Você está na página 1de 389

teoria e

exercícios

TÉCNICO DO SEGURO SOCIAL

conteúdo < Ética no Serviço Público


< Regime Jurídico Único

ON-LINE < Noções de Direito Constitucional


< Noções de Direito Administrativo
< Língua Portuguesa

Curso com < Raciocínio Lógico


< Noções de Informática
10 horas de < Conhecimentos Específicos: Seguridade

Videoaulas
Social
Instituto Nacional do Seguro Social

INSS
Técnico do Seguro Social

NV-008MR-21
Cód.: 7908428800307
Obra Produção Editorial

INSS-Instituto Nacional do
Carolina Gomes
Josiane Inácio

Seguro Social Karolaine Assis

Técnico do Seguro Social Organização

Roberth Kairo
Saula Isabela Diniz
Autores
Revisão de Conteúdo
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO • Xico Kraemer
Ana Cláudia Prado
REGIME JURÍDICO ÚNICO • Jonatas Albino e Nágila Vilela Fernanda Silva
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL • Samara Kich Jaíne Martins
Maciel Rigoni
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO • Fernando Paternostro Nataly Ternero
Zantedeschi e Jonatas Albino

LÍNGUA PORTUGUESA • Monalisa Costa, Ana Cátia Collares Análise de Conteúdo


e Giselli Neves Ana Beatriz Mamede
RACIOCÍNIO LÓGICO • Kairton Batista (Prof.º Kaká) Arthur de Carvalho
João Augusto Borges
NOÇÕES DE INFORMÁTICA • Fernando Nishimura, Hebert
Ferreira e Leonardo Vanconcelos
Diagramação
CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS: SEGURIDADE SOCIAL • Ana Dayverson Ramon
Julia Kachan e Lilian Novakoski Higor Moreira
Lucas Gomes
Willian Lopes

Capa

Joel Ferreira dos Santos

Projeto Gráfico

Daniela Jardim & Rene Bueno

Edição:

Março/2021

Todos os direitos autorais desta obra são reservados e protegidos


pela Lei nº 9.610/1998. É proibida a reprodução parcial ou total,
por qualquer meio, sem autorização prévia expressa por escrito da
editora Nova Concursos.

Essa obra é vendida sem a garantia de atualização futura. No caso Dúvidas


de atualizações voluntárias e erratas, serão disponibilizadas no site
www.novaconcursos.com.br. Para acessar, clique em “Erratas e www.novaconcursos.com.br/contato
Retificações”, no rodapé da página, e siga as orientações. sac@novaconcursos.com.br
APRESENTAÇÃO
Um bom planejamento de seus estudos é determinante para
sua preparação de sucesso na busca pela tão almejada apro-
vação em um cargo público. Por isso, pensando no máximo
aproveitamento de seus estudos, esse livro foi organizado con-
siderando os itens relevantes do último edital para Técnico do
Seguro Social do Instituto Nacional de Seguridade Social – dida-
ticamente reunidos em um sumário planejado para otimizar o
seu tempo e o seu aprendizado.

Ao longo da teoria, você encontrará boxes – Importante e Dica


– com orientações, macetes e conceitos fundamentais cobra-
dos nas provas, além de Questões Comentadas das principais
bancas para complementar seus estudos. E para treinar seus
conhecimentos, a seção Hora de Praticar, trazendo exercícios
gabaritados da banca organizadora do último certame.

A obra que você tem em suas mãos é resultado da competência


de nosso time editorial e da vasta experiência de nossos profes-
sores e autores parceiros – muitos também responsáveis pelas
aulas que você encontra em nossos Cursos Online – o que será
um diferencial na sua preparação. Nosso time faz tudo pensan-
do no seu sonho de ser aprovado em um concurso público. Ago-
ra é com você!

Intensifique ainda mais a sua preparação acessando o Bônus


disponível online para este livro em nossa plataforma: 10 horas
de videoaulas, conforme os assuntos cobrados na última prova.
Para acessar, basta seguir as orientações na próxima página.
CONTEÚDO ON-LINE

Para intensificar a sua preparação para concursos, oferecemos em nossa plataforma on-
line materiais especiais e exclusivos, selecionados e planejados de acordo com a proposta
deste livro. São conteúdos que tornam a sua preparação muito mais eficiente.

BÔNUS:

• Curso On-line.
à Ética no Serviço Público - Código de Ética do Servidor Público do Poder Executivo

Federal: Decreto nº 6.029/2007
à Regime Jurídico Único - Lei n° 8.112/1990: Provimento

Noções de Direito Constitucional - Dos Direitos e Garantias Fundamentais: Nacionalidade
à
à Noções de Direito Administrativo - Princípios da Administração e Agentes Públicos

à Língua Portuguesa - Pontuação

à Raciocínio Lógico - Tabelas Verdade; Diagrama de Venn

à Noções de Informática - Internet: Protocolos

à Conhecimentos Específicos - Direito Previdenciário: Seguridade Social, Conceito e

Princípios Constitucionais

COMO ACESSAR O CONTEÚDO ON-LINE

Se você comprou esse livro em nosso site, o bônus já está liberado na sua área
do cliente. Basta fazer login com seus dados e aproveitar.

Mas, caso você não tenha comprado no nosso site, siga os passos abaixo para ter
acesso ao conteúdo on-line.

Acesse o endereço novaconcursos.com.br/bônus DÚVIDAS E SUGESTÕES


Código Bônus sac@no vaconcursos.com.br

NV-003MR-20 Código Bônus


Digite o código que se encontra atrás da NV-003MR-20
apostila (conforme foto ao lado)

Siga os passos para realizar um breve 9 088121 44215 3

cadastro e acessar seu conteúdo on-line


VERSO DA APOSTILA
SUMÁRIO

ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO.......................................................................................11


CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO SERVIDOR PÚBLICO CIVIL DO PODER EXECUTIVO
FEDERAL.............................................................................................................................................. 11

DECRETO Nº 1.171/1994 E DECRETO Nº 6.029/2007....................................................................................11

REGIME JURÍDICO ÚNICO..............................................................................................19


LEI 8.112/1990 E ALTERAÇÕES, DIREITOS E DEVERES DO SERVIDOR PÚBLICO........................ 19

O SERVIDOR PÚBLICO COMO AGENTE DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL.................................... 32

SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA NO SERVIÇO PÚBLICO................................................................... 32

NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL................................................................37


DIREITOS E DEVERES FUNDAMENTAIS............................................................................................ 37

DIREITO À VIDA, À LIBERDADE, À IGUALDADE, À SEGURANÇA E À PROPRIEDADE....................................37

DIREITOS SOCIAIS.............................................................................................................................................46

NACIONALIDADE E CIDADANIA.......................................................................................................................47

DIREITOS POLÍTICOS........................................................................................................................................49

ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA............................................................................................................... 50

NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO.................................................................61


ESTADO, GOVERNO E ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA......................................................................... 61

CONCEITOS, ELEMENTOS, PODERES E ORGANIZAÇÃO................................................................................61

NATUREZA, FINS E PRINCÍPIOS.......................................................................................................................61

DIREITO ADMINISTRATIVO............................................................................................................... 61

CONCEITO E FONTES........................................................................................................................................61

PRINCÍPIOS........................................................................................................................................................62

ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DA UNIÃO................................................................................. 65

ADMINISTRAÇÃO DIRETA E INDIRETA............................................................................................................65


AGENTES PÚBLICOS.......................................................................................................................... 71

ESPÉCIES E CLASSIFICAÇÃO...........................................................................................................................71

PODERES, DEVERES E PRERROGATIVAS, CARGO, EMPREGO E FUNÇÃO PÚBLICA....................................72

REGIME JURÍDICO ÚNICO.................................................................................................................. 80

PROVIMENTO, VACÂNCIA, REMOÇÃO, REDISTRIBUIÇÃO, SUBSTITUIÇÃO, DIREITOS E VANTAGENS,


REGIME DISCIPLINAR, RESPONSABILIDADE CIVIL, CRIMINAL E ADMINISTRATIVA.................................80

PODERES ADMINISTRATIVOS........................................................................................................... 80

PODER HIERÁRQUICO.......................................................................................................................................80

PODER DISCIPLINAR.........................................................................................................................................81

PODER REGULAMENTAR..................................................................................................................................81

PODER DE POLÍCIA............................................................................................................................................81

USO E ABUSO DO PODER..................................................................................................................................82

ATO ADMINISTRATIVO...................................................................................................................... 82

VALIDADE, EFICÁCIA ATRIBUTOS, EXTINÇÃO, DESFAZIMENTO E SANATÓRIA..........................................82

CLASSIFICAÇÃO, ESPÉCIES E EXTERIORIZAÇÃO, VINCULAÇÃO E DISCRICIONARIEDADE.......................84

SERVIÇOS PÚBLICOS......................................................................................................................... 85

CONCEITO, CLASSIFICAÇÃO, REGULAMENTAÇÃO E CONTROLE, FORMA, MEIOS E REQUISITOS............85

DELEGAÇÃO: CONCESSÃO, PERMISSÃO, AUTORIZAÇÃO.............................................................................87

CONTROLE E RESPONSABILIZAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO.......................................................... 94

CONTROLE ADMINISTRATIVO.........................................................................................................................94

CONTROLE JUDICIAL........................................................................................................................................94

CONTROLE LEGISLATIVO.................................................................................................................................95

RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO.......................................................................................... 97

LEI Nº 8.429/1992.............................................................................................................................101

LEI N°9.784/1999..............................................................................................................................107

LÍNGUA PORTUGUESA................................................................................................. 117


COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS.........................................................................117

TIPOLOGIA TEXTUAL.......................................................................................................................120

ORTOGRAFIA OFICIAL......................................................................................................................126
ACENTUAÇÃO GRÁFICA..................................................................................................................127

EMPREGO DAS CLASSES DE PALAVRAS.......................................................................................128

EMPREGO DO SINAL INDICATIVO DE CRASE................................................................................144

SINTAXE DA ORAÇÃO E DO PERÍODO.............................................................................................145

PONTUAÇÃO.....................................................................................................................................149

CONCORDÂNCIA NOMINAL E VERBAL..........................................................................................151

REGÊNCIAS NOMINAL E VERBAL...................................................................................................152

SIGNIFICAÇÃO DAS PALAVRAS......................................................................................................153

REDAÇÃO DE CORRESPONDÊNCIAS OFICIAIS.............................................................................156

RACIOCÍNIO LÓGICO...................................................................................................... 185


CONCEITOS BÁSICOS DE RACIOCÍNIO LÓGICO............................................................................185

PROPOSIÇÕES: VALORES LÓGICOS DAS PROPOSIÇÕES............................................................................185

SENTENÇAS ABERTAS....................................................................................................................................186

NÚMERO DE LINHAS DA TABELA VERDADE.................................................................................................187

CONECTIVOS...................................................................................................................................................188

PROPOSIÇÕES SIMPLES E PROPOSIÇÕES COMPOSTAS...........................................................................190

TAUTOLOGIA.....................................................................................................................................190

OPERAÇÃO COM CONJUNTOS.......................................................................................................191

CÁLCULOS COM PORCENTAGENS.................................................................................................196

NOÇÕES DE INFORMÁTICA........................................................................................ 201


CONCEITOS DE INTERNET E INTRANET, CONCEITOS BÁSICOS E MODOS DE UTILIZAÇÃO
DE TECNOLOGIAS, FERRAMENTAS, APLICATIVOS E PROCEDIMENTOS DE INFORMÁTICA...201

CONCEITOS E MODOS DE UTILIZAÇÃO DE APLICATIVOS PARA EDIÇÃO DE TEXTOS,


PLANILHAS E APRESENTAÇÕES UTILIZANDO-SE A SUÍTE DE ESCRITÓRIO LIBREOFFICE....216

CONCEITOS E MODOS DE UTILIZAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS WINDOWS 7 E 10.....249

NOÇÕES BÁSICAS DE FERRAMENTAS E APLICATIVOS DE NAVEGAÇÃO E CORREIO


ELETRÔNICO.....................................................................................................................................279

NOÇÕES BÁSICAS DE SEGURANÇA E PROTEÇÃO: VÍRUS, WORMS E DERIVADOS..................287


CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS: SEGURIDADE SOCIAL............................ 309
SEGURIDADE SOCIAL.......................................................................................................................309

ORIGEM E EVOLUÇÃO LEGISLATIVA NO BRASIL.........................................................................................309

CONCEITUAÇÃO..............................................................................................................................................311

LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA......................................................................................................316

CONTEÚDO, AUTONOMIA, FONTES E HIERARQUIA.....................................................................................316

APLICAÇÃO DAS NORMAS PREVIDENCIÁRIAS, INTEGRAÇÃO DA NORMA, VIGÊNCIA E


INTERPRETAÇÃO.............................................................................................................................................317

ORGANIZAÇÃO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL...................................................................................................319

REGIME GERAL DE PREVIDÊNCIA SOCIAL.....................................................................................322

BENEFICIÁRIOS DO RGPS...............................................................................................................................322

CONCEITO, CARACTERÍSTICAS E ABRANGÊNCIA: EMPREGADO, EMPREGADO DOMÉSTICO,


CONTRIBUINTE INDIVIDUAL, TRABALHADOR AVULSO E SEGURADO ESPECIAL.....................................322

SEGURADO FACULTATIVO..............................................................................................................................328

DEPENDENTES DO RGPS................................................................................................................................328

TRABALHADORES EXCLUÍDOS DO RGPS......................................................................................................329

FILIAÇÃO E INSCRIÇÃO DE SEGURADOS E DEPENDENTES.........................................................................329

DISPOSIÇÕES GERAIS DO RGPS PARA CONCESSÃO DE BENEFÍCIOS.......................................332

MANUTENÇÃO, PERDA E RESTABELECIMENTO DA QUALIDADE DE SEGURADO......................................332

SALÁRIO DE BENEFÍCIO..................................................................................................................................336

RENDA MENSAL..............................................................................................................................................338

REAJUSTAMENTO DO VALOR DOS BENEFÍCIOS..........................................................................................338

EMPRESA E EMPREGADOR DOMÉSTICO: CONCEITO PREVIDENCIÁRIO...................................339

FINANCIAMENTO DA SEGURIDADE SOCIAL.................................................................................339

RECEITAS DA UNIÃO.......................................................................................................................................340

RECEITAS DAS CONTRIBUIÇÕES SOCIAIS: DOS SEGURADOS, DAS EMPRESAS,


DO CLUBE DE FUTEBOL PROFISSIONAL, DO EMPREGADOR DOMÉSTICO, DO PRODUTOR RURAL.........340

SALÁRIO DE CONTRIBUIÇÃO.........................................................................................................................343

Conceito.......................................................................................................................................................... 343
Parcelas Integrantes e Parcelas não Integrantes......................................................................................... 343
Limites Mínimo e Máximo.............................................................................................................................. 345

COMPETÊNCIA DO INSS E DA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL...........................................................345


INFRAÇÕES À LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA.............................................................................346

RECURSO DAS DECISÕES ADMINISTRATIVAS.............................................................................348

DECADÊNCIA E PRESCRIÇÃO..........................................................................................................349

LEI Nº 8.212/1991 E ALTERAÇÕES.................................................................................................350

SOBRE A RECEITA DE CONCURSOS DE PROGNÓSTICOS............................................................................351

LEI Nº 8.213/1991 E ALTERAÇÕES.................................................................................................356

DECRETO Nº 3.048/99 E ALTERAÇÕES..........................................................................................360

LEI DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (LOAS).............................................................................................379

INSTÂNCIAS DELIBERATIVAS DO SUAS.......................................................................................................383

DOS BENEFÍCIOS, DOS SERVIÇOS, DOS PROGRAMAS E DOS PROJETOS DE ASSISTÊNCIA SOCIAL.....384
O código inicia suas disposições estabelecendo
as regras deontológicas. As regras deontológicas são
normas de conduta de uma determinada profissão.
No caso do decreto 1.171/94, as regras de conduta se

ÉTICA NO SERVIÇO
aplicam aos servidores do poder executivo federal na
administração direta e indireta.

PÚBLICO Órgão e entidades da


Administração Pública
Federal

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DO


Código de Ética
SERVIDOR PÚBLICO CIVIL DO PODER Profissional do
Administração Pública
EXECUTIVO FEDERAL Servidor Público Civil
Federal direta e indireta
do Poder Executivo
DECRETO Nº 1.171/1994 E DECRETO Nº 6.029/2007 Federal

O decreto nº 1.171, de 22 de junho de 1994 foi


sancionado pelo Presidente da República, tendo Destinatários da medida
por base o disposto no art. 37 da constituição. E em
leis esparsas (8.112/90 e 8429/92).
Com a aprovação do Código de Ética Profissional
Terminado o texto da lei, vamos nos deter nas
do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal,
regras deontológicas que fazem parte do anexo, assim
ficam definidos os órgãos e entidades da Administra-
no capítulo I, seção I temos alguns incisos que mere-
ção Pública Federal direta e indireta como destinatá-
cem o devido comentário e os demais são de leitura
rios da medida. O prazo para implementação foi de 60
obrigatória, são eles:
(sessenta) dias, inclusive a Constituição da respectiva
Comissão de Ética que será integrada por três servi-
I - A dignidade, o decoro, o zelo, a eficácia e a
dores ou empregados titulares de cargo efetivo ou
consciência dos princípios morais são primados
emprego permanente. maiores que devem nortear o servidor público, seja
no exercício do cargo ou função, ou fora dele, já que
CÓDIGO DE refletirá o exercício da vocação do próprio poder
ÉTICA estatal. Seus atos, comportamentos e atitudes
serão direcionados para a preservação da honra e
SERVIDORES
da tradição dos serviços públicos.
PÚBLICOS
FEDERAIS
As palavras destacadas são de suma importância
“direta e indireta“
para esta primeira parte e precisam ser sempre lem-
bradas. É interessante que você as decore!
Comissões formadas por 3
servidores ou empregados II - O servidor público não poderá jamais desprezar
“cargo efetivo ou emprego o elemento ético de sua conduta. Assim, não terá que
permanente“ decidir somente entre o legal e o ilegal, o justo e o
injusto, o conveniente e o inconveniente, o oportuno
e o inoportuno, mas principalmente entre o honesto e
o desonesto, consoante as regras contidas no art. 37,
O decreto é realmente muito curto, sendo assim,
caput, e § 4°, da Constituição Federal.
precisa ser lido várias vezes:
Decreto nº 1.171, de 22 de junho de 1994
Nesse ponto estamos tratando do bem comum.
Veja só: o servidor deverá decidir com base em diver-
Art. 1° Fica aprovado o Código de Ética Profissio-
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO

nal do Servidor Público Civil do Poder Executivo sos valores, todavia seu eixo principal de orientação é
Federal, que com este baixa. o bem comum.
Art. 2° Os órgãos e entidades da Administração
Pública Federal direta e indireta implementarão, III - A moralidade da Administração Pública não
em sessenta dias, as providências necessárias à ple- se limita à distinção entre o bem e o mal, devendo
na vigência do Código de Ética, inclusive mediante ser acrescida da ideia de que o fim é sempre o bem
a Constituição da respectiva Comissão de Ética, comum. O equilíbrio entre a legalidade e a finalida-
integrada por três servidores ou empregados titu- de, na conduta do servidor público, é que poderá
lares de cargo efetivo ou emprego permanente. consolidar a moralidade do ato administrativo.
Parágrafo único. A constituição da Comissão de Éti-
ca será comunicada à Secretaria da Administração Sempre que falamos de moralidade ou de moral
Federal da Presidência da República, com a indica- estamos nos referindo a normas de conduta ou con-
ção dos respectivos membros titulares e suplentes. junto de normas e esse conjunto de valores, necessa-
Art. 3° Este decreto entra em vigor na data de sua riamente, depende do equilíbrio entre a legalidade e
publicação. a finalidade. 11
Legalidade que paga seus tributos direta ou indiretamen-
te significa causar-lhe dano moral. Da mesma
forma, causar dano a qualquer bem pertencente ao
patrimônio público, deteriorando-o, por descuido
Finalidade ou má vontade, não constitui apenas uma ofensa
ao equipamento e às instalações ou ao Estado, mas
a todos os homens de boa vontade que dedicaram
IV- A remuneração do servidor público é cus-
sua inteligência, seu tempo, suas esperanças e seus
teada pelos tributos pagos direta ou indireta-
esforços para construí-los.
mente por todos, até por ele próprio, e por isso se
X - Deixar o servidor público qualquer pessoa à
exige, como contrapartida, que a moralidade
espera de solução que compete ao setor em que
administrativa se integre no Direito, como ele-
exerça suas funções, permitindo a formação de
mento indissociável de sua aplicação e de sua fina-
longas filas, ou qualquer outra espécie de atraso na
lidade, erigindo-se, como consequência, em fator de
prestação do serviço, não caracteriza apenas ati-
legalidade.
tude contra a ética ou ato de desumanidade, mas
principalmente grave dano moral aos usuários dos
Essa informação despenca nas provas de concur- serviços públicos.
so. Fique atento!
Mais uma vez o Código de Ética demonstra seu
V - O trabalho desenvolvido pelo servidor público
interesse pelo desempenho do serviço público. Desta
perante a comunidade deve ser entendido como acrés-
vez, apresentando condutas que demonstram falta de
cimo ao seu próprio bem-estar, já que, como cidadão,
integrante da sociedade, o êxito desse trabalho pode
comprometimento.
ser considerado como seu maior patrimônio.
VI - A função pública deve ser tida como exercí- XI - O servidor deve prestar toda a sua atenção às
cio profissional e, portanto, se integra na vida ordens legais de seus superiores, velando atenta-
particular de cada servidor público. Assim, os mente por seu cumprimento, e, assim, evitando a
fatos e atos verificados na conduta do dia-a- conduta negligente. Os repetidos erros, o descaso e
-dia em sua vida privada poderão acrescer ou o acúmulo de desvios tornam-se, às vezes, difíceis
diminuir o seu bom conceito na vida funcional. de corrigir e caracterizam até mesmo imprudência
no desempenho da função pública.
XII - Toda ausência injustificada do servidor de
Nesse ponto o código de ética afirma que a vida
seu local de trabalho é fator de desmoralização
privada do servidor é relevante para o desempenho
do serviço público, o que quase sempre conduz à
de sua profissão. Note que os atos do profissional em desordem nas relações humanas.
sua vida privada podem afetar diretamente sua car-
reira no serviço público. Geralmente somos cobrados nesse ponto da maté-
ria e a expressão “injustificada” é retirada da questão,
VII - Salvo os casos de segurança nacional, investi-
por isso fique atento!
gações policiais ou interesse superior do Estado e da
Administração Pública, a serem preservados em pro-
XIII - O servidor que trabalha em harmonia com
cesso previamente declarado sigiloso, nos termos da
a estrutura organizacional, respeitando seus cole-
lei, a publicidade de qualquer ato administrati-
gas e cada concidadão, colabora e de todos pode
vo constitui requisito de eficácia e moralidade,
receber colaboração, pois sua atividade pública
ensejando sua omissão comprometimento ético con-
é a grande oportunidade para o crescimento e o
tra o bem comum, imputável a quem a negar.
engrandecimento da Nação.

Dica DOS PRINCIPAIS DEVERES DO SERVIDOR PÚBLICO


Segundo Hely Lopes Meirelles: “Ato administrati-
vo é toda manifestação unilateral de vontade da Nesse ponto, o código de ética foca nos deveres do
Administração Pública que, agindo nessa quali- servidor. Novamente vamos separar algumas expres-
dade, tenha por fim imediato adquirir, resguardar, sões que são essenciais para o estudo desse assunto.
transferir, modificar, extinguir e declarar direitos,
XIV - São deveres fundamentais do servidor público:
ou impor obrigações aos administrados ou a si a) desempenhar, a tempo, as atribuições do cargo,
própria”. função ou emprego público de que seja titular;
b) exercer suas atribuições com rapidez, perfei-
VIII - Toda pessoa tem direito à verdade. O servi- ção e rendimento, pondo fim ou procurando prio-
dor não pode omiti-la ou falseá-la, ainda que ritariamente resolver situações procrastinatórias,
contrária aos interesses da própria pessoa interes- principalmente diante de filas ou de qualquer outra
sada ou da Administração Pública. Nenhum Estado espécie de atraso na prestação dos serviços pelo
pode crescer ou estabilizar-se sobre o poder cor- setor em que exerça suas atribuições, com o fim de
ruptivo do hábito do erro, da opressão ou da men- evitar dano moral ao usuário;
tira, que sempre aniquilam até mesmo a dignidade c) ser probo, reto, leal e justo, demonstrando
humana quanto mais a de uma Nação. toda a integridade do seu caráter, escolhendo sem-
pre, quando estiver diante de duas opções, a melhor
O servidor tem o dever de dar voz à verdade. Ainda e a mais vantajosa para o bem comum;
que em prejuízo da administração ou do interessado. d) jamais retardar qualquer prestação de con-
tas, condição essencial da gestão dos bens,
IX - A cortesia, a boa vontade, o cuidado e o tem- direitos e serviços da coletividade a seu cargo;
po dedicados ao serviço público caracterizam o
12 esforço pela disciplina. Tratar mal uma pessoa
e) tratar cuidadosamente os usuários dos serviços u) abster-se, de forma absoluta, de exercer sua fun-
aperfeiçoando o processo de comunicação e conta- ção, poder ou autoridade com finalidade estranha
to com o público; ao interesse público, mesmo que observando as for-
f) ter consciência de que seu trabalho é regido por malidades legais e não cometendo qualquer viola-
princípios éticos que se materializam na adequada ção expressa à lei;
prestação dos serviços públicos; v) divulgar e informar a todos os integrantes da sua
g) ser cortês, ter urbanidade, disponibilidade e classe sobre a existência deste Código de Ética, esti-
atenção, respeitando a capacidade e as limitações mulando o seu integral cumprimento.
individuais de todos os usuários do serviço público,
sem qualquer espécie de preconceito ou distinção
de raça, sexo, nacionalidade, cor, idade, religião, DAS VEDAÇÕES AO SERVIDOR PÚBLICO
cunho político e posição social, abstendo-se, dessa
forma, de causar-lhes dano moral; XV - E vedado ao servidor público;
h) ter respeito à hierarquia, porém sem a) o uso do cargo ou função, facilidades, amizades,
nenhum temor de representar contra qual- tempo, posição e influências, para obter qualquer
quer comprometimento indevido da estrutura favorecimento, para si ou para outrem;
em que se funda o Poder Estatal; b) prejudicar deliberadamente a reputação de outros
i) resistir a todas as pressões de superiores hierár- servidores ou de cidadãos que deles dependam;
quicos, de contratantes, interessados e outros que c) ser, em função de seu espírito de solidariedade,
visem obter quaisquer favores, benesses ou vanta- conivente com erro ou infração a este Código de Éti-
gens indevidas em decorrência de ações imorais, ca ou ao Código de Ética de sua profissão;
ilegais ou aéticas e denunciá-las; d) usar de artifícios para procrastinar ou dificultar
o exercício regular de direito por qualquer pessoa,
Podemos separar algumas expressões chave do que causando-lhe dano moral ou material;
vimos até agora e que, se você as memorizar, serão um e) deixar de utilizar os avanços técnicos e cientí-
grande diferencial para seu estudo dessa matéria. São ficos ao seu alcance ou do seu conhecimento para
elas: “a tempo”, “rapidez, perfeição e rendimento”, “ser atendimento do seu mister;
probo, reto, leal e justo”, e “ser cortês, ter urbanidade”. f) permitir que perseguições, simpatias, antipatias,
caprichos, paixões ou interesses de ordem pessoal
j) zelar, no exercício do direito de greve, pelas interfiram no trato com o público, com os jurisdi-
exigências específicas da defesa da vida e da cionados administrativos ou com colegas hierar-
segurança coletiva;
quicamente superiores ou inferiores;
g) pleitear, solicitar, provocar, sugerir ou receber
A conduta de greve é mencionada e defendida pelo qualquer tipo de ajuda financeira, gratificação, prê-
código de ética. E não poderia ser diferente, o direi- mio, comissão, doação ou vantagem de qualquer
to constitucional da greve deve ser exercido, porém
espécie, para si, familiares ou qualquer pessoa,
deve existir equilíbrio entre a busca de direitos e a
para o cumprimento da sua missão ou para influen-
manutenção de serviços de saúde e segurança.
ciar outro servidor para o mesmo fim;
h) alterar ou deturpar o teor de documentos que
l) ser assíduo e frequente ao serviço, na certeza de
deva encaminhar para providências;
que sua ausência provoca danos ao trabalho orde-
i) iludir ou tentar iludir qualquer pessoa que neces-
nado, refletindo negativamente em todo o sistema;
site do atendimento em serviços públicos;
j) desviar servidor público para atendimento a inte-
Novamente o servidor é impelido a demonstrar
resse particular;
rendimento e presença no local de trabalho. O exercí-
l) retirar da repartição pública, sem estar legalmen-
cio desses valores termina por beneficiar o rendimen-
to e o ambiente de trabalho e sua ordem. te autorizado, qualquer documento, livro ou bem
pertencente ao patrimônio público;
m) fazer uso de informações privilegiadas obtidas
m) comunicar imediatamente a seus superiores
todo e qualquer ato ou fato contrário ao interesse no âmbito interno de seu serviço, em benefício pró-
público, exigindo as providências cabíveis; prio, de parentes, de amigos ou de terceiros;
n) manter limpo e em perfeita ordem o local de tra- n) apresentar-se embriagado no serviço ou fora
balho, seguindo os métodos mais adequados à sua dele habitualmente;
organização e distribuição; o) dar o seu concurso a qualquer instituição que
o) participar dos movimentos e estudos que se rela- atente contra a moral, a honestidade ou a dignida-
cionem com a melhoria do exercício de suas fun- de da pessoa humana;
ções, tendo por escopo a realização do bem comum; p) exercer atividade profissional aética ou ligar o
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO

p) apresentar-se ao trabalho com vestimentas ade- seu nome a empreendimentos de cunho duvidoso.
quadas ao exercício da função;
q) manter-se atualizado com as instruções, as nor- DAS COMISSÕES DE ÉTICA
mas de serviço e a legislação pertinentes ao órgão
onde exerce suas funções;
XVI - Em todos os órgãos e entidades da Adminis-
r) cumprir, de acordo com as normas do serviço e as
tração Pública Federal direta, indireta autárquica e
instruções superiores, as tarefas de seu cargo ou fun-
ção, tanto quanto possível, com critério, segurança e fundacional, ou em qualquer órgão ou entidade que
rapidez, mantendo tudo sempre em boa ordem. exerça atribuições delegadas pelo poder públi-
s) facilitar a fiscalização de todos atos ou serviços co, deverá ser criada uma Comissão de Ética,
por quem de direito; encarregada de orientar e aconselhar sobre a
t) exercer com estrita moderação as prerrogativas ética profissional do servidor, no tratamento
funcionais que lhe sejam atribuídas, abstendo-se de com as pessoas e com o patrimônio público,
fazê-lo contrariamente aos legítimos interesses dos competindo-lhe conhecer concretamente de
usuários do serviço público e dos jurisdicionados imputação ou de procedimento susceptível de
administrativos; censura. 13
Dica ( ) O servidor deve prestar toda a sua atenção às ordens
legais de seus superiores, velando atentamente por
Comissão de ética - Comissões formadas por seu cumprimento, evitando conduta imprudente.
três servidores ou empregados com “cargo efeti- A sequência está correta em:
vo ou emprego permanente”
a) F, F, F.
XVIII - À Comissão de Ética incumbe fornecer, aos
organismos encarregados da execução do quadro b) V, F, F.
de carreira dos servidores, os registros sobre sua c) F, V, V.
conduta ética, para o efeito de instruir e fundamen- d) V, V, V.
tar promoções e para todos os demais procedimen-
tos próprios da carreira do servidor público. Aqui podemos resolver a questão com uma atenta
XXII - A pena aplicável ao servidor público pela leitura ao anexo do decreto 1.170/94, assim:
Comissão de Ética é a de censura e sua fundamen-
A primeira afirmação é verdadeira, de acordo com
tação constará do respectivo parecer, assinado por
todos os seus integrantes, com ciência do faltoso. o inciso IX, vejamos: A cortesia, a boa vontade, o
cuidado e o tempo dedicados ao serviço público
Censura é a única penalidade imposta pelo código caracterizam o esforço pela disciplina. Tratar mal
de ética. uma pessoa que paga seus tributos direta ou indire-
tamente significa causar-lhe dano moral. Da mesma
XXIV - Para fins de apuração do comprometimento forma, causar dano a qualquer bem pertencente ao
ético, entende-se por servidor público todo aquele patrimônio público, deteriorando-o, por descuido
que, por força de lei, contrato ou de qualquer ato ou má vontade, não constitui apenas uma ofensa
jurídico, preste serviços de natureza permanente,
ao equipamento e às instalações ou ao Estado, mas
temporária ou excepcional, ainda que sem retribui-
ção financeira, desde que ligado direta ou indire- a todos os homens de boa vontade que dedicaram
tamente a qualquer órgão do poder estatal, como sua inteligência, seu tempo, suas esperanças e seus
as autarquias, as fundações públicas, as entidades esforços para construí-los.
paraestatais, as empresas públicas e as sociedades A segunda afirmação é falsa, conforme inciso XIV:
de economia mista, ou em qualquer setor onde pre- São deveres fundamentais do servidor público: n)
valeça o interesse do Estado.
manter limpo e em perfeita ordem o local de tra-
balho, seguindo os métodos mais adequados à sua
A definição de servidor público feita no decreto
organização e distribuição;
1.171/94 só se aplica aos servidores do Poder Executi-
A terceira afirmação também é falsa, pois o texto
vo Federal na Administração Direta e Indireta. Isso se
deve ao fato de que o decreto é do Presidente da Repúbli- do decreto fala em “conduta negligente” e não “con-
ca. Caso fosse lei aprovada no Congresso Nacional, tería- duta imprudente”, assim: O servidor deve prestar
mos uma abrangência muito maior. Fique muito atento toda a sua atenção às ordens legais de seus supe-
ao fato de que o decreto não abrange os servidores do riores, velando atentamente por seu cumprimento,
judiciário ou do legislativo, nem mesmo os servidores e, assim, evitando a conduta negligente. Resposta:
dos estados, municípios ou do Distrito Federal. Letra B.

REFERÊNCIAS 2. (UFU – 2020) O Código de Ética do Servidor Público


(Decreto 1.171/94) estabelece deveres e vedações ao
Decreto nº 1.171, de 22 de junho de 1994. Aprova o servidor público. Considerando-se esse decreto, é cor-
Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil reto afirmar que:
do Poder Executivo Federal. Disponível em: http://
www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d1171.htm a) as ações do servidor público, quando este não se
encontra no exercício da função, não poderão ter
Meirelles, Hely Lopes. Direito Administrativo Bra- impactos no bom conceito de sua vida profissional.
sileiro. 44. ed. São Paulo: Editora Juspodivm, 2020. b) a comunicação do servidor a seus superiores, de atos
e de fatos contrários ao interesse público, demandan-
do as providências cabíveis, deve ser feita quando for
EXERCÍCIOS COMENTADOS mais conveniente.
c) o exercício do poder ou da autoridade com finalidade
1. (INSTITUTO CONSULPLAN – 2020) Considerando o estranha ao interesse público, sem qualquer violação
Decreto nº 1.171, de 22 de junho 1994 e seus anexos, expressa à lei, é uma das prerrogativas do servidor
marque V para as afirmativas verdadeiras e F para as público.
falsas. d) a função pública deve ser tida como exercício profis-
sional, portanto se integra à vida particular de cada
( ) A cortesia, a boa vontade, o cuidado e o tempo dedi- servidor público.
cados ao serviço público caracterizam o esforço pela
disciplina. Tratar mal uma pessoa que paga os seus O inciso VI traz exatamente o teor da alternativa: a
tributos direta ou indiretamente significa causar-lhe função pública deve ser tida como exercício profis-
dano moral.  sional e, portanto, se integra na vida particular de
( ) Constitui direito do servidor público ter limpo e em cada servidor público. Assim, os fatos e atos verifi-
perfeita ordem o local de trabalho, motivo pelo qual cados na conduta do dia-a-dia em sua vida privada
o serviço de limpeza deve ser instituído em todos os poderão acrescer ou diminuir o seu bom conceito
14 órgãos da Administração. na vida funcional. Resposta: Letra D.
DECRETO 6.029 DE 2007 Deverá ser protegida a honra e a imagem das pes-
soas investigadas, assim como a imagem do denun-
O decreto nº 6.029, de 1º de fevereiro de 2007, institui ciante deverá ser mantida em sigilo, se este for o seu
o sistema de gestão da ética do Poder Executivo Federal. desejo, e os membros da CEP deverão ter independên-
Como forma de organizar e padronizar os con- cia e imparcialidade para apurar os fatos, com todas
selhos de Ética, foi instituído o Sistema de Gestão da as garantidas presentes no decreto 6.029/2007.
Ética do Poder Executivo Federal com a finalidade de Possui legitimidade para provocar a atuação da
promover atividades que dispõem sobre a conduta CEP qualquer cidadão (servidor ou não), pessoa jurídi-
ética no âmbito do Executivo Federal. As competên- ca de direito privado, associação ou entidade de classe,
cias do sistema são as seguintes: visando a apuração de infração ética imputada a agente
público, órgão ou setor específico do ente estatal.
z Integrar os órgãos, programas e ações relaciona-
das com a ética pública; Dica
z Contribuir para a implementação de políticas
públicas tendo a transparência e o acesso à infor- Definição de agente público do Decreto 6.029/07
mação como instrumentos fundamentais para o Entende-se por agente público, todo aquele que,
exercício de gestão da ética pública; por força de lei, contrato ou qualquer ato jurídico,
z Promover, com apoio dos segmentos pertinentes, a preste serviços de natureza permanente, tem-
compatibilização e interação de normas, procedi- porária, excepcional ou eventual, ainda que sem
mentos técnicos e de gestão relativos à ética pública; retribuição financeira, a órgão ou entidade da
z Articular ações com vistas a estabelecer e efeti- administração pública federal, direta e indireta. 
var procedimentos de incentivo e incremento ao
desempenho institucional na gestão da ética públi-
Da apuração dos atos
ca do Estado brasileiro. 
O Decreto organiza procedimento de apuração dos
O sistema de Gestão da Ética do Poder Executivo
atos praticados em seu desacordo. Desta forma, privi-
Federal é composto por 3 grandes grupos:
legia o contraditório e a ampla defesa. As apurações
poderão ser praticadas de ofício (sem provocação)
z A Comissão de Ética Pública (CEP), instituída pelo
ou por meio de denúncia. É importante frisar que o
Decreto de 26 de maio de 1999;
processo inicia com um prazo de defesa prévia, fato
z As Comissões de Ética de que trata o Decreto no
importante, posto que, acusações com pouca funda-
1.171, de 22 de junho de 1994;
mentação poderão ser combatidas desde logo.
z As demais Comissões de Ética e equivalentes nas
Nos termos do Decreto “o processo de apuração de
entidades e órgãos do Poder Executivo Federal.
prática de ato em desrespeito ao preceituado no Códi-
go de Conduta da Alta Administração Federal e no
Vamos dar especial destaque para a composição
Código de Ética Profissional do Servidor Público Civil
das comissões, uma vez que tal assunto é muito cobra-
do Poder Executivo Federal será instaurado, de ofício
do em concursos e deve ser, se possível, decorado:
ou em razão de denúncia fundamentada, respeitando-
-se, sempre, as garantias do contraditório e da ampla
z CEP: 7 integrantes brasileiros com idoneidade moral,
defesa”.
reputação ilibada e notória experiência designados
As apurações serão feitas pela Comissão de Ética
pelo Presidente. O mandato será de três anos, não
coincidentes e com aceitação de uma recondução. Pública ou pelas demais Comissões de Ética. Em todos
os casos será notificado o investigado para manifes-
tar-se, por escrito, no prazo de dez dias. Além disso,
O trabalho desenvolvido na CEP não enseja remu-
neração, mas é considerado serviço público relevante. o investigado poderá produzir prova documental
necessária a sua defesa e as Comissões de Ética terão
o poder de requisitar os documentos que entenderem
A CEP apresenta diversas competências, todas lista-
necessários à instrução probatória e, também, promo-
das no artigo 4º do decreto 6.029/07, dentre elas a mais
importante é a seguinte: atuar como instância consul- ver diligências e solicitar parecer de especialista. 
tiva do Presidente da República e Ministros de Estado Após a conclusão do processo poderão ser adota-
em matéria de ética pública. Ou seja, a CEP deverá ser das as seguintes medidas:
capaz de dirimir dúvidas na área da gestão da Ética
no Executivo Federal, por isso a Comissão possui um z Encaminhamento de sugestão de exoneração de car-
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO

departamento Jurídico para prestar assessoria. Além go ou função de confiança à autoridade hierarqui-
disso, deverá apurar informações recebidas por meio camente superior ou devolução ao órgão de origem,
de denúncias ou de ofício, quando presentes condutas conforme o caso;
fiquem em desacordo com suas normas. Por fim, coor- z Encaminhamento, conforme o caso, para a Contro-
denará, avaliará e supervisionará o Sistema de Gestão ladoria-Geral da União ou unidade específica do
da Ética Pública do Poder Executivo Federal Sistema de Correição do Poder Executivo Federal
As instâncias superiores dos órgãos e entidades do de que trata o Decreto n o 5.480, de 30 de junho de
Poder Executivo Federal, abrangendo a administração 2005, para exame de eventuais transgressões dis-
direta e indireta deverão observar as normas éticas e ciplinares; e
de disciplina, constituir as próprias comissões de ética z Recomendação de abertura de procedimento admi-
e atender com prioridade as solicitações da CEP. nistrativo, se a gravidade da conduta assim o exigir. 
Considerando o alto impacto que as ações desen-
volvidas pela CEP podem causar nos servidores que Fica assegurado a todos os investigados, em respei-
forem investigados, algumas medidas rígidas foram to ao contraditório e ampla defesa, o conhecimento do
adotadas para preservar os investigados. teor das acusações e o acesso aos autos (ainda que no 15
recinto das Comissões de Ética). Por fim, fica garanti- 3. (CESPE-CEBRASPE – 2018) No exercício do cargo, o
do o acesso a cópias integrais dos processos e de certi- servidor público, quando decide entre o honesto e o
dão do seu teor. desonesto, vincula sua decisão à
As comissões de ética têm por dever proferir deci-
são sobre os temas de sua competência, independen- a) ética.
temente de omissão do Código de Conduta da Alta b) impessoalidade.
Administração Pública. Eventuais omissões poderão c) conveniência.
ser supridas por uso da analogia ou dos princípios da d) eficiência.
e) legalidade.
legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade
e eficiência.
4. (CESPE-CEBRASPE– 2018) Julgue o seguinte item, a
respeito da ética no serviço público.
O uso do cargo ou função pública para obter favore-
Importante! cimento, desde que não haja prejuízo a outrem, não
Art. 17 As Comissões de Ética, sempre que cons- constitui afronta à ética e à moral do serviço público.
tatarem a possível ocorrência de ilícitos penais,
civis, de improbidade administrativa ou de infra- ( ) CERTO  ( ) ERRADO
ção disciplinar, encaminharão cópia dos autos
às autoridades competentes para apuração de 5. (CESPE-CEBRASPE– 2018) Julgue o seguinte item, a
tais fatos, sem prejuízo das medidas de sua respeito da ética no serviço público.
A ausência injustificada de um servidor público ao seu
competência.
local de trabalho constitui fator de desmoralização do
serviço público
O texto do artigo 17 do Decreto é tremendamente
importante, justamente pelo fato de lembrar às Comissões ( ) CERTO  ( ) ERRADO
de Ética que, além de realizarem seu dever, deverão estar
atentas aos possíveis desdobramentos que poderão ocor- 6. (CESPE-CEBRASPE– 2018) Com base no disposto na
rer em função das condutas praticadas. legislação administrativa, julgue o item a seguir.
Os trabalhos nas Comissões de Ética que são dispos- A punição prevista para servidor por desvio de condu-
ta ética reconhecido por comissão de ética é a censu-
tas nos incisos II e III do art. 2º do Decreto 6.029/07 são
ra ética.
considerados relevantes e têm prioridade sobre as atri-
buições próprias dos cargos dos seus membros, quando
( ) CERTO  ( ) ERRADO
estes não atuarem com exclusividade na Comissão.
Chegamos ao final de mais um assunto com grande
chance de ser objeto de questões nas provas do CESPE. 7. (CESPE-CEBRASPE – 2018) Com base no Código de
Ética Profissional do Servidor Público Civil do Poder
Lembre-se: o Código de Conduta da Alta Administração
Executivo Federal, julgue o item a seguir.
Federal, o Código de Ética Profissional do Servidor Públi-
A criação de comissão de ética com a finalidade de
co Civil do Poder Executivo Federal e o Código de Ética
orientar o servidor é facultativa às entidades que exer-
do órgão ou entidade serão aplicados ao servidor ainda
çam atribuições delegadas pelo poder público.
que essas autoridades e agentes públicos estejam em
gozo de licença.
( ) CERTO  ( ) ERRADO

8. (CESPE-CEBRASPE – 2018) Julgue o item seguinte,


que versa sobre o disposto no Código de Ética Profis-
HORA DE PRATICAR! sional do Servidor Público e sobre gestão de pessoas
e de processos no serviço público.
1. (CESPE-CEBRASPE – 2019) A respeito de ética no ser- Conforme o Decreto n.º 1.171/1994, é vedado ao servi-
viço público, julgue o item a seguir. dor público civil do Poder Executivo federal atrapalhar
No estrito exercício de sua função, o servidor públi- ou impedir o exercício regular de direito por qualquer
co deve nortear-se por primados maiores — como a pessoa.
consciência dos princípios morais, o zelo e a eficácia
—; fora dessa função, porém, por estar diante de situa- ( ) CERTO  ( ) ERRADO
ção particular, não está obrigado a agir conforme tais
primados. 9. (CESPE-CEBRASPE – 2018) No que se refere à ética
no serviço público, julgue o item seguinte, à luz do dis-
( ) CERTO  ( ) ERRADO posto no Decreto n.º 1.171/1994 (Código de Ética Pro-
fissional do Serviço Público).
2. (CESPE-CEBRASPE – 2019) A respeito de ética no ser- Não descumpre o dever de respeito à hierarquia o ser-
viço público, julgue o item a seguir. vidor que denunciar pressões de superiores hierárqui-
Servidor público que se apresenta habitualmente cos que visem obter vantagens indevidas.
embriagado no serviço ou até mesmo fora dele pode-
rá ser submetido à Comissão de Ética, a qual poderá ( ) CERTO  ( ) ERRADO
aplicar-lhe a pena de censura.
10. (CESPE-CEBRASPE – 2018) No que se refere à ética
( ) CERTO  ( ) ERRADO no serviço público, julgue o item seguinte, à luz do dis-
posto no Decreto n.º 1.171/1994 (Código de Ética Pro-
fissional do Serviço Público).
16
Uma das regras deontológicas que regem a conduta dos b) o presidente da comissão tem voto de qualidade nas
servidores públicos federais é o espírito de solidariedade, deliberações da CEP.
conforme o qual se espera que o servidor seja compla- c) o mandato de seus integrantes é de três anos, sem
cente em caso de erro ou infração, pois a superação de direito à recondução.
falhas representa uma oportunidade para o engrandeci- d) seus integrantes são designados pelo chefe da Casa
mento profissional dos servidores públicos.
Civil da Presidência da República.
e) os mandatos de seus integrantes devem ser coincidentes.
( ) CERTO  ( ) ERRADO

11. (CESPE-CEBRASPE – 2018) No que se refere a ética 9 GABARITO


no serviço público, julgue o próximo item, com base no
Decreto n.º 1.171/1994 — Código de Ética Profissional
do Serviço Público. 1 ERRADO
Constitui dever fundamental do servidor público abs- 2 CERTO
ter-se de exercer sua função com finalidade estranha
ao interesse público, mesmo que observadas as for- 3 A
malidades legais.
4 ERRADO
( ) CERTO  ( ) ERRADO
5 CERTO
12. (CESPE-CEBRASPE – 2018) À luz da Lei n.º 8.112/1990, 6 ERRADO
da Lei n.º 12.527/2011 e do Código de Ética Profissional
do Servidor Público Civil do Poder Executivo Federal, jul- 7 ERRADO
gue o item subsecutivo.
8 CERTO
Em regra, a publicidade do ato administrativo consti-
tui requisito de eficácia e moralidade; por isso, a sua 9 CERTO
omissão enseja comprometimento ético contra o bem
comum, imputável a quem a negar. 10 ERRADO

11 CERTO
( ) CERTO  ( ) ERRADO
12 CERTO
13. (CESPE-CEBRASPE – 2018) Além da distinção entre
lícito e ilícito, a moralidade da administração pública 13 D
também abrange a ideia de que a finalidade dos seus
14 C
atos deve ser sempre o
15 B
a) justo.
b) equilíbrio.
c) honesto.
d) bem comum.
e) ético. ANOTAÇÕES
14. (CESPE-CEBRASPE – 2018) Tendo conhecimento de
conduta que esteja em desacordo com as normas éti-
cas pertinentes e seja praticada por servidor do órgão
da administração federal, uma comissão de ética a ser
instalada deverá

a) informar, imediatamente, o fato à autoridade máxima


do respectivo órgão.
b) aplicar a penalidade prevista em lei logo após o devido
processo legal.
c) permitir vista dos autos ao investigado mesmo antes
de ele ser notificado da existência do procedimento
ÉTICA NO SERVIÇO PÚBLICO

investigatório.
d) pedir autorização à autoridade máxima para requisitar
a outro órgão documentos necessários à apuração do
fato violador.
e) pedir autorização à autoridade máxima para apor aos
autos a chancela de “reservado” até emitir relatório de
conclusão.

15. (CESPE-CEBRASPE– 2018) A Comissão de Ética


Pública (CEP) integra o Sistema de Gestão da Ética
do Poder Executivo Federal e, segundo o Decreto n.º
6.029/2007,

a) ela é a instância deliberativa do presidente da Repúbli-


ca e dos ministros de Estado. 17
ANOTAÇÕES

18
políticas públicas e atuam diretamente na direção
da implementação.

Suas competências constam diretamente na CF/88

REGIME JURÍDICO ÚNICO


e possuem prerrogativas específicas. Como exemplo,
temos Deputado Federal, Ministro de Estado etc.

z Agentes honoríficos: não possuem vínculo e nor-


malmente atuam sem remuneração. Prestam ser-
viços específicos e temporários, como os mesários
LEI 8.112/1990 E ALTERAÇÕES, em eleições.
DIREITOS E DEVERES DO SERVIDOR z Agentes delegados: são particulares que exercem
atividades de interesse público em seu próprio
PÚBLICO nome, estando sujeitos à fiscalização do Estado. Os
tabeliães são exemplos.
CONCEITO z Agentes credenciados: têm por missão representar
a Administração Pública em um evento ou atividade
Dentre os vários conceitos de agente público, um específica. Um exemplo é um atleta em atividade ou
dos mais completos e esclarecedores é o constante da aposentado que representa o país em evento da FIFA
Lei de Improbidade Administrativa (Lei nº 8.429/92). ou outra organização de esporte.
Vejamos.

Art. 2° Reputa-se agente público, para os efeitos


desta lei, todo aquele que exerce, ainda que tran- EXERCÍCIOS COMENTADOS
sitoriamente ou sem remuneração, por eleição,
nomeação, designação, contratação ou qualquer 1. (CESPE-CEBRASPE – 2020) No que diz respeito à admi-
outra forma de investidura ou vínculo, mandato, nistração pública direta, à administração pública indireta
cargo, emprego ou função nas entidades menciona- e aos agentes públicos, julgue o item que se segue.
das no artigo anterior. Ministros e secretários estaduais e municipais são
agentes políticos cujos vínculos funcionais não têm
Veja que, não por acaso, o conceito é o mais abran- natureza permanente, mas que, com base no seu
gente possível, visto que se trata de uma lei que tem poder político, traçam e implementam políticas públi-
o intuito de alcançar atos impróprios praticados por cas constitucionais e políticas públicas de governo.
pessoas que estejam agindo em nome da Administra-
ção Pública. ( ) CERTO  ( ) ERRADO

Espécies Agentes políticos podem ser conceituados como


participantes da cúpula da Administração Pública,
Conhecido o conceito de agente público da forma e os Ministros e Secretários de Estado certamente
mais ampla possível, passamos agora a dois tipos que fazem parte de tal categoria, uma vez que estão
são certamente os mais frequentes. abaixo apenas dos chefes do Poder Executivo e são
responsáveis pela definição de políticas públicas.
Resposta: Certo.
z Servidores Públicos
2. (CESPE-CEBRASPE – 2016) No que concerne aos
„ Possuem regime próprio (estatuto) predomi- agentes públicos, julgue o próximo item.
nantemente de direito público, devido às fun- A definição de servidor público, em sentido amplo,
ções em que atuam. engloba os empregados públicos e servidores
„ Ocupam cargos públicos efetivos (por meio de temporários.
concurso público).
( ) CERTO  ( ) ERRADO
z Empregados Públicos
O conceito de servidor público em sentido amplo
„ Agentes públicos que têm seus vínculos basea- engloba servidor público em sentido estrito, emprega-
dos na CLT. O vínculo é chamado de celetista ou dos públicos e servidores temporários. Lembre-se de
contratual. que a afirmação incompleta para a banca CESPE-CE-
„ Há predominância do regime privado. BRASPE não torna errada a questão. Resposta: Certo.
REGIME JURÍDICO ÚNICO

Os conceitos acima são estritos. Em sentido amplo, CARGO, EMPREGO E FUNÇÃO PÚBLICA
o termo “servidores públicos” engloba os dois grupos
colocados acima e também os servidores temporá- Vamos conhecer mais três conceitos importantes
rios. Vamos agora conhecer outras espécies citadas no âmbito do estudo dos agentes públicos. Inicialmen-
pela doutrina, mas menos frequentes que as duas te, vejamos o conceito de cargo público, previsto no
anteriores. artigo 3º da Lei nº 8.122/90.

z Agentes administrativos: são aqueles remune- Art. 3º Cargo público é o conjunto de atribuições e
rados para exercer cargos, empregos e funções responsabilidades previstas na estrutura organiza-
públicas. São basicamente os dois tipos que vimos cional que devem ser cometidas a um servidor.
acima em apenas um grupo.
z Agentes políticos: que fazem parte da cúpu- Seus ocupantes são chamados servidores públicos
la da Administração Pública. Eles definem as e seu provimento poderá se dar em caráter efetivo 19
(em regra por meio de concurso público) ou comis- A função pública é um conjunto de atribuições que
sionado (ocupados provisoriamente por agentes pode ser atribuído tanto a um servidor efetivo quan-
nomeados e exonerados livremente pela autoridade to a um servidor temporário. Não há a vedação tra-
competente). zida pela questão. Há possibilidade de exercício de
Os empregos públicos são ocupados por empregados funções em caráter temporário, como vimos ante-
públicos, cujo vínculo tem por base a CLT, possuindo, riormente. Resposta: Errada.
portanto, natureza contratual e trabalhista. Em regra,
serão providos por meio de concurso público. Não LEI Nº 8.112/90
adquirem estabilidade, mas sua demissão deve se dar
mediante processo administrativo com ampla defesa e Compreendidos os conceitos iniciais anteriormen-
contraditório. te apresentados, estudaremos agora a Lei nº 8.112/90,
Por fim, temos a função pública. Inicialmente, que é o estatuto dos servidores civis da União, como
precisamos entender que todo cargo ou emprego está fica exposto já em seu artigo 1º.
associado a uma função. No entanto, nem toda função
está associado a um cargo ou emprego. O que estamos Art. 1º Esta Lei institui o Regime Jurídico dos Ser-
abordando aqui é, logicamente, a existência da função vidores Públicos Civis da União, das autarquias,
de maneira isolada. Elas poderão ser classificadas em inclusive as em regime especial, e das fundações
temporárias ou permanentes. públicas federais.
As funções temporárias têm respaldo constitucional,
existindo por tempo determinado e com base em Vamos, então, conhecer os principais institutos e
excepcional interesse público. respectivos dispositivos constantes da lei.

CF/88 z Provimento
Art. 37 [...]
IX - a lei estabelecerá os casos de contratação por É a ocupação do cargo público por uma pessoa. O
tempo determinado para atender a necessidade artigo 5º traz os requisitos:
temporária de excepcional interesse público;
Art. 5º São requisitos básicos para investidura em
A Lei nº 8.745/93 trata do assunto, sendo a assistência cargo público:
I - a nacionalidade brasileira;
a situações de calamidade pública uma dessas hipóteses.
II - o gozo dos direitos políticos;
Temos também as funções permanentes, que
III - a quitação com as obrigações militares e
serão exercidas juntamente com cargos públicos.
eleitorais;
Aqui, é preciso atenção. Não estamos falando em fun-
IV - o nível de escolaridade exigido para o exercício
ção associada ao cargo público, e sim da possibilida- do cargo;
de de exercício simultâneo. V - a idade mínima de dezoito anos;
Exemplo: Você passa em um concurso e ocupa um VI - aptidão física e mental.
cargo em determinado setor. Depois de um tempo,
assume a função de chefia. Essa função existe perma- A investidura é o termo jurídico utilizado para
nentemente e não está associada ao cargo que você indicar o momento em que a pessoa toma posse do
ocupa, mas pode ser exercida juntamente com ele. cargo; o artigo 7º traz essa informação. Ele é impor-
tante e bastante cobrado em provas.

EXERCÍCIOS COMENTADOS Art. 7º A investidura em cargo público ocorrerá


com a posse.
1. (CESPE-CEBRASPE – 2016) Em relação aos serviços
públicos e ao disposto na Lei n.º 8.112/1990, julgue o Em seguida, no artigo 8º, temos as formas de “ocu-
item seguinte. par” o cargo público. A lei chama-as de formas de
Os servidores contratados por tempo determinado provimento. São elas:
para atender à necessidade temporária de excepcio-
nal interesse público e os empregados públicos clas-
sificam-se, em virtude da ausência de estabilidade, Nomeação
como servidores temporários.
Promoção
( ) CERTO  ( ) ERRADO
Formas de Provimento

Empregados públicos não possuem vínculo tempo- Readaptação


rários. Não adquirem estabilidade, mas a demissão
deve ocorrer mediante processo administrativo com
ampla defesa e contraditório, devendo o ato admi- Reversão
nistrativo ser motivado. Resposta: Errado.

2. (CESPE-CEBRASPE – 2015) A respeito dos cargos e Aproveitamento


funções públicas, julgue o item que se segue.
A função pública compreende o conjunto de atribui-
Reintegração
ções conferidas aos servidores ocupantes de cargo
efetivo, razão por que não é exercida por servidores
temporários. Recondução

20 ( ) CERTO  ( ) ERRADO


Não se preocupe com o significado de cada um dos
incisos, pois falaremos sobre eles mais à frente.
EXERCÍCIO COMENTADO
1. (CESPE-CEBRASPE – 2015) A respeito da Lei n.º
z Nomeação
8.112/1990, o item apresenta uma situação hipotética,
A nomeação é o ato unilateral da administração seguida de uma assertiva a ser julgada.
para prover o cargo. Poderá se dar em caráter efetivo Alice, aprovada em concurso público para o cargo
ou em comissão, conforme a natureza do vínculo (efe- de técnico administrativo de um TRE, precisa acom-
tivo ou comissionado). Vejamos o artigo 9º: panhar uma cirurgia de um ente familiar que ocorrerá
no mesmo dia em que foi marcada sua posse. Nessa
Art. 9º A nomeação far-se-á: situação, Alice poderá nomear, por procuração especí-
I - em caráter efetivo, quando se tratar de cargo iso- fica, alguém que a represente no ato da posse.
lado de provimento efetivo ou de carreira;
I - em comissão, inclusive na condição de interino, ( ) CERTO  ( ) ERRADO
para cargos de confiança vagos.
O §3º do artigo 13 da Lei 8.112/90 dá o respaldo
A nomeação para cargo de carreira ou cargo isola- legal para que o servidor possa tomar posse por
do de provimento efetivo depende de prévia habili- meio de procuração específica. Resposta: Certo.
tação em concurso público de provas ou de provas e
títulos, obedecidos a ordem de classificação e o prazo z Estágio Probatório e Estabilidade
de sua validade, conforme previsão do artigo 10.
Vejamos os artigos 20 e 21, que nos trazem os fato-
Art. 10 A nomeação para cargo de carreira ou car- res a serem observados por ocasião do estágio proba-
go isolado de provimento efetivo depende de prévia tório e o prazo para estabilidade.
habilitação em concurso público de provas ou de
provas e títulos, obedecidos a ordem de classifica- Art. 20 Ao entrar em exercício, o servidor nomeado
ção e o prazo de sua validade. para cargo de provimento efetivo ficará sujeito a
estágio probatório por período de 24 (vinte e qua-
z Concurso Público tro) meses, durante o qual a sua aptidão e capaci-
dade serão objeto de avaliação para o desempenho
O concurso será de provas ou provas e títulos e do cargo, observados os seguintes fatores:
poderá ser realizado em duas etapas, conforme dis- I - assiduidade;
posição da lei e regulamento ligado à carreira. Terá II - disciplina;
validade de até 2 anos, podendo ser prorrogado uma III - capacidade de iniciativa;
única vez, por igual período. IV - produtividade;
V- responsabilidade.
z Posse e Exercício Art. 21 O servidor habilitado em concurso público
e empossado em cargo de provimento efetivo adqui-
„ Posse: tratada nos artigos 13 e 14, ocorrerá rirá estabilidade no serviço público ao completar 2
pela assinatura do respectivo termo, no qual (dois) anos de efetivo exercício.
deverão constar as atribuições, os deveres, as
responsabilidades e os direitos inerentes ao É importante ressaltar que o prazo de 24 meses se
cargo ocupado, que não poderão ser alterados encontra em discordância com o artigo 41 da Consti-
unilateralmente, por qualquer das partes, res- tuição Federal, que traz o prazo de 36 meses. Portanto,
salvados os atos de ofício previstos em lei. fique atento para não se confundir.

A posse ocorrerá no prazo de trinta dias contados


da publicação do ato de provimento que, no caso do Importante
concurso, é a nomeação e poderá ocorrer mediante
Lei nº 8.112/90: O servidor estável só perderá o
procuração específica.
cargo em virtude de:
REGIME JURÍDICO ÚNICO

„ Exercício: é o efetivo desempenho das atri- � sentença judicial transitada em julgado; ou


buições do cargo público ou da função de con- � de processo administrativo disciplinar no qual
fiança, sendo de quinze dias o prazo para o lhe seja assegurada ampla defesa.
servidor empossado em cargo público entrar CF/88: O servidor público estável só perderá o
em exercício, contados da data da posse. cargo:
� em virtude de sentença judicial transitada em
O servidor será exonerado do cargo ou será tor- julgado;
nado sem efeito o ato de sua designação para função � mediante processo administrativo em que lhe
de confiança se não entrar em exercício no prazo. O seja assegurada ampla defesa;
início, a suspensão, a interrupção e o reinício do exer- � mediante procedimento de avaliação periódi-
cício serão registrados no assentamento individual do ca de desempenho, na forma de lei complemen-
servidor. tar, assegurada ampla defesa. 21
z Reintegração
EXERCÍCIO COMENTADO
Segundo o artigo 28, é a reinvestidura do servidor
1. (CESPE-CEBRASPE – 2020) Julgue o próximo item,
estável no cargo anteriormente ocupado, ou no cargo
relativo à administração de pessoal e a processos de
compras governamentais no âmbito do setor público. resultante de sua transformação, quando invalidada
A produtividade é um dos fatores utilizados para a ava- a sua demissão por decisão administrativa ou judicial,
liação de desempenho de servidores nomeados para com ressarcimento de todas as vantagens.
cargos efetivos em período de estágio probatório. Na hipótese de o cargo ter sido extinto, o servidor
ficará em disponibilidade. Encontrando-se provido o
( ) CERTO  ( ) ERRADO cargo, o seu eventual ocupante será reconduzido ao
cargo de origem, sem direito à indenização, aprovei-
Conforme consta no IV do artigo 20 da Lei nº tado em outro cargo ou, ainda, posto em disponibili-
8.112/90, a produtividade compõe os fatores de ava- dade. Entenderemos a recondução a seguir.
liação de desempenho. Vale acrescentar que o perío-
do de estágio probatório é de 24 meses, período em z Recondução
que ocorrerá essa avaliação. Resposta: Certo.
É o retorno do servidor estável ao cargo anterior-
z Readaptação
mente ocupado e decorrerá de inabilitação em estágio
probatório relativo a outro cargo ou reintegração do
Segundo o artigo 24, é a investidura do servidor
anterior ocupante. Encontrando-se provido o cargo de
em cargo de atribuições e responsabilidades compatí-
veis com a limitação que tenha sofrido em sua capaci- origem, o servidor será aproveitado em outro.
dade física ou mental verificada em inspeção médica.
Se julgado incapaz para o serviço público, o readap-
tando será aposentado.
EXERCÍCIOS COMENTADOS
z Reversão
1. (FGV – 2018) Maria foi aprovada em concurso para
De acordo com o artigo 25, é o retorno à atividade o cargo de analista judiciário do Tribunal Regional
de servidor aposentado: Federal da 2ª Região, mas, após ter adquirido a esta-
bilidade, foi demitida sem a observância das normas
„ Por invalidez, quando junta médica oficial decla- relativas ao processo administrativo disciplinar.
rar insubsistentes os motivos da aposentadoria; Em razão disso, Maria ajuizou ação anulatória do ato
„ No interesse da administração. demissional, na qual obteve êxito por meio de decisão
jurisdicional transitada em julgado. Nesse interregno,
A segunda hipótese acima poderá ocorrer desde que: contudo, Alfredo, também regularmente aprovado em
concurso e estável, foi promovido e passou a ocupar o
z Tenha sido solicitada a reversão; cargo que era de Maria.
z A aposentadoria tenha sido voluntária;
Sobre a hipótese apresentada, assinale a afirmativa
z O servidor era estável quando na atividade;
correta.
z A aposentadoria tenha ocorrido nos cinco anos
anteriores à solicitação;
z Haja cargo vago. a) A invalidação do ato demissional de Maria não poderá
importar na sua reintegração ao cargo anterior, consi-
Não poderá ser revertido o aposentado que já tiver derando que está ocupado por Alfredo.
completado 70 anos de idade. b) Maria, em razão de ter adquirido a estabilidade, inde-
pendentemente da existência e necessidade do cargo
que ocupava, deverá ser posta em disponibilidade.
EXERCÍCIO COMENTADO c) Maria deverá ser readaptada em cargo superior ao que
ocupava anteriormente, diante da ilicitude de seu ato
1. (CESPE-CEBRASPE – 2018) Com base nas disposi- demissional.
ções da Lei n.º 8.112/1990, julgue o item a seguir. d) Em decorrência da invalidade do ato demissional,
É vedado ao servidor público aposentado o retorno ao Maria deve ser reintegrada ao cargo que ocupava
serviço público a pedido, somente sendo possível a e Alfredo deverá ser reconduzido para o cargo de
reversão por insubsistência dos motivos da aposenta- origem.
doria por invalidez.
Uma vez invalidada a demissão por meio de decisão
( ) CERTO  ( ) ERRADO
judicial transitada em julgado, teremos a aplicação
do instituto da reintegração, conforme expressa
Tal assertiva contradiz o que dispõe o artigo 25
sobre a reversão:“Art. 25. Reversão é o retorno à previsão legal: “Art. 28 A reintegração é a reinves-
atividade de servidor aposentado: I - por invalidez, tidura do servidor estável no cargo anteriormente
quando junta médica oficial declarar insubsistentes ocupado, ou no cargo resultante de sua transforma-
os motivos da aposentadoria; ou II - no interesse ção, quando invalidada a sua demissão por decisão
da administração, desde que: a) tenha solicitado a administrativa ou judicial, com ressarcimento de
22 reversão.” Resposta: Errado todas as vantagens.” Resposta: Letra D.
2. (CESPE-CEBRASPE – 2018) Com base nas disposi- A exoneração de cargo em comissão e a dispensa
ções da Lei n.º 8.112/1990, julgue o item a seguir. de função de confiança dar-se-á a juízo da autoridade
A readequação consiste no retorno do servidor estável competente e a pedido do próprio servidor.
ao cargo anteriormente ocupado. Atenção! Muitas vezes, principalmente com base
em leitura de notícias ou noticiários televisivos, aca-
( ) CERTO  ( ) ERRADO bamos interpretando o termo exoneração como uma
punição ou sanção. Veja que a lei não prevê a exone-
O conceito trazido não está conforme o constante do ração dessa forma.
artigo 29 da lei: “Art. 29. Recondução é o retorno do As sanções estão previstas em outros dispositivos e
servidor estável ao cargo anteriormente ocupado e serão oportunamente abordadas.
decorrerá de: I - inabilitação em estágio probatório
relativo a outro cargo; II - reintegração do anterior
ocupante. Parágrafo único. Encontrando-se provi-
do o cargo de origem, o servidor será aproveitado
em outro, observado o disposto no art. 30.” Não há
EXERCÍCIO COMENTADO
readequação, porém temos a readaptação. Vejamos:
1. (FGV – 2016) Conforme prevê a Lei nº 8.112/90, que
“Art. 24. Readaptação é a investidura do servidor
em cargo de atribuições e responsabilidades com- institui o regime jurídico dos servidores públicos civis
patíveis com a limitação que tenha sofrido em sua da União, das autarquias e das fundações públicas
capacidade física ou mental verificada em inspeção federais, a vacância do cargo público decorrerá, dentre
médica.” Resposta: Errado. outros, de:

z Disponibilidade e Aproveitamento a) exoneração, demissão e promoção;


b) falecimento, readaptação e nomeação;
Disponibilidade é a situação em que o servidor c) remoção, aposentadoria e reintegração;
fica afastado de suas atividades com remuneração d) permuta, reversão e disponibilidade;
proporcional ao tempo de serviço, aguardando o e) aproveitamento, recondução e transferência.
retorno às atividades, que é o aproveitamento.
Na lei, temos o artigo 30 como principal disposição Em conformidade com o que descreve o artigo 33,
a esse respeito. a exoneração, demissão e promoção são as opções
que ocasionam a vacância do cargo público. Respos-
Art. 30 O retorno à atividade de servidor em dis- ta: Letra A.
ponibilidade far-se-á mediante aproveitamento
obrigatório em cargo de atribuições e vencimentos REMOÇÃO E REDISTRIBUIÇÃO
compatíveis com o anteriormente ocupado.
Remoção (segundo o artigo 36) é o deslocamento
z Vacância do servidor, a pedido ou de ofício, no âmbito do mes-
mo quadro, com ou sem mudança de sede. São moda-
É a ocorrência de algum evento que torna vago o lidades de remoção:
cargo. A lei enumera esses eventos no seu artigo 33.
z de ofício, no interesse da Administração;
z a pedido, a critério da Administração;
Exoneração
z a pedido, para outra localidade, independente-
mente do interesse da Administração:

Demissão „ para acompanhar cônjuge ou companheiro,


também servidor público civil ou militar, de
qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do
Promoção Distrito Federal e dos Municípios, que foi deslo-
cado no interesse da Administração;
vacância

„ por motivo de saúde do servidor, cônjuge,


Readaptação companheiro ou dependente que viva às suas
expensas e conste do seu assentamento fun-
cional, condicionada à comprovação por junta
Aposentadoria médica oficial;
REGIME JURÍDICO ÚNICO

„ em virtude de processo seletivo promovido,


na hipótese em que o número de interessados
Posse em outro cargo for superior ao número de vagas, de acordo
inacumulável com normas preestabelecidas pelo órgão ou
entidade em que aqueles estejam lotados.

Recondução Vejamos agora a redistribuição que, ao contrário


da remoção, impõe dentre seus preceitos a necessária
existência de interesse público.
A exoneração de cargo efetivo ocorrerá a pedido
do servidor, ou de ofício. Quando de ofício, será por Art. 37 Redistribuição é o deslocamento de cargo
(1) não terem sido satisfeitas as condições do estágio de provimento efetivo, ocupado ou vago no âmbi-
probatório ou (2) quando o servidor, após tomar pos- to do quadro geral de pessoal, para outro órgão ou
se, não entrar em exercício no prazo estabelecido. entidade do mesmo Poder, com prévia apreciação 23
do órgão central do SIPEC, observados os seguintes
preceitos: Vencimentos
I - interesse da administração;
II - equivalência de vencimentos; Remuneração
III - manutenção da essência das atribuições do
cargo;
IV - vinculação entre os graus de responsabilidade e Vantagens
complexidade das atividades;
V - mesmo nível de escolaridade, especialidade ou
habilitação profissional; O vencimento do cargo efetivo, acrescido das van-
VI - compatibilidade entre as atribuições do cargo e tagens de caráter permanente, é irredutível. Salvo por
as finalidades institucionais do órgão ou entidade. imposição legal ou mandado judicial, nenhum des-
conto incidirá sobre a remuneração ou provento.
Veja que, enquanto na remoção a lei fala em deslo-
VANTAGENS
camento do servidor, na redistribuição temos o des-
locamento do próprio cargo. Em outros termos, no As vantagens estão previstas no artigo 49 e porme-
primeiro caso, temos a mudança do servidor sem que norizadas na sequência. Vejamos quais são:
ocorra qualquer alteração nos quadros dos servidores
envolvidos. No segundo caso, temos uma mudança da Art. 49 Além do vencimento, poderão ser pagas ao
localização do cargo. servidor as seguintes vantagens:
I - indenizações;
II - gratificações;
III - adicionais.

EXERCÍCIO COMENTADO § 1º As indenizações não se incorporam ao


vencimento ou provento para qualquer efeito.
§ 2º As gratificações e os adicionais incorporam-se
1. (CESPE-CEBRASPE – 2018) Acerca das regras apli- ao vencimento ou provento, nos casos e condições
cáveis aos servidores públicos do Poder Judiciário, e indicados em lei.
considerando o que dispõe a Lei n.º 8.112/1990 e a Lei
n.º 11.416/2006, julgue o item a seguir. As indenizações são reposições de gastos que o
A legislação que dispõe sobre o regime estatutário servidor realiza em razão do seu ofício. Elas podem
prevê a possibilidade de o servidor público, em deter- ser as seguintes:
minadas hipóteses, pedir remoção para outra localida-
z Ajuda de custo: Destina-se a compensar as despe-
de, independentemente do interesse da administração
sas de instalação do servidor que, no interesse do
pública.
serviço, passar a ter exercício em nova sede, com
mudança de domicílio em caráter permanente,
( ) CERTO  ( ) ERRADO vedado o duplo pagamento de indenização, a qual-
quer tempo, no caso de o cônjuge ou companheiro
A questão aborda as hipóteses de remoção. Nesse que detenha também a condição de servidor, vier
caso, temos especificamente o que consta no inciso a ter exercício na mesma sede;
III do artigo 36: “Art. 36 Remoção é o deslocamen- z Diária: Destinada a repor gastos com pousada, ali-
to do servidor, a pedido ou de ofício, no âmbito do mentação e locomoção para afastamento em cará-
mesmo quadro, com ou sem mudança de sede. III - a ter eventual e transitório a serviço.
pedido, para outra localidade, independentemente z Indenização de transporte: Concedida ao servi-
do interesse da Administração”. Resposta: Certo. dor que realizar despesas com a utilização de meio
próprio de locomoção para a execução de serviços
VENCIMENTO E REMUNERAÇÃO externos, por força das atribuições próprias do
cargo.
Vejamos o conceito de vencimento constante do
artigo 40 da lei:
Importante
Art. 40 Vencimento é a retribuição pecuniária pelo As indenizações não se incorporam ao ven-
exercício de cargo público, com valor fixado em lei. cimento ou provento para qualquer efeito, ao
contrário do que poderá ocorrer com as gratifica-
Vencimento é uma parcela básica que compõe a ções e adicionais.
remuneração do agente público. Ela é fixada em lei,
não estando ligada a situações eventuais em que o
servidor possa se enquadrar. Ao nos aprofundarmos
no que pode integrar a remuneração, o conceito ficará EXERCÍCIO COMENTADO
mais claro.
Remuneração é o vencimento do cargo efetivo, 1. (CESPE-CEBRASPE – 2016) Com base nas disposi-
acrescido das vantagens pecuniárias permanentes ções da Lei n.º 8.112/1990, que trata do regime jurí-
estabelecidas em lei. Veremos mais à frente as espé- dico dos servidores públicos federais, julgue o item a
24 cies de vantagens. seguir.
Além do vencimento, poderão ser pagos ao servidor Conforme comando do artigo 84, poderá ser con-
indenizações, gratificações e adicionais, vantagens cedida licença por motivo de afastamento do cônju-
que serão incorporadas ao seu vencimento. ge ou companheiro. A concessão poderá ocorrer em
caso de deslocamento para outro ponto do território
( ) CERTO  ( ) ERRADO nacional, para o exterior ou para o exercício de man-
dato eletivo dos Poderes Executivo e Legislativo.
Gratificações e adicionais incorporarão sim os ven- A concessão ocorrerá por prazo indeterminado e
cimentos, entretanto, o erro está ao mencionar que sem remuneração.
as indenizações também seriam. Veja o que dispõe O estatuto também prevê a concessão de licença
a lei: “Art. 49 Além do vencimento, poderão ser para atividade política. Aqui, temos dois parâmetros
pagas ao servidor as seguintes vantagens: § 1º As diferentes, portanto, é necessário ter atenção.
indenizações não se incorporam ao vencimento ou A licença será sem remuneração entre o período
provento para qualquer efeito.” Resposta: Errado. que mediar entre a sua escolha em convenção parti-
dária, como candidato a cargo eletivo, e a véspera do
registro de sua candidatura perante à Justiça Eleitoral.
FÉRIAS
A partir do registro da candidatura e até o déci-
mo dia seguinte ao da eleição, o servidor fará jus à
O servidor fará jus a trinta dias de férias, que
licença, assegurados os vencimentos do cargo efetivo,
podem ser acumuladas até o máximo de dois perío-
somente pelo período de três meses. Após isso, tere-
dos, no caso de necessidade do serviço, ressalvadas as mos o afastamento para exercício de mandato eletivo
hipóteses em que haja legislação específica (artigo 77). (veremos mais à frente).
Para o primeiro período aquisitivo de férias,
serão exigidos 12 meses de exercício; as férias pode-
rão ser parceladas em até três etapas, desde que Importante!
assim requeridas pelo servidor, e no interesse da
administração pública. Não confunda licença com afastamento!
É vedado levar à conta de férias qualquer falta ao
serviço. Temos também a licença para tratar de interesses
particulares. Ela será discricionária (escolha da Admi-
LICENÇAS nistração Pública) e poderá perdurar por até 3 anos, não
podendo ser concedida a servidor em estágio probatório
A partir do artigo 81, fala-se sobre as licenças. e podendo ser revogada a qualquer tempo.
Abordaremos as mais cobradas em concursos aqui.
Antes, vejamos a lista de todas elas:

Art. 81 Conceder-se-á ao servidor licença: EXERCÍCIO COMENTADO


I - por motivo de doença em pessoa da família;
II - por motivo de afastamento do cônjuge ou 1. (CESPE-CEBRASPE – 2015) Acerca do regime jurídico
companheiro; dos servidores públicos civis da União, o próximo item
III - para o serviço militar; apresenta uma situação hipotética, seguida de uma
IV - para atividade política; assertiva a ser julgada.
V - para capacitação; Caio, analista judiciário do TRE/GO, está em gozo de
VI - para tratar de interesses particulares; licença para tratar de interesses particulares. Nessa
VII - para desempenho de mandato classista. situação, a referida licença pode ser interrompida, a
qualquer tempo, se for de interesse do tribunal.
Primeiramente, temos a licença por motivo de
doença em pessoa da família. A lista do que o estatu- ( ) CERTO  ( ) ERRADO
to considera família é a seguinte: cônjuge ou compa-
nheiro, pais, filhos, padrasto ou madrasta e enteado A licença para tratar interesses particulares é con-
ou dependente que viva a suas expensas e conste do cedida conforme discricionariedade da Adminis-
seu assentamento funcional. tração Pública, podendo ser revogada a qualquer
A licença poderá ser concedida da seguinte forma, tempo. Ou seja, o agente público responsável poderá
a cada período de 12 meses: concedê-la ou não, conforme o interesse do serviço.
REGIME JURÍDICO ÚNICO

Resposta: Certa.

A cada 12 meses, a licença AFASTAMENTOS


poderá ser concedida
São três os afastamentos previstos no artigo 93 e
seguintes:

z Servir a outro órgão ou entidade;


z Exercício de mandato eletivo;
Até 60 dias Até 90 dias z Afastamento para estudo ou missão no exterior.
(consecutivos ou não) (consecutivos ou não)

Mantida a remuneração Sem remuneração ao O servidor poderá ser cedido para ter exercício em
do servidor servidor outro órgão ou entidade dos Poderes da União, dos
Estados, ou do Distrito Federal e dos Municípios. A 25
cessão ocorrerá mediante Portaria publicada no Diá- e) não se aplica a servidores que já fizeram jus a benefí-
rio Oficial da União e, mediante autorização expres- cio semelhante, como é o caso de Claudio.
sa do Presidente da República, o servidor do Poder
Executivo poderá ter exercício em outro órgão da A ausência não excederá a 4 anos, e finda a missão
Administração Federal direta que não tenha quadro ou estudo, somente decorrido igual período, será
próprio de pessoal, para fim determinado e a prazo permitida nova ausência, conforme regramento
certo. legal. “Art. 95 O servidor não poderá ausentar-se do
No caso da segunda hipótese, o artigo 94 repete os País para estudo ou missão oficial, sem autorização
comandos constitucionais para cumulação do cargo do Presidente da República, Presidente dos Órgãos
com o mandato eletivo. do Poder Legislativo e Presidente do Supremo Tri-
bunal Federal. § 1º A ausência não excederá a 4
Art. 94 Ao servidor investido em mandato eletivo (quatro) anos, e finda a missão ou estudo, somente
aplicam-se as seguintes disposições:
decorrido igual período, será permitida nova ausên-
I - tratando-se de mandato federal, estadual ou dis-
cia.” Resposta: Letra C.
trital, ficará afastado do cargo;
II - investido no mandato de Prefeito, será afasta-
do do cargo, sendo-lhe facultado optar pela sua CONCESSÕES
remuneração;
III - investido no mandato de vereador: Vejamos as concessões previstas no estatuto. São
a) havendo compatibilidade de horário, perceberá benesses que o estatuto traz ligadas a ocorrências na
as vantagens de seu cargo, sem prejuízo da remu- vida particular do servidor, e constam basicamente
neração do cargo eletivo; do artigo 97:
b) não havendo compatibilidade de horário, será
afastado do cargo, sendo-lhe facultado optar pela
Art. 97 Sem qualquer prejuízo, poderá o servidor
sua remuneração.
ausentar-se do serviço:
§ 1º No caso de afastamento do cargo, o servidor
I - por 1 (um) dia, para doação de sangue;
contribuirá para a seguridade social como se em
exercício estivesse. II - pelo período comprovadamente necessário para
§ 2º O servidor investido em mandato eletivo ou alistamento ou recadastramento eleitoral, limita-
classista não poderá ser removido ou redistribuí- do, em qualquer caso, a 2 (dois) dias;
do de ofício para localidade diversa daquela onde III - por 8 (oito) dias consecutivos em razão de:
exerce o mandato. a) casamento;
b) falecimento do cônjuge, companheiro, pais,
Por fim, em relação ao último afastamento, o ser- madrasta ou padrasto, filhos, enteados, menor sob
vidor não poderá ausentar-se do País para estudo ou guarda ou tutela e irmãos.
missão oficial sem autorização do Presidente da Repú-
blica, Presidente dos Órgãos do Poder Legislativo e
Presidente do Supremo Tribunal Federal.
A ausência não excederá a 4 anos, e finda a mis- EXERCÍCIO COMENTADO
são ou estudo, somente será permitida nova ausência
decorrido igual período. 1. (FGV – 2016) Consoante ao que dispõe a Lei nº 8.112/90,
O afastamento de servidor para servir em orga- sem qualquer prejuízo, poderá um servidor civil de funda-
nismo internacional de que o Brasil participe ou ção pública federal ausentar-se do serviço:
com o qual coopere dar-se-á com perda total da
remuneração. a) por 3 (três) dias, para alistamento ou recadastramento
eleitoral fora da sede onde está lotado;
b) por 15 (quinze) dias, em razão de falecimento de
parente até o segundo grau;
EXERCÍCIO COMENTADO c) por 3 (três) dias, para manifestação sindical de greve;
d) por 5 (cinco) dias consecutivos, em razão de
1. (FCC – 2018) Claudio, servidor público do Tribunal Regio- casamento;
nal do Trabalho da 14ª Região, ausentou-se do País para
e) por 1 (um) dia, para doação de sangue.
missão oficial no exterior. O mencionado afastamento
observou todos os trâmites legais e perdurou por quatro
A questão nos cobra uma das concessões do artigo
anos, tendo Claudio regressado ao Brasil em 2012, assu-
97. Nesse caso, especificamente constante do inciso
mindo suas atividades. Em 2014, Claudio pleiteou novo
afastamento para estudo no exterior. Nos termos da Lei I. “Art. 97 Sem qualquer prejuízo, poderá o servidor
no 8.112/1990, o afastamento pleiteado: ausentar-se do serviço: I - por 1 (um) dia, para doa-
ção de sangue”. Resposta: Letra E.
a) não será possível, pois somente decorrido o período
de três anos contados do término do anterior afasta- DIREITO DE PETIÇÃO
mento é que se admite a nova ausência.
b) é possível. Vamos conhecer o direito de petição, que nada
c) não será possível, pois somente decorrido o período mais é do que o direito de solicitar informações e
de quatro anos contados do término do anterior afas- esclarecimentos para a defesa de um direito.
tamento é que se admite a nova ausência.
d) não é cabível, pois trata-se da mesma espécie de afas- Art. 104 É assegurado ao servidor o direito de
tamento concedido anteriormente, sendo necessário o requerer aos Poderes Públicos, em defesa de direito
26 transcurso de dez anos para que o servidor tenha direito. ou interesse legítimo.
O requerimento (artigo 105) será dirigido à auto- b) à expedição de certidões requeridas para defesa
ridade competente para decidi-lo e ser encaminhado de direito ou esclarecimento de situações de inte-
por intermédio daquela a que estiver imediatamente resse pessoal;
subordinado o requerente. Cabe pedido de recon- c) às requisições para a defesa da Fazenda Pública.
sideração à autoridade que houver expedido o ato VI - levar as irregularidades de que tiver ciência
ou proferido a primeira decisão, não podendo ser em razão do cargo ao conhecimento da autoridade
renovado. superior ou, quando houver suspeita de envolvi-
O pedido de reconsideração é uma forma do mento desta, ao conhecimento de outra autoridade
requerente argumentar à autoridade que proferiu a competente para apuração;
decisão de que ela decidiu incorretamente, antes de VII - zelar pela economia do material e a conserva-
ção do patrimônio público;
recorrer a outra autoridade.
VIII - guardar sigilo sobre assunto da repartição;
O requerimento e o pedido de reconsideração
IX - manter conduta compatível com a moralidade
deverão ser despachados no prazo de 5 dias e decidi-
administrativa;
dos dentro de 30 dias.
X - ser assíduo e pontual ao serviço;
O artigo 107 traz as possibilidades de recurso: XI - tratar com urbanidade as pessoas;
XII - representar contra ilegalidade, omissão
Art. 107 Caberá recurso: ou abuso de poder.
I - do indeferimento do pedido de reconsideração; Parágrafo único. A representação de que trata o
II - das decisões sobre os recursos sucessivamente inciso XII será encaminhada pela via hierárquica e
interpostos.
apreciada pela autoridade superior àquela contra a
§ 1º O recurso será dirigido à autoridade imedia-
qual é formulada, assegurando-se ao representan-
tamente superior à que tiver expedido o ato ou
do ampla defesa.
proferido a decisão, e, sucessivamente, em escala
ascendente, às demais autoridades.
§ 2º O recurso será encaminhado por intermédio da Não acredito na necessidade de decorar os disposi-
autoridade a que estiver imediatamente subordina- tivos. Veja que todos são bem lógicos; talvez o menos
do o requerente. lógico seja o destacado – o parágrafo único refere-se
exclusivamente a ele.
Pelo próprio significado do termo, saberemos que Em seguida, temos as proibições, previstas no
o pedido de reconsideração é endereçado à própria artigo 117. Aqui, já há uma preocupação maior, pois,
autoridade que proferiu a decisão. O recurso será à de acordo com a gravidade da proibição ferida, tere-
autoridade superior. mos uma punição mais grave. Deixaremos, desde já,
O prazo para interposição de pedido de reconside- a distribuição de acordo com a penalidade eventual-
ração ou de recurso é de 30 dias, a contar da publi- mente aplicável.
cação ou da ciência, pelo interessado, da decisão
recorrida. Proibições sujeitas à advertência
O direito de requerer prescreve:
z Ausentar-se do serviço durante o expediente, sem
z Em 5 anos, quanto aos atos de demissão e de cas- prévia autorização do chefe imediato;
sação de aposentadoria ou disponibilidade, ou que z Retirar, sem prévia anuência da autoridade
afetem interesse patrimonial e créditos resultan- competente, qualquer documento ou objeto da
tes das relações de trabalho; repartição;
z Em 120 dias, nos demais casos, salvo quando outro z Recusar fé a documentos públicos;
prazo for fixado em lei. z Opor resistência injustificada ao andamento de
documento e processo ou execução de serviço;
Dica z Promover manifestação de apreço ou desapreço
no recinto da repartição;
Prescrição é a impossibilidade de perseguir z Cometer a pessoa estranha à repartição, fora dos
determinado direito. A sua ocorrência é uma das casos previstos em lei, o desempenho de atribui-
bases da segurança jurídica de um ordenamento. ção que seja de sua responsabilidade ou de seu
subordinado;
REGIME DISCIPLINAR z Coagir ou aliciar subordinados no sentido de filia-
rem-se a associação profissional ou sindical, ou a
Para a devida aplicação das penalidades, por meio partido político;
de um regime disciplinar, primeiramente é neces- z Manter sob sua chefia imediata, em cargo ou fun-
REGIME JURÍDICO ÚNICO

sário estabelecer as bases por meio dos deveres e ção de confiança, cônjuge, companheiro ou paren-
proibições. te até o segundo grau civil;
Vejamos, inicialmente, os deveres: z Recusar-se a atualizar seus dados cadastrais quan-
do solicitado.
Art. 116 São deveres do servidor:
I - exercer com zelo e dedicação as atribuições do
Proibições sujeitas à suspensão
cargo;
II - ser leal às instituições a que servir;
III - observar as normas legais e regulamentares; z Cometer a outro servidor atribuições estranhas ao
IV - cumprir as ordens superiores, exceto quando cargo que ocupa, exceto em situações de emergên-
manifestamente ilegais; cia e transitórias;
V - atender com presteza: z Exercer quaisquer atividades que sejam incompa-
a) ao público em geral, prestando as informações tíveis com o exercício do cargo ou função e com o
requeridas, ressalvadas as protegidas por sigilo; horário de trabalho. 27
Proibições sujeitas à demissão No entanto, a literalidade do dispositivo é passível
de cobrança em provas, portanto, devemos estar aten-
z Participar de gerência ou administração de socie- tos. Vejamos o dispositivo em questão:
dade privada, personificada ou não personificada;
z Exercer o comércio, exceto na qualidade de acio- Art. 137 [...]
nista, cotista ou comanditário (tal proibição não se Parágrafo único. Não poderá retornar ao serviço
aplica na participação nos conselhos de adminis- público federal o servidor que for demitido ou desti-
tração e fiscal de empresas ou entidades em que a tuído do cargo em comissão por infringência do art.
132, incisos I, IV, VIII, X e XI.
União detenha, direta ou indiretamente, participa-
ção no capital social ou em sociedade cooperativa
As hipóteses nele citadas são as seguintes:
constituída para prestar serviços a seus membros
nem no gozo de licença para o trato de interesses
Art. 132 A demissão será aplicada nos seguintes
particulares, observada a legislação sobre conflito casos:
de interesses); I - crime contra a administração pública;
z Receber propina, comissão, presente ou vantagem IV - improbidade administrativa;
de qualquer espécie, em razão de suas atribuições; VIII - aplicação irregular de dinheiros públicos;
z Aceitar comissão, emprego ou pensão de estado X - lesão aos cofres públicos e dilapidação do patri-
estrangeiro; mônio nacional;
z Praticar usura sob qualquer de suas formas; XI - corrupção.
z Proceder de forma desidiosa;
z Utilizar pessoal ou recursos materiais da reparti-
ção em serviços ou atividades particulares.
EXERCÍCIO COMENTADO
Proibições sujeitas à demissão que incompatibilizam
o ex-servidor para nova investidura em cargo público 1. (FCC – 2013) O Sr. Joaquim, servidor público federal
federal, pelo prazo de 5 (cinco) anos junto ao TRT da 15ª Região, atuou como intermediá-
rio junto à repartição pública para tratar de benefício
z Valer-se do cargo para lograr proveito pessoal ou previdenciário de um parente de segundo grau. Nos
de outrem, em detrimento da dignidade da função termos da Lei, essa conduta:
pública;
z Atuar, como procurador ou intermediário, jun- a) não configura infração.
to a repartições públicas, salvo quando se tratar b) está sujeita à pena de advertência.
c) está sujeita à pena de suspensão.
de benefícios previdenciários ou assistenciais
d) está sujeita à pena de demissão.
de parentes até o segundo grau, e de cônjuge ou
e) está sujeita à pena de exoneração.
companheiro.
A própria lei traz a exceção à proibição. Portanto, a
Há casos em que a demissão ou a destituição de car-
situação trazida pela questão não configura infra-
go em comissão, de acordo com os atos praticados, terá
ção. “Art. 117 Ao servidor é proibido: XI - atuar,
outras consequências que visam resguardar o interesse como procurador ou intermediário, junto a repar-
público. Vejamos primeiramente o artigo 136: tições públicas, salvo quando se tratar de benefícios
previdenciários ou assistenciais de parentes até o
Art. 136 A demissão ou a destituição de cargo em segundo grau, e de cônjuge ou companheiro.” Res-
comissão, nos casos dos incisos IV, VIII, X e XI do
posta: Letra A.
art. 132, implica a indisponibilidade dos bens e o
ressarcimento ao erário, sem prejuízo da ação
Penalidades
penal cabível.
Agora vamos conhecer o artigo 127. Vejamos:
Observemos as hipóteses em relação às quais
haverá a indisponibilidade de bens e ressarcimento
Art. 127 São penalidades disciplinares:
ao erário, nos termos do artigo 136. I - advertência;
II - suspensão;
Art. 132 A demissão será aplicada nos seguintes III - demissão;
casos: IV - cassação de aposentadoria ou disponibilidade;
IV - improbidade administrativa; V - destituição de cargo em comissão;
VIII - aplicação irregular de dinheiros públicos; VI - destituição de função comissionada.
X - lesão aos cofres públicos e dilapidação do patri-
mônio nacional; Na aplicação das penalidades, serão consideradas
XI - corrupção. a natureza e a gravidade da infração cometida, os
danos que dela provierem para o serviço público, as
Para facilitar sua memorização, perceba que as circunstâncias agravantes ou atenuantes e os ante-
hipóteses trazidas são aquelas em que há prejuízo já cedentes funcionais.
causado ou potencial aos cofres públicos. Anteriormente, vimos a correlação das proibições
O parágrafo único do artigo 137 traz a impossibili- com as respectivas penalidades. No entanto, ainda há
dade do retorno ao serviço público federal em deter- algumas informações importantes sobre isso.
minadas hipóteses. O dispositivo é questionado junto O dispositivo referente à advertência traz-nos uma
ao STF por, em tese, configurar pena perpétua, o que possibilidade ampla de aplicação ao seu final. Portan-
28 é vedado pela CF/88. to, devemos ter em mente que, para a advertência,
podemos ter hipóteses que não constam da Lei nº O estatuto traz, assim como a Constituição Federal,
8.112/90, que estudamos neste momento. vedação a cumulação de cargos. Acompanhe o dispos-
to no artigo 118:
Art. 129 A advertência será aplicada por escrito,
nos casos de violação de proibição constante do Art. 118 Ressalvados os casos previstos na Cons-
art. 117, incisos I a VIII e XIX, e de inobservância tituição, é vedada a acumulação remunerada de
de dever funcional previsto em lei, regulamentação cargos públicos.
ou norma interna, que não justifique imposição de § 1º A proibição de acumular estende-se a cargos,
penalidade mais grave. empregos e funções em autarquias, fundações
públicas, empresas públicas, sociedades de econo-
mia mista da União, do Distrito Federal, dos Esta-
Temos também a possibilidade de aplicação da
dos, dos Territórios e dos Municípios.
suspensão em caso de reincidência em proibições § 2º A acumulação de cargos, ainda que lícita, fica
sujeitas à advertência. condicionada à comprovação da compatibilidade
de horários.
Art. 130 A suspensão será aplicada em caso de § 3º Considera-se acumulação proibida a percepção
reincidência das faltas punidas com advertência de vencimento de cargo ou emprego público efeti-
e de violação das demais proibições que não tipi- vo com proventos da inatividade, salvo quando os
fiquem infração sujeita a penalidade de demissão, cargos de que decorram essas remunerações forem
não podendo exceder de 90 (noventa) dias. acumuláveis na atividade.

Temos outras hipóteses de demissão além daque- O dispositivo acima traz uma regra geral e a res-
las que conhecemos quando estudamos as proibições. pectiva abrangência. Chamo atenção para o parágrafo
Elas constam do artigo 132: terceiro, que se refere à vedação da cumulação tam-
bém na inatividade. A regra é simples: se inacumulá-
Art. 132 A demissão será aplicada nos seguintes vel em atividade, inacumulável na aposentadoria.
casos: Em seguida, temos a vedação também para os car-
I - crime contra a administração pública; gos em comissão, constante do artigo 119. Vejamos
II - abandono de cargo; sua literalidade:
III - inassiduidade habitual;
IV - improbidade administrativa; Art. 119 O servidor não poderá exercer mais de
V - incontinência pública e conduta escandalosa, na um cargo em comissão, exceto no caso previsto no
repartição; parágrafo único do art. 9º, nem ser remunerado
VI - insubordinação grave em serviço; pela participação em órgão de deliberação coletiva.
VII - ofensa física, em serviço, a servidor ou a par- Parágrafo único. O disposto neste artigo não se
ticular, salvo em legítima defesa própria ou de aplica à remuneração devida pela participação
em conselhos de administração e fiscal das empre-
outrem;
sas públicas e sociedades de economia mista, suas
VIII - aplicação irregular de dinheiros públicos;
subsidiárias e controladas, bem como quaisquer
IX - revelação de segredo do qual se apropriou em
empresas ou entidades em que a União, direta ou
razão do cargo;
indiretamente, detenha participação no capital
X - lesão aos cofres públicos e dilapidação do patri- social, observado o que, a respeito, dispuser legis-
mônio nacional; lação específica.
XI - corrupção;
XII - acumulação ilegal de cargos, empregos ou fun-
O artigo 9º traz o exercício interino de outro car-
ções públicas;
go de confiança, caso em que deverá ser feita a opção
XIII - transgressão dos incisos IX a XVI do art. 117.
pela remuneração de um dos cargos.
Na sequência, o artigo 120 traz a possibilidade de
cumulação de um cargo efetivo com um cargo em
comissão, desde que haja compatibilidade de horários.
EXERCÍCIO COMENTADO
Art. 120 O servidor vinculado ao regime desta
1. (CESPE-CEBRASPE – 2018) João, servidor público res- Lei, que acumular licitamente dois cargos efeti-
ponsável pelo setor financeiro de uma autarquia federal, vos, quando investido em cargo de provimento em
sem observar as formalidades legais necessárias, facili- comissão, ficará afastado de ambos os cargos efeti-
tou a incorporação, ao patrimônio particular de entidade vos, salvo na hipótese em que houver compatibili-
REGIME JURÍDICO ÚNICO

privada sem fins lucrativos, de valores a ela repassados dade de horário e local com o exercício de um deles,
mediante a celebração de parceria. Nessa situação hipo- declarada pelas autoridades máximas dos órgãos
tética, conforme a legislação e a doutrina a respeito de ou entidades envolvidos.
improbidade administrativa e regime disciplinar do ser-
O estatuto traz um procedimento sumário para
vidor público federal, a pena disciplinar máxima a que
o caso de acumulação ilegal de cargos. Ele consta do
João estará sujeito é a suspensão por noventa dias.
artigo 133 e é recorrente em provas. Vejamos a lite-
ralidade do dispositivo, que é de fácil entendimento:
( ) CERTO  ( ) ERRADO
Art. 133 Detectada a qualquer tempo a acumula-
Os casos de improbidade administrativa estão entre ção ilegal de cargos, empregos ou funções públicas,
as hipóteses sujeitas à demissão: “Art. 132 A demis- a autoridade a que se refere o art. 143 notificará
são será aplicada nos seguintes casos: IV - improbi- o servidor, por intermédio de sua chefia imediata,
dade administrativa”. Resposta: Errado. para apresentar opção no prazo improrrogável de 29
dez dias, contados da data da ciência e, na hipótese z Pelas autoridades administrativas de hierarquia
de omissão, adotará procedimento sumário para a imediatamente inferior àquelas mencionadas no
sua apuração e regularização imediata, cujo pro- inciso anterior, quando se tratar de suspensão
cesso administrativo disciplinar se desenvolverá superior a 30 dias;
nas seguintes fases: z Pelo chefe da repartição e outras autoridades na for-
I - instauração, com a publicação do ato que consti- ma dos respectivos regimentos ou regulamentos, nos
tuir a comissão, a ser composta por dois servidores casos de advertência ou de suspensão de até 30 dias;
estáveis, e simultaneamente indicar a autoria e a z Pela autoridade que houver feito a nomeação, quan-
materialidade da transgressão objeto da apuração; do se tratar de destituição de cargo em comissão.
II - instrução sumária, que compreende indiciação,
defesa e relatório;
Vejamos agora a sindicância e o processo admi-
III - julgamento.
§ 7º O prazo para a conclusão do processo adminis-
nistrativo disciplinar. Ambos podem resultar em
trativo disciplinar submetido ao rito sumário não aplicação de penalidades; no entanto, temos algumas
excederá trinta dias, contados da data de publica- diferenças importantes.
ção do ato que constituir a comissão, admitida a A autoridade que tiver ciência de irregularidade
sua prorrogação por até quinze dias, quando as cir- no serviço público é obrigada a promover a sua apu-
cunstâncias o exigirem. ração imediata, mediante sindicância ou processo
administrativo disciplinar, assegurada ao acusado
Será cassada a aposentadoria ou a disponibilidade ampla defesa.
do inativo que houver praticado, na atividade, falta Da sindicância poderá resultar:
punível com a demissão.
Configura abandono de cargo a ausência inten- z Arquivamento do processo;
cional do servidor ao serviço por mais de trinta dias z Aplicação de penalidade de advertência ou sus-
consecutivos (artigo 138). pensão de até 30 dias;
Entende-se por inassiduidade habitual a falta ao z Instauração de processo disciplinar.
serviço, sem causa justificada, por sessenta dias, inter-
poladamente, durante o período de doze meses (artigo Sempre que o ilícito praticado pelo servidor ensejar
139). a imposição de penalidade de suspensão por mais de 30
dias, de demissão, cassação de aposentadoria ou dispo-
nibilidade, ou destituição de cargo em comissão, será
Dica obrigatória a instauração de processo disciplinar.
A inassiduidade não é contada dentro no ano O processo disciplinar é o instrumento destina-
civil, e sim em um período de 12 meses. do a apurar responsabilidade de servidor por infra-
ção praticada no exercício de suas atribuições, ou que
O artigo 140 impõe o procedimento do artigo 133, tenha relação com as atribuições do cargo em que se
visto acima, aos casos de abandono de cargo ou inas- encontre investido e será conduzido por comissão
siduidade habitual: composta de três servidores estáveis designados pela
autoridade competente.
Art. 140 Na apuração de abandono de cargo ou O processo disciplinar se desenvolve nas seguintes
inassiduidade habitual, também será adotado o fases:
procedimento sumário a que se refere o art. 133,
observando-se especialmente que: z Instauração, com a publicação do ato que consti-
I - a indicação da materialidade dar-se-á: tuir a comissão;
a) na hipótese de abandono de cargo, pela indica- z Inquérito administrativo, que compreende ins-
ção precisa do período de ausência intencional do trução, defesa e relatório;
servidor ao serviço superior a trinta dias; z Julgamento.
b) no caso de inassiduidade habitual, pela indicação
dos dias de falta ao serviço sem causa justificada, O prazo para a conclusão do processo disciplinar não
por período igual ou superior a sessenta dias inter- excederá 60 dias, contados da data de publicação do ato
poladamente, durante o período de doze meses; que constituir a comissão, admitida a sua prorrogação
II - após a apresentação da defesa a comissão ela- por igual prazo, quando as circunstâncias o exigirem.
borará relatório conclusivo quanto à inocência ou Feitas essas considerações gerais sobre o processo
à responsabilidade do servidor, em que resumirá as administrativo disciplinar, vamos a algumas informa-
peças principais dos autos, indicará o respectivo
ções pormenorizadas.
dispositivo legal, opinará, na hipótese de abandono
Sobre o inquérito, a lei impõe que obedecerá ao
de cargo, sobre a intencionalidade da ausência ao
princípio do contraditório, assegurada ao acusado
serviço superior a trinta dias e remeterá o processo
ampla defesa, com a utilização dos meios e recursos
à autoridade instauradora para julgamento.
admitidos em direito. Frente ao texto acima, seguem
as normas legais:
As penalidades disciplinares serão aplicadas, con-
forme o artigo 141:
Na fase do inquérito, a comissão promoverá a
tomada de depoimentos, acareações, investigações
z Pelo Presidente da República, Presidentes das e diligências cabíveis, objetivando a coleta de prova,
Casas do Poder Legislativo e dos Tribunais Fede- recorrendo, quando necessário, a técnicos e peritos,
rais e Procurador-Geral da República, quando se de modo a permitir a completa elucidação dos fatos.
tratar de demissão e cassação de aposentadoria ou Apreciada a defesa, a comissão elaborará relatório
disponibilidade de servidor vinculado ao respecti- minucioso, onde resumirá as peças principais dos
30 vo Poder, órgão, ou entidade; autos e mencionará as provas em que se baseou
para formar a sua convicção. O relatório será sem- § 1º A indenização de prejuízo dolosamente causado
pre conclusivo quanto à inocência ou à responsa- ao erário somente será liquidada na forma prevista
bilidade do servidor. no art. 46, na falta de outros bens que assegurem a
O processo disciplinar, com o relatório da comis- execução do débito pela via judicial.
são, será remetido à autoridade que determinou a § 2º Tratando-se de dano causado a terceiros,
sua instauração, para julgamento. responderá o servidor perante a Fazenda Pública,
Na fase do julgamento, no prazo de 20 dias, con- em ação regressiva.
tados do recebimento do processo, a autoridade jul- § 3º A obrigação de reparar o dano estende-se aos
gadora proferirá a sua decisão. Se a penalidade a sucessores e contra eles será executada, até o limite
ser aplicada exceder a alçada da autoridade instau- do valor da herança recebida.
radora do processo, este será encaminhado à auto-
ridade competente, que decidirá em igual prazo. O parágrafo segundo, acima, está em consonân-
O julgamento fora do prazo legal não implica nuli- cia com o disposto no parágrafo sexto do artigo 37 da
dade do processo. Constituição Federal, trazendo a possibilidade de ação
O processo disciplinar poderá ser revisto, a regressiva.
qualquer tempo, a pedido ou de ofício, quando se Relembrando: caso alguém sofra um dano causado
aduzirem fatos novos ou circunstâncias suscetíveis por agente público, deverá acionar o Estado, que, se
de justificar a inocência do punido ou a inadequa- for o caso, acionará o servidor para arcar com os cus-
ção da penalidade aplicada.
tos, por meio de ação regressiva.
A simples alegação de injustiça da penalidade não
A responsabilidade penal abrange os crimes e con-
constitui fundamento para a revisão, que requer
travenções imputadas ao servidor, nessa qualidade,
elementos novos, ainda não apreciados no proces-
so originário.
conforme artigo 123. Ou seja, a ação ou omissão deve-
A comissão revisora terá 60 dias para a conclusão rá ocorrer como servidor, não se confundindo com a
dos trabalhos. vida particular do servidor, em regra.
No mesmo sentido vai a lei ao se referir à respon-
sabilidade civil-administrativa, desta vez no seu arti-
go 124:
EXERCÍCIO COMENTADO
Art. 124 A responsabilidade civil-administrativa
1. (VUNESP - 2018) Para o servidor inativo que, na ativi- resulta de ato omissivo ou comissivo praticado no
desempenho do cargo ou função.
dade, houver praticado falta punível com a demissão,
a Lei nº 8.112/90 – Regime Jurídico dos Servidores
É importantíssimo ressaltar a independência entre
Públicos Civis da União prevê:
as esferas de responsabilidade e sua possibilidade de
cumulação, conforme constante do artigo 125:
a) pagamento de indenização aos cofres públicos.
b) suspensão dos seus vencimentos.
Art. 125 As sanções civis, penais e administrativas
c) nenhuma penalidade.
poderão cumular-se, sendo independentes entre si.
d) advertência por escrito.
e) a cassação da aposentadoria.
Há, no entanto, uma exceção de influência entre
as formas de responsabilização e o caso da absolvição
A alternativa correta é a letra E, de acordo com o
penal que negue o fato ou a autoria por parte do servi-
comando do artigo 134. “Art. 134 Será cassada a
dor. Vejamos, primeiramente, o dispositivo:
aposentadoria ou a disponibilidade do inativo que
houver praticado, na atividade, falta punível com a Art. 126 A responsabilidade administrativa do ser-
demissão.” Resposta: Letra E. vidor será afastada no caso de absolvição criminal
que negue a existência do fato ou sua autoria.
O servidor poderá ser responsabilizado em dife-
rentes esferas de responsabilidade. A que vimos Veja que o dispositivo é bastante lógico, pois, se a
acima, com seus respectivos detalhes, é referente à Justiça Penal, que tem um rito bastante rigoroso, con-
reponsabilidade administrativa. No entanto, o servi- cluir que o fato não existiu ou que outra pessoa foi a
dor poderá ser responsabilizado nas esferas adminis- responsável, como poderia o servidor ainda assim ser
trativa, penal e cível, de maneira independente. responsabilizado?
Vejamos o comando do artigo 121, que traz essas Por fim, temos um dispositivo que traz proteção
REGIME JURÍDICO ÚNICO

esferas de responsabilidade. ao servidor que eventualmente queira dar ciência de


práticas ilícitas à autoridade superior, ainda que o
Art. 121 O servidor responde civil, penal e admi- fato seja levado à autoridade diferente da que deveria
nistrativamente pelo exercício irregular de suas ser cientificada de acordo com a posição funcional no
atribuições. servidor:

A responsabilidade cível poderá decorrer de ação Art. 126-A Nenhum servidor poderá ser responsa-
ou omissão e poderá ser apurada por dano causado à bilizado civil, penal ou administrativamente por
própria Administração Pública ou a terceiros, confor- dar ciência à autoridade superior ou, quando hou-
me comando do artigo 122. ver suspeita de envolvimento desta, a outra auto-
ridade competente para apuração de informação
Art. 122 A responsabilidade civil decorre de ato concernente à prática de crimes ou improbidade de
omissivo ou comissivo, doloso ou culposo, que que tenha conhecimento, ainda que em decorrência
resulte em prejuízo ao erário ou a terceiros. do exercício de cargo, emprego ou função pública. 31
Finalmente, no tange ao direito de punir da Admi- as organizações obtenham produtividade e qualidade
nistração Pública, o artigo 142 traz o prazo de prescri- em suas atividades, é preciso que os trabalhadores
ção para a ação disciplinar, que é a perda do direito estejam satisfeitos e motivados em seus cargos. Por
por parte do Estado de punir o servidor que cometeu isso, a competitividade das organizações necessaria-
a infração. mente depende da QVT.
A QVT é um conceito complexo e compreende
Art. 142 A ação disciplinar prescreverá: diversos fatores, conforme destacado por Chiavenato
I - em 5 (cinco) anos, quanto às infrações puníveis (2014):
com demissão, cassação de aposentadoria ou dis-
ponibilidade e destituição de cargo em comissão;
z Satisfação com as atividades realizadas no cargo.
II - em 2 (dois) anos, quanto à suspensão;
III - em 180 (cento e oitenta) dias, quanto à z Possibilidade de crescer e se desenvolver na
advertência. organização.
§ 1º O prazo de prescrição começa a correr da data z Ser reconhecido pelo trabalho realizado e as metas
em que o fato se tornou conhecido. atingidas.
§ 2º Os prazos de prescrição previstos na lei penal z Receber remuneração (incluindo salário, benefí-
aplicam-se às infrações disciplinares capituladas cios e incentivos) adequada às atividades do cargo
também como crime. e ao desempenho obtido.
§ 3º A abertura de sindicância ou a instauração de z Ter bons relacionamentos com as chefias e os cole-
processo disciplinar interrompe a prescrição, até a
gas de trabalho.
decisão final proferida por autoridade competente.
z Trabalhar em ambientes agradáveis fisicamente e
§ 4º Interrompido o curso da prescrição, o prazo
começará a correr a partir do dia em que cessar a psicologicamente.
interrupção. z Ter liberdade na execução das atividades do
trabalho.
Em relação ao parágrafo primeiro, acima, a ques- z Poder engajar-se nas atividades do trabalho e par-
tão em prova poderá trocar os termos, colocando ticipar ativamente nas decisões.
como termo inicial o momento da ocorrência do fato.
Portanto, atente-se a esse ponto. PROGRAMAS DE QUALIDADE DE VIDA NO
Em relação ao termo interrupção da prescrição TRABALHO
acima, fica o alerta para os que estão acostumados ao
termo no estudo do Direito. Aqui, ele está com sentido No intuito de oferecer maior bem-estar e satisfa-
diverso, não zerando o prazo em contagem mas, sim- ção aos trabalhadores, as organizações podem ado-
plesmente, parando sua contagem e retornando em tar alguns programas de QVT. Esses programas têm o
seguida, conforme parágrafos terceiro e quarto. objetivo de tornar a organização um local mais huma-
nizado. No entanto, antes de definir as melhores prá-
ticas de QVT, é preciso considerar os processos de GP,
a cultura da organização, seus objetivos, entre outros
O SERVIDOR PÚBLICO COMO AGENTE aspectos organizacionais. Esses programas podem
estar associados, por exemplo, à redução da rotativi-
DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E
dade e do absenteísmo, ou melhoria na saúde e segu-
SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA NO rança dos trabalhadores.
SERVIÇO PÚBLICO Dentre os programas/modelos de QVT, destacam-se
os propostos por Walton (1973), Hackman e Oldham
De acordo com Limongi-França (2004), a qualidade (1975) e Nadler e Lawler (1983). Neste material é des-
de vida no trabalho (QVT) surge a partir das mudan- crito o modelo de Walton, composto por oito fatores,
ças ocorridas nas relações de trabalho. O termo surgiu mas os demais modelos podem ser visualizados no
por volta de 1970 e indica um cuidado com o bem-es- livro de Chiavenato (2014).
tar dos trabalhadores, o que não havia, por exem-
plo, na época do surgimento das teorias de Taylor e
Fayol. O desenvolvimento da QVT pode ser apresen- FATORES DE QVT DIMENSÕES
tado por duas perspectivas. De um lado, temos uma Remuneração adequada
maior reivindicação dos trabalhadores em busca de 1. Compensação justa e ao salário.
boas condições e saúde no trabalho. Do outro lado, adequada Equidade interna e
há interesses por parte da organização que os traba- externa.
lhadores tenham maior qualidade de vida e, assim,
aumentem a produtividade e qualidade das tarefas Jornada de trabalho.
2. Condições de trabalho
desempenhadas. seguras e saudáveis Ambiente físico seguro e
Albuquerque e Limongi-França (1998, p. 42) defi- saudável.
nem a qualidade de vida no trabalho como o “[...] 3. Oportunidades ime- Autonomia.
conjunto de ações de uma empresa que envolve diatas para desenvolver
diagnóstico e implantação de melhorias e inovações Significado da tarefa.
e usar as capacidades
gerenciais, tecnológicas e estruturais dentro e fora do humanas Variedade de habilidades.
ambiente de trabalho, visando propiciar condições
plenas de desenvolvimento humano para e durante a 4. Oportunidades futu- Possibilidade de carreira.
realização do trabalho”. ras para o crescimento Crescimento profissional.
Chiavenato (2014) destaca que falar em QVT signi- contínuo e a garantia de
emprego Segurança no emprego.
32 fica falar em respeito com os trabalhadores. Para que
FATORES DE QVT DIMENSÕES da capacidade para o trabalho”. Os acidentes podem
ocorrer em consequência de agressão física, sabota-
Relacionamentos inter-
5. Integração social na gem ou terrorismo; ofensa física intencional; ato de
pessoais e intergrupais.
organização imprudência, negligência ou imperícia; desabamento,
Senso comunitário. inundação e incêndio; no trajeto da residência para o
Respeito às leis e direitos trabalho e vice-versa.
trabalhistas. Os acidentes de trabalho podem ocorrer, de acor-
Privacidade pessoal. do com Chiavenato (2014), em função de condições
6. Constitucionalismo na
inseguras ou atos inseguros.
organização Liberdade de expressão. Condições inseguras incluem, por exemplo, equi-
Normas e rotinas claras pamentos defeituosos, ventilação imprópria e tempe-
na organização. ratura elevada no ambiente de trabalho.
7. Trabalho e espaço total Equilíbrio entre trabalho e Atos inseguros envolvem, por exemplo, subir as esca-
na vida do indivíduo vida pessoal. das sem apoiar-se no corrimão, carregar caixas pesadas
de forma inadequada e não usar procedimentos seguros.
Imagem da empresa.
8. Relevância social do Por último, o estresse “é um conjunto de reações
trabalho Responsabilidade social físicas, químicas e mentais de uma pessoa decorrente
da instituição. de estímulos ou estressores que existem no ambiente”
(CHIAVENATO, 2014, p. 405). São duas as fontes princi-
Fonte: adaptado de Chiavenato (2014, p. 421-422). pais de estresse: ambientais e pessoais.
As causas ambientais de estresse estão fora do
PROMOÇÃO DE SAÚDE AO SERVIDOR controle do indivíduo. Por exemplo, se um indivíduo
trabalha em uma empresa que realiza atividades de
As organizações devem se preocupar, além da QVT, demolição de materiais resistentes com britadeiras,
com a saúde dos trabalhadores. Um trabalhador sau- o ruído dessas máquinas podem gerar estresse. Um
dável é aquele que não possui doenças, sejam elas físi- outro exemplo de causa ambiental de estresse é o
cas ou psicológicas. Ações preventivas para promover cliente. O vendedor não tem controle sobre um cliente
a saúde dos empregados garantem que os trabalhado- que acordou em um mal dia porque teve uma discus-
res tenham um bom estado físico, mental e social. De são com a esposa e não conseguiu descansar durante
acordo com Chiavenato (2014), a saúde do trabalha- a noite e, ao acordar foi fazer compras.
dor pode ser prejudicada por doenças, acidentes ou
As causas pessoais, por outro lado, são característi-
estresse emocional.
cas individuais do trabalhador, como pessoas viciadas
As doenças que podem ser desenvolvidas em
em trabalho, falta de paciência e condições precárias
função do trabalho incluem, entre outras: câncer
de saúde. Considerando o exemplo do cliente mal-hu-
por radiação, lesão por esforço repetitivo, distúrbios
morado, ainda que o vendedor não tenha controle
osteomusculares, dermatite, reumatismo, intoxica-
sobre o estado de espírito do cliente, se o vendedor
ção, surdez, síndrome de burnout e síndrome do pâni-
não tem paciência, o estresse tende a piorar. No caso
co. As organizações podem prevenir essas doenças
do trabalhador da empresa com ruídos de britadeiras,
quando implementam o Programa de Controle Médi-
se ele for viciado em trabalho, isto é, se tiver o hábito
co e Saúde Ocupacional (PCMSO) que, segundo a Por-
de trabalhar por longas jornadas, o estresse também
taria nº 24/1994, é um programa obrigatório. Assim,
as organizações podem agir preventivamente ao rea- pode aumentar, pois terá que ouvir o barulho das
lizar exame médico pré-admissional, exames médicos máquinas por mais tempo.
periódicos, palestras etc. São responsabilidades das
organizações, de acordo com a Portaria: POLÍTICAS DE INCLUSÃO

z Garantir a elaboração e efetiva implementação do Muito se fala sobre diversidade nas organizações:
PCMSO, bem como zelar pela sua eficácia; diversidade de gênero, de raça, de idade, de origem,
z Custear, sem ônus para o empregado, todos os pro- deficiência física etc. No entanto, ainda que esses gru-
cedimentos relacionados ao PCMSO; pos minoritários tenham alcançado, nos últimos anos,
z Indicar, dentre os médicos dos Serviços Especiali- maior representatividade nos ambientes de trabalho,
zados em Engenharia de Segurança e Medicina do a exclusão deles nos grupos de maior influência ainda
Trabalho (SESMT), da empresa, um coordenador pode ser considerado um obstáculo a vencer.
A inclusão, de acordo com Mor Barak (2015) reme-
REGIME JURÍDICO ÚNICO

responsável pela execução do PCMSO;


z No caso de a empresa estar desobrigada de manter te ao sentimento de pertença do indivíduo no sistema
médico do trabalho, de acordo com a NR-4, deverá organizacional tanto nos processos formais (acesso à
o empregador indicar médico do trabalho, empre- informação, por exemplo) quanto nos processos infor-
gado ou não da empresa, para coordenar o PCMSO; mais (como um happy hour após o trabalho).
z Inexistindo médico do trabalho na localidade, o Para que um indivíduo se sinta incluído em um
empregador poderá contratar médico de outra grupo de trabalho, duas necessidades devem ser aten-
especialidade para coordenar o PCMSO. didas: pertencimento e singularidade. Isto significa
que o trabalhador deve não apenar sentir-se parte do
O acidente no trabalho, conforme art. 2º da Lei grupo, mas também perceber que suas características
nº 6.367/1976 “é aquele que ocorrer pelo exercício e particularidades são valorizadas. Sendo assim, tra-
do trabalho a serviço da empresa, provocando lesão tar de políticas de inclusão indica criar ações para que
corporal ou perturbação funcional que cause a mor- os grupos minoritários sejam incluídos nas organiza-
te, ou perda, ou redução, permanente ou temporária, ções formais e informais. 33
3. (CESPE-CEBRASPE – 2018) Julgue o seguinte item de
EXERCÍCIOS COMENTADOS acordo com as disposições constitucionais e legais
acerca dos agentes públicos.
1. (CESPE-CEBRASPE –2004) No que se refere ao com- A reversão constitui a reinvestidura do servidor estável
portamento organizacional, julgue os itens a seguir. no cargo anteriormente ocupado, e ocorre quando é
Não existe relação entre o desempenho e a motiva- invalidada a demissão do servidor por decisão judicial
ção do indivíduo e o estabelecimento de metas nas ou administrativa. Nesse caso, o servidor deve ser res-
organizações. sarcido de todas as vantagens que deixou de perceber
durante o período demissório.
( ) CERTO  ( ) ERRADO
( ) CERTO  ( ) ERRADO
O desempenho, a motivação e o estabelecimento de
metas pelo líder estão totalmente relacionados no 4. (CESPE-CEBRASPE – 2018) A investidura em cargo
ambiente organizacional. Resposta: Errado. público ocorrerá com o(a)

2. (FCC – 2009) A abordagem da Qualidade de Vida no a) nomeação.


Trabalho envolve duas dimensões potencialmente b) posse.
antagônicas. São elas: c) exercício.
d) provimento.
a) A melhoria contínua dos processos e a necessidade e) classificação em todas as etapas do concurso público.
de lazer dos trabalhadores.
b) A necessidade de aumentos constantes de produti- 5. (CESPE-CEBRASPE – 2018) De acordo com a Lei n.º
vidade no trabalho e a luta dos trabalhadores pelas 8.112/1990, em caso de servidor público estável cuja
melhorias salariais. demissão tenha sido invalidada por decisão adminis-
c) O bem-estar e a satisfação dos funcionários no traba- trativa ou judicial, deverá ocorrer a
lho e a produtividade e a qualidade.
d) A preservação do meio ambiente e a expansão da pro-
a) recondução.
dução industrial.
b) reintegração.
e) O crescente uso de tecnologias poupadoras de mão
c) redistribuição.
de obra e a necessidade de elevar a qualificação dos
d) readaptação.
trabalhadores.
e) reversão.
De um lado, a QVT busca atender à reivindicação
6. (CESPE-CEBRASPE – 2018) Acerca de administração
dos trabalhadores a respeito de boas condições e
de cargos, carreiras e salários, julgue o item a seguir.
saúde no trabalho. Do outro lado, há interesses
Na administração pública, a remuneração abrange o
por parte da organização de que os trabalhadores
ressarcimento por dispêndios havidos pelo servidor
tenham maior qualidade de vida e, assim, aumen-
em razão da execução de atividades laborais.
tem a produtividade e qualidade das tarefas desem-
penhadas. Resposta: Letra C.
( ) CERTO  ( ) ERRADO

7. CESPE-CEBRASPE – 2018) Acerca do regime jurídico


HORA DE PRATICAR! dos servidores públicos federais, julgue o item a seguir.
Além do vencimento, poderão ser pagas ao servidor
1. (CESPE-CEBRASPE – 2019) Se um servidor em dis- as seguintes vantagens: indenizações, gratificações e
ponibilidade reingressa no serviço público, em cargo adicionais, incorporando-se as duas últimas ao venci-
de natureza e padrão de vencimento correspondentes mento ou provento, nas condições indicadas em lei.
ao que ocupava, então, nesse caso, ocorre o que se
denomina ( ) CERTO  ( ) ERRADO

a) redistribuição. 8. (CESPE-CEBRASPE– 2018) Com base nas disposi-


b) aproveitamento. ções da Lei n.º 8.112/1990, julgue o item a seguir.
c) readaptação. Nos casos de falecimento, exoneração, colocação de
d) recondução. imóvel funcional à disposição do servidor ou aquisi-
e) remoção. ção de imóvel pelo servidor, o auxílio-moradia será
pago por ainda um mês.
2. (CESPE-CEBRASPE – 2018) Acerca do acesso à
informação, dos servidores públicos e do processo ( ) CERTO  ( ) ERRADO
administrativo no âmbito federal, julgue o item que se
segue. 9. (CESPE-CEBRASPE – 2018) Com base no disposto na
Se sofrer um acidente que o leve à incapacidade física, Lei n.º 8.112/1990, julgue o item seguinte.
o servidor público federal poderá ser readaptado em O servidor em estágio probatório não poderá afastar-
cargo de atribuições e responsabilidades compatíveis -se para servir em organismo internacional de que o
com as suas limitações, ficando em disponibilidade Brasil participe ou com o qual coopere, ainda que com
até a vacância do cargo adequado. a perda total da remuneração.

34 ( ) CERTO  ( ) ERRADO ( ) CERTO  ( ) ERRADO


10. CESPE-CEBRASPE – 2018) Com base no disposto na facilitou a incorporação, ao patrimônio particular de
legislação administrativa, julgue o item a seguir. entidade privada sem fins lucrativos, de valores a ela
Segundo a Lei n.º 8.112/1990, o servidor público que repassados mediante a celebração de parceria.
deseje candidatar-se a um cargo eletivo terá direito a Nessa situação hipotética, conforme a legislação e a
licença, com remuneração, durante o período entre a doutrina a respeito de improbidade administrativa e
sua escolha em convenção partidária como candidato regime disciplinar do servidor público federal, a pena
e a véspera do registro de sua candidatura perante a disciplinar máxima a que João estará sujeito é a sus-
justiça eleitoral. pensão por noventa dias.

( ) CERTO  ( ) ERRADO ( ) CERTO  ( ) ERRADO

11. (CESPE-CEBRASPE – 2018) Considerando o disposto 17. (CESPE-CEBRASPE – 2018) Com base nas disposi-
no Decreto n.º 7.133/2010 e na Lei n.º 8.112/1990, além ções da Lei n.º 8.112/1990, julgue o item a seguir.
da avaliação de desempenho, julgue o item a seguir. A ação disciplinar contra servidor que cometa ato ilí-
De acordo com a Lei n.º 8.112/1990, é dever do ser- cito punível com suspensão prescreverá em dois anos
vidor atender o público em geral com presteza, for- contados da data em que o fato se tornou conhecido;
necendo as informações requeridas, salvo aquelas todavia, se tal ato ilícito também configurar crime,
protegidas por sigilo. então se aplicará o prazo prescricional da lei penal
para a ação disciplinar.
( ) CERTO  ( ) ERRADO
( ) CERTO  ( ) ERRADO
12. (CESPE-CEBRASPE – 2018) Com base no disposto na
Lei n.º 8.112/1990, julgue o item seguinte. 18. (CESPE-CEBRASPE – 2018) Acerca do regime jurídico
dos servidores públicos federais, julgue o item a seguir.
Apesar de as instâncias administrativa e penal serem No caso de processo disciplinar, a autoridade julgado-
independentes entre si, a eventual responsabilidade ra deverá proferir sua decisão a respeito da responsa-
administrativa do servidor será afastada se, na esfera bilidade de servidor no prazo de vinte dias, contados
criminal, ele for beneficiado por absolvição que negue do recebimento do processo.
a existência do fato ou a sua autoria.
( ) CERTO  ( ) ERRADO
( ) CERTO  ( ) ERRADO
19. (CESPE-CEBRASPE – 2020) Acerca da prescrição e
13. (CESPE-CEBRASPE – 2018) Com base no disposto na da decadência em direito da seguridade social, julgue
Lei n.º 8.112/1990, julgue o item seguinte. o item a seguir.
Será cassada a aposentadoria voluntária do servi- Em se tratando de servidor público federal sob o regi-
dor inativo que for condenado pela prática de ato de me da Lei n.º 8.112/1990, a pensão por morte do
improbidade administrativa à época em que ainda segurado que falecer, aposentado ou não, será devida
estava na atividade.
a filho menor de dezesseis anos, a contar da data do
óbito, desde que requerida em até cento e oitenta dias
( ) CERTO  ( ) ERRADO após o óbito.
14. (CESPE-CEBRASPE – 2018) No que concerne a direi-
( ) CERTO  ( ) ERRADO
tos, deveres e responsabilidades dos servidores públi-
cos, julgue o próximo item.
20. (CESPE-CEBRASPE – 2018) De acordo com a Lei n.º
Nos termos da Lei n.º 8.112/1990, os deveres do ser-
8.112/1990, a perícia médica com finalidade adminis-
vidor público incluem representar contra ilegalidade,
trativa demandará junta médica oficial quando a licen-
omissão ou abuso de poder e promover manifestação
ça para tratamento de saúde
de apreço no recinto da repartição.
a) exceder o prazo de cento e vinte dias no período de
( ) CERTO  ( ) ERRADO
doze meses.
b) exceder noventa dias consecutivos.
15. (CESPE-CEBRASPE – 2018) De acordo com o regi-
c) decorrer de causa que possa levar à interdição.
me jurídico dos servidores públicos civis da União, das
d) ocorrer a pedido da chefia imediata, contra a vontade
REGIME JURÍDICO ÚNICO

autarquias e das fundações públicas federais, caso seja


do servidor.
verificado que, reincidentemente, determinado servidor
e) ocorrer na vigência de processo administrativo
incumbia a outro atribuições estranhas ao cargo que
este último ocupava, a penalidade prevista é de disciplinar.

a) suspensão. 9 GABARITO
b) advertência.
c) demissão.
1 B
d) censura.
e) destituição do cargo. 2 ERRADO

16. (CESPE-CEBRASPE – 2018) João, servidor público res- 3 ERRADO


ponsável pelo setor financeiro de uma autarquia fede-
4 B
ral, sem observar as formalidades legais necessárias, 35
5 B

6 ERRADO

7 CERTO

8 CERTO

9 ERRADO

10 ERRADO

11 CERTO

12 CERTO

13 CERTO

14 ERRADO

15 A

16 ERRADO

17 CERTO

18 CERTO

19 CERTO

20 A

ANOTAÇÕES

36
Subentende-se direito à saúde, na vedação à pena
de morte, proibição do aborto e, por fim, direito às
condições mínimas necessárias para uma existência
digna, conforme também prevê o princípio da digni-

NOÇÕES DE DIREITO dade da pessoa humana, apresentado no art. 1º, inciso


III da CF/88.

CONSTITUCIONAL Dica
Note que, a constituição ao determinar o direito à
vida, possui dois aspectos, direito à integridade
DIREITOS E DEVERES FUNDAMENTAIS física e psíquica.

Os direitos fundamentais estão localizados no Importante mencionar que o STF já se posicionou


título II da CF/88, do art. 5º ao art. 17, os quais estão sobre gravidez de feto anencéfalo, decidindo, em
classificados em cinco grupos: direitos individuais e julgamento de grande repercussão, que não constitui
coletivos, direitos sociais, direitos de nacionalidade, crime a interrupção da gravidez nestes casos. Ainda, o
direitos políticos e direitos relacionados à existência, julgamento somente autorizou a interrupção da gravi-
organização e participação em partidos políticos. dez de feto portador de anencefalia, não se estenden-
Também são classificados em três dimensões de do a nenhuma outra deficiência.1
direito, pois surgiram em épocas diferentes, tópico já
estudado neste material. Vamos relembrar:
É importante ressaltar também que o STF decidiu
pela legitimidade da realização de pesquisas com
DIREITOS DIREITOS DIREITOS a utilização de células-tronco2 embrionárias, obti-
FUNDAMEN- FUNDAMEN- FUNDAMEN-
das de embriões humanos produzidos por fertilização
TAIS DE 1º TAIS DE 2º TAIS DE 3º
in vitro e não utilizados no respectivo procedimento,
DIMENSÃO DIMENSÃO DIMENSÃO
atendidas as condições estipuladas no art. 5º da Lei
Direitos civis e Direitos sociais, Fraternidade. 11.105/2005, que estabelece as normas de segurança
políticos. econômicos e e maneiras de fiscalização das atividades que envol-
culturais. vam organismos geneticamente modificados. Nesse
sentido, o STF considerou que as mencionadas pesqui-
DIREITOS E DEVERES FUNDAMENTAIS E sas não violam direito à vida, vejamos o dispositivo
COLETIVOS mencionado:

Conforme prevê o art. 5º da CF/88 todos são iguais Lei 11.105 de 25 de março de 2005
perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, Art. 5º É permitida, para fins de pesquisa e terapia,
garantindo aos brasileiros direito à vida, à liberdade, a utilização de células-tronco embrionárias obtidas
à igualdade, à segurança e à propriedade. de embriões humanos produzidos por fertilização
in vitro e não utilizados no respectivo procedimen-
DIREITO À VIDA, À LIBERDADE, À IGUALDADE, À to, atendidas as seguintes condições:
SEGURANÇA E À PROPRIEDADE I – sejam embriões inviáveis; ou
II – sejam embriões congelados há 3 (três) anos ou
Direito à vida mais, na data da publicação desta Lei, ou que, já
congelados na data da publicação desta Lei, depois
A Constituição protege a vida, extrauterina e de completarem 3 (três) anos, contados a partir da
intrauterina – neste caso, com a proibição do aborto. data de congelamento.

NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL


Entretanto, o art. 128 do Código Penal prevê a autori- § 1º Em qualquer caso, é necessário o consentimento
zação do aborto como exceção em duas hipóteses, são dos genitores.
eles: como único meio para salvar a vida da mulher e § 2º Instituições de pesquisa e serviços de saúde que
no caso de gravidez resultante de estupro. realizem pesquisa ou terapia com células-tronco
embrionárias humanas deverão submeter seus
Art. 128 - Não se pune o aborto praticado por projetos à apreciação e aprovação dos respectivos
médico: comitês de ética em pesquisa.
§ 3º É vedada a comercialização do material
Aborto necessário biológico a que se refere este artigo e sua prática
implica o crime tipificado no art. 15 da Lei nº 9.434,
I - se não há outro meio de salvar a vida da gestante; de 4 de fevereiro de 1997.

Aborto no caso de gravidez resultante de estupro


Importante!
II - se a gravidez resulta de estupro e o aborto é
precedido de consentimento da gestante ou, quando As decisões do STF também são objeto de ques-
incapaz, de seu representante legal tionamento em provas.
1 ADPF 54/DF Min Marco Aurélio, julgado em 11.04.2012, DJe 24.04.2013.
2 ADI 3.510/DF, rel. Min. Carlos Brito, julgamento em 29.05.2008, DJe em 05.06.2008 37
Direito à liberdade Atualidade: Direito de ir e vir x Coronavírus
(Covid-19)
Trata-se de direito fundamental de primeira Aqui temos um tema muito comentado, o isola-
dimensão, ou seja, são os direitos fundamentais que mento, ou seja, a proibição das pessoas de abrirem
estão ligados ao valor liberdade, sendo eles: os direi- suas próprias empresas, proibição de permanecerem
tos civis e os direitos políticos. em praças, lugares públicos, isto é, seu direito de ir e
Legalidade, previsto no art. 5º, II da CF, traz con- vir limitado, entenda:
sigo uma regra interessante: define qual a única ação
que pode restringir a liberdade dentro do Brasil, ou
seja, todos têm liberdade de fazer ou deixar de fazer o Somente grupo de risco deve
que convém a cada um, entretanto essa liberdade está Vertical
ficar isolado em casa. (idosos
limitada na lei. e pessoas com problemas de
saúde)

II - ninguém será obrigado a fazer ou deixar de Isolamento


fazer alguma coisa senão em virtude de lei;
Toda população deve ficar
Liberdade de pensamento, previsto no inciso IV Horizontal isolada em casa e empresas
fechadas
da CF, determina a livre manifestação do pensamento,
porém, é importante se atentar à parte final do inciso,
que veda o anonimato, por exemplo: um indivíduo vai Se o direito à liberdade de locomoção é um direito
até uma manifestação nas ruas com panos no rosto e fundamental de ir e vir, pode-se proibir que a pessoas
comete atos ilícitos (como furto). se locomovam? Mas e a constituição?
No caso do covid-19, em 18 de março de 2020, foi
Questão muito cobrada em provas. aprovado pelo Congresso Nacional o decreto que colo-
ca o país em estado de calamidade pública, tendo em
Ainda sobre a liberdade de pensamento, é impor- vista a situação excepcional de emergência de saúde.
tante mencionar que no Brasil a denúncia anônima Para você entender melhor, vamos estudar por etapas.
é permitida. Contudo, o poder público não pode ini-
ciar o procedimento formal tendo como base única Mas o que é calamidade pública?
uma denúncia anônima.
O dicionário Aurélio define calamidade “desgra-
Dica ça pública; grande infortúnio; catástrofe”, ou seja,
é um estado anormal resultante de um desastre de
O STF considerou desnecessária a utilização natureza, pandemia ou até financeiro, situações em
de diploma de jornalismo e registro profissional que o Governo Federal deve intervir nos outros Entes
no Ministério do Trabalho como condição para o Federativos (entenda entes: Estados - DF e Municípios)
exercício da profissão de jornalista, pois tem na para auxiliar no combate a situação.
sua essência a manifestação do pensamento.3 Ainda, conforme o Governo Federal, o reconhe-
cimento do estado de calamidade pública é previsto
Liberdade de consciência e crença está localiza- para durar até 31 de dezembro de 2020, sendo que,
do no inciso VI, VII e VIII do art. 5º da CF. É importante é necessário “em virtude do monitoramento perma-
mencionar que o Brasil não tem religião oficial, sendo nente da pandemia Covid-19, da necessidade de ele-
considerado um Estado laico e tem como base o plu- vação dos gastos públicos para proteger a saúde e os
ralismo político. empregos dos brasileiros e da perspectiva de queda
de arrecadação”4
Art. 5° [...]
VI - é inviolável a liberdade de consciência e de Entenda a explicação sobre calamidade pública:
crença, sendo assegurado o livre exercício dos cul-
tos religiosos e garantida, na forma da lei, a prote- 1º Decretado estado de Calamidade Pública, atra-
ção aos locais de culto e a suas liturgias; vés de aprovação das duas casas: Senado Federal e
VII - é assegurada, nos termos da lei, a prestação de
Câmara dos Deputados. Permite que o Executivo gaste
assistência religiosa nas entidades civis e militares
mais do que o previsto e desobedeça às metas fiscais
de internação coletiva;
VIII - ninguém será privado de direitos por moti-
para custear ações de combate à pandemia.
vo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou 2º O Governo Federal já pode determinar quais
política, salvo se as invocar para eximir-se de obri- medidas de apoio serão tomadas. Com base na lei
gação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir complementar 101/2020.
prestação alternativa, fixada em lei; 3º Governo Federal poderá:
Liberar recursos; enviar defesa civil militar; enviar
Liberdade de locomoção, localizado no inciso XV kits emergenciais.
da CF, é um tópico muito importante e está ligado ao Estados podem:
direito de ir e vir, sendo que não é um direito abso- Parcelar dívidas; atrasar execução de gastos; não
luto, pois temos os casos de prisão previstos na lei, ou precisa fazer licitações.
seja, as diversas situações em que prisões são necessá- Agora que entendemos como funciona o estado
rias deixam claro que o direito a locomoção não é um de calamidade pública, vamos à análise do direito de
direito absoluto. locomoção que foi restringido.

3 STF RE/511961, Min. Gilmar Mendes, 17.06.2009.


4 Disponível em <https://www.gov.br/planalto/pt-br/acompanhe-o-planalto/notas-oficiais/2020/copy_of_nota-a-imprensa> Acesso em: 10 out
38 2020.
Primeiramente, é importante mencionar que decisão judicial. Bem como, ninguém pode ser obriga-
nenhum direito fundamental pode ser considerado do a associar-se ou permanecer associado. Por fim, o
absoluto (quando dizemos isso, significa que esse texto constitucional autoriza desde que expressamen-
direito pode ser violado, desde que cumpra alguns te autorizado, a representação dos associados pelas
requisitos), e a proporcionalidade de cada situação entidades associativas.
deve ser observada.
O interesse da coletividade deve ser sempre Igualdade
observado e ter preferência em relação ao direito
do particular, com o objetivo de aplicar o denomina- Princípio da igualdade, previsto também no caput
do princípio da supremacia do interesse público do art. 5º da CF, é muito importante, e, deste princípio,
sobre o particular, que inclusive é um dos principais inúmeros outros decorrem diretamente, conforme
princípios do direito administrativo. veremos a seguir.
Aqui cabe mencionar também o art. 196 da CF, que
prevê o direito a saúde como sendo um dever do Esta- Igualdade na lei x igualdade perante a lei
do (no sentido de nação politicamente organizada, ou
seja, é um dever do País/Governo Federal). A igualdade na lei vincula o legislador a tratar
todos da mesma forma ao criar as normas, já a igual-
Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Esta- dade perante a lei significa que quem administra o
do, garantido mediante políticas sociais e econômi- Estado também deve observar o princípio da igual-
cas que visem à redução do risco de doença e de dade, por exemplo, o poder executivo ao adminis-
outros agravos e ao acesso universal e igualitário
trar e o poder judiciário ao julgar. Importante frisar
às ações e serviços para sua promoção, proteção e
que o princípio da igualdade também tem efeitos aos
recuperação.
particulares.
Ainda, cabe mencionar o princípio da proporcio-
Igualdade formal x igualdade material
nalidade, o qual tem como finalidade equilibrar os
direitos individuais com os da sociedade, exatamente
como no caso que aqui estamos analisando. A igualdade formal, ou também chamada de
Ou seja, no caso em tela, pode-se proibir, confor- igualdade jurídica, significa que todos devem ser
me os requisitos demonstrados na situação atual para tratados da mesma forma. Já a igualdade material
provas: direito de ir e vir é um direito fundamen- significa tratar igual os iguais e os desiguais com desi-
tal, mas fique atento: direito fundamental de ir e gualdade, na medida de suas desigualdades, ou seja, é
vir não é um direito absoluto! No caso da violação uma forma de proteção a certos grupos sociais, certos
desse direito em face do covid-19, foi observado o grupos de pessoas que foram discriminadas ao longo
princípio da proporcionalidade e o princípio da da história do Brasil. Isso ocorre por meio das chama-
supremacia do interesse público sobre o particular. das ações afirmativas, que visam, por meio da políti-
Lembrando que o desrespeito a qualquer medida ca pública, reduzir os prejuízos. Por exemplo, temos o
imposta configura como crime contra a saúde públi- sistema de cotas para os afrodescendentes nas univer-
ca prevista no art. 268 do código penal, que pune cri- sidades públicas. Sobre o tema, o STF já se posicionou
minalmente a conduta de “infringir determinação do pela constitucionalidade, e a decisão foi tomada no
poder público, destinada a impedir introdução ou pro- julgamento do Recurso Extraordinário (RE 597285),
pagação de doença contagiosa”. com repercussão geral, em que um estudante questio-
A liberdade de reunião, prevista no inciso XVI nava os critérios adotados pela UFRGS para reserva
do art. 5º da CF, deve ser pacífica e sem armas, bem de vagas.5
como não deve frustrar outra reunião anteriormente
convocada para aquele local, tendo preferência quem Igualdade nos concursos públicos
avisar primeiro, chamado o aviso prévio a autorida-
de competente, sendo diferente de autorização, pois a Tem como base o também chamado princípio da
reunião não depende de autorização. isonomia, o qual deve ser rigorosamente observado

NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL


Liberdade de associação tem previsão no inci- sob pena de nulidade da prova a ser realizada pelo
so XVII até o XXI do art. 5º da CF. É importante men- respectivo concurso público.
cionar que todos esses incisos já foram cobrados em Entretanto, alguns concursos exigem, por exem-
provas em geral. Cuidado com o texto constitucional, plo, idade, altura e etc. Note que todas as exigências
como por exemplo: contidas no edital que façam distinção entre as pes-
soas somente serão lícitas e constitucionais desde
Art. 5º [...] que preencham dois requisitos:
XVII - é plena a liberdade de associação para fins
lícitos, vedada a de caráter paramilitar; a) Deve estar previsto em lei – igualdade formal;
b) Deve ser necessário ao cargo.
A expressão utilizada como “plena” no dispositivo
é no mesmo sentido de ser considerada livre a Como por exemplo, concurso para contratação de
liberdade de associação, desde que para fins lícitos. agente penitenciário para presídio feminino e o edi-
tal constar que é permitido somente mulheres para
Por conseguinte, o texto constitucional prevê a investidura do cargo.
possibilidade de criação de associações e cooperati- Exemplo muito comentado também é sobre a proi-
vas, independente de autorização. Ainda, só poderão bição de tatuagem contida nos editais de concurso
ser dissolvidas ou ter suspensas as atividades por público, sobre o tema o STF assim entendeu: “Editais
5 RE 597285, rel. Min. Ricardo Lewandowski, julgado em 09.05.2012, DJe 21.05.2012. 39
de concurso público não podem estabelecer restrição Inviolabilidade domiciliar tem previsão no inciso
a pessoas com tatuagem, salvo situações excepcio- XI do art. 5º da CF:
nais, em razão de conteúdo que viole valores constitu-
cionais”, foi à tese de repercussão geral fixada.6 Art. 5º [...]
XI - a casa é asilo inviolável do indivíduo, ninguém
Entenda: tatuagem que viole os princípios cons- nela podendo penetrar sem consentimento do
titucionais e os princípios do Estado brasileiros. morador, salvo em caso de flagrante delito ou
desastre, ou para prestar socorro, ou, durante o
Ex.: tatuagem de suástica nazista.
dia, por determinação judicial;
União estável homoafetiva
Importante!
Tema muito comentado e, em 2011, o STF se posi-
cionou sobre o reconhecimento da união estável para Memorize que como dia entende-se o período
casais do mesmo sexo, decisão tomada sob o argu- das 6h às 18h.
mento que o artigo 3º, inciso IV, da CF veda qual-
quer discriminação em virtude de sexo, raça, cor
e que, nesse sentido, ninguém pode ser diminuí- Note que existem exceções à inviolabilidade: fla-
do ou discriminado em função de sua orientação grante delito, desastre, prestação de socorro e deter-
sexual. “O sexo das pessoas, salvo disposição contrá- minação judicial. Convém lembrar também que, de
ria, não se presta para desigualação jurídica”, con- acordo com o magistério jurisprudencial do STF, o
clui-se, portanto, que qualquer depreciação da união conceito de “casa” é amplo, abarcando qualquer com-
estável homoafetiva colide, portanto, com o inciso IV partimento habitado (casa, apartamento, trailer ou
do artigo 3º da CF.7 barraca); qualquer aposento ocupado de habitação
coletiva (hotel, apart-hotel ou pensão), bem como
Legalidade qualquer compartimento privado onde alguém exerça
profissão ou atividade, incluindo as pessoas jurídicas.
O STF, em relevante julgamento com repercussão
Princípio da legalidade está previsto no art. 5º,
geral (art. 102, § 3° da CF), firmou compreensão no
inciso II da CF, e preceitua que “ninguém será obriga-
sentido de que pode ocorrer a inviolabilidade mes-
do a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em
mo no período noturno – fundamentada e devi-
virtude de lei”. Note que, quando se fala em princípio
damente justificada, se indicado que no interior na
da legalidade, se está falando no âmbito particular e
casa se está praticando algum crime, ou seja, em esta-
não da administração pública.
do de flagrante delito.
No tocante aos particulares, o princípio da lega-
É importante frisar que, se o agente policial entrar
lidade quer dizer que apenas a lei tem legitimidade na residência e não constatar a ocorrência de crime
para criar obrigações de fazer, também chamadas de em flagrante, não haverá ilicitude na conduta dos
obrigações positivas, e também as chamadas obriga- agentes policiais se forem apresentadas fundadas
ções de não fazer, chamadas obrigações negativas, e, razões que os levaram a invadir aquela casa, o que,
nos casos em que a lei não dispuser obrigação algu- sem dúvida, deve ser objeto de controle – mesmo que
ma, é dado ao particular fazer o que bem entender, posterior – por parte da própria polícia e, claro, pelo
ou seja, não havendo qualquer proibição disposta em Ministério Público (a quem compete exercer o con-
lei, o particular está livre para agir, vigorando nesse trole externo da atividade policial, nos termos do art.
ponto o princípio da autonomia da vontade. 129, VII, da CF) ou mesmo pelo Judiciário, ao analisar-
Referente ao poder público, o conteúdo do prin- -se a legitimidade de eventual prova colhida durante
cípio da legalidade é outro: esse tem a ideia de que essa entrada à residência.
o Estado se sujeita às leis e, ao mesmo tempo de que
governar é atividade a qual a realização exige a edição Sobre a entrada forçada em domicílio, o STF assim
de leis, sendo que, o poder público não pode atuar, considerou:
nem contrário às leis, nem na ausência da lei. A entrada forçada em domicílio sem mandado
judicial só é lícita, mesmo em período noturno,
Inviolabilidade quando amparada em fundadas razões, devida-
mente justificadas “a posteriori”, que indiquem
Inviolabilidade da intimidade, da vida privada, da que dentro da casa ocorre situação de flagrante
honra e da imagem das pessoas tem previsão no art. delito, sob pena de responsabilidade disciplinar,
5º, inciso X da CF, vejamos: civil e penal do agente ou da autoridade, e de nuli-
dade dos atos praticados.
X - são invioláveis a intimidade, a vida privada, Essa a orientação do Plenário, que reconheceu a
a honra e a imagem das pessoas, assegurado o repercussão geral do tema e, por maioria, negou pro-
direito a indenização pelo dano material ou moral vimento ao recurso extraordinário em que se discutia,
decorrente de sua violação; à luz do art. 5º, XI, LV e LVI, da Constituição, a legalida-
de das provas obtidas mediante invasão de domicílio
Essa proteção se refere às pessoas físicas ou jurí- por autoridades policiais sem o devido mandado de
dicas, abrangendo inclusive a proteção necessária à busca e apreensão. O acórdão impugnado assentara
própria imagem frente aos meios de comunicação em o caráter permanente do delito de tráfico de drogas
massa (televisão, jornais etc.). e mantivera condenação criminal fundada em busca
6 Recurso Extraordinário 898450 Tema de Repercussão Geral. STF. Min. Luiz Fux, julgado em 17.08.2016.
40 7 STF. ADI 4277 e ADPF 132, rel. Min. Ayres Britto, julgado em 05.05.2011, DJe 06.05.2011.
domiciliar sem a apresentação de mandado de busca Parágrafo único. O disposto nesta Lei aplica-se à
e apreensão. A Corte asseverou que o texto constitu- interceptação do fluxo de comunicações em siste-
cional trata da inviolabilidade domiciliar e de suas mas de informática e telemática.
exceções no art. 5º, XI (“a casa é asilo inviolável do
indivíduo, ninguém nela podendo penetrar sem con- O segundo requisito necessário exige que a produção
sentimento do morador, salvo em caso de flagrante desse meio de prova seja dirigida para fins de investiga-
delito ou desastre, ou para prestar socorro, ou, duran- ção criminal ou instrução processual penal, assim, não
te o dia, por determinação judicial”). Seriam estabele- é possível a autorização da interceptação telefônica em
cidas, portanto, quatro exceções à inviolabilidade: a) processos civis, administrativos, disciplinares e etc.
flagrante delito; b) desastre; c) prestação de socorro; Já o último requisito refere-se a uma lei que deve
e d) determinação judicial. A interpretação adotada prever as hipóteses e a forma em que pode ocorrer a
pelo STF seria no sentido de que, se dentro da casa interceptação telefônica, obrigatoriamente no âmbito
estivesse ocorrendo um crime permanente, seria viá- de investigação criminal ou instrução processual penal.
vel o ingresso forçado pelas forças policiais, indepen- A regulamentação deste dispositivo veio com a Lei
dentemente de determinação judicial. Isso se daria 9.296/1996, que legitimou a interceptação das comu-
porque, por definição, nos crimes permanentes, have- nicações como meio de prova, estendendo também
ria um interregno entre a consumação e o exaurimen- a sua regulamentação à interceptação de fluxo de
to. Nesse interregno, o crime estaria em curso. Assim, comunicações em sistemas de informática e telemáti-
se dentro do local protegido o crime permanente esti- ca (combinação de meios eletrônicos de comunicação
vesse ocorrendo, o perpetrador estaria cometendo com informática, e-mail e outros).
o delito. Caracterizada a situação de flagrante, seria
viável o ingresso forçado no domicílio. (RE 603616/RO, Direito de propriedade
rel. Min. Gilmar Mendes, julgado em 5.11.2015 e DJe
13.11.2015) Está amparado junto ao caput e inciso XXII do art.
5º, bem como no inciso II do art. 170, ambos da CF.
A inviolabilidade das correspondências e comu-
nicações tem como previsão o inciso XII do art. 5º da Art. 5º, [...] XXII - é garantido o direito de
CF, vejamos. propriedade;
Art. 170. A ordem econômica, fundada na valoriza-
XII - é inviolável o sigilo da correspondência e das ção do trabalho humano e na livre iniciativa, tem
comunicações telegráficas, de dados e das comuni- por fim assegurar a todos existência digna, con-
cações telefônicas, salvo, no último caso, por forme os ditames da justiça social, observados os
ordem judicial, nas hipóteses e na forma que a lei seguintes princípios:
estabelecer para fins de investigação criminal ou II - propriedade privada;
instrução processual penal;
O direito de propriedade assegurado na constitui-
As correspondências são invioláveis, com exce-
ção como direito constitucional abrange tanto os bens
ção nos casos de decretação de estado de defesa
corpóreos quanto os incorpóreos.
e de sítio (arts. 136 e seguintes da CF). É importante
mencionar também que o STF já reconheceu a possi-
bilidade de interceptar carta de presidiário, pois a Dica
inviolabilidade de correspondência não pode ser usa- Bens corpóreos são os bens possuidores de
da como defesa para atividades ilícitas.8 existência física, são concretos e visíveis, como
Possibilidade de interceptação telefônica: inter-
por exemplo, uma casa, um automóvel etc. Já
ceptação telefônica é a captação e gravação de conver-
os bens incorpóreos, são bens abstratos que
sa telefônica, no momento em que ela se realiza, por
terceira pessoa sem o conhecimento de qualquer um não possuem existência física, ou seja, não são
dos interlocutores, conforme prevê exceção do inciso concretos, mas possuem um valor econômico,

NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL


XII do art. 5º da CF acima mencionado, que para ser como por exemplo, propriedade intelectual, direi-
lícita deve obedecer três requisitos: tos do autor e etc.

Em relação à propriedade de bens incorpóreos,


Ordem Judicial;
Para fins de investigação refere-se à específica proteção constitucional a deno-
Interceptação telefônica criminal; minada propriedade intelectual, a qual abrange os
Hipóteses e formas que a direitos de autor e os direitos relativos à propriedade
lei estabelecer. industrial, como a proteção de marcas e patentes.

Ainda, a interceptação telefônica dependerá de Desapropriação


ordem judicial, conforme art. 1º da Lei 9.926/96.
Como característica dos direitos fundamentais, o
Art. 1º A interceptação de comunicações telefônicas, direito de propriedade também não é um direito abso-
de qualquer natureza, para prova em investigação luto. Apesar da exigência de que a propriedade aten-
criminal e em instrução processual penal, observa- da uma função social, há outras hipóteses em que
rá o disposto nesta Lei e dependerá de ordem do juiz o interesse público pode justificar a imposição de
competente da ação principal, sob segredo de justiça. limitações.
8 STF. HC 70.814-5/SP, rel. Min. Celso de Mello, julgado em 24.06.1994. 41
Ao elaborar a Constituição, o legislador se preo- O direito de certidão tem previsão no inciso XXXIV,
cupou em atribuir tratamento especial à política de “b” do art. 5º da CF, e assegura a todos, independente
desenvolvimento urbano. Referente à desapropria- do pagamento de taxas, o seguinte:
ção de imóvel rural, somente é lícita a desapropria-
ção para fins de interesse social, ou seja, imóvel XXXIV - são a todos assegurados, independente-
rural que não estiver cumprindo sua função social mente do pagamento de taxas:
é desapropriado. [...]
Nesse sentido, é importante verificar a importân- b) a obtenção de certidões em repartições públi-
cia do art. 5°, XXIV, que determina o poder geral de cas, para defesa de direitos e esclarecimento de
desapropriação por interesse social. Ora, desde que situações de interesse pessoal;
seja paga a indenização mencionada neste artigo,
qualquer imóvel poderá ser desapropriado por inte- Importante frisar aqui que, conforme entendi-
resse social para fins de reforma agrária. mento dos Tribunais, já se consolidou o entendimen-
to no sentido de que não se exige do administrado a
Defesa do consumidor demonstração da finalidade específica do pedido.

Conforme prevê o art. 5º, inciso XXXII da CF “o esta- Direito adquirido, coisa julgada e ato jurídico perfeito
do promoverá, na forma da lei, a defesa do consumi-
dor”. Tema também mencionado no art. 170, inciso V Assim prevê o inciso XXXVI do art. 5º da CF: “a lei
da CF, o qual estabeleceu como princípio fundamental não prejudicará o direito adquirido, o ato jurídico per-
de nossa ordem econômica a “defesa do consumidor”. feito e a coisa julgada”. Entenda:
Direito adquirido é aquele direito que cumpriu
Art. 170. A ordem econômica, fundada na valoriza- todos os requisitos previstos em lei, como por exem-
ção do trabalho humano e na livre iniciativa, tem plo, o homem que cumpriu todos os requisitos exi-
por fim assegurar a todos existência digna, con- gidos para concessão da aposentadoria por idade,
forme os ditames da justiça social, observados os conforme determina o art. 201, § 7º, I da CF, tem o
seguintes princípios: direito adquirido para requerer seu benefício.
[...]
V - defesa do consumidor; § 7º É assegurada aposentadoria no regime geral
de previdência social, nos termos da lei, obedecidas
Ainda, assim que foi promulgada a Constituição as seguintes condições:
em 1988, o legislador se preocupou em estipular um I - 65 (sessenta e cinco) anos de idade, se homem, e
62 (sessenta e dois) anos de idade, se mulher, obser-
prazo de cento e vinte dias para que o legislador ela-
vado tempo mínimo de contribuição;
borasse o Código de Defesa do Consumidor, exigência
estipulada por meio do nº 48 da ADCT. (Ato das Dis-
Ato jurídico perfeito é o ato já realizado, confor-
posições Constitucionais Transitórias. São regras que esta- me a lei vigente ao tempo que se realizou, pois nes-
belecem a harmonia da transição do regime constitucional te caso já cumpriu todos os requisitos conforme a lei
anterior – 1969, para o novo regime - 1988). vigente na época, tornando-se, portanto, completo.
Entretanto, o prazo exigido não foi observado e o Coisa julgada ocorre no âmbito do processo judi-
Código de Defesa do Consumidor foi publicado ape- cial, decisão judicial a qual não cabe mais recurso, tor-
nas dois anos após a publicação da Constituição – Lei nando-a imutável e indiscutível.
8.078/1990.
Júri popular
Direito de informação
A nossa carta magna reconhece no seu inciso XXX-
Instrumento de natureza administrativa, derivado VIII a instituição do júri, que é visto como uma prerro-
do princípio da publicidade da atuação da administra- gativa democrática do cidadão, e que exige que o réu
ção pública, o qual tem como objetivo a atuação trans- deve ser julgado pelos seus semelhantes. O tribunal
parente em decorrência da própria indisponibilidade é composto por um juiz togado e vinte cinco jurados
que serão sorteados dentre os alistados.
do interesse público, disciplinado nos incisos XXXIII
e LXXII do art. 5º da CF e Lei 9507/1997 que regula o
XXXVIII - é reconhecida a instituição do júri, com a
direito de acesso a informações e disciplina o rito pro-
organização que lhe der a lei, assegurados:
cessual do habeas data.
a) a plenitude de defesa;
b) o sigilo das votações;
XXXIII - todos têm direito a receber dos órgãos c) a soberania dos veredictos;
públicos informações de seu interesse parti- d) a competência para o julgamento dos crimes
cular, ou de interesse coletivo ou geral, que serão dolosos contra a vida;
prestadas no prazo da lei, sob pena de responsabi-
lidade, ressalvadas aquelas cujo sigilo seja impres-
Destarte, a competência mencionada na alínea “d”
cindível à segurança da sociedade e do Estado;
não é absoluta, pois não abrange os crimes pratica-
dos contra a vida perpetrados por detentores de foro
Direito de certidão
especial por prerrogativa de função, que deverão ser
julgados por tribunais específicos conforme previsto
O Estado é obrigado a fornecer as informações
na Constituição.
solicitadas, com exceção nas hipóteses de proteção
Ainda, o foro especial por prerrogativa de fun-
por sigilo. Caso haja uma violação desse direito, que
ção se refere ao órgão competente para julgar ações
é líquido e certo, o remédio constitucional cabível é o
penais contra certas autoridades públicas, levando-se
mandado de segurança, tema também abordados no
em conta o cargo ou a função que elas ocupam, de
42 título Garantias Constitucionais.
modo a proteger a função e a coisa pública, ou seja, afins, o terrorismo e os definidos como crimes
por ligar-se à função e não à pessoa, essa forma de hediondos, por eles respondendo os mandantes, os
determinar o órgão julgador competente não acompa- executores e os que, podendo evitá-los, se omitirem;
nha a pessoa após o fim do exercício do cargo.
Crimes hediondos são aqueles que a legislação
Princípio da legalidade penal e da retroatividade da lei entende que geram maior reprovação por parte da
sociedade, assim merecem uma rigidez maior. Não
são necessariamente crimes cometidos com alto grau
Princípio da legalidade penal, com previsão no
de violência ou crueldade, mas sim os crimes previs-
inciso XXXIX do art. 5º da CF, também chamado de
tos expressamente no art. 1º da Lei 8.072/90.
princípio da reserva legal, refere-se à aplicação do O homicídio qualificado é o primeiro mencionado
princípio da legalidade, de forma mais específica no na legislação, ou seja, quando praticado em circuns-
âmbito do direito penal. tância que revele perversidade – por exemplo, se o
Nesse sentido, crime será a conduta delituosa pre- crime é praticado por motivo fútil ou torpe.
vista exclusivamente em lei, da mesma forma que a Bem como, o homicídio praticado por grupo de
cominação da pena, a qual não é admissível à configu- extermínio também está no rol dos crimes hediondos,
ração de crime baseado nos costumes. mesmo que cometido por uma só pessoa do grupo.

XXXIX - não há crime sem lei anterior que o defina, XLIV - constitui crime inafiançável e impre-
nem pena sem prévia cominação legal; scritível a ação de grupos armados, civis ou
militares, contra a ordem constitucional e o Estado
Princípio da retroatividade da lei tem previsão no Democrático;
inciso XL do art. 5º da CF, o qual consiste em analisar
um fato passado à luz de um direito presente, esta- Prescrição é a perda do direito de punir do
belece que os fatos sejam apreciados com base na lei Estado pelo seu não exercício em determinado
em vigor no tempo do crime. Assim, a lei aplicável é a lapso de tempo.
lei do tempo do crime, ou seja, na regra geral, as nor-
mas penais não retroagem, salvo se trouxerem algum Em 2015, duas leis incluíram, no rol de cri-
tipo de benefício para o réu. mes hediondos, o assassinato de policiais e o
feminicídio.
XL - a lei penal não retroagirá, salvo para benefi- Em 2019 houve alterações na legislação penal e
ciar o réu; processual diante da aprovação da Lei nº 13.964, tam-
bém chamada de Pacote Anticrime, nessa oportuni-
Dica dade houve a inclusão de crimes no rol dos crimes
hediondos.
Cuidado, aqui tem um exemplo de exceção da Veja quais foram os crimes incluídos:
exceção:
Crimes praticados durante a vigência de lei tem- II – roubo:
porária ou excepcional não podem ser benefi- a) circunstanciado pela restrição de liberdade
ciados pela retroatividade da lei mais benéfica. da vítima (art. 157, § 2º, inciso V);
Entenda: b) circunstanciado pelo emprego de arma de
Lei excepcional é a lei criada para regular fatos fogo (art. 157, § 2º-A, inciso I) ou pelo emprego de
arma de fogo de uso proibido ou restrito (art.
ocorridos dentro de uma situação irregular, a
157, § 2º-B);
qual perde seus efeitos após findar situação irre- III – extorsão qualificada pela restrição da liber-
gular que a motivou. dade da vítima, ocorrência de lesão corporal ou
Lei temporária vigorou até extinguir o prazo de morte (art. 158, § 3º);
duração fixado pelo legislador, por exemplo, IX – furto qualificado pelo emprego de explo-
uma lei que fixa a tabela de preços de artigos de sivo ou de artefato análogo que cause perigo
consumo. comum (art. 155, § 4º-A).

NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL


III – o crime de comércio ilegal de armas de
Crimes fogo, previsto no art. 17 da Lei nº 10.826, de 22 de
dezembro de 2003;
IV – o crime de tráfico internacional de arma de
O legislador originário também se preocupou em
fogo, acessório ou munição, previsto no art. 18
mencionar e observar crimes de tortura, tráfico ilíci- da Lei nº 10.826, de 22 de dezembro de 2003;
to de drogas, terrorismo e a ação de grupos armados V – o crime de organização criminosa, quando
contra ordem constitucional. direcionado;

XLII - a prática do racismo constitui crime Fique atento com os artigos mencionados acima
inafiançável e imprescritível, sujeito à pena de e as novidades legislativas, são temas preferidos de
reclusão, nos termos da lei;
bancas examinadoras.
Entenda. A pena de reclusão é a pena prevista
GARANTIAS CONSTITUCIONAIS
para os casos mais graves, o qual o regime inicial será
fechado, em prisão de segurança máxima.
É importante não confundir direitos fundamentais
com garantias fundamentais. Os direitos fundamen-
XLIII - a lei considerará crimes inafiançáveis e
tais são vantagens, proteção em favor das pessoas,
insuscetíveis de graça ou anistia a prática da tor-
tura, o tráfico ilícito de entorpecentes e drogas como por exemplo o direito de informação. Já as
garantias fundamentais são instrumentos processuais 43
para defesa daqueles direitos, conhecidos como ações
ou remédios constitucionais, como por exemplo: Importante!
habeas data, habeas corpus, Mandado de Segurança, A doutrina e jurisprudência admitem que cônju-
Mandado de Injunção e a Ação Popular, conforme
ge, ascendente, descendente ou irmão podem
veremos a seguir.
impetrar habeas data em favor de terceiro, caso
Habeas corpus este esteja incapacitado ou ausente.

Tem como objetivo proteger o direito de ir e vir, ou


Mandado de Segurança
seja, sempre que alguém sofrer ou se achar ameaçado
de sofrer violência ou coação em sua liberdade de loco-
moção, por ilegalidade ou abuso de poder, está funda- Agora passaremos a análise do mandado de segu-
mentado no art. 5º, LXVIII da CF e art. 647 a 667 do CPP, rança, sendo que este pode ser individual ou coletivo,
Pode ser habeas corpus preventivo para evitar vejamos:
uma futura violação à liberdade, ou habeas corpus
repressivo, o qual busca o fim de uma coação já Mandado de Segurança Individual
cometida. Importante frisar também que não existe a
necessidade de um advogado para entrar com a ação. Previsto no art. 5º LXIX da CF e Lei 12.016/2009,
tem o objetivo de proteger direito líquido e certo
Sujeito ativo (impetrante): qualquer pessoa. (requerido no prazo de 120 dias do conhecimento da
Vítima (paciente): qualquer pessoa, brasileiro ou lesão), devidamente comprovado com provas docu-
estrangeiro. mentais, não há prova testemunhal nem pericial. Tem
Sujeito passivo (coator): autoridade ou agen-
caráter subsidiário, ou seja, quando não for caso de
te público que cometeu ilegalidade ou abuso de
poder contra particular. habeas corpus e nem habeas data.
Cabível quando existe abuso ou ilegalidade de
Habeas corpus também pode ser impetrado por autoridade pública. A súmula 625 do STF dispõe que,
estrangeiro (desde que na língua portuguesa) contra “Controvérsia sobre matéria de direito não impede con-
particular. cessão de mandado de segurança”, ou seja, caso houver
Não cabe habeas corpus contra punição disciplinar dúvida a respeito de interpretação da lei não impede
militar, salvo se imposta pela autoridade competente. o deferimento do mandado de segurança.
Não cabe Mandado de segurança nos seguintes
Destacamos a seguir algumas Súmulas importan- casos:
tes do STF sobre o tema:
z Atos meramente informativos;
Súmula 395: Não se conhece de recurso de habeas cor- z Atos que transitaram em julgado;
pus cujo objeto seja resolver sobre o ônus das custas, por z Ato administrativo que comporte recurso com
não estar mais em causa à liberdade de locomoção. efeito suspensivo; e
Súmula 431: É nulo o julgamento de recurso criminal, z Ato judicial em fase recursal.
na segunda instância, sem prévia intimação, ou publicação
da pauta, salvo em habeas corpus. Cuidado! Referente aos atos que transitaram em
Súmula 692: Não se conhece de habeas corpus con- julgado hoje, a jurisprudência entende por uma possí-
tra omissão de relator de extradição, se fundado em fato vel mitigação da súmula 268 do STF. Vejamos:
ou direito estrangeiro cuja prova não constava dos autos, “No entanto, sendo a impetração do mandado
nem foi ele provocado a respeito. de segurança anterior ao trânsito em julgado da
Súmula 693: Não cabe habeas corpus contra decisão decisão questionada, mesmo que venha a acontecer,
condenatória a pena de multa, ou relativo a processo em posteriormente, não poderá ser invocado o seu não
curso por infração penal a que a pena pecuniária seja a cabimento ou a sua perda de objeto, mas preenchi-
única cominada. das as demais exigências jurídico-processuais, deverá
Súmula 694: Não cabe habeas corpus contra a impo- ter seu mérito apreciado”. (EDcl no MS 22.157/DF, Rel.
sição da pena de exclusão de militar ou de perda de patente Ministro Herman Benjamin, Rel. p/ Acórdão Minis-
ou de função pública. tro Luis Felipe Salomão, julgado em 14.03.2019, DJe
Súmula 695: Não cabe habeas corpus quando já extin- 11.06.2019)
ta a pena privativa de liberdade.
Agente ativo: Pessoa física ou jurídica. Agentes
Habeas data
políticos podem ser sujeitos ativo ou passivo.
Agente passivo: autoridade, pessoa física revesti-
Com previsão no art. 5º, LXXII da CF e Lei 9507/1997
da de poder público. União, Estados e DF ingres-
que regula o direito de acesso às informações, e disci-
plina o rito processual do habeas data, tem o objetivo sarão como litisconsortes necessários, por meio de
de acessar e retificar informações do impetrante que seus procuradores, no caso do município através
estão em um órgão público ou de caráter público9, de seu Prefeito.
como por exemplo: entidade privada de caráter públi- Liminar: cabimento conforme art. 7º, III da Lei
co = SPC/SERASA. 12.016/2009, o juiz poderá determinar a suspensão
Note que, neste caso, precisa ser demonstrado do ato (que causou a violação do direito), desde
que foram solicitadas as informações em um pri- que exista motivo relevante, vejamos:
meiro momento, ou seja, precisa-se esgotar a via
administrativa. Art. 7o Ao despachar a inicial, o juiz ordenará:

44 9 Caso a banca da sua prova for a FGV, esta entende que o habeas data é uma ação personalíssima.
III - que se suspenda o ato que deu motivo ao pedi- Ação popular pode ter duas formas, a preventiva
do, quando houver fundamento relevante e do ato que é ajuizada antes da consumação dos efeitos do
impugnado puder resultar a ineficácia da medida, ato, e repressiva, que visa corrigir os atos danosos
caso seja finalmente deferida, sendo facultado exigir consumados.
do impetrante caução, fiança ou depósito, com o obje-
tivo de assegurar o ressarcimento à pessoa jurídica.
Agente ativo: Qualquer cidadão brasileiro. Se este
abandonar ação, outro cidadão poderá assumir.
Mandado de Segurança Coletivo

Previsto no art. 5º, LXX da CF e no art. 21 da Lei Importante!


12.016/2009, tem o objetivo de proteger certo grupo de
pessoas (corporativo). Os requisitos e o prazo deca- O Ministério Público não pode propor, mas pode
dencial são os mesmos do Mandado de Segurança assumir andamento e dar execução a decisão
individual. da ação popular (legitimidade extraordinária ou
superveniente).
Agente ativo: Partido político com representação
no Congresso Nacional; ou organização sindical,
entidade de classe ou associação legalmente cons- Agente passivo: administrador da entidade que
tituída e em funcionamento há pelo menos um lesionou.
ano, em defesa de seus membros ou associados,
deve demonstrar pertinência temática. Lei 4.717/1965
Agente passivo: autoridade coatora. Art. 6º A ação será proposta contra as pessoas
Liminar: cabimento conforme art. 7º, III e art. públicas ou privadas e as entidades referidas no
22§2º da Lei 12.016/2009. Basta representar os art. 1º, contra as autoridades, funcionários ou
requisitos fumus boni iuris (fumaça do bom direi- administradores que houverem autorizado, apro-
to) e periculum in mora (perigo na demora). vado, ratificado ou praticado o ato impugnado,
ou que, por omissas, tiverem dado oportunidade à
Súmulas importantes do STF sobre o tema: lesão, e contra os beneficiários diretos do mesmo.
(grifo nosso)
Súmula 629 do STF: A impetração de mandado de
segurança coletivo por entidade de classe em favor Art. 1º Qualquer cidadão será parte legítima para pleitear
dos associados independe da autorização destes. a anulação ou a declaração de nulidade de atos lesivos ao
Súmula 630 do STF: A entidade de classe tem legi- patrimônio da União, do Distrito Federal, dos Estados, dos
timação para o mandado de segurança ainda quando Municípios, de entidades autárquicas, de sociedades de
a pretensão veiculada interesse apenas a uma parte economia mista (Constituição, art. 141, § 38), de socie-
da respectiva categoria. dades mútuas de seguro nas quais a União represente os
segurados ausentes, de empresas públicas, de serviços
Mandado de Injunção sociais autônomos, de instituições ou fundações para cuja
criação ou custeio o tesouro público haja concorrido ou
Tem previsão no art. 5º, LXXI da CF e Lei 13.300/2016 concorra com mais de cinquenta por cento do patrimônio
(lei do MS), não tem lei específica própria, devem ser ou da receita ânua, de empresas incorporadas ao patrimô-
observadas as normas da lei do Mandado de Seguran- nio da União, do Distrito Federal, dos Estados e dos Muni-
ça, conforme prevê o art. 24, parágrafo único da lei cípios, e de quaisquer pessoas jurídicas ou entidades
8.038/1990. subvencionadas pelos cofres públicos.

Art. 24 [...] Liminar: Basta representar os requisitos “fumus


Parágrafo único - No mandado de injunção e boni iuris” e “periculum in mora”.
no habeas data, serão observadas, no que couber,
as normas do mandado de segurança, enquanto
Súmula 101 do STF: O mandado de segurança não
não editada legislação específica.
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
substitui a ação popular.
Súmula 365 do STF: Pessoa jurídica não tem
Aplicabilidade: falta de uma norma regulamen- legitimidade para propor ação popular.
tadora de direito, liberdade constitucional e das
prerrogativas inerentes a nacionalidade, sobera-
nia e cidadania. Buscar o exercício do direito para Dica
uma pessoa ou certo grupo de pessoas. A Ação popular é isenta de custas judiciais e do
Exemplo: Conseguir se aposentar ou exercer o ônus de sucumbência.
direito de greve.
Agente ativo: Qualquer pessoa. Sobre o tema, vejamos também art. 5º, §4º da Lei
Liminar: Mandado de Injunção não tem liminar. 4.717/1965:
Ação Popular Art. 5º Conforme a origem do ato impugnado, é
competente para conhecer da ação, processá-la e
É um direito fundamental e individual de todo julgá-la o juiz que, de acordo com a organização
cidadão, fundamentada no art. 5º, LXXIII e regulado judiciária de cada Estado, o for para as causas que
pela lei 4.717/1965, e tem como objetivo a proteção interessem à União, ao Distrito Federal, ao Estado
do patrimônio público (erário), histórico, cultural, do ou ao Município.
meio ambiente e da moralidade administrativa, como § 4º Na defesa do patrimônio público caberá à
é o caso das obras superfaturadas. suspensão liminar do ato lesivo impugnado. 45
Ainda, é possível requerer a condenação por per- I - relação de emprego protegida contra despedida
das e danos dos responsáveis pela lesão. Sendo que arbitrária ou sem justa causa, nos termos de lei
cabe a todos os cidadãos a fiscalização da vida públi- complementar, que preverá indenização compensa-
ca, auxiliando o Estado na boa gestão da vida pública. tória, dentre outros direitos;
II - seguro-desemprego, em caso de desemprego
involuntário;
DIREITOS SOCIAIS
III - fundo de garantia do tempo de serviço;
IV - salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente
Os direitos sociais tem previsão no art. 6º ao 11º da unificado, capaz de atender a suas necessidades
Constituição, e também podem ser encontrados no título vitais básicas e às de sua família com moradia, ali-
VIII da Constituição Federal, que trata da ordem social. mentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higie-
São direitos que pertencem à segunda geração dos ne, transporte e previdência social, com reajustes
direitos fundamentais, ou seja, da dimensão que tra- periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo,
ta dos direitos da democracia e informação, e alguns sendo vedada sua vinculação para qualquer fim;
doutrinadores também os chamam de liberdades V - piso salarial proporcional à extensão e à com-
positivas, quando o Estado precisa deixar de ser omis- plexidade do trabalho;
so com o objetivo de assegurar uma compensação VI - irredutibilidade do salário, salvo o disposto em
resultante da desigualdade entre as pessoas. convenção ou acordo coletivo;
VII - garantia de salário, nunca inferior ao mínimo,
Os direitos sociais exigem uma atuação do Estado
para os que percebem remuneração variável;
em face da desigualdade social e tem aplicabilidade VIII - décimo terceiro salário com base na remune-
imediata. Nesse sentido, com o objetivo de garantir a ração integral ou no valor da aposentadoria;
igualdade formal (ou também chamada de igualdade IX - remuneração do trabalho noturno superior à
jurídica, conforme prevê na CF/88, significa que todos do diurno;
devem ser tratados da mesma forma). X - proteção do salário na forma da lei, constituin-
Ainda, a Constituição dividiu os direitos sociais em do crime sua retenção dolosa;
três espécies: XI - participação nos lucros, ou resultados, desvincu-
lada da remuneração, e, excepcionalmente, participa-
a) Direitos sociais destinados a toda sociedade; (Art. ção na gestão da empresa, conforme definido em lei;
6º da CF) XII - salário-família pago em razão do dependente
b) Direitos sociais para os trabalhadores; (Art.7° da CF) do trabalhador de baixa renda nos termos da lei;
XIII - duração do trabalho normal não superior a
c) Direitos sociais coletivos dos trabalhadores. (Art.
oito horas diárias e quarenta e quatro semanais,
8º ao 11º da CF)
facultada a compensação de horários e a redução
da jornada, mediante acordo ou convenção coletiva
Direitos sociais destinados a toda sociedade de trabalho;
XIV - jornada de seis horas para o trabalho realiza-
Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a do em turnos ininterruptos de revezamento, salvo
alimentação, o trabalho, a moradia, o transporte, negociação coletiva;
o lazer, a segurança, a previdência social, a prote- XV - repouso semanal remunerado, preferencial-
ção à maternidade e à infância, a assistência aos mente aos domingos;
desamparados, na forma desta Constituição. XVI - remuneração do serviço extraordinário supe-
rior, no mínimo, em cinquenta por cento à do normal;
Direitos garantidos para toda sociedade brasileira, XVII - gozo de férias anuais remuneradas com, pelo
com exceção, por exemplo, da previdência social, que menos, um terço a mais do que o salário normal;
neste caso só terá benefício quem for contribuinte e XVIII - licença à gestante, sem prejuízo do emprego
preencher todos os requisitos legais exigidos. e do salário, com a duração de cento e vinte dias;
XIX - licença-paternidade, nos termos fixados em lei;
XX - proteção do mercado de trabalho da mulher,
mediante incentivos específicos, nos termos da lei;
Importante! XXI - aviso prévio proporcional ao tempo de serviço,
Direito à propriedade x direito à moradia sendo no mínimo de trinta dias, nos termos da lei;
XXII - redução dos riscos inerentes ao trabalho, por
Na sua prova, cuidado! Direito de propriedade é
meio de normas de saúde, higiene e segurança;
um direito individual, conforme já estudado nes- XXIII - adicional de remuneração para as atividades
te material, já o direito à moradia é um direito penosas, insalubres ou perigosas, na forma da lei;
social, localizado no caput do art. 6º da CF/88. XXIV - aposentadoria;
Direito à segurança, localizado no art. 5º (direi- XXV - assistência gratuita aos filhos e dependentes
to individual) e art. 6º (direito social), entenda a desde o nascimento até 5 (cinco) anos de idade em
diferença: creches e pré-escolas;
XXVI - reconhecimento das convenções e acordos
Segurança mencionada no art. 5º da CF se refere
coletivos de trabalho;
a segurança jurídica, já a segurança mencionada XXVII - proteção em face da automação, na forma
no art. 6º da CF, refere-se ao direito à segurança da lei;
pública. XXVIII - seguro contra acidentes de trabalho, a cargo
do empregador, sem excluir a indenização a que este
está obrigado, quando incorrer em dolo ou culpa;
Direitos sociais para os trabalhadores XXIX - ação, quanto aos créditos resultantes das
relações de trabalho, com prazo prescricional de
Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e cinco anos para os trabalhadores urbanos e rurais,
rurais, além de outros que visem à melhoria de sua até o limite de dois anos após a extinção do contra-
46 condição social: to de trabalho;
XXX - proibição de diferença de salários, de exercí- VI - é obrigatória a participação dos sindicatos nas
cio de funções e de critério de admissão por motivo negociações coletivas de trabalho;
de sexo, idade, cor ou estado civil; VII - o aposentado filiado tem direito a votar e ser
XXXI - proibição de qualquer discriminação no votado nas organizações sindicais;
tocante a salário e critérios de admissão do traba- VIII - é vedada a dispensa do empregado sindical-
lhador portador de deficiência; izado a partir do registro da candidatura a cargo
XXXII - proibição de distinção entre trabalho manual, de direção ou representação sindical e, se eleito,
técnico e intelectual ou entre os profissionais ainda que suplente, até um ano após o final do man-
respectivos; dato, salvo se cometer falta grave nos termos da lei.
XXXIII - proibição de trabalho noturno, perigoso ou Parágrafo único. As disposições deste artigo apli-
insalubre a menores de dezoito e de qualquer traba- cam-se à organização de sindicatos rurais e de
lho a menores de dezesseis anos, salvo na condição colônias de pescadores, atendidas as condições que
de aprendiz, a partir de quatorze anos; a lei estabelecer.
XXXIV - igualdade de direitos entre o trabalhador Art. 9º É assegurado o direito de greve, competindo
com vínculo empregatício permanente e o trabalha- aos trabalhadores decidir sobre a oportunidade de
dor avulso exercê-lo e sobre os interesses que devam por meio
Parágrafo único. São assegurados à categoria dos dele defender.
trabalhadores domésticos os direitos previstos § 1º A lei definirá os serviços ou atividades
nos incisos IV, VI, VII, VIII, X, XIII, XV, XVI, XVII, essenciais e disporá sobre o atendimento das
XVIII, XIX, XXI, XXII, XXIV, XXVI, XXX, XXXI e necessidades inadiáveis da comunidade.
XXXIII e, atendidas as condições estabelecidas em § 2º Os abusos cometidos sujeitam os responsáveis
lei e observada a simplificação do cumprimento às penas da lei.
das obrigações tributárias, principais e acessórias, Art. 10. É assegurada a participação dos tra-
decorrentes da relação de trabalho e suas peculiari- balhadores e empregadores nos colegiados dos
dades, os previstos nos incisos I, II, III, IX, XII, XXV órgãos públicos em que seus interesses profission-
e XXVIII, bem como a sua integração à previdência ais ou previdenciários sejam objeto de discussão e
social. deliberação.
Art. 11. Nas empresas de mais de duzentos empre-
O mencionado dispositivo aborda os direitos dos gados, é assegurada a eleição de um representante
trabalhadores de uma forma genérica, pois todos são destes com a finalidade exclusiva de promover-lhes
tratados de forma especifica em legislação especial. o entendimento direto com os empregadores.
Cabe ressaltar aqui neste tópico que os examina-
dores das bancas gostam muito de perguntar datas e As garantias deste último grupo de direitos sociais
questões numéricas. Por exemplo, um tema sempre estão divididas em: direito de associação sindical,
muito cobrado em provas é sobre a prescrição traba- direito de greve e direito de representação.
lhista, ou seja, referente ao prazo máximo para entrar Direito de associação sindical tem relação com o
com a reclamação trabalhista após o termino do con- princípio da liberdade de associação. Direito de greve,
trato de trabalho para discutir os últimos cinco anos, citado no art. 9º, não é o mesmo direito de greve asse-
ou seja, os créditos trabalhistas prescrevem nos últi- gurado ao servidor público no art. 37 da CF, ou seja, a
mos cinco anos. greve mencionada no art. 9º é autoaplicável (norma
de eficácia contida), não preciosa de lei para regula-
mentar o direito de greve. Já o direito de representa-
Prazo para entrar com reclamação trabalhista: 2 anos. ção, fique atento com os números também, como por
Prescrição dos créditos: últimos 5 anos. exemplo, no art. 11º da CF.

DIREITOS SOCIAIS COLETIVOS DOS NACIONALIDADE E CIDADANIA


TRABALHADORES
Ligação que une um indivíduo a cada território.
Art. 8º É livre a associação profissional ou sindical, Grande parte dos países determina o modo de aqui-
observado o seguinte:
sição e perda da nacionalidade em suas respectivas
I - a lei não poderá exigir autorização do Estado
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
constituições.
para a fundação de sindicato, ressalvado o regis-
tro no órgão competente, vedadas ao Poder Públi-
A nacionalidade é considerada pela CF/88 um
co a interferência e a intervenção na organização direito fundamental, e tem previsão no título II da CF.
sindical; O Brasil adota dois critérios para definir a aquisi-
II - é vedada a criação de mais de uma organização ção da nacionalidade brasileira:
sindical, em qualquer grau, representativa de cat-
egoria profissional ou econômica, na mesma base z jus solis: atribui nacionalidade ao território onde
territorial, que será definida pelos trabalhadores o indivíduo nasce.
ou empregadores interessados, não podendo ser z jus sanguinis: atribui a nacionalidade ao vínculo
inferior à área de um Município; sanguíneo.
III - ao sindicato cabe a defesa dos direitos e inter-
esses coletivos ou individuais da categoria, inclu- Brasileiro nato
sive em questões judiciais ou administrativas;
IV - a assembléia geral fixará a contribuição que,
Conforme prevê o art. 12, inciso I da CF, é conside-
em se tratando de categoria profissional, será des-
rado brasileiro nato:
contada em folha, para custeio do sistema con-
federativo da representação sindical respectiva,
independentemente da contribuição prevista em lei; z Nascidos no Brasil, ainda que de pais estrangeiros,
V - ninguém será obrigado a filiar-se ou a manter-se desde que estes não estejam a serviço de seu
filiado a sindicato; país.
47
Atenção: No que diz respeito à necessidade de z Nacionalidade extraordinária: para os demais
ambos os genitores estrangeiros estarem a serviço do estrangeiros, deve-se ter 15 anos de residência
país, entende-se que deve haver a verificação do fato do ininterrupta e ausência de condenação penal.
deslocamento desse Estado (país) ao Brasil ter ocorrido
em virtude de interesse do seu país. Ainda que um deles O Supremo Tribunal Federal entende que a natu-
não exerça função governamental, por exemplo: ralização extraordinária é ato declaratório do Brasil.
Pais argentinos, a serviço da Argentina – nesse caso Estrangeiro que provar os requisitos necessários,
o filho nascido no Brasil não será brasileiro nato10. ou seja, possuir 15 anos de residência ininterrupta e
Pais argentinos a serviço do Uruguai – nesse caso o ausência de condenação penal, tem o direito subje-
filho nascido no Brasil será brasileiro nato, pois os pais tivo11 à naturalização. Negado este pedido, caberá
não estão a serviço de seu país (no exemplo Argentina). Mandado de Segurança.
Importante mencionar também a leitura do Esta-
z Nascidos no estrangeiro, de pai ou mãe brasileira, tuto do Estrangeiro, a Lei nº 6.815/1980.
desde que qualquer um deles esteja a serviço
do Brasil; Perda da nacionalidade

Conforme art. 14 §4º da CF/88, tanto o brasilei-


Neste caso o termo a “serviço da República Fede-
ro nato, quanto o naturalizado, poderá perder a sua
rativa do Brasil” engloba a serviço da administração
nacionalidade.
direta e indireta da União, Estados, Distrito Federal e Existem dois instrumentos que podem ser usados
Municípios. para decretar a perda da nacionalidade brasileira:

z Nascidos no estrangeiro de pai brasileiro ou mãe a) Sentença Judicial transitada em julgado: esta
brasileira, desde que sejam registrados em repar- alcança apenas o brasileiro naturalizado que feriu
tição brasileira competente (embaixada ou con- o interesse nacional. Neste caso, o indivíduo que
sulado) ou venham a residir no Brasil e optem, perdeu a nacionalidade poderá apenas readqui-
em qualquer tempo, pela nacionalidade brasileira. ri-la por meio de uma ação, chamada de Ação
Rescisória.12
Atenção: O filho poderá optar pela nacionalidade b) Alcança brasileiro nato e naturalizado que
brasileira observando três requisitos cumulativos: adquire voluntariamente outra nacionalidade,
este ato engloba tanto a aceitação quanto o pedido
da naturalização oferecida por outro país. Neste
1. Idade mínima: 18 anos;
caso, existem duas exceções, ou seja, existem dois
2. Residência no Brasil;
casos em que é permitida a dupla cidadania:
3. Obedecendo aos dois requisitos acima, deve-
b.1) Reconhecimento da nacionalidade pela lei
-se optar a qualquer tempo pela nacionalidade estrangeira;
brasileira. b.2) Imposição por outro país, como condição
de permanência em seu território ou para
A Constituição Federal em seu art. 12 §3º determi- exercício dos direitos civis. Exemplo: atletas/
na quais os cargos que são PRIVATIVOS para brasilei- jogadores de futebol quando são “vendidos” e
ro nato, vejamos: representam times estrangeiros.

z �Presidente e Vice-Presidente da República; Dica


z �Presidente da Câmara dos Deputados;
Atualmente compete ao Ministro da Justiça
z �Presidente do Senado Federal;
declarar a perda e a requisição da nacionalidade.
z �Ministro do STF;
z �Carreira Diplomática;
Ainda, o art. 5º, inciso LI da CF, dispõe que nenhum
z �Oficial das Forças Armadas;
brasileiro será extraditado, salvo o naturalizado,
z �Ministro de Estado da Defesa. em caso de crime comum, praticado antes da natura-
lização, ou se comprovado envolvimento em tráfico
Naturalizados ilícito de entorpecentes e drogas afins, na forma da lei.
Importante frisar que o brasileiro nato não pode
Neste caso, o indivíduo não tem vínculo, nem de ser extraditado. Se for o caso, deve ser entregue ao
solo, nem de sangue, com o Brasil, mas quer tornar- TPI-Tribunal Penal Internacional, sendo que, podem
-se brasileiro, simplesmente por vontade, ou seja, é o ser entregues ao TPI os brasileiros natos, naturaliza-
estrangeiro que optou pela nacionalidade brasileira dos e estrangeiros.
(art. 12, inciso II da CF). Ainda, o Estatuto de Roma do Tribunal Penal Inter-
nacional, decreto lei nº 4388/2002, em seu art. 102, defi-
z Estrangeiros provenientes de países de língua ne a diferença entre a entrega e extradição, vejamos:
portuguesa devem ter um ano de residência no
Brasil e idoneidade moral. a) Por “entrega”, entende-se a entrega de uma pessoa
por um Estado ao Tribunal nos termos do presente
Ex.: Portugal, Angola, Cabo Verde e etc. Estatuto.
10 Observe nos exemplos como pode ser cobrada a matéria na prova.
11 O direito subjetivo se refere aos direitos que são efetivamente garantidos ao indivíduo pela lei.
48 12 Ação rescisória é um meio processual que tem o objetivo de desconstituir ou revogar acórdão ou sentença transitada em julgado.
b) Por “extradição”, entende-se a entrega de uma pessoa DIREITOS POLÍTICOS
por um Estado a outro Estado, conforme previsto em
um tratado, em uma convenção ou no direito interno. Tem regras fixadas pela constituição no Capítulo
IV referente à participação popular no processo polí-
Considerações referente à nacionalidade tico, Art. 14 e seguintes da Constituição.
Os direitos políticos conferidos à população brasi-
Extradição leira são o sufrágio universal, o voto direto e secreto
e a participação em plebiscitos, referendos ou inicia-
Entrega de um Estado (país) a outro Estado (país) tivas populares.
de pessoa acusada de delito ou já condenada. Note
que, conforme a súmula 421 do STF, não há impedi- Dica
mento à extradição o fato de o extraditado ser casado
com brasileira ou ter filho brasileiro. Sufrágio universal é o direito de homens e mulhe-
Conforme prevê o art. 22, inciso XV da CF, compete res naturalizados ou nascidos em um país de
à União legislar sobre extradição. participar das eleições, ou seja:
A constituição brasileira também dispõe que Capacidade eleitoral ativa: direito de votar;
“nenhum brasileiro será extraditado, salvo o natura- Capacidade eleitoral passiva: direito de ser
lizado, em caso de crime comum, praticado antes da votado.
naturalização, ou de comprovado envolvimento em
tráfico ilícito de entorpecentes e drogas afins, na for- Condições de elegibilidade
ma da lei.” Bem como, “não será concedida extradição
de estrangeiro por crime político ou de opinião” (art. Conforme art. 14, § 3º da CF, são condições de elegi-
5º, incisos LI e LII da CF). bilidade, na forma da lei:
Ainda, o art. 102, I, g da CF, dispõe que o Supremo
Tribunal Federal será o responsável por processar e
Nacionalidade brasileira;
julgar a extradição solicitada pelo Estado estrangeiro. Não ter direitos políticos cassados;
Alistamento eleitoral;
ELEGIBILIDADE
Expulsão Domicilio eleitoral na circunscrição
correspondente;
Modo de tirar o estrangeiro do Brasil de modo Filiação partidária.
coativo, por infração ou ato que o torne inconve-
niente à defesa e à conservação da ordem interna do A constituição também define a idade mínima que
Estado. cada candidato, correspondente a seu cargo deve ter:
Neste caso, a União é responsável para legislar
sobre expulsão, art. 22, inciso XV da CF. Deputado
Não ocorrerá a expulsão em duas hipóteses: dife- Governador Federal
Presidente
rente da extradição, a expulsão não será admitida + Vice Estadual e
+ Vice Vereador
quando o indivíduo tiver cônjuge brasileiro (desde dos Estados Distrital
Senador
que não esteja divorciado ou separado de fato) e o e DF Prefeito + Vice
Juiz de Paz
casamento tiver sido celebrado há mais de cinco anos,
ou que tenha filho brasileiro, desde que este esteja sob 35 anos 30 anos 21 anos 18 anos
sua guarda e dependência econômica.

Deportação Perda ou suspensão dos direitos políticos

Nesse caso se refere ao estrangeiro que ingressou A perda ou suspensão dos direitos políticos estão
ou permaneceu de forma irregular no território apresentadas no art. 15 da Constituição, vamos ao

NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL


nacional, ou seja, é a devolução do estrangeiro por estudo do mencionado dispositivo.
entrar no Brasil de forma irregular. Assim, não há Como o nome já diz, a suspensão é o cancelamento
deportação de brasileiros no Brasil (art. 5º, inciso XV por um tempo determinado, já a perda, o cancelamen-
da CF). to por prazo indeterminado. Vejamos em quais situa-
ções podem ocorrer perda ou suspensão, analisando o
XV - é livre a locomoção no território nacional em art. 15 da CF/88.
tempo de paz, podendo qualquer pessoa, nos ter-
mos da lei, nele entrar, permanecer ou dele sair Art. 15. É vedada a cassação de direitos políticos,
com seus bens; cuja perda ou suspensão só se dará nos casos de:
I - cancelamento da naturalização por sentença
transitada em julgado; PERDA.
Note que a deportação não tem relação com a prá-
II - incapacidade civil absoluta; (grifo nosso)
tica do estrangeiro em território brasileiro, mas sim,
SUSPENSÃO
do não cumprimento dos requisitos legais para sua III - condenação criminal transitada em julgado,
entrada. enquanto durarem seus efeitos; SUSPENSÃO
Bem como, não existe mais o instituto do banimen- IV - recusa de cumprir obrigação a todos imposta
to, que era o envio compulsório de brasileiros para o ou prestação alternativa, nos termos do art. 5º, VIII;
exterior. Observe também que há vedação constitu- PERDA.
cional de seu reestabelecimento no art. 5º, XLVII, d, V - improbidade administrativa, nos termos do art.
da CF. 37, § 4º. SUSPENSÃO 49
Dica 4. (FCC – 2019) Acerca do que dispõe a Constituição
Federal sobre nacionalidade,
Não existe a cassação dos direitos políticos.
a) são brasileiros natos os nascidos na República Fede-
rativa do Brasil, ainda que de pais estrangeiros, desde
que estes não estejam a serviço de seu país.
EXERCÍCIOS COMENTADOS b) a lei não poderá estabelecer distinção entre brasileiros
natos e naturalizados, salvo nos casos previstos em
1. (CESPE – 2018) Servidores públicos de determinado lei complementar.
estado da Federação iniciaram movimento grevista, c) é privativo de brasileiro nato o cargo de membro da
motivados pelo atraso no pagamento de seus venci- Câmara dos Deputados.
mentos, na tentativa de regularizar a situação salarial. d) será declarada a perda da nacionalidade do brasilei-
ro que tiver cancelada sua naturalização, por decisão
Inconformado com a paralisação de atividades que
administrativa, em virtude de atividade nociva ao inte-
julgava essenciais, o gestor público expediu ato admi-
resse nacional.
nistrativo determinando o desconto do salário dos e) é fator impeditivo de aquisição da nacionalidade bra-
servidores grevistas, bem como o processamento da sileira a condenação, por improbidade administrativa,
devida anotação funcional. de cidadão estrangeiro residente no Brasil por período
Nessa situação hipotética, o instrumento processual superior a quinze anos ininterruptos.
de controle judicial que o sindicato dos servidores
deverá invocar para suspender o ato administrativo de Sim, são brasileiros natos os nascidos na República
desconto e anotação dos dias não trabalhados é o Federativa do Brasil, ainda que de pais estrangeiros,
desde que estes não estejam a serviço de seu país.
a) mandado de injunção. Tome cuidado, sempre que a questão mencionar que
b) recurso ordinário. os pais estão a serviço do seu país de origem: o filho
c) habeas corpus. nascido no Brasil não será brasileiro nato. Respos-
d) habeas data. ta: Letra A.
e) mandado de segurança.
5. (FGV – 2019) João, servidor público, preencheu todos
os requisitos exigidos para o recebimento de determi-
No caso em tela, houve uma violação de um direito
nado benefício pecuniário, mas decidiu que iria reque-
líquido e certo previsto na constituição, uma afron- rê-lo somente na semana seguinte. Ocorre que, no dia
ta a esse direito de greve dá causa ao Mandado de anterior àquele em que apresentaria o seu requerimen-
Segurança. Sobre o tema, o STF já se posicionou to, foi editada a Lei nº XX, que extinguiu o benefício.
sobre a ilegalidade do desconto, em virtude de greve À luz da sistemática constitucional, a edição da Lei nº
motivada por ilicitude do poder público – STF. RE n. XX:
693.456 - Tema 531. Resposta: Letra E.
a) impede que João receba o benefício;
2. (CESPE – 2018) Julgue o item seguinte, relativo ao b) não impede que João receba o benefício, pois a lei
direito de nacionalidade. não pode prejudicar a coisa julgada;
Os indivíduos que possuem multinacionalidade vincu- c) não impede que João receba o benefício, pois a lei
lam-se a dois requisitos de aquisição de nacionalidade não pode prejudicar o direito adquirido;
primária: o direito de sangue e o direito de solo. d) não impede que João receba o benefício, pois a lei
não pode prejudicar o ato jurídico perfeito;
e) somente impedirá que João receba o benefício
( )CERTO  ( )ERRADO
caso não o requeira no dia imediato à promulga-
ção da lei.
O Brasil adota dois critérios para definir a aquisi-
ção da nacionalidade brasileira: direito de solo (na João deve receber o benefício, pois a lei, na data em
sua prova também pode ser chamada de jus solis), que foi editada, já garantia seu direito adquirido. Cui-
que atribui nacionalidade ao território onde o indi- dado para não confundir coisa julgada com direito
víduo nasce, e direito de sangue (também pode ser adquirido, sendo que na coisa julgada é conferida a
chamada de jus sanguinis), que atribui a naciona- sentença quando não cabem mais recursos e o direi-
lidade ao vínculo sanguíneo. Resposta: Certo. to adquirido se dá quando o indivíduo já preencheu
todos os requisitos exigidos por lei (no tempo em que
3. (CESPE – 2018) A respeito dos direitos e garantias fun- determinada lei era vigente) para se beneficiar de
damentais, julgue o item que se segue, tendo como refe- determinado direito. Resposta: Letra C.
rência a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal.
É vedado ao legislador editar lei em que se exija o
pagamento de custas processuais para a impetração
de habeas corpus. ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
( )CERTO  ( )ERRADO NOÇÕES DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

O habeas corpus não tem custas processuais, é gra- Segundo José Afonso da Silva (2017), adminis-
tuito e também não tem necessidade de advogado, tração pública é o conjunto de meios institucionais,
conforme prevê o art. 5º, inciso LXXVII da Constitui- financeiros e humanos destinados à execução das
ção. Resposta: Certo. decisões políticas13.
50 13  SILVA, op. cit, p. 665.
A Constituição Federal de 1988 estabeleceu regras motivo são as razões de fato e de direito que levaram
gerais e preceitos específicos no Título III, Capítulo a Administração Pública a praticar determinado ato,
VII. São normas que tratam da organização, diretrizes, por exemplo, é a infração de trânsito que deu origem
remuneração e atuação dos servidores, acesso aos car- a multa. A finalidade deve objetivar alcançar sempre
gos públicos etc. Assim, a seguir passaremos a estudar as o interesse público (definido em lei), é o resultado
regras e preceitos específicos da Administração Pública. que a Administração Pública pretende alcançar com
determinado ato, por exemplo, a desapropriação por
NATUREZA E ELEMENTOS utilidade pública. Por fim, a forma é manifestação do
ato, por exemplo, publicar no Diário Oficial da União
a nomeação do Servidor Público.
O Título III, da Constituição Federal refere-se a nor-
mas das orientações de atuação dos agentes administra-
tivos, empregos públicos, responsabilidade civil etc..., ou COMPETÊNCIA Atribuição legal para praticar o ato.
seja, trata-se da administração de bens e interesse públi-
co, assim, conclui-se que a administração pública tem OBJETO Resultado do ato, o que o ato decide.
natureza de “múnus público”. Por exemplo, os agentes
MOTIVO Razões fáticas e jurídicas.
públicos são obrigados a velar pela estrita observância
dos princípios de legalidade, impessoalidade, morali- Resultado que o ato deseja (interesse
dade e publicidade no trato dos assuntos que lhe são FINALIDADE
público).
afetos, caso contrário o agente estará cometendo ato de
improbidade administrativa sujeito as sanções e penali- FORMA Manifestação do ato.
dades previstas na Lei nº 8429/1992.
PODERES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
Dica
Os poderes que a Administração Pública possui são
A palavra múnus tem origem no latim e signifi- exercidos quando o Estado assume a sua função admi-
ca dever, obrigação etc. O múnus público é uma nistrativa. A função administrativa é exercida pelos
obrigação imposta por lei, em atendimento ao três poderes da República, de forma típica pelo exe-
poder público, que beneficia a coletividade e não cutivo e de forma atípica pelo legislativo e judiciário.
pode ser recusado, exceto nos casos previstos Ainda, a Administração Pública não pode renun-
ciar os poderes, sendo exercício obrigatório. Assim,
em lei. Por exemplo: dever de votar, depor como
agora vamos falar sobre cada um dos poderes atribuí-
testemunha, atuar como mesário eleitoral, servi-
dos à Administração Pública.
ço militar, entre outros.14 Temos a princípio o poder vinculado que é o
poder que a Administração Pública deve exercer nos
Toda vez que a administração pública pratica uma termos da lei.
ação que produz um efeito jurídico, chamamos de ato Quanto ao poder discricionário, a Administração
administrativo que produz efeitos que podem criar, possui uma margem de escolha entre as opções exis-
modificar ou extinguir direitos. tentes na lei.
Os elementos dos atos administrativos são com- Por sua vez, o poder normativo é aquele conferi-
petência, objeto, motivo, finalidade e forma. Toda do ao Poder Executivo para editar normas, por exem-
vez que um ato é praticado deve se observar qual é a plo, conforme art. 84 da CF/88, inciso IV, vejamos:
competência da pessoa que o praticou, ou seja, a com-
petência é a função atribuída a cada órgão ou autori- Art. 84. Compete privativamente ao Presidente da
dade por lei, tem como característica ser irrenunciável, República:
imprescritível, inderrogável e improrrogável. IV - sancionar, promulgar e fazer publicar as leis,
bem como expedir decretos e regulamentos para
O art. 12 da Lei nº 9.784/1999 (Lei que regula o sua fiel execução;
processo administrativo no âmbito da administra-
ção pública), permite a delegação de competência, Por conseguinte, o poder disciplinar é o poder
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
vejamos: que fundamenta a Administração Pública a aplicar
sanção disciplinar e apurar possíveis infrações dos
Art. 12. Um órgão administrativo e seu titular pode- servidores públicos. Importante frisar que os parti-
rão, se não houver impedimento legal, delegar par- culares contratados pela administração pública tam-
te da sua competência a outros órgãos ou titulares, bém se sujeitam ao poder disciplinar, por exemplo,
ainda que estes não lhe sejam hierarquicamente estão sujeitos às penalidades impostas no art. 87 da
subordinados, quando for conveniente, em razão de Lei 8.666/1993.
circunstâncias de índole técnica, social, econômica,
jurídica ou territorial. Art. 87. Pela inexecução total ou parcial do con-
trato a Administração poderá, garantida a prévia
Parágrafo único. O disposto no caput deste artigo defesa, aplicar ao contratado as seguintes sanções:
aplica-se à delegação de competência dos órgãos cole- I - advertência;
giados aos respectivos presidentes. II - multa, na forma prevista no instrumento convo-
catório ou no contrato;
O resultado do ato administrativo é o objeto, ou III - suspensão temporária de participação em lici-
seja, é aquilo que o ato decide, por exemplo, a puni- tação e impedimento de contratar com a Adminis-
ção decorrente de uma multa de trânsito. O elemento tração, por prazo não superior a 2 (dois) anos;

14 Disponível em <https://www.tjdft.jus.br/institucional/imprensa/campanhas-e-produtos/direito-facil/edicao-semanal/munus-publico.> Acesso


em: 12 out 2020. 51
IV - declaração de inidoneidade para licitar ou contra- Exemplo: São os também os chamados entes políti-
tar com a Administração Pública enquanto perdura- cos com autonomia para se organizar e editar suas
rem os motivos determinantes da punição ou até que normas.
seja promovida a reabilitação perante a própria auto- II - A Administração Indireta, que compreende
ridade que aplicou a penalidade, que será concedida as seguintes categorias de entidades, dotadas de
sempre que o contratado ressarcir a Administração personalidade jurídica própria:
pelos prejuízos resultantes e após decorrido o prazo a) Autarquias;
da sanção aplicada com base no inciso anterior. b) Empresas Públicas;
c) Sociedades de Economia Mista.
O poder hierárquico atribui a distribuição de d) fundações públicas.
competências no âmbito da Administração Pública, Parágrafo único. As entidades compreendidas na
ou seja, é o escalonamento de competências e funções. Administração Indireta vinculam-se ao Ministério
Já o poder de polícia é quando o Estado coloca con- em cuja área de competência estiver enquadrada
dições (limites) ao exercício de direitos individuais, sua principal atividade.
para garantia da ordem pública, segurança pública,
interesse público e saúde pública. Por exemplo, a A Administração Pública direta é composta por
determinação pela autoridade competente de fecha- pessoas jurídicas de direito público regidas pelos
mento de um estabelecimento comercial por vender princípios da supremacia do interesse público sobre o
produtos com prazo de validade vencido. particular e da indisponibilidade do interesse público.
Ainda, tem autonomia política (para editar normas),
administrativa (organização) e financeira (podem
Importante! realizar auditoria das próprias contas, além da lei de
Cuidado para não confundir poder de polícia com responsabilidade fiscal), sendo que os Entes da Admi-
a prestação de serviço público que são ações nistração Pública direta não possuem hierarquia. O
positivas, fazeres do Estado. O art. 78 do Código texto constitucional no art. 18 dispõe da administra-
ção direta, vejamos:
Tributário Nacional traz o conceito do poder de
polícia, observe:
Art. 18. A organização político-administrativa da
Art. 78. Considera-se poder de polícia atividade República Federativa do Brasil compreende a União,
da administração pública que, limitando ou dis- os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, todos
ciplinando direito, interesse ou liberdade, regula autônomos, nos termos desta Constituição.
a prática de ato ou abstenção de fato, em razão
de interesse público concernente à segurança, A banca examinadora ao formular uma questão
à higiene, à ordem, aos costumes, à disciplina também pode se referir aos entes da Administração
da produção e do mercado, ao exercício de ativi- Direta pelos seguintes nomes:
dades econômicas dependentes de concessão
ou autorização do Poder Público, à tranquilidade z Entes Federados;
pública ou ao respeito à propriedade e aos direi- z Entes Políticos;
tos individuais ou coletivos.  z Pessoas Políticas;
Parágrafo único. Considera-se regular o exercí- z Administração Centralizada.
cio do poder de polícia quando desempenhado
pelo órgão competente nos limites da lei apli- Já as entidades da Administração Pública indire-
cável, com observância do processo legal e, ta são entidades criadas pela administração pública
direta (por meio de lei, tendo uma finalidade espe-
tratando-se de atividade que a lei tenha como
cífica), que tem autonomia administrativa (para se
discricionária, sem abuso ou desvio de poder.
organizar), técnica (atribuições especificadas em lei)
e financeira, ou seja, a Administração Pública indireta
ORGANIZAÇÃO é quando o serviço público é prestado pelo estado de
forma descentralizada.
“A organização no Estado Federal é complexa, Fazem parte da Administração Pública indireta as
porque a função administrativa é institucionalmente Autarquias, Fundações Públicas, Sociedade de Econo-
imputada a diversas entidades governamentais autô- mia Mista e Empresas Públicas:
nomas, que, no caso brasileiro estão expressamente
referidas no próprio art. 37, de onde decorre a exis- a) Autarquias Federais são responsáveis pela fisca-
tência de várias Administrações Públicas: a federal lização e regulamentação de atividades ligadas à
(da União), a de cada Estado (Administração estadual), telecomunicação, energia elétrica e petróleo. Ex.:
a do Distrito Federal e a de cada Município (Adminis- ANATEL, ANEEL, ANP;
tração municipal ou local), cada qual submetida a um b) Fundações são entidades que executam ativida-
Poder político próprio, expresso por uma organização des sociais (pesquisa/saúde/ensino) sem fins lucra-
governamental autônoma.” (SILVA, 2017, p. 665). tivos. Ex.: FUNASA, FUNAI etc.;
Conforme o art. 4º do Decreto-Lei 200/1967 a Admi- c) Empresas Públicas são entidades em que 100%
nistração Pública no Brasil compreende em adminis- do capital é público, podendo ser tanto uma socie-
tração direta e administração indireta. dade anônima como uma sociedade limitada. Ex.:
Correios e Caixa Econômica Federal;
Art. 4º A Administração Federal compreende: d) Sociedade de Economia Mista deve ser criada
I - A Administração Direta, que se constitui dos necessariamente sobre a forma de uma sociedade
serviços integrados na estrutura administrativa da anônima (S.A). Seu capital é formado por dinheiro
52 Presidência da República e dos Ministérios. público e privado. Ex.: Banco do Brasil e Petrobras.
Dica No que tange ao princípio da publicidade, este exige
que a atuação do poder público seja transparente e com
A administração direta exerce o chamado con-
acesso à informação a toda população, sendo que as infor-
trole finalístico ou supervisão ministerial sobre a mações devem ser claras e publicadas no Diário Oficial, ou
administração indireta. em canais oficiais de publicidade (editais) conforme a lei
Ainda, a banca examinadora ao formular uma de acesso à informação, assim os cidadãos podem fiscali-
questão também pode se referir aos entes da zar os atos praticados pelos agentes públicos.
Administração Indireta com os seguintes nomes: No que concerne aos princípios, o princípio da efi-
� Entidade Administrativa; ciência, como o próprio nome já demonstra, refere-se
� Administração Pública Descentralizada; à atuação da administração pública com presteza e da
� A Empresa Pública e Sociedade de Economia maneira mais eficiente possível, por exemplo, a pres-
teza do agente público no atendimento em um hospi-
Mista na prova também podem ser chamadas
tal, objetivando garantir o atendimento mais rápido
de: Empresas Estatais. possível aos pacientes, garantindo a estes o acesso ao
médico e medicamentos de maneira eficiente.
ADM. PÚBLICA ADM. PÚBLICA
DIRETA INDIRETA � Princípios implícitos
FORMAÇÃO Entes políticos Entidade administra-
União - Estados - DF tiva. Ainda, além dos princípios expressos no art. 37 da
- Municípios Autarquias-fundações Constituição, a Administração Pública também deve
públicas-sociedade de
observar os da supremacia do interesse público,
economia mista – em-
princípio da razoabilidade, princípio da propor-
presas públicas.
cionalidade, princípio da autotutela e princípio da
NATUREZA Pessoas jurídicas Pessoas jurídicas de
segurança jurídica. Essas são as prerrogativas cha-
de direito público, direito público e pri-
com autonomia vado, com autonomia
madas de “princípios implícitos” que, apesar de não
política, adminis- administrativa, técnica estarem expressos na Constituição, também devem
trativa e financeira. e financeira. ser observados pela Administração Pública.
Entes políticos são Os princípios implícitos são obtidos por meio de
PJ de DP interno. uma construção lógica e doutrinária, ora, estão implí-
ESPECIFIDADES Não existe hie- Não tem subordinação citos no texto mesmo não aparecendo expressamente.
rarquia entre os entre elas. Por exemplo, o princípio da razoabilidade, não está
entes, esses têm escrito (expresso) na Constituição Federal, mas ele
autonomia. também pode ser observado a partir do que dispõe o
art. 5º, inciso LXXVIII da CF, vejamos:
PRINCÍPIOS ESPECÍFICOS DA ADMINISTRAÇÃO
PÚBLICA LXXVIII - a todos, no âmbito judicial e administrativo,
são assegurados a razoável duração do processo e os
Os princípios específicos da Administração Pública meios que garantam a celeridade de sua tramitação.
estão fundamentados no caput do art. 37 da Constitui-
ção, são os chamados princípios constitucionais explí- Referente ao princípio da razoabilidade e pro-
citos da administração pública, vejamos: porcionalidade o agente público quando vai agir
deve praticar os atos de forma proporcional, para
Art. 37. A administração pública direta e indireta evitar os excessos, serve de limite para os atos discri-
de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do cionários. Por exemplo, o art. 132, VII, da Lei nº Lei
Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos 8.112/90, prevê a demissão do servidor público em
princípios de legalidade, impessoalidade, moralida- caso de ofensa física, em serviço, entretanto no caso
de, publicidade e eficiência [...]. das carreiras policiais esse dispositivo deve ser anali-
sado com cautela, até pelo fato da necessidade do uso
de força física em alguns casos, sendo que esta não é
Vamos à análise de cada um dos princípios expres-
uma regra e deve ser analisada junto ao caso concreto.
sos no caput dispositivo em comento.
Já o princípio da supremacia do interesse público
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
No princípio da legalidade o agente público está
se refere ao interesse público, devendo este sempre
restringido ao que a lei o autoriza a fazer (compe- sobressair ao interesse particular, ou seja, interesse
tência de atuação), ou seja, deve atuar somente den- da sociedade prevalece sobre o interesse individual.
tro dos limites estabelecidos em lei, assim, quando o Por exemplo, como ocorreu no Brasil em março de
agente pratica um ato que não está previsto em lei, 2020 com a pandemia (Covid-19) e a determinação
este pratica um ato inválido. Por exemplo, o agente pelo poder público para que ocorresse o isolamento
público recebe vantagem econômica de qualquer (lockdown) horizontal, ou seja, a população teve seu
natureza, direta ou indireta, para tolerar a exploração direito fundamental de ir e vir restrito, diante da cala-
ou a prática de jogos de azar. midade pública decretada, note que, o interesse da
No princípio da impessoalidade (ou princípio da coletividade deve ser sempre observado e ter prefe-
finalidade) o agente público sempre deve prezar pela rência em relação ao direito do particular.
defesa do interesse público, ainda objetiva a isonomia No que tange ao princípio da autotutela, esse se
(tratar a todos sem privilégio) no exercício das fun- refere ao poder que a Administração Pública tem para
ções públicas. anular seus próprios atos, ou seja, não depende do
Já o princípio da moralidade está relacionado à poder judiciário para dar eficácia às suas práticas. Por
ideia de boa fé e probidade, sendo que o agente deve exemplo, a Previdência Social defere a concessão de
atuar buscando o interesse público e evitar se valer do benefício previdenciário (por força de uma interpre-
cargo público e do poder incumbido para se promover tação errônea) a um determinado cidadão, entretanto
ou atender algum interesse individual. após identificar o erro à própria Previdência Social
pode cancelar esse benefício. 53
Por fim, o Princípio da segurança jurídica tem AGENTES PÚBLICOS
por objetivo proteger o cidadão, ou seja, é a garantia
de que o agente público irá desempenhar sua função PARTICULARES
AGENTE AGENTE
observando as diretrizes da Administração Pública. EM
POLÍTICO ADMINISTRATIVO
COLABORAÇÃO

PRINCÍPIOS DA � Servidores Públi- � Militares � Agentes


cos (estatutário) � Emenda Constitu- Honoríficos
ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
� Empregados Pú- cional 18/1998 � Agente
EXPLÍCITOS IMPLÍCITOS blicos (celetista) Delegado
� Servidores � Agentes
Expressos art. 37 CF/88 Comissionados Credenciados
“L I M P E” � Servidores
Temporários
� Supremacia do Inte-
z Legalidade; resse Público;
z Impessoalidade; � Razoabilidade; � Servidores públicos estatutários:
z Moralidade; z Proporcionalidade;
z Publicidade; z Autotutela; Estão sujeitos ao regime jurídico de direito públi-
z Eficiência. z Segurança Jurídica. co, ingresso por meio de concurso público, titulares de
cargos efetivos. Ex.: Delegado e Analista.
O prazo de validade do concurso público será de
Dica até dois anos, prorrogável uma vez, por igual período
O Agente público deve observar os princípios admi- (art. 37, III da CF). Bem como, durante o prazo impror-
nistrativos explícitos do art. 37 da CF e também os rogável previsto no edital de convocação, o candidato
aprovado em concurso público de provas ou de pro-
princípios implícitos da Administração Pública, sen-
vas e títulos será convocado com prioridade sobre
do que a não observância do mesmo resultará em
novos concursados para assumir cargo ou emprego.
responsabilização criminal, civil e administrativa.
(Art. 37, IV da CF).
Ainda, conforme art. 37, VI da CF é assegurado ao ser-
SERVIDORES PÚBLICOS E MILITARES vidor público civil o direito à livre associação sindical.
O art. 41 da CF consagra estabilidade para os ser-
vidores públicos após três anos de efetivo exercício
Importante! (estágio probatório), desde que cumpram os seguin-
Nesse tópico de estudo é importante não con- tes requisitos: a) aprovação em concurso público;
fundir agente público, agente político e agente b) nomeação; c) avaliação especial de desempenho.
administrativo, pois a troca de uma simples pala- Vejamos o § 4º do mencionado dispositivo que deter-
vra pode mudar todo contexto e definição. mina a obrigatoriedade de comissão com a finalidade
de avaliação para estabilidade:

A utilização da expressão agente público é um § 4º Como condição para a aquisição da estabilida-


termo genérico, pois abrange a todos que tem vínculo de, é obrigatória a avaliação especial de desempe-
com o Estado, inclusive aqueles que têm um vínculo nho por comissão instituída para essa finalidade. 
temporário e não remunerado.
Agentes políticos são os detentores de manda- Após o estágio probatório o servidor público só
to eletivo, chamados também de agentes de primei- perderá o cargo em virtude de sentença transitada em
ro escalão, cargos previstos na CF/88, por exemplo: julgado, mediante processo administrativo, assegura-
o Presidente da República, Senadores, Deputados, do a ampla defesa, ou mediante procedimento de ava-
Ministros do STJ, Membros do Ministério Público etc. liação periódica de desempenho, assegurada ampla
Bem como, os agentes administrativos são aque- defesa. Sobre esse tema, é importante a observância
les que exercem uma atividade sujeita a hierarquia do art. 41, § 2º da CF, sobre eventual invalidade da
funcional, ocupantes dos cargos públicos, empregos demissão do servidor estável:
públicos e funções públicas na administração direta
ou indireta da Federação. O acesso ao cargo ocorrerá § 2º Invalidada por sentença judicial a demissão do
a partir de nomeação, concurso público ou designa- servidor estável, será ele reintegrado, e o eventual
ção, cabendo exercer atividade de forma remunerada ocupante da vaga, se estável, reconduzido ao cargo
de origem, sem direito a indenização, aproveitado
e profissional.
em outro cargo ou posto em disponibilidade com
José Afonso da Silva (2017) preleciona que, confor-
remuneração proporcional ao tempo de serviço.   
me a Constituição Federal, os agentes administrativos
se repartem em dois grupos: servidores públicos e
z Empregados públicos: Os servidores investidos
militares.
em empregos têm regime jurídico de natureza
trabalhista, ou seja, são regidos pela CLT (Conso-
� Servidores públicos
lidação das Leis do Trabalho). O ingresso também
é por meio de concurso público, entretanto não
Os servidores públicos compreendem outras qua-
adquirem a estabilidade do art. 41 da CF. Ex.: Ban-
tro categorias: 1) Servidores investidos em cargos (esta-
cário da Caixa Econômica Federal.
tutário); 2) Servidores públicos investidos em empregos
z Servidores comissionados: Os servidores investi-
(empregados públicos); 3) Servidores admitidos em fun-
dos em funções públicas são os que ocupam car-
ções públicas (comissionados); 4) Servidores contrata-
go em comissão e são livremente nomeados ou
54 dos por tempo determinado (temporários).
exonerados por autoridade competente (art. 37, V de formação dos oficiais; enquanto o ingresso dos
da CF). Cabe ressaltar que os ocupantes de cargos servidores militares das polícias militares ocor-
comissionados têm caráter transitório, ou seja, não re somente por vontade própria do interessado,
gozam de estabilidade. que se submeterá a obrigatório concurso público.
z Servidores temporários: Os servidores temporá- (MORAES, 2011, p. 413)
rios são contratados por tempo determinado em
situações excepcionais de interesse público, exer- Entenda:
cem função pública remunerada de caráter tem-
porário, o vínculo com a administração pública MILITARES NA CF/88
é contratual (contrato de direito público – não de
natureza trabalhista). Ex.: Professores, conforme POLÍCIA MILITAR FORÇAS ARMADAS
a Lei nº 8745/1993 que dispõe sobre a contratação Art. 42 da CF Art. 142 e 143 da CF
por tempo determinado para atender à necessida-
de temporária de excepcional interesse público. Ingresso: Ingresso:

Já os particulares em colaboração são pessoas que z Voluntário: median- z Compulsório


transitoriamente prestam serviços para o Estado, te aprovação em – recrutamento;
vejamos: concurso público; z Voluntário – curso de
formação;
z Agentes Honoríficos: Solicitado para designar um
serviço específico, em função de sua honra para Conforme art. 42 da CF, com base na hierarquia e
colaborar com o Estado, sem remuneração e sem disciplina, os militares dos Estados, Distrito Federal e
vínculo. Ex.: Mesários eleitorais e Jurado. Territórios são compostos por membros das Polícias
z Agente Delegado: É um particular autorizado a Militares e Corpos de Bombeiros Militares.  Ainda, o
realizar um determinado serviço público, remune- mencionado dispositivo no § 1º dispõe que os milita-
rado pela atividade executada, sem vínculo com a res são alistáveis e elegíveis, devendo ser observadas
administração. Ex.: Leiloeiro. as regras do art. 14, § 8º da CF:
z Agentes Credenciados: Representam o Estado
com um objetivo específico, sendo remunerado § 8º O militar alistável é elegível, atendidas as
para executar a atividade determinada. Ex.: Pessoa seguintes condições:
competente para representar o Brasil em deter- I - se contar menos de dez anos de serviço, deverá
minado evento em função de seu conhecimento afastar-se da atividade;
sobre tema específico. II - se contar mais de dez anos de serviço, será
agregado pela autoridade superior e, se eleito, pas-
MILITARES sará automaticamente, no ato da diplomação, para
a inatividade.
A Emenda Constitucional n. 18/1998 modificou o
texto constitucional, que antes consagrava os milita- Conforme nova redação atribuída pela Emenda
res como servidores públicos e dispôs dos militares Constitucional nº 109/2019, para fins de aposentado-
como um grupo separado, ou seja, formalmente dei- ria será assegurada a contagem recíproca do tempo
xaram de ser tratados pela Constituição como servi- de contribuição entre o Regime Geral de Previdência
Social e os regimes próprios de previdência social, e
dores públicos.
destes entre si, observada a compensação financeira,
Entretanto, na prática não houve mudanças e con-
de acordo com os critérios estabelecidos em lei. Bem
tinuam sendo agentes públicos. Bem como, são remu- como, o tempo de serviço correspondente será conta-
nerados por subsídio, conforme art. 39, § 4º da CF. do para fins de disponibilidade (art. 40 § 9º da CF).
Ainda, terão contagem recíproca para fins de ina-
§ 4º O membro de Poder, o detentor de mandato tivação militar ou aposentadoria e a compensação
eletivo, os Ministros de Estado e os Secretários financeira será devida entre as receitas de contribuição
Estaduais e Municipais serão remunerados exclu- referentes aos militares e as receitas de contribuição aos
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
sivamente por subsídio fixado em parcela única, demais regimes. Por exemplo, caso o militar tenha atua-
vedado o acréscimo de qualquer gratificação, adi- do nas forças armadas e posteriormente tomou posse
cional, abono, prêmio, verba de representação ou em cargo público poderá averbar esse tempo que atuou
outra espécie remuneratória, obedecido, em qual- como militar para fins de aposentadoria civil.
quer caso, o disposto no art. 37, X e XI. Por conseguinte, a Emenda Constitucional nº
101/2019 também incluiu o § 3º ao art. 42 da CF para
A seção III do título III da Constituição que trata dos vedar a acumulação remunerada de cargos públicos
militares dos Estados, do Distrito Federal e dos Territó- pelos militares, ou seja, determinou a aplicação do art.
rios tem apenas um artigo (art. 42), pois as forças arma- 37, XVI da CF para os militares dos Estados, DF e Ter-
das são tratadas em capítulo diverso (art. 142), ou seja, ritórios, vejamos.
após a EC 18/1998 a Constituição passou a tratar de for-
ma diversa os militares, dividindo em dois capítulos. XVI - é vedada a acumulação remunerada de cargos
Conforme considerações de Alexandre de Moraes: públicos, exceto, quando houver compatibilidade
de horários, observado em qualquer caso o dispos-
A organização e o regime únicos dos servidores to no inciso XI:
públicos militares já diferiam entre si, até porque a) a de dois cargos de professor;
o ingresso nas Forças Armadas dá-se tanto pela via b) a de um cargo de professor com outro técnico ou
compulsória do recrutamento oficial, quanto pela científico;
via voluntária do concurso de ingresso nos cursos c) a de dois cargos ou empregos privativos de profis-
sionais de saúde, com profissões regulamentadas; 55
Dica Neste caso, é necessário o particular demonstrar
a ocorrência entre o dano e o fato ocorrido, ou seja, a
Cuidado ao responder questão de prova: confor-
ocorrência do nexo de causalidade, configurada esta-
me a Constituição Federal (EC nº18/19998), os rá à responsabilidade civil do Estado.
militares não são denominados como servidores Vejamos o exemplo a seguir:
públicos civis. Um determinado agente público no exercício de
suas funções colide com o veículo de um particular;
IMPROBIDADE ADMINISTRATIVA O particular move ação de indenização contra o Estado;
Posteriormente o estado é condenado a pagar o
Os atos de improbidade administrativa são os atos dano causado.
previsto na Lei nº 8429/1992 que violam os princípios O Estado verifica o dolo do agente, que estava sob
constitucionais e legais da administração pública, estan- efeito de álcool, então move ação de regresso para que
do sujeitos a sanções aplicáveis aos agentes públicos nos o causador ressarça ao Estado a indenização que foi
casos de enriquecimento ilícito no exercício de manda- paga ao particular;
to, cargo, emprego ou função na administração pública Obs.: Além das sanções administrativas que este
direta, indireta ou fundacional. Por exemplo, no caso de Agente está sujeito.
enriquecimento ilícito, o agente público poderá perder Seguindo este entendimento o Supremo Tribunal
os bens ou valores acrescidos ao seu patrimônio. Federal, em agosto de 2019, considerou que a pessoa
Os agentes públicos de qualquer nível ou hierar- prejudicada deve mover ação somente contra Estado
quia são obrigados a velar pela estrita observância e este contra o particular, não sendo possível o parti-
dos princípios de legalidade, impessoalidade, morali- cular mover a ação diretamente contra o Estado e o
dade e publicidade no trato dos assuntos que lhe são Agente público. Vejamos:
afetos (art. 4º da Lei nº 8429/1992).
Vamos relembrar conforme estudamos no tópico RECURSO EXTRAORDINÁRIO – RESPONSABILIDA-
dos princípios administrativos: DE OBJETIVA DO ESTADO – ENQUADRAMENTO NO
PERMISSIVO CONSTITUCIONAL – AGRAVO PROVIDO.
z Princípio da legalidade: o agente público deve atuar 1. O Tribunal de origem reformou o entendimento adota-
somente dentro dos limites estabelecidos em lei, por do na sentença, afirmando caber à vítima escolher quem
exemplo, o agente público recebe vantagem econô- demandará: o agente público responsável pelo ato lesivo
mica de qualquer natureza, direta ou indireta, para ou o Estado. Consignou inexistirem motivos razoáveis para
tolerar a exploração ou a prática de jogos de azar; proibir o acionamento direto do servidor cujos atos tenham,
z Princípio da impessoalidade: o agente público culposa ou dolosamente, prejudicado o indivíduo. Entendeu
sempre deve prezar pela defesa do interesse públi- estarem presentes os requisitos para responsabilização da
co, deve tratar a todos sem privilégio no exercício recorrida por danos materiais, tendo em vista a ilegalidade
das funções públicas; do ato de remoção do autor. (RE 1.027.633 SP, rel, Min. Mar-
z Princípio da moralidade: o agente deve atuar co Aurélio, julgado em 14.08.2019, Dje em 06.12.2019)
buscando o interesse público e evitar se valer do
cargo público e do poder incumbido para se pro- PLANEJAMENTO, COORDENAÇÃO,
mover ou atender algum interesse individual; DESCENTRALIZAÇÃO, DELEGAÇÃO DE
z Princípio da publicidade: este exige que a atua- COMPETÊNCIA E CONTROLE
ção do poder público seja transparente e com aces-
so à informação a toda população, por exemplo, O planejamento, coordenação, descentralização,
as informações devem ser claras e publicadas no delegação de competência e controle, são princípios
Diário Oficial, ou em canais oficiais de publicida- fundamentais que as atividades da administração
de (editais) conforme a lei de acesso à informação, federal devem obediência, estão consagrados no texto
assim os cidadãos podem fiscalizar os atos pratica- do Decreto-Lei nº 200/1967, decreto que estabeleceu a
dos pelos agentes públicos. reforma administrativa federal do regime militar.
z Princípio da eficiência: como o próprio nome já
demonstra, refere-se à atuação da administração Art. 6º As atividades da Administração Federal
pública com presteza e de maneira mais eficiente obedecerão aos seguintes princípios fundamentais:
possível, por exemplo, a presteza do agente públi- I - Planejamento.
co no atendimento em um hospital, objetivando II - Coordenação.
garantir o atendimento mais rápido possível aos III - Descentralização.
pacientes, garantindo a estes o acesso ao médico e IV - Delegação de Competência.
medicamentos de maneira eficiente. V - Controle.

Conforme art. 37, § 4º da CF os atos de improbi- 1. Planejamento


dade importarão na suspensão dos direitos políticos,
perda da função pública, indisponibilidade dos bens e O planejamento visa a segurança nacional e o
o ressarcimento ao erário. desenvolvimento econômico-social do Brasil que com-
Ainda, a Constituição no art. 37, § 6º prevê a res-
preenderá a elaboração e atualização do plano geral
ponsabilidade civil objetiva do Estado nos danos
de governo, dos programas gerais, setoriais e regio-
causados por seus agentes públicos, ou seja, as pes-
soas jurídicas de direito público e as de direito priva- nais, de duração plurianual, do orçamento-programa
do prestadoras de serviços públicos respondem pelos anual e da programação financeira de desembolso.
danos causados por seus agentes a terceiros. Ainda, conforme consagra o art. 15 do decreto-lei
Entretanto, é assegurado o direito de regresso 200/67, a ação administrativa do Poder Executivo obe-
contra o responsável nos casos de dolo ou culpa, ou decerá a programas gerais, setoriais e regionais de
seja, caso seja comprovada o dolo ou a culpa do agen- duração plurianual, elaborados pelos órgãos de plane-
te público pode a Administração pública ajuizar ação jamento, sob a orientação e a coordenação superiores
56 contra este agente que causou o dano. do Presidente da República.
Como exemplo, podemos citar o plano plurianual dos fatos, pessoas ou problemas a atender (art. 11
(PPA) modelo orçamentário de planejamento e gestão Decreto-lei 200/67), ou seja, um órgão administrati-
está previsto no art. 165 da Constituição, em que as vo poderá delegar parte de sua competência a outros
leis de iniciativa do poder executivo estabelecerão o órgãos, ainda que estes não sejam hierarquicamente
plano plurianual, as diretrizes orçamentárias e os subordinados.
orçamentos anuais.
Ainda, o ato de delegação deverá indicar com pre-
O plano plurianual estabelece os programas de
duração continuada e despesas de capital da adminis- cisão a autoridade delegante, a autoridade delegada e
tração Pública, ou seja, é um planejamento de médio as atribuições objeto de delegação.
prazo que estabelece de forma regionalizada as metas Exemplo: em 1996 por meio da Lei nº 9.277/1996,
e diretrizes da administração pública. a União delegou aos Estados a administração de rodo-
Ainda, conforme consagra o art. 15, § 3º, a aprovação vias e exploração de trechos de rodovias, ou obras
dos planos e programas gerais, setoriais e regionais é rodoviárias federais.
da competência do Presidente da República, sendo que,
cada ano será elaborado um orçamento-programa, que
pormenorizará a etapa do programa plurianual a ser
Dica
realizada no exercício seguinte e que servirá de roteiro São indelegáveis atos normativos, decisões em
à execução coordenada do programa anual. recursos administrativos e matérias de compe-
tência exclusiva.
2. Coordenação

A coordenação tem como objetivo a organização da 5. Controle


administração pública, ou seja, objetiva evitar a dupli-
cidade de atuação pelos órgãos da administração. O controle deve ser feito pela chefia por meio de
Diante disto, as atividades da Administração auditorias e também pelo sistema de controle interno.
Federal e, especialmente, a execução dos planos e Conforme consagra o art. 13 do mencionado decre-
programas de governo, serão objeto de permanente to, o controle das atividades da Administração Federal
coordenação (art. 8º Decreto-lei 200/67). deverá ser exercido em todos os níveis e em todos os
Bem como, a coordenação será exercida em todos órgãos, compreendendo, particularmente, o contro-
os níveis da administração, com a realização sistemáti- le da execução dos programas e da observância das
ca de reuniões e com a participação das chefias subor-
normas que governam a atividade específica do órgão
dinadas e a instituição e funcionamento de comissões
de coordenação em cada nível administrativo. controlado, o controle, pelos órgãos próprios de cada
Exemplo, O Ministério do Exército administra os sistema, da observância das normas gerais que regu-
negócios do Exército, o Ministério da Aeronáutica admi- lam o exercício das atividades auxiliares e o controle
nistra os negócios da Aeronáutica e o Ministério da da aplicação dos dinheiros públicos e da guarda dos
Marinha administra os negócios da Marinha de Guerra. bens da União pelos órgãos próprios do sistema de
contabilidade e auditoria.
3. Descentralização Exemplo: o Tribunal de contas da União que tem
como função realizar inspeções e auditorias de natu-
A descentralização é a delegação de atividades, mas reza contábil, financeira, orçamentária, operacional e
sem o Estado deixar de fiscalizar, atuando indiretamente. patrimonial, nas unidades administrativas dos Pode-
O decreto em estudo prevê que a descentralização res Legislativo, Executivo e Judiciário.
deve ser posta em prática em três planos principais
(art. 10), quais sejam:

a) dentro dos quadros da Administração Federal,


distinguindo-se claramente o nível de direção do de
EXERCÍCIOS COMENTADOS
execução;
b) da Administração Federal para a das unidades 1. (CESPE-CEBRASPE - 2019) De acordo com os princí-
federadas, quando estejam devidamente aparelha- pios e valores que regem a administração pública, o

NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL


das e mediante convênio; servidor público.
c) da Administração Federal para a órbita privada,
mediante contratos ou concessões. a) deverá zelar pelo princípio da supremacia do interesse
público, que veda, ao servidor, o questionamento da
Sendo que a aplicação dessa possibilidade está con- validade do ato a ser praticado.
dicionada, em qualquer caso, aos ditames do interesse b) deverá impor a penalidade cabível àquele que deixar
público e às conveniências da segurança nacional.
de observar a legislação aplicável a um caso concreto,
Exemplo: as Autarquias Federais que são res-
sendo irrelevante a comprovada boa-fé demonstrada
ponsáveis pela fiscalização e regulamentação de ati-
vidades ligadas à telecomunicação, energia elétrica pelo particular.
e petróleo. (Ex.: ANATEL, ANEEL, ANP) e Fundações c) deverá zelar pelos princípios que regem a adminis-
que são entidades que executam atividades sociais tração pública e deles não poderá se afastar, sob
(pesquisa/saúde/ensino) sem fins lucrativos (Ex.: pena de eventual responsabilização criminal, civil e
FUNASA, FUNAI etc.); administrativa.
d) poderá afastar o comando da lei diante de uma
4. Delegação de competência injustiça.
e) poderá deixar de entregar documentos sigilosos soli-
É um instrumento de descentralização adminis- citados pelas autoridades competentes que possam
trativa, com o objetivo de assegurar maior rapidez e comprometer a administração pública e o interesse
objetividade às decisões, situando-as na proximidade público. 57
O agente público deve observar os princípios admi- de origem, sem direito a indenização, aproveitado
nistrativos explícitos do art. 37 da CF e também os em outro cargo ou posto em disponibilidade com
princípios implícitos da Administração Pública, sen- remuneração proporcional ao tempo de serviço. 
do que a não observância do mesmo resultará em Resposta: Letra D.
responsabilização criminal, civil e administrativa.
Resposta: Letra C. 4. (FGV - 2018) A Constituição da República de 1988
estabelece que o servidor público estável só perderá
2. (FCC - 2020) De acordo com o artigo 37 da Constitui- o cargo nas hipóteses lá elencadas, dentre elas, em
ção Federal de 1988, os princípios da Administração virtude de:
pública da
a) sentença judicial recorrível, em que tenham sido asse-
a) moralidade e publicidade devem ser obedecidas por gurados o contraditório e a ampla defesa;
uma autarquia estadual. b) procedimento de avaliação periódica de desempenho,
b) legalidade e universalidade devem ser obedecidas por na forma de lei complementar, assegurada a ampla
uma assembleia legislativa estadual.
defesa;
c) eficiência e competência devem ser obedecidas por
c) sindicância sumária disciplinar, em que tenham sido
empresas públicas estaduais.
assegurados o contraditório e a ampla defesa;
d) exclusividade e impessoalidade devem ser obe-
d) processo administrativo de que tenha resultado con-
decidas por instituições sem fins lucrativos não
denação por ato de improbidade administrativa aplica-
governamentais.
e) prudência e eficiência devem ser obedecidas pelos da pelo chefe do Poder Executivo;
órgãos da administração direta estadual. e) inquérito policial do qual tenha resultado relatório final
assinado pelo Delegado de Polícia apontando prática
Conforme art. 37 da CF/88 a Administração pública indi- de crime.
reta também deve obediência aos princípios da mora-
lidade e publicidade conforme caput do art. 37 da CF. A alternativa (b) está em consonância com o art. 41,
Resposta: Letra A. § 1º, III da CF: O servidor público somente perde-
rá o cargo diante de três hipóteses, em virtude de
3. (VUNESP - 2018) Nos termos da Constituição Federal, sentença judicial transitada em julgado, mediante
invalidada por sentença judicial a demissão do servi- processo administrativo em que lhe seja assegu-
dor estável, rada ampla defesa ou mediante procedimento de
avaliação periódica de desempenho, na forma de lei
a) ele não será reintegrado e deverá aguardar decisão complementar, assegurada ampla defesa.  Resposta:
sobre as providências que serão adotadas em rela- Letra B.
ção ao eventual ocupante da vaga, o qual necessitará
ser dispensado após a conclusão do devido processo 5. (CESPE-CEBRASPE - 2018) Considerando a jurispru-
administrativo, assegurando-se a ampla defesa e o dência do STF a respeito do direito de greve dos servi-
contraditório. dores públicos, julgue o item seguinte.
b) ele não será reintegrado e deverá aguardar decisão Os servidores públicos, sejam eles civis ou militares,
sobre as providências que serão adotadas em relação possuem direito a greve.
ao eventual ocupante da vaga, o qual necessitará ser
exonerado, dispensando-se a instauração de processo ( ) CERTO  ( ) ERRADO
administrativo.
c) será ele reintegrado, e o eventual ocupante da vaga, se Aos militares é proibida a sindicalização e greve,
estável, reconduzido ao cargo de origem com direito conforme art. 142, §3º, IV da CF. Nesse sentido, o
à indenização, aproveitado em outro cargo ou posto Supremo Tribunal Federal já se posicionou sobre
em disponibilidade com remuneração proporcional ao
o tema, vejamos: “O exercício do direito de greve,
tempo de serviço.
sob qualquer forma ou modalidade, é vedado aos
d) será ele reintegrado, e o eventual ocupante da vaga, se
policiais civis e a todos os servidores públicos que
estável, reconduzido ao cargo de origem sem direito
atuem diretamente na área de segurança pública”
à indenização, aproveitado em outro cargo ou posto
(STF. ARE 654.432, rel. p/ o ac. min. Alexandre de
em disponibilidade com remuneração proporcional ao
tempo de serviço. Moraes, j. 5-4-2017, P, DJE de 11-6-2018). Resposta:
e) será ele reintegrado, e o eventual ocupante da vaga, se Errado.
estável, não poderá ser reconduzido ao cargo de ori-
gem, devendo permanecer em situação de disponibili-
dade até o surgimento de novo cargo, assegurando-se
o direito à indenização. HORA DE PRATICAR!
Após o estágio probatório, o servidor público só per- 1. (CESPE-CEBRASPE – 2020) Com relação à aplica-
derá o cargo em virtude de sentença que, transitada bilidade das normas constitucionais e aos direitos e
em julgado, mediante processo administrativo em garantias fundamentais, julgue o item a seguir.
que lhe seja assegurado ampla defesa ou mediante Mais do que se prestarem à defesa do cidadão contra
procedimento de avaliação periódica de desempe- os poderes estatais, os direitos fundamentais impõem
nho, assegurada ampla defesa. Ainda, conforme art. uma atuação positiva do Estado no sentido de concre-
41, § 2º da CF, caso seja invalidada a decisão por tizar determinados direitos.
sentença judicial será ele reintegrado, e o eventual
58 ocupante da vaga, se estável, reconduzido ao cargo ( ) CERTO  ( ) ERRADO
2. (CEBRASPE/CESPE – 2020) Os direitos fundamentais São constitucionalmente assegurados ao preso o
são prerrogativas próprias dos cidadãos em função de direito à identificação dos agentes estatais respon-
sua especial condição de pessoa humana, e as garan- sáveis pela sua prisão e o direito de permanecer em
tias fundamentais são os instrumentos e mecanismos silêncio.
necessários para a proteção, a salvaguarda ou o exer-
cício desses direitos. Com relação a esse assunto, jul- ( ) CERTO  ( ) ERRADO
gue o item que se segue.
Direitos individuais implícitos estão subentendidos
8. (CESPE-CEBRASPE – 2019) A respeito das garantias
nas regras de garantias fundamentais, sendo exem-
constitucionais relativas a processo administrativo
plos os desdobramentos do direito à vida.
disciplinar, julgue o item a seguir.
( ) CERTO  ( ) ERRADO Conforme jurisprudência do STJ, a instauração de pro-
cesso administrativo disciplinar com base unicamente
3. (CESPE-CEBRASPE – 2019) Acerca dos direitos e em denúncia anônima é viável, desde que tenha sido
garantias fundamentais e de seus princípios fundamen- realizado previamente procedimento investigatório.
tais, julgue o item que se segue.
A revogação de norma que assegura direitos funda- ( ) CERTO  ( ) ERRADO
mentais sociais, sem a implementação de medidas
alternativas que tenham a capacidade de compensar 9. (CESPE-CEBRASPE – 2019) Acerca dos direitos e
eventuais perdas já sedimentadas, contraria o princí- garantias fundamentais e de seus princípios funda-
pio da proibição do retrocesso social. mentais, julgue o item que se segue.
A previsão constitucional de que o preso deve ser
( ) CERTO  ( ) ERRADO informado de seu direito de permanecer calado apli-
ca-se não apenas a este, mas também a qualquer pes-
4. (CESPE-CEBRASPE – 2019) Acerca dos direitos e
soa na condição de testemunha, indiciado ou réu.
das garantias fundamentais previstos na Constituição
Federal de 1988, julgue o item a seguir.
Os direitos individuais, por estarem ligados ao concei- ( ) CERTO  ( ) ERRADO
to de pessoa humana e de sua própria personalidade,
correspondem às chamadas liberdades negativas; os 10. (CESPE-CEBRASPE – 2019) Acerca dos direitos e das
direitos sociais, por sua vez, constituem as chamadas garantias fundamentais, julgue o item subsequente.
liberdades positivas, de observância obrigatória em Os direitos constitucionais da pessoa presa incluem o
um estado social de direito para a concretização de direito à identificação dos responsáveis pela prisão, o
um ideal de vida digna na sociedade. direito ao silêncio e o direito à assistência da família e
de advogado.
( ) CERTO  ( ) ERRADO
( ) CERTO  ( ) ERRADO
5. (CESPE-CEBRASPE – 2019) No que se refere à teoria
geral dos direitos fundamentais e aos direitos e deve- 11. (CESPE-CEBRASPE – 2019) A Constituição Federal de
res individuais e coletivos, é correto afirmar que 1988 (CF) prevê que, em caso de guerra declarada, pode-
rá haver pena
a) o chamado direito de resistência inclui-se entre os
direitos fundamentais de segunda dimensão.
a) de trabalhos forçados.
b) a igualdade formal é característica típica dos direitos
fundamentais de segunda dimensão. b) de banimento.
c) o direito de greve é classificado como direito funda- c) cruel.
mental de terceira dimensão. d) de morte.
d) a titularidade dos direitos fundamentais de terceira e) de caráter perpétuo.
dimensão é sempre individual.
NOÇÕES DE DIREITO CONSTITUCIONAL
e) o direito à comunicação inclui-se entre os direitos fun- 12. (CESPE-CEBRASPE – 2019) Considerando a jurispru-
damentais de terceira dimensão. dência majoritária do STF e o enunciado de suas súmu-
las, assinale a opção correta em relação ao mandado de
6. (CESPE-CEBRASPE – 2019) À luz da Constituição segurança.
Federal de 1988, julgue o item que se segue, a respeito
de direitos e garantias fundamentais e da defesa do a) Compete ao STF conhecer originariamente de mandado
Estado e das instituições democráticas. de segurança interposto contra atos de outros tribunais.
Em caso de iminente perigo público, autoridade públi-
b) Eventual controvérsia sobre matéria de direito não
ca competente poderá usar a propriedade particular,
impede a concessão de mandado de segurança.
desde que assegure a consequente indenização, inde-
pendentemente da comprovação da existência de c) Compete ao STF conhecer originariamente do man-
dano, que, nesse caso, é presumido. dado interposto contra deliberação administrativa de
tribunal do qual tenha participado a maioria ou totali-
( ) CERTO  ( ) ERRADO dade de seus membros.
d) É inconstitucional a previsão, por norma infraconsti-
7. (CESPE-CEBRASPE – 2019) À luz da Constituição tucional, de prazo decadencial para a impetração de
Federal de 1988, julgue o item que se segue, a respeito mandado de segurança.
de direitos e garantias fundamentais e da defesa do e) É, em regra, cabível a condenação em honorários
Estado e das instituições democráticas. advocatícios nesse tipo de ação. 59
13. (CESPE-CEBRASPE – 2019) A respeito de mandado 18. (CESPE-CEBRASPE – 2019) No que concerne aos ser-
de injunção, assinale a opção correta. vidores públicos, julgue o item subsecutivo.
Funções de confiança e cargos em comissão des-
a) É cabível mandado de injunção para exigir do Poder tinam-se apenas às atribuições de direção, chefia e
Legislativo a edição de regulamentação dos direitos assessoramento.
do nascituro.
( ) CERTO  ( ) ERRADO
b) Mandado de injunção é instrumento do sistema de con-
trole concreto e difuso da omissão inconstitucional.
19. (CESPE-CEBRASPE – 2019) No que concerne aos ser-
c) É cabível mandado de injunção para questionar a efetivi- vidores públicos, julgue o item subsecutivo.
dade de lei que regulamente disposição constitucional. Servidor público investido em mandato de vice-prefei-
d) Mandado de injunção não é o meio próprio para reque- to exercerá as funções e perceberá as vantagens de
rer a concessão de aposentadoria especial em função ambos os cargos, desde que haja compatibilidade de
do exercício de atividade insalubre. horários.
e) Sentença de mandado de injunção não tem o efeito de
estabelecer as condições em que se dará o exercício ( ) CERTO  ( ) ERRADO
do direito pleiteado.
20. (CESPE-CEBRASPE – 2020) Com relação a déficit
14. (CESPE-CEBRASPE – 2019) Com relação à garantia público, reforma administrativa, reforma previdenciá-
ria, responsabilidade fiscal, regra de ouro e ordenação
constitucional de tratamento igualitário sem distinção
de despesa, julgue o item a seguir.
de qualquer natureza, a CF estabelece que
Com a reforma administrativa ocorrida em 1998, os
servidores públicos passaram a adquirir a estabilidade
a) homens e mulheres sejam iguais em direitos, ressalva- a partir da posse no cargo público.
das hipóteses de vulnerabilidade da mulher quanto às
obrigações. ( ) CERTO  ( ) ERRADO
b) votos de analfabetos são facultativos e, em razão da
condição particular desse grupo, não têm o mesmo 9 GABARITO
caráter de sigilo dos votos dos demais cidadãos.
c) a igualdade perante a lei seja garantida aos estrangei-
ros residentes no Brasil, desde que naturalizados, e 1 CERTO
aos brasileiros. 2 CERTO
d) haja igualdade de direitos entre trabalhador com vín-
culo empregatício permanente e trabalhador avulso. 3 CERTO
e) sejam assegurados à categoria dos trabalhadores 4 CERTO
domésticos todos os direitos previstos para os traba-
lhadores urbanos e rurais. 5 E

6 ERRADO
15.
(CESPE-CEBRASPE – 2020) Acerca de direitos e
garantias fundamentais, julgue o item a seguir. 7 CERTO
Brasileiro naturalizado pode ocupar o cargo de presi-
8 CERTO
dente da Câmara dos Deputados.
9 CERTO
( ) CERTO  ( ) ERRADO
10 CERTO
16. (CESPE-CEBRASPE – 2019) Com relação à perda da 11 D
nacionalidade de brasileiro, julgue o item que se segue.
12 B
Brasileiro nato ou naturalizado residente em territó-
rio estrangeiro perderá a nacionalidade brasileira se 13 D
adquirir outra nacionalidade, exceto nas hipóteses
constitucionalmente estabelecidas. 14 D

15 ERRADO
( ) CERTO  ( ) ERRADO
16 CERTO
17. (CESPE-CEBRASPE – 2019) Acerca dos direitos e 17 CERTO
das garantias fundamentais previstos na Constituição
Federal de 1988, julgue o item a seguir. 18 CERTO
Situação hipotética: Carlos requereu o registro de sua 19 ERRADO
candidatura para concorrer ao cargo de prefeito de muni-
cípio criado por desmembramento territorial de municí- 20 ERRADO
pio cujo Poder Executivo é chefiado pelo seu irmão.
Assertiva: Nesse caso, Carlos, por ser irmão do prefei-
to do município-mãe, é inelegível.

60 ( ) CERTO  ( ) ERRADO


interesse em não ter seu bem desapropriado, ou achar
o valor da indenização injusto, mas ele não pode ter
interesse em extinguir o instituto da expropriação
administrativa. Trata-se de um instituto que deve
existir, independentemente da sua vontade.
NOÇÕES DE DIREITO Mas se o Estado apenas tivesse prerrogativas, com
certeza ele agiria com abuso de autoridade. É por isso
ADMINISTRATIVO que ao Estado também lhe incumbe uma série de deve-
res, fundados pelo princípio da indisponibilidade
do interesse público. Tal princípio pressupõe que o
Poder Público não é dono do interesse público, ele deve
manuseá-lo segundo o que a norma lhe impõe. É por
ESTADO, GOVERNO E ADMINISTRAÇÃO isso que ele não pode se desfazer de patrimônio públi-
PÚBLICA co, contratar quem ele quiser, realizar gastos sem pres-
tar contas a seu superior, etc. Tais atos configuram em
CONCEITOS, ELEMENTOS, PODERES E desvio de finalidade, uma vez que o objetivo principal
ORGANIZAÇÃO deles não é de interesse público, mas apenas do pró-
prio agente, ou de algum terceiro beneficiário.
A origem de um Estado pode se dar de forma
natural, religiosa (Estado criado por Deus), pela for-
ça e domínio dos mais fortes sobre os mais fracos,
pelo agrupamento de famílias, de forma contratual, DIREITO ADMINISTRATIVO
de forma derivada: por união, quando dois estados
soberanos se unem formando um só novo estado ou CONCEITOS E FONTES
fracionamento, quando um estado se divide em dois
novos estados independentes, ou de forma atípica, a Administração vem do latim administrare, que
exemplo do Vaticano e de Israel. significa direcionar ou gerenciar negócios, pessoas e
São elementos constitutivos do Estado: a soberania, a recursos, tendo sempre como objetivo alcançar metas
finalidade, o povo e o território. Assim, Dalmo de Abreu específicas. A noção de gestão de negócios está intima-
Dallari (apud Lenza, 2019, p. 719) define Estado como “a mente ligada com o ramo de Direito Administrativo.
ordem jurídica soberana, que tem por fim o bem comum Com isso, é importante conhecer os fundamentos des-
de um povo situado em determinado território”. se ramo jurídico, os quais denominamos de “regime
Soberania é o poder político supremo e indepen- jurídico administrativo”.
dente que o Estado detém consistente na capacidade Podemos definir Direito Administrativo como o
para editar e reger suas próprias normas e seu orde- conjunto de princípios e regras que regulam o exercí-
namento jurídico. cio da função administrativa exercida pelos órgãos e
A finalidade consiste no objetivo maior do Esta- agentes estatais, bem como as relações jurídicas entre
do que é o bem comum, conjunto de condições para o eles e os demais cidadãos.
desenvolvimento integral da pessoa humana. Não devemos confundir Direito Administrativo
Povo é o conjunto de indivíduos, em regra, com com a Ciência da Administração. Apesar da nomen-
um objetivo comum, ligados a um determinado terri- clatura ser parecida, são dois campos bastante distin-
tório pelo vínculo da nacionalidade. tos. A administração, como ciência propriamente dita,
Território é o espaço físico dentro do qual o Esta- não é ramo jurídico. Consiste no estudo de técnicas e
do exerce seu poder e sua soberania. Onde o povo se estratégias de controle da gestão governamental. Suas
estabelece e se organiza com ânimo de permanência. regras não são independentes, estão subordinadas às
A Constituição de 1988 adotou a forma republica- normas de Direito Administrativo.
na de governo, o sistema presidencialista de gover-
no e a forma federativa de Estado. Note tratar-se de
três definições distintas. Importante!
O Estado brasileiro adota o critério de separa- NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ção dos poderes estatais em Legislativo, Executivo e Os concursos públicos não costumam exigir
Judiciário, de forma que possam atuar em harmonia. que o candidato tenha conhecimentos de técni-
Todos os três Poderes, entretanto, exercem suas fun- cas administrativas para responder questões de
ções típicas e atípicas. direito administrativo, mas requerem que conhe-
çam a Administração como entidade governa-
NATUREZA, FINS E PRINCÍPIOS mental, com suas prerrogativas e prestando
serviços para a sociedade.
Os princípios gerais de Direito Administrativo são
os princípios basilares desse ramo jurídico, sendo
aplicáveis ante o fato de a Administração Pública ser As fontes do Direito são os elementos que dão ori-
considerada pessoa jurídica de direito público. gem ao próprio direito. O Direito Administrativo tem
O princípio da supremacia do interesse públi- algumas peculiaridades em relação a suas fontes que
co é o princípio que dá os poderes e prerrogativas à são importantes para nossos estudos.
Administração Pública. A supremacia do interesse Primeiramente, devemos salientar que o Direi-
público sobre o privado é um aspecto fundamental to Administrativo não é ramo jurídico codificado.
para o exercício da função administrativa. Podemos Isso quer dizer que não existe na legislação brasilei-
citar como exemplo a desapropriação de um imóvel ra um “Código de Direito Administrativo”. A maté-
pertencente a um particular: o particular pode ter ria encontra-se de um modo muito mais amplo. É 61
possível verificar normas administrativas presentes, direito. Por ser um ramo de direito público, o regime
por exemplo, na Constituição Federal de 1988, em seu administrativo apresenta alguns princípios especiais,
art. 37, que estabelece os membros da Administração que não se encontram na esfera privada.
Pública e seus princípios; na Lei nº 8.666/1993, que
dispõe sobre normas de licitações e contratos admi- PRINCÍPIOS
nistrativos; na Lei nº 8.987/1995, que regulamenta as
concessões e permissões de serviços públicos para Por motivos didáticos, costuma-se dividir as nor-
entidades privadas; entre outros. mas cogentes em regras e princípios. Regras são nor-
É costume dividir as fontes de Direito Administrati- mas cogentes que traduzem um comando direto, são
vo em fontes primárias e fontes secundárias. As fontes criadas pelo legislador (portanto, são positivadas)
primárias são aquelas de caráter principal, são capazes e são utilizadas para a solução de casos concretos e
de originar normas jurídicas por si só. Já as fontes secun- específicos. Os princípios, por sua vez, delimitam os
dárias são derivadas das primeiras, por isso possuem valores fundamentais de um ramo do direito, pos-
caráter acessório. Elas ajudam na compreensão, inter- suem conteúdo muito mais abrangente. São conside-
pretação e aplicação das fontes de direito primárias. rados mais importantes, dado o seu caráter geral e
São fontes de Direito Administrativo: abstrato. Os princípios são descobertos pela doutrina,
através da análise das regras, retirando os aspectos
z Legislação em sentido amplo, seja na Constituição, concretos desta. O legislador, dessa forma, tem um
seja nas Leis esparsas, nos Princípios, em qualquer papel indireto na criação dos princípios.
veículo normativo. Apesar das diferenças mencionadas, é indiscutível
z Doutrina, todo o trabalho científico realizado por que os princípios e as regras são normas que apresen-
um renomado autor, seja uma obra, ou um parecer tam força cogente máxima. Porém, como os princípios
jurídico, com o objetivo de divulgar conhecimento; possuem valores fundamentais de um ramo jurídico,
z Jurisprudência, o conjunto de diversos julgados são considerados hierarquicamente superiores. Vio-
num mesmo sentido; lar uma regra é um erro grave, mas violar um prin-
z Costumes jurídicos, tudo que for considerado cípio é erro gravíssimo: é cometer ofensa a todo um
uma conduta que se repete no tempo. ordenamento de comandos.
Os princípios que regem a atividade da Adminis-
Importante frisar que, das fontes mencionadas, tração Pública são vastos, podendo estar explícitos em
apenas a Lei é fonte primária do Direito Administra- norma positivada, ou até mesmo implícitos, que não
tivo, sendo o único veículo habilitado para criar dire-
aparecem por escrito, porém são denotados segundo
tamente obrigações de fazer e não fazer. A doutrina, a
a interpretação das normas jurídicas. Além disso, os
jurisprudência, e os costumes jurídicos são considera-
princípios administrativos podem ser gerais (ou basi-
das fontes secundárias.
lares), constitucionais ou infraconstitucionais.
A jurisprudência pode, excepcionalmente, apre-
sentar força cogente igual às leis quando versar sobre
Princípios Constitucionais da Administração Pública
matéria disposta em Súmula Vinculante do Supremo
Tribunal Federal. Trata-se de decisão colegiada de
São os princípios previstos no Texto Constitucional,
cumprimento obrigatório, conforme dispõe o art. 103-
mais especificamente no caput do artigo 37. Segundo
A da CF/1988.
No momento, estamos nos referindo ao Direi- o referido dispositivo: “A administração pública direta
to Administrativo, que é o ramo jurídico que regula e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Esta-
as relações entre a Administração Pública e os seus dos, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos
cidadãos ou “administrados”. Administração Públi- princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade,
ca é uma noção totalmente distinta, podendo ter uma publicidade e eficiência [...]”. Assim, esquematicamen-
acepção subjetiva e orgânica, ou objetiva e material, e te, temos os princípios constitucionais da:
que merece nossa maior atenção. Legalidade: fruto da própria noção de Estado de
Na sua acepção subjetiva, orgânica e formal, Direito, as atividades do gestor público estão submis-
a Administração Pública confunde-se com a própria sas a forma da lei. A legalidade promove maior segu-
pessoa de seus agentes, órgãos e entidades públicas rança jurídica para os administrados, na medida em
que exercem a função administrativa, o que signifi- que proíbe que a Administração Pública pratique atos
ca que somente algumas pessoas e entes podem ser abusivos. Ao contrário dos particulares, que podem
considerados como Administração Pública. É, por isso, fazer tudo aquilo que a lei não proíbe, a Administra-
uma acepção que tende a restringir sua definição. ção só pode realizar o que lhe é expressamente auto-
Já na sua acepção objetiva e material da palavra, rizado por lei.
podemos definir a administração pública (alguns dou- Impessoalidade: a atividade da Administração
trinadores preferem colocar a palavra em letras minús- Pública deve ser imparcial, de modo que é vedado
culas para distinguir melhor suas concepções), como a haver qualquer forma de tratamento diferenciado
atividade estatal de promover concretamente o interes- entre os administrados. Há uma forte relação entre a
se público. O caráter subjetivo da administração é irre- impessoalidade e a finalidade pública, pois quem age
levante, pois o que realmente importa não é a pessoa, e por interesse próprio não condiz com a finalidade do
sim a atividade que tal pessoa executa. É, por isso, uma interesse público.
acepção mais abrangente, pois qualquer pessoa que Moralidade: a Administração impõe a seus agen-
venha a exercer uma função típica da Administração tes o dever de zelar por uma “boa-administração”,
será considerada uma pessoa que integra a mesma. buscando atuar com base nos valores da moral
O estudo do regime jurídico administrativo envol- comum, isso é, pela ética, decoro, boa-fé e lealdade. A
ve, de modo geral, uma análise pormenorizada dos moralidade não é somente um princípio, mas também
62 princípios fundamentais que regem esse ramo do requisito de validade dos atos administrativos.
Publicidade: a publicação dos atos da Administra- A autotutela também tem previsão em duas súmu-
ção promove maior transparência e garante eficácia las do Supremo Tribunal Federal. Súmula nº 346: “A
erga omnes. Além disso, também diz respeito ao direi- Administração Pública pode declarar a nulidade de
to fundamental que toda pessoa tem de obter acesso seus próprios atos”; e a Súmula nº 473: “A administra-
a informações de seu interesse pelos órgãos estatais, ção pode anular seus próprios atos, quando eivados de
salvo as hipóteses em que esse direito ponha em risco vícios que os tornam ilegais, porque deles não se origi-
a vida dos particulares ou o próprio Estado, ou ainda nam direitos; ou revogá-los, por motivo de conveniên-
que ponha em risco a vida íntima dos envolvidos. cia ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos,
Eficiência: implementado pela reforma adminis- e ressalvada, em todos os casos, a apreciação judicial”.
trativa promovida pela Emenda Constitucional nº 19
de 1988, a eficiência se traduz na tarefa da Adminis- Princípio da Motivação
tração de alcançar os seus resultados de uma forma
célere, promovendo melhor produtividade e rendi- Também pode constar em algumas questões como
mento, evitando gastos desnecessários no exercício “princípio da obrigatória motivação”. Trata-se de uma
de suas funções. A eficiência fez com que a Adminis- técnica de controle dos atos administrativos, o qual
tração brasileira adquirisse caráter gerencial, tendo impõe à Administração o dever de indicar os pres-
maior preocupação na execução de serviços com per- supostos de fato e de direito que justificam a prática
feição ao invés de se preocupar com procedimentos daquele ato. A fundamentação da prática dos atos
e outras burocracias. A adoção da eficiência, todavia, administrativos será sempre por escrito. Possui previ-
não permite à Administração agir fora da lei, ou seja, são no art. 50 da Lei nº 9.784/1999: “Os atos adminis-
não se sobrepõe ao princípio da legalidade. trativos deverão ser motivados, com indicação dos fatos
Um método que facilita a memorização desses e dos fundamentos jurídicos, quando (...)”; e também
princípios é a palavra “limpe”, pois temos os princí- no art. 2º, par. único, VII, da mesma Lei: “Nos proces-
pios da: sos administrativos serão observados, entre outros, os
critérios de: VII - indicação dos pressupostos de fato e
Legalidade de direito que determinarem a decisão”. A motivação é
Impessoalidade uma decorrência natural do princípio da legalidade,
Moralidade pois a prática de um ato administrativo fundamentado,
Publicidade mas que não esteja previsto em lei, seria algo ilógico.
Eficiência Convém estabelecer a diferença entre motivo e
motivação. Motivo é o ato que autoriza a prática da
Princípios Infraconstitucionais medida administrativa, portanto, antecede o ato
administrativo. A motivação, por sua vez, é o funda-
Os princípios administrativos não se esgotam no mento escrito, de fato ou de direito, que justifica a
âmbito constitucional. Existem outros princípios cuja prática da referida medida. Exemplo: na hipótese de
previsão não está disposta na Carta Magna, e sim na alguém sofrer uma multa por ultrapassar limite de
legislação infraconstitucional. É o caso do disposto no velocidade, a infração é o motivo (ultrapassagem do
caput do artigo 2º da Lei nº 9.784/1999: “A Administra- limite máximo de velocidade), já o documento de noti-
ção Pública obedecerá, dentre outros, aos princípios da ficação da multa é a motivação. A multa seria, então, o
legalidade, finalidade, motivação, razoabilidade, pro- ato administrativo em questão.
porcionalidade, moralidade, ampla defesa, contraditó- Quanto ao momento correto para sua apresentação,
rio, segurança jurídica, interesse público e eficiência”. entende-se que a motivação pode ocorrer simultaneamen-
te ou em um instante posterior a prática do ato (em respei-
Princípio da Autotutela to ao princípio da eficiência). A motivação intempestiva,
isso é, aquela dada em um momento demasiadamente
A autotutela diz respeito ao controle interno que a posterior, é causa de nulidade do ato administrativo.
Administração Pública exerce sobre os seus próprios
atos. Isso significa que, havendo algum ato adminis- Princípio da Finalidade
trativo ilícito ou que seja inconveniente e contrário
ao interesse público, não é necessária a intervenção Sua previsão encontra-se no art. 2º, par. único, NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
judicial para que a própria Administração anule ou II, da Lei nº 9.784/1999: “Nos processos administrati-
revogue esses atos. vos serão observados, entre outros, os critérios de: II
Não havendo necessidade de recorrer ao Poder - atendimento a fins de interesse geral, vedada a renún-
Judiciário, quis o legislador que a Administração cia total ou parcial de poderes ou competências, salvo
possa, dessa forma, promover maior celeridade na autorização em lei”.
recomposição da ordem jurídica afetada pelo ato ilí- O princípio da finalidade muito se assemelha ao da
cito, e garantir maior proteção ao interesse público primazia do interesse público. O primeiro impõe que
contra os atos inconvenientes. o Administrador sempre aja em prol de uma finalida-
Segundo o disposto no art. 53 da Lei nº 9.784/1999: de específica, prevista em lei. Já o princípio da supre-
“A Administração deve anular seus próprios atos, macia do interesse público diz respeito à sobreposição
quando eivados de vício de legalidade, e pode revogá- do interesse da coletividade em relação ao interesse
-los por motivo de conveniência ou oportunidade, res- privado. A finalidade disposta em lei pode, por exem-
peitados os direitos adquiridos”. A distinção feita pelo plo, ser justamente a proteção ao interesse público.
legislador é bastante oportuna: ele enfatiza a nature- Com isso, fica bastante clara a ideia de que todo
za vinculada do ato anulatório e a discricionariedade ato, além de ser devidamente motivado, possui um
do ato revogatório. A Administração pode revogar os fim específico, com a devida previsão legal. O desvio
atos inconvenientes, mas tem o dever de anular os de finalidade, ou desvio de poder, são defeitos que tor-
atos ilegais. nam nulo o ato praticado pelo Poder Público. 63
Princípio da Razoabilidade c) considerando os aspectos de sua organização, é uma
comunidade de homens fixada sobre um território
Agir com razoabilidade é decorrência da própria com poder de mando, ação e coerção constituída de
noção de competência. Todo poder tem suas corres- Povo, Território e Governo.
pondentes limitações. O Estado deve realizar suas d) seus Poderes são constituídos pelo Legislativo, pelo Exe-
funções com coerência, equilíbrio e bom senso. Não cutivo e pelo Judiciário, independentes e harmônicos
basta apenas atender à finalidade prevista na lei, mas entre si e com suas funções reciprocamente indelegáveis
é de igual importância o como ela será atingida. É uma e) em seu sentido funcional, corresponde às pessoas jurí-
decorrência lógica do princípio da legalidade. dicas, aos órgãos e aos agentes públicos que execu-
Dessa forma, os atos imoderados, abusivos, irracio- tam a atividade administrativa.
nais e incoerentes, são incompatíveis com o interesse
público, podendo ser anulados pelo Poder Judiciário A questão é bem simples, pois ela exige que o can-
ou pela própria entidade administrativa que prati- didato conheça quais são as acepções diferentes
cou tal medida. Em termos práticos, a razoabilidade de administração pública. São duas: na sua acep-
(ou falta dela) é mais aparente quando tenta coibir o ção subjetiva, orgânica e formal, a Administração
excesso pelo exercício do poder disciplinar ou poder Pública confunde-se com a própria pessoa de seus
de polícia. Poder disciplinar traduz-se na prática de agentes, órgãos e entidades públicas que exercem a
atos de controle exercidos contra seus próprios agen- função administrativa. Já na sua acepção objetiva e
tes, isso é, de destinação interna. Poder de polícia é o material da palavra, podemos definir a administra-
conjunto de atos praticados pelo Estado que tem por ção pública (alguns doutrinadores preferem colo-
escopo limitar e condicionar o exercício de direitos car a palavra em letras minúsculas para distinguir
individuais e o direito à propriedade privada. melhor suas concepções) como a atividade estatal
de promover concretamente o interesse público. O
caráter subjetivo da administração é irrelevante,
Princípio da Proporcionalidade
pois o que realmente importa não é a pessoa, e sim a
atividade que tal pessoa executa. Resposta: Letra B.
O princípio da proporcionalidade tem similitudes
com o princípio da razoabilidade. Há muitos autores,
2. (FCC – 2020) Considerando os princípios que regem a
inclusive, que preferem unir os dois princípios em
Administração Pública, de acordo com o princípio da:
uma nomenclatura só. De fato, a Administração Públi-
I. Indisponibilidade do interesse público, os interesses
ca deve atentar-se a exageros no exercício de suas
públicos não se encontram à livre disposição do Admi-
funções. A proporcionalidade é um aspecto da razoa-
nistrador público.
bilidade voltado a controlar a justa medida na prática
II. Supremacia do interesse público, a Administração
de atos administrativos. Busca evitar extremos, exage-
Pública está sempre acima dos direitos e garantias
ros, pois podem ferir o interesse público. individuais.
Segundo o art. 2º, par. único, VI, da Lei nº III. Segurança jurídica, deve ser prestada a assistência jurí-
9.784/1999, deve o Administrador agir com “adequa- dica integral e gratuita aos que comprovem insuficiên-
ção entre meios e fins, vedada a imposição de obriga- cia de recursos.
ções, restrições e sanções em medida superior àquelas IV. Continuidade do serviço público, o serviço público,
estritamente necessárias ao atendimento do interesse atendendo a necessidades essenciais da coletividade,
público”. Na prática, a proporcionalidade também como regra, não deve parar.
encontra sua aplicação no exercício do poder discipli-
nar e do poder de polícia. Está correto o que se afirma APENAS em:
Esses não são os únicos princípios que regem as
relações da Administração Pública. Porém, escolhe- a) II e III.
mos trazer com mais detalhes os princípios que jul- b) I e II.
gamos ser mais característicos da Administração. Isso c) III e IV.
não quer dizer que outros princípios não possam ser d) I e IV.
estudados ou aplicados a esse ramo jurídico. A Admi- e) II e IV.
nistração também deve atender aos princípios da res-
ponsabilidade, ao princípio da segurança jurídica, ao A frase II está errada, é verdade que a Administra-
princípio do contraditório e ampla defesa, ao princí- ção Pública se encontra em uma posição superior em
pio da isonomia, o princípio da transparência, o prin- relação aos particulares. Todavia, isso não significa
cípio da boa-fé, entre outros. que ela esteja, também, acima dos direitos e garan-
tias individuais. A frase III está errada, pois a segu-
rança jurídica é uma garantia concedida a todos os
cidadãos e impede que a Administração Pública ata-
EXERCÍCIOS COMENTADOS que situações jurídicas já resolvidas anteriormente.
A frase, na verdade, trata do benefício da assistência
1. (VUNESP – 2019) A respeito do conceito e da nature- judiciária gratuita. Resposta: Letra D.
za da Administração Pública, é correto afirmar que:
3. (VUNESP – 2020) Em Direito Administrativo, quando
a) no seu sentido orgânico, consiste na atividade adminis- se fala que nem tudo que é legal é honesto, estamos
trativa executada pelas entidades, órgãos e agentes nos referindo ao princípio constitucional
públicos que compõem a Administração.
b) sob o aspecto do gerenciamento de seus bens e inte- a) implícito da finalidade administrativa.
resses públicos, a natureza da Administração é de b) implícito da motivação administrativa.
64 “múnus” público para quem o exerce. c) explícito da moralidade administrativa.
d) explícito do poder-dever do administrador público. formas em que a população pode se engajar mais
e) explícito da publicidade. na vida pública, reunindo-se em assembleias, deba-
tendo questões orçamentárias, opinando sobre
A letra A está errada, o princípio da finalidade diz uma política a ser implementada, etc. O princípio
respeito aos atos administrativos, porque eles devem da transparência atua em conjunto com o princí-
sempre cumprir uma finalidade específica, que é o pio constitucional da publicidade, fazendo com que
interesse público. Todos os atos que acarretem em todos os atos administrativos sejam públicos, do
interesses pessoais, do administrador ou de direitos, conhecimento de todos e disponibilizados de forma
costuma-se dizer que possuem desvio de finalidade clara e de fácil compreensão. Ambos ajudam na fis-
e devem ser anulados. A letra B está errada, pois o calização dos atos do ente público, pelos adminis-
princípio da motivação também diz respeito aos atos trados. A frase, assim, mostra-se correta, pois tudo
administrativos, mas a diferença é que este impõe isso contribui para uma democratização da admi-
que os atos administrativos devem estar devidamen- nistração pública. Resposta: Certo.
te motivados, não existe ato administrativo sem uma
fundamentação, sem uma razão de ser. A letra D
está errada, pois não existe um princípio explícito do
poder-dever do administrador público. A letra E está
errada, pois o princípio da publicidade traduz-se na ORGANIZAÇÃO ADMINISTRATIVA DA
exigência de que todos os atos administrativos sejam UNIÃO
públicos. Isso garante maior transparência e fiscali-
zação por parte dos cidadãos. Resposta: Letra C. ADMINISTRAÇÃO DIRETA E INDIRETA

4. (FCC – 2019) O direito administrativo disciplina a Administração Direta ou Centralizada, é a parte


função administrativa dos entes federados, órgãos, da Administração Pública que compreende: as pes-
agentes e atividades desenvolvidas pela Administra- soas jurídicas de direito público interno (União, Esta-
ção Pública. Entre seus princípios está a legalidade, ou dos, Municípios e Distrito Federal), somados a todos
seja, cabe à Administração Pública: os seus ministérios, ouvidorias, secretarias e outros
tantos órgãos despersonalizados.
a) Apresentar resultados positivos para o serviço público, Já a Administração Indireta ou Descentraliza-
bem como o atendimento das necessidades públicas. da é a expressão utilizada para designar o conjunto
b) Promover a qualificação de agentes públicos que de pessoas jurídicas autônomas criadas pelo próprio
apresentem comportamento de acordo com o interes- Estado para atingir determinada finalidade pública.
se público. Se as entidades são dotadas de personalidade jurídi-
c) Ser composta por agentes públicos que não usem a ca própria, elas têm patrimônio próprio, que não se
administração pública para a promoção pessoal. confunde com o patrimônio pessoal de seus agentes,
d) Ter credibilidade voltada para transparência na defesa
e também têm responsabilidade pelos danos e prejuí-
de direitos para a oferta de informações nos órgãos
zos causados por seus agentes públicos, podendo res-
públicos.
ponder judicialmente pela prática desses atos.
e) Atuar de acordo com a lei e finalidades expressas ou
implícitas previstas no Direito.
DOS ENTES DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA
INDIRETA: AUTARQUIAS, FUNDAÇÕES, EMPRESAS
A questão é bem fácil, ela exige que o candidato
PÚBLICAS E SOCIEDADES DE ECONOMIA MISTA
conheça o princípio da legalidade, que é um dos
mais característicos desse ramo. O princípio da
legalidade se resume à vinculação das ações dos As entidades da Administração Indireta podem ter
administradores aos termos da Lei. Há pouca mar- personalidade jurídica de Direito Público ou de Direi-
gem de liberdade para o servidor atuar, uma vez que to Privado. Tal diferença é bastante relevante no que
se o fizer, estará cometendo uma ilegalidade e pode diz respeito ao procedimento de criação dessas enti-
ser punido por isso. Resposta: Letra E. dades autônomas.

NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO


As pessoas jurídicas de direito público são criadas
5. (CESPE-CEBRASPE – 2018) Quanto às transforma- por lei (art. 37, XIX, da CF/1988) e a sua personalida-
ções contemporâneas do direito administrativo, julgue de jurídica advém no momento em que tal legislação
o item subsequente. entra em vigor no âmbito jurídico, não havendo neces-
A processualização do direito administrativo, a parti- sidade de registro em cartório. As pessoas jurídicas de
cipação do cidadão na gestão pública e o princípio da direito privado, todavia, são autorizadas pela lei (art.
transparência são elementos que contribuem para a 37, XX, da CF/1988), ou seja, a legislação deve permitir
democratização da administração pública. que ela exista, para que o Poder Executivo regulamen-
te suas funções mediante a expedição de decretos. Sua
( ) CERTO  ( ) ERRADO personalidade jurídica, dessa forma, está condiciona-
da ao seu registro em cartório.
A questão trata de alguns temas bem atuais. Proces- São pessoas jurídicas de Direito Público, membros
sualização do direito administrativo significa a aten- da Administração Indireta: as autarquias, as funda-
ção aos princípios aplicáveis no processo judicial, ções públicas, agências reguladoras e associações
isto é, o respeito do contraditório e ampla defesa, o públicas. São pessoas jurídicas de Direito Privado: as
respeito ao trânsito em julgado, ao devido processo empresas públicas, as sociedades de economia mista,
legal, enfim, é o respeito a todos esses pontos den- as fundações governamentais com estrutura de pes-
tro do processo administrativo. A participação do soa jurídica de Direito Privado, as subsidiárias e os
cidadão na gestão pública diz respeito a diferentes consórcios públicos de Direito Privado. 65
Autarquias z Administrativas: são as autarquias comuns, apre-
sentam regime jurídico ordinário. Exemplo: Insti-
As autarquias são pessoas jurídicas de Direito tuto Nacional de Seguridade Social (INSS).
Público interno, criadas por legislação própria, que z Especiais: possuem maior autonomia em relação
tem por escopo exercer as funções típicas da Admi- as autarquias administrativas devido a presença
nistração Pública. As autarquias possuem um con- de certas características, como a presença de diri-
ceito definido em lei, mais especificamente no art. 5º, gentes com mandato fixo. Podem se subdividir em:
inciso I, do Dec-Lei nº 200/1967: para os fins desta lei, a.1) especiais stricto sensu (Banco Central); e
considera-se: a.2) agências reguladoras (Anatel, Anvisa).
z Corporativas: são as corporações profissionais,
“I - Autarquia - o serviço autônomo, criado por lei, que promovem o controle e a fiscalização de cate-
com personalidade jurídica, patrimônio e receita gorias profissionais. Exemplos: CREA, CRO, CRM.
próprios, para executar atividades típicas da Admi- z Fundacionais: são as fundações públicas, entidades
nistração Pública, que requeiram, para seu melhor que arrecadam patrimônio para o cumprimento de um
funcionamento, gestão administrativa e financeira
objetivo específico. Exemplos: Funai, Procon, Funasa.
descentralizada”.
z Territoriais: são as autarquias de controle da
União, também denominadas territórios federais
Podemos fazer alguns comentários sobre o concei-
(art. 33 da CF/1988). A atual Constituição aboliu os
to apresentado. Ao dizer que as autarquias são criadas
territórios federais remanescentes.
“para executar atividades típicas da Administração
z Associativas: são as autarquias criadas pelo
Pública”, o texto legal faz referência àquelas ativida-
resultado de uma celebração de consórcio públi-
des características do Poder Público, e que só podem
co, também denominadas associações públicas.
ser executadas pelo mesmo, em regra. São atividades
Se o contrato de consórcio público envolver múl-
em que deve haver a prevalência do interesse públi-
tiplos entes da Federação, tais autarquias podem
co sobre o privado e, por isso mesmo, as autarquias
ser transfederativas. Exemplo: associação criada
gozam de diversas prerrogativas para executar tais
entre União, Estados e Municípios para a constru-
tarefas. É por isso que as autarquias são pessoas jurí-
ção de um teatro.
dicas de direito público. Com isso, tais entidades são
proibidas de exercer qualquer atividade econômica,
o que lhes proporciona uma grande vantagem: não
pode ser decretada sua falência e também goza de
Importante!
imunidade tributária. Curioso é o caso da Ordem dos Advogados do
A sua criação depende de lei específica. Isso signi- Brasil. A OAB sempre foi considerada uma autar-
fica que a sua existência é condicionada apenas pelo quia de regime comum. Todavia, durante o jul-
trabalho realizado pelo legislador, não há outros atos gamento da ADI nº 3.026, o STF decidiu mudar
subsequentes que condicionam sua existência, como seu entendimento, ao decidir que que a OAB é
acontece com as pessoas jurídicas de direito privado. um serviço independente e de natureza especial
O regime de pessoal das autarquias é o estatu- e que, por isso mesmo, não pode sofrer contro-
tário. Significa que a autarquia não pode contratar
le específico das autarquias. Assim, a OAB seria
quem ela quiser, como se fosse um empregador: seus
considerada uma entidade própria sui generis, e
funcionários devem ser servidores públicos, pre-
viamente aprovados em prova de concurso público.
não é mais uma autarquia.
Assim, todas as questões referentes ao regime laboral
desses servidores devem ser resolvidas, tendo como Fundações Públicas
base a Lei nº 8.112/1990, conhecido também como
Estatuto dos Servidores Públicos Civis da União. As fundações públicas são consideradas espécies
O patrimônio das autarquias consiste em bens de autarquias, possuindo diversas características
públicos, que gozam da garantia de serem inalie- similares. Fundação pública é, nos termos do art. 5º,
náveis e impenhoráveis. Se o patrimônio é público, IV, do Dec-Lei nº 200/1967:
significa que ele é utilizado, de forma a atender uma
finalidade pública. Logo, não pode a autarquia abrir “[...] a entidade dotada de personalidade jurídica
mão desses bens, e nem dá-los em garantia. de direito privado, sem fins lucrativos, criada em
As autarquias somente podem celebrar contratos virtude de autorização legislativa, para o desenvol-
públicos, isso é, são contratos típicos da Administra- vimento de atividades que não exijam execução por
ção Pública, que a colocam em posição mais vantajosa órgãos ou entidades de direito público, com auto-
em relação ao particular interessado. nomia administrativa, patrimônio próprio gerido
Pode-se afirmar que vigora o princípio da espe- pelos respectivos órgãos de direção, e funciona-
cialidade no regime das autarquias. Isso significa que mento custeado por recursos da União e de outras
cada entidade é criada para atender a uma finalidade fontes”.
individual e específica. Exemplificando: para tratar
de questões do regime de previdência social, temos o A Funai, Funasa, o IBGE, são alguns exemplos de
INSS, que é a única autarquia responsável pela con- fundações públicas.
cessão de benefícios previdenciários. É o próprio INSS Pelo conceito disposto na legislação, percebe-se
que responde em juízo, havendo uma ação previden- que o referido Decreto-Lei dispõe serem as funda-
ciária pleiteada por particular, e não a União/Estado. ções entidades com personalidade jurídica de Direito
Devido à multiplicidade de assuntos temos, consequen- Privado. Tal conceituação não foi recepcionada pela
temente, uma multiplicidade de autarquias. A doutrina Constituição de 1988 que, em seu art. 37, XIX, decidiu
tende a classificar as autarquias nos seguintes grupos: não fazer tal distinção:
66
“[...] somente por lei específica poderá ser criada „ agências federais;
autarquia e autorizada a instituição de empresa „ estaduais;
pública, de sociedade de economia mista e de fun- „ municipais;
dação, cabendo à lei complementar, neste último „ distritais.
caso, definir as áreas de sua atuação”.
z Quanto à atividade preponderante:
Dessa forma, concluímos que as fundações podem
ser tanto de Direito Público como de Direito Priva- „ agências de serviço, que exercem as funções
do, dependendo do que a lei instituidora da funda- típicas;
ção delimitar quanto as suas competências. Todavia, „ agências de polícia, que exercem fiscalização
importante frisar que, mesmo as fundações de regime das atividades econômicas;
jurídico privado devem obediência às normas públi- „ agências de fomento, que ajudam a desenvol-
cas, e não à legislação civil. ver o setor privado;
As fundações de direito privado, para sua criação, „ agências de uso de bens públicos.
precisam de autorização por lei. É diferente de uma
autarquia, que é criada por lei. Aqui, a fundação já z Quanto à previsão constitucional:
existe, mas para atuar no mercado privado deve, além
de possuir autorização legislativa, obter registro em
„ agências com referência constitucional (a Ana-
cartório para adquirir sua personalidade jurídica,
tel tem previsão no art. 21, XI, da CF/1988);
como se fosse uma empresa.
„ agências sem referência constitucional, são a
Por conseguinte, seu patrimônio consiste em bens
grande maioria.
privados, que não gozam das garantias de inalie-
nabilidade e impenhorabilidade presente nos bens
z Quanto ao momento de sua criação:
públicos.
Importante, também, destacar que as fundações
„ agências de primeira geração (1996 a 1999) na
privadas podem celebrar contratos privados, os ins-
época das privatizações;
trumentos contratuais típicos da esfera privada como
„ de segunda geração, de 2000 a 2004;
compra e venda, locação de imóvel etc.
„ de terceira geração, que adveio com as agên-
Como o patrimônio se destaca do seu instituidor, o
cias pluripotenciárias (2005 em diante), exer-
controle desse referido patrimônio é feito por órgão
cendo múltiplas funções simultaneamente.
especial, denominado curadoria das fundações. No
caso das fundações de direito público, o controle fiscal
z Associações públicas: a criação de consórcio
é exercido pelo Ministério Público.
A União, os Estados, o Distrito Federal e os Municí-
z Agências reguladoras: características e classificação
pios são os entes responsáveis pela regulamentação dos
consórcios públicos e dos convênios de cooperação,
O surgimento das agências reguladoras possui for-
autorizando a gestão associada de serviços públicos,
tes relações com a época das privatizações na segunda
bem como a transferência total ou parcial de encargos,
metade dos anos 1990. Neste contexto, as agências regu-
serviços, pessoal e bens essenciais à continuidade dos
ladoras foram introduzidas, sobretudo pelas ECs nos 8 e
serviços transferidos (art. 241 da CF/1988).
9, ambas de 1995, para atuar como órgãos reguladores,
Essas pessoas jurídicas autônomas, criadas pelos
fiscalizadores e controladores da iniciativa privada, que
entes federados, e que tem por objeto medidas de
passaram a desenvolver as tarefas originalmente atri-
mútua cooperação, denominam-se consórcio públi-
buídas ao Estado. Alguns exemplos de agências regula-
cos. Os consórcios públicos são disciplinados pela Lei
doras: Aneel, Anatel, Ancine, ANP, entre outros.
nº 11.107/2005. Uma das características mais distintas
As agências reguladoras também são autarquias
dos consórcios é a possibilidade de eles possuírem
sob um regime especial, diferenciando-se das autar-
natureza de Direito Público ou de Direito Privado.
quias comuns em dois aspectos:
Consórcios de Direito Privado obedecem às
normas da legislação civil. Possuem regime celetista,
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
„ Estabilidade: os dirigentes das agências regula-
embora não possam ter fins lucrativos. Por isso, não
doras não podem ser exonerados por qualquer
integram a Administração Pública. Já os consórcios de
motivo, ao contrário das autarquias, em que seus
direito público são as associações públicas propria-
dirigentes atuam em cargos de comissão. Assim,
mente ditas, podendo ser inclusive transfederativas se
os dirigentes das agências têm maior proteção
integrarem todas as esferas das pessoas consorciadas
contra o desligamento forçado, promovendo
(federal, estadual, municipal).
maior estabilidade no exercício de seu cargo;
„ Mandato Fixo: os dirigentes não possuem car-
Empresas do Estado: as Empresas Públicas e
go vitalício. Mas a existência de mandato fixo
Sociedades de Economia Mista
garante também maior estabilidade no seu car-
go, visto que ele tem prazo determinado para se
Passemos a analisar o grupo de pessoas jurídicas
encerrar. A duração dos mandatos pode variar
denominado de Empresas do Estado (ou empresas
dependendo de cada agência, podendo ser de 3
estatais). São as pessoas jurídicas de Direito Privado
anos como na Anvisa, 4 anos como na Aneel, ou
pertencentes à Administração Indireta e comportam
até 5 anos como na Anatel.
duas espécies: as empresas públicas e as sociedades
de economia mista.
As agências reguladoras podem ser classificadas:

z Quanto à sua origem: 67


Muitas das características apresentadas pelas fun- (o Dec-Lei nº 200/1967 dispõe que seu capital deve advir
dações privadas aplicam-se às empresas estatais, isso totalmente “da União”, mas admite-se também o capi-
é, sua criação depende de autorização legislativa além tal de origem estadual e municipal), as sociedades de
do registro em cartório; seu patrimônio constitui em economia mista admitem a presença do capital de ori-
bens privados; sua atividade principal consiste em gem privada, mas pelo menos 50% mais uma de suas
exercer uma atividade econômica; e a aptidão para ações com direito a voto devem pertencer ao Estado.
celebrar contratos privados. Além disso, outra diferença relevante é em relação
As empresas públicas e as sociedades de economia à forma de sua organização: as sociedades de econo-
mista apresentam características em comum: mia mista devem obrigatoriamente ter a estrutura de
sociedade anônima, trata-se de disposição legal do
z Atuação na prestação de serviços públicos ou próprio Dec-Lei nº 200/1967. As empresas públicas,
no desenvolvimento de atividade econômica: por sua vez, não sofrem essa imposição, podendo ado-
as empresas exploradoras de atividade econômica tar a estrutura que desejar.
geralmente recebem menor controle pela Admi-
nistração, embora também apresentem certas des- DAS ENTIDADES DE COLABORAÇÃO E SEU REGIME
vantagens, como não ter imunidade a impostos, e JURÍDICO
seus bens não tem natureza pública, podendo ser
penhorados. Por fim, convém explanar sobre algumas pessoas
z Sofrem controle pelo Tribunal de Contas da jurídicas que, apesar de não integrarem a Administra-
União: também podendo sofrer controle pelo ção Pública, seja Direta ou Indireta, ainda assim são a
Poder Judiciário, no que couber. elas aplicáveis as normas gerais de Direito Adminis-
z Contratação de bens e serviços mediante prévia trativo. Essas são as entidades paraestatais.
licitação: a licitação é processo utilizado a fim de As entidades paraestatais são entidades privadas
promover uma competição justa com as empre- que realizam atividades de interesse coletivo, sem
sas privadas do mesmo setor. Tal imposição não fins lucrativos que recebem incentivos de entidades
é exigida para as empresas públicas e sociedades públicas. Tais empresas privadas cujos objetivos são
de economia mista exploradoras de atividade a execução de serviços de relevante interesse público
econômica. são denominadas entidades do Terceiro Setor. Tradi-
z Obrigatoriedade de realização de concurso cionalmente considera-se “entidade paraestatal” sinô-
público: trata-se de uma forma de avaliar os nimo de entidades da Administração Indireta.
melhores funcionários dentro de um grupo seleto As entidades paraestatais, por serem regidas pelo
de candidatos. direito privado, não têm os privilégios concedidos
z Contratação de pessoal pelo regime celetista: constitucionalmente às entidades de direito público.
seus membros são denominados empregados públi- Essas entidades paraestatais podem se apresentar sob
cos, salvo as hipóteses de contratação para cargo as seguintes formas:
comissionado. Todas as controvérsias envolvendo o
regime laboral dos empregados públicos deve ser Organização Social
resolvida com base na CLT. Apesar disso, a vedação
de acumular dois cargos públicos também se esten- A organização social (OS) não é uma pessoa jurí-
de aos empregos públicos. dica especial, mas uma qualificação especial outor-
z Impossibilidade de decretar sua falência: no gada pelo governo federal a entidades da iniciativa
caso das estatais prestadoras de serviços públicos, privada, sem fins lucrativos, cuja outorga autoriza a
nos termos do art. 2º, I, da Lei nº 11.101/2005. fruição de vantagens peculiares, como isenções fis-
cais, destinação de recursos orçamentários, repasse
As empresas públicas são pessoas jurídicas de de bens públicos, bem como empréstimo temporário
Direito Privado, cuja criação depende de autorização de servidores governamentais.
legal. Sua personalidade é concedida pelo registro de A Lei nº 9.637/1998 é a lei que regulamenta essa
seus atos constitutivos em cartório, com a totalidade qualificação das OS, e seu artigo 1º é bastante claro ao
de seu capital público e regime organizacional livre delimitar a área de atuação de tais entidades privadas:
(art. 5º, II, do Dec-Lei nº 200/1967), podendo ser orga- de modo geral, a OS será concedida a empresas cujas
nizadas como sociedade anônima, ou de responsabili- principais atividades sejam dirigidas ao ensino, à
dade limitada, ou ainda sociedade por comandita de pesquisa científica, ao desenvolvimento tecnológi-
ações. São empresas públicas: o Banco Nacional de co, à proteção e preservação do meio ambiente, à
Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a Cai- cultura e à saúde. Desempenham, portanto, ativida-
xa Econômica Federal (CEF) e a Empresa Brasileira de des de interesse público, mas que não se caracterizam
Infraestrutura Aeroportuária (Infraero). como serviços públicos stricto sensu, razão pela qual é
As sociedades de economia mista têm seu concei- incorreto afirmar que as organizações sociais são con-
to legal previsto no art. 5º, III, do Dec-Lei nº 200/1967. cessionárias ou permissionárias.
São pessoas jurídicas de direito privado, cuja criação O artigo 2º da referida Lei dispõe sobre os requi-
também depende de autorização legal e registro em sitos para a outorga da qualificação como OS: São
cartório, possui a maioria de seu capital público e requisitos específicos para que as entidades privadas
devem ser obrigatoriamente organizadas como socie- referidas no artigo anterior habilitem-se à qualifica-
dades anônimas. São sociedades de economia mista: ção como organização social:
Petrobrás, Banco do Brasil, Eletrobrás.
Percebemos algumas diferenças entre as empresas z Comprovar o registro de seu ato constitutivo,
públicas e as sociedades de economia mista. A primeira incluindo a sua natureza social, seus objetivos,
diz respeito ao capital constitutivo: enquanto que nas suas finalidades devem ser não lucrativas, a com-
68 empresas públicas, todo o seu capital deve ser público posição dos membros de sua diretoria, etc; e
z Haver aprovação, quanto à conveniência e opor- XI - promoção da ética, da paz, da cidadania, dos direitos
tunidade de sua qualificação como organização humanos, da democracia e de outros valores universais;
social, do Ministro ou titular de órgão supervisor XII - estudos e pesquisas, desenvolvimento de tecnolo-
ou regulador da área de atividade corresponden- gias alternativas, produção e divulgação de informa-
te ao seu objeto social e do Ministro de Estado ções e conhecimentos técnicos e científicos que digam
da Administração Federal e Reforma do Estado. respeito às atividades mencionadas neste artigo.
Importante ressaltar que a concessão de tal qua- XIII - estudos e pesquisas para o desenvolvimento, a
lificação é ato discricionário, ficando a cargo do disponibilização e a implementação de tecnologias
agente responsável (Ministro de Estado), conside- voltadas à mobilidade de pessoas, por qualquer
rando critérios de conveniência e oportunidade, meio de transporte. 
conceder ou não tal qualificação.
Como já mencionamos, o instrumento que regula
O instrumento de formalização da parceria entre a essa relação do Poder Público com a OSCIP é o termo
Administração e a organização social é o contrato de de parceria, que discriminará direitos, responsabili-
gestão, cuja aprovação deve ser submetida ao Minis-
dades e obrigações das partes signatárias, prevendo
tro de Estado ou outra autoridade supervisora da área
especialmente metas a serem alcançadas, prazo de
de atuação da entidade.
duração, direitos e obrigações das partes e formas de
As organizações sociais representam uma espécie
de parceria entre a Administração e a iniciativa priva- fiscalização. Além disso, outra diferença marcante
da, exercendo atividades que, antes da Emenda 19/98, entre a OSCIP da OS é que sua concessão é ato vincu-
eram desempenhadas por entidades públicas. Por lado (art. 1º, § 2º, Lei nº 9.790/1999), podendo-se falar
isso, seu surgimento no Direito Brasileiro está rela- em um “direito adquirido” da empresa privada em
cionado com um processo de privatização lato sensu obter a qualificação de OSCIP. O requerimento deve
realizado por meio da abertura de atividades públicas ser encaminhado ao Ministro da Justiça, na forma do
à iniciativa privada. artigo 5º da referida Lei.
Esquematicamente, podemos estabelecer as prin-
Organização da Sociedade Civil de Interesse Público cipais diferenças entre a OS e a OSCIP:

As Organizações da Sociedade Civil de Interesse


PRINCIPAIS
Público (OSCIPs) são também pessoas jurídicas de direi- OS OSCIP
DISTINÇÕES
to privado, sem fins lucrativos, instituídas por iniciativa
dos particulares e qualificadas pelo Estado, para desem- Lei nº
penhar serviços não exclusivos do Estado, com fiscaliza- Quanto à Lei nº 9.790/1999
ção pelo Poder Público, formalizando a parceria com a legislação 9.637/1998 + Decreto nº
Administração Pública por meio de termo de parceria. 3.100/1999
A lei que disciplina as OSCIPs é a Lei nº 9.790/1999,
Atividades Atividades não
sendo regulamentada pelo Decreto nº 3.100/1999. Seu
de interesse exclusivas do
artigo 3º dá uma noção mais ampla e geral sobre as enti-
público ante- Estado, mas
dades que podem ser qualificadas como OSCIPs, in verbis: Quanto ao exercí-
riormente de- de relevante
cio de funções
sempenhadas interesse pú-
Art. 3º A qualificação instituída por esta Lei, obser-
pelo Estado blico (mais
vado em qualquer caso, o princípio da universaliza-
(mais restrito) abrangente)
ção dos serviços, no respectivo âmbito de atuação
das Organizações, somente será conferida às pes- Quanto ao Instru-
soas jurídicas de direito privado, sem fins lucrati- Contrato de Termo de
mento que forma-
vos, cujos objetivos sociais tenham pelo menos uma Gestão Parceria
liza a relação
das seguintes finalidades:
I - promoção da assistência social; Ato discricio-
Quanto à vin- Ato vinculado;
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
II - promoção da cultura, defesa e conservação do nário; con-
culação da disposição
patrimônio histórico e artístico; veniência e
III - promoção gratuita da educação, observando-se
qualificação legal
oportunidade
a forma complementar de participação das organi-
zações de que trata esta Lei; Quanto ao
Ministro de Ministro da
IV - promoção gratuita da saúde, observando-se a ente público
Estado Justiça
forma complementar de participação das organiza- outorgante
ções de que trata esta Lei;
V - promoção da segurança alimentar e nutricional; Quanto à possibi- Há direito ad-
Não há tal
VI - defesa, preservação e conservação do meio lidade de direito quirido sobre a
possibilidade
ambiente e promoção do desenvolvimento sustentável; adquirido outorga
VII - promoção do voluntariado;
VIII - promoção do desenvolvimento econômico e
social e combate à pobreza;
IX - experimentação, não lucrativa, de novos mode-
los sócio-produtivos e de sistemas alternativos de
EXERCÍCIOS COMENTADOS
produção, comércio, emprego e crédito;
X - promoção de direitos estabelecidos, construção 1. (CESPE-CEBRASPE – 2019) Determinado governa-
de novos direitos e assessoria jurídica gratuita de dor pretende que sejam criadas uma nova autarquia e
interesse suplementar; uma nova empresa pública em seu estado. 69
Nessa situação, serão necessárias No que concerne aos princípios do Direito Administrativo:

a) duas leis específicas: uma para a criação da autarquia a) todos os itens relacionam-se corretamente a princí-
e outra para a criação da empresa pública. pios do Direito Administrativo, quais sejam, princípios
b) uma lei específica para a criação da autarquia e outra da tutela, autotutela e presunção de legitimidade,
para a autorização da instituição da empresa pública. respectivamente.
c) uma lei específica para a criação da empresa pública e b) nenhum deles está relacionado a princípios do Direito
outra para a autorização da instituição da autarquia. Administrativo.
d) autorizações legais na norma geral acerca da nova c) apenas os itens I e II relacionam-se corretamente
organização da administração pública estadual, não a princípios do Direito Administrativo, quais sejam,
havendo necessidade de a criação de nenhuma das princípios da tutela e da autotutela, respectivamente,
entidades ser feita por lei. estando o item III incorreto.
e) duas leis específicas: uma para a autorização da cria- d) apenas o item II relaciona-se corretamente a princípio
ção da empresa pública e outra para a autorização da do Direito Administrativo, qual seja, o princípio da tute-
criação da autarquia. la, estando os itens I e III incorretos.
e) apenas os itens I e II relacionam-se corretamente a
A questão é bastante simples, pois exige que o can- princípios do Direito Administrativo, quais sejam, prin-
didato conheça uma diferença básica entre os entes cípios da especialidade e da tutela, respectivamente,
descentralizados da administração pública. As pes- estando o item III incorreto.
soas jurídicas de direito público, como as autarquias,
são criadas por lei. As pessoas jurídicas de direi-
A frase I diz respeito ao poder de tutela (fiscalização)
to privado, como empresas públicas e sociedades
que todo ente federativo integrante da Administração
de economia mista, já existem dentro da realidade
social. Precisam, porém, de autorização legislativa Direta possui em relação às entidades descentraliza-
para exercerem suas funções. Resposta: Letra B. das da Administração Indireta. A frase II correspon-
de ao poder de autotutela, uma vez que pode realizar
2. (CESPE-CEBRASPE – 2019) Acerca dos órgãos públi- atos, sempre em prol do interesse público, sem a
cos e dos institutos da centralização e da descentrali- necessidade de prévia manifestação do Poder Judi-
zação administrativa, assinale a opção correta. ciário. A frase III diz respeito ao princípio da presun-
ção de legitimidade dos atos administrativos, uma
a) Os entes criados por descentralização permanecem vez que a Administração Pública não pode agir como
hierarquicamente subordinados aos órgãos dos quais bem entender, deve sempre respeitar o princípio da
foram descentralizados. legalidade, bem como deve fundamentar todos os
b) A administração centralizada atua por meio de órgãos seus atos. Tal vinculação reveste os atos administra-
públicos, que são unidades dotadas de personalidade tivos de presunção juris tantum, o que significa que
jurídica e que expressam a vontade do Estado admite prova em contrário. Resposta: Letra A.
c) A descentralização administrativa caracteriza-se pela
retirada de atribuições da esfera do interesse público 4. (CONTEMAX – 2019) Complete a lacuna com a alter-
e sua transferência para o domínio privado. nativa CORRETA:
d) A criação e a extinção de órgãos públicos devem “A _____________é a entidade da administração públi-
observar a exigência de lei ou decreto específico.
ca indireta considerada um serviço autônomo, criado
e) A descentralização política ocorre quando o ente
por lei, com personalidade jurídica, patrimônio e recei-
descentralizado exerce atribuições próprias que não
decorrem do ente central. ta própria para executar atividades típicas da Admi-
nistração Pública, que requeiram para seu melhor
A letra A está errada, pois os entes criados por descentra- funcionamento, gestão administrativa e financeira
lização não estão subordinados ao ente criador, uma vez descentralizada”.
que eles possuem autonomia para exercer suas funções
por conta própria e responder pela prática de atos dano- a) Empresa pública.
sos. A letra B está errada, pois os órgãos públicos são entes b) Autarquia.
despersonalizados, não podendo atuar por conta própria, c) Sociedade de economia mista.
possuindo certa subordinação hierárquica ao Estado. A d) Fundação.
letra C está errada, pois descentralização é o fenômeno e) Consórcio público.
em que há delegação de competências de um ente público
para outro ente distinto, com personalidade jurídica pró- As letras A e C estão erradas, porque as empresas
pria. A letra D está errada, pois a exigência de lei ou decre- públicas e sociedades de economia mista não são
to específico vale apenas para os entes descentralizados, criadas por lei, mas, para o seu devido funcionamen-
não para os órgãos públicos. Resposta: Letra E.
to, precisam ser autorizadas por lei. Além disso, tais
pessoas podem exercer alguma atividade econômica,
3. (FCC – 2016) Considere:
o que não caracteriza como atividade típica da admi-
nistração. A letra D está errada, pois uma fundação
I. Determinado Estado da Federação fiscaliza a ativida-
não é um serviço autônomo, mas a união do patri-
de de autarquia estadual, com o objetivo de garantir a
observância de suas finalidades institucionais. mônio de diversos entes distintos para atender a uma
II. A Administração pública pode, através dos meios finalidade específica, de relevante interesse público. A
legais cabíveis, impedir quaisquer atos que ponham letra E está errada, pois consórcio público caracteri-
em risco a conservação de seus bens. za-se pela união voluntária, entre dois ou mais entes
III. Os atos da Administração pública revestem-se de da federação, sem fins lucrativos, com o intuito de
presunção relativa, sendo o efeito de tal presunção a prestar serviços e desenvolver ações conjuntas que
70 inversão do ônus da prova. promovam benefícios públicos. Resposta: Letra B.
5. (FCC – 2020) Acerca das fundações instituídas e man- Impossível dizer que não há relações de hierarquia
tidas pelo Poder Público, a Constituição Federal de e subordinação na organização administrativa. É
1988 dispõe: o caso dos órgãos públicos. Já os entes das Admi-
nistração Indireta possuem, sim, personalidade
a) Aplica-se a imunidade tributária, no que se refere ao jurídica própria, seus bens e patrimônio não se con-
patrimônio, à renda e aos serviços vinculados às suas fundem com os membros federativos. Porém, sofrem
finalidades essenciais ou às delas decorrentes. controle de fiscalização pelo Poder Público que lhe
b) Somente por lei específica poderá ser criada autar- concedeu suas competências. Resposta: Letra B.
quia e fundação, e autorizada a instituição de empresa
pública e de sociedade de economia mista, cabendo à
lei complementar, neste último caso, definir as áreas
de sua atuação.
c) A proibição de acumulação remunerada de cargos, AGENTES PÚBLICOS
empregos e funções públicas aplica-se apenas às fun-
dações de direito público e não às de direito privado. ESPÉCIES E CLASSIFICAÇÃO
d) O afastamento eleitoral previsto no art. 38 da Consti-
tuição Federal de 1988 não se aplica aos servidores Nas lições de Celso Antônio Bandeira de Mello,
públicos da administração fundacional, apenas aos são agentes públicos as pessoas que exercem uma
que atuam na administração direta e autárquica. função pública, ainda que em caráter temporário ou
e) Compete ao Tribunal de Contas julgar as contas dos sem remuneração. Trata-se de uma expressão ampla
administradores e demais responsáveis por dinheiros, e genérica, uma vez que engloba todos aqueles que,
bens e valores públicos da administração direta e indi- dentro da organização da Administração Pública,
reta, excluídas as fundações, que possuem conselho exercem determinada função pública.
fiscal para esse fim. Assim, podemos dizer que agente público é gênero,
o qual comporta diversas espécies, como os agentes
A letra B está errada, a Constituição dispõe que as políticos, os agentes militares, os servidores públi-
fundações não são criadas, mas autorizadas por cos estatutários, os empregados públicos, os agentes
lei (art. 37, XIX). A letra C está errada, a proibição honoríficos, entre outros. Por isso, vamos especificar
de acumular estende-se a empregos e funções e cada um deles com maiores detalhes.
abrange autarquias, fundações, empresas públicas,
sociedades de economia mista, suas subsidiárias, Agentes políticos
e sociedades controladas, direta ou indiretamente,
pelo poder público. A letra D está errada, o caput
Os agentes políticos possuem como característica
do artigo 38 deixa claro que o afastamento eleitoral
aplica-se ao servidor público da administração dire- principal o fato de exercerem uma função pública de
ta, autárquica e fundacional. A letra E está errada, alta direção do Estado. Seu ingresso é feito mediante
a Constituição no inciso II do artigo 71, não exclui eleições, e atuam em mandatos fixos, os quais têm o
as fundações do julgamento de contas exercido pelo poder de extinguir a relação destes com o Estado de
Tribunal de Contas da União. Resposta: Letra A. modo automático pelo simples decurso do tempo.
Percebe-se, dessa forma, que a sua vinculação com o
6. (FUNDATEC – 2019) As sociedades de economia mis- Estado não é profissional, mas estatutária ou institu-
ta somente podem ser constituídas na forma de: cional. São agentes políticos os parlamentares, o Pre-
sidente da República, os prefeitos, os governadores,
a) Sociedade anônima. bem como seus respectivos vices, ministros de Estado
b) Sociedade limitada. e secretários.
c) Sociedade por ações ou sociedade limitada.
d) Alguma das espécies previstas para as sociedades Agentes Militares
empresárias.
e) Sociedade simples. Os agentes militares constituem uma categoria a
parte dos demais agentes políticos, uma vez que as
A questão exigia um conhecimento específico que dife-
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
instituições militares possuem fortes bases funda-
rencia as empresas públicas das sociedades de economia mentadas na hierarquia e na disciplina. Apesar de
mista. Quanto à sua forma, as sociedades de economia também apresentarem vinculação estatutária, seu
mista só podem ser constituídas na forma de socieda- regime jurídico é disciplinado por legislação especial,
de anônima, enquanto as empresas públicas podem se e não aquela aplicável aos servidores civis. São agen-
constituir na forma que preferirem. Resposta: Letra A. tes militares os membros das Polícias Militares e dos
Corpos de Bombeiros militares dos Estados, Distrito
7. (FCC – 2017) A organização administrativa brasileira Federal e Territórios, bem como os demais militares
tem como característica a: ligados ao Exército, Marinha e Aeronáutica. Algumas
características que merecem destaque são: a proibi-
a) não previsão de estruturas descentralizadas. ção de sindicalização dos militares, a proibição do
b) personificação de entes integrantes da Administração direito de greve, e a proibição à filiação partidária.
indireta.
c) ausência de relações de hierarquia. Servidores Públicos
d) ausência de mecanismos de coordenação e de contro-
le finalístico.
De modo geral, podemos dizer que a Constituição
e) inexistência de entidades submetidas a certas regras
Federal de 1988 apresenta dois tipos de regimes para
de direito privado.
os agentes estatais: o regime estatutário ou de cargos
públicos, e o regime celetista ou de empregos públicos.
71
Os servidores públicos são contratados pelo regi- LEI Nº 8.112, DE 1990 E LEGISLAÇÃO PERTINENTE
me estatutário, enquanto os empregados públicos são
contratados pelo regime celetista, que muito se asse- O regime dos servidores públicos possui ampla pre-
visão normativa. Além do renomado artigo 37 da Cons-
melha às regras contidas na CLT.
tituição Federal, no âmbito infraconstitucional temos a
Atente-se a esse conceito: Servidor público é o Lei n° 8.112 de 1990 (Estatuto dos Servidores Públicos
agente contratado pela Administração Pública, direta Federais), isso é, a legislação que institui o regime jurí-
ou indireta, sob o regime estatutário, sendo selecio- dico dos servidores públicos da União, autarquias, fun-
nado mediante concurso público, para ocupar cargos dações, agências reguladoras e associações, todas em
públicos, possuindo vinculação com o Estado de natu- âmbito federal. Bastante exigida em concursos públi-
reza estatutária e não-contratual. cos, convém salientar as principais características a
O regime dos cargos públicos é disciplinado pela respeito do regime dos servidores públicos:
Lei Federal n° 8.112/1990, também conhecida como
Estatuto do Servidor Público. PODERES, DEVERES, PRERROGATIVAS, CARGO,
Frente a isso, um ponto relevante a ser ressaltado EMPREGO E FUNÇÃO PÚBLICA
desse regime é o alcance da estabilidade mediante o
fim do período de estágio probatório. Tal alcance per- Para todos os efeitos legais, o servidor público está
mite que o servidor não seja desligado de suas funções, intrinsicamente ligado à noção de cargo público. Con-
salvo pelas hipóteses previstas em lei, como a sentença forme dispõe o art. 3° do Estatuto dos Servidores, cargo
judicial transitada em julgado, processo administrativo público é o conjunto de atribuições e responsabilidades
disciplinar, ou a não aprovação em avaliação periódica previstas na estrutura organizacional que devem ser
de desempenho (art. 41, § 1°, da CF/1988). cometidas a um servidor. Os cargos públicos, acessíveis
Dentre os cargos públicos, ainda, há aqueles que a todos os brasileiros, são criados por lei, com denomi-
são vitalícios, que se apresentam de forma mais van- nação própria e vencimento pago pelos cofres públicos,
tajosa, uma vez que o estágio probatório possui um para provimento em caráter efetivo ou em comissão.
A criação, transformação, e extinção de cargos,
tempo menor (2 anos, sendo de 3 anos para os car-
empregos ou funções públicas depende sempre de uma
gos não-vitalícios), bem como o desligamento ocorrer
lei instituidora (art. 48, X, CF/1988). Porém, havendo
apenas mediante sentença condenatória transitada
um cargo ou função vago, a sua extinção pode se dar
em julgado. São vitalícios os cargos de: Magistratura, mediante expedição de decreto pelo Poder Executivo.
do Tribunal de Contas, e os cargos dos membros do Para ocupar um cargo público, é necessário haver
Ministério Público. o seu devido provimento, ou seja, deve haver um ato
Além da estabilidade, é também assegurado aos administrativo constitutivo e hábil para a investidu-
servidores estatutários alguns direitos trabalhistas, ra do servidor no respectivo cargo. Com relação aos
vejamos aqui os mais importantes: requisitos para a investidura em cargo público, dis-
põe o art. 5° da Lei n° 8.112/1990:
Art. 39 (...) São requisitos básicos para investidura em cargo
§ 3°, da CF/1988: a) salário mínimo, b) remune- público:
ração de trabalho noturno superior ao diurno, c)
repouso semanal remunerado, d) férias remunera- I - a nacionalidade brasileira;
das, e) licença à gestante etc. II - o gozo dos direitos políticos;
III - a quitação com as obrigações militares e
Empregado Público eleitorais;
IV - o nível de escolaridade exigido para o exercício
De modo diferente da contratação dos servidores, os do cargo;
empregados públicos são contratados mediante regime V - a idade mínima de dezoito anos;
celetista, isso é, com aplicação das regras previstas na VI - aptidão física e mental.
Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). Trata-se de
uma vinculação contratual. A contratação de emprega- Há diversas formas de provimento dos cargos
dos públicos se dá, em regra, pelas pessoas jurídicas de públicos, podendo ser classificados em dois grupos:
direito privado integrantes da Administração Indireta
(empresas públicas, sociedades de economia mista, con- z Quanto à durabilidade: O provimento pode ser de
caráter efetivo, capaz de garantir estabilidade e até
sórcios etc.). Além disso, o ingresso de tais pessoas tam-
mesmo vitaliciedade para o ocupante; ou em comis-
bém depende da sua aprovação em concurso público.
são, quando o referido cargo não goza de estabilida-
O regime dos empregados públicos é menos prote-
de, podendo o servidor ser destituído ad nutum, isso
tivo do que o regime estatutário. Isso se deve ao fato de é, de forma unilateral, sem a anuência do servidor.
que os empregados públicos não gozam da estabilida- z Quanto à preexistência de vínculo: temos o provi-
de que os servidores possuem. Ao serem empossados, mento originário, que não depende de vinculação
os empregados passam por um período de experiên- jurídica anterior com o Estado (nomeação); ou deri-
cia de 90 dias. Todavia, mesmo após esse período, os vado, se o referido servidor já possuía algum víncu-
empregados públicos podem ser dispensados. lo com o Estado (promoção, remoção, readaptação).
A diferença dos empregados públicos para com os
demais consiste no fato de que a sua demissão será sem- O art. 8° da Lei n° 8.112/1990 dispõe sobre as for-
pre motivada, após regular processo administrativo, mas de provimento em cargos públicos:
mediante contraditório e a ampla defesa. Importante
lembrar que, para a Administração Pública, a motivação z Nomeação: trata-se da única forma de provimen-
de seus atos, bem como o tratamento impessoal e a fina- to originário, uma vez que não exige uma relação
lidade pública, são princípios norteadores de sua atua- jurídica prévia do servidor para com o Estado. A
ção. Uma demissão imotivada de um empregado público nomeação depende sempre de prévia habilitação
72 seria absolutamente inadmissível nessas condições. em concurso público de provas, ou de provas e
títulos. Além disso, a nomeação poderá ser promo- foi injusta. Assim, a decisão judicial (pode ser a admi-
vida não somente em caráter efetivo, como tam- nistrativa também) determinou a invalidação de sua
bém para os cargos de confiança ou em comissão demissão. Com isso, ele pode ser reintegrado e voltar
(incisos I e II, do art. 9° e 10, da Lei n° 8.112/1990) a trabalhar para a sua repartição pública.
z Promoção: é uma forma de provimento derivado, Encontrando-se provido o cargo, o seu eventual ocu-
haja vista que ela beneficia somente os servidores pante será reconduzido ao cargo de origem, sem direito
que já ingressaram em cargos públicos em caráter à indenização ou aproveitado em outro cargo, ou, ain-
efetivo. Os demais requisitos para o ingresso e o da, posto em disponibilidade (art. 28, § 2°, idem).
desenvolvimento do servidor na carreira, mediante Como estamos buscando salientar, a Administração
promoção, serão estabelecidos pela lei que fixar as não pode ficar criando cargos públicos a esmo, ele tem
diretrizes do sistema de carreira na Administração um número certo de cargos e de servidores públicos
Pública Federal e seus regulamentos (art. 10, pará- ocupantes desses cargos. Logo, o cargo pertence origi-
grafo único, da Lei n° 8.112/1990). nalmente a Carlos. Assim, se por exemplo, durante o
z Readaptação: é, também, uma forma de provimen- período que esteve fora o servidor, Márcio estava ocu-
to derivado, pois trata-se de hipótese de atribuição pando seu cargo, ele deverá ser ou reconduzido para o
ao servidor para um cargo com funções e respon- seu cargo de origem, ou se isso não for possível (porque
sabilidades distintas e compatíveis com a limita- esse cargo foi extinto durante esse período), ele pode ser
ção que tenha sofrido em sua capacidade física ou aproveitado em outro cargo similar.
mental, verificada em inspeção médica. Assim, por Não havendo outro cargo similar, Márcio será pos-
exemplo, um motorista de ônibus que sofre aciden- to em disponibilidade
te e acaba perdendo algum membro essencial para
dirigir poderá ser readaptado para executar uma z Recondução: por fim, a recondução é a forma
função similar, mas não idêntica à anterior. Na de provimento derivado consistente no retorno
hipótese do servidor readaptando se mostrar com- do servidor público estável ao cargo anteriormen-
pletamente inválido para exercer qualquer cargo, te ocupado, e decorrerá de inabilitação em estágio
ele será compulsoriamente aposentado. probatório relativo a outro cargo, ou ainda pela
z Reversão: outra forma de provimento derivado,
reintegração do anterior ocupante (art. 29, I e II, da
em que temos o retorno à atividade de um servi-
Lei n° 8.112/1990). Uma situação excepcional é a
dor aposentado por invalidez, ou por puro e sim-
ples interesse da Administração, desde que da extinção do cargo durante o período de estágio
probatório. Nessas condições, segundo a Súmula
a) tenha solicitado a reversão; n° 22 do STF, inexiste direito à recondução, e o ser-
b) a aposentadoria tenha sido voluntária; vidor será exonerado.
c) estável quando na atividade;
d) a aposentadoria tenha ocorrido nos cinco anos É o caso do servidor Márcio, já mencionado durante a
anteriores à solicitação; reintegração do servidor Carlos. A recondução tem priori-
e) haja cargo vago (art. 25 do Estatuto dos Servido- dade em relação a pôr o servidor em disponibilidade. Pôr
res Públicos). o servidor em disponibilidade é considerada uma última
medida, pois o correto é a Administração fazer com que
A reversão far-se-á para o mesmo cargo ou para o todos os servidores que contratou trabalhem para ela,
cargo resultante de sua transformação. Em termos de ela deve evitar de ter um quadro cheio de servidores que
remuneração, o servidor que retornar à atividade por recebem remuneração e outros benefícios, mas que ficam
interesse da Administração perceberá a remuneração “parados” porque não possuem um cargo para ocupar.
do cargo que voltar a exercer, em substituição da apo- Mas a Lei n° 8.112/1990 também faz menção das
sentadoria que recebia (art. 25, § 4°, idem). hipóteses de vacância, isso é, são casos em que temos
a extinção do cargo público:
z Aproveitamento: mais uma forma de provimen-
to derivado consistente no retorno de servidor em Art. 33. São formas de vacância dos cargos
disponibilidade, sendo seu regresso obrigatório para públicos:
cargo de atribuições e vencimentos compatíveis com I – exoneração;
os do anteriormente ocupados (art. 30 da Lei n° II - demissão;

NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO


8.112/1990). Será tornado sem efeito o aproveita- III - promoção;
mento e cassada a disponibilidade se o servidor não IV (REVOGADO);
V (REVOGADO);
entrar em exercício no prazo legal, salvo comprova-
VI - readaptação;
da doença por junta médica oficial (art. 32, idem).
VII - aposentadoria;
z Reintegração: é a forma de provimento derivado VIII - posse em outro cargo inacumulável;
que ocorre pela reinvestidura do servidor estável no IX - falecimento.
cargo anteriormente ocupado, ou no cargo resultan-
te de sua transformação, na hipótese de sua demissão Observe que algumas das hipóteses de vacância são
ser invalidada por decisão judicial ou administrati- as mesmas das hipóteses de provimento. Isso ocorre
va, tendo direito também ao ressarcimento de todas porque, como mencionamos, o provimento derivado
as vantagens (art. 28, caput, Lei n° 8.112/1990). dos cargos públicos pressupõe uma relação jurídica
anterior entre o servidor e a Administração Pública.
Supondo que, em uma situação anterior, o servi- Nessas hipóteses (readaptação, promoção), o Poder
dor Carlos foi demitido por um motivo injusto. Esse Público necessita extinguir um cargo público (uma
motivo injusto pode advir de qualquer evento, como relação jurídica anterior) para criar um cargo novo.
ter sido erroneamente acusado de ter praticado Dessas hipóteses, a que merece maiores esclare-
uma transgressão (falaremos das transgressões em cimentos é a exoneração. Nas linhas do artigo 35, a
momento posterior). Carlos, então, resolveu ingressar exoneração de cargo efetivo dar-se-á a pedido do servi-
em juízo e conseguiu comprovar que a sua demissão dor, ou de ofício. Quando de ofício, a exoneração será
73
realizada quando não satisfeitas as condições do está- Geralmente essas prerrogativas mais exclusivas são
gio probatório; ou ainda quando, tendo tomado posse, o aplicáveis para os cargos militares e para os cargos de
servidor não entrar em exercício no prazo estabelecido. natureza política.
A substituição encontra-se disposta no artigo 38 No momento, é importante focar nas prerrogativas
do Estatuto. Segundo o caput desse dispositivo, os ser- que se aplicam para todos os servidores públicos, que
vidores investidos em cargo ou função de direção ou ocupam cargos públicos em geral. A primeira grande
chefia e os ocupantes de cargo de Natureza Especial prerrogativa diz respeito à estabilidade.
terão substitutos indicados no regimento interno ou, no A estabilidade é a condição que o servidor público
caso de omissão, previamente designados pelo dirigen- atinge após completar alguns requisitos. O seu princi-
te máximo do órgão ou entidade. pal efeito é que, uma vez estável no cargo, o servidor
A substituição é uma troca de um servidor por outro, público não pode ser demitido por razões de conve-
aplicável somente para os cargos de comissão ou função niência ou oportunidade pela Administração. Ela não
de direção e chefia, bem como cargos de Natureza Espe- pode demitir o servidor estável “porque não quer
cial. O servidor substituto indicado assume, automatica- mais” trabalhar com ele.
mente, o exercício do cargo, nos casos de afastamentos, Segundo o artigo 21 do Estatuto dos Servidores
impedimentos legais ou regulamentares do titular, bem Públicos Civis da União, uma vez que o servidor seja
como na hipótese de vacância do cargo. habilitado em concurso público e empossado em cargo
Um direito muito importante do servidor substitu- de provimento efetivo adquirirá estabilidade no serviço
to é que ele pode optar, entre o cargo que ocupava público ao completar 2 (dois) anos de efetivo exercício.
antes e o cargo que passa a ocupar pela substituição, Interessante observar que a Constituição Federal
de 1988 também prevê a prerrogativa de estabilida-
pela remuneração mais vantajosa (art. 38, § 2°). Seria
de em seu artigo 41. Todavia, os requisitos são distin-
injusto o substituto ganhar menos do que recebia
tos: para o Texto Constitucional, o servidor público só
antes da substituição. adquire estabilidade após completar 3 (três) anos de
efetivo exercício.
Acumulação de cargo, emprego, e função pública Isso não significa que, uma vez o servidor estando
estável no seu cargo, ele pode fazer o que quiser e não
Sobre a acumulação de cargos, emprego e funções sofrerá nenhuma punição. A estabilidade não lhe dá
públicas, deve-se salientar que o ordenamento jurídi- “carta branca” para agir como bem entender. Por isso
co brasileiro, em regra, proíbe a acumulação de car- o conteúdo do artigo 22 da Lei n° 8.112/1990: O servidor
gos e empregos públicos. Tal proibição se estende, estável só perderá o cargo em virtude de sentença judi-
inclusive, para as entidades da Administração Indi- cial transitada em julgado ou de processo administrati-
reta. O caput do art. 118 da Lei n° 8.112/1990 dispõe vo disciplinar no qual lhe seja assegurada ampla defesa.
no mesmo sentido: Ressalvados os casos previstos na O Texto Constitucional vai um pouco além: ele pre-
Constituição, é vedada a acumulação remunerada de vê ao todo, quatro modalidades de demissão de servi-
cargos públicos. Apesar do referido texto legal dispor dor estável. São elas:
sobre agentes públicos no âmbito federal, entendemos
que também possa ser aplicado aos agentes públicos z Por sentença judicial transitada em julgado: é
a forma mais demorada para se demitir um servi-
dos Estados, Municípios, e Distrito Federal.
dor, considerando todo o aspecto burocrático exis-
Pela leitura do dispositivo, vemos que a própria
tente no processo judicial. O trânsito em julgado da
Constituição Federal dispõe de um rol de casos excep- sentença somente ocorre quando esgotados todos
cionais em que é permitida a acumulação dessas fun- os recursos cabíveis.
ções. Há entendimento praticamente unânime de que z Mediante processo administrativo em que lhe
se trata de um rol taxativo, ou seja, são válidas apenas seja assegurada ampla defesa. As regras referentes
aquelas hipóteses de acumulação de cargos. ao Processo Administrativo Disciplinar (ou PAD)
Assim, as hipóteses de acumulação de cargos cons- serão vistas mais adiante.
titucionalmente autorizadas são: z Mediante procedimento de avaliação periódica
de desempenho, na forma de lei complementar,
z Dois cargos de professor (art. 37, XVI, a); assegurada ampla defesa: quem não for aprovado
z Um cargo de professor com outro técnico ou cien- na avaliação periódica de desempenho, pode ser
tífico (art. 37, XVI, b); exonerado de seu cargo público, independentemen-
z Dois cargos ou empregos privativos de profissio- te de ter completado o período de efetivo exercício.
nais na área da saúde (art. 37, XVI, c); z Por excesso de gasto com pessoal: as hipóte-
z Um cargo de vereador com outro cargo, emprego ses 1 a 3 estão previstas nos incisos do artigo 41.
Todavia, essa última hipótese encontra-se disposta
ou função pública (art. 38, III);
no inciso II, do §3º, do artigo 169 da CF/1988. Sob
z Um cargo de magistrado e outro de magistério (art.
o aspecto orçamentário e financeiro, não pode a
95, par. único, I); Administração Pública realizar gastos superiores
z Um cargo de membro do Ministério Público e outro àqueles previstos em seu orçamento anual. Com
de magistério (art. 128, § 5°, II, d). isso, havendo a necessidade, é possível, sim, que
um servidor estável seja exonerado de seu car-
Das prerrogativas, dos Direitos, vantagens e go, apenas por motivos de “balancear” as contas
autorizações dos servidores públicos públicas.

Prerrogativa é qualquer situação de vantagem Outra prerrogativa que merece maior destaque é
obtida pela natureza de um cargo ou de uma função. a vitaliciedade. É um instituto bastante parecido com
No caso dos agentes públicos, existem algumas prer- a estabilidade, mas não pode ser confundida com a
rogativas que são comuns para todo e qualquer car- mesma. A vitaliciedade não é adquirida por qualquer
go público, e existem algumas prerrogativas que são servidor: ela é somente concedida para alguns cargos
mais restritas, exclusivas apenas para alguns cargos. públicos especiais.
74
São considerados cargos vitalícios, segundo a pró- „ Ajuda de custo por falecimento: devido à
pria Constituição Federal: os cargos de Magistratura família do servidor que vier a falecer na nova
(art. 95, I), os membros do Ministério Público (art. 128, sede, sendo devido para custear o transporte
§ 5°, a), e os cargos ocupados pelos membros do Tribu- para a localidade de origem;
nal de Contas da União ou TCU (art. 73, § 3°). „ Diárias por deslocamento: devida ao servidor
A vitaliciedade é um instituto ainda mais forte do que que se afastar, por motivos de serviço, da sede
a estabilidade. Uma vez que a pessoa ocupe um desses em caráter transitório, para outro local dentro ou
cargos vitalícios, ela somente pode ser exonerada median- fora do país, receberá tal indenização como for-
te sentença judicial transitada em julgado. Essa é a única
ma de ajuda no custeio do processo de mudança;
hipótese de exoneração, motivo pelo qual ela garante
„ Auxílio-moradia: trata-se de ressarcimento
uma prerrogativa maior do que apenas a estabilidade.
das despesas comprovadamente realizadas
Das hipóteses de exoneração, apesar de ser um
aspecto relativo ao Regime de Previdência, é também pelo servidor com aluguel de moradia ou com
considerada como uma forma de exoneração a apo- hospedagem realizado por algum hotel, depen-
sentadoria compulsória, isso é, a concessão do referido dendo do preenchimento de alguns requisitos,
benefício previdenciário quando o servidor estável ou como não ter um imóvel funcional disponível
vitalício completar 75 (setenta e cinco) anos de idade. para uso, seu cônjuge não ser ocupante de
A diferença é que, no caso da aposentadoria compul- imóvel funcional, ou que nenhuma outra pes-
sória, o servidor para de trabalhar, mas continua rece- soa que resida com o servidor receba a mesma
bendo uma “remuneração”, chamada de provento. indenização etc.
A Lei n° 8.112/1990, em seus artigos 40 e 41, elen- „ Gratificações, Adicionais e Retribuições: O
ca diversos direitos e gratificações aos servidores art. 61 do Estatuto dos Servidores Públicos tam-
públicos, os quais são de grande importância conhe- bém prevê o pagamento das seguintes gratifi-
cer. Vejamos os principais direitos: cações: I - retribuição pelo exercício de função
de direção, chefia e assessoramento; II - gratifi-
z Vencimentos: vencimentos está para o servidor cação natalina; IV - adicional pelo exercício de
assim como o salário está para o empregado. Con- atividades insalubres, perigosas ou penosas; V
siste na retribuição pecuniária pelo exercício do - adicional pela prestação de serviço extraordi-
cargo público, cujo valor é previamente fixado nário; VI - adicional noturno; VII - adicional de
em lei. Os vencimentos de cargos efetivos são, em férias; VIII - outros, relativos ao local ou à natu-
regra, irredutíveis. reza do trabalho; IX - gratificação por encargo
z Remuneração: é mais abrangente. É o vencimen- de curso ou concurso.
to do cargo, somado a todas as outras vantagens
pecuniárias estabelecidas em lei. O menor valor O servidor, em relação às férias, fará jus a trin-
pago ao servidor público, independentemente de ta dias de licença para cada 12 meses de serviço, que
sua vinculação, é o valor do salário mínimo vigen- podem ser acumuladas, até o máximo de dois perío-
te (art. 39, § 3°, da CF/1988). dos, no caso de necessidade do serviço (art. 77, Lei n°
8.112/1990). Poderão ser parceladas em até três perío-
O artigo 39 da Constituição Federal apresenta dos, desde que assim requeridas pelo servidor, e no
algumas regras gerais sobre o regime dos servi- interesse da administração pública, na forma do § 3°
dores públicos. Dentre as regras constitucionais, do mesmo dispositivo legal.
o §1° do referido dispositivo prevê que a fixação As licenças são uma espécie de afastamento com
dos padrões de vencimento e dos demais com- algumas características próprias. Estão dispostas nos
ponentes do sistema remuneratório observará artigos 81 e seguintes da Lei dos Servidores Públicos
três aspectos: a natureza, o grau de responsabili- Federais. Conceder-se-á licença ao servidor:
dade e a complexidade dos cargos componentes de
cada carreira; os requisitos para a investidura; e I - por motivo de doença em pessoa da família;
também as peculiaridades dos cargos. II - por motivo de afastamento do cônjuge ou
companheiro;
z Regime de subsídios: trata-se de uma forma espe- III - para o serviço militar;

NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO


cial de remuneração, feita em uma única parcela. IV - para atividade política;
O regime de subsídios, previsto no art. 39, § 4°, da V - para capacitação;
CF/1988, foi introduzido com a finalidade de coibir VI - para tratar de interesses particulares;
os “supersalários” comumente existentes no regi- VII - para desempenho de mandato classista.
me de servidores públicos brasileiros. Importante
ressaltar que recebem por subsídios somente os Apesar de haver previsão para concessão de licen-
Chefes do Poder Executivo, parlamentares, magis- ça por prêmio em virtude de assiduidade, tal hipóte-
trados, ministros de Estado, secretários estaduais, se acabou sendo revogada pela Lei n° 9.527/1997. As
membros do Ministério Público e da Advocacia licenças, como se depreende, são hipóteses de desli-
Pública, entre outros. gamento temporário do servidor com o seu respectivo
z Indenizações: as indenizações são valores pagos cargo, havendo uma expectativa para o seu retorno.
aos servidores, mas que não integram seus ven- As licenças poderão ser concedidas com ou sem remu-
cimentos. O Estatuto prevê algumas hipóteses de neração, a depender de cada situação.
recebimento de indenizações: Os afastamentos, que não se confundem com as
licenças, são hipóteses em que há um desligamento
„ Ajuda de custo por mudança, devida como permanente do servidor com o seu cargo, e, em regra,
forma de compensar as despesas de instalação o seu prazo para retorno é bem maior, o que torna
de servidor que tiver exercício em nova sede, menos provável a sua chance de retorno. Além disso,
ocorrendo mudança de seu domicílio; quem tem interesse no afastamento do servidor são
75
ambos o servidor e a própria Administração Pública. Mas o Regime de Previdência dos Servidores tam-
Estão previstos nos artigos 93 e seguintes da Lei n° bém possui dispositivos previstos em seu Estatuto.
8.666/1990. São quatro hipóteses: Segundo o artigo 184 da Lei n° 8.112/1990, o Plano
de Seguridade Social visa a dar cobertura aos riscos a
I – para servir a outro órgão ou entidade; que estão sujeitos o servidor e sua família, e compreen-
II – para exercício de mandato eletivo; de um conjunto de benefícios e ações que atendam às
III – para estudos ou missões no exterior; seguintes finalidades:
IV – para participação em programa de pós-gra-
duação stricto sensu dentro do País. I - garantir meios de subsistência nos eventos de
doença, invalidez, velhice, acidente em serviço, ina-
Para compreender melhor a diferença entre licen- tividade, falecimento e reclusão;
ças e afastamentos, segue uma tabela explicativa. II - proteção à maternidade, à adoção e à paternidade;
III - assistência à saúde.
LICENÇA AFASTAMENTO
De modo geral, pode-se dizer que ao servidor é
Finalidade é de interes- Finalidade é de interesse garantido os seguintes benefícios previdenciários:
se exclusivo do agente do agente e da Adminis-
público. tração Pública. z Aposentadoria: possui previsão tanto na Consti-
tuição Federal quanto na Lei n° 8.112/1990. O Regi-
Ex: doença do cônjuge/ Ex: realização de espe- me Próprio de Previdência dos Servidores (RPPS)
membro da família; para cialização; realização de também sofreu alterações na chamada “reforma
exercer atividade política; missão no exterior; para da previdência”, promulgada pela Emenda Cons-
para tratar de interesses servir a outro órgão/ titucional n° 103/2019. Com isso, temos dois textos
particulares. entidade. normativos que, até o presente momento, dispõem
Possui prazos mais cur- Possui prazos mais lon- sobre a aposentadoria.
tos (dias, semanas). gos (meses, anos).
À luz da Constituição Federal (art. 40), o servidor
será aposentado:

Importante! z Por incapacidade permanente para o trabalho, no


Uma questão que costuma cair com bastante fre- cargo em que estiver investido, quando insuscetível
quência nas provas de concurso público é sobre a de readaptação. O Texto Constitucional explicita que
remuneração de servidor afastado para exercício será obrigatória a realização de avaliações periódi-
de mandato eletivo (artigo 94, Lei n° 8.112/1990). cas para verificação da continuidade das condições
A regra geral é que, para exercer um mandato ele- que ensejaram a concessão da aposentadoria, na for-
tivo, o servidor deve se afastar do cargo e deixar ma de lei do respectivo ente federativo.
de receber a remuneração do mesmo. Porém, z Compulsoriamente, com proventos proporcionais
tratando-se de exercício de mandato de Prefeito, ao tempo de contribuição, aos 70 (setenta) anos de
o servidor afastar poderá optar, dentre as duas idade, ou aos 75 (setenta e cinco) anos de idade,
remunerações, por aquela que lhe for mais vanta- na forma de lei complementar n° 152/2015. Essa
josa (valores maiores, mais benefícios etc.). Lei complementar dispõe sobre a aposentadoria
compulsória com proventos proporcionais, sendo
aplicável aos servidores ocupantes de cargos públi-
Outro aspecto importante: no caso de mandato de cos da União, Estados, Municípios, Distrito Federal
Vereador, o servidor poderá exercer os dois car- e suas autarquias e fundações; aos membros do
gos e receber ambas as remunerações, desde que Poder Judiciário; aos membros do Ministério Públi-
comprovada a compatibilidade de horários (atua co; e aos membros da Defensoria Pública.
como Vereador de dia e como agente público de noite, z Voluntariamente, no âmbito da União, aos 62
e vice-versa). Sendo incompatível o horário dos dois (sessenta e dois) anos de idade, se mulher, e aos 65
cargos, o Vereador pode optar pela remuneração mais (sessenta e cinco) anos de idade, se homem, e, no
vantajosa, igual ao Prefeito. Isso é assim porque, mui- âmbito dos Estados, do Distrito Federal e dos Muni-
tas vezes, a remuneração dos Prefeitos e Vereadores cípios, na idade mínima estabelecida mediante
de pequenos Municípios costuma ser menor do que emenda às respectivas Constituições e Leis Orgâ-
a remuneração do cargo público anterior, e ele pode nicas, observados o tempo de contribuição e os
facilmente se locomover de um ambiente de trabalho demais requisitos estabelecidos em lei comple-
para outro nesse Municípios de porte menor. mentar do respectivo ente federativo.     

Do Regime Previdenciário (RPPS) Com base na Lei n° 8.666/1990 (art. 186), ao servi-
dor federal poderá ser concedido aposentadoria:
Servidor público não é empregado. Por isso, não se
aplica a ele o Regime Geral de Previdência, conhecido
z Aposentadoria por invalidez permanente; sendo os
também como RGPS. Os servidores possui um regime
proventos integrais quando decorrente de acidente
próprio denominado Regime Próprio de Previdência
em serviço, moléstia profissional ou doença grave,
dos Servidores (ou RPPS).
contagiosa ou incurável, especificada em lei, e propor-
Esse regime tem suas políticas elaboradas e executa-
das pela Secretaria de Previdência do Ministério da Fazen- cionais nos demais casos;
da. Neste Regime, é compulsório para o servidor público z Aposentadoria compulsória, aos setenta anos de
do ente federativo que o tenha instituído, com teto e subte- idade, com proventos proporcionais ao tempo de ser-
76 tos definidos pela Emenda Constitucional n° 41/2003. viço; ou ainda
z Aposentadoria voluntária, de acordo com os ou companheira que comprove união estável
seguintes critérios de idade e de contribuições: aos como entidade familiar; ou ainda ao filho de qual-
35 (trinta e cinco) anos de serviço, se homem, e aos quer condição, ou seja, todos os entes equipara-
30 (trinta) se mulher, com proventos integrais; aos dos a filho (enteado, menor tutelado), desde que
30 (trinta) anos de efetivo exercício em funções preencha as seguintes condições: a) seja menor de
de magistério se professor, e 25 (vinte e cinco) se 21 (vinte e um) anos; b) seja inválido; c) tenha defi-
professora, com proventos integrais; aos 30 (trinta) ciência grave; ou ainda d) tenha deficiência inte-
anos de serviço, se homem, e aos 25 (vinte e cin- lectual ou mental.
co) se mulher, com proventos proporcionais a esse z Auxílio-reclusão (art. 229): outro benefício tam-
tempo; aos 65 (sessenta e cinco) anos de idade, se bém devido aos dependentes do servidor, cujo
homem, e aos 60 (sessenta) se mulher, com pro- valor poderá ser:
ventos proporcionais ao tempo de serviço.
I - dois terços da remuneração, quando afastado
Com a entrada em vigor da Emenda Constitucional por motivo de prisão, em flagrante ou preventiva,
n° 103/2019, as regras para a aposentadoria voluntá- determinada pela autoridade competente, enquan-
ria dos agentes públicos sofreram algumas alterações. to perdurar a prisão;
II - metade da remuneração, durante o afastamen-
As chances de uma questão sobre essas novas regras
to, em virtude de condenação, por sentença defini-
caírem em uma prova no momento são pequenas, mas
tiva, a pena que não determine a perda de cargo.
é importante se prevenir. Existem também regras de
transição mais específicas, as quais devem ser conhe-
Dos Deveres e Responsabilidades dos Servidores
cidas pelo candidato, ao menos um pouco. Por isso, Públicos
uma leitura da emenda constitucional 103/2019, na
íntegra, é altamente recomendada. Apesar da grande quantidade de direitos e vantagens,
o Estatuto dos Servidores Públicos também atribui aos
z Auxílio-natalidade (art. 196): o auxílio-natalida- mesmos diversos deveres, com base no regime disciplinar
de é devido à servidora por motivo de nascimento o qual, se não for atendido, enseja a instauração de pro-
de filho, em quantia equivalente ao menor ven- cesso disciplinar para a apuração de infrações funcionais.
cimento do serviço público, inclusive no caso de Nos termos do artigo 116 da Lei n° 8.112/1990:
natimorto.
z Salário-Família (art. 197): o salário-família é Art. 116 São deveres do servidor:
devido ao servidor segundo o número de depen- I - exercer com zelo e dedicação as atribuições do
dentes econômicos deste. Para todos os efeitos, são cargo
considerados dependentes econômicos, na forma II - ser leal às instituições a que servir;
do artigo 197, parágrafo único: III - observar as normas legais e regulamentares;
IV - cumprir as ordens superiores, exceto quando
I - o cônjuge ou companheiro e os filhos, inclusive manifestamente ilegais;
os enteados até 21 (vinte e um) anos de idade ou, se V - atender com presteza;
estudante, até 24 (vinte e quatro) anos ou, se inváli- a) ao público em geral, prestando as informações
do, de qualquer idade; requeridas, ressalvadas as protegidas por sigilo;
II - o menor de 21 (vinte e um) anos que, median- b) à expedição de certidões requeridas para defesa
te autorização judicial, viver na companhia e às de direito ou esclarecimento de situações de inte-
expensas do servidor, ou do inativo; resse pessoal;
III - a mãe e o pai sem economia própria. c) às requisições para a defesa da Fazenda Pública;
VI - levar as irregularidades de que tiver ciência
em razão do cargo ao conhecimento da autoridade
z Licença para tratamento de saúde (art. 202),
superior ou, quando houver suspeita de envolvi-
essa licença dependente de perícia médica, sem
mento desta, ao conhecimento de outra autoridade
prejuízo da remuneração a que fizer jus. O servi- competente para apuração;
dor precisa comprovar que realmente está doente VII - zelar pela economia do material e a conserva-
e não pode trabalhar. ção do patrimônio público;
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
z Licença à gestante, à adotante e licença-pater- VIII - guardar sigilo sobre assunto da repartição;
nidade (art. 207): a licença à gestante/adotante/ IX - manter conduta compatível com a moralidade
paternidade será concedida por prazo não supe- administrativa;
rior a 120 dias, sem prejuízo da remuneração. X - ser assíduo e pontual ao serviço;
Todavia, a servidora gestante poderá prorrogar XI - tratar com urbanidade as pessoas;
esse prazo, desde que o requeira até o final do pri- XII - representar contra ilegalidade, omissão ou
meiro mês após o parto, e terá duração de sessenta abuso de poder.
dias. Trata-se de uma inovação trazida pelo Decre-
to n° 6.690/2008 Ao mesmo tempo, o artigo 117 da mesma Lei
z Licença por acidente em serviço (art. 211): o impõe aos servidores públicos diversas proibições.
Estatuto considera como acidente em serviço o Trata-se de uma matéria que exige grande capacidade
dano físico ou mental sofrido pelo servidor, que se de memorização, ainda que não necessite de um alon-
relacione, mediata ou imediatamente, com as atri- gamento muito detalhado.
buições do cargo exercido.
z Pensão por morte (art. 215): esse é um dos raros Art. 117 Ao servidor é proibido:
I - ausentar-se do serviço durante o expediente, sem
benefícios que não é devido ao servidor (por
prévia autorização do chefe imediato;
motivos óbvios), mas a seus dependentes, incluin-
II - retirar, sem prévia anuência da autoridade com-
do nesse grupo o cônjuge, o cônjuge divorciado ou
petente, qualquer documento ou objeto da repartição;
separado judicialmente ou de fato; o companheiro III - recusar fé a documentos públicos; 77
IV - opor resistência injustificada ao andamento de administrativo, sendo assegurado ao acusado direito
documento e processo ou execução de serviço; ao contraditório e à ampla defesa, sendo obrigatória,
V - promover manifestação de apreço ou desapreço inclusive, a presença do advogado em todas as fases
no recinto da repartição; do referido processo (Súmula n° 343 do STJ).
VI - cometer a pessoa estranha à repartição, fora Todavia, tal entendimento vem sofrendo alte-
dos casos previstos em lei, o desempenho de atri- rações, pois o STF já reconheceu em Súmula Vincu-
buição que seja de sua responsabilidade ou de seu lante n° 5 entendimento de que a falta de defesa
subordinado; técnica no processo administrativo disciplinar não é
VII - coagir ou aliciar subordinados no sentido de inconstitucional.
filiarem-se a associação profissional ou sindical, ou Em relação às penalidades administrativas apli-
a partido político;
cáveis aos servidores públicos, a Lei n° 8.112/1990
VIII - manter sob sua chefia imediata, em cargo
(art. 127) prevê aplicação das seguintes sanções:
ou função de confiança, cônjuge, companheiro ou
parente até o segundo grau civil;
IX - valer-se do cargo para lograr proveito pessoal z Advertência: é a sanção mais branda, aplicável
ou de outrem, em detrimento da dignidade da fun- por escrito para o servidor que cometer atos como:
ção pública; ausentar-se do serviço injustificadamente; recusar
X - participar de gerência ou administração de fé a documento público; retirar qualquer docu-
sociedade privada, personificada ou não personifi- mento da repartição sem a devida autorização;
cada, exercer o comércio, exceto na qualidade de manter sob sua chefia cônjuge, companheiro ou
acionista, cotista ou comanditário; parente até o segundo grau; entre outros.
XI - atuar, como procurador ou intermediário, junto a z Suspensão: aplicável somente quando o servidor
repartições públicas, salvo quando se tratar de benefí- é reincidente nas faltas puníveis por advertên-
cios previdenciários ou assistenciais de parentes até o cia, desde que não tipifiquem infrações sujeitas a
segundo grau, e de cônjuge ou companheiro; demissão do cargo. A suspensão não poderá ser
XII - receber propina, comissão, presente ou vantagem aplicada por prazo maior a noventa dias.
de qualquer espécie, em razão de suas atribuições;
XIII - aceitar comissão, emprego ou pensão de esta- z Demissão: trata-se da penalidade mais grave atri-
do estrangeiro; buída ao servidor público, uma vez que tem o con-
XIV - praticar usura sob qualquer de suas formas; dão de exonerá-lo de seu cargo. A demissão será
XV - proceder de forma desidiosa; aplicada nos casos em que o servidor: cometer
XVI - utilizar pessoal ou recursos materiais da crime contra a administração pública; abandonar
repartição em serviços ou atividades particulares; seu cargo; improbidade administrativa; praticar
XVII - cometer a outro servidor atribuições estra- conduta escandalosa na repartição; ofender fisica-
nhas ao cargo que ocupa, exceto em situações de mente, em serviço, outro servidor; revelar segre-
emergência e transitórias; do o qual obteve devido a sua função; corrupção;
XVIII - exercer quaisquer atividades que sejam receber propina, comissão, ou outra vantagem de
incompatíveis com o exercício do cargo ou função e qualquer espécie em razão de suas atribuições;
com o horário de trabalho; etc. Muitas dessas hipóteses impedem que o infra-
XIX - recusar-se a atualizar seus dados cadastrais tor retorne ao serviço público federal, por isso tra-
quando solicitado. ta-se de uma das penalidades mais gravosas.
z Cassação de Aposentadoria ou da Disponibi-
Por fim, em relação à responsabilidade dos ser- lidade: o servidor inativo que houver praticado
vidores públicos, o art. 121 da Lei n° 8.112/1990 é bas- falta punível com a demissão, terá a sua aposenta-
tante claro ao dispor que “O servidor responde civil, doria, ou sua disponibilidade cassada.
penal e administrativamente pelo exercício irregular
z Destituição de Cargo em Comissão ou Função
de suas atribuições”. Vemos, então, que uma única
Comissionada: caso o servidor ocupante de car-
conduta praticada pelo referido servidor pode ense- go não efetivo cometa uma das faltas passíveis da
jar em responsabilização em três esferas distintas. A pena de suspensão e demissão, poderá perder o
responsabilidade civil do servidor público decorre seu cargo de confiança ou função comissionada.
da prática de atos comissivos ou omissivos, que sejam
capazes de causar danos materiais ao erário (patrimô- Por fim, é importante ressaltar que ao servidor é
nio público), ou a terceiros. conferido direito de petição, na forma do artigo 104 e
A responsabilidade penal do servidor tem seu seguintes da Lei n° 8.666/1990, para requerer direitos e
fundamento na apuração de uma conduta criminal, interesses próprios em face do Poder Público. O reque-
isso é, a hipótese em que o servidor público possa pra- rimento será dirigido à autoridade competente para
ticar um ilícito penal, ou crime. A responsabilidade decidi-lo e na sequência encaminhado por intermé-
penal é, definitivamente, a mais grave e perigosa, uma dio daquela a qual o servidor estiver imediatamente
vez que ela pode repercutir nas demais esferas, tanto subordinado. Deve ser respeitado o princípio do con-
pela condenação do servidor condenado, como pela traditório e da ampla defesa, dando espaço para que
sua absolvição pela falta de provas materiais ou pela tanto o servidor público como o Estado possam impug-
negação de sua autoria, sendo essas últimas hipóteses nar todos os pontos do requerimento, apresentar sua
apenas exceções. defesa técnica escrita, e interpor recursos (art. 107, Lei
A responsabilidade administrativa, por outro n° 8.666/1990) das decisões que lhe prejudicarem.
lado, consiste na instauração de processo discipli- O direito de requerer decai: em 5 (cinco) anos,
nar (art. 116 e seguintes, Lei n° 8.112/1990), pelo qual quanto aos atos de demissão e de cassação de apo-
haverá a verificação da conduta delituosa do agen- sentadoria ou disponibilidade, ou que afetem interes-
te, bem como a aplicação da pena mais adequada. se patrimonial e créditos resultantes das relações de
Imprescindível reforçar que a aplicação de qualquer trabalho; ou em 120 (cento e vinte) dias, nos demais
78 pena ao servidor público pressupõe um processo casos, salvo quando outro prazo for fixado em lei.
Do Processo Administrativo Disciplinar: conceito, O inquérito administrativo é a fase em que temos a
princípios, fases e modalidades apuração da responsabilidade disciplinar do servidor
público. Ela compreende a fase instrutória (colheita
O processo administrativo é o instrumento desti- de provas), a citação e apresentação da defesa do ser-
nado a apurar as responsabilidades do servidor por
vidor que está sendo acusado, além da produção de
infração praticada no exercício de suas atribuições ou
um documento chamado relatório.
relacionada ao cargo que ocupa. O processo pode ocor-
rer em procedimento ordinário ou em sindicância. Importante o conteúdo do artigo 156, ao dispor
A sindicância é definida como uma averiguação que:
sumária promovida no intuito de obter informações
ou esclarecimentos necessários à determinação do Art. 156 É assegurado ao servidor o direito de
verdadeiro significado dos fatos denunciados. Compa- acompanhar o processo pessoalmente ou por inter-
médio de procurador, arrolar e reinquirir testemu-
rando com o processo penal, pode-se afirmar que a
nhas, produzir provas e contraprovas e formular
sindicância é como se fosse a “fase investigativa”, pois
quesitos, quando se tratar de prova pericial.
o fim dela não resulta em uma sentença ou decisão:
ela serve primordialmente para apurar o que ocorreu,
Esse artigo 156 trata de um conteúdo muito impor-
e se é necessário instaurar o processo posteriormente.
tante, por ser a respeito do direito de defesa do servi-
Segundo o artigo 145, da sindicância poderá resul-
dor público. Não é porque não estamos num processo
tar: I - arquivamento do processo; II - aplicação de
judicial (com a figura de um membro do Poder Judi-
penalidade de advertência ou suspensão de até 30 (trin-
ciário) que não devem ser aplicados os princípios
ta) dias; III - instauração de processo disciplinar.
mais básicos e fundamentais do mesmo. É cabível no
Como forma de impedir que o servidor venha
processo administrativo o respeito ao contraditório e
interferir de forma negativa durante a investigação
ampla defesa, a disparidade de armas, o direito de ter
da apuração de sua conduta, estabelece o artigo 147 o
ciência e conhecimento do processo, o direito de ser
afastamento preventivo do mesmo:
representado por autoridade competente etc.
A seguir temos alguns meios de prova que são
Como medida cautelar e a fim de que o servidor
admitidos no processo administrativo. São muito
público não venha a influir na apuração da irre-
gularidade ao mesmo atribuída, a autoridade ins-
parecidos, praticamente os mesmos meios de prova
tauradora do processo administrativo-disciplinar, admitidos em processo judicial.
verificando a existência de veementes indícios de As testemunhas estão dispostas no artigo 157, e
responsabilidades, poderá ordenar o seu afasta- serão intimadas a depor mediante mandado expedido
mento do exercício do cargo. pelo presidente da comissão, devendo a segunda via,
com o ciente do interessado, ser anexado aos autos.
Uma vez encerrada a sindicância e, constatado uma Quem chama as testemunhas para colher seus respec-
conduta irregular, temos o início do processo admi- tivos depoimentos, e quem faz toda a colheita de todos
nistrativo disciplinar (PAD), ou ordinário. Segundo o os meios de prova, é a Comissão e não a autoridade
artigo 148, o processo administrativo ordinário é julgadora. Esta somente vai atuar no PAD quando
o instrumento destinado a apurar responsabilidade do todo o trabalho da Comissão tiver encerrado.
servidor público pela infração praticada no exercício de Se a testemunha for servidor público, a expedição
suas atribuições ou que tenha relação com as atribui- do mandado tem que ser imediatamente comunicada
ções do cargo em que se encontre investido. ao chefe da repartição onde serve, com a indicação do
Segundo o artigo 149, o processo será conduzido dia e hora marcados para inquirição. (art. 157, parágra-
por Comissão composta de três servidores estáveis fo único). O servidor não pode se ausentar de seu servi-
designados pela autoridade competente, observado o ço sem apresentar uma justificativa válida para tanto.
disposto no § 3° do art. 143, que indicará, dentre eles, Concluída a inquirição das testemunhas, a comis-
o seu presidente, que deverá ser ocupante de cargo são promoverá o interrogatório do acusado, observa-
efetivo superior ou de mesmo nível, ou ter nível de dos os procedimentos previstos nos arts. 157 e 158.
escolaridade igual ou superior ao do indiciado.  No caso de mais de um acusado, cada um deles será
ouvido separadamente e, sempre que divergirem em
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
Não temos a figura de um Juiz de Direito no proces-
so administrativo, e sim uma “autoridade julgadora”. suas declarações sobre fatos ou circunstâncias, será
promovida a acareação entre eles.
A Comissão não faz parte da autoridade julgadora, ela
A citação do indiciado está disposta no artigo 161.
fica encarregada de realizar um relatório contendo
Tipificada a infração disciplinar, será formulada a
todas as provas colhidas e todos os fatos devidamente
indiciação do servidor, com a especificação dos fatos
investigados.
a ele imputados e das respectivas provas.  O indiciado
Ao todo, são três as fases do processo adminis-
será citado por mandado expedido pelo presidente da
trativo disciplinar (art. 151):
comissão para apresentar defesa escrita, no prazo de
10 (dez) dias, sendo assegurado dar vista do processo
I - instauração, com a publicação do ato que cons-
na repartição, isso é, olhar página por página, parágra-
tituir a comissão;
II - inquérito administrativo, que compreende ins- fo por parágrafo, tudo o que já foi produzido no PAD.
trução, defesa e relatório; Considerar-se-á revel o indiciado que, regular-
III - julgamento. mente citado, não apresentar defesa no prazo legal.
Art. 155. Na fase do inquérito, a comissão promo- A revelia será declarada, por termo, nos autos do pro-
verá a tomada de depoimentos, acareações, investi- cesso e devolverá o prazo para a defesa.
gações e diligências cabíveis, objetivando a coleta Uma vez apuradas todas as provas, a Comissão ela-
de prova, recorrendo, quando necessário, a técni- borará um relatório de tudo que foi constado no pro-
cos e peritos, de modo a permitir a completa eluci- cesso. Não é ainda uma decisão, pois o relatório será
dação dos fatos. encaminhado para a autoridade julgadora. 79
A fase do julgamento tem início com o recebimento
do relatório da Comissão, e terá prazo máximo de 20 PODERES ADMINISTRATIVOS
dias (art. 167) para decidir se acata o relatório ou não.
O artigo 168, caput e Parágrafo Único, dispõe, de NOÇÕES INTRODUTÓRIAS
modo geral, que a autoridade julgadora não está subor-
dinada ao que foi dito no relatório da Comissão. A Administração Pública tem vários objetivos a
cumprir, sempre buscando o interesse público, sob
O julgamento acatará o relatório da comissão, sal- diversas formas diferentes. Para o alcance desses
vo quando contrário às provas dos autos. Quando objetivos, lançará mão de instrumentos. Os atos admi-
o relatório da comissão contrariar as provas dos nistrativos são, sem dúvida, um desses instrumentos.
autos, a autoridade julgadora poderá, motivada- No assunto de hoje veremos uma outra forma
mente, agravar a penalidade proposta, abrandá-la de entender como a Administração Pública causa
ou isentar o servidor de responsabilidade. mudanças no mundo real. Os poderes administrativos
instrumentos dotados de prerrogativas, para que a
Art. 172 O servidor que responder a processo Administração Pública possa executar determinadas
disciplinar só poderá ser exonerado a pedido, ou tarefas. Não são absolutos, pois encontram limitações
aposentado voluntariamente, após a conclusão nos direitos dos particulares. Por outro lado, são mar-
do processo e o cumprimento da penalidade, aca- cados pela irrenunciabilidade e pela obrigatorieda-
so aplicada. Ocorrida a exoneração de que trata o de de exercício.
parágrafo único, inciso I do art. 34, o ato será con- Uma vez que eles são de exercício obrigatório, a
vertido em demissão, se for o caso. doutrina vê esse poder como um poder-dever. Pois,
ao mesmo tempo em que há neles possibilidades de
A qualquer tempo poderá ser requerida a revisão imposição perante o particular, há também a impo-
do procedimento administrativo de que resultou sanção sição ao agente público competente do seu exercício
disciplinar, quando se aduzam fatos ou circunstâncias para que seja alcançado o interesse público.
que possam justificar a inocência do requerente, men- Passemos agora a conhecer os diferentes poderes
cionados ou não no procedimento original (art. 174). administrativos.
A revisão é uma de defesa utilizada pelo acusado
ou seu representante, para que a autoridade possa PODER HIERÁRQUICO
realizar um novo julgamento do PAD, porque apare-
ceu um fato ou circunstância nova que comprovem a Por meio do poder hierárquico, a Administração
inocência do requerente. Pública se organiza, atribuindo as competências e
A revisão de que trata este artigo poderá ser requeri- responsabilidades a seus órgãos e agentes da melhor
da em caso de falecimento, ausência ou desaparecimen- maneira possível.
to do servidor público, por qualquer pessoa da família; Esse poder se manifesta não só na possibilidade de
ou ainda em caso de incapacidade mental do servidor organização, como também por meio da hierarquiza-
público, pelo respectivo curador (art. 174, §§ 1° e 2°). ção das estruturas, permitindo a imposição de diretri-
No processo revisional, o ônus da prova recai sem- zes, ordens e revisão de trabalhos dentro da cadeia de
pre ao requerente, correndo em apenso ao processo subordinação.
original (arts. 175 e 178). Devemos, no entanto, nos lembrar que esse poder
A comissão revisora terá 60 (sessenta) dias para não será absoluto, devendo o agente público que even-
a conclusão dos trabalhos de revisão. O prazo para tualmente receber ordem ilegal se recusar a cumpri-la.
julgamento será de 20 (vinte) dias, contados do rece- No estatuto dos servidores civis federais temos, espe-
bimento do processo, no curso do qual a autoridade cificamente no artigo 116, a previsão da desnecessidade
julgadora poderá determinar diligências (art. 181, do cumprimento de ordem manifestamente ilegal.
parágrafo único).
Lembrando que, se da revisão do processo resultar Lei nº 8.112/90.
a inocência do servidor, ele tem direito de ser reinte- Art. 116. São deveres do servidor:
grado ao cargo que antigamente ocupava. IV - cumprir as ordens superiores, exceto quando
A revisão do processo não admite a reformatio in manifestamente ilegais;
pejus, o que significa que não poderá resultar agravamen-
to da penalidade já aplicada (art. 182, parágrafo único). Os superiores hierárquicos têm a possibilidade de
delegar determinadas atribuições aos subordinados,
quando assim julgar conveniente.
Nesse contexto, temos algumas atribuições que
não podem ser delegadas. São elas as seguintes:
REGIME JURÍDICO ÚNICO
z Atribuição de um Poder político para outro (salvo
PROVIMENTO, VACÂNCIA, REMOÇÃO, quando previsto na CF/88);
REDISTRIBUIÇÃO, SUBSTITUIÇÃO, DIREITOS z Atribuições previstas em lei como exclusivas;
E VANTAGENS, REGIME DISCIPLINAR, z Atribuições de natureza política.
RESPONSABILIDADE CIVIL, CRIMINAL E
ADMINISTRATIVA Especificamente na esfera federal, com base na Lei
nº 9.784/99, temos algumas outras limitações para a
Os referidos tópicos foram abordados em “Pode- possibilidade de delegação. Vejamos.
res, deveres, prerrogativas, cargo, emprego e função
80 pública”. z Atos de caráter normativo;
z Decisão de recurso administrativo; Por fim, teremos os regulamentos autorizados,
z Matéria de competência exclusiva. que são atos normativos expedidos com base em auto-
rização concedida pelo Poder Legislativo. Esse fenô-
Poderá ocorrer também a avocação, que é trazer meno é conhecido como deslegalização. Nele a lei
para si atribuições do subordinado, sempre em cará- autoriza que um tema que originariamente deveria
ter temporário. ser tratado por meio de uma lei seja definido por meio
de um decreto.
PODER DISCIPLINAR Aqui temos um ato normativo secundário que
poderá inovar por expressa previsão legal. Normal-
O poder disciplinar é a possibilidade que tem a mente acontece em matérias excessivamente técnicas.
Administração Pública de aplicar sanções àqueles que Há na doutrina uma interpretação segundo a qual
a ela estejam vinculados, ainda que temporariamen- o poder regulamentar é exercido apenas pelos Chefes
te. Aqui temos um ponto que merece atenção. Para de Poder Executivo. Enquanto que o poder norma-
que tenhamos a manifestação do poder disciplinar é tivo seria exercido pelas outras autoridades. Nesse
necessário que haja um vínculo. entendimento, o poder normativo é um conceito mais
Tal vínculo poderá ser contratual (particular que amplo, que engloba o conceito de poder regulamentar.
presta serviços à Administração Pública) ou funcional
(servidor público). Em que pese a natureza diferentes PODER DE POLÍCIA
desses vínculos, há um vínculo específico.
Por outro lado, aquele que sofre sanção por come- Poder de polícia pode ser entendido como a capa-
ter alguma irregularidade, por exemplo, no âmbito da cidade que tem o Estado de restringir liberdades indi-
legislação de trânsito, não será sancionado com base viduais, uso de bens, fruição de direitos em prol da
no poder disciplinar, mas baseado no poder de polícia coletividade.
(que conheceremos em breve). Temos aqui um poder essencialmente discricionário.
Por meio do seu exercício temos a possibilidade da
imposição do pagamento de taxas (espécie de tributo)
PODER REGULAMENTAR
por expressa previsão do Código Tributário Nacional.
Código Tributário Nacional
O poder regulamentar é aquele por meio do qual
as autoridades do Poder Executivo expedem regula-
Art. 78. Considera-se poder de polícia atividade
mentos para o cumprimento das leis. da administração pública que, limitando ou dis-
Esse poder regulamentar tem como objetivo dar ciplinando direito, interesse ou liberdade, regula
maior concretude às normas constantes das leis, ema- a prática de ato ou abstenção de fato, em razão
nando diretrizes específicas e detalhadas para seu de interesse público concernente à segurança, à
melhor cumprimento. higiene, à ordem, aos costumes, à disciplina da
É importante ter em mente que não há, em regra, a produção e do mercado, ao exercício de atividades
possibilidade de inovação, mas apenas de pormenoriza- econômicas dependentes de concessão ou autoriza-
ção e detalhamento dos comandos constantes das leis. ção do Poder Público, à tranquilidade pública ou ao
Nesse contexto, é importante conhecermos três respeito à propriedade e aos direitos individuais ou
tipos de regulamentos trazidos pela doutrina. coletivos.
O regulamento executivo (também chamados de
decretos regulamentares), que terá como finalidade o A doutrina classifica o poder de polícia em amplo e
cumprimento das leis, sendo atos normativos secundá- restrito. Isso porque, para que haja qualquer restrição
rios. Em que pese o dispositivo constitucional abaixo se a um direito individual é necessário que antes haja a
referir apenas ao Presidente da República, sua aplicação previsão legal. Ou seja, o poder de polícia nasce em
deve ser estendida a todos os Chefes de Poder Executivo. uma restrição trazida pela lei.

Art. 84. Compete privativamente ao Presidente da z Poder de polícia em sentido amplo: atos normati-

NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO


República (...) vos do Poder Legislativo e Executivo;
IV - sancionar, promulgar e fazer publicar as leis, z Poder de polícia em sentido estrito: atos do
bem como expedir decretos e regulamentos para Poder Executivo que impliquem em limitações aos
sua fiel execução; administrados.

O regulamento autônomo terá a capacidade de Muita atenção para a diferença que será apresen-
inovar na ordem jurídica por expressa previsão cons- tada agora! Não se pode de forma alguma confundir a
titucional, sendo atos normativos primários. Ou seja, atuação da polícia judiciária com o poder de polícia da
ele não regulamenta uma lei, pois traz normas verda- Administração Pública.
deiramente novas. A polícia judiciária é aquela que atua junto ao
Poder Judiciário para a elucidação de crimes e contra-
Art. 84. Compete privativamente ao Presidente da venções penais. No âmbito estadual será a Polícia Civil
República:(...) e no âmbito federal a Polícia Federal.
VI – dispor, mediante decreto, sobre: Já o poder de polícia da administração se mani-
a) organização e funcionamento da administração festará na prevenção e repressão de ilícitos, pelo
federal, quando não implicar aumento de despesa menos inicialmente, de natureza administrativa. Por
nem criação ou extinção de órgãos públicos; exemplo, se você tem um restaurante, deve obedecer
b) extinção de funções ou cargos públicos, quando à regulamentação da vigilância sanitária, sujeito a
vagos; sanções. 81
O poder de polícia atuará de três formas distintas: z Ato administrativo: manifestação unilateral da
preventiva (atos normativos), repressiva (apreensões, Administração Pública com objetivo de atingir o
multas) e fiscalizadora (vistorias). interesse público por meio de efeitos jurídicos.
O poder de polícia possui três atributos. Vejamos
cada um deles. Devemos ter em mente que esse conceito deve ser
Primeiramente, temos a discricionariedade. É da entendido como a atuação da Administração Públi-
própria essência do poder de polícia, estando a atua- ca, em regra, por meio de seu poder de império, se
ção da Administração Pública associada à conveniên- impondo perante o particular.
cia e oportunidade. Por outro lado, o termo atos da administração
Temos também a autoexecutoriedade, que permite será entendido quando a Administração Pública atua
à Administração Pública decidir e praticar seus atos desprovida de seu poder de império, portanto em
sem submeter-se a outro Poder. igualdade com o particular.
Aqui, assim como vimos por ocasião do estudo dos Não confunda atos administrativos com atos da
atos administrativos, teremos duas possibilidades: administração. Os atos administrativos são predomi-
nantemente regidos pelo direito público, enquanto os
z Previsão expressa em lei; atos da administração, predominantemente regidos
z Situação de urgência que requer imediata intervenção. pelo direito privado.

A autoexecutoriedade é desdobrada por alguns VALIDADE, EFICÁCIA, ATRIBUTOS, EXTINÇÃO,


autores em outros dois atributos: DESFAZIMENTO E SANATÓRIA

z Exigibilidade: capacidade de impor ao adminis- São cinco os requisitos ou elementos do ato admi-
trado suas próprias decisões, sem a necessidade de nistrativo: competência, finalidade, forma, motivo
autorização de outro Poder; e objeto. Quando temos a ausência ou algum tipo de
z Executoriedade: executar as ações próprias, vício sobre um deles, poderemos ter até mesmo a nuli-
inclusive, com uso de força física. dade total do ato. Vejamos cada um deles.

Por fim, temos a coercibilidade, que é a capacidade Competência


que tem a Administração Pública de impor sua vontade ao
administrado, independentemente da sua concordância. É o conjunto de atribuições de determinado agente
público, entidade ou órgão. Para que haja o respeito a
esse requisito, é necessário que autoridade que prati-
USO E ABUSO DO PODER
ca o ato esteja respaldada por atos normativos, ainda
que infralegais.
O abuso de poder mostra quando, de alguma for-
A competência é irrenunciável, intransferível
ma, o agente competente desrespeita os limites que a
e imprescritível (não se extingue com o decurso do
lei impõe a sua atuação.
tempo). No entanto, a lei permite a delegação e a avo-
Temos duas espécies. Vejamos quais são.
cação. Esta sempre ocorrerá no contexto hierárquico
entre os órgãos envolvidos, o que não se impõe ao ins-
z Excesso de poder (ou desvio de competência):
tituto da delegação, que poderá ocorrer entre órgãos
o agente competente extrapola os limites de sua
sem subordinação hierárquica.
competência, configurando vício do elemento
Vejamos agora alguns vícios que podem recair
competência;
sobre o requisito competência.
z Desvio de finalidade: o agente atua conforme a
Inicialmente temos o usurpador de função. Nesse
lei, mas busca fim diverso do previsto, configuran-
caso uma pessoa se passa por agente público, exer-
do vício do elemento finalidade.
cendo suas atribuições sem ter qualquer ligação com
a Administração Pública. Aqui não há possibilidade
Dica de convalidação do ato (conserto, correção), pois ele
Relembrando o que aprendemos quando do é inexistente. Tal conduta é crime previsto do artigo
estudo dos atos administrativos, é possível a 328 do Código Penal. Exemplo: pessoa se finge de fis-
cal para extorquir e aplica multa.
convalidação (correção) do vício que recai sobre
Em seguida, temos o excesso de poder, que ocorre
o elemento competência. No entanto, o vício que
quando a autoridade competente pratica um ato até
recai sobre o elemento finalidade é insanável.
previsto no ordenamento jurídico, mas fora de suas
atribuições. Tal ato é passível de convalidação, des-
de que seja realizada pela autoridade que teria com-
petência para praticar o ato inicialmente. Exemplo:
ATO ADMINISTRATIVO superior hierárquico aplica pena de suspensão de 20
dias, quando a lei permitiria apenas 15.
CONCEITO Finalmente temos a função de fato. Esse é o caso
em que o agente fora irregularmente investido pela
Podemos entender ato administrativo como uma Administração Pública nas funções que esteja exercen-
manifestação unilateral relevante para o mundo jurídi- do. Nesse caso os atos praticados deverão ser convali-
co. Por meio deles, a Administração Pública irá procurar dados desde que haja boa-fé dos terceiros envolvidos.
os efeitos jurídicos ligados aos diversos interesses públi- Exemplo: servidor empossado em cargo público sem
82 cos que estará buscando, de acordo com cada situação. ter a escolaridade mínima prevista em edital.
Finalidade Eles são como o corpo e a imagem. Para que o ato pos-
sa ser praticado, você deve ter tanto a ocorrência na
O ato administrativo sempre terá como finalida- realidade como a sua previsão abstrata em lei.
de atingir o interesse público. No entanto, de acordo Temos agora uma informação com a qual você
com o contexto aplicável, teremos uma finalidade deve ter muito cuidado: não confunda motivo com
específica àquele ato praticado. Diante disso temos motivação. O motivo fora devidamente abordado aci-
dois conceitos: finalidade geral (mediata) e finalidade ma. A motivação é a exposição dos motivos que o res-
específica (imediata). paldam quando for praticado o ato.
Vejamos agora o que traz a Lei nº 9.784/99 sobre a
z Finalidade geral (mediata): satisfação do interesse motivação de atos administrativos.
público.
z Finalidade específica (imediata): alcance do resul- Art. 50. Os atos administrativos deverão ser moti-
tado específico esperado para o ato. vados, com indicação dos fatos e dos fundamentos
jurídicos, quando:
O vício que recai sobre finalidade não poderá ser I - neguem, limitem ou afetem direitos ou interesses;
convalidado. Aqui temos duas hipóteses, que vão seguir II - imponham ou agravem deveres, encargos ou
a linha dos conceitos de finalidade colocados acima. sanções;
A finalidade geral poderá ser ferida quando o III - decidam processos administrativos de concur-
agente público pratica o ato em interesse próprio. so ou seleção pública;
Vejamos um exemplo. Caso um superior promova a IV - dispensem ou declarem a inexigibilidade de
remoção de um servidor com base em divergências processo licitatório;
políticas, o ato foi praticado com o objetivo de atender V - decidam recursos administrativos;
a um interesse particular, não ao interesse público, VI - decorram de reexame de ofício;
portanto será viciado. VII - deixem de aplicar jurisprudência firmada
Já a finalidade específica, utilizando uma hipótese sobre a questão ou discrepem de pareceres, laudos,
parecida, será ferida quando a remoção de um servi- propostas e relatórios oficiais;
dor para um município diferente ocorrer com a fina- VIII - importem anulação, revogação, suspensão ou
lidade de punir o servidor por determinada conduta convalidação de ato administrativo.
irregular. Nesse caso, ainda que haja motivo para que
o servidor seja punido, a remoção não é prevista como Há a possibilidade da motivação de um ato admi-
punição, mas como instrumento de gestão de pessoal. nistrativo por meio da referência a outro ato ou
processo. É o que a doutrina chama de motivação
Forma aliunde, que significa “a outro lugar”.
Finalmente, importante que você saiba da Teoria
A forma é o modo pelo qual é exteriorizado o ato dos Motivos Determinantes, bastante cobrada em
administrativo. Nesse contexto, importante trazermos provas. Segundo ela, se os motivos apontados no ato
o artigo 22, da Lei nº 9.784/99, Lei do Processo Admi- administrativo forem inválidos, também o será o ato
nistrativo Federal. administrativo praticado.
Lei nº 9.784/99
Objeto
Art. 22. Os atos do processo administrativo não
dependem de forma determinada senão quando a Por fim, temos o objeto do ato administrativo, que
lei expressamente a exigir. será o próprio conteúdo do ato, seu efeito jurídico, a
alteração que ele causa.
Dica O vício no elemento objeto é insanável.
O motivo e o objeto são os elementos que cons-
No dispositivo podemos perceber o princípio da tituem o mérito administrativo, que é a margem de
informalidade, que não deve ser utilizada para escolha e valoração por parte do agente competente.
impedir ou retardar a prática dos atos pelos inte-
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ressados no processo administrativo. ATRIBUTOS

Motivo Os atos administrativos possuem características


fundamentais para que possam atingir os fins a que
Agora vamos ao atributo motivo, que corresponde aos se propõem. Vejamos cada um dos atributos.
fundamentos de fato e de direito que respaldam a execu- Os atos administrativos gozam de presunção de
ção do ato administrativo. Vamos entender melhor isso. veracidade e de legitimidade. Em termos simples,
Aqui temos duas definições passíveis de serem significa que as informações trazidas pelos atos admi-
cobradas em prova. nistrativos deverão ser tidas como verdadeira (vera-
cidade) e conforme a lei (legitimidade) até que haja
z Motivo de direito: a previsão em lei de hipótese prova em contrário.
que irá permitir a execução do ato. Ou seja, uma vez praticado o ato administrativo
z Motivo de fato: a ocorrência da hipótese prevista ocorre a inversão do ônus da prova, cabendo ao parti-
em lei no mundo real. cular provar eventual impropriedade que ele contenha.
A presunção relativa, que estudamos neste momen-
Para o melhor entendimento, é interessante um to, é também conhecida como presunção juris tantum.
exercício de imaginação. Imagine-se diante do espe- Em sentido oposto, a presunção absoluta, não aplicável
lho. A sua imagem é uma projeção abstrata, enquanto neste tema, é também conhecida como presunção jure
você é real. Assim são os motivos de fato e de direito. et de jure. 83
Temos também a imperatividade, que é o poder Quanto aos efeitos produtivos
da Administração Pública de impor ao particular seus
atos administrativos. É decorrente do poder extrover- Os atos podem ser internos e externos.
so do Estado, que permitirá a imposição de deveres e
z Atos internos: produzem efeitos apenas dentro da
obrigações ao particular.
estrutura da administração pública.
Importante ressaltar que esse é um atributo que nem z Atos externos: impactam os administrados.
sempre estará presente nos atos administrativos, pois se
mostrará apenas quando impuser condições ao particular. Destacamos que, uma vez que os atos externos
A autoexecutoriedade é a característica dos atos recairão sobre o cidadão, deverão ser necessariamen-
administrativos que confere à Administração Pública te publicados, o que não se aplica aos atos internos.
a capacidade de executar diretamente seus atos inde-
pendentemente de recorrer a qualquer outro Poder. Quanto à manifestação de vontade
De forma similar à imperatividade, nem sempre
estará presente nos atos administrativos. Os atos podem ser simples, complexos ou compostos.
A autoexecutoriedade poderá se fazer presente em
duas hipóteses: z Atos simples: há uma única manifestação de von-
tade, ainda que de um órgão que seja composto
por mais de um agente público.
z Casos expressamente previstos em lei;
z Urgência da situação apresentada / grande possibi- z Atos complexos: manifestação de mais de uma
lidade de dano. vontade para que haja a produção de efeitos. Só se
aperfeiçoa com a manifestação de todos os agentes
Finalmente temos o atributo da tipicidade. Ele competentes.
impõe que os atos administrativos praticados devem z Atos compostos: manifestação de uma única von-
ser previamente definidos em lei, não cabendo ao tade. No entanto, há necessidade de manifestação
agente competente para a prática criar atos que não posterior para que haja produção de efeitos. Tal
sejam previamente constantes da lei. manifestação de vontade é definida pela doutrina
Nesse contexto, o avaliador poderá usar o termo como instrumental.
ato inominado para se referir a atos administrativos
sem prévia previsão em lei. Quanto ao objeto

CLASSIFICAÇÃO, ESPÉCIES E EXTERIORIZAÇÃO, Os atos poderão ser de império, de gestão ou de


VINCULAÇÃO E DISCRICIONARIEDADE expediente.

Classificação z Atos de império: possuem em si o poder extrover-


so de Estado, impondo ao particular a vontade da
São várias as classificações dos atos administrati- Administração Pública.
vos. Destacaremos aqui algumas que estão entre as z Atos de gestão: praticados com intuito de gerir o
mais cobradas em concursos públicos. patrimônio público.
z Atos de expediente: são atos de mera rotina interna
Quantos aos destinatários das repartições, sem conteúdo decisório relevante.

Os atos podem ser gerais ou individuais. Também quanto ao objeto, teremos outra classifi-
cação. Poderão ser constitutivos, extintivos, modifica-
z Atos gerais: os destinatários são indeterminados. tivos ou declaratórios.
z Atos individuais: seus destinatários são determinados.
z Atos constitutivos: criam uma nova situação jurí-
A classificação não leva em conta o número de des- dica para os seus destinatários.
tinatários, mas se eles são determinados ou não. z Atos extintivos: extinguem um direito ou relação
jurídica.
Quanto ao grau de liberdade z Atos modificativos: modificam situações pré-exis-
tentes sem extinguir direitos ou obrigações.
Os atos podem ser discricionários ou vinculados.
z Atos declaratórios: declaram a existência ou situa-
ção jurídica.
z Atos discricionários: possuem margem de valora-
ção e escolha para o agente público que o pratica,
Espécies
conhecida como mérito administrativo.
z Atos vinculados: há pouca ou nenhuma margem
de escolha na prática dos atos administrativos. Vejamos agora algumas espécies importantes de
atos administrativos.
Lembrando os elementos dos atos administrati-
vos (competência, finalidade, forma, motivo e objeto), z Atos normativos: trazem comandos gerais e abs-
destacamos que a diferença nessa classificação que tratos baseados em leis ou mesmo em outras nor-
acabamos de colocar recai apenas sobre dois deles: mas que nelas tenham se baseado.
motivo e objeto. Ou seja, todos os demais termos são z Atos ordinatórios: têm como destinatários os servi-
vinculados, enquanto estes dois que citamos são dis- dores públicos, tendo como finalidade o bom anda-
84 cricionários, se assim for o ato. mento do serviço.
z Atos negociais: são atos em que o particular bus- Com o passar do tempo, surge uma nova corren-
ca a anuência (concordância) da Administração te doutrinária, que busca delimitar um pouco essa
Pública para a prática de determinada atividade. abrangência da noção de serviço público. Essa cor-
z Atos punitivos: impõe penalidade aos administra- rente é defendida pela grande maioria dos autores
dos ou aos servidores. da atualidade, como Hely Lopes Meirelles e Celso
Antônio Bandeira de Mello. Serviço público stricto
sensu, então, seria todo aquele prestado pela Admi-
nistração ou por seus delegados, sob regime de direito
SERVIÇOS PÚBLICOS público, e fruível individualmente por cada um dos
destinatários, para satisfazer necessidades essenciais
CONCEITO, CLASSIFICAÇÃO, REGULAMENTAÇÃO E ou secundárias da coletividade, ou simples conve-
CONTROLE, FORMA, MEIOS E REQUISITOS niências do Estado.
A grande diferença dessa nova noção de servi-
Conceito, Princípios e Elementos ço público diz respeito a sua abrangência. Somen-
te abrange as atividades da Administração Pública,
A atuação do Estado pode ser dividida em dois não se incluindo as funções legislativa e judiciária.
setores: o setor do domínio público e o setor dos servi- Também não deve ser considerado serviço público
ços públicos. O domínio econômico tem natureza emi- a exploração de atividade econômica, porque nesses
nentemente privada, é o campo de atuação primordial casos o Estado age em regime privado; bem como as
dos particulares e possui regulamentação nos artigos atividades de fomento, porque trata-se de um subsídio
170 e seguintes da Constituição Federal. Não é o ponto que se dá ao particular para que exerça certas ativida-
de enfoque, mas é importante ressaltar que o Estado des com interesse coletivo.
pode atuar no domínio econômico, seja como agente Outro traço característico dessa nova corrente
normativo e regulador, seja na exploração direta de sobre serviço público é a restrição da matéria para
atividades econômicas. apenas os serviços que possam ser fruídos singular-
O setor dos serviços públicos, por outro lado, é o mente por cada particular (uti singuli). Tais serviços
campo de atuação predominante do Estado. Este é são custeados pelos próprios usuários, mediante o
encarregado de, dentre outras funções, o exercício da pagamento de taxas.
função administrativa, que é a atividade concreta e Assim, para o serviço público stricto sensu, pode-
imediata desenvolvida sob regime de direito público, mos elencar, dentre todos os conceitos, alguns ele-
para a consecução dos interesses coletivos. Dentre as
mentos identificadores que estão presentes em todas
funções administrativas, temos a prestação de servi-
as definições. São eles:
ços públicos em sentido estrito.
Considerando o que foi exposto, cumpre esclare-
z Elemento Subjetivo: A titularidade do serviço
cer o que vem a ser serviço público e o que o diferen-
público é exclusiva do Estado.
cia das atividades de fomento, do exercício do poder
z Elemento Objetivo: A atividade caracterizada
de polícia e da intervenção no domínio econômico.
como serviço público (geralmente atendem a um
interesse público).
Conceito de serviço público, elementos constitutivos
z Elemento Formal: Qual o regime em que o serviço
é prestado. A maioria dos casos, trata-se do regime
A matéria dos serviços públicos está contida,
de Direito Público.
de modo geral, na Constituição Federal e na Lei nº
8.987/1995, que disciplina o regime de concessão e
permissão dos serviços públicos. O fenômeno conhecido como a “crise do serviço
O serviço público em sentido amplo (lato sensu) público” se deu com o advento do Estado Regulador,
tem sua origem com a denominada Escola do Serviço na primeira metade do século XX. Ele traz a ideia de
Público, uma corrente doutrinária do século XX. Na um Estado que procura regular as atividades consi-
época, a doutrina começava a analisar com detalhes deradas serviços públicos. Se antes a execução dessas

NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO


aquilo que ficou decidido no caso Agnes Blanco, na tarefa era exclusiva do regime público, atualmente
França. Esse foi o caso primordial para decretar, de a execução desses serviços pode ser feita sob regime
modo geral, que ao Estado era vedado a utilização do privado. O Estado carece de recursos para cuidar de
Código Civil para a apuração de sua responsabilidade, tantos setores, simultaneamente.
quando causava danos na execução de serviços com Por isso, houve a necessidade de delegar tais servi-
fundamento de direito público. Para Roger Bennard, ços, mediante concessão ou permissão, como também
serviço público seria “a atividade ou organização a criação de pessoas jurídicas próprias para controlar
que abrange todas as funções de Estado”. A noção de tais atividades. Há assim, uma mitigação dos elemen-
serviço público muito se confunde com a de Direito tos identificadores do serviço público. Atualmente,
Público. admite-se que a execução dos serviços públicos seja
A Escola do Serviço Público também influencia os realizada por particulares (elemento subjetivo). Há
autores brasileiros. Para José Cretella Junior, serviço uma delegação da execução do serviço, o qual poderá
público é “toda atividade que o Estado exerce, direta ou ocorrer mediante concessão ou permissão do serviço
indiretamente, para satisfação das necessidades públi- público, nos termos da Lei nº 8.987/1995.
cas, mediante procedimento típico de direito público”. Também temos certas atividades que, embora
Podemos observar o caráter amplo e abrangente do sejam consideradas de serviço público, há serviços
instituto, ao considerar também como serviço público que satisfazem interesses particulares (elemento
as atividades legislativa e judiciária, que possuem um objetivo), como no caso do serviço de distribuição de
rol difuso de destinatários (uti universe). alimentos em prisões. 85
Por fim, o regime do serviço público pode ser de ser o menor possível para, também, remunerar o
Direito Privado (elemento formal), seguindo as nor- prestador do serviço, com uma pequena margem
mas da CLT para o regime de contratação de funcio- de lucro. Com o objetivo de reduzir ao máximo
nários, e os bens podem ser alienados ou penhorados, o valor da tarifa cobrada, a legislação brasileira
pois não estão afetados a uma utilidade pública. prevê alguns mecanismos especiais, que se apre-
Assim, pode-se concluir que a noção de serviço sentam como fontes alternativas de remunera-
público está intrinsecamente ligada a forma de atua- ção do prestador do serviço público. É o caso, por
ção do Estado. Uma das principais dificuldades de exemplo, de espaços publicitários utilizados nos
buscar um conceito de serviço público reside justa-
arredores de uma rodovia. A menor tarifa é tam-
mente nesse fato: a depender do modelo de Estado,
bém critério essencial para avaliação de proposta
sua forma de atuação poderá ser mais liberal ou mais
intervencionista. Dessa forma, o conceito de serviço numa licitação do tipo concorrência pública.
público também poderá ser mais ou menos abrangen-
te para cada País. Da classificação dos serviços públicos
José dos Santos Carvalho Filho é o autor jurista que
apresenta muito bem essa dificuldade, ao definir ser- Os serviços públicos podem ser dos mais variados
viço público como “toda atividade prestada pelo Esta- tipos. É uma tarefa difícil de estabelecer uma classifi-
do ou por seus delegados, basicamente sob regime de cação dos serviços públicos. O professor Hely Lopes
direito público, com vistas à satisfação de necessidades Meirelles1 apresenta uma boa classificação para os
essenciais e secundárias da coletividade”. serviços públicos, que podem ser agrupados com base
nos seguintes critérios:
Os princípios aplicáveis aos servidores públicos
z Quanto à essencialidade
Por estar submetido a um regime especial, que
pode ser total ou parcialmente de direito público, „ Serviços públicos propriamente ditos: tam-
os princípios de direito administrativo, previstos no bém são denominados de serviços essenciais,
caput do art. 37 da CF/1988, são aplicáveis à prestação são aqueles imprescindíveis à sobrevivência da
dos serviços públicos. Porém, há ainda alguns princí- sociedade. Por isso, tais serviços não admitem
pios específicos aos serviços públicos, que devem ser delegação ou outorga. É o caso, por exemplo, do
melhor analisados. São eles: poder de polícia, da saúde, da defesa nacional
etc. Observe que não são somente as funções
z Princípio da continuidade do serviço público: é ligadas ao Poder de Império que caracterizam
o princípio que diz respeito a obrigação do Estado um serviço público essencial propriamente
de prestar o serviço público, que não pode parar, dito. O uso do poder de império é relevante
dada a sua relevante finalidade pública. É dizer para o critério da adequação.
que o Estado tem um poder-dever (obrigatorieda- „ Serviços de utilidade pública: são serviços
de) de prestar tal atividade. O serviço deve ser inin- úteis, mas não são considerados essenciais.
terrupto, porém, o art. 6º, § 3º, da Lei nº 8.987/1995 Por isso, eles podem ser prestados pelo Estado,
admite que, nos casos de serviços concessionados ou por terceiros, mediante remuneração paga
a entidades privadas, não se caracteriza desconti-
pelos usuários e sob constante fiscalização. É
nuidade do serviço a paralização quando motiva-
o caso dos serviços de transporte coletivo, de
da por razões de ordem técnica ou de segurança
telefonia etc.
das instalações; e por inadimplemento do usuário,
considerado o interesse da coletividade. A juris-
z Quanto à adequação:
prudência apresenta diversos julgados que aca-
bam contestando referido legal, sobretudo no que
„ Serviços próprios do Estado: são os serviços
diz respeito aos serviços de fornecimento de água
e de energia elétrica. característicos do Estado brasileiro. Constituem
z Princípio da mutabilidade do regime jurídico: aqueles serviços que se relacionam intimamen-
o interesse público não é estanque, mas variável te com as atribuições do Poder Público, isso é,
ao longo do tempo. A instauração de serviço públi- que possuem alguma relação com o poder de
co mediante certo regime jurídico não gera um império, que é único do Estado. O Estado exer-
“direito adquirido” ao mesmo, o que significa que ce tais serviços em relação de supremacia,
o Poder Público pode alterar um estatuto ou con- sobrepondo a sua vontade a dos particulares.
trato administrativo para promover maior ade- É o caso dos serviços de segurança, saúde, do
quação na prestação do referido serviço. poder de polícia etc.
z Princípio da isonomia dos usuários: trata-se „ Serviços impróprios do Estado: são, como o
de uma decorrência direta do princípio constitu- nome sugere, aqueles serviços que o Estado, ao
cional da impessoalidade. O serviço público deve exercê-lo, não necessita do seu poder de império
atender a todos, geralmente de forma individuali- para se sobrepor. São os que não afetam substan-
zada, sem discriminações e privilégios. cialmente as necessidades da comunidade, mas
z Princípio da modicidade das tarifas: As tarifas satisfazem interesses comuns de seus membros,
não devem ser exorbitantes, pois o serviço deve e, por isso, a Administração os presta remunera-
ser aproveitado pelo maior número de usuários damente por seus órgãos ou entidades descentra-
possível, independentemente de sua classe eco- lizadas, ou até mesmo para particulares mediante
nômica. O valor a ser exigido dos usuários deve regime de concessão e permissão.
86 1 MEIRELLES. Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. 44ª Edição. Editora Malheiros. 2020
z Quanto à finalidade: I - zelar pela guarda da Constituição, das leis e das
instituições democráticas e conservar o patrimônio
„ Serviços administrativos: são os serviços público;
que a Administração executa para atender às II - cuidar da saúde e assistência pública, da prote-
suas necessidades internas ou preparar outros ção e garantia das pessoas portadoras de deficiên-
cia; e
serviços que serão prestados ao público. São,
III - proteger os documentos, as obras e outros bens
assim, os serviços característicos da Adminis-
de valor histórico, artístico e cultural, os monu-
tração Pública. Um exemplo diferente e que mentos, as paisagens naturais notáveis e os sítios
não mencionamos até agora é o caso do servi- arqueológicos; entre outros.
ço da imprensa oficial, que tem como função
divulgar todos os atos prestados pelo Poder Compete aos Municípios, na forma do art. 30 da
Público, promovendo maior transparência e CF/1988, a prestação de serviços públicos de interesse
fiscalização de seus atos. local, incluindo o serviço de transporte coletivo; bem
„ Serviços industriais: são os serviços que pro- como prestar serviços de atendimento à saúde da
duzem renda para quem os presta, mediante a população, em cooperação com os demais entes fede-
remuneração da utilidade usada ou consumida. rativos. Evidente que aos Municípios também se apli-
Essa remuneração se denomina tarifa ou preço cam as competências comuns previstas no artigo 23.
público e será fixada pelo Poder Público, quer Ao Distrito Federal compete, além das competên-
quando o serviço é prestado por seus órgãos ou cias comuns, a prestação de todos os serviços estaduais
entidades, quer quando por concessionários, e municipais, uma vez que tal ente possui as mesmas
permissionários ou autorizatários. Os serviços competências legislativas dos Estados e Municípios.
de energia elétrica, água, telefonia, são serviços Por fim, em relação aos particulares, os mes-
dessa modalidade. mos poderão prestar os serviços notariais e de regis-
tro, na forma do artigo 236 da CF/1988. Tais serviços
z Quanto aos destinatários: envolvem a organização técnica e administrativa
destinados a garantir a publicidade, autenticidade, a
„ Serviços gerais ou uti universi: já menciona- segurança e a eficácia dos atos jurídicos, nos termos
mos um pouco sobre essa classificação. São os do art. 1º da Lei nº 8.985/1994. Os serviços de notas e
serviços públicos que não possuem usuários ou registros é regulamentado pela referida lei.
destinatários específicos e são remunerados por
tributos. Os serviços de iluminação pública e cal- Dica
çamento são remunerados por essa maneira.
„ Serviços individuais ou uti singuli: são os As parcerias público-privadas (PPPs) são con-
que possuem de antemão usuários conhecidos tratos administrativos de concessão, podendo
e predeterminados, e o Estado já sabe, antes, apresentar-se na modalidade de concessão
quais são os beneficiados pela prestação do patrocinada ou concessão administrativa, na
referido serviço. Por isso, esses serviços são forma do caput do art. 2º da Lei nº 11079/2004.
remunerados por tarifa. É o caso do serviço É uma hipótese que apresenta-se muito mais
de água e esgoto, de iluminação domiciliar, de viável e atraente para o particular, uma vez que
telefonia etc. ele recebe uma contraprestação pecuniária do
ente público, o que diminui o valor a ser cobrado
Da competência para prestar serviços públicos como taxa para os usuários do serviço.

A atual Constituição Federal de 1988 atribuiu DELEGAÇÃO: CONCESSÃO, PERMISSÃO,


AUTORIZAÇÃO
diversos serviços públicos aos entes da Federação.
Em relação a União, os serviços públicos federais
Formas de prestação do serviços públicos diz
estão inclusos nos incisos X a XII do art. 21 da CF/1988.
respeito ao titular do referido serviço público. Como
São, de modo geral: a) serviço postal e o correio aéreo
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
foi visto em competências, são várias as entidades
nacional; b) os serviços de telecomunicações; c) os ser-
que podem prestar serviços públicos. Essas formas de
viços de radiodifusão sonora e de sons e imagens; d) prestação variam para cada tipo de serviço:
os serviços e instalações de energia elétrica e o apro-
veitamento energético dos cursos de água, em arti- z Serviços centralizados: são os serviços presta-
culação com os Estados onde se situam os potenciais dos diretamente pelo Poder Público, em seu pró-
hidroenergéticos; e) serviços de navegação aérea, prio nome e sob sua exclusiva responsabilidade. A
aeroespacial e a infraestrutura aeroportuária; f) ser- União, os Estados, os Municípios e o Distrito Fede-
viços de transporte ferroviário e aquaviário entre ral são os titulares desses serviços.
portos brasileiros e fronteiras nacionais; etc. z Serviços desconcentrados: são os serviços públi-
Aos Estados, por outro lado, a Constituição mencio- cos prestados pelo Estado, mas não por ele pró-
na que compete a eles explorar diretamente, ou median- prio, e sim por seus órgãos, mantendo para si
te concessão, os serviços locais de gás canalizado (art. 25, apenas a responsabilidade pela execução. Exem-
§ 2º, CF/1988). Isso não significa que os Estados somente plos: o Ministério da Saúde, o Ministério da Eco-
podem explorar serviços locais de gás canalizado, uma nomia, as Secretarias de Justiça, as Ouvidorias,
vez que existem as competências comuns a todos os as Auditorias, todas essas pessoas que não são o
entes da Federação, atribuídas de forma remanescente. Estado, mas que “fazem parte” dele e não possuem
Alguns exemplos de competências comuns estão dispos- personalidade jurídica própria, realizam serviços
tos no artigo 23 da CF/1988, como: desconcentrados. 87
z Serviços descentralizados: são os serviços públi- I - o regime das empresas concessionárias e permis-
cos que não são prestados pelo Estado, e sim por sionárias de serviços públicos, o caráter especial de
terceiros, com personalidade jurídica própria, seu contrato e de sua prorrogação, bem como as
podendo arcar com os riscos do negócio por con- condições de caducidade, fiscalização e rescisão da
ta própria. Exemplos: o Procon, o Cadin, o INSS, concessão ou permissão;
o Detran etc. Aqui a titularidade do serviço não é
mais do Estado, e sim dessa entidade terceira. Com Lei nº 8.987/1995
isso, a responsabilidade pela execução do servi-
ço público recai primeiramente sobre o terceiro, Art. 2º Para os fins do disposto nesta Lei, considera-se:
mas é possível que o Estado se responsabilize tam- (...)
bém, mas somente de forma subsidiária (se o ente II - concessão de serviço público: a delegação de sua
prestação, feita pelo poder concedente, mediante
demonstrar não haver patrimônio suficiente para
licitação, na modalidade de concorrência, à pessoa
fins de indenização).
jurídica ou consórcio de empresas que demonstre
capacidade para seu desempenho, por sua conta e
As formas de execução, que não se confundem risco e por prazo determinado;
com as formas de prestação, são apenas duas: execu-
ção direta e execução indireta. Dessa forma, podemos concluir que a prestação do
A execução direta ocorre sempre que o Poder serviço público pode ocorrer diretamente pela Admi-
Público emprega meios próprios para a sua prestação. nistração Pública, ou indiretamente, mediante dele-
Aqui engloba tanto a Administração Direta como a gação do serviço a concessionários e permissionários
Administração Indireta, isso é, a execução por intermé- que, por expressa determinação legal, necessita de
dio de pessoas jurídicas de direito público ou de direito prévio procedimento de licitação.
privado que foram instituídas para tal fim. Relembran- A concessão de serviço público é contrato admi-
do que são pessoas jurídicas de direito público inte- nistrativo bilateral, o que significa que depende,
grantes da Administração Indireta: as autarquias e as para a sua formação, além dos requisitos essenciais a
fundações públicas. E são pessoas de direito privado todo negócio jurídico dispostos no art. 104 do Código
integrantes da Administração Indireta: as empresas Civil (agente capaz, objeto lícito, forma prescrita ou
públicas e as sociedades de economia mista. não defesa em lei), a convergência de vontades distin-
A execução indireta, por sua vez, ocorre sempre tas. Temos de um lado o poder concedente, que tem
que o Poder Público concede a pessoas jurídicas ou pes- por objetivo a execução do serviço público em prol
soas físicas estranhas à entidade estatal a possibilidade da coletividade; e do outro, a entidade concessionária
de virem a executar os serviços, mediante o regime de que deve executar o serviço, com o objetivo de lucrar
concessão e permissão. A execução indireta caracteri- mediante a arrecadação de tarifas dos usuários bene-
za-se pelo fato de que tais serviços são prestados pela ficiados com aquele serviço. O contrato deve ser obri-
esfera privada, isso é, são empresas que não possuem gatoriamente por escrito e rege-se pelas regras de
qualquer tipo de vínculo com a Administração Pública Direito Administrativo.
Ao mencionar a transferência para pessoa jurí-
(Direta ou Indireta), não fazem parte da mesma.
dica privada, quis o legislador que a delegação do
serviço não pudesse, em regra, ser feita a pessoas
Da delegação dos serviços públicos físicas, mas somente à empresa ou a um consórcio
de empresas. É o caso, por exemplo, da Sabesp, que é
Como vimos, os serviços públicos podem ser exe- sociedade de economia mista, na prestação do serviço
cutados diretamente pelo Poder Público, ou indireta- de abastecimento de água no Estado de São Paulo.
mente por terceiros, que podem ser pessoas jurídicas Essa modalidade de contrato tem por objeto a pres-
de direito público ou de direito privado. Aqui há uma tação de serviço público. A delegação ocorre apenas
delegação da competência administrativa. Resta sobre a execução do serviço, nunca sobre sua titulari-
saber quais são as principais formas de delegação dade, que continua sendo do poder concedente.
dos serviços públicos, são três: concessão, permissão Apesar da execução do serviço público não ser fei-
e autorização ta pelo poder concedente, a legislação (art. 29 da Lei
O termo “concessão” é empregado para designar a nº 8.987/1995) prevê outras obrigações para o Estado.
atividade da Administração Pública de delegar ao par- São deveres do poder concedente:
ticular a prestação de um serviço, ou a execução de
obra pública, ou ainda o uso de bem público. I - Regulamentar e fiscalizar a execução do serviço
concedido. A fiscalização é uma forma de exercício
Concessão de serviço público é o contrato pelo
de controle da execução do serviço público, pois por
qual a Administração promove a prestação indire-
mais que o Estado não esteja realizando a execução
ta de um serviço, delegando-o a particulares. Exem-
do serviço per si, nada impede que ele possa fiscalizar
plos: a construção de linha ferroviária ou metrô para se a execução está ocorrendo de forma correta. Ele
transporte de passageiros, transmissão áudio sonora pode mandar um agente vinculado à Administração,
(rádio) ou por imagens e sons (televisão), etc. Possui ou um terceiro contratado justamente para esse fim.
previsão legal na Lei nº 8.987/1995 (Lei de Concessões II - Intervir na execução do serviço, nos casos previstos
dos Serviços Públicos), bem como previsão constitu- em lei. A intervenção advém do próprio ato de fiscaliza-
cional no art. 175 da CF/1988: ção: se a execução do serviço não se mostrar adequada
ou estiver conforme o que foi explícito no contrato, o
Constituição Federal de 1988 poder concedente pode requisitar a paralisação da exe-
Art. 175. Incumbe ao poder público, na forma da cução, por exemplo.
lei, diretamente ou sob regime de concessão ou per- III - Aplicar as penalidades previstas na lei e/ou no
missão, sempre através de licitação, a prestação de contrato. As penalidades pela inexecução do ser-
serviços públicos. viço público estão previstas no artigo 87 da Lei
88 Parágrafo único. A lei disporá sobre: nº 8.666/1993, podendo variar de uma simples
advertência, multa, ou até mesmo uma declaração de V - Captar, aplicar e gerir os recursos financeiros neces-
inidoneidade para licitar ou contratar com a Admi- sários à prestação do serviço. Todos os encargos do
nistração Pública enquanto perdurarem os motivos serviço público ficam a cargo do concessionário. Logo,
determinantes da punição ou até que seja promovida faz parte dessa lógica que ele deve ter poder de decisão
a reabilitação. sobre os recursos econômicos e financeiros relaciona-
IV - Possibilitar reajustes e a revisão das tarifas cobra- dos com a prestação do serviço público.
das. A revisão é uma ferramenta que pode ser utilizada
tanto na fase de estipulação do contrato, como na fase Por fim, o art. 35 da Lei nº 8.987/1995 dispõe sobre
de execução do serviço público. Se restar comprovado as modalidades de extinção da concessão do serviço
que a tarifa de um serviço público se tornou demasiada- público. São seis ao todo:
mente alta, é possível realizar alguns ajustes. Contudo,
esses ajustes geralmente são muito pequenos, e geral-
z Advento do termo contratual: trata-se da extin-
mente costumam ser para elevar o preço da tarifa, e não
para diminuí-la. ção do contrato pelo encerramento de seu prazo
V - Atender as reclamações e outras queixas advindas de vigência. É a extinção natural do contrato, haja
dos usuários, zelando pela boa qualidade do serviço. vista que nosso direito não admite contrato de con-
Não faria muito sentido os usuários mandarem suas cessão por prazo indeterminado.
reclamações pela má qualidade do serviço prestado z Encampação ou resgate: nos termos do art. 37
para justamente a concessionária que está executan- da Lei nº 8.987/1995, é “a retomada do serviço
do o referido serviço. Tais reclamações são recebidas pelo poder concedente durante o prazo da conces-
pelo superior na linha hierárquica, para que ele possa são, por motivo de interesse público, mediante lei
tomar as medidas cabíveis. autorizativa específica e após prévio pagamento da
VI - Declarar os bens necessários à execução do servi- indenização (...)”. Aqui, não ocorreu nenhum tipo
ço de necessidade ou utilidade pública. Pode ocorrer de infração de algum termo do contrato, o conces-
que a concessionária, para equilibrar o seu patrimô- sionário simplesmente abandonou a execução do
nio, pretenda promover a alienação de um ou mais contrato (é muito comum algumas dessas empre-
bens. Porém, o poder concedente pode atribuir alguns
sas “desaparecerem” no meio da prestação do ser-
limites, declarando esses bens como de necessidade,
viço). Por isso, não é possível aplicar sanções ao
ou de utilidade pública. Dessa forma, esses bens tor-
nam-se inalienáveis, e também impenhoráveis, o que contratado.
significa que a concessionária não pode se dispor z Caducidade: é a modalidade em que a execução
deles livremente. do serviço não é realizada, no todo ou em parte,
ou pelo descumprimento de encargos atribuídos à
Por outro lado, incumbe à concessionária do ser- concessionária. A caducidade deve ser declarada,
viço público as seguintes tarefas: (art. 31 da Lei nº havendo a ocorrência de um dos eventos descritos
8.987/1995): no § 1º do art. 38 da Lei nº 8.987/1995, tais como:
a concessionária paralisar o serviço, descumprir
I - Prestar o serviço de maneira adequada, utilizan- cláusula contratual, não cumprir com as penalida-
do-se de técnicas específicas de seu conhecimento, des impostas, etc.
nos casos previstos na lei ou no contrato. Essa é a z Rescisão por culpa do poder concedente: Caso
tarefa primordial, óbvio, pois a concessionária é a o poder concedente descumpra com alguma regra
responsável pela execução do serviço público. estabelecida no instrumento contratual, a conces-
II - Prestar contas da gestão do serviço ao poder sionária tem direito a ingressar em juízo, objeti-
concedente e aos usuários. É formada uma relação vando à indenização dos danos decorrentes da
de hierarquia entre o poder concedente e o conces- extinção contratual. A indenização, neste caso,
sionário. Por isso, este deve prestar contas de seus abrange somente os danos emergentes (o que efe-
atos ao seu superior, devendo informar se a gestão tivamente perdeu), e não os lucros cessantes (o
do serviço público está ocorrendo corretamente, se
que ele poderia ter ganhado).
não há nenhuma falha ou defeito, etc.
z Anulação: é a modalidade de extinção em que
III - Cumprir e fazer cumprir as normas do serviço
e as cláusulas contratuais, havendo possibilidade
consta vício de legalidade no contrato. O contrato
perde sua eficácia desde a sua concepção (ex tunc),
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
de pedir indenização pela inexecução do contrato.
É tarefa do concessionário exigir que tudo aquilo o que significa que a concessionária não faz jus à
avençado no contrato se torne realidade. Assim, se indenização, exceto quanto a parte já executada
o poder concedente se recusar a lhe outorgar algo do contrato.
estabelecido em contrato, ou se o valor da remu- z Decretação de falência: como a concessão é con-
neração não for igual a aquele avençado, poderá o trato personalíssimo, ou seja, as partes contra-
concessionário pedir a rescisão do contrato, com tantes têm grande relevância para a execução do
pagamento de indenização pelo Poder Público. serviço, havendo o desaparecimento da empresa
IV - Promover desapropriações e construir servidões concessionária mediante falência, ou o falecimen-
administrativas, mediante autorização do poder to de empresário individual, o vínculo contratual
concedente. Essas são formas de intervenção do também desaparece.
Estado na propriedade privada. Pode ocorrer que o
concessionário, para a melhor execução de um ser-
A permissão é outra forma da Administração
viço, precise ocupar um espaço de propriedade de
um particular, seja para fins de desapropriação, ou
Pública de delegar a execução de serviço público para
uma outra forma de intervenção mais branda, como os particulares, também possui previsão no art. 175
construir uma servidão. Todas essas hipóteses são da CF/1988 e na Lei nº 8.987/1995. A permissão é uni-
possíveis, desde que mediante prévia autorização, e lateral, discricionária, precária e intuitu personae
também desde que haja uma indenização do parti- (personalíssima), promove a delegação do serviço
cular, que teve sua propriedade privada obstruída. público mediante prévia licitação para um particular
denominado permissionário. 89
Questão controvertida é a natureza jurídica da Importante destacar as diferenças entre permis-
permissão. Após a Constituição de 1988, o direito são e a concessão de serviço público, que podem ser
brasileiro passou a tratar a permissão como se fosse determinadas com base nos seguintes requisitos:
um contrato de adesão, como se depreende da leitura
do inciso I do parágrafo único do artigo 175 da Carta z Quanto à natureza jurídica: a permissão é uni-
Magna: lateral, enquanto a concessão é contrato bilateral.
z Quanto aos beneficiários: qualquer pessoa pode
“I - o regime das empresas concessionárias e per- ser permissionária, mas somente as pessoas jurídi-
missionárias de serviços públicos, o caráter espe-
cas (empresas) podem ser concessionárias.
cial de seu contrato e de sua prorrogação, bem
como as condições de caducidade, fiscalização e z Quanto ao aporte de capital: a concessão exige
rescisão da concessão ou permissão”. maior aporte de capital, a permissão admite inves-
timentos de pequeno ou médio porte.
Todavia, contrato de adesão é remetente aos con- z Quanto à licitação: a concessão deve ser prece-
tratos de Direito Privado, principalmente nas relações dida de licitação na modalidade de concorrência.
de consumo. Tal modalidade de contrato é elaborado Não há essa exigência para a permissão.
unilateralmente pelo fornecedor, obrigando a parte z Quanto à forma da outorga: a concessão se dá
aderente apenas a manifestar o seu aceite. Trata-se mediante promulgação de lei específica. A permis-
de uma característica presente também nos contra- são necessita apenas de autorização legislativa.
tos administrativos: as regras enclausuradas no con-
trato administrativo são unilateralmente elaboradas A autorização, por sua vez, é um ato administrativo
pelo poder concedente, antes mesmo do processo de por meio do qual a administração pública possibilita ao
licitação. particular a realização de alguma atividade de predomi-
A confusão se estende ainda mais no âmbito legis- nante interesse deste, ou a utilização de um bem público.
lativo, como ocorre no artigo 40 da Lei nº 8.987/1995, Assim como a permissão, a autorização é um ato
ao dispor que a permissão. unilateral, discricionário, precário e independente
de licitação. Todavia, se difere da permissão ante o
“será formalizada mediante contrato de adesão,
fato de que o interesse da autorização é predominan-
que observará os termos desta Lei, das demais nor-
mas pertinentes e do edital de licitação, inclusive
temente privado. Um exemplo disso é a autorização
quanto à precariedade e à revogabilidade unilate- para o porte de arma: apenas o particular tem interes-
ral do contrato pelo poder concedente”. se de ter em sua posse arma de fogo.
Parte da doutrina entende que é incabível a uti-
Esse dispositivo não faz o menor sentido, uma vez lização de autorização para a prestação de serviços
que dispõe que a permissão é uma espécie de “contra- públicos, por força do artigo 175 da CF/1988: “Incumbe
to precário”. ao Poder Público, na forma da lei, diretamente ou sob
Não parece correto admitir que a permissão seja regime de concessão ou permissão, sempre através de
uma espécie de contrato regulado por normas de licitação, a prestação de serviços públicos”.
Direito Privado, com princípios completamente distin-
tos dos princípios administrativos. Todavia, há diver- PROTEÇÃO E DEFESA DOS DIREITOS DO USUÁRIO
sos autores que admitem tal possibilidade, inclusive DOS SERVIÇOS PÚBLICOS (LEI Nº 13.460/2017)
o próprio Supremo Tribunal Federal, no julgamento
da ADI nº 1.491/1998 0. A ação de inconstitucionalida- A prestação de serviços públicos não pode alcan-
de foi ajuizada pelo Partido Democrático Trabalhista çar sua finalidade se ela não servir para o seu público
(PDT) e pelo Partido dos Trabalhadores (PT) contra alvo, que são os seus próprios usuários. Assim, como
dispositivos da Lei 9.295/1996, que dispõe sobre os uma forma de promover maior excelência e qualidade
serviços de telecomunicações e sua organização. O na prestação dos serviços públicos, deve ser assegura-
relator à época, ministro Carlos Velloso, votou pelo do aos usuários a defesa de seus direitos, bem como
deferimento da liminar para suspender os efeitos do § permitir que eles tenham sua participação garantida.
2° do artigo 8°. Esse dispositivo determina que. Nesse sentido, a Lei Federal nº 13.460, de 26 de
junho de 2017, é a lei que dispõe sobre a participa-
“as entidades que, na data de vigência desta Lei, ção, a proteção e defesa dos direitos do usuário dos
estejam explorando o Serviço de Transporte de serviços públicos da administração pública. É impor-
Sinais de Telecomunicações por Satélite, median- tante analisar os principais dispositivos dessa lei, bem
te o uso de satélites que ocupem posições orbitais como as alterações mais recentes, introduzidas pela
notificadas pelo Brasil, têm assegurado o direito à Lei nº 14.015/2020.
concessão desta exploração”. Preliminarmente, cumpre ressaltar que os dispo-
sitivos apresentados pela referida Lei se aplicam à
O fundamento da ADI é que, no entendimento dos administração pública direta e indireta da União, dos
referidos Partidos Políticos, tal dispositivo viola a exi- Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, nos ter-
gência constitucional de licitação prévia à realização mos do inciso I do § 3º do art. 37 da Constituição Fede-
da concessão ou permissão de serviços públicos e ao ral. Porém, não são somente as pessoas jurídicas de
princípio da livre concorrência e defesa do consumi- direito público: o § 3º do artigo 1º dispõe também que
dor. É um tanto surpreendente afirmar que a permis-
o regime dessa lei é aplicável, subsidiariamente, nos
são de serviço público deve seguir normas e regras de
serviços públicos prestados por particulares.
Direito do Consumidor (ramo de Direito Privado).
O artigo 2º da Lei Federal nº 13.460 traz alguns
Por isso, para todos os efeitos, vamos nos alinhar
conceitos iniciais que são importantes para o
com a posição da maioria das bancas costuma e defi-
entendimento da matéria. Para os efeitos dessa Lei,
nir a permissão como um contrato de adesão.
90 considera-se:
I - usuário - pessoa física ou jurídica que se benefi- XIV - utilização de linguagem simples e compreensível,
cia ou utiliza, efetiva ou potencialmente, de serviço evitando o uso de siglas, jargões e estrangeirismos; e
público; XV - vedação da exigência de nova prova sobre fato já
II - serviço público - atividade administrativa ou comprovado em documentação válida apresentada.
de prestação direta ou indireta de bens ou serviços XVI - comunicação prévia ao consumidor de que
à população, exercida por órgão ou entidade da o serviço será desligado em virtude de inadimple-
administração pública; mento, bem como do dia a partir do qual será rea-
III - administração pública - órgão ou entidade lizado o desligamento, necessariamente durante
integrante da administração pública de qualquer horário comercial.  
dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito
Federal e dos Municípios, a Advocacia Pública e a É o artigo 6º, todavia, que apresenta os direitos
Defensoria Pública; dos usuários do serviço público. São uma série de
IV - agente público - quem exerce cargo, empre- prerrogativas que devem ser respeitadas pelo Estado
go ou função pública, de natureza civil ou militar, ou daquele cujo serviço público foi outorgado. Assim,
ainda que transitoriamente ou sem remuneração; e são direitos básicos dos usuários, in verbis:
V - manifestações - reclamações, denúncias, suges-
tões, elogios e demais pronunciamentos de usuários I - participação no acompanhamento da prestação
que tenham como objeto a prestação de serviços e na avaliação dos serviços;
públicos e a conduta de agentes públicos na prestação II - obtenção e utilização dos serviços com liberdade de
e fiscalização de tais serviços. escolha entre os meios oferecidos e sem discriminação;
III - acesso e obtenção de informações relativas à
Com periodicidade mínima anual,  cada Poder e sua pessoa constantes de registros ou bancos de
esfera de Governo publicará quadro geral dos servi- dados, observado o disposto no inciso X do caput do
ços públicos prestados, que especificará os órgãos ou art. 5º da Constituição Federal e na Lei nº 12.527, de
entidades responsáveis por sua realização e a autori- 18 de novembro de 2011 ;
dade administrativa a quem estão subordinados ou IV - proteção de suas informações pessoais, nos ter-
vinculados (art. 3°) mos da Lei nº 12.527, de 18 de novembro de 2011;
V - atuação integrada e sistêmica na expedição de
Dos direitos básicos e deveres dos usuários atestados, certidões e documentos comprobatórios
de regularidade; e
O artigo 5º dispõe que o usuário de serviço público VI - obtenção de informações precisas e de fácil
tem direito à adequada prestação dos serviços. Para acesso nos locais de prestação do serviço, assim
que isso ocorra, é imputado aos prestadores do serviço como sua disponibilização na internet, especial-
público uma série de deveres e diretrizes que devem mente sobre:
ser seguidas para garantir essa prestação do serviço a) horário de funcionamento das unidades
público com excelência. Essas diretrizes são, in verbis: administrativas;
b) serviços prestados pelo órgão ou entidade, sua
I - urbanidade, respeito, acessibilidade e cortesia no localização exata e a indicação do setor responsá-
atendimento aos usuários; vel pelo atendimento ao público;
II - presunção de boa-fé do usuário; c) acesso ao agente público ou ao órgão encarrega-
III - atendimento por ordem de chegada, ressal- do de receber manifestações;
vados casos de urgência e aqueles em que hou- d) situação da tramitação dos processos adminis-
ver possibilidade de agendamento, asseguradas trativos em que figure como interessado; e
as prioridades legais às pessoas com deficiência, e) valor das taxas e tarifas cobradas pela prestação
aos idosos, às gestantes, às lactantes e às pessoas dos serviços, contendo informações para a com-
acompanhadas por crianças de colo; preensão exata da extensão do serviço prestado.
IV - adequação entre meios e fins, vedada a imposi- VII - comunicação prévia da suspensão da presta-
ção de exigências, obrigações, restrições e sanções ção de serviço. 
não previstas na legislação;
V - igualdade no tratamento aos usuários, vedado
qualquer tipo de discriminação; Importante!
VI - cumprimento de prazos e normas procedimentais;
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
VII - definição, publicidade e observância de horá- Pela leitura dos direitos básicos do usuário, per-
rios e normas compatíveis com o bom atendimento cebe-se que o serviço público pode ser suspen-
ao usuário; so quando o usuário deixa de pagar a respectiva
VIII - adoção de medidas visando a proteção à saú- tarifa. O que a lei protege é a comunicação prévia
de e a segurança dos usuários; dessa suspensão. Todavia, é vedada a suspen-
IX - autenticação de documentos pelo próprio agen-
te público, à vista dos originais apresentados pelo
são da prestação de serviço em virtude de ina-
usuário, vedada a exigência de reconhecimento de dimplemento por parte do usuário que se inicie
firma, salvo em caso de dúvida de autenticidade; na sexta-feira, no sábado ou no domingo, bem
X - manutenção de instalações salubres, seguras, como em feriado ou no dia anterior a feriado.
sinalizadas, acessíveis e adequadas ao serviço e ao Esse é uma exceção introduzida recentemente
atendimento; pela Lei nº 14.015/2020.
XI - eliminação de formalidades e de exigências cujo cus-
to econômico ou social seja superior ao risco envolvido;
XII - observância dos códigos de ética ou de conduta O artigo 7º trata da Carta de Serviços ao Usuário,
aplicáveis às várias categorias de agentes públicos; que tem por objetivo informar o usuário sobre os ser-
XIII - aplicação de soluções tecnológicas que visem viços prestados pelo órgão ou entidade, as formas de
a simplificar processos e procedimentos de atendi- acesso a esses serviços e seus compromissos e padrões
mento ao usuário e a propiciar melhores condições de qualidade de atendimento ao público (art. 7º, § 1º).
para o compartilhamento das informações;
91
A Carta de Serviços ao Usuário deverá trazer infor- integralmente publicado no sítio do órgão ou entida-
mações claras e precisas em relação a cada um dos de, incluindo o ranking das entidades com maior inci-
serviços prestados, apresentando, no mínimo, infor- dência de reclamação dos usuários.
mações relacionadas a:

I - serviços oferecidos;
II - requisitos, documentos, formas e informações
necessárias para acessar o serviço;
EXERCÍCIOS COMENTADOS
III - principais etapas para processamento do serviço;
IV - previsão do prazo máximo para a prestação do 1. (CESPE-CEBRASPE – 2019) Acerca de atos adminis-
serviço; trativos, serviços públicos e intervenção do Estado na
V - forma de prestação do serviço; e propriedade, julgue o item seguinte.
VI - locais e formas para o usuário apresentar even- Cada Poder e cada esfera de governo devem estabe-
tual manifestação sobre a prestação do serviço lecer regulamento específico dispondo sobre a ava-
(art. 7º, § 2º).
liação da efetividade e dos níveis de satisfação dos
usuários dos serviços públicos por eles prestados,
Por fim, o artigo 8º apresenta os deveres dos usuá-
devendo a quantidade de manifestações dos usuários
rios, quando usufruem do serviço público. Assim, são
obrigações dos usuários: ser um dos parâmetros considerado nessa avaliação.

I - utilizar adequadamente os serviços, procedendo ( ) CERTO  ( ) ERRADO


com urbanidade e boa-fé;
II - prestar as informações pertinentes ao serviço A Lei n. 13.460/2017, que estabelece normas básicas
prestado quando solicitadas; para participação, proteção e defesa dos direitos do
III - colaborar para a adequada prestação do serviço; e usuário dos serviços públicos e que se aplica à admi-
IV - preservar as condições dos bens públicos por nistração direta e indireta da União, dos estados, do
meio dos quais lhe são prestados os serviços de que
Distrito Federal e dos municípios, dispõe, no inciso
trata esta Lei.
IV do art. 23, que a quantidade de manifestações dos
Manifestação dos usuários usuários é um dos aspectos a ser considerado pelos
órgãos e pelas entidades públicas na avaliação de
A Lei nº 13.460/2017 permite que, para garantir seus seus serviços prestados. Resposta: Certo.
direitos, o usuário possa apresentar manifestações peran-
te a administração pública acerca da prestação de servi- 2. (CESPE-CEBRASPE – 2019) A respeito do regime
ços públicos. A manifestação será dirigida à ouvidoria do de concessão e permissão da prestação de serviços
órgão ou entidade responsável e conterá a identificação do públicos, julgue o item subsecutivo.
requerente (art. 9º e 10). A transferência de concessão ou de controle societá-
A manifestação poderá ser feita por meio eletrônico, ou
rio da concessionária sem a prévia anuência do poder
correspondência convencional, ou verbalmente, hipótese
em que deverá ser reduzida a termo. Nesse caso, poderá a concedente implicará a caducidade da concessão.
administração pública ou sua ouvidoria requerer meio de
certificação da identidade do usuário (art. 10, parágrafos). ( ) CERTO  ( ) ERRADO
Os procedimentos administrativos relativos à aná-
lise das manifestações observarão os princípios da A questão exige do candidato conhecimento quanto
eficiência e da celeridade, visando a sua efetiva reso- as possibilidades de extinção da concessão do ser-
lução, que compreende: viço público. Uma delas é a caducidade, prevista no
artigo 27 da Lei nº 8.987/1995: “A transferência de
I - recepção da manifestação no canal de atendi-
concessão ou do controle societário da concessioná-
mento adequado;
II - emissão de comprovante de recebimento da ria sem prévia anuência do poder concedente impli-
manifestação; cará a caducidade da concessão”. Resposta: Certo.
III - análise e obtenção de informações, quando necessário;
IV - decisão administrativa final; e V - ciência ao usuário. 3. (CESPE-CEBRASPE – 2018) Julgue o item que se
segue, relativo a serviços públicos e aos direitos dos
Por fim, o artigo 23 dispõe sobre a avaliação dos usuários desses serviços.
serviços públicos, que deverá ser feita com base nos São exigências para apresentar manifestações à ouvi-
seguintes aspectos:
doria de órgãos públicos a utilização de meio eletrôni-
co e a indicação dos motivos determinantes.
I - satisfação do usuário com o serviço prestado;
II - qualidade do atendimento prestado ao usuário;
III - cumprimento dos compromissos e prazos defi- ( ) CERTO  ( ) ERRADO
nidos para a prestação dos serviços;
IV - quantidade de manifestações de usuários; e Não é exigido que a manifestação seja feita por meio
V - medidas adotadas pela administração pública para eletrônico. A Lei nº 13.460/2017 dispõe que a manifes-
melhoria e aperfeiçoamento da prestação do serviço. tação poderá ser feita por meio eletrônico, ou corres-
pondência convencional, ou verbalmente, hipótese em
A avaliação será realizada por pesquisa de satis- que deverá ser reduzida a termo. Além disso, são veda-
fação feita, no mínimo, a cada um ano, ou por qual-
das quaisquer exigências relativas aos motivos deter-
quer outro meio que garanta significância estatística
minantes da apresentação de manifestações perante a
aos resultados. O resultado da avaliação deverá ser
92 ouvidoria (art. 10, § 2º, idem). Resposta: Errado.
4. (CESPE-CEBRASPE – 2018) Julgue o item que se atualidade, que exige que a Administração Pública
segue, relativo a serviços públicos e aos direitos dos utilize-se, sempre, da tecnologia mais moderna para
usuários desses serviços. a prestação de um serviço de qualidade para seus
De acordo com o STJ, o princípio da continuidade do usuários (não há mais espaço para os “servidores
serviço público autoriza que o poder público promova de máquina de escrever”). A segunda frase apre-
a retomada imediata da prestação do serviço no caso senta as palavras “tarifas baixas” e “cobradas dos
de extinção de contrato de concessão por decurso do usuários”, o que é uma clara alusão ao princípio da
prazo de vigência ou por declaração de nulidade, des- modicidade das tarifas. Resposta: Letra B
de que tal poder realize previamente o pagamento de
indenizações devidas. 7. (FGV – 2018) Serviço público é toda atividade executa-
da de forma direta ou indireta pelo Estado e usufruída
( ) CERTO  ( ) ERRADO pelos cidadãos, gozando de prerrogativas decorrentes
da supremacia do interesse público. Dentre os princí-
O Superior Tribunal de Justiça firmou o entendi- pios específicos do serviço público, o ordenamento
mento de que, havendo a extinção de concessão de jurídico estabeleceu o da:
serviço público por decurso do prazo, cabe ao ente
concedente a retomada imediata da prestação do a) modicidade das tarifas, segundo o qual o serviço públi-
serviço público até a realização de nova licitação, co deve ser prestado aos hipossuficientes de forma
para garantir a continuidade do serviço público, gratuita e universal;
b) pessoalidade, segundo o qual o serviço público deve
não se condicionando o termo final do contrato ao
ser prestado em benefício a um círculo social previa-
pagamento prévio de eventual indenização (REsp
mente definido em lei;
1390911/SC). Resposta: Errado.
c) continuidade, segundo o qual o serviço público, em
regra, não deve sofrer interrupções e deve ser presta-
5. (VUNESP – 2018) Dentre os princípios regedores dos do de forma permanente;
serviços públicos, encontra-se o princípio pelo qual os d) isonomia formal, segundo o qual o preço público cobra-
serviços públicos devem ser prestados com a maior do para prestação do serviço deve ter valor progres-
amplitude possível, vale dizer, deve beneficiar o maior sivo, de acordo com a capacidade contributiva do
número possível de indivíduos. Trata-se do princípio da: usuário;
e) onerosidade, segundo o qual o serviço público é remu-
a) continuidade. nerado mediante tarifa e, em caso de inadimplemento
b) modicidade. do usuário, pode ser suspenso independentemente de
c) totalidade. aviso prévio.
d) generalidade.
e) universalidade. A letra A está errada, a modicidade das tarifas sig-
nifica que as tarifas cobradas pelo serviço público
A letra A está errada, o princípio da continuidade sig- devem ser baixas e módicas. A letra B está errada,
nifica que o serviço público não pode parar, salvo em não existe princípio da pessoalidade, pois os servi-
algumas hipóteses legalmente previstas. A letra B está ços públicos devem atender ao número máximo de
errada, o princípio da modicidade tem relação com usuários possível, sem a possibilidade de discrimi-
as tarifas a ser cobrada aos usuários. O preço dessas nação entre os usuários. A letra D está errada, pois
tarifas deve ser módicos. As letras C e E estão erradas a isonomia não tem relação com as tarifas cobra-
quanto ao nome, apesar de totalidade e universalidade das aos usuários. A letra E está errada na sua parte
final, pois é vedada a suspensão do serviço público
serem sinônimos, no caso dos serviços públicos, o nome
sem o devido aviso prévio. Resposta: Letra C.
correto do princípio é generalidade. Resposta: Letra D.
8. (VUNESP – 2020) A delegação, a título precário,
6. (FGV – 2019) O serviço público está submetido ao
mediante licitação, da prestação de serviços públicos,
regime de direito público, com aplicação de regras feita pelo poder concedente à pessoa física ou jurídica
específicas trazidas pela Lei nº 8.987/95. Assim, o que demonstre capacidade para seu desempenho, por
serviço público deve ser prestado: sua conta e risco.
1) com a modernidade das técnicas, do equipamento e É correto afirmar que o texto do enunciado trata da NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
das instalações e sua conservação; e
2) mediante tarifas mais baixas possíveis cobradas dos a) concessão de serviço público.
usuários, a fim de manter a prestação do serviço à b) licitação de serviço público.
maior parte possível da coletividade. c) autorização de serviço público.
As duas características acima descritas traduzem, d) regulamentação de serviço público.
respectivamente, os princípios do serviço público da: e) permissão de serviço público.

a) modicidade e continuidade; No enunciado da questão há algumas palavras-cha-


b) atualidade e modicidade; ve para identificar a forma de delegação do servi-
c) economicidade e continuidade; ço público que a questão pede. Essas palavras são:
d) universalidade e eficiência; “título precário”, “mediante licitação”, “pessoa físi-
e) generalidade e competitividade. ca” e “por sua conta e risco”. Se é a título precário,
significa que pode ser revogada a qualquer tem-
A questão é bastante simples, analisando cada uma po. Se a concessão é realizada mediante licitação,
das frases podemos destacar algumas palavras-cha- significa que o ente que recebeu a delegação o fez
ve para identificar os princípios. No caso da frase mediante contrato administrativo (e não ato). Além
1, as palavras “modernidade de técnicas” e “equi- disso, tal ente desempenha as funções do serviço
pamentos”, claramente trata-se do princípio da público por sua 93
CONTROLE JUDICIAL
CONTROLE E RESPONSABILIZAÇÃO DA
Esse é o controle exercido pelo Poder Judiciário sobre
ADMINISTRAÇÃO os atos praticados pelos demais poderes e de seus pró-
prios atos quando do exercício da função administrativa.
A Administração Pública estará sujeita a vários meca- Importante lembrar que no Brasil aplica-se o prin-
nismos que irão verificar a regularidade da sua atuação. cípio da inafastabilidade de jurisdição, segundo o qual
Por vezes, mecanismos internos, assim como externos, nenhuma lesão ou ameaça de lesão a direito poderá
sujeitam-se a controles exercidos por outros Poderes. ser afastada a apreciação do Poder Judiciário.
Essa possibilidade de um Poder limitar o outro Nesse contexto, importante lembrar que, em
você poderá encontrar referida como sistema de freios âmbito administrativo, teremos a ocorrência do con-
e contrapesos ou checks and balances. Nada mais é do tencioso administrativo nesses termos. Tribunais
administrativos especializados apreciarão a matéria
que a limitação mútua de um Poder para com outro,
de sua competência, o que não afasta a competência
de forma que o poder que emana do povo seja exerci- do Poder Judiciário de apreciar novamente a matéria.
do de forma equilibrada pelos representantes eleitos. No entanto, como já vimos anteriormente, essa
análise, em regra, não poderá adentrar ao mérito
CONTROLE ADMINISTRATIVO administrativo dos atos analisados, devendo se ater
aos aspectos vinculados.
O controle administrativo é o controle exercido Ainda, segundo o princípio da inércia que norteia
pela própria Administração Pública sobre seus atos. a atuação do Poder Judiciário, deverá ser sempre pro-
Uma importantíssima característica do controle inter- vocado por um dos interessados na sua manifestação.
no é a amplitude, pois recairá tanto sobre os aspectos
de legalidade como sobre os aspectos de mérito. Dica
Vejamos o artigo 70 da CF/88, que faz menção direta à O Poder Judiciário só poderá se manifestar sobre a
existência do sistema de controle interno de cada Poder. execução de políticas públicas diante de situações
extremas, quando o mínimo aceitável não tenha
Art. 70 A fiscalização contábil, financeira, orça- sido feito. Deverá, na análise, levar em conta o prin-
mentária, operacional e patrimonial da União e
cípio da reserva do possível, para que seja definido
das entidades da administração direta e indireta,
o mínimo aceitável na situação apresentada.
quanto à legalidade, legitimidade, economicidade,
aplicação das subvenções e renúncia de receitas,
Veremos agora algumas ações por meio das quais
será exercida pelo Congresso Nacional, mediante poderá ser provocado o Poder Judiciário para mani-
controle externo, e pelo sistema de controle inter- festação. As situações e que ensejam seus usos são
no de cada Poder. diferentes. Vejamos os pontos mais importantes.

Tal informação deve ser desde já trabalhada em Mandado de segurança


comparação ao controle externo exercido sobre outros
poderes sobre a Administração Pública. Nesses casos, O mandado de segurança tem seus pormenores
além de eles acontecerem nas hipóteses constitucio- constantes da Lei nº 12.016/09. Segundo a própria
nalmente previstas, em regra, deverão recair apenas Constituição Federal servirá para proteger direito
sobre os aspectos de legalidade do ato praticado. líquido e certo, não amparado por habeas corpus ou
A CF/88 fala mais uma vez sobre o controle interno habeas data. Outra condicionante é a ilegalidade ser
no seu artigo 74. praticada por autoridade pública ou agente de pessoa
jurídica no exercício de atribuições do Poder Público
Art. 74 Os Poderes Legislativo, Executivo e Judiciá- (como concessionárias de serviço público).
rio manterão, de forma integrada, sistema de con- O conceito de autoridade aqui deverá ser inter-
pretado em sentido amplo, incluindo tanto servidores
trole interno com a finalidade de:
públicos, como agentes particulares de delegatários
I - avaliar o cumprimento das metas previstas no de serviços públicos.
plano plurianual, a execução dos programas de O mandado de segurança poderá ser tanto repres-
governo e dos orçamentos da União; sivo, preventivo. Ou seja, pode ser anterior a uma
II - comprovar a legalidade e avaliar os resultados, lesão ao direito.
quanto à eficácia e eficiência, da gestão orçamentá-
ria, financeira e patrimonial nos órgãos e entidades Temos situações em que não será cabível o manda-
da administração federal, bem como da aplicação de do de segurança. Vejamos.
recursos públicos por entidades de direito privado;
III - exercer o controle das operações de crédito, avais z Contra ato do qual seja cabível recurso administrativo
com efeito suspensivo, sem necessidade de caução;
e garantias, bem como dos direitos e haveres da União;
z Contra decisão judicial transitada em julgado;
IV - apoiar o controle externo no exercício de sua z Contra lei em tese;
missão institucional. z Para assegurar liberdade de locomoção (aqui será
cabível o habeas corpus).
Temos também a possibilidade de reexame da
matéria por meio da interposição de recursos pelos Mandado de injunção
eventuais interessados. Em regra, esses recursos serão
analisados dentro da estrutura do próprio Poder, sen- Será cabível como remédio jurídico para garantir
do então classificados como recursos próprios. Quan- ao cidadão exercício de direito que dependa de norma
do a análise do recurso se der em outro Poder, será ainda não existente. Vejamos a literalidade do texto
94 classificado como recurso impróprio. constitucional para um melhor entendimento.
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção II - autorizar o Presidente da República a declarar
de qualquer natureza, garantindo-se aos brasilei- guerra, a celebrar a paz, a permitir que forças
ros e aos estrangeiros residentes no País a inviola- estrangeiras transitem pelo território nacional
bilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, ou nele permaneçam temporariamente, ressalva-
à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: dos os casos previstos em lei complementar;
LXXI - conceder-se-á mandado de injunção sem- III - autorizar o Presidente e o Vice-Presidente
pre que a falta de norma regulamentadora torne da República a se ausentarem do País, quando a
inviável o exercício dos direitos e liberdades consti- ausência exceder a quinze dias;
tucionais e das prerrogativas inerentes à nacionali- IV - aprovar o estado de defesa e a intervenção
dade, à soberania e à cidadania; federal, autorizar o estado de sítio, ou suspen-
der qualquer uma dessas medidas;
V - sustar os atos normativos do Poder Executi-
O mandado de injunção é regulamentado pela Lei
vo que exorbitem do poder regulamentar ou dos
nº 13.300/2016. Vejamos seu artigo 2º.
limites de delegação legislativa;
VI - mudar temporariamente sua sede;
Art. 2º Conceder-se-á mandado de injunção sem- VII - fixar idêntico subsídio para os Deputados
pre que a falta total ou parcial de norma regula- Federais e os Senadores;
mentadora torne inviável o exercício dos direitos e VIII - fixar os subsídios do Presidente e do Vice-Pre-
liberdades constitucionais e das prerrogativas ine- sidente da República e dos Ministros de Estado;
rentes à nacionalidade, à soberania e à cidadania. IX - julgar anualmente as contas prestadas
pelo Presidente da República e apreciar os rela-
Habeas data tórios sobre a execução dos planos de governo;
X - fiscalizar e controlar, diretamente, ou por qual-
Este remédio constitucional tem como finalidade quer de suas Casas, os atos do Poder Executivo,
garantir o direito à informação. Ele consta expressa- incluídos os da administração indireta;
mente do artigo 5º da Constituição Federal. Vejamos a XI - zelar pela preservação de sua competência
legislativa em face da atribuição normativa dos
literalidade do dispositivo.
outros Poderes;
XII - apreciar os atos de concessão e renovação de
Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção concessão de emissoras de rádio e televisão;
de qualquer natureza, garantindo-se aos brasilei- XIII - escolher dois terços dos membros do Tribunal
ros e aos estrangeiros residentes no País a inviola- de Contas da União;
bilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, XIV - aprovar iniciativas do Poder Executivo refe-
à segurança e à propriedade, nos termos seguintes: rentes a atividades nucleares;
LXXII - conceder-se-á habeas data: XV - autorizar referendo e convocar plebiscito;
a) para assegurar o conhecimento de informações XVI - autorizar, em terras indígenas, a exploração e
relativas à pessoa do impetrante, constantes de o aproveitamento de recursos hídricos e a pesquisa
registros ou bancos de dados de entidades governa- e lavra de riquezas minerais;
mentais ou de caráter público; XVII - aprovar, previamente, a alienação ou conces-
b) para a retificação de dados, quando não se prefira são de terras públicas com área superior a dois mil
fazê-lo por processo sigiloso, judicial ou administrativo; e quinhentos hectares.

O habeas data será cabível para obtenção de infor- Vejamos agora as atribuições que competem pri-
mações pessoais. vativamente ao Senado Federal, art. 52 da CF/88.

CONTROLE LEGISLATIVO I - processar e julgar o Presidente e o Vice-Pre-


sidente da República nos crimes de responsa-
O controle legislativo é o controle realizado pelo bilidade, bem como os Ministros de Estado e
Poder Legislativo sobre os demais poderes. O contro- os Comandantes da Marinha, do Exército e da
Aeronáutica nos crimes da mesma natureza cone-
le poderá ser político ou financeiro, de acordo com a
xos com aqueles;
hipótese constitucionalmente prevista.
II - processar e julgar os Ministros do Supremo
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
Em regra, o aspecto financeiro será aquele fiscali- Tribunal Federal, os membros do Conselho Nacio-
zado com o auxílio do TCU (ou Tribunal de Contas de nal de Justiça e do Conselho Nacional do Ministério
outra esfera, se for o caso), conforme previsto no arti- Público, o Procurador-Geral da República e o Advo-
go 70 da Constituição Federal (leia novamente, agora gado-Geral da União nos crimes de responsabilida-
nesse contexto). de; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº
Temos aqui uma importante exceção no funcio- 45, de 2004)
namento do controle legislativo. Veja que os termos III - aprovar previamente, por voto secreto,
“legitimidade, economicidade” constantes do disposi- após arguição pública, a escolha de:
tivo que você acabou de ler permitirão uma análise a) Magistrados, nos casos estabelecidos nesta
que poderá, conforme o caso, adentrar em aspectos Constituição;
b) Ministros do Tribunal de Contas da União indi-
do mérito administrativo. Portanto, fique atento com
cados pelo Presidente da República;
termos extremos nos enunciados das questões quan- c) Governador de Território;
do estiverem abordando a presente temática. d) Presidente e diretores do banco central;
Vejamos as competências exclusivas do Congressos e) Procurador-Geral da República;
Nacional trazidas pelo artigo 49, da Constituição Federal. f) titulares de outros cargos que a lei determinar;
IV - aprovar previamente, por voto secreto, após
I - resolver definitivamente sobre tratados, acor- arguição em sessão secreta, a escolha dos chefes de
dos ou atos internacionais que acarretem encargos missão diplomática de caráter permanente;
ou compromissos gravosos ao patrimônio nacional; 95
V - autorizar operações externas de natureza finan- As CPIs podem realizar diligências, convocar e tomar
ceira, de interesse da União, dos Estados, do Distri- depoimentos, requisitar informações e documentos de
to Federal, dos Territórios e dos Municípios; órgãos, requisitar auditorias e inspeções do TCU.
VI - fixar, por proposta do Presidente da República, Segundo jurisprudência do STF, é vedado às CPIs
limites globais para o montante da dívida consoli- fazer buscas e apreensões domiciliares, determinar
dada da União, dos Estados, do Distrito Federal e interceptações telefônicas, dar ordem de prisão (exce-
dos Municípios;
to em flagrante).
VII - dispor sobre limites globais e condições para
as operações de crédito externo e interno da União,
dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, Tribunais de Contas
de suas autarquias e demais entidades controladas
pelo Poder Público federal; Como dito anteriormente, o Tribunal de Contas irá
VIII - dispor sobre limites e condições para a con- auxiliar o Poder Legislativo no exercício de suas atribui-
cessão de garantia da União em operações de crédi- ções constitucionais. Importante frisar que não estão a
to externo e interno; ele subordinados, nem fazem parte de sua estrutura.
IX - estabelecer limites globais e condições para o Ainda, em que pese o nome “tribunal”, suas
montante da dívida mobiliária dos Estados, do Dis- decisões não fazem coisa julgada como as do Poder
trito Federal e dos Municípios; Judiciário. Em consequência, aquele que se julgar
X - suspender a execução, no todo ou em parte, prejudicado poderá recorrer ao Poder Judiciário para
de lei declarada inconstitucional por decisão apreciação da matéria.
definitiva do Supremo Tribunal Federal; Conforme artigo 71, da CF/88, o controle externo, a
XI - aprovar, por maioria absoluta e por voto secre-
cargo do Congresso Nacional, será exercido com o auxí-
to, a exoneração, de ofício, do Procurador-Geral da
lio do Tribunal de Contas da União, ao qual compete:
República antes do término de seu mandato;
XII - elaborar seu regimento interno;
XIII - dispor sobre sua organização, funcionamen- I - apreciar as contas prestadas anualmente
to, polícia, criação, transformação ou extinção dos pelo Presidente da República, mediante parecer
cargos, empregos e funções de seus serviços, e a ini- prévio que deverá ser elaborado em sessenta dias
ciativa de lei para fixação da respectiva remunera- a contar de seu recebimento;
ção, observados os parâmetros estabelecidos na lei II - julgar as contas dos administradores e
de diretrizes orçamentárias; demais responsáveis por dinheiros, bens e valo-
XIV - eleger membros do Conselho da República, res públicos da administração direta e indireta,
nos termos do art. 89, VII. incluídas as fundações e sociedades instituídas e man-
XV - avaliar periodicamente a funcionalidade do tidas pelo Poder Público federal, e as contas daqueles
Sistema Tributário Nacional, em sua estrutura e que derem causa a perda, extravio ou outra irregula-
seus componentes, e o desempenho das administra- ridade de que resulte prejuízo ao erário público;
ções tributárias da União, dos Estados e do Distrito III - apreciar, para fins de registro, a legalidade
Federal e dos Municípios. dos atos de admissão de pessoal, a qualquer
título, na administração direta e indireta, incluí-
Finalmente, vejamos as atribuições que competem das as fundações instituídas e mantidas pelo Poder
Público, excetuadas as nomeações para cargo de
privativamente à Câmara dos Deputados.
provimento em comissão, bem como a das conces-
sões de aposentadorias, reformas e pensões, ressal-
I - autorizar, por dois terços de seus membros, a ins-
vadas as melhorias posteriores que não alterem o
tauração de processo contra o Presidente e o Vice-
fundamento legal do ato concessório;
-Presidente da República e os Ministros de Estado;
IV - realizar, por iniciativa própria, da Câmara
II - proceder à tomada de contas do Presiden-
dos Deputados, do Senado Federal, de Comissão
te da República, quando não apresentadas ao
técnica ou de inquérito, inspeções e auditorias de
Congresso Nacional dentro de sessenta dias
natureza contábil, financeira, orçamentária, opera-
após a abertura da sessão legislativa;
cional e patrimonial, nas unidades administrativas
III - elaborar seu regimento interno;
dos Poderes Legislativo, Executivo e Judiciário, e
IV - dispor sobre sua organização, funcionamento,
polícia, criação, transformação ou extinção dos demais entidades referidas no inciso II;
cargos, empregos e funções de seus serviços, e a ini- V - fiscalizar as contas nacionais das empresas
ciativa de lei para fixação da respectiva remunera- supranacionais de cujo capital social a União par-
ção, observados os parâmetros estabelecidos na lei ticipe, de forma direta ou indireta, nos termos do
de diretrizes orçamentárias; tratado constitutivo;
V - eleger membros do Conselho da República, nos VI - fiscalizar a aplicação de quaisquer recursos
termos do art. 89, VII. repassados pela União mediante convênio, acordo,
ajuste ou outros instrumentos congêneres, a Esta-
do, ao Distrito Federal ou a Município;
Importa saber que quando a Constituição Federal
VII - prestar as informações solicitadas pelo
se refere ao “Congresso Nacional”, devemos entender
Congresso Nacional, por qualquer de suas Casas,
Senado e Câmara reunidos em sessão conjunta para
ou por qualquer das respectivas Comissões, sobre
deliberação. a fiscalização contábil, financeira, orçamentária,
operacional e patrimonial e sobre resultados de
Comissão Parlamentar de Inquérito auditorias e inspeções realizadas;
VIII - aplicar aos responsáveis, em caso de ilega-
São comissões que podem ser criadas pela Câmara ou lidade de despesa ou irregularidade de contas, as
pelo Senado, em conjunto ou separadamente, mediante sanções previstas em lei, que estabelecerá, entre
1/3 dos seus membros, com poderes de investigação, outras cominações, multa proporcional ao dano
96 para apuração de fato determinado e por prazo certo. causado ao erário;
IX - assinar prazo para que o órgão ou entidade Teoria da Responsabilidade Subjetiva
adote as providências necessárias ao exato cumpri-
mento da lei, se verificada ilegalidade; Para facilitar o entendimento, é importante que se
X - sustar, se não atendido, a execução do ato reflita sobre a sua noção “normal” de culpa. Aquela em
impugnado, comunicando a decisão à Câmara dos que será apurada a sua culpa, por exemplo, em um pre-
Deputados e ao Senado Federal; juízo causado ao vizinho. Isso é o que o Direito chama
XI - representar ao Poder competente sobre irregu- de responsabilidade subjetiva. É aquela em que a con-
laridades ou abusos apurados. duta do sujeito é analisada para que se conclua sobre a
sua responsabilidade ou não. É a culpa trazida no Códi-
go Civil para situações gerais, digamos assim.
Reforçando, temos aqui a teoria responsabilidade
Importante! subjetiva, que também pode ser chamada de culpa
civil comum. Nela será importantíssimo o elemento
Cuidado com o termo! As contas do Presidente subjetivo da conduta do agente público.
da República são apreciadas pelo TCU, enquan- Diante disso, para que se configure a culpa do Esta-
to as dos demais administradores de dinheiro e do, deveremos estar diante dos seguintes requisitos.
bens públicos são julgadas.
z Dano: material, estético ou moral;
z Conduta oficial: agir de pessoa enquadrada como
agente público;
z Nexo causal: relação de causa e consequência
RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO entre a conduta e o dano ocorrido;
z Dolo ou culpa: presença o elemento subjetivo.
RESPONSABILIDADE CIVIL DO ESTADO NO DIREITO
Teoria da Culpa Administrativa
BRASILEIRO
Essa teoria também pode ser referenciada como
Neste ponto estudaremos a responsabilização do
culpa do serviço, teoria do acidente administrativo,
Estado e seus agentes quando da sua atuação. Inicial- ou culpa anônima do serviço público.
mente devemos raciocinar que a responsabilidade Segundo ela, para que se configure a responsabili-
poderá ser contratual ou aquiliana. Contratual será dade do Estado, basta que se comprove o mau funcio-
aquela que surge no bojo de uma relação contratual, namento do serviço público prestado.
o que pode acontecer em inúmeros contextos diferen- Veja que a evolução aqui recai sobre a desneces-
tes. Já a aquiliana será a responsabilidade extracon- sidade de apuração do aspecto subjetivo da conduta
tratual, aquela a que o Estado está sujeito quando da do agente, bastando verificar o proceder da própria
sua atuação no dia a dia, sem qualquer necessidade de Administração Pública.
existência de contrato para que ela se efetive.
Estudaremos a responsabilidade extracontratual
Teoria do Risco Administrativo
do Estado, conhecendo um pouco de sua evolução
até o ponto em que se encontra hoje no ordenamento
jurídico brasileiro. Perceba que a evolução das teorias Segundo a teoria do risco administrativo, a Admi-
entrega uma tentativa de proteger o indivíduo cada nistração Pública deverá ser responsabilizada sempre
vez mais da atuação do Estado. que sua conduta comissiva ou omissiva ensejar pre-
Antes de adentrarmos aos detalhes, importante juízos aos administrados. Tal responsabilização se
que você tenha em mente que o conceito de agente dará independentemente de dolo ou culpa.
público aqui será o mais amplo possível, engloban- Ou seja, aqui temos o primeiro momento em que
do tanto os servidores públicos, como particulares surge uma responsabilidade civil ao Estado de natu-
que estejam atuando em nome da Administração reza objetiva, pois não será analisado o aspecto subje-
Pública, ainda que por meio de concessionários ou tivo da conduta que causou o dano.
delegatários. Por outro lado, temos o surgimento, neste momen-
to, de causas atenuantes ou até mesmo excludentes
Teoria da Irresponsabilidade
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
da responsabilidade. Diante do caso concreto, o juiz
analisa a própria conduta do prejudicado, assim como
Adentrando à evolução da teoria, temos inicial- de outros envolvidos eventualmente, atenuando ou
mente a teoria da irresponsabilidade. Ela tem suas excluindo a culpa do Estado no caso, de acordo com as
origens no absolutismo, em que os reis não teriam, em condutas dos envolvidos.
tese, a capacidade de errar (“king can do no wrong”).
Como os monarcas se confundiam com o próprio Esta-
Teoria do Risco Integral
do, não haveria possiblidade de culpa.

Teoria dos atos de império x atos de gestão Entendida a teoria anterior, fica fácil entender
esta. Aqui os ditames são os mesmos, com exceção da
Nesse momento já temos uma primeira diferencia- existência de excludentes e atenuantes da responsa-
ção que permitirá a responsabilização do Estado por bilidade do Estado. Em outros termos, para que reste
parte dos seus atos. Os atos de império continuam não comprovada a responsabilidade do Estado se impõem
sendo passíveis de responsabilização. São aqueles em os seguintes fatores:
que o Estado atua em posição de superioridade em
relação ao administrado. z Dano: material, estético ou moral;
Já no caso dos atos de gestão, o Estado estaria z Conduta oficial: agir de pessoa enquadrada como
atuando em igualdade de condições com o adminis- agente público;
trado, sendo possível a responsabilização aqui.
97
z Nexo causal: relação de causa e consequência A excludente irá se mostrar de maneira ainda mais
entre a conduta e o dano ocorrido. fácil: ocorrerá quando o cidadão prejudicado, ou um
terceiro, tiver culpa exclusiva no evento danoso, de
RESPONSABILIDADE POR ATO COMISSIVO E forma que a Administração Pública não causou qual-
OMISSIVO DO ESTADO quer dano. Exemplo: cidadão avança o sinal e colide
com viatura oficial que estava respeitando todas as
Responsabilidade por ato comissivo do Estado regras de trânsito aplicáveis.

Depois de conhecer a evolução dos modelos de res- Dica


ponsabilidade do Estado, vamos conhecer como o tema
se encontra hoje no país. Temos a predominância da Veja esse entendimento do STF no caso de aci-
teoria do risco administrativo, ou seja, em regra, a res- dente em transporte de passageiros.
ponsabilidade civil do Estado Brasileiro será apurada Súmula 187, STF. A responsabilidade contratual
de forma objetiva, sendo possível a aplicação de causas do transportador, pelo acidente com o passagei-
atenuantes e excludentes diante do caso concreto. ro, não é elidida por culpa de terceiro, contra o
Como vimos anteriormente, os danos podem ser qual tem ação regressiva.
material, moral ou estético, havendo, segundo juris-
prudência do STJ a possibilidade de cumulação. Outra situação que ensejará a exclusão da culpa
A principal norma sobre o tema se encontra no da Administração Pública será a ocorrência de fatos
texto constitucional. Vejamos. imprevisíveis e extraordinários, que são o caso for-
tuito e a força maior. Em termos simples, devemos
Art. 37 (...) entendê-los da seguinte maneira:
§ 6º As pessoas jurídicas de direito público e
as de direito privado prestadoras de serviços z Força maior: eventos da natureza causam prejuí-
públicos responderão pelos danos que seus agen- zo sem qualquer participação humana. Exemplo:
tes, nessa qualidade, causarem a terceiros, assegu- furacão.
rado o direito de regresso contra o responsável z Caso fortuito: situação extraordinária causada
nos casos de dolo ou culpa.
por conduta humana. Exemplo: guerra.
Como dito anteriormente, as pessoas de direito
Responsabilidade por omissão do Estado
privado responderão quando estiverem atuando em
nome da Administração Pública, conforme vimos no
A discussão da responsabilidade civil do Estado
dispositivo acima.
no caso de atos omissivos é um pouco mais complexa,
Importante ressaltar que em consonância com a
dependendo do tema específico e do direcionamen-
jurisprudência pátria, não haverá distinção no caso de
to jurisprudencial. Por isso conheceremos o tema de
o terceiro prejudicado ser usuário ou não da prestadora
maneira geral, adentrando aos casos específicos mais
de serviço eventualmente envolvida em um incidente.
importantes e cobrados em provas.
Ao fim do dispositivo temos a possibilidade da ação
Como regra geral, aqui será aplicada a teoria da
regressiva. Essa ação regressiva não influencia de for-
culpa administrativa. Então teremos o seguinte, com-
ma alguma na reponsabilidade do Estado perante o
pilando com o que vimos no item anterior.
prejudicado. Será apenas um instrumento do Estado
para se ressarcir dos prejuízos causados pelos seus
z Responsabilidade por atos comissivos: respon-
agentes.
sabilidade objetiva / teoria do risco administrativo;
De acordo com a jurisprudência do STF, não é pos-
z Responsabilidade por atos omissivos: responsa-
sível ao prejudicado propor a ação contra o Estado e
bilidade subjetiva / teoria da culpa administrativa.
agente público simultaneamente. A responsabilida-
de deve recair sobre o Estado, que irá, se for o caso,
Portanto, já sabemos neste momento que para a
cobrar o agente público com meio de ação regressiva.
comprovação da culpa do Estado por ato omissivo
Importante diferenciar que aqui, nesse momento, a
será necessária a comprovação do elemento subjetivo:
responsabilidade será subjetiva (culpa civil comum).
dolo ou culpa. No caso do Brasil, é necessário apenas a
Devemos lembrar dos requisitos necessários à
comprovação da falta no serviço prestado. Diante dis-
caracterização da responsabilidade civil do Estado.
so, vamos abordar três exemplos para que possamos
melhor entender esse ponto específico do estudo.
z Dano: material, estético ou moral;
z Conduta oficial: agir de pessoa enquadrada como
z Atos omissivos: em regra ensejam a responsabili-
agente público;
dade subjetiva do Estado;
z Nexo causal: relação de causa e consequência
z Fenômenos da natureza: responde a Administra-
entre a conduta e o dano ocorrido.
ção Pública no caso de não ter cuidado devidamen-
te do sistema de esgoto, ou por outras omissões que
Temos também as excludentes e atenuantes, já
venham a agravar as consequências do fenômeno
abordadas anteriormente, mas que carecem de um
em questão;
detalhamento ainda.
z Atos de multidão: surge a culpa da Administração
A causa atenuante se dará quando existir culpa
Pública quando a atuação diante da multidão seja
concorrente da Administração Pública com o prejudi-
ineficiente, dando causa a dano maior do que ocor-
cado. Ou seja, o agente público de fato causou dano,
reria se a atuação da Administração Pública fosse
no entanto, o particular também teve parcela de cul-
apropriada.
pa. Exemplo: viatura oficial avança sinal e colide com
98 cidadão que também avança sinal de trânsito.
REQUISITOS E CAUSAS EXCLUDENTES E pois as galerias pluviais de seu bairro não eram
ATENUANTES DA RESPONSABILIDADE DO ESTADO suficientes para escoar toda a água, caracterizan-
do-se em falta no serviço público. Segundo voto do
Dentro do âmbito da teoria objetiva da responsa- relator, porém, não havia qualquer prova que defina
bilidade estatal, existem duas vertentes distintas. A a ocorrência de qualquer falta de serviço que pos-
primeira, denominada risco integral, dispõe que o sa ser atribuída ao Município e que tenha sido cau-
Estado possui o dever de indenizar todo e qualquer sa concorrente para o evento.
dano causado pela prática de seus atos, não admitindo
nenhuma excludente. Trata-se de uma variação radi- Todo aquele que se sentir prejudicado por con-
cal, em que a Administração se transforma em um duta comissiva ou omissiva de agente público pode
indenizador universal. Não é adotado em nenhum pleitear, pela via administrativa ou judicial, a devi-
país, sendo adotado no Brasil somente como exce- da reparação pelos danos causados. Na via adminis-
ção em alguns casos específicos, como nos acidentes trativa, basta que o prejudicado formule o pedido
de trabalho, na indenização coberta pelo seguro obri- a autoridade competente, que instaurará processo
gatório para automóveis (DPVAT) etc. administrativo para apurar a responsabilidade e o
A segunda vertente, denominada teoria do ris- pagamento de indenização.
co administrativo, é a adotada como regra geral no Porém, é preferível que a vítima utilize a via judi-
direito brasileiro. Tal teoria reconhece algumas exclu- cial, hipótese mais comum haja vista o direito de peti-
dentes da responsabilidade do Estado. Excludentes ção, que se caracteriza no dever do Poder Judiciário
são circunstâncias que, como o próprio nome diz, de atender todas as demandas feitas pelos cidadãos.
afastam o dever de indenizar durante a sua ocorrên- O direito à indenização da vítima se instrumentaliza
cia. São, ao todo, três modalidades: pela ação indenizatória. A ação indenizatória, dessa
forma, é aquela proposta pela vítima contra a pessoa
z Culpa exclusiva da vítima: são hipóteses em que o jurídica que o agente público causador do dano per-
prejuízo é consequência da intenção deliberada da tence. Conforme dispõe o art. 206, § 3º, V, do Código
própria vítima. O prejudicado, ao utilizar o referido Civil, o prazo prescricional para a propositura de ação
serviço público, acaba sofrendo danos por uma ação indenizatória é de três anos, contados da ocorrência
tomada por ela mesma, não havendo qualquer rela- do evento danoso.
ção com as condutas do Poder Público. É o caso, por Lembrando também que sempre há a possibilida-
exemplo, de pessoa que se joga na frente de viatura de de direito de regresso, por parte do ente público,
policial para ser atropelada. Não se confunde com a contra o agente que, de fato, praticou a conduta dano-
culpa concorrente, que se traduz no dano causado sa. Óbvio, quando a culpa recair totalmente sobre um
pela conduta recíproca do Estado e da própria víti- agente ou um pequeno grupo de agentes públicos, o
ma. Neste caso, há uma análise pericial para deter- Estado não pode ser o único a arcar com os prejuí-
minar os diferentes graus de culpa de cada agente, zos da reparação, ele possui direito de regresso. Ain-
ensejando reparação. da que os agentes não indenizem a vítima, sobre eles
z Força maior: é o evento imprevisível e involuntá- podem recair a ação regressiva com essa finalidade
rio que rompe o nexo de casualidade entre o ato específica. Significa dizer que os agentes públicos só
da Administração e o prejuízo sofrido pela vítima. podem responder de forma subjetiva, devendo inde-
Geralmente são causados pela força da natureza. nizar o Poder Público pela prática de seus atos.
É o caso, por exemplo, do desabamento de terras
que arruínam as casas de um bairro, devido às for- RESPONSABILIDADE DO ESTADO SEGUNDO
tes chuvas. Não se confunde com o caso fortuito, REITERADAS DECISÕES DO SUPREMO TRIBUNAL
em que o dano decorre de ato humano, ou da pró- FEDERAL (STF)
pria Administração, como o desabamento de uma
estrada. O caso fortuito enseja o dever de respon-
É bem comum que algumas questões exijam do
sabilidade somente se tal evento for causado pelo
candidato conhecimentos sobre a jurisprudência de
agente público.
determinada matéria. De fato, a teoria da responsa-
z Culpa de terceiro: é a hipótese em que o prejuí-
bilidade extracontratual do Estado abrange diversas
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
zo é atribuído a pessoa estranha aos quadros da
casuísticas que podem gerar algumas dúvidas, sobre
Administração Pública. Dessa forma, não há como
as quais a doutrina faz pouca menção.
o Estado ser imputado responsável por atos pra-
Observe as seguintes ementas relacionadas com a
ticados por pessoas que não fazem parte de sua
referida matéria, todas extraídas do STF:
composição.
EMENTA: RECURSO EXTRAORDINÁRIO. REPER-
Dica CUSSÃO GERAL. RESPONSABILIDADE CIVIL DO
Curioso é o caso dos danos causados pelas ESTADO POR MORTE DE DETENTO. ARTIGOS 5º,
XLIX, E 37, § 6º, DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. 1. A
enchentes, sobretudo em cidades onde o escoa-
responsabilidade civil estatal, segundo a Constituição
mento das águas é precário, como ocorre em algu-
Federal de 1988, em seu artigo 37, § 6º, subsume-se à
mas regiões da cidade de São Paulo. Como regra
teoria do risco administrativo, tanto para as condutas
geral, o Estado não se responsabiliza por prejuízos estatais comissivas quanto paras as omissivas, posto
causados pelas enchentes. A 3º Câmara de Direi- rejeitada a teoria do risco integral. 2. A omissão do
to Público do TJ/SP negou provimento à AC nº Estado reclama nexo de causalidade em relação ao
0170440220058260602 interposta por três pro- dano sofrido pela vítima nos casos em que o Poder
prietários de imóveis afetados pelas fortes chuvas Público ostenta o dever legal e a efetiva possibilidade
do início do ano de 2012, que pleiteavam pedido de de agir para impedir o resultado danoso. 3. É dever
indenização pelos danos causados pelas chuvas, do Estado e direito subjetivo do preso que a execução 99
da pena se dê de forma humanizada, garantindo-se os de Justiça do Estado de São Paulo concluiu, pautado na
direitos fundamentais do detento, e o de ter preserva- doutrina da teoria do risco administrativo e com base na
da a sua incolumidade física e moral (artigo 5º, inciso legislação local, que não poderia ser atribuída ao Muni-
XLIX, da Constituição Federal). 4. O dever constitucio- cípio de São Paulo a responsabilidade civil pela explosão
nal de proteção ao detento somente se considera vio- ocorrida em loja de fogos de artifício. Entendeu-se que
lado quando possível a atuação estatal no sentido de não houve omissão estatal na fiscalização da atividade,
garantir os seus direitos fundamentais, pressuposto uma vez que os proprietários do comércio desenvol-
inafastável para a configuração da responsabilidade viam a atividade de forma clandestina, pois ausente a
civil objetiva estatal, na forma do artigo 37, § 6º, da autorização estatal para comercialização de fogos de
Constituição Federal. 5. Ad impossibilia nemo tenetur, artifício. 4. Fixada a seguinte tese de Repercussão Geral:
por isso que nos casos em que não é possível ao Esta- “Para que fique caracterizada a responsabilidade civil
do agir para evitar a morte do detento (que ocorreria do Estado por danos decorrentes do comércio de fogos
mesmo que o preso estivesse em liberdade), rompe-se de artifício, é necessário que exista a violação de um
o nexo de causalidade, afastando-se a responsabili- dever jurídico específico de agir, que ocorrerá quando
dade do Poder Público, sob pena de adotar-se contra for concedida a licença para funcionamento sem as cau-
legem e a opinio doctorum a teoria do risco integral, ao telas legais ou quando for de conhecimento do poder
arrepio do texto constitucional. 6. A morte do detento público eventuais irregularidades praticadas pelo parti-
pode ocorrer por várias causas, como, v. g., homicí- cular”. 5. Recurso extraordinário desprovido.
dio, suicídio, acidente ou morte natural, sendo que
nem sempre será possível ao Estado evitá-la, por mais (RE 136861, Relator(a): EDSON FACHIN, Relator(a) p/ Acórdão:
que adote as precauções exigíveis. 7. A responsabili- ALEXANDRE DE MORAES, Tribunal Pleno, julgado em 11/03/2020,
dade civil estatal resta conjurada nas hipóteses em ACÓRDÃO ELETRÔNICO REPERCUSSÃO GERAL - MÉRITO DJe-201
que o Poder Público comprova causa impeditiva da DIVULG 12-08-2020 PUBLIC 13-08-2020)
sua atuação protetiva do detento, rompendo o nexo
de causalidade da sua omissão com o resultado dano- Fogos de artifício são produtos altamente perigosos
so. 8. Repercussão geral constitucional que assenta a e que podem causar danos a diversas vítimas, seja ela
tese de que: em caso de inobservância do seu dever o adquirente do produto, ou ainda terceiros. Observe
específico de proteção previsto no artigo 5º, XLIX, da que, no caso mencionado, a vítima adquiriu fogos de
Constituição Federal, o Estado é responsável pela mor- artifícios de forma clandestina dos proprietários do
te do detento. 9. In casu, o tribunal a quo assentou que comércio. Não houve, assim, a aquisição de licença
inocorreu a comprovação do suicídio do detento, nem para a venda desses produtos. Sendo assim, firmou-
outra causa capaz de romper o nexo de causalidade -se entendimento de que só caberá responsabilida-
da sua omissão com o óbito ocorrido, restando escor- de civil do Estado quando restar comprovado que
reita a decisão impositiva de responsabilidade civil houve a violação de um dever jurídico específico
estatal. 10. Recurso extraordinário DESPROVIDO. de agir, como no caso de concessão de licença para
pessoa incapaz ou sem os cuidados específicos. Assim,
(RE 841526, Relator(a): LUIZ FUX, Tribunal Pleno, julgado em é hipótese de responsabilidade subjetiva.
30/03/2016, ACÓRDÃO ELETRÔNICO REPERCUSSÃO GERAL -
MÉRITO DJe-159 DIVULGAÇÃO 29-07-2016 PUBLICAÇÃO 01-08-
CONSTITUCIONAL. RESPONSABILIDADE DO ESTA-
2016)
DO. ART. 37, § 6º, DA CONSTITUIÇÃO. PESSOAS JURÍDI-
CAS DE DIREITO PRIVADO PRESTADORAS DE SERVIÇO
Um tema que costuma cair bastante em questões PÚBLICO. CONCESSIONÁRIO OU PERMISSIONÁRIO
de prova diz respeito à morte do preso. Segundo enten- DO SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO. RESPON-
dimento do STF, o Estado tem o dever de garantir que SABILIDADE OBJETIVA EM RELAÇÃO A TERCEIROS
a pessoa do detento cumpra sua pena com dignidade, NÃO-USUÁRIOS DO SERVIÇO. RECURSO DESPROVIDO.
respeitados os seus direitos humanos fundamentais.
Assim, quando um detento morre dentro da prisão, I- A responsabilidade civil das pessoas jurídicas de
demonstra-se uma omissão do Estado de atuar em direito privado prestadoras de serviço público é
garantir seus direitos. Até mesmo em casos de suicí- objetiva relativamente a terceiros usuários e não-u-
dio é possível a responsabilização civil do Estado. suários do serviço, segundo decorre do art. 37, § 6º,
da Constituição Federal.
Ementa: RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM REPER- II- A inequívoca presença do nexo de causalidade
CUSSÃO GERAL RECONHECIDA. DIREITO CONSTITU- entre o ato administrativo e o dano causado ao
CIONAL E ADMINISTRATIVO. RESPONSABILIDADE terceiro não-usuário do serviço público, é condição
CIVIL DO ESTADO POR OMISSÃO. ART. 37, § 6º, DA CONS- suficiente para estabelecer a responsabilidade obje-
TITUIÇÃO FEDERAL. FISCALIZAÇÃO DO COMÉRCIO tiva da pessoa jurídica de direito privado.
DE FOGOS DE ARTIFÍCIO. TEORIA DO RISCO ADMINIS- III- Recurso extraordinário desprovido.
TRATIVO. RESPONSABILIDADE OBJETIVA. NECESSIDA-
DE DE VIOLAÇÃO DO DEVER JURÍDICO ESPECÍFICO DE (RE 591874, Relator(a): RICARDO LEWANDOWSKI, Tribunal Pleno,
julgado em 26/08/2009, REPERCUSSÃO GERAL - MÉRITO DJe-237
AGIR. 1. A Constituição Federal, no art. 37, § 6º, consagra
DIVULG 17-12-2009 PUBLIC 18-12-2009 EMENT VOL-02387-10 PP-
a responsabilidade civil objetiva das pessoas jurídicas de 01820 RTJ VOL-00222-01 PP-00500)
direito público e das pessoas de direito privado presta-
doras de serviços públicos. Aplicação da teoria do risco
Outro caso que é bastante comum e costuma cair
administrativo. Precedentes da CORTE. 2. Para a caracte-
em questões de prova diz respeito ao serviço públi-
rização da responsabilidade civil estatal, há a necessida-
co de transporte coletivo. Indaga-se como recairia a
de da observância de requisitos mínimos para aplicação
responsabilidade do Estado quando, por exemplo, um
da responsabilidade objetiva, quais sejam: a) existência
motorista de ônibus atropela um civil andando na
de um dano; b) ação ou omissão administrativa; c) ocor-
rua, que é considerado um terceiro não-usuário do
rência de nexo causal entre o dano e a ação ou omis-
serviço. Segundo o entendimento do STF, as pessoas
são administrativa; e d) ausência de causa excludente
jurídicas concessionários do serviço de transporte
da responsabilidade estatal. 3. Na hipótese, o Tribunal
100 possuem responsabilidade civil objetiva quando
o dano for causado contra terceiros, sejam eles Segundo o art. 2º da Lei n° 8.429/92 reputa-se agen-
usuários do serviço ou não. A presença do nexo de te público, para os efeitos desta lei, todo aquele que
casualidade é bastante evidente. exerce, ainda que transitoriamente ou sem remune-
ração, por eleição, nomeação, designação, contratação
ou qualquer outra forma de investidura ou vínculo,
mandato, cargo, emprego ou função nas entidades
LEI Nº 8.429/1992 mencionadas no artigo anterior.
O disposto nesta lei é aplicável, no que couber,
A lei de improbidade administrativa dispõe sobre àquele que, mesmo não sendo agente público, indu-
as sanções aplicáveis aos agentes públicos nos casos za ou concorra para a prática do ato de improbida-
de enriquecimento ilícito no exercício de mandato, de ou dele se beneficie sob qualquer forma direta
cargo, emprego ou função na administração pública ou indireta. Estamos falando do particular! Esta-
direta, indireta ou fundacional e dá outras providên- mos falando da pessoa que não sendo funcionária
cias. Sendo assim, o grande foco desta atividade legis- pública induza ou concorra para a improbidade.
lativa é seguir os valores empregados de forma ilícita. Desta forma, os agentes públicos de qualquer nível
O administrador emprega esforços no controle das ou hierarquia são obrigados a velar pela estrita obser-
verbas e no seu uso. É uma lei que visa, objetivamen- vância dos princípios de legalidade, impessoalidade,
te, “moralizar” o serviço público. moralidade e publicidade no trato dos assuntos que
O estudo de leis esparsas precisa passar pela leitu- lhe são afetos.
ra do texto da lei, desta forma, vamos conciliar a lei- O Art. 6º define que no caso de enriquecimento
tura da lei com os esquemas para melhorar o seu ilícito perderá o agente público ou terceiro beneficiá-
entendimento sobre o conteúdo da lei 8429/92. rio os bens ou valores acrescidos ao seu patrimônio,
No Art.1º os atos de improbidade praticados por nesse caso, haverá no mínimo uma “devolução” dos
qualquer agente público, servidor ou não, contra valores ilicitamente acrescidos.
a administração direta, indireta ou fundacional de Quando o ato de improbidade causa lesão ao
qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Dis- patrimônio público ou enseja enriquecimento ilícito,
trito Federal, dos Municípios, de Território, de empre- cabe a autoridade administrativa responsável pelo
sa incorporada ao patrimônio público ou de entidade inquérito representar ao Ministério Público, para a
para cuja criação ou custeio o erário haja concorri- indisponibilidade dos bens do indiciado. Essa indis-
do ou concorra com mais de cinquenta por cento do ponibilidade a que se refere o caput deste artigo
patrimônio ou da receita anual, serão punidos na for- recairá sobre bens que assegurem o integral res-
ma desta lei. sarcimento do dano, ou sobre o acréscimo patri-
Se liga na informação importante que a lei apresenta: monial resultante do enriquecimento ilícito.
O art. 8° aponta para os casos de sucessão em que o
valor ilícito torna-se parte de uma herança.
Agente público, servidor ou não.
“o sucessor daquele que causar lesão ao patrimô-
nio público ou se enriquecer ilicitamente está sujei-
to às cominações desta lei até o limite do valor da
herança”.
Adm Direta, Ind. Erário concorrido
e Fund Veja, a responsabilidade fica limitada ao valor da
com + de 50%
herança, tudo isso para que se respeite a intranscen-
De qualquer dos dência (a pena não pode passar da pessoa do infrator).
poderes da União, Os atos de improbidade administrativa se separam
dos estados do DF e em:
dos Municípios
z Atos que importam enriquecimento ilícito
z Atos que importam prejuízo ao erário
No parágrafo único desde artigo, está disposto, z Atos de Improbidade Administrativa decorrentes NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
também, que: estão sujeitos às penalidades desta lei de concessão ou aplicação indevida de benefício
os atos de improbidade praticados contra o patrimô- financeiro ou tributário
nio de entidade que receba subvenção, benefício ou z Atos que atentam contra os princípios da adminis-
incentivo, fiscal ou creditício, de órgão público bem tração pública
como daquelas para cuja criação ou custeio o erário
haja concorrido ou concorra com menos de cinquenta
por cento do patrimônio ou da receita anual, limitan- TOP
do-se, nestes casos, a sanção patrimonial à reper-
cussão do ilícito sobre a contribuição dos cofres
públicos. 4
Dica
Também estão sujeitos às penalidades desta
lei os atos de improbidade praticados contra o 1. ENRIQUECIMENTO ILÍCITO
patrimônio – quando a subvenção for menor que 2. PREJUÍZO AO ERÁRIO
50% - nestes casos, a sanção patrimonial limita- 3. CONCESSÃO OU APLICAÇÃO INDEVIDA
-se à repercussão do ilícito. 4. PRINCÍPIOS DA ADM. PÚB. 101
É necessário separar cada uma das espécies de Rol exemplificativo – sempre que tivermos situa-
atos para que o conteúdo tome uma dimensão mais ções que não puderem ser limitadas e citadas integral-
simples. Vejam só: mente, criaremos um rol exemplificativo de situações.
Enriquecimento ilícito é acréscimo de patrimônio Essa técnica de redação traz assertividade para a lei,
e só pode ocorrer de forma dolosa. evitando que o legislador diga menos do que pretendia.
Prejuízo ao erário é decorrência de um ato que Ou seja, sempre que encontrar um rol exemplificativo
diminuiu o patrimônio público, por exemplo, a des- em alguma redação use-o como vetor de interpretação.
truição de um equipamento público. Nestes casos, o
dano deve ser integralmente ressarcido, mesmo que As condutas previstas na lei (rol exemplificativo
o ato seja culposo. presente no art. 9°, incisos I ao XII) são as seguintes:
Concessão ou aplicação indevida de benefício tri-
butário ou creditício é um freio para os governantes
z receber, para si ou para outrem, dinheiro, bem
que desejam conquistar novas empresas para suas
móvel ou imóvel, ou qualquer outra vantagem
administrações.
Atos de improbidade que atentam contra os princí- econômica, direta ou indireta, a título de comissão,
pios da administração pública são a modalidade mais percentagem, gratificação ou presente de quem
branda de atos de improbidade. Um bom exemplo tenha interesse, direto ou indireto, que possa ser
seria: atingido ou amparado por ação ou omissão decor-
rente das atribuições do agente público;
Dos Atos de Improbidade Administrativa que z perceber vantagem econômica, direta ou indireta,
Importam Enriquecimento Ilícito para facilitar a aquisição, permuta ou locação de
bem móvel ou imóvel, ou a contratação de serviços
Constituem ato de improbidade administrativa pelas entidades referidas no art. 1° por preço supe-
importando enriquecimento ilícito obter qualquer rior ao valor de mercado;
tipo de vantagem patrimonial indevida em razão do z perceber vantagem econômica, direta ou indireta,
exercício de cargo, mandato, função, emprego ou ati- para facilitar a alienação, permuta ou locação de
vidade nas entidades mencionadas no art. 1° da lei de bem público ou o fornecimento de serviço por ente
improbidade. Quais sejam: estatal por preço inferior ao valor de mercado;
z utilizar, em obra ou serviço particular, veículos,
Art. 1º Os atos de improbidade praticados por máquinas, equipamentos ou material de qualquer
qualquer agente público, servidor ou não, contra natureza, de propriedade ou à disposição de qual-
a administração direta, indireta ou fundacional de
quer das entidades mencionadas no art. 1° desta lei,
qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do
bem como o trabalho de servidores públicos, empre-
Distrito Federal, dos Municípios, de Território, de
empresa incorporada ao patrimônio público ou de gados ou terceiros contratados por essas entidades;
entidade para cuja criação ou custeio o erário haja z receber vantagem econômica de qualquer natureza,
concorrido ou concorra com mais de cinquenta direta ou indireta, para tolerar a exploração ou a prá-
por cento do patrimônio ou da receita anual, serão tica de jogos de azar, de lenocínio, de narcotráfico, de
punidos na forma desta lei. contrabando, de usura ou de qualquer outra ativida-
de ilícita, ou aceitar promessa de tal vantagem;
Dica z receber vantagem econômica de qualquer nature-
za, direta ou indireta, para fazer declaração falsa
Pessoal, quando a lei fala sobre enriquecimento sobre medição ou avaliação em obras públicas ou
ilícito, a referência que deve fazer parte do racio- qualquer outro serviço, ou sobre quantidade, peso,
cínio do aluno é a seguinte: enriquecer importa, medida, qualidade ou característica de mercado-
sempre, em aumento de patrimônio e, dessa rias ou bens fornecidos a qualquer das entidades
forma, deve acontecer de forma dolosa, ou seja, mencionadas no art. 1º desta lei;
precisa de vontade e consciência do enriqueci- z adquirir, para si ou para outrem, no exercício de
mento ilícito. mandato, cargo, emprego ou função pública, bens
de qualquer natureza cujo valor seja despropor-
Nesse ponto parece muito importante esclarecer cional à evolução do patrimônio ou à renda do
o significado de alguns termos que serão importantes agente público;
no decorrer do estudo. Para compreendermos melhor z aceitar emprego, comissão ou exercer atividade de
a lei de improbidade é necessário saber com alguma consultoria ou assessoramento para pessoa física
profundidade alguns pontos: ou jurídica que tenha interesse suscetível de ser
Dolo – o dolo é a ação realizada com vontade e atingido ou amparado por ação ou omissão decor-
consciência, voltada a um fim. rente das atribuições do agente público, durante a
Culpa – sem maiores aprofundamentos, quando
atividade;
realizamos alguma conduta de forma culposa não
z perceber vantagem econômica para intermediar a
temos a presença da vontade e da consciência, ou seja,
os atos de enriquecimento ilícito, não poderão ser liberação ou aplicação de verba pública de qual-
culposos. Entendeu? Esse é um detalhe absolutamente quer natureza;
relevante e pode rapidamente decidir uma questão. E z receber vantagem econômica de qualquer natu-
uma questão pode decidir uma prova inteira. reza, direta ou indiretamente, para omitir ato
Trânsito em julgado – As decisões transitam em de ofício, providência ou declaração a que esteja
julgado e ocorrido esse evento são definitivas e não obrigado;
se sujeitam a novas mudanças ou recursos. O trânsi- z incorporar, por qualquer forma, ao seu patrimô-
to em julgado poderá ocorrer após o esgotamento de nio bens, rendas, verbas ou valores integrantes do
todas as instâncias judiciais ou quando publicada a acervo patrimonial das entidades mencionadas no
102 decisão as partes não impuserem recurso. art. 1° desta lei;
z usar, em proveito próprio, bens, rendas, verbas z Doar à pessoa física ou jurídica bem como ao ente
ou valores integrantes do acervo patrimonial das despersonalizado, ainda que de fins educativos
entidades mencionadas no art. 1° desta lei. ou assistências, bens, rendas, verbas ou valores do
patrimônio de qualquer das entidades mencionadas
Dos Atos de Improbidade Administrativa que Causam no art. 1º desta lei, sem observância das formalida-
Prejuízo ao Erário - (art. 10 da lei 8429/92) des legais e regulamentares aplicáveis à espécie;
z Permitir ou facilitar a alienação, permuta ou loca-
Os atos de improbidade que causam prejuízo ção de bem integrante do patrimônio de qualquer
ao erário são longamente listados no Art.10 da lei das entidades referidas no art. 1º desta lei, ou ain-
8429/92 - constituindo ato de improbidade adminis- da a prestação de serviço por parte delas, por pre-
trativa que causa lesão ao erário qualquer ação ou ço inferior ao de mercado;
omissão (cuidado com as omissões – “não fazer”), z Permitir ou facilitar a aquisição, permuta ou loca-
ção de bem ou serviço por preço superior ao de
dolosa ou culposa (lembre-se que as condutas cul-
mercado;
posas são divididas em imperícia, imprudência e
z Realizar operação financeira sem observância das
negligência), que enseje perda patrimonial, desvio,
normas legais e regulamentares ou aceitar garan-
apropriação, malbaratamento ou dilapidação dos
tia insuficiente ou inidônea;
bens ou haveres das entidades referidas no art. 1º z Conceder benefício administrativo ou fiscal sem
desta lei. Fique atento aos termos que a lei apresenta: a observância das formalidades legais ou regula-
mentares aplicáveis à espécie;
z perda patrimonial z Frustrar a licitude de processo licitatório ou de
z desvio processo seletivo para celebração de parcerias
z apropriação com entidades sem fins lucrativos, ou dispensá-los
z malbaratamento indevidamente
z dilapidação dos bens ou haveres z Ordenar ou permitir a realização de despesas não
autorizadas em lei ou regulamento;
Quando tratamos de atos que causam prejuízo ao z Agir negligentemente na arrecadação de tributo
erário temos que ficar bastante atentos, pois, neste ou renda, bem como no que diz respeito à conser-
caso a lei se apresenta com outra formatação. A pri- vação do patrimônio público;
meira situação que deve ser anotada é que diferente- z Liberar verba pública sem a estrita observância
mente dos atos que geram enriquecimento ilícito, aqui das normas pertinentes ou influir de qualquer for-
podemos responder por uma ação praticada de forma ma para a sua aplicação irregular;
culposa. Ou seja, em alguma das modalidades de cul- z Permitir, facilitar ou concorrer para que terceiro
pa incorremos e criamos um prejuízo para o erário. se enriqueça ilicitamente;
Por exemplo, quando um policial bate uma viatura ele z Permitir que se utilize, em obra ou serviço particu-
age de forma culposa, ocorre um acidente de trânsito, lar, veículos, máquinas, equipamentos ou material
porém esse acidente trouxe prejuízo ao erário e deve- de qualquer natureza, de propriedade ou à dispo-
rá ser indenizado. Dessa forma, fica claro que um ato sição de qualquer das entidades mencionadas no
que gera prejuízo ao erário poderá ocorrer também art. 1° desta lei, bem como o trabalho de servidor
de forma culposa. público, empregados ou terceiros contratados por
essas entidades.
z Celebrar contrato ou outro instrumento que tenha
Dica por objeto a prestação de serviços públicos por
Os atos culposos poderão ocorrer de três for- meio da gestão associada sem observar as formali-
mas, imprudência, imperícia e negligência. Não dades previstas na lei; celebrar contrato de rateio
de consórcio público sem suficiente e prévia dota-
é necessário, para a prova de improbidade admi-
ção orçamentária, ou sem observar as formalida-
nistrativa, aprofundar os conceitos de imprudên- des previstas na lei.
cia, imperícia e negligência. z Facilitar ou concorrer, por qualquer forma, para
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
a incorporação, ao patrimônio particular de pes-
Novamente a lei nos apresenta uma listagem de soa física ou jurídica, de bens, rendas, verbas ou
atos (art. 10, incisos I ao XXI) que, se praticados, valores públicos transferidos pela administração
serão considerados como atos de improbidade capa- pública a entidades privadas mediante celebração
zes de causar prejuízo ao erário. O termo erário, ou de parcerias, sem a observância das formalidades
erário público é o conjunto do patrimônio do Estado, legais ou regulamentares aplicáveis à espécie
sejam valores, sejam bens. z Permitir ou concorrer para que pessoa física ou
jurídica privada utilize bens, rendas, verbas ou
z Facilitar ou concorrer por qualquer forma para a valores públicos transferidos pela administração
incorporação ao patrimônio particular, de pessoa pública a entidade privada mediante celebração
física ou jurídica, de bens, rendas, verbas ou valo- de parcerias, sem a observância das formalidades
res integrantes do acervo patrimonial das entida- legais ou regulamentares aplicáveis à espécie;
des mencionadas no art. 1º desta lei; z Celebrar parcerias da administração pública com
z Permitir ou concorrer para que pessoa física ou entidades privadas sem a observância das formali-
jurídica privada utilize bens, rendas, verbas ou dades legais ou regulamentares aplicáveis à espécie
valores integrantes do acervo patrimonial das z Agir negligentemente na celebração, fiscalização e
entidades mencionadas no art. 1º desta lei, sem análise das prestações de contas de parcerias fir-
a observância das formalidades legais ou regula- madas pela administração pública com entidades
mentares aplicáveis à espécie; privadas; 103
z Liberar recursos de parcerias firmadas pela adminis- E notadamente às seguintes condutas (art. 11, inci-
tração pública com entidades privadas sem a estrita sos I ao X):
observância das normas pertinentes ou influir de
qualquer forma para a sua aplicação irregular. I - Praticar ato visando fim proibido em lei ou regu-
lamento ou diverso daquele previsto, na regra de
A leitura do texto da lei é inevitável e a verdade é competência;
que tendo conhecimento da “letra da lei” o candidato II - Retardar ou deixar de praticar, indevidamente,
já estaria apto a responder diversas questões. Sendo ato de ofício;
assim, deve existir um equilíbrio entre doutrina e III - Revelar fato ou circunstância de que tem ciên-
cia em razão das atribuições e que deva permane-
posições de tribunais ou questões e o estudo da lei.
cer em segredo;
Lembre-se que a prova cobrará em muito maior grau
IV - Negar publicidade aos atos oficiais;
o conhecimento da lei. V - Frustrar a licitude de concurso público;
VI - Deixar de prestar contas quando esteja obriga-
Dos Atos de Improbidade Administrativa Decorrentes do a fazê-lo;
de Concessão ou Aplicação Indevida de Benefício VII - Revelar ou permitir que chegue ao conheci-
Financeiro ou Tributário - (art. 10-A da lei 8.429/92) mento de terceiro, antes da respectiva divulgação
oficial, teor de medida política ou econômica capaz
Finalmente alcançamos o art. 10-A. O Art. 10-A é de afetar o preço de mercadoria, bem ou serviço.
o mais novo dos artigos da lei e acaba sendo menos VIII - Descumprir as normas relativas à celebração,
cobrado nas provas, porém devemos lembrar que fiscalização e aprovação de contas de parcerias fir-
uma das formas de cobrança desse ponto é a conces- madas pela administração pública com entidades
são de vantagens tributárias para a implementação de privadas.
empresas, sejam o seguinte exemplo: IX - Deixar de cumprir a exigência de requisitos de
acessibilidade previstos na legislação.
Dois municípios desejam atrair um polo de tecno-
X - Transferir recurso a entidade privada, em razão
logia, para isso começam uma guerra fiscal e acabam
da prestação de serviços na área de saúde sem a
oferecendo vantagens indevidas para as empresas prévia celebração de contrato, convênio ou instru-
que comporiam esse conglomerado. mento congênere, nos termos do parágrafo único
Muito bem, dito isso, passamos a tratar dos atos de do art. 24 da lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990.
improbidade administrativa decorrentes de conces-
são ou aplicação indevida de benefício financeiro
Dica
ou tributário;
Pessoal, atualmente o STJ tem aceitado a impo-
Benefício financeiro – desembolsos efetivos. sição de cautelares de indisponibilidade de bens
Exemplo – subvenções sociais (uma ajuda para a não só para os atos de enriquecimento ilícito ou
manutenção de instituições públicas ou privadas, de prejuízo ao erário, mas também para os atos
normalmente ligadas à arte, cultura ou assistência que atentem contra os princípios da administra-
– sem fins lucrativos). ção pública.
Benefício tributário – são vantagens tributárias.
Por exemplo, diminuição das alíquotas de ISSQN. Das Penas (art. 12 da lei 8.429/92)

Os atos de improbidade administrativa consistem Apresenta uma grande quantidade de condutas


em qualquer ação ou omissão para conceder, aplicar separadas nos 4 tópicos que destacamos anteriormen-
ou manter benefício financeiro ou tributário contrá- te e é necessário tratar, finalmente, das sanções. A lei
rio ao que dispõem o caput e o parágrafo 1º do art. 8429/94, independentemente das sanções penais, civis
8º-A da Lei Complementar nº 116, de 31 de julho de e administrativas previstas na legislação específica,
2003. responsabilizará o autor do ato de improbidade às
seguintes cominações, que podem ser aplicadas isola-
Dos Atos de Improbidade Administrativa que da ou cumulativamente, tudo de acordo com a gravi-
Atentam Contra os Princípios da Administração dade do fato:
Pública (art. 11 da lei 8.429/92)
1 - Na hipótese do art. 9º, perda dos bens ou valores
A administração pública precisa defender seus acrescidos ilicitamente ao patrimônio, ressarci-
princípios e valores, por isso, a necessidade de, através mento integral do dano, quando houver, perda da
dos servidores, normatizar condutas que devem ser função pública, suspensão dos direitos políticos de
evitadas. Nesse sentido, constituem atos de improbi- oito a dez anos, pagamento de multa civil de até
dade administrativa que atentam contra os princípios três vezes o valor do acréscimo patrimonial e proi-
da administração pública qualquer ação ou omissão bição de contratar com o Poder Público ou receber
que viole os deveres de honestidade, imparciali- benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, dire-
dade, legalidade, e lealdade às instituições. Fique ta ou indiretamente, ainda que por intermédio de
atento ao comando geral dos atos de improbidade pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo
que atentam contra os princípios da Administração prazo de dez anos;
Pública: 2 - Na hipótese do art. 10, ressarcimento integral do
dano, perda dos bens ou valores acrescidos ilici-
z Honestidade; tamente ao patrimônio, se concorrer esta circuns-
z Imparcialidade; tância, perda da função pública, suspensão dos
z Legalidade; direitos políticos de cinco a oito anos, pagamento
104 z Lealdade às instituições. de multa civil de até duas vezes o valor do dano
e proibição de contratar com o Poder Público ou a prestar falsa. O declarante, a seu critério, poderá
receber benefícios ou incentivos fiscais ou cre- entregar cópia da declaração anual de bens apresen-
ditícios, direta ou indiretamente, ainda que por tada à Delegacia da Receita Federal na conformidade
intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio da legislação do Imposto sobre a Renda e proventos de
majoritário, pelo prazo de cinco anos; qualquer natureza, com as necessárias atualizações,
3 - Na hipótese do art. 11, ressarcimento integral do como forma de manter suas declarações atualizadas.
dano, se houver, perda da função pública, sus-
pensão dos direitos políticos de três a cinco anos, Do Procedimento Administrativo e do Processo
pagamento de multa civil de até cem vezes o valor Judicial - (arts. 14 a 22 da lei 8.429/92)
da remuneração percebida pelo agente e proibi-
ção de contratar com o Poder Público ou receber Fique atento, qualquer pessoa tem o poder de repre-
benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, dire- sentar à autoridade administrativa competente para
ta ou indiretamente, ainda que por intermédio de que seja instaurada investigação destinada a apurar a
pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prática de ato de improbidade. Essa representação, que
prazo de três anos. será escrita ou reduzida a termo e assinada, conterá os
4 - Na hipótese prevista no art. 10-A, perda da fun- dados de qualificação do representante, as informações
sobre o fato e sua autoria e a apontará as provas de que
ção pública, suspensão dos direitos políticos de 5
tenha conhecimento. A autoridade administrativa pode-
(cinco) a 8 (oito) anos e multa civil de até 3 (três)
rá rejeitar a representação, em despacho fundamen-
vezes o valor do benefício financeiro ou tributário
tado, se a representação não apresentar os requisitos
concedido.
mínimos elencados pela lei.
Vamos resumir estas informações com o seguinte Art. 14, § 1º - A representação, que será escrita ou
quadro: reduzida a termo e assinada, conterá a qualifica-
ção do representante, as informações sobre o fato e
SUSPENSÃO sua autoria e a indicação das provas de que tenha
PROIBIÇÃO DE
MODALIDADES DOS DIREITOS MULTA conhecimento.
CONTRATAR
POLÍTICOS
Todavia, a rejeição não impede a representação ao
Até 3x o Ministério Público!
Enriquecimento
8 a 10 anos valor do 10 anos
ilícito
dano Realizada a representação e atendidos os seus
requisitos, a autoridade determinará a imediata
Prejuízo ao
Até 2x o apuração dos fatos. No caso de servidores federais
5 a 8 anos valor do 5 anos será processada na forma da lei 8.112/90 e tratando-
erário
dano
-se de servidor militar, de acordo com os respectivos
Atentar contra Até 100x a regulamentos disciplinares. Estabelecida a comissão
os princípios da 3a5 remunera- 3 anos processante, está dará conhecimento ao Ministério
Adm. Púb. ção Público e ao Tribunal ou Conselho de Contas da exis-
tência de procedimento administrativo para apurar a
Concessão Até 3x o
de benefício 5a8 valor do prática de ato de improbidade. O Ministério Público
indevido dano ou Tribunal ou Conselho de Contas poderão, a reque-
rimento, designar representante para que acompa-
nhe o procedimento administrativo.
Declaração de Bens (art. 13 da lei 8.429/92)
Havendo indícios de responsabilidade fundados,
a comissão representará ao MP ou à procuradoria do
Atenção, sempre a posse e o exercício de agen- órgão para que requeira ao juízo competente a decre-
te público ficam condicionados à apresentação de tação do sequestro dos bens do agente ou de terceiro
declaração dos bens e valores que compõem o seu que tenha enriquecido ilicitamente ou causado dano
patrimônio privado, a fim de ser arquivada no serviço ao patrimônio público.
de pessoal competente.  Isso servirá para analisar a
evolução patrimonial do agente público. Essa decla-
Pedido de
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
ração compreenderá imóveis, móveis, semoventes Indícios Representação
fundados de sequestro
(animais como bovinos ou equinos), dinheiro, títu- MP ou
responsabilidade dos bens - tudo
Procuradoria
los, ações, e qualquer outra espécie de bens e valores de forma cautelar.
patrimoniais, localizado no País ou no exterior, e,
quando for o caso, abrangerá os bens e valores patri-
moniais do cônjuge ou companheiro, dos filhos e de
em 30 dias deve
outras pessoas que vivam sob a dependência econô-
ser proposta a
mica do declarante, excluídos apenas os objetos e ação.
utensílios de uso doméstico.
Muitas instituições, sobretudo federais, aceitam que
seja utilizada cópia do imposto de renda do servidor. Dica
Dessa maneira se alcança o acompanhamento do desen-
volvimento patrimonial do servidor de forma simples. O Ministério Público, se não intervir no processo
A declaração de bens será anualmente atualizada como parte, atuará obrigatoriamente, como fis-
(e analisada) e na data em que o agente público dei- cal da lei, sob pena de nulidade.
xar o exercício do mandato, cargo, emprego ou fun-
ção. Será punido com a pena de demissão, a bem do É possível, quando necessário, que o pedido
serviço público, sem prejuízo de outras sanções cabí- inclua a investigação, o exame e o bloqueio de bens,
veis, o agente público que se recusar a prestar decla- contas bancárias e aplicações financeiras do indi-
ração dos bens, dentro do prazo determinado, ou que ciado no exterior, nos termos da lei e dos tratados 105
internacionais. A ação principal, que terá o rito ordi- No que se refere as disposições penais, constitui
nário, será proposta pelo Ministério Público ou pela crime a representação por ato de improbidade con-
pessoa jurídica interessada, dentro de trinta dias da tra agente público ou terceiro beneficiário, quando
efetivação da medida cautelar. Tais ações admitem a o autor da denúncia o sabe inocente. Nesse ponto,
celebração de acordo de não persecução cível, nos a pena imposta é de detenção de seis a dez meses e
termos da Lei de Improbidade Administrativa.     multa. Além da sanção penal, o denunciante está
Fiquem atentos ao uso das medidas cautelares! sujeito a indenizar o denunciado pelos danos mate-
Elas são adotadas para evitar um prejuízo irrecupe- riais, morais ou à imagem que houver provocado.
rável ou de difícil recuperação, por isso, sempre será Outro ponto das disposições penais que deve ser
necessário que estejam presentes para sua decretação reforçado é o seguinte:
dois elementos:
Dica
1. Fumus Boni Iuris – fumaça do bom direito
– Comprovado. A perda da função pública e a suspensão dos
2. Periculum In Mora – risco da demora – Presumido. direitos políticos só se efetivarão com o com a
decisão final irrecorrível – trânsito em julgado –
A Fazenda Pública, em determinados casos promo- da sentença condenatória.
verá as ações necessárias à complementação do res- Não esqueçam que jamais os direitos políti-
sarcimento ao erário. A propositura da ação enseja a
cos serão perdidos, podendo, somente, ser
prevenção da jurisdição do juízo para as ações pos-
suspensos.
teriormente promovidas, desde que, possuam a mes-
ma causa de pedir ou o mesmo objeto. 
A ação deve ser instruída com documentos ou Como medida cautelar a autoridade judicial ou
justificações que contenham indícios suficientes administrativa poderá determinar o afastamento
da existência do ato de improbidade ou com razões do agente público do exercício do cargo, emprego
fundamentadas da impossibilidade de apresentação ou função. Esse afastamento se dará sem prejuízo da
de qualquer dessas provas, observada a legislação remuneração e somente ocorrerá quando a medida
vigente. se fizer necessária à instrução processual. (Art. 20,
parág. único da lei 8429/92).
As medidas cautelares são adotadas para evitar
PROPOSITURA DA AÇÃO

um prejuízo irrecuperável ou de difícil recuperação,


PROPOSITURA DA AÇÃO

por isso, sempre será necessário que estejam presen-


Documento ou Ou, com razões tes para sua decretação dois elementos:
justificação que fundamentadas da
contenham indícios impossibilidade de 1. Fumus Boni Iuris – indícios de ocorrência
suficientes da exis- apresentação de – Comprovado.
tência do ato de qualquer dessas 2. Periculum In Mora – risco da demora – Presumido.
improbidade. provas
A aplicação das sanções previstas nesta lei independe:

1 - da efetiva ocorrência de dano ao patrimônio públi-


Caso a inicial esteja em devida forma, o juiz man- co, salvo quanto à pena de ressarcimento;
dará autuá-la e ordenará a notificação do requerido, 2 - da aprovação ou rejeição das contas pelo órgão de
para, por rescrito, oferecer manifestação. A manifes- controle interno ou pelo Tribunal ou Conselho de
tação poderá ser instruída com documentos e justifi-
Contas.
cações, tudo no prazo de 15 dias.
Após o recebimento da manifestação, o juiz, em 30
Para apurar qualquer ilícito previsto na lei de
dias, em decisão fundamentada, rejeitará a ação, se
improbidade administrativa, o MP, de ofício, ou a
convencido da inexistência do ato de improbidade,
requerimento de autoridade administrativa, ou ain-
da improcedência da ação ou da inadequação da
da, mediante representação poderá requisitar a
via eleita.
instauração de inquérito policial ou procedimento
Recebida a petição inicial, o réu será citado para
apresentar a contestação. Ainda da decisão que rece- administrativo.
ber a petição inicial, cabe agravo de instrumento. Com a mudança ocorrida no Código de processo
Sempre que havendo a possibilidade de solução con- Penal a partir da nova redação do art. 339 do CP (Cri-
sensual, poderão as partes pedir ao juiz a interrupção me de Denunciação Caluniosa), a ação por improbida-
do prazo para a contestação. Essa interrupção será de administrativa ficou mais abrangente:
por prazo não superior a 90 dias. Todavia, em qual- Antes: as condutas falsamente imputadas podiam
quer fase do processo, reconhecida a inadequação da gerar denunciação caluniosa, desde que, tivessem
ação de improbidade, o juiz extinguirá o processo sem como base um crime ou contravenção.
julgamento do mérito. Agora: a ação de improbidade administrativa ficou
Atente ao seguinte: a sentença que julga proce- mais abrangente. Podemos ter denunciação caluniosa
dente a ação civil de reparação do dano ou decreta dialogando com crime, contravenção, ação de impro-
a perda dos bens havidos ilicitamente determinará o bidade, ação civil ou ato improbo.
pagamento ou a reversão dos bens, conforme o caso, Atenção! Essas mudanças apontam para uma
em favor da pessoa jurídica prejudicada pelo ilícito. revogação tácita do art. 19 da lei de improbidade
106 (Art. 18 da lei 8429/92). administrativa.
Art. 19 Constitui crime a representação por ato de b) As disposições da lei em questão não são aplicáveis
improbidade contra agente público ou terceiro bene- àquele que não for agente público.
ficiário, quando o autor da denúncia o sabe inocente. c) Quando o ato de improbidade causar lesão ao patri-
Pena: detenção de seis a dez meses e multa. mônio público, caberá à autoridade administrativa res-
Parágrafo único. Além da sanção penal, o denun- ponsável pelo inquérito representar à Polícia Federal,
ciante está sujeito a indenizar o denunciado pelos para a indisponibilidade dos bens do indiciado.
danos materiais, morais ou à imagem que houver d) Atos de improbidade administrativa são aqueles prati-
provocado. cados exclusivamente por servidores públicos.
e) A autoridade judicial ou administrativa competente
Da Prescrição - (art. 23 da lei 8.429/92) poderá determinar o afastamento do agente público
do exercício do cargo, emprego ou função, sem prejuí-
As ações destinadas a levar a efeitos as sanções zo da remuneração, quando a medida se fizer neces-
previstas nesta lei podem ser propostas: sária à instrução processual.

z Até cinco anos após o término do exercício de Da leitura do art. 20 concluímos que a perda da fun-
mandato, de cargo em comissão ou de função de ção pública e a suspensão dos direitos políticos só
confiança; se efetivam com o trânsito em julgado da sentença
condenatória.
z Dentro do prazo prescricional previsto em lei
Parágrafo único. A autoridade judicial ou adminis-
específica para faltas disciplinares puníveis com
trativa competente poderá determinar o afastamen-
demissão a bem do serviço público, nos casos de to do agente público do exercício do cargo, emprego
exercício de cargo efetivo ou emprego. ou função, sem prejuízo da remuneração, quando a
z Até cinco anos da data da apresentação à adminis- medida se fizer necessária à instrução processual.
tração pública da prestação de contas final pelas Resposta: Letra E.
entidades referidas no parágrafo único do art. 1o
desta Lei. 3. (OBJETIVA – 2020) Considerando-se a Lei nº
8.429/1992 - Lei de Improbidade Administrativa, sobre
Fonte a declaração dos bens e valores que compõem o patri-
mônio privado do agente público, analisar os itens
Lei nº 8.429, de 02 de junho de 1992. Disponível abaixo:
em: <http://www.planalto.gov.br/> Acesso em: 10
de nov. 2020. I. A declaração de bens será anualmente atualizada e
na data em que o agente público deixar o exercício do
mandato, cargo, emprego ou função.
II. Será punido com a pena de demissão, a bem do ser-
viço público, sem prejuízo de outras sanções cabíveis,
EXERCÍCIOS COMENTADOS o agente público que se recusar a prestar declaração
dos bens, dentro do prazo determinado, ou que a pres-
1. (INSTITUTO CONSULPLAN – 2020) Nos termos da Lei tar falsa.
de Improbidade Administrativa, é correto afirmar que:
a) Os itens I e II estão corretos.
a) O ato de improbidade administrativa de enriquecimen- b) Somente o item I está correto.
to ilícito prevê pena de perda dos direitos políticos. c) Somente o item II está correto
b) A ação de improbidade movida contra o servidor públi- d) Os itens I e II estão incorretos.
co que causou prejuízo ao erário prescreve em três
anos. Cuida-se de assertiva que reproduz a literalidade do
art. 13, §2º, da Lei 8.429/92, abaixo transcrito:
c) O particular que tenha se beneficiado de ato de impro-
“Art. 13 (...)
bidade poderá sofrer as sanções previstas na Lei nº
§ 2º A declaração de bens será anualmente atualiza-
8.429/92. da e na data em que o agente público deixar o exer-
d) A ausência de dano ao erário impede a aplicação cício do mandato, cargo, emprego ou função.»
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
de penalidades pela prática de ato de improbidade Logo, em se tratando de simples reprodução do tex-
administrativa. to legal, não há equívocos a serem indicados.
II. Será punido com a pena de demissão, a bem do
Inteligência do art. 3º, da Lei n. 8.429/92: Art. 3° As serviço público, sem prejuízo de outras sanções
disposições desta lei são aplicáveis, no que couber, cabíveis, o agente público que se recusar a prestar
àquele que, mesmo não sendo agente público, indu- declaração dos bens, dentro do prazo determinado,
za ou concorra para a prática do ato de improbida- ou que a prestar falsa. Resposta: Letra A.
de ou dele se beneficie sob qualquer forma direta ou
indireta. Resposta: Letra C.

2. (IDECAN – 2020) De acordo com as disposições da LEI N°9.784/1999


Lei 8.429/92, que trata dos atos de improbidade admi-
nistrativa, assinale a alternativa correta. A necessidade de se instaurar um processo, isso é,
uma sequência de atos para o exercício da jurisdição,
a) Quando o ato de improbidade ensejar enriquecimento tem seu fundamento no princípio constitucional do
ilícito, caberá à autoridade administrativa representar devido processo legal. O devido processo legal pode
ao Tribunal de Contas, para a fiscalização das con- ser compreendido como o “escudo da humanidade”
tas e decretação da indisponibilidade dos bens do contra a prática de atos abusivos por parte do Esta-
indiciado. do. Seu fundamento legal está previsto no art. 5º, LIV, 107
da Constituição Federal, o qual assegura que ninguém Os preceitos desta Lei se aplicam também aos
será privado da liberdade ou de seus bens sem o devi- Poderes Legislativo e Judiciário, ao Ministério Públi-
do processo legal. co, à Defensoria Pública, e ao Tribunal de Contas da
A obrigatoriedade do devido processo legal não se União, quando no desempenho de função administra-
aplica somente à seara judicial, mas também vincula tiva (art. 1º, § 1º).
a Administração Pública e o Poder Legislativo, pois no
moderno Estado de Direito, a validade das decisões Dos princípios do processo administrativo e os atos
praticadas por órgãos e agentes governamentais está do processo administrativo
condicionada ao cumprimento de um rito procedi-
mental previamente estabelecido. Por isso, é de gran- O caput do art. 2º da Lei nº 9.784/1999 elenca os
de importância o estudo do processo administrativo, princípios pelos quais a Administração Pública tem o
que visa dar maior transparência e garantia do exer- dever de obedecer e que regem o processo adminis-
cício de uma boa Administração para os particulares. trativo. São eles:

Dica a) Legalidade: é o dever de atuação conforme a


lei e o direito positivado, fruto da própria noção de
Processo ou procedimento administrativo? Apesar Estado de Direito.
de não serem a mesma coisa, ambos possuem b) Impessoalidade: tem por objetivo vedar a pro-
uma forte relação intrínseca. “Processo” é o termo moção pessoal de agentes e autoridades
utilizado para designar a relação jurídica estabele- c) Moralidade: a atuação dos agentes públicos
deve seguir os padrões de lealdade, decoro e boa-fé.
cida entre as partes e, por isso, denomina-se pro-
d) Publicidade: é o dever de publicar os atos admi-
cesso administrativo o vínculo estabelecido entre o nistrativos de relevante interesse para a população,
Poder Público e o particular para a tomada de uma gerando maior transparência.
decisão. “Procedimento”, por sua vez, refere-se a e) Eficiência: envolvem as ideias de profissiona-
uma sequência ordenada de atos que culminam na lismo e boa gestão, gerando resultados positivos e
tomada da decisão. Procedimento é o meio pelo cortando ao máximo os custos,
qual se atende aos fins do processo. f) Razoabilidade e proporcionalidade: exige
uma linha lógica e adequação entre o fim almejado
A LEI FEDERAL Nº 9.784/1999 e o meio utilizado para tal fim, abstendo-se de pra-
ticar exageros.
g) Obrigatória motivação: as decisões tomadas
Com o objetivo de regulamentar a disciplina
pelas autoridades devem conter pressupostos de
constitucional do processo administrativo, a Lei nº
fato e de direito que justifiquem as mesmas.
9.784/1999, denominada “Lei do Processo Adminis-
h) Duração razoável do processo: não signifi-
trativo”, dispõe sobre normas básicas sobre o refe-
ca que o processo administrativo deva ser célere e
rido processo no âmbito da Administração Federal
rápido, mas ele também não pode ser demasiada-
direta e indireta, visando a proteção dos direitos dos
mente longo. Existem processos na esfera judicial
administrados e ao melhor cumprimento dos fins da
que perduram por mais de cinco anos!
Administração Pública. Trata-se de lei federal, aplicá-
i) Segurança jurídica: exige que a interpretação
vel somente no âmbito da União, com incidência no
das normas administrativas seja sempre a que
Poder Executivo, e também nos Poderes Legislativo
melhor atenda aos interesses dos administrados,
e Judiciário, no exercício de suas funções atípicas.
sendo vedada sua aplicação retroativa, pois isso
Entretanto, o STJ pacificou entendimento de que a
feriria o ato jurídico perfeito, o direito adquirido e
referida Lei de Processo Administrativo pode ser apli-
a coisa julgada.
cável, subsidiariamente, às demais entidades federais
j) Contraditório e ampla defesa: para cada ato e
que não possuam lei própria versando sobre o tema.
cada alegação feita no processo em questão, é asse-
Com base nessas considerações, passemos a desta-
gurado o direito de manifestação da parte contrá-
car alguns pontos importantes da referida legislação.
ria, principalmente nos processos em que resultem
De início, o art. 1º, § 2º, da Lei nº 9.784/1999, procura
em sanções e nas situações de litígio.
delimitar três importantes conceitos. Órgão é a unida-
k) Supremacia e indisponibilidade do interes-
de de atuação integrante da estrutura da Administra-
se público: são os princípios únicos e basilares de
ção direta e da estrutura da Administração indireta.
Direito Administrativo, que fundamentam o fato
Entidade é a unidade de atuação dotada de personali-
desse ramo jurídico ser de Direito Público. O inte-
dade jurídica. Temos também autoridade, que é o ser-
resse público deve, sempre, se sobrepor aos inte-
vidor ou agente público dotado de poder de decisão.
resses particulares, o que garante à Administração
Preliminarmente, o artigo 1º atribui a principal
Pública uma série de prerrogativas para perseguir
finalidade da referida Lei. “Esta Lei estabelece normas
esse fim. Por outro lado, o interesse público é indis-
básicas sobre o processo administrativo, seus atos e
ponível, não pode o agente público praticar atos
procedimentos, no âmbito da Administração Públi-
com desvios de finalidade
ca Direta e Indireta da União, inclusive das pessoas
jurídicas controladas ou mantidas pelo Poder Execu-
tivo, visando, em especial, à proteção dos direitos dos Além da obediência desses princípios, o processo
administrados, atendimento do interesse público e administrativo também deve observar, alguns critérios
melhor cumprimento dos fins da Administração”. previstos nos incisos do parágrafo único do artigo 2º:
Pela leitura do caput do artigo 1º, percebe-se que
a referida Lei Federal estabelece normas básicas I - atuação conforme a lei e o Direito;
sobre o processo administrativo, com a finalidade II - atendimento a fins de interesse geral, vedada a
de proteger os direitos dos administrados, promo- renúncia total ou parcial de poderes ou competên-
ver melhor atendimento do interesse público, e o cias, salvo autorização em lei;
melhor cumprimento dos fins da Administração. III - objetividade no atendimento do interesse público,
108 vedada a promoção pessoal de agentes ou autoridades;
IV - atuação segundo padrões éticos de probidade, Do início do processo: instauração, legitimidade,
decoro e boa-fé; impedimento e suspeição
V - divulgação oficial dos atos administrativos, ressal-
vadas as hipóteses de sigilo previstas na Constituição; A Administração Pública apresenta uma dinamici-
VI - adequação entre meios e fins, vedada a imposi- dade muito maior do que o Judiciário, uma vez que
ção de obrigações, restrições e sanções em medida pode agir de ofício, isso é, sem a provocação do inte-
superior àquelas estritamente necessárias ao aten- ressado (art. 5º).
dimento do interesse público; É possível, evidentemente, que o processo admi-
VII - indicação dos pressupostos de fato e de direito nistrativo possa ser instaurado a requerimento, hipó-
que determinarem a decisão; tese em que deve ser formulado por escrito e conter
VIII - observância das formalidades essenciais à os seguintes dados:
garantia dos direitos dos administrados;
IX - adoção de formas simples, suficientes para pro- I - órgão ou autoridade administrativa a que se dirige;
piciar adequado grau de certeza, segurança e res- II - identificação do interessado ou de quem o
peito aos direitos dos administrados; represente;
X - garantia dos direitos à comunicação, à apresen- III - domicílio do requerente ou local para recebi-
tação de alegações finais, à produção de provas e mento de comunicações;
à interposição de recursos, nos processos de que IV - formulação do pedido, com exposição dos fatos
possam resultar sanções e nas situações de litígio; e de seus fundamentos;
XI - proibição de cobrança de despesas processuais, V - data e assinatura do requerente ou de seu repre-
ressalvadas as previstas em lei; sentante (art. 6º).
XII - impulsão, de ofício, do processo administrati-
vo, sem prejuízo da atuação dos interessados; Quando os pedidos de uma pluralidade de inte-
XIII - interpretação da norma administrativa da for- ressados tiverem conteúdo e fundamentos idênticos,
ma que melhor garanta o atendimento do fim público poderão ser formulados em um único requerimento
a que se dirige, vedada aplicação retroativa de nova ou reunidos por decisão motivada da autoridade com-
interpretação. petente, salvo preceito legal em contrário (art. 8º).
Quanto à legitimidade para a instauração do
Dos direitos e deveres dos administrados processo, o artigo 9º elenca um rol taxativo de
interessados:
Apesar de não haver uma expressa menção, para
os efeitos da Lei, considera-se como “administrado” I - pessoas físicas ou jurídicas que o iniciem como
todo aquele que não possui vínculo com a Administra- titulares de direitos ou interesses individuais ou no
ção Pública, é o cidadão particular, sujeito de direitos exercício do direito de representação;
e deveres exercidos pela Administração. II - aqueles que, sem terem iniciado o processo, têm
direitos ou interesses que possam ser afetados pela
Mesmo não estabelecendo uma definição de admi-
decisão a ser adotada;
nistrado, a Lei Federal busca proteger alguns direitos
III - as organizações e associações representativas,
do administrado. Os seus direitos estão dispostos no
no tocante a direitos e interesses coletivos;
artigo 3º, in verbis: IV - as pessoas ou as associações legalmente consti-
tuídas quanto a direitos ou interesses difusos.
Art. 3° O administrado tem os seguintes direitos perante
a Administração, sem prejuízo de outros que lhe sejam Ainda sobre as pessoas dentro do processo admi-
assegurados: nistrativo, a referida Lei estabelece algumas hipóteses
I - ser tratado com respeito pelas autoridades e ser- de suspeição e de impedimento.
vidores, que deverão facilitar o exercício de seus Impedimento é uma qualidade que uma pessoa
direitos e o cumprimento de suas obrigações; tem que, como o próprio nome diz, impede essa pessoa
II - ter ciência da tramitação dos processos admi- de participar do processo administrativo. As causas de
nistrativos em que tenha a condição de interessa- impedimento estão dispostas no artigo 18, in vebis:
do, ter vista dos autos, obter cópias de documentos
neles contidos e conhecer as decisões proferidas;
Art. 18 É impedido de atuar em processo adminis-
III - formular alegações e apresentar documentos
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
trativo o servidor ou autoridade que:
antes da decisão, os quais serão objeto de conside-
I - tenha interesse direto ou indireto na matéria;
ração pelo órgão competente;
II - tenha participado ou venha a participar como
IV - fazer-se assistir, facultativamente, por advoga-
perito, testemunha ou representante, ou se tais
do, salvo quando obrigatória a representação, por
situações ocorrem quanto ao cônjuge, companhei-
força de lei.
ro ou parente e afins até o terceiro grau;
III - esteja litigando judicial ou administrativa-
Como se depreende da leitura do dispositivo, esse mente com o interessado ou respectivo cônjuge ou
não é um rol taxativo de direitos. A lei de processo companheiro.
administrativo não precisa prever todos os direitos do
administrado para garantir sua proteção. A autoridade ou servidor que incorrer em impedi-
Por outro lado, o artigo 4º aponta os deveres do mento deve comunicar o fato à autoridade competen-
administrado perante o processo administrativo. te, abstendo-se de atuar. A omissão em comunicar tal
Sem prejuízo de outros deveres previstos em ato nor- impedimento é considerada uma falta grave.
mativo, o artigo apresenta cinco deveres: I - expor os Mas a Lei do Processo Administrativo também pre-
fatos conforme a verdade; II - proceder com lealdade, vê algumas hipóteses de suspeição. São hipóteses em
urbanidade e boa-fé; III - não agir de modo temerário; que a pessoa não está obrigada, mas é recomendável
IV - prestar as informações que lhe forem solicitadas e que ela não participe do processo administrativo. As
colaborar para o esclarecimento dos fatos. causas de suspeição estão previstas no artigo 20, in
verbis: 109
Art. 20 Pode ser arguida a suspeição de autoridade Sobre a comunicação dos atos, é importante des-
ou servidor que tenha amizade íntima ou inimizade tacar o conteúdo do artigo 27, in verbis:
notória com algum dos interessados ou com os res-
pectivos cônjuges, companheiros, parentes e afins Art. 27 O desatendimento da intimação não impor-
até o terceiro grau. ta o reconhecimento da verdade dos fatos, nem a
renúncia a direito pelo administrado.
Interessante observar que o próprio servidor ou Parágrafo único. No prosseguimento do proces-
autoridade julgadora do processo pode se autodecla- so, será garantido direito de ampla defesa ao
rar suspeita. interessado.
Qual seria a diferença de julgamento de impedi-
mento e uma suspeição? A resposta é bem simples: o O parágrafo único desse dispositivo trata de um
impedimento são ordens legais, o que significa que assunto bem simples: é assegurado no processo admi-
o seu julgamento está vinculado à palavra da lei. Já nistrativo o contraditório e a ampla defesa, igual a o
o julgamento da suspeição, como não há um manda- que acontece no processo judicial.
mento para se declarar a suspeição (é recomendado Porém, o caput do referido artigo traz uma novi-
que tais pessoas não participem do processo), há uma
dade: a falta de defesa técnica, pelo desatendimento
certa margem de liberdade no julgamento da suspei-
da intimação, não torna o réu revel. Isso porque a
ção, o que evidencia uma maior discricionariedade.
revelia não existe no processo administrativo. Os
efeitos da revelia (no processo judicial) importam no
Da competência, da forma, do tempo e do lugar
reconhecimento da verdade de todos os fatos alegados
e que não foram contestados pela outra parte.
Nos termos do artigo 20, a competência é irrenun-
ciável e se exerce pelos órgãos administrativos a que
foi atribuída como própria, salvo os casos de delega- Da instrução: produção de provas, testemunhas,
ção e avocação legalmente admitidos. depoimento, citação
A delegação é o fenômeno pelo qual uma autori-
dade distribui suas competências para uma entidade A fase de instrução é a etapa do processo admi-
ou órgãos distintos, podendo estar na mesma linha nistrativo em que temos a produção de provas. As
hierárquica ou não. Salvo impedimento legal, a com- atividades de instrução destinadas a averiguar e com-
petência poderá ser parcialmente delegada a outros provar os dados necessários à tomada de decisão se
órgãos ou titulares, mesmo sem subordinação hierár- realizam de ofício, sem prejuízo do direito dos interes-
quica, em razão de fatores técnicos, sociais, econômi- sados de propor atuações probatórias. A atuação do
cos, jurídicos ou territoriais. interessado, quando exigida ou necessária na fase de
O artigo 22 apresenta, contudo, algumas maté- instrução, deve ser realizada de modo menos oneroso
rias que não podem ser objeto de delegação, sendo para ele (art. 29).
indelegáveis: Os atos de instrução podem ocorrer de forma
física ou por meio eletrônico. Nessa última hipótese,
I - a edição de atos de caráter normativo; tais atos serão documentados nos autos do respectivo
II - a decisão de recursos administrativos; processo.
III - as matérias de competência exclusiva do órgão, É absolutamente vedada a obtenção de provas por
entidade ou autoridade; meios ilícitos. Exemplo: a confissão de um servidor
IV - as atribuições recebidas por delegação, sal- policial sobre apuração de uma transgressão discipli-
vo autorização expressa e na forma por ela nar, mediante tortura.
determinada. Quando a matéria do processo envolver assunto de
interesse geral, o órgão competente poderá, mediante
A avocação, por sua vez, traduz-se na absorção de despacho motivado, abrir período de consulta pública
competências, hipótese em que o órgão ou o titular para manifestação de terceiros, antes da decisão final,
chama para si atribuições de competência de órgão se não houver prejuízo para a parte interessada e ao
hierarquicamente inferior. É uma hipótese excepcio- eficaz andamento do processo (art. 31).
nal e temporária no processo administrativo, confor-
A consulta pública é um instrumento de comu-
me dispõe o artigo 24.
nicação entre a administração e a sociedade, pois
Em relação a forma, a lei citada não atribui
os cidadãos podem apresentar sugestões, críticas
nenhum requisito solene para o processo adminis-
trativo, apenas exige que os atos processuais deverão e comentários acerca do objeto do processo, ainda
ser produzidos por escrito, em vernáculo, com data e que não sejam a parte diretamente interessada. Não
local de sua realização e assinatura da autoridade res- é obrigatória (discricionariedade), ou seja, somen-
ponsável (art. 22, § 1º). Os atos são realizados em dias te será utilizada quando for conveniente e oportuno
úteis, no horário de funcionamento da repartição na para a Administração e para o processo em questão.
qual tramita o processo. Quando for necessária a prestação de informações
Sobre o tempo, dispõe o artigo 24 que, inexistindo ou a apresentação de provas pelos interessados ou
disposição legal específica, os atos do órgão ou autori- terceiros, serão expedidas intimações para esse fim,
dade responsável pelo processo e dos administrados mencionando-se data, prazo, forma e condições de
que dele participem devem ser praticados no prazo de atendimento (art. 39). Essas intimações são indispen-
cinco dias úteis, salvo motivo de força maior. sáveis para que os interessados e terceiros tenham
Sobre o lugar, os atos do processo devem reali- conhecimento do processo que está correndo.
zar-se por meio eletrônico ou físico, neste último caso O artigo 42 dispõe sobre os pareceres, que podem
preferencialmente na sede do órgão (art. 25). Os atos ser obrigatórios ou facultativos, conforme sejam ou
praticados em processos eletrônicos não dispensam o não exigidos por lei. Os pareceres obrigatórios são
comparecimento do interessado quando necessário, vinculantes ou não vinculantes, quando suas conclu-
devendo observar as regras procedimentais do órgão sões devam ou não ser necessariamente observadas
ou entidade aos quais se destina. nas decisões proferidas por autoridade competente.
110
Quando deva ser obrigatoriamente ouvido um O artigo 52, por sua vez, dispõe sobre outra hipó-
órgão consultivo, o parecer deverá ser emitido no pra- tese de extinção do processo administrativo: quan-
zo máximo de quinze dias úteis, salvo norma especial do exaurida a sua finalidade ou o objeto da decisão
ou comprovada necessidade de maior prazo. Se um se tornar impossível, inútil ou prejudicado por fato
parecer obrigatório e vinculante deixar de ser emitido superveniente.
no prazo fixado, o processo não terá seguimento até a
respectiva apresentação, responsabilizando-se quem Da anulação, revogação e convalidação
der causa ao atraso. Se um parecer obrigatório e não
vinculante deixar de ser emitido no prazo fixado, o O artigo 53 prevê o que a doutrina denomina de
processo poderá ter prosseguimento e ser decidido autotutela administrativa. A Administração deve anu-
com sua dispensa, sem prejuízo da responsabilidade lar seus próprios atos, quando eivados de vício de
de quem se omitiu no atendimento (art. 42, §§ 1º e 2º). legalidade, e pode revogá-los, por motivo de conve-
Encerrada a instrução, o interessado terá o direito niência ou oportunidade, em qualquer caso respeita-
de manifestar-se no prazo máximo de dez dias, salvo dos os direitos adquiridos, sem precisar de auxílio ou
se outro prazo for legalmente fixado (art. 44). intervenção do processo judiciário.
Quando um ato é considerado ilegal, significa que
Do dever de decidir: motivação e desistência houve um julgamento quanto à legalidade do ato. A
palavra da lei é o que importa: se o ato foi praticado
Segundo o caput do artigo 48, a Administração fora dos limites legais, deve ser anulado. É esse o ins-
tem o dever de expressamente se pronunciar e emitir tituto da vinculação. Porém, quando um ato é consi-
decisão sobre todos os assuntos da sua competência derado inconveniente e inoportuno (mas ainda assim
que lhes sejam apresentados, nos processos adminis- legal e legítimo), aqui o administrador tem a escolha de
trativos e sobre solicitações, petições, representações manter o ato, ou de extingui-lo mediante a revogação.
ou reclamações. Lembre-se que o dever de decidir Há um julgamento com base na discricionariedade.
da Administração tem por fundamento justamente o O direito da Administração de anular os atos admi-
direito de petição do administrado. nistrativos de que decorram efeitos favoráveis para os
O artigo 50, por sua vez, dispõe sobre a motiva- destinatários decai em cinco anos, contados da data
ção das decisões do processo administrativo. Os atos em que foram praticados, salvo comprovada má-fé.
administrativos deverão ser motivados, com indica- No caso de efeitos patrimoniais contínuos, o prazo
ção dos fatos, dos fundamentos jurídicos e atos proba- de decadência contar-se-á da percepção do primeiro
tórios, especialmente quando: pagamento (art. 54, § 1º).
Em decisão na qual se evidencie não acarretarem
I - neguem, limitem ou afetem direitos ou interesses; lesão ao interesse público nem prejuízo a terceiros, os
II - imponham ou agravem deveres, encargos ou atos que apresentarem defeitos sanáveis poderão ser
sanções; convalidados pela própria Administração (art. 56).
III - decidam processos administrativos de concur-
so ou seleção pública;
IV - dispensem ou declarem a inexigibilidade de
Dica
processo licitatório; Para saber quais atos podem ser sanáveis, é
V - decidam recursos administrativos; importante relembrar quais são os elementos
VI - decorram de reexame de ofício;
dos atos administrativos: competência, obje-
VII - deixem de aplicar jurisprudência firmada
to, forma, motivo e finalidade. Os atos podem
sobre a questão ou discrepem de pareceres, laudos,
propostas e relatórios oficiais; ser convalidados, se o seu vício recair sobre a
VIII - importem anulação, revogação, suspensão ou competência ou a forma do ato administrati-
convalidação de ato administrativo. vo. Contudo, se o vício recair no motivo, objeto
e a finalidade, por serem vícios insanáveis, não
A motivação deve ser explícita, clara e congruen- podem ser convalidados.

NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO


te, podendo consistir em declaração de concordância
com fundamentos de anteriores pareceres, informa- Dos recursos administrativos
ções, decisões ou propostas, que, neste caso, serão
parte integrante do ato. Na solução de vários assuntos Todas as decisões adotadas em processo adminis-
da mesma natureza, pode ser utilizado meio mecâni- trativo são passíveis de recurso, caso em que haverá
co que reproduza os fundamentos das decisões, desde um reexame quanto às questões de legalidade (vincu-
que não prejudique direito ou garantia dos interessa- lação) e de mérito (discricionariedade) dos atos admi-
dos (art. 50, §§ 1º e 2º). nistrativos objeto do litígio.
O artigo 51 apresenta a desistência, que é uma O recurso será dirigido à autoridade superior por
das formas de extinção do processo administrativo. intermédio da autoridade que proferiu o ato recorri-
O interessado poderá, mediante manifestação escrita, do, e esta poderá reconsiderar sua decisão no prazo
desistir total ou parcialmente do pedido formulado de cinco dias úteis, ou, nesse mesmo prazo, fazê-lo
ou, ainda, renunciar a direitos disponíveis. Quando subir, devidamente informados (art. 56, § 1º). Salvo
múltiplos os interessados, a desistência de um não exigência legal, a interposição de recurso independe
afeta o prosseguimento do processo para os demais de caução.
(art. 51, § 1º). A desistência ou renúncia do interessa- Existem três instâncias administrativas pelas quais
do, conforme o caso, não prejudica o prosseguimento os recursos podem tramitar (art. 57).
do processo, se a Administração considerar que o inte- Os legitimados para interpor recurso estão previs-
resse público assim o exige. tos no artigo 58. São eles: 111
I - os titulares de direitos e interesses que forem atos pela autoridade hierarquicamente superior
parte no processo; àquela que praticou o ato é uma de suas tarefas
II - aqueles cujos direitos ou interesses forem indire- inerentes. Vale ressaltar que o recurso hierárquico
tamente afetados pela decisão recorrida; independe de caução ou qualquer tipo de garantia
III - as organizações e associações representativas, em dinheiro, conforme dispõe a Súmula Vinculan-
no tocante a direitos e interesses coletivos; te nº 21 do STF.
IV - os cidadãos ou associações, quanto a direitos z Recurso hierárquico impróprio: é aquele diri-
ou interesses difusos.
gido a autoridade que não ocupa posição de hie-
rarquia em relação ao ente que praticou o ato. É
O recurso é interposto por meio de requerimento o caso, por exemplo, de recurso interposto para o
no qual o recorrente deverá expor os fundamentos do ente federativo membro da Administração Direta,
pedido de reexame, podendo juntar os documentos sobre alguma entidade da Administração Indireta.
que julgar convenientes. Esse tipo de recurso deve possuir previsão legal,
Em regra, o recurso não tem efeito suspensivo, uma vez que os poderes inerentes à tutela não se
salvo havendo relevante fundamento e justo receio presumem.
de prejuízo de difícil ou incerta reparação decorren-
te da execução. Nesses casos, a autoridade recorrida
Atenção para o conteúdo do artigo 65: “O órgão
poderá decretar a suspensão do prazo recursal (art.
competente para decidir o recurso poderá confirmar,
61, parágrafo único).
modificar, anular ou revogar, total ou parcialmente,
Interposto o recurso, o órgão competente para dele
a decisão recorrida, se a matéria for de sua compe-
conhecer deverá intimar os demais interessados para
tência. Se da aplicação do disposto neste artigo puder
que, no prazo de dez dias úteis, apresentem alegações.
decorrer gravame à situação do recorrente, este deve-
O recurso não será conhecido quando interposto:
rá ser cientificado para que, no prazo de dez dias úteis,
formule suas alegações antes da decisão”.
I - fora do prazo;
O referido dispositivo trata do que a doutrina deno-
II - perante órgão incompetente;
mina da “proibição da reformatio in pejus”. De modo
III - por quem não seja legitimado;
IV - após exaurida a esfera administrativa (art. 63). geral, a decisão proferida no recurso administrativo
não pode resultar em gravame, ou em prejuízo para o
administrado. Exemplo: se o servidor foi punido com
Os prazos contam-se em dias úteis e começam a
pena de suspensão por 10 dias e decide recorrer da
correr a partir da data da cientificação oficial, excluin-
decisão, a autoridade julgadora do recurso não pode
do-se da contagem o dia do começo e incluindo-se o do
simplesmente decidir que a pena foi muito branda, e
vencimento.
aumentá-la para 20 dias. Caso essa possibilidade ocor-
O órgão competente para decidir o recurso poderá
ra (o que não deveria), o recorrente precisa de um
confirmar, modificar, anular ou revogar, total ou par-
prazo para fazer suas alegações e se defender dessa
cialmente, a decisão recorrida, se a matéria for de sua
reforma prejudicial da decisão.
competência. Se da aplicação do disposto neste arti-
go puder decorrer gravame à situação do recorrente,
este deverá ser cientificado para que formule suas
alegações antes da decisão (art. 64, parágrafo único).
Uma vez vistos os aspectos gerais dos recursos EXERCÍCIOS COMENTADOS
administrativos, é importante, também, conhecer
cada um deles em espécie: 1. (CESPE-CEBRASPE – 2019) A respeito de improbida-
de administrativa, processo administrativo e organiza-
z Representação: é uma denúncia formal de irregu- ção administrativa, julgue o item seguinte.
laridade, feita por qualquer indivíduo, com previsão
no art. 37, § 3º, III, da CF/1988, e que gera à Adminis- Caso o administrado não atenda a intimação em pro-
tração o dever-poder de apurar a irregularidade, se cesso administrativo, incidirá o ônus de reconheci-
houver. Trata-se, por isso, de ato vinculado. mento da verdade dos fatos alegados.
z Reclamação administrativa: É o ato pelo qual
o administrado, particular ou servidor público, ( ) CERTO  ( ) ERRADO
deduz uma pretensão perante a administração
pública, visando obter o reconhecimento de um A questão faz referência ao instituto da revelia. Porém,
direito ou a correção de um ato que lhe cause ou por expressão previsão do art. 27 da Lei nº 9.784/1999,
na iminência de causar lesão. A interposição da o desatendimento da intimação não importa o reco-
reclamação não impede a apreciação do pleito nhecimento da verdade dos fatos, nem a renúncia a
pelo Judiciário, mas a reclamação interposta den- direito pelo administrado. Assim, esses efeitos da reve-
tro do prazo de 1 ano, contado da ocorrência do lia, comuns na esfera do processo civil, não se aplicam
ato, suspende a prescrição quinquenal deste. no processo administrativo. Resposta: Errado.
z Pedido de reconsideração: é uma solicitação
feita à autoridade que expediu o ato, para que o 2. (CESPE-CEBRASPE – 2019) Antônia, de sessenta
modifique ou o invalide, nos moldes do requeren- anos de idade, requereu a certo órgão público a emis-
te. A reconsideração não suspende a prescrição do são de documento de caráter pessoal. Em razão da
Judiciário. negativa do pedido, Antônia interpôs recurso admi-
z Recurso hierárquico próprio: é aquele endere- nistrativo dirigido a Carlos, autoridade competente do
çado a autoridade superior à que praticou o ato referido órgão para julgar o recurso. No entanto, por
recorrido. Pode ser interposto sem a necessida- ser amigo íntimo de Antônia, Carlos delegou sua atri-
de de previsão legal, uma vez que a revisão dos buição julgadora para Marcos, com o qual não possui
112 qualquer relação de subordinação hierárquica.
A partir da situação hipotética precedente, julgue o possibilidade do candidato ter de memorizar a nume-
item a seguir, considerando as disposições da Lei de ração correta da legislação sobre processo adminis-
Processo Administrativo (Lei nº 9.784/1999). trativo. No âmbito federal, o processo administrativo é
disciplinado pela Lei nº 9.784/1999. Resposta: Letra D.
Caso tenha sido interposto fora do prazo legal, o
recurso de Antônia não deverá ser conhecido, o que 5. (UFPB – 2019) São legitimados(as) como interessa-
não impede que a administração reveja de ofício o dos no processo administrativo:
ato ilegal, desde que não tenha ocorrido preclusão
administrativa. a) pessoas físicas ou jurídicas que iniciem no proces-
so administrativo sem a titularidade de direitos ou
( ) CERTO  ( ) ERRADO interesses individuais ou no exercício do direito de
representação.
Atenção com a questão: a delegação de decisão em b) aqueles que, sem terem iniciado o processo, têm direi-
recurso é vedada. Porém, tal fato não possui relação tos ou interesses que não possam ser afetados pela
com a frase mencionada. Em matéria de recursos decisão a ser adotada.
administrativos, o recurso interposto fora do prazo c) as organizações e associações representativas, no
não será conhecido (art. 63, I, Lei nº 9.784/1999). Toda- tocante a direitos e interesses individuais e coletivos.
via, considerando o poder de autotutela da Adminis- d) as pessoas ou as associações legalmente constituídas
tração Pública, nada impede que ela mesma, de ofício, quanto a direitos ou interesses difusos.
reconheça a ilegalidade daquele ato e conceda a Antô- e) as associações, no que se refere a direitos ou interes-
nia o documento requerido. Resposta: Certo. ses individuais.

3. (INSTITUTO AOCP – 2020) Nos processos administra- A letra A está errada, pois são legitimados as pes-
tivos, serão observados, entre outros, os critérios de: soas físicas ou jurídicas que iniciem o processo
administrativo e possuem a titularidade de direitos
a) atuação conforme a lei e o Direito; observância das ou interesses individuais ou no exercício do direito
formalidades essenciais à garantia dos direitos dos de representação. A letra B está errada, é legitima-
administrados. do do processo administrativo aqueles que, mesmo
b) cobrança de despesas processuais; impulsão, somente sem terem iniciado o processo, têm direitos ou inte-
quando provocado, do processo administrativo, sem resses que podem, sim, ser afetados pela decisão a
prejuízo da atuação dos interessados. ser adotada. A letra C está errada, as organizações
c) divulgação oficial dos atos administrativos, sem ressal- e associações representativas somente defendem
vas; impessoalidade administrativa quando constata- direitos e interesses coletivos. A letra E está errada,
da conveniência. pois, novamente, as associações somente defendem
d) atuação quando e conforme conveniência administrati- direitos ou interesses coletivos no processo admi-
va; celeridade e objetividade. nistrativo. Resposta: Letra D.
e) interpretação da norma administrativa da forma que
melhor garanta o atendimento do fim público a que 6. (INSTITUTO AOCP – 2019) A Lei Federal nº 9.784/1999
se dirige, podendo aplicar de forma retroativa de nova estabelece normas básicas sobre o processo admi-
interpretação. nistrativo no âmbito da Administração Federal direta
e indireta, visando, em especial, à proteção dos direi-
A letra B está errada, pois no processo administra- tos dos administrados e ao melhor cumprimento dos
tivo é vedada a cobrança de despesas processuais. fins da Administração. Sobre esse diploma normativo,
Além disso o processo administrativo pode ser assinale a alternativa correta relacionada ao tema
movido de ofício. A letra C está errada, pois no pro- “processo administrativo”.
cesso administrativo, há alguns atos considerados
sigilosos pela Constituição Federal, que não podem a) O interessado poderá, mediante manifestação escrita,
ser divulgados para o público geral. A letra D está desistir total ou parcialmente do pedido formulado ou,
errada, a atuação dentro do processo administrati- ainda, renunciar a direitos disponíveis.
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
vo deve ser quando e conforme a lei e o Direito. A b) A competência é irrenunciável, indelegável e invocável,
letra E está errada na sua parte final, pois é vedada e se exerce pelos órgãos administrativos a que foi atri-
a aplicação/interpretação de norma administrativa buída como própria.
de forma retroativa, elas possuem eficácia ex nunc, c) Pode ser arguida a suspeição de autoridade ou servi-
e não ex tunc. Resposta: Letra A. dor que tenha amizade íntima ou inimizade notória
somente com algum dos interessados ou com os res-
4. (INSTITUTO AOCP – 2020) Qual é a lei que regula o pectivos cônjuges e companheiros.
processo administrativo no âmbito da Administração d) Concluída a instrução de processo administrativo, a
Pública Federal? Administração tem o prazo de até 30 (trinta) dias para
decidir, excluída a hipótese de prorrogação ainda que
a) Lei n° 7.784/88. expressamente motivada.
b) Lei n° 8.974/89.
c) Lei n° 9.784/99. A letra B está errada, a competência é irrenunciá-
d) Lei n° 9.503/97. vel, sim, mas ela pode ser delegada ou avocado, nas
e) Lei n° 9.605/99. hipóteses legalmente previstas. Os órgãos adminis-
trativos podem delegar parte da sua competência
Péssima questão, que não agrega em nada o conheci- a outros órgãos ou titulares, ainda que estes não
mento do candidato. O único motivo pelo qual coloca- lhe sejam hierarquicamente subordinados. A letra
mos a questão nesse material é para alertar sobre a C está errada, a arguição de suspeição estende-se 113
para os respectivos cônjuges, companheiros, paren- O tema do prazo para anular os atos ilegais é dis-
tes e afins até o terceiro grau do servidor ou autori- ciplinado pelo artigo 54 da Lei nº 9.784/1999. Esse
dade. A letra D está errada, é possível prorrogar o prazo é decadencial, uma vez que estamos falan-
prazo de decisão por mais 30 dias, desde que expres- do do direito de anular o ato, e não do prazo para
samente motivada. Resposta: Letra A. ingressar em juízo (prazo prescricional). Segundo
o dispositivo, o prazo para anular os atos ilegais é
7. (INSTITUTO AOCP – 2019) O devido processo legal de 5 (cinco) anos, contados da data da prática do
é uma garantia fundamental positivada no art. 5º da ato ilegal. Todavia, o processo administrativo não
Constituição Federal. No âmbito dos funcionários faz coisa julgada, nada impede que a Administra-
públicos, tem-se a Lei nº 9.784/99, que dispõe sobre o ção possa ingressar em juízo para que o Poder Judi-
tema. Com base no exposto, nos processos adminis- ciário possa exercer controle de legalidade sobre o
trativos, será observado(a) referido ato (forma de controle externo). O ato com
vício de legalidade, pela natureza do vício, não pode
a) o atendimento a fins de interesse privado, vedada a ser convalidado, sendo para todos os efeitos, consi-
renúncia total de poderes ou competências, salvo derado ato nulo. Resposta: Letra B.
autorização em lei.
b) a manutenção de sigilo absoluto dos atos administrati-
vos, mesmo sob ordem judicial, por se tratar de coisa
pública. HORA DE PRATICAR!
c) a proibição de cobrança de despesas processuais, res-
salvadas as previstas em lei. 1. (CESPE -CEBRASPE – 2020) O ato administrativo vin-
d) a interpretação da norma administrativa da forma que culado tem como característica
melhor garanta o atendimento do investigado, vedada
aplicação retroativa de nova interpretação. a) a discricionariedade do administrador.
b) a escolha da forma a ser constituído, conforme critério
A letra A está errada, o processo administrativo do administrador.
deve atender aos fins de interesse público, e não pri- c) a avaliação da sua eficácia, a critério subjetivo do
vado. A letra B está errada, a regra nos processos administrador.
administrativos é a publicidade dos atos proces- d) a estrita observância da lei.
suais, exceto nos casos em que a Constituição Fede- e) a possibilidade de anulação apenas pela administração.
ral determine que os atos sigilosos, e que não podem
ser divulgados. A letra D está errada, a interpreta- 2. (CESPE-CEBRASPE – 2020) O atributo ou caracterís-
ção da norma administrativa deve melhor garantir tica do ato administrativo que assegura que o ato é
o atendimento do fim público a que se dirige (e não verdadeiro, mesmo que eivado de vícios ou defeitos,
do investigado). Resposta: Letra C. até que se prove o contrário, denomina- se

8. (INSTITUTO AOCP – 2019) No que se refere aos a) finalidade.


atos da Administração Pública, de acordo com a Lei b) exequibilidade.
n°9.784/99, o prazo a ser observado para anular os c) autoexecutoriedade.
atos ilegais dos quais decorram efeitos favoráveis d) coercibilidade.
para os destinatários: e) presunção de legitimidade.

a) é decadencial, tendo a Administração Pública 5 anos 3. (CESPE - CEBRASPE – 2020) A propriedade da admi-
para a anulação, contados da data do conhecimento nistração de, por meios próprios, pôr em execução
da ilegalidade do ato praticado. Passado o referido suas decisões decorre do atributo denominado
prazo, o ato será convalidado.
b) é decadencial, tendo a Administração Pública 5 anos a) exigibilidade.
para a anulação, contados da data da prática do ato b) autoexecutoriedade.
tido por ilegal. Passado o referido prazo, a Administra- c) vinculação.
ção Pública apenas pode anular o ato judicialmente, já d) discricionariedade.
que o ato nulo não admite convalidação. e) medidas preventivas.
c) é decadencial, tendo a Administração Pública 5 anos
para a anulação, contados da data do processo judi- 4. (CESPE-CEBRASPE – 2020) O item apresenta uma
cial para a anulação, já que o ato nulo não admite situação hipotética seguida de uma assertiva a ser jul-
convalidação. gada, acerca de atos administrativos.
d) é decadencial, tendo a Administração Pública 5 anos Em um único ato administrativo, foram concedidas
para a anulação, contados da data em que foram prati- férias e licença a um servidor público da Secretaria de
cados os atos. Passado o referido prazo, a Administra- Estado de Economia do Distrito Federal. Na semana
ção Pública perde o direito de anular o ato, ocorrendo a seguinte, publicou-se outro ato, que ratificava as férias
coisa julgada administrativa, salvo comprovada má-fé. desse servidor e retirava-lhe a licença concedida, por
e) é decadencial, tendo a Administração Pública 5 anos para ter sido constatado que ele não fazia jus à licença.
a anulação, contados da data de conhecimento da ile- Nessa situação, realizou-se-a convalidação do ato
galidade do ato praticado. Passado o referido prazo, o administrativo, por meio de reforma.
ato somente pode ser anulado via judicial, e a inércia da
114 Administração ensejará a convalidação do ato nulo. ( ) CERTO  ( ) ERRADO
5. (CESPE-CEBRASPE – 2020) O item a seguir apresenta 11. (CESPE-CEBRASPE – 2020) No que diz respeito à
uma situação hipotética seguida de uma assertiva a administração pública direta, à administração pública
ser julgada, acerca dos poderes administrativos. indireta e aos agentes públicos, julgue o item que se
Um tenente da Marinha do Brasil determinou que um segue.
grupo de soldados realizasse a limpeza de um navio, Ministros e secretários estaduais e municipais são
sob pena de sanção se descumprida a ordem. Nesse agentes políticos cujos vínculos funcionais não têm
caso, o poder a ser exercido pelo tenente, em caso de natureza permanente, mas que, com base no seu
descumprimento de sua ordem, é disciplinar e deriva poder político, traçam e implementam políticas públi-
do poder hierárquico. cas constitucionais e políticas públicas de governo.

( ) CERTO  ( ) ERRADO ( ) CERTO  ( ) ERRADO

6. (CESPE-CEBRASPE – 2020) No que diz respeito à 12. (CESPE-CEBRASPE – 2020) Acerca de provimento e
administração pública direta, à administração pública
vacância de cargo, emprego ou função pública, julgue
indireta e aos agentes públicos, julgue o item que se
o item seguinte.
segue.
A partir da promulgação da Constituição Federal de
A administração pública indireta é composta por
1988, o provimento de função pública ocorre somente
órgãos e agentes públicos que, no âmbito federal,
mediante aprovação em concurso público de provas e
constituem serviços integrados na estrutura adminis-
trativa da presidência da República e dos ministérios. títulos.

( ) CERTO  ( ) ERRADO ( ) CERTO  ( ) ERRADO

7. (CESPE-CEBRASPE – 2020) As agências que atuam 13. (CESPE-CEBRASPE – 2020) No que diz respeito à
na provisão dos bens públicos e na proteção do inte- administração pública direta, à administração pública
resse público, estabelecendo parâmetros para saúde, indireta e aos agentes públicos, julgue o item que se
segurança e meio ambiente, bem como os mecanis- segue.
mos de oferta dos bens mencionados, executam o Cargos, empregos e funções públicas devem ser exer-
modelo de regulação cidos por brasileiros que preencham as condições
estabelecidas em lei, contudo, na forma da lei, há pos-
a) social. sibilidade de acesso para os estrangeiros.
b) gerencial.
c) financeiro. ( ) CERTO  ( ) ERRADO
d) econômico.
e) administrativo. 14. (CESPE-CEBRASPE – 2020) Acerca da prescrição e
da decadência em direito da seguridade social, julgue
8. (CESPE-CEBRASPE – 2020) Acerca da responsabili- o item a seguir.
dade civil do Estado, julgue o item a seguir. Em se tratando de servidor público federal sob o regi-
O Estado é civilmente responsável por dano causado a me da Lei n.º 8.112/1990, a pensão por morte do
particular em decorrência de má conservação de rodo- segurado que falecer, aposentado ou não, será devida
via que se encontra sob responsabilidade pública. a filho menor de dezesseis anos, a contar da data do
óbito, desde que requerida em até cento e oitenta dias
( ) CERTO  ( ) ERRADO após o óbito.

9. (CESPE-CEBRASPE – 2020) No que diz respeito às


( ) CERTO  ( ) ERRADO
concessões e permissões de prestação de serviço
público, julgue o item a seguir.
NOÇÕES DE DIREITO ADMINISTRATIVO
15. (CESPE-CEBRASPE – 2020) Acerca de provimento e
O instrumento adequado para concessão ou delega-
vacância de cargo, emprego ou função pública, julgue
ção de atividade pública, como o serviço de táxi, é a
o item seguinte.
autorização a pessoa física ou jurídica que demonstre
No provimento por reintegração, o servidor, quando
capacidade para seu desempenho, por sua conta e ris-
co, mediante licitação, sob pena de infringência aos invalidada sua demissão por decisão administrativa
princípios da moralidade e igualdade. ou judicial, retorna ao cargo anteriormente ocupado,
com ressarcimento de todas as vantagens.
( ) CERTO  ( ) ERRADO
( ) CERTO  ( ) ERRADO
10. (CESPE-CEBRASPE – 2020) Julgue o item a seguir, a
respeito de governabilidade e governança e mudanças 16. (CESPE-CEBRASPE – 2020) Julgue o item, relativo à
institucionais no âmbito do Estado. administração de pessoal e a processos de compras
A existência de consórcios intermunicipais de saúde governamentais no âmbito do setor público.
se estrutura como um processo vertical de coopera- A produtividade é um dos fatores utilizados para a ava-
ção, uma vez que envolve instituições que estão no liação de desempenho de servidores nomeados para
mesmo plano ou nível organizacional. cargos efetivos em período de estágio probatório.

( ) CERTO  ( ) ERRADO ( ) CERTO  ( ) ERRADO 115


17. (CESPE-CEBRASPE – 2020) No que se refere a ação
13 CERTO
de improbidade administrativa, julgue o item a seguir.
O presidente da República sujeita-se às mesmas san- 14 CERTO
ções aplicáveis aos agentes públicos previstas na Lei
de Improbidade Administrativa. 15 CERTO

16 CERTO
( ) CERTO  ( ) ERRADO
17 ERRADO
18. (CESPE-CEBRASPE – 2020) Acerca de atos de impro-
bidade administrativa, julgue o item que se segue. 18 ERRADO
O fato de um servidor público utilizar veículo da admi- 19 E
nistração pública para fins particulares em seu horário
de almoço não configura prática de ato de improbida- 20 ERRADO
de administrativa, desde que seu superior hierárqui-
co autorize tal uso, embora possa ser considerada
antiética.
ANOTAÇÕES
( ) CERTO  ( ) ERRADO

19. (CESPE-CEBRASPE – 2020) O processo administra-


tivo pode ser iniciado e impulsionado sem qualquer
provocação de particular. Além disso, adota formas
simples, suficientes para propiciar adequado grau
de certeza, segurança e respeito aos direitos dos
administrados. Esses critérios, previstos na Lei n.º
9.784/1999, refletem observância, respectivamente,
aos princípios

a) da eficiência e da finalidade.
b) da verdade material e da segurança jurídica.
c) do interesse público e da verdade formal.
d) da finalidade e da instrumentalidade das formas.
e) da oficialidade e do informalismo procedimental.

20. (CESPE-CEBRASPE – 2020) Considerando as normas


de direito administrativo, as disposições normativas
relativas ao pregão e a Lei federal n.º 9.784/1999, acer-
ca de processo administrativo, julgue o item seguinte.
É impedido de atuar em processo administrativo o ser-
vidor que tenha amizade íntima com algum dos inte-
ressados no processo.

( ) CERTO  ( ) ERRADO

9 GABARITO

1 D

2 E

3 B

4 CERTO

5 CERTO

6 ERRADO

7 A

8 CERTO

9 ERRADO

10 ERRADO

11 CERTO

12 ERRADO
116
Todos esses assuntos completam o estudo basilar
de semântica com foco em provas e concursos, sempre
de olho na sua aprovação. Por isso, convidamos você a
estudar com afinco e dedicação, sem esquecer de pra-

LÍNGUA PORTUGUESA
ticar seus conhecimentos realizando os exercícios de
cada tópico, bem como, a seleção de exercícios finais,
selecionados especialmente para que este material
cumpra o propósito de alcançar sua aprovação.

COMPREENSÃO E INTERPRETAÇÃO DE INFERÊNCIA – ESTRATÉGIAS DE INTERPRETAÇÃO


TEXTOS A inferência é uma relação de sentido conhecida
desde a Grécia Antiga e que embasa as teorias sobre
INTRODUÇÃO
interpretação de texto.
A interpretação e a compreensão textual são
Como já mencionamos, interpretar é buscar ideias,
aspectos essenciais a serem dominados por aqueles
candidatos que buscam a aprovação em seleções e pistas do autor do texto, nas linhas apresentadas.
concursos públicos. Assunto que abrange questões
específicas e de conteúdo geral nas provas, conhecer Porém, apesar de, aparentemente, parecer algo
e dominar estratégias que facilitem a apreensão desse subjetivo, existem “regras” para se buscar essas pistas.
assunto pode ser o grande diferencial entre o quase A primeira e mais importantes delas é identificar a
e a aprovação. Além disso, seja a compreensão ou a orientação do pensamento do autor do texto, que fica
interpretação textual, ambas guardam uma relação de perceptível quando identificamos como o raciocínio
proximidade com um assunto nem sempre explorado dele foi exposto, se de maneira mais racional, a partir da
pelos cursos de português: a semântica, que incide análise de dados, informações com fontes confiáveis ou
suas relações de estudo sobre as relações de sentido se de maneira mais empirista, partindo dos efeitos, das
que a forma linguística pode assumir. consequências, a fim de se identificar as causas.
Portanto, neste material você encontrará recursos Por isso, é preciso compreender como podemos
para solidificar seus conhecimentos em interpreta- interpretar um texto mediante estratégias de leitura.
ção e compreensão textual, associando a essas temá- Muitos pesquisadores já se debruçaram sobre o tema,
ticas as relações semânticas que permeiam o sentido que é intrigante e de grande profundidade acadêmica;
de todo amontoado de palavras, tendo em vista que, neste material, selecionamos as estratégias mais efica-
qualquer aglomeração textual é, atualmente, consi- zes que podem contribuir para sua aprovação em sele-
derada texto e, dessa forma, deve ter um sentido que ções que avaliam a competência leitora dos candidatos.
precisa ser reconhecido por quem o lê. A partir disso, selecionamos estratégias de leitura que
Assim, vamos começar nosso estudo fazendo uma foquem nas formas de inferência sobre um texto. Dessa
breve diferença entre os termos compreensão e forma, é fundamental identificar como ocorre o processo
interpretação textual.
de inferência, que se dá por dedução ou por indução.
Para muitos, essas palavras expressam o mesmo
Para entender melhor, veja esse exemplo:
sentido, mas, como pretendemos deixar claro neste
material, ainda que existam relações de sinonímia
O marido da minha chefe parou de beber.
entre palavras do nosso vocabulário, a opção do autor
por um termo ao invés de outro reflete um sentido
que deve ser interpretado no texto, uma vez que a Observe que é possível inferir várias informações. A
interpretação realiza ligações com o texto a partir primeira é que a chefe do enunciador é casada (infor-
das ideias que o leitor pode concluir com a leitura. mação comprovada pela expressão “marido”), a segun-
Já a compreensão busca a análise de algo exposto da é que o enunciador está trabalhando (informação
no texto, e, geralmente, é marcada por uma palavra ou comprovada pela expressão “minha chefe”) e a terceira
uma expressão, e apresenta mais relações semânticas é que o marido da chefe do enunciador bebia (expres-
e sintáticas. A compreensão textual estipula aspectos são comprovada pela expressão “parou de beber”). Note
linguísticos essencialmente relacionados à significa- que há pistas contextuais do próprio texto que induzem
ção das palavras e, por isso, envolve uma forte ligação o leitor a interpretar essas informações.
com a semântica. Tratando-se de interpretação textual, os processos
Sabendo disso, é importante separarmos os con- de inferência, sejam por dedução ou por indução, par-
LÍNGUA PORTUGUESA

teúdos que tenham mais apelo interpretativo ou com- tem de uma certeza prévia para a concepção de uma
preensivo. Neste material, você encontrará um forte interpretação, construída pelas pistas oferecidas no
conteúdo que relaciona semântica e interpretação, texto junto da articulação com as informações acessa-
contendo questões sobre os assuntos: inferência; das pelo leitor do texto.
figuras de linguagem; vícios de linguagem; e intertex- A seguir, apresentamos um fluxograma que repre-
tualidade. No que se refere aos estudos que focam na senta como ocorre a relação desses processos:
compreensão e semântica, os principais tópicos são:
semântica dos sentidos e suas relações; coerência e
coesão; gêneros textuais (mais abordados em provas DEDUÇÃO → CERTEZA → INTERPRETAR
de concursos); tipos textuais e, ainda, as variações lin- INFERÊNCIA
guísticas e suas consequências para o sentido.
INDUÇÃO → INTERPRETAR → CERTEZA
117
A partir desse esquema exclusivo, conseguimos Dica
visualizar melhor como o processo de interpretação
ocorre. Agora, iremos detalhar esse processo, reco- Em questões de concurso, as bancas costumam
nhecendo as estratégias que compõem cada maneira procurar nos enunciados implícitos do texto aspec-
de inferir informações de um texto. Por isso, vamos tos para abordar em suas provas.
apresentar nos tópicos seguintes como usar estra-
tégias de cunho dedutivo, indutivo e, ainda, como No momento de ler um texto, o leitor articula seus
articular a isso o nosso conhecimento de mundo na conhecimentos a partir de uma informação que jul-
interpretação de textos. ga certa, buscando uma interpretação; assim, ocorre
o processo de interpretação por dedução. Conforme,
A INDUÇÃO Kleiman (2016, p. 47):

As estratégias de interpretação que observam Ao formular hipóteses o leitor estará predizendo


métodos indutivos analisam as “pistas” que o texto temas, e ao Testá-las ele estará depreendendo o
oferece e, posteriormente, reconhece alguma certeza tema; ele estará também postulando uma possí-
na interpretação. Dessa forma, é fundamental buscar vel estrutura textual; na predição ele estará ati-
uma ordem de eventos ou processos ocorridos no tex- vando seu conhecimento prévio, e na testagem
to e que variam conforme o tipo textual. ele estará enriquecendo, refinando, checando esse
Sendo assim, no tipo textual narrativo, podemos conhecimento.
identificar uma organização cronológica e espacial no
desenvolvimento das ações marcadas, por exemplo, Fique atento a essa informação, pois é uma das
pelo uso do pretérito imperfeito; na descrição, pode- primeiras estratégias de leitura para uma boa inter-
mos organizar as ideias do texto a partir da marcação pretação textual: formular hipóteses, a partir da
de adjetivos e demais sintagmas nominais; na argu- macroestrutura textual, ou seja, antes da leitura ini-
mentação, esse encadeamento de ideias fica marcado
cial, o leitor deve buscar identificar o gênero textual
pelo uso de conjunções e elementos que expõem uma
ao qual o texto pertence, a fonte da leitura, o ano,
ideia/ponto de vista.
No processamento interpretativo indutivo, as entre outras informações que podem vir como “aces-
ideias são organizadas a partir de uma especificação sórios” do texto e, então, formular hipóteses sobre a
para uma generalização, Vejamos um exemplo: leitura que deverá se seguir. Uma outra dica impor-
tante é ler as questões da prova antes de ler o texto,
Eu não sou literato, detesto com toda a paixão essa pois, assim, suas hipóteses já estarão agindo conforme
espécie de animal. O que observei neles, no tempo um objetivo mais definido.
em que estive na redação do O Globo, foi o bastan- O processo de interpretação por estratégias
te para não os amar, nem os imitar. São em geral de dedução envolve a articulação de três tipos de
de uma lastimável limitação de ideias, cheios de conhecimento:
fórmulas, de receitas, só capazes de colher fatos
detalhados e impotentes para generalizar, cur- 1. Conhecimento Linguístico;
vados aos fortes e às ideias vencedoras, e antigas, 2. Conhecimento Textual;
adstritos a um infantil fetichismo do estilo e guia- 3. Conhecimento de Mundo.
dos por conceitos obsoletos e um pueril e errôneo
critério de beleza.
O conhecimento de mundo, por tratar-se de um
(BARRETO, 2010, p.21)
assunto mais abrangente, será abordado mais adiante,
Os demais, iremos abordar detalhadamente a seguir.
O trecho em destaque na citação do escritor Lima
Barreto, em sua obra “Recordações do escrivão Isaías
1. Conhecimento Linguístico
Caminha” (1917), identifica bem como o pensamento
indutivo compõe a interpretação e decodificação de
Esse é o conhecimento basilar para compreensão
um texto. Para deixar ainda mais evidente as estraté-
e decodificação do texto, envolve o reconhecimento
gias usadas para identificar essa forma de interpretar,
das formas linguísticas estabelecidas socialmente por
deixamos a seguir dicas de como buscar a organiza-
uma comunidade linguística, ou seja, envolve o reco-
ção cronológica de um texto.
nhecimento das regras de uma língua.
É importante salientar que as regras de reconhe-
A propriedade vocabular leva cimento sobre o funcionamento da língua não são,
o cérebro a aproximar as pa- necessariamente, as regras gramaticais, mas as regras
PROCURE SINÔNIMOS
lavras que têm maior asso- que estabelecem, por exemplo, no caso da língua por-
ciação com o tema do texto. tuguesa, que o feminino é marcado pela desinência
Os conectivos (conjunções, -a, que a ordem de escrita respeita o sistema SUJEITO-
preposições, pronomes) -VERBO-OBJETO (SVO) etc.
ATENÇÃO AOS
são marcadores claros de Ângela Kleiman (2016) afirma que o conhecimen-
CONECTIVOS
opiniões, espaços físicos e to linguístico é aquele que “abrange desde o conhe-
localizadores textuais. cimento sobre como pronunciar português, passando
pelo conhecimento de vocabulário e regras da língua,
A DEDUÇÃO chegando até o conhecimento sobre o uso da língua”
(2016, p. 15).
A leitura de um texto envolve a análise de diversos Um exemplo em que a interpretação textual é pre-
aspectos que o autor pode colocar explicitamente ou de judicada pelo conhecimento linguístico é o texto a
118 maneira implícita no enunciado. seguir:
disse ele, “um ovo e não uma mesa tipificam cor-
retamente esse planeta inexplorado.” Então as
três irmãs fortes e resolutas saíram à procura de
provas, abrindo caminho, às vezes através de imen-
sidões tranquilas, mas amiúde através de picos e
vales turbulentos (KLEIMAN, 2016, p. 24).

Agora tente responder as seguintes perguntas


sobre o texto:

Quem é o herói de que trata o texto?


Quem são as três irmãs?
Qual é o planeta inexplorado?

Certamente, você não conseguiu responder nenhu-


ma dessas questões, porém, ao descobrir o título des-
se texto, sua compreensão sobre essas perguntar será
afetada. O texto se chama “A descoberta da América
por Colombo”. Agora, volte ao texto, releia-o e bus-
que responder às questões; Certamente você não terá
mais as mesmas dificuldades.
Ainda que o texto não tenha sido alterado, ao vol-
tar seus olhos por uma segunda vez a ele, já sabendo
do que se trata, seu cérebro ativou um conhecimento
prévio que é essencial na interpretação de questões.
Fonte: https://bit.ly/3kCyWoI. Acessado em: 22/09/2020.

Como é possível notar, o texto é uma peça publici-


tária escrita em inglês, portanto, somente os leitores
proficientes nessa língua serão capazes de decodificar
EXERCÍCIOS COMENTADOS
e entender o que está escrito, assim, o conhecimento
linguístico torna-se crucial para a interpretação. Essas 1. (FGV – 2019) “Quando se julga por indução e sem o
são algumas estratégias de interpretação em que necessário conhecimento dos fatos, às vezes chega-
-se a ser injusto até mesmo com os malfeitores”. Indu-
podemos usar métodos dedutivos.
ção é um processo lógico que parte do particular para
o geral, como ocorre no seguinte raciocínio:
2. Conhecimento Textual
a) Todos os dias o metrô está cheio; hoje deve estar
Esse tipo de conhecimento atrela-se ao conheci- também;
mento linguístico e se desenvolve pela experiência b) Após as chuvas, as ruas ficam alagadas; hoje deve ter
leitora. Quanto maior exposição a diferentes tipos de chovido durante toda a noite;
textos, melhor se dá a sua compreensão. Nesse conhe- c) A torcida do Corinthians está presente em todos os
cimento, o leitor desenvolve sua habilidade porque jogos; domingo não deve ser diferente;
prepara sua leitura de acordo com o tipo de texto que d) O estacionamento do restaurante está cheio de carros;
está lendo. Não se lê uma bula de remédio como se lê o lucro desse restaurante deve ser alto;
uma receita de bolo ou um romance. Não se lê uma e) Os carros brasileiros ainda mostram deficiências; o
reportagem como se lê um poema. meu automóvel enguiçou ontem.
Em outras palavras, esse conhecimento relaciona-
-se com a habilidade de reconhecer diferentes tipos de Indução é um processo lógico que parte do particu-
discursos, estruturas, tipos e gêneros textuais. lar para o geral. Se houver alguma dúvida na reso-
lução, é só ir por exclusão das alternativas
3. Conhecimento de Mundo a) Todos os dias.../ hoje...
b) as ruas/ toda a noite
O uso dos conhecimentos prévios é fundamental c) em todos os jogos/ domingo...
para a boa interpretação textual, por isso, é sempre d) Resposta certa
importante o candidato a cargos públicos manter um e) Os carros.../ meu automóvel...Resposta: Letra D.
tempo disponível para ampliar sua biblioteca e bus-
car fontes de informações fidedignas, para, dessa for- 2. (CESPE – 2014) Julgue o item, relativo à dedução e
ma, aumentar seu conhecimento de mundo. indução.
LÍNGUA PORTUGUESA

Conforme Kleiman (2016), durante a leitura, nosso A conclusão de um argumento dedutivo é uma
conhecimento de mundo que é relevante para a com- consequência necessária da verdade da conjunção
preensão textual é ativado, por isso, é natural ao nosso das premissas, o que significa que, sendo verda-
cérebro associar informações, a fim de compreender deiras as premissas, é impossível a conclusão ser
o novo texto que está em processo de interpretação. falsa.
A esse respeito, a autora propõe o seguinte exer-
cício para atestarmos a importância da ativação do ( ) CERTO  ( ) ERRADO
conhecimento de mundo em um processo de interpre-
tação. Leia o texto a seguir e faça o que se pede: Pois o pensamento dedutivo parte do conheci-
mento geral, visando ao conhecimento particular,
Como gemas para financiá-lo, nosso herói desafiou assim, para a lógica dedutiva as premissas verda-
valentemente todos os risos desdenhosos que tenta- deiras não podem gerar enunciados falsos. Respos-
ram dissuadi-lo de seu plano. “Os olhos enganam” ta: Certo. 119
3. (UFPE – 2018 - Adaptada) Na temática da Lógica, leia A partir desse esquema, podemos identificar que a
o texto a seguir sobre os tipos de inferência: orientação gramatical mantida pelas frases apresen-
A dedução e a indução são conhecidas com o nome tam marcas linguísticas, assinalando o tipo textual
de inferência, isto é, concluir alguma coisa a partir predominante que o texto deve manter, organizado
de outra já conhecida. Sobre a indução e a dedução, pelas marcas do gênero textual a qual o texto pertence.
entende-se como inferências mediatas.
TIPO TEXTUAL
(CHAUÍ, Marilena. Convite à Filosofia. São Paulo: Ática, 1996, p. 68.)
Adaptado. Classifica-se conforme as marcas linguísticas
apresentadas no texto. Também é chamado de
A autora acima enfatiza a singularidade dos tipos de sequência textual.
inferência no âmbito da razão discursiva. Sobre isso,
observe a seguinte inferência: GÊNERO TEXTUAL
Sócrates é homem e mortal  Classifica-se conforme a função do texto, atri-
Platão é homem e mortal  buída socialmente.
Aristóteles é homem e mortal  
Logo, todos os homens são mortais.  
Uma última informação muito importante sobre
A inferência expressa o raciocínio: tipos textuais que devemos considerar é que nenhum
texto é composto apenas por um tipo textual, o que
a) Dialético. ocorre é a existência de predominância de algumas
b) Disjuntivo. sequências em detrimento de outras, de acordo com
c) Indutivo. o texto. Dito isso, vamos seguir nossos estudos apren-
d) Conjuntivo. dendo a diferenciar cada classe de tipos textuais, reco-
e) Argumentativo. nhecendo suas principais características e marcas
linguísticas.
Porque parte de premissas particulares para outras
mais genéricas. Resposta: Letra C. CLASSIFICAÇÃO DOS TIPOS TEXTUAIS E SUAS
PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS

Narrativo
TIPOLOGIA TEXTUAL Os textos compostos predominantemente por se-
quências narrativas cumprem o objetivo de contar
CONHECENDO OS TIPOS TEXTUAIS
uma história, narrar um fato, por isso precisam man-
ter a atenção do leitor/ouvinte e, para tal, lançam mão
Tipos ou sequências textuais são unidades que
de algumas estratégias, como a organização dos fatos
estruturam o texto. Para Bronckart (1999 apud
a partir de marcadores temporais, espaciais, inclusão
CAVALCANTE, 2013), “são unidades estruturais, rela-
de um momento de tensão, chamado de clímax, e um
tivamente autônomas, organizadas em frases”. Os
desfecho que poderá ou não apresentar uma moral.
tipos textuais marcam uma forma de organização da
Conforme Cavalcante (2013), o tipo textual narrati-
estrutura do texto que se molda a depender do gênero
vo pode ser caracterizado por sete aspectos, são eles:
discursivo e da necessidade comunicativa. Por exem-
plo, há gêneros que apresentam a predominância de
1. Situação inicial – envolve a “quebra” de um equi-
narrações – contos, fábulas, romances, história em
líbrio, o qual demanda uma situação conflituosa;
quadrinhos etc –, outros predominam a argumenta-
2. Complicação – desenvolvimento da tensão apre-
ção – redação do Enem, teses, dissertações, artigo de sentada inicialmente;
opinião etc. 3. Ações (para o clímax) – Acontecimentos que
No intuito de conceituar melhor os tipos textuais, ampliam a tensão;
inspiramo-nos em Cavalcante (2013) e apresentamos 4. Resolução – Momento de solução da tensão;
essa figura que demonstra como podemos identifi- 5. Situação final – Retorno da situação equilibrada;
car os tipos textuais e suas principais características, 6. Avaliação – Apresentação de uma “opinião” sobre
tendo em vista que, cada sequência textual apresen- a resolução;
ta características próprias que, conforme menciona- 7. Moral – Apresentação de valores morais que a histó-
mos, pouco ou nada sofrem em alterações, mantendo ria possa ter apresentado.
uma estrutura linguística quase rígida que nos per-
mite classificar os tipos textuais em 5 categorias Esses sete passos podem ser encontrados no seguin-
(Narrativo; Descritivo; Expositivo; Instrucional; te exemplo, a canção “Era um garoto que como eu...”
Argumentativo). Vamos ler e identificar essas características, bem
como aprender a identificar outros pontos do tipo tex-
GÊNERO TEXTUAL tual narrativo.

Era um garoto que como eu


1. Situação inicial:
Amava os Beatles e os Rolling Stones
predomínio de
FRASES TIPO TEXTUAL TEXTO Girava o mundo sempre a cantar
equilíbrio;
120 As coisas lindas da América
Não era belo, mas mesmo assim Narrador personagem: Verbos flexionados em 1ª pes-
Havia uma garota afim
soa. O narrador participa dos fatos.
Cantava Help and Ticket to Ride
Oh Lady Jane, Yesterday Narrador observador: Verbos flexionados em 3ª pes-
2. Complicação:
Cantava viva à liberdade
início da tensão soa. O narrador tem propriedade dos fatos contados,
Mas uma carta sem esperar
Da sua guitarra, o separou porém não participa das ações.
Fora chamado na América
Narrador onisciente: Os fatos podem ser contados em
Stop! Com Rolling Stones
3ª ou 1ª pessoa verbal. O narrador conhece os fatos e
Stop! Com Beatles songs
Mandado foi ao Vietnã 3. Clímax;
não participa das ações, porém o fluxo de consciência
Lutar com vietcongs do narrador pode ser exposto, levando o texto para a
Era um garoto que como eu 1ª pessoa.
Amava os Beatles e os Rolling Stones 4. Resolução;
Girava o mundo, mas acabou
Alguns gêneros são conhecidos por suas marcas
Fazendo a guerra no Vietnã predominantemente narrativas, são eles: notícia, diá-
Cabelos longos não usa mais
rio, conto, fábula, entre outros. É importante reafir-
Não toca a sua guitarra e sim
Um instrumento que sempre dá
mar que o fato de esses gêneros serem essencialmente
6. Situação final; narrativos, não significa que não possam apresentar
A mesma nota,
7. Avaliação; outras sequências em sua composição.
ra-tá-tá-tá
Não tem amigos, não vê garotas Para diferenciar os tipos textuais e proceder na
Só gente morta caindo ao chão classificação correta, é sempre essencial prestar aten-
Ao seu país não voltará ção nas marcas que predominam no texto.
Pois está morto no Vietnã Após demarcarmos as principais características do
Stop! Com Rolling Stones tipo textual narrativo, vamos agora conhecer as mar-
Stop! Com Beatles songs cas mais importantes da sequência textual classifica-
8. Moral.
Stop! Com Beatles songs da como descritiva.
No peito, um coração não há
Mas duas medalhas sim Descritivo
Fonte: google.com/letrasdemusica. Acessado em: 05/09/2020.
O tipo textual descritivo é marcado pelas formas
nominais que dominam o texto. Os gêneros que utili-
Essas sete marcas que definem o tipo textual nar- zam esse tipo textual, geralmente, utilizam a sequên-
rativo podem ser resumidas em marcas de organiza- cia descritiva como suporte para um propósito maior.
ção linguística que são caracterizadas por: Presença São exemplos de textos cujo tipo textual predominan-
de marcadores temporais e espaciais; verbos, pre- te é a descrição: relato de viagem, currículo, anúncio,
dominantemente, utilizados no passado; presença classificados, lista de compras etc. Veja um trecho da
de narrador e personagens. Carta de Pero Vaz de Caminha que relata suas impres-
sões a respeito de alguns aspectos do território que
viria a ser chamado de Brasil no ano de 1500.
Importante!
Ali veríeis galantes, pintados de preto e vermelho, e
Os gêneros textuais que são, predominantemen- quartejados, assim pelos corpos como pelas pernas,
te, narrativos, apresentam outras tipologias tex- que, certo, assim pareciam bem. Também andavam
tuais em sua composição, tendo em vista que entre eles quatro ou cinco mulheres, novas, que
nenhum texto é composto exclusivamente por assim nuas, não pareciam mal. Entre elas andava
uma sequência textual. Por isso, devemos sem- uma, com uma coxa, do joelho até o quadril e a náde-
pre identificar as marcas linguísticas que são pre- ga, toda tingida daquela tintura preta; e todo o resto
dominantes em um texto, a fim de classificá-lo. da sua cor natural. Outra trazia ambos os joelhos
com as curvas assim tintas, e também os colos dos
pés; e suas vergonhas tão nuas, e com tanta inocên-
Para sua compreensão, também é preciso saber o cia assim descobertas, que não havia nisso desver-
gonha nenhuma.
que são marcadores temporais e espaciais.
São formas linguísticas como advérbios, pronomes, (https://www.todamateria.com.br/carta-de-pero-vaz-de-caminha)
locuções etc. utilizado