Você está na página 1de 371

Manual do proprietário

para
CTU DE 4 PEÇAS

Trabalho nº 11177
Agosto de 2016
PUBLICADO POR

NOV HYDRA RIG


FORT WORTH, TEXAS, USA

PREPARADO POR DEPARTAMENTO DE


COMUNICAÇÕES TÉCNICAS

REVISADO POR
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA

AVISO DE CONFIDENCIALIDADE/PROPRIEDADE
Este manual contém informações confidenciais e proprietárias da NOV Hydra Rig. Ele é fornecido aos
clientes a NOV Hydra Rig em confidencialidade, com a compreensão de que não deve ser copiado ou
reproduzido sem o consentimento escrito da NOV Hydra Rig. Cópias deste manual podem ser obtidas
por meio do departamento de vendas da NOV Hydra Rig. Todos os direitos de propriedade intelectuais e
de patente reservados.

© Copyright Varco International, Inc. 2001


ÍNDICE

ÍNDICE

............................................................................................................................................ PÁGINA
DECLARAÇÃO DE CONVENÇÃO
PREFÁCIO ....................................................................................................................... INTRO 1
GARANTIAS DE QUALIDADE E TÍTULO ............................................................... INTRO 2
INFORMAÇÕES DE ADVERTÊNCIA GERAL ......................................................... INTRO 6
SEGURANÇA E SAÚDE ................................................................................................ INTRO 7
PROCEDIMENTOS DE TESTE ........................................................................................... PT 1
LUBRIFICANTES PARA ALOJAMENTO DE ENERGIA E CARRETEL ...................... L-1
MANUTENÇÃO DE SISTEMA .......................................................................................... MS-1
MANUTENÇÃO CTU.................................................................................................... CTU-M-1
ALOJAMENTO DE ENERGIA HPCL - TAB 1
ESPECIFICAÇÕES
Pesos ................................................................................................................................ 1-1

Dimensões ........................................................................................................................ 1-1


MOTOR ...................................................................................................................................... 1-1
Controles do motor .......................................................................................................... 1-1

Especificações de fluido do motor ................................................................................... 1-2

Unidade de acionamento da bomba ................................................................................. 1-2

Fluxos do circuito da bomba ............................................................................................ 1-2

Filtros e peneiras .............................................................................................................. 1-2

Acumuladores .................................................................................................................. 1-3

Fluidos/capacidades ............................................................................................................. 1-3

Sistema hidráulico
Substitutos do óleo lubrificante ....................................................................................... 1-4
Viscosidade do fluido hidráulico ..................................................................................... 1-4

TOC-1
ÍNDICE

OPERAÇÃO
Circuito do injetor ............................................................................................................ 1-5

Circuito do carretel .......................................................................................................... 1-5

Circuito do nivelador ....................................................................................................... 1-5

Circuito do BOP............................................................................................................... 1-5

Circuito de mangueiras do carretel ou circuito auxiliar................................................... 1-5

Circuito de prioridade ...................................................................................................... 1-5

Conexões da mangueira ................................................................................................... 1-5


LISTA EXPANDIDA DE PEÇAS
Lista de peças de manutenção .......................................................................................... 1-6

Como usar a lista expandida de peças ............................................................................. 1-6

Símbolos e abreviações .................................................................................................... 1-7


FIGURAS
Esquemas
1.1-1 Esquema hidráulico do alojamento de energia (CE192276E) ................................ 1-9
1.1-2 Esquema de combustível do alojamento de energia c/filtragem (CC192278B)... 1-13

1.1-3 Esquema pneumático do alojamento de energia (CD192279E) ........................... 1-16

1.1-4 Esquema elétrico de controles do motor (CE292833D) ....................................... 1-18

1.1-5 Esquema elétrico do alojamento de energia zona II (CE292838J)....................... 1-21

Conjuntos

1.2-1 Conjunto do alojamento de energia HPCL (CE102268F) .................................... 1-25

1.2-2 Conjunto duo de ar (CC142005) .......................................................................... 1-28

1.2-3 Conjunto de pressão e fluxo de controle do coletor de admissão (CC237801).... 1-30

1.2-4 Conjunto do tanque de ar (CC142058) ................................................................. 1-33

1.2-5 Conjunto da unidade de acionamento da bomba (CE163067B)........................... 1-35

1.2-6 235-Conjunto do tanque hidráulico de galão (CE132761C) ................................ 1-38

TOC-2
ÍNDICE

1.2-7 C-9 Especificação do motor zona II (CA112188) ................................................ 1-40

1.2-8 Conjunto do painel de controle hidráulico (CD132765) ...................................... 1-45

1.2-9 Conjunto do secador de ar (CC142406D) ............................................................ 1-47

1.2-10 Especificação do cabo de suspensão de quatro pernas (CA102187A) ............... 1-49

1.2-11 Conjunto do filtro do coletor de entrada de retorno do tanque hidráulico


(CC130579C) ................................................................................................................. 1-50

1.2-12 Conjunto de mangueiras de controle do alojamento de energia (CA142060).... 1-52

1.2-13 Diagrama de mangueiras (CE002367C) ............................................................. 1-55

Instalações

1.3-1 Instalação do motor CAT-9 zone II (CD112191E) .............................................. 1-57

1.3-2 235-Instalação do tanque hidráulico de galão (CE132763B) ............................... 1-60

1.3-4 100-Instalação do tanque de combustível de galão (CE163062C) ....................... 1-63

1.3-5 Instalação do acumulador (Seis 15-Gal./5-Gal./2,5-Gal) (CD132555) ................ 1-66

1.3-6 Instalação da válvula seletora de combustível (CC112189)................................. 1-69

1.3-7 Instalação do trocador de calor (CD132750A) ..................................................... 1-72

SOLUÇÃO DE PROBLEMAS ............................................................................................... 1-74


CABINE DE CONTROLE 501 ESTENDIDA - TAB 2
ESPECIFICAÇÕES
Painel de controle superior da cabine .............................................................................. 2-1

Painel de controle inferior da cabine ............................................................................... 2-3


LISTA EXPANDIDA DE PEÇAS ............................................................................................ 2-7
Lista de peças de manutenção .......................................................................................... 2-7

Como usar a lista expandida de peças ............................................................................. 2-7

Símbolos e abreviações .................................................................................................... 2-8


FIGURAS
Esquemas
2.1-1 Esquema hidráulico do console (CE292849E) ....................................................... 2-9
2.1-2 Esquema elétrico da cabine (DC) (CE292851A) ................................................. 2-13
TOC-3
ÍNDICE

2.1-3 Esquema elétrico da cabine (Zona II AC) (CE292846C) ..................................... 2-16


2.1-4 Esquema elétrico da cabine (Zona II AC cont.) (CE292845C) ............................ 2-19
2.1-5 Esquema elétrico do medidor zona II (CE292840C) ........................................... 2-22
Conjuntos
2.2-1 Montagem da cabine de controle estruturada estendida 501 (CE202844C) ........ 2-25
2.2-2 501 Conjunto da cabine de controle (CE202856F) .............................................. 2-28
2.2-3 Especificação do cabo de suspensão de cinco pernas (CB102284A)................... 2-30
2.2-4 Conjunto do anteparo da cabine para mangueira do painel (CA202858) ............ 2-31
2.2-5 Conjunto do painel de controle inferior (CE223065A) ........................................ 2-36
2.2-6 Conjunto do painel de controle superior (CE223077A) ....................................... 2-40
2.2-7 Diagrama de mangueiras (CE002367C) ............................................................... 2-42
2.2-8 Conjunto de mangueiras do console de controle (CA202857) ............................. 2-43
Instalações
2.3-1 Instalação do condicionador de ar (duplo) (CE263353)....................................... 2-50
2.3-2 Instalação da válvula de suspensão da cabine (CC265600) ................................. 2-53
INJETOR HR680 – TAB 3
Especificações
Pesos .................................................................................................................... 3-1
Dimensões ............................................................................................................ 3-1
Guia da tubulação ................................................................................................ 3-2
Rolete ................................................................................................................... 3-2
Separador ............................................................................................................. 3-2
Lubrificantes do sistema injetor ................................................................................... 3-2

Sistema de acionamento do injetor


Unidade de acionamento de engrenagem planetária com entrada de motor
hidráulico duplo .................................................................................................. 3-2
Motores hidráulicos ............................................................................................. 3-3

Pressão de deslocamento de velocidade do motor hidráulico.............................. 3-3

Freio ..................................................................................................................... 3-3

Unidade de acionamento da engrenagem ............................................................ 3-3

Velocidade da corrente mínima (tubulação) ........................................................ 3-3

TOC-4
ÍNDICE

Velocidade da corrente máxima (tubulação) ....................................................... 3-3

Relação da tração da tubulação para pressão da unidade de acionamento .......... 3-3

Tração nominal da tubulação ............................................................................... 3-3

Força de achatamento nominal ............................................................................ 3-4

Sistema de tração do injetor ............................................................................................. 3-4

Correntes do injetor ......................................................................................................... 3-4

Tensão da corrente do injetor........................................................................................... 3-6

Válvula de tensão da corrente .......................................................................................... 3-7

Classificações de suspensão/amarração do injetor .......................................................... 3-7

Descrição do sistema injetor ............................................................................................ 3-8

Opções da célula de carga do injetor ............................................................................. 3-10

Padrões do sistema de proteção contra quedas .............................................................. 3-12

Operação do injetor ........................................................................................................ 3-13

Pressão de tração do injetor ........................................................................................... 3-14

Circuito hidráulico do injetor ......................................................................................... 3-16


INJETOR RIG-UP................................................................................................................... 3-22
Conexões da mangueira do injetor................................................................................. 3-22

Instalação do gancho hidráulico do injetor de 100” ....................................................... 3-24

Ajuste do alinhamento do gancho .................................................................................. 3-26

Operação do desempenador de tubulação montado na estrutura externa do injetor ...... 3-29

Opções de ajuste de medição de carga........................................................................... 3-31


AJUSTE DA TENSÃO DA CORRENTE ................................................................................. 3-32
AJUSTE DA PRESSÃO DA UNIDADE DE ACIONAMENTO DO INJETOR ..................... 3-32
UNIDADE DE ACIONAMENTO DO INJETOR .................................................................... 3-32
LUBRIFICANTES PARA O INJETOR HR680 ................................................................... 3-38
LISTA EXPANDIDA DE PEÇAS
Lista de peças de manutenção .................................................................................... 3-47-A

TOC-5
ÍNDICE

Como usar a lista expandida de peças ....................................................................... 3-47-A

Símbolos e abreviações .................................................................................................. 3-48


FIGURAS
Esquemas

3.1-1 Esquema hidráulico do injetor HR680 (CE390071M) ......................................... 3-50

Conjuntos

3.2-1 Conjunto do injetor HR680 (CC303670C)........................................................... 3-53

3.2-2 Submontagem do injetor (CE360845K) ............................................................... 3-55

3.2-3 Conjunto do guia de tubulação, 72” R com parada (CE361214B) ....................... 3-58

3.2-4 1.50 Conjunto do rolete do guia de tubulação (CC360062A) .............................. 3-61

3.2-5 Especificação do motor de válvula variável HR680 105 CC (CA312089B) ....... 3-63

3.2-6 Especificação do cabo de suspensão 29K (CC302794C) ..................................... 3-64

3.2-7 Conjunto de tração (CE360601B) ........................................................................ 3-65

3.2-8 Conjunto da corrente do injetor (CE310347B) .................................................... 3-68

3.2-9 Especificação de fluido (CA300526A) ................................................................ 3-70

3.2-10 Conjunto de mangueiras (CA303707B) ............................................................. 3-71

3.2-11 Conjunto do contador da tubulação (CD360091D) ............................................ 3-75

3.2-12 Conjunto de mangueiras da célula de carga hidráulica (CA300539A) .............. 3-77

Instalações

3.3-1 Instalação do passeio (CD360550J) ..................................................................... 3-79

3.3-2 Instalação do painel do acoplador (CD363624A) ................................................ 3-82

3.3-3 Instalação da célula de carga eletrônica (CD360948F) ........................................ 3-84

3.3-4 Instalação do coletor de admissão do freio (CD330137F) ................................... 3-87

3.3-5 1.50 Instalação da tubulação QD 5.000 PSI (CD330122A) ................................. 3-90

3.3-6 Instalação da tubulação 5.000 PSI (CE330104K) ................................................ 3-93

3.3-7 Instalação da montagem do guia de tubulação (CD360475G) ............................. 3-96

TOC-6
ÍNDICE

3.3-8 Instalação da tensão da corrente (CD360602J) .................................................... 3-99

3.3-9 Instalação do sistema de acionamento (CE310412AL)...................................... 3-101

3.3-10 Instalação do acumulador (CD360560D) ......................................................... 3-105

3.3-11 4.06 Instalação do separador 10K (CD362047B)............................................. 3-108

3.3-12 Conjunto do medidor de cubo (CB360401C) ................................................... 3-110

3.3-13 Conjunto da mangueira da unidade de acionamento (CC330113) ................... 3-111

3.3-14 Contador eletrônico IC-200 (CC360117A) ...................................................... 3-112

3.3-15 Contador mecânico IC-200 (CC360118B) ....................................................... 3-113

3.3-16 Instalação do polo de ancoragem articulado (CD360761E) ............................. 3-115

3.3-17 Conjunto do contador da tubulação (CD362795A) .......................................... 3-118

3.3-18 Formulário de inspeção da unidade de acionamento planetária ....................... 3-120

PROGRAMAÇÃO DE MANUTENÇÃO RECOMENDADA ............................................... 3-121

MANUTENÇÃO DA UNIDADE DE ACIONAMENTO ...................................................... 3-122

MANUTENÇÃO DA CTU ..................................................................................................... 3-123

Procedimentos de armazenamento recomendados pela NOV HR ........................................... 3-124

Procedimentos recomendados para retorno do equipamento ao serviço ................................. 3-125

MANUTENÇÃO GERAL ....................................................................................................... 3-126

SOLUÇÃO DE PROBLEMAS ............................................................................................... 3-143


CONJUNTO DO CARRETEL D3000 C/BOBINA D3084 – TAB 4
Especificações
Pesos .................................................................................................................... 4-1
Capacidades ......................................................................................................... 4-1
Dimensões ............................................................................................................ 4-1
Contador............................................................................................................... 4-1
Tamanho do suível ............................................................................................... 4-1
Velocidade do carretel a 28GPM/2500 PSIG ...................................................... 4-2
Fluxos e pressões hidráulicos máximos ............................................................... 4-2
Graxa e fluídos recomendados
TOC-7
ÍNDICE

Óleo da tubulação ................................................................................................ 4-3


Graxa .................................................................................................................... 4-3
Óleo para engrenagens ......................................................................................... 4-3
Spray lubricante ................................................................................................... 4-3
Lubrificante de filme seco ................................................................................... 4-4
Localizações dos bicos de graxa e zonas de lubrificação ............................................ 4-4
Localizações do bujão de óleo da caixa de transmissão e visores de nível ................ 4-5
OPERAÇÃO ............................................................................................................................... 4-6
Procedimentos de remoção e instalação do carretel ............................................ 4-7
Circuito da unidade de acionamento do carretel ................................................ 4-13
Circuito do freio do carretel ............................................................................... 4-14

Circuito elevador/abaixador do nivelador.......................................................... 4-14

Circuito de supressão do nivelador .................................................................... 4-14

Sistema de temporização do cartucho do nivelador........................................... 4-14

Ajuste da cabeça do contador do nivelador ....................................................... 4-16

Circuito do lubrificador da tubulação ................................................................ 4-17

Controles e indicadores do carretel


Indicadores do console....................................................................................... 4-17
Controles e indicadores da tubulação do carretel .............................................. 4-17
Acopladores ....................................................................................................... 4-18
LISTA EXPANDIDA DE PEÇAS
Lista de peças de manutenção ............................................................................ 4-19
Como usar a lista expandida de peças ............................................................... 4-19
Símbolos e abreviações ...................................................................................... 4-20
FIGURAS
Esquema
4.1-1 Esquema da entrada lateral dupla/lub TC/união D3000 (CD492127C) ... 4-22
Conjuntos
4.2-1 Conjunto do carretel D3000 Drop-in (CD402791C) ................................ 4-24
4.2-2 Conjunto do alojamento da unidade de controle com engrenagem
intermediária lateral dupla (CD412326A)............................................... 4-26
4.2-3 Conjunto do contador da tubulação RC-203 (medidores) (CD412063A) 4-28

TOC-8
ÍNDICE

4.2-4 Conjunto da barra espalhadora (CC463380C) ......................................... 4-31


4.2-5 Conjunto/instalação da tubulação externa (CC422377E)......................... 4-34
4.2-6 Conjunto do painel (CD463596B)............................................................ 4-37
4.2-7 Conjunto da mangueira de entrada lateral dupla (CA402793D) .............. 4-40
4.2-8 Conjunto do alojamento da unidade de controle com entrada lateral
dupla (CD412325A) ................................................................................ 4-44
4.2-9 Conjunto do nivelador (CD412377A) ...................................................... 4-45
4.2-10 Tubulação interna (CC422376B) ........................................................... 4-49
4.2-11 Conjunto do suível interno da bobina D3084 (CD500014A) ................. 4-51
4.2-12 Conjunto da mangueira hidráulica da válvula de bujão do atuador
(CA402815A) .................................................................................................... 4-53
4.2-13 Conjunto do suível 15K 2” (CC426899G).............................................. 4-56
4.2-14 Conjunto do carrinho do nivelador (CD460104F) ................................. 4-58
4.2-15 Submontagem da plataforma completa do carretel de lateral dupla
D3000 (CD402792) ............................................................................... 4-60
4.2-16 Conjunto da bobina D3084 (CB502040B) ............................................. 4-63
Instalações
4.3-1 Instalação do lubrificador (CC442015) .................................................... 4-65
4.3-2 Instalação do codificador (CC463716C) .................................................. 4-68
4.3-3 Instalação da amarração (CC460705A).................................................... 4-71
4.3-4 Carretel D3000 3.5 I.D. Instalação do suível (CC463626A) ................... 4-73
4.3-5 Instalação da proteção contra queda (CC461151D) ................................. 4-76
4.3-6 Instalação do nivelador de engrenagem ideal (CC412376C) ................... 4-79
4.3-7 2 Instalação do suível 15K interno (CC420189) ...................................... 4-81
4.3-8 Instalação da talha de pressionamento do nivelador (CB462321A) ........ 4-83
MANUTENÇÃO
Montagem do carretel
Diariamente ........................................................................................................ 4-86
Semanalmente .................................................................................................... 4-87
Mensalmente ...................................................................................................... 4-88
Cada vez que o carretel é removido e/ou instalado no suporte .......................... 4-88
A cada seis meses............................................................................................... 4-88
Anualmente ........................................................................................................ 4-89

TOC-9
ÍNDICE

Se o carretel não estiver em uso por um longo período de tempo ..................... 4-89
Substituição da bucha de bronze do carretel ............................................................ 4-89
Montagem do suível do carretel ................................................................................. 4-91
Inspeção das peças internas
Mandril............................................................................................................... 4-91
Alojamento da gaxeta ........................................................................................ 4-91
Alojamento do rolamento .................................................................................. 4-91
Anel de extrusão do rolamento e retentor do mandril ....................................... 4-92
Desmontagem do suível
Remoção do suível do carretel de tubulação enrolada ....................................... 4-93
Desmontagem do suível ..................................................................................... 4-94
Montagem do suível........................................................................................... 4-95
Contador
Lubrificação ....................................................................................................... 4-96
Inspeção ............................................................................................................. 4-96
Limpeza
Precauções ......................................................................................................... 4-97
Procedimentos .................................................................................................... 4-97
SOLUÇÃO DE PROBLEMAS ............................................................................................... 4-98

EQUIPAMENTO AUXILIAR – TAB 5


LISTA EXPANDIDA DE PEÇAS ............................................................................................ 5-1
Lista de peças de manutenção .......................................................................................... 5-1
Como usar a lista expandida de peças ............................................................................. 5-1
Símbolos e abreviações .................................................................................................... 5-2
Conjuntos
Fig. 5.2-1 Conjunto da tampa da mangueira de potência do carretel 263’ (CD463593C)5-4
Fig 5.2-2 Conjunto da mangueira do carretel (CE463688B) ........................................... 5-6
Fig 5.2-3 Mangueira do carretel BOP para conjunto da mangueira Hydra-Con FP
(CA463732A) .................................................................................................. 5-9
PEÇAS SOBRESSALENTES – TAB 6
Formulário de pedido de peças

TOC-10
DECLARAÇÃO DE CONVENÇÃO HYDRA RIG

DECLARAÇÃO DE CONVENÇÃO
 

Esta declaração de convenção serve para esclarecer o sistema de tabulação e número da


unidade de Coiled Tubing da NOV Hydra Rig do manual técnico emitido para nossos
clientes:
• ABA 1 – FONTE DE FORÇA/KIT HIDRÁULICO
• ABA 2 – CABINE
• ABA 3 – INJETOR
• ABA 4 – CARRETEL
• ABA 5 – EQUIPAMENTO AUXILIAR (não aplicável a esta unidade)
• ABA 6 – PEÇAS DE REPOSIÇÃO
• ABA 7 – LEITURA PARA ASSISTÊNCIA
Nem todos os pedidos possuem os componentes acima. Cada componente pode ser um
item isolado. Para manter e atualizar os manuais técnicos, este sistema de tabulação
acima é utilizado de modo a ser consistente com as exigências dos clientes da NOV
Hydra Rig e as atualizações de seus manuais.
 
INTRODUÇÃO À HYDRA RIG

INTRODUÇÃO
O equipamento da NOV Hydra Rig foi desenvolvido para operação e manutenção
simples. Este manual do equipamento oferece as informações necessárias para que o
operador aprenda os fundamentos de uma operação bem-sucedida. Estude este manual
cuidadosamente antes de fazer qualquer tentativa de operar este equipamento. Atenção
especial deve ser dispensada ao AVISOS destacados no sumário de segurança.
DURANTE A OPERAÇÃO OU MANUTENÇÃO DESTE EQUIPAMENTO, A
SEGURANÇA PESSOAL DEVE SEMPRE SER DE EXTREMA IMPORTÂNCIA.
Este equipamento foi projetado e todos os seus componentes foram especificados para
oferecer o máximo de desempenho. Os procedimentos de manutenção destacados neste
manual devem ser considerados requisitos mínimos para a manutenção de um
desempenho satisfatório. Os cronogramas de manutenção devem ser seguidos o mais
estritamente possível.
Em caso de falha do equipamento ou queda de desempenho, o pessoal de manutenção
encontrará neste manual informações valiosas relativas à solução de problemas, à análise
de circuitos, e a componentes.
É impossível incluir todas as situações possíveis que podem ocasionar falha ou
desempenho do equipamento abaixo do padrão. As habilidades dos operadores ou da
equipe de manutenção em compreender e utilizar os esquemas do sistema são vitais para
a resolução de problemas neste equipamento. Antes de abrir, ajustar ou substituir
quaisquer componentes, assegure-se de compreender claramente as ramificações e
consequências destas ações. Certifique-se então de tomar as precauções adequadas.
Caso problemas não possam ser resolvidos prontamente, recomenda-se fortemente que
você entre em contato com um técnico de assistência da NOV Hydra Rig para obter
auxílio. Um técnico de assistência está disponível para chamadas telefônicas 24 horas
por dia. A NOV Hydra Rig confia em todos os seus equipamentos e está disposta e é
capaz de fornecer peças de substituição e serviço de campo mediante solicitação.
NOV HYDRA RIG
1020 Everman Parkway
Fort Worth, Texas 76140
Telefone: (817) 985-5000
Fax: (817) 985-5297
(817) 985-5115 (atendimento ao cliente)
Telefone de assistência 24-Horas: (817) 985-5221
Visite a nossa webpage em www.hydrarig.com

INTRO 1
INTRODUÇÃO À HYDRA RIG

GARANTIAS DE QUALIDADE E TÍTULO


A. A NOV Hydra Rig garante que na data de entrega e durante seis (6) meses a partir de
então, o produto estará livre de defeitos relativos aos materiais e à fabricação da NOV
Hydra Rig, além de garantir o cumprimento da declaração escrita de qualidade
expressa adicional, feita pela NOV Hydra Rig em conexão com a venda de produtos e
assinada por um funcionário da NOV Hydra Rig. A garantia expressa limitada de
qualidade definida aqui na sentença imediatamente precedente deve se aplicar
SOMENTE em favor do comprador e estará sujeita às seguintes limitações:
1. A garantia expressa limitada de qualidade é aplicável somente se:
a. Os produtos tiverem sido expostos ao uso e serviço normais, tiverem sido
conservados de modo razoável, e utilizados sempre em conformidade com as
instruções da NOV Hydra Rig,
b. Os produtos são devolvidos à fábrica da NOV Hydra Rig em Fort Worth,
Texas (ou a algum outro local mais próximo do local do equipamento,
produtos ou peças, conforme designado pela NOV Hydra Rig) dentro de dez
(10) dias após o cliente descobrir um defeito reclamável, sendo que os custos
de transporte são pré-pagos pelo cliente; e
c. contanto que os exames da NOV Hydra Rig realizados após devolução de tal
produto convençam a NOV Hydra Rig de que há, de fato, um defeito.
2. A garantia expressa limitada de qualidade não será aplicável
a. A produtos que tenham sido utilizados ou reconstruídos (seja pela NOV
Hydra Rig ou por qualquer outra entidade).
b. A produtos não fabricados inteiramente pela NOV Hydra Rig (entretanto, a
NOV Hydra Rig deve designar ao comprador, na extensão de ser atribuível,
qualquer garantia que a NOV Hydra Rig tenha recebido do fabricante de tais
produtos).
c. A produtos que tenham sido alterados por qualquer pessoa ou entidade que
não a NOV Hydra Rig em qualquer modo que a NOV Hydra Rig julgue afetar
a estabilidade, confiabilidade, ou desempenho do produto.
d. A produtos que não tenham sido utilizados para o serviço e as funções para o
qual foram fabricados.
e. A produtos que tenham sido utilizados incorretamente ou que tenham sido
danificados em razão do uso não razoável, da negligência, ou de acidente
causado pelo comprador ou por qualquer outra entidade, ou
f. A produtos que tenham sido utilizados de modo não razoável pelo comprador
ou por qualquer outra entidade após o comprador ou tal entidade saber ou ter o
dever de saber sobre o defeito do produto. Quaisquer serviços de consultoria
e/ou recomendações fornecidas pela NOV Hydra Rig em relação ao produto e
aos seus usos não possuem garantias. Qualquer referência feita pela NOV
Hydra Rig às especificações do comprador e exigências similares é feita
apenas para descrever os produtos em geral, e nenhuma garantia ou outros
termos lá contidos devem possuir qualquer força ou efeito. Catálogos,

INTRO 2
INTRODUÇÃO À HYDRA RIG

circulares, ou panfletos semelhantes servem apenas para fins de informações


gerais, e não podem ser julgados como constituindo declarações expressas
escritas de qualidade.
B. Além das declarações expressas escritas de qualidade feitas no parágrafo um (1)
acima, todas as garantias expressas escritas que possam surgir da representação da
NOV Hydra Rig em relação à venda de bens ou de desenhos de engenharia, amostras,
modelos, ou ações da NOV Hydra Rig são expressamente renunciadas e negadas.
C. Todas as garantias implícitas existentes de acordo com a lei em relação à venda de
produtos são expressamente renunciadas e negadas pelo presente instrumento. Em
particular, a NOV Hydra Rig nega e renuncia pelo presente instrumento à garantia
implícita de mercantibilidade e a garantia implícita de adequação para propósito
específico.
D. Além disso, toda qualquer outra responsabilidade que possa surgir com respeito à
venda de produtos, seja em contrato ou delito, estatutário ou de outro modo, incluindo
mas não se limitando à, responsabilidade estrita e responsabilidade baseada em
negligência da NOV Hydra Rig, é expressamente renunciada e negada.
E. Nenhum representante da NOV Hydra Rig, que não um funcionário da NOV Hydra
Rig, possui autoridade para alterar ou estender esta garantia expressa limitada de
qualquer maneira que seja, e nenhuma tentativa de reparar ou promessa em reparar,
substituir, ou melhorar o produto coberto por esta garantia expressa limitada por
representante da NOV Hydra Rig deve dispensar, alterar, ou estender esta garantia
expressa limitada em qualquer maneira que o seja, a menos que tal ação, promessa ou
outra representação seja por escrita e assinada por um funcionário da NOV Hydra
Rig.
F. O comprador garante por meio da compra do produto que o comprador está
familiarizado com o mesmo e com o uso adequado dele. Antes de utilizar o bem
disposto aqui, o comprador deve realizar exames prudentes e razoáveis e/ou testes no
produto, de modo a determinar a adequabilidade de tal produto para o se uso
intencionado.
G. Após a aceitação dos produtos, o último recurso do comprador e a única obrigação da
NOV Hydra Rig por qualquer falha de conformidade dos produtos com a garantia
expressa limitada de qualidade ou por qualquer violação por parte da NOV Hydra Rig
em relação a qualquer obrigação pertinente à qualidade dos produtos (mesmo que tal
inconformidade resulte da negligência da NOV Hydra Rig) deve ser limitada a uma
das seguintes, sob critérios da NOV Hydra Rig:
1. Reparos ou substituição (à escolha da NOV Hydra Rig) na fábrica NOV Hydra
Rig em Fort Worth, Texas (ou outro local mais próximo do local dos produtos, de
acordo com aquilo designado pela NOV Hydra Rig) dos produtos de modo que
estejam em conformidade com a garantia expressa limitada de qualidade, ou
2. Pagamento ao comprador de uma quantia igual ao custo (pago pelo comprador no
momento da venda original) da peça do produto que não esteja em conformidade
com a garantia expressa limitada de qualidade.
Em nenhum caso serão exigidos reparos, substituições ou reembolso ao comprador por
parte da NOV Hydra Rig que não se limitem à peça do produto que não se encontra em

INTRO 3
INTRODUÇÃO À HYDRA RIG

conformidade com a garantia expressa limitada de qualidade. Quaisquer produtos ou


peças do mesmo que sejam reparadas ou substituídas pela NOV Hydra Rig em
cumprimento a este parágrafo devem ser providenciadas pela suas datas de entrega, em
conformidade com os termos e condições deste contrato.
H. As soluções fornecidas aqui devem ser o único e exclusivo recurso do comprador em
relação à quebra de garantias por parte da NOV Hydra Rig ou por qualquer violação
de qualquer obrigação contratual ou legal derivada da venda de produtos pela NOV
Hydra Rig ao comprador. A NOV Hydra Rig não será, sob nenhuma circunstância,
responsável ou responsabilizável em relação ao comprador ou qualquer usuário ou
qualquer parte terceira por qualquer perda econômica ou injúria física, incidental,
punitiva, ou danos especiais (incluindo mas não limitado a tempo de interrupção,
perda de lucro e/ou perda de oportunidades de negócios) derivadas de qualquer
defeito nos produtos ou serviços, ou de qualquer falha dos produtos ou serviços em
cumprir com as garantias feitas aqui, ou qualquer situação em que NOV Hydra Rig
não esteja em conformidade com qualquer obrigação ou dever existente e aplicável de
acordo com a lei em relação à venda de produtos, quer tais defeitos em produtos ou
falhas do produtos em estar em conformidade com a garantia ou o não cumprimento
de obrigações ou deveres por parte da NOV Hydra Rig resultem em danos ou injúrias
somente aos produtos, quer resultem em danos ou injúrias a outras propriedades.
I. Exceto no caso de tal obrigação ser inconsistente com a obrigação da NOV Hydra Rig
em relação ao comprador sob os termos da garantia expressa limitada declaradas
acima no parágrafo 11, o comprador concorda em defender, proteger, e manter a
NOV Hydra Rig isenta de toda e qualquer reivindicação, responsabilidade, perda,
custo (incluindo mas não limitado ao custo de ação judicial e taxas de advogados), e
despesas feitas contra a NOV Hydra Rig ou incorridas por ela em razão de morte ou
ferimentos pessoais de pessoas ou danos à propriedade ou perda, dano ou despesa
(incluindo mas não limitada a danos de superfície, invasão de subsuperfície, ou danos
ao poço ou reservatório), que se relacione com ou resulte do, ou de qualquer modo
seja atribuível à venda, manuseio, uso ou operação dos produtos ou de qualquer
dispositivo, material, ou objeto de que os produtos sejam parte ou a que os produtos
estejam conectados ou dentro dos quais os produtos estejam inseridos (enquanto em
posse do comprador ou subsequente a qualquer transferência de posse a qualquer
entidade) ou que se relacione com ou resulte de, ou em qualquer modo atribuível a, os
produtos ou serviços fornecidos pela NOV Hydra Rig para qualquer comprador aqui.
J. As obrigações do comprador em defender e proteger e manter a NOV Hydra Rig
isenta deve ser aplicável e totalmente executável, a despeito de tal morte ou
ferimentos pessoais à pessoas ou danos à propriedade ou perda, dano ou despesa ter
sido causada por ou resultar da negligência exclusiva ou concomitante, ou de outra
falha da NOV Hydra Rig ou qualquer agente ou funcionário da NOV Hydra Rig ou
qualquer contratado independente que seja diretamente responsável pela NOV Hydra
Rig.
K. Em razão da política de melhoria contínua dos produtos, a NOV Hydra Rig se reserva
o direito de alterar projetos, materiais, ou especificações e a descontinuar o produto
sem notificação prévia.
L. Para auxiliar a custear o novo armazenamento, haverá uma cobrança de vinte por
cento (20%) sobre itens retornados em troca de crédito, com uma cobrança mínima de
INTRO 4
INTRODUÇÃO À HYDRA RIG

dez e Nº/100 (US$10,00) dólares. Nenhum crédito será fornecido em troca de itens
retornados sem a aprovação prévia e as instruções escritas acompanhando os itens
declarando os motivos da devolução e o nome do representante da NOV Hydra Rig
que autorizou a devolução. Somente os funcionários da NOV Hydra Rig podem
autorizar a devolução de itens em troca de crédito. A NOV Hydra Rig não pode ser
responsável por manter ou contabilizar itens retornados sem aprovação prévia e
instruções escritas adequadas enviadas com os itens retornados. Caso o frete não seja
pré-pago para os itens retornados em troca de crédito, o custo do frete será deduzido
do crédito lançado. Itens fora do padrão que são fabricados sob solicitação do
comprador não podem ser retornados em troca de crédito. A NOV Hydra Rig não
pode ser responsável por itens que sejam enviados para a NOV Hydra Rig sem a
informação acima.
M. Uma ação por quebra de qualquer uma das disposições contidas aqui deve ser iniciada
dentro de um ano após a causa da ação ter corrido ou tal causa será para sempre
barrada.
N. Todos os termos contidos aqui são separáveis e a invalidação de qualquer parte aqui
não deve afetar a validez de qualquer outra parte.
O. Os direitos e soluções aqui reservados à NOV Hydra Rig devem ser cumulativos e em
adição a qualquer outros direitos e soluções previstas em lei. A não insistência da
NOV Hydra Rig em relação ao desempenho estrito deste em qualquer outra instância
não deve constituir uma liberação de seus direitos em solicitar tal desempenho no
futuro com respeito a tal incidência ou com respeito a qualquer quebra futura do
contrato pelo comprador.
Os direitos e obrigações do comprador sob este contrato não podem ser designados ou transferidos sem o
consentimento expresso escrito da NOV Hydra Rig.

INTRO 5
INTRODUÇÃO À HYDRA RIG

Informações gerais de avisos


Este manual contém vários AVISOS, CUIDADOS, e OBSERVAÇÕES, que devem ser
observadas para montar, operar, desmontar, e fazer manutenção desta unidade com
segurança. O fabricante recomenda que boas práticas gerais de segurança sejam
empregadas a todos os momentos quando houver pessoal próximo de tal unidade. É
responsabilidade do proprietário e do operador estabelecer boas práticas de segurança,
treinar pessoal, e executar a conformidade destes padrões de segurança. É também
importante compreender que estes AVISOS, CUIDADOS, e OBSERVAÇÕES são
definidos como segue:

AVISO
UM COMENTÁRIO PERTINENTE A:
UMA AÇÃO DE OPERAÇÃO OU MANUTENÇÃO, CONDIÇÃO DE
PRÁTICA DE PROCEDIMENTO, OU DECLARAÇÃO QUE, SE
NÃO FOR OBSERVADO ESTRITAMENTE, IRÁ RESULTAR EM
FERIMENTOS OU MORTE AO PESSOAL E/OU DANO AO
EQUIPAMENTO.

PRECAUÇÃO
UM COMENTÁRIO PERTINENTE A:
UM PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO OU MANUTENÇÃO,
PRÁTICA, OU CONDIÇÃO, QUE, CASO NÃO OBSERVADO, PODE
RESULTAR EM FERIMENTO PESSOAL E/OU DANO AO
EQUIPAMENTO.

OBSERVAÇÃO: UM COMENTÁRIO ESSENCIAL PERTINENTE A:


O DESTAQUE DE UMA ESPECIFICAÇÃO, PROCEDIMENTO, PRÁTICA, OU
CONDIÇÃO QUE AUXILIE NA MANUTENÇÃO OU OPERAÇÃO DA FUNÇÃO DO
EQUIPAMENTO ENVOLVIDA OU DESCRITA.

INTRO 6
INTRODUÇÃO À HYDRA RIG

Segurança e saúde
As seguintes são precauções gerais de segurança. O pessoal deve compreender e aplicar
estas precauções durante rodas as fases de operação e manutenção deste equipamento.
Precauções específicas serão inclusas no texto para certas operações perigosas na forma
de declarações de AVISO ou CUIDADO. Alguns do avisos aparecem no texto desta
publicação mas são apresentados aqui para ênfase.
Pessoal qualificado
Apenas o pessoal qualificado deve ser autorizado a operar e realizar manutenção neste
equipamento.
Equipamento de proteção
Pessoal operando e executando manutenção neste equipamento deve utilizar vestes e
equipamento de proteção adequados.
Práticas de segurança
Boas práticas gerais de segurança devem ser empregadas a todos os momentos quando
configurando, operando, desligando e realizando manutenção deste equipamento. É
responsabilidade do proprietário / operador garantir que boas práticas de segurança,
programas de treinamento de pessoa, e práticas de segurança sejam mantidas.
Pessoal não autorizado
Manter pessoal não autorizado longe da unidade quando em operação, assistência, ou
realizando manutenção.
Pressões elevadas
Certificar-se que a pressão na tubulação conectada à unidade tenha sido sangrada até
zero (0) antes de se tentar desconectar qualquer equipamento.
Manutenção não autorizada
Não tente realizar a desmontagem ou manutenção não-autorizada de componentes.
Alguns componentes, tais como acumuladores, armazenam fluídos sob pressão. Contate
seu representante NOV Hydra Rig para maiores informações.
Elevação
O equipamento utilizado em elevação e movimentação da unidade deve ser de
classificação suficiente para lidar com o peso envolvido.
Uso de solventes ou tintas
Certifique-se de que uma folha de informação de segurança de material (MSDS) atual
para cada agente químico sendo utilizado esteja disponível e tenha sido revisada por todo
o pessoal. Mantenha os solventes ou tintas em contêiner de segurança aprovados e em
quantidades mínimas. Alguns solventes ou tintas podem ser tóxicos à pele, olhos, e trato
respiratório. Observe os rótulos de AVISO do fabricante e orientações de segurança do
fabricante. Utilize solventes, tintas, e outros agentes químicos voláteis/aromáticos em
áreas bem ventiladas e autorizadas. Descarte trapos que tenham sido sujos com agentes
químicos em contêiner de descarte aprovado.
INTRO 7
INTRODUÇÃO À HYDRA RIG

Uso de ar comprimido
O uso de ar comprimido pode criar um ambiente de propulsão de partículas estrangeiras.
A pressão do ar empregada para limpeza deve ser reduzida para menos de 30 psi e
utilizada com eficaz proteção contra lascas e equipamento de proteção individual. Nunca
direcione ar comprimido em direção ao pessoal.
Peças móveis
Mantenha mãos, cabelo, vestes, jóias, panos, e ferramentas longe de peças móveis.
Visibilidade
Não tente operar o equipamento com visibilidade obstruída. Nunca opere o equipamento
entre o pôr-do-sol e o nascer do sol sem iluminação adequada.
Pré-inicialização
Antes de inicializar a unidade certifique-se de que todos os controles de operação
estejam na posição STARTUP (inicialização) adequada.
Áreas de trabalho
Mantenha áreas de trabalho limpas e livres de obstruções, ferramentas de mão, e outros
objetos quando operar a unidade.
Transportando a unidade
Certifique-se de que todos os componentes estejam fixos antes de transportar a unidade
para outro local.

PRECAUÇÃO
QUANDO TRANSPORTAR O CARRETEL DE COILED TUBING, CORRENTES DEVEM
SER AFIXADAS PARA IMOBILIZAR O CARRETEL. NÃO CONFIE NO FREIO DO
CARRETEL PARA EVITAR QUE O CARRETEL GIRE.

INTRO 8
INTRODUÇÃO À HYDRA RIG

Segurança e saúde de lubrificantes


Perigos de incêndio
Muitos produtos de petróleo são altamente voláteis e inflamáveis e devem ser
manuseados com extremo cuidado para prevenir fogo e explosão. Isto inclui propano,
querosene, combustível diesel, e muitos solventes. A Administração de saúde e
segurança ocupacional (OSHA) vem classificando produtos com ponto de combustão
abaixo de 37,8ºC (100ºF) como “inflamáveis”, e produtos com pontos de combustão
iguais ou acima de 37,8ºC e abaixo 93ºC (200ºF) como “combustíveis”.
Produtos de petróleo não devem ser armazenados ou manuseados próximos a fontes de
ignição, tais como calor, fagulhas, chamas abertas, ou qualquer fonte de eletricidade
estática, nem próximos a fortes oxidantes como cloro (incluindo agentes químicos de
piscinas) e oxigênio concentrado. Gasolina deve ser usada como combustível de
motor apenas. Ela não deve nunca ser usada como um solvente de limpeza ou diluente
ou para qualquer outro uso que não combustível de motor.

AVISO
CONTÊINERS VAZIOS RETÊM LÍQUIDOS (LÍQUIDOS E/OU
VAPORES) E PODEM SER PERIGOSOS. NÃO PRESSURIZE,
CORTE, SOLDE, BRASE, PERFURE, MOA OU EXPONHA TAL
CONTÊINER AO CALOR, CHAMA, FAGULHAS, ELETRICIDADE
ESTÁTICA, E OUTRAS FONTES DE IGNIÇÃO; ELES PODEM
EXPLODIR E CAUSAR FERIMENTOS OU MORTE. NÃO TENTE
LIMPAR, POIS RESÍDUOS SÃO DIFÍCEIS DE REMOVER, E
MESMO UM TRAÇO DE MATERIAL RESIDUAL CONSTITUI UM
PERIGO DE EXPLOSÃO. TAMBORES VAZIOS DEVEM SER
COMPLETAMENTE DRENADOS, ADEQUADAMENTE
OBSTRUÍDOS, E RETORNADOS A UM RECONDICIONADOR DE
TAMBORES. TODOS OS OUTROS RECIPIENTES DEVEM SER
DESCARTADOS DE MODO AMBIENTALMENTE SEGURO E EM
CONFORMIDADE COM AS REGULAMENTAÇÕES DO
GOVERNO.

INTRO 9
INTRODUÇÃO À HYDRA RIG

Perigos à saúde
Estudos de saúde mostraram que muitos hidrocarbonetos de petróleo oferecem riscos
potenciais à saúde de humanos que podem variar de pessoa para pessoa. Como
precaução, exposição à líquidos, vapores, e brumas de produtos de petróleo devem ser
minimizadas.
Inalação
Especialistas de saúde estabeleceram os níveis máximos de concentração para vapores de
hidrocarbonetos no ar a que funcionários podem ser expostos. Onde aplicável, os níveis
estabelecidos para produtos de óleo e graxa são indicados na folhas de informação de
segurança dos materiais (MSDS). Respiração prolongada de concentrações de vapor de
hidrocarbonetos em pouco excesso dos limites prescritos pode resultar em leve -
atordoamento, tontura, e náusea. Inalação de concentrações maiores do vapor podem
produzir tontura, dores de cabeça, irritação do trato respiratório, e perda de consciência.
Uma ou duas inalações de altas concentrações, tal como pode ocorrer nas proximidades
das aberturas dos tanques de produtos voláteis, pode causar perda imediata de
consciência. Caso uma pessoa seja sobrepujada pelo vapor, remova todo o pessoal da
exposição de imediato e chame um médico. Caso a respiração esteja irregular ou tenha
parado, inicie a ressuscitação e administre oxigênio (caso disponível).
Para evitar a inalação de concentrações excessivas de hidrocarbonetos, armazene e
manuseie produtos de petróleo altamente voláteis como gasolina, solventes, e produtos
com redução de solventes somente em áreas abertas e bem ventiladas. Em casos
especiais de manuseio em áreas internas, como produtos de laboratórios, deve-se sempre
manusear sob exaustores de ventilação com motores à prova de explosões.
Sob certas circunstâncias, componentes de enxofre em asfalto quente e combustíveis
pesados, ou residuais, podem formar o gás tóxico sulfato de hidrogênio (H2S).
Respiração prolongada de 50 a 100 ppm de H2S pode produzir irritação do trato
respiratório e olhos, dores de cabeça, nervosismo, e náusea. Em concentrações elevadas
de H2S (700 a 1000 ppm) somente algumas pouca sinalações do gás podem levar à perda
de consciência e ser fatal. Para evitar inalação de concentração excessiva de H2S , o
pessoal deve permanecer contra o vento em tanques e compartimentos de transporte de
lotes contendo asfalto ou combustíveis pesados, certificar-se que o pessoal esteja ao
menos a dois pés das aberturas do compartimento, e evitar respirar os vapores quando
abrir escotilhas e tampas de cúpulas. Usar equipamentos de respiração onde for
necessário.
Ingestão
Como precaução, caso produtos de petróleo sejam ingeridos, mantenha a pessoa calma.
NÃO induza o vômito. Ligue para o "Centro de controle de envenenamento" (1-800-
764-7661) ou para um médico mediatamente, identificando o produto e quantia
aproximada engolida. Enquanto produtos de petróleo sejam em geral não muito tóxicos,
combustíveis, solventes, e óleos leves com viscosidade abaixo de 20,5 centistokes (100
SUS) a 37,8ºC (100ºF) eles oferecem um risco distinto de serem aspirados pelos pulmões
e causar pneumonia química. Este é um efeito retardado que pode não ocorrer por
quatro a dez dias. Em razão do risco de ingestão, produtos de petróleo não devem nunca
ser sifonados com a boca.

INTRO 10
LUBRIFICANTES HYDRA RIG

Lubrificantes para fonte de força e carretel

Óleos derivados de petróleo


Para a maioria das aplicações de lubrificantes, os óleos derivados de petróleo oferecem serviço
satisfatório por um baixo custo. Para serviço rigoroso, operações a temperaturas muito elevadas
e muito baixas, aplicações de vida longa e algumas especiais, lubrificantes sintéticos podem ser a
resposta para lubrificação com uma boa relação custo-benefício.

Lubrificante sintético
Um lubrificante sintético formulado adequadamente pode ter uma boa relação custo-benefício,
considerando o tempo de inatividade da unidade, manutenção e a despesa de conformidade
regulamentar. Em uma atmosfera de crescente rigor das especificações dos fabricantes de
equipamentos e restrições estaduais, federais e internacionais guiadas pela proteção do meio-
ambiente, o papel dos lubrificantes sintéticos irá aumentar.
Uma das principais vantagens do uso de lubrificante sintético é estender intervalos de
manutenção e drenagem. Além disso, as exigências de operação em temperaturas extremas, a
eficácia energética, e as exigências de pressão combinam-se para melhorar o valor do uso de
sintéticos.
Lembre-se, sintéticos geralmente oferecem:
 Utilidade em uma ampla gama de temperaturas
 Excelente estabilidade
 Longa vida de serviço
 Traços únicos de desempenho
 Maior duração do equipamento
 Menor custo de manutenção
Sempre se certifique de que os lubrificantes sintéticos cumprem ou excedem as recomendações
e exigências de garantia do fabricante do equipamento.

L-1
LUBRIFICANTES HYDRA RIG

Óleos compressores
Existe uma grande variedade de óleos compressores derivados de petróleo e de base sintética
disponíveis. Consulte o manual de operação do fabricante do equipamento em busca das
especificações exigidas, e então solicite o produto desejado, de acordo com as especificações,
junto a um fornecedor de lubrificantes confiável.
OBSERVAÇÃO: ANÁLISES LABORATORIAIS DE LUBRIFICANTES,
EQUIPAMENTO, E CONDIÇÕES DE OPERAÇÃO PERMITIRÃO QUE
INTERVALOS DE SERVIÇO SEJAM ALARGADOS. AS RECOMENDAÇÕES
DO FABRICANTE DO EQUIPAMENTO NÃO DEVEM JAMAIS SER
DISPENSADAS.
A COMPATIBILIDADE DE SELANTES COM PRODUTOS DE BASE
SINTÉTICA E DE PETRÓLEO DEVE SER INVESTIGADA. A MAIORIA DOS
MANUAIS DE OPERAÇÃO DE FABRICANTES DE EQUIPAMENTOS
COBREM ESTE ASSUNTO

L-2
LUBRIFICANTES HYDRA RIG

Produto geral
CATEGORIA

LYONDELL EXXON MOBIL SHELL TEXACO

GRAXA             
Propósitos gerais 
Complexo de  Unirex EP‐2  Graxa Mobil  Retinax LC‐2  Starplex 2 
Complexo de lítio  Litholine EX‐2  HP‐2 
     
NLGI‐2 
   
     
 
Litholine  Graxa Mobil 
Ronex Extra‐ Retinax AM‐2  Starplex Moly 
Complexo de lítio  Molyplex EX‐2  CM‐P‐2 
Duty Moly‐2  MPGM‐2 
c/3% Mols, NLGI‐2 

ÓLEOS DE           
ENGRENAGEM 
         
(Pressão 
         
extrema) 
Pennant NL 68      Tellus 40   
SAE 40 
Pennant 220 
Spartan EP68 Mobilgear  Omela 68  Meropa 68 
SAE 80  Pennant 460 
Spartan  626  Omela 220  Meropa 220 
SAE 90 
EP220  Mobilgear  Omela 460  Meropa 460 
SAE 140 
Spartan  630 
EP460  Mobilgear 
634 

ÓLEOS           
HIDRÁULICOS 
         
(Com anti‐
        Rando HD 32 
desgaste) 
  Duro AW 32      Tellus 32  Rando HD 46 
Meropa 220 
SAE 10  Duro AW 46  NUTO H32  DTE 24  Tellus 46 
Meropa 460 
Pennant 220  Omela 220 
SAE 10  NUTO H46   
Pennant 460  Omela 460 
SAE 20  SPARtan  Mobilgear 
SAE 20  EP220  630 
SPARtan  Mobilgear 
EP460  634 

L-3
LUBRIFICANTES HYDRA RIG

Produto sintético
CATEGORIA

LYONDELL EXXON MOBIL SHELL TEXACO

GRAXA           
   
Propósito geral       
Starfak 2202
Royal On‐
Base sintética    N.D.  Unirex S‐2  Mobilith SHC‐
Guard LC‐
Complexo de lítio  220 
460 
NLGI‐2 

ÓLEOS DE           
ENGRENAGEM 
N.D.  SGO‐75w90.  Mobilube SHC  Spirax S  Syn‐Star GL 
75w/90.  75w90.  75w/90 
 
Mobilube SHC  Spirax S  Syn‐Star GL 
SGO‐80w140 
80w/90  80w/140  80w/140 

ÓLEOS           
HIDRÁULICOS 
  Univis N 32  Mobil SHC‐525‐ Royco 700‐ Hydra 32 
SAE 10  32  32 
     
     
N.D.  Univis N46  Hydra 46 
SAE 20  Mobil SHC‐525‐ Royco700‐
   
46  46 
 
Univis N68  Syn‐Star   
   
SAE 20  DE‐68 
Mobil SHC‐525‐ Royco700‐
68  68 

L-4
LUBRIFICANTES HYDRA RIG

Intervalos de viscosidade para lubrificantes AGMA


Números do intervalo de viscosidade para lubrificantes AGMA são idênticos àqueles do sistema
ASTM D 2422.
Empregue lubrificantes de pressão extrema (EP) apenas quando recomendado pelo fabricante do
acionador por engrenagem.
O nível e intervalo de viscosidade ISO (100 F) serve apenas de referência - não incluso nas
especificações da AGMA. Os sistemas de viscosidade para lubrificantes fluidos industriais
ASTM D 2422 Também padrões do instituto britânico B. S. 4231.
 

      EQUIVALENTE NO SISTEMA 
MÉTRICO 
LUBRIFICANTE AGMA  ISO  INTERVALO DE 
VISCOSIDADE   INTERVALO DE 
ENGRENAGEM R & O     VISCOSIDADE 
VISCOSIDADE,  
ENGRENAGEM EP  SUS EM 100F 
cSt em 37,8C (100F 

ÓLEOS  LUBRIFICANTES  NÍVEL 2  MÍNIMO  MÁXIMO  MÍNIMO  MÁXIMO 


1  ‐  46  193  235  41,4  50,6 

2  2EP  68  284  347  61,2  74,8 

3  3EP  100  417  510  90  110 

4  4EP  150  626  765  135  165 

5  5EP  220  918  1122  198  242 

6  6EP  320  1335  1623  288  352 

7 COMP  7EP  460  1919  2346  414  506 

8 COMP  8EP  680  2837  3467  612  748 

8A COMP  ‐  1000  4171  5090  900  1100 

L-5
LUBRIFICANTES HYDRA RIG

Sistema de classificação de viscosidade ISO


Óleos industriais são classificados e aprovados de acordo com o sistema de classificação de
viscosidade da organização internacional de padrões (ISO). O sistema ISO é baseado em
viscosidade dada apenas em uma temperatura, 40ºC. Os intervalos de viscosidade ISO estão
listados na tabela abaixo:
NÍVEIS  PONTO‐MÉDIO  INTERVALOS DE VISCOSIDADE 
DE VISCOSIDADE  cSt em  cSt em 40°C  
 ISO  40°C  MÍNIMO  MÁXIMO 
2  2,2  1,98  2,42 
3  3,2  2,88  ,3,53 
5  4,6  4,14  5,06 
7  6,8  6,12  7,48 
10  10  9,00  11,0 
15  15  13,5  16,6 
22  22  19,8  24,2 
32  32  28,8  35,2 
46  46  41,4  50,6 
68  68  61,2  74,8 
100  100  90,0  110 
150  150  135  165 
220  220  198  242 
320  320  288  352 
460  460  414  506 
680  680  612  748 
1000  1000  900  1100 
1500  1500  1350  1650 
Repare que na tabela acima os níveis acima de 68 são múltiplos de 10 ou 100 dos níveis de 10
até 68.
A começar pela viscosidade ISO de nível 10, a variação de cada nível de viscosidade é de 10%
abaixo até 10% acima do respectivo número do nível. Nas terceira e quarta colunas da tabela os
intervalos de viscosidade não são contínuos de um nível para outro. Existe uma lacuna entre o
máximo de um nível e o mínimo do próximo nível mais alto. Para produtos com viscosidades
entre intervalos dos níveis ISO, os números de nível indicam a viscosidade cinética aproximada
em 40ºC.

L-6
LUBRIFICANTES HYDRA RIG

Nível de consistência NLGI (ASTM D 217)


Nível  INTERVALO DE PENETRABILIDADE APÓS COMPRESSÃO 
NLGI  em 25°C (77°F) MM/10 

000  445 até 474 

00  400 até 430 

0  355 até 385 

1  310 até 340 

2  265 até 295 

3  220 até 250 

4  175 até 205 

5  130 até 160 

6  85 até 115 

L-7
LUBRIFICANTES HYDRA RIG

Quadro de compatibilidade de misturas binárias de graxa

Este quadro serve apenas como orientação para determinação de compatibilidade. Para
propósitos de alteração de produto no campo, a compatibilidade das graxas em questão deve ser
determinada por testes de laboratório.
 
 

L-8
MANUTENÇÃO DO SISTEMA

MANUTENÇÃO DO SISTEMA

SM-1
MANUTENÇÃO DO SISTEMA

MANUTENÇÃO DO SISTEMA
A. INTRODUÇÃO

Os cronogramas a seguir servem apenas de orientação. A frequência de qualquer serviço de manutenção ou


assistência depende das condições de operação, do ambiente e da idade ou condição da unidade.

B. MANUTENÇÃO

PRECAUÇÃO
RECOMENDA-SE A TROCA DO ANEL DE RETENÇÃO, DO ANEL-O E DOS
LIMPADORES DE TODOS OS CILINDROS HIDRÁULICOS A CADA CINCO (5) ANOS.

CABINE DE CONTROLE
OBSERVAÇÃO: ALTERAR TODOS OS ELEMENTOS DE FILTRAGEM E FILTRAR
NOVAMENTE O ÓLEO APÓS AS PRIMEIRAS 40-60 HORAS DE OPERAÇÃO

Diariamente (antes da operação de inicialização)

1. Verificar se todos os controles estão em posição segura de inicialização.

2. Verificar se todos os medidores lêem zero (0,0) de pressão (comutar todas as válvulas de
controle para pressões de medidores presos em purga). Substituir todos os medidores defeituosos

3. Verificar vazamentos hidráulicos externos visíveis.

4. Verificar todos os conectores rápidos hidráulicos, de e para o console da cabine, em busca


de indicação de vazamento ou engajamento total.

Diariamente (durante a operação)

1. Verificar se existem vazamentos externos visíveis.


2. Limpar os consoles, para-brisas e medidores se necessário.
3. Fixar janelas e portas da cabine.

Mensalmente (a cada 300 horas de operação)

1. Substituir os dois elementos de filtro hidráulicos sob o console de controle. Um está


localizado na linha IN/OUT (entrada/saída) do controlador do injetor O outro está na entrada
para a(s) bomba(s) de ar. Estes são mais acessíveis pela remoção da tampa externa.

SM-2
MANUTENÇÃO DO SISTEMA

2. Drenar o filtro/secador de ar localizado diretamente sob o console de controle (mais


acessível por meio da remoção da tampa interna).
UNIDADE DE ALIMENTAÇÃO (COM PLATAFORMA DE ARRASTO OU ESTILO KIT
HIDRÁULICO)

Diariamente (antes da operação)

1. Verificar níveis do óleo e fluido de arrefecimento do motor de diesel


2. Verificar o fluído hidráulico no reservatório (nível deve estar entre duas polegadas do topo do
reservatório, com acumuladores , com acumuladores aliviados).
3. Verificar se todas as conexões rápidas estão apropriadamente pareadas.
4. Abrir todas as válvulas de alívio.
5. Verificar se a pressão do ar alcança um mínimo de 80 PSI e máximo de 120.
. 4. Verificar se todas as válvulas de sucção do tanque hidráulico estão abertas.
5. Verificar se todos os elementos de supressão do motor estão em posição de “execução”.

Diariamente (inicialização)

Ao início de uma operação de tarefa, a temperatura do tanque hidráulico DEVE ESTAR entre
80-100ºF antes de as funções estarem completamente engatadas. A inicialização inicial deve
fornecer tempo para a circulação do óleo em fluxo baixo para minimizar que os enchedores
entrem ou permaneçam em modo de desvio.
Linhas dos injetores devem ser circuladas se possível. Esta é uma exigência particular em
condições de climas frios. Caso a rotação da correia não seja possível, movimento devagar no
sentido de orifícios e para longe deles por 20-30 pés com óleo do reservatório em 80-100ºF irá
minimizar o tempo em desvio.

1. Verificar a pressão do óleo do motor e temperatura da água.


2. Pressão do ar aumenta para 120-130 PDIG. (80-PSIG no mínimo)
3. Pressão BOP aumenta para 3000 PSIG
4. Verificar se há vazamentos no sistema de ar e hidráulico.
5. Drenar o secador de ar duas vezes diariamente apertando o botão da válvula de ar.
6. Drenar a condensação do reservatório de ar.

Diariamente (operação do término do dia)

1. Encher o tanque de diesel e verificar nível do fluído no tanque hidráulico.


2. Verificar se há evidências de vazamentos hidráulicos. Apertar encaixes e/ou substituir anéis-o.

SM-3
MANUTENÇÃO DO SISTEMA

3. Drenar os filtros de ar.

Semanalmente (a cada 72 horas de operação)

1. Caso a fonte de força ou kit hidráulico tenha sido desligado por 8 - 24 horas, abrir o válvula
de drenagem e remover qualquer água condensada do fundo dos tanques diesel e hidráulico.

2. Drenar e limpar todas as bandejas coletoras.

3. Verificar filtro em busca de indicadores de desvio.

4. Verificar nível de óleo do acionador da bomba.

5. Engraxar todas as conexões.

Quinzenalmente (a cada 150 horas de operação)

1. Verificar as conexões do acelerador e do elemento de supressão do motor em busca de


desgaste, ajustes e aperto da porca freno.

2. Verificar o aperto da conexão do sistema de entrada de ar do motor. Verificar a vedação de


borracha e dutos em busca de deterioração que podem causar vazamentos.

3. Lubrificar o cabo do acionador do tacômetro.

Mensalmente (a cada 300 horas de operação)

1. Consultar o manual do operador do motor a diesel para cronograma e procedimentos


específicos PARA EXIGÊNCIAS DE LUBRFICAÇÃO DE MOTORES.

2. Verificar todas as mangueiras em busca de torções, escoriações ou cortes.

3. Substituir os elementos do filtro hidráulico (MAIS CEDO caso a condição do filtro indique
a necessidade).

4. Substituir os elementos do limpeza do ar (MAIS CEDO caso a condição do filtro indique a


necessidade).

5. Verificar as correias do acionador do motor em busca de deterioração e tensão adequada.

6. Verificar os elementos dessecante do filtro no secador de ar. Substituir caso haja umidade
visível através dele.

7. Verificar o BOP e acumulador(es) prioridade da pressão pré-carga (1400 PSIG e 1000 PSIG
respectivamente).

SM-4
MANUTENÇÃO DO SISTEMA

Semestralmente (a cada 1000 horas de operação)


1. Trocar o óleo hidráulico e todos os filtros.
2. Limpar ou substituir coadores de sucção. Os coadores de sucção devem, ser limpos em
solvente, secos e reinstalados com selante roscado e chave de giro.
3. Verificar mais uma vez todas as mangueiras em busca de torções, escoriações ou cortes.
Anualmente (a cada 2000 horas de operação)
1. Drenar e aplicar uma descarga no radiador
2. Substituir a mangueira do radiador, correias do ventilador e termostato do motor.
LIMPEZA
Precauções de limpeza;
Precauções relacionadas com limpeza do sistema e seus componentes DEVEM ser seguidas.
Precauções específicas que acompanham soluções de limpeza ou solventes DEVEM ser seguidas.

As seguintes precauções são padrões ao sistema e DEVEM ser observadas a todo o tempo
quando for preciso executar limpeza.

1. Utilizar o equipamento adequado de segurança quando utilizar solução de limpeza, solventes


e ar comprimido.

2. Sempre seguir avisos específicos que se apliquem à sabões e solventes.

3. Fornecer ventilação adequada quando empregar solventes. Evitar respiração prolongada de


vapores e contato com a pele. Saber o que fazer caso qualquer pessoal for exposto em
excesso aos solventes.

4. Quando empregar solventes, sempre mantenha estes itens longe de qualquer fonte de
chamas, fagulhas ou calor. Não deixe nenhum recipiente aberto. Estas substâncias podem
acender ou formar gases perigosos quando aquecidos.
Procedimentos de limpeza:
Limpar o sistema e seus componentes pode exigir diferentes métodos dependendo do tipo de
peça e o grau de contaminação. Diversos componentes e os métodos de limpeza são os seguintes:
1. Sistema hidráulico.
A limpeza normal pode usar lavadoras de alta pressão. Deve-se tomar cuidado para não injetar
água em componentes elétricos fechados , tais como medidores, fiação, caixas de batera ou cabines
de controle, ou respiradores de ar em tanques de combustível ou hidráulicos.
2. Peças elétricas. Limpe componentes elétricos usando uma escova metálica e ar seco
comprimido. Em algumas circunstâncias, os contatos podem exigir uso de uma lixa de nível
baixo para remover corrosões.

SM-5
 
MANUTENÇÃO DO

MANUTENÇÃO DO CTU
CUIDADO:

AO SOLDAR NO EQUIPAMENTO, OU REBOQUES, QUE SÃO


EQUIPAMENTOS CONECTADOS, É CRÍTICO QUE QUALQUER
COMPONENTE ESTEJA ISOLADO PARA PROTEGÊ-LO DE DANOS
DE ENERGIA ELÉTRICA ESTÁTICA. SIGA O
PROCEDIMENTO ABAIXO PARA PROTEGER O EQUIPAMENTO AO

Procedimento de isolamento elétrico:


1. Desconecte os seguintes dispositivos elétricos no equipamento antes de soldar, se
os dispositivos estiverem presentes:
a. Bateria
i. Se a bateria desconectada é de polo e curso duplos, a desconexão é
suficiente.
ii. Se a desconexão não cumpre os critérios acima, ou se tiver dúvidas,
desligue tanto o cabo positivo como o negativo da bateria.
b. ECM do motor; desconecte e remova durante a soldagem
c. Cabos de comunicação ao equipamento ou entre equipamentos
d. Cabos de energia ao equipamento ou entre equipamentos
2. Certifique que nenhum dos seguintes componentes estão entre a solda e o terra de
soldagem:
a. Fiação elétrica
b. Cilindros hidráulicos
c. Rolamentos
d. Conjuntos mecânicos (caixas de transmissão etc.)
3. Ao soldar, certifique que o terra de soldagem:
a. Tem uma conexão elétrica forte (livre de tinta, sujeira e ferrugem e
firmemente conectada)
b. Se está conectada ao material de origem, o mais próximo da junta de solda
quanto possível no lado oposto dos componentes sensíveis.

  PÁGINA CTU-
UNIDADE DE TUBULAÇÃO ENROLADA HYDRA RIG

ALOJAMENTO DE ENERGIA HYDRA RIG


(CIRCUITO FECHADO/ALTA PRESSÃO)

Especificações
Pesos
Conjunto do alojamento de energia ..................................................... Veja Procedimentos de teste

Dimensões
Altura do alojamento de energia ............................................................................................ 249 cm
Comprimento do alojamento de energia ........................................................................... 284,48 cm
Largura do alojamento de energia ......................................................................................... 259 cm

Motor
Partida a ar CAT C-9
Potência bruta ................................................................................................340 BHP a 2200 RPM

CONTROLES
Manete de aceleração do motor ............................................................................................ Elétrico
Parada de combustível .......................................................................................................... Elétrica
Parada de emergência do motor ........................................................................................... Elétrica
Partida ........................................................................................................................................... Ar
OBSERVAÇÃO: Parada automática do motor para temperatura excessiva ou baixa
pressão de óleo.

PÁGINA 1-1
UNIDADE DE TUBULAÇÃO ENROLADA HYDRA RIG

ESPECIFICAÇÕES DE FLUIDO DO MOTOR


Óleo lubrificante:
SAE grau de viscosidade ...............................................................................................................40
Classificação API ...................................................................................................................... CDII
Especificação militar.................................................................................................. MIL-L-2104D
Cinza sulfatada ....................................................................................................... Menos que 1,0%
Combustível:
Deve atender propriedades da designação ASTM D975 de ambos os graus 1-D e 2-D.
Anticongelante:
Qualquer anticongelante à base de etileno glicol. Nunca substitua um anticongelante à base de
álcool. Adicione um inibidor no anticongelante para proteger as peças de alumínio no sistema do
motor.
 Normal (para –37 °C) use 50% anticongelante /50% água
 Ártico (para –40 °C) use 60% anticongelante /40% água

Unidade de acionamento da bomba (Motor 2.200 RPM)


Unidade de acionamento triplo
Redução........................................................................................................................................ 1:1

Fluxo do circuito da Bomba


Quantidade total de bombas .............................................................................................................4
Injetor .................................................................................................................... 120 gpm/4750 psi
Reabastecimento do carretel de tubulação .............................................................. 58 gpm/1000 psi
Nivelador ................................................................................................................ 10 gpm/3000 psi
BOP .........................................................................................................................28 gpm/3000 psi
Prioridade .................................................................................................................. 8 gpm/3000 psi
Auxiliar ................................................................................................................... 34 gpm/2500 psi
Carretel de mangueira ............................................................................................... 8 gpm/2000 psi

Filtros e peneiras
Peneira ...............................................................................................................................100 Mesh
Filtro de retorno ................................................................................................................ 10 Micron
Filtros de pressão .............................................................................................................. 10 Micron

PÁGINA 1-2
UNIDADE DE TUBULAÇÃO ENROLADA HYDRA RIG

Acumuladores
Quantidade/Capacidade BOP .............................................................................. 23 a 57 litros cada
Carga Quantidade/Capacidade ................................................................................... 1 ea a 10 litros
Prioridade Quantidade/Capacidade............................................................................ 1 ea a 20 litros

Fluido/Capacidades
Tanque de combustível ...................................................................................................... 378 litros
Tanque de ar....................................................................................................................... 113 litros
Hidráulica (FLUIDO TRANS ATF- QUANTUM T3) ..................................................... 890 litros
OBSERVAÇÃO: Consulte as especificações de fluidos e gráficos de lubrificação.

O gráfico abaixo é para a conversão métrica para os padrões dos EUA.


GRÁFICO DE CONVERSÃO
1 BAR = 14,5 PSI
1 LITRO = 1,057 QUARTOS
3,785 LITROS = 1 GALÃO
3,785 LPM = 1 GPM
0,3048 METROS = 1 PÉ
2,540 CENTÍMETROS = 1 POLEGADA
0,4536 QUILOGRAMA = 1 LIBRA
1 KPA = 0,145 PSI
100 KPA = 1 BAR

PÁGINA 1-3
UNIDADE DE TUBULAÇÃO ENROLADA HYDRA RIG

Sistema Hidráulico
ÓLEO HIDRÁULICO:
ATF Quantum T# (D111/M) é fornecido com a unidade. Vários substitutos aceitáveis estão
disponíveis.
SUBSTITUTOS DO ÓLEO HIDRÁULICO:
ATF Quantum T# (D111/M) ou equivalente.

FLUIDO HIDRÁULICO:
Para selecionar a viscosidade correta, os seguintes critérios devem ser considerados:
1. A menor temperatura do fluido que o sistema hidráulico será iniciado e deixado em
marcha lenta à baixa pressão. A viscosidade do fluido não deve ser superior a 4.000
SUS (862 CST) a esta temperatura.
2. A temperatura mais elevada do fluido no qual o sistema operará a uma velocidade
máxima do motor (RPM) e/ou à pressão do sistema. A viscosidade do fluido não
deve ser superior a 100 SUS (20 CST) a esta temperatura.

PÁGINA 1-4
UNIDADE DE TUBULAÇÃO ENROLADA HYDRA RIG

Operação (Consulte Esquema hidráulico)


Tubulação enrolada é um método pelo qual uma tubulação de pequeno diâmetro (DE de 19 mm a
89 mm) contínua pode ser inserida dentro de um poço para permitir que os sistemas de
circulação temporários ou permanentes sejam criados.
Circuito do injetor
A bomba é uma unidade de circuito fechado e pressão compensada que aciona os motores dos
injetores. O volume de saída e a pressão desta bomba são controlados por válvulas localizadas no
console de controle e/ou o painel de controle do motor. O medidor de pressão de carga de um
dispositivo de monitoramento importante que está localizado no console de controle. Deve haver
pressão de carga de pelo menos 150 psi a 325 psi, a fim de que a bomba opere
convenientemente.
Circuito do carretel
O circuito do carretel de tubulação recebe 28 gpm de fluido hidráulico a partir do bloco coletor
de admissão do console para controlar as funções do carretel de tubulação.
Circuito do nivelador
O nivelador é alimentado por uma bomba de lâminas controlada por uma válvula de alívio para
operar a 3.000 psi.
Circuito BOP
O circuito de BOP recebe a sua alimentação a partir do estágio de 28 gpm da bomba tandem,
que, por sua vez, é controlada por uma válvula de descarga ajustada a 3.000 psi. Assim que os
acumuladores do BOP são abastecidos e atinjam a pressão pré-ajustada, a válvula de descarga
despeja o fluxo da bomba de volta para o reservatório
Circuito do carretel de mangueira
Uma bomba de 8 gpm supre esses circuitos. A pressão está limitada a 2.000 psi pela válvula de
alívio.
Circuito auxiliar
Uma bomba de 34 gpm supre esses circuitos. A pressão está limitada a 2.500 psi pela válvula de
alívio.
Conexões da mangueira
Consulte o Esquema hidráulico para os pontos de acoplamento do alojamento de energia.

PÁGINA 1-5
HYDRA RIG PB

Lista expandida de peças


(Quando solicitar quaisquer peças, certifique-se de incluir o número
do serviço deste manual localizado na capa deste manual.)
Esta lista expandida é usada para solicitações, emissão e identificação de peças. Pode ser
útil para ilustração da relação de montagem e desmontagem de peças de conjuntos de
peças.
OBSERVAÇÃO: A visão de ilustrações de conjuntos do nível superior pode não refletir
a última revisão. A fatura de materiais reflete a última revisão.

Lista de peças de manutenção


As listas de peças de manutenção servem a conjuntos e subconjuntos principais.
Para auxiliar na identificação por aparência, algumas peças na lista são colocadas em uma
ilustração de vista explodida. Cada conjunto principal é seguido imediatamente pela lista
de seus componentes ou peças detalhadas que pretende mostrar a relação da peça com o
conjunto e a sequência recomendada para desmontagem.
Peças componentes do sistema que não sejam inclusas em qualquer montagem principal,
mas que são usadas em conjunto com, uma parte de, ou anexadas à montagem principal,
são listadas juntas com o conjunto.
Como usar a lista expandida de peças
1. Quando o número da peça não for conhecido, prossiga como segue:
a. Determine a função e aplicação da peça necessária.
b. Volte-se ao índice e selecione o título mais apropriado. Volte-se à página indicada
e localize a peça desejada na ilustração.
c. A partir da ilustração, obtenha o número de índice designado à peça desejada.
Consulte a descrição acompanhante para informações específicas sobre a peça.
2. Quando o número da peça for conhecido, prossiga como segue:
a. Quando o número da peça for conhecido, consulte os índices numéricos (quando
estiver presente). Localizar o número da peça e observe a figura e número de
índice designado à peça.
b. Volte-se à figura indicada e localize o número de índice referido no índice
numérico.
c. Para uma ilustração de uma peça ou sua localização, consulte o mesmo número de
índice na ilustração acompanhante.

PÁGINA 1-6
HYDRA RIG PB

Símbolos e abreviações
Símbolos e abreviações utilizadas nesta lista expandida de peças são os seguintes:
BRS Latão
COP Cobre
DIA Diâmetro
FT Pé/pés
IN Polegada/polegadas
LB Libras/libras
NPT Rosca americana cônica para tubos
DE Diâmetro externo
PSIG Medidor de libras por polegada quadrada
REF Referência
UNC Rosca unificada grossa
= Item alternativo

PÁGINA 1-7
ITEM QTDE Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CA130371 MODIFICAÇÃO BOMBA P-14
2 1 HPP00297 BOMBA PISTÃO COMP CCW "T" (CONSULTE OS MANUAIS DE SERVIÇO)
3 1 HVC00016 VÁLVULA DE RETENÇÃO 0,38FNPT LATÃO 3K PSI
4 1 CA132758 ESPEC BOMBA ACIONAMENTO TRÊS PAST. COM CHAVETA C D E E
5 6 IPM00017 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-3000 P/B CBMFF HR
6 1 HFS00053 PENEIRA 4,00FNPT SUC 100 MALHA 300GPM
7 2 HVR00004 VÁLVULA DE ALÍVIO 1,00 SAE 4 PARAFUSOS
8 6 HAB00037 ACUM. BEXIGA 57 L (CONSULTE OS MANUAIS DE SERVIÇO)
9 1 HXH00119 TROCADOR DE CALOR 160HP 150GPM 2-MOTORES "T"
10 1 IPM00327 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-10000 P/B 2,50 CBMFF HR
11 1 HVC00295 VÁLVULA DE RETENÇÃO 1,00 SAE 4 PARAFUSOS
12 3 IPM00016 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-5000 P/B 2,50 CBMFF HR
13 1 HVF00049 VÁLVULA NDL 0,75FNPT
14 1 HVS00032 VÁLVULA DE CONTROLE 0,75SAE COM PORTA AUX "T"
15 1 HVD00014 VÁLVULA DE CONTROLE DE TEMPERATURA CTRL 2,00F SET 120F
16 2 HFR00017 FILTRO RETORNO DE LINHA "T"
16A 2 HFR00100 ELEMENTO, FILTRO RETORNO DE LINHA "T"
17 2 HFP00073 FILTRO 6K 2 POL. 4 PARAFUSOS CÓDIGO 62 10MIC "T"
17A 2 HFP00072 ELEMENTO, FILTRO 6K 2 POL. 4 PARAFUSOS CÓDIGO 62 10MIC "T"
18 1 IPM00014 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-600 P/B 2,50 CBMFF HR
19 2 HVT00292 VÁLVULA ESFERA 3,00 11BSP LATÃO
20 1 HFR00005 FILTRO INT. TANQUE 135 GPM 2,00 SAE 10um "T"
20A 1 HFR00114 ELEMENTO, FILTRO INT. TANQUE 135 GPM 2,00 SAE 10um
21 1 HAB00024 ACUM. BEXIGA 19 L (CONSULTE OS MANUAIS DE SERVIÇO)
22 1 CC172731 TUBULAÇÃO SUCÇÃO 4 – 2 BIPARTIDA SOLDA
23 2 ITM00002 TERMÔMETRO 10-204,4C
24 2 HVT00024 VÁLVULA ESFERA DUAS VIAS 0,25FNPT BLK ANG
25 1 HAB00010 ACUM. BEXIGA 9,5 L (CONSULTE OS MANUAIS DE SERVIÇO)
26 2 HFS00069 FILTRO MALHA 100 3INNPT 3PSI DESVIO
4
27 2 ITS00138 MONT. SENSOR TEMP RTD
28 2 HVC00001 VÁLVULA DE RETENÇÃO 1,00 SAE 4 PARAFUSOS
29 2 HXF00262 FLG CONEXÃO T CD62 4 PARAFUSOS 1,50 COM "T"
30 2 HXF00282 PLACA CONECTOR
31 3 IPM00181 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-300 P/B 2,50 0,25
32 1 HVR00097 VÁLVULA DE ALÍVIO REMOTO 100-3000 PSI
33 2 PTE00053 ADAPT. SUÍV. 3,00-11BSP - 3,00 SOQUETE SOLDA
34 1 PTE00054 ADAPT. SUÍV. 4,00-11BSP - 4,00 SOQUETE SOLDA
35 1 HFP00088 FILTRO ALTA QUEDA 15 MIC
35A 1 HFP00099 ELEMENTO, FILTRO ALTA QUEDA 15 MIC

Fig. 1.1-1A, Esquema hidráulico do alojamento de energia, CE192276E (folha 1 de 2)


PÁGINA 1-9
ITEM QTDE Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
36 1 HHA10817 ADAPT. ORIFÍCIO 0,062-0,38MJIC-0,38FJIC
37 1 HVC00143 VÁLVULA DE RETENÇÃO 1,00FNPT 5K PSI
38 1 HPV00483 BOMBA TRIPLA PALHETA 031-017-006 ANTI-HOR. (CONSULTE OS
39 1 HVR00337 MANUAIS DE
VÁLVULA DE SERV ) -12S 25-800 PSI CORPO
ALÍVIO
40 1 HVF00084 VÁLVULA DIVISORA DE FLUXO 0,75FNPT
41 1 HVT00189 VÁLVULA ESFERA TRÊS VIAS 0,50FNPT
42 4 HVF00001 VÁLVULA AGULHA 0,25 FNPT PNL MOUNT
43 4 HVT00041 VÁLVULA ESFERA DUAS VIAS 0,25FNPT BLU
44 1 HVT00057 VÁLVULA ESFERA 0,75FNPT 600 PSI BRZ
45 1 IPM00069 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-600 P/B 2,50 LM HR
46 1 HVT00293 VÁLVULA ESFERA 4,00 11BSP LATÃO
47 1 PTE00057 ADAPT. SUÍV. 3,00-11BSP - 3,00 H-BARB 45
10
48 2 ITS00125 POÇO DE PROTEÇÃO 0,50MNPT
49 1 HVR00007 VÁLVULA DE ALÍVIO 1,25 SAE 4 PARAFUSOS
50 1 HVR00168 VÁLVULA DE ALÍVIO 1,50 SAE 4 PARAFUSOS
51 1 HPP00296 BOMBA PISTÃO 4CUI CCW ROT
52 1 HXF00064 FLG CONJUNTO SAE FENDA
53 1 CC237801 COLETOR CONTROLE PRESS E FLUXO (VEJA A FIG. 1.2-3)
54 1 PTE00063 ADAPT. SUÍV. 3,00-11BSP – 3,00
55 1 HVP00001 VÁLVULA PRESS RED/ALÍVIO 3000 PSI
56 1 IPM00111 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-3000 P/B 2,50

Fig. 1.1-1A, Esquema hidráulico do alojamento de energia, CE192276E (folha 2 de 2)

PÁGINA 1-10
Fig. 1.1-1B, Power Pack Hydraulic Schematic, CE192276E
PAGE 1-11
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 HVD00330 VÁLVULA SELETORA SEIS VIAS DUAS POSIÇÕES
2 1
1R HRS00037 1 00FNPT
VISOR DE NÍVEL COM DESLIGAMENTO
1
3 1R HVT00037 VÁLVULA DE GAVETA 0,50FNPT 125# WOG BRZ
1
4 2R HVT00026 VÁLVULA ESFERA 0,50FNPT 600 PSI BRZ
2
5 2R HHD06006 CPLG QD 0,38FNPT NIP
2
6 2R HHD06005 TAMPA DE PROTEÇÃO -6 QD NIP AQ56
3
7 1R HHD16005 CPLG QD 1,00FNPT NIP
3
8 1R HHD16007 TAMPA DE PROTEÇÃO -16 QD NIP AQ56
4
9 6 HHF06026 FTG -6R FJIC
4
10 15,24 m VEH06002 MANGUEIRA - 6 CD5 ALTA TEMPERATURA
4
11 2 HHF06028 FTG -6R FJIC 90
4
12 2 HHF16022 FTG -16 FJIC SVL, F/16C5D REUTILIZÁVEL
4
13 3,05 m HHH16003 MANGUEIRA -16 ALTA TEMPERATURA MULTIFLUIDO
       
       
       
       
       
       
       
       
       
       
     
     
Fig. 1.1-2A, Esquema do combustível com filtragem do alojamento de energia, CC192278B

PÁGINA 1-13
Fig. 1.1-2A, Power Pack Fuel w/Filtration Schematic, CC192278B
PAGE 1-14
ITEM QTDE. Nº DE DESCRIÇÃO
1 2,000 AVC00001 VÁLVULA DE RETENÇÃO 0,50MNPT 250 PSI
2 1,000 AVR00011 VÁLVULA DE ALÍVIO 0,25MNPT 140 PSI
3 1,000 HVT00022 VÁLVULA ESFERA 0,25FNPT 600 PSI BR
4 1,000 HVT00039 VÁLVULA ESFERA 1,00FNPT 600 PSI BRZ
5 1,000 CC142059 ESPEC TANQUE DE AR 30GAL SST HORZ ASME 16X38
6 1,000 HHD16006 CPLG 1,00FNPT UNIV MANGUEIRA E TUBO
7 1,000 AAD00013 TAMPA ESCAPAMENTO DO SECADOR DE AR BENDIX AD-9
8 1,000 AAD00012 SECADOR DE AR 0,50FNPT 12VDC 75W AQUECEDOR "T"
9 2,000 HVT00026 VÁLVULA ESFERA 0,50FNPT 600 PSI BRZ
10 1,000 AAF00002 FILTRO DE AR 0,50FNPT
10A 1,000 AAF00003 ELEMENTO, FILTRO DE AR 0,50FNPT
11 1,000 AVR00024 VÁLVULA REGULADORA 0,50FNPT 5-125 PSI
12 1,000 HVT00003 VÁLVULA ESFERA 1,25FNPT 600 PSI BRZ
13 1,000 IPM00067 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-160 P/B 2,50 CBMFF HR
14 1,000 AVT00041 REGISTRO DA VÁLVULA DE DRENO 0,25MNPT LATÃO
15 1,000 IPM00366 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-160 P/B 2,50 CBM HR
16 1,000 HVC00069 VÁLVULA DE RETENÇÃO 0,50NPT
6
17 1R HPM00003 BOMBA DE TRANSFERÊNCIA "T" (CONSULTE OS MANUAIS DE
6
18 1R CB163063 MONTAGEM BOMBA DE ABASTECIMENTO TANQUE BHP HYDR
19 1 HVD00127 VÁLVULA TRÊS VIAS

Fig. 1.1-3A, Esquema pneumático do alojamento de energia, CD192279D

PÁGINA 1-16
Fig. 1.1-3B, Power Pack Pneumatic Schematic, CD192279E
PAGE 1-17
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1
1 1 CA068548 ESPEC SISTEMA DE CONTROLE DUPLO MONITOR ENG Z2
2 1 CB265494 ESPEC CABO DB9-S 2FT
3 6 EPB00190 DISJUNTOR CIRCUITO 2A 24VDC EX
4 1 EPB00200 DISJUNTOR CIRCUITO 6A 24VDC EX
3
5 1R EEL00217 ENCL 14,17-14,17-5,91 SST EXE
6 1 ICX00132 PROTEÇÃO F/BEIJER TELA DE TOQUE
2
7 1R EKS00212 CONTROLADOR PLC CAN BARRAMENTO OPÇÃO 3
2
8 2R ECR00216 CONECTOR RECEPTÁCULO 3 FIOS DIVISOR J1939
2
9 2R ECR00217 CONECTOR RECEPTÁCULO 3 FIOS DIVISOR J1939
2
10 4R ECP00598 PLUGUE TRÊS VIAS SELO RETENÇÃO COM PROTEÇÃO RETRÁTIL
2
11 2R ECR00221 CONECTOR PLUGUE SELO TRÊS FIOS J1939 AZUL
2
12 4R ECP00260 CONECTOR PLUGUE SELO TRÊS FIOS STD VERDE
2
13 2R ECR00304 INSERÇÃO CONECTOR SKT TAMANHO 16
2
14 1R ICX00130 MONITOR SETE POL. CAN ALTO BRILHO
15 1 CC265516 MONT. TERM BLK CONTROLE ELÉT ENG
16 2 EPB00197 DISJUNTOR CIRCUITO 15A 24VDC EX
17 4 EPB00193 DISJUNTOR CIRCUITO 10A 24VDC EX
3
18 1R EXX00700 BARREIRA INTRINSICAMENTE SEGURA 1-CH 4-20mA
19 1 ESR00240 RELÉ 24 VDC DOIS POLOS Ex
20 1 EXX00722 BARREIRA INT SEGURA 2-CH SEM INTERRUPTORES
21 1R ECR00497 RECEPTÁCULO Ex 10 SKT 16 AWG TAMANHO 12
3
22 1R EEL00247 ENCL 6 X 10 ALUM EXD
23 1 CC067790 ESPEC INST CABO 21,34 M
24 1 EXX00720 SAÍDA ISOLADOR INTRINSICAMENTE SEGURO
25 1 EXX00721 SAÍDA ISOLADOR INTRINSICAMENTE SEGURO
26 1 ECP00235 CONTRAPORCA GLAND CABO 32 MM LATÃO
27 1 ECP00323 ARRUELA NÁILON GLAND CABO 32 MM
28 2 ECP00305 GLAND CABO TAMANHO B 25 MM
29 2 ECP00318 ARRUELA SERRILHADA GLAND CABO 25 MM
30 2 ECP00169 CONTRAPORCA GLAND CABO 25 MM LATÃO
31 2 ECP00171 ARRUELA NÁILON GLAND CABO 25 MM
32 15,24 m EWC00319 CABO QUATRO PARES 16 AWG SEM BLINDAGEM
33 1 ECP00303 GLAND CABO TAMANHO A 20 MM
34 3 ECP00078 ARRUELA SERRILHADA GLAND CABO 20 MM
35 3 ECP00057 ARRUELA NÁILON GLAND CABO 20 MM
36 3 ECP00059 CONTRAPORCA GLAND CABO 20 MM LATÃO
37 1 ECP00319 ARRUELA SERRILHADA GLAND CABO 32 MM
38 2 ECP00302 GLAND CABO TAMANHO 0 20 MM
39 30,48 m EWC00442 CABO 1P*18G*2C*14G*2C*16G*500OD*CA

Fig. 1.1-4A, Esquema elétrico controles do motor, CE292833D (folha 1 de 2)


PÁGINA 1-18
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
40 15,24 m EWC00358 CABO 10 SHLD PR 18AWG CAPA PU
41 1 ECP00584 PLUGUE Ex 10 SKT 16 AWG TAMANHO 12
42 2 EXX00425 COMPOSTO ENVASAMENTO DUAS PARTES MIX 190 G "T"
43 1 ECP00564 PLUGUE Ex 10 PIN 16 AWG TAMANHO 12
44 1 ECP00622 GLAND CABO TAMANHO C 1,00 MNPT
45 1 ECP00307 GLAND CABO TAMANHO C 32 MM
46 1 IPS00219 CHAVE PRESSÃO 36-300PSI EXD
47 1 ECC00071 ADAPT. CONDUÍTE 0,50 90 ALUM EXPLN-PRF

1
ITEM NÃO EXIBIDO
2
ITEM FORNECIDO COM O ITEM #1
3
ITEM CHAMADO NO ESQUEMA ELÉTRICO DO ALOJAMENTO
DE ENERGIA
Fig. 1.1-4A, Esquema elétrico controles do motor, CE292833D (folha 2 de 2)
PÁGINA 1-19
Fig. 1.1-4B, Engine Controls Electrical Schematic, CE292833D
PAGE 1-20
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 EEL00217 ENCL 14,17-14,17-5,91 SST EXE
1
2 1 EEL00247 ENCL 6 X 10 ALUM EXD
3
4 1 ITS00231 EMISSOR TEMP 4-20mA 10-121C 0,5MP 3,0 LG
3
5 1 ITS00235 POÇO DE PROTEÇÃO 0,50MNPT x 0,50FNPT x 4,0 LG
1
6 1 EXX00700 BARREIRA INTRINSICAMENTE SEGURA 1-CH 4-20mA
1
7 1 ECR00497 RECEPTÁCULO Ex 10 SKT 16 AWG TAMANHO 12
8 2 ECP00318 ARRUELA SERRILHADA GLAND CABO 25 MM
9 2 ECC00681 CONECTOR CONDUÍTE 1,25 STR LÍQUIDO RÍGIDO
10 3 ECP00078 ARRUELA SERRILHADA GLAND CABO 20 MM
11 3 ECP00057 ARRUELA NÁILON GLAND CABO 20 MM
12 3 ECP00059 CONTRAPORCA GLAND CABO 20 MM LATÃO
14 12,2 m EWC00394 CABO COND 1 4-AWG SEM BLINDAGEM
2
15 4R EPB00193 DISJUNTOR CIRCUITO 10A 24VDC EX
2
16 2R EPB00197 DISJUNTOR CIRCUITO 15A 24VDC EX
17 2 ECP00305 GLAND CABO TAMANHO B 25 MM
18 2 ECP00169 CONTRAPORCA GLAND CABO 25 MM LATÃO
19 2 ECP00171 ARRUELA NÁILON GLAND CABO 25 MM
20 2 ECP00319 ARRUELA SERRILHADA GLAND CABO 32 MM
21 2 ECP00323 ARRUELA NÁILON GLAND CABO 32 MM
22 2 ECP00235 CONTRAPORCA GLAND CABO 32 MM LATÃO
23 2 ECP00307 GLAND CABO TAMANHO C 32 MM
24 6,1 m EWC00318 CABO COND 3 8 AWG SEM BLINDAGEM
2
25 1R CC265516 MONT. TERM BLK CONTROLE ELÉT ENG
26 1 ECR00231 CONECTOR RECEPTÁCULO FLANGEADO 9 PINOS
2
27 1R EPB00190 DISJUNTOR CIRCUITO 2A 24VDC EX
28 1 ECR00228 CONECTOR TAMPA DO RECEPTÁCULO
29 1 ECR00227 CONECTOR JUNTA RECEPTÁCULO FLANGEADO
30 2 ECP00009 PLUGUE INSERÇÃO CONECTOR
1
31 1 CE292833 ESQUEMA ELÉT. CONTROLES DO MOTOR (VEJA A FIG. 1.1-4)
32 2 ECP00620 ALÇA PLUGUE DIV 2 30 AMP
33 1 ECP00619 TAMPA ENTRADA MACHO ZONA 1 30 AMP
34 1 ECR00547 CAIXA RECEPTÁCULO ZONA 1 30 AMP 70 DEG
35 15,24 m HHX00217 ENVOLTÓRIO 2,00 DIA PRETO MATERIAL PVC COM ZÍPER
36 3 ECP00586 GLAND CABO TAMANHO A 0,75 MNPT "T"
37 30,48 m EWC00441 CABO COND 4 10 AWG SEM BLINDAGEM
38 2 ECR00550 RECEPTÁCULO 30A 480V 3P+T ZONA I
39 1 ECR00551 ENTRADA MACHO 30A 480V 3P+T ZONA 1
40 3 ECP00303 GLAND CABO TAMANHO A 20 MM
41 1 EEL00248 ENCL 9,39 X 6,92 X 5,91 SST EXE

Fig. 1.1-5A, Esquema elétrico alojamento de energia zona II, CE292838J (folha 1 de 2)
PÁGINA 1-21
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
42 1 EPB00203 DISJUNTOR CIRCUITO 30A DOIS POLOS 400VAC/100VDC
43 2 ECW00626 BLOCO TERMINAL AWG 20-4 DUAS POSIÇÕES GRND EX
44 2 EXX00723 DISJUNTOR CIRCUITO PONTE PLUG-IN 500 MM "T"

1
ITEM REALOCADO PARA ESQUEMA ELÉT. CONTROLES DO
MOTOR
2 ILUSTRADO
ITEM CHAMADO NO ESQUEMA ELÉT. CONTROLES DO MOTOR
3
ITEM NÃO EXIBIDO

Fig. 1.1-5A, Esquema elétrico alojamento de energia zona II, CE292838J (folha 2 de 2)
PÁGINA 1-22
Fig. 1.1-5B, Zone II Power Pack Electrical Schematic, CE292838J
PAGE 1-23
ITEM QTDE. Nº DE DESCRIÇÃO
1 1 CE182529 ESTRUTURA PLATAFORMA ALOJAMENTO DE ENERGIA SOLDA
2 *1 CE192276 ESQUEMA ALOJAMENTO DE ENERGIA HYDR (VEJA A FIG. 1.1-1)
3 1 CE132763 INSTALAÇÃO TANQUE HYDR 908 L (VEJA A FIG. 1.3-2)
4 1 CE163062 INSTALAÇÃO TANQUE DE COMBUSTÍVEL 378 L (VEJA A FIG. 1.3-
5 1 CD132555 4)
INSTALAÇÃO ACUMULADOR 23-57 L 19 L 9,5 L (VEJA A FIG. 1.3-
6 1 CD142057 5)
INSTALAÇÃO COMPONENTES DO AR
7 1 CD163064 INSTAL. BOMBA ABAST. TANQUE HYDR (HPM00003 –
8 1 CE132764 CONSULTE OSCOMPONENTES
INSTALAÇÃO MANUAIS DE SERVIÇO)
HYD
9 1 CC112189 INSTALAÇÃO VÁLVULA SELETORA DE COMBUSTÍVEL (VEJA A
10 *1 CA102187 FIG 1 3CABOS
ESPEC 6) DE SUSPENSÃO QUATRO PERNAS PPK (VEJA A
11 *1 CC192278 FIG 1 2 18)COMBUSTÍVEL COM FILTRAGEM ALOJ. ENERGIA
ESQUEMA
12 *1 CC163102 (VEJA A FIG
RÓTULO 1 1 2)
MONTAGEM PPK
13 1 CD132750 INSTAL. TROCADOR DE CALOR 160HP 150GPM 2-MOTORES
14 *1 CD192279 (VEJA A FIG
ESQUEMA 1 3 7)
PNEUMÁTICO ALOJ. DE ENERGIA (VEJA A FIG. 1.1-3)
15 *1 CA982137 PROC TESTE DNV SUSPENSÃO/TRAÇÃO/QUEDA
16 *2 CB172072 GUIA DE MANGUEIRA/COLUNA DE ELEVAÇÃO
17 *2 CB172071 GUIA DE MANGUEIRA/COLUNA DE ELEVAÇÃO
18 1 CD163055 MONT. BHP PP
19 1 CD132766 INSTALAÇÃO PAINEL DE CONTROLE
20 1 CD112191 INSTALAÇÃO MOTOR CAT C9 (VEJA A FIG. 1.3-1)
21 1 CE163101 INSTALAÇÃO SUPORTE GRTG
22 1 CE163067 MONT. ACIONAMENTO DA BOMBA (VEJA A FIG. 1.2-6)
23 *1 CA163068 CONJUNTO DE MANGUEIRAS ALOJAMENTO DE ENERGIA
24 1 CE163075 INSTALAÇÃO DO COLETOR
25 *1 CC163111 RÓTULOS ELETR ENGR
26 *1 CE292833 ESQUEMA ELÉT. CONTROLES DO MOTOR (VEJA A FIG. 1.1-4)
27 *1 CE292838 ESQUEMA ELÉT.ALOJ. DE ENERGIA ZONA II (VEJA A FIG. 1.1-5)
28 *1 CA142060 CONJUNTO DE MANGUEIRAS CONT. PNEUMÁTICOS PPK (VEJA
A FIG 1 2 12)

* ITEM NÃO EXIBIDO

Fig. 1.2-1A, Montagem alojamento de energia HPCL, CE102268F

PÁGINA 1-25
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 * 1R AAF00002 FILTRO DE AR 0,50FNPT
1A * 1R AAF00003 ELEMENTO, FILTRO DE AR 0,50FNPT
2 * 1R AVR00009 VÁLVULA REGULADORA 0,50FNPT 5 - 125 PSI
3 2 HHB10015 ADAPT. 0,50MNPT - 0,50MJIC BHD
4 1 HHA10008 ADAPT. 0,50MNPT - 0,50MNPT
5 2 HHB10034 PORCA ADAPT. 0,50 BHD

* ITEM CHAMADO NO ESQUEMA PNEUMÁTICO

Fig. 1.2-2A, Montagem do ar duplo, CC142005

PÁGINA 1-28
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 HVP00081 CARTUCHO VÁLVULA PRESS RED-ALÍVIO
2 1 HVP00104 CARTUCHO PRESS REDUTORA/ALÍVIO
3 1 HVC00186 CARTUCHO VÁLVULA DE RETENÇÃO TIPO INDICADOR
4 1 HVF00332 CARTUCHO VÁLVULA DE CONTROLE DE FLUXO 0,2-50
5 1 HVF00336 GPM
CARTUCHO VÁLVULA DE CONTROLE DE FLUXO COMP
6 1 HVF00335 PRESS
CARTUCHO VÁLVULA DE CONTROLE DE FLUXO COMP
PRESS

Fig. 1.2-3A, Coletor de controle de pressão e fluxo, CC237801

PÁGINA 1-30
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 * 1R CC142059 ESPEC TANQUE DE AR 30GAL SST HORZ ASME 16X38
2 * 2R HVT00026 VÁLVULA ESFERA 0,50FNPT 600 PSI BRZ
3 * 1R AVR00011 VÁLVULA DE ALÍVIO 0,25MNPT 140 PSI
4 * 1R AVT00041 REGISTRO DA VÁLVULA DE DRENO 0,25MNPT LATÃO
5 * 1R IPM00067 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-160 P/B 2,50 CBMFF HR
6 1 HHA20085 ADAPT. 1,25MNPT-1,25FNPT 90
7 1 HHA40047 ADAPT. 0,75FNPT-0,75FNPT-0,75MNPT
8 2 HHA10023 ADAPT. 0,75MNPT-0,25FNPT
9 2 HHA40008 ADAPT. 0,25MNPT-0,25FNPT-0,25FNPT
10 1 HHA30015 ADAPT. 0,25MNPT-0,38MJIC 45
11 1 HHA10009 ADAPT. 0,75MNPT-0,50MNPT
12 1 HHA20084 ADAPT. 1,25MNPT-1,25MNPT 90
13 1 HHA20070 ADAPT. 0,75MNPT-0,75FNPT 90
14 1 HHA40011 ADAPT. 0,75MNPT-0,75FNPT-0,75FNPT
15 1 HHA40042 ADAPT. 0,25FNPT-0,25FNPT-0,25MNPT
16 1 HHA30047 ADAPT. 0,25MNPT-0,25FNPT 45
17 1 HHA10006 ADAPT. 0,50MNPT-0,25MNPT
18 1 HHA20028 ADAPT. 0,25MNPT-0,25MJIC 90
19 1 HHA10057 ADAPT. 0,75MNPT-0,50MJIC
20 1 HHA10033 ADAPT. 1,50MNPT-1,25FNPT
21 1 HHA30033 ADAPT. 1,50MNPT-1,50MJIC 45
22 1 CA100086 RÓTULO ESPEC RESERVATÓRIO DE AR
23 1 HHA10051 ADAPT. 0,50MNPT-0,25MJIC
24 2 HHA60002 BUJÃO ADAPTADOR 0,25MNPT
25 1 HHA30022 ADAPT. 0,50MNPT-0,50MJIC 45
26 * 1R HVT00003 VÁLVULA ESFERA 1,25FNPT 600 PSI BRZ
27 2 HHA60005 BUJÃO ADAPTADOR 0,75MNPT

* ITEM CHAMADO NO ESQUEMA PNEUMÁTICO

Fig. 1.2-4A, Montagem do tanque de ar, CC142058


PÁGINA 1-33
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1
1 1R CA132758 ESPEC BOMBA ACIONAMENTO TRÊS PAST. COM CHAVETA C
2 1 CE132749 D E E BOMBA P-14 (HPP00176 – CONSULTE OS MANUAIS DE
MONT.
3 1 CD132752 SERVIÇO)
MONT. BOMBA P09 (HPP00297 – CONSULTE OS MANUAIS DE
4 1 CD132760 SERVIÇO)
MONT. BOMBA TRIPLA PALHETA (HPV00483 – CONSULTE OS
5 2 CC182261 MANUAIS DE SERVIÇO)
BRAÇADEIRA BOMBA ACIONAMENTO DURST/CAT
6 4 BFC00285 SOLDAGEM
SHCS 0,75-10UNC X 2,25 A574
7 4 BFC00286 SHCS 0,75-10UNC X 2,50 A574
8 8 BFW00008 ARRUELA DE PRESSÃO 0,75 STL
9 4 BFC00232 SHCS 0,50-13UNC X 1,25 A574
10 4 BFW00005 ARRUELA DE PRESSÃO 0,50 STL
11 8 BFC00264 SHCS 0,63-11UNC X 1,50 A574
12 8 BFW00007 ARRUELA DE PRESSÃO SPLIT 0,63 STL
13 1 CC132213 MONT. DIVISOR DE FLUXO CIRCUITO DE REABASTECIMENTO
14 2 BFC00013 HHCS 0,25-20UNC X 2,75 A449
15 2 BFW00001 ARRUELA DE PRESSÃO SPLIT 0,25 STL
16 0.17 FT RSO00007 TUBO 0,25 SCH 40 A312-304 SMLS
17 1 CC132646 INSTAL. PLACA TORÇÃO ACIONAMENTO C9
18 12 BFW00004 ARRUELA DE PRESSÃO 0,44 STL
19 12 BFC00052 HHCS 0,44-14UNC X 1,25 A449
20 1 VEX00110 JUNTA COXIM BOMBA SAE E
21 1 VEX00067 JUNTA COXIM BOMBA SAE D LH
22 1 VEX00068 JUNTA COXIM BOMBA SAE C RH NA000169
23 1 CC132759 MONT. DIVISOR DE FLUXO CIRCUITO DE REABASTECIMENTO
24 1 CC172711 SUPORTE P2-T6 BOMBA SOLDA
2
25 2 HHH00311 MANGUEIRA TRANSFERÊNCIA DE PETRÓLEO 4,00 DI
2
26 3 HHH00208 MANGUEIRA TRANSFERÊNCIA DE PETRÓLEO 3,00 DI
2
27 2 HHH00003 MANGUEIRA TRANSFERÊNCIA DE PETRÓLEO 2,00 DI
2
28 4 HHH00030 MANGUEIRA TRANSFERÊNCIA DE PETRÓLEO 1,25 DI
2
29 2 HXC00035 PRESILHA PARAFUSO T 4,00
2
30 2 HXC00250 PRESILHA PARAFUSO T 3,00
2
31 2 HXC00003 PRESILHA PARAFUSO T 2,00
2
32 2 HXC00125 PRESILHA PARAFUSO T 1,25

1
ITEM CHAMADO NO ESQUEMA HIDRÁULICO
2
ITEM NÃO EXIBIDO

Fig. 1.2-5A, Montagem bomba de acionamento, CE163067B


PÁGINA 1-35
ITEM QTDE Nº DE DESCRIÇÃO
1 1 PEÇA
CD182528 TANQUE HYD 890 L SST SOLDA
1
2 2R HFS00069 FILTRO MALHA 100 3INNPT 3PSI DESVIO
3 1 CC132752 TANQUE HYD ADAPT. VÁLVULA SOLDA
1
4 2R HVT00292 VÁLVULA ESFERA 3,00 11BSP LATÃO
1
5 1R PTE00057 ADAPT. SUÍV. 3,00-11BSP SAE H-BARB 45
1
6 1R HFR00005 FILTRO INT. TANQUE 135 GPM 2,00 SAE 10um "T"
1
6 1R HFR00114 ELEMENTO, FILTRO INT. TANQUE 135 GPM 2,00 SAE 10um "T"
7 1 CB162126 JUNTA MONTAGEM DO FILTRO (ESTILO ANTIGO)
8 4 BFC00036 HHCS 0,38-16UNC X 1,25 A449
9 4 BFW00003 ARRUELA DE PRESSÃO 0,38 STL
10 1 HXF00173 FLG CONJUNTO SAE FENDA CÓDIGO 61 2,00
11 1 CC130506 MONTAGEM RETORNO DO COLETOR (HPCL) STD
12 1 BFC00048 HHCS 0,38-16UNC X 5,00 A449
13 1 BFN00076 PORCA HX NYLOCK 0,38-16UNC STL
14 1 HHA10678 ADAPT. 2,00MJIC-2,00MOR
15 1 CC130579 MONT. RETORNO DO COLETOR ALUM (VEJA A FIG. 1.2-19)
16 2 HHA20317 ADAPT. 0,75MJIC-1,25MNPT 90
17 1 HRS00002 VISOR DE NÍVEL 12,00, 0,25MNPT
2
18 1R AVT00085 VÁLVULA NÍVEL 0,13NPT IN 0,25NPT ESCAPAMENTO
2
19 1R VXX00088 APITO OPERADO POR AR TOM ÚNICO
1
20 1R ITS00125 POÇO DE PROTEÇÃO 0,50MNPT
1
21 1R ITM00002 TERMÔMETRO 10-204,4C
22 1 CC172737 TUBULAÇÃO SUCÇÃO SOLDA
1
23 1R HVT00293 VÁLVULA ESFERA 4,00 11BSP LATÃO
1
24 1R CC172731 TUBULAÇÃO SUCÇÃO BIPARTIDA SOLDA
1
25 1R HFS00053 PENEIRA 4,00FNPT SUC 100 MALHA 300GPM
1
26 1R PTE00063 ADAPT. SUÍV. 3,00-11BSP – 3,00

1
ITEM CHAMADO NO ESQUEMA HIDRÁULICO
2
ITEM CHAMADO NO ESQUEMA PNEUMÁTICO
Fig. 1.2-6A, Montagem do tanque hidráulico 890 litros, CE132761C
PÁGINA 1-38
Escopo:
Este documento
ESPEC fornece
MOTOR uma HAZLOC
especificação por escrito
ZONA para uma
2 C9 COM Área de Perigo CAT C-9 (HazLoc)
DESLIGAMENTOS
Motor acondicionado em uma plataforma base, integrado com sistemas de refrigeração e
desligamento de segurança, pronto
para instalação em um alojamento de energia de tubulação enrolada.
O conjunto deve ser fornecido com uma Declaração de Conformidade da UE para todas as
diretivas europeias pertinentes, incluindo a Diretiva ATEX, em conformidade com a categoria 3G,
Grupo Gas IIA, Classe de temperatura T3, conseguida através da aplicação da EN1834-1 e
EN60079, conforme apropriado.
O equipamento é também certificado em conformidade com os requisitos das normas históricas
EEMUA Nº 107 (1992) e OCMA MEC-1, que forneceram a base técnica para a EN1834-1.

Além disso, o equipamento é certificado em conformidade com a norma BP GS 134-8 (1998), uma
nova publicação da norma habitualmente citada BP 200 (1981) para a proteção de motores diesel
que operam em áreas de perigo Zona 2.
Série do Motor: Caterpillar C-9
Classificações e especificações:
1. 340 BHP - a 2200 rpm (classificação IND-D)
2. Cilindros/configuração - 6 em linha
3. Deslocamento - 537 pol. cúb., 8,8 L
4. Diâmetro x curso – 4,41 x 5,87 pol.
5. Altura – 42,6 pol.
6. Comprimento – 44,4 pol.
7. Largura – 35,1 pol.
8. Aspiração – turbocompressor – ar para ar pós-arrefecido

O motor cumpre com os requisitos de emissões não correntes EPA nível 3 e Euro estágio IIIA para
motores industriais não rodoviários
 
Motor diesel Industrial, certificado HazLoc pela Caterpillar para a diretiva ATEX 94/9/EC utilizando a
EN1834-2000. Categoria 3G, Grupo Gas IIA, Classe de temperatura T3 (200 °C)
Características do motor: 
1. Rotação anti-horária voltada ao volante
2. Compartimento do volante SAE nº 1
3. O volante sem rolamento piloto tem 2,833 pol. / 2,836 diâmetro do piloto e 18,375 pol. placa
de acionamento
4. Vareta instalada no lado esquerdo voltada ao volante (longe do resfriador de gás)
5. Sistema de escapamento fornecido como parte do sistema de proteção do motor
6. Montagem do motor dianteiro, rígida
7. Montagem do motor traseiro, rígida
8. Suportes de elevação do motor
9. Ventilador, tipo empurrador, não metálico - Proteção do ventilador, duas peças, divididas
para facilitar o acesso
10. Ar de partida com silenciador, válvula de relé de partida e partida permissiva. (Em
conformidade com categoria 3G IIA T3)
11. Compressor de ar 13 CFM fornecido pela Caterpillar, acionamento direto da transmissão
dianteira, montado no lado esquerdo do motor, regulador de ar definido em 120 psi. O
compressor irá descarregar na cabeça do compressor.

Fig. 1.2-12, Especificação do motor da zona II, CA112188 (folha 1 de 5)

1-40
Bujão de drenagem do cárter com válvula ¾ pol. NPT instalada no lado esquerdo (voltada ao
volante) localizada a 18 pol.HAZLOC
ESPEC MOTOR da extremidade
ZONA da 2plataforma
C9 COM DESLIGAMENTOS
12. Enchimento de óleo curto na face frontal LH do compartimento dianteiro
13. Radiador e refrigerador de ar de carga, classificados em 50 °C e soldados. A capacidade de
refrigeração do sistema garante a refrigeração adequada no mínimo da potência classificada; em
uma temperatura ambiente de 50 °C. O radiador é dimensionado para 50 °C, os sistemas
elétricos do motor são certificados CAT em 45 °C e as temperaturas da carcaça do motor são
certificadas CAT em 29 °C na potência máxima.
14. Elemento do filtro de ar substituível, o modelo deve ser selecionado pelo fornecedor do motor.
15. Cobertura contra chuva para o filtro de ar
16. Todo o equipamento para concluir a instalação da entrada de ar inclui tubos, cotovelos, juntas
flexíveis e presilhas
17. Módulo de Controle Eletrônico (ECM) montado no motor pela Caterpillar com proteção para área
de perigo (HazLoc)
18. Motor, radiador, entrada e escapamento de ar, todos montados em plataforma fabricada com coluna
universal de 6 pol.
19. Todas as mangueiras são resistentes ao fogo, conexões de mangueiras do tipo aperte e trave
não são permitidas na montagem de motores, mas podem ser usadas dentro do painel de
desligamento de segurança incluído.
20. Alternador de 24 VDC e 50 A. Proteção total em torno das correias do alternador e polias. (Em
conformidade com categoria 3G IIA T3)
21. Filtro de combustível e separador de água - lado LH do motor (longe do resfriador de gás)
22. Filtro de óleo montado remotamente - lado LH do motor (longe do resfriador de gás)
23. Um chicote de fios de controle inflamável, 7,6 m de comprimento. Um chicote de fios de
controle não inflamável, 7,6 m de comprimento. Um conduíte de metal flexível, 15,2 m de
comprimento. Quatro cotovelos conduítes de 45 graus. Pinos ECM conforme necessário
24. Ativar comunicações ECM SAE J1939
25. Configurar ECM:
a. Advertência do motor para baixa pressão de óleo (desligamento por sistema de
segurança pneumático)
b. Advertência do motor para alta temperatura do líquido refrigerante (desligamento
por sistema de segurança pneumático)
c. Advertência do motor para velocidade excessiva, conforme abaixo (desligamento
por sistema de segurança pneumático)
i. VELOCIDADE MÁXIMA = 2200 RPM
ii. VEL. DE ADVERTÊNCIA = 2400 RPM
26. Correias do ventilador antiestáticas (resistentes ao fogo), todas as correias de acionamento são
totalmente protegidas
27. Um termostato padrão de saída de água refrigerada (82 °C), do tipo de bloqueio parcial;
28. Todas as linhas de controle ligadas ao painel do anteparo na parte traseira da plataforma do motor
no lado esquerdo (vista voltada ao volante); painel marcado com letras de identificação
 
Características do sistema de proteção do motor:
 

Sistema de entrada:

1. Conjunto entrada de ar corta-fogo Novex adequado para Grupo Gas IIA.


Completo com adaptador, junta e kit de fixação

2. Válvula de desligamento da entrada de ar. Fechamento por mola, acionamento por ar.
HRUK.

3. Cotovelo de entrada modificado CAT C-9.


1-41
Sistema de escapamento:
ESPEC MOTOR HAZLOC ZONA 2 C9 COM DESLIGAMENTOS

1. Tubulação flexível escapamento "duplex" refrigerado à água - saída de escapamento do


turbocompressor para exaustão do resfriador de gás. Projetado para limitar a temperatura
do gás e da superfície do refrigerador abaixo de T3 (200 °C), fornecido como parte do
Conjunto Resfriador de Gás

Fornecido com anel e elementos de fixação para instalação no turbocompressor

2. Escapamento de proteção refrigerador de gás do motor NOVEx, com montagem lateral,


saída de peça única superior Plenum, entrada de escapamento inferior Plenum, fornecido
como parte do Conjunto Resfriador de Gás
Fornecido com elementos de fixação e juntas

3. Dois escapamentos corta-fogo de longa duração, Grupo Gas IIA, tipo placa, todo
construído em aço inoxidável e projetado de acordo com as dimensões recomendadas na
EN1834- 1:2000. Fornecido como parte do Conjunto Resfriador de Gás

4. Silenciador único supressor de faíscas em aço inoxidável 6 pol. Observação: Certificado


DNV. Flange de entrada adequado para o contato com escapamento seco flexível.

5. Conjunto de fixação para o escapamento corta-fogo, fornecido como parte do Resfriador


de Gás

Itens diversos:

1. Dois elementos inertes de escapamento corta-chama, fornecidos como parte do


Conjunto Resfriador de Gás
2. Escapamento seco flexível flangeado para fixação entre o supressor de faíscas e o
resfriador de gás do escapamento.
3. Capota desviadora do líquido refrigerante, desviador de fluxo e junta.
4. Escapamento supressor de chamas de contrapressão.

Instalação elétrica:

1. O alternador é parte da alimentação do motor, veja acima.


2. Bateria NOVEx. Categoria 3G, proteção Ex nA. 24V DC 120 A/h com isolador
integrado, circuito de proteção e caixa de junção.
3. O alternador será conectado à bateria para teste do equipamento. O alternador será
desconectado antes do transporte e a extremidade do cabo protegida. A bateria será
transportada solta. O chicote de fios cliente ECM será deixado desconectado e protegido
contra intempéries.

1-42
Invólucro do sistema de segurança do motor e componentes associados
ESPEC MOTOR HAZLOC ZONA 2 C9 COM DESLIGAMENTOS
Desligamento pneumático:

O sistema de segurança do motor é uma instalação pneumática simples com base em peças de
catálogo. Ele é completamente independente do ECM na sua função de segurança. Para
conseguir isso, o sistema de segurança do motor tem redundância total de sensores do motor,
lógica e atuadores.

O sistema de segurança do motor é à prova de falhas, exigindo ar para ser executado. A


válvula de ar de admissão e os atuadores da válvula de combustível são acionados por mola e
normalmente fechados. Todos os sensores são normalmente fechados e abrem-se em seus
pontos de ajuste.

Durante a partida, a pressão do óleo do motor leva um curto espaço de tempo para se
estabelecer. Um botão interruptor momentâneo é fornecido, a "partida permissiva", a ser
realizada pelo operador até que o indicador de desligamento da pressão do óleo exiba a
cor verde.

Para permitir que a cabine do operador remoto faça uma parada de emergência eficaz, o
sistema de segurança do motor tem uma ligação por meio de uma válvula de ar operada por
solenoide, normalmente fechada, classificada para área de risco.

Para auxiliar em paradas rápidas do motor e com menos tensão sobre ele, o sistema de
segurança tem um interruptor de pressão (a ser tratado eletricamente como "aparelho
simples"). O interruptor de pressão é
configurado para abrir em conjunto com a válvula de combustível independente. O interruptor
de pressão de abertura deve ser incorporado na instalação de controle do motor cliente,
desligando a linha de comando do ECM.

O sistema de segurança do motor provê o desligamento automático da admissão de ar e


combustível no ECM em caso de:

A. Velocidade excessiva do motor


B. Ativação da parada de emergência manual
C. Dispositivo de bloqueio remoto a partir da interface do cliente (por
exemplo, parada de emergência da cabine do operador)

O sistema de segurança do motor provê o desligamento automático do combustível no ECM em caso de:

D. Alta temperatura dos gases do escapamento


E. Alta temperatura do líquido refrigerante
F. Baixa pressão do óleo
G. Perda de líquido refrigerante

1-43
Os itens que estão incluídos no kit de controle são os seguintes:
ESPEC MOTOR HAZLOC ZONA 2 C9 COM DESLIGAMENTOS
a. Válvula de excesso de velocidade, pneumática
b. Sonda de alta temperatura dos gases do escapamento 200 °C
c. Sonda de alta temperatura do líquido refrigerante 100 °C
d. Medidor de temperatura do líquido refrigerante
e. Sonda de baixa pressão do óleo
f. Partida permissiva (reinício do sistema/supressão da partida) para
montagem do painel de controle
g. Parada de emergência manual para a montagem do painel de controle
h. Circuito de controle limitador variável
i. Medidor de temperatura dos gases do escapamento
j. Perda da válvula do líquido refrigerante

Testes, Identificação e Documentação


O equipamento deve ser identificado em aço inoxidável, marcado de acordo com a EN1834-1, EN60079
e com a Diretiva ATEX. A rotulagem deve identificar o equipamento como categoria 3G, Grupo Gas
IIA e Classe de temperatura T3, indicando que é adequado para uso em áreas Zona 2, onde um risco de
hidrocarboneto pode estar presente.

OBSERVAÇÃO: A identificação da área de perigo não abrange outras partes da instalação posterior, por
exemplo, o painel de controle do motor.

O conjunto deve ser fornecido com uma Declaração de Conformidade da UE para todas as diretivas
europeias pertinentes, incluindo a Diretiva ATEX, em conformidade com a categoria 3G, Grupo Gas
IIA, Classe de temperatura T3, conseguida através da aplicação da EN1834-1 e EN60079, conforme
apropriado.

O equipamento será fornecido com um certificado adicional de conformidade com os requisitos de


EEMUA Nº 107 (1992), OCMA MEC-1, BP GS 134-8 (1998) e BP 200 (1981).

Presilhas, fixadores e outros artigos diversos de montagem serão de boa qualidade comercial. Os
fixadores serão, em geral, do sistema ISO métrico. Os fixadores não deverão ser totalmente pintados,
serão de aço inoxidável.

O equipamento não será totalmente pintado. As peças da máquina, incluindo o motor, serão deixadas em
seus acabamentos originais. As construções, incluindo a estrutura da base, serão fundidas e ricas em
preparação com zinco para evitar corrosão.

Fig. 1.2-12, Especificação do motor da zona II, CA112188 (folha 5 de 5)

1-44
ITEM QTDE Nº DE DESCRIÇÃO
1 1 PEÇA
CC163065 PAINEL CONTROLE PP HYDR ENGR
1
2 1R HVR00097 VÁLVULA DE ALÍVIO REMOTO 100-3000 PSI
1
3 1R HVF00049 VÁLVULA NDL 0,75FNPT
1
4 2R HVT00024 VÁLVULA ESFERA DUAS VIAS 0,25FNPT BLK ANG
1
5 1R HVT00189 VÁLVULA ESFERA TRÊS VIAS 0,50FNPT
6 1 CB170642 INDICADOR VÁLVULA FAB
1
7 4R HVT00041 VÁLVULA ESFERA DUAS VIAS 0,25FNPT BLU
1
8 3R IPM00016 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-5000 P/B 2,50 CBMFF HR
1
9 6R IPM00017 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-3000 P/B CBMFF HR
1
10 1R IPM00014 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-600 P/B 2,50 CBMFF HR
1
11 1R IPM00327 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-10000 P/B 2,50 CBMFF HR
2
12 1R IPM00366 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-160 P/B 2,50 CBM
13 4 BFC00604 SHCS 0,25-20UNC X 1,00 18-8 SST
14 4 BFN00200 PORCA HX STD 0,25 20UNC 18-8 SST
15 36 BFC01319 SHCS #6-32 X 0,50 STD HD SST
16 36 BFN00379 PORCA HX NYLOCK #6-32UNC 18-8 SST
17 4 BFC00691 HHCS 0,31-18UNC X 3,00 18-8 SST
18 4 BFN00291 PORCA HX TRAVA 0,31 18UNC 18-8 SST
19 4 BFW00072 ARRUELA DE PRESSÃO 0,31 18-8 SST

1
ITEM CHAMADO NO ESQUEMA HIDRÁULICO
2
ITEM CHAMADO NO ESQUEMA PNEUMÁTICO
Fig. 1.2-8A, Montagem do painel de controle hidráulico, CD132754

PÁGINA 1-45
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 * 1R AAD00012 SECADOR DE AR (CONSULTE OS MANUAIS DE SERVIÇO)
2 1 HHA20006 ADAPT. 0,50MNPT - 0,50MNPT 90
3 1 HHA40017 ADAPT. 0,50FNPT - 0,50FNPT -0,50FNPT
4 1 HHA20042 ADAPT. 0,75MJIC - 0,50MNPT 90
6 1 HHA20028 ADAPT. 0,25MNPT - 0,25MJIC 90
7 5,00 HHH00009 AQUECEDOR DE MANGUEIRA 1,00 DI
8 1 HXC00049 PRESILHA ENGRENAGEM SEM FIM 1,00 DIA
9 * 1R AAD00013 TAMPA ESCAPAMENTO DO SECADOR DE AR
10 * 2R AVC00001 VÁLVULA DE RETENÇÃO 0,50MNPT 250 PSI
12 2 HHA10125 ADAPT. 0,50FNPT - 0,50MJIC

* ITEM CHAMADO NO ESQUEMA PNEUMÁTICO

Fig. 1.2-9A, Montagem do secador de ar, CC142406D

PÁGINA 1-47
Descrição da montagem do cabo de suspensão:

Montagem do cabo de suspensão de quatro pernas. Cada um é constituído por:


“A” =142” (Veja os detalhes)

Capacidade nominal: 20.000 lb, considerando que apenas três pernas serão utilizadas, em
um ângulo de 600 em relação à horizontal.

Fig. 1.2-10, Especificação do cabo de suspensão DNV de quatro pernas do alojamento de energia,
CA102187A
PÁGINA 1-49
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 HHX00173 AQUECEDOR DO BLOCO DO COLETOR 12-1,00 PORTAS NPT
2 1 HHA30032 ADAPT. 1,25MNPT-1,25MJIC
3 1 HHA20054 ADAPT. 1,25MNPT-1,25MJIC 90
4 2 HHA60006 BUJÃO ADAPTADOR 1,00MNPT
5 1 HHA10631 ADAPT. 1,25MNPT-1,25FJIC SUÍV.
6 5 HHA20028 ADAPT. 0,25MNPT-0,25MJIC 90
7 1 HHA30018 ADAPT. 0,38MNPT-0,38MJIC 45
8 1 HHA30027 ADAPT. 0,75MNPT-0,75MJIC 45
9 2 HHA30030 ADAPT. 1,00MNPT-1,00MJIC 45
10 6 HHA10182 ADAPT. 1,00MNPT-0,25FNPT
11 1 HHA10026 ADAPT. 1,00MNPT-0,38FNPT
12 1 HHA10028 ADAPT. 1,00MNPT-0,75FNPT

Fig. 1.2-11A, Montagem do filtro do coletor de retorno do tanque hidráulico,


CC130579C

PÁGINA 1-50
CONJUNTO DE MANGUEIRAS DOS CONTROLES PNEUMÁTICOS DO ALOJAMENTO DE ENERGIA 11177
Observações padrão: (Aplicável para todas as mangueiras na lista) Abreviações
PACOTE EM ENVOLTÓRIO PRETO. NÃO DOBRE UMA EXTREMIDADE. Desconexão rápida Tamanho Conexões da
extremidade
Observações especiais: (Aplicável somente às mangueiras indicadas) AQ = Aeroquip -4 = 1/4" Gêneros:
Hyd Inc = Hydraulics Inc. -6 = 3/8" M = Macho
Snap = Snaptite -8 = 1/2" F = Fêmea
-10 = 5/8"
-12 = 3/4" SAE = Anel-O SAE
-16 = 1" FFOR = Anel-O de face plana
Contorno da mangueira: Envoltório de Cordura -20 = 1-1/4" SF = Flange da fenda
-24 = 1-1/2"
-32 = 2"
-48 = 3"

2 20 EA HHF00093 FTG -4 FJIC SVL, STR


MANGUEIRA -4G2 0,25 DI
1 20 FT HHH00032 58
Qt Número de
Rev Item de UM peça Descrição

Fig. 1.2-12, Conjunto de mangueiras dos controles pneumáticos do alojamento de energia, CA142060 (folha 1 de 2)

PÁGINA 1-52
CONJUNTO DE MANGUEIRAS DOS CONTROLES PNEUMÁTICOS DO ALOJAMENTO DE ENERGIA 11177
Man Adaptador  Adaptador 
guei Etiq Comprim da  Extremidade  Extremidade  da  Mangueira à 
Alt.  ra  ueta  Mangu Comprimen ento  Tampa/bujã Extremidade  extremidade  A  B  extremidade  Extremidade  Tampa/bujã prova de 
rev.  Nº  nº  eira  to de corte  final  o  A QD  A  Conexões  Conexões  B  B QD  o  Descrição do roteamento  fogo 
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
1 4G2 21 - 1/2 pol. 24,00      
Str#2 Str#2
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
2 4G2 21 - 1/2 pol. 24,00      
Str#2 Str#2
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
3 4G2 21 - 1/2 pol. 24,00      
Str#2 Str#2
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
4 4G2 21 - 1/2 pol. 24,00      
Str#2 Str#2
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
5 4G2 21 - 1/2 pol. 24,00      
Str#2 Str#2
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
6 4G2 21 - 1/2 pol. 24,00      
Str#2 Str#2
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
7 4G2 21 - 1/2 pol. 24,00      
Str#2 Str#2
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
8 4G2 21 - 1/2 pol. 24,00      
Str#2 Str#2
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
9 4G2 21 - 1/2 pol. 24,00      
Str#2 Str#2
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
10 4G2 21 - 1/2 pol. 24,00      
Str#2 Str#2

Fig. 1.2-12, Conjunto de mangueiras dos controles pneumáticos do alojamento de energia, CA142060 (folha 2 de 2)
PÁGINA 1-53
Fig. 1.2-13, Hose Diagram, CE002367C
PAGE 1-55
ITEM QTDE Nº DE DESCRIÇÃO
1 1 PEÇA
CA112188 ESPEC MOTOR C9 ZONA II SPEC (VEJA A FIG. 1.2-7)
2 8 BFC00099 HHCS 0,63-11UNC X 1,50 A449
3 8 BFW00037 ARRUELA PL TIPO B SÉRIE R 0,63 STL
4 8 BFN00035 PORCA HX STD 0,63-11UNC A563
5 8 BFW00007 ARRUELA DE PRESSÃO SPLIT 0,63 STL
6 1 CD163077 INSTAL ALOJAMENTO DA BATERIA
7 4 BFC00068 HHCS 0,50-13UNC X 1,50 A449
8 4 BFN00005 PORCA SEX HVY 0,50-13UNC A563
9 4 BFW00005 ARRUELA DE PRESSÃO 0,50 STL
10 4 BFW00035 ARRUELA PL TIPO B SÉRIE R 0,50 STL
11 1 CE122206 INSTAL PAINEL CONTROLE MOTOR
12 *1 CD122209 INSTAL CHAVE ESD PRESSÃO
13 *1 CD122211 INSTAL VÁLVULA ÓLEO MOTOR - BLOQUEIO AR

* ITEM NÃO EXIBIDO


Fig. 1.3-1A, Instalação do motor zona II CAT 9, CD112191E

PÁGINA 1-57
ITEM QTDE Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CE132761 MONT. TANQUE HIDRÁULICO 890 L (VEJA A FIG. 1.2-11)
2 2 CC170632 SOLDAGEM ALÇA TANQUE HID (STD)
3 4 BFC00595 HHCS 0,50-13UNC X 2,50 18-8 SST
4 4 BFW00077 ARRUELA PL TIPO A SÉRIE N 0,50 18-8 SST
5 4 BFN00183 PORCA HX NYLOCK 0,50-13UNC 18-8 SST
6 1 CB000488 DECAL FLUIDO HIDRÁULICO
7 6,1 m RER00010 SEPARADOR BORRACHA 0,13-2,00 60 DURO "T"
8 2 HHA10074 ADAPT. 1,50MNPT-1,50MJIC
9 1 CA132082 ESPECIFICAÇÃO MANGUEIRA ALÇAPÃO/DRENO
10 1 CB072160 MONT. VÁLVULA ESFERA SOLDAGEM
11 1 CB132670 INSTAL.TANQUE HID COXIM ROSCADO FAB
12 1 HHA10732 ADAPT. 1,50MNPT-0,75MNPT
13 *1 HVT00057 VÁLVULA ESFERA 0,75FNPT 600 PSI BRZ
14 1 HHA60005 BUJÃO ADAPTADOR 0,75MNPT
15 2 BFC01250 HHCS 0,50-13UNC X 0,75 18-8 SST
16 2 BFW00052 ARRUELA PL TIPO B SÉRIE W 0,50 18-8 SST
17 2 CC172698 MONT. RETORNO FILTRO SST (HPCL) SOLDA
18 1 CC132171 MONTAGEM FILTRO REABASTECIMENTO P-11
19 1 CC132172 MONT. FILTRO REABASTECIMENTO P-11 PRESS CARGA
20 8 BFC00033 HHCS 0,38-16UNC X 0,75 A449
21 8 BFW00003 ARRUELA DE PRESSÃO 0,38 STL

* ITEM CHAMADO NO ESQUEMA HIDRÁULICO


Fig. 1.3-2A, Instalação do tanque hidráulico 890 litros, CE132763B

PÁGINA 1-60
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CD163049 MONT. TANQUE COMBUSTÍVEL 378 L
2 2 CD172520 ALÇA TANQUE COMBUSTÍVEL CS SOLDA
3 3.33 FT RER00010 SEPARADOR BORRACHA 0,13-2,00 60 DURO "T"
4 4.33 FT RER00010 SEPARADOR BORRACHA 0,13-2,00 60 DURO "T"
5 4 BFC01275 HHCS 0,50-13UNC X 4,50 18-8 SST
6 4 BFW00052 ARRUELA PL TIPO B SÉRIE W 0,50 18-8 SST
7 4 BFN00183 PORCA HX NYLOCK 0,50-13UNC 18-8 SST
8 1 CB102004 RÓTULO TANQUE COMBUSTÍVEL 378 L
9 1 RXX00042 CARTUCHO SELANTE SILICONE TRANSPARENTE 320 G
10 1 CB163109 MONT. PLATAFORMA FILTRAGEM DIESEL BHP

Fig. 1.3-4A, Instalação do tanque hidráulico 378 litros, CE163062C


PÁGINA 1-63
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 * 6R HAB00037 ACUMULADOR 57 LITROS (CONSULTE OS MANUAIS DE SERVIÇO)
2 * 1R HAB00024 ACUMULADOR 19 LITROS (CONSULTE OS MANUAIS DE SERVIÇO)
3 * 1R HAB00010 ACUMULADOR 9,5 LITROS (CONSULTE OS MANUAIS DE SERVIÇO)
4 7 HAC00006 SUPORTE BASE DO ACUMULADOR COM ANEL DE BORRACHA
5 16 BFC01344 HHCS 0,63-11UNC X 2,00
6 20 BFN00372 PORCA HEX NYLOCK 0,63-11UNC
7 8 BFC01055 HHCS 0,63-11UNC X 1,00
8 28 BFW00054 ARRUELA DE PRESSÃO 0,63
9 4 BFC00784 HHCS 0,63-11UNC X 1,25
10 15 HAC00001 PRESILHA DO ACUMULADOR
11 8 BFC00721 HHCS 0,50-13UNC X 1,75
12 22 BFN00183 PORCA HEX NYLOCK 0,50-13UNC
13 8 BFC01250 HHCS 0,50-13UNC X 0,75
14 30 BFW00053 ARRUELA DE PRESSÃO 0,50
15 6 BFC00645 HHCS 0,50-13UNC X 1,25

* ITEM CHAMADO NO ESQUEMA HIDRÁULICO

Fig. 1.3-5A, Instalação do acumulador (Seis 57-litros./19-litros/9,5-litros) , CD132555

PÁGINA 1-66
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1
1 1R HVD00330 VÁLVULA SELETORA DE TRÊS VIAS
2
2 1R CD100011 RÓTULO DE MONTAGEM
3 2 BFC00041 HHCS 0,38-16UNC X 2,50 A449
4 2 BFN00031 PORCA HX STD 0,38-16UNC A563
5 2 BFW00003 ARRUELA DE PRESSÃO 0,38 STL
6 2 BFR00011 REBITE ALUM 0,188 X 0,126-0,250 GRIP
7 6 HHA10026 ADAPT. 1,00MNPT-0,38FNPT
8 2 HHA20004 ADAPT. 0,38MNPT-0,38MNPT 90
9 4 HHA20034 ADAPT. 0,38MNPT-0,38MJIC 90
10 1 HHD06006 CPLG QD 0,38FNPT NIP
11 1 HHD06005 TAMPA DE PROTEÇÃO -6 QD NIP AQ56
12 1 HHD06003 CPLG QD 0,38FNPT CPLR
13 1 HHD06004 BUJÃO DE PROTEÇÃO -6 QD CPLR AQ56

1
ITEM CHAMADO NO ESQUEMA DA LINHA DE
2 Í
ITEM CHAMADO NO ESQUEMA DA MONTAGEM DO NÍVEL

Fig. 1.3-6A, Instalação da válvula seletora de combustível, CC112189

PÁGINA 1-69
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 * 1R HXH00119 TROCADOR DE CALOR 160HP 150GPM 2-MOTORES "T"
2 2 HHA10678 ADAPT. 2,00MJIC-2,00MOR
3 1 CC160320 VENTILADOR MÓD. TROCADOR DE CALOR
4 1 RER00052 SEPARADOR BORRACHA 0,50-2,00-36,00
5 4 BFC01280 HHCS 0,50-13UNC X 3,50 18-8 SST
6 8 BFW00077 ARRUELA PL TIPO A SÉRIE N 0,50 18-8 SST
7 4 BFN00183 PORCA HX NYLOCK 0,50-13UNC 18-8 SST
8 2 HHA10051 ADAPT. 0,50MNPT-0,25MJIC
9 2 HHA60043 ADAPT. 0,25JIC CAP
10 4 HHA10210 ADAPT. 0,50MOR-0,38FNPT
11 2 HHA40028 ADAPT. 0,38MJIC-0,38MNPT-0,38MJIC
12 1 HHA40003 ADAPT. 0,38MNPT-0,38MNPT-0,38MNPT
13 1 HHA20149 ADAPT. 0,38MJIC-0,38FNPT 90
14 2 HHA10048 ADAPT. 0,38MNPT-0,38MJIC
15 * 1R HVC00016 VÁLVULA DE RETENÇÃO 0,38FNPT LATÃO 3K PSI
16 2 BFC00938 HHCS 0,38-16UNC X 1,25 18-8 SST
17 2 BFN00182 PORCA HX NYLOCK 0,38-16UNC 18-8 SST
18 2 CB132751 SUPORTE TROCADOR DE CALOR MÁQUINA
19 1 CB132349 ADAPT. 2 FJIC-2 MJIC 90 COM MÓD. 0,25FNPT
20 1 CB132778 ADAPT. 2 F-MJIC 90 COM MÓD. 0,25-0,50FNPT

* ITEM CHAMADO NO ESQUEMA HIDRÁULICO

Fig. 1.3-7A, Instalação do trocador de calor, CD132750A

PÁGINA 1-72
ALOJAMENTO DE ENERGIA HYDRA RIG

Solução de problemas

PÁGINA 1-74
CABINE HYDRA RIG

CABINE HYDRA RIG 501


ADVERTÊNCIA
OS ACUMULADORES DEVEM SER DRENADOS A ZERO (0,0) ANTES DE
DESCONECTAR A CABINE DO ALOJAMENTO DE ALIMENTAÇÃO.

Painel de Controle Superior da Cabine

Fig. 2-1, Painel de Controle Superior

1. PRESSÃO RAM SEM SAÍDA BOP – Medidor que indica a quantidade de pressão
fornecida ao circuito ram sem saída BOP. (Veja a Fig. 2-1)

2. PRESSÃO RAM DE CISALHAMENTO BOP – Medidor que indica a quantidade


de pressão fornecida ao circuito ram de cisalhamento BOP. (Veja a Fig. 2-1)

3. PRESSÃO RAM DE CUNHA BOP – Medidor que indica a quantidade de pressão


fornecida ao circuito ram de cunha BOP. (Veja a Fig. 2-1)

4. PRESSÃO RAM DE TUBO BOP – Medidor que indica a quantidade de pressão


fornecida ao circuito ram de tubo BOP. (Veja a Fig. 2-1)

5. MÓDULO INDICADOR DO MOTOR – Indica a rotação do motor, pressão do


óleo, temperatura do líquido refrigerante e tensão do sistema. (Veja a Fig. 2-1)

6. INDICADOR DE PESO (Veja a Fig. 2-1)

7. PRESSÃO CIRCULANTE – Medidor que indica a pressão sendo injetada no poço


através da unidade de tubulação enrolada. (Veja a Fig. 2-1)
8. FREIO INJETOR DE EMERGÊNCIA – Uma válvula de três vias que direciona o
fluido hidráulico para o freio injetor imediatamente. (Veja a Fig. 2-1)

9. PRESSÃO NA CABEÇA DO POÇO – Medidor que indica a pressão na cabeça do


poço. (Veja a Fig. 2-1)

PÁGINA 2-1
CABINE HYDRA RIG

10. PRESSÃO NO FREIO INJETOR – Medidor que indica a quantidade de pressão


hidráulica no freio injetor. (Veja a Fig. 2-1)

11. PRESSÃO DE CARGA – Medidor que indica a pressão de carga na bomba


hidráulica. (Veja a Fig. 2-1)
12. PRESSÃO NO FREIO DO CARRETEL – Medidor que indica a quantidade de
pressão hidráulica no freio do carretel. (Veja a Fig. 2-1)

13. PRESSÃO DE PRIORIDADE – Medidor que indica a pressão no circuito de


prioridade de tração. (Veja a Fig. 2-1)

14. PRESSÃO DE DESLOCAMENTO NO MOTOR INJETOR – Medidor que


indica o deslocamento do motor. (Veja a Fig. 2-1)

15. PRESSÃO NA BOMBA MANUAL – Medidor que indica a pressão sendo fornecida
aos cilindros de tração de emergência. (Veja a Fig. 2-1)

16. PRESSÃO DO SEPARADOR Nº 1 – Medidor que indica a pressão do separador Nº


1. (Veja a Fig. 2-1)

17. PRESSÃO DO SISTEMA PNEUMÁTICO – Medidor que indica a pressão de


saída do circuito do sistema pneumático. (Veja a Fig. 2-1)

18. PRESSÃO NA TENSÃO DA CORRENTE – Medidor que indica a pressão


hidráulica atual dentro dos cilindros de tensão. (Veja a Fig. 2-1)

19. PRESSÃO NA TRAÇÃO SUPERIOR – Medidor que indica a pressão no cilindro


de tração superior. (Veja a Fig. 2-1)

20. PRESSÃO NA TRAÇÃO MÉDIA – Medidor que indica a pressão no cilindro de


tração médio. (Veja a Fig. 2-1)

21. PRESSÃO NA TRAÇÃO INFERIOR – Medidor que indica a pressão no cilindro


de tração inferior. (Veja a Fig. 2-1)

22. PRESSÃO NO SUPRIMENTO DA TRAÇÃO – Medidor que indica a pressão


hidráulica que está sendo aplicada à válvula liga/desliga da tração enquanto o
fornecimento da tração de emergência está na posição desligada. (Veja a Fig. 2-1)

23. PRESSÃO DO SEPARADOR Nº 2 – Medidor que indica a pressão do separador Nº


2. (Veja a Fig. 2-1)

24. PRESSÃO NO PILOTO INJETOR – Medidor que indica a pressão de saída da


válvula de controle do piloto injetor (pressão da direção do curso). (Veja a Fig. 2-1)

25. PRESSÃO NO MOTOR DO CARRETEL – Medidor que indica a quantidade de


pressão hidráulica no motor de acionamento do carretel. (Veja a Fig. 2-1)

PÁGINA 2-2
CABINE HYDRA RIG

26. PRESSÃO NO MOTOR INJETOR – Medidor que indica a pressão aplicada aos
motores injetores. (Veja a Fig. 2-1)
27. PARADA DE EMERGÊNCIA DO MOTOR – Interruptor de alavanca que permite
ao operador parar o motor em uma situação de emergência. (Veja a Fig. 2-1)
28. PRESSÃO DO SISTEMA BOP – Medidor de pressão que indica a pressão do
circuito BOP. (Veja a Fig. 2-1)

29. PRESSÃO DA VÁLVULA DO CARRETEL – Medidor de pressão que indica a


pressão do circuito da válvula do carretel. (Veja a Fig. 2-1)

30. PRESSÃO RAM DA VÁLVULA DE FLUXO BOP – Medidor que indica a


quantidade de pressão fornecida ao circuito ram da válvula de fluxo BOP. (Veja a
Fig. 2-1)

31. PRESSÃO RAM DA VÁLVULA DE CORTE BOP – Medidor que indica a


quantidade de pressão fornecida ao circuito ram da válvula de corte BOP. (Veja a
Fig. 2-1)

32. PRESSÃO RAM DE CISALHAMENTO/VEDAÇÃO BOP – Medidor que indica


a quantidade de pressão fornecida ao circuito ram de cisalhamento/vedação BOP.
(Veja a Fig. 2-1)

33. PRESSÃO RAM DE TUBO/CUNHA BOP – Medidor que indica a quantidade de


pressão fornecida ao circuito ram de tubo/cunha BOP. (Veja a Fig. 2-1)

PÁGINA 2-3
CABINE HYDRA RIG

Painel de Controle Inferior da Cabine

 
Fig. 2-2, Painel de Controle Inferior
1. BUZINA – Botão da buzina. (Veja a Fig. 2-2)

2. BOMBA MANUAL DE EMERGÊNCIA DE PRESSÃO BOP – válvula liga/desliga que


direciona o fluxo da bomba de emergência para o circuito BOP hidráulico não pressurizado.
(Veja a Fig. 2-2)
3. LIMPADOR DA JANELA – Interruptor para controlar o limpador. (Veja a Fig. 2-2)
4. CONTROLE DO CARRETEL – Válvula de quatro vias que seleciona a direção do carretel
de tubulação para a frente (entrada) ou reverso (saída). (Veja a Fig. 2-2)

OBSERVAÇÃO: A VERIFICAÇÃO DE CARGA NÃO ESTÁ INSTALADA


NESTA VÁLVULA.
5. LUBRIFICADOR DO CARRETEL DA TUBULAÇÃO – Uma válvula que controla a
lubrificação para o carretel. (Veja a Fig. 2-2)
6. FREIO DO CARRETEL DA TUBULAÇÃO – Uma válvula liga/desliga de três vias que
direciona o fluido hidráulico para o freio do carretel para liberá-lo. (Veja a Fig. 2-2)
7. LUBRIFICADOR DA CORRENTE DO INJETOR – Válvula que controla a lubrificação
para as rodas dentadas e correntes do injetor. (Veja a Fig. 2-2)
8. FREIO DO INJETOR – Uma válvula liga/desliga de três vias que direciona o fluido
hidráulico para o freio do injetor para liberá-lo. (Veja a Fig. 2-2)

9. AJUSTE DE DESLOCAMENTO DO MOTOR INJETOR – Uma válvula redutora de


pressão que permite ao operador ajustar o deslocamento do motor. (Veja a Fig. 2-2)
10. CONTROLE DO INJETOR – Esta é uma válvula piloto redutora de pressão dupla que
fornece o fluido para a válvula de controle direcional. A operação desta válvula permite o
controle de velocidade ao injetor pela variação da taxa de fluxo de saída da bomba de
alimentação. Ao puxar esta alça para baixo (saída), faz com que o injetor puxe a tubulação
para fora do orifício. Ao puxar esta alça para frente (entrada), faz com que o injetor alimente
a tubulação no orifício. Pastilhas de fricção ajustáveis na válvula de controle permitem que a
alça e a válvula permaneçam na posição de ajuste. (Veja a Fig. 2-2)
PÁGINA 2-4
CABINE HYDRA RIG

11. DRENO DO SEPARADOR – Uma válvula de agulha que drena a pressão do circuito do
separador. (Veja a Fig. 2-2)
12. SELETOR DA BOMBA MANUAL DO SEPARADOR – Válvula usada para selecionar
entre as bombas manuais Nº 1 e Nº 2 do separador. (Veja a Fig. 2-2)
13. SELETOR DE PRIORIDADE DO SEPARADOR – Válvula usada para selecionar entre os
separadores Nº 1 e Nº 2. (Veja a Fig. 2-2)
14. GUARNIÇÃO/NEUTRO/ALOJAMENTO DO SEPARADOR Nº 1 - Uma válvula que
direciona a pressão para a guarnição ou alojamento do separador Nº 1. (Veja a Fig. 2-2)
15. AUMENTO DA TENSÃO DA CORRENTE DO INJETOR – Uma válvula de agulha para
pressurizar os cilindros de tensão externos. (Veja a Fig. 2-2)
16. ALIMENTAÇÃO DA BOMBA MANUAL DE TRAÇÃO DO INJETOR – Uma válvula
de duas vias operada manualmente que permite ao operador fornecer fluido hidráulico para os
cilindros de tração. (Veja a Fig. 2-2)
17. REDUÇÃO DA TENSÃO DA CORRENTE DO INJETOR – Uma válvula de agulha
utilizada para drenar pressão hidráulica dos cilindros de tensão externos. (Veja a Fig. 2-2)
18. TRAÇÃO SUPERIOR – Válvula liga/desliga que direciona fluxo hidráulico pressurizado
para os cilindros de tração superiores. (Veja a Fig. 2-2)
19. TRAÇÃO MÉDIA – Válvula liga/desliga que direciona fluxo hidráulico pressurizado para o
cilindro de tração médio. (Veja a Fig. 2-2)
20. TRAÇÃO INFERIOR – Válvula liga/desliga que direciona fluxo hidráulico pressurizado
para o cilindro de tração inferior. (Veja a Fig. 2-2)
21. PRESSÃO/DRENO DA TRAÇÃO DO INJETOR – Uma válvula hidráulica operada
manualmente que permite ao operador pressurizar ou drenar fluido hidráulico pressurizado
dos cilindros de tração. (Veja a Fig. 2-2)
22. AJUSTE DE PRESSÃO DA TRAÇÃO DO INJETOR – Uma válvula redutora/aliviadora
que drena a pressão dos cilindros de tração internos. (Veja a Fig. 2-2)
23. GUARNIÇÃO/NEUTRO/ALOJAMENTO DO SEPARADOR Nº 2 - Uma válvula que
direciona a pressão para a guarnição ou alojamento do separador Nº 2. (Veja a Fig. 2-2)

24. TRAVA E DESTRAVA HYDRACONN

25. TRAVA/DESTRAVA DE SEGURANÇA HYDRACONN

26. PILOTO DE LIBERAÇÃO DA TENSÃO DA CORRENTE – Uma válvula hidráulica


operada manualmente que permite ao operador drenar fluido hidráulico pressurizado dos
cilindros de tensão. (Veja a Fig. 2-2)

27. AJUSTE DE PRESSÃO – Válvula reguladora usada no ajuste do compensador de pressão


na unidade de alimentação. (Veja a Fig. 2-2)

PÁGINA 2-5
CABINE HYDRA RIG

28. CONTROLE DE VELOCIDADE DO INJETOR – Uma válvula redutora de pressão que


permite ao operador controlar a velocidade do motor injetor. (Veja a Fig. 2-2)
29. AJUSTE DE PRESSÃO DO INJETOR – Uma válvula de controle de pressão operada
manualmente que permite ao operador ajustar o compensador de pressão na unidade de
alimentação. (Veja a Fig. 2-2)

30. AJUSTE DE PRESSÃO DO CARRETEL – Uma válvula de alívio remoto ajusta a pressão
hidráulica para o motor de acionamento do carretel de tubulação. Esta válvula permite ao
operador ajustar remotamente a pressão do zero (0,0) para a posição de alívio completo da
válvula. (Veja a Fig. 2-2)
31. SUBSTITUIÇÃO DO NIVELADOR - Válvula que substitui o nivelador mecânico. (Veja a
Fig. 2-2)
32. BRAÇO DO NIVELADOR - Válvula que levanta e abaixa o braço do nivelador. (Veja a
Fig. 2-2)
33. CONTROLE BOP – Válvula que fornece pressão para controlar o BOP auxiliar. (Veja a
Fig. 2-2)
34. CONJUNTO DE VÁLVULAS BOP DE NOVE SEÇÕES – Conjunto de válvulas que
fornece e controla a pressão para Rams de Tubo, Cunha, Cisalhamento, Fechamento e
Auxiliar. (Veja a Fig. 2-2)

PÁGINA 2-6
HYDRA RIG PB

Lista expandida de peças


(Quando solicitar quaisquer peças, certifique-se de incluir o número
do serviço deste manual localizado na capa deste manual.)
Esta lista expandida é usada para solicitações, emissão e identificação de peças. Pode ser
útil para ilustração da relação de montagem e desmontagem de peças de conjuntos de
peças.
OBSERVAÇÃO: A visão de ilustrações de conjuntos do nível superior pode não refletir
a última revisão. A fatura de materiais reflete a última revisão.

Lista de peças de manutenção


As listas de peças de manutenção servem a conjuntos e subconjuntos principais.
Para auxiliar na identificação por aparência, algumas peças na lista são colocadas em uma
ilustração de vista explodida. Cada conjunto principal é seguido imediatamente pela lista
de seus componentes ou peças detalhadas que pretende mostrar a relação da peça com o
conjunto e a sequência recomendada para desmontagem.
Peças componentes do sistema que não sejam inclusas em qualquer montagem principal,
mas que são usadas em conjunto com, uma parte de, ou anexadas à montagem principal,
são listadas juntas com o conjunto.
Como usar a lista expandida de peças
1. Quando o número da peça não for conhecido, prossiga como segue:
a. Determine a função e aplicação da peça necessária.
b. Volte-se ao índice e selecione o título mais apropriado. Volte-se à página indicada
e localize a peça desejada na ilustração.
c. A partir da ilustração, obtenha o número de índice designado à peça desejada.
Consulte a descrição acompanhante para informações específicas sobre a peça.
2. Quando o número da peça for conhecido, prossiga como segue:
a. Quando o número da peça for conhecido, consulte os índices numéricos (quando
estiver presente). Localizar o número da peça e observe a figura e número de
índice designado à peça.
b. Volte-se à figura indicada e localize o número de índice referido no índice
numérico.
c. Para uma ilustração de uma peça ou sua localização, consulte o mesmo número de
índice na ilustração acompanhante.

PÁGINA 2-7
HYDRA RIG PB

Símbolos e abreviações
Símbolos e abreviações utilizadas nesta lista expandida de peças são os seguintes:
BRS Latão
COP Cobre
DIA Diâmetro
FT Pé/pés
IN Polegada/polegadas
LB Libras/libras
NPT Rosca americana cônica para tubos
DE Diâmetro externo
PSIG Medidor de libras por polegada quadrada
REF Referência
UNC Rosca unificada grossa
= Item alternativo

PÁGINA 2-8
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 3 HVP00004 VÁLVULA PRESS RED/ALÍVIO 0,38FNPT 75-1500 PSI "T"
2 1 HVD00556 VÁLVULA QUATRO VIAS TRÊS POS DIR 32GPM CLSD CNTR"T"
3 1 HVC00130 VÁLVULA DE CONTROLE REMOTO SAE 6 85-485 PSI
4 1 HVD00515 VÁLVULA DIR DOIS BANCOS QUATRO VIAS CLSD SPRG CTR
5 1 HVS00001 VÁLVULA ALTERNADORA EM LINHA 0,25NPT 5KPSI
6 1 HVD00875 VÁLVULA DIR NOVE BANCOS QUATRO VIAS DUAS POS LVR LK "T"
7 3 HVF00001 VÁLVULA AGULHA 0,25 FNPT PNL MOUNT
8 2 HVR00002 VÁLVULA DE ALÍVIO REMOTO 100-5000 PSI
9 3 HVR00276 VÁLVULA DE ALÍVIO -6SAE 200-6000PSI
10 1 AVR00004 VÁLVULA REGULADORA 0,13FNPT 0-100 PSI ALUM
11 1 HVD00513 ALÇA VÁLVULA DIR HVD00509
12 1 HFP00007 FILTRO PRESS 90 MÍCRON EM LINHA 0,50FNPT
12A 1 HFP00010 ELEMENTO FILTRO
13 1 HVD00514 ALÇA VÁLVULA DIR HVD00509
14 1 AAF00032 FILTRO AR 0,25
14A 1 AAF00030 ELEMENTO FILTRO
15 1 HHX00008 COLETOR
16 4 HVT00041 VÁLVULA ESFERA DUAS VIAS 0,25FNPT BLU
17 1 HVD00522 VÁLVULA TRÊS VIAS 0,125NPT NC
18 1 HVD00059 VÁLVULA ESFERA TRÊS VIAS 0,50FNPT BLK
19 14 IPM00048 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-5000 P/B 2,50 CBMUC HR
20 1 HVT00006 VÁLVULA ESFERA DUAS VIAS 0,25FNPT YEL
21 1 HVD00629 VÁLVULA ESFERA TRÊS VIAS 0,25FNPT BLU SS
22 1 IPM00131 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-200 P/B 2,50 CBMUC HR
23 1 HVT00264 VÁLVULA ESFERA DUAS VIAS 0,38FNPT RED 6KPSI
24 1 IPM00239 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-5000 P/B 4,0 0,50 LBMUC HR
25 1 AVT00006 VÁLVULA TRÊS VIAS 0,13FNPT BOTÃO INTERRUPTOR
26 1 HPM00002 BOMBA MANUAL ACIONADA POR AR (CONSULTE OS MANUAIS DE
SERVIÇO)
27 2 IPM00119 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-1000 P/B 2,50 CBM HR
28 5 IPM00130 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-600 P/B 2,50 CBMUC HR
29 1 CA261647 ESPEC CONJUNTO LIMPADOR AR
30 4 HCD00197 CIL HID 2,50FURO 34,00STRK "T"
31 1 HVP00018 VÁLVULA PRESS RED-ALÍVIO SAE-6
32 3 HVC00016 VÁLVULA DE RETENÇÃO 0,38FNPT LATÃO 3K PSI
33 1 VEP00060 BANDA MONTAGEM 7,00
34 2 HHX00042 COLETOR TRÊS PORTAS
35 6 IPM00128 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-3000 P/B 2,50 CBMUC HR
36 1 HVC00017 VÁLVULA DE RETENÇÃO 0,50FNPT STL
37 1 HHD04004 CPLG QD 0,25FNPT CPLR SNAP-H STL

Fig. 2.1-1A, Esquema hidráulico do console, CE292849E (folha 1 de 2)

PÁGINA 2-9
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
38 1 HPM00171 BOMBA MANUAL DUPLO PISTÃO SEM RES "'T" (CONSULTE OS
39 1 HHD04008 BUJÃO DE PROTEÇÃO -4 QD CPLR TRAVA-H
40 2 HVD00007 VÁLVULA DIR CONTROLE 0,25 NPT "T"
41 2 HVP00296 VÁLVULA PRESS RED/ALÍVIO 0,38 SAE 25-400 PSI
42 1 AVT00008 VÁLVULA DUAS VIAS BOTÃO INTERRUPTOR
43 2 HVD00013 VÁLVULA ESFERA TRÊS VIAS 0,38FNPT GRN
44 2 CB270258 SUPORTE MONTAGEM BUZINA/PRV FAB
45 1 VXX00001 BUZINA A AR
46 3 HVC00015 VÁLVULA DE RETENÇÃO 0,50FNPT 416 SST
47 1 HVC00014 VÁLVULA DE RETENÇÃO 0,25MNPT LATÃO 800 PSI
48 1 HRT00002 TANQUE HID GAL 2,5 6,50 DI-17,40 LG
49 4 HVD00018 VÁLVULA ESFERA TRÊS VIAS 0,25FNPT ORG
50 1 HVR00187 VÁLVULA DE ALÍVIO -12SAE PO
51 1 HVF00290 DIVISOR ROTATIVO QUATRO SETORES "T"
52 1 HVC00188 VÁLVULA DE RETENÇÃO -6 PARA OPERAÇÃO POR PILOTO
53 *1 HPM00156 BOMBA MANUAL 0,25NPT SUÍVEL (CONSULTE OS MANUAIS DE
SERVIÇO)
54 *1 IPM00357 FLUIDO INSTRUMENTO 1 QUART
55 1 HVD00705 VÁLVULA TRÊS VIAS NC -6 SAE 73 PSI
56 1 HVD00052 VÁLVULA MEDIDOR ISOLADOR 0,25FNPT
57 1 HVD00608 VÁLVULA TRÊS VIAS DUAS POSIÇÕES SEM PILOTO EXT "T"
58 1 HFP00070 FILTRO PRESSÃO 0,75NPT 3000PSI 10u "T"
58A 1 HFP00071 ELEMENTO FILTRO
59 1 HVT00055 VÁLVULA ESFERA 0,50MNPT-0,50FNPT 600 PSI BRZ
60 3 HHX00161 COLETOR 90 DEG SEIS PORTAS 0,25FNPT
61 1 AVT00011 VÁLVULA TRÊS VIAS 0,25FNPT BOTÃO INTERRUPTOR
62 1 IPM00112 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-1000 P/B 2,50 LM HR

* ITEM NÃO EXIBIDO

Fig. 2.1-1A, Esquema hidráulico do console, CE292849E (folha 2 de 2)

PÁGINA 2-10
Fig. 2.1-1B, Console Hydraulic Schematic, CE292849E
PAGE 2-11
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 * 1R ICX00130 MONITOR SETE POL. CAN ALTO BRILHO
2 1 CB265494 ESPEC CABO DB9-S 2FT
3 1 ICX00132 PROTEÇÃO F/BEIJER TELA DE TOQUE
4 1 EWC00437 CABO PADRÃO USB TIPO A, 2 m "T"
5 1 ECP00615 TAMPA USB À PROVA D'ÁGUA
6 1 ECR00518 RECEPTÁCULO Ex 10 PIN X 16 AWG TAMANHO 12
7 9,14 m EWC00442 CABO 1P*18G*2C*14G*2C*16G*500OD*CA
8 1 ESP00200 INTERRUPTOR ESD CÂMARA PRINCIPAL EXDE

* ITEM FORNECIDO COM O CONJUNTO DO MONITOR

Fig. 2.1-2A, Esquema elétrico cabine (DC), CE292851A


PÁGINA 2-13
Fig. 2.1-2B, Cabin Electrical Schematic (DC), CE292851A
PAGE 2-14
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CA092355 ESPEC PAINEL DISJUNTORES ZONA 1
2 4 ELI00327 BARRA ILUMINAÇÃO LED 24 VDC 600 MM EX
3 2 EXX00678 FONTE DE ALIMENTAÇÃO 85-264 VAC 24 VDC 5A "T"
4 17 ECP00059 CONTRAPORCA GLAND CABO 20 MM LATÃO
5 76,20 m EWC00306 CABO COND 3 14 AWG SEM BLINDAGEM
6 4 EEJ00185 CAIXA JUNÇÃO CABO BLINDADO
7 18 ECP00303 GLAND CABO TAMANHO A 20 MM
8 18 ECP00057 ARRUELA NÁILON GLAND CABO 20 MM
9 1 ELI00323 BARRA ILUMINAÇÃO LED SUPER BRILHO 200 MM
10 2 ELF00112 ILUMINAÇÃO LED EXTERNA 24 VDC EXD
11 1R CB265589 TERM BLK MONTAGEM AC ZII CABINE
12 2 CA265587 ESPEC CAIXA DOIS RECEPTÁCULOS
13 1 ECC00673 PLUGUE FECHAMENTO M20 IP68
14 18 ECP00078 ARRUELA SERRILHADA GLAND CABO 20 MM
15 1 CA265588 ESPEC CAIXA TRÊS RECEPTÁCULOS
16 1 ECR00551 ENTRADA MACHO 30A 480V 3P+T ZONA 1
17 1 ECP00619 TAMPA ENTRADA MACHO ZONA 1 30 AMP
18 1 ECR00547 CAIXA RECEPTÁCULO ZONA 1 30 AMP 70 DEG
19 1 ECP00586 GLAND CABO TAMANHO A 0,75 MNPT "T"
20 15,24 m EWC00441 CABO COND 4 10 AWG SEM BLINDAGEM
21 1 EXX00724 PAINEL CHAVE TRANSFER ATEX ZONA II
22 1 CB265620 TERM BLK MONTAGEM CAIXA CHAVE TRANSFER
23 1 ECP00302 GLAND CABO TAMANHO 0 20 MM

Fig. 2.1-3A, Esquema elétrico cabine (zona II AC), CE292846C


PÁGINA 2-16
POWER CORD
60AMP-3W-4P
240 VAC-3PH-60HZ
10000 A.I.R.

Fig. 2.1-3B, Cabin Electrical Schematic (Zone II AC), CE292846C


PAGE 2-17
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 2 ECP00191 GLAND CABO TAMANHO C 1,00 MNPT "T"
2 24,38 m EWC00305 CABO COND 3 12 AWG SEM BLINDAGEM
3 2 CA265534 ESPEC COND AR TETO CABINE DIV 2/ZONA 2
4 15,24 m EWC00308 CABO COND 7 14 AWG SEM BLINDAGEM
7 1 ECC00143 PLUGUE CONDUÍTE 0,75 THD EMBUTIDO HD ALUM
8 2 ECP00303 GLAND CABO TAMANHO A 20 MM
9 2 ECP00057 ARRUELA NÁILON GLAND CABO 20 MM
10 2 ECP00078 ARRUELA SERRILHADA GLAND CABO 20 MM
11 2 ECP00059 CONTRAPORCA GLAND CABO 20 MM LATÃO
12 1 CB265589 TERM BLK MONTAGEM AC ZII CABINE
13 1 ECP00248 GLAND CABO TAMANHO A 0,50 MNPT "T"
14 1 ECP00581 ALÇA PLUGUE DIV 2 60 AMP
15 1 ECR00553 RECEPTÁCULO 60A 250V 3P+T ZONA 1
16 1 ECP00623 ENTRADA MACHO 60A 250V 3P+T ZONA 1
17 1 ECP00560 TAMPA ENTRADA MACHO ZONA 1 60 AMP
18 1 ECR00495 CAIXA RECEPTÁCULO ZONA 1 60AMP 70 DEG
19 15,24 m EWC00443 CABO COND 4 6AWG SEM BLINDAGEM
20 1 ECP00319 ARRUELA SERRILHADA GLAND CABO 32 MM
21 1 ECP00323 ARRUELA NÁILON GLAND CABO 32 MM
22 1 CE292846 ESQUEMA ELÉT. CABINE ZII AC (VEJA A FIG. 2.1-3)
23 1 CE292840 ESQUEMA ELÉT. MEDIDOR ZONA 2 (VEJA A FIG. 2.1-5)
24 1 ECP00235 CONTRAPORCA GLAND CABO 32 MM LATÃO
25 1 ECP00307 GLAND CABO TAMANHO C 32 MM
26 2 ECP00376 GLAND CABO TAMANHO A 0,75 MNPT "T"

Fig. 2.1-4A, Esquema elétrico cabine (continuação zona II AC), CE292845C


PÁGINA 2-19
240 VAC-3PH-60HZ
POWER CORD
60AMP-3W-4P

10000 A.I.R.
Fig. 2.1-4B, Cabin Electrical Schematic (Zone II AC cont'd), CE292845C
PAGE 2-20
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 3 EXX00677 BARREIRA I.S. DIVISOR DE SINAL ATEX 4-20 mA
2 1 ESR00237 CHAVE ROTATIVA DUAS POSIÇÕES CÂMARA PRINCIPAL
EXDE
3 3 CA290448 ESPEC CABO SENSOR - 12,19 m
4 3 ECR00286 TAMPA RECEPTÁCULO TAMANHO 10
5 3 ECR00295 RECEPTÁCULO BH 6 PIN X 6 SKT TAMANHO 10
6 2 IPE00047 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-15K PSI 1K BAR SG6A ATEX36
7 1 IWE00039 MEDIDOR WT ELETR SG8A -50 A +100K LBS "T"
8 15 ECP00078 ARRUELA SERRILHADA GLAND CABO 20 MM
9 15 ECP00057 ARRUELA NÁILON GLAND CABO 20 MM
10 15 ECP00059 CONTRAPORCA GLAND CABO 20 MM LATÃO
11 8 ECP00302 GLAND CABO TAMANHO 0 20 MM
12 3 CA290600 ESPEC CABO 0,30-7,62 M
13 1 CD292839 ESQUEMA ELÉTRICO CABEAMENTO SENSOR
14 3 CC265364 ESPEC CABO 7,62 M
15 1 CC265546 TERM BLK MONTAGEM MEDIDOR ALIMENTAÇÃO
16 1 EEL00240 ENCL 7,87 X 11,81 X 5,91
17 3 EPB00201 DISJUNTOR CIRCUITO 0,5A 24VDC EX
18 5 EPB00202 DISJUNTOR CIRCUITO 1,0A 24VDC EX
19 7 ECP00303 GLAND CABO TAMANHO A 20 MM
20 15,24 m EWC00345 CABO COND 3 16 AWG SEM BLINDAGEM
21 1 EXX00723 DISJUNTOR CIRCUITO PONTE PLUG-IN 500 MM "T"
22 2R ELI00300 LAMP LED 12-254VDC/AC GRN EXDE
23 2 IPS00219 CHAVE PRESSÃO 36-300PSI EXD
24 2 EEJ00185 CAIXA JUNÇÃO CABO BLINDADO
25 1 CC265069 MONTAGEM PLACA MTG 11,81 X 7,87

Fig. 2.1-5A, Esquema elétrico medidor zona II, CE292840C

PÁGINA 2-22
Fig. 2.1-5B, Zone II Gauge Electrical Schematic, CE292840C
PAGE 2-23
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CE282406 PLATAFORMA EXT CABINE SOLDA
2 1 CE282410 ESTRUTURA SUSPENSÃO CABINE SOLDAGEM
3 1 CE202856 MONT. CABINE CONTROLE EXT (VEJA FIG. 2.2-2)
4 1 CD282439 CAVALETE CABINE SOLDAGEM
5 1 CE264584 INSTALAÇÃO ENTRADA PLATAFORMA E ESCADA
6 1 CD262272 INSTALAÇÃO JANELA DE PROTEÇÃO
7 4R HCD00197 CIL HID
8 *4 HHA10048 ADAPT. 0,38MNPT-0,38MJIC
9 *4 HHA10019 ADAPT. 0,38MNPT-0,25FNPT
10 1 CC265600 INSTALAÇÃO VÁLVULA SUSPENSÃO CABINE (VEJA FIG.
2.3-2)
11 *1 CB102284 CABOS DE SUSPENSÃO 5 LEG 501 CABINE (VEJA A FIG.
2.2-3)
12 1 CC265559 INSTALAÇÃO ANTEPARO
13 *1 CE002367 DIAGRAMA DE MANGUEIRAS (VEJA A FIG. 2.2-7)
14 *1 CD202071 RÓTULO GRÁFICOS INJ
15 1 CD265599 INSTALAÇÃO ARMAZENAMENTO CORRIMÃO ESCADA
16 1 CC562304 INSTALAÇÃO CABINE BHP
17 1 CD265606 INSTALAÇÃO CABINE
18 *1 CD265618 INSTALAÇÃO COMPONENTE EXT CABINE
19 *1 CA982137 PROC TESTE DNV SUSPENSÃO/TRAÇÃO/QUEDA
20 1 CC502039 RÓTULO DNV CERTIFICAÇÃO OBSERVAÇÕES 2.7-3 ENGR
21 *1 CE292851 ESQUEMA ELÉT. CABINE DC (VEJA A FIG. 2.1-2)
22 *1 CE292846 ESQUEMA ELÉT. CABINE ZII AC (VEJA A FIG. 2.1-3)
23 *1 CE292845 ESQUEMA ELÉT. CABINE ZII AC CONT (VEJA A FIG. 2.1-4)
24 1 CC265641 INSTALAÇÃO MOTOR/ALIMENTAÇÃO CABINE BHP
25 1 CB502114 RÓTULO EMR ENGR

* ITEM NÃO EXIBIDO

Fig. 2.2-1A, 501 Montagem Cabine Estendida, CE202844D


PÁGINA 2-25
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CE265556 MONT. REVESTIMENTO CABINE
2 *1 CC200009 RÓTULO MONTAGEM CABINE
3 *1 CE292849 ESQUEMA HID CONSOLE (VEJA A FIG. 2.1-1)
4 1 CE223077 MONTAGEM PAINEL CONTROLE SUPERIOR (VEJA A FIG. 2.2-6)
5 1 CC260959 INSTALAÇÃO DO LIMPADOR
6 *1 CA202857 CONJUNTO DE MANGUEIRAS CONSOLE CABINE CONTROLE
(VEJA A FIG. 2.2-8)
7 1 CC265549 INSTALAÇÃO DA MESA
8 1 CD264187 INSTALAÇÃO DA BOMBA MANUAL
9 1 CC168829 INSTALAÇÃO DA CADEIRA
10 1 CD260837 INSTALAÇÃO RESERV. TANQUE 2,5 GAL BOMBA MANUAL BOP
11 2 CC261851 INSTALAÇÃO DA BANCADA
12 22 BFC00599 HHCS 0,31-18UNC X 1,00
13 1 CC265548 INSTALAÇÃO DA MESA
14 *1 CA202858 CONJUNTO DE MANGUEIRAS CABINE BHP AO PAINEL (VEJA A
FIG. 2.2-4)
15 1 CE263353 INSTALAÇÃO DUPLO AC (VEJA A FIG. 2.3-2)
16 1 CE223065 MONT. PAINEL CONTROLE INFERIOR (VEJA A FIG. 2.2-5)
17 2 CD265624 INSTALAÇÃO ARMÁRIO SUSPENSO
18 1 CD232045 INSTALAÇÃO CONJUNTO VÁLVULA CTES
19 *1 CE265619 INSTALAÇÃO COMPONENTES ELET. 11177-87 HAL

* ITEM NÃO EXIBIDO


Fig. 2.2-2A, 501 Montagem cabine de controle, CE202856F

PÁGINA 2-28
Fig. 2.2-3, Five-Leg Sling Specification, CB102284A
PAGE 2-30
CONJUNTO DE MANGUEIRAS HAL 11177-87 CABINE BHP PARA PAINEL
Observações padrão: (Aplica-se para todas as mangueiras na lista) Abreviações
Primeira montagem. Dobre uma extremidade somente. Notifique o engenheiro com a Desconexão rápida Tamanho Conexões da
lista correta das mangueiras após completar a montagem. extremidade
AQ = Aeroquip -4 = 1/4" Gêneros:
Hyd Inc = Hydraulics Inc. -6 = 3/8" M = Macho
Observações especiais: (Aplica-se somente a mangueiras indicados) Snap = Snaptite -8 = 1/2" F = Fêmea
-10 = 5/8"
-12 = 3/4" SAE = Anel-O SAE
-16 = 1" FFOR = Anel-O de face plana
-20 = 1-1/4" SF = Flange da fenda
Contorno da mangueira: N/A -24 = 1-1/2"
-32 = 2"
-48 = 3"

9 2 EA HHF20015 FTG -12 FJIC SVL, 90


8 2 EA HHF20013 FTG -12 FJIC SVL STR
7 1 EA HHF20009 FTG -4 FJIC SVL, 90
6 36 EA HHF20007 FTG -6 FJIC SVL, 90
5 34 EA HHF00094 FTG -6 FJIC SVL, STR
4 9 EA HHF00093 FTG -4 FJIC SVL, STR
MANGUEIRA - 6G2 0,38 DI
3 420 FT HHH00046 48
2 23 FT HHH00033 MANGUEIRA - 12G2 0,75 DI
MANGUEIRA -4G2 0,25 DI
1 28 FT HHH00032 58
Número de
Rev Item Qtde UM peça Descrição

Fig. 2.2-4, Anteparo da cabine para conjunto de mangueira do painel, CA202858 (Folha 1 de 4)

PÁGINA 2-31
CONJUNTO DE MANGUEIRAS HAL 11177-87 CABINE BHP PARA PAINEL
Man Adaptador  Adaptador 
guei Etiq Comprim da  Extremidade  Extremidade  da  Mangueira à 
Alt.  ra  ueta  Mangu Comprimen ento  Tampa/bujã Extremidade  extremidade  A  B  extremidade  Extremidade  Tampa/bujã prova de 
rev.  Nº  nº  eira  to de corte  final  o  A QD  A  Conexões  Conexões  B  B QD  o  Descrição do roteamento  fogo 
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 75 para
1 4G2 67 - 1/2 pol. 70,00      
Str#4 Str#4 medidor de pressão de carga
144 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 1 para COL
2 6G2 148,00      
pol. Str#5 90 Curto#6 ADM 2 TRANS controle BOP
144 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 2 para COL
3 6G2 148,00      
pol. Str#5 90 Curto#6 ADM 2 TRANS controle BOP
144 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 28 para COL
4 6G2 148,00      
pol. Str#5 90 Curto#6 ADM 1 TRANS controle BOP
144 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 26 para COL
5 6G2 148,00      
pol. Str#5 90 Curto#6 ADM 1 TRANS controle BOP
144 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 29 para COL
6 6G2 148,00      
pol. Str#5 90 Curto#6 ADM 1 TRANS controle BOP
144 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 30 para COL
7 6G2 148,00      
pol. Str#5 90 Curto#6 ADM 1 TRANS controle BOP
144 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 27 para COL
8 6G2 148,00      
pol. Str#5 90 Curto#6 ADM 1 TRANS controle BOP
144 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 31 para COL
9 6G2 148,00      
pol. Str#5 90 Curto#6 ADM 1 TRANS controle BOP
134 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 7 para válvula
10 6G2 138,00      
pol. Str#5 90 Curto#6 de controle TRCT BOT
135 - 1/4 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 8 para válvula
11 6G2 138,00      
pol. Str#5 Str#5 de controle TRCT BOT
134 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 9 para válvula
12 6G2 138,00      
pol. Str#5 90 Curto#6 de controle TRCT MID
ANTEPARO Nº 45 PARA
133 - 1/8 -12 FJIC Svl, -12 FJIC Svl,
13 12G2 138,00       VÁLVULA DE DESCARGA
pol. Str#8 90 Curto#9
DO CARRETEL
ANTEPARO Nº 46 PARA
133 - 1/8 -12 FJIC Svl, -12 FJIC Svl,
14 12G2 138,00       VÁLVULA DE ENTRADA DO
pol. Str#8 90 Curto#9
CARRETEL
134 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 89 para válvula
15 6G2 138,00      
pol. Str#5 90 Curto#6 de controle do nivelador
134 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 90 para válvula
16 6G2 138,00      
pol. Str#5 90 Curto#6 de controle do nivelador
ANTEPARO Nº 24 PARA
134 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
17 6G2 138,00       SEPARADOR Nº 1 DA
pol. Str#5 90 Curto#6
VÁLVULA SNAPTITE
ANTEPARO Nº 240 PARA
144 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
18 6G2 148,00       COL ADM 2 TRANS
pol. Str#5 90 Curto#6
CONTROL BOP
134 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 5 para válvula
19 6G2 138,00      
pol. Str#5 90 Curto#6 agulha para lubrificação do INJ
144 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 241 para COL
20 6G2 148,00      
pol. Str#5 90 Curto#6 ADM 2 TRANS controle BOP
ANTEPARO Nº 225 para
144 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
21 6G2 148,00       válvula COL ADM 2 TRANS
pol. Str#5 90 Curto#6
controle BOP

PÁGINA 2-32
CONJUNTO DE MANGUEIRAS HAL 11177-87 CABINE BHP PARA PAINEL
Man Adaptador  Adaptador 
guei Etiq Comprim da  Extremidade  Extremidade  da  Mangueira à 
Alt.  ra  ueta  Mangu Comprimen ento  Tampa/bujã Extremidade  extremidade  A  B  extremidade  Extremidade  Tampa/bujã prova de 
rev.  Nº  nº  eira  to de corte  final  o  A QD  A  Conexões  Conexões  B  B QD  o  Descrição do roteamento  fogo 
144 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 226 para COL
22 6G2 148,00      
pol. Str#5 90 Curto#6 ADM 2 TRANS controle BOP
144 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 52 para válvula
23 6G2 148,00      
pol. Str#5 90 Curto#6 de controle BOP
144 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 51 para válvula
24 6G2 148,00      
pol. Str#5 90 Curto#6 de controle BOP
144 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 231 para
25 6G2 148,00      
pol. Str#5 90 Curto#6 válvula de controle BOP
144 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 232 para
26 6G2 148,00      
pol. Str#5 90 Curto#6 válvula de controle BOP
144 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 233 para
27 6G2 148,00      
pol. Str#5 90 Curto#6 válvula de controle BOP
144 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 234 para
28 6G2 148,00      
pol. Str#5 90 Curto#6 válvula de controle BOP
ANTEPARO Nº 25 para
134 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
29 6G2 138,00       separador nº 1 da válvula
pol. Str#5 90 Curto#6
snaptite
ANTEPARO Nº 94 para
134 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
30 6G2 138,00       separador nº 2 da válvula
pol. Str#5 90 Curto#6
snaptite
ANTEPARO Nº 95 para
134 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
31 6G2 138,00       separador nº 2 da válvula
pol. Str#5 90 Curto#6
snaptite
ANTEPARO Nº 66 para
134 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
32 6G2 138,00       suprimento de lubrificação do
pol. Str#5 90 Curto#6
carretel na válvula de tração
ANTEPARO Nº 66 para
134 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
33 6G2 138,00       suprimento de lubrificação do
pol. Str#5 90 Curto#6
carretel na válvula de tração
134 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 54 para porta
34 6G2 138,00      
pol. Str#5 90 Curto#6 do controle no freio do INJ
134 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 55 para porta
35 6G2 138,00      
pol. Str#5 90 Curto#6 de controle na duas velocidades
134 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 56 para válvula
36 6G2 138,00      
pol. Str#5 90 Curto#6 agulha para tensão da corrente
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 23 para válvula
37 4G2 52 - 1/2 pol. 55,00      
Str#4 Str#4 R1E de controle do INJ
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
38 4G2 45 - 1/2 pol. 48,00       buzina de ar para conexão BHD
Str#4 Str#4
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
39 4G2 93 - 1/8 pol. 96,00       BHD para buzina
Str#4 90 Curto#7
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, regulador de ar para conexão
40 4G2 62 - 1/2 pol. 65,00      
Str#4 Str#4 BHD da bomba manual
143 - 3/4 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, BHP Nº 306 PARA COL ADM
41 6G2 148,00      
pol. 90 Curto#6 90 Curto#6 Nº 306 TRANS HYDRACONN
143 - 3/4 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, BHP Nº 307 PARA COL ADM
42 6G2 148,00      
pol. 90 Curto#6 90 Curto#6 Nº 307 TRANS HYDRACONN

PÁGINA 2-33
CONJUNTO DE MANGUEIRAS HAL 11177-87 CABINE BHP PARA PAINEL

Fig. 2.2-4, Anteparo da cabine para conjunto de mangueira do painel, CA202858 (Folha 4 de 4)

PÁGINA 2-34
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CD223079 PAINEL HAL 11177-87 CONTROLE INF. ENGR
1
2 2R HVD00007 VÁLVULA DIR CONTROLE 0,25 NPT "T"
1
3 4R HVT00041 VÁLVULA ESFERA DUAS VIAS 0,25FNPT BLU
1
4 1R HVD00629 VÁLVULA ESFERA TRÊS VIAS 0,25FNPT BLU SS
1
5 1R HVP00018 VÁLVULA PRESS RED-ALÍVIO SAE-6
6 4 BFC01095 HHCS M8-1,25 X 14MM 18-8 SST
7 8 BFC00035 HHCS 0,38-16UNC X 1,00 A449
8 2 BFC00597 HHCS 0,38-16UNC X 2,00 18-8 SST
9 2 BFW00046 ARRUELA DE PRESSÃO 0,38 18-8 SST
10 10 BFW00045 ARRUELA DE PRESSÃO 0,25 18-8 SST
11 2 BFN00199 PORCA HX STD 0,38 16UNC 18-8 SST
12 3 BFC00691 HHCS 0,31-18UNC X 3,00 18-8 SST
13 3 BFW00072 ARRUELA DE PRESSÃO 0,31 18-8 SST
14 3 BFN00322 PORCA HX STD 0,31 18UNC 18-8 SST
1
15 1R HVD00052 VÁLVULA MEDIDOR ISOLADOR 0,25FNPT
1
16 1R HVT00264 VÁLVULA ESFERA DUAS VIAS 0,38FNPT RED 6KPSI
1
17 1R CA261647 ESPEC CONJUNTO LIMPADOR AR
1
18 4R HVD00018 VÁLVULA ESFERA TRÊS VIAS 0,25FNPT ORG
19 10 BFC00732 SHCS 0,25-20UNC X 0,75 18-8 SST
1
20 1R AVT00008 VÁLVULA DUAS VIAS BOTÃO INTERRUPTOR
1
21 1R AVR00004 VÁLVULA REGULADORA 0,13FNPT 0-100 PSI ALUM
1
22 1R AVT00006 VÁLVULA TRÊS VIAS 0,13FNPT BOTÃO INTERRUPTOR
1
23 1R HVT00006 VÁLVULA ESFERA DUAS VIAS 0,25FNPT YEL
1
24 1R HVD00875 VÁLVULA DIR NOVE BANCOS QUATRO VIAS DUAS POS LVR LK "T"
1
25 1R HVD00556 VÁLVULA QUATRO VIAS TRÊS POS DIR 32GPM CLSD CNTR"T"
1
26 1R HVD00515 VÁLVULA DIR DOIS BANCOS QUATRO VIAS CLSD SPRG CTR
1
27 1R HVD00513 ALÇA VÁLVULA DIR HVD00509
1
28 1R HVD00514 ALÇA VÁLVULA DIR HVD00509
1
29 3R HVF00001 VÁLVULA AGULHA 0,25 FNPT PNL MOUNT
1
30 2R HVD00013 VÁLVULA ESFERA TRÊS VIAS 0,38FNPT GRN
1
31 2R HVR00002 VÁLVULA DE ALÍVIO REMOTO 100-5000 PSI
1
32 1R HVC00130 VÁLVULA DE CONTROLE REMOTO SAE 6 85-485 PSI
1
33 2R HVP00296 VÁLVULA PRESS RED/ALÍVIO 0,38 SAE 25-400 PSI
34 2 CB223078 TAMPA VÁLVULA FAB
35 4 BFC00657 HHCS 0,25-20UNC X 0,50 18-8 SST
1
36 1R AVT00011 VÁLVULA TRÊS VIAS 0,25FNPT BOTÃO INTERRUPTOR
37 1 CB223085 RÓTULO ESTRUTURA BOP VÁLVULA HAL MAGNÉTICA ENGR
38 1 CB223090 PLACA TRASEIRA MAGNÉTICA NOVE RÓTULOS HAL ENGR
39 1 CB223083 RÓTULO BOP VÁLVULA HAL MAGNÉTICA ENGR

Fig. 2.2-5A, Montagem do painel de controle inferior, CE223065A (folha 1 de 2)

PÁGINA 2-36
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
40 2 BFC00961 SHCS #10-24UNC X 0,75 18-8 SST
41 2 BFN00184 PORCA HX NYLOCK #10-24UNC 18-8 SST
42 2 BFW00044 ARRUELA PL TIPO A #10 STL

1
ITEM CHAMADO NO ESQUEMA HIDRÁULICO
2
ITEM CHAMADO NO ESQUEMA ELÉTRICO

Fig. 2.2-5A, Montagem do painel de controle inferior, CE223065A (folha 2 de 2)

PÁGINA 2-37
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CD223080 PAINEL HAL 11177-87 CONTROLE SUP. ENGR
1
2 1R IPM00131 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-200 P/B 2,50 CBMUC HR
1
3 14R IPM00048 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-5000 P/B 2,50 CBMUC HR
1
4 1R IPM00239 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-5000 P/B 4,0 0,50 LBMUC HR
1
5 5R IPM00130 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-600 P/B 2,50 CBMUC HR
1
6 1R HVD00522 VÁLVULA TRÊS VIAS 0,125NPT NC
1
7 6R IPM00128 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-3000 P/B 2,50 CBMUC HR
2
8 2R IPE00047 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-15K PSI 1K BAR SG6A ATEX36
2
9 1R IWE00039 MEDIDOR WT ELETR SG8A -50 A +100K LBS "T"
10 1R ICX00130 MONITOR SETE POL. CAN ALTO BRILHO
11 1 EPG00001 PROTEÇÃO ALAVANCA MOV COMPLETO SNGL THRW "T"
2
12 1R EST00030 INTERRUPTOR SPST LACRADO MIL-S-3950
13 1 CB223088 TRÊS RÓTULOS ESTRUTURA BOP MEDIDOR HAL MAGNÉTICO FAB
14 1 CB223092 PLACA TRASEIRA MAGNÉTICA TRÊS RÓTULOS HAL ENGR
15 1 CB223089 DOIS RÓTULOS ESTRUTURA BOP MEDIDOR HAL MAGNÉTICO FAB
16 1 CB223094 PLACA TRASEIRA MAGNÉTICA DOIS RÓTULOS HAL ENGR
17 1 CB223087 QUATRO RÓTULOS ESTRUTURA BOP MEDIDOR HAL MAGNÉTICO
FAB
18 1 CB223096 PLACA TRASEIRA MAGNÉTICA QUATRO RÓTULOS HAL ENGR
19 1 CB223084 RÓTULO BOP MEDIDOR HAL MAGNÉTICO ENGR
20 6 BFC00961 SHCS #10-24UNC X 0,75 18-8 SST
21 6 BFN00184 PORCA HX NYLOCK #10-24UNC 18-8 SST
22 6 BFW00044 ARRUELA PL TIPO A #10 STL

1
ITEM CHAMADO NO ESQUEMA HIDRÁULICO
2
ITEM CHAMADO NO ESQUEMA ELÉTRICO

Fig. 2.2-6A, Montagem painel de controle superior, CE223077A


PÁGINA 2-36
Fig. 2.2-7, Hose Diagram, CE002367C
PAGE 2-42
CONJUNTO DE MANGUEIRAS HAL 11177-87 DO CONSOLE CONTR CABINE
Observações padrão: (Aplica-se para todas as mangueiras na lista) Abreviações
Primeira montagem. Dobre uma extremidade somente. Notifique o engenheiro com a Desconexão rápida Tamanho Conexões da
lista correta das mangueiras após completar a montagem. extremidade
AQ = Aeroquip -4 = 1/4" Gêneros:
Hyd Inc = Hydraulics Inc. -6 = 3/8" M = Macho
Observações especiais: (Aplica-se somente a mangueiras indicados) Snap = Snaptite -8 = 1/2" F = Fêmea
-10 = 5/8"
-12 = 3/4" SAE = Anel-O SAE
-16 = 1" FFOR = Anel-O de face plana
-20 = 1-1/4" SF = Flange da fenda
Contorno da mangueira: N/A -24 = 1-1/2"
-32 = 2"
-48 = 3"

15 3 EA HHF20019 FTG -16 FJIC SVL 90S


14 3 EA HHF20017 FTG -16 FJIC SVL STR
13 2 EA HHF20015 FTG -12 FJIC SVL, 90
12 2 EA HHF20013 FTG -12 FJIC SVL STR
11 1 EA HHF20012 FTG -8 FJIC SVL, 90
10 28 EA HHF20009 FTG -4 FJIC SVL, 90
9 40 EA HHF20007 FTG -6 FJIC SVL, 90
8 1 EA HHF00095 FTG -8 FJIC SVL, STR
7 16 EA HHF00094 FTG -6 FJIC SVL, STR
6 94 EA HHF00093 FTG -4 FJIC SVL, STR
MANGUEIRA -16G2 1,00
5 28 FT HHH00048 DI2
MANGUEIRA -8G2 0,50
4 6 FT HHH00047 DI4
MANGUEIRA - 6G2 0,38 DI
3 110 FT HHH00046 48
MANGUEIRA - 12G2 0,75
2 24 FT HHH00033 DI
MANGUEIRA -4G2 0,25 DI
1 219 FT HHH00032 58
U Número de
Rev Item Qtde M peça Descrição

Fig. 2.2-8, Conjunto de mangueiras do console de controle, CA202857 (Folha 1 de 6)

PÁGINA 2-43
CONJUNTO DE MANGUEIRAS HAL 11177-87 DO CONSOLE CONTR CABINE
Man Etiqu
Alt.  gueir eta  Mangue Compriment Comprime Extremidade A  Adaptador da  Extremidade A Extremidade B Adaptador da  Extremidade B  Mangueira à 
rev.  a Nº  nº  ira  o de corte  nto final  Tampa/bujão QD  extremidade A Conexões  Conexões  extremidade B QD  Tampa/bujão Descrição do roteamento  prova de fogo
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, válvula Whitey de alta tração para
1 4G2 22 - 1/2 pol. 25,00      
Str#6 Str#6 medidor
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, válvula Whitey de média tração para
2 4G2 21 - 1/2 pol. 24,00      
Str#6 Str#6 medidor
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, válvula Whitey de baixa tração para
3 4G2 22 - 1/2 pol. 25,00      
Str#6 Str#6 medidor
Ponto de sangria de uma linha para
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90
4 4G2 15 - 1/8 pol. 18,00       teste em baixa tração para pressionar
Str#6 Curto#10
em tração média
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, Lado do dreno da válvula de tração
5 4G2 52 - 1/2 pol. 55,00      
Str#6 Str#6 para retorno do coletor de admissão
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, Porta central no dreno de tração para
6 4G2 16 - 1/2 pol. 19,00      
Str#6 Str#6 tração superior
2100 RV para ponto de sangria de
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
7 4G2 16 - 1/2 pol. 19,00       uma linha para teste de tração
Str#6 Str#6
superior
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, Lado do dreno da válvula de tração
8 4G2 52 - 1/2 pol. 55,00      
Str#6 Str#6 para retorno do coletor de admissão
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, Tê no dreno da tensão da corrente
9 4G2 21 - 1/2 pol. 24,00      
Str#6 Str#6 para o medidor
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90 Tê no dreno da tensão da corrente
10 4G2 11 - 1/8 pol. 14,00      
Str#6 Curto#10 para tê da válvula agulha de pressão
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90 Porta de retorno da válvula agulha
11 4G2 56 - 1/8 pol. 59,00      
Str#6 Curto#10 para retorno do coletor de admissão
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, válvula seletora do separador para
12 4G2 14 - 1/2 pol. 17,00      
Str#6 Str#6 medidor do separador nº 1
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90 válvula seletora do separador para
13 4G2 13 - 1/8 pol. 16,00      
Str#6 Curto#10 medidor do separador nº 2
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, porta de retorno no separador nº 2
14 4G2 11 - 1/2 pol. 14,00      
Str#6 Str#6 para retorno nº 1
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90 retorno do separador nº 1 para
15 4G2 30 - 1/8 pol. 33,00      
Str#6 Curto#10 retorno do coletor de admissão
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90 retorno do separador nº 1 para
16 4G2 30 - 1/8 pol. 33,00      
Str#6 Curto#10 retorno do coletor de admissão
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, seleção do separador para pressionar
17 4G2 16 - 1/2 pol. 19,00      
Str#6 Str#6 a porta no separador nº 1
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, seleção do separador para pressionar
18 4G2 15 - 1/2 pol. 18,00      
Str#6 Str#6 a porta no separador nº 2
450 PRV para porta de pressão na
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
19 4G2 39 - 1/2 pol. 42,00       válvula agulha do dreno de tensão da
Str#6 Str#6
corrente
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90 tê no 5000 RV para a porta central
20 4G2 79 - 1/8 pol. 82,00      
Str#6 Curto#10 no dreno do separador
tê na porta central do dreno do
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90
21 4G2 16 - 1/8 pol. 19,00       separador para tê na seleção do
Str#6 Curto#10
separador
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90 tê da seleção do separador para
22 4G2 25 - 1/8 pol. 28,00      
Str#6 Curto#10 medidor da bomba manual
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90 porta de retorno no 2100 RV para
23 4G2 50 - 1/8 pol. 53,00      
Str#6 Curto#10 retorno do coletor de admissão
porta de retorno no dreno do
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
24 4G2 37 - 1/2 pol. 40,00       separador para retorno do coletor de
Str#6 Str#6
admissão
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, tê no aperto PRV para redução de
25 4G2 57 - 1/2 pol. 60,00      
Str#6 Str#6 pressão

PÁGINA 2-44
CONJUNTO DE MANGUEIRAS HAL 11177-87 DO CONSOLE CONTR CABINE
Man Etiqu
Alt.  gueir eta  Mangue Compriment Comprime Extremidade A  Adaptador da  Extremidade A Extremidade B Adaptador da  Extremidade B  Mangueira à 
rev.  a Nº  nº  ira  o de corte  nto final  Tampa/bujão QD  extremidade A Conexões  Conexões  extremidade B QD  Tampa/bujão Descrição do roteamento  prova de fogo
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90 porta de retorno no freio INJ para
26 4G2 37 - 1/8 pol. 40,00      
Str#6 Curto#10 retorno do coletor de admissão
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, porta de retorno no freio do carretel
27 4G2 28 - 1/2 pol. 31,00      
Str#6 Str#6 para retorno do coletor de admissão
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, 90 Pontes de válvula para redução de
28 6G2 11 - 1/2 pol. 15,00      
Str#7 Curto#9 pressão
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, 90 Pontes de válvula para redução de
29 6G2 11 - 1/2 pol. 15,00      
Str#7 Curto#9 pressão
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, 90 Pontes de válvula para redução de
30 6G2 11 - 1/2 pol. 15,00      
Str#7 Curto#9 pressão
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, 90 Pontes de válvula para redução de
31 6G2 11 - 1/2 pol. 15,00      
Str#7 Curto#9 pressão
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
32 4G2 23 - 1/2 pol. 26,00       435 PRV para velocidade do INJ 2
Str#6 Str#6
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, lado do reg de baixa velocidade para
33 4G2 17 - 1/2 pol. 20,00      
Str#6 Str#6 válvula gresen
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
34 6G2 10 - 1/4 pol. 13,00       435 PRV para RS BHD
Str#7 Str#7
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, #3 em baixa velocidade PRV para
35 6G2 29 - 1/4 pol. 32,00      
Str#7 Str#7 retorno do coletor de admissão
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90 Porta de retorno na válvula gresen
36 4G2 29 - 1/8 pol. 32,00      
Str#6 Curto#10 para retorno do coletor de admissão
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, porta de retorno de 2 velocidades
37 4G2 35 - 1/2 pol. 38,00      
Str#6 Str#6 para retorno do coletor de admissão
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90
38 4G2 15 - 1/8 pol. 18,00       ponte de retorno R1E
Str#6 Curto#10
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, INJ R1E para retorno do coletor de
39 4G2 30 - 1/2 pol. 33,00      
Str#6 Str#6 admissão
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90
40 4G2 9 - 1/8 pol. 12,00       ponte Gresen para medidor
Str#6 Curto#10
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, porta central da válvula de controle
41 4G2 39 - 1/2 pol. 42,00      
Str#6 Str#6 para medidor
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90 300 PRV para porta de aperto do
42 4G2 17 - 1/8 pol. 20,00      
Str#6 Curto#10 freio INJ
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90 porta de pressão R1E no INJ para
43 4G2 43 - 1/8 pol. 46,00      
Str#6 Curto#10 medidor de pressão do motor
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90 porta central no freio do INJ para
44 4G2 44 - 1/8 pol. 47,00      
Str#6 Curto#10 medidor
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 300 PVR para porta de pressão no
45 4G2 16 - 1/2 pol. 19,00      
Str#6 Str#6 freio do carretel
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, porta de pressão do carretel R1E para
46 4G2 89 - 1/2 pol. 92,00      
Str#6 Str#6 alívio do carretel do lado do respiro
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90 porta de pressão do carretel R1E para
47 4G2 45 - 1/8 pol. 48,00      
Str#6 Curto#10 medidor de pressão do carretel
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90 ponte de retorno 3000 RV para 5000
48 4G2 16 - 1/8 pol. 19,00      
Str#6 Curto#10 RV
tê após válvula de retenção no
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
49 6G2 25 - 1/4 pol. 28,00       suprimento BOP para válvula de
Str#7 Str#7
controle BOP
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, 90 tê na porta de pressão da bomba
50 6G2 8 - 1/2 pol. 12,00      
Str#7 Curto#9 Rucker para porta de pressão
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, 90 tanque 2,5 para filtro de linha no
51 6G2 56 - 1/2 pol. 60,00      
Str#7 Curto#9 BHD
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90 BHD para bomba manual para
52 4G2 18 - 1/8 pol. 21,00      
Str#6 Curto#10 entrada da válvula de retenção

PÁGINA 2-45
CONJUNTO DE MANGUEIRAS HAL 11177-87 DO CONSOLE CONTR CABINE
Man Etiqu
Alt.  gueir eta  Mangue Compriment Comprime Extremidade A  Adaptador da  Extremidade A Extremidade B Adaptador da  Extremidade B  Mangueira à 
rev.  a Nº  nº  ira  o de corte  nto final  Tampa/bujão QD  extremidade A Conexões  Conexões  extremidade B QD  Tampa/bujão Descrição do roteamento  prova de fogo
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, tê no suprimento BOP para medidor
53 4G2 40 - 1/2 pol. 43,00      
Str#6 Str#6 de pressão bop
tê após válvula de retenção no
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
54 6G2 25 - 1/4 pol. 28,00       suprimento BOP para válvula de
Str#7 Str#7
controle BOP
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, porta no medidor na válvula de
55 4G2 25 - 1/2 pol. 28,00      
Str#6 Str#6 controle BOP para medidor
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90 tê na porta de retorno no 3000 PRV
56 4G2 30 - 1/8 pol. 33,00      
Str#6 Curto#10 para retorno RV
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, porta de retorno no freio do carretel
57 4G2 28 - 1/2 pol. 31,00      
Str#6 Str#6 para retorno do coletor de admissão
-8 FJIC Svl, -8 FJIC Svl, 90 porta do tanque da válvula de
58 8G2 67 - 1/2 pol. 71,00      
Str#8 Curto#11 controle do nivelador para tanque 2,5
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, válvula BOP para retorno do coletor
59 6G2 57 - 1/4 pol. 60,00      
Str#7 Str#7 de admissão
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 450 PRV para verificação da tração
60 4G2 55 - 1/2 pol. 58,00      
Str#6 Str#6 PRV
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90
61 4G2 27 - 1/8 pol. 30,00       válvula de alívio EM BOP
Str#6 Curto#10
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, válvula de redução de pressão 3000 e
62 4G2 27 - 1/2 pol. 30,00      
Str#6 Str#6 5000 para tração EM
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, válvula de redução de pressão 3000 e
63 4G2 27 - 1/2 pol. 30,00      
Str#6 Str#6 5000 para tração EM
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, válvula de redução de pressão 3000
64 4G2 67 - 1/2 pol. 70,00      
Str#6 Str#6 para tração EM
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90 ponte da válvula solar para válvula
65 4G2 9 - 1/8 pol. 12,00      
Str#6 Curto#10 de tração whitey
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, válvula solar para suprimento do
66 4G2 19 - 1/2 pol. 22,00      
Str#6 Str#6 medidor de tração
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
67 4G2 19 - 1/2 pol. 22,00       filtro de ar para regulador de ar
Str#6 Str#6
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, coletor de admissão de ar para
68 4G2 57 - 1/2 pol. 60,00      
Str#6 Str#6 medidor de pressão de ar
-16 FJIC Svl, -16 FJIC Svl,
69 16G2 118 - 1/2 pol. 124,00       PONTE
90 Curto#15 Str#14
-16 FJIC Svl, -16 FJIC Svl,
70 16G2 118 - 1/2 pol. 124,00       PONTE
90 Curto#15 Str#14
-16 FJIC Svl, -16 FJIC Svl,
71 16G2 80 - 1/2 pol. 86,00       PONTE
90 Curto#15 Str#14
-12 FJIC Svl, -12 FJIC Svl,
72 12G2 139 - 1/8 pol. 144,00       PONTE
90 Curto#13 Str#12
-12 FJIC Svl, -12 FJIC Svl,
73 12G2 139 - 1/8 pol. 144,00       PONTE
90 Curto#13 Str#12
-4 FJIC Svl, 90 -4 FJIC Svl,
74 4G2 145 - 1/8 pol. 148,00       PONTE
Curto#10 Str#6
-4 FJIC Svl, 90 -4 FJIC Svl,
75 4G2 145 - 1/8 pol. 148,00       PONTE
Curto#10 Str#6
-4 FJIC Svl, 90 -4 FJIC Svl,
76 4G2 145 - 1/8 pol. 148,00       PONTE
Curto#10 Str#6
-4 FJIC Svl, 90 -4 FJIC Svl,
77 4G2 145 - 1/8 pol. 148,00       PONTE
Curto#10 Str#6
-4 FJIC Svl, 90 -4 FJIC Svl,
78 4G2 145 - 1/8 pol. 148,00       PONTE
Curto#10 Str#6
COL ADM 2 TRANS CONTR BOP
-6 FJIC Svl, 90 -6 FJIC Svl, 90
79 6G2 55 - 3/4 pol. 60,00       Nº 1 PARA VÁLVULA CONTR
Curto#9 Curto#9
BOP

PÁGINA 2-46
CONJUNTO DE MANGUEIRAS HAL 11177-87 DO CONSOLE CONTR CABINE
Man Etiqu
Alt.  gueir eta  Mangue Compriment Comprime Extremidade A  Adaptador da  Extremidade A Extremidade B Adaptador da  Extremidade B  Mangueira à 
rev.  a Nº  nº  ira  o de corte  nto final  Tampa/bujão QD  extremidade A Conexões  Conexões  extremidade B QD  Tampa/bujão Descrição do roteamento  prova de fogo
COL ADM 2 TRANS CONTR BOP
-6 FJIC Svl, 90 -6 FJIC Svl, 90
80 6G2 55 - 3/4 pol. 60,00       Nº 2 PARA VÁLVULA CONTR
Curto#9 Curto#9
BOP
COL ADM 1 TRANS CONTR BOP
-6 FJIC Svl, 90 -6 FJIC Svl, 90
81 6G2 55 - 3/4 pol. 60,00       Nº 28 PARA VÁLVULA CONTR
Curto#9 Curto#9
BOP
COL ADM 1 TRANS CONTR BOP
-6 FJIC Svl, 90 -6 FJIC Svl, 90
82 6G2 55 - 3/4 pol. 60,00       Nº 26 PARA VÁLVULA CONTR
Curto#9 Curto#9
BOP
COL ADM 1 TRANS CONTR BOP
-6 FJIC Svl, 90 -6 FJIC Svl, 90
83 6G2 55 - 3/4 pol. 60,00       Nº 29 PARA VÁLVULA CONTR
Curto#9 Curto#9
BOP
COL ADM 1 TRANS CONTR BOP
-6 FJIC Svl, 90 -6 FJIC Svl, 90
84 6G2 55 - 3/4 pol. 60,00       Nº 30 PARA VÁLVULA CONTR
Curto#9 Curto#9
BOP
COL ADM 1 TRANS CONTR BOP
-6 FJIC Svl, 90 -6 FJIC Svl, 90
85 6G2 55 - 3/4 pol. 60,00       Nº 31 PARA VÁLVULA CONTR
Curto#9 Curto#9
BOP
COL ADM 2 TRANS CONTR BOP
-6 FJIC Svl, 90 -6 FJIC Svl, 90
86 6G2 55 - 3/4 pol. 60,00       Nº 240 PARA VÁLVULA CONTR
Curto#9 Curto#9
BOP
COL ADM 2 TRANS CONTR BOP
-6 FJIC Svl, 90 -6 FJIC Svl, 90
87 6G2 55 - 3/4 pol. 60,00       Nº 241 PARA VÁLVULA CONTR
Curto#9 Curto#9
BOP
COL ADM 2 TRANS CONTR BOP
-6 FJIC Svl, 90 -6 FJIC Svl, 90
88 6G2 55 - 3/4 pol. 60,00       Nº 225 PARA VÁLVULA CONTR
Curto#9 Curto#9
BOP
COL ADM 2 TRANS CONTR BOP
-6 FJIC Svl, 90 -6 FJIC Svl, 90
89 6G2 55 - 3/4 pol. 60,00       Nº 226 PARA VÁLVULA CONTR
Curto#9 Curto#9
BOP
COL ADM TRANS HYDRACONN
-6 FJIC Svl, 90 -6 FJIC Svl, 90
90 6G2 55 - 3/4 pol. 60,00       Nº 306 PARA VÁLVULA DE
Curto#9 Curto#9
TRAVA HYDRACONN
COL ADM TRANS HYDRACONN
-6 FJIC Svl, 90 -6 FJIC Svl, 90
91 6G2 55 - 3/4 pol. 60,00       Nº 306 RTT PARA VÁLVULA DE
Curto#9 Curto#9
TRAVA HYDRACONN
COL ADM TRANS HYDRACONN
-6 FJIC Svl, 90 -6 FJIC Svl, 90
92 6G2 55 - 3/4 pol. 60,00       Nº 306 RTT PARA RETORNO
Curto#9 Curto#9
PRINCIPAL
COL ADM TRANS HYDRACONN
-6 FJIC Svl, 90 -6 FJIC Svl, 90 Nº 307 PARA VÁLVULA DE
93 6G2 55 - 3/4 pol. 60,00      
Curto#9 Curto#9 TRAVA DE SEGURANÇA
HYDRACONN
COL ADM TRANS HYDRACONN
-6 FJIC Svl, 90 -6 FJIC Svl, 90
94 6G2 55 - 3/4 pol. 60,00       Nº 307 RTT PARA VÁLVULA DE
Curto#9 Curto#9
TRAVA HYDRACONN
COL ADM TRANS HYDRACONN
-6 FJIC Svl, 90 -6 FJIC Svl, 90
95 6G2 55 - 3/4 pol. 60,00       Nº 307 RTT PARA RETORNO
Curto#9 Curto#9
PRINCIPAL

PÁGINA 2-47
CONJUNTO DE MANGUEIRAS HAL 11177-87 DO CONSOLE CONTR CABINE

Fig. 2.2-8, Conjunto de mangueira do console de controle, CA202857 (Folha 6 de 6)

PÁGINA 2-48
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 2 CC270777 PROTEÇÃO A/C SOLDAGEM
2 4 ECC00453 ADAPT. 0,38 H-BARB-0,38 H-BARB 90 NÁILON
3 3 ECC00491 TÊ 0,38 H-BARB NÁILON
4 8 BFW00045 ARRUELA DE PRESSÃO 0,25 18-8 SST
5 8 BFC00605 HHCS 0,25-20UNC X 0,75 18-8 SST
6 3 BFW00025 ARRUELA PL TIPO B SÉRIE N 0,50 STL
7 3 BFM00106 SCR CHAPA METÁLICA #14 X 0,63 PNH PHH
8 1 ECC00020 TBG RND 0,500 DE-0,375 DI INST GR PLYETH
9 4 ECC00017 ADAPT. 0,38ODTB-0,13MNPT 90 NÁILON
10 12 ECC00021 PRESILHA PINÇA ON 0,50
* 2R CA263347 ESPEC CONDICIONADOR DE AR (VEJA FIG. 2.2-9)
* 2R CA262619 ESPEC CONDICIONADOR DE AR (VEJA FIG. 2.2-10)

* ITEM CHAMADO NO ESQUEMA ELÉTRICO

Fig. 2.3-1A, Instalação do condicionador de ar (duplo), CE263353


PÁGINA 2-50
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 * 1R HVD00059 VÁLVULA ESFERA TRÊS VIAS 0,50FNPT BLK
2 1 CB202036 RÓTULO CONJUNTO DE VÁLVULAS DE SUSPENSÃO DA CABINE
3 3 HHA20039 ADAPT. 0,50MNPT-0,38MJIC 90
4 4 BFR00003 REBITE ALUM 0,125 X 0,251-0,312 GRIP
5 1 CB272966 PLACA MÁQUINA DE SUSPENSÃO DA CABINE

* ITEM CHAMADO NO ESQUEMA HIDRÁULICO

Fig. 2.3-2A, Instalação da Válvula de Suspensão da Cabine, CC265600

PÁGINA 2-53
INJETOR HYDRA RIG HR680

INJETOR HYDRA RIG HR680

Especificações
Pesos
Injetor (Apenas ref.) ........................................................................................... 8.200 lb (3.720 kg)
Com gooseneck de 72” e montagem do separador (Apenas ref.) ...................... 9.500 lb (4.309 kg)

Dimensões
Exibidas em polegadas:

Fig 3-1, HR680 com gooseneck de 72”

PÁGINA 3-1
INJETOR HYDRA RIG HR680

GOOSENECK ............................................................................................................................. 72”


Classificações do guia de tubulação NOV
Hydra Rig

Modelo do  Número de peça  Raio (pol.) do  Tensão classificada da 


guia  HR  guia  tubulação [lb]* 

60R  CE360615  60  7.000 

72R  CE365890  72  7.000 

100R  CE360476  100  9.000 

100R HYD  CE361209  100  7.000 

120R  CE360580  120  9.000 

* OBSERVAÇÃO: Esta classificação é aplicável para até 3 graus


de ângulo de manobra para qualquer lado e
até 150 graus de contorno da tubulação sobre
o guia (tubulação apenas em contato com o
último rolete do alargador).

ROLETE .....................................................................................................................................1,50
SEPARADOR ..................................................................................................................... 4,06 10K

Lubrificantes do Sistema Injetor


ALOJAMENTO  MOTOR  CORRENTE  ROLAMENTOS GOOSENECK EIXOS DE  DIP DA 
DA UNIDADE  ACIONAMENTO  CORRENTE
DE 
ACIONAMENTO 

Syn Iso 220  AW‐46  Óleo HD30  Graxa 2EP  Graxa 2EP  Graxa NLGI O  Óleo HD30 


Fluido para clima frio:

 Mobile SHC 150 para temperaturas ambiente de operação entre -40ºC e +35ºC.

o O óleo sintético para engrenagens ISO 150 é uma alternativa aceitável para esta faixa de
temperatura se o ponto de escoamento for de -48,3ºC ou inferior.

PÁGINA 3-2
INJETOR HYDRA RIG HR680

Sistema de Acionamento do Injetor


ACIONAMENTO DE ENGRENAGEM PLANETÁRIA COM ENTRADA DE MOTOR
HIDRÁULICO DUPLO

ADVERTÊNCIA
A ABERTURA DO SISTEMA DA UNIDADE DE ACIONAMENTO DA
ENGRENAGEM POR QUALQUER PESSOA QUE NÃO SEJA UM
TÉCNICO DE SERVIÇO DA HYDRA RIG ANULA TODAS AS
GARANTIAS.
EXCEÇÕES PODEM SER CONCEDIDAS (POR ESCRITO) PELO
GERENTE DE SERVIÇO DA HYDRA RIG EM CARÁTER DE
URGÊNCIA.

MOTORES HIDRÁULICOS
Tipo .................................................................................................. Deslocamento Variável, Pistão
Deslocamento total máximo do motor (baixa velocidade, deslocamento total) ........ “engrenagem”
baixa –12,8 pol.³
Fluxo máximo admissível (deslocamento máx. ou mín.)90 gpm – 120 gpm (ajustado para a alimentação)

PRESSÃO DA MUDANÇA DE VELOCIDADE DO MOTOR HIDRÁULICO


Inicia a inversão do curso a partir do deslocamento total .................................................... 116 psig
Deslocamento total mínimo do motor................. alimentação de 120 gpm = 6,93 pol.³ ou 113,6 cc
................................................................................... alimentação de 90 gpm = 5,2 pol.³ ou 85,2 cc
FREIO
Freio ........................................................................................................ à prova de falhas, modular
Atuação do freio ................................................................................. Automática, perda de pressão
Pressão de liberação do freio Começa em 110 psi, liberação total em 150 psi, máxima de 3000 psi
Torque do freio estático ................................................................................. 4.500 pol./lb (NOVO)
........................................................................................Força equivalente da tubulação 160.000 lb
ACIONAMENTO DA ENGRENAGEM
Relação da engrenagem .......................................................................................................... 60,1:1
Tipo ..................................................................................................... Planetária customizada dupla
Capacidade de óleo .................................................................... Aproximadamente 3,78 litros cada

VELOCIDADE MÍNIMA DA CORRENTE (TUBULAÇÃO)


Apenas engrenagem baixa .............................................................................. Menos de 0,054 km/h

PÁGINA 3-3
INJETOR HYDRA RIG HR680

VELOCIDADE MÁXIMA DA CORRENTE (TUBULAÇÃO)


Engrenagem baixa ............................................................................................................. 1,97 km/h
Engrenagem alta................................................................................................................ 3,66 km/h
RELAÇÃO DA PRESSÃO DA TUBULAÇÃO DA TRAÇÃO PARA O ACIONAMENTO
Engrenagem baixa .............................................................................. aproximadamente 17,5 lb/psi
Engrenagem alta (120 gpm) ................................................................ aproximadamente 8,17 lb/psi
TRAÇÃO NOMINAL DA TUBULAÇÃO
Engrenagem baixa (pressão de acionamento de 4.600 psi) ............................................... 80.000 lb
Engrenagem alta (pressão de acionamento de 4.600 psi) .................................................. 47.000 lb
FORÇA DE FRENAGEM NOMINAL
Engrenagem baixa ............................................................................................................. 40.000 lb
Pressão máxima do dreno do alojamento................................................................................. 70 psi
OBSERVAÇÃO: Consulte as curvas de desempenho do injetor, Fig. 3-10 e Fig.
3-11, para obter mais detalhes sobre pressão, fluxo,
velocidade e potência.

Sistema de Tração do Injetor


Skate...............................................................................................................Temperado, reversível
Comprimento da zona de pinças .............................................................................................. 90 cm
Quantidade de pinças na zona ................................................................................................ 7 pares
Quantidade de cilindros de tração ....................................................................................................6
Pressão máxima de tração ................................................................................................... 3.000 psi
Acumulador........................................................................................................... 3 cada, 0,95 litros
OBSERVAÇÃO: Consulte a pressão de tração do injetor versus o gráfico de
carga da tubulação (Fig. 3-4) neste manual para informações
sobre os ajustes adequados de pressão de tração.

Correntes do Injetor

OBSERVAÇÃO: Certifique-se de que há 3,2 mm de folga entre o fundo do


cilindro de tensão plano ao ressalto no corpo do injetor com
400 psi de pressão de tensão para baixo antes de iniciar um
trabalho. (Consulte a Fig. 3-1-A)
OBSERVAÇÃO: Aplique spray de lubrificação no conjunto da corrente antes
de cada trabalho, depois de cada limpeza da corrente e a
cada 1800 m de deslocamento, no mínimo. Certifique-se de
que toda a corrente foi lubrificada antes de desligar o spray
lubrificante. (CONSULTE A SEÇÃO “LUBRIFICANTES PARA

PÁGINA 3-4
INJETOR HYDRA RIG HR680

O INJETOR HR680” PARA INFORMAÇÕES SOBRE OS


LUBRIFICANTES DE CORRENTE ADEQUADOS.)

Número de peça ............................................................................................................... CE310347


Tipo ....................................................................................................................... padrão ANSI 200
Comprimento por lado ........................................................................................................... 3,81 m
Tamanhos de tubulação........................................................................................ 3,17 cm a 8,89 cm
Tipo do transportador/pinças ................................................................. “engate rápido” patenteado
Total de transportadores no injetor ................................................................................................60
Rolamentos ................................................................... Tipo rolete duplo “selados perpetuamente”
Total de rolamento no injetor .......................................................................................................120
Inserções ................................................. estriadas e temperadas, 10,41 cm Comprimento de pinça
Total de inserções no injetor ..........................................................................................................60
Elastômeros ........................................................................................................... Preto, Poliuretano
Total de elastômeros no injetor ......................................................................................................60
Total de molas retentoras no injetor...............................................................................................60

Fig 3-1-A, HR680 Alongamento mínimo de corrente antes de iniciar um trabalho

PÁGINA 3-5
INJETOR HYDRA RIG HR680

Tensão da corrente do injetor


Cilindros........................................................................................ Quatro com diâmetro de 7,62 cm
Pressão de operação mínima recomendada............................................................................ 500 psi
Pressão máxima .................................................................................................................. 3.000 psi

IMPORTANTE
INJETORES ANTERIORES (POR EXEMPLO: HR240,
HR440 E HR480) NÃO USAM A MESMA PRESSÃO
DE TENSÃO MÁXIMA. A PRESSÃO MÁXIMA DO
HR680 É DE 3.000 PSI. TENHA CUIDADO AO
SUBSTITUIR INJETORES COM ESTE CIRCUITO.

OBSERVAÇÃO: Consulte o gráfico de pressão da tensão da corrente do injetor


(Fig. 3-3) neste manual para informações sobre os ajustes
adequados de pressão.

PÁGINA 3-6
INJETOR HYDRA RIG HR680

Válvula de Tensão da Corrente


A válvula de tensão da corrente está localizada na cabine. Esta válvula tem uma haste/botão de
travamento (na parte superior). Quando um injetor série 500/600 for utilizado, gire o botão para a
posição da série 500/600 (Veja a Fig. 3-1-B). Quando um injetor 400 for utilizado, gire a válvula
para a posição da série 400 (Veja a Fig. 3-1-C).
OBSERVAÇÃO: Você deve puxar o pino para girar o botão.

A pressão para os injetores da série 400 é de 450 psi.


A pressão para os injetores da série 500/600 é de 3.000 psi.
 

 
Fig. 3-1-B, Ajuste da válvula de tensão da
  corrente para os injetores série 500/600
(consulte a imagem da esquerda)

Fig. 3-1-C, Ajuste da válvula de tensão da


corrente para os injetores série 400
(consulte a imagem da direita)

OBSERVAÇÃO: Quando um injetor ou alojamento de energia mais antigo for


utilizado, entre em contato com o Departamento de Serviço da
Hydra Rig (817-985-5000) para obter instruções.

Classificações da Suspensão/Amarração do Injetor


Olhais de suspensão ................................................................................................ 47,5 ton.
Amarração ......................................................................................... 3,25 ton. cada unidade
Proteção contra queda ..................... Conforme a classificação do fabricante no dispositivo
Feixe de segurança ....................................... Conforme a classificação do fabricante no dispositivo
 
PÁGINA 3-7
INJETOR HYDRA RIG HR680

Descrição do Sistema Injetor

Fig. 3-2, Sistema injetor

SISTEMA DE CORRENTE (1): Sistema de pinças “engate rápido” patenteado. O injetor tem
duas correntes em sentidos contrários suportadas por rodas dentadas na unidade de acionamento
da engrenagem (2) e no sistema de tensão da corrente (4). Cada corrente incorpora blocos
transportadores ligados por conjuntos de elos de corrente de passo 2,50. Os transportadores
contêm pinças de tubulação removíveis montadas em pastilhas de elastômeros, que permitem
que as inserções tenham encaixe uniforme na tubulação na zona de tração. As inserções
deslizam facilmente para dentro do transportador e ficam retidas pela mola retentora especial. As
inserções podem ser rápida e facilmente alteradas para diferentes tamanhos de tubulação de até
8,9 cm. As forças de tração são transmitidas para o transportador por dois rolamentos montados
na parte traseira de cada transportador.
OBSERVAÇÃO: Veja a Fig. 3-17 para mais detalhes sobre o sistema de pinças
“engate rápido” patenteado.

SISTEMA DE ACIONAMENTO DO INJETOR (2): As correntes são acionadas por caixas de


transmissão planetárias com rodas dentadas/eixos de transmissão separados. Os motores
hidráulicos têm capacidades de deslocamento variável para permitir que o injetor tire o máximo
proveito da potência disponível. Quando definido para o deslocamento máximo, o injetor fica na
"engrenagem" de velocidade baixa e pode gerar sua força de tração máxima. Quando definido
para o deslocamento mínimo, o injetor fica na "engrenagem" de velocidade alta, a força de tração
é reduzida e as capacidades de velocidade são maximizadas.
OBSERVAÇÃO: Veja as Fig. 3-10 e Fig. 3-11 para mais informações sobre as
curvas de desempenho do injetor.
   

PÁGINA 3-8
INJETOR HYDRA RIG HR680

Conectado entre os motores e as caixas de transmissão estão os freios com recurso à prova de
falhas. Este recurso permite que o freio "atue" se a potência hidráulica for perdida. Durante o
movimento da corrente, a energia hidráulica libera os freios por meio de uma válvula de
liberação acionada pelo lado de "alta" pressão do circuito hidráulico do motor.
SISTEMA DE TENSIONAMENTO DA CORRENTE (3): As correntes são mantidas em
tensão constante pelas forças geradas pelos cilindros de tensão. Esta tensão evita que as correntes
fiquem com folga e, possivelmente, danifiquem a tubulação. A pressão da tensão da corrente
pode ser variada a partir da cabine de controle.
OBSERVAÇÃO: Veja a Fig. 3-3 para obter informações adequadas sobre os
requisitos de pressão da tensão da corrente.

SISTEMA DE TRAÇÃO (4): O sistema de tração é constituído por três pares de cilindros que
atuam sobre dois skates de aço temperado, entre os quais os transportadores de corrente são
presos à medida que passam através da zona de pinças. Cada par de cilindros reage contra o
outro por meio de barras estruturais conectadas por hastes de tensão. Cada conjunto de tração
flutua horizontalmente na estrutura do injetor sobre buchas. A pressão para os cilindros
hidráulicos é controlada a partir da cabine através de três circuitos separados, cada um tendo um
acumulador para atenuar os efeitos dinâmicos da corrente durante a operação e para fornecer
pressão, em caso de perda de pressão hidráulica. A força de tração do injetor está diretamente
relacionada com a força de tração aplicada. A relação da força de tração com a força de arrasto
varia dependendo de muitos fatores, incluindo a condição de inserção, óleo ou outras substâncias
na superfície da tubulação, espessura da parede da tubulação, a velocidade e a forma oval da
tubulação.
OBSERVAÇÃO: Veja a Fig. 3-4 para obter informações sobre os requisitos de
pressão da tração.

SISTEMA DE CÉLULAS DE CARGA (5): O injetor é projetado para operar tanto com uma
única célula de carga eletrônica ou com uma ou duas pilhas de células de carga hidráulica sobre
uma extremidade do injetor e/ou pinos de carga eletrônica no ponto pivô que conecta o injetor ao
seu conjunto da base. As células de carga estão em uma proporção de 4:1 e cada pino de carga
está em 3:8, para tubos pesados e tubos leves.
Para isolar as cargas de choque de transporte da célula de carga, o sistema de células de carga é
projetado com parafusos de amarração que devem ser encaixados durante deslocamentos de um
local para outro.
GOOSENECK (6): O gooseneck suporta e direciona a tubulação conforme ela entra e sai do
injetor. O gooseneck é alargado na extremidade para permitir o ângulo de manobra do carretel
da tubulação. A extremidade alargada pode ser levantada e fixada na posição para operação. Os
roletes estão disponíveis para todos os tamanhos de tubulação com diâmetro externo de até 8,9
cm. O gooseneck é fixado em uma montagem ajustável. Esta montagem deve ser ajustada de
acordo com a curvatura da tubulação, de forma que os tubos entrem no centro das correntes.
OBSERVAÇÃO: Veja a Fig. 3-9 para obter informações adequadas sobre o
alinhamento do gooseneck.
OBSERVAÇÃO: O alinhamento adequado do gooseneck é fundamental para as
leituras adequadas das células de carga e operação suave do
sistema de correntes.
   

PÁGINA 3-9
INJETOR HYDRA RIG HR680

SEPARADOR (7): O separador é um dispositivo que permite à tubulação entrar no poço sob
pressão sem vazamentos. O separador utiliza uma junta de elastômero vestível em torno da
tubulação enrolada. Ele é aparafusado à base do injetor com um adaptador que posiciona o
separador tão próximo quanto possível das correntes para reduzir a torção da coluna da
tubulação. O separador é energizado remotamente da cabine. A pressão hidráulica é aplicada na
parte inferior de um pistão, forçando-o para cima dentro do elemento separador, o qual
comprime em torno da tubulação, criando a vedação.
ADAPTADOR DE SEPARADOR DO INJETOR: Os adaptadores de separador são
dimensionados para posicionar a parte superior dos separadores tão próxima quanto possível das
correntes do injetor. Capacidades de suspensão do adaptador de separador:
 40 ton. de capacidade de suspensão para transporte
 47,5 ton. de capacidade de suporte para operação
PERNAS DO INJETOR (8): Quatro pernas de comprimento fixo são usadas durante a
manutenção ou outras operações que requerem que o injetor permaneça com o separador
instalado. Além disso, quatro pernas telescópicas podem ser encaixar nos soquetes de canto da
base de suporte para estabilizar o injetor na cabeça do poço.
OBSERVAÇÃO: As pernas do injetor não são projetadas para transportar
carga de tubulação.

ESTRUTURA DE SUSPENSÃO/PROTEÇÃO DO INJETOR (9): A estrutura externa do


injetor monta o
gooseneck e incorpora um suspensor de quatro pontos que manipula o injetor durante o
transporte e
a operação. Manilhas são fornecidas para pontos de ancoragem e amarração de feixes no local de
trabalho.
Capacidades de suspensão da estrutura externa:
 7,5 ton. de peso bruto de suspensão para transporte
 47,5 ton. de capacidade de suspensão para operação
Opções de Célula de Carga do Injetor
Célula de carga eletrônica (tipo placa)
Atuação dupla (Tensão/Compressão) Fabricante ..................................... MD/Totco ou Sensotech
Tipo ...................................................................................................................... Medidor de tensão
Saídas .................................................................................................................................. 4-20 mA
Faixa de carga da tubulação ............................................................................. -80.000 a +80.000 lb
Tensão de excitação ................................................................................................... 8,1 a 28 VDC
Faixa de Temperatura Operacional ....................................................................-53,9°C a +121,1°C
Saída Nominal (incluindo tara):
Tração Total (80.000 lbs)...................................................................................................16,40 mA
Tração Zero (tara de 8.000 lbs) ..........................................................................................12,40 mA
Carga Total (40.000 lbs) ....................................................................................................10,40 mA

PÁGINA 3-10
INJETOR HYDRA RIG HR680

Célula de Carga Hidráulica (2- CADA)


Em pilhas (tubo pesado/opcional tubo leve) Fabricante .................................................. MD/Totco
Tipo .................................................................................................................................. Diafragma
Saídas ...............................................................................................................................0-1.400 psi
Faixa de carga da tubulação ............................................................................. -80.000 a +80.000 lb
Faixa de Temperatura Operacional ....................................................................-53,9°C a +121,1°C
Saída Nominal (incluindo tara):
Tração Total (80.000 lbs).................................................................................................... 1.400 psi
Tração Zero (tara de 8.000 lbs) .............................................................................................. 155 psi
Carga Total (40.000 lbs) ........................................................................................................ 466 psi
Pinos de Carga Eletrônica (1 ou 2- CADA)
Atuação dupla (Tensão/Compressão) Fabricante ............................................................ MD/Totco
Tipo ...................................................................................................................... Medidor de tensão
Saídas .................................................................................................................................. 4-20 mA
Tensão de excitação ............................................................................................................ 24 VDC
Faixa de carga da tubulação ............................................................................. -80.000 a +80.000 lb
Faixa de Temperatura Operacional ....................................................................-53,9°C a +121,1°C
Saída Nominal (incluindo tara):
Tração Total (80.000 lbs)...................................................................................................18,00 mA
Tração Zero (tara de 8.000 lbs) ..........................................................................................12,67 mA
Carga Total (40.000 lbs) ....................................................................................................10,00 mA

OBSERVAÇÃO: Os valores de tara são típicos. A tara real pode necessitar


ser determinada e ter a saída ajustada conforme o caso.

PÁGINA 3-11
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Normas do sistema de proteção contra quedas, CD380087


O PROJETO, FABRICAÇÃO E MONTAGEM DOS SISTEMAS DE PROTEÇÃO CONTRA QUEDA ESTÁ
CONFORME COM TODOS OS REQUISITOS DA NORMA DE SEGURANÇA E SAÚDE
OCUPACIONAL ATUAL 29 CFR SUBPARTES 1910 E 1926, E A NORMA NACIONAL AMERICANA
ATUAL ANSI/ASSE Z359.1-2007, COM OS SEGUINTES REQUISITOS SUPLEMENTARES:
1. Todos os equipamentos de proteção contra quedas devem ser instalados e utilizados de acordo com
as especificações do fabricante e a ANSI/ASSE Z359.1-2007 e A10.32.-2004.
2. O sistema de proteção contra quedas mostrado nos diagramas de engenharia é projetado
especificamente para os equipamentos listados nos diagramas. A não utilização do equipamento
especificado no sistema pode resultar numa condição de risco. A LJB não assume nenhuma
responsabilidade por sistemas operados sem o uso de equipamento especificado.
3. Os sistemas de proteção contra quedas mostrados nos diagramas de engenharia foram projetados
com um fator dois para um de acordo com a norma de segurança e saúde ocupacional 29 CFR
SUBPARTE 1910.66, APÊNDICE C SUBPARTE 1-C-10.
4. Se o sistema de proteção contra quedas experimenta um incidente de queda, o sistema deve ser
retirado de serviço até o momento em que uma inspeção de todo o sistema, incluindo pontos de
ancoragem, seja realizada por uma pessoa qualificada. Somente após essa inspeção e reparação ou
substituição de quaisquer componentes danificados, o sistema poderá ser colocado de volta em
serviço.
5. O sistema de proteção contra quedas é projetado para uso com um conjunto específico de
parâmetros como folgas e alturas de queda. Se estes parâmetros mudarem, o sistema pode não
funcionar como projetado. Se mudanças no sistema ou na área ao redor são feitas, o sistema deve
ser reexaminado antes de ser colocado de volta em serviço. A pessoa qualificada/competente da
instalação deve inspecionar os parâmetros específicos do local, incluindo a face de balanço e altura
livre, para determinar a sua adequação para o uso seguro deste sistema de ancoragem antes do uso.
6. A pessoa qualificada/competente da instalação deve aprovar o sistema de equipamentos de proteção
contra quedas. A força máxima de arrasto deve ser de 900 libras.

PÁGINA 3-12
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Operação do injetor
Em nenhuma aplicação sem ou com baixa pressão, o procedimento operacional padrão é minimizar a tensão da
corrente para maximizar a corrente e a vida do injetor. Em uma aplicação de alta pressão (tubulação achatada
ou leve), a consideração principal é manter a tensão nas correntes em todos os momentos e evitar
desenvolvimento de folga da corrente.
Durante a operação pesada da tubulação, a pressão mínima de tensão da corrente deve ser de 500 psi.
Durante as operações de achatamento (tubulação leve) a pressão de tensão da corrente deve ser definida de
acordo com o gráfico de pressão de tensão da corrente vs. força de achatamento, Fig. 3-3, abaixo.

Fig 3-3, Pressão de tensão da corrente vs. força de achatamento

A pressão de tensão da corrente recomendada para uma determinada carga é encontrada no gráfico acima. O
gráfico é desenvolvido a partir de medições feitas usando um novo injetor e tubulação oleada em boas
condições.
Use as seguintes etapas para determinar a pressão de tensão da corrente correta (ver fig 3-3.):
1. Localize a carga de achatamento esperada na escala inferior.
2. Trace uma linha vertical para cruzar com a curva.
3. Leia a pressão de tensão da corrente correspondente na escala esquerda.
Os valores encontrados usando o gráfico são adequados na maioria das condições. Deve-se lembrar que as
condições em cada trabalho são únicas e pode ser necessário desvio dos valores indicados pelo gráfico.

PÁGINA 3-13
INJETOR HR680 HYDRA RIG

  

CUIDADO
O INJETOR PODE ACIONAR A TUBULAÇÃO DENTRO DO ORIFÍCIO (ACHATAMENTO) COM A
MESMA FORÇA QUE A DE TRAÇÃO. SE EXISTEM CONDIÇÕES DE ACHATAMENTO ALTAS, A
PRESSÃO DE ACIONAMENTO DEVE SER REDUZIDA PARA EVITAR O EMPENAMENTO DA
TUBULAÇÃO ABAIXO DAS CORRENTES.

Pressão de tração do injetor

CUIDADO
OPERE A TRAÇÃO DO INJETOR ENTRE AS LINHAS MÍNIMAS E MÁXIMAS NO DIAGRAMA DE
TRAÇÃO PARA O GRÁFICO DE CARGA.

O SEGUINTE GRÁFICO DE PRESSÃO DE TRAÇÃO RECOMENDADA EXIBE UMA FAIXA DE


PRESSÕES PARA UMA DETERMINADA CARGA DE TUBULAÇÃO. ESTE GRÁFICO NÃO
IMPLICA QUE É POSSÍVEL TRACIONAR, NA PARTE SUPERIOR DA BANDA DE UMA
DETERMINADA PRESSÃO. O GRÁFICO INDICA UMA FAIXA DE VALORES QUE
CORRESPONDEM A CONDIÇÕES VARIÁVEIS, TAIS COMO:

• OVALIDADE DA TUBULAÇÃO

• CONDIÇÕES DA SUPERFÍCIE DA TUBULAÇÃO

- ÓLEO - GRAXA - PARAFINA

- FRATURAMENTO - SUJEIRA - OUTROS PRODUTOS QUÍMICOS

AREIA

• CONDIÇÕES DE INSERÇÃO

- DESGASTE - ESCORIAÇÕES - POLIMENTO

O gráfico a seguir indica que a uma dada pressão de tração o injetor deve tracionar em algum lugar na faixa
dependendo das condições acima. Os valores encontrados usando o gráfico são adequados na maioria das
condições. Deve-se lembrar, entretanto, que as condições em cada trabalho são únicas e pode ser necessário
desvios dos valores indicados pelo gráfico.

PÁGINA 3-14
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Fig. 3-4, Pressão de tração vs. carga da tubulação

Exemplo:
Para obter uma tração de tubulação de 40.000 lb localize a carga da tubulação na parte inferior do gráfico, leia
a pressão de tração correspondente no lado esquerdo do gráfico. A pressão de tração deve estar entre 1.125 psi
(A) e 1.375 psi (B), dependendo das condições de operação.
OBSERVAÇÃO: Em condições onde a linha de pressão máxima de tração é necessária para
evitar escorregamento durante um trabalho, refaça a superfície ou substitua as
pinças antes do próximo trabalho. Ao usar um novo reforçador suave da
tubulação enrolada em combinação com pinças polidas, também é
recomendado que as pinças tenham a superfície refeita ou sejam substituídas.

PÁGINA 3-15
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Circuito do injetor hidráulico


O circuito injetor é constituído por um lado "no orifício" e um lado "fora do orifício". Cada lado contém os
mesmos componentes hidráulicos com o motor da unidade de acionamento hidráulico sendo o centro ou ponto
de transição. As figuras 3-5-A, 3-5-B e 3-5-C mostram o circuito da unidade de acionamento hidráulico do
injetor básico típico.
O fluxo/pressão no lado "no orifício" do motor do injetor faz rotacionar as correntes em um sentido para baixo.
O oposto é verdadeiro para o lado "fora do orifício"; as correntes rotacionam (para cima) para a direção fora do
orifício.
Este circuito hidráulico é projetado para controlar cargas excedentes. As cargas excedentes são forças que
atuam sobre o injetor que tentam conduzir mecanicamente o motor. Isto acontece em duas condições.
TUBULAÇÃO PESADA (no orifício): Tubulação pesada é o peso da tubulação que supera a pressão de
alojamento e as forças de atrito. Esta força tenta rotacionar as correntes/motores hidráulicos mais rápido do
que o ajuste da velocidade de console.
TUBULAÇÃO LEVE (fora do orifício) - O mesmo é verdade na tubulação leve, como na tubulação em
condições pesadas, exceto que a força que está tentando rotacionar as correntes/motores é a força (fora do
orifício) de empuxo para cima na tubulação, causada pela pressão de alojamento.
A descrição do circuito a seguir aborda principalmente as condições de "tubulação pesada" no orifício. O
operador deve lembrar que as condições de "tubulação leve" e "tubulação pesada" são somente forças que
empurram para cima ou puxam para baixo. Os componentes hidráulicos para cima e para baixo (no orifício e
para fora dele) são instalados para manipular estas forças.
O fluido hidráulico entra através da desconexão rápida de 1-1/4" ou 1-1/2" e flui através de um filtro de alta
pressão. (Veja Fig. 3-5-A, Fig. 3-5-B, ou Fig. 3-5-C (F1, F2). Estes filtros eliminam a contaminação que
possa ter entrado através da desconexão rápida (QD).
OBSERVAÇÃO: Os filtros F1 e F2 são cruciais na prevenção de contaminação. Verifique os
indicadores de sujeira diariamente.

PÁGINA 3-16
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Fig. 3-5-A, Circuito da unidade de acionamento do injetor (freio automático)

Fig. 3-5-B, Circuito da unidade de acionamento do injetor (freio manual)


PÁGINA 3-17
INJETOR HR680 HYDRA RIG

 
Fig. 3-5-C, Circuito da unidade de acionamento do injetor (freio automático e de emergência)

Depois de o fluido ser filtrado, ele flui para uma válvula do sistema de contrapeso (CB1) que tem uma válvula
de retenção de fluxo livre que permite que o fluido passe diretamente através da válvula do sistema de
contrapeso no sentido oposto.
O fluido flui através da válvula do sistema de contrapeso para os motores hidráulicos.
O fluido passa através do motor e entra na válvula do sistema de contrapeso (CB2) no lado oposto. Desta vez,
uma válvula de retenção interna localizada na válvula do sistema de contrapeso bloqueia o caminho do fluido.
A válvula do sistema de contrapeso é normalmente uma válvula fechada (exige uma pressão piloto). Uma vez
que o fluido não pode passar através desta válvula de retenção interna, a pressão do sistema se eleva. Um sinal
de pressão a partir da linha oposta aumenta para modular a válvula para uma posição aberta suficiente para
controlar a fuga.
Em uma carga excedente (tubulação pesada ou leve), a carga aciona o motor. Isso fará com que o motor atue
como uma bomba. Neste modo, a pressão de suprimento de entrada cai (causada pela atração do motor ou
"sugamento" do óleo para dentro). Esta queda na pressão fará com que a válvula do sistema de contrapeso se
feche. O fechamento da válvula de contrapeso faz com que a pressão de entrada seja criada e reabra a válvula
do sistema de contrapeso. Isso acontece em milissegundos e o resultado líquido é um movimento de carga
controlado "suave" (rotação injetor).
Circuito de freio automático do injetor (Veja a Fig. 3-5-A e 3-5-C) O freio do injetor é um dispositivo
modular montado no eixo motor da unidade de acionamento. O módulo de freio é composto por vários discos
aplicados em mola e hidraulicamente liberados quando a pressão é aplicada. A mesma pressão que abastece os
motores da unidade de acionamento automaticamente libera os freios. A pressão é fornecida para os freios nas
entradas do orifício ou para fora dele através da válvula de controle de prioridade do freio (S1). Quando a
pressão é equilibrada, tanto as linhas no orifício como para fora dele, o freio controla a pressão nos centros e
drena a pressão para fora do freio fazendo-os atuar. Esta pressão é limitada a 500 psi através de uma válvula
redutora de pressão. Uma válvula de bloqueio do sistema de freio está em linha com a válvula redutora de
pressão para isolar o sistema de freio quando necessário. Isto tipicamente é utilizado para testar a capacidade
de retenção do freio em procedimentos de solução de problemas.
PÁGINA 3-18
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Circuito de freio manual do injetor (Veja a Fig. 3-5-B). O freio do injetor é um dispositivo modular montado
no eixo motor da unidade de acionamento. O módulo de freio é composto por vários discos aplicados em mola
e hidraulicamente liberados quando a pressão é aplicada. Esta pressão é limitada a 500 psi por uma válvula
redutora de pressão, (localizada sob o painel de controle na cabine). Uma válvula de bloqueio do sistema de
freio está em linha para isolar o sistema de freio quando necessário. Isto tipicamente é utilizado para testar a
capacidade de retenção do freio em procedimentos de solução de problemas.
Injetor de mudança variável de duas velocidades O circuito de mudança de velocidade do injector recebe a
sua energia hidráulica a partir do console de controle. Quando a pressão é aplicada ao injetor de entrada de
duas velocidades, o motor se desloca a uma pequena (de alta velocidade) variabilidade de deslocamento.
Quando a pressão é totalmente removida, o motor está em pleno deslocamento (baixa velocidade).
Pressão no circuito de tração do injetor (Veja a Fig. 3-6) é recebida através dos conectores (7, 8 e 9). A
pressão de tração escolhida é aumentada ou diminuída dependendo da carga que os injetores devem empurrar
ou puxar. Quanto maior for a carga, maior a pressão de tração requerida. Acumuladores, localizados entre as
conexões de entrada e cilindros, aliviam qualquer pequeno choque ou pulsação que os cilindros possam
experimentar. (Veja a Fig. 3-6) Um acumulador é usado para cada grupo de cilindros de tração alta, média e
baixa. É importante manter o nitrogênio apropriado pré-carregado sobre os acumuladores.
OBSERVAÇÃO: A pressão pode aumentar no circuito do cilindro de tração depois de ter sido
definida, resultando em um aumento da temperatura. Os circuitos de tração
devem ser monitorados para qualquer aumento de pressão e drenados até a
pressão desejada.

As válvulas de controle para esses cilindros de tração são projetadas e operadas para isolar cada grupo de
cilindros. Isto aprisionará independentemente a pressão do fluido entre cada grupo de cilindros de tração e as
válvulas. No caso de um dos três circuitos dos cilindros de tração perderem pressão, a pressão do sistema será
mantida nos dois circuitos restantes. Medidores servem como indicadores de desempenho do injetor.

PÁGINA 3-19
INJETOR HR680 HYDRA RIG

CUIDADO
NÃO PRESSURIZE OS CILINDROS DE TRAÇÃO SEM TUBULAÇÃO ENTRE OS BLOCOS DE
PINÇAS. FAZER ISTO PODE RESULTAR EM DANO AOS BLOCOS DE PINÇAS E CONJUNTO
DE CORRENTES.

 
Fig. 3-6, Circuito de tração do injetor

CUIDADO
SE A TUBULAÇÃO ESTÁ DENTRO DO POÇO, NÃO TENTE O SEGUINTE
PROCEDIMENTO DE DRENAGEM DE AR SEM PRIMEIRO FIXAR A TUBULAÇÃO.
Sempre que uma conexão em uma mangueira hidráulica é desligada para manutenção ou estiver danificada, o
ar pode entrar no cilindro de tração. O ar deve ser periodicamente drenado dos cilindros. O procedimento a
seguir deve ser implementado em um conjunto de cilindros de cada vez.
1. Certifique-se que as válvulas de tração drenadas reabrem para permitir que os cilindros de tração
retraiam completamente.
2. Feche todas as válvulas de drenagem de tração e abra todas as válvulas de abastecimento de tração
dos cilindros.
3. Solte lentamente o encaixe no cilindro até que as bolhas de ar desapareçam e um fluxo constante
de fluido hidráulico esteja fluindo das conexões. A pressão normal do sistema de volta deve ser
suficiente para forçar o ar/óleo através da linha. Se não há fluxo/drenagem quando a mangueira é
solta, aumente a pressão de tração lentamente até que o fluxo/drenagem ocorra.
4. Quando uma corrente de fluido sólida aparecer (sem bolhas de ar) reaperte a conexão da
mangueira.OBSERVAÇÃO: A qualquer momento que uma conexão esteja solta ou uma 
mangueira for substituída, o ar deve ser drenado do circuito do cilindro. 

PÁGINA 3-20
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Circuito de tensão da corrente do injetor (Ver a Fig. 3-7) Quando a válvula de suprimento de tensão da
corrente é aberta, o fluido é dirigido para os cilindros de tensão da corrente, um de cada lado do injetor por
eixo com engrenagem intermediária. Isso amplia os cilindros que fornecem tensão nas correntes e impede o
desenvolvimento de folga.

Fig. 3-7, Circuito de tensão da corrente do injetor

Lubrificação do injetor O sistema de lubrificação do injetor é um sistema do tipo spray especialmente


concebido para garantir a cobertura completa das correntes e componentes. Além disso, o sistema de
lubrificação de spray garante que as superfícies de rolamento sejam devidamente lubrificadas para maximizar a
vida das mesmas
Alívio de suspensão As linhas de drenagem de carcaça estão equipadas com válvulas de alívio de suspensão
para aliviar o excesso de pressão que pode acumular-se no circuito no caso de drenagem. Quando as válvulas
de alívio são suspensas, elas automaticamente rearmam. Isto pode acontecer de vez em quando (especialmente
no tempo frio). Se o fluxo através da suspensão continuar, a linha deve ser verificada por restrições ou
vazamento interno excessivo.

CUIDADO

NÃO SUBSTITUA UMA VÁLVULA DE ALÍVIO DE SUSPENSÃO COM UM BUJÃO


SÓLIDO. FAZER ISTO PODERIA CAUSAR DANO AOS MOTORES HIDRÁULICOS.

PÁGINA 3-21
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Montagem provisória do injetor


Conexões da mangueira do injetor
As linhas hidráulicas de entrada/saída do injetor são instaladas no painel de entrada, combinando os números
de mangueira estampados nas mangueiras com os números no painel do conector do injetor. A Fig. 3-8 e a
Tabela 3-1 mostram as localizações dos conectores no anteparo hidráulico.
OBSERVAÇÃO: Esta é uma configuração típica. O número da mangueira, função e
localização podem variar. Verifique o manual de operações para verificar
o que é correto para o seu equipamento.

1. Verifique o sistema e os componentes antes de colocar o injetor na cabeça do poço.


2. Verifique todas as desconexões rápidas para garantir que estejam totalmente acopladas. Certifique
que as mangueiras de alimentação estejam ligadas aos cabos de alívio de deformação e que não há
deformação sobre os QDs.
3. Limpe e lubrifique a corrente da unidade de acionamento do injetor.
4. Ajuste a pressão de tração para 0,0 psig e a tensão da corrente a 500 psig.
5. Verifique visualmente as correntes do injetor e pinças por danos visíveis. Isto é conseguido por
rotação lenta das correntes antes da instalação da tubulação.

ADVERTÊNCIA
NÃO PENETRE, TRABALHE OU INSPECIONE O INJETOR QUANDO ELE ESTIVER EM
ROTAÇÃO OU TIVER ALIMENTAÇÃO HIDRÁULICA APLICADA. GRAVES LESÕES
CORPORAIS PODEM RESULTAR SE ESTA ADVERTÊNCIA NÃO FOR OBSERVADA.

Verifique o funcionamento de:


 Todas as funções do injetor
 Freio
 Controle de deslocamento do motor (ou controle de 2 velocidades)
 Cilindros de tensão da corrente
 Cilindros de tração
 Motores das unidades de acionamento do injetor
 Fluxo do lubrificador antes de instalar a tubulação.
Verifique visualmente se todos os rolamentos de roletes da corrente do injetor estão girando livremente.

PÁGINA 3-22
INJETOR HR680 HYDRA RIG

 Verifique visualmente o caminho das correntes da unidade de acionamento do injetor e rodas


dentadas.
 Verifique o separador por borracha desgastada ou buchas de guia. Remova e substitua conforme
necessário.
 Conecte o cabo de suspensão ao guindaste, remova o pino da orelha berço superior e incline o injetor
na posição vertical.
 Remova o pino da orelha de transporte do gancho e eleve a extremidade alargada usando os controles
na calçada do trailer abaixo do carretel.
 Instale cuidadosamente o pino na parada do gancho e feche as caixas de pressionamento ao longo da
tubulação.

ADVERTÊNCIA
NÃO REMOVA O PARAFUSO DA FENDA OU O PINO DA DOBRADIÇA

Fig. 3-8, Conexões do anteparo de entrada/saída hidráulica do injetor

Tabela 3-1 Instalação da mangueira hidráulica


ITEM  NOME  MANGUEIR ITEM NOME MANGUEI
A Nº  RA Nº 
1  Tensão da corrente  56 10 Pacote de separador nº 2 95
2  Dreno do alojamento  3 11 Retração do separador nº 2 94

3  Deslocamento do motor do injetor  55 12 Freio do injetor  11 ou 54


4  Suprimento do cilindro de tração  8
superior  
5  Suprimento do cilindro de tração central  9
6  Suprimento do cilindro de tração  7
inferior 
7  Pacote de separador nº 1  25
8  Retração do separador nº 1  24 Não mostrado Dentro do orifício  13
9  Lubrificante do injetor   5 Não mostrado Fora do orifício  14

PÁGINA 3-23
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Instalação do gancho hidráulico do injetor de 100” (Consulte a Fig. 3-8-a)


OBSERVAÇÃO: SOMENTE PARA O GANCHO VERSÃO DE DOBRA HIDRÁULICA CTU DE 100"
- Consulte o diagrama de montagem do guia da tubulação.

1. Levante o gancho dos pontos na segunda caixa de pressionamento.


2. Uma vez que o alargamento abre passado o centro, ajuste o gancho para baixo lentamente para
abrir para cima completamente.
3. Fixe com pinos o alargamento aberto.
4. Levante o gancho para o injetor com os pontos perto da dobradiça.
5. Estenda o cilindro da estrutura A do gancho.
6. Fixe com pinos o gancho no injetor.
7. ajuste a estrutura A para o injetor.
8. Aparafuse os bolsos da estrutura A para fixação.
9. Ajuste a posição do gancho.
10. Prenda as cintas de amarração para a estrutura mais externa.
11. Ajuste as alças para que estejam uniformes e apenas afrouxadas com o gancho totalmente elevado.
12. Remova o pino do alargamento.

Instruções para alargamento retrátil para transporte


1. Verifique se o pino de alargamento foi removido.
2. Abra a tubulação das caixas de pressionamento, se necessário.
3. Abaixe a estrutura A para a posição de transporte.
4. Ajuste as correias conforme necessário para arrumar o gancho corretamente.
Instruções para alargamento estendido para operação
1. Libere o freio do carretel e mantenha uma mínima tensão no carretel.
2. Eleve o alargamento à posição de trabalho com o cilindro da estrutura A e deixe que a alavanca de
controle se estenda quando o alargamento estiver totalmente estendido.
3. Feche as caixas de pressionamento. 

CUIDADO:

APÓS CADA AJUSTE DA ALÇA, VERIFIQUE SE ELA NÃO ESTÁ APERTADA


QUANDO O GANCHO ESTIVER NA POSIÇÃO DE OPERAÇÃO.

PÁGINA 3-24
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Fig. 3-8-a, Ganchos e roletes 100”

PÁGINA 3-25
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Ajuste do alinhamento do gancho


1. Aplique 1.000 a 1.500 psi ao circuito de tensão da corrente. Certifique que a pressão de tração está
desligada para os circuitos de tração.
2. Rotacione as correntes dez voltas e inspecione as correias visualmente para garantir a rotação
suave com a tensão adequada.
3. Aplique 50 psi para o circuito de tração, insira a tubulação nas correntes, e então acione o injetor
para dentro dos orifícios para puxar o tubo através do injetor e do separador. Um dispositivo de
golpeamento é muito útil para este fim.
4. Uma vez que a tubulação esteja completamente passada através do injetor e do separador, aumente
a pressão de tração para 400 psi.
5. Olhe para baixo nas correntes do injetor na sua parte superior, observando a área em que a
tubulação primeiros contacta as correntes.
6. Solte a contra-porca e ajuste o gancho, rodando o parafuso na parte traseira da estrutura até que a
tubulação esteja de 1/8" a 1/4" fora do centro da área próxima das correntes, em direção ao carretel.
 

 
Fig. 3-9, Alinhamento do gancho

PÁGINA 3-26
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Aperte a contra-porca e feche todas as caixas de pressionamento. Os orifícios são fornecidos, se necessário,
para puxar a tubulação para os roletes usando uma barra de alavanca ou dispositivo semelhante.

CUIDADO

TENHA CUIDADO QUANDO FECHAR AS CAIXAS DE PRESSIONAMENTO. O


OPERADOR QUE FECHA AS CAIXAS DEVE USAR CINTO DE SEGURANÇA OU
DISPOSITIVO SUSPENSOR HUMANO APROVADO E TOMAR TODAS AS
PRECAUÇÕES NECESSÁRIAS PARA PREVENIR DANOS PESSOAIS.

Após 61 m serem inseridos no orifício, inspecione o injetor durante a operação. Se os cilindros de tração estão
saltando ou se as correntes dos injetores estão ruidosas, inspecione o gancho para realinhamento.
OBSERVAÇÃO: A direção de viagem da tubulação, o tamanho da tubulação, a espessura da
parede e o desgaste da tubulação afetarão o adequado alinhamento do gancho.
Pode ser necessário reajustar o gancho quando ocorrerem alterações.

Opere o injetor e insira algumas dezenas de metros de tubulação no poço. Ouça o ruído. Se o gancho não
estiver na posição correta, o injetor será ruidoso durante a inserção e os cilindros de tração estarão saltando. O
ajuste adequado do gancho eliminara a maioria destas condições.
AJUSTE DO GUIA DE TUBULAÇÃO (GANCHO)
Os injetores são projetados para funcionar corretamente quando a tubulação enrolada entra no injetor através
do centro das duas correntes. Todos os injetores Hydra Rig estão equipados com montagens de gancho
ajustáveis para permitir ajuste da frente para a trás. É um equívoco comum pensar que o gancho precise ser
alinhado uma vez e que o ajuste será bom para a vida toda do injetor. Este não é o caso.
O alinhamento do gancho deve ser verificado no início de cada trabalho. Um gancho alinhado corretamente
permitirá que a tubulação entre nas correntes do injetor de maneira uniforme, não atingindo a frente ou a parte
de trás da corrente antes da outra. O alinhamento adequado do guancho somente pode ser alcançado usando a
tubulação que você pretende inserir e quaisquer mudanças na tubulação, tais como alterações no D.E. ou
alterações da espessura da parede, exigirá realinhamento.
AJUSTE IMPRÓPRIO DA CÉLULA DE CARGA HIDRÁULICA
Bombear a célula de carga demasiado longe inclinará a linha central das correntes para a parte traseira do
injetor de modo que não será possível fazer com que a tubulação viaje através do injetor em linha reta, e pode
também afetar a precisão das leituras de peso . Obviamente, o "sub-bombeamento" da célula de carga levará ao
desalinhamento, bem como leituras imprecisas de peso. Cuidados também devem ser tomados ao aperfeiçoar
células de carga eletrônicas para garantir que, na sua posição zero, o espaçamento correto esteja presente; caso
contrário, as correntes são perpendiculares à base.

PÁGINA 3-27
INJETOR HR680 HYDRA RIG

ÂNGULOS RÁPIDOS EXCESSIVOS

CUIDADO

SE A TUBULAÇÃO ESTÁ PUXANDO DE UM LADO OU DO OUTRO DO GANCHO,


O DESALINHAMENTO DE LADO A LADO OCORRERÁ E NÃO PODE SER
CORRIGIDO COM O AJUSTE DO GANCHO. ESTE TIPO DE DESALINHAMENTO
PODE E CAUSARÁ SÉRIOS DANOS À CORRENTE DO INJETOR E AO SISTEMA
DE TRAÇÃO, BEM COMO A PRÓPRIA TUBULAÇÃO.

Há outras coisas que causarão desalinhamento que não estão diretamente ligados à operação real do injetor.
Um destes é o método em que um injetor é transportado para um trabalho. Todos os injetores Hydra Rig estão
equipados com parafusos de elevação que são projetados para tirar o peso da célula de carga durante o
transporte, mas eles também são projetados para segurar o injetor, evitando que gire para trás e para frente
durante o transporte, o que poderia causar desgaste excessivo dos pinos da articulação. Apesar de um injetor
poder ser transportado com segurança na sua partes frontal ou traseira se os parafusos de elevação estiverem
devidamente apertados, ele nunca deve ser transportado na sua lateral.
Alguns sintomas de um problema de alinhamento são:
 Rolamentos da corrente quebrados em uma corrente e todos os rolamentos na outra corrente
parecem bons.
 As correntes não são inseridas no centro do rolamento.
 O sistema de tração fecha mais de um lado do que no outro.
 Ruído excessivo na corrente durante a operação.
 Marcas ou danos na tubulação.
 Desgaste excessivo de um lado da bucha do separador.
 Movimento excessivo do conjunto de tração superior ou inferior.
Um meio rápido e fácil para determinar se há qualquer desalinhamento devido a danos no injetor é colocar-se
atrás e olhar para baixo de ambos os lados do injetor. Eles devem estar centrados na estrutura externa. Em
nenhum momento qualquer parte do injetor deve entrar em contato com a estrutura exterior.

PÁGINA 3-28
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Operação de desempenamento da tubulação do injetor montado na estrutura


externa
O procedimento a seguir aplica-se a desempenadores de tubulação Hydra Rig montados no topo das estruturas
externas dos injetores. O seu funcionamento baseia-se no ajuste de uma porca limitadora de deslocamento, que
uma vez ajustada, permite que o desempenador seja ligado e desligado, sem ajustar a pressão do cilindro.

Fig. 3-10, Desempenador de tubulação montado em estrutura externa, 2.500 psi com pressão de operação
máxima de 3.000 psi.

PÁGINA 3-29
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Procedimento de ajuste:
O desempenador deve ser ajustado sempre que a tubulação enrolada tiver um tamanho ou grau diferente de seu
ajuste. Pequenas variações na espessura da parede da tubulação podem ser toleradas sem alteração das
configurações, dependendo do grau de linearidade necessário.

CUIDADO:

MANTENHA AS MÃOS DISTANTES DAS PEÇAS MÓVEIS QUANDO O


DESEMPENADOR ESTIVER OPERANDO

1. Verifique todos os roletes correspondentes à tubulação para assegurar que são do tamanho adequado.
2. Golpeie a tubulação se necessário e insira a ponta da tubulação enrolada na parte inferior do injetor ou
separador, se um estiver instalado.
3. Ajuste os pinos de ajuste de tamanho da tubulação, conforme necessário para que o braço permaneça
aproximadamente vertical, quando em contato com a tubulação.
4. Levante o injector para dar, pelo menos, 3 m de folga abaixo do injetor ou separador.
5. Ligue o desempenador através do suprimento de 2.500 psi para a extremidade da tampa de seu cilindro
(se uma válvula de controle Hydra Rig for usada, esta posição é marcada como "Desempenar").
6. Insira a tubulação através do injetor até que a porção desempenada saia da parte inferior do injetor.
7. Observe a curvatura da tubulação do lado;
A) Se a tubulação for reta, o desempenador é ajustado para a tubulação no injetor, este
procedimento está completo e o desempenador está pronto para a operação.
B) Se a tubulação se curva em direção ao carretel, o ajuste da porca de parada precisa ser movido
para permitir que o cilindro golpeie mais na etapa nº 9.
C) Se a tubulação se curva para fora do carretel, o ajuste da porca de parada precisa ser movido
para reduzir o golpe do cilindro na etapa nº 9.
8. Desligue o desempenador através do suprimento de 2.500 psi para a extremidade da biela de seu
cilindro e então libere a pressão pela centralização da válvula de controle (se uma válvula de controle
Hydra Rig for usada, esta posição é marcada como "Retrair").
9. Solte a contra-porca na porca de ajuste de parada e ajuste a porca de parada em algumas de voltas na
direção do passo nº 7 (Ver a Fig. 3-10). Mantenha o controle da direção e número de voltas para uso
ao repetir este passo.
10. Insira a tubulação para cima até a parte inferior do injetor ou separador.
11. Repita os passos 5 a 10 até que a tubulação saia reta.
Procedimento de operação:
Quando a parada do deslocamento do desempenador de tubulação é ajustada para coincidir com a tubulação
enrolada, isto pode ser operado remotamente bastando ligar e desligar a válvula de controle. A pressão de
operação não precisa mudar com o tamanho da tubulação, a menos que a pressão seja insuficiente para fazer o
desempenador mover-se completamente para a porca de parada. Se este for o caso, a pressão de suprimento
pode ser aumentada até 3.000 psi.

PÁGINA 3-30
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Opções de ajuste de medidas de carga


Célula de carga eletrônica
 Garanta que as forças da célula de carga são ajustadas em zero no injetor.
 Garanta que os parafusos de travamento (parafusos de amarração) estão soltos para a operação ou
apertados para transporte.
 Gire a porca na célula de carga central no sentido horário até estar apertada contra o suporte da célula
de carga para a operação ou solte para transporte.
Célula de carga hidráulica
1. Usando os parafusos de travamento ajustáveis, ajuste a cabeça do injetor até que o espaço entre a
placa superior e inferior da placa de célula de carga seja igual.
2. Drene qualquer ar aprisionado de ambas as células de carga da tubulação leve e pesada.
3. Uma vez que o ar foi drenado, bombeie o óleo ATF de fluido de transmissão automática
(IPM00357) ou uma mistura de água/glicol à 50/50% na célula de carga da tubulação pesada até
que isto contate a placa de célula de carga superior. Pare de bombear assim que a célula de carga
fizer contato com o corpo do injetor.

OBSERVAÇÃO: Bombear além deste ponto causará leituras imprecisas de peso.

4. Zere as escalas da tubulação leve e pesada no medidor de indicação de peso.

5. Solte as porcas nos dois parafusos de elevação; conforme solta-se estas porcas sua escala da
tubulação pesada deve começar a mostrar um peso positivo. Após as porcas nos parafusos de
elevação estarem soltas, registre a leitura na escala da tubulação pesada.
6. Zere a tubulação pesada.
7. Bombeie a célula de carga da tubulação leve até que se tenha um espaço de 1/16º a 1/8º polegada
entre a placa de golpe da célula de carga da tubulação leve e o corpo do injetor.
8. Zere a célula de carga da tubulação leve.

 Opção 1: Ajuste a escala da tubulação leve no medidor de indicação de peso para o peso que você
registrou na etapa 5.
 Opção 2: Deixe a escala leve em zero. Se esta opção for usada você deve lembrar de adicionar o peso
que registrou na etapa 5 para o valor mostrado na escala da tubulação leve.
OBSERVAÇÃO: Ao bombear as células de carga hidráulicas, somente a célula de carga pesada deve estar
em contato com o corpo do injetor. A célula de carga leve deve ter uma abertura de ar
como observado no Passo 7. Leituras de peso incorretas ocorrerão se ambas as células
de carga estiverem em contato com o corpo.

PÁGINA 3-31
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Ajustes de tensão da corrente


OPERAÇÃO DE TUBULAÇÃO PESADA - Durante a operação de tubulação pesada uma pressão de tensão
da corrente mínima deve ser mantida. Esta pressão mínima de tensão da corrente garante que as correntes
sejam mantidas em um estado de tensão evitando assim o desenvolvimento de folga no conjunto da corrente.
A pressão de tensão da corrente mínima para a operação pesada da tubulação é de 400 psi.
OPERAÇÃO DE TUBULAÇÃO LEVE - Durante a operação de tubulação leve (achatamento) a pressão da
corrente deve ser mantida a um nível determinado com base na carga de achatamento. Manter a pressão de
tensão da corrente adequada durante o achatamento impede folga na corrente entre o motor e a tubulação. A
Fig. 3-3 mostra a pressão de tensão da corrente para relação de carga de achatamento.
Ajustes de pressão da unidade de acionamento do injetor

CUIDADO

ESTEJA CIENTE DA CARGA TÊNSIL MÁXIMA DA TUBULAÇÃO E A PRESSÃO DE


CIRCULAÇÃO PARA O TRABALHO. A PRESSÃO DA UNIDADE DE
ACIONAMENTO DO INJETOR DEVE SER AJUSTADA ABAIXO DA PRESSÃO
NECESSÁRIA PARA PRODUZIR ESSA FORÇA PARA EVITAR ROMPIMENTO DA
TUBULAÇÃO DENTRO DO POÇO.

Unidade de acionamento do injetor


A unidade de pressão recomendada para uma determinada carga é encontrada utilizando-se a Fig. 3-10 e Fig.
3-11. Os diagramas foram desenvolvidos a partir de medições feitas usando um novo injetor e tubulação oleada
em boas condições.

PÁGINA 3-32
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Fig. 3-10, Desempenho do injetor (marcha baixa 90 GPM)

A intenção deste gráfico é mostrar todas as combinações de velocidade e tração que podem ser obtidas com
este injetor com sua menor engrenagem. A escala vertical indica o galão por minuto necessário para obter uma
dada velocidade. A escala inferior indica a pressão necessária da unidade de acionamento para obter uma
determinada tração do injetor. A limitação de potência de saída do injetor HR 680 injetor é de 150 hp
contínuo.

PÁGINA 3-33
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Fig. 3-1-10A, Desempenho do injetor (Marcha alta 120 GPM)

A intenção deste gráfico é mostrar todas as combinações de velocidade e tração que podem ser obtidas com
este injetor com sua menor engrenagem. A escala vertical indica o galão por minuto necessário para obter uma
dada velocidade. A escala inferior indica a pressão necessária da unidade de acionamento para obter uma
determinada tração do injetor. A limitação de potência de saída do injetor HR 680 é de 150 hp contínuo.

PÁGINA 3-34
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Operação contínua a 150 cavalos vapor.


O injetor pode ser operado continuamente na intersecção da velocidade e qualquer combinação de tração
enquanto a intersecção permanecer sobre ou para a esquerda e abaixo da curva contínua de saída de 150 hp.
OBSERVAÇÃO: As curvas de desempenho são o "melhor cálculo". O rendimento real em
campo pode variar ligeiramente.

Fig. 3-11, Desempenho do injetor (Bomba de 90 GPM - marcha alta)

   

PÁGINA 3-35
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Fig. 3-11-A, Desempenho do injetor (Bomba de 120 GPM - marcha alta)

1. Se houver alteração da bomba do injetor de 90 gpm a 120 gpm, é necessário ajustar o motor. Caso
contrário, danos graves podem ocorrer.
2. Se houver alteração da bomba do injetor de 90 gpm a 120 gpm, é necessário ajustar o motor para se
obter 200 pés/min. Se não for alterada, a velocidade máxima será de 150 pés/min.
Depois de alterar o deslocamento do motor, verifique a velocidade do injetor para verificar o deslocamento
correto.
Ajuste o RPM do motor e a velocidade de operação.
1. Registre o tempo que a corrente demora para fazer dez voltas completas em marcha alta a toda
velocidade.
2. Se o tempo registrado for inferior a 37 segundos, reajuste o motor e repita este teste.
3. Registre o tempo que a corrente demora para fazer dez voltas completas em marcha baixa a toda
velocidade.
4. Se o tempo registrado for inferior a 92 segundos, reajuste o motor e repita este teste.

PÁGINA 3-36
INJETOR HR680 HYDRA RIG

ADVERTÊNCIA

O MOTOR DEVE SER TROCADO PARA CORRESPONDER COM


OUTROS PACOTES DE POTÊNCIA. ENTRE EM CONTATO COM O
DEPARTAMENTO DE SERVIÇO DA HYDRA RIG NO 1-817-985-5000
PARA PROCEDIMENTOS ADEQUADOS.

A GARANTIA É PERDIDA SE O DESLOCAMENTO DO MOTOR FOR


TROCADO DE MANEIRA IMPRÓPRIA OU SEM ENTRAR EM
CONTATO COM O DEPARTAMENTO DE SERVIÇO DA HYDRA RIG.

PÁGINA 3-37
LUBRIFICANTES HYDRA RIG

Lubrificantes para o injetor HR680


Óleos à base de petróleo
Para a maioria das aplicações de lubrificantes, os óleos à base de petróleo fornecem serviço
satisfatório a baixo custo. Para serviço severo, operações de temperatura muito baixa e muito
alta, vida longa e algumas aplicações especiais, lubrificantes sintéticos podem ser a resposta para
a lubrificação de baixo custo.

Lubrificante sintético
Um lubrificante sintético formulado adequadamente pode ser muito rentável, considerando o
tempo fora de serviço da unidade, a manutenção e as despesas de conformidade regulamentar.
Em uma atmosfera de especificações cada vez mais rigorosas dos fabricantes de equipamentos e
o estado conduzido ambientalmente, as restrições regulamentares federais e internacionais, o
papel dos lubrificantes sintéticos aumentará.
Sempre tenha a certeza que os lubrificantes sintéticos atendem ou excedem as recomendações
dos fabricantes de equipamentos e requisitos de garantia.

Graxa e fluídos recomendados


Graxa
A Hydra Rig recomenda uma graxa à base de lítio grau 2 (EP2) de pressão extrema para todos os
rolamentos e componentes fornecidos com meios de lubrificação (como bicos de graxa).
Óleo para engrenagens (Veja o gráfico de óleo para engrenagens para tipos de lubrificantes
específicos e recomendações)
A Hydra Rig recomenda um óleo de engrenagens de serviço pesado ISO 220 que contém um
aditivo de pressão extrema do tipo de fósforo para a unidade de acionamento da engrenagem.
Este fluido sintético tem uma faixa de funcionamento de -29 °C a 49 °C em condições
ambientes.
Correntes e rolagem
Todas as correntes do injetor são mergulhadas em óleo lubrificante antes de montá-las no
injector na fábrica da Hydra Rig.
Para a manutenção permanente das correntes do injetor são sugeridos os seguintes óleos
lubrificantes.
Temperatura ambiente com faixa de 27 ºC e Temperatura ambiente com faixa de 4 ºC e
abaixo: acima:
Óleos de motor SAE HD30 Óleos de motor SAE HD40
Óleos para engrenagens ISO 68 Óleos para engrenagens ISO 150
Óleos para engrenagens ISO 100
Podem ser utilizados outros óleos de engrenagens e motor equivalentes. Os óleos para
engrenagens com aditivos de pressão extrema são os lubrificantes preferidos.

PÁGINA 3-38
LUBRIFICANTES HYDRA RIG

CUIDADO
NÃO COLOQUE ÓLEO USADO NO SISTEMA LUBRIFICANTE DO
INJETOR.
O USO DE ÓLEO HIDRÁULICO NO SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO DO
INJETOR NÃO É RECOMENDADO.

Spray Lubrificante
Um spray lubrificante geral com um aditivo de grafite é recomendado para as partes não críticas
em movimento (por exemplo, dobradiças, pinos etc.)
Um composto antiaderente é recomendado ao remover e instalar travas e roscas e hastes de
revestimento exposto.
OBSERVAÇÃO: CONSULTE A SEÇÃO MANUTENÇÃO PARA
PROGRAMAÇÃO PERIÓDICA DE LUBRIFICAÇÃO.

PÁGINA 3-39
LUBRIFICANTES HYDRA RIG

Segurança e saúde
Perigo de fogo
Muitos produtos petrolíferos são altamente voláteis e inflamáveis e devem ser tratados com
extrema cautela para evitar riscos de incêndio ou explosão. Estes incluem propano, querosene,
combustível diesel e muitos solventes. A OSHA (Occupational Safety and Health
Administration) classifica produtos com pontos de inflamação inferior a 37,8 °C como
“inflamáveis" e produtos com pontos de inflamação igual ou superior a 37,8 °C e abaixo de 93
°C como “combustíveis."

ADVERTÊNCIA
NÃO GUARDE OU MANIPULE PRODUTOS PETROLÍFEROS
PERTO DE FONTES DE IGNIÇÃO, TAIS COMO CALOR, FAÍSCAS,
CHAMA ABERTA, OU QUAISQUER FONTES DE ELETRICIDADE
ESTÁTICA.
NÃO GUARDE OU MANIPULE PRODUTOS PETROLÍFEROS
PERTO DE OXIDANTES FORTES COMO O CLORO (INCLUINDO
PRODUTOS QUÍMICOS DE PISCINA) E OXIGÊNIO
CONCENTRADO. A GASOLINA DEVE SER USADA APENAS
COMO UM COMBUSTÍVEL PARA MOTORES. NÃO USE COMO
SOLVENTE DE LIMPEZA OU DILUENTE OU PARA QUALQUER
OUTRA FINALIDADE DE COMBUSTÍVEL NÃO MOTORIZADO.

ADVERTÊNCIA
OS RECIPIENTES VAZIOS RETÊM RESÍDUOS (LÍQUIDOS E/OU
VAPOR) E PODEM SER PERIGOSOS. NÃO PRESSURIZAR,
CORTAR, SOLDAR, FUNDIR, FURAR, TRITURAR OU EXPOR
ESTES RECIPIENTES AO CALOR, CHAMA, FAÍSCAS,
ELETRICIDADE ESTÁTICA, E OUTRAS FONTES DE IGNIÇÃO;
ELES PODEM EXPLODIR E CAUSAR FERIMENTOS OU MORTE.
NÃO TENTE LIMPAR OS RECIPIENTES VAZIOS UMA VEZ QUE O
RESÍDUO É DE DIFÍCIL REMOÇÃO, E ATÉ MESMO UM TRAÇO DE
MATERIAL RESTANTE CONSTITUI UM PERIGO DE EXPLOSÃO.
TAMBORES VAZIOS DEVEM SER COMPLETAMENTE
ESVAZIADOS, ADEQUADAMENTE TAMPADOS, E RETORNADOS
A UM RECONDICIONADOR DE TAMBORES. TODOS OS
RECIPIENTES DEVEM SER DISPOSTOS DE MANEIRA
AMBIENTALMENTE SEGURA E DE ACORDO COM OS
REGULAMENTOS GOVERNAMENTAIS.

PÁGINA 3-40
LUBRIFICANTES HYDRA RIG

Perigos à saúde
Estudos de saúde demonstraram que muitos hidrocarbonetos de petróleo apresentam riscos
potenciais para a saúde humana que podem variar de pessoa para pessoa. Como precaução,
minimize a exposição a líquidos, vapores e névoas de produtos petrolíferos.

Inalação
Especialistas em saúde estabeleceram níveis máximos de concentração de vapores de
hidrocarbonetos no ar no qual todos os trabalhadores possam estar expostos. Quando aplicável,
os níveis estabelecidos para os produtos de óleo e graxa estão indicados na MSDS (Material
Safety Data Sheets - Folha de dados de segurança de materiais). A respiração prolongada de
concentrações de vapor de hidrocarbonetos superiores a determinados limites pode resultar em
vertigens, tonturas e náuseas. A inalação de concentrações de vapor ainda mais elevadas pode
causar tonturas, dores de cabeça, irritações do trato respiratório e inconsciência. Uma ou duas
respirações de concentrações elevadas, como o que poderia ocorrer perto de aberturas do tanque
de produtos voláteis, pode causar inconsciência imediata. Se uma pessoa é encoberta por vapor,
remova-a da exposição imediatamente e consulte um médico. Se a respiração for irregular ou
estiver parada, inicie a reanimação e administre oxigênio, se disponível.
Para evitar a inalação de concentrações excessivas de hidrocarbonetos, somente armazene e
manuseie derivados de petróleo altamente voláteis, tais como gasolina, solventes e produtos
solventes de redução, em áreas abertas e bem ventiladas. Em casos especiais, movimentação
interna, tais como produtos de laboratório, devem sempre ser manuseados sob capuzes
ventilados movidos com motores à prova de explosão.
Sob certas circunstâncias, os compostos de enxofre em asfalto quente e pesado, ou residuais,
podem formar o gás tóxico sulfureto de hidrogênio (H2S). Respiração prolongada de 50 a 100
ppm de H2S pode produzir irritação dos olhos e trato respiratório, dor de cabeça, nervosismo e
náusea. Em concentrações mais elevadas H2S (700 a 1.000 ppm) poucas respirações do gás
podem levar à perda de consciência e pode ser fatal. Para evitar respirar concentrações
excessivas de H2S, as pessoas devem ficar contra o vento do tanque e compartimentos de
transporte a granel que contenham asfalto ou combustível pesado; assegure que o pessoal esteja,
pelo menos, a 61 cm das aberturas do compartimento, e evite respirar os vapores ao abrir as
escotilhas e tampas da cúpula. Use equipamento respiratório onde necessário.

PÁGINA 3-41
LUBRIFICANTES HYDRA RIG

Ingestão
Como precaução, se quaisquer derivados de petróleo forem ingeridos, mantenha a pessoa calma.
NÃO induza ao vômito. Ligue para o Centro de controle de envenenamento no (1-800-764-
7661) ou um médico imediatamente, para identificar o produto e a quantidade aproximada de
ingestão. Embora os derivados de petróleo em geral, não sejam altamente tóxicos, combustíveis,
solventes e óleos leves com uma viscosidade abaixo de 20,5 SUS (100 centistokes) a 37,8 °C
representam um perigo eminente de serem aspirados para dentro dos pulmões causando
pneumonia química. Este é um efeito retardado que pode não ocorrer durante uma semana a dez
dias. Devido ao risco de ingestão, produtos petrolíferos nunca devem ser puxados pela boca.

Contato com a pele


Contato contínuo ou repetitivo de óleos derivados de petróleo, graxa lubrificante, solventes ou
combustíveis com a pele pode causar irritação e dermatites. Em caso de contato com a pele,
lave-a com sabão e água morna. Um líquido de limpeza de mãos sem água e uma escova suave
também podem ser úteis para remover óleos e graxas. Remova rapidamente e lave as roupas
encharcadas de petróleo antes da reutilização. Se um dos derivados de petróleo entrar em
contato com os olhos, lave-os com água fresca até que a irritação diminua; se a irritação persistir,
chame um médico. Evite o contato prolongado com produtos petrolíferos, use luvas resistentes a
produtos químicos, avental, óculos contra respingos, e outras roupas de proteção.
Injeção de alta pressão de ruptura de graxa lubrificante ou através da pele (uma lesão por
engraxadeira) pode causar sérios danos retardados para tecidos moles. Óleo hidráulico sob alta
pressão pode causar lesões semelhantes. Independentemente do tamanho ou aparência da ferida,
entre em contato com um médico imediatamente.

Efeitos crônicos à saúde


Estudos com animais de laboratório mostraram que a exposição prolongada a certos derivados de
petróleo pode causar câncer e outros efeitos crônicos de saúde.. Alguns óleos de petróleo
provocaram câncer de pele em ratos após testes de pintura de pele ao longo da vida dos animais.
Em testes similares, óleo de motor usado também causou câncer de pele. A inalação prolongada
e repetida de vapores de gasolina concentrados causou danos nos rins e câncer renal em ratos e
câncer de fígado em camundongos. Inalações dos vapores de querosene, combustível para
motores diesel, e a maioria dos solventes não aromáticos são conhecidos por causar danos renais
em ratos machos. O componente de hexano normal (n-hexano) de solvente de hexano é
conhecido por causar uma forma de dano do nervo motor chamado polineuropatia periférica em
seres humanos.
Você pode proteger-se contra riscos relacionados com o petróleo, exercendo cuidado e bom
senso na manipulação de produtos petrolíferos. Controles apropriados de engenharia, práticas de
trabalho e de proteção pessoal devem ser utilizados para minimizar o contato com a pele e para
manter a exposição por inalação muito abaixo do limite de exposição ocupacional recomendado
de forma razoavelmente prática.

PÁGINA 3-42
LUBRIFICANTES HYDRA RIG

MSDS (Folha de dados de segurança de materiais)


Muitos produtos petrolíferos carregam riscos de saúde e segurança inerentes. A atenção às
precauções e procedimentos de emergência descritos no (MSDS) apropriado pode proteger você
e seus colegas de trabalho destes riscos.
Uma MSDS é uma publicação concebida para fornecer ao usuário de um produto petrolífero
informações de saúde e segurança detalhadas, abrangentes e atualizadas relacionadas com o
produto. Há uma MSDS individual para cada produto de óleo e graxa. O formato da MSDS é
baseado em requisitos da OSHA (Occupational Safety and Health Administration), regulamento
29 CFR 1910.1200 e os dados apresentados são consistentes com as diretrizes da OSHA para
conteúdo informativo. Uma MSDS contém tipicamente os seguintes tipos de informação:
Os dados físicos do produto (por exemplo, faixa de ebulição, pressão de vapor)
A natureza e o grau de riscos de saúde e segurança associados com o produto
Diretrizes de precaução para o manuseio adequado e seguro do produto, a fim de evitar incêndio,
explosão e perigos para a saúde agudos e crônicos
Procedimentos de emergência em caso de incêndio, vazamento ou exposição excessiva ao
produto em contato com a pele, ingestão ou inalação.

Gráfico de lubrificação abrangente


OBSERVAÇÃO: O SEGUINTE ABRANGE TODAS AS POSSÍVEIS
APLICAÇÕES DE LUBRIFICAÇÃO ENCONTRADAS PELA
HYDRA RIG E ESTÁ INCLUÍDO EM TODOS OS MANUAIS.

Para obter os procedimentos de lubrificação e diretrizes, consulte o manual de manutenção do


fabricante do componente, que está disponível de revendedores de fabricantes autorizados ou
diretamente do fabricante.
Não misture diferentes tipos de lubrificantes. Quando se muda de um tipo de lubrificante para
outro, drene totalmente todas as áreas do componente.
As especificações e requisitos do fabricante do componente têm precedência sobre outras
especificações.

PÁGINA 3-43
LUBRIFICANTES HYDRA RIG

Sistema de classificação de viscosidade ISO


Os óleos industriais são classificados e aprovados de acordo com o Sistema de classificação de
viscosidade da ISO (International Standards Organization). O sistema ISO é baseado na
viscosidade a apenas uma única temperatura de 40 °C. As faixas de viscosidade ISO são
resumidas na tabela a seguir:
VISCOSIDADE ISO PONTO MÉDIO cSt a FAIXAS DE VISCOSIDADE cSt a 40
GRAUS 40°C °C
MÍNIMO MÁXIMO
2 2,2 1,98 2,42
3 3,2 2,88 .3,53
5 4,6 4,14 5,06
7 6,8 6,12 7,48
10 10 9,00 11,0
15 15 13,5 16,6
22 22 19,8 24,2
32 32 28,8 35,2
46 46 41,4 50,6
68 68 61,2 74,8
100 100 90,0 110
150 150 135 165
220 220 198 242
320 320 288 352
460 460 414 506
680 680 612 748
1000 1000 900 1100
1500 1500 1350 1650

Note a partir da tabela acima que os graus acima de 68 são múltiplos de 10 ou 100 dos graus de
10 a 68.

PÁGINA 3-44
LUBRIFICANTES HYDRA RIG

A começar pelo grau de viscosidade ISO 10, cada faixa de grau de viscosidade é de 10% abaixo
a 10% acima do respectivo número de grau. Na terceira e quarta colunas da tabela, as faixas de
viscosidade não são contínuas a partir de um grau para outra. Existe uma lacuna entre o máximo
de um grau e o mínimo do grau imediatamente superior. Para os produtos com viscosidades
entre as faixas ISO, o número do grau indica a viscosidade cinemática aproximada a 40 ° C.

Graus de consistência NLGI (ASTM D 217)


NLGI FAIXA DE PENETRAÇÃO TRABALHADA
GRAU A 25 °C MM/10

000 445 para 474

00 400 para 430

0 355 para 385

1 310 para 340

2 265 para 295

3 220 para 250

4 175 para 205

5 130 para 160

6 85 para 115

PÁGINA 3-45
LUBRIFICANTES HYDRA RIG

Gráfico de compatibilidade de misturas de graxa binária

Este gráfico serve apenas como uma diretriz para determinar a compatibilidade. Para efeitos de
alterações de produtos em campo, a compatibilidade das graxas em questão deve ser determinada
por testes de laboratório.

PÁGINA 3-46
LUBRIFICANTES HYDRA RIG

Lubrificantes da unidade de acionamento planetária


recomendados (aproximadamente 3,78 litros por caixa de
transmissão) Ponto de escoamento de -84 °C a 49 °C em
condições ambiente

LUBRIFICANTES DA UNIDADE DE PONTO DE


ACIONAMENTO PLANETÁRIO ESCOAMENTO
RECOMENDADOS
Aral – Degol PAS 220 -58
BP – Enersyn HTX 220 -33
Castrol Alphasyn T 220 -49
Chevron – Lubrificante para engrenagens -60
sintético Tegra 220
DEA – Intor HCLP 220 -33
ESSO – Spartan Synthetic EP 220 -49
ELF – Reductelf Synthese 220 -49
Fuchs – Renolin Unisyn CLP 220 -60
Mobil – Mobilgear SHC 630 (ISO 220) -42
Optimol – Optigear Synthetic A 220 -33
Shell Omala Oil HD 220 -54
Texaco – Pinnacle EP 220 -54
Total – Carter EP/HT 220 -38
Tribol – Tribol 1510/220 -44

PÁGINA 3-47
HYDRA RIG PB

Lista expandida de peças


(Quando solicitar quaisquer peças, certifique-se de incluir o número
do serviço deste manual localizado na capa deste manual.)
Esta lista expandida é usada para solicitações, emissão e identificação de peças. Pode ser
útil para ilustração da relação de montagem e desmontagem de peças de conjuntos de
peças.
OBSERVAÇÃO: A visão de ilustrações de conjuntos do nível superior pode não refletir
a última revisão. A fatura de materiais reflete a última revisão.

Lista de peças de manutenção


As listas de peças de manutenção servem a conjuntos e subconjuntos principais.
Para auxiliar na identificação por aparência, algumas peças na lista são colocadas em uma
ilustração de vista explodida. Cada conjunto principal é seguido imediatamente pela lista
de seus componentes ou peças detalhadas que pretende mostrar a relação da peça com o
conjunto e a sequência recomendada para desmontagem.
Peças componentes do sistema que não sejam inclusas em qualquer montagem principal,
mas que são usadas em conjunto com, uma parte de, ou anexadas à montagem principal,
são listadas juntas com o conjunto.
Como usar a lista expandida de peças
1. Quando o número da peça não for conhecido, prossiga como segue:
a. Determine a função e aplicação da peça necessária.
b. Volte-se ao índice e selecione o título mais apropriado. Volte-se à página indicada
e localize a peça desejada na ilustração.
c. A partir da ilustração, obtenha o número de índice designado à peça desejada.
Consulte a descrição acompanhante para informações específicas sobre a peça.
2. Quando o número da peça for conhecido, prossiga como segue:
a. Quando o número da peça for conhecido, consulte os índices numéricos (quando
estiver presente). Localizar o número da peça e observe a figura e número de
índice designado à peça.
b. Volte-se à figura indicada e localize o número de índice referido no índice
numérico.
c. Para uma ilustração de uma peça ou sua localização, consulte o mesmo número de
índice na ilustração acompanhante.

2-73-36
PÁGINA
HYDRA RIG PB

Símbolos e abreviações
Símbolos e abreviações utilizadas nesta lista expandida de peças são os seguintes:
BRS Latão
COP Cobre
DIA Diâmetro
FT Pé/pés
IN Polegada/polegadas
LB Libras/libras
NPT Rosca americana cônica para tubos
DE Diâmetro externo
PSIG Medidor de libras por polegada quadrada
REF Referência
UNC Rosca unificada grossa
= Item alternativo

2-83-36
PÁGINA
ITEM QTDE. Nº DE DESCRIÇÃO
7
1 2R CA312089 ESPEC VÁLVULA MOTOR 105CC VAR HR680 (VEJA A FIG. 3.2-5)
14
2 2R HVR00283 VÁLVULA DE ALÍVIO 0,50MNPT
15
3 4R CB364859 MONT. BICO TROCA RÁPIDA
6
4 1R HVS00067 MONT. COLETOR INJETOR DO FREIO
8
5 1R HFP00064 FILTRO PRESS 10 MÍCRON EM LINHA
8
5A 1R HFP00065 ELEMENTO, FILTRO PRESS 10 MÍCRON EM LINHA
14
6 1R IPM00370 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-600 P/B 2,50 0,25
8
7 1R HPM00159 BOMBA MANUAL (CONSULTE OS MANUAIS DE SERVIÇO)
9
8 2R HFP00129 FILTRO 10u 1,25 CD 62 COM REVSR CHK
10
9 6R CD360365 CIL TRAÇÃO (VEJA A FIG. 3.2-9)
11
10 3R HAB00018 ACUM. BEXIGA 0,25 (CONSULTE OS MANUAIS DE SERVIÇO)
20,12
11 4R HCS00063 CIL TENSÃO
7
12 2R TCH00190 FREIO HID
16
13 2R IPM00408 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-5000 P/B 2,50 0,25
14
14 1R IPM00366 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-160 P/B 2,50 0,25
6
15 1R HVT00243 VÁLVULA ESFERA 0,50FNPT 600 PSI BRZ
17,18
16 4R IPM00364 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-3000 P/B 2,50
12
17 1R HVC00020 VÁLVULA DE RETENÇÃO 0,25MNPT IN-LINE
12
18 1R CB330163 MÓD. ORIFÍCIO VÁLVULA DE RETENÇÃO
21
19 1R IPM00119 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-1000 P/B 2,50 CBM
7
20 1R CD332244 PLACA CBV ADAPTADOR LIGAÇÃO DIANTEIRA
7
21 1R CB332233 MONT. MANGUEIRA CB LIGAÇÃO VÁLVULA
7
22 1R CD332243 PLACA CBV ADAPTADOR LIGAÇÃO TRASEIRA
7
23 1R HVP00298 VÁLVULA DO SISTEMA DE CONTRAPESO -DEZESSEIS PORTAS

Fig. 3.1-1A, Esquema hidráulico HR680, CE390071M

PÁGINA 3-50
Fig. 3.1-1B, HR680 Hydraulic Schematic, CE390071M
PAGE 3-49
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CE360845 SUBMONTAGEM DO INJETOR (VEJA A FIG. 3.2-2)
1
2 1 CD302717 MOD REMOÇÃO INJ PORCH
3 1 CB300555 CONJUNTO FINAL
4 1 CD362927 INSTAL LUBRIF TANQUE/BOMBA
5 1 CD360560 INSTAL ACUMULADOR (VEJA FIG. 3.3-10)
1, 7
6 1 CA303707 CONJUNTO MANGUEIRAS (VEJA FIG. 3.2-10)
7 1 CE361214 CONJ GUIA TUB 72 R PARADA (VEJA FIG. 3.2-3)
8 17 CC360062 CONJ ROLETE GUIA 1,50 (VEJA FIG. 3.2-4)
9 60 CD310335 PINÇA DIA 1,50
10 1 CD330122 INSTAL TUBUL 5.000 PSI 1,50 QD (VEJA A FIG. 3.3-5)
1
11 1 CE390071 ESQUEMA INJ HIDR (VEJA A FIG. 3.1-1)
1
12 1 CD363624 INSTAL PAINEL CPLG (VEJA A FIG. 3.3-2)
13 1 CD360948 INSTAL ELET CÉLULA CARGA (VEJA A FIG. 3.3-3)
1
14 1 CC363653 INSTAL PAINEL AUX AMPHENOL
15 2 CD362795 INSTAL CONTADOR TUBULAÇÃO (VEJA A FIG. 3.3-17)
16 2 CC360117 INSTAL ADAPT IC-200 CODIFICADOR ELETRÔNICO (VEJA A
17 1 CD362047 FIG 3 3 14)
INSTAL SEPARADOR (VEJA A FIG. 3.3-11)
1, 2
18 1 CD202071 ETIQUETA GRÁFICO INJ
19 4 CB370957 PERNA SOLDAGEM INJ ESTACIONÁRIO
1
20 4 CC360004 CONJ EXTENSÃO ALUM PERNA
21 1 CD360761 INSTAL POLO ANCORAGEM ARTICULADA (VEJA A FIG. 3.3-16)
22 1 CD360550 INSTAL PASSEIO (VEJA A FIG. 3.3-1)
3
23 2R CB303174 ESPEC MOD MOTOR INJ GPM 120
1, 4
24 2 CB363087 ETIQUETA MOTOR HR 680 90/120 GPM ENGR
1
25 1 CC302794 ESPEC CABO DE SUSPENSÃO INJ 29K (VEJA A FIG. 3.2-6)
1
26 1 CA982137 PROC TESTE SUSPENSÃO/TRAÇÃO/QUEDA
1
27 1 CD363676 INSTAL ETIQUETA HAL EMR

Fig. 3.2-1A, Conjunto do injetor HR 680, CC303670C

OBSERVAÇÕES:
1 ESTE ITEM NÃO É EXIBIDO
2 ESTE ITEM É REFERENCIADO NA CABINE.
3 ITEM NÃO DEFINIDO REFERENCIADO NA INSTAL DO SISTEMA DE ACIONAMENTO.
4 ITEM EXIBIDO NO MOD AJUSTE DO MOTOR ITEM Nº 23.
5 UM CONTADOR MONTADO DESTE LADO, UM MONTADO NO OUTRO LADO.
6. CLIENTE: SERVIÇOS DE ENERGIA HALIBRTON
7 MANGUEIRAS DE CONTROLE DO SEPARADOR (Nº 21, 22, 23 e 24) PARA TER NÚMEROS
SERIAIS ÚNICOS PARA CONFIRMAR RASTREABILIDADE

PÁGINA 3-53
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CE360846 INSTALAÇÃO ALINHAMENTO DO INJETOR
2 1 CE380592 SOLDAGEM EXTERNA DA ESTRUTURA
3 1 CE380468 SOLDAGEM BASE DO INJETOR
4 1 CE380588 USINAGEM CORPO DO INJETOR
5 1 CE330104 INSTALAÇÃO TUBULAÇÃO 5000 PSI (VEJA A FIG. 3.3-6)
2
7 1R CD360599 INSTALAÇÃO CORRENTE DE PROTEÇÃO
8 1 CE360601 MONT. TRAÇÃO (VEJA A FIG. 3.2-7)
2
9 1R CD360475 INSTALAÇÃO MONTAGEM GOOSENECK (VEJA A FIG. 3.3-7)
10 1 CD360602 INSTALAÇÃO TENSÃO DA CORRENTE (VEJA A FIG. 3.3-8)
11 1 CE310412 INSTALAÇÃO SISTEMA DE ACIONAMENTO (VEJA A FIG. 3.3-
1, 2 9)
14 1R CE361054 RÓTULO INSTALAÇÃO
3
16 1R CA300526 ESPEC FLUIDO (VEJA A FIG. 3.2-9)
2
17 4R CB370349 WLDMNT LEG ESTACIONÁRIO INJ 1,22 M
2
18 1R CC361048 INSTALAÇÃO CONJUNTO REPOSIÇÃO PEÇAS DA CORRENTE
19 1 CD330137 INSTALAÇÃO FREIO DO COLETOR (VEJA A FIG. 3.3-4)

1
ITEM NÃO EXIBIDO
2
ITEM CHAMADO NO CONJUNTO FINAL DE PEÇAS
PEQUENAS
3
ITEM APENAS PARA REFERÊNCIA

Fig. 3.2-2A, Subconjunto injetor, CE360845K

PÁGINA 3-55
ITEM QTDE Nº PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CE380725 GUIA DE TUBULAÇÃO, 72" ALARGADO, SOLDAGEM
4
2 4R CD360114 INSTALAÇÃO CAIXA, ROLETE DE SUSTENTAÇÃO
3 22 BXF00002 CONEXÃO, VERIFICAÇÃO ESFERA DE GRAXA
4 17 BFN00041 PORCA, HEX
5 15 CB360122 EIXO, ROLETE
6 1 CB305440 RÓTULO CAIXA DE SUSTENTAÇÃO
7 1 CC362294 ROLETE, MONT. GUIA DE TUBULAÇÃO, 6,06
8 1 CC362296 ROLETE, MONT. GUIA DE TUBULAÇÃO, 7,63
9 1 CC362298 ROLETE, MONT. GUIA DE TUBULAÇÃO, 9,38
10 1 CC362995 ROLETE, MONT. GUIA DE TUBULAÇÃO, 11,01
11 1 C14S2254 ROLETE, GUIA DE TUBULAÇÃO, 12,63
12 1 C14S2255 ROLETE, GUIA DE TUBULAÇÃO, 14,25
13 1 C14S2257 ROLETE, GUIA DE TUBULAÇÃO, 15,88
14 7 B14S9602 EIXO, ROLETE
15 7 BFC00121 PARAFUSO, CABEÇA HEX
16 14 BFW00008 ARRUELA, TRAVA, BIPARTIDA
17 2 CB380192 PARAFUSO GUIA ROLETE SOLDAGEM
18 2 CB380193 ROLETE DE NÁILON
19 2 BXX00005 CONJUNTO ARO 0,75
20 2 BFW00028 ARRUELA
1
21 17R BFW00107 ARRUELA
22 2 BFW00130 ARRUELA

OPÇÕES DE ROLETE (SOMENTE REF.) QTDE.


NECESSÁRIOS QUINZE
CC360125 CONJUNTO ROLETE POLY-V COM ESPAÇADOR
CC360056 CONJUNTO ROLETE, GUIA DE TUBULAÇÃO (2-7/8)
CC360040 CONJUNTO ROLETE, GUIA DE TUBULAÇÃO (2-3/8)
CC360055 CONJUNTO ROLETE, GUIA DE TUBULAÇÃO (2")
CC360054 CONJUNTO ROLETE, GUIA DE TUBULAÇÃO (1-3/4)
CC360062 CONJUNTO ROLETE, GUIA DE TUBULAÇÃO (1-1/2)
CC360093 CONJUNTO ROLETE, GUIA DE TUBULAÇÃO (1-1/4)

Fig. 3.2-3A, Montagem guia de tubulação com alargador 72"R, CE361214B

PÁGINA 3-58
ITEM QTDE Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CC360061 GUIA DO ROLETE 1-1/2
2 2 TBB00001 ROLAMENTO, ESFERA, CARREIRA SIMPLES
3 2 CB360011 MANGA

Fig. 3.2-4A, Conjunto do Rolete Guia Tubulação 1,50, CC360062A

PÁGINA 3-61
ESPECIFICAÇÃO DE DESMONTAGEM DO MOTOR 105CC VAR HR635/660/680

O motor consiste em:

Motor variável 6,41-2,14 cui (105-35 cc)


Início do controle 116 psi
Fim do controle 216 psi
Deslocamento do controle auxiliar definido em 1,5 gpm
-4 portas piloto
Porta ‘F’ conectada
Parafuso de deslocamento mínimo: M12-1 x 60 mm de comprimento
Parafuso de deslocamento máximo: M12-1 x 50 mm de comprimento
Parada de deslocamento mecânico mínimo definida para 35 ± 2 cc ou 2,14
±.12 in3
Motor "Universal" de Montagem C com dois parafusos, com placa de
nivelamento cobrindo pastilhas de freio opcionais
Eixo de saída de chaveta C especial estendido:
A chaveta inicia a 19,2 mm da face de montagem
A chaveta termina a 61,3 mm da face de montagem
14 Dentes; 12/24 DP (Ref: Padrão)

Fig. 3.2-6, HR635/660/680 105CC Especificação de Desmontagem de Motor Variável, CA312089B


PÁGINA 3-64
Fig. 3.2-6, 29K Sling Specification, CC302794C
PAGE 3-64
ITEM QTDE Nº PEÇA DESCRIÇÃO
1 6 CC360374 BARRA, TRAÇÃO MAQUINADA
2 6 CD360365 CILINDRO DE TRAÇÃO
3 6 CC368983 PORCA GUIA
4 12 CC368982 BUCHA, TRAÇÃO
5 2 CC360373 SKATE
6 8 CC360453 SUPORTE DO SKATE
7 6 BFN00249 PORCA HX STD 1,13-12UNC
8 12 BSR00099 ANEL, RETENTOR, EXTERNO
9 12 BSR00080 ANEL, RETENTOR, EXTERNO
10 8 BFC00104 HHCS 0,63-11UNC X 2,75
11 8 BFW00007 ARRUELA DE PRESSÃO
12 6 BPD00057 CHAVE WOODRUFF
13 2 HHA40080 ADAPT. 0,38MNPT-0, 38MJIC -0, 38MJIC
14 3 HHA20179 ADAPT. 0,38MNPT-0, 25FNPT
15 5 HHA40060 ADAPT. 0,38MNPT-0, 38FNPT -0, 38FNPT
16 7 HHA20034 ADAPT. 0,38MNPT-0,38MJIC
17 * 3R IPM00364 MEDIDOR DE PRESSÃO 0,3000 P/B 2,50 0,25
18 5 HHA30018 ADAPT. 0,38MNPT-0,38MJIC
21 3 HHA20102 ADAPT. 0,38MNPT-0, 38FNPT

* ITEM CHAMADO NO CONJUNTO MONT. FINAL


Fig. 3.2-7A, Montagem da tração, CE360601B

PÁGINA 3-65
ITEM QTDE Nº PEÇA DESCRIÇÃO
1 30 CD310333 TRANSPORTADOR, CORRENTE USINAGEM
2 30 CB315389 RETENTOR DE MOLA
3 30 CC310331 PASTILHA, ELASTÔMERO
4 30 TDR00198 PINO, HASTE CHAVETA
5 60 TDR00076 HASTE ROLETE
6 60 TDR00196 PLACA, CONEXÃO
7 30 TDR00081 PLACA, CENTRO
8 30 TDR00197 PINO, CHAVETA
9 60 CB318979 ROLAMENTO DE ESFERAS.
10 30 CB318981 EIXO ROLAMENTO
11 60 BSR00096 ANEL, RETENTOR EXT

Fig. 3.2-8A, Montagem da corrente do injetor, CE310347B

PÁGINA 3-68
ESPECIFICAÇÃO DE FLUIDO

Quantidade Dispositivo Descrição

TEMP AMBIENTE
49 ºC E ABAIXO

7,6 l Unid. acion. engrenagem Óleo de engrenagem Mobilube SHC 630 ou outro aprovado
Óleo de engrenagem sintético ISO 220

TEMP AMBIENTE TEMP AMBIENTE


27 ºC E ABAIXO 4 ºC E ACIMA

37,85 l Lubrif. corrente ÓLEOS PARA MOTOR SAE HD30 ÓLEOS PARA MOTOR
SAE HD40
ÓLEOS DE ENGRENAGEM ISO 68 ÓLEOS DE
ENGRENAGEM ISO 150
ÓLEOS PARA ENGRENAGEM ISO 100

Fig. 3.2-9, 6 - Especificação de série de fluidos, CA300526A

PÁGINA 3-70
CONJUNTO DE MANGUEIRAS COM RASTREABILIDADE DE SEPARADOR HR680
Observações padrão: (Aplicável para todas as mangueiras na lista) Abreviações
Desconexão rápida Tamanho Conexões da
extremidade
Observações especiais: (Aplicável somente às mangueiras indicadas) AQ = Aeroquip -4 = 1/4" Gêneros:
Hyd Inc = Hydraulics Inc. -6 = 3/8" M = Macho
MANGUEIRAS DE CONTROLE SEPARADOR (Nº 21, Nº 22, Nº 23 e Nº 24) Snap = Snaptite -8 = 1/2" F = Fêmea
-10 = 5/8"
PARA NÚMEROS DE SÉRIE ÚNICOS E CONFIRMAÇÃO DE -12 = 3/4" SAE = Anel-O SAE
-16 = 1" FFOR = Anel-O de face plana
RASTREABILIDADE -20 = 1-1/4" SF = Flange da fenda
-24 = 1-1/2"
-32 = 2"
Contorno da mangueira: N/A -48 = 3"

9 3 EA HHF20012 FTG -8 FJIC SVL, 90


8 10 EA HHF20009 FTG -4 FJIC SVL, 90
7 22 EA HHF20007 FTG -6 FJIC SVL, 90
6 3 EA HHF00095 FTG -8 FJIC SVL, STR
B 5 34 EA HHF00094 FTG -6 FJIC SVL, STR
4 12 EA HHF00093 FTG -4 FJIC SVL, STR
3 21 FT HHH00047 MANGUEIRA -8G2 0,50 DI 4
B 2 163 FT HHH00046 MANGUEIRA -6G2 0,38 DI 48
1 66 FT HHH00032 MANGUEIRA -4G2 0,25 DI 58
U
Rev Item Qtde M Número de peça Descrição

Fig. 3.2-10, Conjunto de Mangueiras, CA303707B (folha 1 de 4)

PÁGINA 3-71
CONJUNTO DE MANGUEIRAS COM RASTREABILIDADE DE SEPARADOR HR680
Man Etiqu Adaptador da  Extremidade  Extremidade  Adaptador da 
Alt.  Mangu Compriment Comprim Extremidade  Extremidade  Mangueira à 
gueir eta  Tampa/bujão extremidade  A  B  extremidade  Tampa/bujão Descrição do roteamento 
rev.  eira  o de corte  ento final  A QD  B QD  prova de fogo
a Nº  nº  A  Conexões  Conexões  B 
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, Ligação de Retorno do Cilindro de
1 6G2 13 - 1/2 pol. 17,00    
90 Curto#7 Str#5 Tração
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, Ligação de Retorno do Cilindro de
2 6G2 13 - 1/2 pol. 17,00    
90 Curto#7 Str#5 Tração
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, Ligação de Retorno do Cilindro de
3 6G2 13 - 1/2 pol. 17,00    
90 Curto#7 Str#5 Tração
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, Ligação de Retorno do Cilindro de
4 6G2 13 - 1/2 pol. 17,00    
90 Curto#7 Str#5 Tração
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, Cilindro Direito Superior para
5 6G2 29 - 1/2 pol. 33,00    
90 Curto#7 Str#5 Dreno do Alojamento do Motor
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, Cilindro Esquerdo Superior para
6 6G2 15 - 1/2 pol. 19,00    
90 Curto#7 Str#5 Dreno do Alojamento do Motor
Cilindro de Tração Esquerdo
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
7 6G2 85 - 1/2 pol. 89,00     Superior para Acumulador
90 Curto#7 Str#5
Superior
Cilindro de Tração Esquerdo
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
8 6G2 82 - 1/2 pol. 86,00     Médio para Adaptador 90º
90 Curto#7 Str#5
Externo do Acumulador Médio
Cilindro de Tração Esquerdo
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
9 6G2 97 - 1/2 pol. 101,00     Inferior para Adaptador 90º
90 Curto#7 Str#5
Externo do Acumulador Inferior
Cilindro de Tração Direito Inferior
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
10 6G2 84 - 1/4 pol. 87,00     para Adaptador 90º Externo do
Str#5 Str#5
Acumulador Inferior
Cilindro de Tração Direito Médio
101 - 1/4 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
11 6G2 104,00     para Adaptador 90º Externo do
pol. Str#5 Str#5
Acumulador Médio
Cilindro de Tração Direito
101 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
12 6G2 105,00     Superior para Acumulador
pol. Str#5 90 Curto#7
Superior
Válvula de Retenção do Cilindro
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
13 6G2 15 - 1/2 pol. 19,00     de Tensão Frontal para o Nº 56 no
90 Curto#7 Str#5
Painel
Ligação do Cilindro de Tensão
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
B 14 6G2 16 - 1/4 pol. 19,00     Dianteiro Direito para o Traseiro
Str#5 Str#5
Direito
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, Bomba Haskel para o Nº 5 no
15 6G2 42 - 1/2 pol. 46,00    
90 Curto#7 Str#5 Painel
134 - 1/2 -8 FJIC Svl, -8 FJIC Svl, Dreno do Alojamento Superior no
16 8G2 138,00    
pol. 90 Curto#9 Str#6 Motor para o Nº 3 no Painel
141 - 1/8 -4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, Velocidade Dupla no Motor para o
17 4G2 144,00    
pol. 90 Curto#8 Str#4 Nº 55 no Painel
Adaptador 90º Interno do
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
18 6G2 57 - 1/2 pol. 61,00     Acumulador Superior para o Nº 8
90 Curto#7 Str#5
no Painel
Adaptador 90º Interno do
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
19 6G2 71 - 1/2 pol. 75,00     Acumulador Médio para o Nº 9 no
90 Curto#7 Str#5
Painel
Adaptador 45º Interno do
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
20 6G2 69 - 1/2 pol. 73,00     Acumulador Inferior para o Nº 7
90 Curto#7 Str#5
no Painel

PÁGINA 3-72
CONJUNTO DE MANGUEIRAS COM RASTREABILIDADE DE SEPARADOR HR680
Man Etiqu Adaptador da  Extremidade  Extremidade  Adaptador da 
Alt.  Mangu Compriment Comprim Extremidade  Extremidade  Mangueira à 
gueir eta  Tampa/bujão extremidade  A  B  extremidade  Tampa/bujão Descrição do roteamento 
rev.  eira  o de corte  ento final  A QD  B QD  prova de fogo
a Nº  nº  A  Conexões  Conexões  B 
116 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
21 6G2 120,00     Alojamento do Separador Nº 1
pol. 90 Curto#7 Str#5
116 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
22 6G2 120,00     Guarnição do Separador Nº 1
pol. 90 Curto#7 Str#5
176 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
23 6G2 180,00     Alojamento do Separador Nº 2
pol. 90 Curto#7 Str#5
176 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
24 6G2 180,00     Guarnição do Separador Nº 2
pol. 90 Curto#7 Str#5
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, Ligação do Lubrificador Frontal
25 4G2 19 - 1/8 pol. 22,00    
90 Curto#8 Str#4 para a Ligação do Tubo Direito
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, Ligação do Lubrificador Frontal
26 4G2 19 - 1/8 pol. 22,00    
90 Curto#8 Str#4 para a Ligação do Tubo Esquerdo
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, Ligação do Lubrificador Traseiro
27 4G2 11 - 1/8 pol. 14,00    
90 Curto#8 Str#4 para a Ligação do Tubo Direito
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, Ligação do Lubrificador Traseiro
28 4G2 11 - 1/8 pol. 14,00    
90 Curto#8 Str#4 para a Ligação do Tubo Esquerdo
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, Bomba Haskel para a Ligação do
29 6G2 61 - 1/4 pol. 64,00    
Str#5 Str#5 Tubo do Lado Direito
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, Ligação do Cilindro de Tensão do
30 6G2 19 - 1/4 pol. 22,00    
Str#5 Str#5 Lado Esquerdo
Ligação do Cilindro de Tensão
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
31 6G2 56 - 1/2 pol. 60,00     Traseiro Direito para o Traseiro
90 Curto#7 Str#5
Esquerdo
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
32 4G2 27 - 1/8 pol. 30,00     Ligação de Velocidade Dupla
90 Curto#8 Str#4
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
33 4G2 33 - 1/8 pol. 36,00     Ligação Auxiliar
90 Curto#8 Str#4
-8 FJIC Svl, -8 FJIC Svl,
34 8G2 32 - 1/2 pol. 36,00     Ligação do Dreno do Alojamento
90 Curto#9 Str#6
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl,
35 6G2 19 - 1/4 pol. 22,00     Ligação do Freio
Str#5 Str#5
-8 FJIC Svl, -8 FJIC Svl, Dreno do Alojamento para Coletor
36 8G2 65 - 1/2 pol. 69,00    
Str#6 90 Curto#9 do Freio
171 - 1/8 -4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
37 4G2 174,00     Porta 1 no Coletor para Tubulação
pol. Str#4 90 Curto#8
171 - 1/8 -4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
38 4G2 174,00     Porta 2 no Coletor para Tubulação
pol. Str#4 90 Curto#8
136 - 1/2 -4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, Porta Auxiliar no Coletor para
39 4G2 139,00    
pol. Str#4 Str#4 Motor Traseiro
135 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, AB ou AB//MS = Freio no Coletor
40 6G2 139,00    
pol. 90 Curto#7 Str#5 para Freio Traseiro
EM CASO DE CONVERSÃO
-6 FJIC Svl, -6 FJIC Svl, PARA APENAS MB ---- Porta
41 6G2 60 - 1/2 pol. 64,00    
90 Curto#7 Str#5 MS no Coletor do Freio para o Nº
11 ou Nº 54 no Painel
EM CASO DE CONVERSÃO
PARA APENAS MB ---- Brake
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
42 4G2 17 - 1/8 pol. 20,00     Man. Porta Auxiliar para Válvula
90 Curto#8 Str#4
de Retenção do Cilindro de
Tensão Traseiro

PÁGINA 3-73
CONJUNTO DE MANGUEIRAS COM RASTREABILIDADE DE SEPARADOR HR680

Fig. 3.2-10, Conjunto de Mangueiras, CA303707B (folha 4 de 4)

PÁGINA 3-74
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CC360101 PLACA CONTADOR CONJUNTO TBG INJ
2 2 CB360219 PLACA CONTADOR
3 1 CB360221 ESPAÇADOR PLACA CONTADOR
4 1 CB360222 ESPAÇADOR PLACA CONTADOR
5 1 CB360248 ESPAÇADOR
6 1 CB360217 EIXO CONTADOR CODIFICADOR
7 1 CB360218 EIXO CONTADOR RODA
8 4 TBR00004 ROLETE 0,472 FURO COM ANEL TRAVA
9 4 BFC00850 SHCS #8-32UNC X 0,38 18-8 SST
10 7,62 cm RST00029 TBG RND 0,75 DE-0,125W SMLS
11 1 CB360012 RODA DENTADA, MÓD. (METROS)
12 1 CB360025 RODA DENTADA, MÓD. (PÉS)
13 1 TDR00107 CORRENTE, ROLETE, ÚNICO, FLUIDO, SST
14 6 BFN00182 PORCA HX NYLOCK 0,38 16UNC 18-8 SST
15 2,44 cm RCB00372 KEYSTOCK 0,125 SQR X 0,88 LG
16 1,22 cm RCB00372 KEYSTOCK 0,125 SQR X 0,38 LG
17 2 BFC00945 SHCS #10-24UNC X 0,50 BTN HD 18-8 SST
19 2 BFW00136 ARRUELA PL TIPO A SÉRIE W #10 18-8 SST
20 1 BFC00983 HHCS 0,38-16UNC X 6,00 18-8 SST
21 3 BFC00610 HHCS 0,38-16UNC X 2,75 18-8 SST
22 2 BFC00946 HHCS 0,38-16UNC X 3,25 18-8 SST
23 12 BFW00073 ARRUELA PL TIPO B SÉRIE R 0,38 18-8 SST

Fig. 3.2-11A, Montagem da tubulação do contador, CD360091D

PÁGINA 3-75
CONJUNTO DE MANGUEIRAS DA CÉLULA DE CARGA HID HR 560/HR 580
Observações padrão: (Aplica-se para todas as mangueiras na lista) Abreviações
Desconexão rápida Tamanho Conexões da
extremidade
Observações especiais: (Aplica-se somente a mangueiras indicados) AQ = Aeroquip -4 = 1/4" Gêneros:
Hyd Inc = Hydraulics Inc. -6 = 3/8" M = Macho
Snap = Snaptite -8 = 1/2" F = Fêmea
-10 = 5/8"
-12 = 3/4" SAE = Anel-O SAE
-16 = 1" FFOR = Anel-O de face plana
Contorno da mangueira: N/A -20 = 1-1/4" SF = Flange da fenda
-24 = 1-1/2"
-32 = 2"
-48 = 3"

3 2 EA HHF00093 -4 FJIC Svl, Str


2 2 EA HHF20009 -4 FJIC Svl, 90 Curto
A 1 6 FT HHH00032 4G2
Número de
Rev Item Qtde UM peça Descrição

Fig. 3.2-12, Conjunto de mangueiras da célula de carga hidráulica, CA300539A (Folha 1 de 2)


PÁGINA 3-77
CONJUNTO DE MANGUEIRAS DA CÉLULA DE CARGA HID HR 560/HR 580
Man Adaptador  Adaptador 
guei Etiq Comprim da  Extremidade  Extremidade  da  Mangueira à 
Alt.  ra  ueta  Mangu Comprimen ento  Tampa/bujã Extremidade  extremidade  A  B  extremidade  Extremidade  Tampa/bujã prova de 
rev.  Nº  nº  eira  to de corte  final  o  A QD  A  Conexões  Conexões  B  B QD  o  Descrição do roteamento  fogo 
CÉLULA DE CARGA
26 - 15/16 -4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
A 1 4G2 28 INFERIOR PARA Nº 49 NO
pol. 90 Curto Str
PAINEL
CÉLULA DE CARGA
31 - 15/16 -4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
A 2 4G2 33 SUPERIOR PARA Nº 59 NO
pol. 90 Curto Str
PAINEL

angueiras da célula de carga hidráulica, CA300539A (Folha 2 de 2)


PÁGINA 3-78
ITEM QTDE. Nº DE DESCRIÇÃO
1 1 CD360551 MONT. PASSAGEM PEQUENA
2 2 CC362980 MONT. PASSAGEM GRANDE
3 10 BCS00014 MANILHA FIXAÇÃO SCR PINO 0,25
4 *3R BPC00116 PINO CAVILHA 0,38 X 0,75 LG
5 3 BPC00030 PINO DE CHAVETA 0,120
6 320,04 cm BCC00038 CORRENTE 0,25 GR 30 (4 em 25 HASTES)
7 182,88 cm BCC00038 CORRENTE 0,25 GR 30 (2 em 19 HASTES)
8 *4R B20S1522 MANILHA CIRCULAR
9 3 BCC00002 PASSADEIRA 12,00 TIPO 3
10 9 BPC00006 PINO CAVILHA 0,50 X 4,50 LG
11 9 BPC00005 PINO DE CHAVETA 0,125 X 1,00 LG

* EXIBIDO NA SOLDAGEM DA ESTRUTURA

Fig. 3.3-1A, Instalação da passagem, CD360550J


PÁGINA 3-77
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CC303704 RÓTULO SÉRIE 5/6 MONTAGEM INJ STD BHP
2 12 BFR00006 REBITE SST/STL 0,125 X 0,188-0,250 GRIP
4
3 4 HHD06003 CPLG QD 0,38FNPT CPLR
4
4 4 HHD06004 BUJÃO DE PROTEÇÃO -6 QD CPLR AQ56
5 11 HHB10014 ADAPT. 0,38MNPT-0,38MJIC BHD
6 11 HHB10033 PORCA ADAPT. 0,38 BHD
7 11 HHA30038 ADAPT. 0,38MNPT-0,38FNPT 45
4
8 11 HHD06006 CPLG QD 0,38FNPT NIP
4
9 11 HHD06005 TAMPA DE PROTEÇÃO -6 QD NIP AQ56
10 1 HHB10004 ADAPT. 1,00MNPT-1,00MJIC BHD
11 1 HHB10037 PORCA ADAPT. 1,00 BHD
12 1 HHA30053 ADAPT. 1,00FNPT-1,00MNPT 45
13 1 HHD16005 CPLG QD 1,00FNPT NIP
14 1 HHD16007 TAMPA DE PROTEÇÃO -16 QD NIP AQ56
2
15 1 HHA10438 ADAPT. TUBO RDCR 1,00FJIC-0,50MJIC
2
16 1 HHA40086 ADAPT. 0,50MJIC-0,50FJIC-0,50MJIC SWVL
3
17 4 BFW00357 ARRUELA FLT 0,38 MANGUEIRA HYDR SST 38FJXFW
3
18 4 HHA10048 ADAPT. 0,38MNPT-0,38MJIC
1
19 1R HHA40129 ADAPT. 0,75MJIC-0,75FJIC-0,75MJIC SWVL
1
20 1R HHA10403 ADAPT. 0,75FJIC-0,50MJIC TUBO RDCR
1
21 1R HHA10439 ADAPT. TUBO RDCR 1,00FJIC-0,75MJIC

1
ESTE ITEM DEVERÁ SER USADO COM INJETORES SÉRIE 5
2
ESTE ITEM DEVERÁ SER USADO COM INJETORES SÉRIE 6
3
QUATRO DESTE ITEM NÃO FORAM EXIBIDOS
4
DOIS DESTE ITEM NÃO FORAM EXIBIDOS

Fig. 3.3-2A, Instalação do painel de acoplamento, CD363624A


PÁGINA 3-82
ITEM QTDE Nº DE DESCRIÇÃO
PEÇA
1 1 CC365928 BUCHA ELC
3 8 BFC00073 HHCS 0,50-13UNC X 2,75 A449
4 228,6 m BFA00041 HASTE ROSCADA 1,00-8UNC A449
5 2 BFW00279 ARRUELA ESFÉRICA 1,00 1,06DI-2,00DE 0,50 STL
7 1 BFN00118 PORCA HX STD 1,00-8UNC A563
8 8 BFW00125 ARRUELA PL TIPO A SÉRIE W 0,50 STL
9 1 BFW00327 ARRUELA PL 1,00 USS ALTA RESISTÊNCIA
13 1 HXC00335 PRESILHA 0,38 EMBORRACHADA COM FURO 0,25
14 1 BFC00657 HHCS 0,25-20UNC X 0,50 18-8 SST
15 1 BFW00045 ARRUELA DE PRESSÃO 0,25 18-8 SST
18 1 IWS00023 CÉLULA DE CARGA AMPLIFICADA 40K LBS 4-20MA

 CONSULTE AS OBSERVAÇÕES NO DIAGRAMA


Fig. 3.3-3A, Instalação de célula de carga eletrônica, CD360948F

PÁGINA 3-84
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 HVS00067 COLETOR FREIO INJ
2 1 HVT00243 VÁLVULA ESFERA 0,38FNPT 600PSI
3 1 HHA20013 ADAPT. 0,25FNPT-0, 25FNPT
4 1 HHA40145 ADAPT. 0,25MJIC-0,25MJIC
5 1 HHA10142 ADAPT. 0,50MOR-0,38MJIC
6 1 HHA10168 ADAPT. 0 38MJIC -0, 25MOR
7 1 HHA10476 ADAPT. 0,38MOR-0,38MNPT
8 2 HHA20069 ADAPT. 0,25MJIC-0,25MOR 90
9 1 HHA20102 ADAPT. 0,38MNPT-0,38FNPT 90
10 2 BFC00176 SHCS 0,25-20UNC X 3,50
11 2 BFW00011 ARRUELA DE PRESSÃO GROSSA 0,25 STL
12 1 HHA10019 ADAPT. 0,38MNPT-0,25FNPT
13 1 HHA10364 ADAPT. 0,25MNPT-0,25MNPT-0,25MJIC
14 * 1R IPM00119 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-1000 P/B 2,50 CBM
15 1 HHA10003 ADAPT. 0,25MNPT-0,25MNPT
16 1 HHA10131 ADAPT. 0,25MJIC-0,25FNPT

* ITEM CHAMADO NO CONJUNTO MONT. FINAL DE


PEÇAS PEQUENAS
Fig. 3.3-4A, Instalação do coletor do freio, CD330137F

PÁGINA 3-87
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 HHD24002 CPLG QD 1,50FNPT ACOPLADOR
2 1 HHD24001 CPLG QD 1,50FNPT NIP
3 1 HHD24004 BUJÃO DE PROTEÇÃO 1,50 ACOPLADOR
4 1 HHD24003 TAMPA DE PROTEÇÃO 1,50 NIP
6 2 PCB00069 BSHG HX HD 1,50MP-1,25FP 6000#

Fig. 3.3-5A, 1,50 QD Instalação da tubulação 5000 psi, CD330122A


PÁGINA 3-90
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CC330113 CONJUNTO DE MANGUEIRAS ACIONAMENTO (VEJA FIG. 3.3-13)
2
2 2R IPM00408 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-5000 P/B 2,50 0,25
3 1 CD370994 SUPORTE MONTAGEM FILTROS SOLDA
4 2 CC330162 E/S TUBULAÇÃO 5000 PSI SOLDA
5 4 HXF00244 FLG CONJUNTO SAE FENDA CÓDIGO 62 1,00 "T"
3
7 2R HFP00101 TAMPA FILTRO INDICADOR
8 2 HFP00129 FILTRO 10u 1,25 CD62 COM REVSR CHK
8A 2 HFP00130 ELEMENTO, FILTRO 10u 1,25 CD62 COM REVSR CHK
9 2 CC360766 FLANGE TÊ 1,00 X 1,25
10 2 HHA10042 ADAPT. 0,25MNPT-0,25MJIC
11 2 HXF00099 CONJUNTO MONTAGEM FLG "T"
12 4 HXF00171 FLG CONJUNTO SAE FENDA CÓDIGO 62 1,00
13 15 BFW00003 ARRUELA DE PRESSÃO 0,38 STL
14 3 BFW00102 ARRUELA PL TIPO A SÉRIE N 0,38 STL
15 2 BFN00031 PORCA HX STD 0,38-16UNC
16 1 BFC00035 HHCS 0,38-16UNC X 1,00
17 2 BFC00037 HHCS 0,38-16UNC X 1,50
1
18 16R BFW00015 ARRUELA DE PRESSÃO GROSSA
1
19 16R BFC01413 SHCS M12 X 1,75 X 150
20 12 BFC00032 HHCS 0,38-16UNC X 0,63
22 1 HHA40008 ADAPT. 0,25MNPT-0,25FNPT-0,25FNPT
23 3 HHA20065 ADAPT. 0,25FNPT-0,25MNPT 90
24 1 HHA60002 BUJÃO ADAPTADOR 0,25MNPT
25 1R CA332167 PROC INSTALAÇÃO FLANGE SOLDADO E TUBULAÇÃO
MANGUEIRAS

1
ITEM CHAMADO NA ESPECIFICAÇÃO DO MOTOR
2
ITEM CHAMADO NO CONJUNTO MONT. FINAL DE PEÇAS
PEQUENAS
3
ITEM APENAS PARA SUBSTITUIÇÃO

Fig. 3.3-6A, Instalação da tubulação 5000 PSI, CE330104K

PÁGINA 3-93
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CD380406 MONTAGEM TUBULAÇÃO GUIA SOLDAGEM
2 1 CC380564 PINO GUIA SERVIÇO PESADO SOLDAGEM
3 1 CB365630 SUPORTE DA BIELA
4 4 CB365629 DESGASTE DE PASTILHA
5 1 CB380411 AJUSTE DA BIELA
6 1 BPC00045 PINO DE CHAVETA 0,243
7 2 BPC00035 PINO DE CHAVETA
8 1 BFN00381 PORCA HX STD 1,50-6UNC
9 24 BFM00113 SCR MÁQUINA 0,25-20UNC 0,75 CSKH HX SKT
10 66,14 cm BCC00038 CORRENTE 0,25
11 2 BFN00380 PORCA HX STD 1,50-6UNC
12 2 CB365700 GUIA DE SUPORTE

Fig. 3.3-7A, Instalação da montagem do guia de tubulação, CD360475G

PÁGINA 3-96
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CC330113 CONJUNTO DE MANGUEIRAS ACIONAMENTO (VEJA FIG. 3.3-13)
2
2 2R IPM00408 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-5000 P/B 2,50 0,25
3 1 CD370994 SUPORTE MONTAGEM FILTROS SOLDA
4 2 CC330162 E/S TUBULAÇÃO 5000 PSI SOLDA
5 4 HXF00244 FLG CONJUNTO SAE FENDA CÓDIGO 62 1,00 "T"
3
7 2R HFP00101 TAMPA FILTRO INDICADOR
8 2 HFP00129 FILTRO 10u 1,25 CD62 COM REVSR CHK
8A 2 HFP00130 ELEMENTO, FILTRO 10u 1,25 CD62 COM REVSR CHK
9 2 CC360766 FLANGE TÊ 1,00 X 1,25
10 2 HHA10042 ADAPT. 0,25MNPT-0,25MJIC
11 2 HXF00099 CONJUNTO MONTAGEM FLG "T"
12 4 HXF00171 FLG CONJUNTO SAE FENDA CÓDIGO 62 1,00
13 15 BFW00003 ARRUELA DE PRESSÃO 0,38 STL
14 3 BFW00102 ARRUELA PL TIPO A SÉRIE N 0,38 STL
15 2 BFN00031 PORCA HX STD 0,38-16UNC
16 1 BFC00035 HHCS 0,38-16UNC X 1,00
17 2 BFC00037 HHCS 0,38-16UNC X 1,50
1
18 16R BFW00015 ARRUELA DE PRESSÃO GROSSA
1
19 16R BFC01413 SHCS M12 X 1,75 X 150
20 12 BFC00032 HHCS 0,38-16UNC X 0,63
22 1 HHA40008 ADAPT. 0,25MNPT-0,25FNPT-0,25FNPT
23 3 HHA20065 ADAPT. 0,25FNPT-0,25MNPT 90
24 1 HHA60002 BUJÃO ADAPTADOR 0,25MNPT
25 1R CA332167 PROC INSTALAÇÃO FLANGE SOLDADO E TUBULAÇÃO
MANGUEIRAS

1
ITEM CHAMADO NA ESPECIFICAÇÃO DO MOTOR
2
ITEM CHAMADO NO CONJUNTO MONT. FINAL DE PEÇAS
PEQUENAS
3
ITEM APENAS PARA SUBSTITUIÇÃO

Fig. 3.3-6A, Instalação da tubulação 5000 PSI, CE330104K

PÁGINA 3-93
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CD380406 MONTAGEM TUBULAÇÃO GUIA SOLDAGEM
2 1 CC380564 PINO GUIA SERVIÇO PESADO SOLDAGEM
3 1 CB365630 SUPORTE DA BIELA
4 4 CB365629 DESGASTE DE PASTILHA
5 1 CB380411 AJUSTE DA BIELA
6 1 BPC00045 PINO DE CHAVETA 0,243
7 2 BPC00035 PINO DE CHAVETA
8 1 BFN00381 PORCA HX STD 1,50-6UNC
9 24 BFM00113 SCR MÁQUINA 0,25-20UNC 0,75 CSKH HX SKT
10 66,14 cm BCC00038 CORRENTE 0,25
11 2 BFN00380 PORCA HX STD 1,50-6UNC
12 2 CB365700 GUIA DE SUPORTE

Fig. 3.3-7A, Instalação da montagem do guia de tubulação, CD360475G

PÁGINA 3-96
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 4 HCS00063 CIL HID
2 2 CD361444 TENSÃO DA RODA DENTADA E ROLAMENTO
3 1 HHA20002 ADAPT. 0,25MNPT-0,25MNPT
4 1 HHA10004 ADAPT. 0,38MNPT-0,25MNPT
2
5 4R CC360855 TRAVA DA BUCHA
6 8 CB360847 PLACA, DESGASTE
1
7 4R CB361215 PRESILHA DE RETENÇÃO DO CILINDRO DE TENSÃO
8 8 CB360608 BUCHA DO RETENTOR
9 50,90 cm RSB00216 BARRA RND 0,125 (4 a 4,50 LG)
10 8 BFC00035 HHCS 0,38-16UNC X 1,00
11 8 BFW00003 ARRUELA DE PRESSÃO 0,38
12 2 HHA20323 ADAPT. 0,38MOR-0,38FNPT 90
13 1 HHA40015 ADAPT. 0,25FNPT-0,25FNPT-0,25FNPT
1
14 4R BPC00041 PINO DE CHAVETA 0,125 X 3,00 LG
18 1 HHA20123 ADAPT. 0,38MJIC-0,38MOR 90
2
19 1R IPM00364 MEDIDOR 0 – 3000 P/B 2,50 0,25
2
21 1R CB360401 CONJUNTO ODÔMETRO (VEJA FIG. 3.3-12)
22 1 HHA10153 ADAPT. 0,38MOR-0,38FNPT
23 3 BFC00414 HHCS 0,50-20UNF X 0,50
25 2 HHA50017 ADAPT. 0,38MNPT-0,38FNPT-0,38FNPT-0,38FNP
26 1 HHA20030 ADAPT. 0,25MNPT-0,38MJIC
27 2 HHA10044 ADAPT. 0,25MNPT-0,38MJIC
28 2 HHA10048 ADAPT. 0,38MNPT-0,38MJIC
29 1 HHA10131 ADAPT. 0,25MJIC-0,25FNPT
30 2 HHA20034 ADAPT. 0,38MNPT-0,38MJIC 90
31 3 HHA20179 ADAPT. 0,38MNPT-0,25FNPT 90
32 1 CB330163 MÓD. ORIFÍCIO VÁLVULA DE RETENÇÃO
33 1 HVC00020 VÁLVULA DE RETENÇÃO 0,25MNPT EM LINHA

1
ITEM CHAMADO NO DESENHO DO CILINDRO
2
ITEM CHAMADO NO CONJUNTO MONT. FINAL

Fig. 3.3-8A, Instalação da tensão da corrente, CD360602J

PÁGINA 3-99
ITEM QTDE Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 2 CA312089 ESPECIFICAÇÃO DE DESMONTAGEM DO MOTOR 105CC VAR HR635/660/680
2 2 TCH00190 FREIO HID SAE 2 PARAFUSOS "C" PASSANTES-DRENO CHAVETA
3 2 TGR00057 CAIXA DE TRANSMISSÃO PLANETÁRIA 60,1 RELAÇÃO HR680
4 2 TBR00120 ROLAMENTO FURO 3,347 ESFÉRICO
5 2 BSR00103 ANEL RETENTOR EXTERNO 3,346
6 2 TXS00070 JUNTA DE ÓLEO DO EIXO 4,313 DIA. FURO 5,501 "T"
7 2 CD361377 FLANGE MONT FREIO HR680 USINAGEM
8 2 CC360642 ESPAÇADOR MONT FREIO HR635
9 2 CD310413 RODA DENTADA ACIONAMENTO HR680
10 2 CC310414 MONT. EIXO DE TRANSMISSÃO HR680
2
11 4 BFC00247 SHCS 0,50-13UNC X 6,50 A574
12 20 BFW00015 ARRUELA DE PRESSÃO GROSSA 0,50 STL
1
13 32 BFC00268 SHCS 0,63-11UNC X 2,50 A574
14 2 CC360849 ANEL MONT FREIO HR680 USINAGEM
16 32 BFW00017 ARRUELA DE PRESSÃO GROSSA 0,63 STL
17 2 HSO00058 ANEL-O 2-254
19 4 BFW00326 ARRUELA PL 0,50 DI 0,531 DE 1,125 THK 0,19
20 4 HSO00286 ANEL-O 2-250 BUNA N
7
21 2R CB312074 ESPEC MÓD. VISOR DE NÍVEL 3 IN M10
7
22 6R HHA60141 BUJÃO ADAPTADOR M18-1,50
5
23 8R HSX00164 ANEL VEDAÇÃO M18-1,5
5
24 8R HHA60142 BUJÃO ADAPTADOR M018-1,50 DIN 908
8
25 2R HVR00283 VÁLVULA DE ALÍVIO POP OFF 0,50NPT 60PSI
26 1 HHA20040 ADAPT. 0,50MNPT-0,50MJIC 90
27 2 HHA10168 ADAPT. 0,38MJIC-0,25MOR
29 2 HHA10967 ADAPT. 0,50FNPT-M22MOR ISO 6149
30 2 HHA10968 ADAPT. 0,50MJIC-M22MOR ISO 6149
31 2 HHA40040 ADAPT. 0,25MJIC-0,25FJIC-0,25MJIC SUÍV.
32 1 HHA40136 ADAPT. 0,38MJIC-0,38FJIC-0,38MJIC SUÍV.
33 1 HHA40028 ADAPT. 0,38MJIC-0,38MNPT-0,38MJIC
34 1 HHA20068 ADAPT. 0,25MJIC-0,25FJIC 90 SUÍV.
35 1 HHA10458 ADAPT. 0,50FNPT-0,50FJIC SUÍV.
16
36 4R HHA20450 ADAPT. 0,25MJIC-M14MOR ISO 6149 90
37 1 HHA40086 ADAPT. 0,50MJIC-0,50FJIC-0,50MJIC SUÍV.
38 1 HHA10022 ADAPT. 0,50MNPT-0,38FNPT
39 2 HHA40043 ADAPT. 0,50FNPT-0,50FNPT-0,50MNPT
40 4 BCS00063 MANILHA 1,0 TON TIPO PARAFUSO 0,38
41 1 HHA10021 ADAPT. 0,50MNPT-0,25FNPT
8
42 1R IPM00366 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-160 P/B 2,50 CBM HR

Fig. 3.3-9A, Instalação do sistema de acionamento, CE310412AL (folha 1 de 2)

PÁGINA 3-101
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
8
43 1R IPM00370 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-600 P/B 2,50 CBM HR
44 1 HHA20065 ADAPT. 0,25FNPT-0,25MNPT 90
45 1 HHA10044 ADAPT. 0,25MNPT-0,38MJIC
46 1 HHA10139 ADAPT. 0,25MNPT-0,25FJIC SUÍV.
47 1 HHA40015 ADAPT. 0,25FNPT-0,25FNPT-0,25FNPT
48 32 BFC00286 SHCS 0,75-10UNC X 2,50 A574
49 32 BFW00018 ARRUELA DE PRESSÃO GROSSA 0,75 STL
11
50 1R CC900167 FERRAMENTA INSTALAÇÃO ROLAMENTO USINAGEM
51 2 HVP00298 VÁLVULA DO SISTEMA DE CONTRAPESO -DEZESSEIS PORTAS
15
52 1R RXF00015 SOLVENTE DESENGRAXANTE SERVIÇO PESADO CITRUS
19
53 1 CD332243 PLACA HR680 CBV ADAPTADOR LIGAÇÃO TRASEIRA
19
54 1 CB332233 MONT. MANGUEIRA CB LIGAÇÃO VÁLVULA
19
55 1 CD332244 PLACA HR680 CBV ADAPTADOR LIGAÇÃO DIANTEIRA
19
56 6 HHA60158 BUJÃO ADAPTADOR 0,38MOR HX SKT HD
19
57 2 HXF00171 FLG CONJUNTO SAE FENDA CD62 1,00
19
58 4 HSO00015 ANEL-O 2-219 -16 CD61-62 4 BLT 70DU N
19
59 16 BFC01413 SHCS M12-1.75 X 150MM A574M
24,15
61 1R CA332167 PROC INSTALAÇÃO FLANGE SOLDADO E TUBULAÇÃO MANGUEIRAS
7
64 1R CC312079 CAIXA DE TRANSMISSÃO HR680 MÓD VISOR DE NÍVEL
15,21
65 1R CC312082 CONJUNTO JUNTA DE ÓLEO TGR00057
1 1 ZBM00592 660/680 CONJUNTO ADAPTADOR UNIDADE DE ACIONAMENTO

 CONSULTE AS OBSERVAÇÕES NO DIAGRAMA

Fig. 3.3-9A, Instalação do sistema de acionamento, CE310412AL (folha 2 de 2)


PÁGINA 3-102
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 *3 HAB00018 ACUM. BEXIGA GAL 0,25 (CONSULTE O MANUAL DE
SERVIÇO)
2 3 HAC00012 PRESILHA ACUM. 4,49 DIA PARAFUSO ÚNICO
3 6 BFC00018 HHCS 0,31-18UNC X 0,63
4 6 BFW00002 ARRUELA DE PRESSÃO 0,31
5 3 HHA10026 ADAPT. 1,00MNPT-0,38FNPT
6 8 HHA20034 ADAPT. 0,38MNPT-0,38MJIC
7 3 HHA50017 ADAPT. 0,38MNPT-0,38FNPT-0,38FNPT-0,38FNP
8 6 BFW00101 ARRUELA PL TIPO A SÉRIE 0,31
9 1 HHA30018 ADAPT. 0,38MNPT-0,38MJIC
10 1 HHA20102 ADAPT. 0,38MNPT-0,38FNPT

* PRÉ-CARGA DE ACUMULADORES A 400 PSI

Fig. 3.3-10A, Instalação do acumulador, CD360560D


PÁGINA 3-105
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CD362050 ADAPTADOR SEPARADOR 4,06 10K/15K MÁQUINA
2 1 CD361068 PLACA ADAPTADOR 4,06 MÁQUINA
3 1 CD361069 PLACA ADAPTADOR SEPARADOR 4,06 MÁQUINA
4 2 CC360423 PINO SOLDAGEM
5 1 HSO00378 ANEL-O
6 1 PCN00268 NIP SCH 40 1,00NPT 3,00
7 1 HVT00039 VÁLVULA ESFERA 1,00FNPT 600 PSI
8 1 HHX00007 NIP KC 1,00
9 8 BFC00320 SHCS 1,00 8UNC X 4,00
10 8 BFC00321 SHCS 1,00 8UNC X 4,50
11 16 BFW00010 ARRUELA DE PRESSÃO 1,00
12 8 BFN00118 PORCA HX STD 1,00-8UNC
13 2 BPC00199 PINO ENGATE CURVADO

Fig. 3.3-11A, 4,06 15K Instalação do separador, CD362047B

PÁGINA 3-108
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CA360760 ESPEC SUBCONJUNTO FIXAÇÃO MASTRO ARTICULADO
2 1 BPN00017 PINO ENGATE CAVILHA 0,50 X 3,00 LG
3 3 BCC00002 PASSADEIRA 12,00 TIPO 3
4 1 BCC00043 PASSADEIRA TIPO REDE
5 1 BCS00060 MANILHA 2,00 TON TIPO PARAFUSO 0,50
6 1 BCC00057 HASTE MESTRE 0,50 LIGA SEM SOLDA
7 1 BXX00053 CORDA DE SEGURANÇA LACRADA AUTORRETRÁTIL
8 1 BPC00137 PINO ENGATE
9 1 BCC00020 ANEL BIPARTIDO 1,25 DE

Fig. 3.3-16A, Instalação da fixação do mastro articulado, CD360761E

PÁGINA 3-115
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CD360091 MONTAGEM DA TUBULAÇÃO DO CONTADOR (VEJA FIG. 3.2-
11)
4 2 BFC00068 HHCS 0,50-13UNC X 1,50
8 2 BFN00115 PORCA, HEX
10 2 BFW00035 ARRUELA

Fig. 3.3-17A, Instalação da tubulação do contador, CD362795A

PÁGINA 3-118
FORMULÁRIO DE INSPEÇÃO DA UNIDADE DE ACIONAMENTO PLANETÁRIO

FORMULÁRIO PARA PREENCHIMENTO A CADA 609.600 M RODADOS EM OPERAÇÃO DO


INJETOR

Inspetor/Data/Localização:
Modelo da caixa de transmissão: 635 660 680 (circular uma)
Números de série da caixa de transmissão: Frontal: Traseiro:
Pedido de venda do injetor, Peça nº:
Metragem total do injetor:
Leitura do medidor do cubo do injetor:

Condição do óleo para engrenagens


Tamanho máximo da mancha de metal ________ (maior dimensão da mancha)

(assinale todas as opções): Óleo contaminado Cheiro de óleo queimado


Umidade presente Cheiro de óleo normal
OBSERVAÇÃO: Muitas manchas pequenas de metal são normais.

Condição da chaveta Padrão de desgaste Profundidade do passo


Saída do motor Plana/Ampulheta
Entrada do freio Plana/Ampulheta
Saída do freio Plana/Ampulheta
Entrada do eixo de acion. Plana/Ampulheta
Saída do eixo de acion. Plana/Ampulheta

OBSERVAÇÃO: Profundidade de passo de mais de 0,381 mm é considerado desgaste. Se assim for,


entre em contato com o Departamento de Serviço da Hydra Rig programar uma reconstrução.
• Telefone: (817) 985-5000
• Fax: (817) 985-5282
• E-Mail: HRIService@nov.com

Condição da engrenagem
Primeiro estágio Dentes lascados Lascados
(assinale todas as opções):
Acabamento áspero Acabamento usinado Acabamento do
espelho

Segundo estágio Dentes lascados Lascados


(assinale todas as opções):
Acabamento áspero Acabamento usinado Acabamento do espelho

Fig. 3.3-18, Formulário de inspeção da unidade de acionamento planetária

PÁGINA 3-120
PROGRAMAÇÃO DE MANUTENÇÃO PERIÓDICA DO INJETOR SÉRIE 6 RECOMENDADA PELA HYDRA RIG
             
INTERVALOS DE TEMPO
B A M Y HRS FT  
X           1. Verifique mangueiras e conexões por vazamentos, danos ou desgaste
             
X           2. Verifique a corrente da unidade de acionamento e pinças por sujeira, detritos, danos e desgaste
             
X           3. Verifique o alinhamento do gancho (tubulação vs. corrente da unidade de acionamento)
            (Veja a seção "Injetor Rig-Up" do manual)
             
X           4. Verifique os roletes do gancho por desgaste ou danos
             
X           5. Verifique o levantamento dos cabos de suspensão e manilhas por desgaste e danos
             
    X       6. Verifique os acumuladores por pré-carga correta
             
    X       7. Verifique o sistema de lubrificação por operação correta
             
X           8. Verifique os indicadores de filtro (Consulte a seção "Manutenção" do manual)
             
  X         9. Verifique a estrutura e a base por danos
             
X           10. Verifique as rodas dentadas por desgaste ou danos
             
  X         11. Limpe as pinças e lubrifique a corrente da unidade de acionamento
            (Consulte a seção "Manutenção" do manual)
             
      X     12. Verifique pontos de pivô do injetor por alongamento e desgaste dos pinos
             
X           13. Verifique os cilindros por desgaste, corrosão, e vazamentos.
      X     Troque os selos do cilindro de tração a cada 5 anos.
             
X           14. Verifique a célula de carga (ou células) por vazamento, ajuste ou danos
             
      X     15. Remova as correntes da unidade de acionamento e inspecione a rolagem por desgaste e danos
             
        200   16. Engraxe os rolamentos da unidade de acionamento da engrenagem
             
        300   17. Troque os filtros de alta pressão
             
        200   18. Engraxe os rolamentos da roda dentada da engrenagem intermediária
             
X           19. Verifique o nível do lubrificante da caixa de transmissão.
             
      X     20. Substitua o lubrificante da caixa de transmissão (Veja a seção "Manutenção" do manual)
             
          2M 21. Inspeção da unidade de acionamento externa (ver a página seguinte)
             
          10M 22. Remonte a unidade de acionamento (ver a página seguinte)
CHAVE:          
A - Antes de cada trabalho   MT - metragem de injetor, milhões de metros
D - Depois de cada trabalho    
M - Mensalmente      
Y - Anualmente        
HRS-Horas de operação    
            PÁGINA 3-117
 
INJETOR HR 680 HYDRA RIG

Manutenção da unidade de acionamento


CUIDADO:
INSPECIONE O NÍVEL DE LUBRIFICAÇÃO DA UNIDADE DE ACIONAMENTO ANTES
DE CADA TRABALHO. A OPERAÇÃO COM FLUIDO BAIXO CAUSA DANO OU
FALHA DA UNIDADE DE ACIONAMENTO.

Inspeção (Item 21 da página anterior)


• PROGRAMAÇÃO: A cada 609.600 m rodados em operação.
• PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO:
OBSERVAÇÃO: Todos critérios de aprovação/falha apresentados no formulário de Inspeção da
unidade de acionamento planetária, Fig. 3.3-18.
1. Drene o lubrificante da caixa de transmissão e inspecione o lubrificante por manchas de metal.
Registre os resultados no formulário de inspeção da unidade de acionamento planetária, Fig. 3.3-
18.
2. Remova motores e freios e inspecione todas as ranhuras por desgaste. Registre os resultados no
formulário de inspeção da unidade de acionamento planetária, Fig. 3.3-18.
3. Coloque o injetor de lado, com a tampa da caixa de transmissão virada para cima.
4. Remova as tampas da caixa de transmissão e inspecione as faces das engrenagens e rolamentos
visíveis por desgaste. A primeira fase é visível assim que as tampas são removidas. A segunda
etapa torna-se visível, levantando o primeiro estágio com a mão. Registre os resultados no
formulário de inspeção da unidade de acionamento planetária, Fig. 3.3-18.
5. Envie por correio, fax ou e-mail o formulário para:
Hydra Rig Service Department
1020 Everman Parkway
Fort Worth, Texas 76140
Fax: (817) 985-5282
Telefone do serviço 24 horas: (817) 985-5000
E-mail: HRIService@nov.com
6. Lubrifique as ranhuras do motor com graxa para engrenagem de serviço pesado, RXF00014.
7. Remonte motores, freios, e tubulações.
8. Abasteça as caixas de transmissão com fluido recomendado no nível adequado.
9. Abasteça os alojamentos dos motores com fluido hidráulico e drene qualquer ar aprisionado.
Remontagem da unidade de acionamento (Item 22 da página anterior)
• PROGRAMAÇÃO: A cada 3.048.000 m rodados em operação ou quando as rodas dentadas da
unidade de acionamento necessitar substituição.
• PROCEDIMENTO: Ligue, envie fax, ou e-mail para o Departamento de Serviço da Hydra Rig para
programar uma remontagem do sistema da unidade de acionamento.
Telefone: (817) 985-5000
Fax: (817) 985-5282 E-Mail: HRIService@nov.com

PÁGINA 3-122
INJETOR HR680 HYDRA RIG

MANUTENÇÃO CTU
CUIDADO:

AO SOLDAR NO EQUIPAMENTO, OU REBOQUES QUE O EQUIPAMENTO


ESTÁ CONECTADO, É FUNDAMENTAL QUE ALGUNS COMPONENTES
SEJAM ISOLADOS PARA PROTEGÊ-LOS DE DANOS CAUSADOS POR
ENERGIA ELÉTRICA. SIGA O PROCEDIMENTO ABAIXO PARA
PROTEGER O EQUIPAMENTO DURANTE A SOLDAGEM.

Procedimento de isolamento elétrico:


1. Desconecte os seguintes dispositivos elétricos no equipamento antes de soldar, se os
dispositivos estão presentes:
a. Bateria
i. Se a bateria a ser desconectada é de polo duplo, curso duplo, a desconexão é
suficiente.
ii. Se a desconexão não atende os critérios acima, ou se tiver dúvidas, então,
desligue tanto o cabo positivo como o negativo da bateria.
b. Motor ECM; desconecte e remova enquanto soldar
c. Cabos de comunicação ao equipamento ou entre equipamentos
d. Cabos de energia de alimentação do equipamento ou entre equipamentos
2. Certifique que nenhum dos seguintes componentes estão entre a solda e o terra de
soldagem:
a. Fiação elétrica
b. Cilindros hidráulicos
c. Rolamentos
d. Conjuntos mecânicos (caixas de transmissão etc.)
3. Quando soldar, verifique o aterramento de soldagem:
a. Tenha uma conexão elétrica forte (livre de tinta, sujeira e ferrugem e firmemente
conectada)
b. Está conectado ao material de origem, o mais próximo da junta da solda quanto
possível no lado oposto dos componentes sensíveis.

PÁGINA 3-123
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Procedimento de armazenamento recomendados pela NOV Hydra Rig


Escopo: Todas as unidades e equipamentos que serão colocados em armazenamento em longo prazo.
1. O armazenamento deve ser em um ambiente com temperatura e umidade constantes. O
equipamento deve ser coberto (não selado) para minimizar a condensação e a exposição ao
clima.
2. Limpe a unidade totalmente e remova todos os contaminantes.
3. Retoque a pintura do equipamento, conforme necessário.
4. Despeje todas as pressões do sistema e verifique se todos alojamentos das linhas de drenagem
estão conectados.
5. Substitua os líquidos que tenham mais de seis meses de uso.
6. Abasteça as caixas de transmissão completamente com óleo e coloque uma etiqueta se o nível é
mais elevado do que para a operação normal.
7. Abasteça o reservatório hidráulico completamente com óleo e coloque uma etiqueta.
8. Limpe e lubrifique todos os pontos de engraxamento. Isto inclui, mas não se limita a, correntes,
pinças e parafusos de avanço.
9. Cubra e plugue todas as desconexões rápidas.
10. Cubra e proteja todas as mangueiras, borrachas e plásticos de exposição ao sol.
11. Coloque dessecante ou um inibidor de corrosão de vapor em todas as caixas eléctricas.
12. Remova e armazene as baterias. Mantenedores de bateria são recomendados para manter as
baterias novas.
13. Aplique graxa dielétrica para os contatos de todos as conexões de anteparo elétricas e cabos de
ligação.
14. Instale coberturas em cabos eléctricos.
15. Adicione aditivos estabilizadores de combustível para abastecer tanques e abasteça
completamente.
16. Verifique se o líquido refrigerante é a mistura adequada. Substitua se o líquido refrigerante
tiver mais de três anos.
17. Levante e calce o veículo com suporte com cinta para suspensão robusta para evitar marcas
planas nos pneus.
18. Proteja completamente a tubulação enrolada de acordo com as recomendações do fabricante.
19. Revista todo o metal exposto com Cosmoline ou outro inibidor de corrosão/ferrugem.

OBSERVAÇÃO: Todo o trabalho deve ser feito por mecânicos treinados com um
entendimento completo de sistemas hidráulicos. Essas são as
diretrizes gerais apresentadas pela NOV Hydra Rig, em um esforço
para ajudar os nossos clientes a preservar seus equipamentos. É de
decisão total do cliente escolher os melhores procedimentos para
preservar e manter seus equipamentos com base no ambiente, tempo
de armazenamento, quantidade de uso e tipo de equipamento.
Consulte o manual do proprietário para orientações de manutenção
específicas para cada peça de equipamento.

PÁGINA 3-124
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Procedimentos recomendados da NOV Hydra Rig para retorno do equipamento ao


serviço
Escopo: Equipamento que está retornado ao serviço após ser armazenado.

1. Execute todas as manutenções programadas recomendadas pela NOV Hydra Rig em


todos os intervalos de manutenção, incluindo a manutenção de um ano de serviço em
cada peça do equipamento. Consulte os manuais do proprietário apropriados.
2. Inspecione visualmente a unidade inteira e verifique as condições de mangueiras, pinos,
conexões eléctricas etc.
3. Verifique todos os sistemas hidráulicos e pneumáticos por conexões soltas.
4. Reduza todos os níveis de fluido para os níveis de funcionamento adequados.
5. Verifique e remova qualquer água no(s) tanque(s) hidráulico(s).
6. Limpe e lubrifique todos os pontos de engraxamento. Isto inclui, mas não se limita a,
correntes, pinças e parafusos de avanço.
7. Verifique a tensão da bateria, carregue, se necessário e, em seguida, reinstale.
8. Verifique e/ou substitua todos os fluidos do motor, incluindo líquido refrigerante,
combustível e óleo de acordo com as especificações e níveis recomendados pelos
fabricantes.
9. Remova todas as cintas para suspensão dos suportes.
10. Verifique os pneus e abasteça com as pressões recomendadas.
11. Verifique se todos os acumuladores têm pressão de carga adequada.
12. Realize o teste de função completo, levando cada circuito à pressão máxima de trabalho
pelo procedimento de teste no manual. Verifique se todos os sistemas hidráulicos e
pneumáticos estão sem vazamentos e funcionando corretamente.
a. Substitua todos os fluidos hidráulicos e óleos de transmissão em intervalos
regulares de serviço, em seguida, verifique os níveis adequados.
b. Monitore os indicadores dos filtros durante o teste e substitua os elementos
filtrantes, conforme necessário. 

OBSERVAÇÃO: Todo o trabalho deve ser feito por mecânicos treinados com um
entendimento completo de sistemas hidráulicos. Essas são as
diretrizes gerais apresentadas pela NOV Hydra Rig, em um esforço
para ajudar os nossos clientes a preservar seus equipamentos. É de
decisão total do cliente escolher os melhores procedimentos para
preservar e manter seus equipamentos com base no ambiente, tempo
de armazenamento, quantidade de uso e tipo de equipamento.
Consulte o manual do proprietário para orientações de manutenção
específicas para cada peça de equipamento.
 

PÁGINA 3-125
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Manutenção geral
Os procedimentos de manutenção adequados economizam muito tempo na solução de problemas. A
substituição do elemento e controles visuais de peças rotatórias/móveis certamente ajudará a manter a
necessidade de solução de problemas no mínimo.
A aderência aos procedimentos de configuração adequados para gancho ajudará a minimizar o tempo de
inatividade devido ao rolete ou falhas de pressionamento.

ADVERTÊNCIA
A ABERTURA DO SISTEMA DA UNIDADE DE ACIONAMENTO DA
ENGRENAGEM POR QUALQUER PESSOA QUE NÃO
SEJA UM TÉCNICO DE SERVIÇO DA HYDRA RIG
ANULA TODAS AS GARANTIAS.
EXCEÇÕES PODEM SER CONCEDIDAS (POR ESCRITO) PELO
GERENTE DE SERVIÇO DA HYDRA RIG EM
CARÁTER DE URGÊNCIA.
Esquemas do injetor hidráulico de gancho de dobramento com caixas de
pressionamento/banco de válvulas

PÁGINA 3-126
INJETOR HR680 HYDRA RIG

 
Filtros
Indicadores nos filtros alertarão para a necessidade de substituição de elementos, mas um indicador
acionado revela um filtro de passagem que declara que contaminantes podem ter passado ou passaram
para o motor. Os indicadores de filtro devem ser monitorados diária e imediatamente após cada partida.
Substitua os elementos a cada 300 horas de operação.

CUIDADO

ACOPLADORES DE MANGUEIRAS SUJOS SÃO UMA FONTE PROGRESSIVA DE


CONTAMINANTES. USE PROTETORES NOS ACOPLADORES QUANDO OS MESMOS
NÃO ESTIVEREM EM USO. LIMPE OS ACOPLADORES ANTES DE CADA CONEXÃO

Válvulas do Sistema de Contrapeso


Estas válvulas atuam como retardadores de condições de fuga no motor causadas pelas cargas de peso
nos injetores. Elas são operadas por piloto a partir da perna oposta do sistema. O piloto é crucial para a
operação das válvulas. O Injetor HR 680 tem válvulas de sistema de contrapeso, de definição fixa, internas.
Motor
O motor fornece a potência para o alojamento da unidade de acionamento. A filtragem é a maior prioridade.
O desgaste interno, ou deflexão do eixo motor, é evidenciado pelo vazamento externo no dreno do
alojamento da válvula de suspensão. O vazamento interno é geralmente visto no ciclo de alta velocidade. A
partida inicial durante o tempo frio exige que o sistema seja aquecido e um lento funcionamento do motor
em baixa velocidade para evitar a falsa sinalização pelos indicadores dos filtros e as válvulas de suspensão.
Vazamento contínuo na válvula de suspensão requer contato com o Departamento de Serviço Hydra Rig, no
telefone (817) 985-5000. Condições de baixa e alta velocidade são afetadas pela linha de controle de
deslocamento.
PÁGINA 3-127
INJETOR HR680 HYDRA RIG

OBSERVAÇÃO: Teste por vazamento do sistema de acionamento através da aplicação


de pressão de ar de 9-10 psi no alojamento e no bloco. Mantenha por
10 minutos e procure por vazamentos.

ADVERTÊNCIA
NÃO PERMITA QUE OS DRENOS DO ALOJAMENTO SEJAM
RESTRITOS OU BLOQUEADOS DURANTE A
OPERAÇÃO DO INJETOR. A RESTRIÇÃO PODE
ADICIONAR PRESSÃO INDEVIDA NO ALOJAMENTO
QUE LEVARÁ À FALHA PREMATURA DO MOTOR. O
BLOQUEIO PODE LEVAR A DANOS SEVEROS E
IMEDIATOS AO MOTOR.
Cilindros
Os cilindros para os circuitos de tencionamento e tração são de efeito único e são carregados pelo circuito
de prioridade e controlados a partir do console da cabine. Vazamento nestes cilindros pode ocorrer nas
vedações da biela e selos do pistão. Verifique se há material abrasivo nas bielas ou conexões mecânicas
soltas que podem causar deflexão da biela. Se o cilindro está em boa forma, somente a gaxeta precisa ser
substituída. Se o cilindro não está em boa forma, (por exemplo, biela dobrada, corrosão dos cilindros e
conectores, vazamento da extremidade da biela em selos do limpador), substitua-o.

CUIDADO
EQUALIZE A PRESSÃO DO SUSPIRO DO ACUMULADOR ANTES DE REALIZAR A
MANUTENÇÃO NOS CILINDROS. O CONTROLE DE EQUALIZAÇÃO É LOCALIZADO NO
CONSOLE DA CABINE.

Acumuladores
Os acumuladores no injetor atuam como amortecedores e dispositivos de armazenamento de pressão.
Consulte o Esquema hidráulico para a pressão do sistema e pré-carga de nitrogênio.
OBSERVAÇÃO: Drene toda a pressão hidráulica antes de realizar QUALQUER
trabalho de manutenção.

CUIDADO
NÃO TENTE REMOVER OS ACUMULADORES ENQUANTO O INJETOR ESTIVER
CONECTADO AO ALOJAMENTO DE POTÊNCIA. DRENE TODA A PRESSÃO DAS
LINHAS E ACUMULADORES ANTES DE REALIZAR SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO.

CUIDADO
DRENE O NITROGÊNIO ANTES DA DESMONTAGEM DOS ACUMULADORES.

Correntes (ao inspecionar as correntes, inspecione também as pinças e suportes conforme


descrito posteriormente nesta seção).
PÁGINA 3-128
INJETOR HR680 HYDRA RIG

A falta de lubrificação adequada durante as operações levará à falha prematura da corrente. As correntes
devem ser periodicamente lavadas por pressão para remover partículas abrasivas aderidas.
OBSERVAÇÃO: Não use vapor quando limpar as correntes.
OBSERVAÇÃO: Aplique lubrificação na montagem da corrente antes de cada trabalho,
depois de cada limpeza da corrente e após 1.829 m rodados no
mínimo. TENHA CERTEZA QUE TODA A CORRENTE É LUBRIFICADA
ANTES DE DESLIGAR O LUBRIFICADOR. (CONSULTE A SEÇÃO
"LUBRIFICANTES PARA O INJETOR HR 680" PARA OS
LUBRIFICANTES DE CORRENTE ADEQUADOS.)
Medição do alongamento da corrente do injetor ou desgaste

Existem duas maneiras em que "o alongamento da corrente" ou o desgaste pode ser medido. A primeira
técnica pode ser usada para medir as correntes enquanto ainda estão no injetor. A segunda técnica exige
que as correntes sejam removidas do injetor e desmontadas.
O alongamento da corrente é calculado como a quantidade total de alongamento causado pelo desgaste
no pino e na bucha. A vida útil restante da corrente pode ser estimada medindo o alongamento da
corrente.
Primeira técnica para  medir  "alongamento  da  corrente": As ferramentas necessárias para medir as
correntes enquanto estão no injetor são:
1. Calibrador Vernier de 24 polegadas
2. Calculadora
Primeiro passo

Lave o injetor para garantir que não existem materiais estranhos presos acumulados nas correntes.
Você estará lidando com uma medição precisa e qualquer acúmulo nas correntes afetará
significativamente a precisão das medições.
Segundo passo

Deixe o injetor conectado à unidade da tubulação enrolada e aplique pressão suficiente para o
sistema de tensão da corrente para garantir que toda a folga é removida das correntes.
• HR635 – RS 140 ................................................................................................ 500 psi
• HR240 – RS 140 ou RS 160 .................................................................................80 psi
• HR260 – RS 160 ou RS 180 .......................................................................................... 80 psi
• HR440 – RS 180 ............................................................................................................ 40 psi
• HR560/660 – RS 180 .......................................................................................... 500 psi
• HR580/680 – RS 200 .........................................................................................500 psi
• HR480 – RS 200 ............................................................................................................ 40 psi
• HR5100 – RS 180 ........................................................................................................ 800 psi
Terceiro passo

Feche a válvula de isolamento do freio do injetor para garantir a segurança ou tome outra medida para
garantir que as correntes do injector não possam se mover enquanto você está medindo.

PÁGINA 3-129
INJETOR HR680 HYDRA RIG

CUIDADO:

ESTE PASSO É EXTREMAMENTE IMPORTANTE. UM PROCEDIMENTO DE AVISO DE


BLOQUEIO DEVE SER SEGUIDO PARA GARANTIR QUE A CORRENTE NÃO SE MOVA
ENQUANTO AS MEDIÇÕES ESTÃO SENDO REALIZADAS. SE HOUVER QUALQUER
QUESTÃO PELA QUAL O INJETOR NÃO POSSA SER DESABILITADO, CONSULTE O
DEPARTAMENTO DE SERVIÇO DA HYDRA RIG (24 HORAS: 817-985-5000).

Quarto passo

Meça o exterior das sete buchas do rolete da corrente como mostrado na Fig. 3-13. Esta medição
será chamada L2.
Quinto passo

Meça o interior de seis das sete buchas do rolete da corrente como mostrado na Fig. 3-13. Esta
medição será chamada L1.
Sexto passo

Some L1 a L2; então divida sua soma por dois. L1 + L2 dividido por 2 = CM (comprimento
medido).
Sétimo passo

Encontre o comprimento padrão do tamanho da corrente que você está medindo na linha de
comprimento original na tabela do comprimento da corrente (consulte a tabela). Subtraia o
comprimento original do comprimento medido (CM) e divida esse número pelo comprimento
original, então multiplique esse número por 100. O número obtido será a porcentagem do
"alongamento da corrente" que tem-se para essa corrente em particular.
Comprimento medido - comprimento original
Comprimento Original X 100 = Porcentagem de "alongamento da
corrente"
Oitavo passo

Repita este procedimento em dois locais diferentes na corrente do injetor para assegurar que a
porcentagem de "prolongamento da corrente" é precisa e que não há desgaste na área localizada.
O "alongamento da corrente" máximo para o injetor Hydra Rig é três por cento (3%).

PÁGINA 3-130
INJETOR HR680 HYDRA RIG

CUIDADO:
QUALQUER ALONGAMENTO MAIOR QUE 3% PODE RESULTAR EM:
• FALHA DA CORRENTE
• O NÃO USO DA TENSÃO DE AJUSTE DO SISTEMA DE TENCIONAMENTO DE
CORRENTE DE RENDERIZAÇÃO "MÍNIMO" CAUSA UMA CONDIÇÃO PREJUDICIAL
POTENCIAL NO MODO DE ACHATAMENTO.
• DESGASTE ACELERADO NAS RODAS DENTADAS DA UNIDADE DE
ACIONAMENTO, DA ENGRENAGEM INTERMEDIÁRIA E ROLAMENTOS.

Lembre que um injetor de tubulação enrolada é uma máquina que se desgasta e requer manutenção.
Quanto melhor for mantida, por mais tempo fornecerá serviço. Consulte as instruções de operação e
manutenção no manual.
A segunda técnica de medida do "alongamento da corrente" exige que as correntes sejam removidas do
injetor e parcialmente desmontadas.
As ferramentas necessárias para medir o "alongamento da corrente" desta forma são:
20. Calibrador Vernier de 12 ou 24 polegadas, dependendo do tamanho da corrente. (A RS 140 pode ser
medida com um calibrador de 12 polegadas. A RS 160 e maiores devem ser medidas utilizando o
calibrador de 24 polegadas.)
21. Calculadora
Primeiro passo

Retire as correntes do injetor e lave-as para assegurar medições precisas. Coloque as correntes em uma
superfície plana com os rolamentos da corrente para cima.
Segundo passo

Remova as placas de acabamento de uma seção de seis hastes de conexão da corrente.


Terceiro passo

Remova as ligações do rolete da seção da corrente e continue a desmontar essa seção da corrente até
que haja apenas as hastes de conexão dos pinos e a ligação do rolete próximos ainda montados.
Quarto passo

Remonte as ligações dos roletes que foram removidos de volta para as ligações de pinos para garantir
que as mesmas não estejam espalhadas ou recolhidas. Com a mão, puxe as correntes para o seu maior
comprimento.
Quinto passo

Meça através de seis hastes de conexão dos pinos, a partir do interior da primeira para o lado de fora da
sexta.
Esse comprimento será igual ao centro do primeiro pino para o centro do sexto pino.
Consulte a tabela de comprimento da corrente abaixo para determinar a porcentagem de desgaste que se
encontra presente em uma corrente em particular.

PÁGINA 3-131
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Mais uma vez, tal como no primeiro método de medição do "alongamento da corrente", o máximo
permitido é de três por cento (3%).

CUIDADO:
QUALQUER ALONGAMENTO MAIOR QUE 3% PODE RESULTAR EM:

• FALHA DA CORRENTE

• O NÃO USO DA TENSÃO DE AJUSTE DO SISTEMA DE TENCIONAMENTO DE


CORRENTE DE RENDERIZAÇÃO "MÍNIMO" CAUSA UMA CONDIÇÃO PREJUDICIAL
POTENCIAL NO MODO DE ACHATAMENTO.

• DESGASTE ACELERADO NAS RODAS DENTADAS DA UNIDADE DE


ACIONAMENTO, DA ENGRENAGEM INTERMEDIÁRIA E ROLAMENTOS.

Lembre que um injetor de tubulação enrolada é uma máquina que se desgasta e requer
manutenção. Quanto melhor for mantida, por mais tempo fornecerá serviço. Consulte as
instruções de operação e manutenção no manual.
   

PÁGINA 3-132
INJETOR HR680 HYDRA RIG

COMPRIMENTOS DA CORRENTE
RS140 RS160 RS180 RS200 RS240
Original mm 266,7 304,8 342,9 381 457,2
polegadas
10,5 12 13,5 15 18
1,50% mm 270,7 309,37 348,04 386,72 464,06
polegadas 10,66 12,18 13,7 15,23 18,27
2,00% mm 272,03 310,89 349,75 388,62 466,34
polegadas 10,71 12,24 13,77 15,3 18,38
2,50% mm 273,36 312,42 351,47 390,53 468,83
polegadas 10,76 12,3 13,83 15,38 18,45
r 3,00% mm 274,7 313,94 353,18 392,43 470,91
polegadas 10,81 12,36 13,9 15,45 18,54

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Fig. 3-13, Medição de alongamento da corrente

PÁGINA 3-133
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Critério de inspeção do rolete do guia da tubulação


Número de  D.E. 
Tamanho  peça  Descrição  mín. 
Rolete do guia da tubulação padrão, DE mínimo 
CONJ. ROLETE DO GUIA DA TUBULAÇÃO 
1,00  CC360174  1"  2,54 
CONJ. ROLETE DO GUIA DA TUBULAÇÃO 
1,25  CC360093  1,25  2,34 
CONJ. ROLETE DO GUIA DA TUBULAÇÃO 
1,50  CC360062  1,50  2,08 
CONJ. ROLETE DO GUIA DA TUBULAÇÃO 
1,75  CC360054  1,75  2,08 
CONJ. ROLETE DO GUIA DA TUBULAÇÃO 
2,00  CC360055  2,00  2,08 
CONJ. ROLETE DO GUIA DA TUBULAÇÃO 
2,38  CC360040  2,38  1,60 
CONJUNTO ROLETE DO GUIA DA 
2,63  CC364665  TUBULAÇÃO DIA. 2,63  1,60 
CONJ. ROLETE DO GUIA DA TUBULAÇÃO 
2,88  CC360056  2,88  1,60 
CONJ. ROLETE DO GUIA DA TUBULAÇÃO 
3,50  CC360159  3,50  1,85 
    
Rolete do guia da tubulação de trabalho pesado, DE mínimo 
CONJ. ROLETE DO GUIA DA TUBULAÇÃO 
2,00  CC362453  DE SERVIÇO PESADO 2,00  2,08 
CONJ. ROLETE DO GUIA DA TUBULAÇÃO 
2,38  CC362345  DE SERVIÇO PESADO 2,38  1,60 
  
Rolete do guia da tubulação Poly‐V 
POLY  CC360006  CONJ. ROLETE POLY‐V  ** 
** Inspecione o elastômero por integralidade e rasgos

   

PÁGINA 3-134
INJETOR HR680 HYDRA RIG

CUIDADO:

ADICIONALMENTE:

- REMOVA QUAISQUER BORDAS AFIADAS ENROLADAS NAS


LATERAIS DAS RANHURAS.

- VERIFIQUE SE TODOS OS ROLAMENTOS GIRAM SUAVEMENTE,


ESTÃO LUBRIFICADOS E ESTÃO SELADOS.

- REMOVA A CORROSÃO EXCESSIVA ANTES DA INSPEÇÃO.

- VERIFIQUE SE A RANHURA É SUAVE E NÃO TEM PONTOS ALTOS.

Inserção da pinça
As inserções da pinça estão disponíveis em vários tamanhos correspondentes aos diâmetros tubulares. O
alinhamento do gancho inadequado pode adicionar desgaste indesejado no sistema de pinça e rolagem.

CUIDADO

NÃO APLIQUE PRESSÃO NAS PINÇAS SEM TUBULAÇÃO ENTRE AS


CORRENTES.

Como os injetores das séries 5 e 6 séries são usados por mais tempo no campo, determinados pontos de
desgaste nas correntes tornaram-se importantes. A inspeção periódica desses pontos de desgaste
asseguram uma operação segura e confiável dos injetores. Ao inspecionar as correntes por desgaste,
inspecione também as pinças da corrente e suportes com o seguinte procedimento.
Limites das pinças do injetor e vida dos suportes
1. Inspecione as superfícies da pinça da interface da tubulação através dos conjuntos
de inspeção de pinças fornecidos na seção do manual de serviço.

2. Inspecione a superfície interna da orelha de suporte da pinça por pontos de desgaste


no suporte. As pinças estão desgastadas se o desgaste exceder 0,381 mm de
profundidade a partir da superfície não desgastada. (Consulte a figura 4-2 abaixo)

3. Meça o compensador da orelha do suporte da pinça para o fundo da pinça. As pinças


estão desgastadas se a dimensão for superior a 10,67 mm. (Consulte a figura 3-14
abaixo)

PÁGINA 3-135
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Fig. 3-14, Pontos de desgaste do suporte na pinça

4. Inspecione os pontos de desgaste do suporte da corrente usando o conjunto da


ferramenta de inspeção da pinça do injetor, número de peça CC9000069 (localizado
na seção do manual de serviço). Medição fora deste gráfico significa que o suporte
está gasto e deve ser substituído. (Consulte a Fig 3-14)

Orelha para Cada orelha Eixo do rolamento Espessura da


orelha (Altura (dimensão orelha
(Largura mínima) máxima) (Largura
mínima) mínima)
635 2,762 0,131 0,756 0,330
560/660 3,752 0,227 0,756 0,245
580/680/6100 3,990 0,127 1,006 0,245
5100 3,553 0,127 1,006 0,245

• Remova o brilho:   Apare qualquer brilho em cima e em baixo das orelhas antes

da medição. NÃO apare atrás dos cantos quadrados.

• Orelha para orelha:  Largura mínima permitida para qualquer medição, como mostrado

• Cada orelha: Largura mínima permitida para qualquer medição, como mostrado

• Eixo do rolamento: Largura máxima permitida para qualquer direção de qualquer uma das três
saliências

• Espessura da orelha: Largura mínima para qualquer medição em todas as quatro orelhas 

PÁGINA 3-136
INJETOR HR680 HYDRA RIG

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Fig. 3-15, Pontos de desgaste do suporte da corrente

Rolagem
Inspeção diária da rolagem é necessária. Mesmo um desgaste de 1/32" na superfície de rolagem pode levar
à falha do rolamento. As rolagens Hydra Rig são reversíveis, e se necessário, podem ser rotacionadas no
campo.
Tração dos bicos do cilindro, porcas do guia e buchas
OBSERVAÇÃO: SUBSTITUA OS SELOS DO CILINDRO DE TRAÇÃO A CADA CINCO
ANOS
A folga excessiva entre as porcas de guia de tração e suas buchas de náilon pode resultar em um movimento
não desejado entre o sistema de tração e o corpo injetor. Em casos extremos, isto pode levar a falhas das
buchas e ao desgaste do próprio corpo do injetor.

Para inspecionar as porcas meça o diâmetro menor de cada uma das porcas na zona de desgaste e compare
com o diâmetro da porca no exterior da zona de desgaste. Se qualquer uma dessas medidas diferir em mais
de 1 mm para qualquer porca, todas as porcas de tração e buchas devem ser substituídas como um conjunto.

O material abrasivo em torno das buchas pode levar a um desgaste acelerado; limpeza periódica é
recomendada. Note que os bicos do cilindro de tração são cromados e, assim, desgastarão mais lentamente
do que as porcas do guia.

Rolamentos
Os rolamentos na corrente do injetor são altamente carregadas e seladas durante a vida. Os rolamentos
são ALTAMENTE suscetíveis a desgaste da superfície de rolagem. O desgaste da superfície da rolagem
levará à falha dos rolamentos.
PÁGINA 3-137
INJETOR HR680 HYDRA RIG

OBSERVAÇÃO: A inspeção de rolamentos é uma necessidade diária.


As seguintes programações são apenas diretrizes. A frequência de qualquer operação de manutenção ou
serviço depende das condições de operação, meio ambiente e idade ou condição da unidade.

CUIDADO
NÃO REALIZE INSPEÇÕES E MANUTENÇÃO NA UNIDADE COM O ALOJAMENTO
DE POTÊNCIA EM OPERAÇÃO.

SEMPRE FECHE A VÁLVULA DE ISOLAMENTO DO FREIO ANTES DE TRABALHAR


NA CABEÇA DO INJETOR.

Diariamente
Antes da operação
1. Engraxe todos os rolamentos da roda dentada da engrenagem intermediária com graxa à
base de lítio multiuso. (Veja a Fig. 3-16 para as localizações dos pontos de graxa.)
2. Engraxe todos os roletes do gancho com graxa à base de lítio multiuso.
3. Verifique se todos os controles estão em posição segura de partida.

CUIDADO
ANTES DE INICIAR A UNIDADE DE POTÊNCIA, CERTIFIQUE QUE TODOS OS
CONTROLES ESTÃO EM UMA POSIÇÃO SEGURA DE PARTIDA E QUE NINGUÉM
ESTÁ TRABALHANDO NO INJETOR OU TENHA AS MÃOS NELE.

4. Verifique se todos os medidores mostram pressão (0,0) (desloque a válvula de controle no


circuito para drenar os medidores de pressão). Substitua todos os medidores ruins.
5. Verifique se há vazamento hidráulico visível externamente.
6. Verifique todas desconexões rápidas hidráulicas, para e a partir do console, por engate
completo e sem vazamento.

Fig. 3-16, Localizações dos adaptadores para engraxadeira do injetor

PÁGINA 3-138
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Após partida

 Verifique a operação do spray lubrificante do injetor.


 Verifique se há vazamentos em sistemas hidráulicos e pneumáticos.
 Certifique que todos os controles do injetor estão funcionando de maneira adequada.
 Com a rotação do injetor, verifique os dois filtros de pressão montados no injetor entre as
principais desconexões rápidas e as válvulas do sistema de contrapeso. Estes filtros têm
uma válvula de derivação integral e um indicador de desvio visual. Quando o indicador de
condição do filtro exibe vermelho, os elementos precisam ser substituídos.
OBSERVAÇÃO: O clima frio aumenta a viscosidade do óleo. A partida em clima frio
pode causar erro no indicador do filtro. Se o sistema está limpo, o
indicador retorna à transparência conforme o óleo se aquece.
   

PÁGINA 3-139
INJETOR HR680 HYDRA RIG

CUIDADO
A MANUTENÇÃO SEGUINTE DEVE SER FEITA COM A UNIDADE DE POTÊNCIA DO
MOTOR PARADA E O SISTEMA HIDRÁULICO ALIVIADO DA PRESSÃO. SEMPRE
FECHE A VÁLVULA DE ISOLAMENTO DO FREIO ANTES DE REALIZAR
MANUTENÇÃO.

Após a operação

 Verifique se há vazamentos visíveis externamente, aperte as conexões e/ou substitua os


anéis-O.
 Limpe completamente dentro e fora de toda unidade.
 Lubrifique as correntes e rodas dentadas.
 Limpe os console, para-brisas e medidores conforme necessário.
 Tranque as janelas da cabine e as portas.
Semanalmente (a cada 72 horas de operação)
 Engraxe todos os rolamentos no injetor e o guia da tubulação.
 Verifique e drene todos os aparadores de óleo.
 Verifique as correntes do injetor e rolagens por desgaste. (Preste atenção às
ADVERTÊNCIAS de segurança.)
 Após as primeiras 72 horas de operação de uma nova unidade, limpe ou substitua todos os
elementos do filtro hidráulico.
Mensalmente (a cada 300 horas de operação)
 Limpe ou substitua os dois elementos filtrantes hidráulicos localizados nas linhas de
ENTRADA/SAÍDA dos controladores do injetor.
 Drene o filtro de ar do alojamento de potência.
 Verifique os três acumuladores de tração do injetor por pré-carga de nitrogênio adequada.
Contador IC-200 (opcional)

PÁGINA 3-140
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Lubrificação. (Diariamente)

 Revista todos os parafusos rosqueados e bielas expostas com anti-aderente.


 Lubrifique todos os pinos da dobradiça com spray lubrificante.
 Lubrifique a unidade de acionamento da corrente.
Inspeção do contador

 Verifique todos os rolamentos por vazamento no selo de graxa.


 Verifique todas as buchas por desgaste excessivo.
 Verifique se todos os acopladores da unidade de acionamento (Lovejoy) por
parafusos de fixação soltos.
 Verifique a inserção de borracha entre válvulas de acoplamento Lovejoy.
 Verifique a roda do contador de rodas por ranhuras e desgaste. Substitua se
desgastado 0,051 mm ou mais no diâmetro total.
 Verifique a tensão da mola na roda do contador para garantir que ela está fazendo
um bom contato com a tubulação.
 Verifique o alinhamento das rodas do contador contra a tubulação para garantir que
ele está acompanhando no centro do tubo. Alinhe a roda do contador soltando os
dois parafusos de montagem do conjunto e reposicionamento o conjunto do contador
e reapertando os parafusos.
 Verifique os parafusos de fixação e a roda dentada da corrente.
 Verifique todas as ferragens de fixação (como porcas, parafusos, anéis trava) para
garantir que elas estão apertadas e firmes. Reaperte conforme necessário tomando
cuidado para não exceder o torque.
Manutenção adicional

 Ajuste a tensão da mola de extensão para resultar numa força de 30-60 lb entre a
roda do contador de tubulação e a tubulação.
 Ajuste o parafuso de parada sem tubulação no injetor e a tensão da corrente em
1000 psi para ter uma folga mínima de ½ pé entre o contador e a corrente.

PÁGINA 3-141
INJETOR HR680 HYDRA RIG

PROCEDIMENTO DE REMOÇÃO DA INSERÇÃO DA PINÇA E INSTALAÇÃO

Sistema de pinça de "conexão rápida" patenteado


Para remover a inserção da pinça, deprima a mola de retenção e deslize a inserção da pinça em direção à
mola até atingir o lado da corrente, então puxe a inserção em sua direção para removê-la do suporte.
Para instalar o dispositivo de pinças, coloque a inserção por cima do suporte com uma borda alinhada com
a borda interior da corrente na extremidade da mola do suporte. Empurre a inserção em direção ao suporte
e deslize-o para longe da extremidade da mola até que a mola seja exposta e bloqueie a inserção na
posição.

Fig. 3-17, Sistema de pinças

   

PÁGINA 3-142
INJETOR HR680 HYDRA RIG

OBSERVAÇÃO: Em condições onde a linha de pressão máxima de tração é necessária


para evitar escorregamento durante um trabalho, refaça a superfície
ou substitua as pinças antes do próximo trabalho. Ao usar um novo
reforçador suave da tubulação enrolada em combinação com pinças
polidas, também é recomendado que as pinças tenham a superfície
refeita ou sejam substituídas.
Procedimento para refazer a superfície das pinças:

1. Remova as pinças do injetor e as limpe.


2. Aplique um jato de areia nas pinças com lixa areada nº 1 ou nº 2 (grão 60 a 120) na área radial
até que uma rugosidade de superfície uniforme seja obtida. Isto pode acontecer com poucas
passagens, dependendo da grossura do grão e do equipamento de jato de areia.
3. Limpe todos os grãos das pinças.
4. Inspecione a amostra do raio da pinça com o Conjunto de ferramenta de inspeção de pinças
(localizado na seção desse manual de serviço) combinado com a dimensão da pinça da
tubulação. Se a dimensão medida for menor do que o valor indicado no gráfico de ferramenta
das pinças, então o dispositivo de pinças está desgastado e deve ser substituído.
CC900068 CONJUNTO DE INSPEÇÃO DA FERRAMENTA DE PINÇAS DO
INJETOR HR 560 E HR 635
CC900069 CONJUNTO DE INSPEÇÃO DA FERRAMENTA DE PINÇAS DO
INJETOR HR 580 E HR 680
CC900070 CONJUNTO DE INSPEÇÃO DA FERRAMENTA DE PINÇAS DO
INJETOR HR 5100
 
OBSERVAÇÃO: Entre em contato com a Hydra Rig para solicitar barras de teste
conforme necessário

5. Inspecione pontos de desgaste no suporte da corrente usando o gráfico abaixo. A


medição fora deste gráfico significa que o suporte está gasto e deve ser substituído.
 

PÁGINA 3-143
INJETOR HR680 HYDRA RIG

Solução de problemas

PÁGINA 3-144
INJETOR HR680 HYDRA RIG

PÁGINA 3-145
CARRETEL DE TUBULAÇÃO DROP-IN-DRUM HYDRA RIG

CONJUNTO DO CARRETEL D3000 DROP-IN-DRUM HYDRA RIG

Especificações
Pesos (SOMENTE REF.)
Tambor sem tubulação D3084 (somente referência) ..........................................2.495 kg
Carretel D3084 com 6.248 m de tubulação 1,50” (parede de 0,190”) ................31.700 kg
(somente referência)
Carretel padrão sem bobina (somente referência) ..............................................4.450 kg
Peso máximo de elevação ...................................................................................45.360 kg

Capacidades
Carretel Diam. Largura Diam. Tubul Tubul Tubulaçã Tubulaçã Tubulaç Tubulaç
ext. interna do ação ação o Diam. o Diam. ão Diam. ão Diam.
Carretel núcleo Diam. Diam. 1,75” 2,00” 2,38” 2,87”
1,25” 1,50”
D3084 142 72 84 9.144 7.650 5.395 m 4.115 m XX XX
m m
D3096 142 72 96 8.839 6.248 4.572 m 3.322 m 2.530 m XX
m m
D3115 142 72 115 5.792 3.871 2.896 m 2.195 m 1.524 m 1.006 m
m m

Dimensões - Conjunto do carretel


Largura .................................................................................................................... 259 cm
Comprimento .......................................................................................................... 455 cm
Altura ...................................................................................................................... 381 cm

Dimensões – Carretel D3084


Diâmetro do núcleo ................................................................................................. 213 cm
Diâmetro da flange .................................................................................................. 361 cm
Largura interna da flange ........................................................................................ 183 cm
Contador ...................................................................................................... RC-203 M
Tamanho do suível ....................................................................................... 3,5 DI

PÁGINA 4-1
CARRETEL DE TUBULAÇÃO DROP-IN-DRUM HYDRA RIG

Velocidade do carretel a 28GPM/2500 PSIG


Velocidade, primeira camada máx. (carretel sem revestimento) ........................ 60 m/min
(A velocidade aumenta com cada camada de tubulação.)
Força de tração, primeira camada máx. (carretel sem revestimento c/ núcleo de 84”)
...............................................................................................................................2.400 kg
Força de tração, primeira camada máx. (carretel completo).................................1.452 kg
Tamanho máximo da tubulação ..................................................................................... 2"

Fluxos e pressões hidráulicos máximos


Eliminação do nivelador e circuito de suspensão do nivelador .... 28 GPM/0 – 2500 PSIG
Circuito da unidade de acionamento do motor do carretel ........... 28 GPM/0 – 3000 PSIG
Dreno da carcaça do motor do carretel, protegido por uma válvula de alívio suspensa
ajustada em: .......................................................................................................... 10 PSIG
Válvula de alívio de pressão de retorno ajustada em: ......................................... 300 PSIG

PÁGINA 4-2
CARRETEL DE TUBULAÇÃO DROP-IN-DRUM HYDRA RIG

Graxa lubrificante e fluídos recomendados


ÓLEO DA TUBULAÇÃO

Para evitar a corrosão e prolongar a vida da tubulação, recomendamos a utilização dos


seguintes óleos no tanque de lubrificante de spray da tubulação do carretel:

Para uso diário, uma mistura 50/50 de óleo diesel e Exxon Rust Ban 343 é
recomendado. Óleo hidráulico usado é um substituto conveniente que pode ser utilizado
no lugar do Rust Ban. Remova contaminantes através de drenagem periodicamente do
óleo hidráulico necessário a partir do fundo do reservatório. Reabasteça o reservatório
hidráulico com óleo novo filtrado dentro de 5 cm do topo.
Para ambientes corrosivos ............................... NL COAT-A1221 ou KP-111, Petrolite
Para armazenamento em longo prazo.................................................... NL COAT-110
GRAXA

A Hydra Rig recomenda uma graxa à base de lítio grau 2 (EP 2) de pressão extrema para
todos os rolamentos e componentes fornecidos com meios de lubrificação (como bicos de
graxa).

Para os dentes da engrenagem expostos na unidade de acionamento do carretel e áreas de


alto desgaste do suporte do carretel e tambor, onde é necessária uma camada de graxa,
uma graxa à base de lítio de grau 2 (EP2) pressão extrema com um aditivo de molibdênio
é recomendada.

ÓLEO PARA ENGRENAGENS

A Hydra Rig recomenda um óleo de engrenagens 85W-140 de serviço pesado que


contém um aditivo de pressão extrema do tipo de fósforo para a unidade de acionamento
da engrenagem inclusa.

ADVERTÊNCIA
A ABERTURA DO SISTEMA DA UNIDADE DE ACIONAMENTO DA
ENGRENAGEM POR QUALQUER PESSOA QUE NÃO SEJA UM TÉCNICO
DE SERVIÇO DA HYDRA RIG ANULA TODAS AS GARANTIAS.
EXCEÇÕES PODEM SER CONCEDIDAS (POR ESCRITO) PELO GERENTE
DE SERVIÇO DA HYDRA RIG EM CARÁTER DE URGÊNCIA.

SPRAY LUBRIFICANTE

Um spray lubrificante geral com um aditivo de grafite é recomendado para as partes não
críticas em movimento (por exemplo, dobradiças, pinos etc.)

Um composto antiaderente é recomendado ao remover e instalar travas e roscas hastes de


revestimento exposto.

PÁGINA 4-3
CARRETEL DE TUBULAÇÃO DROP-IN-DRUM HYDRA RIG

LUBRIFICANTE DE FILME SECO


Para as superfícies expostas do carretel e placas do cubo do suporte do carretel que
entram em contato uns com os outros, um lubrificante de filme seco com base de grafite
de serviço pesado é recomendado no lugar do revestimento padrão de tinta.

OBSERVAÇÃO: OS LUBRIFICANTES ACIMA VÊM EM VÁRIAS MARCAS E


TIPOS. (CONSULTE A SESSÃO LUBRIFICANTES DO MANUAL
PARA DIVERSOS FABRICANTES E MARCAS QUE PODEM
SER INTERCAMBIÁVEIS.)

CUIDADO:

NÃO LUBRIFIQUE OS COMPONENTES DO CARRETEL ENQUANTO ELE


ESTIVER EM ROTAÇÃO.

OBSERVAÇÃO: CONSULTE A SEÇÃO DE MANUTENÇÃO PARA


PROGRAMAÇÃO PERIÓDICA DE LUBRIFICAÇÃO.

Bicos de graxa e localizações das zonas de lubrificação


Os diagramas a seguir mostram as localizações dos bicos de graxa e zona de lubrificação.

Fig. 4-1, Localizações do bico de graxa


PÁGINA 4-4
CARRETEL DE TUBULAÇÃO DROP-IN-DRUM HYDRA RIG

Fig. 4-2, Localizações da zona de lubrificação

Bujão de óleo da caixa de transmissão e localizações dos


visores de nível
O diagrama a seguir mostra as localizações do bujão de óleo da caixa de transmissão.

Fig. 4-3, Bujões de óleo da caixa de transmissão


PÁGINA 4-5
CARRETEL DE TUBULAÇÃO DROP-IN-DRUM HYDRA RIG

Operação
O design da tubulação enrolada do cilindro de entrada serve para armazenar cadeias de tubos
completos em diferentes carreteis. Estes carreteis estão disponíveis em tamanhos diferentes e
podem ser facilmente trocados de acordo com as necessidades do cliente.
O cilindro é parte integrante da unidade de tubulação enrolada. O carretel é suportado em cubos
de eixo e girar através de motores hidráulicos que atuam através de um trem de engrenagens.
Este sistema de acionamento tem uma função dupla. Ao desenrolar o tubo, por exemplo,
injetando no poço, o motor funciona como um freio de torque constante mantendo o tubo
apertado no cilindro e a tensão entre a montagem do cilindro e a cabeça do injetor. Isto é feito
fazendo com que o motor hidráulico gire em uma direção com o injetor puxando-o no sentido
oposto, portanto, exercendo tensão sobre a tubulação durante a passagem pelo orifício. Durante
o embobinamento da tubulação, por exemplo, puxando para fora do poço, o motor está tentando
girar o carretel a uma taxa mais rápida do que a do injetor, aumentando assim a tensão da
tubulação embobinada, assim que é colocada no carretel sobre o tambor.
Para controlar o processo de enrolamento de modo que a tubulação esteja corretamente enrolada
sobre si mesma, um mecanismo de enrolamento (nivelamento) é sincronizado com a rotação do
cilindro por uma unidade de acionamento de corrente feita a partir do conjunto de acionamento.
Caso o embobinamento da tubulação não corresponda à rotação do tambor, um controle de
supressão é fornecido na cabine de controle de forma que o operador possa controlar. Um motor
de acionamento hidráulico está acoplado ao parafuso de avanço por meio de um conjunto de
embreagem de fricção. Quando em funcionamento, o motor quebra a fricção das pastilhas da
embreagem e impulsiona o parafuso de avanço, assim movimenta o nivelador para a esquerda ou
direita. Este equipamento de nivelamento está contido num braço nivelador que pode ser
diminuído ou aumentado a partir da cabine, para assegurar que a tubulação seja mantida a um
ângulo apropriado para a cabeça do injetor.
A extremidade interior da cadeia de tubulação embobinada é soldada em uma união martelo de
2". Esta união é acoplada a um arranjo de tubulação no interior do tambor do cilindro, com a
última peça conectada ao cubo do cilindro. Para permitir a circulação de fluidos e gases para
dentro da tubulação durante a operação para dentro ou para fora do orifício, uma junta articulada
de alta pressão está localizada no lado do cilindro. Qualquer fluido ou gás de campos
petrolíferos, por exemplo, ácido ou nitrogênio, pode ser bombeado através das tubulações de
conexão, junta articulada e para baixo da tubulação enrolada enquanto o cilindro estiver em
movimento e a uma pressão de até 10.000 psi ou o limite operacional da própria tubulação
enrolada.
Normalmente, odômetros de profundidade elétricos e mecânicos, ambos montados sobre o braço
de enrolamento, são utilizados. As rodas de medição são rotacionadas por contato de atrito com
a tubulação quando ela passa através deles.
Finalmente, um sistema lubrificador operado a partir da cabine de controle reveste a tubulação
enrolada com um inibidor de corrosão à base de óleo para garantir vida longa.

PÁGINA 4-6
CARRETEL DE TUBULAÇÃO DROP-IN-DRUM HYDRA RIG

Remoção do carretel e procedimentos de instalação (Veja a Fig. 4-4)


O carretel Drop-In Hydra Rig foi projetado para uma remoção muito simples e fácil e/ou
instalação no suporte do carretel. No entanto, cuidado extremo e segurança devem ser tomados
ao longo de cada passo do processo como descrito abaixo. Apenas pessoal qualificado deve ser
autorizado a carregar e descarregar carreteis. A SEGURANÇA PESSOAL DEVE SER
SEMPRE DE MÁXIMA IMPORTÂNCIA DURANTE ESTES PROCEDIMENTOS.
(Consulte a seção “Programação periódica de manutenção e lubrificação” do manual para
instruções de lubrificação.)

OBSERVAÇÃO: EQUIPAMENTO (GUINDASTE, CABOS DE SUSPENSÃO ETC.)


USADOS PARA SUSPENDER E MOVER O CARRETEL E/OU A
TUBULAÇÃO DEVEM TER CLASSIFICAÇÃO SUFICIENTE
PARA MANIPULAR O PESO ENVOLVIDO.

Sempre use a barra de espaçamento Hydra Rig fornecida para suspender e manusear o carretel,
suporte ou a combinação carretel/suporte. A carga de segurança máxima de trabalho (SWL -
Safe Working Load) da barra de espaçamento é de 100.000 lb. (45.360 kg) NÃO exceda esta
classificação por nenhuma razão.

Preparação para a remoção do carretel:


1. Remova a tubulação da cabeça do contador de nivelamento assegurando sempre que
a extremidade da tubulação esteja segura em todos os momentos.

2. Amarre o envoltório externo da tubulação descendo para o carretel, por meio de


fixação, correntes, cintas, soldas, ou por outros meios adequados.

3. Baixe os braços do nivelador para a sua posição mais inferior.

4. A ORIENTAÇÃO DO CARRETEL É MUITO IMPORTANTE. O carretel deve ser


orientado de tal modo que as orelhas de elevação dele estejam apontando para cima.

5. Prenda os cabos de suspensão de elevação do guindaste às manilhas superiores da


barra de afastamento.

6. Em seguida, gire a barra de espaçamento para cima e para fora do cavalete de


suporte para uma posição vertical.

7. Desconecte as pernas verticais da barra de espalhamento das orelhas de suporte


vertical e balance cada uma para dentro, para conectar as orelhas de suspensão do
carretel.

8. Após as cavilhas estarem instaladas, certifique-se de que os contra-pinos estejam no


lugar e seguros.

PÁGINA 4-7
CARRETEL DE TUBULAÇÃO DROP-IN-DRUM HYDRA RIG

Remoção do carretel com montagem de suível interno (veja a


Fig. 4-4 e Fig. 4-5)
1. Desconecte a tubulação externa da pequena junta "Thru-hub" e balance a tubulação
para fora.

ADVERTÊNCIA
OS PRÓXIMOS QUATRO PASSOS REQUEREM QUE PESSOAS ESCALEM
DENTRO DO NÚCLEO DO TAMBOR. TODAS AS PRECAUÇÕES DEVEM
SER TOMADAS PARA GARANTIR QUE O CARRETEL NÃO GIRE DURANTE
ESTA OPERAÇÃO, COMO:
• TODA A ALIMENTAÇÃO HIDRÁULICA PARA O CILINDRO DEVE ESTAR
DESLIGADA (POR EXEMPLO, CORTE DE ALIMENTAÇÃO PARA O
ALOJAMENTO DO MOTOR ).
• FREIO DO CARRETEL ESTÁ "LIGADO"
• A VÁLVULA DO CIRCUITO DA UNIDADE DE ACIONAMENTO DO
CARRETEL ESTEJA NA POSIÇÃO CENTRAL (NEUTRO).
• INSTALE CORRENTES DE AMARRAÇÃO NO CARRETEL.
1. Remova o contra-pino da braçadeira de torque dentro do carretel e deslize a braçadeira de
torque para fora da pequena junta "Thru-hub". Certifique-se de guardar a braçadeira de
torque com o contra-pino em lugar seguro para que não seja perdida.
2. Desconecte o suível da pequena junta "Thru-hub" dentro do carretel.
OBSERVAÇÃO: A tubulação interna e o suível não necessitam ser
completamente removidos do carretel antes do carretel
ser removido do suporte de carretel.
3. Deslize a pequena junta "Thru-hub" para fora, tanto quanto possível. (A extremidade
interna do mesmo deve ser totalmente retraída para dentro do cubo da placa do suível neste
momento.)
4. Desengate as travas do carretel, fazendo o seguinte:
A. Usando uma chave de aperto de catraca, gire os dois parafusos da trava no
sentido horário, retraindo assim as cunhas da trava.
OBSERVAÇÃO: RECOMENDAÇÃO: Use uma chave de aperto de impacto
operada a ar, se disponível, durante esta operação.
Quando as cunhas estiverem totalmente retraídas, o prendedor da trava deve cair
para fora do alojamento da trava para o tubo central. Pode ser necessário bater no
prendedor da trava, a fim de soltá-la.
B. Deslize o prendedor da trava para dentro longe o suficiente para estar fora do
caminho do cubo da placa do suível à medida que sai verticalmente para baixo
fora do carretel.

PÁGINA 4-8
CARRETEL DE TUBULAÇÃO DROP-IN-DRUM HYDRA RIG
C.

OBSERVAÇÃO: O prendedor da trava NÃO tem de ser completamente


removido do carretel, antes do carretel ser removido do
seu suporte.
C. Repita as duas etapas anteriores na trava do outro lado do carretel.
ADVERTÊNCIA
O PESSOAL DEVE SAIR DO CARRETEL NESTE MOMENTO. NÃO PERMITA
QUE O PESSOAL SE MANTENHA NO CARRETEL DURANTE A REMOÇÃO.

5. Amarre um comprimento de 6 a 7,5 m de corda para a flange exterior do carretel. O


objetivo desta corda é capacitar o pessoal para virar e guiar o carretel conforme seja
levantado fora do suporte do carretel sem ficar perto ou abaixo dele.
6. Remova as correntes de amarração.
7. Levante o carretel lentamente até que ele saia completamente da estrutura de suporte do
carretel.
ADVERTÊNCIA
TODO PESSOAL DEVE FICAR DISTANTE DA ÁREA PRÓXIMA OU ABAIXO
DO CARRETEL SEMPRE QUE ELE FOR SUSPENSO.

8. Coloque o carretel no chão e calce-o.


9. Se o suível e/ou tubulação interna forem removidos, desconecte o suível da tubulação
interna.
10. Para remover o suível, puxe o pino de bloqueio da montagem do suível e remova
temporariamente a manilha.
11. Gire o suível para fora até que pare. Instale a manilha no anel de montagem do suível e o
levante para cima e para fora do carretel.
Observação: O suível pode ser removido e/ou instalado com o carretel
dentro ou fora do suporte.
12. Se for necessária a remoção da tubulação interna, libere a conexão horizontal do
cotovelo que está ligado à tubulação. Desconecte a outra extremidade do suível. Em
seguida, toda a montagem da tubulação pode ser deslizada para fora do carretel. O cotovelo
deve permanecer com o carretel e conectado à tubulação.
13. Se é para o carretel permanecer fora do suporte por algum tempo e/ou, eventualmente, ser
transportado para outros locais, reinstale os prendedores das travas como descrito na seção
seguinte.
14. Separe a barra de espaçamento do carretel.

PÁGINA 4-9
CARRETEL DE TUBULAÇÃO DROP-IN-DRUM HYDRA RIG

Fig. 4-4, Trava do carretel típica

Fig. 4-5, Instalação do suível interno

PÁGINA 4-10
CARRETEL DE TUBULAÇÃO DROP-IN-DRUM HYDRA RIG

Preparação para a instalação do carretel


1. A ORIENTAÇÃO DO CARRETEL É MUITO IMPORTANTE. O carretel deve ser
orientado de tal modo que as orelhas de elevação dele estejam apontando para cima.
2. Se a tubulação interna não está no lugar, instale-a, deslizando todo o conjunto
horizontalmente no carretel, certificando que os suportes de apoio do encanamento sejam
capturados nos trilhos fornecidos.
3. Martele a conexão para o cotovelo existente conectado à tubulação. Conecte a outra
extremidade do suível. Se ele não estiver presente, em seguida, instale o suível invertendo
os passos 11 e 12 da seção anterior.
4. Se já estiver para fora, encaixe os prendedores das travas e deslize-as para dentro,
conforme descrito no passo 2 da seção anterior. (Veja a Fig. 4-4)
5. Prenda os cabos de suspensão de elevação do guindaste às manilhas superiores da barra de
afastamento.
6. Então, prenda as pernas verticais nas orelhas de suspensão do carretel.
7. Após as cavilhas estarem instaladas, certifique-se de que os contra-pinos estejam no lugar
e seguros.
8. Amarre um comprimento de 6 a 7,5 m de corda para a flange exterior do carretel. O
objetivo desta corda é capacitar o pessoal para virar e guiar o carretel conforme for
levantado e no suporte do carretel sem ficarem próximos ou abaixo dele.
9. Certifique-se de que as placas do cubo do suporte do cilindro estejam posicionadas de tal
modo que os recessos nas placas estejam apontando para cima.
OBSERVAÇÃO: Os braços de nivelamento devem estar nas suas posições mais
inferiores.

10. Aplique graxa resistente aos eixos do suporte do cilindro (ver seção do manual sobre
lubrificação)

Instalação do carretel
1. Levante o carretel lentamente até que ele saia completamente da estrutura de suporte do
carretel.
ADVERTÊNCIA
TODO PESSOAL DEVE FICAR DISTANTE DA ÁREA PRÓXIMA
OU ABAIXO DO CARRETEL SEMPRE QUE ELE FOR SUSPENSO.
2. Mova o carretel lentamente para a posição e, utilizando a corda, gire-o até que se alinhe
com a abertura do suporte do carretel.
3. Abaixe o carretel lentamente no lugar certificando-se que as flanges exteriores do carretel
estejam distantes dos eixos do suporte do carretel. Os dentes nas placas do cubo do carretel
devem deslizar para os recessos nas placas do cubo do suporte do carretel.

PÁGINA 4-11
CARRETEL DE TUBULAÇÃO DROP-IN-DRUM HYDRA RIG

ADVERTÊNCIA
OS PRÓXIMOS DOIS PASSOS REQUEREM QUE PESSOAS ESCALEM
DENTRO DO NÚCLEO DO TAMBOR. TODAS AS PRECAUÇÕES DEVEM
SER TOMADAS PARA GARANTIR QUE O CARRETEL NÃO GIRE DURANTE
ESTA OPERAÇÃO, COMO:
• TODA A ALIMENTAÇÃO HIDRÁULICA PARA O CILINDRO DEVE ESTAR
DESLIGADA (POR EXEMPLO, CORTE DE ALIMENTAÇÃO PARA O
ALOJAMENTO DO MOTOR).
• FREIO DO CARRETEL ESTÁ "LIGADO"
• A VÁLVULA DO CIRCUITO DA UNIDADE DE ACIONAMENTO DO
CARRETEL ESTEJA NA POSIÇÃO CENTRAL (NEUTRO).
• INSTALE CORRENTES DE AMARRAÇÃO NO CARRETEL.

4. Engate as travas do carretel, fazendo o seguinte:


A. Deslize o prendedor da trava para fora da cavidade do alojamento da trava e
entre as cunhas.
B. Usando uma chave de fenda grande ou pé de cabra, levante o prendedor da
trava alto o suficiente para as cunhas deslizarem para baixo.
C. Usando uma chave de aperto de catraca, gire os dois parafusos da trava no
sentido anti-horário, estendendo assim as cunhas abaixo do prendedor da
trava.
OBSERVAÇÃO: RECOMENDAÇÃO: Use uma chave de aperto de impacto
operada a ar, se disponível, durante esta operação.

Conforme as cunhas são estendidas, o prendedor da trava será preso no


alojamento da trava superior. Estenda as cunhas alternadamente (por exemplo,
gire um parafuso da trava algumas rotações e, em seguida, vá para a outra cunha,
em seguida, retorne para a primeira etc.) até que ambas as cunhas estejam
totalmente estendidas sob o prendedor trava.
D. Aplique torque os parafusos da trava alternadamente em incrementos de 60
pés-lb a 180 pés-lb.
E. Repita as quatro etapas anteriores na trava do outro lado do carretel.
5. Deslize a pequena junta "Thru-hub" interior para corresponder com o suível. Martele a
união da conexão certificando-se de que a braçadeira de torque possa ser instalada com
engrenamento ao braço de torção que está preso no pescoço da entrada do suível.
OBSERVAÇÃO: Pode ser necessário para desengatar o compensador da
trava na extremidade exterior da pequena junta "Thru-
hub" para permitir que a pequena junta seja rotacionada
para fins de alinhamento.
6. Instale o contra-pino na braçadeira de torque.

PÁGINA 4-12
CARRETEL DE TUBULAÇÃO DROP-IN-DRUM HYDRA RIG

ADVERTÊNCIA
O PESSOAL DEVE SAIR DO CARRETEL NESTE MOMENTO.

7. Remova a corda.
8. Desconecte as pernas verticais da barra de espalhamento das orelhas de suporte vertical e
balance cada uma para fora, para conectar as orelhas de suspensão do carretel.
9. Após as cavilhas estarem instaladas, certifique-se de que os contra-pinos estejam no
lugar e seguros.
10. Coloque a barra de espalhamento de volta em seu cavalete e instale os contra-pinos na
parte superior.
11. Desconecte os cabos de suspensão.
12. Remova as correntes de amarração.
13. Gire o carretel até que o compensador da trava possa ser colocado para baixo para
encaixar os ressaltos da flange da pequena junta "Thru-hub" e evitar que ele gire.
14. Martele até a extremidade externa da pequena junta "Thru-hub" na tubulação externa.

Circuito da unidade de acionamento do carretel (Consulte o Esquema


hidráulico)
O circuito da unidade de acionamento do carretel recebe a sua energia hidráulica do alojamento
de alimentação e através da cabine de comando. A bomba fornece aproximadamente 28 GPM a
RPM máxima do motor e tem a sua pressão de alimentação limitada a 2.500 PSIG por uma
válvula de alívio. Esta válvula de alívio é controlada remotamente através de uma válvula menor
(botão redondo) localizada no painel de controle.
O fluxo para o carretel é dirigido através da válvula de 4 vias no painel. Esta válvula de quatro
vias pode ser parte de uma pilha de válvulas múltiplas ou pode ser montada como uma válvula
individual. Dependendo do sistema envolvido, esta válvula pode ter um centro aberto ou
fechado. Consulte o seu esquemático para a condição de centro de sua válvula. Apesar desta
válvula ter três vias, o único momento em que a válvula está na posição central é quando a
unidade não está operando. A válvula é definida manualmente para "com carretel" e permanece
nesta posição durante a operação normal. A posição fora é raramente utilizada.
CUIDADO

DEFINIR A VÁLVULA PARA A POSIÇÃO FORA IRÁ RESULTAR EM PERDA DE


TENSÃO NA TUBULAÇÃO E CRIARÁ "NINHO DE PÁSSARO".

A operação do carretel é para a tubulação ser solta do carretel pelo injetor. A resistência do
carretel (controlado a partir do console) mantém uma tensão constante na tubulação.
Uma válvula de duplo alívio de cruzamento configurada a 2.800 PSIG está instalada nas linhas
do motor do carretel para evitar choque de alta inércia se a válvula de 4 direções é deslocada
para o neutro, enquanto o carretel ainda está girando.
A tensão da tubulação é constante enquanto é injetada para dentro do poço. Isto permite que o
injetor puxe suavemente a tubulação para fora do carretel. A tensão sobre a tubulação é
aumentada quando é removida do poço, permitindo que o carretel mantenha um contorno
apertado enquanto o injetor está puxando a tubulação.

PÁGINA 4-13
CARRETEL DE TUBULAÇÃO DROP-IN-DRUM HYDRA RIG

Circuito de frenagem do carretel (Consulte o Esquema hidráulico)


O circuito de frenagem do carretel recebe a pressão do circuito de suprimento de prioridade.
O freio do carretel localizado no motor da unidade de acionamento do carretel é aplicado por
mola/ tipo de liberação hidráulica. O freio é totalmente liberado em 200 PSIG. Sem pressão
dirigida para o freio, suas molas estendem os pistões e por atrito bloqueiam as pastilhas de freio
contra o carretel e o eixo da unidade de acionamento motor. Isto freia o carretel quando a
válvula é deslocada para a posição "ligado". O torque de escorregamento do freio é pré-definido
manualmente para evitar o excesso de tensão entre o carretel e a cabeça do injetor.
ADVERTÊNCIA
NÃO TENTE PARAR O CARRETEL DE TUBULAÇÃO COM O FREIO DURANTE
UMA REMOÇÃO DA TUBULAÇÃO DE EMERGÊNCIA.

Circuito do nivelador aumentar/abaixar (Consulte o Esquema hidráulico)


O circuito do nivelador aumentar/abaixar é fornecido com 2.500 PSIG do circuito de alojamento
da alimentação do nivelador. A pressão é direcionada para o banco “B” das 4 direções da válvula
de banco 3. A partir daí, é dirigida a qualquer uma das extremidades dos cilindros de elevação
(dependendo da seleção aumentar ou abaixar). Uma válvula do sistema de contrapeso localizada
na parte de trás da plataforma prende o nivelador em posição no caso de perda de energia
hidráulica.
Circuito de supressão do nivelador (Consulte o Esquema hidráulico)
O circuito de supressão do nivelador recebe sua alimentação do circuito do nivelador no
alojamento de alimentação. A pressão máxima da bomba é de 2.500 PSIG e o fluxo máximo é
de 28 GPM. A pressão é pré-ajustada na válvula de alívio montada no alojamento de
alimentação. O motor do nivelador é usado pelo operador para corrigir a faixa da tubulação
quando não está corretamente enrolada no carretel. Quando o circuito de supressão é ativado, o
motor de supressão domina a embreagem do nivelador e assume o controle do nivelador para
acionar o braço do nivelador para a posição desejada.
A pressão é desviada para o tanque, enquanto a válvula do nivelador está na posição neutro.
Quando acionada, ela entrega um fluxo para o motor do nivelador na extremidade do parafuso de
avanço do nivelador. O motor do fluxo recebe e aciona uma roda dentada conectada por corrente
para o parafuso de avanço, sobrepondo-se à unidade de acionamento contínuo na embreagem
deslizante montada na extremidade oposta do parafuso de avanço do nivelador para o motor
hidráulico.
Sistema de temporização do cartucho do nivelador (Veja a Fig. 4-6)
O movimento lateral da cabeça do contador do nivelador deve operar em velocidades diferentes
de temporização para vários tamanhos de tubulação. Uma vez que o tamanho da tubulação no
carretel drop-in pode ser mudado rapidamente, a temporização do nivelador também pode ser
alterada de acordo. Um sistema de temporização de cartucho foi concebido para essa finalidade.
Cada cartucho contém sua própria relação de acionamento interno que, quando instalado no
lugar, gera a temporização adequada para a cabeça do contador. Os cartuchos são permutados
como a seguir:
PASSOS PARA ALTERAR A TEMPORIZAÇÃO DO NIVELADOR
1. Abra a tampa do cartucho localizada no lado exterior do braço do nivelador do lado
da unidade de acionamento do suporte do carretel.
OBSERVAÇÃO: Existem duas travas na parte superior da tampa, que devem
ser liberadas.

PÁGINA 4-14
CARRETEL DE TUBULAÇÃO DROP-IN-DRUM HYDRA RIG

2. Balance para baixo a tampa expondo o cartucho de temporização do nivelador.


3. Deslize o cartucho para fora do braço e fora dos eixos de engate ranhados.
4. Escolha o cartucho para o novo tamanho da tubulação.
OBSERVAÇÃO: Cada cartucho tem um cartão de cada lado mostrando a
dimensão da tubulação a qual se aplica.
5. Deslize o novo cartucho nos eixos de engate ranhados.
OBSERVAÇÃO: Os eixos podem ter de ser ligeiramente girados para que os
dentes ranhados externos dos eixos alinhem com os dentes
ranhados internos no cartucho.
6. Feche a tampa do cartucho e trave nas duas posições.
7. Certifique-se que o tamanho da tubulação apareça através da janela inferior na
tampa do cartucho. (Veja a Fig. 4-6)
OBSERVAÇÃO: Armazene os cartuchos de temporização com um revestimento
de graxa nas ranhuras internas em todos os momentos.

Fig. 4-6, Orientação do cartucho de temporização do nivelador

PÁGINA 4-15
CARRETEL DE TUBULAÇÃO DROP-IN-DRUM HYDRA RIG

Ajuste da cabeça do contador do nivelador (Veja a Fig. 4-7)


Um recurso previsto para o carretel Drop-in é a cabeça do contador ajustável. Esta unidade pode
ser facilmente adaptada para uma variedade de tamanhos de tubulações de 1 a 2,88 polegadas de
diâmetro. Isso permite uma quantidade mínima de tempo e esforço para preparar o carretel para
um tamanho diferente de tubulação.
O ajuste da cabeça do contador é realizado como se segue:

PASSOS PARA AJUSTE DA CABEÇA DO CONTADOR DO NIVELADOR


1. Determine o tamanho da tubulação para o qual a cabeça do contador será definida.
2. Gire a porca de ajuste até que o ponteiro do indicador de tamanho da tubulação
esteja alinhado com o tamanho da tubulação selecionada.
3. Abra a parte superior da cabeça do contador.
4. Coloque na tubulação.
5. Feche a metade superior do contador e acione as travas certificando-se de que existe
uma folga suficiente entre os roletes de guia e a tubulação. O ajuste final pode ser
feito, se necessário, neste momento.

Fig. 4-7, Ajuste da cabeça do contador do nivelador

PÁGINA 4-16
CARRETEL DE TUBULAÇÃO DROP-IN-DRUM HYDRA RIG

Circuito do lubrificador da tubulação (Consulte o Esquema hidráulico)


O sistema lubrificador de tubulação fornece uma fina camada de óleo de combate à corrosão para
a tubulação que está sendo retornada para o carretel. Ele é iniciado remotamente por uma
válvula de 3 vias no console de controle. A pressão do ar no interior do tanque de lubrificante é
mantida em cerca de 25 PSIG. Uma válvula de agulha montada no tanque de lubrificante
controla a quantidade de óleo bombeado no lubrificador.
O lubrificador é uma construção de caixa de fendas com escovas, anéis de náilon e um limpador
de espuma como o aplicador. O limpador de espuma deve ser substituído periodicamente
(consulte a seção de Manutenção do sistema deste manual). É importante manter um
revestimento de óleo sobre a tubulação; entretanto, muito fluxo de óleo para o lubrificador pode
causar gotejamento desnecessário do lubrificador no carretel (consulte as especificações do
carretel, Graxas e fluidos recomendados).

Controles e indicadores do carretel


A maioria dos controles e indicadores necessários para controlar o carretel estão localizados na
cabine. Os rótulos e função dos comandos estão listados abaixo.
INDICADORES DO CONSOLE
 Pressão circulante - Isso indica a pressão medida no interior da tubulação no encanamento
externo pouco antes do suível.
 Pressão na cabeça do poço - Este indicador indica a pressão na cabeça do poço.
 Indicador de peso - um medidor que indica o peso da tubulação.

CONTROLES E INDICADORES DA TUBULAÇÃO DO CARRETEL


 Ajuste da pressão do carretel - Uma válvula de alívio remoto é usada para ajustar a pressão
hidráulica para os motores da unidade de acionamento do carretel de tubulação. Esta válvula
permite que o operador ajuste remotamente a tensão que o carretel aplica à tubulação.
 Pressão do carretel - Um medidor que indica a pressão hidráulica do motor da unidade de
acionamento do carretel.
 Frenagem do carretel - Uma válvula liga/desliga de 3 vias usada para direcionar o fluido
hidráulico para o freio do carretel para liberá-lo.
 Pressão do freio do carretel - Um medidor que indica a pressão no freio do carretel.
 Supressão do nivelador - Uma válvula de 4 vias que faz a supressão do nivelador mecânico.
 Braço do nivelador- Uma válvula de 4 vias que levanta e abaixa o braço do nivelador.
 Controle do carretel - Uma válvula de quatro vias que é usada para selecionar a direção da
tubulação do carretel para a frente ou reverso.
 Lubrificação da tubulação do carretel - Uma válvula que controla a lubrificação para o
lubrificador.

PÁGINA 4-17
CARRETEL DE TUBULAÇÃO DROP-IN-DRUM HYDRA RIG

Acoplamentos
Tabela -1 Tabela de conexão de mangueiras (Consulte a Fig. 4.1-1, Esquema
Hidráulico/Pneumático )

ETIQUETA DA ETIQUETA DA
DESCRIÇÃO DESCRIÇÃO
MANGUEIRA Nº MANGUEIRA Nº
Freio do carretel 40 Suprimento de ar 68
Dreno do alojamento 85 Lubrificante para cabine 67
Para o carretel 46 Lubrificante da cabine 66
Para fora do carretel 45 Aumentar nivelador 90
Reverso do nivelador 43 Abaixar nivelador 89
Nivelador para frente 42 Pressão circulante 41

PÁGINA 4-18
HYDRA RIG PB

Lista expandida de peças


(Quando solicitar quaisquer peças, certifique-se de incluir o número
do serviço deste manual localizado na capa deste manual.)
Esta lista expandida é usada para solicitações, emissão e identificação de peças. Pode ser
útil para ilustração da relação de montagem e desmontagem de peças de conjuntos de
peças.
OBSERVAÇÃO: A visão de ilustrações de conjuntos do nível superior pode não refletir
a última revisão. A fatura de materiais reflete a última revisão.

Lista de peças de manutenção


As listas de peças de manutenção servem a conjuntos e subconjuntos principais.
Para auxiliar na identificação por aparência, algumas peças na lista são colocadas em uma
ilustração de vista explodida. Cada conjunto principal é seguido imediatamente pela lista
de seus componentes ou peças detalhadas que pretende mostrar a relação da peça com o
conjunto e a sequência recomendada para desmontagem.
Peças componentes do sistema que não sejam inclusas em qualquer montagem principal,
mas que são usadas em conjunto com, uma parte de, ou anexadas à montagem principal,
são listadas juntas com o conjunto.
Como usar a lista expandida de peças
1. Quando o número da peça não for conhecido, prossiga como segue:
a. Determine a função e aplicação da peça necessária.
b. Volte-se ao índice e selecione o título mais apropriado. Volte-se à página indicada
e localize a peça desejada na ilustração.
c. A partir da ilustração, obtenha o número de índice designado à peça desejada.
Consulte a descrição acompanhante para informações específicas sobre a peça.
2. Quando o número da peça for conhecido, prossiga como segue:
a. Quando o número da peça for conhecido, consulte os índices numéricos (quando
estiver presente). Localizar o número da peça e observe a figura e número de
índice designado à peça.
b. Volte-se à figura indicada e localize o número de índice referido no índice
numérico.
c. Para uma ilustração de uma peça ou sua localização, consulte o mesmo número de
índice na ilustração acompanhante.

PÁGINA 2-7
HYDRA RIG PB

Símbolos e abreviações
Símbolos e abreviações utilizadas nesta lista expandida de peças são os seguintes:
BRS Latão
COP Cobre
DIA Diâmetro
FT Pé/pés
IN Polegada/polegadas
LB Libras/libras
NPT Rosca americana cônica para tubos
DE Diâmetro externo
PSIG Medidor de libras por polegada quadrada
REF Referência
UNC Rosca unificada grossa
= Item alternativo

PÁGINA 2-8
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 * 2R HMV00119 MTR VANE 11,5 CUI CD 61 SAE J501
2 * 2R TCH00005 FREIO HID DEF EM 1200 POL LB (CONSULTE OS MANUAIS DE
3 * 1R HVR00390 VÁLVULA DE ALÍVIO 1,00 SAE 1000-3000 PSI
4 * 1R HVC00189 VÁLVULA CBAL -10 10:1
5 * 1R HHA10818 ADAPT. ORIFÍCIO 0,062-0,25MJIC-0,25FJIC
6 * 2R HCD00002 CIL HID 2,50FURO 12,00STRK
7 * 1R HMV00017 MOTOR VANE 11,87 DISPL. OMP200 (CONSULTE OS MANUAIS
8 * 1R CA442012 TANQUE 30 GAL HORZ 16X38 ESPEC ASME/PED
9 * 1R AAM00007 SILENCIADOR 0,25MNPT AIR
10 * 1R HVT00026 VÁLVULA ESFERA 0,50FNPT 600 PSI BRZ
11 * 1R HVC00061 VÁLVULA CHK 0,25MNPT-0,25MNPT LATÃO
12 * 1R AVR00013 VÁLVULA REGULADORA AR (CONSULTE OS MANUAIS DE
13 * 1R IPM00035 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-160 P/B 2,50 LM HR
14 * 1R HVD00011 VÁLVULA ESFERA TRÊS VIAS 0,25FNPT RED
15 * 1R AVR00011 VÁLVULA DE ALÍVIO 0,25MNPT 140 PSI
16 * 1R HXX00135 UNIÃO CUSTOM 2 PASSAGEM ROTATIVA 3,50 DI
17 * 1R HVD00029 VÁLVULA TRÊS VIAS 0,25FNPT
18 * 1R HVF00005 VÁLVULA NDL 0,25FNPT STL
19 * 1R HVR00030 VÁLVULA DE ALÍVIO 0,25MNPT-0,25MNPT

* ITEM CHAMADO NA MONTAGEM ADEQUADA

Fig. 4.1-1A, Esquema entrada lateral dupla/Lub TC/união, CD492127C

PÁGINA 4-22
Fig. 4.1-1B, Dual Side Input/Lub TC/Union Schematic, CD492127C
PAGE 4-23
ITEM QTDE. Nº DE DESCRIÇÃO
PEÇA
1 1 CD402792 CARRETEL D3000 SUBCONJUNTO PLATAFORMA COMPLETO LAT
DUPLA (VEJA FIG. 4.2-9)
2 *1 CD492127 ESQUEM D3000 ENTRADA LAT DUPLA/LUB TC/UNIÃO (VEJA FIG.
4.1-1)
3 2 CB407699 RÓTULO DE ADVERTÊNCIA
4 1 CC502039 RÓTULO DNV CERT ENGR
5 1 CD483155 ESTRUTURA COM PLATAFORMA SOLDA
6 1 CD412063 CONTADOR RC203 MTRS CODIFICADOR DUPLO (VEJA FIG. 4.2-3)
7 1 CA416227 CARTUCHO 1,25 A 2,88
8 1 CB462321 INSTALAÇÃO IÇAMENTO DE SUSTENTAÇÃO DO NIVELADOR
(VEJA FIG. 4.3-10)
9 1 CD463596 MONT. PAINEL (VEJA FIG. 4.2-6)
10 1 CC442015 LUBRIFICADOR 1,50 (VEJA FIG. 4.3-1)
11 *1 CA402793 CONJUNTO DE MANGUEIRAS DE ENTRADA LATERAL DUPLA
(VEJA FIG. 4.2-7)
12 1 CC463380 MONT. BARRA ESPALHAMENTO (VEJA FIG. 4.2-4)
13 1 CC463716 INSTALAÇÃO CODIFICADOR (VEJA FIG. 4.3-2)
14 1 CC460705 INSTALAÇÃO DA AMARRAÇÃO (VEJA FIG. 4.3-3)
15 1 CC422377 TUBULAÇÃO EXTERNA (VEJA FIG. 4.2-5)
16 *1 CA980070 TESTE HIDROSTÁTICO OPERACIONAL
17 2R CC502095 MONT. CARRETEL D3084 COM SVL/TUBUL (VEJA FIG. 4.2-11)
18 1 CC461151 PROTEÇÃO CONTRA QUEDA (VEJA FIG. 4.3-5)
19 *3 CA982137 PROC TESTE DNV SUSPENSÃO/TRAÇÃO/QUEDA
20 1 CC412283 INSTALAÇÃO SUPORTE CABO
21 1 CC463626 SUÍVEL TROLEX/HID UNIÃO 3,5 D.I. INSTALAÇÃO (VEJA FIG. 4.3-4)

* ITEM NÃO EXIBIDO

Fig. 4.2-1A, Montagem do carretel Drop-In D3000, CD402799C

PÁGINA 4-24
DESCRIÇÃO GERAL
ESTE COMPONENTE É PROJETADO PARA TRABALHAR EM CONJUNTO COM O CONJUNTO DO
ALOJAMENTO E A OPERAÇÃO E TRANSPORTE DOS CARRETEIS DE TUBULAÇÃO DROP-IN DRUM ESTES
DA UNIDADE DE ACIONAMENTO DA ENTRADA LATERAL DUPLA CD412325 APOIE O CARRETEL REMOVÍVEL
DURANT CONJUNTOS INCLUEM UM ALOJAMENTO DE AÇO DE TRABALHO PESADO E FORNECIDO COM
OLHAIS DE IÇAMENTO. O CONJUNTO COMPLETO SERÁ SOLDADO NO SUPORTE DO CARRETEL DE
TUBULAÇÃO DA HYDRA RIG.
DESEMPENHO
‐ VELOCIDADE DE SAÍDA MÁXIMA DE 10 RPM DO ROLAMENTO ROTÁRIO
‐ A ESTRUTURA É CAPAZ DE MANIPULAR AS CARGAS COMBINADAS
CARGA VERTICAL DE 54.000 LB CONFORME APRESENTADO ACIMA
PROJETO
O LIMITE DE TEMPERATURA DE OPERAÇÃO PROJETADO É DE -40 A 49 ºC
RASTREABILIDADE DE MATERIAL NECESSÁRIA (MATERIAIS SÃO FORNECIDOS PARA CADA
AQUECIMENTO)
TESTE DE IMPACTO CHARPY NECESSÁRIO PARA CADA AQUECIMENTO PARA A CAIXA FUNDIDA
VALOR DE ENERGIA MÍNIMO DE 25,4 PÉS-LB A -40 ºC
MATERIAL DE RESISTÊNCIA À CARGA DE 50 KSI MÍNIMO
O FATOR DE SEGURANÇA MÍNIMO PARA PROJETO DO OLHO DE SUSPENSÃO É DE 3,375:1
A PARTE INFERIOR DO ALOJAMENTO DA UNIDADE DE ACIONAMENTO DEVE SER USINADA PLANA
O SUPORTE QUE SERÁ CONECTADO PELA PLATAFORMA DO CARRETEL DA HYDRA RIG SERÁ SOLDADO
UMA ETIQUETA COM O NOME HYDRA RIG DEVE SER FORNECIDA COMO MOSTRADO. A IGW FORNECERÁ
TODAS AS OUTRAS INFORMAÇÕES NÃO FORNECIDAS
O LOGOTIPO DA HYDRA RIG É GRAVADO APROXIMADAMENTE COMO MOSTRADO
OS DIAGRAMAS DE PROJETO DO FABRICANTE SERÃO ASSINADOS POR UM REPRESENTANTE
AUTORIZADO DA HYDRA RIG ANTES DA FABRICAÇÃO
PESO
APROXIMADAMENTE 467 kg
OBSERVAÇÕES:

INSTALE COM COMPOSTO QUÍMICO ANTICORROSIVO AJUSTE O TORQUE PARA 280 PÉS-LB

UNIFORMEMENTE EM PASSOS DE 40 PÉS-LB DE UMA MANEIRA CRUZADA.
REVISTA OS DENTES EXTERNOS DO ROLAMENTO KAYDON COM GRAXA DE SERVIÇO PESADO

CONTENDO ADITIVO DE PRESSÃO EXTREMA.
BOMBEIE GRAXA DE SERVIÇO PESADO NO ROLAMENTO KAYDON ATÉ QUE A GRAXA ESCORRA

PARA FORA DA GUARNIÇÃO DOS SELOS.

Fig. 4.2-2, Montagem do alojamento da unidade de acionamento de engrenagem intermediária


lateral dupla, CD412326A
PÁGINA 4a-26 
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CC416234 COMPARTIMENTO CONTADOR SOLDAGEM
2 1 CC412130 GARFO PESADO TBG CONTADOR SOLDA
3 1 BFC00132 HHCS 0,75-10UNC X 6,50 A449
4 5 BFW00028 ARRUELA PL TIPO B SÉRIE N 0,75 STL
5 3 BFN00045 PORCA HX TRAVA FLGD 0,75-10UNC
6 2 BFC00128 HHCS 0,75-10UNC X 5,00 A449
7 4 CC416249 ROLETE 1 pol. A 2,88
8 8 TBB00009 ROLAMENTO ESFERA UMA CARREIRA FURO 1,000
9 2 CB416251 ESPAÇADOR DE TUBO
10 4 CB416250 ARRUELA
11 2 CC416231 PIVÔ
12 2 CB416253 EIXO CURTO
13 2 CB416252 EIXO LONGO
14 4 BSR00055 ANEL RETENTOR EXTERNO 1,000
15 4 TBF00016 ROLAMENTO FLGD 1,002 DI-1,252 DE 1,25 LG
16 1 CB416266 PORCA ATUADOR LH
17 1 CB416268 PORCA ATUADOR RH
18 1 CB416269 INDICADOR
19 2 BFC00016 HHCS 0,31-18UNC X 0,38 A449
20 2 BFW00002 ARRUELA DE PRESSÃO SPLIT 0,31 STL
21 1 BFN00366 PORCA HX STD COM RANHURAS 0,75-10UNC GR2 ZINCO P
22 1 BFN00367 PORCA HX 0,75-10UNC GR2 ZINCO PL LH ROSCA
23 1 CB416265 PARAFUSO ATUADOR
24 1 CB416270 RÓTULO ESCALA
25 1 CD412064 MONTAGEM CONTADOR METROS
26 2 TBF00004 ROLAMENTO FLGD 0,625 DI-0,875 DE 0,63 LG
27 1 BPC00111 PINO CAVILHA 0,63 X 6,00 LG
28 1 CB410050 PINO PIVÔ
29 2 BSA00002 MOLA EXT 1,250-0,135-6,20 SST
30 1 ITM00006 CONTADOR MECÂNICO
31 4 BFC00006 HHCS 0,25-20UNC X 1,00 A449
32 4 BFW00001 ARRUELA DE PRESSÃO SPLIT 0,25 STL
33 4 BFN00211 PORCA BORBOLETA 0,25 20UNC A563
34 1 CB410052 SUPORTE MANGUEIRA
35 1 BPC00004 PINO GRAMPO 0,178
36 1 CA986327 GUIA DE TESTE E INSPEÇÃO DE TUBULAÇÃO E CONTADOR
37 2 BPD00054 PINO ROLAMENTO 0,125 X 1,25 LG
38 3 BFC01175 SHCS #10-24 X 0,25 18-8 SST

Fig. 4.2-3A, RC-203 Montagem da tubulação do contador (dupla), CD412063A


PÁGINA 4-28
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 2 CB463476 BARRA BRAÇO ESPALHAMENTO D3000 MÁQUINA VERT DNV
2 1 CC475961 BARRA ESPALHAMENTO D3000 100K HORIZ SOLDA
3 2 BCS00069 MANILHA 55 TON TIPO PARAFUSO 2,00 PINO
4 2 CB466017 PINO 3,00
5 2 BPS00002 PINO DE SEGURANÇA 0,148
6 1 CB463381 RÓTULO BARRA ESPALHAMENTO 25 GRAUS SUSPENSÃO
ENGR
7 1 CC463389 RÓTULO OBSERVAÇÕES DNV 2.7-3 BARRA ESPALHAMENTO
ENGR

Fig. 4.2-4A, Montagem da barra de espalhamento, CC463380C

PÁGINA 4-31
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 3 PTE00004 JUNÇÃO ELL FIG 1502 LR 2,00M-2,00F
2 1 IRS00118 MEDIDOR DE FLUXO DE LÍQUIDO 2F PARA 2M-1502
3 1 PTS00002 JNT SWVL 2,00 FIG 1502 STYLE 10
4 1 PTT00048 JUNÇÃO T FIG 1502 2,00F-2,00M-2,00F
5 1 PTT00049 JUNÇÃO T FIG 1502 2,00F-2,00F-2,00M
6 2 PTV00011 VÁLVULA DE BUJÃO 2,00 X 2,00 1502M-1502F STD
7 3 PTU00026 PORCA BORBOLETA 2,00 FIG 1502
8 2 PTP00001 BUJÃO BALA 2,00 1502 JUNÇÃO MACHO
9 2 CB422374 SOLDAGEM EXT TUBUL 2 FIG 1502 ELL
10 4 BFU00001 PARAFUSO-U 3,00
11 8 BFW00033 ARRUELA PL TIPO B SÉRIE R 0,38 STL
12 8 BFW00003 ARRUELA DE PRESSÃO 0,38 STL
13 8 BFN00031 PORCA HX STD 0,38-16UNC A563
14 1 CC420259 INSTL COLETOR HR D3000 SUÍVEL
15 1 PTC00012 INTERSECÇÃO 2,00F 1502-2,00M 1502

Fig. 4.2-5A, Conjunto da Tubulação Externa, CC422377E


PÁGINA 4-34
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 HVR00390 VÁLVULA DE ALÍVIO 1,00 SAE 1000-3000 PSI
2 2 BFC00035 HHCS 0,38-16UNC X 1,00 A449
3 2 BFW00003 ARRUELA DE PRESSÃO 0,38 STL
4 2 HHA10203 ADAPT. 1,00MJIC-1,00MOR
5 2 HHA40176 ADAPT. 1,00MJIC-1,00MOR-1,00MJIC
6 1 HVC00189 VÁLVULA CBAL -10 10:1
7 2 BFC00026 HHCS 0,31-18UNC X 2,25 A449
8 2 BFW00002 ARRUELA DE PRESSÃO 0,31 STL
9 2 BFN00030 PORCA HX STD 0,31-18UNC A563
10 1 HHA10117 ADAPT. 0,25MJIC-0,38MOR
11 2 HHA10283 ADAPT. 0,25MJIC-0,63MOR
12 4 HHA40040 ADAPT. 0,25MJIC-0,25FJIC-0,25MJIC SUÍV.
13 1 HHA20068 ADAPT. 0,25MJIC-0,25FJIC 90 SUÍV.
14 1 CB463624 RÓTULO BHP D3000 DR/LW/OIL/HYD VALV ENGR
15 5 BFR00003 REBITE ALUM 0,125 X 0,251-0,312 GRIP
16 1 HHD16005 CPLG QD 1,00FNPT NIP
17 1 HHD16007 TAMPA DE PROTEÇÃO -16 QD NIP AQ56
18 2 HHB10004 ADAPT. 1,00MNPT-1,00MJIC BHD
19 1 HHD16001 CPLG QD 1,00FNPT CPLR
20 1 HHD16003 BUJÃO DE PROTEÇÃO -16 QD CPLR AQ56
21 1 HHD12005 CPLG QD 0,75FNPT NIP AEROQUIP
22 1 HHD12006 TAMPA DE PROTEÇÃO -12 QD NIP AQ56
23 2 HHB10003 ADAPT. 0,75MNPT-0,75MJIC BHD
24 1 HHD12001 CPLG QD 0,75FNPT CPLR
25 1 HHD12004 BUJÃO DE PROTEÇÃO -12 QD CPLR AQ56
26 2 HHD06006 CPLG QD 0,38FNPT NIP
27 2 HHD06005 TAMPA DE PROTEÇÃO -6 QD NIP AQ56
28 5 HHA10019 ADAPT. 0,38MNPT-0,25FNPT
29 7 HHB10001 ADAPT. 0,25MNPT-0,25MJIC BHD
30 3 HHD06003 CPLG QD 0,38FNPT CPLR
31 3 HHD06004 BUJÃO DE PROTEÇÃO -6 QD CPLR AQ56
32 1 HHA10818 ADAPT. ORIFÍCIO 0,062-0,25MJIC-0,25FJIC
33 1 HHD04006 CPLG QD 0,25FNPT NIP AQ56
34 1 HHD04018 TAMPA DE PROTEÇÃO-4 QD NIP AQ56
35 1 HHD04002 CPLG QD 0,25FNPT CPLR
36 1 HHD04003 BUJÃO DE PROTEÇÃO -4 QD CPLR AQ
37 1 HHB10015 ADAPT. 0,50MNPT-0,50MJIC BHD
38 1 HHD08002 CPLG QD 0,50FNPT NIP
39 1 HHD08007 TAMPA DE PROTEÇÃO -8 QD NIP AQ56

Fig. 4.2-6A, Montagem do painel do anteparo, CD463596B (folha 1 de 2)


PÁGINA 4-37
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
40 1 HHA20031 ADAPT. 0,25MNPT-0,50MJIC 90
41 2 HHA40055 ADAPT. 0,50MJIC-0,50MJIC-0,50FJIC SUÍV.
42 1 HHA10119 ADAPT. 0,25FNPT-0,25FNPT
43 1 HVR00030 VÁLVULA DE ALÍVIO 0,25MNPT-0,25MNPT

Fig. 4.2-6A, Montagem do painel do anteparo, CD463596B (folha 2 de 2)


PÁGINA 4-38
CONJUNTO DE MANGUEIRAS DE ENTRADA LATERAL DUPLA HRD3000
Observações padrão: (Aplicável para todas as mangueiras na lista) Abreviações
Desconexão rápida Tamanho Conexões da
extremidade
Observações especiais: (Aplicável somente às mangueiras indicadas) AQ = Aeroquip -4 = 1/4" Gêneros:
Hyd Inc = Hydraulics Inc. -6 = 3/8" M = Macho
Snap = Snaptite -8 = 1/2" F = Fêmea
-10 = 5/8"
-12 = 3/4" SAE = Anel-O SAE
-16 = 1" FFOR = Anel-O de face plana
Contorno da mangueira: N/A -20 = 1-1/4" SF = Flange da fenda
-24 = 1-1/2"
-32 = 2"
-48 = 3"

D 18 2 EA HHF20012 FTG -8 FJIC SVL, 90


D 17 2 EA HHF20011 FTG -8 FJIC SVL, 45
D 16 7 EA HHF20009 FTG -4 FJIC SVL, 90
D 15 2 EA HHF16023 FTG -16 FJIC, 45 F/
D 14 10 EA HHF16011 FTG -16 FJIC SVL STR
D 13 4 EA HHF00095 FTG -8 FJIC SVL, STR
D 12 19 EA HHF00093 FTG -4 FJIC SVL, STR
D 11 2 EA HHA60169 ADAPT. 1,00MJIC-1,25S
D 10 2 EA HHA60129 ADAPT. 1,00MJIC-1,25
D 9 1 EA HHA40055 ADAPT. 0,50 MNPT -0,50M
D 8 1 EA HHA40040 ADAPT. 0,25MJIC-0,25F
D 7 2 EA HHA20069 ADAPT. 0,25MJIC-0,25M
D 6 1 EA HHA20028 ADAPT. 0,25MNPT-0,25M
D 5 2 EA HHA10143 ADAPT. 0,50 MNPT -0,50M
D 4 1 EA HHA10042 ADAPT. 0,25MNPT-0,25M
MANGUEIRA -16EFG4K
D 3 33 FT HHH00245 4000PS
D 2 66 FT HHH00047 MANGUEIRA -8G2 0,50 DI 4
D 1 174 FT HHH00032 MANGUEIRA -4G2 0,25 DI 58
Número de
Rev Item Qtde UM peça Descrição

Fig. 4.2-7, Conjunto de Mangueiras, CA402793D (folha 1 de 3)


PÁGINA 4-40
CONJUNTO DE MANGUEIRAS DE ENTRADA LATERAL DUPLA HRD3000
Man Etiqu
Alt.  gueir eta  Mangue Compriment Comprime Extremidade A  Adaptador da  Extremidade A Extremidade B Adaptador da  Extremidade B  Mangueira à 
rev.  a Nº  nº  ira  o de corte  nto final  Tampa/bujão QD  extremidade A Conexões  Conexões  extremidade B QD  Tampa/bujão Descrição do roteamento  prova de fogo
-16 FJIC SVL ANTEPARO Nº 46 PARA
16EFG4 -16 FJIC Svl,
D 1 108 - 1/8 pol. 114,00    STR    VÁLVULA DE ALÍVIO PORTA Nº
K 45 #15
EFG4K#14 2
-16 FJIC SVL ANTEPARO Nº 45 PARA
16EFG4 -16 FJIC Svl,
D 2 108 - 1/8 pol. 114,00    STR    VÁLVULA DE ALÍVIO PORTA Nº
K 45 #15
EFG4K#14 1
ADAPT.
-16 FJIC SVL -16 FJIC SVL VÁLVULA DE ALÍVIO Nº 1
16EFG4 1,00MJIC-1,25
D 3 46 - 7/8 pol. 51,00    STR STR PORTA PARA O MOTOR Nº 1
K 90 SF CD
EFG4K#14 EFG4K#14 PORTA A
61#10  
ADAPT.
-16 FJIC SVL -16 FJIC SVL VÁLVULA DE ALÍVIO Nº 1
16EFG4 1,00MJIC-1,25
D 4 46 - 7/8 pol. 51,00    STR STR PORTA PARA O MOTOR Nº 2
K 90 SF CD
EFG4K#14 EFG4K#14 PORTA B
61#10  
ADAPT.
-16 FJIC SVL -16 FJIC SVL VÁLVULA DE ALÍVIO Nº 2
16EFG4 1,00MJIC-
D 5 26 - 7/8 pol. 31,00    STR STR PORTA PARA O MOTOR Nº 1
K 1,25SAE 45
EFG4K#14 EFG4K#14 PORTA A
SF CD 61#11
ADAPT.
-16 FJIC SVL -16 FJIC SVL VÁLVULA DE ALÍVIO Nº 2
16EFG4 1,00MJIC-
D 6 29 - 7/8 pol. 34,00    STR STR PORTA PARA O MOTOR Nº 2
K 1,25SAE 45
EFG4K#14 EFG4K#14 PORTA B
SF CD 61#11
ADAPT.
ADAPT.
0,25MJIC-
0,25MJIC- -4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, FREIO DO MOTOR Nº 1 PARA O
D 7 4G2 107 - 1/2 pol. 110,00
0,25MOR Str#12 Str#12
0,25FJIC-
FREIO DO MOTOR Nº 2
0,25MJIC
90#7  
SWVL#8  
ADAPT.
0,25MJIC- -4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90 ANTEPARO Nº 40 PARA O FREIO
D 8 4G2 153 - 1/8 pol. 156,00   
0,25MOR Str#12 Short#16 DO MOTOR Nº 1
90#7
-8 FJIC Svl, -8 FJIC Svl, 45 ANTEPARO Nº 42 PARA MOTOR
D 9 8G2 254 - 3/8 pol. 258,00      
Str#13 Curto#17 DE SUPRESSÃO
-8 FJIC Svl, -8 FJIC Svl, 45 ANTEPARO Nº 43 PARA MOTOR
D 10 8G2 254 - 3/8 pol. 258,00      
Str#13 Curto#17 DE SUPRESSÃO
PORTA DA VÁLVULA DE
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90
D 11 4G2 149 - 1/8 pol. 152,00       EQUILÍBRIO C' PARA CILINDRO
Str#12 Short#16
DO LADO DO SUÍVEL
PORTA C DA VÁLVULA DE
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 90 EQUILÍBRIO C' PARA CILINDRO
D 12 4G2 163 - 1/8 pol. 166,00      
Str#12 Short#16 DO LADO DA UNIDADE DE
ACIONAMENTO
PORTA P DA VÁLVULA DE
EQUILÍBRIO C' PARA
172 - 1/8 -4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
13 4G2 175,00       CILINDRO DO LADO DA
pol. Str#12 90 Short#16
UNIDADE DE
ACIONAMENTO
ANTEPARO Nº 89 PARA O
181 - 1/8 -4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
14 4G2 184,00       CILINDRO DO LADO DO
pol. Str#12 90 Short#16
SUÍVEL
ANTEPARO Nº 89 PARA A
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
15 4G2 22 - 1/8 pol. 25,00       PORTA P DA VÁLVULA DE
Str#12 90 Short#16
EQUILÍBRIO C'

PÁGINA 4-41
CONJUNTO DE MANGUEIRAS DE ENTRADA LATERAL DUPLA HRD3000
Man Etiqu
Alt.  gueir eta  Mangue Compriment Comprime Extremidade A  Adaptador da  Extremidade A Extremidade B Adaptador da  Extremidade B  Mangueira à 
rev.  a Nº  nº  ira  o de corte  nto final  Tampa/bujão QD  extremidade A Conexões  Conexões  extremidade B QD  Tampa/bujão Descrição do roteamento  prova de fogo
ANTEPARO Nº 90 PARA A
-4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, PORTA V ESTENDIDA DA
16 4G2 22 - 1/8 pol. 25,00      
Str#12 90 Short#16 VÁLVULA DE EQUILÍBRIO
C'
ADAPT.
165 - 1/2 -4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 280 PARA O
D 17 4G2 168,00    0,25MNPT-
pol. Str#12 Str#12 COLETOR HIDRÁULICO
0,25MJIC#4
246 - 1/2 -4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, ANTEPARO Nº 68 PARA O
18 4G2 249,00      
pol. Str#12 Str#12 REGULADOR DE AR
ANTEPARO Nº 66 PARA O
248 - 1/2 -4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl,
19 4G2 251,00       TANQUE DE
pol. Str#12 Str#12
LUBRIFICAÇÃO
ANTEPARO Nº 66 OU
247 - 1/2 -4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, VÁLVULA AMOT PARA O
20 4G2 250,00      
pol. Str#12 Str#12 LUBRIFICADOR DA
TUBULAÇÃO
ADAPT.
165 - 1/2 -4 FJIC Svl, -4 FJIC Svl, 0,25MNPT- ANTEPARO Nº 281 PARA O
D 21 4G2 168,00   
pol. Str#12 Str#12 0,25MJIC COLETOR HIDRÁULICO
90#6  
ADAPT.
DRENO DO ALOJAMENTO
ADAPT. 0,50MJIC-
106 - 1/2 -8 FJIC Svl, -8 FJIC Svl, MOTOR Nº 1 PARA DRENO
D 22 8G2 110,00 0,50MJIC- 0,50MJIC-
pol. Str#13 90 Curto#18 DO ALOJAMENTO MOTOR
0,50MOR#5  0,50FJIC
Nº 2
SWVL#9  
DRENO DO ALOJAMENTO
ADAPT.
152 - 1/2 -8 FJIC Svl, -8 FJIC Svl, MOTOR Nº 1 PARA DRENO
23 8G2 156,00 0,50MJIC-   
pol. Str#13 90 Curto#18 DO ALOJAMENTO MOTOR
0,50MOR#5 
Nº 2

Fig. 4.2-7, Conjunto de Mangueiras, CA402793D (folha 3 de 3)


PÁGINA 4-42
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CC483172 NIVELADOR HR D3000 ENTRADA LATERAL DUPLA SOLDA
2 1 CD415815 PARAFUSO DE AVANÇO
3 24 BFW00005 ARRUELA DE PRESSÃO SPLIT 0,50 STL
4 4 BFC00067 HHCS 0,50-13UNC X 1,25 A449
5 4 BFC00070 HHCS 0,50-13UNC X 2,00 A449
6 4 BFN00033 PORCA HX STD 0,50-13UNC A563
7 2 TBF00005 ROLAMENTO FLGD 1,750 DI TIPO SC
8 1 BSR00012 ANEL RETENTOR EXTERNO 1,750
9 1 CB415840 PLACA PIVÔ DE ACIONAMENTO
10 1 CB415841 PLACA PIVÔ SUÍVEL LATERAL
11 1 CB415898 EIXO TEMPORIZAÇÃO ENGRENAGEM
12 1 CB415843 CARTUCHO DE EIXO LONGO
13 1 CB415844 CARTUCHO DE EIXO CURTO
14 10,36 cm RCB00334 KEYSTOCK 0,250 SQ CD1018
15 2 HCD00002 CIL HID 2,50FURO 12,00STRK
16 4 HHA20032 ADAPT. 0,38MNPT-0,25MJIC 90
17 4 BPC00009 PINO CAVILHA 1,00 X 2,75 LG
18 4 BPC00010 PINO DE CHAVETA 0,125 X 1,50 LG
MONT. CARRINHO PARAFUSO DE AVANÇO 2,5 DIA (VEJA FIG.
19 1 CD460104
4.2-14)
20 1 CC470097 TUBO GUIA 3 DE 40 LG 23 CURSO MÁQUINA
21 1 BFC00078 HHCS 0,50-13UNC X 4,50 A449
22 2 BFN00040 PORCA HX NYLOCK 0,50-13UNC STL
23 1 CC410053 RODA DENTADA SUPRESSÃO DO NIVELADOR
24 3,35 cm RCB00329 KEYSTOCK 0,375 SQ CD1018
MOTOR VANE 11,87 DISPL. OMP200 (CONSULTE OS MANUAIS
25 1 HMV00017
DE SERVIÇO)
26 1 CB410079 MONTAGEM PL
27 4 BFC00035 HHCS 0,38-16UNC X 1,00 A449
28 3 BFC00037 HHCS 0,38-16UNC X 1,50 A449
29 3 BFW00123 ARRUELA PL TIPO A SÉRIE W 0,38 STL
30 7 BFW00003 ARRUELA DE PRESSÃO SPLIT 0,38 STL
31 3 BFN00031 PORCA HX STD 0,38-16UNC A563
32 1 CC410054 RODA DENTADA SUPRESSÃO DO ACIONADOR
33 1 TDR00006 CORRENTE #50-1 X 55P COM HASTE DE CONEXÃO RVTD
LIMITADOR TRQ 500A-2 1,75B-0,38KW-0,540 (CONSULTE OS
34 1 TCX00001
MANUAIS DE SERVIÇO)
35 7,01 cm RCB00329 KEYSTOCK 0,375 SQ CD1018
36 4 BSR00022 ANEL RETENTOR EXTERNO 1,250
37 6 TBB00048 ROLAMENTO ESFERA UMA CARREIRA FURO 1,250
38 1 CB415850 PLACA ESPAÇADOR CARTUCHO
39 8 BFM00112 SCR MÁQUINA 0,31-18UNC 0,75 FL HD SKT STL
Fig. 4.2-9A, Montagem do nivelador de entrada lateral dupla, CD412377A (folha 1 de 2)

PÁGINA 4-45
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
40 1 TDR00174 CORRENTE #50-1 X 144P COM HASTE DE CONEXÃO RVTD
41 1 TDS00156 RODA DENTADA 24 DENTES COM FURO 1,25 0,25KWSSCR
42 1 TDS00153 RODA DENTADA 25 DENTES COM FURO 1,25 0,25KWSSCR
43 1 TDS00154 RODA DENTADA 14 DENTES COM FURO 1,25 0,25KWSSCR
44 1 CB415900 RODA DENTADA PLACA 50A37
45 1 TDR00099 CORRENTE #50-1 X 148P COM HASTE DE CONEXÃO RVTD
46 3 CA500002 RÓTULO ADVERTÊNCIA PEÇAS MÓVEIS ENGR
47 2 CA500001 RÓTULO MÁQUINA PROTEÇÃO ENGR
48 2 CB416675 PLACA ESPAÇADOR NIVELADOR
49 7 CB416550 TAMPA NIVELADOR HR D300 FAB
50 1 CB416711 TAMPA NIVELADOR
51 32 BFC00431 HHCS 0,25-20UNC X 0,50 F593 GP 1
52 14,02 cm RER00012 SEPARADOR BORRACHA 0,25-3,50 70 DURO
53 1 BFC00077 HHCS 0,50-13UNC X 4,00 A449
54 16 BFC00068 HHCS 0,50-13UNC X 1,50 A449
55 32 BFW00254 ARRUELA FLT 0,25 MANGUEIRA HYDR SST 14MPFW
56 32 BFW00045 ARRUELA DE PRESSÃO 0,25 18-8 SST

Fig. 4.2-9A, Montagem do nivelador de entrada lateral dupla, CD412377A (folha 2 de 2)

PÁGINA 4-46
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 PTE00004 JUNÇÃO ELL FIG 1502 LR 2,00M-2,00F
2 1 PTS00042 JUNTA SUÍVEL 2,00 FIG 1502 M-F STYLE100
3 1 PTT00047 JUNÇÃO T FIG 1502 2,00F-2,00F-2,00F
4 1 HVT00263 VÁLVULA DE BUJÃO 2 X 2 ACIONAMENTO HID "T"
5 1 PTL00013 MONT LATERAL 45 2,00 1502 FXMXF FMC
6 2 PTU00026 PORCA BORBOLETA 2,00 FIG 1502
7 2 CB420059 BUJÃO DE VEDAÇÃO "T"
8 2 CB427108 SUPORTE TUBULAÇÃO INTERNA
9 2 BFU00001 PARAFUSO-U 3,00
10 4 BFW00033 ARRUELA PL TIPO B SÉRIE R 0,38 STL
11 4 BFW00003 ARRUELA DE PRESSÃO 0,38 STL
12 4 BFN00031 PORCA HX STD 0,38-16UNC A563
13 *1 CA402815 CONJUNTO DE MANGUEIRAS VÁLVULA DE BUJÃO AC HID
14 1 CB427375 (VEJA FIG 4 2 COTOVELO
INSTALAÇÃO 12) FMC

* ITEM NÃO EXIBIDO

Fig. 4.3-2A, Instalação da Tubulação Interna, CC422376B

PÁGINA 4-40
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CD508211 MONTAGEM CARRETEL DROP-IN D3084 (VEJA FIG. 4.2-16)
2 1 CD586584 SUPORTE MONT. SUÍVEL INTERNO
3 1 BFC00154 HHCS 1,00-8UNC X 3,50
4 2 BFW00040 WSHR PL 1,00
5 1 BFN00299 PORCA HX NYLOCK 1,00-8UNC
6 1 BPC00056 PINO ENGATE 0,88 X 8,00 LG

Fig. 4.2-11A, D3084 Montagem Suível Interno do Carretel, CD500014A

PÁGINA 4-51
CONJUNTO DE MANGUEIRAS DE VÁLVULA ACIONADA POR BUJÃO HYD D3000
Observações padrão: (Aplicável para todas as mangueiras na lista) Abreviações
Desconexão rápida Tamanho Conexões da
extremidade
Observações especiais: (Aplicável somente às mangueiras indicadas) AQ = Aeroquip -4 = 1/4" Gêneros:
Hyd Inc = Hydraulics Inc. -6 = 3/8" M = Macho
Snap = Snaptite -8 = 1/2" F = Fêmea
-10 = 5/8"
-12 = 3/4" SAE = Anel-O SAE
-16 = 1" FFOR = Anel-O de face plana
Contorno da mangueira: N/A -20 = 1-1/4" SF = Flange da fenda
-24 = 1-1/2"
-32 = 2"
-48 = 3"

A 8 2 EA HHF24005 FTG -4 MNPT, STR G2


A 7 2 EA HHF00093 FTG -4 FJIC SVL, STR
A 6 1 EA HHD04018 TAMPA DE PROTEÇÃO-4 QD NIP A
A 5 1 EA HHD04006 CPLG QD 0,25FNPT NIP
A 4 1 EA HHD04003 BUJÃO DE PROTEÇÃO-4 QD CPLR
A 3 1 EA HHD04002 CPLG QD 0,25FNPT CPL
A 2 2 EA HHA10051 ADAPT. 0,50 MNPT -0,25 M
A 1 8 FT HHH00032 MANGUEIRA -4G2 0,25 DI 58
Rev Item Qtde UM Número de peça Descrição

Fig. 4.2-12, Conjunto de Mangueiras, CA402815A (folha 1 de 2)

PÁGINA 4-53
CONJUNTO DE MANGUEIRAS DE VÁLVULA ACIONADA POR BUJÃO HYD D3000
Man Etiqu Adaptador da  Extremidade  Extremidade  Adaptador da 
Alt.  Mangu Compriment Comprim Extremidade Extremidade  Mangueira à 
gueir eta  Tampa/bujão extremidade  A  B  extremidade  Tampa/bujão Descrição do roteamento 
rev.  eira  o de corte ento final  A QD  B QD  prova de fogo
a Nº  nº  A  Conexões  Conexões  B 
ADAPT. 0,50
-4 FJIC Svl, -4 MNPT, -4 Male AQ Tampa de PORTA DE ABERTURA DE
A 1 280 4G2 45 - 5/8 pol. 48,00 MNPT -0,25
Str#7 Str#8 5600#5 Proteção 0,25 VÁLVULA DE BUJÃO
MJIC#2
ADAPT. 0,50 BUJÃO DE
-4 FJIC Svl, -4 MNPT, -4 Fêmea AQ PORTA DE FECHAMENTO DE
A 2 281 4G2 45 - 5/8 pol. 48,00 MNPT -0,25 PROTEÇÃO
Str#7 Str#8 5600#3 VÁLVULA DE BUJÃO
MJIC#2 0,25

Fig. 4.2-12, Conjunto de Mangueiras, CA402815A (folha 2 de 2)

PÁGINA 4-54
ITEM QTDE Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CC426900 MANDRIL
2 1 CB426901 COMPARTIMENTO
3 1 CB426902 ANEL DE EXTRUSÃO
4 *1 CA980080 PROCEDIMENTO DE TESTE 22,5K PSI À PROVA D'ÁGUA
5 1 CB426904 RETENTOR
6 *1 CA980112 ANÁLISE DE RISCO PARA SUÍVEL DO CARRETEL DE TUBULAÇÃO
15K
7 1 TBR00111 ROLAMENTO FURO DE AGULHA 4,3307 COM RAIA INTERNA
8 1 TBS00088 ROLAMENTO FURO AXIAL DE ESFERAS 4,33
9 1 HSX00153 CONJUNTO DE GAXETAS 2,00 SUÍVEL 15K
10 1 TXS00064 JUNTA DE ÓLEO DO EIXO 4,438
11 1 HSO00277 ANEL-O 4,609 DI X 0,139 W
12 1 BFS00003 SSCR SCH 0,38-16UNC 0,38 CÔNICO
13 1 BXF00002 ESFERA DE GRAXA CONEXÃO CHK 0,13MNPT
14 1 CB426903 ESPAÇADOR

* ITEM NÃO EXIBIDO


Fig. 4.2-13A, 15K 2" Montagem de Suível, CC426899G

PÁGINA 4-56
ITEM QTDE Nº DE DESCRIÇÃO
PEÇA
1 1 CD410005 CARRINHO, NIVELADOR, USINAGEM
3 4 CC410003 EIXO, INFERIOR
4 8 BSR00002 ANEL, RETENTOR EXTERNO
5 16 TBF00006 ROLAMENTO, FLANGEADO
6 8 CC410017 ROLETE, NIVELADOR
7 8 HXX00035 CALÇO
8 8 CB410006 ARRUELA
9 8 BSR00013 ANEL, RETENTOR, EXTERNO
10 9 BXF00005 CONEXÃO, GRAXA, ESFERA
11 1 BSR00004 ANEL, RETENTOR, INTERNO
12 2 CB410008 PLACA, RETENTOR
13 16 BFW00003 ARRUELA, TRAVA, BIPARTIDA
15 4 BFN00033 PORCA, HEX
16 6 BFC00068 PARAFUSO, CABEÇA HEX
17 1 CD470026 GROSSA
18 1 CC410036 GARFO PARAFUSO DE AVANÇO STL
19 1 CC410015 TAMPA, ARO
20 1 CB410020 SUPORTE, MONTAGEM
21 16 BFC00036 PARAFUSO, CABEÇA HEX
22 1 BXF00002 FTG ESFERA DE GRAXA CHK 0,13MNPT STR
23 1 CC410016 SUPORTE, MONTAGEM
24 1 CB410022 PLACA, ARRUELA
25 2 BFW00005 ARRUELA, TRAVA

Fig. 4.2-14A, Montagem do carrinho do nivelador, CD460104F

PÁGINA 4-58
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CD483145 SOLDAGEM SUPORTE PLATAFORMA COMPLETA LATERAL
DUPLA
2 1 CD412325 MONT.ALOJAMENTO UNID ACIONAMENTO ENTRADA LAT
DUPLA (VEJA FIG. 4.2-8)
3 1 CD412326 MONT.ALOJAMENTO UNID ACIONAMENTO ENGREN
INTERM LAT DUPLA (VEJA FIG. 4.2-2)
4 1 CD412377 MONT. ENGRENAGEM NIVELADOR IDEAL (VEJA FIG. 4.2-9)
5 1 CB461752 MONT. BUJÕES DE TUBO
6 1 CB478116 PLACA ACIONAMENTO WLDMNT
7 2 TBB00049 ROLAMENTO ESFERA PLATAFORMA GIRATÓRIA COM EXT.
8 2 CC412376 INSTALAÇÃO SIST ACIONAMENTO ENTRADA LAT DUPLA
(VEJA FIG. 4.3-6)
9 48 BFC01138 HHCS 0,75 10UNC 3,75 LG GR 8 CAD BLINDADO
10 48 BFW00028 ARRUELA PL TIPO B SÉRIE N 0,75 STL
11 1 CC477953 PLACA SUÍVEL RETA THRU WLDMNT
12 1 CB402278 RÓTULO PATENTE CARRETEL DID

Fig. 4.2-15A, Subconjunto do carretel D3000, CD402792

PÁGINA 4-60
ITEM QTDE Nº DE DESCRIÇÃO
1 1 PEÇA
CD500014 CONJUNTO SUÍVEL INT CARRETEL D3084 4.2-11)
2 1 CA982137 ESPEC PROC TESTE DNV 2.7-3 SUSTENTAÇÃO/TRAÇÃO
3 1 CB502023 RÓTULO PATENT CARRETEL DID
4 1 PTC00054 INTERSECÇÃO 3,00F 1502-2,00M 1502 "T"
5 1 CC502039 RÓTULO DNV CERTIFICAÇÃO OBSERVAÇÕES 2.7-3 ENGR
6 1 PTU00026 PORCA BORBOLETA 2,00 FIG 1502
7 3 PTU00027 ARCO DE PRESSÃO 2,00 FIG 1502
8 1 PTU00002 ANEL DE RETENÇÃO 2,00 FIG 1502

Fig. 4.2-16A, Conjunto carretel Drop-In D3084, CB502040B


PÁGINA 4-63
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CA442012 TANQUE 30 GAL HORZ 16X38 ESPEC ASME/PED
2 1 CB470038 TAMPA DE SOLDAGEM
3 1 AVR00011 VÁLVULA DE ALÍVIO 0,25MNPT 140 PSI
4 1 HVD00011 VÁLVULA ESFERA TRÊS VIAS 0,25FNPT RED
5 1 HVT00026 VÁLVULA ESFERA 0,50FNPT 600 PSI BRZ
6 1 AAM00007 SILENCIADOR 0,25MNPT AIR
7 1 IPM00035 MEDIDOR DE PRESSÃO 0-160 P/B 2,50 LM HR
8 1 ITM00011 MEDIDOR NÍVEL LÍQUIDO
9 2 PCN00011 NIP SCH 40 0,25NPT 2,50 A53 GR B
10 2 HHA20028 ADAPT. 0,25MNPT-0,25MJIC 90
11 1 PCN00121 NIP/H SCH 40 0,25NPT 16,00 A106 GR B
12 1 HHA10003 ADAPT. 0,25MNPT-0,25MNPT
13 1 HHA10021 ADAPT. 0,50MNPT-0,25FNPT
14 1 HHA10023 ADAPT. 0,75MNPT-0,25FNPT
15 1 HVC00061 VÁLVULA CHK 0,25MNPT-0,25MNPT LATÃO
16 1 HHA20071 ADAPT. 0,50MNPT-0,50FNPT 90
17 1 AVR00013 VÁLVULA REGULADORA DE AR
18 1 HHA20065 ADAPT. 0,25FNPT-0,25MNPT 90
19 1 CC460528 INSTALAÇÃO DO LUBRIFICADOR
20 2 CB460521 ANEL 1,50
21 1 CA100088 RÓTULO ESPEC RESERVATÓRIO LUBRIFICANTE DO
CARRETEL
22 1 HVD00029 VÁLVULA TRÊS VIAS 0,25FNPT
23 1 PCP00001 BUJÃO 0,25 150# SKT HD A197
24 1 HHA20002 ADAPT. 0,25MNPT-0,25MNPT 90
25 1 HVF00005 VÁLVULA NDL 0,25FNPT STL

Fig. 4.3-1A, Instalação do lubrificador, CC442015

PÁGINA 4-65
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 2 CC460045 MONTAGEM CODIFICADOR UNIVERSAL
2 2 TDC00005 CPLG ELASTÔMERO TIPO MORDENTE
3 2 BPD00001 PINO ROLAMENTO 0,062 X 1,00 LG
4 4 BFC00035 HHCS 0,38-16UNC X 1,00 A449
5 4 BFW00003 ARRUELA DE PRESSÃO 0,38 STL
6 1 CC463715 BRKT CODIFICADOR 1 2/CIRC PRESS/FLUXO M ENGR
7 1 IPS00174 TRANSMISSOR 0-15KPSI 4-20mAMP 2,00 1502
8 1 CA263898 ESPEC CABO SENSOR - 21,34 m - PT
9 1 CA262647 CABO 9,14 m ESPEC MEDIDOR DE FLUXO
10 3 ECR00295 RECEPTÁCULO BH 6 PIN X 6 SKT TAMANHO 10
11 3 ECR00255 TAMPA RECEPTÁCULO COM CORRENTE TAMANHO 10
12 1 IRS00095 COLETA MEDIDOR DE FLUXO

Fig. 4.3-2A, Instalação do codificador, CC463716C


PÁGINA 4-68
ITEM QTDE Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 2 BCS00060 MANILHA 2,00 TON TIPO PARAFUSO 0,50
2 2 BCC00004 HASTE DE CONEXÃO 6 0,50
3 8.00 FT BCC00006 CORRENTE 0,50 PROVA GR 30 JATEADA
4 2 BCL00002 AMARRADOR DE CARGA COM CATRACA
5 1 BCL00023 AMARRADOR DE CARGA COM CATRACA 0,3125-0,375

Fig. 4.3-3A, Instalação da amarração, CC460705A

PÁGINA 4-71
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CC463627 MONTAGEM D3000 TROLEX/HYD UNIÃO 3,5 DI SOLDA
2 1 HXX00135 UNIÃO CUSTOM 2 PASSAGEM ROTATIVA 3,50 DI
3 2 HHA10115 ADAPT. 0,25ODTB-0,25MNPT
4 2 HHB10009 ADAPT. 0,25ODTB-0,25MNPT B/H
5 2.0 FT RST00008 TBG RND 0,250 OD-0,035W A269-304 SMLS
6 1 HHD04006 CPLG QD 0,25FNPT NIP AQ56
7 1 HHD04018 TAMPA DE PROTEÇÃO-4 QD NIP AQ56
8 1 HHD04002 CPLG QD 0,25FNPT CPLR
9 1 HHD04003 BUJÃO DE PROTEÇÃO -4 QD CPLR AQ
10 1 CB463642 BRKT D3000 HYD UNIÃO FORJA
11 8 BFC00196 SHCS 0,38-16UNC X 1,00 A574
12 12 BFW00013 ARRUELA DE PRESSÃO GROSSA 0,38 STL
13 8 BFW00033 ARRUELA PL TIPO B SÉRIE R 0,38 STL
14 2 BFC01518 SCR SHLDR SCH 0,50 X 0,50 0,38-16UNC
15 1 CB463646 MONTAGEM D3000 TROLEX MOD COLETOR
16 1 CB463647 BRKT ÂNGULO D3000 TROLEX MÁQUINA COLETOR
17 1 CB463648 BRKT BLOCO D3000 TROLEX MÁQUINA COLETOR

Fig. 4.3-4A, 3,5 D.I. Instalação do suível, CC463626A


PÁGINA 4-73
ITEM QTDE Nº DE DESCRIÇÃO
PEÇA
1 418,06 RCP00003 PL 0,250 A36
2 2
408,77 RCP00003 PL 0,250 A36
3 12 CA360759 ESPEC FIXAÇÃO SOQUETE MÁQUINA MASTRO ARTICULADO
4 1 BCS00060 MANILHA 2,0 TON TIPO PARAFUSO 0,50
5 1 BCC00057 HASTE MESTRE 0,50 LIGA SEM SOLDA
6 1 BXX00053 CORDA DE SEGURANÇA LACRADA AUTORRETRÁTIL
7 1 CA360760 ESPEC SUBCONJUNTO FIXAÇÃO MASTRO ARTICULADO
8 1 BCC00050 CONECTOR CORRENTE 0,250 ROSQUEADO
9 0.50 FT BCC00001 CORRENTE 0,25 PROVA GR 30 JATEADA
10 1 BCC00065 CONECTOR CORRENTE 0,38 TRAVA HASTE 316SS
11 1 BCC00002 PASSADEIRA 12,00 TIPO 3
12 1 BPC00017 PINO ENGATE CAVILHA 0,50 X 3,00 LG

Fig. 4.3-5A, Proteção contra queda, CC461151D

PÁGINA 4-76
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 TCH00005 FREIO HID DEF EM 1200 POL LBS (VEJA MANUAL DE SERV.)
2 1 HMV00119 MTR VANE 11,5 CUI CD 61 SAE J501
3 4 BFC00247 SHCS 0,50-13UNC X 6,50 A574
4 4 BFW00015 ARRUELA DE PRESSÃO GROSSA 0,50 STL
5 2 HXF00079 FLG KIT SAE SPLIT CD61 1,25
6 1R HHA10143 ADAPT. 0,50MJIC-0,50MOR
8 1R HSO00285 ANEL-O 2-159 BUNA N

Fig. 4.3-6A, Instalação Sistema de Acionamento de Entrada Lateral Dupla, CC412376D

PÁGINA 4-79
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CC426899 CONJUNTO SUÍVEL 2,00 NON - H2S (VEJA FIG. 4.2-13)
2 1 CC426100 SUÍVEL CHAVE
3 2 BFW00015 ARRUELA DE PRESSÃO GROSSA 0,50
4 2 BFC00235 SHCS 0,50-13UNC X 2,00
5 2 PTU00026 PORCA BORBOLETA 2,00
6 6 PTU00027 ARCO DE PRESSÃO 2,00
7 2 PTU00002 ANEL RETENTOR 2,00
8 4 CB428189 ESPAÇADOR
9 4 BFC00072 HHCS 0,50-13UNC X 2,50
10 4 BFW00005 ARRUELA DE PRESSÃO 0,50
11 4 BFW00035 ARRUELA PL TIPO B SÉRIE R 0,50
12 1 CC426609 ANEL DE MONTAGEM DO SUÍVEL
13 1 BCS00006 MANILHA 4,75 TON FIXAÇÃO SCR PINO 0,75

Fig. 4.3-7A, 15K 2 FMC Instalação de Suível Interno, CC420189

PÁGINA 4-81
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 BCL00044 TALHA NIVELADORA DA CORRENTE
2 1 BCS00002 MANILHA 2,00 TON FIXAÇÃO SCR PINO 0,50
3 22,86 cm BCC00006 CORRENTE 0,50 PROVA GR 30 JATEADA

Fig. 4.3-8A, Talha Do Nivelador De Pressionamento, CB462321A

PÁGINA 4-83
Fig. 4.3-8B, Levelwind Hold Down Hoist, CB462321A
PAGE 4-84
CARRETEL DE TUBULAÇÃO HYDRA RIG

Manutenção
Programação periódica da manutenção e lubrificação
As seguintes programações são apenas diretrizes. A frequência de operação de manutenção ou serviço depende do
ambiente operacional e idade ou condição da unidade.
OBSERVAÇÃO: LIMPE OS BICOS DE GRAXA ANTES DE LUBRIFICAR A FIM DE
EVITAR O APRISIONAMENTO DE SUJEIRA OU OUTROS
CONTAMINANTES.

Ao lubrificar os rolamentos que são fornecidos com um bico de graxa, tome cuidado para não forçar demais a graxa
para dentro do rolamento muito rapidamente, o que muitas vezes pode romper o selo de graxa. (Consulte a seção
“Graxas e fluidos recomendados” do manual para a localização do bico de graxa, zona de lubrificação e plugue de
óleo da caixa de transmissão.)

Montagem do carretel

Diariamente (antes da operação)


 Verifique o nível do fluido no reservatório de lubrificante da tubulação frequentemente. Abasteça
quando necessário.
 Verifique se todos os controles do carretel estão na posição de partida segura.
 Verifique se todos os engates rápidos estão conectados corretamente.

Diariamente (após a partida)


 Verifique se há vazamentos nos sistemas hidráulicos e pneumáticos.
 Verifique se todos os controles do carretel funcionam corretamente.
 Verifique a cobertura do óleo através do lubrificador da tubulação. Ajuste a válvula da agulha no
tanque de lubrificação da tubulação, se necessário.

Diariamente (a cada 10 horas de operação)


 Verifique o nível do fluido no tanque de lubrificante da tubulação frequentemente. Abasteça quando
necessário.
 Verifique a cobertura do óleo através do lubrificador da tubulação. Ajuste a válvula da agulha no
tanque de lubrificação da tubulação, se necessário.
 Certifique-se de que os dentes da engrenagem de acionamento principal tenham uma boa camada de
graxa.
OBSERVAÇÃO: A AÇÃO ENTRELAÇADA E A POSIÇÃO DA ENGRENAGEM TENDEM A
PURGAR O LUBRIFICANTE; POR ESTA RAZÃO, ENGRAXE A
ENGRENAGEM FREQUENTEMENTE COM UMA PEQUENA QUANTIDADE
DE LUBRIFICANTE.

CUIDADO
É MUITO IMPORTANTE QUE ESTA ENGRENAGEM NÃO SE MOVIMENTE SECA DE LUBRIFICAÇÃO.
ISTO RESULTARÁ EM DESGASTE EXCESSIVO DO DENTE DA ENGRENAGEM.

 Recomenda-se que a graxa seja introduzida através da remoção da tampa da engrenagem


superior e espalhando-a diretamente na engrenagem. Certifique-se de substituir a tampa
depois da lubrificação.

PÁGINA 4-86
CARRETEL DE TUBULAÇÃO HYDRA RIG

ADVERTÊNCIA
NÃO APLIQUE GRAXA ENQUANTO O CARRETEL ESTIVER EM ROTAÇÃO.

Verifique a cada duas a três horas durante cada turno de trabalho para garantir que é mantida uma
lubrificação adequada.
 Engraxe ambos os rolamentos giratórios. Continue adicionando graxa até que ela possa ser vista
saindo para fora nas vedações ao redor dos rolamentos. .
 Verifique se os parafuso de avanço e todas as outras superfícies lubrificadas expostos estão revestidos
com graxa. (Consulte a seção “Graxas e fluidos recomendados” do manual para a localização do bico
de graxa, zona de lubrificação e plugue de óleo da caixa de transmissão.)
 Engraxe os rolamentos do suível.

Diariamente (após operação)


 Abasteça o tanque de lubrificação da tubulação.
 Verifique se há evidência de vazamentos hidráulicos. Aperte as conexões e/ou substitua os anéis-O.

Semanalmente (a cada 60 horas de operação)


OBSERVAÇÃO: LIMPE OS BICOS DE GRAXA ANTES DE LUBRIFICAR A FIM DE
EVITAR O APRISIONAMENTO DE SUJEIRA OU OUTROS
CONTAMINANTES.

Ao lubrificar os rolamentos que são fornecidos com um bico de graxa, tome cuidado para não forçar demais a graxa
para dentro do rolamento muito rapidamente, o que muitas vezes pode romper o selo de graxa. (Consulte a seção
“Graxas e fluidos recomendados” do manual para a localização do bico de graxa, zona de lubrificação e plugue de
óleo da caixa de transmissão.)
 Limpe e lubrifique o parafuso de avanço e a lingueta do parafuso de avanço.
 Engraxe os rolamentos do parafuso de avanço.
 Engraxe os roletes do carrinho do nivelador (quatro lugares).
 Engraxe o tubo guia do nivelador vertical.
 Espalhe uma camada de graxa nos eixos estriados através dos quais deslizam os cartuchos de
temporização de nivelamento.
 Verifique os níveis de óleo na caixa de transmissão. (Consulte a seção “Graxas e fluidos
recomendados” do manual para a localização do bico de graxa, zona de lubrificação e plugue de óleo
da caixa de transmissão.) Se estiver baixo, abasteça até o nível adequado com lubrificante de serviço
pesado.
OBSERVAÇÃO: SEMPRE ESTEJA ATENTO PARA VAZAMENTOS DE ÓLEO EM
TORNO DA BASE DA CAIXA DE TRANSMISSÃO.

Semanalmente (a cada 60 horas de operação)


 Aperte os parafusos de fixação em todos os rolamentos, posicione anéis de reforço e rodas dentadas.
 Verifique os parafuso de avanço de nivelamento e a lingueta parafuso de avanço por fadiga.
 Verifique a absorção no lubrificador da tubulação por desgaste. Substitua se necessário.

PÁGINA 4-87
CARRETEL DE TUBULAÇÃO HYDRA RIG

Mensalmente (a cada 200 horas de operação)


 Espalhe uma boa camada de graxa em todas as correntes da unidade de acionamento do nivelador
localizadas dentro dos braços do nivelador.
ADVERTÊNCIA
NÃO ENGRAXE AS CORRENTES ENQUANTO A MÁQUINA ESTIVER
OPERANDO.

 Engraxe a articulação do braço do nivelador. Este bico de graxa está localizado dentro do
braço do nivelador na junta articulada. Continue adicionando graxa até que ela possa ser vista
saindo em todo o suporte do pivô do rolamento.
 Aplique um spray lubrificante em todas as dobradiças, pinos etc.
 Verifique todos os eixos de nivelamento e roletes do contador que têm permanentemente
rolamentos lubrificados para detecção de vazamentos no selo de graxa, folga excessiva, e/ou
rolamento não suave. Substitua os rolamentos, se necessário.
 Aplique uma camada de graxa nos dentes externos do rolamento giratório não acionado (lado
do suível). Isto protege os dentes contra a corrosão.
OBSERVAÇÃO: ESTE ROLAMENTO PODE SER TROCADO COM O
ROLAMENTO GIRATÓRIO NO LADO DA UNIDADE DE
ACIONAMENTO QUANDO OS DENTES DAQUELE LADO
DESGASTAREM. FAZER ISSO PODE DOBRAR A VIDA ÚTIL
DO ROLAMENTO DO SUPORTE DE CARRETEL DEVIDO
AO DESGASTE DOS DENTES DA ENGRENAGEM.

Mensalmente (a cada 200 horas de operação)


Limpe a bexiga de envio de pressão circulante.

Cada vez que o carretel é removido e/ou instalado no suporte


 Verifique para garantir que todos os parafusos nos rolamentos giratórios ainda estão
apertados. Se não, ajuste com torque de 280 pés/lb.
 Espalhe uma camada de graxa lubrificante sobre as superfícies de deslizamento do prendedor
da trava e cunhas no interior de cada lado do carretel.
 Aplique uma camada de composto antiaderente sobre as roscas dos parafusos da trava do
carretel, se necessário.
 Espalhe uma camada espessa de graxa (com aditivo de molibdênio) sobre os dois eixos do
cubo do suporte do carretel.
 Repinte as duas placas do cubo do suporte do carretel e as duas placas do cubo do carretel
com uma camada de lubrificante de grafite seco, se o revestimento existente estiver
desgastado expondo o metal sem revestimento.

A cada seis meses (1000 horas de operação)


 Verifique o lubrificante da caixa de transmissão através da drenagem de uma amostra.
OBSERVAÇÃO: SE NÃO HOUVER NENHUMA DESCOLORAÇÃO OU
CONTAMINAÇÃO, NÃO HÁ A NECESSIDADE DE TROCAR O
ÓLEO.

PÁGINA 4-88
CARRETEL DE TUBULAÇÃO HYDRA RIG

 Algum pó metálico fino pode ser observado no óleo depositado sobre o bujão magnético. Se
isto se parece com tinta prateada, é devido à ruptura normal e desgaste, que avança com o
tempo. Limpe o bujão magnético. O óleo precisa ser trocado.
 Troque o óleo se parecer preto.
OBSERVAÇÃO: O ÓLEO SE TORNA PRETO A TEMPERATURAS ACIMA DE
149 °C POR UM LONGO PERÍODO DE TEMPO.
 Troque o óleo se já não estiver em sua cor natural (por exemplo, amarelo leitoso). Este é um
sinal de contaminação da água.
Todo ano (2000 horas de operação)
 Troque o óleo lubrificante de engrenagem na caixa de transmissão.
 Abra o cartucho de nivelamento de temporização que foi mais usado e verifique por uma
camada adequada de graxa em todos os componentes internos. Substitua a graxa antiga por
nova, se necessário.
OBSERVAÇÃO: MANTENHA O CARTUCHO (NO MÍNIMO) COM
APROXIMADAMENTE METADE CHEIO DE GRAXA.
OBSERVAÇÃO: SE UMA CAMADA ADEQUADA DE GRAXA NÃO FOR
ENCONTRADA EM TODOS OS COMPONENTES INTERNOS
DENTRO DESTE CARTUCHO, OUTROS CARTUCHOS DEVEM
SER ABERTOS.

CUIDADO
QUANDO REMONTAR OS CARTUCHOS CERTIFIQUE-SE DE QUE TODOS OS
COMPONENTES RETORNEM NA MESMA ORIENTAÇÃO EXATA QUE SAÍRAM OU A
TEMPORIZAÇÃO PODE SER PERDIDA.

Se o carretel não estiver em uso por um longo período de tempo

CUIDADO
NÃO DESCUIDE O CARRETEL, SE ELE ESTIVER INATIVO POR ALGUM TEMPO.
 Devido ao fato da graxa secar, reaplique uma camada protetora de graxa em todas as
superfícies expostas de lubrificação a cada seis meses, mesmo se a máquina não é utilizada
durante esse tempo.
 A “respiração”, devido às mudanças de temperatura, pode causar condensação dentro dos
rolamentos giratórios. Mesmo se não for usado, engraxe cada rolamento a cada seis meses.
OBSERVAÇÃO: SEMPRE GIRE O ROLAMENTO ALGUMAS VOLTAS PARA
REVESTIR TODAS AS SUPERFÍCIES COM GRAXA NOVA.

PÁGINA 4-89
CARRETEL DE TUBULAÇÃO HYDRA RIG

Substituição da bucha de bronze do carretel (Veja a Fig. 4-7)


O carretel Drop-In da Hydra Rig foi projetado com inserções de bucha de bronze substituíveis
onde o contato com o suporte do carretel ocorre. Elas são feitas de um rolamento de liga de
bronze de alta intensidade, alta resistência ao desgaste, o que proporciona muitas horas de
serviço. No entanto, depois de certo grau de desgaste, ocorrerá uma folga no carretel no eixo da
unidade de acionamento, e, por conseguinte, as buchas de bronze exigirão substituição. De
tempos em tempos, quando o carretel é removido do suporte, não há a necessidade de se fazer
uma verificação das buchas, como descrito nos seguintes parágrafos.
Passos para verificar desgaste na bucha
OBSERVAÇÃO: É MAIS FÁCIL DE MEDIR O DESGASTE COM AS
BUCHAS REMOVIDAS DO CARRETEL, MAS NÃO É
NECESSÁRIO. O CARRETEL DEVE SER REMOVIDO DO
SUPORTE DO CARRETEL PARA ESTA MEDIÇÃO SEJA
EFETUADA.
1. Coloque uma régua através da largura da bucha de bronze. (Veja a Fig. 4-7)
2. Com outra escala, medidor de profundidade, ou calibrador, meça a profundidade do
desgaste em sua parte mais profunda.
A. Se o desgaste for menor do que 1,5 mm, continue usando o carretel com a
inserção como está.
B. Se o desgaste é maior do que 1,5 mm, substitua as buchas de bronze por novas
removendo os seis parafusos do ressalto, segurando as metades das buchas de
bronze em seus lugares de montagem. As buchas realmente se encaixam com
folga no local.
3. Lubrifique as buchas antes de reinstalar o carretel no suporte. (Consulte a seção
“Programação periódica de manutenção e lubrificação” do manual ).

Fig. 4-7, Medição do desgaste da bucha de bronze

PÁGINA 4-90
CARRETEL DE TUBULAÇÃO HYDRA RIG
Montagem do suível articulado
O projeto do conjunto do suível Hydra Rig permite que o suível seja um componente de baixa
manutenção. Siga as instruções abaixo.
 Engraxe os rolamentos a cada 10 horas de operação.
 Desmonte o suível a cada 750 horas de operação e verifique por vazamentos pelo
orifício.
 Substitua as peças internas visivelmente desgastadas.
 Aperte as uniões do martelo após cada operação.
 Quando remontar o suível, substitua as vedações de face nas uniões do martelo.
 Ao bombear ácidos, utilize um inibidor. Use um neutralizador quando possível.
 Sempre drene o suível depois de completar sua operação para reduzir as chances de
corrosão.
 Quando remontar o suível, altere o bico de graxa. Inspecione todos os meses para
garantir que ele não foi danificado.

Inspeção de peças móveis internas e que contêm pressão


Mandril
 Inspecione por rachaduras (visual).
 Inspecione a superfície revestida por desgaste.
 Inspecione o diâmetro interno por corrosão.
 Sele a área do selo do eixo frontal do carretel.
 Procure por desgaste excessivo do mandril.

Alojamento da gaxeta
 Inspecione a área do diâmetro interno do retentor.
 Procure por corrosão no caminho do fluido.
 Inspecione a face da união 1502 (tipo) e suas roscas.
 Inspecione por desgaste anormal.
 Inspecione o anel de backup.
 Remova o par da união 1502 para uma inspeção completa.
 Verifique por condições anormais, como corte de fluido e corrosão.

PÁGINA 4-91
CARRETEL DE TUBULAÇÃO HYDRA RIG

CAIXA DO ROLAMENTO
 Inspecione a caixa de rolamento
 Inspecione a graxa da área do retentor.
 Limpe o orifício.
 Inspecione a área por desgaste no anel-O dos selos de extrusão dos anéis.
 Inspecione a aparência geral e verifique por corrosão.

Rolamento, anel de extrusão e retentor do mandril


 Inspecione por movimento excessivo nos rolamentos (movimento lateral).
 Verifique a aparência geral e procure por corrosão.
 Verifique o anel-O no anel de extrusão por ranhuras.
 Verifique o anel-O no retentor do mandril por ranhuras.
 Procure superfícies polidas tanto no anel de extrusão como no retentor do mandril
que podem ser sinais de desgaste.

Desmontagem do suível (suível de diâmetro interno 10K PSI 2”)


Remoção do suível do carretel de tubulação embobinada
ADVERTÊNCIA
GARANTA QUE TODAS AS PRESSÃO DO SISTEMA FORAM DRENADAS A
ZERO ANTES DE TENTAR REMOVER O SUÍVEL.

ADVERTÊNCIA
OS PRÓXIMOS QUATRO PASSOS REQUEREM QUE PESSOAS
ESCALEM DENTRO DO NÚCLEO DO TAMBOR. TODAS AS
PRECAUÇÕES DEVEM SER TOMADAS PARA GARANTIR QUE O
CARRETEL NÃO GIRE DURANTE ESTA OPERAÇÃO, COMO:
• TODA ALIMENTAÇÃO HIDRÁULICA PARA O CARRETEL SEJA
DESLIGADA (POR EXEMPLO,CORTE DE ALIMENTAÇÃO PARA O
ALOJAMENTO DE ENERGIA DO MOTOR ).
• FREIO DO CARRETEL ESTÁ "LIGADO"

• A VÁLVULA DO CIRCUITO DA UNIDADE DE ACIONAMENTO DO


CARRETEL ESTEJA NA POSIÇÃO CENTRAL (NEUTRO).
• INSTALE CORRENTES DE AMARRAÇÃO NO CARRETEL.

PÁGINA 4-92
CARRETEL DE TUBULAÇÃO HYDRA RIG
1. Remova a tubulação interna a partir da extremidade de saída do suível.
2. Remova o contra-pino da braçadeira de torque dentro do carretel e deslize a braçadeira
para fora da pequena junta “Thru-hub”. Certifique-se de guardar a braçadeira de torque
com o contra-pino em lugar seguro para que não seja perdida.
3. Desconecte o suível da pequena junta "Thru-hub" dentro do carretel.
4. Descarte o retentor facial instalado em cada conexão do suível.
5. Remova o suível do carretel abrindo a montagem do suível e suspendendo para fora.
6. Tenha a um lugar limpo e seco para continuar.

INVERTA ESTE PROCEDIMENTO PARA REINSTALAR O SUÍVEL NO CARRETEL.

Desmontagem do suível (diâmetro interno do suível de 2” 10K PSI) (Veja a


Fig. 4-8)
1. Prenda o corpo do suível em um torno de bancada.
2. Remova o conjunto de parafusos (item 12) do corpo do suível.
3. Remova o item 13 (bico de graxa).
4. Separe o suível de caixa de transmissão do alojamento da gaxeta do suível (item 2), rodando as
metades do corpo no sentido anti-horário
5. Remova o item 9 (selo da gaxeta), do ponto 2 (alojamento da gaxeta do suível).
6. SE SOMENTE O RETENTOR DA GAXETA ESTÁ SENDO SUBSTITUÍDO, INSTALE O NOVO
RETENTOR DA GAXETA NESTE MOMENTO E INICIE A REMONTAGEM. (Pule para a etapa
6 da próxima seção)
7. Remova o item 3 (anel de extrusão) do item 1 (mandril).
8. Remova o item 11 (anel-O) do item 5 (retentor do mandril).
9. Remova as duas peças do item 5 (retentor de mandril) duas peças (conjunto de fenda) do ponto 1
(mandril).
10. Remova o item 1 (mandril) da caixa de rolamentos.
11. Remova o item 7 e 8 (rolamentos) da caixa de rolamentos.
12. Remova o item 10 (selo) da caixa de rolamentos.
13. Limpe todas as peças com um solvente de limpeza à base de petróleo. Remova toda a graxa e óleo
de todas as partes.

PÁGINA 4-93
CARRETEL DE TUBULAÇÃO HYDRA RIG

Fig. 4-8, Montagem do suível de diâmetro interno 10K PSI 2”

PÁGINA 4-94
CARRETEL DE TUBULAÇÃO HYDRA RIG

Montagem do suível (diâmetro interno do suível de 2” 10K PSI)


(Veja a Fig. 4-8)
OBSERVAÇÃO: ANTES DE INSTALAR O RETENTOR NO ALOJAMENTO,
MEÇA O EMPILHAMENTO E CERTIFIQUE-SE QUE A
DIMENSÃO SEJA DE 64 +/- 0,635 MM.
A FAIXA DE TEMPERATURA DA GAXETA DO SUÍVEL É DE 177 ºC.

Assim que todas as peças de reposição forem obtidas e antes da remontagem, use um filme leve
de graxa multi-uso para lubrificar todas as peças internas antes da montagem. Use uma leve
camada de graxa marinha de alta pressão entre e ao redor de cada peça da gaxeta antes de
instalar e garantir que você empilhe novamente a gaxeta na ordem correta (Veja Fig. 4-9).
Certifique-se que as pilhas de retentores estejam na seguinte ordem com o ponto "V" dos
retentores apontando para cima.
O adaptador macho sempre vai para a parte inferior do alojamento da gaxeta, e situa-se no anel
de apoio. Após a limpeza e inspeção do suível e todas as partes ruins forem substituídas, utilize
os seguintes passos para remontar o suível.

Fig. 4-9, Organização da gaxeta do suível

PÁGINA 4-95
CARRETEL DE TUBULAÇÃO HYDRA RIG

1. Insira o item 10 (selo de graxa) no alojamento do rolamento.


2. Insira o item 7 e 8 (rolamentos) no alojamento do rolamento.
3. Insira o item 1 (mandril) no alojamento do rolamento.
4. Instale o item 5 (retentor do mandril) sobre o item 1 (mandril) e instale o item 11
(anel-O) sobre o item 5 para segurá-lo no lugar.
5. Instale o item 3 (anel de extrusão) e coloque sobre o item 1 (mandril) e empurre
para o lugar dentro de caixa de rolamentos.
6. Instale o item 9 (selo da gaxeta) no item 2 (alojamento da gaxeta) garantindo
que tem fundo para fora completamente.
7. Rosqueie o conjunto do alojamento de rolamento no alojamento do retentor do
selo (item 2)
8. Gire este conjunto com a mão no sentido horário até que ele pare.
9. Complete a remontagem, girando o conjunto da caixa de rolamento até que o
orifício do parafuso de fixação esteja alinhado para a instalação do parafuso de
fixação.
10. Instale o item 12 (parafuso de ajuste) no item 2 (caixa de rolamento) e instale o
item 13 (bico de graxa). Abasteça com graxa até que ela comece a aparecer
através do item 10 (selo de graxa).
11. Consulte o procedimento de teste para garantir o processo de remontagem foi
concluído corretamente.
Contador

Lubrificação
 Engraxe os rolamentos esféricos da roda guia.
 Revista todos os parafusos com rosca e hastes com anticorrosivo.
 Lubrifique todos os pinos da dobradiça com spray lubrificante.
 Lubrifique a corrente da unidade de acionamento com óleo para engrenagem peso
90.
OBSERVAÇÃO: Deve-se ressaltar que a limpeza de todas as peças ou componentes
antes da inspeção fará com que o trabalho seja mais fácil e reduzirá a chance de
contaminação hidráulica.

Inspeção
 Verifique todos os rolamentos selados por vazamento da vedação de graxa.
 Verifique todas as buchas por desgaste excessivo.
 Verifique todas as conexões por parafusos de fixação soltos.

PÁGINA 4-96
CARRETEL DE TUBULAÇÃO HYDRA RIG
 Verifique a borracha da unidade de acionamento nos acoplamentos Lovejoy.
 Verifique a roda do contador por ranhuras.
 Verifique a tensão da mola na roda do contador para garantir que ela esteja fazendo
um bom contato com a tubulação.
 Verifique todas as ferragens conectadas (como porcas, parafusos) por aperto. Aperte
conforme necessário, mas não em demasia.
 Garanta que todos os anéis trava estejam no lugar.

Limpeza
Precauções
As precauções relacionadas com a limpeza do sistema e seus componentes devem ser seguidas.
As precauções específicas que acompanham as soluções de limpeza e solventes devem ser
seguidas. As seguintes precauções são padrão para o sistema e devem ser sempre observadas
quando a limpeza for necessária.
 Use equipamento de segurança adequado ao utilizar solução de limpeza, solventes e ar
comprimido.
 Sempre siga as advertências específicas que se aplicam a sabões e solventes.
 Providencie ventilação adequada ao usar solventes. Evite a respiração prolongada de
vapores e contato com a pele. Saiba o que fazer se algumas pessoas tornam-se mais
expostas a solventes.
 Quando se utiliza solventes, sempre mantenha esses itens à distância de qualquer
fonte de chamas, faíscas ou calor. Não deixe nenhum recipiente aberto. Estas
substâncias podem inflamar-se ou formar gases nocivos quando aquecidas.

Procedimentos
A limpeza do sistema e os seus componentes pode requerer métodos diferentes, dependendo do
tipo de peça e do grau de contaminação. Vários componentes e os métodos de limpeza são os
seguintes.
 Sistema - a limpeza geral do sistema deve ser feita com um sabão suave. Limpe,
usando métodos de limpeza convencionais. Depois de lavar, enxaguar de forma
abundante todas as áreas afetadas com água. Deixe secar ao ar e limpe com um
pano limpo sem fiapos.
 Peças Elétricas - limpe componentes elétricos utilizando uma escova de aço e ar
comprimido seco. Em algumas circunstâncias, os contatos podem exigir o uso de uma
lixa de grau leve para remover a corrosão.

PÁGINA 4-97
CARRETEL DE TUBULAÇÃO HYDRA RIG

Solução de problemas
Em muitos casos, um componente ou sistema pode desenvolver um problema para o qual não
existe qualquer causa clara imediata. Às vezes uma mudança pode ter sido feita (por exemplo, o
cabo da válvula foi movido) e não foi comunicado ao operador seguinte. Recomenda-se, para
evitar desmontagem desnecessária, que sejam realizados os seguintes procedimentos para tentar
isolar a parte do circuito onde o problema ocorre. Ao fazer isso, você pode conseguir localizar e
resolver o problema. Reveja a seção Resumo da segurança deste manual para solução de
problemas. Estes procedimentos são os seguintes
1. Opere o sistema ou circuito para garantir que o problema existe.
2. Verifique o nível do óleo no reservatório hidráulico para garantir que esteja cheio de
fluido e os filtros não estão entupidos.
3. Verifique o circuito ou componente para evidência de vazamentos, vazamentos de
ligações e danos óbvios (tais como peças dobradas/quebradas, mangueiras pinçadas).
4. Verifique a operação de todas as alavancas das válvulas e botões de ajuste.
5. Verifique se todas as mangueiras estão montadas corretamente para a unidade de
alimentação. Ao fazer esta verificação, verifique também para garantir que os
engates rápidos não estão conectados. Esta é uma ocorrência comum com conexões
de mangueiras que contêm válvulas de retenção. Muitas vezes, esta pode ser a causa
de um sistema ou componente parecem não estar a recebendo o fluxo hidráulico.
OBSERVAÇÃO: Deve-se ressaltar que a limpeza de todas as peças ou
componentes antes da inspeção fará com que o trabalho seja mais
fácil e reduzirá a chance de contaminação hidráulica.

Se os procedimentos acima, não fornecem uma resposta, a etapa seguinte será,


provavelmente, para determinar se a unidade de alimentação ou o circuito externo está com
falha. Isso geralmente é uma boa abordagem, quando uma perda de pressão e/ou fluxo está
sendo investigado. Continue desconectando as mangueiras para esse sistema a partir da
unidade de alimentação e veja se uma pressão de cabeça morta pode ser formada através da
válvula de alívio na unidade de alimentação. Se a mesma pode, o problema é mais provável
de ser externo, na unidade de alimentação.

PÁGINA 4-98
HYDRA RIG PB

Lista expandida de peças


(Quando solicitar quaisquer peças, certifique-se de incluir o número
do serviço deste manual localizado na capa deste manual.)
Esta lista expandida é usada para solicitações, emissão e identificação de peças. Pode ser
útil para ilustração da relação de montagem e desmontagem de peças de conjuntos de
peças.
OBSERVAÇÃO: A visão de ilustrações de conjuntos do nível superior pode não refletir
a última revisão. A fatura de materiais reflete a última revisão.

Lista de peças de manutenção


As listas de peças de manutenção servem a conjuntos e subconjuntos principais.
Para auxiliar na identificação por aparência, algumas peças na lista são colocadas em uma
ilustração de vista explodida. Cada conjunto principal é seguido imediatamente pela lista
de seus componentes ou peças detalhadas que pretende mostrar a relação da peça com o
conjunto e a sequência recomendada para desmontagem.
Peças componentes do sistema que não sejam inclusas em qualquer montagem principal,
mas que são usadas em conjunto com, uma parte de, ou anexadas à montagem principal,
são listadas juntas com o conjunto.
Como usar a lista expandida de peças
1. Quando o número da peça não for conhecido, prossiga como segue:
a. Determine a função e aplicação da peça necessária.
b. Volte-se ao índice e selecione o título mais apropriado. Volte-se à página indicada
e localize a peça desejada na ilustração.
c. A partir da ilustração, obtenha o número de índice designado à peça desejada.
Consulte a descrição acompanhante para informações específicas sobre a peça.
2. Quando o número da peça for conhecido, prossiga como segue:
a. Quando o número da peça for conhecido, consulte os índices numéricos (quando
estiver presente). Localizar o número da peça e observe a figura e número de
índice designado à peça.
b. Volte-se à figura indicada e localize o número de índice referido no índice
numérico.
c. Para uma ilustração de uma peça ou sua localização, consulte o mesmo número de
índice na ilustração acompanhante.

PÁGINA 2-7
HYDRA RIG PB

Símbolos e abreviações
Símbolos e abreviações utilizadas nesta lista expandida de peças são os seguintes:
BRS Latão
COP Cobre
DIA Diâmetro
FT Pé/pés
IN Polegada/polegadas
LB Libras/libras
NPT Rosca americana cônica para tubos
DE Diâmetro externo
PSIG Medidor de libras por polegada quadrada
REF Referência
UNC Rosca unificada grossa
= Item alternativo

2-85-2
PÁGINA
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CD483147 PLATAFORMA 263FT INJ PWR CARRETEL MANGUEIRA SOLDA
2 1 CD483156 CARRETEL 70 DE X 7 FW X 33 NÚCLEO SOLDA
3 1 HHA10817 ADAPT. ORIFÍCIO 0,062-0,38MJIC-0,38FJIC
4 4 BFN00035 PORCA HX STD 0,63-11UNC A563
5 1 CC472386 PROTEÇÃO 96T RODA DENTADA PWR CARRETEL MANGUEIRA
SOLDA
6 2 CC460254 TAMPA
8 1 HHD24002 CPLG QD 1,50FNPT CPLR
9 1 HHD24004 BUJÃO DE PROTEÇÃO -24 QD CPLR HYD INC
10 1 HHD24001 CPLG QD 1,50FNPT NIP
11 1 HHD24003 TAMPA DE PROTEÇÃO -24 QD NIP HYD INC
12 1 HMV00030 MOTOR VANE 18,67CUI (CONSULTE OS MANUAIS DE SERVIÇO)
13 2 HHS00022 SUÍVEL EM LINHA 5000PSI 1,50MP-MP
14 2 TBP00003 ROLAMENTO ALMOFADA FURO 2,438
15 10 BFS00004 SCR SLFTPG #10-24UNC 0,50
16 1 CD463628 INSTL VÁLVULA TRÊS-BANCOS CARRETEL MANGUEIRA AQ5600
17 1 TDS00267 RODA DENTADA 96 DENTES FURO 2,436 0,25 KWY "T
18 1 TDS00013 RODA DENTADA 14 DENTES FURO 1,00 0,25 KWY
19 1 TDR00172 CORRENTE #50-1 X 108P COM HASTE DE CONEXÃO RVTD
20 *1 CA980071 TESTE OPERACIONAL TESTE HIDROSTÁTICO
21 4 BFW00037 ARRUELA PL TIPO B SÉRIE R 0,63 STL
22 4 BFW00007 ARRUELA DE PRESSÃO SPLIT 0,63 STL
23 2 HHA20039 ADAPT. 0,50MNPT-0,38MJIC 90
24 2 BFC00004 HHCS 0.25-20UNC X 0.75 A449
25 2 BFW00001 ARRUELA DE PRESSÃO 0,25 STL
26 4 BFC00035 HHCS 0,38-16UNC X 1,00 A449
27 4 BFW00003 ARRUELA DE PRESSÃO 0,38 STL
29 4 BFC00104 HHCS 0,63-11UNC X 2,75 A449
31 2 BCC00002 PASSADEIRA 12,00 TIPO 3
32 2 BPL00004 PINO TRAVA 0,38 X 1,75 GRIP

* ITEM NÃO EXIBIDO

Fig. 5.2-1A, 263’ Montagem carretel de mangueira da tampa de alimentação, CD463593C


PÁGINA 5-4
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
1 1 CD483161 PLATAFORMA CARRETEL DEZESSEIS PORTAS 29 X 59 DIA SOLDA
2 1 CD472413 SUPORTE CUBO DEZESSEIS PORTAS MONT. MOTOR MÁQUINA

3 1 CD472442 SUPORTE CUBO DEZESSEIS PORTAS CARRETEL 29 X 59 MÁQUINA

4 1 CD483160 CARRETEL 29 X 59 DIA DEZESSEIS PORTAS SOLDA

5 1 CC463704 MONT. RODA DENTADA 72T 50 PASSO RAIADO

6 1 CB463702 MONT. MOTOR HID 72T CARRETEL DE MANGUEIRA SOLDA

7 1 CD463703 ESPEC MOTOR DUPLO CARRETEL DE MANGUEIRA SVL DEZESSEIS PORTAS 5K

8 34 HHA60048 ADAPT. 0,38FJIC CAP

9 1 CC472428 PROTEÇÃO ACIONAMENTO CARRETEL DE MANGUEIRA MOTOR DUPLO FAB

10 2 HMG00079 ENGRENAGEM MOTOR 1,00-6B CHAVETA EIXO "T"

11 2 CB410458 MÓD RODA DENTADA TREZE DENTES

12 4 HHA10052 ADAPT. 0,50MNPT-0,38MJIC

13 1 HHA10699 ADAPT. ORIFÍCIO 0,042-0,50NPT LATÃO

14 8 BFC00036 HHCS 0,38-16UNC X 1,25 A449

15 8 BFW00003 ARRUELA DE PRESSÃO 0,38 STL

16 1 HHA10574 ADAPT. 0,13MNPT-0,13FNPT

17 12 BFC00069 HHCS 0,50-13UNC X 1,75 A449

18 16 BFW00005 ARRUELA DE PRESSÃO 0,50 STL

19 12 BFN00033 PORCA HX STD 0,50-13UNC A563

20 6 BFC00233 SHCS 0,50-13UNC X 1,50 A574

21 6 BFW00015 ARRUELA DE PRESSÃO GROSSA 0,50 STL

22 15 HHA10141 ADAPT. 0,38MJIC-0,38MOR

23 15 HHA20123 ADAPT. 0,38MJIC-0,38MOR 90

24 2 HHA60090 BUJÃO ADAPTADOR 1,00MOR HX SKT HD

25 3 BFC00002 HHCS 0,25-20UNC X 0,50 A449

26 9 BFW00001 ARRUELA DE PRESSÃO 0,25 STL

27 2 BFC01198 CHAVE DE FENDA #4 X 0,25 18-8 SS "T"

28 12 BFW00035 ARRUELA PL TIPO B SÉRIE R 0,50 STL

29 4 HHA20424 ADAPT. 0,63MOR-0,50FNPT 90

30 1 CB462136 RÓTULO AJUSTE ACIONAMENTO DO CARRETEL


7
31 1R HSX00217 CONJUNTO JUNTA DEZESSEIS PORTAS CARRETEL DE MANGUEIRA "T"
7
32 1R CA402119 PROCEDIMENTO RECUPERAÇÃO DEZESSEIS PORTAS SUÍVEL
8
33 2R CB462237 JUNTA CARRETEL DE MANGUEIRA DEZESSEIS PORTAS MÁQUINA

34 1 HHA60001 BUJÃO ADAPTADOR 0,13MNPT

35 1 HHA30010 ADAPT. 0,13MNPT-0,25MJIC 45

36 1 HHA60015 ADAPT. 0,25FJIC CAP

37 1 CB472427 PROTEÇÃO/MONTAGEM PLACA SOLDA

38 1 CB463701 PRESILHA MOTOR 29 X 59 MONT. CARRETEL

39 4 BFC00074 HHCS 0,50-13UNC X 3,00 A449

Fig. 5.2-2A, Conjunto carretel de mangueira, CE463688B (folha 1 de 2)


PÁGINA 5-6
ITEM QTDE. Nº DE PEÇA DESCRIÇÃO
40 6 BFC00005 HHCS 0,25-20UNC X 0,88 A449
41 6 BFW00121 ARRUELA PL TIPO A SÉRIE W 0,25 STL

* ITEM NÃO EXIBIDO

Fig. 5.2-2A, Conjunto carretel de mangueira, CE463688B (folha 2 de 2)

OBSERVAÇÕES:
1 APLIQUE TORQUE A ESTES PARAFUSOS (1/2-13UNC SHCS) A 113 PÉS-LB.
2 APLIQUE TORQUE A ESTES PARAFUSOS (1/2-13UNC SHCS) A 70 PÉS-LB.
3 APLIQUE TORQUE A ESTES PARAFUSOS (3/8-16UNC SHCS) A 30 PÉS-LB.
4
5
6
7 ITEM NÃO MOSTRADO.
8 ITEM FORNECIDO COM O CONJUNTO DO SUÍVEL.

PÁGINA 5-7
CONJUNTO DE MANGUEIRAS BOP HR PARA HYDRA-CON FP 263'

Observações padrão: (Aplicável para todas as mangueiras na lista) Abreviações


Desconexão rápida Tamanho Conexões da
extremidade
Observações especiais: (Aplicável somente às mangueiras indicadas) AQ = Aeroquip -4 = 1/4" Gêneros:
Hyd Inc = Hydraulics Inc. -6 = 3/8" M = Macho
MANGUEIRAS PARA NÚMEROS DE SÉRIE ÚNICOS E CONFIRMAÇÃO DE Snap = Snaptite -8 = 1/2" F = Fêmea
-10 = 5/8"
RASTREABILIDADE -12 = 3/4" SAE = Anel-O SAE
-16 = 1" FFOR = Anel-O de face plana
-20 = 1-1/4" SF = Flange da fenda
Contorno da mangueira: N/A -24 = 1-1/2"
-32 = 2"
-48 = 3"

3 2 EA HHF24006 FTG -6 MNPT, STR G2


2 2 EA HHF00094 FTG -6 FJIC SVL, STR
1 526 FT HHH00046 MANGUEIRA -6G2 0,38 DI 48
Rev Item Qtde UM Número de peça Descrição

Fig. 5.2-3, Carretel de mangueira BOP para Conjunto de mangueiras Hydra-Con FP, CA463732A (folha 1 de 2)

PÁGINA 5-9
CONJUNTO DE MANGUEIRAS BOP HR PARA HYDRA-CON FP 263'

Man Etiqu Adaptador da  Extremidade  Extremidade  Adaptador da 


Alt.  gueir eta  Mangu Compriment Comprim Extremidade  extremidade  A  B  extremidade  Extremidade  Mangueira à 
rev.  a Nº  nº  eira  o de corte ento final  Tampa/bujão A QD  A  Conexões  Conexões  B  B QD  Tampa/bujão Descrição do roteamento  prova de fogo
3152 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 MNPT, SUPRIMENTO DE
1 306 6G2 3156,00
pol. Str#2 Str#3 CONECTORES HYDRA-CON
3152 - 1/2 -6 FJIC Svl, -6 MNPT, SUPRIMENTO DE TRAVAS DE
2 307 6G2 3156,00
pol. Str#2 Str#3 SEGURANÇA HYDRA-CON

Fig. 5.2-3, Carretel de mangueira BOP para Conjunto de mangueiras Hydra-Con FP, CA463732A (folha 2 de 2)

PÁGINA 5-10
HYDRA RIG

FORMULÁRIO DE SOLICITAÇÃO DE PEÇAS

(Quando solicitar quaisquer peças, certifique-se de incluir o número


do serviço deste manual localizado na capa deste manual.)

CLIENTE:________________________________DATA________________
CONTATO________________________________SERVIÇO
Nº.________________

NÚMERO DE DESCRIÇÃO QUANTIDADE


PEÇA SOLICITADA

HYDRA RIG. TELEFONE: (817) 985-5000 FAX: (817) 985-5297

Você também pode gostar