Você está na página 1de 5

EM QUESTÃO

POLICY BRIEF

Evidências para políticas públicas


Número 5
Junho, 2021

O uso e o não uso de evidências


científicas nas políticas públicas
A visão dos servidores públicos federais
2020
PONTOS-CHAVE
• Os servidores públicos que trabalham nos ministérios usam diferentes fontes de
informação para a produção das políticas federais. As mais comuns são as produzidas
pela própria Administração Federal. Entre elas estão os normativos, notas técnicas,
recomendações de órgãos de controle, decisões judiciais e pareceres jurídicos.
Relatório informa
vo

• As fontes científicas estão entre as menos utilizadas. 54% desses servidores afirmam
que nunca ou raramente fazem uso de relatórios de pesquisas científicas e 72%
dizem que não existe ou não sabem da existência de uma área especializada em seu
ministério voltada para a utilização de evidências.
dados das úl
mas três décadas (1985 – 2018)
• Credibilidade e prestígio da fonte, aplicabilidade dos resultados e fornecimento de
Perfil do funcionalismo público no Brasil: principais
recomendações estão entre os principais motivos que levam os servidores a utilizarem
estudos e pesquisas. A capacitação também se mostrou um meio importante de
acesso ao conhecimento científico.

• Fontes societais, como opiniões dos beneficiários das políticas ou recomendações de


instâncias participativas, têm uso direto inexpressivo pelos servidores federais.
ESTADO BRASILEIRO
INTRODUÇÃO DO Atlas
A crise global da Covid-19 intensificou
a discussão sobre a importância, os usos e a
apontam para a importância dos fatores políticos
na tomada de decisão, das diferenças de tempo
credibilidade da ciência para apoiar decisões e lógica de funcionamento entre o
dos gestores públicos. Apesar de esse tema desenvolvimento científico e a gestão
não ser novo na literatura especializada, o administrativa, bem como os limites
movimento das Políticas Públicas baseadas das pesquisas em prover evidências em
em Evidências (PPBE), originado no final dos contextos de crescente complexidade.
anos 1990 no Reino Unido, tem impulsionado Os dados deste documento
esse debate ao defender a ampliação do uso apresentam os resultados encontrados em
de evidências científicas pelos governos sobre levantamento via survey sobre a demanda
“o que funciona” para melhorar o processo de e o uso de fontes de informação por
produção de políticas públicas. servidores públicos federais e/ou ocupantes
Esse movimento caminha em paralelo de cargos de Direção e Assessoramento da
a questões mais amplas, como aquelas que Administração Direta em 2019.
1
EM QUESTÃO: Evidências para políticas públicas Número 2 - Março, 2021 www.ipea.gov.br
EVIDÊNCIAS Dados produzidos a partir de
pesquisa com 2.180 servidores.
Abordagem quantitativa.
FONTES DE INFORMAÇÃO UTILIZADAS
São quatro os tipos de fontes de informação utilizadas pelos servidores na produção de políticas públicas:

INTERNAS EXPERIENCIAIS CIENTÍFICAS EXTERNAS


Produzidas pela própria Não-científicas,
Provenientes da Produzidas por
Administração Federal produzidas por grupos
experiência profissional universidades e
e incluem normativos, de interesse,
e pessoal dos próprios centros de pesquisa.
notas técnicas, bases de beneficiários e
servidores e de Incluem livros, artigos
dados, pareceres legais
consultas a colegas de acadêmicos e relatórios instâncias participativas.
e recomendações Incluem também a mídia
trabalho de pesquisa
do controle

As fontes internas e as oriundas da experiência percentuais elevados de uso de fontes produzidas por
são utilizadas com frequência expressivamente maior entes de controle, como TCU, CGU, Ministério Público
do que as outras fontes. Cabe destaque para os e Poder Judiciário.

Afirmam utilizar sempre ou frequentemente pareceres 50%


jurídicos e recomendações dos órgãos de controle

Afirmam que se valem sempre ou 65%


frequentemente de sua experiência pessoal

TIPOS DE FONTES DE INFORMAÇÃO UTILIZADAS


A frequência de uso de fontes acadêmicas é frequentemente livros, capítulos ou artigos científicos e
significativamente inferior às fontes internas e experienciais. apenas 19% dizem que usa na mesma frequência relatórios
Apenas 30% dos servidores dizem que usam sempre ou de pesquisa para informar o seu trabalho.

SEMPRE e EVENTUALMENTE RARAMENTE e


FREQUENTEMENTE NUNCA
Leis e normas 82,1% 10,4% 6,1%
A diferença até 100% corresponde aos que responderam “Não sei”.

Consultas a colegas de trabalho 75,8% 16,5% 6,7%


Experiência profissional 64,5% 19,5% 13,1%
Notas técnicas de órgãos federais 62,6% 20,6% 15,1%
Sistemas inform. e bases de dados governamentais 49,8% 20,2% 27,7%
Pareceres legais e decisões judiciais 50,1% 20,7% 26,7%
Recomendações de órgãos de controle 49,4% 21,8% 26,1%
Artigos, capítulos ou livros de pesquisadores 30,4% 27,7% 39,5%
Matéria jornalística 24,4% 22,2% 50,6%
Relatórios de pesquisa científica 19,7% 22,8% 53,8%
Recomendações de organismos internacionais 18,2% 18,8% 59,0%
Boas práticas e iniciativas de estados e municípios 11,5% 17,4% 66,5%
Experiência e opiniões de beneficiário 11,9% 19,5% 64,3%
Recomendações de instâncias participativas 11,4% 17,5% 66,5%
Informações geradas por grupos de interesse 10,9% 17,2% 67,9%

2
EM QUESTÃO:
EMEvidências
QUESTÃO:para
Evidências
políticaspara
públicas
políticas públicas
Número 5 - Junho,
Número2021
2 - Março, 2021
www.ipea.gov.br
www.ipea.gov.br
ONDE OS SERVIDORES BUSCAM AS EVIDÊNCIAS CIENTÍFICAS?
A maioria dos servidores (76%) disse acessar é interessante notar a familiaridade de cerca de
estudos e pesquisas científicas pela internet, metade dos servidores (51,8%) com fontes de
por meio de ferramentas tradicionais de busca. acesso do campo acadêmico, tais como eventos e
Apesar de esse recurso ter sido o mais lembrado, congressos científicos.

Google ou outras
ferramentas de busca 76,0% Esse resultado é coerente com os dados de
escolaridade dos servidores que
Imprensa 53,2% participaram da pesquisa:
Eventos científicos 51,8% Nivel de escolaridade
do servidor
Busca em sites de 47,7% Especialização (pós)
instituições de pesquisa Graduação 33,5%
30,2%
Indicação de conhecidos 46,3% Mestrado
20,2%

Fundamental
Portal de periódicos Doutorado
ou bancos de teses
34,0% Médio ou (ou pós)
técnico 9,9%
Sites de organismos 5,6%
internacionais 33,5% 0,6%

Citações em estudos
acadêmicos 32,6% Ações de capacitação dos
servidores foram reconhecidas
Redes sociais
(Facebook e Whatsapp) 28,8% como um importante meio para
acesso a pesquisas e conhecimentos
Busca presencial ou científicos: 58% dos servidores
em sites de bibliotecas 21,8% participaram de capacitação nos últimos 12 meses
e, destes, 73,1% disseram ter realizado leitura de
Plataformas de áudio estudos e pesquisas científicas nesses cursos.
e vídeo (Youtube) 21,2%

FATORES DETERMINANTES NA UTILIZAÇÃO DE ESTUDOS E PESQUISAS


O acesso às fontes científicas não garante que públicas. Vários fatores podem condicionar esses
elas serão utilizadas pelos servidores e organizações usos, como as próprias características dessas fontes.
% de servidores que elencaram cada item como decisivo

34,4%
Credibilidade e prestígio da fonte
29,7%
Pertinência e aplicabilidade da informação

Existência de conclusões e 15,9%


recomendações de natureza operacional
16,7%
Facilidade de compreensão da pesquisa ou do estudo
15,8%
Tempestividade (a pesquisa chega no tempo certo)
9,8%
Atratividade (leitura fácil, gráficos, cores etc.)
5,3%
Tamanho (número de páginas)

3
EM QUESTÃO:
EM QUESTÃO:
Evidências para
Evidências
políticas
para
públicas
políticas públicasNúmero 5 -Número
Junho, 2021
2 - Março, 2021
www.ipea.gov.br
www.ipea.gov.br
UNIDADES ESPECIALIZADAS

Há uma unidade especializada no uso de pesquisas


Uma das estratégias mais conhecidas, e e estudos científicos no seu ministério?
aplicadas internacionalmente, para disseminar e
estimular uma cultura de uso de evidências científicas
nas organizações é a de estruturação de uma unidade Sim
especializada com a finalidade de prospectar, Não sei 28%
contratar, disseminar, traduzir ou mesmo produzir 43%
pesquisas para subsidiar as políticas conduzidas Não
pela organização. Pela não existência ou pelo % referente às
29% respostas dos
desconhecimento da existência, fica claro que ao servidores
menos 72% dos respondentes não têm acesso ou
fazem uso de tal tipo de recurso organizacional.

DIAGNÓSTICO Diagnóstico baseado nas evidências detectadas.

Os servidores dos ministérios utilizam fontes são menos relevantes aos servidores brasileiros em
diversas para informar as políticas públicas. Como já relação a outras fontes como as produzidas pela própria
observado em outros países, as evidências científicas Administração Federal ou provenientes da experiência.

As principais fontes
de informação utilizadas são as
internas e as experienciais. Dentre
As capacitações são
as internas, chama a atenção o
formas eficientes de dar
fato de os servidores recorrerem
acesso aos servidores ao
com uma frequência elevada ao
conhecimento científico.
uso de recomendações de entes
No entanto, incentivos e
do controle e pareceres judiciais,
estratégias organizacionais
o que não se observa em outros
são essenciais para ir além
países, como Austrália, Canadá
do acesso e garantir o uso.
e República Tcheca.

Compreender
que as fontes científicas são
apenas uma das fontes de
conhecimentos que informam
a produção da política públicas
é fundamental para pensar
em como promover o maior
uso das evidências científicas
combinadas com
outras fontes.

4
EM QUESTÃO:
EM QUESTÃO:
Evidências para
Evidências
políticas
para
públicas
políticas públicasNúmero 5 -Número
Junho, 2021
2 - Março, 2021www.ipea.gov.br
www.ipea.gov.br
RECOMENDAÇÕES Recomendações baseadas no
diagnóstico realizado.

Tendo em vista o que se conhece atualmente seguintes recomendações para ampliar o uso de
sobre os servidores dos ministérios, sugerimos evidências científicas e promover uma utilização
para gestores e produtores do conhecimento as mais transparente de outras fontes de informação:

PARA A GESTÃO PÚBLICA


* Desenvolver capacidades organizacionais nos ministérios por meio da criação e mobilização de
unidades especializadas pela captação, disseminação e produção de evidências, investimento nos serviços
informacionais e na infraestrutura de pesquisa dos órgãos.

* Explicitar as fontes que embasam os recursos informacionais produzidos pela Administração Pública,
como as notas técnicas e recomendações do controle, e estimular o diálogo desses com fontes científicas.

* Promover parcerias interorganizacionais mais permanentes, entre ministérios e instituições de pesquisa,


inclusive da própria Administração Pública.

* Incentivar e investir em capacitações individuais dos servidores públicos, por meio de cursos e
eventos de treinamentos.

* Buscar formas de aproximar a academia, a gestão e os produtores de outras fontes informacionais, inclusive as
societais, com vistas a construir um sistema de governança de evidências mais transparente, eficaz e legítimo.

PARA OS PRODUTORES DE CONHECIMENTO

* Buscar apresentar as contribuições da pesquisa expressamente, indicando recomendações e refletindo


sobre a aplicabilidade prática.

* Ampliar e diversificar o uso das fontes de acesso aos produtores de políticas públicas, de acordo com o
público-alvo que se pretende alcançar.

* Participar e propor iniciativas de capacitação para os servidores e organizações públicas.

* Investir no desenvolvimento da capacidade de comunicação de evidências não apenas para os gestores


públicos, mas também para a sociedade, mídia e os diversos atores envolvidos da política.

O QUE INFORMAM AS POLÍTICAS PÚBLICAS: SURVEY EM QUESTÃO - Evidências para políticas públicas
SOBRE O USO E O NÃO USO DE EVIDÊNCIAS PELA
BUROCRACIA FEDERAL BRASILEIRA Diretoria de Estudos e Políticas do Estado, das
https://cutt.ly/sntLQjl Instituições e da Democracia - Diest
Coordenadores do projeto Diretora
Natália Massaco Koga Flávia Schmidt
Pedro Lucas de Moura Palotti Diretora adjunta
Janine Mello
Equipe técnica
Bruno Gontyjo do Couto Núcleo de Disseminação de Pesquisa
Rafael da Silva Lins Camila Escudero (conteúdo e planejamento)
Maricilene Isaira B. do Nascimento Relison Galvão (design e diagramação)
Isabella de Araújo Goellner Bianca Soletti Teixeira (estagiária)

5
EM QUESTÃO:EM QUESTÃO:
Evidências Evidências
para políticas para políticas públicas
públicas Número
Número 5 - Junho, 202121 - Março, 2021 www.ipea.gov.br
www.ipea.gov.br

Você também pode gostar