Você está na página 1de 3

Politica Social I

Aula 01 – Divergências e convergências entre politica pública social e politica de governo.


Público: é tudo aquilo que é compartilhado é responsabilidade de todos.
Privado: É aquilo que pertence a uma pessoa ou a um grupo de pessoas.
O que é Estado?
Estado é uma forma de organização social urbana.
Direito Administrativo é o ramo do Direito Público.
Direito Civil é ramo do Direito Privado.

Maxx Weber afirma que o “Estado é uma organização que conta com o monopólio da violência legitima, pelo que dispõe das
forças armadas, a politica e os tribunais pelo fato de assumir as funções do governo, defesa, segurança e justiça. O Estado de
direito é aquele que enfoca a sua organização na divisão de poderes (legislativo, executivo e judiciário).”
Necessário esclarecer que Estado e governo não são sinônimos, deste modo governantes são pessoas que, durante um tempo,
exercem cargos nas instituições que compõem o Estado. Estado e Nação também não são sinônimos, pois existem Nações sem
Estados, e Estados que reúnem várias Nações.
Estado é uma sociedade politicamente bem organizada. Pessoas e cidadãos que vivem sob a mesma legislação. Prevalece o bem
comum em detrimento dos interesses particulares.
Correntes que contrapõe ao movimento de Estado:
- Anarquismo: promove a substituição do Estado pelas associações livres e organizações participativas.
- Marxismo: considera o Estado ferramenta para domínio da classe dominante.
Estado como representante do bem comum tem funções de diversas ordens, chamada de função social jurídica (Três poderes),
técnica (prestação de serviços e a produção de bens) e política (interesse geral e conservação da sociedade política).
Baseado na Teoria da Divisão de Poderes de Montesquieu manter o Poder do Estado através da descentralização
de funções, dando competência especificas a cada órgão.
Montesquieu, Do Espirito das Leis
Poder Legislativo: Estabelece as normas e leis que regem a sociedade.
Poder Executivo: Quem administra os interesses públicos, tendo por base a constituição.
Poder Judiciário: Controla a compatibilidade das normas e Leis com a Constituição da República.
Politicas Sociais ou Públicas são projetos , propostas, diretrizes e princípios norteadores de ação sistematizados em documentos
próprios (leis, linhas de financiamento, programas) do poder público, assim como as regras e procedimentos para a implantação e
orientação dessas ações que normalmente envolvem dinheiro público..

Aula 02 – Política Social e Método: Uma análise das abordagens correntes da política social

A origem das Políticas sociais


Com a revolução industrial, que começou na Inglaterra no século XVIII e que só chegou ao Brasil em 1930, seguida pela Segunda
Guerra Mundial, começou a construir ao redor do mundo, um novo modelo de sociedade denominada capitalista.
Uma das principais mudanças desta sociedade foi à divisão de classes sociais em burguesia (que possuía o capital) e proletariado
(trabalhadores que transformavam o capital em material) esta divisão causou um problema a desigualdade social. A minoria que
possuía capital preocupava-se em aumenta-lo enquanto a classe proletária via-se submetida a esse sistema.
Foi a partir da necessidade de exigir direitos e condições de trabalho da classe trabalhadores que surgiram os primeiros estudos de
política social. Em 1942 surgiram os primeiros movimentos que podem ser caracterizados como medidas de política social: O
1 – A construção do Welfere State, nos países da Europa Ocidental.
2 – O plano Beveridge, na Inglaterra.
Estes movimentos criaram algumas legislações que visavam à proteção social.

Perspectivas que surgiram com o objetivo de amenizar com as desigualdades sociais:


1 – Perspectiva Funcionalista: baseado na busca pelos elementos que se relacionavam dentro da sociedade. (Durkheim) Visava
estudar o comportamento humano em sociedade. Tal perspectiva acredita que o conflito gera uma desordem social e um
desequilíbrio na sociedade.
2 – Perspectiva Marxista: Buscava entender a sociedade capitalista, tendo como origem a disputa entre duas classes sociais
distintas. Para esta perspectiva o conflite é visto como um elemento essencial que impulsiona a sociedade, fator de criatividade,
dinamismo e mudanças.
As duas perspectivas buscam explicar e entender a sociedade em busca de políticas sociais.

Aula 03 – Analisando a conceituação do Welfare State (Estado de bem-estar social).

Estado é um conceito político que significa forma de organização e controle soberano, ou seja o conjunto de instituições que regula
a sociedade dentro de um determinado território. O Estado conta com o monopólio legitimo da violência pelo que dispõe suas
instituições. Estado de direito é o que enfoca sua organização na divisão de poderes (Legislativo, Executivo e Judiciário)...
- Para o Anarquismo a existência do Estado e desnecessária.
- Para Marx o Estado é a ferramenta de controle que se encontra nas mãos da classe dominante.
Quando surgiu o Estado? Abaixo algumas teorias sobre a origem do Estado.
1 - Teoria da Origem Familiar: É a mais antiga, apoiada sobre a origem a partir de um casal originário (fundo religioso), envolve duas
correntes principais: - teoria patriarcal (refere-se a primogenitura) e teoria matriarcal (a mãe seria a autoridade das primeiras
famílias, sendo o fundamento da origem da sociedade civil).
2 – Teoria da Origem patrimonial: Entende propriedade como direito natural, anterior ao próprio Estado. Baseado nas ideias de
Platão, Cícero e Holle.
3 –Teoria da Força: Da origem violenta do Estado. Determina que a guerra foi responsável pela formação dos povos. A organização
politica representava o poder dos vencedores sobre os vencidos.

Como afirmamos a Estado é uma necessidade humana de organização social. Na antiguidade esta função era atribuída aos deuses.
As teorias que justificam o Estado enfatizam o pensamento político dominante nas diversas fases da evolução humana e tentam
explicar a origem do Estado:
- Sobrenatural (poder divino)
- Da Lei da natureza (Estado humano)
- Da história ou da evolução (Estado Social)

Em 1942, surgiram os primeiros movimentos de politica social com a construção do Welfare State e o plano Beveridge.
O Welfare State teve sua origem na crise de 1929

Aula 04 – As politicas sociais e a formação do Estado Brasileiro.

Cada sociedade se organiza de acordo com suas necessidades, buscando soluções frente aos seus problemas. Assim é fácil presumir
que cada organização se sociedade houve um momento distinto para a implantação das politicas sociais, impulsionadas pelas
necessidades vividas por seu grupo social.
Em boa parte do mundo a criação de politicas sociais foi motivada por um sistema capitalista de organização. No Brasil não foi
diferente, porém deve se levar em conta que o país sofreu uma industrialização tardia em relação ao resto do mundo e suas politica
sociais datam de período mais recente.
A revolução industrial do século XVIII ocorrida na Europa só ocorreu no Brasil no século XX, mais precisamente nos anos de 1930 a
1956, porém seus impactos na estruturalização da sociedade também causaram desigualdades sociais.
No Brasil a desigualdade social se tornou mais expressiva por se tratar de um país onde a sociedade era extremamente voltada para
a agricultura e não tornou-se industrializada de uma hora para outra, passando por um período de transição onde atividades
agrarias e industriais se dividiam.
O que levou o Brasil economia agrícola a se industrializar?
Um dos principais motivos foi a crise da bolsa de valores de 1929, nos Estados Unidos. Nesta época o Brasil era um dos principais
exportadores de café e sua economia estava em alta, no entanto com a crise mundial a exportação foi ficando precária e o país
sentiu a necessidade de produzir outros bens. Com isso surgiram as industrias.
No Brasil o capitalismo acentuou a desigualdade social, mas não foi seu causador. Observando nosso modo de colonização, o uso de
escravos negros e índios, impostos a trabalhar sem condições básicas de vida.
Diferentemente dos países da Europa, as políticas sociais e os pensamentos ao seu respeito não foram tão imediatos no Brasil.
“Questões de saúde pública eram tratadas pelas autoridades locais, não havendo por parte do governo central um programa de
ação no sentido de atendê-las. A atuação do Estado restringia-se a situações emergenciais, como a epidemias em centros urbanos. A
educação era atendida por uma rede escolar muito reduzida, de caráter elitista e acadêmico, que visava preparar alunos para a
formação superior. As reformas da época (escola nova) ocorriam regionalmente e de forma parcial, ou seja, não faziam parte de
uma política global de educação. A previdência era predominantemente privada, organizada por empresas e categorias
profissionais, e a questão habitacional não era considerada objeto de política pública.” (BARCELLOS,1983, p. 17)
Medidas de Políticas sociais por parte do governo só foram adotadas em 1988, com a constituição – que estudaremos mais
profundamente na próxima aula, ou antes, disso, em caráter emergencial – quando surgiam situações específicas seja na educação,
na saúde (epidemias, por exemplo) etc...
No entanto, sem ligações diretas com o governo, algumas medidas de políticas sociais filantrópicas surgiram no período entre 1930
e 1980 e tinham como princípio a tradição católica de caridade. Essas medidas eram desenvolvidas principalmente pela igreja
católica e, muitas vezes, tinham o objetivo de cristianizar a sociedade e, devido ao crescimento industrial e o grande êxodo rural –
que causou um aumento na população da cidade – a necessidade de controlar a massa operária de alguma maneira.
“Essa atitude visava principalmente o interesse do Estado e das classes dominantes de atrelar as classes subalternas ao Estado,
facilitando sua manipulação e dominação.” Iamamoto (1998).
Algumas instituições privadas de apoio a pessoas pobres surgem nesse período e contam com o financiamento do governo, como a:
Legião Brasileira de Assistência (LBA) – que tinha por objetivo ajudar as famílias cujo chefe tivesse na segunda guerra mundial.
Conselho Nacional de Serviço (CNSS) – que foi criado em 1938 e tinha como objetivo centralizar todas as manifestações, públicas ou
privadas, de assistência à população.
É importante ressaltar que, apesar de receberem financiamento Estatal, essas empresas não eram consideradas como ações de
políticas sociais feitas pelo governo brasileiro, tendo em vista que seu desenvolvimento não era de sua responsabilidade.
1 - Conforme estudamos nas aulas anteriores, o Capitalismo foi um dos principais estimuladores para a consolidação de Políticas
Sociais em muitos países.
No Brasil, porém, Políticas Sociais propriamente ditas só foram estabelecidas muito tempo depois da implantação do capitalismo.
- Antes da implantação de Políticas Sociais no Brasil existiam obras de caráter filantrópico, baseado nos princípios de caridade da
igreja católica, mas que tinham por objetivo o controle da massa.
2 - Em relação à industrialização brasileira é correto afirmar que...
Ocorreu tardiamente e gradativamente no Brasil.
3 -  “...Mas o que levou um país com a economia voltada para a agricultura a se industrializar?”
A crise da bolsa de valores de 1929, nos Estados Unidos, que fez com que a produção de café tivesse uma queda, exigindo assim,
que o país produzisse outros bens.

Aula 05 – Política Social no Brasil: Do império à constituição de 1988

Aula 06 – Política Social no Brasil Contemporâneo: Entre a inovação e o conservadorismo

Você também pode gostar