Você está na página 1de 3

A Semana Franciscana

De todas as datas do calendário da Ordem esotérica Cristã, esta é propagada como o evento
mais importante de nosso grupo. Porém, a Semana Franciscana é repleta de camadas de
compreensão, como assim é tudo na magia.
Em um nível do aparente do aparente, podemos compreender a Semana Franciscana como um
evento onde celebramos a data de faleicmento de nosso Intercessor, São Francisco de Assis,
no dia 04 de Outubro. Nesta Semana, fazemos também uma homenagem a um tipo de evento
muito comum na Igreja Católica, que é a egrégora “principal” com a qual São Francisco acaba
sendo relacionado, e também muito comum na Barquinha, que é uma das origens de nosso
trabalho – as romarias. Em homenagem as romarias, realizamos a nossa própria romaria, ainda
que bem curta. Na semana, temos vários trabalhos relacionados a São Francisco, como o
trabalho de São Miguel (pois São Francisco tinha uma devoção muito grande a este arcanjo), o
dia das crianças (também conhecido como dia de Cosme e Damião, sendo São Damião uma
das primeiras igrejas que São Francisco reconstruiu), entre outros eventos que nos colocam
mais próximos de sua energia.
Em um nível não tão aparente assim, mas revelado aos iniciados, sabemos que a Semana
Franciscana é uma oportunidade de auxílio a vários irmãos desencarnados, que continuam em
sofrimento. Muitos anos se passaram, mas os relatos continuam: de sonhos estranhos,
sensações ou até percepções audio-visuais de presenças, entre outros fenômenos. Muitos se
sentem as vezes irritados, incomodados, e é como se toda uma série de eventos negativos
começassem a se apresentar pra alguns iniciados. “Quanto maior a luz, maior a sombra”,
dizem os Mestres, e certamente a luz é grande neste evento.
Podemos tecer mais comentários sobre este nível de percepção. Quanto maior a luz, maiores
ficam as nossas próprias sombras. Estamos, em intenção, mais próximos da luz daquele que
guia e rege nosso trabalho, e de sua corte de seres de luz. A proximidade com esta energia,
nos planos sutis, reverbera com nossa luz interior, e urge por remover as cascas, as qlipoths
que cada um de nós possui, e que impedem de reverberar com estas bênçãos superiores. Nada
é de se estranhar nesse momento, pois assim também é definida a magia: a arte de gerar
coincidências. E a magia da transformação interior certamente irá gerar diversas coincidências
que extirpam nossas próprias trevas interiores, nos colocando de frente com nosso tikkun
pessoal. Muitos sentem-se temerosos das chamadas “energias opositoras”, mas, como já dizia
Chico Xavier: “Não há gasolina que queime sem fogo”. Nenhuma energia opositora é maior do
que nossa própria Verdadeira Vontade, e nossa conexão com o Sagrado Anjo Guardião, o
Cristo íntimo, que é nosso objetivo como praticantes da Magia. E essas energias opositoras só
eistem por um motivo: porque nós somos nossas próprias energias opositoras, e atraímos
energias desqualificadas. Se a proximidade da luz evidencia nossas sombras, e no plano astral
tudo funciona através da lei da atração... nossas sombras atraem outras sombras. Contra isso,
a melhor postura: a humildade de que somos falhos, e a mão cconstante nas ferramentas
templárias de lapidação em nossas pedras brutas interiores.
Além disso, não deveria ser de espantar os encontros constantes com irmãos desgarrados,
necessitados de auxílio, pois esta é a vocação que escolhemos, e que aprendemos ao adentrar
como iniciados na Ordem. Muitos comentam assombrados sobre estes sonhos e fenômenos,
mas neste momento, devemos nos lembrar do amor e humildade de São Francisco de Assis par
com os doentes, os leprosos e toda a sorte de necessitados que encontrou. São Francisco
lavava seus corpos, os alimentava e abençoava com palavras de amor. Estes são os
necessitados que São Francisco colocou em nosso caminho, neste momento, e devemos ter a
mesma postura: amor e carinho. Perante a luz do amor, estes irmãozinhos cedem suas
angústias, e podem buscar auxílio e redenção. Então, devemos estar atentos em nossas
emoções nestes momentos. Se vivencias em sonho ou no seu dia um momento assim, faça
uma prece, lembre-se de nossa Ordem, peça auxílio dos mentores responsáveis por essa
Semana Franciscana, para que auxiliem este ou estes irmãos necessitados possam encontrar
alento e cura para suas próprias mazelas. Fique tranquilo, e com sua mente e coração focadas
no amor do Cristo.
Mas, em um nível mais profundo, a Semana Franciscana é um evento onde podemos acessar
hierarquias extremamente superiores, que nunca conseguiriam acessar nosso trabalho de
forma tão palpável. A mesa, nosso altar sacrifical, se torna porto e portal de trânsito, e nela se
acopla literalmente um hospital espiritual de altíssima elevação, que trabalha sem parar, por
toda a duração da Semana Franciscana. Este hospital, na verdade, é uma manifestação física
da Casa Transitória que representamos no plano astral, e se conecta com as mais diversas
hierarquias a serviço de São Francisco. Neste hospital, seres executam verdadeiros milagres
em irmãos que já se perderam totalmente de sua humanidade, e que as vezes nem
conseguiriam encarnar devido ao nível de trevas e sofrimento que se encontram. Estes seres,
também, podem abençoar nossos visitantes e associados com cura que podem reverberar em
anos de evolução humana, na medida do preparo de cada um. E, para nós, a chance de entrar
em contato com forças que estão além de nossa compreensão humana, forças de paz,
harmonia e do puro amor crístico. Podemos entrar em contato com locais e templos de amor e
elevação, ou sermos levados por esta corte para servir nos planos mais etéreos de consciência.
Contato que pode nos enlevar, e as vezes mudar nossas existências... se assim nós
permitirmos.
Pois, como existem graus e graus de compreensão, existem graus e graus de conexão. Para
aquele que olha o aparente, se conectará apenas neste aparente. Mas aquele que entrega seu
coração e espírito para este momento, pode experienciar conexões profundas com planos
mais elevados de realidade e consciência.
E isso só é possível, devido ao lema que seguimos: Não por mim, não por nós, mas para a
glória de Teu nome. Este evento de altíssima magnitude espiritual só acontece pois é realizado
em prol de seres além de nós. Pra muitos, apenas mais um dia de festejos. Mas, para aquele
que se entrega, uma dádiva de São Francisco para todos nós.
Além disso, experienciamos o momento de entrega do nosso trabalho. Pensemos num
momento sobre a idéia de como se forma e se mantém uma egrégora. Toda egrégora é
mantida através da conexão mental de vários de nós em um propósito maior. Quando estamos
ativos e presentes em um trabalho, doamos nosso prana, nosso fluido vital, nossa energia
espiritual, para manter esta egrégora, e para os seres de luz que nos assistem. E toda essa
energia espiritual não se soma, mas sim, é como se fosse uma progressão aritimética. Os
fluídos se reverberam, e se multiplicam exponencialmente nos planos. E tudo isso, é matéria
prima dos trabalhadores invisíveis.
Em todo final de trabalho devocional, entregamos as energias que ali foram manipuladas para
os trabalhadores mais próximos de nós, para que realizem os trabalhos necessários de
manutenção da egrégora e de auxílio das forças que estão ali em necessidade.
Porém, entregar nosso trabalho é entregar todo esse bolsão de luz, de prana, de nosso
sacrifício pessoal, nas mãos das hierarquias superiores, que aparecem somente neste
momento do ano, neste momento onde nossas mentes e corações estão conectadas e nos é
dada a oportunidade de vivenciar este cruzamento de várias forças, para que estes portais se
abram, e estes seres estejam presentes. Entregar o trabalho é uma chave iniciática, um código,
que abre os portais do além para que estes seres possam estar mais próximos de nós. E esta
força, vira pura luz nas mãos destes mestres, que irão usar todo este fluído para criar, curar,
harmonizar... e salvar.
Eis aí o motivo de um trabalho espiritual de Magia Branca. Sem esse fluído, estes seres não
poderiam acessar e curar nós, seres de vibrações tão inferiores e distantes a eles, e muito
menos os nossos irmãos desencarnados, que as vezes estão mais distantes ainda. E estes
seres, que nem precisariam estar aqui, devido a sua alta evolução, trabalham conosco pela
mais pura misericórdia, buscando auxiliar nossa evolução.
Quando pensamos dessa forma, podemos perceber a dádiva que é o nosso trabalho, e
principalmente um momento como esse. É a oportunidade de manter em continuidade um
trabalho que estes seres não precisam para si, mas o fazem em desprendimento para auxiliar a
nós mesmos e aos desencarnados que aqui chegam.
Assim é, assim é, assim é.
Paz e bem.
Sh.’.T.’.L