Você está na página 1de 7

1) Empresa vai fornecer 230 turbinas para o segundo complexo de energia à

base de ventos, no sudeste da Bahia. O Complexo Eólico Alto Sertão, em 2014,


terá capacidade para gerar 375 MW (megawatts), total suficiente para abastecer
uma cidade de 3 milhões de habitantes.
MATOS, C. GE busca bons ventos e fecha contrato de R$ 820 mi na Bahia. Folha de S. Paulo, 2 dez. 2012.
A opção tecnológica retratada na notícia proporciona a seguinte consequência
para o sistema energético brasileiro:

A) Redução da utilização elétrica.


B) Ampliação do uso bioenergético.
C) Expansão das fontes renováveis.
D) Contenção da demanda urbano-industrial.
E) Intensificação da dependência geotérmica.

2) A civilização moderna está voltada para um alto consumo de energia que é


utilizada nas indústrias, nos transportes, nos eletrodomésticos e nas
telecomunicações. Nessa busca por energia, o homem vai atrás de várias fontes,
tais como,

I. combustíveis fósseis.
II. energia hidrelétrica.
III. energia nuclear.
IV. etanol.
V. energia eólica (energia dos ventos).
Desses 5 tipos,

A) apenas um é renovável.
B) apenas dois são renováveis.
C) apenas três são renováveis.
D) apenas quatro são renováveis.
E) todos são renováveis.

3) Muitas usinas hidroelétricas estão situadas em barragens. As características


de algumas das grandes represas e usinas brasileiras estão apresentadas no
quadro abaixo.

Área alagada Potência Sistema


Usina
(Km2) (MW) Hidrográfico
Tucuruí 2 430 4 240 Rio Tocantins
Sobradinho 4 214 1 050 Rio São Francisco
Itaipu 1 350 12 600 Rio Paraná
Ilha Solteira 1 077 3 230 Rio Paraná
Furnas 1 450 1 312 Rio Grande

A razão entre a área da região alagada por uma represa e a potência produzida
pela usina nela instalada é uma das formas de estimar a relação entre o dano e o
benefício trazidos por um projeto hidroelétrico.

A partir dos dados apresentados no quadro, o projeto que mais onerou o


ambiente em termos de área alagada por potência foi
A) Tucuruí.
B) Furnas.
C) Itaipu.
D) Ilha Solteira.
E) Sobradinho

4) Considere a letra da música de Sá, Rodrix e Guarabyra.

Sobradinho

O homem chega, já desfaz a natureza


Tira a gente, põe represa, diz que tudo vai mudar
O São Francisco lá prá cima da Bahia
Diz que dia menos dia vai subir bem devagar
E passo a passo vai cumprindo a profecia
Do beato que dizia que o sertão ia alagar
O sertão vai virar mar, dá no coração
O medo que algum dia o mar também vire sertão
Vai virar mar, dá no coração
O medo que algum dia o mar também vire sertão
Adeus Remanso, Casa Nova, Santo Sé Adeus Pilão Arcado, vem o rio te engolir
Debaixo d'água lá se vai a vida inteira
Por cima da cachoeira o gaiola vai subir
Vai ter barragem no salto do Sobradinho
E o povo vai se embora com medo de se afogar
Remanso, Casa Nova, Santo Sé, Pilão Arcado, Sobradinho adeus, adeus.
Fonte: CD: Outra vez na Estrada, Som Livre, 2001
O Rio São Francisco é utilizado de forma múltipla pelo homem e tem importância
fundamental na integração e desenvolvimento do Brasil. Essa utilização intensa
gerou riquezas para o país ao mesmo tempo em que trouxe, também, sérios
prejuízos ambientais.

Com base no texto e na literatura sobre o assunto, é correto afirmar que a


música retrata o(a)

A) projeto de transposição do rio São Francisco, que modificou seu curso para
possibilitar a irrigação.
B) sistema de irrigação da fruticultura nos municípios citados na música, o qual
acelerou o processo de desertificação.
C) transporte de carga de cereais por sua hidrovia, principalmente a soja cultivada no
oeste baiano, o que ocasionou assoreamento em grande parte do rio.
D) destruição das cidades citadas na música pela grande enchente nos anos de 1950
e a posterior reconstrução das mesmas.
E) construção de uma usina hidrelétrica que gerou o maior lago artificial do país,
inundando as cidades citadas na música.

5) Observe o mapa e o texto a seguir:


Mapa para exercícios sobre agricultura brasileira*

*Disponível em: Contenidosdigitales

“De grão em grão – transgênico ou não – o cultivo da soja espalhou-se por


todas as regiões do Brasil nas três últimas décadas. Ocupa hoje uma área cinco
vezes e meia superior à da Holanda. O Brasil foi, em 2003 e 2004, o maior
exportador mundial de soja e vem mantendo a posição de segundo maior
produtor, após os Estados Unidos. A previsão é de que esta condição de maior
exportador mundial volte a ocorrer em breve, consolidando-se ao longo dos
próximos anos”.

(SCHLESINGER, S., NORONHA, S. O Brasil está nú! O avanço da monocultura da


soja, o grão que cresceu demais. Rio de Janeiro: FASE, 2006).

O mapa acima representa o avanço da produção de soja no Brasil, cuja principal


consequência socioespacial foi:

A) a democratização da estrutura fundiária pelo interior do país


B) a expansão da fronteira agrícola sobre as áreas do Cerrado
C) a ampliação de reservas florestais nas áreas do Centro-Oeste
D) a diminuição dos latifúndios improdutivos no território nacional
E) o crescimento da agricultura de subsistência

6) (UNIOESTE - 2011)

Sobre a agricultura no Brasil, leia as assertivas abaixo:

I. A mecanização agrícola e a liberação de mão de obra na agricultura foram


importantes fatores de migração da população do campo para as cidades.

II. A concentração fundiária, que se observa, entre outros estados, no Paraná e


no Mato Grosso do Sul, é fator de expropriação de camponeses que passam a
buscar áreas da fronteira agrícola da Amazônia ou se direcionam aos centros
urbanos.

III. Os boias-frias são trabalhadores sazonais característicos da implantação de


relações capitalistas modernas no campo.

IV. O avanço da pecuária extensiva na Amazônia e a ocupação das áreas de


Cerrado visando à cultura de grãos resultaram na redução da taxa de
urbanização dos Estados do Mato Grosso e de Rondônia.
Assinale a alternativa cujas as afirmativas estão corretas.

A) I, III e IV.
B) II, III e IV.
C) III e IV.
D) I, II e IV.
E) I, II e III.

 7) (ENEM 2010)

O gráfico representa a relação entre o tamanho e a totalidade dos imóveis rurais


no Brasil. Que característica da estrutura fundiária brasileira está evidenciada no
gráfico apresentado?

A) A concentração de terras nas mãos de poucos.


B) A existência de poucas terras agricultáveis.
C) O domínio territorial dos minifúndios.
D) A primazia da agricultura familiar.
E) A debilidade dos plantations modernos.

8) (ENEM 2010)

Antes, eram apenas as grandes cidades que se apresentavam como o império da


técnica, objeto de modificações, suspensões, acréscimos, cada vez mais
sofisticadas e carregadas de artifício. Esse mundo artificial inclui, hoje, o mundo
rural.

SANTOS, M. A Natureza do Espaço. São Paulo: Hucitec, 1996.

Considerando a transformação mencionada no texto, uma consequência


socioespacial que caracteriza o atual mundo rural brasileiro é

A) a redução do processo de concentração de terras.


B) o aumento do aproveitamento de solos menos férteis.
C) a ampliação do isolamento do espaço rural.
D) a estagnação da fronteira agrícola do país.
E) a diminuição do nível de emprego formal.

9) (UEL) – O aumento crescente da demanda por produtos livres de agrotóxicos


tem impulsionado a agricultura orgânica no Brasil. Esse sistema agrícola que se
apoia no manejo sustentável dispensa o uso de agrotóxicos sintéticos e
privilegia a preservação ambiental, a biodiversidade, os ciclos biológicos e a
qualidade de vida do homem. Com uma área plantada de 842 mil hectares, o
setor movimentou cerca de US$ 1 bilhão em 2003. O país tem 19 mil
propriedades e 174 processadoras espalhadas em diversas regiões.
Disponível em: “<www.agricultura.gov.br.>” Acesso em: 19 Jun. 2005.

Com base no texto e nos conhecimentos sobre agricultura, considere as


afirmativas a seguir.

I. Na agricultura orgânica, a forma de produzir demanda uma maior utilização de


mão de obra para colocar em prática o controle biológico e o manejo integrado
de pragas, constituindo-se em alternativa para o desenvolvimento da agricultura
familiar.

II. O crescimento do mercado para os produtos orgânicos não se limita ao Brasil,


o que tem permitido aos agricultores aumentar a receita, por unidade de
produção, a uma razão superior à da agricultura convencional.

III. O crescimento do número de propriedades rurais em que se pratica a


agricultura orgânica invalida o debate sobre os impactos do consumo de
agrotóxicos no Brasil.

IV. O sistema de agricultura orgânica é impraticável nas pequenas propriedades


rurais, pois a eliminação do uso de fertilizantes e de pesticidas químicos
proporciona um aumento dos custos de produção, o que, consequentemente,
diminui a renda da unidade produtiva agrícola.

Estão corretas apenas as afirmativas:

A) I e II.
B) II e III.
C) III e IV.
D) I, II e IV.
E) I, III e IV.

10) (UEPB) O crescimento da economia brasileira desenvolveu-se sob o signo


dos grandes ______ e da concentração de renda. A _______ da agricultura e a
concentração ______ produziram o ________ acelerado, que se manifesta na
formação das _______ urbanas. No campo, os novos padrões de ______
impostos pelos complexos ______ continuam a provocar a ruína dos pequenos
produtores, configurando um quadro de verdadeira tragédia social.
Assinale a alternativa que preenche corretamente as lacunas do texto.
A) agroindustriais – produtividade – das periferias – consumo – favelas – monopólios –
rurais.
B) agronegócios – produtividade – de renda – consumo – massas – investimentos –
industriais.
C) monopólios – crise – de terras – crescimento – franjas – consumo – urbanos.
D) monopólios – modernização – fundiária – êxodo rural – periferias– produtividade –
agroindustriais.
E) capitalistas – proletarização – fundiária – enriquecimento –favelas – modernização
– agroindustriais.

11) A inserção de tecnologias e de sistemas mecanizados no âmbito da


produção agrícola vem ocasionando profundas transformações no espaço
geográfico do Brasil e do mundo. Entre essas transformações, podemos
considerar:

A) a aceleração do processo de êxodo rural


B) o reordenamento democrático do espaço rural
C) a concentração da mão de obra no meio agrário
D) o processo de distribuição de terras agrícolas
E) a subordinação da cidade em relação ao campo

12) (ENEM 2013)

Texto I
A nossa luta é pela democratização da propriedade da terra, cada
vez mais concentrada em nosso país. Cerca de 1% de todos os
proprietários controla 46% das terras. Fazemos pressão por meio da
ocupação de latifúndios improdutivos e grandes propriedades, que
não cumprem a função social, como determina a Constituição de
1988. Também ocupamos as fazendas que têm origem na grilagem
de terras públicas.
Disponível em: www.mst.org.br. Acesso em: 25 ago. 2011
(adaptado).
Texto II
O pequeno proprietário rural é igual a um pequeno proprietário de
loja: quanto menor o negócio mais difícil de manter, pois tem de ser
produtivo e os encargos são difíceis de arcar. Sou a favor de
propriedades produtivas e sustentáveis e que gerem empregos.
Apoiar uma empresa produtiva que gere emprego é muito mais
barato e gera muito mais do que apoiar a reforma agrária.
LESSA, C. Disponível em: www.observadorpolítico.org.br. Acesso
em: 25 ago. 2011 (adaptado).
Nos fragmentos dos textos, os posicionamentos em relação à
reforma agrária se opõem. Isso acontece porque os autores
associam a reforma agrária, respectivamente, à

A) redução do inchaço urbano e à crítica ao minifúndio camponês.


B) ampliação da renda nacional e à prioridade ao mercado externo.
C) contenção da mecanização agrícola e ao combate ao êxodo rural.
D) privatização de empresas estatais e ao estímulo ao crescimento
econômico.
E) correção de distorções históricas e ao prejuízo ao agronegócio.

Você também pode gostar