Você está na página 1de 8

EXPERIMENTO 4: CONSERVAÇÃO DA MASSA

OBJETIVO: Aplicar a equação da Conservação da Massa para um volume de controle


constante e avaliar a vazão ao longo do tempo.

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL:
1. Completar o reservatório com água até altura de 0,21m indicada pelo marcador.
2. Abrir a válvula de bloqueio e acionar o cronômetro.
3. Registrar na tabela o tempo total (t) indicado pelo cronômetro quando o nível de água
atingir as alturas (y) apresentadas na tabela.

OBSERVAÇÕES:
Largura do reservatório: 20x20 cm.
Diâmetro do orifício: 3 mm.

REGISTRO DAS MEDIÇÕES:

ALTURA (m) TEMPO (s)


0,21 0
0,205 18,2
0,2 36,8
0,195 56,6
0,19 75,2
0,185 95
0,18 114,8
0,175 136,4

PROCEDIMENTOS PARA A ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO:

1. Aplicar a equação da conservação da massa na forma integral e obter uma expressão


para o tempo, t, em função da altura, y (eixo vertical), para a drenagem do
reservatório. Assuma que a velocidade do líquido através do orifício é dada
0.5
aproximadamente por𝑉 = (𝐶 1
. 𝑦) .

Primeiramente consideramos algumas hipóteses para começar esse trabalho, sendo


elas a de velocidade uniforme, regime transiente e fluido incompressível. Em seguida
é feita a definição do volume de controle.

Figura 1 Volume de Controle


Equação da conservação da massa para o volume de controle (VC):

𝑑
0= 𝑑𝑡
∫ ρ𝑑𝑣 + ∫ ρ𝑉𝑑𝐴 (1)
𝑣𝑐 𝑣𝑐

A densidade e a velocidade são constantes.

𝑑𝑉 𝑑𝑉 𝑑𝑦
𝑑𝑦
+ ∫ 𝑉𝑑𝐴 = 𝑑𝑦
. 𝑑𝑡
+ 𝑉. 𝐴 0
= 0 (2)
𝑣𝑐

Sendo 𝑉 = 𝑦 . 𝐴𝑡, temos:

𝑑𝑉 = 𝐴𝑡 𝑑𝑦 (3)

Com (2) e (3) encontramos:

𝐴𝑡 . 𝑑𝑦 = − 𝑉. 𝐴 0
. 𝑑𝑡 (4)

1/2
Substituindo V com 𝑉 = (𝐶1 . 𝑦) , igualando as integrais e isolando t:

𝑦 𝑡
𝐴𝑡
∫ 1/2 1/2 . 𝑑𝑦 = − ∫𝐴 0
.t
𝑦0 (𝐶1 . 𝑦 ) 0

1/2 1/2
2(𝑦0 − 𝑦 ).𝐴 𝑡
𝑡= 1/2 (5)
𝐶1 .𝐴 0

2. Admita, por hipótese, que a altura y(t) varia na forma:


1/2 1/2
𝑦 0
−𝑦 = 𝐶 2
.t

sendo yo é o nível da água no tempo t = 0. Com base nos valores de y e t obtidos


1/2 1/2
experimentalmente, faça um gráfico de 𝑌 = 𝑦 0
−𝑦 como função de X = t. O
formato do seu gráfico confirma a hipótese sobre a função y(t)? Em caso afirmativo,
utilize uma regressão linear e estime o valor de C2. (Dica: Recomendo usar um
programa computacional, como Excel). Mostre como C2 se relaciona com C1 e
obtenha o valor de C1.

Sendo 𝑌 = 𝐶2 . 𝑡 , então:

𝑌
𝑡= 𝐶2
(6)

Utilizando (5) e (6) encontramos:

1/2 1/2
𝑌 2(𝑦0 − 𝑦 )
𝐶2
= 1/2
𝐶1 .𝐴 0

2 . 𝐶2 2
𝐶1 = ( . 𝐴 𝑡
) (7)
𝐴 0

Tabela e gráfico dos valores obtidos:

1/2
X (𝑚 ) Y (s)
0 0
18,2 0,005488
36,8 0,011044
56,6 0,01667
75,2 0,022368
95,0 0,028141
114,8 0,033994
136,4 0,039928
−4 1/2
Então o 𝐶2 = 2, 94 . 10 𝑚 /s.

Valores de 𝐴 0
e𝐴 𝑡
:

2
𝐴 𝑡
= 0, 2 . 0, 2 = 0, 4 𝑚 (8)

π −3 2 −6 2
𝐴 0
= 4
. (3 . 10 ) = 7, 0686 . 10 𝑚 (9)

Usando (7), (8), (9) e C2:

−4
2 . 2,94 . 10 2 1/2
𝐶1 = ( −6 . 0, 4) = 11, 53 𝑚 /𝑠 (10)
7,0686 . 10

3. Utilizando a expressão obtida no Item (1) e o valor de C1 determinado no Item (2),


determine o tempo teórico (t teórico) para a redução do nível de água considerando os
mesmos valores de y utilizados no experimento.

Utilizando (5), (8), (9) e (10) encontramos o tempo teórico:

Altura (m) Tempo Teórico (s)


0,210 0
0,205 18,292824
0,200 36,810126
0,195 55,560377
0,190 74,552597
0,185 93,796402
0,180 113,302063
0,175 133,080571

4. Elabore um gráfico do tempo (t) em função da altura (y) para os valores experimentais
e os valores teóricos obtidos no Item (3). Adicione estas duas curvas no mesmo
gráfico. Discuta os resultados.

As curvas apresentadas possuem resultados muito parecidos e sua variação só começa


a aumentar quando passa muito tempo, então podemos considerar que as medidas
experimentais e teóricas estão no caminho correto.

5. Utilizando os valores experimentais, calcule o volume de água drenado (Vd) para


cada instante de tempo e adicione os resultados na tabela.

Utilizando (8) e sendo Vd:

𝑉 𝑑
= |||𝐴 𝑡
. (𝑦 − 𝑦 0)||| (11)

3
Tempo (s) Volume Drenado (𝑚 )
0 0
18,2 0,0002
36,8 0,0004
56,6 0,0006
75,2 0,0008
95,0 0,0010
114,8 0,0012
136,4 0,0014

6. Utilizando novamente os pontos medidos e disponíveis na tabela experimental,


obtenha uma estimativa da vazão volumétrica na saída do tubo usando a aproximação
em diferenças finitas,

𝑖+1
𝑉 𝑑
−𝑉 𝑑
𝑄̇ 𝑎𝑝
= ∆𝑡

em que o subscrito i representa um determinado instante de tempo no qual foram


medidos os valores de volume drenado.

3
Tempo (s) Vazão Volumétrica (𝑚 /𝑠)
0 -
18,2 0,000010989
18,6 0,000010753
19,8 0,000010101
18,6 0,000010753
19,8 0,000010101
19,8 0,000010101
21,6 0,000009259

7. Sabendo que o volume restante no recipiente (Vr) obedece à seguinte relação:

Vr = Vo - Vd

Faça o ajuste da função polinomial,

2 3
𝑉 𝑟
= 𝑎 + 𝑏𝑡 + 𝑐𝑡 + 𝑑𝑡

sobre o conjunto de dados medidos. Obtenha os valores das constantes a, b, c e d.

Utilizando (8) e sendo Vo:

3
𝑉 0
= 𝐴 𝑡
. 𝑦 0
= 0, 04 . 0, 21 = 0, 0084 𝑚 (12)
3
Tempo (s) Volume Restante (𝑚 )
0 0,0084
18,2 0,0082
36,8 0,0080
56,6 0,0078
75,2 0,0076
95,0 0,0074
114,8 0,0072
136,4 0,0070

−3 −5 10 −11
Então 𝑎 = 8, 4 . 10 , 𝑏 = − 1, 08 . 10 , 𝑐 = 2, 77 . 10 e 𝑑 = 2, 52 . 10 ,
com isso encontramos:

−3 −5 10 2 −11 3
𝑉 𝑟
= 8, 4 . 10 − 1, 08 . 10 . 𝑡 + 2, 77 . 10 . 𝑡 + 2, 52 . 10 . 𝑡 (13)

8. Mostre que, pela conservação da massa, a vazão de saída é dada por

𝑑𝑉 𝑟
𝑄̇ 𝑎𝑗
= − 𝑑𝑡

A partir da função polinomial, obtenha uma equação para 𝑄̇ 𝑎𝑗.

Sendo que:
𝑄̇ = ∫ 𝑉𝑑𝐴 (14)

Utilizando (2) e (14) temos que:

𝑑𝑉 𝑑𝑉 𝑟
𝑄̇ = − 𝑑𝑦
, então 𝑄̇ 𝑎𝑗
= − 𝑑𝑡
(15)

Derivando (12):

𝑑𝑉 𝑟 −5 −10 −11
𝑄̇ 𝑎𝑗
= − 𝑑𝑡
= 1, 08 . 10 − 5, 54 . 10 . 𝑡 − 7, 56 . 10
(16)

Você também pode gostar