Você está na página 1de 3

RESOLUÇÃO DAS ATIVIDADES ADICIONAIS

O processo de formação da sociedade brasileira


 1. d O movimento negro no Brasil não visa indenizar economicamente os descendentes de
escravizados negros, mas busca a supressão dos efeitos sociais da escravatura ainda exis-
tentes na sociedade brasileira.
 2. b A comunidade quilombola deve comprovar que sua identidade étnica advém de um qui-
lombo e representa uma resistência em relação aos grupos sociais hegemônicos.
 3. e A desigualdade social entre brancos e negros não foi resolvida na sociedade brasileira, fa-
zendo com que muitos ex-escravizados não tivessem, além da própria identidade cultural,
nenhum bem a deixar como herança para seus descendentes.
 4. d O Código Penal brasileiro de 1890 demonstra que, mesmo após o fim da escravatura, cri-
minalizavam-se manifestações culturais da população negra.
 5. a O tráfico escravo fez com que os indivíduos escravizados reconhecessem, entre si, elemen-
tos de identidade, formando, assim, a identidade cultural afro-brasileira.
 6. c A cultura afro-brasileira deu-se a partir dos valores africanos e da realidade histórica en-
frentada pelos indivíduos escravizados no Brasil.
 7. e O pan-africanismo está relacionado à conscientização de uma identidade compartilhada
entre os descendentes de africanos espalhados pelo mundo, que devem cooperar entre si
para a construção de sociedades nas quais todos os afrodescendentes tenham condições
dignas de vida.
 8. a O parecer instituiu diretrizes para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de
história e cultura afro-brasileira e africana que são identificadas como políticas públicas,
pois fomentam práticas de valorização identitária.
 9. a A Revolta do Haiti produziu sensações de que a mesma situação pudesse ser replicada em
território brasileiro, alimentando o desejo das populações mais carentes.
10. c Durante o século XIX, a sociedade europeia era identificada como modelo superior de or-
ganização social, servindo como molde para qualquer processo civilizacional.
11. e O mulato acabava por ser reconhecido como um elemento novo, distanciado de sua iden-
tidade africana.
12. a Os colonizadores portugueses não se preocupavam em compreender a cultura indígena,
mas em fazer com que assimilassem a cultura e os valores europeus.
13. d O samba é apontado pelo autor como uma música original da cultura brasileira, diferente
de outros estilos musicais desenvolvidos por afrodescendentes de outras regiões do mun-
do ou da própria música africana.

Ciências Humanas e suas Tecnologias – Sociologia – 2ª Série – Módulo 4 – Resolução 1


211
14. b O texto aponta uma crítica à construção da memória social, visto que o monumento foi
erguido em homenagem a pessoas que praticaram uma série de ações violentas contra as
populações indígenas.
15. c O autor defende que os níveis de relação pessoal acabam por afetar a aplicação racional da
lei, fazendo com que a vida social brasileira acabe por se resolver naquilo que ele chama
de “jeitinho”.
16. c A autora aponta para a crença difundida de que a situação da população negra no Brasil
era mais harmônica e integrada que a vivida pelos negros nos Estados Unidos.
17. e A valorização da cultura nacional defendeu a união entre as culturas indígenas e a civiliza-
ção europeia, que produziriam uma nova sociedade.
18. d O aumento da complexidade social não eliminou o trabalho escravo na sociedade colonial
brasileira.
19. b A indústria mineradora foi extremamente predatória para a natureza, visto que não tinha
a devida fiscalização do Estado nem era identificada pelos documentos da época.
20. b O desenvolvimento dos padrões mercantilistas da época moderna acentuam a exigência
do renascimento da escravidão na colonização.
21. b Os autores, um por um, apontam para a possível saída brasileira de um estado de incapa-
cidade, sempre com a eterna esperança de que conseguiremos resolver os problemas que
nos impedem de sermos melhores.
22. e O desenvolvimento territorial da colônia brasileira deu-se a partir das próprias especifici-
dades territoriais, que impuseram dificuldades aos colonizadores.
23. a Na colonização brasileira, a escravidão africana enfrentou menos resistência que a indíge-
na, apontando para um modelo específico de organização social.
24. e Não se desenvolveu na colônia nenhuma estrutura para a formação em massa de profis-
sionais liberais, nem condições sociais, econômicas ou políticas para a disseminação des-
sas atividades.
25. c O grande proprietário rural acabou se aristocratizando por reunir condições materiais e
políticas e se legitimar a partir de tradições que lhe garantiam uma supremacia absoluta,
fortalecendo, dessa forma, sua posição econômica, política e simbólica.
26. a A estrutura social do Brasil Colonial excluía a população afrodescendente e indígena de
buscar formas de ascensão social.
27. b O texto aponta para o processo de colonização, que implica a imposição de regras e pa-
drões pelo grupo dominador sobre o grupo dominado.
28. d O reconhecimento legal do funk como patrimônio cultural imaterial do Rio de Janeiro
aponta para políticas públicas que valorizam as manifestações populares.

Ciências Humanas e suas Tecnologias – Sociologia – 2ª Série – Módulo 4 – Resolução 2


211
29. e Os três itens (o Círio de Nazaré de Belém do Pará, as panelas de barro confeccionadas por
artesãos do Espírito Santo e os sambas de partido alto, de terreiro e enredo carioca) são
bens culturais transmitidos por gerações na história da sociedade brasileira.
30. a As práticas e expressões culturais devem estar interligadas com objetos, artefatos e luga-
res onde são desenvolvidos, visto que representam certas manifestações de identidade
cultural.
31. b O ataque perpetrado pelo Estado Islâmico, em que vários sítios arqueológicos foram atin-
gidos, causa a desestruturação do patrimônio histórico.
32. d A fundação do Serviço do Patrimônio Histórico-Artístico Nacional, em 1937, visava res-
guardar da destruição as obras representativas da cultura nacional pela criação de políti-
cas públicas preservacionistas.
33. e Atente-se para a insistência na noção da paisagem carioca e sua originalidade para a cons-
tituição singular de um tipo de ocupação urbana, mesclando morro e asfalto, samba e
bossa nova, Rocinha e Copacabana. A própria idiossincrasia de seu relevo permitiu que
houvesse uma forma específica de distribuição de espaços de poder e cultura.
34. c O ofício das paneleiras de Goiabeiras (ES) também é uma manifestação cultural ligada à
produção artesanal específica de uma população geograficamente determinada.
35. a O projeto arquitetônico e urbanista de Brasília foi considerado Patrimônio da Humanidade
pela Unesco porque seu plano piloto concretizava os princípios do urbanismo modernista
internacional.
36. d O ofício das baianas de acarajé constitui um patrimônio imaterial, pois representa uma
produção própria que tem um modo de fazer e viver ligado a uma identidade étnica e
regional específica.

Ciências Humanas e suas Tecnologias – Sociologia – 2ª Série – Módulo 4 – Resolução 3


211