Você está na página 1de 79

ESTUDOS DE DIREITOS HUMANOS

Avanços nos Diálogos sobre Gênero e Sexualidade


Douglas Verbicaro Soares
Giovanna Assen Sampaio de Souza
Juliana Fabrícia Correia Orihuela
Paula Gabrielle Mota de Macedo Hass Gonçalves
Silvia Rafaela Demétrio Costa

ESTUDOS DE DIREITOS HUMANOS


Avanços nos Diálogos sobre Gênero e Sexualidade

Editora Ilustração
Cruz Alta – Brasil
2020
Copyright © Editora Ilustração

Editor-Chefe: Fábio César Junges


Diagramação: Fábio César Junges
Imagens da capa: Freepik
Revisão: Os autores

CATALOGAÇÃO NA FONTE
E82 Estudos de direitos humanos : avanços nos diálogos sobre
gênero e sexualidade / Douglas Verbicaro Soares ... [et al.]. - Cruz
Alta : Ilustração, 2020.
80 p. ; 21 cm

ISBN 978-65-88362-42-6
DOI: 10.46550/978-65-88362-42-6

1. Direitos humanos. 2. Homossexualismo. 3. Identidade


de gênero. 4. Direito das mulheres. I. Soares, Douglas Verbicaro
[et al.]

CDU: 342.7

Responsável pela catalogação: Fernanda Ribeiro Paz - CRB 10/ 1720

2020
Proibida a reprodução parcial ou total desta obra sem autorização da Editora
Ilustração
Todos os direitos desta edição reservados pela Editora Ilustração

Rua Coronel Martins 194, Bairro São Miguel, Cruz Alta, CEP 98025-057
E-mail: eilustracao@gmail.com

www.editorailustracao.com.br
Conselho Editorial

Drª. Adriana Maria Andreis UFFS, Chapecó, SC, Brasil


Drª. Adriana Mattar Maamari UFSCAR, São Carlos, SP, Brasil
Drª. Berenice Beatriz Rossner Wbatuba URI, Santo Ângelo, RS, Brasil
Drª. Célia Zeri de Oliveira UFPA, Belém, PA, Brasil
Dr. Clemente Herrero Fabregat UAM, Madri, Espanha
Dr. Daniel Vindas Sánches UNA, San Jose, Costa Rica
Drª. Denise Tatiane Girardon dos Santos FEMA, Santa Rosa, RS, Brasil
Dr. Domingos Benedetti Rodrigues SETREM, Três de Maio, RS, Brasil
Dr. Edemar Rotta UFFS, Cerro Largo, RS, Brasil
Dr. Edivaldo José Bortoleto UNOCHAPECÓ, Chapecó, SC, Brasil
Drª. Egeslaine de Nez UFMT, Araguaia, MT, Brasil
Drª. Elizabeth Fontoura Dorneles UNICRUZ, Cruz Alta, RS, Brasil
Dr. Evaldo Becker UFS, São Cristóvão, SE, Brasil
Dr. Glaucio Bezerra Brandão UFRN, Natal, RN, Brasil
Dr. Gonzalo Salerno UNCA, Catamarca, Argentina
Dr. Héctor V. Castanheda Midence USAC, Guatemala
Dr. José Pedro Boufleuer UNIJUÍ, Ijuí, RS, Brasil
Dr. Luiz Augusto Passos UFMT, Cuiabá, MT, Brasil
Drª. Maria Cristina Leandro Ferreira UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil
Drª. Odete Maria de Oliveira UNOCHAPECÓ, Chapecó, SC, Brasil
Drª. Rosângela Angelin URI, Santo Ângelo, RS, Brasil
Drª. Salete Oro Boff IMED, Passo Fundo, RS, Brasil
Dr. Tiago Anderson Brutti UNICRUZ, Cruz Alta, RS, Brasil

Este livro foi avaliado e aprovado por pareceristas ad hoc.


SUMÁRIO

INTRODUÇÃO�������������������������������������������������������������������������� 11

I CAPÍTULO - A DISCRIMINAÇÃO DE HOMOSSEXUAIS


NAS FORÇAS ARMADAS: UMA ANÁLISE NACIONAL E
INTERNACIONAL��������������������������������������������������������������������� 13
1.1 Introdução������������������������������������������������������������������������������ 13
1.2 Práticas discriminatórias contra pessoas homossexuais nas Forças
Armadas.........................................................................................14
1.3 A orientação homossexual plasmada na experiência internacional
de outras Forças Armadas...............................................................15
1.4 As Forças Armadas no mundo: alguns modelos a favor e contra a
incorporação de militares homossexuais..........................................20
1.4.1 As Forças Armadas no Canadá...............................................20
1.5 Considerações finais.................................................................27

II CAPÍTULO - HISTÓRIA DAS RELAÇÕES DE GÊNERO


NA ESPANHA: A CONSTANTE LUTA DAS MULHERES
ESPANHOLAS���������������������������������������������������������������������������� 29
2.1 Introdução������������������������������������������������������������������������������ 29
2.2 Ensaios sobre gênero e sexismo.................................................31
2.3 Reflexões sobre a história contemporânea do direito das
mulheres na Espanha......................................................................33
2.4 Os reflexos da ditadura de Franco nos direitos das mulheres.....36
2.5 Lei orgânica 1/2004 e a constante luta das mulheres
espanholas......................................................................................39
2.6 Considerações finais.................................................................41
Douglas Verbicaro Soares et al.

III CAPÍTULO - EL MODELO DE HOMOSEXUALIDAD EN


LA ANTIGUA GRECIA: DEL COMPAÑERISMO AL AMOR
CARNAL�������������������������������������������������������������������������������������� 43
3.1 Introducción��������������������������������������������������������������������������� 43
3.2 El amor griego como compañerismo........................................44
3.3 La adoración al perfecto cuerpo griego.....................................46
3.4 La pederastia como instrumento de desarrollo social de los
jóvenes griegos................................................................................47
3.5 Del compañerismo a las relaciones carnales..............................52
3.6 Consideraciones finales.............................................................54

IV CAPÍTULO - NOME SOCIAL E O RESPEITO À


DIGNIDADE HUMANA DE PESSOAS TRANSGÊNERO������ 57
4.1 Introdução������������������������������������������������������������������������������ 57
4.2 Prévias explanações de conceitos ..............................................58
4.3 Respeito aos princípios constitucionais e direitos......................61
4.4 A relevância social da discussão sobre o nome social:
sensibilização contra a discriminação..............................................63
4.5 A regulamentação do nome social no Brasil..............................64
4.6 Considerações finais.................................................................66

CONCLUSÃO����������������������������������������������������������������������������� 67

REFERÊNCIAS��������������������������������������������������������������������������� 69

SOBRE OS AUTORES���������������������������������������������������������������� 79
INTRODUÇÃO

O s estudos sobre gênero, sexualidade e identidade estão


muito presentes nas últimas pesquisas científicas. Então
já não temos o suficiente? Este livro demonstrará que não.
Investigações sobre essas temáticas nunca serão demais,
principalmente porque ainda há muito preconceito e pelo ser
humano ser inconstante. Enquanto acreditamos que enfim a
discriminação está tomando o rumo de saída, a política demonstra
o contrário – aqui não falamos sobre a partidária e sim sobre a
movimentação político-social que está sempre presente em
quaisquer relações.
Este livro reúne estudos sobre a homossexualidade desde a
Grécia Antiga, sua presença nas Forças Armadas de diversos países,
a história da constante luta de direito das mulheres da Espanha
desde o Governo Franquista e, por fim, o direito ao nome social
como uma garantia e respeito à dignidade humana. São quatro
capítulos extremamente importantes para compreender alguns
pontos da história mundial, e como cada país, através de sua
população ou Estados, presentes das investigações, agiram frente às
diversas características do ser humano.
Apesar de cada estudo possuir seu próprio traço de
raciocínio, todos eles se encontram no fim de uma linha: a ânsia
por efetiva garantia de direitos. Você observará que não são apenas
demonstrações de fatos, mas, também, críticas e reflexões sobre
de que maneira a sociedade reage com a diversidade do ser. É
intrigante como, apesar de todos termos intrinsecamente a ideia
do respeito, da qualidade de vida e do viver o que somos, ainda há
muita preocupação com o outro. Não de maneira boa, como assim
fizeram os autores e autoras deste livro, mas de modo arrogante,
hostil e insolente.
Espera-se, com esse livro, que o leitor possa entrar em uma
viagem a diferentes épocas do mundo, em vários países, e ainda
imergir no bom pensamento ao direito das pessoas homossexuais,
12
Douglas Verbicaro Soares et al.

transexuais e das mulheres. Pense não somente no direito, mas


também analise conosco as mudanças ocorridas na sociedade,
tenham sido elas boas ou ruins. A importância do estudo não se
resume ao saber de fatos narrados, mas, primordialmente através
desses fatos, realizar suas próprias reflexões e acompanhar as
transmutações sociais.
I Capítulo

A DISCRIMINAÇÃO DE HOMOSSEXUAIS NAS


FORÇAS ARMADAS: UMA ANÁLISE NACIONAL
E INTERNACIONAL

1.1 Introdução

O estudo tem por objetivo evidenciar a discriminação


de integrantes homossexuais no campo das Forças
Armadas ao redor do mundo. Além disso, visa trazer a comparação
entre modelos de países-exemplo na luta contra essa segregação
estabelecida, os quais possuem como único intuito marginalizar
e excluir, fazendo uso de argumentos unicamente embasados em
preconceito e discursos de ódio.
Buscando retratar a situação da homossexualidade dentro
das Instituições Militares, o estudo propõe certas indagações, como:
Quais os argumentos apresentados por aqueles que praticam tais
atos discriminatórios? Quais são os países que adotaram medidas
de inclusão de homossexuais assumidos nas Forças Armadas? Quais
as medidas adotadas por esses países como formas de prevenir e
punir atos de discriminação?
Para o desenvolvimento do projeto foi proposta uma
pesquisa multidisciplinar. O artigo foi divido em três partes, onde
a primeira preocupa-se diretamente em compreender a fonte
dessa rejeição e preconceito, e no que os opressores baseiam suas
falas. A segunda parte do estudo versou a respeito da integração e
acessibilidade desse grupo nas Forças Armadas ao redor do mundo.
Por fim, a terceira parte do estudo retratou as ações, tanto positivas
como as negativas em relação da aceitação ou não de militares com
orientação homossexual em distintos países.
14
Douglas Verbicaro Soares et al.

1.2 Práticas discriminatórias contra pessoas homossexuais nas


Forças Armadas
Reconhecendo a real rejeição explícita ao ingresso de
homossexuais nos processos seletivos das Forças Armadas brasileiras,
voltamo-nos à análise que busca compreender de onde vêm os casos
de discriminação daquelas pessoas com uma orientação diferente
do heterossexual dominante.
Desta forma, optamos nesta seção por destacar os argumentos
majoritários encontrados que demonstram a materialização de
comportamentos discriminatórios e que violam a dignidade das
pessoas que são vitimadas em seus direitos. A seguir, notaremos que
os argumentos contra a incorporação de homossexuais aos quadros
militares são baseados em crenças culturais ou antigos argumentos
científicos que retratavam, em muitos casos, a homossexualidade
como algo prejudicial, antinatural, pecaminoso, anormal, doentia,
monstruosa e outras qualificações negativas diferentes em relação
à homossexualidade que atestaram, por séculos, uma hipotética
inadequação com os bons costumes e o repeito à ordem nas
incorporações militares.
Ao longo deste estudo científico foram explicitadas opiniões
de militares que enfatizavam que, no exemplo de um militar assumir
sua homossexualidade nas Forças Armadas, sua participação seria
imediatamente vista como uma ameaça à integridade corporativa e
hierárquica, principalmente no Brasil.
Com base nesses preceitos torna-se visível uma interpretação
negativa da homossexualidade, atribuindo a ideia entendida, por
muitos, como condutas de desordem, imoralidade e anormalidade
à homossexualidade, negando-se sua aceitação e com ela uma série
de características discriminatórias. Dessa forma, seria relevante para
este estudo usá-las, também, para ampliar a compreensão mais
profusa dessa variante da sexualidade humana, abordando tanto
as questões positivas, quanto as negativas que lhes são conferidas.
Pareceu oportuno destacar, ainda, o argumento utilizado
pelos defensores da não incorporação de pessoas com orientação não
heterossexual às Forças Armadas, argumentando que uma pessoa
15
Estudos de Direitos Humanos

homossexual ou bissexual poderia interferir nas linhas de batalha


e na eficácia dos resultados finais, uma vez que, hipoteticamente,
reduziriam a coesão das tropas ou poderiam interferir na disciplina
do grupo dos militares.

1.3 A orientação homossexual plasmada na experiência


internacional de outras Forças Armadas
O Canadá como exemplo de integração dos homossexuais
na sociedade, de modo geral, tem adotado uma política de inclusão
de homossexuais assumidos em suas forças militares, onde a
experiência destacou justamente o contrário, que não há evidências
de que a presença de gays ou lésbicas assumiu na instituição militar
canadense representa qualquer tipo de alteração nos aspectos da vida
militar ou no desempenho do grupo (OSCE/ODIHR, 2008). Nesse
sentido, não foram encontrados problemas no recrutamento,
nem afetou a diminuição da coesão do grupo, muito menos no
moral militar ou na eficácia organizacional da instituição militar
canadense (VERBICARO SOARES, 2012, p. 95-6).
Não apenas a política canadense se mostra favorável a essa
integração social, mas outros Estados se posicionam no sentido de
não impedir que os militares que se assumem homossexuais sirvam
em suas forças armadas, como foi o caso dos Estados Unidos, que
mudaram a política de “não fazer, não pergunte, não diga”, como
será visto mais tarde, assim como no Reino Unido e em Israel. De
forma diferente, temos o caso da Turquia, que atualmente proíbe
fortemente a incorporação de homossexuais ao serviço militar.
Na Espanha, no âmbito do Sistema Jurídico, não existe
disposição normativa que proíba a incorporação de militares
homossexuais nas Forças Armadas do país ibérico. Mas nem sempre
foi assim, uma vez que, nos anos noventa, o tenente-coronel José
María Sánchez Silva revelou em um meio de comunicação (Revista
Zero) que era homossexual (UOL, 2020).
De forma semelhante ao exemplo do Brasil, que ainda
possui um dispositivo normativo que discrimina os homossexuais
em seu Código Penal Militar, cita-se o modelo espanhol que nos
16
Douglas Verbicaro Soares et al.

anos oitenta retirou um obstáculo legal que impedia a integração


dos homossexuais nas Forças Armadas espanholas.
O primeiro relatório global apresentado em 2015, sobre
o Índice Militar LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros),
organizado pelo Centro de Estudos Estratégicos de Haia, revelou que
a situação das questões de gênero e identidade de gênero nas Forças
Armada em todo o mundo continua sendo a violação aos preceitos
de igualdade para os militares LGBTs pelo mundo (OSCE/
ODIHR, 2014). O estudo realizado incluiu a especificação de 103
países do planeta, classificados em uma lista numérica, levando
em consideração os países que mais e menos respeitam a inclusão
desse grupo nas Forças Armadas em um panorama global. No topo
da classificação está a Nova Zelândia como líder em políticas de
inclusão, terminando com a Nigéria (THE HAGUE, 2014, p. 58).
Outros países ocupam as seguintes posições:
Rússia: nos últimos anos, com as regulamentações
questionadas contra o grupo LGBT, seu país chegou ao 73º lugar,
Turquia: em 77º lugar, surpreende por fazer parte da
OTAN, onde suas forças armadas trabalham com outros países que
integram militares homossexuais, mas, ao mesmo tempo, exclui
do quadro militar turco aqueles que desenvolvem comportamento
homossexual, citando até orientação sexual como uma doença
mental (THE HAGUE, 2014, p. 26).
EUA: nos últimos anos introduziram a política de inclusão
de homossexuais nas Forças Armadas do país, mas não ajudaram a se
posicionar em uma situação melhor, permanecendo no número 40,
ainda que tenha políticas como a inclusão de cônjuges militares do
mesmo sexo com direitos iguais aos casais militares heterossexuais.
Segundo o secretário de Defesa dos Estados Unidos na
época, Check Hagel:
O Departamento de Defesa deve oferecer o mais rápido possível os
mesmos benefícios a todos os parceiros militares, independentemente
de sua orientação sexual. Toda pessoa de uniforme que serve ao nosso
país mostra coragem e comprometimento. Tudo o que importa é
seu patriotismo, sua vontade de servir o país e seus méritos ao fazê-
lo (YAHOO, 2015).
17
Estudos de Direitos Humanos

Essas palavras bem poderiam ser usadas para inspirar o


comportamento de muitas pessoas a aceitarem que os homossexuais,
que desejam assumir abertamente sua orientação sexual, possam
exercer suas funções como militares sem sofrer a discriminação
causada pelo simples fato de serem homossexuais. Como Hagel
bem definiu, o que deveria ser levado em conta em um militar
seria a vontade de servir seu país, as demonstrações de coragem,
compromisso e capacidade de desempenhar suas funções.
Mudanças nessa esfera foram observadas desde 2010, quando
a política “Não Pergunte, Não Diga” foi revogada, permitindo que
soldados homossexuais servissem as Forças Armadas do país sem
sofrer obstáculos por ser assumido como homossexual dentro da
instituição militar. Em 2009, países como Argentina, Filipinas
e Uruguai revogaram as Disposições internas que proibiam os
homossexuais de servir nas Forças Armadas. Da mesma forma que,
no ano seguinte, foi declarada inconstitucional a Lei “Não pergunte,
não diga” e determinou que as instituições militares daquele país
deixassem de aplicá-la. Estudos posteriores concluíram que a
revogação da lei citada não prejudicou a capacidade do militar
gay atuar em missões (OIT, 2011), fato que afastaria qualquer
argumento desfavorável à incorporação de militares LGBTs.
Também houve impacto no reconhecimento do seguro
médico e assistência habitacional que foi incluída nos direitos
estendidos aos casais gays no campo militar. As mudanças
mencionadas vieram com a manifestação do Supremo Tribunal
Federal no Brasil, que revogou a norma federal que tinha como
essência a proteção ao casamento, onde seu objeto se constituía sob
a ideia de que o casamento, de forma conservadora, seria a união de
um homem e uma mulher, que impediriam pessoas do mesmo sexo
de realizar esse tipo de celebração. O Brasil ocupou a 23ª posição,
feita principalmente por questões de reconhecimento de direitos
aos casais homossexuais de militares, como inclusão na previdência,
planos de saúde etc., como passou a ser conhecido principalmente
na Marinha do Brasil, com mudanças no regimento interno da
instituição militar.
O estudo apresentado foi uma solicitação do Ministério da
18
Douglas Verbicaro Soares et al.

Defesa holandês. A ocasião é usada para destacar que a Holanda


foi o primeiro país, no mundo, a estender os homossexuais a se
unirem às Forças Armadas do mundo, sendo referência mundial
para as políticas de integração desse grupo. Como recomendações
apresentadas estão as políticas e práticas de inclusão em benefício
dos militares homossexuais, para que possam ser apoiadas por essa
inclusão, com a existência de modelos criados para alcançar esse
objetivo: a) integração, gerenciamento e medição (SOUTO, 2012,
p. 112).
As primeiras políticas criadas são voltadas para pessoas
em situação de vulnerabilidade, ou seja, sobre o coletivo militar
homossexual. A segunda permite que pessoas em situação de
exclusão por orientação sexual recebam apoio, aconselhamento e
ajuda em suas vidas, no ambiente de trabalho militar de profissionais
treinados, e a última envolve a incidência de políticas e práticas de
inclusão baseadas na ideia de custo-benefício. Há benefício próprio
em conceder às pessoas afetadas a oportunidade de melhorar suas
situações de vulnerabilidade no âmbito de onde vivem ou trabalham
(THE HAGUE, 2014, p. 76).
Entre as dez primeiras posições grandes esforços foram
detectados pelos governos para programar técnicas de apoio e
aceitação do grupo vitimado, neste caso da comunidade LGBT,
sendo Nova Zelândia, Holanda, Reino Unido, Suécia, Austrália,
Canadá, Dinamarca, Bélgica, Israel, França e Espanha. De
maneira diversa, outros países adotam políticas que inviabilizam
a integração das pessoas transgêneros dentro de suas Instituições
Militares. Entre alguns desses países estão China, Rússia, Arábia
Saudita, Síria, Afeganistão Irã, Iraque, Líbia, Marrocos, Turquia,
Gana, Botsuana, Uganda (VERBICARO SOARES, 2015, p. 549).
Para Joshua Colchar, um dos condutores da investigação:
A maioria dos trabalhos enfoca o impacto negativo da presença
de homossexuais nas Forças Armadas. O nosso foi solicitado
pelo Ministério da Defesa da Holanda, o primeiro a aceitar
gays em suas fileiras há quarenta anos, e queríamos abrir o
debate sobre os aspectos positivos de sua contribuição. [...]
As Forças Armadas do século 21 precisam recrutar pessoas
com base em talentos e habilidades, não em sua orientação
19
Estudos de Direitos Humanos

sexual. É claro que uma pessoa que se define como parte do


grupo LGBT trabalhará melhor se sentir aceita e não houver
segredos sobre sua situação. Da coesão resultante, sem ameaças
de chantagem ou problemas de segurança pessoal, todos se
beneficiam. (EL PAÍS, 2015).
A iniciativa apresentada é uma alternativa importante para
que o tema continue sendo discutido e os casos revelados fornecem
confiabilidade em demonstrar que as experiências inclusivas da
comunidade LGBT dentro das instituições militares têm sido
positivas para as forças militares.
Com base nos argumentos citados, os comentários de Elías
(2007) parecem se encaixar bem na visão de vulnerabilidade que se
estende aos homossexuais ao longo da história. Segundo a autora,
em quase todo o mundo, a homossexualidade continua rodeada de
condenações (morais, religiosas, políticas e sociais) acompanhadas
ou não de certa tolerância privada. Assim, as orientações sexuais
diversas da heterossexual continuam a ser vistas como uma ameaça
ao modelo patriarcal e restritivo, consequentemente, a única
forma de conseguir o reconhecimento dos Direitos Humanos
de homossexuais, bissexuais ou transgêneros - não mais Direitos
Humanos específicos, mas a universalização efetiva dos existentes -
é trabalhar para a mudança de mentalidades. É um processo difícil
que parece não ter fim, como acontece com as lutas pela eliminação
de outros preconceitos como sexismo e racismo, mas é um trabalho
necessário (ELÍAS, 2007, p. 216).
Desta forma, a todos os que trabalham por mudanças na
situação atual dos grupos vitimizados (por terem uma orientação
sexual diferente da heterossexual dominante), se entende que
essas pessoas não devem entrar em desespero, e sim continuar
no trabalho de visibilizar os problemas enfrentados pelas pessoas
LGBTs na sociedade brasileira, principalmente retratando o tabu
da homossexualidade nas Forças Armadas do Brasil.
Reforça-se assim a importante iniciativa da presente
investigação, pois os limitados estudos que abordam os temas
sugeridos no país tornam esses instrumentos educacionais
alternativos para orientar e gerar participação cidadã para o
20
Douglas Verbicaro Soares et al.

enfrentamento dos problemas explicitados no Brasil.

1.4 As Forças Armadas no mundo: alguns modelos a favor e


contra a incorporação de militares homossexuais
Anteriormente demonstrou-se a situação de alguns países
em relação à questão da homossexualidade em suas Forças Armadas.
Dessa forma, se encontram os Estados que adotaram políticas
de integração de gays e lésbicas ao serviço militar, facilitando a
aceitação e o respeito aos Direitos Humanos dessas pessoas. De
modo diverso, na esfera negativa, com algumas experiências de
Estados em posicionamentos contrários à aceitação. Destarte,
ainda é necessário desenvolver instrumentos para mudanças nas
realidades. Mudanças essas sugeridas para países que adotam
políticas de rejeição absoluta ou que criam obstáculos que impeçam
as pessoas LGBTs, em destaque os homossexuais, em serem tratados
em condição de igualdade.
O diálogo pelo fim das limitações aos homossexuais e pela
busca da igualdade de tratamento entre todos os cidadãos têm sido
alvo de clamor social nos últimos tempos. Os esforços de mudança
devem ser realizados de forma conjunta, tanto no âmbito regional
de cada Estado, como no âmbito internacional, para alcançar
objetivos efetivos.

1.4.1 As Forças Armadas no Canadá


O modelo canadense, conhecido mundialmente como
referência na integração da comunidade homossexual em suas
Forças Armadas, pode servir, de maneira análoga, para mostrar
casos em que é possível integrar a comunidade homossexual em um
corpo considerado, para muitos, conservador e hierárquico, com
respeito restrito às regras. A experiência norte-americana do país
(Canadá) pode ser usada como inspiração para outros países que
ainda têm problemas para adotar suas políticas de inclusão, entre
eles o Brasil.
Também se explicitaram relatos de problemas no modelo
21
Estudos de Direitos Humanos

de integração militar nas Forças Armadas do país americano. Essa


ideia se baseou na história de homofobia e rejeição de um soldado
canadense no Afeganistão, que tem sido utilizada como desculpa
para o surgimento de críticas ao antigo modelo do Canadá na
aceitação de militares homossexuais nas Instituições Militares.
O caso do militar Andrew Mclean, divulgado em janeiro de
2012, serviu como a centelha que faltava para acender a polêmica
sobre a questão da homossexualidade nas Forças Armadas. Os
fatos estão relacionados às declarações de sua experiência enquanto
servia na Ásia, principalmente quando o mesmo encontrou uma
mensagem ameaçadora em sua base no Kandahar Airfield por ser
gay. Uma investigação interna não conseguiu esclarecer o autor
da mensagem, o policial ameaçado foi transferido para outra base
(DAILYXTRA, 2014).
Outra história de um ex-militar, o soldado Carl Bouchard
foi importante: é triste ouvir homofobia dentro das Forças Armadas,
não me surpreende. Bouchard, que serviu seu país de 1994 a 2000,
observou que não havia testemunhado nenhum caso de delitos
discriminatórios, mas estava ciente de que seus companheiros o
fizeram contra outros companheiros homossexuais (DAILYXTRA,
2014). Bouchard alegou que antes era comum em um grupo de 30
a 120 soldados, todos homens, que houvesse um ou dois que, por
algum motivo, sofressem algum tipo de assédio, mas era baseado
em motivos raciais ou em algo no físico de uma pessoa, mas não
na sexualidade. Muitas das mudanças sofridas e que atualmente
discriminam com base na orientação sexual, segundo o ex-militar,
foram devidas a uma tendência cultural de hiper-masculinidade
dentro da instituição.
Em alguns de seus relatos, sobre algumas práticas típicas, no
ambiente de trabalho:
A maioria dos soldados é jovem, e na primeira fase do
treinamento, treinamento e escola de batalha, eles se esforçam
para torná-la mais difícil. É onde eles têm esses cursos para
eliminar os fracos. Se alguém é o membro mais fraco da família
ou da cadeia, bem, depois de um tempo você está cansado de
fazer flexões com esse cara [...]. É um ambiente machista, para
começar, e quando você luta, isso cria uma sensação de estresse,
22
Douglas Verbicaro Soares et al.

fadiga mental e paranoia a ser considerada, as coisas podem


ficar fora de controle. Não gosto deles, mas já vi coisas em
que homens derramam urina, fezes e sêmen. (DAILYXTRA,
2014).
Concordamos com as considerações de Gary Kinsman
de que as bases e a ausência do modelo militar estão sob padrões
heterossexuais. Vimos que no Brasil o mesmo modelo foi organizado
com atitudes paternalistas, onde o homem, como o ser mais forte
e dominante, se impõe pela hierarquia de suas normas, e criou
inicialmente um ambiente predominantemente masculino. Com
isso, ao longo do tempo, com a tentativa de integração das mulheres
às Forças Armadas, elas se depararam com um grave problema: uma
estrutura desenhada apenas por homens para homens.
Aproveitaremos para discutir o caso, datado de 1989, de
Michelle Douglas, que havia sido exonerada do corpo militar
canadense em razão de sua orientação sexual homossexual, ou seja,
por ser soldado (lésbica). Os acontecimentos motivaram Douglas
a pleitear seus direitos e, anos depois, obteve o reconhecimento
pelo Supremo Tribunal Federal do país norte-americano de suas
propostas, contribuindo significativamente para outras pessoas na
mesma situação. Em 1992, a mencionada manifestação do Supremo
Corpo de Justiça se posiciona contrária aos comportamentos
banir das Forças Armadas Canadenses contra homossexuais
(VERBICARO SOARES, 2015, p. 559-60).
Dessa maneira, o Exército daquele país reconheceu que sua
política de exclusão de homossexuais violava a carta de direitos
e liberdades e consentiu na retirada imediata dessa política. A
mudança de política, em outubro de 1992, em relação aos soldados
gays e lésbicas no Exército Canadense foi um desmantelamento
da política existente. É importante mencionar que, na época, foi
divulgada uma reportagem informando que as Forças Armadas do
Canadá cumpririam integralmente a decisão da Justiça Federal.
Os canadenses, independentemente de sua orientação sexual,
poderiam servir seu país sem restrições com base na orientação
sexual (BELKIN; MCNICHOL, 2001, p. 76).
A política das Forças Armadas do Canadá tem sido
23
Estudos de Direitos Humanos

utilizar diretrizes e recomendações de ação, tanto para posições


hierárquicas mais altas, quanto tornar essas questões visíveis para
os outros militares, com o objetivo de esclarecer a consciência
dos oficiais militares em aceitar e agir de maneira responsável,
respeitosa e igualitária com os outros companheiros, mesmo que
eles tenham uma diversidade sexual diferente do heterossexual.
Essas recomendações são boas práticas para a coexistência em
harmonia, dentro das forças militares, usando a prevenção para
inibir a discriminação com base na orientação sexual.
A experiência militar canadense foi reconhecida,
mundialmente, como um sucesso na integração da diversidade em
seus grupos, mas, mesmo assim, sinais de violações e discriminação
estiveram presentes, ao que se acredita que alternativas têm sido
buscadas para controlar os problemas enfrentados. Algumas
dessas alternativas basearam-se na criação de instrumentos de
fiscalização dos casos de infração denunciados, ou seja, geração de
departamentos específicos para receber as denúncias, estudá-las,
acompanhá-las ou não, aplicando rígidas normas regulatórias para
punição dos culpados nos casos em que são detectados assédios,
humilhação, violência física, psicológica etc.
Se as tentativas de resolver o problema persistirem, um
oficial militar sênior será contatado para solicitar mediação. Se não
houver satisfação no resultado, é possível comentar a participação
de uma terceira pessoa para auxiliar na resolução do conflito
enfrentado. Se o problema for mais grave, é constituída a abertura
de processo formal, com a investigação do caso, o que pode resultar
na condenação do assediador ou no deslocamento da vítima de suas
funções para outro local de trabalho para evitar situações de contra
angulação entre as partes.
Os instrumentos previstos pelas Forças Armadas Canadenses
parecem oferecer as condições necessárias para lidar com casos
problemáticos e a estrutura desenhada e tornada visível para que
os militares sejam motivados a denunciar casos de violação de
direitos. Os mecanismos desenvolvidos para uma efetiva integração
das minorias sociais na experiência canadense se devem a estudos
originados após 1992, com a Decisão da Suprema Corte do país
24
Douglas Verbicaro Soares et al.

americano de abolir as restrições a gays e lésbicas no serviço militar.


Um ano depois dessa decisão, um oficial americano, o general
Calvin Waller, se manifestou: como o Canadá não se envolveu em
um conflito armado desde que a proibição foi suspensa, realmente
não sabemos quais serão esses resultados. As indicações nos levam
a acreditar que o acúmulo nos oito anos desde que a proibição
foi suspensa foi de que altos funcionários canadenses previram que
mudar a política poderia comprometer a eficácia militar. Por outro
lado, os resultados conclusivos de Belkin e McNichol em seus
estudos levaram à interpretação de que:
A partir daí, a experiência canadense oferece uma oportunidade
para o impacto de mudanças de políticas contra previsões
antecipadas de líderes militares seniores. Depois de discutir
a evolução histórica da política de pessoal gay no Canadá,
examinamos se a decisão do Canadá de suspender as restrições
aos soldados gays e lésbicas influencia a eficácia militar. Nossos
resultados, com base em uma revisão de fontes primárias
e secundárias, bem como entrevistas com 29 militares e
especialistas do governo, acadêmicos e da comunidade
política, é que a decisão canadense de suspender a proibição
de homossexuais não teve impacto no desempenho militar, o
preparação, coesão ou moral (BELKIN; MCNICHOL, 2001,
p. 73-74).
Temos opinado que, para a solução do problema da
homofobia no Quartel Militar do Brasil, a solução passaria por
uma educação consciente para mudanças reais na ideia sobre a
homossexualidade. Nesse sentido, também disse o professor da
Universidade Canadense de Laurentian: Em vez de fazer qualquer
educação popular ou falar com pessoas das forças armadas lésbicas e
gays, eles basicamente decidiram apenas lidar com o assédio contra
gays e lésbicas como uma medida disciplinar (DAILYXTRA, 2014),
mas se as Forças Armadas não aplicarem suas forças práticas ou
ensinamentos para tornar visível a questão da orientação sexual
homossexual, se não falarem claramente que ser gay ou lésbica não
implica uma limitação para desenvolver funções militares, poucos
resultados viáveis poderão
​​ ser alcançados e os problemas iniciais de
comportamento homofóbico persistirão nas Forças Armadas, seja
no Canadá, Brasil ou em qualquer outro lugar.
25
Estudos de Direitos Humanos

Depois que a proibição foi suspensa, as Forças Armadas do


Canadá decidiram instituir um programa separado para lidar com o
assédio sexual homossexual ou assédio pessoal com base na orientação
sexual. Em 1996, no entanto, o programa do Departamento de
Defesa Nacional do Canadá estipulou padrões para o assédio e
prevenção do racismo, para aumentar a conscientização geral sobre
o abuso, incluindo o assédio com base em orientação sexual. O
programa obrigatório lista orientação sexual em sua explicação
de motivos proibidos para assédio e fornece exemplos de diálogo
proibido, como: ele é o melhor sargento que já tive. Ele não pode ser
bicha / e poderia ser bicha; ele tem aquelas orelhas grandes para que
um cara pudesse segurá-lo por trás (BELKIN; MCNICHOL, 2001,
p. 77-79).
O Tribunal ordenou ao Governo que revisse os seus
estatutos e regulamentos para identificar quaisquer disposições
que discriminassem os casais do mesmo sexo. Em dezembro de
1996, o Escritório de Recursos Humanos das Forças Canadenses
distribuiu um memorando sobre política militar para a concessão
de benefícios de parceria doméstica. Os benefícios para casais do
mesmo sexo incluem licença, salário para companheiro do cônjuge
e nova colocação na prestação de serviço público (BELKIN;
MCNICHOL, 2001, p. 77-79).
Na mesma ideologia, entre as medidas tomadas pelas Forças
Armadas Canadenses, estava que casais do mesmo sexo também
seriam tratados com tratamentos odontológicos e com planos de
saúde como dependentes. Da mesma forma que casais do mesmo
sexo teriam direito a benefícios se, durante um período contínuo de
pelo menos um ano, um membro tenha vivido com uma pessoa do
mesmo sexo em uma relação homossexual ou lésbica e nos casos em
que ele continue a viver com essa pessoa (BELKIN; MCNICHOL,
2001, p. 77-9).
Em abril de 1999, o Departamento Nacional de Defesa
observou que 17 (dezessete) soldados lésbicas haviam entrado
com pedidos de benefícios médicos, odontológicos e de relocação
para suas companheiras em 1998. Em junho de 1999, o Governo
Federal daquele país concordou em resolver os casos no Conselho
26
Douglas Verbicaro Soares et al.

de Recursos do Canadá, levando à criação de um Plano de Pensão,


que permitiria aos casais do mesmo sexo receber benefícios de
sobrevivência, incluindo pensões militares. Dez dias antes, a
Suprema Corte do Canadá declarou a lei da família de Ontário
inconstitucional porque o termo cônjuge era restrito a casais
heterossexuais. Mais recentemente, membros das Forças de Serviço
Legislativo e Regulatório do Canadá trabalharam com legisladores
para elaborar a linguagem do Projeto de Lei C-23. Se o projeto for
aprovado, os parceiros gays serão considerados um casal perante
a lei e terão direito a todos os outros benefícios relacionados aos
dependentes nos regulamentos militares existentes (BELKIN;
MCNICHOL, 2001, p. 77-79).
Com a implementação dessas medidas, o que se busca e o que
realmente deve ser levado em consideração seria não só considerar a
questão da homossexualidade como um reconhecimento disciplinar
nas Forças Armadas, mas sim, conseguir mudanças de atitudes dos
membros das instituições militares a aceitarem de forma eficaz e
respeitosa as diferentes pessoas como são, independentemente do
sexo, orientação sexual ou identidade de gênero. A igualdade de
tratamento é a forma de incluir grupos vulneráveis e​​ em situação
de exclusão sexual/social no quartel.
Os casos de Douglas e Maclean são alguns dos que foram
evidenciados sobre os problemas enfrentados pelos homossexuais
nas Instituições Militares do Canadá e, também, serviram de base
para a utilização de medidas para evitar que voltem a acontecer,
buscando modificar uma estrutura cultural predominantemente
conservadora, paternalista e reconhecendo que o modelo hierárquico
da Instituição não pode ser superior aos valores básicos do povo,
ou seja, que a questão dos Direitos Humanos prevaleça sobre a
vontade individual de poucos que eles carregam e controlam os
comandos dentro das Forças Armadas.
É pertinente lembrar as palavras de Belkin e McNichol de
que, nos oito anos desde que a proibição foi suspensa, as Forças
Armadas canadenses continuaram a integrar soldados gays em
seus militares. Eles fizeram isso como parte de um esforço maior
para reduzir o assédio e a discriminação entre os militares. Nesses
27
Estudos de Direitos Humanos

esforços, a orientação sexual foi destacada e não foi ignorada como


uma fonte potencial de conflito. Para os autores:
O sucesso dessas medidas foi confirmado por todas as
evidências disponíveis, onde o trabalho conjunto de oficiais,
especialistas militares, líderes governamentais e políticos
e soldados homossexuais concordam que a eliminação da
proibição teve, ao seu conhecimento, nenhum efeito negativo
perceptível nas forças armadas. A questão dos soldados gays e
lésbicas nas forças armadas canadenses desapareceu dos debates
militares públicos e internos (BELKIN; MCNICHOL, 2001,
p. 87).

1.5 Considerações finais


A presente investigação compreende que, independentemente
de todos os impasses socialmente impostos acerca da aceitação e
permanência, ou não, de pessoas homossexuais nas Forças Armadas,
os discursos que visam sustentar esse impedimento são baseados
em argumentos discriminatórios e preconceituosos, sem menor
fundamentação.
Como exposto, diversos países reconhecem a aceitação
de pessoas de orientação homossexual nas Forças Armadas por
se acreditar, e comprovar de forma prática, que não há nenhum
fator impeditivo dessa participação. Igualmente, dados apontam
a consistência de bons desempenhos desse grupo, derrubando,
dessa forma, argumentos discriminatórios que objetivam vetar sua
participação. Portanto, a orientação homossexual não representaria
qualquer impeditivo nas práticas de atividades militares, devendo
essas pessoas ser respeitadas e integradas.
Mesmo que, em contraponto, ainda persista o
posicionamento de alguns países que se posicionam contrários
à integração de pessoas homossexuais às Forças Armadas, de
modo geral, são discursos de pensamento limitado e retrógrado,
embasados em justificativas culturais e religiosas. Nesse sentido,
esse tipo de discurso reforça o estereótipo homofóbico de que
esses seriam incapazes de respeitar a moral, disciplina e ordem da
instituição.
28
Douglas Verbicaro Soares et al.

Considerando o contexto internacional apresentado, o


estudo conclui por reconhecer a necessidade de alternativas que
contribuam para a integração de pessoas homossexuais nas Forças
Armadas, posto que as atividades desenvolvidas por esse grupo
não apresentam qualidade diferenciada do grupo heterossexual
dominante. Seja dentro das Forças Armadas ou qualquer outra
instituição, a discriminação precisa ser extinta.
II Capítulo

HISTÓRIA DAS RELAÇÕES DE GÊNERO


NA ESPANHA: A CONSTANTE LUTA DAS
MULHERES ESPANHOLAS

2.1 Introdução

E sta pesquisa tem por finalidade demonstrar as situações


de discriminações históricas contra as mulheres na
Espanha, suas problemáticas e fatores responsáveis pela difícil tarefa
da busca por um tratamento igualitário em relação aos homens e
sua inserção social. Trabalhar com o tema de direitos das mulheres
representa uma importante iniciativa para a busca de melhores
condições para inclusão dessa maioria. A equidade de condições
entre homens e mulheres constitui a base de um ideal feminista,
assim como, um objetivo a se buscar para a efetivação de uma
sociedade justa e harmônica entre os gêneros.
O estudo demonstra uma análise sobre o gênero, violência
e, principalmente, as experiências vividas pelas mulheres espanholas
durante o regime ditatorial de Francisco Franco, para, por fim,
comparar com seus atuais direitos conquistados na Espanha.
Neste sentido, a investigação parte do entendimento de
que as mulheres, em meados dos anos 30 e nas décadas seguintes,
eram reguladas por um forte conjunto de princípios conservadores
em sociedade. No caso da Espanha, esse ideal impedia a liberdade
feminina e sua participação efetiva como cidadã, pois suas ações
eram limitadas à vida familiar e atribuições domésticas, o que
caracterizava uma esfera privada e submissa do feminino. Tal ideia
é observada no discurso de Pilar Primo de Rivera no V Consejo
Nacional de la Sección Femenina de F. E. T y de las J. O. N. S
em Barcelona, 1941: “Que el contacto con la política no os vaya a
meter a vosotras en intrigas y habilidades impropias de las mujeres.
30
Douglas Verbicaro Soares et al.

Nosotras atendamos sólo a lo nuestro y dejemos a los hombres, que


son los llamados, para que resuelvan todas las complicaciones que
lleva en sí el Gobierno de la nación” (RIVERA, 1942, p. 22).
Pilar Primo foi líder da “Sección Femenina”, uma
organização conservadora e católica constituída no ano de 1934 a
partir de ideias patriarcais as quais buscavam analisar o feminino
de maneira limitada, a fim de atribuir características e obrigações
de cuidar e manter as mulheres (ARROYO, DE SÁ, ALVES, 2018,
p. 03). Inicialmente a organização não obteve grande adesão da
população espanhola, contudo, cresceria durante a Guerra Civil
Espanhola (1936-1939) (LOS OJOS DE HIPATIA, 2014).
Os discursos de Pilar incitavam a concepção de que as
mulheres espanholas não poderiam nada mais que interpretar o
que os homens faziam. Quanto a eles cabia resolver os problemas
políticos e de governança, às mulheres se esperava que apenas
observassem as decisões serem tomadas. Principalmente, porque, na
concepção da líder conservadora, “las mujeres siempre se mueven
por razones amorosas” (RIVERA, 1942, p. 21).
Esse contexto demonstra a realidade do forte papel
excludente do que viria a ser o Governo Totalitário de Francisco
Franco (1939-1975). Após os combates entre ideais nacionalistas e
republicanos, conhecida como a Guerra Civil, e com a vitória dos
primeiros, a ditadura franquista foi instituída (EDSON, 2019, p.
01). Este regime tinha o propósito de resgatar antigos valores da
sociedade ibérica, principalmente no que diz respeito ao papel da
mulher na coletividade (ARROYO, DE SÁ, ALVES, 2018, p. 01).
Do exposto, os discursos de Pilar, com a posterior vitória
do lado conservador restabeleceu na Espanha uma concepção
que impedia as mulheres de seguirem seus anseios e desenvolver
pensamentos críticos. Essa limitação se manteve por muitas
décadas, e era muito incentivada até mesmo nas universidades,
onde os ensinamentos eram baseados na criação de futuras mães
e esposas, através de matérias que envolviam pedagogia, economia
doméstica e atividades do lar. Não se esquecendo da segregação
clara no ensino, no qual se observava que homens e mulheres não
cursavam as aulas juntos, principalmente no início do período
31
Estudos de Direitos Humanos

franquista (TELLEZ, 2016).


A discussão do tema está correlacionada com os debates
mais recentes sobre a violência de gênero, condutas sexistas e os róis
atribuídos pela sociedade. Ainda, visa discutir sobre as convicções
do movimento feminista, onde se apontam as reivindicações de
grupos vitimados que necessitam uma real sensibilização social para
lograr a efetiva participação em direitos e deveres.
É importante ressaltar que o objeto dessa pesquisa se
encontra também na mira de muitos outros países, já que o sexismo
está presente no âmbito internacional e traz consigo a violação de
diversos princípios básicos do ser humano, prejudicando os direitos
fundamentais e violando a dignidade da pessoa humana.
Para a estrutura do estudo, se optou por levantamento
bibliográfico e documental, com abordagem qualitativa em
um método dedutivo, buscando respostas nas áreas de ciências
humanas e sociais. O trabalho foi dividido em quatro seções
principais. A primeira versa sobre os conceitos de gênero e sexismo,
para dar início à discussão. A segunda vislumbra sobre a história
contemporânea das mulheres na Espanha. A terceira parte retrata
os danos causados pela ditadura de Francisco Franco no direito
das mulheres. E, por último, é abordada a legislação espanhola que
tenta diminuir a desigualdade de gênero, bem como é discutido
sobre a constante luta das mulheres espanholas por respeito.
A investigação apresenta algumas indagações: O que é
gênero? Como a história contemporânea espanhola retratou o
papel da mulher naquela sociedade? A ditadura de Franco impactou
nos direitos das mulheres na Espanha? Após o período ditatorial
o Reino da Espanha implementou alguma lei que combatesse a
violência de gênero?

2.2 Ensaios sobre gênero e sexismo


Para uma melhor compreensão do trabalho apresentado, se
faz válida a abordagem das definições de gênero, assim como a de
sexismo.
O termo “gênero” começou a ser utilizado em meados dos
32
Douglas Verbicaro Soares et al.

anos 1980 com os movimentos feministas de americanas e inglesas.


Surgiu, efetivamente, com o objetivo de demonstrar a desigualdade
entre homens e mulheres, a qual possui como característica a
discriminação e opressão do feminino (PROCURADORIA
FEDERAL DOS DIREITOS DO CIDADÃO, 2008).
Gênero relaciona-se com a construção social ligada a
determinado sexo. Ou seja, os papéis sociais designados pela
sociedade irão definir a configuração do gênero feminino ou
masculino (POLITIZE, 2015). Diante dessa concepção de
atribuição de funções sociais, realizada a partir dos aspectos
impostos aos sexos biológicos, com a característica de inferiorização
do gênero feminino, a misoginia e o sexismo se tornou algo presente
no cotidiano familiar.
De acordo com Filho, Eufrásio e Batista (2011), o sexismo
é definido como uma forma de preconceito que compreende
“avaliações negativas e atos discriminatórios dirigidos às mulheres”.
Dessa forma, entende-se que o sexismo é a desigualdade de gênero,
um resquício da cultura patriarcal - uma estrutura de opressão dos
homens sobre as mulheres, ou seja, “um instrumento utilizado pelo
homem para garantir as diferenças de gênero, sendo legitimado por
atitudes de desvalorização do sexo feminino que vão se estruturando
ao longo do curso do desenvolvimento, apoiadas por instrumentos
legais, médicos e sociais que as normatizam” (ABRAPECNET,
2017).
Enquanto o sexismo determina usos e costumes na
sociedade, a misoginia é compreendida como um sentimento de
aversão patológico pelo feminino (POLITIZE, 2019), o que a torna
um aspecto central do sexismo, a base importante para a opressão
de mulheres em sociedades dominadas pelo homem. Portanto,
entende-se que o sexismo é um conjunto de ações de discriminação
de gênero as quais buscam estabelecer papeis à sociedade que afetam
diretamente os direitos das mulheres.
A partir desses entendimentos é cristalina a compreensão de
que o fator cultural é essencial para determinar o papel participativo
ou não da mulher em uma determinada sociedade, a qual é tida
como a responsável por estabelecer pilares, seja em uma família,
33
Estudos de Direitos Humanos

escola, trabalho, situação essa registrada no processo histórico.


Nessa linha de interlocução, frisa-se que na maioria das sociedades
a responsabilidade de manter os valores da pureza sexual e a honra
é imposta à mulher. Portanto, são elas, e não os violadores, que
carregam a vergonha e o sentimento de culpa (SEAGER, 1997, p.
56).
Do exposto, observa-se que toda a ideia de sexismo enfatiza
e atrasa a luta pela desigualdade existente entre homens e mulheres
na sociedade.

2.3 Reflexões sobre a história contemporânea do direito das


mulheres na Espanha
No início do século XX, as mulheres espanholas possuíam a
típica imagem de donas do lar e responsáveis pela criação dos filhos.
Com a instauração da Segunda República Espanhola (1931-1939)
ocorreram importantes mudanças substanciais nos tradicionais
papéis de gênero da mulher. De menores de idade, elas passaram a
integrar definitivamente à vida econômica, política e social do país.
A nova Constituição Republicana, buscando afastar-se
categoricamente do antigo Império Espanhol, instaurou uma
série de políticas de gênero com a finalidade de contribuir
para a modernização da sociedade. Dentre outras medidas,
na nova Constituição Republicana ficava legalmente proibida
a discriminação de gênero; o direito ao voto foi concedido
incondicionalmente; no matrimônio, ambos os cônjuges foram
equiparados em direitos; os homens passaram a ter as mesmas
obrigações com os filhos até então considerados ilegítimos;
entre outras. (Espanha, 1931). Além dessas, outras mudanças se
produziram em âmbitos locais, por iniciativas das autonomias
administrativas, como por exemplo, a Generalidade Catalã, que
legalizou o aborto (ALVES, 2015, p. 1).
Pela primeira vez foi possível ouvir vozes femininas nas
Cortes Constituintes Espanholas e no Parlamento (ALVES, 2015,
p. 02). Destaca-se, entre elas, a figura de Clara Campoamor. Clara,
por ter perdido o pai ainda muito jovem, teve que começar a
trabalhar cedo. Aos 26 anos conseguiu emprego como professora
e, dessa forma, entrou em contato não só com a vida laboral, mas
34
Douglas Verbicaro Soares et al.

também com os círculos de militantes feministas e associações


femininas. A ativista se tornaria um dos maiores nomes da luta pela
igualdade de direito para as mulheres na Espanha.
Em 8 de Maio de 1931, foi publicado um decreto espanhol
que aprovava o voto passivo às mulheres, ou seja, conferia-lhes
a faculdade de poderem ser eleitas mas não de serem eleitoras
(MARIANO, 2017, p. 214). Foi assim, que, em Julho do mesmo
ano, Campoamor se tornou deputada. Ela e outras duas políticas
lançaram uma ampla campanha para que houvesse a inclusão do
efetivo voto feminino no novo texto constitucional (MARIANO,
2017, p. 214).
Contudo, assim como existiam grupos de mulheres de
esquerda que exigiam o direito de votar em que os papéis de gênero
fossem mudados, as mulheres de direita e católicas consideravam o
voto uma importante defesa da religião cristã e do modelo tradicional
de família. Lembra-se, aqui, que havia uma forte influência da igreja
sobre muitas mulheres, e, portanto, estas, poderiam ser induzidas à
votar politicamente sempre a favor dos princípios religiosos. Ainda,
as católicas poderiam ultrapassar o número de eleitores homens.
Estas eram as maiores preocupações dos partidos republicanos
e a razão pela qual hesitaram em conceder o direito do voto às
mulheres (MARIANO, 2017, p. 214).
Apesar disso, Clara Campoamor contrariou a posição do
próprio partido e se manifestou a favor do voto universal para as
mulheres:
Deixe que a mulher se manifeste como é para conhecê-la e
julgá-la; respeite seu direito como ser humano; [...] e se o direito
constituinte, como norma jurídica dos povos civilizados, cada
dia se aproxima mais ao conceito de liberdade, não invoqueis
o ultrapassado princípio aristotélico da desigualdade dos seres
desiguais (Voto de Clara Campoamor em uma das sessões
das Cortes Republicanas, Espanha, 01 de Setembro de 1931)
(ALVES, 2015, p. 2).
Alguns anos depois, em 1933, as mulheres votaram pela
primeira vez. Ano em que os republicanos perderam as eleições para
a coalizão de centro-direita, liderada pela Confederación Española
de Derechas Autónomas (OPERA MUNDI, 2012). A esquerda
35
Estudos de Direitos Humanos

prontamente responsabilizou o voto feminino pela sua derrota.


Javier Tusell, contudo, considera que o sufrágio feminino não
teve um impacto substancial no comportamento eleitoral que
até então se verificava, pelo que desvaloriza o argumento de que
a Esquerda perdeu as eleições por causa do voto das mulheres
(1991: 49). Capel Martínez, por seu lado, considera que esta
tomada de posição no calor dos acontecimentos resultou mais
da «resistência dos partidos perdedores à autocrítica» do que
a uma análise profunda aos resultados eleitorais» (2007: 39-
40) (MARIANO, 2017, p. 215).
Culpa do voto feminino ou não, ainda há de se discutir.
Fato é que, apesar das discussões terem sido realizadas durante
muitos anos pelas ativistas, as reformas podem ter acontecido de
maneira rápida e diversas mulheres não conseguiram acompanhar
os pensamentos e ideais. Victoria Kent, companheira e deputada
eleita junto à Campoamor em 1931, acreditava que antes de legislar,
a mentalidade da sociedade espanhola precisava ser profundamente
mudada, ou as propostas republicanas fracassariam (NATIONAL
GEOGRAPHIC, 2020). O que de fato ocorreu.
O voto feminino espanhol era um voto conservador.
Recorda-se que anterior à Segunda República Espanhola, a
maioria das mulheres não possuíam acesso à programas políticos,
eram analfabetas e não tinham conhecimento do mundo externo,
fora do âmbito privado. Era uma ideia de lar e cuidados. Dessa
forma, haveria de se esperar que nem todas concordariam com as
convicções da esquerda espanhola.
Para liderar as ideias das mulheres conservadoras, havia a
figura de Pilar Primo de Rivera. Pilar era irmã de José Antonio
Primo de Rivera, fundador da organização política nacionalista
Falange Espanhola (1933-1934), a qual a influenciou a fundar
a Sección Femenina com o objetivo de promover o sentimento
nacional falangista nas mulheres espanholas. A referida organização
disseminava os princípios dos valores tradicionais, onde a mulher
estava inserida nos papéis de mãe e esposa submissa. Ainda, a
Seccíon Femenina defendia a ideia de inferioridade moral ideológica
da mulher (LOS OJOS DE HIPATIA, 2014), o que radicalizou
a imagem de mulher doméstica a qual aos poucos estava sendo
36
Douglas Verbicaro Soares et al.

desmistificada durante a Segunda República. Uma grande perda


para as lutas dos movimentos femininos republicanos.
Inicialmente, a organização de Pilar Primo possuía pouca
adesão. Contudo tomou grande crescimento durante a Guerra
Civil Espanhola (1936-1939). Com o fim da guerra, a vitória dos
militares conservadores e o país destruído, a Sección foi crucial para
fazer acontecer a máquina estatal do regime do general espanhol
Francisco Franco. Pilar foi responsável por propagar a ideia de que
as mulheres deveriam gerar filhos para a nova pátria, haja vista a
quantidade de homens mortos durante os conflitos (LOS OJOS
DE HIPATIA, 2014).
Assim, Franco começou uma ruptura na história espanhola,
determinando um novo papel para as mulheres, o que melhor pode
ser chamado de retrocesso. Os anos que seguem foram marcados
pela implantação de valores patriarcais e a consolidação da Sección
Femenina na sociedade foi encarregada de reimplantar a ideia de
submissão da mulher em relação ao homem.

2.4 Os reflexos da ditadura de Franco nos direitos das mulheres


Durante o franquismo, período ditatorial que se caracterizava
como um governo de extrema direita o qual possuía diversos
atributos fascistas buscava-se destruir todo e qualquer resquício
progressista, por meio de transformações drásticas que afetaram o
país nos seus aspectos sociais, políticos e econômicos (ALVES, 2015,
p.2). Dessa maneira, após todos os direitos conquistados durante
o período republicano, o início da ditadura significou um enorme
retrocesso, uma vez que representava a efetivação de um governo
repleto de ideologias conservadoras. Nessa época, a repressão por
parte do Estado a qualquer indício de oposição era fortíssima e o
anticomunismo também se encontrava muito presente, com forte
influência dos ideais de Hitler e Mussolini. Somente nos primeiros
anos de governo, milhares de republicanos foram executados a
mando de Franco (ISTO É, 2019).
Quando se fala nos direitos das mulheres, a questão é
ainda mais preocupante, uma vez que o mencionado regime
37
Estudos de Direitos Humanos

ditatorial, com grande apoio da Igreja Católica, trouxe de volta os


conceitos tradicionalistas, que as colocavam de volta em situação
de submissão, enquanto que os homens estariam novamente em
posição de domínio na estrutura da sociedade.
La instauración de la dictadura franquista destruyó todos los
logros y conquistas que había alcanzado la Segunda República
en materia de género. [...] La situación económica creada tras la
guerra, y el peso de la Iglesia Católica dieron paso a una política
que definió el papel que la mujer dentro de la sociedad. Así,
el Franquismo frenaba las conquistas femeninas del período de
entreguerras arguyendo un discurso antifeminista, en el cual, la
mujer se percibía como un ser inferior al hombre, tanto espiritual
como intelectualmente, pretexto que utilizaban para relegar a la
mujer a las tareas del hogar. De ahí, el ensalzamiento de la figura
de la mujer como madre y esposa (LOS OJOS DE HIPATIA,
2014).
Reformas importantes que haviam sido realizadas no
período republicano foram revogadas, como o divórcio, matrimônio
civil e a ideia de igualdade jurídica entre os gêneros. No âmbito
educacional, a segregação entre homens e mulheres volta com toda
a força, de maneira que, enquanto que aos homens era oferecida
a oportunidade de estudo em todas as áreas, às mulheres eram
ensinados os princípios sobre casamento, criação de seus filhos e
afazeres domésticos. Sobre o tema, destaca-se que a Sección Femenina
de la Falange Espanhola teve grande influência, pois disseminavam
fortemente o discurso conservadorista, que pretendia restringir a
atuação feminina no coletivo (ARROYO; SÁ; ALVES, 2018, p.
3-4).
Ressalta-se, ainda, que as atividades realizadas fora do
ambiente doméstico passaram a ser consideradas pelo governo
como atividades perigosas, pois alegavam que poderiam colocar em
risco a capacidade de reprodução feminina (ALVES, 2015, p. 3). A
referida medida, é claro, nada mais era do que uma forma de impor
às mulheres o dever de ficarem somente em suas casas, cuidando dos
filhos e de seus maridos, reforçando a premissa de que a sua única
importância dentro da sociedade se referia à reprodução. Assim,
as mulheres assumiam cada vez mais o papel de sujeito passivo, da
mesma forma em que eram obrigadas a se distanciar de questões
38
Douglas Verbicaro Soares et al.

políticas e intelectuais.
Além disso, as mulheres que já se encontravam inseridas no
mercado de trabalho não conseguiam prosperar em suas carreiras.
Como exemplificação, o Ministério do Trabalho chegou até mesmo
à expressamente proibir que as funcionárias públicas ocupassem os
cargos de chefe administrativo, delegadas e inspetoras provinciais,
bem como cargos diplomáticos. Para fortalecer ainda mais o
conservadorismo no país, e com forte influência dos costumes
ligados à Igreja, foi promulgada lei que colocava a figura masculina
como o único chefe de família possível, de maneira que todos os
direitos relativos à sua esposa e seus filhos ficavam sob sua total
responsabilidade. Sendo assim, as mulheres precisariam pedir
permissão de seus maridos à quase todas as atividades a serem
realizadas fora de casa. Tais medidas demonstram a vontade
existente na época de restringir cada vez mais os direitos inerentes
ao gênero feminino, onde se observa cada vez mais a perda de sua
personalidade jurídica (ALVES, 2015, p. 4-5).
La que perdía totalmente su personalidad, su capacidad de obrar,
era la (mujer) casada, la cual desde el mismo momento de contraer
matrimonio pasaba a ser una menor, y el mismo Código Civil lo
recogió muy claramente en su artículo 1263 (sobre quienes no
podían prestar consentimiento válido) que situaba a la mujer
casada, entre los menores, los locos o dementes y los sordomudos
que no sabían escribir (TELO, 2005).
Ademais, é importante trazer à tona que o contexto pós-
guerra fortalecia ainda mais a necessidade de uma figura materna,
uma vez que a mortalidade infantil encontrava-se em alta no país
e ocorreram várias baixas relativas aos homens, os quais haviam
lutado no conflito (ARROYO; SÁ; ALVES, 2018, p. 5). Dessa
forma, a inferiorização da mulher espanhola fazia parte do que
os direitistas chamavam de um plano de reestruturação social, o
qual tinha como objetivo colocar a família como célula base da
sociedade. Essa ideia consiste em dizer que, a partir do casamento
e de uma vida matrimonial, a mulher que antes desempenhava um
trabalho fora de casa, enquanto solteira, deveria deixar o mesmo
trabalho depois de casada, pois com o casamento, a sua função e
responsabilidade seria a de servir ao marido, que agora era, em todo
39
Estudos de Direitos Humanos

seu poder, o chefe familiar.


Toda essa conjuntura machista acarretada pelo franquismo
continuou durante todo o período ditatorial, que teve seu término
em 1975. Contudo, ainda com o fim do franquismo e com a
dissolução da Sección Feminina, as mulheres espanholas precisaram
embarcar em novas e constantes lutas para poderem estabelecer seus
direitos, que durante tanto tempo foram violados (LOS OJOS DE
HIPATIA, 2014). Ainda que anos tenham se passado, é possível
observar na atualidade resquícios do grande conservadorismo
outrora imposto na Espanha, que segregou o gênero feminino
durante muito tempo.

2.5 Lei orgânica 1/2004 e a constante luta das mulheres


espanholas
Não é interessante restringir a violência contra as mulheres
como apenas aquela na qual o homem atenta contra o físico,
psicológico, ou patrimônio, por exemplo. Conforme o apresentado
na seção anterior, o regime de Franco foi extremamente
discriminatório e exemplifica a violência de gênero cometida por
um Estado. Observa-se que havia uma ideia de cuidado ao sexo
feminino, contudo, era apenas para que vidas fossem geradas
à “nova nação espanhola”. Ou seja, retiraram todos os direitos,
independência social, política e econômica das mulheres para que
servissem apenas na construção de uma nova Espanha. Portanto, a
violência cometida pelo país às mulheres foi de intensa desigualdade
e retirada de garantias legais para a segurança destas.
Em um país com o movimento feminista influente,
impulsionado pela sociedade civil ativa após o fim da ditadura
franquista, bem como com a movimentação de diversas mulheres
especialistas em violência de gênero durante os anos de 1998 e
1999 (CABRAL, et al., 2011), o governo socialista de José Luis
Rodríguez Zapatero, através do Parlamento Espanhol, aprovou
por unanimidade a Ley Orgánica 1/2004, de 28 de diciembre de
2004, de Medidas de Protección Integral contra la Violencia de Género
(DIARIO DE PERNAMBUCO, 2019).
40
Douglas Verbicaro Soares et al.

A referida legislação espanhola buscou erradicar a violência


de gênero e reverter a situação de inferioridade das mulheres
em relação aos homens. No texto da Ley Orgánica 1/2004 há a
compreensão de que a violência de gênero é o símbolo mais brutal
da desigualdade existente entre homens e mulheres na sociedade
espanhola (ESPANHA, 2004), o que de fato é. Ainda que os
homens, companheiros das mulheres sejam os maiores exemplos da
brutalidade patriarcal, o governo Espanhol foi o grande responsável
por institucionalizar o sexismo e a violência durante o período
ditatorial.
As consequências dos atos discriminatórios do governo
de Franco, apesar de terem sido reguladas e restringidas pela Ley
de Medidas de Protección Integral contra la Violencia de Género,
perduram ainda hoje na sociedade Espanhola. Pois claro, o choque
da instauração de um governo conservador o qual considerava a
mulher inferior ao homem, após um republicano que assegurava
diversos direitos, foi de tamanha intensidade.
Cerca de 100 (cem) tribunais e uma promotoria especializada
na violência de gênero foram criados desde a aprovação da Ley
Orgánica 1/2004. O promotor tem o poder de processar um agressor
sem que haja a denúncia da parceira, e o acusado deve comparecer
ao juizado dentro de 72 (setenta e duas) horas posteriores à
detenção. As vítimas possuem assistência jurídica gratuita. Ainda,
os juízes receberam treinamento para se adaptar à especificidade
dos crimes contra a mulher. Contudo, apenas em 2019 houve
aproximadamente 167 mil denúncias por violência de gênero na
Espanha. Além do mais, a vice-presidente do governo, Carmen
Calvo, informou que cerca de 70% das mulheres assassinadas nunca
denunciaram seu agressor (DIÁRIO DE PERNAMBUCO, 2019).
Em eleições do ano de 2018, um partido de extrema direita
chegou pela primeira vez ao Parlamento Regional da Espanha com
um programa que inclui a revogação da lei contra a violência de
gênero “e de qualquer norma que discrimine um sexo em relação
ao outro”. No lugar da Lei Orgânica 1/2004, propõe uma “lei
de violência intrafamiliar” sem que haja distinção entre homens
e mulheres. Sobre o tema, a porta-voz da organização Mulheres
41
Estudos de Direitos Humanos

Juízas explica: “Esta visão coloca as mulheres como seres de segunda


categoria e dá respaldo àqueles que estão vendo suas estruturas de
poder em perigo. Eles querem acabar com todas as conquistas
adquiridas” (EL PAÍS, 2018).
Os elementos aqui apresentados demonstram que ainda
há muito caminho a ser percorrido para que os danos causados
às mulheres durante a ditadura franquista sejam erradicados.
A Espanha e todas as mulheres espanholas permanecem em um
constante perigo de volta à inferioridade social.

2.6 Considerações finais


A presente pesquisa, em resumo, se propôs a realizar uma
análise das perdas e ganhos das mulheres espanholas no que
concerne aos seus direitos e garantias como participantes de uma
coletividade. Historicamente a mulher é vítima do patriarcado já
instituído nas sociedades o qual há anos insiste em inferiorizar as
capacidades do sexo feminino. O tão famoso “sexo frágil”. Dito o
isso, as relações de gênero não seriam diferentes na Espanha.
Como observado, a Segunda República Espanhola trouxe
um grande avanço no entendimento do ser mulher para a Espanha.
Ainda que nem todos concordassem, as mulheres passaram a ter
voz política, o que jamais poderia ser negado a quaisquer pessoas.
Ocorre que o sentimento conservador voltou ao país e com ele
houve um intenso retrocesso nos direitos civis das mulheres.
Entende-se para essa investigação que o governo ditatorial
de Francisco Franco foi o maior responsável por estabelecer a
institucionalização da discriminação de gênero na Espanha.
Independentemente de haver oposições político-partidárias, o
qual foi o caso durante a Guerra Civil Espanhola, foi o Estado
Franquista quem oficializou a inferiorização da mulher durante um
longo período de trinta e seis anos. Tal legitimação expôs opiniões
discriminatórias, reconheceu atos de violência contra a mulher, e
o mais grave de todos: reacendeu a chama sexista que dificulta no
reconhecimento de direitos da mulher na Espanha ainda hoje.
III Capítulo

EL MODELO DE HOMOSEXUALIDAD EN LA
ANTIGUA GRECIA: DEL COMPAÑERISMO AL
AMOR CARNAL

3.1 Introducción
Durante años, en las explicaciones históricas de la Antigua
Grecia, esta civilización ha sido vista como un lugar de orgías y
nudismo. En opinión de Corino (2016, p. 1-2), esta característica
griega fue predicada a través de las enseñanzas cristianas y es
totalmente incorrecta. Para analizar la historia homosexual del
pueblo griego, es necesario centrarse en las costumbres de una
época, la Antigua Grecia.
La sexualidad es una actividad social, construida
ideológicamente de acuerdo con las contradicciones de la
sociedad en su conjunto. Está limitada y controlada a través
de conceptos y categorías construidos históricamente. Hay
muchas formas de percibir la sexualidad socialmente a través
de arreglos de identidad. (DA COSTA, 2012, pág. 16).
En pocas palabras, hoy la homosexualidad se entiende
como una relación íntima entre dos hombres o dos mujeres, por
ejemplo. Por lo general, estas relaciones se basan en el amor y la
atracción de diferentes maneras. Sucede que en la Antigua Grecia
era común tener relaciones sexuales entre un hombre adulto y un
joven menor de edad. Este contacto se hizo principalmente por
la creencia de que era a través de la intimidad que los mayores
transmitían conocimientos y experiencias a los más jóvenes. Con
base en ese hecho ¿Eran homosexuales los antiguos griegos?
Este artículo tiene como objetivo discutir el modelo griego
antiguo de homosexualidad. Además, se pretende comprender
las relaciones de pederastia en esta sociedad a través de un
relevamiento bibliográfico y documental, con enfoque cualitativo,
44
Douglas Verbicaro Soares et al.

explorando respuestas en los campos de las ciencias humanas


y sociales. El trabajo se dividió en tres secciones principales. El
primer momento trata de cómo comenzó la comprensión del amor
entre los griegos. El segundo vislumbra cómo los griegos usaban la
pederastia (relaciones entre adultos y adolescentes). Finalmente, se
aborda la transformación de lo que inicialmente se entendía como
compañerismo a la relación carnal entre hombres griegos.

3.2 El amor griego como compañerismo


En el año 514 a. C., dos aristócratas de la ciudad de
Atenas asesinaron a uno de los hijos del difunto tirano Pisistratus
en la celebración de las Panatheneias - una fiesta en honor a la
diosa griega Atenea. Sus nombres eran Harmodio y Aristogitón
(CERQUEIRA, 2011, p. 90). Harmodio fue asesinado allí mismo
por guardias tiránicos, Aristogitón luego fue arrestado y “tratado
sin piedad” (RODRIGUES, 2018, p. 164).
Aunque el tiranismo fue derrocado solo después de 4 años
del hecho, el heroísmo del dúo se considera como el regreso de
la democracia a Atenas. Los dos personajes de culto, en el Ágora,
centro de la sociedad ateniense, se urgirán estatuas a su honor. Los
dos se convirtieron en el modelo de relación perfecta, el ideal griego
de comportamiento masculino. Es válido recordar que los escritos
de la época los describen como amantes (DOCUMENTÁRIO
HISTORIA, 2013).
Al principio, el concepto griego del amor entre hombres,
se refería al honor y al compañerismo. Intrigante para la presente
discusión es que en el siglo VIII a.C., mucho antes de que naciera el
dúo heroico, Homero, poeta grieco antiguo, escribió sobre la relación
entre Aquiles y su compañero de armas, Patroglo. La historia encaja
perfectamente dentro de este ideario heroico masculino moldeado
por Harmodio y Aristogitón: La relación es más importante que la
propia vida. Algo de que Aquiles habla con Patroglo constantemente y
expresan su voluntad de ser enterrados juntos, que se mezclen sus huesos
en la tumba, que estén dispuestos a dar la vida por su compañero
(DOCUMENTÁRIO HISTORIA, 2013).
45
Estudos de Direitos Humanos

Esa relación idílica entre hombres, encarnada por grandes


héroes mitológicos Harmodio y Aristogitón, se representan
sin ninguna connotación sexual en los primeros tiempos de la
democracia. La pasión de esta relación es difícil de entender en
nuestros tiempos, en nuestra cultura actual, pero para los soldados
griegos del siglo IV a.C., era un concepto de grande sentido
(DOCUMENTÁRIO HISTORIA, 2013).
En este sentido, se destaca que era el tipo de la relación
propia en la juventud y duraba hasta los 30 años. Para casi todos
los hombres significaba la mayor parte de sus vidas. Se trataba de
la primera relación mantenida durante al servicio a la comunidad
como soldado, con lo que en muchos casos, era la única relación que
mantenían porque morían en combate. Estos estrechos vínculos
resultaban cruciales para la gloria del ejército durante más de 200
años, las potencias griegas dependían de la lealtad de sus soldados
al Estado y a sus compañeros (DOCUMENTÁRIO HISTORIA,
2013).
Uno de los ejércitos más temidos y grande triunfador de la
antigüedad ha sido conocido como “Batallón Sagrado de Tebas”,
donde 150 parejas de compañeros fundidas en un único e intrépido
batallón. Según el texto artístico Poema de Solón: Alguien puede
concebir una fuerza de combate más aplastante que un puñado de estos
hombres luchando hombro por hombro. Un amante preferiría morir
antes que su amado lo viera desertar de su puesto. Más aún, sólo los
amantes sacrificarían sus vidas uno por otros (DOCUMENTÁRIO
HISTORIA, 2013).
Según la narración de Plutarco, la unión entre amantes
aumentaba su capacidad combativa, haciendo que la unidad
permaneciera invicta hasta su única derrota en la batalla de Queronea
contra Filipo II de Macedonia y su hijo Alejandro Magno (ABC,
2015). Cuando el Batallón Sagrado de Tebas fue derrotado en 338
a.C. estalló el escándalo que tales amantes habían, también, sido en
el sentido sexual. En dos siglos, la devoción fraternal de Harmodio
y Aristogitón había sido desbancada por la pasión física del Batallón
Sagrado de Tebas (DOCUMENTÁRIO HISTORIA, 2013).
46
Douglas Verbicaro Soares et al.

3.3 La adoración al perfecto cuerpo griego


No se puede dejar que hacer algunas consideraciones sobre
la importancia del gymnasio para la sociedad mencionada. El
termino que en griego viene de la palabra gymno – que representa
desnudez y que gymnasium sería el lugar donde ir desnudo para los
hombres. Fue allí donde los hijos de las mejores familias atenienses
acedan para ser instruidos en la búsqueda de la perfección mental
y física. Ese es el primer de los aspectos definitorios de la ciudad,
porque las raíces de la competición atlética y de la preparación
del cuerpo radican en el deseo por estar listos para el servicio
(DOCUMENTÁRIO HISTORIA, 2013).
Lo que empezó por una necesidad militar de estar en forma
física, pronto evolucionó hacia una especie de culto al cuerpo. Un
ejemplo está en las varillas, donde es posible encontrar dibujado
como los hombres atenienses celebraban concursos de belleza
masculinos (AYENSA, 2008, p. 124-5). A veces, en las varillas, se
pudo observar dibujos de los ganadores portando en sus entornos,
en la parte de su anatomía que se juzgaban. Si alguien tenía unos
muslos bien formados él afortunado llevaba un lazo allí o en otro
caso el los bíceps donde se marcaba la zona favorecida del muchacho.
Es como si el varón ideal hubiese sido creado para la contemplación
de los otros hombres (DOCUMENTARIO HISTORIA, 2013).
La educación en el gymnasium esculpía las mentes de
los jóvenes, así como a sus cuerpos. Ambas partes estaban
completamente unidas. El más guapo debería posee además la
mente más capacitada. Y del aprendizaje de las costumbres de su
mundo, se encargaban los adultos. En este sentido están las ideas de
Henri-Irénée Marrou, que en su obra: Histoire de l’éducation dans
l’Antiquité, retrataba el relevo del contacto más íntimo entre dos
hombres en la sociedad helénica (BARBO, 2011, p. 173).
Según el autor: el amor por los jóvenes, como visto en la
desnudez atlética, con la cual se relaciona estrictamente, representa una
de las características peculiares del helenismo, uno de los costumbres
que más claramente se diferenciaba al de los bárbaros, siendo una
característica del hombre civilizado (BARBO, 2011, p. 173).
47
Estudos de Direitos Humanos

En Grecia, las prácticas sexuales entre personas del mismo


sexo estaban presentes dentro de la cultura helena, teniendo
regulación esas relaciones de los jóvenes con los más adultos. Según
Antonio Blanco Freijeiro, citado por Alder Izquierdo:
Pederastia, amor de un hombre adulto y de un adolescente.
Como abanderado del dórico Esparta adoptó, legalizó e
impulso la pederastia a sus ciudadanos bajo pena de castigo
y deshonor para aquel que se resistiese a practicarla. El joven
espartano, una vez aceptado por su tutor y amante, iniciaba su
servicio militar como amigo y compañero de éste. El veterano
trasmitía a su amante su sombría, su valor guerrero y su
experiencia militar, dedicados ambos al servicio del Estado, el
veterano se hacía además responsable de las faltas cometidas
por su amigo. Amén de convivir, ambos formaban juntos
en el campo de batalla y no era raro que juntos muriesen
combatiendo” (ALDER IZQUIERDO, 2006, p. 26-7).
Sobre eses argumentos, podemos citar también a Alder
Izquierdo:
En la ciudad Estado de Esparta, una comunidad dórica como
la isla de Creta que encontraba la homosexualidad fuertemente
relacionada con el carácter militar del Estado. Era ley en
Esparta que los varones abandonasen sus familias a la edad
de siete años y que, cuando llegasen a la edad adulta, vivirían
separados de sus mujeres en tiendas y cuarteles, pasando sólo
cortos períodos de tiempo con ellas antes de regresar a dormir
en las tiendas con sus compañeros (ALDER IZQUIERDO,
2006, p. 35).
Algo diverso de lo que más tarde se presenció en el Imperio
Romano, en especial con la ascensión de Justiniano con la condena
a esas prácticas.

3.4 La pederastia como instrumento de desarrollo social de los


jóvenes griegos
Las manifestaciones de la sexualidad humana han estado
presente desde los períodos más remotos de las sociedades, ejemplos
están en las practicas citadas por Homero en la Lliada entre Aquiles
y Patroclo, así como también, lo caso relatado de Alejandro Magno
y su lugarteniente Ephastion, que han mantenido su vínculo sexual
48
Douglas Verbicaro Soares et al.

mismo después de que cada uno tenga contraído matrimonio a


posteriori (ALDER IZQUIERDO, 2006, p. 37). Es importante
mencionar que la cultura griega tiene diversas explicaciones
mitológicas para caracterizar la existencia de las relaciones homo-
eróticas, por ejemplo en la Obra de Platón, “El Banquete”, se busca
explicitar los orígenes del amor.
Con referencia a la homosexualidad presente en el período
clásico griego, debido al propio auge de la cultura de esta sociedad
antigua, que se remonta a más de dos mil años con un grande
desarrollo cultural, filosófico, político, social, resultó precisamente
en el surgimiento de la cuna del occidente. Esa sociedad con
personajes que en los días actuales son usados como ejemplos como
Pericles, Platón y Sócrates, los cuales abarcaban la idea de que los
hombres, los ciudadanos griegos, tuvieran prácticas sexuales con
personas del mismo sexo fuese algo considerado normal por la
propia sociedad griega. Sin embargo, para ellos, el sexo se entendía
como una libertad de placer sexual humano, diferente de lo que
ahora entendemos como relaciones sexuales homosexuales. Según
Ayensa:
En aquella época no existía el modelo de relación erótico-
sexual-amorosa tal como se concibe en la actualidad, ni entre
dos hombres ni entre un hombre y una mujer. Las razones por
las cuales se establecían relaciones estables para toda la vida,
como el matrimonio, o por las cuales se mantenían relaciones
sexuales, eran totalmente diferentes. Los griegos no decían que
alguien era heterosexual u homosexual como decimos ahora,
sino que alguien en un momento estaba determinado estaba
teniendo relaciones sexuales con otra persona. (AYENSA,
2008, p. 123).
Se suman a esas ideas los comentarios oportunos de Alder
Izquierdo:
Para los Estados griegos el sexo no se consideraba
exclusivamente relacionado con la procreación sino también
como una función del ser humano que generaba placer y
disfrute, comportamiento como tal que no era entendido
como un acto negativo, sucio, prohibido o pecaminoso más
que nada porque la consciencia griega no había entrado aún en
contacto con la moral cristiana, en dónde su filosofía instaba a
49
Estudos de Direitos Humanos

creer que lo físico y lo sexual era directamente relacionado con


la vergüenza, el castigo, la abstinencia y el pecado, motivos por
los cuales todo acto que conllevara a estas direcciones deberían
de ser por la Ley sancionados (ALDER IZQUIERDO, 2006,
p. 36).
En esta línea de raciocinio, es válido comentar que las
prácticas sexuales entre hombres (ciudadanos griegos considerados
como poseedores de derechos específicos) era considera
públicamente adecuadas si se desarrollaban entre un hombre
más adulto, normalmente con matrimonio y padre de familia,
con otro hombre adolescente, bien más joven. Al primero se le
atribuía al hecho aislado de tener el placer, lo más joven solamente
proporcionaba este hecho. El joven nunca podría mostrar ningún
tipo de placer, siempre pasivo (CORINO, 2006, p. 23). Al crecer el
joven debería buscar otras personas más joven para repetir el patrón
de contacto que él había tenido (AYENSA, 2008, p. 124).
Para corroborar con esta idea, Mesquita Junior, resalta que,
antiguamente, el uso de la expresión “pederastia” era utilizado
para definir, lo que para los griegos, consistía en el amor de un
hombre (generalmente con una edad mayor de los 30 años) con un
adolescente (entre los 14-16 años). El mayor se llamaba “erastes”,
el menor era “eromenos”. Este tipo de relación estaba condicionada
a la aprobación de los padres de los Eromenos, y luego Erastes
serviría como amigo y educador hasta que el joven cumpliera los
18 (dieciocho) años. A partir de ese momento, la relación sería solo
de amistad, sin contenido sexual (ANDRADE, 2017, p. 65).
Él nos hace recordar que la relación sexual entre personas
adultas del mismo sexo no era una práctica habitual y, cuando
ocurría, era reprobada socialmente. Uno de los motivos que esta
reprobación estaba relacionado con el tema de la pasividad, es decir,
que un hombre no podría tener complacencias pasivas con otro
hombre, mucho menos que él fuese un esclavo o un perteneciente
a una clase inferior (MESQUITA JUNIOR, 2008, p. 11). Se
observa, por tanto, que existía una idea y necesidad de dominación
del hombre adulto sobre el joven, ya que esta relación se permitió.
Esto era similar a las relaciones heterosexuales, de poder sobre las
mujeres. La diferencia es que el joven griego estaba inicialmente
50
Douglas Verbicaro Soares et al.

subordinado para recibir el conocimiento y luego pasarlo a otro


joven. A la mujer no se le permitió estudiar y obtener informaciones
político-sociales. Las mujeres griegas estaban destinadas únicamente
a la función cívica de reproducción. Después de generar al niño, su
papel dentro de la sociedad estaba terminado (CORINO, 2006,
p. 23).
Sobre la pederastia Alder Izquierdo ha hecho referencia que:
en el caso del hombre griego adulto, éste aceptaba al adolescente, le
acompañaba en un período de segregación y vivía con él ejerciendo
las funciones de educador, tutor y amante. El autor reitera que ese
proceso era comprendido como un momento normal, un “carácter
esencial” para la formación de un hombre adulto en la sociedad
griega. Izquierdo aporta que: esa costumbre era considerada como
una pederastia institucionalizada motivada por cambios económicos,
sociales, políticos que afectaron en el siglo VII a. C a la Grecia antigua
(ALDER IZQUIERDO, 2006, p. 34). Se observa, por lo tanto, que
se utilizó la pederastia como una forma de fortalecer a los hombres
para que pudieran permanecer fuertes y activos en los combates.
Se hace importante informar que las conductas
homosexuales, dentro de la idea de pederastia, no era excluyente, es
decir, el hecho de un hombre tener una esposa, no le impedía para
que tuviera una práctica sexual con un adolescente. La relación
sexual entendida como tal no cambiaba la imagen varonil del
hombre socialmente, pues el amor al bello, al sublime, al cultivo
de la inteligencia y de la cultura no tenía el sexo. De este modo lo
que se condenaba era la búsqueda del sexo por sexo (MESQUITA
JUNIOR, 2008, p. 11).
La práctica de la pederastia tenía la cuestión del status social,
es decir, en este sentido el hombre debería tener una ascendencia
intelectual, cultural y económica sobre el adolescente, una vez que
sería el hombre que complementaría la formación del adolescente,
iniciándole en la arte del amor, en el estudio de la filosofía y de
la moral. Mesquita Junior sigue aclarándonos que esta práctica
debería existir luego que las primeras señales de la virilidad del
adolescente surgieran como por ejemplo, el primer vello de la barba
(entre los 17-18 años) (MESQUITA JUNIOR, 2008, p. 9). En la
51
Estudos de Direitos Humanos

hipótesis de la práctica sexual entre un hombre y un adolescente


con la virilidad aflorada siguiese adelante, ésta última sí que ya sería
condenada socialmente.
No menos importante y que también merece consideración
es la referencia a la homosexualidad femenina, también manifestada
en el período de la Grecia antigua, referente a la isla griega de
Lesbos, donde ha vivido la poetisa Safo, entre 630 al 612 a. C.,
mujer que no dejaba de explicitar su conducta homosexual en
relación a las personas de su mismo sexo (MESQUITA JUNIOR,
2008, p. 9). No se permitían las relaciones con niños pequeños,
las niñas todavía eran elegibles para el matrimonio a la edad de 11
años. En contraste, los hombres jóvenes fueron entrenados para
tener una relación con un hombre adulto solo cuando llegaron a la
pubertad, como se dijo anteriormente (AYENSA, 2008, p. 127).
Desafortunadamente, se encuentra poca información sobre las
relaciones homoeróticas que involucran a mujeres. La información
que tenemos sobre cualquier forma de sexualidad femenina es muy
poca en comparación con la gran abundancia de testimonios sobre la
homosexualidad masculina (ANDRADE, 2017, p. 68). Es por esta
razón que la presente investigación se centró en las relaciones entre
hombres.
En válido mencionar que, por más que no habían leyes
que prohibiesen el sexo anal, las pinturas de las varillas históricas
encontradas mostraban tan solo los hombres mayores tocando los
genitales de los jóvenes (AYENSA, 2008, p. 124-5). La mayoría de
las representaciones de actividad sexual que nos llegan de esta época
proceden de las copas utilizadas en las fiestas de hombres llamadas
los simposios o banquetes. Se sabe que uno de los costumbres más
importantes de la sociedad griega era que los hombres mayores
tuviesen amantes adolescentes, como ya ha sido manifestado arriba,
los cuales eran dotados de prestigio por tener un mentor. Este, les
enseñara el funcionamiento de la sociedad y les ayudaban a crecer
como adultos responsables y capaces de integrasen en sociedad
(DOCUMENTARIO HISTORIA, 2013).
De este modo, el los vestigios encontrados en tazas antiguas
de estas celebraciones, se ve un hombre reclinado, en otra, la llegada
52
Douglas Verbicaro Soares et al.

del invitado de honor, un chico desnudo. El procedimiento indica


que el hombre mayor se acerca al padre del joven que le gusta y
de ahí que le diga que quiere celebrar un simposio con todos sus
amigos y que desea que su hijo acuda como invitado de honor.
Para este caso se tendría que pedir el permiso del padre y que si le
concederá, el pacto quedaba cerrado y los dos (el hombre mayor
junto con el joven) ya podrían empezar a constituir el vínculo
carnal sexual (DOCUMENTARIO HISTORIA, 2013). Para estos
eventos, el anfitrión encargaba entonces una varilla especial con
dibujos del adolescente e inscripciones con la palabra belleza. Esas
varillas también podrían mostrar el tipo de cosas que los invitados
mayores querían hacer con el joven.
Los hombres mayores querían estar cerca del chico, iniciar
una conversación con él y seguramente más tarde hacer algo más
con este objeto de belleza aparte de tenerlo cerca. De lo que no
hay duda es que fuese quien fuese, el chico invitado lo había sido
cortejado por su extraordinaria belleza. El ambiente de tan alta
carga sexual del simposio era también un fórum para el debate
intelectual. En algunos párrafos del libro el banquete de Platón,
explicando la homosexualidad humana: cuantos son sección de varón,
persiguen a los varones y mientras son jóvenes, al ser rodajas de varón,
aman a los hombres y se alegran de acostarse y abrazarse; éstos son los
mejores de entre los jóvenes y adolescentes, ya que son los más viriles por
naturaleza (AYENSA, 2008, p. 127).

3.5 Del compañerismo a las relaciones carnales


Según “El Banquete” de Platón, en la naturaleza del amor
y sexo, el amor entre hombres y mujeres es algo como puramente
físico y secundario a respeto del amor más elevado y espiritual entre
dos hombres. “Su deseo es de una unión duradera, un compañero
para toda la vida”. Pero Platón estaba anclado en el pasado, él
hablaba de un amor no sexual entre hombres como el de Harmodio
y Aristogitón. Sin embargo, Atenas y toda Grecia habían cambiado.
En el lapso de 200 años, la cultura del idealismo heroico
contenido había sido sustituida por la del gimnasio, la belleza del
53
Estudos de Direitos Humanos

cuerpo masculino era el nuevo ideal, esculpido en piedra y en la


carne. Desde el principio de la democracia hasta finales del siglo IV
a. C., y hasta el final del siglo VI, se observa una transformación
en las relaciones masculinas. Al principio tenían un sentido
aristocrático dentro de la vida de la ciudad giraban en torno a ellas,
pero precisamente estas relaciones acaban destruyendo la ciudad
(AYENSA, 2008, p. 126).
Los hombres recurrían a otros hombres porque el
matrimonio no solo era un acuerdo comercial, las mujeres
generalmente incultas, limitadas, encerradas tenían poco que ofrecer
tras sus maridos en términos de compañía, de estímulo intelectual o
pasión erótica, su papel era de crear ciudadanos varones (CHAVES,
2009, p. 93). Además, existía entre los guerreros de 18 (dieciocho)
a 25 (veinticinco) años, la costumbre de tener en su compañía a
un chico con el que copulaban entre los muslos, ya que las mujeres
no podían ingresar a los campamentos (ANDRADE, 2017, p.68).
Dover, en su estudio sobre la homosexualidad griega,
concluyó que en la antigua Grecia las relaciones homoeróticas
satisfacían las necesidades de relaciones personales de una intensidad
que no se encontraba en el matrimonio. Las mujeres eran vistas
como intelectualmente, física y emocionalmente inferiores, y por
lo tanto los hombres tendían a reunirse en grupos en los que se
formaron parejas. Plutarco, al discutir el tema, declaró que: el amor
verdadero no tiene lugar en Ginceu; y afirmo que no es amor lo que
sientes por mujeres o niñas. Sería tan absurdo como llamar amor lo
que las moscas sienten por la leche, las abejas por la miel y los cocineros
por las carnes y manjares que preparan (Sobre el Amor, 750 a.C.)
(CORINO, 2006, p. 20).
Se finalizan eses comentarios sobre el modelo griego
argumentando que las actuales diversificaciones atribuidas a
las distintas formas de sexualidad humana, como pueden ser la
heterosexual, homosexual o bisexual o la propia asexualidad, no
existían como tal en el modelo helénico, una vez que eses términos
gramaticales han sido originadas solamente siglos más tarde, como
resaltó Alder Izquierdo. Esas distinciones entre homosexualidad y
heterosexualidad no estaban presentes en el lenguaje de los griegos.
54
Douglas Verbicaro Soares et al.

Sin embargo, los griegos eran conscientes de que los individuos difieren
en sus preferencias sexuales, así como, consideraban que prácticamente
todos responden en diferentes momentos a estímulos homosexuales y
heterosexuales (ANDRADE, 2017, p. 69).

3.6 Consideraciones finales


La relación de homosexualidad en la Antigua Grecia tenía
como concepto una intimidad no muy similar a la que tenemos hoy.
Inicialmente, esta relación se observó como una fuerte amistad entre
personas del mismo sexo, específicamente, en esta investigación,
hombres. Se creía que los hombres tenían una conexión más allá de
lo mundano, entendido como espiritual.
El amor griego entre hombres se caracterizaba por el
compañerismo y la lucha por la vida de los demás. Por el momento,
no había connotación sexual entre las relaciones. Fue entonces
cuando, del cuello del Sagrado Batallón de Tebas, se abrieron las
puertas del culto al cuerpo y la sexualidad masculina.
Los cuerpos de los hombres siempre deberían tener un patrón
de fuerza y belleza.
​​ Sin embargo, lo que comenzó con un objetivo
militar, pronto se convirtió en un culto al cuerpo perfecto a través
de competiciones atléticas. En esta investigación se observó que los
chicos comenzaron su formación para las batallas desde una edad
temprana. Así, para que pudieran absorber todo el conocimiento
de los luchadores mayores, se utilizó la “pederastia”, las relaciones
carnales entre hombres mayores y adolescentes. Sin embargo, tan
pronto como los griegos regresaban del servicio militar, se casaban
con sus mujeres y mantenían un matrimonio.
Por lo tanto, se entiende que la pederastia se utilizó
como instrumento político y social para que la fuerza militar se
transmitiera de generación en generación. Actualmente puede
ser difícil entender esta relación como algo seguro, ya que es más
conocida en los tiempos actuales como pedofilia. Con todo, cabe
señalar que era algo común en la antigua sociedad griega y duró
muchos años.
Finalmente, si el acto heterosexual de engendrar hijos
55
Estudos de Direitos Humanos

es considerado para la historia de la sexualidad de los antiguos


griegos, se puede entender, con las concepciones actuales, que
eran bisexuales (mantenían relaciones con hombres y mujeres).
Sin embargo, si prevalece la idea de Plutarco, que las mujeres
no eran amadas y solo se usaban para la procreación, donde el
verdadero amor se encontraba en las relaciones entre hombres,
los griegos eran homosexuales. Para esta investigación, se entiende
que todas las relaciones griegas tenían como figura principal al
hombre experimentado (erastes), tanto con las mujeres como con
los jóvenes (eromenos). Estas relaciones representaban nada más
que masculinidad con la idea de poder y autoridad. La necesidad
constante de dominar a alguien: primero con sus esposas, segundo
con los eromenos, jóvenes, para que puedan continuar el ciclo.
IV Capítulo

NOME SOCIAL E O RESPEITO À DIGNIDADE


HUMANA DE PESSOAS TRANSGÊNERO

4.1 Introdução
O tema abordado apresenta grande repercussão na mídia
nacional, já que visa o reconhecimento de novos direitos de uma
minoria que pertence às pessoas LGBTs (lésbicas, gays, bissexuais
e transgêneros), composta por transexuais e travestis que integram
o conceito geral de transgêneros. Essa sensibilização sobre o tema
é importante, sendo uma conquista frente a todo um processo de
luta histórico-social, cultural e religiosa para possuírem respeito,
visibilidade e proteção.
Por possuir tal destaque, a expansão de direitos junto
aos direitos fundamentais desse público merece uma abordagem
aprofundada de todo o processo para um direito civil de ser
reconhecido após tanto tempo. Destarte, ao discutir o tema,
será possível observar que a luta dessas pessoas ainda é maior,
porque anseiam pela igualdade de direitos e pelo reconhecimento
sociocultural e histórico que foram vítimas por gerações, sem a
aceitação de sua diversidade humana inerente à própria sexualidade
de cada pessoa (VERBICARO SOARES, 2018, p. 242):
Diversidade humana como sendo inerente à própria variante
de sexualidade e de gênero. Nessa conjuntura, para seu
entendimento exige uma conscientização social sobre a
preservação das múltiplas formas existentes dessa mesma
diversidade, garantindo a manutenção de preceitos de justiça,
de harmonia, de paz e igualdade.
Com base nessas premissas, o estudo procurou retratar a
situação do nome social e o respeito à dignidade humana. Dessa
maneira, foram realizados alguns questionamentos, como por
exemplo: Quais os conceitos mais comuns que versam sobre o
58
Douglas Verbicaro Soares et al.

tema? Existe alguma previsão constitucional de proteção de direitos


dessas pessoas vulneráveis? É importante falar sobre o nome social
na sociedade brasileira? Qual a regulamentação do nome social?
Para a estrutura do estudo, se optou por um levantamento
bibliográfico e documental, com abordagem qualitativa em um
método dedutivo, buscando respostas em diversas áreas: história,
direito etc. O trabalho apresenta variadas seções: A primeira,
eminentemente conceitual, para tratar da explicitação de distintas
terminologias a ser utilizadas na presente investigação. A segunda
seção trabalha com a necessidade de respeito aos princípios
constitucionais e direitos em favor da dignidade humana. A terceira
seção aborda a relevância social da discussão sobre o nome social. A
última parte da investigação visibiliza a regulamentação do nome
social no Brasil, seguida das considerações finais e referências.

4.2 Prévias explanações de conceitos


Para a maior compreensão da temática deste estudo, é
necessário conceituar alguns termos trabalhados na investigação,
tais como: identidade de gênero, nome – prenome, nome
social, dignidade humana e transgênero. Essa explicitação se faz
indispensável para a preparação dos leitores da investigação, com o
objetivo de sanar alguma eventual dúvida de nomenclatura.
A primeira expressão: Identidade de gênero é a identidade
a qual o indivíduo se reconhece no seu íntimo, seja do gênero
masculino, feminino ou outro variante entre eles, definindo
comportamentos e relações pessoais, independentemente do
sexo biológico. Destaca-se que a identidade de gênero é apenas
a expressão de uma sexualidade abrangente e não restritiva aos
padrões binários reforçados ao longo dos séculos por uma estrutura
heteronormativa dominante:
Conceito de identidade de gênero e suas implicações no âmbito
sociocultural. Desse modo, alertando a comunidade que essa
condição da diversidade humana (as pessoas transgêneros) não
representa um risco para a harmonia social e, sim, faz parte
de uma nova etapa de convívio para humanidade, baseada
nas novas exigências democráticas, que valoram o processo
59
Estudos de Direitos Humanos

de reconhecimento, aceitação da diversidade e integração


das pessoas trans em um ambiente harmônico e de mútua
convivência no respeito (VERBICARO SOARES, 2018, p.
244).
Assim, é a forma como a pessoa se identifica com um gênero
ao longo da vida, como afirmam os especialistas que formularam os
Princípios de Yogyakarta:
Compreendemos identidade de gênero a profundamente
sentida experiência interna e individual do gênero de cada
pessoa, que pode ou não corresponder ao sexo atribuído no
nascimento, incluindo o senso pessoal do corpo (que pode
envolver, por livre escolha, modificação da aparência ou função
corporais por meios médicos ou cirúrgicos) e outras expressões
de gênero, inclusive vestimenta, modo de falar e maneirismos
(CLAM, 2007).
Para a segunda nomenclatura visibilizada, Nome – prenome,
é importante explicar, segundo Diniz (2011), que nome é um
substantivo próprio que particulariza o indivíduo, sendo composto
pelo prenome e sobrenome, representando e determinando a
personalidade, em que, geralmente, exterioriza como a pessoa se
reconhece na sua individualidade:
O nome integra a personalidade por ser o sinal exterior pelo
qual se designa, se individualiza e se reconhece a pessoa no seio
da família e da sociedade: daí ser inalienável imprescritível e
protegido juridicamente (DINIZ, 2011, p. 225).
A próxima terminologia aborda o Nome social. Nessa
situação, o nome com o qual o indivíduo se reconhece e prefere
ser chamado, podendo ser distinto do nome civil, por trazer maior
individualidade e respeito (BAYER, 2019, p. 14): “é o nome pelo
qual pessoas transexuais, travestis ou qualquer outra identidade
prefere ser chamada cotidianamente. É o nome que se adequa a
identidade de gênero do indivíduo”.
Nesse caso, é relacionado à identidade de gênero da pessoa,
para que não sofra constrangimentos ou discriminação ao ser
chamada ou identificada com um nome masculino ou feminino,
que traz consigo todo um peso negativo, relativo às lembranças não
desejadas e associadas a uma estigmatização do sexo biológico de
60
Douglas Verbicaro Soares et al.

cada pessoa em sociedade.


Não dar possibilidades à pessoa se denominar e ser
denominada pelos outros conforme seu entendimento acerca
de si é cercear direitos fundamentais, impossibilitar condições
de exercício de sua cidadania e estimular o constrangimento,
a intolerância, a discriminação e a violência em suas diversas
formas (MARANHÃO FILHO, 2012, p. 112).
Para retratar a definição de Dignidade humana o estudo
adotará o conceito de Sarlet (2007), destacando a importância do
respeito ao ser humano e no combate às práticas degradantes:
[...] temos por dignidade da pessoa humana a qualidade
intrínseca e distintiva de cada ser humano que o faz merecedor
do mesmo respeito e consideração por parte do Estado e da
comunidade, implicando, neste sentido, um complexo de
direitos e deveres fundamentais que asseguram a pessoa tanto
contra todo e qualquer ato de cunho degradante e desumano,
como venham a lhe garantir as condições existenciais mínimas
para uma vida saudável, além de propiciar e promover sua
participação ativa e corresponsável nos destinos da própria
existência e da vida em comunhão com os demais seres
humanos (SARLET, 2007, p. 62).
Consequentemente, a explanação da terminologia
Transgênero: é o indivíduo que possui identidade de gênero distinta
ao sexo biológico e por isso muda expressões, comportamentos e
até o próprio corpo para se auto reconhecer. Sendo um tema amplo
que engloba múltiplas manifestações da diversidade sexual. Assim,
pode ser compreendido como: “pessoas que têm uma identidade de
gênero, ou expressão de gênero diferente de seu sexo atribuído no
nascimento, ou biológico” (BAYER, 2019, p. 12).
Nessa conjuntura, a investigação introduziu diferentes
explanações sobre temas que geralmente estão entre as dúvidas de
muitas pessoas na sociedade brasileira. O estudo aponta que para
que exista uma real sensibilização em questões de gênero e suas
identidades no país é imprescindível a criação e o debates desses
temas no meio social, uma vez que a própria nomenclatura é
originária do processo sociocultural.
61
Estudos de Direitos Humanos

4.3 Respeito aos princípios constitucionais e direitos


Frente a uma realidade de preconceito e discriminações
exacerbadas para com as pessoas LGBTs, a Constituição Federal de
1988, em seu preâmbulo, denota um ideal de valores democráticos
e republicanos inspiradores:
[...] para instituir um Estado Democrático, destinado a
assegurar o exercício dos direitos sociais e individuais, a
liberdade, a segurança, o bem-estar, o desenvolvimento, a
igualdade e a justiça como valores supremos de uma sociedade
fraterna, pluralista e sem preconceitos, fundada na harmonia
social (BRASIL, 2020).
Mas, por não haver legislação específica, os direitos dos
LGBTs não são assegurados ou garantidos efetivamente. Dessa
forma, é necessária uma interpretação de princípios e direitos para
que essa minoria possa ser inserida e respeitada. À luz da citada
Constituição, existe a especificação no Título I, dos Princípios
Fundamentais:
Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união
indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal,
constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como
fundamentos:
II - a cidadania;
III - a dignidade da pessoa humana (BRASIL, 2020).
E, também, explicita entre seus objetivos fundamentais:
Art. 3º Constituem objetivos fundamentais da República
Federativa do Brasil:
IV - promover o bem de todos, sem preconceitos de origem,
raça, sexo, cor, idade e quaisquer outras formas de discriminação
(BRASIL, 2020).
Observa-se que o reconhecimento desse grupo é mais do
que essencial para fazer valer tais fundamentos e objetivo de forma
ampla, assegurar a todos eles o bem estar, a vida, a identidade e a
honra é básico frente a tudo o que poderiam ter se houvesse maior
respaldo na legislação para essa minoria.
Vale lembrar que a Declaração dos Direitos Humanos traz
62
Douglas Verbicaro Soares et al.

em seu art. 1º que “todos os seres humanos nascem livres e iguais


em dignidade e em direitos. Dotados de razão e de consciência,
devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade”
(OHCHR, 1948).
Com base nessa conjuntura e dando enfoque no nome
social, a dificuldade imposta para a adoção do mesmo fere tais
princípios, já que causa ao indivíduo exposição desnecessária,
constrangendo e afetando seu desenvolvimento pessoal e social.
Destarte, a não possibilidade da escolha do nome ao qual se entende
como indivíduo, de acordo com a identidade de gênero a qual se
reconhece, só torna crescente tal segregação, negando-lhes ainda
mais direitos.
São necessárias políticas de inclusão que protejam a
dignidade humana e garantam direitos básicos e fundamentais,
a fim de aproximar essa minoria respeitando suas especificidades
e promovendo uma convivência harmônica e produtiva de um
Estado Democrático.
Um grupo de risco, discriminado e segregado, precisa ser
tratado com respeito pleno, para que não se sintam ainda mais
menosprezados, já que sofrem muitas outras dificuldades, como a
dissociação de gênero, preconceito, não compreensão e transfobia.
Por isso é tão necessária uma alteração do registro civil, para que
tenham ao menos satisfação com a identidade pessoal, garantindo
o direito à personalidade.
Sobre esse direito Vieira destaca que:
O direito à busca do equilíbrio corpo-mente do transexual,
ou seja, à adequação de sexo e prenome, ancora-se no direito
ao próprio corpo, no direito à saúde (art. 196 da Constituição
Federal), principalmente, no direito à identidade sexual, a qual
integra um poderoso aspecto da identidade pessoal. Trata-se,
destarte, de um direito da personalidade (VIEIRA, 2004, p.
117).
Então é certo afirmar que o Princípio da Dignidade da
Pessoa Humana e os Direitos da Personalidade devem garantir
integridade física e psicológica desse público, além de assegurar
todos os direitos inerentes à condição humana, como serem tratados
63
Estudos de Direitos Humanos

pela identidade social que possuem: o nome social que concretiza o


desenvolvimento da personalidade.

4.4 A relevância social da discussão sobre o nome social:


sensibilização contra a discriminação
Para um Estado Democrático justo para todos os grupos
nele inseridos, foi e é necessário muita luta em favor de direitos,
especialmente para as minorias como da população LGBT. No
entanto, ainda maior é o combate realizado pelas pessoas LGBTs,
já que o Estado não reconhece sua identidade declarada, o que
lhes tira direitos, por não ter amparo jurídico, deixando-os sem
proteção social e em situação de marginalização:
Uma questão básica é que as pessoas sejam nomeadas e
reconhecidas pelo modo como elas se identificam para o outro,
e sejam respeitadas como tal. Toda pessoa tem o direito a ser
igual quando a sua diferença o inferioriza; e todos têm o direito
a ser diferentes quando a sua igualdade os descaracteriza.
(HOGEMANN, 2014, p. 217).
Para que tenham acesso amplo à educação, à saúde, às
oportunidades de trabalho e aos serviços públicos, o reconhecimento
da cidadania desse grupo é importante, mas por identificarem-
se com um gênero contrário ao sexo biológico e externarem
comportamentos de suas personalidades, sofrem represálias e têm
dificuldades.
Por esse motivo, deve haver o reconhecimento da identidade
social, para que constrangimentos como apresentar, por exemplo,
um documento com nome e gênero contrário ao qual se identificam
não os afaste da garantia de direitos e cidadania. Surge então o
valor do uso do nome social: proteção da dignidade, identidade e
inclusão.
Entre 2008 e 2016, foram mortos 868 travestis e transexuais
no Brasil, 40% dos casos que ocorreram no mundo, fazendo do país
o que mais mata essa população, de acordo com o monitoramento
de mortes absolutas realizado pela Organização Não Governamental
Transrespect versus Transphobia Worldwide (TRANSRESPECT,
2016). Vale ressaltar que, com dados da Associação Brasileira de
64
Douglas Verbicaro Soares et al.

Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais, 73% desse grupo


evade das escolas e, conforme a Secretaria de Direitos Humanos da
Presidência da República, 61% deles não possuem ensino médio,
50% não têm moradia adequada e 80% não têm qualquer tipo de
renda fixa (GENNARI et al., 2015).
Com esses dados, torna-se evidente a necessidade da
adequação da legislação para maior suporte e reconhecimento
dessa população, já que além de toda essa segregação e violência,
eles lidam, também, com angústias íntimas e pessoais por não se
conformarem com as aparências físicas e comportamentais do
gênero com que nasceram, o que leva muitos a se automutilar,
sem mencionar os casos de suicídios. Nesse sentido, válidos são
os argumentos da Ministra Nancy Andrighi, explicitados em
um Recurso Especial: “a observação sobre alteração na certidão
significaria a continuidade da exposição da pessoa a situações
constrangedoras e discriminatórias” (STJ, 2009).
Assim, é relevante que se crie uma legislação específica que
facilite o registro civil para essas pessoas, tendo realizado ou não
cirurgias de adequação sexual, uma vez que modificações corpóreas
não são essenciais, visando o bem-estar, ainda que mínimo, delas,
para que possam ser reinseridas socialmente.

4.5 A regulamentação do nome social no Brasil


O Ministério da Saúde, através da Portaria nº 1.820, de 13
de agosto de 2009, trouxe em seu art. 4º, parágrafo único, inciso
I (BRASIL, 2009), que, independente do registro civil, deve ser
assegurado o uso do nome de preferência, devendo existir em todo
documento um campo para se registrar o nome social.
No mesmo ano, através do Decreto nº 7.037, de 21 de
dezembro de 2009, foi aprovado o Programa Nacional de Direitos
Humanos (BRASIL, 2009). Tal Programa apresenta inúmeros
objetivos estratégicos, sendo um deles primordial ao tema
tratado, o Objetivo Estratégico V, que dispõe sobre a garantia do
respeito à livre orientação sexual e identidade de gênero. Em sua
ação programática “e” temos o “Desenvolver meios para garantir
65
Estudos de Direitos Humanos

o uso do nome social de travestis e transexuais”, sendo dada a


responsabilidade à Secretaria Especial dos Direitos Humanos da
Presidência da República.
Já no ano seguinte, o Ministério do Planejamento,
Orçamento e Gestão, por meio da Portaria nº 233, de 18 de
maio de 2010, assegurou a utilização do nome social adotado por
servidores públicos travestis e transexuais (BRASIL, 2010).
A partir disso, o Ministério da Educação, através da Portaria
nº 1.612, de 18 de novembro de 2011, assegurou o direito à escolha
de tratamento nominal.
No entanto, foi somente em 28 de abril de 2016, através do
Decreto nº 8.727 (BRASIL, 2016), que a Presidente da República
regulamentou o uso do nome social e o reconhecimento da
identidade de gênero de pessoas travestis e transexuais no âmbito
da Administração Pública federal direta, autárquica e fundacional,
de acordo com o expresso:
Art. 1o Este Decreto dispõe sobre o uso do nome social e o
reconhecimento da identidade de gênero de pessoas travestis
ou transexuais no âmbito da administração pública federal
direta, autárquica e fundacional.
Parágrafo único. Para os fins deste Decreto, considera-se:
I - nome social - designação pela qual a pessoa travesti ou
transexual se identifica e é socialmente reconhecida;
II - identidade de gênero - dimensão da identidade de uma
pessoa que diz respeito à forma como se relaciona com as
representações de masculinidade e feminilidade e como isso
se traduz em sua prática social, sem guardar relação necessária
com o sexo atribuído no nascimento (BRASIL, 2016)
Posteriormente, a Procuradoria-Geral da República ajuizou
a ADI 4.275/DF, que, aprovada em março de 2018, adequou o
artigo 58 da Lei de Registros Públicos (Lei nº 6.015/73), no sentido
de que possa ser feita a alteração de prenome e gênero no registro
civil, independentemente de cirurgia de transgenitalização (STF,
2018).
E, em dezembro de 2018, o CNJ emitiu a Resolução
270/2018, que dispõe sobre o uso do nome social pelas pessoas
66
Douglas Verbicaro Soares et al.

trans, travestis e transexuais usuárias dos serviços judiciários,


membros, servidores, estagiários e trabalhadores terceirizados dos
tribunais brasileiros (ANOREG, 2018).
Além dessas normas, no território nacional têm-se inúmeros
Decretos, Resoluções, Leis Estaduais e Municipais no sentido de
trazer maior garantia e facilidade do uso do nome social.

4.6 Considerações finais


Em concordância com os dados apresentados, observou-
se a importância e a necessidade do reconhecimento e adequação
legal do uso do nome social. Como resultado principal, através
do Decreto nº 8.727/2016, obteve-se a obrigatoriedade do
tratamento desse público pelo prenome e nome por eles indicado
e, no descumprimento, a sanção e a indenização por danos morais
cumpridos pelos infratores.
Outras grandes conquistas desse público foi o
reconhecimento pela OMS, em maio de 2019, que o “transtorno
de identidade de gênero” (CID-11) não é doença, deixando de
constar na classificação oficial de doenças, e a criminalização da
homofobia, onde está inserida a transfobia, em junho do mesmo
ano. Questões importantes que norteiam os novos rumos para o
combate ao preconceito e a discriminação no país.
No entanto, esses são meros exemplos da luta diária dessa
minoria vulnerável, exposta a tantas violências e constrangimentos
por não ter seus direitos amplamente reconhecidos.
Dito isto, concluiu-se que a temática deve ser abordada,
trazendo não somente o reconhecimento dos próprios princípios
constitucionais, mas também mudanças na Carta Constitucional
que visem mantê-los e adequá-los a todas as esferas de todos os
públicos. Por esta razão, o público transgênero deve ter seus direitos
garantidos para que possam se sentir incluídos na atual sociedade
brasileira.
CONCLUSÃO

D iante das considerações finais de nossas pesquisas,


precisamos concordar que os estudos de gênero e
sexualidade nunca serão demais. Observou-se como permaneceu
o preconceito aos homossexuais dentro das Forças Armadas, isso
com a justificativa de que as atividades desenvolvidas por estas
pessoas supostamente apresentam menor qualidade que a dos
heterossexuais, mesmo os dados não apontando este fato.
E quanto às relações na Grécia Antiga, que há anos está
na história como sede de verdadeiras orgias homossexuais, uma
bagunça de sexualidade ou desrespeito à família? Quando, no fim,
concluímos que os gregos nada mais eram do que propagadores de
ideais patriarcais onde o homem adulto deveria estar sempre em
posição ativa, tanto quanto aos homens jovens, como forma de
repassar seus conhecimentos e os preparar para a vida, quanto às
mulheres, como cuidadoras do lar e família.
Refletimos ainda sobre o respeito ao nome social de pessoas
transexuais e travestis como a garantia de qualidade de vida. Ainda
que hoje tenhamos um decreto brasileiro que dispõe sobre o uso
do nome social e o reconhecimento da identidade de gênero, ele
não é tão aceito como se esperava, o que se mostra evidente em
decorrência de, diariamente, esse público ser morto por como se
identifica.
Além disso, permaneça sua atenção na história constante de
luta das mulheres na Espanha. Elas possuíam direitos garantidos os
quais tão rápidos lhes foram tirados. Não precisou de tanto esforço
para retroagir na história e transformar as espanholas novamente
em figuras maternas praticamente descartáveis. Tal fato, portanto,
pode ocorrer em qualquer lugar do mundo, por isso a necessidade
de estar sempre a par de acontecimentos externos para percebermos
as transformações em nosso próprio local de morada.
Esperamos que o leitor tenha acompanhado todas as nossas
reflexões e ainda outras que porventura tiver, a fim de alimentar a
68
Douglas Verbicaro Soares et al.

pesquisa científica e a construção de uma sociedade justa. Lembre-


se que nada do que aconteceu no passado está totalmente para
trás e as pesquisas sobre gênero, sexualidade e identidade devem
permanecer ativas, nas diversas áreas de ensino, para que o porto de
interseção seja justamente a garantia dos Direitos Humanos.
REFERÊNCIAS

ABC. La homosexualidad y otros falsos mitos sobre La Antigua


Grecia. Disponible: https://www.abc.es/cultura/20150512/
abci-mito-homosexualidad-antigua-grecia-201505112050.
html?ref=https:%2F%2Fwww.google.com%2F. Acceso en: 30
out. 2020.
ABRAPECNET. O sexismo e suas consequências: um ensaio sobre a
percepção de Ciência. Disponível em: http://www.abrapecnet.org.
br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R2313-1.pdf. Acesso em: 5
out. 2020.
ALDER IZQUIERDO, Alejandro. Evolución del Derecho de
Igualdad de Lesbianas y Gays. Trabajo de Grado. Universidad de
Salamanca: Programa de Doctorado Pasado y presente de los
derechos humanos, Salamanca, España, 2006.
ALVES, Ismael Gonçalves. La Sección Femenina de la Falange e
Assistência na Espanha do Primeiro Franquismo. Hispanista, vol.
16, 2015, p. 01-10. Disponível em: https://www.aacademica.org/
ismael.goncalves.alves/3.pdf. Acesso em: 05 Out. 2020.
ANDRADE, Tiago Souza Monteiro de. O relacionamento
homoerótico na Grécia Antiga uma prática pedagógica. Faces da
História, v. 4, n. 2, p. 58-72, 3 jan. 2018. Disponible: https://
seer.assis.unesp.br/index.php/facesdahistoria/article/view/271.
Acceso en: 30 Out. 2020.
ARROYO, Madalena Antonelli; DE SÁ, Ana Carolina; ALVES,
Ismael Gonçalves. A Sección Femenina de La Falange Española: O
lugar das mulheres no Regime Franquista. Seminário de Ciências
Sociais Aplicadas. v. 06, n. 06, 2018. Disponível em: http://
periodicos.unesc.net/seminariocsa/article/view/4819. Acesso em:
4 out. 2020.
AYENSA, José Ignacio. Estudiando La Homosexualidad. Teoría e
investigación. Madri, España, 2008.
70
Douglas Verbicaro Soares et al.

BARBO, Daniel. Detratores do homoerotismo grego: uma


historiografia essencialista. In.: SOCIEDADE BRASILEIRA
DE TEORIA E HISTÓRIA DA HISTORIOGRAFIA. Revista
Eletrônica Semanal. Número 6. Issn 1983-9928. Março. Ouro
Preto/ MG. Brasil, 2011.
BARIFOUSE, Rafael. STF aprova a criminalização da homofobia.
BBC. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/
brasil-47206924. Acesso em: 29 set. 2020.
BAYER. Cartilha LGBT+. Disponível em: https://www.bayer.
com.br/static/documents/cartilha-blend.pdf. Acesso em: 27 set.
2020.
BELKIN, A.; MCNICHOL, J. Homosexual personnel policy in
the Canadian Forces. Em: International Journal. Winter, 2001.
BENTO, Berenice. Nome Social para pessoas Trans; cidadania
precária e gambiarra legal. Contemporânea: Revista de
Sociologia da UFSCar. São Carlos, v.4, n.1, jan.- jun.2014, pp.
165 - 182. Disponível em: http://www.contemporanea.ufscar.br/
index.php/contemporanea/article/viewFile/197/101. Acesso em:
29 set. 2020.
BRASIL. Constituição (1988). Disponível em: http://www.
planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm . Acesso
em: 25 set. 2020.
BRASIL. Decreto 7.037, de 21 de dezembro de 2009. Disponível
em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/
Decreto/D7037.htm. Acesso em: 27 set. 2020.
BRASIL. Decreto 8.787, de 28 de abril de 2016. Disponível em:
http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2016/
decreto/d8727.htm. Acesso em: 27 set. 2020.
BRASIL. Portaria nº 1.612, de 18 de novembro de 2011.
Disponível em: https://www.jusbrasil.com.br/diarios/32418560/
dou-secao-1-21-11-2011-pg-68?ref=next_button. Acesso em: 27
set. 2020.
71
Estudos de Direitos Humanos

BRASIL. Portaria nº 1.820, de 13 de agosto de 2009. Disponível


em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2009/
prt1820_13_08_2009.html?fbclid=IwAR34Wj249R8Yybf6miin
wO-iQXemgh7lKYpaRd29DhSwnMXrxh8JWrsWWsk. Acesso
em: 27 set. 2020.
BRASIL. Portaria nº 233, de 18 de maio de 2010. Disponível
em: https://legis.sigepe.planejamento.gov.br/legis/detalhar/7796.
Acesso em: 27 set. 2020.
CABRAL, Taiane Regina Pereira, et. al. Violência de Gênero:
Estudo comparativo entre duas realidades. Disponível em: http://
www.encontro2011.abrapso.org.br/trabalho/w?q=YToyOntzOjY
6InBhcmFtcyI7czozNjoiYToxOntzOjExOiJJRF9UUkFCQUxI
TyI7czo0OiIxNDY3Ijt9IjtzOjE6ImgiO3M6MzI6IjFjNGFiZTY
wYzE3ZTA4Njc3MDliNzM5ZDk3YjJiMDM0Ijt9&impressao.
Acesso em: 13 out. 2020.
CERQUEIRA, Fabio Vergara. Sobre efeminação e virilidade, a
Grécia vista do Pampa. Revista de História da Universidade de
Caxias do Sul. v. 10, n.20, jul./dez. 2011. Disponible: http://
www.ucs.br/etc/revistas/index.php/metis/article/view/1367.
Acceso en: 01 nov. 2020.
CHAVES, Norberto. La homosexualidad imaginada. Vigencias y
ocaso de un tabú. Maia Ediciones. Madri, España, 2009.
CLAM. Princípios de Yogyakarta, 2007. Disponível em: http://
www.clam.org.br/uploads/conteudo/principios_de_yogyakarta.
pdf . Acesso em: 25 set. 2020.
CNJ. Compilação Resoluções CNJ: Resoluções 265/2018 a 332/2020
com índices por temas e expressões. Brasília: CNJ, 2020. Vol.
IV, p. 40. Disponível em: https://www.cnj.jus.br/wp-content/
uploads/2020/09/04_Livro-das-Resolucoes-do-CNJ_16X23-1.
pdf. Acesso em: 29 set. 2020.
CORINO, Luiz Carlos Pinto. Homoerotismo na Grécia Antiga
- Homossexualidade e bisexualidade, mitos e verdades. Biblos, Rio
Grande, 19: 19-24. 2006. Disponible: https://www.brapci.inf.
72
Douglas Verbicaro Soares et al.

br/_repositorio/2010/06/pdf_7b61bc03a1_0010976.pdf. Acceso
en: 01 nov. 2020.
DA COSTA, Rogério da Silva Martins. Homossexualidade: um
conceito preso ao tempo. In.: Bagoas - Estudos gays: gêneros e
sexualidades, v. 1, n. 01, 27 nov. 2012. Disponible: https://
periodicos.ufrn.br/bagoas/article/view/2255. Acceso en: 01 Nov.
2020.
DAILYXTRA. Gay in the army. Disponível em: http://dailyxtra.
com/toronto/news/gay-in-the-army-4247. 2012. Acesso em: 24
out. 2020.
DIÁRIO DE PERNAMBUCO. Espanha se destaca no combate ao
feminicídio. Disponível em: https://www.diariodepernambuco.
com.br/noticia/mundo/2019/07/espanha-se-destaca-no-combate-
ao-feminicidio.html. Acesso em: 14 Out. 2020.
DINIZ, Maria Helena. Curso de Direito Civil brasileiro: 1. Teoria
geral do direito civil. 28ª ed. São Paulo, Brasil: Saraiva, 2011.
DOCUMENTARIO HISTORIA. Homosexualidad en la Grecia
Clásica. Youtube. Disponible: https://www.youtube.com/
watch?v=VFtgV1PXSEI. Acceso en: 01 Nov. 2020.
EDSON, Jorge. Censura, memória e resistência: o rompimento
do “pacto de silêncio”, nas histórias em quadrinhos espanholas.
Disponível em: https://www.snh2019.anpuh.org/resources/
anais/8/1565312485_ARQUIVO_ArtigoCensura,memoriaeresi
stencia-JorgeEdson2019.pdf. Acesso em: 04 Out. 2020.
EL PAÍS. España es el décimo país en inclusión de gais en el Ejército.
Disponível em: http://sociedad.elpais.com/sociedad/2014/02/20/
actualidad/1392913467_167302.html. 2014. Acesso em: 24 out.
2020.
El PAÍS. Extrema direita da Espanha quer fim da “Lei Maria
da Penha” local. Disponível em: https://brasil.elpais.com/
brasil/2018/12/03/internacional/1543828526_382772.html.
Acesso em: 14 Out. 2020.
73
Estudos de Direitos Humanos

ELÍAS, C. A. Cultura homosexual, sujeto homosexual y derechos


humanos. Foro, Nueva época, núm. 5, 2007.
ESPANHA. Ley Orgánica 1/2004, de 28 de diciembre de
2004, de Medidas de Protección Integral contra la Violencia
de Género. Disponível em: https://www.boe.es/buscar/act.
php?id=BOE-A-2004-21760. Acesso em: 04 Out. 2020.
FILHO, Marcos; EUFRÁSIO, Cremilda; BATISTA.
Marcos Antônio. Estereótipos de gênero e sexismo ambivalente
em adolescentes masculinos de 12 a 16 anos. Disponível
em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_
arttext&pid=S010412902011000300003&lang=en. Acesso em:
04 Out. 2020.
GENNARI, Amanda et al. Dossiê: as mulheres e o sistema penal
/ Organizado por Priscilla Placha Sá. Curitiba, Brasil: OABPR,
2015, p. 210. Disponível em: http://www2.oabpr.org.br/
downloads/dossiecompleto.pdf. Acesso em: 27 set. 2020.
HOGEMANN, Edna Raquel. Direitos Humanos e diversidade
sexual: o reconhecimento da identidade de gênero através do
nome social. Vol. 21, n. 39. Rio de Janeiro: Revista SJRJ, 2014,
p. 217. Disponível em: https://www.jfrj.jus.br/revista-sjrj/artigo/
direitos-humanos-e-diversidade-sexual-o-reconhecimento-da-
identidade-de-genero. Acesso em: 27 set. 2020.
ISTO É. Francisco Franco, uma longa ditadura com mão de ferro.
Disponível em: https://istoe.com.br/francisco-franco-uma-longa-
ditadura-com-mao-de-ferro/. Acesso em: 05 Out. 2020.
LINS JÚNIOR, George Sarmento. SOARES MESQUITA, Lucas
Isaac. Neoconstitucionalismo ou Supremocracia? Uma análise do
Ativismo Judicial no reconhecimento do Nome Social de pessoas trans
na Ação Direta De Inconstitucionalidade nº 4.275. Rev. Direitos
Fundamentais e Democracia, v. 24, n. 1, p. 161 - 190, jan./abr.
2019. Disponível em: https://revistaeletronicardfd.unibrasil.com.
br/index.php/rdfd/article/view/1442/574. Acesso em: 29 set. 2020.
LOS OJOS DE HIPATIA. Sección Femenina. La mujer dentro
74
Douglas Verbicaro Soares et al.

del franquismo. Disponível em: https://losojosdehipatia.com.


es/cultura/historia/seccion-femenina-la-mujer-dentro-del-
franquismo/. Acesso em: 04 Out. 2020.
MARANHÃO FILHO, Eduardo Meinberg de Albuquerque.
Inclusão” de travestis e transexuais através do nome social e
mudança de prenome: diálogos iniciais com Karen Schwach e
outras fontes. 2012. Disponível em: https://www.academia.
edu/22497915/MARANH%C3%83O_Fo_Eduardo_Meinberg_
de_Albuquerque_Inclus%C3%A3o_de_travestis_e_transexuais_
atrav%C3%A9s_do_nome_social_e_mudan%C3%A7a_de_
prenome_di%C3%A1logos_iniciais_com_Karen_Schwach_e_
outras_fontes_Oralidades_Revista_de_Hist%C3%B3ria_
Oral_da_USP_dossi%C3%AA_Diversidades_e_
Direitos_p_89_116_2012. Acesso em: 26 set. 2020.
MARIANO, Fátima. O despertar do feminismo político na
Península Ibérica. Historia, Rio Grande, v. 8, n. 2, 201-217, 2017.
Disponível em: https://periodicos.furg.br/hist/article/view/6507.
Acesso em: 05 Out. 2020.
MESQUITA JUNIOR, Dante. A Homossexualidade à luz do
artigo 235 do Código Penal Militar e o anacronismo da Lei.
Monografia de conclusão do curso de pós-graduação Lato Sensu
em Direito Militar. Universidade Cruzeira do Sul. São Paulo/SP,
Brasil, 2008.
NAÇÕES UNIDAS BRASIL. OMS retira a transexualidade da
lista de doenças mentais. 06 de junho de 2019. Disponível em:
https://brasil.un.org/pt-br/83343-oms-retira-transexualidade-da-
lista-de-doencas-mentais. Acesso em: 29 set. 2020.
NATIONAL GEOGRAPHIC. Clara Campoamor: una vida de
lucha por los derechos de la mujer. Disponível em: https://historia.
nationalgeographic.com.es/a/clara-campoamor-vida-lucha-por-
derechos-mujer_15092. Acesso em: 04 Out. 2020.
O GLOBO. Brasil segue no primeiro lugar do ranking de
assassinatos de transexuais. Disponivel em: https://oglobo.globo.
com/sociedade/brasil-segue-no-primeiro-lugar-do-ranking-de-
75
Estudos de Direitos Humanos

assassinatos-de-transexuais-23234780. Acesso em: 26 set. 2020.


OHCHR. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Disponível
em: https://www.ohchr.org/en/udhr/documents/udhr_
translations/por.pdf. Acesso em: 26 set. 2020.
OIT. Igualdade no trabalho: Um desafio contínuo. Relatório do
Diretor-General. Relatório Global no quadro do seguimento
da Declaração sobre os Princípios e Direitos Fundamentais no
Trabalho. Conferência Internacional do Trabalho. 100ª Sessão.
Genebra, Suíça, 2011.
OPERA MUNDI. Hoje na História: 1931 - É fundada a Segunda
República da Espanha. Disponível em: https://operamundi.uol.
com.br/politica-e-economia/21151/hoje-na-historia-1931-e-
fundada-a-segunda-republica-da-espanha. Acesso em: 05 Out.
2020.
OSCE/ODIHR. Declaración de la delegación de los Países
Bajos. 2014. Disponível em: https://www.osce.org/files/f/
documents/8/d/122027.pdf. Acesso em: 25 out. 2020.
OSCE/ODIHR. Handbook on Human Rights and Fundamental
Freedoms of Armed Forces Personnel. Varsovia, Polonia, 2008, pp.
130-1. Disponível em: www.osce.org/odihr. Acesso em: 24 out.
2020.
POLITIZE. Misoginia: você sabe o que é? 2019. Disponível em:
https://www.politize.com.br/misoginia/. Acesso em: 13 out. 2020.
POLITIZE. Vamos falar sobre gênero? 2015. Disponível em:
https://www.politize.com.br/vamos-falar-sobre-genero/. Acesso
em: 04 Out. 2020.
PROCURADORIA FEDERAL DOS DIREITOS DO
CIDADÃO. O que é gênero. Disponível em: http://pfdc.pgr.mpf.
mp.br/pfdc/informacao-e-comunicacao/eventos/mulher/dia-da-
mulher/verbet. Acesso em: 4 out. 2020.
RIVERA. Pilar. Escritos. 1942. Disponível em: http://www.
76
Douglas Verbicaro Soares et al.

maalla.es/Libros/Escritos-Pilar%20Primo%20de%20Rivera.
pdf. Acesso em: 04 Out. 2020.
RODRIGUES, Nuno Simões. Os tiranicidas de Atenas: entre a
representação aristocrática e a ideologia democrática. Coimbra,
2018. Disponible en: https://digitalis.uc.pt/pt-pt/livro/os_
tiranicidas_de_atenas_entre_representa%C3%A7%C3%A3o_
aristocr%C3%A1tica_e_ideologia_democr%C3%A1tica. Acceso
en: 01 Nov. 2020.
SARLET, Ingo. Dignidade da Pessoa Humana e Direitos
Fundamentais na Constituição Federal de 1988. 5. Porto Alegre:
Livraria do Advogado, 2007.
SEAGER, Joni. ATLAS Akal del Estado de la Mujer en el Mundo,
1997.
SOUTO, C. G. Principio de igualdad y transversalidad de género,
2012.
STF. STF reconhece a transgêneros possibilidade de alteração
de registro civil sem mudança de sexo. 2018. Disponível
em: http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.
asp?idConteudo=371085. Acesso em: 27 set. 2020.
STJ. Transexual consegue alteração de nome e gênero, sem registro
da decisão judicial na certidão. 2009. Disponível em: https://stj.
jusbrasil.com.br/noticias/1971676/transexual-consegue-alteracao-
de-nome-e-genero-sem-registro-da-decisao-judicial-na-certidao.
Acesso em: 26 set. 2020.
TELLEZ, Andrés Machuca. A educação na ditadura: a educação
espanhola no período franquista 1939-1959. Cadernos de
História da Educação, v.15, n.1, p. 443-452, jan.-abr. 2016.
Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/che/article/
download/34646/18379/. Acesso em: 04 Out. 2020.
TELO, María. Ponencia ofrecida en el Instituto Cervantes el 23 de
Noviembre de 2005. Disponible en: http://www.laotrapagina.com/
articulo-168.html. Acesso em: 30 out. 2020.
77
Estudos de Direitos Humanos

THE HAGUE (THE HAGUE CENTRE FOR STRATEGIC


STUDIES). LGBT Military Personnel. Security. The Hague. The
Netherlands, 2014.
TRANSRESPECT. Trans murder monitoring update. 2016.
Disponível em: https://transrespect.org/en/idahot-2016-tmm-
update/ . Acesso em: 27 set. 2020.
TST. CNJ - Resolução nº 270, de 11.12.2018, DJE. 2018,
Disponível em: http://www.tst.jus.br/informativos-lp/-/asset_
publisher/0ZPq/document/id/24757953. Acesso em: 29 set.
2020.
UOL. Oficial do Exército espanhol admite ser gay. Disponível em:
https://www1.folha.uol.com.br/fsp/mundo/ft0509200010.htm.
2000. Acesso em: 24 out. 2020.
VERBICARO SOARES, Douglas. La libertad sexual en la
sociedad: especial referencia a la homosexualidad en las Fuerzas
Armadas Brasileñas. Salamanca, Espanha. Tese Doutoral.
Universidade de Salamanca – USAL, 2015.
VERBICARO SOARES, Douglas. Las mujeres y las personas
homosexuales en las Fuerzas Armadas. Especial referencia a las
FFAA Brasileñas. Trabajo fin de Máster. Programa Estudios
Interdisciplinares de Género y Políticas de Igualdade. Faculdade
de Direito. Universidade de Salamanca – USAL, Salamanca,
Espanha, 2012.
VERBICARO SOARES, Douglas. Transgêneros e o direito ao voto
cidadão de 2018 no Brasil. In.: Bagoas - Estudos gays: gêneros &
sexualidades, v. 12, n. 19, pp. 241-270, 2018.
VIEIRA, Tereza. Minorias sexuais: direitos e preconceitos. Brasília,
Brasil: Consulex, 2012.
YAHOO. Exército dos EUA amplia direitos de militares gays.
Disponível em: https://br.noticias.yahoo.com/ex%C3%A9rcito-
dos-eua-amplia-direitos-militares-gays-224051754.html. Acesso
em: 25 out. 2020.
SOBRE OS AUTORES

Douglas Verbicaro Soares


Doutor em Pasado y Presente de los Derechos Humanos e Mestre
em Estudios Interdisciplinares de Género en la Especialidad Jurídica,
ambos pela Universidade de Salamanca (USAL/Espanha). Integra
como pesquisador os grupos de pesquisas (CNPq): Núcleo de Estudos
e Pesquisas Ovelário Tames/NEPOT (UFRR); Consumo e Cidadania
(UFPA); Consumo Responsável e Globalização Econômica (CESUPA).
Atua como Coordenador do Núcleo de Prática Jurídica e Direitos
Humanos - NPJDH na Universidade Federal de Roraima e professor
do magistério superior no Curso de Direito – UFRR. E-mail: douglas_
verbicaro@yahoo.com.br

Giovanna Assen Sampaio de Souza


Graduanda de Bacharelado em Direito pela Universidade Federal de
Roraima, Campus Paricarana. E-mail: giovannaassen@gmail.com
80
Douglas Verbicaro Soares et al.

Juliana Fabrícia Correia Orihuela


Graduanda de Bacharelado em Direito pela Universidade Federal de
Roraima, Campus Paricarana. E-mail: julianaorihuela@gmail.com

Paula Gabrielle Mota de Macedo Hass Gonçalves


Graduanda de Bacharelado em Direito pela Universidade Estadual de
Roraima. E-mail: p.gabrielle@hotmail.com

Silvia Rafaela Demétrio Costa


Graduanda de Bacharelado em Direito pela Universidade Federal de
Roraima, Campus Paricarana. E-mail: rafaelademetrioc@gmail.com
81
Estudos de Direitos Humanos