Você está na página 1de 16

PROPRIOCEPÇÃO NO ESPORTE: UMA REVISÃO SOBRE A PREVENÇÃO E

RECUPERAÇÃO DE ENTORSE DE TORNOZELO EM FUTEBOLISTAS

Cristiano José Onishi1

Orientador Prof. Dr. Giulliano Gardenghi2

RESUMO

Introdução: O futebol é um dos esportes mais praticado no Brasil, no entanto apesar dos inúmeros benefícios que
sua prática induz ao organismo, várias lesões podem acometer o indivíduo adepto dessa prática contínua ao exercer
essa atividade desportiva. Objetivo: Estudar a importância do treinamento proprioceptivo em futebolistas, para a
prevenção de lesões esportivas como as entorses de tornozelo. Metodologia: Foi realizado uma revisão
bibliográfica utilizando os artigos indexados as bases de dados Lilacs, Pubmed, Scielo, Google acadêmico e
biblioteca virtual Bireme; foram usados nesse estudo artigos produzidos e publicados nos últimos 10 anos, ou seja,
entre os anos de 2008 e 2018. Resultados e discussão: os estudos que abordaram os tipos de entorse em futebolista,
relatam que o membro inferior é o mais acometido por lesão podendo ser por contato físico ou sem contato físico.
Afirmam ainda que os programas de intervenção são eficientes no aumento da força muscular, resistência
muscular, agilidade, potência e aumento de propriocepção.

Palavras Chaves: exercícios proprioceptivos, lesões, futebol

ABSTRACT

Introduction: Football is one of the most practiced sports in Brazil, however despite the innumerable benefits that
its practice induces the body, several injuries can affect the individual adept of this practice continues when
exercising this sport activity. Objective: To study the importance of proprioceptive training in soccer players for
the prevention of sports injuries such as ankle sprains. Methodology: A bibliographic review was done using
articles indexed Lilacs, Pubmed, Scielo, Google Academic and Bireme virtual libraries; were used in this study
articles produced and published in the last 10 years, that is, between the years 2008 and 2018. Results and
discussion: the studies that approached types of sprain in footballer, report that the lower limb is the most affected
by injury either by physical contact or without physical contact. They also affirm that intervention programs are
efficient in increasing muscle strength, muscular endurance, agility, potency and increased proprioception.

Key words: proprioceptive exercises, soccer, soccer

_________________________________________________
1 Fisioterapeuta graduado em Fisioterapia pela Faculdade Tamandaré, Goiânia – Goiás. Email:
onishi26@hotmail.com
2 Fisioterapeuta, Doutor em Ciências pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo;
Coordenador científico do Centro de Estudos Avançados e Formação Integrada (CEAFI), Goiânia - GO;
Coordenador científico do serviço de Fisioterapia do Hospital ENCORE, Aparecida de Goiânia - GO;
Coordenador do Programa de Pós-graduação em Fisioterapia Hospitalar do Hospital e Maternidade São
Cristóvão, São Paulo - SP. Email: giulliano@arh.com.br
INTRODUÇÃO

A entorse é um movimento violento, com estiramento ou ruptura de ligamentos de uma


articulação, é uma das lesões musculoesqueléticas frequentemente encontradas na população
ativa, que geralmente envolve lesão dos ligamentos laterais. Ocorre com maior frequência nos
atletas de futebol, basquete e vôlei, correspondendo a cerca de 10% a 15% de todas as lesões
do esporte¹,².
A entorse de tornozelo é caracterizada pelo movimento lateral ou medial repentino da
articulação, consequentemente levando à hiperdistensão ou até mesmo ruptura dos
ligamentos3,4,5. O ligamento mais lesionado neste movimento é o talofibular anterior5,6. Ainda
segundo os autores do livro, Técnicas de Reabilitação em Medicina Desportiva, este ligamento
é o mais fraco dos três ligamentos laterais5,7.
A entorse de tornozelo é uma das lesões mais comuns, correspondendo a 20% de todas
as lesões musculoesqueléticas 8. Nos Jogos Olímpicos de Verão de 2008, a entorse de tornozelo
foi um dos diagnósticos mais prevalentes entre as lesões que ocorreram durante a competição.
Apesar da frequente ocorrência de entorse de tornozelo e do potencial de restrição das
atividades de um futebolista, ainda não se tem um consenso de uma abordagem clínica que
possa ser utilizada9.
Em todos os casos, percebe-se uma dificuldade em definir o melhor tratamento, pois
existem fatores que dificultam essa análise, tais como: a falta de instrumentos e medidas
adequadas para se avaliar o efeito terapêutico das lesões nesses tipos de traumas
musculoesqueléticos9.
Atividades comuns da vida diária, como a marcha, a prática desportiva e o contato com
terrenos irregulares, são condições suficientes para provocar novas lesões em indivíduos que já
sofreram entorses prévios, além de fatores biomecânicos anormais como hiperlacidão
ligamentar, déficit proprioceptivo, fraqueza ou desequilíbrios musculares podem contribuir
para que ocorram as entorses da articulação do tornozelo10,11,12.
Diante disso, o presente estudo tem por objetivo realizar uma análise qualitativa de
revisão bibliográfica e estudar a importância dos treinamentos/exercícios proprioceptivos pós-
entorse e exercícios proprioceptivos na prevenção da entorse de tornozelo em futebolistas, para
um possível tratamento clínico de lesões esportivas, associando protocolos eficazes aos sujeitos
que exercem atividades como futebolista.
1- METODOLOGIA

Este trabalho trata-se de um estudo de revisão bibliográfica, de caráter descritivo e


qualitativo, sobre a propriocepção na prevenção da entorse de tornozelo em futebolistas.
Para a construção do presente trabalho, foi utilizado artigos indexados no banco de
dados dos sites pubmed, scielo e google acadêmico, bireme e lilacs.
Foram selecionados artigos ao tema, com até 10 anos de publicação, com os seguintes
descritores: entorse, tornozelo, propriocepção, lesão no futebol, fisioterapia e prevenção. Foram
excluídos os trabalhos que não fossem escritos na língua portuguesa ou inglesa, bem como os
que foram encontrados com mais de 10 anos de publicação.

2- RESULTADOS

Usando os descritores mencionados anteriormente no subitem 2 encontrou se 50 artigos


com o tema entorse de tornozelo e sua relação com os exercícios proprioceptivos no futebol,
porém foram 34 artigos excluídos, por não estarem respeitando os critérios de seleção que
foram:
 Não estar escrito em língua portuguesa ou inglesa;
 Ter sido publicado a mais de 10 anos;
 Fazer referência a outras modalidades desportivas.

Dos artigos publicados e aptos nesse estudo 10 são artigos de revisão bibliográfica e 6
são artigos com experimentos práticos. A tabela abaixo relaciona os artigos que foram aptos a
fazerem parte desse estudo.
Tabela 1 - Artigos publicados entre 2008-2018
Autor/Ano Objetivos Métodologia Resultados/Coclusão
A análise da literatura
permitiu constatar a grande
Realizar um programa de
importância atribuída ao
treino proprioceptivo para a
Revisão bibliográfica. treino proprioceptivo na
prevenção de entorse do
1 Lopes (2008)25 Artigos e livros sobre prevenção de entorse do
tornozelo passível de ser
entorse de tornozelo. tornozelo. Realizando
incorporada ao treino de
proposta de treino
futebolista.
preventivo com três sessões
de treinos semanais.

Revisão bibliográfica.
Artigos indexados na base
Rogrigues e Resultados descritivos
Caracterização da entorse de de dados Medline e
2 Waisberg
tornozelo. MESH (biblioteca
sobre a prevenção de
(2009)1 entorse de tornozelo.
nacional de medicina dos
Estados Unidos).

Descrever o conhecimento Conclui-se, o baixo índice


sobre o conceito de de conhecimento sobre o
Experimento - Entrevista,
propriocepção e conceito de propriocepção e
foram avaliados 29
Vieira, aspectos como a sua a pouca utilização de
atletas, todos do sexo
3 Siqueira e utilização prática e os tipos e
masculino e com idade
treinamento proprioceptivo
Silva (2009)26 mecanismos de lesões por parte dos atletas
variando entre 17 e 28
apresentadas por atletas em avaliados e o elevado
anos.
uma equipe de futebol do número que estes atletas
estado de Pernambuco. apresentaram de lesões.

Verificar a incidência das Concluiu-se que a lesão e a


Experimento - Aplicação
lesões ortopédicas por dor são episódios
de questionário. 21
segmento anatômico frequentes na maioria dos
Abrahão et al jogadores de um time de
4 (2009)20
associados à avaliação da
futebol amador, sexo
jogadores avaliados. E os
frequência e intensidade da segmentos anatômicos mais
masculino e idade entre
dor em uma equipe de futebol sujeitos a lesão foram o
19 e 30 anos.
amador. tornozelo e o pé.

Experimento -
Analisar o efeito do Conclui-se que exercícios
Observação e relatos.
treinamento proprioceptivo e simples de propriocepção e
Treze atletas que
Mota et al de força resistente sobre a de força resistente
5 (2010)4 incidência de entorses de
disputavam o
diminuem a incidência
Campeonato Paulista da
tornozelo e lesões musculares de lesões em futebolistas e
1ª divisão (sub-20)
em futebolistas. são, portanto, preventivos.
participaram.

Na análise intermuscular foi


observada maior atividade
Avaliar por eletromiografia a
Experimento - Realização do tibial anterior, exceto no
ativação muscular do
de teste com sequência de balancinho. Assim, para o
gastrocnêmico e tibial
exercícios. Foram treino do apoio unipodal na
Callegari et al anterior em diferentes
6 (2010)27 exercícios de propriocepção
selecionados 54 aquisição do ganho
voluntários, sedentários, proprioceptivo, o
do tornozelo em apoio
destros, do sexo equipamento adotado deve
unipodal, comparando graus
masculino (20-35 anos) ser escolhido com cuidado:
de dificuldade.
no balancinho é maior o
recrutamento dos músculos
tibial anterior e
gastrocnêmico, assim como
é maior o grau de
dificuldade para
manutenção do equilíbrio.

A AOFAS (American
Orthopaedic Foot and
Moreira, Revisão bibliográfica. 11 Ançle Society ) apresentou
Levantamento sobre os casos
Sabino e artigos indexados nas uma análise mais completa
7 Resende
de entorse de tornozelo
bases de dados scielo e sendo, portanto, o
lateral.
(2010)28 medline. instrumento mais eficaz na
avaliação funcional do
complexo pé – tornozelo.

Apesar de inúmeros estudos


permanece obscuro o real
Discutir a importância entre Revisão bibliográfica. mecanismo que o SNC
Camargo e as informações sensitivas Artigos Publicados nos utiliza para processar a
8 Fregonest podais e seus reflexos no últimos 5 anos indexados informação sensorial e
(2011)21 mecanismo de controle na base de dados Bireme e selecionar a informação
postural Pubmed. motora adequada seja para
movimento ou estabilização
postural.

Revisão bibliográfica
descritiva qualitativa.
No presente estudo de
Avaliar os benefícios dos Artigos publicados com
revisão bibliográfica, não
Resende e exercícios proprioceptivos na até 10 anos indexados nas
9 Souza (2012)5 prevenção da entorse de bases de dados scielo,
foi constatado divergência
da importância do treino
tornozelo. pubmed, google
proprioceptivo.
acadêmico e na biblioteca
virtual da FUPAC-TO.

Observa-se a
necessidade de mais
Revisão bibliográfica.
estudos clinimétricamente
Revisar, de forma Foram realizadas
válidos a
sistemática, instrumentos pesquisas
Suda e Coelho fim de atestar a sua
10 (2012)9
de avaliação concebidos para bibliográficas nas bases
validade para se obter uma
pacientes com instabilidade de dados pubMed,
ferramenta
crônica de tornozelo. embase, BVS,
eficaz e completa da
lilacs e scielo.
instabilidade funcional do
tornozelo.

Identificar a relação entre a


Experimento - análise 70% dos sujeitos já
distribuição da pressão planta
descritiva e qualitativa. 20 sofreram entorse de
e a ocorrência de entorse do
11 Leano (2014)29 tornozelo em atletas
atletas amadores do sexo tornozelo sendo esses com
masculino com idade predominância de pés
amadores de futebol de
entre 18 e 33 anos. normais.
campo.
Experimento - Estudo
Registou-se um total de 73
epidemiológico de design
Analisar e caracterizar as lesões em 45 atletas. Nos
retrospectivo. Amostra de
Lucas e lesões desportivas em sub-17 registaram-se 4,68
83 jogadores entre os 15 e
12 Oliveira futebolistas jovens e
os 19 anos, dos escalões
lesões por 1000 horas de
(2014)30 identificar fatores de risco exposição e nos sub-19,
de sub-17 e sub-19 de
associados a essa prática. 4,08 lesões por 1000 horas
duas equipes nacionais
de exposição.
portuguesas.

Os programas de
Revisão bibliográfica. intervenção se mostram
Estudar a importância do Artigos de 1995 a 2012 eficientes no aumento da
Montenegro
13 (2014)31
treinamento proprioceptivo e indexados na base de força muscular, resistência
neuromuscular. dados Bireme, Scielo e muscular, agilidade,
Medline. potência e aumento da
propriocepção.

Independente da variedade
de treinamentos
Comparar diversos protocolos
proprioceptivos, todos têm
de treinamentos Revisão bibliográfica.
um resultado positivo para
Balbino proprioceptivos, para se Artigos indexados nas
14 (2015)18 constatar qual seria o bases de dados lilacs,
o atleta da modalidade de
futebol, uma vez que estes
protocolo ideal para a scielo, pubmed.
podem ser usados na
modalidade.
reabilitação e na prevenção
de lesões esportivas.

Experimento - Descritivo
e analítico. Foram As lesões mais frequentes
Acompanhar os padrões e
Oliveira, diagnosticadas 46 lesões, foram as de sobre uso
incidência de lesão numa
15 Rebelo e Silva
equipa de futebol
correspondendo a uma (41%), seguidas das
(2016)32 incidência de 6,1 rupturas musculares (39%)
profissional.
lesões/1000h de e das entorses (9%).
exposição.

Adoção de estratégias
Foram apresentadas de
preventivas para que se
Ruivo,Pinheiro forma estruturada, um
consiga garantir a segurança e Revisão bibliográfica.
16 e Ruivo
ótima saúde Artigos indexados
conjunto de estratégias para
(2018)33 prevenção de lesões no
musculoesquelética
jogador de futebol.
de todos os jogadores.

3- DISCUSSÃO

4.1- A entorse de tornozelo e a anatomia do pé

O tornozelo contém um total de 26 ossos e numerosas articulações. Juntos, os ossos e


articulações do pé fornecem uma base de suporte para o corpo ereto e o auxiliam na adaptação
em terrenos irregulares e na absorção de impactos13.
O tornozelo é um complexo articular formado pela tíbia, fíbula e tálus (Figura 1). O
movimento súbito neste local acarreta uma lesão ligamentar traumática, denominada entorse de
tornozelo, comumente após um movimento em inversão.

“A entorse de tornozelo é uma das lesões musculoesqueléticas aguda de maior


acometimento na população mundial”14.

O termo tornozelo se refere principalmente à articulação talocrural, mas também inclui


duas articulações: a articulação tibiofibular e a sindesmose tibiofibular5,15.

Conforme o estudo realizado as entorses de tornozelo compreende três classificações


conforme o grau da lesão, veja figura 2.
Estima-se que é de 15 a 20% das lesões, e a entorse externa (lateral) acontece em maior
incidência chegando a 95%, geralmente são benignas e não deixam sequelas5.

As entorses são classificadas em graus I, II, III e essa classificação se dá de acordo com
o comprometimento do ligamento entre as articulações do tornozelo como mostrado na figura
acima e descrito a seguir1.

Tabela 2: Classificação da entorse de tornozelo

Estado Dor/Hiperse Frouxidão


Grau Gravidade Acometimento Tumefação
Funcional nsibilidade Ligamentar

A manutenção
da integridade Variável,
Ligeira, dor Gaveta anterior e
Em geral apenas articular produz porém
1 Ligeira localizada inclinação talar
TFA incapacidade geralmente
sobre a TFA negativas
funcional ligeira
mínima

Incapacidade Dor e
moderada, com Variável, hipersensibili Frouxidão
dificuldade da porém mais dade evidente, porém
2 Moderada TFA e CF marcha com o que no grau I, moderada com pontos
apoio no e equimose sobre os terminais distintos
calcanhar e nos resultante ligamentos ao estresse
artelhos acometidos

Antero-
Incapacidade
lateral e
funcional, com Hipersensibili
TFA e CF; espalhando- Gaveta anterior e
perda de adm e dade
3 Grave possivelmente se inclinação talar
incapacidade acentuada à
TFP difusamente positivas
completa de palpação
ao redor da
sustentar o peso
articulação

TFA, ligamento talofibular anterior; CF, ligamento calcaneofibular; TFP, ligamento talofibular
posterior; ADM, amplitude de movimento.
Fonte: Adaptado de Rodrigues e Waisberg (2008).

Três ligamentos – os ligamentos talofibular anterior e posterior e o ligamento


calcaneofibular – reforçam a cápsula articular lateralmente. As quatro faixas do ligamento
deltoide contribuem para a estabilidade na face medial13.
Já a estabilidade dinâmica é fornecida para o tornozelo lateral pela força dos tendões
fibular longo e curto16.
4.2- A entorse de tornozelo no futebol

A propriocepção é definida por muitos como uma combinação de sensação do


movimento e consciência de posição da articulação no espaço17.
Nos estudos realizados foram relatados que vários atletas após sofrerem um trauma no
tornozelo como entorse sofrem de déficit proprioceptivo pôs lesão. A entorse de tornozelo é
uma lesão frequente na prática esportiva já que ela é a lesão mais comum nos esportes em geral.
Esta lesão está ligada à instabilidade do complexo articular do tornozelo conforme relata os
autores no estudo realizado.
Afirma que no esporte de alto rendimento como o futebol os riscos de lesões são
inúmeros, atletas deste patamar são cada vez mais expostos a treinos desgastantes, cansativos,
em que muitas vezes o corpo ultrapassa seus limites anatômicos e fisiológicos, o que aumenta
o nível de competitividade entre os competidores, tudo em busca de um objetivo proposto a
eles18,19.
Ainda segundo identificado nesse estudo, o índice de lesões no futebol vem aumentando,
devido a competitividade o que é bastante preocupante para o atleta e treinadores, já que
precisam estar preparados cada dia melhor para que tenha seu espaço no time e nesse mercado
amplo. Isso faz com que os atletas e treinadores aumentem o número de jogos e treinos na
temporada, levando muitas vezes o atleta a uma fadiga muscular o que gera ainda mais lesões,
para que isso não aconteça e esse limite não se ultrapasse o atleta deve estar bem condicionado
fisicamente e realize os trabalhos preventivos com um protocolo de exercícios proprioceptivos.

4.3- A propriocepção no futebol

A evolução médica tecnológica ocorrida nas últimas décadas teve impacto no esporte,
com um importante avanço na preparação física dos atletas e consequente exigência de máximo
desempenho20,10.
Percebe se que esse quadro atual transformou o estilo do futebol, com a substituição da
ênfase na técnica futebol-arte pelos componentes físicos futebol-força e táticos. O futebol atual
conforme os estudos relatam, exige capacidade anaeróbica especialmente velocidade e explosão
muscular para as ações de jogo e resistência aeróbica para os curtos períodos de recuperação
entre as ações de jogo.
Além dos padrões de movimentos citados anteriormente percebe se nesse estudo que
são exigidos devido a características próprias da modalidade, outros fatores que podem
contribuir para estas lesões os quais: são alterações posturais, encurtamentos musculares,
movimentos desportivos incorretos e o déficit proprioceptivo nos membros inferiores
principalmente em joelhos e tornozelos.
A Tabela 3 abaixo mostra os principais resultados achados nos artigos selecionados e já
mencionados na Tabela 1.

Tabela 3 - Resultados dos estudos selecionados


Autor/Ano Resultados/Conclusão
A análise da literatura permitiu constatar a grande importância atribuída ao treino
1 Lopes (2008)25 proprioceptivo na prevenção de entorse do tornozelo. Realizado proposta com de
treino preventivo com três sessões de treino semanais

Rogrigues e
2 Waisberg (2009)
Resultados descritivos sobre a prevenção de entorse de tornozelo

Conclui-se ressaltando o baixo índice de conhecimento sobre o conceito de


Vieira, Siqueira e
3 Silva (2009)26
propriocepção e a pouca utilização de treinamento proprioceptivo por parte dos
atletas avaliados e o elevado número que estes atletas apresentaram de lesões

Concluímos que a lesão e a dor são episódios frequentes na maioria dos


Abrahão et al
4 (2009)20
jogadores avaliados. E os segmentos anatômicos mais sujeitos a lesão foram o
tornozelo e o pé

Conclui-se que exercícios simples de propriocepção e de força resistente diminuem


5 Mota et al (2010)4 a incidência
de lesões em futebolistas e são, portanto, preventivos

Na análise Inter músculo foi observada maior atividade do tibial anterior, exceto no
balancinho. Assim, para o treino do apoio unipodal na aquisição do ganho
Callegari et al
6 (2010)27
proprioceptivo, o equipamento adotado deve ser escolhido com cuidado: no
balancinho é maior o recrutamento dos músculos tibial anterior e gastrocnêmico,
assim como é maior o grau de dificuldade para manutenção do equilíbrio

A AOFAS (American Orthopaedic Foot and Ançle Society apresentou uma análise
Moreira, Sabino e
7 Resende (2010)28
mais completa sendo portanto o instrumento mais eficaz na avaliação funcional do
complexo pé - tornozelo

Camargo e Apesar de inúmeros estudos permanece obscuro o real mecanismo que o SNC
8 Fregonest utiliza para processar a informação sensorial e selecionar a informação motora
(2011)21 adequada seja para movimento ou estabilização postural.

Resende e Souza No presente estudo de revisão bibliográfica, não foi constatado divergência da
9 (2012)5 importância do treino proprioceptivo
Observa-se a
Suda e Coelho necessidade de mais estudos clinimétricamente válidos a
10 (2012)9 fim de atestar a sua validade para se obter uma ferramenta
eficaz e completa da instabilidade funcional do tornozelo

70% dos sujeitos já sofreram entorse de tornozelo sendo esses com predominância
11 Leano (2014)29
de pés normais.

Registou-se um total de 73 lesões em 45 atletas. Nos sub-17 registaram-se 4,68


Lucas e Oliveira
12 (2014)30
lesões por 1000 horas de exposição e nos sub-19, 4,08 lesões por 1000 horas de
exposição

Montenegro Os programas de intervenção se mostram eficientes no aumento da força muscular,


13 (2014)31 resistência muscular, agilidade, potência e aumento da propriocepção

Independente da variedade de treinamentos proprioceptivos, todos têm um resultado


14 Balbino (2015)18 positivo para o atleta da modalidade de futebol, uma vez que estes podem ser
usados na reabilitação e na prevenção de lesões esportivas.

Oliveira, Rebelo As lesões mais frequentes foram as de sobre uso (41%), seguidas das rupturas
15 e Silva (2016)32 musculares (39%) e das entorses (9%).

Ruivo,Pinheiro e Foram apresentada de forma estruturada, um conjunto de estratégias para


16 Ruivo (2018)33 prevenção de lesões no jogador de futebol.

Todos os artigos cujo os resultados e conclusões foram apresentados na tabela acima


atenderam as exigências no que se refere aos objetivos deste estudo, todos os autores
apresentam conclusões positivas quanto a se manter um protocolo de exercícios proprioceptivos
que ajudasse a prevenir lesões como as entorses de tornozelo em futebolistas entre outras,
alguns desses estudos apresentam modelos de protocolos com sessões de exercícios que
atendam de forma satisfatória os treinos proprioceptivos, alguns descrevem a entorse enquanto
causa clínica e outros estabelecem uma relação com estudos e comprovações práticas nos seus
resultados.

4.4- Prevenindo entorse de tornozelo em atletas futebolistas

Como já dito, a entorse de tornozelo tem uma frequência abundante no esporte e no


futebol sua causa é constante. No entanto, várias estratégias são usadas para prevenir suas
comuns causas, que segundo os autores estudados, são estas treino proprioceptivo, treino de
força e estabilizadores externos.
Durante os estudos notou se que o SNC- Sistema Nervoso Central tem um importante
papel no que se refere aos exercícios proprioceptivos, pois, este possui um mecanismo pelo
qual os neurônios mais ativos limitam a atividade dos neurônios adjacentes menos ativos,
assegurando que apenas uma entre duas respostas competitivas seja expressa. Este fato
contribui para a percepção seletiva da sensação. Além disso, o próprio córtex motor e o tronco
cerebral podem inibir e controlar o fluxo de informação sendo, portanto, capazes de controlar
as informações provenientes da periferia21,22.
Sendo assim, o déficit proprioceptivo é bastante relevante, pois a propriocepção é um
mecanismo de percepção corporal, ou seja toda informação neural originada nos receptores
proprioceptivos das articulações, músculos, tendões, cápsulas e ligamentos que enviam
informações aferentes para o Sistema Nervoso Central com relação ao movimento, estado de
posição ou grau de deformação gerado nestas estruturas. O SNC por sua vez tem a função de
processar, organizar e comandar o corpo para que se mantenha um controle postural adequado
e os movimentos sejam corretos dentro do arco suportado18,23,24.
Os estudos relatam que a incapacidade funcional ou crônica associada com as entorses
do tornozelo pode representar o resultado de várias anormalidades, por isso a necessidade de se
prevenir para se evitar:
 Instabilidade anterior, posterior no encaixe do tornozelo;
 Instabilidade ou formação de aderências na articulação subtalar;
 Diástase tibiofibular inferior;
 Fraqueza dos músculos pioneiros;
 Descoordenação motora secundaria a diferenciação articular.
O tratamento inadequado de entorses de tornozelo pode levar a problemas crônicos
como redução de movimento ou hipomobilidade, dor e instabilidade articular1. Por isso a real
necessidade de se prevenir e tratar se de maneira adequada lesões como entorse de tornozelo
uma vez que o pé é a base da sustentação e postura do indivíduo.

4- CONCLUSÃO

Com base na execução desse estudo de revisão bibliográfica, pode-se concluir que os
segmentos anatômicos mais sujeitos a lesão ortopédica em jogadores de futebol foram o
tornozelo e o pé. No entanto outros segmentos corporais embora em menor proporção também
estejam sujeitos às lesões. Acompanhando as lesões por entorse de tornozelo identifica se, a dor
como sendo um episódio frequente na maioria dos casos.
Neste estudo ficou claro que a relação do treino proprioceptivo com a entorse de
tornozelo é bastante evidente, ficou claro que é relevante a importância desta articulação, não
só pela sua localização anatômica, mais também pela sua função.
O fato de ocorrer muita entorses de tornozelos na vida diária e no desporto em especial
no futebol chama a atenção para que atividades proprioceptivas sejam inseridas na rotina de
treino do atleta afim de promover a prevenção ou até a recuperação pôs lesão. Conclui-se assim
que todo o estudo adotado para essa revisão literária aborda a importância de se estabelecer
uma relação entre o treino proprioceptivo e as entorses de tornozelo e nenhum dos quais foram
apresentados se posicionam de forma insatisfatório quanto ao fato de se elaborar protocolos de
treinamentos com sessões semanais de treino proprioceptivo.

5- REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

1- Rodrigues FL, Waisberg G. Entorse de Tornozelo. Projeto Diretrizes, 2008. Disponível


em: https://diretrizes.amb.org.br/_BibliotecaAntiga/entorse-de-tornozelo.pdf Acesso
em: 11 de out. de 2018.
2- MacAuley D. Ankle injuries: same joint, different sports. Med Sci Sports Exerc
1999;31: S409-11.
3- Emery CA, Meeuwisse WM, Hartmann SE. Evaluation of risk factors for injury in
adolescent soccer: implementation and validation of an injury surveillance system. Am
J Sports Med. 2005;33(12):1882-91.
4- Mota GR, Gomes LH, Castardeli E, Bertoncello D, Vicente EJD, Junior MM, Orsatti
FL. Treinamento proprioceptivo e de força resistente previnem lesões no futebol. J
Health Sci Inst. 2010;28(2):191-3.
5- Resende TL. Souza ALV. Benefícios dos exercícios proprioceptivos na prevenção da
entorse de tornozelo. Corpus et Scientia, v. 8, n. 1, p. , jun., 2012.
6- Magee DJ. Avaliação musculoesquelética. 4. ed. São Paulo: Manole, 2005.
7- PRENTICE, William E. Técnicas de reabilitação em medicina desportiva. 3ª ed. São
Paulo, Manole, 2002.
8- Barbanera M, Araújo RC, Fernandes TD, Hernandez AJ. Avaliação do torque de
resistência passiva em atletas femininas com entorse de tornozelo Rev Bras Med
Esporte. São Paulo, v.18, n.2, p.112-116. Março/April. 2012.
9- Suda EY, Coelho AT. Instrumentos de avaliação para limitações funcionais associadas
à instabilidade crônica de tornozelo: uma revisão sistemática da literatura. Fisioter.
Pesqui. São Paulo, v.19, n.1, P. 79-85. Janeiro/Março. 2012.
10- Silva EP, Gonzales DB, Gonzales TO. Terapias Manuais na ADM de Tornozelo.
Revista Brasileira de Ciências da Saúde, v. 3, n. 8, p. 26-30, abr./jun., 2006.
11- Rodrigues BB, Diefenthaeler FO. Envolvimento do tecido neural nas entorses de
tornozelo. Brazilian journal of biomotricity, v. 2, n. 3, p. 145-54, out. 2007/jun., 2008.
12- Maciel JB, Mejia DPM. A importância do treino proprioceptivo na prevenção de
reincidiva na entorse de tornozelo grau I. Disponível em <
http://portalbiocursos.com.br/ohs/data/docs/101/40A_importYncia_do_treino_proprio
ceptivo_na_prevenYYo_de_reincidiva_na_entorse_de_tornozelo_grau_I.pdf> Acesso
em 11 de out. de 2018.
13- Hall SJ. Biomecânica básica; [tradução Patrícia Neumam]. – 5. Ed. – Barueri, SP.
Manole, 2009.
14- Baroni BM. Adaptações Neuromusculares de flexores dorsais e plantares a duas
semanas de imobilização após entorse de tornozelo. Rev Bras Med Esporte, Porto
Alegre, v. 16, n, 5, p. 358- 362, set./out. 2010.
15- Neumann DA. Cinesiologia do aparelho musculoesquelético. 1. ed. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 2006. p. 593.
16- Dutton M. Fisioterapia ortopédica: exame, avaliação e intervenção. Tradução: Maria da
Graça Figueró da Silva e Paulo Henrrique Machado. – 2. Ed. – Porto Alegre: Artmed,
2010.
17- Bauer N, Neto LB, Preis CA importância da propriocepção na prevenção e recuperação
cinético-funcional esportiva. Revista Brasileira de Reabilitação e Atividade Física.
2013;2(1):28-37.
18- Balbino BF. Treinamento proprioceptivo no futebol: revisão bibliográfica. monografia
FUVIC- 2015. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.funvicpinda.org.br:8080/
jspui/bitstream/123456789/343/1/BrunaBALBINO.pdf> Acesso em 11 de out. de 2018.
19- Rossato CE, Lemos LFC, Teixeira CS. Propriocepção no esporte: uma revisão sobre a
prevenção e recuperação de lesões desportivas. Revista Saúde. 2013;39(2):57-70.
20- Abrahão GS, Caixeta LF, Barbosa LR, Siqueira DPP, carvalho LC, Matheurs JPC.
Incidência das lesões ortopédicas por segmento anatômico associado à avaliação da
frequência e intensidade da dor em uma equipe de futebol amador. Brazilian Journal of
Biomotricity, vol. 3, núm. 2, junio, 2009, pp. 152-158.
21- Camargo MR, Fregonest CEPT. A importância das informações aferentes podais para
o controle postural. Rev Neurocienc 2011;19(1):165-170.
22- Kandel ER. Fundamentos da Neurociência e do Comportamento. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 1997, p. 591.
23- Baldaço FO, Cadó VP, Souza J, Mota CB, lemos JC. Análise do treinamento
proprioceptivo no equilíbrio de atletas de futsal feminino. Fisioterapia em Movimento.
2010;23(2):183-92.
24- Antes DL, Katzer JI, Corazza ST. Coordenação motora fina e propriocepção de idosas
praticantes de hidroginástica. Revista Brasileira de Ciências do Envelhecimento
Humano. 2008;5(2)24-32.
25- Lopes BMS. A importância do treino proprioceptivo na prevenção de entorse do
tornozelo em futebolista. p. 79. Porto-Pt, Universidade do Porto/Faculdade do Deporto
(monografia). Disponível em <https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/14910/
2/38058.pdf> Acesso em 11 de out. de 2018.
26- Vieira RAG, Siqueira GR, Silva AM. Avaliação sobre conhecimento e utilização de
treinamento proprioceptivo em atletas de uma equipe de futebol Pernambucana. R. bras.
Ci. e Mov 2009;17(4):34-40.
27- Callegari B, Resende MM, Ramos LAV, Botelho LP, Albuquerque SA. Atividade
eletromiográfica durante exercícios de propriocepção de tornozelo em apoio unipodal.
Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v.17, n.4, p. 312-6, out/dez. 2010.
28- Moreira TS, Sabino GS, Resende MA. Instrumentos clínicos de avaliação funcional do
tornozelo revisão sistemática. Fisioterapia e Pesquisa. São Paulo, V. 17, n.1, p.88-93,
jan/mar. 2010.
29- Leano GM. Análise da influência do tipo de pé na entorse de tornozelo. p. 23. Campina
Grande-PB. Universidade Estadual da Paraíba/Centro de ciências biológicas e da saúde
(TCC). Disponível em <http://dspace.bc.uepb.edu.br/jspui/bitstream/123456789/8333/
1/PDF%20-%20Gabriel%20Marques%20Leano.pdf> Aceso em 11 de out. de 2018.
30- Lucas AMM, Oliveira RANS. Lesões do sistema músculo-esquelético em futebolistas
jovens. p. 127. Lisboa-Pt. Universidade de Lisboa/Faculdade de Motricidade Humana
(dissertação). Disponível em <https://www.repository.utl.pt/bitstream/10400.5/6840/1/
Tese%20de%20mestrado%20Alexandre%20Miguel%20Mil-Homens%20Lucas.pdf>
Acesso em 11 de out. de 2018.
31- Montenegro LP. Prevenção de lesões em futebolistas através do treinamento
neuromuscular e proprioceptivo em membros inferiores. Revista Brasileira de
Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo. v.8. n.43. p.5-13. Jan/Fev. 2014. ISSN
1981-9900.
32- Oliveira PMC. Padrões e Incidência de Lesão: estudo de caso na equipa de futebol
profissional do Clube Desportivo Feirense. p. 121. Porto-Pt. Universidade do Porto/
Faculdade do Deporto (relatório de estágio). Disponivel em < https://repositorio-
aberto.up.pt/bitstream/10216/87335/2/163765.pdf> Acesso em 11 de out. de 2018.
33- Ruivo R, Pinheiro V, Ruivo JA. Prevenção de lesões no futebol: bases científicas e
aplicabilidade. Revista Medicina Desportiva informa, 2018; 9(2):16-19.
https://doi.org/10.23911/Vol.9Iss.2Prevencao_lesao.