Você está na página 1de 5

Departamento de Ciências Jurídicas

Curso de Direito

PRÁTICA PROCESSUAL PENAL


EXERCÍCIO PRÁTICO N. 05
RECURSO

Como advogado do réu, elabore o recurso cabível contra a sentença abaixo


proferida.

Processo n. 1234/2008
Ação penal pública
Autor: MPF
Réu: TÍCIO MANUELINO

SENTENÇA

DIREITO PENAL. ESTELIONATO CONTRA A CAIXA


ECONÔMICA FEDERAL (CP, 171, §3º). Entidade de
economia popular. Precedentes do STJ. Autoria e
materialidade comprovadas. Confissão espontânea.
Impossível atenuação da pena abaixo do mínimo legal.
Substituição da pena privativa de liberdade por restritiva
de direito e multa indeferida. Procedência da pretensão
punitiva.

RELATÓRIO

Trata-se de AÇÃO PENAL PÚBLICA promovida pelo MINISTÉRIO


PÚBLICO FEDERAL contra TÍCIO MANUELINO, já devidamente qualificado nos
presentes autos, dando-o a peça denunciativa como incurso no art. 171, § 3º, do
Código Penal brasileiro.

Consta da denúncia (f. 03-8) que MÉVIA LILICA havia promovido,


juntamente com outros servidores, a reclamação trabalhista n. 432/93 perante a vara
única do trabalho de MONTEIRO/PB, com o objetivo de auferir repercussão
financeira de 26,05% decorrente de planos econômicos do governo federal, tendo a
demanda sido julgada procedente e expedido o respectivo precatório. No que dizia
respeito à sua cota-parte, o valor de R$ 20 mil fora devidamente resgatado.

Ocorre que, em meados de junho de 2005, aquela senhora tomou


conhecimento de que seu sindicato havia movido como substituto processual dos
Departamento de Ciências Jurídicas
Curso de Direito

servidores (inclusive ela), uma outra reclamação com objeto idêntico. Uma vez que
fora procedente a demanda, os valores devidos a cada substituído lhes estariam
disponíveis na conta n. 999-9, agência n. 99, da CAIXA. A referida senhora
informou, contudo, que não receberia esse dinheiro por já havê-lo recebido em
decorrência da ação por si ajuizada individualmente.

Ocorre que, no exercício de 2007, fora incluída na “malha fina” da


Receita Federal por não ter declarado o recebimento dos valores referidos no
parágrafo anterior. Ao procurar informações junto à CAIXA, descobriu que o acusado
TÍCIO MANUELINO, funcionário do sindicato, sacou, em 23/01/2006, a importância
de R$ 20 mil que estava creditada em nome da Sra. MÉVIA LILICA em decorrência
da ação coletiva. Para tanto, diz a denúncia que o acusado utilizou-se de um
instrumento procuratório grosseiramente falsificado, inclusive com um selo do
cartório Álvares de Azevedo referente a “registro de títulos ou registro de pessoas”,
datado de 09/01/2006. O MPF pediu, assim, a condenação do acusado como
incurso no art. 171, §3º, do CP.

Denúncia recebida em 10/07/2009 (f. 10).

TÍCIO MANUELINO apresentou sua defesa (f. 16-30), sustentando que


fora dependente químico de “crack”, o que lhe teria causado imensos prejuízos de
ordem familiar e social. Após alguns meses em uma clínica de reabilitação na cidade
de Campina Grande/PB, retornou ao convívio da sociedade e hoje é uma pessoa
religiosa, voltada para a família, desenvolvendo atividades de colaboração social na
comunidade em que vive. Pugnou pela concessão da suspensão condicional do
processo (art. 89 da Lei n. 9099/95). Salientou seus bons antecedentes e sua boa
conduta social. Indicou quatro testemunhas e juntou documentos.

Em audiência, foram ouvidas testemunhas, bem como interrogado o


acusado TÍCIO MANUELINO (f. 77-81).

As partes, ainda em audiência, registraram nada haver a requerer


como diligências complementares e apresentaram suas alegações finais oralmente,
para registro no termo.

O MPF sustentou ter ficado provada a materialidade e a autoria do fato,


pedindo a condenação do acusado, levando-se em conta as atenuantes que
menciona e que entende faria jus o réu.

A defesa, de sua parte, salientou a confissão do acusado e pediu a


substituição de eventual pena privativa de liberdade por restritiva de direitos,
considerando-se também as atenuantes previstas nos arts. 66 e 65 do CP.

Autos conclusos para julgamento.

Brevemente relatados.

DECIDO.
Departamento de Ciências Jurídicas
Curso de Direito

FUNDAMENTAÇÃO

Não havendo preliminares a decidir, passo ao mérito.

O MPF atribui ao acusado a prática do crime previsto no art. 171, §3º,


do Código Penal, imputando-lhe a conduta de haver recebido a quantia de R$ 20 mil
em nome de MÉVIA LILICA em data de 23/01/2006, utilizando-se para isso de um
instrumento procuratório grosseiramente falsificado, fazendo incidir em erro a
CAIXA, obtendo assim, em prejuízo dessa última, proveito patrimonial ilícito.

O fato em si não foi negado pelo acusado, seja na fase inquisitorial,


seja na fase judicial. Acrescentou apenas que assim agiu em razão de sua condição
de dependente químico usuário de crack, de modo que praticou o fato para saciar
seu vício em relação ao entorpecente. Após sua reabilitação, passou a ter boa
conduta social, inclusive mediante a prestação de trabalho comunitário, atuando
como educador social.

Eu audiência, a testemunha CARLA CARLOTA JOAQUINA afirmou


conhecer o acusado como uma boa pessoa, bom pai de família, profissional
dedicado e de bom trato social. Sobre o fato denunciado, disse ter ouvido falar que o
acusado recebeu um dinheiro indevidamente por motivo de drogas, salientando
acreditar que, nessa época, o acusado ainda estava envolvido com drogas.

A testemunha MARY MARICOTA FELISMINA afirmou ter


conhecimento de que o acusado desenvolve um trabalho voltado aos meninos de
rua. Tem conhecimento de que o acusado freqüenta um grupo destinado a
recuperados da dependência química. Sobre o fato denunciado, disse nada ter
conhecimento.

Sendo assim, parece-me ter ficado suficientemente demonstrada a


materialidade e a autoria do fato narrado na denúncia. Outrossim, a confissão
espontânea do acusado não deve ser admitida, pois não me pareceu que tenha sido
sincera, sugerindo que a confissão tem como objetivo exclusivamente a obtenção do
benefício do CP, art. 65, III, “d”.

Passo à fixação da pena.

FIXAÇÃO DA PENA

Examinando as circunstâncias judiciais do art. 59 do CP e levando em


conta os limites abstratos previstos para o art. 171, caput, do CP, fixo a pena-base
em 2 (dois) ano de reclusão.

Não encontro qualquer circunstância agravante aplicável ao caso, de


modo que, nessa fase, não pode haver qualquer aumento. Embora reconheça que o
Departamento de Ciências Jurídicas
Curso de Direito

réu confessou espontaneamente, entendo que não se aplica a atenuante porque sua
confissão não pareceu sincera. Em razão disso, mantenho a pena-base.

Por fim, observo que se aplica ao caso em questão a causa especial de


aumento de pena prevista no art. 171, §3º, do Código Penal brasileiro 1, motivo pelo
qual aumento a pena em 1/2 (metade), fixando-a definitivamente em 3 (três) anos
de reclusão, para cumprimento inicial em regime semi-aberto (CP, art. 33, §2º,
“c”).

Considerando a fundamentação acima e atendendo aos limites


previstos no art. 49 do CP, fixo a pena de multa cumulativa em 100 (cem) dias-
multa. Consoante as provas sobre a situação financeira do réu constantes dos autos
(§1º), fixo o valor do dia-multa em 1/30 (um trigésimo) do salário mínimo vigente na
data do fato (janeiro/2006), reajustado até o pagamento (§2º).

Deixo de substituir a pena privativa de liberdade por restritivas de


direitos por entender que a culpabilidade do réu não indica que a medida seja
suficiente para prevenir e reprimir a criminalidade. Deixo de lhe conceder o benefício
da suspensão condicional da pena por ausência do elemento objetivo (CP, art. 77).
Concedo ao réu, por outro lado, o direito de recorrer em liberdade.

DISPOSITIVO

Diante do exposto, com fundamento no art. 387 do Código de Processo


Penal, julgo procedente a pretensão punitiva para condenar o acusado TÍCIO
MANUELINO como incurso no art. 171, §3º, do Código Penal.

Em razão disso, fixo-lhe as seguintes penas:

a) Uma pena privativa de liberdade de 3 (três) anos de reclusão para


cumprimento em regime inicial semi-aberto;

b) Uma pena de multa de 100 (cem) dias-multa, ficando definido o valor


do dia-multa em 1/30 (um trigésimo) do salário mínimo vigente na data do fato
(janeiro/2006), devidamente corrigido até o pagamento.

Custas “ex lege”.

1
PENAL. ESTELIONATO EM DETRIMENTO DA CEF. CAUSA DE AUMENTO DE PENA DO ART.
171, § 3º, DO CP. OCORRÊNCIA.
1 - Em face de a Caixa Econômica Federal - CEF haver suportado os ônus decorrentes da emissão
de cheque sem suficiente provisão de fundos, o estelionato subsume-se à moldura do § 3º, do art.
171, do CP e não naquela descrita no "caput" do dispositivo, porquanto, mais do que instituição
financeira, a CEF qualifica-se como entidade de economia popular.
2 - Recurso especial conhecido e provido.
(REsp 175.419/PR, Rel. Ministro FERNANDO GONÇALVES, SEXTA TURMA, julgado em
15/12/1998, DJ 01/03/1999 p. 387).
Departamento de Ciências Jurídicas
Curso de Direito

Transitada em julgado a presente sentença, após a devida certificação,


deverá a secretaria da vara: a) preencher e remeter ao IBGE o boletim individual do
acusado; b) lançar-lhe o nome no rol dos culpados; c) oficiar ao TRE/PB para os fins
do art. 15, III, da CF/88; d) remeter os autos ao juízo das execuções penais para o
cumprimento das penas.

Publique-se. Registre-se. Intimem-se. Notifique-se o MPF.

João Pessoa, 10 de março de 2010.

JUIZ FEDERAL