Você está na página 1de 8

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO

Título: PROCEDIMENTO No:


TESTE HIDROSTÁTICO DE TUBULAÇÕES PI-MV-011
METÁLICAS
Revisado por: Aprovado por: Data de Eficácia: Revisão No: FL No:

José Luis Senna Barcellos Vítor Dantas Faria 28/05/18 05 1/8

PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO
TESTE HIDROSTÁTICO DE TUBULAÇÕES METÁLICAS

CONTROLE DE REVISOES
Revisão Data Descrição da Alteração
00 11/08/99 Emissão Inicial.
01 26/02/07 Revisão Geral Para Integração de Sistema de Gestão.
02 03/09/09 Revisão e atualização conforme Normas NBR ISO 9001/2008 e OHSAS 18001/2007.
03 31/08/12 Revisão e Atualização.
04 31/08/15 Revisão e Atualização.
05 28/05/18 Revisão e Atualização Conforme Normas NBR ISO 9001/2015 e NBR ISO 14001/2015.

Gerência Gerência Gerência Gerência Gerência


Distribuição/Setor de Administrativa de de
SGI Financeira Comercial Produção Contabilidade

Nº Cópia Original 1 2 3 4
SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO
Título: PROCEDIMENTO No:
TESTE HIDROSTÁTICO DE TUBULAÇÕES PI-MV-011
METÁLICAS
Revisado por: Aprovado por: Data de Eficácia: Revisão No: FL No:

José Luis Senna Barcellos Vítor Dantas Faria 28/05/18 05 2/8

1. Objetivo

Definir métodos e sistemática para realização de teste hidrostático de tubulações metálicas pela
MACHADO VIANNA.

2. Campo de Aplicação

Este Procedimento é aplicável às Gerências de SGI, Administrativa e Financeira, Comercial, Produção


e de Contabilidade da MACHADO VIANNA.

3. Responsabilidades e Autoridades

Gerente de SGI
Aprovar Procedimento de Teste Hidrostático de Tubulações Metálicas.

Inspetor
Revisar Procedimento de Teste Hidrostático de Tubulações Metálicas.
Testemunhar e aprovar teste hidrostático.

Supervisor
Supervisionar realização de teste hidrostático.

Montador
Realizar teste hidrostático.

4. Descrição
6.1 Fluido de Teste
6.1.1 De um modo geral o teste deverá ser hidrostático, utilizando água à temperatura ambiente,
mas em casos onde não for possível, o uso d’água na execução do teste hidrostático, devido a cargas
estáticas excessivas, deve-se especificar um outro fluido e as condições de utilização do mesmo.
6.1.2 A água utilizada no teste hidrostático em tubulação de aço inoxidável (austenítico), deve ser
basicamente livre de cloretos (30 PPM – máximo), para evitar contaminação (corrosão) sob tensão.
(Aços ferríticos não são sensíveis a corrosão por cloretos).
6.1.3 Quando da execução de teste pneumático, deve ser utilizado ar ou outro gás não inflamável,
de preferência nitrogênio, conforme LI-295-INP-2700-3-20-00001.

6.2 Limites de Pressão


6.2.1 As pressões de teste hidrostático devem estar conforme LI-295-INP-2700-3-20-00001.
6.2.2 A tubulação deve ser isolada e testada separadamente se:
a) A tubulação estiver submetida a maiores condições de operação e requerer um teste com pressão
maior que a do equipamento, a qual está conectada;
b) A tubulação for projetada para menores condições de operação que a do equipamento e ser
prejudicada por um teste em conjunto;
6.2.3 Sistemas de tubulação sujeitos a períodos extensos em teste hidrostático, devem ter um
dispositivo de proteção para aliviar o excesso de pressão, devido à expansão térmica do fluido de
teste.
6.2.4 A pressão mínima para o teste hidrostático deverá ser de no mínimo 7kg/cm².
6.2.5 Quando for executado teste pneumático a pressão de teste deve ser de 110% (1.10) da
pressão do projeto.
6.2.5.1 Quando é necessária a manutenção da pressão por um período de tempo durante o qual o
SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO
Título: PROCEDIMENTO No:
TESTE HIDROSTÁTICO DE TUBULAÇÕES PI-MV-011
METÁLICAS
Revisado por: Aprovado por: Data de Eficácia: Revisão No: FL No:

José Luis Senna Barcellos Vítor Dantas Faria 28/05/18 05 3/8

fluido empregado possa sofrer expansão térmica devido à insolação, devem ser tomadas precauções
para o alívio da pressão, por abertura de respiros.
6.2.5.2 Não é permitido martelamento durante a execução do teste pneumático.

6.2.5.3 Deve ser aplicada inicialmente a pressão de 0,1 Mpa (1 kgf/cm) e examinado todo o sistema,
com solução formadora de bolhas, segundo a norma PETROBRAS N-1593.
6.2.5.4 A elevação da pressão até a pressão de teste deve ser feita em degraus de, no máximo, 0,1
Mpa (1kgf/cm), com intervalos de 10 minutos.
6.2.5.5 Após atingida a pressão de teste, esta deve ser mantida durante 15 minutos sem que haja
queda de pressão no manômetro. Após isto, iniciar a verificação da linha, mantendo a mesma
pressurizada na pressão de teste.
6.2.5.6 O exame com solução formadora de bolhas (N-1593), deve ser feito com pressão reduzida
para 75% da pressão de teste.
6.2.6 As vedações das válvulas de aço não devem ser submetidas à pressão que exceda a pressão
máxima de trabalho a frio da válvula.
6.2.7 Linhas que são normalmente abertas para atmosfera, respiros, drenos de cargas de válvulas de
segurança ou linhas de utilidade (esgotos) sem pressão, deverão ser mantidas carregadas com água
durante 24 horas.

6.3 Liberação do Sistema de Tubulação para Teste


6.3.1 A tubulação deve estar completamente montada, conforme isométrico, fluxograma,
especificação do projeto e atendendo as considerações a seguir:
a) Os isométricos devem estar na revisão atual e com todas as informações necessárias para a
execução do teste;
b) As juntas soldadas de cada isométrico, devem estar totalmente liberadas e os ensaios não
destrutivos e tratamento térmico quando aplicáveis, executados, aprovados e registrados pelo
controle da qualidade;
c) Todo o sistema de suportação da tubulação deve estar concluído e inspecionado, principalmente
as soldas;
d) Todas as juntas soldadas devem estar sem revestimento (pintura) e isolamento;
e) Deve ser verificado o sentido de fluxo dos equipamentos/instrumentos montados e soldados na
tubulação, conforme especificação de projeto;
f) Os STH’s (Sistemas de Teste Hidrostático) deverão ser liberados pelo Controle da Qualidade e
também pela fiscalização.

6.4 Limpeza da Tubulação e/ou Sistema de Tubulação antes da Execução do Teste de Pressão
6.4.1 A limpeza das tubulações deve ser executada, por sistema de tubulação, com o objetivo de
remover sujeiras e detritos de construção tais como: depósito de ferrugem, pontas de eletrodos,
respingo de solda, escórias, poeira, rebarbas e outros corpos estranhos na parte interna/externa da
tubulação.
6.4.2 A limpeza interna deve ser executada com água tratada industrial. Qualquer outro produto deve
ser especificado pelo projeto ou acordado com a fiscalização do cliente.
6.4.3 A limpeza deve ser executada durante todo o processo de montagem e soldagem da tubulação,
caso tenha que realizar uma nova soldagem, a tubulação tem que sofrer nova limpeza.

6.5 Preparação para o Teste


6.5.1 Todo o sistema de tubulação a ser testado hidrostaticamente, deve ter os drenos abertos, nos
pontos de maior elevação, durante o enchimento e, garantir a retirada total de ar, antes de ser
aplicada à pressão especificada do teste.
6.5.2 Tubulação suportada por contra peso ou suportes de mola, devem permanecer travados durante
o teste.
- O suporte de mola com pino de travamento, deverá ter este pino colocado antes do enchimento do
SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO
Título: PROCEDIMENTO No:
TESTE HIDROSTÁTICO DE TUBULAÇÕES PI-MV-011
METÁLICAS
Revisado por: Aprovado por: Data de Eficácia: Revisão No: FL No:

José Luis Senna Barcellos Vítor Dantas Faria 28/05/18 05 4/8

sistema de tubulação com o fluido de teste;

- O pino de travamento do suporte de mola deverá ser removido após a drenagem total do fluido de
teste;
- Suportes de mola deverão ser então ajustados para a carga de instalação.

6.6 Preparação e Execução do Teste


6.6.1 Montar todos os dispositivos necessários para a execução do teste de pressão:
a) Todas as linhas isoladas deverão ser testadas antes da instalação do isolamento;
b) Nos limites do sistema em teste, o fluido de teste será bloqueado através de flange cego, raquete,
tampão ou carretel de bloqueio. As dimensões dos dispositivos estão definidas na tabelas do anexo
I.
6.6.2 Em tubulações que possuam linhas de aquecimento (Steam Tracer), estas devem ser testadas
funcionalmente com vapor de operação.
6.6.3 As juntas de expansão deverão permanecer travadas com tirantes e suportadas por ocasião do
teste hidrostático. Não é necessário removê-las.
6.6.4 Todas as válvulas, exceto as de controle e de segurança e alívio, que deverão ser retiradas,
devem ser sujeitas ao teste de pressão, inclusive as de bloqueio, situadas no limite do sistema, que
devem ser raqueteadas no flange.
a) As válvulas de segurança e de alívio serão removidas do sistema até a conclusão do teste;
b) As válvulas de retenção devem ser pressurizadas no sentido da abertura, se isto não for possível,
deve-se travar a parte móvel na posição aberta. Todas as outras devem ser mantidas na posição
totalmente aberta.
6.6.5 Serão removidos todos os equipamentos e acessórios que possam causar restrições ao fluxo
como: purgadores, separadores de linha, instrumentos, controladores pneumáticos, placas de orifício
e bocal de mistura.
6.6.6 Serão utilizados manômetros adequados à pressão de teste com leitura situando-se entre 1/3 e
2/3 da escala, testados e calibrados.
6.6.6.1 Serão instalados no mínimo dois manômetros, sendo um (1) no ponto de maior elevação e
o outro no ponto de menor elevação do sistema.
6.6.6.2 A pressão de teste deve ser verificada nos dois manômetros.
6.6.7 A pressão de teste deve ser aplicada por meio de uma bomba adequada para teste, ou outra
fonte de pressão que deve ser isolada do sistema, até o teste iniciar.
6.6.7.1 Deve ser instalado um manômetro na descarga da bomba, para controlar o sistema até a
pressão de teste desejada.
6.6.7.2 A bomba deve ser controlada constantemente durante todo o processo do teste, por um
profissional capacitado.
6.6.7.3 Sempre que a bomba não puder ser controlada, esta deve ser isolada do sistema.
6.6.8 A pressão de teste deverá ser mantida por, no mínimo 15 minutos, antes de iniciar a inspeção e
em tempo suficiente para permitir a totalidade de inspeção do sistema sob teste, mas em nenhum
caso o período de inspeção pode ser menor que 30 minutos.
6.6.8.1 Onde a tubulação a ser testada for conectada diretamente a limites de bateria de tubulações
em que a responsabilidade seja de outros, este deve ser separado da outra tubulação através de
válvula e/ou dispositivo.
6.6.9 A tubulação de instrumentos deve ser testada junto com o sistema de tubulação até a válvula de
bloqueio mais próxima do instrumento.
6.6.9.1 Quando uma união for prevista após a válvula de bloqueio, ela deve ser aberta durante todo o
processo de execução do teste para evitar que sujeiras ou materiais estranhos penetrem no
instrumento.

6.7 Instrumentos
SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO
Título: PROCEDIMENTO No:
TESTE HIDROSTÁTICO DE TUBULAÇÕES PI-MV-011
METÁLICAS
Revisado por: Aprovado por: Data de Eficácia: Revisão No: FL No:

José Luis Senna Barcellos Vítor Dantas Faria 28/05/18 05 5/8

6.7.1 Todos os instrumentos do sistema a ser testado, deverão ser excluídos do teste por isolamento
e/ou retirados, a menos que a permanência dos mesmos seja aprovada por projeto e/ou cliente.
6.7.2 As válvulas de alívio e discos de ruptura, deverão ser removidas ou separadas por disco de aço
do equipamento e/ou sistema de tubulação, antes do teste hidrostático.
6.7.2.1 Válvulas de alívio com dispositivo de travamento para o teste (GAGS), serão aceitáveis em
lugar de raquetes cegas.
6.7.3 Placas de orifício, medidores de vazão ou outros similares não deverão ser instalados no
sistema de tubulação antes que o teste tenha sido concluído.
6.7.4 Bóias para instrumentos de nível posicionadas na parte interna de vasos ou bóias com proteção,
deverão ser removidas antes do teste hidrostático, se a pressão externa admissível na bóia for
desconhecida e/ou menor que a pressão do teste hidrostático. Bóias com proteção, não testadas,
deverão ser testadas com o sistema.

6.8 Realização do Teste de Pressão

6.8.1 Teste hidrostático


- O fluido de teste deve ser água tratada, proveniente da rede de incêndio, quando aplicável.
Verificar cuidadosamente a segurança da área de teste a fim de preservar a integridade de pessoal
e equipamentos ao redor.
6.8.2 Pressão de teste
a) Deve ser conforme o especificado no ISOTESTE, que deverá estar em conformidade com a LI-295-
INP-2700-3-20-00001.
b) Martelamento e introdução de calor na tubulação, durante o teste de pressão, não são permitidos
em hipótese alguma.
6.8.3 Aplicação da pressão durante o teste
a) A pressão hidrostática deve ser aplicada gradualmente até atingir a pressão real de teste;
b) O sistema a ser testado deve ter as válvulas de respiros completamente abertas, para que seja
possível eliminar o “Ar” na tubulação, antes de encher com fluido de teste;
c) O sistema deve ser mantido pressurizado à pressão de teste, o tempo suficiente para inspeção,
mas em qualquer hipótese o tempo deve ser menor que 30 minutos;
d) No caso de existência de vazamento em junta soldada, os reparos devem ser executados após o
sistema ser totalmente drenado. No caso de junta em trecho vertical, permite-se o reparo baixando-
se o nível de fluido de teste, dois (2) metros abaixo da linha da junta;
e) Após a junta reparada e inspecionada, um novo teste deve ser executado, com a pressão
originalmente especificada para o teste;
f) Para despressurização e drenagem do sistema, os suspiros devem ser abertos a fim de evitar a
formação de vácuo no interior da tubulação e aumentar a velocidade da drenagem;
g) Ao final, devem ser montados os elementos, instrumentos e equipamentos que foram removidos,
destravadas as juntas de expansão e os suportes de mola, e retirados os demais dispositivos
provisórios que foram utilizados durante a execução do teste.
Nota: Vazamentos somente poderão ser detectados quando as seguintes condições forem
cumpridas:
- A pressão estiver estável;
- Iluminação em boas condições;
- A linha estiver seca;
- Não estiver chovendo.
6.8.4 Teste Pneumático
- O fluido de teste, deve ser usado ar seco para a limpeza e teste, caso não tenha sido especificado
no isométrico.
a) A temperatura de teste, não deve ser superior a 50ºC;
b) A pressão deve ser aplicada gradualmente até atingir a pressão de teste especificada em projeto;
SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO
Título: PROCEDIMENTO No:
TESTE HIDROSTÁTICO DE TUBULAÇÕES PI-MV-011
METÁLICAS
Revisado por: Aprovado por: Data de Eficácia: Revisão No: FL No:

José Luis Senna Barcellos Vítor Dantas Faria 28/05/18 05 6/8

c) Após atingida a pressão de teste, fecha-se a entrada de ar. A pressão deve ser mantida durante
todo o processo de inspeção e não inferior a 30 minutos, sem que haja queda de pressão
manométrica;
d) Após a linha pressurizada, caso haja queda manométrica, deve aplicar água com detergente
(sabão) para formação de bolhas em 100% das juntas soldadas e conexões flangeadas e/ou
roscadas;
e) Em casos de vazamento, o sistema deve ser despressurizado, e o reparo executado e
inspecionado;
f) Após o reparo executado e inspecionado, todo o processo do reteste deve ser iniciado e concluído,
conforme o especificado para o teste inicial.

6.9 Serviços após o Teste


6.9.1 Drenagem:
a) Após o teste concluído, a pressão deve ser aliviada de modo a não causar nenhum perigo
(acidente) pessoal ou danificar qualquer instrumento e/ou equipamento;
b) Todos os respiros deverão ser abertos antes do sistema ser drenado e deverão permanecer
abertos durante todo o processo de drenagem para evitar a formação de vácuo no sistema;
c) Todo o sistema deve ser drenado totalmente;
d) Após o teste, devem ser executados todos os serviços de complementação e proteção como:
pintura, isolamento e revestimento em todo o sistema.
6.9.2 Registros de teste
6.9.2.1 Registros de testes deverão ser preparados e mantidos para todos os sistemas.
a) Os registros de teste devem incluir a data do teste, identificação da tubulação testada, pressão de
teste, fluido de teste, temperatura do teste, assinatura do responsável de execução do teste e
inspetores executantes e cliente;
b) Deve ser feito um relatório apropriado para registrar todas as informações dos testes;
c) Os parâmetros dos testes e os respectivos resultados devem ser registrados no Relatório de
Teste Hidrostático (RP-019).

5. Registros

MACHADO VIANNA
RP-019-Relatório de Teste Hidrostático.

6. Definições

Chapa de Bloqueio (raquete) - É uma peça confeccionada através de chapa de aço (material) igual
e/ou compatível com o material da tubulação.
Condicionamento - É o conjunto de serviços e/ou itens a serem executados nos materiais,
equipamentos e sistemas de uma instalação com o objetivo de deixá-lo nas condições contratuais e
requeridas para o funcionamento normal e conforme as Normas especificadas.

7. Documentos de Referência

MGI-MV-001 – Manual de Gestão Integrado.


Norma NBR ISO 9001/2015 – Sistemas de Gestão da Qualidade – Requisitos.
Norma NBR ISO 14001/2015 – Sistemas de Gestão Ambiental – Requisitos com Orientações para
Uso.
Norma OHSAS 18001/2007 – Occupational Health and Safety Management – System Specification.
N-115-Montagem de Tubulações Metálicas.
ASME B.31.1: ASME Code For Pressure Piping (Power Piping);
SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO
Título: PROCEDIMENTO No:
TESTE HIDROSTÁTICO DE TUBULAÇÕES PI-MV-011
METÁLICAS
Revisado por: Aprovado por: Data de Eficácia: Revisão No: FL No:

José Luis Senna Barcellos Vítor Dantas Faria 28/05/18 05 7/8

ASME B.31.3: ASME Code For Pressure Piping (Process Piping).

8. Anexos

Anexo 1-Modelos e tabelas para fabricação de raquetes e peças tipo “oito”;

Anexo 1 (pág. 01/02)


Modelos e tabelas para fabricação de raquetes e peças tipo “oito”

Anexo 1 (pág. 02/02)


Modelos e tabelas para fabricação de raquetes e peças tipo “oito”
SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO
Título: PROCEDIMENTO No:
TESTE HIDROSTÁTICO DE TUBULAÇÕES PI-MV-011
METÁLICAS
Revisado por: Aprovado por: Data de Eficácia: Revisão No: FL No:

José Luis Senna Barcellos Vítor Dantas Faria 28/05/18 05 8/8

Nota 1: As dimensões da tabela correspondem a raquetes e peças "figura oito" fabricadas


em chapa de aço ASTM A-285 Gr C para espessuras até 2" inclusive, e em chapa
de aço ASTM A-515 Gr 60 ou A-516 Gr 60 para espessuras maiores.

Nota 2: As espessuras indicadas na tabela são adequadas para as pressões


admissíveis dos respectivos flanges, ode acordo com a norma ANSI B.16.5 (veja gráfico 39),
e incluem uma sobre espessura total para corrosão de 1,2 mm

Você também pode gostar