Você está na página 1de 233

A Importância da Religião: O Anseio Interior

“A fé capacita-nos para ver o invisível, abraçar o impossível, e dá esperança no


incrível." - Reverendo Samuel Rodriguez

O nosso mundo moderno oferece-nos mais opções e possibilidades do que nunca


antes. A ciência e a tecnologia ampliam continuamente o nosso conhecimento, e a
diversidade de visões religiosas no mundo continua a crescer. Os nossos horizontes
parecem estender-se mais longe e mais rápido
do que nós somos capazes de assimilar. Mas,
no final, continuamos a ser as mesmas
criaturas espirituais. Ao longo das nossas
viagens o anseio interior perdura.
A Importância da Religião: O Anseio Interior
As religiões partilham uma visão comum: há algo de incompleto sobre
nós. E assim ansiamos pela plenitude. Se cada pergunta tivesse uma
resposta pronta, não seriam necessárias as orações. Se toda a dor
tivesse uma cura fácil, não haveria sede de salvação. Se cada perda
fosse restaurada, não haveria desejo de alcançar o céu. Enquanto
estas necessidades permanecerem, também permanecerá a religião. É
uma parte natural da vida. Ser humano significa experimentar a
incerteza, o sofrimento e a morte. A religião, no entanto, é uma escola
para fazer com que o caos faça sentido, é um hospital para curar as
feridas invisíveis, uma tábua de salvação que nos dá uma segunda
hipótese.

Acerca deste ponto, o Rabi David Wolpe ensinou que a religião "tem a
capacidade de penetrar num mundo onde existe grande dor, sofrimento
e perda, e trazer à tona significado, propósito e paz. "

Embora a religião atenda a essas necessidades, não foi criada por causa delas. A religião não é apenas uma resposta ao
sofrimento humano. É transcendente ao ser humano, ela provém de uma fonte superior. A história mostra que homens e
mulheres, nos bons e nos maus momentos, buscam a verdade fora de si mesmos, bem como dentro de si. E seguem as
respostas que recebem.
A Importância da Religião: O Anseio Interior
Além disso, a religião é a reunião de pessoas únicas numa comunidade de crentes. Mas se a religião ganhar o coração de
apenas uma só pessoa, não consegue sustentar a comunidade. As experiências espirituais de cada indivíduo podem ser
tão diferentes quanto os próprios indivíduos. Por "vermos através de um vidro escuro," a maioria das coisas na vida desce
até à fé. Em última análise, em todos os momentos de procura do divino, é o indivíduo que filtra os detalhes, pesa a
evidência, e decide sobre os assuntos de maior importância.” Esta
disputa é o processo da fé. Ludwig Wittgenstein escreveu: "Crer em
Deus significa ver que os factos do mundo não são o fim da
questão."

A vida humana é sobre significados. A nossa natureza leva-nos a


perguntas do foro espiritual e do propósito da vida. A Religião oferece
um espaço onde as respostas e os significados podem ser procurados,
encontrados e finalizados. Essa ligação entre a religião e o propósito
continua até hoje.

Quer se trate de estilos de vida saudáveis, de confiança social ou de


doações de caridade, as ciências sociais atestam acerca de uma
infinidade de formas em que religião beneficia os indivíduos. De
acordo com um estudo recente, por exemplo, "aqueles que
demonstram estar confiantes na existência de Deus revelam
possuir um maior sentido do seu propósito.”
Oráculos/arte divinatória
Adivinhação (do latim divinare "prever, predizer, profetizar", relacionado a divinus ,
divino ) ou "ser inspirado por um deus", é a tentativa de obter uma visão da
questão ou situação por meio de um processo ou ritual, ocultista e padronizado.
Utilizados de várias formas ao longo da história, os adivinhos determinam suas
interpretações de como um consultante deve proceder lendo sinais, eventos ou
presságios , ou através do suposto contato com uma agência sobrenatural .

Exposição sobre adivinhação, com uma variedade cultural de itens, no Pitt Rivers
Museum, em Oxford , Inglaterra .
A adivinhação pode ser vista como um método sistemático com o qual tenta
organizar o que parece ser desconexo, facetas aleatórias da existência, de modo
que elas forneçam insights sobre um problema em questão. Se uma distinção
deve ser feita entre adivinhação e cartomancia , adivinhação tem um elemento
mais formal ou ritualístico e muitas vezes contém um carácter mais social,
geralmente em um contexto religioso, como visto na medicina tradicional Africana .
A previsão do futuro, por outro lado, é uma prática mais cotidiana para fins
pessoais. Métodos particulares de adivinhação variam de acordo com a cultura e a
religião.

A adivinhação é descartada pela comunidade científica e pelos céticos como superstição . No século II, Luciano dedicou um ensaio espirituoso
à carreira de um charlatão , " Alexandre, o falso profeta ", treinado por "um daqueles que anunciam encantamentos, encantamentos
milagrosos, encantos para seus casos de amor, visitas a seus inimigos, revelações de tesouros enterrados e sucessões em propriedades ",
embora muitos romanos acreditassem em sonhos e encantos proféticos .
Adivinhação - Idade Média e Era Moderna

O método de adivinhação de sorteio ( Cleromancia ) foi usado pelos onze


discípulos restantes de Jesus em Atos 1: 23-26 para selecionar um substituto para
Judas Iscariotes . Portanto, a adivinhação era sem dúvida uma prática aceita na
igreja primitiva. No entanto, a adivinhação foi vista como uma prática pagã pelos
imperadores cristãos durante a Roma antiga .

Em 692, o Concílio Quinisext , também conhecido como "Concílio de Trullo" na


Igreja Ortodoxa Oriental , aprovou cânones para eliminar práticas pagãs e de
adivinhação. A previsão do futuro e outras formas de adivinhação foram
generalizadas durante a Idade Média . Na constituição de 1572 e nos
regulamentos públicos de 1661 da Kur-Saxônia, a pena de morte foi usada para
aqueles que previam o futuro. As leis que proíbem a prática de adivinhação
continuam até hoje.

Småland é famosa por Årsgång , uma prática que ocorreu até o início do século 19
em algumas partes de Småland. Geralmente ocorrendo no Natal e na véspera de
Ano Novo, é uma prática em que se jejua e se mantém longe da luz em uma sala
até meia-noite para concluir um conjunto de eventos complexos para interpretar
símbolos encontrados ao longo da jornada para prever o próximo ano.
O que é um símbolo?
Tudo o que representa, sugere ou substitui alguma coisa: a balança é o símbolo da
justiça; a pomba é o símbolo da paz.

Figura que representa um ser, objeto ou ideia abstrata; emblema.

Algo ou alguém que representa certo modo de agir ou alguma atividade: ele é o símbolo
da maldade; símbolo do futebol.
Qual é a linguagem simbólica?
O linguagem simbólica é a forma de comunicação através da qual os seres humanos
interpretam algum símbolo e obtêm uma mensagem dele.

Para a compreensão da linguagem simbólica ocorre, a capacidade de raciocinar pelo


indivíduo, além de compreender a sociedade em que ele trabalha e que partilham a
linguagem simbólica é necessário.

Os seres humanos são animais que se comunicam através de símbolos, que


transcendem culturas e grupos sociais.

Através da linguagem simbólica, os humanos


identificam e representam diferentes partes da
realidade. O simbolismo completa o que a linguagem
conceitual e explícita é incapaz de abranger, devido às
suas limitações naturais.
Qual é a linguagem simbólica?
Uma das características da linguagem simbólica é que é difícil estabelecer limites. Através
de símbolos, as pessoas podem expressar desde o mais óbvio até o que não é visível.

Toda a linguagem simbólica está sujeita às diferentes interpretações dadas por cada
pessoa. Como não é uma forma de linguagem explícita, a interpretação das mensagens
pode variar entre o remetente e o destinatário.
Conceito de linguagem simbólica
Muitos dos estudos no campo da linguagem simbólica que eles estão
focados em sua interpretação pelas diferentes culturas que habitam o
planeta, bem como os fatores que levaram a determinar que um
símbolo representa algo.

Entre as diferentes culturas, os significados e aceitações da linguagem


simbólica variam, por isso, é uma maneira de estudar as próprias
culturas.

Embora nos séculos recentes a busca da verdade através da ciência


tenha feito com que o equilíbrio se voltasse para o lado da linguagem
descritiva; a linguagem simbólica encontrou seu lugar.

Com a linguagem explícita, você pode analisar, entender e postular diferentes abordagens
necessárias. Mas com a linguagem simbólica, tudo o que é inerente ao que o ser humano
sente, suas expressões e sensações são capturadas.
Exemplos de linguagem simbólica
1- símbolos religiosos
As religiões abraâmicas monoteístas dominaram o mundo por
milênios. Todo o mundo ocidental e grande parte do mundo
oriental é fortemente influenciado por algumas das religiões
abraâmicas.
Um dos maiores sinais do impacto da linguagem simbólica na
humanidade são os símbolos das religiões.
Deveria começar a falar sobre o cristianismo. Não há dúvida de
que a cruz é o símbolo universal dos cristãos. Jesus de Nazaré,
um dos rostos da Santíssima Trindade, segundo grande parte
dos cristãos, foi executado numa cruz.
A partir daí, esse símbolo foi tomado para representar qualquer
lugar para onde vai uma família de cristo ou cristã, desde as
roupas até as grandes catedrais.
Algo semelhante acontece com o povo judeu, a origem do
cristianismo. Davi, o segundo rei de Israel, unificou o território e
ele é creditado com a origem da Estrela de David, atual símbolo
por excelência do judaísmo, aparecendo mesmo na bandeira do
Estado de Israel.
No islamismo, que não adora imagens, não há símbolo claro,
mas o mais popular é a lua crescente e a estrela, de origem
bizantina.
Exemplos de linguagem simbólica
2- Amostras de Afeto
Provavelmente, o significado mais popular de símbolo é algo
físico projetado por alguém para identificar alguma coisa. Mas
as diferentes demonstrações realizadas pelos seres humanos e
através das quais expressam seus sentimentos também fazem
parte da linguagem simbólica.
Um dos principais exemplos de linguagem simbólica que pode
ser usado é o abraço. Em todo o mundo, duas pessoas se
abraçando representam uma das maiores expressões de afeto
e afeição que existem.
A vantagem do abraço é que a interpretação geralmente é feita
diretamente. A compreensão do abraço como uma
demonstração de irmandade é praticamente unânime.
Por outro lado, é o beijo, o que é interpretado como uma mais
amoroso e apaixonado, também dependendo de onde eles se
beijam e cultura para interpretá-lo.
Finalmente, outra das demonstrações mais populares de afeto
é o aperto de mão, que tem uma origem pré-romana.
Através do aperto de mão, duas pessoas demonstram respeito
e podem, às vezes, selar um acordo ou uma aliança. Este
símbolo foi estendido para culturas ocidentais e orientais.
Exemplos de linguagem simbólica
3- Amostras de rejeição
Assim como há numerosos sinais de afeto que os seres humanos
demonstram entre si, há muitos outros que são rejeição entre as
pessoas.
A maioria delas está relacionada a tentar enviar uma mensagem
intimidadora violenta a outra pessoa, o que prejudica sua identidade
pessoal e psicológica.
Universalmente, a violência é reconhecida através de punhos. Quando
uma pessoa oferece um punho para o outro, em muitas culturas, ela é
entendida como uma maneira de começar uma briga. Da mesma
forma, existem símbolos diferentes que podem ser feitos à mão para
ofender alguém.
Gestos também desempenham um papel importante em mostrar
rejeição. Quando alguém levanta os olhos ou manifesta superioridade,
está demonstrando sua desaprovação ou rejeição do que outro ser
humano diz ou faz.
Entre as culturas, os sinais de rejeição são altamente estudados,
porque a violência está presente em todas as sociedades.
Exemplos de linguagem simbólica
4 - Sinais de Trânsito
A globalização fez os sinais que podem ser vistos em um
conhecimento global da estrada.
Embora você tenha constantemente a impressão de que uma grande
parte das pessoas atrás do volante não sabe o significado dos sinais
de trânsito, existem muitos sinais que são identificados por uma
grande parte dos seres humanos.
Um hexágono vermelho com a inscrição STOP é entendido como
indicando que deve parar.
Outro exemplo ainda mais simples: o desenho de um telefone significa
que existe um próximo. Uma cama significa que há um hotel ou
pousada nas proximidades.
Nesse sentido, pode-se entender que em grande parte do planeta
Terra existem símbolos comuns, provavelmente impostos pelos países
desenvolvidos, mas que representam instituições que se consolidaram
em muitas latitudes.
Essas instituições variam de serviços públicos a meios de transporte e
permitem que pessoas que não entendem o idioma saibam o que
esperar.
Um pouco da história do Povo Cigano
A história dos ciganos revela em suas tradições as diferenças entre os
mais destacados grupos – Rom, Calon e Sinti - definido como unidades étnicas
pelos ciganólogos e pelas organizações ciganas. As características que os
assemelham são as suas origens, a cultura comum, a história construída pelo
grupo, a dispersão geográfica - pelo nomadismo, seminômadismo ou
sedentarismo -, a forma como transcorreu o convívio com outros povos e,
finalmente, as construções culturais desses grupos. Essas três grandes
nações ciganas, Calon, Sinti e Rom são divididas em estados, as Vitchas,
conforme a profissão ou a procedência do grupo.
Existem os Horarranês, os Mordovaias, os Matchuaias, cuja, vitchas se originam pela procedência, já os Kaldarashes têm a sua
organização ligada aos trabalhos nas caldeiras; e os Lovaris estão relacionados à negociação de empréstimo de dinheiro. As vitchas podem
ser definidas como “pequenos estados, com levíssimas diferenças dialetais e de costumes, que formam a grande nação romani”. Os Calons
podem ser encontrados divididos entre Calons portugueses e Calons espanhóis e no nosso país são nomeados Calons baianos, Calons
mineiros, Calons gaúchos e assim por diante conforme a sua região.
Os antepassados dos ciganos eram nômades estrangeiros de pele escura, de acordo com registros de outros povos europeus, que indicam
a ligação com os ciganos. Chegaram em bandos na Europa Ocidental, no período entre o século XII e início do século XV, cujos números
variavam de dezenas a centenas em cada grupo e seus líderes se intitulavam “duque”, “conde” ou “rei”, dependendo do título de nobreza
adequado para o local em que chegavam, originários segundo eles, do “Pequeno Egito”. Na verdade, eram originários da Índia, descoberto
somente na segunda metade do século XVIII pela semelhança da língua híndi e do sânscrito. Ao longo da história dos ciganos, algumas
características pessoais eram atribuídas ou identificadas, como em 1050, no pedido de ajuda de sujeitos
considerados “adivinhos e feiticeiros” pelo imperador de Constantinopla, sendo também chamados de Adsincanis. Os “domadores de ursos
e cobras” e as “pessoas que leem a sorte e preveem o futuro”, também denominados de Kritriai e Athinganoi chamaram a atenção de
monges no início do século seguinte. Por essas mesmas características a si atribuídas, o clero adverte o patriarca de Constantinopla, já no
século XIII, com vistas ao impedimento da entrada dos Adingánous nas residências da cidade tendo em vista “as coisas
diabólicas” que poderiam estar sendo ensinadas à população.
Um pouco da história do Povo Cigano
Durante o século XV, as pessoas eram excomungadas por cinco anos se
acolhessem em suas casas os ciganos, ou para ler a sorte ou para o alívio de
doenças por meio de feitiçarias.
A história dos ciganos portugueses envolve perseguições a essa
população durante o reinado de D. João V (1706-1750) sendo alguns grupos
deportados para o Brasil nesse período. Não há, porém, como definir o número
exato dos que chegaram ao nosso país até o ano de 1822. Os ciganos vieram
contra a sua vontade oriundos de Portugal em meados de 1574, no início da
Colonização. Um casal, João Torres e Angelina, pelo fato de serem ciganos,
foram presos e deveriam ser separados, ficando ele condenado às galés e ela
deveria deixar o país em dez dias, com seus filhos. João, no entanto,
argumentou não servir para trabalhos do mar e então solicitou ser enviado para
o Brasil.

Poucos dias depois a pena foi modificada para cinco anos no Brasil, para onde levaria a família, sendo os seus bens confiscados pela
Coroa para o pagamento dos custos dessa viagem. Com os registros desse trâmite, considera-se que João Torres foi o primeiro cigano a
chegar ao Brasil. Afirma que não existem outros documentos informando o destino dessa família de ciganos que embarcou para o Brasil
nem se ela retornou a Portugal em outra época de suas vidas.
A deportação de ciganos portugueses para o Brasil foi realmente evidenciada no ano de 1686, quando documentos de Portugal apontam
que ciganos deveriam ser degradados não apenas para as colônias africanas, mas também para o Brasil, especificamente para o
Maranhão. Não se sabem os motivos que levaram à deportação dos ciganos e nem quantos deles chegaram ao Brasil, mas sabe-se que
outras capitanias, como a Bahia e Pernambuco, receberam grupos com comunicado de Lisboa para essa remessa de pessoas chegar em
15 de abril de 1718.
Alguns grupos foram enviados ao Brasil, mas direcionados para Angola em 15 de julho de 1723, por Dom Lourenço de Almeida levando em
consideração o decreto de 1718, quando naquele momento, ao chegarem ao nosso país os ciganos foram considerados por ele:
Um pouco da história do Povo Cigano

“ ...por ser havia gente muito prejudicial aos seus


povos porque não vivem se não dos roubos que
fazem, cometendo exacerbados insultos, e porque
pelo descuido que houve em alguma das praças da
Marinha vieram para estas Minas vartas famílias de
ciganos, onde podem fazer maiores roubos que em
outra nenhuma parte... (DORNAS FILHO, 1948,
apud TEIXEIRA, 2007, p. 32). ”
Um pouco da história do Povo Cigano
Com esse argumento oficial, os ciganos passaram pelo Rio de Janeiro
onde foram presos, considerados saqueadores e ladrões juntamente com as
pessoas que os acompanhavam ou que os ajudavam e os abrigavam em suas
casas ou fazendas locais. Logo em seguida foram deportados para Angola.
Em contrapartida, o governador de Minas Gerais, em 1737, admite que
os ciganos só seriam presos sob a acusação de furtos ou roubos, quando
havendo culpa e não sob a alegação de “serem ciganos”, ou seja, pela sua
condição de grupo social.
O reconhecimento político dos ciganos vem sendo paulatinamente
costurado, com linhas ainda frouxas, mas com tecidos fortes pela persistência
de alguns ciganos que conquistaram reconhecimento de visibilidade. Em 1971,
ocorreu o primeiro Congresso Mundial dos Rom em Londres
mas somente depois, a ONU reconheceu a União Romani Internacional, em 28
de fevereiro de 1979,
como representante da etnicidade dos ciganos, da nação cigana. Outra conquista alcançada politicamente no Brasil foi o Dia Nacional do
Cigano, 24 de maio, instituído por decreto presidencial, de 2007. Cabe ressaltar os esforços do Centro de Estudos Ciganos (CEC) como
primeira organização cigana da América Latina com objetivo de unir costumes, história e tradições dos ciganos Colons e Roms. Sua
fundação no Rio de Janeiro, data de 18 de maio de 1987, e o primeiro presidente foi o cigano Mio Vacite. Outros ciganos que atuaram
significativamente na entidade foram Oswaldo Macedo, Marcos Rodrigues e Antônio Guerreiro, sendo esse último, um membro, atuante
durante todo o período de atividades da instituição. Em 1993, com o desaparecimento do Dr. Oswaldo Macedo, o CEC encerrou-se as
atividades que vinha desenvolvendo, como a 1ª semana de Cultura Cigana da América Latina (Fundação Casa Rui Barbosa,1987), Pueblo
Gitano (Centro Cultural San Martin, Buenos Aires, 1987), Noite Cigana (Espaço Cultural Sérgio Porto,1988), Arte Cigana no MIS (Museu da
Imagem e Som, 1992). Em Brasília, atualmente, Mio Vacite e Cláudio Domingos Iovanovitchi são nomes de destaque, considerados como
representantes dos ciganos no Brasil participando, juntamente com outros ciganos dos demais estados, de encontros e congressos junto a
órgãos do governo federal para divulgação da arte, das tradições e da cultura cigana nos espaços políticos do país.
Os ROM, OS SINTI E OS CALON
O termo “cigano” é uma expressão criada na Europa do Século XV para
designar os povos nómadas. O desconhecimento que as pessoas têm dos
ciganos faz com que sejam vistos de um modo estereotipado. Tanto assim é
que o próprio dicionário define cigano como alguém (entre outras definições)
que age com o intuito de ludibriar. Seguindo a análise podemos constatar que o
sentido de algumas palavras, como “ciganos”, “ciganar” ou “ciganice”, tem por
base a ideia de logro.

Muitos motivos poderão estar na génese desta particularidade, no entanto, uma


das realidades inquestionáveis é que todos nós, quase sem exceção, já
testemunhámos situações em que a aplicação do termo assume um caráter
preconceituoso e discriminatório. Assim, o termo “cigano” é considerado
pejorativo na sociedade.

Em Portugal, por preconceito, o nome cigano é muitas vezes associado a qualidades negativas. Esta razão deve-se ao seu antigo
nomadismo, hoje relativo, ao grande apego que têm à liberdade e à forte tradição cultural que influencia a forma como se relacionam com
as instituições da sociedade envolvente.

Hoje, a expressão “cigano” é evitada pelos ciganólogos não-ciganos, os quais preferem a expressão adotada pelos movimentos de
afirmação desta etnia – a expressão ROMA. Distinguem-se pelo menos três grandes grupos:
Os Ciganos ROM’s
O grupo Rom, mais numeroso de todos, provém principalmente do norte e leste da Europa, onde, inclusive, chegaram a ser
escravizados na Moldávia e na Valáquia (atual Romênia). Eles, certamente, originaram-se do grupo que, uma vez na Europa,
resolveu seguir para o norte.

Observa-se no romani e nos costumes tradicionais deste grupo uma forte influência
da cultura eslava. As slavas, por exemplo, festas religiosas em homenagem aos
santos padroeiros, que muitos autores estabeleceram como um costume
tradicional dos ciganos de maneira geral, são, na verdade, um costume eslavo
muito antigo, praticado com esse mesmo nome, ainda nos dias de hoje,
por cristãos ortodoxos não-ciganos na Sérvia. Da mesma forma, muitos dos mais
tradicionais rituais da Pomana, a cerimônia fúnebre que muitos autores atribuem,
novamente, a todos os rhomá, são realizados exclusivamente pelos rhomá do
grupo Rom e também derivam de antigas tradições eslavas não-ciganas.

Ao contrário do que normalmente se pensa, eles também são os únicos entre os


rhomá a estabelecerem subdivisões em clãs, como era costume nas regiões do
norte e leste europeu por onde se espalharam. A palavra “clã”, como todos podem
imaginar, nem mesmo é de origem romani. Dessa maneira, os clãs dos rons
caracterizam-se pelas profissões tradicionalmente exercidas pelos seus membros, enquanto os rhomá dos grupos Sinti e Calon
não estão subdivididos em clãs, mas reconhecem-se com nomes distintos de acordo com a localidade de onde provém.
Os Ciganos Sinti
Os rhomá do grupo genericamente denominado Sinti provém principalmente da Europa Central, sobretudo da Alemanha, França e Itália,
mas também de países dos Bálcãs e, em menor proporção, do Leste Europeu. Os sinti, ou sinté, originaram-se do grupo que, uma vez na
Europa, partiu da Grécia rumo ao oeste, atravessando a península balcânica, onde absorveu múltiplas influências, inclusive linguísticas.

Falam o sinti-manush, por vezes também referido como sintenghero tschib (língua sinti) ou sintitikes, uma variedade dialetal do romani
com fortes influências da língua alemã. Manush, aliás, é a forma como se autodenominam e são conhecidos os sinti da França. Ao
contrário do que já li em alguns lugares por aí, a palavra “manush” não é nome de nenhuma espécie de cargo religioso, coisa que, diga-se
de passagem, não existe na cultura romani, mas uma palavra que, de maneira análoga ao substantivo “people”, do inglês, significa tão
somente “povo”, “pessoas”.
A origem e o significado da palavra “sinti”, de contrapartida, são incertos.
Imagina-se que o termo tenha sido adotado no século XVIII e há quem
defenda que ele alude a uma ligação ancestral com o povo sindhi, uma
etnia que vive numa província chamada Sindh, no sudoeste do Paquistão.
No entanto, não há nenhuma prova que corrobore essa hipótese. Para
outros, o termo deriva de uma antiga palavra do próprio dialeto sinti, cuja
forma e significado originais perderam-se no tempo.
Assim como os rhomá do grupo Rom, os sinti também adotam profissões
tradicionais, passadas de geração em geração, tais como ferreiro,
joalheiro, músico, criador e comerciante de cavalos, etc. A diferença é que
os sinti não se dividem em clãs determinados por essas profissões, como
fazem com os Rom. Em uma mesma kumpania (comunidade) sinti pode
haver, e invariavelmente há, indivíduos com as mais variadas profissões.
Os sinti, assim como os calé, subdividem-se por regiões de procedência,
as nacionalidades, referindo-se uns aos outros por terminologias
diferentes, determinadas pelas regiões de que vieram ou onde vivem.
Os Ciganos Sinti
Eles teriam chegado à Áustria e à Alemanha no final do século XV, dividindo-se, num primeiro momento,
em dois grupos – Estraxarja e Eftavagarja. O grupo Estraxarja originou-se dos que chegaram à Áustria,
espalhando-se, posteriormente, pela Itália, Croácia, Eslovênia, Hungria, Romênia, República Tcheca e
Eslováquia, assumindo denominações diferentes em cada um desses lugares. O grupo Eftavagarja, por
sua vez, originou-se dos que chegaram à Alemanha, espalhando-se, posteriormente, pela França,
Espanha, Portugal e, finalmente, Brasil.
É comum ouvirmos dizer que os Sinti são mais suscetíveis à assimilação cultural, tendendo a abandonar
mais rapidamente o nomadismo e até mesmo a ocultar as próprias origens em países fora da Europa,
assumindo a condição de cripto-ciganos (ciganos que escondem que são ciganos). Não se pode negar
que hoje a imensa maioria dos Sinti é realmente sedentária e vive fora das grandes comunidades rhomá,
porém esse tipo de afirmação não é verdadeira para nenhum grupo rhomá em especial. A velocidade ou
“disposição” com a qual rhomá dos mais variados grupos se deixam assimilar pelo mundo gadjé (não-
cigano) está diretamente ligada às condições sócio-econômicas a que estiveram submetidos em seus
países de origem, bem como ao nível de sucesso das inúmeras políticas anticiganas, aplicadas nos mais
diversos países no intuito de promover a dissolução das comunidades rhomá.

É preciso observar que para comunidades escravizadas, fortalecer a união em torno de laços étnico-
culturais comuns é uma estratégia de sobrevivência. Fenômeno semelhante aconteceu com a escravidão
dos negros no Brasil. Já para comunidades perseguidas pela sombra de um estigma social, a coisa pode
funcionar no sentido inverso. Livrar-se do estigma pode mesmo se tornar uma meta. Neste sentido, a
imigração para as Américas, uma terra de pessoas naturalmente miscigenadas, surgiu, para muitas
famílias Sinti, como uma fuga perfeita.
No Brasil, a chegada dos Sinti coincidiu com os diversos períodos migratórios ao longo do século XIX e
início do século XX. Misturados às massas de franceses, italianos e alemães, eles chegaram ao país
para ajudar a colonizar áreas rurais distantes e, principalmente, para substituir a mão de obra escrava
nas lavouras de café.
Os Ciganos Calon’s
Calon, ou calé, é a maneira como são conhecidos e se autodenominam os rhomá da
península ibérica, a saber, Espanha e Portugal, embora também se possa encontrá-los no
sul da França (sobretudo na Camargue), no norte da África (especialmente no Marrocos) e,
mais modernamente, nas Américas.

A palavra “calon” deriva do romani caló, que significa “negro” e foi adotada certamente por
causa do tom de pele escuro, mourisco, dos rhomá quando de sua chegada naquela região.
A cor escura da pele também é a provável razão para a identificação fervorosa dos calé com
o culto de Sara Kali (Sara, a negra) e de todas as Virgens Negras, um culto europeu antigo
e misterioso com raízes pré-cristãs. Apesar disso, a miscigenação é um fato inegável, e hoje
podemos encontrar rhomá com tons de pele, olhos e cabelos bem claros, não apenas entre
os calé, mas em todos os grupos e subgrupos romani.

Um caso que se tornou bastante conhecido – e polêmico – na mídia é o da menina Maria,


mais conhecida como “Anjo Cigano”. Ela foi encontrada pelas autoridades gregas vivendo
em uma comunidade rhomá. Muito se especulou a respeito dela ter sido roubada de seus
pais verdadeiros, o que irritou profundamente a comunidade rhomá no mundo inteiro. Mais
tarde constatou-se, graças à exames de DNA, que Maria era realmente romie (cigana), e o
caso dela acabou servindo para expor ao mundo o terrível preconceito e o racismo de que,
lamentavelmente, ainda são vítimas os rhomá
Os Ciganos Calon’s
Maria, como é possível se supor, não pertence ao grupo Calon. Mas existem, na Espanha
moderna, muitos calé loiros, de olhos verdes e pele clara. Principalmente na Andaluzia,
onde a população romani é mais numerosa, está mais bem integrada socialmente e os
casamentos inter-raciais são mais frequentes.

Os calé falam o caló, uma variedade de romani, ou para–romani, que resulta da mescla de
uma série de línguas peninsulares, como o castelhano, catalão, galego e português, com
alguma influência árabe e o léxico romani. Como acontece com outros dialetos para-romani,
a exemplo do sinti-manush, o caló também não se apresenta com uma forma única,
variando de acordo com o país ou região em que é falado. Em Portugal, por exemplo, onde
suas influências principais são o galego e o português, o nome dado ao dialeto é calão. Já
no Brasil, onde se mesclam às influências anteriormente citadas vários empréstimos de
línguas indígenas locais, a língua dos calon se chama chibi, do romani tschib, que quer
dizer, literalmente, “língua”.
Os Ciganos Calon’s
Os calé foram seguramente os primeiros rhomá a pisar no Brasil, num tempo em que o país
ainda não tinha esse nome e sequer chegava a ser de fato um país, era colônia de Portugal.
Em 1574, cumprindo pena por tráfico ilegal, o calon João de Torres, juntamente com sua
esposa Angelina e os filhos, foi degredado para a Terra de Santa Cruz. Eles se tornaram,
oficialmente, os primeiros rhomá em terras brasileiras. Extraoficialmente, porém, há quem
acredite que pode ter havido outros antes disso, a começar pelas próprias caravelas de Cabral.
Certamente há indícios que sustentam esta hipótese, embora nenhuma evidência corrobore a
certeza. Controvérsias a parte, o fato é que o trânsito de calé para as colônias portuguesas
continuou acontecendo durante todo o período colonial, e é um dado histórico que muitos
deles fizeram fortuna, notadamente com o tráfico e o comércio de escravos africanos. Hoje, os
calé são a população rhomá mais numerosa e significativa do Brasil.
Na Europa, de contrapartida, a história é um pouco diferente. Se houve entre os calé aqueles que lograssem conquistar fortuna e prestígio
social, suas histórias não são muito conhecidas. E, enquanto temos um registro do provável primeiro calon a aportar em nossas terras, a
chegada dos rhomá na península ibérica é mais uma daquelas controvérsias para as quais os especialistas dificilmente chegarão em um
acordo. Alguns acreditam que os calé se originaram do mesmo movimento migratório que os sinti, vindos da Grécia rumo ao oeste. Para outros,
é mais provável que eles tenham vindo do norte da África, cruzando o Estreito de Gibraltar. Neste caso, seriam os descendentes dos rhomá que
não entraram na Europa pelo Bósforo, mas desceram a Jordânia até o Egito, de onde se espalharam pelo norte do continente africano. Isso
explicaria, por exemplo, porque os calon não apresentam, em seu caló, nenhuma influência balcânica, como acontece com o sinti-manush, mas
muitas influências árabes. Por outro lado, estas influências árabes podem ser apenas uma herança dos tempos de domínio mouro na península
ibérica. Como ocorre com os sinti, os calé também não se dividem em clãs determinados pela profissão, mas subdivisões existem por regiões
de procedência, dentro e fora de Espanha e Portugal. Num primeiro momento, talvez não faça muito sentido chamar essas subdivisões de
nacionalidades, já que muitas delas existem dentro de um mesmo território nacional. Mas é preciso observar que a noção de nacionalidade que
temos hoje não estava tão bem definida nos primeiros séculos em que os rhomá se estabeleceram na Europa. Muitos países estavam divididos
em diversos pequenos reinos, como era o caso da Espanha, e só vieram a se unificar em algum momento do século XX. Assim, acredito que o
termo nacionalidade (nátsija, em romani) ainda pode ser usado com alguma efetividade, mesmo no caso dos calé.
A História do Baralho Cigano
Para falar de Baralho Cigano, primeiro precisamos contar a história de Mademoiselle Lenormand.

Mlle Lenormand foi uma das mais, se não a mais célebre cartomante que já existiu, alcançando fama,
fortuna e um lugar de destaque na história. Era conhecida como a Sibila dos Salões e seu nome foi
associado ao baralho Petit Lenormand, conhecido no Brasil por Baralho Cigano.

Vamos conhecer um pouco desta história.

Mademoiselle Lenormand
Marie-Anne Adelaide Lenormand nasceu em Alençon, na Normandia, em 27 de maio de 1772.
Seu pai faleceu um ano após seu nascimento. Sua mãe casou-se novamente, porém faleceu quando
Marie-Anne tinha cinco anos. Ela é criada então pelo padrasto. Na adolescência ela decide ir para Paris
onde realiza alguns trabalhos de menor importância.

Possuía o conhecimento de leitura de mãos, borra de café, espelhos anel cigano, adivinhação,
tarot de Marselha e baralho comum de 52 cartas. O primeiro lugar em que fez suas tentativas foi nos
barcos das lavadeiras, sempre apaixonadas adivinhações. Por alguns centavos Mlle Lenormand lia a sorte para elas.
Passo a passo, ela chegou aos comerciantes, depois à burguesia e às mulheres do mundo através de suas criadas.
Aprimorando sua educação Mlle. Lenormand chegou até a alta sociedade.
Em maio de 1801 ela é convidada para ir à residência de Josephine de Beauharnais, a primeira esposa de Napoleão Bonaparte.
Previu para Napoleão sua fenomenal ascensão e sua posterior queda repentina. A partir de então relata ter tido vários clientes
importantes.
A História do Baralho Cigano
Mlle. Lenormand abriu sua própria livraria, onde publicou seus livros. Escreveu 14
livros, nenhum sobre suas teorias do Tarot ou métodos de cartomancia, e sim
sobre sua carreira e suas ligações com pessoas importantes. A livraria estava
sempre lotada de pessoas procurando pelos seus atendimentos.

Ela nunca disse que era cartomante e se intitulava profetisa. Foi presa várias
vezes, pois naquela época, 1800 na França, não era permitido nenhum tipo de
adivinhação, profecia ou leitura oracular.

Muitas pessoas tentaram ser suas pupilas, porém ela dizia que não deixaria
nenhum discípulo. Também não há relatos de que teve contato com os ciganos.

Mlle. Lenormand morre em 25 de junho de 1843, aos 71 anos.

Seu funeral foi extraordinário. A igreja foi coberta com enfeites, o carro fúnebre foi
puxado por quatro cavalos enfeitados e seguido por cem pessoas. Foi um
acontecimento importante no mundo da adivinhação.

Mlle Lenormand não deixou nenhum baralho nem método de leitura com o seu
nome e somente após a sua morte é que surge o baralho Petit Lenormand, com
36 lâminas, como conhecemos hoje.
O Petit Lenormand
Segundo as descobertas da pesquisadora norte americana, Tali
Goodwin, em 1799, na Alemanha, Johann Kaspar Hechtel, um jovem
empresário, dono de uma fábrica de bronze e criador de jogos de salão,
publicou pela primeira vez o “Das Spiel der Hoffnung” (O Jogo da
Esperança).

Este jogo, inicialmente concebido como um jogo de tabuleiro, lúdico,


como um Banco Imobiliário, continha 36 cartas que eram dispostas
numa grade, onde as peças dos jogadores avançavam pelas casas
conforme os números que saíssem nos dados.

No livro de instruções além das regras do jogo, havia uma orientação dizendo que também era “possível jogar um divertido jogo oracular
com essas cartas embaralhando as 36 e deixando a pessoa para quem é destinado o oráculo cortá-las e depois dispô-las em 5 linhas:
sendo 4 linhas de 8 cartas e a quinta com as 4 restantes. Se a pessoa que consulta é uma mulher, observe a lâmina 29 comece
compondo um alegre conto a partir das cartas que a rodeiam. Se para um homem, o conto começa da lâmina 28 e, mais uma vez, usa-se
as cartas que a rodeiam. Isso trará muita diversão para qualquer boa companhia”.
O Petit Lenormand

Por volta de 1846, após a morte de Mlle. Lenormand, o mesmo


jogo foi republicado por um tal de Phillippe Lenormand, que
afirmava ser sobrinho dela (o que era mentira, pois, o único
sobrinho que tinha morava na França e se chamava Michel-
Alexandre Hugo, filho de sua irmã mais nova, Marthe-Sophie).

Junto com o jogo ele lançou um LWB (little white book), o


livreto que acompanha o jogo, onde explicava de que forma as
cartas poderiam ser usadas como oráculo.

Não é preciso mencionar que “Philippe Lenormand” era um


nome fictício, tratando-se de uma estratégia de marketing
onde o nome da ilustre cartomante Mlle. Lenormand foi usado,
de forma a aumentar as vendas do referido baralho.
O Petit Lenormand
Durante muito tempo pensou-se que o Petit Lenormand estava de certa forma relacionado com a Cafeomancia,
isto é, a leitura das borras do café, uma vez que o significado dado a certos símbolos na cafeomancia coincide
quase completamente com o significado dos mesmos símbolos no Baralho Lenormand. E na verdade, essa é a
autêntica origem do Lenormand.

Em 2013, Mary K. Greer, escritora e professora de tarot, encontrou um outro


documento guardado no Museu Britânico que provou ser o “elo perdido”
entre o jogo de Johann Hechtel e a interpretação de certos símbolos na
cafeomancia, também presentes no Lenormand.

Esse documento chama-se “Les Amusements des Allemands” (A diversão


dos Alemães) e data de 1796, anterior ao jogo de Hechtel em três anos.
Contém um baralho de 32 onde também estavam presentes figuras como o
Trevo, a Casa, o Cavaleiro, a Âncora, a Cruz, a Montanha, etc., cujos
significados são os mesmos dados às cartas do Petit Lenormand.
O Petit Lenormand
Durante muito tempo pensou-se que o Petit Lenormand estava de
certa forma relacionado com a Cafeomancia, isto é, a leitura das
borras do café, uma vez que o significado dado a certos símbolos na
cafeomancia coincide quase completamente com o significado dos
mesmos símbolos no Baralho Lenormand. E na verdade, essa é a
autêntica origem do Lenormand.
Além disso, alguns dos métodos de interpretação que hoje existem no
Lenormand (em especial no lançamento da Mesa Real) foram
herdados diretamente da Cafeomancia. Veja:

Na cafeomancia, quanto mais próximo um símbolo se encontrar da
“asa” da xícara, mais importância ele tem, o que pode ser
comparado com o método da distância de uma carta em relação à
carta significadora (28-Homem ou 29-Mulher, dependendo do sexo
do/a consulente).

Da mesma forma, quanto mais alto um símbolo se encontrava no
interior da xícara, maior importância lhe era dada, método que
passou praticamente intocado para o Lenormand.
Baralho Cigano x Ciganos

E qual é a relação dos ciganos com tudo isso?


Os ciganos sempre foram associados a oráculos e a cartas de jogar.
Entre as habilidades das mulheres estavam a leitura da sorte, em
especial a quiromancia, a leitura das mãos. Para o nômade, que
carrega poucos pertences, este era um método prático, bastava a
palma da mão do consulente.

Conforme os baralhos foram sendo impressos e ficando mais


acessíveis, muitos ciganos passaram a utilizar as cartas para ler a
sorte, pois eram pequenas e fáceis de manusear e carregar.

Não encontramos registros históricos que evidenciem que os ciganos


tivessem sido autores de baralhos, porém como estavam sempre na
“estrada”, nas ruas, foram grandes divulgadores deste tipo de leitura, e
muito provavelmente seu nome tenha ficado associado ao baralho.
Os Ciganos e as Forças da Natureza
Ao jogar o Baralho Cigano, é óbvio que o Povo Cigano o faz seguindo seus
próprios costumes e tradições. Ao longo de todo este nosso trabalho, está
bastante evidente que estamos apresentando as cartas ciganas como um
Oráculo simples, ao alcance de qualquer pessoa que se prepare para tal,
assim como é possível se jogar ou manipular todos os Oráculos, ainda que
cada um deles também esteja ligado a alguma tradição. Aliás, é esta
simplicidade do Baralho Cigano que faz com que seja possível encontrar,
também, nos mais variados livros sobre o assunto, os mais variados
métodos de jogo. Nossos esforços tem sido o de mostrar que, por sua
característica simples e linguajar de fácil entendimento, o Baralho Cigano se transforma em um ótimo conselheiro e
de comprovada eficiência em assuntos práticos, embora com o aprofundamento de seu estudo o Oraculista vai
percebendo aspectos mais importantes em seus significados. Nosso trabalho tem sido o de mostrar ou dar ênfase
aos cuidados básicos a serem observados quando lidamos com questões espirituais, ou seja, com algo que,
queiramos ou não, nos leva a manipular Forças da Natureza e, também, se conectar com inteligências espirituais.
No que se refere às Forças da Natureza vamos dar um breve esclarecimento sobre elas e sua presença, não
somente nos Rituais Ciganos, bem como, em todos os procedimentos de Magia.
Os Ciganos e as Forças da Natureza
Mesa de Jogo:
Por estarmos aqui falando do Baralho Cigano como um Oráculo,
vamos recuar e rever o sentido da palavra Oráculo: "resposta
que, em crença da antiguidade, os Deuses davam às perguntas
que lhes eram dirigidas." Portanto, a mesa de jogo representa o
"altar" deste encontro. Aliás, vale lembrar que, a finalidade de
todo Altar é exatamente servir de canal ou ponto de contato
com outros planos e dimensões, sendo uma verdadeira ponte
para o Infinito. Por essa razão, a mesa deve ser preparada de
maneira simples, porém, com os elementos básicos que
representem os Quatro Elementos da Natureza. Deve ser de
preferência redonda e forrada com uma toalha usada
exclusivamente para isso. Obs: Se não for na mesa, pode-se
escolher um canto e ali colocar os objetos representativos dos
quatro elementos
Os 4 Elementos - Terra
Nas tradições místicas, a terra funciona como um "filtro" magnético, cuja
finalidade principal é absorver as energias impuras, transformando-as em
elementos puros, capazes de aliviar as cargas negativas. A Terra é
representada nos rituais Ciganos pelas Moedas (normalmente se colocam
na mesa 5 moedas douradas ou de cobre) e também pelo Cristal. Nos
rituais mágicos, de um modo geral, o Elemento Terra é representado pelos
Cristais:

Quartzo-branco - Um Cristal de uso bastante generalizado e que,
normalmente, está presente em vários rituais e Altar.

Ametista - Por ser uma pedra que favorece a intuição e a clarividência, é
mais do que natural e justificada a sua presença na mesa, principalmente
em forma de druza (Cristal com uma única base e várias pontas), quando,
então, funciona como transmutadora de energias negativas em positivas.

Amazonita - Esta é a pedra dos Oraculistas (Tarólogos, Cartomantes,
Interpretes de I Ching, etc), por isso também de bastante utilidade na
mesa.
Elemental da Terra:
Os Gnomos, que favorecem questões relativas a dinheiro, além de ajudar a
resolver problemas de ordem prática, ou seja, questões ligadas ao
cotidiano.
Os 4 Elementos - Água
Símbolo da energia feminina, das emoções e do inconsciente, a Água está
ligada à fertilidade e à maternidade, tendo dois significados místicos:


Água salgada dos oceanos (que recebe todos os tipos de detritos materiais
e espirituais, sendo importantíssima nos rituais de exorcismos);


Água doce dos rios e das fontes (traz em si mesma uma energia cheia de
vida, que faz a ligação do Homem com Deus). O Cálice, o copo ou a taça
com água, representa, no Ritual Cigano, o Elemento Água, simbolizando a
Essência Divina.

Elemental da Água:
As Ondinas (Regem as emoções e os sentimentos e, por isso, podem nos
ajudar a tomar decisões relacionadas ao amor ou a superar mágoas)
Os 4 Elementos - Ar
Ao contrário da Água, o ar é o elemento masculino da Natureza. Seu
sentido é duplo: perceptível (a atmosfera, ou seja, o ar que respiramos) e
imperceptível (plano espiritual ou astral). Por esta razão, podemos
entender porque o Ar atua como intermediário entre o mundo espiritual e o
material. Nos ritos Ciganos o Ar é representado pelo Incenso que, ao
queimar, libera as energias positivas e mágicas de seus aromas.
Eis alguns dos aromas que poderão ser utilizados:

Sândalo - Atua no desenvolvimento e expansão da intuição.

Mirra - Assim como o Sândalo, também é benéfico para a intuição.

Acácia - Favorece muito a meditação e a concentração.

Rosa Musgosa - É um Incenso muito usado pelos Rosa-Cruzes e que
muitos Oraculistas gostam de utilizar.

OBS: No intervalo de uma consulta para outra, acenda um novo Incenso,


abra o Baralho em leque e passe-o na fumaça do Incenso, e em seguida,
deixe o mesmo queimando num canto.
Elemental da Ar:
Os Silfos (trazem clareza de pensamento e estimulam as pessoas a
descobrir verdades. Com sua ajuda, percebemos mais facilmente a lógica
das coisas).
Os 4 Elementos - Fogo

Assim como o Ar, o Fogo também é um elemento masculino, simbolizando


a alma, a vida humana, a energia sexual, as paixões, a energia cósmica e
a afetividade. Dos Quatro Elementos, o Fogo é o mais poderoso, sendo
representado nos rituais Ciganos e em todos os outros rituais, pela vela,
cuja chama ardendo , indica a ligação maior entre o Espírito e a matéria...
entre Deus e o homem. A cor da vela indicada nesses casos é a azul, pois
traz calma, serenidade interior, sabedoria, além de desenvolver e trabalhar
os poderes paranormais, a sensitividade, a mediunidade e a intuição.
Muitos substituem a vela por aromatizadores de ambiente.

Elemental da Fogo:
Salamandras (favorecem o bem estar físico e a cura de doenças). Outros
objetos também aparecem nos rituais Ciganos, como por exemplo, o
punhal, que segundo a crença cigana, tem o poder de eliminar todas as
coisas que precisam ser destruídas. Seu papel, então, seria o de um
purificador, embora simbolize, também, o poder e a força.
Os Ciganos e as Forças da Natureza
Material para a Mesa de Jogo:


Lenço florido que servirá como toalha (mas pode ser branca
se desejar)

Vela

Castiçal (não tendo pode ser um copo com água)

Cristal

5 moedas douradas ou de cobre (coloca-se uma em cada
canto da mesa, sendo que a quinta moeda fica na frente da
pessoa para quem se está jogando, ou seja, o consulente)

Punhal (coloca-se sobre o copo ou taça, apontado para a
pessoa para quem se está jogando, o consulente)

Porta incenso ou incensário

Baralho Cigano, que deverá ficar sempre no centro da mesa
Os Naipes

Os quatro naipes e as 52 cartas que constituem o baralho comum possuem significados próprios na
cartomancia. Essas características individuais fornecem ao cartomante, ou consultor, ferramentas aptas
para atendê-lo em qualquer circunstância. Desde perguntas que envolvam um panorama geral da situação
vivida pelo consulente até questões bastante específicas, relativas ao lado financeiro, afetivo, psicológico.
Os Naipes
Do mesmo modo que os quatro elementos, os
naipes podem ser vistos como representações
das forças ou energias constitutivas do universo:
são quatro atributos em pé de igualdade, tal como
os quatro pilares do Trono de Deus; não se pode
dizer que um seja menos importante que os
demais. No entanto, os naipes, tal como os
elementos, também podem ser entendidos como
um referencial simbólico para a ordenação
evolutiva: degraus sucessivos no desenvolvimento
do homem e do cosmo.
A origem da palavra naipe é incerta. Os registos
mais antigos na Europa aparecem no catalão naíp
(1371), no italiano naìbo (1376) e no espanhol
naipe (1400). Ao que tudo indica são termos
derivados do árabe naibbe ou naib, que pode ser
traduzido por "Vice-rei" ou "Representante" e que
se refere às cartas do "Rei' e do "Vice-Rei" no
Baralho Mamlûk.
OUROS (moeda, estrela, diamante) - TERRA
• Concretização, manifestação, realização. Apoio da vontade, resultado da ação espiritual.
Esforço, estudo, inteligência prática.
• Preservador, operativo, realista, sensível, sensual.
• Dinheiro, ganhos, lucros, frutificação, negócios
em expansão.
• No plano da identidade individual significa esforço, estudo,
inteligência prática, dedicação.
• Socialmente representaria a burguesia, as finanças, o comércio e os bens patrimoniais.
• Relaciona-se ao poder econômico.
• Corresponde ao valete, entre as figuras do baralho.
• São os gnomos, entre os espíritos elementares.

Aspecto masculino de Ouros: o Patriarca (Zeus, Odin, Moisés, Abraão).


Lado luminoso: o Bom Pai. Provedor, bondoso, exemplar, forte, protetor.
Lado sombrio: o Padrasto. Severo, inalcançável, tirânico, que impede o
desenvolvimento.
Aspecto feminino de Ouros: a Mãe (Mãe Terra, Mãe Coragem, Deméter).
Lado luminoso: a boa Mãe, nutridora, protetora, cuidadosa, fecunda, que perdoa e
oferece proteção.
Lado sombrio: a Madrasta, devoradora, destruidora, má, possessiva, enganadora,
ambiciosa.
ESPADAS (gládio, machado, lança) - Água

• Sentimentos e emoções. Receptividade feminina, ânfora divinatória. Sensibilidade,


ideais, criações artísticas. Amores, afetos, prazeres. Paixões e sentimentos profundos.
Intuitivo, místico, romântico.
• A Mãe. Artistas, religiosos, intelectuais e poderes adquiridos por meio da cultura.
• No plano da identidade individual significa a sensibilidade, o amor, os ideais, a criação
artística.
• Corresponde à dama, entre as figuras do baralho.
• São as ondinas e as sereias, entre os espíritos elementares.
Aspecto masculino de Copas: o Místico (Mestre Eckhart, Nostradamus,
Rasputin).
Lado luminoso: o Sábio Mediúnico, o Profeta. O caloroso ajudante na vida, o Mago, um
sentimental.
Lado sombrio: o capacho humano, o caótico. O Mago Negro. Fanático, demagogo.
Aspecto feminino de Copas: a Médium (Sibila, Hécate, Circe,Cassandra, a Fada
madrinha.
Lado luminoso: A mulher intuitiva, que realiza curas, espontânea, dedicada, que se
sacrifica, desapegada, inspiradora, imaginativa.
Lado sombrio: a mulher “angelical”, vaidosa, boba, seduzível. A mulher Bruxa, a Fúria, a
fanática, a destrutiva, possuída pela sede de poder.
ESPADAS (gládio, machado, lança) - AR
• Pensamento, inteligência, trocas e intercâmbio. Fusão, cooperação dos opostos, ação
penetrante do Verbo.
• Maturidade e equilíbrio.
• Racional, teórico, filosófico, intelectual.
• Esforço, dificuldades, energia para a renovação.
• Arma que desenha uma cruz e recorda a união fecunda dos princípios masculino e
feminino. A espada simboliza também uma ação penetrante como a do Verbo ou do Filho.
• No plano a identidade individual significa maturidade e equilíbrio.
• Socialmente representaria os militares e os guerreiros; policiais e fiscais; toda atividade
que toma das armas para manter uma ordem ou modificá-la. Relaciona-se ao poder
apoiado pela força.
• Corresponde ao cavaleiro, entre as figuras do baralho.
• São os silfos e os gigantes, entre os espíritos elementares.
Aspecto masculino de Espadas: o Adolescente (Átis, Adônis, Narciso).
Lado luminoso: o Intelectual. Espírito crítico. Tático, móvel, vivo, bom passatempo,
perspicaz.
Lado sombrio: o Pretensioso. O eterno adolescente. Frio, cruel, sem consideração,
cínico.
Aspecto feminino de Espadas: Musas Inspiradoras (a Noiva do vento, as Sereias, a
Estrela de cinema).
Lado luminoso: a Sacerdotisa (“prostituta” do templo), a Mulher independente, a Musa, a
Esteticista, a Intelectual, encantadora, distante.
Lado sombrio: a prostituta das ruas, a Mulher calculista, fria, impiedosa, cínica, histérica.
PAUS (bastão, vara, trevo) - FOGO
• Vontade, inspiração, criação, força, ânimo. Iniciativa, progresso, empreendimento.
Desenvolvimento, animação, invenção. Energia. Vivências, acontecimentos.
• Vara mágica, bastão do comando, cetro da dominação viril.
• Pai, poder gerador do masculino. Idealista, moralista.
• No plano da identidade individual significa força.
• Socialmente representaria os políticos, produtores e agricultores; operários,
empregados e camponeses. Relaciona-se ao governo civil.
• Corresponde ao rei, entre as figuras do baralho.
• São as salamandras, entre os espíritos elementares.
Aspecto masculino de Paus: o Herói arquetípico (Aquiles, Hércules, Sansão).
Lado luminoso: o Guerreiro como Protetor, o Homem de Negócios, o Político.
Dinâmico, autoconfiante, corajoso, perseverante, voluntarioso, tenaz.
Lado sombrio: o Mercenário, o eterno Caçador. Sedento de poder, materialista, brutal,
insensível, destrutivo. O estrategista de gabinete.
Aspecto feminino de Paus: Guerreira (Amazonas, Ártemis, Joana d'Arc).
Lado luminoso: a Companheira das lutas, independente, com coragem para
Triângulo com vértice para cima: símbolo do elemento Fogo.
assumir riscos; dinâmica, prestimosa, divertida, bem-disposta.
Lado sombrio: Mulher-macho, dogmática, dominadora, que gosta de rebaixar e
influenciar demais, sádica.
As Entidades Ciganas

São entidades que inicialmente eram confundidos com


entidades espirituais que vinham na linha dos exus, tal
confusão se dava por algumas ciganas se apresentarem
como Cigana das Almas, Cigana do Cruzeiro ou nomes
semelhantes a esses utilizados por exus e Pombagiras.
Apenas no início da década de 1992 os ciganos
passaram a ser reconhecidos como uma linha de
trabalho própria.

Na Umbanda passaram a se identificar com os toques dos atabaques, com os pontos cantados em sua
homenagem e algumas das oferendas que são entregues às outras entidades. Hoje, o culto está mais
difundido. Conhece-se mais sobre essas entidades, chegando algumas casas a terem um ou mais dias
específicos para o culto aos espíritos ciganos.
As Entidades Ciganas
Seus fundamentos são simples, não
possuindo assentamentos ou
ferramentas para centralização da força
espiritual. São cultuados com taças com
vinho ou água, doces finos e frutas
solares. Trabalham também com as
energias do Oriente, cristais, incensos,
pedras energéticas, cores, os quatro
sagrados elementos da natureza e se
utilizam exclusivamente de magia
branca natural, além de banhos e chás
elaborados exclusivamente com ervas.

Santa Sara Kali é sua orientadora para o bom andamento das missões espirituais.
Os ciganos, em geral, têm seus rituais específicos e cultuam muito a natureza, os astros e ancestrais. Na
Umbanda, atuam visando o progresso financeiro e resolver causas amorosas. Os ciganos, dentro da
ritualística umbandista, falam a língua "portunhol"; alguns, poucos, falam o romanês, língua original dos
ciganos. As incorporações acontecem geralmente em linha própria, mas nada impede que eles possam a vir
trabalhar na linha de Exu.
São exímios apreciadores de licores, vinhos, ouro, prata, tecidos, amantes da arte.
As Entidades Ciganas

No livro "O Livro da Esquerda na Umbanda" (p 87) a autora traz uma


divisão em seis principais etnias que se manifestam tanto na linha
própria dos ciganos como também na linha do Oriente, são elas:


Ciganos Árabes

Ciganos Ibéricos

Família Real Cigana

Ciganos do Leste Europeu

Ciganos Latinos

Ciganos Expurgos;

Nota-se nos terreiros de Umbanda, uma maior vinda de ciganos
ibéricos, latinos e expurgos.
Planos da existência
De acordo com a criadora do ThetaHealing, a americana
Vianna Stibal, cada um dos planos de existência tem
sua própria energia específica, que é melhor descrita
como uma vibração.

A frequência de vibração é o que torna os planos


diferentes uns dos outros e os habitantes espirituais e
físicos dos planos também são diferentes.

É importante entender esses planos para esclarecer o


porquê e onde as nossas crenças, programas,
contratos, compromissos, iniciações e curas se
originam.

Os planos são divididos por finos véus que tomam a


forma de crenças que são programadas na mente
subconsciente de cada homem, mulher e criança neste
planeta.
Planos da existência -Mineral

é onde moléculas se unem para formar matéria não


baseada em carbono. Exemplos dos elementos deste
plano são rochas, minerais, cristais e Terra (solo)
Planos da existência -Vegetal

é a primeira vez que as moléculas se fundem com o carbono.


Este plano inclui matéria orgânica – plantas, ervas, árvores,
vitaminas, vírus, bactérias, fungos, leveduras e fungos.
Planos da existência -Vegetal

é onde estão as formas de vida baseadas em proteínas, como seres humanos e outros
animais. Em parte, nós o criamos para que possamos experimentar o desafio de sermos
governados por emoções e desejos instintivos, e a realidade de estarmos em um corpo
humano em um mundo físico.
Planos da existência -Ancestrais
é o reino do espírito
- o que algumas
pessoas chamariam de
"mundo espiritual". É
onde os espíritos
existem após a
morte, onde nossos
ancestrais estão
esperando.
Planos da existência - Anjos
é o plano dos seres
divinos e semidivinos,
o plano dos mestres,
como Jesus Cristo e
o Buda. Está dividido
em diferentes níveis
de vibração e
consciência.
Planos da existência – As Leis

é o plano das leis que criam o próprio tecido do Universo,


como a Lei do Tempo, a Lei do Magnetismo, a Lei da
Gravidade, a Lei da Luz e muitas outras.
Planos da existência -Criador

é o plano do Criador de Tudo Que É, a energia que flui


através de todas as coisas para criar vida. Aqui temos a
percepção de que somos parte de Tudo Que É, parte de Deus.
Mediunidade Intuitiva

Mediunidade intuitiva é uma classificação que cabe em uma gama


diversa de manifestações. Embora Kardec estivesse tratando de
médiuns escreventes quando tocou no assunto (O Livro dos Médiuns,
cap. XV.), sua definição se aplica também a médiuns falantes, de
pressentimentos, pintores, entre outros.

A descrição da faculdade é simples. O médium percebe o conteúdo do que vai escrever ou falar antes do fenômeno
acontecer, e movimenta o lápis ou a garganta de vontade própria. Como não há nenhuma interferência do espírito
comunicante nas vias motoras do médium, não há mudança de caligrafia ou de entonação de voz, a menos que o
médium assim o deseje (e o faça por conta própria, muitas vezes para se sentir mais seguro).

O problema dos médiuns intuitivos é a distinção entre seus próprios pensamentos e os pensamentos oriundos dos
espíritos. Há faculdades em que a percepção dos espíritos é nítida e semelhante à percepção dos órgãos dos sentidos. O
mesmo não se dá com a intuição. O médium tem razões para crer que o pensamento não foi criado por ele, mas também
não sente segurança para afirmar que é oriundo de um espírito, e em caso afirmativo, hesita quanto à fidelidade do que
está escrevendo.
Mediunidade Intuitiva
A mediunidade intuitiva é um conjunto de sugestões espirituais registradas pelo pensamento/sentimento do intermediário
que é traduzido, interpretado e registrado por ele.

Para se ter noção da precariedade da comunicação intuitiva, faça uma vivência. Peça a um amigo para lhe contar, sem
citar nomes, um episódio que aconteceu com ele, em ritmo de narrativa, pegue um lápis e vá anotando da forma possível
o que ele diz. Compare o resultado final com uma gravação daquilo que ele narrou. Como se saiu?

Imagine agora uma situação em que você não é capaz de ouvir claramente, em que as ideias são percebidas com
dificuldade, é necessário manter a concentração sobre o conteúdo, sem dispersar-se e as suas próprias emoções alteram
a comunicação com a fonte. Estas são algumas das dificuldades deste tipo de mediunidade.
Mediunidade Intuitiva
Kardec estava atento a este tipo de situações quando escreveu sobre o assunto. Acostumado a trabalhar com médiuns
mecânicos e semimecânicos, ele assim se refere à mediunidade intuitiva:

“Efetivamente, a distinção é às
vezes difícil de fazer-se. (…)”
Mediunidade Intuitiva
Uma observação que Kardec faz quanto ao mecanismo desta faculdade é o que se pode chamar de criação simultânea.
O médium não cria o texto em sua mente e organiza as idéias para, a seguir, redigir. O pensamento “nasce à medida que
a escrita vai sendo traçada e, amiúde, é contrário à idéia que antecipadamente se formara. Pode mesmo estar fora dos
limites dos conhecimentos e capacidades do médium”. (O Livro dos Médiuns, parágrafo 180)

Quatro elementos identificadores se encontram, portanto, no texto kardequiano: a falta de impulsos mecânicos, a
voluntariedade da escrita mediúnica, a criação simultânea das ideias do texto e a presença de conhecimentos e
informações que podem estar além das capacidades do médium.

Mesmo encontrando estas quatro características (e a última é muito importante para a identificação de um médium
intuitivo), ainda assim o produto desta mediunidade é passível de mescla com as ideias pessoais do intermediário. Isto
fez com que os espíritos dissessem a Kardec a seguinte frase sobre os médiuns intuitivos:
“São muito comuns, mas muito sujeitos a erro, por
não poderem, muitas vezes, discernir o que provêm dos
Espíritos e o que deles próprios emana”. (O Livro dos
Médiuns, parágrafo 191)
O ver o passado, presente e futuro
Antes de entramos nos detalhes práticos que envolvem o ato de jogar o
Baralho Cigano, julgamos oportuno um estudo, breve que seja, sobre
alguns mecanismos parapsicológicos ou sensitivos, que envolvem a
interpretação do jogo. Todos nós possuímos os sentidos materiais ou
orgânicos, que são cinco: visão, audição, olfato, paladar e tato. Segundo
a Ciência, essas percepções são feitas através do cérebro. Para o
Espiritismo e também para a Parapsicologia os registros dos sons, das
imagens, enfim, de tudo aquilo que nossos sentidos podem alcançar, é
feito através da Mente. Pelos sentidos físicos ficamos limitados à
percepção das coisas materiais; já através do sentido espiritual ou
psíquico, podemos ver, ouvir e sentir tudo o que se encontra na esfera
de irradiação de nossa aura. Quando a alma se emancipa, passa a
predominar o sentido psíquico, que se torna totalmente independente
do corpo físico. Daí as percepções nítidas ou por vezes confusas,
obtidas durante o sono (sonhos) ou estado de sonambulismo (natural ou
induzido) ou, ainda, num estado de êxtase. Veja o que diz Allan Kardec
(O Codificador da Doutrina Espírita) sobre isso: "A emancipação da alma
se verifica às vezes no estado de vigília (acordado) e produz o
fenômeno conhecido pelo nome de segunda vista ou dupla vista, que é a
faculdade graças à qual, quem a possui, vê, ouve e sente além dos
limites dos sentidos humanos." Na Parapsicologia, tal fenômeno é
conhecido por faculdade extrasensorial ou faculdade "psi".
O ver o passado, presente e futuro
Ainda sobre a dupla vista, vejamos o que diz novamente Allan Kardec: "O
poder da dupla vista varia, indo desde a sensação confusa até a percepção
clara e nítida das coisas presentes ou ausentes. Quando rudimentar,
confere a certas pessoas o tato, a perspicácia, uma certa segurança nos
atos, aqui se pode dar o qualificativo de precisão de golpe de vista moral.
Um pouco desenvolvida, desperta os pressentimentos. Mais desenvolvida
ainda, mostra os acontecimentos que se deram ou estão por dar-se."
Desta forma, podemos afirmar que, o clarividente pode "ver"
espiritualmente aquilo que se encontra no próprio ambiente ou em
ambientes distantes; pode "ver" coisas ou seres de outras dimensões (ex.
Espíritos desencarnados); tomar ciência de fatos passados ou através do
que chamamos de presciência ver o desenrolar de fatos futuros.
O ver o passado, presente e futuro

O que é o pensamento?
Hoje, segundo a própria Ciência, os pensamentos são vistos como uma espécie de energia que, através das ondas
mentais, se propagam no espaço, da mesma forma como se propagam as ondas de rádio e TV. Segundo o princípio da
atração magnética, pensamentos com ondas positivas atraem somente ondas positivas e irradiações mentais negativas,
atraem somente ondas negativas, ou seja, na área mental semelhante atraí semelhante


Meios de transmissão do pensamento/telepatia:
O pensamento propaga-se através das ondas mentais e, normalmente, nos vinculamos uns aos outros conforme a
frequência, positiva ou não, de nossos pensamentos, através do processo chamado de sintonia mental. Existem
pessoas, porém, que conseguem uma conjugação de ondas tão perfeitas que são capazes de perceber imagens, ideias,
figuras e etc., fato popularmente chamado de transmissão de pensamentos. A transmissão de pensamentos (imagens,
ideias, figuras e etc), pode ser melhor explicada através do que chamamos de Telepatia, que é o fenômeno de
transmissão do pensamento sem o uso da linguagem articulada ou de qualquer outro órgão ligado aos nossos sentidos
físicos.
O ver o passado, presente e futuro
A telepatia pode acontecer de duas maneiras.

• A primeira delas consiste na conjugação natural de ondas, pela qual


as ondas mentais emitidas por uma pessoa são captadas por outra.
Para que isso aconteça, no entanto, é necessário que ambas estejam
vibrando na mesma frequência, estabelecendo-se, então, a devida
sintonia. No dia-a-dia, isso pode ser constatado nas situações em que
pensamos uma coisa ao mesmo tempo que uma outra pessoa pensou,
ou ainda, quando pensamos em alguém e logo em seguida essa
pessoa chega no ambiente.
• O segundo modo consiste em "ver" o pensamento de outrem, fato
normalmente chamado de fotografia do pensamento, ocasião em que o
sensitivo "vê" as imagens mentais criadas por outra pessoa.
O ver o passado, presente e futuro
A telepatia pode ser espontânea, experimental, precognitiva ou
retrocognitiva: Espontânea: Ocorre sem que haja a intenção de provocar o fenômeno, acontecendo
muitas vezes de maneira totalmente ocasional.

Experimental: É quando o receptor e emissor combinam previamente o local, a hora e


a duração da experiência. No caso do jogo, é quando o Oraculista pede ao Consulente
que mentalize suas preocupações ou problemas.

Precognitiva: É a captação de imagens ou informações de fatos ou acontecimentos


que ainda vão ocorrer (isso não é nenhum absurdo, pois ao reencarnarmos, trazemos,
em linhas gerais, algumas programações para momentos específicos de nossas vidas.
Programações que podem envolver assuntos de família, saúde, carreira, casamento,
etc). O que pode ser visto é a tendência programada para cada uma dessas áreas,
mas, é sempre bom lembrar que, nosso livre-arbítrio pode modificar, em alguns casos,
o curso de determinadas situações.

Retrocognitiva: É a captação de acontecimentos do passado (também aqui, não há


nada de anormal. A simples lembrança persistente de fatos passados, faz com que a
psicosfera da pessoa fique impregnada com as imagens daquele fato, o que pode ser
facilmente percebido numa transmissão telepática).
Consulta On-line ou a distancia
Quando dizendo “leitura das cartas”, a primeira vista imaginamos que o tal
objeto da leitura são as cartas, porem na realidade as cartas são a ferramenta
para leitura, em uma consulta o real objeto de leitura é o campo do cliente, ou
seja lemos a energia do cliente, como ela está e como ela se projeta para o
futuro, para acessar a energia de uma pessoa que está a sua frente, fazendo a
pergunta, não é necessário qualquer instrução, isso se dá por mecanismos
inconscientes e alheios a nossa vontade, porem para acessar a energia de
alguém que não está fisicamente presente a história é outra, é
muito mais difícil acessar alguém distante mas para que isso seja
possível existem alguns “recursos” que podem ajudar, são eles:

Testemunho

Memoria

Fotografia

Ponte Telepatia
Consulta a distancia - Testemunho
Como vimos acima em suma o que o oraculista faz é acessar o
campo de uma pessoa, uma das táticas mais usadas é o testemunho,
muito similar ao endereço de uma casa o testemunho é o nosso
endereço cósmico que através do qual nos permite acessar a energia
de qualquer pessoa em qualquer lugar do universo (teoricamente).
O testemunho de uma é formado por seu nome completo e data de
nascimento. Ex.:

Nome Completo + Data de Nascimento

Rodrigo Luis Fanhoni 21/07/1991


Consulta a distancia - Memória
Uma vez que já tenha acessado o campo de uma pessoa você terá gravado em sua memória
seu endereço cósmico dela, através do qual você pode acessar seu campo sem necessidade
de nenhum outro recurso externo, basta apenas pensar na pessoa e você automaticamente
acessa seu campo, sem a necessidade de foto, testemunho ou qualquer outro recurso.

De forma inconsciente acessamos o campo das pessoas o


tempo todo e as pessoas também acessam o nosso
campo, isso é um processo natural e não necessariamente
traz algum risco, porem é importante deixar claro que para
realizar leituras de cartas é preciso SEMPRE pedir a
permissão da pessoa, tirar cartas para saber sobre da vida
de terceiros sem autorização é o mesmo que invadir suas
privacidades, por questões karmicas não recomendo tirar
cartas sem permissão da pessoa.
Consulta a distancia - Fotografia
Graças aos meio eletrônicos, aplicativos de
comunicação e redes sócias é muito fazer conseguir
a foto de alguém, de alguma forma somente o fato de
vemos a imagem de uma pessoa é suficiente para
conseguirmos acessar a energia dela, muito comum
um cliente perguntar sobre sua relação com uma
outra pessoa atual ou ex, e nem sempre ele saberá o
nome completo ou data de nascimento e para casos
como esse você poderá usar somente a foto, verá
que é o suficiente.

Essa pessoa não existe!!


Consulta a distancia – Ponte Telepática
A ponte telepática é uma técnica avançada porem é
simples de aplicar e se mostra de muito valor em
uma consulta, pois a maior parte das vezes em uma
consulta presencial não queremos parar a leitura
para que o cliente pegue o celular e faça uma
consulta ou busque uma foto, isso poderia causar
uma quebra energética e comprometer o andamento
da sessão, e para evitar tais problemas podemos
usar da memoria do cliente para fazer uma ponte até
a pessoa desejada, para isso peça que o cliente
pense na pessoa e mantenha seu pensamento nela,
isso fará com o que o cliente abra uma conexão com
ela, conexão da qual você também poderá usar.
Os 3 segredos para um bom jogo
Neste ponto de nosso curso vamos iniciar uma abordagem muito
importante e que, por vezes, não tem a devida atenção que
merecia, por parte daqueles que se lançam na tarefa de
trabalhar com o Baralho Cigano. Sei que você, leitor, deve estar
ansioso para entrarmos nas maneiras de jogar e no significado
das cartas ciganas, mas, se estes aspectos, não for
devidamente observado, de nada adiantará seus conhecimentos
sobre a carta em si. Estou falando dos cuidados e preparos que
se deve ter com o próprio corpo, com a Mente, com o Espírito e,
também, com o local em que se irá jogar. Como vimos, em
nossa abordagem anterior, sobre os mecanismos psíquicos e
até espirituais que envolvem o ato de jogar é necessário um
prévio trabalho de preparação muito bem feito, senão, volto a
afirmar, de nada adiantará os seus "conhecimentos técnicos"
sobre o Baralho Cigano. Antes, porém, de falarmos sobre o dia
do jogo e todos os cuidados a adotar, vamos colocar aqui aquilo
que costumamos chamar de os "três segredos para um bom
jogo".
Os 3 segredos – Lado Espiritual
O Baralho Cigano, assim como os outros Oráculos, poderia ser tratado
aqui de forma bastante simples, se não revelasse, no processo do jogo,
questões importantíssimas de ordem espiritual. Muitas pessoas
adquirem o Baralho Cigano e de posse tão somente dos significados das
Cartas (muitas vezes não muito claros), iniciam um caminho que,
poderá se transformar numa experiência bastante perigosa, pois não há
como fugir disso: ao abrirmos a Cartas estamos, inevitavelmente, lidando
com energias sutis e espirituais. No momento da consulta, queiramos ou não, acabamos por
sintonizar Mentes do outro lado da vida, seja para ajudar no processo de interpretação das
Cartas ou, em alguns casos, para "nublar" a interpretação das mesmas, principalmente quando
se tratam de Espíritos não interessados no esclarecimento ou resolução do problema do
Consulente (o que veremos mais adiante quando falarmos da chamada leitura bloqueada). Ao
levarmos em consideração o lado espiritual das Cartas, devemos lembrar que, ao considerá-
las também sob este enfoque e estar ciente do preparo para interpretá-las, estamos aguçando
uma sensibilidade em nós muitíssima necessária para uma boa interpretação do jogo, em
síntese, estamos cuidando do aprimoramento em nós daquilo que Allan Kardec muito bem
tratou em O Livro dos Médiuns de Mediunidade Intuitiva.
Os 3 segredos – Desejo de Ajudar
Ter o desejo de ajudar: O segundo ponto a destacar é a prática
da caridade. Quem se decide por aprender a jogar o Baralho
Cigano, seja para si mesmo e, principalmente, para os outros,
deve estar movido, em primeiro lugar, pelo sincero desejo de
ajudar. Infelizmente, porém, muitas pessoas se lançam hoje
nesta tarefa movidas tão somente pelo desejo de ganhar
dinheiro (não estamos aqui negando a Consulta cobrada, muito
pelo contrário, mais adiante falaremos um pouco mais sobre o
assunto). É lógico que, neste caso, o seu trabalho não contará
com a assistência de Espíritos sérios e, fatalmente, o resultado
do seu jogo não será algo confiável. Em qualquer trabalho em
que se pretenda contar com a ajuda do Plano Astral ou
Espiritual, seja no Jogo ou em trabalhos de Cura, o sincero
desejo de em primeiro lugar ajudar, esclarecer e consolar,
será o alicerce inabalável de um trabalho seguro.
Os 3 segredos – Preparo Constante
É preciso levar em conta, antes de mais nada, que muitos
buscam um Tarólogo movido por curiosidade, mas, em número
muito maior, estão aqueles que recorrem a este tipo de
assistência por desespero e falta de rumo em suas vidas. Nesta
hora, você que agora deseja iniciar-se nesta tarefa, deverá ter,
inevitavelmente, um preparo muito grande para ser útil, na
medida do possível, às criaturas, muitas vezes fragilizadas,
que estarão ali à sua frente, nunca sabemos de que forma
poderemos ajudar aqueles que nos vem pedindo socorro, por
isso é importante sempre estarmos prontos para qualquer coisa
o preparo constante, o cuidado com as cartas, com a mesa e as
ferramentas magicas e com a própria energia será sempre de
muito valor e extremamente recompensador, assim como um
atleta que treina para melhorar sua performance devemos
Nos esforçar para sermos cada dia melhor e atingir
poder atingir maior profundidade em nossas leituras.
Os 3 Níveis de consciência
Importante dizer que cada pessoa é única e por consequência
disso a forma com que as pessoas enxergam seus problemas
são únicas, mas todos nos seres humanos partilhamos de
alguns processos e princípios que são universais, e um desses
princípios é que Deepak Chopra denomina os níveis de
consciência de um problema, você verá resolução de qualquer
problema em nossa vida obedece a mesma ordem, como
cartomante sua principal missão é apoiar as pessoas através
das mensagens do divino a resolver seus problemas na vida,
uma consulta de sucesso traz suficiente informação para que o
cliente possa entender as causas do problemas, as soluções e
recursos que já possui para resolver e com isso não mais
sofrer com a situação que está passando e entender esse
modelo te ajudará a identificar em qual nível de consciência a
pessoa está e como apoiá-la a chegar ao próximo nível!
Níveis de consciência – O Problema
Esse é o nível do problema, portanto chama a sua atenção de algo imediato.
Algo deu errado. Suas expectativas azedaram. Você enfrenta obstáculos
Que não querem se mover. Com o aumento da resistência, sua situação
não melhora. Se analisar o nível do problema, os seguintes elementos
estarão sempre presentes:

Seus desejos são contrariados. Algo que você quer está encontrando
oposição.

Você sente como se cada passo a frente fosse uma batalha.

Você continua fazendo em maior quantidade o que nunca funcionou
desde o inicio.

Há uma ansiedade subjacente e um medo de fracassar.

Sua mente não está clara. Há uma confusão e um conflito interior.

Com a frustração sua energia se esgota. E você se senti cada vez mais exausto.

Você constatar que está imobilizado no nível do problema por meio de um teste simples: Quanto mais você se esforça
para se livrar de um problema, mais é aprisionado por ele.
Durante uma consulta você pode constatar que uma pessoa está nesse nível quando todas as perguntas que ela fizer
for referente ao problema e por que ele aconteceu.
Níveis de consciência – A Solução
Esse é o nível onde as soluções começam a aparecer. Sua visão se
estende para além do conflito, dando-lhe mais clareza. Para a
maioria das pessoas, esse nível não é imediatamente acessível,
pois a reação delas diante de uma crise é contrair-se. Ficam
receosas e com medo, mas se você permitir a expansão, perceberá
que os seguintes elementos invadem a sua consciência:


A necessidade de brigar começa a diminuir.

Você começa a relaxar.

Mais pessoas se conectam a você. E você permite que elas o
estimulem.

Você aborda as decisões com confiança.

Você encara o medo de forma realista, e ele começa a diminuir.

Com visão mais clara, você deixa de se sentir confuso e
conflitante.
Você pode constatar que alcançou esse nível quando não se sentir mais imobilizado: um processo começou, Com
maior expansão, forças até então despercebidas vem em seu auxilio E você avança de acordo com o que deseja na
vida.
A maior parte do nosso trabalho é levar as pessoas do nível do problema para o nível da solução e no fundo é isso que
elas estão procurando, você pode identificar uma pessoa nesse nível quando ela pessoa diz estar buscando por um
conselho.
Os 3 Níveis de consciência - Transcendência
Esse é o nível no qual não existe nenhum problema. Cada desafio é uma oportunidade criativa. Você se
sente alinhado por completo com as forças da natureza. O que possibilita isso é que a consciência pode
se expandir sem limites. Embora possa parecer necessária uma longa experiencia no caminho espiriatual
para alcançar a consciência pura, a verdade é exatamente o contrário. A todo o momento a consciência
pura está em contato com você, mandando-lhe impulsos criativos. Tudo o que importa é quão aberto você
está as respostas que estão sendo apresentadas. Quando você está totalmente aberto os seguintes
elementos estão presentes:

Você é uma jovem mãe que levou o filho ao parque infantil.

Você conversa com a outra mãe, e, ao se virar não vê o seu filho

No trabalho, você está sentado em frente ao computador quando
alguém menciona por acaso que vão acontecer demissões e, por
acaso, o chefe quer ve-ló.

Você abre a sua carta de correio e encontra uma carta da Receita
Federal.

Nesse nível nada mais é um problema vemos os fatos, mas não mais sofremos com eles, sabemos que tudo tem
solução e que tudo serve ao poder maior, as “dificuldades” da vida não mais nos geram tristezas, estresse ou
ansiedade, raramente alguém que está nesse nível irá procurar um cartomante, caso consiga levar o cliente a esse
nível de consciência então sua consulta terá sido um real sucesso.
A importância das Perguntas!
Numa consulta a pergunta é o elemento mais
importante, é a pergunta que motiva a resposta, é a
pergunta que movimenta o universo para tirar as cartas
corretas por isso é importante que o cliente seja capaz
de fazer a pergunta certa, pois a qualidade da
informação recebida depende da qualidade da pergunta
realizada, uma pergunta muito aberta, genérica ou
inapropriada irá gerar uma resposta aberta, genérica ou
inapropriada, por tanto parte do teu trabalho como
cartomante será guiar o cliente a pergunta correta, somente a pergunta correta irá trazer a informação
correta, capaz de gerar a mudança necessária na vida da pessoa, para que então ela possa atingir o
resultado esperado.
Uma vez que você entenda a real necessidade de se fazer uma boa pergunta logo perceberá que as
pessoas tem uma grande dificuldade de fazer perguntas boas, muitas vezes o cliente vem num estado de
tamanha confusão mental que sua pergunta não passa de uma palavra: “Geral”, e como vimos uma
pergunta muito genérica gera uma resposta também genérica, e com informações genéricas ninguém
consegue resolver os problemas da vida, por isso é importante sempre apurar o máximo possível a
pergunta que o cliente faz para obter a melhor resposta possível e conseguir realizar um atendimento de
valor.
A Coleta de Informações - Normalizações
Esta categoria trata de um processo de reificação que facilita a comunicação. "Palavras
(processuais) que entram no lugar de um substantivo na sentença, mas não são tangíveis
- não podem ser tocadas, sentidas nem ouvidas"; qualquer substantivo que, metaforicamente, "não
possa ser colocado num carrinho de mão". Palavras processuais, segundo os autores,
são aquele em que, figurativamente, um processo é transformado numa "coisa" ou evento
como, por exemplo, aprendizagem (resultado do processo de aprender), amor (resultado
processo de amar), fracasso (resultado do processo de fracassar).
Por serem inespecíficas, as nominalizações permitem que cada interlocutor atribua a elas o
significado que melhor lhe convier para compor o sentido da frase. Ao empregar nominalizações, o emissor busca a
aprovação consensual da plateia, gerando uma concordância automática - hipnótica - sem correr o risco de dizer algo
que contrarie a experiência interna de cada indivíduo nem gerar conflitos. Ex.: "Sei que cada um de vocês já enfrentou
uma certa gama de dificuldades em sua vida, problemas que pareciam não ter solução..." Sem especificar o tipo de
dificuldade, problema e solução a que se refere, o emissor induz qualquer interlocutor da plateia a concordar inicialmente
com a afirmação posta, tomando-a por verdadeira a partir de suas experiencias individuais.
A reversão das nominalizações ajuda o cliente a ver que aquilo que considerou um evento acima e além do seu controle
é, de fato, um processo contínuo que pode ser mudado.
Para permitir que o cliente perceba a possibilidade de mudança, ampliando desta forma seu modelo de mundo, é preciso
aplicar o processo de derivação, dirigindo a ele uma pergunta que empregue o verbo que deu origem á nominalização,
revertendo-a, então, á sua condição de processo.
A Coleta de Informações - Normalizações

Exs.:
- Não consigo reconhecimento por parte da chefia.
"Como você gostaria de ser reconhecido?"; ou
"Como você saberia que é reconhecido?".

- Preciso de ajuda.
"Como você quer ser ajudado?".
A Coleta de Informações – Verbos não Específicos
Esta categoria da busca da ação, nenhum verbo é completamente específico, descrevendo, na maioria
das vezes, uma ação desvinculada de seu resultado e generalizada (embora alguns pareçam mais
específicos que outros - beijar, por exemplo é mais específico que acariciar). Com isso, o interlocutor
também é forçado a suprir a frase de significados para a apreensão do sentido. Para aprofundar o
significado e chegar ao resultado da ação, os autores sugerem a indagação "como, especificamente...?"

Exs.:
Pedro me rejeitou.
"Como, especificamente, ele a rejeitou?"; ou "Como ele fez isso?".

A Diretoria me persegue.
"Como, especificamente, a Diretoria faz isso?".
A Coleta de Informações – Índice referencial não-especifico

Esta categoria pede a especificidade do sujeito. Semelhante à subcategoria anterior, aqui o sujeito da
oração é inespecífico, em geral representado por pronomes indefinidos. Para atribuir responsabilidades ou
definir foco sobre a ação engendrada, cabe perguntar "quem / o que, especificamente...?".

- Ninguém me ama.
"Quem, especificamente, não te ama?"

- Nada dá certo em minha vida.


"O que, especificamente, não dá certo em sua vida?"

- As pessoas adoram falar mal da vida alheia.


"Quais pessoas, especificamente, falam mal da vida alheia?"

- A diretoria não aprovará o projeto.


"Quem da diretoria, especificamente, vetará o projeto?"
A Coleta de Informações – Omissão

Esta categoria pede um complemento. Neste caso, uma oração subordinada fundamental á construção do
sentido é completamente omitida deixando no ar certa expectativa, buscando, novamente, que o
interlocutor a subentenda de acordo com sua própria experiencia, mediante a relevância do significado
frente ao seu modelo de mundo. A fim de buscar um significado comum a ambos, cliente e terapeuta, as
perguntas-chave são: "(d)o quê?" ou "(de)quem?".

Ex.:
- Sei que você está curioso.
"Curioso sobre o quê?"

- Tenho muito medo.


"De quem?" ou "Do quê?"
A Coleta de Informações – Performativo Ausente

Esta subcategoria trata das reações generalizadas não atribuídas a um sujeito especifico. Afirmações que
encerram algum tipo de avaliação ou julgamento com sujeito indefinido; encerram uma generalização
sobre o mundo, o senso comum, em vez de expressar alguma experiencia própria do modelo de mundo
do emissor, induzindo os interlocutores a compartilharem as regras e opiniões sugeridas pelo emissor.
Exs.:
- É bom fazer, pelo menos, cinco pequenas refeições ao dia.
- É errado brincar com os sentimentos dos outros.
- Este é o melhor jeito (ou o jeito mais rápido) de emagrecer.
Para esses casos a sugestão é perguntar: "É bom para quem?", "Errado em relação a quê?";
"Melhor para quem?"
A Coleta de Informações – Qualificadores Universais

Indicadores de uma super-generalização includente - todos, tudo, tudo mundo, sempre - ou excludente -
nenhum, nada, ninguém, nunca.

Exs.:

- Isso sempre me acontece (afirma alguém, depois de entornar a xícara de cafezinho). "Sempre?? Todas
as vezes, sem excessão??"

- Jamais conseguirei emagrecer. "Quantas vezes já tentou?" "Que métodos ultilizou?"

- Todos os homens são iguais (afirma a solteira desiludida, em tom pejorativo,


referindo-se aos solteiros que não querem compromisso de casamento).
"Quantos homens você conhece?
Conhece algum que já foi solteiro e, de repente, decidiu se casar?".

- Nenhum homem presta (afirma a mesma solteira desiludida).


"Nenhum?? Seu pai seu irmão são homens? Eles também não prestam?"
A Coleta de Informações – Operadores Modais

Nesta subcategoria, os valores são revistos a partir do jogo de forças que representa
o poder. Sejam eles necessidade ("tenho de", "preciso", "é necessário", "devo") ou
de impossibilidade ("não posso", "é impossível", "não consigo"), indicam ausência de
opção, consolidando crenças limitantes.

- Não posso ficar até mais tarde hoje. ("Senão perderei a carona" - comentário
interno).

Na verdade, a pessoa pode, mas opta pela carona. Usando a expressão "não
posso", no entanto, ameniza a contrariedade
experimentada pelo chefe que contava com sua
colaboração, pois o impedimento tem efeito de
real, intransponível
O que é uma pessoa empática?
Empatia significa a capacidade psicológica para sentir o que sentiria uma
outra pessoa caso estivesse na mesma situação vivenciada por ela.
Consiste em tentar compreender sentimentos e emoções, procurando
experimentar de forma objetiva e racional o que sente outro indivíduo.

A empatia leva as pessoas a ajudarem umas às outras. Está intimamente


ligada ao altruísmo - amor e interesse pelo próximo - e à capacidade de
ajudar. Quando um indivíduo consegue sentir a dor ou o sofrimento do outro ao se colocar no seu lugar,
desperta a vontade de ajudar e de agir seguindo princípios morais.

A capacidade de se colocar no lugar do outro, que se desenvolve através da empatia, ajuda a


compreender melhor o comportamento alheio em determinadas circunstâncias e a forma como outra
pessoa toma as decisões.

Com origem no termo em grego empatheia, que significava "paixão", a empatia pressupõe uma
comunicação afetiva com outra pessoa e é um dos fundamentos da identificação e compreensão
psicológica de outros indivíduos.
Empatia nas relações
A empatia pode ocorrer em todos os tipos de relacionamentos humanos: nas relações familiares, nas
amizades, no ambiente de trabalho e até mesmo com pessoas desconhecidas. É um sentimento
indispensável para melhorar a qualidade da comunicação e do relacionamento entre as pessoas.

Nas relações pessoais a empatia pode ser fundamental para a compreensão de dificuldades das pessoas
com quem se convive, ajudando a diminuir e evitar conflitos. O mesmo pode ocorrer no ambiente de
trabalho, já que a empatia pode ajudar que um colega compreenda as dificuldades enfrentadas por outro.

A empatia entre pessoas que não se conhecem é a mais difícil de ocorrer, já que se caracteriza por um
sentimento de compreensão com uma pessoa com quem não existe nenhum vínculo de afeto.

Entretanto, é importante saber que a empatia é um sentimento que pode ser praticado. Uma das maneiras
de exercitar a empatia é treinar manter um olhar de afeto sobre as necessidades de outras pessoas.
Empatia na psicologia

Na área da psicologia a empatia é fundamental para o sucesso da


relação entre o paciente e o terapeuta. Para que o psicólogo faça
um bom trabalho é indispensável que ele consiga desenvolver a
empatia com seus pacientes.

Assim ele consegue colocar-se em seu lugar, compreender seus


sentimentos e perceber quais são os medos e as inseguranças
que precisam ser trabalhadas no processo terapêutico.

Além de conseguir colocar-se no lugar de seu paciente, é preciso


que o psicólogo desenvolva a aptidão de compartilhar as emoções
vividas por ele, estabelecendo uma verdadeira ligação emocional
com as questões apresentadas na terapia.
Rapport
Rapport é um conceito do ramo da psicologia que significa uma técnica usada para criar uma ligação de
sintonia e empatia com outra pessoa.

Esta palavra tem origem no termo em francês rapporter que significa "trazer de volta". O rapport ocorre
quando existe uma sensação de sincronização entre duas ou mais pessoas, porque elas se relacionam de
forma agradável. No contexto teórico, o rapport inclui três componentes comportamentais: atenção
mútua, positividade mútua e coordenação.
Importante no estudo e identificação de várias manifestações
comportamentais, o rapport pode ser usado no contexto de
relacionamentos pessoais ou profissionais. Esta técnica é
muito útil, porque cria laços de compreensão entre dois ou
mais indivíduos.
Usar o rapport não significa aceitar todas as opiniões da outra
pessoa, e sim ouvi-la e fazer com que ela veja que o seu
ponto de vista ou valores são compreendidos e respeitados.
É bastante comum pessoas tentarem "forçar" o rapport,
com o objetivo de manipular o outro. No entanto, quando a
intenção não é ter uma ligação genuína com essa pessoa,
ela pode desconfiar e reagir negativamente à tentativa.
Rapport
O rapport tem grande relevância no mundo empresarial, sendo muitas vezes usado estrategicamente em
processos de negociação e vendas. No rapport, uma pessoa mostra interesse na opinião e nos
pensamentos do outro, uma atitude que funciona como facilitadora de qualquer negociação.

Para muitas pessoas, o rapport é algo natural, sendo que elas conseguem criar uma ligação de respeito e
confiança com outras pessoas sem terem que fazer um esforço consciente.

Em muitas ocasiões, o rapport está relacionado com a sedução, sendo uma


ferramenta usada no contexto de relacionamentos, para melhorar a relação entre
duas pessoas ou para conquistar uma pessoa interessante.

O rapport é frequentemente descrito como um dos fundamentos da PNL


(Programação Neurolinguística), uma ciência que tem a mente humana como
objeto de estudo e que pode ser usada para reprogramar condutas indesejadas.
Técnicas de rapport
A técnica de rapport mais famosa é conhecida como espelhamento. Nesta técnica, uma pessoa imita
alguns elementos da linguagem corporal da outra (como a postura, gestos, expressões faciais, respiração,
etc). No entanto, é preciso ter cuidado, porque o espelhamento deve ser gradual, ou seja, a imitação deve
ser feita de um elemento de cada vez, para que a outra pessoa não pense que está sendo alvo de
deboche.

A reciprocidade, outra técnica de rapport, consiste em dar presentes ou fazer favores, sem pedir nada em
troca. Outra forma de criar conexões com outras pessoas é encontrar interesses em comum, para
estabelecer um sentido de camaradagem e confiança.
Espelhamento – Engenharia Reversa
Técnicas como o relaxamento progressivo funcionam porque o
nosso corpo e nossa biologia também afetam a nossa psiquê.
Da mesma forma, se você conscientemente espelhar um
pouco do comportamento de outra pessoa, fica mais fácil de
se darem bem. É como dizer direto pro cérebro da pessoa
“oi, eu quero ser seu amigo”. Alguns profissionais não
recomendam esse método por dois motivos. O primeiro é
que ativamente buscar o espelhamento pode causar exaustão
cognitiva, tipo quando fazemos uma prova como o ENEM.
Não tem atividade física envolvida, mas ainda ficamos exaustos no final. Essa exaustão pode causar
stress e tira nossa atenção da conversa principal. Imagina só que mensagem a gente passaria pra
alguém, né? No mínimo, que estamos distraídos e no pior dos casos, que não estamos interessados. O
segundo é um argumento ético que “não estaríamos sendo nós mesmos”.
Sobre o primeiro argumento, é importante ressaltar que esse tipo de espelhamento ativo é uma habilidade
como qualquer outra. Ou seja, ela precisa de prática. É natural que no começo seja difícil e cansativo,
mas depois fica naturalmente mais fácil e até automático. Sobre o segundo, é importante que cada um
saiba até que ponto se sente confortável espelhando. Se alguma postura, gesto ou trejeito não é algo
confortável ou comum no seu repertório de comportamentos e que você não tem desejo de acrescentar,
não o faça. Afinal, você provavelmente deixaria transparecer que algo não está bem e voltaríamos ao
problema do stress, não é?
Espelhamento - Bússola
Como te contei antes, o espelhamento acontece naturalmente, então você certamente já espelha e é
espelhado no dia a dia. Estar ciente disso te possibilita ter uma noção geral de quanta afinidade e empatia
você e o outro tem no momento.

Psicólogos mais experientes gostam mais dessa opção, ajustando conscientemente a sua postura e
gestos apenas quando é muito importante. Jeff Thompson, em um post para a Psychology Today (em
inglês, sorry), recomenda que a gente foque a nossa atenção na escuta ativa e deixe o espelhamento
acontecer sozinho como resultado dela.


E aí. Consegui te motivar para prestar mais atenção na
linguagem corporal no seu dia a dia? Deu até vontade de
praticar espelhar o comportamento da galera?
Experimenta e nos conta como foi.
Modelagem do Comportamento
Modelagem do comportamento envolve a observação e
o mapeamento dos processos bem-sucedidos que
formam a base de algum tipo de desempenho
excepcional. É um processo de tomar um evento
complexo, ou uma série de eventos, e dividi-lo em
pequenos segmentos suficientes para que o evento
possa ser recapitulado de alguma maneira. O propósito
da modelagem comportamental é criar um mapa
pragmático ou ‘modelo’ deste comportamento que pode
ser usado para reproduzir ou simular algum aspecto
deste desempenho por qualquer um que esteja
motivado a fazer isso. O objetivo do processo de
modelagem do comportamento é identificar os
elementos essenciais de pensamento e de ação
exigidos para produzir a reação ou resultado desejado.
Em oposição ao fornecimento de dados puramente
correlatos ou estatísticos, o ‘modelo’ de um
comportamento particular precisa fornecer uma
descrição do que é necessário para realmente alcançar
um resultado similar.
Modelagem do Comportamento
O condicionamento operante é um
mecanismo de aprendizagem de novo
comportamento - um processo que Skinner
chamou de modelagem. O instrumento
fundamental de modelagem é o reforço - a
consequência de uma ação quando ela é
percebida por aquele que a pratica. Para o
behaviorismo em geral, o reforço pode ser
positivo (uma recompensa) ou negativo (ação
que evita uma consequência indesejada).
Skinner considerava reforço apenas as
contingências de estímulo. "No
condicionamento operante, um mecanismo é
fortalecido no sentido de tornar uma resposta
mais provável, ou melhor, mais frequente",
escreveu o cientista.
Limpeza das Cartas do Baralho Cigano
Qual o caminho que seu novo tarot faz até chegar em suas mãos? Por quantas
pessoas ele passa? Mesmo se considerarmos que impressão, corte das cartas
e embalo sejam feitos de maneira automática (o que não é, pois há pessoas
envolvidas em partes do processo), os baralhos ainda são encaminhados aos
distribuidores ou lojistas, e só então chegam a você. Em alguns casos, até
mesmo sua compra pode passar pelas mãos de outras pessoas, como
carteiros e porteiros que recebem o pacote.
E todas essas pessoas estão tendo dias maravilhosos, sempre de bem com a
vida, exalando energia positiva em tudo o que fazem, né?
Bem, por via das dúvidas, caso alguma delas não esteja tão feliz, é melhor
limpar e consagrar seu tarot. É algo que pode ser feito rapidamente, sem
muitas complicações.
“Mas eu não acredito nessas energias todas. Acho que o tarot é apenas uma
ferramenta como outra qualquer.”
Sem problemas. Se não acredita nisso, não há razão para purificar suas cartas.
Mas não quer dizer que os que acreditam não devam saber como se faz,
certo?
Método de limpeza 1: Drusa de ametista

A ametista é uma das cinco pedras preciosas da


antiguidade (rubi, esmeralda, safira e diamante são as
outras quatro) e possui uma capacidade singular:
energeticamente ela é autolimpante. Isso significa que você
pode simplesmente deixar suas cartas sob uma drusa ao
longo de uma noite que todas as eventuais energias ruins
serão dela removidas. Recomenda-se para isso uma drusa
que tenha uma base relativamente plana, a fim de não
entortar suas cartas – ainda assim, costumo fazer essa
limpeza inicial ainda com as cartas dentro da caixa original,
pois isso ajuda mantê-las fisicamente como sempre
estiveram.
Método de limpeza 2: Sálvia

Defumação com um sálvia branca é algo muito


usado no xamanismo por conta das propriedades
da fumaça das folhas secas. Basta acender um
chumaço e passar as cartas uma a uma pela
fumaça, permitindo que qualquer impureza seja
levada para longe.

Há, no entanto, algumas contraindicações para


esse método: a fumaça pode incomodar algumas
pessoas, e as cartas podem ficar impregnadas
com o aroma caso sejam mantidas por muito
tempo em defumação. Se isso não for problema
para você, é algo até mais rápido de fazer (em
meia hora você consegue defumar tudo).
Método de limpeza 3: Copo Água e Sal

No primeiro dia de lua minguante, pegue um copo


com água coloque sal grosso e mexa coloque o
seu baralho em cima do copo da forma como é
mostrada na imagem, cuidado para não molhar as
laminas do baralho.

Deixe a noite toda o baralho em cima do copo, no


dia seguinte retire o baralho jogue a água na pia e
pode usar o baralho normalmente.
Método de limpeza 4: Desimpregnador

De grande importância para a radiestesia, a Placa


Desimpregnador possui em seu gráfico o decágono, com quatro
círculos concêntricos e 78 setas centrífugas. Ela é utilizada para
limpeza e purificação astral e de energias deletérias de objetos,
pessoas, animais e plantas.
O decágono está relacionado às 10 sephiroth da cabala e os 10
plantas da astrologia. O círculo representa a proteção da forma
geométrica intransponível, com o número quatro representando o
mundo com seus quatro elementos e as quatro estações. Já as 78
setas apontadas para fora são os 22 arcanos maiores do tarô junto
aos outros 56 arcanos menores.

Simplesmente posicione o baralho no centro do gráfico e deixá-lo


por 15 segundo e a energia do baralho será limpada.
Consagração simples do Baralho Cigano
Tendo as cartas livres de energias negativas, tome-as em suas mãos e se prepare para consagrá-las. Uma
das maneiras mais simples é declarar suas intenções, dizendo claramente o que deseja com elas.
Isso é algo pessoal, mas para que vocês tenham uma ideia de como fazê-lo, aqui vai uma declaração de
intenções simples:
Eu, <diga seu nome completo>, consagro estas lâminas para que tragam luz
onde antes só havia trevas.

Eu, <diga seu nome completo>, consagro estas lâminas para que tragam
orientação e sabedoria, para mim e para os que buscam meu aconselhamento,
visando o bem de todos.

Eu, <diga seu nome completo>, dedico estas lâminas ao serviço de todos os
que buscam sabedoria, conhecimento e crescimento espiritual, trazendo a paz
e a compreensão.

Eu, <diga seu nome completo>, dedico estas lâminas ao desenvolvimento de


minha intuição e à busca constante por aperfeiçoamento como oraculista, para
que eu possa compreender o significado de suas mensagens e transmitir o que
aqui aprender com veracidade e compaixão.

Assim, por ser esta a minha vontade e meu desejo, que sejam estas lâminas
consagradas e dedicadas. Que assim seja e assim se faça, pois assim o é.
Proteção energética durante as consultas
Infelizmente aqui nada tenho a contribuir, apesar de realizar tiragens
diariamente não trabalho com qualquer tipo de proteção energética, não
acredito que qualquer técnica funcione e minha experiencia me mostra que
podem ser prejudicais em uma consulta. Uma proteção, por definição, é uma
barreira que você cria contra algo, isso por si só já é péssimo para uma
consulta, porque a empatia nasce da conexão feita entre o oraculista e o
cliente, qualquer tipo de barreira atrapalha a conexão/empatia e te impede de
fazer uma leitura profunda da energia da pessoa, outro aspecto negativo é o
pesamento de impureza, como se o cliente fosse trazer algo impuro, alguma
energia ruim que irá te contaminar e isso é uma meia verdade, é verdade que
o cliente possa estar carregando alguma energia ruim, por vezes até um
obsessor, porem existe uma lei no universo que é a lei da atração, essa lei diz
que semelhante atrai semelhante ou seja você só ficará com as energias que
sejam semelhantes a tua, se você estiver com alguma energia negativa em teu
sistema e teu cliente trouxer uma energia semelhante então ela se fixará em
você, mas se por outro lado, você estiver vibrando em alta frequência e teu
cliente trouxer uma energia muito negativa não haverá nenhuma semelhança
entre as energias e nada se fixará em teu campo, por isso a preparação é de
fundamental importância, mais do que se preocupar em técnicas, cristais ou
rituais complicados de proteção preocupe-se em manter a sua energia limpa e
sua frequência alta assim nada de negativo penetrará em teu campo.
Legalidade
Diante de algumas explanações, dúvidas, debates, sobre a questão de atuação ocupacional / profissional na área holística,
alguns aspectos precisam ser considerados:
Compreende-se como holístico também as denominações: complementar, naturalista, natural, naturista, naturopata, integral,
integrativo. A ocupação, atuação profissional na área holística é lícita e pode ser desenvolvida por qualquer pessoa desde
que seja instruída e habilitada para esse fim, desde que tenha formação, qualificação adequada, adquirida em instituição,
escola devidamente qualificada para este fim. Não existe Lei ou Decreto Federal que a preveja, limite ou impeça seu livre
exercício. O exercício profissional holístico é atualmente amparado por Sindicatos, Conselho e Associações congêneres.
Para exercer a sua profissão, o terapeuta holístico deve ser devidamente credenciado e recolher junto ao Ministério do
Trabalho os impostos cabíveis. Para saber como proceder corretamente, busque filiar-se em um órgão que lhe dê esse
amparo.
Como já dissemos, a atuação na área holística é LÍCITA, ou seja, inexiste Lei que a preveja,
limite ou impeça o seu LIVRE exercício. Entretanto, ela não é REGULAMENTADA, ou seja,
não existe Lei ou Decreto Federal específicos sobre o tema.
A ausência de Regulamentação pelo governo para muitas profissões tem sido altamente
benéficas para umas, e, para outras nem tanto, pois a colocam como alvo de polêmicas e
perseguições.
A CBO – Classificação Brasileira de Ocupações registra mais de 30.000 profissões e destas,
cerca de 25 possuem Lei regulamentando e órgão fiscalizador próprio. Ou seja, via de regra,
a esmagadora maioria das profissões brasileiras são desregulamentadas, cabendo à “lei de
mercado” a seleção dos trabalhadores, daí a grande importância da Auto-Regulamentação,
de participar de um órgão auto-regulamentador, como associações, sindicatos, cuja adesão
espontânea por parte do profissional, possibilita ao público interessado uma maior
credibilidade e menos chance de preconceitos oriundos de outras categorias.
Cobrar ou não cobrar?
Muitos utilizam o tarot, a leitura de baralho como profissão integral ou parcial. Muitos são pessoas
que estudam os oráculos, a psicologia, as terapias holísticas, a numerologia. Todo conhecimento
necessita de tempo, de dedicação para poderem trabalhar as previsões . Lembrando que previsão
não é precisão. São os melhores caminhos apontados diante de uma situação. Mesmo as ciganas
que leem as mãos, utilizam a moeda de troca como pagamento pela leitura. Quem lê por caridade
pode até aceitar trocar a leitura por comida, presentes ou por alguns trocados simbólicos. Todos
são pessoas que trabalham seus conhecimentos e espiritualidade, quem trabalha com tarot ou
baralho cigano, vive dele e paga suas contas como qualquer outro ser humano. As doações e
trabalhos espirituais dos profissionais são feitos através de doações pessoais em igrejas, centros
espíritas, a caridade sim é exercida, mas não através do serviço e sim da consciência pessoal de
cada um de ajuda ao próximo. O trabalho de leitura de tarot , além do conhecimento, traz junto um
desgaste energético de quem atende muitas vezes 12 ou 15 horas por dia. É realmente uma
carga de energia espiritual muito forte e cansativa e pelo tempo e desgaste precisa sim da
compensação da remuneração. Quem trabalha com o público sabe o que significa este desgaste.
O tarólogo faz a interpretação das cartas por conhecimento técnico ou aliado ao conhecimento
espiritual. Mas não deixa de ser um trabalho. A remuneração vai de acordo com o que cada um
acha justo pelo seu trabalho. Assim que se tem um preço , existe uma razão de ser que está de
acordo com a concorrência, com os custos operacionais do profissional, com seu nível de estudo,
com a experiência de profissão e também com a disponibilidade de tempo de cada um. Você vai
estar perguntando a um oraculista sobre algo de extrema importância na sua vida, e não será
qualquer pessoa que vai responder a sua pergunta de uma forma que se tenha conhecimento,
entendimento e trabalho com grandes energias. Dentro de todos os oficios o conhecimento muitas
vezes é pago, construído por anos de estudos e precisa de remuneração.
Comportamento diante da consulta e do consulente
Postura diante do Consulente:
Diante da pessoa que vai jogar procure manter-se de forma bastante natural, sem tentar passar um "ar" de mistério ou
qualquer outra atitude que possa "melhor impressionar" o Consulente. A sua naturalidade e calma deixará a pessoa bastante
à vontade durante o jogo, e isso é muito bom, pois quando a criatura atinge um estado de relaxamento ideal, suas ondas
mentais se predispõem a um perfeito processo de sintonia telepática e aí fica fácil o trabalho do Oraculista em captar, como
vimos anteriormente, o "universo psíquico" de quem está ali na sua frente.
Cuidados na leitura:
Tenha sempre o cuidado com a transmissão de certas leituras que
possam deixar a pessoa preocupada ou apavorada. Resista à tentação
de fazer "revelações bombásticas" ao Consulente. Caso sua
sensibilidade mediúnica lhe dê a segurança para determinados avisos,
tipo: morte, separação, desemprego e etc, prefira alertar o Consulente
para certas situações ou comportamentos que poderão levá-lo a um
desses desfechos.
Comportamento diante da consulta e do consulente
Leitura bloqueada:
Muitos se perguntam se é possível um jogo ficar bloqueado ou existe sempre condições de
uma leitura perfeita e lúcida. Claro que é possível um jogo ficar bloqueado e onde, nem
sempre, a leitura é clara. Leitura bloqueada é a dificuldade de concentração do Oraculista,
sentida diante de certos Consulentes, onde é experimentada a ausência de algo lógico que
sirva de orientação para os mesmos.

É bom que fique claro que isso não significa falha do Oraculista ou Tarólogo (é lógico que se
ele não se preparou corretamente, essa falha poderá vir dele mesmo, isto é, da sua falta de
preparo). Tal fato poderá acontecer por uma das seguintes razões:

1º - Consulente muito carregado, bloqueado por uma vibração negativa ou por Entidade
obsessora. Neste caso, há uma enorme dificuldade para uma perfeita conjunção de energias
(Oraculista + Mentor + Consulente).

2º - Pessoas com intenções de curiosidade ou, então, colocar o Oraculista à prova.

3º - O Consulente é médium ou Babalorixá (chamado de "Pai de Santo") ou Ialorixá ("Mãe de


Santo"). Neste caso, a Entidade Guia do Médium-Consulente pode impedir a conexão de
outras mentes (nesse caso o Oraculista ou o seu Mentor), com sua faixa vibratória. É bom
lembrar que isso acontece por existir no Plano Espiritual uma perfeita hierarquia, valendo o
princípio do respeito mútuo entre as Entidades.
Comportamento diante da consulta e do consulente
Providências a serem tomadas:
Nos casos 1 e 2, não tente ir adiante, pois quanto mais tentar, mais errará na leitura. Não
tente furar esse bloqueio, pois fatalmente você irá ter um desgaste energético bastante
acentuado, podendo lhe ser prejudicial física e espiritualmente. Recomende que a pessoa
tome providências para se livrar dessa carga vibratória ruim (banho de descarga, algum tipo
de ritual ou (o que é o mais recomendado), procure uma ajuda espiritual. No 3º item, caso a
pessoa lhe confesse sua condição de Médium, você deve pedir licença aos Guias do
Consulente para o jogo, se for possível.

OBS: A leitura bloqueada é muito difícil de acontecer, mas, se


um dia você passar por essa experiência, procure agir com calma
diante do Consulente, sem assustálo e, com jeitinho, procure bater
um papo com ele e ser honesto quanto às suas dificuldades de leitura.
Falamos que é um assunto que deve ser abordado com jeitinho, pois
é natural que o Consulente se assuste, achando que deve mesmo estar
"muito mal". Lembre-se, existem pessoas que se impressionam de
maneira extremamente fácil.
Básicos de Ocultismo e Magia
É bom que você entenda, também, um pouco sobre os significados básicos de Ocultismo,
Magia e Ritual.

OCULTISMO:
É o Estudo das forças ocultas do Homem, da
Natureza e dos diversos planos do Universo,
ou seja, é o estudo de tudo aquilo que ainda
não é conhecido ou dominado pela Ciência.
Básicos de Ocultismo e Magia
MAGIA:
É a aplicação prática de todo esse conhecimento, dessas Leis e forças
ocultas. É através da Magia que o Ocultista, digamos assim, testa os
seus conhecimentos. Fica claro, portanto, que as chamadas Magias
Branca e Negra vão depender do uso que se faça dessas forças e Leis,
das intenções e desejos de quem as manipule. Portanto, em essência,
não temos no Universo uma Magia que seja Branca ou Negra, o que
temos são usos diferentes, se assim podemos falar, de uma mesma
coisa. É bom lembrar que no passado a convivência do Homem com
esses conhecimentos era algo tão normal que não se fazia distinção
entre a Magia e as outras formas de entender e dominar o Universo, tais
como a Filosofia, a Ciência, a Religião , Arte e etc. A distinção entre
Magia Branca e Negra também não era conhecida nessa época, o
Cristianismo Medieval é que a caracterizou como algo do mal, porque
segundo os Cristãos de então, os Magos desafiavam o poder de Deus. A
popularização dos ensinos Ocultistas e Esotéricos, no entanto, fez de
todos nós que estudamos estes temas um pouco de Magos, Sacerdotes
ou porque não dizer, Bruxos também. Acender Velas, por exemplo, é
uma das formas mais simples de Magia.
Básicos de Ocultismo e Magia
RITUAL:
Muitas pessoas ainda associam a palavra Ritual a práticas extravagantes, mas Ritual
nada mais é do que o conjunto de atos ou procedimentos que adotamos com uma
finalidade específica. São passos lógicos e cadenciados de todo um processo. O
médico, por exemplo, antes de realizar uma cirurgia, obedece todo um ritual com
relação à roupa, à higiene do local, a disposição dos instrumentos cirúrgicos e etc.
Quando nós vamos fazer uma Magia, precisamos também de todo um Ritual, que
neste caso compõem um conjunto de atos com significados simbólicos, possuindo
um valor energético, ajudando-nos assim a canalizar as forças da Natureza para as
finalidades estabelecidas. Em determinadas cerimônias religiosas os cânticos, as
vestimentas, os descarregos, os incensos, os aromas, as cores e tudo o mais,
constituem um Ritual que tem por finalidade criar um campo energético favorável ao
trabalho a ser desenvolvido. Para finalizar, devemos lembrar que todo trabalho de
Magia, ou seja, todo Ritual requer concentração, e no momento inicial o silêncio. O
segredo do sucesso dos Rituais está exatamente no uso da força de vontade, no uso
do poder da sua própria Mente. A prática constante de Rituais Mágicos, como acender
velas, por exemplo, educa a Mente a desviar a atenção do consciente para o
inconsciente e o inconsciente quando dominado, com certeza, é poderoso agente de
transformação física, ambiental e também de atração daquilo que se deseja, além de
ser uma forma de conexão nossa com nossos Protetores Espirituais.
O que é Numerologia ?
A Numerologia é uma ciência que estuda os números e sua influência sobre a vida das
pessoas, através da interpretação das vibrações numéricas. Ela estuda o significado
oculto dos números e sua influência na vida cotidiana, na espiritualidade, no intelecto,
entre outros. Através da análise numerológica é possível avaliar aspectos importantes
da vida pessoal do indivíduo (ou até de uma empresa), de sua alma, de sua
personalidade, de possíveis realizações, desafios, ciclos, entre outros, assim como
determinar o caráter e as tendências de personalidade das pessoas.
A Numerologia é uma ferramenta de autoconhecimento que permite identificar os
números que representam a essência da pessoa e o que eles simbolizam em termos de comportamento, desafios,
aprendizado, etc. fazendo com que a pessoa descubra suas mais profundas características, e a partir disso, apontando os
caminhos possíveis de acordo com suas características, mostrando tendências de comportamento, situações e perfil de
pessoas que o indivíduo pode atrair para sua vida. A Numerologia é um método que nos ajuda a entender a realidade e,
consequentemente, o que o futuro nos trará, ajudando-nos a transformá-lo.
A Numerologia permite que a pessoa estude sua própria natureza e a daqueles que a rodeiam, assim como conheça seu
propósito individual na vida e o que se pode fazer para trazer felicidade e realização. Ajuda a entender os ciclos da vida e
auxilia a minimizar seus pontos fracos e aproveitar ao máximo suas qualidades, vencendo assim, suas dificuldades.
A Numerologia é um estudo que tem como base a vibração presente em cada pessoa a partir de seu nome e data de
nascimento. Através de cálculos matemáticos simples associados aos valores atribuídos à cada letra é possível determinar
qual a personalidade básica de uma pessoa e fazer uma orientação sobre seu futuro. Segundo a numerologia, cada
número é dotado de uma vibração ou essência individual que indica tendências de acontecimentos ou de personalidade.
O que é Numerologia ?
Os números são considerados como símbolos muito significativos por quase todas as
civilizações. Representam a ordem, a harmonia cósmica e a perfeição universal. A
Numerologia interpreta os significados ocultos dos algarismos que nos acompanham
desde o nascimento, revelando muito sobre o futuro, a felicidade e o sucesso pessoal
de cada um. A Numerologia ajuda a escolher a melhor data para um casamento, um
período mais favorável para mudar de profissão, os dias de sorte para jogos, para a
vida amorosa, etc. Os números podem nos mostrar a magia da vida e a essência da
harmonia cósmica e interior, expressando ideias e relações. O número é a expressão
de estágios da energia emanada por Deus. Segundo a numeróloga Jane Prisca, “a
eficácia dos números é enorme, pois o Universo inteiro foi criado por número, peso e medida. Para os seres humanos
nada representa mais claramente a essência divina do que os números. O tempo consiste em números, assim como todo
movimento. Os números produzem grande efeito sobre a alma e contém virtudes sublimes”, finaliza Jane. A Numerologia
diz que “tudo que acontece no mundo é por causa dos números e que nada é por acaso, e que tudo depende da
propriedade mística dos números. Essas propriedades vem da vibração inerente aos números. Cada número tem uma
vibração única que dá a ele certas propriedades, as quais podem esclarecer o comportamento de uma pessoa ou dizer se
os parceiros são compatíveis, além de determinar o dia de sorte de uma pessoa”, conforme nos explica a numeróloga
Tracy Wilson. Para a Numerologia cada número possui um valor metafísico de grande significado, uma qualidade,
mostrando características internas que denota aspectos do Destino da pessoa. Os números emanam energias, assim
como as letras e as palavras, por isso se diz que “os números tem força”. Essas energias podem nos fazer bem ou nos
influenciar negativamente. Tudo no Universo é vibração: os sons, os números e as palavras pronunciadas, que quando
experimentadas e vivenciadas nos levam a uma relação cósmica com as forças universais. A Numerologia parte do
princípio de que o ser humano, assim como sua vida, são regulados pelas leis matemáticas das vibrações e que estas,
por sua vez, estão associadas a uma escala correspondente de sons.
O que é Numerologia ?
A Física Quântica ensina que tudo no Universo é energia; os números também são energias, as quais afetam nossa vida em
todos os setores. Os números tem vida, emitem energia e neles se encontram todos os talentos, dificuldades e também as
respostas para nossas dúvidas e incertezas. Pode-se descobrir fragilidades, potenciais, onde está concentrada a energia
positiva e tirar o maior proveito delas superando obstáculos. A numeróloga Gláucia Garcia Santiago acrescenta:”os números
em si representam princípios universais através dos quais todas as coisas evoluem e continuam a crescer de forma cíclica.
Os dígitos de 1 a 9 simbolizam os estágios pelos quais um conceito tem de passar antes de se tornar realidade. Toda
manifestação é resultado desses 9 estágios”,explica Gláucia. Todos os números possuem aspectos positivos e negativos,
vibrações harmônicas e conflitantes, qualidades e dificuldades, pois tudo no mundo tem dois lados. Os dois pólos trazem o
equilíbrio das energias. Cada número é dotado de certas características ou qualidades próprias que indicam tendências de
personalidade ou até mesmo acontecimentos. Portanto, cada número possui propriedades positivas e negativas, que podem
favorecer ou dificultar o desenvolvimento de certas atividades, situações, trabalhos, relacionamentos afetivos, as finanças,
etc. A numeróloga Carmen Arabela explica:”nos números residem símbolos que nos permitem entender a verdadeira
natureza do Cosmos. Através de uma interpretação de cálculos matemáticos simples entramos
em contato com o nosso “eu” mais profundo, podendo mudar aspectos de nossa vida. A
Numerologia é uma ciência precisa e um instrumento poderoso que ajuda no
autoconhecimento, mostrando o caminho que devemos seguir na vida, nossas dificuldades,
esclarecendo dúvidas, corrigindo erros, controlando impulsos, agindo com mais equilíbrio e
entendendo melhor as pessoas ao nosso redor, conhecendo bem nossas aptidões e
tendências. Cada número traz em si um significado simbólico e é esse simbolismo que permite
transformar letras em números e interpretar palavras a partir dos conteúdos numéricos”, finaliza
Carmen.
O que é Numerologia ?
A Numerologia também pode determinar os pontos fracos e negativos das pessoas, pontos que muitas vezes, decorrem do
karma de vidas passadas, e apontar as características mais marcantes que a pessoa pode desenvolver em direção ao
sucesso. A Numerologia pode ser usada para interpretar as características das pessoas e entender as oportunidades e
influências presentes em suas vidas num determinado momento. Num sentido mais amplo, define as lições mais profundas
que uma pessoa está aprendendo. Ela pode relacionar o desenvolvimento da alma nesta vida com o crescimento passado e
o potencial futuro, numa demonstração das leis da reencarnação.

Porém, a Numerologia não é divinatória; é arte e magia, que integra o ser humano à Natureza.
Por isso é muito importante ressaltar que a Numerologia não fornece estudos milagrosos
que vão resolver a sua vida, mas sim uma interpretação sobre você, para que possa se
Conhecer melhor e ter mais confiança para tomar decisões. Portanto, a Numerologia não
revela “profecias” para sua vida, mas sim tendências de comportamento e situações que
podem ser mudadas de acordo com seu livre-arbítrio; não determina o que você deve fazer,
mas sim ajuda a enxergar melhor as situações de sua vida para que você tome decisões
mais conscientes.

A Numerologia não é a solução para os problemas, mas sim uma forma de se conhecer
profundamente e fazer as mudanças necessárias para atingir seus objetivos com equilíbrio.
Numerologia – 1
O número UM: Energia voltada a
liderança, indica o começo do ciclo, pois
é o propulsor,
primogênito, o que comanda. Tudo
começo de algum lugar, e este lugar é
o UM. Também está
diretamente relacionado com
autonomia, pró atividade e
individualidade.
Numerologia – 2
O número DOIS: Energia voltada a harmonia,
trabalho em grupo e zelo. Preza pelo bem-
estar das outras pessoas, é passivo e calmo,
prefere ouvir mais do que falar. O UM vem
como um furacão, pois traz a energia
necessária para começar, ousar, desbravar
novas coisas.
Agora o dois vem com a calma e paciência
para solidificar esses novos empreendimentos.
Numerologia – 3
O número TRÊS: Energia voltada ao
reconhecimento, ser o centro das atenções.
Altamente comunicativo, não possui um foco
principal, está constantemente alerta em todas as
coisas ao seu redor. Animado, positivo e habilidoso.
Vive o presente intensamente e está sempre em
destaque. Agora que os empreendimentos estão
solidificados, está na hora utilizar sua energia
no negócio para vê-lo alçar voo. Ambição é a
palavra-chave.
Numerologia – 4
O número QUATRO: Energia voltada a sabedoria.
Um ser que já nasceu sábio, novo de corpo,
mas velho de alma. Prático, econômico e
realista. Teimoso e exigente consigo mesmo,
tudo o que lhe for dado será executado. Possui
a necessidade de enxergar o fruto do seu
trabalho sempre.
Capacidade de assumir grandes responsabilidades.
Hora de levar seus empreendimentos a sério.
Número: 5
O número CINCO: Energia voltada a
liberdade, de quem busca viajar, ser
diferente, romper padrões.
Altamente criativo, pois através de suas
experiências transforma suas ações.
Hora de tirar férias, seus empreendimentos
já estão consolidados e agora precisa obter
inspiração e relaxar.
Número: 6
O número SEIS: Energia voltada ao
relacionamento em seus diversos níveis,
sobretudo, a família.
Possui bondade, integridade, inspira
confiança e generosidade.
Um ótimo anfitrião.
Hora de deixar os empreendimentos de lado
e consolidar sua família.
Número: 7
O número SETE: Energia voltada a
introspecção, reflexão e autoconhecimento.
Por buscar sempre as respostas dentro de
si, se cobra muito e acaba se tornando
perfeccionista.
Até o momento já passamos pelo começo,
solidificação, expansão, descanso, construção
familiar, agora é a hora de firmar as bases
dentro de você mesmo (a).
Número: 8

O número OITO: Energia voltada a


dedicação e sucesso, demonstra plenitude
emocional e saúde mental equilibrada.

Agora podemos voltar as atenções aos


empreendimentos, pois nossas
bases internas já estão formadas.
Número: 9
O número NOVE: Energia voltada ao auge
da evolução espiritual: até o momento
passamos por todas as etapas dos ciclos,
conquistamos o que precisávamos
conquistar.
Desenvolvemos no 9
a nossa compaixão e amor ao próximo: o
desapego das coisas materiais. O ciclo se
encerra, todas as etapas foram cumpridas.
Número: 11
O número ONZE: Seu padrão de vibração
condiz com líderes espirituais, trabalhadores
e inspirações que beneficiam o mundo. Sua
intuição e racionalidade costumam ser mais
aperfeiçoadas do que os demais. "amar o
próximo como a si mesmo" é seu lema, e o
carrega como base da estrutura sólida
construída para espalhar seu espírito
altruísta. É condizente com lealdade,
coragem e forte tendência à supremacia.
Número: 22
O número VINTE E DOIS: Se relaciona a
comando e ambição de poder. Necessita trabalhar
por meio de grandes grupos cooperativos. Admira
o comércio de importação e exportação que, no
geral, exige viagens de longa duração e reunião
com pessoas de alta relevância. Mentaliza
uma ideia como inspiração e se mira nesta para
obter seus objetivos. Autoconhecimento torna-se
essencial e está destinado a construir e edificar.
Cromoterapia
A cromoterapia é um tipo de tratamento que consiste na utilização das
cores para curar doenças e restaurar o equilíbrio físico e emocional do
paciente. A palavra tem origem no grego "khrôma" que significa "cor".
Historiadores afirmam que no Antigo Egito a cor - através dos raios
solares - já era usada para o benefício do ser humano. Mais tarde, no
século XVIII, o cientista alemão Johann Wolfgang von Goethe conduziu
uma pesquisa exaustiva a respeito das cores, concluindo que elas têm um
determinado efeito. Ele concluiu que o vermelho estimula, o azul suaviza,
o amarelo causa alegria e o verde é relaxante.
Contudo, a cromoterapia só chegou ao Ocidente no século XIX. Nos dias
de hoje, a cromoterapia está relacionada com as sete cores do espectro
solar, e normalmente um suporte com uma lâmpada de 25 watts é usada
no tratamento, onde é colocado a 5 centímetros da pele, atuando durante aproximadamente 3 minutos.
Esta terapia alternativa tem muitos críticos na comunidade científica, que afirmam que no caso da cromoterapia, o
efeito placebo é um fator muito importante na cura de alguns pacientes.
A cromoterapia é muitas vezes ligada com algumas práticas esotéricas, como o Feng Shui, os cristais e a astrologia.
Em muitos casos, as sete cores usadas na cromoterapia estão diretamente ligadas aos chakras, que são considerados
campos de energia que têm influência nas nossas emoções e corpos.
Cromoterapia - Vermelho

É uma cor poderosa e deve haver


precauções no seu uso, pois em excesso
pode provocar nervosismo e ansiedade.
Pode despertar a sexualidade e erotismo.
Área de atuação: ativa a circulação e
estimula o sistema nervoso. O vermelho
está ligado ao chakra básico, que está
localizado no baixo ventre e que comanda a
coluna vertebral.
Cromoterapia - Laranja

É uma cor alegre e antidepressiva.


Área de atuação: rejuvenesce e melhora o
metabolismo e o sistema digestivo. Pode
elevar a pressão sanguínea. Corresponde
ao chakra umbilical, que comanda as ações
relacionadas com o sexo. Influencia o
processo de tomar decisões.
Cromoterapia - Amarelo

É uma cor inspiradora por isso pode provocar


alguma distração e perda do foco. Esta cor
influencia o dinamismo e a capacidade de
expressão. Área de atuação: olhos, ouvidos,
ossos e tecidos internos. Está ligada ao chakra
Plexo Solar que rege o estômago e corresponde
ao poder pessoal e satisfação.
Cromoterapia - Verde

É uma cor associada à natureza, tranquilidade,


equilíbrio e saúde. Área de atuação: problemas
cardíacos, dores de cabeça, insônias, etc. É
uma cor referente ao chakra cardíaco, que
comanda o coração e o sistema circulatório.
Cromoterapia - Azul

É uma cor relaxante, que traz paz,


serenidade e promove a meditação. Área de
atuação: baixa a pressão arterial, tem
função analgésica . Corresponde ao chakra
laríngeo, que atua no sistema respiratório e
faz a gestão da expressão verbal.
Cromoterapia - Índigo

É uma cor que simboliza a intuição e a


compreensão.
Área de atuação: purifica o sangue e tem
um efeito anestésico e coagulante. É
representada pelo chakra frontal, localizado
no centro da testa e que controla o sistema
nervoso.
Cromoterapia - Violeta

É uma cor relacionada com a estabilidade e


paz na consciência. Promove a
concentração e eleva a autoestima.
Área de atuação: acalma os nervos e os
músculos do corpo, e elimina infeções e
inflamações.
O chakra correspondente é o coronário,
localizado no alto da cabeça e que está
relacionado com a concentração e
espiritualidade.
Os 12 Arquétipos de Jung
O termo “arquétipo” tem suas origens na Grécia antiga, as palavras raiz são
archein que significa “original ou velho” e typos que significa “padrão, modelo ou
tipo”, o significado combinado é “padrão original” do qual todas as outras
pessoas similares, objetos ou conceitos são derivados, copiados, modelados,
ou emulados.
O psicólogo Carl Gustav Jung usou o conceito de arquétipo em sua teoria da
psique humana, ele acreditava que arquétipos de míticos personagens
universais residiam no interior do inconsciente coletivo das pessoas em todo o
mundo, arquétipos representam motivos humanos fundamentais de nossa
experiência como nós evoluímos consequentemente eles evocam emoções
profundas.
Embora existam muitos diferentes arquétipos, Jung definiu doze tipos principais
que simbolizam as motivações humanas básicas, cada tipo tem seu próprio
conjunto de valores, significados e traços de personalidade, além disso, os doze
tipos são divididos em três grupos de quatro, ou seja, Ego, Alma e Eu, os tipos
em cada conjunto compartilha uma fonte de condução comum, por exemplo,
tipos dentro do conjunto Ego são levados a cumprir agendas definidas pelo ego.
Os 12 Arquétipos de Jung
OS TIPOS DE EGO

1. O Inocente
Lema: Livre para ser você e eu
Desejo principal: Chegar ao paraíso
Objetivo: ser feliz
Maior medo: Ser punido por ter feito algo de ruim ou errado
Estratégia: Fazer as coisas certas
Fraqueza: Chato por toda a sua inocência ingênua
Talento: Fé e otimismo
O Inocente também é conhecido como: utópico, tradicionalista,
ingênuo, místico, santo, romântico, sonhador.
Os 12 Arquétipos de Jung
OS TIPOS DE EGO
2. O Cara Comum, o Órfão
Lema: Todos os homens e mulheres são iguais
Desejo central: Ligação com os outros
Objetivo: Fazer parte
Maior medo: Ficar de fora ou se destacar da multidão
Estratégia: Desenvolver sólidas virtudes comuns, seja
para a Terra ou o contato comum
Fraqueza: Perder o próprio. Eu em um esforço para se misturar ou por uma
questão de relações superficiais
Talento: O realismo, a empatia, a falta de pretensão
A pessoa normal também é conhecida como: O bom menino velho, o homem
comum, a pessoa da porta ao lado, o realista, o cidadão sólido, o trabalhador
rígido, o bom vizinho, a maioria silenciosa.
Os 12 Arquétipos de Jung
OS TIPOS DE EGO
3. O Herói
Lema: Onde há uma vontade, há um caminho
Desejo central: Provar o valor para alguém através de atos corajosos
Objetivo: Especialista em domínio de um modo que melhore o
mundo
Maior medo: Fraqueza, vulnerabilidade, ser um “covarde”
Estratégia: Ser tão forte e competente quanto possível
Fraqueza: Arrogância, sempre precisando de mais uma batalha para
lutar
Talento: Competência e coragem
O herói também é conhecido como: O guerreiro, o salvador, o
super-herói, o soldado, o matador de dragão, o vencedor e o jogador
da equipe.
Os 12 Arquétipos de Jung
OS TIPOS DE EGO

4. O Cuidador
Lema: Ame o seu próximo como a si mesmo
Desejo central: Proteger e cuidar dos outros
Objetivo: Ajudar os outros
Maior medo: Egoísmo e ingratidão
Estratégia: Fazer coisas para os outros
Fraqueza: Martírio e ser explorado
Talento: Compaixão e generosidade
O cuidador também é conhecido como: O santo, o
altruísta, o pai, o ajudante, o torcedor.
Os 12 Arquétipos de Jung
OS TIPOS DE ALMA
5. O Explorador
Lema: Não me cerque
Desejo central: A liberdade de descobrir quem é, através da
exploração do mundo
Objetivo: A experiência de um mundo melhor, mais autêntico,
mais gratificante na vida
Maior medo: Ficar preso, conformidade e vazio interior
Estratégia: Viajar, procurar e experimentar coisas novas, fugir
do tédio
Fraqueza: Perambular sem destino tornando-se um desajustado
Talento: Autonomia, ambição, ser fiel a sua alma
O explorador também é conhecido como: O candidato, o
iconoclasta, o andarilho, o individualista, o peregrino.
Os 12 Arquétipos de Jung
OS TIPOS DE ALMA

6. O Rebelde
Lema: As regras são feitas para serem quebradas
Desejo central: Vingança ou revolução
Objetivo: Derrubar o que não está funcionando
Maior medo: Ser impotente ou ineficaz
Estratégia: Interromper, destruir ou chocar
Fraqueza: Cruzar para o lado negro do crime
Talento: Ousadia, liberdade radical
O rebelde também é conhecido como: O ilegal, o revolucionário,
o homem selvagem, o desajustado, o iconoclasta.
Os 12 Arquétipos de Jung
OS TIPOS DE ALMA 7. O Amante
Lema: Você é único
Desejo central: Intimidade e experiência
Objetivo: Estar em um relacionamento com as pessoas no trabalho
e no ambiente que eles amam
Maior medo: Ficar sozinho, ser um invisível, se indesejado, ser mal
amado
Estratégia: Tornar-se cada vez mais atraente fisicamente e
emocionalmente
Fraqueza: Com o desejo de agradar aos outros corre o risco de
perder sua identidade externa
Talento: Paixão, gratidão, valorização e compromisso
O amante também é conhecido como: O parceiro, o amigo íntimo,
o entusiasta, o sensualista, o cônjuge, o construtor de equipe.
Os 12 Arquétipos de Jung
OS TIPOS DE ALMA

8. O Criador
Lema: Se você pode imaginar algo, isso pode ser feito
Desejo central: Criar coisas de valor duradouro
Objetivo: Realizar uma visão
Maior medo: A visão ou a execução medíocre
Estratégia: Desenvolver a habilidade e o controle artístico
Tarefa: Criar cultura, expressar a própria visão
Fraqueza: Perfeccionismo, soluções ruins
Talento: Criatividade e imaginação
O Criador também é conhecido como: O artista, o inventor, o
inovador, o músico, o escritor, o sonhador.
Os 12 Arquétipos de Jung
OS TIPOS DE EU

9. O Tolo
Lema: Só se vive uma vez
Desejo central: Viver para o momento com pleno gozo
Objetivo: Ter um grande momento e iluminar o mundo
Maior medo: Se aborrecer ou chatear os outros
Estratégia: Jogar, fazer piadas, ser engraçado
Fraqueza: Frivolidade, desperdício de tempo
Talento: Alegria
O tolo também é conhecido como: O bobo da corte, o malandro, o
palhaço, o brincalhão, o comediante.
Os 12 Arquétipos de Jung
OS TIPOS DE EU
10. O Sábio
Lema: A verdade vos libertará
Desejo central: Encontrar a verdade
Objetivo: Usar a inteligência e a análise para
compreender o mundo
Maior medo: Ser enganado, iludido, ou ser ignorante
Estratégia: Buscar informação e conhecimento,
auto reflexão e compreensão dos processos de pensamento.
Fraqueza: Pode estudar detalhes para sempre e nunca agir
Talento: Sabedoria, inteligência
O Sábio também é conhecido como: O perito, o erudito, o detetive, o conselheiro, o pensador, o
filósofo, o acadêmico, o pesquisador, o pensador, o planejador, o profissional, o mentor, o professor,
o contemplador.
Arquétipos de Jung - AS QUATRO ORIENTAÇÕES CARDEAIS

OS TIPOS DE EU

11. O mágico

Lema: Eu faço as coisas acontecerem.


Desejo central: Compreensão das leis fundamentais do universo
Objetivo: Realizar sonhos
Maior medo: Consequências negativas não intencionais
Estratégia: Desenvolver uma visão e viver por ela
Fraqueza: Se tornar manipulador
Talento: Encontrar soluções ganha-ganha
O mágico também é conhecido como: O visionário, o catalisador, o
inventor, o líder carismático, o xamã, o curandeiro, o feiticeiro.
Arquétipos de Jung - AS QUATRO ORIENTAÇÕES CARDEAIS

OS TIPOS DE EU
12. O Governante
Lema: O poder não é qualquer coisa, é a única coisa
Desejo central: Controle e poder
Objetivo: Criar uma família ou uma comunidade bem sucedida e
próspera
Estratégia: Exercer o poder
Maior medo: O caos, ser destituído
Fraqueza: Ser autoritário, incapaz de delegar
Talento: Responsabilidade, liderança
O Governante é também conhecido como: O chefe, o líder, o
ditador, o aristocrata, o rei, a rainha, o político, o gerente, o
administrador.
zodíaco Cigano
Na busca pelo autoconhecimento, é possível encontrar
diferentes vertentes que analisam e explicam o comportamento
de cada indivíduo, suas potencialidades, seus talentos e
desafios. A astrologia é o estudo mais conhecido e seguido.
Mas existem outros caminhos, entre eles o zodíaco cigano. Na
verdade, não é algo tão diferente dos 12 signos que já
conhecemos no horóscopo tradicional. O zodíaco cigano
também é representado por 12 instrumentos, ou melhor, por 12
objetos do cotidiano desse antigo povo.
Enquanto o zodíaco tradicional tem interferências dos astros,
que regem e influenciam as características dos signos, no
cigano, são os metais da terra que cumprem essa função. Isso
porque esse grupo étnico considerado nômade dominava a arte
e o trabalho com os metais. Nesta análise esotérica, cada
metal é associado a um período do ano – que coincide
justamente com os meses de regências da astrologia
tradicional. A diferença, nesse caso, é que não existem
previsões diárias que podem orientar os passos de alguém.
Isso porque o zodíaco cigano engloba apenas a personalidade
do indivíduo que nasce nas datas predefinidas e a forma como
ele irá agir durante a sua vida.
A Coroa - 21 de Abril e 20 de Maio
A Coroa é o signo da honra, da tradição, da preservação do território, da estabilidade. Quem
nasceu sob este signo coloca as suas posses e as pessoas que considera "suas" acima de
tudo o resto. Nada é mais importante para este nativo do que a sensação de segurança,
saber que a sua "tribo" está protegida e que é dono de alguma coisa. Muito materialista,
preserva zelosamente tudo aquilo que conquistou, tornando-se impetuoso e implacável na
defesa do que é seu. Dá muito valor ao dinheiro, não vendo com bons olhos aqueles que o
gastam a rodos. A Coroa é conservadora, sendo uma excelente preservadora das tradições,
que ensina, de bom grado, às gerações mais novas. Muito voltada para a família, preocupa-
se cedo em construir um lar, sendo muito apegada aos filhos e ao cônjuge. O homem que
nasceu sob este signo pode ser um tanto dominador, pois gosta que a sua autoridade em
casa seja reconhecida. Contudo, no exterior, aceita facilmente ser guiado por um bom chefe,
é muito trabalhador e empenhado, levando muito a peito os interesses do grupo onde se
insere. Tem uma grande preocupação com a segurança, o que o leva a procurar ganhar
dinheiro e a agir sempre com prudência e ponderação. Tem um forte sentido estético,
valorizando as artes e dando sempre o seu toque pessoal no ambiente onde se encontra.
No amor, a Coroa é muito fiel e conservadora, colocando a família e a estabilidade acima de
qualquer paixão passageira. Dedicada e cuidadosa, é sensível e romântica, apreciando os
gestos simples e os momentos partilhados a dois. A nível íntimo, adora preliminares e é
capaz de passar horas perdidas em beijos e carícias. As suas zonas erógenas são o pescoço
e os ombros. Na vida profissional, tem dotes para a administração e é um bom gestor, sendo
objetivo e firme nas suas atitudes. Muito poupado, sabe equilibrar as suas contas e gerir o
orçamento familiar.
A Coroa - 21 de Abril e 20 de Maio

O seu metal é o Cobre. Deve usar este material em amuletos


protetores.

O seu dia de sorte é a sexta-feira.

A sua vela mais favorável é amarela, o seu perfume ideal é o


de rosa, a sua flor é o cardo e o seu santo protetor é São
Jorge.

A Coroa é mais compatível com a Roda, a Capela e o Sino.


As Candeias - 21 de Maio e 20 de Junho

As Candeias representam a verdade, a luz lançada sobre um assunto, o esclarecimento, a


informação. Este é o signo daqueles que vivem para o saber, para trocarem informação, para
se expressarem, para partilharem com o Mundo aquilo que sabem e o que pensam. Os
nativos que nascem sob esta influência destacam-se pela sua mente rápida e a sua notável
facilidade de raciocínio, sendo muito inteligentes e mais mentais do que físicos. Gostam de
ler, de viajar, de conversar, e de tudo aquilo que possa contribuir para alargar os seus
horizontes e os seus conhecimentos. As Candeias simbolizam o pensador, o iluminado que
através dos conhecimentos que adquiriu sabe afastar as trevas da ignorância e lançar a luz
sobre os mais diversos assuntos. Irrequieto e inconstante, o nativo deste signo tem
dificuldade em fixar-se numa só tarefa e em terminar aquilo que iniciou, pois está sempre em
busca de novas descobertas e adora fazer pesquisas sobre aquilo que ainda não conhece.
Estudioso nato, por vezes falta-lhe poder de ação, porque se perde nas suas divagações e
conjecturas, não chegando a pôr em prática as suas centenas de teorias. É um espírito
jovem, que procura sempre ver a vida pelo seu lado mais positivo e encará-la com um sorriso
nos lábios, pois sabe que o otimismo e o bom humor são o remédio perfeito para qualquer
mal. No amor, as Candeias são instáveis como a chama de uma vela acesa. Embora
brilhantes e luzidias, falta-lhes constância, e apagam-se depressa assim que lhes passa o
entusiasmo inicial. Mais intelectuais do que físicas, prendem-se principalmente pelos
estímulos intelectuais, tendo necessidade de quebrar constantemente a rotina. As suas
erógenas são as mãos e os braços. Profissionalmente, destacam-se em profissões
relacionadas com o ensino, a comunicação, o estudo e a pesquisa. São notáveis estudiosas,
destacando-se pela facilidade em assimilar os conhecimentos e em transmiti-los aos outros.
As Candeias - 21 de Maio e 20 de Junho

O seu metal é o Níquel, que poderá utilizar nos seus talismãs.

O seu dia de sorte é a quarta-feira.

A sua vela mais favorável é cinza, o seu perfume ideal é o


floral, a sua flor é a rosa vermelha e o seu santo protetor é
Santa Catarina.

As Candeias são mais compatíveis com a Moeda, a Taça e o


Machado.
A Roda - 21 de Junho e 21 de Julho

A Roda representa a constante viagem, o espírito permanentemente nómada do povo cigano, que
constrói o seu lar onde quer que se encontre. Este é o signo da família mas, também, da permanente
mudança, do movimento de "ir e de voltar" que se assemelha ao vaivém das ondas. Quem nasceu
sob esta influência possui uma grande instabilidade interior, que se traduz por algumas aparentes
contradições na sua personalidade por vezes difícil de compreender pelos outros. Ele é calmo,
tranquilo e sereno, mas num instante se irrita e levanta a voz com quem está à sua volta. Está alegre
e bem-disposto e, de repente, fica amargurado e irritado. A explicação para estas constantes
mudanças de humor é muito simples de entender: quem está sempre tão próximo da estrada sente
todos os percalços do caminho e a qualquer momento muda de direcção. A Roda tem uma
personalidade harmoniosa, tal como a forma circular deste objeto, e dificuldade em distanciar-se ou
em afastar-se daquilo que já conhece bem. É-lhe difícil deixar o seio familiar dentro do qual se sente
protegida, embora tenha, ao mesmo tempo, uma profunda necessidade de avançar, de evoluir, de ir
em busca de algo novo. Dentro de si existem sempre estas duas forças tão distintas: a vontade de ir
e a necessidade de ficar. Por isso este é o signo daqueles que regressam sempre para as suas
origens, a não ser que uma dor profunda os faça partir magoados. A vida sentimental é
preponderante na vida destes nativos. A Roda é poderosamente emotiva, extremamente sensível a
tudo aquilo que a rodeia, capaz de pressentir os acontecimentos e de antecipar os desejos da pessoa
que ama. Carinhosa e envolvente, vive para o amor e encontra no sexo a sua expressão mais
sublime, tendo o peito como zona especialmente erógena.
Profissionalmente, a Roda precisa de sentir-se útil àqueles que a rodeiam, desempenhando muito
bem todo o tipo de serviço auxiliar e de prestação de cuidados aos outros. Atenta e empenhada, não
lhe escapa nenhum pormenor e é muito imaginativa.
A Roda - 21 de Junho e 21 de Julho

O seu metal é a Prata, que é ideal para utilizar num amuleto


de proteção.

O seu dia de sorte é a segunda-feira.

A sua vela mais favorável é prateada, o seu perfume ideal é de


rosa, a sua flor é o lírio e o seu santo protetor é São Luís.

A Roda é mais compatível com a Coroa, a Adaga e a Capela.


A Estrela - 22 de Julho e 22 de Agosto

Como o sol que ilumina a Terra e traz o dia, as estrelas iluminam a escuridão da noite, brilhando no
manto escuro do céu. O signo Estrela é aquele que nasceu para brilhar, e os seus nativos são
pessoas que irradiam brilho onde quer que se encontrem, possuindo um magnetismo difícil de
explicar mas impossível de ignorar. Vivem intensamente, amando a vida em todas as suas facetas e
criando laços afetivos onde quer que estejam. Sempre rodeados de amigos, os nativos do signo
Estrela sentem-se infelizes quando estão sozinhos ou se não são reconhecidos, pois precisam da
aprovação e da admiração dos outros para se sentirem realizados. Têm uma grande necessidade de
protagonismo e atração pelo poder, mas a verdade é que possuem dotes de liderança e natural
aptidão para mandarem e organizarem os grupos onde se inserem. A Estrela tem uma personalidade
forte e, regra geral, consegue alcançar tudo aquilo que deseja. Nasceu fadado para altos voos, e os
outros muitas vezes dizem que parece abençoado ou que tem uma estrelinha especial a zelar por si.
Estes nativos trazem a sua luz aos outros, contagiando aqueles que os rodeiam com o seu otimismo
e entusiasmo, envolvendo-se de alma e coração em tudo aquilo que fazem. Determinado e ativo,
lança-se nos desafios sem pensar duas vezes, mas sabe que tem a força necessária para triunfar em
tudo aquilo em que se envolver. No amor, este nativo é extremoso e dedicado, rodeando de atenções
a pessoa amada. Apaixonado e romântico, é um sedutor nato, mas embora seja aventureiro e
conquistador é também muito fiel quando está apaixonado. A sua sexualidade é intensa, e para ele é
muito importante a entrega total e absoluta. Os olhos, as costas e os órgãos genitais são os pontos
que mais o seduzem. Profissionalmente, a Estrela alcança facilmente o sucesso graças ao seu
carisma e magnetismo pessoal. Tem facilidade em comunicar e cria empatia com os que a rodeiam,
tendo talento para trabalhos que envolvam o contacto com o público e a comunicação.
A Estrela - 22 de Julho e 22 de Agosto

O seu metal é o Ouro, que pode usar como amuleto.

O seu dia de sorte é o domingo.

A sua vela mais favorável é cor de laranja, o seu perfume ideal


é de sândalo, a sua flor é o cravo vermelho e o seu santo
protetor é São Tiago.

A Estrela é mais compatível com o Punhal, o Machado e a


Taça.
O Sino - 23 de Agosto e 22 de Setembro
O sino, que reúne as pessoas, que chama a atenção e que se faz ouvir, é o signo daqueles que
vieram ao Mundo com a missão de estabelecerem a ordem e de imporem o rigor. Antigamente, era os
sinos nas torres das igrejas que marcavam as horas pelas quais as pessoas regiam o seu dia.
Metódicos e organizados, estes nativos são sempre os mais pontuais, aqueles que cuidam de todos
os pormenores e que estão atentos a todos os detalhes, lembrando os outros das tarefas que
precisam de ser feitas e estando sempre prontas a ajudar, embora não procurem a glória e muitas
vezes o façam discretamente, nos bastidores. Embora vivam tudo com empenho e dedicação, evitam
os excessos e pautam-se pela ordem e pelo comedimento. Prudentes e cuidadosos, planeiam todas
as atividades até ao mais ínfimo pormenor, lidando mal com imprevistos e ficando desagradados
quando têm de improvisar ou quando não têm tempo para se prepararem para algum acontecimento.
O Sino é o signo da pontualidade, da exatidão, que marca os acontecimentos importantes através do
seu retinir estridente. Quem nasceu sob este signo tem uma grande preocupação com a verdade e
com a exatidão dos factos, possuindo um forte sentido crítico e uma notável capacidade de análise
imparcial das situações, procurando sempre a objetividade e a isenção. Mais lógico do que emotivo,
este nativo é movido pela razão e dedica-se ao bem comum, mesmo que por vezes tenha de
sacrificar a sua vontade pessoal. No amor, o Sino é tímido e desconfiado, pois tem dificuldade em
lidar com as próprias emoções e em revelar aquilo que sente, o que faz com que aja com cuidado e
ponderação. Não se entrega facilmente, e tem sempre grande atenção às necessidades do seu par.
As virilhas e o umbigo são pontos que lhe proporcionam especial prazer. Profissionalmente, o Sino é
muito assíduo, pontual e dedicado, não se importando em trabalhar horas a mais ou em fazer
esforços para que a sua equipa possa alcançar melhores resultados. São ideais para si todos os
trabalhos que envolvam o rigor e a rectidão.
O Sino - 23 de Agosto e 22 de Setembro

O seu metal é o Níquel, que deve utilizar em objetos de uso


diário.

O seu dia de sorte é a quarta-feira.

A sua vela mais favorável é violeta, o seu perfume ideal é de


gardénia, a sua flor é a verbena e o seu santo protetor é São
Bartolomeu.

O Sino é mais compatível com a Coroa, a Roda e a Ferradura.


A Moeda - 23 de Setembro e 22 de Outubro
A moeda representa os dois lados de qualquer assunto, simbolizando as faces que compõem a
verdade e lembrando que nunca existe apenas um só ponto de vista, pois tudo depende da
perspetiva de quem vê. Os nativos do signo Moeda trazem ao Mundo a sua capacidade de se porem
no lugar dos outros, procurando compreendê-los e aceitá-los tal como são, sem fazerem juízos de
valor e sem se precipitarem. Este signo simboliza a união dos opostos, o "sim" e o "não", o material e
o espiritual, e o equilíbrio que é sempre necessário em todas estas dualidades. Por serem capazes
de compreender os outros de forma isenta e imparcial e muito sensíveis às necessidades e aos
desejos alheios, os nativos deste signo são naturalmente pessoas cativantes, que estão sempre
rodeadas de amigos e admiradores. Comunicativas, precisam de estar sempre em contacto com os
outros. Assim como a moeda é o centro do comércio e da troca, os nativos deste signo precisam,
para estarem bem, de estarem constantemente no centro da animação. A Moeda age sempre tendo
em conta a várias perspetivas envolvidas em cada situação. Evita tomar partidos e procura sempre a
verdade, agindo com justiça e equilíbrio. Prestável e dedicado, este nativo está sempre disponível
para ouvir os outro, sendo geralmente também um bom conselheiro. Procura tornar a vida o mais
simples possível, não se prende a mágoas nem rancores e encara a nossa existência como uma
passagem da qual devemos tirar o maior proveito que nos for possível. Vive com otimismo, cultivando
a alegria e a boa-disposição diariamente. No amor, a Moeda é apaixonada e romântica, procurando a
sua "outra face" até conseguir encontrá-la. É namoradeira e inconstante, apreciando o jogo da
sedução, mas quando encontra a pessoa certa torna-se é dedicada e apaixonada. Romântica e
sensível possui um charme natural e um poder de sedução que não deixa ninguém indiferente. As
massagens na nuca e no fundo das costas trazem-lhe arrepios de prazer. Profissionalmente, a Moeda
é talhada para o negócio, para todas as profissões relacionadas com a área comercial e, também,
com a esfera artística, para a qual tem especial talento e sentido estético.
A Moeda - 23 de Setembro e 22 de Outubro

O seu metal é o Cobre. Usar adereços deste metal faz com


que esteja sempre protegida.

O seu dia de sorte é a sexta-feira.

A sua vela mais favorável é amarela, o seu perfume ideal é de


alfazema, a sua flor é a dália e os seus santos protetores são
São Cosme e São Damião.

A Moeda é mais compatível com o Punhal, as Candeias e a


Taça.
A Adaga - 23 de Outubro e 21 de Novembro
Quando o jovem cigano entra na idade adulta, atravessa um ritual de iniciação e é-lhe oferecida uma adaga. Esta
arma, que tem o poder de matar, representa a transformação, a passagem, a maturidade e, também, o poder de
ter nas suas mãos a vida de outra pessoa. É um objeto muito importante, que tanto serve para proteger quanto
para atacar, desafiando a morte e representando o limiar entre a vida e o fim da mesma. O signo da Adaga está
associado com as mudanças mais profundas que operam dentro de nós, com a conquista da maturidade, com a
entrada na vida adulta, a sexualidade, o poder e os jogos a ele inerentes. O nativo deste signo é extremamente
respeitado e bem conceituado. Enigmático, difícil de conhecer, exerce um fascínio sobre o sexo oposto, sendo-lhe
muito fácil fazer as pessoas que o rodeiam sucumbirem ao seu charme. Assim como a adaga é perigosamente
cortante, o nativo deste signo é acutilante, perscrutador, sabendo entrar no mais íntimo de cada pessoa, como se
soubesse ler a sua alma e desvendar os mais profundos segredos do seu coração. Misterioso e poderoso, o signo
Adaga destaca-se pela sua determinação, pela acutilância e pela forma como parece sempre viver a sua vida "no
fio da navalha". Desafia o perigo e desafia os outros a desafiarem-no: é estimulado pelo atrito, pela luta, pelo
combate. Não liga às aparências, pois as suas preocupações são profundas. É no interior dos outros que procura
as respostas para as suas questões. Sabe, como ninguém, compreender a natureza alheia, antecipando os
passos dos seus inimigos. Possui uma força imensa, que apenas é ameaçada por si próprio. Este nativo que está
sempre no limiar do perigo representa a sua maior ameaça, e quando a sua força não é devidamente contida pode
magoar profundamente até mesmo aqueles que ama. A sua vida atravessa, frequentemente, muitos altos e
baixos. O nativo deste signo ama de forma absoluta, intensa, abrasadora. A sua sexualidade é muito forte, sendo
um dos seus atributos mais notáveis. Exige da pessoa que ama a mesma entrega e dedicação que lhe dá.
Ardente e apaixonado, é como um vulcão que explode ao fazer amor. Os preliminares enlouquecem-no, assim
como as carícias na região genital. Profissionalmente, a Adaga é acutilante e astuta, sendo especialmente dotada
para profissões que envolvam um certo grau de risco e atenção aos adversários. Destemido e determinado, tem
uma personalidade forte e consegue destacar-se em qualquer área em que se envolva.
A Adaga - 23 de Outubro e 21 de Novembro

O seu metal é o Ferro, que deve utilizar num amuleto ou


talismã, conferindo-lhe força.

O seu dia de sorte é a terça-feira.

A sua vela mais favorável é vermelha, o seu perfume ideal é o


almíscar, a sua flor é o crisântemo e o seu santo protetor é
Santo António.

A Adaga é mais compatível com a Coroa, a Roda e a


Ferradura.
O Machado - 22 de Novembro e 21 de Dezembro
O machado era o objeto indispensável para desbravar territórios, para das árvores fazer madeira
para construir as casas e lenha para alimentar o fogo. É, mais do que uma arma de batalha, um
instrumento fundamental de sobrevivência, e como tal este é o símbolo da liberdade, da conquista
de espaço, da destruição dos obstáculos que se impõem ao progresso. O nativo do signo Machado
é independente, ousado e aventureiro e vem ao Mundo com a missão de abrir novos caminhos, de
explorar novos territórios. Pelo entusiasmo que o caracteriza e pelo espírito de aventura que anima
o seu coração, ele constantemente é confrontado com situações que o obrigam a avançar por
terrenos desconhecidos, enfrentando novos desafios. Na maior parte dos casos, é ele próprio que
os procura: ativo e arrojado, não consegue estar parado e a sua forte curiosidade leva-o sempre
mais longe do que, até ele, pensou possível ir. A liberdade é para estes nativos o seu bem mais
precioso, que defendem fervorosamente. Possuem um forte idealismo e um sentido de justiça muito
apurado, procurando sempre defender as causas que lhe parecem mais nobres e protegendo
aqueles que sentem ser mais frágeis. Aventureiro arrojado, ama a vida em todas as suas
manifestações, procura estar constantemente a viajar, a conhecer outras culturas e a fazer novas
amizades e aprendizagens, vivendo numa constante busca de saber e de alargamento de
horizontes. No amor, é entusiasta e divertido, mas precisa de estímulos constantes para continuar
interessado. Apaixona-se facilmente, mas perde depressa o interesse por quem não sabe
acompanhar o seu ritmo acelerado e manter acesa a ardente chama da sua paixão. Gosta de sexo
selvagem, imprevisto e sempre original. Prima pela espontaneidade e tem nas pernas e nas coxas
zonas poderosamente erógenas. Profissionalmente, o Machado não nasceu para obedecer a
ordens nem para cumprir horários. Este é o signo da rebeldia, dos heróis, dos corajosos destemidos
que estão à frente em qualquer frente de batalha. Ativos e determinados, são empenhados em
profissões que envolvam ação.
O Machado - 22 de Novembro e 21 de Dezembro

O seu metal é o Estanho, que pode utilizar em objetos e


acessórios.

O seu dia de sorte é a quinta-feira.

A sua vela mais favorável é púrpura, o seu perfume ideal é o


jasmim, a sua flor é a orquídea e o seu santo protetor é
Santa Cecília.

O Machado é mais compatível com as Candeias, a Estrela e a


Moeda.
A Ferradura - 22 de Dezembro e 20 de Janeiro
Os ciganos acreditam que a ferradura atrai a sorte e a prosperidade, ao mesmo tempo que afasta
as energias negativas. Usada nos cavalos e mulas, representa o trabalho na terra e a luta pela
sobrevivência, o esforço que é necessário fazer para se alcançar alguma coisa mas, também, a
recompensa que advirá desse empenho. Os nativos do signo Ferradura são muito cuidadosos,
trabalhadores e aplicados na conquista das suas metas. Costumam acreditar que tudo se alcança
graças ao esforço, e a verdade é que quase sempre conseguem chegar onde desejam, pois são
muito obstinados e não desistem.

A Ferradura procura a estabilidade e não se deixa deslumbrar pelo brilho fácil nem pelo sucesso
efémero. A vida nem sempre lhe proporciona a possibilidade de enveredar pela carreira dos seus
sonhos, mas não cruza os braços e deita mão a qualquer trabalho que tiver de fazer, pois sabe que
é através dele que obtém o seu sustento. Tem uma forte ligação à terra, e a melhor forma de se
fortalecer e recuperar energias é através do contacto com a natureza.

A nível amoroso, o nativo deste signo procura alguém com quem possa construir uma família para
toda a vida. Embora no início aprecie o mistério, leva o relacionamento amoroso muito a sério e não
gosta de jogos. A sua sexualidade é intensa, mostra-se um amante maravilhoso e ardente, que
cobre de mimos a pessoa amada. Os joelhos, a boca e as costas são os pontos que mais o
excitam.

Profissionalmente, a Ferradura é capaz de aceitar qualquer trabalho, pois não suporta a ideia de
ficar sem dinheiro ou de perder a sua estabilidade. Por vezes é demasiado sério, pois é receoso e
prudente, evitando correr riscos. Muito poupado e trabalhador, é um bom gestor.
A Ferradura - 22 de Dezembro e 20 de Janeiro

O seu metal é o Chumbo. Um objeto decorativo com este


metal irá atrair a sorte para a sua vida.

O seu dia de sorte é o sábado.

A sua vela mais favorável é azul clara, o seu perfume ideal é


limão, a sua flor é a violeta e o seu santo protetor é São
João.

A Ferradura é mais compatível com a Adaga, a Capela e a


Roda.
A Taça - 21 de Janeiro e 19 de Fevereiro

A taça é o objeto presente em todas as celebrações importantes do povo cigano. Num casamento,
os noivos bebem vinho da mesma taça, assim selando a união e o compromisso assumido. Ela
representa, também, a receptividade, pois recebe qualquer líquido dentro dela. Essa receptividade
é um aspeto fundamental da personalidade dos nativos deste signo, pois é ela que os faz estarem
sempre em busca de novas aprendizagens. A Taça é um signo caracterizado essencialmente pela
tolerância, que de igual modo recebe a água mais simples e o vinho mais refinado. O idealismo e a
diplomacia fazem parte dos traços mais marcantes da sua personalidade. Independente e versátil, o
nativo do signo Taça tem uma natureza otimista e procura encarar todas as situações da forma mais
positiva possível. Não se prende a pormenores pois interessa-lhe sempre a visão de conjunto.
Nunca fecha a porta a ninguém e estende a mão a todos os que encontra pelo caminho. Bondoso e
dedicado, o seu coração é capaz de amar o Mundo por igual, tendo sempre uma palavra amiga
para oferecer. No amor, a Taça é romântica mas não procura prender quem ama, pois valoriza a
igualdade e a liberdade. A sinceridade e a cumplicidade são essenciais para ele. A nível sexual,
liberta-se e dá largas à imaginação procurando por em prática as mais loucas fantasias, mas
precisa de sentir sintonia mental e espiritual com a outra pessoa. Os pés, tornozelos e pernas são
os pontos mais erógenos. Profissionalmente, a Taça possui talentos diplomáticos, uma grande
sensibilidade aos outros e muitas vezes até um nível desenvolvido de mediunidade. As profissões
relacionadas com o misticismo e com a ajuda aos outros são muitas vezes indicadas para eles.
A Taça - 21 de Janeiro e 19 de Fevereiro

O seu metal é o Alumínio. Os objetos feitos deste metal


trazem-lhe fortuna.

O seu dia de sorte é o sábado.

A sua vela mais favorável é azul marinho, o seu perfume ideal


é canela, a sua flor é a papoila e o seu santo protetor é São
Vicente.

A Taça é mais compatível com as Candeias, a Estrela e a


Moeda.
A Capela - 20 de Fevereiro e 20 de Março

O povo cigano foi absorvendo a fé e os rituais religiosos das comunidades por onde passava,
e a sua religiosidade reveste-se de aspetos do Catolicismo, de filosofias orientais e de rituais
ligados à magia mais tribal. A sua vida espiritual é, para eles, tão importante quanto o seu
dia-a-dia, a sua luta pela sobrevivência, as labutas quotidianas. A capela é o lugar onde se
encontra com a dimensão mais espiritual da sua existência e se confronta com as questões
mais profundas, como o seu lugar no Mundo. O signo Capela tem, pois, uma sensibilidade
mais apurada em relação a esses aspetos, tendo desde cedo preocupações espirituais
vincadas, questionando permanentemente a sua própria missão. O nativo do signo Capela
tem uma forte empatia com os outros e é exímio em colocar-se no seu lugar. Procura sempre
compreender, sem julgar, é muito emotivo e sensível a tudo aquilo que vê e que presencia.
Tem uma grande necessidade de respostas, e a humildade de se saber mais pequeno
perante um Deus maior. Acredita nos desígnios do destino, tendo uma acentuada veia mística
e dons intuitivos fora do normal. O signo Capela ama com devoção e fervor. Entrega-se de
corpo e alma e procura aceitar a pessoa amada exatamente como ela é, sem procurar mudá-
la. Muito sentimental e carinhoso, apaixona-se para toda a vida e faz amor com o mesmo
fervor apaixonado com que investe na sua fé. Os pés e as costas são os seus pontos mais
erógenos. Profissionalmente, a Capela não procura o lucro pois não é seduzido pelos bens
materiais, mas tem necessidade de se sentir útil e de prestar um bom serviço à comunidade.
O seu trabalho ideal está sempre ligado à ajuda ao próximo.
A Capela - 20 de Fevereiro e 20 de Março

O seu metal é a Platina. Ter um amuleto deste material atrai


proteção e sorte.

O seu dia de sorte é a quinta-feira.

A sua vela mais favorável é verde, o seu perfume ideal é de


glicínia, a flor é o nenúfar e o seu santo protetor é São
Sérgio.

A Capela é mais compatível com a Coroa, o Sino e a


Ferradura.
O Punhal - 21 de Março e 20 de Abril

Como a arma de lâmina cortante, o nativo do Punhal é aquele que enfrenta o Mundo sem
medos, que tem uma sede imensa de viver e desbravar novos territórios, aventurando-se nas
mais diversas conquistas. A sua vida é uma viagem maravilhosa, que lhe traz a satisfação e a
alegria sempre que se sente arrebatado por uma paixão, sempre que consegue concretizar
um feito notável que lhe permita ajudar outras pessoas e sempre que se sente útil e
necessário para a sociedade em que se insere. O Punhal é um líder nato, com uma voz que
se destaca e que gosta de ser obedecido. Não tem medo de lutar, mas joga sempre para
vencer. Dinâmico e arrojado, defende a sua honra e a dos seus com unhas e dentes, mas é
por vezes demasiado autoritário pois não gosta de ser questionado nem que duvidem das
suas capacidades. A sua personalidade é forte e marcante, sendo muito espontâneo e
dizendo sempre aquilo que pensa, doa a quem doer. Por ser muito independente só faz o que
lhe apetece, o que por vezes lhe traz problemas pois não acata ordens facilmente. Irrequieto,
tem necessidade de estímulos constantes no seu dia-a-dia, não gosta de rotinas nem suporta
estar muito tempo sem fazer nada. A sua alma é a de um eterno viajante aventureiro, No
amor, o Punhal não tem limites, ama sem medida e sem freio, e é capaz de ir ao fim do
Mundo para proteger e defender aqueles que ama. Tem uma sexualidade muito forte, com
desejos urgentes e imperiosos. As suas zonas erógenas são o pescoço e a cabeça, e
procura alguém que esteja à altura da sua ousadia e que saiba manter sempre aceso o fogo
latejante da paixão. Na vida profissional, o seu temperamento explosivo faz com que tenha
dificuldade em fixar-se numa atividade, porém o seu espírito de liderança e a sua inesgotável
energia ajudam a que nunca lhe falte dinheiro nem mil e uma formas de o ganhar.
O Punhal - 21 de Março e 20 de Abril

O seu metal é o Ferro. Usar um amuleto deste material é


bastante eficaz para o proteger.
O seu dia de sorte é a terça-feira.
A sua vela mais favorável é vermelha, o seu perfume ideal é
lavanda, a sua flor é o lótus e o seu santo protetor é São
Nicolau.

O Punhal é mais compatível com a Estrela, a Moeda e o


Machado.
As Cartas Ciganas e seus significados
As mensagens das 36 cartas são muito objetivas, algumas simbolizando de maneira bastante clara questões do nosso
dia-a-dia. A prática e o estudo contínuo do significado das cartas permitirão uma leitura cada vez mais profunda. Como
vimos, nos métodos de jogo apresentados anteriormente, é possível saber, através do Baralho Cigano, o resumo da
situação apresentada, seja no passado, na atualidade e até no futuro e mais: o que motivou ou motivará a situação, além
de apresentar na leitura qual o caminho a seguir. Sendo assim, fique atento, pois a eficiência disso tudo dependerá,
voltamos a dizer, do seu preparo e estudo constante das mensagens das cartas.
01 – O Cavaleiro

Orixá Correspondente: Exú

É a carta que fala da realização de


projetos, portanto, não recuar diante
de obstáculos, afinal o rumo está
certo.

Pode indicar, também:


• Transferência de local
• Promoção no trabalho
• Atitudes tomadas ou a se tomar
02 – O trevo

Carta que fala de um período difícil e


de luta contra obstáculos e
adversidades, em geral financeiras,
portanto, não iniciar projetos. É carta
de alerta, mostrando que algo não vai
bem, por isso recomenda uma atitude
de fé em si mesmo, nas próprias
potencialidades e, ainda, não hesitar
em solicitar a ajuda de alguém.
03 – O navio
Orixá Correspondente: Iemanjá
É a carta que fala da necessidade de mudanças: viajar, ir em
busca de novos horizontes. Se parou por algum motivo,
levante e ande; se já está andando, continue. É a carta que
mostra, também, a vida fazendo suas mudanças na vida da
gente, diante das quais, precisamos muitas vezes nos
adaptar.
Representa, ainda:
• A proteção espiritual que se recebe
• A chegada de alguém que não se via há muito tempo
• Mostra os cuidados que devemos ter com o corpo físico,
ou seja, com sua saúde (necessidade de se cuidar, fazer
exames médicos)
Tendo em vista que o Navio está ligado à viagens, mostra a
possibilidade de se lidar com alguma coisa ligada ao
estrangeiro.
04 – A Casa
É a carta da segurança, da proteção e
do equilíbrio, sentimentos gerados
pelo lar, família, parentes e ambientes
com os quais se tenha uma ligação
afetiva. Pode representar, também:
• O lugar onde passamos mais tempo,
podendo ser, portanto, o nosso
trabalho (quem sabe o excesso de
trabalho roubando a energia ou
atenção que se deveria dar ao lar)
• Ajuda recebida dos pais
• Os altos e baixos da vida
• Aquisição de imóveis
05 - A árvore

Orixá Correspondente: Oxóssi


Carta que representa a vitalidade, potencializando todos os
empreendimentos, sejam passados ou futuros. É a carta que
também vitaliza os relacionamentos, além de convidar ao
relaxamento e a se ter os pés no chão. Pode ter, ainda, os
seguintes significados:
• Heranças
• Nossas origens e raízes (antepassados)
• Vale a pena esperar por algo em que se está investindo
• Possibilidade de cura de uma doença, através de práticas
energéticas (Passes, Reiki, etc) ou qualquer outro método de cura
natural
• Pode mostrar um período mais ou menos longo (4 a 5 anos) para
que algo que se realize
06 - As nuvens

Orixá Correspondente: Iansã


Carta que fala da confusão de sentimentos, das dúvidas
e incertezas, gerando uma falta de visão na solução de
problemas, ocasionados, normalmente na família, no
trabalho ou por fofocas, causando depressão, tristezas
e melancolia.

Tem, ainda, as seguintes abordagens:


• "Fazer tempestade num copo d'água"
• Alguém em estado de recuperação de saúde
• Conclusões precipitadas
• Ver uma coisa além do que parece ser
• Mediunidade aflorando
• Energia sexual e sensual em estado de movimento
7 - A Serpente

Orixá Correspondente: Oxumaré

Carta que fala das brigas, discórdias e desarmonias, em


virtude da inveja, falsidade e traição. Olhar em volta,
pois é sinal de alerta contra pessoas traiçoeiras. Outros
enfoques:
• Luta entre o bem e o mal
• Forças malévolas atuando (cuidado contra obsessões)
• Nosso lado mais obscuro (nossos instintos e defeitos)
08 - O caixão

É a carta das perdas materiais e físicas. É o fim ou


morte de algo que acabou, morreu, devendo dar lugar
a um novo crescimento e evolução espiritual.
Enfoques adicionais:
• Perda de algo de maneira violenta (assalto)
• Necessidade de dar solução a um problema
• Doenças
• Baixo nível energético gerado por alguma situação
específica
• Necessidade de desenvolver a espiritualidade

OBS: Esta é uma das daquelas cartas que


recomendamos cuidado na sua interpretação, ou
seja, prudência, pois a morte aqui falada é de algo
que perdeu seu teor energético, acabou.
09 - AS FLORES

Orixá Correspondente: Nanã


É a carta da fraternidade, apontando para amizades,
relacionamentos e sentimentos verdadeiros. É um
convite a deixar que os sentimentos falem por si. É um
período de "conspiração cósmica" a favor do
consulente, em que tudo pode dar certo. Pode
representar, também:
• Conquistas amorosas
• Oportunidades boas que vão aparecer
10 - A Cruz
Orixá Correspondente: Obaluaê
Carta que fala de uma transformação geral,
precedida de uma situação delicada, onde
haverá um corte brusco, um rompimento ou
uma perda, mas que será necessária para
haver um crescimento espiritual. Ou pode ser
algo em nossa vida que está passando por um
período de reavaliação.
Outros aspectos:
• Pode indicar o fim de um sofrimento ou
prejuízo
• Período de "entressafra" e escassez de
recursos
• Necessidade de se tomar uma decisão
• Ter mais serenidade diante das
transformações da vida
11 - OS CHICOTES
Carta que fala da perda da sintonia espiritual, gerando um
desequilíbrio energético e espiritual, com todas as suas
consequências: obsessões, influências negativas e
brigas. O Consulente deve tomar uma atitude: retornar a
frequentar uma Instituição Religiosa (se frequentava) ou
procurar uma; enfim, deve procurar se reintegrar com
sua própria espiritualidade.

Outros ângulos: • "Apanhar da vida"


• Forças místicas incontroláveis
• Disputas e desarmonias na família
• Brigas com amigos ou sócios

OBS: Lembre-se do que falamos, se esta carta vir


acompanhada junto de uma outra que tenha um Orixá
correspondente, pode ser, numa visão da Umbanda ou do
Candomblé, que este Orixá esteja atuando dentro do jogo
12 - OS PÁSSAROS
É a carta da paciência e da fé, mostrando que na
vida tudo tem seu tempo certo, portanto, não ter
pressa e sim intuição e sabedoria para descobrir
esse tempo. Indica romance, namoro, encontro
da alma-gêmea e relacionamentos harmoniosos.
Considerar, também, as seguintes
interpretações:
• Necessidade de "pensar grande"
• Liberdade ou necessidade de se sentir livre
• Proposta de sociedade ou parceria
• Desenvolver uma capacidade reflexão, para
agir com mais sabedoria e calma diante dos
problemas da vi
13 - A CRIANÇA
Orixá Correspondente: Os Êres

É a carta que fala da pureza de


sentimentos, da inocência e da ausência
de medos ou preconceitos, mas que
alerta, também, para a
irresponsabilidade, imaturidade,
fragilidade e tagarelice (falar demais,
principalmente sobre planos e projetos).

Aspectos outros:
• Filhos; Infância
• Início de algo
• Coisas novas
14 - A RAPOSA

É a carta que fala para se ter cuidado


com pessoa sem escrúpulos e com
falsas promessas. Outras
interpretações:

• "Confiar, desconfiando!"
• Aprender a desenvolver estratégias
para conseguir o que quer
• Cuidado com bajulações
• Possibilidade de um engano, uma
mentira
15 - O URSO
É a carta que fala do ciúme, inveja e despeito por
parte de alguém próximo, gerando cargas negativas,
por isso não contar projetos.

Interpretações complementares:
• Pode ser alguém se passando por amigo, mas
querendo tirar proveito próprio de alguma situação
• Pode mostrar a convivência com alguém maternal
• Teimosia
• Reações violentas e impensadas, levando à perda
da razão
• Sexualidade exacerbada
• Algo de curto prazo, portanto, com a necessidade
de se agir rapidamente
• Perigo de doenças do coração
16 - AS ESTRELAS
É a carta da necessidade da autoestima e
da autoconfiança, que facilita a ajuda de
nossos Guias Espirituais, gerando as
situações e oportunidades que
costumamos chamar de sorte e êxito.
Outras interpretações a considerar:
• Resolução de um problema de ordem
afetiva
• Luz para um problema que parecia
insolúvel
• Ajuda de Espíritos Superiores; Anjo da
Guarda
• Ter cuidado com a própria imagem e brilho
pessoal
17 - AS NOVIDADES

É a carta das novidades, surpresas e imprevistos.


É hora de agir e aproveitar uma oportunidade que
surge.

Atentar, também, para estes significados:


• Ter cuidado para que a rotina e a acomodação
não atrapalhem a vida amorosa e profissional
• Mudança de casa ou trabalho
• Mudar algumas coisas na vida pessoal (fazer um
regime, uma plástica, largar um vício...)
• Se sair junto com a carta 34, pode indicar
gravidez
• Saindo ao lado da carta 24, mudança de amor
18 - OS ALIADOS

É a carta da vida social, das amizades e


amigos verdadeiros, gerando a
lealdade, a ajuda e a proteção. No amor
é a fidelidade do outro. É também um
alerta para estar de guarda contra
perigos e inimigos.
19 - A TORRE
É a carta que fala da necessidade de
entrarmos em contato com nosso
mundo interior, ou seja, com nosso
verdadeiro eu, através de uma reflexão
e auto-análise. Negativamente pode
representar estados depressivos e
melancólicos ou um isolamento forçado
(prisão ou hospital).

Aspectos secundários:
• Forte estrutura pessoal
• Elevação espiritual
• Algo que se conquistará e será de
longo alcance
• Necessidade de paciência e espera
20 - OS JARDINS
Orixá Correspondente: Ossaê (ou Osaaim)

É a "sociedade pessoal do consulente", sua


casa, sua rua, sua cidade, enfim, lugares, coisas
e pessoas diante das quais exerce o seu
domínio. É também a necessidade da
reavaliação de nossas semeaduras para o
futuro, o momento propício de se rever metas e
projetos e, quem sabe, refazê-los. Considerar
também:
• Necessidade de lazer e esporte
• Férias e passeios
• Necessidade de contato com a Natureza
• Ampliar os horizontes onde agimos
• Trabalhos de cura com ervas
21 - A JUSTIÇA
Orixá Correspondente: Xangô

Carta que fala dos grandes desafios e dificuldades


geradas por um inimigo ou adversário. Estar
atento, portanto, aos próprios limites e combatê-
los, se necessário, com equilíbrio, firmeza e
perseverança.

Outros aspectos:
• Carta que fala de documentos, e tudo o que for
relacionado com a Justiça (Processos, Leis, etc)
• Perigo da cristalização de idéias (fixação em um
único modo de pensar)
• A família e, principalmente, a figura da mãe
• Algo eterno ou duradouro
• Algo de direito da pessoa
22 - OS CAMINHOS
Orixá Correspondente: Ogum

É a carta do livre-arbítrio e da escolha,


mostrando que há uma saída para tudo na
vida, mas a escolha é sempre nossa. O que
estiver sendo tratado no jogo, pode se seguir
no rumo atual ou ir em busca de novos
caminhos. Seja como for, alerta para se seguir
sempre o caminho reto, com força de vontade
e persistência. Considerar também:
• Perigo de divórcio e separação
• Possibilidade e favorecimento de se
diversificar alguma coisa ou negócio
• Caminhos duplos aparecendo, gerando
dúvidas
• Caminhos abertos
23 - O RATO

É a carta dos desgastes físicos e


financeiros, podendo gerar doenças ou
prejuízos. É um alerta contra o
vampirismo energético (convivência
com pessoas "sanguessuga" que rouba
energias com seu modo de ser).
Também considerar nas interpretações:
• Perigo de desgastes nos
relacionamentos
• Perigo de roubo, assalto
• Cuidar mais dos gastos pessoais
• Tensão emocional, Stress
• Decepção
24 – O Coração
É a carta da paixão e da entrega, seja por uma
pessoa ou uma causa, um sonho ou um projeto.
Carta que mostra nosso lado sensível, nervoso,
bem como atitudes tomadas no calor de uma
paixão.

Aspectos outros:
• Sentimento contrário ao amor: ódio
(dependendo da carta ao lado)
• Grande alegria
• Doenças ligadas aos sistema nervoso
• Amor incondicional
• Dependendo das cartas ao lado, pode surgir um
significado totalmente oposto aos até agora aqui
mostrados: o ódio
25 - A ALIANÇA

É a carta principal que fala,


efetivamente e de modo concreto, de
união, associação, parceria ou
sociedade, seja no campo afetivo ou
profissional. Considerar também estes
aspectos:
• Trabalho em equipe
• Acordo ou consenso sobre algo
• Associação, parceria ou sociedade
• Compromisso (palavra empenhada)
• Casamento (ao lado da 11 não é um
bom casamento)
26 - O LIVRO

Carta que fala do nosso trabalho,


profissão e estudos. Outros aspectos
relacionados com Os Livros:
• Usar o intelecto; desenvolver o poder
da mente através de estudos ou
técnicas de aprimoramento mental
• Necessidade de fazer Cursos
Técnicos
• Mistérios com possibilidade de serem
desvendados
• Alguém com bom nível cultural
27 - A CARTA
É a carta das mensagens e dos avisos,
alertando, também, que há algo de
muito importante por ser ainda revelado
no jogo. Considerar, também:
• É o momento atual do consulente
• Pode representar dívidas e
documentos.
• A necessidade da conversa e do
diálogo na resolução de alguma coisa
• Visita importante de alguém
• Comunicação ou meios de
comunicação
28 - O CIGANO

É a carta que fala de uma


importante figura
masculina (pai, marido,
patrão, protetor, etc. , se o
consulente for mulher). Se
for homem, é o
Consulente, a carta que
representa ele mesmo. É
também, a energia yang,
masculina e positiva.
29 - A CIGANA

É a carta que fala de uma importante


figura feminina (mãe, esposa, protetora
espiritual, etc. , se o Consulente for
homem). Se for mulher o Consulente, a
carta representa ela mesma. É também a
energia yin, feminina e negativa.
30 - OS LÍRIOS

Orixá Correspondente: Oxum

É a carta que indica um período feliz,


cheio de paz e harmonia, marcando o
fim de crises e desafios. É também a
carta da pureza e das virtudes.

OBS: Essa carta, por ser muito positiva,


atenua bastante os efeitos maléficos
das cartas ruins, quando surge ao lado
delas
31 - O SOL
Orixá Correspondente: Oxalá

É a carta da energia positiva, da


vitalidade, da luz e do calor, gerando
uma fase de crescimento, prosperidade
e sucesso.

Afetivamente fala de novos amores.


Outros aspectos:
• Sexo e sensualidade
• Gravidez
• Caminhos se abrindo
• Poder mental, inteligência aguçada
• Sociedade bem sucedida
32 - A LUA
É a carta das forças cósmicas e
espirituais, conclamando o Consulente a
dar mais atenção à sua intuição e aos
seus poderes mediúnicos. Aspectos
complementares da Lua:
• É o aguçamento da imaginação,
portanto, favorecendo atividades em que
a criatividade seja fundamental
• Período de glória e reconhecimento por
seus valores e esforços
• Indica o encontro de um amor espiritual
• Representa o lado feminino, yin
• Romantismo
33 - A CHAVE

Carta que fala da saída ou solução para


problemas, mas recomenda
pessoalmente procurar agir com
destemor, confiança e vontade em
resolvê-los.

Outros aspectos:
• Pode indicar o fim de um sofrimento;
também de um mistério ou segredo
• No trabalho, pode ser a transferência
ou promoção esperada ou, até mesmo, o
emprego aguardado
34 - Peixes

Carta da satisfação pessoal e da


segurança, geradas pela riqueza, bens
materiais,
bons negócios. Fala de lucros seja em
novos empreendimentos ou nos que já
estão em
andamento.

Considerar, também:
• Multiplicação de algo que pode estar
demostrado na carta que estiver ao lado
• Esperança de cura de uma doença
35 - A ANCORA
É a carta da estabilidade emocional e
material, que propicia a realização de
todos
os projetos. É estar bem em tudo: amor,
finanças, saúde, família, trabalho, etc.

Considerar estes aspectos, também:


• Necessidade de ter mais fé em si
mesmo
• Desenvolver uma crença pessoal em
algo (procurar uma Religião)
36 - A CRUZ

É a carta que fala das provas que


sofremos, mas que testam nossas
forças, otimismo e fé, porém o
Consulente pode estar convicto: a vitória
é certa e o crescimento espiritual
também, bastando ter autoconfiança e fé
na Espiritualidade e em Deus.
Resumo dos significados das Cartas Ciganas
1 - CAVALEIRO: estrangeiro; visita; notícia;
acontecimento próximo.
2 - TREVO: Significa destruição, a quebra da harmonia,
desventura, tropeço, a pedra no caminho. Obstáculos.
3 - NAVIO: Viagem; mudança de rumo.
4 - CASA: Equilíbrio.
5 - ÁRVORE: Progresso. Fartura.
6 - NUVENS: Tristeza; instabilidade.
7 - COBRA: Traição.
8 - CAIXÃO: Morte; perdas materiais; fim.
9 - RAMALHETE: Felicidade; altruísmo; generosidade;
fraternidade.
10 - FOICE: Corte; rompimentos; necessidade de abrir
mão de algo.
11 - CHICOTE: Contrariedade; brigas; aborrecimentos;
confusões; rivalidade; demandas.
12 - PÁSSAROS: Pensamento amoroso.
13 - CRIANÇA: Esperança; siga em frente sem
preocupações.
14 - RAPOSA: Cautela.
15 - URSO: Inveja; ciúme; despeito.
Resumo dos significados das Cartas Ciganas

16 - ESTRELA: Êxito; novas oportunidades.


17 - CEGONHA: Mudança; novidades; imprevistos; surpresas.
18 - CÃO: Fidelidade; amizade; vida social.
19 - TORRE: Intimidade; espiritualidade; mundo interior;
reflexão.
20 - JARDIM: Família; respeito ao próximo; causa e efeito.
21 - MONTANHA: Perseverança; firmeza; coerência.
22 - CAMINHO: Caminho; força de vontade; persistência; livre
arbítrio.
23 - RATO: Perda; roubos; prejuízos; pessoas suspeitas.
24 - CORAÇÃO: Sentimento; paixão; amor.
25 - ANEL: União; amizade; relacionamento profissional ou
afetivo; pessoas ligadas a você.
Resumo dos significados das Cartas Ciganas

26 - LIVRO: Segredo; crescimento intelectual; segredo


desvendado ou não.
27 - CARTA: Notícia; comunicação.
28 - HOMEM: A pessoa para quem se joga, se for homem, ou
alguém do sexo masculino.
29 - MULHER: A pessoa para quem se joga, se for mulher, ou
alguém do sexo feminino.
30 - LÍRIO: Virtude; honestidade; proteção.
31 - SOL: Força; energia positiva; crescimento;
prosperidade; melhorias.
32 - LUA: Glória; reconhecimento; misticismo; intuição.
33 - CHAVE: Sucesso; solução.
34 - PEIXES: Dinheiro; bens materiais.
35 - ÂNCORA: Sucesso; vida profissional; estabilidade
financeira.
36 - CRUZ: Destino. Algo que se completa.
Tiragem por três
Nesse modelo de leitura, retiramos três cartas do maço e as colocamos em linha ou na forma de
um triângulo com o vértice para cima, como está indicado no esquema abaixo.

A leitura poderá ser como numa frase com: 1) sujeito, 2) verbo e 3) complemento.
É muito importante aplicar variações com a finalidade de adaptar a função de cada carta ao assunto que será tratado pela a
tiragem. Por exemplo:
• 1. o positivo; 2. negativo; 3. a síntese.
• 1. a causa; 2. o desenvolvimento; 3. os efeitos ou as consequências
• 1. uma alternativa; 2. a outra; 3. a avaliação final.
• 1. a meta, a intenção; 2. os meios para alcançá-la; 3. as consequências
• 1. eu, 2. o outro, 3. as perspectivas.
• o que o consulente poderá esperar se: 1. for em frente, 2. recuar. A terceira carta poderá indicar um conselho ou um
terceiro caminho.
Lembre-se que, do ponto de vista da técnica, o mais importante para quem dirige a jogada é definir ele próprio qual ângulo,
qual aspecto do assunto, que espera ser elucidado pela carta. Desse modo, com a questão claramente definida, ficará muito
mais compreensível o recado de cada carta.
Tiragem em Cruz
Na Tiragem em Cruz contamos com um maior número de ângulos para examinar uma questão.
Retiramos do maço cinco lâminas, que são colocadas de face para baixo, na sequência de posições
indicadas no quadro ao lado.
Há também quem costuma, para conhecer a quinta carta, adicionar os números das quatro já sorteadas.
Neste caso:
(a) se o resultado for menor que 22, tiramos do maço a lâmina que tem esse número e a colocamos no
centro da cruz;
(b) se o resultado for igual a 22, colocamos o Louco. (Ele, porém, quando se encontra entre as quatro
primeiras cartas já sorteadas, é contado com valor zero na adição para se achar a quinta lâmina; é o "Arcano Sem
Número");
Tiragem da Torre - Teca Mendonça
(c) se o resultado for maior que 22, somamos os dois algarismos e esse novo resultado, denominado redução, será o
número da quinta lâmina (por exemplo, se o valor total das quatro cartas sorteadas for 37, somamos 3 + 7 = 10, isto é, a
quinta carta será a Roda da Fortuna);
(d) se a quinta lâmina já tiver saído na tiragem, imaginamos que ela se encontra duplicada no centro.
Variações, entre muitas outras, que podemos atribuir para a função de cada carta:
• 1. a pessoa, 2. o momento, 3. os prognósticos, 4. os desafios a superar, 5. o conselho para lidar com a situação;
• 1. o fato, 2. o que ele causa, 3. onde e quando ocorre, 4. como ocorre, 5. porque ocorre;
• 1. o consulente, 2. o outro, 3. o que os aproxima, 4. o que os separa, 5. a tendência para o futuro ou a estratégia a
seguir;
• 1. o aspecto interno da questão, 2. o aspecto externo, 3. o que é superior ou favorável, 4. o que é inferior ou
desfavorável, 5. a síntese ou resposta.
Tiragem Péladan
Joséphin Péladan (1858-1918), escritor e ocultista francês, divulgou uma técnica de tiragem bastante utilizada. Trata-se de
um esquema simples e útil, idêntico à tiragem em cruz.
A quinta carta é obtida pela soma do valor das quatro primeiras retiradas do maço. Se o resultado ultrapassar 22, será feita a
redução numerológica (teosófica). Veja os detalhes dessa operação na "Tiragem em cruz", logo acima.
São atribuídas as seguintes funções às cartas:
1. O que é favorável, vantajoso. O aspecto afirmativo. Os prós.
2. O que é desfavorável, contrário. Obstáculos e dificuldades. O aspecto negativo. Os contras.
3. Ação, influência. Próximos acontecimentos. O caminho.
4. Resultado. Consequências Solução.
5. Síntese. O sentido de conjunto das cartas.

Oswald Wirth, em seu Tarot des imagiers du Moyen Age, assim descreve o método indicado por Joséphin
Péladan, que ele recebeu por intermédio de Stanilas de Guaita:
1. O primeiro arcano tirado é visto como afirmativo, que fala a favor de uma causa e indica de uma maneira
geral o que está a favor.
2. Em oposição, o segundo arcano é negativo e representa o que está contra.
3. O terceiro arcano retirado representa o juiz que discute a causa e determina a sentença.
4. A sentença é enunciada no arcano retirado em último lugar
5. O quinto arcano esclarece o oráculo que ele sintetiza, pois depende dos quatro arcanos retirados. Cada um destes traz
o número que marca sua posição na série do Tarot. (O Louco, não numerado, é contado como 22). Basta adicionar esses
números inscritos para obter, seja diretamente, seja por redução teosófica, o número do quinto arcano (22 designa o
Louco, 4 o Imperador, 12 o Pendurado, etc.)
Tiragem Kairallah
É o modelo que costumo utilizar em minhas consultas, na complementação da análise do mapa natal e dos trânsitos
astrológicos.
Na primeira tiragem de uma seção, para dar uma visão de conjunto do momento vivido pelo
consulente, as cartas podem ter as seguintes funções:
1. o consulente; como ele se encontra;
2. o seu momento de vida; suas condições atuais;
3. prognósticos, o rumo que sua vida tende a tomar ou o que esperar nos próximos meses;
4. qual a melhor conduta diante da situação definida pelas cartas anteriores. Conforme a tiragem, a
carta pode ser definida como o conselho estratégico para lidar com o assunto em exame.
5. o cenário geral que envolve a questão e dá o tom às demais cartas. Usualmente, neste modelo, é
a carta de corte e que pode ser a primeira desvirada após o sorteio, junto com o maço de cartas
que restou.
O mesmo modelo pode ser aplicado às sucessivas questões que o cliente colocar. As funções atribuídas as cartas 1, 2 e 3 são então adaptadas
a cada assunto. As duas outras cartas mantêm o padrão: 4 – indica o conselho, o caminho oportuno para ser seguido pelo consulente; 5 - (a
carta de corte ou uma carta que for retirada especificamente com esse propósito), delineia o cenário geral, o pano de fundo, as forças que
circunscrevem o assunto. É o praticante, aquele que conduz a tiragem, quem deve definir previamente a função que a carta terá na jogada. Veja
alguns exemplos de variações para as cartas de 1 a 3, conforme o assunto e o interesse do consulente:
• 1. o consulente; 2. o outro (parceiro ou sócio); 3. o desenrolar da relação.
• 1. os pontos fortes ou positivos do tema (trabalho, saúde, projetos, estudos, etc.); 2. seus pontos fracos ou negativos; 3. tendências ou
caminho a percorrer.
• 1. pessoa; 2. a situação específica (relacionamento, trabalho, projeto, etc.); 3. o que esperar.
• 1. o que favorece o projeto (ou a intenção); 2. o que ainda precisa ser trabalhado, melhorado; 3. quais são as perspectivas.
É sempre importante refletir sobre a harmonização entre os prognósticos ou tendências (carta 3) e os conselhos (carta 4). Por vezes a
perspectiva é otimista e o conselho é o de cuidados e reservas. Em outras situações, o prognóstico pode ser modesto e o conselho indicar a
aplicação de energia e empenho. Como acontece com as demais correlações importa aqui, mais do que conhecer os significados das cartas, a
experiência de vida e a maturidade do consultor, o quanto ele trabalhou a delicada questão de dar aconselhamento.
O templo de Afrodite
Uma tiragem bem interessante para fotografar a relação de um casal, nos seus planos racional, emocional e físico (ou
melhor, “químico”). Sete cartas são escolhidas e colocadas em duas colunas, como mostrado abaixo, sendo a última carta
– síntese ou prognóstico da relação – colocada na posição central.

A leitura segue a seguinte lógica:


(1) e (4) – o que ele e ela pensam da relação, qual sua
intenção racional
(2) e (5) – o sentimento de um pelo outro, como vai o coração
(3) e (6) – a atração física de um pelo outro, como vai o tesão
(7) – o resultado ou produto dessas interações: o prognóstico
para esse casal
Também é significativo avaliar o conjunto das três cartas que
representam a figura masculina (1, 2 e 3) e as outras três que
falam do feminino (4, 5 e 6)
Lição da Torre - por Teca Mendonça
Trata-se uma tiragem para examinar e trabalhar situações de
rupturas e quebras de expectativas.
As funções que a taróloga Teca Mendonça atribui às cartas,
deixa claro o propósito desse modelo. São assinalados
diferentes passos para entender compreender o fato em si, seus
sentido espiritual e superior, o motivo da crise e, finalmente, o
trabalho a ser feito.
Funções
1. a porta de acesso;
2. a luz da consciência;
3. a luz da razão; as cartas 2 e 3 constituem a Morada do
Espírito;
4. o plano superior;
5. o que foi destruído, o que era excessivo;
6. o que precisa ser reconstruído na ação;
7. o que precisa ser reconstruído na personalidade.
A Ferradura
Designada "horse" na língua inglesa, a técnica da Ferradura ajuda a avaliar a sequência, o desenvolvimento de uma
situação ou relacionamento. As cartas são dispostas numa curva que lembra uma ferradura de cavalo.

1. O Passado. Os eventos passados que afetam a questão ou situação do


consulente.
2. O presente. Sentimentos, pensamentos ou acontecimentos reais que
influem decididamente sobre o assunto em questão.
3. O futuro imediato. Eventos próximos que irão afetar essa situação e que
até mesmo poderão surpreender o consulente.
4. Obstáculos. O que preocupa o consulente. Dificuldades a superar, que
podem ser atitudes mentais ou dificuldades de ordem prática.
5. As atitudes dos outros. O ambiente, atitudes e pensamentos que as
pessoas ao redor do consulente têm sobre a situação.
6. O caminho de superação. O que deve ser feito para o melhor
encaminhamento da situação. Trata-se de uma sugestão prática par o
consulente.
7. O resultado final. O resultado mais provável. O que se pode esperar se o
consulente seguir o conselho dado pela sexta carta.
O jogo das escolhas e decisões

Hajo Banzhaf em seu "Manual do Tarô" (Ed.


Pensamento) apresenta um modelo de tiragem com 7
cartas, que foi traduzido ao português por "O Jogo
Decisivo". Nele são retiradas as cartas que irão indicar os
dois lados da questão:
7 = o problema;
1, 3 e 5 = influências positivas, "Isso é favorável"
2, 4, 6 = influências negativas, "Isso é desfavorável"
Mais importante que os esquemas prontos, como este
registrado por Hajo Banzhaf, é o cuidado para definir as
funções das cartas do modo mais coerente possível com
a situação a ser examinada.
O jogo das escolhas e decisões 2

Além do esquema acima, existem muitos outros que nos ajudam a


escolher entre as alternativas que a vida e os nossos desejos colocam.
Utilizo para isso as referências básicas da tiragem Kairallah, em que são
retiradas cartas para revelar quatro ângulos de cada alternativa ou
caminho que se apresenta:
1. o que favorece o projeto, a intenção ou o caminho; 2. o que ainda
precisa ser trabalhado, melhorado ou criado; 3. quais são as
perspectivas, prognósticos ou tendências; 4. e qual é o conselho
estratégico, a conduta ou a atitude oportuna.
Tira-se uma carta com a mesma função para os caminhos ou alternativas
colocadas. Isso permite uma comparação entre as facilidades e
dificuldades que seriam percorridas em cada caso, bem como as
previsões e as medidas mais eficazes.
Como sempre acontece quando se trata de opção consciente, e não de
determinação cega, a própria pessoa está convidada a exercer a livre
escolha e a assumir as consequências do caminho que escolheu.
Cruz celta
A tiragem com dez arcanos do Tarô, chamada Cruz Celta (ou Cruz Céltica), é útil quando se quer
examinar uma questão mais a fundo. Ela permite considerar dez diferentes ângulos de um assunto
e, com isso, ampliar a nossa compreensão do tema.
As lâminas, poderão ser colocadas como no esquema ao lado, com a segunda carta cruzando a
primeira.
Com a prática, aprendemos a variar e a fazer adaptações nesse esquema. No entanto, tal como
ocorre nas demais formas de tiragem, é muito importante definir com clareza a função que cada
arcano vai desempenhar na leitura.
Algumas sugestões de diferentes aspectos que podem ser exploradas com cada carta são dadas
a seguir.

1 - A situação. A questão essencial. A atmosfera que o consulente está vivendo.


2 - Os obstáculos. As influências imediatas. As dificuldades da situação.
3 - As metas. As aspirações e ideais do consulente. O seu destino ou o que ele poderá realizar de melhor dentro das
circunstâncias.
4 - As raízes. As bases do passado distante. As causas remotas que determinaram a condição presente.
5 - O passado recente. Acontecimentos que acabaram de ocorrer ou estão ainda ocorrendo.
6 - O futuro. As influências que tendem a se manifestar no futuro imediato.
7 - O consulente. A condição atual do consulente. O retrato fiel do consulente.
8 - A influência do ambiente. A influência do consulente sobre os outros, ou como ele está reagindo à atuação dos
outros. A imagem que o consulente está passando.
9 - O conselho. O melhor caminho a ser adotado pelo consulente. O que lhe corresponde realizar ou tentar.
10 - O resultado final. A síntese. O desfecho. O que se pode esperar se o consulente fizer o que foi aconselhado.
Leitura do Coração – Teca Mendonça
A professora de Mitologia e taróloga, Teca Mendonça, entre outras alternativas utiliza uma
tiragem que serve para compreender como uma pessoa é, qual a sua personalidade, ou
como ela se encontra no momento.
O propósito é responder às perguntas que ajudam a situar a pessoa. Como ela é?
Como está? Como ela me vê?
A peculiaridade técnica desse modelo de tiragem é a utilização de arcanos maiores e
menores em maços separados.
As posições de 1 a 5 (com números em branco no esquema acima) são preenchidas
com Arcanos Maiores e indicam:
1. como vê com a razão; lado consciente;
2. como vê com o coração; é a carta mais importante, mostra como é realmente,
sem manipulação.
3. como age;
4. como era anteriormente;
5. como será no futuro.
Para detalhar e complementar essas informações, são retiradas mais 10 cartas
dos Arcanos Menores:
– as cartas 6, 8, 10, 12 e 14 (números em azul), à direita dos arcanos maiores,
significam o que é mais positivo;
– as cartas 7, 9, 11, 13, e 15 (números em vermelho), à esquerda, indicam o que é
mais negativo.
O Mundo Pessoal – Anamaria Traldi
O sistema de tiragem do Tarô, desenvolvido por Anamaria Traldi, utiliza o conjunto completo dos 78 arcanos.
Sua preferência é pelo The Rider Tarot Deck, também conhecido por Tarô de Waite. Sete cartas são
retiradas do maço, pelo tarólogo, e colocadas na mesa de acordo com o esquema ao lado. Elas são lidas,
inicialmente, na seqüência numérica. A seguir, são interpretadas em suas múltiplas combinações, como é o
caso das diagonais 3-1-2, 6-1-4, 7-1-5 e vice-versa, bem como das linhas 6-5, 7-4 e vice-versa. Com essas
primeiras cartas obtém-se uma visão do cliente e de seu mundo pessoal. Mais 7 cartas podem ser retiradas
pelo próprio consulente, sempre com a mão esquerda, para indicar como ele vê a si mesmo no seu mundo.
Tiragem Anamaria Dutra particular. Essas cartas são colocadas ao lado das anteriores.
Mais uma terceira rodada de sete cartas, retiradas pelo consulente, darão as previsões (possibilidades e
probabilidades) referentes aos assuntos específicos de cada posição.
A essa altura, 90% das questões estarão atendidas. No caso de perguntas adicionais, uma nova série de 7
lâminas poderá ser virada. Para encerrar, o consulente retirará uma carta para ser colocada na posição central, como mensagem ou
conselho do Senhor do Tarô para o momento.
A leitura interativa é possível em todas as direções e amplia os dados para leitura. Por exemplo, na sequência 6-7 a carta na posição 6
indica a bagagem da infância e, na posição 7, como essa estrutura foi trabalhada até o momento presente.
São as seguintes as principais atribuições de cada posição:
1 - o consulente, seu momento atual e aquilo que está buscando elucidar na leitura do Tarô (embora nem sempre tenha plena consciência do
que seja).
2 - o passado recente, acontecimentos ou pessoas que vêm afetando o consulente e influenciando o momento presente.
3 - o futuro próximo, as possibilidades e probabilidades de ocorrências no futuro imediato, planejadas ou não pelo consulente.
4 - as relações íntimas, o casamento, cônjuge, filhos, parentes e amigos próximos.
5 - o plano material, o trabalho, negócios, dinheiro, propriedades, sociedades profissionais, finanças.
6 - a infância, a figura parental forte, os irmãos, o ambiente de criação, as influências que marcaram o processo de amadurecimento. É a
carta que faz o verdadeiro contato com o cliente. Fala das fundações da sua personalidade e do seu mundo secreto.
7 - o psiquismo, as emoções e sentimentos presentes, as condições atuais do inconsciente, o grau de espiritualidade. Também indica a
saúde do consulente.
Mesa Real do Baralho Cigano
O método mais completo e abrangente utilizado no baralho Petit
Lenormand é a Mesa Real. Essa abertura nos dá uma visão geral da vida
da pessoa que está sendo consultada.
Nessa jogada é possível ter a visão de várias áreas da vida do
consulente como a saúde (verificar a posição da carta 5 – A Árvore), o
amor (verificar a posição da carta 24 – O Coração), a parte profissional
(verificar a posição da carta 35 – A Âncora), o relacionamento (verificar a
posição da carta 25 – O Anel), o conhecimento (verificar a posição da
carta 26 – O Livro), as finanças (verificar a posição da carta 34 – Os
Peixes), etc.

Para montar a jogada da Mesa Real é necessário utilizar as 36 lâminas


do baralho Lenormand e, por ser uma jogada bem abrangente, as
previsões feitas nessa jogada duram em média de 3 a 6 meses. Refazer
essa jogada em um tempo inferior a 3 meses não é necessário e, caso o
consulente tem outras questões nesse período, faça outras jogadas
menores e mais específicas com a questão levantada.

A Mesa Real pode ser montada de várias maneiras pois cada cartomante
adapta as jogadas com a sua intuição e com seus mentores espirituais.
As duas formas mais utilizadas são a de 9 colunas por 4 linhas e a de 8
colunas por 4 linhas e na base mais uma linha de 4 cartas e é essa que
iremos demonstrar a seguir.
Mesa Real do Baralho Cigano

Assim que terminar de abrir as cartas


verifique a primeira carta do jogo (Carta “A”)
que é a tônica do jogo, a energia que reina
no momento na vida do consulente. É a
razão das questões do consulente e nos
ajuda a ter uma primeira visão da pessoa.
As cartas nas outras 3 pontas da Mesa
Real nos (Cartas “B”) apoiam e
complementam a tônica do jogo (Carta “A”)
e, com uma visão das 4 cartas já temos
uma visão inicial e ja podemos “sentir” o
resto do jogo.
Mesa Real do Baralho Cigano

O próximo passo é localizar o consulente na Mesa Real, ele é


representado pelo Homem (Carta 28) ou pela Dama (Carta
29). É a partir da localização do consulente na mesa que se
começa a leitura. Verifica-se as cartas que rodeiam a carta do
consulente e temos a energia, o que o rodeia, como lida com
a vida, etc.

Quando localizamos o consulente também localizamos as


cartas “chave” do baralho como as cartas do relacionamento,
do amor, da área profissional, etc e lemos, não só o
posicionamento de cada uma em relação ao consulente,
como também as outras cartas que as rodeiam, como
fizemos com a carta do consulente.
Mesa Real do Baralho Cigano
A localização da carta do consulente na Mesa Real também é muito
importante, é a localização da carta que nos mostra como ele enfrenta a
vida, seu passado, presente e futuro. Veja o significado de algumas
localizações:
Posição 1 – Consulente localizado na primeira linha
Domínio da própria vida, no comando das situações.
Posição 2 – Consulente localizado na primeira coluna
O que importa é o futuro, o que vem pela frente, tem muitos projetos,
sonhos e objetivos a conquistar.
O passado importa pouco ou quase nada no dia a dia e nas suas metas
futuras.
Posição 3 – Consulente localizado na última linha
Literalmente está carregando o todo o peso nos ombros. Vida pesada,
pensamentos que atormentam, corpo, alma e mente casados e pesados.
Posição 4 – Consulente localizado na última coluna
Coisas mal resolvidas no passado. Preso em situações que ficaram para
trás, arrependimentos e pensamentos nas coisas que já passaram.
Grande dificuldade de visualizar o futuro, criar novos objetivos e tecer
planos a médio e longo prazo.
Mesa Real do Baralho Cigano
Agora que já localizamos o consulente na mesa temos as cartas que
representam o passado, o presente e o futuro, veja:

Passado – Esquerda do consulente


Presente – Coluna do consulente
Futuro – Direita do consulente

De maneira mais abrangente temos:

Posição 1 – Presente, pensamentos do consulente


Posição 2 – Futuro imediato
Posição 3 – Futuro
Posição 4 – Futuro distante
Posição 5 – Presente, situação atual
Posição 6 – Passado distante
Posição 7 – Passado
Posição 8 – Passado recente
Mesa Real do Baralho Cigano
Para finalizar o jogo cruzamos as cartas para termos confirmação do que foi lido e, muitas vezes, uma informação
adicional. Para fazer esse cruzamento temos que levar em consideração a posição de cada carta na Mesa Real.
Veja como o jogo deve ser montado e depois desmontado no cruzamento das lâminas, basta seguir a sequencia
numérica da forma mostrada abaixo.
Mesa Real do Baralho Cigano
Jogada 5
Jogada 1 Carta 9 com carta 28 na primeira linha
Carta 1 com carta 36 na primeira linha Carta 10 com carta 27 na segunda linha
Carta 2 com carta 35 na segunda linha
Jogada 6
Jogada 2 Carta 11 com carta 26 na primeira linha
Carta 3 com carta 34 na primeira linha Carta 12 com carta 25 na segunda linha
Carta 4 com carta 33 na segunda linha
Jogada 7
Jogada 3 Carta 13 com carta 24 na primeira linha
Carta 5 com carta 32 na primeira linha Carta 14 com carta 23 na segunda linha
Carta 6 com carta 31 na segunda linha
Jogada 8
Jogada 4 Carta 15 com carta 22 na primeira linha
Carta 7 com carta 30 na primeira linha Carta 16 com carta 21 na segunda linha
Carta 8 com carta 29 na segunda linha
Jogada 9
Carta 17 com carta 20 na primeira linha
Carta 18 com carta 19 na segunda linha
Mesa Real do Baralho Cigano

Curiosidade
O método da Mesa Real no Petit Lenormand também é chamado de Grand Tableau!

Boa leitura!
E não se esqueçam, conhecimento nenhum substitui a intuição e as orientações espirituais em qualquer leitura de tarô
portanto mantenha seu terceiro olho, sua intuição e sua espiritualidade abertos e ligados nas energias superiores.

Você também pode gostar