Você está na página 1de 4

Boletim de poluição marinha 172 (2021) 112821

Listas de conteúdos disponíveis em ScienceDirect

Boletim de Poluição Marinha

Página inicial do jornal: www.elsevier.com/locate/marpolbul

Linha de base

Mídia digital revela impactos negativos de redes fantasmas sobre a


biodiversidade marinha brasileira

Valter M. Azevedo-Santos uma,*, Larissa M. Marques b, Clarissa R. Teixeira c, Tommaso Giarrizzo d,e,
Rodrigo Barreto f, Jorge L. Rodrigues-Filho b
uma Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Botucatu, São Paulo, Brasil
b Laborat´ório de Ecologia Aplicada e Conservação (LEAC), Departamento de Engenharia de Pesca e Ciˆências Biol´ógicas, Universidade do Estado de Santa Catarina -
UDESC, Laguna, Brasil
cLaboratório de Mamíferos Aquáticos (LAMAQ), Departamento de Ecologia e Zoologia, Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC, Brasil
d Núcleo de Ecologia Aquática E Pesca da Amazônia e Laborat´
ório de Biologia Pesqueira E Manejo Dos Recursos Aquáticos, Grupo de Ecologia Aquática, Universidade
Federal do Pará, 2651 Avenida Perimetral, Bel´ém, Pará, Brasil
e Instituto
de Ciˆências do Mar (LABOMAR), Universidade Federal do Ceará (UFC), Avenida da Abolição 3207, 60165-081 Fortaleza, Ceará, Brasil
f Centro Nacional de Pesquisa e Conservação da Biodiversidade Marinha do Sudeste e Sul do Brasil (CEPSUL), Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade

(ICMBio), Itajaí, Brasil

ARTICLEINFO RESUMO

Palavras-chave: As artes de pesca abandonadas, perdidas ou descartadas (ALDFG) são responsáveis pelo emaranhamento de várias espécies
ALDFG marinhas. Com base em uma pesquisa de mídia digital (ou seja, Google e YouTubeBR), avaliamos os impactos negativos das
Espécies em perigo
redes fantasmas-um tipo de ALDFG-sobre a biodiversidade marinha brasileira. Descobrimos que as redes fantasmas afetaram
Emaranhamento
negativamente crustáceos, peixes, répteis, aves e mamíferos em diferentes partes da costa brasileira. Nossos relatórios
Pesca fantasma
incluem megafauna marinha, como a baleia Bryde e o golfinho da Guiana. Além disso, descobrimos que as redes fantasmas
Equipamento fantasma

Poluição de plástico
impactaram sete espécies ameaçadas e tiveram efeitos negativos sobre os animais em áreas marinhas protegidas. Aqui,
fornecemos uma atualização sobre os impactos negativos das redes fantasmas na biota marinha brasileira, mas a situação
real permanece subestimada e um tanto obscura.

As artes de pesca abandonadas, perdidas ou de outra forma descartadas (doravante a biota aquática em todos os ecossistemas marinhos no Brasil (Link et al., 2019)
ALDFG) são consideradas uma grande ameaça à biodiversidade marinha e de água doce ( Por exemplo,Adelir-Alves et al. (2016)mostraram que as redes fantasmas
Macfadyen et al., 2009; Butterworth et al., 2012) Isso porque, a presença de ALDFG afetaram diretamente 12 espécies e que a espécie mais afetada foi Epinephelus
muitas vezes resulta em pesca fantasma, definida por marginatus. Santos et al. (2012)gravou vários indivíduos de Lepidochelys olivacea
Smolowitz et al. (1978)“como a capacidade das artes de pesca de continuar enredado em redes fantasmas perto de Fernando de Noronha e Atol das Rocas.
pescando depois que todo o controle dessas artes for perdido pelo pescador”. Como emE. marginatus (Vejo Pollard et al., 2018), L. olivacea é categorizado como
Este fenômeno é responsável pelo emaranhamento de diferentes organismos, “vulnerável” na Lista Vermelha da IUCN de espécies ameaçadas (Abreu-Grobois e
como peixes, pássaros, tartarugas e mamíferos (Santos et al., 2012; Adelir-Alves et Plotkin, 2008) Portanto, as redes fantasmas representam uma grande ameaça
al., 2016; Stelfox et al., 2016; Lima et al., 2019; Azevedo-Santos et al., 2021) Esses para as espécies aquáticas brasileiras; incluindo aqueles já afetados por outras
animais sofrem graves impactos negativos em seu bem-estar, desde afogamento ações antrópicas.
até feridas debilitantes (por exemplo, mutilações; ver Embora os impactos negativos causados pelas redes fantasmas tenham sido
Barreiros e Raykov, 2014), geralmente causando dor e mudanças comportamentais-que reconhecidos desde o final dos anos 1980, ainda existem grandes lacunas em nosso
culminam em morte na maioria dos casos. Além disso, fragmentos de redes de pesca conhecimento-especialmente por causa das dificuldades envolvidas na obtenção de
são geralmente compostos de polímeros sintéticos (por exemplo, poliamidas) que evidências científicas (Matsuoka et al., 2005) Nesse sentido, as mídias digitais têm se
podem ser ingeridos por diferentes componentes da biota aquática (Azevedo-Santos et tornado uma importante ferramenta nos estudos sobre os impactos de diferentes
al., No prelo; Kühn e van Franeker, 2020) Entre as ALDFG estão as redes fantasmas, que atividades sobre a biodiversidade (por exemplo,Magalhães et al., 2021; Ferraz et al., 2019
causam impactos negativos sobre ), incluindo aqueles causados por ALDFG (Azevedo-Santos et al., Em

* Autor para correspondência: Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Botucatu, S˜ão Paulo, Brasil.
Endereço de e-mail: valter.ecologia@gmail.com (VM Azevedo-Santos).

https://doi.org/10.1016/j.marpolbul.2021.112821
Recebido em 2 de maio de 2021; Recebido em forma revisada em 25 de julho de 2021; Aceito em 1 de agosto de 2021
Disponível online em 8 de agosto de 2021
0025-326X / © 2021 Elsevier Ltd. Todos os direitos reservados.
VM Azevedo-Santos et al. Boletim de poluição marinha 172 (2021) 112821

tabela 1
Espécies encontradas em redes fantasmas em ecossistemas marinhos brasileiros com base em mídia digital. O código representa o número de referências (vídeo ou notícias) listadas no Suplemento
material mentário.

Nome comum Espécies Ocorrência Condição do Estado de conservação ( Ano Ecossistema Cidade Estado Código

animal ICMBio, 2018)

Coral pegajoso Mithrax hispidus (Herbst Papai Noel

caranguejo 1790) 1 Morto Menor preocupação 2020 Recife rochoso Florianópolis Catarina 1
Aluterus monoceros Papai Noel

Peixe lixa (Linnaeus 1758) 1 Vivo Menor preocupação 2013 Recife rochoso Florianópolis Catarina 2
Anisotremus virginicus Papai Noel

Peixe porco (Linnaeus 1758) 1 Morto Menor preocupação 2013 Recife rochoso Florianópolis Catarina 2
mar Branco Genidens barbus (Lacep`ède
peixe-gato 1803) 1 Morto Ameaçadas de extinção 2014 praia Iguape São paulo 3
Enfermeira atlântica Ginglymostoma cirratum
Tubarão (Bonnaterre 1788) 1 Vivo Vulnerável - Recife artificial Aracati Ceará 4
Haemulon parra
Grunhido de marinheiro (Desmarest 1823) 1 Vivo Menor preocupação - Recife artificial Aracati Ceará 5
Holocentrus adscensionis Papai Noel

Esquilo (Osbeck 1765) 1 Morto Menor preocupação 2020 Recife rochoso Florianópolis Catarina 1
Kyphosus elegans (Peters Rio de
Cortez Sea Chub 1869) 1 Vivo Menor preocupação 2019 Recife rochoso Rio de Janeiro Janeiro 6
Mar das bermudas Sectatriz Kyphosus Rio de
caboz (Linnaeus 1758) 1 Vivo Menor preocupação 2019 Recife rochoso Rio de Janeiro Janeiro 6
francês Pomacanthus paru (Bloch Rio de
peixe anjo 1787) 1 Vivo Menor preocupação 2019 Recife rochoso Rio de Janeiro Janeiro 6
Priacanthus arenatus Vivo e morto Papai Noel

Patudo atlântico Cuvier 1829 11 indivíduos Menor preocupação 2013 Recife rochoso Florianópolis Catarina 2
Mar Pemecou Sciades herzbergii (Bloch Possivelmente

peixe-gato 1794) 1 Morto Menor preocupação 2016 recife artificial Jo˜ão Pessoa Paraíba 7
Sparisoma frondosum Possivelmente

Papagaio (Agassiz 1831) 1 Vivo Vulnerável 2016 recife artificial Jo˜ão Pessoa Paraíba 7
Chelonia mydas (Linnaeus
Tartaruga verde 1758) 5 Morto Vulnerável 2018 - - São paulo 8
Olive Ridley Sea Lepidochelys olivacea Fernando de
tartaruga (Eschscholtz 1829) 2 Vivo Ameaçadas de extinção 2014 - Noronha Pernambuco 9
Neotropical Nannopterum brasilianus
Corvo-marinho (Gmelin 1789) 1 Vivo Menor preocupação 2020 - - - 10
Sul Americano Arctocephalus australis S˜ão francisco Papai Noel

lobo marinho Zimmermann 1783 1 Vivo Menor preocupação 2020 - do sul Catarina 11
Balaenoptera edeni
Baleia de Bryde Anderson 1878 1 Morto Menor preocupação 2017 - S˜ão Sebastião São paulo 12
Pontoporia blainvillei
(Gervais e D'Orbigny Criticamente

Franciscana 1844) 1 Vivo ameaçadas de extinção 2020 - Guarujá São paulo 13


Sotalia guianensis (van Rio de
Golfinho da guiana B´én´Éden 1864) 1 Morto Vulnerável - - Rio de Janeiro Janeiro 14

Aperte) Eles são uma fonte barata de dados que podem ajudar no aves e mamíferos (cetáceos afetaram e pinípedes; tabela 1) Redes fantasma
desenvolvimento da ciência. Aqui, descrevemos novos relatórios de redes animais marinhos em seis estados ao longo da costa brasileira,
fantasmas que afetam a biodiversidade marinha brasileira usando registros incluindo áreas protegidas no Oceano Atlântico (tabela 1) Por exemplo, um caso
obtidos em mídia digital. datado de janeiro de 2019 mostra uma rede dentro do Monumento Natural do
Entre janeiro e abril de 2021, pesquisamos duas fontes de informação Arquip´élago das Ilhas Cagarras, no sudeste do Brasil (ver Resultado 6 em
populares e de acesso gratuito: Google (https://www.google. com /) e YouTubeBR ( Material Complementar).
https://www.youtube.com.br) Para a pesquisa, incluímos as seguintes palavras-
Exceto por Mithrax hispidus, Lepidochelys olivacea, e Holocentrus
chave combinadas em português:“rede abandonada + mar”; “rede de pesca
abandonada + estuário”; “animais marinhos de rede de pesca”; “rede de pesca + adscensionis, cuja captura em redes fantasmas já foi relatada (mesa 2), nenhum
animais marinhos emaranhados”; “fishin + outro taxa identificado em nível de espécie tinha registros anteriores de
g emaranhamento nesse tipo de arte no Brasil. Combinando nossas descobertas
engrenagens + animais marinhos”; “pesca fantasma + animais marinhos”; “mar + com relatórios da literatura (Tabelas 1 e 2), as redes fantasmas afetaram 30
de pesca fantasma”; e “pesca fantasma + brasil”. espécies nos ecossistemas marinhos brasileiros. Nossos resultados mostram que
Avaliamos os vídeos e o conteúdo das notícias para obter informações sobre as as redes fantasmas no ecossistema marinho brasileiro são generalizadas e
espécies emaranhadas, região geográfica e para confirmar que as artes de pesca impactam negativamente vários grupos diferentes de organismos.
representavam redes fantasmas. Após nossa avaliação inicial, usamos literatura No presente estudo, encontramos exemplos de emaranhamento de megafauna
específica (por exemplo,Melo, 1996; Menezes et al., 2003; Doente, 2001; Monteiro-Filho marinha, como a baleia Brydes. Balaenoptera edeni. Os efeitos negativos das redes
et al., 2021) e especialistas consultados para nos ajudar a identificar os indivíduos fantasmas em mamíferos aquáticos foram relatados em todo o mundo por diferentes
emaranhados. Em nossos resultados, consideramos apenas espécimes emaranhados autores. Stelfox et al. (2016), por exemplo, compilou vários estudos relatando espécimes
identificados em nível de espécie. A maioria dos nomes comuns das espécies afetadas de pinípedes, cetáceos e sirênios emaranhados neste tipo de engrenagem. No entanto,
seguiramFroese e Pauly (2021), Lista Vermelha não havia nenhum relato científico anterior de emaranhamento de mamíferos marinhos
(2021), ou Palomares e Pauly (2020). por redes fantasmas em águas brasileiras. Da mesma forma, relatos de pássaros
Nossa pesquisa resultou em 14 relatórios independentes de redes fantasmas marinhos emaranhados em redes perdidas ou abandonadas também não estavam
afetando a biodiversidade marinha brasileira (tabela 1) Compilamos casos de disponíveis para o Brasil.
emaranhamento de vinte espécies, incluindo crustáceos, peixes, répteis (tartarugas), Encontramos relatos de emaranhamento de espécies ameaçadas, como

2
VM Azevedo-Santos et al. Boletim de poluição marinha 172 (2021) 112821

mesa 2 No Brasil, existem algumas atividades realizadas por órgãos governamentais para
Relatórios científicos de espécies encontradas em redes fantasmas em ecossistemas marinhos combater a pesca fantasma. Entre as iniciativas existentes estão as oriundas da
brasileiros. A busca foi realizada no Google Scholar (https://scholar.google.com.br/) usando as Comissão Baleeira Internacional, voltada para a redução do emaranhamento de
palavras “rede abandonada”,“pesca fantasma”, ou “rede fantasma”, combinada com a palavra mamíferos marinhos, e de um projeto liderado pelo Instituto das Pescarias do
Brasil. As pesquisas ocorreram em português e inglês, e consideradas
Estado de São Paulo, que visa retirar ALDFG da água e aproveitá-las.˜ẽ materiais
apenas relatórios em scie revistas científicas ou livros.
encontrados para a produção de outros objetos (APTA, 2019) Essas atividades,
Nome comum Espécies Ocorrência Referências mesmo que promissoras, são recentes (2019); e ainda não forneceram evidências
Caranguejo-nadador vermelho Cronius ruber (Lamarck 4 Adelir-Alves de que ajudem a mitigar os impactos das redes fantasmas no Brasil. Gostaríamos
1818) et al. (2016) também de destacar o preocupante fato de em alguns estados não existirem
Coral pegajoso Mithrax hispidus (Herbst 5 Adelir-Alves atividades ou projetos voltados para o enfrentamento desse problema. É o caso
caranguejo 1790) et al. (2016)
de Santa Catarina, um dos mais importantes produtores de pescado do país (
Caranguejo-pedra-grumoso Menippe nodifrons 5 Adelir-Alves
Stimpson 1859 et al. (2016) Brasil, 2011), com um legado rico, histórico e cultural nas atividades pesqueiras (
Smoothtail espinhoso Panulirus laevicauda 1 Adelir-Alves Medeiros et al., 1997) Embora nosso foco tenha sido a fauna marinha brasileira,
lagosta (Latreille 1817) et al. (2016) dados semelhantes para outros países existem e devem ser compilados no
Sargento major Abudefduf saxatilis 2 Adelir-Alves
futuro, para auxiliar na elaboração ou intensificação de políticas contra redes
(Linnaeus 1758) et al. (2016)
Black margate Anisotremus surinamensis 3 Adelir-Alves
fantasmas. Ressaltamos, no entanto, que esses dados representam apenas uma
(Bloch 1791) et al. (2016) fração do problema-considerando que a permanência de redes em ecossistemas
Pára-choque atlântico Chloroscombrus chrysurus 1 Adelir-Alves aquáticos pode ser muito mais frequente. Além disso, um número maior de
(Linnaeus 1766) et al. (2016) espécies pode ter sido afetado, mas não identificado no presente esforço.
Garoupa escura Epinephelus marginatus 7 Adelir-Alves
Portanto, fornecemos aqui uma atualização dos impactos negativos das redes
(Lowe 1834) et al. (2016)
Esquilo Holocentrus adscensionis 1 Adelir-Alves fantasmas sobre a biota marinha brasileira, mas a situação real permanece
(Osbeck 1765) et al. (2016) subestimada e um tanto obscura.
Baiacu suave Lagocephalus laevigatus 1 Adelir-Alves
(Linnaeus 1766) et al. (2016)
Aspirante peixe Porichthys porosissimus 1 Adelir-Alves
Financiamento
(Cuvier 1829) et al. (2016)
Papagaio Sparisoma axillare 1 Adelir-Alves
(Steindachner 1878) et al. (2016) Nenhum.
Olive Ridley Sea Lepidochelys olivacea 18 Santos et al.
tartaruga (Eschscholtz 1829) (2012)
Declaração de contribuição de autoria CRediT

Lepidochelys olivacea, Pontoporia blainvillei, e Sotalia guianensis. Os impactos VMAS conceituou e LMM coletou dados nas mídias. VMAS escreveu o primeiro
negativos das redes fantasmas sobre as espécies ameaçadas já haviam sido rascunho. Todos os autores colaboraram com o processo de escrita.
relatados por outros autores (Adelir-Alves et al., 2016; Santos et al., 2012) Isso
sugere que a presença desse tipo de arte de pesca pode causar uma redução Declaração de interesse conflitante
ainda maior na população de animais que já tiveram seus números drasticamente
afetados pelas atividades antrópicas, acelerando assim o processo de extinção. Não temos conflito de interesses.

Nossos resultados mostraram que as redes fantasmas também afetam a Agradecimentos


biodiversidade marinha dentro de áreas protegidas marinhas brasileiras, como o
Monumento Natural do Arquip´élago das Ilhas Cagarras, Parque Nacional Somos gratos a J´Éssica Colavite (USP), pelo auxílio nas identificações, e James
Marinho de Fer- nando de Noronha e Reserva Biológica Marinha do Arvoredo. No A Nienow (Valdosta State University) e dois revisores anônimos, pelas importantes
entanto, a presença de redes fantasmas nessas áreas protegidas onde a pesca é correções e sugestões deste artigo. Tommaso Giarrizzo recebeu bolsa
proibida não representam casos isolados. Em uma revisão recente, produtividade do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
Link et al. (2019)reuniu registros fotográficos de redes fantasmas também com (CNPq) (nº 311078 / 2019-2). ´
impacto na Reserva Biológica Marinha do Arvoredo, área de proteção integral (
SNUC, 2000) Duas hipóteses podem explicar a presença de redes de pesca nessas
áreas protegidas. Primeiro, o equipamento usado em atividades de pesca ilegal Apêndice A. Dados suplementares
foi perdido ou abandonado (verAzevedo-Santos et al., No prelo) durante uma
inspeção pelas autoridades da região. Em segundo lugar, através das correntes Dados complementares a este artigo podem ser encontrados online em https: // doi.
oceânicas (verHays, 2017), redes fantasmas foram transportadas para as áreas org / 10.1016 / j.marpolbul.2021.112821.
protegidas.
Várias espécies capturadas em redes fantasmas se alimentam de peixes e Referências
crustáceos. Este é o caso da espécieLepidochelys olivacea (Reptilia), Sotalia
Abreu-Grobois, A., Plotkin, P., 2008. Lepidochelys olivacea. In: Lista Vermelha da IUCN de
guianensis, Pontoporia blainvillei, e Delphinus delphis (Mamíferos); todos os
Espécies ameaçadas. https://doi.org/10.2305/IUCN.UK.2008.RLTS.
predadores de espécies de peixes (Brophy et al., 2009; Daura-Jorge et al., 2011; T11534A3292503.en.
Di Beneditto et al., 2015; Teixeira et al., 2021) Peixes e crustáceos são capturados Adelir-Alves, J., Rocha, GRA, Souza, TF, Pinheiro, PC, Freire, KMF, 2016.
em grande abundância em redes fantasmas (Tabelas 1 e 2), provavelmente Equipamentos de pesca abandonados, perdidos ou descartados em recifes rochosos do
sul do Brasil. Braz. J. Oceanogr. 64 (4), 427-434. https://doi.org/10.1590/s1679-
atraindo seus predadores naturais (por exemplo, répteis) para a engrenagem, 87592016124806404.
onde, por sua vez, eles também são capturados-resultando em um “captura cíclica APTA, 2019. http://www.apta.sp.gov.br/noticias/projeto-da-secretaria-de-agricultura-c
”(Macfadyen et al., 2009) Isso contribui para o emaranhamento de répteis, ombate-pesca-fantasma-e-reinsere-o-res% C3% ADduo-na-cadeia-produtiva. (Acessado
em 5 de fevereiro de 2021).
pássaros e mamíferos-e provavelmente outros predadores, como peixes grandes-
Azevedo-Santos, VM, Brito, MFG, Manoel, PS, Perroca, JF, Rodrigues-Filho, JL,
nos relatórios por nós recolhidos. Paschoal, LRP, et al., 2021. Poluição de plástico: Um foco na biodiversidade de água doce.
Nosso estudo reforça a necessidade de gerar ações colaborativas entre todos Ambio 50, 1313-1324. https://doi.org/10.1007/s13280-020-01496-5.
Azevedo-Santos, VM, Hughes, RM, Pelicice, FM, no prelo. Redes fantasmas: um pouco conhecido
os envolvidos na atividade pesqueira.-para evitar a perda ou abandono de redes e
ameaça à biodiversidade de água doce brasileira. Um. Acad. Bras. Ciˆênc.
outros itens que podem resultar em pesca fantasma. Em Barreiros, JP, Raykov, VS, 2014. Lesões letais e amputação por plástico
detritos e equipamentos de pesca na tartaruga cabeçuda Caretta caretta (Linnaeus, 1758).

3
VM Azevedo-Santos et al. Boletim de poluição marinha 172 (2021) 112821

três relatos de caso na Ilha Terceira, Açores (Atlântico Nordeste). Mar. Pollut. Touro. 86, 518- Macfadyen, G., Huntington, T., Cappell, R., 2009. Abandonado, perdido ou não
522. artes de pesca descartadas. In: Relatórios e Estudos Marítimos Regionais do PNUMA No.185;
Brasil, 2011. Minist´ério da Pesca e Aquicultura, 2011. Boletim estatístico da pesca e Documento Técnico de Pesca e Aquicultura da FAO, No. 523. UNEP / FAO, Roma, 115 p.
aquicultura 2011. Minist´ério da Pesca e Aquicultura, Brasília. http: //www.icmbio. gov.br/ Magalhães, AL, Azevedo-Santos, VM, Pelicice, FM, 2021. Preso no ato:
cepsul/images/stories/biblioteca/download/estatistica/est_2011_bol__bra. pdf. (Acessado YouTubeTM revela caminhos invisíveis de invasão de peixes no Brasil. J. Appl. Ichthyol. 37,
em 5 de fevereiro de 2021). 125-128 https://doi.org/10.1111/jai.14159.
Brophy, JT, Murphy, S., Rogan, E., 2009. A dieta e a ecologia alimentar do short- Matsuoka, T., Nakashima, T., Nagasawa, N., 2005. Uma revisão da pesca fantasma: científica
golfinho comum de bico (Delphinus delphis) no nordeste do Atlântico. In: Artigo abordagens de avaliação e soluções. Peixe. Sci. 71, 691-702. https://doi.org/
do Comitê Científico da Comissão Baleeira Internacional SC / 61 / SM. Comissão 10.1111 / j.1444-2906.2005.01019.x.
Baleeira Internacional, p. 14. Medeiros, RP, Polette, M., Vizinho, SC, Macedo, CX, Borges, JC, 1997. Diagnostico
Butterworth, A., Clegg, I., Bass, C., 2012. Untangled - Detritos Marinhos: uma imagem global da sócio-econômico e cultural nas comunidades pesqueiras artesanais do litoral céntro- norte
o impacto no bem-estar animal e de soluções focadas nos animais. Sociedade Mundial para do Estado de Santa Catarina. Notas T´écnicas da Facimar 1, 33-42.
a Proteção dos Animais, Londres. Melo, GAS, 1996. Manual de identificação˜ão dos Brachyura (caranguejos e siris) do litoral
Daura-Jorge, FG, Wedekin, LL, Simões-Lopes, PC, 2011. Hábitos alimentares da Guiana brasileiro. Plˆêiade / FAPESP Ed, S˜ão Paulo, 604p.
golfinho, Sotalia guianensis (Cetacea: Delphinidae), na Baía Norte, sul do Brasil. Sci. 75 de Menezes, NA, Buckup, PA, Figueiredo, JL, Moura, RL, 2003. Cat´ álogo das esp´écies
março de 163-169. de peixes marinhos do Brasil. [Sl: sn].
Di Beneditto, APM, Moura, JF, Siciliano, S., 2015. Hábitos alimentares das tartarugas marinhas Monteiro-Filho, ELA, Oliveira, LV, Monteiro, KDKA, Filla, GF, Quito, L., Godoy, D.
Caretta caretta e Lepidochelys olivacea no sudeste do Brasil. Mar. Biodivers. Gravando. F., 2021. Guia Ilustrado de Mamíferos Marinhos Do Brasil. Instituto de Pesquisas Canan´
8, 1-5. éia, Campinas.
Ferraz, JD, Garcia, DAZ, Casimiro, ACR, Yabu, MHS, Geller, IV, Magalhães, AL SeaLifeBase. In: Palomares, MLD, Pauly, D. (Eds.), 2020. World Wide Web Electronic
B., Vidotto-Magnoni, AP, Orsi, ML, 2019. Descarte de peixes ornamentai˜s̃ em águas Versão de publicação (12/2020). www.sealifebase.org.
continentais brasileiras registrados no YoutubeTM: Ausˆência de informaçao ou crime Pollard, DA, Afonso, P., Bertoncini, AA, Fennessy, S., Francour, P., Barreiros, J., 2018.
ambiental deliberado? Rev. Bras. Zoociˆ ências 20 (2), 1-20 https: // doi.˜õrg / Epinephelus marginatus. In: Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas da IUCN 2018.https: //
10.34019 / 2596-3325.2019.v20.26202. doi.org/10.2305/IUCN.UK.2018-2.RLTS.T7859A100467602.en e. T7859A100467602.
Froese, R., Pauly, D. (Eds.), 2021. FishBase. Publicação eletrônica da World Wide Web
versão (02/2021). www.fishbase.org. RedList, 2021. https://www.iucnredlist.org/search?query=Chelonia%20mydas&search
Hays, GC, 2017. Correntes oceânicas e vida marinha. Curr. Biol. 27, R470-R473. Tipo = espécie. (Acessado em 5 de fevereiro de 2021).
ICMBio, 2018. INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - Santos, AJB, Bellini, C., Bortolon, LF, Coluchi, R., 2012. Redes fantasmas assombram a oliveira
Livro Vermelho da Fauna Brasileira Ameaçada de Extinç˜ ão: 1. ed. - Brasília, DF: tartaruga ridley (Lepidochelys olivacea) próximo às ilhas brasileiras de Fernando de
ICMBio / MMA, 2018,7 v .: il. http://www.icmbio.gov.br/portal/component/co ntent / Noronha e Atol das Rocas. Herpetol. Rev. 43, 245-246.
article / 10187. Sick, H., 2001. Ornitologia brasileira, 3.ed. INISUL: SBO, Curitiba. 836p. il.
Kühn, S., van Franeker, JA, 2020. Visão geral quantitativa dos detritos marinhos ingeridos por Smolowitz, RJ, Corps, LN, Center, NF, 1978. Lobster, Homarus americanus, armadilha
megafauna marinha. Mar. Pollut. Touro. 151https://doi.org/10.1016/j. design e pesca fantasma. Mar. Fish. Rev. 40 (5-6), 2-8.
marpolbul.2019.110858. SNUC, 2000. Sistema Nacional de Unidades de Conservaç˜ ão da Natureza (2000). Lei no
Lima, MKS, Filho, JIFV, Freitas, RM, Feitosa, CV, 2019. Pesca fantasma: uma 9.985 de 18 de julho de 2000; decreto no 4.340 de 22 de agosto de 2002 5ª ed. aum. MMA /
tudo das causas e conseqüênciaˆências nos últimos 15 anos. Arq. Ciˆn. Mar 52 (2), 98- SBF, Brasília, 2004.
114. Stelfox, M., Hudgins, J., Sweet, M., 2016. Uma revisão do emaranhamento de engrenagem fantasma entre
Link, J., Segal, B., Casarini, LM, 2019. Pesca abandonada, perdida ou de outra forma descartada mamíferos marinhos, répteis e elasmobrânquios. Mar. Pollut. Touro. 111 (1-2), 6-17.
engrenagem no Brasil: uma revisão. Perspect. Ecol. Conserv. 17 (1), 1-8. Teixeira, CR, Botta, S., Daura-Jorge, FG, Pereira, LB, Newsome, SD, Simões-
Lopes, PC, 2021. Sobreposição de nicho e composição da dieta de três simpátricos˜̃Espécies de
golfinhos costeiros no sudoeste do Oceano Atlântico. Mar. Mamm. Sci. 37, 111-126.