Você está na página 1de 13

A DIVINA ORDEM DOS

CAVALEIROS DO PANTEÃO

Capítulo 1. A Ordem .

“Por que deuses precisam de pessoas para vigiar seus reinos??


Por que deveriam treinar tais pessoas por centenas de anos?? Será que é para ocupar
suas vidas imortais?? Ou temor a algo?? Preguiça??...
A única certeza é que os vinte Deuses originais pensavam que se um dia não fossem
mais úteis, essas pessoas levariam sua herança a frente. Seguiram protegendo o “Grande
Jogo”, e o universo sempre estaria seguro.” Ou apenas fariam o que eles não tem tempo
ou vontade de fazer.
Foi assim que o primeiro indivíduo nascido da raça escolhida de cada deus virou um
imortal, o para se tornar o máximo daquela raça, o orgulho daquele Deus perante aos
outros. Aqueles que passariam por um árduo treinamento em todos os sentidos, físicos e
mentais, em combate e fora deles, se tornando o representante supremo de uma ideia, de
um conceito, de um Deus......
E disso tudo surgiu a primeira Ordem de cavaleiros da história, as crias perfeitas, os
nossos filhos, nossos tesouros, modelos; “Os Cavaleiros do Panteão”.
“Ter esses guerreiros quase secretos manteve nosso reinado absoluto quase que sempre,
durante milhares de anos, mesmo com alguns de nós tentando destruir tudo eles estavam
lá como bastiões que salvariam o mundo.
Mas, como seres menores tem falhas, eles não seriam diferentes, o que fazer quando três
deuses dão um golpe?? O que fazer quando uma deusa e seu Cavaleiro traem a todos e
condenam o mundo a se reverter ao Nada e o Vazio novamente?? Difícil. As leis são
claras, e como Khalmyr sempre diz “A lei é Absoluta”, e todos eles pagaram por um de
seus irmão — A “Família” que a relva do tempo deixou tão unida apesar das diferenças,
pode virar pó nas mãos do desespero e da vingança — Punidos seriam a cada falha ou
pior, e com isso, tudo lhes seria tirado. Como se fossem criminosos, heróis silenciosos
sem o devido reconhecimento das massas que tanto eles protegem, e que não mas o
fariam até serem libertos.
E eu vou escrever isso também, vou estar lá, verei tudo, e quando a Glória vier gastarei
todo meu poder divino para que TODOS brandem seus nomes, seus rostos e seus
feitos…. Eu faço questão.”

Capítulo 2. Os desígnios de um Cavaleiro do Panteão


Um cavaleiro e a Ordem em si tem suas leis. A qual todos deveriam ser responsáveis e
responsabilizados igualmente caso as descumprissem. Não importando o motivo ou a
punição. Devem cuidar uns dos outros, e todos juntos do nosso universo. Descumprir
qualquer uma dessas regras traz uma punição ao infrator e todos da Ordem. Com seus
poderes sendo separados em sua arma e a outra metade em sua Armadura Sagrada, e se
libertos antes do tempo não recebem de volta seu nível total, apenas metade, até que os
mil anos se passem. E as regras, direitos e deveres da Ordem são:

● Cuidar do Reino planar de seu deus contra aqueles que atentem as leis
locais, seus habitantes e ou, o próprio(a) deus(a).
● Se um deus deixar seu posto, o cavaleiro também deixará o seu, e
perderá todos os seus poderes, virando uma pessoa comum. O novo deus
deve indicar seu campeão para a ordem e treiná-lo de acordo para
assumir o posto do anterior.
● Nunca matar outro cavaleiro da Ordem.
● Sempre atender o chamado para missões do seu deus ou da própria
Ordem, dadas pelo líder vigente do Panteão.
● Nunca revelar segredos de seu deus, não importando quem peça tal
informação.
● Nunca trair seu deus ou a Ordem.
● Se manter neutro a acontecimentos qualquer, só pode tomar cabo de um
assunto, seja ele qual for, de forma direta em caso de permissão de toda a
Ordem ou de seu deus(a).
● Manter-se fora das regras e dogmas religiosos de seu deus para com seus
devotos e sua religião (Obrigação e Restrições ou Fundamentos)
● Nunca, em hipótese alguma, ir a Arton.
● Nunca Subira ao posto de Sumo-Sacerdote de seu Deus, mas não está
subordinado de nenhum modo a quem for detentor de tal posto.
● Todos estão imunes a efeitos planares de todo e qualquer mundo, nocivos
ou não.

Capítulo 3. O Treinamento

Como os deuses cuidaram pessoalmente do treinamento de seus cavaleiros, todos


receberam o título de Campeão, condecoração máxima de um herói, fundamentando a
igualdade de poderes entre os cavaleiros. Foi dado a eles capacidades e poderes únicos
para cada um que só eles podem usar, desenvolvidas com os séculos e mais séculos de
treinamento. Com o tempo esse treinamento levou eles a uma centelha quase divina, o
que ajuda em seu principal papel, proteger nosso universo!!.
Allihanna.
Allihanna é uma naturalista, um animal em forma humanoide, um espírito livre de
sabedoria indomável. E treinou a primeira dríade como tal, tenho orgulho dessa
cavaleira. Ela sabe o nome, gosto, cheiro, aparência e função de cada animal, planta ou
mineral que sua deusa ou qualquer outro criou, é incrível. Não esperava que ela daria
tanto conhecimento a um espírito livre. Tudo bem que treinar com os animais mais
ferozes do mundo também era parte do treinamento duro, sobreviver nos ermos só com
as mão à disposição, ficar sem água ou comida durante longos períodos de tempo era
ainda pior. Mais foi brilhante o resultado conquistado.
Apesar de crescer com Feras-Rei aos montes e levar uma vida de barbárie e selvageria,
surgiu uma cavaleira das mais respeitáveis, sabias e cultas. Ninguém morre de fome ou
se perde quando ela está junto numa missão.
Natureza Selvagem: Crisan pode criar plantas ou usar magias ligadas a plantas em
qualquer lugar que esteja, mesmo em áreas estéreis (grandes cidades, desertos,
embarcações, vácuo, em meio a lava fervente...) ou malditas (cemitérios, templos
malignos, casas assombradas...). Esses poderes estão sempre sob o efeito de
potencializar, aumentar e ou Ampliar Magia sem custo de PMs adicionais. Além
disso sua “Constrição Atroz” causa seu 1d8 por nível de personagem aos alvos
enredados ao invés do dano normal.

Azgher.
O Deus Sol quando fez a primogênita dos desertos criou a mais bela criatura viva não
deusa até os dias atuais... para virar um maquinário do poder bruto. Como ela se
manteve bela e plena durante tanto tempo é digno de minhas pesquisas, quase invejável.
Ele a treinou no lugar mais quente do universo, a forja dos mundos, onde se forja as
armas e armaduras dos deuses.
Azgher treinou sua Cavaleira para ser orgulhosa de si e de seus dons, mostrando ao
mundo que era a melhor e mais poderosa, e não só um rosto bonito. O treino foi sem
piedade, aquilo era insanidade, calor de uma Supernova é demais para quase todos os
seres vivos, mas ali ela suportou e treinou por anos a fio. E devo admitir que o poder
que ela tirou daquele lugar nem Khalmyr e Nimb juntos dariam a seus filhos. E uma
odalisca maravilhosa que dança frente aos inimigos com graça e ferocidade nasceu dali,
mais poderosa que qualquer arma forjada ali.
Fornalha Solar: Qualquer tipo de efeito com o descritor fogo usado até 60m de
Shaiira pode ser absorvido por ela, como uma reação, Isso ocorre antes mesmo que
efeito em questão chegue a seu destino ou cause alguma consequência no alvo
original (Isso vale para magias, Similares a magia, fogo comum, bombas flamejantes,
efeitos de armas mágicas, sopro de dragão vermelho, e etc.…). Tudo é simplesmente
cancelado e absorvido por ela. Se o efeito em questão fosse um dano, ela reverte esse
montante em Pontos de Vida temporários para si mesma, por um minuto.

Hynnin.
Um deus novo perto dos outros, filho de um deus primordial, com uma índole
totalmente questionável, o que de bom poderia vir disso me pergunto. Mais ele fez um
bom trabalho. É apenas um halfling, mais esse baixinho tem talento. Um mentiroso de
marca maior (chega a ser poético), rápido, ágil, versátil, inteligente e destemido; quando
se triplica isso aparece algo grande de se ver. Hynnin o ensinou a roubar, roubar muito,
roubar de tudo e todos – TODOS!! – o que é útil de uma maneira ou outra.
Ele conseguiu suportar torturas físicas e psicológicas cruéis diárias, aprendeu sedução,
enganação, diplomacia quase real e como criar ou solucionar as mais diversas
armadilhas. Tudo do pior, mas que criou um inabalável ser, que é além de tudo um
assassino perfeito, limpo e efetivo. Fora que pra qualquer um acha-lo em um campo de
batalha é quase impossível, e quando o adversário vê algo uma faca já o atravessou.
Assalto Divino: Krig pode usar Ladinagem em qualquer item a sua visão, mesmo que
o item esteja em posse de alguém. Esteja perto ele ou não do alvo. Ele faz o teste de
Ladinagem contra um teste de Reflexos do alvo, se ele vencer ele toma o item para si
(ele aparece na sua mão magicamente), se o alvo estiver desprevenido ele não tem
direito a teste de resistência.

Kallyadranoch.
O deus do poder é muito orgulhoso. Ele podia por um dragão para representá-lo??
Podia. Mais dragões com esse tipo de poder sempre deram trabalho a ele. Eu olho para
Tarso e os Dragões-Reis e o entendo. Usar um Kobold foi pouco ortodoxo, mais
criativo, um ser que tinha muito a crescer em tudo era perfeito para meu irmão moldar,
não perderia tempo pensado em derrubá-lo como dragões na mesma posição poderiam
fazer.
Então ele jogou tudo nele, tudo que era poderoso o suficiente para explodir planetas
pequenos, mudar climas locais ou matar só de chegar perto. O ensinou muito sobre a
magia também, fazendo dele um excelente conjurador. Mas é no combate físico que
meu irmão fez seu melhor trabalho, pois o pequeno ao virar um meio dragão entendeu a
glória do seu deus e ficou mais aficionado pelo poder, treinando cada dia mais e melhor,
enquanto superava seus limites. Suas rajadas de fogo se tornaram brutais, ele caminha
pelos céus a velocidades que surpreendem, e maneja sua lança com maestria, cada
ataque perfuraria uma estrela. Uma figura impar, que é linha de frente desta Ordem no
campo do poder de luta, a ponto de desenvolver o ataque mais poderoso dentre todos os
20 cavaleiros.
Se um bardo conta isso em Arton ele seria preso e acusado de loucura ou até preso.
“Um Kobold tão poderoso??? Está delirando…”.
Sopro do Poder: O sopro de Adrianak tem a força dos dragões, de TODOS
ELES!!.... Sendo assim, com uma ação completa, esse sopro causa 100d6 de dano e
tem os cinco descritores dracônicos em um só ataque (ácido, eletricidade, energia
negativa, fogo e frio). Ele pode usar essa habilidade 3 vezes por dia.

Keenn.
Keenn fez um trabalho perfeito, e isso não me surpreende em nada, pedir a ele para
treinar um guerreiro chega a ser bobo. Se Marah criou os anjos, ele os demônios, e isso
facilitou sua vida. Keenn usou da disciplina militar para treiná-lo, seu cavaleiro
aprendeu a usar todas as armas que existem, se surgia uma nova ele ia atrás de um
exemplar para aprender a manejá-la, isso quando não criava uma ele mesmo.
Dotado de uma dedicação ímpar, beirando de ser doentio, travou todas as guerras que se
tem conhecimento em Werra, e até as que não se tem registros, sempre como um
soldado, sem muito poder, pois tinha que ser desafiador para ele. Isso o ensinou como
eram as estratégias de todos os povos, sejam eles civilizados ou não. Nunca falhou em
uma missão ou perdeu uma luta. Nem mesmo contra o avatar de Keenn... E com isso
aprendeu a controlar a fúria da guerra a ponto dela durar o quanto ele quiser, o fazendo
ainda mais temível de se ter como adversário.
Ele também virou um excelente professor, treinava cada soldado novato dos exércitos
de meu irmão, que por sua vez viraram grandes mestres da guerra também. O general
dos generais, um rei do combate, um demônio voraz por brigar, por se provar, por
vencer... O guerreiro perfeito!!
Fúria Infinita: Ao entrar em Fúria Daimon pode ficar nesse estado enquanto o
combate não acabar. Ou seja, ele tem rodadas ilimitadas para gastar.

Khalmyr.
Um dos primordiais da criação e idealizador desta ordem não faria menos que os outros.
Afinal, ele é o líder do panteão, o “Dono do tabuleiro...” Ele treinou bem sua cria mais
amada. O primeiro anão era perfeito, tinha todas as capacidades físicas e mentais igual e
altamente desenvolvidas, sabia fazer tudo, e fazia bem.
Ele, como bom anão que é, forjou todas as armas e armaduras da Ordem, forjadas de
estrelas recém nascidas. Também puxou as qualidades e defeitos de Khalmyr, um líder
nato, justo e digno; porém perfeccionista e regrado demais. E isso fez seu poder
começar a afetar os outros a volta dele, os fazendo seguir o padrão médio em tudo que
fazem, um controle máximo e poderoso.
Me dói duro admitir isso, mas ele realmente é perfeito em tudo. Forte, Rápido,
Resistente, Inteligente, Sábio e Carismático em igual nível, e, no maia alto nível. Ele
liderava a Ordem como Khalmyr o Panteão, e diferente de nós deuses, nunca foi
questionado por eles, acho que a relação interpessoal dele com outros indivíduos é
melhor que a de seu pai.
Jarro do Equilíbrio: Qualquer jogada de ataque, dano, teste de resistência ou perícia
feita contra Gallerimm sempre terá um resultado na média do que poderia. Seja
ataque, dano, testes de pericias ou habilidades quaisquer.

Lena.
O que a princesinha do Panteão ensinou a sua anja foi simples porém útil. Como viver
muito - mais que os outros - resistir de pé sempre por último numa batalha e a dar a
vida. As vezes esquecemos que Lena é uma deusa que se faz de criança, pois foi quase
sadismo fazer sua pupila dar a luz a tantas crianças durante a vida, ela fez o treinamento
praticamente todo grávida ou recém dado a luz. E o treinamento foi difícil, pois foi
desde voar na atmosfera de Vitalia, aprender a viver no Vácuo, no fundo de fossas
submarinas, cuidar de plantas e animais, fora os humanoides como uma verdadeira mãe.
Mais seu maior talento é na medicina. Ela é uma médica que cura qualquer ferimento ou
doença, que sabe fazer remédios ou item alquímico com quase todo tipo de material. Se
essa Ordem sobreviveu a tantas missões e treinamentos tão brutais era porque essa
cavaleira estava lá para cuidar dos ferimentos de todos. É muito bonita e sábia, sempre
cuidava tanto da saúde física quanto psicológica das pessoas também. Um anjo de fato,
um bem que o mundo precisa, mas nem sempre merece....
Emanação de Vida: Skyla transmite uma onda de energia positiva que Cura 30
pontos de vida por rodada de qualquer número de criaturas (incluindo ela própria)
num raio de 9m a partir dela mesma.

Lin-Wu.
O mestre da cultura samurai colocou tudo de si em seu cavaleiro, para se provar o
melhor mestre entre os deuses. O seu aprendiz desenvolveu com o passar das eras a
sabedoria, força, perseverança e honra, principalmente a Honra. Lin-Wu ensinou tudo
sobre o Bushido a seu cavaleiro, tudo sobre as artes márcias, e sobre as Katanas. Um
espadachim divino, com a maior e melhor Katana já criada, só abaixo da do próprio
Lin-Wu, surgiu botando medo aos outros cavaleiros em um duelo. Um Yokai de alma
similar que muda conforme o necessário, e que pode ficar gigantesco quando
necessário, uma real força da natureza, assim como sua raça se tornou com o passar das
eras.
Treinado nas altas montanhas de Sora, Lin-Wu o fazia subir cachoeiras com chutes,
pular alturas quilométrica e a meditar, sempre sábio mantinha serenidade em qualquer
situação depois de meditações que lhe revelavam a decisão a se tomar e podiam durar
alguns anos a fio, tudo graças a linha de ensino seguida por meu irmão. Com isso, esse
cavaleiro desenvolveu um talento estranho de analisar e copiar habilidades de outras
pessoas por alguns instantes, o que fazia dele ainda mais perigoso e o fez ficar
conhecido como “Mimico Honrado”.

Honra e Igualdade: Son Goku pode analisar e copiar as habilidades de classe ou


habilidades raciais de qualquer criatura. Ele precisa gastar uma ação completa
analisando o alvo, vezes por dia igual seu valor de Sabedoria. Ele precisa fazer um
teste de Percepção, a CD é a ND do Alvo, caso o passe no teste copia uma habilidade
do alvo a sua escolha, se falhar o alvo fica imune a essa habilidade durante 24 horas.
A habilidade fica com Son durante 1 minuto.

Marah.
Marah deu uma a Holy Avenger na mão de uma macaca, minha nossa, a garota é um
potencial desperdiçado. Ela exala beleza, inteligência e resistência; mas Marah só
ensinou a garota sobre Paz, Amor, Paz, Festas, Paz, Alegria, Paz, Artes.... Ela até que é
muito boa, respeitável em combate, mais longe do potencial que poderia. Revoltante,
porém seus conhecimentos das artes e no trato com pessoas é muito perigoso, ela
tomaria reinos inteiros para si com um sorriso apenas.
Não sei como, e isso me devora por dentro, mas a cavaleira que tinha tudo pra dar
errado em sua função é a mais útil para todo o resto, Marah a levava para todas as
reuniões do Panteão, era difícil saber quem tinha uma alma mais calma e bondosa ao
mesmo tempo que era difícil saber quem era mais inapropriada e festeira. Ainda que, ela
é perfeita para diplomar em nome de seus companheiros caso necessário, o que já
salvou suas vidas muitas vezes.
Palavras da Divina: Martina pode usar qualquer perícia de Carisma contra qualquer
criatura, mesmo que a criatura não entenda fale seu idioma ou seja irracional. Além
disso, pode seduzir qualquer criatura que falhe em um teste de sedução (Enganação X
Intuição) feito por ela. Mesmo que sejam animais, monstros, mortos vivos, espíritos,
construtos... Lefeus...

Megalokk.
Monstros vieram antes e depois, mas, esse aqui não nasceu monstro, por mais que Orcs
sofram como tais. Megalokk não perderia a oportunidade de criar um mutante sem ser
julgado por isso, afinal ele não seria mal, mais seria abominável. Lutar, matar e devorar
Dragões, Krakens, Hidras e outros titãs a fio; era parte do treinamento. Com o tempo
essa pessoa foi virando um bicho, o que impedia uma transformação total era sua
sabedoria impar para ainda discernir a selvageria sem controle de sua função
existencial.
Megalokk o fazia passar por inúmeras torturas físicas também, fora o fato de fazê-lo
criar montanhas e vulcões com as mãos, “testar” as novas criações de Megalokk e
espalhar a destruição. Me pergunto o que teria acontecido se Lena não tivesse destruído
a era de Megalokk em Arton, o que esse cavaleiro faria liderando essa Ordem...
Forma Selvagem Natural: Morbius pode usufruir de uma habilidade da lista de
“Forma Selvagem” do Druida Metamorfo (mais sem mudar sua forma ou aparência
física), ele pode usar essa habilidade uma vez por dia e ela permanece ativa por 24
horas. Ele pode Usar esse efeito em conjunto com sua Forma-Base.

Nimb.
Eu Odeio como Nimb deposita seu poder em qualquer coisa e qualquer um de qualquer
jeito, é irritante. Fico pensando como ele em toda sua loucura caótica criou um cavaleiro
tão forte. Foi tão simples, ele não teve nem o cuidado de ponderar sobre métodos de
como passar sua essência e ensinamentos para seu escolhido.
Ele pegou um dado de 50 lados e sorteou as aptidões físicas e mentais que ele daria a
seu filho... isso não é algo que se quantifique. Ele tem noção do perigo que isso poderia
ter dado???. Bom pelo menos seu escolhido é muito bonito, já deve servir pra algo.
Mais dar poder assim a alguém e deixar a pessoa se virar com isso é no mínimo
perigoso, ainda mais.... Quando essa pessoa é psicologicamente instável.
Mais deu certo, por sorte. E o segundo no comando da Ordem consegue trabalhar muito
bem, por mais caótico que seja ele não é tão louco e extremo quanto Nimb, usando o
poder do Caos para distorcer o mundo em seu favor, a ponto de uma vez ele ganhar do
avatar de Tauron numa queda de braço, por mais que o mesmo negue.
Ele é um Faz-Tudo, desenvolvendo um poder de aleatoriedade agregadora que da a ele
todo dia um talento para algo novo, pena que ele esquece tudo no dia seguinte... mais
ele vai lá e ganha outro poder diferente e o ciclo se mantem eterno. Ele pode ser uma
besta em um dia e bestial no outro.
"Dia Novo, Função nova": A cada dia Role 1d110 (Número atual de classes de
Prestígio). Ele recebe todas as Habilidades dessa Classe de prestígio Sorteada durante
24 horas.

Oceano.
Meu irmão é péssimo em se envolver em algo, prefere as praias, sereias, barcos, sereias,
tesouros, sereias.... Por tal fato não achei que fosse levar a sério essa história de treinar
alguém para cuidar de seu mundo, mais para minha surpresa ele o fez, e muito bem.
Dardemus é incrível, treinar nas fossas submarinas contra a pressão destas águas fez
dele um ser resistente, sem dúvida de todos os cavaleiros, além de fazê-lo com o tempo
perceber qualquer coisa que se mova perto dele automaticamente, seus sentidos
apuradíssimos.
Depois ele aprendeu a se transformar em um monstro marinho de poder tão assustador
que nunca se veria até a o Tarrasque nascer, esse Leviatã dos mares mostrou-se ainda
mais temível, enfrentando criaturas ainda titânicas cara a cara com muita facilidade, até
os Krakens ficam pequenos perto dele.
Mais não ficou só na força física, Oceano o fez navegar sozinho ou com tribulações por
toda Pelagia, e durante anos ele não foi ao fundo do mar, só para aprender a navegar.
Ele aprendeu a memorizar cada pedaço do mar, mapas para ele se tornaram inúteis, pois
eles não tinham mais informações do que o próprio Dardemus, a ponto do mesmo
navegar até mesmo pelos “mares” do Vácuo. Esplêndido realmente.
Moldado pelas Foças: Dardemus é imune a Esmagamento, frio e a Manobras de
Combate.

Ragnar.
Ragnar é o mais “novo” a vir ao panteão, ele é um ser insano e que não entende ou
valoriza nada, matar é a única língua que ele entende, isso é perigoso até para ele
próprio. Mas, ele é inteligente até, sabe mexer suas peças a seu favor de maneira nada
ortodoxa, porém muito efetiva. Seu cavaleiro segue a mesma linha, pouco convencional,
bruto, mortal e poderoso. Ainda assim, muito menos terrível que seu patrono, menos
cruel, mais calmo e ponderado.
Ele sem dúvidas é cria de Ragnar com tudo, Massacre é seu nome, e ele dá medo a
todos por seu poder devastador, se o portal das almas de Ragnar está cheio é muito por
ele. Matar todos os dias é a fonte de seu poder. Ragnar o ensinou a tirar poder da morte
alheia, o que parece fácil visto aos por olhos ignorantes. Mas até nós deuses temos
pouco poder sobre isso, já Ragnar faz isso com maestria e ter um soldado imortal com o
esse poder assusta. Esse monstro com um golpe mata um dragão ancião, causando
danos tão poderosos poucas vezes vistos na história da criação. E isso vem desde Leen...
Sanguessuga Mortal: Quando causa dano a um alvo, Massacre recebe pontos de
vida igual o dano que causou ao alvo. Se esses pontos de vida excederem os pontos
de vida totais de Massacre ele recebe pontos de vida temporários, sem limite. Porém,
esses pontos de vida desaparecem no fim do combate.

Sszzass.
A cavaleira de Sszzass... Essa aqui é um caso à parte mesmo, Sszzaas não dá ponto sem
nó, usa toda e qualquer possibilidade de poder se dar bem, a quantidade de vezes que
ele prejudicou alguém por isso me deu uma prateleira de volumes de livros sagrados, só
os planos dele são dignos de estudo acadêmico. Sua cavaleira segue a mesma linha,
mesmo não sendo maligna como ele, ainda é sim é sádica e ardilosa por igual. A ponto
de muitos dos planos que listei em meus livros terem sido criados por ela (e roubados
por Sszzaas), se essa moça fosse uma má pessoa ou não cavaleira desta Ordem reinos
inteiros cairiam em semanas.
Ela nunca bebeu água na vida, só ácidos e venenos, fazendo de seu corpo a encarnação
do veneno, e em seu sangue a morte liquida corre nas veias. Treinou com hidras a vida
toda, a Hidra-Mãe é sua irmã mais nova. E durante anos morou no estômago da
Serpente do mundo para se adequar a ambientes extremos. Um beijo desta víbora e nem
um combate precisará começar, pois o inimigo já estará morto. Isso se ela não seduzir
sua vítima antes e levá-la para a cama, ou para um lugar pior... Para mata-la depois, sua
lambia lembra muito meu irmão.
Veneno Devastador: Os ataques da Vaarscha causa 8d6 de dano extra por veneno,
esse veneno afeta mesmo criaturas imunes a venenos (como Construtos, mortos
vivos...) e não tem teste de resistência. E uma vez por dia esse veneno pode causar
dano na Constituição do alvo em vez de dano normal, SEM direito a teste de
resistência.

Tanna-Toh.
Eu adorei a possibilidade de repassar minhas dádivas a um ser normal, e ensinar é fácil
para mim, então transmitir o que sei para alguém me deixou feliz, ainda mais pelo fato
deste ser não repassar isso para pessoas qualquer. Porém carne ossos me pareceu frágil
demais, o que me deu uma excelente idéia. Eu fiz Tyr como um construto vivo, forte e
resistente, feito de aço divino e outros materiais resistentes, e um núcleo vital baseado
em inteligência para mantê-lo vivo. Tudo isso me ajudou a construir minha biblioteca a
época, demorou alguns anos, mas saiu bem do jeito que eu queria.
Ele também se mostrou genial o bastante para ler todos os meus livros, sem exceção, até
os que tenho vergonha de ter escrito. E mesmo para um Construto ele se tornou muito
sábio e sentimental, o mais inteligente no nosso universo entre os não deuses. Talude
uma vez veio até ele para pedir ajuda para montar o projeto de estrutura escolar da
Academia arcana.
Ensiná-lo a combater foi difícil, não gosto de lutas, ainda mais as sem sentido, acho
uma barbárie débil, mais não deixaria meu projeto ficar abaixo dos outros, então aprendi
sobre as artes marciais de todos os cantos e então repassei esse conhecimento a ele de
forma prática e didática. Ficou melhor do que esperava devo admitir, ele ficou muito
bom nisso, fora o fato de me ajudar a ficar em forma. Fazia tempo que não usava meu
corpo jovem, foi uma maravilha.
Vida Inteligente: Tyr usa seu Mod. de inteligência em vez de Constituição para
qualquer coisa, sejam Pontos de vida, testes de Fortitude, seu Casca Grossa, e etc.

Tauron.
Treinar o primeiro minotauro, o Deus da força pegou pesado como sempre. Seu
cavaleiro era o responsável por mover os planos com as próprias mãos para treinar sua
força e assim botá-los em rotação (Al gazarra sempre dava trabalho).
Ficar preso durante anos no Vácuo para perder o medo de altura, dormir em lava
fervente para aprender a resistir ao calor, o próprio Tauron treinava a resistência física
do seu filho, tudo era treinamento para ele. Seus socos potentes quebravam os ossos do
coitado todos os dias, todos os dias... mais o bravo cavaleiro levantava e pedia por mais.
Um gênio da estratégia, muito do que as legiões sabem e fazem ele foi quem criou, um
navegador sagaz, seja nos mares, seja no Vácuo também.
Ordeiro, leal, excelente líder e muito mais justo do que Tauron afirma ser. Se juntar isso
sua força temos comandante digno para esse grupo. Afinal, como diz a lei ele agora é o
líder desse grupo. Ou vai ser, quando eles forem soltos de sua atual punição.
Invictos: Maximus pode receber Redução de Dano 100, como uma reação, durante 1
minuto. Ele pode usar essa Habilidade três vezes por dia.

Tenebra.
As pessoas desdenham do poder de Tenebra, mais isso é um erro, ela escolheu o
primeiro Vampiro para ser seu cavaleiro protetor. Isso para mim é algo interessante, não
achei que esse tipo de ser pudesse fazer parte de algo não maligno, mais me enganei, e
isso me irrita. A vida e no caso, a morte; caminham lado a lado e Tenebra adora isso.
Ele a ajudou a criar muitos seres da noite, virando o general das hordas cinzentas quase
intermináveis de Sombria. Então de algum modo este ser das trevas aprendeu a se
comunicar com qualquer morto-vivo, do mais desmiolado até o mais ardiloso.
Ele também virou um mestre do arremesso, nunca erra seus alvos, ele foi o criador da
antiga “Morte estelar”. Mais com seu afastamento do mundo esse conhecimento se
perdeu, o que é lamentável. Mas tenho de convir que arremessar estrelas com as
próprias mão é um poder digno de nota, a ponto dos mortais criaram a lenda das estrelas
cadentes. Esse Vampiro é igual sua mestra, se finge de morto mas está bem vivo, e
pronto pra destruir quem abaixe a guarda perante sua presença aterradora, fora o fato de
mesmo sendo a criatura que é caminha sobre a luz de Azgher sem nenhum problema, o
que deixa o sol muito bravo.
Filho das Sombras: Ele recebe uma habilidade similar ao "Salto das Sombras" do
dançarino das Sombras, que ele pode usar livremente. Além disso, caso ele e um
inimigo estejam sob uma mesma sombra, no escuro ou durante a noite ele pode fazer
ataques corpo-a-corpo a qualquer distância como se estivesse adjacente, basta que ele
consiga ver o inimigo.

Thyatis.
Os filhos alados de Thyatis raramente foram a Arton durante a história, preferem seu
reino de fogo mesmo sendo tão mortal. Lidar com a imortalidade para os Artonianos é
normalmente difícil, mas para quem segue meu irmão é algo mais fácil, então para seu
cavaleiro isso foi rápido de assimilar, pois o não morte era normal para ele, o que
facilitou todo resto.
Então a fênix dourada se focou no importante. Ensinar a ele sobre previsões, prever o
futuro muito distante ou muito próximo, ao ponto de ser quase intocável quando ele se
foca em defender-se, ser piedoso porém impassível. Pois incapacitar seus adversários
sem matar é o que pauta qualquer combatente de Thyatis, e o suprassumo desta escola é
este ser, mesmo que ele tenha permissão de matar quem ele queira, ele muito raramente
o faz.
Ver o Futuro e usar a seu favor é sua maior Arma, mais controlar o fogo sagrado
também é muito útil, pois ele foi treinado no único lugar onde ver o futuro não
funcionava, Os 9 infernos, então treinar para não se afetar ao calor magico e a influência
diabólica desses lugares foi fundamental para forjar uma lenda que causa medo em
qualquer ser primordial das trevas, afinal, foi ele que matou o último deus do Abismo
Infernal, forjando assim as joias que causam guerras até hoje entre diabos e demônios,
“As sete joias do Rei”.
Visões da Fênix(5/dia): Ele pode gastar uma ação completa para fazer um teste de
Meditação contra um teste de intuição do inimigo de maior ND a até 90 metros em
qualquer direção. Caso ele vença ele tem uma pequena visão. Ele pode, como uma
reação, dar um bônus na CA, ataque ou teste de resistência para ele ou algum aliado a
até 30 metros dele igual a diferença dos testes dele e do alvo. O efeito dura duas
rodadas após ser ativado.

Valkaria.
Já diagnostiquei que minha irmã é sadomasoquista com complexo de grandeza a
milênios, e seus filhos sofrem por conta disso até hoje, então a primeira humana não
seria diferente. Valkaria não mexeu um músculo para treiná-la. Deu metade do poder
necessário, e a deixou assim durante todo o período de treinamento, a garota teve que
galgar seu poder sozinha, se aventurando por Odisseia, mais ela é filha da deusa da
persistência, um ser obstinado, nunca falharia ou desistira de sua missão.
Virou não só a mais apta cavaleira da Ordem, como foi confundida com sua deusa mãe
muitas vezes pelos residentes de Odisseia. Afinal quem estava lá fazendo cada missão,
atravessando cada masmorra, salvando cada pessoa daquele lugar era ela. Enquanto
minha irmã estava por aí brincando de mortal em Arton ou em outros mundos. Mas....
Após tentar dar seu golpe em todos nós e criar os lefeus, ser punida por Khalmyr; usou
seu último momento como deusa para dar o resto do poder de sua filha antes de ser
presa em uma estátua, e isso fez a cavaleira respeitada virar também uma das mais
poderosas.
Mas com a falta de Valkaria ela acabou tendo que dedicar esse poder e tempo para seus
amigos de Odisseia, para cuidar de todos, pois sem poder e influência de Valkaria ela
teria que liderar seu plano natal na dificuldade de novo e de novo, e se superar mais uma
vez. O que a deixou longe da ordem por anos...
Sacrifício da Triunfal: Valquíria sofre 25% a mais de dano quando atacada. Porém,
para cada ataque recebido ela soma metade do dano sofrido por ela, na sua próxima
rodada de ação, em suas jogadas de ataque e dano. Se ela errar um dos ataques o
bônus é perdido até ela sofrer novos danos.

Wynna.
Me intriga como os devotos de Wynna são versáteis, poder mágico é sua marca
registrada, mas ela tem combatentes dos mais famosos da história, e isso começou com
essa aqui, pois sua cavaleira é uma bateria de poder quase ilimitado. Ela tem o poder de
lançar magias e combater fisicamente ao mesmo tempo, estilo que ficou famoso
universo a fora.
Mais Wynna não faz nada simples e básico, tudo tem que ser exótico e exagerado e
espalhafatoso; sendo assim, sua marca de criação e ensinamento desenfreado da magia a
todos corre nas veias de sua campeã. Ela criou os grimórios, inúmeros itens mágicos,
varinhas, forjou também as primeiras magias que se tem notícias, algumas usadas até
hoje. Se a ordem dos guerreiros mágicos e magos de combate existem é porque ela veio
antes deles, porque ela criou esse estilo de luta e passou para frente. Se talude morrer
algum dia ela com certeza seria a mais apta comandar a academia arcana como diretora,
pois é tão genial na arte da magia que não teria problemas em dar aulas para os mortais.
A pequena notável vinda do deserto da magia é tão poderosa quanto inventiva,
arquimaga antes desse termo nascer, dona da magia mais pura já vista. Ela que é o
verdadeiro prodígio desta Ordem, pois seu talento é natural e infinito, um ser
perfeitamente esculpido por Wynna para a função que nasceu.
Poder Mágico Supremo: Pandora é imune a Magia. Além disso, qualquer magia que
Pandora lançar tem efeitos numéricos dobrados. Magias sem efeitos de dano/cura tem
sua CD aumentada em +4. Além disso, contam como se estivessem sobre o efeito do
talento "Magia Penetrante".

Você também pode gostar