Você está na página 1de 30

KIT CHEFE CERVEJEIRO ol

MANUAL DE INSTRUÇ6ES
l
KIT CHEFE CERVEJEIRO
WWW.CHEFECERVEJEIRO.COM.BR

E-mail : contato@chefecervejeiro.com.br

Vídeo-aula Online:
http://www.chefecervejeiro.eom.br/video-aula

Ou acesse com seu login e senha:


http://www.escola.chefecervejeiro.com.br

Outras receitas para sua produção:


http://www.chefecervejeiro.eom.br/receitas

Olá amigo cervejeiro! Primeiramente a equipe CHEFE CERVEJEIRO gostaria de agradecer


pela aquisição do nosso kit, esperamos que assim como nós você também se apaixone
pela arte de produzir cerveja artesanal!

Vamos a partir de agora ensinar a você como produzir sua própria cerveja, e ao final da
apostila, falaremos o conceito de cerveja, seus tipos, diferenças, para que você
compreenda o que esta produzindo e bebendo, seja cerveja artesanal ou industrial.

Ano:2017

Todos os direitos reservados pel o a utor. Proibido a repr od ução total ou parcial, a partir desta obra, por
qualquer meio ou processo eletrôni co, digital, ou mecânico (sistem as gráficos, microfilmicos, fotog ráficos,
reprográficos, xerográficos, de fotocópia. de gravação e videográficos), sem a pr évia auto r ização por escrito
do a utor. Essas proibições apli ca m-se ta mbém às ca racterísticas gráficas da obra e sua editoração.
\'iolação dos direitos au torais é punível como crime, Ar t.l84 do código penal lei 6.895 de 17/ 12/ 1980

2
w
A CERVEJA PRODUZIDA POR VOCE"

A produção de cerveja artesanal não tem segredos, apenas precisamos conhecer as


técnicas e os procedimentos corretos para produzir com qualidade.
Existem várias formas de produzir cerveja, não vamos mensurar ou quantificar
quais seriam as melhores ou as mais fáceis. Podemos apenas afirmar que com um
pouco de dedicação, com uma boa formulação e equipamentos adequados você
poderá fazer em sua casa excelentes cervejas artesanais.
Nosso método de produção está focado diretamente na praticidade e na qualidade da
cerveja, trabalhamos em prol do cervejeiro caseiro, oferecendo o que tem de melhor
no mercado cervejeiro.
Relataremos nas próximas páginas as nossas experiências na produção desta
maravilhosa bebida que é a cerveja, tentamos repassar de forma simples e objetiva
os procedimentos para se obter urna cerveja com qualidade e com o sabor que mais
lhe agrada, os relatos são reais e baseados em produções caseiras. Esperamos estar
contribuindo com o cervejeiro iniciante neste mundo fascinante e muito gratificante.
Fazer cerveja e muito mais que misturar alguns ingredientes, e muito mais do que
isso ... é prazer, satisfação e alquimia!!

Qualquer dúvida na produção. ou sugestão:

E-mail: co ntato@chefecerve jeiro.com.br

www.chefecervejeiro.com

RECEITA CHEFE CERVEJEIRO


Cerveja: BLOND ALE

Tipo - ALE Estilo - Blond Ale

Receita para preparo de 40 litros

- 9 Kg MALTE PILSEN
- 60g LUPULO (Perle ou equivalente)
- 02 FERMENTOS CERVEJEIROS TIPO ALE
- 240g AÇUCAR PARA "PRIMING" (No dia do envase)

3
INICIANDO SUA PRODUÇÃO
O primeiro passo para iniciar sua produção é lavar e esterilizar/sanitizar todo o
material do seu kit, utilizando uma bucha nova de preferência (que não contenha
sujeira de cozinha) esfregando bastante as panelas, o balde fermentador (com a parte
macia da bucha) a escumadeira e tudo que for entrar em contato com o mosto.

Após lavar tudo, sanitize seus baldes fermentadores (equipamento que mais deve estar
limpo, já que é nele onde seu mosto vai fermentar) com o ácido peracético PAC 200
caso você tenha. Basta encher completamente o balde, adicionar 20g (para 40L) do
PAC na água e deixar agindo por 1O a 20 minutos. Após esse tempo, você pode
transferir essa água para outro balde (caso tenha mais de um) e deixar esperando até o
final da produção, no momento da adição do mosto no balde, após a fervura e o
resfriamento (antes de inocular a levedura). Assim, antes de transferir o mosto
resfriado para o fermentador, você pode usar essa água para sanitizar o balde
novamente, garantindo que não haverá contaminações no seu mosto (Essa limpeza é
opcional). Basta reutilizar a água jogando novamente no balde e aguardando mais 15
minutos. A solução de PAC (caso você tenha) + água tem validade/duração de 24H,
então caso não queira usar a água novamente antes de transferir o mosto, use essa água
para lavar os equipamentos ao final da produção. (Evite usar o PAC nas panelas ou
chiller, seu uso não é indicado em equipamentos de alumínio). Se não tiver o Pac 200
no momento da produção, outra opção é ferver água nas panelas e utilizar essa água
fervida para esterilizar o balde fermentador, as conexões de cobre e os demais
componentes do kit.

Por ultimo, borrife álcool 70°/o nos itens como termômetro, escumadeira, mangueiras,
conexões, airlock e etc (se você sanitizou o balde com o PAC 200 não é necessário
borrifar álcool) e deixe secar naturalmente.

Essa preocupação com a limpeza deve ser maior principalmente após o processo de
fervura , quando o mosto vai estar mais suscetível a contaminação. Em resumo basta
lavar tudo com uma bucha e um pouco de sabão e enxaguar BASTANTE. O item que
você deve mais se preocupar é o balde, pois é nele que o mosto resfriado vai
fermentar.

Não faça essa etapa com pressa, uma limpeza mal feita é responsável por 80% da
perda das produções de cerveja artesanal. Compensa gastar um tempo nessa etapa!

4
ENTENDENDO OS PROCESSOS DA PRODUÇÃO
(Todos esses processos serão explicados em detalhes um a um)

1° LIMPEZA DE TODO O MATERIAL DO KIT: Limpar e esterilizar todo o material do


Kit.

2° MONTAGEM DA PANELA: Encaixar o "filtro Bazooka" no interior da panela.

3° ADICIONAR ÁGUA: Colocar 28 litros de água mineral na panela e aquecer ate 70ºC

4° ADICIONAR O MALTE NA ÁGUA: Na temperatura de 70ºC, adicionar todo o malte


moído (9kg) na água.

5° INICIO DA BRASSAGEM (60 MINUTOS) : Processo que se cria o mosto (o "suco" do
malte) e retira os açucares do malte para servir de alimento as leveduras durante a
fermentação. Mantenha a temperatura do mosto a 66ºC por 01 hora, sempre verificando
com seu termômetro.

6° PREPARAR A ÁGUA PARA LA V AGEM DO MALTE: Aquecer de 35 a 40 litros de


água ate 75ºC - 80ºC na outra panela, enquanto aguarda os 60 minutos da brassagem.

7° FAZER O "MASH OUT" NO MOSTO ATÉ 75ºC: Após 01 hora da brassagem em


66ºC, subir a temperatura do mosto ate 75ºC. Nunca ultrapassar os 80ºC!

8º RECIRCULAR O MOSTO: Adaptar a bomba na torneira, o gotejador no topo da panela


e ligar a bomba, deixando ela ligada de 15 a 20 minutos para recircular o mosto, com o fogo
já desligado.

9° TRASFERIR O MOSTO PARA A PANELA DE FERVURA FAZENDO A


LAVAGEM: Desconectar o gotejador da mangueira e passar o mosto da panela de
brassagem para a panela de fervura, utilizando a bomba para a trasfega, jogando a água de
lavagem (que deve estar a 75ºC) por cima dos grãos sem movimentá-los muito (com o
auxílio da escumadeira) enquanto o mosto Uá clarificado e sem partes solidas) é transferido
para a panela de fervura. A panela deve conter no final de 42 a 44 litros de mosto pronto
para a fervura.

1Oº INICIAR A FERVURA: Ligar o fogo no máximo e aguardar o início da fervura do


mosto.

11° ADICIONAR O LUPULO: Após o início da fervura , adicionar 20 gramas de lúpulo


no mosto. Com 40 minutos de fervura, adicionar mais 20 gramas de lúpulo. Com 50 minutos
de fervura (faltando 1O min para o final), adicionar mais 20 gramas de lúpulo. Total de 60g
de lúpulo adicionado ao mosto. Faltando 15 minutos para o fim da fervura, adicione O1
pastilha Whirlfloc (clarificador) diretamente no mosto (caso tenha). O Whirlfloc não é
obrigatório, serve somente para ajudar na aglutinação e decantação das partículas sólidas do
mosto.
5
12° AGUARDAR 60 MINUTOS DE FERVURA: Esperar 01 hora de fervura intensa, com
metade da panela tampada (nunca deixar a panela toda tampada). Nesse processo é onde os
sabores e aromas da cerveja são criados, é nele também que o mosto é esterilizado,
deixando-o livre de contaminações.

13º RESFRIAR O MOSTO APÓS FERVURA: Após a fervura, colocar o CHILLER


sanitizado dentro da panela com o mosto e conectá-lo em uma fonte de água (torneira da
rede pública) utilizando as 02 mangueiras mais finas. Deixar a temperatura cair abaixo de
30ºC (a ideal é 25ºC). Quanto mais rápido esse processo, melhor.

14° FAZER O "WHIRLPOOL": Assim que ligar a água do chiller para começar o
resfriamento, misturar/rodar o mosto na panela com uma escumadeira ou colher sanitizada,
criando um redemoinho. Aguardar o final do resfriamento. (média de 30 a 50 minutos).
Quase todas as partículas sólidas do mosto terão ido para o fundo da panela.

15° TRANSFERIR O MOSTO PARA O FERMENTADOR: Passar o mosto já resfriado


(abaixo de 30ºC) para os baldes fermentadores. (sem levar os resíduos do fundo, chamados
de "TRUB"). Cada balde deve conter aproximadamente 20L de mosto.

16º INOCULAR O FERMENTO SOBRE O MOSTO: Adicionar ao mosto todo o


conteúdo dos saquinhos de fermento, pode ser seco ou hidratado. (Um para cada balde de
20L, ou os 2 ao mesmo tempo para um balde único de 40L).

17º AGUARDAR A FERMENTAÇÃO: Aguardar o mosto fermentar, numa média de 7 a


10 dias na temperatura de 16° a 24º (o ideal é 18 a 20ºC). Depois desse prazo, maturar a
cerveja por 5 a 1O dias na geladeira ou freezer na temperatura de 5 a 1Oºc. Fermentar longe
da luz e de altas temperaturas. Evite abrir os fermentadores nesses períodos.

18º FAZER O PRIMING PARA ENVASE: Transfira seu mosto (sem fermento) para um
balde limpo e sanitizado. Se não tiver outros baldes, transfira para a panela já limpa. Para
exatos 20 litros (cada um dos baldes), ferva por 03 minutos 400ml de água com 120 gramas
de açúcar (6g por LITRO de cerveja). Prepare separadamente essas medidas para cada um
dos baldes. Após ferver e resfriar esta "calda", misturar no mosto já transferido sem o
fermento (levedura decantada) para outro balde sanitizado ou panela. Se utilizou 02 baldes,
divida o priming (calda) para cada balde. Se toda a cerveja foi transferida para a panela,
adicione toda a calda de uma vez e misture bem com uma colher sanitizada.

19º ENGARRAFAR A CERVEJA: Encher as garrafas sanitizadas com a cerveja (e


priming já misturados) e tampar utilizando o arrolhador. Deixar as garrafas em pé fora da
geladeira por no mínimo 8 a 1O dias, a temperatura entre 15 a 24ºc.

20° AGUARDAR A REFERMENTAÇÃO NA GARRAFA (PRODUÇÃO DE C02):


Nesse processo a cerveja vai refermentar na garrafa, gerando o gás da sua cerveja, demora
no mínimo 8 a 1O dias. Após esse período, coloque na geladeira e boa degustação!!

6
MONTAGEM E PREPARO

1º PASSO: Montagem da panela de Brassagem (Cozimento)


Conecte em uma das panelas o "filtro bazooka" no adaptador interno da panela (saída
para torneira), conforme a foto:

Obs.: Certifique-se de que o filtro esteja bem preso no adaptador. não ficando bambo ou solto. Caso
esteja (rotao, amasse a ponta do cano com um alicate, de forma que entre mais firme no adaptador.

- Coloque essa panela em seu fogão e adicione 28 litros de ÁGUA MINERAL e


ligue o fogo .

- Aqueça essa água ate a temperatura de 70ºC . (DICA: use mais de uma boca do seu
fogão para agilizar o processo)

QZº PASSO : Preparando a água para lavagem do Malte


Caso tenha mais de um fogão ou algum fogareiro em sua casa Uá que a panela em um
fogão comum ocupa quase todas as bocas e não permite duas panelas ao mesmo
tempo), coloque a outra panela nesse fogão, adicionando de 3 5 a 40 litros e aquecendo
7
essa água até a temperatura de 75ºC a 80ºC. Essa água será usada para a lavagem do
malte (processo explicado mais a frente). Se você não tiver um fogão sobrando não
tem problema, aqueceremos essa segunda água (3 5 a 40 litros) mais a frente (Ver
Passo 05) no mesmo fogão no intervalo do processo de brassagem.

03º PASSO: Colocando o Malte na água


Quando a temperatura da água (28 litros) estiver em 70ºC, desligue o fogo .
Coloque todo o malte moído na água e misture bem para homogeneizar a temperatura.
(Evite mexer muito o filtro bazooka instalado ao fundo, para que este não corra o
risco de soltar)

Como o malte está em temperatura ambiente, a temperatura da panela provavelmente


cairá naturalmente de 70ºC para aproximadamente 66ºC.

É essa temperatura de 66ºc que vamos manter por 60 minutos!

04º PASSO - BRASSAGEM


Com o mosto na temperatura ideal (66ºc), vamos aguardar 60 minutos mantendo
nessa temperatura.

De tempo em tempo, meça a temperatura do mosto para ver se abaixou. Quando


abaixar muito (menos de 62ºc - 63°c), ligue o fogo novamente e espere subir
novamente aos 66ºc. Sempre que o fogo estiver ligado, mexa o mosto para não
caramelizar ao fundo da panela.

DICA 01 : para a medição da temperatura ser exata, sempre antes de m edir misture
BEM o mosto para homogeneizar a temperatura da panela. M eça com o termômetro
no meio/centro da panela. DICA 02: nesse período de OI hora tampe a panela e
coloque um pano por cima para manter a temperatura.

Pronto, iniciamos o que chamamos de brassagem / mostura!


E ntendendo a brassagem: Nesse processo as enzimas do malte vão converter o amido dos
grãos em açúcares fermentáveis, para que as leveduras possam consumir esse açúcar durante
a fermentação criando então o álcool da sua cerveja. Na temperatura de 66ºC as enzimas que
mais atuam na conversão de amido em açúcar são as Alfa-Amilase e a Beta-Amilase. O teste
de iodo geralmente é feito com O1 hora de brassagem, ele consiste basicamente em comparar
a coloração do mosto + iodo com o iodo puro. Se a mistura de mosto e iodo ficar escura é
porque ainda contem amido no seu mosto, então prologue um pouco mais a brassagem. Caso
a mistura de iodo + mosto esteja numa cor próxima a do iodo, é porque todo o amido foi
convertido em açúcar, sua brasagem então está finalizada. (O teste de iodo não é obrigatório)
8
05º PASSO: Aquecendo a água para lavagem do malte
Caso você não tenha outro fogão, como indicado no PASSO 02, durante esse período
da brasagem (01 hora), podemos colocar a outra panela com os 35 - 40 litros de água
(água para lavagem do malte) para esquentar no fogão, já que o fogo só será
necessário na brassagem para subir a temperatura aos 66°c quando o mosto perder
muita temperatura.

Esquente a água da lavagem até a temperatura de 75ºc a 80ºC. (Preferencialmente


80ºC).

Quando atingir essa temperatura, transfira a água para os 2 baldes


fermentadores já sanitizados e RESERVE.

Faça essa transferência para os baldes próxima ao final da recirculação (PASSO 07).
Isso porque a ideia aqui é usar a água na lavagem na temperatura exata de 75
graus, então deixando na panela por mais tempo você mantem melhor a temperatura.
Caso essa temperatura abaixe menos que 70 graus ate o momento da lavagem, volte
com a panela ao fogo e retome o aq uecimento até atingir novamente os 75ºC.

06º PASSO - MASH OUT (Panela com o malte)


Após 60 minutos de brassagem (a 66°c), faremos o "MASH OUT", que é a inativação
das enzimas presente no mosto.

Com a panela no fogão, acenda o fogo alto e vá subindo a temperatura do mosto de


66ºC para 75ºC, sempre mexendo o mosto na panela. Mexa bem para homogeneizar a
temperatura e meça constantemente com o termômetro, não deixando nunca passar
de 80ºC!

Quando chegar na temperatura de 75º / 76ºC, desligue o fogo.

Entendendo o "Mash Out": Os maltes são ricos em enzimas e são elas as responsáveis por
converter o amido dos grãos em açucares fermentáveis . Durante O1 hora da
brassagem/cozimento elas estão ativas e trabalhando até que todo o amido seja convertido,
sempre na faixa de temperatura entre 60 a 72 graus. Antes de realizar a lavagem do malte e a
transferência do mosto para a fervura, devemos inativar essas enzimas. Elas não suporiam
temperaturas altas (acima de 72ºc), então subimos a temperatura do mosto para 75 - 78ºc,
tomando muito cuidado para NÃO passar de 80ºC e finalizamos assim o processo de
cozimento.

Chegamos ao final da mostura/brassagem e da ação


enzimática!
9
07º PASSO - RECIRCULAÇÃO DO MOSTO
Vamos agora adaptar a bom,ba na panela e iniciar a RECIRCULAÇÃO DO MOSTO.

Desenrosque somente a parte de cima do adaptador (união de rosca branca) da sua bomba e
adapte na torneira da panela com o malte. Depois posicione a bomba por baixo e enrosque
na peça que ficou presa na bomba, apertando bem. Na ponta da mangueira se encontra um
w "joelho de cobre" onde você deve encaixar o cano gotejador /chuveirinho. Depois de adaptar
a bomba na torneira e o gotejador na ponta da mangueira atóxica, prenda o gotejador no topo
da panela pela parte de dentro, forçando um pouco a parede da panela de forma que ele fique
preso pela pressão, conforme as fotos abaixo:


10
Vamos testar a bomba: Abra a torneira, ligue a bomba na tomada e veja se o mosto
está recirculando normalmente. Pode ser que o malte tenha decantado tampando o
filtro de inox que está adaptado no fundo da panela, dificultando a circulação. Mexa o
fundo com cuidado usando a escumadeira para liberar a passagem do líquido e iniciar
a recirculação. Cuidado para não soltar o filtro no fundo da panela. Outra alternativa é
desligar a bomba da tomada e ligar novamente, dando um "tranco" na bomba para
ela voltar a recircular o mosto. Faça isso até que o mosto saia pelo gotejador com uma
vasão de média para alta. Não tem problema recircular com pouca pressão, o
importante é que o mosto esteja saindo por baixo da panela e sendo devolvido por
cima de forma suave, movimentando o mínimo possível a camada superior dos grãos
dentro da panela.

Depois que começar a recircular normalmente, não mexa mais o mosto e deixe a
panela parada fazendo a recirculação.

V AMOS DEIXAR A BOMBA RECIRCULAR O MOSTO POR 15 A 25


MINUTOS, ISSO VAI AJUDAR A CLARIFICAR SUA CERVEJA!

Obs.: Caso a bomba tenha algum imprevisto e você não conseguir usa-la na circulação, não tem
problema. Para não perder sua leva de cerveja, esse processo pode ser feito a mão (processo
tradicional). Desconecte a bomba e retire o mosto abrindo a torneira, usando uma caneca ou
recipiente e retorne o mosto jogando por cima da panela, com o auxilio da escumadeira, de
forma que o mosto não caia com muita força e não movimente a camada de grãos. Faça esse
processo algumas vezes até perceber que o mosto esta bem claro, quanto mais recircular, melhor.
Nos informe caso tenha algum problema com sua bomba!

08º PASSO - LAVAGEM DO MALTE


Agora que temos o malte "cozido" e o mosto já recirculou por aproximadamente 20
minutos, vamos transferir todo o mosto (somente o líquido) para a outra panela
(que estava com a água da lavagem), que agora será a panela de FERVURA.
Enquanto transferimos, faremos a lavagem do malte.

Para esse processo vamos desconectar somente o gotejador da parte de cima da panela,
liberando a saída da mangueira. (O "joelho de cobre" com a abraçadeira pode
continuar adaptado na mangueira). Mantenha a bomba e a mangueira conectada na
torneira da panela.

Abra cerca de 50 a 70o/o da torneira (para o mosto não sair muito rápido) e ligue a
bomba, já com a ponta da mangueira (que estava no gotejador) dentro da panela que
vai receber o mosto.

11
Enquanto o mosto é transferido devagar da panela de brassagem para a panela de
fervura, vamos " lavar o malte", com a água que esta nos 2 baldes fermentadores (3 5
a 40 litros a aproximadamente 75ºc a 80ºc), para aproveitar todo o açúcar que sobrou
no bagaço do malte e levar esses açucares para a panela de fervura.

Nesse processo, é muito importante NÃO jogar a água de uma vez para não
movimentar muito os grãos. Para isso, pegamos a água com uma caneca e
distribuímos com a ajuda da escumadeira por cima do mosto, ela vai aj udar a
diminuir o impacto da água nos grãos. Outra opção é posicionar os baldes em um
banco ao lado da panela com o malte, de forma que as torneiras dos baldes fique por
cima da panela. Assim você pode abrir as torneiras e deixar a água cair sobre a
escumadeira para evitar movimentar muito os grãos . Faça a lavagem até atingir
aproximadamente 42 - 44 litros de mosto na panela de fervura.

Dica 01: Coloque a escumadeira encostada na água com o malte, f ormando uma
"piscina" na escumadeira. Jogue toda a água de lavagem (35 a 40L) devagar por
cima da escumadeira, assim os grãos não serão muito movimentados.

Dica 02: Após adicionar toda a água ao bagaço enquanto o mosto é transferido para
a outra panela, FECHE os baldes fermentadores já vazios e não mecha mais até a
hora da trasfega (ver passo 11 ). Como a água estava bem quente (75ºc), os baldes já
vão estar limpos e sanitizados para receber o mosto ao final da produção, portanto esvazie
os baldes e reserve-os até a hora da última trasf ega.

Vamos lavar com água suficiente para que tenhamos na


panela de fervura 42 a 44 litros de mosto pronto para ferver.

12
09º PASSO - FERVURA E LUPULAÇÃO
Agora que temos em média de 42 a 44 litros de mosto na panela de fervura, coloque a
panela no fogão e ligue o fogo no máximo.

(A panela com o bagaço do malte e a bomba, deixamos de lado a partir de agora)

Vamos aguardar o início da fervura.


Assim que começar a ferver, COMEÇAMOS A CONTAR OS 60 MINUTOS.
Obs.: Semp re com fervura intensa. Só começamos a marcar o tempo após o inicio da
fervura.

Obs.: Nesse período, deixe a panela tampada pela metade, ou deixando uma fresta
aberta para liberar o vapor que contem sabores indesejados a cerveja. Evite deixar sem
tampa, pois irá perder grande quantidade de mosto na evaporação ! Se você tampar
toda a panela, poderá gerar espuma e acabar transbordando, então deixe a panela
tampada pela metade.

COLOCANDO O LÚPULO E PASTILHA WHIRLFLOC (Whirlfloc é


opcional) :

-Assim que começar a ferver, pese na balança 20 gramas de lúp ulo, e adicione
ao mosto fervendo, não precisa mexer. Aguarde.

-Com 40 minutos de fervura, adicione mais 20 gramas de lúpulo ao mosto .


Aguarde.

- Com 45 mio utos de fervura (faltando 15 minutos para desligar o fogo), adicione O1
pastilha de W hirlfloc (clarificador) ao mosto. (Não é obrigatório)

- Com 50 minutos de fervura (faltando 1Ominutos para desligar o fogo) acrescente


mais 20 gramas de lúpulo. Aguarde o fim da fervura.
Somando tudo, teremos acrescentado 60 GRAMAS de lúpulo ao mosto.

Após os 60 minutos de fervura intensa e adição do


Lúpulo e Whirlfloc, desligamos o fogo.

13
- 10º PASSO - RESFRIAMENTO
Vamos retirar a panela do fogão (com muito cuidado) e levá-la a um local de fácil
acesso de água da rede publica.

Deixe a panela em uma cadeira ou mesa, para que mais a frente, quanto abrir a
torneira para passar o mosto para o balde fermentador, gere uma queda de aprox. 40
centímetros (da saída da torneira ao fundo do balde). Essa queda vai arejar e oxigenar
o mosto.

Coloque o CHILLER de alumínio (lavado e esterilizado com álcool e já seco)


dentro da panela com o mosto e conecte uma das pontas do chiller na rede
de água publica. Utilize uma das 02 mangueiras cristal (mais fina) que você
recebeu para adaptar na mangueira da sua casa se necessário (Dica: Passe
fita "veda-rosca" e1n uma das pontas da mangueira.fina do seu kit e encaixe
essa mangueira por dentro da sua 1nangueira de jardim, funciona na maioria
das mangueiras). Conecte a outra mangueira "fina" na ponta de saída do
Chiller para a vazão da água.

CUIDADO!! A ÁGUA QUE SAI DO CHILLER VAI ESTAR


MUITO QUENTE!!
Ev;te o desperdício, guarde a água que va; sair do ch;/ler nas garrafas de água
mineral ou outro recipiente. Use essa água para lavar as panelas depois. regar
plantas e etc!

Com o chiller conectado e a água ligada passando por ele e saindo pela outra ponta,
vamos fazer o "WffiRPOOL" .


14
FAZENDO O WHIRLPOOL
Whirlpool nada mais é que criar um redemoinho no mosto, para facilitar o
assentamento das partículas solidas em suspensão, elas irão para o fundo e para o
centro da panela.

Com sua escumadeira ou uma colher esterilizada, gire o mosto por 1 ou 2 minutos,
cria ndo um redemoinho.

Após "rodar" o mosto, mantenha a água correndo por dentro do chiller para a troca de
temperatura. A temperatura tem que cair para menos de 30ºc, esse processo
demora em média de 30 a 50 minutos.

Dica importante: N ão mexa ou balance a panela a partir desse momento, pois isso
irá levantar os resíduos que estão se assentando no fundo da panela. N a hora de
transferir para o balde esses resíduos não devem ir junto. Então depois de colocar o
chiller e fazer o whirlpool, você só vai mexer na panela para fazer a medição de
temperatura com o termômetro (devagar para não mexer o mosto) e para abrir a
torneira na hora da trasfega.

Meça a temperatura depois de aproximadamente 30 minutos, usando o


termômetro, evitando de balançar muito o mosto dentro da panela.

Aguarde a temperatura cair para menos de 30ºC.


O ideal é 25ºC.

15
11º PASSO -TRASFEGA PARA OS BALDES
Com o mosto resfriado abaixo de 30ºc e as partículas solidas já decantadas, podemos
então passar o mosto para os baldes fermentadores. Os baldes e suas torneiras
devem estar completamente limpos e esterilizados com água quente ou PAC 200.

Obs.: Depois da lavagem do malte (passo 8°) os baldes já foram esterilizados, pois
ficou um tempo com a agua da lavagem a 75º/80ºc. Se você os tampou após a
lavagem, não precisa preocupar em fazer outra limpeza. Retire o excesso de água
dos 2 baldes sacodindo bem Caso tenha dúvida se eles estão de fato limpos, sanitize
novamente com PAC 200 caso tenha, deixe agir por 15 minutos e esvazie os baldes.

ATENÇAO: Depois do Whirlpool e do resfriamento não mecha mais no mosto e não


balance a panela, pois isso ira "levantar" os resíduos que estão no fando!

TRANSFERINDO: Vamos apenas posicionar um balde de cada vez embaixo da


torneira da panela (numa altura de 30 a 40cm aprox.) e abrir a torneira deixando o
mosto cair naturalmente em cada um dos baldes fermentadores.

OBS: NÃO LEVE OS RESIDUOS (Trub) QUE ESTÃO NO FUNDO DA


PANELA PARA OS BALDES! VAI FICAR UMA "LAMA" ESVERDEADA NO
FUNDO, ISSO É NORMAL, SÃO OS RESTOS DO LÚPULO E MALTE QUE
SE ASSENTARAM AO FUNDO COM O RESFRIAMENTO.

OBSERVE A TRANSFERÊNCIA. CHEGANDO AO FINAL, O TRUB VAI SER


ARRASTADO PARA A TORNEIRA, NESSE MOMENTO TERMINE A
TRASFEGA FECHANDO A TORNEIRA DA SUA PANELA.

Medição da densidade: Vamos fazer a medição da densidade agora caso


você tenha o densímetro e a proveta. Se não tiver não tem problema, essa
medição não é obrigatória.

Para fazer a medicão em detalhes, vá até a pagina 21 da apostila.

Agora vamos inocular o fermento sobre o mosto!

16
12º PASSO - INOCULANDO O FERMENTO
Agora que temos o mosto nos 2 baldes fermentadores com temperatura abaixo de 30ºc,
podemos inocular os fermentos sobre eles. Existem 02 formas de inocular a levedura
sendo muito importante tomar cuidado nessa hora.

Voce pode adicionar o fermento seco diretamente sobre o mosto ou pode hidratar a
levedura antes de inocular. Indicamos hidratar o fermento pois assim você garante
uma população mais saudável de leveduras, melhorando bastante sua fermentação. O
pacotinho de fermento é padronizado para 20L, que é exatamente o tamanho dos 2
baldes fermentadores que estão com mosto. Por isso utilize O1 pacote de fermento para
cada balde fermentador.

HIDRATANDO O FERMENTO: Para hidratar o fermento, ferva por 2 a 3 minutos


200ml (para cada pacote de 11 g) de água mineral ou filtrada e RESFRIE essa água em
"banho-maria" ou na geladeira. Após resfriar até aproximadamente 20ºc, adicione
devagar O1 pacote de fermento na água e deixe descansar (sem agitar) por 1O a 15
minutos. O ideal é utilizar algum recipiente de vidro para realizar a hidratação, pode
ser até mesmo um copo comum. Depois de 1O a 15 min de descanso, vá mexendo bem
devagar até homogeneizar a mistura de água e levedura, formando uma "lama"
amarronzada.

DICA: Ferva a água separadamente para cada pacote, ou seja, 200ml de cada vez.
Assim você hidrata os 2 fermentos ao mesmo tempo em frascos separados, de forma
que a divisão seja exatamente a mesma para cada balde. (Se cada balde tiver a mesma
quantidade de mosto/cerveja)

FERMENTO SECO: Se preferir adicionar o fermento seco, basta abrir o pacote e


espalhar todo o conteúdo devagar por toda a superfície do mosto (01 pacote para
cada balde de 20L). Feche o fermentador completamente, instale o airlock no furo da
tampa, coloque água mineral dentro do airlock até a marca (tem um risco no meio
indicando o nível). Se o seu airlock for lateral, basta encaixar a mangueira específica
no furo do airlock que já deve estar instalado. Deixe seu balde no loca] de fermentação
e coloque a ponta da mangueira dentro de um recipiente com água para evitar a
entrada de ar pela mangueira, dessa forma você impede a troca de ar dentro do balde,
já que o gás interno sai mas a água não permite a entrada do ar externo.

Está tudo pronto para fermentar!

17
13º PASSO-FERMENTAÇÃO E MATURAÇÃO
O estilo Blond Ale, como o nome diz, é do tipo ALE, ou seja, são cervejas de ALTA
FERMENTAÇÃO, então deixe fermentar numa temperatura média de 16º a 24ºC,
(ideal é 18º a 20º) longe de luz e altas temperaturas por 07 a 10 dias.

O ideal é que você adquira um termostato (Ex.: Tic 17 da Full Gauge) e instale em
uma geladeira onde você possa deixar seus baldes. Assim você garante um controle
exato da temperatura de fermentação , o que vai lhe proporcionar uma cerveja muito
melhor e mais equilibrada.

Se não tiver uma geladeira disponível para fermentar, mantenha seus baldes em um
local com o mínimo de variação de temperatura, que esteja entre 18 a 25°c. Pode ser
um quarto arejado por exemplo.

Após esse período (7 a 8 dias) coloque os baldes em uma geladeira ou freezer na


temperatura de 5 a l Oºc por mais 05 a 10 dias. (Use o seu termômetro para
acompanhar a temperatura da geladeira caso não tenha um termostato)

Após esses 20 dias (10 fermentação+ 10 maturação)


podemos então engarrafar as cervejas!
VEJA MAIS DETALHES DA FERMENTAÇÃO NA PAG. 22

Dica 01: Se você tiver outros baldes fennentadores, após a fermentação (7 a 1O dias)
transfira a cerveja dos baldes iniciais para esse outros baldes (bem sanitizados) SEM
LEVAR os resíduos do fundo (resto do fermento e leveduras), transferindo somente o
líquido, depois coloque os baldes na geladeira como dito acima para realizar a maturação (5
a 1O dias).

Dica 02: Esse período em que os baldes ficam na geladeira após a fermentação é chamado
de maturação, isso irá trazer mais qualidade a sua cerveja, sendo que algumas leveduras
ainda continuarão ativas eliminando resíduos e aromas indesejados a cerveja. A maturação é
sempre feita em temperaturas mais frias. O ideal é que após a fermentação você troque de
balde para que a cerveja mature sem fermento (lama do fundo), mas caso não tenha outro,
apenas coloque seus baldes na geladeira que também irá funcionar sem problemas.

Dica 03: Evite abrir os baldes durante a fennentação e maturação. É normal que se crie
uma espuma de fermento no alto dos fermentadores, isso é sua cerveja fermentando. O
airlock também ira borbulhar nos primeiros dias, isso é normal, é apenas o gás gerado da
fermentação saindo dos baldes. Caso não haja movimentação do airlock, não se preocupe,
pode haver alguma fresta nos baldes por onde o ar esta saindo, não movimentando o airlock.

18
14º PASSO - PRIMING (No dia do engarrafamento)
Após a fermentação e maturação do mosto por 20 dias (1 Odias a temperatura
ambiente e 1O dias na geladeira), onde as leveduras metabolizaram o açúcar em álcool,
vamos para a fase do envase.

Mas antes devemos preparar o "Priming", também chamado de "Açúcar Invertido". O


priming é uma mistura/calda de água + açúcar que adicionaremos ao mosto antes do
envase, essa calda servirá de alimento para as leveduras que restaram no mosto
refermentar a cerveja dentro da garrafa (fermentação secundária), gerando assim o gás
da sua cerveja (C02) de forma natural.

Preparo: Geralmente o calculo é: 6 a 7 gramas de açúcar por LITRO de cerveja no


balde (nunca utilize mais que isso, há risco de explosão das garrafas!). Então se
cada um de seus baldes fermentadores estiver com os 20 litros completos, vamos
ferver: 400 mi de água junto com 120 gramas de açúcar refinado ou cristal.
Se o balde tÍver menos de 20 litros, faca o calculo aproximado. Exemplo: 15 litros =
300ml de água fervida com 95-100 gramas de açúcar.

Essa calda/priming (400ml de água + l 20g de açúcar) é a medida para 01 BALDE


DE 20 LITROS. Ou seja, faça o priming separadamente para cada balde, ou faça o
dobro de uma só vez e divida exatamente igual para cada balde. Caso tenha transferido
a cerveja dos 02 baldes para uma única panela de 40 litros (ver abaixo), misture todo o
priming de uma vez com a cerveja na panela. Então o dobro seria 800ml de água+
240g de açúcar.

Após ferver por 03 minutos, resfrie essa "calda" até a temperatura ambiente
(colocando na geladeira ou em "banho-maria", por exemplo) e deixe pronta para
misturar ao mosto.

Enquanto resfria vamos transferir todo o mosto dos baldes fermentadores Oá sem
fermento, somente a cerveja clarificada) para outros baldes já limpos e sanitizados.
Dessa forma vamos garantir que tenha o mínimo possível de "lama"/fermento na sua
cerveja, fazendo com que ela fique mais clara e transparente. Caso não tenha outros
baldes, transfira toda a cerveja para uma das panelas cervejeiras também limpa e
sanitizada. Nesse caso, você pode transferir os 2 baldes para a mesma panela e
adicionar o priming todo de uma vez.

Com a cerveja/mosto transferido sem fermento ou resíduos para outros


baldes ou panela, misture o priming ao mosto homogeneizando bem com
uma colher ou escumadeira bem limpa e sanitizada!

Está tudo pronto para engarrafar a sua cerveja!


19
15º PASSO-ENGARRAFANDO A CERVEJA
Lave bem as garrafas com água e um pouco de sabão utilizando a escova enviada no
seu kit, enxague bem retirando qualquer resíduo e sabão de seu interior. Agora você
tem duas opções, utilizar o PAC 200 (caso você tenha) para sanitizar suas garrafas
(mais indicado) ou utilizar água fervente para esteriliza-las. Para utilizar o PAC, basta
misturar aproximadamente 1Og do produto em 20 litros de água, homogeneizar bem e
adicionar essa água nas garrafas, deixando agir por no mínimo 20 minutos. Depois
esvazie e deixe secar de ponta cabeça. Caso utilize água fervente, indico ferver água
em uma panela grande (pode ser uma das suas panelas do kit) e utilizar um funil ou a
própria torneira da panela para encher uma por uma. Deixe agir por 1O minutos e
depois esvazie. Tome muito cuidado, as garrafas ficam extremamente quentes por
fora.

Sanitize também as tampinhas, mergulhando em álcool ou numa solução de PAC


200 +água, deixando secar naturalmente depois.

Com as garrafas e tampinhas limpas e sanitizadas, podemos iniciar o envase. Coloque


o bico de plástico na torneira do balde ou um bico na torneira da panela para facilitar o
envase. Depois basta abrir a torneira e encher, deixando um espaço de 2 dedos sem
cerveja até a boca da garrafa.

Com a máquina de tampinha fixada em uma bancada ou mesa (ou firmando bem a
máquina com as mãos), regule a altura da garrafa utilizada e inicie a colocação das
tampinhas. Abaixe a alavanca com pressão para prender as tampas nas garrafas.

Obs: Você pode usar qualquer tipo de garrafa, desde que não seja de rosca (ex:
Longneck que abre na mão). Teste antes para saber se a máquina tem regulagem de
altura para a garrafa utili::ada.

Após esse processo, a cerveja vai refermentar na garrafa, gerando o gás (C02). O
tempo ideal para gerar o gas é no mínimo 7 dias. Deixe as garrafas EM PÉ num
local escuro e arejado, na temperatura ambiente (15 a 24ºc).

Aguarde no mínimo 7 a 1O dias para abrir sua l3 cerveja, para que ela possa gerar
corretamente o gás (espuma). Depois de prontas (7 a 10 dias) podem ir para a
geladeira. A validade da sua cerveja é de aproximadamente 3 a 5 meses na garrafa, de
preferência mantidas na geladeira.

CHEGAMOS AO FINAL DA SUA PRODUÇÃO, AGORA BASTA AGUARDAR O


PRAZO DA PRODUÇÃO DO GÁS DENTRO DAS GARRAFAS.

Qualquer dúvida nos envie uma mensagem ou email que estaremos a


disposição para esclarecer!

20
Como utilizar o Densímetro e a Proveta

Esses dois instrumentos vão te ajudar a verificar a fermentação da sua cerveja e te


informar o teor alcoólico aproximado da mesma ao final da fermentação. Como isso é
feito? Medindo o nível de açúcar/densidade contida no mosto ao final da produção da
cerveja (inicio da fermentação) e novamente ao final da fermentação.

Como fazer: Após a trasfega do mosto resfriado para o balde (passo 11 ), encha a
proveta ate a marca de (100 ou 250ml, dependendo da proveta) com o mosto do balde
(abrindo a torneira) ou o que sobrou na panela, assim você não desperdiça o mosto do
balde. Essa será nossa amostra para medição.

Importante: O mosto deverá estar na temperatura exata de 20º para a medição ser
correta, se não estiver, confira a tabela de correção de temperatura que se encontra
nessa apostila (última página) e faça a conversão da densidade.

- Coloque o densímetro dentro da proveta com o mosto e meça quanto deu. Exemplo:
1040. Essa é a densidade inicial da sua cerveja (DI). Anote essa medicão.

- Ao final da fermentação (8 a 1Odias) meça novamente pelo mesmo processo, com o


mosto na temperatura de 20ºc. Essa será a densidade final da cerveja (DF). Assim
faremos o cálculo do teor alcoólico utilizando a seguinte formula:

DI - DF x 131 / 1000

Exemplo: DI (1040)- DF (1010) = 30


30 X 131 / 1000 = 3,93

Sua cerveja então possui aproximadamente 3,93% de álcool.

21
Usando o densímetro para controlar a fermentação
O densímetro pode ser usado também para saber exatamente quando a fermentação
terminou, controlando melhor a qualidade da sua cerveja. Com o fim da fermentação,
podemos passar o mosto para a maturação, que deve ser fe ita sempre a frio em uma
geladeira ou freezer.

Como fazer: Meça a densidade inicial (D I) como dito na pagina anterior. A pós 3 ou 4
dias, com o balde já descansando/fermentando, meça novamente a densidade com uma
nova amostra do balde (deixe o mosto a 20°c), deu por exemp lo 1025. Anote.
Após 6 ou 7 dias m eça novamente com outra amostra. Exemplo deu 1015 . Anote.
Com 8 dias de fermentação, meça novamente .

Se a densidade não mudou ou mudou muito pouco da última medição para a


próxima (Ex.: Penúltima medição 1015 - Última 1014) É PORQUE A
FERMENTAÇÃ O TERMINOU .

Assim você já pode transferir o balde para a geladeira para a maturação.

Dica: Caso você tenha outro balde, é altamente aconselhável transferir a cerveja do
balde inicial para outro balde já limpo antes de maturar, p ois assim você transfere
somente o líquido sem o fermento do fundo, isso vai deixar sua cerveja m ais clara,
limpa e mais saborosa. Coloque esse novo balde com a cerveja "limpa" na geladeira
por 5 a 1O dias, na temperatura de 5 a 1Oºc. Se não tiver outro balde não tem problema,
apenas coloque seu balde inicial na geladeira da forma como está (com fermento) .

DÚVIDA: Uma dúvida frequente é se há problema em não fazer a maturação e engarrafar


logo após os 1O dias de fermentação. Isso acontece muito com quem não tem uma geladeira
disponível para acomodar os baldes de 20L, ou quem quer logo provar sua cerveja.

Não tem problema algum, mas sua cerveja ficará mais turva e mais "bruta", com certeza não
será tão arredondada como uma cerveja que foi maturada. Dê preferência em fazer esse
processo de maturação a frio explicado acima, mas se não houver essa possibilidade você
ainda sim terá uma boa cerveja!!

Em resumo, pesquise bastante em livros, na internet e faça cursos presenciais, pois existem
várias técnicas de produção, com diferentes temperaturas, formas e procedimentos. O mais
simples e funcional que existe é o que mostramos nessa apostila, tanto na produção em si
quanto na fermentação e maturação. Nunca deixe de anotar suas receitas e de procurar
aprender mais, sempre teste técnicas novas até você atingir sua produção ideal!

Desejamos a você a melhor cerve ja que já prov ou, a sua!

22
,
O QUE E UMA CERVEJA?

Antes de começar a falar sobre cerveja, seria interessante definí-


la para que não haja dúvidas sobre o que ela é:
Cerveja é uma bebida alcoólica carbonatada, produzida através
da fermentação de materiais com amido, principalmente cereais
maltados como a cevada e o trigo. Seu preparo de uma forma
geral inclui água como parte importante do processo, malte de
cevada, lúpulo e fermento, além de outros temperos, como
frutas, ervas e outras plantas. Porem existem cervejas que não
levam lúpulo ou fermento, criando então um leque muito
extenso de tipos e estilos de cerveja!
Vinho, por exemplo, é feito de uva e uva não possui amido.
Whisky e Vodka podem até ser feitos de cereais maltados,
porém não são fermentados, e sim destilados, portanto não são
.
cerveja.
Dentro desta definição de cerveja encontram-se diversas
variedades, de acordo com fatores corno n1étodo de produção,
ingredientes usados, temperaturas de produção e fermentação,
temperos, cor, sabor, aroma, receita, história, origem e assim por
diante.

TIPOS DE CERVEJA
Existem basicamente três grandes famílias de cerveja, que
são as; LAGER, ALE e LAMBIC.
Falaremos a seguir um pouco de cada um dos tipos.

23

-
LAGERS
- São as cervejas mais consumidas no mundo, responsáveis por mais de 99% das vendas no
Brasil.
- São cervejas de BAIXA FERMENTAÇAO, ou fermentação a frio (6 a 12°c). O fermento
decanta no fundo do fermentador durante o processo de fermentação.
- Possuem graduação alcoólica geralmente entre 4 e 5%.

Seus subtipos são:

PALELAGERS

Sao Lagers claras, são o tipo de cerveja que mais se vê por ai. Possui muitos subtipos, alguns
deles são:

- PILSNER (PILSEN, PILSENER)- É a Pale Lager original, possui lúpulo acentuado


no aroma e sabor. Podem aparecer em 2 estilos um pouco diferentes: BOHEMIAN
PILSNER/GERMAN PILSNER

- AMERICAN LAGER- Cerveja leve e refrescante, feita para matar a sede e beber
bem gelada! São as mais populares nos EUA e no Brasil. Os maiores exemplos são
Budweiser, Brahma, Skol, Antártica, Kaiser. No Brasil costuma ter a denominação de
Pilsen, devido a convenção nacional de classificação de cerveja.

- PREMIUM- Cervejas um pouco mais lupuladas e maltadas (São mais encorpadas).


Os maiores exemplos são: Heineken, Stella Artois, Bavária Premium, Brahma Extra. Gold

- LITE - Variação mai s leve que as American Lager, tem nome também de Light ou
Li te

24
DARKLAGER

- MUNCHNER DUNKEL: Dunkel significa escura em alemão, portanto as cervejas


Dunkel são cervejas escuras-avermelhadas. Eram as únicas cervejas da região da Baviera,
antes da chegada das tecnologias que tomaram possível a criação de cervejas claras.
Possuem sabor maltado. Exemplos comuns são Warsteiner Dunkel e Ho(briiu München
Dunkel.

- DARK AMERICAN LAGER: Versão americana da Dunkel alemã. Menos


maltada e mais suave. Exemplo no Brasil é a Warsteiner Dunkel

- SCHW ARZBIER A mais famosa cerveja preta! Cerveja suave com aromas que
remetem a café e chocolate, não muito doce. Exemplo no Brasil Petra Premium

- MALZBIER Cerveja escura e doce com baixo teor alcoolico, muito famosa no
Brasil. Na alemanha é tratada como bebida energética. Exemplos no Brasil são Brahma
Malzbier, Antártica Ma/zbier, NovaSchim Malzbier.

VIENNA
O estilo Vienna é originário da Áustria, de cor ma1Tom avermelhada, tem corpo médio e um
sabor suave e adocicado de malte levemente queimado. Graduação acoólica entre 4,5 e
5,7%. Um exemplo é a mexicana Negra Modelo, a Dos Equis Ambar, a Samuel Adams
Vienna Sty/e Lager e a brasileira Biritis (cerveja do Mussum), da cervejaria Ampolis.

BOCK
Em alemão também significa cabrito. Por isso algumas cervejas colocam imagens deste
animal em cervejas do tipo Bock. Por tradicão são avermelhadas, mas podem ser também de
cor marrom. Possuem um complexo sabor maltado devido às misturas de maltes de Viena e
Munique. A graduação alcoólica é alta, varia de 6 a 14%. Exemplos de Bock são a Kaiser
Bock, velha conhecida dos brasileiros, e a Paulaner Salvator, uma doppelbock.

MARZEN
Produzidas na Bavaria durante o mes de março (Marz em alemão) especialmente para a
Oktoberfest, as Mãrzen podem ser claras ou escuras e ficam entre 4,8 a 5,6% de álcool.
Também é chamada de Oktoberfestbier. Chamadas de "As Grandes 6", as cervejarias que
produzem este tipo são: Augustinerbriiu, Hacker-Pschorr, Ho{brauhaus, Lowenbriiu.
Pau/aner e Spaten.

w ESSES FORAM OS SUBTIPOS MAIS COMUNS DAS CERVEJAS LAGERS, A


SEGUIR FALAREMOS DO SEGUNDO TIPO DE CERVEJA, O TIPO ALE.

25
ALES
- Difere das LAGERS pelo tipo de fermentação, são cervejas de ALTA FERMANTAÇAO,
ou a temperatura ambiente (15 a 24 ºC) . O fermento se mantém no alto do fermentador.

- Feitas num processo antigo de fabricação, as ALES eram as únicas cervejas disponíveis até
meados do século XIX, até a chegada das tecnologias de resfriamento, iniciando então a
produção das LAGERS

- Devido a fermentação "quente", os sabores complexos, maltados e lupulados são muito


mais perceptíveis, sendo cervejas mais encorpadas e vigorosas.

Seus principais subtipos são:

PALEALES

São as Ales claras, com graduação alcoólica até 6%. Foram criadas para competirem com as
cervejas Pilsen durante a Segunda Guerra Mundial, portanto compartilham a característica
de serem mais suaves. É um dos maiores grupos de cerveja e possui alguns sub-tipos ou sub-
nomes, são eles:

--- AMERICAN PALE ALE, designa as ALES mais claras e mais comuns. É a mais
consumida das ALES.

--- ENGLISH PALE ALE, também chamada de ENGLISH BITTER, ou


apenas BITTER, nome usado na Inglaterra por serem mais amargas que as demais cervejas,
como as Porters por exemplo. Podem ser Standard Bitter, Especial Bitter ou Extra
Special Bitter/ESB

--- BELGIAN PALE ALE, as Ales claras belgas

--- BELGIAN BLOND ALE, algumas vezes chamadas de Golden Ale também, são as Pale
Ales mais douradas e um pouco mais encorpadas

--- INDIA PALE ALE ou somente IPA, é uma cerveja carregada em lúpulo(amargas),
criada pelos ing~eses para aumentar o tempo de conservação da cerveja que seria levada para
as viagens pela India.

26
AMBER/BROWN E RED ALE

Diferenciando-se em coloração principalmente, mas também acompanhando em corpo e


potência, estão algumas outras categorias de estilo:

- AMERICAN AMBER ALE, usado na França e EUA para classificar as Ales um pouco
mais escuras

- AMERICAN BROWN ALE, mais escura e rnaltada e menos lupulada que suas "irmãs"
American Pale e Ambar Ale

- ENGLISH BROWN ALE, denomina as inglesas mais escuras. Podem


ser Mild ,Southern ou Northern. A New Castle Brown Ale, famosa e até fácil de encontrar por
aqui, é uma Northem English Brown Ale.

- RED ALE, avermelhada devido ao uso de um pouco de malte tostado. Também chamada
de IRISH RED na Irlanda. Um exemplo comercial que desde 2008 pode ser encontrado no
Brasil é a Kilkenny lrish Beer, da Diageo, mesma empresa que faz a Guinness.

ALTBIER

Altbier, ou simplesmente Alt, seguem o estilo antigo de produção de Ales, antes mesmo do
surgimento das Lagers. É muitas vezes considerada uma ligação enter as cervejas Ales e as
Lagers. por ser feita com fermento de Ale porém fermentada em temperatura de
Lagers. Um exemplo desse último estilo é a holandesa Grolsch A mber A le.

E POR ÚL TIMO, FALAREMOS BREVEMENTE DO TERCEIRO E MENOS


COMUM TIPO DE CERVEJA, AS LAMBICS

27
LAMBICS
- Diferencia das LAGER e ALE por sua fe rmentação ser espontâ nea.

- Geralmente são feitas de trigo, porém não são adicionadas leveduras no mosto, ficando a
fermentação a cargo dos agentes naturais, os quais são encontrados somente numa pequena
área ao redor de Bruxelas. Daí a dificuldade em encontrá-las, bem como o seu preço
elevado.

- Tipo muito peculiar de cerveja, dotada de uma gama extremamente numerosa de aromas,
os quais vão do frutado (como framboesa, cereja ou banana) ao extremamente cítrico (como
vinho branco ou vinagre).

- É o tipo mais antigo de cerveja feito no mundo

R eferência: http://www. brejas.coffLbr

RESUMO SOBRE TIPOS DE CERVEJA


O QUE DE VOCÊ PRECISA DE FATO SABER E ENTENDER SOBRE CERVEJ A:

Bem, como vimos anteriormente, os três tipos existentes de cerveja são LA GER, A LE S e
LAMB/C, sendo os dois primeiros tipos os mais comuns e mais consumidos mundialmente

- As LAGER, são as cervejas de baixa ferm entação (ou a frio; 6 a 14ºC). São as cervejas
mais comuns que temos no mercado. As pilsen brasileiras (Brahma, Skol, etc) são cervejas
LAGER, a dominação correta de seu estilo seria AMERICAN LAGER, mais no Brasil
deram o nome de Pilsen.

- As ALES, são cervejas de alta fermentacão (ou ao ar livre; 15 a 24ºC). São encontradas
facilmente no mercado, o sabor do lúpulo e do malte são mais apurados e perceptíveis que os
das LAGERS, sendo cervejas encorpadas e saborosas. As cervejas de trigo são do tipo ALE.

- As LAMBICS são cerveja de ferm entação espontâ nea (sem adição de fermento, é
fermentada por agentes naturais do ambiente). São mais raras e mais caras que os outros dois
tipo. Podem demorar anos para fermentar, na maioria das vezes são frutadas e cítricas.

A partir de agora, você pode produzir e degustar vários tipos de cerveja


entendendo um pouco o que está sendo produzido e/ou consumido,
podendo perceber as diferenças de sabor, cor, aroma, etc.

28
Não bater as garrafas de cerveja

Não exponha ao excesso de calor... Elas podem estourar!


Cuidado. Se possível mantenha as cervejas sob refrigeração.
Produto com volume alcoólico entre 3.5% a 5.0% por volume.

Boas cervejas e divirta-se!!!

Equipe Chefe Cervejeiro

Produto para maiores de 18 anos

Se for dirigir, não beba!

WWW. CHEFECERVEJEIRO. COM.BR

E-mail: contato@chefecervej e iro. com. br

29
TABELA DE CORREÇÃO DA DENSIDADE/ TEMPERATURA

Temp~ li
Co.wtc;ão Temp "C ~ Temp "C Co.m:tçã.Q
1 -1,9 l!) 2.S 59 14,3

2 -1 ,9 31 2,8 Gn 14,8

3 -1,8 32 3.1 61 15;3


4 -1 ,S 33 3.4 62 1s,a
5 -1,S 34 3.7 63 16,4
G -1,7 l5 4.1 64 16,9
7 -1 ,7 3.B 4.4 65 17,.S

a -1.6 J7 4.8 6ô 18
9 -1,6 J.8 5,1 S7 18,6

10 -1,5 lil .S,5 SB Hl,1

11 -1 ,4 40 5.9 69 19,7
12 -1,3 41 5.2 70 20,3

13 -1,2 ~2 6 ,6 71 20,8

14 -1, 1 43 7 72 21 ,4
15 -G,9 44 7.4 73 22

16 -G,S 45 7.S 74 22,6

17 -G,6 46 8 .J 75 23,2

18 -G.4 47 8,7 76 23,S


19 -G,2 48 9 ,1 n 24,4

20 0,0 49 9 ,S 78 25
21 0.2 5IJ 10 7g 25,7
22 0.4 51 10,4 00 26,3

23 0.6 52 10.9 81 26,Q

24 0,9 5.3 11 .4 S2 27,6

25 1.1 5"1 11,B S3 28,2


26 1.4 6.5 12.3 84 28,9

27 1,6 G'6 12,B 85 29,5

28 1,9 57 13.3 80 30,2

29 2 ,2 5.8 13,B 87 30,9

30