Você está na página 1de 8

Estrutura atômica

MODELO ATÔMICO DE RUTHRFORD


. Sistema solar;
. O átomo não era uma esfera maciça e que possuía uma região, no centro, densa e positiva;
. O átomo tenha espaços vazios e a partícula alfa (positiva) era repelida por ele;
. PROBLEMAS DO MODELO:
- Possibilidade de grande repulsão entre as partículas;
- Os elétrons perderiam energia e colidiriam com o núcleo.

DESCOBERTA DO NEUTRON
. JAMES CHADWICK.
- ATRAVÉS DO EXPERIMENTO DE IRENE E FREDERICO JOLIOT-CURIE.

ESTUDO DO NÚCLEO ATÔMICO


. O átomo isolado é neutro (número de prótons = número de nêutrons)
. Z = número atômico;
. A = número de massa;
. N = número de nêutrons;
. A = z + n;
. O número de prótons e de elétrons é igual ao número atômico.

ION
Carga elétrica.

CÁTION
. Íon positivo;
. Número de prótons maior do que o número de elétrons;
. Cátion bivalente é aquele que possui carga 2+.

ÂNION
. Íon negativo.

ISOTOPOS
. MESMO NÚMERO ATÔMICO E DIFERENTE NÚMERO DE MASSA;
. Em transformações químicas, o núcleo do átomo permanece inalterado;
. O número de prótons de um átomo é uma característica que não se modifica durante uma reação
química;
. Os experimentos comprovam alterações na eletrosfera dos átomos, e não no núcleo.

ISÓBAROS
. MESMO NÚMERO DE MASSA E DIFERENTES NÚMEROS ATÔMICOS.

ISÓTONOS
. MESMO NÚMERO DE NÊUTRONS E DIFERENTES NÚMEROS ATÔMICOS E DE MASSA.

ISOELÉTRICOS
. MESMO NÚMERO DE ELÉTRONS.

ELEMENTO QUÍMICO
. Conjunto de átomos que apresentam o mesmo número de prótons e o mesmo número atômico e
diferem no número de nêutrons;

Evolução dos Modelos Atômicos


LEUCÍPO E DEMÓCRITOS
. O átomo era indivisível, indestrutível e eterno;

DALTON
. BOLA DE BILHAR;
. O átomo era uma esfera maciça e indivisível;
. PROBLEMAS DO MODELO:
- Existência de isótopos;
- Indivisibilidade do átomo.

THANSON
. PUDIM DE PASSAS;
. DESCOBRIU OS ELÉTRONS;
. PROBLEMAS DO MODELO:
- Possibilidade de grande repulsão eletrostática entre as partículas negativas próximas uma
das outras.

Modelo Atômico Atual e Números


Quânticos
NOÇÕES DE ONDAS
. ONDAS MECÂNICAS:
- Se propagam por meio de um material, como o som.
. ONDAS ELETROMAGNÉTICAS:
- Não precisam de um material para se propagarem, como a luz no vácuo.

ENERGIA QUANTIZADA
. Max Planck;
. A ENERGIA É TRANSMITIDA ENTRE OS CORPOS DE MANEIRA DESCONTÍNUA, QUATIZADA.

MODELO ATÔMICO DE BOHR


. Os elétrons se MOVIMENTAM ao redor do núcleo em órbitas circulares;
. As órbitas (NÍVEIS ou CAMADAS) tem energia constante. Quanto MAIS PRÓXIMO do núcleo MENOR
a sua energia e quanto MAIS DISTANTE, MAIOR A ENERGIA será;
. Um elétron, ao absorver energia, ele SALTA DE UMA ÓRBITA e, quando RETORNA, ele LIBERA a
mesma quantidade de energia que recebeu.

NÍVEIS DE ENERGIA OU NÚMERO QUÂNTICO PRINCIPAL (n)

SUBNÍVEIS DE ENERGIA OU NÚMERO QUÂNTICO SECUNDÁRIO OU AZIMUTAL


(L)

ORBITAL OU NÚMERO QUÂNTICO MAGNÉTICO (ML)


LIGAÇÃO PI
LIGAÇÕES DUPLAS

LIGAÇÃO SIGMA
LIGAÇÕES SIMPLES

SP3- 4 SIGMA - TETRAÉDRICA


SP2- 1 PI, 3 SIGMA – TRIGONAL PLANA
SP- 2 PI, 2 SIGMA - LINEAR

SPIN
. É a orientação de elétrons quanto ao sentido e rotação;
. Spin é o número de setas e será o número que elevará o azimutal.

Tabela Periódica
Critérios de Organização
PERÍODOS
. Linhas na HORIZONTAL;
. Indica o NÚMERO DE CAMADAS QUE UM ÁTOMO POSSUI.

FAMÍLIA ou GRUPOS
. Linhas na VERTICAL;
. Localização dos elementos com PROPRIEDADES SEMELHANTES.

DIVISÃO DA TABELA PERIÓDICA


PROPRIEDADES PERIÓDICAS E APERIÓDICAS
. RAIO ATÔMICO:
- Distância entre as camadas.
. ELETRONEGATIVIDADE:
- mede a tendência dos átomos de receberem elétrons quando se ligam;
- Quanto menor é o raio, maior é a atração nuclear.
. AFINIDADE ELETRÔNICA OU ELETROAFINIDADE:
- Energia liberada quando se adiciona um elétron a um átomo isolado no estado gasoso;
- X(g) + e → X-(g) + energia
. POTENCIAL OU ENERGIA DE IONIZAÇÃO:
- Energia necessária para se RETIRAR um elétron de um átomo isolado, no estado gasoso, em
seu estado fundamental;
- 1ª EI < 2ª EI < 3ª EI <<< 4ª EI
- X(g) + energia → X+(g) + e-
. RAIO IÔNICO:
- RAIO DO CÁTION: raio atômico é maior que o raio do cátion;
- RAIO DO ÂNION: Raio atômico é menor que o raio do ânion;

Soluções
. SOLUTO: substância que SE DISSOLVE;
. SOLVENTE: substância que DISSOLVE O SOLUTO.

CLASSIFICAÇÃO DAS SOLUÇÕES QUANTO À SATURAÇÃO DE ACORDO COM O


COEFICIENTE DE SOLUBILIDADE
. SOLUÇÃO INSATURADA OU NÃO SATURADA:
- Ainda não foi atingido o coeficiente de solubilidade;
- Há presença de precipitado (sistema heterogêneo).
. SOLUÇÃO SATURADA:
- O coeficiente de solubilidade foi atingido.
. SOLUÇÃO SUPERSATURADA:
- O solvente consegue solubilizar uma quantidade de soluto maior que o estipulado pelo
coeficiente de solubilidade;
- Ocorre quando as condições físicas são alteradas.
CURVAS DE SOLUBILIDADE
. CURVAS ASCENDENTES:
- Aumento do coeficiente de solubilidade de acordo com o aumento da temperatura;
- DISSOLUÇÃO ENDOTÉRMICA.
. CURVAS DESCENDENTES:
- Atenuação do coeficiente de solubilidade de acordo com o aumento da temperatura;
- DISSOLUÇÃO EXOTÉRMICA.
. CURVAS COM INFLEXÕES.

CONCENTRAÇÃO DESOLUÇÕES
- Indica a quantidade de soluto dissolvido em determinada quantidade de solução.

CONCENTRAÇÃO COMUM, CONCENTRAÇÃO EM G\L OU CONCENTRAÇÃO (C)

SENDO:
C = concentração comum em g/L;
m1: massa do soluto em g;
V = volume da solução em L.

DENSIDADE (D)

PORCENTAGEM EM MASSA (%M\M)

. TÍTULO:

ou

PORCENTAGE EM VOLUME (%V\V)

PARTES POR MILHÃO (PPM)


- x ppm = __x parte do soluto__
106 partes de solvente (solução)

FRAÇÃO MOLAR (X)


- A SOMA DE TODAS AS FRAÇÕES MOLARES DE TODOS OS COMPONENTES É SEMPRE IGUAL A
1;

CONCENTRAÇÃO MOLAR OU MOLARIDADE (M)


M= m1
M1.V
- m1= massa do soluto;
- M1 = massa molar do soluto (obtida pela fórmula da substância do exercício).

M = n1
v
- n1 = quantidade de matéria do soluto (expresso em mol);
- V = volume da solução (expresso em litros).

RELAÇÃO ENTRE AS CONCENTRAÇÕES


. Concentração comum e molar:
- C = MM1 . M
Em que:
- C = Concentração comum;
MM1= massa molar do soluto;
M = concentração em mol/L (molaridade).
. Concentração comum e título:
- C=d.T

Você também pode gostar