Você está na página 1de 17

GUIA DO

FUTURO
DESENHISTA
PROFESSOR
LAERTE GALESSO
INTRODUÇÃO

A proposta deste guia é mostrar os caminhos para você


aprender a desenhar e se preparar para uma especialização,
em qualquer área que tem o desenho como ponto de partida;
como Arquitetura, Moda, Design Gráfico, Artes Plásticas,
Quadrinhos, Design de Interiores, Design de Produtos,
Computação Gráfica, Tatuagem, Arte Urbana, entre outras.

Além disso, mesmo para aqueles que não pretendem seguir


a carreira de desenhista ou exercer qualquer outra atividade
relacionada a prática do desenho é um ótimo exercício para
o desenvolvimento da criatividade, ampliação da bagagem
cultural e resolução de problemas em qualquer área de
atuação.

Basicamente, há duas modalidades para se aprender a desenhar: a modalidade Racional, na


qual se atua mais com o Hemisfério Esquerdo do cérebro e a modalidade Intuitiva, que tem
seu foco no Hemisfério Direito. Ambas se completam, resultando num aprendizado completo
e eficiente. Cada pessoa aprende de uma maneira diferente da outra; umas são mais racionais,
enquanto outras são mais intuitivas.

Quanto à metodologia, desculpem aqueles que são mais “ïmediatistas”, mas não existe um
método milagroso, tipo: “aprenda a desenhar em uma semana” ou “aprenda desenho realista
em 10 aulas”. Portanto, fuja desses jargões apelativos. Na verdade, o que existe é um processo
que precisa ser seguido, no qual você vai desenvolvendo passo a passo, começando com
coisas mais simples e, quando menos espera, estará desenhando coisas mais complexas, como
figura humana, cenas urbanas, etc., de maneira realista.

Espero que este guia sirva como um estímulo para que você passe a desenhar mais no seu
dia a dia, com foco e determinação.

Boa sorte e bons estudos!

// Laerte Galesso
Todo ser humano é um artista em potencial, ou seja, tem a capacidade de se expressar, se
comunicar e transmitir emoções através da arte. A grande maioria, porém, não se arrisca
no desenvolvimento artístico por se julgar incapaz, por achar que não tem dom, por medo
de se sentir ridículo, etc.
Quando oferecemos alguns materiais e pedimos para uma criança fazer um desenho, ela
imediatamente começa a desenhar aquilo que tem em mente. Tudo o que essa criança
quer é mostrar suas ideias e se comunicar, sem se preocupar com que os outros vão pensar.
Ela sabe que dificilmente alguém vai ridiculariza-la pelo resultado do seu desenho.

Quando fazemos a mesma coisa com um adulto que não tem nenhuma base artística, ele
entra em pânico; seu senso crítico entra em ação antes que sua mão possa fazer o primeiro
rabisco. Pensamentos como “O que vão achar do meu desenho”, “Não sei desenhar nada!”,
“Vou ser alvo de gozação”, etc. criam uma espécie de barreira que bloqueia qualquer
tentativa de sucesso.

// Portanto, o primeiro passo para se tornar um Desenhista é:


1 // ACREDITE NO SEU TALENTO

O Primeiro passo para se dar bem em qualquer atividade é acreditar que é capaz. Por isso,
livre-se dos pensamentos pré-concebidos, principalmente do mito de que é preciso ter
“dom”para desenho. Não tenha medo de se arriscar, de errar, de parecer ridículo. Não dê
ouvidos às pessoas que não têm capacidade de julgar o que você está fazendo. Aprenda a
diferenciar as críticas construtivas daquelas que querem desanimá-lo.

// Acredite no seu potencial e deixe sua criatividade aflorar!

A criatividade do homem é a grande propulsora da manutenção da raça humana na terra,


pois, embora o mundo tenha dado seu grande salto tecnológico somente nos últimos cem
anos, não podemos esquecer os nossos ancestrais, desde os Nômades - que, por instinto
de sobrevivência, usaram a criatividade e partiram em busca de melhores condições de
vida - até os gênios do passado, que abriram caminho, criando condições favoráveis a essa
evolução. Imagine se esses seres ficassem com medo de se arriscar?

PORQUÊ APRENDER A DESENHAR?

Antes de passar para o segundo passo, vamos analisar e tentar responder essa questão:
Quando se pensa em aprender a desenhar, pode surgir algum questionamento sobre
qual é a necessidade disso. O desenho, assim como a arte de uma maneira geral, é uma
necessidade humana, uma forma de se expressar e se comunicar, eleva o espírito e
proporciona momentos de prazer.

Quando você desenha, lida com uma parte do seu cérebro que normalmente não utiliza,
e isso ajuda no desenvolvimento da criatividade. Além disso, há mais de trinta profissionais
como o arquiteto, o artista plástico, tatuador, estilista, designer de games, designer de
produtos, de joias, gráfico, designer de interiores e tantos outros.
2 // SEJA PACIENTE E DISCIPLINADO

Uma das grandes qualidades das pessoas vencedoras é a disciplina, associada à iniciativa
e à persistência. Muita gente associa o aprendizado de arte como um “relax”, que não
necessita de muita dedicação. “Que a coisa acontece”. Mas, não é bem assim.
Quando vemos uma bailarina “flutuando” no palco com graça e leveza ou um guitarrista
“deslizando” os dedos nas cordas, num solo harmonioso, fazendo parecer que é “muito
fácil” dançar balé e tocar guitarra.
Bem, eu nunca tentei dançar balé, mas sei que é preciso muito estudo, treino, dedicação,
disciplina e uma boa dose de sacrifício, para se alcançar bons resultados.
Quanto à guitarra, já tentei tocar. E os resultados foram calos nos dedos, horas de sono, e
toda a família e a vizinhança revoltadas. Foi aí que percebi que, como “guitarrista”eu era
um ótimo “desenhista”.

Independentemente da modalidade, todos esses artistas tiveram a disciplina de passar


por um processo evolutivo, começando com coisas mais básicas, passando pelas
intermediárias até chegarem num estágio mais avançado.
Mesmo assim, ainda continuaram se dedicando com afinco para alcançarem o
aperfeiçoamento e continuarem evoluindo. Isto quer dizer que, mesmo depois de
aprender, o artista deve continuar praticando e pesquisando novos métodos,
ferramentas e materiais.

Com o desenho é a mesma coisa, exige bem menos


“sacrifício”, mas, é preciso ter disciplina para seguir um
processo, uma sequencia natural de aprendizado. Isto
quer dizer que não dá para desenhar coisas complexas,
como construções geométricas, desenho de objetos,
proporções, etc. Quem não entender essa premissa:
“Não há glória sem dedicação e disciplina”, dificilmente
vai se dar bem em alguma coisa.

É bom ser exigente consigo mesmo; isso evita o “super


ego”. Mas, o excesso de cobrança também não é legal.
Por isso, não exija muito de você no começo. Não espere
resultados mirabolantes logo de cara. Lembre-se: o
resultado vem com a prática das bases aprendidas.

// A paciência é uma das maiores virtudes


daqueles que querem aprender, não
apenas desenho, mas qualquer coisa.
Por isso, não tente subir toda a escada de
uma só vez, mas sim degrau por degrau.
O QUE FAZ UM “DESENHISTA”?

A profissão de desenhista é muito ampla: pode ser desenhista artístico, industrial, de


produto (designer), de moda (estilista), etc. O que todas essas profissões tem em comum
é que o profissional precisa saber desenhar bem.

O objetivo deste trabalho é justamente este: ensinar você a desenhar bem qualquer coisa.
Independentemente de qual dessas profissões relacionadas você escolher, saber desenhar
bem é fundamental. E, mesmo que você não queira ser um desenhista profissional, vai
perceber como o desenho ajuda no desenvolvimento da criatividade, que você pode
aplicar em qualquer área de atuação.

É PRECISO TER “DOM” PARA APRENDER?

O dom para o desenho é um mito que existe desde o tempo em que o desenho era a base
da pintura, que era o único meio de retratar as épocas, até a invenção da Fotografia, por
volta de 1840. Até essa época, quem não conseguia desenhar “academicamente perfeito”
estava fadado ao fracasso nas artes.

Hoje, qualquer pessoa que tenha um raciocínio lógico e for orientada por um profissional
através de um método adequado, consegue aprender como representar as coisas e a na-
tureza de forma realista. E, mesmo que o resultado não seja “tão realista”, a pessoa pode
ter seu estilo próprio e se expressar através desta nobre arte do desenho.

3 // APRENDA A “ENSAIAR”

Um ator, um músico ou uma banda, antes de fazer uma apresentação em público,


costuma ensaiar dias a fio, dezenas ou até centenas de vezes a mesma coisa, justamente
para que tudo saia perfeito, quando for se apresentar. Esses ensaios fazem com que o
artista ou o grupo adquira mais segurança e evite a improvisação.

O estudante de artes, em geral, não gosta de “ensaiar”, ou seja, treinar as bases


aprendidas; faz uma ou duas vezes e já acha que sabe o suficiente para usar a tela ou o
papel como “cobaia”. Não quero dizer com isso que a improvisação não seja importante.
Muitas obras interessantes são produzidas a partir do improviso. Mas, a prática das bases
aprendidas transmite mais segurança e confiança na hora de fazer uma obra ou um
desenho para valer.

Portanto, adquira o habito de ensaiar, treinar, praticar, fazer estudos preliminares,


pesquisar, antes de querer sair “criando monstrinhos”. Tenha sempre à mão um bloco
de notas e desenhe (esboce) tudo o que ver pela frente.
QUAL É A IMPORTÂNCIA DO DESENHO À MÃO,
NA ERA DO COMPUTADOR?

Muitas pessoas questionam a necessidade


de desenhar à mão, na era digital, imaginando
que o computador vai “facilitar”sua vida. Mas,
isso não acontece.

O computador, realmente, é um grande aliado,


agiliza os processos, mas não consegue “desen-
har sozinho”. Por isso, mesmo para quem vai
fazer computação gráfica, design
de games, desenho técnico ou qualquer outra
área relacionada, uma boa base de desenho
livre, na prancheta, é fundamental.

4 // PROCURE QUEM SABE ENSINAR

Teoricamente, qualquer pessoa que sabe uma tarefa consegue ensinar outras a realiza-la.
Na prática, porém, há um grande abismo a ser ultrapassado entre saber fazer e saber
ensinar Isso envolve questões que vão muito além da aula em si, como aspectos
emocionais, didática, metodologia, incentivo, didática, metodologia, incentivo, firmeza,
entre outros. Por isso, a escolha do orientador experiente, que tenha boa didática,
metodologia, alguém com quem você se identifica e que entenda as suas reais
necessidades.

Depois de mais de 40 anos ensinando desenho e arte em geral, aprendi muito sobre
didática e relacionamentos. Confesso que muito do que aprendi foi com meus próprios
alunos, não apenas sobre didática, mas principalmente sobre relacionamentos, que a meu
ver é a primeira condição para se ensinar alguém. Sem isso, todo o conhecimento técnico
e teórico cai por terra.

Nesses anos todos, conheci pessoas maravilhosas e ajudei muita gente a fazer arte, viver
disso e se sentir valorizada. Além disso, com toda a experiência acumulada, pesquisa e
estudo, consegui criar um método que facilita muito o aprendizado do desenho. Em
minha opinião, não adianta ser um bom professor, se não dispor de uma metodologia
eficiente, que aborde os conteúdos adequados e favoreça o aprendizado do aluno. Com
esse método, qualquer pessoa que tenha um raciocínio lógico consegue aprender a de-
senhar de maneira realista.

// Quero esclarecer que a metodologia que desenvolvi não é uma coisa perene
nem uma “verdade absoluta”, pois isso não existe em arte.
COMO É ESSE MÉTODO?

O método é muito simples: tomando como base outras atividades, como o Vôlei, ou o Tênis,
por exemplo, que para se jogar é preciso aprender os fundamentos, com o Desenho é a
mesma coisa. Muita gente, quando assiste a um vídeo na internet, de um profissional
desenhando coisas maravilhosas, logo se imagina desenhando igual. Então, quer “começar”
a desenhar pelo estágio em que esse profissional se encontra. Não imagina o quanto esse
artista já batalhou, ralou para chegar nesse estágio de evolução. Quantas horas, dias, meses,
anos de treino, dedicação e disciplina há por trás de toda essa destreza.
É por esse motivo que muitos acabam se frustrando e até desistindo de continuar tentando,
achando que não tem “dom” para o desenho. Por não terem a paciência necessária e
disciplina para seguir as etapas ou mesmo por não encontrar um orientador que possua
uma boa didática e metodologia.

É interessante ressaltar que o aprendizado do desenho se dá num “piscar de olhos”. Ou seja,


depois que você aprender a ver à maneira dos artistas e adquirir as habilidades manuais, de
um dia para o outro, você aprende a desenhar. É claro que o tempo de aprendizado e o grau
de entendimento dependem de cada um; uns aprendem mais rápido; outros são mais
detalhistas. Por isso, o ensino deve ser individualizado.

COMO FUNCIONA O PROCESSO DE APRENDIZAGEM ?

Toda a didática e metodologia estão baseadas no cérebro humano, que é dividido em duas
metades, chamadas de Hemisfério Esquerdo e Hemisfério Direito; o primeiro (Lado
Esquerdo) está relacionado aos aspectos verbais, analíticos e sequenciais; enquanto que o
segundo(Lado Direito) é visual, perceptivo e simultâneo.

As pesquisas realizadas em 1968 pelo cientista norte-americano Roger W. Sparry serviram


como ponto de partida para a escritora e professora, também norte-americana, Betty
Edwards, desenvolver o método e o livro “Desenhando com o Lado Direito do Cérebro”,
que até hoje é referencia no ensino de desenho.

Nossa proposta é juntar os dois Hemisférios, através de exercícios racionais e intuitivos, ou


seja, fazer com que você “pense” o desenho e também use a sua intuição, alcançando assim
resultados mais eficientes. Este método é recomendado inclusive para quem pretende ser
um futuro orientador ou professor de desenho, pois envolve a didática, imprescindível para
se ensinar e o processo passo a passo, que facilita o aprendizado.
5 // ENTENDA A ARTE E O DESIGN
COMO UM TODO
Aprender a desenhar é muito gratificante. Mas, só isso não vai fazer de você um grande de-
senhista. Junto com isso, além de todo o embasamento teórico, deve vir o interesse pela
pesquisa, no sentido de “abrir” a sua mente para o mundo das artes e do Design como um
todo. Isso envolve todos os principais segmentos, como Moda, Arquitetura, Artes Gráficas,
Fotografia, Arte de Rua, Design de Produtos, Jóias, Quadrinhos, Cinema, etc.

O desenho vai te abrir um mundo de possibilidades, no sentido de ampliar seu


conhecimento sobre arte, de maneira geral. Vai aguçar a sua visão e melhorar seus
relacionamentos.

QUAL É O MELHOR CAMINHO PARA AMPLIAR,


MEUS CONHECIMENTOS?

Para interagir com todos esses segmentos, o ideal é que você visite exposições, feiras e
outros eventos de arte e design; leia revistas, jornais e livros sobre esses assuntos e use o
potencial da Internet para pesquisar.

Aliás, até bem pouco tempo, quem mora longe dos grandes centros tinha bastante
dificuldade de realizar pesquisas. E mesmo quem mora nas grandes cidades, tinha que ir a
campo, para realizar essas pesquisas. Hoje, no entanto, com as facilidades da Internet, você
tem acesso a qualquer tipo de informação sem sair de casa. O único porém, é que você
precisa selecionar as informações e verificar se elas vêm de fontes confiáveis.

6 // APRENDA A “ENXERGAR”

Em geral, quando peço para meus alunos desenharem um objeto ou modelo a partir da
observação, eles imediatamente começam a desenhar, na ânsia de ver o resultado pronto.
Mas, se ainda não “enxergaram” direito aquilo que estão desenhando, o resultado pode
não sair como o esperado.

O grande segredo para se aprender a desenhar é enxergar à maneira dos artistas. Isto quer
dizer não apenas olhar superficialmente para os objetos, natureza ou pessoas, mas olhar
atentamente, minuciosamente cada detalhe e fixar isso na sua mente. Quando você forma
uma imagem mental do objeto, fica mais fácil de retratá-lo no papel.
Estamos acostumados a olhar os objetos do nosso cotidiano apenas o suficiente para
identificar o que estamos vendo: uma xícara, uns óculos, etc. Mas o desenhista repara em
muitos detalhes; como o brilho, o volume, a forma, a textura, a cor, etc. Todos esses detalhes
são armazenados no “arquivo” do seu cérebro e facilitam a representação.
Portanto, ensinar o aluno não apenas a ver superficialmente mas enxergar de verdade deve
ser uma das primeiras tarefas do orientador.

7 // FAÇA UM PLANEJAMENTO

Se você vai fazer um curso, especialmente se for online, deve fazer um planejamento, da
mesma forma como se fosse fazer um curso presencial. Isso é muito importante para o
sucesso da sua iniciativa.

Com os avanços e as facilidades da Internet, muita gente decide estudar na própria casa,
pelo sistema EAD. Essa modalidade oferece inúmeras vantagens, entre as quais podemos
destacar a comodidade, a escolha do horário, segurança e o preço, pois, os cursos online,
em geral, custam menos que os presenciais.

Veja a seguir algumas dicas para tirar o máximo de proveito de seu estudo online:
15 DICAS PARA MELHOR APROVEITAMENTO
DOS ESTUDOS EM CASA

O estudo online requer muita disciplina pois, em grande parte do tempo,


1 quem dita o ritmo é você. Concentre-se em seus objetivos !

Se o seu tempo é curto, estabeleça uma rotina sagrada de estudar pelo


2 menos um pouco todos os dias (1 hora, 40 minutos, não importa);

Mantenha o ambiente de estudo sempre organizado e com os materiais


3 sempre à mão; um ambiente bagunçado perturba e favorece a dispersão;

Quando estiver estudando ou pesquisando, evite se dispersar com outras


4 atividades (mídias sociais, smartphone, TV, música, vídeos engraçados, etc.);

Antes de fazer os exercícios práticos, leia com atenção as instruções e as


5 informações relativas àqueles conteúdos;

Tente seguir a metodologia e fazer todos os exercícios propostos; evite o


6 “jeitinho”.

Concentre-se e trabalhe as atividades do curso por, pelo menos, 40 minutos


7 sem parar. Depois, faça uma pausa e retome;

Se tiver alguma dúvida, não desanime. Tente resolve-la, mas, se não


8 conseguir naquele momento, passe adiante. Siga em frente e volte depois.
Se for o caso, peça ajuda ao seu tutor ou a alguém com mais experiência;

Se tiver muito barulho (falatório) em volta, tente se isolar e coloque uma


9 música suave;

10 Estabeleça prioridades e vá eliminando as coisas mais urgentes;

Evite fazer todas as outras atividades e deixar seus estudos para o


11 parar. Depois, faça uma pausa e retome;

Sempre tem conteúdos que a gente gosta mais do que outros, por isso
12 ataque aqueles que você gosta menos primeiro;

Evite fazer tarefas quando estiver com sono, pois, o resultado não será
13 produtivo;

Se você gosta de companhia, convide um amigo (ou amiga) para estudar


14 junto;

15 Comemore cada conquista, cada etapa cumprida e vá até o fim.


8 // COMEÇE COM COISAS SIMPLES

Você gosta de desenhar figura humana, mas fica decepcionado com o resultado?
Isso não tem nada a ver com a sua capacidade de desenhar pessoas, mas sim com a
preparação que você NÃO teve para isso.

Como já falei anteriormente, o desenho


é um processo; a base para desenhar uma
cabeça, por exemplo, é o Círculo. Portanto,
se você não sabe desenhar um círculo
perfeito, vai ter dificuldade para desenhar
essa cabeça.

Por isso, é importante começar por coisas mais simples, como linhas, sólidos geométricos,
objetos do cotidiano, etc., resolvendo as construções e os volumes (luz e sombra).
Isso gradativamente vai te dar toda a base necessária para desenhar a figura humana com
suas proporções corretas.
Entendendo essa orientação e utilizando uma metodologia que evolui passo a passo, em
pouco tempo você estará desenhando qualquer coisa.

// Lembre-se: o resultado vem com a prática das bases aprendidas.

QUAIS MATERIAIS EU PRECISO PARA APRENDER ?

A prática do desenho é uma das atividades com custo mais baixo, pois, requer materiais sim-
ples e baratos. No começo, tudo o que você precisa são três lápis (HB. 2B e 6B) papel Layout
e uma borracha macia.

É claro que materiais caros e sofisticados ajudam, mas, a falta de lápis importado não vai ser
empecilho, pois um simples lápis escolar no 2 e papel sulfite comum são suficientes para
você começar. Depois, quando chegar aos componentes de Luz e Sombra e Texturas, vai
precisar de outros materiais, mas nada com preço exorbitante.
QUAIS MATERIAIS EU PRECISO PARA APRENDER ?

No começo, você não deve se preocupar com “técnicas” pois, o importante é “aprender a
desenhar”, ou seja, conhecer e aplicar os principais fundamentos, como construir as formas,
aprender dar volume e texturas, montar composições, fazer perspectiva e desenhar figura
humana.

Depois que você aprendeu a desenhar, fica mais fácil a aplicação das técnicas e acabamentos;
vai perceber que as técnicas são uma questão de prática, de acordo com as características de
cada uma. Por exemplo, a aquarela é uma técnica leve, suave, que você deve começar a partir
das cores claras para as mais escuras, enquanto que o guache, óleo ou acrílica, você pode
aplicar as cores mais escuras e sobrepor com as cores mais claras.

Também não dá para se pensar em acabamentos primorosos e “desenho realista”, sem antes
aprender as bases e os fundamentos do desenho. A menos se você “decalcar” os desenhos
para dar acabamento.

9 // SIGA A METODOLOGIA

A metodologia é o processo de aprendizagem, que mescla os exercícios práticos com os


fundamentos teóricos. Esses fundamentos são importantes, pois, são eles que dão todo o
embasamento necessário para complementar a parte prática. O que eu quero dizer com isso,
é que não adianta você apenas desenhar, copiar os exercícios sem entender os seus conceitos.
Por isso, é muito importante que você siga cuidadosamente a metodologia de ensino e tenha
disciplina para acompanhar.

Tem muito aluno que gosta de desenhar, mas não tem paciência nem disciplina para seguir
um programa de curso. Outros, já querem “sair” desenhando, sem entender os conceitos de
cada exercício. Outros ainda questionam os conteúdos, sem entender direito a proposta.
Em qualquer um desses perfis o aprendizado fica comprometido.

// Por isso, é importante que você confie no orientador e na metodologia proposta,


assim, poderá absorver melhor as informações e alcançar resultados positivos.
QUAIS CONTEÚDOS EU PRECISO APRENDER ?

Um bom curso de desenho deve conter todos os componentes abaixo, que podem ser
desenvolvidos de forma alternada.
Obviamente, estes são somente os títulos dos componentes, que devem ser subdivididos
em conteúdos e servir de base para um programa de curso.

DESENHO RACIONAL DESENHO INTUITIVO

- FUNDAMENTOS DO DESENHO - DESENHO INTUITIVO


- BASES GEOMÉTRICAS - EXERCÍCIOS DE TRANSIÇÃO
- DESENHO ESTRUTURAL - DESENHO CEGO
- PROPORÇÕES - FIGURA INVERTIDA
- ESTUDO DE LUZ E SOMBRA - ESPAÇOS NEGATIVOS
- DESENHO DE OBSERVAÇÃO - DESENHANDO A SOMBRA
- COMPOSIÇÃO - DESENHANDO A LUZ
- PERSPECTIVA ARTÍSTICA - DESENHO DE OBSERVAÇÃO
- DESENHO DA FIGURA HUMANA - DESENHO DE MEMÓRIA
- DESENHO DE CRIAÇÃO - DESENHO DE CRIAÇÃO

QUAIS SÃO AS POSSIBILIDADES APÓS


O TÉRMINO DO CURSO ?

Depois que você cumpriu todas as etapas e aprendeu a desenhar, estará apto a escolher sua
área de especialização, que pode ser qualquer uma das áreas descritas no início do eBook.
Se for na área artística, o manuseio de técnicas e materiais, desenvolvimento da criatividade
e de um estilo próprio é a sequência mais natural; se for na área técnica, o desenho técnico e
arquitetônico e assim por diante.

Existem muitos cursos específicos nos quais o desenho já está inserido. Porém, muitas
vezes, ele é passado de maneira superficial, pois não é o foco principal. Isso acaba gerando
um déficit, por isso é importante você já ter uma boa base de desenho livre.
// SIGA OS EXEMPLOS DOS
GRANDES MESTRES

Os mestres do presente e do passado são as nossas grandes referências e servem de estímulo


para você prosseguir na carreira. São os exemplos que você deve pesquisar para conhecer o
trabalho a técnica e a criatividades desses artistas.

Eu poderia fazer uma grande lista com alguns dos principais nomes do desenho e da ilus-
tração, brasileiros e estrangeiros. Mas, é tanta gente boa, que temo cometer injustiça. Mas, se
você entrar em qualquer site de busca, como o Google e digitar “desenhistas famosos” ou
”ilustradores famosos”, vai conhecer o trabalho de grandes feras do desenho e da ilustração,
tanto no Brasil quanto no exterior.

Vendo o trabalho desses artistas talentosos, você pode até ficar indagando: “Puxa! Nunca vou
chegar nesse nível”. Mas, pense comigo: quando esses caras e garotas começaram já existia
muita gente boa e, se eles tivessem esse tipo de pensamento, nunca chegariam onde estão.
Concorda?

// Estude as obras desses artistas, veja com quais se identica e lembre-se:


Um dia, eles começaram sem saber desenhar.
COMO O DESENHO MUDOU A MINHA VIDA
por Laerte Galesso

Nasci em São Paulo, em 1951 e, desde criança, sempre gostei de desenhar. Tinha muita
dificuldade de me expressar com palavras, por isso, achava que o desenho pudesse me
ajudar com isso. Também o desenho, para mim, era uma forma de fugir da pobreza que
a gente vivia naqueles tempos difíceis.

Na escola, quando eu tinha que fazer trabalhos e desenhar personagens históricos, eu olhava
para as “sombras” e tentava desenha-las, e assim os personagens saiam. Décadas mais tarde,
a escritora e professora norte-americana, Beth Edwards, lançou o livro “Desenhando com o
Lado Direito do Cérebro” , no qual uma das formas de se aprender a desenhar é justamente
através do desenho das sombras.
Inconscientemente, eu já usava o lado direito do cérebro. Minhas notas em Desenho eram
ótimas, as professoras e meus pais incentivavam e isso era muito bom para mim. Aos 15 anos,
eu já pintava como autodidata.
Mas, eu achava que precisava estudar, por isso, aos dezenove anos, entrei numa escola de
arte, de nível técnico, chamada Cândido Portinari, com a ideia de fazer artes plásticas. Mas,
como eu precisava trabalhar para ajudar minha família e o mercado de arte era muito difícil,
acabei fazendo Design Gráfico , Ilustração, Diagramação e Produção Gráfica. Conclui o curso
em 1974, mas, mesmo antes disso, eu já estava empregado. Trabalhei durante 10 anos em
editoras e agências de propaganda, como layoutman, arte-finalista, diagramador e produtor
gráfico.

Em 1976, recebi um convite para lecionar, na mesma escola que me formei.


Trabalhava durante o dia e dava aulas à noite e sábados. Mais tarde, passei a coordenar os
cursos e preparar os materiais didáticos. Minha rotina era bem puxada, mas, mesmo assim,
eu continuei pintando e fazendo exposições.

Fui amadurecendo o sonho de montar minha própria


escola e, em 1987, fundei a ABRA - Academia Brasileira
de Arte. Eu tinha em mente criar uma escola que
valorizasse o indivíduo através da arte, onde o
relacionamento entre aluno e professor fosse
prioridade, o ensino fosse individualizado e quebrasse
o mito de que é preciso ter “dom” para se fazer arte.
Essa ideia deu muito certo, pois encontrei muitos
profissionais competentes que entenderam a proposta
e me ajudaram.

Hoje, completamos mais de 30 anos de fundação, levando para o ensino online a


mesma metodologia dos cursos presenciais.

ABRA - Moema: Av. Macuco, 684 - Moema, São Paulo - SP


// Guia do Futuro Desenhista
3a Edição

Distribuido por:
ABRA - Academia Brasileira de Arte

Elaboração:
Laerte Galesso

Diagramação Final:
Carlos Eduardo Mendonça

Este material é uma cortesia da ABRA


Academia Brasileira de Arte e tem por objetivo
transmitir uma visão do Autor sobre o
processo de aprendizagem do desenho
como forma de preparação para as áreas
que envolvem essa modalidade e
desenvolvimento do processo criativo.

Para adquirir o conteúdo completo acesse:


www.abra.com.br

Todos os direitos reservados.


É proibida a reprodução e a utilização sem
a expressa autorização da ABRA
Academia Brasileira de Arte.

São Paulo, Março de 2020.

Você também pode gostar