Você está na página 1de 4

Setor: ENFERMAGEM

PROCEDIMENTO
OPERACIONAL PADRÃO Nº: 02
ATRIBUIÇÕES DO CIRCULANTE DE SALA
DEFINIÇÃO:
Rotina que estabelece a função do circulante dentro da sala de cirurgia. O circulante de sala
deve estar escalado previamente pela enfermeira responsável pelo setor,
preferencialmente anotado na agenda diária do centro cirúrgico, para que todos
tenham conhecimentos da pessoa que será o “apoio”, a “referência”, durante todo o ato
cirúrgico.
OBJETIVOS:
Estabelece as diretrizes e atribuições dos técnicos e auxiliares de enfermagem no ambiente do
Centro Cirúrgico
RESPONSÁVEL:
Técnicos e auxiliares de enfermagem

DESCRIÇÃO DO PROCEDIMENTO:
1. Assumir o plantão conforme regra institucional;
2. Lavar as mãos;
3. Prover as salas cirúrgicas com material e equipamentos adequados, de acordo com o tipo
de cirurgia necessária ao paciente;
4. Ler o mapa de cirurgia, observando atentamente os materiais específicos descritos pelo
médico, bem como o uso de algum equipamento;
5. Verificar as reservas de sangue;
6. Verificar as condições da sala, checando tomadas e equipamentos fixos;
7. Verificar a limpeza dos focos e seu funcionamento.
8. Colocar o mobiliário em posição funcional;
9. Trazer para a sala todo material e/ou medicamentos especifico solicitado
10. Verificar toda a parte de roupas: aventais, campos, compressas e suprir a necessidade
deles, de acordo com a cirurgia proposta e equipe atuante;
11. Verificar a anestesia proposta e deixar todo material preparado;
12. Verificar condições dos lavabos e materiais para escovação.
13. Deve ser feito controle diário das cirurgias realizadas, em livro próprio, incluindo numero
total e observações sobre qualquer ocorrência fora da rotina;
14. Na entrada de novo “turno”, de funcionários, deverá ser feita passagem de plantão,
informando o que ocorreu no período anterior.
15. Devem ser conferidas todas as “peças” antes de encaminhá-las ao setor de patologia.
16. Deve ser realizado controle diário do estoque de material esterilizado e a respectiva data
de esterilização.
17. Diariamente, devem ser verificados o estado de conservação dos aparelhos e
equipamentos, solicitando conserto ou troca, se necessário.
18. Deve ser feito controle diário de medicação controlada: psicotrópicos e entorpecentes,
através de anotações e guardando frascos vazios.

Na admissão do Paciente:

1. Verificar sua identificação através do prontuário vindo com ele.


2. Verificar condições de tricotomia, ou realizá-la
3. Verificar se foram retiradas jóias e próteses, bem como óculos.
4. Verificar se o preparo, quando necessário, foi realizado, e o tempo que houve para
finalizá-lo.
5. Verificar sondagens e seus efeitos
6. Transportá-lo para a sala cirúrgica de acordo com o mapa local de cirurgia e acomodá-lo
na mesa cirúrgica.
7. Anotar horário de entrada no CC, e horário de entrada na sala de operação.

Transferência do paciente para a mesa de operação:

Após a apresentação do paciente à equipe da sala de operação, ele deve ser passado para
a mesa cirúrgica, mantendo sua privacidade, segurança física e emocional e seu conforto. Alguns
cuidados devem ser tomados para a transferência do paciente, como:
1. Fazer o nivelamento da altura da mesa cirúrgica com a maca.
2. Posicionamento da maca contra as laterais da mesa cirúrgica, evitando assim sua
movimentação que pode ocasionar a queda do paciente.
3. Solicitar ao paciente para que passe para a mesa cirúrgica, se fisicamente capaz.
4. Posicionar confortavelmente o paciente na mesa cirúrgica

Na sala de Cirurgia:

1. Puncionar a veia ou auxiliar na instalação dos soros.


2. Auxiliar o anestesiologista na indução e manutenção da anestesia.
3. Auxiliar a equipe cirúrgica no posicionamento do paciente.
4. Auxiliar na paramentação da equipe cirúrgica.
5. Colocar o paciente na posição para receber a anestesia.
6. Em seguida à anestesia, colocar o paciente na posição em que ocorrerá o ato cirúrgico.
7. Após o paciente ficar em posição, o circulante deve auxiliar a equipe médica com a
colocação dos aventais, deixando abertos os pacotes de luvas.
8. Solicitar ao instrumentador que lhe seja informado sobre os fios e materiais extras para a
cirurgia.
9. Abrir os pacotes de compressas e outros materiais que lhe foram solicitados, e colocar na
mesa do instrumentador, dentro das técnicas de abertura de pacotes.
10. Acender o foco.
11. Realizar na antissepsia da área operatória
12. Colocar a placa dispersiva do gerador eletro-cirúrgico (placa do bisturi).
13. Auxiliar na colocação dos campos cirúrgicos.
14. Prover as mesas do instrumentador e de cirurgião assistente com artigos e equipamentos
necessários ao ato operatório.
15. Manter o ambiente asséptico.
16. Acompanhar a cirurgia provendo ao instrumentador artigos necessários ao ato operatório.
17. Manter boa iluminação da área cirúrgica
18. Manter o ambiente calmo.
19. Realizar controle de perda sanguínea por meio da pesagem das compressas e gazes
utilizadas.
20. Preencher a ficha transoperatória, a fim de fornecer subsídios para
continuidade dos cuidados de enfermagem.
21. Prover equipamento para monitoração (cardíaca, oximetria, pressão não-
invasiva, capnografia).
22. Verificando seus SSVV.
23. Manter a ordem e a limpeza da sala durante todo o tempo em que a cirurgia estiver
ocorrendo.
24. Suprir as necessidades de materiais e medicamentos que lhe forem solicitados.
25. Após o inicio da cirurgia, anotar o gasto cirúrgico, anotando tudo de forma clara e precisa,
com atenção aos códigos e quantidades utilizados.
26. Realizar a anotação de enfermagem,
27. Encaminhar peças para anátomopatológico, de acordo com a rotina local;
28. Estar atento à quantidade de medicamentos utilizados, bem como os gases,
devem anotar inicio e termino deles.
29. Anotar possíveis queixas do paciente e avisar a equipe, principalmente o
anestesista.
30. Após o termino da cirurgia, o circulante deve retirar os campos de cima
do paciente, cobrindo-o com lençol e encaminhá-lo à SRPA de acordo coma orientação
médica.
31. Retirar da sala todo material, equipamento e roupas que foram utilizados,
dando destino a cada um, de acordo com a rotina do local.
32. Solicitar ao serviço de apoio ou semelhante, a limpeza terminal/concorrente da sala.
33. Montar a sala para a próxima cirurgia; caso tenha cirurgia especifica, montar a sala com
equipamentos básicos.

No final da cirurgia. O circulante deve:

1. Avisar o paciente do término do procedimento cirúrgico.


2. Auxiliar o cirurgião no curativo cirúrgico.
3. Retirar equipamentos, campos sujos e molhados que estão sobre o paciente.
4. Colocar o paciente em posição dorsal.
5. Verificar permeabilidade, fixação e drenagem de sondas, drenos e cateteres.
6. Remover a placa dispersiva do gerador eletro-cirúrgico.
7. Cobrir, aquecer e promover o conforto do paciente na mesa cirúrgica.
8. Ajudar o anestesiologista a manter a permeabilidade das vias aérea superiores.
9. Controlar a permeabilidade, fixação e gotejamento das infusões e irrigações.
10. Fazer anotações de enfermagem e ordem no prontuário.
11. Completar a ficha de débito.
12. Avisar o enfermeiro da recuperação pós-anestésica (RPA) ou da unidade de terapia
intensiva das condições em que o paciente se encontra.
13. Transportar o paciente à RPA ou à sua unidade de origem de acordo com a rotina do CC.

Fase de desmontagem da sala:

1. Reunir todos os artigos não usados ( estéreis) e colocar no carrinho para devolução ao
centro de material e esterilização e farmácia ou central de suprimentos.
2. Calçar luvas de procedimentos.
3. Retirar da mesa de instrumentais artigos pérfurocortantes descartando em local apropriado
designado pela instituição.
4. Desprezar artigos de uso único não cortantes em recipientes de lixo
apropriados.
5. Encaminhar ampolas e frascos vazios de medicamentos controlados ao destino
determinado pela instituição.
6. Reunir campo de pano nos “hampers”, revisando-os.
7. Retirar instrumental das mesas e colocar em suas caixas apropriadas para devolução no
CME verificando integridade, número de peças e colocando os mais delicados
sobrepostos aos mais pesados.
8. Aspirar com o aspirador da sala todos os líquidos restantes em mesa cirúrgica e
encaminhá-lo para limpeza conforma rotina da instituição.
9. Cânulas endotraqueais devem ser desprezadas após o uso.
10. Conexões do aspirador de secreções devem ser retiradas, desprezadas ou levadas ao
expurgo.
11. Frascos de aspiração devem ser descartados ou trocados e desinfetados antes do uso da
próxima cirurgia.
12. Lâminas de laringoscópios devem sobre processo de limpeza com água e
sabão com pH neutro, utilizando-se uma escova para remoção da sujidade e
desinfecção com álcool a 70%.
13. Recolher cubas e avulsos colocando-os no carrinho abastecedor de devolução.
14. Retirar luvas de procedimentos.
15. Lavar as mãos.
16. A roupa e o lixo devem ser retirados da sala de operação em carros fechados, seguindo
a rotina da instituição.
17. Após as etapas anteriores, realizar a limpeza da sala de operação conforme preconizado
pela instituição.

Data da Elaboração: Data da Revisão: Assinatura:

17/04/2013

Você também pode gostar