Você está na página 1de 12

UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO

CENTRO DE EDUCAÇÃO ABERTA E A DISTÂNCIA


Curso de Pedagogia

PROJETO DE INTERVENÇÃO

Brincar e ler na infância

UBERLÂNDIA
Janeiro/2014
UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO
CENTRO DE EDUCAÇÃO ABERTA E A DISTÂNCIA
Curso de Pedagogia

Lídia Gomes de Macêdo Messias

EMEI - Escola Municipal de Educação Infantil do Bairro Luizote de Freitas

Brincar e ler na infância

Projeto apresentado à disciplina Estágio


Supervisionado III, como exigência parcial
para conclusão desta etapa do curso de
graduação em Pedagogia da Universidade
Federal de Ouro Preto – Centro de
Educação Aberta e a Distância.

UBERLÂNDIA
Janeiro/2014
1- Apresentação

“A mente que se abre a uma nova ideia, jamais voltará ao seu tamanho
original.” Albert Einstein.

“Ao possibilitarmos à criança o acesso às brincadeiras, a leitura


e ao brincar, oferecemos a ela uma melhor qualidade de vida.
Brincando ela expande uma grande quantidade de emoções,
pela variedade de brincadeiras que vivencia, organiza melhor o
seu mundo interior. E o mais importante, através do brincar e
da leitura acaba aprendendo de forma prazerosa,
transformando um simples conhecimento em uma
aprendizagem significativa”. (Kwiecinki (2011).

A EMEI - Escola Municipal de Educação Infantil do Bairro Luizote de


Freitas situada na Rua Roberto Margonari, nº 753 Bairro Luizote de Freitas na
cidade Uberlândia, MG, sob a direção de Ednair Alves Pereira, a qual versa
uma gestão democrática, onde, o principal objetivo da instituição é promover o
desenvolvimento integral da criança, visto que essa é um ser complexo e não
pode ser analisado por apenas um prisma, ou simplesmente enquadrada em
teorias educacionais. Sendo assim, sua finalidade é o desenvolvimento integral
da criança até os 5 anos, e como referência aborda o RCNI (Referência
Curricular Nacional para Educação Infantil), onde o atendimento infantil é de 0
a 3 anos em tempo integral e de 4 a 5 anos em tempo parcial.

A escola possui um espaço bem amplo, o que chama a atenção, pois,


nem sempre as escolas de atendimento infantil possui esse porte. Nas áreas
externas contêm parques, quiosques, túnel, campinho, praças, casa de
bonecas, mini-quadra, parede de azulejo, horta, espaço com aves ornamentais,
cama elástica, jardins, estacionamento com motocas infantis, área com ducha,
espaço organizado com cestas para basquete, sala de artes, sala de música,
brinquedoteca/biblioteca, sala de vídeo, sala de recurso multifuncional para
atendimento educacional especializado.

2- Introdução
"A esperança de uma criança, ao caminhar para a escola é
encontrar um amigo, um guia, um animador, um líder - alguém
muito consciente e que se preocupe com ela e que a faça
pensar, tomar consciência de si e do mundo e que seja capaz
de dar-lhe as mãos para construir com ela uma nova história e
uma sociedade melhor". (Kwiecinki 2011 – Apud ALMEIDA,
1987, p.195).

Percebemos que a dinâmica da vida atual (uso demasiado da


tecnologia) vem afastando cada vez mais nossos alunos do ato de ler e brincar,
assim, é necessário promover de forma mais sistemática ações que
possibilitem a formação de crianças leitoras. Nesse sentindo o projeto foi
elaborado com o intuito de contribuir para a transformação de práticas
existentes na escola e para possibilitar a melhoria dos processos de leitura na
escola, especialmente na educação infantil.

Assim, é necessário perguntarmos: se as crianças desde a infância têm


acesso à literatura infantil no ambiente escolar, então o que pode ser feito para
ampliar a vivência e o contato com os livros, de forma a contribuir no
desenvolvimento mais eficiente de hábitos leitores?

Segundo KISHIMOTO (1997) a criança tenta compreender o mundo em


que ela vive e de certa forma reproduz situações da vida. Portanto, as crianças
que desde cedo convivem com os livros ao seu alcance, tem maiores
condições de desenvolver um comportamento leitor e se interessarão pela
leitura na vida adulta.

Sendo assim, aliar o brincar nas ações educativas tem sido uma
oportunidade de ensino e aprendizagem. De acordo com as novas Diretrizes
Nacionais para Educação Infantil a proposta pedagógica deve garantir a
criança acesso a processos que propiciarão renovação e articulação de
conhecimentos e aprendizagens de diferentes linguagens, assim como o direito
a proteção, à saúde, à liberdade, à confiança, ao respeito, à dignidade, à
brincadeira, à convivência e a interação com práticas de educação que
possibilitem a interação entre os aspectos físicos, emocionais, afetivos,
cognitivo/linguístico e sociais da criança entendendo que ela é um ser
completo, total e indivisível.
Portanto, através da espontaneidade do brincar, a leitura se torna um
hábito agradável, instigando a criança a vivenciar as principais características
do brincar, citadas por Vygostsky (1993, apud Friedmann) as quais são: a
situação imaginária, a imitação e as regras. Além de ampliar o desejo e o
prazer da leitura pela vivência com o universo literário e o lúdico da criança,
Friedmann (2006) ao citar Vygotsky ressalta que a atividade lúdica é crucial
para o desenvolvimento cognitivo.

Assim, as atividades lúdicas são oportunas na prática pedagógica,


favorecem a absorção dos conteúdos de forma contextualizada, são
incorporadas na didática do professor, e com estas intervenções poderão
minimizar o problema da falta de interesse na aquisição da leitura, no entanto,
cabe ao docente facilitar esse processo, dessa forma é necessário então
disponibilizar vários materiais que despertem o prazer pela leitura e com o
ambiente propício haverá maior interesse das crianças, onde, através do
brincar, os momentos de leitura tornam-se prazerosos.

3 - Justificativa:

A criança é um ser brincante e a escola é um espaço privilegiado na qual


ela se expõe, diverte, aprende , se relaciona, interage. Cabe à escola utilizar
desse diferencial para promover situações ricas de aprendizagem que
promovam o desenvolvimento de cidadãos autônomos. A infância é uma fase
de crescimento e desenvolvimento, determinante na formação do ser humano,
fase em que o brincar tem papel fundamental.
Segundo Vygotsky (1998) e Leontiev (1998) o brinquedo tem uma
essencial relação com o desenvolvimento infantil, especialmente na idade pré-
escolar. É o brinquedo que proporciona o maior avanço na capacidade
cognitiva da criança e por meio dele a criança se apropria do mundo real,
domina conhecimentos, se relaciona e se integra culturalmente. Por meio do
brinquedo a criança consegue ir além do seu comportamento habitual, atuando
num nível superior ao que ela realmente se encontra.
Assim, a importância e a realização de ações que garantam o
desenvolvimento adequado, estão atreladas as propostas que permeiam a
escola e o planejamento em que a criança é o centro do planejamento
curricular e um sujeito histórico e de direitos A criança constrói sua identidade
pessoal e coletiva, nas interações, relações e práticas cotidianas, brinca,
imaginam, fantasia, deseja, aprende, observa, experimenta, narra, questiona e
constrói sentidos sobre a natureza e a sociedade produzindo cultura.

Através das brincadeiras a criança desenvolve suas funções cognitivas,


e isso possibilita a promoção de resolução de conflitos que aparecem durante
as atividades, estimula, portanto o raciocínio lógico e também amadurece suas
habilidades motoras. Assim de acordo com Referenciais Nacionais curriculares:

A brincadeira favorece a auto-estima das crianças, auxiliando-as a


superar progressivamente suas aquisições de forma criativa. Brincar
contribui, assim, para a interiorização de determinados modelos de
adulto, no âmbito de grupos sociais diversos. Essas significações
atribuídas ao brincar transformam-no em um espaço singular na
constituição infantil. (BRASIL, 2007, P.27)

O desenvolvimento de atividades lúdicas facilita a aprendizagem, o


processo de comunicação e expressão corporal. Dessa forma percebemos que
a criança desenvolve conhecimento em outras áreas como a arte. A arte é uma
área na qual o indivíduo não começa somente com o primeiro rabisco, na
realidade tem início mais cedo, quando a criança reage às experiências
sensoriais estabelecendo o contato com o mundo. Aroeira (1996. P. 53)
enfatiza que “essa é de fato a base essencial para a produção de formas
artísticas.” Além de proporcionar a construção de outros conhecimentos como
a natureza e sociedade, a matemática, a linguagem oral e a escrita, as quais
surgem através de uma história, assunto, frases, desenhos e outros temas
inseridos na leitura, abrangendo e explorando os meios possíveis de interagir a
criança com o universo da leitura e do brincar.

4 - Objetivo Geral:

Investigar e analisar as ações de leitura proporcionadas às crianças da


educação infantil de forma a propor atividades que possibilitem a
sistematização da leitura por meio do brincar.

4.1 - Objetivos Específicos:


● Desenvolver ações pedagógicas que despertem nas crianças o interesse
pelos livros.

● Ensinar as crianças a manusearem os livros com cuidado e


responsabilidade como, não rasgar, explicar que o livro será útil para
outras pessoas, cuidar com carinho e conservação.

● Incluir nos momentos lúdicos, atividades que instiguem a leitura e


auxiliem no desenvolvimento da oralidade das crianças.

● Possibilitar atividades que promovam a interdisciplinaridade a partir da


leitura e do brincar e suas relações com a ética, a arte, o meio ambiente
e a relações sociais próprias da infância.

● Envolver a comunidade local por meio das ações investigativas e


durante a realização dos momentos de leitura e oficinas.

5 - Metodologia

Partindo do pressuposto da importância da leitura e do brincar no


desenvolvimento infantil propomos a investigação das ações de leitura já
desenvolvidas na escola e contribuir com as novas proposições.

Considerando o brincar como parte desse universo infantil propõe-se


momentos de brincar e ler na escola envolvendo os educadores e a família em
ações como: leitura em família, cantinho da leitura, ler e brincar com fantoches,
criação de um baú de histórias com objetos relacionados às histórias lidas e
contadas, hora da história e outras ações que surgiram na troca com os
educadores e os familiares envolvidos.

Como finalização e avaliação do projeto, as crianças contarão textos


lidos por meio da atividade de reconto oral e falarão sobre a experiência. Ainda,
será aplicado um questionário com os pais para que avaliem as ações
realizadas e os avanços relacionados à leitura e o brincar, através das ações
desenvolvidas pelas crianças, além, da reflexão sobre a participação da família
no desenvolvimento da leitura e do brincar inerente a criança.

5.1 – Materiais Didáticos


Livros de diversos gêneros, vídeos, materiais lúdicos, baú de histórias,
jogos pedagógicos, figuras e imagens, fantoches, suporte flexível para teatro e
outros elementos que possibilitem maior diversidade de materiais oferecidos
para as crianças.

5. 2 - Disciplinas envolvidas:

Linguagem oral e escrita, Matemática, Artes, Natureza e Sociedade.

Público alvo: alunos da Educação Infantil – 2º Período - 5 anos

6 - Avaliação:

Brincar é uma ação inerente na criança e de todo o universo da infância,


é através deste brincar que ela forma conceitos, seleciona ideias, estabelece
relações lógicas, integra percepções, cria estimativas e vai se socializando. O
lúdico educa e ajuda a criança a enfrentar mais facilmente as dificuldades da
vida. O lúdico apresenta fundamental importância para o desenvolvimento de
uma criança, e sua função educativa oportuniza a mesma uma aprendizagem,
um conhecimento de mundo. Ao desenvolver atividades lúdicas, a criança
facilita seu processo de aprendizagem, de desenvolvimento pessoal, social,
motor, afetivo e cultural, de socialização, comunicação, expressão e construção
do conhecimento.

Assim, no desenvolvimento do projeto serão realizados registros escritos


e fotográficos das ações e encontros desenvolvidos a fim de apontar questões
a serem avaliadas pela equipe participante. Dessa forma a avaliação será
processual. E ao final do projeto pretende-se aplicar um questionário de
avaliação com questões pertinentes.

O alcance dos objetivos deste projeto depende da atuação e empenho


do educador, do coordenador pedagógico, além, do apoio da direção da
escola, do desempenho dos demais funcionários da instituição, e ainda, do
auxílio dos pais. Portanto, é preciso obter a confiança de todos, para que
possamos trabalhar de forma coerente e proporcionando maior intercâmbio
entre a escola e a família. Assim teremos êxito na implantação do projeto
citado acima.
7 – Cronograma de execução:

O projeto deverá ser desenvolvido durante os meses de Fevereiro a


Abril. A execução do projeto será do dia 10/02/14 a 23/04/14, perfazendo carga
horária de 2horas e 52minutos, durante três vezes por semana, sob
intervenção da estagiária1, completando 80 horas de estágio obrigatório dentro
da escola. Porém, poderão acontecer alterações nas datas de acordo com o
calendário escolar e o cronograma das atividades pedagógicas da escola.

CRONOGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO PROJETO - MÊS


FEVEREIRO

Disciplinas envolvidas: Linguagem oral e escrita; Matemática; Artes;


Sociedade e Natureza.

Data da Intervenção Atividades propostas

1ª semana (dias: 10/11/12 e 13) Propõe-se uma conscientização do


corpo docente e dos familiares sobre
a importância de inserir o hábito da
leitura e do brincar na criança;
2ª semana (dias: 18/19 e 20) Através de palestras, bilhetes
enviados aos pais e reuniões
regulares com o corpo docente,
enfatizar a importância do projeto,
além de sugestões como a confecção
de brinquedos e relatos sobre os
mesmos; Elaboração cadernos
itinerantes: Diversos gêneros literários
e Brinquedos e brincadeiras.
3ª semana (dias: 25/26 e 28) Será criado o espaço ou o canto da
leitura para as crianças, pois,
constituirá um ambiente propício onde
elas tenham prazer de estar lá e

1
Lídia Gomes de Macêdo Messias – Mat.10.2.8884 7º período – Pedagogia – CEAD/UFOP
Polo presencial Araguari
manusearem os livros expostos.

CRONOGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO PROJETO - MÊS MARÇO

Disciplinas envolvidas: Linguagem oral e escrita; Matemática; Artes;


Sociedade e Natureza.

Data da Intervenção Atividades propostas

1ª semana (dia: 07) Iniciar e realizar com as crianças a


confecção de: fantoches e o suporte
flexível para teatro, no intuito de
compor o canto da leitura na sala de
aula e sendo possível na área externa
também;
2ª semana (dias: 11/13 e 14) Continuação da confecção com as
crianças: fantoches; suporte flexível
para teatro, no intuito de compor o
canto da leitura na sala de aula e
sendo possível na área externa
também;

3ª semana (dias: 19/20 e 21) Serão propostos momentos, onde, a


criança tenha contato com os livros e
participem de oficinas de arte e
leitura;
4ª semana (dias: 25/27 e 29) Criação do Baú de Histórias e seu
contexto dentro da contação de
histórias;

CRONOGRAMA DE DESENVOLVIMENTO DO PROJETO - MÊS ABRIL

Disciplinas envolvidas: Linguagem oral e escrita; Matemática; Artes;


Sociedade e Natureza.
Data da Intervenção Atividades propostas

1ª semana (dias: 01/03 e 04) Apresentação de algumas histórias


selecionadas de acordo com a faixa
etária das crianças, para possível
representação da mesma;

2ª semana (dias: 08/10 e 11) Serão realizadas atividades de


interpretação destas histórias a partir
do diálogo, da contação de histórias
com fantoches e outras técnicas como
suporte flexível de teatro, mostrando
como ler e levantar questionamentos
sobre o texto lido.
3ª semana (dias: 14/15 e 16) Apresentar através de uma peça
teatral uma história (a escolher),
onde, as crianças (algumas) possam
ser os protagonistas, além, da
participação da família e de
convidados;

4ª semana (dia: 22) Elaboração e aplicação do


questionário aos pais, para que
avaliem as ações realizadas e os
avanços relacionados à leitura e o
brincar; além, de uma reflexão sobre
a participação da família no
desenvolvimento da leitura e do
brincar inerente a criança.
7 - Referências:

BRASIL. CNE/CEB. Parecer 22/98 discute as Diretrizes Curriculares


Nacionais para a Educação Infantil. Brasília – DF, 17/12/98.

FRIEDMANN, Adriana. A Arte de Brincar. São Paulo: Página Aberta, 1996.

KISHIMOTO, Tizuco M. Jogo. Brinquedo, Brincadeira e a Educação. São


Paulo: Cortez, 1997.

KWIECINKI, Inez. O desenvolvimento a criança através do Brincar.


Disponível em< http://www.artigonal.com/educacao-infantil-artigos/o-
desenvolvimento-da-crianca-atraves-do-brincar-4107949.html> Acesso em 09
Jan. 2014.

VYGOTSKY, L. A Formação Social Da Mente – 5ª Edição. São Paulo: Martins


Fontes, 1995.

VYGOTSKY, L.S. et al. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. São


Paulo: Ícone, 1998.

Você também pode gostar