Você está na página 1de 28

Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

ÍNDICE

Objectivos 2

Introdução 3

1. Definição de Assertividade 4

2. Os Estilos Comunicacionais 5

3. Atitudes de Base à Comunicação Assertiva 11

4. Os Direitos da Assertividade 13

5. Estratégias para o Treino da Assertividade 15

5.1. A Técnica de Auto-afirmação “DESC” 15

5.2. A Técnica do Disco Riscado 17

5.3. A Técnica do “Edredão” 17

5.4. O Reforço da Qualidade da Comunicação 18

5.5. O Recordar dos Direitos da Assertividade 19

6. Síntese Conclusiva 19

EXERCÌCIOS 22

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

OBJECTIVOS

Pretende-se que no final deste módulo os participantes sejam capazes


de:

• Contextualizar o conceito de assertividade


• Identificar o conceito de assertividade como atitude comunicacional;
• Reconhecer a importância da assertividade no relacionamento
interpessoal;
• Caracterizar os quatro estilos comunicacionais;

2 • Identificar as atitudes de base à comunicação assertiva;


• Identificar os direitos passíveis de serem defendidos assertivamente;
• Identificar estratégias para o treino de comportamentos assertivos;
• Reconhecer a implicação da assertividade nas funções do formador.

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

INTRODUÇÃO

A ASSERTIVIDADE

É UM COMPORTAMENTO SOCIAL.

O comportamento social poderá ser entendido, de forma genérica, como um conjunto de acções,
atitudes e pensamentos que o indivíduo apresenta em relação à comunidade, aos indivíduos
com que interage e a ele próprio.
A qualidade desta interacção é resultante da conjugação de dados inatos com os processos de
socialização.
O indivíduo vai desenvolvendo um repertório de comportamentos sociais próprio e tem tendência a
manter os comportamentos que lhe trazem maiores benefícios em termos sociais. 3

Neste contexto surge a noção de competência social. A competência social resulta dos
comportamentos emitidos por um indivíduo, num determinado contexto, de forma a expressar
sentimentos, atitudes, desejos, direitos, de uma forma adequada à situação, sem esquecer o respeito
pelos comportamentos dos outros. Geralmente um indivíduo socialmente competente resolve problemas
imediatos, minimizando a probabilidade de futuros problemas.

Assim, o nosso comportamento social é um conjunto de habilidades sociais: respostas básicas e


estratégias de resposta que permitem ao indivíduo obter resultados positivos na sua interacção social,
de forma a saber reagir às diferentes situações com que se depara. A falta destas habilidades sociais ou
a existência de um reportório pobre, pode ter como consequência a dificuldade na interacção social e na
adaptação ao meio social.

Para adquirir competências sociais, perante as suas relações interpessoais, o indivíduo tem que ser capaz
de:

• Perceber como as pessoas se relacionam em diferentes contextos e as


complexidades da comunicação verbal e não verbal inerentes à relação;

• Integrar a informação de forma a perceber o que se passa e o que tem de fazer;

• Responder de forma a atingir os objectivos desejados e provocar mudanças no


sentido previsto.

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

1. Definição de Assertividade

EXERCÌCIO

Pondere sobre o seguinte:

Para mim a palavra “assertividade” significa...

A assertividade é um comportamento que habilita o indivíduo a agir no seu interesse, defender-se sem
4 ansiedade excessiva, expressar os seus sentimentos de forma honesta e adequada, fazendo valer os
seus direitos sem negar os dos outros.

A assertividade envolve a comunicação directa das necessidades, vontades e opiniões do sujeito, sem
interferir com a liberdade dos seus interlocutores.

Uma pessoa assertiva é aquela que é capaz de exprimir o mais directamente possível o que pensa, o
que deseja e que faz valer os seus direitos, escolhendo um conjunto de comportamentos e atitudes
adequados a cada situação, de acordo com o local e o momento.

A RETER

A assertividade é uma forma comportamental que significa afirmar, quer verbal, quer não
verbalmente, o que eu quero, sinto e penso, dando simultaneamente espaço de afirmação ao outro.

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

EXERCÌCIO

Explore a ideia de que a assertividade “é o estilo mais equilibrado de comunicar”...

MAS... 5

• A comunicação assertiva também tem limites: não serve para toda e qualquer situação nem para obter
tudo o que se quer;
• A comunicação assertiva é aprendida;
• A aprendizagem, por si só, não garante a qualidade do relacionamento interpessoal.

2. Os Estilos Comunicacionais

Embora tenhamos que assumir diferentes formas de comunicar com os outros, possuímos um estilo
relativamente constante e característico que predomina no comportamento comunicacional.

Existem quatro estilos de comportamento comunicacional que se traduzem em: agressividade,


passividade, assertividade e manipulação.

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

Analise o quadro:

Respeito pelo Outro

ALTO BAIXO

Transparência de Assertividade Agressividade Linguagem


ALTA

Passividade Manipulação
BAIXA

Vamos então caracterizar os diferentes estilos comunicacionais...

O ESTILO AGRESSIVO

¾ A comunicação agressiva caracteriza-se essencialmente pela utilização de comportamentos


agressivos para com o interlocutor, com o objectivo de fazer valer os direitos do próprio à
custa da submissão do outro.

¾ O indivíduo agressivo pretende dominar, valorizando-se à custa de terceiros, os quais tende a


ignorar ou a desvalorizar.

¾ São geralmente pessoas demasiadamente críticas e controladoras que utilizam a humilhação


dos outros para se defenderem de possíveis ataques à sua pessoa.

¾ Como sinais frequentemente associados ao comunicador agressivo, poderemos destacar o


falar alto, o interromper sistematicamente o outro, os gestos tensos e altivos, o olhar intenso.

Eficaz no relacionamento interpessoal, pela imposição.

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

O ESTILO PASSIVO

¾ Trata-se de uma atitude de submissão perante os acontecimentos e os outros.

¾ O indivíduo opta por um comportamento de fuga e de auto-desvalorização que conduz a uma


dificuldade em afirmar as suas necessidades e em fazer valer as suas opiniões.

¾ O estilo passivo é uma forma de evitamento social.

7
¾ Como sinais característicos poderemos destacar o nervosismo, revelado em gestos
constantes e a voz frequentemente sumida.

É um estilo pouco eficaz no relacionamento interpessoal, pela negação de si próprio.

O ESTILO MANIPULADOR

¾ A principal característica da comunicação manipuladora é a utilização da linguagem como


disfarce, para concretizar os seus objectivos.

¾ Utiliza com frequência uma linguagem pouco directa, na forma como expressa as suas
intenções, recorrendo à insinuação como forma de manipular.

¾ Utiliza a chantagem emocional como forma de alcançar o que pretende.

¾ É um “actor” nas suas relações interpessoais.

É um estilo pouco eficaz no relacionamento interpessoal, pela falta de implicação nas relações
interpessoais.

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

O ESTILO ASSERTIVO

¾ O comportamento assertivo caracteriza-se pela capacidade de afirmação das opiniões,


vontades e sentimentos próprios, respeitando e promovendo a afirmação dos outros.

¾ É um comportamento que se traduz na auto-afirmação, visando simultaneamente a afirmação


e aceitação do interlocutor.

¾ O comunicador assertivo deseja que “ (…) ambas as partes ganhem caso seja possível”1.

8
¾ A pessoa assertiva é capaz, por si própria, de dirigir a sua vida e não aceitar facilmente ideias
pré-concebidas como sendo: “sou assim e não posso mudar… sou muito nervoso e entrarei
sempre em pânico… serei sempre assim!”

A RETER

Comportamento assertivo resulta da fusão de três factores: a transparência da linguagem usada,

a capacidade de auto afirmação e o poder de negociação na resolução de problemas.

A comunicação assertiva é, pois, simples, directa, expressiva, e centrada na auto afirmação.

Os estilos comunicacionais têm sempre uma dimensão situacional e não são mais do que formas de
abordagem interpessoal.
EXERCÍCIO

Realize, agora, o exercício de auto-diagnóstico que se encontra em anexo e descubra o seu estilo
comunicacional predominante.

Azevedo, 1996.
1

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

Não se esqueça que:

Todas as pessoas têm diversos estilos disponíveis para utilizar consoante as situações, embora
haja um que prevalece sempre;

Cada estilo é eficaz em função da situação onde se aplica.

EXERCÍCIO

Responda às seguintes situações para identificar os estilos comunicacionais. De acordo com as situações
apresentadas, identifique para cada tipo de resposta o estilo comunicacional que está subjacente:

SITUAÇÃO 1

Comprou uma camisa. Quando chegou a casa reparou que tinha um pequeno defeito. Voltou à loja. O
vendedor diz-lhe que o defeito não se nota. Responde-lhe:

A. Dê-me o meu dinheiro. Não tenho tempo a perder! (__________);


B. Acha mesmo que não se nota? (__________);
C. A camisa tem realmente um defeito, por isso não a quero. Gostaria de a devolver ou de a trocar por
uma sem defeito. (__________);
D. De facto não se nota muito, mas pensando bem, não era exactamente isto que eu pretendia.
(__________).

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

SITUAÇÃO 2

Está aborrecido com o seu amigo que acabou de chegar com uma hora de atraso para jantar consigo. Não
lhe telefonou a avisá-lo da demora. Diz-lhe:

A. Vamos lá. O jantar está na mesa. (__________);


B. Detesto comida fria. Podias ter-me avisado do atraso. (__________);
C. Muito obrigado por me teres avisado da demora. O petisco requentado ainda sabe melhor. Queres
jantar já? (__________);
D. Espero-te há uma hora. Gostaria que tivesses avisado. Vamos ao jantar que a comida fria não tem
10 graça. (__________)

SITUAÇÃO 3

Está há meia hora numa fila de espera para ser atendido num balcão de um banco. Um indivíduo tenta
passar à sua frente no momento em que ia ser atendido. Diz-lhe:

A. Oiça lá, está armado em “Chico esperto”? Não vê que estou à sua frente?;
B. Ignora o sucedido e não diz nada, afinal mais um, menos um, não faz grande diferença.
(__________);
C. O senhor estava atrás de mim. Agora é a minha vez de ser atendido, se não se importa espera a sua
vez. (__________);
D. Não sei se reparou, mas eu já cá estava, veja lá bem. (__________)

SITUAÇÃO 4

Está num bar na companhia do seu chefe, onde se deslocou no carro deste último. Ele tem estado a beber
bastante e você também. São horas de saírem e verifica que nenhum dos dois se encontra em estado de
conduzir com segurança. O seu chefe insiste em dizer que está bem e quer levá-lo a casa. Você diz:

A. Obrigado, é muita amabilidade sua. (__________);


B. Não seja ridículo! Bebeu demais! Quer matar-me? (__________);
C. Prefiro ir a pé. Preciso de exercício. (__________);
D. Acho que ambos bebemos demais para podermos conduzir. Vou chamar um táxi e iremos juntos.
Amanhã de manhã virá buscar o carro. (___________).

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

3. Atitudes de Base à Comunicação Assertiva

Existem algumas características pessoais que propiciam a comunicação assertiva:

AUTO-ESTIMA

Tendo em conta que a assertividade pressupõe a auto-afirmação do indivíduo e os 11


outros podem ser entendidos como uma espécie de “espelho” da nossa imagem, é
importante aprender a aceitar as nossas características, de forma a desenvolver a
nossa auto-estima, sem pessimismos, auto-complacências ou presunções.

EXERCÍCIO

Responda ao exercício de avaliação da auto-estima que lhe propomos em anexo e avalie o nível do seu
amor-próprio.

DETERMINAÇÃO

Surge como o resultado da energia associada à nossa força de vontade para levar a
cabo os nossos objectivos.

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

EMPATIA

Consiste na capacidade de nos colocarmos no lugar do outro, procurando


compreendê-lo pressupondo uma boa capacidade de escuta, bem como uma
capacidade de descentração da nossa pessoa.

12 ADAPTABILIDADE

Pressupõe que o comunicador assertivo é aquele que é capaz de se adaptar ao seu


interlocutor, por exemplo: se estamos a falar com crianças, ou com adultos; se
estamos a falar com um familiar, ou com um desconhecido.

AUTO-CONTROLO

É a nossa capacidade de controlar os nossos sentimentos e emoções negativas de


modo a não interferirem na relação com o outro.

TOLERÂNCIA À FRUSTRAÇÃO

Tem a ver com a nossa resistência aos aspectos mais negativos da nossa vida.
Caracteriza-se pela capacidade de gerir as tensões e conflitos, nas nossas relações
interpessoais.

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

SOCIABILIDADE

Um comunicador assertivo deve ter PRAZER em comunicar e relacionar-se com os


outros.

4. Os Direitos da Assertividade

13
São um conjunto de princípios que orientam a comunicação assertiva:

‘ Possuir e Expressar Sentimentos

Cada indivíduo tem a sua sensibilidade e reage de forma característica sem por isso ser considerado melhor
ou pior que os outros;

‘ Possuir e Expressar Opiniões

Cada um tem uma visão particular da realidade, o que proporciona uma infinidade de opiniões diferentes;

‘ Dizer “Não Sei”

O direito de dizer “não sei” reside na capacidade para aceitar as nossas limitações;

‘ Ser Escutado

O direito à livre expressão de ideias e sentimentos só faz sentido quando tem eco em alguém, o que
pressupõe o direito de ser escutado. A atitude de escuta vai para além da nossa capacidade de ouvir;

‘ Cometer Erros

Este direito parte da ideia de que “errar é humano”;

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

‘ Não Ser Perfeito

Este direito relaciona-se com o direito anterior. É importante saber lidar com as nossas limitações que são
próprias da condição do ser humano;

‘ Ser Responsável Pelas Minhas Atitudes

Pressupõe que à nossa liberdade de escolha se impõe a responsabilidade de assumirmos as nossas


opções;

‘ Fazer e Solicitar Pedidos


14

Vivemos em permanente interdependência com os outros seres humanos. Os pedidos são característicos da
dinâmica do relacionamento interpessoal, aceitando que os outros têm um contributo importante a dar e vice-
versa;

‘ Dizer Não

Poderá ser tão assertivo como dizer sim, dependendo de cada contexto;

‘ Não Ser Assertivo

A assertividade é um comportamento que se escolhe, podemos optar por assumi-lo ou não.

EXERCÌCIO

Reflectindo sobre os direitos da assertividade que acabou de ver, comente a seguinte frase: “Quanto mais
se sabe, mais se descobre que há para saber”2.

2
(Azevedo, 1996)

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

5. Estratégias Para o Treino da Assertividade

Lembre-se que:

A assertividade é uma característica comportamental que se adquire através da aprendizagem.

Existe um conjunto de “exercícios” que, quando realizado, promove a comunicação assertiva.

5.1. A TÉCNICA DE AUTO-AFIRMAÇÃO “DESC” 15

Ser assertivo pressupõe ser-se afirmativo e um comunicador eficaz. Para tentar fazer corresponder estas
duas características, utilize a técnica de auto-afirmação “DESC”, que tem como finalidade exercitar a
capacidade de auto-afirmação de forma construtiva, permitindo a antecipação das situações e dos
comportamentos.

Esta técnica consiste em quatro etapas:

D – DESCREVE – O Sr. A descreve o comportamento do Sr. B de uma forma tão precisa e objectiva quanto
possível.

E – EXPRESSA – O Sr. A transmite ao Sr. B o que sente e pensa em relação ao seu comportamento
(sentimentos, preocupações, desacordos ou críticas).

S – ESPECÍFICA (do inglês specify) – O Sr. A propõe de forma específica ao Sr. B uma forma realista de
modificar o seu comportamento.

C – CONSEQUÊNCIAS – O Sr. A tenta interessar o Sr. B pela solução proposta, indicando-lhe as possíveis
consequências benéficas que a nova atitude lhe traria.

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

Exemplo:

Ontem, quando foi procurar uns papéis na minha secretária fiquei muito aborrecido porque me desorganizou
o meu trabalho. Gostaria que daqui para a frente me pedisse o que precisar em vez de remexer as minhas
coisas. Assim perde menos tempo e garante que recebe o que precisa.

EXERCÍCIO

16
Experimente utilizar esta técnica, tendo em conta duas das situações que usou no exercício de identificação
dos estilos comunicacionais:

Situação 1 – Comprou a tal camisa com defeito e não quer ficar com ela...

D
E
S
C

Situação 2 – O seu amigo chegou uma hora atrasada ao jantar que preparou com tanto cuidado para ele...

D
E
S
C

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

5.2. A TÉCNICA DO DISCO RISCADO

O “disco riscado” consiste simplesmente em repetir a nossa resposta tantas vezes quantas forem
necessárias para vencer a pressão exercida pelo interlocutor. Nesta comunicação é importante que sejamos
capazes de resistir à tentação de nos justificarmos ou de contra atacarmos as “acusações” do nosso
interlocutor. É geralmente eficaz quando lidamos com pessoas manipuladoras.

Exemplo:
17

N – Porque não arruma o seu local de trabalho todas as semanas?


R – Porque não me apetece arrumá-lo.
N – Mas olhe que ele teria melhor apresentação!
R – Talvez, mas não me apetece arrumá-lo.
N – Porque não experimenta amanhã?
R – Porque não me apetece.
N – Você não tem espírito de equipa.
R – É possível que tenha razão, mas eu acho que o meu local de trabalho está bem assim.
N – Mas porque é que o incomoda tanto arrumá-lo?
R – Não me incomoda nada, simplesmente não me apetece.
N – Mas porque é que não lhe apetece?
R – Porque não me apetece.

5.3. TÉCNICA DO “EDREDÃO”

A ideia do “edredão” deve-se ao psicólogo M. Smith e é muito simples. Consiste em responder a cada frase
com “É verdade” sempre que se trata de um facto indiscutível, ou com “É possível” sempre que é emitida
uma simples opinião.

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

A técnica do “edredão” é particularmente eficaz face às críticas mal intencionadas e não argumentadas
(justificadas), podendo ajudar as pessoas “hipersensíveis” a adquirir um mínimo de segurança face às
críticas de má fé.

Exemplo:

B – O seu local de trabalho está cheio de papéis!


M – É verdade.
18
B – Está uma grande confusão!
M – É possível.
B – Mas não acha que está exageradamente desarrumada?
M – É possível. É uma questão de opinião.
B – Não podia arrumá-lo de vez em quando?
M – Sim, é verdade, podia, se quisesse.
B – Então, de que é que está à espera?
M – Não acho que isso seja, de momento, extremamente necessário.

5.4. O REFORÇO DA QUALIDADE DA COMUNICAÇÃO

A eficácia da comunicação assertiva reside em dois comportamentos essenciais: (1) enfatizar verbalmente e
fisicamente e (2) ajudar ao esclarecimento da mensagem3.

Assim, existem quatro comportamentos essenciais para a comunicação assertiva:

PONTUAR A AUDIÇÃO COM EXPRESSÕES VERBAIS DE EMPATIA;

Ex: Hum, hum!; Ah, sim; Concerteza; Continue...

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

UTILIZAR EXPRESSÕES FÍSICAS DE EMPATIA;

Ex: Rosto aberto, olhar o interlocutor com atenção sem fixação excessiva, adoptar a mesma posição física
(em espelho).

PARAFRASEAR O QUE ESTÁ A SER DITO;

Ex: Se bem entendi...; O que disse foi...; Estou a compreender, você...


19

UTILIZAR PERGUNTAS ABERTAS.

Ex: Colocar questões a começar por COMO, PORQUÊ, QUAL A SUA OPINIÃO que permitam ao outro
expressar os seus pontos de vista.

5.5. O RECORDAR OS DIREITOS DA ASSERTIVIDADE

Os direitos da assertividade permitem dar um melhor enquadramento a todo e qualquer comportamento


assertivo.

6. Síntese Conclusiva

O formador deve ser um animador e um facilitador do relacionamento interpessoal. Como mediador e gestor
dos conflitos de um grupo, o formador deve funcionar como um regulador da acção.

Neste sentido, Pinto (1992) propõe que um formador deverá ser capaz de conduzir a acção, permitindo a
descoberta de formas assertivas de relacionamento, estabelecendo com os formandos um clima que
promova:

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

1. Um relacionamento aberto e sincero;

2. Uma comunicação de qualidade, quer na capacidade de escuta, quer na capacidade de dar feedback ao
grupo.

EXERCÍCIO

Comente a seguinte afirmação: “ A comunicação assertiva contribui para a promoção da qualidade do


20 processo de formação.”

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

SOLUÇÃO DO EXERCÍCIO
- IDENTIFICAÇÃO DOS ESTILOS COMUNCACIONAIS -

Situação 1: a) Agressivo Situação 2: a) Passivo


b) Passivo b) Agressivo
c) Assertivo c) Manipulador
d) Manipulador d) Assertivo
21

Situação 3: a) Agressivo Situação 4: a) Passivo


b) Passivo b) Agressivo
c) Assertivo c) Manipulador
d) Manipulador d) Assertivo

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

- EXERCÍCIOS -

EXERCÍCIO DE “AUTO-DIAGNÓSTICO”

- Instruções -

De acordo com cada afirmação, registe com uma cruz na coluna a que corresponde à sua resposta:

VERDADE – se pensa ou actua dessa forma a maior parte das vezes.


22

FALSO – se raramente pensa ou actua dessa forma.

Tente ser o mais espontâneo possível nas suas respostas!

Após ter preenchido o questionário de autodiagnóstico, preencha a matriz de correcção do exercício.


Cada frase numerada corresponde a uma atitude característica de um dos estilos comunicacionais:
agressivo, passivo, assertivo ou manipulador. As frases foram classificadas em quatro colunas
correspondentes aos quatro estilos. Deverá atribuir 1 ponto a cada frase a que respondeu “VERDADE”. O
total dos pontos indica o grau da sua tendência a utilizar cada estilo comunicacional.

Poderá, por último, esboçar o gráfico de resultados, de forma a ter uma melhor percepção dos seus
resultados.

Não se esqueça que, seja qual for o seu estilo comunicacional predominante, cada estilo poderá ser
utilizado consoante as situações, ou seja, cada estilo é eficaz em função da situação onde se aplica!

Fonte:

Adaptado por O. Fachada (1991) de Chalvin, D (1989). L’affirmation de soi (5ª ed.) pp 4-7. Paris: Les
Editions E.S.F..

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

V F

Digo muitas vezes SIM, quando no fundo quero dizer


1 NÃO.

Defendo os meus direitos sem atentar contra os


2
direitos dos outros.
Quando não conheço bem uma pessoa prefiro
3 dissimular aquilo que penso ou sinto.

Sou, a maior parte das vezes, autoritário e decidido.


4
Geralmente, é mais fácil e mais engenhoso actuar
5 por interposta pessoa do que directamente.

Não receio criticar os outros e dizer-lhes aquilo que


6 penso.
23
Não ouso recusar certas tarefas que não fazem
7
parte das minhas atribuições.

Não tenho receio de manifestar a minha opinião,


8
mesmo face a interlocutores hostis.

9 Quando há debate, prefiro retrair-me e “ver o que é


que a coisa dá”.
Várias vezes sou censurado por ter espírito de
10 contradição.

Tenho dificuldade em escutar os outros.


11
Faço tudo o que posso para ficar “no segredo dos
12
deuses” e tenho-me dado bem com isso.

Consideram-me, em geral, bastante “manhoso” e


13
hábil nas relações com os outros.

Mantenho com os outros relações mais fundadas


sobre a confiança do que sobre a dominação ou o
14
calculismo.

Prefiro nunca pedir ajuda a um colega, ele poderá


15 pensar que eu não sou competente.

Sou tímido e tenho grandes bloqueios quando tenho


16 que realizar uma acção pouco habitual.

Chamam-me “sopinhas de leite”, fico enervado e


17 isso faz com que os outros se riam.

Sinto-me bastante à vontade nas relações face a


18 face.

Faço “fitas” muitas vezes; é a melhor maneira de


19 conseguir o que quero.

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

Sou um “fala-barato” e corto a palavra aos outros


20 sem me dar conta disso.

Sou ambicioso e estou pronto a fazer o que for


21
necessário para realizar os meus objectivos.
Em geral, sei o que é preciso fazer; isso é
22 importante para ser bem sucedido.
Em caso de desacordo, procuro os compromissos
23 realistas assentes na base dos interesses mútuos.

Prefiro “pôr as cartas na mesa”.


24
Tenho tendência para deixar para mais tarde as
25 coisas que tenho para fazer.

24 Deixo, muitas vezes, um trabalho a meio sem o


26 acabar.

Em geral, mostro aquilo que sou, sem dissimular os


27 meus sentimentos.

É preciso muita coisa para me intimidarem.


28
Meter medo aos outros pode ser um bom meio para
29 garantir o poder.

Quando “me levam à certa” uma vez, vingo-me na


30 próxima.

Quando se critica alguém, é muito eficaz censurar-


lhe o facto de ele não seguir os seus próprios
31
princípios. Forçamo-lo, assim, a estar de acordo.

Sei tirar partido do “sistema”; sou “desenrascado”.


32
Sou capaz de ser eu próprio, continuando a ser
33 aceite socialmente.

Quando não estou de acordo sei dizê-lo


34 desapaixonadamente e com clareza.

Tenho preocupações de não incomodar os outros.


35
Tenho sérias dificuldades em fazer opções.
36
Não gosto de ser a única pessoa dentro de um
grupo a pensar de determinada maneira. Nesse
37
caso prefiro retirar-me.

Não tenho receio de falar em público.


38
A vida “é uma selva”.
39

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

Não tenho receio de enfrentar os desafios perigosos


40
e arriscados.
Criar conflitos pode ser mais eficaz do que reduzir as
41
tensões.
A franqueza é a melhor maneira de ganharmos
42 confiança nas nossas relações com os outros.

43 Sei escutar e não corto a palavra aos outros.


Levo até ao fim aquilo que eu decidi fazer.
44
Não tenho medo de exprimir os meus sentimentos,
45 tal e qual como os sinto.

Tenho jeito “para levar as pessoas” e fazer impôr as


minhas ideias.
46

O elogio ainda é um bom meio de se obter o que se


47 pretende. 25

Tenho dificuldade em controlar o tempo em que


48 estou no uso da palavra.

Sei manejar bem a ironia mordaz.


49
Sou servil e tenho uma vida simples; às vezes até
50 me deixo explorar um pouco.

51 Gosto mais de observar do que de participar.

52 Gosto mais de estar na “geral” do que na primeira


fila.

53 Não penso que a manipulação seja uma solução


eficaz.

54 Não é necessário anunciar depressa demais as


nossas intenções; isso pode causar-nos dissabores.

55 Choco muitas vezes as pessoas com as minhas


atitudes.

56 Prefiro ser lobo a ser cordeiro.

57 A manipulação dos outros é muitas vezes a única


maneira prática para obtermos o que queremos.

58 Sei, em geral, protestar com eficácia, sem


agressividade excessiva.

59 Penso que os problemas não podem ser realmente


resolvidos sem procurarmos as suas causas
profundas.

60 Não gosto de ser mal visto.

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

MATRIZ DE CORRECÇÃO

Agora atribua 1 ponto por cada resposta “VERDADE”.

ESTILO ESTILO ESTILO ESTILO


PASSIVO AGRESSIVO MANIPULADOR ASSERTIVO

1 4 3 2

7 6 5 8

15 10 9 14
26
16 11 12 18

17 20 13 23

25 21 19 24

26 28 22 27

35 29 31 33

36 30 32 34

37 39 41 38

50 40 42 43

51 48 46 44

52 49 47 45

59 55 54 53

60 56 57 58

TOTAL TOTAL TOTAL TOTAL

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

GRÁFICO DE RESULTADOS
15 15
- -
- -
- -
- -

10 10
- -
- -
- - 27
- -
5 5
- -
- -
- -
- -

PASSIVO AGRESSIVO MANIPULADOR ASSERTIVO

TESTE AUTO-ESTIMA

Olhe para si e verifique o seu nível de auto-estima, respondendo ao simples teste que lhe propomos.
Assinale com X o que melhor corresponde à sua forma habitual de se relacionar consigo mesmo. Quanto
melhor for a relação consigo, melhor será a relação com os outros.

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria


Formação Pedagógica de Formadores Manual: Relação Pedagógica – Capítulo II – “Assertividade”

FREQUÊNCIA
RARAMENTE

ALGUMAS
VEZES

COM
1. Encara a vida com optimismo e com sentido de
humor?
2. Encoraja-se a si próprio, quando tem de
enfrentar situações novas e difíceis?
3. Defende as suas ideias, com firmeza e
convicção, mesmo que os outros manifestem
desacordo?
4. Toma iniciativas próprias, independentemente
28 da aprovação alheia?
5. Mostra compreensão e tolerância em relação a
si mesmo e às suas limitações?
6. Felicita-se pelos seus êxitos e pelos seus
esforços sérios e honestos?
7. Suporta a ingratidão e as críticas sem reagir
agressivamente?
8. Aceita-se como é e consegue sentir gosto em
ser diferente dos outros?
9. Cuida de si e da sua aparência?

10. Pensa em si como alguém de quem gostaria de


ser amigo? Considera-se uma boa companhia?

Para saber o resultado do seu teste, dê um ponto a cada resposta A (raramente), dois pontos a cada
resposta B (algumas vezes) e três pontos a cada resposta C (com frequência). Some, em seguida, o
conjunto desses pontos e reflicta sobre o seguinte:

¾ Se obteve menos de 15 pontos, você precisa de pensar mais em si e de cultivar a sua


auto-estima.
¾ Se obteve entre 15 e 20 pontos, você já tem suficiente auto-estima, embora possa
melhorar.
¾ Se obteve mais de 20 pontos, você manifesta elevada auto-estima. Precisa apenas de
cuidado para não cair nos exageros do egocentrismo ou da arrogância.

nOVA eTAPA – Formação e Consultoria