Você está na página 1de 45

CAPITULO I

TENSÃO ALTERNADA

Uma tensão ca pode ser produzida por um gerador, chamado de alternador. Um gerador
simples de uma única espira mostra que a rotação da espira inserida no campo magnético, gera
uma tensão induzida através de seus terminais. Uma rotação completa é chamada de ciclo.

MEDIÇÃO ANGULAR

Pelo fato dos ciclos de tensão corresponder à rotação da espira em torno de um círculo, os
trechos desse círculo são expressos em ângulos. O círculo completo vale 360°. Em radianos
um ciclo é igual a 2π, logo 360° = 2π rad

CORRENTE ALTERNADA

Quando uma onda senoidal de tensão alternada é ligada a um resistor, a corrente também é
uma onda senoidal, portanto a corrente alternada varia periodicamente em sentido e
intensidade no tempo.
A tensão forma uma onda senoidal de amplitude VP (tensão máxima). A onda senoidal é
escrita pela forma : v = VP sen θ onde, v é o valor instantâneo da tensão, V P é o valor máximo,
e θ é o ângulo de rotação.

1
FREQUÊNCIA E PERÍODO

Freqüência é o numero de ciclos por segundo, seu símbolo é o f e sua unidade é o hertz (Hz).
O intervalo de tempo para que o ciclo se complete é chamado de período, o seu símbolo é o T
e sua unidade o segundo (s).
A relação entre freqüência e período é dada pela equação: f = 1 / T

VALORES CARACTERÍSTICOS

Os valores característicos de uma onda são:


 Valor de pico Ip
 Valor médio Im
 Valor eficaz ou quadrático médio (rms) Ief

O valor de pico é o valor máximo. O valor pico a pico é o dobro do valor de pico.
O valor médio corresponde a média aritmética sobre todos os valores numa onda senoidal para
meio ciclo. Corresponde a 0,637 do valor de pico (Vm = 0,637xVP).
O valor eficaz de uma corrente alternada corresponde a 0,707 vezes o valor de pico, é a
quantidade de corrente contínua capaz de produzir a mesma potência de aquecimento em R
(Vef = 0,707xVP).

2
ÂNGULO DE FASE

É a diferença angular de uma onda em relação a outra. Em relação a corrente e tensão, é o


deslocamento da onda senoidal representativa da corrente em relação à tensão. Portanto o
ângulo de fase é sempre o ângulo que a corrente faz com a tensão.

Elemento R

Num resistor puro a corrente fica em fase com a tensão.


Elemento L

Num indutor puro a corrente fica atrasada de 90° em relação a tensão.


Elemento C

3
No capacitor puro a corrente fica adiantada de 90° em relação a tensão.
FASORES

É a representação gráfica das ondas de tensão, corrente e impedância. O comprimento da seta

indica o módulo da tensão ou corrente, e o ângulo que a seta forma com o eixo horizontal

indica o ângulo de fase.

Tomemos as duas ondas mostradas acima:

Circuito Resistivo Puro

Circuito Indutivo Puro

Circuito Capacitivo Puro

4
O comprimento da seta indica o módulo da tensão alternada e o ângulo que a seta forma com a
referencia indica o ângulo de fase.
Exercícios:
1. Calcule a corrente instantânea quando  = 30 e 225 para uma onda de corrente ca,
onde o valor de pico é 100mA, e localize esses pontos na forma de onda.
50 mA e -70 mA
2. A freqüência da faixa de áudio estende-se de 20 Hz até 20kHz. Calcule a faixa do
período para estas áudio freqüências. 50 ms, 0,05 ms

3. Se uma tensão ca tiver um valor de pico de 155,6V, qual será o ângulo de fase para o
qual a tensão instantânea é de 110V ? 45°

4. A onda seno de uma corrente alternada exibe um valor máximo de 80 A. Que valor de
corrente cc produziria o mesmo efeito de aquecimento ? 56,6 A

5. Uma tensão ca de 120V é aplicada através de uma carga resistiva de 20Ω. Calcule os
valores médio, pico e pico a pico para a corrente e tensão.

6. Um forno elétrico consome 7,5 A de uma fonte cc de 120 V. Qual o valor máximo de
uma corrente ca capaz de produzir o mesmo efeito térmico ? Calcule da linha ca.

7. Um amperímetro ca indica uma corrente com valor rms de 22 A através de uma carga
resistiva e um voltímetro indica uma queda de 385 V rms através da carga. Quais os
valores de pico e os valores médios da corrente e da tensão alternada ?

5
CAPITULO II

INDUTORES
O Indutor é constituído de fio condutor enrolado sobre material ferromagnético. É aplicado em
eletricidade e eletrônica; em transformadores, circuitos de sintonias, geradores, motores, etc.
Como não existem indutores de todos os valores, é necessário associá-los para termos os
valores desejados.
Indutância – É a capacidade que um indutor possui de induzir tensão em si mesmo quando a
corrente varia. O símbolo é L e sua unidade é o Henry (H).

Associação em série

Aplicando-se uma tensão V , ela se divide nas tensões parciais V1, V2 e V3, logo:
V = V1 + V2 + V3 sendo, V = L ∆i / ∆t logo, L = L1 + L2 + L3 onde L é a indutância.

Associação em paralelo

6
Como ∆i = ∆i1 + ∆i2 + ∆i3 e ∆i = V ∆t / L logo, 1 / L = 1 / L1 + 1 / L2 + 1 / L3

Para 2 indutores vem, L = L1 . L2 / L1 + L2 .

Indutância Mútua

Quando 2 bobinas forem colocadas muito próxima uma da outra surgirá uma indutância
mútua, resultante da interação das linhas de campo magnético de cada bobina. Esta interação
poderá ser subtrativa ou aditiva dependendo do sentido da corrente que circula na bobina.
Reatância Indutiva

A reatância indutiva XL, é a oposição a corrente ca devida à indutância do circuito. A unidade


da reatância é o Ohm (Ω ) e a fórmula é:
XL = 2πf L , onde f é a freqüência ( Hz ) e L a indutância ( H ).

Circuitos Indutivos

RL série

Em um circuito série a corrente é a mesma tanto na resistência quanto na reatância indutiva,


provocando uma queda de tensão nos dois elementos do circuito. Sua representação fasorial é
conforme acima mostrado.
Sendo VT = √ VL2 + VR2 e o ângulo de fase Ө ou  é dado pela tangente,assim, tg Ө = VL / VR,
então Ө = arctg VL / VR

Impedância série

7
A impedância série é constituída pela soma fasorial da resistência e da reatância indutiva,
sendo que o fasor resistência está em fase com a corrente e o fasor reatância defasada de 90°
da corrente, portanto a impedância Z = R + j X L. O ângulo de fase é dado pela tangente com
segue:
.tg Ө = XL / R ; Ө = arctg XL / R

Exemplo:

Dado um circuito em série, de um resistor de resistência R = 48 [] e um indutor de


reatância XL = 36 [Ω] alimentado por uma tensão alternada senoidal V = 120[V] (figura 16);
determinar:
a) A impedância b) A corrente
c) A tensão nos terminais do resistor d) A tensão nos terminais do indutor
e) O ângulo de defasamento f) O diagrama fasorial das tensões e da corrente.

Solução:
a) Impedância Z
Z = √ R2 + XL 2 = √ 482+362 = √ 3600 = 60 . . Z = 60 [Ω]

b) Corrente I
I = V = 120 = 2 A ; I = 2 [A]
Z 60

8
c) Tensão VR
VR = R . I = 48 x 2 = 96 V ; VR = 96[V]

d)Tensão VL
VL = XL I = 36 x 2 = 72 ; VL =72[V]

e) Ângulo 
= tan-1 XL / R = tan-1 36 / 48 = 36,9 ; = 36,9 [º]

f)Diagrama vetorial.

RL paralelo

Em um circuito paralelo a tensão aplicada VT é a mesma tanto na resistência quanto na


reatância.
Como a corrente que passa pelo resistor está em fase com a tensão e a corrente que passa pelo
indutor está atrasada de 90°em relação a tensão, a corrente total é a soma fasorial das duas
correntes.
IT = √ IR2 + IL2

O ângulo de fase é dado por: Ө = arctg – IL / IR

9
Impedância paralela

ZT = VT / IT

Exemplo:
Dado um circuito em paralelo, de um resistor de resistência R = 24 [Ω] e um indutor de
reatância XL = 10 [Ω], alimentado por uma tensão alternada senoidal V = 120 [V] , determinar:
a) A corrente em R b) A corrente em L
c) A corrente total d) A impedância
e) O ângulo de defasamento f) O diagrama vetorial das correntes e da tensão.

Solução:
a) Corrente IR
IR= V = 120 = 5 ; IR = 5[A]
R 24

b) Corrente IL
IL= V = 120 =12 ; IL = 12[A]
XL 10

c) Corrente I
IT = √ IR 2 + IL 2 = √52 + 122 = √ 25 + 144 = √ 196 = 13 ; IT =13[A]

d) Impedância Z
Z = V = 120 = 9,23 ; Z = 9,23 [ Ω]
I 13

e) Ângulo 
= tan-1 – IL / IR = arctg - 12 / 5 = - 67,4 ; = - 67,4 [°]

f) Diagrama vetorial (figura32).

10
Exercícios:
1. Qual a indutância total de dois indutores em paralelo com valores 8 e 12 H ?

2. Qual deve ser a indutância de uma bobina a fim de que ela tenha uma reatância de 942
Ω a uma freqüência de 60 kHz ? 2,5 mH

3. A bobina de sintonia de um radiotransmissor tem uma indutância de 300µH. Para que


freqüência ela terá uma reatância indutiva de 3768 Ω ? 2MHz

4. Uma bobina de choque (ou de reatância) de resistência desprezível serve para limitar a
corrente através dela em 50mA, ao ser aplicada aos seus terminais uma tensão de 25
Vem 400 kHz. Calcule a sua indutância. 0,20 mH

5. Calcule a reatância indutiva de uma bobina de choque de 0,5 H para: a) 200 Hz, b)
2000 Hz, c) 20 kHz, d) 2 MHz

6. Uma bobina de 2mH num circuito de sintonia entra em ressonância em 460 kHz. Qual
a sua reatância indutiva nesta freqüência? 5.778 Ω

7. Um indutor de 6 H e outro de 22 H estão ligados em série e conectados a uma tomada


de 120 V ca e 60 Hz. Suponha que suas resistências sejam desprezíveis e que eles não
possuam indutância mútua. Qual a reatância indutiva equivalente e que corrente
consomem ? 10.550Ω, 11,4 mA

8. Um circuito ca com RL em série tem uma corrente de 1 A de pico com R = 50Ω e X L =


50Ω. Calcule VR , VL , VT e . Faça o diagrama de fasores entre VT e I.

9. Se um R = 50Ω e um X L = 70Ω estiverem em série ao se aplicar 120 V aos seus


terminais, quais serão os valores de Z, , I, VR e VL ? Qual o ângulo de fase de VT , VR
e VL com relação a I. 86Ω, 54,5°, 1,4 A, 70 V, 98 V.

10. Um circuito de proteção contra raios contém uma bobina de 55,7mH em série com um
resistor de 6. Que corrente fluirá ao ser testado com uma tensão de 110V e 60Hz?
Que potência irá consumir esse circuito de proteção? 5,05 A, 153 W

11
11. Qual a impedância ZT de um R = 200Ω em paralelo com XL = 400Ω. Suponha que a
tensão aplicada VT seja de 400 V. 178,6Ω

CAPACITORES
Um capacitor é um dispositivo elétrico cujo objetivo é introduzir capacitância ao circuito, é
formado por duas placas condutoras de metal separadas por um dielétrico, onde é armazenada
a carga elétrica.
O capacitor de alta tensão é formado por várias bobinas, separadas por folhas superpostas de
papel dielétrico, prensadas. São ligadas em série ou em paralelo para se obter o valor de
capacitância desejada.

Capacitância ( F )
É a capacidade de armazenamento de carga elétrica, sendo igual a quantidade de carga
dividido pela tensão aplicada as placas.
C=Q/V
Capacitores em série

A capacitância total é dada por: 1 / CT = 1 / C1 + 1 / C2 + 1 / C3 .


Para 2 capacitores em série temos: CT = C1 C2 / C1 + C2 .

Capacitores em paralelo

12
A capacitância total é dada por: CT = C1 + C2 + C3.

Reatância Capacitiva
A reatância capacitiva é a oposição a corrente ca devido à capacitância no circuito. Pode ser
calculada pela fórmula:
XC = 1 / 2πf C
Circuitos Capacitivos
A corrente no capacitor está adiantada de 90° em relação à tensão aplicada nele.

RC série

A tensão total será a soma fasorial da tensão no resistor com a reatância capacitiva.
VT = √ VR2 + VC2
O ângulo de fase é dado por: Ө = arctg – (VC / VR )

Impedância RC série
A impedância como no circuito RL é dado por Z = √ R2 + XC2 .
O ângulo de fase é dado por Ө = arctg – (XC / R )

Exemplo:

13
Dado um circuito em série, de um resistor de resistência R = 24 [Ω], e um capacitor de
reatância XC = 32 [Ω], alimentado por uma tensão alternada senoidal V = 120 [V] ;
determinar:
a) A impedância b) A corrente
c) A tensão nos terminais do resistor d) A tensão nos terminais do capacitor
e) O ângulo de defasamento f) O diagrama fasorial das tensões e da corrente

Solução:
a) Impedância Z
Z= √R2 + XC2 = √ 242 + 322 = √1600 = 40 Z = 40[Ω]

b) Corrente I
I = V = 120 = 3 I = 3[A]
Z 40

c) Tensão VR
VR = RI = 24x3 = 72 VR = 72 [V]

d)Tensão VC
VC = XC . I = 32x3 = 96[V] VC = 96[V]

e) Ângulo 
= tan-1 XC = tan-1 32 = 53,1 = 53,1 [º]
R 24

f) Diagrama vetorial

RC paralelo

14
Como a tensão em um circuito paralelo é a mesma, temos que a corrente total I T, é dada por IT
= √ IR2 + IC2 e o ângulo de fase é dado por  = arctg IC / IR.

Impedância RC paralela
A impedância é obtida pela divisão da tensão total pela corrente total.
ZT = VT / IT

Exemplo:
Dado um circuito em paralelo, de um resistor de resistência R = 25 [ ] e um capacitor de
reatância XC = 60 [ Ω ], alimentado por uma tensão alternada senoidal V = 120 [V] ,
determinar:
a) A corrente em R b) A corrente em C
c) A corrente total d) A impedância
e) O ângulo de defasamento f) O diagrama vetorial das correntes e da tensão.

Solução:
a) Corrente IR
IR = V = 120 = 4,8 IR = 4,8 [A]
R 25

b) Corrente IC
IC = V = 120 = 2 IC=2[A]
XC 60

c) Corrente IT
IT = √IR2 + IC2 = √ 482 + 22 = √23,04 + 4 = √27,04 = 5,2 I = 5,2 [A]

15
d) Impedância Z
Z= V = 120 = 23,1 Z = 23,1 [Ω]
IT 5,2

e) Ângulo :
= tan-1 IC / IR = tan-1 2 / 4,8 = 22,6 = 22,6 [°]

f) Diagrama vetorial

Impedância complexa
Os elementos do circuito podem ser expressos em termos de sua impedância complexa Z.
Como a impedância é um número complexo, pode ser situada no plano complexo. Entretanto
como a resistência nunca pode ser negativa, somente são utilizados o primeiro e o quarto
quadrantes.

16
Exercícios:
1. Temos 3 capacitores de 0,1F, 0,5F e 0,25F ligados em série. Calcule a
Capacitância total do circuito e a reatância capacitiva do grupo de capacitores ligados a
um circuito em 60Hz.

2. Qual a reatância de um capacitor de 500 pF em a) 40 kHz, b) 100 kHz e c) 1200 kHz?


7.950 Ω, 3.180 Ω, 265 Ω

3. Um sinal de 10V e 1 MHz aparece através de um capacitor de 1200pF. Calcule a


corrente que passa pelo capacitor. 75,2 mA

4. Calcule a impedância de um capacitor se sua reatância for de 40 e sua resistência for
de 20. 44,7 Ω

5. Calcule a impedância de um circuito capacitivo para um sinal de áudio de 1,5 kHz se a


resistência for de 2000 e a capacitância de 0,02F. 5.670 Ω

6. Uma capacitância de 3,53µF e uma resistência de 40Ω estão ligados em série através
de uma fonte ca de 110 V e 1,5 KHz. Calcule X C, Z, θ, I, VR, VC e P. 30Ω, 50Ω,
-36,9°, 2,2 A, 88 V, 66 V, 193,6 W.

7. Um resistor de 15Ω e um capacitor de 20Ω de reatância capacitiva estão dispostos em


paralelo ligados a uma linha de 120 V. Calcule IR, IC, IT, θ e ZT.

8. Um capacitor de 1nF está em paralelo com um resistor de 4000Ω e ligado a uma fonte
de 79,5 V. Calcule IC, IR, IT, e a porcentagem de IT que passa pelo resistor para uma
audiofreqüência de 1 KHz e uma radiofreqüência de 2 MHz.

9. Um circuito formado por um capacitor de 30ΜF em série com um reostato está ligado a
uma linha de 120 V, 60 Hz. Qual deve ser o valor da resistência a fim de permitir o
aparecimento de uma corrente de 1 A? 81,2 Ω

10. Um resistor de 20 e um capacitor de 7,95F estão ligados em paralelo a uma fonte de
100V e 2kHz. Calcule as correntes nos ramos e a total, o angulo de fase e a
impedância. 5 A, 10 A, 11,2 A, 63,4°, 8,9 Ω

17
POTÊNCIA EM CORRENTE ALTENADA

Em corrente alternada, tanto a tensão quanto a corrente variam com o tempo, e também a
potência.

A potencia em corrente alternada é expressa por: P = V I cos , onde  é o ângulo formado


entre a tensão e a corrente.

CIRCUITO PURAMENTE RESISTIVO


Num circuito puramente resistivo, a tensão e a corrente estão em fase, logo, o ângulo de
defasamento = 0 [ ° ].
A potência P será dada por:
P = VI cos. cos = cos 0° = 1
P = VI, que é igual à potência do circuito de corrente contínua.
CIRCUITO PURAMENTE INDUTIVO
Num circuito puramente indutivo, a corrente está 90° atrasada da tensão, logo = -90° [ ° ]. A
potência P será dada por:
P = VI cos  , como cos  = cos (-90°) = 0 , logo P=0

CIRCUITO PURAMENTE CAPACITIVO


Num circuito puramente capacitivo, a corrente está 90° adiantada da tensão, logo = 90°. A
potência P será dada por:
P = VI cos  como cos = cos 90° = 0 , logo P=0

POTÊNCIA REAL (ATIVA)


Como já foi visto, a potência em corrente alternada é dada por P = VI cos, que é chamada de
potência real (ou ativa) e sua a unidade [W] (watt) ou [KW] (quilo-watt). Esta é a potência que
realmente se transforma em calor, consumindo energia.

POTÊNCIA APARENTE
No circuito de corrente alternada, o produto tensão x corrente (V.I) não é potência real. Isto
apenas representa uma potência aparente. É simbolizada por S e usa a unidade [VA] (volt-
ampère) ou [KVA] (quilo-volt-ampère).

18
POTÊNCIA REATIVA
A componente I sen , atrasada ou adiantada de 90° em relação à tensão, que representa a
corrente nos elementos reativos do circuito (reatância indutiva e capacitiva), chamada de
componente reativa.
Q = VI sen  [VAR]

RELAÇÃO ENTRE POTÊNCIAS

Do triangulo da impedância temos:

19
Destas relações, a potência relacionada no circuito RLC ca é consumida somente no resistor R,
a potência reativa se apresenta apenas na reatância X e a potência aparente é distribuída pela
impedância Z.

Exercícios:
1. Um circuito de proteção contra raios contém uma bobina de 55,7mH em série com um
resistor de 6. Que corrente fluirá ao ser testado com uma tensão de 110V e 60Hz?
Que potência irá consumir esse circuito de proteção? 5,05 A, 153 W

2. Uma resistência de 50 e uma reatância de 120 estão ligadas em paralelo numa linha
ca de 120V. Calcule as correntes nos ramos e a corrente total, a impedância e a
potência consumida. 2,4 A, 1 A, 2,6 A, 46,2 Ω, 288 W

3. Uma tensão ca de 120 V e 60 Hz é aplicada a um circuito em série formado por um


resistor de 10 e capacitor de reatância igual a 15. Calcule a impedância, o angulo
de fase, a corrente na linha, a queda de tensão no resistor e no capacitor e a potência.
Desenhe o diagrama de fatores. 18 Ω, 56,3°, 6,67 A, 66,7 V, 100V, 444W

4. Um resistor de 20  e uma reatância indutiva de 15 são dispostos em paralelo numa


linha ca de 120V. Calcule as correntes nos ramos, a corrente total, a impedância e a
potência consumida. 6 A, 8 A, 10 A, 12 Ω, 720 W

5. Uma capacitância de 3,53µF e uma resistência de 40Ω estão ligados em série através
de uma fonte ca de 110 V e 1,5 KHz. Calcule X C, Z, θ, I, VR, VC e P. 30Ω, 50Ω,
-36,9°, 2,2 A, 88 V, 66 V, 193,6 W.

20
6. Uma tensão ca de 120 V e 60 Hz é aplicada a um circuito em série formado por um
resistor de 10 e um capacitor de reatância igual a 15. Calcule a impedância, o
angulo de fase, a corrente na linha, a queda de tensão através do resistor e do
capacitor, e a potência. 18Ω, 56,3°, 6,67 A, 66,7 V, 100 V, 444 W

7. Determinar a impedância do circuito que solicita 5040VA, com fator de potencia 0,894
adiantado, com um fasor tensão aplicado V= 1500°.

8. Em um circuito constituído de R = 10Ω em paralelo com Z = 8∟-30°, a corrente total


é de 5 A. Determinar P, Q e Fp

9. A corrente eficaz de uma dada impedância é 18 ampères acarreta 3500 volt-ampères


com fator de potência 0,76 atrasado. Achar a impedância.

FATOR DE POTÊNCIA
O cos , que é a relação entre a potência real e a potência aparente é chamado de fator de
potência, e é muito importante.
Para uma mesma potência, quanto menor o fator de potência, maior a corrente, e,
conseqüentemente, aumentam as perdas por aquecimento e desgaste nas instalações. É
considerado bom um fator de potência o mais próximo de 1 ou 100% possível.
Exemplo:
Dado o circuito da figura 7, construído de um resistor R = 8 [Ω] e um capacitor C = 442 [F],
alimentado por uma tensão V = 100 [V] e freqüência f = 60[Hz], determinar:
a) a reatância capacitiva b) a impedância
c) a corrente d) o fator de potência
e) a potência ativa f) a potência aparente
g) a potência reativa h) a potência sobre o resistor
i) a tensão sobre o capacitor j) o diagrama vetorial das potências

Solução:

21
Exercícios
1. Um amperímetro, um voltímetro e um wattímetro são ligados no circuito de um motor
de indução 1ϕ e indicam, respectivamente, 10 A, 220V e 1990W.
Determinar:
a) o fator de potencia do motor
b) a impedância do circuito
c) a resistência efetiva

2. Uma impedância de 4-j3Ω foi ligada a uma fonte de 100V. Determinar os seguintes
elementos do circuito:
a) a resistência efetiva d) o fator de potencia g) a potencia reativa
b) a reatância e) a potencia aparente
c) a intensidade da corrente f) a potencia ativa

CIRCUITOS MONOFÁSICOS
Circuitos RLC série

22
A impedância será a resultante da soma das reatâncias, pois elas se encontram no mesmo eixo,
com a resistência, ou seja Z = R  j ( XC + XL ) . Ou Z = √ R2 + X2 .
A tensão total será igual a soma das quedas de tensão dos elementos do circuito sendo esta
soma feita de forma fasorial. E o ângulo de fase será  = arctg V / VR , sendo V a soma da
tensão no capacitor com a tensão no indutor, ou  = tan-1 (XL – XC) / R.

Exemplo:
Dado um circuito em série, de um resistor de resistência R = 64 [Ω], um indutor de reatância
XL = 72 [Ω] e um capacitor de reatância XC = 24 [Ω], alimentado por uma tensão alternada
senoidal V = 120 [V], determinar:
a) A impedância b) A corrente
c) A tensão nos terminais do resistor d) A tensão nos terminais do indutor
e) A tensão nos terminais do capacitor f) O ângulo de defasamento
g) O diagrama vetorial das tensões e da corrente

Solução:

a) Impedância Z
Z = √¯R2 + (XL -XC )2 = √ 642 +¯(72-24)2 = √ 6400 = 80 Z=80[Ω]

b) Corrente I
I = V = 120 = 1,5 .. I = 1,5 [A]
Z 80

23
c) Tensão VR
VR = RI = 64x1,5 = 96 VR = 96 [V]

d) Tensão VL
VL = XL . I = 72x1,5 = 108 VL = 108 [V]

e) Tensão VC
VC = XC . I = 24x1,5 = 36 VC = 36[V]

f) Ângulo 
= tan-1 XL – XC = tan-1 ( 72 – 24) / 64 = 36,9 = 36,9 [º]
g) Diagrama vetorial

RESSONÂNCIA EM SÉRIE
No circuito RLC série, mantendo a tensão V [V] e variando a freqüência f [Hz], a reatância
(XL- XC ) [Ω] varia. Quando VL = VC, temos um circuito puramente resistivo, e dizemos que o
circuito está em ressonância, com a corrente máxima.
A figura abaixo mostra o diagrama vetorial do circuito RLC série em ressonância.

A freqüência de ressonância fr (figura 27) é determinada por:

24
Exemplo:
Dado um circuito em série de um resistor de resistência R = 25 [Ω], um indutor de indutância
L =159 [mH] e um capacitor de capacitância C = 15,9 [F], alimentado por uma tensão
alternada V = 120 [V] (figura 28); determinar:
a) A freqüência de ressonância b) A corrente máxima
c) A tensão nos terminais R d) A tensão nos terminais L
e) A tensão nos terminais C f) O diagrama vetorial das tensões e da corrente

Solução:
a) Freqüência de ressonância fr.
fr = 1 = 1 = 100 fr = 100 [Hz]
2π√LC 2π√159 x 10-3 x 15,9 x 10-6

b) Corrente máxima I
I = V = 120 = 4,8 I = 4,8 [A]
R 25

c) Tensão VR
VR = V = 120[V]

d) Tensão VL
VL = XL . I = 2 π fr LI
=2 π x 100 x 159 x 10-3 x 4,8 = 480 . . VL = 480 [V]

e) Tensão VC
VC = VL = 480 [V]

25
f) Diagrama vetorial

Exercícios:
1. Na frequência w = 400 rad/s a corrente está avançada de 63,4° no circuito da figura.
Achar R e a tensão em cada elemento do circuito. 20Ω

2. A corrente em um circuito série de R = 5Ω e L = 30mH se atrasa em relação à tensão


aplicada em 80°. Determinar a frequência e a impedância Z.

RLC paralelo

Sendo a tensão a mesma, a corrente total será a soma fasorial das correntes em cada elemento,
respeitando o fasor correspondente. Sendo assim teremos que a corrente total será a raiz

26
quadrada da divisão da diferença entre a corrente do capacitor e do indutor pela corrente do
resistor.
Caso tenhamos a corrente do indutor maior do que a do capacitor, teremos um circuito
indutivo, caso contrário, o circuito será capacitivo.
O ângulo de fase será  = arctg I / IR , sendo I a diferença da corrente no capacitor com o
indutor.
A impedância será o resultado da divisão da tensão total com a corrente total.

Exemplo:
Dado um circuito em paralelo, com um resistor R = 50 [Ω], um indutor com X L= 40 [Ω] e um
capacitor com Xc = 60 [Ω], alimentado por uma tensão alternada senoidal V = 120[V],
determinar:
a) A corrente através do resistor b) A corrente através do indutor
c) A corrente através do capacitor d) A corrente total
e) A impedância f) O ângulo de defasamento
g) O diagrama vetorial das correntes da tensão

27
RL em paralelo com RC

28
A corrente total é o fasor soma de I 1 e I2 nos ramos, que deverão ser calculadas conforme o
circuito série RL série e RC série. O ângulo de fase total pode ser calculado através do arctg da
resultante seno dividido pela resultante coseno das correntes.

Exemplo:
Para o circuito abaixo, calcule a corrente total, o ângulo de fase e a impedância deste circuito.

Solução:
XL = 2π.f.L = 8Ω XC = 1 / 2π.f.C = 4Ω

Para o ramo RL temos:

Z = √ 62 + 82 = 10Ω  = arctg XL / R = 53,1° I1 = VT / Z = 60 / 10 = 6 A

A componente horizontal da corrente é: I1 . cos (-53,1°) = 3,6 A


A componente vertical da corrente é: I1 . sen (-53,1°) = - 4,8 A

Para o ramo RC temos:

Z = √ 42 + 42 = 5,66Ω  = arctg ( - XC / R ) = - 45° I2 = VT / Z = 60 / 5,66 = 10,6 A

A componente horizontal da corrente é: I2 . cos (45°) = 7,5 A


A componente vertical da corrente é: I2 . sen (45°) = 7,5 A

O somatório da componente horizontal é : 3,6 + 7,5 = 11,1 A


O somatório da componente vertical é : - 4,8 + 7,5 = 2,7 A

A corrente total será a soma fasorial das componentes horizontal e vertical.


IT = √ 11,12 + 2,72 = 11,4 A
O ângulo de fase será:  = arctg 2,7 / 11,1 = 13,7°

E a impedância total será : ZT = VT / IT = 60 / 11,4 = 5,26Ω

29
Exercícios:
1. Determinar a corrente total e a impedância total do circuito abaixo: 15,8∟-18,45°

2. Determinar a corrente em cada elemento do circuito abaixo:

3. Calcule IT, Ө, Fp e ZT para os circuitos abaixo.

30
4. Achar as correntes nos ramos e as potencias totais. 18,4∟107,1°, 9,19∟54°
I=25∟90°

5. O diagrama fasorial tensão-corrente mostrado abaixo é para um circuito paralelo de 2


ramos. Achar as impedâncias dos ramos e a total.

I2=15∟0° 5,39∟21,8°
4,24∟-45°
2,83∟-16,2°

IT
I1=11,8∟-66,8°
V=63,6∟-45°

6. Achar Z, se V = 50∟30°V e I=27,9∟57,8° A

7. Achar as correntes nos ramos para os circuitos abaixo:

31
8. Calcule o fator de potencia do motor de uma máquina de lavar roupa se esta consome 4
A e 420W de uma linha ca de 110V.

9. Um amperímetro, um voltímetro e um wattímetro são ligados no circuito de um motor


de indução 1ϕ e indicam, respectivamente 10 A, 220V e 1990W. Determinar o fator de
potencia do motor, a impedância do circuito e a resistência efetiva. 0,86; 22Ω; 18,92Ω

10. Uma impedância de 4-j3Ω foi ligada a uma fonte de 100 V. Determinar a resistência
efetiva, a reatância, o fator de potencia e as potencias ativa, reativa e aparente.

11. Uma fonte de alimentação de 50V está ligada através de um circuito RLC série com R
= 3Ω, XL = 6Ω e XC = 2Ω. Calcule a potencia aparente, a potencia ativa, potência
reativa e o fator de potência, e desenhe o triângulo de potências.

12. Uma corrente de 8 A segue uma tensão de 250V formando um ângulo de 30°. Qual o
fator de potência e a potência ativa consumida pela carga?

13. Determinar o triangulo de potências totais do circuito abaixo, sendo de 20W a potencia
no resistor de 2Ω.

14. No circuito abaixo a potência no resistor de 10 Ω é de 600 W. Achar o triangulo de


potências do circuito.

32
15. Determinar o triangulo de potencias em cada braço e o total.

16. Duas impedâncias Z1= 545° e Z2= 1030° estão em série e tem um Q total de
1920VAR atrasado. Achar a potência média e a potência aparente.

17. Duas impedâncias Z1= 4-30° e Z2= 560° estão em paralelo submetidos ao fasor
V=200°. Determinar o triângulo de potências de cada braço e o total.

18. Tres impedâncias estão em série: Z1=3∟45°, Z2=20√2∟45° e Z3=5∟-90°. Achar a tensão
aplicada, se a tensão através de Z1 é 27∟-10°.

19. No circuito abaixo, a potencia no resistor de 3 Ω é 666 W e o circuito completo solicita


3370 VA com um Fp de 0,937 adiantado. Achar Z. 2,82 Ω

20. Um circuito ca em paralelo é ligado a uma fonte de 220 V, 60 Hz. Sabendo-se que um
dos ramos do circuito contém 30 Ω de resistência e 40 Ω de reatância indutiva, e que o
outro ramo apresenta 50 Ω de resistência e 80 Ω de reatância capacitiva, determinar a
impedância total, a corrente total o ângulo de fase, e o triangulo de potencias.
Z = 53∟22,I = 4,1 A, 811,8 W
902 VA

21. Uma fonte de tensão V = 240 ∟-30° alimenta três impedâncias em paralelo, Z 1 =
25∟15°, Z2 = 15∟-60 e Z3 = 15∟90° Ω. Achar o triângulo de potências de cada ramo
e combiná-los para obter o triângulo de potências total, e o fator de potencia total.
4140W, 1115VAR, 4290VA, 0,965

22. O fator de potencia de uma carga ligada a uma fonte de 120 V 60 Hz é elevada de
0,707 AT para 0,866 AT, ligando-se uma carga capacitiva de C = 53μF em paralelo.
Qual o valor da potencia consumida? 680,7W

33
CORREÇÃO DE FATOR DE POTÊNCIA

Devido o uso de cargas indutivas nas instalações, temos que fazer com que a potencia reativa
seja a menor possível para que se tenha um sistema mais eficiente. Quanto menor o fator de
potência, maior o consumo de reativos, conseqüentemente necessitamos de uma quantidade
maior de potência aparente para termos a potencia ativa necessária.

A hipotenusa S dá uma indicação da carga no sistema de distribuição, P mede a potência útil


fornecida, portanto é desejável que se aproxime de S, fazendo o ângulo tender a zero, logo cos
 tende a 1.
A legislação do setor elétrico prevê a cobrança de um ajuste devido ao baixo fator de potência.

Principais Causas do Baixo Fator de Potência

Motores operando em vazio


Motores superdimensionados
Transformadores operando em vazio ou com pequenas cargas
Transformadores superdimensionados
Lâmpadas de descarga
Grande quantidade de motores de pequena potência

Para se corrigir o fator de potência é necessário fazer com que a corrente fique o mais próximo
possível em fase com a tensão, isto é, o ângulo de fase deve ser o menor possível, isso se
consegue colocando cargas capacitivas em paralelo com a carga indutiva.
Objetivos principais da melhoria do fator de potência:

 Redução dos custos da energia;


 Liberação de capacidade do sistema;
 Redução das perdas do sistema.

De modo geral, quando se pretende corrigir o fator de potência de uma instalação surge o
problema preliminar de se determinar qual o melhor método a ser adotado.
A seguir abordaremos os métodos utilizados na prática e que poderão servir como modelo para
a orientação de cada caso específico.
Alteração das Condições Operacionais ou Substituição de Equipamentos.
As primeiras medidas que se deve aplicar para correção de baixo fator de potência são aquelas
relacionadas às condições operacionais e características dos equipamentos, observadas nas
descrições das principais causas de sua ocorrência, apresentada no item Principais Causas do
Baixo Fator de Potência.

34
Correção por Capacitores Estáticos (Capacitores Shunts)

A correção do fator de potência através de capacitores estáticos constitui a solução mais


prática em geral adotada.
Entretanto, alguns cuidados devem ser tomados, para que os capacitores não sejam usados
indiscriminadamente. Podem os capacitores, em princípio, ser instalados em quatro pontos
distintos do sistema elétrico:

a) Junto às grandes cargas indutivas (motores, transformadores, etc.);


b) No barramento geral de Baixa-Tensão (BT);
c) Na extremidade dos circuitos alimentadores;
d) Na entrada de energia em Alta-Tensão (AT).

Exemplo:
Um motor de indução consome 1,5 kW e 7,5 A de uma linha de 220 V, 60 Hz. Qual deverá ser
a capacitância de um capacitor em paralelo a fim de se aumentar o Fp total para 1 ?
Solução:
Calcular o ângulo de fase:
PM = VM . IM . cos  cos = 1,5 x 103 / 220 . 7,5 = 0,909
 = arccos 0,909 = 24,6°

Calcular a potência reativa: QM = VM . IM . sen  QM = 687 VAR

A potência reativa capacitiva necessária para anular a potência reativa indutiva deverá ser
igual a esta, portanto QC = 687 VAR. Como a potência reativa num capacitor puro é também
sua potência aparente temos que:
QC = SC = VC . IC  IC = 687 / 220 = 3,12

XC = VC / IC  XC = 220 / 3,12 = 70,5 Ω

XC = 1 / 2π.f.C  C = 37,6µF

Exercícios:
1. Um motor monofásico solicita 200w com um Fp = 0,8 (em atraso), quando é ligado a
uma fonte de 220 V e 60 Hz. Um capacitor é ligado em paralelo com o motor, para
tornar unitário o fator de potencia do circuito. Determinar a capacitância requerida.

2. Uma carga de 300 kW e Fp 0,65 atrasado tem seu Fp melhorado para 0,9 atrasado com
a adição de capacitores em paralelo. Quantos kVAR de capacitores são necessários?
204 kVAr

3. A carga de uma instalação consome 2000kVA de uma linha de 240 V com um Fp de


0,7 indutivo. Calcule o kVAR necessário para um conjunto de capacitores em paralelo
com a instalação fazer o Fp total valer 0,9 indutivo. 753 kVAR

35
4. Um motor consome 2 kW e 10 A de uma linha de 220 V e 60 Hz. Calcule o KVAR e a
capacitância de um capacitor em paralelo que elevará o Fp total para 1. 50µF

5. Um motor de indução solicita 6 A com um Fp de 0,8 quando ligado a uma fonte de 208
V, 60 Hz, que valor de capacitância deverá ser ligado em paralelo com o motor para
tornar unitário o fator de potencia do circuito? Qual será, então, a intensidade da
corrente fornecida? 46 µF
4,8 A
6. Uma linha de 220 V libera 15 kVA para uma carga com 80% do Fp atrasado. Calcule o
Fp de um motor síncrono de 12 kVA em paralelo para elevar o Fp até 100%.
66,1%

7. Uma associação RL série num circuito CA tem R = 8Ω e X L = 10Ω e uma fonte de 156
V. Liga-se um capacitor através da associação. Qual deverá ser a reatância de capacitor
se o circuito total tiver um Fp de uma unidade? 16,4Ω

8. Um transformador de 500 KVA está operando a plena carga com fator de potencia
total de 0,6 atrasado. O fator de potência é melhorado acrescentando-se capacitores em
paralelo até que o novo fator de potencia seja 0,9 atrasado. Quantos KVAR capacitivos
são necessários?

9. Achar a capacitância necessária para corrigir o fator de potência para 0,95 atrasado de
um circuito composto de uma fonte de 120∟0° em paralelo com a impedância de
20∟30° e um capacitor. Considerar a freqüência de 60 Hz. 28,9µF

10. Uma carga industrial de 25 kVA tem um fator de potência total de 0,8 atrasado.
Instala-se um grupo de resistências de aquecimento corretoras com fator de potência
unitário e o fator de potencia da instalação passa para 0,85 atrasado. Quantos kW
resistivos foram necessários? 4,3 kW

11. Uma carga de 5 KVA com Fp = 0,8 AT é combinada com um banco de capacitores em
paralelo, seu fator de potencia total é 0,9 AT.A tensão aplicada ao circuito é de 220 V.
Determinar o valor da capacitância total do banco de capacitores. 58μF

12. Um motor de indução de 220V e 20 A consome 3 KW de potencia. É colocada uma


carga capacitiva de 4 KVA em paralelo para ajustar o fator de potencia para 1. Qual
deve ser o Fp da carga capacitiva?

13. Um Trafo de 25 KVA fornece 12 KW a ma carga com Fp = 0,6 AT. Determinar a %


plena carga qe o trafo alimenta. Desejando-se alimentar cargas com Fp = 1 com o
mesmo trafo, quantos KW podem ser acrescidos até qe o trafo esteja a plena carga?

36
CAPITULO III

SISTEMA TRIFÁSICO

Definição

No sistema 3, a potência fornecida pôr um gerador C.A. produz 3 tensões alternadas no qual
a energia elétrica é transmitida por meio da composição dos três sinais de tensão defasados de
120 entre si.
A cada sinal de tensão alternada atribui-se o nome de fase.

A usina elétrica: energia trifásica


A usina elétrica produz energia CA em três diferentes fases simultaneamente, sendo que as
três possuem 120º de defasagem uma em relação à outra.
Não há nada mágico sobre a energia trifásica. São simplesmente três fases sincronizadas e
defasadas em 120 graus.

Por que três fases? Por que não uma, duas ou quatro? Em um sistema com uma ou duas
fases, existem 120 instantes por segundo que uma onda senoidal cruza o 0 volt. Já em um
sistema trifásico, em qualquer instante uma das fases está próxima do pico. Dessa forma, há
um ganho com relação à potência para os motores trifásicos de alta potência (usados nas
aplicações industriais) e os equipamentos de solda trifásicos, por exemplo. Quatro fases
não representariam uma melhora significativa neste cenário, mas acrescentariam um quarto
cabo; então, a opção natural é o sistema trifásico.

Estrela e Triângulo
As cargas trifásicas podem ser interligadas ao sistema de dois modos distintos:

 em estrela: um dos terminais das cargas é conectado a uma das fases do sistema
enquanto o outro terminal é conectado a um ponto comum que é o neutro utilizado para
se medir as tensões de fase.

37
 em triângulo, também chamado de delta: nesta configuração um dos terminais das cargas é
conectado a um outro terminal de outra carga e as fases do sistema são interligadas nos pontos de junção
dos terminais da carga.

Estrela (símbolo: Y)Triângulo ou delta (símbolo: Δ)


CARGAS TRIFASICAS EQUILIBRADAS

Circuito trifásico em estrela

No circuito em estrela (ou Y) as fontes de cada fase (e impedâncias da carga) são conectadas a
um nó comum denominado neutro, resultando em um arranjo físico que lembra o seu nome. A
Figura dá o exemplo da ligação em Y de fontes e cargas.

O ponto comum é denominado neutro (N e N'). Desde que o circuito é supostamente


simétrico e equilibrado, pode-se em princípio deduzir que o potencial de ambos é igual e,
portanto, não há corrente entre eles. Assim, a ligação dos pontos neutros é teoricamente
desnecessária.

Nos circuitos trifásicos são comuns as designações:


• Tensões ou correntes de fase são as tensões entre terminais dos elementos (fontes ou cargas)
ou as correntes que circulam por eles.
• Tensões ou correntes de linha são as tensões entre os condutores de interligações ou as
correntes que circulam por eles.

A tabela abaixo mostra os símbolos aqui usados para a ligação Y-Y da Figura 01.

Fonte - Valores de fase Valores de linha Carga - Valores de fase


Tensão Corrente Tensão Corrente Tensão Corrente
VAN IAN VAB IA VA'N' IA'N'
VBN IBN VBC IB VB'N' IB'N'
VCN ICN VCA IC VC'N' IC'N'

38
IA = VAN / Z IB = VBN / Z IC = VCN / Z

Circuito Trifásico em Delta

Os conceitos de tensões e correntes de fase e de linha são os mesmos já informados para a configuração Y. A
tabela abaixo dá os símbolos usados para o circuito em estudo.

Fonte - Valores de fase Valores de linha Carga - Valores de fase


Tensão Corrente Tensão Corrente Tensão Corrente
VAB IAB VAB IA VA'B' IA'B'
VBC IBC VBC IB VB'C' IB'C'

39
VCA ICA VCA IC VC'A' IC'A'

IA = IAB – ICA
IB = IBC – IAB
IC = ICA - IBC

As fases podem estar na seqüência ABC (sentido anti-horário), ou na seqüência CBA (sentido
horário).

As tensões trifásicas podem estar ligadas em  ou . Na ligação em estrela as correntes de


fase, e de linha são iguais, enquanto que a tensão de linha é  3 vezes a tensão de fase (VL =
3 VF ) . Na ligação em triângulo ( ou delta ) , são iguais as tensões de linha e fase, porém as
correntes de linha são 3 vezes as correntes de fase ( IL = 3 IF ).

O ponto neutro da ligação em estrela fornece o quarto condutor do sistema à quatro


condutores. Sendo IN = - (IA + IB + IC).

40
A escolha de uma tensão na referencia com ângulo de fase nulo determina os demais ângulos
de fase.
Escolhendo-se a tensão VBC como referencia, nós temos :

SEQUENCIA ABC SEQUENCIA CBA


VAB = VL  120 VAB = VL  240
VBC = VL  0 VBC = VL  0
VCA = VL  240 VCA = VL  120
VAN = ( VL /  3 )  90 VAN = (VL /  3 )  - 90
VBN = ( VL /  3 ) - 30 VBN = (VL /  3 )  30
VCN = ( VL /  3 ) - 150 VCN = (VL /  3 )  150

Exemplo 1:
Três impedâncias iguais de 15 60° Ω são ligados em ∆ a um sistema CBA trifásico, a três
condutores, 208 V. Achar as correntes de linha.

1° passo, achar as correntes de fase :


IAB = VAB / Z = 208  240° / 15 60 = 13,87  180°
IBC = VBC / Z = 208  0° / 15  60° = 13,87  - 60°
ICA = VCA / Z = 208 120° / 15 60° = 13,87  60°
2° passo, calcular as correntes de linha, fazendo a soma fasorial das correntes de fase, como
segue:
IA = 13,87  180° - 13,87  60° = 24  - 150°
IB = 13,87  -60° - 13,87  180° = 24  - 30°
IC = 13,87  60° - 13,87  - 60° = 24  90°

Exemplo 2:
Uma carga equilibrada em estrela com impedância de 15  - 45° Ω é ligada a um sistema CBA
trifásico, 480 V. Determinar as correntes de linha.

Solução:
As correntes de linha são calculadas diretamente pela Lei de Ohm.

IA = VAN / Z = 480 / √3  - 90° / 15 - 45° = 18,5  - 45°


IB = VBN / Z = 480 / √3 30 / 15  15 - 45° = 18,5 75°
IC = VCN / Z = 480 / √3 150° / 15 -45° = 18,5 195°

Exercícios:

41
1) Três impedâncias de 42 ∟-35° Ω são ligadas em ∆ a um sistema ABC trifásico, a 3
condutores, 350 V. Determine as correntes de linha e a potência total.

2) Uma carga equilibrada em estrela com impedâncias de 6 ∟45° Ω é ligada a um


sistema CBA trifásico, a quatro condutores, 208V. Determinar as correntes de linha
incluindo o neutro.

3) Uma carga equilibrada em estrela com impedâncias de 65 ∟-20°Ω é ligada a um


sistema CBA trifásico, 480V. Determinar as correntes de linha e a potência total.

4) Um sistema 3ϕ CBA, 4 condutores, 208 V, alimenta uma carga em Y, com impedância


20∟-30° Ω. Calcular IL .

5) Um sistema 3ϕ ABC, 3 condutores, 100 V, alimenta carga equilibrada Δ constituída


por impedâncias de 20∟45°. Determinar IL .

6) Tres impedâncias 15,9∟70° ligada em Δ a um sistema CBA 3ϕ, 100 V. Determinar a


corrente de linha e a potencia total. .

7) Três impedâncias iguais de 10 ∟53,1° Ω são ligados em ∆ a um sistema CBA 3Φ, a


três condutores, 240 V. Achar as correntes de linha, pelo método comum e pelo
método do equivalente monofásico.

CIRCUITOS 1 EQUIVALENTES P/ CARGAS EQUILIBRADAS

Um sistema trifásico genérico pressupõe, no mínimo, o triplo de trabalho para modelar o


circuito de cada fase e as interações entre eles. Um método de estudo consagrado são as que
um circuito trifásico pode ser decomposto em três circuitos monofásicos.

Esta modelagem é usada em estudos de sistemas de potência, e corresponde a uma fase do


circuito 3 a quatro condutores em estrela, sendo que a tensão tem amplitude igual à de linha
para neutro e de angulo de fase 0 .

A corrente de linha calculada para esse circuito tem um angulo de fase referido ao angulo de
fase da tensão.
As correntes de linha reais IA , IB , IC estarão avançadas ou atrasadas, em relação às respectivas
tensões de linha para neutro , do mesmo ângulo de fase.
Exemplo:

42
Três impedâncias iguais de 10 ∟53,1° Ω são ligados em ∆ a um sistema CBA 3Φ, a três
condutores, 240 V. Achar as correntes de linha, pelo método comum e pelo método do
equivalente monofásico.

Calculo da tensão de fase na ligação em estrela : VL = √3 VF 


VF = VL / √3 = 240 / √3 = 138,6 0° V
A impedância em um sistema equilibrado quando transformada de ∆ para Y divide-se o valor
da impedância por 3, logo: ZY = Z∆ / 3 = 12 / 3 = 3,3 53,1° Ω
Em um sistema estrela IL = IF = VF / Z = 138,60° / 4 53,1° = 42 - 53,1° A

As correntes de linha na seqüência CBA serão: IA = 42 - 53,1° - 90° = 42  - 143,1°


IB = 42 -53,1° + 30° = 42 - 23,1°
IC = 42 -53,1° + 150° = 42 96,9°

Potência em cargas trifásicas equilibradas

Carga em delta Carga em estrela

IL = √3 IF e VL = VF IL = I F e VL = √3 VF

PF = VF IF cos  PF = VF IF cos 

PT = 3 PF PT = 3 PF

PT = 3 VF IF cos  PT = 3 VF IF cos 

PT = 3 VL IL/ √3 cos  x √3 / √3 PT = 3 VL/ √3 IL cos  x √3 / √3

PT = √3 VL IL cos  PT = √3 VL IL cos 

Onde θ é o ângulo de fase entre tensão e corrente na impedância, ou seja, o ângulo de fase da
carga.

Em resumo as potencias são dadas pelas equações :

PT = √3 VL IL cos 

QT = √3 VL IL sen 

ST = √3 VL IL

Exercícios:

43
1) Uma carga equilibrada em triangulo com impedâncias de 27∟-25°Ω e uma carga
equilibrada em estrela, com impedâncias de 10∟-30°Ω, são ligadas a um sistema ABC
3Φ, 208V. Determinar as correntes de linha e a potencia em cada carga.

2) Três impedâncias iguais de 9 ∟-30°Ω em ∆ e três impedâncias de 5∟45°Ω em Υ, são


ligadas ao mesmo sistema ABC trifásico, a três condutores, 480 V. Determinar a
amplitude da corrente de linha e a potência total.

3) Um sistema trifásico a 100V alimenta uma carga equilibrada em ∆ com impedâncias de


10∟-36,9°Ω e uma carga equilibrada em Υ, com impedâncias de 5∟53,1°Ω.
Determinar a potência em cada carga e a amplitude da corrente de linha total.

4) Três impedâncias iguais de 12∟30°Ω em ∆ e três impedâncias de 5∟45°Ω, em Υ, são


ligadas ao mesmo sistema ABC trifásico, 208V. Determinar as correntes de linha e a
potência total.

5) Um sistema CBA 3ϕ, com tensão eficaz de linha de 106,1 V tem uma carga ligada em
Δ equilibrada com impedâncias Z = 15 ∟30°Ω. Obter as correntes de linha e de fase.

6) Um sistema 3ϕ, 176,8 V, fornece energia a 2 cargas equilibradas, uma em Δ com


impedâncias Z = 15∟0°Ω e outras em Y com impedâncias Z = 10∟30°. Obter a
potencia total.

7) Uma carga em Δ com Z = 27∟-25°Ω e uma em Y com Z = 10∟30° são alimentadas


pelo mesmo sistema, ABC, 3ϕ, VCN = 169,8∟-150°. Obter as correntes de linha.
35,8∟117,36, ∟-2,64, ∟-122,64

8) Uma carga em Δ com impedâncias Z = 10∟-36,9° e uma carga em Y são supridas pelo
mesmo sistema ABC, 3ϕ, VCA = 141,4∟240°. Se IB = 40,44∟13,41° A, quais as
impedancias ligadas em Y ? 50∟-53,3°

9) Um sistema 3ϕ CBA a 3 condutores, 240V, alimenta uma carga em Δ constituída por


ZAB=25∟90°, ZBC=15∟30° e ZCA=20∟0°. Achar as correntes de linha e a potencia
total.

10) Um sistema ABC 3ϕ a quatro condutores, 208 V, alimenta uma carga em Y onde Z A=
10∟0°, ZB=15∟30° e ZC=10∟-30°. Determinar as correntes de linha, a corrente do
neutro e a potencia total.

44
11) Uma carga em Δ, com ZAB=10∟30°, ZBC=25∟0° e ZCA=20∟-30°, está ligada a um
sistema 3ϕ ABC, 3 condutores, 500V. Achar as correntes de linha e a potencia total.
75∟90°, 53,9∟-68,2°, 32∟231,3°, 42,4KW

12) Uma carga em Y, com ZA= 12∟45°, ZB=10∟30° e ZC=8∟0°, está ligada a um
sistema CBA de 208V a quatro condutores. Determinar as correntes de linha, a
corrente do neutro e a potencia total.

13) Uma carga em Y com Z A= 3+j0Ω, ZB=2+j3Ω ZC=2-j1Ω, está ligada a um sistema
CBA 3ϕ de 100V a 4 condutores. Determinar as correntes de linha e do neutro.
19,25∟-90°, 16∟-26,3°, 25,8∟76,6°, 27,3∟63,3°

BIBLIOGRAFIA

Gussow, Milton.
Eletricidade Básica / Milton Gussow ; tradução Aracy Mendes da Costa. – 2ª ed. rev.-
São Paulo : Makron Books, 1996.

Apostila do Senai – Espírito Santo – Cia Siderúrgica de Tubarão

Apostila do Senai – Wagner da Silva Zanco

Cavalcanti, Paulo João Mendes,


Fundamentos de Eletrotécnica para técnicos em elétronica, 9 ed. rev. Rio de Janeiro,
Freitas Bastos, 1978.

Edminister,
Circuitos Elétricos / Joseth A. Edminister, 5ª Reimpressão, 1ª ed, Mc GRAW HILL, 1978

45