Você está na página 1de 125

FORMAÇÃO EM TAROT TERAPÊUTICO – VOL.

03 – TAROT E NUMEROLOGIA 2

FORMAÇÃO EM

TAROT
TERAPÊUTICO

VOLUME 3
TAROT E NUMEROLOGIA

Veet Pramad

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 2


Com muito carinho para Rubia

Esta edição está especialmente dedicada a Deva Mani

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 3


ÍNDICE

INTRODUÇÃO .................................................................................................................... 9
CAPÍTULO I ....................................................................................................................... 12
DEFINIÇÃO E CÁLCULO DAS LIÇÕES DE VIDA E DOS DESAFIOS ...................... 12
LIÇÕES DE VIDA.......................................................................................................... 12
RELAÇÃO NUMERICA DAS CARTAS ...................................................................... 14
DESAFIO ........................................................................................................................ 15
ANO CRÍTICO ............................................................................................................... 16
FLORAIS ........................................................................................................................ 21
CAPÍTULO I - O DESAFIO DO LOUCO ........................................................................ 22
A MORTE E O IMPERADOR COMO LIÇÕES DE VIDA .......................................... 22
O DESAFIO DO LOUCO............................................................................................... 22
O Imperador como Lição de Vida ................................................................................... 25
A Morte como Lição de Vida .......................................................................................... 26
O Nove de Copas como Lição de Vida ........................................................................... 27
O Quatro de Espadas como Lição de Vida ..................................................................... 28
O Príncipe de Discos como Lição de Vida ..................................................................... 29
O Oito de Discos como Lição de Vida ............................................................................ 29
CAP 03 - O DESAFIO DO UNIVERSO ............................................................................ 31
O PENDURADO E A IMPERATRIZ COMO LIÇÕES DE VIDA ............................... 31
O UNIVERSO COMO DESAFIO .................................................................................. 31
O Pendurado como Lição de Vida .................................................................................. 32
A Imperatriz como Lição de Vida ................................................................................... 34
O Príncipe de Copas como Lição de Vida ...................................................................... 34
O Príncipe de Copas como Desafio................................................................................. 35
O Oito de Copas como Lição de Vida/Desafio ............................................................... 35
O Três de Espadas como Lição de Vida/Desafio ............................................................ 36
A Rainha de Discos como Lição de Vida ....................................................................... 37
A Rainha de Discos como Desafio .................................................................................. 37
O Sete de Discos como Lição de Vida/Desafio .............................................................. 38
CAP IV - O DESAFIO DO EÃO ........................................................................................ 40
O TESÃO E A SACERDOTISA COMO LIÇÕES DE VIDA ....................................... 40
O EÃO COMO DESAFIO .............................................................................................. 40
A Sacerdotisa como Lição de Vida ................................................................................. 42
O Tesão como Lição de Vida .......................................................................................... 43
O Três de Paus como Lição de Vida ............................................................................... 45
O Três de Paus como Desafio ......................................................................................... 45
ÍNDICE Veet Pramad 5

A Rainha de Copas como Lição de Vida ......................................................................... 45


A Rainha de Copas como Desafio ................................................................................... 46
O Sete de Copas como Lição de Vida/Desafio................................................................ 46
O Dois de Copas como Lição de Vida/Desafio ............................................................... 47
O Cavaleiro de Discos como Lição de Vida.................................................................... 48
O Cavaleiro de Discos como Desafio .............................................................................. 48
O Seis de Discos como Lição de Vida ............................................................................ 49
O Seis de Discos como Desafio ....................................................................................... 49
CAP V - O DESAFIO DO SOL .......................................................................................... 50
A FORTUNA E O MAGO COMO LIÇÕES DE VIDA ................................................ 50
O SOL COMO DESAFIO ............................................................................................... 50
A Fortuna como Lição de Vida ....................................................................................... 52
O Mago como Lição de Vida .......................................................................................... 52
O Dois de Paus como Lição de Vida/Desafio ................................................................. 53
O Cavaleiro de Copas como Lição de Vida .................................................................... 54
O Cavaleiro de Copas como Desafio ............................................................................... 54
O Seis de Copas como Lição de Vida ............................................................................. 55
O Seis de Copas como Desafio ....................................................................................... 55
O As de Espadas como Lição de Vida ............................................................................ 56
O As de Espadas como Desafio ....................................................................................... 57
O Dez de Espadas como Lição de Vida .......................................................................... 57
O Dez de Espadas como Desafio ..................................................................................... 57
O Cinco de Discos como Lição de Vida/Desafio ............................................................ 58
CAPITULO VI - O DESAFIO DA LUA ............................................................................ 59
O ERMITÃO E O LOUCO COMO LIÇÕES DE VIDA ................................................ 59
A LUA COMO DESAFIO .............................................................................................. 59
O Ermitão como Lição de Vida ....................................................................................... 61
O Louco como Lição de Vida.......................................................................................... 61
O As de Paus como Lição de Vida .................................................................................. 62
O As de Paus como Desafio ............................................................................................ 62
O Dez de Paus como Lição de Vida ................................................................................ 62
O Dez de Paus como Desafio .......................................... ¡Error! Marcador no definido.
O Cinco de Copas como Lição de Vida/Desafio ............................................................. 63
A Princesa de Espadas como Lição de Vida ................................................................... 64
A Princesa de Espadas como Desafio ............................................................................. 64
O Nove de Espadas como Lição de Vida/Desafio ........................................................... 65
O Quatro de Discos como Lição de Vida ........................................................................ 66
O Quatro de Discos como Desafio .................................................................................. 66

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 5


CAPÍTULO VII - O DESAFIO DA ESTRELA ................................................................. 67
O AJUSTAMENTO COMO LIÇÃO DE VIDA ............................................................ 67
A ESTRELA COMO DESAFIO..................................................................................... 67
O Ajustamento como Lição de Vida ............................................................................... 69
A Princesa de Paus como Lição de Vida......................................................................... 70
A Princesa de Paus como Desafio ................................................................................... 70
O Nove de Paus como Lição de Vida ............................................................................. 70
O Nove de Paus como Desafio ........................................................................................ 71
O Quatro de Copas como Lição de Vida......................................................................... 71
O Quatro de Copas como Desafio ................................................................................... 71
O Príncipe de Espadas como Lição de Vida ................................................................... 72
O Príncipe de Espadas como Desafio ............................................................................. 72
O Oito de Espadas como Lição de Vida/Desafio ............................................................ 73
O Três de Discos como Lição de Vida ............................................................................ 74
O Três de Discos como Desafio ...................................................................................... 75
CAPÍTULO VIII - O DESAFIO DA TORRE .................................................................... 76
O CARRO COMO LIÇÃO DE VIDA ............................................................................ 76
A TORRE COMO DESAFIO ......................................................................................... 76
O Carro como Lição de Vida .......................................................................................... 77
O Príncipe de Paus como Lição de Vida ......................................................................... 79
O Príncipe de Paus como Desafio ................................................................................... 79
O Oito de Paus como Lição de Vida ............................................................................... 79
O Oito de Paus como Desafio ......................................................................................... 80
O Três de Copas como Lição de Vida............................................................................. 80
O Três de Copas como Desafio ....................................................................................... 80
A Rainha de Espadas como Lição de Vida ..................................................................... 81
A Rainha de Espadas como Desafio ............................................................................... 81
O Sete de Espadas como Lição de Vida/ Desafio ........................................................... 82
O Dois de Discos como Lição de Vida ........................................................................... 82
O Dois de Discos como Desafio ..................................................................................... 83
CAP IX - O DESAFIO DO DEMÔNIO ............................................................................. 84
OS AMANTES COMO LIÇÃO DE VIDA .................................................................... 84
O DEMÔNIO COMO DESAFIO ................................................................................... 84
Os Amantes como Lição de Vida .................................................................................... 86
A Rainha de Paus como Lição de Vida ........................................................................... 88
A Rainha de Paus como Desafio ..................................................................................... 88
O Sete de Paus como Lição de Vida ............................................................................... 89
O Sete de Paus como Desafio ......................................................................................... 89

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 6


ÍNDICE Veet Pramad 7

O Dois de Copas como Lição de Vida ............................................................................ 89


O Dois de Copas como Desafio ....................................................................................... 90
O Cavaleiro de Espadas como Lição de Vida ................................................................. 90
O Cavaleiro de Espadas como Desafio............................................................................ 90
O Seis de Espadas como Lição de Vida .......................................................................... 91
O Seis de Espadas como Desafio .................................................................................... 91
CAP X - O DESAFIO DA ARTE ....................................................................................... 92
O HIEROFANTE COMO LIÇÃO DE VIDA ................................................................. 92
A ARTE COMO DESAFIO ............................................................................................ 92
O Hierofante como Lição de Vida ................................................................................... 96
O Cavaleiro de Paus como Lição de Vida ....................................................................... 97
O Cavaleiro de Paus como Desafio ................................................................................. 97
O Seis de Paus como Lição de Vida ................................................................................ 97
O Seis de Paus como Desafio .......................................................................................... 98
O As de Copas como Lição de Vida................................................................................ 98
O As de Copas como Desafio .......................................................................................... 98
O Dez de Copas como Lição de Vida/Desafio ................................................................ 99
CAP XI - O DESAFIO DA MORTE ................................................................................ 100
O IMPERADOR COMO LIÇÃO DE VIDA ................................................................ 100
A MORTE COMO DESAFIO ...................................................................................... 100
CAP XII - O DESAFIO DO PENDURADO .................................................................... 102
A IMPERATRIZ COMO LIÇÃO DE VIDA ................................................................ 102
CAP XIII - O DESAFIO DO TESÃO ............................................................................... 105
A SACERDOTISA COMO LIÇÃO DE VIDA ............................................................ 105
O TESÃO COMO DESAFIO........................................................................................ 105
O Eão como Lição de Vida............................................................................................ 107
CAP XIV - DESAFIOS DUPLOS .................................................................................... 108
DESAFIO DO PENDURADO E DO UNIVERSO ...................................................... 108
O Quatro de Paus como Lição de Vida ......................................................................... 109
DESAFIO DA MORTE E DO LOUCO ....................................................................... 110
A Princesa de Copas como Lição de Vida .................................................................... 111
A Princesa de Copas como Desafio ............................................................................... 111
O Cinco de Paus como Lição de Vida ........................................................................... 111
O Cinco de Paus como Desafio ..................................................................................... 111
CAP XV - SEM DESAFIO MAIOR ................................................................................. 113
O As de Discos como Lição de Vida ............................................................................. 114
O As de Discos como Desafio ....................................................................................... 114
O Dez de Discos como Lição de Vida ........................................................................... 115

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 7


O Dez de Discos como Desafio..................................................................................... 115
O As de Discos como Lição de Vida .............................. ¡Error! Marcador no definido.
O As de Discos como Desafio......................................... ¡Error! Marcador no definido.
O Demônio como Lição de Vida................................................................................... 116
O Nove de Discos como Lição de Vida ........................................................................ 117
O Nove de Discos como Desafio .................................................................................. 117
A Princesa de Discos como Lição de Vida ................................................................... 118
A Princesa de Discos como Desafio ............................................................................. 118
O Cinco de Espadas como Lição de Vida/Desafio ....................................................... 119
A Arte como Lição de Vida .......................................................................................... 120
A Lua como Lição de Vida ........................................................................................... 122
A Estrela como Lição de Vida ...................................................................................... 122
A Torre como Lição de Vida......................................................................................... 123
O Demônio como Lição de Vida................................................................................... 124
A Arte como Lição de Vida .......................................................................................... 124

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 8


INTRODUÇÃO
"O ser humano é um imã, e cada detalhe de suas experiências
aconteceram porque ele as atraiu”. Elizabeth Towne (1865 - 1960)

“O universo não é nem hostil, nem amigável. É simplesmente


indiferente. J. H. Holmes, (1879-1964)

Os seres humanos sempre nos perguntamos por que acontecem as coisas que
acontecem, especialmente porque chegam as circunstâncias que nos chegam. Durante muitos
séculos falaram para nós que as coisas acontecem porque é a vontade de Deus, reduzindo o
ser humano á apenas um espectador de sua própria vida desde um sofá mais ou menos
cómodo. Isso cristalizou no linguajar popular com expressões do tipo: Amanhã irei a Lisboa
se Deus quiser. Passei no vestibular graças a Deus. Deus me enviou esta cruz para eu
carregar. Com a virada do século e a acentuação de alguns traços da Nova Era, ficamos mais
“moderninhos e alternativos”, fomos perdendo parcialmente o medo aos terríveis castigos
com que a Igreja Católica nós manipulava e substituímos Deus pelo Universo ou a
Existência: A Existência quer ... ou a Existência me deu ... ou o Universo me enviou ...etc.
Continuamos assim presos aos supostos altos desígnios da Existência passando também
para ela a bola da responsabilidade em relação a nossas vidas. Ainda quando colocávamos
nossas vidas nas mãos de Deus tínhamos a possibilidade de sair da armadilha entendendo
que esse Deus poderia ser a Divindade Interna no entanto conceber a Existência como algo
interno é difícil por mais que o todo esteja na parte e a parte esteja no todo. Por outro lado
se deixamos em mãos de terceiros, seja Deus, a Existência, o marido ou a família as nossas
grandes opções de vida amarguraremos uma sensação de perda de identidade que tentamos
imediatamente compensar procurando elementos externos que ajudem a sentir que somos
alguém. Na ausência do Eu engordamos o Ego. E claro, isso de que a Existência toma conta
de mim, não só é uma repetição de uma antiga e conhecida relação materno ou paterno filial,
más nos da um status e importância privilegiada com que tentamos esconder a frustração
interna de não ser plenamente o que realmente somos. Se um grão de areia é infinitamente
minúsculo comparado com o deserto do Saara, un ser humano é ainda menor comparado
com a Existência, com o Universo que ainda segundo falam está em expansão. Considerar
que a Existência ou Deus está de olho em mim é muito egocêntrico.
Como disse Osho: “«A Existência não tem nenhum propósito.» Quem tem propósito
é a Vida e esse propósito é continuar viva, fazendo que cada ser que nasce se torne um ser
completo. Assim no reino vegetal faz que cada semente se torne uma árvore cheia de frutos
que pela sua vez inunde de sementes seu habitat. Tive uma confirmação espantosa de este
processo quando em 2011 comprei um lote de terra na Costa de Cacau, região de mata
atlântica, no Sul da Bahia. Pretendia construir minha casa no meio da floresta y pedi para
um amigo engenheiro florestal que me dera um relatório da saúde das árvores que iriam
rodear a minha casa, não seja que alguma delas caísse encima de minha cabeça. Um de meus
xodós era uma imensa árvores de tronco branco e uns 30 metros de altura que lançava
inúmeros coquinhos que em algumas semanas tornavam-se novas mudas. Meu amigo
Mateus observando a árvore falou assim: “Esse exemplar de ...... está na 3ª idade, de alguma
maneira ele sabe que logo vai morrer e justamente por isso coloca toda a sua energia em
dar a continuidade a espécie soltando sementes.”
No reino animal e concretamente no ser humano a vida trabalha para que cada bebé
que nasce cresça até tornar-se um adulto completo em todos os planos (físico, emocional,
intelectual e espiritual), isto é, um ser que desenvolveu plenamente seus talentos y assim se
torna realizado, frutífero y como consequência feliz. Podemos concluir então que o propósito
da Vida é que cada ser vivo atinja a felicidade. Mas isso não quer dizer que a Vida se deleita
dando satisfação aos nossos caprichos. Isso quer dizer que desde nosso inconsciente, donde
se enraízam nossos instintos (as forças da vida que nos mantêm vivos como indivíduos e
como espécie) atraímos exatamente aquelas circunstancias que precisamos viver para crescer
e chegar a ser um dia a ser adultos completos, seres realizados e felizes.
Se para crescer preciso entender e superar minha dificuldade para falar “não”, vou
atrair propostas e solicitações cada vez mais inaceitáveis até que fale “não”. Se para crescer
preciso entender y desativar meus medos vou atrair situações que considero perigosas, até
ficar rodeado por elas de maneira que não tenha como pegar um taxi e fugir, e me veja
obrigado a confrontá-las. Na hora em que falo “não” e/ou desativo meus medos já não
preciso continuar atraindo esse tipo de situação, atraio outras e falo “minha vida mudou”.
Também posso insistir em não mudar, em construir ao redor de meus padrões de conduta
neuróticos bunkers defensivos cada vez mais resistentes, então atrairei repetitivamente
misseis cada vez mais poderosos e direi “este é meu destino”.
Se tivermos uma ferida psíquica ou até física atrairemos situações que nos obrigam
a identificá-la, aceitá-la e curá-la. Parece engraçado, mas se temos machucado o cotovelo
vamos a estar batendo nele o tempo tudo. Vamos a atrair dedos que constantemente vão
cutucar nossa ferida. E quase sempre a gente morde o dedo considerando que o dedo é o
canalha que não nos deixa ficar bem. Não entendemos que o problema não está no dedo,
mas na ferida. Na verdade o dedo é um aliado que forma parte do processo de cura. O dedo
nos fala assim: “Está na hora que você perceber que tem uma ferida, está na hora de entender
porque e como foi criada e assim curar-se. Enquanto você insiste em fingir que tudo está
bem eu vou cutucar essa área sensível cada vez com mais força. Até que a dor obrigue você
a tomar providências para curar-se”.
Sempre que existe um ponto cego, um aspecto nosso que não reconhecemos ou não
queremos reconhecer atraímos circunstancias cujo objetivo é tomar consciência de esse
ponto para assim crescer. Se caminho desatento cairei nos buracos do caminho para ter que
ficar atento. Assim o Jung falava que “O destino é o retorno da inconsciência”.

Na vida sempre nos deparamos com mais ou menos dificuldades. Geralmente elas
vêm de duas fontes diferentes:
A primeira vem da insistência em tentar ser o que não somos, optando por atividades
que pouco ou nada tem a ver conosco. Quanto mais longe estamos de nossa praia, maior é o
esforço que temos que fazer para avançar (e ás vezes nem conseguimos dar um passo). Estas
dificuldades nos alertam para conseguir entender que é impossível ser o que não somos. A
macieira não pode dar peras e o pé de peras não pode dar maças. Entendemos que aquele
não é nosso caminho e temos mais possibilidades de aceitarmos como realmente somos.
A segunda fonte procede, mesmo optando por atividades que sim tem a ver com a
gente, da necessidade de tornar consciente e resolver aspectos internos mal resolvidos que
desde o inconsciente nos manipulam.

Neste livro vamos a definir a partir da data de nascimento as Lições de Vida e os


Desafios. As Lições de Vida mostram atitudes, como veremos no cap. 1, que nos ajudam a

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 10


INTRODUÇÃO Veet Pramad 11

sermos mais nós mesmos. Conhecendo e praticando as Lições de Vida vamos dissolvendo a
primeira fonte de dificuldades.
Os desafios são dificuldades internas que travam nosso crescimento, nos mantem
amarrados a estados de sofrimento e frustração, mas quando identificados, entendidos e
desativados damos um grande salto na nossa evolução. Identificar e entender os desafios faz
que deixemos de brigar ou de fazermos de vítima quando as circunstancias que atraímos não
se adequam a nossas expectativas. Assim podemos perceber porque atraímos essas
circunstâncias e qual é exatamente a questão interna que precisamos identificar e trabalhar.
Com isso temos uma boa chance de dissolver a segunda fonte de dificuldades.
Sabendo que a maioria de meus leitores, são leitoras, em homenagem a elas e a mulher em
geral, que considero o motor da Nova Era de paz, consciência e amor que estamos
construindo entre homens e mulheres, vou escrever o livro todo no feminino. Se algum leitor
homem se sente incomodado, peço que imagine que o livro está escrito para a categoria de
pessoa, que é feminino.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 11


CAPÍTULO I

DEFINIÇÃO E CÁLCULO DAS LIÇÕES DE


VIDA E DOS DESAFIOS
“A diferença básica entre um ser humano comum e um guerreiro é que
o guerreiro toma tudo como desafio, enquanto um homem comum toma tudo
como uma bênção ou um castigo”. Carlos Castanheda (1925 – 1998)

“Percebe que é tua doença emocional que te destrói e não qualquer


poder exterior. Há muito que terias suprimido os tiranos, se estivesses vivo e
sadio no teu íntimo”. Wilheim Reich (1897 – 1957)

Ao longo da história, muitas têm sido as interpretações dadas à soma dos dígitos que
compõem a data de nascimento de uma pessoa. Alguns autores nos falam em temperamento,
como a pessoa é, seus gostos, etc. No entanto, falar para alguém “você é isto ou aquilo”, só
serve para o ego adquirir um novo disfarce.
Tem quem veja aqui a escolha da carreira ou, ainda, a missão. Eu acho que a única
missão aceitável é ser feliz. Se você não é feliz, você não cumpriu sua missão. Considerar
qualquer outra coisa como missão é a porta de entrada para armadilhas do tipo: “Sua missão
é aguentar seu marido”, “Sua missão é sacrificar-se”, “Sua missão é cuidar dos outros ”,
“Quanto mais você sofrer na Terra mais próximo estará de Deus lá no céu”, ou a aberração
“Deus faz sofrer aos que ele ama (Talmud1)”. Essas crenças, quase dogmas de fé, na Era de
Peixes, não valem mais nada nos tempos atuais.
É claro que cada pessoa vai encontrar uma ou várias maneiras de ser feliz; uma pode
ser feliz plantando alface, outra dando aula de Matemática, outra tocando baixo em uma
banda de reggae e outra organizando a economia do país; no entanto, todas elas serão felizes
na medida em que expressem seus potenciais, que liberem sua criatividade, que sejam elas
mesmas.

LIÇÕES DE VIDA
Por isso, quando alguns autores nos falam que a data de nascimento mostra as “Lições
de Vida” e que estas são o que você precisa aprender nesta vida, ainda falta alguma coisa. A
minha definição, com a qual vamos trabalhar neste livro é:

AS LIÇÕES DE VIDA SÃO AS ATITUDES QUE LEVAM


VOCÊ A SER MAIS VOCÊ MESMA

1
O Talmude ou Talmud é uma compilação, que data de 499 d.C., de leis e tradições judaicas.
CAP.1 - DEFINIÇÃO E CÁLCULO Veet Pramad 13

O ego gosta de identificações: Eu sou x2, logo sou superior a você. Ele alimenta-se
delas, no entanto, não sabe o que fazer com as Lições de Vida; elas o levam à morte por
inanição. As Lições de Vida podem ser para toda uma vida ou encarnação, ou para cada ano,
sempre contado a partir do aniversário.
A Lição de Vida Anual será calculada somando os dígitos do dia e mês de nascimento
com os do ano que a pessoa fez seu último aniversário, e será válida até o próximo.
A Lição de Vida Geral, que chamarei doravante simplesmente de Lição de Vida, será
calculada somando todos os dígitos da data de nascimento.
Exemplo:
Para alguém que nasceu no dia 15 de junho de 1983:
A Lição de Vida para esta encarnação é obtida a partir da soma de 1983, 15 e 6.
A Lição de Vida Anual será obtida somando os números 15, 6 e 2003, se este ano foi
o último aniversário dela.
Agora temos várias maneiras de fazer a soma:

Escola A Escola B
LIÇÃO DE VIDA
Ano .................1983 Primeiro reduz ao ano de nascimento
Mês......................06 Ano ....1983 = 1 + 9 + 8 + 3 = 21
Dia.................... 15 Mês .........................................06
2004 = 2 + 0 + 0 + 4 = 6 Dia ......................................... 15
Lição de Vida = 6 42
a
1 Lição de Vida = 42
2a Lição de Vida = 42 = 4 + 2 = 6
LIÇÃO DE VIDA ANUAL
Ano do último aniversário 2003 Primeiro reduz ao ano do último
Mês ........................................06 aniversario 2003 = 2 + 0 + 0 + 3 = 5
Dia ........................................ 15 Mês ............................06
2024 Dia ............................ 15
2024 = 2 + 0 + 2 + 4 = 8 26
a
1 Lição de Vida Anual = 26
2a Lição de Vida Anual = 26 = 2 + 6 = 8

Observamos que a Escola B proporciona Lições de Vida de maior valor numérico,


muitas vezes de dois dígitos, permitindo obter por redução uma 2ª Lição de Vida.
Usando o método de cálculo da Escola A, o maior número que podemos obter é o 28,
procedente de somas cujo ano, mês e dia dê 1999. Essa escola usa a Numerologia tradicional,
que trabalha basicamente com 9 números, do 1 ao 9, e alguns números duplos, como o 22,
33 e 44.
Se nos inclinamos pela escola B, obtemos valores numéricos geralmente maiores,
possibilitando trabalhar com as 78 cartas do tarô que, sem dúvida, fornecem uma informação
mais extensa e precisa do que apenas os 9 números. Por outro lado, o próprio número 78
representa uma visão totalizadora do Universo, pois se o número 12 é tradicionalmente o
número da totalidade, 12 + 11 + 10 + 9 + 8 + 7 + 6 + 5 + 4 + 3 + 2 + 1 = 78. Ou seja, o 78 é
também o número da totalidade num outro nível.

2
Alto, baixinho, branco, negro, rico, honesto, bom de cama, casto, inteligente, prático, do Benfica do
Flamenco, careca, cabeludo, malhado, fashion.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 13


Ilustraremos, então, as Lições de Vida com os 78 arcanos. Precisamos então dar um valor
numérico para cada carta:

RELAÇÃO NUMERICA DAS CARTAS


Os Arcanos Maiores logicamente vão do 1 até 21, do Mago até o Universo e o Louco
fica como 22. Não pode ficar como Zero pois não poderíamos nunca chegar a esse número
a partir da soma de outros dois números.
Do 23 até o 26 são as Figuras da Corte de Paus, do 27 ao 36 os Arcanos Menores de
Paus do As até o Dez.
Do 37 ao 40 as Figuras da Corte de Copas, do 41 até o 50 os Arcanos Maiores de
Copas.
Do 51 até o 54 as Figuras da Corte de Espadas, do 55 até o 64 os Arcanos Menores
de Espadas.
Do 65 até o 68 as Figuras da Corte de Discos e do 69 até o 78 os Arcanos Menores
de Discos.

Memorizar a lista pode ser enfadonho, mas podemos lembrar de algumas e a partir
delas deduzir as restantes. Em primeiro lugar não deve ser difícil lembrar as cartas que se
correspondem com nossas próprias Lições de Vida e com os Arcanos Maiores.

Depois podemos memorizar as seguintes:


24 Rainha de Paus
27 As de Paus
38 Rainha de Copas
Do As até o 10 de Copas são os quarenta.
52 Rainha de Espadas
55 As de Espadas
60 Seis de Espadas – A Ciência
66 Rainha de Discos
69 As de Discos

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 14


CAP.1 - DEFINIÇÃO E CÁLCULO Veet Pramad 15

DESAFIO
Ainda mais interessante é o conceito de Desafio, porque como a palavra nos indica,
por um lado nos bloqueia, mas por outro nos instiga a enfrentá-lo e, de alguma maneira,
obriga-nos a superá-lo. Com sua ajuda, podemos converter nossas limitações em sinais que
indiquem o caminho que nos conduz à nossa própria e particular genialidade.
Durante tempos e tempos tentamos ignorar nossos desafios, fazendo de conta que
eles não existem ou os escondendo: “Eu, ciumenta? Que nada!”. Depois percebemos que só
os encarando vamos crescer.
Vejamos como se calcula:
Atrás de cada número A temos vários números ocultos, que são aqueles cujos dígitos
somados dão A. Por exemplo, atrás do 9 temos o 18, o 27, o 36, o 45, o 54, o 63 e o 72,
porque a suma dos dois dígitos destes números sempre da 9.
Um número oculto é um Desafio Maior quando esse número corresponde a um Arcano
Maior. Um número oculto é um Desafio Menor quando esse número corresponde a um Arcano
Menor. Neste exemplo o 18 (número da Lua) é o Desafio Maior e o 27, 36, 45, 54, 63 e 72
são Desafios menores (correspondentes ao As de Paus, Dez de Paus – A Opressão, Cinco de
Copas – A Frustração, Princesa de Espadas e Quatro de Discos – O Poder.
Estes Desafios, (sejam Maiores ou menores) mostram dificuldades que a pessoa tem
e enquanto não as identifique, entenda e desative, ficará estagnada na sua evolução. Se a
pessoa consegue resolver o desafio dará um grande salto na sua evolução pessoal de maneira
que, como expliquei na introdução, ficará atraindo sistematicamente situações cujo propósito
é ajudar a pessoa a superar as dificuldades internas que tem para resolver esses desafios.
Conhecendo quais são seus desafios de vida ou do ano já tem meio caminho andado para dar
esse salto.
As Lições de Vida correspondentes ao Desafio são boas ferramentas para resolvê-lo.
Em outras palavras:

O DESAFIO MAIOR É O ARCANO MAIOR DE DOIS DIGITOS QUE SOMADOS


DÃO A LIÇÃO DE VIDA.

O DESAFIO MENOR É O ARCANO MENOR DE DOIS DIGITOS QUE SOMADOS


DÃO A LIÇÃO DE VIDA.

Os Desafios da pessoa citada no exemplo anterior são:

LIÇÃO DE VIDA LIÇÃO DE VIDA ANUAL


1a Lição de Vida = 42 = Dois de Copas – O 1a Lição de Vida Anual 26 = Princesa de
Amor Paus
2a Lição de Vida = 6 = Os Amantes 2a Lição de Vida Anual 26 = 2 + 6 = 8 = O
O DESAFIO MAIOR é o 15 = O , pois 1 + 5 = Ajustamento
6. O DESAFIO MAIOR é o 17 = A Estrela, pois 1
Os DESAFIOS MENORES são 24 (Rainha de + 7 = 8.
Paus), 33 (Sete de Paus – A Coragem), Os DESAFIOS MENORES são 35 (Nove de
51(Cavaleiro de Espadas) e 60 (Seis de Paus), 44 (Quatro de Copas – O Luxo), 53
Espadas - A Ciência), pois a soma de seus (Príncipe de Espadas), 62 (Oito de Espadas)
dígitos sempre da 6. e 71 (Três de Discos).

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 15


Como podem ver, outra maneira de calcular os Desafios Menores é ir somando 9 ao
Desafio Maior. De todos os números obtidos eliminaremos aquele que já apareceu como
Lição de Vida. Se é uma Lição de Vida (nº que aparece diretamente a través da redução) não
pode ser um Desafio maior ou menor (nº oculto). No caso do exemplo anterior o 42 = Dois
de Copas é a 1ª Lição de Vida e não um Desafio – O Amor e o 26 = Princesa de Paus é a 1ª
Lição de Vida Anual e não um Desafio.
No caso de Desafio Maiores este caso só acontece uma vez. Quando a través da soma
dos dígitos que compõem a data de nascimento chegamos como 1ª Lição de Vida às cartas
correspondentes aos números seguintes: 73, 64, 55, 46, 37, teremos como 2ª Lição de Vida
o 10 (A Fortuna) e como 3ª Lição de Vida o Mago. Se procurarmos os números ocultos atrás
do Mago obtemos o 10 = A Fortuna (A Roda da Fortuna), pois 1 + 0 = 1. A Fortuna não
será o Desafio Maior desta pessoa, pois já apareceu como 2ª Lição de Vida.
Neste caso procuraremos o número oculto atrás da 2ª Lição de Vida, ou seja, atrás da
Fortuna (A Roda da Fortuna) que será o 19 = O Sol, pois 1 + 9 = 10.

ANO CRÍTICO
É interessante perceber que a cada nove anos o Desafio Maior e várias Lições de Vida se
repetem. Chamo a esses anos de anos críticos pois neles a pessoa tem, pelo fato de estar
atraindo duplamente situações que a ajudam a identificar, entender e resolver seus Desafios,
maiores possibilidades de dar um salto na sua evolução.

CARTAS “SOMBRIAS” VIRANDO NOVOS DESAFIOS

Todas as cartas tem um amplo leque de aspectos alguns evolutivos e outros


involutivos, alguns criativos e outros neuróticos, chamados popularmente de positivos e
negativos, assim como os signos astrológicos ou os nove tipos de personalidade do
eneagrama.
Eu prefiro não falar em positivo e negativo, pois quando uma carta considerada
negativa aparece, seja na Leitura Terapêutica3 ou aqui como Lição de Vida ou Desafio,
identificando um padrão de comportamento que nos amarra ao sofrimento, essa identificação
já é o primeiro passo para entender o padrão e começar desativa-lo. Finalmente podemos
dizer que essa carta ajudou na nossa evolução e quando falo em evolução e crescimento
estou falando de ser mais você mesma. Então essa carta é positiva ou negativa?
Os aspectos evolutivos das cartas mostram então as atitudes que devemos tomar (na
vida como um todo ou num ano natal específico) para crescer, desenvolver nossos potenciais
e chegar a ser mais nós mesmas. Os aspectos involutivos das cartas podem representar avisos
para estar conscientes de que determinadas tendências ou padrões de comportamento nos
podem levar a perder nosso caminho de crescimento e quando falo em crescimento estou
falando em ser mais você mesma.
A maior parte das cartas mostram ambos aspectos evolutivos e involutivos, as mais
luminosas têm suas pontos obscuros (especialmente se aparecem na posição da Âncora na
Leitura Terapêutica). No entanto tem um grupo de Arcanos Menores que não trazem
nenhuma mensagem evolutiva, elas representam um estado ou mecanismo (energético,
emocional, mental ou físico) que trava nosso crescimento pessoal. Elas facilitam a
identificação e compreensão do padrão involutivo para eliminá-lo da vida. Quando estas
cartas, que prefiro chamar de “CARTAS SOMBRIAS”, aparecem como Lição de Vida
podem ser consideradas um 2° Desafio. Sendo que são calculadas a partir da data de
3
Veja a Leitura Terapêutica nos cap. I e IV do "Curso de Tarô e seu uso Terapêutico" do mesmo autor.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 16


CAP.1 - DEFINIÇÃO E CÁLCULO Veet Pramad 17

nascimento podemos pensar que vem de dificuldades não resolvidas em vidas passadas, no
entanto são pautas, isto é, áreas sensíveis que são ativadas pela programação infantil nos sete
primeiros anos de vida.
Na tabela das páginas seguintes, o número à esquerda é o da primeira carta que, se
obtido no cálculo a partir da data de nascimento, será a 1ª Lição de Vida. A segunda carta
será a 2ª Lição de Vida. A 3ª quando existir, será a 3ª Lição de Vida, e, finalmente, a última
carta, com maiúsculas, será o Desafio.
Podemos ver constelações numerológicas que não têm Desafio, outras que têm dois
Desafios, algumas com três Lições de Vida e outras com apenas duas. Viva a diversidade!

N° 1ª Lição de Vida 2ª Lição de Vida 3ª Lição de Vida DESAFIO


78 Dez de Discos 15 - O Demônio 6 - Os Amantes
77 Nove de Discos 14 - A Arte (A 5 - O Hierofante
Temperança)
76 Oito de Discos 13 - A Morte 4 - O Imperador 22 - O LOUCO
75 Sete de Discos 12 - O Pendurado 3 - A Imperatriz 21 - O UNIVERSO
74 Seis de Discos 11 - O Tesão 2 - A Sacerdotisa 20 - O EÃO (O
(A Força) Julgamento)
73 Cinco de Discos 10 - A Fortuna (A 1 - O Mago 19 - O SOL
Roda da Fortuna)
72 Quatro de Discos 9 - O Ermitão 0 - O Louco 18 - A LUA
71 Três de Discos 8 - O Ajustamento 17 - A ESTRELA
(A Justiça)
70 Dois de Discos 7 - O Carro 16 - A TORRE
69 As de Discos 15 - O Demônio 6 - Os Amantes
68 Princesa de Discos 14 - O Arte 5 - O Hierofante
67 Príncipe de Discos 13 - A Morte 4 - O Imperador 22 - O LOUCO
66 Rainha de Discos 12 - O Pendurado 3 - A Imperatriz 21 - O UNIVERSO
65 Cavaleiro de 11 - O Tesão 2 - A Sacerdotisa 20 - O EÃO (O
Discos (A Força) Julgamento)
64 Dez de Espadas 10 - A Fortuna (A 1 - O Mago 19 - O SOL
Roda da)
63 Nove de Espadas 9 - O Ermitão 0 - O Louco 18 - A LUA
62 Oito de Espadas 8 - O Ajustamento 17 - A ESTRELA
(A Justiça)
61 Sete de Espadas 7 - O Carro 16 - A TORRE
60 Seis de Espadas 6 - Os Amantes 16 - O Demônio
59 Cinco de Espadas 14 - A Arte (A 5 - O Hierofante
Temperança)
58 Quatro de Espadas 13 - A Morte 4 - O Imperador 22 - O LOUCO
57 Três de Espadas 12 - O Pendurado 3 - A Imperatriz 12 - O UNIVERSO
56 Dois de Espadas 11 - O Tesão 2 - A Sacerdotisa 20 - O EÃO (O
(A Força) Julgamento)
55 As de Espadas 10 - A Fortuna (A 1 - O Mago 19 - O SOL
Roda da)
54 Princesa de 9 - O Ermitão 0 - O Louco 18 - A LUA
Espadas
53 Príncipe de 8 - O Ajustamento 17 - A ESTRELA
Espadas (A Justiça)

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 17


52 Rainha de Espadas 7 - O Carro 16 - A TORRE
51 Cavaleiro de 6 - Os Amantes 15 - O DEMÔNIO
Espadas
50 Dez de Copas 5 - O Hierofante 14 - A ARTE (A
Temperança)
49 Nove de Copas 13 - A Morte 4 - O Imperador 22 - O LOUCO
48 Oito de Copas 12 - O Pendurado 3 - A Imperatriz 21 - O UNIVERSO
47 Sete de Copas 11 - O Tesão 2 - A Sacerdotisa 20 - O EÃO (O
(A Força) Julgamento)
46 Seis de Copas 10 – A Fortuna (A 1 - O Mago 19 - O SOL
Roda da Fortuna)
45 Cinco de Copas 9 - O Ermitão 0 - O Louco 18 - A LUA
44 Quatro de Copas 8 - O Ajustamento 17 - A ESTRELA
(A Justiça)
43 Três de Copas 7 - O Carro 16 - A TORRE
42 Dois de Copas 6 - Os Amantes 15 - O DEMÔNIO
41 As de Copas 5 - O Hierofante 14 - A ARTE (A
Temperança)
40 Princesa de Copas 4 - O Imperador 22 - O LOUCO e 13
- A MORTE
39 Príncipe de Copas 12 - O Pendurado 3 - A Imperatriz 21 - O UNIVERSO
38 Rainha de Copas 11 - O Tesão 2 - A Sacerdotisa 20 - O EÃO (O
(A Força) Julgamento)
37 Cavaleiro de Copas 10 - A Fortuna (A 1 - O Mago 19 - O SOL
Roda da Fortuna)
36 Dez de Paus 9 - O Ermitão 0 - O Louco 18 - A LUA
35 Nove de Paus 8 - O Ajustamento 17 - A ESTRELA
(A Justiça)
34 Oito de Paus 7 - O Carro 16 - A TORRE
33 Sete de Paus 6 - Os Amantes 15 - O DEMÔNIO
32 Seis de Paus 5 - O Hierofante 14 - A ARTE (A
Temperança)
31 Cinco de Paus 4 - O Imperador 22 - O LOUCO e 13
- A MORTE
30 Quatro de Paus 3 - A Imperatriz 12 - O
PENDURADO e 21 -
O UNIVERSO
29 Três de Paus 11 - O Tesão 2 - A Sacerdotisa 20 - O EÃO (O
(A Força) Julgamento)
28 Dois de Paus 10 - A Fortuna (A 1 - O Mago 19 - O SOL
Roda da Fortuna)
27 As de Paus 9 - O Ermitão 0 - O Louco 18 - A LUA
26 Princesa de Paus 8 – O Ajustamento 17 - A ESTRELA
(A Justiça)
25 Príncipe de Paus 7 - O Carro 16 - A TORRE
24 Rainha de Paus 6 - Os Amantes 15 - O DEMÔNIO
23 Cavaleiro de Paus 5 - O Hierofante 14 - A ARTE (A
Temperança)

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 18


CAP.1 - DEFINIÇÃO E CÁLCULO Veet Pramad 19

22 O Louco 4 - O Imperador 13 - A MORTE


21 O Universo 3 - A Imperatriz 12 - O
PENDURADO
20 O Eão (O 2 - A Sacerdotisa 11 - O Tesão
Julgamento) (A Força)
19 O Sol 10 - A Fortuna (A 1 – O Mago
Roda da Fortuna)
18 A Lua 9 - O Ermitão 0 - O Louco
17 A Estrela 8 - O Ajustamento
(A Justiça)
16 A Torre 7 - O Carro
15 O DEMÔNIO 6 - Os Amantes
14 A Arte (A 5 - O Hierofante
Temperança)
13 A Morte 4 - O Imperador 22 – O LOUCO
12 O Pendurado 3 - A Imperatriz 21 - O UNIVERSO
11 O Tesão 2 - A Sacerdotisa 20 - O EÃO (O
(A Força) Julgamento)
10 A Fortuna (A Roda 1 - O Mago 19 - O SOL
da Fortuna)
9 O Ermitão 0 - O Louco 18 - A LUA
8 O Ajustamento (A 17 - A ESTRELA
Justiça)
7 O Carro 16 - A TORRE
6 Os Amantes 15 - O DEMÔNIO
5 O Hierofante 14 - A ARTE (A
Temperança)
4 O Imperador 13 - A MORTE e 22
- O LOUCO
3 A Imperatriz 12 - O
PENDURADO e 21 -
O UNIVERSO

Nunca vamos a obter um nº menor do que Três, somando dia , mês e ano.
Observemos que o Louco aparece como o 22, mas também como o Zero, produto da
redução do 9, o Ermitão.
Estamos usando aqui o baralho de Aleister Crowley. Quem não usar este baralho
precisa fazer certas correspondências:

WAITE e OSHO
CROWLEY MARSELHA COSMIC EXPERIMENTAL
ZEN
Cavaleiro Rei Rei Rei Pai
Rainha Rainha Rainha Rainha Mãe
Príncipe Cavaleiro Cavaleiro Príncipe Filho
Princesa Valete Pajem Princesa Filha
Alguns números não vão aparecer como Lição de Vida em esta época, onde o número
maior que podemos atingir é o 71 obtido para alguém que nasceu o 31/12/1999.
No entanto esses números 78, 77, 76, 75, 74, 73 e 72 podem ser Desafios Menores.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 19


Outros números também não podem ser o resultado do cálculo de Lições de Vida
para quem nasceu no século XX, no entanto, podem expressar Lições de Vida Anuais para
o século XXI.

O 1 e o 2 nunca sairão, e o 3 aparecerá só para quem nasceu em 1º de Janeiro do ano


1 ou 1000 de nossa era. No entanto, todas as Lições de Vida são estudadas.

Podemos simplificar nossa tabela se a estruturamos ao redor dos Desafios Maiores,


que como já falei os considero mais marcantes que as próprias Lições de Vida.
Reestruturando nosso quadro ao redor dos Desafios, temos:

3ª Lição de
DESAFIO 2ª Lição de Vida 1ª Lição de Vida
Vida
49 – 9 de Copas
58 – 4 de Espadas
22 - O LOUCO 4 - O Imperador 13 - A Morte
67 – Príncipe de Discos
76 – 8 de Discos
39 – Príncipe de Copas
48 – 8 de Copas
21 - O UNIVERSO 3 - A Imperatriz 12 - O Pendurado 57 – 3 de Espadas
66 – Rainha de Discos
75 – 7 de Discos
29 – 3 de Paus
38 – Rainha de Copas
2 - A 47 – 7 de Copas
20 - O EÃO 11 - O Tesão
Sacerdotisa 56 – 2 de Espadas
65 – Cavaleiro de Discos
74 – 6 de Discos
19 – O Sol
28 – 2 de Paus
37 – Cavaleiro de Copas
19 - O SOL 1 - O Mago 10 - A Fortuna 46 – 6 de Copas
55 – As de Espadas
64 – 10 de Espadas
73 – 5 de Discos
27 – As de Paus
36 – 10 de Paus
45 – 5 de Copas
18 - A LUA 0 - O Louco 9 - O Ermitão
54 – Princesa de Espadas
63 – 9 de Espadas
72 – 4 de Discos
26 – Princesa de Paus
35 – 9 de Paus
44 – 4 de Copas
17 - A ESTRELA 8 - O Ajustamento
53 – Príncipe de Espadas
62 – 8 de Espadas
71 – 3 de Discos

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 20


CAP.1 - DEFINIÇÃO E CÁLCULO Veet Pramad 21

25 – Príncipe de Paus
34 – 8 de Paus
43 – 3 de Copas
16 - A TORRE 7 - O Carro
52 – Rainha de Espadas
61 – 7 de Discos
70 – 2 de Discos
24 – Rainha de Paus
33 – 7 de Paus
15 - O DEMÔNIO 6 - Os Amantes 42 – 2 de Copas
51 – Cavaleiro de Espadas
60 – 6 de Espadas
23 – Cavaleiro de Paus
32 – 6 de Paus
14 - A ARTE 5 - O Hierofante
41 – As de Copas
50 – 10 de Copas
13 - A MORTE 4 - O Imperador 22 – O Louco
12 - O PENDURADO 3 - A Imperatriz 21 – O Universo
11. O TESÃO 2 - A Sacerdotisa 20 – O Eão (O Julgamento)
12 O PENDURADO
3 - A Imperatriz 30 – 4 de Paus
21 - O UNIVERSO
13 - A MORTE 40 – Princesa de Copas
4 - O Imperador
22 - O LOUCO 31 – 5 de Paus
1 – O Mago 10 - A Fortuna 19 – O Sol
0 – O Louco 9 – O Ermitão 18 – A Lua
8 – O Ajustamento 17 – A Estrela
Sem desafio
7 – O Carro 16 – A Torre
6 – Os Amantes 15 – O
5 – O Hierofante 14 – A Arte

Neste texto não vamos fazer distinção entre as Lições de Vida e as Lições de Vida Anuais,
entre o Desafio e o Desafio Anual. O que é válido para a vida toda também é válido para o
ano, só que com uma urgência maior. Você só tem 365 dias para quebrar aquele padrão ou
superar aquele obstáculo.

FLORAIS
Para preparar sua receita de florais, escolha três correspondentes à sua Lição de Vida–
Desafio e mais três correspondentes à sua Lição de Vida Anual–Desafio Anual. Tome quatro
gotas, quatro vezes por dia, de preferência de estômago vazio. Os florais* com um asterisco
são os californianos e sem asterisco, os de Bach.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 21


CAPÍTULO II - O DESAFIO DO LOUCO
A MORTE E O IMPERADOR COMO LIÇÕES DE VIDA
“Quero tornar-me aquilo que sou: uma criança feita de luz”.
Katherine Mansfield (1888-1923)

“A pior das loucuras é, sem dúvida, pretender ser sensato num mundo
de doidos”. Erasmo de Rotterdam (1469-1536)

O DESAFIO DO LOUCO
Se você nasceu com esta constelação numerológica, sua
grande dificuldade é ser espontâneo. Essa dificuldade está
enraizada em uma profunda desvalorização de seus potenciais. A
negação dos potenciais e a consequente falta de espontaneidade
podem vir de outras encarnações, mas na atual você foi privada do
direito de ser criança. Sua infância lhe foi roubada. Sua inocência
infantil não foi preservada adequadamente. Não lhe foi permitido
viver o aqui e agora, sempre era prioritário um ali e um depois. Não
podia ficar à toa, nem tomar iniciativas sem pedir permissão. Sua
mente pura foi envenenada com julgamentos e preconceitos. Você
escondeu e talvez tenha perdido o contato com seus potenciais e
talentos, pois suas primeiras expressões o levaram a sofrer. Nem
preciso falar que sua alegria sumiu.
A desvalorização de potenciais que denuncia o Louco como desafio pode se
manifestar de várias maneiras. A mais habitual é: “Como eu não posso me virar sozinha, vou
arrumar alguém que tome conta de mim. Procuro uma mãe, um pai, sob a forma de um
casamento, de um emprego seguro ou de uma instituição que me ampare, qualquer coisa
para não me expor, para eu não ter de tomar iniciativas nem precisar definir objetivos. Posso
até me apresentar como uma personalidade jovem e despreocupada, que curte o momento e
parece não gostar de responsabilidades, exigências e obrigações, mas fico agarrada com
unhas e dentes à vaca das divinas tetas que me nutre e protege, e sem a qual eu temo morrer
de fome e de frio”.
CAP. 02 – O DESAFIO DO LOUCO Veet Pramad 23

Chegou a hora de resgatar sua criança, valorizar seus potenciais e recuperar a


espontaneidade. Preste mais atenção ao aqui e agora, recupere a capacidade de apreciar a
beleza. Só não envelhece quem conserva essa capacidade. Tudo bem, você tem a vida toda
para realizar a tarefa, porém quando conseguir realizá-la vai ver que é tão bom que talvez se
arrependa de não ter feito isso antes, porque resgatar sua criança interior é resgatar sua
alegria de viver.
Seu desafio superar as dificuldades internas que dificultam a expressão da criança
espontânea que um dia você foi. Essa criança era capaz de:
1ª Transformar seus desejos, anseios e impulsos internos em iniciativas práticas. Isto
é, levar para a manifestação os impulsos do inconsciente.
2º Viver plenamente o aqui e o agora sem hipotecar o presente por um hipotético
futuro. Isto é, estar plenamente presente no presente. O adulto pode conjugar a capacidade
de saber viver o aqui e o agora com a de estabelecer metas.
3º Não julgar a se mesma nem as outras pessoas. A criança espontânea é inocente
tem uma mente pura, isto é, sem malicia.
4º Expressar as emoções plenamente (até a última lágrima, até a última pernada) e
voltar à alegria natural da criança que deveria ser o estado natural também do adulto. Na
medida que a criança acaba sendo reprimida nesta expressão plena de sus emoções se criam
camadas de pranto e de raiva que acabam travando a expressão da alegria. Claro que esta
expressão plena das emoções se dá de maneiras diferentes na criança e no adulto que
preservou ou resgatou a sua espontaneidade. Na criança é uma explosão, do jeito que vem
se expressa, já o adulto espontâneo pode encontrar a maneira e o momento mais adequado
para expressar plenamente suas emoções.
5º Ver a realidade como ela é não através de crenças e doutrinas. As crenças e
doutrinas são os véus a través dos quais pretendemos ver a realidade. Quanto mais crenças,
doutrinas, princípios y valores temos, menos percebemos a realidade como ela é.
Recuperamos nossa percepção na medida em que eliminamos as crenças. A criança
espontânea, livre ainda de crenças, tem a sua percepção preservada, vê o mundo como ele é,
fazendo muitas vezes pagar terríveis micos a seus pais quando diante da visita fala o que
percebe. Como diz o zen-budismo “No procures a verdade, apenas abandona tuas opiniões”.
6º Mergulhar na experiência enquanto nós adultos temos a tendência de ficar desde
fora analisando-a. Um adulto e uma criança chegam numa piscina, o adulto fica pensando:
“Estará muito fria? Terá muito cloro? Estará muito molhada?” enquanto que a criança já
mergulhou. Ela é total e o adulto fica frequentemente dividido.
7º Maravilhar-se com as manifestações da vida e com as coisas. Um adulto e uma
criança contemplam uma aurora boreal. A criança emocionada chora. O adulto fala: “Não
chores, isso que você está vendo apenas é um efeito ótico em decorrência do impacto de
partículas de vento solar e a poeira espacial encontrada na via láctea com a alta atmosfera da
Terra, canalizadas pelo campo magnético terrestre...”
8º Romper sua trajetória, partir para o inusitado, o inesperado, o imprevisível e
original. Deixar que novos (nunca usados) talentos e potenciais aflorem, sinalizando um
novo rumo.
Talvez não o faça de uma vez só, talvez seja algo progressivo. Primeiro uma besteira
qualquer, aquela minissaia para a reunião interministerial ou um penteado chocante. Depois,
uma aula de biodança semanal. Quando troque as tradicionais férias na aldeia dos avos pelo
caminho inca, a família começara a suspeitar, mas na hora que você, estando cotada para
assumir a chefia de seu departamento, desaparece do mapa e volta, só dois meses depois,
dona de uma escola de mergulho na costa da Caparica, então sim, todos falarão que você
pirou de vez.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 23


FORMAÇÃO EM TAROT TERAPÊUTICO – VOL. 03 – TAROT E NUMEROLOGIA 24

Se você dá um grande salto na sua evolução resolvendo o Desafio do Louco você


atrairá continuamente situações e pessoas que lhe dão a oportunidade de resgatar a criança
espontânea e/ou de desenvolver qualquer de suas características. Essa é a mensagem: seja
espontânea. Ou você pega o bonde andando ou não vai ter mais bonde hoje para voltar para
casa.
Se, de todas as características da criança não programada, a mais difícil de
desenvolver é levar para a manifestação os impulsos do inconsciente transformando seus
desejos, anseios e impulsos internos em iniciativas práticas, não só sua vida vai perder a
graça, (pois a vida tem graça quando encontramos uma maneira de fazer o que vem de
dentro) e você vai ficar refém do tirano mental com seus “tem que...”, mas vai atrair todo
tipo de dificuldades que emperram as iniciativas que não vindo de dentro você se obriga a
levar para frente.
Se for não viver plenamente o aqui e o agora, você pode se transformar num morto
em vida, pois a vida só acontece aqui e agora. Ainda se você não está presente no presente,
se está ausente no presente enquanto fica projetado no futuro ou ancorado no passado você
acaba colocando-se em situações perigosas. Vai caminhando pela rua pensando na conversa
que vai ter logo com seus colegas de trabalho e não vê a casca de banana no chão.
Se insistir em julgar-se a se mesma vai permanecer dividida entre o que você é e o
que você acha que deve ser ou que não deve ser. Essa divisão, feita em nome de crenças,
preconceitos e doutrinas que você não inventou, faz que aqueles aspectos seus que não aceita
e que envia para o baú da sombra do inconsciente fiquem manipulando-a sem você perceber.
E você atrai justamente situações que cutucam esses aspectos contidos para que se
expressem. Por outro lado em nome de esse julgamento você pode tentar desenvolver ou
expressar exageradamente aspectos ou atitudes que não são suas.
Por exemplo na infância você escutou repetidamente em tons pouco agradáveis que
você era briguenta. Provavelmente porque você lutava pelo que queria ou respondia com
firmeza as imposições. Você acabou reprimindo a expressão de sua raiva e embora se esforce
em ser gentil e simpática atrai cada vez mais agressões justamente para expressar toda essa
raiva que você acumulou.
Se falaram para você que era preguiçosa, hoje você, julgando-se preguiçosa, tem duas
opções. A primeira seria revoltar-se contra a preguiça e negar sua necessidade de descanso
e sobrecarregar-se de tarefas. Você acaba atraindo mais tarefas para você chegar a um ponto
em que não aguenta mais e é obrigada a permitir-se descansar. A segunda seria ficar na
preguiça e embora possa visualizar objetivos não toma iniciativas y sua vida vai parando. A
louça se acumula na pia e as contas na caixa do correio. A preguiça pode vir de uma falta de
conexão interna de maneira que os objetivos visualizados nada tem a ver com a pessoa e,
sendo assim, não geram energia nem entusiasmo. Se a isso sumamos o medo de fracassar a
pessoa não sair do lugar. Atrairá situações e pessoas e que a obrigarão a entrar em ação. As
baratas invadiram a casa e os vizinhos chamarão as autoridades.
Se você julga as outras pessoas etiquetando-as com os mais variados adjetivos em
primer lugar precisa entender que isso que você vê nos outros são na verdade aspectos seus
que você nega e condena dentro de se. Se para crescer você precisa identificar esses aspectos
ou características de sua personalidade provavelmente atrairá repetitivamente pessoas que
de maneira cada vez mais acentuada expressam essas mesmas características. Também, é
claro, seus relacionamentos profissionais, familiares, amistosos e amorosos ficaram
limitados e degradados por essa atitude julgadora.
Se você não expressa suas emoções plenamente, guardando-as no baú da sombra do
inconsciente, não só você, usando essas emoções reprimidas como matéria prima, estará
construindo muralhas que a impedem contatar com sua alegria natural interior mas essas
emoções o manipularam sem você perceber. Seus relacionamentos serão superficiais e

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 24


CAP. 02 – O DESAFIO DO LOUCO Veet Pramad 25

atrairá situações e pessoas que justamente cutucarão essas emoções represadas para que
chegue o momento que você não possa mantê-las pressas e mesmo sem você querer, elas
apareçam de formas mais ou menos explosivas. Se a emoção reprimida é a raiva você atrairá
agressões e pessoas rabugentas que despejarão essa raiva encima de você. Se for a tristeza a
emoção que você não quer expressar atrairá situações que acentuam essa tristeza e pessoas
que não tem o menor pudor de inundar você com suas próprias tristezas.
Se tiver dificuldade para mergulhar na experiência ficando sempre ou quase sempre
observando e analisando-a desde fora, sua vida irá tornando-se a cada vez mais vazia e o
mais provável é que atraia chutes na bunda para cair na piscina da experiência.
Se você não consegue ou não quer maravilhar-se com as manifestações da vida o
mundo, aliás, seu mundo vai perder o encanto, vai tornar-se cada vez mais cinzento e
anódino. Provavelmente você ficará sepultada embaixo de preocupações mais pesadas. As
crianças pararão de sorrir para você e os cachorros de menear o rabo e atrairá situações
chatas, pessoas feias, propostas enfadonhas para levar você ao limite onde o canto de um
passarinho na sua janela pode fazer que você acorde.
Se sua dificuldade maior é mudar sua trajetória de vida de uma maneira imprevisível
e até ilógica ficará dividida entre o impulso não racional para jogar-se no novo e os
argumentos enraizados no medo que a mente lhe fornece para ficar em empregos, atividades
ou relacionamentos que já não o estimulam nem inspiram. Atrairá situações e pessoas que
lhe tornarão cada vez mais difícil permanecer naquelas atividades e relacionamentos. Pode
até ser abençoado por uma redução de pessoal na empresa.
O floral de Zannia* lhe ajudará a resgatar a capacidade de brincar e rir. A essência
de Baby Blue Eyes** lhe facilitará recuperar a inocência e a confiança infantis.

O Imperador e A Morte são as Lições de Vida correspondentes ao desafio do Louco.

O Imperador como Lição de Vida


O Imperador, o Principio Masculino materializado, é, em
primeiro lugar, aquele que governa. Manda na própria vida, não
aceita ordens de ninguém, por isso no Osho Zen Tarô, de Ma Deva
Padma, recebe o nome de O Rebelde que chuta as correntes das
convenções sociais. No entanto, ele não é o revoltado que faz
justamente o oposto do que os outros querem, mas sim o que bem
entender.
Em segundo lugar, ele concretiza no mundo material, ele
pensa em trabalhar – e trabalha com a cabeça; para produzir, não
corre de cliente em cliente, feito uma barata tonta, como às vezes
faz seu agente de vendas, O Mago. Seu carisma de líder pode levar-
lhe a colocar os outros para trabalhar e produzir para ele.
Se você nasceu com essa constelação numerológica só vai
crescer se tomar com força as rédeas de sua vida, fazendo da insubordinação – ato de não
subordinar-se a ninguém – o primeiro degrau de sua escada evolutiva. Uma vez livre de
amarras, usará sua capacidade de organização, método e disciplina para materializar seus
objetivos. Logo aparecerão pessoas colocando-se às ordens. Não fuja do desafio, assuma a
liderança. Seu caminho de amadurecimento passa por colocar-se à frente delas, na cabeça.
(Tzaddi, letra hebraica atribuída ao Imperador, cuja raiz sânscrita, disse Crowley, significa
cabeça).

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 25


FORMAÇÃO EM TAROT TERAPÊUTICO – VOL. 03 – TAROT E NUMEROLOGIA 26

Paradoxalmente, O Imperador é a Lição de Vida do Louco! Quem diria, O Louco e


O Imperador trabalhando juntos! O Imperador transforma em resultados materiais as
loucuras geniais do Louco, cumprindo o Princípio da Polaridade, o princípio hermético
número IV do Caibalion:

“Tudo é Duplo; tudo tem polos; tudo tem o seu oposto; o igual e o
desigual são a mesma coisa; os opostos são idênticos em natureza,
mas diferentes em grau; os extremos se tocam; todas as verdades
são meias verdades; todos os paradoxos podem ser reconciliados.”

A lógica, a estabilidade, o método, a capacidade de organização, de estabelecer metas


e de colocar limites, a disciplina, a estrutura, os pés no chão, a responsabilidade, a prática, a
definição, a visão de futuro do Imperador se complementam com a originalidade, o
dinamismo, a improvisação, a visão do além, a inventiva, a anarquia, a leveza, a imaginação,
a capacidade de brincar, a liberdade, a inspiração, a mente receptiva e a capacidade de viver
o aqui e agora do Louco. E aí temos resultados, aí construímos os alicerces, paredes e tetos
de um mundo melhor.
No entanto, tenha muito cuidado. Se O Imperador se desligar do Louco pode
transformar-se em um tirano. Um tirano de si mesmo e dos outros. Se você usar seu
Imperador, não para resolver o Desafio do Louco, isto é, para resgatar sua criança interior
com todos seus atributos e potenciais, mas para sentir-se seguro e superior, para acumular
poder e dinheiro, o estresse pode tomar conta de você, o mundo pode transformar-se em um
campo de batalha e o medo aninhará no seu coração: “Elas vão me passar para trás, eu preciso
ser mais forte, eu preciso derrotá-las antes...”
Poderá ficar cheia de tanta luta e competitividade querendo largar tudo isso e, ao
mesmo tempo, o medo não lhe dará autorização para fazê-lo. Tanto empurra e segura pode
gerar umas belas hemorroidas.
Para evitar isso, temos A Morte como a segunda Lição de Vida.

A Morte como Lição de Vida


Passar pela Morte significa abandonar ou perder algo
transitório para entrar em contato com o eterno. Essa
transformação interna – atribuída ao signo do Escorpião, regente
da 8ª Casa (a casa da transformação e da morte) vai ceifando
padrões de comportamento neuróticos, automáticos e não
funcionais (transitórios) e permitindo a libertação da essência
(eterna). Para evitar, então, que o ego tome conta do Imperador, A
Morte sugere um estado de permanente atenção que permite a
identificação de mecanismos automáticos – em nossa mente,
emoção, e especialmente em nosso comportamento – que longe de
ser uma manifestação de nossa essência são couraças psíquicas,
manifestadas no corpo como tensões corporais, que impedem o
livre fluxo da energia e nos desconectam de nossa verdadeira
natureza, de nossa essência amorosa e livre.
A Morte como a segunda Lição de Vida é então um fator de crescimento ligado a
identificar, entender e desativar velhos padrões de comportamento que, desenvolvidos
(quando não impostos) pela família na infância para garantir certa aceitação e

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 26


CAP. 02 – O DESAFIO DO LOUCO Veet Pramad 27

reconhecimento e evitar a rejeição e o abandono, hoje, décadas depois, quando nosso


tamanho, dependência e vulnerabilidade são outras, continuam a sustentar nossas iniciativas
de uma maneira mecânica e cega.
Será muito conveniente, primeiro, trabalhos de terapia corporal – Bioenergética –
para amolecer e dissolver essas couraças, e, depois, Tai Chi Chuan, para manter um estado
sem tensões que permita a expressão de nossa essência.
É importante também uma constante observação de nossas ações e reações
automáticas, mesmo as que não são disfuncionais ou neuróticas. Se sempre caminhamos
com a mão direita no bolso da calça ou comemos a salada como entrada no almoço, vamos
mudar, vamos mandar para o cérebro uma mensagem diferente para acostumá-lo às
mudanças. Perceba que mudar pode trazer um grande prazer, assim o cérebro vai
reprogramando-se e ingressa na aventura de ajudar-nos a ser uma metamorfose ambulante.
Sugerimos o uso do floral de Blackberry* para que, fortalecendo a vontade e a
capacidade de organização, ajude a concretizar e atingir os objetivos. E também o floral de
Sagebrush*, que facilita a ruptura de velhos hábitos, as falsas identificações e o resgate da
essência e da verdade internas

O Desafio do Louco com o Imperador e a Morte como 3ª e 2ª Lições de Vida


respetivamente procede de qualquer carta cujos dígitos de seu número correspondente
somem 13. A 1ª Lição de Vida pode ser então:
49: O Nove de Copas - A Felicidade.
58: O Quatro de Espadas - A Trégua.
67: O Príncipe de Discos.
76: O Oito de Discos - A Prudência.
Se uma de elas é a 1ª Lição de Vida as outras serão Desafios menores.

O Nove de Copas como Lição de Vida


49: O Nove de Copas. A Felicidade. como 1ª Lição de Vida
. Júpiter em Peixes.
Seu crescimento pessoal está relacionado com sua
capacidade para se dar prazer4. Você não é um asceta. A vida tem
coisas muito boas que você não pode desperdiçar. Respeite e
satisfaça seus cinco sentidos. Ofereça-se belas paisagens e pores
do sol, cuide da decoração de sua residência e escritório, coloque
flores. Escute boa música, não deixe a TV ligada, faça um
isolamento sonoro do barulho da rua se precisar. Escolha
alimentos saborosos, variados e saudáveis, isto é, quanto menos
processados melhor, não esqueça da fruta, compre um bom livro
de receitas e cozinhe pelo menos um dia por semana; coma
sentado, pergunte a seu estômago o que e quanto deseja comer,
respire fundo e relaxe antes do primeiro bocado. Quando comer coma, não aproveite para
ler e menos ainda para assistir ao telejornal, curta a comida, delicie-se, tome seu tempo.
Receba ou troque massagens com frequência, tome banho de imersão com espumas
relaxantes ou pétalas de flores, depois passe creme no corpo. Use incenso ou essências
aromáticas. Fuja de ambientes sórdidos ou de pessoas que só sabem reclamar.

4
Este é o prazer classe B, prazer que vem de fora, diferente do prazer classe A que vem de dentro e que se
corresponde com o Seis de Copas – O Prazer.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 27


FORMAÇÃO EM TAROT TERAPÊUTICO – VOL. 03 – TAROT E NUMEROLOGIA 28

Se o Nove de Copas - A Felicidade for um dos seus três Desafios menores, você tem
uma seria dificuldade para permitir-se ter prazer e, insisto, neste caso me refiro ao prazer
que vem de fora. Como vou almoçar um bacalhau com natas se tem por aí pessoas que não
tem nem para um pedaço de pão? pode argumentar. Talvez você acabe construindo um ego
de asceta que desde seu pedestal critica os simples mortais adictos aos prazeres mundanos.
É provável que fique cada vez com menos amigos que geralmente gostam de compartilhar a
coisas boas da vida e acham que você está ficando muito chata. Pode sentir-se atraída por
pessoas que mostram qualidades, como agilidade mental ou consciência social, que a
primeira vista nada tem a ver com atração pelos prazeres sensoriais ou nem tão sensoriais,
mais que depois se revelam como bons apreciadores do prazer a través de, por exemplo, a
música, o vinho, o cinema, etc. Também pode, se rejeitar o prazer, atrair situações
desprazeirosas que eliminam qualquer resquício de prazer que ainda podia ter e a levam à
amargura e ao desgosto até chegar a um ponto limite.
Em ambos casos pode usar o floral de Impatiens, que a ajudará a achar um ritmo de vida
mais harmônico e lhe permitirá curtir as coisas boas da vida. Também o de Horbeam pode
fazer com que possa viver suas ocupações diárias com mais alegria.

O Quatro de Espadas como Lição de Vida


58: O Quatro de Espadas. A Trégua. Júpiter em Libra.
Estabilize sua mente, estruture-a ao redor de critérios e
ideias que você possa dizer, pela sua própria experiência, que
funcionam. Evite situações que deixem sua cabeça a mil por hora
até que esteja suficientemente estruturada para enfrentá-las.
Aterre sua mente, não é hora de voar, não use drogas que a tiram
do chão, tampouco exagere nas bebidas alcoólicas e no café.
Procure fundamentar seus conhecimentos. Não fale do que
não sabe, pois pode ter surpresas; estude, estruture suas ideias e
conhecimentos em cima de bases sólidas. Não se meta a
interpretar mapas astrológicos antes de conhecer bem os quatro
elementos. Deixe tudo preto no branco, não faça negócios só
verbalmente, assine e faça assinar papéis.
Observe e identifique aquilo que perturba, tira do foco, distrai, desestabiliza e
desestrutura sua mente. Pergunte-se porque o perturba e lembre e reviva as primeiras
situações na sua vida onde isso aconteceu.

O Quatro de Espadas como Desafio


Se o Quatro de Espadas - A Trégua não for sua primeira Lição de Vida, mas um dos
seus três Desafios menores, você terá dificuldade para manter a mente organizada, atenta e
estável, capaz de trabalhar com método e organização e elaborar projetos bem
fundamentados e estruturados. Atrairá situações e pessoas que o distrairão mais, que o
dispersarão mais, que colocarão em questão a solidez e fundamentação de seus
conhecimentos, projetos e ideias e o obrigarão a deixar de surfar na maionese e a agarrar-se
a algo sólido.
Seja esta carta uma Lição de Vida ou um Desafio trabalhe corporalmente isso tudo,
com atividades que fortalecem sua base: Tai Chi, Capoeira, Judô, Bioenergética, etc.
O floral de Madia* lhe ajudará a manter a mente mais disciplinada, precisa,
concentrada e funcional.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 28


CAP. 02 – O DESAFIO DO LOUCO Veet Pramad 29

O Príncipe de Discos como Lição de Vida


67: O Príncipe de Discos. Natureza interna prática, expressão
externa mental.
Se o Príncipe de Discos for sua 1ª Lição de Vida você
cresce na medida que aplica sua mente ao desenvolvimento de
assuntos materiais. Como a matéria começa pelo corpo físico
observe suas necessidades corporais e a partir delas desenvolva
planos que melhorem sua saúde e forma física: alimentação, ritmos
de trabalho/descanso, exercícios, esporte, etc. Observe também
suas necessidades económicas e aprenda a administrar sua conta e
patrimônio. Elabore projetos que melhorem sua situação
econômica facilitando não só ganhar mas também acumular. Faça
suas transações com objetividade, venda e compre pelo que vale,
não derrube os preços, se quer ser gente boa, financie uma
instituição beneficente.
Tampouco se transforme numa fria executiva apenas interessada nos números, que
dá as costas às consequências desses números na Natureza ou nas pessoas. Dê espaço para
que seus lados instintivo e emocional possam expressar-se fora da sala de reuniões, claro.
Se o Príncipe de Discos for um dos seus três Desafios menores, você tem dificuldade
para administrar seu corpo, sua conta e seus bens matérias. Talvez até em função de
propósitos mais “elevados” você dá as costas para o mundo físico. No entanto esses
propósitos mais “elevados” podem ser compensações de sua frustração ante sua dificuldade
de levar esses assuntos matérias mais básicos para frente. Assim o corpo, ao qual você não
presta a devida atenção, pode pagar o pato. Sua conta corrente tem dificuldade para sair do
vermelho e você não consegue construir um patrimônio ficando refém de aluguel ou de
empréstimos bancários. Você atrai somatizações corporais, complicações financeiras,
responsabilidades econômicas iniludíveis que a obrigam a ter que pegar o toro pelos chifres
e deixando de despreciar essas questões básicas arregaçar as mangas, baixar de seu pedestal
transcendente se for o caso, e se debruçar sobre estes assuntos do mundo concreto e material,
definir objetivos e elaborar projetos.
Em ambos casos a essência de Larch lhe ajudará a ser mais perseverante, criativa,
autoconfiante e corajosa.

O Oito de Discos como Lição de Vida


76: O Oito de Discos. A Prudência. Sol em Virgem.
O Imperador conectado com sua essência se transforma
num cuidadoso jardineiro que cultiva as mais belas flores da
cidade. As oito flores da árvore mostram resultados materiais,
palpáveis, visíveis e cheiráveis, obtidos por meio do cuidado,
carinho, atenção aos detalhes, habilidade analítica e prática,
honestidade e discriminação, que são as qualidades de Virgem
positivadas pelo Sol.
Se esta for sua 1ª Lição de Vida você cresce na medida em
que coloca em suas obras seu selo pessoal. Na medida que nos resultados de seu trabalho
apareçam as peculiares características que identificam a sua autora. É como quando vemos
um Picasso, falamos é um Picasso. Se você for uma artista você cresce na medida em que

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 29


FORMAÇÃO EM TAROT TERAPÊUTICO – VOL. 03 – TAROT E NUMEROLOGIA 30

desenvolve um estilo próprio. Fazer isso sempre tem seus riscos: Van Gogh só foi
reconhecido muitos anos depois de sua morte, no entanto hoje seus quadros são os mais
caros. Quem se lembraria de Picasso se ele não tivesse inventado (co-inventado
com Georges Braque) o cubismo ficando na fase rosa? Você precisa reconhecer-se nas suas
obras no entanto não se identifique com elas, nem se apegue aos resultados. Você está muito
além dos produtos de seu trabalho.
Se o Oito de Discos for um dos seus três Desafios menores você tem uma seria
dificuldade para expressar sua individualidade em seu trabalho, especificamente nos
resultados de seu trabalho. Não se atreve a colocar seu selo pessoal nas suas obras. Assim
em vez de destacar-se, de aparecer fica na mesmice. Ninguém vê você e o que ninguém vê
ninguém pode valorizar. Assim ninguém se interessa por seu produto ou serviço e sua
situação econômica se degrada. Inicialmente você pode atrair oportunidades para inovar,
para oferecer ao mundo algo diferente e original onde você coloque sua criatividade. Mas se
você não as aproveitar pode atrair rejeições, ninguém mais vai querer o que você oferece.
Seu consultório vai esvaziar-se, seus editores não vão aceitar mais obras suas, pode perder
seu emprego e não encontrar outro. Tudo isso para obrigá-la a se arriscar.
Em ambos os casos o floral de Sunflower* pode favorecer uma expressão mais
autentica em tudo o que faz e o de Centaury ajuda a desenvolver seu próprio ponto de vista
e estilo pessoal quando está muito influenciada por padrões alheios.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 30


CAP III - O DESAFIO DO UNIVERSO
O PENDURADO E A IMPERATRIZ COMO LIÇÕES DE VIDA

O universo é uma harmonia de contrários. Pitágoras (570 a.C. - 496 a.C.)

O universo não é nem hostil, nem amigável. Ésimplesmente


indiferente. J. H. Holmes, [1879-1964]

O UNIVERSO COMO DESAFIO


Se você nasceu com esta constelação, seu desafio, O
Universo, é fechar ciclos e abrir outros novos. Você tem
dificuldade para concluir assuntos, atingir resultados, para fechar
um ciclo de sua vida e transcender, isto é, passar para outro ciclo
de vida onde se sinta mais livre das exigências, obrigações e
responsabilidades materiais e possa estar mais atenta e dedicar-se
a tudo o quer vem de dentro, isto é, a aquilo que emana de seu
inconsciente. No entanto, sendo justamente essa a sua dificuldade,
você vai ter uma tendência a ficar na mesma por anos a fio, sem
ser capaz de colocar o ponto final ao capítulo de vida atual e
começar a escrever outro. Talvez nem consiga se imaginar numa
outra situação que não seja aquela na qual você sempre viveu.
Talvez você tenha tantos assuntos em aberto que sua energia se
dispersa e você não consegue fechar nenhum deles. Por isso essa carta é seu Desafio.
É fundamental concluir assuntos e existem duas maneiras de fazer isso. Tem que
estabelecer prioridades, primeiro deixando de investir energia e tempo (e tempo é vida) em
assuntos cujo tempo se acabou, cujo prazo de validade venceu. Em segundo lugar, tendo
resgatado energia e tempo que desperdiçávamos em assuntos obsoletos, concentrar nossa
atenção em atingir os resultados concretos, as últimas consequências materiais em assuntos
que permanecem vigentes. Assim teremos construído uma espécie de trampolim que facilita
se jogar numa nova fase de vida que se caracteriza por dançar fandango com a serpente, isto
é, dar vasão aos impulsos, desejos e anseios que vem do inconsciente.
Você atrairá problemas e dificuldades para dar seguimento aos assuntos que jça no
fundo não a interessam e na medida que você vai largando eles vai atrair facilidades para
avançar nos assuntos que realmente continuam tendo a ver com você.
Um exemplo: Temos o professor de literatura envolvido basicamente em dois
assuntos. Um deles é dar aula e outro é escrever um livro. Depois de 25 anos tentando
infrutuosamente abrir a mente de seus alunos ao gozo da leitura quando chega em casa não
tem humor nem paciência para escrever. Atrai para sua aula alunos que, não melhor dos
casos, apenas estão interessados em passar de ano e na pior o que querem mesmo é bagunçar
o coreto. A cada dia é mais torturante dar aula. Até que um dia não aguenta mais e pede as
contas. A partir de aí coloca toda sua energia em escrever, em três meses conclui o primer
livro e seis meses depois se torna campeão de vendas abrindo uma nova fase de sua vida
onde livre das obrigações e horários pode fazer o que vem de dentro enquanto as editoras
brigam pelos seus livros.
Saturno, o planeta atribuído ao Universo, tempera este Desafio. Saturno é o Grande
Mestre que nos coloca na pior quando deixamos de ser fieis a nos mesmo e não escutamos
ou não damos bola a nossa voz interior. Saturno trava qualquer movimento em caminhos
que não são o nosso para que tenhamos que tomar vergonha na cara e identificar e trilhar
nosso caminho.
Com Saturno não existe conciliação ou meio termo: Você cresce ou enlouquece. Ele
nos limita, fecha-nos todas as portas, trava nossa vidinha medíocre, detona nossa
acomodação com nossa frustração, “Ah, não gosto muito de meu trabalho ou de meu
marido, mas já me acostumei”, e nos obriga a abrir novas portas, a definir novos
objetivos. Objetivos verdadeiros, aqueles pelos quais realmente estamos dispostos a lutar.
Então crescemos, tomando consciência de quem realmente somos e do que queremos
construir, dando uma reviravolta em nossa vida ou enlouquecemos afogados em um mar de
dificuldades e insatisfações. Se escolhermos crescer, encontraremos em Saturno as
qualidades necessárias, como paciência, perseverança, cautela e autodisciplina, para
materializar nossos objetivos.
A essência floral de Gentian pode facilitar o otimismo, a convicção e a perseverança
para chegar às últimas concretizações nos seus assuntos.
O Pendurado e A Imperatriz são Lições de Vida que vão ajudar você a resolver esse
Desafio.

O Pendurado como Lição de Vida


O Pendurado como 2ª Lição de Vida indica que você evolui e se torna mais você
mesma na medida em que em primer lugar você se entrega a sua própria natureza entendendo
que a o único que estamos amarrados e não podemos nos soltar até que a morte nos separe é
a nossa natureza. Somos o que somos e não podemos ser outra coisa. A dor mais profunda
do ser humano não procede de não conseguir ser o que quer ser ou o que deve ser ou o que
os outros esperam que seja, mas de que, enquanto intenta ser o que não é, não é o que é. A
plena auto-aceitação é o primeiro passo em direção ao equilíbrio, harmonia, felicidade,

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 32


CAP. 03 – O DESAFIO DO UNIVERSO Veet Pramad 33

nirvana ou como queira chamar. Aceitar-se plenamente


independentemente das opiniões que sua mente, sua família e a
sociedade tem de determinados aspectos seus, geralmente
catalogados como “defeitos” permite lembrar suas primeiras
manifestações, perceber como eles evoluíram e assim entender
esses aspectos e se for necessário redimensioná-los. Se os negamos
os estaremos enviando ao baú da sombra do inconsciente desde
onde nos manipularão continuamente sem a gente perceber.
Somos manipulados justamente por aquilo que não aceitamos de
nós mesmos. E ainda no baú esses aspectos se reforçam e
degradam e podem alcançar uma massa crítica que um dia explode
para fora e fazemos uma barbaridade no mundo externo ou
explode para dentro e fabricamos uma boa doença que detona nosso corpo físico.
Em segundo lugar você cresce na medida em que se entrega a vida, a seus ideais e ao
mundo. Mas isso só é possível se primeiro se entregou a sua própria natureza. Então seus
ideais se tornam a correnteza do rio onde você joga sua canoa e se deixa levar, se entrega de
braços abertos, até o mar da Fusão com o Universo. Assim sua vida cobra uma dimensão e
profundidade que até agora não tinha e proporciona uma intensa e extasiante gratificação de
maneira que não esperamos retorno. Se erguem ou não uma estátua nossa em via pública é
algo absolutamente sem importância.
Essa entrega às vezes pode implicar no abandono de outras coisas que, para pessoas
que não compartilham dos mesmos ideais, podem significar uma renúncia ao mundo e às
coisas boas da vida. Mas para quem se entrega de corpo e alma a suas ideias, essas outras
coisas ficam muito aquém das suas prioridades. O próprio fato de jogar-se de cabeça em uma
causa, em um ideal, gera tanta energia, satisfação e sentimento de conexão consigo mesma
e com o Universo, dando um sentido tão profundo à vida, que as coisas comuns, como comer,
tomar banho, fazer a unha, marcar ponto, comprar sapatos ou assistir à TV, ao redor das
quais giram as vidas de milhões de pessoas, perdem seu significado centralizador. Também
quem abre seu coração e se sensibiliza com o sofrimento dos seres vivos naturalmente sente
menos vontade de comer carne, assim como quem se envolve com a defesa do meio ambiente
evita o consumo de produtos que são dificilmente reciclados. É uma opção consciente e
natural que não exige esforço, não é uma renúncia.
Quando pretendemos fazer algo pelo mundo sem antes termos aceitado plenamente
corremos o risco de esperar ser reconhecidos e aceitados através de essa atividade. Neste
caso o ego pode tentar inflar-se adotando papéis de salvadoras da pátria, de Madres Tereza
de Calcutá, que se sacrificam pela humanidade, que se devotam aos necessitados e são tão
boazinhas, que nunca expressam raiva, tão altruístas que aparentam estar sempre na santa
paz, quando, no fundo, não tem a coragem de fazer o que realmente querem, se é que ainda
se lembram do que querem, e que pretendem ganhar o direito à existência – coisa que temos
pelo simples fato de nascer – dedicando suas vidas aos outros. Aqui sim existe a renúncia a
ser você mesma, a ter vontade própria. “Se eu me submeter, anular-me e fazer tudo o que os
outros desejam, se eu me esquecer de mim mesma, ninguém vai me rejeitar, todos vão gostar
de mim e, para me sentir mais segura, vou procurar uma fraternidade, uma seita, um grupo
de voluntariado ou uma associação beneficente.” Esse tipo de máscara é a garantia da
anulação de qualquer progresso pessoal.
O floral de Pine ajuda na auto aceitação especialmente quando existe culpa,
autoacusação e autocrítica. Buttercup* quando a autoestima está fraca e Mountain Pride*
que ajuda a expressar e levar a prática os próprios ideais.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 33


A Imperatriz como Lição de Vida
A 2ª Lição de Vida dessa constelação numerológica é A
Imperatriz. Ela trabalha junto com O Pendurado, como vamos ver
a seguir.
A Imperatriz representa o Princípio da Criatividade e
frutificação. Você cresce na medida em que cria e frutifica. Claro
que você pode criar arte, filhos, sejam seus ou dos outros, ou
animais o plantas. A Imperatriz nutre, favorece o crescimento
interior, gera vida por todos os seus poros e, com ela, preenche o
universo. É a energia da vida se derramando na Existência e se
multiplicando.
Com essa carta como Lição de Vida, a primeira coisa que
você precisa fazer é se cuidar, tomar conta amorosamente de você,
nutrir-se de tudo aquilo que lhe faz bem. Seja a sua própria mãe,
trate-se como você teria gostado que sua mãe tivesse lhe tratado.
Paralelamente, invista na sua criatividade. Participe de oficinas e cursos de arte, fique
por dentro dos projetos sociais e/ou ambientais. Quando você se sentir plena, e não antes,
derrame seu amor, manifeste sua criatividade, preencha de vida e beleza seu ambiente, cuide,
nutra, proteja, apoie o crescimento da vida. Só um coração pleno pode transbordar. Você só
pode emitir cheque se tem fundos, não vire uma estelionatária emocional. Se você pretende
tomar conta dos outros, nutri-los, apoiá-los, amá-los a partir de um coração carente e
desnutrido, então tudo não passará de uma farsa e você se sentirá cada vez mais vazia,
forçando cada vez mais todo seu ser a ficar preso em uma fantasia ridícula e autodestrutiva.
Por isso, o primeiro passo é ser egoísta, assim poderá ser verdadeiramente solidária;
primeiro você ama a si mesma, depois poderá amar ao próximo; primeiro você cuida de sua
vida, depois ajuda os outros. Um cego não pode guiar outro cego.
A essência floral de Mariposa Lily* ajuda a promover a conexão com o princípio
materno e a capacidade de nutrir enquanto que a de Iris* estimula a criatividade artística o
para-artística.

Essa constelação pode vir das cartas a seguir:


39: O Príncipe de Copas.
48: O Oito de Copas. A Indolência.
57: O Três de Espadas. O Sofrimento.
66: A Rainha de Discos.
75: O Sete de Discos. O Fracasso.
Se uma dela é sua Lição de Vida as outras quatro serão Desafios menores.

O Príncipe de Copas como Lição de Vida


39: O Príncipe de Copas. Natureza interna emocional, expressão externa mental.
Se o Príncipe de Copas for sua 1ª Lição de Vida aplique sua mente à observação e
compreensão de suas emoções. Leve para a consciência os complexos emocionais
escondidos. Você cresce pesquisando, compreendendo e mudando os mecanismos que
governam suas emoções. Seu foco tem que estar nas oscilações de voltagem emocional.
Porque esta circunstância me irrita? Porque esta circunstância me entristece? Porque isso me
assusta? Se mexer comigo é porque tenho uma área sensível a isso e essa área provavelmente

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 34


CAP. 03 – O DESAFIO DO UNIVERSO Veet Pramad 35

foi criada na infância. De que maneira estas circunstancias atuais


evocam aquelas primeiras. Descubra paralelismos entre as
emoções que você esconde agora e o que foi reprimido na
infância. Qual foi a atitude paterna/materna diante de suas
expressões emocionais mais autênticas? Foram ignoradas?
Desvalorizadas? Negadas? Ironizadas? Aceitas? Estimuladas?
Consideradas? Esteja atento a suas emoções o tempo todo, faça
terapia, monte seu laboratório, mas quando for para a rua, seja
espontânea, não fique analisando, analise depois quando volte
para seu laboratório.

O Príncipe de Copas como Desafio


Se o Príncipe de Copas for um dos seus quatro Desafios menores, você tem
dificuldade para aceitar e expressar suas emoções. Você acha que mostrar as emoções é
perigoso. Isso pode dar-se de duas maneiras. A primeira é: “eu não quero nem saber de
minhas emoções”, prefiro não fazer contato com elas. Quando me sento impactada
emocionalmente, congelo e procuro uma compensação: assalto a geladeira, corro ao centro
comercial a comprar mais um par de sapatos, abro outra garrafa, pego o telefone...
Evidentemente essas emoções que oculto me manipulam constantemente sem eu perceber.
Irei tornando-me uma pessoa cada vez mais fria e desconectada de mim mesma. Atrairei
impactos emocionais cada vez mais fortes até que tenha que aceitar que sou um ser
emocional.
A segunda maneira é: “tenho que estar de olho nas minhas emoções para mantê-las
controladas, não seja que apareça por aí alguma que não deve aparecer”. Mesmo desta
maneira repressora o fato de olhar para as minhas emoções me leva a descobrir alguma coisa
ao respeito delas. Posso identificar alguns mecanismos e padrões de comportamento
emocional que posso ver também em outras pessoas. É provável que sucumba a tentação de
usar o que descobri para tentar manipular as pessoas. Se perceber que quanto mais carente
estou emocionalmente fico nas mãos de alguém que me da umas migalhas de atenção, vou
a identificar e manipular pessoas carentes. Vou tornando-me um manipulador e atraio
pessoas ainda mais manipuladoras com as quais minha vida vira um jogo de poder infernal
onde só sobra sofrimento para todas.
O floral de Scarlet Monkeyflower* lhe ajudará a ser mais honesta emocionalmente,
aceitando sua sombra, e Pink Monkeyflower*, a abrir-se e expor-se com as outras pessoas.

O Oito de Copas como Lição de Vida/Desafio


48: O Oito de Copas. A Indolência. Saturno em Peixes.
O Oito de Copas é uma das cartas que chamo de “sombrias”
e que mesmo sendo Lição de Vida funcionam como um Desafio.
Se esta é sua Lição de Vida ou um dos seus quatro Desafios
menores, você nasceu com a tendência à tristeza, à apatia e à
depressão. Se ainda seu ambiente familiar tinha essas
características e/ou repetiam para você todos os dias que este
mundo é um vale de lágrimas, que estamos aqui para aceitar o
destino que Deus nos manda y que a resignação é moeda em curso
lá no céu, proibindo as expressões de sua alegria natural e outras

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 35


iniciativas essa tendência teve toda a chance de cristalizar e transformar-se em uma
caraterística acentuada de seu caráter. O ego pode auto afirmar-se nutrindo-se de esta
tendência de coitadinho de mim que carga como ninguém tanta tristeza encima. Embora a
depressão é vendida pela medicina oficial como uma doença, tanto a tristeza, a apatia e a
depressão são consequências em diferente grau da desconexão com a voz da essência. A
depressão é o grito de alarme da essência que fala para você: “Você está indo tão longe de
mim que eu não alcanço a chegar a você com a mangueira da energia”. Assim a energia vai
embora e você fica na cama olhando para o teto, impossibilitada para continuar correndo
atrás daquilo que nada tem a ver com você e assim tem a oportunidade de entender tudo isso
e de visualizar seu verdadeiro caminho de vida voltando a escutar sua voz interior. Podemos
dizer que a depressão é uma grande oportunidade para mudar de vida, claro que muitas
pessoas escondem a depressão detrás dos antidepressivos, continuam com aquela vidinha e
os laboratórios agradecem.
Você atrairá situações que acentuarão a sua tristeza, apatia e depressão. Sua vida irá
tornando-se cada vez mais cinza, você mais lamurienta, seus amigos cada vez menos e mais
distantes, até que em algum lugar de seu ser surja a dúvida: Será que eu não mereço ser feliz,
mesmo? Se você se responder: Eu mereço ser feliz, procure na infância as origens de essa
tristeza para arrancar essa planta de raiz.
Também seria bom praticar algum esporte ou fazer algum exercício físico divertido,
como, por exemplo, a dança que leva o organismo a sintetizar endorfinas que atuam
no cérebro, gerando ondas de prazer. Permitir- se desenvolver atividades pelo simples
motivo de que geram prazer também ajuda, pois melhora a autoestima, como cuidar de um
jardim ou fazer algum tipo de artesanato, inicialmente o mais simples possível, para não
complicar a vida e desistir.
Também é importante que não fique alimentando ilusões. Vá para a festa em vez de
ficar em casa esperando a ligação daquele homem que pegou seu telefone no ônibus de a
Setúbal ... faz cinco anos.
A essência de Mustard, que facilita a saída de depressões profundas, favorecendo a
alegria e a serenidade, e a de California WildRose*, que desenvolve o otimismo, são
recomendadas neste caso.

O Três de Espadas como Lição de Vida/Desafio


57: O Três de Espadas. O Sofrimento. Saturno em Libra.
O Três de Espadas, como todas as cartas de Espadas é um
estado o mecanismo mental. Neste caso é a mente arrasada pela
dor. Especificamente pela dor da rejeição, do abandono e da culpa.
Esta é outra das cartas sombrias às quais me referi anteriormente.
Se esta carta for sua 1ª Lição de Vida ou um dos seus quatro
Desafios menores, você cresce na medida em que entende e
desativa esse mecanismo.
Quando você é culpada, rejeitada ou abandonada ou
imagina que acontece, você fica arrasada pela dor e sua mente
perde toda e qualquer objetividade, impossibilitando iniciativas
funcionais. Não adianta fugir, vestindo uma máscara de
insensibilidade ou de submissa, que faz tudo pelos outros.
Provavelmente, você passou pela experiência de ser abandonada, rejeitada ou culpada nos
seus primeiros anos de vida, ficando uma ferida aberta sensível a essas três espadas. A
criança sabe instintivamente que se não for cuidada, nutrida e protegida pelos seus pais

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 36


CAP. 03 – O DESAFIO DO UNIVERSO Veet Pramad 37

(especialmente pela mãe na fase da amamentação) ela morre. Qualquer dúvida em relação a
disponibilidade dos pais desengatilha o instinto de preservação. Por isso que o bebé berra
daquele jeito quando tem fome e a mãe demora em chegar com o peito ou a mamadeira.
Hoje se sua mãe demorar ou não é para você algo insignificante. No entanto essa
vulnerabilidade à rejeição, ao abandono e à culpa paralisa muitas de suas iniciativas,
especialmente aquelas em que você tem que atrever-se a expressar suas emoções, desejos,
vontades ou ideias, e assim você vai tornando-se uma pessoa sem expressão própria cada
vez mais parecida com um robô. Então você ficará atraindo repetitivamente mais rejeições,
abandonos e culpas para obrigar-lhe a assumir, cuidar e curar sua ferida. Não adianta culpar
o mundo cruel nem se entupir de analgésicos, compensações ou distrações para não sentir a
dor. O que adianta é lembrar e reviver as situações de infância onde o abandono, a rejeição
e a culpa tinham esse dramático poder. No momento em que você visualiza a situação
original, revivendo as emoções do momento, com seu tamanho e independência atuais, esta
situação perde seu poder, e sua vulnerabilidade a culpa, abandono e rejeição se minimiza e
deixa de impedir suas expressões mais verdadeiras. Pode muito bem usar sua raiva engolida
naquele tempo como combustível para iniciativas que a levem a ser mais autêntica na
expressão de si mesma.
O floral de Evening Primrose*, que tende a quebrar o medo à rejeição, pode ser
muito útil, ou o de Oregon Grape*, que ajuda a confiar no mundo e alivia o medo de ser
arrasada pelos outros.

A Rainha de Discos como Lição de Vida


66: A Rainha de Discos. Natureza interna prática, expressão
externa emocional.
A Rainha de Discos traz Água para a Terra, fazendo surgir
a vegetação; suas iniciativas emocionais estão enraizadas na sua
praticidade e conexão com o mundo material. Você amadurece
nutrindo, ajudando a crescer, favorecendo o desenvolvimento da
vida e dos outros. No entanto, faça isto por prazer e não o
transforme na sua razão de viver, porque pode entrar no padrão de
comprar amor e atenção com presentes, ajudas, dinheiro, etc. Se
você equacionar “eu sou alguém = eu sou útil”, pode acabar
cortando as asas das pessoas que pretende ajudar: filhos ou
subordinados, e sobrecarregar-se de trabalho para sentir-se ainda
mais útil e mais importante. Se fizer isso no ambiente familiar,
pode retardar o crescimento de seus filhos, superprotegendo-os, cevando-os, e transformar-
se na empregada da casa com consideráveis doses de frustração e, provavelmente, de solidão.
Para evitar tentar comprar amor e atenção primeiro gaste seu dinheiro, energia e
tempo em atividades, coisas ou viagens que a nutrem emocionalmente. Descubra quem é a
melhor massagista da cidade, compre e leia as completas de Saramago, permita-se tirar um
cochilo, faça aquela rota gastronómica, etc.

A Rainha de Discos como Desafio


Se a Rainha de Discos for um dos seus quatro Desafios menores, você terá
dificuldade para investir no seu bem-estar emocional e também para, mesmo sentindo o
impulso de fazê-lo, envolver-se em atividades que visam à melhora da qualidade de vida dos

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 37


seres. Se não investir no seu bem-estar emocional vai acentuar sua carência emocional e
mais vai precisar ser reconhecida e valorizada pelo mundo e pode cair na tentação de tentar
comprar essa aceitação fazendo favores, dando presentes, facilitando a vida de outras
pessoas. Você vai atrair uma fila de pedintes a sua porta, amigos de seu dinheiro que, longe
de valorizar e apreciar você vão exigir de você cada vez mais até você tomar vergonha na
cara, falar não para eles e começar a cuidar-se.
A essência de Borboleta Lily* alimentará atitudes mais positivas e nutritivas para
com você mesmo/a e com os outros e a de Centaury pode ajudar a sair da subserviência e
respeitar suas próprias necessidades. .

O Sete de Discos como Lição de Vida/Desafio


75: O Sete de Discos. O Fracasso. Saturno em Touro.
Esta é outra carta “sombria” e trabalhará como se fosse um
Desafio. Se esta carta for sua 1ª Lição de Vida ou um dos seus
quatro Desafios menores, você é muito vulnerável a ideia de
fracassar, teme exageradamente ficar estagnada com uma mão na
frente e outra atrás, especialmente em assuntos materiais e
financeiros. Qualquer coisa é um sinal que prediz dificuldades e
por tanto fracassos inibindo qualquer possibilidade de arriscar-se.
E “quem não arrisca não petisca” diz a sabedoria popular. E assim
sua vida acaba cheia de assuntos não resolvidos, de oportunidades
perdidas, você se sente cada vez mais estagnada e fracassada.
Você pode atrair inicialmente novas oportunidades, mas se você
insiste em ver nelas fontes de perigos mais do que trampolines ou
soluções, vai atrair mais dificuldades até que sua situação económica se deteriore de tal
maneira que não tenha outra que atrever-se a arriscar-se.
Também pode mostrar uma certa dureza corporal, falta de flexibilidade, tendência a
doenças como a artrose e artrite que dificultam ou reduzem o movimento (Saturno), ou
problemas de garganta (Touro), que impedem a comunicação verbal. Essa rigidez corporal
está relacionada à rigidez e falta de calor humano nos pensamentos e ações. Problemas de
garganta podem indicar desconexão entre a cabeça e o corpo, entre a mente e o coração,
dificuldade para se auto afirmar, problemas para engolir a realidade, raiva acumulada por
não falar o que pensa ou sente, frustração no nível criativo, etc.
Você precisa expressar sua raiva, mesmo que seja diante de um saco de pancadas de
boxe, perceber quais aspectos da realidade, pessoas ou situações você não admite, e se resiste
a aceitar e dar vazão à sua criatividade.
Procure descobrir de onde vem esse medo de fracassar. Será que foi desvalorizada
na infância? (“Assim você nunca vai chegar a lugar nenhum”, “você não serve para nada”,
“eu com a tua idade já...”). Ninguém nasce com medo de fracassar. Tente reviver as cenas
onde foi desvalorizada e acesse as emoções que naquela hora engoliu. Dessa forma as
expressará da maneira mais vívida possível até entrar em contato com o estado anterior, com
o jeito que era antes que fosse colocado esse medo de fracassar. Também
fará uma lista retrospectiva de todos seus fracassos, analisará suas causas, identificará
os critérios que a levaram a errar e suas raízes emocionais, para não voltar a bater na mesma
tecla. Prestará uma especial atenção para as oportunidades perdidas. Como reagiu ante
propostas de expansão, mudança e movimento? “Ah, não quero perder meu tempo com algo
que não sei se vai dar certo”, “não troco ruim conhecido por bom para conhecer”. Como foi
que se sabotou? De tanto imaginar que vai fracassar, fracassa mesmo.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 38


CAP. 03 – O DESAFIO DO UNIVERSO Veet Pramad 39

Trabalhe também o corpo: alongamento, massagem (primeiro shiatsu, depois


ayurvédica e, finalmente, bioenergética), caminhada, natação...
Entregando-se a seus ideais, nutrindo-se e nutrindo seu ambiente, criará sua realidade
e dissolverá seu medo de fracassar. Assim, conseguirá fechar velhas etapas e abrir novas, de
forma que você se sentirá mais leve, livre e feliz (Universo).
No entanto, se em lugar de entregar-se a seus ideais, que dão um significado profundo
à sua vida, você se submete, desenvolve uma máscara de boazinha, senão de mártir que se
sacrifica pelos outros (aspectos não resolvidos do Pendurado), se você deixar de se nutrir,
cuidar e apostar na sua criatividade para ficar tomando conta dos outros, transformando-os
em dependentes seus, que faz tudo por eles, abrindo mão inclusive de sua própria vida e
dificultando também o crescimento deles, vai ficar cada dia mais frustrada, mais vazia, mais
impedida de fazer realmente alguma coisa pelo mundo. Sua vida estagnará e você virará um
fóssil incapaz de concluir seus assuntos e passar para uma nova etapa de vida.
O floral de Larch, que libera o potencial criativo e favorece sua autoconfiança,
reverterá sua expectativa de fracasso. Também o de Gorse, se o que precisa é de motivação.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 39


CAP IV - O DESAFIO DO EÃO
O TESÃO E A SACERDOTISA COMO LIÇÕES DE VIDA

“A maturidade do homem consiste em haver reencontrado a seriedade


que tinha no jogo quando era criança”. Nietzsche (1844-1900)

“Tornamo-nos realmente adultos no dia em que conseguimos rir de


fato... de nós mesmos”. Ethel Barrymore (1879-1959)

O EÃO COMO DESAFIO


Se a carta do Eão5 (O Julgamento) é seu Desafio você tem
uma dificuldade grande para levar sua consciência a pratica.
Desde seu lado adulto você percebe que tem que parar de fazer
determinadas coisas e que chegou o momento de fazer outras, mas
na hora de pegar para capar você continua fazendo o que não era
para fazer e deixa de fazer o que era para fazer. Dentro de você
mora uma criança carente que morre de medo de ser rejeitada,
abandonada, criticada ou culpada e faz qualquer coisa para ser
reconhecida e aceita. Essa criança sabota você, impede que você
leve sua consciência a pratica.
Você tem consciência das mudanças que precisam ser
realizadas, mas fica adiando-as. Percebe que precisa melhorar sua
instrução para largar aquele emprego cada dia mais chato e
dedicar-se ao que você gosta, mas continua assistindo TV nas suas horas livres. Percebe que
precisa reduzir drasticamente as compras com o cartão de crédito, mas continua gastando o
que não tem. Percebe que precisa dar mais atenção para seus filhos, mas continua levando

5
Eão: Grande período de tempo, assim como as Kalpa na cosmologia hindu e budista.
CAP. 04 – O DESAFIO DO EÃO Veet Pramad 41

trabalho para casa. Assim sempre fica na mesma, acomodada a uma vidinha medíocre,
imatura e regredida.
Prefere ser como um bebe dentro do útero, nutrido, esquentado e protegido que foge
do amadurecimento que significaria levar ao mundo da prática suas compreensões.
Qualquer iniciativa ou responsabilização pode gerar rejeições, críticas ou culpas e
isso é demais para a criança carente que passa a rasteira no adulto e impede o movimento.
Quanto mais você insiste em atitudes que visam ser aprovada mais rejeições você atrai.
Quanto mais você insiste em atitudes que visam ser reconhecida mais é abandonada e
ignorada.
Você precisa dar a certidão de adulta a essa criança carente que a manipula. Essa
criança ficou carente na infância porque não recebeu a atenção amorosa suficiente da família.
Depois você cresceu e fez com ela a mesma coisa. Toda vez que ela chegava para você
pedindo atenção você, identificada com seu ego, falava assim para ela: “Agora tenho coisas
mais importantes para fazer. Melhor cala a boca e não me distraias”. Agora você precisa
virar-se amorosamente para ela dar-lhe atenção e escutar e realizar seus desejos. Conta
estorinhas para ela, mesmo que você não cai contar a Cinderela, mas pode contar os contos
de Gabriel Garcia Márquez. Leva para o parquinho, mesmo que não seja para o balanço,
pode ser para andar de bicicleta. Preencha sua vida com atividades que deixam de ser um
médio para atingir um fim e são um fim em se mesmas. A partir de aí sua criança carente é
nutrida e cresce, amadurece e deixa de sabotar ao adulto, integrando-se perfeitamente os
dois.
Lei por aí:
“Um mestre e seu discípulo caminhavam pelo mato; quando chegaram num lugar
miserável, nada estava plantado, não tinha pomar nem jardim, nem indício de nenhuma
atividade que pudesse sustentar os que ali moravam. Chegaram numa casa caindo aos
pedaços, onde se encontravam um casal e três meninos, todos eles esfarrapados e sujos.
Convidados a sentar-se numa árvore caída, o mestre perguntou de que viviam. O homem
respondeu que viviam do leite de uma vaquinha que tinham. Tomavam uma parte do leite e
a outra vendiam na cidade para comprar outros alimentos.
Minutos depois, quando saíram do local, o mestre ordenou a seu discípulo que
voltasse e matasse a vaca. Este primeiro se revoltou, perguntando por que deveria privar
de seu sustento aqueles coitados, mas ante o silêncio do mestre, acabou confiando nele e
obedeceu. Anos depois, o discípulo passou perto do lugar e, ainda se culpando pelo
sucedido, decidiu visitar a família. Quando chegou, quase não reconheceu o local: do lado
da porteira tinha uma casa onde o caseiro lhe informou que a família continuava morando
lá. Chegou numa esplêndida casa rodeada de jardim florido e de um par de amplos galpões,
no qual trabalhadores se esforçavam. O mesmo homem de anos atrás o recebeu, e este lhe
perguntou como tinham conseguido melhorar daquele jeito.
O homem respondeu: “Tudo começou quando a vaquinha que os sustentava
desbarrancou-se e, coitada, morreu. Aí, cada um começou a usar suas habilidades”...
Seu desafio é matar a vaquinha, sair do útero, outorgar-se a certidão de
amadurecimento, que significa fazer o que sua percepção consciente lhe indica que precisa
ser feito, peitar o mundo, assumiras responsabilidades e mandar chupar pirulito quem não
gostar. Seu desafio é parar de adiar, tomar as iniciativas na hora; se precisa ser feito, é para
já.
Lembre-se de que tudo o que adiamos se transforma em um peso que carregamos e
que pode exaurir nossa energia.
As essências florais que ajudam você a crescer e a amadurecer são a de Milweed*,
que ajuda a ser mais independente, e a de Fairy Lantern*, que quebra a crença: Eu só vou

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 41


ser aceito 8º pelo menos não vão me rejeitar) se ficar imaturo, dependente, obediente,
regredido e coitadinho.
Vejamos como as Lições de Vida A Sacerdotisa e O Tesão ajudam a resolver esse
desafio.

A Sacerdotisa como Lição de Vida


A Sacerdotisa ilustra O Princípio Feminino Universal. É a
receptividade em todos os planos, físico, mental, emocional e
energético, tanto em relação com o mundo interno quanto com o
mundo externo.
Com o mundo interno é uma atitude da auto-contemplação
e recolhimento. Não existem objetivos que perturbem a comunhão
com o interno. Essa atitude receptiva com seu mundo interno lhe
permite poder escutar sua voz interior. Para isso ela deixa a mente
em silencio, sem análises, julgamentos nem deduções. A mente tem
que ficar receptiva, aquietada e disponível. Por isso a Sacerdotisa
tem tanto a ver com a meditação. Não é o mergulho técnico e
analítico no inconsciente do Ermitão, não é o Jacques Cousteau,
mas o Jacques Mayol6.
Essa atitude meditativa leva em primeiro lugar a centrar-se,
e em segundo, a reconhecer-se como um ser completo que não precisa sair correndo atrás de
nada e de ninguém. Não esqueçamos que o caminho da Sacerdotisa, o caminho 13 ou de
Guimel, atravessa o abismo, vai de Tipharet – A Beleza – até Kether – A Coroa –, isto é,
da experiência da Visão da Harmonia do Universo até a experiência da Fusão com o
Cosmos ou, usando a terminologia hindu: o Samadhi. É o caminho que nos leva do coração
até a Divindade Interna. Na medida que nos aproximamos de Kether, diminui a sensação de
separação, a ansiedade por algo que estaria faltando, encontramos em nosso centro tudo de
que precisamos e permanecemos nos deliciando nessa experiência de autocontemplação.
Finalmente existimos da pele para dentro e não da pele para fora.
Se a Sacerdotisa é sua 3ª Lição de Vida, a primeira cosa que precisa fazer é dar-se
um tempo para aquietar a mente e assim poder escutar a sua voz interior. Para isso você tem
várias técnicas. A primeira é a meditação assim que pare de correr, sente-se, feche os olhos
e coloque sua atenção na respiração, procure um volume e ritmo respiratório mais agradável
(pois geralmente só respiramos para sobreviver e não para viver) e desfrute. Colocar a
atenção na respiração já implica em ficar no presente pois não é possível respirar no passado
nem no futuro. Se passam pensamentos pela sua cabeça não bata papo com eles, na hora em
que você se sente invadida por pensamentos volte imediatamente a colocar sua atenção na
sua respiração. Não precisa manter a mente vazia as 24 horas do dia, você seria uma
rimpoché tibetana, mas o suficiente para escutar sua voz interior. Se essa meditação
tradicional (Vipásana) não funciona, pois finalmente foi criada e desenvolvida por povos
que levam milênios meditando, acuda às meditações ativas do Osho7 criadas por ele para o
cidadão ocidental cuja mente é turbinada desde que entra na creche. Também você pode
sossegar a mente se envolvendo em atividades que você gosta muito. Como por exemplo, a
pessoa que gosta de cozinhar, ela está cortando o tomate dela e a mente que esta disfrutando
do corte do tomate, deixa de fazer barulho. Também pode servir a contemplação da natureza
que é (salvo exceções) harmoniosa e induze a mente a paz e ao sossego.

6
Primeiro mergulhador que a pulmão livre atingiu os 100 m de profundidade. Assistir “A imensidão azul”
(The Big Blue) de Luc Besson.
7
Procurar em http://www.osho.com/Main.cfm?Area=Meditation&Language=Portuguese

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 42


CAP. 04 – O DESAFIO DO EÃO Veet Pramad 43

Um bom momento para escutar a voz interior é quando acordamos, pois então a
mente ainda não está acelerada. Em vez de perguntarmos como está nossa agenda, é melhor
ficar curtindo as sensações corporais do momento e deixar que a voz interior se expresse.
Podemos ajudar perguntando-nos: O que é que me apetece agora?
Tão importante quanto à receptividade com o mundo interno é a receptividade com
o mundo externo e este é um aspecto da Sacerdotisa que fica despercebido para muitos
estudiosos do Tarô. Como espero que tenha ficado claro na introdução de este livro, atraímos
o que precisamos para crescer. Ficar receptivo ao mundo exterior possibilita perceber as
mensagens que este nos envia para transformarmos. Não precisamos ir aos Himalaias para
atingir o nirvana.
Talvez por isso podemos ler no Tao Te King:

“Sem sair pela porta


Conhecemos o mundo
Sem olhar pela janela
Atingimos o Tao
Quanto mais longe vamos
Menos aprendemos
Assim, o sábio
não dá um passo e chega,
não procura e no entanto conhece,
não faz e no entanto cumpre”.

Então se esta é sua Lição de Vida pare de brigar ou de fazer-se de vítima com as
circunstancias que não se ajustam a suas limitadas expectativas mentais. Por que eu atraio
essa circunstância, situação ou pessoa? Observe-as e tente identificar a mensagem que elas
trazem. Se, como falou Jung, “O destino é o retorno da inconsciência” quando precisamos
conhecer e compreender alguma coisa nossa vamos a estar atraindo sistematicamente
circunstancias que nos obrigam a identifica-la. Se brigamos ou nós fazemos de vítima com
elas só adiamos nossa transformação e acentuamos o impacto com que essas circunstancias
mexem conosco. Quando identificamos a mensagem, quando tomamos consciência do que
ignorávamos de nos mesmas, quando trabalhamos e curamos aquela área sensível então não
precisamos mais daquelas circunstancias e nossa vida muda. Continuando com Jung:
“Quando não tem consciência tem destino. Quando tem consciência tem livre arbítrio”.

O Tesão como Lição de Vida


A 2ª Lição de Vida é O Tesão8 (A Força), ilustrando a plena
integração do aspecto animal – emoções, instintos, impulsos vitais e
necessidades corporais e biológicas – simbolizados pelo leão com
os aspectos mental e espiritual representados pela mulher. Como
efeito colateral dessa integração vem, a alegria, o prazer a força
interior e o entusiasmo. Melhora a autoestima e a pessoa se sente
mais sensual y sexy e a criatividade primordial dirigida
originalmente a encher de moleques o planeta é integrada e

8
Como se usa esta palavra no Brasil: Forte impulso vital cheio de criatividade, entusiasmo e energia, cuja
realização produz alegria e prazer. Ver “Sem Tesão não há solução” de Roberto Freire (1927 – 2008)

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 43


reelaborada pela mente e pode se manifestar em um enorme leque de possibilidades.
A evolução dessa carta representa como nenhuma outra a mudança dos tempos, a
mudança de atitude da humanidade com relação ao corpo em geral e ao sexo em particular.
É o fim de 2 mil anos de obscurantismo, em que religiosos não só surrupiaram a Divindade
de dentro de cada um de nós como também fizeram todas as ameaças e manipulações
possíveis para que o ser humano reprimisse sua sensualidade e sexualidade com a
correspondente restrição do prazer. Médicos, psicólogos e filósofos perceberam durante o
século XX que a repressão da sexualidade e sensualidade traz graves distúrbios na
personalidade e que o prazer sexual leva as pessoas a trabalhar melhor. A polícia também
constatou que a maioria dos indivíduos envolvidos com crimes hediondos, como
assassinatos múltiplos, estupro, pedofilia, etc., são psicopatas incapazes de ter uma vida
sexual de qualidade. Ou seja: Sexo faz bem!
Hoje A Força – nome dessa carta nos baralhos medievais, referindo-se à força de
caráter – não é mais identificada com a capacidade de controlar o lado animal, as “baixas
paixões”, com a capacidade de domar a besta. A besta controlada e presa pode tornar-se cada
vez mais feroz ou entrar em profunda depressão, como o animal em cativeiro, que perde a
alegria de viver e a capacidade de reproduzir-se. A força, a vitalidade e a saúde, assim como
a alegria de viver, estão diretamente relacionadas à capacidade de integrar nossos impulsos
animais – emoção e instinto – ao nosso cotidiano.
Se você tem essa constelação astrológica, você é movida a entusiasmo, não adianta
investir em atividades que não gerem entusiasmo que você vai murchar. Invista na sua
autoestima, desenvolva sua sensualidade, curta seu corpo (também não é para virar rato de
academia, se malhar não lhe agrada), pratique algum esporte e, especialmente, envolva-se
com atividades com as quais você possa exercer a sua criatividade. Também é fundamental
que invista na sua vida amorosa e sexual, encontrando prazer em cada centímetro de seu
corpo, deleitando-se com cada carícia, trocando carícia com seu parceiro, descobrindo novas
zonas erógenas, curtindo as preliminares, adiando o orgasmo, conectando-se com o coração
durante o ato sexual, olho no olho, falando: Eu te amo.
O Oriente que não foi completamente submetido a religiões anti-sexo desenvolveu
filosofias e técnicas que fazem da sexualidade não só uma via para a longevidade, mas
também para a espiritualidade9.
Quanto menos criativo for seu trabalho, maior tendência você terá a se autoafirmar
pela sedução.
Os florais associados à Sacerdotisa e ao Tesão são: O Star Tulip*, também chamado
de Cat´s Ears*, que ajuda a desenvolver a sensibilidade e receptividade femininas, o de
California Pitcher Plant*, que aumenta a vitalidade, desenvolvendo os aspectos mais
instintivos do ser, e o Indian Paintbrush*, que revitaliza sua expressão criativa, enraizando-
a com as forças telúricas.
Essa constelação pode proceder de qualquer dos seis Arcanos Menores a seguir cujos
dígitos somam 11. Um será a Lição de Vida e os outros cinco Desafios menores.
29: O Três de Paus: A Virtude.
38: A Rainha de Copas.
47: O Sete de Copas. A Corrupção.
56: O Dois de Espadas. A Paz.
65: O Cavaleiro de Discos.
74. O Seis de Discos. O Sucesso.

9
Leia, de Margot Anand, “A arte do êxtase”. Ed. Campus.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 44


CAP. 04 – O DESAFIO DO EÃO Veet Pramad 45

O Três de Paus como Lição de Vida


29: O Três de Paus: A Virtude. O Sol em Carneiro.
Se você tiver o Três de Paus, A Virtude, como 1ª Lição de
Vida você cresce fazendo de seu fazer a pura expressão de seu ser.
Não perca seu tempo fazendo aquilo que pouco ou nada tem a ver
com você. O ser e o fazer devem ser a mesma coisa para você.
Mesmo que você se dedique a uma ou várias atividades que gosta,
escolha para investir seu tempo, isto é, sua vida, aquelas atividades
ou aqueles aspectos de suas atividades que mais gosta, onde você
se sente mais você mesma, mais total mais completa. Delegue o
resto. Não se preocupe nem um pouco com o que a sociedade pode
pensar de seu trabalho. Tem muito camponês e cabeleireira felizes
e muita psicóloga e advogada estressadas.

O Três de Paus como Desafio


Se esta carta aparecer como número oculto, isto é, como um dos seus cinco Desafios
menores você traz uma forte dificuldade para escolher atividades que realmente tem a ver
com você. Atividades, trabalhos ou empregos onde você possa colocar seu selo pessoal.
Talvez prefira investir em atividades reconhecidas socialmente que lhe dão status e glamour,
ou aquelas que proporcionam segurança, ou atividades onde você não precisa aparecer e
correr o risco da rejeição, mas pelo fato de não ter nada a ver com você não a nutrem em
profundidade, não proporcionam prazer, exigem esforço e a deixam frustrada e candidata a
ficar refém das compensações.
É muito provável que você atraia circunstancias que atrapalhem seu desempenho
nessas atividades que nada tem a ver com você e também no melhor dos casos atrairá
exigências para você se arriscar a ser criativo, como aquela segunda feira que seu chefe
chega falando assim: “Desta vez quero um projeto criativo, diferente, senão você está fora
da empresa, fora, entendeu?”
O floral de Sunflower* lhe ajudará a ser mais você mesma e escolher atividades
alinhadas com sua essência.

A Rainha de Copas como Lição de Vida


38: A Rainha de Copas. Natureza interna e expressão
externa emocionais.
Se essa Rainha é sua primeira Lição de Vida, seu
crescimento pessoal passa por assumir uma forte carga emocional
interna escondida. Temos aqui dois casos:
A) Você pode ser uma pessoa com um potencial emocional
e uma sensibilidade muito grandes, detectáveis no mapa
astrológico por um percentual muito elevado de planetas em
signos ou casas de Água. Essa sensibilidade pode fazer com que
você se sinta mais vulnerável emocionalmente e se defenda
escondendo seus sentimentos e vontades e fechando seu coração
para os outros. Suas emoções foram fortemente desvalorizadas na
infância ou você passou pela experiência de ser castigada ou

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 45


ameaçada se as expressou ou falou de certas visões ou premonições que tinha. Hoje pode
estar vivendo fortes crises, ou conflitos emocionais intensos, mas não acha ou tem medo de
achar um canal para expressá-las, de maneira que fica totalmente passiva ante essas questões
e, em vez de tomar iniciativas, pode adotar uma máscara de vítima, boazinha, submissa e
somatizar seus conflitos. À medida que consiga ir soltando suas emoções, fazendo biodanza,
por exemplo, acessará naturalmente sua própria paranormalidade.
B) Pode ser uma pessoa com menos sensibilidade, mas conviveu na infância ou no
início da adolescência com situações de conteúdo emocional muito pesado – vítima ou
testemunha de abuso sexual ou de algum outro tipo de crime dentro ou fora de casa – que
nunca pôde compartilhar com ninguém e que, de alguma maneira, a levaram a travar as
emoções, deixando-as amarradas a um fato negativo inconfessável e, muitas vezes,
esquecido. Neste caso, regressões, renascimento e, terapia bioenergética serão de grande
ajuda para que a pessoa possa destravar suas emoções. O floral de Black-Eyed Susan* é
recomendável para acessar memórias esquecidas.

A Rainha de Copas como Desafio


Se a Rainha de Copas for um dos seus cinco Desafios menores, você tem uma grande
dificuldade para assumir e viver suas emoções. Sua tendência é escondê-las, pois você acha
que se coloca suas cartas emocionais encima da mesa os outros vão saber demais de você e
vão manipulá-la, controlá-la ou até destruí-la. Por dentro você é um maremoto emocional,
mas nada aparece na superfície. Como a via direta de expressão de suas emoções e desejos
está impedida você trabalha por baixo dos panos para conseguir o que quer, cria climas, fica
doente. Também pode tentar manipular as pessoas próximas com uma atitude de boazinha
submissa que quer o melhor para todos mesmo que isso signifique sacrificar-se e sofrer: “Eu
faço tudo por vocês, pelo menos vocês poderiam...” Longe de ter algum retorno nessa
tentativa de cobrança o que você atrai é mais situações para você se sacrificar e também
impactos emocionais cada vez mais fortes até que você não aguente mais e expresse suas
emoções mesmo de um jeito explosivo.
O floral de Fushia*, que favorece a expressão catártica das emoções, pode ser um
passo para uma manifestação mais honesta e profunda das emoções, enquanto o de Anne´s
Lace* ajuda a desenvolver a clarividência.

O Sete de Copas como Lição de Vida/Desafio


47: O Sete de Copas. A Corrupção. Vênus em Escorpião.
Temos aqui outra carta “sombria” que mesmo como Lição
de Vida se transforma em um dos seus cinco Desafios menores.
Manifesta-se como uma tendência compulsiva à procura de prazer.
No fundo, a pessoa não se sente merecedora do prazer mais
elevado, do prazer obtido quando damos vazão à nossa
criatividade, seja no trabalho, no ateliê, na quadra esportiva ou na
cama, integrando sexo e amor. Então acaba procurando cega e
loucamente gratificação sensorial e altos níveis de excitação por
meio de compensações. Assim, assalta a geladeira, faz da comida
um veneno, transforma o prazer de beber ou fumar em doenças,
fica adicta às drogas, faz dívidas impagáveis com compras
supérfluas com o cartão de crédito, sua vida afetiva e sexual vai pelo ralo, procurando na

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 46


CAP. 04 – O DESAFIO DO EÃO Veet Pramad 47

pornografia ou nas perversões o prazer que não consegue numa relação. Tenta manter-se
num estado de permanente euforia artificial, cuja saída provavelmente será seu oposto: a
depressão, a ressaca de segunda-feira (O Oito de Copas), quando não a morte.
Se esta carta é sua 1ª Lição de Vida ou Desafio você precisa em primeiro lugar
identificar as compensações. Geralmente quando abusamos de alguma coisa essa coisa é
uma compensação. Assistir a um filme pode ser uma procura natural de prazer, mas passar
o dia no Netflix é uma compensação. Depois deveria perguntar-se: O que realmente quero
preencher quando me empapuço de filmes, comida, bebida, cigarro, etc? Provavelmente suas
atividades profissionais não lhe dão prazer. Geralmente fazer um esforço para sair de uma
compensação não é o melhor caminho pois como seguimos necessitados de prazer caímos
com mais intensidade em outra (ou as vezes na mesma) compensação. Comemos menos,
mas fumamos mais. Melhor seria perguntar-se: Que mudanças preciso fazer na minha vida
para ter uma gratificação real e profunda? Talvez encontre por aí alguma velha crença do
tipo “eu não mereço ter prazer nas minhas atividades” ou “ ganharas o pão com o suor de
teu rosto”. Se você insistir nas compensações você atrairá doenças, indigestões, ressacas,
over doses, e contas impagáveis que a obrigarão a parar com isso tudo. Você precisa
trabalhar a autoestima, a criatividade e a reconexão do sexo com o coração10..
Florais como Milkweed**, Indian Paintbrush* e Stiky Monkeyflower* ajudarão
muito.

O Dois de Copas como Lição de Vida/Desafio


56: O Dois de Espadas. A Paz. A Lua em Balança.
Se o Dois de Espadas for sua 1ª Lição de Vida você cresce
na medida em que aprende a falar “não”, encara os conflitos,
defende suas opiniões, fica firme na expressão de suas ideias,
manda pastar quando é necessário, aprende a fechar acordos sem
abrir mão do essencial, mesmo sendo flexível no periférico e acaba
rompendo com um padrão de conciliação, provavelmente
enraizado no medo à rejeição.

"Não devemos ter medo dos confrontos.


Até os planetas se chocam e do caos nascem as
estrelas." Charles Chaplin (1889-1977)

É preferível ficar em paz com você mesma, mesmo brigando com os outros, a aceitar
as propostas alheias com as quais você não concorda e ficar brigando com você.
Se esta carta for um dos seus cinco Desafios menores, você tem uma seria dificuldade
para falar que não, confrontar y defender com firmeza o que para você é importante. Tem a
tendência a conciliar, abrindo mão daquilo que para você é importante, achando que assim
vai conseguir a aprovação das outras pessoas ou pelo menos evitar a rejeição. Cada vez que
você concilia cria novas doses de raiva que se acumula perigosamente. Você atrai propostas
cada vez mais inaceitáveis, quando não degradantes e/ou humilhantes para obriga-la a dar

10
Veja a técnica tibetana no CAPÍTULO XIII - O DESAFIO DO TESÃO.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 47


um soco na mesa e falar finalmente não. Só então quando deixe esse mecanismo conciliador
vai dar um primeiro passo em direção a paz interna que tanto deseja.
A essência de Centaury o ajudará a falar “não” e a encarar melhor o confronto, e o
de Larch, a manifestar com mais segurança suas opiniões.

O Cavaleiro de Discos como Lição de Vida


65: O Cavaleiro de Discos. Natureza interna prática e
expressão externa fogosa.
Se sua Lição de Vida for o Cavaleiro de Discos, você
cresce e se realiza colocando a mão na massa. O mais prático dos
Cavaleiros investe sua energia vital na satisfação de suas
necessidades materiais e tem uma forte tendência a ser útil,
serviçal e responsável. Por isso, é muito importante que você saiba
escolher suas atividades e definir quais são suas responsabilidades
fundamentais para, em primeiro lugar, evitar o “trabalholatrismo”
e, em segundo lugar, não desgastar inutilmente sua energia
fazendo coisas que nada tem a ver com você. Precisa perceber que
sua responsabilidade prioritária nessa vida é desenvolver seus
potenciais. Se não, para que você está aqui?
Ao desenvolvê-los, você vai ficando mais você mesma, ou seja, individualiza-se,
para usar um termo acunhado por Carl G. Jung. Durante séculos, padres, pastores e espíritas
nos têm enganado, falando que estamos aqui para sofrer. Querem nos dar cruzes para
carregar, igual a Jesus Cristo, Nosso Senhor...
Estamos aqui para ser felizes e ser feliz não é ter isto ou aquilo, como a propaganda
do Imperador repete sem trégua. Ser feliz é desenvolver plenamente nossos potenciais. “Ah,
mas quais são meus potenciais?” – podem se perguntar alguns. Quando sentimos prazer
realizando algum tipo de trabalho, é que estamos mexendo com os nossos potenciais. Então,
se você tiver o Cavaleiro de Discos como Lição de Vida, veja se não enrola e investe mesmo
naquilo que lhe dá prazer.

O Cavaleiro de Discos como Desafio


Se esta carta for um dos seus cinco Desafios menores, você tem dificuldades para
enfiar a mão na massa. Resulta-lhe difícil tomar iniciativas a partir de suas necessidades
materiais e isso pode deixar você cada vez mais dependente financeiramente das outras
pessoas. Você pode se achar o cúmulo da preguiça, nada a motiva, nada a mobiliza. Eu acho
que a preguiça é um pedido de descanso do corpo, mas também pode ser o produto de uma
forte desconexão interna. De tanto querer fazer aquilo que nada tem a ver com você, você
ficou frustrada e esgotada e agora não consegue escutar a voz de seus talentos que querem
manifestar-se. Você atrai exigências e responsabilidades financeiras que exigem que você
parta para a ação. Você atrai sucessivos “chega para lá” das pessoas das quais você se foi
tornando dependente obrigando você a fazer alguma coisa. Antes de iniciar o movimento
tente sentir em profundidade o que realmente tem a ver com você, aquilo que o estimula para
não caie no ciclo vicioso do esforço, frustração e preguiça.
Sagebrush* é um floral que lhe ajudará a descobrir sua vocação e o de Wild Oat, a
definir com clareza seus propósitos.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 48


CAP. 04 – O DESAFIO DO EÃO Veet Pramad 49

O Seis de Discos como Lição de Vida


74. O Seis de Discos. O Sucesso. Lua em Touro.
Essa carta nos mostra o estado de harmonia e equilíbrio no
plano físico, isto é, corporal e financeiro. Corporalmente, é a carta
da boa saúde, da boa forma física, da vitalidade e da beleza.
Financeiramente, é aquele estado em que ganhamos um pouco
mais do que gastamos, de maneira que as contas fecham e ainda
sobra alguma coisa. Satisfazemos as nossas necessidades
“titânicas”. Lembram aquela música dos Titãs? “A gente não quer
só comida, a gente quer comida, diversão e arte...”. É aquele estado
onde não existe preocupação com as contas, sabemos que tem o
suficiente para pagá-las, nem preocupação em como vamos a lavar
ou aplicar aquela grana que estamos ganhando a rodo.
Se esta carta for sua 1ª Lição de Vida você cresce na
medida que equilibra e harmoniza seu mundo material, mundo que começa pelo corpo,
continua pelo bolso e acaba no patrimônio. Em primer lugar cuide de seu corpo, mantenha-
o em forma, para sentir-se mais saudável, vital e bela. Essa vitalidade a mais pode ajudar-
lhe também a melhorar os aspectos económicos. Equilibre suas contas, definindo quando
tem que gastar menos ou quando precisa ganhar mais. Não é uma questão de grandes
esforços, lembre a lei do pêndulo, se o empurramos para um lado ele vai voltar para o outro.
Evite ostentar riquezas, não coma farinha e arrote caviar.

O Seis de Discos como Desafio


Se o Seis de Discos for um dos seus cinco Desafios menores, você tem uma notável
dificuldade para chegar a este estado de equilíbrio e harmonia nos planos materiais. Em
primeiro lugar você não atende suas necessidades corporais, fica excessivamente sedentária,
comendo qualquer coisa e ás vezes quer recuperar a forma exagerando com dietas ou
exercícios físicos que a esgotam e atraem lesões que a impedem de mover-se durante um
tempo. Assim sua vitalidade e saúde vão minguando, sua beleza e autoestima também.
Economicamente acontece alguma coisa parecida. Você oscila entre fases onde não
se liga ás contas e quando percebe está cheia de dívidas e fases em que pretende estabelecer
uma economia de guerra. Assim sua vida financeira se torna cada vez mais caótica e você
atrai situações que a obrigam a ter que aprender a administrar suas contas com muito
cuidado.
Se for um comprador compulsivo, o floral de Califórnia Poppy* pode ajudar-lhe e,
se tiver uma desatenção crônica e indiferença com o mundo material, o floral de Clematis é
o apropriado.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 49


CAP V - O DESAFIO DO SOL
A FORTUNA E O MAGO COMO LIÇÕES DE VIDA

“Você não é um ser humano passando por uma experiência espiritual,


você é um ser espiritual que está vivenciando uma experiência humana”.
Wayne W. Dyer (1940 - )

“Só se pode alcançar um grande êxito quando nos mantemos fiéis a


nós mesmos”. Nietzsche (1844-1900)

O SOL COMO DESAFIO

Se seu Desafio for o Sol, podemos dizer que você tem


dificuldade para ser você mesma. Você não consegue expressar
nem desenvolver as qualidades solares que são:
1ª O Sol é o centro do sistema solar. Ele faz o caminho
dele, não orbita aos planetas. Também não os manda pastar, mas
não os orbita. Se perguntarmos a um astrónomo que aconteceria
com a trajetória do sol se desapareceram de repente todos os
planetas, o astrónomo vai responder: nada. Assim você, com um
senso de individualidade fraco, tem dificuldade para ser o centro
de sua própria vida. Vive em função das vontades, expectativas ou
necessidades das outras pessoas, das ideias alheias, do “que dirão”,
recusando-se a assumir a responsabilidade de ser independente. É
muito provável que tivesse escutado muitas vezes durante a
infância coisas como: “Você não é ninguém” ou “Você é um zero à esquerda”. As suas
vontades foram ignoradas: “Aqui criança não tem vontade” e assim teve muita dificuldade
para fortalecer seu senso de identidade. Quanto mais você insiste em ficar em função de
alguém ou de uma atividade, chegando inclusive a identificar-se com esse alguém ou essa
CAP. 05 – O DESAFIO DO SOL Veet Pramad 51

atividade (eu sou a esposa de ..., eu sou a gerente da agencia x do Banco y) mais bofetadas
você vai atrair para deixar de ser um satélite e tomar seu próprio caminho. Mesmo assim
você tentará ficar encima do muro. Às vezes isso pode acontecer de uma maneira paradoxal.
Quando você, depois de tanto coice, percebe e começa a trilhar seu próprio rumo, a pessoa
que estava, com suas patadas, falando para você: “Larga de meu pé, chulé”, muda o discurso
e fala assim: “Que caminho interessante: Posso acompanhar você”?
Se você tem este Desafio precisa fazer de tudo para parar de ser um satélite dos outros
e ser protagonista de sua própria vida. Temos vários níveis: económico, emocional e mental.
A primeira providência a ser tomada, neste caminho de viver em função de você mesma e
não das outras pessoa, é, se for o caso, sair da casa dos pais, deixar de ser a filha/o de ..., a
irmã/ão de... Se você já saiu e está casada é fundamental que você desenvolva uma atividade
que a permita ser independente economicamente. Aqui não interessa tanto se você vai gostar
muito ou pouco da atividade que a leve a ganhar este dinheiro, aqui a prioridade é a
independência econômica, embora sempre será muito melhor se você consegue se envolver
com uma atividade que você gosta.
Talvez foi para o oposto e hoje faz tudo para chamar a atenção o tempo todo. Em
qualquer caso,
O segundo passo será atingir a independência emocional, deixar de tentar comprar o
amor dois outros a través de determinados comportamentos e atitudes. Precisa entender que
a chave do amor está dentro e não fora para deixar de ser uma mendiga de amor e nutrir-se
emocionalmente fazendo aquelas opções que significam que você se ama mais. Se você
insiste em continuar tentando comprar o amor dos outros você atrairá pessoas que exigem
preços será cada vez mais elevados, absolutamente desproporcionados e inacessíveis em
troca de umas migalhas de amor para assim você desistir.
Também podemos falar aqui de independência de ideias e critérios. Se você não sair
da esfera de paradigmas, ideologias e outros esquemas cristalizados que você não inventou
pode se tornar uma seguidora de ..., uma discípula de ..., uma porta-voz de ..., uma membro
de..., um cliente de ..., uma ovelha no rebanho sem voz nem critérios próprios. É muito
provável que você atraia situações onde seguir essas ideias implica em exigências que
distanciam você cada vez mais de sua verdade interior e isso cria um conflito que só pode
ser resolvido largando de vez essas ideologias importadas.
A 2ª característica do Sol é que ele irradia sua energia como ela vem de dentro. Ele
não pergunta os planetas se eles querem mais ultravioletas. Sendo esta sua dificuldade, você
tem uma excessiva tendência a ajustar-se as necessidades ou expectativas dos outros. Na
medida em que você vai fazendo isso você se anula e atrai necessidades e expectativas cada
vez mais difíceis de dar satisfação. Perceba que você não está aqui para dar satisfação a
ninguém.
A 3ª característica é a visibilidade do Sol. Ele se atreve a mostrar-se desde o
amanhecer até o crepúsculo. Se este for seu desafio você tem dificuldade em aparecer, trata
de esconder-se detrás de outras pessoas, teme se expor, ficar em evidencia, e assim pouco a
pouco vai desvanecendo-se, desaparecendo do mapa, apagando suas luzes. Se ninguém vê
você ninguém se interessará em você, naquilo que você tem para oferecer, ninguém quererá
comprar seu produto ou seu serviço, ninguém se lembrará de você na hora de uma
promoção... Atrairá situações que exigem que você se mostre, que você se exponha, que
você de a cara.
O sol é fonte de vida. Se o sol se apagar acaba a vida. A luz do sol é imprescindível
para que as plantas liberem oxigênio assim que sem sol ficaríamos sem poder respirar e
congelados. Podemos dizer que consequência da 3ª característica do sol é a criatividade. Se

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 51


você tiver dificuldade para expressar sua criatividade você não se destaca, seu produto o
serviço não se diferencia do comum. Você não vende uma mesa porque sua mesa é igual a
todas as mesas. Você atrairá circunstancias que a obriguem a ter que expressar a sua
criatividade.
O floral de Sunflower* que fortalece sua identidade o ajudará.
A Fortuna (A Roda da Fortuna) e O Mago são respetivamente a 2ª e a 3ª Lições de
Vida que correspondem a esse Desafio.

A Fortuna como Lição de Vida


A Fortuna ou Roda da Fortuna, ilustra o Princípio do
Movimento e da Expansão. Indica que você cresce na medida em
que você amplia seu horizontes, entrando em contato com pessoas,
ideias, atividades, culturas e lugares geográficos diferentes.
Cresce na medida em que sai do conhecido e parte à procura do
desconhecido, na medida em que amplia seus limites. O Universo
é maior do que parece, você pode ir muito mais longe; atreva-se a
sonhar, a pensar grande. Mande seu currículo periodicamente para
aquelas empresas nas quais você vê futuro, melhore suas condições
de trabalho e a ampliação de seu raio de ação. Não espere que as
oportunidades batam na sua porta, bata em todas as portas, cave as
oportunidades e prepare-se para quando elas chegarem.

"Melhor estar preparado para uma oportunidade e não ter nenhuma,


do que ter uma e não estar preparado." Whitney Young Jr. (1921 – 1971)

Se você for empresária, abra uma filial de sua firma ou invente uma franquia. Mas
tenha cuidado, ampliar seus limites não significa eliminar os limites; expandir seu universo
só pode acontecer a partir de um centro firme e bem estabelecido, encarar o desconhecido
não significa necessariamente chutar o conhecido, e aproveitar as oportunidades nada tem a
ver com ficar na roda viva dos acontecimentos.

O Mago como Lição de Vida


O Mago, sendo o Princípio do Masculino Universal, sugere
ação. Você, com o Mago como 3ª Lição de Vida, se dará bem
tomando iniciativas. No seu caso, é preferível errar do que se omitir,
pecar por excesso do que por falta. Não espere a montanha chegar até
você, vá até a montanha, viaje. Parta para o debate, atreva-se a
expressar suas ideias e opiniões, elabore e apresente seus projetos,
use e abuse de sua criatividade intelectual, venda seu peixe. Não se
isole, mantenha sempre abertas as suas linhas de comunicação com o
mundo, deixe o Skype on-line, use regularmente sua mala direta, faça
saber a seus amigos que você está aí. Coloque em contato umas
pessoas com outras, facilite a comunicação.
Mas também não exagere, não se transforme em uma barata
tonta que corre de cliente em cliente, desconectada de seu Ser. Você

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 52


CAP. 05 – O DESAFIO DO SOL Veet Pramad 53

existe da pele para dentro e não da pele para fora, não fuja de si mesma. Nunca vai resolver
seu Desafio de ser você mesma virando uma fiel seguidora das orientações de sua empresa
ou do mercado. Não vai dormir assistindo à TV, nem passe a noite em branco na Internet,
procure agendar tempo para ficar só consigo mesma.
Valorize seu trabalho, aprenda a cobrar o que é justo. Se uma coisa o um serviço vale
dez não o venda por cinco esperando os outros cinco em gratidão ou amizade. Você pode
ficar décadas a fio esperando e quando veja a essa pessoa para a qual você vendeu barato vai
se sentir frustrada na sua expectativa de receber os outros 5 e vai ficar com raiva. É melhor
discutir até chegar a um valor que deixa ambas partes satisfeitas, depois de vários negócios
com essas características vocês vão ir tomar um café e vão perceber que sentaram as bases
de uma real amizade. O arquétipo associado ao Mago é Mercúrio, patrono dos comerciantes
e dos ladrões. Não do assaltante que coloca uma faca na sua garganta, mas daquele que
usando suas habilidades manuais tira sua carteira sem você perceber ou convence a um
turista japonês de comprar a torre Eiffel. Não se trata de sair por aí roubando ou fraudando
as pessoas, mas atreva-se a aproveitar as oportunidades. Se alguém oferece seu reino por um
cavalo...
Os florais vinculados ao Mago e a Fortuna (A Roda da Fortuna) como Lições de Vida
são: Cosmos* que ajuda a desenvolver a capacidade de pensar e de expressar-se, Wild Rose
que ajuda a superar a apatia e a perceber novos horizontes e o Aspen que facilita dissolver
o medo do desconhecido.

Esta constelação numerológica pode proceder de uma 1ª Lição de Vida representada


por qualquer um dos seis Arcanos menores cujos dígitos somam dez. Se um deles é a sua
Lição de Vida os outros cinco serão seus Desafios menores.
28: O Dois de Paus. O Domínio. Marte em Áries.
37: O Cavaleiro de Copas.
46: O Seis de Copas. O Prazer.
55: O As de Espadas.
64: Dez de Espadas. A Ruína.
73: O Cinco de Discos.

O Dois de Paus como Lição de Vida/Desafio


28: O Dois de Paus. O Domínio. Marte em Carneiro.
O Dois de Paus é outra carta “sombria”. Sendo Lição de
Vida pode ser interpretada como um dos seus cinco Desafios
menores. Se esta for sua 1ª Lição de Vida você tem tendência a se
autocontrolar, mantendo um forte conflito entre seus impulsos
instintivos e sua razão. . É como se você tivesse dois galos no seu
galinheiro, um galo selvagem, espontâneo, instintivo que se
afirma a través da conquista ( profissional, económica, emocional,
sexual, intelectual ou esportiva) e um galo oficial, mascota de um
regimento militar, que diz: “Eu sou assim e tenho que me
comportar deste jeito”.
Essa briga interna a desgasta energeticamente e pode levá-
la a criar uma bela panela de pressão dentro de você, que um dia
pode explodir. Se quiser crescer, tem de parar com este “quero, mas não me permito” e se
autorizar a seguir seus impulsos e expressar sua raiva e sua sexualidade. É muito provável
que você traga esse padrão de sua infância, em que aprendeu a não fazer o que bem queria,

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 53


preferindo conter-se a se soltar e enfrentar as consequências. Várias décadas depois você
continua temendo castigos ou rejeições, se romper o padrão. Ainda esse autocontrole pode
ter um efeito colateral importante. A tensão produzida por esse conflito interno busca
maneiras de liberar-se de maneira que, inconscientemente, você pode desenvolver uma
tendência para comprar briga ou expressar sua raiva contida, não contra aquilo que está
gerando sua raiva, mas contra qualquer outra coisa: o governo, a sogra, a empregada, o
técnico da seleção, etc. Até que você não encare e resolva os fatores determinantes, sua raiva
continuará a jogar cocô no ventilador. Também pode tentar manter os outros sob controle.
Quanto o galo oficial mais reprime, mais bravo fica o galo selvagem e quanto mais bravo
fica o galo selvagem mais medo tem o galo oficial e mais reprime. Você precisa acabar com
este círculo vicioso levando a esses galos a uma mesa de negociações. De alguma maneira
os dois galos são seus. O selvagem é sua impulsividade instintiva e em geral a expressão de
sua espontaneidade e o oficial é sua necessidade de ser aprovado. Não entanto antes de ir a
Genebra é bom que o galo selvagem faça três semanas de Meditação Dinâmica do Osho para
botar a raiva para fora. Assim o galo oficial ficará com menos medo, conversarão e poderão
encontrar maneiras oficias de levar para frente os impulsos do galo selvagem.
Enquanto isso não aconteça sua energia vai embora, sua raiva se acumula e você atrai
situações e pessoas que a reprimem e dominam ainda mais, dando chance para você perceber
que se você deixa que essas situações e pessoas a reprimam e dominem é porque você já tem
interiormente esse mecanismo de auto repressão e autodomínio. Se não tivesse ele então
essas situações e pessoas não a afetariam de jeito nenhum. Isso me lembra uma vez que eu
estava trabalhando no Osho Centro de Meditação - Darshan Zen em Lisboa e escutei a uma
senhora falar assim: “Estou tão contenta de estar aqui. Tive que falar para meu marido que
ia fazer compras, porque meu marido não deixa”. Em um impulso eu respondi: “É a senhora
que deixa que seu marido não deixe”.
Pode usar a essência floral de Rock Water que amaina esta auto-repressão e rigor
consigo mesmo ou a de Vine caso você pretenda controlar aos outros.

O Cavaleiro de Copas como Lição de Vida


37: O Cavaleiro de Copas. Natureza interna emocional,
expressão externa fogosa.
Com o Cavaleiro de Copas como Lição de Vida é
fundamental que você não deixe suas emoções presas no baú do
esquecimento. O caminho do Cavaleiro de Copas é o da ação
enraizada nas suas emoções e sensibilidade. Seu crescimento em
geral está ligado ao fato de tomar iniciativas claras e decididas a
partir de suas emoções. Tanto no plano professional, aonde
convém fazer opções em que possa colocar sua sensibilidade e no
plano dos relacionamentos deixando de lado sua timidez e
expressando seus sentimentos. Mostre o que você é capaz de fazer
pelo seu amor que sente por outras pessoas. Procure ser bem
verdadeira com você mesma e com os outros, especialmente se se
sentir carente.

O Cavaleiro de Copas como Desafio


Se o Cavaleiro de Copas for um dos seus cinco Desafios menores você tem uma
grande dificuldade para tomar iniciativas a partir der suas emoções e sensibilidade. No plano

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 54


CAP. 05 – O DESAFIO DO SOL Veet Pramad 55

profissional você tem a tendência a deixar sua sensibilidade pendurada junto com seu casaco
quando chega no serviço. Assim seu trabalho não tem graça, até uma máquina poderia fazer
parecido e para crescer você pode atrair gozações ou ameaças de ser substituída por essa
máquina ou ser substituída mesmo.
Nos relacionamentos por mais que você goste de alguém não se atreve a insinuar
uma paquera. Ninguém sabe o que você sente detrás de esse rosto de jogador de pôquer. E
se não sabem eles inventam e colocam de sua própria colheita suas expectativas, fantasias
ou paranoias em relação ao que você sente. Seus relacionamentos sejam profissionais,
familiares, amistosos ou amorosos, se tiver, acabam sendo superficiais e desconectados da
realidade. Você pode atrair impactos emocionais fortes, pessoas que ante a falta de resposta
emocional sua se deleitam azucrinando você, ou pessoas que cansam de sua frialdade e vão
embora.
Tente identificar, entender e desativar as travas que bloqueiam sua expressão
emocional resgatando através da memória as primeiras lembranças das situações infantis
em que por primeira vez sua expressão emocional foi represada.
O floral de Mallow* fortalece a confiança nos seus sentimentos, facilitando um
envolvimento social mais afetuoso e sensual, e o de Deerbrush* ajuda a transformar a
emoção em ação.

O Seis de Copas como Lição de Vida


46: O Seis de Copas. O Prazer. O Sol em Escorpião.
Se essa for sua Lição de Vida, seu crescimento anda de
mãos dadas com sua capacidade de sentir prazer. E aqui estamos
falando do prazer que vai além da pura gratificação sensorial do
Nove de Copas – A Felicidade, além da diversão e da distração e
claro muito além das compensações do Sete de Copas- A
corrupção. Estamos falando do prazer que vem de dentro. Do
prazer que ninguém pode tirar de você porque ninguém deu. Esse
prazer que Eckart Tolle chama de alegria.
É o prazer que não procuramos diretamente, mas que vem
como efeito colateral de três coisas.
Primeira: Quando somos autênticos e verdadeiros conosco.
Lembra o filme “Coração valente” (“O Desafio do Guerreiro”) em Portugal) quando o
machado cai no pescoço de William Wallace, ele sorri.
Segunda: Quando expressamos a nossa criatividade.
Terceira: Quando vivemos plenamente conscientes nossa sexualidade integrada ao
amor abrindo um caminho para a transformação, a transcendência espiritual e o êxtase.

O Seis de Copas como Desafio


Se o Seis de Copas for um dos seus cinco Desafios menores, você tem serias
dificuldades para sentir este prazer mais profundo pois você não consegue ser autêntica com
você mesma, não consegue expressar a sua criatividade e tem dificuldade para viver
plenamente sua sexualidade. A alegria vai desaparecendo de sua vida e você vai se
parecendo cada vez mais com Don Quixote, o cavaleiro da triste figura com uma nuvem

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 55


negra encima de sua cabeça. Ninguém vê nem valoriza seu trabalho nem sua pessoa.
Provavelmente você atrai pessoas e propostas chatas que a enterram em rotinas cada vez
mais insuportáveis para que chegue até um limite em que não aguente mais, tome vergonha
na cara, grite aos quatro ventos que você merece sentir alegria e comece a desenvolver as
três atitudes que falei lá encima. Pratique o Tantra11. Nietzsche já falou: “O prazer é mais
profundo que o sofrimento”.
A criatividade pode ser estimulada com Indian Paintbrush* e a integração do
instinto sexual ao coração é favorecida pelo Stiky Monkeyflower*.

O As de Espadas como Lição de Vida


55: O Ás de Espadas. A raiz dos poderes do Ar.
Com esta carta como 1ª Lição de Vida você cresce na
medida em que aprende a esvaziar sua mente de pensamentos.
Provavelmente é difícil para você fazê-lo de uma maneira direta,
como, por exemplo, sentar e parar de pensar. Então, tente de uma
maneira indireta.
Tem várias técnicas:
As meditações ativas desenvolvidas por Osho
expressamente para o cidadão ocidental que tem dificuldade para
parar a mente usando as meditações tradicionais muito boas para
os orientais que levam milênios meditando.
Contemplar a natureza. Sendo que a natureza,
especialmente quanto menos tem sido mexida pelo ser humano,
está, salvo exceções, em um estado de sossego, equilíbrio e harmonia, nos seres permeáveis
e sensíveis as vibrações do ambiente, quando a contemplamos incorporamos suas qualidades
e nossa mente se aquieta e equilibra. Porque a praia tem o atrativo que tem?
Envolver-se, absorver-se totalmente numa atividade que você adora. Pode ser
cozinhar, dançar, pintar mandalas, jogar bola, fazer mergulho, cuidar do jardim. Quanto mais
você se entrega, menos resquícios sobram para os pensamentos e a mente curte a atividade,
se aquieta y para de fazer barulho. Pouco a pouco sua mente vai tornando-se mais receptiva
e mais na frente a simples observação de sua própria respiração vão levá-lo a parar de pensar.
Precisamos entender que a mente é nossa melhor ferramenta desde que seja a ferramenta do
verdadeiro Eu. Ela é o mordomo que tem que ficar quieto, silencioso e disponível até que o
dono fala para ele: “Bacalhau com natas”.
A mente é como um canudinho que une a essência com a tela da percepção. Se esse
canudinho está cheio de ideias, argumentos, crenças, doutrinas, pros, contras e porquês por
aí nada sobe e ficamos desconectados de nossa essência. Se esvaziamos o canudinho com as
técnicas anteriores a mente silenciosa sim tem a capacidade de conectar-se com sua essência
e, assim, escutar a sua voz. As fichas vão caindo e você percebe o que você realmente deseja,
percebe que vida você quer viver nesta vida, vai assim visualizando seu verdadeiro caminho
de vida. Mantenha-se fiel a ele.

11
“O Objetivo do Tantra é fundir o mundo dos fenômenos e o mundo divino numa realidade integrada,
unificada. Os adeptos do Tantra acreditam que, para experimentar integralmente essa realidade, só é preciso
uma mudança de consciência. Você já é divino, só precisa acordar para essa constatação. O êxtase é sua
própria natureza”. Sexo Tântrico. Cassandra Lorius. Ed. Ediouro. Rio de Janeiro.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 56


CAP. 05 – O DESAFIO DO SOL Veet Pramad 57

O As de Espadas como Desafio


Se o As de Espadas for um dos seus cinco Desafios menores, você tem uma seria
dificuldade em atingir esse estado mental de sossego e receptividade. Sua mente se mantem
o tempo tudo acelerada e você fica desconectada de sua voz interior e refém de sua mente.
Deixa de fazer opções de vida que geram entusiasmo, energia e alegria e assim sua vida
perde a graça pois o que dá graça a vida é fazer o que vem de dentro e não o que dita a mente
como o mais conveniente e adequado. Com a mente turbinada você perde o foco, fica
pulando como macaco de galho em galho, não estabelece prioridades e finalmente não
consegue resolver questões relativamente simples. Assim sua vida não vai para frente. Você
atrai situações e pessoas que a aceleram e estressam ainda mais até que chegando no fundo
do poço você se veja obrigada a parar. Pode usar as técnicas anteriores e aproveitar o
momento de acordar quando a mente ainda não está turbinada para escutar sua voz interior.
O floral de White Chesnut alivia a congestão mental e torna a mente mais calma e
clara. O de Hound´s Tongue* eleva o pensamento para a espiritualidade.

O Dez de Espadas como Lição de Vida


64: Dez de Espadas. A Ruína. O Sol em Gêmeos.
Temos aqui outra carta “sombria”. Si esta carta é sua 1ª
Lição de Vida ou Desafio você tem uma tendência a iludir-se com
crenças, pessoas ou projetos que nada tem a ver com você. Aferra-
se a visões de mundo que, no fundo, dilaceram suas emoções, tal
como vemos na carta em que várias espadas quebram a espada
central, cujo punho é o coração. Provavelmente, já desde a
infância, você teve de deixar de acreditar nas suas percepções e
passar a acreditar no que familiares, TV e/ou clérigos falavam para
você. Com isso, você foi construindo sua mente e sua visão de
mundo que, quando confrontada com a realidade, gera um curto-
circuito, com a consequente confusão e dor. Seu crescimento
pessoal pede que você faça uma faxina e abandone esses sistemas
de crenças que não funcionam, pois só trazem decepções e sofrimento saindo assim do
círculo vicioso da ilusão e desilusão.

O Dez de Espadas como Desafio


Se o Dez de Espadas for um dos seus cinco Desafios menores, você não só atrairá
bofetadas toda vez que aplica sua visão de mundo a uma situação real ou toma decisões a
partir de suas crenças, mas também atrairá situações onde resultará a cada vez mais difícil
responder a elas desde sua velha visão de mundo.
O floral de Chesnut Bud ajuda a extrair lições de suas experiências de vida para
melhor questionar e reformatar sua visão de mundo. O floral de Cerato, que fortalece o
aceso e a confiança na verdade interior pode ser também muito útil neste caso.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 57


O Cinco de Discos como Lição de Vida/Desafio
73: O Cinco de Discos. O sofrimento. Mercúrio em Touro.
Como disse anteriormente, sendo o Cinco de Discos uma
carta “sombria” a interpretaremos igual sendo a 1ª Lição de Vida
ou um dos seus cinco Desafios menores. Em ambos os casos você
tem uma forte tendência a destruir seu corpo, seu bolso e seu
patrimônio. Você continua pressa à maldição do velho e chato
Jeová: “Ganharás o pão com o suor de teu rosto” acentuada pela
sociedade capitalista/consumista que cultua o esforço e a
competição. Você pretende ganhar dinheiro com atividades que
nada tem a ver com você, e como consequência exigem muito
esforço e não geram nenhum prazer. Sendo que o prazer é o efeito
colateral da expressão dos talentos, por mais que você se esforce,
se você não tem talento para isso o único que vai conseguir é
esgotar-se. Seus resultados vão ser de baixa qualidade e a sociedade que hipocritamente
valoriza o esforço, não paga o esforço, mas a qualidade. Você acaba frustrada, tensa,
estressada, sem prazer e sem dinheiro. Candidata a que o corpo pague o pato e somatice.
Talvez consiga ganhar algum dinheiro, mas esse dinheiro vai ir embora com compensações
(comprando prazer, finalmente ninguém é de ferro) ou na farmácia ou emprestando-o para
familiares e amigos que nunca o devolvem. Provavelmente, você ganhava maior atenção de
seus pais – que normalmente era pouca – quando você se machucava ou ficava doente.
Talvez você recebesse uma aprovação especial quando encarava uma atividade que, pelo
fato de não ter nada a ver com você ou até ir contra a sua natureza, o deixava muito tenso ou
esgotado corporalmente. Por esse motivo, você continua escolhendo trabalhos que geram
muita tensão e nada de prazer, buscando inconscientemente a aprovação. Aqui também
trabalha o inconsciente: “Se estou dura, financeiramente detonada, vou ganhar o consolo e,
talvez, o carinho dos outros”.
Então, é fundamental que cuide de seu corpo. Vá a um bom iridólogo fazer um check-
up geral, agende umas massagens – de preferência ayurvédicas – por semana, e identifique
as causas de suas tensões. Se for o trabalho que o deixa tão tenso, não tenha medo de admitir
que você não gosta dele. Será que você não tem a capacidade de fazer algo diferente? Será
que você merece trabalhar em algo que não lhe dá prazer? Procure mudar seu trabalho ou
sua maneira de trabalhar. Use as orientações da Roda da Fortuna (A Roda da) e do Mago.
Se for seu relacionamento a origem de suas tensões, de um tempo para identificar
quais são as áreas sensíveis que são mexidas nesse relacionamento. Trabalhe nelas, mas se
mesmo assim a tensão continua, caia fora dele. Você não está fadada a viver em um estado
de permanente tensão.
Se for sua situação econômica, veja por onde seu dinheiro vaza, pare de emprestar
grana para aqueles familiares ou amigos que nunca devolvem, não entre em
empreendimentos de alto risco nem compre propriedades ou carros sem avaliar com muito
cuidado a papelada.
O floral de Morning Glory* ajudará a libertar-se de padrões de comportamento
destrutivo e o de Dogwood* lhe ajudará a respeitar mais seu corpo, tratando-o com mais
carinho.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 58


CAPITULO VI - O DESAFIO DA LUA
O ERMITÃO E O LOUCO COMO LIÇÕES DE VIDA

“Um dos efeitos do medo é perturbar os sentidos e fazer que as coisas não
pareçam o que são”. Miguel de Cervantes [1547-1616

“Creio que o medo é um sentimento saudável, indispensável, para se gozar a


vida”. Federico Fellini [1920-1993]

A LUA COMO DESAFIO


Se a Lua for seu Desafio de Vida, você traz de vidas
passadas uma tarefa pendente: enfrentar seus medos. Durante
várias encarnações você deixou de ser você mesma, de tomar suas
iniciativas, de expressar suas emoções e ideias, de viajar ou de se
divertir por causa de seus medos. Nesta vida, sua família caprichou
e entupiu você de medos, justamente para obrigar você a encará-
los, pois pouco ou nada você pode fazer na vida se não os desativa.
Sejam quais forem esses medos: medo do desconhecido, medo da
rejeição ou do abandono, medo de ser criticado, culpado ou
ignorado, medo dos desafios comuns do cotidiano, medo de se
expor, medo de perder a individualidade no grupo, medo do
contato íntimo, medo do fracasso, medo de perder o controle, medo
da perda ou da morte, medo de expressar emoções ou ideias
incompatíveis com a imagem que quer emplacar, precisamos saber que os medos se
fortalecem na medida em que não o confrontamos. É como o medo de injeção. Quanto mais
tememos a aplicação mais aflitos ficamos. No entanto, o dia que criamos coragem e entramos
na farmácia sem nos fixarmos na aplicação, ficamos surpresos quando o farmacêutico nos
diz: “Pronto, pode subir as calças”. O medo é uma lupa que aumenta o perigo. Quando você
começar a encarar seus medos, verá que são gigantes com as pernas de barro. Eles são
enormes porque quando foram inoculados, você era pequenininha, mas agora você cresceu.
Eles são frágeis, comece pelos mais fracos, mas comece a confrontá-los já.
Talvez o medo maior seja que se abra o baú da sombra do inconsciente, lá onde
guardamos aspectos, atitudes, expressões de todo tipo, talentos e potencialidades que quando
manifestados na infância geravam uma resposta desagradável (rejeições, críticas, agressões
físicas, ameaças, retiro da atenção positiva, etc.) em nossos pais. Fomos jogando no baú o
que não era bem aceito em casa e especialmente se não podíamos manifestar isso na rua
acabamos escondendo não só da família mas também do mundo e o que é pior também de
nos mesmas perdendo assim o contato consciente com essa parte de nosso ser que desde a
sombra acaba manipulando-nos.
A tarefa de desativar os medos passa primeiro pela aceitação dos medos, (não tem
pior medo que o medo de ter medo) depois pelo reconhecimento e a procura de suas origens
dando uma revisão atenta e o mais objetiva e honesta possível da primeira infância. Pouco a
pouco eles deixam de ser tão apavorantes e podemos tomar iniciativas sem que eles as
impeçam. O tamanho do medo é proporcional à diferencia de tamanhos que existia quando
o medo foi colocado entre quem o colocou e você. Se você conseguir, hoje com seu tamanho
independência e consciência de adulto, usando o medo atual como fio condutor fazer um
histórico retrospectivo alinhavando os momentos de sua vida onde esse medo foi o comum
denominador para assim conseguir chegar à cena infantil onde esse medo foi colocado. Então
você verá que o medo se minimiza. O que era aterrador naquela época não tem grande
importância agora.
Se este for seu Desafio de Vida ou Anual você vai estar atraindo sistematicamente
situações e pessoas que de uma maneira cada vez mais forte cutucam tudo o que está
guardado no baú criando mais tensão e obrigando você a ter que aceitar e canalizar esses
aspectos e potencialidades que tem lá antes de que explodem sem controle o que é justamente
o medo maior.

MEDO FLORAL
Pânico agudo Rock Rose
Indefinido. Do desconhecido Aspen
Da rejeição, da crítica Orange Grape*
Do fracasso Larch
De tomar iniciativas Gorse
Dos desafios comuns do cotidiano Mimulus
De abrir-se emocionalmente Pink Monkeyflower**
De mostrar o corpo Crab Apple
De colocar amor no sexo Stiky Monkeyflower*
De ser atingido emocionalmente Poison Oak**
De perder o controle Cherry Plum
Da própria sombra Scarlet Monkeyflower*
De assumir responsabilidades Fairy Lantern**
Da perda do material Star Thistle*
Da morte Chrysanthemum**
De perder a individualidade no grupo Violet*

O Ermitão será a melhor ajuda para integrar a sombra e dissolver os medos.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 60


CAP. 06 – O DESAFIO DA LUA Veet Pramad 61

O Ermitão como Lição de Vida


Sendo esta carta sua 2ª Lição de Vida você cresce na
medida em que você se conhece, pois O Ermitão é a carta do
autoconhecimento alcançado a través da introspecção analítica.
Seria interessante perguntar-se o que é realmente, se conhecer.
Alguns conhecimentos que temos de nós mesmos podem ser
usados pelo ego para inflar-se ou justificar certos comportamentos.
Eu diria que se conhecer é saber porque as coisas mexem conosco.
Para isso, precisamos mudar o foco, de fora para dentro, e isso é
assumir a responsabilidade por nossa vida. Estamos acostumados
a colocar a responsabilidade de nossas alegrias e infortúnios, de
nossas mudanças de humor, no mundo cruel, em certos canalhas
que querem sacanear-mos, quando, na verdade, como mencionei
no Príncipe de Copas, se uma situação nos afeta, gerando medo,
tristeza, dor, raiva, alguma oscilação de voltagem emocional ou instintiva, estimulando ou
extinguindo nossa sexualidade, é porque temos uma área sensível para aquela situação
particular, porque se não a tivéssemos, isso não nos afetaria. Uma situação nos afeta porque
evoca situações do passado que nos afetaram com tanta intensidade que foi criada uma
ferida, uma área hipersensível que até agora não curou. O Eremita assume a responsabilidade
por essas oscilações e a partir daí pode identificar essas áreas e trabalhar para curá-las, pois
ele percebe que o que foi impactante no passado, quando ele era uma criança dependente e
vulnerável, não tem esse poder para o adulto independente que é hoje.
Portanto, as situações que nos movem internamente e /ou externamente são
exatamente a matéria-prima do nosso autoconhecimento. Além disso, se precisarmos curar
essas áreas para crescer, atrairemos situações que cutucam exatamente essas áreas.

O Louco como Lição de Vida


Podemos assimilar o Louco a este grupo de cartas e considerá-lo uma 3ª Lição de
Vida. Nesse caso, identificar, entender e desativar as dificuldades internas para desenvolver
as 8 características da criança não programada que vimos no Louco como desafio favorecerá
seu crescimento pessoal.

“Não leve a vida tão a sério, porque de qualquer forma você não vai
sair vivo dela. O maior erro que uma pessoa pode cometer na vida é passar a
vida com medo de cometer erros.” Elbert Green Hubbard (1856 – 1915)

Os florais relacionados com O Louco e O Ermitão são o de Baby Blue Eye** que
trabalha recuperando a inocência e confiança infantis e o de Chesnut Bud que promove a
atenção e ajuda através de tirar lições das experiências de vida, à conhecer-se melhor.

Esta constelação numerológica pode vir de qualquer dos seis Arcanos Menores a
seguir, cujos números correspondentes somam Nove. Se um deles é sua Lição de Vida os
outros cinco serão Desafios menores.
27: O As de Paus.
36: Dez de Paus. A Opressão.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 61


45: O Cinco de Copas. A Frustração.
54: A Princesa de Espadas.
63: O Nove de Espadas. A Crueldade.
72. O Quatro de Discos. O Poder.

O As de Paus como Lição de Vida


27: O Ás de Paus. A raiz dos poderes do Fogo.
Se esta é sua primeira Lição de Vida, você amadurece
tomando iniciativas que o levam a fazer coisas novas. Não pense
que vai se aposentar naquele emprego que aparenta dar-lhe
segurança e certa satisfação. Permita que sua essência inspire seus
movimentos, meta as caras em atividades em que seu lado
instintivo se sente à vontade e, portanto, libera seu fluxo
energético. Também não se trata de começar um monte de coisas
ao mesmo tempo; esta carta nada tem a ver com dispersão, mas o
contrário. Como mostra a carta, a energia converge numa só
direção centralizadora. Mas é importante não se precipitar e
escolher o momento certo para a nova atividade que você precisa
investir.

O As de Paus como Desafio


Se esta carta for um de seus cinco Desafios menores, você tem dificuldade para tomar
iniciativas especialmente aquelas que vêm de sua essência onde você pode expressar a sua
criatividade e dar vasão a seus impulsos instintivos. Assim as iniciativas que você toma
pouco ou nada tem a ver com você e claro pouco ou nada de prazer e de resultados trazem a
tona. Provavelmente você atrai circunstancias e pessoas que emperrando o desenvolvimento
das atividades que não tem a ver com você o deixam sem outra opção do que iniciar uma
atividade que sim tem a ver com você ou tomar uma iniciativa onde possa expressar sua
criatividade ou manifestar sua instintividade.
O floral de Cayenne* é como uma faísca que ajuda a tomar iniciativas.

O Dez de Paus como Lição de Vida/Desafio


36: Dez de Paus. A Opressão. Saturno em Sagitário.
Temos aqui outra cara “sombria” que mesmo sendo uma Lição de Vida trabalha
como um Desafio. Se esta for sua 1ª Lição de Vida você cresce na medida em que para de
sobrecarregar-se de atividades e exaurir-se energeticamente. Assim até atividades que tem a
ver com você e em principio lhe dariam prazer acabam tornando-se cargas pesadas. Você
se desconecta de sua essência e não ouve seus gritos pedindo férias. Você vira pau para toda
obra, assume tarefas dos outros porque pensa que só assim vai ser aceita, amada ou admirada.
Também pode sobrecarregar-se com o intuito mais ou menos consciente de sabotar-se: “Se
faço um milhão de coisas, não vou poder fazer o que é fundamental, não vou ter tempo nem

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 62


CAP. 06 – O DESAFIO DA LUA Veet Pramad 63

energia para meus objetivos verdadeiros. Assim, evito investir


naquilo que realmente tem valor para mim e fujo da dor de
fracassar, fracassando antecipadamente com uma muito boa
desculpa”. Sempre dói mais não conseguir aquilo que
verdadeiramente queremos do que uma besteira qualquer.
Por trás de tudo isso pode estar a crença de que só com
trabalho árduo vamos progredir na vida. Normalmente, essa
crença não traz progresso, senão mais trabalho árduo e
consequente desgaste e somatizações. Então, procure não fazer
tanta coisa, mande às favas um monte de atividades que só sugam
sua energia e tempo.
Se alguma delas for necessária para levar a cabo o que é
realmente prioritário, então delegue, arrume um sócio ou um
secretário.
Se o Dez de Paus – A Opressão for um de seus cinco Desafios menores, você da um
grande salto na sua evolução na medida em que se liberta de toda essa sobrecarga de
atividades, obrigações e responsabilidades. Quatro mais você insistir em continuar
carregando isso tudo mais você vai atrair novas exigências externas, novas tarefas e
obrigações que a empurram a um ponto limite em que você não aguenta mais ou você se
desvencilha disso tudo ou morre.
O floral de Oak ajuda a tomar consciência da exaustão antes de colapsar e o de
Sagebrush* que favorece a compreensão do que é supérfluo e do que é essencial.

O Cinco de Copas como Lição de Vida/Desafio


45: O Cinco de Copas. A Frustração. Marte em Escorpião.
Se você tiver o Cinco de Copas (de novo uma carta
“sombria”) como 1ª Lição de Vida, vai ter de trabalhar para
manter calibrada permanentemente sua autoestima, pois você tem
uma tendência aguda a desvalorizar-se que, provavelmente, foi
colocada pelos seus pais na sua primeira infância. Eles passavam
para você, mais ou menos explicitamente, um “nós não gostamos
de você” que se transformou em um “eu não gosto de mim”. Se
cochilar, sua autoestima pode ir para o fundo do poço até você
desativar esse mecanismo de auto depreciação. No plano dos
relacionamentos, isso pode dar um histórico de rupturas muito
sofridas, representando cada uma delas um forte abalo para sua
autoestima. Então tenha muito cuidado nos seus relacionamentos,
evite envolvimentos com pessoas que a desvalorizam, com pessoas que, para auto-afirmar-
se, pisam nos outros. Não vire um mendigo de amor, que sai por aí perguntando: “O que
tenho que fazer para que você me ame” e aceita qualquer trocado. No plano da expressão
instintiva, também pode existir uma dificuldade grande para expressar a raiva, seguir seus
impulsos ou valorizar sua sexualidade. Não acumule raiva, solte-a mesmo que for no colchão
ou em um saco de pancadas na academia de ginástica. Não se deixe ser usada sexualmente,
escolha seus parceiros e tente viver sua sexualidade com amor e consciência.
Se esta carta for um de seus cinco Desafios menores, você vai atrair pessoas e
situações que de diferentes maneiras vão golpear a sua autoestima. Suas expectativas de
reconhecimento de seu trabalho, de sua capacidade intelectual, de sua pessoa, de seu amor
vão ficar frustradas, até você entender que não pode construir sua autoestima em função do

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 63


mundo externo e vai começar a construí-las sobre bases sólidas, isto é, internas. O problema
não está com a pessoa que cutuca sua autoestima, não se trata de pegar o chapéu e ir embora
porque na próxima esquina você vai encontrar outra pessoa que faz a mesma coisa com você.
O problema está na fragilidade de sua autoestima. Essas pessoas estão ajudando você na
medida em que a obrigam a fazer alguma coisa para sair do sofrimento. A primeira pergunta
seria: Porque esta pessoa o situação me faz sofrer? Qual é a área vulnerável que eu preciso
curar para que essas situações o pessoas não me afetem? Quais foram as situações que na
minha infância, quando eu era muito vulnerável, frágil e dependente, criaram essa área
sensível? Reviver essas situações com sua independência e tamanho atual vai ajudar a curar
essa ou essas feridas. Então você poderá tomar iniciativas que não visam mais conseguir o
amor dos outros e fazer opções de vida que lhe dão prazer e estimulam seu lado criativo.
O floral de Crab Apple ajuda a minimizar a auto-rejeição, melhorando a autoestima,
e o de Bleeding Heart* a curar as mágoas de relacionamentos anteriores que acabaram com
muita dor. Mariposa Lily* também pode vir como um bálsamo que nutre em profundidade
seu coração.

A Princesa de Espadas como Lição de Vida


54: A Princesa de Espadas. Natureza interna mental e
expressão externa prática.
Com a mais mental das Princesas como 1ª Lição de Vida,
você cresce à medida que vai concretizando no mundo da matéria
suas ideias e projetos. O negócio não pode ficar só no papo, a
fumaça precisa virar pedra. São justamente os obstáculos que
você vai enfrentar no caminho que a fortalecerão. As dificuldades
vão ajudá-la a se superar; assim, não fuja delas, pois no fundo são
suas aliadas. No entanto, não exagere, não dê uma de Reinhold
Messner12, que procura as montanhas mais perigosas para escalar
e dificuldades para vencer. Se você considera que a vida é uma
carreira de obstáculos, fora inflacionar o ego, você pode ficar
estressado e frustrado.
Se você nasceu já tem conquistado o seu direito de viver e
de ter um lugar ao sol e outro à sombra, não precisa comprá-lo diariamente na base da luta
contra o mundo perigoso e cruel. Confie, defina bem seus projetos, invista naqueles que
naturalmente a mobilizam (aqui pode contar com a ajuda do Ermitão, sua 2ª Lição de Vida).
Não jogue cruzes nas suas costas, monte uma equipe e parta para a materialização.

A Princesa de Espadas como Desafio


Se a Princesa de Espadas for um de seus cinco Desafios menores, você terá certa
dificuldade para materializar seus projetos. Então em primeiro lugar você precisa certificar-
se de que esses projetos são realmente seus projetos y não de seu ego Se suas atividades são
apenas um meio de atingir um fim e não um fim em se mesmos, isto é, se só o resultado gera
interesse mas a ação em direção a esse resultado não a estimula, provavelmente esses
projetos pouco o nada tem a ver com você. Nesse caso é melhor desistir pois insistir neles
só vai trazer desgaste energético e frustrações, sua vida pode transformar-se numa luta
constante sem significado nem resultados e você atrairá situações e pessoas que dificultaram
ainda mais seu avance em essa trajetória.

12
Reinhold Messner. Alpinista italiano que escalou em 1978 o Everest pela primeira vez sem oxigênio.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 64


CAP. 06 – O DESAFIO DA LUA Veet Pramad 65

Se a ação realmente lhe dá prazer, mas mesmo assim não consegue concretizar
provavelmente será por falta de praticidade, método e capacidade de organização ou excesso
de dispersão. Neste caso, identificado por falta de elemento Terra no seu mapa astrológico,
precisaria trabalhar a conexão com o mundo concreto e material. Exercícios de bioenergética
ajudarão você a se enraizar. Você atrairá propostas que deixaram você mais dispersa e com
mais projetos na prancheta, exigências e responsabilidades financeiras que e a obrigarão a
estabelecer prioridades e assim conseguir materializar alguma coisa.
O floral de Penstemon* ajuda a perseverar no esforço até concretizar seus objetivos
e o de Oregon Grape* a quebrar o padrão de desconfiança do mundo.

O Nove de Espadas como Lição de Vida/Desafio


63: O Nove de Espadas. A Crueldade. Marte em Gêmeos.
Esta é uma outra carta "sombria", a única das 78 que mostra
sangue e lágrimas. Seja sua 1ª Lição de Vida ou Desafio, você
cresce na la medida em que identifica, entende e desativa um
mecanismo mental que inventa pretextos para reprimir a expressão
de suas necessidades corporais e biológicas, seus impulsos vitais e
instintivos e as iniciativas a través das quais seu eu verdadeiro se
auto-afirma.
Você necessita acabar com esse mecanismo autodestrutivo
antes de que ele acabe com você pois sendo seus instintos as forças
que o mantem vivo como indivíduo e como espécie, negá-los
significa um suicídio, tal vez lento, mas certo de acontecer. Seu
ego sentado no trono da mente, parece querer jogar roleta russa
com seu corpo, parece querer afirmar-se colocando seu corpo em
situações perigosas, parece querer dizer : “Eu desprezo as leis da vida”, e a leva para a doença
ou a morte.
Para acabar com este mecanismo é importante em 1º lugar observar suas
consequências na sua vida. Em segundo lugar, tratar de descobrir suas origens.
Talvez na sua infância só recebia uma maior atenção de seus pais depois de sofrer,
de se ferir, apanhar ou se ficava doente. De alguma maneira, você ligou mentalmente a dor
corporal e a autodestruição com receber atenção e amor. Assim, hoje você gosta de se colocar
em situações de elevado risco, dirige carros em alta velocidade, gaba-se de não usar o cinto
de segurança, bebe e/ou come demais e a qualquer hora, convive perigosamente com altos
teores de colesterol, paquera a overdose, não respeita seus ritmos corporais de sono,
descanso, férias, etc., reprime sua raiva legítima e depois a coloca no pedal do acelerador ou
sai para rua procurando briga.
Pare com essa atitude autodestrutiva e cruel. Vá fazer terapia logo, você não precisa
se machucar para ser aceita e/ou amada.
Em 3º lugar, cuide de si mesma e de seu corpo.
Até não eliminar esse mecanismo você atrairá situações cada vez mais perigosas,
pessoas que quererão machucar você, acidentes, ressacas cada vez mais fortes, overdoses.
Sua saúde se debilitará a cada vez mais ficando doente com mais frequência até ter que tomar
alguma providência na disjuntiva de parar de ser cruel consigo mesma e se cuidar respeitando
seu corpo e suas necessidades vitais ou morrer.
Para melhor expressar aspectos instintivos reprimidos, pode usar o floral de
California Pitcher Plant*, já as emoções negativas acumuladas podem fluir com a ajuda
do Scarlet Monkeyflower*.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 65


O Quatro de Discos como Lição de Vida
72. O Quatro de Discos. O Poder. O Sol em Capricórnio.
Esta carta mostra o elemento Terra em seu estado mais
estável e estruturado. Ilustra o poder que nos proporcionam as
coisas materiais, as vantagens de ter uma casa, uma terra própria,
um patrimônio bem estruturado, que não só nos oferece
tranquilidade, segurança e conforto, mas também possibilita fazer
alguma coisa com ele que reverta de uma maneira positiva na
comunidade ou no ambiente. Se o Quatro de Discos for sua Lição
de Vida, sugere que seu crescimento passa pela sua estruturação
material, que deve dar-se em dois níveis: o corporal e o financeiro.
Seria conveniente incluir uma prática física regular em seu
dia-a-dia para ficar em boa forma. Se não gostar de malhar, pode
caminhar, andar de bicicleta, nadar ou jogar futebol qualquer
exercício físico serve desde que você gostar. Também é
importante que discipline sua alimentação. Assim, melhorará sua autoestima e seu sistema
imunológico, e se sentirá com mais disposição para encarar aquelas situações da vida, que
exigem vigor, boa forma física e fôlego.
Não jogue dinheiro fora comprando artigos de consumo, invista em imóveis, saia do
aluguel, adquira sua residência ou um sítio para construir sua casa e plantar algumas árvores.
Não interessa se você ficará lá toda a vida ou não, pode alugar e, com esse dinheiro, viajar,
mas é importante que se sinta apoiado por uma boa estrutura material. No entanto precisa
identificar qual é a estrutura material que realmente quer construir, aquela onde se reflete
seu eu verdadeiro, aquela onde você realmente vai se sentir a vontade. Um indivíduo amarra
uma rede entre dois coqueiros, coloca uma lona por cima já tem a casa onde se sente bem,
um outro vai precisar para sentir-se bem o palácio de Versalhes. Veja bem qual é a que tem
tudo a ver com você.

O Quatro de Discos como Desafio


Se o Quatro de Discos – O Poder é um de seus cinco Desafios menores, você tem
dificuldade de estruturar-se materialmente. Não é capaz de estabelecer uma disciplina
corporal que lhe proporcione saúde e boa forma física. A vida sedentária, os horários
desregulados a junk food , etc. podem deixar você com ostentosos quilos a mais ou a menos.
Pode atrair situações que exigem um certo esforço físico e que deixam você no limiar do
colapso. Seu corpo também pode dar sinais de que precisa urgentemente mudar seu jeito de
viver. Também terá dificuldades para construir um patrimônio. Gastará todo seu dinheiro
com supérfluos, artigos perecedouros ou denotadores de status, viagens ou cursos ficando
assim presa ao aluguel, às faturas do cartão de crédito, as prestações do carro não sobrando
um tostão nem para pensar em comprar uma casa. Atrairá perdas significativas na qualidade
de vida (sobe o aluguel e tem que partir para um espaço mais barato, não consegue pagar as
prestações do carro e tem que vender ele barato e ficar a pé) que a obrigam a reformular sua
maneira de gastar dinheiro, definindo objetivos e trabalhando neles com método e
organização, dando assim um salto na sua evolução
O floral de Morning Glory* a ajudará a regularizar seus hábitos e o de Sweet Pea*,
a estruturar-se e fortalecer seus vínculos com um determinado local.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 66


CAPÍTULO VII - O DESAFIO DA ESTRELA
O AJUSTAMENTO COMO LIÇÃO DE VIDA

Quem nunca altera a sua opinião é como a água parada e começa a


criar répteis no espírito. William Blacke [1757-1827]

O fato de uma opinião ser amplamente compartilhada não é nenhuma


evidência de que não seja completamente absurda; de fato, tendo-se em vista
a maioria da humanidade, é mais provável que uma opinião difundida seja tola
do que sensata. Bertrand Russel [1872-1970]

A ESTRELA COMO DESAFIO


Seu Desafio é mudar sua maneira de pensar. Você tem uma
tendência a cristalizar nas suas ideias que há décadas atrás talvez
foram funcionais e/ou progressistas. Mas você se tornou incapaz
de questioná-las e avaliá-las, de maneira que ficou perdida no
tempo. Por mais que se exalte falando que o mundo todo está
enganado e só você está certa, pode perceber que suas ideias não
funcionam mais. Existem um tipo especial de ideias, as crenças,
que pelo fato de sustentar nossas decisões e escolhas tem um peso
fundamental na construção de nossa vida.
Na verdade as crenças são os véus através dos quais
pretendemos ver a realidade. Quanto mais crenças, princípios e
valores sustentamos não só temos uma percepção mais falsa da
realidade mas também ficamos mais longe de nosso verdadeiro
ser. Por isso no budismo zen se fala assim:

“Não procures a verdade. Apenas abandona tuas opiniões”


Claro que chegar a viver sem crenças nem preconceitos igual a criança espontânea
ou o mestre iluminado é um caminho cumprido. No entanto tem crenças “piores” e “mais
piores”. As “mais piores” são aquelas que mais dificultam ser você mesma. Então o primeiro
passo poderia ser fazer uma reavaliação de crenças. Crenças e critérios são geralmente tão
subjetivos que, como gosto, melhor não discuti-lo, pois pode virar briga de torcedores de
time de futebol ou de fanáticos religiosos. A melhor maneira de avaliar crenças, princípios
ou critérios é comprovar como funcionam na vida de cada um.
Se esse for seu Desafio, tem trabalho para você: Tome uma folha de papel e divida-
a em cinco colunas. Na primeira você vai colocar uma palavra ou duas para identificar um
fato de sua vida em que você sofreu a partir de uma decisão (ou falta de decisão) que você
tomou. Também pode colocar nessa 1ª coluna algo que fez errado, que hoje você faria
diferente e que trousse consequências desagradáveis. Por exemplo, você fez o que no fundo
não queria ou não fez o que realmente queria, fez a escolha errada ou perdeu determinada
oportunidade. Vai começar por este ano e continuar retrospectivamente. Vai descartar
aqueles fatos que nada tem a ver com suas decisões, fatos em que você não tem nenhuma
responsabilidade, como por exemplo você sofreu quando morreu seu cachorro ou quando
seus pais mudaram de cidade e você perdeu todos seus amigos.
Quando completar a primeira coluna e não antes, escreva na segunda coluna o
argumento ou a justificativa que você usou para tomar a decisão (ou falta de decisão) que ao
levou a sofrer. Na 3ª coluna escreva a crença que estava por trás do argumento, até completar
todos os fatos. Provavelmente sua mandíbula vai bater no chão quando perceber que detrás
daqueles 10 ou 15 fatos onde você sofreu tem 10 ou 15 argumentos, mas detrás de esses
argumentos só tem 3 ou 4 crenças. 3 ou 4 crenças que tem infernizado a sua vida. Agora,
você já não pode deixar-se enganar por elas.
O seguinte passo es reprogramar o cérebro. Para isso é importante entender que una
crença se diferencia do teorema de Pitágoras porque a crença está cimentada por uma
emoção. Na terceira coluna, coloque a emoção que está por trás de cada crença. Trabalhar
essa emoção tira força à crença. Na 4ª coluna escreva o critério realista e funcional que
poderia substituir a crença. Por exemplo, se a crença negativa era: “Se eu não agradar aos
outros, eles vão me rejeitar”, pode escrever: “Eu me amo, não preciso agradar aos outros”.
Se a crença negativa era: “Todos os homens são iguais”, pode escrever: “Todos os homens
são diferentes”. Na quinta coluna, escreva duas coisas que pretende fazer para concretizar
esse critério e, assim reprogramar seu cérebro: “Vou deixar de sair todas as sextas feiras com
meus colegas de trabalho a tomar cerveja”.

FATO ARGUMENTO CRENÇA EMOÇÃO CRITERIO AÇÃO

Depois de ter feito tudo isso, você vai recomeçar com as duas primeiras colunas, só
que desta vez será todo no positivo. Fatos que, quando você olha para trás, se sente satisfeita

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 68


CAP. 07 – O DESAFIO DA ESTRELA Veet Pramad 69

e pensa: “Nessa oportunidade eu acertei, foi na mosca”. Assim você vai ter uma série de
critérios relativamente confiáveis que poderão lhe ajudar nas próximas escolhas de vida.
Você atrairá situações que abrem a possibilidade de tomar decisões a partir de novos
critérios, mas quanto mais você insiste em continuar tomando decisões a partir das velhas
crenças atrairá maiores bofetadas e sofrimento até você perceber que essas crenças não
funcionam.
O floral de Sage* favorecerá a capacidade de extrair lições de sua experiência de
vida, e a de Shasta Daisy*, de ter uma visão do cotidiano com uma maior perspectiva.

O Ajustamento como Lição de Vida


Se o Ajustamento (A Justiça) for sua 2ª Lição de Vida
você avança no seu processo de individuação na medida em que
se equilibra ajustando seus impulsos internos ao mundo externo.
Não se trata de peneirar os impulsos internos para decidir quais
são expressáveis e quais não. Os impulsos não expressados vão
para o baú da sombra do inconsciente e desde lá nos manipulam
sem nos perceber. Lá de degradam e fortalecem e um dia
explodem. Se trata de encontrar a maneira adequada e
conveniente de expressar todos os impulsos. Alguns podem ser
expressados em via pública, outros na sala de jantar, outros num
espaço terapêutico, outros a sós, ...
É importante identificar e diluir as pendências geradoras
de tensão. As questões mal resolvidas com pessoas ou com o
ambiente precisam ser focalizadas e acertadas.
É conveniente adaptar-se às circunstâncias, adequar-se aos novos tempos,
observando sua reação com o que vem do mundo e as reações do mundo com as nossas
atitudes. Podemos passear de biquíni em Cascais mas não em Cabul. Um arroto em mesa
árabe é sinal de boa educação no entanto em mesa francesa...
O Ajustamento também indica que você cresce na medida em que vai tomando
consciência de sua atitude perante seu ambiente: como trata as pessoas, os animais, as
plantas, os rios, etc. Geramos sofrimento, prazer, gratidão, medo ou raiva? Poluímos ou
cuidamos de nosso habitat? Que tipo de reação nossas ações e omissões estão gerando?
Assim vamos eliminando a tensão na nossa relação com o mundo e entrando em
equilíbrio com ele.
No entanto, isso não significa virar um camaleão que dança conforme a música. Não
se trata de cavar a aceitação alheia comportando-se como você imagina que o outro acha que
você deve se comportar. Tem “achismo” demais! Não vire uma lady.
Esse acerto com o carma pode ser facilitado usando Self Heal*, enquanto o Scarlet
Monkeyflower* ajudará a aceitar a sombra.

Esta constelação numerológica pode vir de qualquer um dos Arcanos Menores a


seguir cujos números correspondentes somam oito. Se um deles é sua 1ª Lição de Vida os
outros cinco são seus Desafios menores.
26: A Princesa de Paus.
35: O Nove de Paus. A Firmeza.
44: O Quatro de Copas. O Luxo.
53: O Príncipe de Espadas.
62: O Oito de Espadas. A Interferência.
71: O Três de Discos. Os Trabalhos.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 69


A Princesa de Paus como Lição de Vida
26: A Princesa de Paus. Natureza interna fogosa e
expressão externa prática.
A mais fogosa das Princesas como Lição de Vida indica
que você cresce na vida na medida em que da forma a sua energia
fogosa, isto é, manifesta no mundo material sua energia instintiva
e criativa representada pelo tigre, de maneira que de nada adianta
tomar iniciativas enquanto o lado instintivo não se sentir
perfeitamente à vontade. Tentar forçar o tigre a liberar energia
para assuntos que não o estimulam ou simplesmente reprimir a
saída criativa dessa força instintiva cria uma contra-força
explosiva que pode levá-la a explosões histéricas de alto teor
destrutivo. Com a Princesa de Paus como Lição de Vida não tem
meio termo: ou você constrói ou destrói. É conveniente que você
se volte respeitosamente para seus instintos, sinta em que direção estes se manifestam, passe
por cima de crenças repressivas e dê luz verde para sua força fogosa. Assim verá como o
tigre se transforma no seu amigo e colaborador, e juntos poderão construir um novo mundo.

A Princesa de Paus como Desafio


Se a Princesa de Paus for um dos seus cinco Desafios menores você terá dificuldade
em dar uma expressão material e concreta a sua energia criativa e instintiva. Tenderá a
reprimi-la e essa energia reprimida acumulada pode deixar você a ponto de explodir ou
explodindo mesmo. Também pode leva-la a criar exageradas expectativas com possíveis
namorados se for a energia sexual a que é especificamente reprimida. Você atrairá situações
e pessoas que cutucarão e exaltarão essa energia fogosa contida obrigando-a a expressá-la
mesmo que seja explodindo. Você não poderá dar um passo na rua sem encontrar-se com
pessoas sexualmente muito atrativas que colocam em evidencia a carga sexual que você
contem. A essência floral de Snapdragon*, que ajuda a redirecionar a energia instintiva e
a de Cherry Plum, amainarão o medo de perder o controle e facilitarão a coragem e a
confiança de auto-expressar-se.

O Nove de Paus como Lição de Vida


35: O Nove de Paus. A Firmeza. A Lua em Sagitário.
Com o Nove de Paus como 1ª Lição de Vida, seu
crescimento pessoal segue junto com sua capacidade de afirmar-
se, de fazer valer suas opiniões, sentimentos, desejos e
especialmente suas iniciativas donde colocas sua energia. Este não
é um momento para ser flexível e conciliadora. Agora se trata de
não arredar o pé, de permanecer firme e resistente nas suas
posições.
Quando nos mantemos numa posição ou tomamos uma
iniciativa arraigada em nossas emoções (vejam quantas luas tem a
carta) nos sentimos mais firmes que se essa iniciativa ou
posicionamento vem apenas a partir da mente. Permita então que
suas emoções inspirem sus iniciativas e atividades que ganharão

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 70


CAP. 07 – O DESAFIO DA ESTRELA Veet Pramad 71

assim uma maior firmeza. Você se sentirá mais estruturada internamente com maior auto-
confiança, consistência no trabalho e capacidade de atingir seus objetivos inclusive também
para enfrentar desafios ou dificuldades.

O Nove de Paus como Desafio


Se o Nove de Paus for um de seus cinco Desafios menores, você tem uma dificuldade
para afirmar-se, tanto nas suas emoções, opiniões, interesses e iniciativas. Ante a menor
oposição logo logo você abre mão. Você vai perdendo seu rumo na vida e logo esta fica a
deriva. Você atrai tratores que passam por cima de você e que um dia a vão obrigar a dar um
chega para lá e autoafirmar-se realmente.
O floral de Gentian lhe ajudará a ter maior perseverança e convicção, enquanto o de
Wild Oat facilitará a definição de seus propósitos.

O Quatro de Copas como Lição de Vida


44: O Quatro de Copas. O Luxo. Lua em Caranguejo.
Com essa carta como 1ª Lição de Vida, você amadurece,
estabilizando-se emocionalmente. Não caia na armadilha de
acreditar que alguém lá fora pode dar para você segurança
emocional. Nutra-se emocionalmente fazendo aquilo que
emocionalmente a faz sentir-se bem. Assim você poderá
identificar e trabalhar as antigas feridas que são alfinetadas por
essas situações. E ao mesmo tempo observe que situações a
desestabilizam emocionalmente para identificar e trabalhar essas
áreas sensíveis. Você constrói uma estrutura emocional estável lá
fora só se construir uma estrutura emocional estável dentro de
você.

O Quatro de Copas como Desafio


Se o Quatro de Copas for um de seus cinco Desafios menores você tem uma grande
dificuldade para estruturar-se emocionalmente. Provavelmente você traz de sua infância uma
insegurança emocional notável e agora é capaz de qualquer coisa para arrumar uma estrutura
que lhe proporcione uma aparente segurança emocional. É incapaz de abrir-se
emocionalmente se o outro não aceita comprometer-se. Não quer nem saber, como diria
Silvio Rodriguez13, “de beijos sem promessas”, e o obriga a assinar 365 cláusulas de
declaração de intenções antes de aceitar um convite para jantar. Vê em cada homem ou
mulher que passa na rua um candidato a marido ou esposa, que pode lhe dar a segurança que
a obceca, de maneira que não vê o que o outro realmente é. Se conseguir levar alguém para
o cartório, criará toda uma série de normas e limites para continuar escondendo seus medos
atrás de uma casca de estrutura sólida e estável. Com certeza transformará o relacionamento
em algo muito chato senão numa prisão. Também é provável que depois de sofrer nessas
gaiolas e sair delas, decida pendurar as chuteiras e se fechar para qualquer possibilidade de
relacionamento amoroso e de repente até volte para casa da mamãe.

13
Músico da “Nova Trova Cubana”, parceiro de Pablo Milanés.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 71


Você vai atrair, não aquelas pessoas que a poderiam estabilizar e nutrir
emocionalmente, senão justamente aquelas que a vão desestruturar e desestabilizar mais. Em
algum caso pode atrair pessoas sob uma aparência de relacionamento estável enfiem você
numa espécie de campo de concentração sem liberdade nenhuma. Assim pode chegar o dia
que você perceba que procurar a estabilidade, segurança e estrutura emocional num
relacionamento é fonte de sofrimento e comece a nutrir-se emocionalmente.
É claro que, uma vez nutrida e estruturada emocionalmente, e morar sozinha ajuda
muito, se você quer construir um relacionamento com alguém, você tem de investir nesse
relacionamento, dedicar-lhe tempo, parar de trabalhar compulsivamente ou de “galinhar”,
inventar novas posições na cama, criar um clima de confiança, intimidade e cumplicidade
que permitam uma troca emocional mais profunda, intensa e verdadeira. Mas, também, não
pode transformar o relacionamento em uma gaiola, exigindo, por exemplo, ser o único canal
entre o outro e o mundo lá fora. Assim como a mudança garante a estabilidade, a liberdade
favorece a união. Finalmente levar um relacionamento para frente tem a ver com a arte de
colocar limites.
Por isso, em primeiro lugar, você precisa estruturar-se emocionalmente sozinha, de
preferência morando e sentindo-se bem sozinha.
O floral de Morning Glory* ajuda a ordenar a vida, e o de Pink Monkeyflower*, a
abrir-se emocionalmente.

O Príncipe de Espadas como Lição de Vida


53: O Príncipe de Espadas. Natureza interna e expressão
externa mental.
Se o Príncipe de Espadas for sua 1ª Lição de Vida seu
crescimento pessoal está intimamente relacionado com sua
capacidade de usar sua mente de uma maneira criativa e funcional.
Isso significa em primer lugar colocá-la no seu lugar, isto é, como
a ferramenta ao serviço de você. É fundamental entender que o
corpo físico, as emoções, os instintos, a mente e a conta corrente e
o carro são suas propriedades com as quais você não pode nem
identificar-se nem rejeitar. Como proprietário você precisa
observar para entender como funcionam e assim poder administrá-
las e integrá-las. Como o camponês que precisa saber como
funcionam as galinhas, a horta, as árvores para que as galinhas não comam os tomates e as
árvores não caiam encima da casa.

O Príncipe de Espadas como Desafio


Se o Príncipe de Espadas é for um de seus cinco Desafios menores você tem
dificuldade para colocar a mente em seu lugar. Provavelmente, como o mordomo que ocupa
o lugar do dono, sua mente deu um golpe de estado e manda na sua vida. Você acabou
identificando-se com a sua mente que define suas opções de vida, estabelece que emoções,
ideias e impulsos instintivos não podem ser expressados de maneira que sua vida perde a
graça, você se desconecta de sua voz interior e de seu corpo que trata como se fosse um taxi

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 72


CAP. 07 – O DESAFIO DA ESTRELA Veet Pramad 73

que carrega o cérebro e a carteira de aqui para lá. Você fica a deriva no mar das dúvidas, e
como diria A. Crowley, o autor de este baralho, prisioneira aos cachorros do porquê. Se você
tinha 20 argumentos para a opção A e 20 para a opção B, você vai atrair mais 30 para cada
uma desses opções, vai atrair cada vez mais ideias, projetos novos que acabam não sendo
mais do que fantasias que deixam você “viajando na maionese”. E a vida passa enquanto
você fica pensando e pensando no que fazer da vida. Atrairá pessoas ainda mais mentais do
que você até você perceber que não pode continuar jogando lenha nessa fogueira da mente
e comece a tentar parar com a masturbação mental. As técnicas descritas no Ás de Espadas
podem servir.
O floral de Tansy* lhe ajudará a tomar decisões, e o de Nasturtium* conecta a mente
com a vida prática.

O Oito de Espadas como Lição de Vida/Desafio


62: O Oito de Espadas. A Interferência. Júpiter em
Gêmeos.
O Oito de Espadas é uma carta “sombria”. Se for sua Lição
de Vida ou um de seus cinco Desafios menores, você cresce na
medida em que desmancha a forte tendência que sua mente tem de
ficar inventando argumentos, desculpas e justificativas para não se
arriscar a encarar o desconhecido.
– Vamos pescar?
– Não, pois vai ter muitos pernilongos.
– Então vamos ao cinema?
– Não, hoje as filas devem estar imensas.
– Então vamos experimentar a comida de um restaurante
. novo?
– Não, capaz que a cerveja esteja quente.
Na sua infância você escutou tanto não: não pode sair para rua porque faz muito sol,
porque vai chover, porque está ventando, porque não está ventando porque choveu, porque
está nublado, etc., etc., que hoje continua dando esses “nãos” todos para si mesma e fica
pressa atrás da grade dessas oito espadas. Uma boa maneira de desmanchar esse mecanismo
de auto-sabotagem é analisar as consequências práticas que esses argumentos negativos têm
acarretado. O trabalho sugerido para a Estrela, Arcano XVII, que é seu Desafio, pode lhe
ajudar. É importante perceber que esses argumentos, desculpas e justificativas para não
entrar em contato com o novo nada tem de objetividade, estão sustentados pelo medo. São
vilões aos quais você não pode dar bola. Se você descobre um ladrão querendo arrombar a
porta de sua casa você vai, escritura em mão, bater papo com ele para convencê-lo de que a
casa é sua e ele não pode entrar lá ou vai tomar outras providências? Precisa ficar muito
atenta. Assim que chegar o impulso para ampliar seus horizontes, no aspecto que for:
atividades, pessoas, ideias, lugares geográficos, etc. se não pode imediatamente segui-lo,
fique atenta porque logo logo vem a interferência e você não pode deixar-se enganar por ela.
O floral de Rock Water ajuda a ser mais flexível e tolerante consigo mesma, e o de
Cayenne*, a seguir os impulsos, quebrando a gaiola.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 73


O Três de Discos como Lição de Vida
71: O Três de Discos. Os Trabalhos. Marte em Capricórnio.
Se você tiver essa carta como Lição de Vida, o trabalho
vira um importante fator de crescimento pessoal.

“Encontra a felicidade em teu trabalho ou


nunca serás feliz”. Cristóvão Colombo (1451 – 1506)

Por isso, a escolha de suas atividades profissionais é


fundamental. Tem trabalhos que sugam energia e trabalhos que
proporcionam energia e só estes últimos dignificam. Tem
trabalhos em que espontaneamente sua energia vital se canaliza e
outros que exigem esforço.
O conceito de trabalho tem sido muito degradado desde que com o advento das
sociedades patriarcais, economicamente hierárquicas e politicamente autoritárias, em que os
poderosos não trabalhavam e viviam do trabalho dos outros, o trabalho virou sacrifício. As
“Sagradas Escrituras” transformaram o trabalho em um castigo divino, em uma maldição:
“Ganharás o pão com o suor de teu rosto até voltar para a terra de onde você foi formado.
Génesis 3:19”.
O simpático Jeová não dava o direito nem a aposentadoria”, no entanto, para as
castas superiores, era proibido ou mal visto qualquer tipo de atividade manual. Assim, seria
mais difícil para quem trabalhava de sol a sol em terras alheias, mineiros, serviçais e escravos
em geral, se revoltarem, pois aquela exploração parecia ser vontade divina, castigo pelos
pecados de seus ancestrais y si no sempre se poderia recorrer ao pecado original. A revolução
industrial e a produção em série só fizeram piorar a situação, criando um abismo ainda maior
entre o trabalho e o prazer, degradando o ser humano, incluindo mulheres e crianças a
categoria de máquinas, cuja paródia vemos no filme “Tempos Modernos”, de Charles
Chaplin. Com a revolução tecnológica do século XX aparecem computadores e robôs que
substituem os humanos, fazendo o trabalho de uma maneira mais precisa, rápida e barata.
Assim, abre-se uma porta para que o trabalho volte a ser uma atividade criativa e
dignificante.
O trabalho não pode ser um castigo, nem um sacrifício, é a través do trabalho como
desenvolvemos nossos talentos, como nos tornamos seres completos.

“Trabalhar não é realizar o que a gente imagina, mas descobrir o que


levamos dentro”. Boris Pasternak. Nobel de Literatura 1958 (1890-1960)

Se essa é sua Lição de Vida, reformule seu trabalho, largue atividades que sugam sua
energia e que você faz só pela necessidade de dinheiro ou de mostrar para a família ou para
a sociedade que você presta e identifique e desative as dificuldades internas para atrever-se
a fazer opções professionais que a estimulam e possibilitam que você desenvolva seus
talentos e sua criatividade.
Assim também os resultados de seu trabalho terão qualidade facilitando a entrada de
dinheiro.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 74


CAP. 07 – O DESAFIO DA ESTRELA Veet Pramad 75

O Três de Discos como Desafio


Se o Três de Discos for um de seus cinco Desafios menores, você tem serias
dificuldades para acreditar que merece trabalhar numa atividade estimulante, criativa e
divertida e que pelo fato de expressar seus talentos, seu eu verdadeiro se afirma.
Provavelmente essa dificuldade procede de crenças internalizadas no passado. Acha que vai
ganhar mais aceitação e mais dinheiro quanto suas atividades exijam mais esforço e
sacrifício.
Não se trata de trabalhar mais, mas de trabalhar melhor, e isso significa geralmente
trabalhar menos. Você atrairá situações e pessoas que exigiram mais esforço, mais horas
extras, mais finais de semana no batente, seu corpo começará a pipocar até você, sem energia
para levantar da cama, perceba que sua vida perdeu o significado e você identifique e comece
a se envolver em atividades que o estimulam por se mesmas e não apenas pelos seus
possíveis resultados.
O floral de Aloe Vera* lhe ajudará a trabalhar de uma maneira mais equilibrada e
consciente, e o de Blackberry* a estimulará a tomar iniciativas claras com propósitos bem
definidos.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 75


CAPÍTULO VIII - O DESAFIO DA TORRE
O CARRO COMO LIÇÃO DE VIDA

“O Ser humano vivencia a si mesmo como algo separado do resto do


Universo – numa de ilusão de ótica de sua consciência. E essa ilusão é uma
prisão que nos restringe a nossos desejos pessoais, conceitos e o afeto por
pessoas mais próximas. Nossa principal tarefa é a de nós livrarmos desta
prisão, ampliando nosso círculo de compaixão, para que ele abranja todos os
seres vivos e toda a natureza na sua beleza. Ninguém conseguirá alcançar
completamente esse objetivo, mas lutar pela sua realização já é por si só parte
de nossa libertação e o alicerce de nossa segurança interior”.
Albert Einstein. [1875-1955]

A TORRE COMO DESAFIO


Se a Torre for seu Desafio, você tem dificuldade para
liberar-se de suas prisões. E quando falo em prisões estou me
referindo a todo o que a sufoca e limita. Essas prisões podem ser
de dois tipos: as externas, que são vínculos profissionais,
familiares, amistosos, amorosos, exigências financeiras ou
dificuldades para sair de determinadas cidades ou países, e as
internas, que são um tipo muito especial de crenças que são as
identificações: “Eu sou assim e tenho que me comportar desse
jeito, tudo aquilo que não case com esse eu sou assim não pode
expressar-se. Essa camisa de força é o ego”. O ego está construído
basicamente por uma coletânea de identificações, especialmente
de aquelas que tem uma carga emocional mais forte: Eu sou
portuguesa, arquiteta, do Sporting, esposa de..., mãe de..., proprietária de..., que passa as
férias em..., etc. O Ego é como o Serviço de Limpeza Urbano, tudo o que pega vira lixo.
Mas não é só aquilo que o leva a sentir-se importante, o melhor,... quando isso não é possível
CAP. 08 – O DESAFIO DA TORRE Veet Pramad 77

o ego pode se alimentar de identificações menos glamorosas mas que também o levam a ser
alguém: o doente, o sacrificado, aquele que sempre paga o pato, o fora da lei, o
incompreendido, o rebelde, etc.
Sua insegurança a leva a entrincheirar-se, por exemplo, na casa de seus pais, onde se
sente sufocada e reprimida com muita dificuldade de ser você mesma. Vai ficar lá muitos
anos e só vai conseguir sair na hora que tenha pronta uma outra prisão alternativa, como por
exemplo um casamento que lhe dê a segurança e proteção que tinha com a mamãe. Lá vai
ficar várias décadas sentindo-se cada vez mais limitada até que consegue um emprego
seguro, sem redução do pessoal à vista. Sua vida pode ser lida como o passo por diferentes
prisões, desde uma prisão de segurança máxima até uma prisão em regime semiaberto. Você
fica se debatendo entre a insegurança que o leva a permanecer na prisão e o sufoco que ela
produz. Romper suas amarras, chutar o pau da barraca, tarefa que em vidas passadas ficou
pendente, agora aparece como seu Desafio.
Essas identificações internas podem fazer com que a pessoa com esse Desafio se
enverede por caminhos que nada tem a ver com sua natureza interna, criando um poderoso
conflito, uma forte tensão que pode acabar em uma explosão que, como uma erupção
vulcânica, destrói tudo o que está por perto começando pelo corpo físico. Por exemplo, o
caso real de uma pessoa que deixou o teatro que era sua paixão para ocupar-se, por pressão
familiar, dos negócios familiares, que eram postos de gasolina. Aceitou assumir os postos
porque se identificava com a figura do filho obediente, perfeitamente integrado na família.
A tensão resultante fez com que levasse à falência os três postos que gerenciou – os melhores
da rede. Não só abalou a estrutura econômica familiar, que havia se transformado em sua
prisão, mas também detonou sua própria estrutura corporal, criando primeiro uma gastrite e
depois uma rápida descalcificação óssea. Curou-se de ambas quando voltou ao teatro e hoje
é ator profissional.
Você atrai situações e pessoas que colocam em evidencia suas prisões, agudizando
seu mal-estar. Sua amiga de infância convida você para trabalhar numa agencia bancaria da
qual ela é a gerente. O trabalho nada tem a ver com você mas tem algumas vantagens que
funcionam como anestésicos para você não sentir o sufoco. De repente trocam sua amiga de
infância pela sua inimiga de infância...
Você atrai situações em que você não consegue mais manter aquela fachada. Você
se identificou com o papel de mãe que se sacrifica como ninguém pelo seu filho. Ele farto
de suas manipulações consegue um traslado para trabalhar na Ponte que partiu e vai embora.
Você não tem como manter a máscara e é obrigada a se perceber.
Se trata de observar as consequências de manter-se em suas prisões sejam internas
ou externas e, revisando seu passado reviver as situações em que foram colocadas as
dificuldades internas para eliminar o que sufoca e limita.
O floral de Sagebrush* ajuda a largar a velha “bagagem”, as identificações e apegos
que já não servem mais o de Cerato o ajudará a ser mais independente das pressões dos
outros. Se existir um padrão de revolta autodestrutiva o floral de Saguaro* pode ser muito
útil.

O Carro como Lição de Vida


Para conseguir resolver o Desafio da Torre, você tem a ajuda do Carro como Lição
de Vida sugerindo exercitar o desapego como uma forma de crescimento pessoal. Mas não

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 77


FORMAÇÃO EM TAROT TERAPÊUTICO – VOL. 03 – TAROT E NUMEROLOGIA 78

se trata de, em um ato de sacrifício, desprender- se daquilo de que


mais gosta. É colocar como prioridade na sua vida a sua própria
plenitude, representada na carta pelo disco giratório, uma forma
do Graal, símbolo da plenitude, e largar tudo o que não lhe
preenche, tudo o que virou peso morto, aquilo que não gera mais
, entusiasmo, interesse, aquilo que não o estimula mais, mesmo
que no passado fosse interessante e estimulante. Do mesmo jeito
que deixamos nos armários roupas e outros objetos que não
usamos por anos a fio, ocupando espaço e que de alguma maneira
dificultam a chegada de coisas novas, assim costumamos fazer
com nossas vidas, entupindo-as de atividades, compromissos,
rotinas, gestos, que nada nos acrescentam e que nos deixam na
mesmice, sugando nossa energia. Você que tem o Carro como
Lição de Vida precisa ficar atenta para, com frequência, fazer faxinas na sua vida ou, melhor
ainda, estar suficientemente atenta para não deixar que esse tipo de lixo se acumule. Quando
uma atividade, um relacionamento ou um objetivo deixar de estimulá-lo, arranque-o de sua
vida. Senão você pode acabar parecendo a aquele sem teto que filou um carrinho no
supermercado e passa a vida empurrando o carrinho onde carrega única e exclusivamente
lixo.
Lembre-se desta estória zen: Um jovem americano chega ao Japão com a cabeça
cheia de livros sobre budismo zen. Entusiasmado chega num mosteiro zen e faz várias
perguntas na hora do satsang. No dia seguinte o mestre convida ele para a cerimônia do chá.
Na hora de encher a xícara dele o mestre continua despejando chá mesmo que a xícara está
cheia. O chá transborda queimando a mão do jovem, até que este não aguenta e, dando um
grito de dor, solta a xícara que cai no chão. Moral da estória: Não é possível colocar chá
numa xicara que já está cheia. Não é possível despertar a mente para um novo conhecimento
se a mente estiver saturada de informações.
Assim como o vazio atrai o novo o saturado o repele.
Tome consciência daquilo que você não quer mais, daquilo que você não gosta mais,
daquilo que, como peso morto, apenas ocupa espaço no melhor dos casos e suga sua energia
e tempo no pior. Assim, fechando toda uma serie de assuntos você abre um novo ciclo de
vida caminhando mais ligeiro.
O floral de Sagebrush* o ajuda a conectar-se com sua essência, facilitando o
desapego com tudo aquilo que não serve na sua evolução. O apego ao passado e a dificuldade
para mudar pode ser tratada com Honeysuckle.

O Desafio Torre pode vir de qualquer um dos Arcanos Menores a seguir cujos
números correspondentes somam sete. Se um deles é sua 1ª Lição de Vida os outros cinco
são seus Desafios menores.
25: O Príncipe de Paus.
34: O Oito de Paus. A Rapidez.
43: O Três de Copas. A Abundância.
52: A Rainha de Espadas.
61: O Sete de Espadas. A Futilidade.
70: O Dois de Discos.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 78


CAP. 08 – O DESAFIO DA TORRE Veet Pramad 79

O Príncipe de Paus como Lição de Vida


25: O Príncipe de Paus. Natureza interna fogosa,
expressão externa mental.
Se você quer crescer, envolva-se em projetos que a
estimulem, os quais, quando você pensa neles, sente sua energia
aumentar, como um frisson na sua pele. Você não está aqui para
morrer de tédio, e sim para vibrar entusiasticamente com seus
afazeres, para criar ideias, teorias, projetos, pelos quais seu lado
instintivo e criativo encontra um canal de expressão, levando você
a aparecer, a brilhar, a destacar-se. Valorize-se, levante a voz,
permita que seus ideais mobilizem também outras pessoas, lidere.
Não deixe seus projetos morrerem na praia, quanto mais
profundamente eles estiverem enraizados, mais universais se
tornarão. No entanto, procure os ouvidos certos para expressar
suas ideias. Não é no salão ou no bar que irá encontrar quem ajude a levar seus projetos para
frente, pode inflar seu ego com suas ideias geniais, mas nada de proveito pode ser feito lá.

O Príncipe de Paus como Desafio


Se o Príncipe de Paus for um dos seus cinco Desafios menores, você tem dificuldade
para desenvolver e investir em ideias, projetos e teorias que o estimulam e oferecem um
canal de expressão de sua criatividade e instintividade. Sua vida vai tornando-se mais
cinzenta, suas atividades profissionais, deixam de ser um meio para seu crescimento pessoal,
e se tornam a cada vez mais rotineiras, mecânicas e chatas. Suas ideias e projetos não se
destacam de la media medíocre e provavelmente sua vitalidade e alegria vão pelo ralo. Você
atrai mais rotinas e chateações para administrar até chegar a um limite insuportável que de
alguma maneira a empurra superar os medos e as crenças invalidadoras e você começa a
criar intelectualmente.
O floral de Wild Oat pode ajudar a definir melhor seus projetos, e o de Larch
estimula sua autoconfiança para entrar em ação.

O Oito de Paus como Lição de Vida


34: O Oito de Paus. A Rapidez. Mercúrio em Sagitário.
Se o Oito de Paus for a sua 1ª Lição de Vida você avança
no seu caminho de individuação na medida em que deixa de usar
a sua energia para se conter. Ainda você cria com esta atitude uma
tensão interna muito grande que perigosamente deixa você a ponto
de explodir. Nesse caso é melhor superar a dificuldade que você
tem para explodir e encontrar o momento e a maneira adequada
para fazê-lo. Uma boa alternativa são três semanas de Meditação
Dinâmica de Osho. Você vai sentir uma tremenda liberação.
Não adie, não se contenha, a energia que você gasta no
pedal do freio deve ser usada para tomar iniciativas e atirar-se em
cima dos seus objetivos. Aqui entra então uma segunda questão,
que é definir os objetivos, para que a energia tenha uma direção

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 79


FORMAÇÃO EM TAROT TERAPÊUTICO – VOL. 03 – TAROT E NUMEROLOGIA 80

própria e não se disperse tal como vemos na carta. Estabeleça prioridades e parta para a ação.
Evite a polaridade acumulação-explosão.

O Oito de Paus como Desafio


Se o Oito de Paus for seu Desafio menor você ainda atrai situações e pessoas que
criam mais tensão interna empurrando você à explosão.
Sua força de vontade pode ser catalisada pelo floral de Cayenne*, e o de Cherry
Plum amainará o medo de explodir.

O Três de Copas como Lição de Vida


43: O Três de Copas. A Abundância. Mercúrio em
Caranguejo.
Se esta carta for sua 1ª Lição de Vida você cresce na
medida em que acredita, valoriza e expressa sua abundância
interna e sua capacidade de frutificação. Avança no seu processo
de individuação quando você aposta que nas atividades onde
naturalmente você expressa seu amor são as que vão dar melhores
frutos.

O Três de Copas como Desafio


Se o Três de Copas for um dos seus cinco Desafios
menores, você tem uma seria dificuldade para acreditar, valorizar
e expressar sua abundância interna e sua capacidade de frutificação especialmente a que está
vinculada às suas emoções. Você está sentada em cima de um tesouro e não sabe ou não quer
saber. Você não valoriza seus potenciais e talentos e assim fica na estaca zero. Atrairá
pessoas que desvalorizam você, seus talentos e capacidades ainda mais, pessoas que
duvidam ou negam sua capacidade de dar qualquer tipo de fruto. Atrairá propostas de
atividades que decididamente você não ama. Assim você atingirá um limite de
desvalorização tão grande que terá que fazer alguma coisa.
Conecte-se com a abundância interna e se conectará com a abundância externa
também.
Seja generosa com você e com o mundo, não dê para receber, pois quem no fundo
quer receber é aquele que não tem, é o mendigo. Se você pede ou da para receber você se
sintoniza com a vibração da miséria e não da abundância. Dê pelo prazer de dar, assim você
se sintoniza com a abundância. Perceba que quanto mais você dá, mais o reservatório fica
cheio. Se não tiver dinheiro, doe seu tempo, sua atenção ou seu trabalho, doe amor, doe
sorrisos, doe uma canção.
Se existir, meio escondida no seu inconsciente, como um iceberg, alguma crença que
diz: “Eu não sou boa o suficiente, não tenho capacidade para...”, ela estará trabalhando o
tempo todo para autoafirmar-se, procurará destruir tudo o que seja contrário a ela e tentará
atrair situações que a confirmem. Dê volume à voz da crença, ela controla porque está
enrustida, camuflada, fantasiada de bom senso, de pessimismo realista, etc. Deixe o iceberg
mostrar-se por inteiro, pois sozinho, tamanha é sua falsidade, vai virar fumaça, tal como
some a escuridão quando você acende a luz. Observe com que facilidade você pode resolver
o Desafio da Torre se você estiver em contato com sua abundância interna.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 80


CAP. 08 – O DESAFIO DA TORRE Veet Pramad 81

O floral de Larch o ajudará a valorizar melhor suas capacidades criativas, e o de


Heather, a ser mais generosa, em vez de ficar sugando a atenção dos outros.

A Rainha de Espadas como Lição de Vida


52: A Rainha de Espadas. Natureza interna mental,
expressão externa emocional.
A mais intelectual das Rainhas como Lição de Vida
sugere que seu crescimento pessoal está alinhado com a sua
capacidade de cortar a cabeça do velho barbado que representa
as crenças, doutrinas e normas trogloditas e machistas, nas quais
você foi “educada”.

A Rainha de Espadas como Desafio


Se esta carta for um dos seus cinco Desafios menores,
você tem uma seria dificuldade em fazer a revolução. E estamos
falando da revolução interna que consiste em liberar-se da obediência cega às normas,
doutrinas e crenças que foram colocadas pela família, pela escola e as religiões na infância
e que continuam a ser sustentadas pelo meios de comunicação. Normas, doutrinas e crenças
cuja aceitação fere emocionalmente você e massacra a sua autoestima. Assim você pode
ficar fria, amargurada e intolerante pois se você aceita essa degradação seu ego pode fazer
de isso um mérito e exigir que as outras pessoas também se submetam a essas normas e
doutrinas.
Caso real: Uma mulher cujo pai só trazia para casa doenças venéreas tinha uma mãe
que aceitando a crença de que o casamento é até que a morte nos separe continuava
aguentando o marido. Esta mulher casou e três meses mais tarde chegou a sua casa em uma
hora não habitual e encontrou a seu marido na cama com outro homem. Decidiu pedir o
divórcio e a mãe se opôs: “Se você separar de seu marido eu não sou mais tua mãe”.
Você vai atrair mais normas e doutrinas que vão massacrar mais ainda suas emoções
até chegar a um ponto em que você não aguente mais. Vai largar um namorado Testemunha
de Jeová e vai aparecer outro que é talibã.
Assim como a chuva lava a atmosfera, as emoções podem limpar a mente. Conecte-
se com elas e veja como você se sente quando obedece a determinadas ordens ou segue certas
leis. Qual é sua resposta emocional a certas ideologias, doutrinas ou crenças? Se você não
se sentir feliz com elas, chegou a hora de libertar-se, primeiro no seu interior, depois no seu
ambiente familiar e/ou de trabalho, e quem sabe depois, num movimento popular para acabar
com a violência contra a mulher. Mesmo que essas ordens venham perfeitamente
concatenadas, geração após geração, a corrente escravizadora tem de quebrar em algum
lugar, e seria bom que fosse em você.
Essa lavagem cerebral, no sentido literal, é excelente para ajudá-la a vencer o Desafio
da Torre, especialmente no que se refere às prisões internas ou identificações.
A essência de Centaury lhe ajudará a falar “não” e a libertar-se do domínio das
outras pessoas, e o de Walnut, a tornar-se independente de padrões morais e ideias impostas
pela família e a sociedade.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 81


FORMAÇÃO EM TAROT TERAPÊUTICO – VOL. 03 – TAROT E NUMEROLOGIA 82

O Sete de Espadas como Lição de Vida/ Desafio


61: O Sete de Espadas. A Futilidade. A Lua em Aquário.
Se o Sete de Espadas, outra carta sombria, for sua 1ª Lição
de Vida, você evolui na medida em que se afirma nas suas
opiniões, projetos e iniciativas frente ao que vem de fora.
Se o Sete de Espadas for um dos seus Desafios você está
pressa a um mecanismo mental que a leva a absorver as opiniões,
expectativas, necessidades, conselhos e exigências de familiares,
amigos e colegas de trabalho. Também pode ser muito
influenciável ás convenções sociais, propaganda e religiões. Pode
chegar até a não dar um passo sem o conselho da mamãe, do
tarólogo, do padre, de seus amigos, do radialistas, etc. Sua mente
transformou-se em uma esponja que absorve tudo o que tem por
aí. Faz de tudo para ficar na moda, gesticula e fala como os
personagens das novelas, come e bebe o que os comerciais mandam...
Incorporando isso tudo ao seu projeto de vida este fica fragilizado, superficial,
inconsistente, disperso e, muitas vezes, fútil e incoerente.
Provavelmente, já desde a infância, suas opiniões não valiam nada. Sempre havia
familiares desvalorizando suas ideias e projetos, tirando um sarro com elas e inoculando
outras: “Não, minha filha, você não pode ser atleta, tem de ser médica como seu avô”.
Você vai atrair mais expectativas, necessidades, conselhos, palpites, pressões dos
outros, até chegar num ponto limite onde você perceba que essa atitude “esponja” só traz
sofrimento e comece a responsabilizar-se pela sua vida y tome suas próprias decisões. Pare
de ser “Maria vai com as outras”, aprenda a falar “não” para os outros e “sim” para você.
Defina seu projeto de vida e defenda-o com unhas e dentes.
O floral de Cerato o ajudará a confiar mais no seu próprio julgamento, e o de
Sunflower*, a ser mais você mesma e o centro de sua vida.

O Dois de Discos como Lição de Vida


70: O Dois de Discos. A Mudança. Júpiter em Capricórnio.
Se esta carta for sua 1ª Lição de Vida, seu crescimento
pessoal é ativado pela sua capacidade de mudar. Mudanças
paulatinas, graduais, sem pressa, mas sem pausa, ajudam a resolver
o Desafio da Torre. Em primeiro lugar, você precisa estabelecer
uma direção, ter uma perspectiva, um sentido maior, um ideal, um
propósito de vida, uma aspiração e uma inspiração para estabelecer
suas metas. Permita-se sonhar, pensar grande, definir objetivos que
tragam à tona sua energia, que a motivem profundamente.
Vai em busca da “visão”, como fazem os indígenas de
muitas etnias, criando uma situação de paz, num ambiente natural
relaxante e inspirador donde sem presas a pessoa espera a que
apareça a "visão", interna evidentemente.
Em segundo lugar, você precisa compreender que o caminho para o infinito começa
nos seus próprios pés, inicie o movimento, mantenha o foco sem distrações, seja paciente
pois as cosas levam seu tempo.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 82


CAP. 08 – O DESAFIO DA TORRE Veet Pramad 83

Também é conveniente saber que a principal dificuldade para efetuar mudanças são
nossas próprias interferências e que as circunstâncias e mudanças exteriores da vida
acompanham, de uma forma quase imediata, as mudanças psíquicas interiores, isto é, sem
mudanças internas não tem mudanças externos.

O Dois de Discos como Desafio


Se o Dois de Discos for um dos seus desafios você tem serias dificuldades para
mudar. Provavelmente não muda porque não se atreve a sonhar, a visualizar a vida que você
realmente gostaria de viver. Faltando essa “visão” você não tem o estimulo para fazer
mudanças e fica na mesmice. Vai atrair situações e pessoas que fazem de essa mesmice uma
coisa a cada vez mais chata e insuportável. Na hora que você perceba que tem que sair de
aí é provável que você comece a atrair situações e pessoas que lhe forneçam pistas para ir
visualizando qual é a vida que realmente gostaria de viver.
O floral de Shasta Daisy* ajuda a ter uma visão com uma perspectiva mais global, e
o de Gentian, que estimula a perseverança e a coragem, para não desistir ante as
dificuldades, são recomendados neste caso.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 83


CAP IX - O DESAFIO DO DEMÔNIO
OS AMANTES COMO LIÇÃO DE VIDA

“O método estoico de enfrentar as necessidades suprimindo os


desejos equivale a cortar os pés para não precisar de sapatos”.
Jonathan Swift (1667–1745)

“Se você não passou pela obrigação absoluta de obedecer ao desejo


do corpo, isto é, se você não passou pela paixão, nada se pode fazer na vida”.
. Marguerite Duras (1914–1996)

O DEMÔNIO COMO DESAFIO


O Demônio ilustra nossos instintos animais. São as forças
que nos mantêm vivos como indivíduo e como espécie. Nossa
vitalidade está enraizada neles. São as forças da vida e da
criatividade em seu aspecto mais material; nesse sentido, são
forças confiáveis.
Se há milênios os mestres taoístas procuravam, no estudo
dos movimentos dos animais, elementos para desenvolver a arte
do Tai Chi Chuan e os celtas e os mesoamericanos usavam
adereços animais para usufruir as qualidades deles; com o advento
da era cristã, a humanidade procurou distanciar-se dos animais e
satanizou o instinto, especialmente o sexo, que só poderia ser
vivido dentro da instituição matrimonial, para ter filhos, com o
mínimo de prazer possível, usando de preferência aquela camisola
com um buraquinho. Para não falar da mutilação do clitóris, que até hoje se pratica nos países
muçulmanos.
CAP. 09 – O DESAFIO DO DEMÔNIO Veet Pramad 85

Assim, nos primeiros baralhos aparece como um ser grotesco, cujos significados
parecem reunir tudo o que de negativo foi possível encontrar. Nele se manifestou a doutrina
moral vigente que execrava o sexo, o corpo e a matéria.
Arthur Edward Waite, ainda em 1910, foi além nesta negativação, colocando a estrela
de cinco pontas invertida, símbolo da involução e da magia negra, na cabeça do , eliminando
dessa carta qualquer possível traço positivo e unindo-se ao coro de puritanos que veem o
instinto e a própria vida como algo perigoso e pecaminoso. Era importante tirar da vida
terrena qualquer fonte de prazer para poder vender a vida eterna.
Aleister Crowley rompe definitivamente com
essa tradição, colocando um animal da Natureza – A
Capra Falconeris – e substituindo as figuras humanas
acorrentadas por uma célula em processo de divisão,
fazendo assim questão de ilustrar as forças da vida.
São basicamente três:
Instinto de defensa, instinto sexual e instinto
de preservação.
O instinto de defensa nos leva a defendermos
quando nos sentimos agredidos. Não sabemos como,
mas de repente surge de dentro uma tremenda força
que nos leva a enfrentar o perigo. Já viram um siri se defendendo de um cachorro na praia?
Se você tiver dificuldade para defender-se você vai atrair agressões por todos os lados sem
deixar uma fenda por onde você fugir, obrigando-a a encarar.
O instinto sexual tem sido o mais negativado dos três desde que as sociedades
patriarcais inventaram a propriedade privada sobre os médios de produção de alimentos e
ferramentas, o direito da herança e precisaram controlar à maioria da população para manter
em pé a estrutura social e econômica piramidal que caracteriza este tipo de sociedade.
A minoria que está no topo da pirâmide percebeu muito bem que se controlar o
instinto sexual das pessoas controla a chave primordial de sua energia. Depois oferece canais
de sublimação do instinto sexual a través do trabalho, da dedicação à família, ao próximo ou
a uma causa maior e também oferecemos compensações com o consumo de supérfluos,
distrações, drogas legais e ilegais, etc. Já perceberam como homens e mulheres seminus são
usados na propaganda?

Por que não criar uma vida em que o sexo se torne simplesmente uma diversão,
como qualquer outro jogo, simplesmente um jogo biológico? Osho

Se você tiver dificuldade para autoproclamar-se como dona e senhora de sua


sexualidade e quando se sente atraída sexualmente por alguém e esse alguém por você e em
vez de horizontalizar-se com ela, você apresenta uma lista de pré-requisitos como se fosse a
abrir com ela uma empresa que exporta petróleo, vendendo assim de uma maneira
dissimulada o uso de seu corpo, não só você pode querer transformar um desejo sexual em
uma relação estável correndo o risco de envolver-se com pessoas que nada tem a ver com
você fora a atração sexual mas você atrairá pessoas que só querem fazer a “ginastiquinha” e
nem ficam para o pequeno almoço e muito menos estão dispostas a assinar pré-requisito
nenhum. Assim você tem a chance de assumir seus desejos sexuais como eles surgem de
dentro.
Assim como nosso alimento pode ser nosso remédio ou nosso veneno, o instintos
sexual plenamente vividos com amor e consciência podem não só dar muito prazer, mas
levar ao êxtase espiritual – veja a literatura tântrica citada –. Se a sexualidade é reprimida ou

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 85


FORMAÇÃO EM TAROT TERAPÊUTICO – VOL. 03 – TAROT E NUMEROLOGIA 86

sublimada, podemos criar conflitos internos capazes de nos arrastar à depressão, à obsessão,
à perversão e/ou à loucura.
O terceiro e último instinto mais importante é o instinto de preservação que nos
impulsa a cuidar de nosso corpo, a não colocarmos em situações de alto risco, a dar-lhe o
que o corpo precisa. Mas se você quando seu corpo está pedindo um sofá, lhe dá um café
expresso duplo e mais cinco horas na frente do computador, então sua saúde vai se
enfraquecendo e você atrairá reclamações do corpo sob a forma de doenças, tensões, estres
e somatizações ou acidentes.
Se você tem o Demônio como Desafio, sua maior dificuldade é expressar e viver
plenamente seus instintos. Se você não conseguir identificar, entender e resolver seu desafio
você vai perdendo sua vitalidade e espontaneidade.
Doenças, repressão e ameaças foram fatores que bloquearam a expressão instintiva
desde a infância. Tudo aquilo relacionado com as funções biológicas (mamar, comer, beber,
fazer xixi e cocô, suar, babar, respirar, coçar, espirrar, arrotar, peidar, dormir, etc.), e o
contato com a natureza e os animais estava distorcido ou sujeito a normas rígidas. Gritar,
correr, dar gargalhadas, expressar a raiva ou agredir para se defender também era mal visto.
O sexo era tabu, falava-se sutil ou explicitamente mal dele ou das pessoas que se permitiam
vivê-lo com maior transparência. Também um abuso sexual poderia criar uma forte repulsão
ao sexo.
Seu Desafio é, então, resgatar sua instintividade. Essa força deve estar bloqueada na
região pélvica por tensões musculares crônicas, que podem ser trabalhadas corporalmente.
Uma boa técnica para isso é a pulsação tântrica, que basicamente consiste em levar rítmica
e conscientemente a pelves para trás enquanto inspiramos,
e para frente enquanto expiramos. A meditação Kundalini também pode ajudar a
liberar essas tensões, assim como a dança do ventre ou certos trabalhos xamânicos.
O contato com a natureza, umas férias com uma tribo, o cuidado para não reprimir
os impulsos, o respeito com as necessidades corporais e os ritmos naturais de trabalho e
descanso, a descarga da raiva acumulada em um saco de pancadas, o fortalecimento da base,
isto é, da conexão por meio das pernas e dos pés com o chão ajudam neste resgate.
O floral de California Pitcher Plant* facilita a expressão dos instintos, o de
Snapdragon* redireciona a energia sexual pelos seus canais naturais e o de Stiky
Monkeyflower* ajuda a viver o sexo com mais amor.

Os Amantes como Lição de Vida


Os Amantes são a Lição de Vida associada ao Desafio do
Demônio.
Na carta dos Amantes, o Princípio da Polaridade, vemos
um casamento. Os noivos, de mãos dadas, são a Imperatriz e o
Imperador, os Princípios Feminino e Masculino concretizados no
plano físico. Se esta carta for a sua 2ª Lição de Vida você cresce
na medida em que você casa com você mesma, isto é, na medida
em que percebe que o homem de sua vida e a mulher de sua vida
estão dentro de você e não fora. Enquanto não entender isso todos
seus relacionamentos vão ser de dependência. Sempre ficamos
dependentes das pessoas nas quais projetamos aspectos nossos
que não desenvolvemos e expressamos, bem porque não nos
sentimos capazes de fazê-lo, bem porque consideramos esse

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 86


CAP. 09 – O DESAFIO DO DEMÔNIO Veet Pramad 87

aspecto como um defeito. Essas projeções são as flechas de ouro e prata que Cupido joga no
ar.
Quando a flecha é de ouro a pessoa atingida fica loucamente apaixonada pela
primeira pessoa ou animal que aparece. Por exemplo “Eu não tenho capacidade para ganhar
dinheiro”, isto é, nego os talentos que aplicados me dariam independência económica e
projeto esse talento numa pessoa que de preferência seja boa para ganhar dinheiro, fico
apaixonada por ela e estabeleço uma relação de dependência em que sou bancada
economicamente por ela. Acabo falando: “Eu não posso viver sem você” quando, na verdade
eu estou querendo dizer: “Eu não posso viver sem mim”. Eu não posso viver sem as
qualidades que vejo em você e que, na verdade, são minhas, e eu não as desenvolvo.
Se a flecha for de prata a pessoa atingida vai odiar loucamente a primeira pessoa ou
animal que aparecer. Por exemplo “Eu não posso ser irresponsável”, isto é, me exijo ser
absolutamente responsável o tempo tudo. Quando vejo uma pessoa que mostra um certo
nível de irresponsabilidade, projeto nela a minha própria irresponsabilidade negada e fico
louca de raiva. Em ambos casos fico enganchada com a pessoa em que estou projetando.
Deixo de trilhar meu caminho, aquele em que sou fiel a mim mesma, para tornar-me a
acompanhante ou o complemento de essa pessoa. Como consequência de entender que a
mulher y o homem de sua vida são as suas polaridades internas você poderá identificar qual
é o caminho da vida em que realmente você é fiel a você mesma
Faça uma lista de tudo aquilo que você espera das outras pessoas, especialmente
daquela com a que comparte a vida ou daquela com que você gostaria de compartir a vida e
depois veja de toda essa lista o que você pode dar para você mesma.
Também seria muito conveniente que você, o mais conectada possível com você
mesma, elabore um plano de vida preenchendo a tabela a seguir. Especifique muito bem qual
é o seu desejo real em relação a cada um dos aspectos seguintes em que se desdobra a vida.
E estou falando em desejos, algo que vem de dentro, não em vontades algo elaborado
pela mente. Defina qual é a vida que você deseja para si. Finalmente nenhum vento vai soprar
a seu favor enquanto não souber para onde ir.

Assunto Desejo O que posso fazer O que posso fazer a


agora? meio prazo?
Residência
Profissional
Relação afetiva
Sexualidade
Vida social
Família
Filhos
Amigos
Estudos
Viagens
Espiritualidade
Corpo
Férias
Lazer
Esporte

Você precisa escolher entre inumeráveis caminhos que nada tem a ver com você
aquele que é realmente seu caminho, aquele em que vai colocar suas qualidades, aquele que
a estimula. Alguns caminhos tem tudo a ver a sua programação familiar, obedecendo ou

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 87


FORMAÇÃO EM TAROT TERAPÊUTICO – VOL. 03 – TAROT E NUMEROLOGIA 88

revoltando-se contra às ordens que, geração após geração, definiram o comportamento (e a


saúde em geral) de sua família. Nestes caminhos você inibe a expressão de certos potenciais
ou aspectos de seu ser e que depois você projeta nos outros. Assim, inconscientemente, se
sente atraída por pessoas que têm as qualidades que você negou em você.
O outro caminho é seguir a voz de seu coração, atrevendo-se a romper a programação
e investindo nos seus potenciais, desenvolvendo suas polaridades, feminina e masculina,
virando um ser completo e independente que olha para o outro sem projeções, podendo assim
estabelecer relacionamentos sadios e de crescimento mútuo. É o caminho de Lilith, o
caminho da individuação.
Sua indecisão se verá amainada usando Scleranthus, e sua capacidade de tomar
decisões enraizadas no seu ser interno se fortalecerá com o uso de Wild Oat.

Este Desafio do Demônio com Os Amantes como 2ª Lição de Vida pode proceder de
uma 1ª Lição de Vida expressada pelas cartas cujos dígitos somam Seis. São cinco cartas, se
uma for sua Lição de Vida as outras quatro serão seus Desafios menores.
24: A Rainha de Paus.
33: O Sete de Paus.
42: Dois de Copas. O Amor.
51: O Cavaleiro de Espadas.
60: Seis de Espadas.

A Rainha de Paus como Lição de Vida


24: A Rainha de Paus. Natureza interna fogosa, expressão
externa emocional.
Se você tiver a mais fogosa das Rainhas como Lição de
Vida você avança no seu caminho de individuação na medida em
que se afirmar nas suas emoções e as expressa o mais claramente
possível. Para isso seguindo o exemplo da imagem em que a
Rainha se apoia no leopardo você precisa conectar-se, com os
instintos, encontrando neles a força e a base para sua expressão
emocional.

A Rainha de Paus como Desafio


Se a Rainha de Paus for um dos seus quatro Desafios
menores, você tem uma dificuldade grande para mostrar, expressar e fazer valer as suas
emoções. Isso pode proceder de uma desconexão com seus instintos e/ou uma desvalorização
de sua criatividade. Você pode se tornar uma pessoa a cada vez mais fria e manipuladora e
atrair tratores que passam por cima de você e de suas emoções.
Para melhor aproveitar a energia e a criatividade que vem dos instintos é conveniente
trabalhar as tensões corporais e as crenças que os bloqueiam. Ligada à sua força instintiva
você se sentirá mais forte e segura para abrir seu coração e expressar suas emoções,
especialmente se você trabalha a respiração e o medo de se expor. Sua escolha de profissão
também é muito importante, pois se colocar sua criatividade nela, dando assim um canal de
expressão ao seu lado instintivo, você vai mostrar um carisma tão poderoso que podem
chover colaboradores e admiradores.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 88


CAP. 09 – O DESAFIO DO DEMÔNIO Veet Pramad 89

Se, pelo contrário, você se sentir profissionalmente frustrada, é possível que


desenvolva uma forte tendência à sedução para autoafirmar-se, querendo controlar o outro
usando seu poder de atração sexual como isca, temperada com chantagens e manipulações
de novela mexicana.
A essência de Scarlet Monkeyflower** lhe ajudará a ser mais honesta
emocionalmente, e o Stiky Monkeyflower* facilitará uma intimidade sexual com mais
amor.

O Sete de Paus como Lição de Vida


33: O Sete de Paus. A Coragem. Marte em Leão.
Com o Sete de Paus como Lição de Vida, você amadurece
sabendo definir prioridades e depois mete as caras, com garra e
determinação desenvolvendo e usando a sua coragem em essas
iniciativas. Pode ser que precise trabalhar seus medos para que em
um determinado momento você possa se jogar por inteira, em um
impulso decisivo, forçando a barra se for preciso.

O Sete de Paus como Desafio


Se o Sete de Paus for um dos seus quatro Desafios menores,
você tem serias dificuldades para definir prioridades e se jogar
valentemente nelas. Assim não avança na vida pois justamente seu
salto na evolução está ligado a tomar iniciativas claras, assertivas e decididas a partir de suas
prioridades superando os prováveis medos que as dificultam.
Você necessita identificar, entender e desativar as crenças, medos e outros bloqueios
que dificultam tomar essas iniciativas. Provavelmente você vai atrair situações y pessoas
que a deixam cada vez mais dispersa até chegar num limite onde você se vera obrigada a
definir uma prioridade na sua vida e a transforma-la numa ação concreta.
Também poderia ser uma dificuldade para relaxar, permitir-se fluir e deixar de tentar
passar para o mundo a imagem de pessoa heroica que só vai ser aceita se conseguir realizar
o que nenhum ser humano tinha feito antes. Não seja o “Duro de matar 2”, não exagere, não
viva provando a si mesma e ao mundo que você é capaz disto ou daquilo. A coragem e o
impulso agressivo, pode ter seu momento mas forçar a barra todo o tempo é não só
insustentável mas um indicador muito claro de que você está fora de seu verdadeiro caminho.
Assim você se desgasta energeticamente e atrai propostas para realizar missões ainda mais
impossíveis e mesmo assim você não ganha a aprovação que espera.
O floral de Borage*, que desenvolve a coragem estimulando o coração e o
entusiasmo, assim como o de Vervain, que a ajuda a enraizar seu entusiasmo e manter você
centrada, serão de grande ajuda neste caso.

O Dois de Copas como Lição de Vida


42: Dois de Copas. O Amor. Vênus em Caranguejo.
Se dar amor é sua Lição de Vida. É provável que você traga de sua infância uma forte
carência que a impulsiona a buscar amor fora de você ou inibe suas iniciativas por medo da
rejeição. Em primeiro lugar você precisa ter claro que se você procura atrair o amor de outra

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 89


FORMAÇÃO EM TAROT TERAPÊUTICO – VOL. 03 – TAROT E NUMEROLOGIA 90

pessoa como uma maneira de fugir da necessidade de trabalhar sua


carência e de investir no seu crescimento pessoal, mesmo que você
pense ter encontrado esse alguém, você vai continuar mantendo
por baixo sua carência, seus sentimentos de baixa autoestima e de
inadequação. Essa falta de exame e resolução faz com que eles
tornem a superfície a qualquer oportunidade. Assim, é melhor
parar de correr atrás do amor lá fora, garantia de novas bofetadas,
e começar a trabalhar sua carência, sua autoestima. Dar-se amor é
fundamental. Suas escolhas precisam ser feitas na base do amor.
Se você tiver várias opções, escolha aquela que significa que você
se ama mais, aquela que significa valorizar-se mais. Cuidado, pois
isso nem sempre significa comprar roupas mais caras, ou artigos
que representam status. Às vezes, parar de trabalhar para ver o pôr-
do-sol pode nutrir você em níveis mais profundos, que são
justamente os que precisam ser trabalhados. Se você se valoriza pelo que tem, na hora que
perde, sua autoestima desaparece, então é melhor valorizar-se pelo que você é e investir na
expressão de seus talentos, potenciais e capacidades.

O Dois de Copas como Desafio


Se o Dos de Copas for um dos seus quatro Desafios menores, você tem dificuldade
para se amar talvez produto de alguma velha crença do tipo: “Eu não mereço amor” e você
fica procurando o amor tentando fazer aquilo que você acha que vai agradar aos outros para
receber o amor deles. Não só você vai ficando a cada vez mais carente, mas esse amor tão
esperado nunca chega, pelo contrário, o que você atrai são situações e pessoas que põem a
prova a pouca autoestima que você tem até que você tome vergonha na cara e pare de esperar
que venha o amor de fora, pare de pagar um preço absurdo por esse amor que não vem e
comece a construir sua autoestima sobre bases sólidas, isto é, internas.
A essência floral de Mariposa Lilly* a ajudará a nutrir-se de amor e a de Chicory
pode ajudar-lhe a ser menos possessiva e manipuladora nos seus relacionamentos.

O Cavaleiro de Espadas como Lição de Vida


51: O Cavaleiro de Espadas. Natureza interna mental,
expressão externa fogosa.
O mais intelectual dos cavaleiros, como Lição de Vida, está
indicando que você cresce tomando iniciativas a partir de sua
mente. Acredite nelas e faça delas o motor de seu movimento. Não
deixe suas opiniões, teorias, ideais e projetos mofar no porão, nem
faça deles tema de infindáveis conversas de botequim; parta para
a ação, jogue-se com ímpeto, determinação e coragem. Arrisque-
se.

O Cavaleiro de Espadas como Desafio


Se o Cavaleiro de Espadas for um dos seus quatro Desafios
menores você tem serias dificuldades para tomar iniciativas decididas a partir de suas ideias,
projetos, opiniões, teorias e ideais. Não só você pode virar um zero à esquerda, onde todos
se acostumaram a sua falta de ação e a seu silencio, mas também pode atrair situações e
pessoas que tentam enveredar você por caminhos, atividades ou grupos que nada tem que

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 90


CAP. 09 – O DESAFIO DO DEMÔNIO Veet Pramad 91

ver ou que até se opõem a suas convicções obrigando você a dar um chega para lá e mostrar
e empreender ações concretas a partir de sua verdade.
O floral de Blackberry* pode ajudar a colocar em prática suas ideias e o de Trumpet
Vine* a enraizar sua expressão verbal na sua verdade profunda.

O Seis de Espadas como Lição de Vida


60: Seis de Espadas. A Ciência. Mercúrio em Aquário.
Se o Seis de Espadas é sua Lição de Vida, seu crescimento
pessoal está ligado ao desenvolvimento de uma mente objetiva,
ágil e funcional. Analise a realidade externa e interna, extraia
dados, elabore teorias e veja se funcionam. Não tente ajustar a
realidade a suas crenças, mas suas crenças à realidade. Sua visão
de mundo precisa estar fundamentada na sua experiência e, se
possível, referendada pelas experiências válidas dos outros.

O Seis de Espadas como Desafio


Se o Seis de Espadas for um dos seus quatro Desafios
menores, você tem dificuldade para manter-se mentalmente
objetivo, realista e funcional. Isso pode acontecer de duas maneiras diferentes e
relativamente opostas. Uma seria ficando extremadamente mental, paladino da ciência que
ignora e rejeita qualquer coisa para a qual a ciência não tem explicação. Constrói o ego do
“sabichão” que cita os mestres o tempo todo para não se arriscar a ser minimamente pessoal
e mostrar suas emoções ou desejos. Você se torna uma pessoa séria, sisuda, julgadora que
pode ter muitas informações sobre aspectos particulares do mundo, mas que não sabe nada
de você mesma, pois sua verdade ficou enterrada embaixo de toneladas de conhecimentos.
Provavelmente você vai atrair pessoas ainda mais mentais do que você, propostas de trabalho
cada vez mais chatas que tornarão sua vida cada vez mais árida até chegar a um limite onde
você sinta a necessidade de dar uma reviravolta.

“O último esforço da razão é reconhecer que existe uma infinidade de


coisas que a ultrapassam”. Blaise Pascal (1623-1662)

Outra maneira seria fazer do esoterismo uma religião, acreditar que tudo é regido por
forças invisíveis, entidades espirituais, mestres ascensionados, etc. A física subatômica e o
misticismo oriental coincidem em afirmar que o que vemos e chamamos de realidade
material é maia, uma ilusão. A matéria é fundamentalmente o vazio. Se juntássemos o que é
realmente material, o Universo todo caberia em uma bola de futebol; no entanto, vacas não
voam, e mantras não param uma bala. Assim você fica a cada vez mais distante da realidade
concreta das coisas chegando incluso a ter sérios problemas para conseguir manter uma certa
qualidade de vida. Você atrairá outros fanáticos que dão argumentos a cada vez mais
esdrúxulos para tentar explicar o que acontece no mundo ou o que vai acontecer. Um claro
exemplo foi o 21.12.2012.
Trate de desenvolver uma visão mais objetiva do mundo com critérios que funcionam
e que se correspondem com as suas experiências. Também é importante que viaje, que
conheça outras culturas e costumes, para que sua visão de mundo seja realmente global.
O floral de Shasta Daisy* lhe ajudará a ter uma visão mais ampla do mundo e das
coisas sem se perder em detalhes fragmentados. O de Nasturtium* facilitará a conexão do
pensamento com o mundo prático.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 91


CAP X - O DESAFIO DA ARTE
O HIEROFANTE COMO LIÇÃO DE VIDA

Todos vós, que amais o trabalho desenfreado (...), o vosso labor é


maldição e desejo de esquecer de quem sois. Nietzsche (1844-1900)

Os homens de negócios e responsabilidades, no estado de repouso,


numa praia, por exemplo, parecem aquelas feras em cativeiro dos jardins
zoológicos. Alvaro Corrado (1895 – 1956)

A ARTE COMO DESAFIO


Se você tiver a carta da Arte (A Temperança) como Desafio, sua dificuldade
fundamental é integrar os opostos, como vemos na la figura
central que mistura a agua e o fogo, e assim poder fluir na vida.
Esta afirmação pode soar esotérica de mais, mas é perfeitamente
compreensível se a levamos aos planos práticos.
No âmbito professional integrar os opostos é divertir-se
trabalhando, isso significa, fazer de sua diversão seu trabalho.
Unir aquilo que sempre tem falado que são opostos: Trabalhar e
disfrutar. Significa quebrar a maldição bíblica: “Ganharás o pão
com o suor de teu rosto”.

“Nenhum trabalho de qualidade pode ser feito


sem concentração e auto sacrifício, esforço e dúvida.”
(Max Beerbohm (1872 –1956 )

Só interessa que o trabalho seja considerado um castigo, um esforço, um sacrifício


ou uma tortura para quem se enriquece explorando o trabalho dos outros.
CAP. 10 – O DESAFIO DA ARTE Veet Pramad 93

Esta integração de opostos ou polaridades é o velho wú-wéi (无为) dos taoístas


chineses: De wú (nada) e wéi (fazer) é a ação sem ação, o agir sem agir, a ação (masculina)
desde a receptividade (feminina) que é ilustrada com a imagem de um bambu oco. “Seja
como um bambu oco por onde passa o vento e sai uma canção” Você nada faz, você é apenas
um canal que permite que o vento passe. Você está na não-ação e essa não-ação permite a
ação do vento. Mas quem é o vento? Cuidado, o vento não é Deus, a Existência, não é nada
que esteja fora de nós. Falar que somos canal de expressão de poderosas forças externas é
só uma maneira de distanciarmos de nós mesmos e de engordar o ego. O vento é tudo aquilo
que vem do inconsciente com sua própria energia, alegria e entusiasmo. Quando fazemos
nossas opções de vida, levando para o plano da ação e pelo tanto da consciência, a partir do
que vem de dentro estamos integrando os opostos: consciente e inconsciente. Essa
receptividade nos permite entrar em contato com os impulsos do inconsciente que aparecem
com a sua própria energia de maneira que não precisamos de esforço. Se não existe esforço
podemos integrar o trabalho com o descanso, trabalhar descansando.

Chega um peregrino a um mosteiro taoísta. Na porta de entrada pergunta ao monge


zelador pelo mestre. O monge responde: “O mestre está descansando”. Não querendo
incomodar o mestre, o peregrino vai dormir na margem do rio. No dia seguinte, tudo picado
de pernilongos volta ao mosteiro, pergunta de novo pelo mestre, e recebe a mesma resposta.
Volta para o rio. A estória se repete vários dias até que azul de fome e de picadas de
pernilongo, quando o monge zelador responde que o mestre está descansando não aguenta
mais e explode: “Mas, como descansa esse mestre”?
- “O mestre descansa trabalhando”, responde o monge.

Uma das manifestações do inconsciente mais clara e constante é a expressão dos


talentos e potenciais que a pessoa tem. Os talentos e potencias estão desde o inconsciente o
tempo tudo querendo expressar-se, querendo colocar-se em prática. Esta expressão, que na
criança é uma brincadeira, no adulto deveria ser seu trabalho. No entanto o prazer, e estou
falando do prazer que vem de dentro, é sempre um efeito colateral da expressão de nossos
talentos e criatividade. Podemos então considerar o prazer como um bom indicador que
identifica se temos ou não potenciais para uma determinada atividade.
E que força de vontade precisamos para fazer algo que nos dá prazer? Nenhuma.
Podemos dizer que quanta mais força de vontade ou esforço precisamos para fazer uma
coisa, menos talentos temos para faze-la.
Quanto decidimos fazer aquilo que vem de dentro y fazemos de nossa diversão nosso
trabalho não só temos prazer, não só descansamos fazendo isso, mas não temos pressa em
atingir os resultados pois cada passo que damos nesse caminho tem graça. Isso ajuda a
eliminar a ansiedade e favorece a qualidade do resultado. Também a qualidade do resultado
é favorecida na medida em que estamos colocando nossos talentos em essa atividade. Sendo
que o mercado paga aquilo que tem qualidade podemos dizer que o dinheiro e o
reconhecimento profissional, que nesta via do wú-wéi nunca foi uma prioridade, vem como
efeito colateral de escolher atividades que vem de dentro.
Outro efeito colateral é que quando, pelo fato de que gostamos muito de uma
atividade, nos absorvemos totalmente nela, não vemos o tempo passar: “Uau! Amanheceu!”
Não sentimos o tempo passar, estivemos tão presentes no presente que saímos da dimensão
do tempo. O tempo existe no passado e no futuro, o presente está fora da dimensão do tempo,
o presente pertence a dimensão da eternidade. Quanto estamos totalmente presentes no
presente saímos do tempo entramos na eternidade e o tempo não passa por nos.
Envelhecemos menos. O que mais envelhece é obrigarmos a fazer todos os dias coisas que
não gostamos. O que mais envelhece é esperar que esse maldito e lento relógio marque

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 93


FORMAÇÃO EM TAROT TERAPÊUTICO – VOL. 03 – TAROT E NUMEROLOGIA 94

finalmente as 18h para poder sair deste trabalho chato. Vivemos cada segundo como se fosse
um minuto, cada minuto como se fosse uma hora...
Podemos dizer que a figura central da carta está alquimizando no caldeirão dourado
o Elixir da Eterna Juventude.
Outra consequência de esta abordagem se dá no mundo dos relacionamentos. Se você
passou o dia fazendo de sua diversão seu trabalho, acabado seu expediente, você vai sair de
lá irradiando prazer. Vai encarar o mundo dos relacionamentos, sejam amorosos, familiares,
amistosos, profissionais, etc. como um doadora e não como uma carente vampira que paga
qualquer preço para que as pessoas lhe deem algum prazer.
Resumindo podemos falar que transformar o que vem de dentro na sua atividade
principal ajuda a desenvolver seus talentos, gera prazer, faz que você não canse, da qualidade
aos resultados de seu trabalho, traz dinheiro e reconhecimento, freia o envelhecimento e
transforma sua maneira de relacionar-se tirando você do papel de “mendiga de amor”.
Outro aspecto da união dos opostos está representada pela figura central que está
formada pela integração do Imperador e Imperatriz como estavam representados na carta
dos Amantes. Temos aqui a integração plena dos aspectos masculino e feminino internos.
Se a compreensão de que o homem e a mulher de nossa vida estão dentro e não fora, como
vimos nos Amantes, nos leva a libertarmos das projeções, das expectativas que distorcem a
percepção, da dependência dentro dos relacionamentos e sabemos e podemos atuar a partir
do masculino ou do feminino quando é necessário, aqui podemos atuar sempre com os dois
princípios integrados podemos conquistar objetivos com amor ou parafraseando o Che
Guevara “podemos endurecermos sem perder a ternura e ser ternos sem perder a firmeza”.
Evidentemente isso nos leva a conseguir fluir muito mais nos relacionamentos, deixando
atrás expectativas, cobranças, manipulações, etc.
Da vida real:
Zé e João trabalhavam no Banco do Brasil em São Paulo. Os dois estavam
insatisfeitos.
Zé aproveitou um programa de demissão voluntária, pegou um dinheiro e ficou em
casa. João tentava, sempre que podia, arrumar um atestado médico para não aparecer no
banco.
Zé assumiu a casa e as crianças, dando mais tempo para sua esposa Cida tomar conta
da micro-empresa de confecção de roupa e investiu na firma dela o dinheiro da demissão.
No início, o orçamento ficou mais curto e tiveram que reduzir algumas coisas, como a
empregada e jantar fora aos sábados.
João estava cada vez mais tenso e gastava parte de seu salário para comprar diversão,
bebida, roupas, tentando esconder sua frustração. A qualidade de seu trabalho diminuía. Zé
adorava cozinhar para a mulher e os filhos, pegava receitas na internet e começou a fazer um
curso de culinária enquanto as crianças estavam na escola. João tinha dificuldade para chegar
até o final do mês, cada vez mais estressado, começou a somatizar.
Zé abriu um restaurante na praia de Porto de Galinhas, Cida levou a firma para lá.
João foi despedido do banco por justa causa e trabalha no restaurante do Zé; nas horas livres,
mexe com argila. A história do João ilustra um outro processo ou círculo vicioso.
Você não gosta do que faz, mas não acredita em você, acha que o trabalho é isso
mesmo e não toma atitudes. Escolhe aquelas atividades que aparentemente dão mais
dinheiro, segurança ou status independentemente de se elas tem ou não a ver com você.
Você fica sem prazer, seu lado instintivo fecha a torneira de sua energia e a cada dia que
passa fica mais difícil aguentar o expediente. Gasta o que não tem para comprar prazer,
geralmente com compensações não muito saudáveis. Suas dívidas aumentam, suas tensões
também, sua saúde se deteriora, produto das compensações, da tensão e da falta de prazer
verdadeiro, e a qualidade de seu trabalho vai para o brejo, perdendo o emprego ou seus

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 94


CAP. 10 – O DESAFIO DA ARTE Veet Pramad 95

clientes. Finalmente, fica sem saúde, sem dinheiro e mais frustrada do que nunca. Não deixa
de ser uma boa oportunidade para mudar.
Se este é seu Desafio você tem dificuldade para integrar os opostos. No plano
profissional você parece mais com o Joao. É muito provável que você passe de uma atividade
frenética, desconectada de seus potenciais, tipo o trabalho-tortura, para a distração ou farra
compulsiva, em que ambos extremos são autodestrutivos. Em todo caso, será muito difícil
para você escolher como trabalho lucrativo atividades que geram prazer. Você considerará
essas atividades como passatempos, hobbies, mas nada que dê dinheiro. Duas poderosas
crenças, internalizadas no passado, podem estar atuando:
“Eu não posso fazer o que gosto” ou “trabalhar é muito chato”.
Você atrai situações e pessoas que acentuam sua frustração, que a obrigam a
aumentar seu esforço para manter-se nessas atividades que nada tem a ver com você, que
mesmo esforçando-se mais não consegue fechar as contas. Na hora em que você percebe
que não pode continuar com essas atividades e largue elas você começa a atrair
oportunidades em atividades que sim tem a ver com você.
Este Desafio tem um segundo nível. De repente você junta coragem e decide
trabalhar no que você gosta, mas se cobra resultados e fica com tanta pressa para obtê-los
que acaba com o seu prazer.
Resolver o Desafio da Arte (A Temperança) significa quebrar a maldição bíblica
citada anteriormente: “Ganharás o pão com o suor de teu rosto”. O trabalho não pode ser um
castigo, e sim a expressão dos potenciais internos que a pessoa tem. O trabalho precisa ser
um descanso e descansar, uma maneira de trabalhar. Atividade lucrativa e lazer precisam
integrar-se, ação e receptividade, diversão e salário, jornada de trabalho e férias... tudo na
mesma panela.
Isso é o fluir. A ênfase deve estar colocada naquelas atividades que surgem
naturalmente, sem esforço, sem tensão. O conceito de ócio criativo de Domenico de Masi14,
isto é, trabalhar, aprender, descansar, divertir-se e ganhar dinheiro, tudo ao mesmo tempo,
cabe perfeitamente aqui.

“Aquele que é mestre na arte de viver faz pouca distinção entre seu
trabalho e o seu tempo livre, entre sua mente e seu corpo, entre seu
aprendizado e seu lazer, entre o seu amor e sua religião. Distingue uma coisa
da outra com dificuldade. Almeja, simplesmente, a excelência em qualquer
coisa que faça, deixando aos demais a tarefa de decidir se está trabalhando
ou se divertindo. Ele acredita que está sempre fazendo as duas coisas ao
mesmo tempo”. Pensamento Zen:

Se a Arte é seu Desafio responda a esta pergunta: O que eu faria se não precisasse
trabalhar para viver? O que eu faria com a minha vida se tivesse no colchão o dinheiro
suficiente para não preocupar-me com as questões econômicas pelo resto de meus dias?
Talvez você tiraria umas férias, provavelmente seu lado instintivo preso durante
quarenta horas semanais está mais do que cheio de marcar ponto e precisa parar. Mas algum
dia, com certeza, você vai cansar de não fazer nada. Imagine: já deu várias voltas ao mundo
de cruzeiro, um dia sua criatividade adormecida vai acordar. E então, como uma bola de
neve, você vai colocar em marcha um processo feliz, um círculo virtuoso. Você vai se
absorver em uma atividade, a atividade vai tomar conta de você, você e sua atividade vão
ser um, até o ponto de não ver o tempo passar. Seu prazer é tão grande que a ânsia por

14
O Ócio Criativo, Domenico de Masi, Ed. Sextante.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 95


FORMAÇÃO EM TAROT TERAPÊUTICO – VOL. 03 – TAROT E NUMEROLOGIA 96

resultados desaparece e você volta a ser a dona de seu tempo, e não a escrava dele. Pode ser
que inicialmente o dinheiro que ganhe com isso seja pouco, mas você o usará melhor, pois
não precisa comprar prazer, necessita do básico e o básico é sempre o mais barato.
Energeticamente, você se sentirá melhor, pois não estará usando sua energia para se impor
atividades que no fundo não gosta, de maneira que sua saúde melhorará e sua mente ficará
mais lúcida. Naturalmente, você se interessará mais sobre o assunto, saberá usar
determinadas técnicas, melhorará seu modus operandis. Estudar não será só gratificante, mas
também muito fácil, ou pelo menos muito mais fácil do que para as pessoas que não possuem
a predisposição natural que você tem para esse assunto. Assim, os resultados de seu trabalho-
divertimento, de seu fluir, terão a cada dia uma qualidade maior e abrirão espaço no mercado.
Sua renda melhorará e em alguns anos você terá saúde, dinheiro, prazer, sentimento de
realização profissional e estará vibrando em amor consigo mesma e com o mundo.
O floral de Wild Oat será muito eficiente para escolher atividades que correspondem
a uma verdadeira chamada interior, e o de Impatiens para trabalhar em um ritmo mais
tranquilo, deixando de fora a ansiedade, a compulsão e a irritação, enquanto o de Dandelion*
ajuda a entrar no ritmo Wu Wei e é especialmente indicado para aliviar tensões musculares,
produzidas pelo estresse.
A Arte (A Temperança) como Desafio está sempre vinculada ao Hierofante como
Lição de Vida.

O Hierofante como Lição de Vida


Se o Hierofante for sua 2ª Lição de Vida, você cresce na
medida que aproveita o que os Mestres Iluminados tem falado ou
escrito. Se você é receptiva aos Mestres, cuidado, pode deixar se
levar com facilidade, por conversa fiada. Cuidado com os
vendedores de receitas, de fórmulas mágicas que por apenas...
vendem saúde, felicidade, o paraíso, a graça de Deus, o amor
eterno, o diabo a quatro. No entanto, estão disponíveis mestres ou
os livros por eles deixados, que nunca falaram para ninguém “seja
assim ou assado”, que não chantagearam ninguém prometendo
céus ou ameaçando com infernos, doenças, desastres ou carmas.
Mestres que falam: “Seja você mesma” e ajudam o caminhante a
não cair nas armadilhas que o sistema escravívoro15 coloca em
todas as esquinas, das quais a predileta é o medo. Tudo é perigoso: “Cuidado, você pode ter
um terrorista embaixo de sua cama”. O Hierofante como Lição de Vida também sugere que
a pessoa cresce transmitindo seu conhecimento para os outros. A Arte (A Temperança) e O
Hierofante trabalham juntos, pois na medida em que gostamos mais de nosso trabalho, mais
nos aprofundamos nele e chegamos a um conhecimento maior que um dia podemos tornar
público. “Ensinando é que se aprende”, como diz o ditado popular.
A essência floral de Lotus* ajuda a pessoa a abrir-se espiritualmente, e o de Hound´s
Tongue* eleva o pensamento para a espiritualidade.

Essa Lição de Vida e o Desafio podem proceder de qualquer um dos quatro Arcanos
menores cujos dígitos somadas dão Cinco. Se um deles for sua 1ª Lição de Vida os outros
três são seus Desafios menores.
23: O Cavaleiro de Paus.

15
Que se alimenta de escravos.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 96


CAP. 10 – O DESAFIO DA ARTE Veet Pramad 97

32: O Seis de Paus.


41: O Ás de Copas.
50: O Dez de Copas.

O Cavaleiro de Paus como Lição de Vida


23: O Cavaleiro de Paus. Natureza interna e expressão
externa fogosa.
O mais fogoso dos Cavaleiros como Lição de Vida sugere
que você cresce tomando iniciativas claras e decididas a partir de
seu fogo interior: instintos e criatividade. Cresce na medida em que
se joga em novas e inspiradas aventuras. Em primeiro lugar, você
não pode envolver-se em atividades em que seu lado animal se
sente preso, em que sua criatividade não pode expressar-se porque
se o faz, você vai virar uma panela de pressão a ponto de explodir.
No dia-a-dia, esteja de olho para não engolir sapos, para não tomar
decisões que a deixem com raiva ou que signifiquem forçar sua
barra. Siga seus impulsos, expresse sua sexualidade, faça contato
com a natureza e expanda seus horizontes, seja espontânea como
uma criança ou como um mestre Zen. Não tenha medo de expressar sua natureza animal, ela
não é um monstro destruidor, a menos que a mantenha acorrentada durante muito tempo.
Trata de desativar o medo de expressar sua natureza animal, não é um monstro destruidor a
menos que você a mantiver acorrentada durante muito tempo.

O Cavaleiro de Paus como Desafio


Se o Cavaleiro de Paus é um dos seus quatro Desafios menores, você terá dificuldades
em tomar iniciativas a partir de seus instintos. Permanecerá em ambientes que a sufocam
instintivamente justificando-se com argumentos: “Mais dez anos de trabalho aqui e garanto
minha aposentadoria” Não, você não precisa de três argumentos científicos para fazer xixi.
Terá dificuldade também para expressar a sua criatividade e espontaneidade. Sem fogo sua
vida vai perdendo luz, energia e brilho e atrairá situações em que não tenha como não deixar-
se levar pela força da instintividade.
O floral de Wild Oat, que ajuda a tomar iniciativas a partir de um profundo
referencial interno, e o de Cayenne*, que catalisa a ação, são apropriados aqui.

O Seis de Paus como Lição de Vida


32: O Seis de Paus. A Vitória. Júpiter em Leão.
A mais harmônica e equilibrada das cartas de Paus como Lição de Vida indica que
seu amadurecimento pessoal acontece junto com a sua capacidade de encontrar um ritmo de
trabalho equilibrado onde a energia que você investe se corresponde com o retorno que você
obtém, seja econômico, emocional o como reconhecimento da sociedade. Assim, sem forçar-

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 97


FORMAÇÃO EM TAROT TERAPÊUTICO – VOL. 03 – TAROT E NUMEROLOGIA 98

se a se mesma, pode ir melhorando sua sensação de realização


profissional, investindo sua criatividade e ampliando seus
horizontes.

O Seis de Paus como Desafio


Se o Seis de Paus for um dos seus quatro Desafios
menores, você tem dificuldade para encontrar esse ritmo
equilibrado. Provavelmente se esforça continuamente correndo a
todo vapor atrás de resultados, projetando-se no futuro e achando
que assim vai conseguir ser reconhecida e aprovada. Nesse corre-
corre você se desconecta de seus potenciais e de sua criatividade.
Você atrai situações que a impedem de continuar nesse ritmo
doido e a obrigam a sintonizar-se mais com você mesma.
É importante trabalhar a autoconfiança, que facilita a expressão da criatividade e
desenvolver sua visão que lhe permitirá ir ampliando seu raio de ação. Atreva-se a pensar
grande!
A verdadeira vitória é definir objetivos criativos e, sem apego pelos resultados,
manter um ritmo de trabalho harmônico, isto é, que respeite seus próprios ritmos biológicos
de atividade e descanso, deixando chegar os resultados. Entre eles, está o reconhecimento
de seu trabalho pela sociedade, que logicamente pode temperar sua autoconfiança e
autoestima. No entanto, não transforme isto em uma auto-exigência de impressionar os
outros, adotando atitudes teatrais, pomposas e arrogantes, em cujo caso o floral de Agrimony
será muito útil para criar uma verdadeira autovalorização.
O floral de Impatiens lhe ajudará a fluir melhor com o ritmo dos acontecimentos, e
o de Wild Oat para tomar iniciativas profissionais a partir de um profundo referencial
interno.

O As de Copas como Lição de Vida


41: O Ás de Copas. A raiz do poderes da Água.
Se você tem o Ás de Copas como Lição de Vida , seu
crescimento pessoal está vinculado à capacidade de administrar
as emoções, encontrando as maneiras adequadas para expressar
todas suas emoções, achando o ponto certo entre a contenção e a
enchente.

O As de Copas como Desafio


Se este for um dos seus quatro Desafios menores, você
tem uma forte tendência a segurar suas emoções até não aguentar
mais e transbordar inundando a área, ou as expressa
compulsivamente o tempo todo de uma maneira reativa e
exagerada, caindo no sentimentalismo dramático, passando da euforia ao pranto, fazendo
tormentas em copos de água de uma maneira aleatória, besta, inconsequente y disfuncional.
Provavelmente você vai atrair situações que mexam ainda mais com as suas emoções
contidas não dando chance a que você continue represando-as ou trazendo consequências
muito desagradáveis a suas explosões sentimentalistas. Precisa trabalhar suas emoções para

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 98


CAP. 10 – O DESAFIO DA ARTE Veet Pramad 99

expressá-las com mais fluidez e naturalidade. No primeiro caso, sessões de renascimento ou


bioenergética podem ajudar a desabrochar a carga emocional contida e, no segundo,
precisaríamos pesquisar as origens dessa disfunção e achar o que você realmente está
ocultando atrás de toda essa parafernália.
O floral de Black-Eyed Susan* ajuda a trazer de volta emoções escondidas ou
esquecidas, e o de Pink Monkeyflower* facilita a expressão das emoções ajudando a
dissolver o medo de se expor.

O Dez de Copas como Lição de Vida/Desafio


50: O Dez de Copas. A Saciedade. Marte em Peixes.
O Dez de Copas, a carta da saturação emocional, como
Lição de Vida indica que você evolui na medida em que se liberta
de vínculos emocionais, abusivos e sufocantes. Temos aqui outra
carta “sombria”.
Se for um dos seus quatro Desafios menores, você tem uma
forte tendência a se envolver com as pessoas colocando tantos
compromissos, obrigações, responsabilidades, expectativas,
rotinas, exigências e auto exigências para estreitar os laços
emocionais que sua vida emocional fica presa, programada e sem
graça, e qualquer impulso espontâneo fica impossibilitado de sair
à luz. Atrás dessa tendência pode existir uma forte insegurança, um
forte medo de ficar sozinha ou de perder as pessoas que você acha
que tem; assim, você se algema a elas para que não fujam. Pode existir também a
possibilidade de você conter seus impulsos emocionais, dando-se como justificativa um
argumento do tipo: “Eu preciso submeter-me a essa exigência por causa dos outros”, “Estou
farta de meu marido, mas tenho que suportá-lo por causa das crianças” ou “Não posso
namorar porque tenho que cuidar de meus pais que estão velhos”.
Você vai atrair mais responsabilidades, obrigações e tarefas até que você não aguente
mais.
Você precisa mudar a sua forma de relacionar-se eliminando de seus vínculos
emocionais o peso das exigências, expectativas, compromissos e falsas responsabilidades.
Se por baixo disso tudo ainda tem carinho pode manter o vínculo mas se não tiver nada você
nada pode manter.
Dificilmente você poderá resolver seu Desafio de fluir na vida (A Arte) enquanto não
liberar suas emoções dessa trava que a deixa permanentemente insatisfeita e sufocada.
Passar para uma nova fase livre de vínculos opressivos pode ser facilitado pelo floral
de Walnut, enquanto o de Chicory pode ajudar a amainar sua exagerada possessividade, se
este é o caso. Se normas sociais ou familiares precisarem ser rompidas, pode usar o floral de
Centaury, e se essa libertação passa pela ruptura sofrida de uma relação afetiva, o floral de
Bleeding Heart* a ajudará a lidar com a dor da separação.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 99


CAP XI - O DESAFIO DA MORTE
O IMPERADOR COMO LIÇÃO DE VIDA

“O homem absurdo é aquele que nunca muda.”


Georges Clemenceau (1841-1929)

“Só é possível transformar-se na medida em que já se é”.


Friedrich Von Novalis (1772 - 1801)

A MORTE COMO DESAFIO


Se você tem A Morte como Desafio, sua principal
dificuldade na vida é transformar-se. Embora as transformações
externas o assustem, o centro da questão está no lado interno.
Seus padrões automáticos de comportamento o governam.
Alguns de esses padrões você os desenvolveu na infância para
ser aceita pela família ou para não ser rejeitada: “Se eu for
boazinha, eles vão gostar de mim” outros foram impostos sob
algum tipo de ameaça ou chantagem: “Se você volta a me
responder, apanha”. Esses padrões necessários para a
sobrevivência em aquele tempo cristalizaram na sua
personalidade de maneira que hoje quando você não é mais uma
criança vulnerável e dependente continua tomando iniciativas
a partir de esses padrões de uma maneira automática e
inconsciente. A simples possibilidade de mudá-los mexe poderosamente com sua
insegurança infantil, com as ameaças que foram colocadas e com possíveis crenças do tipo:
“As mudanças podem trazer sofrimento”.
Provavelmente a aceitação familiar esteve condicionada a comportamentos rígidos e
imutáveis, cuja ruptura supôs castigos, ameaças e/ou rejeições. A essência ficou emparedada
atrás desses padrões de conduta cada vez mais automáticos e inconscientes.
CAP. 11 – O DESAFIO DA MORTE Veet Pramad 101

Continua indo fazer xixi antes de ir dormir mesmo sem vontade porque durante anos
sua mãe, temerosa de que o fizesse na cama, a obrigava a fazê-lo. Nunca caminha com as
mãos nos bolsos porque, na região montanhosa onde se criou, seu pai sempre falava: “Tira
as mãos do bolso porque se cair, vai parar a queda com os dentes”. Hoje, mesmo nos dias
mais frios, evita fazê-lo.
Esses padrões estão tão enraizados que esqueceu por que os adotou. O pior é que
controlam sua vida e impedem qualquer tipo de mudança e adequação aos novos tempos.
Esses padrões são como uma perna gangrenada. Quando o doutor fala da necessidade de
amputação, você não quer perder a sua perna mas vai concordar quando o doutor explica que
se não corta a perna você vai sofrer cada vez mais até morrer.
Desconfia de qualquer novo sistema operacional no serviço, do colega recém-
chegado, da reforma de previdência, do novo namorado da filha, e continua lendo o jornal
enquanto toma café, mesmo que chovam canivetes. Olha com receio os computadores
e cria os filhos como ela lembra que foi criada: “Assim minha mãe me criou e eu não
saí torta!”. Mudar-se de cidade, antes a morte: “Eu nasci aqui, aqui vou morrer!”.
Pode ser que essa dificuldade para mudar se manifeste exteriormente como um
grande medo à perda, especialmente da própria vida. Conserva as velhas panelas da vovó
junto a outras relíquias familiares ou mantém aquele fusca barulhento e poluente ocupando
uma vaga na garagem.
Você atrai continuamente circunstancias que lhe dão chance de sair do padrão e na
medida em que você insiste em agir padronizadamente você atrai bofetadas, até você
compreender que seguir o padrão só traz cada vez mais sofrimento e se atreva a ser mais
você mesma.
Para resolver esse Desafio pode ser fundamental fazer terapia. Você precisa de apoio
profissional para identificar, entender e desativar esses padrões e vencer seu medo de mudar.
Provavelmente você só decidirá marcar uma consulta o dia que perceber que não é o mundo
que está do avesso, e sim que você precisa mudar.
É importante que perceba que o Universo todo está em constante movimento, aquilo
que para é imediatamente destruído, a impermanência é lei.
O floral de Cayenne* ajuda a tomar iniciativas rompendo bloqueios em processos
de transformação, e o de Orange Grape* ajuda a minimizar o medo do desconhecido e do
novo.

O Imperador é a Lição de Vida vinculada ao Desafio da Morte.


O que foi dito a respeito dele no capítulo “O Desafio do Louco” também será válido
aqui.
Essa constelação cujo desafio é A Morte, a 2ª Lição de Vida é O Imperador, só pode
proceder do Louco como 1ª Lição de Vida. Ver O Louco como Lição de Vida no capítulo
“O Desafio da Lua”.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 101


CAP XII - O DESAFIO DO PENDURADO
A IMPERATRIZ COMO LIÇÃO DE VIDA

“Renda-se como eu me rendi. Mergulhe no que você não conhece


como eu mergulhei. Não se preocupe em entender. Viver ultrapassa qualquer
entendimento.” Clarice Lispector (1920–1977)

“A imaginação é mais importante que o saber.”


Albert Einstein (1875–1955)

Se o Pendurado, a ilustração do Princípio da Entrega é seu


Desafio, sua grande dificuldade é justamente entregar-se em
primeiro lugar a sua própria natureza, e como consequência
natural entregar-se depois à vida e finalmente ao mundo levando
à prática seus ideais. Se você não se entrega a sua natureza, isto
é, se você não se aceita plenamente vai precisar muito da
aceitação dos outros e pode pagar preços absurdos para consegui-
la. E mesmo se você, entendendo que seu umbigo é importante
mas o mundo é mais importante, da vazão aos seus ideais, abre o
peito para o mundo e se engaja numa atividade que visa a melhora
da qualidade de vida dos seres, no fundo você fica esperando em
troca essa aceitação que você não dá para você mesma. Assim
esse aparentemente ato altruísta se transforma em comercio.
Você precisa entender que, assim como o Pendurado está amarrado pelo pé e não
pode se soltar, todos nós estamos amarrados a uma coisa e até que a morte nos separe não
vamos poder nos libertar dela. Essa coisa é a nossa própria natureza.
O abacateiro não dá mangas e a mangueira não dá abacates. O que sim podemos fazer
é polir nossa natureza, a mangueira sempre pode dar mangas mais saborosas. Mas para isso
precisamos em primeiro lugar nos aceitar totalmente, independentemente das opiniões que
nossa mente, nossa família ou a sociedade tem de alguns aspectos nossos, catalogados
geralmente como defeitos. Se negamos esses aspectos eles vão para o baú da sombra do
inconsciente desde onde nos manipulam. Como já falei antes, somos manipulados pelos
CAP. 12 – O DESAFIO DO PENDURADO Veet Pramad 103

aspectos nossos que escondemos do mundo e de nós mesmos. Também acontece que lá no
baú eles se fortalecem e degradam e podem atingir um volume tal que um dia explodem. Na
medida em que os aceitamos os podemos entender e na medida que os entendemos podemos
redimensioná-los se for preciso. Por exemplo se nego minha raiva ou minha ambição sou
manipulada por elas, mas se as aceito percebo de onde vem e o que engorda elas e posso dar-
lhes uma dimensão sadia em que a raiva me serve para encarar o medo ou para não deixar
que outras pessoas me passem por cima e a ambição me ajude a ir para frente na construção
de meu patrimônio sem obsessões nem grandes esforços.
Um dos grandes perigos deste desafio radica em, na medida em que você não se
aceita plenamente, submeter-se as vontades de outras pessoas para obter a aprovação delas.
Pode inclusive até desenvolver uma fachada (ego) de vítima sacrificada que faz tudo pelos
outros e ninguém dá bola para ela. “Eu que me sacrifico por vocês, é assim que vocês me
pagam...”. Assim você pode ir se anulando e vivendo cada vez mais em função das outras
pessoas. Seu ego pode fazer do sofrimento um mérito e do sacrifício, tão estimulado pelas
religiões, uma medalha.
Você atrairá pessoas que a troca de umas migalhas de atenção ou aceitação exigiram
preços mais elevados, exigiram atitudes, serviços ou iniciativas que vão cada vez mais em
contra de sua natureza. Cuidado se você dá uma de capacho, mais e mais pessoas vão querer
passar por cima, até você acordar e começar a se aceitar.
Uma vez que você conseguiu entregar-se a sua natureza você já tem meio caminho
andado para dar um segundo grande salto na sua evolução, superando as possíveis
dificuldades para entregar-se a vida e ao mundo. Se não o fizer sempre vai sentir ausência
de significado na sua vida mas se você se abre minimamente a essa possibilidade
provavelmente vai atrair belas oportunidades para fazer alguma coisa interessante para o
mundo. Esta dificuldade para se atirar na vida, fazendo de seus ideais a correnteza onde
você joga sua canoa e se deixa levar, pode estar enraizada em uma profunda falta de
autoconfiança, que pode se manifestar às vezes também como passividade extrema.
Faz-se necessário trabalhar a autoestima e a autoconfiança, tomando iniciativas que
gerem uma real satisfação pessoal. Chegou a hora de fazer alguma coisa por você, de
ter sua própria vida, não importa se os outros falam que você se tornou egoísta.
Fortaleça-se até se sentir capaz de se jogar nos seus ideais.
A tendência à submissão pode ser revertida com a ajuda de Centaury, fortalecendo
sua individualidade e autoestima. O floral de Oregon Grape* pode ajudá-la a confiar mais
no mundo a sua volta, e o de Chicory a desenvolver o verdadeiro altruísmo.

A Imperatriz é a Lição de Vida associada ao Desafio do Pendurado. O que foi dito a


respeito dela no capítulo “O Desafio do Universo” é igualmente válido aqui.

Este Desafio do Pendurado, com A Imperatriz como 2ª


lição de Vida, só pode vir do Universo como 1ª Lição de Vida.

21: O Universo.
Se o último Arcano da sequência dos Maiores é sua 1ª
Lição de Vida, você cresce aprendendo a fechar etapas na sua vida
e a abrir outras novas a través de concluir assuntos.
Alguns assuntos, aqueles que já não a estimulam é
conveniente largar: relacionamentos, que por mais que você insista
trazem mais sofrimento do que prazer ou continuam na mesmice
insatisfatória e frustrante anos à fio, atividades que você se impõe,
ou negócios que não dão lucro por mais que você invista.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 103


FORMAÇÃO EM TAROT TERAPÊUTICO – VOL. 03 – TAROT E NUMEROLOGIA 104

Largando esses assuntos você resgata tempo e energia para chegar às últimas
concretizações materiais em outros assuntos que não perderam a vigência, assuntos que
realmente estimulam você. Esses resultados concretos servirão de trampolim para se jogar
numa nova etapa de vida. Por exemplo, concentrar-se durante alguns anos para quitar seu
apartamento lhe dará, não só um aprendizado interno importante, mas a possibilidade de
viver sem ter de pagar aluguel ou de alugá-lo e ter uma renda que pode permitir-lhe viajar
ou morar em outros lugares. Formar-se em uma determinada área ou fazer um mestrado pode
dar uma guinada na sua vida profissional.
Para discriminar os assuntos que deve largar e aqueles em que deve insistir escute a
voz de seu coração. Conecte-se, se hoje fosse seu último dia de vida, você continuaria
tocando tais e tais assuntos para frente?
O floral de Walnut ajuda nos momentos de transição, fortalecendo a determinação e
a constância.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 104


CAP XIII - O DESAFIO DO TESÃO
A SACERDOTISA COMO LIÇÃO DE VIDA

“As paixões humanas não passam dos meios que a natureza utiliza
para atingir os seus fins”. Marquês de Sade (1740–1814)

“Só uma necessidade intensa de criar leva o homem a revoltar-se, a


descobrir e a descobrir-se com lucidez”. Pablo Picasso (1881–1973)

“O homem morre a primeira vez quando perde o entusiasmo”.


Honoré de Balzac (1799–1850)

O TESÃO COMO DESAFIO


Se você tem carta do Tesão (A Força) como Desafio indica
que você dá um grande salto na sua evolução na medida em que
consegue identificar, entender e desativar as dificuldades internas
para integrar seu lado animal (emoções, instintos, impulsos vitais
e necessidades corporais) com o lado racional. Também tem
dificuldade para dar à energia criativa que originalmente está
direcionada para encher de moleques o planeta, um canal
apropriado de expressão a través das inúmeras possibilidades
existem, desde a arte propriamente dita, até preparar uma salada o
arrumar um jardim. Esta dificuldade de integração dos aspectos
animal e racional pode se manifestar de várias maneiras, embora
as duas estejam enraizadas em uma profunda desvalorização
pessoal e a impossibilidade de expressar-se como um todo
integrado de uma maneira funcional e criativa.
Na primeira, a mente, entrincheirada em preconceitos, crenças e doutrinas morais,
bloqueia a sensualidade, a expressão da beleza corporal, a criatividade e o entusiasmo pela
vida.
Provavelmente, quando criança você era muito criativa e sensual e a expressão dessas
qualidades só trouxe castigos, ameaças e sofrimento. A partir daí, travou seu lado animal
que ficou desconectado da outra parte, que, por sua vez, adquiriu ou inventou “boas razões”
para continuar reprimindo tais qualidades. Com frequência, as crianças de 3 a 6 anos passam
pelo complexo de Édipo ou de Electra se apaixonando pelo genitor do sexo oposto. A atitude
dos pais nessa fase é muito importante para um ulterior relacionamento com seu próprio
corpo e os relacionamentos eróticos em geral.
A segunda seria uma compulsão sedutora. Sua desvalorização pessoal a faz acreditar
que pouco ou nada vai conseguir por seus próprios meios. Você acha que sua força e
criatividade são insuficientes para atingir seus objetivos, assim seduz outras pessoas para
consegui-los. Seduz para ser aceita, seduz o professor para passar de ano, seduz o chefe para
conseguir uma melhora no contracheque ou determinadas diárias, seduz o superintendente
para conseguir uma promoção, seduz o colega para que acabe seu próprio trabalho, seduz o
marido para ir de férias onde você quer, seduz o cliente para que compre, etc. Utiliza, então,
sua sensualidade e sex-appeal como moeda para comprar o que quer e, quando o obtêm,
fecha o moedeiro. Não envolve o coração na jogada. Seduz, mas não se entrega. Essa cisão
sexo/coração pode chegar a refletir-se no corpo como uma divisão horizontal na barriga, na
altura do umbigo. É provável que quando essa pessoa quiser entregar-se realmente, viver
sexo e amor como uma coisa só, vai ter somatizações como candidíase ou cistite, no caso de
uma mulher, e dificuldade de ereção ou ejaculação precoce, no caso de um homem. O ego,
acostumado a esse padrão de defesa, cria essas doenças para afastar o/a parceiro/a, pois esse
contato realmente íntimo é uma ameaça para ele, especialmente se na fase edipiana (ou
electriana) a criança sofreu fortes rejeições.
Negando ou vivendo de uma maneira não funcional o lado animal você pode ficar
identificada com seu lado racional fazendo sempre o que sua mente considera que é o mais
adequado, conveniente e lógico. Você pode atrair impactos emocionais fortes que a
obriguem a deixar de reprimir suas emoções, pode atrair pessoas ainda mais manipuladoras
e sedutoras que você com as quais você entre em jogos de poder que só trazem sofrimento.
Resolver esse Desafio passa por valorizar-se, trabalhando a liberação da expressão
da sensualidade e sexualidade, no primeiro caso; a união do coração com o sexo, no segundo;
e a autoestima nos dois casos. A biodança pode funcionar muito bem no primeiro caso. Para
o segundo, um exercício simples de origem tibetano pode ajudar. Na hora de dormir, coloque
uma mão no sexo e outra no coração, respire profundamente e imagine que quando você
inspira sua energia se concentra no sexo, na hora de expirar mande essa energia para o
coração. Sinta como se estabelece um canal energético entre ambos que vai ficando cada vez
mais presente e com essa sensação adormeça sem mudar as mãos de lugar. De manhã, assim
que acordar, faça durante cinco minutos o mesmo exercício. Quando fizer sexo, procure
manter seus olhos nos olhos da outra pessoa o maior tempo possível, especialmente na hora
do orgasmo.
Sugerimos, como estimulante da autoestima, as atividades criativas, mesmo que
inicialmente não sejam lucrativas.
O floral de California Pitcher Plant*, que desenvolve os aspectos instintivos do
Ser, aumentando sua vitalidade, e o floral de Indian Paintbrush*, que fortalece sua
criatividade, enraizando-a com as forças telúricas, podem ser proveitosas.
Esse desafio procede do Eão (O Julgamento) e da Sacerdotisa como 1ª e 2ª Lições de
Vida respectivamente.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 106


CAP. 13 – O DESAFIO DO TESÃO Veet Pramad 107

O Eão como Lição de Vida


20: O Eão (O Julgamento).
O Eão – Grandes espaços de tempo – como 1ª Lição de
Vida, chamada O Julgamento em outros baralhos, sugere que seu
crescimento pessoal está vinculado a colocar em prática suas
compreensões. Para isso você em primer lugar precisa identificar
e se desidentificar da sua criança carente que ficou assim porque
não teve a suficiente atenção positiva de seus pais e hoje faz
qualquer negócio para conseguir aceitação e fugir de possível
rejeições. Por mais que seu lado mais consciente de adulta percebe
o que tem que ser feito e o que não pode continuar fazendo na hora
de passar para ação esse lado infantil passa a rasteira e você
percebe que voltou a não fazer o que devia fazer ou fez o que você
já estava careca de saber que não podia continuar fazendo. Assim
de nada serve a consciência que você tem se na hora de levar a pratica essa criança carente
manipula e interfere você. É fundamental que essa criança cresça e isso está na sua mão.
Você pode dar a certidão de adulta a esse criança na medida em que você nutra ela com sua
atenção positiva. Saia do tirano mental que durante décadas, a imagem dos pais, falava para
criança: “Não molestes, estou ocupada fazendo coisas importantes”. Escute as solicitações
da criança, conte estorinhas para ela, mesmo que não seja a Cinderela mas Saramago, leve
ao parque mesmo que não seja para o balanço mas para pedalar. Permita-se fazer coisas que
não são um meio para atingir um importante fim mas são um fim em se mesmas. Assim essa
criança amadurece, deixa de sabotar você e se integra com seu lado adulto.
Então não fique esperando aprovação, nem se intimide como que os outros vão
pensar, dizer ou fazer quando você tomar certas iniciativas. Tome suas decisões e iniciativas
a partir de sua percepção consciente e assuma as responsabilidades pertinentes.
A essência de Centaury pode ajudar a reverter a dificuldade de falar “não” ou de
desobedecer as normas sociais, e a de Cerato fortalece a confiança na sua própria percepção
e ajuda a tomar decisões firmes e precisas.

O que foi dito para a Sacerdotisa no Capítulo IV “O Desafio do Eão” serve aqui
também.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 107


CAP XIV - DESAFIOS DUPLOS
“Uma vida sem desafios não vale a pena ser vivida”.
Sócrates (470 a.C.–399 a.C.)

“O ser humano é um ímã, e cada detalhe de suas experiências


aconteceram porque ele as atraiu”. Elizabeth Towne (1865 - 1960)

A pessoa com desafio duplo tem maiores entraves internos que a bloqueiam e, ao
mesmo tempo, a impulsionam ao crescimento. Sua vida se abrirá com maior amplitude e
beleza toda vez que conseguir superá-los.

DESAFIO DO PENDURADO E DO UNIVERSO

Se você tiver este duplo desafio


do Pendurado e do Universo, pode ler
tudo o que foi escrito nos capítulos III e
XII ao respeito de estes Desafios. Estas
dificuldades para entregar-se a própria
natureza e chegar a resultados práticos
que sirvam como trampolim para abrir
novas fases de vida, criam uma forte
tendência a ficar comprando aceitação e
se submetendo às vontades alheias
(marido ou esposa, família, chefe,
mercado), vivendo em função deles,
deixando que seu universo próprio fique
cada vez mais restrito a um lar ou a um determinado emprego. Você não consegue imaginar
que pode existir outra maneira de viver e se acomoda às suas rotinas, exibindo seriedade,
paciência e perseverança, ou até pode construir uma máscara de vítima.
Você atrai tiranos que fazem que você se submeta ainda mais e situações e pessoas
que tornam mais chatas suas atividades. Comece a trabalhar para se aceitar plenamente, isso
CAP. 14 –DESAFIOS DUPLOS Veet Pramad 109

criará vergonha na cara como para deixar de aceitar certas coisas, como para vislumbrar uma
possibilidade de vida diferente, una vida entregando-se ao que vem de dentro com uma
atitude mais sintonizada e comprometida com sua verdade e sua visão, colocando um ponto
final a um capítulo adolescente de sua vida e abrindo outro de adulto.
O floral de Red Clover* ajuda a fortalecer a autopercepção, facilitando a tomada de
iniciativas independentes a partir de sua própria verdade, e o de Deerbrush*, que estimula
a sinceridade, ajudando a pessoa a agir a partir de suas emoções. O floral de Rock Water
ajuda a quebrar o padrão de rigidez, e o de Sabebrush* lhe dá o discernimento para perceber
o que deve ser abandonado e o que é essencial na sua vida e, portanto, deve ser trabalhado
até o fim – nesse caso com a ajuda de Walnut, que proporciona determinação para mudar
de fase.

Este Desafio duplo provém de uma única Lição de Vida que é o 30. Vimos desafios
como o do Louco e o do Universo que procedem de seis cartas como a 1ª Lição de Vida, os
matemáticos diriam que existem 6 vezes mais possibilidades de que apareçam os Desafios
do Louco e o do Universo que apareça este Duplo Desafio.

A 2ª Lição de Vida é A Imperatriz que também apareceu no capítulo 03. O que lá foi
falado serve aqui.

O Quatro de Paus como Lição de Vida


30: O Quatro de Paus. A Consumação. Vênus em Áries.
Se você tem o Quatro de Paus como 1ª Lição de Vida, você
cresce incorporando à sua vida método, organização e disciplina.
Programe suas atividades, saiba, como um bom cozinheiro,
escolher e misturar os ingredientes: atividades lucrativas e
criativas, lazer não remunerado, il dolce far niente, meditação,
atividades físicas, expansão cultural, para que seu dia-a-dia seja
variado e estimulante.
Defina objetivos a curto, médio e longo prazo, priorize as
metas em curto prazo, mas reserve um tempo de seu dia para as
outras. Você tem tempo para tudo.

“Falta de tempo é a desculpa daqueles que perdem tempo por falta


de método” . Albert Einstein

Por mais que sua agenda seja atrativa, não vire um escravo dela, deixe alguns buracos
para você fazer exatamente aquilo que lhe der na telha nesse momento.
Procure não se envolver em novos assuntos ou tarefas antes de ter concluído outras.
Saiba delegar atividades, procure trabalhar em equipe.
O floral de Madia* ajuda a mente a concentrar-se em um assunto de cada vez sem
distrações, e o de Hornbeam proporciona vigor para manter o esforço disciplinado.
Observem que esta carta nunca pode ser um Desafio pois é a única, como falei
encima, que gera este Desafio Duplo.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 109


110 FORMAÇÃO EM TAROT TERAPÊUTICO – VOL. 03 – TAROT E NUMEROLOGIA

DESAFIO DA MORTE E DO LOUCO

O segundo e último Desafio


duplo é o da Morte e do Louco. O que
foi falado ao respeito deles nos capítulos
XI e II respectivamente é válido para
este Desafio Duplo.
Esta forte automatização dos
padrões de comportamento dificulta seu
crescimento. Seus padrões podem ser
tão inconscientes que você não percebe
até que ponto estão atrapalhando. Você
funciona assim, sempre funcionou
assim, então para que mudar? E desses
padrões de comportamento, o mais arraigado pode ser uma bela fixação na infância. Sua
prioridade, mesmo que inconsciente, é encontrar alguém que tome conta de você. Continua
correndo atrás da mamãe ou papai, pedindo a atenção e o amor que não recebeu na sua
infância. Vai sofrer bastante nos seus relacionamentos, levando muito coice de pessoas que
não querem uma pessoa tão crescida para cuidar ou, se encontrar alguém com traços
maternos ou paternos suficientemente fortes, como para aceitar ser seu novo papai ou
mamãe, o preço a pagar será a perda de sua liberdade. Pode atrair pessoas que aceitem entrar
no jogo paterno/filial mas a troca de colocar você a seu serviço para atender às suas
vontades, para fazer de você a sua funcionária, para inflar seu ego ou para usar você de
depósito de suas frustrações e raivas.
O floral de Fairy Lantern* pode ajudar a dissolver a fixação na infância, e o de
Cerato a fortalecer a autoconfiança para tomar suas próprias decisões. Os hábitos mais
destrutivos podem ser trabalhados com o de Morning Glory*, e o de Rock Water dissolverá
a rigidez que sustenta a dificuldade para mudar padrões de vida.

Esse Desafio duplo procede de duas Lições de Vida: o 40, A Princesa de Copas, e o
31, O Cinco de Paus, que reduzidos nos levam ao 4, O Imperador, a 2ª Lição de Vida. O que
vimos dele no Capítulo II “O Desafio do Louco” pode também ser aplicado aqui.
Se a Princesa de Copas for sua 1ª Lição de Vida o Cinco de Paus será seu Desafio
menor e vice-versa.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 110


CAP. 14 –DESAFIOS DUPLOS Veet Pramad 111

A Princesa de Copas como Lição de Vida


40: A Princesa de Copas. Natureza interna emocional,
expressão externa prática.
A mais emocional das Princesas, como 1ª Lição de Vida,
indica que seu caminho de amadurecimento passa por dar forma
a suas emoções e sensibilidade. É importante encontrar um
veículo por meio do qual as emoções possam ser colocadas para
fora e transformadas em algo concreto, seja material, como uma
escultura, uma pintura, um arranjo floral ou um jardim, ou pelo
menos captável pelos sentidos como uma música, uma
coreografia ou uma peça literária.

A Princesa de Copas como Desafio


Se a Princesa de Copas for seu único Desafio menor (quando a carta número 31, O
Cinco de Paus é a 1ª Lição de Vida) sua dificuldade é justamente dar forma concreta a suas
emoções e sensibilidade. Mesmo tendo talento para isso você fica pressa a velhas crenças
que a desvalorizam. Provavelmente na infância quando através de um desenho o de uma
dança você expressava seu talento para materializar sua sensibilidade e suas emoções você
recebeu fortes críticas e/ou foi proibida de se expressar de esse jeito. Não conseguindo
envolver-se com atividades onde pode expressar esse lado artístico ou para-artístico vai
acabar optando por empregos ou atividades mecânicas, chatas e rotineiras que deixaram você
frustrada. Provavelmente vai atrair ordens, propostas ou situações que tornam cada vez mais
insuportáveis essas atividades ou uma redução de pessoal para você não ter outra saída senão
encarar mesmo com todos os medos o que realmente gosta. Matricule-se em uma escola de
artes e expresse seu potencial criativo em algo concreto.
O floral de Indian Paintbrush* fortalece a expressão criativa, e o de Calla Lily*
pode ajudá-la a se aceitar plenamente e quebrar o padrão compulsivo de querer agradar aos
outros.

O Cinco de Paus como Lição de Vida


31: O Cinco de Paus. A Luta. Saturno em Leão.
Essa carta como 1ª Lição de Vida indica que você
amadurece definindo objetivos criativos e empolgantes e
concretizando-os com perseverança, cautela, responsabilidade,
paciência e certa dose de saudável autocrítica.

O Cinco de Paus como Desafio


Se o Cinco de Paus for seu único Desafio menor você dá
um salto evolutivo na medida que desativa a dificuldade para
definir suas metas e concretiza-las, provavelmente porque grande
parte de sua vida você fez as vontades dos outros e sua própria
vontade foi se atrofiando, chegando a ponto de não saber o que você quer realmente. Você
pode atrair maiores responsabilidades que exigem ainda um maior esforço até chegar a um
ponto limite onde você não aguenta mais.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 111


112 FORMAÇÃO EM TAROT TERAPÊUTICO – VOL. 03 – TAROT E NUMEROLOGIA

Talvez e sempre pelos mesmos motivos você ficou incapaz de ir à luta. Neste caso
pode atrair exigências e responsabilidades reais que a obriguem a levantar-se do sofá.
Por isso, em ambos casos o primeiro passo é definir objetivos que realmente a
estimulem, objetivos em que você possa expressar a sua criatividade. Para isso, conecte-se
com a sua “criança brincalhona interior” que sabia muito bem o que queria. Pegue suas fotos
de infância e escolha aquela na qual você está mais feliz. Respire a foto e reconheça dentro
de você aquela criança espontânea. Mantendo esse contato, faça a Meditação da Nuvem:
Em primeiro lugar, você se deita em um tapete com o Sol batendo nas plantas de seus
pés. Você se esticará e rolará para todos os lados para aliviar as tensões corporais, sempre
respirando profundamente. Uma vez que esteja mais relaxada, começará a sentir os raios do
Sol esquentando e massageando seus pés, sua pele, seus músculos, o corpo todo. Você
sentirá prazer, maior consciência corporal e uma agradável sensação de leveza. Imaginará
que o corpo está cada vez mais leve até flutuar no ar, elevando-se na direção do Sol. Lá
embaixo, vai ficando o bairro, a cidade, o país; lá embaixo ficou a família, a sociedade, as
normas de conduta, os medos. Você vai se aproximando do Sol, enquanto o planeta Terra se
torna uma bola azul longe, cada vez mais longe. E o Sol, fonte de energia, calor, luz e vida
aceita você totalmente, sem fazer perguntas nem exigir nada em troca. Aceita e se entrega
incondicionalmente para você. Então verá uma nuvem branca na qual você se deitará. Cheia
de energia do Sol, começará a concentrá-la no coração e, colocando as mãos sobre ele, sentirá
como este pulsa mais à vontade, com maior vitalidade, alegria e firmeza. Nesse momento,
você falará carinhosamente para seu coração assim: “Meu coração, durante muitos anos eu
dei as costas para seus desejos e minha vida perdeu a graça. Hoje sei que só agindo juntos
poderemos ser felizes, por isso quero, com todas as minhas forças, que você me diga quais
são os seus desejos”. Repetirá o pedido várias vezes e depois permanecerá receptiva tentando
escutar a voz dele. Quando manifestar os primeiros desejos, não deixe que a mente comece
a julgá-los, simplesmente tome nota mentalmente. Não faça esse trabalho com seriedade de
adulto, mas com empenho e espírito de brincadeira. Quando não aparecer mais desejos,
agradeça ao coração e ao Sol e tome devagar o caminho de volta. Você só abrirá os olhos
para escrever em um papel, que previamente deixou do lado, todos e cada um dos desejos
que se manifestaram. Com eles, elabore uma lista. Alguns dias depois, repita a operação e
assim, sucessivamente, até não ter mais respostas. Aí você as coloca sobre a mesa, e
perceberá como determinados desejos, que estavam nas primeiras, desapareceram nas
seguintes, enquanto que outros foram tomando mais e mais força. Esses serão seus novos
objetivos.
O floral de Sagebrush*, que o conecta a sua essência, irá ajudá-la a definir melhor
suas metas, e o de Penstemon* fortalecerá a perseverança no esforço de concretizar seus
objetivos.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 112


CAP XV - SEM DESAFIO MAIOR

“Ser o que somos, e vir a ser o que somos capazes de ser, é o único
objetivo na vida”. Spinoza (1632–1677)

“Um excesso de vez em quando é bom. Impede a moderação de se


tornar um hábito”. William S. Maugham (1874–1965)

Sem entrar em radicalismos socráticos, podemos pensar que quem nesta encarnação
não vem com desafios é porque já os resolveu em encarnações anteriores. Na ausência de
cartas negativas que implicariam novos desafios, a vida destas pessoas pode ficar com menos
tensões e exigências, de maneira que ela pode não se ver tão impelida a tomar atitudes de
crescimento. Então, para não parar no tempo, é importante que preste uma especial atenção
a suas Lições de Vida.

Vamos ter neste capítulo Arcanos Maiores, como Lições de Vida, que já vimos antes
como Desafios. Aconselho que o leitor leia também a carta como Desafio.

Temos os seguintes grupos de cartas:

1ª Lição de Vida 2ª Lição de Vida 3ª Lição de Vida


78: O Dez de Discos. A Prosperidade XV O DemônioO VI Os Amantes
69: As de Discos

77: O Nove de Discos. O Lucro


68: Princesa de Discos XIV El Arte V O Hierofante
59: Cinco de Espadas. A Derrota

XIX O Sol X Fortuna I Mago

XVIII A Lua IX O Ermitão

XVII A Estrela VIII O Ajuste

XVI A Torre VII O Carro

XV O Demônio O Diabo VI Os Amantes

XIV A Arte (A Temperança) V O Hierofante


O primeiro grupo de cartas sem Desafio Maior procede 69: Ás de Discos ou do 78:
O Dez de Discos como 1ª Lição de Vida, dando ambas O Demônio como 2ª Lição de Vida
e Os Amantes como 3ª Lição de Vida. Se o Dez de Discos for sua 1ª Lição de Vida o As de
Discos será seu único Desafio menor e vice-versa.

O As de Discos como Lição de Vida


69. O Ás de Discos. A raiz dos poderes da Terra.
O Ás de Discos como 1ª Lição de Vida indica que sua
evolução é incentivada por iniciativas no mundo material
procedentes de sua essência. Sendo que o mundo material começa
pelo corpo você precisa desenvolver sua consciência corporal, faça
Hatha Ioga, Tai Chi Chuan, Bioenergética, etc.
Arrisque-se a abrir novos negócios, buscar novas fontes de
rendas, procurando mudar de ramo ou de emprego sempre que não
se sentir satisfeita com o que faz. Se for preciso, mude de
residência, bairro, cidade ou país. Veja o que você quer em termos
materiais e comece a investir na sua estrutura. Se puder, comece a
comprar sua casa ou poupe para dar a entrada.
O floral de Cayenne* pode ser um bom catalisador para
novas iniciativas no mundo material, e o de Clematis para tomar maior consciência do corpo
e do mundo do concreto.

O As de Discos como Desafio


Se o As de Discos for seu único Desafio menor, você tem serias dificuldades para
perceber que entre a cabeça e os pés existe um corpo, talvez você acha que o corpo é apenas
um cabide onde pendurar roupas e acessórios belos. Também tem dificuldade para tomar
iniciativas que visando objetivos materiais estejam realmente enraizadas na sua essência.
Assim desconectada de seu corpo e de suas necessidades você se joga em empreendimentos
que nada tem a ver com você e que sugam a sua energia e não proporcionam bons retornos
económicos. Provavelmente só trazem stress. É provável que você atraia somatizações ou
doenças que a obriguem a assumir que você mesmo sendo um ser espiritual está encarnada
em um corpo físico que sendo uma propriedade sua, precisa conhecer e cuidar.
Evidentemente nos assuntos que nada tem a ver com você vai atrair complicações e
dificuldades até você desistir. Aí sim, você começara a atrair oportunidades para iniciar
atividades que através das quais você pode expressar a sua essência.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 114


CAP. 15 – SEM DESAFIO MAIOR Veet Pramad 115

O Dez de Discos como Lição de Vida


78: O Dez de Discos. A Prosperidade. Mercúrio em
Virgem.
A pessoa vai crescer nesta encarnação se souber lidar com
o dinheiro. Seu amadurecimento passa por saber juntá-lo e
administrá-lo. Por isso, precisa ter claro o que ele significa. O
dinheiro não é nem o problema nem a solução. Por gerações, a
humanidade tem sido bombardeada com a crença de que o dinheiro
corrompe dentro da visão católica de que a vida eterna deve ser
priorizada à vida terrena. A alma e o mundo espiritual são a casa
de Deus, e o corpo e o mundo material, a casa do . Bem-
aventurados os pobres de espírito, os que choram, os injustiçados,
os sem-terra, os sem-teto, os sem-nada, ...
Muitas crianças ainda escutaram em seus lares falar: “Nós
somos pobres, mas honrados” e quando saíram para a rua
encontraram um mundo bem diferente. Um mundo onde você é o que você tem ou, pelos
menos, o que você aparenta que tem. Hoje o Sistema nos apresenta o dinheiro como a solução
para todos os nossos problemas, a nova pedra filosofal. Compro, logo existo. Com ele,
podemos satisfazer todos os nossos desejos. Se nos deixamos enganar, podemos passar
décadas correndo atrás do dinheiro, abrindo mão da convivência familiar, do corpo, da
criatividade, do tempo livre, do prazer, da liberdade, etc. Quando finalmente o conseguimos,
estamos tão doentes que o gastamos com psicólogos, médicos, spas, remédios, etc.

“Os homens perdem a saúde para juntar dinheiro, depois perdem o


dinheiro para recuperar a saúde”. 14th Dalai Lama Tenzin Gyatso (1935 - )

O Dez de Discos como Desafio


Se você tem O Dez de Discos – A Prosperidade como Lição de Vida, deve fugir
dessas duas armadilhas, não pode nem se identificar nem rejeitar o dinheiro. O dinheiro é o
retorno que a sociedade dá para você como resposta ao que você dá para a sociedade. É o
resultado, não do trabalho, do esforço, do sacrifício, de uma vida que parece uma corrida de
obstáculos, como propõem os hierofantes do sistema, mas da qualidade do trabalho. Para
que nosso trabalho tenha qualidade, precisamos estar inteiros, totalmente entregues a ele, e
isso só acontece quando nosso trabalho nos proporciona prazer. Fazer o que estimula, o que
dá prazer é imprescindível para atingir a prosperidade mais não é suficiente. Você precisa
não se distrair para manter a mente focada. E isso também não exige esforço, exige atenção.
No entanto esta carta não fala do dinheiro do dia a dia, do supermercado, das contas
ou do combustível para o carro. Fala de muito dinheiro, do dinheiro que serve para alavancar
projetos interessantes e que podem ter uma repercussão positiva no ambiente.
A presença das moedas cinzentas e opacas do fundo da carta indica que, se não
usarmos o dinheiro para fazer algo positivo para nós e para algum segmento da existência,
se servir apenas para sentirmos seguros ou para comprar compensações para nossa vida sem
sentido, então esse dinheiro perde o valor.

“O dinheiro é como o esterco. Se você o distribuir, ele faz muito bem,


mas se conserva tudo no mesmo lugar, ele fede espantosamente”.
Francis Bacon (1561 — 1626):

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 115


Atreva-se a desenvolver projetos sem se preocupar com o dinheiro necessário para
coloca-los em prática. Saia por aí vendendo seu peixe, um bom projeto se vende sozinho. O
dinheiro está a solta esperando uma boa ideia para ser aplicado especialmente se de alguma
maneira esse projeto é útil para a comunidade ou o meio ambiente.
Se esta carta for seu único Desafio menor você tem dificuldade para relacionar-se
bem com o dinheiro. Ou nega ele ou se identifica com ele. Se nega ele, ele vai negar você e
dificilmente vai ter um tostão no bolso. Se se identifica com ele vai correr atrás dele como
cachorro corre atrás do rabo, quanto mais corre mais se cansa e mais longe fica o rabo. Se
esta carta for seu Desafio menor você tem dificuldade para acreditar que seus projetos são
bons o suficiente como para, sem esforço, sem virar uma formiguinha sobrecarregada,
conseguir os recursos necessários para faze-los realidade. Você vai atrair situações ou
responsabilidades iniludíveis que a obrigam a relacionar-se com o dinheiro de uma forma
realista e funcional.
A essência floral de Cosmos* ajuda a desenvolver as habilidades mentais, e o de
Filaree* proporciona uma visão de mundo mais ampla e sensível, necessária para atingir a
prosperidade.

O Demônio como Lição de Vida


Com que energia vamos nos mobilizar para conseguir a
Prosperidade que O Dez de Discos representa ou para tomar as
iniciativas que mostra o As de Discos? Com a força do instinto –
O Demônio – que está por trás de: 78 = 7 + 8 = 15 = O Demônio.
Sendo que os instintos (de defensa, sexual, de preservação e
gregário) são as forças que nos mantêm vivos como indivíduos e
como espécie, neles está a energia maior do ser humano, como
podemos comprovar quando nos encontramos, por exemplo,
numa situação em que corre perigo nossa vida.
O Demônio como Lição de Vida significa que precisamos
trabalhar tudo aquilo que impede a manifestação natural de nosso
lado instintivo. Para que nosso bicho libere sua energia, você deve
sentir-se à vontade nas atividades cotidianas, sejam elas lucrativas
ou não. Senão, não teremos impulso suficiente para chegar às concretizações do Dez de
Discos. Podemos recorrer à força de vontade, ao pensamento positivo, a talismãs ou à oração
de Santo Expedito, que provavelmente atolaremos no meio do caminho, desgastados e
doentes. Quanto mais nosso lado instintivo se envolve e gosta de nossa atividade, melhor
será nosso desempenho. Podemos nos enganar falando que gostamos de nosso trabalho, mas
é bom observar para onde estão apontando nossos pés; se for para a saída e de manhã, os
lençóis grudam na gente, é possível que na verdade só gostemos do dinheiro ou do status
que proporciona.

O Demônio como Lição de Vida sugere então seguir seus impulsos instintivos:
sexual, de defensa e de preservação, estando aberto a escutar as vontades do corpo, não
deixando o ego abafá-las: “Eu sou mais importante que meu corpo”. Brinque com seus filhos
de bicho.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 116


CAP. 15 – SEM DESAFIO MAIOR Veet Pramad 117

Os florais de California Pitcher Plant*, que ajuda a resgatar as expressões mais


instintivas, e o de Manzanita*, que abre a consciência corporal e a integra com o lado
espiritual, podem ser usadas.

A 3ª Lição de Vida dessa constelação são Os Amantes. O que foi dito para eles como
Lição de Vida no capítulo IX “O Desafio do ” serve aqui também.

O Segundo grupo de cartas sem desafio procede de uma 1ª Lição de Vida que pode
ser o 77: O Nove de Discos. O Lucro, o 68: Princesa de Discos ou o 59: Cinco de Espadas.
A Derrota dando todas elas o XIV, A Arte (A Temperança) como 2ª Lição de Vida e o V, O
Hierofante como 3ª Lição de Vida. Se uma delas é sua Lição de Vida as outras dois serão
seus Desafios menores.

O Nove de Discos como Lição de Vida


77. O Nove de Discos. O Lucro. Vênus em Virgem.
Se o Dez de Discos nos mostra uma estrutura material
ordenada, saturada e completa, e que sem consciência pode ficar
estática e inerte, o Nove mostra o processo de lucrar, de ganhar
dinheiro e bens materiais.
Se o Nove de Discos é sua 1ª Lição de Vida, você cresce
quando ganha dinheiro colocando seu amor, beleza, senso estético,
criatividade artística e prazer nas suas atividades profissionais.
Especialmente para você, o trabalho deve ser amor manifestado,
amor em ação.
Mas cuidado, não é em qualquer atividade que você vai
poder colocar seu amor, criatividade artística, etc. Por isso é muito
importante que saiba escolher seus afazeres nos quais,
naturalmente, sem esforço, seu amor transborda. O indicador para escolher é o prazer que
vem de dentro quando você faz. Então faça daquilo que dá mais prazer sua principal fonte
de rentas.
O Nove de Discos como Desafio
Se o Nove de Discos for seu Desafio menor você tem dificuldade para imaginar que
aquelas atividades que lhe dão prazer podem também dar-lhe dinheiro. Continua pressa à

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 117


aquela maldição bíblica que já falei antes. Provavelmente fica dividida de segunda a sexta
feira ganhando dinheiro (pouco) com atividades que não lhe dão prazer (que vem de dentro)
e de a Segunda gastando dinheiro para comprar prazer (que vem de fora). As compensações
podem sair cada vez mais caras e os resultados de seu trabalho cada vez mais medíocres pois
não lhe dão prazer e provavelmente vai chegar um momento em que a empresa vai prescindir
de você. Aí está a grande oportunidade para dar um grande salto na sua evolução e engajar-
se em algo que realmente gosta.
Certo amigo meu trabalhava para o governo fazendo enquetes na rua. Não gostava
mais não veia outro jeito de ganhar o dinheiro necessário para sobreviver. Chega uma de
tantas crises e colocam o rapaz no olho da rua. As semanas passam o dinheiro se está
acabando e ele não consegue nenhum outro trabalho. Para matar o tempo volta a pegar no
violão que não tocava desde a adolescência. O dia que não tem nem para comer decide ir a
tocar à Augusta e passar chapéu. Aquela noite consegue as moedas suficientes para comer
um sandes. No dia seguinte passa a manha ensaiando novas músicas e de noite consegue
fazer uma comprinha no supermercado. Uma semana depois aparece um homem que o
convida a tocar no seu bar no Bairro Alto. Dos meses depois monta uma banda com outros
músicos y seis meses depois gravam um CD que se torna sucesso. Agora com um show da
banda ganha mais de que o mês todo fazendo enquetes.
O floral de Iris* traz inspiração e criatividade a suas atividades.

A Princesa de Discos como Lição de Vida


68. A Princesa de Discos. Natureza interna e expressão
externa prática.
A mais prática das Princesas como 1ª Lição de Vida
sugere que seu crescimento pessoal esteja intimamente
relacionado com sua capacidade de lidar com o elemento Terra.
Em primeiro lugar, você precisa dar atenção a seu corpo. Deixe a
mente de lado, aceite seu corpo, escute suas mensagens, observe
as sensações corporais, fique consciente de seus processos
biológicos, especialmente da respiração e da digestão. Cuide de
sua saúde.
Em segundo lugar você cresce na medida em que aprende
a administrar com objetividade e praticidade o mundo material.
Cuide de seus bens materiais, procure encontrar a melhor maneira
de usar seu dinheiro, não tenha pressa para gastá-lo. Uma vez que
se sinta em harmonia com seu corpo e o mundo material, verá quão fácil é dar o salto para a
meditação e a espiritualidade.

A Princesa de Discos como Desafio


Se a Princesa de Discos é um dos seus dois Desafios menores em primeiro lugar você
tem dificuldade para encarnar plenamente no seu corpo e para entrar em sintonia com ele e
com as necessidades dele. Pode sentir que seu corpo não lhe pertence, que nada tem a ver
com você. Claro que quanto mais você ignora seu corpo e suas necessidades mais ele emitirá
sinais para ser reconhecido e essas sinais podem não ser muito agradáveis. Você acha que se
locomove levitando mas não é assim, e pode ter um buraco. Você se golpeia com os cantos
da mesa e depois se pergunta de donde saiu este roxo.
Em segundo lugar você tem dificuldade para lidar com o mundo material. Lhe falta
senso prático, não concretiza as coisas, dificilmente quadram as contas, nunca tem um tostão

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 118


CAP. 15 – SEM DESAFIO MAIOR Veet Pramad 119

no bolso e quando tem desaparece logo. Pretende vender um projeto que custa um milhão
mas não tem para pegar o metrô de volta para casa.
Você atrai situações, pessoas e responsabilidades que a exigem colocar os pés
firmemente no chão, dar respostas práticas, assertivas e objetivas ás circunstancias.
Seja esta carta Lição de Vida ou Desafio , trabalhe seu enraizamento, fortaleça as
pernas e os pés que são as partes do corpo com as quais você faz contato com a terra. Faça
Tai Chi Chuan, Bioenergética ou Capoeira para tomar consciência de sua base. Aproveite a
fila do banco para balançar de leve seu corpo, passando o peso de uma perna para outra com
os joelhos levemente flexionados, inspirando e expirando junto com o movimento lateral.
Fortalecer sua base lhe ajudará a encarar o mundo material com maior objetividade, penetrar
nos seus mistérios, acessar a sabedoria que este plano encerra.
A essência de Rosemary* pode ajudar a desenvolver o lado prático, e a de Pretty
Face* a aprofundar a consciência corporal.
O que já foi dito para a Arte (A Temperança) e O Hierofante como Lições de Vida
no estudo dos 77, O Nove de Disco, continua sendo válido aqui.

O Cinco de Espadas como Lição de Vida/Desafio


59. O Cinco de Espadas. A Derrota. Vênus em Aquário.
Temos aqui outra carta sombria. Seja o Cinco de Espadas
sua Lição de Vida ou um dos seus dois Desafios menores, se você
quer evoluir vai precisar identificar, entender e desativar um
mecanismo mental negativista, destrutivo, crítico e derrotista que
em algum momento de sua infância foi instalado pela programação
familiar. O pivô central de este mecanismo é a crítica. Se um certo
espírito crítico serve para não embarcar em todas as bobagens que
falam por aí, logo logo a crítica não só vai engordar seu ego mas
você vai apresentar uma tendência para ver só o lado negativo das
coisas e de si mesma. “O mundo é uma droga e está ficando pior”,
repete sem ter consciência da barbaridade que está dizendo. Faz da
crítica uma ostentação, do humor negro sua lógica e da autocrítica
seu túmulo. Nada é belo, agradável, justo ou puro. Passa na frente do canteiro de flores e
consegue ver o cocô do cachorro. Vai ficar velha antes da hora, se não mudar.
Talvez tenha se sentido traída ou injustiçada em um passado distante e hoje fica o
tempo todo, no melhor dos casos, botando a culpa de suas insatisfações, frustrações e
derrotas no mundo e no pior querendo se vingar do mundo cruel passando a perna nas outras
pessoas, destruindo coisas ou disfrutando fazendo sofrer aos seres vivos. Sem saber, atrai a
negatividade, pois suas crenças destrutivas trabalham o tempo todo para auto-afirmar-se.
Assim, atrai e fica envolvida facilmente com pessoas, situações ou ambientes carregados de
competitividade, ciúme, intriga, falsidade, inveja, vingança e crítica quando não de perigo
ou de ilegalidade. Acaba sentindo-se traída de novo e reforça suas crenças.
Vire essa boca para lá, pare de reclamar imediatamente. Tente assumir a parcela de
responsabilidade que você tem na sua vida, de outro modo, nada vai se resolver. Você não
está e nunca esteve na mira do fuzil da Existência, não precisa se vitimizar nem revirar. Pare
de brigar com os semáforos vermelhos.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 119


“O pessimista se queixa do vento, o otimista espera que ele mude e o
realista ajusta as velas.” William G. Ward (1812 – 1882)

Aprenda a agradecer, no final do dia observe o que aconteceu de agradável, você


passou por baixo daquela árvore e os passarinhos não fizeram coco encima de você, os
passarinhos cantaram. Anote em um papel e agradeça, para quem quiser, mas agradeça de
coração. Pouco a pouco vai ver que você fica mais ligada no positivo, que os semáforos
também se abrem a seu passo, que existem pessoas bem-intencionadas. Então chore, chore
e chore, limpe-se de todas suas mágoas, diga eu me amo e perceba que pode escolher ser
feliz.
O floral de Willow a ajuda a aceitar-se e a dissolver o ressentimento e a amargura
com situações passadas, e o de Beech, o excessivo espírito crítico e o negativismo.
O que já foi dito para A Arte (A Temperança) e O Hierofante como Lições de Vida
neste mesmo capítulo, na carta 77 – O Nove de Discos, continua sendo válido aqui.

A Arte como Lição de Vida


A segunda Lição de Vida é A Arte (A Temperança) –
indicando que você cresce na medida que integra os opostos. No
plano profissional fazendo de seu trabalho sua diversão e de sua
diversão seu trabalho.

“Escolha o trabalho de que gostas e não


terás de trabalhar um único dia em tua vida”.
Confucio (551 a.C. - 479 a.C.)

Tudo o que foi falado do wú-wéi no Capítulo X, O Desafio


da Arte, serve aqui também. Sempre respeite seus ritmos, pare antes
de ficar cansada.
No plano mais interno você cresce na medida em que desenvolve seus aspectos
masculino e feminino e os integra. Isso fará uma tremenda mudança, como também foi
explicado no Capítulo X, especialmente na área dos relacionamentos que deixam de ser de
dependência, cobrança e exigência, trazendo sempre como consequência sofrimento. Você
passa a ver as pessoas como elas são e não tenta encaixá-las no modelo do homem/mulher
“que vai fazer você feliz”. Como diz a canção: Entre por essa porta, agora/e diga que me
adora/você tem meia hora/para mudar a minha vida/etc. Assim você pode disfrutar com as
pessoas reais e compartir fluidamente aqueles aspectos delas que se sintonizam naturalmente
com você.
Por meio da atitude da Arte (A Temperança) você vai fundo e se absorve nas suas
atividades, trabalhando com a 2ª Lição de Vida: O Hierofante.
Também você cresce na medida em que aproveita o que os mestres iluminados
contemporáneos tem falado ou escrito. O que vimos no Capítulo X ao respeito do Hierofante
é perfeitamente válido aqui também.
Os florais de Wild Oat e os de Sagebrush* serão muito úteis.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 120


CAP. 15 – SEM DESAFIO MAIOR Veet Pramad 121

O terceiro grupo de cartas sem Desafio Maior está formado pelo XIX: O Sol como
1ª Lição de Vida que reduzido dá o X: A Fortuna (Roda da Fortuna) como 2ª Lição de Vida
que reduzido de novo dá o I: O Mago como 3ª Lição de Vida. Aqui não tem Desafios
menores. Assim será também nos próximos cinco grupos.

XIX: O Sol.
Se essa for sua 1ª Lição de Vida, deve tomar o exemplo do astro-rei para você crescer.
Desenvolva as características do Sol que já vimos no Capítulo V – O Desafio do Sol.
Ele segue seu caminho para a constelação de Lira mesmo que a vaca tussa e se
expressa natural e espontaneamente, irradiando sua energia, luz e calor. Tampouco pergunta
para os planetas: Está quente o suficiente? Uma dose extra de infravermelho? Menos
ultravioleta? Também o Sol não fica o tempo todo no céu chamando nossa atenção, ele retira-
se, desaparecendo cada noite, brindando-nos com crepúsculos cada um mais belo que o
outro, para quem tem tempo de levantar o olhar de seus afazeres, e no dia seguinte retorna
aos poucos.
Invista em você, trabalhe fortalecendo sua identidade, você é um ser único, especial
e irrepetível, acredite e desenvolva seus potenciais, celebre a si mesmo, comemore e
agradeça.

Eu canto e celebro a mim mesmo


E o que eu digo de mim, também o digo de ti
Porque cada um de meus átomos é teu também.
Walt Whitmann (1819 –1892)

Saiba também, como o sol, mergulhar na noite indo para dentro de si, sinta como
cada inspiração pode lhe levar para seu centro até atingir sua divindade interna.
O Sol se mostra, se atreve a ficar visível.
Trabalhe para poder expressar sua criatividade sem limitações.
Use o floral de Sunflower*, que fortalece sua individualidade, e o de Sagebrush*,
que o conectando à sua essência, ajuda-a a desidentificar-se com os aspectos mais ilusórios
do eu.
A 2ª Lição de Vida é A Fortuna (A Roda da) e a 3ª é O Mago. Veja no Capítulo V –
O Desafio do Sol – essas Lições de Vida.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 121


A Lua como Lição de Vida
XVIII. A Lua.
A Lua como Lição de Vida é mais leve do que como
Desafio, já que a tendência a ficar preso aos medos é menor. Se
você tiver essa constelação numerológica, seu crescimento pessoal
será diretamente proporcional à sua capacidade de identificar,
entender e desativar seus medos.
No entanto de alguma maneira, seus medos são seus
aliados, pois estão lhe mostrando o caminho a tomar; respire fundo
e confronte esses gigantes com os pés de barro.

“Nem tudo o que se enfrenta pode ser


modificado, mas nada pode ser modificado até que
seja enfrentado.” –
Helena Besserman Viana (1932-2002).

As sugestões oferecidas para esse confronto no capítulo “O Desafio da Lua” são


válidas aqui também, assim como o dito para O Ermitão e O Louco, como 2ª e 3ª Lições de
Vida respetivamente.

A Estrela como Lição de Vida


17. A Estrela.
A Estrela como 1ª Lição de Vida sugere que você crescerá
na medida em que for reformulando suas crenças, seus valores e
princípios. Mesmo não tendo a tendência a fossilizar sua maneira
de pensar, mantendo opiniões rigidamente formadas, como seria o
caso se A Estrela fosse seu Desafio, é bom que periodicamente dê
uma reciclada em suas crenças e ideias. Pode ser eficiente fazer o
trabalho sugerido no capítulo “O Desafio da Estrela” no dia de seu
aniversário, especialmente se sua Lição de Vida Anual ou o
Desafio Anual também foi A Estrela.

“Aquilo que aprendemos vale bem mais do que


aquilo que nos ensinam”.
. Alex Piriscinoto (1925-
)

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 122


CAP. 15 – SEM DESAFIO MAIOR Veet Pramad 123

Não se preocupe se você sair do pensamento convencional formatado pelas religiões


e os meios de comunicação, sua evolução pessoal está catalisada pela sua originalidade e
criatividade. Não se limite, permita-se ser uma ponta de lança ideológica, sem fazer disso
uma máscara de “intelectualoide” pseudo-progressista. Sentir que você não é a única que
tem essas ideias malucas pode confortar-lhe, procure parceiros intelectuais que a ajudem a
não se sentir uma raposa que corre perseguida por uma dúzia de cachorros e cavaleiros
ingleses.
O floral de Sage* favorecerá a capacidade de extrair lições de sua experiência de
vida, e a de Filaree* a ter uma visão do mundo mais cósmica.

A 2ª Lição de Vida é O Ajustamento (A Justiça), o que foi dito no Capítulo VII – O


Desafio da Estrela a respeito desta carta cabe perfeitamente aqui.

A Torre como Lição de Vida


XVI. A Torre.
A Torre como 1ª Lição de Vida indica que seu crescimento
acontece junto com sua capacidade de não se deixar aprisionar.
Embora você não tenha uma tendência a construir prisões como
indica a Torre como Desafio, é bom para você fazer uma revisão e
destruição de tudo aquilo que pode estar limitando você com certa
periodicidade, principalmente quando vínculos externos e
identificações internas começarem a sufocá-lo.
Os florais de Star Thistle*, que fortalece sua segurança
interna e a independência das amarras da matéria, e o de Borage*,
que estimula a coragem para tomar iniciativas, podem ser úteis.
O que foi falado do Carro no capítulo “O Desafio da Torre”
serve aqui também.

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 123


O Demônio como Lição de Vida
15. O Demônio.
Se o Demônio é sua 1ª Lição de Vida, seu crescimento pessoal caminha de mãos
dadas com o desenvolvimento de seu lado instintivo, como vimos anteriormente neste
mesmo capítulo como 2ª Lição de Vida em que as primeiras Lições de Vida eram : O Dez
de Discos, e o As de Discos.

A Arte como Lição de Vida


XIV. A Arte.
Veja neste mesmo capítulo A Arte como 2ª Lição de Vida procedente das cartas 77
– Nove de Discos, 68 – Princesa de Discos e 59 - Cinco de Espadas como 1ª Lição de Vida.
A 2ª Lição de Vida é O Hierofante que podemos ver no Capítulo X – O Desafio da
Arte.


Se obtemos o nº 13 – A Morte como 1ª Lição de Vida, teremos o Imperador como 2ª
Lição de Vida e O Louco como Desafio Maior. Não se corresponde então com as
constelações que estamos vendo neste capítulo e nem com a que vimos no Capítulo II – O
Desafio do Louco, pois aquela tinha Arcanos Menores como 1ª Lição de Vida ou Desafios
menores. No entanto tudo o que foi falado para A Morte e O Imperador no Capítulo I serve
aqui.

Mesma coisa acontece quando obtemos o nº 12 – O Pendurado como 1ª Lição de


Vida , a Imperatriz (III) como 2ª Lição de Vida, escondendo o Universo (XXI) como Desafio

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 124


CAP. 15 – SEM DESAFIO MAIOR Veet Pramad 125

Maior. O que foi falado ao respeito do Pendurado e da Imperatriz no Capítulo III serve
perfeitamente mesmo que lá eram 2ª e 3ª Lições de Vida e aqui 1ª e 2ª.

E assim acontece com:

1ª LV 2ª LV Desafio Ver em
XI – O Tesão II – A Sacerdotisa XX – O Eão (O Cap. IV – O Desafio
Julgamento) do Eão
X – A Fortuna (A I – O Mago XIX – O Sol Cap. V – O Desafio
Roda da Fortuna) do Sol
IX – O Ermitão XVIII – A Lua Cap. VI – O Desafio
da Lua
VIII –O Ajustamento XVII – A Estrela Cap. VII – O Desafio
(A Justiça) da Estrela
VII – O Carro XVI – A Torre Cap. VIII – O Desafio
da Torre
VI – Os Amantes XV – O Demônio Cap. IX – O Desafio
do Demônio
V – O Hierofante XIV – O Desafio da Cap. X – O Desafio
Arte (A Temperança) da Arte
IV – O Imperador XXII – O Louco Cap. XIV – Desafios
XIII – A Morte Duplos
III – A Imperatriz XXI – O Universo Cap. XIV – Desafios
XII – O Pendurado Duplos

Obter um nº inferior a 3 é praticamente impossível, só de alguém que nasceu o 1º de


Janeiro do ano Zero.

Para cursos, consultas e contato com o autor:


www.tarotterapeutico.info
veetpramad@hotmail.com

EXEMPLAR EXCLUSIVO PARA RUBIA MINOZZO 125

Você também pode gostar