Você está na página 1de 27

ELETRÔNICA E CIRCUITOS DE

POTÊNCIA

2020
INTRODUÇÃO / SEMICONDUTORES
DE POTÊNCIA

2
Introdução
O que é Eletrônica de Potência?

• A eletrônica de potência trata das aplicações de dispositivos semicondutores


de potência, como tiristores e transistores, na conversão e no controle de
energia elétrica em níveis altos de potência.

• Essa conversão é normalmente de CA para CC ou vice-versa, enquanto os


parâmetros controlados são tensão, corrente e frequência.

• Portanto, a eletrônica de potência pode ser considerada uma tecnologia


interdisciplinar que envolve três campos básicos: a potência, a eletrônica e o
controle.

3
Introdução

CONVERSÃO de energia elétrica

CA

RETIFICAÇÃO INVERSÃO

CC

CONTROLE de energia elétrica

Parâmetros controlados: tensão, corrente e frequência.


4
Aplicações da eletrônica de potência

Há uma infinidade de aplicações para a eletrônica de potência, tais como:


✓ Fontes chaveadas;
✓ Controle de motores CC e CA;
✓ Alimentação de emergência;
✓ Carregadores de bateria;
✓ Transmissão de energia elétrica;
✓ Reatores eletrônicos;
✓ Filtros ativos;
✓ Compensadores estáticos;
✓ Processamento de energias renováveis;
✓ Amplificadores de potência;
✓ Controles de temperatura e iluminação;
✓ Sistema de alimentação de aviões;
✓ Acionamento de motores CA;
✓ Utilidades domésticas;
✓ Robótica;
✓ Sistemas de acionamento para veículos elétricos e híbridos;
✓ Estações CC de carga rápida e outras tantas aplicações.
5
Introdução

• Em CC, os elétrons fluem em apenas um único sentido.

• Em CA, os elétrons mudam de sentido várias vezes no


intervalo de um segundo.

Corrente contínua
constante - a corrente
contínua apresenta
apenas uma polaridade,
positiva ou negativa.

Corrente contínua
pulsante - não importa
se a corrente varia de
intensidade ou qual tipo
de onda ela assume, se
não houver mudança de
sentido ela é considerada
CC. 6
Introdução
• Os tipos mais comuns de corrente alternada são as ondas senoidais e quadradas,
que variam suas intensidades de um máximo positivo (+) a um máximo negativo (-)
dentro de um intervalo de tempo.

• A quantidade de vezes que ocorre a alternância de polaridade no intervalo de 1


segundo é definida como frequência (Hertz).

7
Introdução

• No Brasil, a frequência adotada para os circuitos de corrente alternada é 60 Hz, ou


seja, em 1 segundo a onda completa 60 ciclos.

8
Introdução
O que é Eletrônica de Potência?

• A transferência de potência elétrica de uma fonte para uma carga pode ser
controlada pela variação da tensão de alimentação (com o uso de um
transformador variável) ou pela inserção de um regulador (como uma chave).

• Os dispositivos semicondutores utilizados como chaves têm a vantagem do


porte pequeno, do custo baixo, da eficiência e da utilização para o controle
automático da potência.

9
Chaves semicondutoras de potência

• São os elementos mais importantes em circuitos de eletrônica de potência.

• Os principais tipos de dispositivos semicondutores usados como chaves em


circuitos de eletrônica de potência são:
✓ Diodos;
✓ Transistores bipolares de junção (BJTs);
✓ Transistores de efeito de campo metal-óxido-semicondutor (MOSFETs);
✓ Transistores bipolares de porta isolada (IGBTs);
✓ Retificadores controlados de silício (SCRs);
✓ Triacs;
✓ Tiristores de desligamento por porta (GTO);
✓ Tiritores controlados MOS (MCT).

• Uma chave ideal satisfaz às seguintes condições:


✓ Liga e desliga instantaneamente;
✓ Quando ligada, a queda de tensão nela é zero;
✓ Quando desligada, a corrente que passa por ela é zero;
✓ Não dissipa potência.

10
Dispositivos semicondutores

• Um material semicondutor é classificado entre o isolante e o condutor, cuja


resistência decresce com o aumento da temperatura.

• Estrutura cristalina do Silício, com elétrons compartilhados na camada de valência,


formando ligações tetravalentes.

• Quando recebem energia suficiente, elétrons podem sair da camada de valência,


formando uma lacuna (ausência de elétron) que será ocupada por outro elétron
livre.

11
Dispositivos semicondutores

• Lacunas e elétrons livres adicionais podem ser inseridos na estrutura cristalina do


silício, com a adição de outros átomos, em um processo conhecido como
dopagem.

▪ Elementos trivalentes, como o


Boro, Alumínio e Gálio,
adicionam lacunas na estrutura,
formando material chamado
Tipo P.

▪ Elementos pentavalentes, como


o Fósforo, Antimônio e Arsênio,
adicionam elétrons livres na
estrutura, formando material
chamado Tipo N.

12
Dispositivos semicondutores

• Os dispositivos utilizados em Eletrônica tem como base materiais Tipo P e Tipo N


combinados, formando uma junção PN.

• Ao serem unidos materiais P e N, há uma recombinação inicial de lacunas e


elétrons próximos à junção, estabilizando os átomos nessa região, e formando íons
que funcionam como uma barreira para que elétrons e lacunas mais distantes se
recombinem. Essa região é conhecida como camada de depleção.

13
Dispositivos semicondutores

• Quando a junção é alimentada diretamente (terminal positivo da fonte no lado


positivo da junção), diz-se que a junção está diretamente polarizada. Nesse caso,
há um fluxo de corrente no circuito, devido à repulsão dos elétrons da camada N
para a camada P.

14
Dispositivos semicondutores

• Quando a junção é alimentada inversamente (terminal positivo da fonte no lado


negativo da junção), diz-se que a junção está reversamente polarizada ou
bloqueada. Nesse caso, o fluxo de corrente é praticamente nulo.

• Na realidade, há um fluxo reduzido de elétrons devido à energia térmica do


circuito, que faz com que elétrons saiam das camadas de valência dos átomos.

15
Dispositivos semicondutores

• O componente eletrônico mais simples é o diodo, que consiste em uma junção PN,
e tem como característica principal conduzir corrente elétrica em uma única direção.

Símbolo do diodo:

• A principal aplicação do diodo é em circuitos retificadores não controlados


(conversão CA-CC).

16
Tipos de circuitos de eletrônica de potência

1. Retificadores não controlados (CA para CC) – converte uma tensão monofásica
ou trifásica em uma tensão CC (diodos como elementos de retificação).

2. Retificadores controlados (CA para CC) – converte uma tensão monofásica ou


trifásica em uma tensão variável (SCRs como elementos de retificação).

3. Choppers CC (CC para CC) – converte uma tensão CC fixa em tensões CC


variáveis.

4. Controladores de tensão CA (CA para CA) – converte uma tensão CA fixa em


uma tensão CA variável na mesma frequência.

5. Inversores (CC para CA) – converte uma tensão CC fixa em uma tensão
monofásica ou trifásica CA (fixa ou variável), e com frequências fixas ou variáveis.

6. Conversores cíclicos (CA para CA) – converte uma tensão e frequência CA fixa
em uma tensão e frequência CA variável.

7. Chaves estáticas (CA ou CC) – o dispositivo de potência (SCR ou triac) pode ser
operado como uma chave CA ou CC, substituindo, dessa maneira, as chaves
mecânicas e eletromagnéticas tradicionais.
17
RETIFICADORES A DIODO

18
Retificadores não controlados (diodos)

• Retificação é o processo de converter tensão e corrente alternadas em tensão e


corrente contínuas.

Retificadores não
- Retificador de meia onda controlados (diodos
- Retificador de onda completa como elementos de
retificação) Retificadores
controlados (tiristores)

• A amplitude da tensão de saída CC é determinada pela amplitude da tensão de


alimentação CA.

• Por isso, a saída CC não é pura, contém componentes CA significativas (ondulação).


Para eliminá-las, costuma-se inserir um filtro depois do retificador.

19
Retificadores não controlados (diodos)

• Os diodos são utilizados principalmente em retificadores não controlados, efetuando


a conversão de tensões CA para CC fixas, e como diodos de retorno, a fim de
fornecer passagem para o fluxo de corrente em cargas indutivas.

• O diodo possui dois terminais: o ânodo A (na junção P) e o cátodo K (na junção N).

• Quando a tensão no ânodo é mais positiva do que a no cátodo, o diodo está


diretamente polarizado (permite a condução de corrente com uma queda de tensão
relativamente pequena).

• Quando a tensão no cátodo é mais positiva do que a no ânodo, o diodo está


inversamente polarizado (bloqueia o fluxo de corrente).

• A flecha no símbolo de diodo mostra a direção da corrente convencional quando há


condução. 20
Retificadores não controlados (diodos)

Características de tensão-corrente de um diodo

• Quando diretamente polarizado, começa a conduzir


quando a tensão no ânodo aumenta.

• Quando a tensão se aproxima da tensão-joelho (~1 V


para diodos de silício), um ligeiro acréscimo faz com
que a corrente aumente rapidamente.

• Esse aumento será limitado apenas pela resistência


que for ligada em série com o diodo.

• Quando inversamente polarizado, uma corrente


pequena (corrente de fuga inversa) flui à medida que
aumenta a tensão entre ânodo e cátodo.

• Na região reversa, o diodo está bloqueado, e entrará


em condução apenas se a tensão de ruptura for
atingida (nesse caso, a corrente será bastante elevada,
e provavelmente danificará o componente).

21
Retificadores não controlados (diodos)

• Para o diodo ideal, quando diretamente polarizado, não há tensão sobre ele. A
corrente no diodo depende da fonte de tensão e dos outros elementos do circuito.

• Quando inversamente polarizado, não há corrente passando pelo diodo. A


tensão no diodo depende da fonte de tensão e dos outros elementos do circuito.

22
Exemplo 01 – Diodo em circuito CC

Exemplo 2.3 (pág. 36) – Livro Eletrônica de Potência, Ashfaq Ahmed

23
Exemplo 02 – Diodo em circuito CA

Exemplo 2.7 (pág. 38) – Livro Eletrônica de Potência, Ashfaq Ahmed

24
Exemplo 02 – Diodo em circuito CA

Exemplo 2.7 (pág. 38) – Livro Eletrônica de Potência, Ashfaq Ahmed

= Vmax

25
Retificador de meia onda

Circuito retificador de meia onda com carga resistiva

• A tensão de saída é pulsante CC e contém uma


grande ondulação.

• Circuitos de um pulso têm valor prático limitado para


aplicações em alta potência.

• Os valores de interesse nesse circuito, são os


valores médios de tensão CC e corrente CC na
carga.

Formas de onda 26
Retificador de meia onda

Circuito retificador de meia onda com carga resistiva

𝑉𝑠 2
𝑉𝑜(𝑎𝑣𝑔ሻ = Onde 𝑉𝑚 = 𝑉𝑠 2
𝜋
𝑉𝑚
𝑉𝑜(𝑎𝑣𝑔ሻ = = 0,318 𝑉𝑚
𝜋

Vo(avg) – valor da tensão média na carga


Vs – valor RMS da tensão de alimentação
Vm – valor máximo da tensão na carga

𝐼𝑚 𝑉𝑚 𝐼𝑚
𝐼𝑜(𝑎𝑣𝑔ሻ = = 0,318 𝐼𝑚 𝐼𝑚 = 𝐼𝑅𝑀𝑆 =
𝜋 𝑅 2
Io(avg) – valor médio de corrente na carga
Im – valor da corrente máxima na carga Formas de onda
IRMS – valor da corrente RMS na carga 27

Você também pode gostar