Você está na página 1de 9

CENTRO DE ENSINO NÍVEA ROQUE

TRABALHO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

MANAUS-AM
ABRIL/2016
ROGER SILVA FERNANDES

TRABALHO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

Pesquisa sobre o Handebol, Futsal e Basquetebol.

Trabalho elaborado para

Disciplina de Ed. Física,

Prof. Luiz Mácio , série 7º, turma A

para obtenção de nota parcial no

2º bimestre.

MANAUS-AM

ABRIL/2016
SUMÁRIO

INTRODUÇÃO........................................................................

DESENVOLVIMENTO..............................................................

CONCLUSÃO.............................................................................

BIBLIOGRAFIA..........................................................................
INTRODUÇÃO

Na Educação Física o Handebol, o Futsal, o Basquetebol, entre outras atividades


esportivas, fazem parte do grupo dos esportes coletivos. Em todos eles, duas
equipes disputam um implemento (a bola), criando táticas para levá-lo a um alvo, ao
mesmo tempo que devem proteger o próprio alvo das investidas do adversário.
A técnica não se restringe exclusivamente a execução mecanicamente perfeita de
um movimento específico para o jogo, mas sim, ao conjunto dos modos de
fazer necessários para a sua prática.
A tática não se reduz somente ao sistema de jogo definido pelo técnico ou pelo
professor, mas também, às razões do fazer, que orientam as ações que a própria
situação exige.
A técnica não existe sem a tática e vice-versa.
A execução técnica é importante para se praticar uma modalidade esportiva, mas
sozinha, não garante uma ação inteligente dos jogadores/atletas. 
O uso da tática é indispensável nos esportes coletivos. Não basta chutarmos forte
em direção ao gol, ou lançar uma bola com força na cesta. A questão principal é
saber para quê, quando e como executar determinada ação, levando em
consideração que as situações que ocorrem nas modalidades esportivas coletivas
são imprevisíveis e exigem constantes adaptações.
Nesta pesquisa contarei um pouco do surgimento de cada esporte, melhor se
dizendo, a história do handebol, do futsal e do basquetebol.
DESENVOLVIMENTO

História do Handebol

Não se sabe exatamente quem criou o handebol, embora se tenha registros de


modalidades semelhantes em vários momentos históricos. A verdade é que, desde a
criação da bola, a prática do handebol já parecia ser algo inevitável. Para se ter uma
ideia, um jogo parecido (a principal diferença é que não havia balizas) já era
praticado na Grécia Antiga, fato até citado por Homero na Odisséia.

Entretanto, a fama de criador do handebol é de um professor de Educação Física: o


alemão Karl Schelenz, considerado o pai do esporte. Em 1919, o professor
reformulou o “Torball”, uma modalidade parecida, só que destinada a mulheres.
Desta forma, o esporte passou a ser praticado por homens, ganhou novas regras
(passou a ser praticado em um campo maior, por exemplo) e um novo nome:
Handball.

Devido ao fato do esporte ter sido desenvolvido por um professor de educação


física, o handebol ganhou grande aceitação nas escolas e colégios de muitos
países, como Alemanha, Áustria, Suécia, Dinamarca e Checoslováquia, iniciando
assim, as primeiras competições internacionais.

Até então, as regras do esporte eram publicadas pela Federação Alemã de


Ginástica, fato que mudou em 1927, com a criação da Federação Internacional de
Handebol, composta por 39 países membros.

Outro importante capítulo da história do handebol foi a sua inclusão pelo COI
(Comitê Olímpico Internacional) nos Jogos Olímpicos de Berlim, em 1936. No Brasil,
o esporte foi introduzido por volta de 1930 no Estado de São Paulo, e a partir de
então, o handebol não parou de crescer.
História do Basquete

A história do basquete nos leva ao rigoroso inverno do Estado de Massachusetts


(EUA), em 1891, período em que as opções de práticas esportivas se restringiam
apenas às bem menos atrativas aulas de ginástica. Foi mediante esta realidade que
a diretoria do Springfield College, instituição pertencente à Associação Cristã de
Moços (ACM), deu ao professor de Educação Física canadense James Naismith a
tarefa de criar uma nova modalidade esportiva capaz de estimular os alunos e que
poderia ser jogada durante todo o inverno, em ambientes fechados.

Naismith aceitou o desafio. Depois de pensar bastante, chegou às conclusões de


que o novo esporte deveria ter um alvo fixo e que o uso da bola seria algo
fundamental. Além disso, a modalidade deveria ser menos violenta que o futebol
americano e ter um espírito coletivo. Para tentar evitar choques físicos, o professor
optou pelo uso das mãos ao invés dos pés, e, para evitar socos acidentais, os
jogadores não poderiam bater a bola com os punhos fechados.

Em relação aos alvos do jogo, Naismith decidiu inovar e não colocá-los no chão,
como no futebol ou no hóquei, mas sim, suspendê-los acima dos jogadores, mais
precisamente a 3,05m de altura. As primeiras cestas da história do basquete foram
dois cestos de pêssegos velhos. Uma curiosidade é que nas primeiras partidas a
bola era lançada aos cestos e lá permanecia, isto é, os cestos eram fechados. Foi só
após alguns meses que tiveram a idéia de cortar o fundo dos mesmos para dar
maior agilidade e praticidade à prática do esporte.

A primeira partida oficial da história do basquete ocorreu em 1892, disputada entre


alunos e professores do Springfield College. De lá pra cá, o esporte só evoluiu. Hoje
em dia, estima-se que mais de 300 milhões de pessoas praticam o esporte em todas
as partes do mundo. No Brasil, o basquete foi introduzido pelo professor norte-
americano Augusto Shaw, em 1894, o qual viera para ministrar aulas no colégio
Mackenzie, em São Paulo.
História do Futsal

A história do futsal ou futebol de salão nos revela uma modalidade esportiva


criada na América do Sul. Devido a suas facilidades (o menor número de jogadores
e o tamanho menor do campo, por exemplo), o futsal é considerado o esporte mais
praticado no Brasil, embora o futebol de campo continue sendo o mais popular.

Como acontece em vários esportes, há divergências no que se refere à história do


futsal. Alguns acreditam que o mesmo tenha se originado na década de 40, quando
alguns jovens da Associação Cristã de Moços (ACM) de São Paulo, mediante a falta
de campos de futebol, começaram a improvisar e a jogar nas quadras de basquete.

Entretanto, a versão mais aceita (reconhecida inclusive pela FIFA) narra que a
história do futsal se inicia mais cedo, na década de 30, em outro país sul-americano:
Uruguai. Nesta época, o país vivia um intenso sentimento de paixão pelo futebol,
fruto da conquista da primeira Copa do Mundo em 1930. Semelhante ao que
aconteceu no caso da Associação Cristã de Moços de São Paulo, as crianças
uruguaias não tinha onde praticar o esporte, então, começaram a jogar futebol nas
quadras de basquete.

Vendo aquela realidade, o professor de educação física da Associação Cristã de


Moços de Montevidéu Juan Carlos Ceriani decidiu elaborar regras para a nova
modalidade. Para isso, usou o regulamento de outros esportes, como o handebol e o
basquete. Ceriani passou a chamar a nova modalidade de “Indoor-Foot-Ball”.

Em 1965, o esporte já havia se difundido por toda América do Sul, fato que resultou
na criação da Confederação Sul-Americana de Futebol de Salão, composta por
Uruguai, Paraguai, Peru, Argentina e Brasil.
CONCLUSÃO

    Por fim, na perspectiva de uma análise conclusiva, ao se discutir os processos


históricos de criação do Handebol, Futsal e do Basquetebol, ficam claras as muitas
similaridades entre as modalidades, a exemplo do fato de ambas serem concebidas
para desenrolarem-se com o uso de uma bola na formação de duas equipes

Em relação a algumas características técnicas e táticas, ambos são compostos


por habilidades específicas comuns (os fundamentos: passes, dribles,
arremessos, progressões e etc.) que, em sua maioria são intermitentes.

    Apesar da grande aceitação das modalidades, particularmente no ambiente


escolar, mesmo diante das ausências de resultados expressivos em alto nível nas
três modalidades, resultando em baixo investimento da mídia esportiva, que
somente foram parcialmente enfrentadas com a atuação de alguns
empreendimentos das confederações, a exemplo da contratação de técnicos
estrangeiros e a nacionalização de jogadores, mas, que se não tiverem continuidade
cairão na paliatividade e não surtirão efeitos em longo prazo.

    Portanto, ficam evidentes todas essas similaridades, estando nelas imbricadas a
necessidade do fomento de uma cultura nacional de prática desportiva de ambas,
onde então a responsabilidade recai sobre os profissionais de Educação Física e do
Esporte, pois, estes devem ser capazes de entender estas e outras realidades e
propor mudanças, entendendo o esporte como fenômeno sociocultural, fomentando
a prática do Handebol, do Futsal e do Basquetebol nas diferentes esferas sociais,
estimulando-os a partir da base, quer seja pela esteira do esporte de rendimento, do
educacional e/ou do de participação.
BIBLIOGRAFIA

http://www.historiadetudo.com/historia-do-handebol

http://www.historiadetudo.com/historia-do-basquetebol

http://www.historiadetudo.com/historia-do-futsal