Você está na página 1de 216

Cálculo

Cálculo e Geometria Analítica

Me. Paulo Nascimento


Copyright
c 2016 Paulo Nascimento

P UBLISHED BY E DITORA

Licensed under the Creative Commons Attribution-


NonCommercial 3.0 Unported License (the “License”).
You may not use this file except in compliance with the
License. You may obtain a copy of the License at

Terceira impressão, Setembro 2016


Conteúdo

Vetores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6

Tratamento Geométrico para Operações com Vetores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7

Dependência Linear . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8

Bases-Coordenadas de um Vetor . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8

Tratamento Algébrico para Operações com Vetores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9

Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

Vetores e Operações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12

Retas e Planos 19

Retas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

Planos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22

Posições Relativas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27

Ângulos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30

Distâncias . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33

Transformação de Coordenadas 36

Translação de Eixos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36

Rotação de Eixos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39

Cônicas 43

O Plano Polar . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60

Superfícies 78

Integrais Duplas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 89

Integrais Duplas em Certas Regiões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98

Integrais Triplas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 113


Mudança de Coordenadas em Integrais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 123

Aplicações com Integrais Duplas e Triplas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129

Funções Vetoriais 139

Gráficos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140

Limites . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140

Continuidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141

Derivadas Parciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141

Derivadas Parciais Sucessivas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141

Campos Notáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 142

Curvas Parametrizadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143

Parametrizações Notáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 145

Parametrização versus Velocidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 150

Curvas Equivalentes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152

Integrais Curvilíneas de Campos Escalares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 157

Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 158

Centro de Massa e Momento de Inércia de um Fio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 160

Integrais Curvilíneas de Campos Vetoriais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 163

Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 165

O Teorema de Green . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 166

Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 170

Área de uma região . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172

Integrais Curvilíneas em Campos Vetoriais Conservativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 173

Campos Vetoriais Conservativos em Domínios Simplesmente Conexos . . . . . . . . . . . . . . . . . . 176

Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 179

Superfícies Parametrizadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180

Parametrizando Funções Reais de Duas Variáveis Reais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 181


Parametrizações Notáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 182

Algumas Considerações sobre Superfícies . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185

Curvas Coordenadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 185

Plano Tangente e Reta Normal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187

Superfícies Regulares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 188

Orientação de Uma Superfície . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 189

Área de uma Superfície . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 190

Primeira Forma Quadrática . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 192

Área de uma Superfície de Revolução . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 193

Integrais de Superfície de Campos Escalares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 194

Centro de Massa e Momento de Inércia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 196

Integrais de Superfície de Campos Vetoriais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 197

Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 199

O Teorema de Stokes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200

Orientação no Bordo Induzida Pelo Campo Normal à Superfície . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200

O Teorema de Stokes . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201

O Teorema de Gauss . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207

Atividades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 209
Apontamentos

Vetores
R Só se pode comparar os sentidos de dois seg-
Considere uma reta r e nela to- r
B mentos de reta orientados se eles possuem a
memos dois pontos não coinci-

Cálculo e Geometria Analítica


mesma direção.
dentes A e B . A porção da reta A
limitada por estes pontos chama-
Todos os segmentos de reta equipolentes a um de-
mos de segmento de reta AB .
terminado segmento de reta orientado AB formam um

Dois segmentos de reta têm a mesma direção se, e so- conjunto chamado classe de equipolência de AB .
mente se, são partes da mesma reta ou se são partes
Um vetor v é uma classe de equipolência num espaço
de retas paralelas não coincidentes.
euclidiano, ou seja, é um conjunto determinado por to-

Ao segmento de reta AB podemos associar um sen- dos os segmentos de reta orientados equipolentes a um

tido: de A para B , por exemplo. Denotaremos por AB determinado segmento. Portanto, um vetor v é determi-

o segmento de reta cuja orientação está associada ao nado por uma infinidade de segmentos de reta orienta-
sentido de A (origem) para B (extremidade). dos, chamados representantes, todos equipolentes en-
tre si. Indicaremos o conjunto de todos os vetores por
Ao segmento de reta orientado com origem e extremi- V n , n ∈ N e terá um significado que será visto posteri-
dade num mesmo ponto A denotaremos por segmento ormente.
nulo AA = 0. O ângulo entre dois vetores u
e v não-nulos é o ângulo θ for- u
Dois segmentos orientados e não nulos, AB e C D ,
mado por suas retas que os θ
de mesmo módulo (tamanho ou comprimento) (|AB | =
contém e quando estes estão v
|C D |), direção e sentido são ditos equipolentes ( AB ∼
unidos por suas origens.
C D ).
Observe que, até aqui, não estamos interessados na
Proposição 1 A equipolência é um a relação de equi-
orientação do ângulo (sentido horário ou anti-horário).
valência, ou seja:
Portanto, 0 ≤ θ ≤ π (θ em radianos).

• reflexiva: AB ∼ AB ; Dois vetores u e v, não nulos, são coplanares, isto é,


estão no mesmo plano, se possuem representantes em
• simétrica: AB ∼ C D ⇒ C D ∼ AB ;
um mesmo plano, paralelos (u k v) se seus represen-
• transitiva: AB ∼ C D e C D ∼ E F ⇒ AB ∼ E F . tantes (segmentos de reta equipolentes) também o são
e perpendiculares (u ⊥ v) se estão no mesmo plano
e o ângulo entre eles for de 90◦ . Os vetores que for-
A demonstração desta proposição será omitida pois é
mam ângulo reto, mas, não estão necessariamente no
imediata.
mesmo plano são ortogonais. O vetor nulo 0 é paralelo
e ortogonal a qualquer vetor. O vetor −u = BA é o
R Dois segmentos de reta orientados AB e C D oposto de u = AB, ou seja, possuem mesmo módulo,
equipolentes e não pertencentes à mesma
direção, porém, sentidos contrários.
reta formam, necessariamente, um paralelo-
gramo ABC D . Dois segmentos de reta orien- Observe que dois vetores quaisquer são coplanares,
tados opostos possuem sentidos contrários.
pois podemos tomar um ponto no espaço e, com ori-
gem nele, imaginar dois outros representantes destes

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


6
Apontamentos

pertencendo a um plano que passa por este ponto. En- outro. O vetor formado pela origem e extremidade não
tretanto, três vetores poderão ou não ser coplanares. utilizadas nesta disposição e neste sentido, nos dará o
vetor resultante da adição u + v (vetor soma). No caso
Restringiremos nosso estudo aos vetores do espaços
da subtração (u − v) utilizamos o mesmo processo da
Cálculo e Geometria Analítica

euclidianos R2 e R3 que representam, respectivamente,


adição, porém, consideraremos o vetor oposto, ou seja,
o plano e o espaço.
(u + (−v)). Assim, a operação de subtração nada mais
é do que uma adição com o vetor oposto.

Atividade v+u u
EA 1 Dado o paralelepípedo
u u
u−v
H G v
v −v
E F Considere os vetores u, v, e w em V . A operação de
adição goza das seguintes propriedades:
R C

A B 1. Comutativa: u + v = v + u;
julgue verdadeiro (V) ou falso (F) as seguintes sen-
tenças: 2. Associativa: (u + v) + w = u + (v + w);

(a) ( ) RH = BF (e) ( ) |AC| = |HF|


3. Existência do elemento neutro: u + 0 = u;
(b) ( ) AB = −HG (f) ( ) |AG| = |RF|
4. Existência do elemento oposto: u + (−u) = 0.
(c) ( ) AB ⊥ CG (g) ( ) BG//ER

(d) ( ) AF ⊥ BC (h) ( ) BF//FB  ER 1 Com base na figura do exemplo 1, temos

(i) ( ) AB, AR e EG são coplanares. que:

(j) ( ) CB, EG e HF são coplanares. (a) AB + CG = AF


(f) EF − FB = AF
(b) BC + RE = BF
(k) ( ) AC, BR e FG são coplanares.
(g) AB + AR + AE = AG
(c) BF + EH = BG
(l) ( ) AB, BG e CF são coplanares. (h) EG + RA + FH = EH
(d) EG − BC = EF
(m) ( ) AB, CD e CF são coplanares. (i) fG − RA − FH = AC
(e) CG + HF = RF
(n) ( ) AE é ortogonal ao plano ABC .


(o) ( ) AB é ortogonal ao plano BC G .

Produto entre um Vetor e um Escalar


(p) ( ) CD é paralelo ao plano HE F .

Dado um vetor não nulo u e um escalar α ∈ R, o pro-


duto de α por u é o vetor w = αu tal que:

Tratamento Geométrico para Operações com Vetores 1. |w| = |αu| = |α| · |u|;

Adição entre Vetores 2. w tem a mesma direção de u;

Considere dois vetores u e v dispostos de maneira que 3. w tem o mesmo sentido de u para α > 0 e sentido

a origem de um deles coincide com a extremidade do contrário para α < 0.

7 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

Dependência Linear Das definições equivalentes apresentadas, podemos


concluir que:
Considere os n vetores v1 , v2 , . . . , vn e os n escalares
α1 , α2 , . . . , αn . Chamamos
1. A sequência (v) de um termo é linearmente depen-

Cálculo e Geometria Analítica


v = α1 v1 + α2 v2 + . . . + αn vn dente se, e somente se, v = 0.
de combinação linear dos n vetores vi , com n coefici-
2. A sequência (v1 , v2 ) de dois termos é linearmente
entes αi , 1 ≤ i ≤ n, i ∈ N.
dependente se, e somente se, v1 k v2 .

Se v é combinação linear dos vetores v1 , v2 , . . . , vn com


3. A sequência (v1 , v2 , v3 ) de três termos é linear-
os escalares α1 , α2 , . . . , αn , diz-se também que v é ge-
mente dependente se, e somente se, os três ve-
rado por v1 , v2 , . . . , vn .
tores forem paralelos a um mesmo plano, isto é, se
Proposição 2 Dois vetores são paralelos se, e so- existem α1 , α2 tais que v3 = α1 v1 + α2 v2 .
mente se, um deles pode ser escrito como combina-
4. A sequência (vi ), i ∈ N ⊂ N de quatro o mais ter-
ção linear do outro.
mos é sempre linearmente dependente no R3 .

Prova: Suponha que u k v. Portanto, se 0 = u = v,


então u = αv, ∀α ∈ R. Se u = 0 e v 6= 0, então Propriedades

u = 0v. Se u e v são dois vetores não nulos, basta


|v| |v| 1. Se o vetor v é LI, ou seja, a sequência de um
considerar α = |u| , que teremos v = ± |u| u, onde o
termo, então dado um vetor u paralelo a v, temos
sinal depende do sentido entre os vetores.
que existe um único α satisfazendo a u = αv ou
Por outro lado, suponha que possamos escrever u existe um único β satisfazendo a v = βu. Portanto,
1
como uma combinação linear de v, ou seja, u = αv. α= β.

Portanto, u k v por definição.


2. Se u e v são LI e w pertence ao mesmo plano que
u e v, então existem escalares não nulos α e β tais
Proposição 3 Três vetores são coplanares se, e so- que w = αu + βv.
mente se, um deles pode ser escrito como combina-
3. Se três vetores v1 , v2 , v3 são LI, então para um ve-
ção linear dos outros dois.
tor v qualquer temos que existe um único terno
(α1 , α2 , α3 ) tal que v = α1 v1 + α2 v2 + α3 v3 .
Deixamos como exercício a prova desta Proposição.

Se um dos vetores vi de uma sequência de vetores Bases-Coordenadas de um Vetor


(vi ), i ∈ N ⊂ N é escrito como combinação linear de
outros termos desta sequência dizemos que a sequên- Um conjunto de vetores é chamado de base para um

cia é linearmente dependente (LD). Caso contrário, a determinado espaço V se é um conjunto linearmente
sequência é dita linearmente independente (L.I.). independente e se todos os vetores de V são obtidos
de alguma combinação linear de vetores de . Por exem-
De outra forma, uma sequência de
vetores plo, considere dois vetores v , v LI do plano (R2 ) e
1 2
(v1 , v2 , . . . , vn ) é linearmente dependente se, e so-
observe que qualquer vetor v pode ser obtido através
mente se, existem escalares α1 , α2 , . . . , αn , não todos
de uma combinação linear destes. Neste caso, o con-
nulos, tais que
junto = {v1 , v2 } constitui uma base do plano. Assim,
α1 v1 + α2 v2 + . . . + αn vn = 0. v = α1 v1 + α2 v2 e os escalares α1 e α2 são chamados

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


8
Apontamentos

de coordenadas do vetor v na base e podemos escre- Adição entre Vetores


ver v = (α1 , α2 ).
Dados dois vetores u = (u1 , u2 , u3 ) e v = (v1 , v2 , v3 )
3
No espaço (R ) já são necessários três vetores LI para definimos a adição da seguinte forma:
Cálculo e Geometria Analítica

expressar um vetor qualquer. Portanto, o conjunto =


u + v = (u1 + v1 , u2 + v2 , u3 + v3 ).
{v1 , v2 , v3 } LI forma uma base para o espaço, pois, v =
α1 v1 +α2 v2 +α3 v3 representa qualquer vetor do espaço.
Os escalares α1 , α2 e α3 são as coordenadas do vetor Propriedades

v na base e podemos escrever v = (α1 , α2 , α3 ).


Dados três vetores u, v e w quaisquer, temos:

As mais utilizadas são as bases ortonormais, ou seja,


os vetores que constituem esta base são ortogonais e (a) u + v = v + u
unitários. Assim, uma base ortogonal para o plano é
(b) (u + v) + w = u + (v + w)
= {e1 , e2 }, onde |e1 | = |e2 | = 1 e e1 ⊥ e2 , e para o
espaço = {e1 , e2 , e3 }, |e1 | = |e2 | = |e3 | = 1 e e1 ⊥ (c) u + 0 = u

e2 ⊥ e3 . Dentre as infinitas bases ortonormais no plano (d) u + (−u) = 0


existe uma importante: a base canônica, pois, é ela
quem determina o sistema cartesiano ortogonal xOy .
Produto entre um Escalar e um Vetor
A base canônica no plano é expressa por = {i, j}, onde
i = (1, 0) e j = (0, 1). Já no espaço, a base canônica é Dados um vetor u = (u1 , u2 , u3 ) e um escalar α ∈ R,
expressa por = {i, j, k}, onde i = (1, 0, 0), j = (0, 1, 0) e definimos o produto entre um escalar e um vetor da se-
k = (0, 0, 1). guinte forma: α · u = (α · u1 , α · u2 , α · u3 ).

O conceito de coordenadas de um vetor, relativamente Propriedades


à uma determinada base, nos dá uma maneira algé-
Dados dois vetores u e v quaisquer e dois escalares α
brica para tratarmos de algumas operações entre veto-
e β reais, temos:
res e entre vetor e escalar.
(a) α(βu) = (αβ)u (c) α(u + v) = αu + αv

(b) 1 · u = u (d) (α + β)u = αu + βu

Tratamento Algébrico para Operações com Vetores  ER 2 Dados os vetores u = (1, −2, 3), v =
(5, −3, 2) e w = (3, −2, 6), temos:

(2u + 3v) − 5w
Igualdade entre Dois Vetores = (2 · (1, −2, 3) + 3 · (5, −3, 2)) − 5 · (3, −2, 6)

= [(2, −4, 6) + (15, −9, 6)] − (15, −10, 30)


Proposição 4 Dois vetores são iguais se, e somente = (2 + 15, −4 − 9, 6 + 6) − (15, −10, 30)
se, suas coordenadas o são, ou seja, = (17, −13, 12) − (15, −10, 30) = (2, −23, 42).

u=v ⇔ (u1 , . . . , un ) = (v1 , . . . , vn )


⇔ u1 = v1 , . . . , un = vn .

A prova desta proposição é deixada para o leitor inte-


ressado.

9 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

2u + (3v − 5w) Ponto Médio

= 2 · (1, −2, 3) + (3 · (5, −3, 2) − 5 · (3, −2, 6))


Consideremos o segmento de reta orientado AB . O
= (2, −4, 6) + [(15, −9, 6) − (15, −10, 30)]
ponto médio M de AB determina dois vetores equipo-

Cálculo e Geometria Analítica


= (2, −4, 6) + (15 − 15, −9 − 10, 6 + 30) lentes. Portanto, AM = MB. Assim, (xM −xA , yM −yA ) =
xA + xB
= (2, −23, 42). (xB − xM , yB − yM ) e então xM = e yM =
2
yA + yB
, ou seja:
 2
 
xA + xB yA + yB
M , .
Observe que aqui consideramos vetores no espaço, po- 2 2
rém estes conceitos se estendem, da mesma forma, ao
plano. Módulo de um Vetor

O módulo ou a norma de um vetor v é obtido pela raiz


Vetor Definido por Dois Pontos quadrada do somatório dos quadrados de suas coorde-
nadas, isto é,
Podemos, facilmente, obter as coordenadas de um ve- v
u n
uX
tor u se possuirmos as coordenadas dos seus pontos |v| = |(v1 , v2 , . . . , vn )| = t (vi )2 , vi ∈ R.
i =1
extremos.
p
Consideremos o vetor resultante da soma de AO + No plano, |v| = v12 + v22 e no espaço |v| =
p
OB = AB. Portanto, AB = OB − OA, implicando em v12 + v22 + v32 .

Versor de um Vetor
AB = (xB , yB ) − (xA , yA ) = (xB − xA , yB − yA ).
u
Ao vetor unitário u◦ = com o mesmo sentido de um
|u|
vetor u chamamos de versor de u.
A
◦ u u
 ER 4 Se |u| = 5, então u = = . 
|u| 5

Atividades
O B
EA 2 Prove que o segmento de reta cujos ex-
Portanto, as componentes de um vetor AB são obtidas tremos são os pontos médios de dois lados de um
por B − A, isto é AB = B − A. triângulo qualquer é paralelo ao terceiro lado e igual
 ER 3 Dados os pontos A(1, −2, 3), B (5, −3, 2) e à sua metade.
C (3−, 2, 6), podemos obter as coordenadas de um EA 3 Num triângulo ABC , M , N e P são pontos
ponto D (m, n, p ) tais que AB = 2CD. De fato, esta médios de AB , BC e C A, respectivamente. Exprima
última igualdade é equivalente a B − A = 2 · (D − C ), BP , AN e C M em função de AB e AC .
ou ainda, (5−1, −3+2, 2−3) = 2·(m −3, n +2, p −6).
EA 4 Dados os pontos A(4; 0; 1), B (5; 2; 3),
Da igualdade entre vetores, extraímos:
C (3; 3; 5) e R (2; 1; 3):
 


 4 = 2 m − 6  m = 5


 
−1 = 2n + 4 ⇐⇒ n = −5/2 (a) Esboce a localização destes pontos num grá-

 


 −1 = 2p − 12 
 p = 11/2
fico cartesiano.


Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


10
Apontamentos

(b) Verifique se o polígono ABC D é um quadrado. diferença das medidas das bases. (Atenção: não é
1
suficiente provar que MN = (AB − RC), mas isso
(c) Determine as coordenadas do ponto X , inter- 2
ajudará bastante.)
secção das duas diagonais de ABC D .
EA 12 Sejam M , N e P os pontos médios dos la-
Cálculo e Geometria Analítica

dos AB , BC e AC , respectivamente, de um triângulo


ABC . Mostre que AN + BP + CM = 0.
EA 5 Dados os pontos A, B , C e X tais que AX =
EA 13 Dado um triângulo qualquer, mostre que
m · XB, exprima CX em função de CA e CB e m.
existe outro com lados paralelos e congruentes às
EA 6 Seja ABC um triângulo qualquer, com me-
medianas do primeiro.
dianas AR , BE e C F . Prove que AR + BE + CF = 0.
EA 14 Sendo ABC DE F um hexágono regular de
EA 7 Sejam u e v dois vetores não nulos. Seja
centro O , prove que: AB + AC + AR + AE + AF =
C = O + (x · u + y · v) onde x e y são reais.
6 · AO.
EA 15 Seja OABC um tetraedro, X o ponto da
(a) Qual é o lugar geométrico dos pontos C
reta BC definido por BX = mBC e AX em função de
quando x e y variam, satisfazendo a condição
OA, OB e OC.
x + y = 1;
EA 16 Seja OABC um tetraedro, X o ponto de en-
(b) Idem, quando x e y variam independentemente contro das medianas do triângulo ABC (baricentro).
no intervalo [0, 1]. Exprima OX em termos de OA, OB e OC.

EA 17 Sendo ABC DE F um hexágono regular de


centro O , prove que AB + AC + AR + AE + AF =
EA 8 São dados um triângulo ABC e os pontos 6 · AO.
X , Y , Z tais que AX = mXB, BY = nYC, e CZ = EA 18 Qual é o valor de x para que os vetores
p ZA. Exprima CX, AY, BZ em função de CA e CB u = (3, −x , −2), v = (3, 2, x ) e w = (1, −3, 1) sejam
(e m, n, p ). coplanares?
EA 9 Num triângulo ABC é dado X sobre o seg- EA 19 Sejam A, B , C e R pontos quaisquer, M
mento AB tal que |AX| = 2|XB| e é dado Y sobre o ponto médio de AC e N o de BR . Exprima u em
BC tal que |BY| = 3|YC|. Mostre que as retas C X e função MN, sendo u = AB + AR + CB + CD.
AY se cortam. Sugestão: Use o exercício anterior,
EA 20 Num hexágono regular ABC DE F , M1 , M2 ,
achando qual deve ser m e qual deve ser n. Supo-
M3 e M4 são os pontos médios dos lados onde se
nha CX = λAY e chegue a um absurdo.
situam. Escreva as expressões dos vetores AR, AB,
EA 10 Demonstre que o segmento que une os AF e M1 M3 como combinações lineares de AM1 e
pontos médios dos lados não paralelos de um trapé- AM4 .
zio é paralelo às bases e sua medida é a semi-soma
EA 21 Em um triângulo de vértices A, B e C , seja
das medidas das bases. (Atenção: não é suficiente
1 X um ponto sobre o segmento AB tal que AX =
provar que MN = (AB + RC), mas isso ajudará
2 2XB. Expresse CX como combinação linear de CA
bastante.)
e CB.
EA 11 Demonstre que o segmento que une os
EA 22 Seja ABC D um quadrilátero qualquer. Seja
pontos médios dos lados não paralelos de um tra-
P o ponto médio do segmento que une os pontos
pézio é paralelo às bases e sua medida é a semi-
médios das diagonais AC e BR . Mostre que: AP =

11 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

1 B , em que O é a origem dos sistema cartesiano or-


(AB + AC + AR).
4
togonal e os vetores u = AO e v = OB.
EA 23 Decida se as informações abaixo são ver-
O vetor AB, resultante da y
dadeiras ou falsas. Se verdadeiras, demonstre-as.
soma entre os vetores u A

Cálculo e Geometria Analítica


Se falsas, dê um contra-exemplo.
e v, e estes dois veto-
res, formam um triângulo,
(a) Se u e v não nulos são paralelos, então existe
e pela lei dos cossenos te- B
um real α tal que v = α u.
mos que: O x
u
(b) O vetor é unitário.
|u |
|AB|2 = |u|2 + |v|2 − 2|u| |v|cos (u, v). (2)

Porém,
EA 24 Dados O , A, B e C seja G um ponto tal
que GA + GB + GC = 0. Expresse OG em termos |AB|2 = (xB − xA )2 + (yB − yA )2
de OA, OB e OC. = xA2 + xB2 + yA2 + yB2 − 2(xA xB + yA yB )

EA 25 No triângulo ABC , tem-se BM = BC e e


3BN = BC. Expresse os vetores AM e AN em fun- |u|2 + |v|2 = xA2 + yA2 + xB2 + yB2 .
ção dos vetores AB e AC.
A Substituindo estes resultados em (2), obtemos:

u · v = |u| |v| cos(u, v). (3)

 ER 5 O produto escalar entre os vetores u =


B N M C
5i + 3j − 8k e v = 2i − 4j − k é:

u · v = 5 · 2 + 3 · (−4) + (−8) · (−1) = 10 − 12 + 8 = 6.

Vetores e Operações 

Produto Escalar
Propriedades

O produto escalar (·) entre dois vetores u =


Quaisquer que sejam os vetores u, v e w e o escalar
(u1 , u2 , . . . , un ) e v = (v1 , v2 , . . . , vn ) é definido como o
α ∈ R, temos:
somatório dos produtos das suas respectivas coorde-
nadas, isto é:
n
X (a) u · v = v · u
u · v = u1 · v1 + u2 · v2 + . . . + un · vn = ui · vi .
i =1
(b) u · (v + w) = u · v + u · w

Teorema 1 O produto escalar entre dois vetores u


(c) α(u · v) = (αu) · v = u · (α v)
e v do Rn , n um natural não nulo é, também, obtido
por: (d) u · u > 0, se u 6= 0
u · v = |u| |v| cos(u, v). (1)
(e) u · u = 0 ⇔ u = 0

Prova: Considere três pontos não colineares O , A,


(f) u · u = |u|2

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


12
Apontamentos

Ângulo entre dois Vetores forma com os vetores da base B = {i, j, k}. Logo:
v·i x
cos(α) = =
Isolando-se o cosseno do ângulo num dos membros na |v| · |i| |v|
v·j y
equação (3), podemos calcular o ângulo entre os veto- cos(β) = =
|v| · |j| |v|
Cálculo e Geometria Analítica

res u e v, ou seja, v·k z


cos(γ) = =
|v| · |k| |v|
u·v
cos(u, v) = . (4)
|u| |v| Observe que: cos2 (α) + cos2 (β) + cos2 (γ) = 1.
 ER 8 Dado o vetor v = (−1, 1, 0), temos que |v| =
p √
Observe que o ângulo entre dois vetores deve estar en- (−1)2 + (1)2 + 02 = 2, e então:

tre 0 e π. Se o produto escalar entre os vetores for −1 2
π cos(α) = √ = − ,
positivo, o ângulo estará entre 0 e e, se o produto 2 √2
2 π 1 2
escalar entre eles for negativo, estará entre e π. cos(β) = √ = ,
2 2 2
0
 ER 6 O ângulo entre os vetores u = (1, 0, −1) e cos(γ) = √ = 0.
2
v = (1, −2, 0) pode ser obtido recorrendo a fórmula
Logo, os ângulos diretores de v são α = 135◦, β =
dada em 4, de fato:
45◦ e γ = 90◦ . 

(1, 0, −1) · (1, −2, 0)


cos(u, v) =
|(1, 0, −1)| |(1, −2, 0)|  ER 9 Os ângulos diretores de um vetor v são
1 · 1 + 0 · (−2) + (−1) · 0 π π
=p p α= rad e β = rad. Como cos2 (α) + cos2 (β) +
12 + 02 + (−1)2 · 12 + (−2)2 + 02 4 4
1 cos2 (γ) =v1, podemos obter γ, da seguinte forma:
= √ ≈ 0, 316227.
10 u √ !2 √ !2
u 2 2 π
Logo, (u , v ) = acos(cos(u, v)) = acos(0, 316227) ≈ cos γ = ±t1 − − =0⇔γ= . 
2 2 2
71, 56◦. 

Projeção de um Vetor Sobre Outro


Propriedades

De acordo com a fi-


Dados os vetores u e v, as seguintes desigualdades v
gura, temos que v2
são verificadas:
v = v1 + v2 ,
αu = v1 = proju v e
|u · v| ≤ |u| |v| (desigualdade de Schwarz) (5)
v1 · v2 = 0.
v1 = αu u
|u + v| ≤ |u| + |v| (desigualdade triangular) (6)
Segue que, |v1 | · |v2 | = |v1 | · (v − v1 ) = αu(v − αu) = 0.
Desta forma, u · v − αu · u = 0 e, consequentemente,
Proposição 5 Dois vetores u e v são ortogonais se,
v·u
e somente se, u · v = 0. α= .
|u|2

Portanto,
 ER 7 Prove que o triângulo de vértices em
v·u
A(2, 3, 1), B (2, 1, −1) e C (2, 2, −2) é retângulo.  proju v = u = (v · u◦ ) · u◦ (7)
|u|2

Ângulos Diretores Atividades


EA 26 Determine o valor de α para que os vetores
a = αi + 2j − 4k e b = 2i + (1 − 2α)j + 3k sejam
Considere o vetor v = x i + y j + z k não-nulo. Os ângulos
ortogonais.
diretores do vetor v são os ângulos α, β e γ os quais v

13 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

EA 27 Dados os vetores a = (2, 1, α), b = (α + EA 35 Sabendo que a distância entre os pontos

2, −5, 2) e c = (2α, 8, α), determinar o valor de α P (−1, 2, 3) e Q (1, −1, m) é 7 unidades, calcule m.
para que o vetor a + b seja ortogonal ao vetor c − a. EA 36 Determine o valor de y para que seja equi-

EA 28 Dados os pontos A(−1, 0, 5), B (2, −1, 4), látero o triângulo de vértices A(4, y , 4), B (10, y , −2)

Cálculo e Geometria Analítica


C (1, 1, 1) e P (x , 0, x − 3), determinar o valor de x e C (2, 0, −4).
para que o vetor AC seja ortogonal ao vetor BP. EA 37 Determine o valor de y para que seja 60◦ o

EA 29 Dados os pontos A(1, 0, −1), B (2, 1, 3), ângulo formado pelos segmentos AB e AC , sabendo
C (x , 3x − 2, 5) e P (x , 0, x − 3), determinar que A(4, y , 4), B (10, y , −2) e C (2, 0, −4).

EA 38 Considere os vetores u = (1, −1, 0) e v =


(a) o valor de x para que os pontos A, B e C sejam (1, 1, 0). Determine as coordenadas do vetor w tal

colineares; que |w| = 2, w seja perpendicular a v e o ângulo
π
entre w e u seja .
(b) o valor de x para que o vetor AC seja ortogonal 4
ao vetor BP. EA 39 Obter um ponto P dos eixos das abscissas

equidistante dos pontos A(3, −1, 4) e B (1, −2, −3).

EA 40 Obter um ponto P dos eixos das ordenadas



EA 30 Determine um vetor de módulo 2, que equidistante dos pontos A(3, 1, −4) e B (1, −2, 1).
π
forma um ângulo de rad com o vetor (1, −1, 0) e EA 41 Dados os pontos A(1, 0, −1), B (4, 2, 1) e
4
que seja perpendicular ao vetor (1, 1, 0). C (1, 2, 0), determinar o valor de m para que |v| = 7,
EA 31 Sejam A(2, 1, 3), B (m, 3, 5) e C (0, 4, 1) vér- sendo v = m · AC + BC.
tices de um triângulo retângulo em A. EA 42 Dados os vetores u = (−5, 4, 3) e v =
(2, 1, 0). Calcule
(a) Qual o valor de m?
(a) a projeção de u sobre v;
(b) Calcular a medida da projeção do cateto AB
sobre a hipotenusa BC . (b) o ângulo entre u e v.

(c) Mostrar que AH ⊥ BC.

(d) Calcular o ângulo do vértice C .


EA 43 Considere um triângulo ABC , retângulo
em B . Determine as coordenadas do vetor AB sa-
bendo que AC = (1, 1, 1) e que AB é paralelo a
EA 32 Dados os vetores u = (1, a, −2a − 1), v = u = (−2, 1, 2).
(a, a − 1, 1) e w = (a, −1, 1), determinar a de modo
que u · v = (u + v) · w.
Produto Vetorial
EA 33 Dados os pontos A(1, 2, 3), B (−6, −2, 3) e

C (1, 2, 1), determine o versor do vetor a = 3BA − Dados dois vetores u = (x1 , y1 , z1 ) e v2 = (x2 , y2 , z2 ),

2BC. definimos o produto vetorial u × v entre estes vetores u

EA 34 Dados os pontos X (3, m − 1, −4) e e v, como sendo o vetor:

Y (8, 2m − 1, m), determine m de modo que |XY| = u × v = (y1 z2 − y2 z1 , z1 x2 − z2 x1 , x1 y2 − x2 y1 ).



35.

Podemos reescrever o vetor produto vetorial u × v na

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


14
Apontamentos

forma do determinante: Portanto, |u|2 ·|v|2 ·sen2 (θ) = |u|2 ·|v|2 −(u·v)2 = |u×v|2 .


i j k





y z x1 z1 x1 y1
1 1
x1 y1 z1 = i−

j+

k

y z x2 z2 x2 y2
2 2 Interpretação Geométrica do Produto Vetorial
Cálculo e Geometria Analítica

x2 y2 z2

O módulo do produto vetorial entre dois vetores não pa-


 ER 10 Dados os vetores u = (5, 4, −3) e v =
ralelos é a área do paralelogramo formado por estes
(1, 0, −1) o produto vetorial u × v é:
vetores, conforme a figura:

i j k


v1 × v2 = 5 4 −3
u


1 0 −1
h

v
4 −3 5 −3 5 4 De fato,
= i −
j+ k

0 −1 1 −1 1 0
= −4 · i + 2 · j − 4 · k = (−4, 2, −4) A = |v| · h = |u| · |v| · sen(θ) = |u × v|.


Propriedades

Dispositivo prático 1. (u × v) × w 6= u × (v × w);

2. (u × (v + w) = (u × v) + (u × w);

y1 z1 x1 y1
u×v =
3. α(u × v) = (αu) × v = u × (αv);
y2 z2 x2 y2
= (y1 z2 − y2 z1 , z1 x2 − z2 x1 , x1 y2 − x2 y1 ). 4. u · (v × w) = (u × v) · w.

Característica do Produto Vetorial de dois Vetores


u×v Área de um Triângulo
O vetor w = u × v é um
A medida de área A△ de
vetor perpendicular a u e a v u
um triângulo, formado por
v, e o seu sentido depende h
u dois vetores u e v, con-
da orientação do ângulo v
forme a figura ao lado:
entre os vetores. −u × v
é dada por:
A verificação deste resultado é fácil. Considere dois ve- 1
A△ = |u × v|.
tores v1 = (x1 , y1 , z1 ) e v2 = (x2 , y2 , z2 ) e o produto ve- 2
torial u × v em coordenadas conforme definição acima.
Atividades
Verifique que: u · (u × v) = 0 e u · (v × v) = 0. EA 44 Obter um vetor ortogonal ao plano
determinado pelos pontos A(2, 3, 1), B (1, −1, 1) e
Comprimento do Vetor Obtido Através do Produto Vetorial C (4, 1, −2).
Teorema 2 Seja θ o ângulo entre os vetores u e v,
EA 45 Dados os vetores u = (2, −1, 1), v =
não nulos. Então: |u × v| = |u| · |v| · sen(θ).
(1, −1, 0) e w = (−1, 2, 2), calcular:
2 2 2 2 2 2
Prova: (u · v) = |u| · |v| · cos (θ) = |u| · |v| · (1 − (a) (u × v) · w;
2 2 2 2 2 2
sen (θ)) = |u| · |v| − |u| · |v| · sen (θ). (b) (u × w) · (u + v).

15 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

 
EA 46 Determinar a e b de modo que os vetores 1 1
EA 57 Dados os vetores u = , 0, ew =
u = (4, 1, −3) e v = (6, a, b ) sejam paralelos. 2 2
(1, −5, 1), determine as coordenadas do vetor unitá-
EA 47 Determinar um vetor unitário que seja si- rio v sabendo que v × u = 0 e o ângulo entre v e w
multaneamente ortogonal aos vetores u = (2, −1, 3)

Cálculo e Geometria Analítica


é obtuso.
e v = (1, 1, 0).

EA 48 Determinar um vetor que seja simultane- Produto Misto


amente ortogonal aos vetores 2a − b e a + b para
a = (3, −1, 2) e b = (1, 0, −3). Dado três vetores u = (x1 , y1 , z1 ), v = (x2 , y2 , z2 ) e
√ w = (x3 , y3 , z3 ), definimos o produto misto como sendo
EA 49 Sabendo-se que |a| = 3, |b| = 2 e que o
(u, v, w) = u·(v ×w). Facilmente verificamos (exercício)
ângulo θ entre a e b é 45◦ , calcular |a × b|.
que
EA 50 Calcular a área do paralelogramo definido
x1 y1

z1

pelos vetores u = (3, 1, 2) e v = (4, −1, 0).
(u, v, w) = x2 y2

z2 .


EA 51 Calcular a área do triângulo de vértices x3 y3 z3
A(−1, 0, 2), B (−4, 1, 1) e C (0, 1, 3).
 ER 11 Dados os vetores u = 2i + 3j + 5k, v =
EA 52 Calcular x , sabendo que A(x , 1, 1), −i + 3j + 3k e w = 4i − 3j + 2k, o produto misto
B (1, −1, 0) e C (2, 1, −1) são vértices de um triângulo (u, v, w) é:

de área 5.



2 3 5
EA 53 Dados os pontos A(2, 1, 1), B (3, −1, 0) e



−1 3 3 = 12 + 15 + 36 − (60 − 18 − 6) = 27.
C (4, 2, −2), determinar a área do triângulo ABC e a



4 −3 2
altura relativa ao vértice C .

EA 54 Dado u = (1, −2, 1), determinar os vetores
v e w de modo que os três vetores sejam simultane-
Propriedades
amente ortogonais.

EA 55 Calcular a área do paralelogramo deter- 1. A permutação de apenas um vetor muda o sinal do


minado pelos vetores u e v, sabendo que as suas produto misto:
diagonais são u + v = (−1, 3, 4) e u − v = (1, −1, 2).
(u, v, w) = −(v, u, w) = −(u, w, v) = −(w, v, u);
EA 56 Marque V se verdadeiro e F se falso. Jus-
tifique sua resposta. 2. (u + x, v, w) = (u, v, w) + (x, v, w)

(u, v, w + x) = (u, v, w) + (u, v, x);


( ) Os pontos A(−1, −5, 0), B (2, 1, 3) e
C (−2, −7, −1) são colineares. (u, v + x, w) = (u, v, w) + (u, x, w)
 
1 2 1 3. (αu, v, w) = (u, αv, w) = (u, v, αw) = α(u, v, w);
( ) Os vetores (1, 1, 1) e √ , − √ , √ são
6 6 6
unitários.
4. (u, v, w) = 0 ⇔ são coplanares.
( ) O vetor i da base canônica, é simultanea-
mente ortogonal aos vetores j e k. Interpretação Geométrica do Módulo do Produto Misto

O volume V do paralelepípedo formado por três vetores


u, v e w, não coplanares, é dado pelo do módulo do
produto misto, ou seja, V = |(u, v, w)|.

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


16
Apontamentos

 ER 12 Considere os vetores u = (3, m, −2), v = A área da base Ab podemos obter, facilmente, do


(1, −1, 0) e w = (2, −1, 2). Calcular o valor de m seguinte modo:
para que o volume do paralelepípedo determinado



i j k
por estes vetores seja 16 u.v.. Determine a altura



Cálculo e Geometria Analítica

Ab = |AB × AC| = 4 −2 2
relativa à base formada pelos vetores u e v.



1 −3 2
p
Solução: Como o módulo do produto misto nos dá = |(2, −6, −10)| = (2)2 + (−6)2 + (−10)2

o volume deste paralelepípedo, calculemos, inicial- = 2 35.
mente, (u, v, w).
1 3V
Agora, da fórmula V = · Ab · h, extraímos h = =
√ 3 Ab
3 m −2
3·6 9 35
√ = . 
1 −1 0 = −8 + 2m. 2 35 35


2 −1 2
Atividades
Reste modo, |(u, v, w)| = | − 8 + 2m| = 16. Do igual- EA 58 Um paralelepípedo é determinado pelos
dade modular, temos −8 + 2m = 16 ou −8 + 2m = vetores u = (3, −1, 4), v = (2, 0, 1) e w = (−2, 1, 5).
−16, donde m = 12 ou m = −4. 
Calcule seu volume e a altura relativa à base defi-
nida pelos vetores u e v.

EA 59 Calcular o valor de m para que o volume


R O volume do tetraedro VT formado pelos veto-
do paralelepípedo determinado pelos vetores v1 =
res u, v e w é dado por
(0, −1, 2), v2 = (−4, 2, −1) e v3 = (3, m, −2) seja
1
VT = |(u, v, w)|.
6 igual a 33. Calcular a altura deste paralelepípedo
relativa à base definida por v1 e v2 .
 ER 13 Sejam (1, 2, −1), B (5, 0, 1), C 92, −1, 1) e
R (6, 1, −3) vértices de um tetraedro. Calcular o vo- EA 60 Verifique se são coplanares os seguintes

lume V e a altura h relativa ao vértice R deste tetra- vetores u = (3, 1, 2), v = (4, −1, 0) e w = (0, −1, 0).

edro. EA 61 Calcular o valor de m para que seja de 10


unidades o volume do paralelepípedo determinado
Solução: Primeiramente determinemos os vetores
pelos vetores v1 = 2i − j, v2 = 6i + mj − 2k e v3 =
AB, AC e AR, que são, respectivamente, (4, −2, 2),
−4j + k.
(1, −3, 2) e (5, −1, −2). Deste modo, podemos deter-
EA 62 O ponto A(1, −2, 3) é um dos vértices de
minar o volume do tetraedro ABC D , como descrito
um paralelepípedo e os três vértices adjacentes são
na nota , temos:
B (2, −1, −4), C (0, 2, 0)e R (−1, m, 1). Determinar o

4 −2 2
valor de m para que o volume deste paralelepípedo

(u, v, w) = 1 −3 2 = 36.
seja igual a 20 u.v.. Calcule a altura relativa à base

5 −1 −2
que contém os pontos B , C e R .
1 1 EA 63 Dados os pontos A(2, 1, 1), B (−1, 0, 1) e
e então, V = · |(u, v, w)| = · |36| = 6.
6 6
C (3, 2, −2) determinar o ponto R do eixo Oz para
Uma vez que temos o volume do tetraedro e que o volume do paralelepípedo determinado pelos
sabendo-se que o volume de um tetraedro pode ser vetores AB, AC eAR seja 25u .v ..
obtido por um terço do produto da área da base com
a altura deste.

17 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

EA 64 Considere um paralelepípedo EA 67 Considere um


paralelepípedo

ABC DE F G H . Sabendo que A(6, 3, 3), B (5, 3, 2), ABC DE F G H onde A(2, 4, 0), C (2, 6, 3), dois
π
R (x , 0, 0) e E (4, 2, 1), determine o valor de x de dos ângulos diretores do vetor HG são β =
π √ 3
modo que seu volume seja 3uv . e γ = e |CD| = 2 3. Determine a área
6

Cálculo e Geometria Analítica


EA 65 Considere o tetraedro de vértices nos pon- da base ABC D e as coordenadas do ponto

tos A(0, 1, 1), B (5, 2, 3), C (1, 2, 3) e R (0, t + 1, 4). De- E ∈ r : (x , y , z ) = (1, 1, 2) + h(−8, 0, 1), h ∈ R de

terminar: modo que o volume do paralelepípedo seja 21u .v ..

(a) a área da base ABC ;

(b) o módulo da projeção do vetor AC sobre o vetor


AB;

(c) as coordenadas do vetor u sabendo que seus


ângulos diretores são agudos, que dois destes
π π
ângulos são α = e β = e |u| = |AC|;
4 3
(d) as coordenadas do vetor AR para que a al-
tura relativa à base ABC desse tetraedro seja

5 u .c .

EA 66 Seja ABC DE uma pirâmide tal que:

(i1 ) A base ABC D é um paralelogramo onde M é


o ponto de interseção de suas diagonais;

(i2 ) A(1, 2, −2), B (3, 2, −2) e o vetor AE = (1, 1, 2);

(i3 ) O vetor ME é ortogonal ao plano da base;

(i4 ) Dois dos cossenos diretores do vetor AC são


1
cos(β) = √ , cos(γ) = 0 e o ângulo α é agudo,
2
α = (AC, i), β = (AC, j) e γ = (AC, k).

Determine:

(a) O vetor AC;

(b) A área do triângulo ABC

(c) O volume da pirâmide ABC DE .

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


18
Apontamentos

Retas e Planos
Retas h. Portanto, para verificarmos se um ponto P é
um ponto da reta r devemos substituir as coorde-
Cálculo e Geometria Analítica

Equação Vetorial da Reta


nadas de P na equação da reta r e verificarmos
Consideremos uma reta z
se o parâmetro h obtido é único. Sabemos que
r passando pelo ponto P r : (x , y , z ) = (3, 0, −5) + h(2, 2, −1). Logo, é verda-
P0 (x0 , y0 , z0 ) com a dire- deira a afirmação: (7, 4, −7) = (3, 0, −5)+h(2, 2, −1),
P0 vr
ção de um vetor vr = para algum número real h, pois, dessa igualdade, te-
O y
(a, b , c ) não nulo. x mos:
Para que um ponto P (x , y , z ) do espaço pertença à reta h(2, 2, −1) = (7, 4, −7) − (3, 0, −5)
r é necessário e suficiente que os vetores P0 P e vr se- ⇔ (2h, 2h, −h) = (4, 4, −2)
jam linearmente dependentes, isto é, ⇔ h = 2.

P0 P = hvr ou P − P0 = hvr . Observe que, assim como o vetor vr = (2, 2, −1) é


um vetor diretor desta reta, qualquer vetor αvr , α 6=

Segue que P = P0 + hvr , ou seja, 0, também o é. Portanto, apenas para exemplificar,


se α = 2 e α = 1, as equações
(x , y , z ) = (x0 , y0 , z0 ) + h(a, b , c ), h ∈ R. (8) 


 x = 3 + 2h

y = 2h ,h ∈ R
A equação (8) é denominada equação vetorial da reta r . 


 z = −5 − h
O vetor vr = (a, b , c ) é chamado vetor diretor da reta r e
h é denominado parâmetro. É fácil verificar que a cada e 


 x = 3 + 4h
valor de h corresponde um ponto particular P : quando 
y = 4h ,h ∈ R
h varia de −∞ a +∞, o ponto P descreve a reta r . 


 z = −5 − 2h
 ER 14 Determinar a equação vetorial da reta r

que passa pelo ponto A(3, 0, −5) e tem a direção do ainda representam a reta r . 

vetor vr = 2i + 2j − k. Determine um ponto qualquer


Equações Paramétricas da Reta
da reta e verifique se o ponto P (7, 4, −7) pertence a
r.
Considere um sistema de coordenadas cartesianas,

Solução: Resignando por P (x , y , z ) um ponto gené- P (x , y , z ) e P0 (x0 , y0 , z0 ) um ponto genérico e um ponto

rico dessa reta temos que P = A + hv, isto é: dado, respectivamente, da reta r , e vr = (a, b , c ) um
vetor com a mesma direção de r . Do equação (8) te-
(x , y , z ) = (3, 0, −5) + h(2, 2, −1). mos que (x , y , z ) = (x0 , y0 , z0 ) + h(a, b , c ), h ∈ R ou
(x , y , z ) = (x0 + ah, y0 + bh, z0 + ch), h ∈ R. Portanto,
Quando h varia de −∞ a +∞, P descreve a reta r .

Assim, por exemplo, se h = 1, um ponto da reta é: 

 x = x0 + ah

y = y0 + bh, h ∈ R (9)
(x1 , y1 , z1 ) = (3, 0, −5) + 1(2, 2, −1) 


 z = z + ch
0
= (3, 0, −5) + (2, 2, −1)
= (5, 2, −6).
As equações em (9), onde vr 6= 0, são denominadas
equações paramétricas da reta r , em relação ao sis-
A cada ponto P ∈ r corresponde um número real
tema de coordenadas fixado. A reta r é o conjunto de

19 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

todos os pontos (x , y , z ) determinados pelas equações vermos:


x −3 y
paramétricas quando h varia de −∞ a +∞. = = 5 − z,
2 2
 ER 15 Determine as equações paramétricas da
que são as equações simétricas da reta. 
reta r , que passa pelo ponto P0 (3, −1, 2) e é para-

Cálculo e Geometria Analítica


lela ao vetor vr = (−3, −2, 1). Obtenha um ponto
Equações Reduzidas da Reta
qualquer desta reta e verifique se o ponto (0, 3, 4)
pertence a esta reta. Podemos rearrumar as equações simétricas da reta em
(10), isolando as variáveis y e z e as expressando em
Solução: As equações paramétricas da reta r são
funções de x , temos:
x = 3 − 3h, y = −1 − 2h, z = 2 + h, h ∈ R.
b c
Para se obter um ponto desta reta, basta atribuir- y= (x − x0 ) + y0 e z= (x − x0 ) + z0 .
a a
mos a h um valor particular. Por exemplo, para b b c c
Fazendo m = , n = − x0 + y0 , p = e q = − x0 + z0 ,
h = 3, tem-se: x = −6, y = −7 e z = 5, isto é, a a a a
obtemos: 
o ponto (−6, −7, 5) é um ponto da reta r . Observe  y = mx + n
que o ponto A(3, −1, 2) é obtido fazendo h = 0. Já (11)
 z = px + q
o ponto (0, 3, 4) não pertence a esta reta, pois as
equações não são satisfeitas para o mesmo valor Estas são as equações reduzidas da reta na variável
de h (h = 1 satisfaz a primeira equação mas não as independente x ou, simplesmente, equações reduzidas
outras duas).  da reta na variável x .

Equações Simétricas da Reta R Nas equações reduzidas em (11), a variável


x figura como variável independente. Se ex-
Se supusermos que abc 6= 0 nas equações em (9) e pressarmos as equações de forma que a va-
isolarmos o parâmetro h, obteremos riável independente seja y ou z , ainda assim

x − x0 y − y0 z − z0 as equações são chamadas equações reduzi-


h = = = , das.
a b c
ou seja,
x − x0 y − y0 z − z0
= = . (10) Das equações reduzidas em (11) obtém-se
a b c R
y −n z −q
x = = . Comparando as equa-
m p
As equações em (10) são denominadas equações si- ções reduzidas com as simétricas:

métricas, segmentárias ou normais de uma reta r que x − x0 y − y0 z − z0


= = ,
a b c
passa por um ponto P0 (x0 , y0 , z0 ) e tem a direção do
verifica-se que as equações reduzidas repre-
vetor vr = (a, b , c ) e poderiam ser obtidas se obser-
sentam a reta que passa pelo ponto N (0, n, q )
varmos o paralelismo existente entre os vetores P0 P = e tem a direção do vetor v = (1, m, p ).
(x − x0 , y − y0 , z − z0 ) e vr = (a, b , c ), abc 6= 0.
 ER 17 Estabelecer as equações reduzidas na va-
 ER 16 Determine as equações simétricas da reta
riável x da reta r que passa pelos pontos A(2, 1, −3)
que passa pelo ponto A(3, 0, −5) e tem a direção do
e B (4, 0, −2).
vetor v = 2i + 2j − k.

Solução: As equações simétricas da reta que passa


Solução: Observe que a equação vetorial é
pelo ponto A(2, 1, −3) e tem a direção do vetor AB =
(x , y , z ) = (3, 0, −5) + h(2, 2, −1), ∀ h ∈ R. Do igual-
x −2 y −1
(2, −1, 1) são: = = z + 3. Des-
dade entre pontos, podemos isolar h, e então escre- 2 −1

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


20
Apontamentos

sas equações obtém-se: e as equações reduzidas são:



  −1 b1 b1 b2 b2
 2(y − 1) = −1(x − 2)  y
 = x +2 r :y = x − x1 + y1 e s:y = x − x2 + y2
2 a1 a1 a2 a2

 2(z + 3) = (x − 2) 
 1
 z = x − 4. b1 b2
Cálculo e Geometria Analítica

2 em que mr = e ms = são, respectivamente, os


a1 a2

coeficientes angulares de r e s .

 ER 18 Determine
 as coordenadas de um vetor
Como as restas são ortogonais, o vetor vr é ortogonal
 y = 2x − 3
diretor da reta ao vetor vs . Portanto, vr · vs = 0, donde a1 · a2 + b1 · b2 =
 z = −4x + 5, a1 b2
0. Desta úúltima igualdade temos = − , como
 b1 a2
 y = 2x − 3 queríamos.
Solução: As equações repre-
 z = −4x + 5,
sentam a reta que passa pelo ponto N (0, −3, 5) e Reta Definida por Dois Pontos
tem a direção do vetor v = (1, 2, −4).
Observe que o ponto N é obtido fazendo x = 0 A reta definida pelos pontos A(x1 , y1 , z1 ) e B (x2 , y2 , z2 ) é
nas equações reduzidas. Se damos a x outro va- a reta que passa pelo ponto A (ou B ) e tem a direção
lor, x = 1 por exemplo, teremos o ponto M (1, −1, 1) do vetor vr = AB = (x2 − x1 , y2 − y1 , z2 − z1 ).
e um vetor diretor será NM = (1, 2, −4) ou qualquer  ER 19 A reta r , determinada pelos pontos

múltiplo dele. 
A(1, −2, −3) e B (3, 1, −4), tem a direção do vetor
v = AB = (2, 3, −1) e as equações paramétricas

 x = 1 + 2h

Retas Perpendiculares no R2 

y = −2 + 3h



 z = −4 − h
Sabe-se que duas retas r e s do plano, são ortogonais
se, e somente se, o coeficiente angular de uma for o representam esta reta r , passando pelo ponto A,

inverso simétrico da outra, ou seja, se mr é o coeficiente com a direção do vetor v = AB. 

angular da reta r e ms o da reta s , então mr · ms = −1.


Provaremos esse fato. Observemos que, embora estes sistemas sejam dife-
y rentes, eles permitem encontrar todos os pontos da
s mesma reta, fazendo h variar de −∞ a +∞. Por exem-
r
plo, para h = 1, obtemos o ponto P1 (3, 1, −4) no pri-
meiro sistema e o ponto P2 (5, 4, −5) no segundo sis-
P tema e ambos são pontos da mesma reta. é fácil ver

O x que o ponto P1 pode ser obtido, no segundo sistema,


fazendo h = 0 e o ponto P2 , no primeiro sistema, fa-
zendo h = 2.
Sejam r e s duas retas ortogonais no plano de tal forma
 ER 20 Obter as equações simétricas da reta de-

que vr = (a1 , b1 ) e vs = (a2 , b2 ), respectivamente,


terminada pelos pontos A(2, 1, −3) e B (4, 0, −2).
são os vetores diretores destas retas. Suponha que
A(x1 , y1 ) ∈ r e B (x2 , y2 ) ∈ s . Deste modo temos as Solução: Um vetor diretor da reta é o vetor AB =
seguintes equações simétricas: B − A = (4, 0, −2) − (2, 1, −3) = (2, −1, 1). Logo,
se escolhermos A como sendo o ponto (x0 , y0 , z0 ),

x − x1 y − y1 x − x2 y − y2
r: = e s: =
a1 b1 a2 b2

21 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

temos que as equações simétricas da reta são Planos

x −2 y −1 x −2
= = z + 3 ou = 1 − y = z + 3. Equação Geral do Plano
2 −1 2

Observe que poderíamos escolher o ponto B como

Cálculo e Geometria Analítica


Seja A(x1 , y1 , z1 ) um
sendo o ponto (x0 , y0 , z0 ) e, portanto, as equações n
ponto pertencente a um
x −4 y x −4 plano π e n = (a, b , c ) um
= = z + 2 ou = −y = z + 2
2 −1 2
vetor não nulo normal π
A P
representam a mesma reta passando pelo ponto B (ortogonal) ao plano.
e com a direção do vetor AB. 

Refinimos o plano π como sendo o conjunto de todos


os pontos P (x , y , z ) do espaço tais que o vetor AP é
Atividades
ortogonal a n. O ponto P pertence a π se, e somente
EA 68 Determine uma equação da reta r que: se,
n · AP = 0.
(a) passa pelos pontos P1 (2, 1, 2) e P2 (3, −1, 1);
Tendo em vista que AP = (x − x1 , y − y1 , z − z1 ) e n =
(b) passa pelo ponto P (4, 1, 0) e contém represen- (a, b , c ), então a equação fica:
tantes do vetor ur = (2, 6, −2).
0 = (a, b , c ) · (x − x1 , y − y1 , z − z1 )
= a(x − x1 ) + b (y − y1 ) + c (z − z1 )
= ax + by + cz − ax1 − by1 − cz1
EA 69 Verifique se o ponto P = (−1, 0, 2) pertence
à reta: Fazendo −ax1 − by1 − cz1 = d , teremos a equação geral
ou cartesiana do plano π:
(a) r : (x , y , z ) = (−7, −3, −7) + h(2, 1, 3), h ∈ R; ax + by + cz + d = 0. (12)

(b) s : x = −3 + h, y = −1 + h e z = 2h, h ∈ R;
Verifica-se pela definição, que o plano π fica perfeita-
x +1 y z −4
(c) h : = = . mente identificado se tivermos um ponto A ∈ π e um
2 3 2
vetor normal n = (a, b , c ) a π, com a, b e c não simulta-
neamente nulos. Qualquer vetor k n, k 6= 0, é também
x −1 2+y vetor normal ao plano. Os coeficientes a, b e c da equa-
EA 70 Seja r := = z . Determine
2 4
uma equação de r nas formas vetorial e paramé- ção geral (12) representam as componentes de um ve-

trica. tor normal ao plano e que este mesmo vetor é também


normal a qualquer plano α paralelo a π. O elemento
que diferencia um plano paralelo de outro é o valor de
3
Esboço da Reta no Espaço R d . Sendo n um vetor ortogonal ao plano π, ele será
ortogonal a qualquer vetor representado neste plano.
Em particular, se v1 e v2 estão em π e são linearmente
Dada uma das equações da reta, podemos construí-la
independentes, tem-se: n = v1 × v2 .
marcando-se dois dos seus pontos ou um dos pontos e n = v1 × v2
sua direção dada pelo vetor diretor.
x y z −1 v1 π
 ER 21 Esboce a reta de equação = = .
2 3 4 v2


Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


22
Apontamentos

 ER 22 Determine a equação geral do plano π que  ER 24 Determine a equação geral do plano que

passa pelo ponto A(2, −1, 3), sendo n = (3, 2, −4) passa pelo ponto A(1, −3, 4) e é paralelo aos vetores
um vetor normal a π. v1 = (3, 1, −2) e v2 = (1, −1, 1).
Cálculo e Geometria Analítica

Solução: Se n é normal ao plano, sua equação é Solução: Um vetor normal ao plano é obtido por
do tipo: 3x + 2y − 4z + d = 0. Como o ponto A per-

i j k
tence ao plano, suas coordenadas devem verificar a

v1 × v2 = 3 1 −2 = (−1, −5, −4).
equação, isto é:

1 −1 1

3(2) + 2(−1) − 4(3) + d = 0 ⇒ d = 8. Então, a equação geral do plano é

Logo, a equação geral do plano π é: −1(x −1)−5(y +3)−4(z −4) = 0 ⇒ x +5y +4z −2 = 0.

3x + 2y − 4z + 8 = 0. Nesta equação, um vetor normal ao plano é (1, 5, 4).




Uma outra forma de resolver este problema é utili-  ER 25 Estabeleça a equação geral do plano
zando a equação: determinado pelos pontos A(2, 1, −1), B (0, −1, 1) e
C (1, 2, 1).
a(x − x1 ) + b (y − y1 ) + c (z − z1 ) = 0,
Solução: Observemos que os vetores AB =
substituindo (a, b , c ) = (3, 2, −4) e x1 = 2, y1 = −1 e
(−2, −2, 2) e AC = (−1, −1, 2) não são paralelos e,
z1 = 3. Logo
portanto, um vetor normal do plano é

3(x −2)+2(y +1)4(z −3) = 0 ⇒ 3x +2y −4z +8 = 0.
i j k



n = AB × AC = −2 −2 2 = (−6, 2, −4).


−1 1 2
 ER 23 Escrever a equação cartesiana do plano
π que passa pelo ponto A(3, 1, −4) e é paralelo ao Então, a equação geral do plano é

plano π1 : 2x − 3y + z − 6 = 0.
−6(x −2)+2(y −1)−4(z +1) = 0 ⇒ 6x −2y +4z −6 = 0.

Solução: Vimos acima que o elemento que diferen-


Se multiplicarmos ambos os membros da equação
cia um plano paralelo de outro é o valor de d . Deste 1
por teremos
2
modo π : 2x − 3y + z + d = 0. Como A(3, 1, −4) ∈ π,
temos: 3x − y + 2z − 3 = 0.

2 · (3) − 3 · (1) + (−4) + d = 0 ⇒ d = 1. Na determinação da equação deste plano foi utili-


zado o ponto A. Se fosse usado o ponto B ou o
Portanto π : 2x − 3y + z + 1 = 0. 
ponto C teríamos obtido a mesma equação. 

 ER 26 Estabelecer a equação cartesiana do plano


Vimos que um plano é determinado por um de seus
que contém a reta
pontos e por um vetor normal a ele. Assim, sempre

que formos determinar a equação de um plano deve-  x = 4
r:
mos, inicialmente, nos preocupar em determinar se es-  y = 3
tes dois elementos (ponto e vetor normal) estão eviden-
e o ponto B(-3, 2, 1).
tes.

23 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

Solução: A reta r passa pelo ponto A(4, 3, 0) (a cota res. Um ponto P (x , y , z ) pertence ao plano π que passa
deste ponto pode ser qualquer número real, pois a por A e é paralelo aos vetores v1 e v2 se, e somente se,
reta r é paralela ao eixo Oz ) e tem a direção do vetor existem números reais h e t tais que
v = (0, 0, 1). Portanto, os vetores-base do plano são

Cálculo e Geometria Analítica


v e AB = (−7, −1, 1) e
AP = h · v1 + t · v2

i j k


n = AB × AC = 0 0 1 = (1, −7, 0).
Escrevendo a equação em coordenadas, obtemos

−7 −1 1
(x − x0 , y − y0 , z − z0 ) = h(a1 , b1 , c1 ) + t (a2 , b2 , c2 )
Então, a equação cartesiana do plano é
donde
1(x + 3) − 7(y − 2) + 0(z − 1) = 0 ⇒ x − 7y + 17 = 0. 


 x = x0 + a1 h + a2 t

 y = y0 + b1 h + b2 t (13)



 z = z0 + c1 h + c2 t
Em todos os problemas de determinação da equação
Estas são as equações paramétricas do plano. Quando
geral do plano um vetor normal foi obtido através do
h e t , denominados parâmetros, variam de −∞ a +∞,
produto vetorial de dois vetores-base desse plano. Va-
o ponto P percorre o plano π.
mos mostrar, retomando o problema 24, um outro modo  ER 27 As equações paramétricas do plano que
de se obter a equação geral. Nesse problema, o plano passa pelo ponto A(2, 1, 3) e é paralelo aos vetores
passa pelo ponto A(1, −3, 4) e é paralelo aos vetores v1 = (−3, −3, 1) e v2 = (2, 1, −2) são:
v1 = (3, 1, −2) e v2 = (1, −1, 1). Ora, se P (x , y , z ) é um 

 x = 2 − 3h + 2t
ponto qualquer do plano, os vetores AP, v1 e v2 , são 

y = 1 − 3h + t
coplanares e, portanto, o produto misto deles é nulo, 


isto é:
 z = 3 + h − 2t

0 = (AP, v1 , v2 ) Se quisermos algum ponto deste plano, basta arbi-




x −1 y +3 z −4 trar valores para h e t . Por exemplo, para h = 2 e


= 3 1 −2 t = 3, vem:


1 −1 1 


 x = 2 − 3(2) + 2(3) = 2
= −x − 5y − 4z + 2. 
y = 1 − 3(2) + 1(3) = −2



Logo, a equação geral do plano é x + 5y + 4z − 2 = 0.  z = 3 + 1(2) − 2(3) = −1

O que fizemos para este caso, podemos repetir para e, portanto, A(2, −2, −1) é um ponto do plano. 

todos os demais, pois basta observar que no produto


 ER 28 Escrever as equações paramé-
misto dos três vetores dois deles são vetores-base do
trica do plano determinado pelos pontos
plano (no caso presente, v1 e v2 ) e o terceiro é obtido
A(5, 7, −2), B (8, 2, −3) e C (1, 2, 4).
com um ponto fixo do plano e o ponto P (x , y , z ) gené-
rico. Solução: Sabe-se que três pontos não colineares
determinam um plano. Neste caso, faremos

Equações Paramétricas do Plano


v1 = AB = (3, −5, −1), v2 = AC = (−4, −5, 6).

Seja A(x0 , y0 , z0 ) um ponto de um plano π e v1 =


Logo, as equações paramétricas (utilizando o ponto
(a1 , b1 , c1 ) e v2 = (a2 , b2 , c2 ) dois vetores não colinea-

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


24
Apontamentos

A) do plano são: —se a = 0, n = (0, b , c ) ⊥ Ox ∴ π//Ox e a equação


 geral dos planos paralelos ao eixo Ox é:


 x = 5 + 3h − 4t

y = 7 − 5h − 5t


 by + cz + d = 0;
Cálculo e Geometria Analítica

 z = −2 − h + 6t

A figura a seguir mostra o plano de equação 2y + 3z −


Esboço do Plano no Espaço R3
6 = 0.

Dada a equação geral do plano, podemos construí-lo z

determinando os pontos de interseção com os eixos co-


ordenados da seguinte forma: Seja π : x + by + cz + d =
0 um plano tal que a, b e c sejam não nulos, então este
y
plano intersecta os eixos coordenados nos pontos
     
d d d
− , 0, 0 ; 0, − , 0 ; 0, 0, − .
a b c x

 ER 29 Esboce o plano de equação π : 2x + 3y + Observemos que suas interseções com os eixos Oy e


4z − 12 = 0.  Oz são A1 (0, 3, 0) e A2 (0, 0, 2), respectivamente, que
nenhum ponto da forma P (x , 0, 0) satisfaz a equação.

Planos Paralelos aos Eixos e aos Planos Coordenados


Um vetor normal ao plano é n = (0, 2, 3), pois a equa-
ção de π pode ser escrita na forma:
A equação (12) na qual a, b e c não são todos nulos, é
a equação de um plano π , sendo n = (a, b , c ) um vetor 0x + 2y + 3z − 6 = 0.
normal a π. Quando uma ou duas das componentes de
n são nulas, ou quando d = 0, está-se em presença de
casos particulares. Com raciocínio análogo, vamos concluir que:

—os planos paralelos a Oy têm equação da forma


Plano que Passa Pela Origem

Se o plano ax + by + cz + d = 0 passa pela origem, então ax + cz + d = 0;

A(0, 0, 0) é um ponto do plano. Logo a ·0+ b ·0+ c ·0+ d =


0, isto é, d = 0. Assim, a equação
—os planos paralelos ao eixo Oz têm equação da forma
ax + by + cz = 0

ax + by + d = 0.
representa a equação de um plano que passa pela ori-
gem e n = (a, b , c ) é um vetor normal ao plano.

Da análise feita sobre este caso particular, conclui-se


Planos Paralelos aos Eixos Coordenados que a variável ausente na equação indica que o plano
é paralelo ao eixo desta variável.
Se apenas uma das componentes do vetor n = (a, b , c )
é nula, o vetor é ortogonal a um dos eixos coordenados, As figuras mostram, respectivamente, os planos para-
e, portanto, o plano π é paralelo ao mesmo eixo: lelos ao eixo Oy e ao Oz :

25 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

z z que qualquer ponto do tipo A(x , y , 3) satisfaz esta equa-


ção e k = (0, 0, 1) é um vetor normal ao plano.

Assim sendo, o plano paralelo ao plano xOy e que

Cálculo e Geometria Analítica


y y passa pelo ponto A(x1 , y1 , −3) tem por equação z = −3.

Com raciocínio análogo, vamos concluir que:


x x
—os planos paralelos ao plano xOz têm por equação
y = k;
R
Cuidado!
—os planos paralelos ao plano y Oz têm por equação
A equação x + 2y − 4 = 0, como vimos, re-
x = k.
presenta no espaço R3 um plano paralelo ao
eixo Oz . Porém, esta mesma equação, inter-
pretada no plano R2 ,representa uma reta.

R Considere um ponto A(2, 3, 4) e as seguintes


equações dos planos π1 : x = 2, π2 : y = 3 e

Se na equação ax + by + d = 0 fizemos d = 0, π3 : z = 4. O plano π1 passa por A e é perpen-


R
a equação ax + by = 0 representa um plano dicular ao eixo Ox (paralelo ao plano y Oz ). O

que passa pela origem e, portanto, contém o plano π2 passa por A e é perpendicular ao eixo

eixo Oz . Oy (paralelo ao plano xOz ) e o plano π3 passa


por A e é perpendicular ao eixo Oz (paralelo
ao plano xOy ).
Planos Paralelos aos Planos Coordenados
Os planos coordenados são os planos parti-
culares destes e suas equações são x = 0,
Se duas das componentes do vetor normal n = (a, b , c )
y = 0 e z = 0.
são nulas, é colinear a um dos vetores i ou j ou k, e,
portanto, o plano π é paralelo ao plano dos outros dois
 ER 30 Determinar a equação cartesiana do plano
vetores.
que contém o ponto A(2, 2, −1) e a reta r : x = 4; y =
—se a = b = 0, n = (0, 0, c ) = c (0, 0, 1) = c k ∴ π//xOy 3.
e a equação geral dos planos paralelos ao plano xOy é
d Solução: A reta r passa pelo ponto B (4, 3, 0) (a cota
cz + d = 0. Como c 6= 0, vem z = − .
c é arbitrária, pois a reta r é paralela ao eixo Oz ) e tem
z a direção do vetor v = (0, 0, 1). Os vetores-base são
v e AB = (2, 1, 1). Sendo A (ou B ) um ponto fixo
desse plano e P (x , y , z ) um ponto genérico, deve-se
ter
y

x −2 y −2 z +1
x

0 = (AP, v, AB) = 0 0 1


2 1 1
= x − 2y + 2.
Os planos cujas equações são da forma z = k são pa-
ralelos ao plano xOy . A figura mostra o plano de equa- Trata-se de um plano paralelo a Oz e, portanto, per-
ção z = 3. A equação z = 3 pode também ser repre- pendicular ao plano xOy . 

sentada sob a forma 0x + 0y + z − 4 = 0 na qual vemos

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


26
Apontamentos

 ER 31 Determinar a equação geral do plano que 


passa por A(2, 3, 4) e é paralelo aos vetores v1 =  ER 32 Verifique se os pontos A(5, 2, −6),

j + k e v2 = j − k. B (−1, −4, −3) e C (7, 4, −7) estão em linha reta.


Cálculo e Geometria Analítica

Solução: Sendo P (x , y , z ) o ponto genérico deste Solução: De fato, substituindo as coordenadas dos
plano, deve-se ter pontos nas equações, tem-se:


x −2
−1 − 5 −4 − 2 −3 + 6
y −3 z −4 = = = −3.



7−5 4−2 −7 + 6
0 = (AP, v1 , v2 ) = 0 1 1


0 1 −1
= x − 2.
Condição de Paralelismo entre Duas Retas
Trata-se de um plano paralelo ao plano y Oz . 

A condição de paralelismo das retas r1 e r2 é a mesma


entre os seus vetores v1 = (a1 , b1 , c1 ) e v2 = (a2 , b2 , c2 ),
R A equação x = k , k ∈ R, pode representar: que definem as direções dessas retas. Isto é,
um ponto se o universo for a reta R; uma reta
se o universo for o plano R2 ; um plano se o v1 = αv2 .
3
universo for o espaço R .  ER 33 Verifique se a reta r1 , que passa pelos pon-

tos A1 (−3, 4, 2) e B1 (5, −2, 4), e a reta r2 , que passa


pelos pontos A2 (−1, 2, −3) e B2 (−5, 5, −4), são pa-
Posições Relativas
ralelas.
Colinearidade entre Três Pontos
Solução: A direção de r1 é dada pelo vetor v1 =
Três pontos são colineares se eles estão na mesma A1 B1 = (8, −6, 2) e a direção de r2 é dada pelo vetor
8 −6 2
reta. Portanto, para verificarmos esta condição po- v2 = A2 B2 = (−4, 3, −1). Como = = , as
−4 3 −1
demos obter, inicialmente, uma equação da reta retas r1 e r2 são paralelas. 

escolhendo-se de forma aleatória dois pontos quais-


quer e, em seguida, verificarmos se o terceiro ponto
R Seja uma reta r1 , que passa por um ponto
pertence a esta reta.
A1 (x1 , y1 , z1 ) e tem a direção de um vetor v =

A seguinte proposição encurta este caminho. (a1 , b1 , c1 ), expressa pelas equações:


x − x1 y − y1 z − z1
= = .
Proposição 6 Três pontos A1 (x1 , y1 , z1 ), A2 (x2 , y2 , z2 ) a1 b1 c1

e A3 (x3 , y3 , z3 ) são colineares se, e somente se, Qualquer reta r2 , paralela à reta r1 , possui pa-
râmetros diretores a2 , b2 , c2 proporcionais aos
x2 − x1 y2 − y1 z2 − z1
= = . parâmetros diretores a1 , b1 , c1 , são parâmetros
x3 − x1 y3 − y1 z3 − z1
diretores de qualquer reta paralela à reta r1 .
Nestas condições, se A2 (x2 , y2 , z2 ) é um ponto

Prova: Para que três pontos A1 (x1 , y1 , z1 ), A2 (x2 , y2 , z2 ) qualquer do espaço, as equações da paralela
à reta r1 , que passa por A2 , são:
e A3 (x3 , y3 , z3 ) estejam em linha reta, os vetores A1 A2 e
x − x2 y − y2 z − z2
A1 A3 são paralelos, isto é: = = .
a1 b1 c1

A1 A2 = αA1 A3 , —Se as retas r1 e r2 forem expressas, respec-


tivamente, pelas equações reduzidas:
para algum α ∈ R, ou seja,  
 y = m1 x + n 1  y = m2 x + n 2
x2 − x1 y2 − y1 z2 − z1 r1 : r2 :
= = .  z = p1 x + q1  z = p2 x + q2
x3 − x1 y3 − y1 z3 − z1

27 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

cujas direções são dadas, respectivamente, (a) Se a = 0 e bc 6= 0,


pelos vetores v1 = (1, m1 , p1 ) e v2 = vr = (0, b , c ) ⊥ Ox ∴ z
(1, m2 , p2 ), a condição de paralelismo permite r k y Oz , as equações
escrever:
de r ficam:

Cálculo e Geometria Analítica


1 m1 p1
= =  y
1 m2 p2  x = x0
y − y z − z0 x
0
 = ,
b c
Condição de Ortogonalidade entre Duas Retas
nas quais se verifica que, das coordenadas (x , y , z )

Duas retas r1 e r2 são ortogonais se o produto escalar de um ponto genérico P da reta r , variam somente

entre os vetores v1 e v2 que definem as direções dessas y e z , conservando-se x = x0 . Isto significa que

retas é nulo, ou seja, a reta r está num plano paralelo ao plano coorde-
nado y z .
v1 · v2 = 0 (14)
(b) Se b = 0 e ac 6= 0,
 ER 34 Verifique se as retas r1 : vr = (a, 0, c ) ⊥ Oy ∴ z

 y = 3 x y +1 z −3 r k xOz , as equações
x − 3 z +1 e r2 : = = são
 = 3 5 4 de r ficam:
8 −6
ortogonais.  y
 y = y1
x
 x − x1 = z − z1
.
Solução: As direções de r1 e r2 são dadas pelos a c
vetores v1 = (8, 0, −6) e v2 = (3, 5, 4), respectiva-
Das coordenadas de um ponto genérico P (x , y , z )
mente. As retas são ortogonais, pois a condição
da reta r variam somente x e z , conservando-se
de ortogonalidade entre duas retas (14) é verificada.
y = y0 . Logo, a reta se encontra num plano para-
De fato,
lelo ao plano xOz .
v1 · v2 = 8 · 3 + 5 · 0 − 6 · 4 = 0.
(c) Se c = 0 e ab 6= 0,
 vr = (a, b , 0) ⊥ Oz ∴ z
r k xOy , as equações
Paralelismo Entre Retas e Planos Coordenados de r ficam:
 y
 z = z0
Vimos que as equações paramétricas em (9) ou as x − x y − y0 x
0
 = .
equações simétricas em (10) representam uma reta r a b

que passa por um ponto P0 (x0 , y0 , z0 ) e por um vetor


diretor vr = (a, b , c ). Até agora, supusemos que as
Das coordenadas de um ponto genérico P (x , y , z ) da
coordenadas do vetor vr são diferentes de zero. En-
reta r variam somente x e y , conservando-se z = z0 . A
tretanto, uma ou duas destas componentes podem ser
reta r está num plano paralelo ao plano xOy .
nulas. Então, analisemos cada casos:

Duas das Componentes do Vetor Riretor são Nulas


Somente uma das Componentes do Vetor Riretor é Nula

Neste caso, o vetor é ortogonal a um dos eixos coor- Neste caso, o vetor tem a direção de um dos vetores da
denados e, portanto, a reta r é paralela ao plano dos base canônica {i, j, k} e, portanto, a reta r é paralela ao
outros eixos. Assim: eixo que tem a direção de i, j ou k. Assim:

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


28
Apontamentos

(a) Se a = b = 0 e c 6= Logo, suas equações são:


0, vr = (0, 0, c ) k k ∴ 
 y = 0
z
r k z , as equações de  z = 0
r ficam:
Cálculo e Geometria Analítica

 De forma análoga, as equações do eixo Oy e




 x = x0 y do eixo Oz são, respectivamente:

y = y0 , h ∈ R. x
 
  x = 0  x = 0

 e
 z = z0 + ch.  z = 0  y = 0
Costuma-se dizer, simplesmente, que as equações
da reta r são:  Paralelismo e Perpendicularismo entre Dois Planos
 x = x0
 y = y0 Sejam os planos π1 : a1 x + b1 y + c1 z + d1 = 0 e π2 :
subentendendo-se z variável. a2 x + b2 y + c2 z + d2 = 0. Então, n1 = (a1 , b1 , c1 ) ⊥ π1
(b) Se a = c = 0 e b 6= 0, e n2 = (a2 , b2 , c2 ) ⊥ π2 . As condições de paralelismo
vr = (0, b , 0) k j ∴ r k y e de perpendicularismo de dois planos são as mesmas
z
(Figura ??), as equa- de seus respectivos vetores normais, isto é,
n2
ções de r ficam:
(a) π1 k π2 ⇔ n1 k n2 ∴

a1 b1 c1 n1
 x =

 x0 y = = .
 a2 b2 c2
y = y0 + bh , h ∈ R. x



 z = z0
a1 b1 c1 d1
R Se = = = os planos são
ou simplesmente: a2 b2 c2 d2
coincidentes.

 x = x0
 z = z0

subentendendo-se y variável. (b) π1 ⊥ π2 ⇔ n1 ⊥ n2 ∴


(c) Se b = c = 0 e a 6= 0, a1 a2 + b1 b2 + c1 c2 = 0.
v = (a, 0, 0) k i ∴ r k
x , as equações de r fi-
cam:
 Paralelismo e Perpendicularismo entre Reta e Plano
 x =

 x0 + ah z

y = y0 , h ∈ R, Para uma reta r e um plano π, temos:



 z = z0 r n
(a) r k π ⇔ v ⊥ n;
y
ou simplesmente:
x

 y = y
0 r
(b) r ⊥ π ⇔ v k n. n
 z = z
0

subentendendo-se x
variável. Condições para que uma Reta Esteja Contida num Plano

Uma reta r está contida num plano π se o vetor diretor

R Os eixos x , y e z são retas particulares. Assim, v de r é ortogonal ao vetor n, normal ao plano π, e um


o eixo x é uma reta que passa pela origem ponto A pertencente a r pertence também ao plano.
O (0, 0, 0) e tem a direção do vetor i = (1, 0, 0).

29 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos


R Uma reta r está também contida num plano π  m+n−4 = 0

se dois pontos A e B pertencentes a r perten-  2m + n − 7 = 0
cem a esse plano.
Para que a reta r esteja contida em π a solução do
ER 35 Determinar o ângulo que a reta r : X = sistema é m = 3 e n = 1.

Cálculo e Geometria Analítica


 

(1, 0, 3) + t (−2, −1, 1), ∀ t ∈ R, forma com o plano


π : x + y − 5 = 0.
Ângulos

Solução: A reta r tem a direção do vetor v =


Ângulo entre Duas Retas
(−2, −1, 1) e n = (1, 1, 0) é um vetor normal ao
plano. Deste modo, temos: Considere as retas r1 , que passa pelo ponto
|v · n| P1 (x1 , y1 , z1 ) e tem a direção de um vetor v1 =
sen(φ) =
|v| · |n| (a1 , b1 , c1 ), e r2 , que passa pelo ponto P2 (x2 , y2 , z2 ) e
|(−2, −1, 1) · (1, 1, 0)|
= p √ tem a direção de um vetor v2 = (a2 , b2 , c2 ). Chama-se
(−2) + (−1)2 + 12 · 12 + 12 + 02
2
√ ângulo de duas retas r1 e r2 o menor ângulo de um ve-
| − 3| 3 3
= √ √ = √ = . tor diretor de r1 e de um vetor diretor de r2 . Logo, sendo
6· 2 2 3 2
√ ! θ este ângulo, tem-se:
3 π
Logo, φ = asen = rad. 
2 3 |v1 · v2 | π
cos(θ) = ,0 ≤ θ ≤
|v1 | · |v2 | 2
x −2 −y − 1
 ER 36 Verificar se a reta r : = = −z ou, em coordenadas
3 2
é perpendicular ao plano π : 9x − 6y − 3z + 5 = 0. |a 1 a 2 + b 1 b 2 + c 1 c 2 |
cos(θ) = p 2 p .
a1 + b12 + c12 · a22 + b22 + c22
Solução: Sabe-se que a reta r é perpendicular ao
plano π se um vetor v de r é colinear a um ve-
tor n, normal ao plano. No caso presente, tem-se R
v = (3, −2, −1) e n = (9, −6, −3), respectivamente.
θ ∈ 2◦ quadrante ⇒ cos(θ) = − cos(π − θ).
Como n = 3v, os vetores são colineares e, portanto,
r é perpendicular a π.   ER 38 Calcular o ângulo entre as retas r1 : x +2 =

−2y + 63 = −2z e
 ER 37 Determinar os valores de m e n para que a 
reta r : X = (2, 1, −3) + t (1, 1, −2) esteja contida no


 x = 3+h

r2 : y = h ,h ∈ R
plano π : mx + ny + 2z − 1 = 0. 


 z = −1 − 2h
Solução: A reta r passa pelo ponto A(2, 1, −3) e tem
a direção do vetor v = (1, 1, −2). Um vetor normal Solução: Os vetores que definem as direções das
ao plano π é n = (m, n, 2). Para que r esteja contida retas r1 e r2 são: v1 = (−2, 1, 1) e v2 = (1, 1, −2).
em π é necessário que v ⊥ n e A ∈ π. Portanto, Logo,
procuramos m e n que satisfaçam simultaneamente |v1 · v2 |
cos(θ) =
as duas condições: |v1 | · |v2 |
|(−2, 1, 1) · (1, 1, −2)|
 = √ √
 (1, 1, −2) · (m, n, 2) = 0 4+1+1· 1+1+4
| − 2 + 1 − 2| 1
 m(2) + n(1) + 2(−3) − 1 = 0 = √ √ = .
6· 6 2
 
1 π
Portanto, θ = acos = rad. 
2 3

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


30
Apontamentos

Ângulo entre Dois Planos Ângulo entre uma Reta e um Plano

Sejam os planos π1 e π2 cujos vetores normais são, res- Seja uma reta r com a direção do vetor v e um plano π,
pectivamente, n1 = (a1 , b1 , c1 ) e n2 = (a2 , b2 c2 ). sendo n um vetor normal a π.
Cálculo e Geometria Analítica

n1 n
n2

v r
θ

r k π ⇔ v ⊥ n. O ângulo φ que a reta r forma com o plano π é o com-


plemento do ângulo θ que a reta r forma com uma reta
O ângulo entre dois planos será o menor ângulo de- normal ao plano. Tendo em vista que φ + θ = π e, por-
2
terminados pelos seus vetores normais. Sendo θ este tanto, cos(θ) = sen(φ), vem, de acordo com a fórmula:
ângulo, tem-se: |v · n| π
sen(φ) = ,0 ≤ φ ≤ (16)
|v| · |n| 2

|n1 · n2 | π Interseção entre Dois Planos


cos(θ) = ,0 ≤ θ ≤ . (15)
|n1 | · |n2 | 2

 ER 39 Determinar o ângulo entre os planos π1 : Consideremos os planos não paralelos π1 : 5x − 2y +

2x − 3y + 5z − 8 = 0 e π2 : 3x + 2y + 5z − 4 = 0 z + 7 = 0 e π2 : 3x − 3y + z + 4 = 0.

Solução: Os vetores n1 = (2, −3, 5) e n2 = (3, 2, 5) Sabemos que a equação de dois planos não parale-

são vetores normais a estes respectivos planos, te- los é uma reta r cujas equações se deseja determinar.

mos: Uma reta está determinada quando se conhece dois de

|n1 · n2 | seus pontos ou um ponto e um vetor diretor da mesma.


cos(θ) =
|n1 | · |n2 | Uma ponto pertence à reta interseção se suas coor-
|(2, −3, 5) · (3, 2, 5)|
= p √ denadas satisfazem simultaneamente a equações dos
22 + (−3)2 + 52 · 32 + 22 + 52
|25| 25 dois plano, isto é, ele constitui uma solução do sistema:
= √ √ = .
38 · 38 38 
 5x − 2y + z + 7 = 0
 
25
Logo, θ = acos ≈ 48◦ 51′ . 
 3x − 3y + z + 4 = 0.
38

 ER 40 Calcular os valores de m e n para que o O sistema é indeterminado e, em termos de x , sua so-

plano π1 : (2m − 1)x − 2y + nz − 3 = 0 seja paralelo lução é: 


 y = −2x − 3
ao plano π2 : 4x + 4y − z = 0.l
 z = −9x − 13
Solução: Os vetores n1 = (2m − 1, −2, n) e n2 =
Estas são as equações reduzida da reta interseção dos
(4, 4, −1) são vetores normais aos planos π1 e π2 ,
planos π1 e π2 , sendo os pontos desta interseção da
respectivamente. De acordo com a condição de pa-
forma:
ralelismo entre dois planos, deve-se ter:

2m − 1 −2 n (x , y , z ) = (x , −2x − 3, −9x − 13).


= = .
4 4 −1
−1 1 Se atribuirmos valores a x na solução da sistema, en-
Portanto, m = en= 
2 2 contraremos os pontos particulares da interseção dos

31 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

planos π1 e π2 . Por exemplo, para x = 0, temos o ponto Interseção de reta com plano

A(0, −3, −13) e para x = 1, o ponto B (1, −5, −22). En-


Consideremos a reta
tão, um vetor diretor da reta interseção é v = AB = 
(1, −2, −9) e as equações paramétricas dessa reta, uti-  y = 2x + 3

Cálculo e Geometria Analítica


r:
lizado o ponto A, são:  z = 3x − 4



 x = t Para determinarmos o ponto de interseção I (x , y , z ) da

r: y = −3 − 2t reta r com o plano π : 3x + 5y − 2z − 9 = 0, suas



 z = −13 − 9t coordenadas devem verificar as equações do sistema
formado pelas equações de r e π, isto é

Lembrando que uma reta é definida por um ponto e por 

 y = 2x + 3

um vetor diretor, as equações desta interseção podem
z = 3x − 4

ser encontradas de outra forma. Determinaremos pri- 

 0 = 3x + 5y − 2z − 9
meiramente um ponto da reta de abscissa zero, por
Resolvendo-se o sistema, obtém-se I (−2, −1, −10).
exemplo. Então, fazendo x = 0 nas equações do sis-
tema, resulta o sistema:
 Interseção entre Plano e os Eixos e Planos Coordenados
 −2y + z + 7 = 0
 −3y + z + 4 = 0 Seja o plano π : 2x + 3y + z − 6 = 0.

cuja solução é y = −3 e z = −13. Logo, um ponto da


Interseções com os Eixos Coordenados: Como os
reta interseção é A(0, −3, −13). Como o vetor diretor
pontos dos eixos são da forma (x , 0, 0), (0, y , 0) e
v desta reta é simultaneamente ortogonal aos vetores
(0, 0, z ), basta fazer na equação do plano duas va-
n1 = (5, −2, 1) e n2 = (3, −3, 1), normais aos planos π1
riáveis iguais a zero se encontrar a terceira, e as-
e π2 , respectivamente, v será dado pelo produto vetorial
sim obter as interseções com os eixos. Temos:
de n1 e n2 , isto é:
⋄ se y = z = 0, 2x − 6 = 0 ∴ x = 3 e A1 (3, 0, 0) é

i j k a interseção do plano π com o eixo dos x ;


v = n1 × n2 = 5 −21 1 = (1, −2, −9).
⋄ se x = z = 0, 3y − 6 = 0 ∴ y = 2 e A2 (0, 2, 0) é

3 −3 1 a interseção do plano π com o eixo dos y ;

⋄ se x = y = 0, z − 6 = 0 ∴ z = 6 e A3 (0, 0, 6) é a
Portanto, as equações reduzidas da reta são
interseção do plano π com o eixo dos z ;

 y = −2x − 3 Interseções com os Planos Coordenados: Como as
r:
 z = −9x − 13 equações dos planos coordenados são x = 0,
y = 0 e z = 0, basta fazer, na equação do plano,

Como a interseção de dois planos não paralelos é sem- uma variável igual a zero para se encontrar um

pre uma reta, é muito comum apresentar uma reta atra- equação nas outras duas variáveis e, assim, obter

vés de um sistema cujas equações representam pla- as interseções com os planos coordenados. Então:

nos. No caso presente, se r é esta reta, temos:


⋄ se x = 0, obtemos
 3y + z − 6 = 0, ou seja,
  x = 0
 5x − 2y + z + 7 = 0 a reta r1 : é a interseção
r:  z = −3y + 6
 3x − 3y + z + 4 = 0
de π com o plano y Oz ;

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


32
Apontamentos

⋄ se y = 0, obtemos
 2x + z − 6 = 0, ou seja, Solução: Conforme 17, temos:
 y = 0
p
a reta r2 : é a interseção d (P1 , P2 ) = (0 − 1)2 + (1 − 3)2 + (−7 − (−5))2
 z = −2x + 6
p
de π com o plano xOz ; = (−1)2 + (−2)2 + (−2)2

Cálculo e Geometria Analítica

= 1 + 4 + 4 = 3.
⋄ se z = 0, obtemos
 2x + 3y − 6 = 0, ou seja,
 z = 0 

a reta r3 : é a interseção
 y = −2x + 2
3 Distância entre Ponto e Reta
de π com o plano xOy ;

Consideremos um ponto P o qual se quer determinar a


distância a uma reta r . Tomemos um outro ponto qual-
R Se um plano π : ax + by + cz + d = 0 não
quer A pertencente a reta r . Observemos que os veto-
é paralelo a nenhum dos planos coordenados
(a, b , c ) 6= (0, 0, 0) e não passa pela origem res AP e o vetor diretor v da reta r determinam um pa-
d 6= 0, sua equação pode ser apresentada na ralelogramo cuja altura corresponde à distância d (P , r )
forma procurada.
x y z
+ + =1
p q r P
denominada equação segmentária do plano
na qual (p , 0, 0), (0, q , 0) e (0, 0, r ) são os pon- h
tos onde π intercepta os eixos dos x , dos y e
dos z , respectivamente. A v r

 ER 41 Seja a equação 2x + 3y + z − 6 = 0 ou Do área de paralelogramo, “base × altura”, temos:

2x + 3y + z = 6. Dividindo ambos os membros por |AP × v|


A = |v| · h = |AP × v| ⇔ h =
|v|
6, vem:
x y z Portanto,
+ + =1 |AP × v|
3 2 6 d (P , r ) = .
|v|
e os pontos de interseção com os eixos dos x , dos
 ER 43 Calcule a distância entre o ponto
y , e dos z são A1 (3, 0, 0), A2 (0, 2, 0) e A3 (0, 0, 6), res-
x +1 y −2 z −3
P (1, −2, 3) e a reta = = .
pectivamente.  2 3 4

Solução: Um ponto de r é A(1, −2, 3) e um vetor


diretor de r é v = (2, 3, 4). Determinando o vetor
Distâncias
AP, temos AP = P − A = (2, −4, 0). Deste modo, a
Distância entre Pontos distância entre o ponto P e r , é:

|(2, −4, 0) × (2, 3, 4)|


Dados os pontos P1 (x1 , y1 , z1 ) e P2 (x2 , y2 , z2 ), calcula- d (P , r ) =
|(2, 3, 4)|
mos a distância entre eles, determinando o |P1 P2 |. |(−16, 8, 14)|
= √
p22 + 32 + 42 √
(−16)2 + 182 + 142 776
Como P1 P2 = P2 − P1 = (x2 − x1 , y2 − y1 , z2 − z1 ), temos = √ = √ ≈ 5, 17
4 + 9 + 16 29
p
d (P1 , P2 ) = (x2 − x1 )2 + (y2 − y1 )2 + (z2 − z1 )2 (17) 

 ER 42 Calcule a distância entre os pontos


Distância entre Ponto e Plano
P1 (1, 3, −5) e P2 (0, 1, −7).
Seja P0 (x0 , y0 , z0 ) um ponto não pertencente a um plano
π : ax + by + cz + d = 0. Para determinarmos a distân-
cia d (P0 , π), tomemos um ponto A(x1 , y1 , z1 ) do plano.

33 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

Observemos que esta distância nada mais é do que o (4, −4, 2), assim
módulo da projeção de AP0 na direção de um vetor nor-
v · n = 4 − 8 + 8 = 4 6= 0,
mal n do plano π, ou seja,

n ou seja, v 6⊥ n. 
d (P0 , π) = |projn AP0 | = AP0 ·

Cálculo e Geometria Analítica


|n|

(a, b , c )
= (x0 − x1 , y0 − y1 , z0 − z1 ) · √
Distância entre Duas Retas
a2 + b 2 + c 2

a(x0 − x1 ) + b (y0 − y1 ) + c (z0 − z1 )
= √
Neste caso, temos três casos a estudar:
a2 + b 2 + c 2
|ax0 + by0 + cz0 − ax1 − by1 − cz1 |
= √
a2 + b 2 + c 2
⋄ Se as retas r1 e r2 são concorrentes, nada temos a
Como A é um ponto do plano π, satisfaz a condição calcular, a distância é zero.
ax1 + by1 + cz1 + d = 0. Portanto
⋄ Se as retas r1 e r2 são paralelas, reduzimos o cál-
|ax0 + by0 + cz0 + d |
d (P0 , π) = √ culo da distância entre elas, ao caso de distância
a2 + b 2 + c 2
entre ponto e reta, ou seja,
 ER 44 Calcule a distância entre o ponto

P (1, −2, 3) e o plano 2x + 3y − 6z + 3 = 0. d (r1 , r2 ) = d (P , r1 ), P ∈ r2


ou
Solução: Um vetor diretor de π é n = (2, 3, −6). d (r1 , r2 ) = d (P , r2 ), P ∈ r1 .
Deste modo, temos:
⋄ Se as retas r1 e r2 são reversas, tomemos A1 ∈ r1
d (P0 , π)
e A2 ∈ r2 e observemos que os vetores diretores
|2 · 1 + 3 · (−2) + (−6) · 3 + 3| |2 − 6 − 18 + 3|
= p √
22 + 32 + (−6)2 49 v1 e v2 das retas r1 e r2 , respectivamente, e o vetor
| − 19| A1 A2 , formam um paralelepípedo cuja altura é a
= ≈ 2, 71.
7
distância d (r1 , r2 ) procurada. Como V = Ab · d =


|v1 × v2 | · d e o mesmo V = |(v1 , v2 , A1 A2 )|, então

|(v1 , v2 , A1 A2 )|
d = d (r1 , r2 ) = (18)
R |v1 × v2 |

 ER 46 Calcule a distância entre as retas


⋄ A fórmula de distância entre ponto e plano 
também é aplicada a planos paralelos e
 

 x = 4 + 2t
 y = 2x + 3 
plano e reta paralelos. r: e s: y = 1 − 2t
 z = 2x + 1 


⋄ A distância entre plano e reta, não parale-  y = −2 − t
los, é zero. Idem para planos não para-
lelos. Solução: Um vetor diretor de r é o vetor vr =
 ER 45 Calcule a distância da reta (1, 2, 2) e de s é vs = (2, −2, −1). Como não existe

um α ∈ R tal que vr = α · vs , temos que r ∦ s . Ve-
 y = 2x + 3
r: rificaremos se r e s são reversas. Sejam R (0, 3, 1) e
 z = 2x + 1
S (4, 1, −2) pontos de r e s , respectivamente, e con-
ao plano π : 4x − 4y + 2z − 7 = 0.
sidere o vetor RS = S − R = (4, −2 − 3). Temos o

Solução: A distância entre r e π é zero, pois a reta


não é paralela ao plano, de fato. Um vetor diretor
de r é v = (1, 2, 2) e um vetor normal de π é n =

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


34
Apontamentos

seguinte produto misto:




1 2 2


(vr , vs , RS) = 2 −2 −1


Cálculo e Geometria Analítica

4 −2 −3
= 6 − 8 − 8 − (−16 − 12 + 2) = 16 6= 0.

Reste modo, as retas r e s são coplanares e con-


correntes, por não serem paralelas. Logo distância
entre elas é zero. 

Atividades
EA 71 Dados os planos α : 3x − 2y − z + 28 = 0
e β : (x , y , z ) = t (1, 0, 2) + t ′ (2, 1, 3), t , t ′ ∈ R, as
retas r : (x , y , z ) = (1, 0, 2) + h(1, 2, −1), h ∈ R e s :

 2x − y = 0
, e o ponto A(1, 0, 2), determine:
 x +z = 2

(a) uma equação geral do plano π que contém as


retas r e s ;

(b) a distância entre r e α;

(c) o ângulo entre α e β;

(d) uma equação vetorial da reta r ′ paralela à reta


r com A ∈ r ′ ;

(e) as coordenadas do ponto A′ simétrico do ponto


A em relação ao plano α.

EA 72 Dados o ponto A(1, 2, 0), o


plano α : x− 2y + 2z + 4 = 0 e as re-
 3x + y − z + 3 = 0
tas r : e s :
 y −z = 0



 x = 1 + 2h

y = −3h , h ∈ R, determine:



 z = −2 − 4h

(a) o ângulo e a distância entre as retas;

(b) a distância entre a reta s e o plano α;

(c) a altura do triângulo ABC relativa à base BC ,


B, C ∈ s.

35 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

Transformação de Coordenadas
A relação: equação algébrica versus representação denadas são dadas por:
gráfica se constitui em um dos principais fatores es- 
 x = x′ + h

Cálculo e Geometria Analítica


tudados em geometria analítica. Sabemos, até aqui, (19)
 y = y′ + k.
quais equações determinam, em um sistema de coor-
denadas cartesianas, uma reta e uma circunferência.
y y′ Prova: Consideremos
Entretanto, existem outras curvas importantes que ne-
no plano cartesiano
cessitamos caracterizar. Estas curvas muitas vezes E P
R xOy um ponto O ′ (h, k ),
não possuem uma equação que as identifique facil- B
arbitrário, e introduza-
O ′ (h,k ) x′
mente e, por isso, precisamos de ferramentas (trans-
mos um novo sistema
formações) que as simplifique. As transformações são
O (0,0) A x x ′ O ′ y ′ tal que os eixos
C
relações que quando utilizadas modificam outras, ex-
O ′ x ′ e O ′ y ′ tenham a
pressões ou figuras. Por exemplo, as transformações
mesma unidade de medida, a mesma direção e o
trigonométricas vistas no estudo de Trigonometria.
mesmo sentido dos eixos Ox e Oy .
Duas equações são equivalentes se, e somente se, o
Seja P um ponto qualquer do plano tal que suas co-
conjunto de pontos que satisfazem a uma das equa-
ordenadas em relação ao sistema xOy sejam x e y
ções, também satisfaz a outra. Por exemplo, as equa-
e, em relação ao sistema x ′ O ′ y ′ sejam x ′ e y ′ . Desta
ções (y − 1)2 = 2x e y 2 − 2y − 2x + 1 = 0 são equiva-
forma e de acordo com a figura, temos:
lentes. 
 x = OC = OA + AC = x ′ + h
As transformações de coordenadas das seções e  y = OR = OB + BR = y ′ + k .
transformam uma equação em outra equivalente atra-
vés de uma modificação na expressão da equação que
Estas equações de translação nos permitem transfor-
a representa.
mar coordenadas de um sistema para outro.
 ER 47 Transforme a equação y 3 − x 2 − 6y 2 − 2x +
Translação de Eixos 12y = 9 por uma translação de eixos coordenados à
nova origem (−1, 2).
Transladar um eixo é deslocá-lo ou movimentá-lo para-
lelamente à posição inicial. Observa-se-á que ao trans- Solução: Como a origem do sistema x ′ O ′ y ′ é
ladarmos os eixos coordenados de um plano cartesi- (−1, 2), as equações de translação são

ano, com origem em O , estamos criando um novo sis-  x = x′ − 1
tema de coordenadas, com origem em O ′ . A fim de  y = y′ + 2
simplificar uma equação por translação de eixos conta-
Substituindo os valores de x e de y na equação,
remos com o seguinte resultado:
temos (y ′ + 2)3 − (x ′ − 1)2 − 6(y ′ + 2)2 − 2(x ′ −
Teorema 3 Se os eixos coordenados são translada- 1) + 12(y ′ + 2) = 9. Desenvolvendo-se os termos,
dos para uma nova origem O ′ (h, k ) e se as coorde- 3 2 2 2
y ′ + 6y ′ + 12y ′ + 8 − x ′ + 2x ′ − 1 − 6y ′ − 24y ′ − 24 −
nadas de qualquer ponto P do plano, antes e depois 2x ′ + 2 + 12y ′ + 24 = 9 e agrupando-os em ordem
′ ′
da translação de eixos são (x , y ) e (x , y ), respecti- decrescente dos graus das variáveis, y ′ − x ′ = 0.
3 2

vamente, então as equações de translação de coor- 

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


36
Apontamentos

 ER 48 Transformar a equação x 2 + y 2 + 2x − 6y + dependente da equação transladada. Desta forma,


6 = 0 para um novo sistema de coordenadas com 2 2
a equação transladada fica 4x ′ + y ′ = 12. 

origem em (−1, 3).


 ER 50 Por uma translação de eixos transforme a
Cálculo e Geometria Analítica

Solução: Neste caso, como as coordenadas da ori- equação y 2 + 6y = 8x − 17 em outra mais simples.
gem do sistema transladado foram dadas, temos en-
Solução: Substituindo as equações de translação
tão h = −1 e k = 3, e, as equações de translação
obtemos: (y ′ + k )2 + 6(y ′ + k ) = 8(x ′ + h) − 17.
são 
 x = x′ − 1 Desenvolvendo e agrupando os termos semelhan-
2
 y = y ′ + 3. tes desta úúltima equação, temos que: y ′ + (2k +

Substituindo as equações de translação obtemos: 6)y ′ − 8x ′ + k 2 + 6k − 8h + 17 = 0. Os valores de h e k

(x ′ − 1)2 + (y ′ + 3)2 + 2(x ′ − 1) − 6(y ′ + 3) + 6 = 0. De- que tornam a equação acima mais simples possível

senvolvendo e agrupando os termos semelhantes, e os únicos termos que aparecem nesta equação
2 2
temos que x ′ + y ′ = 4. 
com as incógnitas h e k são os coeficiente de y ′ e
o termo independente, então os igualaremos a zero
para transformar a equação dada em uma outra com
Observe, nos exemplos anteriores, que a nova origem
quantidade de termos menor. Portanto,
do sistema de coordenadas foi especificada. Porém, a
 
translação é muito utilizada na obtenção de equações  2k + 6 = 0  k = −3

mais simples em que a nova origem não é, necessa-  k 2 + 6k − 8h + 17 = 0  h=1
riamente, especificada. Vejamos no exemplo seguinte,
2
Desta forma, a equação transladada fica y ′ − 8x ′ =
como encontrar essa nova origem.
 ER 49 Por uma translação de eixos coordenados
0. 

transforme a equação 4x 2 + y 2 + 8x − 6y + 1 = 0 em
Trabalharemos, logo, com equações de grau dois e, por
outra desprovida dos termos de grau um.
ser de fácil aplicação, utilizaremos o método do com-
Solução: Substituindo as equações de translação plemento de quadrados para encontrar a equação da
obtemos: cônica com os eixos transladados para uma nova ori-
gem conveniente.
4(x ′ + h)2 + (y ′ + k )2 + 8(x ′ + h) − 6(y ′ + k ) + 1 = 0.

Desenvolvendo e agrupando os termos semelhan- Método do Complemento de Quadrado


tes, temos que:
O complemento de quadrado consiste em obter, a par-
2 2
4x ′ +y ′ +(8h+8)x ′ +(2k −6)y ′ = 6k −k 2−4h2 −8h−1. tir do binômio x 2 + bx , o trinômio quadrado perfeito
 2  2
b b
Como devemos encontrar os valores de h e k que x+ ao se adicionar o termo ao binômio.
2 2
tornem a equação acima desprovida dos termos de De fato,
 2  2  2
grau um, então igualaremos a zero os coeficientes 2 b 2 b b b
x + bx + =x +2 x + = x+ .
das variáveis x ′ e y ′ . Portanto, 2 2 2 2
  Observe que este método é empregado em um binô-
 8h + 8 = 0  h = −1
⇒ mio ax 2 + bx , onde a = 1. Se a 6= 1 devemos isolar o
 2k − 6 = 0  k = 3.
coeficiente a antes de utilizar o método.
Substituindo-se os valores de h e de k encontrados
em 4h2 + 8h + k 2 − 6k + 1 obtemos −12, o termo in-

37 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

 ER 51 Transforme a expressão 4x 2 + 2x em um EA 73 Complete os quadrados das seguintes ex-


trinômio quadrado perfeito. pressões:

Solução: Como o coeficiente do de grau 2


 termo 
1 (a) y 2 + 8y − x 2 − 2x = −11;

Cálculo e Geometria Analítica


é diferente de 1, escrevamos 4 x 2 + x . Assim,
2
 2
1 1 (b) 4y 2 + 18y + 9x 2 − 24x = −9;
= e a expressão
4 16
(c) −3x 2 − y 2 + 3x + 4y = 5.
   2
2 1 1 1
4 x + x+ =4 x+ .
2 16 4

Podemos, ao adicionar ou multiplicar ambos os


EA 74 Por meio de uma translação dos eixos co-
membros de uma equação por um número real e
ordenados, transforme as equações dadas para a
não nulo, transformá-la em outra equação equiva-
nova origem indicada.
lente. Assim, dada uma equação, com uma ou mais
variáveis de grau dois, a transformação de um binô-
(a) x 2 + y 2 + 2x − 6y + 6 = 0, O ′ (−1; 3);
mio em um trinômio quadrado perfeito pode ser uti-
lizada para determinar uma outra equação equiva- (b) xy − 3x + 4y − 13 = 0, O ′ (−4; 3);
lente e mais simples que a original, sem termos ne-
(c) x 2 − 4x + y 2 − 6y − 12 = 0, O ′ (1; 1);
cessariamente que utilizar as equações de transfor-
mação de coordenadas. Este processo de transfor- (d) 4x 2 − y 2 − 24x + 4y + 28 = 0, O ′ (3; 2);

mação de uma equação em outra equivalente cha-


(e) x 3 − 3x 2 − y 2 + 3x + 4y = 5, O ′ (1; 2).
maremos de método do complemento de quadrado.


 ER 52 Por complemento de quadrados transforme EA 75 Usando uma translação de eixos coorde-


a equação x 2 − 2y 2 + 4x + 24y − 69 = 0 em outra nados,
equivalente e mais simples.

(a) simplifique a equação x 2 + y 2 + 6x − 2y + 6 = 0


Solução: Agrupemos os termos semelhantes e os
indicando qual a nova origem e quais são as
arrumemos de modo a transformar os binômios da
equações de transformação;
equação dada em trinômios quadrados perfeitos, ou
seja, (x 2 + 4x ) − 2(y 2 − 12y ) = 69. Transformemos (b) utilizando a translação do item anterior, deter-
esta em outra equação equivalente de modo que os mine as coordenadas do ponto P (1; −2) em re-
binômios (x 2 + 4x ) e (y 2 − 12y ) sejam transforma- lação ao sistema x ′ O ′ y ′ e as coordenadas de
dos em trinômios quadrados perfeitos. Desta forma, Qx ′ y ′ (2; 1) no sistema xOy .
ao somarmos os números 4 ao binômio (x 2 + 4x )
e 36 ao binômio (y 2 − 12y ) devemos somar 4 e −72
ao segundo membro já que queremos uma equação
EA 76 Usando uma translação de eixos coorde-
equivalente, ou seja, (x 2 +4x +4)−2(y 2 −12y +36) =
nados,
69 + 4 − 72. Segue que, (x + 2)2 − 2(y − 6)2 = 1. Se
fizermos x + 2 = x ′ e y − 6 = y ′ , podemos escrever:
2 2 (a) simplifique a equação y 2 − x 2 − 8y + 2x − 4 = 0
x ′ − 2y ′ = 1. 
indicando qual a nova origem e quais são as
equações de transformação;
Atividades

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


38
Apontamentos

(b) utilizando a translação do ítem anterior, deter- Gabarito


9 2 4 2 109
   
mine as coordenadas do ponto P (−2, 3) em re- 73. (a) (y + 4)2 − (x + 1)2 = 4 (b) 4 y + +9 x − =
 2 4 3 4
1 2 1
lação ao sistema x ′ O ′ y ′ e as coordenadas de
′2 ′2 ′ ′
(c) 3 x + (y − 2) = − . 74. (a) x + y = 4 (b) x y = 1 (c)
2 4
x ′2 + y ′2 − 2x ′ − 4y ′ − 20 = 0 (d) 4x ′2 − y ′2 = 4 (e) x ′3 − y ′2 = 0.
Qx ′ y ′ (1; 2) no sistema xOy .
Cálculo e Geometria Analítica

75. (a) x ′2 + y ′2 = 4, O ′ (−3; 1); x = x ′ − 3; y = y ′ + 1: (b) P (4; −3)


e Q (−1; 2). 76 (a) (y − 4)2 − (x − 1)2 = 19, x= x ′ + 1, y = y ′ + 4,
 x′ = x −1
(a)
 y′ = y +2
O ′ (1, 4). (b) Px ′ y ′ (−3, −1), Q (2, 6). 77.
O ′ (1; −2)
EA 77 Determine a translação dos eixos coorde-
x ′2 + y ′2 = 9
nados (nova origem e equações de transformação)
 
 x′ = x +3  x′ = x +1
(b ) (c )
 y′ = y −4  y′ = y −4
que reduzem à forma canônica a equação dos cír- 78. (a)
O ′ (−3; 4) O ′ (−1; 4)
culos: x ′2 + y ′2 = 25 x ′2 + y ′2 = 1.
(3; −2) (b) (6; −5) (c) (1; −4) (d) (−2; −4). 79 (a) x ′2 + y ′2 = 9 (b)
x ′2 + y ′2 = 25 (c) 3x ′2 + 2y ′2 = 6 (d) y ′2 − 4x ′ = 0 (e) x ′2 − 4y ′2 = 4.
(a) x 2 + y 2 − 2x + 4y = 4;

(b) x 2 + y 2 + 6x − 8y = 0; Rotação de Eixos

(c) x 2 + y 2 + 2x − 8y + 16 = 0.
Rotacionar um eixo consiste em girarmos o eixo to-
mando como base para esse deslocamento radial um
ponto fixo. O sentido anti-horário da rotação é conven-
EA 78 Converta os pontos como se pede, usando cionado como o positivo.
a translação indicada pela nova origem O ′ .
Ao se rotacionar os
′ y
eixos coordenados y
(a) P (2; 3) xy para x ′ y ′ , com O ′ (−1; 5);
xOy , fixando-se a
′ ′ ′ P
(b) Q (4; −2) x y para xy , com O (2; −3); origem O , estamos
criando um novo r
(c) R (1; 0) xy para x ′ y ′ , com O ′ (0; 4);
sistema de coorde-
φ
′ ′ ′
(d) S (0; −4) x y para xy , com O (−2; 0). x′
nadas x ′ Oy ′ , com θ A′
O A x
origem em O .

A fim de simplificar uma equação por rotação de eixos


EA 79 Por uma translação dos eixos coordena-
contaremos com o seguinte resultado:
dos, transforme a equação dada em outra despro-
vida de termos do 1◦ grau, se possível. Teorema 4 Se girarmos os eixos coordenados de
um ângulo θ, fixando-se a origem O , e se as coorde-

(a) x 2 + y 2 − 2x + 4y − 4 = 0; nadas de qualquer ponto P do plano antes e depois


da rotação de eixos são (x , y ) e (x ′ , y ′ ), respectiva-
(b) x 2 + y 2 + 6x − 8y = 0;
mente, então as equações de rotação são dadas por:

(c) 3x 2 + 2y 2 + 18x − 8y + 29 = 0;  x = x ′ cos(θ) − y ′ sen(θ)
(20)
 y = x ′ sen(θ) + y ′ cos(θ).
(d) y 2 − 4x + 2y + 9 = 0;

Na forma matricial, temos:


(e) x 2 − 4y 2 − 4x − 24y − 36 = 0.

39 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

 ER 54 Por meio de uma rotação de 30◦ dos eixos


     
x cos(θ) − sen(θ) x′ coordenados transforme a equação
 = · .

y sen(θ) cos(θ) y √
2x 2 + 3xy + y 2 = 4.

Cálculo e Geometria Analítica


Prova: Consideremos o plano Oxy e seja θ o ângulo
de rotação o qual é obtido um novo sistema O ′ x ′ y ′ tal Solução: Pelas equações de rotação, temos:
′ ′ ′ ′
que os eixos O x e O y tenham a mesma unidade      
x cos(30◦ ) − sen(30◦ ) x′
de medida de Ox e Oy . Seja P um ponto qualquer do  = · 
y sen(30◦ ) cos(30◦ ) y′
plano tal que suas coordenadas em relação ao sis-
tema Oxy são x e y e, em relação ao sistema O ′ x ′ y ′ ou seja,

são x ′ e y ′ . Desta forma e de acordo com a figura,


 √  
temos:   3 1 
x −  x′
 =
 2 √2  ·  
y 1 3 y ′

 x ′ = OA′ = r cos φ 2 2
(21)
 y ′ = A′ P = r sen φ Portanto,  √
 3 ′ 1 ′
 x = x − y
2 √2
  1 ′ 3 ′
 y = x + y


 x = OA = r cos(θ + φ) 2 2



 = r cos(θ) cos φ − r sen(θ) sen φ
e (22) Substituindo-se na equação da curva e


 y = AP = r sen(θ + φ)


 simplificando-a, encontramos:
 = r sen(θ) cos φ + r sen(θ) cos φ
5 ′2 1 ′2
x + y = 4.
2 2
Portanto, substituindo-se (21) em (22), temos:


 x = x ′ cos(θ) − y ′ sen(θ)
 y = x ′ sen(θ) + y ′ cos(θ).  ER 55 Por meio de uma rotação dos eixos coor-
denados transforme a equação (3x − 4y )2 − 10(4x −
3y ) = 0 em outra equação desprovida do termo em
 ER 53 Determinar as novas coordenadas do
x ′y ′.
ponto (3; −4) quando os eixos coordenados são gi-
rados de 45◦ . Solução: (3x − 4y )2 − 10(4x − 3y ) = 0 ⇔ 9x 2 −
24xy + 16y 2 − 40x − 30y = 0. Sendo assim,
Solução: Utilizando as equações de rotação, te-
mos: −24xy

2 ′ = −24[x ′ cos(θ) − y ′ sen(θ)][x ′ sen(θ) + y ′ cos(θ)]
′ ◦ ′ ◦
3 = x cos(45 ) − y sen(45 ) = (x − y ′ )
√2 = −24{(x ′2 − y ′2 ) sen(θ) cos(θ) + x ′ y ′ [cos(2θ)]}
2 ′
−4 = x ′ sen(45◦ ) + y ′ cos(45◦ ) = (x + y ′ )
2 Como queremos uma equação desprovida do termo
solvendo o sistema, obtemos: x ′ y ′ , devemos encontrar o valor de θ tal que seu co-
√ √
2 7 2 eficiente seja nulo.
x′ = − e y′ = − .
2 2
cos2 (θ) − sen2 (θ) = 0

⇔ cos(θ) − sen(θ) = 0 ou cos(θ) + sen(θ) = 0
⇔ cos(θ) = sen(θ) ou cos(θ) = − sen(θ).

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


40
Apontamentos

π π
Segue que θ = + k , k ∈ Z.  coeficiente do termo x ′ y ′ . Finalmente, como quere-
4 2
mos a inexistência deste termo, igualamos a zero o

A Equação Geral de Grau Dois


coeficiente obtido, obtendo

b π
Cálculo e Geometria Analítica

tan(2θ) = , se a 6= c , e θ = , se a = c .
O teorema a seguir nos apresenta uma forma de obter, a−c 4
a partir de uma equação geral de grau dois, o ângulo de
rotação dos eixos coordenados de modo a obter uma  ER 56 Descubra qual o ângulo de rotação que

equação desprovida do termo xy , dado no sistema a transforma cada equação a seguir em outra despro-

priori. vida do termo misto de grau dois.

A equação geral do segundo grau a duas variáveis x e √


(a) 2x 2 + 3xy + y 2 = 4;
y é dada por
(b) 3x 2 − 2xy + 3y 2 − 16 = 0;
2 2
ax + bxy + cy + dx + ey + f = 0. (23)
(c) 9x 2 − 24xy + 16y 2 − 40x − 30y = 0.

Teorema 5 A equação (23) pode ser sempre trans-



formada na equação Solução: (a) a = 2, b = 3, c = 1 e√f = −4, e como
3 √
a 6= c , pelo Teorema 5, tan(2θ) = = 3. Logo
2 2 2−1
a′ x ′ + c ′ y ′ + d ′ x ′ + e ′ y ′ + f ′ = 0, (24)
θ = 30◦ .

onde a inexistência do termo de segundo grau x ′ y ′ se


(b) a = c = 3. Logo θ = 45◦ .
deve as equações de rotação dos eixos coordenados
por um ângulo agudo θ, positivo, tal que (c) a = 9, b = −24, c = 16, d = −40, e = −30
−24 24
b π e f = 0. Portanto, tan(2θ) = = . Neste
tan(2θ) = , se a 6= c , e θ = , se a = c . 9 − 16 7
a−c 4 caso, é impossível exibir um ângulo θ sem auxí-
lio de uma calculadora ou uma tábua trigonomé-
Prova: Das equações de rotação trica. No entanto, pelas relações métricas num tri-
 24
 x = x ′ cos(θ) − y ′ sen(θ) ângulo retângulo, temos sen(2θ) = e cos(2θ) =
25
 y = x ′ sen(θ) + y ′ cos(θ) 7
. De acordo com as identidades trigonométri-
25
1 − cos(2θ) 1 + cos(2θ)
temos que cas sen2 (θ) = e cos2 (θ) = ,
2 2
 3 4
encontramos sen(θ) = ± e cos(θ) = ± . Con-


 x 2 = x ′ 2 cos2 (θ) − 2x ′ y ′ cos(θ) sen(θ) + y ′ 2 sen2 (θ) 5 5

 ◦
 xy = x ′ 2 sen(θ) cos(θ) + x ′ y ′ cos2 (θ) − x ′ y ′ sen2 (θ) siderando 0< θ < 90 , o ângulo de rotação é

3
2 θ = atan . 


 −y ′ sen(θ) cos(θ) 4


 y 2 = x ′ 2 sen2 (θ) + 2x ′ y ′ cos(θ) sen(θ) + y ′ 2 cos2 (θ),

 ER 57 Através de uma rotação dos eixos trans-
ou seja,
forme a equação 5x 2 + 4xy + 2y 2 − 24x − 12y + 29 = 0

2 2


 x2 = x ′ cos2 (θ) − sen(2θ)x ′ y ′ + y ′ sen2 (θ) em outra desprovida do termo misto de grau dois.

2 2
x ·y = (x ′ − y ′ ) sen(θ) cos(θ) + cos(2θ)x ′ y ′

 Solução: Sabemos que
x ′ 2 sen2 (θ) + sen(2θ)x ′ y ′ + y ′ 2 cos2 (θ),

 y2 =
b 4
Multiplicando-se, respectivamente, estas três úúlti- tan(2θ) = =
a−c 3
mas equações pelas constantes a, b e c , e as so- 1 1 5
e que cos(2θ) = =p = .
mando, teremos (−a + c ) sen(2θ) + b cos(2θ). como sec(2θ) 2
1 + tan (2θ) 3

41 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

Assim, (e) x 2 − 6x − 5y + 14 = 0
v √ √
r
u
u 3 (f) 4x 2 − 12xy + 9y 2 − 8 13x = 14 13y − 117
1 + cos(2θ) t 1 + 5 2
cos(θ) = = =√
2 2 5
v (g) 4x 2 − 3y 2 + 24x − 12y + 17 = 0
u 3

Cálculo e Geometria Analítica


r
1 − cos(2θ) t 1 − 5
u
1
sen(θ) = = =√ . (h) 6x 2 − 4xy + 9y 2 − 20x − 10y − 5 = 0
2 2 5
(i) 12x 2 + 8xy − 3y 2 + 64x + 30y = 0
Logo, as equações de rotação são:
1 (j) 2x 2 − 4xy − y 2 − 4x − 8y + 14 = 0
′ ′ ′ ′
x = x cos(θ) − y sen(θ) = (2x − y ) √
5
1 (k) y 2 − 4x + 10y + 13 = 0
y = x ′ sen(θ) + y ′ cos(θ) = (x ′ + 2y ′ ) √
5
(l) 2x 2 − 12xy + 7y 2 − 4x − 8y + 14 = 0

Substituindo-se na equação obtemos a equação ge-


√ (m) 7x 2 + 6xy − y 2 − 2x − 10y − 9 = 0
2 2
ral: 6x ′ + y ′ − 12 5x ′ + 29 = 0. 

(n) 25x 2 + 20xy + 4y 2 + 30x + 12y − 20 = 0

Atividades
EA 80 Por uma rotação dos eixos, seguida do ân-
gulo indicado, transforme cada uma das equações.
Gabarito

π 80 (a) x ′ 2 − y ′ 2 = 36; (b) 29x ′ − 3 = 0. ?? (a) y ′ 2 − 2 = 0; (b)
(a) xy 2 − 18 = 0, θ = rad; √ ′
4 5x − 2 = 0. 82 (a) 4x ′2 + y ′2 = 16. (b) 9x ′′2 + 9y ′′2 = 14. (c)
  5y ′2 − 4x ′2 = 100. (d) (e) x ′2 = 5y ′ .
5
(b) 2x + 5y = 3, θ = atan ;
2

EA 81 Por uma rotação dos eixos coordenados

transforme cada uma das equações dadas em outra


desprovida do termo indicado.

(a) x 2 − 2xy + y 2 = 4, x ′y ′;

(b) x + 2y = 2, y ′;

EA 82 Reduza a equação à forma mais simples


através de translação eventual e rotação.

(a) 4x 2 + y 2 + 8x − 10y + 13 = 0
√ √
(b) 3x 2 − 2xy + 3y 2 + 2 2x − 6 2y + 2 = 0

(c) 4x 2 − 5y 2 + 12x + 40y + 29 = 0

(d) 13x 2 + 6xy + 21y 2 + 34x − 114y + 73 = 0

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


42
Apontamentos

Cônicas
Introdução A Parábola
Cálculo e Geometria Analítica

Considere e e g duas retas concorrentes, não perpendi- Considere um plano π determinado por uma reta ℓ e um

culares, cuja intersecção é um ponto O . Mantenha fixa ponto F não pertencente a esta reta. A parábola é o
uma das retas, por exemplo e (eixo), e façamos girar conjunto de todos os pontos do plano π que equidistam
360◦ em torno desta, mediante um ângulo constante, de F e de ℓ.
a outra reta g (geratriz). O objeto gerado é chamado
Segue da definição que dado um ponto fixo F e uma
de superfície cônica formada por duas folhas, ou sim-
reta ℓ, um ponto P do plano está equidistante destes
plesmente superfície cônica, e separadas pelo vértice
se, e somente se, pertence a uma parábola, ou seja,
O . O conjunto de pontos obtidos pela intersecção de
um plano π com a superfície cônica é chamada de se- d (P , F ) = d (P , ℓ) ⇔ P ∈ Parábola. (25)

ção cônica, ou simplesmente cônica. Ao seccionarmos


uma superfície cônica por um plano arbitrário π, que Os Principais Elementos da Parábola

não contém o vértice O , obteremos uma cônica dita


Como elementos da parábola temos:
não degenerada, e, à medida que variamos a posição
do plano de corte π, obtemos a:
† O foco F : ponto fixo da parábola;

† A diretriz ℓ: reta fixa da parábola;


• Parábola: o plano π é paralelo a uma geratriz da
superfície cônica. † O eixo focal E F : reta que passa pelo foco F e é
perpendicular a diretriz ℓ;

• Elipse: o plano π é não paralelo a uma geratriz e y ≡ EN

intercepta apenas uma das folhas da superfície cô-


nica; F
p
P (x ,y )

• Hipérbole: o plano π é não paralelo a uma geratriz V x


p

e intercepta as duas folhas da superfície cônica.
P ′ (x ,−p )

Seja π0 o plano de corte quem contém o vértice O da † O vértice V : é o ponto de intersecção da pará-
superfície. A cônica se degenerará em: um ponto, se bola com seu eixo. Situado entre a diretriz e o foco
o plano π0 intercepta somente o vértice; uma reta, se o exatamente no meio;
plano π0 contém somente uma geratriz; duas retas, se
† A corda: é obtida ligando quaisquer dois pontos
o plano π0 contém o eixo e .
distintos da parábola, por exemplo AC ;

As cônicas possuem equações, chamadas reduzidas † A corda focal: uma corda que passa pelo foco;
ou canônicas, que se tornam mais úteis, visto que, atra-
† O lactus rectum: corda focal perpendicular ao
vés destas, podemos determinar certos elementos que
eixo focal;
as melhor caracterizam-nas. Entretanto, para chegar-
mos a estas equações definiremos, de outra maneira, † O raio focal: é o segmento de reta de extremos
cada cônica e seus elementos. no foco e num ponto da parábola.

43 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

Observe que devemos considerar o fato de que F 6∈ ℓ, caso contrário, tem concavidade voltada para baixo (es-
pois, caso contrário, a parábola se degeneraria numa querda), se o sinal no 2◦ membro é negativo.
reta. Outro fato é que denominamos o número p de
A tabela a seguir apresenta um resumo das principais
parâmetro da parábola.

Cálculo e Geometria Analítica


características da parábola quando o eixo de simetria é
paralelo a um dos eixos coordenados.
As Equações Padrões de uma Parábola
y y
ℓ:x =p ℓ:x =−p
Fizemos que uma equação é padrão, também denomi- 2 y2
   
P − y4p ,y P 4p ,y

nada canônica ou reduzida, quando a utilizamos para


descrever um conjunto de curvas com alguma carac- F (−p ,0) V x V F (p ,0) x
terística em comum. A parábola possui quatro tipos
de equação padrão, onde a determinação de somente
y 2 = −4px y 2 = 4px
uma delas será demonstrada, pois as outras são obti-
y y
das de forma semelhante.  2
P x , x4p
ℓ:y =p
F (0,p )
V
A Equação Padrão da Parábola com o Vértice na Origem e
x V xp
ℓ:y =−
Eixo de Simetria sobre um dos Eixos Coordenados F (0,−p )
2
 
P x ,− x4p

Sejam P (x , y ) um ponto qualquer da parábola de vér-


x 2 = −4py x 2 = 4py
tice V na origem dos eixos coordenados e de foco  ER 58 Obter a equação da parábola que satisfaça

F (0, p ). Observe que qualquer ponto da diretriz ℓ é as condições em cada caso.



dado por P (x , −p ). Pela definição de parábola

d (P , F ) = d (P , ℓ), (a) Vértice na origem e foco em (0, 1);

(b) Foco em (0, −3) e diretriz y = 3;


temos, de acordo com a Figura anterior, que:
p p (c) Vértice na origem, concavidade voltada para
x 2 + (y − p )2 = (p + y )2 .
cima e passando pelo ponto P (−2, 5).
Desenvolvendo a igualdade acima obtemos
Solução: (a) V (0, 0) e F (0, 1). Logo, p = 1 e de
x 2 = 4py ,
x 2 = 4py , obtemos: x 2 = 4y . (b) F (0, −3) e ℓ :
a equação reduzida da Parábola para este caso. y = 3. Portanto, V (0, 0) e p = 3. A equação é
x 2 = −4py ∴ x 2 = −12y . (c) V (0, 0) e equação da
De forma análoga, podemos obter as equações reduzi-
forma x 2 = 4py . Como (−2, 5) é ponto da parábola,
das das parábolas com vértice em (0, 0) para os demais 1
temos (−2)2 = 4p 5 ∴ p = . Portanto, a equação é
casos, onde os focos estão sobre os semi-eixos ainda 5
=4
x y. 
não analisados. Portanto, 5

x 2 = ±4py ou y 2 = ±4px . (26)  ER 59 Determinar, para cada uma das parábolas,


o foco e uma equação da diretriz.

Da análise das equações em 26, tendo em vista ser (a) x 2 − 16y = 0


1
x 2 (y 2 ) sempre positivo ou nulo e que p > 0, podemos (b) x = − y 2
4
concluir que: se a parábola tem concavidade voltada
para cima (direita), o sinal no 2◦ membro é positivo,

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


44
Apontamentos

Solução: (a) x 2 = 16y ∴ p = 4. Portanto, F (0, 4) e p = 1 e V (3, 2), ou seja, x ′ = x − 3 e y ′ = y − 2,


1
ℓ : y = −4. (b) x = − y 2 ∴ y 2 = −4x . Donde p = 1. temos (y − 2)2 = ±4(x − 3). 
4
Logo, o foco é F (−1, 0) e ℓ : x = 1. 

 ER 62 Dada a equação x 2 + 6x − 8y + 17 = 0,
Cálculo e Geometria Analítica

 ER 60 Determinar o comprimento do latus rectum determine sua equação reduzida, o vértice, o foco e
de uma parábola. uma equação da sua diretriz e do eixo focal.

Solução: Consideremos as equações x 2 = 4py e Solução: Completando-se o quadrado da variável


y = p , respectivamente, a da parábola de vértice x na equação dada, temos: (x + 3)2 = 8(y − 1).
na origem e eixo focal coincidindo com o eixo das Portanto, o vértice é V (−3, 1), o foco é F (−3, 3), a
ordenadas, e a da reta perpendicular ao eixo dos y equação da diretriz é ℓ : y = −1 e o eixo focal x =
passando por (0, p ). Observe que a interseção dos −3. 

gráficos da parábola e da reta são as extremidades


L e R do latus rectum da parábola. Resolvendo-se Quando o eixo de simetria da parábola não é paralelo
o sistema encontraremos x = ±2p e y = p . Logo, a nenhum dos eixos coordenados, a equação é “mais
|LR | = 4p .  complicada”, mas também se enquadra na forma geral
da equação do 2◦ grau a duas incógnitas

A Equação Padrão da Parábola com o Vértice Fora da Origem


ax 2 + bxy + cy 2 + dx + ey + f = 0
e Eixo de Simetria Paralelo a um dos Eixos Coordenados

e, por uma rotação dos eixos coordenados, podemos


Podemos obter uma equação, na forma reduzida, da
reduzi-la a
parábola com vértice V (h, k ) fora da origem do sistema
xOy e cujo eixo de simetria é paralelo a um dos ei- a′ x 2 + c ′ y 2 + d ′ x + e ′ y + f ′ = 0
xos coordenados. Para isso basta transladarmos o sis-
que facilmente é identificada se utilizarmos os critérios
tema xOy para uma nova origem coincidindo com o vér-
do primeiro item do Teorema 8.
tice V , obtendo-se um novo sistema x ′ O ′ y ′ . Assim, as
equações destas parábolas se restringirão a um dos
Excentricidade da Parábola
casos a seguir:

x ′ 2 = ±4py ′ ou y ′ 2 = ±4px ′ . Chamamos de excentricidade (e ) da parábola a razão


entre as distâncias de um ponto arbitrário P da curva
Porém, pelas equações de translação (19) temos que
 ao foco e de P à diretriz. Neste caso, teremos sempre
 x′ = x − h
e = 1.
 y′ = y − k.

Logo, Atividades
EA 83 Em cada item, determine a equação da
(x − h)2 = ±4p (y − k ) ou (y − k )2 = ±4p (x − h) . parábola a partir dos elementos dados:
(27)
 ER 61 Determine a equação reduzida da parábola
(a) foco F (3, 4) e diretriz ℓ : x − 1 = 0;
de vértice V (3, 2), eixo focal paralelo ao eixo das
abscissas e parâmetro p = 1. (b) foco F (−1, 1) e vértice V (0, 0);

(c) vértice V (1, 2), eixo focal paralelo a Ox e


Solução: Pelo enunciado da questão podemos con-
P (−1, 6) é ponto do seu gráfico;
cluir que a equação reduzida é y ′2 = ±4px ′ . Como

45 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

(d) eixo focal paralelo a Oy e cujo gráfico passa (a) as coordenadas do vértice e do foco;
pelos pontos (0, 0), (1, −3) e (−4, −8);
(b) as equações da diretriz e do eixo focal;
(e) vértice V (1, 1) e foco F (0, 2);
(c) o comprimento do latus rectum.

Cálculo e Geometria Analítica


(f) eixo focal E F : y − 5 = 0, diretriz ℓ : x − 3 = 0 e
vértice sobre a reta r : y = 2x + 3;
2
(g) eixo focal sobre o eixo Oy e o ponto L(2, 2) EA 92 Uma parábola tem por equação y ′ = −8x ′

como sendo uma das extremidades do latus se em relação ao sistema x ′ Oy ′ indicado na figura.
y
rectum.
y′

√ x′
3
EA 84 Identifique o lugar geométrico de um

ponto que se desloca de modo que a sua distân-


3 x
cia ao ponto P (−2; 3) é igual à sua distância à reta
r : x + 6 = 0. Em seguida a equação desse lugar
geométrico. (a) Esboce o gráfico desta cônica;

EA 85 Determine o comprimento da corda focal (b) Determine as coordenadas do foco e a equa-


da parábola x 2 = −8y que é paralela à reta r : 3x + ção da diretriz em relação ao sistema x ′ Oy ′ .
4y = 7.
(c) Determine a equação da cônica e as coorde-
EA 86 Determine a equação da parábola de vér- nadas do vértice em relação ao sistema xOy .
√ √
tice (− 2, 2) e diretriz y = x .

EA 87 Determine a equação geral da parábola


de diretriz y = 3, eixo focal x = −4 e cujo foco se
encontra sobre a reta r : y = −x − 5. Gabarito
83 (a) (y −4)2 = 4(x −2) (b) x 2 +2xy + y 2 +8x −8y = 0 (c) (y −2)2 =
EA 88 Determine uma equação da parábola que −8(x − 1) (d) (x + 1)2 = −(y − 1) (e) x 2 + 2xy + y 2 + 4x − 12y + 4 = 0
(f) (y − 5)2 = −8(x − 1) (g) x 2 = −4(y − 3) ou x 2 = 4(y − 1) . 84
passa pelo ponto P (11, 6), eixo focal coincide com 25
Parábola: y 2 −6y −8x −23 = 0. 85 . 86 . 87 (x +4)2 = −8(y −1).
2
Ox , possui foco no ponto F (3, 0) e não intercepta o 
5
 
5

88 . 89 (x − 2)2 = y − 1 . 90 . 91 P1 : (a) V −2; , F 1; ; (b)
2 2
eixo Oy . 5
ℓ : x = −5, E F : y = ; (c) |LR | = 12. P2 : (a) V (0; 0), F (−2; −2)
2 √
(b) ℓ : y = −x + 4, E F : y = (c) |LR | = 8 2 . 92 (b) Fx ′ y ′ (−2, 0) e
EA 89 Determine a equação geral da parábola ′ 2
√ 2

ℓ : x = 2; (c) x − 2 3xy + 3y + 16 3x + 16y = 0 .
de vértice V (2, 1), eixo focal paralelo a Oy e um de
seus pontos com coordenadas (0, 3).

EA 90 Determine uma equação da parábola de


A Elipse
vértice em V (0, 0) e diretriz y = x − 4.

EA 91 Determine o que se pede, dadas as equa-

ções das parábolas:


Uma elipse é o lugar geométrico dos pontos do plano

P1 : 4y 2 − 48x − 20y − 71 = 0 (28) cuja soma das distâncias a dois pontos fixos é cons-
tante e maior que a distância entre esses pontos fixos.
P2 : y 2 − 2xy + x 2 + 16x + 16y = 0, (29)

Segue da definição que dados dois pontos fixos F1 e


F2 pertencentes a um plano π, um ponto P deste plano

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


46
Apontamentos

pertence a elipse E se, e somente se, Teorema 6 Seja E uma elipse cujo comprimento do

eixo maior A1 A2 , do eixo menor B1 B2 e do segmento


E = {P ∈ π; d (P , F1 ) + d (P , F2 ) = K , K > d (F1 , F2 )}.
de extremos em cada um de seus focos F1 e F2 são,
(30)
respectivamente, 2a, 2b e 2c . Então
Cálculo e Geometria Analítica


 |PF | + |PF | = 2a
Os Principais Elementos da Elipse 1 2
, P ∈ E.
 a2 = b 2 + c 2 .
Como elementos de uma Elipse temos:

† Os focos F1 e F2 : os pontos fixos; Prova: Mostremos, inicialmente, que |PF1 | + |PF2 | =


2a. De fato, pela definição de elipse temos:
† O eixo focal E F : reta que passa pelos focos;
K = |A1 F1 | + |A1 F2 | = (a − c ) + (a + c ) = 2a.
† O centro O : Ponto médio de F1 F2 ;
Uma vez que |B1 F1 | + |B1 F2 | = 2a e |B1 F1 | = |B1 F2 |
† O eixo normal E N : Reta perpendicular ao eixo focal
temos, |B1 F1 | = a. 
passando pelo centro;
EN ≡ y
B1
P (x ,y ) As Equações Padrões de uma Elipse
A
A2 ℓ2 ℓ1 A1
Sejam P (x , y ) um ponto qualquer da elipse de centro
F2 O F1
EF ≡ x
C
na origem dos eixos coordenados e cujo eixo focal coin-

B
cide com o eixo das abscissas. Uma vez que o centro é
B2
o ponto médio de F1 F2 , então F1 (c , 0) e F2 (−c , 0), c > 0,
† Os vértices A1 e A2 : pontos de intersecção da elipse
de acordo com a figura anterior. Por definição, temos
com o eixo focal;
que |F1 P | + |F2 P | = 2a, a > c > 0. Desenvolvendo-se

† Os vértices B1 e B2 : pontos de intersecção da elipse esta igualdade, obtemos:

com o eixo normal; x2 y2


2
+ 2 = 1, (31)
a b
† Eixo maior E M : segmento de reta que une os vérti-
a equação reduzida da elipse para este caso.
ces A1 e A2 (A1 A2 );
De forma análoga, podemos obter
† Eixo menor E m: segmento de reta que une os vérti-
ces B1 e B2 (B1 B2 ); x2 y2
2
+ 2 = 1. (32)
b a
† A corda: segmento de reta arbitrário cujas extre-
a equação reduzida da elipse com centro na origem e
midades são dois pontos distintos da elipse, por
focos sobre o eixo das ordenadas.
exemplo AC ;
Da análise destas deduções, temos os comprimentos
† A corda focal: uma corda que passa pelo foco;
do
† O lactus rectum: corda focal perpendicular ao eixo
• eixo maior: • eixo menor:
focal (ℓ1 e ℓ2 );
|E M | = 2 a ; |E m | = 2 b ;
• latus rectum:
† O raio focal: segmento de reta de extremos em um 2b 2
|LR | = .
dos focos e num ponto da elipse. a

47 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

 ER 63 Determine os comprimentos dos raios Oxy e cujo eixo focal é paralelo a um dos eixos cartesi-

!
15
focais do ponto P 1, sobre a elipse anos. Para isso basta transladarmos o sistema Oxy
2
5x 2 + 4y 2 = 20. para uma nova origem coincidindo com o centro O ′ ,
obtendo-se um novo sistema O ′ x ′ y ′ . Assim, as equa-

Cálculo e Geometria Analítica


2 2
Solução: Como a = 5 e b = 4, segue que ções destas elipses se restringirão a um dos casos a
2
5 = 4 + c , ou seja, c = 1. Desta forma F1 (1, 0) e seguir:
v F2 (−1, 0). Logo,!
u √ 2 √ !
u 15 15 x ′2 y ′2 x ′2 y ′2
d (P , F1 ) = t(1 − 1)2 + = e + =1 ou + =1.
2 2 a2 b2 b2 a2
v
u √ !2 √ !
u
2
15 31 Porém, pelas equações de translação (19) temos que
d (P , F2 ) = (1 + 1) +
t = . 
2 2 
 x′ = x −h
 ER 64 Prove que o comprimento do latus rectum  y′ = y − k.
2b 2
é .
a
Logo,
2 2
x y
Solução: Consideremos as equações + =1e
a2 b 2 (x − h)2 (y − k )2
x = c , respectivamente, a da elipse de centro na ori- 2
+ =1 (33)
a b2
gem e comprimentos do eixo maior a e menor b , com ou
eixo focal coincidindo com o eixo das abscissas, e a (x − h)2 (y − k )2
2
+ =1. (34)
b a2
da reta perpendicular ao eixo dos x passando por c .
Observe que a interseção dos gráficos da elipse e
 ER 65 Determine a equação reduzida da elipse
da reta são as extremidades L e R do latus rectum
de centro O ′ (−3, 2), eixo focal paralelo ao eixo das
da elipse. Resolvendo-se o sistema encontraremos
b2 2b 2 ordenadas e comprimentos dos eixos maior e menor
x = c e y = ± . Logo, |LR | = . 
a a iguais a 6 e 4, respectivamente.

Solução: Como o eixo focal é paralelo ao eixo das


A tabela a seguir apresenta um resumo das principais x ′2 y ′2
ordenadas, a equação é 2 + 2 = 1. O centro é
características da elipse quando o eixo focal é paralelo b a
O ′ (−3, 2). Segue que x ′ = x + 3 e y ′ = y − 2. 2a = 6
a um dos eixos coordenados.
y e 2b = 4, ou seja, a = 3 e b = 2. Logo, a equação
y (x + 3)2 (y − 2)2
a reduzida procurada é + = 1. 
a c 4 9
b
O c x O b x
A Circunferência
x2 y2
+ =1
a2 b2 x2 y2
Excentricidade da Elipse
+ =1 A circunferência é o lugar geométrico dos pontos
a2 b2
P (x , y ) de um plano π que equidistam de um ponto fixo
Chamamos de excentricidade (e ) da elipse a razão en- O (x0 , y0 ) deste plano, ou seja, d (P , O ) = r , P , O ∈ π.
p
tre os comprimentos do segmento F1 F2 e do segmento Segue que, (x − x0 )2 + (y − y0 )2 = r . Portanto,
A1 A2 . Neste caso, temos
c (x − x0 )2 + (y − y0 )2 = r 2 , (35)
e= < 1.
a
a equação reduzida da circunferência.
Podemos obter uma equação, na forma reduzida, da
elipse com centro O ′ (h, k ) fora da origem do sistema Como elementos de uma circunferência temos:

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


48
Apontamentos

y
EA 96 Em cada um dos seguintes itens, deter-
B mine a equação da elipse, a partir dos elementos
dados:
A
Cálculo e Geometria Analítica

O x
(a) focos F1 (3, 8) e F2 (3, 2), e comprimento do eixo

A
maior 10;

(b) vértices A1 (5, −1) e A2 (−3, −1), e excentrici-


3
x2 + y2 = r2 dade ;
4
(c) centro C (−1, −1), vértice V (5, −1) e excentrici-
• O centro O (x0 , y0 );
2
dade ;
3
• O raio r : Segmento de reta cujos extremos são o
(d) centro C (1, 2), focos F (6, 2) e P (4, 6) é ponto
centro O e um ponto arbitrário da circunferência;
de seu gráfico;
• A corda: Segmento de reta obtido pela união de
(e) focos F1 (−4, −2) e F2 (−4, −6), e comprimento
dois pontos quaisquer da circunferência;
do latus rectum 6;
• O diâmetro (2r ): Corda que passa pelo centro.
(f) vértice V (3, −3) e extremidades do eixo menor
B1 (2, 2) e B2 (−2, −2);
Ao desenvolvermos a equação reduzida em (35) obte-
mos a equação geral da circunferência (g) centro sobre a reta√r : y = 2, foco F (3, 4), ex-
2 5
centricidade e = e os seus eixos são pa-
x 2 + y 2 − 2x0 x − 2y0 y + x02 + y02 − r 2 = 0. (36) 5
ralelos aos eixos coordenados;

Atividades
EA 93 Determine o centro e o raio das circunfe-

rências a seguir: EA 97 Considere as equações das elipses:

E1 : x 2 + 4y 2 + 2x − 24y + 33 =0 (37)
(a) x 2 + y 2 − 4x + 4y − 1 = 0
E2 : 17x 2 + 12xy + 8y 2 − 100 = 0. (38)
(b) 2x 2 + 2y 2 + 8x + 8y − 34 = 0
Determine para cada uma delas os seguintes itens:
(c) x 2 + y 2 + 2x − 4y − 44 = 0

(a) as coordenadas dos vértices e dos focos;

EA 94 Determine a equação reduzida da circun- (b) a excentricidade e o comprimento do latus rec-

ferência que passa pelo ponto A(−2, 3) e de centro tum.

em O (2, −1). (c) as equações dos eixos focal e normal;


EA 95 Determine a equação reduzida da elipse
(d) os comprimentos dos eixos maior e menor;
de centro O ′ (3, 2), eixo focal paralelo ao eixo das
abscissas e comprimentos dos eixos maior e menor
iguais a 5 e 3, respectivamente.

49 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

y
EA 98 Um ponto P (x , y ) se desloca de modo
y′
que a soma de suas distâncias aos pontos A(3, 1)
e B (−5, 1) é 10. Diga a natureza da curva descrita √ x′
3

pelo ponto P e em seguida determine sua equação.

Cálculo e Geometria Analítica


EA 99 Determine a equação da cônica com centro x
3
na reta r : x − 3 = 0, eixo focal paralelo a Ox , com
1
vértice no ponto (7, 0) e excentricidade e = .
2 (a) Esboce o gráfico desta cônica destacando
EA 100 Determine e identifique a equação do lu- cada latus rectum;
gar geométrico dos pontos do plano cujas abscissas
(b) Determine as coordenadas dos focos em rela-
e ordenadas são, respectivamente, iguais às abscis-
ção ao eixo.
sas e às metades das ordenadas dos pontos da cir-
cunferência de equação x 2 + y 2 = 25.

EA 101 Um matemático aceitou um cargo numa


EA 106 Determine a equação da elipse de centro
nova universidade situada a 6 km da margem retilí-
sobre a reta x = −3, um de seus vértices (3, 4) e
nea de um grande lago. O professor deseja construir 1
excentricidade e = sabendo que seu eixo focal é
uma casa que esteja a uma distância à universidade 2
paralelo a um dos eixos coordenados.
igual à metade da distância até a margem do lago.
EA 107 Fazer o esboço gráfico da cônica de equa-
Os possíveis locais satisfazendo essa condição per- √
ção 7x 2 +5y 2 +2 3xy −8 = 0 destacando cada latus
tencem a uma curva. Defina esta curva e determine
rectum e determinar uma equação do eixo focal em
sua equação em relação a algum sistema à sua es-
relação ao sistema xOy .
colha.
EA 108 Determine o comprimento do latus rectum
EA 102 Um segmento AB de 12u .c . (unidades de
da elipse de vértices (1, 2) e (5, 4), sabendo que o
comprimento), desloca-se de modo que A percorre
comprimento do eixo menor é de 2 unidades.
o eixo Ox e B percorre o eixo Oy . O ponto P (x , y ) é
interior ao segmento AB e fica situado a 8u .c . de A. EA 109 Determine
 os comprimentos dos raios fo-

7
Estabeleça a equação do lugar geométrico descrito cais do ponto P 3, sobre a elipse 7x 2 + 16y 2 =
4
pelo ponto P . 112.

EA 103 Determine os !
comprimentos dos raios fo-
√ Gabarito
15 2 2 √ √
cais do ponto P 1, sobre a elipse 5x +4y = 96 . 97 E1 : (A) A1 (1, 3), A2 (−3, 3); F1 (−1 + 3, 3),
√ F2 (−1 − 3, 3)
2 3
(B) E F : y = 3; E N : x = −1 (C) |LR | = 1; e = (R) |E M | = 4;
20. 
5
 
5
 2
|E m| = 2. E2 : (A) V −2, ; F 1, (B) ℓ : x = −5; E F : 2y −
2 2
EA 104 Determine a equação geral da elipse com √
5 = 0 (C) |LR | = 12; e = 1 E3 : (A) A1 (3, 6), A2 (3, 2); F1 (3, 4 + √13),
√ 13
um dos focos em F1 (−2, 1), eixo normal y = −1 e F2 (3, 4 − 13) (B) E F : x = 3; E N : y = 4 (C) |LR | = 9; e =
2
1 (R) |E T | = 4; |E C | = 6 . 98 9x 2 + 25y 2 + 18x − 50y − 191 = 0 . 99 .
excentricidade e = .
4 ?? . 101 . 102 . 103 . 104 . 105 . 106 . 107 . 108 . 109 .

2
y′
EA 105 Uma elipse tem por equação +
16 A Hipérbole
(x ′ + 2)2
= 1 se em relação ao sistema x ′ Oy ′ (ver
7
figura). Uma hipérbole é o lugar geométrico dos pontos do
plano cujo valor absoluto da diferença das distâncias
a dois pontos fixos é constante e menor que a distância
entre esses pontos fixos. Observa-se que a hipérbole é

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


50
Apontamentos

uma curva constituída de dois ramos distintos. † A corda focal: uma corda que passa pelo foco, por
exemplo QT ;

EN † O lactus rectum: corda focal perpendicular ao eixo


Cálculo e Geometria Analítica

focal (ℓ1 e ℓ2 );
T B1
† O raio focal: segmento de reta de extremos em um
F2 AO
2 A1 F1
EF dos focos e num ponto da hipérbole, por exemplo
B2 S (F2 T ).

Q
x2 y2 Seja H uma hipérbole cujo os comprimentos do eixo
2
− 2 =1
a b transverso A1 A2 , do eixo conjugado B1 B2 e do seg-

Segue da definição que dados dois pontos fixos F1 e mento de extremos em cada um de seus focos F1 e
F2 pertencentes a um plano π, um ponto P deste plano F2 são, respectivamente, 2a, 2b e 2c . Então
pertence a uma hipérbole H se, e somente se,
c 2 = a2 + b 2 .
H = {P ∈ π; |d (P , F1 ) − d (P , F2 )| = K , K < d (F1 , F2 )}.
(39) Teorema 7 Considere a hipérbole H da definição ??.

Então

Os Principais Elementos da Hipérbole


||PF1 | − |PF2 || = 2a.

Como elementos da hipérbole temos:


Prova: Análoga a do teorema 6.
 ER 66 Determine a equação do lugar geométrico
† Os focos F1 e F2 : os pontos fixos;
descrito por um ponto que se desloca de modo que a

† O eixo focal E F : reta que passa pelos focos; diferença de suas distâncias aos pontos P1 (−6, −4)
e P2 (2, −4) seja igual a 6u .
† O centro C : Ponto médio de F1 F2 ;
Solução: Pela definição podemos deduzir que este
† O eixo normal E N : Reta perpendicular ao eixo focal
lugar geométrico plano trata de uma hipérbole e que
passando pelo centro;
os pontos P1 e P2 são os seus focos. Portanto,
† Os vértices A1 e A2 : pontos de intersecção da hipér- sendo P (x , y ) um ponto genérico da hipérbole, te-
bole com o eixo focal; mos que |d (P , P1 ) − d (P , P2 )| = 6. Segue que,

† Eixo real ou transverso E T : segmento de reta que d (P , P1 ) − d (P , P2 ) = 6 ou d (P , P1 ) − d (P , P2 ) =

une os vértices A1 e A2 (A1 A2 ); −6. Vamos desenvolver a primeira destas equa-

† Os vértices B1 e B2 : ;

† Eixo imaginário ou conjugado E C : segmento de reta


que une os vértices B1 e B2 (B1 B2 ) e tendo o centro
como ponto médio;

† A corda: segmento de reta arbitrário cujas extremi-


dades são dois pontos distintos da hipérbole que
podem estar no mesmo ramo ou em ramos distin-
tos, por exemplo ST ;

51 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

ções. Acompanhe o raciocínio! EA 110 Determine uma equação da hipérbole de


focos F (±5, 0) e vértices A(±3, 0).
d (P , P1 ) − d (P , P2 ) = 6
p p EA 111 Prove que o comprimento do latus rectum
(x + 6)2 + (y + 4)2 = (x − 2)2 + (y + 4)2 + 6
2b 2
p é .

Cálculo e Geometria Analítica


12x + 52 = −4x + 56 + 12 x 2 − 4x + y 2 + 8y + 20 a
p
16x − 4 = 12 x 2 − 4x + y 2 + 8y + 20
p
(4x − 1)2 = (3 x 2 − 4x + y 2 + 8y + 20)2 A tabela a seguir apresenta um resumo das principais
16x 2 − 8x + 1 = 9(x 2 − 4x + y 2 + 8y + 20) características da hipérbole quando o eixo focal é para-
16x 2 − 8x + 1 = 9x 2 − 36x + 9y 2 + 72y + 180 lelo a um dos eixos coordenados.
EN
7x 2 + 28x − 9y 2 − 72y − 179 = 0 EF

c
b c
a
Como exercício, desenvolva a segunda, por um raciocí- a EF
b EN
nio análogo e verifique que equação você encontrou.

As Equações Padrões de uma Hipérbole x2 y2 y2 x2


− =1 − =1
a2 b2 a2 b2
Seja P (x , y ) um ponto qualquer da hipérbole de cen- Excentricidade da Hipérbole

tro na origem dos eixos coordenados e cujo eixo focal


Definimos a excentricidade ‘e ′ da hipérbole a razão
coincide com o eixo das abscissas. Uma vez que o cen-
entre os comprimentos dos segmentos F1 F2 e A1 A2 .
tro é o ponto médio de F1 F2 , então F1 (c , 0) e F2 (−c , 0),
Neste caso, temos
c > 0, de acordo com a Figura ??. Por definição, temos
c
que: e= > 1.
a
||F1 P | − |F2 P || = 2a, c > a > 0.
Podemos obter uma equação, na forma reduzida, da hi-
Desenvolvendo a igualdade acima, obtemos: pérbole com centro O ′ (h, k ) fora da origem do sistema

x2 y2 Oxy e cujo eixo focal é paralelo a um dos eixos cartesi-


2
− 2 = 1, (40)
a b anos. Para isso basta transladarmos o sistema Oxy

a equação reduzida da hipérbole para este caso. para uma nova origem coincidindo com o centro O ′ ,
obtendo-se um novo sistema O ′ x ′ y ′ . Assim, as equa-
De forma análoga, podemos obter a equação reduzida ções destas elipses se restringirão a um dos casos a
da hipérbole seguir:
y2 x2
− 2 = 1. (41)
a2 b x′
2
y′
2
y′
2
x′
2
− = 1 ou + =1.
com centro na origem e focos sobre o eixo das ordena- a2 b2 a2 b2
das. Porém, pelas equações de translação (19) temos que

 x′ = x − h
Da análise destas deduções, temos
 y′ = y − k.

1. Comprimento do eixo transverso: |E T | = 2a; Logo,

(x − h)2 (y − k )2
2. Comprimento do eixo conjugado: |E C | = 2b ; − =1 (42)
a2 b2
2b 2
3. Comprimento do latus rectum: |LR | = . (y − k )2 (x − h)2
a ou − =1.
a2 b2

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


52
Apontamentos

Atividades (a) as coordenadas dos vértices e dos focos;


EA 112 Em cada uma dos seguintes ítens, deter-
mine a equação da hipérbole, a partir dos elementos (b) as equações das assíntotas;
dados:
(c) a sua equação.
Cálculo e Geometria Analítica

(a) focos F1 (−1, 3) e F2 (−7, 3) e comprimento do


Determine em relação ao sistema xOy :
eixo transverso igual a 4;
EA 115 Escreva a equação da hipérbole conju-
(b) vértices A1 (5, 4) e A2 (1, 4) e comprimento do gada da hipérbole de equação 16x 2 − 9y 2 = 144.
latus rectum igual a 5; Determine também, de cada curva, as coordenadas

(c) focos F1 (2, 13) e F2 (2, −13) e comprimento do dos focos e as equações das assíntotas.

eixo não transverso igual a 24; EA 116 Determine a equação da hipérbole equi-
látera de focos nos pontos F1 (1, 6) e F2 (1, −2).
(d) centro C (0, 0), um dos focos F (4, 4) e um dos
√ √ EA 117 Dois vértices de um triângulo são os pon-
vértices A(2 2, 2 2);
tos A(1, 0) e B (5, 0). Determine a equação do lugar
(e) assíntotas r : 4x + y −11 = 0 e s : 4x − y −13 = 0
geométrico do terceiro vértice C , se este se move
e um dos vértices A(3, 1);
de forma que a diferença entre os comprimentos dos
√ √
(f) um dos focos F (2 2, 2 2), eixo normal E N : lados AC e BC é sempre igual à metade do compri-
3 mento do lado AB .
y = −x e excentricidade e = ;
2
EA 118 Dada a equação 5y 2 − 4x 2 + 10y + 16x −
(g) eixo normal y = 2, uma das assíntotas r : 2x −
31 = 0, verifique o lugar geométrico e determine as
y = 4 e comprimento do latus rectum igual a 3;
coordenadas dos focos e vértices, a excentricidade,
a medida do latus rectum e a equação de eixo nor-
mal. Esboce o gráfico.
EA 113 Dada a equação
EA 119 Esboce o gráfico da cônica de equação

xy − 3x + 4y − 13 = 0, (43) 11x 2 +y 2 +10 3xy +16 = 0 e determine as equações
das assíntotas em relação ao sistema xOy .
identifique a cônica e determine as coordenadas dos
vértices e dos focos, as equações dos eixos focal e EA 120 Determine a equação geral da hipérbole
√ √
normal, a excentricidade e o comprimento do latus de centro no ponto (3 2, 3 2), um dos seus vértices
5
rectum. em (0, 0) e excentricidade .
3
EA 114 Uma hipérbole tem por equação (x ′ −2)2 − EA 121 Determine uma equação da hipérbole
′2 ′ ′
y = 4 se em relação ao sistema x Oy indicado na de vértices nos pontos A1 (1, 2) A2 (−1, −2) e com-

figura. primento do latus rectum igual a 2 5.
y
EA 122 Determine uma equação da hipérbole
y′
cujo eixo focal está sobre a reta r : y + 2 = 0, possui
√ x ′
equação de uma das assíntotas −x + y + 5 = 0 e de
3

latus rectum medindo 10u .


EA 123 Determine a equação reduzida da hi-
3 x
pérbole de centro O ′ (2, −3), eixo normal paralelo
ao eixo das ordenadas e comprimentos dos eixos

53 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

transverso e conjugado iguais a 4 e 6, respectiva- é a medida do comprimento do latus rectum. Esta é


mente. obtida considerando a Elipse de centro no ponto (a, 0)
e 2a e 2b os comprimentos, respectivos, do eixo maior
Gabarito
(x + 4)2 (y − 3)2 (x − 3)2 (y − 4)2 e menor da elipse de eixo focal coincidindo com o eixo

Cálculo e Geometria Analítica


112 (a) − = 1; (b) − = 1; (c)
4 5 4 5
(y + 1)2
(x − 3)2 das abscissas.
114y 2 − 25(x − 2)2 = 3600; (d) xy = 8; (e) − = 1;
4 1
4 A equação reduzida é, então,
(f) 9y 2 + 162xy + 9x 2 = 640; (g) 9(y − 2)2 − 36(x − 3)2 = 324 . 113. (x − a)2 y2
114 + = 1. Isolando y 2 ,
(x + 4)2 (y − 3)2 a2 b2 y
(a) − = 1; 2b 2 b2x 2
4
(x − 3)2
5
(y − 4)2
obtemos y 2 = x − 2 . Como
(b) − = 1; a a
4 5 o comprimento do latus rectum de
(c) 114y 2 − 25(x − 2)2 = 3600; (d) xy = 8; a−p a a+p x
(y + 1)2 (x − 3)2 2b 2
(e)
4

1
=1 uma elipse é ℓ = , temos, por-
a
4 2 2
b x
(f) 9y 2 + 162xy + 9x 2 = 640; tanto, y 2 = ℓx − 2 . Donde, po-
(g) 9(y − 2)2 − 36(x − 3)2 = 324 . 115
a
Hipérbole dada :
demos concluir que y 2 < ℓ · x .
Focos : F1 (5, 0), F2 (−5, 0);
—‘νπǫρβ o λη’ a palavra hipérbole significa: excesso;
Assíntotas : r : 3y − 4x = 0,
s : 3y + 4x = 0; exagero. Deve-se ao fato da desigualdade y 2 > ℓ · x em
. 116. 117 . 118
Hipérbole conjugada :
y2 x2
que ℓ é a medida do comprimento do latus rectum. Esta
Equação : − = 1;
16 9 é obtida considerando a Hipérbole de centro no ponto
Focos : F1 (0, 5), F2 (0, −5);
Assíntotas : as mesmas. (−a, 0) e 2a e 2b os comprimentos, respectivos, do eixo
Hipérbole
real e imaginário da Hipérbole de eixo focal coincidindo
Vértices A1 (−5, 2), A2 (−3, 4)
√ √ √ √
Focos F1 (−4 − 2, 3 − 2), F2 (−4 + 2, 3 + 2) . 119 com o eixo das abscissas.
Eixo focal EF : y = x + 7 y
√ A equação reduzida é, então,
Eixo normal E N : y = −x − 1; e = x + 7; |LR | = 2 2.
. 120 . 121. 122 . 123 . (x + a)2 y2
2
− 2 = 1. Seguindo
a b
o mesmo raciocínio adotado an- x
A Etimologia das Palavras que Definem as Seções Cônicas teriormente para a Elipse, com −a+c −a −a −c

as devidas alterações, podemos


Arquimedes e os pitagóricos foram os primeiros a em- concluir que y 2 > ℓ · x .
pregar as palavras Parábola, Elipse e Hipérbole, porém,
com outra acepção da atual: seções a uma superfície A Equação Geral de Grau Dois e as Cônicas
cônica, que se deve a Apolônio.
Traduzida do grego Sabemos que equações a duas variáveis de grau um
podem representar no plano uma reta. Veremos, nesta
—‘παραβ o λη’ a palavra parábola significa: compara-
seção, sob que condições uma equação de grau dois
ção; igualdade. Deve-se ao fato da igualdade y 2 = ℓ · x
pode representar uma cônica. A equação (23) de se-
em que ℓ é a medida do comprimento do latus rectum.
gundo grau a duas variáveis pode representar uma cô-
Esta é obtida considerando a Parábola de vértice na
nica. De fato, podemos transformá-la na equação (24)
origem e foco sobre o eixo das abscissas.
e, posteriormente, transladarmos para uma nova ori-
2
A equação reduzida é, então, y = y gem. Enunciaremos um teorema o qual ficará facil-
4p · x . Como o comprimento do mente provado após as definições que serão vistas nas
latus rectum de uma parábola é V F (0,p ) x
próximas seções.
2
ℓ = 4p , temos, portanto, y = ℓ · x .

—‘ǫλλǫιψιζ’ a palavra elipse significa: falta; omissão.


Deve-se ao fato da desigualdade y 2 < ℓ · x em que ℓ

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


54
Apontamentos

Teorema 8 Considere a equação (24). Se a′ ou A Equação Geral das Cônicas

c ′ são não nulos, então ela representa uma seção


Podemos obter a equação geral das cônicas se parti-
cônica que pode ser reconhecida por:
mos da seguinte afirmação:
Cálculo e Geometria Analítica

1. Se a′ 6= 0, c ′ = 0 e e ′ 6= 0 ou a′ = 0, c ′ 6= 0 Sejam ℓ uma reta fixa (diretriz) e F 6∈ ℓ (foco) um ponto



e d 6= 0, então a equação (24) representa uma fixo. O lugar geométrico dos pontos P do plano deter-
parábola. No primeiro caso a parábola possui minado por ℓ e F , cuja razão entre as distâncias de F
eixo de simetria paralelo, ou coincidente, ao eixo a P e de P a ℓ é uma constante positiva e (excentrici-

Oy . No segundo, este eixo é paralelo, ou coinci- dade), representa uma seção cônica.
′ ′
dente, ao eixo Ox . Se e = 0, no primeiro caso,
Vejamos como as cônicas até aqui apresentada se en-
ou d ′ = 0, no segundo, a equação representa
quadram nesta definição.
duas retas distintas paralelas, ou coincidentes,
ao eixo Ox ′ , Oy ′ , respectivamente, ou nenhum
Considere F (f , 0), ℓ : x = 0 e P (x , y ). Pela definição
lugar geométrico, conforme as raízes da equa-
(??), temos:
2 2
ção a′ x ′ + d ′ x ′ + f ′ = 0 ou c ′ y ′ + e ′ y ′ + f ′ = 0
sejam, respectivamente, reais e desiguais, reais y ≡ℓ |PF |
= e
e iguais ou complexas; p |PA|
(x − f )2 + y 2
√ = e
2. Se a′ e c ′ são não nulos e de mesmo sinal, a P (x ,y )
x2
equação (24) representa uma elipse; (x − f )2 + y 2 = e 2x 2
F (f ,0) x 2 −x2f x + f 2 + y 2 − e 2 x 2 = 0
′ ′
3. Se a e c são não nulos e de sinais contrários, a
(1 − e 2 )x 2 − 2f x + y 2 + f 2 = 0.
equação (24) representa uma hipérbole.
 
f
Se e = 1, temos y 2 = 2f x − , uma parábola de
  2
Pode-se determinar ainda qual cônica a equação (23) f
vértice em , 0 e eixo focal coincidente com o eixo
2
representa sem termos, necessariamente, que aplicar das abscissas.
as equações de rotação. Para isso basta fazermos I =
2f y2 f2
b 2 − 4ac e com base no sinal de I verificarmos qual Se e 6= 1, temos x 2 − 2
x+ 2
+ = 0,
1−e 1−e 1 − e2
seção cônica teremos. Assim, que, claramente, representa uma elipse se e < 1, ou
uma hipérbole se e > 1. Efetuando-se os cálculos ne-
cessários podemos chegar facilmente à forma reduzida
dada por
Cônica Elipse Parábola Hipérbole
 2
Índice I <0 I =0 I >0 f
x−
(1 − e 2 ) y2
+ = 1.
e 2f 2 e 2f 2
(1 − e 2 )2 (1 − e 2 )
 ER 67 Determine a natureza do lugar geométrico
descrito pela equação c
O valor de e apresentado aqui é idêntico ao valor que
a
fora introduzido em seções anteriores. De fato, no caso
5x 2 + 4xy + 2y 2 − 24x − 12y + 29 = 0. e 2f 2 e 2f 2
da hipérbole, temos a2 = e b 2
= .
(1 − e 2 )2 (e 2 − 1)
Das relações fundamentais seque que
Solução: A natureza da curva é elíptica, pois, I =
e 2f 2 e 2 f 2 (e 2 − 1) e 4f 2
42 − 4 · 5 · 2 = −24.  c 2 = a2 + b 2 = + = .
(1 − e )2 2 (1 − e ) 2 2 (1 − e 2 )2

55 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

c2 e 4f 2 (1 − e 2 )2 c
Logo, = · , ou seja, e = .
a2 (1 − e 2 )2 e 2f 2 a
EA 125 Determine a equação parábola de vértice
 ER 68 Mostre que o comprimento do latus rectum
V (0, 0) e diretriz ℓ : y + 2x + 10 = 0
da hipérbole (ou elipse) é 2|f |e , onde e é a excentri-
EA 126 Determine a equação da elipse onde um

Cálculo e Geometria Analítica


cidade da cônica e f é a distância de um dos focos
à diretriz mais próxima. dos focos é F1 (2, 2), uma das diretrizes ℓ1 : x −10 = 0
1
e excentricidade e = .
2b 2 f 2 e 2 |1 − e 2 | | f |2 e 2 3
Solução: |LR | = =2 2 · =2 2 ·
a e − 1 |f |e e −1 EA 127 Determine a equação da hipérbole de
|1 − e 2 | |f |e |f |e
=2 2 ·|1− e 2| = 2 2 ·|1− e 2 | = 2|f |e . assíntotas r : y + 2x − 2 = 0 e s : y − 2x + 2 = 0 e
|f |e e −1 e −1


foco F1 (1 + 5, 0);

EA 128 Dada a hipérbole de equação x 2 + y 2 +


Uma consequência da definição (??) é que, assim
4xy − 2x − 4y − 11 = 0, determine as coordenadas
como as parábolas, as elipses e as hipérboles apre-
dos focos, a equação do eixo focal e as equações
sentam diretrizes.
das diretrizes.
EA 129 Determine a equação
√ da cônica sabendo
Diretrizes das Elipses e das Hipérboles 4 3
que o seu centro dista unidades da diretriz e
3
possui vértices A1 (−3, 3) e A2 (1, 3).
Considere a elipse E de centro na origem do sistema
EA 130 Determine a equação da cônica sabendo
Oxy e focos em F1 (c , 0) e F2 (−c , 0). Portanto, a equa- 16
que o seu centro dista unidades da diretriz e os
ção que representa o lugar geométrico dos seus pontos 5
x2 y2 focos são os pontos F1 (2, 4) e F2 (2, −6).
é 2 + 2 = 1. Sendo assim, as equações das diretri-
a b
zes ℓ1 e ℓ2 de E são da forma x = α e x = −α, respec- EA 131 Determine uma equação da cônica de

tivamente. De acordo com a definição (??) temos que centro no ponto C (2, 2), foco no ponto F (3, 4) e dire-
d (P , F1 ) triz ℓ : 2x + 4y − 17 = 0.
para todo ponto P (x , y ) ∈ E , = e . Portanto,
d (P , ℓ1 )
d (A1 , F1 ) EA 132 Determine a equação reduzida da
para o vértice A1 (a, 0), temos que = e . Se- √ cônica
d (A1 , ℓ1 ) 2
a−c c de centro no ponto C (0, 2), excentricidade e di-
gue que, = . Fazendo-se os devidos ajustes 2
α−a a retriz d : x + y − 10 = 0.
a
encontramos α = . Podemos concluir, portanto, que
e EA 133 Determine as coordenadas dos focos e
as equações das diretrizes correspondentes aos focos
a a as equações das diretrizes da hipérbole de equação
F1 e F2 são, respectivamente, x = e x = − .
e e √ √
3x 2 + 10xy + 3y 2 − 14 2x − 18 2y + 22 = 0.
De forma análoga, encontramos as mesmas equações
para as diretrizes da hipérbole.

EA 134 Determine a equação geral da elipse de


Atividades : y + 6= 0 e ℓ2 : y − 2 = 0 e um dos
diretrizes ℓ1 
EA 124 Obtenha a equação geral da cônica a 1
focos em F1 1, −
partir dos elementos dados: 4

EA 135 Determine as equações das diretrizes das


(a) Foco F (−1, −1), diretriz ℓ : 4x + 3y = 12 e curvas (??) e (43).
excentricidade e = 5; EA 136 Determine a equação da elipse de vérti-

(b) Foco F (0, 0), diretriz ℓ : x + 2y = −2 e excentri- ces A1 (7, 0) e A2 (−1, 0) e diretriz x = 11.

cidade e = 1.

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


56
Apontamentos

EA 137 Determine a equação da hipérbole de (h) x 2 − 4y 2 − 4x − 24y − 36 = 0;


centro C (0, 0), comprimento do eixo transverso igual
√ (i) 3x 2 − 2xy + 3y 2 − 2x − 10y + 9 = 0.
a 4 2 e uma de suas diretrizes é a reta y = x + 2.

EA 138 Considere os pontos A(−1, 0) e B (2, 0).


Cálculo e Geometria Analítica

Determine a equação do lugar geométrico dos pon-


EA 144 Dada a cônica de equação x 2 + y 2 − 2xy +
tos M do plano não pertencentes à reta que passa √
2x = 0, determine as coordenadas do foco e uma
por A e por B e tais que o ângulo B do triângulo
equação da diretriz. Esboce o gráfico da cônica.
AMB seja sempre o dobro do ângulo A deste triân-
EA 145 Obtenha a equação da elipse de focos
gulo. Esboce o gráfico.
em (6, 1) e (−2, 1) e equação de uma das diretrizes
EA 139 Determine a equação reduzida da pará-
x = 11.
bola de diretriz y + x = −2, sabendo que os pontos
EA 146 Determine as diretrizes da hipérbole de
L1 (−1, 3) e L2 (3, −1) são as extremidades do latus
equação x 2 − y 2 = 4y e esboce o gráfico.
rectum. Esboce seu gráfico.
EA 147 Determine as diretrizes da elipse de equa-
EA 140 Determine a equação da cônica de cen-
ção x 2 + y 2 = 8y e esboce o gráfico.
tro C (1, −2), comprimento do eixo conjugado igual a
√ EA 148 Determinar a equação da hipérbole de
4 6 e x − 3 = 0 a equação de uma das suas diretri-
zes. vértice V (3, −1) e uma das diretrizes y − 1 = 0.

EA 141 Determine as coordenadas dos vértices EA 149 Determinar a equação da seção cônica

e as equações das diretrizes da cônica de equação cujo foco é o ponto F (−1, −2), cuja equação da di-
retriz é ℓ : x − y + 1 = 0 e de excentricidade e = 0, 5.
7x 2 + 16y 2 − 96y + 39 = 0.
EA 150 um ponto se desloca de modo que a sua
distância à reta r : y = −4 equivale a três meios de
EA 142 Uma cônica possui foco em F1 (2, 7), dire- sua distância ao ponto Q (3, 2). Determine a equa-
triz ℓ1 : 4y − 37 = 0 e passa pelo ponto Q . Sabendo ção do lugar geométrico assim gerado.
25
que d (Q , F1 ) = 5u e d (Q , ℓ1 ) = u , identifique e
4
Gabarito
determine a equação desta cônica.
124 (a) 15x 2 + 24xy + 8y 2 − 98x − 74y + 142 = 0 (b) 4x 2 − 4xy +
2 2
EA 143 Identifique as cônicas a seguir justificando y − 4x − 8y − 4 = 0 . 125 x − 4xy − 4x − 8y − 4 = 0. 126
8x 2 + 9y 2 − 16x − 36y − 28 = 0. 127 4x 2 − y 2 − 8x = 0. 128.
sua resposta. (x − 3)2 y2
129. 130. 131. 132. 133. 134. 135. 136 + = 1. 137
16 12
2
(x − y ) x +y
− = 1. 138 Ramo direito da hipérbole 3x 2 − y 2 = 3,
16 48
(a) x 2 − 10xy + y 2 − 10x + 2y + 13 = 0; excluindo-se o vértice. 139
√ √ !
x 2 − 2xy + y 2 − 8x − 8y = 0. 140. 141.
2 2 √
142. 144 F − , ; ℓ : 4x + 4y − 2 = 0. 145. 146. 147.
8 8
(b) 2x 2 + 2xy + 2y 2 − 2x − 10y + 11 = 0; 148. 149. 150 9x 2 + 5y 2 − 54x − 68y + 53 = 0 .

(c) 16x 2 + 24xy + 9y 2 + 60x − 80y + 100 = 0.


Atividades Gerais
2 2
(d) x + y − 2x + 4y − 4 = 0; EA 151 Escreva uma equação da elipse de excen-
1
tricidade cujos focos coincidem com os vértices da
3
(e) x 2 + y 2 + 6x − 8y = 0;
hipérbole H : 16x 2 − 9y 2 − 64x − 18y + 199 = 0.
(f) 3x 2 + 2y 2 + 18x − 8y + 29 = 0; EA 152 Determine a equação reduzida da pará-

bola cujo vértice coincide com o centro da hipérbole


(g) y 2 − 4x + 2y + 9 = 0;
H : 2x 2 − 7y 2 − 4x + 14y = 19, e cuja diretriz coincide

57 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

(x − 1)2 EA 159 Determine a equação reduzida da cônica


com o eixo focal da elipse E : +(y +2)2 = 1.
4 que passa por (1, 3) e cujos focos F1 e F2 são, res-
EA 153 Determine√a equação da elipse de ex- pectivamente, as interseções da reta r : x = 1 e da
3
centricidade igual a e com eixo maior coinci- parábola x = y 2 − 1.
2

Cálculo e Geometria Analítica


dente com o latus rectum da parábola de equação
EA 160 Considerando a curva C : 4(x −1)2 −9(y +
2
y − 4y + 8x + 28 = 0.
2)2 = 36, determine:
2 2
EA 154 Considere a curva h : 4x − y − 8x + 4y −
16 = 0 e determine: (a) as equações de suas assíntotas;

(b) a equação da parábola cujo vértice coincide


(a) a equação de suas assíntotas;
com o centro de C e tem como diretriz a reta
(b) a equação geral da parábola cuja diretriz coin- de equação x + 2 = 0;
cide com o eixo normal de h e cujo vértice 1
(c) A equação da cônica de excentricidade e cu-
coincide com o centro da elipse de equação 2
jos focos coincidem com os vértices de C .
2x 2 + 7y 2 − 8x − 42y + 57 = 0.

EA 161 Determine a equação reduzida da cônica


EA 155 Determine as equações dos eixos normal
que passa por (1, 3) e cujos focos F1 e F2 são, res-
e focal da cônica de equação x 2 +2y 2 = 4x −8y −10.
pectivamente, as interseções da reta r : x = 1 e da
EA 156 Determine a equação da hipérbole cujo
parábola x = y 2 − 1.
eixo transverso coincide com o eixo menor da elipse
2 2
EA 162 Uma cônica tem por equação 5y ′ −4x ′ +
de equação x 2 − 4x + 2y 2 + 8y + 10 = 0 e uma das
10y ′ = 15 se em relação ao sistema x ′ Oy ′ dado.
extremidades do eixo conjugado coincide com o vér-
y
tice da parábola de equação (y + 2)2 = −16x − 16.
y′
EA 157 Considere a cônica de equação C : 9y 2 −
√ x′
36y − 16x 2 − 96x − 252 = 0 e determine: 3

(a) as equações de suas assíntotas; 3 x

(b) a equação da elipse cujo eixo menor coincide


com o eixo transverso de C e um dos focos (a) Identifique esta cônica;

coincide com o vértice da parábola (y − 2)2 =


(b) Esboce o gráfico desta cônica identificando
8(x − 3).
(destacando) o centro, os vértices, os eixos nor-
mal e focal, as assíntotas (caso existam) e cada
um dos latus rectum em relação ao sistema
EA 158 Determine a equação de uma hipérbole x ′O ′y ′;
cujo eixo focal é paralelo a Ox , de centro no foco
(c) Determine as coordenadas dos focos em rela-
da parábola x 2 − 4x − 8y − 4 = 0, um dos vértices
ção ao sistema xOy .
da hipérbole é um dos vértices da elipse (x − 4)2 +
(y − 3)2 √
= 1 e (2 + 2 2, 0) um de seus pontos.
4

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


58
Apontamentos

Gabarito Cálculo de Probabilidades e, especialmente, da teoria


(x − 2)2 (y + 1)2
151 + = 1 . 152 (x − 1)2 = 12(y − 1) . 153. dos números, ramo da matemática que estuda as pro-
128 144
2 2
154. 155. 156 x − 9y − 4x − 36y + 9 = 0 . 157 . 158. 159.
(y ′ + 1)2 (x ′ )2 priedades dos números inteiros.
160. 161. 162 (a) Hipérbole (b) − = 1, C (0, −1);
√ 4√ 5
A1 (0, 1); A2 (0, −3); B1 ( 5, −1); B2 (− 5, −1); F1 (0,√2); F2 (0, −4);
Cálculo e Geometria Analítica

2 5 ′ A contribuição de Fermat à Geometria Analítica


E F : x ′ = 0; E N : y ′ = −1; assíntotas: y ′ = ± x − 1. (c)
√ √ 5
F1 (−1, 3); F2 (2, −2 3) .
encontra-se num pequeno texto intitulado Introdução
aos Lugares Planos e Sólidos e data no máximo, de

Surgimento da Geometria Analítica 1636 mais que só foi publicado em 1679, postuma-
mente, junto com sua obra completa. É que Fermat,
A Geometria, como ciência dedutiva, foi criada pelos bastante modesto, era avesso a publicar seus traba-
gregos. Mas, apesar do seu brilhantismo faltava opera- lhos. Disso resulta, em parte, o fato de Descartes co-
cionalidade à geometria grega. E isto só iria ser conse- mumente ser mais lembrado como criador da Geome-
guido mediante a Álgebra como princípio unificador. Os tria Analítica.
gregos, porém, não eram muito bons em álgebra. Mais
O interesse de Descartes pela matemática surgiu cedo,
do que isso, somente no século XVII a álgebra estaria
no “College de la Fleche”, escola do mais alto padrão,
razoavelmente aparelhada para uma fusão criativa com
dirigida por jesuítas, na qual ingressará aos oito anos
a geometria.
de idade. Mas por uma razão muito especial e que já
Ocorre porém que o fato de haver condições para uma revelava seus pendores filosóficos: a certeza que as
descoberta não exclui o toque de genialidade de al- demonstrações ou justificativas matemáticas proporci-
guém. E no caso da geometria analítica, fruto dessa onam. Aos vinte e um anos de idade, depois de fre-
fusão, o mérito não foi de uma só pessoa. Dois fran- quentar rodas matemáticas em Paris (além de outras) já
ceses, Pierre de Fermat (1.601 − 1.665) e René Des- graduado em Direito, ingressa voluntariamente na car-
cartes (1.596 − 1.650), curiosamente ambos graduados reira das armas, uma das poucas opções “dignas” que
em Rireito, nenhum deles matemático profissional, são se ofereciam a um jovem como ele, oriundo da nobreza
os responsáveis por esse grande avanço científico: o menor da França. Durante os quase nove anos que
primeiro movido basicamente por seu grande amor, a serviu em vários exércitos, não se sabe de nenhuma
matemática e o segundo por razões filosóficas. E, diga- proeza militar realizada por Descartes. É que as bata-
se de passagem, não trabalharam juntos: a geometria lhas que ocupavam seus pensamentos e seus sonhos
analítica é um dos muitos casos, em ciência, de desco- travavam-se no campo da ciência e da filosofia.
bertas simultâneas e independentes.
A Geometria Analítica de Descartes apareceu em 1637
Se o bem-sucedido Pierre de Fermat zeloso e compe- no pequeno texto chamado A Geometria como um dos
tente conselheiro junto ao Parlamento de Toulouse, de- três apêndices do Discurso do Método, obra conside-
dicava muitas de suas melhores horas de lazer à ma- rada o marco inicial da filosofia moderna. Nela, em re-
temática, certamente não era porque faltasse, alguém sumo, Descartes defende o método matemático como
em sua posição, outras maneiras de preencher o tempo modelo para a aquisição de conhecimentos em todos
disponível. Na verdade Fermat simplesmente não con- os campos.
seguia fugir à sua verdadeira vocação e, apesar de pra-
A Geometria Analítica, como é hoje, pouco se asseme-
ticar matemática como hobby, nenhum de seus contem-
lha às contribuições deixadas por Fermat e Descartes.
porâneos contribuiu tanto para o avanço desta ciência
Inclusive sua marca mais característica, um par de ei-
quanto ele. Além da geometria analítica, Fermat teve
xos ortogonais, não usada por nenhum deles. Mais,
papel fundamental na criação do Cálculo Diferencial, do

59 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

cada um a seu modo, sabiam que a ideia central era O ângulo polar, geralmente, tem sua unidade de medi-
associar equações a curvas e superfícies. Neste parti- das em graus ou em radiano. Quando não está indi-
cular, Fermat foi mais feliz. Descartes superou Fermat cada nas coordenadas polares de um ponto P , a uni-
na notação algébrica. dade de medida é o radiano. Por exemplo, P1 (3, 30◦ )

Cálculo e Geometria Analítica


 π
Hygino H. Domingues e P2 −2, . Observe que, nas coordenadas de P2 o
π4
ângulo é r ad .
4

Consideraremos o ângulo polar positivo quando a rota-


O Plano Polar ção do eixo polar for feita no sentido anti-horário e, o
negativo, no sentido horário, tal como fazemos no es-
Apresentação
tudo de trigonometria.

O sistema de coordenadas polares é um outro disposi- Se P (r , θ) possui raio


90◦
120◦ 60◦ ◦
tivo que podemos utilizar para localizar pontos no plano vetor negativo (r < 0) 135◦

45
150 30◦
e, consequentemente, representar lugares geométricos devemos rotacionar o
180◦
através de equações. Um dos principais fatores que eixo polar em π + θ e
210◦ 330◦
justificam a introdução desse sistema de coordenadas marcar |r | unidades a 225◦ ◦ 315 ◦
240 300◦
270◦
se deve ao fato de que alguns lugares geométricos partir do polo O .
neste possuem equações mais simples do que no de
Ao polo podemos associar o par de coordenadas (0, θ),
coordenadas cartesianas.
em que θ representa um ângulo qualquer. Assim, se
r = 0 e θ é um ângulo qualquer, o par de refere às
Coordenadas Polares coordenadas do polo.

Um ponto no plano é localizado através de um sistema


Conversão de Medidas de Ângulos
de coordenadas. Por exemplo, o sistema de coordena-
das cartesianas xOy já estudado. Para convertermos um ângulo cuja unidade de medida
Outro sistema de coordenadas está em graus, em radiano, ou vice-versa, devemos uti-
muito utilizado é o de coorde- lizar a seguinte relação:
P (r , θ)
nadas polares onde considera-
r 1 volta 360◦ 2π r ad
remos uma semi-reta horizontal
θ A
e fixa, chamada de eixo polar, e ou melhor ainda
O
de origem em um ponto O , cha-
1/2 volta 180◦ π r ad .
mado de polo.
 ER 69 Transforme em radianos o ângulo que
A semi-reta perpendicular que passa por O chamare-
mede:
mos de eixo a 90◦ ou eixo normal.

Qualquer ponto P do plano será localizado no sistema (a) 30◦ (b) 45◦ (c) 60◦

de coordenadas polares pelo par (r , θ) denominado co-


ordenadas polares, onde r indica a distância do ponto Solução: Temos que:

P ao polo O e é denominado raio vetor ou raio polar ,


e o ângulo θ obtido da rotação do eixo polar até o seg- 180◦ π rad
mento OP , o qual chamaremos de ângulo vetorial ou 30◦ a rad
ângulo polar de P .

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


60
Apontamentos

Igualdade entre Dois Pontos em Coordenadas Polares



180 π rad
◦ Representemos, no plano polar, o conjunto de pontos
45 b rad
n π  o
2, + 2k π ; k ∈ Z . Para isto, atribua valores intei-
6
Cálculo e Geometria Analítica

180◦ π rad ros a k e veja o que acontece.



60 c rad
Você, provavelmente, encontrará:

Segue que, 90◦


120◦ 60◦
135◦ 45◦
30π π 45π π 60π π
a= = . b= = . c= = .  150◦ 30◦
180 6 180 4 180 3

180◦
 ER 70 Transforme em graus o ângulo de 1 rad

210◦ 330◦
Solução: Temos que 225 ◦
315◦
240◦ 300◦
270◦
180◦ π rad
x◦ 1 rad Observe que um ponto P (r , θ) em coordenadas pola-

180◦ 180◦ res determina um único ponto no plano. Entretanto, a


Segue que x = ≈ ≈ 57, 3◦ . 
π 3, 14 recíproca não é verdadeira, pois, um ponto P (r , θ) do
plano pode ser representado por (r , θ + 2k π) ou por
(−r , θ + (2k + 1)π), onde r ∈ R, θ em radianos e k ∈ Z.
Atividades

De forma resumida, temos:


EA 163 Transforme em radianos o ângulo que
 
mede: (r , θ) = (−1)k · r , θ + k π , k ∈ Z. (44)

(a) 150◦ (b) 210◦ (c) 330◦


Atividades
EA 165 Verifique quais dos seguintes pares de
 π
coordenadas polares representa o ponto P 2, .
3
EA 164 Utilizando o papel de coordena-
    
das polares (a seguir), posicione os pontos no 5π 13π π
 π A 2, , B −2, , C 1, ,
3 3 3
plano dadas suas coordenadas polares: A 2, ,
       3      
π π π 3 π 25π 11π 37π
B −3, ,4C −5, 3 , R 6, 7 , E , −4 , R 2, , E 2, , F −2, .
2  4   √ 3  2 3 3 3 3
π π
F (−2, 315◦ ), G 4, − , H − 2, − , I (−3, 15◦ ), π
 π  3   6 EA 166 Dados os pontos P1 (3, 5 ), P2 (−3, 330◦),
7π 11π 3
J 4, , K 5, , L −4, , M (1, 1), N (6, 2). π
6 4 6 P3 (−1, − ), P4 (2, −315◦), P5 (0, 53◦ ), P6 (0, e π ) e
3
120◦ 60◦
P7 (1, 3), determine:

135 45◦

150◦ 30◦
(a) a representação gráfica de cada um desses pon-
tos no plano polar;
180◦
(b) três outros conjuntos de coordenadas polares
para os pontos P3 e P4 ;
210◦ 330◦

225◦ 315◦
◦ ◦
(c) quais desses pontos coincidem com
240 300

61 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

P (3, 2.310◦); Logo,



 x = r · cos(θ),
 y = r · sen(θ).

EA 167 Determine os valores de x e y sabendo Como x 2 + y 2 = r 2 , temos que

Cálculo e Geometria Analítica


que os pontos (x − 3, 30◦) e (2, y − 60◦ ) são iguais. p x
r = ± x 2 + y 2 , cos(θ) = ±p ,
y  x + y2
2
y
θ = atan , sen(θ) = ±p .
Determinação Principal de um Ponto x x + y2
2

Um ponto (r , θ) em coordenadas polares se encontra Atividades


EA 169 Determine as coordenadas retangulares
em sua determinação principal se, e somente se,
dos pontos P1 , P5 e P7 ;

EA 170 Determine as coordenadas cartesianas
 r ≥ 0
do ponto P cujas coordenadas polares são:
 θ ∈ [0, 2π).
    
1 2π
(a) 2, atan ; (b) 4, .
2 3
Adota-se a determinação principal do polo como sendo
EA 171 Quais as coordenadas polares do ponto
o par (0, 0). Observemos que, por definição, o polo é o √
P (3, − 3) do sistema de coordenadas cartesia-
único ponto do plano polar que não possui um conjunto
nas?
principal.
EA 172 Determinar a equação polar do lugar ge-
ométrico cuja retangular é:
Atividades
EA 168 Encontre a determinação princi-
 π (a) y = 1 − 2x ;
pal dos pontos: P1 −3, 51 , P2 (−3, 3.320◦),
  3
17π (b) x 2 − y − 8x + 1 = 0;
P3 −1, − , P4 (2, −715 ) e P5 (4, 530◦).

3
(c) x 2 + y 2 − 4x − 2y + 1 = 0.

Transformações entre as Coordenadas EA 173 Determinar a equação retangular do lugar


geométrico cuja polar é:
Façamos coincidir as origens e os eixos Ox e polar dos
sistemas de coordenadas cartesiano e polar, respecti- (a) 2 = r cos(θ); (b) r (1 + cos(θ)) = 2; (c) r = 5.
vamente.

Seja P um ponto tal que, (x , y ) são as suas coordena- Distância entre Dois Pontos

das cartesianas e (r , θ) as suas coordenadas polares.


Sejam P1 (r1 , θ1 ) e P2 (r2 , θ2 ) dois pontos do plano ex-
De acordo com a figura abaixo temos
presso em coordenadas polares.
Y P1 (r1 , θ1 )
P (r , θ)
y

r1 δ
r
θ1 − θ2 P2 (r2 , θ2 )
r2
θ θ1
O x X θ2
O

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


62
Apontamentos

Observe, na figura, que a distância entre eles é con- Já as equações polares C1 : r = 3 e C2 : r = −3 repre-
sequência imediata da lei dos cossenos. De fato, no sentam também uma circunferência de centro no polo
triângulo △OP1 P2 , temos que e raio 3, porém, não apresentam o mesmo conjunto so-
lução (S1 = {(3, θ), θ ∈ R} e S2 = {(−3, θ), θ ∈ R}),
Cálculo e Geometria Analítica

δ2 = r12 + r22 − 2r1 r2 cos(θ1 − θ2 )


portanto, são equações equivalentes não triviais.

p
d (P1 , P2 ) = r12 + r22 − 2r1 r2 cos(θ1 − θ2 ).
Conjunto Abrangente
Definição 2 Abrangente é o conjunto de todas as
Atividade
EA 174 Classifique, quanto aos lados, o triângulo equações equivalentes a de uma curva C : f (r , θ) =
 π  π  π
de vértices P1 3, , P2 7, e P3 3, . 0.
6 3 2

Teorema 9 Seja C uma curva definida pela equação

Equação Polar f (r , θ) = 0. Então as equações polares da forma

Uma equação polar é qualquer equação do tipo f [(−1)k · r , θ + k π] = 0, k ∈ Z,

são equivalentes à equação f (r , θ) = 0.


f (r , θ) = 0. (45)

A relação dada em (45) representa um lugar geomé- A prova deste teorema é direta e é deixada para o leitor.
trico. Veremos, por exemplo, que C : r = 3 é a equação
que descreve uma circunferência de centro no polo e Desta forma, se C é uma curva definida pela equação
 π
raio 3u . Observe que o ponto P −3, ∈ C , pois, f (r , θ) = 0, o conjunto abrangente da curva C associ-
 π 2
ada à equação f (r , θ) = 0 ou o conjunto abrangente da
3, satisfaz a equação de C . Assim, vemos que é
2
curva C : f (r , θ) = 0, é dado por
possível termos um ponto que pertença ao lugar geo-
métrico definido por f (r , θ) = 0 sem que esta igualdade
E (C ) = {f [(−1)k · r , θ + k π)] = 0; k ∈ Z}. (46)
seja verificada. Além disso, equações polares distintas
podem representar o mesmo lugar geométrico como,
por exemplo, r = 3 e r = −3. Uma equação polar é chamada de abrangente se o seu
conjunto abrangente é unitário.
Definição 1 Duas equações polares f (r , θ) = 0
e g (r , θ) = 0 são equivalentes se representam o Proposição 7 Se um ponto, diferente do polo, per-
mesmo lugar geométrico. tence a uma curva C , então todo par de coordenadas
polares de P satisfaz a pelo menos uma equação do
Temos, ainda, que equações equivalentes se classifi- conjunto abrangente da curva C . Em outras pala-
cam em triviais e não triviais, respectivamente, aquelas vras, E (C ) é abrangente se qualquer um dos pontos
que possuem ou não o mesmo conjunto solução. de C , distinto do polo, satisfaz a uma das equações

Por exemplo, as equações C1 : de E (C ).

r = 3 e C2 : 2r = 6 represen-
tam uma circunferência de cen- Proposição 8 O polo pertence a uma curva C , de-
tro no polo e raio 3 e apresen- O 3
finida pela equação f (r , θ) = 0 se, e somente se, a
tam o mesmo conjunto solução equação em θ, f (0, θ) = 0, possuir conjunto solução
(S = {(3, θ), θ ∈ R}). P nos reais não vazio.
Portanto, são equações equivalentes triviais.

63 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

 ER 71 Determine um conjunto abrangente para blemas com outras curvas na forma polar. Por exem-
as seguintes curvas: C1 : r = 2 e C2 : r · cos(θ) = 2. plo, a interseção de curvas. A obtenção das equações
polares das retas será feita de duas formas distintas.
Solução: (a) f (r , θ) = r − 2 = 0. Portanto, f [(−1)k ·
Primeiro, obteremos a equação polar da reta que não

Cálculo e Geometria Analítica


r , θ + k π) = (−1)k · r − 2 = 0.
passa pelo polo e, por fim, a que passa pelo polo.
Se k é par, ou seja, k = 2n, n ∈ Z, temos que (−1)2n ·
r − 2 = 0. Assim, r = 2. Equação da Reta que não passa pelo Polo

Para k ímpar (k = 2n +1, n ∈ Z) temos que (−1)2n+1 · Consideremos uma reta ℓ que não passa pela polo e
r − 2 = 0. Assim, r = −2. Logo, tomemos os pontos P (r , θ) qualquer e N (ρ, α) de modo
que o triângulo ONP seja retângulo em N .
E (C1 ) = {r = −2, r = 2}.

(b) f (r , θ) = r · cos(θ) − 2 = 0. Portanto, f [(−1)k · P (r , θ)

r , θ + k π) = (−1)k · r · cos(θ + k π) − 2 = 0. N (ρ, α)


r ρ
θ−α
Observemos a tabela:
θ α
k = 2n k = 2n + 1
O
(−1)k · r r −r
Portanto,
cos(θ + k π) cos(θ) − cos(θ)
ρ
cos(θ − α) = ⇒ ρ = r cos(θ − α). (47)
r
Segue que, E (C2 ) = {r cos(θ) = 2}. 

Aplicando-se, na equação (47), o cosseno da diferença


podemos obter a equação geral da reta em coordena-
Atividades
EA 175 Mostre que é abrangente a equação C : das retangulares
r 2 = a cos(2θ), a ∈ R∗ .
x cos(α) + y sen(α) − ρ = 0. (48)
EA 176 Verifique, em cada item, se o ponto P
pertence à curva C : Equação da Reta que Passa pelo Pólo

A reta que passa pelo polo é


(a) P (4, π) e C : r (1 + 2 cos(θ)) = 4; o lugar geométrico dos pontos

(b) P é o polo e C : r 2 = 3 − 2 cos(θ); P (r , θ) cujo ângulo vetorial θ α

será constante, ou seja, θ = α, O


(c) P é o polo e C : r = 2 − 3 sen(2θ);
ou ainda, θ = α + 2k π, k ∈ Z.
 

(d) P −2, e C : r 2 + 4 sen(θ) = 0.
4 Casos Particulares de Retas

Reta Paralela ao Eixo Polar

Uma reta paralela ao eixo polar possui ângulo vetorial


Equação Polar da Reta π
côngruo a + k π, k ∈ Z.
2
A necessidade de trabalharmos com equações polares
de retas, apesar da simplicidade destas na forma car-
tesiana, é evidente quando esta está associada a pro-
O

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


64
Apontamentos

Assim, Equação Polar das Cônicas

Circunferência

π   π
ρ = r cos θ − − k π = r cos θ − = r sen(θ).
2 2
Cálculo e Geometria Analítica

Como a circunferência é o lugar geométrico dos pontos


P (r , θ) que equidistam de um ponto fixo C (c , α), temos:
Reta Perpendicular ao Eixo Polar

d (C , P ) = a.
Uma reta perpendicular ao
eixo polar possui o ângulo
P (r , θ)
vetorial côngruo a k π, k ∈
Z. Portanto, O
a
ρ = r cos (θ − k π) = r cos(θ).

Assim, podemos apresentar o seguinte teorema que α C (c , α)


θ−
abrange as equação polares das retas.
O
Teorema 10 Seja (ρ, α) o conjunto principal de co-
ordenadas polares do pé da normal traçada desde o
Utilizando a lei dos cossenos para desenvolver essa
polo a qualquer reta no plano polar. A equação polar
igualdade, obtemos a equação polar da circunferência:
da reta é dada por ρ = cos(θ − α). Se a reta passa
pelo polo, então sua representação é dada apenas
r 2 − 2cr · cos(θ − α) + c 2 − a2 = 0.
pelo ângulo θ, 0 ≤ θ < π. Se a reta é paralela ao
eixo a 90◦ e sua distância ao polo for ρ unidades te-
remos r cos(θ) = ±ρ. Se a reta é paralela ao eixo Ao desenvolvermos cos(θ − α), obtemos:

polar e sua distância ao polo for ρ unidades teremos


r 2 − 2c cos(α)r cos(θ) − 2c sen(α)r sen(θ) + c 2 − a2 = 0.
r sen(θ) = ±ρ.

Atividades Esta equação se reduz a outras formas, a saber:

EA 177 Transforme as equações das retas, dadas

em sua forma polar, em sua forma retangular. i. r = a quando o seu centro coincide com o polo;

1 1 3
(a) = cos(θ) + sen(θ); ii. r = 2a cos(θ) quando o polo é um de seus pontos e
r 4 4
√ √ o centro está sob o eixo polar θ = 0;
1 2 2
(b) = cos(θ) + sen(θ).
r 2 2
(c) 2 = r sen(θ) iii. r = 2a sen(θ) quando o polo é um de seus pontos e
π
2π o centro está sob o eixo polar a θ = .
(d) θ = 2
3

Elipse

EA 178 Determine a equação polar da reta que Considere uma elipse de eixo maior horizontal A1 A2 =
 π
passa por P 4, e é perpendicular ao raio vetor 2a, eixo menor B1 B2 = 2b , distância focal F1 F2 = 2c e
3
de P . centro C (m, n) como na figura abaixo.

65 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

Hipérbole

B1
P (r , θ) Considere uma hipérbole de eixo real horizontal A1 A2 =
b

2a, eixo imaginário B1 B2 = 2b , distância focal F1 F2 =


r

Cálculo e Geometria Analítica


δ 2c .
A1 θ A2
b

F1 ≡ O c C (m, n)c F2 Seja P (r , θ) um ponto arbitrário da hipérbole, na qual


fazemos coincidir o pólo O com o foco F1 e o eixo polar
com o eixo real da hipérbole e considere F2 P = δ.
B2
Aplicando a Lei dos cossenos no triângulo F1 F2 P , te-
mos:
Seja P (r , θ) um ponto arbitrário da elipse, na qual faze- δ 2 = r 2 + 4c 2 − 4cr cos(π − θ),
mos coincidir o pólo O com o foco F1 e o eixo polar com
ou ainda
o eixo maior da elipse e considere F2 P = δ.
δ 2 = r 2 + 4c 2 + 4cr cos(θ),

Aplicando a Lei dos cossenos no triângulo F1 F2 P , te-


mos: Do definição da elipse, temos que:

δ 2 = r 2 + 4c 2 − 4cr cos(θ).
||PF1 | − |PF2 || = 2a.

Do definição da elipse, temos que:


Desenvolvendo essa igualdade, temos:
|PF1 | + |PF2 | = 2a
δ = 2a + r .

Desenvolvendo essa igualdade, temos:


Substituindo na expressão da lei dos cossenos, temos:
δ = 2a − r .
a2 − c 2 = r [−a + c cos(θ)].
Substituindo na expressão da lei dos cossenos, temos:

a2 − c 2 = r [a − c cos(θ)]. Do relação notável c 2 = a2 + b 2 , temos que a equação


polar da hipérbole é:

Do relação notável da elipse a2 = b 2 + c 2 . Logo, b2


r= .
a − c cos(θ)
b2
r= ,
a − c cos(θ)
Analogamente à equação polar da elipse, temos:
que é a equação polar da elipse.
p
r= .
Podemos rescrever essa equação da seguinte forma: 1 − e cos(θ)
b2
a Parábola
r= .
a − c cos(θ)
a Considere uma parábola de eixo de simetria horizontal,
com vértice V , foco F e RF = p . Seja P (r , θ) um ponto
b2 c
Fazendo p = e como = e , temos a equação mais
a a arbitrário da parábola.
comumente utilizada:
p Façamos o pólo O coincidir com o foco F e o eixo polar
r= .
1 − e cos(θ) com o eixo de simetria da parábola.

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


66
Apontamentos

Seja Q a projeção de P sobre o eixo polar. Do triângulo Portanto, a equação reduzida é:


PQF , temos: (x − 6)2 y2
+ = 1.
p−r 100 64
cos(π − θ) = − cos(θ) = ,
r
Cálculo e Geometria Analítica

Desenvolvendo-se,
em que p é o parâmetro da parábola.

16x 2 + 25x 2 − 192x − 1.024 = 0.


Portanto, a equação polar da parábola é

p 
r=
1 − cos(θ)
Atividades
Observe que a elipse, a hipérbole e a parábola têm as EA 179 Prove os itens i, ii e iii das outras formas

equações polares idênticas, visto que a excentricidade de equação polar da circunferência.

da parábola é igual a 1. O que se fará notório distinguir EA 180 Determine a medida do raio e as

qual a cônica, dada uma equação polar, é a excentrici- coordenadas


 do centro da circunferência r 2 −

b2 5π
dade e (se hipérbole, e > 1) e o parâmetro p = . 4r cos θ − = 5.
a 6
 ER 72 Determine a equação geral da cônica de
EA 181 Determine a equação geral da circunfe-
eixo focal sobre o eixo das abscissas e equação:
rência r = −6 sen(θ).
32
r= . EA 182 Determine a equação geral da circun-
5 − 3 cos(θ)  π
ferência de centro C 2, , sabendo-se que ela
 2
π
Solução: Podemos rescrever a equação polar da passa pelo ponto P 6, 11 .
6
seguinte forma:
EA 183 Determine a equação polar da elipse 4x 2 +
32
y 2 − 24x + 4y + 24 = 0.
r= 5 .
3
1 − cos(θ) EA 184 Determine a equação polar e as coorde-
5
nadas polares dos focos da cônica 9x 2 −16y 2 −144 =
c 3 0.
Como e = = , a cônica é uma elipse.
a 5
EA 185 Determine a equação polar e as coorde-
2
b 32 nadas polares do vértice da parábola x 2 − 8x + 2y +
Já p = = .
a 5
12 = 0.
Utilizando a relação fundamental da elipse:
EA 186 Seja a hipérbole de eixo vertical e centro
32 9 na origem, cuja equação polar é
a2 = a + a2 .
5 25
24
Logo, a = 10. Segue que, b = 8, c = 6 e r= .
5 − 7 cos(θ)
(x − x0 )2 (y − y0 )2 Determine sua equação geral e as equações para-
+ = 1.
100 64
métricas.
EA 187 Determine a equação polar da elipse x =
Como o eixo focal está sobre o eixo das abscissas,
3 + 20 cos(θ), y = 2 + 16 sen(θ)).
um dos focos coincide com o pólo, o centro possui
abscissa x0 = 6 e y0 = 0.

67 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

EA 188 O foco de uma parábola é F (4, 3) e sua em Relação ao Polo


diretriz é a reta x = 2. Determine sua equação po-
Dado um ponto
lar. P (r , θ)
P (r , θ), o seu si-
métrico em re- r

Cálculo e Geometria Analítica


Simetrias θ
lação ao polo é
θ′ O
o ponto P ′ (r ′ , θ′ )

Dois pontos P e P são simétricos em relação a um r′
se, e somente P ′ (r ′ , θ′ )
conjunto K se a distância entre K e os pontos P e P ′
se,
são iguais. Dentre as simetrias existentes, destacamos
as simetrias central e axial, onde os conjuntos K são r′ · r > 0 e θ′ − θ = (2k + 1)π, k ∈ Z,
um ponto e uma reta, respectivamente. ou

r ·r <0 e θ′ − θ = 2k π, k ∈ Z.
em Relação ao Eixo Polar Geralmente, podemos nos limitar a trabalhar com:

Dado um ponto P (r , θ), o P (r , θ)


(r , θ) é simétrico a (r , π + θ) ou a (−r , θ).
seu simétrico em relação r
θ
ao eixo polar é o ponto  ER 73 Determine as coordenadas polares dos
O θ′ A  π
P ′ (r ′ , θ′ ) se, e somente ′ pontos P ′ simétricos de P 2, em relação ao eixo
r 3

se, P ′ (r ′ , θ′ ) polar, ao eixo a 90 polo e ao polo, respectivamente.

r′ · r > 0 e θ′ + θ = 2k π, k ∈ Z, Solução: Simetria em relação:

ou  π
(a) ao eixo polar (θ → −θ): P ′ 2, − ;
r′ · r < 0 e θ′ + θ = (2k + 1)π, k ∈ Z. 3

Geralmente, podemos nos limitar a trabalhar com:  π


(b) ao eixo a 90◦ (r → −r e θ → −θ): P ′ −2, − ;
3
(r , θ) é simétrico a (r , −θ) ou a (−r , π − θ).
 π
(c) ao polo (r → −r ): P ′ −2, . 
π 3
em Relação ao Eixo a rad
2

Dado um ponto
Simetria em Relação a um Eixo ou a um Ponto
P (r , θ), o seu si- Definição 3 Uma curva C ′ é simétrica de outra C
′ ′ ′
métrico em re- P (r , θ ) P (r , θ)
em relação ao eixo a (ou em relação ao ponto O ),

lação ao eixo r r
θ′ se para todo ponto P ∈ C , existe um ponto P ′ ∈ C ′
π θ
rad é o ponto simétrico em relação ao eixo a (ou em relação ao
2 O
′ ′ ′
P (r , θ ) se, e ponto O ). Claramente, C é simétrica de C ′ .
somente se,

A partir desta definição podemos estabelecer a equa-


r′ · r > 0 e θ′ + θ = (2k + 1)π, k ∈ Z,
ção polar de uma curva C ′ simétrica C em relação a
ou
um eixo a (ou em relação ao ponto O ).
r′ · r < 0 e θ′ + θ = 2k π, k ∈ Z.

Geralmente, podemos nos limitar a trabalhar com: Sejam P (r , θ) um ponto da curva C de equação polar
f (r , θ) = 0 e P ′ (r ′ , θ′ ) o ponto de C ′ simétrico de P em
(r , θ) é simétrico a (−r , −θ)ou a (r , π − θ). relação ao eixo a (ou em relação ao ponto O ). Podemos

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


68
Apontamentos

então estabelecer as relações de transformações entre 

coordenadas de P e P ′ , r = g (r ′ ) e θ = h(θ′ ).
Traçado de Curvas Polares
Utilizando-se estas igualdades obtemos:
Cálculo e Geometria Analítica

f (g (r ′ ), h(θ′ )) = 0, que é uma equação polar que O processo de construção de curvas em coordenadas

relaciona as coordenadas de P ′ . Logo, é uma equação polares consiste das seguintes etapas:

da curva C ′ .
 ER 74 Determine a equação da curva simétrica 1. Determinar as interseções com o eixo polar e o
de C : r = 3 sen(2θ), em relação: (a) ao eixo polar; eixo a 90◦ ;
(b) ao eixo à 90◦ ; (c) ao polo.
— eixo polar: fazemos θ = nπ, n ∈ Z;
π
Solução: Façamos: — eixo a 90◦ : fazemos θ = n , n ∈ Z e ímpar;
2
— polo: fazemos r = 0 na equação da curva
(a) r = r ′ e θ = −θ′ .
para obter θ.
′ ′ ′ ′ ′ ′
Logo, C : r = 3 sen(2(−θ )) ⇔ C : r = −3 sen(2θ ).
2. Determinar a simetria do lugar geométrico

(b) r = −r ′ e θ = −θ′ . — Uma curva é simétrica em relação ao


eixo polar se obtemos uma equação equivalente
Logo, C ′ : −r ′ = 3 sen(2(−θ′ )) ⇔ C ′ : −r ′ =
à curva dada, por pelo menos uma das seguintes
−3 sen(2θ′ ) ⇔ C ′ : r ′ = 3 sen(2θ′ ).
substituições:

(c) r = −r ′ e θ = θ′ . ⋄ θ por −θ ou, ainda, −θ por π − θ e r por


−r ;
Logo, C ′ : −r ′ = 3 sen(2θ′ ) ⇔ C ′ : r ′ = −3 sen(2θ′ ).
— Uma curva é simétrica em relação ao a

Quando a curva C ′ , simétrica de C em relação ao 90 se obtemos uma equação equivalente à curva
eixo a (ou ao ponto O ), coincide com ela própria (a dada, por pelo menos uma das seguintes substitui-
curva simétrica de C é C ), dizemos que a curva C é ções:
simétrica em relação a a (ou em relação a O ). ⋄ θ por π − θ ou, ainda, θ por −θ e r por −r ;

— Uma curva é simétrica em relação ao polo


No item anterior, podemos concluir que C é simé-
se obtemos uma equação equivalente à curva
trica em relação ao eixo à 90◦ . No entanto, mesmo
dada, por pelo menos uma das seguintes substi-
sendo as equações dos ítens (a) e (c ) diferentes da
tuições:
equação de C , temos que averiguar se estas equa-
ções são equivalentes à equação de C . Para isso, ⋄ θ por π + θ ou, ainda, r por −r .
vamos determinar um conjunto abrangente de C .
3. A extensão do lugar geométrico: estudamos aqui o

k = 2n k = 2n + 1 intervalo de variação de r na equação dada.

(−1)k · r r −r 4. O cálculo das coordenadas de um número sufici-


sen(2(θ + k π)) sen(2θ) − sen(2θ) ente de pontos a fim de se obter um gráfico ade-
quado.
Logo, E (C ) = {r = 3 sen(2θ), r = −3 sen(2θ)}.
5. O desenho do lugar geométrico.
Podemos, portanto, concluir que a curva C é, tam-
6. Transformar a equação dada em sua forma polar
bém, simétrica em relação ao eixo polar e ao polo.
em sua forma retangular.

69 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

 ER 75 Traçar o gráfico da curva C : r = 1 + simetria em relação ao eixo a noventa:


2 cos(θ).
substituamos θ por −θ e r por −r ;

Solução:
−r = 1 + 2 cos(−θ) ⇔ r = −1 − 2 cos(θ).

Cálculo e Geometria Analítica


1. Interseções com o eixo polar e o eixo a 90◦ ; Como a equação obtida não é equivalente a da
curva C , não existe simetria em relação ao eixo
eixo polar: fazemos θ = nπ, n ∈ Z : r =
a noventa.
1 + 2 cos(nπ)
simetria em relação ao polo:
n θ = nπ r (r , θ)
substituamos r por −r ;
0 0 1 + 2 cos(0) = 3 (3, 0)
1 π 1 + 2 cos(π) = −1 (−1, π) −r = 1 + 2 cos(θ) ⇔ r = −1 − 2 cos(θ).
2 2π 1 + 2 cos(2π) = 3 (3, 2π)
Novamente a equação obtida não é equivalente
π a da curva C . Portanto, não existe simetria em
eixo a 90◦ : fazemos θ = n , n ∈ Z e ím-
2
par; relação ao polo.

π 3. A extensão do lugar geométrico:


n θ=n r (r , θ)
2
π  π
1 1=1 1, −1 ≤ cos(θ) ≤ 1 ⇔
2 2
π  π −2 ≤ 2 cos(θ) ≤ 2 ⇔
3 3 1=1 1, 3
2 2
π  π −1 ≤ 1 + 2 cos(θ) ≤ 3 ⇔
5 5 1=1 1, 5
2 2 −1 ≤ r ≤ 3

Perceba que o processo de substituição é finito, Logo, a curva C possui extensão limitada.
uma vez que os pares (1, 0) e (3, 2π) (no pri-
4. O cálculo das coordenadas de um número su-
meiro caso) representam, no sistema de coor-
ficiente de pontos a fim de se obter um gráfico
denadas polares, o mesmo ponto, e os pares
 π  π adequado.
1, e 1, 3 (no segundo) representam o
2 2
mesmo ponto. θ r

π 3 √
polo: fazemos r = 0 na equação da curva 1+2 =1+ 3
6 2
para obter θ. √
π 2 √
1+2 =1+ 2
1 2π 4 2
0 = 1 + 2 cos(θ) ⇔ cos(θ) = − ⇔θ= .
2 3 π 1
1+2 =2
3 2
2. Determinar a simetria do lugar geométrico √
π 5π 3 √
π− = 1−2 =1− 3
simetria em relação ao eixo polar: 6 6 2

π 3π 2 √
substituamos θ por −θ: π− = 1−2 =1− 2
4 4 2
π 2π 1
π− = 1−2 =0
r = 1 + 2 cos(−θ) ⇔ r = 1 + 2 cos(θ). 3 3 2

Como a equação obtida é equivalente a da 5. Marcação dos pontos no sistema de coordena-


curva C , a curva é simétrica em relação ao eixo das polares.
polar.

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


70
Apontamentos

90◦ 90◦
120◦ 60◦ 120◦ 60◦
135◦ 45◦ 135◦ 45◦
150◦ 30◦ 150◦ 30◦
r = a ± b · cos(θ), (49)
180◦ 180◦
r = a ± b · sen(θ) (50)
Cálculo e Geometria Analítica

210◦ 330◦ 210◦ 330◦


225◦ 315◦ 225◦ 315◦
240◦ 300◦ 240◦ 300◦
270◦ 270◦
Observe que em (49) existe simetria em relação ao eixo
6. Transformar a equação dada em sua forma po-
polar, enquanto que em (50) a simetria se dá em rela-
lar em sua forma retangular.
ção ao eixo a 90◦ .

r = 1 + 2 cos(θ) ⇔ Cardióide (|a| = b )

r 2 = r + 2r cos(θ) ⇔ 90◦ 90◦


120◦ 60◦ 120◦ 60◦
2
r − 2r cos(θ) = r ⇔ 135◦ 45◦ 135◦ 45◦
150◦ 30◦ 150◦ 30◦
(r 2 − 2r cos(θ))2 = r 2 ⇔
2 2 2 2 2
(x + y − 2x ) = x + y 180◦ 180◦


210◦ 330◦ 210◦ 330◦
225◦ 315◦ 225◦ 315◦
240◦ 300◦ 240◦ 300◦
Atividades 270◦ 270◦

EA 189 Trace o gráfico das curvas: r = a[1 + cos(θ)] r = a[1 − cos(θ)]

90◦ 90◦
120◦ 60◦ 120◦ 60◦
135◦ 45◦ 135◦ 45◦
(a) C : r = 2(1 − cos(θ)). 150◦ 30◦ 150◦ 30◦

(b) C : r = 1 − 2 sen(θ) 180◦ 180◦

(c) C : r = 2 cos(2θ) 210◦ 330◦ 210◦ 330◦


225◦ 315◦ 225◦ 315◦
240◦ 300◦ 240◦ 300◦
270◦ 270◦
r = a[1 + sen(θ)] r = a[1 − sen(θ)]

Limaçon sem Laço (|a| > b )


Curvas Notáveis em Coordenadas Polares
90◦ 90◦
120◦ 60◦ 120◦ 60◦
135◦ 45◦ 135◦ 45◦
Podemos facilmente traçar e identificar, em coordena-
150◦ 30◦ 150◦ 30◦
das polares o gráfico das Limaçons, das Rosáceas, das
180◦ 180◦
Lemniscatas e das Espirais de Arquimedes, as quais
chamaremos de curvas notáveis. Este tratamento é 210◦ 330◦ 210◦ 330◦
225◦ 315◦ 225◦ 315◦
feito pelo reconhecimento de uma equação polar ca- 240◦ 300◦ 240◦ 300◦
270◦ 270◦
racterística ou pelo gráfico da curva no plano polar. r = a + b cos(θ) r = a − b cos(θ)

90◦ 90◦
120◦ 60◦ 120◦ 60◦
Limaçons 135◦ 45◦ 135◦ 45◦
150◦ 30◦ 150◦ 30◦

São três os tipos de Limaçons: as Cardióides, as Lima- 180◦ 180◦

çons sem laço e as com laço. Suas equações polares, 210◦ 330◦ 210◦ 330◦

com a ∈ R e b ∈ R∗+ , duas constantes reais não nulas, 225◦ 315◦ 225◦ 315◦
240◦ 300◦ 240◦ 300◦
270◦ 270◦
se restringem a: r = a + b sen(θ) r = a − b sen(θ)

71 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

Limaçon com Laço (|a| < b ) 90◦ 90◦


120◦ 60◦ 120◦ 60◦
135◦ 45◦ 135◦ 45◦
150◦ 30◦ 150◦ 30◦
90◦ 90◦
120◦ 60◦ 120◦ 60◦
135◦ 45◦ 135◦ 45◦ 180◦ 180◦
150◦ 30◦ 150◦ 30◦

Cálculo e Geometria Analítica


210◦ 330◦ 210◦ 330◦
180◦ 180◦ 225◦ 315◦ 225◦ 315◦
240◦ 300◦ 240◦ 300◦
270◦ 270◦
210◦ 330◦ 210◦ 330◦
225◦ 315◦ 225◦ 315◦
240◦ 300◦ 240◦ 300◦ 90◦ 90◦
270◦ 270◦ 120◦ 60◦ 120◦ 60◦
135◦ 45◦ 135◦ 45◦
r = a + b cos(θ) r = a − b cos(θ) 150◦ 30◦ 150◦ 30◦

90 90◦
120◦ 60◦ 120◦ 60◦
135◦ 45◦ 135◦ 45◦ 180◦ 180◦
150◦ 30◦ 150◦ 30◦

210◦ 330◦ 210◦ 330◦


180◦ 180◦ 225◦ 315◦ 225◦ 315◦
240◦ 300◦ 240◦ 300◦
270◦ 270◦
210◦ 330◦ 210◦ 330◦
225◦ 315◦ 225◦ 315◦
240◦ 300◦ 240◦ 300◦ 90◦ 90◦
270◦ 270◦ 120◦ 60◦ 120◦ 60◦
135◦ 45◦ 135◦ 45◦
r = a + b sen(θ) r = a − b sen(θ)
150◦ 30◦ 150◦ 30◦
Para traçarmos rapidamente o gráfico de uma Limaçon
é suficiente determinarmos as intersecções com os ei- 180◦ 180◦

xos polar e a 90◦ e com o polo, caso exista, e identifi-


210◦ 330◦ 210◦ 330◦
carmos a curva mediante a seguinte classificação. 225◦ 315◦ 225◦ 315◦
240◦ 300◦ 240◦ 300◦
270◦ 270◦

Rosáceas Para o traçado rápido de uma rosácea é suficiente


determinarmos a extensão do lugar geométrico (a), a
quantidade de pétalas e o espaçamento entre elas e
A equação polar das rosáceas é
a primeira pétala que será construída sobre o eixo de
π
simetria θ = 0 ou θ = caso as equações sejam,
r = a · cos(nθ) (51) r = a · sen(nθ),(52) 2n
respectivamente, r = a cos(nθ) ou r = a sen(nθ).

com a ∈ R \ {0}, n ∈ Z \ {0, ±1}. Lemniscatas

A quantidade de pétalas é obtida do seguinte fato:


São curvas cuja equação é do tipo r 2 = a cos(2θ) ou
r 2 = a sen(2θ), com a ∈ R \ {0}. Devemos observar
– se n é par, o número de pétalas da rosácea é dado que se a é positivo, tanto cos(2θ) quanto sen(2θ) são
por: 2 · n; positivos, e se a é negativo, tanto cos(2θ) quanto sen(2θ)
são negativos, visto que r 2 > 0.

90◦ 90◦
– se n é ímpar, o número de pétalas da rosácea é 120◦ 60◦ 120◦ 60◦
135◦ 45◦ 135◦ 45◦
dado por: n. 150◦ 30◦ 150◦ 30◦

180◦ 180◦

O ângulo entre dois eixos de simetria consecutivos é 210◦ 330◦ 210◦ 330◦
2π 225◦ 315◦ 225◦ 315◦
dado por , onde p é o número de pétalas. 240◦ 300◦ 240◦ 300◦
p 270◦ 270◦

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


72
Apontamentos

Para o traçado rápido da Lemniscata é suficiente de-


p θ
terminarmos a sua extensão ( |a|) e encontrarmos os r
p G r aus rad
valores de θ para os quais r = |a|.
0 0 0
Cálculo e Geometria Analítica

π
30 6 0, 261799388
Espiral de Arquimedes π
45 4 0, 392699082
π
Definição 4 São curvas cuja equação é do tipo 60 3 0, 523598776
90◦
π 120◦ 60◦
90 2 0, 785398163 135◦ 45◦
r = aθ, a ∈ R∗ . (53) 2π 150◦ 30◦
120 3 1, 047197551
3π 180◦
135 4 1, 178097245
Para o traçado rápido da Espiral de Arquimedes, verifi- 150 5π
1, 308996939 210◦ 330◦
6
225◦ 315◦
quemos que a curva de equação (53): 180 π 1, 570796327 240◦ 300◦
270◦

210 6 1, 832595715 90◦
120◦ 60◦
5π 135◦ 45◦
225 4 1, 963495408 150◦ 30◦

240 3 2, 094395102
180◦

1. passa pelo polo. De fato, para r = 0, em (53), 270 2 2, 356194490
5π 210◦ 330◦
temos θ = 0. 300 3 2, 617993878 225◦ 315◦
240◦ 300◦

315 4 2, 748893572 270◦

11π
330 6 2, 879793266
360 2π 3, 141592654
13π
2. é simetria em relação ao eixo à 90◦ . O conjunto de 390 6 3, 403392041

pontos simétricos a (r , θ) satisfaz a mesma equa- 405 4 3, 534291735

ção. De fato, −r = a · (−θ) equivale a r = a · θ. De 420 3 3, 665191429

forma análoga, verifica-se que não existe simetria 450 2 3, 926990817

tanto em relação ao eixo polar quanto em relação


ao polo.

3. possui extensão ilimitada, pois, não existe um cír-


culo tal que todos os pontos da Espiral sejam pon-
tos interiores.

Gráfico da Espiral de Arquimedes

Para o traçado rápido da Espiral de Arquimedes é su-


ficiente atribuir valores a θ e encontrar o valor de r ,
marcando-se estes pontos. Por exemplo, considere a
1
Espiral de Arquimedes de equação r = ·θ. Atribuindo-
2
se alguns valores a θ, encontramos os respectivos va-
lores de r (veja a tabela).

73 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

(a) (b)
θ 120◦
90◦
60◦ 120◦
90◦
60◦
r 135◦ 45◦ 135◦ 45◦
G r aus rad 150◦ 30◦ 150◦ 30◦

0 0 0
180◦ 180◦

Cálculo e Geometria Analítica


−30 − π6 −0, 2617994
210◦ 330◦ 210◦ 330◦
−45 − π4 −0, 3926991 225◦ 315◦ 225◦ 315◦
240◦ 300◦ 240◦ 300◦
−60 − π3 −0, 5235988 270◦ 270◦
90◦
120◦ 60◦ (c) (d)
−90 − π2 −0, 7853982 135◦ 45◦

150◦ 30◦ 90 90◦
−120 − 2π
3 −1, 0471976 120◦
135◦
60◦
45◦
120◦
135◦
60◦
45◦
150◦ 30◦ 150◦ 30◦
−135 − 3π
4 −1, 1780972 180◦

−150 − 5π
6 −1, 3089969 210◦ 330◦ 180◦ 180◦
225◦ 315◦
−180 −π −1, 5707963 240◦ 300◦
210◦ 330◦ 210◦ 330◦
270◦
225◦ 315◦ 225◦ 315◦
−210 − 7π
6 −1, 8325957 90 ◦
240◦ 300◦ 240◦ 300◦
120◦ 60◦ 270◦ 270◦
135◦ 45◦
−225 − 5π
4 −1, 9634954 150◦ 30◦ (e) (f)
−240 − 4π
3 −2, 0943951 90 ◦
90◦
180◦ 120◦ 60◦ 120◦ 60◦
−270 − 3π
2 −2, 3561945 135◦ 45◦ 135◦ 45◦
150◦ 30◦ 150◦ 30◦
210◦ 330◦
−300 − 5π
3 −2, 6179939 225◦ 315◦
240◦ 300◦ 180◦ 180◦
−315 − 7π
4 −2, 7488936 270◦

−330 − 11π
6 −2, 8797933 210◦ 330◦ 210◦ 330◦
225◦ 315◦ 225◦ 315◦
240◦ 300◦ 240◦ 300◦
−360 −2π −3, 1415927 270◦ 270◦

−390 − 13π
6 −3, 4033920
EA 191 Considere as curvas C1 : r = 3[1 −
−405 − 9π −3, 5342917
4 2 cos(θ)], C2 : r 2 = −4 sen(2θ) e C3 : r = 4 cos(3θ).
−420 − 7π
3 −3, 6651914
Marque V se verdadeiro ou F se falso para as afir-
−450 − 5π
2 −3, 9269908
mativas a seguir:
Observe que ao atribuirmos valores a θ não negativos,
a espiral girou no sentido anti-horário. No caso contrá- (a) ( ) A curva C3 e é simétrica em relação ao
rio, o giro se deu no sentido horário. Portanto, podemos eixo polar;
concluir que o gráfico de uma Espiral de Arquimedes é:
(b) ( ) A curva C2 é uma Lemniscata de extensão
90◦
máxima igual a 4;
120◦ 60◦
◦ ◦
135 45
150 ◦
30◦ (c) ( ) A curva C1 é uma Limaçon com laço;

(d) ( ) A curva C1 contém o polo;


180◦

(e) ( ) A curva C3 é uma rosácea de 3 pétalas e


210 ◦
330 ◦
é simétrica em relação ao polo.
225◦ 315◦
240◦ 300◦
270◦

EA 192 Esboce o gráfico das curvas dadas a se-


Atividades guir:

EA 190 Determine a equação da curva cujos grá-


(a) r = sen(4θ) (b) r = cos(5θ) (c) r = cos(4θ)
ficos se encontram a seguir:

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


74
Apontamentos

(d) r = sen(5θ) (e) r 2 = − cos(2θ)


(f) r 2 = sen(2θ) Resumindo: Dada as curvas C1 : f (r , θ) = 0 e C2 :
g (r , θ) = 0 podemos obter os pontos de interseção
se
Cálculo e Geometria Analítica

Interseção de Curvas em Polares


1. determinamos o conjunto abrangente de uma
das curvas;
Muitos problemas em Matemática que apresentam uma
2. resolvemos todos os sistemas formados por
solução recaem em um sistema de n equações com n
uma das equações fixadas e cada uma das
incógnitas. Esta solução geometricamente significa o
equações do conjunto abrangente;
ponto de interseção das n curvas que cada equação do
sistema representa. 3. verificamos se o polo está na interseção.

Em coordenadas cartesianas, a solução de um sis-


tema é facilmente encontrado, principalmente quando Vejamos os exemplos a seguir.
as equações que o constituíam eram relativamente sim-  ER 76 Determine o conjunto dos pontos de inter-

ples. Em coordenadas polares, devemos ter um pouco seção das curvas dadas a seguir:
mais de cuidado! Um ponto do plano possui um nú-
mero infinito de pares que o localiza. Sendo assim, (a) C1 : r = 4 cos(2θ) e C2 : r = 2;
pode acontecer que um ponto de interseção entre duas π
(b) C3 : 4 − 6 sen(2θ) e C4 : θ = − .
curvas, satisfaça uma equação com um par de coorde- 6
nadas e a uma outra com um outro par de coordenadas.
Solução: (a) Consideremos os conjuntos E (C1 ) =
Consequentemente, nenhum desses pares será uma
{r = 4 cos(2θ), r = −4 cos(2θ)} e E (C2 ) = {r = 2, r =
solução para o sistema formado pelas equações das
−2}, abrangentes de C1 e de C2 , respectivamente.
curvas envolvidas, ou seja, as coordenadas do ponto
Os possíveis sistemas de equações e suas soluções
de interseção das curvas devem satisfazer a todas as
são: 
equações do sistema.  r = 4 cos(2θ)
S1 :
Este problema é facilmente contornado se utilizarmos
 r = 2

as equações dos conjuntos abrangentes das curvas 1


Por substituição, 4 cos(2θ) = 2, ou seja, cos(2θ) = .
2
para formar todos os outros possíveis sistemas através
π π π
de uma combinação destas equações. As soluções en- Segue que, 2θ = ou 2θ = − , ou seja, θ =
3 3   6
π π
contradas constituem as coordenadas polares de todos ou θ = − . Logo, temos os pontos P1 2, e
 6 6
π
os pontos de interseção das curvas, exceto, possivel- P2 2, − .
6
mente, o polo. Devemos, ainda, verificar se cada uma 
 r = 4 cos(2θ)
dessas curvas passa pelo polo, determinando-se, por S2 :
 r = −2
fim, o conjunto de pontos de interseção. 
 r = −4 cos(2θ)
S3 :
O fato de conhecermos as curvas e suas propriedades  r = 2

poderá nos fornecer dados que, na maioria das vezes,  r = −4 cos(2θ)
S4 :
reduzem a necessidade da resolução de todos os sis-  r = −2
temas que podem ser formados com as equações dos  π
De modo análogo, obtemos as soluções P3 −2,
conjuntos abrangentes das curvas envolvidas. 3

75 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

   π  
2π 2π pois, E (C4 ) é um conjunto com infinitos elementos.
e P4 −2, , P5 2, e P6 2, e
  3   3 3
π π
P7 −2, e P8 −2, dos sistemas S2 , S3 e O procedimento usual é o de formar sistemas pela
6 6
S4 , respectivamente. combinação de apenas uma equação do conjunto

Cálculo e Geometria Analítica


abrangente com infinitos elementos, com as equa-
O polo não pertence ao conjunto solução do sistema
ções do conjunto abrangente com finitos elementos,
S , visto que a curva C : r = 2, não passa pelo polo.
esboçando-se, também, as curvas envolvidas.
Assim, o conjunto solução do sistema I é

Temos, então, os seguintes sistemas:


I = {P1 , P2 , P3 , P4 , P5 , P6 , P7 , P8 } .

 r = 4 − 6 sen(θ)
S1 :
 θ = −π
Poderíamos obter o conjunto solução I resolvendo- 6
se apenas um dos sistemas acima e utilizando-se 
 r = −4 − 6 sen(θ)
o nosso conhecimentos sobre as curvas envolvidas. S2 :
 θ = −π
De fato, a curva C1 é uma Rosácea de quatro péta- 6
las, cujo espaçamento entre as pétalas é dado por  π
π Por substituição em S1 , 4 − 6 sen − = 7.
e com uma das extremidades no ponto Q1 (4, 0). 6
2 
A curva C2 é um círculo de centro no polo e raio 2. π
Logo, temos P1 7, − .
6
Se, por exemplo, considerássemos os pontos obti- De modo análogo, resolvemos o sistema S2 : −4 −
 π  π
dos no sistema S1 , os outros pontos seriam facil- 6 sen − = −1. Daí, P2 −1, − .
6 6
mente determinados utilizando-se as simetrias da
Rosácea e do Círculo. Para r = 0, verificamos que as equações em C3 e C4
estão satisfeitas.
90◦
120◦ 60◦
◦ O conjunto de pontos de interseção é, portanto, I =
135 45◦ n  π  π o
150◦ 30◦
P1 7, − , P2 −1, − 
6 6

 ER 77 Determine as interseções entre as curvas


180◦
C1 : r = 3 e C2 : r = 6 cos(2θ).

Solução: Fixemos a equação C2 e determinemos o


210◦ 330◦
conjunto abrangente para C1 :
225◦ 315◦
240◦ 300◦
270 ◦ E (C1 ) = {(−1)k · r = 3; k ∈ Z} = {−3, 3}.

(b) Consideremos os conjuntos abrangentes


Resolvendo os sistemas:
 
E (C3 ) = {r = 4 − 6 sen(θ), r = −4 − 6 sen(θ)} e  r = 3  r = −3
e
 r = 6 cos(2θ)  r = 6 cos(2θ)

−(1 + 6n)π
 1
E (C4 ) = ;n ∈ Z , por substituição, obtém-se as equações cos(2θ) =
6 2
1 π
e cos(2θ) = − . Sendo assim, 2θ = ± + 2k π e
respectivamente. 2 3
2π π
2θ = ± +2k π, com k ∈ Z. Portanto, θ = ± +2k π
3 6
Aqui precisaremos de um pouco mais de cuidado,

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


76
Apontamentos

π
eθ=± + 2k π, com k ∈ Z. Gabarito
3 5π 7π 11π
163 (a) ; (b) ; (c) .
6 6 6
Vamos atribuir a n alguns valores inteiros para de- 164

terminar os pontos de interseção. 90◦


Cálculo e Geometria Analítica

120◦ 60◦
 N
π 135◦
R
45◦
Para n = 0 achamos os pontos P1 3, ,
 6
π  π  π 150◦ 30◦
P2 3, − , P3 −3, e P4 −3, − .
6 3 3 L
A
J
F E
  H M

Para n = 1 achamos os pontos P5 3, , 180◦ .
      6 I

5π 4π 2π
P6 3, − , P7 −3, e P8 −3, .
3 3 3 B
G C
K
210◦ 330◦
Para outros valores de n os pontos que serão obti-
225◦ 315◦
dos se igualam a um dos Pi , i ∈ {1, 2, . . . , 8}.
240◦ 300◦

270◦


165 R e F . 166 (b) P3 (1, 120◦ ), P3 (1, 480◦ ), P3 (−1, 300◦ ),
√ √ √
P4 ( 2, 45 ), P4 (− 2, −135◦ ), P4 (− 2, 225◦ ) (d) P2 .

167
√ !
3 3
5 se k é par e 1, se ímpar. . 168 . 169 P1 , −3 ;
2 2
√ √
P5 (0, 0); P7 (cos(3θ), sen(3θ)) . 170 (a) (455, 2 5
5 ) (b)
√ √
(−2, 2 3) . 171 P (2 3, 5π 6 ) . 172 (a) r = 1
sen(θ)+2 cos(θ)
; (b)
(r cos(θ) − 4)2 = r sen(θ) + 15; (c) r 2 − 2r (2 cos(θ) + sen(θ)) = −1 .
173 (a) x = 2; (b) y 2 = −4(x − 1); (c) x 2 + y 2 = 25 . 174 Isósceles
. 175 . 176 (a) P ∈/ C ; (b) P ∈ C ; (c) P ∈/ C ; (d) P ∈/ C . 177 (a)
Atividade √ √ √
x + 3y = 4; (b) x + y = 2; (c) y = 2; (d) y = − 3x . 178
4 = r cos θ − π3 . . 189 . 190 (a) r = 4 cos(2θ); (b) r = 3 + 2 sen(θ);


(c) r 2 = 4 sen(2θ); (d) r = 3 sen(5θ); (e) r 2 = −4 sen(2θ); (f)


r = 1 + 4 cos(θ) . 191 (a) V (b) F (c) V (d) V (e) F . 192 . 193 (a)
√ √
S = {(0, 0), (2 + 2, π/4), (2 − 2, 5π/4)}
(b) S = {(3, π/12), (3, 5π/12), (3, 13π/12), (3, 17π/12)} ∪
{(−3, 7π/12), (−3, 11π/12), (−3, 19π/12), (3, 23π/12)}
(c) S = {(0, 0), (4, π), (4/7, acos(5/7)(I Q)), (4/7, − acos(5/7)(I V Q))}
(d) S = {(−3, −11π/6), (−3, 7π/6)}.

EA 193 Determine as interseções das curvas C1

e C2 , analiticamente:


 C1 : r = 2(1 + cos(θ))
(a) π
 C2 : θ =
4

 C : r = 6 sen(2θ)
1
(b)
 C : r = −3
2

 C : r = 2(1 − cos(θ))
1
(c)
 C : r 2 = 16 cos(2θ)
2

 C : r = 4 − 2 sen(θ)
1
(d)
 C : r = −2 + 2 sen(θ)
2

77 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

Superfícies
Neste capítulo, estudaremos as superfícies. É impor- espaço, isto é,
tante observar que, de forma intuitiva, podemos dizer

Cálculo e Geometria Analítica


C = S1 ∩S2 = {(x , y , z ) ∈ R3 ; f (x , y , z ) = 0 e g (x , y , z ) = 0)}.
que os sólidos são objetos de dimensão 3 em R3 ou,
equivalentemente, os que possuem volume não nulo e
Assim, a equação dos pontos satisfazem ao sistema
as superfícies são objetos de dimensão 2 em R3 ou, 
 f (x , y , z ) = 0
equivalentemente, os que possuem área, mas tem es- .
 g (x , y , z ) = 0
pessura irrelevante. Estes conceitos e alguns outros
 ER 78 Uma reta que possui a direção do vetor
tratados aqui possuem definições mais rigorosas que
v = (1, 1, 1) e passa pela origem é a curva
não são objetivos do estudo aqui proposto e, por isso,

terão abordagem geométrica.  x = y
C1 : .
 z = y
O conjunto S de todos os pontos cujas coordena-

das retangulares satisfazem a uma equação da forma
f (x , y , z ) = 0 é denominado superfície, ou seja,  ER 79 Uma circunferência decentro na origem e
 x2 + y2 = 9
S = {(x , y , z ) ∈ R3 ; f (x , y , z ) = 0}. raio 3 no plano xy é a curva C2 : .
 z = 0

z
Por exemplo, a equa-
 ER 80 Uma parábola de vértice na origem, foco
ção
no ponto
 F (0, 1, 0) e situada no plano y z é a curva
2 2  z 2 = 4y
(x − 2) + (y − 3) = 1
C3 : . 
 x = 0
representa um cilin-
dro circular reto (ver y  ER 81 Uma hipérbole de centro no ponto
x b

figura). C (3, 2, 0), eixo focal paralelo ao Oz , compri-


Temos que ser cautelosos com esta definição. Ca- mento dos semi-eixos real e imaginário, respec-
tegoricamente, ela afirma que o conjunto dos pon- tivamente, iguais a a = 3 e 2, é a curva C4 :
 2 2
tos que descrevem uma superfície satisfaz uma rela-  z − (y − 2) = 1
9 4 . 

ção do tipo f (x , y , z ) = 0 e não que toda equação 


x = 3
do tipo f (x , y , z ) = 0 é uma superfície. Uma relação
f (x , y , z ) = 0 pode não representar uma superfície. Por
O traço de uma superfície é a curva obtida ao intercep-
exemplo, a equação x 2 + y 2 + z 2 = −1 não possui ponto
tarmos uma superfície com um plano.
que a satisfaça e, portanto, não representa lugar geo-
métrico algum. Já para x 2 + y 2 + 3z 2 = 0 existe um
Discussão e Esboço de uma Superfície
único ponto que a satisfaz, o ponto (0, 0, 0).

Da mesma maneira que para curvas planas, para cons-


Curvas no Espaço truirmos uma superfície é necessário fazermos antes a
discussão de sua equação de acordo com determinado
Sejam S1 e S2 duas superfícies de equações f (x , y , z ) =
itens que analisaremos aqui.
0 e g (x , y , z ) = 0, respectivamente. O conjunto C de
todos os pontos cujas coordenadas satisfazem, simul- Numa discussão do gráfico de uma superfície devemos
taneamente, às duas equações é denominada curva no considerar os seguintes itens:

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


78
Apontamentos

1. Interseções com os eixos coordenados; Prova: Seja A′ = (x , y2 , z2 ) o simétrico de

Seja S : f (x , y , z ) = 0 uma superfície. Então: A(x , y1 , z1 ) em relação ao eixo das abscissas


 Ox . Então, o ponto médio do segmento AA ¯′é
 S ∩ Ox : y = z = 0 ⇒ f (x , 0, 0) = 0


  
x + x y1 + y2 z1 + z2
Cálculo e Geometria Analítica

S ∩ Oy : x = z = 0 ⇒ f (0, y , 0) = 0 . M (x , 0, 0) = , ,

 2 2 2

 S ∩ Oz : x = y = 0 ⇒ f (0, 0, z ) = 0
⇔ y1 = −y2 ; z1 = −z2 .
2. Traços sobre os planos coordenados;
Os outros casos são provados de forma aná-
Seja S : f (x , y , z ) = 0 uma superfície. Então:
 loga.


 S ∩ xy : z = 0 ⇒ f (x , y , 0) = 0

S ∩ xz : y = 0 ⇒ f (x , 0, z ) = 0 . Teorema 13 Seja S : f (x , y , z ) = 0 uma superfí-



 S ∩ y z : x = 0 ⇒ f (0, y , z ) = 0 cie. Então, S é simétrica em relação ao plano
xy se f (x , y , z ) = f (x , y , −z ); ao plano xz se
3. Simetria em relação à origem, eixos ou planos co-
f (x , y , z ) = f (x , −y , z ) e em relação ao plano
ordenados;
y z se f (x , y , z ) = f (−x , y , z ). Prova: Seja

Um ponto P é simétrico a P em relação a: A′ = (x , y , z2 ) o simétrico de A(x , y , z1 ) em rela-
⋄ um ponto Q se a relação é P ′ = Q + PQ é ção ao plano xy . Então, o ponto médio do seg-
satisfeita. ¯′é
mento AA
 
⋄ uma reta r se a relação é P ′ = Q +PQ, Q ∈ x + x y + y z1 + z2
M (x , y , 0) = , ,
2 2 2
R, é satisfeita.
⇔ z1 = −z2 .
⋄ um plano π se a relação P ′ = Q + PQ, Q ∈
π é satisfeita.
Os outros casos são provados de forma análoga.
Fizemos que uma superfície S é simétrica em rela-
4. Seções planas paralelas aos planos coordenados;
ção a um ponto, reta ou plano, se cada ponto de S
possui um simétrico em S em relação a um ponto, Uma boa ideia do aspecto desta superfície é

reta ou plano. obtida a partir da natureza de suas seções planas.


Tais seções podem ser convenientemente determi-
Teorema 11 Seja S : f (x , y , z ) = 0 uma super- nadas por uma série de planos secantes paralelos
fície. Então, S é simétrica em relação à origem a um plano coordenado.
se f (x , y , z ) = f (−x , −y , −z ). Por exemplo, planos paralelos ao plano xy perten-
Prova: Seja Q = (0, 0, 0) a origem do sistema cem à família cuja equação é z = k , onde k é uma
Oxy z . P ′ (a, b , c ) ∈ S é simétrico de P (x , y , z ) ∈ constante arbitrária ou parâmetro. Então a par-

S se P = Q + PQ, ou seja, (a, b , c ) = (0, 0, 0) + tir da equação da superfície temos f (x , y , z ) = 0,
(−x , −y , −z ) ⇒ a = −x , b = −y e c = −z . z = k , como as equações da curva de interseção
para cada valor atribuído a k correspondente a um
definido plano secante, e essa curva encontra-se
Teorema 12 Seja S : f (x , y , z ) = 0 uma superfí- no plano z = k e sua natureza pode ser determi-
cie. Então, S é simétrica em relação ao eixo das nada pelos métodos da geometria analítica plana.
abscissas se f (x , y , z ) = f (x , −y , −z ); das orde-
5. Extensão.
nadas se f (x , y , z ) = f (−x , y , −z ) e em relação
Se a equação de uma superfície é dada na
ao eixo das cotas se f (x , y , z ) = f (−x , −y , z ).
forma f (x , y , z ) = 0 tentamos resolvê-la para uma

79 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

das variáveis em função da outra. Uma tal solu-


ção para z em função de x e y pode ser escrita na
Translação de Eixos Coordenados
forma explícita z = F (x , y ). Essa úúltima equação
nos possibilita obter intervalos de valores reais que

Cálculo e Geometria Analítica


Consideremos os sistemas coordenados Oxy z e
as variáveis podem assumir. Esta informação é útil
O ′ x ′ y ′ z ′ , onde o segundo é obtido através de uma
na determinação da locação geral da superfície no
translação do primeiro, de modo que as coordenadas
espaço coordenado; também indica se a superfície
de O ′ , em relação ao sistema Oxy z é (x0 , y0 , z0 ).
é fechada ou de extensão indefinida. Análogo para
z′
as variáveis x e y . z

z
Atividades z′ P
b

EA 194 Considere a superfície S : x 2 − 2y 2 + xz −


O′ y′
4z + 6 = 0. x′
b
y′

x
O y y
x
(a) Determine uma equação da superfície simé- x
Então, as equações de transformação entre os dois sis-
trica de S em relação ao eixo x .
temas são: 
(b) Verifique se S é simétrica em relação ao plano 

 x′ = x − x0

yz. y′ = y − y0



 z′ = z − z0
(c) Determine e identifique a interseção de S com
o plano: α : x = 2; β : z = 4.
As equações de translação são muito úteis, principal-
mente, para o esboço de curvas e de superfícies.

EA 195 Esboce o gráfico de cada uma das super- Quádricas


fícies.
Uma superfície quádrica ou simplesmente quádrica é

(a) S : 16x 2 + 9y 2 + 4z 2 − 144 = 0 um conjunto de pontos do espaço tridimensional, cujas


coordenadas cartesianas satisfazem a equação
(b) S : (x − 2)2 − 2y = 0
ax 2 + by 2 + cz 2 + dxy + exz + f y z + g x + hy + iz + j = 0,
2 2 2
(c) S : 4x − 9(y − 2) + 4z = 0
(54)
2 2 2
(d) S : x + y + z + 8x + 4y − 6z + 13 = 0 de grau dois, no máximo, a três variáveis, em que pelo
menos um dos coeficientes do termo de grau dois é
(e) S : 36x 2 − 16y 2 − 9z 2 − 144 = 0
diferente de zero, ou seja, a, b , c , d , e ou f é diferente
2 2
(f) S : 9y − x − 9 = 0 de zero.

(g) S : 4y 2 + 9z 2 − 36y = 0 Se o termo independente j da equação (54) for igual a

(h) S : 4y 2 − 9x 2 − 36z = 0 zero, a quádrica passa pela origem.

(i) S : 9x 2 − 4y 2 + 36z 2 − 36x − 8y − 72z + 32 = 0


R A interseção de uma quádrica com os planos
coordenados ou planos paralelos a eles, re-
sulta em uma cônica. Por exemplo, o traço ob-
tido pela quádrica (54) e pelo plano z = 0 é

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


80
Apontamentos

uma cônica contida neste plano (ver equação 4. se dois coeficientes são negativos e um positivo
2 2
geral das cônicas) ax + by + dxy + g x + hy + então o lugar geométrico é um hiperbolóide de
j = 0.
duas folhas;
Cálculo e Geometria Analítica

Por uma transformação de coordenadas podemos re- Superfície Esférica


duzir a equação (54) da superfície quádrica em:
Dados um ponto C ∈ R3 e um número real r positivo e
Ax 2 + By 2 + C z 2 = R (55) não nulo, a superfície esférica S de centro em C e raio r
Ax 2 + By 2 + C z = 0 (56) é o lugar geométrico dos pontos do espaço que distam

Ax 2 + By + C z 2 = 0 (57) r de C .

Ax + By 2 + C z 2 = 0 (58) Assim, pondo P (x , y , z ) e C (x0 , y0 , z0 ) temos que P ∈ S


se, e somente se, d (P , C ) = r , ou seja,
As quádricas das em (55) são as quádricas com centro,
(x − x0 )2 + (y − y0 )2 + (z − z0 )2 = r 2 , (60)
e as dadas em (56), (57) e (58) são as quádricas sem
a equação reduzida da esfera.
centro.

Desenvolvendo-se os quadrados na equação (60), te-


Constituem as superfícies quádricas mais conhecidas:
mos:
as Esferas, os Parabolóides, as Elipsóides, os Hiperbo-
lóides, os Cilindros e os Cones. São exemplos de quá- x 2 + y 2 + z 2 − 2x0 x − 2y0 y − 2z0 z + x02 + y02 + z02 − r 2 = 0
dricas, também, pares de planos, pontos ou o conjunto
que podemos escrever
vazio. Estes podem ser representados por (54).
x 2 + y 2 + z 2 + ax + by + cz + d = 0, {a, b , c , d } ∈ R.

Quádricas com Centro a equação geral da esfera.

A quádrica dada por (55) com A · B · C · R 6= 0 pode ter Observe que as equações gerais de duas esferas con-

sua equação transformada em: cêntricas diferem apenas no termo independente e que
os coeficientes na equação (60) são todos iguais a 1.
x2 y2 z2
± 2 ± 2 ± 2 =1 (59)  ER 82 Determine a equação da superfície esfé-
a b c
rica cujo um dos diâmetros possui extremidades nos
e é denominada forma canônica da quádrica com cen-
pontos A(1, −3, 2) e B (3, −1, 2)
tro.
Solução: O centro da superfície é o ponto médio do
A depender do número de coeficientes positivos e ne-
segmento AB , ou seja, C (2, −2, 2) e o raio a metade
gativos na equação (59) temos que:
da distância
entre os pontos A e B , ou seja, r =
AB
2 = |(1, 1, 0)| = 2. Assim, a equação de S é

1. se os três coeficientes são negativos então não
(x − 2)2 + (y + 2)2 + (z − 2)2 = 2. 

existe lugar geométrico;


 ER 83 Determine a equação da superfície esfé-
2. se os três coeficientes são positivos então o lugar
rica cujo centro pertence à reta s : x − 2 = 2y = z
geométrico é um elipsóide;
e é tangente aos planos π1 : −x + 2z + 1 = 0 e
π2 : x + 2y − 2 = 0.
3. se dois coeficientes são positivos e um negativo
então o lugar geométrico é um hiperbolóide de uma
Solução: Como o centro da superfície pertence
folha;

81 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

à reta s , podemos escrever C (z + 2, z /2, z ), para Elipsóide

algum z ∈ R. A medida do raio e as coorde-


Uma elipsoide é um conjunto de pontos cujas coorde-
nadas do centro são obtidas resolvendo-se as se-
nadas em algum sistema satisfaz a equação
guintes equações r = d (C , π1 ) = d (C , π2 ). O

Cálculo e Geometria Analítica


conjunto solução das coordenadas do centro é x2 y2 z2
+ + = 1. (61)
a2 b2 c2
{(7/3, 1/6, 1/3), (1,
√ −1/2,
√ −1)} enquanto que a me-
2 5 2 5 nos quais a, b e c representam números reais positivos
dida do raio é { , }. Logo, as equações das
15 5 e não nulos.
superfícies esféricas são:
z
S1 : (x − 7/3)2 + (y − 1/6)2 + (z − 1/3)2 = 4/45
S2 : (x − 1)2 + (y + 1/2)2 + (z + 1)2 = 4/5.

 ER 84 Determine as coordenadas do centro e o


x y
raio da superfície esférica de equação: −2x 2 − 2y 2 −
2z 2 + 8x + 12y − 4z + 22 = 0.
A Elipsóide de equação (61) é simétrica em relação
Solução: Dividindo-se a equação por −2 obtemos: à origem, aos eixos coordenados x , y e z e aos pla-
x 2 + y 2 + z 2 − 4x + −6y + 2z = 11. Completando-se o nos coordenados xy , xz e y z do sistema cartesiano
quadrado, obteremos: (x − 2)2 + (y − 3)2 + (z + 1)2 = tridimensional. Este fato se deve a que os pontos
25. Logo (2, 3, −1) é o centro das superfície esférica (x , y , z ), (x , −y , −z ), (−x , y , −z ), (−x , −y , z ), (x , y , −z ),
e 5 é o comprimento do raio. 
(x , −y , z ) e (−x , y , z ) satisfazem, respectivamente, esta
equação.
Plano Tangente à Superfície Esférica
As interseções da Elipsóide de equação (61) com o
Seja S uma superfície esférica e π um plano tal que S ∩ plano
π = {T }, onde T é um ponto de tangência. Devemos
⋄ z = k , tal que |k | < c , é uma elipse de equação
notar que C T é normal a π e que d (C , T ) = r = |CT|.
x2 y2
 2
+   = 1, z = k .
2
k 2
k2
Plano Secante à Superfície Esférica a 1− 2 b 1− 2
c c

Seja S : x 2 + y 2 + z 2 + ax + by + cz + d = 0 uma ⋄ y = k , tal que |k | < b , é uma elipse de equação


superfície esférica de centro em C e raio r e π : mx + x2 z2
 2
+   = 1, y = k .
ny + pz + q = 0 um plano tal que S ∩ π = {ξ}, onde ξ é 2
k 2
k2
a 1− 2 c 1− 2
uma circunferência de centro em C ′ e raio r ′ . Devemos b b

notar que
⋄ x = k , tal que |k | < a, é uma elipse de equação

 x 2 + y 2 + z 2 + ax + by + cz + d = 0 y2 z2
 2
+   = 1, x = k .
1. ξ :
2
k 2
k2
 mx + ny + pz + q = 0 b 1− 2 c 1− 2
a a
2. a reta s , que passa pelos pontos C e C ′ ,
é uma reta normal ao plano π; Observe que os comprimentos dos eixos da Elipse di-
minuem à medida que os valores de |k | aumentam e
3. C ′ = s ∩ π;
que, se a = b = c , o elipsóide é uma esfera de raio
′2 2 ′ 2 ′2 2 2
4. r = r − (d (C , C )) ou r = r − (d (C , π)) ; r = a.

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


82
Apontamentos

Hiperbolóide O Hiperbolóide de duas folhas é


um conjunto de pontos que satisfaz a
Classificamos os Hiperbolóides em Hiperbolóide de uma das seguintes equações
uma folha e de duas folhas.
x2 y2 z2
Cálculo e Geometria Analítica

− − + = 1, (65)
a2 b2 c2
2 2 2
Hiperbolóide de uma folha x y z
2
− 2 − 2 = 1, (66)
a b c
x2 y2 z2
− 2 + 2 − 2 = 1, (67)
a b c
O Hiperbolóide de uma folha é um
em que a, b e c são números reais po-
conjunto de pontos que satisfaz a uma
sitivos.
das seguintes equações
Observe que o Hiperbolóide de duas folhas de equa-
x2 y2 z2
+ − = 1, (62) ção (66) é simétrico em relação aos eixos e aos planos
a2 b2 c2
x 2
y 2
z 2 coordenados e à origem (verifique!).
2
− 2 + 2 = 1, (63)
a b c
x2 y2 z2 O plano z = k , para |k | > c , intercepta o Hiperbolóide
− 2 + 2 + 2 = 1, (64)
a b c de duas folhas de equação (66) segundo a elipse de
em que a, b e c são números reais po- equação
sitivos. x2 y2
  +   = 1, z = k .
Observe que o Hiperbolóide de uma folha de equação k2 k2
a2 − 1 b 2 − 1
(63) é simétrico em relação aos eixos e aos planos co- c2 c2

ordenados e à origem (verifique!).


O plano y = k intercepta o Hiperbolóide de duas folhas
O plano z = k intercepta o Hiperbolóide de uma folha de equação (66) segundo uma hipérbole de equação
de equação (63) segundo a elipse de equação x2 z2
−  2
+  2  = 1, y = k .
x2 y2 k k
 +   = 1, z = k . a2 +1 c 2 +1
k 2
k2 b2 b2
2
a 1+ 2 2
b 1+ 2
c c
k
Se 6= 1, então a interseção é uma Hipérbole, caso
Observe que os eixos da elipse crescem à medida que b
contrário, a interseção é um par de retas concorrentes
o valor absoluto |k | aumenta.

O plano y = k intercepta o Hiperbolóide de uma folha O plano x = k intercepta o Hiperbolóide de duas folhas
de equação (66) segundo uma elipse de equação
de equação (63) segundo a elipse de equação
 
x2 z2 k2 y2 z2
− = 1 − 1 + , y = k . −  2 +  2  = 1, y = k .
a2 c2 b2 2
k 2
k
b + 1 c + 1

k a2 a2
Se 6= 1, então a interseção é uma Hipérbole, caso

b
contrário, a interseção é um par de retas concorrentes Atividades
EA 196 Determinar o centro
O plano x = k intercepta o Hiperbolóide de uma folha e
 o raio das circunferências ξ1 :
 x 2 + y 2 + z 2 − 2x − 2y + 4z − 3 = 0
de equação (63) segundo a elipse de equação
  e
y2 z2 k2  6x − 5y + 2z + 3 = 0
− 2 = 1 − 1 + 2 , x = k. 
b2 c a  x 2 + y 2 + z 2 − 6x + 4y − 2z − 86 = 0
ξ2 :
 2x − 2y − z + 9 = 0
Hiperbolóide de Duas Folhas

83 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

EA 197 Determine as equações dos planos tan- (0, 1, −3) + h(0, 2, 1), h ∈ R.
2 2 2
gentes à superfície esférica (x −1) +(y −2) + z = 1
que são paralelos ao plano 2x + y − z = 0.

EA 198 Seja S uma superfície esférica de equa- EA 203 Os pontos A(2; −3; −5) e B (4; 1; −3) são

Cálculo e Geometria Analítica


ção x 2 + y 2 + z 2 + 3x − 7y + 4z − 3 = 0. Verifique a extremidades de um diâmetro de uma superfície es-
posição relativa dos pontos dados a seguir em rela- férica. Ache sua equação.
ção a S (interior, exterior ou sobre S ).

Quádricas sem Centro


(a) O (0, 0, 0) (b) P (1, 5, 2) (c) Q (1, 1, 1) (d) R (0, 2, 1)

EA 199 Determinar o raio e as coordenadas do Já as equações em (56), (57) e (58), com ABC 6= 0,
centro do círculo que se obtém seccionando a su- podem ser transformadas em
2 2 2
perfície esférica x + y + z = 16 com um plano x2 y2
± ± 2 = cz (68)
π : x + y + z − 1 = 0. a2 b
x2 z2
± 2 ± 2 = by (69)
EA 200 Dada a esfera S : x 2 + y 2 + z 2 − 4x − 2y − a c
y2 z2
11 = 0. Encontre o seu centro e seu raio. ± 2± 2 = ax (70)
b c
EA 201 Verifique se as equações dadas são equa-
e são denominadas de formas canônicas de quádricas
ções de superfícies esféricas. Caso afirmativo, dê o
sem centro.
centro e o raio.
Conforme os termos de 2◦ grau apresentem coeficien-

(a) x 2 + y 2 + z 2 − 2x + 2y = 0 tes com o mesmo sinal ou sinais contrários, temos os


paraboloides elípticos e os paraboloides hiperbólicos,
(b) 2x 2 + 2y 2 + 2z 2 − 6x + 2y − 4z + 7 = 0
respectivamente.

Observe que em todas as deduções consideramos


os coeficientes das equações em (55-58) não nulos.
EA 202 Determine as equações das superfícies
Quando um ou mais coeficientes nestas equações é
esféricas definidas pelas seguintes condições:
zero, a superfície correspondente, caso exista, pode
ser cilíndrica, cônica ou uma superfície degenerada (ex:
(a) centro no ponto C (−4, 2, 3) e é tangente ao
planos, retas, ponto).
plano π : 2x − y − 2z + 7 = 0;

(b) o segmento que une A(6, 2, −5) e B (−4, 0, 7) é Parabolóides


o diâmetro;
Parabolóide Elíptico
(c) centro na interseção de S : x 2 = 4(z − 1) com o
eixo Oz e é tangente à reta r : x = 2y = z − 2; Um Parabolóide Elíptico é um conjunto de pontos que

 x = −2 satisfaz a uma das seguintes equações:
(d) centro na reta r : e é tangente z
 y = 0
aos planos α : x − 2z − 8 = 0 e β : 2x − z + 5 = 0;
 x2 y2
 y −2 = 0 cz = + , (71)
a2 b2
(e) centro na reta s : e é tangente
 z = 0 x2 z2
√ by = 2 + 2 , (72)
a c
ao plano α : x + y − 3z + 3 = 0 e à reta r : x =
y2 z2
y ax = 2 + 2 . (73)
x b c

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


84
Apontamentos

⋄ y = k é uma parábola de equação x 2


em que a, b e c são números reais, sendo a e b positivos =
k2
em (72), a e c positivos em (73) e b e c positivos em a2 c z + 2 , y = k .
cb
(73).
⋄ x = k é uma parábola de equação y 2 =
k2
Cálculo e Geometria Analítica

Observe que o Parabolóide Elíptico de equação (72) é −b 2 c z − 2 , x = k .


ca
simétrico em relação ao eixo z e aos planos xz e y z
(verifique!).
R Revido ao formato do seu gráfico, o Parabo-

As interseções do Parabolóide Elíptico de equação (72) lóide Hiperbólico também é conhecido como
sela.
com o plano:

⋄ z = k , tal que ck > 0, é uma Elipse de equação


O estudo das interseções e das simetrias para as equa-
x2 y2
+ = 1, z = k .
cka2 ckb 2 ções (75) e (76) deve ser feito pelo leitor.

⋄ y = k é uma parábola de equação x 2 =


k2 Superfícies Cilíndricas
a2 c z − 2 , y = k .
cb

⋄ x = k é uma parábola de equação y 2 = Uma superfície cilíndrica é a superfície gerada por uma
k2 reta (geratriz) que se move de maneira que é sempre
b2 c z − 2 , x = k .
ca
paralela a uma reta r fixa e passe sempre por uma

Parabolóide Hiperbólico curva C (diretriz) fixa dada.

Para encontrarmos uma equação de uma superfície


cilíndrica devemos estabelecer uma relação entre os
Um Parabolóide Hiperbólico é um conjunto de pontos pontos arbitrários P (x , y , z ) da superfície e Q (a, b , c ),
que satisfaz a uma das seguintes equações projeção de P na diretriz. Esta relação é obtida pelo

x2 y2 paralelismo entre os vetores QP e o diretor da reta fixa


cz = − , (74)
a2 b2 dada.
x2 z2
by = 2 − 2 , (75)
a c Por exemplo, consideremos a geratriz C : f (x , y ) =
y2 z2
ax = 2 − 2 . (76) 0; z = 0 de uma superfície cilíndrica S , v = (m, n, p ) o
b c
vetor diretor de uma geratriz de S , P (x , y , z ) um ponto
em que a, b e c são números reais, sendo a e b , a e c e
arbitrário de S e Q (a, b , c ) ∈ C a projeção de P sobre a
b e c , estritamente positivos em, respectivamente, (74),
diretriz C . Portanto,
(75) e (76).

QP = λv, λ ∈ R.
Observe que o Parabolóide Hiperbólico de equação
(74) é simétrico em relação ao eixo z e aos planos xz e
y z (verifique!). Segue que as equações das geratrizes são: (x − a, y −
b , z − c ) = λ(m, n, p ). Assim
As interseções do Parabolóide Hiperbólico de equação 

 a = x − λm
(74) com o plano: 

b = y − λn .
x2 


⋄ z = k, k =6 0, é uma hipérbole de equação −  c = z − λp
cka2
2
y
= 1, z = k . Quando z = 0 temos um par de retas Como Q ∈ C , f (a, b ) = 0; c = 0. Isto resulta em uma
ckb 2
b
cujas equações são y = ± x . equação da superfície cilíndrica procurada.
a

85 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

 ER 85 Determine a equação da superfície cilín- Solução: Fazendo-se z = 0, obtemos a curva de


2
drica cuja diretriz é parábola C : x = 4y ; z = 0 e equação −3x 2 + 3y 2 = 27, candidata a diretriz no
cuja geratriz tem parâmetros diretores v = (1, 1, 3). plano xy .

Cálculo e Geometria Analítica


Solução: Tomemos P (x , y , z ) um ponto arbitrário da Em seguida, substituindo-se x por x − αz e y por
superfície S e Q (a, b , c ) um ponto arbitrário da curva y − β z nesta úúltima equação obtemos
C tal que Q é a projeção de P em C . Logo, QP = λv,
−3(x − αz )2 + 3(y − β z )2
ou seja, (x − a, y − b , z − c ) = λ(1, 1, 3). Desta forma,
 = −3x 2 + 3y 2 + 6αxz − 6β y z + (−3α2 + 3β 2 )z 2 = 27.


 a = x −λ
 Comparando-se com a equação da superfície obte-
b = y −λ . 1 −2


 mos que α = e β = .
 c = z − 3λ 3 3
Conclusão: a superfície é cilíndrica,
 com retas ge-
Como Q ∈ C , 1 −2
ratrizes paralelas ao vetor v = ; 1; e com
  3 3
 a 2 = 4b  (x − λ)2 = 4(y − λ) curva diretriz −3x 2 + 3y 2 = 27. 


 c = 0  z − 3λ = 0
Teorema 14 S é uma superfície cilíndrica reta, cuja
z
Assim, λ = e 9x 2 + z 2 − 6xz − 36y − 12z = 0 é uma
3 geratriz é perpendicular ao plano coordenado que
equação da superfície procurada. 
contém a diretriz se, e somente se, a sua equação é
desprovida da variável não medida no referido plano.
Proposição 9 Considere uma superfície cilíndrica. Além disso, a equação de S é a equação da sua di-
retriz.
(a) Se a sua curva diretriz está no plano xy com
equação f (x , y ) = 0 e as retas geratrizes são pa-
Prova: Suponha P (x , y , z ) sobre a superfície cilíndrica
ralelas ao vetor v = (a, b , 1), então a sua equa-
S tendo C : f (x , y ) = 0; z = 0 por diretriz e de geratrizes
ção é:
paralelas ao eixo das cotas Oz . Então, por construção,
f (x − az , y − bz ) = 0.
a projeção Q (a, b , c ) de P na direção do eixo Oz cai
(b) Se a sua curva diretriz está no plano xz com sobre C , satisfazendo a f (x , y ) = 0; z = 0. Portanto,
equação f (x , z ) = 0 e as retas geratrizes são pa- f (x , y ) = 0.
ralelas ao vetor v = (a, 1, c ), então a sua equa-
Reciprocamente, se P (x , y , z ) é tal que f (x , y ) = 0, isso
ção é:
indica que P se projeta paralelamente ao eixo Oz no
f (x − ay , z − cy ) = 0.
plano xy em um ponto de C . Logo, por construção de
(c) Se a sua curva diretriz está no plano y z com S, P ∈ S. 
equação f (y , z ) = 0 e as retas geratrizes são pa-
ralelas ao vetor v = (1, b , c ), então a sua equa-
R Uma superfície cilíndrica é quádrica quando
ção é:
sua equação cartesiana f (x , y ) = 0 (f (x , z ) =
f (y − bx , z − cx ) = 0. 0 ou f (y , z ) = 0) é a mesma equação de uma
cônica no plano xy (xz ou y z ). O Cilindro pode
 ER 86 Mostrar que a superfície de equação ainda ser batizado de Elíptico, Hiperbólico ou
−3x 2 + 3y 2 + 2xz + 4y z + z 2 = 27 é uma superfí- Parabólico, conforme a cônica mencionada.

cie cilíndrica.

Exercícios Propostos

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


86
Apontamentos

EA 204 Determine, em cada item, uma equação Superfícies de Revolução


da superfície cilíndrica, de diretriz C , cujas geratri-
zes são paralelas a reta r . Esboce as superfícies. Uma superfície gerada pela rotação de uma curva
plana (geratriz) em torno de uma reta fixa dada (eixo
Cálculo e Geometria Analítica


 x 2 − 4y 2 − 4 = 0 de revolução) é chamada de superfície de revolução.
(a) C : e r : (x , y , z ) =
 z = 0
Qualquer posição da geratriz é chamada seção meridi-
(1, 0, 2) + t (0, 0, 1), t ∈ R;
 ana e cada circunferência descrita por um ponto sobre
 9z 2 + 4x 2 = 36
(b) C : e r : (x , y , z ) = a geratriz é denominada paralelo da superfície.
 y = 0
(0, 2, 0) + t (0, 10), t ∈ R; Um exemplo já visto no estudo de geografia é o da su-

 y 2 = 4(z − 4) = 0 perfície terrestre que é considerada, aproximadamente,
(c) C : er : x = 1−y =
 x = 0 uma superfície esférica, e assim, pode ser obtida ao gi-
z − 2; rarmos um semicírculo em torno do diâmetro.

 4x 2 + z 2 + 4z + y 2 = 0
(d) C : e r :
 y = 0 Equação da Superfície de Revolução
(x , y , z ) = (0, 1, 2) + t (4, 1, 1), t ∈ R;
 Seja S uma superfície obtida ao girarmos uma curva
 x = 3 −x y z −1 
(e) C : er : = = .  f (x , y , z ) = 0
 z = 0 3 4 2 G: (geratriz)
 h(x , y , z ) = 0

em torno da reta r : (x , y , z ) = (x0 , y0 , z0 ) + t (a, b , c ), t ∈


EA 205 Dada a superfície cilíndrica S , determine R. Se consideramos G como sendo uma curva em um
em cada item, uma equação da diretriz e a direção dos planos coordenados e r como sendo um dos eixos
da geratriz. Esboce as superfícies. coordenados contido no mesmo plano que contém S ,
teremos 6 casos a analisar:
(a) S : (x − 4)2 + 4(y + 3)2 − 16 = 0 (b) S : y 2 − 4y −
4z − 4 = 0 1 Caso. Sejam G = {(x , y , z ) ∈ R3 ; f (y , z ) = 0 e x =
0} a geratriz da superfície de revolução S1 contida no
EA 206 Determine a equação da superfície cilín-
plano y z , P (x , y , z ) ∈ S1 um ponto qualquer e Oz o eixo
drica cuja diretriz é parábola C : x 2 = 4y ; z = 0 e
de revolução.
cujas geratrizes são paralelas ao eixo das cotas.

EA 207 Esboce a superfície S de equação x 2 + O paralelo passando por P intercepta G num ponto
z 2 = 4. P ′ (x ′ , y ′ , z ′ ).

EA 208 Considere as superfícies S1 : (x 2 + y 2 + É claro que z = z ′ (I ).

2z 2 )2 = 4(x 2 + y 2 ) e S2 : (x 2 + y 2 )2 − 4x 2 + 4y 2 = 0. O centro desse paralelo é C (0, 0, z ) e P ′ (0, y ′ , z ).


Como P e P ′ estão numa mesma circunferência temos

(a) Mostre que as superfícies são cilíndricas e de- que d (P , C ) = d (P ′ , C ), ou seja,


p
termine a equação da geratriz. (x − 0)2 + (y − 0)2 + (z − z )2
p
= (0 − 0)2 + (y ′ − 0)2 + (z − z )2 .
(b) Esboce as superfícies. p
Segue que y ′ = ± x 2 + y 2 (I I ).

Como P ′ ∈ G ,

 f (y ′ , z ′ ) = 0
(I I I )
 x′ = 0

87 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

Usando as equações (I ), (I I ) e (I I I ), obtemos: 1. Determinar o plano e o tipo da equação da diretriz;


p
S1 : f (± x 2 + y 2 , z ) = 0. 2. Determinar o eixo de revolução;

2 Caso. Sejam G = {(x , y , z ) ∈ R3 ; f (y , z ) = 0 e x = 3. Observar qual a variável que não está sendo utili-

Cálculo e Geometria Analítica


0} a geratriz da superfície de revolução S1 contida no zada na equação da geratriz;
plano y z , P (x , y , z ) ∈ S1 um ponto qualquer e Oy o eixo
4. Observar qual variável do eixo que não pode ser o
de revolução. Mostra-se, de maneira análoga, ao que
eixo de rotação;
foi feito no item anterior que
p 5. substituir na 1a equação da geratriz a variável do
S2 : f (y , ± x 2 + z 2 ) = 0.
item 4 por ± a raiz quadrada da soma dos quadra-
dos da própria e da variável do 3◦ item.
Podemos resumir todos os seis casos na seguinte ta-
bela:  ER 87 Determinar uma equação da superfície

de revolução gerada pela rotação da curva C :



Planos das geratrizes  x 2 − 2z 2 = 1
xy em torno do eixo-x .
  y = 0
 f (x , y ) = 0
G Solução: Plano: xz e eixo de rotação: Ox . Assim:
 z = 0 p p
z → ± y 2 + z 2 . Logo, x 2 − 2(± y 2 + z 2 )2 = 1,
ER Ox Oy
ou seja, x 2 − 2y 2 − 2z 2 = 1. O traço obtido ao in-
y x
terceptarmos a superfície com o plano xz é a hipér-
Subst ↓ ↓
p √ bole x 2 − 2z 2 = 1, de centro em C (0, 0, 0), eixo focal
± y2 + z2 ± x2 + z2
sobre o eixo das abscissas, comprimento dos eixos

Planos das geratrizes real (2a) e imaginário 2b iguais a, respectivamente,



xz 2 e 2. 


 f (x , z ) = 0
 ER 88 Determinar uma equação da superfície
G
 y = 0 de revolução gerada pela rotação da curva C :

 x 2 − 2z 2 = 1
ER Ox Oz em torno do eixo-z .
 y = 0
z x
Subst ↓ ↓ Solução: Plano: xz e eixo de rotação: Oz . Assim:
p p p p
± y2 + z2 ± x2 + y2 x → ± x 2 + y 2 . Logo, (± x 2 + y 2 )2 − 2z 2 = 1, ou
seja, x 2 + y 2 − 2z 2 = 1.
Planos das geratrizes
O traço obtido ao interceptarmos a superfície com
yz
 o plano xz é a hipérbole x 2 − 2z 2 = 1, de centro
 f (y , z ) = 0
G em C (0, 0, 0), eixo focal sobre o eixo das abscis-
 x = 0
sas, comprimento dos eixos real (2a) e imaginário
ER Oy Oz √
2b iguais a, respectivamente, 2 e 2. Ao rotacionar-
z y mos em torno do eixo Oz obtemos uma hiperboloide
Subst ↓ ↓ de uma folha. 
√ p
± x2 + z2 ± x2 + y2
 ER 89 Mostre que a equação x 2 + y 2 − 2z 2 = 0
representa uma superfície de revolução; determine
Assim, para determinarmos uma equação da superfície
seu eixo de revolução e as equações de uma das
de revolução devemos:

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


88
Apontamentos


geratrizes num plano contendo o eixo.  y −2 = 0
 x −1 = 0
Solução: Mostraremos, inicialmente, que as inter-
 
seções das superfícies com os planos perpendicu-  x −2 = 0  x −4 = 0
(f) C : Eixo s :
Cálculo e Geometria Analítica

lares ao eixo de revolução são circunferências cujos  y +3 = 0  y +3 = 0


centros se encontram sobre o referido eixo.
Os planos z = k interceptam a superfície em circun-
EA 210 Mostre, em cada um dos itens abaixo, que
ferências: 
 x2 + y2 = 2k 2 a equação dada representa uma superfície de revo-
 z = k lução, e determine seu eixo de revolução e as equa-
√ ções de uma das geratrizes num plano contendo o
de centro em C (0, 0, k ) e raio 2k .
eixo. Esboce a superfície.
Logo, a equação representa uma superfície de revo-
lução cujo eixo de revolução é o eixo Oz .
(a) S : x 2 + y 2 − 2z 2 = 0
O eixo Oz se encontra no plano xz ou no plano y z .

 x = ±√2z
 
 x 2 − 2z 2 = 0 (b) S : 2x 2 + 2z 2 − y − 8 = 0
S ∩ xz ⇒ ∴
 y = 0  y = 0
(c) S : e 2x − y 2 − z 2 = 0
  √
 y 2 − 2z 2 = 0  y = ± 2z (d) S : x 2 y + z 2 y − 1 = 0
S ∩ yz ⇒ ∴
 x = 0  x = 0
(e) S : (x − 1)2 − 5(y − 3)2 − 5(z + 2)2 − 25 = 0


(f) S : 4(x − 2)2 + (y − 4)2 + 4(z + 1)2 − 16 = 0


Atividades
EA 209 Em cada um dos seguintes itens, deter-
mine uma equação da superfície de revolução, ge-
rada pela rotação da curva C , em torno do eixo es-
pecificado. Esboce a superfície. Integrais Duplas

 x 2 − 2z 2 = 1 Definição e Integrabilidade
(a) C : Eixo x
 y = 0
 Conjuntos Enumeráveis
 x 2 − 2z 2 = 1
(b) C : Eixo z
 y = 0 Um conjunto A é enumerável quando é finito ou
 quando existe uma bijeção f : N → A, N = {0, 1, 2, . . .}.
 2x − y = 10
(c) C : Eixo y No segundo caso, A é dito infinito enumerável e po-
 z = 0
demos escrever A = {a0 , a1 , . . . , an , . . .}.

 x + (y + 2)2 = 5
(d) C : Eixo s : São exemplos de conjuntos enumeráveis:
 z = 2

 y +2 = 0
 z −2 = 0 (a) N é infinito enumerável uma vez que a identidade
 Id : N → N, Id (n) = n é uma bijeção.
 9(x − 1)2 + (z + 2)2 = 9
(e) C : Eixo s :
 y −2 = 0 (b) O conjunto dos números naturais pares P também
é infinito enumerável: f : N → P , f (n) = 2n é bije-
ção.

89 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

(c) O conjunto I dos números naturais ímpares: f : este número não está na lista acima. Mas supomos
N → I , f (n) = 2n + 1 é bijeção. no início, que a lista possuía todos os elementos de
[0, 1]. Contradição. Logo, [0, 1] não é enumerável.
(d) O conjunto Z dos números inteiros é infinito enume-

Cálculo e Geometria Analítica


rável: basta tomar a bijeção f : N → Z dada por (b) Qualquer intervalo real [a, b ] = {x ∈ R; a ≤ x ≤ b }
 não é enumerável.
n


 , n par
2
f (n) = (c) Pelo item acima o conjunto dos números reais R
 − (n + 1) , n ímpar


2 não é enumerável.

(e) Um subconjunto de um conjunto enumerável é tam- (d) O conjunto dos números irracionais Q′ não é enu-
bém enumerável. merável: caso contrário, R = Q ∪ Q′ seria enume-

(f) A união de dois conjuntos enumeráveis é também rável.

enumerável. (e) O produto cartesiano R×R não é enumerável. Tam-


bém não é enumerável o produto cartesiano Rn ,
(g) Se A1 , A2 , A3 , . . . representam conjuntos enumerá-
[ n ≥ 3.
veis, a união Ai também é enumerável.
i ≥1

(h) Pelos itens (f) e (g) podemos concluir que o con- Conjuntos de Medida Nula
junto dos racionais Q é infinito enumerável:
[ nm o Um conjunto A ⊂ R é dito conjunto de medida nula
Q+ = An , An = ;m ∈ N
n em R se, dado um número real ǫ > 0, podemos encon-
n≥1
[ n m o
Q− = Bn , Bn = − ; m ∈ N trar uma sequência de intervalos abertos de R, digamos
n
n≥1 I1 , I2 , I3 , . . . , tais que

(i) O produto cartesiano de conjuntos enumeráveis é ∞


[
enumerável. Portanto, por exemplo, Q × Q é enu- (a) A ⊂ Ik ;
k =1
merável.

X
(b) diam(Ik ) ≤ ǫ, em que Ik =]ak , bk [ e diam(Ik ) =
k =1
São não-enumeráveis: bk − ak .

(a) O intervalo [0, 1] = {x ∈ R; 0 ≤ x ≤ 1} não é enu- São conjuntos A ⊂ R de medida nula:


merável: de fato, supondo que [0, 1] = {a1 , a2 , . . .},
temos (a) Um conjunto unitário A = {a} tem medida nula. De
a1 = 0, a11 a12 a13 . . . fato, dado ǫ > 0, basta tomar os intervalos I1 =
 ǫ ǫ
a2 = 0, a21 a22 a23 . . . a − ,a + e Ik = ∅, k ≥ 2. É claro que A ⊂

4 4∞
a3 = 0, a31 a32 a33 . . . [ X ǫ
.. Ik e que diam(Ik ) = diam(I1 ) = ≤ ǫ.
2
. k =1 k =1

em que 0, an1 an2 an3 . . . é a representação decimal (b) Um conjunto finito, por exemplo, A = {1, 2, 3}, tem

do número real an ∈ [0, 1]. Defina, agora, um nú- medida nula. De fato, dado ǫ > 0, tome interva-
 ǫ ǫ  ǫ ǫ
mero real b ∈ [0, 1], b = 0, b1 b2 b3 . . ., em que los I1 = 1 − , 1 + , I2 = 2 − , 2 + , I3 =
8 8 8 8
  ∞
bi 6= ai i , para cada i ∈ {1, 2, 3, . . .} 1 . Certamente ǫ ǫ [
3 − ,3 + , Ik = ∅, k ≥ 4. É claro que A ⊂ Ik
8 8
1 Tome, por exemplo, o número b = 0, a11 a22 a33 . . .. Troque, k =1
X∞
agora, todos os algarismos deste número: escreva 9 onde o al- e que diam(Ik ) = diam(I1 )+diam(I2 )+diam(I3 ) =
garismo de b não é 9 e escreva 4 onde o algarismo de b seja 9. k =1
ǫ
Obtemos, então, um novo número b ∈ [0, 1] que não está na lista. 3 ≤ ǫ.
4

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


90
Apontamentos

(c) Um conjunto enumerável, por exemplo, A = Descontinuidades

{1, 2, 3, 4, . . .} tem medida nula. De fato,


 ǫ ǫ Abordaremos aqui os tipos de descontinuidade para
tome os intervalos I1 = 1 − ,1 + , I2 =
4 4 
 ǫ ǫ  ǫ ǫ uma função real. Este conceito provém da negação da
2 − ,2 + , . . . , In = n − n+1 , 1 + n+1 , n ≥
Cálculo e Geometria Analítica

8 8 ∞
2 ∞
2 definição de continuidade de uma função, isto é, uma
[ X
3. É claro que C ⊂ Ik e que diam(Ik ) = função f é descontínua se
 k =1  k =1
1 1 1 1
ǫ + + + . . . + n + . . . = ǫ. ∃ǫ > 0, ∀δ > 0, ∃x0 ∈ Dom(f ); |x −x0 | < δ e |f (x )−f (x0 )| > ǫ.
2 4 8 2

(d) A união enumerável de conjuntos de medida nula


é um conjunto de medida nula. De fato, seja Uma função real de variável real f tem descontinui-
S
E = n An , em que An é enumerável. Dado ǫ > dade:
0, podemos escolher uma sequência de intervalos
{Inm }, para cada An , cujos diâmetros sejam meno- (a) removível em x0 : se lim f (x ) = L e f (x0 ) 6= L. A
S S x →x0
res que 2−n ǫ. Fazendo Is = m n Inm , temos que sen(x )
∞ função real f (x ) = , se x 6= 0, e f (x ) = 0, se
X X x
d (Is ) ≤ 2−n ǫ = ǫ. x = 0, definida em [−1, 1] possui descontinuidade
s n=0
removível em x = 0.
(e) Um exemplo de conjunto A ⊂ R não-enumerável e
2
de medida nula é o Conjunto de Cantor . (b) de salto em x0 : se lim f (x ) 6= lim+ f (x ). A função
x →x0− x →x0
real f (x ) = 1, se x 6= 0, e f (x ) = 0, se x > 0,
Um conjunto A ⊂ R2 é dito conjunto de medida definida em [−1, 1] possui descontinuidade de salto
nula no R2 se, dado um número real ǫ > 0, existe em x = 0.
uma sequência de retângulos abertos de R2 , digamos
(c) essencial de primeira ordem em x0 : se lim f (x ) e
R1 , R2 , R3 , . . ., tais que: x →x0−
lim+ f (x ) não existem. A função real f (x ) = 1, se
x →x0

[ x ∈ Q, e f (x ) = 0, se x 6∈ Q, definida em [0, 1]
(a) A ⊂ Rk ;
tem todos os pontos descontínuos essenciais de
k =1


primeira ordem.
X
(b) área (Rk ) ≤ ǫ.
k =1 (d) essencial de segunda ordem em x0 : se lim f (x )
x →x0−
ou lim+ f (x ) não existe (ou exclusivo). A função
x →x0
Assim,
real f (x ) = x , se x ≤ 0, e f (x ) = x −1 , se x > 0, de-
finida em [−1, 1] possui descontinuidade essencial
2
(a) um conjunto enumerável A ⊂ R tem medida nula de segunda ordem em x = 0.
no R2 ;

Definição de Integral Dupla


(b) uma reta, r = {(x , y ) ∈ R2 ; ax + by + c = 0}, tem
medida nula no R2 ;
Considere uma função real de duas variáveis reais f ,
(c) uma curva, C = {(x , y ) ∈ R2 ; f (x , y ) = 0} tem me- definida em um conjunto fechado e limitado R ⊂ R2 .
dida nula no R2 .
Traçando m retas paralelas ao eixo das abscissas e n
retas ao eixo das ordenadas, cobrimos a região R por
O leitor deverá verificar essas três afirmações.
retângulos.
2 Veja o livro de R. G. Bartle, Elementos de Análise Real, página
56. Consideremos, apenas, os retângulos Ri j que estão to-

91 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

talmente contidos em R e cuja área mede quer de R = [0, 1] × [0, 1] e, em cada Ri , escolhamos
(xi , yi ) ∈ Q × Q. Assim, por um raciocínio simples,
∆Ai j = ∆xi · ∆yj .
temos:
n
X
lim f (xi , yi ) · A(Ri ) = 1.

Cálculo e Geometria Analítica


n→+∞
Escolhendo um ponto (ξi , ψj ) qualquer em cada um dos i =1

retângulos Ri j , formemos a soma 3 Entretanto, ao escolhermos (xi , yi ) ∈ R2 \ Q2 , temos


n X
X m n
X
f (ξi , ψj )∆xi · ∆yj . lim f (xi , yi ) · A(Ri ) = 0,
n→+∞
j =1 i =1 i =1

Dessa forma, o limite não existe, ou seja, f não é


Se traçarmos mais retas paralelas aos eixos cartesi-
integrável. 

anos obteremos retângulos menores e ao tornamos


esse processo contínuo de maneira que max{d (Ri j )}, A definição de integral dupla não é muito simples de
m que d (Ri j ) é a diagonal do retângulo Ri j , tenda a se manipular. Entretanto, uma consequência da de-
zero quando os valores de m e de n crescem indefi- finição nos dá uma forma de encontrar funções não-
nidamente e se essa soma tiver limite finito, dizemos integráveis. O resultado é o seguinte:
que f é integrável e escrevemos:
m X
n
Teorema 15 Se f é uma função integrável em um
X
lim f (ξi , ψj )∆xi · ∆yj retângulo R , então f é limitada em R , isto é, existe
max{d (Ri j )}→0
ZZ j =1 i =1
M > 0 tal que |f (x , y )| < M , para todo (x , y ) ∈ R .
= f (x , y ) dx dy
ZRZ
= f (x , y ) dA.
O resultado acima é útil no seguinte aspecto: se uma
R
função de duas variáveis não é limitada em R , então ela

A existência do limite na definição da integral dupla de- não é integrável em R . Por exemplo, a função

pende da função z = f (x , y ) e também da região R . (x − y )


f (x , y ) =
(x + y )3
Com o intuito de facilitar essa verificação, alguns re-
sultados serão apresentados.Entretanto, em geral, ga- não é limitada em (0, 1] × (0, 1] (mostre como exercício),

rantiremos a existência da integral dupla quando z = logo, não é integrável.

f (x , y ) for contínua sobre uma região R fechada e limi-


O teorema a seguir possui um escopo mais abrangente
tada cujo contorno possui um número finito de curvas
e o seu resultado poderá ser abordado em diversas
regulares.
questões aqui propostas. Sua demonstração, apesar

Vejamos, a seguir, um exemplo de função não integrá- de envolver vários aspectos teóricos, boa parte já dis-

vel. cutida por nós até aqui, não é o objetivo do curso, po-
 ER 90 Considere o retângulo R = [0, 1] × [0, 1] e rém pode ser vista em Clique aqui.
a função
Teorema 16 Uma função f : A → R, limitada em

 1, se (x , y ) ∈ Q ∩ R A ⊂ Rn , é integrável se, e somente se, o conjunto dos
f (x , y ) =
 0, se (x , y ) 6∈ Q ∩ R seus pontos de descontinuidade tem medida nula em
Rn .
Verifique se f é integrável.

Solução: Tomemos uma partição {Ri ; i ∈ N} qual-


  limitada f : [0, 1] → R dada por f (x ) =
A função
1
3 soma de Riemann para uma função real de duas variáveis sen , se x 6= 0 e f (0) = 0, é integrável uma vez
x
reais que R = {0} é o conjunto dos pontos de descontinui-

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


92
Apontamentos

dade de f . a medida do volume de alguns sólidos (regiões do es-


paço).
A função limitada f : [0, 1]2 ⊂ R2 → R dada por
sen(x 2 + y 2 )
f (x , y ) = , se (x , y ) 6= (0, 0) e f (0, 0) = 0, é Considere a região R = [a, b ] × [c , d ] e suponha que
x2 + y2
Cálculo e Geometria Analítica

integrável, uma vez que o conjunto dos seus pontos de f (x , y ) é contínua e positiva, para todo (x , y ) ∈ R .
descontinuidade é R = {(0, 0)}.
z

Propriedades das Integrais Duplas

A integral dupla goza de propriedades semelhantes as


da integral em R.
a c d
b y
Dadas duas funções f e g integráveis e definidas em x
uma região R fechada e limitada do R2 , e uma cons-
Vamos calcular o volume do sólido
tante real α, tem-se que:
S = {(x , y , z ) ∈ R3 ; 0 ≤ z ≤ f (x , y ) e (x , y ) ∈ R }.
(1) Linearidade: a função αf + g é integrável e
ZZ ZZ ZZ
Traçando m retas paralelas ao eixo x e n ao eixo y ,
αf + g dA = α f (x , y ) dA + g (x , y ) dA
R R R
efetuamos uma divisão do retângulo R em pequenos
retângulos Ri j (esta divisão é uma “partição” de R ).
(2) Aditividade: Se a região R é composta de suas sub-
regiões R1 , R2 , . . . , Rn , n ∈ N, n ≥ 2, que não pos- Escolhendo um ponto qualquer (ξi , ψj ) de Ri j , monte-
suem pontos em comum, exceto, possivelmente, os mos o paralelepípedo de base Ri j = [xi −1 , xi ] × [yj −1 , yj ]
Sn
pontos de suas fronteiras (R = i =1 Ri ), então e altura f (xi , yj ), cujo volume é f (ξi , ψj ) · A(Ri j ), em que
ZZ n ZZ
X A(Ri j ) = (xi − xi −1 ) · (yj − yj −1 ) indica a área do retân-
f (x , y ) dA = f (x , y ) dA. | {z } | {z }
i =1 R ∆xi ∆yj
R i
gulo Ri j .
(3) Princípio da comparação: se f (x , y ) ≤
y
g (x , y ), ∀ (x , y ) ∈ R , então:
ZZ ZZ
ψj Ri j
f (x , y ) dA ≤ g (x , y ) dA.
R R

(4) Valor Médio: existe ao menos um ponto P em R tal


Uma partição da região R
que ZZ
ξi x
f (x , y ) dA = f (P ) · A(R ),
R
A soma dos valores dos volumes de todos estes para-
em que A(R ) representa a medida de área da re-
lelepípedos é:
gião R . m X
n
X
f (ξi , ψj ) · A(Ri j ).
j =1 i =1
Volume de um Sólido

Se os retângulos Ri j forem suficientemente pequenos,


No curso de Cálculo para funções reais de uma variável
a soma obtida parece ser uma boa aproximação do vo-
real, vimos que a integral definida era aplicada para o
lume procurado do sólido.
cálculo de áreas de certas regiões planas. Aqui, vere-
mos que, além disso, a integral dupla pode determinar Intuitivamente, vemos que o volume de S pode ser en-

93 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

contrado se fizermos os valores de A(Ri ) decrescerem O volume do sólido pode ser calculado através da adi-
indefinidamente. ção de todos os A(x ). Adicionar em x é integrar. Então,
uma boa definição do volume de S é:
Para que os valores de A(Ri j ) se tornem cada vez me-

Cálculo e Geometria Analítica


nores, vamos considerar as diagonais d (Ri j ) destes re-
 1 
tângulos e, então, fazer max{d (Ri j )} tender a zero. Z2 Z2 Z
4
 x (1 − y ) dy  dx
V = A(x ) dx =
Assim, temos a integral dupla de f sobre R : 0 0 0
Z2  2
x 2x 2 8
ZZ m X
n = x − dx = =
X 5 5 0 5
f (x , y ) dA = lim f (ξi , ψj ) · ∆x∆y . 0
max{d (Ri j )}→0
R j =1 i =1

Portanto, se a função f é positiva e integrável em um


Outro tipo de “fatiamento” poderia ter sido feito, por
retângulo R , o volume de S pode ser obtido por:
exemplo, com planos paralelos ao plano xz . Teríamos
ZZ
obtido o mesmo valor? E, se a função possuir uma ex-
V (S ) = f (x , y ) dA.
R pressão mais complicada, ainda assim isto funciona?
E, se o domínio da função for outra região que não um
Para melhor entendimento, vamos descrever o pro- retângulo, poderíamos usar este método? Estas e ou-
cesso através de um exemplo. tras questões serão abordadas devidamente a seguir.
Discutiremos em que situações podemos calcular o vo-
Considere a função f : R ⊂ R2 → R, f (x , y ) = x (1− y 4 ),
lume de S da forma acima e veremos algumas outras
com R = [0, 2] × [0, 1]. Poderíamos pensar em calcu-
aplicações da integral dupla.
lar o volume da superfície S = {(x , y , z ) ∈ R3 : 0 ≤
f (x , y ), (x , y ) ∈ R } de várias maneiras. Vamos “fatiar” o
sólido com planos paralelos ao plano y z . Atividades

EA 211 Aproxime o volume


z
z 1
Z1 Z 2
V = f (x , y ) dy dx ,
0 0

y x para a função dada, utilizando


x 4 X 2
X 1
y f (uk , vj )∆yj ∆xk , com ∆xk = ∆yj = ,
4
k =1 j =1
k −2 j −2
Assim, para cada x fixo entre 0 e 2, temos uma região uk = e vj = , para k = 1, 2, 3, 4 e j = 1, 2.
8 8
onde se calcula a área, facilmente, usando integral de (a) f (x , y ) = sen(cos(xy )) (b) f (x , y ) = x 4 + y 4
uma variável. Vamos denotá-la por A(x ), então,

z
z 3 − 3y 4
1 − y4 z=
z= 2 Z1 Z1
2 3 1
1 x= EA 212 Mostre que xy 2 dA = .
x= 2 6
2 0 0

0 1 y
0 1 y

Gauss, Carl Friedrich


Z1  5
1
xy x
A(x ) = x (1 − y 4 ) dy = xy − =x− .
5 0 5
0

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


94
Apontamentos

Integrais Duplas em Regiões Retangulares

Gauss nasceu em O cálculo da integral dupla de uma função integrável


Brunswick, Alemanha,
em uma região R pela definição não é uma forma muito
e estudou na Univer-
Cálculo e Geometria Analítica

sidade de Göttingen. prática. Entretanto, vamos analisar um caso particu-


Contribuiu tanto para a
matemática pura quanto lar considerando que para se calcular o volume de um
para a aplicada.
sólido, vimos que poderíamos “fatiá-lo”, paralelamente,
Gauss, Carl Friedrich (1777-1855) aos eixos x e y .
Fonte: uc.pt

Suas conquistas na ciência e na medicina são extra- Seja f (x , y ) ≥ 0, ∀ (x , y ) ∈ R = [a, b ]×[c , d ] e considere,
ordinárias, desde a invenção do telégrafo elétrico (com novamente, a região
Wilhelm Weber em 1833) até o desenvolvimento da te-
oria da órbita dos planetas e o desenvolvimento da pre-
cisa teoria da geometria não-euclidiana. S = {(x , y , z ) ∈ R3 ; 0 ≤ z ≤ f (x , y ) e (x , y ) ∈ R }.

Gauss exigia que suas publicações e provas de teore-


mas fossem perfeitas e a ele credita-se muitos avanços Para cada x fixo entre a e b , a área da fatia é dada por
na álgebra, na teoria dos números, nas equações dife-
Zd
renciais e em cálculo. Seu principal trabalho intitula-se
Risquisitiones arithmeticae (de 1801), além de Theoria A(x ) = f (x , y ) dy .
motus corporum celestium (de 1809). c

Gauss foi professor de matemática em Göttingen e sua


presença fez da instituição o centro do mundo mate- Então, o volume de S é
mático. Ele, porém, mantinha-se distante e inacessí-  
vel, principalmente dos calouros. Foi responsável pela Zb Zb Zd
apresentação da primeira prova satisfatória do Teorema A(x ) dx =  f (x , y ) dy  dx .
Fundamental da Álgebra. Suas descobertas eram tão a a c
importantes e numerosas que ele era frequentemente
chamado de “Príncipe da Matemática”. Gauss provou o Entretanto, fixando y entre c e d poderíamos, também,
teorema da divergência enquanto trabalhava na teoria
da gravitação, mas suas anotações só foram publicadas calcular a área de cada fatia e depois o volume, fazendo
muito tempo depois, o que fez com que outros recebes-  
sem crédito por ela. Hoje o teorema é, algumas vezes, Zd Zd Zb
chamado de Teorema de Gauss. Ele estabeleceu a te- A(y ) dy =  f (x , y ) dx  dy .
oria potencial como um ramo coerente da matemática c c a
e reconheceu que a teoria de funções de uma variável
complexa era a chave para a compreensão de muitos
resultados necessários nas equações diferenciais apli- Estas integrais são chamadas de integrais iteradas e,
cadas. Gauss considerava a matemática uma ciência e
a aritmética seu componente mais importante. usualmente, se escreve apenas

Principais teoremas: teorema da divergência. Zb Zd Zd Zb


f (x , y ) dy dx ou f (x , y ) dx dy
Principais obras: Risquisitiones arithmeticae; Theoria a c c a
motus corporum celestium.

Citações: Se fizermos f (x , y ) = 1, teremos

Zb Zd
“Na matemática, não há controvérsias verdadeiras”. 1 dy dx = (d − c )(b − a)
“Tenho o resultado, mas ainda não sei como obtê-lo”. a c

que é a área do paralelogramo R .


ZZ
1
 ER 91 Determine dA, em
1 + x 2 + 2xy + y 2
R
que R = [1, 2] × [0, 1].

95 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

Solução: vel x , então por pontos da parábola, consideremos


ZZ retas paralelas ao eixo x , gerando uma superfície.
1
dx dy
1+ x2 + 2xy + y 2
ZRZ Como o sólido é limitado pelos planos x = 0, x = 8
1
= dx dy

Cálculo e Geometria Analítica


1 + (x + y )2 e z = 0, temos que,
R  
Z1 Z2
d x V (W )
=   dy ZZ ZZ
1 + (x + y )2
0 1 = f (x , y ) dx dy = (8 − 2y 2 ) dx dy
Z1 2
R R
= atan(x + y ) dy Z2 Z8  2
1
2 2y 3
0 = 8 − 2 y dx dy = 8 8 y −
Z1 3 −2
0
−2 
= atan(2 + y ) − atan(1 + y ) dy 16

512
= 16 16 − =
0 3 3
π 1
= 3 atan(3) − 4 atan(2) + + ln(5) − ln(2)
4 2 


 ER 94 Encontre o volume do sólido no primeiro
ZZ
xy sen(x ) octante, limitado pelos planos coordenados, pelo
 ER 92 Determine dA, em que R =
1 + 4y 2
R plano x = 3 e pelo cilindro parabólico z = 4 − y 2 .
[0, 1] × [1, 2].
Solução: Determinemos, inicialmente, os limites de
Solução:
integração.
ZZ
xy sen(x )
dA
1 + 4y 2 No plano y z (x = 0), traçamos a parábola z = 4− y 2 ,
R  2 
Z1 Z com 0 ≤ y e 0 ≤ z .
y
= x sen(x )  dy  dx
1 + 4y 2
0 1 Como esta equação não depende da variável x , por
Z1  2
1
2 pontos da parábola traçamos semirretas paralelas
= x sen(x ) ln(1 + 4y ) dx
8 1
0 ao eixo x , com 0 ≤ x , obtendo, assim, o cilindro
  Z1
1 17 parabólico.
= ln x sen(x ) dx
8 5
 0
1 17 1 
= ln

−x cos(x ) + sen(x ) Agora, traçamos o plano vertical x = 3 que inter-
8 5 0
1 17 cepta o cilindro parabólico segundo uma curva pas-
= ln (sen(1) − cos(1))
8 5 sando por A = (3, 0, 4) e B = (3, 2, 0).


Considerando que o sólido W é limitado pelos pla-


 ER 93 Seja V o volume de um sólido W deli- nos coordenados, temos
mitado pelo cilindro parabólico z = 8 − 2y 2 e pelos
V (W )
planos x = 0, x = 8 e z = 0. Calcule V .
ZZ Z3 Z2
= f (x , y ) dA = 4 − y 2 dy dx
Solução: Inicialmente, vamos determinar os limites
R 0 0
da região de integração. Z3  2 Z3  
y 3 8
= 4 y − dx = 8− dx
3 0 3
0 0
A projeção de W no plano y z é dada pela parábola Z3
16 16
z = 8 − 2y 2 . = dx = · 3 = 16
3 3
0
Observe que esta equação não depende da variá- 

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


96
Apontamentos

O Teorema de Fubinni Agora, vamos integrar com respeito a variável x :

Z2 Z2 Z2 2
O resultado a seguir foi provado em 1907 pelo mate- 2 x3
I = x − 2y dx dy = − 2y x dy
3 0
mático italiano Guido Fubini (1879-1943), entretanto a 1 0 1
Z2 
Cálculo e Geometria Analítica

 2
versão para funções contínuas era conhecida pelo ma- 8 8
2 10
= − 4y dy = y − 2 y = −
3 3 1 3
temático francês Augustin-Louis Cauchy, quase um sé- 1

culo antes. Ele nos diz que se f é uma função integrá-


vel, a ordem a qual fazemos a integração nos dá resul- Observe que as integrais são iguais porque a fun-

tados idênticos. Lembre-se de que toda função contí- ção é contínua no retângulo. Essa é a hipótese do

nua em um fechado é integrável e, assim, poderemos teorema de Fubini. Além disso, a função não é po-

calcular o volume de muitos sólidos. sitiva e, assim, o resultado da integral acima não re-
presenta o volume do sólido limitado pelo gráfico da
Teorema 17 Se f é integrável em R = [a, b ] × [c , d ],
função e o retângulo no plano xy . 
então
Zd Zb Zb Zd  ER 97 Determine o volume do sólido que está
f (x , y ) dx dy = f (x , y ) dy dx . abaixo do parabolóide hiperbólico z = 4 + x 2 − y 2 e
c a a c
acima do quadrado R = [−1, 1] × [0, 2].

 ER 95 Verifique se Solução: Observe que a função é positiva no retân-


Z2 Z3 Z3 Z2 gulo dado e ainda que x varia de −1 a 1 e y varia de
x 2 y dx dy = x 2 y dy dx .
0 a 2. Assim,
1 0 0 1 ZZ
V = 4 + x 2 − y 2 dA
Solução: R
Z1 Z2 Z1 2
Z2 Z3 Z2  Z2 2 2 y 3
2
x3
3
27 = 4 + x − y dy dx = 4 y + x y − dx
x 2 y dx dy = y dy = 9 y dy = 3 0
3 2 −1 0 −1
0
1 0 1 1 Z1 2
Z3 Z2 Z3  Z3 2 16 2 1 3
2 2
 = + 2x dx = 2x + 16x = 12
2 2y 3x 27 3 3
x y dy dx = x dx = dx = 0
2 1 2 2 −1
0 1 0 0



ZZ
 ER 96 Verifique o Teorema de Fubini para x 2− Corollary 1 Se f (x ) e g (y ) são funções contínuas,

R respectivamente, em [a, b ] e [c , d ], então


2y dA, em que
Zb Zd Zb Zd
 f (x )g (y ) dy dx = f (x ) dx g (y ) dy .
R = (x , y ) ∈ R2 ; 0 ≤ x ≤ 2, 1 ≤ y ≤ 2 .
a c a c

Solução: Vamos integrar primeiramente com res-


Atividades
peito a variável y : EA 213 Calcule as integrais duplas:
Z2 Z2 Z2
2
2
I = x − 2 y dy dx = x 2 y − y 2 1 dx ZZ
(a) (2y 2 − 3xy 3 ) dx dy , R = [1, 2] × [0, 3]
0 1 0
Z2 2 R
2 x3 10
= x − 3 dx = − 3x = − ZZ h πi
3 0 3 (b) x sen(y ) dx dy , R = [1, 4] × 0,
0 6
R

97 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

ZZ
1
(c) dx dy , R = [1, 2] × [0, 1] Gabarito
x +y AT 213 (a) − 585 15

3); (c) ln 27

R 8 ; (b) 4 (2 − 16 . (e) (f) (g) AT 214 V =
4
√ 1 1 4
ZZ 15 (2 2 − 1). AT 215 V == 36. AT 216 − 2 e 2 . AT 217 (a) ln( 3 ); (b)
3
e (e − 1); (c) π.
(d) xy (x + y ) dx dy , R = [0, 1] × [0, 1]

Cálculo e Geometria Analítica


R
ZZ
Integrais Duplas em Certas Regiões
(e) sen2 (x ) sen2 (y ) dx dy , R = [0, π] × [0, π]
R
ZZ Podemos, também, integrar funções cujo domínio da
tx
−3
(f) y e y dx dy , R = [0, t ] × [1, t ] região de integração não é um retângulo. Por exemplo,
R
para calcular o volume do sólido limitado pela superfície
f (x , y ) = 4 − x 2 − y 2 sobre a região R : x 2 + y 2 = 1.
EA 214 Determine o volume do sólido limitado
p Seja R um retângulo que cobre a região R em que f
pela superfície z = x x 2 + y e os planos x = 0, x =
possa estar definida.
1, y = 0 e y = 1.

EA 215 Determine o volume do sólido contido no Defina a função



primeiro octante limitado por z = 9 − y 2 e pelo plano  f (x , y ) , se (x , y ) ∈ R
x = 2. F (x , y ) =
 0 , se (x , y ) 6∈ R
EA 216 Considere a região R = [0, 1]2 ⊂ R2 e a
(x − y )
função f : R → R definida por f (x , y ) = . Se a integral dupla de F sobre R existe, definimos a
(x + y )3
Verifique se integral dupla de f em R por
ZZ ZZ
(x − y ) (x − y ) ZZ ZZ
3
d y d x = dx dy f (x , y ) dA = F (x , y ) dA.
(x + y ) (x + y )3
R R R R

e justifique teoricamente sua resposta.


Como F (x , y ) = 0 quando (x , y ) ∈ R \ R , então ela
EA 217 Seja R = [1, 2]×[0, 1]. Verifique
ZZ as hipóte-
contribui em nada no cálculo da integral. Assim, não
ses do Teorema de Fubini e calcule f (x , y ) dx dy
R
importa qual retângulo tomamos.
para as seguintes funções:
Da mesma forma que fizemos antes, se f (x , y ) é po-
1 sitiva e é integrável em R e o volume do sólido S =
(a) f (x , y ) =
(x + y )2 {(x , y , z ); 0 ≤ z ≤ f (x , y ), (x , y ) ∈ R } é:
xy
(b) f (x , y ) = ye ZZ
V (S ) = f (x , y ) dA.
(c) f (x , y ) = x sen(π y ) R

Além das mesmas propriedades vistas para integração


num retângulo R , vale o seguinte resultado para a inte-
EA 218 Sejam f : [a, b ] → R, g : [c , d ] → R
gral dupla sobre R .
funções contínuas. Prove que, sendo R = [a, b ] ×
[c , d ], tem-se Proposição 10 Se f e g são funções integráveis em
 b   d  uma região limitada do plano R e c é constante, en-
ZZ Z Z
f (x )· g (y ) dx dy =  f (x ) dx  ·  g (y ) dy  . tão:
R a c
ZZ ZZ
⋆ [f (x , y ) + g (x , y )] dA = f (x , y ) dA +
R R

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


98
Apontamentos

ZZ
g (x , y ) dA. Teorema de Fubini, temos que:
R
ZZ ZZ
⋆ c · f (x , y ) dA = c · f (x , y ) dA.
R R ZZ Zb Zd
Cálculo e Geometria Analítica

f (x , y ) dA = F (x , y ) dy dx
ZZ ZZ
⋆ f (x , y ) d A ≤ g (x , y ) dA sempre que f (x , y ) ≤
R a c
R R
g (x , y ) em R . Zb gZ2 (x )
= f (x , y ) dy dx .
⋆ Se a região R é composta de duas sub-regiões R1 e
a g1 (x )
R2 que não tem pontos em comum, exceto, possivel-
mente, os pontos de sua fronteira, então
ZZ ZZ ZZ
f (x , y ) d A = f (x , y ) dA + f (x , y ) dA.  ER 98 Calcule o volume do sólido W , no primeiro
R R1 R2
octante, limitado pelo cilindro parabólico z = 4 − x 2
ZZ
⋆ Se f (x , y ) ≥ 0, ∀ (x , y ) ∈ R2 , então f (x , y ) dA ≥ 0. e pelos planos coordenados e x + y = 2.
R

Solução: No plano xz , traçamos o arco de parábola


z = 4 − x 2 , com 0 ≤ x e 0 ≤ z . Como esta equação
A prova dessa proposição é feita utilizando a definição
não depende de y , então consideramos, por pontos
da integral dupla e propriedades dos limites.
da parábola, semirretas paralelas ao eixo y .
Vimos que se f é contínua em R e se o bordo da região
No plano xy , traçamos o segmento de reta x + y = 2
R é “bem comportado”, então f é integrável em R . Mas,
que liga A(2, 0, 0) a B (0, 2, 0). Como esta equação
afinal, que regiões são deste tipo e como calcular a in-
não depende da variável z , então, por pontos do
tegral dupla? Veremos que são mais comuns dois tipos
segmento traçamos paralelas ao eixo z .
destas regiões e como podemos calcular as integrais
duplas.
Vemos que A(2, 0, 0) e C (0, 2, 4) são pontos comuns
às duas superfícies. Então, a curva interseção é a
Região do Tipo I curva obtida ligando esses dois pontos.

Considere que o sólido é limitado pelos planos x =


Região do plano entre gráficos de funções contínuas de
0, y = 0 e z = 0.
uma variável real x definidas num intervalo [a, b ]. Mais ZZ
explicitamente, são regiões do tipo: Temos V (W ) = f (x , y ) dA, em que f (x , y ) = 4 −
R
x 2 e R é a seguinte região:

R = {(x , y ) ∈ R2 ; a ≤ x ≤ b e g1 (x ) ≤ y ≤ g2 (x )},
Rescrevendo R como uma região do tipo I, então:
2−x
Z2 Z
em que g1 e g2 são duas funções contínuas em [a, b ]. V (W ) = (4 − x 2 ) dy dx
0 0
y Z2
= (4 − x 2 )(2 − x ) dx
d
g2 (x ) 0
Z2
= (x 3 − 2x 2 − 4x + 8) dx
c g1 (x )
0 2
x4 2x 3 2
20
a b x = − − 2x + 8x = .
4 3 0 3

Neste caso, se R = [a, b ] × [c , d ] contém R , então, pelo

99 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

Região do Tipo II Usando a primeira delas, temos:

ZZ Z1 Z2
Região do plano entre gráficos de funções contínuas de x x
dA = dx dy
(1 + y 2 ) 1 + y2
uma variável real y definidas num intervalo [c , d ]. Mais R 0 1
Z1 Z2 Z1

Cálculo e Geometria Analítica


2
explicitamente, são regiões do tipo: 1 1 x 2
= x dx dy = dy
1 + y2 1 + y 2 2 1
0 1 0
R = {(x , y ); c ≤ y ≤ d e h1 (y ) ≤ x ≤ h2 (y )}. Z1 1
3 1 3
= 2
dy = atan(y )
2 1+y 2
0
em que h1 e h2 são funções contínuas em [c , d ]. 0
3 3
= [atan(1) − atan(0)] = π
2 8
Também podemos calcular a integral dupla fazendo

ZZ Zd Zb (b) Como R não é um retângulo com lados parale-


f (x , y ) dA = f (x , y ) dx dy
los aos eixos coordenados, devemos enquadrar R
R c a
Zd hZ2 (y ) como uma região do tipo I ou do tipo II.
= f (x , y ) dx dy .
c h1 (y ) Solução 1 Vamos descrever R como tipo I.

 ER 99 Calcule as seguintes integrais duplas: Seja (x , y ) ∈ R . Então, traçamos uma reta vertical
por (x , y ).
ZZ
x
(a) dx dy , sendo R = [1, 2] × [0, 1];
(1 + y 2 ) Vemos que esta vertical corta a fronteira inferior de
R
ZZ R no eixo x (y = 0) e a fronteira superior de R na
(b) x dx dy , em que R é a região compreendida
parábola y = x 2 . Então, 0 ≤ y ≤ x 2 .
R
entre as curvas y = x 2 , y = 0, x = 1;
ZZ Projetando a região R sobre o eixo x , encontramos o
x
(c) dx dy , onde R é a região limitada pelas re- intervalo fechado [0, 1]. Então, 0 ≤ x ≤ 1. Portanto,
y
R
tas y = x , y = 2x , x = 1 e x = 2.
R = {(x , y ); 0 ≤ x ≤ 1, 0 ≤ y ≤ x 2 }.

Solução:
Temos, então, que:
2
(a) Como R é um retângulo com os lados paralelos ZZ Z1 Zx
aos eixos coordenados, 1 ≤ x ≤ 2 e 0 ≤ y ≤ 1. x dx dy = x dx dy
R 0 0
2 x 2
Z1 Zx Z1Z
Pelo teorema de Fubini, a integral dupla pode ser
= x dx dy = xy  dx
obtida de qualquer uma das integrais iteradas: 0 0 0 0
Z1Z 4
1
Z1 Z2 Z2 Z1 x 1
x x = x 3 dx = = .
dx dy ou dy dx . 4 0 4
1 + y2 1 + y2 0
0 1 1 0

Solução 2 Vamos descrever R como uma região do


tipo II.

Traçando uma reta horizontal por (x , y ) ∈ R , vemos


que ela corta a fronteira da esquerda na parábola

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


100
Apontamentos


x = y e a fronteira da direita, na reta x = 1. Então, constituída de duas partes, a reta y = x abaixo da

y ≤ x ≤ 1. reta y = 2 e a reta y = 2x acima de y = 2. Então
é necessário decompor R em duas partes R1 e R2 :
Projetando R sobre o eixo y , temos o intervalo [0, 1].
R = R1 ∪ R2 .
Cálculo e Geometria Analítica

Logo, 0 ≤ y ≤ 1. Então,

√ Logo,
R = {(x , y ) ∈ R2 ; 0 ≤ y ≤ 1, y ≤ x ≤ 1}. ZZ ZZ ZZ
x x x
dx dy = dx dy = dx dy
y y y
R R1 R2
Portanto:
ZZ
x dA Projetando R1 sobre o eixo y , temos 1 ≤ y ≤ 2. A
R região R1 é limitada à esquerda por x = 1 e à direita
Z1 Z1 Z1 1
x 2 pela reta x = y . Logo, 1 ≤ x ≤ y . Então,
= x dx dy = dy

2 √ y
0 y 0
Z1 1 R1 = {(x , y ) ∈ R2 ; 1 ≤ y ≤ 2, 1 ≤ x ≤ y }.
1 1 y2
= 1 − y dy = y −
2 2 2 0
0
 
1 1 1 Assim,
= 1− = .
2 2 4
Z Z2 Zy Z2  y
x x 1 x 2
dx dy = dx dy = dy
(c) Podemos ver que a fronteira inferior é y = x e a y y y 2 1
R1 1 1 1
fronteira superior é y = 2x . Então, x ≤ y ≤ 2x . Z2 2 Z2  
1 y −1 1 1
= dy = y− dy
2 y 2 y
1 1
Como a projeção de R sobre o eixo x é o intervalo  2  
1 y2 1 1
fechado [1, 2], então 1 ≤ x ≤ 2. = − ln(y ) = [2 − ln(2)] −
− ln(1)
2 2 1 2 2
1 3 3 1
= − ln(2) = − ln(2)
Temos, então, que 2 2 4 2

R = {(x , y ) ∈ R2 ; 1 ≤ x ≤ 2, x ≤ y ≤ 2x }. Projetando R2 sobre o eixo y , temos 2 ≤ y ≤ 4.

y
A região R2 é limitada à esquerda pela reta x = e
Portanto: 2
y
à direita por x = 2. Logo, ≤ x ≤ 2.
ZZ Z2 Z2x 2
x x
dA = dy dx
y y Então,
R 1 x
Z2 Z2x Z2 n o
1 2 y
= x dy dx = x [ln(y )|x x dx R2 = (x , y ); 2 ≤ y ≤ 4, ≤ x ≤ 2 .
x 2
1 x 1
Z2 Z2  
2x
= x [ln(2x ) − ln(x )] dx = x ln dx
x
1 1
Z2 Zx
= x ln(2) dx = ln(2) x dx
1 1
2
x 2 3
= ln(2) = ln(2).
2 1 2

Podemos, também, enquadrar R como tipo II, porém


com uma complicação adicional: a fronteira direita
de R é a reta x = 1 e a fronteira esquerda de R é

101 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

Assim, sai de R em x = y . Logo,

ZZ Z4 Z2
x x
dA = dx dy
y y
R2 2 y R = {(x , y ) ∈ R2 ; 0 ≤ y ≤ π; 0 ≤ x ≤ y }.

Cálculo e Geometria Analítica


2
Z4 Z2 Z4 2
1 1 x 2 Assim,
= x dx dy = dy
y y 2 y
y
2 2
2 2 Zπ Zπ Zπ Zy
Z4  4 sen(y ) sen(y )
1 1 y2

1
Z
4 y
 dy dx = dx dy
= 4− dy = − dy y y
2 y 4 2 y 4 0 x y 0 0
Zπ Zπ
2 4 2
sen(y ) sen(y )
1 y 2 = x dy = y dy
= 4 ln(y ) − y y
2 8 2  0

0 0
1 1 Zπ
= [4 ln(4) − 2] − 4 ln(4) − 2
2 2 = sen(y ) dy = [− cos(y )|0 = 2
1 3 3 0
= 4 ln(2) − = 2 ln(2) −
2 2 4

(b) R está compreendida entre as retas horizontais


Portanto,
ZZ y = 0 (eixo x ) e y = 1. De y ≤ x ≤ 1, vemos que R
x 3 1 3 3
dA = − ln(2) + 2 ln(2) − = ln(2) está limitada à esquerda pela reta x = y e à direita
y 4 2 4 2
R pela reta x = 1. Região do tipo II.

E, assim, obtivemos o mesmo resultado anterior.  Ainda, podemos ver que R está compreendida entre
as retas verticais x = 0 (eixo y ) e x = 1. Logo 0 ≤
 ER 100 Invertendo a ordem de integração, cal-
x ≤ 1 e que R está limitada inferiormente pela reta
cule:
Zπ Zπ Z3 Z1 y = 0 e superiormente pela reta y = x . Então 0 ≤
sen(y ) (c) e y3
dy dx
(a) dy dx y ≤ x . Região do tipo II.
y √x
0 x 0
3

Z1 Z1 Z8 Z2 Assim,
(b) x 2 e xy dx dy 1
(d) 4
dy dx Z1 Z1 Z1 Zx

y +1
0 y 2 xy
0 3
x x e dx dy = x 2 e xy dy dx
0 y 0 0
Z1 
xy x Z1 2
Solução: e x 2
= x2 (e x − 1) dx
dx =
x 0
x
0 0
(a) Para descrevermos a região de integração R Z 1 Z1 " 2 1  1
x2 e x x 2
como tipo I, devemos notar que R está compreen- = xe dx − x dx = −
2 2 0
0 0 0
dida entre as retas verticais x = 0 (eixo y ) e x = π e e −1 1 e −2
= − =
está limitada inferiormente pela reta y = x e superi- 2 2 2

ormente pela reta y = π. Logo,


(c) Re 0 ≤ x ≤ 3, vemos que R está compreendida
entre
r as retas verticais x = 0 (eixo y ) e x = 3. De
x
R = {(x , y ) ∈ R2 ; 0 ≤ x ≤ π; x ≤ y ≤ π}. ≤ y ≤ 1, vemos que R está limitada inferior-
3 r
x
mente pela curva y = (ou x = 3y 2 , com 0 ≤ y )
Para descrevermos R como uma região do tipo II, 3
e limitada superiormente pela reta y = 1. Região do
vemos que R está compreendida entre as retas ho-
tipo I.
rizontais y = 0 (eixo x ) e y = π e qualquer reta
horizontal no interior de R entra em R em x = 0 e Vemos, também, que R está compreendida entre as

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


102
Apontamentos

retas horizontais y = 0 (eixo x ) e y = 1. Logo 0 ≤  ER 102 Encontre o volume do sólido S que fica

y ≤ 1. Considerando uma reta horizontal no interior abaixo do parabolóide z = x 2 + y 2 , acima da região

de R vemos que ela entra em R em x = 0 e sai de no plano xy e delimitada pelas superfícies y = x 2 e

R , em x = 3y 2 . Região do tipo II. y = 2x .


Cálculo e Geometria Analítica

Então, Solução: Projetando a calha parabólica y = x 2 no

2 plano de equação z = 0, temos uma parábola de


Z3 Z1 Z1 Z3y
3 3
e y dy dx = e y dx dy vértice na origem e foco sobre o semi-eixo positivo
0
√x 0 0 das ordenadas.
3
Z1 Z1
3 3y 2 3
= e y [ x |0 d y = e y (3y 2 ) dy z
y
h0 1 0
y3
= e =e −1
0

(d) De 0 ≤ x ≤ 8, vemos que R está compreendida


√ z
entre as retas verticais x = 0 e x = 8. De 3 x ≤ x
y ≤ 2, vemos que R está limitada inferiormente pela x 2 y
√ 4
curva y = 3 x (ou x = y 3 ) e superiormente pela reta
Projetando o plano de equação y = 2x no plano de
y = 2. Região do tipo I.
equação z = 0, temos uma reta que corta a origem
Vemos, também, que R está compreendida entre re- e passa pelo ponto de coordenadas (2, 4) (pontos de
tas horizontais y = 0 e y = 2 e que qualquer reta ho- interseção da reta com a parábola).
3
rizontal cortando R entra em x = 0 e sai em x = y .
Região do tipo II. Assim, z
y
3
Z8 Z2 Z2 Zy 4
1 1
dy dx = dx dy
y4 + 1 y4 + 1
0 1 0 0
x3
Z2 2
y3 1 4
1 z
= 4
dy = ln(y + 1) = ln(17) x
y +1 4 0 4 2
0 x 2 y

4

ZZ A região de integração (no plano xy ) é:


 ER 101 Calcule (x + 2y ) dA, sabendo que R é
R R = {(x , y ); 0 ≤ x ≤ 2, x 2 ≤ y ≤ 2x }.
2 2
a região limitada pelas parábolas y = x e y = 1+ x ,
com −1 ≤ x ≤ 1.
y
Solução:
4
ZZ Z x2
Z1 1+
(x + 2y ) dA = (x + 2y ) dy dx
R −1 x 2
Z1 1+x 2 Z1
10
= xy + y 2 dx = (2x 2 + x + 1) dx =
2
2 x
x 3
−1 −1

103 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

e o volume V (S ) é dado pela integral dupla Solução: O que queremos é:


π
 π 
Z2 Z2x Z2 Z2 p
216
(x 2 + y 2 ) dy dx = .  
4 − sen2 (x ) cos(2y ) dy  dx
35 
0 x2 0 x

Cálculo e Geometria Analítica


π
π2
 Z 2

1 p

= − 4 − sen2 (x ) sen(2y ) dx
Z1 Z1 2
0
x
 ER 103 Calcule sen(y 2 ) dy dx . Z2
π

1 p
0 x = 4 − sen2 (x ) sen(2x ) dx
2
Solução: Observe que calcular esta integral dupla, 0
π
Z2 p
nesta ordem, não é simples. = − 4 − sen2 (x ) sen(x ) cos(x ) dx
0
Analisemos o domínio de integração Z1 p
= − u 4 − u 2 du
R = {(x , y ); 0 ≤ x ≤ 1, x ≤ y ≤ 1} 0
1 h√ i3 1
1 √
= 4 − u 2 = [3 3 − 8]
3 0 3
observando seu esboço:


y
Atividades
EA 219 Calcule as seguintes integrais duplas:

1
(Sugestão: escreva R de forma conveniente e es-
boce sua região).

1 x ZZ
R ≡R ′ (a) xy dA,
R

O domínio de integração R pode ser escrito como R = {(x , y ); 0 ≤ x ≤ 1, x 2 ≤ y ≤ x }.
ZZ
R = {(x , y ); 0 ≤ y ≤ 1; 0 ≤ x ≤ y }. Então,
(b) (x 2 − 2xy ) dA,
ZZ Z1 Zy R
sen(y 2 ) dA = sen(y 2 ) dx dy √
R = {(x , y ); 0 ≤ x ≤ 1, x ≤ y ≤ 2 − x }
R 0 0 ZZ
Z1 y Z1 (c)
x
e y dA,
1 − cos(1)
= x sen(y ) dy = y sen(y 2 ) dy =
2
.
0 2 R
0 0
R = {(x , y ); 1 ≤ y ≤ 2, y ≤ x ≤ y 3 }
 ZZ
ZZ (d) x cos(y ) dA,
p
 ER 104 Calcule cos(2y ) 4 − sen2 (x ) dA, em R

n R R = {(x , y ) ∈ R2 ; 0 ≤ y ≤ x 2 ; 0 ≤ x ≤ 1}.
π πo
que R = (x , y ) ∈ R2 ; 0 ≤ x ≤ , x ≤ y ≤ . ZZ
2 2 (e) 4y 3 dA,
R

R = {(x , y ) ∈ R2 ; y ≥ x − 6, y 2 ≤ x }.
ZZ
(f) xy dA,
R
R é a região do primeiro quadrante limitada
pela circunferência de centro (0, 0) e raio 1.

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


104
Apontamentos

ZZ √
(g) (x 2 atan(x ) + y 3 + 4) dx dy , Z1 Z y Z4 Z1
x3 3
(e) e dxdy + e x dx dy
R
√ √
0 y 1 y
R = {(x , y ) ∈ R2 ; x 2 + y 2 ≤ 2}. 2 2

ZZ
(h) x cos(x + y ) dx dy .
Cálculo e Geometria Analítica

R EA 221 Determine o volume do sólido S (esboce)


R o triângulo de vértices (0, 0), (π, 0), (π, π) em cada um dos seguintes casos:
ZZ
(i) xy dA,
R (a) S é limitado superiormente pelo parabolóide z =
R ⊂ R2 triângulo de vértices em O (0, 0),
x 2 + y 2 e sua projeção no plano xy é a região
A(2, 1) e B (1, 2).
limitada por x = y 2 e x 2 = y .
ZZ
(j) (x 2 − y 2 ) dx dy ,
(b) S é limitado superiormente por z = xy e sua
R
projeção no plano xy é o triângulo de vértices
R ⊂ R2 limitada por y = sen(x ) e o intervalo
(1, 1), (4, 1) e (1, 2).
[0, π] no eixo Ox .
ZZ
(c) S é a região do primeiro octante limitada pelo
(k) (x + y ) dA,
R cilindro x 2 + z 2 = 9 e pelos planos x = 0, y = 0,
R ⊂ R2 limitada por y = x 2 e y = 2x . z = 0 e x + 2y = 2.
ZZ
√ √
(l) y sen(x y ) dA, (d) S é a região do primeiro octante limitado pelos
R
três planos coordenados e pelos cilindros x 2 +
2 √ π
R ⊂ R limitada por x = 0, x = y ey = . y 2 = 9 e y 2 + z 2 = 9.
2
ZZ
(m) e x +y dx dy , (e) S é delimitado superiormente pelo plano z = 4 −
R
x − y , inferiormente pela região R delimitada por
R = {(x , y ) ∈ R2 ; |x | + |y | ≤ 1}.
x = 0, x = 2, y = 0 e 4y − x = 2 e lateralmente
pelo cilindro vertical cuja base é o contorno de
R.
EA 220 Calcule as seguintes integrais:
(f) S está situado no primeiro octante, delimitado
Z Z
pelo plano z + y = 2 e pelo cilindro vertical que
(a) cos(y 3 ) dx dy , onde D é limitada por y =
contorna a região plana delimitada pelas curvas
√D
x, y = 2 e y = 0 y = x2 e y = x.
Z4 ln(2)
Z
1 (g) S está situado no primeiro octante, delimitado
(b) dx dy
ex +1
1 ln(y ) pelos cilindros x 2 + y 2 = 16 e x 2 + z 2 = 16.
2

π
Z1 Z 2 p (h) S é delimitado pela superfície z = 1 − x 2 (cilindro
(c) cos(x ) 1 + cos2 (x ) dx dy parabólico) e pelos planos z = 0, y = 0 e x + y =
0 asen(y )
4.
Z1 Z1 p
(d) 1 + y 3 dy dx (i) S é limitado pelos planos x = 0, y = 0, z = 0 e

0 x x + y + z = 1.

105 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

(j) S é a região do primeiro octante limitada pelo − sen( x2 )


Z0 Z
2 2
cilindro x + y = 1 e pelos planos y = x , x = 0, (c) f (x , y ) dy dx
π sen(x )
z = 0 e z = 2.

Z0 −Z 4−y

Cálculo e Geometria Analítica


(k) S é limitado pelos cilindros x 2 + y 2 = a2 e x 2 + (d) f (x , y ) dx dy
z 2 = a2 ; 4 y −4
2


(l) S é limitado pelos gráficos de y = 0, z = 0, x + Z−1 − Z1−x 2
(e) f (x , y ) dy dx
y = 4 e z = 4 − x 2;

1 1−x 2

(m) S é limitado pelos gráficos de x = 0, z = 0, x +


Z0 xZ2 −2x
2
y =9ez =9−y ; (f) f (x , y ) dy dx

3 3x
(n) S é limitado pelos gráficos de x = 0, y = 0, z =
Z1 ln(
Z x)
0, x 2 + y 2 = a2 , x 2 + z 2 = a2 a ≥ 0, situado no
(g) f (x , y ) dy dx
primeiro octante; e x
√ 2

(o) S é limitado pelos gráficos de x = 0, y = 0, z = Z1 Z 1−y
0, z = 6 − x , x = 4 − y 2 , situado no primeiro (h) f (x , y ) dx dy
0 1−y
octante.
y −2
Z2 Z
(i) f (x , y ) dx dy
−1 y 2 −4

EA 222 Calcule o volume do sólido delimitado


superiormente pelo gráfico de z = 4 − x − y , inferi-
EA 225 Calcule as seguintes integrais, invertendo
ormente pela região R delimitada por x = 0, x = 2,
a ordem de integração:
y = 0 e 4y − x = 2 e lateralmente pelo cilindro verti-
cal cuja base é o contorno de R . Z1 Z3
2

EA 223 Escreva (a) e x dx dy


Z Za integral iterada correspondente
0 3y
à integral dupla f (x , y ) dy dx , em que R é a re-
R Z3 Z9
gião do plano limitada pelas curvas y = −x + x + 2 2 (b) y cos(x 2 ) dx dy
e x − 2y + 1 = 0. 0 y2

Z1 Z0
EA 224 Considere f : R ⊂ R2 → R Riemann- p
(c) cos(x ) 1 + cos2 (x ) dx dy
Integrável nas regiões R indicadas. Inverta a ordem 0 asen(y )
de integração:
Z2 Ze x
(d) dy dx
Z0 Z2y 0 1
(a) f (x , y ) dx dy
Z1 Z1
2 y2
(e) dx dy
Z1 2−x √
Z 0 y
(b) f (x , y ) dy dx √
√ 2
2

2x −x 2
Z 2 Z4−2y
(f) y dx dy
0 −

4−2y 2

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


106
Apontamentos

Z1 3Zx +2 Gabarito
(g) dy dx 1 1
√ 2

220 (a) 8 sen(8); (b) 1 − ln(2); (c) 3 (2 2 − 1); (d) 9 (2 2 − 1); (e)
−2 x 2 +4x Z1 Z4x 2
x3 6 31

e dy dx = e − 1 . AT 221 (a) 35 ; (b) 8 ; (c) (27 asen( 32 ) + 11 5 −
0 x2
15 4 128 29 1 π 16a3
27)/6; (d) 18; (e) 4 ; (f) 15 ; (g) 3 ; (h) 12 . (i) 6; (j) 4 ; (k) ; (l) (m) (n)
Cálculo e Geometria Analítica

3
EA 226 Escreva a integral iterada de uma função (o) . AT 222
3 2 +x +2
Z2 −xZ
f integrável em um círculo de centro na origem e . AT 223 f (x , y ) dy dx . AT 224 (a) (b) (c) (d) (e) (f) (g)
x +1
raio a e inverta sua ordem de integração. −1
2
√ 2
Z1 Ze Z0 Z1−x 2 Z1 (1−
Z x)
EA 227 Determine a área de e esboce a região f (x , y ) dx dy ; (h) f (x , y ) dy dx + f (x , y ) dy dx ; (i)
0 ey −1 0 0 0
delimitada pelos gráficos de: √
Z−3 Zx +4 Z0 Zx +4

(e 9 −1)
f (x , y ) dy dx + f (x , y ) dy dx . AT 225 (a) 6 ; (b)

−4 − x +4 −3 x +2

1 sen(81)
; (c) (2 2−1)
. (d) (e) (f) (g) AT 226
(a) y = , y = −x 2 e 1 ≤ x ≤ 2; 4 3
117
x2 . AT 227 (a) 17
6 ; (b) 5
4; (c) 36 ln(2); (d) 33
2 . AT 228 (a) 36; (b) . (c)
14
(b) x = y 3 , x + y = 2, y = 0;

(c) y = x , y = 4x , xy = 36 (no primeiro quadrante); Riemann, Bernhard

(d) y 2 = −x , x − y = 4, y = −1 e y = 2;
Riemann nasceu em Hano-
ver, Alemanha. Foi uma
criança brilhante e leu as
obras de Euler e Legen-
EA 228 A integral dupla pode representar o vo-
dre quando ainda era ga-
lume de um sólido sob uma superfície S e sobre roto. Teve boa instrução em
Berlim e depois em Gottin-
uma região R do plano xy . Descreva S , esboce R gen onde obteve seu douto-
rado com uma tese, sobre
e calcule a integral nos seguintes casos:
teoria das funções de variá-
veis complexas, onde apa-
recem às equações denomi-
Z4 Z2
Riemann, Bernhard (1826-1866)
nadas de Cauchy-Riemann,
(a) 3 dy dx embora lá fossem conheci-
Fonte: Matemática na veia
0 −1 das por Euller e R’Alembert.
2
Z1 1−
Zx Neste trabalho já estabelece o conceito de superfície
(b) x 2 + y 2 dy dx de Riemann que desempenharia papel fundamental em
Análise.
−2 x −1

Z1 Z4 Interessou-se pela teoria dos números primos, as fun-


2 ções elípticas e a geometria, que relacionou com as
(c) e −y dy dx teorias mais avançadas da física. Em 1851, doutorou-
0 4x se com uma tese sobre os fundamentos de uma teoria
geral das funções, na qual estabeleceu relações entre
os números complexos–resultantes das raízes quadra-
das dos números negativos–sob as leis matemáticas da
geometria.

A definição de Riemann para a superfície multilateral,


em que associa uma função de variável complexa a
uma função de um só valor, contribuiu para o desenvol-
vimento da topologia, disciplina que estuda a estrutura
e a métrica do espaço ideal. Em 1854 o matemático
preparou a dissertação para ingressar como professor
assistente em Göttingen. Abandonou então os postula-
dos da geometria euclidiana de linha reta, e paralelos e
formulou uma geometria não-euclidiana semelhante às
de Nikolai Lobatchevski e János Bolyai, que desconhe-
cia.

Nomeado professor na Universidade de Gottingen em


1854, apresentou um trabalho perante o corpo docente

107 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

e que resultou na mais célebre conferência da história


da Matemática. Nele estava uma ampla e profunda vi-
são da Geometria e seus fundamentos que até então V (S )
permanecia marginalizada. √
1−(x −1)2
Z2 Z
Ao contrário de Euclides, e em sentido mais amplo = (x 2 + y 2 ) dy dx

Cálculo e Geometria Analítica


do que Lobachevsky, observou que seria necessário 0 −

1−(x −1)2
tratar-se de pontos, ou de retas, ou do espaço, não
no sentido comum, mas como uma coleção de n-uplas Z2 p 2p
que são combinadas segundo certas regras, uma das = 2x 2 1 − (x − 1)2 + (1 − (x − 1)2 )3 dx
3
quais, a de achar distância entre dois pontos infinita- 0
mente próximos.

Para Riemann, o plano é uma superfície de uma esfera O cálculo desta integral é muito trabalhoso e uma per-
e a reta, é o círculo máximo sobre a esfera. Com seus
gunta natural é: existe uma forma mais simples de obtê-
estudos, o grande matemático alemão Bernhard Rie-
mann influenciou profundamente a geometria e a aná- la? A resposta é: pode existir um modo mais fácil, po-
lise e apresentou, com meio século de antecedência,
as soluções dos espaços geométricos concebidos por rém, se existir um modo, este pode ser quando muda-
Albert Einstein para a teoria da relatividade; com isso
mos o sistema de coordenadas, uma vez que o valor da
tornou-se possível à teoria da relatividade, contribuindo
assim para o desenvolvimento da Física. integral iterada não é modificada.
Riemann conseguiu muitos teoremas em Teoria dos
Números, relacionando-os com Análise, onde encon- Por exemplo, considere as regiões circulares:
tramos também a equação de Cauchy-Riernann que é
uma concepção intuitiva e geométrica da Análise, em R1 = {(x , y ) ∈ R2 ; x 2 + y 2 ≤ 1}
contraste com a aritmética de Weierstrass. Um de seus
brilhantes resultados foi perceber que a integral exigia R2 = {(x , y ) ∈ R2 ; 1 ≤ x 2 + y 2 ≤ 4, 0 ≤ y }
uma definição mais cuidadosa do que a de Cauchy e,
baseado em seus conceitos geométricos, concluiu que
as funções limitadas são sempre integráveis. Em 1859, Se fizermos 
Riemann foi nomeado sucessor de Ririchlet na cadeira  x = r cos(θ)
de Gottingen já ocupada por Euller. ,
 y = r sen(θ)
O prestígio e a qualidade de sua obra, que levaram a então as regiões R1 e R2 passam a ser, respectiva-
posteridade a dar seu nome a vários métodos, teore-
mas e conceitos, lhe valeram a obtenção da cátedra de mente,
Göttingen em 1859. Com seu estado de saúde sempre
precário, acometido de tuberculose, Riemann morreu
em Selasca, Itália, em 20 de julho de 1866.
R1 = {(r , θ); 0 ≤ r ≤ 1, 0 ≤ θ ≤ 2π}
R2 = {(r , θ); 1 ≤ r ≤ 2, 0 ≤ θ ≤ π}

Integrais Duplas em Polares


A região R passa a ser
n π π o
R = (r , θ) : − ≤ θ ≤ , 0 ≤ r ≤ 2 cos(θ) ,
2 2
Se tivéssemos que calcular o volume do sólido que está
pois, substituindo-se x = y
sob o parabolóide z = x 2 + y 2 , acima do plano xy e
r cos(θ) e y = r sen(θ) na θ
dentro do cilindro x 2 + y 2 = 2x (ver figura a seguir),
equação x 2 + y 2 = 2x , temos x
z
o determinaríamos por: que r = 2 cos(θ).
ZZ
Será, então, que
V (S ) = (x 2 + y 2 ) dA,
π
Z2 2 cos(θ)
Z
R
V (S ) = r 2 dr dθ?
em que
− π2 0

R = {(x , y ); (x − 1)2 + y 2 = 1}.x


Antes de responder, note o que ocorre com a integral
Esta é uma região do tipo I e, dupla de f (x , y ) = 1 definida em Ra (disco de centro na
então, origem e raio fixado a).
y

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


108
Apontamentos

A integral dupla de f em Ra é Pela definição de integral e efetuando a mudança de


ZZ coordenadas, podemos escrever:
1 dx dy = π a 2 ,
ZZ
Ra
f (x , y ) dA
Cálculo e Geometria Analítica

pois é a área da região Ra . R


n X
X m
= lim f (xi∗ , yj∗ )∆Ai j
m,n→∞
Em coordenadas polares, temos: i =1 j =1
n X
m
X
Za Z2π = lim f (ri∗ cos(θj∗ ), ri sen(θj∗ ))r ∗ ∆ri ∆θj
ZZ m,n→∞
i =1 j =1
1 dr dθ = 1 dr dθ = 2π a, Zβ Zb
R 0 0 = f (r cos(θ), r sen(θ))r dr dθ
que é um resultado totalmente equivocado. α a

Para se calcular a integral dupla de f (x , y ) em coorde- O que acabamos de mostrar:


nadas polares, iremos observar que, além de descrever
Teorema 18 Se f é contínua no retângulo polar
a região e escrever a função f (x , y ) em coordenadas
polares, devemos multiplicar f por um fator de corre- R = {(r , θ) ∈ R2 ; 0 ≤ a ≤ r ≤ b e α ≤ θ ≤ β},
ção.
com 0 ≤ β − α ≤ 2π, então,
Vamos descobrir este fator. ZZ Zβ Zb
f (x , y ) dx dy = f (r cos(θ), r sen(θ))r dr dθ.
Considere a região do plano dada por R α a

R = {(r , θ) ∈ R2 ; 0 ≤ a ≤ r ≤ b e α ≤ θ ≤ β},
No caso mais geral, temos,
com 0 ≤ β − α ≤ 2π. R é chamado retângulo polar.
ZZ Teorema 19 Se f é contínua em uma região polar
Para calcular f (x , y ) dA usando coordenadas pola- da forma
R
res, dividiremos o intervalo [a, b ] em m sub-intervalos
R = {(r , θ); α ≤ θ ≤ β, h1 (θ) ≤ r ≤ h2 (θ)},
de comprimento
b−a com 0 ≤ h1 (θ), ∀ θ ∈ [α, β] e 0 ≤ β − α ≤ 2π, então
∆ri =
m
e o intervalo [α, β] em n intervalos de comprimento ZZ Zβ hZ2 (θ)
f (x , y ) dx dy = f (r cos(θ), r sen(θ))r dr dθ.
β−α R α h1 (θ)
∆θj = .
n

Assim, temos (m + 1)(n + 1) sub-retângulos polares


Retornando ao cálculo do volume da região descrita no
Ri j = {(r , θ); ri −1 ≤ r ≤ ri e θj −1 ≤ θ ≤ θj }. início do texto usando a fórmula em coordenadas pola-
res, temos:

O centro de cada sub-retângulo polar Ri j tem coorde- Z2


π
2 cos(θ)
Z
π
Z2
nadas V (S ) = r 2 r dr dθ = 4 cos4 (θ) dθ
 
ri −1 + ri θj −1 + θj − π2 0 − π2
, = (ri∗ , θj∗ )
2 2 Zπ/2 2
1 + cos(2θ)
e sua área é = 8 dθ
2
0
 2  2   π2
1 ∗ ∆ri 1 ∗ ∆ri 3θ sen(4θ) 3π
∆Ai j = ri + ∆θj − r − ∆θj = 2 + sen(2θ) + =
2 2 2 i 2 2 8 0 2
= ri∗ ∆ri ∆θj

109 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

ZZ
 ER 105 Calcule (3x + 4y 2 ) dA, em que Observe que essa multiplicação nos dá I 2 , pois os va-
R lores das duas integrais em y e em x são exatamente

R = {(x , y ); 1 ≤ x 2 + y 2 ≤ 4, 0 ≤ y }. os mesmos.

Cálculo e Geometria Analítica


Segue que:
Solução: Primeiramente, deve-se observar que R é
Z∞ Z∞
um região delimitada pelas circunferências de cen- −x 2 2
I =2
e dx e −y dy
tro na origem e raios 1 e 2 e cujos pontos possuem
−∞ −∞
Z∞ Z∞
ordenadas positivas, conforme a Figura 2 2
y = e −x e −y dx dy
ZZ −∞ −∞
2
Z∞ Z∞
(3x + 4y ) dA 2
−y 2
= e −x dx dy .
R
2 x
Zπ Z2 −∞ −∞
1
2 2
= (3r cos(θ) + 4r sen (θ))r dr dθ
0 1
Zπ h i2 Façamos, agora, uma mudança para coordenadas po-
15π
= r 3 cos(θ) + r 4 sen2 (θ) dθ = lares, observando que −x 2 − y 2 = −(x 2 + y 2 ) = −r 2 .
1 2
0


A região de integração é todo o plano xy . Portanto, r


deve variar de 0 a ∞ e o ângulo θ, de 0 à 2π.
A integral de uma função gaussiana

Assim, temos:
A integral dupla é usada para a encontrar o valor de
uma integral muito importante, que é aplicada em diver- Z2π Z∞
2
2
I = e −r r dr dθ.
sas áreas das ciências: a integral da função gaussiana:
0 0

Uma forma simples se calcular, cuja ideia remonta


a Simeon-Renis Poisson, é considerar a função Dessa maneira, como aparece um fator r , podemos uti-
2
+y 2 ) 2
lizar o método de substituição de variáveis, onde será
e −(x = e −r no plano R2 e calcular a mesma in-
tegral de duas formas: cancelado com o quociente 2r .

Calculando, primeiramente, a integral em r e depois in-


• por um lado, a integral dupla no sistema de coorde- tegrando o resultado em θ, da seguinte forma:
nadas cartesianas se escreve como um quadrado
Z 2
2 du
de integrais: e −x dx ; u = −r 2 ⇒ du = −2r dr ⇒ − = dr .
2r

• por outro, a integral pode ser calculada utilizando


coordenadas polares. Assim,

Z∞ Z∞ Z∞
−r 2 u du 1
Façamos: e r dr = − e r =− e u du
2r 2
Z∞ 0 0 0
2
I = e −x dx . 1 2 1 1
= − e − r |∞
0 = − (0 − 1) = .
−∞
2 2 2

Para obtermos essa integral, multiplicaremos pela inte- Teremos, então:


gral
Z∞ Z2π Z∞ Z2π
−y 2 −r 2 1 1
e dy . e r dr dθ = dθ = (2π − 0) = π.
2 2
−∞ 0 0 0

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


110
Apontamentos

Concluímos que: pectivamente iguais a 1 e 2 e pelas retas y = x



v
u Z∞ Z∞ e 3y = 3x ;
u 2 2
e −x −y dx dy
u
I = t
−∞ −∞
Cálculo e Geometria Analítica

v
uZ2π Z∞
u 2 √
u
= t e −r r dr dθ = π. Para ver a solução do item (a) clique aqui.
0 0 EA 230 Escreva a integral que determina a área
da região delimitada pelas curvas x 2 + y 2 = 9, r =
Atividades √
ZZ 3[1 + 2 cos(θ)], abaixo da reta y = x e situada no
EA 229 Calcule f (x , y ) dA em cada caso:
primeiro quadrante e exterior à circunferência. Em
R
seguida, determine seu valor.
(a) f (x , y ) = 5xy , em que R é a região delimitada
pelas curvas de equações x 2 + y 2 = 6x e x 2 + Para ver a solução clique aqui.
EA 231 Use uma integral dupla para calcular a
y 2 = 18, situada no primeiro quadrante.
área interior a região delimitada por:
2 + 2
(b) f (x , y ) = xy , em que R = {(x , y ) ∈ R ; x y −
2y ≤ 0;
(a) r = sen(θ);
(c) f (x , y ) = 3x , em que R é o disco de centro na
(b) r = 1 − sen(θ);
origem e raio 5, com x > 0.
(c) r 2 = 2a2 cos(2θ) e exterior à circunferência de
(d) f (x , y ) = xy , em que R é a região do pri-
raio a.
meiro quadrante limitada pelas circunferências
x 2 + y 2 = 4 e x 2 + y 2 = 25. (d) um laço da rosácea r = cos(2θ).

1 (e) um laço da rosácea r = 12 cos(3θ).


(e) f (x , y ) = p , em que R é a região interior
x + y2
2

à cardioide r = 1 + sen(θ) e exterior à circunfe-


rência r = 1.
EA 232 Calcule a área da região R , do primeiro
(f) f (x , y ) = (x 2 + y 2 ), em que R é a região limitada
quadrante, limitada pela cardioide r = 2 − 2 sen(θ) e
pelas espirais r = θ e r = 2θ, com 0 ≤ θ ≤ 2π.
pela circunferência de centro em (1, 0) e raio um.
−x 2 −y 2
(g) f (x , y ) = e , em que R é a região que está
EA 233 Faz-se um buraco cilíndrico de raio b pas-
no primeiro quadrante e é limitada pela circunfe-
sando pelo centro de uma esfera de raio a.
rência x 2 + y 2 = a2 e pelos eixos coordenados.

(h) f (x , y ) = sen(x 2 + y 2 ) e R círculo de raio 2 e (a) Calcule o volume do buraco. Observe que esta
centro na origem; fórmula dá o volume da esfera quando a = b .
2
+y 2
(i) f (x , y ) = e x e R região delimitada pelos cir- (b) Calcule o volume do sólido em forma de anel
cunferências de centros na origem e raios 1 e que restou. Expresse esse volume em termos
2; da altura h do anel. Observe que esse volume
depende apenas de h e não do raio a ou do raio
(j) f (x , y ) = 4 e R é a região delimitada pelas cir-
b!
cunferências de centros (1, 0) e (2, 0) e raios res-

111 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

EA 234 Calcule as integrais: EA 237 Prove que a função

1 1 x − µ1 1 y − µ2
( !2 !2 )
√ 2 f (x ,y )= exp − − ,
Z1 1+ Z 1−y 2πσ1 σ2 2 σ1 2 σ2
(a) xy dx dy ;
em que X e Y são variáveis aleatórias independen-

Cálculo e Geometria Analítica


0 1− 1−y 2
tes com distribuições X Ñ (µ1 , σ12 ) e Y Ñ (µ2 , σ22 ) o ve-

Z1 Z2−x 2 p tor aleatório (X , Y ) define uma função de densidade
(b) x 2 + y 2 dy dx ;
conjunta de probabilidade.
0 x2
EA 238 Exprima (sem calcular)
Z3 Zy
1
(c) p dx dy ; Z4
π
2 cos(θ)
Z
x2 + y2 r2
1 0 dr d θ
√ 1 + r sen(θ)
Z3 Z9−x 2 y  0 sec(θ)

(d) atan dx dy ;
x como integral iterada em coordenadas retangulares,
0 0
√ nas duas possíveis ordens de integração.
2
Z4 Z4y −y ZZ
(e) (x 2 + y 2 ) dx dy ; EA 239 Seja I = f (x , y ) dx dy =
0 0 D
2
Z1 Z0 Z2 Z0
Z1 3−
Zxp f (x , y ) dy dx + f (x , y ) dy dx .
(f) 25 − x 2 − y 2 dy dx ; √
0 −x 1 − 2x −x 2
0 3−x

Z1 Z|x | (a) Transforme I em uma só integral iterada na or-


(g) (x 2 − 2y 2 ) dy dx
dem invertida.
−1 −1
p
Z1 Z1 (b) Calcule I para f (x , y ) = x 2 + y 2.
(h) |x + y | d x d y
0 −1


Z1 1+Z 1−x 2
EA 235 Calcule o volume do sólido em cada caso. EA 240 Seja I = f (x , y ) dy dx .
Esboce as superfícies. −1 1

(a) Inverta a ordem de integração em I .


(a) x 2 + y 2 + z 2 ≤ 4a2 e x 2 + y 2 ≥ 2ax , com a > 0.
1
(b) Calcule I para f (x , y ) = √ .
(b) x 2 + y 2 ≤ 1, z ≥ x 2 + y 2 e z ≥ 0; x 2 +y 2

(c) z ≤ 9 − x 2 − y 2 e z ≥ x 2 + y 2 ;

(d) delimitado por z = 2x 2 + y 2 + 1, x + y = 1 e


z = x = y = 0.

EA 236 Determine o volume do sólido que está

sob o parabolóide z = x 2 + y 2 , acima do plano xy e


dentro do cilindro x 2 + y 2 = 2x .

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


112
Apontamentos

Gabarito
AT 229 (a) 135. (b) (c) 250; (d) 609/8; (e) 2; (f) 24π 5 . (g) (a) π(1 − z

cos(4)); (b) 2e π(e 3 − 1); (c) π + 6 − 3 3. . AT 230 89 (10 + π).
2 √ Pi
AT 231 (a) (b) (c) a3 (3 3 − π); (d) π8 ; (e) 24π . AT 232 AT 233
a3
p 2
(a) 4π 3 ; (b) 3 4π 3
(a − b 2 )2 . AT 234 (a) (b) (c) (d) (e) 12π; (f)
Cálculo e Geometria Analítica

61 π
 
− atan(2) ; (g) − 12 ; (h) 34 . AT 235 (b) π2 ; (c) 81 π4 . (d) AT
3 2

Z1 Z 2x −x 2 p

236 π.
3
AT 237 Pag. 19 AT 238
x2 + y2
dy dx e
y
2 1+y x
0 0
√ √
Z1 1+ Z 1−y 2 p 2 Z0 1+ Z 1−y 2
x + y2 ZZZ
dx dy . AT 239 (a) f (x , y ) dx dy ; (b)
1+y A integral tripla f (x , y , z ) dV de f sobre S é obtida
0 1 −1 1

1−(1− 2
Z2 Z y) S
√ √ √
10 2
9 . AT 240 (a) f (x , y ) dx dy ; (b) 2 2 + 2 ln( 2 − 1). . de
√ n
X
1
− 1−(1−y )2
lim f (xi , yi , zi )V (Pi ),
max{d (Pi )}→0
i =1
se tal limite existe e onde d (Pi ) é a medida de compri-
Integrais Triplas mento da diagonal de Pi .

Neste caso, se diz que f é integrável em S .


Definição da Integral Tripla

Propriedades da Integral Tripla


A ideia é definir, de forma análoga, a integral em um
subconjunto do domínio das funções reais de três va- São válidas para a integração tripla, as mesmas propri-
riáveis reais f (x , y , z ) = w . O domínio destas funções edades operatórias que valem para integrais duplas.
3
são subconjuntos do R e não podemos mais visualizar
Assim, se f e g são funções integráveis em S ⊂ R3 e
seus gráficos, que são subconjuntos do R4 .
k ∈ R, então
Considere uma região S fechada e limitada. Seja P ⊃ S
um paralelepípedo 1. Linearidade: a função kf + g é integrável e
ZZZ
[kf + g ](x , y , z ) dV
S
P = [a , b ] × [c , d ] × [p , q ] ZZZ ZZZ
= k f (x , y , z ) dV + g (x , y , z ) dV ;
= {(x , y , z ); a ≤ x ≤ b , c ≤ y ≤ d , p ≤ z ≤ q }
S S

2. Aditividade: Se a região S é composta de suas sub-


e f (x , y , z ) uma função definida em P . regiões S1 , S2 , . . . , Sn , n ∈ N, n ≥ 2, que não pos-
suem pontos em comum, exceto, possivelmente, os
Vamos obter uma partição de S dividindo cada intervalo Sn 
pontos de suas fronteiras S = i =1 Si ) , então
[a, b ], [c , d ] e [p , q ] em pequenos intervalos. ZZZ n ZZZ
X
f (x , y , z ) dV = f (x , y , z ) dV .
Consideremos os n pequenos paralelepípedos S i =1 Si
P1 , P2 , . . . , Pn formados e inteiramente contidos
3. Princípio da comparação:
em S e, para cada i = 1, . . . , n, escolha um ponto ZZZ ZZZ
f (x , y , z ) dV ≤ g (x , y , z ) dV ,
(xi , yi , zi ) de Pi . A soma (de Riemann)
S P

sempre que f (x , y , z ) ≤ g (x , y , z )
n
X
f (xi , yi , zi ) · V (Pi ), 4. Valor Médio: existe ao menos um ponto Q em S tal
i =1
que ZZZ
f (x , y , z ) dV = f (Q ) · V (S ),
em que V (Pi ) é o volume do paralelepípedo Pi . S

113 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

em que V (S ) representa a medida de volume da re- Note que, se f (x , yZ, zZ)Z= 1 (que é contínua e, portanto,
gião S . integrável), então 1 dV é o volume de P , que é
P
ZZZ (b − a) · (d − c ) · (q − p ).
ZZZ
5. Volume do Sólido: V (S ) = dV é o volume do

Cálculo e Geometria Analítica


 ER 106 Calcule f (x , y , z ) dV , em que P =
S
sólido S , desde que tal integral exista. P
[0, 1] × [−1, 2] × [0, 3] e f (x , y , z ) = xy z 2 .
Assim, para regiões com bordo “bem comportado”,
Solução: Se P = [0, 1] × [−1, 2] × [0, 3] e f (x , y , z ) =
o volume é dado pela integral tripla da função cons-
xy z 2 , então:
tante igual a 1.
ZZZ Z3 Z2 Z1
2
xy z dV = xy z 2 dx dy dz
P 0 −1 0
As regiões do Tipo I, II e III, a seguir, possuem volume Z3 Z2
yz2
e este pode ser calculado usando a integral tripla. = dy dz
2
0 −1
Z3
3z 2 27
= dz =
Integrais em Regiões Paralelepipedais 4 4
0

Assim como fomos capazes de calcular uma integral Poderíamos obter este resultado por mais 5 diferen-

dupla para funções de duas variáveis reais definidas tes maneiras. Que tal você treinar um pouco e fazer

num paralelogramo usando integrais iteradas, seremos, algumas delas? 

também, capazes de calcular a integral tripla de uma ZZZ


 ER 107 Calcule 2x sen(y + z ) dx dy dz , em
função definida num paralelepípedo P usando as inte-
P
grais iteradas e, assim como antes, não importará para que P = [0, 1]3 é o cubo de lado 1 e arestas sobre
funções integráveis, a ordem com que fazemos o cál- os eixos x , y e z .
culo de cada integral. Porém, como estamos traba-
Solução:
lhando com três variáveis, teremos 6 combinações pos-
ZZZ
síveis. Este resultado, também, é devido a Fubini. 2x sen(y + z ) dV
P
Teorema 20 Se f é uma função integrável em P = Z1 Z1 Z1
[a, b ] × [c , d ] × [p , q ], então: = 2x sen(y + y ) dx dy dz
0 0 0
ZZZ Zq Zd Zb Z1 Z1
f (x , y , z ) dV = f (x , y , z ) dx dy dz = sen(y + z ) dy dz
s p c a 0 0
Zq Zb Zd Z1 h i1
= f (x , y , z ) dy dx dz = − cos(y + z ) dz
0
p a c 0
Zd Zq Zb Z1
= f (x , y , z ) dz dy dx = [− cos(z + 1) + cos(z )] dz
c p a h0 i1
Zd Zb Zq = − sen(z + 1) + sen(z )
0
= f (x , y , z ) dz dx dy
= [− sen(2) + sen(1) + sen(1) − sen(0)]
c a p
Zb Zd Zq = 2 sen(1) − sen(2).
= f (x , y , z ) dz dy dx
a c p
Zb Zq Zd Observe que a função f (x , y , z ) = x sen(y + z ) é po-
= f (x , y , z ) dy dz dx sitiva em P e a integral tripla resultou em um número
a p c

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


114
Apontamentos

positivo.  Regiões do Tipo I

São regiões do espaço com a característica do conjunto


Atividades
EA 241 Calcule:
S = {(x , y , z ); (x , y ) ∈ R , u1 (x , y ) ≤ z ≤ u2 (x , y )},
Cálculo e Geometria Analítica

ZZZ
(a) xy sen(y z ) dV , em que G = em que u1 e u2 são funções contínuas em R e R é a

nG projeção de S no plano xy .
πo
(x , y , z ); 0 ≤ x ≤ π, 0 ≤ y ≤ 1, 0 ≤ z ≤ .
6
Assim, a integral fica

ZZZ Zb gZ2 (x ) u2Z(x ,y )


f (x , y , z ) dV = f (x , y , z ) dz dy dx
S a g1 (x ) u1 (x ,y )
Gabarito
π3
AT 241. (a) π
2 (π − 3); (b) 1; (c) 0; (d) 77; (e) 2 [1 − cos(1)]; (f) 1. ou
ZZZ Zd hZ2 (y ) u2Z(x ,y )
Integrais Triplas em Certas Regiões
f (x , y , z ) dV = f (x , y , z ) dz dx dy
S c h1 (y ) u1 (x ,y )

Seja S uma região limitada do R3 , isto é, S está contida


Lembrando que para f (x , y ) ≥ 0 integrável em R , defi-
num paralelepípedo P , e f (x , y , z ) uma função definida
nimos o volume do sólido
em S . Como fizemos para integrais duplas, defina a
função F (x , y , z ) em P como sendo igual a f (x , y , z ) em S = {(x , y , z ); (x , y ) ∈ R , 0 ≤ z ≤ f (x , y )}
S e assumindo valor 0 em pontos que estão em P , mas
como sendo
não em S . ZZ
V (S ) = f (x , y ) dA.
Definimos a integral tripla de f (x , y , z ) sobre S como: R

ZZZ ZZZ
f (x , y , z ) dV = F (x , y , z ) dV , Se entendermos S como uma região do Tipo I . Então,
S P ZZ ZZ
f (x ,y )
f (x , y ) dA = [z ]0 dA
quando a integral no segundo membro existe. R R
ZZ (x ,y )
fZ

A questão é saber quando esta integral existe e como = 1 dz dA


ZRZ Z 0
calculá-la! Aliás, ela nem sempre existe. Encontre um
= 1 dV
exemplo, parecido com o que apresentamos para inte-
S
grais duplas.
 ER 108 Faça um esboço do sólido cujo volume é

Como antes, o que vale é que se f é contínua em S e Z1 Z1−x 2 Z
1+y

dado por dz dy dx e determine seu va-


se o bordo da região S é “bem comportado”, então f é √
−1 − 1−x 2 0
integrável em S . lor. 

E que tipo de regiões S são estas? Lembre que esta-


Clique aqui para ver o esboço.
mos no R3 e tais regiões são sólidos do espaço. Nova-
mente, não iremos discutir aqui o que significa ser “bem
Regiões do Tipo II
comportado”.

São regiões do espaço com a característica do conjunto


Vamos destacar os tipos de regiões S que aparecem
com maior frequência. S = {(x , y , z ); (y , z ) ∈ R , v1 (y , z ) ≤ x ≤ v2 (y , z )},

115 Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


Apontamentos

p
em que v1 e v2 são funções contínuas em R e R é a z≤ y − x 2 . Assim,
projeção de S no plano y z . ZZZ p
x 2 + z 2 dV
√ 2 S
Da mesma forma que antes, podem-se ter dois tipos de
Zy −x p

Cálculo e Geometria Analítica


ZZ
integração, dependendo da forma da região R . = x 2 + z 2 dz dA

ZZZ Zd gZ2 (y ) v2Z(y ,z ) R − y −x 2

f (x , y , z ) dV = f (x , y , z ) dx dz dy Z2 Z4 Zy −x p
2

S c g1 (y ) v1 (y ,z ) = x 2 + z 2 dz dy dx
ou −2 x 2

− y −x 2

ZZZ Zq hZ2 (z ) v2Z(y ,z )


f (x , y , z ) dV = f (x , y , z ) dx dy dz . Entretanto, a primeira integral que temos que calcu-
S p h1 (z ) v1 (y ,z )
lar é um pouco complicada (vai ser necessário fazer
√ uma mudança de variável). Vamos tentar escapar
2
Z1 Z1−y Zy
 ER 109 Calcule z dx dz dy . disto vendo S de outra maneira. Projetando S no
0 0 0 plano xz temos um disco R2 de raio 2 e centro na

Solução. (assista a partir de 15 min 55s).  origem (pois, no máximo x 2 + z 2 = 4). Para (x , z )
em R2 temos que y varia entre v1 (x , z ) = x 2 + z 2 e
v2 (x , z ) = 4.
Regiões do Tipo III

Então
São regiões do espaço com a característica do conjunto ZZZ p
x 2 + z 2 dV
S = {(x , y , z ); (x , z ) ∈ R , w1 (x , z ) ≤ y ≤ w2 (x , z )},
S
ZZ Z4 p
em que w1 e w2 são funções contínuas em R que é a = x 2 + z 2 dy dA
projeção de S no plano xz . ZRZ
2 x 2 +z 2
p
= (4 − x 2 − z 2 ) x 2 + z 2 dA
Pode existir, também, dois tipos de integração, depen- R2
Z2 Z2π
dendo da forma da região R : 128π
= (4 − r 2 )r 2 dθ dr =
15
ZZZ 2 (x ,z )
Zq gZ2 (z ) wZ 0 0

f (x , y , z ) dV = f (x , y , z ) dy dx dz 

S p g1 (z ) w1 (x ,z )

Z3 Z9−z 2Zx
ou
EA 242 Calcule xy dy dx dz .
ZZZ 2 (x ,z )
Zb hZ2 (x ) wZ 0 0 0
f (x , y , z ) dV = f (x , y , z ) dy dz dx .
S a h1 (x ) w1 (x ,z )
Solução. (assista a partir de 21 min 50s).
ZZZ p
 ER 110 Calcule x 2 + z 2 dV , em que S é a
S
região limitada pelo parabolóide y = x 2 + z 2 e pelo Atividades

plano y = 4. EA 243 Use uma integral tripla para encontrar


o volume de um sólido no primeiro octante limitado
Solução: Pode-se descrever esta região de várias
pelos planos coordenados e pelo plano de equação
formas. Projetando S no plano xy temos a região R
3x + 6y + 4z = 12.
limitada pela parábola y = x 2 (z = 0) e a reta y = 4
p
e, se (x , y ) está nesta região R , então − y − x 2 ≤
Solução.

Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento


116
Apontamentos

EA 244 Use uma integral tripla para encontrar o um argumento geométrico.


volume de um sólido limitado por

(a) z = 4 − y 2 e z = 2 + y 2 e entre os planos x = −1 EA 247 Calcule as integrais iteradas:


Cálculo e Geometria Analítica

e x = 2; (Solução).
Z1 Zz Zy
(b) y = 0, y = 4, z = 9 − x 2 , y + z = 4; (a) xy z dx dy dz
0 0 0
(c) z = 4 − x 2 − y 2 e z = y , situado no interior do