.

c) atitude frente ao comportamento (descri- • As atitudes são boas preditoras de com-


ta anteriormente como atitude específica, portamentos quando se utilizam medidas
em que o indivíduo considera o objeto e específicas, tanto de atitudes quanto de
a situação que o envolve); comportamentos.
d) hábito e • As atitudes são melhores preditoras de
e) atitude frente ao objeto (descrita como comportamentos quando atitudes e com-
atitude em relação ao objeto em um nível portamentos múltiplos são medidos.
mais geral). • Há uma forte relação entre atitudes e
comportamentos quando as atitudes
Como determinante da atitude frente são baseadas em experiências diretas.
ao comportamento, o modelo também in- Fazio e Zanna (1978) observaram que
clui a antecipação dos resultados do com- a atitude é preditiva da participação em
portamento, divididos em três classes: pesquisas em psicologia se tal atitude foi
desenvolvida com base em experiências
a) resultados utilitários (recompensas e pu- prévias de participação em pesquisas do
nições); que no simples ato de ler sobre essas
b) resultados normativos (aprovação social pesquisas.
dos outros e orgulho ou culpa que se segue • A atitude de uma pessoa é uma boa pre-
de regras morais internalizadas) e ditora de seu comportamento quando
c) resultados de autoidentidade (afirmação esse comportamento tem consequências
ou repúdio do autoconceito). importantes para a pessoa.
• Para pessoas com baixo automonitora‑
De maneira geral, pode­‑se ressaltar mento, as atitudes são melhores predi-
que os resultados dessas pesquisas sugerem toras de comportamento do que para
que as atitudes podem predizer o comporta- pessoas com alto nível de automonitora-
mento em algumas circunstâncias: mento. Isso ocorre porque pessoas com

INDEX BOOKS GROUPS


INDEX BOOKS GROUPS

Psicologia Social: Principais temas e vertentes 189

baixo automonitoramento confiam mais A necessidade de avaliar (NA) é um


em suas atitudes e como elas guiam os traço de personalidade que reflete uma
seus comportamentos (Debono e Snyder, inclinação individual à criação e à sus-
1995). tentação de atitudes. Segundo Jarvis e
• Segundo a teoria de comportamento Petty (1996), citados por Bizer, Krosnick,
planejado de Ajzen (1991), as atitudes Holbrook e colaboradores (2004), a neces-
são boas preditoras de comportamentos sidade de avaliar é um construto que pre-
quando a medida de atitude avalia os três diz a tendência das pessoas em se engaja-
componentes da intenção comportamen- rem em respostas avaliativas. Pessoas com
tal – a atitude da pessoa com relação a elevada NA são especialmente propensas a
iniciar o comportamento; a crença que a formar atitudes frente a todos os tipos de
pessoa tem com relação ao que os outros objetos e gostam de acessar as vantagens
acham que ela deve ou não fazer; e a e desvantagens dos objetos que observam.
percepção da pessoa com relação a seu Bizer, Krosnick, Holbrook e colaboradores
controle comportamental. (2004) estudaram o poder preditivo da NA
• Finalmente, a relação entre atitudes e em relação a aspectos cognitivos, compor-
comportamentos é maior quando a me- tamentais e afetivos de processos políticos,
dida de atitude avalia uma atitude com como, por exemplo, a quantidade de cren-
relação a um comportamento do que a ças avaliativas que as pessoas sustentam
atitude com relação a um objeto. Por em relação a candidatos, o nível de partici-
exemplo, a probabilidade de que uma pação em ativismo político e a intensidade
pessoa dê dinheiro a um político é mais de reações emocionais frente a candidatos
bem predita pela atitude dessa pessoa políticos. A hipótese dos autores era a de
com relação ao comportamento de fazer que pessoas com elevada NA manifesta-
doações do que por sua atitude quanto riam mais respostas cognitivas, afetivas e
ao político em questão (Eagly e Chaiken, comportamentais em relação a processos
1998). políticos, comparados a indivíduos com
baixa NA. Os dados foram provenientes de
entrevistas eleitorais nos EUA nos anos de
Atitudes e outras variáveis 1998 e 2000. As entrevistas foram conduzi-
das por telefone e consistiam, basicamente,
Algumas características individuais, como na aplicação oral de escalas que mediam
o