Você está na página 1de 4

DOENÇAS EXANTEMÁTICAS

CRONOLOGIA
Momento do contagio: individuo suscetível, que nunca teve a doença, nunca foi
vacinada e foi exposta ao agente infeccioso
Período incubação: px já foi contaminado, mas não tem nenhuma manifestação
clinica, o agente infeccioso está se replicando em órgãos internos.
DICA: doenças virais  1-3 semanas
Inicio dos sintomas:
- PRÓDROMOS: aquilo q antecede o período principal da doença
 FEBRE (qual o padrão da febre?)
 Sinais típicos
 Enantemas
 O paciente JÁ TRANSMITE O AGENTE INFECCIOSO!!!
- FASE PRINCIPAL:
 EXANTEMA
o Tipo  Maculopapular OU Vesicular
o Progressão  se começa na cabeça, no tronco
o Descamação
- FASE FINAL:
 Convalescência

EXANTEMA COM FEBRE


 SARAMPO
PARAMPO36
- Paramixovírus
C
PRÓDROMOS l EXANTEMA l CONVALESCÊNCIA
Por aerossol
- PI: 8-12 dias / 1-3 sem
- PRÓDROMOS:
 Febre (o dia que a erupção começa, a febre atinge o pico max)
 Tosse, coriza, conjuntivite (fotofobia)
 Mancha de KOPLIK: pequenas máculas brancas com halo de hiperemia ao redor
na face interna das bochechas  PATOGNOMÔNICO
 Complicação + comum: OMA / PNEUMONIA (princ causa de óbito no sarampo)
- EXANTEMA:
o Morbiliforme
o Retroauricular
o Craniocaudal
o Descamação furfurácea

TRATAMENTO
- Vitamina A
- NOTIFICAÇÃO IMEDIATA !
- Profilaxia PÓS-contato
- Vacina até o 3º dia após a exposição ao vírus
A vacina é capaz de fazer produzir anticorpos em menos tempo que o PI do vírus
É uma vacina de vírus vivo
IG: até o 6º dia após a exposição  Imunodeprimidos, Grávidas não vacinada, < 6
meses

1
 RUBÉOLA / RUBOLA
- Togavírus
- PRÓDROMOS:
 Linfadenopatia retroauricular, occipital e cervical
 Sinal de Forschheimer
- EXANTEMA:
 Rubeoliforme
 Progressão Craniocaudal

EXANTEMA APÓS A FEBRE

 ERITEMA INFECCIOSO
Parvovírus B19
- PRÓDROMOS:
 Inespecíficos ou inexistentes

- EXANTEMA:
 Trifásico
1. Face esbofeteada
2. Exantema reticulado – lesões + exuberantes nas superfícies extensoras dos
membros
3. Recidiva
 Progressão Craniocaudal
 Descamação ausente; discreta

 EXANTEMA SÚBITO / ROSÉOLA INFANTIL


Causado pelo Herpes Vírus Humano do tipo 6 (HHV-6)
Comum a partir dos 6 meses, transmitido através de saliva de portadores crônicos.
Depois de curado o vírus permanece no seu organismo por toda vida, de forma
latente, esse vírus pode se reativar.
- PRÓDROMOS:
 Febre alta - Some em crise

- EXANTEMA:
 Maculopapular
 Início em tronco
 Descamação ausente

EXANTEMAS COM VESICULAS


 VARICELA 54
Vírus varicela zoster (VVZ)
Permanece no organismo na forma latente, vários anos depois pode ter reativação do
vírus e desenvolver HERPES ZOSTER.
Contagio: transmissão por aerosol
PI: 1-3 semanas
- PRÓDROMOS: Inespecíficos
 Inespecíficos
 Febre antes da erupção cutânea e costuma desaparecer 3-4 dias após o inicio do
rash

2
- EXANTEMA:
 Vesicular
Maculas – pápulas – vesículas – pústula – crosta
Olha p o px e observa lesões em ± estágios evolutivos em uma mesma região do
corpo
 Polimorfismo
 Extremamente pruriginoso
 Enquanto houver viremia, vão surgir novas lesões
 Lesões que podem acometer qualquer superfície mucosa (oral, conjuntival...)
 Progressão centrífuga, distribuição centrípeta
 Descamação ausente

TRATAMENTO
Aciclovir oral
Indicado em:
o > 12 anos: a partir dessa idade pode ser + grave
o 2º caso no domicilio (contaminado dentro de casa, exposto a uma maior carga
viral)
o Doença cutânea grave ou pulmonar
o Uso de CTC (em dose não imunossupressora)
o Usuário crônico de AAS  síndrome de reye
Aciclovir venoso
o Imunodeprimidos
o RN
o Varicela progressiva

INTERNAÇÃO: PRECAUÇÃO AÉREA!!!


Profilaxia pós-contato:
 Vacina – Varicela 54 – até o 5º dia de exposição (preferencialmente até o 3º dia)
Para fins de bloqueio a vacina pode ser feito em > 9 meses
Vacina de vírus vivo atenuado
 IGHAVZ – imunoglobulina especifica (anti varicela zoster) – até o 4º dia de expos
- Imunodeprimidos e grávidas não vacinadas
- RN pré termo < 28 sem – sempre receber Ig
≥ 28 sem – só recebe se a mãe NUNCA teve varicela
- RN de mãe com varicela (5d antes – 2d após parto)
- Controle de surto hospitalar em < 9 meses

 MÃO-PÉ-BOCA
Coxsackie A16
 Vesículas mãos e pés
 Pápulas região glútea
 Vesícula em cavidade oral

EXANTEMA + ALTERAÇÕES ORAIS

 ESCARLATINA
Streptococo do grupo A (SGA)
Exotoxina pirogênica
Pode ter + de 1 vez, porque tem + de toxina

3
- PRÓDROMOS:
 Doença estreptocócica: faringite
 Enantema peculiar  língua em morango
Papilas linguais hipertrofiadas

- EXANTEMA:
 Lesões micropapulares eritematosas  pele em LIXA (áspera)
 Sinais clássicos:
o Pastia piora previa (PPP)
o Filatov
 Centrifuga
 Descamação lamelar

 MONONUCLEOSE
Virus Epstein barr (EBV)
Contato intimo com o paciente  Doença do beijo
PI: 40 dias
o Faringite
o Linfadenopatia GENERALIZADA
o Esplenomegalia
o EXANTEMA – após amoxicilina

 DOENÇA DE KAWASAKI
Febre alta de pelo ou menos 5 dias
+ (4):
- Conjuntivite não purulenta, não exsudativa
- Alterações nos lábios e cavidade oral
- Adenomegalia (manifestação menos encontrada)
- Exantema (vai ser pior na região inguinal)
- Alterações nas extremidades – descamação nas pontas dos dedos

Doença típica em < 5 anos

Você também pode gostar