Você está na página 1de 58

Direito Processual Penal

Sistemas Processuais Penais


Doutrina:

Sistema Acusatório: (usado no BRASIL – Artigo 3º A do PAC) Divisão entre acusação, defesa e
julgador – Regra Processo Penal.

Sistema Inquisitivo: Antiguidade – Não havia órgão de acusação – Acusação era feita pelo Juiz.

Sistema Misto: Modelo Intermediário – Era defendido por parte da doutrina antes do PAC
(VEDOU A POSSIBILIDADO JUIZ PRODUZIR PROVA EX OFICIO).

Principais Princípios do Direito Processual Penal

#DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA --- PRINCIPAL VETOR: (PRISÃO E PROCESSAMENTO


ADEQUADOS).

#PRESUNÇÃO DE INOCÊNCIA:

1° DESDOBRAMENTO (TRATAMENTO): NINGUÉM SERÁ CONSIDERADO CULPADO ANTES DO


TRÂNSITO EM JULGADO DA SENTENÇA.

2° DESDOBRAMENTO (CUNHO PROBATÓRIO): ÔNUS PROBATÓRIO RECAI SOBRE O ACUSADOR,


SALVO ALGUNS CASOS. (PARA CONDENAÇÃO DEVE HAVER CERTEZA – INDUBIO PRO REO).

3° DESDOBRAMENTO (NOVO ENTENDIMENTO STF): SOMENTE SE PODE FALAR EM INÍCIO DE


CUMPRIMENTO DE PENA (PRISÃO PENA) QUANDO O SUJEITO NÃO MAIS PUDER APRESENTAR
RECURSO (TEJ).

#CONTRADITÓRIO (BILATERALIDADE DA AUDIÊNCIA):

COMPOSTO PELO BINÔMIO:

CIÊNCIA (PARTES DEVEM SER CIENTIFICADAS DOS ATOS PROCESSUAIS)

PARTICIPAÇÃO (DIREITO DE PARTICIPAR DOS ATOS PARA INFLUENCIAR O CONVENCIMENTO


DO JUIZ).

C. REAL (ACONTECE NO MOMENTO EM QUE A PROVA ESTÁ SENDO PRODUZIDA).

C. ADIADO/DIFERIDO/POSTERGADO (MANIFESTAÇÃO APÓS PRODUÇÃO DA PROVA).


#AMPLA DEFESA -

DEFESA TÉCNICA:

EXERCIDA POR ADVOGADO/DEFESOR PÚBLICO - (IRRENUNCIÁVEL /INDISPENSÁVEL).

(SÚMULA 523 DO STF – FALTA DE DEFESA TÉCNICA É NULIDADE ABSOLUTA – DEFICIÊNCIA DE


DEFESA SÓ CAUSARÁ NULIDADE SE FICAR PROVADO O PREJUÍZO AO RÉU).

AUTODEFESA:

EXERCIDA PELO PRÓPRIO RÉU – (RENUNCIÁVEL/DISPENSÁVEL).

PLENITUDE DE DEFESA –

SOMENTE NO PLENÁRIO DO JÚRI (ARGUMENTOS JURÍDICOS OU METAJURÍDICOS)

#PRINCÍPIO DA IGUALDADE PROCESSUAL/ DA PARIDADE DE ARMAS (PAR CONDITIO)

AS PARTES (QUEM TEM PRETENSÃO) DEVEM TER AS MESMAS OPORTUNIDADES DE ATUAÇÃO


PROCESSUAL E SEREM TRATADAS DE FORMA IGUALITÁRIA, NA MEDIDA DE SUAS IGUALDADES.

 OBS:

 EM PENAL, MP NÃO POSSUI PRAZO RECURSAL EM DOBRO (STJ informativo 533).

 EM PENAL, DP POSSUI TODOS OS PRAZOS EM DOBRO NOS CASOS EM QUE TIVER


ESTRITURA INFERIOR AO MP (JULGADO 2013).

#PRINCÍPIO DA IMPARCIALIDADE DO JUIZ

DISTANCIAMENTO DO JUIZ EM RELAÇÃO AOS FATOS QUE JULGARÁ.

 IMPEDIMENTO (ARTIGO 252 CPP)

 SUSPEIÇÃO (ARTIGO 254 CPP)

#PRINCÍPIO DA PUBLICIDADE PROCESSUAL

OS ATOS PROCESSUAIS NÃO PODERÃO SER SIGILOSOS (REGRA), SALVO DEFESA DA


INTIMIDADE/INTERESSE SOCIAL (EXCEÇÃO) (ARTIGO 792 CPP).

SEGREDO DE JUSTIÇA IMPOSTO PELA LEI: (MENORES ENVOLIDOS/CRIMES SEXUAIS).

SEGREDO DE JUSTIÇA IMPOSTO PELO JUIZ: (DEVIDAMENTE FUNDAMENTADO).


#PRINCÍPIO DA VERDADE REAL

O MAGISTRADO DEVE BUSCAR A VERDADE, ALÉM DOS AUTOS, SEM DESRESPEITAR AS


GARANTIAS FUNDAMENTAIS.

 PAC (PROIBIU A BUSCA DE PROVAS DE OFÍCIO PELO JUIZ)

AINDA É PERMITIDA A UTILIZAÇÃO DE PROVA ILÍCITA EM BENEFÍCIO DO RÉU, DESDE QUE ESTA
SEJA A ÚNICA CAPAZ DE ABSOLVÊ-LO (ENTENDIMENTOS).

#PRINCÍPIO DO JUIZ NATURAL

1° - DIREITO DO INDIVÍDUO DE SER JULGADO POR AUTORIDADE COMPETENTE (JUIZ


DEVIDAMENTE INVESTIDO NA JURISDIÇÃO).

2° - IMPEDE A CRIAÇÃO DE JUÍZO/ TRIBUNAL DE EXCEÇÃO/PÓS FATO.

#PRINCÍPIO DO PROMOTOR NATURAL

NÃO PODERÁ HAVERÁ DESIGNAÇÃO ARBITRÁRIA DE MEMBRO DO MP PARA ATUAÇÃO.

#PRINCÍPIO DA IDENTIDADE FÍSICA DO JUIZ

O JUIZ QUE PRESIDIU A INSTRUÇÃO DEVERÁ SER O MESMO A PROFERIR A SENTENÇA.

 PAC – INSTITUIU O JUÍZO DE GARANTIAS E JUÍZO DA INSTRUÇÃO (JUIZ QUE ATUOU NA


INVESTIGAÇÃO (GARANTIA) NÃO PODERÁ ATUAR NA INSTRUÇÃO E SENTENÇA).

EXCEÇÃO: PLACA (PROMOÇÃO, LICENÇA, AFASTAMENTO, CONVOCAÇÃO, APOSENTADORIA).

#PRINCÍPIO DO FAVOR REI

COMO REGRA, SÓ HÁ CONDENAÇÃO CASO HAJA CERTEZA DA PRÁTICA DO CRIME.

APÓS CONDENAÇÃO E TEJ, CASO HAJA NOVA PROVA DE INOCÊNCIA, SÓ PODERÁ SER
RECONHECIDA A ABSOLVIÇÃO CASO ESTA SEJA CABAL, CAPAZ DE CONVENCER O JUIZ NA
REVISÃO CRIMINAL.

 NA REVISÃO CRIMINAL, NÃO SERÁ POSSÍVEL CONDENAR APÓS TER ABSOLVIDO,


MESMO COM PROVA CABAL.
#PRINCÍPIO DO DEVIDO PROCESSO LEGAL

NINGUÉM PODERÁ SER PRIVADO DE LIBERDADE OU BENS SEM O DEVIDO PROCESSO LEGAL.

ENGLOBA TODOS OS OUTROS DIREITOS.

#PRINCÍPIO DA ECONOMIA PROCESSUAL

LIGADO À RAZOÁVEL DURAÇÃO DO PROCESSO

LEI 9.099/95 (PREVÊ EXPRESSAMENTE A CELERIDADE E INFORMALIDADE)

 EXCEÇÃO NO CASO DE PROCESSO MAIS COMPLEXO

#PRINCÍPIO A NÃO AUTOINCRIMINAÇÃO

NINGUÉM É OBRIGADO A PRODUZIR PROVAS CONTRA SI MESMO.

(BAFÔMETRO/EXAME GRAFOTÉCNICO/PERMANECER EM SILÊNCIO)

(INVESTIGADO/RÉU/CPI) (TESTEMUNHA (FALSO TESTEMUNHO) E VÍTIMA TÊM QUE SER


OUVIDAS)

#PRINCÍPIO DA VEDAÇÃO ÀS PROVAS ILÍCITAS

PROVA ILÍCITA É AQUELA QUE VIOLA LEI, PRINCÍPIOS E REGRAS, CONSTITUCIONAIS E


INFRACONSTITUCIONAIS).

PROVAS DERIVADAS TAMBÉM (TEORIA DOS FRUTOS DA ÁRVORE ENVENENADA), SALVO EM


BENEFÍCIO DO RÉU, EM CASOS EXCEPCIONAIS (PROVA ILÍCITA FOR A ÚNICA CAPAZ DE
ABSOLVER O RÉU).

(ANALISAR O NEXO CAUSAL ENTRE A PROVA ILÍCITA PRIMÁRIA E SECUNDÁRIA)

(PROVA ILÍCITA NUNCA SE TORNARÁ LÍCITA, MAS PODERÁ SER UTILIZADA NESSE CASO)
APLICAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL NO ESPAÇO E NO TEMPO

ESPAÇO

TERRITORIALIDADE (É ABSOLUTA/SOMENTE APLICÁVEL A PROCESSOS NO BRASIL (CARTA


ROGATÓRIA SEGUIRÁ A LPP DO PAÍS A QUE FOR DESTINADA)

(SE ESTIVER NO BRASIL, É APLICÁVEL O CPP)

RESSALVAS DE NÃO APLICAÇÃO DO CPP:

 TRATADOS, CONVENÇÕES E REGRAS DE DIREITO INTERNACIONAL NÃO PERMITIREM

 PRERROGATIVAS DO PR da R, MINISTROS CRIMES CONEXOS COM O PR da R, e


MINISTROS DO STF, NOS CRIMES DE RESPONSABILIDADE (JULGAMENTO POLÍTICO,
ATÍPICO PELO SENADO).
 CRIMES MILITARES, EM QUE SERÁ APLICADO O CPPM

 CASOS EM QUE HÁ IMUNIDADE DIPLOMÁTICA OU CONSULAR

TEMPO

PARA LEIS ESTRITAMENTE PROCESSUAIS, SUA APLICAÇÃO SE DÁ DE FORMA IMEDIATA,


MESMO DURANTE O CURSO DO PROCESSO (NÃO RETROAGIRÁ).

NO CASO DE PRAZO RECURSAL, EM QUE A ALTERAÇÃO DA LEI NOVA SÓ SERÁ APLICADA CASO
NÃO TENHA SE INICIADO O PRAZO PREVISTO ANTERIORMENTE (DIA SUBSEQUENTE À
INTIMAÇÃO).

PARA LEIS MISTAS (CONTEÚDO PROCESSUAL E PENAL), SUA APLICAÇÃO É IMEDIATA,


PODENDO RETROAGIR CASO SEJA BENÉFICA AO RÉU.
INTERPRETAÇÃO E INTEGRAÇÃO DA LEI PROCESSUAL PENAL
(ARTIGO 3° CPP)

LEI PROCESSUAL PENAL ADMITIRÁ:

- INTERPRETAÇÃO EXTENSIVA – O TEXTO LEGAL ESTÁ ABAIXO DO QUE O LEGISLADOR


PRETENDIA/ USAR FERRAMENTA DE INTERPRETAÇÃO DO TEXTO (CAUSAS DE SUSPEIÇÃO DO
JUIZ SÃO APLICÁVEIS AOS JURADOS)

- APLICAÇÃO ANALÓGICA – APLICAÇÃO DE OUTRO DIPLOMA LEGAL AO CPP, DESDE QUE NÃO
HAJA DISPOSIÇÃO REFERENTE AO TEMA, OU, AINDA, EM CONTRÁRIO (CPC AO CPP).

- SUPLEMENTO DOS PRINCÍPIOS GERAIS DO DIREITO

SUJEITOS DO PROCESSO PENAL (ARTIGO 251/281 CPP)

TODA PARTE É SUJEITO PROCESSUAL, MAS NEM TODO SUJEITO PROCESSUAL É PARTE.

PARTES: MP/QUERELANTE X RÉU (ADVOGADO É SUJEITO SECUNDÁRIO)

JUIZ NÃO É PARTE (PODER DE POLÍCIA PROCESSUAL) (ZELAR PELO PROCESSO/ CONDUÇÃO
COERCITIVA VÍTIMA E TESTEMUNHA)

JUIZ
CAUSAS DE IMPEDIMENTO DO JUIZ/DESEMBARGADOR/MP (ARTIGO 252 CPP) (ROL
TAXATIVO):

- CÔNJUGE, PARENTE (SANGUE OU AFIM – LINHA RETA OU COLATERAL ATÉ O 3° GRAU),


ATUOU NO PROCESSO COMO DEFENSOR/ ADVOGADO, MP, AUTORIDADE POLICIAL, AUXILIAR
DA JUSTIÇA OU PERITO.

- O PRÓPRIO JUIZ DESEMPENHOU ALGUMAS DESSAS FUNÇÕES, OU FOI TESTEMUNHA.


- O JUIZ JÁ ATUOU NO PROCESSO, PRONUNCIANDO-SE DE FATO OU DE DIREITO SOBRE A
QUESTÃO, EM OUTRA INSTÂNCIA.

- JUIZ/CÔNJUGE/ PARENTE (SANGUE OU AFIM – LINHA RETA OU COLATERAL ATÉ O 3° GRAU)


FOR PARTE OU DIRETAMENTE INTERESSADO NO FEITO.

CASO OCORRA, O JUIZ DEVERÁ SE DECLARAR IMPEDIDO, DE OFÍCIO + AFASTAR-SE DO FEITO,


REMETENDO-O AO SEU SUBSTITUTO LEGAL.

CASO NÃO O FAÇA, QUALQUER DAS PARTES PODERÁ ARGUÍ-LA (RITO DE EXCEÇÃO DE
SUSPEIÇÃO ART. 112 CPP).

JUIZ IMPEDIDO PRATICA ATO INEXISTENTE.

IMPEDIMENTO PODE SER SUSCITADO A QUALQUER MOMENTO.

CAUSAS DE SUSPEIÇÃO (ART. 254 CPP) (ROL EXEMPLIFICATIVO)

- JUIZ AMIGO ÍNTIMO OU INIMIGO CAPITAL DE QUALQUER DAS PARTES

- JUIZ, CÔNJUGE, ASCENDENTE, DESCENDENTE ESTIVER RESPONDENDO A PROCESSO POR


FATO ANÁLOGO SOBRE CUJO CARÁTER CRIMINOSO HAJA CONTROVÉRSIA (COM O INTUITO DE
GERAR PRECEDENTE BENÉFICO EM OUTRA VARA)

- JUIZ, CÔNJUGE, PARENTE (C/A/L.R – L.C ATÉ 3º) SUSTENTAR DEMANDA, OU SER
PROCESSADO, QUE TENHA QUE SER JULGADO POR QUALQUER DAS PARTES

- JUIZ TIVER ACONSELHADO QUALQUER DAS PARTES (SOBRE TEMA REFERENTE AO PROCESSO)

- JUIZ FOR CREDOR/ DEVEDOR, TUTOR/CURADOR DE QUALQUER DAS PARTES

- JUIZ FOR SÓCIO/ACIONISTA/ADMINISTRADOR DE SOCIEDADE INTERESSADA NO PROCESSO

CASO OCORRA, O JUIZ DEVERÁ SE DECLARAR SUSPEITO, DE OFÍCIO + AFASTAR-SE DO FEITO,


REMETENDO-O AO SEU SUBSTITUTO LEGAL.

CASO NÃO O FAÇA, QUALQUER DAS PARTES PODERÁ ARGUÍ-LA (RITO DE EXCEÇÃO DE
SUSPEIÇÃO ART. 112 CPP).

JUIZ SUSPEITO PRATICA ATO NULO ABSOLUTAMENTE (RECONHECIDA EM JULGAMENTO DE


EXCEÇÃO DE SUSPEIÇÃO) OU RELATIVAMENTE (RECONHECIDA POR ELE MESMO).

SUSPEIÇÃO PODE SER SUSCITADA PELA PARTE SOMENTE EM MOMENTO OPORTUNO, CASO
NÃO O FAÇA, ESTARÁ PRECLUSA.
ARTIGO 255 CPP

A SUSPEIÇÃO OU IMPEDIMENTO DECORRENTE DE PARENTESCO POR AFINIDADE TERÁ FIM


COM A DISSOLUÇÃO DO CASAMENTO (POR DIVÓRCIO/ANULAÇÃO/MORTE) QUE LHE DEU
CAUSA, SALVO SOBREVINDO DESCENDENTES.

AINDA QUE DISSOLVIDO O CASAMENTO SEM DESCENDENTES, NÃO PODERÁ SER JUIZ O
SOGRO/ PADRASTO/ CUNHADO/ GENRO/ ENTEADO DE QUEM FOR PARTE NO PROCESSO.

(VEDAÇÃO À SUSPEIÇÃO PROVOCADA) ARTIGO 256 CPP

A SUSPEIÇÃO NÃO PODERÁ SER DECLARADA NEM RECONHECIDA QUANDO A PARTE INJURIAR
O JUIZ, OU, DE PROPÓSITO, DER MOTIVO PARA CRIÁ-LA.

MINISTÉRIO PÚBLICO
ÚNICO LEGITIMADO PARA PROMOÇÃO DA AÇÃO PENAL PÚBLICA

NA AÇÃO PENAL PRIVADA, ATUA COMO CUSTOS LEGIS

APLICAM-SE AOS MEMBROS DO MP AS MESMAS PRESCRIÇÕES DO JUIZ (ARTIGOS 252/256


CPP)

ACUSADO
A IMPOSSIBILIDADE DE IDENTIFICAÇÃO/QUALIFICAÇÃO DO ACUSADO NÃO RETARDA A AÇÃO
PENAL, QUANDO CERTA SUA IDENTIDADE FÍSICA, SENDO POSSÍVEL A INCLUSÃO DE SUA
QUALIFICAÇÃO A QUALQUER TEMPO (PROCESSO, JULGAMENTO, EXECUÇÃO).

O INTERROGATÓRIO É DIVIDIDO EM DUAS PARTES

- 1ª PESSOA DO ACUSADO (ART. 187,§1º, DO CPP) - (ACUSADO NÃO TEM DIREITO AO


SILÊNCIO).
CASO NÃO FORNEÇA, COMETERÁ CONTRAVENÇÃO PENAL DO ARTIGO 68 DA LCP.

- 2ª FATO QUE LHE É IMPUTADO (ART. 187, §2º, DO CPP) – (ACUSADO TEM DIREITO AO
SILÊNCIO).

NENHUM ACUSADO, AUSENTE OU FORAGIDO, SERÁ PROCESSADO OU JULGADO SEM


DEFENSOR.

ACUSADO NÃO CITADO (PESSOALMENTE OU HORA CERTA) = PROCESSO E PRESCRIÇÃO


SUSPENSOS (ART. 366 CPP).

ACUSADO CITADO, MAS NÃO COMPARECE/ NÃO CONSTITUI ADVOGADO = DEFENSOR DATIVO
NOMEADO (ART. 263 CPP).

SÚMULA 523 STF – FALTA E DEFICIÊNCIA DE DEFESA.

SALVO MOTIVO RELEVANTE, QUANDO NOMEADO PELO JUIZ, O ADVOGADO É OBRIGADO A


PATROCINAR O ACUSADO INDEFESO (ART. 264 CPP).

O DEFENSOR NÃO PODERÁ ABANDONAR O PROCESSO, SALVO MOTIVO IMPERIOSO


DEVIDAMENTE NOTIFICADO AO JUIZ, SOB PENA DE MULTA (10 A 100 S.M).

A AUDIÊNCIA PODERÁ SER ADIADA SE O DEFENSOR NÃO PUDER COMPARECER POR MOTIVO
JUSTIFICADO (CASO NÃO JUSTIFICADO, NÃO HAVERÁ ADIAMENTO, NOMEAÇÃO DE OUTRO
DEFESOR PARA O ATO).

O DEFENSOR TERÁ ATÉ O INÍCIO DA AUDIÊNCIA PARA PROVAR SEU IMPEDIMENTO.

A CONSTITUIÇÃO DE DEFENSOR INDEPENDERÁ DE PROCURAÇÃO SE O ACUSADO O INDICAR


EM SEU INTERROGATÓRIO.

NÃO PODERÃO SER DEFENSORES OS PARENTES DO JUIZ.

ASSISTENTE DE ACUSAÇÃO 268 CPP

NA AÇÃO PENAL PÚBLICA, HÁ A POSSIBILIDADE DE QUE A VÍTIMA SE HABILITE COMO


ASSISTENTE DE ACUSAÇÃO, AUXILIANDO O MP NA PERSECUÇÃO PENAL.

(DO RECEBIMENTO DA DENÚNCIA ATÉ O TRÂNSITO EM JULGADO DA SENTENÇA – 269 CPP)

PODERES – 271 CPP

RECEBERÁ OS AUTOS NA FORMA EM QUE SE ENCONTRAM/ NÃO HÁ FALAR EM REGRESSÃO


PROCEDIMENTAL
SUJEITO PROCESSUAL E PARTE SECUNDÁRIA.

CASO A VÍTIMA NÃO SEJA ADVOGADA, É NECESSÁRIO CONSTITUÍ-LO PARA REPRESENTAÇÃO.

ADVOGADO NÃO É ASSISTENTE DE ACUSAÇÃO.

CASO A VÍTIMA NÃO TENHA POSSIBILIDADE – SERÁ REPRESENTADA PELO CADI (CÔNJUGE/
ASCENDENTE/ DESCENDENTE/ IRMÃO).

ANÁLISE DO PEDIDO PELO JUIZ (270 CPP):

# PRÉVIA MANIFESTAÇÃO DO MP

- REQUERENTE SE TRATAR DOS LEGITIMADOS DO ARTIGO 268 CPP (VÍTIMA OU


REPRESENTANTE LEGAL OU CADI) + (DOCUMENTAÇÃO VÍNCULO DE
PARENTESCO/REPRESENTAÇÃO LEGAL NO CASO DE VÍTIMA INCAPAZ/ AUSENTE/ MORTA);

- REQUERENTE COM ADVOGADO COM PROCURAÇÃO, SALVO SE ELE MESMO FOR ADV;

- REQUERENTE NÃO PODE SER CORRÉU NO MESMO PROCESSO.

# PREENCHIDOS OS REQUISITOS, O JUIZ É OBRIGADO A DEFERIR O PEDIDO.

# NÃO HÁ RECURSO PRÓPRIO NO CASO DE INDERIMENTO DO PEDIDO – DEVE-SE IMPETRAR


MANDADO DE SEGURANÇA CRIMINAL.

PERMISSÕES DO ASSISTENTE DE ACUSAÇÃO - 271 CPP

- PROPOR MEIOS DE PROVAS

- REQUERER PERGUNTAS ÀS TESTEMUNHAS

- ADITAR/APRESENTAR AS ALEGAÇÕES FINAIS (INDO CONTRA O MP, INCLUSIVE)

- PARTICIPAR DO DEBATE ORAL (INCLUSIVE NO JÚRI/ TERÁ QUE DIVIDIR O TEMPO COM O MP)

- ARRAZOAR RECURSOS PRÓPRIOS OU DO MP

- FORMULAR QUESITOS E INDICAR ASSISTENTE TÉCNICO

- REQUERER O DESAFORAMENTO DO JÚRI

#A CAPACIDADE RECURSAL DO A.C É SUPLETIVA E REDUZIDA:

 SÓ PODE APRESENTAR SE O MP NÃO O FIZER, NOS SEGUINTES CASOS:


- APELAR DE SENTENÇA (593 CPP)
- APELAÇÃO CONTRA IMPRONÚNCIA (416 CPP)
- RESE CONTRA DECISÃO DE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE (581, VIII, CPP)
- NO JÚRI, APELAR CONTRA DECISÃO DE DESCLASSIFICAÇÃO (STJ)
- RESP OU REX PARA CONTESTAR AS DECISÕES MENCIONADAS

AÇÃO PENAL
MECANISMO PARA A ACUSAÇÃO BUSCAR A APLICAÇÃO DO DIREITO PENAL AO CASO
CONCRETO

#AÇÃO PENAL É PÚBLICA OU PRIVADA

PÚBLICA (MP) (DENÚNCIA)

– INCONDICIONADA – MP AGE DE OFÍCIO

- CONDICIONADA À REPRESENTAÇÃO DA VÍTIMA OU À REQUISIÇÃO DO MINISTRO DA JUSTIÇA

#ARTIGO 100 DO CP – QUANDO A LEI É SILENTE, O CRIME É DE AÇÃO PENAL PÚBLICA


INCONDICIONADA.

PRIVADA (QUERELANTE) (QUEIXA-CRIME)

- COMUM/EXCLUSIVA – VÍTIMA/REPRESENTANTE LEGAL/SUCESSORES

- PERSONALÍSSIMA – VÍTIMA/ REPRESENTANTE LEGAL

- SUBSIDIÁRIA DA PÚBLICA – VÍTIMA/ REPRESENTANTE LEGAL/ SUCESSORES, NOS CASOS EM


QUE O MP NÃO OFERECER DENÚNCIA EM PRAZO HÁBIL.

PERSECUÇÃO PENAL
ATUAÇÃO ESTATAL QUANDO DA PRÁTICA DE ALGUMA INFRAÇÃO PENAL

- DIVIDIDA EM DUAS FASES:

- FASE INVESTIGATÓRIA

- FASE PROCESSUAL
#AÇÃO PENAL É O DIREITO PÚBLICO DE PEDIR AO ESTADO-JUIZ A APLICAÇÃO DO DIREITO
PENAL OBJETIVO A UM CASO CONCRETO.

#PROCESSO CRIMINAL É O INSTRUMENTO PELO QUAL SE DARÁ O EXERCIMENTO DESSE


DIREITO

#NÃO RECEBIMENTO DA DENÚNCIA OU QUEIXA-CRIME (395 CPP)

- FOR MANIFESTAMENTE INEPTA (NÃO SEGUIR O ART. 41 DO CPP) (EXPOSIÇÃO DO FATO


CRIMINOSO COM TODAS AS SUAS CIRCUNSTÂNCIAS/ QUALIFICAÇÃO DO ACUSADO OU MEIOS
PARA IDENTIFICAÇÃO/ CLASSIFICAÇÃO DO CRIME/ ROL DE TESTEMUNHAS QUANDO FOR O
CASO).

- FALTAR PRESSUPOSTO PROCESSUAL (JUIZ/PARTES/DEMANDA) OU CONDIÇÃO DA AÇÃO


PENAL (POSSIBILIDADE JURÍDICA DO PEDIDO *PRÁTICA DE FATO CRIMINOSO*/ INTERESSE DE
AGIR *PUNIBILIDADE CONCRETA*/ LEGITIMIDADE DAS PARTES *CAPACIDADE DE FIGURAR
NOS POLOS*).

- FALTAR JUSTA-CAUSA (LASTRO PROBATÓRIO MÍNIMO) (CERTEZA DA MATERIALIDE E INDÍCIO


DE AUTORIA).

#PRINCIPIOLOGIA DA AÇÃO PENAL


PÚBLICA (OIDI)

PRINCÍPIO DA OBRIGATORIEDADE – PRESENTES OS REQUISITOS, O MP É OBRIGADO A


OFERECER DENÚNCIA

PRINCÍPIO DA INDISPONBILIDADE – MP NÃO PODERÁ DESISTIR DA AÇÃO PENAL APÓS


OFERECIDA A DENÚNCIA

PRINCÍPIO DA DIVISIBILIDADE – NOS CASOS DE MAIS DE UM AUTOR, É POSSÍVEL O


OFERECIMENTO DE DENÚNCIA SOMENTE CONTRA UM DELES, COM A POSTERGAÇÃO EM
RELAÇÃO AO OUTRO, OU ARQUIVAMENTO

PRINCÍPIO DA INTRANSCENDÊNCIA – SOMENTE PODERÁ SER DENUNCIADO QUEM PRATICOU/


CONCORREU/PARTICIPOU PARA A PRÁTICA DO CRIME

PRIVADA (ODII)

PRINCÍPIO DA OPORTUNIDADE – A VÍTIMA NÃO É OBRIGADA A OFERECER QUEIXA-CRIME,


MESMO SE PRESENTES TODOS OS REQUISITOS
PRINCÍPIO DA DISPONIBILIDADE – A VÍTIMA PODE DESISTIR DA AÇÃO PENAL APÓS
OFERECIMENTO DA QUEIXA-CRIME (POR MEIO DO PERDÃO DO OFENDIDO OU PEREMPÇÃO)

PRINCÍPIO DA INDIVISIBILIDADE – OU PROCESSA A TODOS, OU A NINGUÉM (SE ACUSAR SÓ


UM, E TIVER MAIS, O JUIZ VAI ENTENDER QUE HOUVE RENÚNCIA E A ESTENDERÁ A TODOS,
REJEITANDO A QUEIXA-CRIME)

PRINCÍPIO DA INTRANSCENDÊNCIA – PROCESSAMENTO CONTRA PRATICOU OU CONCORREU


NO CRIME

APROFUNDAMENTO NOS TIPOS DE AÇÃO PENAL

PÚBLICA –

AÇÃO PENAL PÚBLICA INCONDICIONADA – (MP TITULAR) (24 CPP E 100


CP)
- 5 DIAS RÉU PRESO

- 15 DIAS RÉU SOLTO

# (PRAZO TEM INÍCIO A CONTAR DO DIA EM QUE O MP RECEBE OS AUTOS DO IP OU


PEÇAS DE INFORMAÇÃO)

# É PRAZO PROCESSUAL PENAL – EXCLUI-SE O DIA DO RECEBIMENTO E CONTA-SE O


ÚLTIMO (CASO CAIA EM DIA NÃO ÚTIL, É PRORROGADO ATÉ O DIA ÚTIL
SUBSEQUENTE) (798, §1º, CPP).

# É PRAZO IMPRÓPRIO – SEU NÃO CUMPRIMENTO NÃO GERA PRECLUSÃO, PODENDO


A DENÚNCIA SER APRESENTADA A QUALQUER TEMPO ANTES DA PRESCRIÇÃO OU
OUTRA CAUSA. (DESDE QUE NÃO APRESENTADA QUEIXA SUBSIDIÁRIA DA PÚBLICA).

AÇÃO PENAL PÚBLICA CONDICIONADA À REPRESENTAÇÃO DO OFENDIDO


– (MP TITULAR) (24 CPP E 100, §1º, CP)
# A REPRESENTAÇÃO NÃO EXIGE FORMA ESPECÍFICA, BASTANDO QUE CONTENHA A
NARRATIVA, MESMO SUCINTA + QUE TRADUZA A VONTADE INEQUÍVOCA DA
VÍTIMA/REPRESENTANTE LEGAL EM VER O AUTOR RESPONSABILIZADO
CRIMINALMENTE.
# A REPRESENTAÇÃO É INDIVISÍVEL (DIZ RESPEITO À APURAÇÃO DO FATO/NÃO É
POSSÍVEL SELECIONAR CONTRA QUEM REPRESENTAR) – AO PASSO EM QUE A AÇÃO
PENAL É DIVISÍVEL (DIZ RESPEITO AO AUTOR).

#PRAZO PENAL (CALENDÁRIO GREGORIANO – TODOS OS MESES TÊM 30 DIAS - CONTA-


SE O DIA DE INÍCIO E EXCLUI-SE O DO FINAL) DE 06 MESES CONTADOS A PARTIR DA
DATA EM QUE A VÍTIMA TOMOU CIÊNCIA DE QUEM PRATICOU O CRIME (ARTIGO 38
CPP)

 PRÁTICA DIA 20/04 – FIM DIA 19/10 (PASSAR DO PRAZO GERA EXCLUSÃO DE
ILICITUDE POR DECADÊNCIA (107, IV, CP)

# 25 CP - A REPRESENTAÇÃO SERÁ IRRETRATÁVEL APÓS O OFERECIMENTO DE DENÚNCIA


(MARIA DA PENHA ATÉ O RECEBIMENTO)

#NÃO HÁ LIMITE DE OFERECIMENTO E RETRATAÇÃO ATÉ O FIM DO PRAZO OU OFERECIMENTO


DE DENÚNCIA

AÇÃO PENAL PÚBLICA CONDICIONADA À REQUISIÇÃO DO MINISTRO DA


JUSTIÇA
#NÃO HÁ PRAZO DECADENCIAL PARA REQUISIÇÃO (TEM ATÉ O PRAZO PRESCRICIONAL
DO CRIME)

#MINISTRO DA JUSTIÇA PODE SE RETRATAR DA REPRESENTAÇÃO ATÉ ANTES DO


OFERECIMENTO DA DENÚNCIA (AJUIZAMENTO DA AÇÃO PENAL)

MP NÃO SE VINCULA À REPRESENTAÇÃO OU REQUISIÇÃO (ANALISARÁ SE É CABÍVEL A


DENÚNCIA OU NÃO).

PRIVADA –
AÇÃO PENAL PRIVADA EXCLUSIVA/COMUM (30 CPP E 100,§2, CP)
TITULARIDADE (VÍTIMA MAIOR E CAPAZ/REPRESENTANTE LEGAL/CADI-SUCESSORES)

VÍTIMA MENOR DE 18 ANOS/PORTADOR DE ENFERMIDADE MENTAL – DIREITO PELO


REPRESENTANTE LEGAL #INDEPENDENTEMENTE DA VONTADE DA VÍTIMA#

CASO O REPRESENTANTE NÃO OFEREÇA, QUANDO A VÍTIMA ALCANÇAR OS 18 ANOS, ELA


TERÁ 06 MESES PARA APRESENTAÇÃO DA Q-C.

VÍTIMA MORTA OU DECLARADA AUSENTE - DIREITO PELO CADI


#PESSOA JURÍDICA (FUNDAÇÕES/ASSOCIAÇÕES/SOCIEDADES LEGALMENTE CONSTITUÍDAS)
PODERÁ SER VÍTIMA (QUERELANTE), (SERÁ REPRESENTADA POR QUEM SEU ESTATUTO OU
CONTRATO DESIGNAR OU DIRETORES/SÓCIOS-GERENTES.

PRAZO É DE 06 MESES A CONTAR DE QUANDO A VÍTIMA/R.L/CADI VEIO A SABER A AUTORIA


DO CRIME (38 CPP).

#PRAZO PARA MENOR QUE COMPLETA MAIORIDADE SOMENTE COMEÇA A FLUIR DELA.

#MP TEM FUNÇÃO DE CUSTOS LEGIS (NÃO PODE INTERVIR NA PRETENSÃO PUNITIVA)

- PODE ADITAR A QUEIXA PARA ADICIONAR DADOS FALTANTES (DATA,HORA, LUGAR)

- NÃO PODE ADITAR A QUEIXA PARA INCLUIR COAUTORES/PARTÍCIPES/INOVAR FATOS.

#RENÚNCIA (49 E 50 CPP) E PERDÃO DO OFENDIDO (51 E 59 CPP)

 SÃO INSTITUTOS RELACIONADOS AO PRINCÍPIO DA INDIVISIBILIDADE (ESTENDEM-SE A


TODOS OS AUTORES)
 AMBOS EXTINGUEM A PUNIBILIDADE NAS APP EXCLUSIVA E PERSONALÍSSIMA

 RENÚNCIA DECORRE DO PRINCÍPIO DA OPORTUNIDADE/ CONVENIÊNCIA – É


UNILATERAL – CONCEDIDA ATÉ O OFERECIMENTO DA QUEIXA-CRIME (ANTES DO
PROCESSO) – ESTENDE-SE A TODOS OS AUTORES/PARTÍCIPES
 PERDÃO DO OFENDIDO DECORRE DO PRINCÍPIO DA DISPONIBILIDADE – É BILATERAL
(DEPENDE DE ACEITAÇÃO DO QUERELADO) – CONCEDIDA DURANTE O PROCESSO –
ESTENDE-SE A TODOS OS AUTORES/PARTÍCIPES MEDIANTE ACEITAÇÃO
 MAIS DE UM QUERELANTE – PERDÃO CONCEDIDO POR UM NÃO SE ESTENDERÁ AOS
OUTROS QUERELANTES, SOMENTE AOS SEUS QUERELADOS (ACUSADOS)
 MAIS DE UM QUERELADO – PERDÃO CONCEDIDO A UM SE ESTENDERÁ AOS DEMAIS.

 QUEM ACEITAR TERÁ A PUNIBILIDADE EXTINTA/QUEM NÃO ACEITAR PROCESSO


CORRERÁ NORMALMENTE

#PEREMPÇÃO (107, IV, CP E 60 CPP)

 É A PERDA DO PODER DE PROSSEGUIMENTO DA APP EM DECORRÊNCIA DE


NEGLIGÊNCIA OU NEGLIGÊNCIA DO QUERELANTE
 INSTITUTO EXCLUSIVO DE AÇÃO PENAL PRIVADA EXCLUSIVA E PERSONALÍSSIMA
 É CAUSA DE EXTINÇÃO DE PUNIBILIDADE

#HIPÓTESES DE PEREMPÇÃO (60 CPP)

 OMISSÃO EM ANDAMENTAR O PROCESSO POR 30 DIAS CONSECUTIVOS

 NÃO SUBSTITUIÇÃO DO P. ATIVO EM 60 DIAS A CONTAR DA MORTE DO QUERELANTE


(SE FOR PERSONALÍSSIMA, A MORTE EXTINGUIRÁ A PUNIBILIDADE DO QUERELADO)
 AUSÊNCIA INJUSTIFICADA DO QUERELANTE A ATO QUE DEVERIA COMPARECER

 AUSÊNCIA DE PEDIDO DE CONDENAÇÃO NAS ALEGAÇÕES FINAIS


##CASO HAJA PROCESSAMENTO POR 2 CRIMES, E PEDIDO DE CONDENAÇÃO POR SÓ
UM DELES, HAVERÁ PEREMPÇÃO NO QUE FALTAR##
 EXTINÇÃO DA P.J SEM DEIXAR SUCESSOR (SOMENTE NA APP EXCLUSIVA/COMUM)

AÇÃO PENAL PRIVADA PERSONALÍSSIMA

TITULAR É SOMENTE O OFENDIDO OU SEU REPRESENTANTE LEGAL (CADI NÃO PODE AJUIZAR
OU PROSSEGUIR)

#SE A VÍTIMA MORRE, HAVERÁ EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE DO ACUSADO#

#SOMENTE OCORRE NO DELITO DO ARTIGO 236 CP (INDUZIMENTO A ERRO ESSENCIAL OU


OCULTAÇÃO DE IMPEDIMENTO)

AÇÃO PENAL PRIVADA SUBSIDIÁRIA DA PÚBLICA (5º, LIX, CF/29 CPP/ 100,
§3º, CP)
#POSSIBILIDADE DE AJUIZAMENTO DE AÇÃO PENAL PRIVADA NOS CASOS DE AÇÃO PENAL
PÚBLICA QUANDO ESTA NÃO FOR INTENTADA NO PRAZO LEGAL#

#ESCOAMENTO DE PRAZO + INÉRCIA DO MP (NÃO DENUNCIA/NÃO ARQUIVA/ NÃO PEDE


DILIGÊNCIAS#

#A AÇÃO SERÁ REGIDA PELOS PRINCÍPIOS DA AÇÃO PENAL PÚBLICA, SENDO INAPLICÁVEL O
PERDÃO DO OFENDIDO E A PEREMPÇÃO#

#TITULAR É A VÍTIMA/REPRESENTANTE LEGAL/CADI#

#PRAZO DE 06 MESES A CONTAR DO FIM DO PRAZO DO MP#

#DURANTE ESSES 06 MESES, HAVERÁ LEGITIMIDADE CONCORRENTE ENTRE MP E OFENDIDO#


#APÓS OS 06 MESES A VÍTIMA PERDE O DIREITO (DECADÊNCIA IMPRÓPRIA – NÃO EXTINGUE A
PUNIBILIDADE) – MP TEM DIREITO ATÉ A PRESCRIÇÃO#

#PAPEL DO MP NA QUEIXA SUBSIDIÁRIA (29 CPP) ( ARIRIR)


 ADITAR A QUEIXA (INCLUSÃO OUTROS DELITOS/RÉUS) (46, §2º, CPP - 03 DIAS)

 REPUDIAR A QUEIXA (QUANDO INEPTA), OFERECENDO DENÚNCIA SUBSTITUTIVA

 INTERVIR EM TODOS OS ATOS DO PROCESSO

 REQUERER/OFERECER PROVAS

 INTERPOR RECURSOS

 RETORMAR A TITULARIDADE EM CASO DE DESÍDIA DA PARTE

### QUEM DETERMINA A AÇÃO PENAL É O CP – NÃO IMPORTANDO AS CIRCUNSTÂNCIAS OU


VÍTIMA###

###ÚNICAS EXCEÇÕES SÃO LESÃO CORPORAL DOLOSA LEVE E LESÃO CORPORAL CULPOSA####

ARTIGO 88 LEI 9099/95 – L.C.D.L e L.C.C = CONDICIONADAS À REPRESENTAÇÃO DA VÍTIMA

 HOMEM = SEMPRE SERÁ APPCR (INDEPENDENTEMENTE DO CONTEXTO)

 MULHER + LMP = SERÁ APPI (ART. 41 LMP – EXCLUI O 88 DA 9099/95)

 MULHER - LMP = SERÁ APPCR

####SÚMULA 714 DO STF####

(NOS CRIMES CONTRA A HONRA (INJÚRIA/CALÚNIA/DIFAMAÇÃO) PRATICADOS CONTRA


FUNCIONÁRIO PÚBLICO NO DESEMPENHAR DE SUA FUNÇÃO OU EM RAZÃO DELA SERÁ
CONCORRENTE A LEGITIDADE DO FUNCIONÁRIO (QUEIXA) E DO MP (APP CONDICIONADA À
REPRESENTAÇÃO DO FUNCIONÁRIO).

#FUNCIONÁRIO DECIDIRÁ#

PROVAS (DIVIDIDO EM DUAS PARTES)


COMO REGRA, SÃO COLHIDAS NA FASE PROCESSUAL (HÁ CONTRADITÓRIO E AMPLA DEFESA)

NA FASE INVESTIGATIVA, NÃO HÁ PROVAS, HÁ ELEMENTOS DE INFORMAÇÃO (EM REGRA,


NÃO HÁ CONTRADITÓRIO)

EXCEPCIONALMENTE, SERÃO COLHIDAS PROVAS NA FASE INVESTIGATIVA

- (PROVAS CAUTELARES/ NÃO REPETÍVEIS (HÁ O CONTRADITÓRIO DIFERIDO/POSTERGADO)

(INTERCEPTAÇÃO TELEFÔNICA COM AUTORIZAÇÃO JUDICIAL) - (EXAME SEXOLÓGICO)

-(PROVAS ANTECIPADAS (HÁ O CONTRADITÓRIO NO MOMENTO DA PRODUÇÃO)

(HÁ A PRESENÇA DO JUIZ, MP E DEFENSOR) (INQUIRIÇÃO DE TESTEMUNHA NO LEITO DE


MORTE)

###TEORIA GERAL DAS PROVAS (DOUTRINA E JURISPRUDÊNCIA)###

PROVAS SÃO ELEMENTOS PRODUZIDOS PELAS PARTES OU DETERMINADOS (A PEDIDO)


PELO JUIZ QUE VISAM AO SEU CONVENCIMENTO ACERCA DE ATOS, FATOS E
CIRCUNSTÂNCIAS.

3º-A PAC – PROIBIDA A TOMADA DE INCIATIVA PELO JUIZ/A PRODUÇÃO DE PROVAS EX


OFICIO PELO JUIZ

OBJETIVO DA PROVA: FORMAR A CONVICÇÃO DO JUIZ

OBJETO DA PROVA: FATOS, PRINCIPAIS OU SECUNDÁRIOS, QUE RECLAMEM


APRECIAÇÃO JUDICIAL E EXIJAM COMPROVAÇÃO

TUDO PODE SER PROVA, DESDE QUE NÃO VIOLE A CF/DEVIDO PROCESSO
LEGAL/LICITUDE

#PRINCÍPIOS QUE REGEM A PRODUÇÃO PROBATÓRIA# CCOPAN

 CONTRADITÓRIO – TODA PROVA PRODUZIDA DÁ O DIREITO À PRODUÇÃO PELA


OUTRA PARTE
 COMUNHÃO – TODAS PROVA LEVADA AOS AUTOS DEIXA DE PERTENCER À
PARTE E PASSAM A PERTENCER AO PROCESSO
 ORALIDADE – QUANDO POSSÍVEL E CABÍVEL, AS PROVAS DEVEM SER
PRODUZIDAS DE FORMA ORAL, NA PRESENÇA DO JUIZ (SALVO PROVAS
DOCUMENTAIS/ É POSSÍVEL TESTEMUNHO ESCRITO DE CERTAS AUTORIDADES)
 PUBLICIDADE – SE O PROCESSO FOR PÚBLICO (NÃO ENVOLVER
MENORES/CRIMES SEXUAIS/DETERMINAÇÃO JUDICIAL), AS PROVAS TAMBÉM
SERÃO
 AUTORRESPONSABILIDADE DAS PARTES – É POSSÍVEL QUE AS PROVAS
ACOSTADAS PELA PARTE VENHAM A PREJUDICÁ-LA
 NÃO AUTOINCRIMINAÇÃO – NINGUÉM PODERÁ SER OBRIGADO A PRODUZIR,
OU AJUDAR A PRODUÇÃO DE PROVAS CONTRA SI MESMO (EXAME
GRAFOTÉCNICO/BAFÔMETRO/ RECONSTITUIÇÃO DE CRIME (ACOMPANHAR
PODE SER))

#SISTEMAS DE AFERIÇÃO DE PROVAS#

 REGRA – LIVRE CONVENCIMENTO MOTIVADO (155 CPP) OAL

 OBRIGATORIEDADE DE FUNDAMENTAÇÃO DAS DECISÕES PELO JUIZ (INCLUSIVE


REJEIÇÃO DO TODO OU PARTE DE LAUDO PERICIAL)
 AUSÊNCIA DE HIERARQUIA ENTRE AS PROVAS

 LIBERDADE DE APRECIAÇÃO DAS PROVAS TRAZIDAS AOS AUTOS (DESDE QUE


LÍCITAS/GARANTIAS FUNDAMENTAIS/DEVIDO PROCESSO LEGAL)

 EXCEÇÕES

 JÚRI (INTIMA CONVICÇÃO)

 CASOS DE PROVA TARIFADA (PARA TOMADA DE DETERMINADA DECISÃO PELO JUIZ, É


NECESSÁRIA A PRODUÇÃO DE PROVA ESPECÍFICA PARA ESSE FIM)

#ÔNUS DA PROVA#
 REGRA – CABE À ACUSAÇÃO PROVAR OS FATOS CONSTITUTIVOS DA PRETENSÃO
PUNITIVA (TIPICIDADE DA CONDUTA/AUTORIA/MATERIALIDADE/DOLO/CULPA)
 EXCEÇÃO - CABE À DEFESA PROVAR FATOS EXTINTIVOS/IMPEDITIVOS/MODIFICATIVOS
DA PRETENSÃO PUNITIVA (INEXISTÊNCIA MATERIAL DO FATO, ATIPICIDADE,
EXCLUDENTES DE ILICITUDE, CAUSAS DE DIMINUIÇÃO DE PENA, PRIVILÉGIO,
DESCLASSIFICAÇÃO, CAUSAS EXTINTIVAS DA PUNIBILIDADE)

#MOMENTO DE PRODUÇÃO DE PROVAS#

EM REGRA – DURANTE O PROCESSO (CONTRADITÓRIO E AMPLA DEFESA)

EXCEÇÃO – ANTES DO PROCESSO (PROVAS CAUTELARES/NÃO REPETÍVEIS (CONTRADITÓRIO


DIFERIDO)/ANTECIPADAS (CONTRADITÓRIO REAL NO MOMENTO DA PRODUÇÃO))

###VEDAÇÃO DA PRODUÇÃO DE PROVA EX OFICIO PELO JUIZ###

###REVOGAÇÃO TÁCITA DO ARTIGO 156 DO CPP###

###PROVAS TÊM VALOR RELATIVO – DEVEM SER ANALISADAS DE FORMA GLOBAL###

#PROVA EMPRESTADA#

 ENVOLVER AS MESMAS PARTES

 TER SIDO RESPEITADO O CONTRADITÓRIO

 VAI PARA O OUTRO COM VALOR DE PROVA DOCUMENTAL

#PROVAS ILEGAIS/VEDADAS/PROIBIDAS (GÊNERO)#

###(GRAVAÇÃO TELEFÔNICA PELOS INTERLOCUTORES É LÍCITA) (SEM TERCEIRO)###

ESPÉCIES-

 PROVAS ILÍCITAS – OBTIDAS POR MEIO DE VIOLAÇÃO DIRETA/ INDIRETA DA CF


(INTERCEPTAÇÃO TELEFÔNICA SEM AUTORIZAÇÃO JUDICIAL)
 PROVAS ILÍCITAS POR DERIVAÇÃO – LÍCITAS EM SUA ESSÊNCIA, MAS FORAM
CONTAMINADAS #PELA ILICITUDE DA PROVA QUE AS GEROU# PELA ILEGALIDADE DA
SITUAÇÃO EM QUE FORAM PRODUZIDAS#
 PROVAS ILEGÍTIMAS – PRODUZIDAS POR MEIO DE OFENSAS A NORMAS DE NATUREZA
PROCESSUAL (PERÍCIA REALIZADA POR UM ÚNICO PERITO NÃO OFICIAL)
#USO DAS PROVAS ILÍCITAS (NÃO SE TRANSFORMARÁ EM PROVA LÍCITA)#

#REGRA – PROVA ILÍCITA (OU POR DERIVAÇÃO) SERÁ DESENTRANHADA DOS AUTOS E
DESTRUÍDA POR DECISÃO JUDICIAL – É FACULTADO ÀS PARTES ACOMPANHAR O INCIDENTE.

#EXCEÇÃO – PODERÁ SER UTILIZADA QUANDO IMPRESCINDÍVEL (CABAL) À PROVA DE


INOCÊNCIA DO ACUSADO (STF ENTENDIMENTO JUÍZO DE PROPORCIONALIDADE ENTRE
ILICITUDE E RISCO DE CONDENAÇÃO DO ACUSADO)

#USO DAS PROVAS ILÍCITAS POR DERIVAÇÃO#

#REGRA – PROVA ILÍCITA (OU POR DERIVAÇÃO) SERÁ DESENTRANHADA DOS AUTOS E
DESTRUÍDA POR DECISÃO JUDICIAL – É FACULTADO ÀS PARTES ACOMPANHAR O INCIDENTE.

#EXCEÇÕES (157 CPP) –

 #PODERÁ SER UTILIZADA QUANDO IMPRESCINDÍVEL (CABAL) À PROVA DE INOCÊNCIA


DO ACUSADO (STF ENTENDIMENTO JUÍZO DE PROPORCIONALIDADE ENTRE ILICITUDE
E RISCO DE CONDENAÇÃO DO ACUSADO)#

 #PROVIEREM POR FONTE INDEPENDENTE#

 (NOVO ELEMENTO DE CONVICÇÃO TOTALMENTE INDEPENDENTE (ANTERIOR OU


POSTERIOR) DA CONTAMINAÇÃO PODERIA TRAZÊ-LA AOS AUTOS DE FORMA LÍCITA)
 #CONTAMINAÇÃO FOR EXPURGADA#

 (NOVO ELEMENTO DE CONVICÇÃO RELATIVAMENTE INDEPENDENTE (POSTERIOR) DA


CONTAMINAÇÃO PODERIA TRAZÊ-LA AOS AUTOS DE FORMA LÍCITA)
 #DESCOBERTA DE FORMA INEVITÁVEL#

 (NOVO ELEMENTO DE CONVICÇÃO SERIA INEVITAVELMENTE DESCOBERTO)

#PROVAS EM ESPÉCIE (ROL EXEMPLIFICATIVO)#

 PERÍCIAS EM GERAL (158/184 CPP)


 INTERROGATÓRIO DO ACUSADO (185/196)
 CONFISSÃO (197/200 CPP)
 OITIVA DA VÍTIMA (201 CPP)
 OITIVA DE TESTEMUNHAS (202/225 CPP)
 RECONHECIMENTO DE PESSOAS E COISAS (226/228 CPP)
 ACAREAÇÃO (229/230 CPP)
 DOCUMENTAÇÃO (321/238 CPP)
 INDÍCIOS (239 CPP)
 BUSCA E APREENSÃO (240/250 CPP)

#ARTIGOS IMPORTANTES#

#158 CPP# – INFRAÇÃO DEIXOU VESTÍGIOS (NÃO TRANSEUNTE) = INDISPENSÁVEL O EXAME DE


CORPO DE DELITO (É O VESTÍGIO DEIXADO/MATERIALIDADE) (LAUDO DIRETO – PERITO TEVE
CONTATO DIRETO COM O VESTÍGIO OU LAUDO INDIRETO – TERCEIRO TEVE CONTATO COM O
VESTÍGIO) (CONFISSÃO DO ACUSADO NÃO PODE SUPRIR A SUA FALTA)

#158, §1º, CPP# (PRIORIDADE NA REALIZAÇÃO DE CORPO DE DELITO)

 CRIME ENVOLVA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E/OU FAMILIAR CONTRA A MULHER

 CRIME ENVOLVA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇA/ADOLESCENTE/IDOSO/ PESSOA COM


DEFICIÊNCIA (CAIPI)

#159 CPP# (EXAME DE CORPO DE DELITO/ OUTRAS PERÍCIAS DEVERÃO SER REALIZADAS POR
01 PERITO OFICIAL (DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR + CONCURSADO).

 PERÍCIA OFICIAL (PERITO FORMADO (ÁREA ESPECÍFICA) + CONCURSADO + NOMEADO)


– 01 PERITO
 PERICIA NÃO OFICIAL (PERITO FORMADO (PREFERENCIALMENTE NA ÁREA ESPECÍFICA
+ HABILITAÇÃO TÉCNICA RELACIONADA À NATUREZA DO EXAME) + NOMEADO)
– 02 PERITOS
 AMBAS TÊM O MESMO VALOR

#167 CPP#

 NÃO HAVENDO VESTÍGIOS, A PROVA TESTEMUNHAL/DOCUMENTAL PODERÁ SUPRIR A


FALTA DO EXAME DE CORPO DE DELITO.

#182 CPP#

 JUIZ NÃO FICARÁ ADSTRITO AO LAUDO - PODE REJEITÁ-LO NO TODO OU EM PARTE


#184 CPP#

 SALVO EXAME DE CORPO DE DELITO, O JUIZ OU O DELEGADO PODERÁ NEGAR A


REALIZAÇÃO DE PERÍCIA/OU QUALQUER OUTRO MEIO DE PROVA QUANDO NÃO FOR
NECESSÁRIO À ELUCIDAÇÃO DOS FATOS

#185 CPP#

 O ACUSADO QUE – NO CURSO DO PROCESSO – COMPARECER PERANTE O JUIZ, SERÁ


QUALIFICADO (NÃO TEM DIREITO AO SILÊNCIO - 68 LCP) E INTERROGADO (TEM
DIREITO AO SILÊNCIO) NA PRESENÇA DE SEU DEFENSOR – CONSTITUÍDO/NOMEADO.

#INTERROGATÓRIO DE RÉU PRESO#


#185, §§1º e 2º, CPP#

 (REGRA) RÉU PRESO – INTERROGATÓRIO SERÁ REALIZADO EM SALA PRÓPRIA NO


PRESÍDIO – DESDE QUE = GARANTIDAS A SEGURANÇA DO JUIZ/MP/DEFENSOR
AUXILIARES + PUBLICIDADE DO ATO
 (EXCEÇÃO) RÉU PRESO – INTERROGATÓRIO POR VIDEOCONFERENCIA/OUTRO
RECURSO TECNOLÓGICO, DESDE QUE (A REQUERIMENTO DAS PARTES/JUIZ EX OFICIO
+ DECISÃO FUNDAMENTADA) PARA ATENDER A:
 (PREVENÇÃO RISCO À SEGURANÇA PÚBLICA – FUNDADA SUSPEITA DE QUE O PRESO
INTEGRE ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA OU RISCO DE FUGA) OU
 (VIABILIZAR A PARTIPAÇÃO DO RÉU AO ATO QUANDO HOUVER REVELANTE
DIFICULDADE DE COMPARECIMENTO EM JUÍZO – POR ENFERMIDADE OU OUTRO
MOTIVO PESSOAL) OU
 (IMPEDIR A INFLUÊNCIA DO RÉU NAS TESTEMUNHAS OU VÍTIMA, DESDE QUE ESTAS
NÃO POSSAM SER INQUIRIDAS POR MEIO DE VIDEOCONFERÊNCIA – DÁ-SE
PREFERENCIA A ELAS) OU
 (RESPONDER À GRAVÍSSIMA QUESTÃO DE ORDEM PÚBLICA)

#185, §§3º, 4º, 5º , 6º , 7º, 8º CPP#

 DA DECISÃO QUE DETERMINAR A REALIZAÇÃO DE INTERROGATÓRIO POR


VIDEOCONFERENCIA, AS PARTES SERÃO INTIMADAS COM 10 DIAS DE ANTECEDÊNCIA
 ANTES DO INTERROGATÓRIO, O PRESO PODERÁ ACOMPANHAR TODOS OS ATOS DA
AUDIÊNCIA DE INSTRUÇÃO E JULGAMENTO PELA MESMA VIDEOCONFERÊNCIA
 EM QUALQUER TIPO DE INTERROGATÓRIO (PRESÍDIO/FÓRUM/V.C), O PRESO TERÁ
DIREITO DE ENTREVISTA PRÉVIA COM SEU DEFENSOR (SE POR V.C, TERÁ UM
DEFENSOR NO PRESÍDIO E UM NO FÓRUM, GARANTIDOS AO PRESO O ACESSO A
CANAIS TELEFÔNICOS RESERVADOS)
 A SALA RESERVADA PARA INTERROGATÓRIO VIA V.C NO PRESÍDIO SERÁ FISCALIZADA
PELOS CORREGEDORES, JUIZ, MP, OAB.
 (EXCEÇÃO) SERÁ REQUISITADA A PRESENÇA DO RÉU PRESO EM JUÍZO NAS HIPÓTESES
EM QUE O INTERROGATÓRIO NÃO FOR NO PRESÍDIO OU VIA V.C.
 APLICAM-SE OS §§ 2º,3º,4º,5º (VIDECONFERENCIA E SUAS PROVIDÊNCIAS) AOS
OUTROS ATOS PROCESSUAIS QUE QUE DEPENDAM DA PARTICIPAÇÃO DE PRESO
(ACAREAÇÃO/RECONHECIMENTO DE PESSOAS E COISAS/INQUIRIÇÃO DE
TESTEMUNHAS/TOMADA DE DECLARAÇÃO DO OFENDIDO)
 NESSAS HIPÓTESES, É GARANTIDO O ACOMPANHAMENTO DO ATO PELO ACUSADO E
DEFENSOR
 DO INTERROGATÓRIO DO PRESO DEVERÁ CONSTAR A INFORMAÇÃO A RESPEITO DA
EXISTÊNCIA DE FILHOS/ IDADES/DEFICIÊNCIA/NOME E CONTATO DE EVENTUAL
RESPONSÁVEL

#186 CPP#

 APÓS DEVIDAMENTE QUALIFICADO E CIENTIFICADO DO INTEIRO TEOR DA ACUSAÇÃO,


O ACUSADO SERÁ INFORMADO DE SEU DIREITO DE PERMANECER CALADO (NÃO
IMPORTARÁ EM CONFISSÃO OU QUALQUER PREJUÍZO À DEFESA)

#187 CPP#

 INTERROGATÓRIO CONSTITUÍDO DE DUAS PARTES (DA PESSOA DO ACUSADO (NÃO


TEM DIREITO AO SILÊNCIO – 68 LCP) E DO FATO EM APURAÇÃO (TEM DIREITO AO
SILÊNCIO).
#191 CPP#

 HAVENDO MAIS DE UM ACUSADO, ESTES SERÃO INTERROGADOS SEPARADAMENTE


(CORRÉUS NÃO PODEM SER INTERROGADOS NA PRESENÇA DO OUTRO)

#196 CPP#

 A TODO TEMPO, O JUIZ PODERÁ PROCEDER A NOVO INTERROGATÓRIO DO ACUSADO,


DE OFÍCIO OU A REQUERIMENTO DE QUALQUER DAS PARTES

#198 CPP#

 REVOGADO TACITAMENTE (SILÊNCIO DO ACUSADO NÃO PODERÁ INFLUIR NA


FORMAÇÃO DO CONVENCIMENTO DO JUIZ)

#200 CPP#

 A CONFISSÃO SERÁ DIVISÍVEL E RETRATÁVEL – NÃO PREJUDICARÁ O


CONVENCIOMENTO DO JUIZ – FUNDADO NO EXAME DAS PROVAS EM CONJUNTO

#201 CPP#

 SEMPRE QUE POSSÍVEL, O OFENDIDO SERÁ QUALIFICADO E PERGUNTADO SOBRE AS


CIRCUNSTÂNCIAS DA INFRAÇÃO/QUEM SEJA OU PRESUMA SER O AUTOR/ PROVAS
QUE POSSA INDICAR
 SE INTIMADO PARA ESSE FIM, DEIXAR DE COMPARECER EM JUÍZO, PODERÁ SER
CONDUZIDO COERCITIVAMENTE À PRESENÇA DA AUTORIDADE (É OBRIGATÓRIA)

#202 CPP#

 TODA PESSOA PODERÁ SER TESTEMUNHA

#206 CPP#
 A PESSOA NÃO PODERÁ EXIMIR-SE DA OBRIGAÇÃO DE DEPOR

 SALVO SE FOR, DO ACUSADO, ASCENDENTE/DESCENDENTE/AFIM EM LINHA RETA


(AVÓS DO CÔNJUGE/ SOGROS/ FILHOS DO CÔNJUGE)/ O CÔNJUGE/ O IRMÃO/ PAI/
MÃE/ FILHO ADOTIVO
 SALVO SE NÃO FOR POSSÍVEL OBTER A PROVA EM POTENCIAL POR OUTROS MEIOS

#207 CPP#

 PROIBIDAS DE DEPOR PESSOAS QUE TENHAM QUE GUARDAR SEGREDO EM RAZÃO DE


(FUNÇÃO/MINSTÉRIO/OFÍCIO/PROFISSÃO), SALVO PERMISSÃO (DESOBRIGAÇÃO) PELO
ACUSADO + VONTADE DE DEPOR

#208 CPP#

 NÃO HAVERÁ O COMPROMISSO DE DIZER A VERDADE (DOENTES/DEFICIENTES


MENTAIS - MENORES DE 14 ANOS – PESSOAS DO ART 206 CPP)

#209 CPP#

 TESTEMUNHAS DO JUÍZO – JUIZ PODERÁ OUVIR OUTRAS TESTEMUNHAS ALÉM DAS


INDICADAS PELAS PARTES (PODE SER O CASO DE OUVIR PESSOAS INDICADAS/CITADAS
PELAS TESTEMUNHAS)

#212 CPP#

 PERGUNTAS SERÃO FORMULADAS PELAS PARTES DIRETAMENTE ÀS TESTEMUNHAS

 JUIZ PODE PROIBIR PERGUNTAS QUE INDUZAM A RESPOSTA EM ALGUM SENTIDO/


NÃO TIVEREM RELAÇÃO COM A CAUSA/ FOREM REPETIDAS
 JUIZ PODE COMPLEMENTAR A INQUIRIÇÃO PARA ESCLARECIMENTO DE ALGUM
PONTO
#218 CPP#

 CONDUÇÃO COERCITIVA – TESTEMUNHA/VÍTIMA INTIMADA NÃO COMPARECE SEM


MOTIVO JUSTIFICADO, JUIZ PODERÁ REQUISITAR À AUTORIDADE POLICIAL SUA
APRESENTAÇÃO, OU A OFICIAL DE JUSTIÇA MEDIANTE USO DE FORÇA PÚBLICA.

#222 CPP#

 CARTA PRECTÓRIA – OITIVA TESTEMUNHA MORE FORA DA JURISDIÇÃO DO JUIZ

 SUA EXPEDIÇÃO NÃO SUSPENDERÁ O PROCESSO CRIMINAL

 FINDO O PRAZO DE DEVOLUÇÃO, MESMO SEM O RETORNO DA C.P, O JUIZ PODERÁ


JULGAR (PRECATÓRIA SERÁ JUNTADA AOS AUTOS A QUALQUER TEMPO) (FATO NOVO
ORIUNDO DA C.P PODERÁ SER UTILIZADO EM APELAÇÃO OU REVISÃO CRIMINAL)
 OITIVA DA TESTEMUNHA QUE MORA FORA DA JURISDIÇÃO PODERÁ SER REALIZADA
VIA VIDEOCONFERENCIA, INCLUSIVE DURANTE A A.I.J (PRESENÇA DO DEFENSOR).

#222 –A CPP#

 CARTA ROGATÓRIA - SÓ SERÁ EXPEDIDA SE FOR IMPRESCINDÍVEL

 A PARTE REQUERENTE ARCARÁ COM OS CUSTOS DE ENVIO

 SUA EXPEDIÇÃO NÃO SUSPENDERÁ O PROCESSO CRIMINAL

 FINDO O PRAZO DEVOLUÇÃO, MESMO SEM O RETORNO DA C.R, O JUIZ PODERÁ


JULGAR (ROGATÓRIA SERÁ JUNTADA AOS AUTOS A QUALQUER TEMPO) (FATO NOVO
ORIUNDO DA C.R PODERÁ SER UTILIZADO EM APELAÇÃO OU REVISÃO CRIMINAL)
MEDIDAS CAUTELARES DE NATUREZA PESSOAL

(NO BRASIL, EXISTE PRISÃO PENAL (CRIMES), CIVIL (INADIMPLÊNCIA INJUSTIFICADA DE


PENSÃO ALIMENTÍCIA), ADMINISTRATIVA (TRANSGRESSÕES MILITARES NO ÂMBITO DAS
FORÇAS ARMADAS)

MEDIDAS CAUTELARES PODEM SER:

 (GÊNERO) NATUREZA PESSOAL – (PRISIONAIS) – (NÃO PRISIONAIS)

 (GÊNERO) NATUREZA REAL – (SEQUESTRO) - (ARRESTO) - (HIPOTECA LEGAL)

#(ESPÉCIE) PRISIONAIS – PRISÕES CAUTELARES#

#(ESPÉCIE) NÃO PRISIONAIS – MEDIDAS CAUTELARES DIVERSAS DA PRISÃO#

#NO BRASIL, A PRISÃO PENAL PODE SER PRISÃO PENA (CUMPRIMENTO DE SENTENÇA
CONDENATÓRIA COM TEJ – 283 CPP - STF PRECEDENTE) OU PRISÃO CAUTELAR (MEDIDA
CAUTELAR DE NATUREZA PESSOAL PRISIONAL – (TEMPORÁRIA OU PREVENTIVA)#

GENERALIDADES DAS MEDIDAS CAUTELARES DE NATUREZA PESSOAL

 JURISDICIONALIDADE – IMPOSTAS PELO PODER JUDICIÁRIO


 PROVISORIEDADE – NÃO PODEM EXCEDER O LIMITE RAZOÁVEL
 REVOGABILIDADE – PODEM SER REVOGADAS PELO JUIZ (REQUERIMENTO/DE
OFÍCIO)
 EXCEPCIONALIDADE – PRISÃO ANTES DA CONDENAÇÃO É EXCEPCIONAL (PODE SER
RELATIVA – M.C.D.P OU ABSOLUTA – P.C)
 SUBSTUTIVIDADE – MEDIDA CAUTELAR DE PRISÃO OU DIVERSA DA PRISÃO PODEM
SER SUBSTITUÍDAS/ALTERNADAS ENTRE SI DEPENDENDO DO CASO
 CUMULATIVADE – (CUMULAÇÃO ENTRE DETERMINAÇÕES) SOMENTE APLICÁVEL ÀS
MEDIDAS CAUTELARES DIVERSAS DA PRISÃO
PRINCÍPIOS INFORMADORES DAS MEDIDAS CAUTELARES DE NATUREZA PESSOAL (282
CPP)

 NECESSIDADE (PARA APLICAÇÃO DA LEI PENAL/PARA INVESTIGAÇÃO OU INSTRUÇÃO


CRIMINAL/ PARA SE EVITAR A PRÁTICA DE INFRAÇÕES PENAIS NOS CASOS DA LEI)
 ADEQUAÇÃO (DA MEDIDA À GRAVIDADE DO CRIME/CIRCUNSTÂNCIAS DO
FATO/CONDIÇÕES PESSOAIS DO INDICIADO OU ACUSADO)

REQUISITOS DAS MEDIDAS CAUTELARES DE NATUREZA PESSOAL

 PERICULUM LIBERTATIS – EFETIVA DE DEMONSTRAÇÃO DE QUE A LIBERDADE DO


AGENTE, SEM QUALQUER - RESTRIÇÃO/OBRIGAÇÃO/CONDICIONAMENTO - PODERÁ
COLOCAR EM RISCO - A APLICAÇÃO DA PENA QUE VENHA A SER IMPOSTA/O
RESULTADO CONCRETO DO PROCESSO/PRÓPRIA SEGURANÇA SOCIAL
 FUMUS COMISSI DELICT – PROVA DA EXISTÊNCIA DO CRIME (MATERIALIDADE) E
INDÍCIOS SUFICIENTES DE AUTORIA

LEGITIMIDADE DAS MEDIDAS CAUTELARES DE NATUREZA PESSOAL

 É DO JUIZ – JURISDICIONALIDADE

 ART 3-A CPP - PAC – JUIZ NÃO PODE DECRETAR DE OFÍCIO NA FASE INVESTIGATÓRIA
OU PROCESSUAL QUALQUER MEDIDA CAUTELAR DE NATUREZA PESSOAL (PRISÃO OU
DIVERSAS DA PRISÃO) OU REAL (SEQUESTRO/ARRESTO/HIPOTECA LEGAL)
 ART 310, II, CPP – JUIZ PODERÁ, DE OFÍCIO, CONVERTER A PRISÃO EM FLAGRANTE EM
PREVENTIVA OU IMPOR MEDIDAS CAUTELARES DIVERSAS DA PRISÃO EM SEDE DE
AUDIÊNCIA DE CUSTÓDIA (STF E STJ MUDARAM O ENTENDIMENTO, VEDANDO ESSA
POSSIBILIDADE – SOMENTE COM REQUERIMENTO DO MP OU REPRESENTAÇÃO DA
AUTORIDADE POLICIAL)
 CASO DESCUMPRIDAS M.C.D.P NO CURSO DAS INVESTIGAÇÕES, O JUIZ PODERÁ, A
REQUERIMENTO DOS LEGITIMADOS (REQUERIMENTO MP/ OFENDIDO/
REPRESENTAÇÃO AUTORIDADE POLICIAL) SUBSTITUÍ-LA POR MEDIDA
DISTINTA/IMPOR OUTRA EM CUMULAÇÃO/ DECRETAR A PRISÃO PREVENTIVA DO
INVESTIGADO.
 NO CURSO DO PROCESSO, O JUIZ PODERÁ DECRETAR AS MEDIDAS CAUTELARES DE
NATUREZA PESSOAL APENAS A REQUERIMENTO DO MP/ASSISTENTE DE
ACUSAÇÃO/QUERELANTE

CONTRADITÓRIO NAS MEDIDAS CAUTELARES (#282, §3º, CPP)

 REGRA – RECEBIDO O PEDIDO DE M.C, O JUIZ DETERMINARÁ A INTIMAÇÃO DA PARTE


CONTRÁRIA (CÓPIA DO REQUERIMENTO + PEÇAS NECESSÁRIAS + PERMANECIMENTO
DOS AUTOS EM JUÍZO)
 EXCEÇÃO – SALVO NOS CASOS DE URGÊNCIA OU PERIGO DE INEFICÁCIA DA MEDIDA
(RISCO DE FUGA)

RECURSOS E VIAS DE IMPUGNAÇÃO

 INDEFERIMENTO DE MEDIDA CAUTELAR – RECURSO EM SENTIDO ESTRITO (RESE) (581,


V, CPP)
 DECRETAÇÃO DE MEDIDA CAUTELAR – HABEAS CORPUS (TAMBÉM É POSSÍVEL O
PEDIDO DE RELAXAMENTO OU REVOGAÇÃO AO JUIZ, A DEPENDER DE CADA CASO)
 CASO HAJA DECRETAÇÃO DE PRISÃO POR DESCUMPRIMENTO DE MEDIDA CAUTELAR
DIVERSA DA PRISÃO PELA PRÁTICA DE CONTRAVENÇÃO PENAL QUE NÃO ADMITA
PRISÃO (SOMENTE A PENA DE MULTA – ARTS 20/22/29/30/32/37/38/43/44/46 LCP), A
VIA DE IMPUGNAÇÃO DEVERÁ SER O MANDADO DE SEGURANÇA
 TODOS OS CRIMES POSSUEM PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE PREVISTA – ALGUMAS
CONTRAVENÇÕES PENAIS NÃO POSSUEM

DETRAÇÃO (42 CP - 387,§2º, CPP)

 TEMPO DE PRISÃO PROVISÓRIA DEVERÁ SER ABATIDO DO QUANTUM TOTAL DA PENA


PELO JUIZ DA SENTENÇA ANTES DA FIXAÇÃO DO REGIME INICIAL DE CUMPRIMENTO
DA PENA
282, §6º, CPP

 REGRA – LIBERDADE PLENA PARA RESPONDER AO PROCESSO

 EXCEÇÃO – LIBERDADE CONDICIONADA/RESTRITA PARA RESPONDER AO PROCESSO

 A PRISÃO PREVENTIVA SOMENTE PODERÁ SER DECRETADA QUANDO NÃO MAIS


CABÍVEL QUALQUER OUTRA M.C.P. (IMPOSSBILIDADE DEVE SER JUSTIFICADA PELO
JUIZ)

282, §4º, CPP

 REGRA - O DESCUMPRIMENTO DE MEDIDA CAUTELAR DIVERSA DA PRISÃO AUTORIZA


A CONVERSÃO EM PRISÃO PREVENTIVA (CURSO DA INVESTIGAÇÃO – A PEDIDO DO
MP/A.C/ QUERELANTE NAS AÇÕES PRIVADAS/ REPRESENTANÇÃO DA AUTORIDADE
POLICIAL) – (CURSO DO PROCESSO – A PEDIDO DO MP/A.C/ QUERELANTE NAS AÇÕES
PRIVADAS)
 EXCEÇÃO – NÃO PODE HAVER CONVERSÃO NOS CASOS DE CONTRAVENÇÕES PENAIS
QUE NÃO PREVEJAM PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE, SOMENTE MULTA

PRAZO DE DURAÇÃO DAS MEDIDAS CAUTELARES DE NATUREZA PESSOAL

 PRISIONAIS

– TEMPORÁRIA (CRIMES COMUNS = 5d + 5d/ CRIMES HEDIONDOS OU EQUIPARADOS =


30d + 30d)

– PREVENTIVA (HÁ PRAZO REVISIONAL = DEVE SER REVISADA A CADA 90 DIAS DE


FORMA FUNDAMENTADA - ART 316, p.ú, CPP (CASO NÃO A ANALISE NO PRAZO, O JUIZ
SERÁ INSTADO PARA TAL FIM, PODENDO RENOVÁ-LA OU REVOGÁ-LA) – STF DECISÃO

 NÃO PRISIONAIS

– NÃO EXISTE PRAZO LEGAL PREDETERMINADO

MEDIDAS CAUTELARES DIVERSAS DA PRISÃO (319 E 320 CPP)


 FIANÇA ESTÁ PREVISTA COMO UMA DESSAS FORMAS (319, VIII, CPP)

MANDAMENTO CONSTITUCIONAL QUANTO À PRISÃO DE PESSOA (5º, LXI, CF)

 PRISÃO SOMENTE PODERÁ SER EM FLAGRANTE DELITO OU POR ORDEM ESCRITA E


FUNDAMENTADA DE AUTORIDADE JUDICIÁRIA COMPETENTE
 SALVO CASOS DE TRANSGRESSÕES MILITARES/CRIME MILITAR DEFINIDOS EM LEI

#FLAGRANTE É PRISÃO PRÉ-CAUTELAR (JUIZ RELAXA A PRISÃO EM CASO DE ILEGALIDADE, OU


HOMOLOGA O FLAGRANTE E CONVERTE EM PREVENTIVA, OU CONCEDE LIBERDADE
PROVISÓRIA + MEDIDAS CAUTELARES DIVERSAS DA PRISÃO SE FOR O CASO)#

282, §2º, CPP

 PRISÃO PODERÁ SER EFETUADA EM QUALQUER DIA E A QUALQUER HORA

 RESPEITADA A INVIOLABILIDADE DO DOMÍCILIO


- REGRA – SOMENTE ENTRA COM PERMISSÃO DO MORADOR
-EXCEÇÃO – FLAGRANTE DELITO/ DESASTRE/ PRESTAÇÃO DE SOCORRO A QUALQUER
HORA DO DIA OU NOITE/ ORDEM JUDICIAL SOMENTE DURANTE O DIA

293 CPP

 EXECUTOR DO MANDADO VERIFICAR , COM SEGURANÇA, QUE O RÉU ENTROU OU SE


ENCONTRA EM UMA CASA QUE NÃO SEJA A DELE:
- INTIMARÁ O MORADOR DA CASA PARA ENTREGÁ-LO, À VISTA DA ORDEM DE PRISÃO
- NEGADO O PEDIDO + DURANTE O DIA, EXECUTOR CONVOCARÁ 2 TESTEMUNHAS E
ENTRARÁ À FORÇA NA CASA, ARROMBANDO AS PORTAS, SE FOR PRECISO
- NEGADO O PEDIDO + DURANTE A NOITE, GUARDARÁ TODAS AS SAÍDAS DA CASA,
TORNANDO-A INCOMUNICÁVEL ATÉ O AMANHECER, PARA ADENTRAR NA
RESIDÊNCIA, ARROMBANDO AS PORTAS, SE NECESSÁRIO E EFETUARÁ A PRISÃO

301 CPP

 O PARTICULAR PODE PRENDER EM FLAGRANTE (CAPTURA), MAS NÃO PODE


EXECUTAR MANDADO JUDICIAL
 OS AGENTES PÚBLICOS DEVEM PRENDER EM CASO DE FLAGRANTE DELITO
287 CPP

 A FALTA DE MANDADO NÃO OBSTA A PRISÃO EM CASO DE CRIME INAFIANÇÁVEL


(TORTURA/TRÁFICO/TERRORISMO/RACISMO/ AÇÃO DE GRUPOS ARMADOS - CIVIS OU
MILITARES - CONTRA A ORDEM CONSTITUCIONAL OU E.D.D/ HEDIONDOS)

290 CPP

 PARA CUMPRIMENTO DE MANDADO DE PRISÃO DE PESSOA QUE RESIDE EM LOCAL


DISTINTO DA COMPETÊNCIA DO JUIZ SERÁ EXPEDIDA CARTA PRECATÓRIA, EXCETO SE
HOUVER PERSEGUIÇÃO

#PRISÃO PREVENTIVA SE CUMPRE EM REGRA NO PRESÍDIO – DOMICILIAR E PRISÃO ESPECIAL


SÃO EXCEÇÕES, ESPÉCIES ANÔMALAS DE PRISÃO PREVENTIVA#

PRISÃO EM FLAGRANTE

#É UMA PRISÃO PRECAUTELAR#

FLAGRANTE É UM CONJUNTO DE ATOS

 VOZ DE PRISÃO (QUALQUER DO POVO PODE/AGENTE DA LEI DEVE)

 CONDUÇÃO À PRESENÇA DA AUTORIDADE POLICIAL (QUALQUER DO POVO PODE/


AGENTE DA LEI DEVE)
 LAVRATURA DO AUTO DE FLAGRANTE (DELEGADO ANALISA E LAVRA OU NÃO O
FLAGRANTE)
 CASO SEJA LAVRADO, AUTUADO SERÁ APRESENTADO AO JUIZ EM AUDIÊNCIA DE
CUSTÓDIA
 AO RECEBER O FLAGRANTE, O JUIZ DEVERÁ OBSERVAR O ART 310 DO CPP:
- SE ILEGAL, RELAXAR O FLAGRANTE
- SE LEGAL, HOMOLOGAR FLAGRANTE + CONVERTÊ-LA EM PRISÃO PREVENTIVA (STF E
STJ SOMENTE A REQUERIMENTO DOS INTERESSADOS) (PRESENTES OS REQUISITOS DO
312 CPP + INADEQUADAS OU INSUFICIENTES AS MEDIDAS CAUTELARES DIVERSAS DA
PRISÃO)
- SE LEGAL, HOMOLOGAR O FLAGRANTE + CONCEDER LIBERDADE PROVISÓRIA, COM
OU SEM FIANÇA
- SE O JUIZ VERIFICAR QUE O AUTOR PRATICOU O FATO NAS HIPÓTESES DE EXCLUSÃO
DE ILICUTUDE (ART 23, I, II, III, CP) PODERÁ CONCEDER LIBERDADE PROVISÓRIA AO
ACUSADO MEDIANTE TERMO DE COMPARECIMENTO A TODOS OS ATOS PROCESSUAIS
SOB PENA DE REVOGAÇÃO

 MAPA MENTAL PÓS-PRISÃO EM FLAGRANTE

- JUIZ RECEBE O APFD EM AUDIÊNCIA DE CUSTÓDIA (PRESENTES O


ACUSADO/ADVOGADO CONSTITUÍDO OU DEFENSOR PÚBLICO OU DATIVO/ MEMBRO
DO MP)

#NESSE MOMENTO, ANALISARÁ#

- FLAGRANTE FOI ILEGAL – RELAXARÁ A PRISÃO EM FLAGRANTE, MAS PODERÁ


DECRETAR A PREVENTIVA A PEDIDO DOS INTERESSADOS LEGÍTIMOS
(MP/AUTORIDADE POLICIAL)

- FLAGRANTE FOI LEGAL – HOMOLOGARÁ A PRISÃO E ANALISARÁ:

#SE O AUTUADO FOR REINCIDENTE OU INTEGRAR ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA


ARMADA E/OU MILÍCIA OU PORTAR ARMA DE FOGO DE USO RESTRITO
OBRIGATORIAMENTE TERÁ SUA PRISÃO PREVENTIVA DECRETADA (ART 310, III, CPP)#

- NÃO SENDO CASO DE PRISÃO PREVENTIVA IMEDIATA, O JUIZ ANALISARÁ:


#SE É NECESSÁRIA A SEGREGAÇÃO TOTAL OU PARCIAL DA LIBERDADE DE IR E VIR DO
ACUSADO + SE O CRIME TEM PENA MÁXIMA SUPERIOR A 4 ANOS (ART 310, III, CPP)#

- CASO NÃO – CONCEDE LIBERDADE PROVISÓRIA SEM APLICAÇÃO DE MEDIDAS


CAUTELARES DIVERSAS DA PRISÃO (EXCETO FIANÇA)

- CASO SIM + REQUERIMENTO DO MP/REPRESENTAÇÃO DO DELEGADO

(PARCIAL) CONCEDE LIBERDADE PROVISÓRIA COM APLICAÇÃO DE MEDIDAS


CAUTELARES DIVERSAS DA PRISÃO SUFICIENTES E ADEQUADAS AO CASO CONCRETO

(TOTAL) CONVERTE O FLAGRANTE EM PRISÃO PREVENTIVA

#TRANSCORRIDAS MAIS DE 24 HORAS DA PRISÃO EM FLAGRANTE E NÃO REALIZADA


AUDIÊNCIA DE CUSTÓDIA, SEM MOTIVAÇÃO IDÔNEA, A PRISÃO SE TORNARÁ ILEGAL,
DEVENDO SER RELAXADA, SENDO POSSÍVEL A DECRETAÇÃO DA PREVENTIVA A PEDIDO
DO LEGITIMADO (310, §4º, CPP)#

ESPÉCIES DE PRISÃO EM FLAGRANTE

 QUANTO A QUEM EFETUA A VOZ DE PRISÃO


- FLAGRANTE OBRIGATÓRIO – AGENTE PÚBLICO AGE NO ESTRITO CUMPRIMENTO DE
UM DEVER LEGAL
- FLAGRANTE FACULTATIVO – PARTICULAR AGE NO EXERCÍCIO REGULAR DE UM
DIREITO

 QUANTO AO MOMENTO DA VOZ DE PRISÃO


- FLAGRANTE PRÓPRIO – QUANDO O AGENTE ESTÁ COMETENDO O CRIME OU
ACABOU DE COMETÊ-LO
- FLAGRANTE IMPRÓPRIO – QUANDO O AGENTE É PERSEGUIDO, LOGO APÓS, PELA
POLÍCIA/VÍTIMA/TERCEIROS EM SITUAÇÃO QUE SE FAÇA PRESUMIR SER ELE O AUTOR
DO CRIME
- FLAGRANTE PRESUMIDO – QUANDO O AGENTE É ACHADO, LOGO DEPOIS, COM
INSTRUMENTOS/ARMAS/ OBJETOS/ PAPÉIS QUE FAÇAM PRESUMIR SER ELE O AUTOR
DO CRIME
#CRIMES PERMANENTES (CONSUMAÇÃO SE PROLONGA NO TEMPO) ADMITEM PRISÃO EM
FLAGRANTE A QUALQUER TEMPO (INÍCIO/DURAÇÃO/ATÉ O FIM DA PERMANÊNCIA) (303
CPP)# (SEQUESTRO/TRÁFICO DE DROGAS)

 FLAGRANTE PREPARADO – FIGURA DO AGENTE PROVOCADOR, QUE ORQUESTRA –


INADMISSÍVEL (STF – SÚMULA 145 – CRIME IMPOSSÍVEL POR OBRA DO AGENTE
PROVOCADOR/SEM ELE, O CRIME JAMAIS SE CONSUMARIA)
 FLAGRANTE ESPERADO – POLÍCIA TOMA CONHECIMENTO DE QUE VAI OCORRER UM
CRIME, E ENTÃO VAI AO LOCAL PARA REALIZAR A PRISÃO (AUTOR É PRESO PELA
TENTATIVA OU CONSUMADO)
 FLAGRANTE FORJADO – ILEGAL

 FLAGRANTE RETARDADO/DIFERIDO/POSTERGADO – (PRESENTE NA LEI DE DROGAS E


DE ORGANIZAÇÕES CRIMINOSAS) – HÁ A ESPERA POR MOMENTO MAIS
ADEQUADO/CONVENIENTE PARA A PRISÃO (PRENDER MAIS PESSOAS/MELHORES
CONDIÇÕES) #NA LEI DE O.C, INDEPENDE DE AUTORIZAÇÃO JUDICIAL, MAS É
NECESSÁRIO COMUNICAR PREVIAMENTE AO JUIZ#

#NÃO EXISTE RESTRIÇÃO QUANTO A QUEM PODE RECEBER VOZ DE PRISÃO E SER CONDUZIDO
À PRESENÇA DA AUTORIDADE POLICIAL#

 QUANTO À LAVRATURA, ESTA SERÁ PROIBIDA:


- CRIMES DE MENOR POTENCIAL OFENSIVO (C.P e CRIMES COM PENA ATÉ 2 ANOS)
(COMPARECIMENTO AO JUIZADO, OU ASSINATURA DO TERMO DE COMPROMISSO
PARA TAL), SALVO SE O FLAGRANTEADO SE NEGAR A PRESTAR O COMPROMISSO
(DELEGADO LAVRARÁ O APF)
- CRIMES CULPOSOS DE MENOR POTENCIAL OFENSIVO + PRESTAÇÃO DE
COMPROMISSO;
- ACIDENTE DE TRÂNSITO, SE O CONDUTOR PRESTAR PRONTO E INTEGRAL SOCORRO À
VÍTIMA;
- ART 28 LEI DE DROGAS, MESMO SE O AUTOR SE RECUSAR A PRESTAR O
COMPROMISSO;
- MENOR DE 18 ANOS;
- PRESIDENTE DA REPÚBLICA;
- MAGISTRADOS E MEMBROS DO MP, SALVO A PRÁTICA DE CRIME INAFIANÇÁVEL
(TTTRAH);
- MEMBROS DO CONGRESSO NACIONAL;
- DIPLOMATAS ESTRANGEIROS;
- INDIVÍDUO QUE SE APRESENTA ESPONTÂNEAMENTE À AUTORIDADE POLICIAL;
- ADVOGADOS, SE O CRIME TIVER A VER COM A SUA FUNÇÃO E FOR INAFIANCÁVEL;

 LAVRATURA DO FLAGRANTE COMPETE AO DELEGADO, EXCEPCIONALMENTE AO JUIZ


(CASO O CRIME SEJA PRATICADO EM SUA PRESENÇA)
 A LAVRATURA DÁ INÍCIO AO IP (304,§1º, CPP)

 LAVRADO O AUTO, DEVERÃO SER COMUNICADOS EM ATÉ 24h – JUIZ (CASO NÃO
TENHA SIDO O RESPONSÁVEL PELA LAVRATURA)/ MP/ DEFENSORIA PÚBLICA.
 NO MESMO PRAZO, ENTREGA DA NOTA DE CULPA AO PRESO

PRISÃO PREVENTIVA

- É UMA PRISÃO CAUTELAR

- É CABÍVEL NAS FASES INVESTIGATÓRIA E PROCESSUAL

- PROIBIDA SUA DECRETAÇÃO/CONVERSÃO DE OFÍCIO PELO JUIZ

- SOMENTE A REQUERIMENTO DOS LEGITIMADOS (FASE


INVESTIGATÓRIA – MP/OFENDIDO/DELEGADO) (FASE
PROCESSUAL PÚBLICA - MP/ASSISTENTE DE ACUSAÇÃO * FASE
PROCESSUAL PRIVADA - QUERELANTE)
- PRAZO REVISIONAL – A CADA 90 DIAS (ESCOAMENTO NÃO
GERA RELAXAMENTO IMEDIATO - JUIZ SERÁ INSTADO PARA
ANALISAR – ENTENDIMENTO DO STF)

REQUISITOS PARA DECRETAR PRISÃO PREVENTIVA (NESTA


ORDEM/CUMULATIVAMENTE):

 REQUISITOS DE ADMISSIBILIDADE (313 CPP)

(REGRA)

- CRIMES DOLOSOS PUNIDOS COM PENA PRIVATIVA DE LIBERDADE MÁXIMA


SUPERIOR A 4 ANOS;

(EXCEÇÕES)

- AUTOR É REINCIDENTE EM CRIME DOLOSO (SENTENÇA TRANSITADA EM JULGADO)


(SALVO SE PASSADO PRAZO SUPERIOR A 5 ANOS DO CUMPRIMENTO DOU EXTINÇÃO
DA PENA, CONTADOS PRAZOS DE PROVA DA SUSPENSÃO OU LIVRAMENTO
CONDICIONAL SEM REVOGAÇÃO);

- SE O CRIME (STJ – CONTRAVENÇÃO PENAL NÃO) ENVOLVER VIOLÊNCIA DOMÉSTICA


OU FAMILIAR CONTRA (MULHER/CRIANÇA/ADOLESCENTE/IDOSO/ENFERMO/PESSOA
COM DEFICIÊNCIA) PARA GARANTIR A EXECUÇÃO DE MEDIDAS PROTETIVAS DE
URGÊNCIA FIXADAS (MEDIDA DE COERÇÃO);

- QUANDO HOUVER DÚVIDAS SOBRE A IDENTIDADE CIVIL DA PESSOA OU QUANDO


ESTA NÃO FORNECER ELEMENTOS SUFICIENTES PARA SUA IDENTIFICAÇÃO – DEVE SER
COLOCADO EM LIBERDADE APÓS IDENTIFICAÇÃO, SALVO NECESSIDADE DE
MANUTENÇÃO POR OUTRA CAUSA (COAÇÃO DO INDIVÍDUO NÃO CIVILMENTE
IDENTIFICADO);

#BASTA A EXISTÊNCIA DE UM DELES#

 PRESSUPOSTOS (FUMUS COMISSI DELICT)

- INDÍCIOS SUFICIENTES DE AUTORIA E PROVA DE MATERIALIDE DELITIVAS


# PRECISA HAVER AMBOS#

 FUNDAMENTOS (PERICULUM LIBERTATIS)

- GARANTIA DA ORDEM PÚBLICA;


-GARANTIA DA ORDEM ECONÔMICA;
- CONVENIÊNCIA DA INSTRUÇÃO CRIMINAL;
-SEGURANÇA DA APLICAÇÃO DA LEI PENAL.

#BASTA A EXISTÊNCIA DE UM DELES#

 JUSTIFICAÇÃO FUNDAMENTADA DO PORQUÊ A SUA APLICAÇÃO E


NÃO DAS MEDIDAS CAUTELARES DIVERSAS DA PRISÃO

#PRISÃO DOMICILIAR (317 E 318 CPP) NÃO É MEDIDA CAUTELAR AUTÔNOMA, É


APENAS UMA FORMA DE CUMPRIMENTO DA PRISÃO PREVENTIVA#

 PRISÃO PREVENTIVA DOMICILIAR CONSISTE NO RECOLHIMENTO DO INDICIADO (FASE


INVESTIGATÓRIA) OU ACUSADO (FASE PROCESSUAL) EM SUA RESIDÊNCIA, SÓ
PODENDO DELA SE AUSENTAR COM AUTORIZAÇÃO JUDICIAL. PODE ACONTECER NO
PREENCHIMENTO DE UM DOS REQUISITOS:

- MAIOR DE 80 ANOS;
- EXTREMAMENTE DEBILITADO POR DOENÇA GRAVE;
- IMPRESCINDÍVEL AOS CUIDADOS ESPECIAIS DE PESSOA MENOR DE 6 ANOS OU COM
DEFICIÊNCIA;
- GESTANTE;
- MULHER COM FILHO ATÉ 12 ANOS DE IDADE INCOMPLETOS;
- HOMEM, CASO SEJA O ÚNICO RESPONSÁVEL POR CUIDADOS DO FILHO DE ATÉ 12
ANOS DE IDADE INCOMPLETOS;

 PARA SUBSTITUIÇÃO, O JUIZ EXIGIRÁ PROVA IDÔNEA DE ALGUM DOS REQUISITOS


CITADOS

 (LEI DE 2018) - GESTANTE, OU MÃE/RESPONSÁVEL POR CRIANÇAS/PESSOAS COM


DEFICIÊNCIA TERÁ DIREITO A PRISÃO DOMICILIAR, DESDE QUE:

- NÃO TENHA COMETIDO O CRIME COM GRAVE VIOLÊNCIA OU AMEAÇA CONTRA A


PESSOA;
E
- NÃO TENHA COMETIDO O CRIME CONTRA SEU FILHO OU DEPENDENTE.

 PRISÃO DOMICILIAR PODERÁ SER APLICADA JUNTAMENTE ÀS MEDIDAS CAUTELARES


DIVERSAS DA PRISÃO (319 CPP)

PRISÃO TEMPORÁRIA (LEI 7.960/89)

PODE SER APLICADA SOMENTE NA FASE INVESTIGATÓRIA QUANDO:

 IMPRESCINDÍVEL ÀS INVESTIGAÇÕES DO INQUÉRITO POLICIAL (SOMENTE FASE


INVESTIGATÓRIA)

OU
 QUANDO O INDICIADO NÃO TIVER RESIDÊNCIA FIXA/ NÃO FORNECER ELEMENTOS
SUFICIENTES PARA ESCLARESCIMENTO DE SUA IDENTIDADE

 FUNDADAS RAZÕES, DE ACORDO COM AS PROVAS LÍCITAS, DE AUTORIA OU


PARTICIPAÇÃO DO INDICIADO NOS CRIMES DE (ROL TAXATIVO):

- HOMICÍDIO DOLOSO;

- SEQUESTRO;

- CÁRCERE PRIVADO;

- ROUBO;

- EXTORSÃO;

- EXTORSÃO MEDIANTE SEQUESTRO;

- ESTUPRO;

- EPIDEMIA COM RESULTADO MORTE;

- ENVENENAMENTO DE ÁGUA POTÁVEL/ALIMENTOS/MEDICAMENTOS COM MORTE

- ASSOCIAÇÃO CRIMINOSA;

- GENOCÍDIO;

- TRÁFICO DE DROGAS;

- CRIMES CONTRA O SISTEMA FINANCEIRO;

- CRIMES DA LEI DO TERRORISMO.

PRAZO DA PRISÃO TEMPORÁRIA

- 5d + 5d (CRIMES COMUNS)
- 30d +30d (CRIMES HEDIONDOS OU EQUIPARADOS - TTT)

 LIBERDADE PROVISÓRIA X RELAXAMENTO X REVOGAÇÃO

- PRISÃO EM FLAGRANTE (LEGAL – LIBERDADE PROVISÓRIA/ ILEGAL – RELAXAMENTO)


- PRISÃO PREVENTIVA (LEGAL – REVOGAÇÃO/ ILEGAL – RELAXAMENTO)
- PRISÃO TEMPORÁRIA (LEGAL – REVOGAÇÃO/ ILEGAL – RELAXAMENTO)

#RELAXAMENTO TEM A VER COM A NÃO ADMINISSBILIDADE DA PRISÃO#


#REVOGAÇÃO/LIBERDADE PROVISÓRIA TEM A VER COM A NECESSIDADE DA PRISÃO#

 PARTICULARIDADES DA LIBERDADE PROVISÓRIA

- SERÁ OBRIGATÓRIA:

- INFRAÇÕES DE MENOR POTENCIAL OFENSIVO

- PORTE DE DROGAS PARA CONSUMO PESSOAL

- ACIDENTES DE TRÂNSITO COM VÍTIMA QUANDO PRESTRADO INTEGRAL SOCORRO


À VÍTIMA)

- SERÁ PERMITIDA

- HOUVER INDICATIVOS DE QUE O AUTOR PRATICOU A INFRAÇÃO PENAL EM


SITUAÇÃO DE EXCLUDENTE DE ILICITUDE – LEE

- QUANDO, EMBORA AFIANÇÁVEL O CRIME, O FLAGRADO NÃO POSSUIR CONDIÇÕES


ECONÔMICAS DE PAGÁ-LA

- QUANDO AUSENTES OS FUNDAMENTOS DA PRISÃO PREVENTIVA.

- SERÁ PROIBIDA (PAC)

- REINCIDENTE, OU

- INTEGRAR ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA, OU

- INTEGRA MILÍCA, OU

- PORTAVA ARMA DE FOGO DE USO RESTRITO


JURISDIÇÃO E COMPETÊNCIA

 JURISDIÇÃO É A CAPACIDADE DE DIZER O DIREITO


(JUIZ/DESEMBARGADOR/MINISTROS) – É UNA/INERTE/INDECLINÁVEL – EM REGRA É
IMPRORROGÁVEL (PRORROGÁVEL NOS CASOS DE DESCLASSIFICAÇÃO NO JÚRI) E
IRRECUSÁVEL (RECUSÁVEL NOS CASOS DE IMPEDIMENTO E SUSPEIÇÃO) (PERTENCE AO
ESTADO JUIZ)
 COMPETÊNCIA É A DELIMITAÇÃO DO PODER JURISDICIONAL/ DIZ QUAL O JUIZ SERÁ O
RESPONSÁVEL POR JULGAR DETERMINADO LITÍGIO

ETAPAS PARA FIXAÇÃO DE COMPETÊNCIA

 ABSOLUTA COMPETÊNCIA EM RAZÃO DA PESSOA (RATIONE PERSONAE) (69, VII, CPP)


(VERIFICAR SE O AGENTE POSSUI FORO POR PRERROGATIVA DE FUNÇÃO)

 ABSOLUTA COMPETÊNCIA EM RAZÃO DA MATÉRIA (RATIONE MATERIAE) (69, III, CPP)


(VERIFICAR SE A JUSTIÇA SERÁ ESPECIAL (ELEITORAL/MILITAR) OU COMUM
(FEDERAL/ESTADUAL)

 RELATIVA COMPETÊNCIA EM RAZÃO DO LUGAR (RATIONE LOCI) (69, I, CPP)


(VERIFICAR O FORO COMPETENTE)

COMPETÊNCIA EM RAZÃO DA PESSOA

 STF

1) INFRAÇÕES PENAIS COMUNS (102, I, b, CF)

- P.R
- VICE P.R
- MINISTROS DO STF
- MEMBROS DO C.N
- PGR

2) INFRAÇÕES PENAIS COMUNS E DE RESPONSABILIDADE (102, I, C, CF)

- MINISTROS DE ESTADO
- COMANDANTES DA MARINHA/EXÉRCIO/AERONÁUTICA
#SALVO EM CRIMES DE RESPONSABILIDADE CONEXOS COM O P.R OU VICE P.R
(SENADO)# (52, I, CF)
- MEMBROS DOS TRIBUNAIS SUPERIORES
- MEMBROS DO TCU
- CHEFES DE MISSÃO DIPLOMÁTICA EM CARÁTER PERMANENTE

 STJ

1) INFRAÇÕES PENAIS COMUNS (105, I, a, CF)

- GOVERNADORES DE ESTADO E DO DF

2) INFRAÇÕES PENAIS COMUNS E DE RESPONSABILIDADE

- DESEMBARGADORES DOS TJs DOS ESTADOS E DF


- MEMBROS DOS TCs DOS ESTADOS E DO DF
- MEMBROS DOS TRFs
- MEMBROS DOS TREs
- MEMBROS DOS TRTs
- MEMBROS DOS CONSELHOS OU TRIBUNAIS DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS
- MEMBROS DO MPU QUE OFICIEM PERANTE TRIBUNAIS

 TRFs

1) INFRAÇÕES PENAIS COMUNS E DE RESPONSABILIDADE (108, I, a, CF)

- JUÍZES FEDERAIS DA ÁREA DE SUA JURISDIÇÃO + JUÍZES DO TRABALHO E MILITARES


- MEMBROS DO MPU, SALVO COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA ELEITORAL
- PREFEITOS MUNICIPAIS QUE PRATICAREM CRIMES SUBMETIDOS À JUSTIÇA FEDERAL
(SÚMULA 702 STF)
 TJs

1) INFRAÇÕES PENAIS COMUNS E DE RESPONSABILIDADE

- JUÍZES ESTADUAIS E DO DF
- MEMBROS DO MPE, SALVO COMPETÊNCIA JUSTIÇA ELEITORAL (96, III, CF)
-PREFEITOS MUNICIPAIS QUE PRATICAREM CRIMES SUBMETIDOS À JUSTIÇA ESTADUAL
(29,X, CF)

#A COMPETÊNCIA EM RAZÃO DA PESSOA (RATIONE PERSONAE)


PREVALECE SOBRE A COMPETÊNCIA EM RAZÃO DA MATÉRIA
(RATIONE MATERIAE), AINDA QUE SE TRATE DE CRIME DOLOSO
CONTRA A VIDA# (DEP. FED. COMETE HOMICÍO SERÁ JULGADO PELO STF)

#A REGRA DA ATUALIDADE PREVALECE SOBRE A REGRA DA


CONTEMPORANEIDADE# (COM O FIM DO MANDATO, SE PERDE A PRERROGATIVA
E O PROCESSO VOLTA À JUSTIÇA A QUE PERTENCE – ENTENDIMENTO DO STF)

 ATUALIDADE – O AGENTE FAZ JUS AO FORO ENQUANTO EXERCER A


FUNÇÃO – CESSADA, ACABA O DIREITO

 MARCO INICIAL DA PRERROGATIVA

- CARGO ELETIVO = DIPLOMAÇÃO


- DEMAIS CARGOS = POSSE

 ENTENDIMENTO STF AP 937

- O FORO POR PRERROGATIVA DE CARGO ELETIVO SOMENTE SE APLICA PARA


CRIMES COMETIDOS APÓS A DIPLOMAÇÃO + DURANTE O MANDATO + QUE
TENHAM RELAÇÃO COM O CARGO
(ATUALIADADE + CAUSALIDADE)
COMPETÊNCIA EM RAZÃO DA MATÉRIA

APROFUNDAMENTOS COMPETÊNCIA EM RAZÃO DA MATÉRIA (69, III, E 74


CPP)
 VERIFICAR SE O CRIME É DA JUSTIÇA ESPECIAL (ELEITORAL OU MILITAR)

 VERIFICAR SE O CRIME É DOLOSO CONTRA A VIDA (TRIBUNAL DO JÚRI FEDERAL OU


ESTADUAL)
 VERIFICAR SE O CRIME É DA JUSTIÇA COMUM (FEDERAL OU ESTADUAL)

JUSTIÇA ELEITORAL
– PROCESSA E JULGA CRIMES ELEITORAIS E OS CRIMES COMUNS
A ELES CONEXOS, SALVO SE FOREM DOLOSOS CONTRA A VIDA
(JÚRI)#

A) JUIZ ESTADUAL COMETE CRIME ELEITORAL CONEXO COM ESTUPRO – TRE/AMBOS

B) JUIZ ESTADUAL COMETE CRIME ELEITORAL CONEXO COM HOMICÍDIO – TRE


(ELEITORAL) – TJ (HOMICÍDIO)

C) PESSOA SEM PRERROGATIVA COMETE CRIME ELEITORAL CONEXO COM ESTUPRO –


JUIZ ELEITORAL PARA AMBOS

D) PESSOA SEM PRERROGATIVA COMETE CRIME ELEITORAL CONEXO COM HOMICÍDIO


– JUIZ ELEITORAL PARA O CRIME ELEITORAL – TRIBUNAL DO JÚRI PARA O CRIME
COMUM

JUSTIÇA MILITAR
- FEDERAL E ESTADUAL SOMENTE JULGAM, DE FORMA
EXCLUSIVA, OS CRIMES MILITARES DEFINIDOS EM LEI (124 E 125,
§4º, CF), NÃO POSSUINDO COMPETÊNCIA PARA CRIMES
CONEXOS (79, I, CPP)

JUSTIÇA COMUM FEDERAL (109 CF - LER)


- JUSTIÇA COMUM FEDERAL NÃO JULGA CONTRAVENÇÕES, NEM
EM CASO DE CONEXÃO COM CRIME FEDERAL

- SALVO QUANDO O CONTRAVENTOR TEM FORO POR


PRERROGATIVA DE FUNÇÃO EM TRIBUNAL FEDERAL (RAZÃO DA
PESSOA > RAZÃO DA MATÉRIA)

- SÚMULA 151 DO STJ – A COMPETÊNCIA FEDERAL NOS CRIMES


DE CONTRABANDO E DESCAMINHO SERÁ FIXADA PELO LOCAL DE
APREENSÃO DOS BENS

JUSTIÇA COMUM ESTADUAL


- É RESIDUAL – PROCESSA E JULGA OS CRIMES QUE NÃO FOREM
COMPETÊNCIA DAS JUSTIÇAS ESPECIAIS OU FEDERAL

COMPETENCIA EM RAZÃO DO LUGAR

- ESTABELECER O FORO COMPETENTE


CONHECIDO O LOCAL DA INFRAÇÃO

1) CRIMES PLURILOCAIS (MESMO PAÍS)

- CONSUMADO = LOCAL ONDE OCORREU A CONSUMAÇÃO

- TENTADO = LOCAL ONDE FOI REALIZADO O ÚLTIMO ATO DE EXECUÇÃO

- CONTINUADOS E PERMANENTES = PREVENÇÃO (JUÍZO QUE PRIMEIRO TOMAR


CONHECIMENTO E PROVIDÊNCIAS)

2) CRIMES À DISTÂNCIA (MAIS DE UM PAÍS)

- EXECUÇÃO INICIADA NO BRASIL E CONSUMAÇÃO NO EXTERIOR = NO BRASIL,


LOCAL EM QUE FOI PRATICADO O ÚLTIMO ATO DE EXECUÇÃO

- EXECUÇÃO INICIADA NO EXTERIOR E CONSUMAÇÃO TOTAL OU PARCIAL NO


BRASIL= LOCAL ONDE O CRIME PRODUZIU OU DEVERIA PRODUZIR SEU RESULTADO

- EXECUÇÃO INICIADA E CONSUMADA NO EXTERIOR = JUÍZO DA CAPITAL DO ESTADO


DO ÚLTIMO DOMICÍLIO DO ACUSADO (SE NUNCA RESIDIU NO BRASIL, SERÁ A CAPITAL
DA REPÚBLICA) (EXTRATERRITORIALIDADE INCONDICIONADA)

3) CRIMES QUALIFICADOS PELO RESULTADO

- LOCAL ONDE OCORREU O RESULTADO QUALIFICADOR

DESCONHECIDO O LOCAL DA INFRAÇÃO


- AÇÃO PENAL PÚBLICA = COMPETÊNCIA SERÁ DEFINIDA PELO
LOCAL DE DOMICÍLIO OU RESIDÊNCIA DO ACUSADO

- AÇÃO PENAL PRIVADA (EXCLUSIVA E PERSONALÍSSIMA) =


MESMO SE CONHECIDO O LOCAL DA INFRAÇÃO, OPTAR PELO
LOCAL DE DOMIÍCIO OU RESIDÊNCIA DO ACUSADO (FORO
ELETIVO)

- RÉU COM MAIS DE UMA RESIDÊNCIA = SERÁ FIRMADA PELA


PREVENÇÃO

- RÉU SEM RESIDÊNCIA CERTA OU IGNORADO SEU PARADEIRO


= SERÁ FIRMADA PELA PREVENÇÃO

DEFINIÇÃO DA VARA COMPETENTE

- NORMAS DE DISTRIBUIÇÃO JUDICIÁRIA (74 CPP), SALVO


COMPETÊNCIA DO TRIBUNAL DO JÚRI

- DISTRIBUIÇÃO (69, IV, E 75 CPP)

#PREVENÇÃO (83 CPP) = 2 OU + JUÍZES IGUALMENTE


COMPETENTES OU COM JURISDIÇÃO CUMULATIVA = UM DELES
SE ANTECEDER AO OUTRO NA PRÁTICA DE ATOS DE
JURISDIÇÃO (ATOS COM CARGA DECISÓRIA) NO PROCESSO#
#CONEXÃO E CONTINÊNCIA (76 E 77 CPP) = EM REGRA, LEVAM
À UNIDADE DE PROCESSO E JULGAMENTO – PODEM GERAR A
MODIFICAÇÃO DE COMPETÊNCIA NO CASO CONCRETO#

- CONEXÃO É A CONSEQUÊNCIA PROCESSUAL DO CONCURSO


DE CRIMES (PLURALIDADES DE CRIMES – COMETIDOS POR
MAIS DE UMA CONDUTA (CONCURSO MATERIAL) – COM OU
SEM PLURALIDADE DE PESSOAS)

- CONTINÊNCIA É A CONSEQUÊNCIA PROCESSUAL DO


CONCURSO DE PESSOAS (PLURALIDADE DE PESSOAS
COMETENDO UM ÚNICO CRIME (CONCURSO DE PESSOAS) OU
PLURALIDADE DE CRIMES COMETIDOS ATRAVÉS DE UMA
ÚNICA CONDUTA)

#REGRA - O CONCURSO DE CRIMES LEVA À CONEXÃO E O


CONCURSO DE PESSOAS LEVA À CONTINÊNCIA#

#EXCEÇÃO – CONCURSO FORMAL = CONTINÊNCIA/ CONCURSO


MATERIAL = CONEXÃO#

TIPOS DE CONEXÃO (CONCURSO MATERIAL DE CRIMES)


INTERSUBJETIVA (OBRIGATORIAMENTE VÁRIOS CRIMES E
VÁRIAS PESSOAS)

 POR SIMULTANEIDADE – VÁRIOS CRIMES E VÁRIAS PESSOAS SEM LIAME


SUBJETIVO ENTRE ELAS (SAQUE A CARGA DE CAMINHÃO)

 POR CONCURSO – VÁRIOS CRIMES E VÁRIAS PESSOAS COM LIAME SUBJETIVO


ENTRE ELAS

 POR RECIPROCIDADE – VÁRIOS CRIMES E VÁRIAS PESSOAS UMAS CONTRA AS


OUTRAS (BRIGA GENERALIZADA)

OBJETIVA (OBRIGATORIAMENTE VÁRIOS CRIMES – NÃO VÁRIAS


PESSOAS)

 TELEOLÓGICA – QUANDO UM CRIME OCORRE PARA FACILITAR OUTRO

 CONSEQUENCIAL – QUANDO UM CRIME OCORRE PARA OCULTAR OU


GARANTIR A IMPUNIDADE/VANTAGEM DE OUTRO CRIME

INSTRUMENTAL (QUANDO A PROVA DE UM CRIME INFLUENCIA


NA EXISTÊNCIA DO OUTRO)

TIPOS DE CONTINÊNCIA
SUBJETIVA (UM CRIME PRATICADO POR MAIS DE UMA PESSOA
QUE POSSUAM LIAME SUBJETIVO)

OBJETIVA (PLURALIDADE DE CRIMES COMETIDOS ATRAVÉS DE


UMA ÚNICA CONDUTA – CONCURSO FORMAL)
JUÍZOS PREPONDERANTES

REGRAS

 JÚRI X OUTRO JUÍZO COMUM = JÚRI (78, I, CPP)

 JUÍZOS DE IGUAL CATEGORIA (78, II, CPP)

- JUÍZO QUE APURA A INFRAÇÃO MAIS GRAVE


- JUÍZO QUE APURA O MAIOR NÚMERO DE INFRAÇÕES PRATICADAS
- JUÍZO PREVENTO

 JUSTIÇA FEDERAL X JUSTIÇA COMUM = J. FEDERAL (STJ 122)

 JUÍZO INFERIOR X JUÍZO SUPERIOR = J. SUPERIOR (78, III, CPP)

 JUSTIÇA COMUM X JUSTIÇA ESPECIAL = JUSTIÇA ESPECIAL (78, IV,


CPP)

EXCEÇÕES

 JÚRI E PRERROGATIVA DE FORO – SE FOR O CASO


 JUSTIÇA FEDERAL E CONTRAVENÇÃO PENAL – SALVO FORO PRIV.
 JÚRI E JUSTIÇA ELEITORAL – SEPARAÇÃO DOS PROCESSOS
 JUSTIÇA MILITAR – SOMENTE CRIMES MILITARES
REGRAS DE SEPARAÇÃO DE PROCESSOS MESMO EM CASO DE
CONEXÃO/CONTINÊNCIA

OBRIGATÓRIA (79 CPP)

 JUSTIÇA MILITAR X JUSTIÇA COMUM (79, I, CPP)


 JUSTIÇA INFÂNCIA E JUVENTUDE X JUSTIÇA COMUM (79, II, CPP)
 DOENÇA MENTAL SUPERVENIENTE (79,§1º, C/C 152 CPP)
 CITAÇÃO DE SOMENTE UM DOS ACUSADOS (79, §2º, C/C 366 CPP)
 RECUSAS NO JÚRI (79, §2º, C/C 469 CPP)

FACULTATIVA (80 CPP)

 CRIMES OCORRIDOS EM TEMPO E LOCAIS DIFERENTES


 MUITOS RÉUS PRESOS
 POR QUALQUER OUTRO MOTIVO RELEVANTE
PERPETUAÇÃO DA COMPETÊNCIA EM CONEXÃO E
COMPETÊNCIA

 REGRA

SEGUIRÁ ATÉ O FIM DO PROCESSO

 EXCEÇÕES

- DESCLASSIFICAÇÃO NA 1ª FASE DO JÚRI (VAI PARA A VARA


CRIMINAL) 2ª FASE FICA NO JÚRI E É JULGADO PELO JUIZ
PRESIDENTE

- CRIME FEDERAL + CRIME ESTADUAL ( SÚMULA 122 STJ - FEDERAL


É COMPETENTE MESMO SE HOUVER ABSOLVIÇÃO DO CRIME
FEDERAL) - (EM CASO DE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE OU
DESCLASSIFICAÇÃO DO CRIME FEDERAL, O CRIME ESTADUAL
VOLTARÁ PARA A JUSTIÇA FEDERAL)

- CRIME ELEITORAL + CRIME FEDERAL (ELEITORAL É COMPETENTE


MESMO SE HOUVER ABSOLVIÇÃO DO CRIME ELEITORAL ) – (EM
CASO DE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE OU DESCLASSIFICAÇÃO DO
CRIME ELEITORAL, O CRIME FEDERAL VOLTARÁ À JUSTIÇA
FEDERAL)

- CRIME ELEITORAL + CRIME ESTADUAL ( ELEITORAL É


COMPETENTE MESMO SE HOUVER ABSOLVIÇÃO DO CRIME
ELEITORAL) – (EM CASO DE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE OU
DESCLASSIFICAÇÃO DO CRIME ELEITORAL, O CRIME ESTADUAL
VOLTARÁ À JUSTIÇA ESTADUAL)
- CRIME ELEITORAL + CRIME FEDERAL + CRIME ESTADUAL
(ELEITORAL É COMPETENTE MESMO SE HOUVER ABSOLVIÇÃO DO
CRIME ELEITORAL) – (EM CASO DE EXTINÇÃO DA PUNIBILIDADE
OU DESCLASSIFICAÇÃO DO CRIME ELEITORAL, OS CRIMES FEDERAL
E ESTADUAL VOLTARÃO À JUSTIÇA FEDERAL)

#JUSTIÇA MILITAR JAMAIS TERÁ COMPETÊNCIA PARA JULGAR


CRIME NÃO MILITAR#