Você está na página 1de 301

CÓD: OP-001JL-21

7908403506989

FUNSAÚDE-CE
FUNDAÇÃO REGIONAL DE SAÚDE DO ESTADO DO CEARÁ

Analista Administrativo
Qualquer Formação de Nível Superior
EDITAL N° 01 E 02, DE 24 DE JUNHO DE 2021
• A Opção não está vinculada às organizadoras de Concurso Público. A aquisição do material não garante sua inscrição ou ingresso na
carreira pública,

• Sua apostila aborda os tópicos do Edital de forma prática e esquematizada,

• Alterações e Retificações após a divulgação do Edital estarão disponíveis em Nosso Site na Versão Digital,

• Dúvidas sobre matérias podem ser enviadas através do site: www.apostilasopção.com.br/contatos.php, com retorno do professor
no prazo de até 05 dias úteis.,

• É proibida a reprodução total ou parcial desta apostila, de acordo com o Artigo 184 do Código Penal.

Apostilas Opção, a Opção certa para a sua realização.


ÍNDICE

Língua Portuguesa
1. Elementos De Construção Do Texto E Seu Sentido: Gênero Do Texto (Literário E Não Literário, Narrativo, Descritivo E Argumentativo);
Interpretação E Organização Interna . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Semântica: Sentido E Emprego Dos Vocábulos; Campos Semânticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
3. Emprego De Tempos E Modos Dos Verbos Na Língua Portuguesa.morfologia: Reconhecimento, Emprego E Sentido Das Classes Gramat-
icais; Processos De Formação De Palavras; Mecanismos De Flexão Dos Nomes E Verbos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
4. Sintaxe: Frase, Oração E Período; Termos Da Oração; Processos De Coordenação E Subordinação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
5. Concordância Nominal E Verbal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
6. Transitividade E Regência De Nomes E Verbos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
7. Padrões Gerais De Colocação Pronominal Na Língua Portuguesa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
8. Mecanismos De Coesão Textual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
9. Ortografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
10. Acentuação Gráfica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
11. Emprego Do Sinal Indicativo De Crase . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
12. Pontuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
13. Estilística: Figuras De Linguagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
14. Reescritura De Frases: Substituição, Deslocamento, Paralelismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
15. Variação Linguística: Norma Padrão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30

Raciocínio Lógico
1. Proposições, Conectivos, Equivalências Lógicas, Quantificadores E Predicados. Conjuntos E Suas Operações, Diagramas. Estrutura
Lógica De Relações Arbitrárias Entre Pessoas, Lugares, Objetos Ou Eventos Fictícios; Dedução De Novas Informações Das Relações
Fornecidas E Avaliação Das Condições Usadas Para Estabelecer A Estrutura Daquelas Relações. Compreensão E Análise Da Lógica De
Uma Situação, Utilizando As Funções Intelectuais: Raciocínio Verbal, Raciocínio Matemático, Raciocínio Sequencial, Reconhecimento
De Padrões, Orientação Espacial E Temporal, Formação De Conceitos, Discriminação De Elementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Números Inteiros, Racionais E Reais E Suas Operações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
3. Porcentagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
4. Proporcionalidade Direta E Inversa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
5. Medidas De Comprimento, Área, Volume, Massa E Tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
6. Compreensão De Dados Apresentados Em Gráficos E Tabelas. Noções De Estatística: Média, Moda, Mediana E Desvio Padrão . . 40
7. Problemas De Lógica E Raciocínio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
8. Problemas De Contagem E Noções De Probabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
9. Geometria Básica: Ângulos, Triângulos, Polígonos, Distâncias, Proporcionalidade, Perímetro E Área . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51

Atualidades
1. Meio ambiente e sociedade: problemas, políticas públicas, organizações não governamentais, aspectos locais e aspectos
globais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Descobertas e inovações científicas na atualidade e seus impactos na sociedade contemporânea. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
3. Mundo Contemporâneo: elementos de política internacional e brasileira; cultura internacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
4. Cultura brasileira (música, literatura, artes, arquitetura, rádio, cinema, teatro, jornais, revistas e televisão) . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
5. Elementos de economia internacional contemporânea . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
6. Panorama da economia brasileira. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
7. Ética e cidadania. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
8. Relações humanas no trabalho. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
ÍNDICE

Legislação
1. Sistema Único de Saúde (SUS): princípios, diretrizes, estrutura e organização; políticas de saúde. Estrutura e funcionamento das insti-
tuições e suas relações com os serviços de saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Níveis progressivos de assistência à saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 07
3. Políticas públicas do SUS para gestão de recursos físicos, financeiros, materiais e humanos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 08
4. Sistema de planejamento do SUS: estratégico e normativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
5. Direitos dos usuários do SUS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
6. Participação e controle social . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
7. Ações e programas do SUS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
8. Legislação básica do SUS . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
9. Política Nacional de Humanização . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
10. Organização do Sistema de Saúde do Estado do Ceará: Metas, Programas e Ações em Saúde . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43

Noções de Administração Geral


1. Evolução Da Administração: Principais Abordagens Da Administração (Clássica Até Contingencial) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Processo Administrativo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
3. Funções De Administração: Planejamento, Organização, Direção E Controle . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 06
4. Processo De Planejamento: Planejamento Estratégico: Visão, Missão, Valores E Objetivos Estratégicos; Análise Competitiva E Estraté-
Gias Genéricas; Administração Por Objetivos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
5. Processo Decisório . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
6. Organização: Estrutura Organizacional; Tipos De Departamentalização: Características, Vantagens E Desvantagens De Cada Tipo; Or-
ganização Informal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
7. Cultura Organizacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
8. Motivação E Liderança: Comunicação; Descentralização E Delegação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
9. Controle: Características; Tipos, Vantagens E Desvantagens; Sistema De Medição De Desempenho Organizacional . . . . . . . . . . . . . . . 30
10. Gestão De Pessoas: Equilíbrio Organizacional; Objetivos, Desafios E Características Da Gestão De Pessoas; Recrutamento E Seleção De
Pessoas: Objetivos, Principais Tipos, Características, Vantagens E Desvantagens; Capacitação De Pessoas; Gestão De Desempenho . 30
11. Gestão De Projetos: Elaboração, Análise E Avaliação De Projetos; Principais Características Dos Modelos De Gestão De Projetos; Pro-
jetos E Suas Etapas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
12. Gestão De Processos: Conceitos Da Abordagem Por Processos; Técnicas De Mapeamento, Análise E Melhoria De Processos . . . . 34
13. Licitações E Contratos Administrativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36

Administração de Recursos Materiais


1. Classificação de materiais: atributos para classificação de materiais; tipos de classificação; metodologia de cálculo da curva ABC.
Gestão de estoques. Compras: organização do setor de compras; etapas do processo; perfil do comprador; modalidades de compra;
cadastro de fornecedores. Compras no setor público: objeto de licitação; edital de licitação Recebimento e armazenagem: entrada;
conferência; objetivos da armazenagem; critérios e técnicas de armazenagem; arranjo físico (leiaute). Distribuição de materiais: car-
acterísticas das modalidades de transporte; estrutura para distribuição.. Gestão patrimonial: tombamento de bens; controle de bens;
inventário; alienação de bens; alterações e baixa de bens. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Ética profissional. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

Conteúdo Digital Complementar e Exclusivo


Legislação
1. Constituição Federal de 1988 - Título VIII - artigo 194 a 200 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Lei nº 8.142/90 (dispõe sobre a participação da comunidade na gestão do Sistema Único de Saúde (SUS) e sobre as transferências
intergovernamentais de recursos financeiros na área da saúde e dá outras providências) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 03
3. Lei nº 8.080/90 (dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos
serviços correspondentes e dá outras providências) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 05
4. RDC nº 63, de 25 de novembro de 2011 (dispõe sobre os requisitos de boas práticas de funcionamento para os Serviços de Saúde)13
5. Resolução CNS nº 553/2017 (dispõe sobre a carta dos direitos e deveres da pessoa usuária da saúde) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
ÍNDICE

6. RDC nº 36, de 25 de julho de 2013 (institui ações para a segurança do paciente em serviços de saúde e dá outras providências) . 21
Noções de Administração Geral - Legislação
1. Lei nº 8.666/1993 e suas alterações: modalidades de licitação, dispensa e inexigibilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Lei nº 10.520/2002 e demais disposições normativas relativas ao pregão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
3. Decreto nº 7.892/2013 (sistema de registro de preços) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
4. Lei nº 12.462/2011 (Regime Diferenciado de Contratações Públicas) . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
5. Decreto nº 6.170/2007 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
6. Portaria Interministerial CGU/MF/MP nº 507/2011 e suas alterações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45

Prezado Candidato, para estudar o conteúdo digital complementar e exclusivo,


acesse: https://www.apostilasopcao.com.br/retificacoes
LÍNGUA PORTUGUESA
1. Elementos De Construção Do Texto E Seu Sentido: Gênero Do Texto (Literário E Não Literário, Narrativo, Descritivo E Argumentativo);
Interpretação E Organização Interna . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Semântica: Sentido E Emprego Dos Vocábulos; Campos Semânticos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
3. Emprego De Tempos E Modos Dos Verbos Na Língua Portuguesa.morfologia: Reconhecimento, Emprego E Sentido Das Classes Grama-
ticais; Processos De Formação De Palavras; Mecanismos De Flexão Dos Nomes E Verbos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
4. Sintaxe: Frase, Oração E Período; Termos Da Oração; Processos De Coordenação E Subordinação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
5. Concordância Nominal E Verbal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
6. Transitividade E Regência De Nomes E Verbos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
7. Padrões Gerais De Colocação Pronominal Na Língua Portuguesa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
8. Mecanismos De Coesão Textual . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
9. Ortografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
10. Acentuação Gráfica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
11. Emprego Do Sinal Indicativo De Crase . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
12. Pontuação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26
13. Estilística: Figuras De Linguagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
14. Reescritura De Frases: Substituição, Deslocamento, Paralelismo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
15. Variação Linguística: Norma Padrão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
LÍNGUA PORTUGUESA
Veja, no quadro abaixo, os principais tipos e suas caracte-
ELEMENTOS DE CONSTRUÇÃO DO TEXTO E SEU SENTI- rísticas:
DO: GÊNERO DO TEXTO (LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO,
NARRATIVO, DESCRITIVO E ARGUMENTATIVO); INTER-
PRETAÇÃO E ORGANIZAÇÃO INTERNA Apresenta um enredo, com ações e
relações entre personagens, que ocorre
em determinados espaço e tempo. É
Compreender e interpretar textos é essencial para que o TEXTO NARRATIVO
contado por um narrador, e se estrutura
objetivo de comunicação seja alcançado satisfatoriamente. Com da seguinte maneira: apresentação >
isso, é importante saber diferenciar os dois conceitos. Vale lem- desenvolvimento > clímax > desfecho
brar que o texto pode ser verbal ou não-verbal, desde que tenha
Tem o objetivo de defender determinado
um sentido completo.
TEXTO ponto de vista, persuadindo o leitor a
A compreensão se relaciona ao entendimento de um texto
DISSERTATIVO partir do uso de argumentos sólidos.
e de sua proposta comunicativa, decodificando a mensagem ex-
ARGUMENTATIVO Sua estrutura comum é: introdução >
plícita. Só depois de compreender o texto que é possível fazer a
desenvolvimento > conclusão.
sua interpretação.
A interpretação são as conclusões que chegamos a partir Procura expor ideias, sem a necessidade
do conteúdo do texto, isto é, ela se encontra para além daquilo de defender algum ponto de vista. Para
que está escrito ou mostrado. Assim, podemos dizer que a inter- isso, usa-se comparações, informações,
TEXTO EXPOSITIVO
pretação é subjetiva, contando com o conhecimento prévio e do definições, conceitualizações etc. A
repertório do leitor. estrutura segue a do texto dissertativo-
argumentativo.
Dessa maneira, para compreender e interpretar bem um
texto, é necessário fazer a decodificação de códigos linguísticos Expõe acontecimentos, lugares, pessoas,
e/ou visuais, isto é, identificar figuras de linguagem, reconhe- de modo que sua finalidade é descrever,
cer o sentido de conjunções e preposições, por exemplo, bem TEXTO DESCRITIVO ou seja, caracterizar algo ou alguém. Com
como identificar expressões, gestos e cores quando se trata de isso, é um texto rico em adjetivos e em
imagens. verbos de ligação.

Oferece instruções, com o objetivo de


Dicas práticas
TEXTO INJUNTIVO orientar o leitor. Sua maior característica
1. Faça um resumo (pode ser uma palavra, uma frase, um são os verbos no modo imperativo.
conceito) sobre o assunto e os argumentos apresentados em
cada parágrafo, tentando traçar a linha de raciocínio do texto.
Se possível, adicione também pensamentos e inferências pró- Gêneros textuais
prias às anotações. A classificação dos gêneros textuais se dá a partir do reco-
2. Tenha sempre um dicionário ou uma ferramenta de busca nhecimento de certos padrões estruturais que se constituem a
por perto, para poder procurar o significado de palavras desco- partir da função social do texto. No entanto, sua estrutura e seu
nhecidas. estilo não são tão limitados e definidos como ocorre na tipologia
3. Fique atento aos detalhes oferecidos pelo texto: dados, textual, podendo se apresentar com uma grande diversidade.
fonte de referências e datas. Além disso, o padrão também pode sofrer modificações ao lon-
4. Sublinhe as informações importantes, separando fatos de go do tempo, assim como a própria língua e a comunicação, no
opiniões. geral.
5. Perceba o enunciado das questões. De um modo geral, Alguns exemplos de gêneros textuais:
questões que esperam compreensão do texto aparecem com • Artigo
as seguintes expressões: o autor afirma/sugere que...; segundo • Bilhete
o texto...; de acordo com o autor... Já as questões que esperam • Bula
interpretação do texto aparecem com as seguintes expressões: • Carta
conclui-se do texto que...; o texto permite deduzir que...; qual é a • Conto
intenção do autor quando afirma que... • Crônica
• E-mail
Tipologia Textual • Lista
A partir da estrutura linguística, da função social e da finali- • Manual
dade de um texto, é possível identificar a qual tipo e gênero ele • Notícia
pertence. Antes, é preciso entender a diferença entre essas duas • Poema
classificações. • Propaganda
• Receita culinária
Tipos textuais • Resenha
A tipologia textual se classifica a partir da estrutura e da • Seminário
finalidade do texto, ou seja, está relacionada ao modo como o
texto se apresenta. A partir de sua função, é possível estabele- Vale lembrar que é comum enquadrar os gêneros textuais
cer um padrão específico para se fazer a enunciação. em determinados tipos textuais. No entanto, nada impede que
um texto literário seja feito com a estruturação de uma receita
culinária, por exemplo. Então, fique atento quanto às caracte-
rísticas, à finalidade e à função social de cada texto analisado.

1
LÍNGUA PORTUGUESA
ARGUMENTAÇÃO Admitidas como verdadeiras as duas premissas, a conclusão
também será verdadeira.
O ato de comunicação não visa apenas transmitir uma infor- No domínio da argumentação, as coisas são diferentes.
mação a alguém. Quem comunica pretende criar uma imagem Nele, a conclusão não é necessária, não é obrigatória. Por isso,
positiva de si mesmo (por exemplo, a de um sujeito educado, deve-se mostrar que ela é a mais desejável, a mais provável, a
ou inteligente, ou culto), quer ser aceito, deseja que o que diz mais plausível. Se o Banco do Brasil fizer uma propaganda di-
seja admitido como verdadeiro. Em síntese, tem a intenção de zendo-se mais confiável do que os concorrentes porque existe
convencer, ou seja, tem o desejo de que o ouvinte creia no que desde a chegada da família real portuguesa ao Brasil, ele estará
o texto diz e faça o que ele propõe. dizendo-nos que um banco com quase dois séculos de existência
Se essa é a finalidade última de todo ato de comunicação, é sólido e, por isso, confiável. Embora não haja relação necessá-
todo texto contém um componente argumentativo. A argumen- ria entre a solidez de uma instituição bancária e sua antiguidade,
tação é o conjunto de recursos de natureza linguística destina- esta tem peso argumentativo na afirmação da confiabilidade de
dos a persuadir a pessoa a quem a comunicação se destina. Está um banco. Portanto é provável que se creia que um banco mais
presente em todo tipo de texto e visa a promover adesão às antigo seja mais confiável do que outro fundado há dois ou três
teses e aos pontos de vista defendidos. anos.
As pessoas costumam pensar que o argumento seja apenas Enumerar todos os tipos de argumentos é uma tarefa quase
uma prova de verdade ou uma razão indiscutível para compro- impossível, tantas são as formas de que nos valemos para fazer
var a veracidade de um fato. O argumento é mais que isso: como as pessoas preferirem uma coisa a outra. Por isso, é importante
se disse acima, é um recurso de linguagem utilizado para levar o entender bem como eles funcionam.
interlocutor a crer naquilo que está sendo dito, a aceitar como Já vimos diversas características dos argumentos. É preci-
verdadeiro o que está sendo transmitido. A argumentação per- so acrescentar mais uma: o convencimento do interlocutor, o
tence ao domínio da retórica, arte de persuadir as pessoas me- auditório, que pode ser individual ou coletivo, será tanto mais
diante o uso de recursos de linguagem. fácil quanto mais os argumentos estiverem de acordo com suas
Para compreender claramente o que é um argumento, é crenças, suas expectativas, seus valores. Não se pode convencer
bom voltar ao que diz Aristóteles, filósofo grego do século IV um auditório pertencente a uma dada cultura enfatizando coisas
a.C., numa obra intitulada “Tópicos: os argumentos são úteis que ele abomina. Será mais fácil convencê-lo valorizando coisas
quando se tem de escolher entre duas ou mais coisas”. que ele considera positivas. No Brasil, a publicidade da cerveja
Se tivermos de escolher entre uma coisa vantajosa e uma vem com frequência associada ao futebol, ao gol, à paixão nacio-
desvantajosa, como a saúde e a doença, não precisamos argu- nal. Nos Estados Unidos, essa associação certamente não surti-
mentar. Suponhamos, no entanto, que tenhamos de escolher ria efeito, porque lá o futebol não é valorizado da mesma forma
entre duas coisas igualmente vantajosas, a riqueza e a saúde. que no Brasil. O poder persuasivo de um argumento está vincu-
Nesse caso, precisamos argumentar sobre qual das duas é mais lado ao que é valorizado ou desvalorizado numa dada cultura.
desejável. O argumento pode então ser definido como qualquer
recurso que torna uma coisa mais desejável que outra. Isso sig- Tipos de Argumento
nifica que ele atua no domínio do preferível. Ele é utilizado para
fazer o interlocutor crer que, entre duas teses, uma é mais pro- Já verificamos que qualquer recurso linguístico destinado a
vável que a outra, mais possível que a outra, mais desejável que fazer o interlocutor dar preferência à tese do enunciador é um
a outra, é preferível à outra. argumento. Exemplo:
O objetivo da argumentação não é demonstrar a verdade de
um fato, mas levar o ouvinte a admitir como verdadeiro o que o Argumento de Autoridade
enunciador está propondo.
Há uma diferença entre o raciocínio lógico e a argumenta- É a citação, no texto, de afirmações de pessoas reconhe-
ção. O primeiro opera no domínio do necessário, ou seja, pre- cidas pelo auditório como autoridades em certo domínio do
tende demonstrar que uma conclusão deriva necessariamente saber, para servir de apoio àquilo que o enunciador está pro-
das premissas propostas, que se deduz obrigatoriamente dos pondo. Esse recurso produz dois efeitos distintos: revela o co-
postulados admitidos. No raciocínio lógico, as conclusões não nhecimento do produtor do texto a respeito do assunto de que
dependem de crenças, de uma maneira de ver o mundo, mas está tratando; dá ao texto a garantia do autor citado. É preciso,
apenas do encadeamento de premissas e conclusões. no entanto, não fazer do texto um amontoado de citações. A
Por exemplo, um raciocínio lógico é o seguinte encadea- citação precisa ser pertinente e verdadeira. Exemplo:
mento:
“A imaginação é mais importante do que o conhecimento.”
A é igual a B.
A é igual a C. Quem disse a frase aí de cima não fui eu... Foi Einstein. Para
Então: C é igual a A. ele, uma coisa vem antes da outra: sem imaginação, não há co-
nhecimento. Nunca o inverso.
Admitidos os dois postulados, a conclusão é, obrigatoria-
mente, que C é igual a A. Alex José Periscinoto.
Outro exemplo: In: Folha de S. Paulo, 30/8/1993, p. 5-2

Todo ruminante é um mamífero.


A vaca é um ruminante.
Logo, a vaca é um mamífero.

2
LÍNGUA PORTUGUESA
A tese defendida nesse texto é que a imaginação é mais im- que não se fundamentam nos dados apresentados, ilustrar afir-
portante do que o conhecimento. Para levar o auditório a aderir mações gerais com fatos inadequados, narrar um fato e dele ex-
a ela, o enunciador cita um dos mais célebres cientistas do mun- trair generalizações indevidas.
do. Se um físico de renome mundial disse isso, então as pessoas
devem acreditar que é verdade. Argumento do Atributo

Argumento de Quantidade É aquele que considera melhor o que tem propriedades tí-
picas daquilo que é mais valorizado socialmente, por exemplo,
É aquele que valoriza mais o que é apreciado pelo maior o mais raro é melhor que o comum, o que é mais refinado é
número de pessoas, o que existe em maior número, o que tem melhor que o que é mais grosseiro, etc.
maior duração, o que tem maior número de adeptos, etc. O fun- Por esse motivo, a publicidade usa, com muita frequência,
damento desse tipo de argumento é que mais = melhor. A publi- celebridades recomendando prédios residenciais, produtos de
cidade faz largo uso do argumento de quantidade. beleza, alimentos estéticos, etc., com base no fato de que o con-
sumidor tende a associar o produto anunciado com atributos da
Argumento do Consenso celebridade.
Uma variante do argumento de atributo é o argumento da
É uma variante do argumento de quantidade. Fundamenta- competência linguística. A utilização da variante culta e formal
-se em afirmações que, numa determinada época, são aceitas da língua que o produtor do texto conhece a norma linguística
como verdadeiras e, portanto, dispensam comprovações, a me- socialmente mais valorizada e, por conseguinte, deve produzir
nos que o objetivo do texto seja comprovar alguma delas. Parte um texto em que se pode confiar. Nesse sentido é que se diz que
da ideia de que o consenso, mesmo que equivocado, correspon- o modo de dizer dá confiabilidade ao que se diz.
de ao indiscutível, ao verdadeiro e, portanto, é melhor do que Imagine-se que um médico deva falar sobre o estado de saú-
aquilo que não desfruta dele. Em nossa época, são consensuais, de de uma personalidade pública. Ele poderia fazê-lo das duas
por exemplo, as afirmações de que o meio ambiente precisa ser maneiras indicadas abaixo, mas a primeira seria infinitamente
protegido e de que as condições de vida são piores nos países mais adequada para a persuasão do que a segunda, pois esta
subdesenvolvidos. Ao confiar no consenso, porém, corre-se o produziria certa estranheza e não criaria uma imagem de com-
risco de passar dos argumentos válidos para os lugares comuns, petência do médico:
os preconceitos e as frases carentes de qualquer base científica.
- Para aumentar a confiabilidade do diagnóstico e levando
Argumento de Existência em conta o caráter invasivo de alguns exames, a equipe médica
houve por bem determinar o internamento do governador pelo
É aquele que se fundamenta no fato de que é mais fácil período de três dias, a partir de hoje, 4 de fevereiro de 2001.
aceitar aquilo que comprovadamente existe do que aquilo que - Para conseguir fazer exames com mais cuidado e porque
é apenas provável, que é apenas possível. A sabedoria popular alguns deles são barrapesada, a gente botou o governador no
enuncia o argumento de existência no provérbio “Mais vale um hospital por três dias.
pássaro na mão do que dois voando”.
Nesse tipo de argumento, incluem-se as provas documen- Como dissemos antes, todo texto tem uma função argumen-
tais (fotos, estatísticas, depoimentos, gravações, etc.) ou provas tativa, porque ninguém fala para não ser levado a sério, para ser
concretas, que tornam mais aceitável uma afirmação genérica. ridicularizado, para ser desmentido: em todo ato de comunica-
Durante a invasão do Iraque, por exemplo, os jornais diziam que ção deseja-se influenciar alguém. Por mais neutro que pretenda
o exército americano era muito mais poderoso do que o iraquia- ser, um texto tem sempre uma orientação argumentativa.
no. Essa afirmação, sem ser acompanhada de provas concretas, A orientação argumentativa é uma certa direção que o fa-
poderia ser vista como propagandística. No entanto, quando do- lante traça para seu texto. Por exemplo, um jornalista, ao falar
cumentada pela comparação do número de canhões, de carros de um homem público, pode ter a intenção de criticá-lo, de ridi-
de combate, de navios, etc., ganhava credibilidade. cularizá-lo ou, ao contrário, de mostrar sua grandeza.
O enunciador cria a orientação argumentativa de seu texto
Argumento quase lógico dando destaque a uns fatos e não a outros, omitindo certos epi-
sódios e revelando outros, escolhendo determinadas palavras e
É aquele que opera com base nas relações lógicas, como não outras, etc. Veja:
causa e efeito, analogia, implicação, identidade, etc. Esses ra-
ciocínios são chamados quase lógicos porque, diversamente dos “O clima da festa era tão pacífico que até sogras e noras
raciocínios lógicos, eles não pretendem estabelecer relações trocavam abraços afetuosos.”
necessárias entre os elementos, mas sim instituir relações pro- O enunciador aí pretende ressaltar a ideia geral de que no-
váveis, possíveis, plausíveis. Por exemplo, quando se diz “A é ras e sogras não se toleram. Não fosse assim, não teria escolhi-
igual a B”, “B é igual a C”, “então A é igual a C”, estabelece-se do esse fato para ilustrar o clima da festa nem teria utilizado o
uma relação de identidade lógica. Entretanto, quando se afirma termo até, que serve para incluir no argumento alguma coisa
“Amigo de amigo meu é meu amigo” não se institui uma identi- inesperada.
dade lógica, mas uma identidade provável. Além dos defeitos de argumentação mencionados quando
Um texto coerente do ponto de vista lógico é mais facilmen- tratamos de alguns tipos de argumentação, vamos citar outros:
te aceito do que um texto incoerente. Vários são os defeitos que - Uso sem delimitação adequada de palavra de sentido tão
concorrem para desqualificar o texto do ponto de vista lógico: amplo, que serve de argumento para um ponto de vista e seu
fugir do tema proposto, cair em contradição, tirar conclusões contrário. São noções confusas, como paz, que, paradoxalmen-

3
LÍNGUA PORTUGUESA
te, pode ser usada pelo agressor e pelo agredido. Essas palavras Pode-se dizer que o homem vive em permanente atitude
podem ter valor positivo (paz, justiça, honestidade, democracia) argumentativa. A argumentação está presente em qualquer tipo
ou vir carregadas de valor negativo (autoritarismo, degradação de discurso, porém, é no texto dissertativo que ela melhor se
do meio ambiente, injustiça, corrupção). evidencia.
- Uso de afirmações tão amplas, que podem ser derrubadas Para discutir um tema, para confrontar argumentos e po-
por um único contra exemplo. Quando se diz “Todos os políticos sições, é necessária a capacidade de conhecer outros pontos
são ladrões”, basta um único exemplo de político honesto para de vista e seus respectivos argumentos. Uma discussão impõe,
destruir o argumento. muitas vezes, a análise de argumentos opostos, antagônicos.
- Emprego de noções científicas sem nenhum rigor, fora do Como sempre, essa capacidade aprende-se com a prática. Um
contexto adequado, sem o significado apropriado, vulgarizando- bom exercício para aprender a argumentar e contra-argumentar
-as e atribuindo-lhes uma significação subjetiva e grosseira. É o consiste em desenvolver as seguintes habilidades:
caso, por exemplo, da frase “O imperialismo de certas indústrias - argumentação: anotar todos os argumentos a favor de
não permite que outras crescam”, em que o termo imperialismo uma ideia ou fato; imaginar um interlocutor que adote a posição
é descabido, uma vez que, a rigor, significa “ação de um Estado totalmente contrária;
visando a reduzir outros à sua dependência política e econômi- - contra-argumentação: imaginar um diálogo-debate e
ca”. quais os argumentos que essa pessoa imaginária possivelmente
apresentaria contra a argumentação proposta;
A boa argumentação é aquela que está de acordo com a si- - refutação: argumentos e razões contra a argumentação
tuação concreta do texto, que leva em conta os componentes oposta.
envolvidos na discussão (o tipo de pessoa a quem se dirige a
comunicação, o assunto, etc). A argumentação tem a finalidade de persuadir, portanto,
Convém ainda alertar que não se convence ninguém com argumentar consiste em estabelecer relações para tirar conclu-
manifestações de sinceridade do autor (como eu, que não cos- sões válidas, como se procede no método dialético. O método
tumo mentir...) ou com declarações de certeza expressas em dialético não envolve apenas questões ideológicas, geradoras de
fórmulas feitas (como estou certo, creio firmemente, é claro, é polêmicas. Trata-se de um método de investigação da realidade
óbvio, é evidente, afirmo com toda a certeza, etc). Em vez de pelo estudo de sua ação recíproca, da contradição inerente ao
prometer, em seu texto, sinceridade e certeza, autenticidade e fenômeno em questão e da mudança dialética que ocorre na
verdade, o enunciador deve construir um texto que revele isso. natureza e na sociedade.
Em outros termos, essas qualidades não se prometem, manifes- Descartes (1596-1650), filósofo e pensador francês, criou o
tam-se na ação. método de raciocínio silogístico, baseado na dedução, que par-
A argumentação é a exploração de recursos para fazer pa- te do simples para o complexo. Para ele, verdade e evidência
recer verdadeiro aquilo que se diz num texto e, com isso, levar são a mesma coisa, e pelo raciocínio torna-se possível chegar a
a pessoa a que texto é endereçado a crer naquilo que ele diz. conclusões verdadeiras, desde que o assunto seja pesquisado
Um texto dissertativo tem um assunto ou tema e expressa em partes, começando-se pelas proposições mais simples até
um ponto de vista, acompanhado de certa fundamentação, que alcançar, por meio de deduções, a conclusão final. Para a linha
inclui a argumentação, questionamento, com o objetivo de per- de raciocínio cartesiana, é fundamental determinar o problema,
suadir. Argumentar é o processo pelo qual se estabelecem rela- dividi-lo em partes, ordenar os conceitos, simplificando-os, enu-
ções para chegar à conclusão, com base em premissas. Persuadir merar todos os seus elementos e determinar o lugar de cada um
é um processo de convencimento, por meio da argumentação, no conjunto da dedução.
no qual procura-se convencer os outros, de modo a influenciar A lógica cartesiana, até os nossos dias, é fundamental para
seu pensamento e seu comportamento. a argumentação dos trabalhos acadêmicos. Descartes propôs
A persuasão pode ser válida e não válida. Na persuasão vá- quatro regras básicas que constituem um conjunto de reflexos
lida, expõem-se com clareza os fundamentos de uma ideia ou vitais, uma série de movimentos sucessivos e contínuos do espí-
proposição, e o interlocutor pode questionar cada passo do ra- rito em busca da verdade:
ciocínio empregado na argumentação. A persuasão não válida - evidência;
apoia-se em argumentos subjetivos, apelos subliminares, chan- - divisão ou análise;
tagens sentimentais, com o emprego de “apelações”, como a - ordem ou dedução;
inflexão de voz, a mímica e até o choro. - enumeração.
Alguns autores classificam a dissertação em duas modalida-
des, expositiva e argumentativa. Esta, exige argumentação, ra- A enumeração pode apresentar dois tipos de falhas: a omis-
zões a favor e contra uma ideia, ao passo que a outra é informa- são e a incompreensão. Qualquer erro na enumeração pode
tiva, apresenta dados sem a intenção de convencer. Na verdade, quebrar o encadeamento das ideias, indispensável para o pro-
a escolha dos dados levantados, a maneira de expô-los no texto cesso dedutivo.
já revelam uma “tomada de posição”, a adoção de um ponto de A forma de argumentação mais empregada na redação aca-
vista na dissertação, ainda que sem a apresentação explícita de dêmica é o silogismo, raciocínio baseado nas regras cartesianas,
argumentos. Desse ponto de vista, a dissertação pode ser defi- que contém três proposições: duas premissas, maior e menor, e
nida como discussão, debate, questionamento, o que implica a a conclusão. As três proposições são encadeadas de tal forma,
liberdade de pensamento, a possibilidade de discordar ou con- que a conclusão é deduzida da maior por intermédio da menor.
cordar parcialmente. A liberdade de questionar é fundamental, A premissa maior deve ser universal, emprega todo, nenhum,
mas não é suficiente para organizar um texto dissertativo. É ne- pois alguns não caracteriza a universalidade. Há dois métodos
cessária também a exposição dos fundamentos, os motivos, os fundamentais de raciocínio: a dedução (silogística), que parte do
porquês da defesa de um ponto de vista. geral para o particular, e a indução, que vai do particular para

4
LÍNGUA PORTUGUESA
o geral. A expressão formal do método dedutivo é o silogismo. Tem-se, ainda, outros métodos, subsidiários ou não funda-
A dedução é o caminho das consequências, baseia-se em uma mentais, que contribuem para a descoberta ou comprovação da
conexão descendente (do geral para o particular) que leva à con- verdade: análise, síntese, classificação e definição. Além desses,
clusão. Segundo esse método, partindo-se de teorias gerais, de existem outros métodos particulares de algumas ciências, que
verdades universais, pode-se chegar à previsão ou determina- adaptam os processos de dedução e indução à natureza de uma
ção de fenômenos particulares. O percurso do raciocínio vai da realidade particular. Pode-se afirmar que cada ciência tem seu
causa para o efeito. Exemplo: método próprio demonstrativo, comparativo, histórico etc. A
Todo homem é mortal (premissa maior = geral, universal) análise, a síntese, a classificação a definição são chamadas mé-
Fulano é homem (premissa menor = particular) todos sistemáticos, porque pela organização e ordenação das
Logo, Fulano é mortal (conclusão) ideias visam sistematizar a pesquisa.
Análise e síntese são dois processos opostos, mas interliga-
A indução percorre o caminho inverso ao da dedução, ba- dos; a análise parte do todo para as partes, a síntese, das partes
seiase em uma conexão ascendente, do particular para o geral. para o todo. A análise precede a síntese, porém, de certo modo,
Nesse caso, as constatações particulares levam às leis gerais, ou uma depende da outra. A análise decompõe o todo em partes,
seja, parte de fatos particulares conhecidos para os fatos gerais, enquanto a síntese recompõe o todo pela reunião das partes.
desconhecidos. O percurso do raciocínio se faz do efeito para a Sabe-se, porém, que o todo não é uma simples justaposição das
causa. Exemplo: partes. Se alguém reunisse todas as peças de um relógio, não
O calor dilata o ferro (particular) significa que reconstruiu o relógio, pois fez apenas um amon-
O calor dilata o bronze (particular) toado de partes. Só reconstruiria todo se as partes estivessem
O calor dilata o cobre (particular) organizadas, devidamente combinadas, seguida uma ordem de
O ferro, o bronze, o cobre são metais relações necessárias, funcionais, então, o relógio estaria recons-
Logo, o calor dilata metais (geral, universal) truído.
Síntese, portanto, é o processo de reconstrução do todo
Quanto a seus aspectos formais, o silogismo pode ser válido por meio da integração das partes, reunidas e relacionadas num
e verdadeiro; a conclusão será verdadeira se as duas premissas conjunto. Toda síntese, por ser uma reconstrução, pressupõe a
também o forem. Se há erro ou equívoco na apreciação dos fa- análise, que é a decomposição. A análise, no entanto, exige uma
tos, pode-se partir de premissas verdadeiras para chegar a uma decomposição organizada, é preciso saber como dividir o todo
em partes. As operações que se realizam na análise e na síntese
conclusão falsa. Tem-se, desse modo, o sofisma. Uma definição
podem ser assim relacionadas:
inexata, uma divisão incompleta, a ignorância da causa, a falsa
analogia são algumas causas do sofisma. O sofisma pressupõe
Análise: penetrar, decompor, separar, dividir.
má fé, intenção deliberada de enganar ou levar ao erro; quando
Síntese: integrar, recompor, juntar, reunir.
o sofisma não tem essas intenções propositais, costuma-se cha-
mar esse processo de argumentação de paralogismo. Encontra-
A análise tem importância vital no processo de coleta de
-se um exemplo simples de sofisma no seguinte diálogo:
ideias a respeito do tema proposto, de seu desdobramento e da
criação de abordagens possíveis. A síntese também é importan-
- Você concorda que possui uma coisa que não perdeu?
te na escolha dos elementos que farão parte do texto.
- Lógico, concordo. Segundo Garcia (1973, p.300), a análise pode ser formal ou
- Você perdeu um brilhante de 40 quilates? informal. A análise formal pode ser científica ou experimental;
- Claro que não! é característica das ciências matemáticas, físico-naturais e ex-
- Então você possui um brilhante de 40 quilates... perimentais. A análise informal é racional ou total, consiste em
“discernir” por vários atos distintos da atenção os elementos
Exemplos de sofismas: constitutivos de um todo, os diferentes caracteres de um objeto
ou fenômeno.
Dedução A análise decompõe o todo em partes, a classificação es-
Todo professor tem um diploma (geral, universal) tabelece as necessárias relações de dependência e hierarquia
Fulano tem um diploma (particular) entre as partes. Análise e classificação ligam-se intimamente, a
Logo, fulano é professor (geral – conclusão falsa) ponto de se confundir uma com a outra, contudo são procedi-
mentos diversos: análise é decomposição e classificação é hie-
Indução rarquisação.
O Rio de Janeiro tem uma estátua do Cristo Redentor. (par- Nas ciências naturais, classificam-se os seres, fatos e fe-
ticular) Taubaté (SP) tem uma estátua do Cristo Redentor. (par- nômenos por suas diferenças e semelhanças; fora das ciências
ticular) Rio de Janeiro e Taubaté são cidades. naturais, a classificação pode-se efetuar por meio de um pro-
Logo, toda cidade tem uma estátua do Cristo Redentor. (ge- cesso mais ou menos arbitrário, em que os caracteres comuns e
ral – conclusão falsa) diferenciadores são empregados de modo mais ou menos con-
vencional. A classificação, no reino animal, em ramos, classes,
Nota-se que as premissas são verdadeiras, mas a conclu- ordens, subordens, gêneros e espécies, é um exemplo de classi-
são pode ser falsa. Nem todas as pessoas que têm diploma são ficação natural, pelas características comuns e diferenciadoras.
professores; nem todas as cidades têm uma estátua do Cristo A classificação dos variados itens integrantes de uma lista mais
Redentor. Comete-se erro quando se faz generalizações apres- ou menos caótica é artificial.
sadas ou infundadas. A “simples inspeção” é a ausência de aná- Exemplo: aquecedor, automóvel, barbeador, batata, cami-
lise ou análise superficial dos fatos, que leva a pronunciamentos nhão, canário, jipe, leite, ônibus, pão, pardal, pintassilgo, queijo,
subjetivos, baseados nos sentimentos não ditados pela razão. relógio, sabiá, torradeira.

5
LÍNGUA PORTUGUESA
Aves: Canário, Pardal, Pintassilgo, Sabiá. - o gênero deve ser suficientemente amplo para incluir todos
Alimentos: Batata, Leite, Pão, Queijo. os exemplos específicos da coisa definida, e suficientemente res-
Mecanismos: Aquecedor, Barbeador, Relógio, Torradeira. trito para que a diferença possa ser percebida sem dificuldade;
Veículos: Automóvel, Caminhão, Jipe, Ônibus. - deve ser obrigatoriamente afirmativa: não há, em verdade,
definição, quando se diz que o “triângulo não é um prisma”;
Os elementos desta lista foram classificados por ordem al- - deve ser recíproca: “O homem é um ser vivo” não cons-
fabética e pelas afinidades comuns entre eles. Estabelecer cri- titui definição exata, porque a recíproca, “Todo ser vivo é um
térios de classificação das ideias e argumentos, pela ordem de homem” não é verdadeira (o gato é ser vivo e não é homem);
importância, é uma habilidade indispensável para elaborar o - deve ser breve (contida num só período). Quando a defi-
desenvolvimento de uma redação. Tanto faz que a ordem seja nição, ou o que se pretenda como tal, é muito longa (séries de
crescente, do fato mais importante para o menos importante, períodos ou de parágrafos), chama-se explicação, e também de-
ou decrescente, primeiro o menos importante e, no final, o im- finição expandida;d
pacto do mais importante; é indispensável que haja uma lógica - deve ter uma estrutura gramatical rígida: sujeito (o termo)
na classificação. A elaboração do plano compreende a classifica- + cópula (verbo de ligação ser) + predicativo (o gênero) + adjun-
ção das partes e subdivisões, ou seja, os elementos do plano de- tos (as diferenças).
vem obedecer a uma hierarquização. (Garcia, 1973, p. 302304.)
Para a clareza da dissertação, é indispensável que, logo na As definições dos dicionários de língua são feitas por meio
introdução, os termos e conceitos sejam definidos, pois, para de paráfrases definitórias, ou seja, uma operação metalinguís-
expressar um questionamento, deve-se, de antemão, expor cla- tica que consiste em estabelecer uma relação de equivalência
ra e racionalmente as posições assumidas e os argumentos que entre a palavra e seus significados.
as justificam. É muito importante deixar claro o campo da dis- A força do texto dissertativo está em sua fundamentação.
cussão e a posição adotada, isto é, esclarecer não só o assunto, Sempre é fundamental procurar um porquê, uma razão verda-
mas também os pontos de vista sobre ele. deira e necessária. A verdade de um ponto de vista deve ser
A definição tem por objetivo a exatidão no emprego da lin- demonstrada com argumentos válidos. O ponto de vista mais
guagem e consiste na enumeração das qualidades próprias de lógico e racional do mundo não tem valor, se não estiver acom-
uma ideia, palavra ou objeto. Definir é classificar o elemento panhado de uma fundamentação coerente e adequada.
conforme a espécie a que pertence, demonstra: a característica
que o diferencia dos outros elementos dessa mesma espécie. Os métodos fundamentais de raciocínio segundo a lógica
Entre os vários processos de exposição de ideias, a definição clássica, que foram abordados anteriormente, auxiliam o julga-
é um dos mais importantes, sobretudo no âmbito das ciências. A mento da validade dos fatos. Às vezes, a argumentação é clara e
definição científica ou didática é denotativa, ou seja, atribui às pa- pode reconhecer-se facilmente seus elementos e suas relações;
lavras seu sentido usual ou consensual, enquanto a conotativa ou outras vezes, as premissas e as conclusões organizam-se de
metafórica emprega palavras de sentido figurado. Segundo a lógi- modo livre, misturando-se na estrutura do argumento. Por isso,
ca tradicional aristotélica, a definição consta de três elementos: é preciso aprender a reconhecer os elementos que constituem
- o termo a ser definido; um argumento: premissas/conclusões. Depois de reconhecer,
- o gênero ou espécie; verificar se tais elementos são verdadeiros ou falsos; em segui-
- a diferença específica. da, avaliar se o argumento está expresso corretamente; se há
coerência e adequação entre seus elementos, ou se há contra-
O que distingue o termo definido de outros elementos da dição. Para isso é que se aprende os processos de raciocínio por
mesma espécie. Exemplo: dedução e por indução. Admitindo-se que raciocinar é relacio-
nar, conclui-se que o argumento é um tipo específico de relação
Na frase: O homem é um animal racional classifica-se: entre as premissas e a conclusão.
Procedimentos Argumentativos: Constituem os procedi-
mentos argumentativos mais empregados para comprovar uma
afirmação: exemplificação, explicitação, enumeração, compara-
ção.
Elemento especie diferença Exemplificação: Procura justificar os pontos de vista por
a ser definido específica meio de exemplos, hierarquizar afirmações. São expressões
comuns nesse tipo de procedimento: mais importante que, su-
É muito comum formular definições de maneira defeitu- perior a, de maior relevância que. Empregam-se também dados
osa, por exemplo: Análise é quando a gente decompõe o todo estatísticos, acompanhados de expressões: considerando os da-
em partes. Esse tipo de definição é gramaticalmente incorreto; dos; conforme os dados apresentados. Faz-se a exemplificação,
quando é advérbio de tempo, não representa o gênero, a espé- ainda, pela apresentação de causas e consequências, usando-se
cie, a gente é forma coloquial não adequada à redação acadê- comumente as expressões: porque, porquanto, pois que, uma
mica. Tão importante é saber formular uma definição, que se vez que, visto que, por causa de, em virtude de, em vista de, por
recorre a Garcia (1973, p.306), para determinar os “requisitos da motivo de.
definição denotativa”. Para ser exata, a definição deve apresen- Explicitação: O objetivo desse recurso argumentativo é ex-
tar os seguintes requisitos: plicar ou esclarecer os pontos de vista apresentados. Pode-se
- o termo deve realmente pertencer ao gênero ou classe em alcançar esse objetivo pela definição, pelo testemunho e pela
que está incluído: “mesa é um móvel” (classe em que ‘mesa’ está interpretação. Na explicitação por definição, empregam-se ex-
realmente incluída) e não “mesa é um instrumento ou ferramen- pressões como: quer dizer, denomina-se, chama-se, na verdade,
ta ou instalação”; isto é, haja vista, ou melhor; nos testemunhos são comuns as ex-

6
LÍNGUA PORTUGUESA
pressões: conforme, segundo, na opinião de, no parecer de, con- fundamentada na evidência dos fatos, ou seja, se acompanhada
soante as ideias de, no entender de, no pensamento de. A explici- de provas, validade dos argumentos, porém, pode ser contesta-
tação se faz também pela interpretação, em que são comuns as da por meio da contra-argumentação ou refutação. São vários os
seguintes expressões: parece, assim, desse ponto de vista. processos de contra-argumentação:
Enumeração: Faz-se pela apresentação de uma sequência
de elementos que comprovam uma opinião, tais como a enume- Refutação pelo absurdo: refuta-se uma afirmação demons-
ração de pormenores, de fatos, em uma sequência de tempo, trando o absurdo da consequência. Exemplo clássico é a con-
em que são frequentes as expressões: primeiro, segundo, por traargumentação do cordeiro, na conhecida fábula “O lobo e o
último, antes, depois, ainda, em seguida, então, presentemente, cordeiro”;
antigamente, depois de, antes de, atualmente, hoje, no passado, Refutação por exclusão: consiste em propor várias hipó-
sucessivamente, respectivamente. Na enumeração de fatos em teses para eliminá-las, apresentando-se, então, aquela que se
uma sequência de espaço, empregam-se as seguintes expres- julga verdadeira;
sões: cá, lá, acolá, ali, aí, além, adiante, perto de, ao redor de, Desqualificação do argumento: atribui-se o argumento à
no Estado tal, na capital, no interior, nas grandes cidades, no opinião pessoal subjetiva do enunciador, restringindo-se a uni-
sul, no leste... versalidade da afirmação;
Comparação: Analogia e contraste são as duas maneiras de Ataque ao argumento pelo testemunho de autoridade:
se estabelecer a comparação, com a finalidade de comprovar consiste em refutar um argumento empregando os testemunhos
uma ideia ou opinião. Na analogia, são comuns as expressões: de autoridade que contrariam a afirmação apresentada;
da mesma forma, tal como, tanto quanto, assim como, igual- Desqualificar dados concretos apresentados: consiste em
mente. Para estabelecer contraste, empregam-se as expressões: desautorizar dados reais, demonstrando que o enunciador ba-
mais que, menos que, melhor que, pior que. seou-se em dados corretos, mas tirou conclusões falsas ou in-
consequentes. Por exemplo, se na argumentação afirmou-se,
Entre outros tipos de argumentos empregados para aumen- por meio de dados estatísticos, que “o controle demográfico
tar o poder de persuasão de um texto dissertativo encontram- produz o desenvolvimento”, afirma-se que a conclusão é incon-
-se: sequente, pois baseia-se em uma relação de causa-feito difícil de
Argumento de autoridade: O saber notório de uma auto- ser comprovada. Para contraargumentar, propõese uma relação
ridade reconhecida em certa área do conhecimento dá apoio a inversa: “o desenvolvimento é que gera o controle demográfico”.
uma afirmação. Dessa maneira, procura-se trazer para o enun-
ciado a credibilidade da autoridade citada. Lembre-se que as ci- Apresentam-se aqui sugestões, um dos roteiros possíveis
tações literais no corpo de um texto constituem argumentos de para desenvolver um tema, que podem ser analisadas e adapta-
autoridade. Ao fazer uma citação, o enunciador situa os enun- das ao desenvolvimento de outros temas. Elege-se um tema, e,
ciados nela contidos na linha de raciocínio que ele considera em seguida, sugerem-se os procedimentos que devem ser ado-
mais adequada para explicar ou justificar um fato ou fenôme- tados para a elaboração de um Plano de Redação.
no. Esse tipo de argumento tem mais caráter confirmatório que
comprobatório. Tema: O homem e a máquina: necessidade e riscos da evo-
Apoio na consensualidade: Certas afirmações dispensam lução tecnológica
explicação ou comprovação, pois seu conteúdo é aceito como
válido por consenso, pelo menos em determinado espaço socio- - Questionar o tema, transformá-lo em interrogação, res-
cultural. Nesse caso, incluem-se ponder a interrogação (assumir um ponto de vista); dar o por-
- A declaração que expressa uma verdade universal (o ho- quê da resposta, justificar, criando um argumento básico;
mem, mortal, aspira à imortalidade); - Imaginar um ponto de vista oposto ao argumento básico e
- A declaração que é evidente por si mesma (caso dos pos- construir uma contra-argumentação; pensar a forma de refuta-
tulados e axiomas); ção que poderia ser feita ao argumento básico e tentar desqua-
- Quando escapam ao domínio intelectual, ou seja, é de na- lificá-la (rever tipos de argumentação);
tureza subjetiva ou sentimental (o amor tem razões que a pró- - Refletir sobre o contexto, ou seja, fazer uma coleta de
pria razão desconhece); implica apreciação de ordem estética ideias que estejam direta ou indiretamente ligadas ao tema (as
(gosto não se discute); diz respeito a fé religiosa, aos dogmas ideias podem ser listadas livremente ou organizadas como causa
(creio, ainda que parece absurdo). e consequência);
- Analisar as ideias anotadas, sua relação com o tema e com
Comprovação pela experiência ou observação: A verdade o argumento básico;
de um fato ou afirmação pode ser comprovada por meio de da- - Fazer uma seleção das ideias pertinentes, escolhendo as
dos concretos, estatísticos ou documentais. que poderão ser aproveitadas no texto; essas ideias transfor-
mam-se em argumentos auxiliares, que explicam e corroboram
Comprovação pela fundamentação lógica: A comprovação a ideia do argumento básico;
se realiza por meio de argumentos racionais, baseados na lógica: - Fazer um esboço do Plano de Redação, organizando uma
causa/efeito; consequência/causa; condição/ocorrência. sequência na apresentação das ideias selecionadas, obedecendo
às partes principais da estrutura do texto, que poderia ser mais
Fatos não se discutem; discutem-se opiniões. As declara- ou menos a seguinte:
ções, julgamento, pronunciamentos, apreciações que expres-
sam opiniões pessoais (não subjetivas) devem ter sua validade
comprovada, e só os fatos provam. Em resumo toda afirmação
ou juízo que expresse uma opinião pessoal só terá validade se

7
LÍNGUA PORTUGUESA
Introdução vras, significa ler nas entrelinhas. Sem essa habilidade, o leitor
passará por cima de significados importantes ou, o que é bem
- função social da ciência e da tecnologia; pior, concordará com ideias e pontos de vista que rejeitaria se
- definições de ciência e tecnologia; os percebesse.
- indivíduo e sociedade perante o avanço tecnológico. Os significados implícitos costumam ser classificados em
duas categorias: os pressupostos e os subentendidos.
Desenvolvimento Pressupostos: são ideias implícitas que estão implicadas lo-
gicamente no sentido de certas palavras ou expressões explici-
- apresentação de aspectos positivos e negativos do desen- tadas na superfície da frase. Exemplo:
volvimento tecnológico;
- como o desenvolvimento científico-tecnológico modificou “André tornou-se um antitabagista convicto.”
as condições de vida no mundo atual;
- a tecnocracia: oposição entre uma sociedade tecnologi- A informação explícita é que hoje André é um antitabagis-
camente desenvolvida e a dependência tecnológica dos países ta convicto. Do sentido do verbo tornar-se, que significa “vir a
subdesenvolvidos; ser”, decorre logicamente que antes André não era antitabagista
- enumerar e discutir os fatores de desenvolvimento social; convicto. Essa informação está pressuposta. Ninguém se torna
- comparar a vida de hoje com os diversos tipos de vida do algo que já era antes. Seria muito estranho dizer que a palmeira
passado; apontar semelhanças e diferenças; tornou-se um vegetal.
- analisar as condições atuais de vida nos grandes centros
urbanos; “Eu ainda não conheço a Europa.”
- como se poderia usar a ciência e a tecnologia para huma- A informação explícita é que o enunciador não tem conhe-
nizar mais a sociedade. cimento do continente europeu. O advérbio ainda deixa pressu-
posta a possibilidade de ele um dia conhecê-la.
Conclusão As informações explícitas podem ser questionadas pelo re-
- a tecnologia pode libertar ou escravizar: benefícios/conse- ceptor, que pode ou não concordar com elas. Os pressupostos,
quências maléficas; porém, devem ser verdadeiros ou, pelo menos, admitidos como
- síntese interpretativa dos argumentos e contra-argumen- tais, porque esta é uma condição para garantir a continuidade
tos apresentados. do diálogo e também para fornecer fundamento às afirmações
explícitas. Isso significa que, se o pressuposto é falso, a informa-
Naturalmente esse não é o único, nem o melhor plano de ção explícita não tem cabimento. Assim, por exemplo, se Maria
redação: é um dos possíveis. não falta nunca a aula nenhuma, não tem o menor sentido dizer
“Até Maria compareceu à aula de hoje”. Até estabelece o pres-
Texto: suposto da inclusão de um elemento inesperado.
Na leitura, é muito importante detectar os pressupostos,
“Neto ainda está longe de se igualar a qualquer um desses pois eles são um recurso argumentativo que visa a levar o re-
craques (Rivelino, Ademir da Guia, Pedro Rocha e Pelé), mas ain- ceptor a aceitar a orientação argumentativa do emissor. Ao in-
da tem um longo caminho a trilhar (...).” troduzir uma ideia sob a forma de pressuposto, o enunciador
Veja São Paulo, 26/12/1990, p. 15. pretende transformar seu interlocutor em cúmplice, pois a ideia
implícita não é posta em discussão, e todos os argumentos explí-
Esse texto diz explicitamente que: citos só contribuem para confirmála. O pressusposto aprisiona o
- Rivelino, Ademir da Guia, Pedro Rocha e Pelé são craques; receptor no sistema de pensamento montado pelo enunciador.
- Neto não tem o mesmo nível desses craques; A demonstração disso pode ser feita com as “verdades in-
- Neto tem muito tempo de carreira pela frente. contestáveis” que estão na base de muitos discursos políticos,
O texto deixa implícito que: como o que segue:
- Existe a possibilidade de Neto um dia aproximar-se dos
craques citados; “Quando o curso do rio São Francisco for mudado, será re-
- Esses craques são referência de alto nível em sua especia- solvido o problema da seca no Nordeste.”
lidade esportiva; O enunciador estabelece o pressuposto de que é certa a mu-
- Há uma oposição entre Neto e esses craques no que diz dança do curso do São Francisco e, por consequência, a solução
respeito ao tempo disponível para evoluir. do problema da seca no Nordeste. O diálogo não teria continui-
Todos os textos transmitem explicitamente certas informa- dade se um interlocutor não admitisse ou colocasse sob suspeita
ções, enquanto deixam outras implícitas. Por exemplo, o texto essa certeza. Em outros termos, haveria quebra da continuidade
acima não explicita que existe a possibilidade de Neto se equi- do diálogo se alguém interviesse com uma pergunta deste tipo:
parar aos quatro futebolistas, mas a inclusão do advérbio ainda
estabelece esse implícito. Não diz também com explicitude que “Mas quem disse que é certa a mudança do curso do rio?”
há oposição entre Neto e os outros jogadores, sob o ponto de
vista de contar com tempo para evoluir. A escolha do conector A aceitação do pressuposto estabelecido pelo emissor per-
“mas” entre a segunda e a primeira oração só é possível levando mite levar adiante o debate; sua negação compromete o diálo-
em conta esse dado implícito. Como se vê, há mais significados go, uma vez que destrói a base sobre a qual se constrói a argu-
num texto do que aqueles que aparecem explícitos na sua su- mentação, e daí nenhum argumento tem mais importância ou
perfície. Leitura proficiente é aquela capaz de depreender tanto razão de ser. Com pressupostos distintos, o diálogo não é possí-
um tipo de significado quanto o outro, o que, em outras pala- vel ou não tem sentido.

8
LÍNGUA PORTUGUESA
A mesma pergunta, feita para pessoas diferentes, pode ser No primeiro caso, a oração é explicativa; no segundo, é res-
embaraçosa ou não, dependendo do que está pressuposto em tritiva. As explicativas pressupõem que o que elas expressam se
cada situação. Para alguém que não faz segredo sobre a mu- refere à totalidade dos elementos de um conjunto; as restritivas,
dança de emprego, não causa o menor embaraço uma pergunta que o que elas dizem concerne apenas a parte dos elementos de
como esta: um conjunto. O produtor do texto escreverá uma restritiva ou
uma explicativa segundo o pressuposto que quiser comunicar.
“Como vai você no seu novo emprego?”
Subentendidos: são insinuações contidas em uma frase ou
O efeito da mesma pergunta seria catastrófico se ela se um grupo de frases. Suponhamos que uma pessoa estivesse em
dirigisse a uma pessoa que conseguiu um segundo emprego e visita à casa de outra num dia de frio glacial e que uma janela,
quer manter sigilo até decidir se abandona o anterior. O adjetivo por onde entravam rajadas de vento, estivesse aberta. Se o visi-
novo estabelece o pressuposto de que o interrogado tem um tante dissesse “Que frio terrível”, poderia estar insinuando que
emprego diferente do anterior. a janela deveria ser fechada.
Há uma diferença capital entre o pressuposto e o subenten-
Marcadores de Pressupostos dido. O primeiro é uma informação estabelecida como indiscu-
tível tanto para o emissor quanto para o receptor, uma vez que
- Adjetivos ou palavras similares modificadoras do substan- decorre necessariamente do sentido de algum elemento linguís-
tivo tico colocado na frase. Ele pode ser negado, mas o emissor colo-
Julinha foi minha primeira filha. ca o implicitamente para que não o seja. Já o subentendido é de
“Primeira” pressupõe que tenho outras filhas e que as ou- responsabilidade do receptor. O emissor pode esconder-se atrás
tras nasceram depois de Julinha. do sentido literal das palavras e negar que tenha dito o que o
Destruíram a outra igreja do povoado. receptor depreendeu de suas palavras. Assim, no exemplo dado
“Outra” pressupõe a existência de pelo menos uma igreja acima, se o dono da casa disser que é muito pouco higiênico
além da usada como referência. fechar todas as janelas, o visitante pode dizer que também acha
e que apenas constatou a intensidade do frio.
- Certos verbos O subentendido serve, muitas vezes, para o emissor prote-
gerse, para transmitir a informação que deseja dar a conhecer
Renato continua doente. sem se comprometer. Imaginemos, por exemplo, que um fun-
O verbo “continua” indica que Renato já estava doente no cionário recémpromovido numa empresa ouvisse de um colega
momento anterior ao presente. o seguinte:

Nossos dicionários já aportuguesaram a palavrea copydesk. “Competência e mérito continuam não valendo nada como
O verbo “aportuguesar” estabelece o pressuposto de que critério de promoção nesta empresa...”
copidesque não existia em português.
Esse comentário talvez suscitasse esta suspeita:
- Certos advérbios
“Você está querendo dizer que eu não merecia a promoção?”
A produção automobilística brasileira está totalmente nas
mãos das multinacionais. Ora, o funcionário preterido, tendo recorrido a um suben-
O advérbio totalmente pressupõe que não há no Brasil in- tendido, poderia responder:
dústria automobilística nacional. “Absolutamente! Estou falando em termos gerais.”

- Você conferiu o resultado da loteria? ESTRUTURA E ORGANIZAÇÃO


- Hoje não. DO TEXTO E DOS PARÁGRAFOS
A negação precedida de um advérbio de tempo de âmbito
limitado estabelece o pressuposto de que apenas nesse inter- São três os elementos essenciais para a composição de um
valo (hoje) é que o interrogado não praticou o ato de conferir o texto: a introdução, o desenvolvimento e a conclusão. Vamos
resultado da loteria. estudar cada uma de forma isolada a seguir:

- Orações adjetivas Introdução

Os brasileiros, que não se importam com a coletividade, só É a apresentação direta e objetiva da ideia central do texto.
se preocupam com seu bemestar e, por isso, jogam lixo na rua, A introdução é caracterizada por ser o parágrafo inicial.
fecham os cruzamentos, etc. Desenvolvimento
O pressuposto é que “todos” os brasileiros não se importam
com a coletividade. Quando tratamos de estrutura, é a maior parte do texto.
O desenvolvimento estabelece uma conexão entre a introdução
Os brasileiros que não se importam com a coletividade só e a conclusão, pois é nesta parte que as ideias, argumentos e
se preocupam com seu bemestar e, por isso, jogam lixo na rua, posicionamento do autor vão sendo formados e desenvolvidos
fecham os cruzamentos, etc. com a finalidade de dirigir a atenção do leitor para a conclusão.
Nesse caso, o pressuposto é outro: “alguns” brasileiros não Em um bom desenvolvimento as ideias devem ser claras e
se importam com a coletividade. aptas a fazer com que o leitor anteceda qual será a conclusão.

9
LÍNGUA PORTUGUESA
São três principais erros que podem ser cometidos na elabo- Já as palavras antônimas são aquelas que apresentam signi-
ração do desenvolvimento: ficados opostos, estabelecendo uma relação de contrariedade.
- Distanciar-se do texto em relação ao tema inicial. Ex: forte <—> fraco
- Focar em apenas um tópico do tema e esquecer dos ou-
tros. Parônimos e homônimos
- Falar sobre muitas informações e não conseguir organizá- As palavras parônimas são aquelas que possuem grafia e
-las, dificultando a linha de compreensão do leitor. pronúncia semelhantes, porém com significados distintos.
Ex: cumprimento (saudação) X comprimento (extensão); trá-
Conclusão fego (trânsito) X tráfico (comércio ilegal).
As palavras homônimas são aquelas que possuem a mesma
Ponto final de todas as argumentações discorridas no de- grafia e pronúncia, porém têm significados diferentes. Ex: rio
senvolvimento, ou seja, o encerramento do texto e dos questio- (verbo “rir”) X rio (curso d’água); manga (blusa) X manga (fruta).
namentos levantados pelo autor. As palavras homófonas são aquelas que possuem a mesma
Ao fazermos a conclusão devemos evitar expressões como: pronúncia, mas com escrita e significado diferentes. Ex: cem
“Concluindo...”, “Em conclusão, ...”, “Como já dissemos antes...”. (numeral) X sem (falta); conserto (arrumar) X concerto (musical).
As palavras homógrafas são aquelas que possuem escrita
Parágrafo igual, porém som e significado diferentes. Ex: colher (talher) X
colher (verbo); acerto (substantivo) X acerto (verbo).
Se caracteriza como um pequeno recuo em relação à mar-
gem esquerda da folha. Conceitualmente, o parágrafo completo Polissemia e monossemia
deve conter introdução, desenvolvimento e conclusão. As palavras polissêmicas são aquelas que podem apresentar
- Introdução – apresentação da ideia principal, feita de ma- mais de um significado, a depender do contexto em que ocorre
neira sintética de acordo com os objetivos do autor. a frase. Ex: cabeça (parte do corpo humano; líder de um grupo).
- Desenvolvimento – ampliação do tópico frasal (introdu- Já as palavras monossêmicas são aquelas apresentam ape-
ção), atribuído pelas ideias secundárias, a fim de reforçar e dar nas um significado. Ex: eneágono (polígono de nove ângulos).
credibilidade na discussão.
- Conclusão – retomada da ideia central ligada aos pressu- Denotação e conotação
postos citados no desenvolvimento, procurando arrematá-los. Palavras com sentido denotativo são aquelas que apresen-
tam um sentido objetivo e literal. Ex:Está fazendo frio. / Pé da
Exemplo de um parágrafo bem estruturado (com introdu- mulher.
ção, desenvolvimento e conclusão): Palavras com sentido conotativo são aquelas que apresen-
tam um sentido simbólico, figurado. Ex: Você me olha com frie-
“Nesse contexto, é um grave erro a liberação da maconha. za. / Pé da cadeira.
Provocará de imediato violenta elevação do consumo. O Estado
perderá o precário controle que ainda exerce sobre as drogas Hiperonímia e hiponímia
psicotrópicas e nossas instituições de recuperação de viciados Esta classificação diz respeito às relações hierárquicas de
não terão estrutura suficiente para atender à demanda. Enfim, significado entre as palavras.
viveremos o caos. ” Desse modo, um hiperônimo é a palavra superior, isto é,
(Alberto Corazza, Isto É, com adaptações) que tem um sentido mais abrangente. Ex: Fruta é hiperônimo
de limão.
Elemento relacionador: Nesse contexto. Já o hipônimo é a palavra que tem o sentido mais restrito,
Tópico frasal: é um grave erro a liberação da maconha. portanto, inferior, de modo que o hiperônimo engloba o hipôni-
Desenvolvimento: Provocará de imediato violenta elevação mo. Ex: Limão é hipônimo de fruta.
do consumo. O Estado perderá o precário controle que ainda
exerce sobre as drogas psicotrópicas e nossas instituições de re- Formas variantes
cuperação de viciados não terão estrutura suficiente para aten- São as palavras que permitem mais de uma grafia correta,
der à demanda. sem que ocorra mudança no significado. Ex: loiro – louro / enfar-
Conclusão: Enfim, viveremos o caos. te – infarto / gatinhar – engatinhar.

Arcaísmo
SEMÂNTICA: SENTIDO E EMPREGO DOS VOCÁBULOS; São palavras antigas, que perderam o uso frequente ao lon-
CAMPOS SEMÂNTICOS go do tempo, sendo substituídas por outras mais modernas, mas
que ainda podem ser utilizadas. No entanto, ainda podem ser
Este é um estudo da semântica, que pretende classificar os bastante encontradas em livros antigos, principalmente. Ex: bo-
sentidos das palavras, as suas relações de sentido entre si. Co- tica <—> farmácia / franquia <—> sinceridade.
nheça as principais relações e suas características:

Sinonímia e antonímia
As palavras sinônimas são aquelas que apresentam signi-
ficado semelhante, estabelecendo relação de proximidade. Ex:
inteligente <—> esperto

10
LÍNGUA PORTUGUESA

EMPREGO DE TEMPOS E MODOS DOS VERBOS NA LÍNGUA PORTUGUESA.MORFOLOGIA: RECONHECIMENTO, EM-


PREGO E SENTIDO DAS CLASSES GRAMATICAIS; PROCESSOS DE FORMAÇÃO DE PALAVRAS; MECANISMOS DE FLEXÃO
DOS NOMES E VERBOS

Classes de Palavras
Para entender sobre a estrutura das funções sintáticas, é preciso conhecer as classes de palavras, também conhecidas por
classes morfológicas. A gramática tradicional pressupõe 10 classes gramaticais de palavras, sendo elas: adjetivo, advérbio, artigo,
conjunção, interjeição, numeral, pronome, preposição, substantivo e verbo.

Veja, a seguir, as características principais de cada uma delas.

CLASSE CARACTERÍSTICAS EXEMPLOS


Menina inteligente...
Expressar características, qualidades ou estado dos seres Roupa azul-marinho...
ADJETIVO
Sofre variação em número, gênero e grau Brincadeira de criança...
Povo brasileiro...
A ajuda chegou tarde.
Indica circunstância em que ocorre o fato verbal
ADVÉRBIO A mulher trabalha muito.
Não sofre variação
Ele dirigia mal.
Determina os substantivos (de modo definido ou indefinido) A galinha botou um ovo.
ARTIGO
Varia em gênero e número Uma menina deixou a mochila no ônibus.
Liga ideias e sentenças (conhecida também como conectivos) Não gosto de refrigerante nem de pizza.
CONJUNÇÃO
Não sofre variação Eu vou para a praia ou para a cachoeira?
Exprime reações emotivas e sentimentos Ah! Que calor...
INTERJEIÇÃO
Não sofre variação Escapei por pouco, ufa!
Atribui quantidade e indica posição em alguma sequência Gostei muito do primeiro dia de aula.
NUMERAL
Varia em gênero e número Três é a metade de seis.
Posso ajudar, senhora?
Acompanha, substitui ou faz referência ao substantivo Ela me ajudou muito com o meu trabalho.
PRONOME
Varia em gênero e número Esta é a casa onde eu moro.
Que dia é hoje?
Relaciona dois termos de uma mesma oração Espero por você essa noite.
PREPOSIÇÃO
Não sofre variação Lucas gosta de tocar violão.
Nomeia objetos, pessoas, animais, alimentos, lugares etc. A menina jogou sua boneca no rio.
SUBSTANTIVO
Flexionam em gênero, número e grau. A matilha tinha muita coragem.
Indica ação, estado ou fenômenos da natureza Ana se exercita pela manhã.
Sofre variação de acordo com suas flexões de modo, tempo, Todos parecem meio bobos.
VERBO
número, pessoa e voz. Chove muito em Manaus.
Verbos não significativos são chamados verbos de ligação A cidade é muito bonita quando vista do alto.

Substantivo
Tipos de substantivos
Os substantivos podem ter diferentes classificações, de acordo com os conceitos apresentados abaixo:
• Comum: usado para nomear seres e objetos generalizados. Ex: mulher; gato; cidade...
• Próprio: geralmente escrito com letra maiúscula, serve para especificar e particularizar. Ex: Maria; Garfield; Belo Horizonte...
• Coletivo: é um nome no singular que expressa ideia de plural, para designar grupos e conjuntos de seres ou objetos de uma
mesma espécie. Ex: matilha; enxame; cardume...
• Concreto: nomeia algo que existe de modo independente de outro ser (objetos, pessoas, animais, lugares etc.). Ex: menina;
cachorro; praça...
• Abstrato: depende de um ser concreto para existir, designando sentimentos, estados, qualidades, ações etc. Ex: saudade;
sede; imaginação...
• Primitivo: substantivo que dá origem a outras palavras. Ex: livro; água; noite...
• Derivado: formado a partir de outra(s) palavra(s). Ex: pedreiro; livraria; noturno...
• Simples: nomes formados por apenas uma palavra (um radical). Ex: casa; pessoa; cheiro...
• Composto: nomes formados por mais de uma palavra (mais de um radical). Ex: passatempo; guarda-roupa; girassol...

11
LÍNGUA PORTUGUESA
Flexão de gênero
Na língua portuguesa, todo substantivo é flexionado em um dos dois gêneros possíveis: feminino e masculino.
O substantivo biforme é aquele que flexiona entre masculino e feminino, mudando a desinência de gênero, isto é, geralmente
o final da palavra sendo -o ou -a, respectivamente (Ex: menino / menina). Há, ainda, os que se diferenciam por meio da pronúncia /
acentuação (Ex: avô / avó), e aqueles em que há ausência ou presença de desinência (Ex: irmão / irmã; cantor / cantora).
O substantivo uniforme é aquele que possui apenas uma forma, independente do gênero, podendo ser diferenciados quanto
ao gênero a partir da flexão de gênero no artigo ou adjetivo que o acompanha (Ex: a cadeira / o poste). Pode ser classificado em
epiceno (refere-se aos animais), sobrecomum (refere-se a pessoas) e comum de dois gêneros (identificado por meio do artigo).
É preciso ficar atento à mudança semântica que ocorre com alguns substantivos quando usados no masculino ou no feminino,
trazendo alguma especificidade em relação a ele. No exemplo o fruto X a fruta temos significados diferentes: o primeiro diz respeito
ao órgão que protege a semente dos alimentos, enquanto o segundo é o termo popular para um tipo específico de fruto.

Flexão de número
No português, é possível que o substantivo esteja no singular, usado para designar apenas uma única coisa, pessoa, lugar (Ex:
bola; escada; casa) ou no plural, usado para designar maiores quantidades (Ex: bolas; escadas; casas) — sendo este último repre-
sentado, geralmente, com o acréscimo da letra S ao final da palavra.
Há, também, casos em que o substantivo não se altera, de modo que o plural ou singular devem estar marcados a partir do
contexto, pelo uso do artigo adequado (Ex: o lápis / os lápis).

Variação de grau
Usada para marcar diferença na grandeza de um determinado substantivo, a variação de grau pode ser classificada em aumen-
tativo e diminutivo.
Quando acompanhados de um substantivo que indica grandeza ou pequenez, é considerado analítico (Ex: menino grande /
menino pequeno).
Quando acrescentados sufixos indicadores de aumento ou diminuição, é considerado sintético (Ex: meninão / menininho).

Novo Acordo Ortográfico


De acordo com o Novo Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa, as letras maiúsculas devem ser usadas em nomes próprios
de pessoas, lugares (cidades, estados, países, rios), animais, acidentes geográficos, instituições, entidades, nomes astronômicos, de
festas e festividades, em títulos de periódicos e em siglas, símbolos ou abreviaturas.
Já as letras minúsculas podem ser usadas em dias de semana, meses, estações do ano e em pontos cardeais.
Existem, ainda, casos em que o uso de maiúscula ou minúscula é facultativo, como em título de livros, nomes de áreas do sa-
ber, disciplinas e matérias, palavras ligadas a alguma religião e em palavras de categorização.

Adjetivo
Os adjetivos podem ser simples (vermelho) ou compostos (mal-educado); primitivos (alegre) ou derivados (tristonho). Eles po-
dem flexionar entre o feminino (estudiosa) e o masculino (engraçado), e o singular (bonito) e o plural (bonitos).
Há, também, os adjetivos pátrios ou gentílicos, sendo aqueles que indicam o local de origem de uma pessoa, ou seja, sua na-
cionalidade (brasileiro; mineiro).
É possível, ainda, que existam locuções adjetivas, isto é, conjunto de duas ou mais palavras usadas para caracterizar o substan-
tivo. São formadas, em sua maioria, pela preposição DE + substantivo:
• de criança = infantil
• de mãe = maternal
• de cabelo = capilar

Variação de grau
Os adjetivos podem se encontrar em grau normal (sem ênfases), ou com intensidade, classificando-se entre comparativo e
superlativo.
• Normal: A Bruna é inteligente.
• Comparativo de superioridade: A Bruna é mais inteligente que o Lucas.
• Comparativo de inferioridade: O Gustavo é menos inteligente que a Bruna.
• Comparativo de igualdade: A Bruna é tão inteligente quanto a Maria.
• Superlativo relativo de superioridade: A Bruna é a mais inteligente da turma.
• Superlativo relativo de inferioridade: O Gustavo é o menos inteligente da turma.
• Superlativo absoluto analítico: A Bruna é muito inteligente.
• Superlativo absoluto sintético: A Bruna é inteligentíssima.

Adjetivos de relação
São chamados adjetivos de relação aqueles que não podem sofrer variação de grau, uma vez que possui valor semântico obje-
tivo, isto é, não depende de uma impressão pessoal (subjetiva). Além disso, eles aparecem após o substantivo, sendo formados por
sufixação de um substantivo (Ex: vinho do Chile = vinho chileno).

12
LÍNGUA PORTUGUESA
Advérbio
Os advérbios são palavras que modificam um verbo, um adjetivo ou um outro advérbio. Eles se classificam de acordo com a
tabela abaixo:

CLASSIFICAÇÃO ADVÉRBIOS LOCUÇÕES ADVERBIAIS


DE MODO bem; mal; assim; melhor; depressa ao contrário; em detalhes
ontem; sempre; afinal; já; agora; doravante; primei- logo mais; em breve; mais tarde, nunca mais, de
DE TEMPO
ramente noite
DE LUGAR aqui; acima; embaixo; longe; fora; embaixo; ali Ao redor de; em frente a; à esquerda; por perto
DE INTENSIDADE muito; tão; demasiado; imenso; tanto; nada em excesso; de todos; muito menos
DE AFIRMAÇÃO sim, indubitavelmente; certo; decerto; deveras com certeza; de fato; sem dúvidas
DE NEGAÇÃO não; nunca; jamais; tampouco; nem nunca mais; de modo algum; de jeito nenhum
DE DÚVIDA Possivelmente; acaso; será; talvez; quiçá Quem sabe

Advérbios interrogativos
São os advérbios ou locuções adverbiais utilizadas para introduzir perguntas, podendo expressar circunstâncias de:
• Lugar: onde, aonde, de onde
• Tempo: quando
• Modo: como
• Causa: por que, por quê

Grau do advérbio
Os advérbios podem ser comparativos ou superlativos.
• Comparativo de igualdade: tão/tanto + advérbio + quanto
• Comparativo de superioridade: mais + advérbio + (do) que
• Comparativo de inferioridade: menos + advérbio + (do) que
• Superlativo analítico: muito cedo
• Superlativo sintético: cedíssimo

Curiosidades
Na linguagem coloquial, algumas variações do superlativo são aceitas, como o diminutivo (cedinho), o aumentativo (cedão) e
o uso de alguns prefixos (supercedo).
Existem advérbios que exprimem ideia de exclusão (somente; salvo; exclusivamente; apenas), inclusão (também; ainda; mes-
mo) e ordem (ultimamente; depois; primeiramente).
Alguns advérbios, além de algumas preposições, aparecem sendo usados como uma palavra denotativa, acrescentando um
sentido próprio ao enunciado, podendo ser elas de inclusão (até, mesmo, inclusive); de exclusão (apenas, senão, salvo); de desig-
nação (eis); de realce (cá, lá, só, é que); de retificação (aliás, ou melhor, isto é) e de situação (afinal, agora, então, e aí).

Pronomes
Os pronomes são palavras que fazem referência aos nomes, isto é, aos substantivos. Assim, dependendo de sua função no
enunciado, ele pode ser classificado da seguinte maneira:
• Pronomes pessoais: indicam as 3 pessoas do discurso, e podem ser retos (eu, tu, ele...) ou oblíquos (mim, me, te, nos, si...).
• Pronomes possessivos: indicam posse (meu, minha, sua, teu, nossos...)
• Pronomes demonstrativos: indicam localização de seres no tempo ou no espaço. (este, isso, essa, aquela, aquilo...)
• Pronomes interrogativos: auxiliam na formação de questionamentos (qual, quem, onde, quando, que, quantas...)
• Pronomes relativos: retomam o substantivo, substituindo-o na oração seguinte (que, quem, onde, cujo, o qual...)
• Pronomes indefinidos: substituem o substantivo de maneira imprecisa (alguma, nenhum, certa, vários, qualquer...)
• Pronomes de tratamento: empregados, geralmente, em situações formais (senhor, Vossa Majestade, Vossa Excelência, você...)

Colocação pronominal
Diz respeito ao conjunto de regras que indicam a posição do pronome oblíquo átono (me, te, se, nos, vos, lhe, lhes, o, a, os, as,
lo, la, no, na...) em relação ao verbo, podendo haver próclise (antes do verbo), ênclise (depois do verbo) ou mesóclise (no meio do
verbo).
Veja, então, quais as principais situações para cada um deles:
• Próclise: expressões negativas; conjunções subordinativas; advérbios sem vírgula; pronomes indefinidos, relativos ou de-
monstrativos; frases exclamativas ou que exprimem desejo; verbos no gerúndio antecedidos por “em”.
Nada me faria mais feliz.

13
LÍNGUA PORTUGUESA
• Ênclise: verbo no imperativo afirmativo; verbo no início da frase (não estando no futuro e nem no pretérito); verbo no gerún-
dio não acompanhado por “em”; verbo no infinitivo pessoal.
Inscreveu-se no concurso para tentar realizar um sonho.

• Mesóclise: verbo no futuro iniciando uma oração.


Orgulhar-me-ei de meus alunos.

DICA: o pronome não deve aparecer no início de frases ou orações, nem após ponto-e-vírgula.

Verbos
Os verbos podem ser flexionados em três tempos: pretérito (passado), presente e futuro, de maneira que o pretérito e o futuro
possuem subdivisões.
Eles também se dividem em três flexões de modo: indicativo (certeza sobre o que é passado), subjuntivo (incerteza sobre o que
é passado) e imperativo (expressar ordem, pedido, comando).
• Tempos simples do modo indicativo: presente, pretérito perfeito, pretérito imperfeito, pretérito mais-que-perfeito, futuro do
presente, futuro do pretérito.
• Tempos simples do modo subjuntivo: presente, pretérito imperfeito, futuro.

Os tempos verbais compostos são formados por um verbo auxiliar e um verbo principal, de modo que o verbo auxiliar sofre
flexão em tempo e pessoa, e o verbo principal permanece no particípio. Os verbos auxiliares mais utilizados são “ter” e “haver”.
• Tempos compostos do modo indicativo: pretérito perfeito, pretérito mais-que-perfeito, futuro do presente, futuro do preté-
rito.
• Tempos compostos do modo subjuntivo: pretérito perfeito, pretérito mais-que-perfeito, futuro.
As formas nominais do verbo são o infinitivo (dar, fazerem, aprender), o particípio (dado, feito, aprendido) e o gerúndio (dando,
fazendo, aprendendo). Eles podem ter função de verbo ou função de nome, atuando como substantivo (infinitivo), adjetivo (parti-
cípio) ou advérbio (gerúndio).

Tipos de verbos
Os verbos se classificam de acordo com a sua flexão verbal. Desse modo, os verbos se dividem em:
Regulares: possuem regras fixas para a flexão (cantar, amar, vender, abrir...)
• Irregulares: possuem alterações nos radicais e nas terminações quando conjugados (medir, fazer, poder, haver...)
• Anômalos: possuem diferentes radicais quando conjugados (ser, ir...)
• Defectivos: não são conjugados em todas as pessoas verbais (falir, banir, colorir, adequar...)
• Impessoais: não apresentam sujeitos, sendo conjugados sempre na 3ª pessoa do singular (chover, nevar, escurecer, anoite-
cer...)
• Unipessoais: apesar de apresentarem sujeitos, são sempre conjugados na 3ª pessoa do singular ou do plural (latir, miar, cus-
tar, acontecer...)
• Abundantes: possuem duas formas no particípio, uma regular e outra irregular (aceitar = aceito, aceitado)
• Pronominais: verbos conjugados com pronomes oblíquos átonos, indicando ação reflexiva (suicidar-se, queixar-se, sentar-se,
pentear-se...)
• Auxiliares: usados em tempos compostos ou em locuções verbais (ser, estar, ter, haver, ir...)
• Principais: transmitem totalidade da ação verbal por si próprios (comer, dançar, nascer, morrer, sorrir...)
• De ligação: indicam um estado, ligando uma característica ao sujeito (ser, estar, parecer, ficar, continuar...)

Vozes verbais
As vozes verbais indicam se o sujeito pratica ou recebe a ação, podendo ser três tipos diferentes:
• Voz ativa: sujeito é o agente da ação (Vi o pássaro)
• Voz passiva: sujeito sofre a ação (O pássaro foi visto)
• Voz reflexiva: sujeito pratica e sofre a ação (Vi-me no reflexo do lago)

Ao passar um discurso para a voz passiva, é comum utilizar a partícula apassivadora “se”, fazendo com o que o pronome seja
equivalente ao verbo “ser”.

Conjugação de verbos
Os tempos verbais são primitivos quando não derivam de outros tempos da língua portuguesa. Já os tempos verbais derivados
são aqueles que se originam a partir de verbos primitivos, de modo que suas conjugações seguem o mesmo padrão do verbo de
origem.
• 1ª conjugação: verbos terminados em “-ar” (aproveitar, imaginar, jogar...)
• 2ª conjugação: verbos terminados em “-er” (beber, correr, erguer...)
• 3ª conjugação: verbos terminados em “-ir” (dormir, agir, ouvir...)

14
LÍNGUA PORTUGUESA
Confira os exemplos de conjugação apresentados abaixo:

Fonte: www.conjugação.com.br/verbo-lutar

15
LÍNGUA PORTUGUESA

Fonte: www.conjugação.com.br/verbo-impor

Preposições
As preposições são palavras invariáveis que servem para ligar dois termos da oração numa relação subordinada, e são divididas
entre essenciais (só funcionam como preposição) e acidentais (palavras de outras classes gramaticais que passam a funcionar como
preposição em determinadas sentenças).

16
LÍNGUA PORTUGUESA
Preposições essenciais: a, ante, após, de, com, em, contra, para, Formação de Palavras
per, perante, por, até, desde, sobre, sobre, trás, sob, sem, entre.
Preposições acidentais: afora, como, conforme, consoante, A formação de palavras se dá a partir de processos morfoló-
durante, exceto, mediante, menos, salvo, segundo, visto etc. gicos, de modo que as palavras se dividem entre:
Locuções prepositivas: abaixo de, afim de, além de, à custa • Palavras primitivas: são aquelas que não provêm de outra
de, defronte a, a par de, perto de, por causa de, em que pese a etc. palavra. Ex: flor; pedra
• Palavras derivadas: são originadas a partir de outras pala-
Ao conectar os termos das orações, as preposições estabele- vras. Ex: floricultura; pedrada
cem uma relação semântica entre eles, podendo passar ideia de: • Palavra simples: são aquelas que possuem apenas um ra-
• Causa: Morreu de câncer. dical (morfema que contém significado básico da palavra). Ex:
• Distância: Retorno a 3 quilômetros. cabelo; azeite
• Finalidade: A filha retornou para o enterro. • Palavra composta: são aquelas que possuem dois ou mais
• Instrumento: Ele cortou a foto com uma tesoura.
radicais. Ex: guarda-roupa; couve-flor
• Modo: Os rebeldes eram colocados em fila.
Entenda como ocorrem os principais processos de formação
• Lugar: O vírus veio de Portugal.
de palavras:
• Companhia: Ela saiu com a amiga.
• Posse: O carro de Maria é novo.
• Meio: Viajou de trem. Derivação
A formação se dá por derivação quando ocorre a partir de
Combinações e contrações uma palavra simples ou de um único radical, juntando-se afixos.
Algumas preposições podem aparecer combinadas a outras • Derivação prefixal: adiciona-se um afixo anteriormente à
palavras de duas maneiras: sem haver perda fonética (combina- palavra ou radical. Ex: antebraço (ante + braço) / infeliz (in +
ção) e havendo perda fonética (contração). feliz)
• Combinação: ao, aos, aonde • Derivação sufixal: adiciona-se um afixo ao final da palavra
• Contração: de, dum, desta, neste, nisso ou radical. Ex: friorento (frio + ento) / guloso (gula + oso)
• Derivação parassintética: adiciona-se um afixo antes e
Conjunção outro depois da palavra ou radical. Ex: esfriar (es + frio + ar) /
As conjunções se subdividem de acordo com a relação es- desgovernado (des + governar + ado)
tabelecida entre as ideias e as orações. Por ter esse papel im- • Derivação regressiva (formação deverbal): reduz-se a pa-
portante de conexão, é uma classe de palavras que merece des- lavra primitiva. Ex: boteco (botequim) / ataque (verbo “atacar”)
taque, pois reconhecer o sentido de cada conjunção ajuda na • Derivação imprópria (conversão): ocorre mudança na
compreensão e interpretação de textos, além de ser um grande classe gramatical, logo, de sentido, da palavra primitiva. Ex: jan-
diferencial no momento de redigir um texto. tar (verbo para substantivo) / Oliveira (substantivo comum para
Elas se dividem em duas opções: conjunções coordenativas substantivo próprio – sobrenomes).
e conjunções subordinativas.
Composição
Conjunções coordenativas A formação por composição ocorre quando uma nova pa-
As orações coordenadas não apresentam dependência sin- lavra se origina da junção de duas ou mais palavras simples ou
tática entre si, servindo também para ligar termos que têm a radicais.
mesma função gramatical. As conjunções coordenativas se sub- • Aglutinação: fusão de duas ou mais palavras simples, de
dividem em cinco grupos: modo que ocorre supressão de fonemas, de modo que os ele-
• Aditivas: e, nem, bem como.
mentos formadores perdem sua identidade ortográfica e fono-
• Adversativas: mas, porém, contudo.
lógica. Ex: aguardente (água + ardente) / planalto (plano + alto)
• Alternativas: ou, ora…ora, quer…quer.
• Justaposição: fusão de duas ou mais palavras simples,
• Conclusivas: logo, portanto, assim.
mantendo a ortografia e a acentuação presente nos elementos
• Explicativas: que, porque, porquanto.
formadores. Em sua maioria, aparecem conectadas com hífen.
Conjunções subordinativas Ex: beija-flor / passatempo.
As orações subordinadas são aquelas em que há uma rela-
ção de dependência entre a oração principal e a oração subor- Abreviação
dinada. Desse modo, a conexão entre elas (bem como o efeito Quando a palavra é reduzida para apenas uma parte de sua
de sentido) se dá pelo uso da conjunção subordinada adequada. totalidade, passando a existir como uma palavra autônoma. Ex:
Elas podem se classificar de dez maneiras diferentes: foto (fotografia) / PUC (Pontifícia Universidade Católica).
• Integrantes: usadas para introduzir as orações subordina-
das substantivas, definidas pelas palavras que e se. Hibridismo
• Causais: porque, que, como. Quando há junção de palavras simples ou radicais advindos
• Concessivas: embora, ainda que, se bem que. de línguas distintas. Ex: sociologia (socio – latim + logia – grego)
• Condicionais: e, caso, desde que. / binóculo (bi – grego + oculus – latim).
• Conformativas: conforme, segundo, consoante.
• Comparativas: como, tal como, assim como. Combinação
• Consecutivas: de forma que, de modo que, de sorte que. Quando ocorre junção de partes de outras palavras simples
• Finais: a fim de que, para que. ou radicais. Ex: portunhol (português + espanhol) / aborrecente
• Proporcionais: à medida que, ao passo que, à proporção que. (aborrecer + adolescente).
• Temporais: quando, enquanto, agora.

17
LÍNGUA PORTUGUESA
Intensificação
Quando há a criação de uma nova palavra a partir do alargamento do sufixo de uma palavra existente. Normalmente é feita
adicionando o sufixo -izar. Ex: inicializar (em vez de iniciar) / protocolizar (em vez de protocolar).

Neologismo
Quando novas palavras surgem devido à necessidade do falante em contextos específicos, podendo ser temporárias ou perma-
nentes. Existem três tipos principais de neologismos:
• Neologismo semântico: atribui-se novo significado a uma palavra já existente. Ex: amarelar (desistir) / mico (vergonha)
• Neologismo sintático: ocorre a combinação de elementos já existentes no léxico da língua. Ex: dar um bolo (não comparecer
ao compromisso) / dar a volta por cima (superar).
• Neologismo lexical: criação de uma nova palavra, que tem um novo conceito. Ex: deletar (apagar) / escanear (digitalizar)

Onomatopeia
Quando uma palavra é formada a partir da reprodução aproximada do seu som. Ex: atchim; zum-zum; tique-taque.

SINTAXE: FRASE, ORAÇÃO E PERÍODO; TERMOS DA ORAÇÃO; PROCESSOS DE COORDENAÇÃO E SUBORDINAÇÃO

A sintaxe estuda o conjunto das relações que as palavras estabelecem entre si. Dessa maneira, é preciso ficar atento aos enun-
ciados e suas unidades: frase, oração e período.
Frase é qualquer palavra ou conjunto de palavras ordenadas que apresenta sentido completo em um contexto de comunicação
e interação verbal. A frase nominal é aquela que não contém verbo. Já a frase verbal apresenta um ou mais verbos (locução verbal).
Oração é um enunciado organizado em torno de um único verbo ou locução verbal, de modo que estes passam a ser o núcleo
da oração. Assim, o predicativo é obrigatório, enquanto o sujeito é opcional.
Período é uma unidade sintática, de modo que seu enunciado é organizado por uma oração (período simples) ou mais orações
(período composto). Eles são iniciados com letras maiúsculas e finalizados com a pontuação adequada.

Análise sintática
A análise sintática serve para estudar a estrutura de um período e de suas orações. Os termos da oração se dividem entre:
• Essenciais (ou fundamentais): sujeito e predicado
• Integrantes: completam o sentido (complementos verbais e nominais, agentes da passiva)
• Acessórios: função secundária (adjuntos adnominais e adverbiais, apostos)

Termos essenciais da oração


Os termos essenciais da oração são o sujeito e o predicado. O sujeito é aquele sobre quem diz o resto da oração, enquanto o
predicado é a parte que dá alguma informação sobre o sujeito, logo, onde o verbo está presente.

O sujeito é classificado em determinado (facilmente identificável, podendo ser simples, composto ou implícito) e indetermina-
do, podendo, ainda, haver a oração sem sujeito (a mensagem se concentra no verbo impessoal):
Lúcio dormiu cedo.
Aluga-se casa para réveillon.
Choveu bastante em janeiro.

Quando o sujeito aparece no início da oração, dá-se o nome de sujeito direto. Se aparecer depois do predicado, é o caso de
sujeito inverso. Há, ainda, a possibilidade de o sujeito aparecer no meio da oração:
Lívia se esqueceu da reunião pela manhã.
Esqueceu-se da reunião pela manhã, Lívia.
Da reunião pela manhã, Lívia se esqueceu.

Os predicados se classificam em: predicado verbal (núcleo do predicado é um verbo que indica ação, podendo ser transitivo,
intransitivo ou de ligação); predicado nominal (núcleo da oração é um nome, isto é, substantivo ou adjetivo); predicado verbo-no-
minal (apresenta um predicativo do sujeito, além de uma ação mais uma qualidade sua)
As crianças brincaram no salão de festas.
Mariana é inteligente.
Os jogadores venceram a partida. Por isso, estavam felizes.

Termos integrantes da oração


Os complementos verbais são classificados em objetos diretos (não preposicionados) e objetos indiretos (preposicionado).
A menina que possui bolsa vermelha me cumprimentou.
O cão precisa de carinho.

18
LÍNGUA PORTUGUESA
Os complementos nominais podem ser substantivos, adjetivos ou advérbios.
A mãe estava orgulhosa de seus filhos.
Carlos tem inveja de Eduardo.
Bárbara caminhou vagarosamente pelo bosque.

Os agentes da passiva são os termos que tem a função de praticar a ação expressa pelo verbo, quando este se encontra na voz
passiva. Costumam estar acompanhados pelas preposições “por” e “de”.
Os filhos foram motivo de orgulho da mãe.
Eduardo foi alvo de inveja de Carlos.
O bosque foi caminhado vagarosamente por Bárbara.

Termos acessórios da oração


Os termos acessórios não são necessários para dar sentido à oração, funcionando como complementação da informação. Desse
modo, eles têm a função de caracterizar o sujeito, de determinar o substantivo ou de exprimir circunstância, podendo ser adjunto
adverbial (modificam o verbo, adjetivo ou advérbio), adjunto adnominal (especifica o substantivo, com função de adjetivo) e apos-
to (caracteriza o sujeito, especificando-o).
Os irmãos brigam muito.
A brilhante aluna apresentou uma bela pesquisa à banca.
Pelé, o rei do futebol, começou sua carreira no Santos.

Tipos de Orações
Levando em consideração o que foi aprendido anteriormente sobre oração, vamos aprender sobre os dois tipos de oração que
existem na língua portuguesa: oração coordenada e oração subordinada.
Orações coordenadas
São aquelas que não dependem sintaticamente uma da outra, ligando-se apenas pelo sentido. Elas aparecem quando há um
período composto, sendo conectadas por meio do uso de conjunções (sindéticas), ou por meio da vírgula (assindéticas).
No caso das orações coordenadas sindéticas, a classificação depende do sentido entre as orações, representado por um grupo
de conjunções adequadas:

CLASSIFICAÇÃO CARACTERÍSTICAS CONJUNÇÕES


ADITIVAS Adição da ideia apresentada na oração anterior e, nem, também, bem como, não só, tanto...
Oposição à ideia apresentada na oração anterior (inicia
ADVERSATIVAS mas, porém, todavia, entretanto, contudo...
com vírgula)
Opção / alternância em relação à ideia apresentada na
ALTERNATIVAS ou, já, ora, quer, seja...
oração anterior
CONCLUSIVAS Conclusão da ideia apresentada na oração anterior logo, pois, portanto, assim, por isso, com isso...
EXPLICATIVAS Explicação da ideia apresentada na oração anterior que, porque, porquanto, pois, ou seja...

Orações subordinadas
São aquelas que dependem sintaticamente em relação à oração principal. Elas aparecem quando o período é composto por
duas ou mais orações.
A classificação das orações subordinadas se dá por meio de sua função: orações subordinadas substantivas, quando fazem o
papel de substantivo da oração; orações subordinadas adjetivas, quando modificam o substantivo, exercendo a função do adjetivo;
orações subordinadas adverbiais, quando modificam o advérbio.
Cada uma dessas sofre uma segunda classificação, como pode ser observado nos quadros abaixo.

SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS FUNÇÃO EXEMPLOS


APOSITIVA aposto Esse era meu receio: que ela não discursasse outra vez.
COMPLETIVA NOMINAL complemento nominal Tenho medo de que ela não discurse novamente.
OBJETIVA DIRETA objeto direto Ele me perguntou se ela discursaria outra vez.
OBJETIVA INDIRETA objeto indireto Necessito de que você discurse de novo.
PREDICATIVA predicativo Meu medo é que ela não discurse novamente.
SUBJETIVA sujeito É possível que ela discurse outra vez.

19
LÍNGUA PORTUGUESA

SUBORDINADAS
CARACTERÍSTICAS EXEMPLOS
ADJETIVAS
Esclarece algum detalhe, adicionando uma informação. O candidato, que é do partido socialista, está sendo
EXPLICATIVAS
Aparece sempre separado por vírgulas. atacado.
Restringe e define o sujeito a que se refere.
As pessoas que são racistas precisam rever seus va-
RESTRITIVAS Não deve ser retirado sem alterar o sentido.
lores.
Não pode ser separado por vírgula.
Introduzidas por conjunções, pronomes e locuções
Ele foi o primeiro presidente que se preocupou com
DESENVOLVIDAS conjuntivas.
a fome no país.
Apresentam verbo nos modos indicativo ou subjuntivo.
Não são introduzidas por pronomes, conjunções sou
locuções conjuntivas.
REDUZIDAS Assisti ao documentário denunciando a corrupção.
Apresentam o verbo nos modos particípio, gerúndio ou
infinitivo

SUBORDINADAS ADVERBIAIS FUNÇÃO PRINCIPAIS CONJUNÇÕES


CAUSAIS Ideia de causa, motivo, razão de efeito porque, visto que, já que, como...
COMPARATIVAS Ideia de comparação como, tanto quanto, (mais / menos) que, do que...
CONCESSIVAS Ideia de contradição embora, ainda que, se bem que, mesmo...
CONDICIONAIS Ideia de condição caso, se, desde que, contanto que, a menos que...
CONFORMATIVAS Ideia de conformidade como, conforme, segundo...
CONSECUTIVAS Ideia de consequência De modo que, (tal / tão / tanto) que...
FINAIS Ideia de finalidade que, para que, a fim de que...
quanto mais / menos... mais /menos, à medida
PROPORCIONAIS Ideia de proporção
que, na medida em que, à proporção que...
TEMPORAIS Ideia de momento quando, depois que, logo que, antes que...

CONCORDÂNCIA NOMINAL E VERBAL

Concordância é o efeito gramatical causado por uma relação harmônica entre dois ou mais termos. Desse modo, ela pode ser
verbal — refere-se ao verbo em relação ao sujeito — ou nominal — refere-se ao substantivo e suas formas relacionadas.
• Concordância em gênero: flexão em masculino e feminino
• Concordância em número: flexão em singular e plural
• Concordância em pessoa: 1ª, 2ª e 3ª pessoa

Concordância nominal
Para que a concordância nominal esteja adequada, adjetivos, artigos, pronomes e numerais devem flexionar em número e
gênero, de acordo com o substantivo. Há algumas regras principais que ajudam na hora de empregar a concordância, mas é preciso
estar atento, também, aos casos específicos.
Quando há dois ou mais adjetivos para apenas um substantivo, o substantivo permanece no singular se houver um artigo entre
os adjetivos. Caso contrário, o substantivo deve estar no plural:
• A comida mexicana e a japonesa. / As comidas mexicana e japonesa.

Quando há dois ou mais substantivos para apenas um adjetivo, a concordância depende da posição de cada um deles. Se o
adjetivo vem antes dos substantivos, o adjetivo deve concordar com o substantivo mais próximo:
• Linda casa e bairro.

Se o adjetivo vem depois dos substantivos, ele pode concordar tanto com o substantivo mais próximo, ou com todos os subs-
tantivos (sendo usado no plural):
• Casa e apartamento arrumado. / Apartamento e casa arrumada.
• Casa e apartamento arrumados. / Apartamento e casa arrumados.

Quando há a modificação de dois ou mais nomes próprios ou de parentesco, os adjetivos devem ser flexionados no plural:
• As talentosas Clarice Lispector e Lygia Fagundes Telles estão entre os melhores escritores brasileiros.

20
LÍNGUA PORTUGUESA
Quando o adjetivo assume função de predicativo de um sujeito ou objeto, ele deve ser flexionado no plural caso o sujeito ou
objeto seja ocupado por dois substantivos ou mais:
• O operário e sua família estavam preocupados com as consequências do acidente.

CASOS
REGRA EXEMPLO
ESPECÍFICOS
É PROIBIDO Deve concordar com o substantivo quando há presença
É proibida a entrada.
É PERMITIDO de um artigo. Se não houver essa determinação, deve
É proibido entrada.
É NECESSÁRIO permanecer no singular e no masculino.
Mulheres dizem “obrigada” Homens dizem
OBRIGADO / OBRIGADA Deve concordar com a pessoa que fala.
“obrigado”.
As bastantes crianças ficaram doentes com a volta
Quando tem função de adjetivo para um substantivo, às aulas.
BASTANTE concorda em número com o substantivo. Bastante criança ficou doente com a volta às aulas.
Quando tem função de advérbio, permanece invariável. O prefeito considerou bastante a respeito da
suspensão das aulas.
É sempre invariável, ou seja, a palavra “menas” não Havia menos mulheres que homens na fila para a
MENOS
existe na língua portuguesa. festa.
As crianças mesmas limparam a sala depois da
MESMO Devem concordar em gênero e número com a pessoa a
aula.
PRÓPRIO que fazem referência.
Eles próprios sugeriram o tema da formatura.
Quando tem função de numeral adjetivo, deve
concordar com o substantivo. Adicione meia xícara de leite.
MEIO / MEIA
Quando tem função de advérbio, modificando um Manuela é meio artista, além de ser engenheira.
adjetivo, o termo é invariável.
Segue anexo o orçamento.
Seguem anexas as informações adicionais
ANEXO INCLUSO Devem concordar com o substantivo a que se referem.
As professoras estão inclusas na greve.
O material está incluso no valor da mensalidade.

Concordância verbal
Para que a concordância verbal esteja adequada, é preciso haver flexão do verbo em número e pessoa, a depender do sujeito
com o qual ele se relaciona.

Quando o sujeito composto é colocado anterior ao verbo, o verbo ficará no plural:


• A menina e seu irmão viajaram para a praia nas férias escolares.

Mas, se o sujeito composto aparece depois do verbo, o verbo pode tanto ficar no plural quanto concordar com o sujeito mais
próximo:
• Discutiram marido e mulher. / Discutiu marido e mulher.

Se o sujeito composto for formado por pessoas gramaticais diferentes, o verbo deve ficar no plural e concordando com a pes-
soa que tem prioridade, a nível gramatical — 1ª pessoa (eu, nós) tem prioridade em relação à 2ª (tu, vós); a 2ª tem prioridade em
relação à 3ª (ele, eles):
• Eu e vós vamos à festa.

Quando o sujeito apresenta uma expressão partitiva (sugere “parte de algo”), seguida de substantivo ou pronome no plural, o
verbo pode ficar tanto no singular quanto no plural:
• A maioria dos alunos não se preparou para o simulado. / A maioria dos alunos não se prepararam para o simulado.

Quando o sujeito apresenta uma porcentagem, deve concordar com o valor da expressão. No entanto, quanto seguida de um
substantivo (expressão partitiva), o verbo poderá concordar tanto com o numeral quanto com o substantivo:
• 27% deixaram de ir às urnas ano passado. / 1% dos eleitores votou nulo / 1% dos eleitores votaram nulo.

Quando o sujeito apresenta alguma expressão que indique quantidade aproximada, o verbo concorda com o substantivo que
segue a expressão:
• Cerca de duzentas mil pessoas compareceram à manifestação. / Mais de um aluno ficou abaixo da média na prova.

Quando o sujeito é indeterminado, o verbo deve estar sempre na terceira pessoa do singular:
Precisa-se de balconistas. / Precisa-se de balconista.

21
LÍNGUA PORTUGUESA
Quando o sujeito é coletivo, o verbo permanece no singular, concordando com o coletivo partitivo:
• A multidão delirou com a entrada triunfal dos artistas. / A matilha cansou depois de tanto puxar o trenó.

Quando não existe sujeito na oração, o verbo fica na terceira pessoa do singular (impessoal):
• Faz chuva hoje

Quando o pronome relativo “que” atua como sujeito, o verbo deverá concordar em número e pessoa com o termo da oração
principal ao qual o pronome faz referência:
• Foi Maria que arrumou a casa.

Quando o sujeito da oração é o pronome relativo “quem”, o verbo pode concordar tanto com o antecedente do pronome
quanto com o próprio nome, na 3ª pessoa do singular:
• Fui eu quem arrumei a casa. / Fui eu quem arrumou a casa.

Quando o pronome indefinido ou interrogativo, atuando como sujeito, estiver no singular, o verbo deve ficar na 3ª pessoa do
singular:
• Nenhum de nós merece adoecer.

Quando houver um substantivo que apresenta forma plural, porém com sentido singular, o verbo deve permanecer no singu-
lar. Exceto caso o substantivo vier precedido por determinante:
• Férias é indispensável para qualquer pessoa. / Meus óculos sumiram.

TRANSITIVIDADE E REGÊNCIA DE NOMES E VERBOS

A regência estuda as relações de concordâncias entre os termos que completam o sentido tanto dos verbos quanto dos nomes.
Dessa maneira, há uma relação entre o termo regente (principal) e o termo regido (complemento).
A regência está relacionada à transitividade do verbo ou do nome, isto é, sua complementação necessária, de modo que essa
relação é sempre intermediada com o uso adequado de alguma preposição.

Regência nominal
Na regência nominal, o termo regente é o nome, podendo ser um substantivo, um adjetivo ou um advérbio, e o termo regido é
o complemento nominal, que pode ser um substantivo, um pronome ou um numeral.
Vale lembrar que alguns nomes permitem mais de uma preposição. Veja no quadro abaixo as principais preposições e as pa-
lavras que pedem seu complemento:

PREPOSIÇÃO NOMES
acessível; acostumado; adaptado; adequado; agradável; alusão; análogo; anterior; atento; benefício; comum;
A contrário; desfavorável; devoto; equivalente; fiel; grato; horror; idêntico; imune; indiferente; inferior; leal; necessário;
nocivo; obediente; paralelo; posterior; preferência; propenso; próximo; semelhante; sensível; útil; visível...
amante; amigo; capaz; certo; contemporâneo; convicto; cúmplice; descendente; destituído; devoto; diferente;
DE dotado; escasso; fácil; feliz; imbuído; impossível; incapaz; indigno; inimigo; inseparável; isento; junto; longe; medo;
natural; orgulhoso; passível; possível; seguro; suspeito; temeroso...
SOBRE opinião; discurso; discussão; dúvida; insistência; influência; informação; preponderante; proeminência; triunfo...
acostumado; amoroso; analogia; compatível; cuidadoso; descontente; generoso; impaciente; ingrato; intolerante;
COM
mal; misericordioso; ocupado; parecido; relacionado; satisfeito; severo; solícito; triste...
abundante; bacharel; constante; doutor; erudito; firme; hábil; incansável; inconstante; indeciso; morador;
EM
negligente; perito; prático; residente; versado...
atentado; blasfêmia; combate; conspiração; declaração; fúria; impotência; litígio; luta; protesto; reclamação;
CONTRA
representação...
PARA bom; mau; odioso; próprio; útil...

Regência verbal
Na regência verbal, o termo regente é o verbo, e o termo regido poderá ser tanto um objeto direto (não preposicionado) quanto
um objeto indireto (preposicionado), podendo ser caracterizado também por adjuntos adverbiais.
Com isso, temos que os verbos podem se classificar entre transitivos e intransitivos. É importante ressaltar que a transitividade
do verbo vai depender do seu contexto.

22
LÍNGUA PORTUGUESA
Verbos intransitivos: não exigem complemento, de modo que fazem sentido por si só. Em alguns casos, pode estar acompanha-
do de um adjunto adverbial (modifica o verbo, indicando tempo, lugar, modo, intensidade etc.), que, por ser um termo acessório,
pode ser retirado da frase sem alterar sua estrutura sintática:
• Viajou para São Paulo. / Choveu forte ontem.

Verbos transitivos diretos: exigem complemento (objeto direto), sem preposição, para que o sentido do verbo esteja completo:
• A aluna entregou o trabalho. / A criança quer bolo.

Verbos transitivos indiretos: exigem complemento (objeto indireto), de modo que uma preposição é necessária para estabe-
lecer o sentido completo:
• Gostamos da viagem de férias. / O cidadão duvidou da campanha eleitoral.

Verbos transitivos diretos e indiretos: em algumas situações, o verbo precisa ser acompanhado de um objeto direto (sem pre-
posição) e de um objeto indireto (com preposição):
• Apresentou a dissertação à banca. / O menino ofereceu ajuda à senhora.

PADRÕES GERAIS DE COLOCAÇÃO PRONOMINAL NA LÍNGUA PORTUGUESA

Prezado Candidato, o tópico acima supracitado foi abordado anteriormente.

MECANISMOS DE COESÃO TEXTUAL

A coerência e a coesão são essenciais na escrita e na interpretação de textos. Ambos se referem à relação adequada entre os
componentes do texto, de modo que são independentes entre si. Isso quer dizer que um texto pode estar coeso, porém incoerente,
e vice-versa.
Enquanto a coesão tem foco nas questões gramaticais, ou seja, ligação entre palavras, frases e parágrafos, a coerência diz res-
peito ao conteúdo, isto é, uma sequência lógica entre as ideias.

Coesão
A coesão textual ocorre, normalmente, por meio do uso de conectivos (preposições, conjunções, advérbios). Ela pode ser obti-
da a partir da anáfora (retoma um componente) e da catáfora (antecipa um componente).
Confira, então, as principais regras que garantem a coesão textual:

REGRA CARACTERÍSTICAS EXEMPLOS


Pessoal (uso de pronomes pessoais ou possessivos) –
João e Maria são crianças. Eles são irmãos.
anafórica
Fiz todas as tarefas, exceto esta: colonização
REFERÊNCIA Demonstrativa (uso de pronomes demonstrativos e
africana.
advérbios) – catafórica
Mais um ano igual aos outros...
Comparativa (uso de comparações por semelhanças)
Substituição de um termo por outro, para evitar Maria está triste. A menina está cansada de ficar
SUBSTITUIÇÃO
repetição em casa.
No quarto, apenas quatro ou cinco convidados.
ELIPSE Omissão de um termo
(omissão do verbo “haver”)
Conexão entre duas orações, estabelecendo relação Eu queria ir ao cinema, mas estamos de
CONJUNÇÃO
entre elas quarentena.
Utilização de sinônimos, hiperônimos, nomes genéricos
A minha casa é clara. Os quartos, a sala e a
COESÃO LEXICAL ou palavras que possuem sentido aproximado e
cozinha têm janelas grandes.
pertencente a um mesmo grupo lexical.

Coerência
Nesse caso, é importante conferir se a mensagem e a conexão de ideias fazem sentido, e seguem uma linha clara de raciocínio.
Existem alguns conceitos básicos que ajudam a garantir a coerência. Veja quais são os principais princípios para um texto coerente:
• Princípio da não contradição: não deve haver ideias contraditórias em diferentes partes do texto.
• Princípio da não tautologia: a ideia não deve estar redundante, ainda que seja expressa com palavras diferentes.
• Princípio da relevância: as ideias devem se relacionar entre si, não sendo fragmentadas nem sem propósito para a argumen-
tação.

23
LÍNGUA PORTUGUESA
• Princípio da continuidade temática: é preciso que o assunto tenha um seguimento em relação ao assunto tratado.
• Princípio da progressão semântica: inserir informações novas, que sejam ordenadas de maneira adequada em relação à
progressão de ideias.

Para atender a todos os princípios, alguns fatores são recomendáveis para garantir a coerência textual, como amplo conhe-
cimento de mundo, isto é, a bagagem de informações que adquirimos ao longo da vida; inferências acerca do conhecimento de
mundo do leitor; e informatividade, ou seja, conhecimentos ricos, interessantes e pouco previsíveis.

ORTOGRAFIA

A ortografia oficial diz respeito às regras gramaticais referentes à escrita correta das palavras. Para melhor entendê-las, é preci-
so analisar caso a caso. Lembre-se de que a melhor maneira de memorizar a ortografia correta de uma língua é por meio da leitura,
que também faz aumentar o vocabulário do leitor.
Neste capítulo serão abordadas regras para dúvidas frequentes entre os falantes do português. No entanto, é importante res-
saltar que existem inúmeras exceções para essas regras, portanto, fique atento!

Alfabeto
O primeiro passo para compreender a ortografia oficial é conhecer o alfabeto (os sinais gráficos e seus sons). No português, o
alfabeto se constitui 26 letras, divididas entre vogais (a, e, i, o, u) e consoantes (restante das letras).
Com o Novo Acordo Ortográfico, as consoantes K, W e Y foram reintroduzidas ao alfabeto oficial da língua portuguesa, de modo
que elas são usadas apenas em duas ocorrências: transcrição de nomes próprios e abreviaturas e símbolos de uso internacional.

Uso do “X”
Algumas dicas são relevantes para saber o momento de usar o X no lugar do CH:
• Depois das sílabas iniciais “me” e “en” (ex: mexerica; enxergar)
• Depois de ditongos (ex: caixa)
• Palavras de origem indígena ou africana (ex: abacaxi; orixá)

Uso do “S” ou “Z”


Algumas regras do uso do “S” com som de “Z” podem ser observadas:
• Depois de ditongos (ex: coisa)
• Em palavras derivadas cuja palavra primitiva já se usa o “S” (ex: casa > casinha)
• Nos sufixos “ês” e “esa”, ao indicarem nacionalidade, título ou origem. (ex: portuguesa)
• Nos sufixos formadores de adjetivos “ense”, “oso” e “osa” (ex: populoso)

Uso do “S”, “SS”, “Ç”


• “S” costuma aparecer entre uma vogal e uma consoante (ex: diversão)
• “SS” costuma aparecer entre duas vogais (ex: processo)
• “Ç” costuma aparecer em palavras estrangeiras que passaram pelo processo de aportuguesamento (ex: muçarela)

Os diferentes porquês

POR QUE Usado para fazer perguntas. Pode ser substituído por “por qual motivo”
PORQUE Usado em respostas e explicações. Pode ser substituído por “pois”
O “que” é acentuado quando aparece como a última palavra da frase, antes da pontuação final (interrogação,
POR QUÊ
exclamação, ponto final)
PORQUÊ É um substantivo, portanto costuma vir acompanhado de um artigo, numeral, adjetivo ou pronome

Parônimos e homônimos
As palavras parônimas são aquelas que possuem grafia e pronúncia semelhantes, porém com significados distintos.
Ex: cumprimento (saudação) X comprimento (extensão); tráfego (trânsito) X tráfico (comércio ilegal).
Já as palavras homônimas são aquelas que possuem a mesma grafia e pronúncia, porém têm significados diferentes. Ex: rio
(verbo “rir”) X rio (curso d’água); manga (blusa) X manga (fruta).

24
LÍNGUA PORTUGUESA

ACENTUAÇÃO GRÁFICA

A acentuação é uma das principais questões relacionadas à Ortografia Oficial, que merece um capítulo a parte. Os acentos uti-
lizados no português são: acento agudo (´); acento grave (`); acento circunflexo (^); cedilha (¸) e til (~).
Depois da reforma do Acordo Ortográfico, a trema foi excluída, de modo que ela só é utilizada na grafia de nomes e suas deri-
vações (ex: Müller, mülleriano).
Esses são sinais gráficos que servem para modificar o som de alguma letra, sendo importantes para marcar a sonoridade e a
intensidade das sílabas, e para diferenciar palavras que possuem a escrita semelhante.
A sílaba mais intensa da palavra é denominada sílaba tônica. A palavra pode ser classificada a partir da localização da sílaba
tônica, como mostrado abaixo:
• OXÍTONA: a última sílaba da palavra é a mais intensa. (Ex: café)
• PAROXÍTONA: a penúltima sílaba da palavra é a mais intensa. (Ex: automóvel)
• PROPAROXÍTONA: a antepenúltima sílaba da palavra é a mais intensa. (Ex: lâmpada)
As demais sílabas, pronunciadas de maneira mais sutil, são denominadas sílabas átonas.

Regras fundamentais

CLASSIFICAÇÃO REGRAS EXEMPLOS


• terminadas em A, E, O, EM, seguidas ou não do
cipó(s), pé(s), armazém
OXÍTONAS plural
respeitá-la, compô-lo, comprometê-los
• seguidas de -LO, -LA, -LOS, -LAS
• terminadas em I, IS, US, UM, UNS, L, N, X, PS, Ã,
ÃS, ÃO, ÃOS
táxi, lápis, vírus, fórum, cadáver, tórax, bíceps, ímã,
• ditongo oral, crescente ou decrescente, seguido
PAROXÍTONAS órfão, órgãos, água, mágoa, pônei, ideia, geleia,
ou não do plural
paranoico, heroico
(OBS: Os ditongos “EI” e “OI” perderam o acento
com o Novo Acordo Ortográfico)
PROPAROXÍTONAS • todas são acentuadas cólica, analítico, jurídico, hipérbole, último, álibi

Regras especiais

REGRA EXEMPLOS
Acentua-se quando “I” e “U” tônicos formarem hiato com a vogal anterior, acompanhados ou não de “S”,
saída, faísca, baú, país
desde que não sejam seguidos por “NH”
feiura, Bocaiuva, Sauipe
OBS: Não serão mais acentuados “I” e “U” tônicos formando hiato quando vierem depois de ditongo
Acentua-se a 3ª pessoa do plural do presente do indicativo dos verbos “TER” e “VIR” e seus compostos têm, obtêm, contêm, vêm
Não são acentuados hiatos “OO” e “EE” leem, voo, enjoo
Não são acentuadas palavras homógrafas
pelo, pera, para
OBS: A forma verbal “PÔDE” é uma exceção

EMPREGO DO SINAL INDICATIVO DE CRASE

Crase é o nome dado à contração de duas letras “A” em uma só: preposição “a” + artigo “a” em palavras femininas. Ela é de-
marcada com o uso do acento grave (à), de modo que crase não é considerada um acento em si, mas sim o fenômeno dessa fusão.
Veja, abaixo, as principais situações em que será correto o emprego da crase:
• Palavras femininas: Peça o material emprestado àquela aluna.
• Indicação de horas, em casos de horas definidas e especificadas: Chegaremos em Belo Horizonte às 7 horas.
• Locuções prepositivas: A aluna foi aprovada à custa de muito estresse.
• Locuções conjuntivas: À medida que crescemos vamos deixando de lado a capacidade de imaginar.
• Locuções adverbiais de tempo, modo e lugar: Vire na próxima à esquerda.

Veja, agora, as principais situações em que não se aplica a crase:


• Palavras masculinas: Ela prefere passear a pé.
• Palavras repetidas (mesmo quando no feminino): Melhor termos uma reunião frente a frente.
• Antes de verbo: Gostaria de aprender a pintar.
• Expressões que sugerem distância ou futuro: A médica vai te atender daqui a pouco.
• Dia de semana (a menos que seja um dia definido): De terça a sexta. / Fecharemos às segundas-feiras.
• Antes de numeral (exceto horas definidas): A casa da vizinha fica a 50 metros da esquina.

25
LÍNGUA PORTUGUESA
Há, ainda, situações em que o uso da crase é facultativo
• Pronomes possessivos femininos: Dei um picolé a minha filha. / Dei um picolé à minha filha.
• Depois da palavra “até”: Levei minha avó até a feira. / Levei minha avó até à feira.
• Nomes próprios femininos (desde que não seja especificado): Enviei o convite a Ana. / Enviei o convite à Ana. / Enviei o convite
à Ana da faculdade.
DICA: Como a crase só ocorre em palavras no feminino, em caso de dúvida, basta substituir por uma palavra equivalente no
masculino. Se aparecer “ao”, deve-se usar a crase: Amanhã iremos à escola / Amanhã iremos ao colégio.

PONTUAÇÃO

Os sinais de pontuação são recursos gráficos que se encontram na linguagem escrita, e suas funções são demarcar unidades
e sinalizar limites de estruturas sintáticas. É também usado como um recurso estilístico, contribuindo para a coerência e a coesão
dos textos.
São eles: o ponto (.), a vírgula (,), o ponto e vírgula (;), os dois pontos (:), o ponto de exclamação (!), o ponto de interrogação
(?), as reticências (...), as aspas (“”), os parênteses ( ( ) ), o travessão (—), a meia-risca (–), o apóstrofo (‘), o asterisco (*), o hífen (-),
o colchetes ([]) e a barra (/).
Confira, no quadro a seguir, os principais sinais de pontuação e suas regras de uso.

SINAL NOME USO EXEMPLOS


Indicar final da frase declarativa Meu nome é Pedro.
. Ponto Separar períodos Fica mais. Ainda está cedo
Abreviar palavras Sra.
A princesa disse:
Iniciar fala de personagem
- Eu consigo sozinha.
Antes de aposto ou orações apositivas, enumerações
Esse é o problema da pandemia: as
: Dois-pontos ou sequência de palavras para resumir / explicar ideias
pessoas não respeitam a quarentena.
apresentadas anteriormente
Como diz o ditado: “olho por olho,
Antes de citação direta
dente por dente”.
Indicar hesitação
Sabe... não está sendo fácil...
... Reticências Interromper uma frase
Quem sabe depois...
Concluir com a intenção de estender a reflexão
Isolar palavras e datas A Semana de Arte Moderna (1922)
() Parênteses Frases intercaladas na função explicativa (podem substituir Eu estava cansada (trabalhar e estudar
vírgula e travessão) é puxado).
Indicar expressão de emoção Que absurdo!
Ponto de
! Final de frase imperativa Estude para a prova!
Exclamação
Após interjeição Ufa!
Ponto de
? Em perguntas diretas Que horas ela volta?
Interrogação
A professora disse:
Iniciar fala do personagem do discurso direto e indicar — Boas férias!
— Travessão mudança de interloculor no diálogo — Obrigado, professora.
Substituir vírgula em expressões ou frases explicativas O corona vírus — Covid-19 — ainda
está sendo estudado.

Vírgula
A vírgula é um sinal de pontuação com muitas funções, usada para marcar uma pausa no enunciado. Veja, a seguir, as principais
regras de uso obrigatório da vírgula.
• Separar termos coordenados: Fui à feira e comprei abacate, mamão, manga, morango e abacaxi.
• Separar aposto (termo explicativo): Belo Horizonte, capital mineira, só tem uma linha de metrô.
• Isolar vocativo: Boa tarde, Maria.
• Isolar expressões que indicam circunstâncias adverbiais (modo, lugar, tempo etc): Todos os moradores, calmamente, deixa-
ram o prédio.
• Isolar termos explicativos: A educação, a meu ver, é a solução de vários problemas sociais.
• Separar conjunções intercaladas, e antes dos conectivos “mas”, “porém”, “pois”, “contudo”, “logo”: A menina acordou cedo,
mas não conseguiu chegar a tempo na escola. Não explicou, porém, o motivo para a professora.
• Separar o conteúdo pleonástico: A ela, nada mais abala.

26
LÍNGUA PORTUGUESA
No caso da vírgula, é importante saber que, em alguns ca- -abstrato pelo concreto e vice-versa. Exemplos: A gravidez
sos, ela não deve ser usada. Assim, não há vírgula para separar: deve ser tranquila. (o abstrato gravidez está no lugar do concre-
to, ou seja, mulheres grávidas).
• Sujeito de predicado.
• Objeto de verbo. - instrumento pela pessoa que o utiliza. Exemplo: Os micro-
• Adjunto adnominal de nome. fones foram atrás dos jogadores. (Os repórteres foram atrás dos
• Complemento nominal de nome. jogadores.)
• Predicativo do objeto do objeto.
• Oração principal da subordinada substantiva. - lugar pelo produto. Exemplo: Fumei um saboroso havana.
• Termos coordenados ligados por “e”, “ou”, “nem”. (Fumei um saboroso charuto.).
- símbolo ou sinal pela coisa significada. Exemplo: Não te
afastes da cruz. (Não te afastes da religião.).
ESTILÍSTICA: FIGURAS DE LINGUAGEM
- a parte pelo todo. Exemplo: Não há teto para os desabriga-
dos. (a parte teto está no lugar do todo, “o lar”).
As figuras de linguagem são recursos especiais usados por
quem fala ou escreve, para dar à expressão mais força, intensi- - indivíduo pela classe ou espécie. Exemplo: O homem foi à
dade e beleza. Lua. (Alguns astronautas foram à Lua.).
São três tipos: - singular pelo plural. Exemplo: A mulher foi chamada para ir
Figuras de Palavras (tropos); às ruas. (Todas as mulheres foram chamadas, não apenas uma)
Figuras de Construção (de sintaxe);
Figuras de Pensamento. - gênero ou a qualidade pela espécie. Exemplo: Os mortais
Figuras de Palavra sofrem nesse mundo. (Os homens sofrem nesse mundo.)

É a substituição de uma palavra por outra, isto é, no em- - matéria pelo objeto. Exemplo: Ela não tem um níquel. (a
prego figurado, simbólico, seja por uma relação muito próxima matéria níquel é usada no lugar da coisa fabricada, que é “mo-
(contiguidade), seja por uma associação, uma comparação, uma eda”).
similaridade. São as seguintes as figuras de palavras:
Atenção: Os últimos 5 exemplos podem receber também o
Metáfora: consiste em utilizar uma palavra ou uma expres- nome de Sinédoque.
são em lugar de outra, sem que haja uma relação real, mas em
virtude da circunstância de que o nosso espírito as associa e de- Perífrase: substituição de um nome por uma expressão para
preende entre elas certas semelhanças. Observe o exemplo: facilitar a identificação. Exemplo: A Cidade Maravilhosa (= Rio de
Janeiro) continua atraindo visitantes do mundo todo.
“Meu pensamento é um rio subterrâneo.” (Fernando Pes-
soa) Obs.: quando a perífrase indica uma pessoa, recebe o nome
de antonomásia.
Nesse caso, a metáfora é possível na medida em que o poe- Exemplos:
ta estabelece relações de semelhança entre um rio subterrâneo O Divino Mestre (= Jesus Cristo) passou a vida praticando o
e seu pensamento. bem.
O Poeta da Vila (= Noel Rosa) compôs lindas canções.
Comparação: é a comparação entre dois elementos co-
muns; semelhantes. Normalmente se emprega uma conjunção Sinestesia: Consiste em mesclar, numa mesma expressão,
comparativa: como, tal qual, assim como. as sensações percebidas por diferentes órgãos do sentido.
Exemplo: No silêncio negro do seu quarto, aguardava os aconte-
“Sejamos simples e calmos cimentos. (silêncio = auditivo; negro = visual)
Como os regatos e as árvores”
Fernando Pessoa Catacrese: A catacrese costuma ocorrer quando, por falta
de um termo específico para designar um conceito, toma-se ou-
Metonímia: consiste em empregar um termo no lugar de tro “emprestado”. Passamos a empregar algumas palavras fora
outro, havendo entre ambos estreita afinidade ou relação de de seu sentido original. Exemplos: “asa da xícara”, “maçã do ros-
sentido. Observe os exemplos abaixo: to”, “braço da cadeira” .

-autor ou criador pela obra. Exemplo: Gosto de ler Machado Figuras de Construção
de Assis. (Gosto de ler a obra literária de Machado de Assis.)
Ocorrem quando desejamos atribuir maior expressividade
-efeito pela causa e vice-versa. Exemplo: Vivo do meu traba- ao significado. Assim, a lógica da frase é substituída pela maior
lho. (o trabalho é causa e está no lugar do efeito ou resultado). expressividade que se dá ao sentido. São as mais importantes
figuras de construção:
- continente pelo conteúdo. Exemplo: Ela comeu uma caixa
de bombons. (a palavra caixa, que designa o continente ou aqui-
lo que contém, está sendo usada no lugar da palavra bombons).

27
LÍNGUA PORTUGUESA
Elipse: consiste na omissão de um termo da frase, o qual, no Repetição: repetir palavras ou orações para enfatizar a afir-
entanto, pode ser facilmente identificado. Exemplo: No fim da mação ou sugerir insistência, progressão:
comemoração, sobre as mesas, copos e garrafas vazias. (Omis- “E o ronco das águas crescia, crescia, vinha pra dentro da
são do verbo haver: No fim da festa comemoração, sobre as me- casona.” (Bernardo Élis)
sas, copos e garrafas vazias). “O mar foi ficando escuro, escuro, até que a última lâmpada
se apagou.” (Inácio de Loyola Brandão)
Pleonasmo: consiste no emprego de palavras redundantes Zeugma: omissão de um ou mais termos anteriormente
para reforçar uma ideia. Exemplo: Ele vive uma vida feliz. enunciados. Exemplo: Ele gosta de geografia; eu, de português.
Deve-se evitar os pleonasmos viciosos, que não têm valor de (na segunda oração, faltou o verbo “gostar” = Ele gosta de geo-
reforço, sendo antes fruto do desconhecimento do sentido das grafia; eu gosto de português.).
palavras, como por exemplo, as construções “subir para cima”, Assíndeto: quando certas orações ou palavras, que pode-
“entrar para dentro”, etc. riam se ligar por um conectivo, vêm apenas justapostas. Exem-
plo: Vim, vi, venci.
Polissíndeto: repetição enfática do conectivo, geralmente o “e”.
Exemplo: Felizes, eles riam, e cantavam, e pulavam, e dançavam.
Anáfora: repetição de uma palavra ou de um segmento do
Inversão ou Hipérbato: alterar a ordem normal dos termos
texto com o objetivo de enfatizar uma ideia. É uma figura de
ou orações com o fim de lhes dar destaque:
“Justo ela diz que é, mas eu não acho não.” (Carlos Drum- construção muito usada em poesia. Exemplo: Este amor que
mond de Andrade) tudo nos toma, este amor que tudo nos dá, este amor que Deus
“Por que brigavam no meu interior esses entes de sonho não nos inspira, e que um dia nos há de salvar
sei.” (Graciliano Ramos)
Observação: o termo deseja realçar é colocado, em geral, Paranomásia: palavras com sons semelhantes, mas de sig-
no início da frase. nificados diferentes, vulgarmente chamada de trocadilho. Exem-
plo: Comemos fora todos os dias! A gente até dispensa a des-
Anacoluto: quebra da estrutura sintática da oração. O tipo pensa.
mais comum é aquele em que um termo parece que vai ser o
sujeito da oração, mas a construção se modifica e ele acaba sem Neologismo: criação de novas palavras. Exemplo: Estou a
função sintática. Essa figura é usada geralmente para pôr em fim do João. (estou interessado). Vou fazer um bico. (trabalho
relevo a ideia que consideramos mais importante, destacando-a temporário).
do resto. Exemplo:
O Alexandre, as coisas não lhe estão indo muito bem. Figuras de Pensamento
A velha hipocrisia, recordo-me dela com vergonha. (Camilo
Castelo Branco) Utilizadas para produzir maior expressividade à comunica-
ção, as figuras de pensamento trabalham com a combinação de
Silepse: concordância de gênero, número ou pessoa é feita ideias, pensamentos.
com ideias ou termos subentendidos na frase e não claramente
expressos. A silepse pode ser: Antítese: Corresponde à aproximação de palavras contrá-
- de gênero. Exemplo: Vossa Majestade parece desanimado. rias, que têm sentidos opostos. Exemplo: O ódio e o amor an-
(o adjetivo desanimado concorda não com o pronome de trata- dam de mãos dadas.
mento Vossa Majestade, de forma feminina, mas com a pessoa
a quem esse pronome se refere – pessoa do sexo masculino). Apóstrofe: interrupção do texto para se chamar a atenção
- de número. Exemplo: O pessoal ficou apavorado e saíram
de alguém ou de coisas personificadas. Sintaticamente, a após-
correndo. (o verbo sair concordou com a ideia de plural que a
trofe corresponde ao vocativo. Exemplo: Tende piedade, Se-
palavra pessoal sugere).
nhor, de todas as mulheres.
- de pessoa. Exemplo: Os brasileiros amamos futebol. (o su-
jeito os brasileiros levaria o verbo na 3ª pessoa do plural, mas a
concordância foi feita com a 1ª pessoa do plural, indicando que Eufemismo: Atenua o sentido das palavras, suavizando as
a pessoa que fala está incluída em os brasileiros). expressões do discurso Exemplo: Ele foi para o céu. (Neste caso,
a expressão “para a céu”, ameniza o discurso real: ele morreu.)
Onomatopeia: Ocorre quando se tentam reproduzir na for-
ma de palavras os sons da realidade. Gradação: os termos da frase são fruto de hierarquia (or-
Exemplos: Os sinos faziam blem, blem, blem, blem. dem crescente ou decrescente). Exemplo: As pessoas chegaram
Miau, miau. (Som emitido pelo gato) à festa, sentaram, comeram e dançaram.
Tic-tac, tic-tac fazia o relógio da sala de jantar.
Hipérbole: baseada no exagero intencional do locutor, isto
As onomatopeias, como no exemplo abaixo, podem resultar é, expressa uma ideia de forma exagerada.
da Aliteração (repetição de fonemas nas palavras de uma frase Exemplo: Liguei para ele milhões de vezes essa tarde. (Ligou
ou de um verso). várias vezes, mas não literalmente 1 milhão de vezes ou mais).
“Vozes veladas, veludosas vozes,
volúpias dos violões, vozes veladas, Ironia: é o emprego de palavras que, na frase, têm o sentido
vagam nos velhos vórtices velozes oposto ao que querem dizer. É usada geralmente com sentido
dos ventos, vivas, vãs, vulcanizadas.” sarcástico. Exemplo: Quem foi o inteligente que usou o compu-
tador e apagou o que estava gravado?
(Cruz e Sousa)

28
LÍNGUA PORTUGUESA
Paradoxo: Diferente da antítese, que opõem palavras, o pa- - Deslocamento: permutação de elementos, que acaba por
radoxo corresponde ao uso de ideias contrárias, aparentemente modificar sua ordem no processo de encadeamento.
absurdas. Exemplo: Esse amor me mata e dá vida. (Neste caso, o
mesmo amor traz alegrias (vida) e tristeza (mata) para a pessoa.) Graus de Formalismo
Personificação ou Prosopopéia ou Animismo: atribuição de São muitos os tipos de registros quanto ao formalismo, tais
ações, sentimentos ou qualidades humanas a objetos, seres irra- como: o registro formal, que é uma linguagem mais cuidada; o
cionais ou outras coisas inanimadas. Exemplo: O vento suspirou coloquial, que não tem um planejamento prévio, caracterizan-
essa manhã. (Nesta frase sabemos que o vento é algo inanimado do-se por construções gramaticais mais livres, repetições fre-
que não suspira, sendo esta uma “qualidade humana”.) quentes, frases curtas e conectores simples; o informal, que se
Reticência: suspender o pensamento, deixando-o meio ve- caracteriza pelo uso de ortografia simplificada e construções
lado. Exemplo: simples ( geralmente usado entre membros de uma mesma fa-
“De todas, porém, a que me cativou logo foi uma... uma... mília ou entre amigos).
não sei se digo.” (Machado de Assis)
As variações de registro ocorrem de acordo com o grau de
Retificação: consiste em retificar uma afirmação anterior. formalismo existente na situação de comunicação; com o modo
Exemplos: O médico, aliás, uma médica muito gentil não sabia de expressão, isto é, se trata de um registro formal ou escrito;
qual seria o procedimento. com a sintonia entre interlocutores, que envolve aspectos como
graus de cortesia, deferência, tecnicidade (domínio de um vo-
cabulário específico de algum campo científico, por exemplo).
REESCRITURA DE FRASES: SUBSTITUIÇÃO, DESLOCA-
MENTO, PARALELISMO Expressões que demandam atenção
– acaso, caso – com se, use acaso; caso rejeita o se
– aceitado, aceito – com ter e haver, aceitado; com ser e
A reescrita é tão importante quanto a escrita, visto que, di- estar, aceito
ficilmente, sobretudo para os escritores mais cuidadosos, che- – acendido, aceso (formas similares) – idem
gamos ao resultado que julgamos ideal na primeira tentativa. – à custa de – e não às custas de
Aquele que observa um resultado ruim na primeira versão que – à medida que – à proporção que, ao mesmo tempo que,
escreveu terá, na reescrita, a possibilidade de alcançar um re- conforme
sultado satisfatório. A reescrita é um processo mais trabalhoso – na medida em que – tendo em vista que, uma vez que
do que a revisão, pois, nesta, atemo-nos apenas aos pequenos – a meu ver – e não ao meu ver
detalhes, cuja ausência não implicaria em uma dificuldade do – a ponto de – e não ao ponto de
leitor para compreender o texto. – a posteriori, a priori – não tem valor temporal
– em termos de – modismo; evitar
Quando reescrevemos, refazemos nosso texto, é um proces- – enquanto que – o que é redundância
so bem mais complexo, que parte do pressuposto de que o autor – entre um e outro – entre exige a conjunção e, e não a
tenha observado aquilo que está ruim para que, posteriormen- – implicar em – a regência é direta (sem em)
te, possa melhorar seu texto até chegar a uma versão final, livre – ir de encontro a – chocar-se com
dos erros iniciais. Além de aprimorar a leitura, a reescrita auxilia – ir ao encontro de – concordar com
a desenvolver e melhorar a escrita, ajudando o aluno-escritor a – se não, senão – quando se pode substituir por caso não,
esclarecer melhor seus objetivos e razões para a produção de separado; quando não se pode, junto
textos. – todo mundo – todos
– todo o mundo – o mundo inteiro
Nessa perspectiva, esse autor considera que reescrever seja – não pagamento = hífen somente quando o segundo termo
um processo de descoberta da escrita pelo próprio autor, que for substantivo
passa a enfocá-la como forma de trabalho, auxiliando o desen- – este e isto – referência próxima do falante (a lugar, a tem-
volvimento do processo de escrever do aluno. po presente; a futuro próximo; ao anunciar e a que se está tra-
tando)
Operações linguísticas de reescrita: – esse e isso – referência longe do falante e perto do ouvinte
A literatura sobre reescrita aponta para uma tipologia de (tempo futuro, desejo de distância; tempo passado próximo do
operações linguísticas encontradas neste momento específico presente, ou distante ao já mencionado e a ênfase).
da construção do texto escrito.
- Adição, ou acréscimo: pode tratar-se do acréscimo de um Expressões não recomendadas
elemento gráfico, acento, sinal de pontuação, grafema (...) mas
também do acréscimo de uma palavra, de um sintagma, de uma – a partir de (a não ser com valor temporal).
ou de várias frases. Opção: com base em, tomando-se por base, valendo-se
- Supressão: supressão sem substituição do segmento su- de...
primido. Ela pode ser aplicada sobre unidades diversas, acento,
grafemas, sílabas, palavras sintagmáticas, uma ou diversas fra- – através de (para exprimir “meio” ou instrumento).
ses. Opção: por, mediante, por meio de, por intermédio de, se-
- Substituição: supressão, seguida de substituição por um gundo...
termo novo. Ela se aplica sobre um grafema, uma palavra, um
sintagma, ou sobre conjuntos generalizados.

29
LÍNGUA PORTUGUESA
– devido a. Tipos de Variação
Opção: em razão de, em virtude de, graças a, por causa de. Não tem sido fácil para os estudiosos encontrar para as va-
riantes linguísticas um sistema de classificação que seja simples
– dito. e, ao mesmo tempo, capaz de dar conta de todas as diferenças
Opção: citado, mencionado. que caracterizam os múltiplos modos de falar dentro de uma
comunidade linguística. O principal problema é que os critérios
– enquanto. adotados, muitas vezes, se superpõem, em vez de atuarem iso-
Opção: ao passo que. ladamente.
As variações mais importantes, para o interesse do concurso
– inclusive (a não ser quando significa incluindo-se). público, são os seguintes:
Opção: até, ainda, igualmente, mesmo, também. Existem diferentes variações ocorridas na língua, entre elas
estão:
– no sentido de, com vistas a. Variação Histórica - Aquela que sofre transformações ao
Opção: a fim de, para, com a finalidade de, tendo em vista. longo do tempo. Como por exemplo, a palavra “Você”, que antes
era vosmecê e que agora, diante da linguagem reduzida no meio
– pois (no início da oração). eletrônico, é apenas VC. O mesmo acontece com as palavras es-
Opção: já que, porque, uma vez que, visto que. critas com PH, como era o caso de pharmácia, agora, farmácia.
Variação Regional (os chamados dialetos) - São as variações
– principalmente. ocorridas de acordo com a cultura de uma determinada região,
Opção: especialmente, sobretudo, em especial, em parti- tomamos como exemplo a palavra mandioca, que em certas re-
cular. giões é tratada por macaxeira; e abóbora, que é conhecida como
jerimum.
VARIAÇÃO LINGUÍSTICA: NORMA PADRÃO Destaca-se também o caso do dialeto caipira, o qual perten-
ce àquelas pessoas que não tiveram a oportunidade de ter uma
educação formal, e em função disso, não conhecem a linguagem
Variações linguísticas reúnem as variantes da língua que fo- “culta”.
ram criadas pelos homens e são reinventadas a cada dia. Variação Social - É aquela pertencente a um grupo específi-
Dessas reinvenções surgem as variações que envolvem di- co de pessoas. Neste caso, podemos destacar as gírias, as quais
versos aspectos históricos, sociais, culturais e geográficos. pertencem a grupos de surfistas, tatuadores, entre outros; a lin-
No Brasil, é possível encontrar muitas variações linguísticas, guagem coloquial, usada no dia a dia das pessoas; e a linguagem
por exemplo, na linguagem regional. Todas as pessoas que falam formal, que é aquela utilizada pelas pessoas de maior prestígio
uma determinada língua conhecem as estruturas gerais, básicas, social.
de funcionamento podem sofrer variações devido à influência
Fazendo parte deste grupo estão os jargões, que pertencem
de inúmeros fatores.
a uma classe profissional mais específica, como é o caso dos mé-
Nenhuma língua é usada de maneira uniforme por todos os
dicos, profissionais da informática, dentre outros.
seus falantes em todos os lugares e em qualquer situação. Sabe-
Variação Situacional: ocorre de acordo com o contexto o
-se que, numa mesma língua, há formas distintas para traduzir o
qual está inserido, por exemplo, as situações formais e infor-
mesmo significado dentro de um mesmo contexto.
mais.
As variações que distinguem uma variante de outra se mani-
Preconceito Linguístico
festam em quatro planos distintos, a saber: fônico, morfológico,
Está intimamente relacionado com as variações linguísticas,
sintático e lexical.
uma vez que ele surge para julgar as manifestações linguísticas
Variações Fônicas ditas “superiores”.
Ocorrem no modo de pronunciar os sons constituintes da Para pensarmos nele não precisamos ir muito longe, pois
palavra. Os exemplos de variação fônica são abundantes e, ao em nosso país, embora o mesmo idioma seja falado em todas
lado do vocabulário, constituem os domínios em que se percebe as regiões, cada uma possui suas peculiaridades que envolvem
com mais nitidez a diferença entre uma variante e outra. diversos aspectos históricos e culturais.
A maneira de falar do norte é muito diferente da falada no
Variações Morfológicas sul do país. Isso ocorre porque nos atos comunicativos, os falan-
São as que ocorrem nas formas constituintes da palavra. tes da língua vão determinando expressões, sotaques e entona-
Nesse domínio, as diferenças entre as variantes não são tão nu- ções de acordo com as necessidades linguísticas.
merosas quanto as de natureza fônica, mas não são desprezíveis. O preconceito linguístico surge no tom de deboche, sendo a
variação apontada de maneira pejorativa e estigmatizada.
Variações Sintáticas É importante ressaltar que todas variações são aceitas e ne-
Dizem respeito às correlações entre as palavras da frase. No nhuma delas é superior, ou considerada a mais correta.
domínio da sintaxe, como no da morfologia, não são tantas as
diferenças entre uma variante e outra. NORMA CULTA

Variações Léxicas A norma culta é um conjunto de padrões que definem quan-


É o conjunto de palavras de uma língua. As variantes do do um idioma está sendo empregado corretamente pelos seus
plano do léxico, como as do plano fônico, são muito numero- falantes. Trata-se de uma expressão empregada pelos linguistas
sas e caracterizam com nitidez uma variante em confronto com brasileiros para designar o conjunto de variedades linguísticas
outra. produzidas pelos falantes classificado como cidadãos nascidos

30
LÍNGUA PORTUGUESA
e criados em zona urbana e com nível de escolaridade elevado. O nível popular está associado à simplicidade da utilização
Assim, a norma culta define o uso correto da Língua Portuguesa linguística em termos lexicais, fonéticos, sintáticos e semânti-
com base no que está escrito nos livros de gramática. cos. É utilizado em contextos informais.
A aprendizagem da língua inicia-se em casa, no contexto fa-
miliar, que é o primeiro círculo social para uma criança. A crian- Dúvidas mais comuns da norma culta
ça imita o que ouve e aprende, aos poucos, o vocabulário e as
leis combinatórias da língua. Um falante ao entrar em contato - Obrigada ou Obrigado?
com outras pessoas em diferentes ambientes sociais como a O indivíduo do sexo masculino, ao agradecer por algo, deve
rua, a escola e etc., começa a perceber que nem todos falam da dizer obrigado;
mesma forma. Há pessoas que falam de forma diferente por per- O indivíduo do sexo feminino, ao agradecer por algo, deve
tencerem a outras cidades ou regiões do país, ou por fazerem dizer obrigada.
parte de outro grupo ou classe social. Essas diferenças no uso da
língua constituem as variedades linguísticas. - Encima ou em cima?
Certas palavras e construções que empregamos acabam de- A palavra em questão pode ser utilizada em ambos os for-
nunciando quem somos socialmente, ou seja, em que região do matos, porém, “encima”, escrita de modo junto, é um formato
país nascemos, qual nosso nível social e escolar, nossa formação de verbo unicamente utilizado na linguagem formal, na 3ª pes-
e, às vezes, até nossos valores, círculo de amizades e hobbies. soa do singular do indicativo ou na segunda pessoa do imperati-
O uso da língua também pode informar nossa timidez, sobre vo, com o significado de coroar ou colocar alguma coisa no alto.
nossa capacidade de nos adaptarmos às situações novas e nossa Exemplo: “Uma coroa amarela encima ao cabelo daquele
insegurança. homem”.
A norma culta é a variedade linguística ensinada nas esco-
las, contida na maior parte dos livros, registros escritos, nas mí- Já a palavra ‘em cima’, em seu formato separado, é muito
dias televisivas, entre outros. Como variantes da norma padrão mais comum – tanto na linguagem coloquial como formal. O ob-
aparecem: a linguagem regional, a gíria, a linguagem específica jetivo dela é dizer que algo está em uma posição mais alta e/ou
de grupos ou profissões. O ensino da língua culta na escola não elevada do que outra.
tem a finalidade de condenar ou eliminar a língua que falamos Exemplo: “Coloquei suas chaves de casa em cima da escri-
em nossa família ou em nossa comunidade. O domínio da língua vaninha”.
culta, somado ao domínio de outras variedades linguísticas, tor-
na-nos mais preparados para nos comunicarmos nos diferentes - Mau ou mal?
contextos lingísticos, já que a linguagem utilizada em reuniões “Mau” é um adjetivo que significa algo contrário ao que é
de trabalho não deve ser a mesma utilizada em uma reunião de bom. Sendo assim, ele é comumente utilizado em frases que in-
amigos no final de semana. dicam uma pessoa com atitudes ruins ou como um sinônimo de
Portanto, saber usar bem uma língua equivale a saber em- palavras como: difícil, indelicado, indecente, incapaz.
pregá-la de modo adequado às mais diferentes situações sociais Exemplo: “Eu acho ele um mau aluno”.
de que participamos. A palavra ‘mal’ é caracterizada como um advérbio utilizado
como um antônimo do que é de bem. Sendo assim, ele indica
Norma culta, norma padrão e norma popular algo sendo feito errônea ou incorretamente.
Exemplo: “Ele mal sabe como lidar com essa situação”.
Norma Culta: é uma expressão empregada pelos linguistas
brasileiros para designar o conjunto de variantes linguísticas Além disso, a palavra ‘mal’ também pode ser utilizada – nes-
efetivamente faladas, na vida cotidiana pelos falantes cultos, te caso, como substantivo – para significar uma angústia, doen-
sendo assim classificando os cidadãos nascidos e criados em ça ou desgosto, retratando algo que aparentemente é nocivo ou
zonas urbanas e com grau de instrução superior completo. É a perigoso. Neste sentido.
variante de maior prestígio social na comunidade, sendo reali- Exemplo: “Você precisa colocar o seu sono em dia, pois está
zada com certa uniformidade pelos membros do grupo social de dormindo muito mal”.
padrão cultural mais elevado
De modo geral, um falante culto, em situação comunicativa - Mas ou mais
formal, buscará seguir as regras da norma explícita de sua língua ‘Mas’ é uma palavra que pode ser utilizada como sinônimo
e ainda procurará seguir, no que diz respeito ao léxico, um re- de todavia ou porém, transmitindo a ideia de oposto.
pertório que, se não for erudito, também não será vulgar. Exemplo: “Queria comprar roupas, mas não tenho dinhei-
Norma Padrão: está vinculada a uma língua modelo. Segue ro”.
prescrições representadas na gramática, mas é marcada pela lín-
gua produzida em certo momento da história e em uma deter- A palavra ‘mais’ é um advérbio que tem como principal ob-
minada sociedade. Como a língua está em constante mudança, jetivo o de transmitir noções de acréscimo ou intensidade, sen-
diferentes formas de linguagem que hoje não são consideradas do também um oposto a palavra ‘menos’.
pela Norma Padrão, com o tempo podem vir a se legitimar.
Norma Popular:teria menos prestígio opondo-se à Norma Exemplo: Ela é a mais chata do curso.
Culta mais prestigiada, e a Norma Padrão se eleva sobre as duas
anteriores. A Norma Popular é aquela linguagem que não é for-
mal, ou seja, não segue padrões rígidos, é a linguagem popular,
falada no cotidiano.

31
LÍNGUA PORTUGUESA
Marque a alternativa abaixo que apresenta a(s) proposi-
EXERCÍCIOS ção(ões) verdadeira(s).
(A) I, apenas
1. (FMPA – MG) (B) II e III
Assinale o item em que a palavra destacada está incorreta- (C) III, apenas
mente aplicada: (D) II, apenas
(A) Trouxeram-me um ramalhete de flores fragrantes. (E) I e II
(B) A justiça infligiu pena merecida aos desordeiros.
(C) Promoveram uma festa beneficiente para a creche. 3. (UNIFOR CE – 2006)
(D) Devemos ser fieis aos cumprimentos do dever. Dia desses, por alguns momentos, a cidade parou. As tele-
(E) A cessão de terras compete ao Estado. visões hipnotizaram os espectadores que assistiram, sem piscar,
ao resgate de uma mãe e de uma filha. Seu automóvel caíra em
2. (UEPB – 2010) um rio. Assisti ao evento em um local público. Ao acabar o no-
Um debate sobre a diversidade na escola reuniu alguns, ticiário, o silêncio em volta do aparelho se desfez e as pessoas
dos maiores nomes da educação mundial na atualidade. retomaram as suas ocupações habituais. Os celulares recome-
çaram a tocar. Perguntei-me: indiferença? Se tomarmos a de-
Carlos Alberto Torres finição ao pé da letra, indiferença é sinônimo de desdém, de
1
O tema da diversidade tem a ver com o tema identidade. insensibilidade, de apatia e de negligência. Mas podemos consi-
Portanto, 2quando você discute diversidade, um tema que cabe derá-la também uma forma de ceticismo e desinteresse, um “es-
muito no 3pensamento pós-modernista, está discutindo o tema tado físico que não apresenta nada de particular”; enfim, explica
da 4diversidade não só em ideias contrapostas, mas também em o Aurélio, uma atitude de neutralidade.
5
identidades que se mexem, que se juntam em uma só pessoa. E Conclusão? Impassíveis diante da emoção, imperturbáveis
6
este é um processo de aprendizagem. Uma segunda afirmação diante da paixão, imunes à angústia, vamos hoje burilando nos-
é 7que a diversidade está relacionada com a questão da educa- sa indiferença. Não nos indignamos mais! À distância de tudo,
ção 8e do poder. Se a diversidade fosse a simples descrição 9de- seguimos surdos ao barulho do mundo lá fora. Dos movimen-
mográfica da realidade e a realidade fosse uma boa articulação tos de massa “quentes” (lembram-se do “Diretas Já”?) onde nos
10
dessa descrição demográfica em termos de constante articula- fundíamos na igualdade, passamos aos gestos frios, nos quais
ção 11democrática, você não sentiria muito a presença do tema indiferença e distância são fenômenos inseparáveis. Neles, ape-
12
diversidade neste instante. Há o termo diversidade porque há sar de iguais, somos estrangeiros ao destino de nossos seme-
13
uma diversidade que implica o uso e o abuso de poder, de uma lhantes. […]
14
perspectiva ética, religiosa, de raça, de classe. (Mary Del Priore. Histórias do cotidiano. São Paulo: Contex-
[…] to, 2001. p.68)

Rosa Maria Torres Dentre todos os sinônimos apresentados no texto para o


15
O tema da diversidade, como tantos outros, hoje em dia, vocábulo indiferença, o que melhor se aplica a ele, consideran-
abre 16muitas versões possíveis de projeto educativo e de pro- do-se o contexto, é
jeto 17político e social. É uma bandeira pela qual temos que (A) ceticismo.
reivindicar, 18e pela qual temos reivindicado há muitos anos, a (B) desdém.
necessidade 19de reconhecer que há distinções, grupos, valores (C) apatia.
distintos, e 20que a escola deve adequar-se às necessidades de (D) desinteresse.
cada grupo. 21Porém, o tema da diversidade também pode dar (E) negligência.
lugar a uma 22série de coisas indesejadas.
[…] 4. (CASAN – 2015) Observe as sentenças.
Adaptado da Revista Pátio, Diversidade na educação: limi- I. Com medo do escuro, a criança ascendeu a luz.
tes e possibilidades. Ano V, nº 20, fev./abr. 2002, p. 29. II. É melhor deixares a vida fluir num ritmo tranquilo.
III. O tráfico nas grandes cidades torna-se cada dia mais difí-
Do enunciado “O tema da diversidade tem a ver com o tema cil para os carros e os pedestres.
identidade.” (ref. 1), pode-se inferir que
I – “Diversidade e identidade” fazem parte do mesmo cam- Assinale a alternativa correta quanto ao uso adequado de
po semântico, sendo a palavra “identidade” considerada um hi- homônimos e parônimos.
perônimo, em relação à “diversidade”.
II – há uma relação de intercomplementariedade entre “di- (A) I e III.
versidade e identidade”, em função do efeito de sentido que se (B) II e III.
instaura no paradigma argumentativo do enunciado. (C) II apenas.
III – a expressão “tem a ver” pode ser considerada de uso (D) Todas incorretas.
coloquial e indica nesse contexto um vínculo temático entre “di-
versidade e identidade”.

32
LÍNGUA PORTUGUESA
5. (UFMS – 2009) 7. (PUC-SP) Dê a função sintática do termo destacado em:
Leia o artigo abaixo, intitulado “Uma questão de tempo”, de “Depressa esqueci o Quincas Borba”.
Miguel Sanches Neto, extraído da Revista Nova Escola Online, (A) objeto direto
em 30/09/08. Em seguida, responda. (B) sujeito
“Demorei para aprender ortografia. E essa aprendizagem (C) agente da passiva
contou com a ajuda dos editores de texto, no computador. (D) adjunto adverbial
Quando eu cometia uma infração, pequena ou grande, o progra- (E) aposto
ma grifava em vermelho meu deslize. Fui assim me obrigando a
escrever minimamente do jeito correto. 8. (MACK-SP) Aponte a alternativa que expressa a função
Mas de meu tempo de escola trago uma grande descoberta, sintática do termo destacado: “Parece enfermo, seu irmão”.
a do monstro ortográfico. O nome dele era Qüeqüi Güegüi. Sim, (A) Sujeito
esse animal existiu de fato. A professora de Português nos disse (B) Objeto direto
que devíamos usar trema nas sílabas qüe, qüi, güe e güi quando (C) Predicativo do sujeito
o u é pronunciado. Fiquei com essa expressão tão sonora quanto (D) Adjunto adverbial
enigmática na cabeça. (E) Adjunto adnominal
Quando meditava sobre algum problema terrível – pois na
pré-adolescência sempre temos problemas terríveis –, eu tenta- 9. (OSEC-SP) “Ninguém parecia disposto ao trabalho naque-
va me libertar da coisa repetindo em voz alta: “Qüeqüi Güegüi”. la manhã de segunda-feira”.
Se numa prova de Matemática eu não conseguia me lembrar de (A) Predicativo
uma fórmula, lá vinham as palavras mágicas. (B) Complemento nominal
Um desses problemas terríveis, uma namorada, ouvindo mi- (C) Objeto indireto
nha evocação, quis saber o que era esse tal de Qüeqüi Güegüi. (D) Adjunto adverbial
– Você nunca ouviu falar nele? – perguntei. (E) Adjunto adnominal
– Ainda não fomos apresentados – ela disse.
10. (MACK-SP) “Não se fazem motocicletas como antiga-
– É o abominável monstro ortográfico – fiz uma falsa voz de
mente”. O termo destacado funciona como:
terror.
(A) Objeto indireto
– E ele faz o quê?
(B) Objeto direto
– Atrapalha a gente na hora de escrever.
(C) Adjunto adnominal
Ela riu e se desinteressou do assunto. Provavelmente não
(D) Vocativo
sabia usar trema nem se lembrava da regrinha.
(E) Sujeito
Aos poucos, eu me habituei a colocar as letras e os sinais no
lugar certo. Como essa aprendizagem foi demorada, não sei se
11. (UFRJ) Esparadrapo
conseguirei escrever de outra forma – agora que teremos novas
Há palavras que parecem exatamente o que querem dizer. “Es-
regras. Por isso, peço desde já que perdoem meus futuros erros, paradrapo”, por exemplo. Quem quebrou a cara fica mesmo com cara
que servirão ao menos para determinar minha idade. de esparadrapo. No entanto, há outras, aliás de nobre sentido, que
– Esse aí é do tempo do trema.” parecem estar insinuando outra coisa. Por exemplo, “incunábulo*”.
QUINTANA, Mário. Da preguiça como método de trabalho.
Assinale a alternativa correta. Rio de Janeiro, Globo. 1987. p. 83.
(A) As expressões “monstro ortográfico” e “abominável mons- *Incunábulo: [do lat. Incunabulu; berço]. Adj. 1- Diz-se do
tro ortográfico” mantêm uma relação hiperonímica entre si. livro impresso até o ano de 1500./ S.m. 2 – Começo, origem.
(B) Em “– Atrapalha a gente na hora de escrever”, conforme a
norma culta do português, a palavra “gente” pode ser substitu- A locução “No entanto” tem importante papel na estrutura
ída por “nós”.
do texto. Sua função resume-se em:
(C) A frase “Fui-me obrigando a escrever minimamente do jeito (A) ligar duas orações que querem dizer exatamente a mesma
correto”, o emprego do pronome oblíquo átono está correto de coisa.
acordo com a norma culta da língua portuguesa. (B) separar acontecimentos que se sucedem cronologicamente.
(D) De acordo com as explicações do autor, as palavras pregüiça (C) ligar duas observações contrárias acerca do mesmo assunto.
e tranqüilo não serão mais grafadas com o trema. (D) apresentar uma alternativa para a primeira ideia expressa.
(E) A palavra “evocação” (3° parágrafo) pode ser substituída no (E) introduzir uma conclusão após os argumentos apresentados.
texto por “recordação”, mas haverá alteração de sentido.
12. (IBFC – 2013) Leia as sentenças:
6. (FMU) Leia as expressões destacadas na seguinte passa-
gem: “E comecei a sentir falta das pequenas brigas por causa do É preciso que ela se encante por mim!
tempero na salada – o meu jeito de querer bem.” Chegou à conclusão de que saiu no prejuízo.
Tais expressões exercem, respectivamente, a função sintá-
tica de: Assinale abaixo a alternativa que classifica, correta e res-
(A) objeto indireto e aposto pectivamente, as orações subordinadas substantivas (O.S.S.)
(B) objeto indireto e predicativo do sujeito destacadas:
(C) complemento nominal e adjunto adverbial de modo (A) O.S.S. objetiva direta e O.S.S. objetiva indireta.
(D) complemento nominal e aposto (B) O.S.S. subjetiva e O.S.S. completiva nominal
(E) adjunto adnominal e adjunto adverbial de modo (C) O.S.S. subjetiva e O.S.S. objetiva indireta.
(D) O.S.S. objetiva direta e O.S.S. completiva nominal.

33
LÍNGUA PORTUGUESA
13. (ADVISE-2013) Todos os enunciados abaixo correspon- (A) “A menina que levava castigo na escola porque ria fora de
dem a orações subordinadas substantivas, exceto: hora (...)”
(A) Espero sinceramente isto: que vocês não faltem mais. (B) “(...) e deixava cair com estrondo sabendo que os meninos,
(B) Desejo que ela volte. mais que as meninas, se botariam de quatro catando lápis, ca-
(C) Gostaria de que todos me apoiassem. netas, borracha (...)”
(D) Tenho medo de que esses assessores me traiam. (C) “(...) não queria que soubessem que ela (...)”
(E) Os jogadores que foram convocados apresentaram-se on- (D) “Logo me dei conta de que hoje setenta é quase banal (...)”
tem.
16. (FUNRIO – 2012) “Todos querem que nós
14. (PUC-SP) “Pode-se dizer que a tarefa é puramente for- ____________________.”
mal.”
No texto acima temos uma oração destacada que é Apenas uma das alternativas completa coerente e adequa-
________e um “se” que é . ________. damente a frase acima. Assinale-a.
(A) substantiva objetiva direta, partícula apassivadora (A) desfilando pelas passarelas internacionais.
(B) substantiva predicativa, índice de indeterminação do sujeito (B) desista da ação contra aquele salafrário.
(C) relativa, pronome reflexivo (C) estejamos prontos em breve para o trabalho.
(D) substantiva subjetiva, partícula apassivadora (D) recuperássemos a vaga de motorista da firma.
(E) adverbial consecutiva, índice de indeterminação do sujeito (E) tentamos aquele emprego novamente.

15. (UEMG) “De repente chegou o dia dos meus setenta 17. (ITA - 1997) Assinale a opção que completa corretamen-
anos. te as lacunas do texto a seguir:
Fiquei entre surpresa e divertida, setenta, eu? Mas tudo pa- “Todas as amigas estavam _______________ ansio-
rece ter sido ontem! No século em que a maioria quer ter vinte sas _______________ ler os jornais, pois foram informa-
anos (trinta a gente ainda aguenta), eu estava fazendo setenta. das de que as críticas foram ______________ indulgentes
Pior: duvidando disso, pois ainda escutava em mim as risadas da ______________ rapaz, o qual, embora tivesse mais aptidão
menina que queria correr nas lajes do pátio quando chovia, que _______________ ciências exatas, demonstrava uma certa pro-
pescava lambaris com o pai no laguinho, que chorava em filme pensão _______________ arte.”
do Gordo e Magro, quando a mãe a levava à matinê. (Eu chorava (A) meio - para - bastante - para com o - para - para a
alto com pena dos dois, a mãe ficava furiosa.) (B) muito - em - bastante - com o - nas - em
A menina que levava castigo na escola porque ria fora de (C) bastante - por - meias - ao - a - à
hora, porque se distraía olhando o céu e nuvens pela janela em (D) meias - para - muito - pelo - em - por
lugar de prestar atenção, porque devagarinho empurrava o es- (E) bem - por - meio - para o - pelas – na
tojo de lápis até a beira da mesa, e deixava cair com estrondo
sabendo que os meninos, mais que as meninas, se botariam de 18. (Mackenzie) Há uma concordância inaceitável de acordo
quatro catando lápis, canetas, borracha – as tediosas regras de com a gramática:
ordem e quietude seriam rompidas mais uma vez. I - Os brasileiros somos todos eternos sonhadores.
Fazendo a toda hora perguntas loucas, ela aborrecia os pro- II - Muito obrigadas! – disseram as moças.
fessores e divertia a turma: apenas porque não queria ser di- III - Sr. Deputado, V. Exa. Está enganada.
ferente, queria ser amada, queria ser natural, não queria que IV - A pobre senhora ficou meio confusa.
soubessem que ela, doze anos, além de histórias em quadrinhos V - São muito estudiosos os alunos e as alunas deste curso.
e novelinhas açucaradas, lia teatro grego – sem entender – e
achava emocionante. (A) em I e II
(E até do futuro namorado, aos quinze anos, esconderia (B) apenas em IV
isso.) (C) apenas em III
O meu aniversário: primeiro pensei numa grande celebra- (D) em II, III e IV
ção, eu que sou avessa a badalações e gosto de grupos bem pe- (E) apenas em II
quenos. Mas pensei, setenta vale a pena! Afinal já é bastante
tempo! Logo me dei conta de que hoje setenta é quase banal, 19. (CESCEM–SP) Já ___ anos, ___ neste local árvores e flo-
muita gente com oitenta ainda está ativo e presente. res. Hoje, só ___ ervas daninhas.
Decidi apenas reunir filhos e amigos mais chegados (tarefa (A) fazem, havia, existe
difícil, escolher), e deixar aquela festona para outra década.” (B) fazem, havia, existe
LUFT, 2014, p.104-105 (C) fazem, haviam, existem
(D) faz, havia, existem
Leia atentamente a oração destacada no período a seguir: (E) faz, havia, existe
“(...) pois ainda escutava em mim as risadas da menina que
queria correr nas lajes do pátio (...)” 20. (IBGE) Indique a opção correta, no que se refere à con-
cordância verbal, de acordo com a norma culta:
Assinale a alternativa em que a oração em negrito e subli- (A) Haviam muitos candidatos esperando a hora da prova.
nhada apresenta a mesma classificação sintática da destacada (B) Choveu pedaços de granizo na serra gaúcha.
acima. (C) Faz muitos anos que a equipe do IBGE não vem aqui.
(D) Bateu três horas quando o entrevistador chegou.
(E) Fui eu que abriu a porta para o agente do censo.

34
LÍNGUA PORTUGUESA
21. (FUVEST – 2001) A única frase que NÃO apresenta des- 26. (INSTITUTO AOCP/2017 – EBSERH) Assinale a alterna-
vio em relação à regência (nominal e verbal) recomendada pela tiva em que todas as palavras estão adequadamente grafadas.
norma culta é: (A) Silhueta, entretenimento, autoestima.
(A) O governador insistia em afirmar que o assunto principal seria (B) Rítimo, silueta, cérebro, entretenimento.
“as grandes questões nacionais”, com o que discordavam líderes (C) Altoestima, entreterimento, memorização, silhueta.
pefelistas. (D) Célebro, ansiedade, auto-estima, ritmo.
(B) Enquanto Cuba monopolizava as atenções de um clube, do (E) Memorização, anciedade, cérebro, ritmo.
qual nem sequer pediu para integrar, a situação dos outros países
passou despercebida. 27. (ALTERNATIVE CONCURSOS/2016 – CÂMARA DE BAN-
(C) Em busca da realização pessoal, profissionais escolhem a dedo DEIRANTES-SC) Algumas palavras são usadas no nosso cotidiano
aonde trabalhar, priorizando à empresas com atuação social. de forma incorreta, ou seja, estão em desacordo com a norma
(D) Uma família de sem-teto descobriu um sofá deixado por um culta padrão. Todas as alternativas abaixo apresentam palavras
morador não muito consciente com a limpeza da cidade. escritas erroneamente, exceto em:
(E) O roteiro do filme oferece uma versão de como conseguimos (A) Na bandeija estavam as xícaras antigas da vovó.
um dia preferir a estrada à casa, a paixão e o sonho à regra, a aven-
(B) É um privilégio estar aqui hoje.
tura à repetição.
(C) Fiz a sombrancelha no salão novo da cidade.
(D) A criança estava com desinteria.
22. (FUVEST) Assinale a alternativa que preenche correta-
(E) O bebedoro da escola estava estragado.
mente as lacunas correspondentes.
A arma ___ se feriu desapareceu.
28. (SEDUC/SP – 2018) Preencha as lacunas das frases abai-
Estas são as pessoas ___ lhe falei.
xo com “por que”, “porque”, “por quê” ou “porquê”. Depois,
Aqui está a foto ___ me referi.
assinale a alternativa que apresenta a ordem correta, de cima
Encontrei um amigo de infância ___ nome não me lembrava.
para baixo, de classificação.
Passamos por uma fazenda ___ se criam búfalos.
“____________ o céu é azul?”
“Meus pais chegaram atrasados, ____________ pegaram
(A) que, de que, à que, cujo, que.
trânsito pelo caminho.”
(B) com que, que, a que, cujo qual, onde.
“Gostaria muito de saber o ____________ de você ter falta-
(C) com que, das quais, a que, de cujo, onde.
do ao nosso encontro.”
(D) com a qual, de que, que, do qual, onde.
“A Alemanha é considerada uma das grandes potências
(E) que, cujas, as quais, do cujo, na cuja.
mundiais. ____________?”
(A) Porque – porquê – por que – Por quê
23. (FESP) Observe a regência verbal e assinale a opção falsa:
(B) Porque – porquê – por que – Por quê
(A) Avisaram-no que chegaríamos logo.
(C) Por que – porque – porquê – Por quê
(B) Informei-lhe a nota obtida.
(D) Porquê – porque – por quê – Por que
(C) Os motoristas irresponsáveis, em geral, não obedecem aos
sinais de trânsito. (E) Por que – porque – por quê – Porquê
(D) Há bastante tempo que assistimos em São Paulo.
(E) Muita gordura não implica saúde. 29. (CEITEC – 2012) Os vocábulos Emergir e Imergir são pa-
rônimos: empregar um pelo outro acarreta grave confusão no
24. (IBGE) Assinale a opção em que todos os adjetivos de- que se quer expressar. Nas alternativas abaixo, só uma apresen-
vem ser seguidos pela mesma preposição: ta uma frase em que se respeita o devido sentido dos vocábulos,
(A) ávido / bom / inconsequente selecionando convenientemente o parônimo adequado à frase
(B) indigno / odioso / perito elaborada. Assinale-a.
(C) leal / limpo / oneroso (A) A descoberta do plano de conquista era eminente.
(D) orgulhoso / rico / sedento (B) O infrator foi preso em flagrante.
(E) oposto / pálido / sábio (C) O candidato recebeu despensa das duas últimas provas.
(D) O metal delatou ao ser submetido à alta temperatura.
25. (TRE-MG) Observe a regência dos verbos das frases (E) Os culpados espiam suas culpas na prisão.
reescritas nos itens a seguir:
I - Chamaremos os inimigos de hipócritas. Chamaremos aos 30. (FMU) Assinale a alternativa em que todas as palavras
inimigos de hipócritas; estão grafadas corretamente.
II - Informei-lhe o meu desprezo por tudo. Informei-lhe do (A) paralisar, pesquisar, ironizar, deslizar
meu desprezo por tudo; (B) alteza, empreza, francesa, miudeza
III - O funcionário esqueceu o importante acontecimento. O (C) cuscus, chimpazé, encharcar, encher
funcionário esqueceu-se do importante acontecimento. (D) incenso, abcesso, obsessão, luxação
(E) chineza, marquês, garrucha, meretriz
A frase reescrita está com a regência correta em:
(A) I apenas 31. (VUNESP/2017 – TJ-SP) Assinale a alternativa em que
(B) II apenas todas as palavras estão corretamente grafadas, considerando-se
(C) III apenas as regras de acentuação da língua padrão.
(D) I e III apenas
(E) I, II e III

35
LÍNGUA PORTUGUESA
(A) Remígio era homem de carater, o que surpreendeu D. Firmi- (A) “Oportunamente, serão divulgados os resultados de tão im-
na, que aceitou o matrimônio de sua filha. portante encontro, mas enquanto nordestinos e alagoanos, sen-
(B) O consôlo de Fadinha foi ver que Remígio queria desposa-la timos na pele e na alma a dor dos mais altos índices de sofrimen-
apesar de sua beleza ter ido embora depois da doença. to da infância mais pobre.”
(C) Com a saúde de Fadinha comprometida, Remígio não con- (B) “Oportunamente serão divulgados os resultados de tão im-
seguia se recompôr e viver tranquilo. portante encontro, mas enquanto nordestinos e alagoanos sen-
(D) Com o triúnfo do bem sobre o mal, Fadinha se recuperou, timos, na pele e na alma, a dor dos mais altos índices de sofri-
Remígio resolveu pedí-la em casamento. mento da infância mais pobre.”
(E) Fadinha não tinha mágoa por não ser mais tão bela; agora, (C) “Oportunamente, serão divulgados os resultados de tão
interessava-lhe viver no paraíso com Remígio. importante encontro, mas enquanto nordestinos e alagoanos,
sentimos na pele e na alma, a dor dos mais altos índices de sofri-
32. (PUC-RJ) Aponte a opção em que as duas palavras são mento da infância mais pobre.”
acentuadas devido à mesma regra: (D) “Oportunamente serão divulgados os resultados de tão im-
(A) saí – dói portante encontro, mas, enquanto nordestinos e alagoanos sen-
(B) relógio – própria timos, na pele e na alma a dor dos mais altos índices de sofri-
(C) só – sóis mento, da infância mais pobre.”
(D) dá – custará (E) “Oportunamente, serão divulgados os resultados de tão
(E) até – pé importante encontro, mas, enquanto nordestinos e alagoanos,
sentimos, na pele e na alma, a dor dos mais altos índices de so-
frimento da infância mais pobre.”
33. (UEPG ADAPTADA) Sobre a acentuação gráfica das pala-
vras agradável, automóvel e possível, assinale o que for correto.
(A) Em razão de a letra L no final das palavras transferir a toni- 37. (F.E. BAURU) Assinale a alternativa em que há erro de
cidade para a última sílaba, é necessário que se marque grafica- pontuação:
mente a sílaba tônica das paroxítonas terminadas em L, se isso (A) Era do conhecimento de todos a hora da prova, mas, alguns
não fosse feito, poderiam ser lidas como palavras oxítonas. se atrasaram.
(B) São acentuadas porque são proparoxítonas terminadas em L. (B) A hora da prova era do conhecimento de todos; alguns se
(C) São acentuadas porque são oxítonas terminadas em L. atrasaram, porém.
(D) São acentuadas porque terminam em ditongo fonético – eu. (C) Todos conhecem a hora da prova; não se atrasem, pois.
(E) São acentuadas porque são paroxítonas terminadas em L. (D) Todos conhecem a hora da prova, portanto não se atrasem.
(E) N.D.A
34. (IFAL – 2016 ADAPTADA) Quanto à acentuação das pala-
vras, assinale a afirmação verdadeira. 38. (VUNESP – 2020) Assinale a alternativa correta quanto
(A) A palavra “tendem” deveria ser acentuada graficamente, à pontuação.
como “também” e “porém”. (A) Colaboradores da Universidade Federal do Paraná afirma-
(B) As palavras “saíra”, “destruída” e “aí” acentuam-se pela mes- ram: “Os cristais de urato podem provocar graves danos nas ar-
ma razão. ticulações.”.
(C) O nome “Luiz” deveria ser acentuado graficamente, pela (B) A prescrição de remédios e a adesão, ao tratamento, por par-
mesma razão que a palavra “país”. te dos pacientes são baixas.
(D) Os vocábulos “é”, “já” e “só” recebem acento por constituí- (C) É uma inflamação, que desencadeia a crise de gota; diagnos-
rem monossílabos tônicos fechados. ticada a partir do reconhecimento de intensa dor, no local.
(E) Acentuam-se “simpática”, “centímetros”, “simbólica” porque (D) A ausência de dor não pode ser motivo para a interrupção do
todas as paroxítonas são acentuadas. tratamento conforme o editorial diz: – (é preciso que o doente
confie em seu médico).
35. (MACKENZIE) Indique a alternativa em que nenhuma pa- (E) A qualidade de vida, do paciente, diminui pois a dor no local
lavra é acentuada graficamente: da inflamação é bastante intensa!
(A) lapis, canoa, abacaxi, jovens
(B) ruim, sozinho, aquele, traiu 39. (ENEM – 2018)
(C) saudade, onix, grau, orquídea
(D) voo, legua, assim, tênis Física com a boca
(E) flores, açucar, album, virus Por que nossa voz fica tremida ao falar na frente do venti-
lador?
36. (IFAL - 2011) Além de ventinho, o ventilador gera ondas sonoras. Quando
você não tem mais o que fazer e fica falando na frente dele, as
Parágrafo do Editorial “Nossas crianças, hoje”. ondas da voz se propagam na direção contrária às do ventilador.
Davi Akkerman – presidente da Associação Brasileira para a Qua-
“Oportunamente serão divulgados os resultados de tão im- lidade Acústica – diz que isso causa o mismatch, nome bacana
portante encontro, mas enquanto nordestinos e alagoanos senti- para o desencontro entre as ondas. “O vento também contribui
mos na pele e na alma a dor dos mais altos índices de sofrimento para a distorção da voz, pelo fato de ser uma vibração que in-
da infância mais pobre. Nosso Estado e nossa região padece de fluencia no som”, diz. Assim, o ruído do ventilador e a influência
índices vergonhosos no tocante à mortalidade infantil, à edu- do vento na propagação das ondas contribuem para distorcer
cação básica e tantos outros indicadores terríveis.” (Gazeta de sua bela voz.
Alagoas, seção Opinião, 12.10.2010) Disponível em: http://super.abril.com.br. Acesso em: 30
O primeiro período desse parágrafo está corretamente pon- jul. 2012 (adaptado).
tuado na alternativa:

36
LÍNGUA PORTUGUESA
Sinais de pontuação são símbolos gráficos usados para organizar a escrita e ajudar na compreensão da mensagem. No texto, o
sentido não é alterado em caso de substituição dos travessões por
(A) aspas, para colocar em destaque a informação seguinte
(B) vírgulas, para acrescentar uma caracterização de Davi Akkerman.
(C) reticências, para deixar subetendida a formação do especialista.
(D) dois-pontos, para acrescentar uma informação introduzida anteriormente.
(E) ponto e vírgula, para enumerar informações fundamentais para o desenvolvimento temático.

40. (FCC – 2020)

A supressão da vírgula altera o sentido da seguinte frase:


(A) O segundo é o “capitalismo de Estado”, que confia ao governo a tarefa de estabelecer a direção da economia.
(B) milhões prosperaram, à medida que empresas abriam mercados.
(C) Por fim, executivos e investidores começaram a reconhecer que seu sucesso em longo prazo está intimamente ligado ao de seus
clientes.
(D) De início, um novo indicador de “criação de valor compartilhado” deveria incluir metas ecológicas.
(E) Na verdade, esse deveria ser seu propósito definitivo.

41. (CESGRANRIO - RJ) As palavras esquartejar, desculpa e irreconhecível foram formadas, respectivamente, pelos processos de:
(A) sufixação - prefixação – parassíntese
(B) sufixação - derivação regressiva – prefixação
(C) composição por aglutinação - prefixação – sufixação
(D) parassíntese - derivação regressiva – prefixação
(E) parassíntese - derivação imprópria - parassíntese

37
LÍNGUA PORTUGUESA
42. (UFSC) Aponte a alternativa cujas palavras são respecti- (B) de informações conhecidas, nas duas ocorrências, sendo
vamente formadas por justaposição, aglutinação e parassíntese: possível a troca dos artigos nos enunciados, pois isso não alte-
(A) varapau - girassol - enfaixar raria o sentido do texto.
(B) pontapé - anoitecer - ajoelhar (C) da generalização, no primeiro caso, com a introdução de
(C) maldizer - petróleo - embora informação conhecida, e da especificação, no segundo, com
(D) vaivém - pontiagudo - enfurece informação nova.
(E) penugem - plenilúnio - despedaça (D) da introdução de uma informação nova, no primeiro caso,
e da retomada de uma informação já conhecida, no segundo.
43. (CESGRANRIO) Assinale a opção em que nem todas as (E) de informações novas, nas duas ocorrências, motivo pelo
palavras são de um mesmo radical: qual são introduzidas de forma mais generalizada
(A) noite, anoitecer, noitada
(B) luz, luzeiro, alumiar 47. (UFMG-ADAPTADA) As expressões em negrito corres-
(C) incrível, crente, crer pondem a um adjetivo, exceto em:
(D) festa, festeiro, festejar (A) João Fanhoso anda amanhecendo sem entusiasmo.
(E) riqueza, ricaço, enriquecer (B) Demorava-se de propósito naquele complicado banho.
(C) Os bichos da terra fugiam em desabalada carreira.
(D) Noite fechada sobre aqueles ermos perdidos da caatinga
44. (FUVEST-SP) Foram formadas pelo mesmo processo as
sem fim.
seguintes palavras:
(E) E ainda me vem com essa conversa de homem da roça.
(A) vendavais, naufrágios, polêmicas
(B) descompõem, desempregados, desejava
48. (UMESP) Na frase “As negociações estariam meio aber-
(C) estendendo, escritório, espírito
tas só depois de meio período de trabalho”, as palavras destaca-
(D) quietação, sabonete, nadador
das são, respectivamente:
(E) religião, irmão, solidão
(A) adjetivo, adjetivo
(B) advérbio, advérbio
45. (FUVEST) Assinale a alternativa em que uma das pala-
(C) advérbio, adjetivo
vras não é formada por prefixação:
(D) numeral, adjetivo
(A) readquirir, predestinado, propor
(E) numeral, advérbio
(B) irregular, amoral, demover
(C) remeter, conter, antegozar
49. (ITA-SP)
(D) irrestrito, antípoda, prever
Beber é mal, mas é muito bom.
(E) dever, deter, antever
(FERNANDES, Millôr. Mais! Folha de S. Paulo, 5 ago. 2001,
p. 28.)
46. (UNIFESP - 2015) Leia o seguinte texto:
Você conseguiria ficar 99 dias sem o Facebook?
A palavra “mal”, no caso específico da frase de Millôr, é:
Uma organização não governamental holandesa está pro-
(A) adjetivo
pondo um desafio que muitos poderão considerar impossível: fi-
(B) substantivo
car 99 dias sem dar nem uma “olhadinha” no Facebook. O objeti-
(C) pronome
vo é medir o grau de felicidade dos usuários longe da rede social.
(D) advérbio
O projeto também é uma resposta aos experimentos psi-
(E) preposição
cológicos realizados pelo próprio Facebook. A diferença neste
caso é que o teste é completamente voluntário. Ironicamente,
50. (PUC-SP) “É uma espécie... nova... completamente nova!
para poder participar, o usuário deve trocar a foto do perfil no
(Mas já) tem nome... Batizei-(a) logo... Vou-(lhe) mostrar...”. Sob
Facebook e postar um contador na rede social.
o ponto de vista morfológico, as palavras destacadas correspon-
Os pesquisadores irão avaliar o grau de satisfação e felici-
dem pela ordem, a:
dade dos participantes no 33º dia, no 66º e no último dia da
(A) conjunção, preposição, artigo, pronome
abstinência.
(B) advérbio, advérbio, pronome, pronome
Os responsáveis apontam que os usuários do Facebook gas-
(C) conjunção, interjeição, artigo, advérbio
tam em média 17 minutos por dia na rede social. Em 99 dias
(D) advérbio, advérbio, substantivo, pronome
sem acesso, a soma média seria equivalente a mais de 28 horas,
(E) conjunção, advérbio, pronome, pronome
2que poderiam ser utilizadas em “atividades emocionalmente
mais realizadoras”.
(http://codigofonte.uol.com.br. Adaptado.)

Após ler o texto acima, examine as passagens do primeiro


parágrafo: “Uma organização não governamental holandesa
está propondo um desafio” “O objetivo é medir o grau de felici-
dade dos usuários longe da rede social.”

A utilização dos artigos destacados justifica-se em razão:


(A) da retomada de informações que podem ser facilmente de-
preendidas pelo contexto, sendo ambas equivalentes seman-
ticamente.

38
LÍNGUA PORTUGUESA

43 B
GABARITO
44 D
45 E
1 C 46 D
2 B 47 B
3 D 48 B
4 C 49 B
5 C 50 E
6 A
7 D
ANOTAÇÕES
8 C
9 B ______________________________________________________
10 E
______________________________________________________
11 C
12 B ______________________________________________________
13 E ______________________________________________________
14 B
______________________________________________________
15 A
______________________________________________________
16 C
17 A ______________________________________________________
18 C ______________________________________________________
19 D
______________________________________________________
20 C
21 E ______________________________________________________
22 C ______________________________________________________
23 A
______________________________________________________
24 D
______________________________________________________
25 E
26 A ______________________________________________________
27 B ______________________________________________________
28 C
______________________________________________________
29 B
30 A ______________________________________________________

31 E ______________________________________________________
32 B
______________________________________________________
33 E
______________________________________________________
34 B
35 B ______________________________________________________
36 E ______________________________________________________
37 A
______________________________________________________
38 A
39 B _____________________________________________________

40 A _____________________________________________________
41 D ______________________________________________________
42 D

39
LÍNGUA PORTUGUESA
______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

_____________________________________________________ ______________________________________________________

_____________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ _____________________________________________________

______________________________________________________ _____________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

______________________________________________________ ______________________________________________________

40
RACIOCÍNIO LÓGICO
1. Proposições, Conectivos, Equivalências Lógicas, Quantificadores E Predicados. Conjuntos E Suas Operações, Diagramas. Estrutura
Lógica De Relações Arbitrárias Entre Pessoas, Lugares, Objetos Ou Eventos Fictícios; Dedução De Novas Informações Das Relações
Fornecidas E Avaliação Das Condições Usadas Para Estabelecer A Estrutura Daquelas Relações. Compreensão E Análise Da Lógica De
Uma Situação, Utilizando As Funções Intelectuais: Raciocínio Verbal, Raciocínio Matemático, Raciocínio Sequencial, Reconhecimento
De Padrões, Orientação Espacial E Temporal, Formação De Conceitos, Discriminação De Elementos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Números Inteiros, Racionais E Reais E Suas Operações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
3. Porcentagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
4. Proporcionalidade Direta E Inversa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
5. Medidas De Comprimento, Área, Volume, Massa E Tempo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
6. Compreensão De Dados Apresentados Em Gráficos E Tabelas. Noções De Estatística: Média, Moda, Mediana E Desvio Padrão . . 40
7. Problemas De Lógica E Raciocínio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
8. Problemas De Contagem E Noções De Probabilidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
9. Geometria Básica: Ângulos, Triângulos, Polígonos, Distâncias, Proporcionalidade, Perímetro E Área . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
RACIOCÍNIO LÓGICO

PROPOSIÇÕES, CONECTIVOS, EQUIVALÊNCIAS LÓGICAS, QUANTIFICADORES E PREDICADOS. CONJUNTOS E SUAS


OPERAÇÕES, DIAGRAMAS. ESTRUTURA LÓGICA DE RELAÇÕES ARBITRÁRIAS ENTRE PESSOAS, LUGARES, OBJETOS
OU EVENTOS FICTÍCIOS; DEDUÇÃO DE NOVAS INFORMAÇÕES DAS RELAÇÕES FORNECIDAS E AVALIAÇÃO DAS CON-
DIÇÕES USADAS PARA ESTABELECER A ESTRUTURA DAQUELAS RELAÇÕES. COMPREENSÃO E ANÁLISE DA LÓGICA DE
UMA SITUAÇÃO, UTILIZANDO AS FUNÇÕES INTELECTUAIS: RACIOCÍNIO VERBAL, RACIOCÍNIO MATEMÁTICO, RACIO-
CÍNIO SEQUENCIAL, RECONHECIMENTO DE PADRÕES, ORIENTAÇÃO ESPACIAL E TEMPORAL, FORMAÇÃO DE CONCEI-
TOS, DISCRIMINAÇÃO DE ELEMENTOS

RACIOCÍNIO LÓGICO MATEMÁTICO


Este tipo de raciocínio testa sua habilidade de resolver problemas matemáticos, e é uma forma de medir seu domínio das dife-
rentes áreas do estudo da Matemática: Aritmética, Álgebra, leitura de tabelas e gráficos, Probabilidade e Geometria etc. Essa parte
consiste nos seguintes conteúdos:
- Operação com conjuntos.
- Cálculos com porcentagens.
- Raciocínio lógico envolvendo problemas aritméticos, geométricos e matriciais.
- Geometria básica.
- Álgebra básica e sistemas lineares.
- Calendários.
- Numeração.
- Razões Especiais.
- Análise Combinatória e Probabilidade.
- Progressões Aritmética e Geométrica.

RACIOCÍNIO LÓGICO DEDUTIVO


Este tipo de raciocínio está relacionado ao conteúdo Lógica de Argumentação.

ORIENTAÇÕES ESPACIAL E TEMPORAL


O raciocínio lógico espacial ou orientação espacial envolvem figuras, dados e palitos. O raciocínio lógico temporal ou orientação
temporal envolve datas, calendário, ou seja, envolve o tempo.
O mais importante é praticar o máximo de questões que envolvam os conteúdos:
- Lógica sequencial
- Calendários

RACIOCÍNIO VERBAL
Avalia a capacidade de interpretar informação escrita e tirar conclusões lógicas.
Uma avaliação de raciocínio verbal é um tipo de análise de habilidade ou aptidão, que pode ser aplicada ao se candidatar a uma
vaga. Raciocínio verbal é parte da capacidade cognitiva ou inteligência geral; é a percepção, aquisição, organização e aplicação do
conhecimento por meio da linguagem.
Nos testes de raciocínio verbal, geralmente você recebe um trecho com informações e precisa avaliar um conjunto de afirma-
ções, selecionando uma das possíveis respostas:
A – Verdadeiro (A afirmação é uma consequência lógica das informações ou opiniões contidas no trecho)
B – Falso (A afirmação é logicamente falsa, consideradas as informações ou opiniões contidas no trecho)
C – Impossível dizer (Impossível determinar se a afirmação é verdadeira ou falsa sem mais informações)

ESTRUTURAS LÓGICAS
Precisamos antes de tudo compreender o que são proposições. Chama-se proposição toda sentença declarativa à qual podemos
atribuir um dos valores lógicos: verdadeiro ou falso, nunca ambos. Trata-se, portanto, de uma sentença fechada.

Elas podem ser:


• Sentença aberta: quando não se pode atribuir um valor lógico verdadeiro ou falso para ela (ou valorar a proposição!), portan-
to, não é considerada frase lógica. São consideradas sentenças abertas:
- Frases interrogativas: Quando será prova? - Estudou ontem? – Fez Sol ontem?
- Frases exclamativas: Gol! – Que maravilhoso!
- Frase imperativas: Estude e leia com atenção. – Desligue a televisão.
- Frases sem sentido lógico (expressões vagas, paradoxais, ambíguas, ...): “esta frase é falsa” (expressão paradoxal) – O cachorro
do meu vizinho morreu (expressão ambígua) – 2 + 5+ 1

• Sentença fechada: quando a proposição admitir um ÚNICO valor lógico, seja ele verdadeiro ou falso, nesse caso, será consi-
derada uma frase, proposição ou sentença lógica.

1
RACIOCÍNIO LÓGICO
Proposições simples e compostas
• Proposições simples (ou atômicas): aquela que NÃO contém nenhuma outra proposição como parte integrante de si mesma.
As proposições simples são designadas pelas letras latinas minúsculas p,q,r, s..., chamadas letras proposicionais.

• Proposições compostas (ou moleculares ou estruturas lógicas): aquela formada pela combinação de duas ou mais proposições
simples. As proposições compostas são designadas pelas letras latinas maiúsculas P,Q,R, R..., também chamadas letras proposicio-
nais.

ATENÇÃO: TODAS as proposições compostas são formadas por duas proposições simples.

Proposições Compostas – Conectivos


As proposições compostas são formadas por proposições simples ligadas por conectivos, aos quais formam um valor lógico, que
podemos vê na tabela a seguir:

OPERAÇÃO CONECTIVO ESTRUTURA LÓGICA TABELA VERDADE

Negação ~ Não p

Conjunção ^ peq

Disjunção Inclusiva v p ou q

Disjunção Exclusiva v Ou p ou q

Condicional → Se p então q

2
RACIOCÍNIO LÓGICO

Bicondicional ↔ p se e somente se q

Em síntese temos a tabela verdade das proposições que facilitará na resolução de diversas questões

Exemplo:
(MEC – CONHECIMENTOS BÁSICOS PARA OS POSTOS 9,10,11 E 16 – CESPE)

A figura acima apresenta as colunas iniciais de uma tabela-verdade, em que P, Q e R representam proposições lógicas, e V e F
correspondem, respectivamente, aos valores lógicos verdadeiro e falso.
Com base nessas informações e utilizando os conectivos lógicos usuais, julgue o item subsecutivo.
A última coluna da tabela-verdade referente à proposição lógica P v (Q↔R) quando representada na posição horizontal é igual a

( ) Certo
( ) Errado

Resolução:
P v (Q↔R), montando a tabela verdade temos:

R Q P [P v (Q ↔ R) ]
V V V V V V V V
V V F F V V V V
V F V V V F F V

3
RACIOCÍNIO LÓGICO

V F F F F F F V
F V V V V V F F
F V F F F V F F
F F V V V F V F
F F F F V F V F

Resposta: Certo

Proposição
Conjunto de palavras ou símbolos que expressam um pensamento ou uma ideia de sentido completo. Elas transmitem pensa-
mentos, isto é, afirmam fatos ou exprimem juízos que formamos a respeito de determinados conceitos ou entes.

Valores lógicos
São os valores atribuídos as proposições, podendo ser uma verdade, se a proposição é verdadeira (V), e uma falsidade, se a
proposição é falsa (F). Designamos as letras V e F para abreviarmos os valores lógicos verdade e falsidade respectivamente.
Com isso temos alguns aximos da lógica:
– PRINCÍPIO DA NÃO CONTRADIÇÃO: uma proposição não pode ser verdadeira E falsa ao mesmo tempo.
– PRINCÍPIO DO TERCEIRO EXCLUÍDO: toda proposição OU é verdadeira OU é falsa, verificamos sempre um desses casos, NUN-
CA existindo um terceiro caso.

“Toda proposição tem um, e somente um, dos valores, que são: V ou F.”

Classificação de uma proposição


Elas podem ser:
• Sentença aberta: quando não se pode atribuir um valor lógico verdadeiro ou falso para ela (ou valorar a proposição!), por-
tanto, não é considerada frase lógica. São consideradas sentenças abertas:
- Frases interrogativas: Quando será prova? - Estudou ontem? – Fez Sol ontem?
- Frases exclamativas: Gol! – Que maravilhoso!
- Frase imperativas: Estude e leia com atenção. – Desligue a televisão.
- Frases sem sentido lógico (expressões vagas, paradoxais, ambíguas, ...): “esta frase é falsa” (expressão paradoxal) – O cachorro
do meu vizinho morreu (expressão ambígua) – 2 + 5+ 1

• Sentença fechada: quando a proposição admitir um ÚNICO valor lógico, seja ele verdadeiro ou falso, nesse caso, será consi-
derada uma frase, proposição ou sentença lógica.

Proposições simples e compostas


• Proposições simples (ou atômicas): aquela que NÃO contém nenhuma outra proposição como parte integrante de si mesma.
As proposições simples são designadas pelas letras latinas minúsculas p,q,r, s..., chamadas letras proposicionais.
Exemplos
r: Thiago é careca.
s: Pedro é professor.

• Proposições compostas (ou moleculares ou estruturas lógicas): aquela formada pela combinação de duas ou mais proposi-
ções simples. As proposições compostas são designadas pelas letras latinas maiúsculas P,Q,R, R..., também chamadas letras pro-
posicionais.
Exemplo
P: Thiago é careca e Pedro é professor.

ATENÇÃO: TODAS as proposições compostas são formadas por duas proposições simples.

Exemplos:
1. (CESPE/UNB) Na lista de frases apresentadas a seguir:
– “A frase dentro destas aspas é uma mentira.”
– A expressão x + y é positiva.
– O valor de √4 + 3 = 7.
– Pelé marcou dez gols para a seleção brasileira.
– O que é isto?

4
RACIOCÍNIO LÓGICO
Há exatamente:
(A) uma proposição;
(B) duas proposições;
(C) três proposições;
(D) quatro proposições;
(E) todas são proposições.

Resolução:
Analisemos cada alternativa:
(A) “A frase dentro destas aspas é uma mentira”, não podemos atribuir valores lógicos a ela, logo não é uma sentença lógica.
(B) A expressão x + y é positiva, não temos como atribuir valores lógicos, logo não é sentença lógica.
(C) O valor de √4 + 3 = 7; é uma sentença lógica pois podemos atribuir valores lógicos, independente do resultado que tenhamos
(D) Pelé marcou dez gols para a seleção brasileira, também podemos atribuir valores lógicos (não estamos considerando a quan-
tidade certa de gols, apenas se podemos atribuir um valor de V ou F a sentença).
(E) O que é isto? - como vemos não podemos atribuir valores lógicos por se tratar de uma frase interrogativa.
Resposta: B.

Conectivos (conectores lógicos)


Para compôr novas proposições, definidas como composta, a partir de outras proposições simples, usam-se os conectivos. São eles:

OPERAÇÃO CONECTIVO ESTRUTURA LÓGICA TABELA VERDADE

Negação ~ Não p

Conjunção ^ peq

Disjunção Inclusiva v p ou q

Disjunção Exclusiva v Ou p ou q

5
RACIOCÍNIO LÓGICO

Condicional → Se p então q

Bicondicional ↔ p se e somente se q

Exemplo:
2. (PC/SP - Delegado de Polícia - VUNESP) Os conectivos ou operadores lógicos são palavras (da linguagem comum) ou símbolos
(da linguagem formal) utilizados para conectar proposições de acordo com regras formais preestabelecidas. Assinale a alternativa
que apresenta exemplos de conjunção, negação e implicação, respectivamente.
(A) ¬ p, p v q, p ∧ q
(B) p ∧ q, ¬ p, p -> q
(C) p -> q, p v q, ¬ p
(D) p v p, p -> q, ¬ q
(E) p v q, ¬ q, p v q

Resolução:
A conjunção é um tipo de proposição composta e apresenta o conectivo “e”, e é representada pelo símbolo ∧. A negação é re-
presentada pelo símbolo ~ou cantoneira (¬) e pode negar uma proposição simples (por exemplo: ¬ p ) ou composta. Já a implicação
é uma proposição composta do tipo condicional (Se, então) é representada pelo símbolo (→).
Resposta: B.

Tabela Verdade
Quando trabalhamos com as proposições compostas, determinamos o seu valor lógico partindo das proposições simples que
a compõe. O valor lógico de qualquer proposição composta depende UNICAMENTE dos valores lógicos das proposições simples
componentes, ficando por eles UNIVOCAMENTE determinados.

• Número de linhas de uma Tabela Verdade: depende do número de proposições simples que a integram, sendo dado pelo
seguinte teorema:
“A tabela verdade de uma proposição composta com n* proposições simples componentes contém 2n linhas.”

Exemplo:
3. (CESPE/UNB) Se “A”, “B”, “C” e “D” forem proposições simples e distintas, então o número de linhas da tabela-verdade da
proposição (A → B) ↔ (C → D) será igual a:
(A) 2;
(B) 4;
(C) 8;
(D) 16;
(E) 32.

Resolução:
Veja que podemos aplicar a mesma linha do raciocínio acima, então teremos:
Número de linhas = 2n = 24 = 16 linhas.
Resposta D.

Conceitos de Tautologia , Contradição e Contigência


• Tautologia: possui todos os valores lógicos, da tabela verdade (última coluna), V (verdades).
Princípio da substituição: Seja P (p, q, r, ...) é uma tautologia, então P (P0; Q0; R0; ...) também é uma tautologia, quaisquer que
sejam as proposições P0, Q0, R0, ...

6
RACIOCÍNIO LÓGICO
• Contradição: possui todos os valores lógicos, da tabela verdade (última coluna), F (falsidades). A contradição é a negação da
Tautologia e vice versa.
Princípio da substituição: Seja P (p, q, r, ...) é uma contradição, então P (P0; Q0; R0; ...) também é uma contradição, quaisquer
que sejam as proposições P0, Q0, R0, ...

• Contingência: possui valores lógicos V e F ,da tabela verdade (última coluna). Em outros termos a contingência é uma propo-
sição composta que não é tautologia e nem contradição.

Exemplos:
4. (DPU – ANALISTA – CESPE) Um estudante de direito, com o objetivo de sistematizar o seu estudo, criou sua própria legenda,
na qual identificava, por letras, algumas afirmações relevantes quanto à disciplina estudada e as vinculava por meio de sentenças
(proposições). No seu vocabulário particular constava, por exemplo:
P: Cometeu o crime A.
Q: Cometeu o crime B.
R: Será punido, obrigatoriamente, com a pena de reclusão no regime fechado.
S: Poderá optar pelo pagamento de fiança.

Ao revisar seus escritos, o estudante, apesar de não recordar qual era o crime B, lembrou que ele era inafiançável.
Tendo como referência essa situação hipotética, julgue o item que se segue.
A sentença (P→Q)↔((~Q)→(~P)) será sempre verdadeira, independentemente das valorações de P e Q como verdadeiras ou falsas.
( ) Certo
( ) Errado

Resolução:
Considerando P e Q como V.
(V→V) ↔ ((F)→(F))
(V) ↔ (V) = V
Considerando P e Q como F
(F→F) ↔ ((V)→(V))
(V) ↔ (V) = V
Então concluímos que a afirmação é verdadeira.
Resposta: Certo.

Equivalência
Duas ou mais proposições compostas são equivalentes, quando mesmo possuindo estruturas lógicas diferentes, apresentam a
mesma solução em suas respectivas tabelas verdade.
Se as proposições P(p,q,r,...) e Q(p,q,r,...) são ambas TAUTOLOGIAS, ou então, são CONTRADIÇÕES, então são EQUIVALENTES.

Exemplo:
5. (VUNESP/TJSP) Uma negação lógica para a afirmação “João é rico, ou Maria é pobre” é:
(A) Se João é rico, então Maria é pobre.
(B) João não é rico, e Maria não é pobre.
(C) João é rico, e Maria não é pobre.
(D) Se João não é rico, então Maria não é pobre.
(E) João não é rico, ou Maria não é pobre.

7
RACIOCÍNIO LÓGICO
Resolução:
Nesta questão, a proposição a ser negada trata-se da disjunção de duas proposições lógicas simples. Para tal, trocamos o co-
nectivo por “e” e negamos as proposições “João é rico” e “Maria é pobre”. Vejam como fica:

Resposta: B.

Leis de Morgan
Com elas:
– Negamos que duas dadas proposições são ao mesmo tempo verdadeiras equivalendo a afirmar que pelo menos uma é falsa
– Negamos que uma pelo menos de duas proposições é verdadeira equivalendo a afirmar que ambas são falsas.

ATENÇÃO
As Leis de Morgan exprimem que NEGAÇÃO transforma: CONJUNÇÃO em DISJUNÇÃO
DISJUNÇÃO em CONJUNÇÃO

CONECTIVOS
Para compôr novas proposições, definidas como composta, a partir de outras proposições simples, usam-se os conectivos.

OPERAÇÃO CONECTIVO ESTRUTURA LÓGICA EXEMPLOS


Negação ~ Não p A cadeira não é azul.
Conjunção ^ peq Fernando é médico e Nicolas é Engenheiro.
Disjunção Inclusiva v p ou q Fernando é médico ou Nicolas é Engenheiro.
Disjunção Exclusiva v Ou p ou q Ou Fernando é médico ou João é Engenheiro.
Condicional → Se p então q Se Fernando é médico então Nicolas é Engenheiro.
Bicondicional ↔ p se e somente se q Fernando é médico se e somente se Nicolas é Engenheiro.

Conectivo “não” (~)


Chamamos de negação de uma proposição representada por “não p” cujo valor lógico é verdade (V) quando p é falsa e falsida-
de (F) quando p é verdadeira. Assim “não p” tem valor lógico oposto daquele de p. Pela tabela verdade temos:

Conectivo “e” (˄)


Se p e q são duas proposições, a proposição p ˄ q será chamada de conjunção. Para a conjunção, tem-se a seguinte tabela-verdade:

ATENÇÃO: Sentenças interligadas pelo conectivo “e” possuirão o valor verdadeiro somente quando todas as sentenças, ou
argumentos lógicos, tiverem valores verdadeiros.

8
RACIOCÍNIO LÓGICO
Conectivo “ou” (v)
Este inclusivo: Elisabete é bonita ou Elisabete é inteligente. (Nada impede que Elisabete seja bonita e inteligente).

Conectivo “ou” (v)


Este exclusivo: Elisabete é paulista ou Elisabete é carioca. (Se Elisabete é paulista, não será carioca e vice-versa).

• Mais sobre o Conectivo “ou”


– “inclusivo”(considera os dois casos)
– “exclusivo”(considera apenas um dos casos)

Exemplos:
R: Paulo é professor ou administrador
S: Maria é jovem ou idosa
No primeiro caso, o “ou” é inclusivo,pois pelo menos uma das proposições é verdadeira, podendo ser ambas.
No caso da segunda, o “ou” é exclusivo, pois somente uma das proposições poderá ser verdadeira

Ele pode ser “inclusivo”(considera os dois casos) ou “exclusivo”(considera apenas um dos casos)

Exemplo:
R: Paulo é professor ou administrador
S: Maria é jovem ou idosa

No primeiro caso, o “ou” é inclusivo,pois pelo menos uma das proposições é verdadeira, podendo ser ambas.
No caso da segunda, o “ou” é exclusivo, pois somente uma das proposições poderá ser verdadeiro

Conectivo “Se... então” (→)


Se p e q são duas proposições, a proposição p→q é chamada subjunção ou condicional. Considere a seguinte subjunção: “Se
fizer sol, então irei à praia”.
1. Podem ocorrer as situações:
2. Fez sol e fui à praia. (Eu disse a verdade)
3. Fez sol e não fui à praia. (Eu menti)
4. Não fez sol e não fui à praia. (Eu disse a verdade)
5. Não fez sol e fui à praia. (Eu disse a verdade, pois eu não disse o que faria se não fizesse sol. Assim, poderia ir ou não ir à
praia). Temos então sua tabela verdade:

9
RACIOCÍNIO LÓGICO
Observe que uma subjunção p→q somente será falsa quando a primeira proposição, p, for verdadeira e a segunda, q, for falsa.

Conectivo “Se e somente se” (↔)


Se p e q são duas proposições, a proposição p↔q1 é chamada bijunção ou bicondicional, que também pode ser lida como: “p
é condição necessária e suficiente para q” ou, ainda, “q é condição necessária e suficiente para p”.
Considere, agora, a seguinte bijunção: “Irei à praia se e somente se fizer sol”. Podem ocorrer as situações:
1. Fez sol e fui à praia. (Eu disse a verdade)
2. Fez sol e não fui à praia. (Eu menti)
3. Não fez sol e fui à praia. (Eu menti)
4. Não fez sol e não fui à praia. (Eu disse a verdade). Sua tabela verdade:

Observe que uma bicondicional só é verdadeira quando as proposições formadoras são ambas falsas ou ambas verdadeiras.

ATENÇÃO: O importante sobre os conectivos é ter em mente a tabela de cada um deles, para que assim você possa resolver
qualquer questão referente ao assunto.

Ordem de precedência dos conectivos:


O critério que especifica a ordem de avaliação dos conectivos ou operadores lógicos de uma expressão qualquer. A lógica ma-
temática prioriza as operações de acordo com a ordem listadas:

Em resumo:

Exemplo:
(PC/SP - DELEGADO DE POLÍCIA - VUNESP) Os conectivos ou operadores lógicos são palavras (da linguagem comum) ou símbo-
los (da linguagem formal) utilizados para conectar proposições de acordo com regras formais preestabelecidas. Assinale a alterna-
tiva que apresenta exemplos de conjunção, negação e implicação, respectivamente.
(A) ¬ p, p v q, p ∧ q
(B) p ∧ q, ¬ p, p -> q
(C) p -> q, p v q, ¬ p
(D) p v p, p -> q, ¬ q
(E) p v q, ¬ q, p v q
Resolução:
A conjunção é um tipo de proposição composta e apresenta o conectivo “e”, e é representada pelo símbolo ∧. A negação é re-
presentada pelo símbolo ~ou cantoneira (¬) e pode negar uma proposição simples (por exemplo: ¬ p ) ou composta. Já a implicação
é uma proposição composta do tipo condicional (Se, então) é representada pelo símbolo (→).
Resposta: B

CONTRADIÇÕES
São proposições compostas formadas por duas ou mais proposições onde seu valor lógico é sempre FALSO, independentemente
do valor lógico das proposições simples que a compõem. Vejamos:
A proposição: p ^ ~p é uma contradição, conforme mostra a sua tabela-verdade:

10
RACIOCÍNIO LÓGICO
- Somente uma contradição implica uma contradição:

Exemplo:
(PEC-FAZ) Conforme a teoria da lógica proposicional, a pro-
posição ~P ∧ P é:
(A) uma tautologia.
(B) equivalente à proposição ~p ∨ p.
(C) uma contradição. Propriedades
(D) uma contingência. • Reflexiva:
(E) uma disjunção. – P(p,q,r,...) ⇒ P(p,q,r,...)
– Uma proposição complexa implica ela mesma.
Resolução:
Montando a tabela teremos que: • Transitiva:
– Se P(p,q,r,...) ⇒ Q(p,q,r,...) e
P ~p ~p ^p Q(p,q,r,...) ⇒ R(p,q,r,...), então
P(p,q,r,...) ⇒ R(p,q,r,...)
V F F – Se P ⇒ Q e Q ⇒ R, então P ⇒ R
V F F
F V F Regras de Inferência
• Inferência é o ato ou processo de derivar conclusões lógi-
F V F cas de proposições conhecidas ou decididamente verdadeiras.
Em outras palavras: é a obtenção de novas proposições a partir
Como todos os valores são Falsidades (F) logo estamos dian- de proposições verdadeiras já existentes.
te de uma CONTRADIÇÃO.
Resposta: C Regras de Inferência obtidas da implicação lógica

A proposição P(p,q,r,...) implica logicamente a proposição


Q(p,q,r,...) quando Q é verdadeira todas as vezes que P é verda-
deira. Representamos a implicação com o símbolo “⇒”, simbo-
licamente temos:

P(p,q,r,...) ⇒ Q(p,q,r,...).

ATENÇÃO: Os símbolos “→” e “⇒” são completamente dis- • Silogismo Disjuntivo


tintos. O primeiro (“→”) representa a condicional, que é um co-
nectivo. O segundo (“⇒”) representa a relação de implicação
lógica que pode ou não existir entre duas proposições.

Exemplo:

• Modus Ponens

Observe:
- Toda proposição implica uma Tautologia:

11
RACIOCÍNIO LÓGICO
• Modus Tollens Vejamos algumas formas:
- Todo A é B.
- Nenhum A é B.
- Algum A é B.
- Algum A não é B.
Onde temos que A e B são os termos ou características des-
sas proposições categóricas.

• Classificação de uma proposição categórica de acordo


com o tipo e a relação
Elas podem ser classificadas de acordo com dois critérios
fundamentais: qualidade e extensão ou quantidade.

– Qualidade: O critério de qualidade classifica uma proposi-


ção categórica em afirmativa ou negativa.
– Extensão: O critério de extensão ou quantidade classifica
uma proposição categórica em universal ou particular. A classifi-
Tautologias e Implicação Lógica cação dependerá do quantificador que é utilizado na proposição.
• Teorema
P(p,q,r,..) ⇒ Q(p,q,r,...) se e somente se P(p,q,r,...) → Q(p,-
q,r,...)

Entre elas existem tipos e relações de acordo com a qualida-


de e a extensão, classificam-se em quatro tipos, representados
pelas letras A, E, I e O.

• Universal afirmativa (Tipo A) – “TODO A é B”


Teremos duas possibilidades.

Observe que:
→ indica uma operação lógica entre as proposições. Ex.: das
proposições p e q, dá-se a nova proposição p → q.
⇒ indica uma relação. Ex.: estabelece que a condicional P
→ Q é tautológica.

Inferências
• Regra do Silogismo Hipotético
Tais proposições afirmam que o conjunto “A” está contido
no conjunto “B”, ou seja, que todo e qualquer elemento de “A”
é também elemento de “B”. Observe que “Toda A é B” é dife-
rente de “Todo B é A”.

Princípio da inconsistência • Universal negativa (Tipo E) – “NENHUM A é B”


– Como “p ^ ~p → q” é tautológica, subsiste a implicação Tais proposições afirmam que não há elementos em comum
lógica p ^ ~p ⇒ q entre os conjuntos “A” e “B”. Observe que “nenhum A é B” é o
– Assim, de uma contradição p ^ ~p se deduz qualquer pro- mesmo que dizer “nenhum B é A”.
posição q. Podemos representar esta universal negativa pelo seguinte
diagrama (A ∩ B = ø):
A proposição “(p ↔ q) ^ p” implica a proposição “q”, pois a
condicional “(p ↔ q) ^ p → q” é tautológica.

Lógica de primeira ordem


Existem alguns tipos de argumentos que apresentam propo-
sições com quantificadores. Numa proposição categórica, é im-
portante que o sujeito se relacionar com o predicado de forma
coerente e que a proposição faça sentido, não importando se é
verdadeira ou falsa.

12
RACIOCÍNIO LÓGICO
• Particular afirmativa (Tipo I) - “ALGUM A é B” Em síntese:
Podemos ter 4 diferentes situações para representar esta
proposição:

Exemplos:
(DESENVOLVE/SP - CONTADOR - VUNESP) Alguns gatos não
são pardos, e aqueles que não são pardos miam alto.
Uma afirmação que corresponde a uma negação lógica da
Essas proposições Algum A é B estabelecem que o conjunto afirmação anterior é:
“A” tem pelo menos um elemento em comum com o conjunto (A) Os gatos pardos miam alto ou todos os gatos não são
“B”. Contudo, quando dizemos que Algum A é B, presumimos pardos.
que nem todo A é B. Observe “Algum A é B” é o mesmo que (B) Nenhum gato mia alto e todos os gatos são pardos.
“Algum B é A”. (C) Todos os gatos são pardos ou os gatos que não são par-
dos não miam alto.
• Particular negativa (Tipo O) - “ALGUM A não é B” (D) Todos os gatos que miam alto são pardos.
Se a proposição Algum A não é B é verdadeira, temos as (E) Qualquer animal que mia alto é gato e quase sempre ele
três representações possíveis: é pardo.

Resolução:
Temos um quantificador particular (alguns) e uma proposi-
ção do tipo conjunção (conectivo “e”). Pede-se a sua negação.
O quantificador existencial “alguns” pode ser negado, se-
guindo o esquema, pelos quantificadores universais (todos ou
nenhum).
Logo, podemos descartar as alternativas A e E.
A negação de uma conjunção se faz através de uma disjun-
ção, em que trocaremos o conectivo “e” pelo conectivo “ou”.
Descartamos a alternativa B.
Vamos, então, fazer a negação da frase, não esquecendo de
que a relação que existe é: Algum A é B, deve ser trocado por:
Todo A é não B.
Proposições nessa forma: Algum A não é B estabelecem que Todos os gatos que são pardos ou os gatos (aqueles) que
o conjunto “A” tem pelo menos um elemento que não pertence não são pardos NÃO miam alto.
ao conjunto “B”. Observe que: Algum A não é B não significa o Resposta: C
mesmo que Algum B não é A.
(CBM/RJ - CABO TÉCNICO EM ENFERMAGEM - ND) Dizer
• Negação das Proposições Categóricas que a afirmação “todos os professores é psicólogos” e falsa, do
Ao negarmos uma proposição categórica, devemos observar ponto de vista lógico, equivale a dizer que a seguinte afirmação
as seguintes convenções de equivalência: é verdadeira
– Ao negarmos uma proposição categórica universal gera- (A) Todos os não psicólogos são professores.
mos uma proposição categórica particular. (B) Nenhum professor é psicólogo.
– Pela recíproca de uma negação, ao negarmos uma propo- (C) Nenhum psicólogo é professor.
sição categórica particular geramos uma proposição categórica (D) Pelo menos um psicólogo não é professor.
universal. (E) Pelo menos um professor não é psicólogo.
– Negando uma proposição de natureza afirmativa geramos,
sempre, uma proposição de natureza negativa; e, pela recíproca, Resolução:
negando uma proposição de natureza negativa geramos, sem- Se a afirmação é falsa a negação será verdadeira. Logo, a ne-
pre, uma proposição de natureza afirmativa. gação de um quantificador universal categórico afirmativo se faz
através de um quantificador existencial negativo. Logo teremos:
Pelo menos um professor não é psicólogo.
Resposta: E

13
RACIOCÍNIO LÓGICO
• Equivalência entre as proposições ATENÇÃO: É bom ter um conhecimento sobre conjuntos
Basta usar o triângulo a seguir e economizar um bom tempo para conseguir resolver questões que envolvam os diagramas
na resolução de questões. lógicos.

Vejamos a tabela abaixo as proposições categóricas:

TIPO PREPOSIÇÃO DIAGRAMAS

TODO
A
AéB

Se um elemento pertence ao conjunto A,


então pertence também a B.
Exemplo:
(PC/PI - ESCRIVÃO DE POLÍCIA CIVIL - UESPI) Qual a nega-
ção lógica da sentença “Todo número natural é maior do que ou
igual a cinco”?
(A) Todo número natural é menor do que cinco.
(B) Nenhum número natural é menor do que cinco. NENHUM
E
(C) Todo número natural é diferente de cinco. AéB
(D) Existe um número natural que é menor do que cinco.
(E) Existe um número natural que é diferente de cinco. Existe pelo menos um elemento que
pertence a A, então não pertence a B, e
Resolução: vice-versa.
Do enunciado temos um quantificador universal (Todo) e
pede-se a sua negação.
O quantificador universal todos pode ser negado, seguindo
o esquema abaixo, pelo quantificador algum, pelo menos um,
existe ao menos um, etc. Não se nega um quantificador univer-
sal com Todos e Nenhum, que também são universais.

Existe pelo menos um elemento co-


mum aos conjuntos A e B.
Podemos ainda representar das seguin-
tes formas:
ALGUM
I
AéB

Portanto, já podemos descartar as alternativas que trazem


quantificadores universais (todo e nenhum). Descartamos as al-
ternativas A, B e C.
Seguindo, devemos negar o termo: “maior do que ou igual
a cinco”. Negaremos usando o termo “MENOR do que cinco”.
Obs.: maior ou igual a cinco (compreende o 5, 6, 7...) ao ser
negado passa a ser menor do que cinco (4, 3, 2,...).
Resposta: D

Diagramas lógicos
Os diagramas lógicos são usados na resolução de vários
problemas. É uma ferramenta para resolvermos problemas que
envolvam argumentos dedutivos, as quais as premissas deste ar-
gumento podem ser formadas por proposições categóricas.

14
RACIOCÍNIO LÓGICO
- Existem teatros que não são cinemas

ALGUM - Algum teatro é casa de cultura


O
A NÃO é B

Perceba-se que, nesta sentença, a aten-


ção está sobre o(s) elemento (s) de A que
não são B (enquanto que, no “Algum A é
B”, a atenção estava sobre os que eram B,
ou seja, na intercessão).
Temos também no segundo caso, a dife-
rença entre conjuntos, que forma o con-
junto A - B

Exemplo: Visto que na primeira chegamos à conclusão que C = CC


(GDF–ANALISTA DE ATIVIDADES CULTURAIS ADMINISTRA- Segundo as afirmativas temos:
ÇÃO – IADES) Considere as proposições: “todo cinema é uma (A) existem cinemas que não são teatros- Observando o úl-
casa de cultura”, “existem teatros que não são cinemas” e “al- timo diagrama vimos que não é uma verdade, pois temos que
gum teatro é casa de cultura”. Logo, é correto afirmar que existe pelo menos um dos cinemas é considerado teatro.
(A) existem cinemas que não são teatros.
(B) existe teatro que não é casa de cultura.
(C) alguma casa de cultura que não é cinema é teatro.
(D) existe casa de cultura que não é cinema.
(E) todo teatro que não é casa de cultura não é cinema.

Resolução:
Vamos chamar de:
Cinema = C
Casa de Cultura = CC
Teatro = T
Analisando as proposições temos:
- Todo cinema é uma casa de cultura
(B) existe teatro que não é casa de cultura. – Errado, pelo
mesmo princípio acima.
(C) alguma casa de cultura que não é cinema é teatro. – Er-
rado, a primeira proposição já nos afirma o contrário. O diagra-
ma nos afirma isso

(D) existe casa de cultura que não é cinema. – Errado, a jus-


tificativa é observada no diagrama da alternativa anterior.

15
RACIOCÍNIO LÓGICO
(E) todo teatro que não é casa de cultura não é cinema. – ATENÇÃO: O que vale é a CONSTRUÇÃO, E NÃO O SEU CON-
Correta, que podemos observar no diagrama abaixo, uma vez TEÚDO! Se a construção está perfeita, então o argumento é
que todo cinema é casa de cultura. Se o teatro não é casa de válido, independentemente do conteúdo das premissas ou da
cultura também não é cinema. conclusão!

• Como saber se um determinado argumento é mesmo vá-


lido?
Para se comprovar a validade de um argumento é utilizando
diagramas de conjuntos (diagramas de Venn). Trata-se de um
método muito útil e que será usado com frequência em ques-
tões que pedem a verificação da validade de um argumento.
Vejamos como funciona, usando o exemplo acima. Quando se
afirma, na premissa P1, que “todos os homens são pássaros”,
poderemos representar essa frase da seguinte maneira:
Resposta: E

LÓGICA DE ARGUMENTAÇÃO
Chama-se argumento a afirmação de que um grupo de pro-
posições iniciais redunda em outra proposição final, que será
consequência das primeiras. Ou seja, argumento é a relação que
associa um conjunto de proposições P1, P2,... Pn , chamadas
premissas do argumento, a uma proposição Q, chamada de con-
clusão do argumento.

Observem que todos os elementos do conjunto menor (ho-


mens) estão incluídos, ou seja, pertencem ao conjunto maior
(dos pássaros). E será sempre essa a representação gráfica da
frase “Todo A é B”. Dois círculos, um dentro do outro, estando o
círculo menor a representar o grupo de quem se segue à palavra
TODO.
Exemplo: Na frase: “Nenhum pássaro é animal”. Observemos que a
P1: Todos os cientistas são loucos. palavra-chave desta sentença é NENHUM. E a ideia que ela ex-
P2: Martiniano é louco. prime é de uma total dissociação entre os dois conjuntos.
Q: Martiniano é um cientista.

O exemplo dado pode ser chamado de Silogismo (argumen-


to formado por duas premissas e a conclusão).
A respeito dos argumentos lógicos, estamos interessados
em verificar se eles são válidos ou inválidos! Então, passemos a
entender o que significa um argumento válido e um argumento
inválido.

Argumentos Válidos
Dizemos que um argumento é válido (ou ainda legítimo ou
bem construído), quando a sua conclusão é uma consequência
obrigatória do seu conjunto de premissas. Será sempre assim a representação gráfica de uma sentença
“Nenhum A é B”: dois conjuntos separados, sem nenhum ponto
Exemplo: em comum.
O silogismo... Tomemos agora as representações gráficas das duas pre-
P1: Todos os homens são pássaros. missas vistas acima e as analisemos em conjunto. Teremos:
P2: Nenhum pássaro é animal.
Q: Portanto, nenhum homem é animal.

... está perfeitamente bem construído, sendo, portanto, um


argumento válido, muito embora a veracidade das premissas e
da conclusão sejam totalmente questionáveis.

16
RACIOCÍNIO LÓGICO
1º) Fora do conjunto maior;
2º) Dentro do conjunto maior. Vejamos:

Comparando a conclusão do nosso argumento, temos:


NENHUM homem é animal – com o desenho das premissas
será que podemos dizer que esta conclusão é uma consequên-
cia necessária das premissas? Claro que sim! Observemos que o
conjunto dos homens está totalmente separado (total dissocia-
ção!) do conjunto dos animais. Resultado: este é um argumento Finalmente, passemos à análise da conclusão: “Patrícia não
válido! gosta de chocolate”. Ora, o que nos resta para sabermos se este
argumento é válido ou não, é justamente confirmar se esse re-
Argumentos Inválidos sultado (se esta conclusão) é necessariamente verdadeiro!
Dizemos que um argumento é inválido – também denomi- - É necessariamente verdadeiro que Patrícia não gosta de
nado ilegítimo, mal construído, falacioso ou sofisma – quando a chocolate? Olhando para o desenho acima, respondemos que
verdade das premissas não é suficiente para garantir a verdade não! Pode ser que ela não goste de chocolate (caso esteja fora
da conclusão. do círculo), mas também pode ser que goste (caso esteja dentro
do círculo)! Enfim, o argumento é inválido, pois as premissas não
Exemplo: garantiram a veracidade da conclusão!
P1: Todas as crianças gostam de chocolate.
P2: Patrícia não é criança. Métodos para validação de um argumento
Q: Portanto, Patrícia não gosta de chocolate. Aprenderemos a seguir alguns diferentes métodos que nos
possibilitarão afirmar se um argumento é válido ou não!
Este é um argumento inválido, falacioso, mal construído, 1º) Utilizando diagramas de conjuntos: esta forma é indica-
pois as premissas não garantem (não obrigam) a verdade da da quando nas premissas do argumento aparecem as palavras
conclusão. Patrícia pode gostar de chocolate mesmo que não TODO, ALGUM E NENHUM, ou os seus sinônimos: cada, existe
seja criança, pois a primeira premissa não afirmou que somente um etc.
as crianças gostam de chocolate. 2º) Utilizando tabela-verdade: esta forma é mais indicada
Utilizando os diagramas de conjuntos para provar a validade quando não for possível resolver pelo primeiro método, o que
do argumento anterior, provaremos, utilizando-nos do mesmo ar- ocorre quando nas premissas não aparecem as palavras todo,
tifício, que o argumento em análise é inválido. Comecemos pela algum e nenhum, mas sim, os conectivos “ou” , “e”, “” e “↔”.
primeira premissa: “Todas as crianças gostam de chocolate”. Baseia-se na construção da tabela-verdade, destacando-se uma
coluna para cada premissa e outra para a conclusão. Este méto-
do tem a desvantagem de ser mais trabalhoso, principalmente
quando envolve várias proposições simples.
3º) Utilizando as operações lógicas com os conectivos e con-
siderando as premissas verdadeiras.
Por este método, fácil e rapidamente demonstraremos a
validade de um argumento. Porém, só devemos utilizá-lo na im-
possibilidade do primeiro método.
Iniciaremos aqui considerando as premissas como verdades.
Daí, por meio das operações lógicas com os conectivos, desco-
briremos o valor lógico da conclusão, que deverá resultar tam-
bém em verdade, para que o argumento seja considerado válido.

4º) Utilizando as operações lógicas com os conectivos, con-


Analisemos agora o que diz a segunda premissa: “Patrícia siderando premissas verdadeiras e conclusão falsa.
não é criança”. O que temos que fazer aqui é pegar o diagrama É indicado este caminho quando notarmos que a aplicação
acima (da primeira premissa) e nele indicar onde poderá estar do terceiro método não possibilitará a descoberta do valor ló-
localizada a Patrícia, obedecendo ao que consta nesta segunda gico da conclusão de maneira direta, mas somente por meio de
premissa. Vemos facilmente que a Patrícia só não poderá es- análises mais complicadas.
tar dentro do círculo das crianças. É a única restrição que faz a
segunda premissa! Isto posto, concluímos que Patrícia poderá
estar em dois lugares distintos do diagrama:

17
RACIOCÍNIO LÓGICO
Em síntese:

Exemplo:
Diga se o argumento abaixo é válido ou inválido:

(p ∧ q) → r
_____~r_______
~p ∨ ~q

Resolução:
-1ª Pergunta) O argumento apresenta as palavras todo, algum ou nenhum?
A resposta é não! Logo, descartamos o 1º método e passamos à pergunta seguinte.

- 2ª Pergunta) O argumento contém no máximo duas proposições simples?


A resposta também é não! Portanto, descartamos também o 2º método.
- 3ª Pergunta) Há alguma das premissas que seja uma proposição simples ou uma conjunção?
A resposta é sim! A segunda proposição é (~r). Podemos optar então pelo 3º método? Sim, perfeitamente! Mas caso queiramos
seguir adiante com uma próxima pergunta, teríamos:
- 4ª Pergunta) A conclusão tem a forma de uma proposição simples ou de uma disjunção ou de uma condicional? A resposta
também é sim! Nossa conclusão é uma disjunção! Ou seja, caso queiramos, poderemos utilizar, opcionalmente, o 4º método!
Vamos seguir os dois caminhos: resolveremos a questão pelo 3º e pelo 4º métodos.

Resolução pelo 3º Método


Considerando as premissas verdadeiras e testando a conclusão verdadeira. Teremos:
- 2ª Premissa) ~r é verdade. Logo: r é falsa!

18
RACIOCÍNIO LÓGICO
- 1ª Premissa) (p ∧ q)r é verdade. Sabendo que r é falsa,
concluímos que (p ∧ q) tem que ser também falsa. E quando
uma conjunção (e) é falsa? Quando uma das premissas for falsa
ou ambas forem falsas. Logo, não é possível determinamos os
valores lógicos de p e q. Apesar de inicialmente o 3º método se
mostrar adequado, por meio do mesmo, não poderemos deter-
minar se o argumento é ou NÃO VÁLIDO.

Resolução pelo 4º Método


Considerando a conclusão falsa e premissas verdadeiras. A condicional só será F quando a 1ª for verdadeira e a 2ª
Teremos: falsa, utilizando isso temos:
- Conclusão) ~p v ~q é falso. Logo: p é verdadeiro e q é ver- O que se quer saber é: Se Maria foi ao cinema, então Fer-
dadeiro! nando estava estudando. // B → ~E
Agora, passamos a testar as premissas, que são considera- Iniciando temos:
das verdadeiras! Teremos: 4º - Quando chove (F), Maria não vai ao cinema. (F) // A →
- 1ª Premissa) (p∧q)r é verdade. Sabendo que p e q são ~B = V – para que o argumento seja válido temos que Quando
verdadeiros, então a primeira parte da condicional acima tam- chove tem que ser F.
bém é verdadeira. Daí resta que a segunda parte não pode ser 3º - Quando Cláudio fica em casa (V), Maria vai ao cinema
falsa. Logo: r é verdadeiro. (V). // C → B = V - para que o argumento seja válido temos que
- 2ª Premissa) Sabendo que r é verdadeiro, teremos que ~r é Maria vai ao cinema tem que ser V.
falso! Opa! A premissa deveria ser verdadeira, e não foi! 2º - Quando Cláudio sai de casa(F), não faz frio (F). // ~C →
~D = V - para que o argumento seja válido temos que Quando
Neste caso, precisaríamos nos lembrar de que o teste, aqui Cláudio sai de casa tem que ser F.
no 4º método, é diferente do teste do 3º: não havendo a exis- 5º - Quando Fernando está estudando (V ou F), não chove
tência simultânea da conclusão falsa e premissas verdadeiras, (V). // E → ~A = V. – neste caso Quando Fernando está estudan-
do pode ser V ou F.
teremos que o argumento é válido! Conclusão: o argumento é
1º- Durante a noite(V), faz frio (V). // F → D = V
válido!
Logo nada podemos afirmar sobre a afirmação: Se Maria foi
Exemplos:
ao cinema (V), então Fernando estava estudando (V ou F); pois
(DPU – AGENTE ADMINISTRATIVO – CESPE) Considere que
temos dois valores lógicos para chegarmos à conclusão (V ou F).
as seguintes proposições sejam verdadeiras.
Resposta: Errado
• Quando chove, Maria não vai ao cinema.
• Quando Cláudio fica em casa, Maria vai ao cinema.
(PETROBRAS – TÉCNICO (A) DE EXPLORAÇÃO DE PETRÓLEO
• Quando Cláudio sai de casa, não faz frio. JÚNIOR – INFORMÁTICA – CESGRANRIO) Se Esmeralda é uma
• Quando Fernando está estudando, não chove. fada, então Bongrado é um elfo. Se Bongrado é um elfo, então
• Durante a noite, faz frio. Monarca é um centauro. Se Monarca é um centauro, então Tris-
teza é uma bruxa.
Tendo como referência as proposições apresentadas, julgue Ora, sabe-se que Tristeza não é uma bruxa, logo
o item subsecutivo. (A) Esmeralda é uma fada, e Bongrado não é um elfo.
Se Maria foi ao cinema, então Fernando estava estudando. (B) Esmeralda não é uma fada, e Monarca não é um centauro.
( ) Certo (C) Bongrado é um elfo, e Monarca é um centauro.
( ) Errado (D) Bongrado é um elfo, e Esmeralda é uma fada
(E) Monarca é um centauro, e Bongrado não é um elfo.
Resolução:
A questão trata-se de lógica de argumentação, dadas as pre- Resolução:
missas chegamos a uma conclusão. Enumerando as premissas: Vamos analisar cada frase partindo da afirmativa Trizteza
A = Chove não é bruxa, considerando ela como (V), precisamos ter como
B = Maria vai ao cinema conclusão o valor lógico (V), então:
C = Cláudio fica em casa (4) Se Esmeralda é uma fada(F), então Bongrado é um elfo
D = Faz frio (F) → V
E = Fernando está estudando
F = É noite (3) Se Bongrado é um elfo (F), então Monarca é um centauro
A argumentação parte que a conclusão deve ser (V) (F) → V
Lembramos a tabela verdade da condicional: (2) Se Monarca é um centauro(F), então Tristeza é uma bru-
xa(F) → V
(1) Tristeza não é uma bruxa (V)

Logo:
Temos que:
Esmeralda não é fada(V)
Bongrado não é elfo (V)
Monarca não é um centauro (V)

19
RACIOCÍNIO LÓGICO
Como a conclusão parte da conjunção, o mesmo só será verdadeiro quando todas as afirmativas forem verdadeiras, logo, a
única que contém esse valor lógico é:
Esmeralda não é uma fada, e Monarca não é um centauro.
Resposta: B

LÓGICA MATEMÁTICA QUALITATIVA


Aqui veremos questões que envolvem correlação de elementos, pessoas e objetos fictícios, através de dados fornecidos. Veja-
mos o passo a passo:

01. Três homens, Luís, Carlos e Paulo, são casados com Lúcia, Patrícia e Maria, mas não sabemos quem ê casado com quem.
Eles trabalham com Engenharia, Advocacia e Medicina, mas também não sabemos quem faz o quê. Com base nas dicas abaixo, tente
descobrir o nome de cada marido, a profissão de cada um e o nome de suas esposas.
a) O médico é casado com Maria.
b) Paulo é advogado.
c) Patrícia não é casada com Paulo.
d) Carlos não é médico.

Vamos montar o passo a passo para que você possa compreender como chegar a conclusão da questão.
1º passo – vamos montar uma tabela para facilitar a visualização da resolução, a mesma deve conter as informações prestadas
no enunciado, nas quais podem ser divididas em três grupos: homens, esposas e profissões.

Medicina Engenharia Advocacia Lúcia Patrícia Maria


Carlos
Luís
Paulo
Lúcia
Patrícia
Maria

Também criamos abaixo do nome dos homens, o nome das esposas.

2º passo – construir a tabela gabarito.


Essa tabela não servirá apenas como gabarito, mas em alguns casos ela é fundamental para que você enxergue informações que
ficam meio escondidas na tabela principal. Uma tabela complementa a outra, podendo até mesmo que você chegue a conclusões
acerca dos grupos e elementos.

HOMENS PROFISSÕES ESPOSAS


Carlos
Luís
Paulo

3º passo preenchimento de nossa tabela, com as informações mais óbvias do problema, aquelas que não deixam margem a
nenhuma dúvida. Em nosso exemplo:
- O médico é casado com Maria: marque um “S” na tabela principal na célula comum a “Médico” e “Maria”, e um “N” nas
demais células referentes a esse “S”.

Medicina Engenharia Advocacia Lúcia Patrícia Maria


Carlos
Luís
Paulo
Lúcia N
Patrícia N
Maria S N N

20
RACIOCÍNIO LÓGICO
ATENÇÃO: se o médico é casado com Maria, ele NÃO PODE ser casado com Lúcia e Patrícia, então colocamos “N” no cru-
zamento de Medicina e elas. E se Maria é casada com o médico, logo ela NÃO PODE ser casada com o engenheiro e nem com o
advogado (logo colocamos “N” no cruzamento do nome de Maria com essas profissões).
– Paulo é advogado: Vamos preencher as duas tabelas (tabela gabarito e tabela principal) agora.
– Patrícia não é casada com Paulo: Vamos preencher com “N” na tabela principal
– Carlos não é médico: preenchemos com um “N” na tabela principal a célula comum a Carlos e “médico”.

Medicina Engenharia Advocacia Lúcia Patrícia Maria


Carlos N N
Luís S N N
Paulo N N S N
Lúcia N
Patrícia N
Maria S N N

Notamos aqui que Luís então é o médico, pois foi a célula que ficou em branco. Podemos também completar a tabela gabarito.
Novamente observamos uma célula vazia no cruzamento de Carlos com Engenharia. Marcamos um “S” nesta célula. E preen-
chemos sua tabela gabarito.

Medicina Engenharia Advocacia Lúcia Patrícia Maria


Carlos N S N
Luís S N N
Paulo N N S N
Lúcia N
Patrícia N
Maria S N N

HOMENS PROFISSÕES ESPOSAS


Carlos Engenheiro
Luís Médico
Paulo Advogado

4º passo – após as anotações feitas na tabela principal e na tabela gabarito, vamos procurar informações que levem a novas
conclusões, que serão marcadas nessas tabelas.
Observe que Maria é esposa do médico, que se descobriu ser Luís, fato que poderia ser registrado na tabela-gabarito. Mas não
vamos fazer agora, pois essa conclusão só foi facilmente encontrada porque o problema que está sendo analisado é muito simples.
Vamos continuar o raciocínio e fazer as marcações mais tarde. Além disso, sabemos que Patrícia não é casada com Paulo. Como
Paulo é o advogado, podemos concluir que Patrícia não é casada com o advogado.

Medicina Engenharia Advocacia Lúcia Patrícia Maria


Carlos N S N
Luís S N N
Paulo N N S N
Lúcia N
Patrícia N N
Maria S N N

21
RACIOCÍNIO LÓGICO
Verificamos, na tabela acima, que Patrícia tem de ser casada com o engenheiro, e Lúcia tem de ser casada com o advogado.

Medicina Engenharia Advocacia Lúcia Patrícia Maria


Carlos N S N
Luís S N N
Paulo N N S N
Lúcia N N S
Patrícia N S N
Maria S N N

Concluímos, então, que Lúcia é casada com o advogado (que é Paulo), Patrícia é casada com o engenheiro (que e Carlos) e
Maria é casada com o médico (que é Luís).
Preenchendo a tabela-gabarito, vemos que o problema está resolvido:

HOMENS PROFISSÕES ESPOSAS


Carlos Engenheiro Patrícia
Luís Médico Maria
Paulo Advogado Lúcia

Exemplo:
(TRT-9ª REGIÃO/PR – TÉCNICO JUDICIÁRIO – ÁREA ADMINISTRATIVA – FCC) Luiz, Arnaldo, Mariana e Paulo viajaram em janeiro,
todos para diferentes cidades, que foram Fortaleza, Goiânia, Curitiba e Salvador. Com relação às cidades para onde eles viajaram,
sabe-se que:
− Luiz e Arnaldo não viajaram para Salvador;
− Mariana viajou para Curitiba;
− Paulo não viajou para Goiânia;
− Luiz não viajou para Fortaleza.

É correto concluir que, em janeiro,


(A) Paulo viajou para Fortaleza.
(B) Luiz viajou para Goiânia.
(C) Arnaldo viajou para Goiânia.
(D) Mariana viajou para Salvador.
(E) Luiz viajou para Curitiba.

Resolução:
Vamos preencher a tabela:
− Luiz e Arnaldo não viajaram para Salvador;

Fortaleza Goiânia Curitiba Salvador


Luiz N
Arnaldo N
Mariana
Paulo

− Mariana viajou para Curitiba;

Fortaleza Goiânia Curitiba Salvador


Luiz N N
Arnaldo N N
Mariana N N S N
Paulo N

22
RACIOCÍNIO LÓGICO
− Paulo não viajou para Goiânia;

Fortaleza Goiânia Curitiba Salvador


Luiz N N
Arnaldo N N
Mariana N N S N
Paulo N N ATENÇÃO: Todo homem é mortal, mas nem todo mortal é
homem.
− Luiz não viajou para Fortaleza. A frase “todo homem é mortal” possui as seguintes conclu-
sões:
Fortaleza Goiânia Curitiba Salvador 1ª) Algum mortal é homem ou algum homem é mortal.
2ª) Se José é homem, então José é mortal.
Luiz N N N
Arnaldo N N A forma “Todo A é B” pode ser escrita na forma: Se A então
Mariana N N S N B.
Paulo N N A forma simbólica da expressão “Todo A é B” é a expressão
(∀ (x) (A (x) → B).
Observe que a palavra todo representa uma relação de in-
Agora, completando o restante:
clusão de conjuntos, por isso está associada ao operador da con-
Paulo viajou para Salvador, pois a nenhum dos três viajou.
dicional.
Então, Arnaldo viajou para Fortaleza e Luiz para Goiânia
Aplicando temos:
Fortaleza Goiânia Curitiba Salvador x + 2 = 5 é uma sentença aberta. Agora, se escrevermos da
Luiz N S N N forma ∀ (x) ∈ N / x + 2 = 5 ( lê-se: para todo pertencente a N
temos x + 2 = 5), atribuindo qualquer valor a x a sentença será
Arnaldo S N N N
verdadeira?
Mariana N N S N A resposta é NÃO, pois depois de colocarmos o quantifica-
Paulo N N N S dor, a frase passa a possuir sujeito e predicado definidos e pode-
mos julgar, logo, é uma proposição lógica.
Resposta: B
• Quantificador existencial (∃)
Quantificador O símbolo ∃ pode ser lido das seguintes formas:
É um termo utilizado para quantificar uma expressão. Os
quantificadores são utilizados para transformar uma sentença
aberta ou proposição aberta em uma proposição lógica.

QUANTIFICADOR + SENTENÇA ABERTA = SENTENÇA FECHADA

Tipos de quantificadores
Exemplo:
“Algum matemático é filósofo.” O diagrama lógico dessa fra-
• Quantificador universal (∀)
se é:
O símbolo ∀ pode ser lido das seguintes formas:

Exemplo:
Todo homem é mortal.
O quantificador existencial tem a função de elemento co-
A conclusão dessa afirmação é: se você é homem, então
mum. A palavra algum, do ponto de vista lógico, representa ter-
será mortal.
mos comuns, por isso “Algum A é B” possui a seguinte forma
Na representação do diagrama lógico, seria:
simbólica: (∃ (x)) (A (x) ∧ B).

Aplicando temos:
x + 2 = 5 é uma sentença aberta. Escrevendo da forma (∃ x)
∈ N / x + 2 = 5 (lê-se: existe pelo menos um x pertencente a N
tal que x + 2 = 5), atribuindo um valor que, colocado no lugar de
x, a sentença será verdadeira?

23
RACIOCÍNIO LÓGICO
A resposta é SIM, pois depois de colocarmos o quantificador, a frase passou a possuir sujeito e predicado definidos e podemos
julgar, logo, é uma proposição lógica.

ATENÇÃO:
– A palavra todo não permite inversão dos termos: “Todo A é B” é diferente de “Todo B é A”.
– A palavra algum permite a inversão dos termos: “Algum A é B” é a mesma coisa que “Algum B é A”.

Forma simbólica dos quantificadores


Todo A é B = (∀ (x) (A (x) → B).
Algum A é B = (∃ (x)) (A (x) ∧ B).
Nenhum A é B = (~ ∃ (x)) (A (x) ∧ B).
Algum A não é B= (∃ (x)) (A (x) ∧ ~ B).

Exemplos:
Todo cavalo é um animal. Logo,
(A) Toda cabeça de animal é cabeça de cavalo.
(B) Toda cabeça de cavalo é cabeça de animal.
(C) Todo animal é cavalo.
(D) Nenhum animal é cavalo.

Resolução:
A frase “Todo cavalo é um animal” possui as seguintes conclusões:
– Algum animal é cavalo ou Algum cavalo é um animal.
– Se é cavalo, então é um animal.
Nesse caso, nossa resposta é toda cabeça de cavalo é cabeça de animal, pois mantém a relação de “está contido” (segunda
forma de conclusão).
Resposta: B

(CESPE) Se R é o conjunto dos números reais, então a proposição (∀ x) (x ∈ R) (∃ y) (y ∈ R) (x + y = x) é valorada como V.

Resolução:
Lemos: para todo x pertencente ao conjunto dos números reais (R) existe um y pertencente ao conjunto dos números dos reais
(R) tal que x + y = x.
– 1º passo: observar os quantificadores.
X está relacionado com o quantificador universal, logo, todos os valores de x devem satisfazer a propriedade.
Y está relacionado com o quantificador existencial, logo, é necessário pelo menos um valor de x para satisfazer a propriedade.
– 2º passo: observar os conjuntos dos números dos elementos x e y.
O elemento x pertence ao conjunto dos números reais.
O elemento y pertence ao conjunto os números reais.
– 3º passo: resolver a propriedade (x+ y = x).
A pergunta: existe algum valor real para y tal que x + y = x?
Existe sim! y = 0.
X + 0 = X.
Como existe pelo menos um valor para y e qualquer valor de x somado a 0 será igual a x, podemos concluir que o item está
correto.
Resposta: CERTO

24
RACIOCÍNIO LÓGICO

NÚMEROS INTEIROS, RACIONAIS E REAIS E SUAS OPERAÇÕES

Conjunto dos números inteiros - z


O conjunto dos números inteiros é a reunião do conjunto dos números naturais N = {0, 1, 2, 3, 4,..., n,...},(N C Z); o conjunto dos
opostos dos números naturais e o zero. Representamos pela letra Z.

N C Z (N está contido em Z)

Subconjuntos:

SÍMBOLO REPRESENTAÇÃO DESCRIÇÃO


* Z* Conjunto dos números inteiros não nulos
+ Z+ Conjunto dos números inteiros não negativos
*e+ Z*+ Conjunto dos números inteiros positivos
- Z_ Conjunto dos números inteiros não positivos
*e- Z*_ Conjunto dos números inteiros negativos

Observamos nos números inteiros algumas características:


• Módulo: distância ou afastamento desse número até o zero, na reta numérica inteira. Representa-se o módulo por | |. O
módulo de qualquer número inteiro, diferente de zero, é sempre positivo.
• Números Opostos: dois números são opostos quando sua soma é zero. Isto significa que eles estão a mesma distância da
origem (zero).

Somando-se temos: (+4) + (-4) = (-4) + (+4) = 0

Operações
• Soma ou Adição: Associamos aos números inteiros positivos a ideia de ganhar e aos números inteiros negativos a ideia de
perder.

ATENÇÃO: O sinal (+) antes do número positivo pode ser dispensado, mas o sinal (–) antes do número negativo nunca pode
ser dispensado.

• Subtração: empregamos quando precisamos tirar uma quantidade de outra quantidade; temos duas quantidades e queremos
saber quanto uma delas tem a mais que a outra; temos duas quantidades e queremos saber quanto falta a uma delas para atingir a
outra. A subtração é a operação inversa da adição. O sinal sempre será do maior número.

25
RACIOCÍNIO LÓGICO
ATENÇÃO: todos parênteses, colchetes, chaves, números, ..., entre outros, precedidos de sinal negativo, tem o seu sinal in-
vertido, ou seja, é dado o seu oposto.

Exemplo:
(FUNDAÇÃO CASA – AGENTE EDUCACIONAL – VUNESP) Para zelar pelos jovens internados e orientá-los a respeito do uso adequado
dos materiais em geral e dos recursos utilizados em atividades educativas, bem como da preservação predial, realizou-se uma dinâmica
elencando “atitudes positivas” e “atitudes negativas”, no entendimento dos elementos do grupo. Solicitou-se que cada um classificasse
suas atitudes como positiva ou negativa, atribuindo (+4) pontos a cada atitude positiva e (-1) a cada atitude negativa. Se um jovem classi-
ficou como positiva apenas 20 das 50 atitudes anotadas, o total de pontos atribuídos foi
(A) 50.
(B) 45.
(C) 42.
(D) 36.
(E) 32.

Resolução:
50-20=30 atitudes negativas
20.4=80
30.(-1)=-30
80-30=50
Resposta: A

• Multiplicação: é uma adição de números/ fatores repetidos. Na multiplicação o produto dos números a e b, pode ser indicado
por a x b, a . b ou ainda ab sem nenhum sinal entre as letras.

• Divisão: a divisão exata de um número inteiro por outro número inteiro, diferente de zero, dividimos o módulo do dividendo
pelo módulo do divisor.

ATENÇÃO:
1) No conjunto Z, a divisão não é comutativa, não é associativa e não tem a propriedade da existência do elemento neutro.
2) Não existe divisão por zero.
3) Zero dividido por qualquer número inteiro, diferente de zero, é zero, pois o produto de qualquer número inteiro por zero é
igual a zero.

Na multiplicação e divisão de números inteiros é muito importante a REGRA DE SINAIS:

Sinais iguais (+) (+); (-) (-) = resultado sempre positivo.


Sinais diferentes (+) (-); (-) (+) = resultado sempre negativo.

Exemplo:
(PREF.DE NITERÓI) Um estudante empilhou seus livros, obtendo uma única pilha 52cm de altura. Sabendo que 8 desses livros
possui uma espessura de 2cm, e que os livros restantes possuem espessura de 3cm, o número de livros na pilha é:
(A) 10
(B) 15
(C) 18
(D) 20
(E) 22
Resolução:
São 8 livros de 2 cm: 8.2 = 16 cm
Como eu tenho 52 cm ao todo e os demais livros tem 3 cm, temos:
52 - 16 = 36 cm de altura de livros de 3 cm
36 : 3 = 12 livros de 3 cm
O total de livros da pilha: 8 + 12 = 20 livros ao todo.
Resposta: D

• Potenciação: A potência an do número inteiro a, é definida como um produto de n fatores iguais. O número a é denominado
a base e o número n é o expoente.an = a x a x a x a x ... x a , a é multiplicado por a n vezes. Tenha em mente que:
– Toda potência de base positiva é um número inteiro positivo.
– Toda potência de base negativa e expoente par é um número inteiro positivo.
– Toda potência de base negativa e expoente ímpar é um número inteiro negativo.

26
RACIOCÍNIO LÓGICO
Propriedades da Potenciação
1) Produtos de Potências com bases iguais: Conserva-se a base e somam-se os expoentes. (–a)3 . (–a)6 = (–a)3+6 = (–a)9
2) Quocientes de Potências com bases iguais: Conserva-se a base e subtraem-se os expoentes. (-a)8 : (-a)6 = (-a)8 – 6 = (-a)2
3) Potência de Potência: Conserva-se a base e multiplicam-se os expoentes. [(-a)5]2 = (-a)5 . 2 = (-a)10
4) Potência de expoente 1: É sempre igual à base. (-a)1 = -a e (+a)1 = +a
5) Potência de expoente zero e base diferente de zero: É igual a 1. (+a)0 = 1 e (–b)0 = 1

Conjunto dos números racionais – Q m


Um número racional é o que pode ser escrito na forma n , onde m e n são números inteiros, sendo que n deve ser diferente de
zero. Frequentemente usamos m/n para significar a divisão de m por n.

N C Z C Q (N está contido em Z que está contido em Q)

Subconjuntos:

SÍMBOLO REPRESENTAÇÃO DESCRIÇÃO

* Q* Conjunto dos números racionais não nulos

+ Q+ Conjunto dos números racionais não negativos


*e+ Q*+ Conjunto dos números racionais positivos
- Q_ Conjunto dos números racionais não positivos
*e- Q*_ Conjunto dos números racionais negativos

Representação decimal
Podemos representar um número racional, escrito na forma de fração, em número decimal. Para isso temos duas maneiras
possíveis:
1º) O numeral decimal obtido possui, após a vírgula, um número finito de algarismos. Decimais Exatos:

2
= 0,4
5

2º) O numeral decimal obtido possui, após a vírgula, infinitos algarismos (nem todos nulos), repetindo-se periodicamente De-
cimais Periódicos ou Dízimas Periódicas:

1
= 0,333...
3

Representação Fracionária
É a operação inversa da anterior. Aqui temos duas maneiras possíveis:

1) Transformando o número decimal em uma fração numerador é o número decimal sem a vírgula e o denominador é composto
pelo numeral 1, seguido de tantos zeros quantas forem as casas decimais do número decimal dado. Ex.:
0,035 = 35/1000

27
RACIOCÍNIO LÓGICO
2) Através da fração geratriz. Aí temos o caso das dízimas periódicas que podem ser simples ou compostas.
– Simples: o seu período é composto por um mesmo número ou conjunto de números que se repeti infinitamente. Exemplos:

Procedimento: para transformarmos uma dízima periódica simples em fração basta utilizarmos o dígito 9 no denominador para
cada quantos dígitos tiver o período da dízima.

– Composta: quando a mesma apresenta um ante período que não se repete.

a)

Procedimento: para cada algarismo do período ainda se coloca um algarismo 9 no denominador. Mas, agora, para cada algaris-
mo do antiperíodo se coloca um algarismo zero, também no denominador.

b)

Procedimento: é o mesmo aplicado ao item “a”, acrescido na frente da parte inteira (fração mista), ao qual transformamos e
obtemos a fração geratriz.

28
RACIOCÍNIO LÓGICO
Exemplo: • Subtração: a subtração de dois números racionais p e q é
(PREF. NITERÓI) Simplificando a expressão abaixo a própria operação de adição do número p com o oposto de q,
isto é: p – q = p + (–q)

Obtém-se :

(A) ½
(B) 1
(C) 3/2 ATENÇÃO: Na adição/subtração se o denominador for
(D) 2 igual, conserva-se os denominadores e efetua-se a operação
(E) 3 apresentada.

Resolução: Exemplo:
(PREF. JUNDIAI/SP – AGENTE DE SERVIÇOS OPERACIONAIS
– MAKIYAMA) Na escola onde estudo, ¼ dos alunos tem a lín-
gua portuguesa como disciplina favorita, 9/20 têm a matemática
como favorita e os demais têm ciências como favorita. Sendo
assim, qual fração representa os alunos que têm ciências como
disciplina favorita?
(A) 1/4
(B) 3/10
(C) 2/9
(D) 4/5
Resposta: B (E) 3/2

Caraterísticas dos números racionais Resolução:


O módulo e o número oposto são as mesmas dos números Somando português e matemática:
inteiros.

Inverso: dado um número racional a/b o inverso desse nú-


mero (a/b)–n, é a fração onde o numerador vira denominador e o
denominador numerador (b/a)n.
O que resta gosta de ciências:

Resposta: B

Representação geométrica • Multiplicação: como todo número racional é uma fração


ou pode ser escrito na forma de uma fração, definimos o pro-
duto de dois números racionais a e c , da mesma forma que o
d
produto de frações, através de: b

Observa-se que entre dois inteiros consecutivos existem in-


finitos números racionais.
• Divisão: a divisão de dois números racionais p e q é a pró-
Operações pria operação de multiplicação do número p pelo inverso de q,
• Soma ou adição: como todo número racional é uma fração isto é: p ÷ q = p × q-1
ou pode ser escrito na forma de uma fração, definimos a adi-
ção entre os números racionais a e c , da mesma forma que a
soma de frações, através de: b d

29
RACIOCÍNIO LÓGICO
Exemplo: C) Toda potência com expoente par é um número positivo.
(PM/SE – SOLDADO 3ªCLASSE – FUNCAB) Numa operação
policial de rotina, que abordou 800 pessoas, verificou-se que 3/4
dessas pessoas eram homens e 1/5 deles foram detidos. Já entre
as mulheres abordadas, 1/8 foram detidas.
Qual o total de pessoas detidas nessa operação policial?
(A) 145
(B) 185
(C) 220
(D) 260 Expressões numéricas
(E) 120 São todas sentenças matemáticas formadas por números,
suas operações (adições, subtrações, multiplicações, divisões,
Resolução: potenciações e radiciações) e também por símbolos chamados
de sinais de associação, que podem aparecer em uma única ex-
pressão.

Procedimentos
1) Operações:
- Resolvermos primeiros as potenciações e/ou radiciações
na ordem que aparecem;
- Depois as multiplicações e/ou divisões;
- Por último as adições e/ou subtrações na ordem que apa-
recem.

2) Símbolos:
- Primeiro, resolvemos os parênteses ( ), até acabarem os
cálculos dentro dos parênteses,
-Depois os colchetes [ ];
- E por último as chaves { }.
Resposta: A
ATENÇÃO:
• Potenciação: é válido as propriedades aplicadas aos nú- – Quando o sinal de adição (+) anteceder um parêntese, col-
meros inteiros. Aqui destacaremos apenas as que se aplicam chetes ou chaves, deveremos eliminar o parêntese, o colchete
aos números racionais. ou chaves, na ordem de resolução, reescrevendo os números
internos com os seus sinais originais.
A) Toda potência com expoente negativo de um número ra- – Quando o sinal de subtração (-) anteceder um parêntese,
cional diferente de zero é igual a outra potência que tem a base colchetes ou chaves, deveremos eliminar o parêntese, o colche-
igual ao inverso da base anterior e o expoente igual ao oposto te ou chaves, na ordem de resolução, reescrevendo os números
do expoente anterior. internos com os seus sinais invertidos.

Exemplo:
(MANAUSPREV – ANALISTA PREVIDENCIÁRIO – ADMINIS-
TRATIVA – FCC) Considere as expressões numéricas, abaixo.
A = 1/2 + 1/4+ 1/8 + 1/16 + 1/32 e
B = 1/3 + 1/9 + 1/27 + 1/81 + 1/243

B) Toda potência com expoente ímpar tem o mesmo sinal O valor, aproximado, da soma entre A e B é
da base. (A) 2
(B) 3
(C) 1
(D) 2,5
(E) 1,5

30
RACIOCÍNIO LÓGICO
Resolução: No quadro abaixo temos um resumo de alguns dos critérios:
Vamos resolver cada expressão separadamente:

Resposta: E

Múltiplos
Dizemos que um número é múltiplo de outro quando o pri-
meiro é resultado da multiplicação entre o segundo e algum nú-
mero natural e o segundo, nesse caso, é divisor do primeiro. O
que significa que existem dois números, x e y, tal que x é múlti-
plo de y se existir algum número natural n tal que: (Fonte: https://www.guiadamatematica.com.br/criterios-de-di-
x = y·n visibilidade/ - reeditado)

Se esse número existir, podemos dizer que y é um divisor de Vale ressaltar a divisibilidade por 7: Um número é divisível
x e podemos escrever: x = n/y por 7 quando o último algarismo do número, multiplicado por 2,
subtraído do número sem o algarismo, resulta em um número
Observações: múltiplo de 7. Neste, o processo será repetido a fim de diminuir
1) Todo número natural é múltiplo de si mesmo. a quantidade de algarismos a serem analisados quanto à divisi-
2) Todo número natural é múltiplo de 1. bilidade por 7.
3) Todo número natural, diferente de zero, tem infinitos
múltiplos. Outros critérios
4) O zero é múltiplo de qualquer número natural. Divisibilidade por 12: Um número é divisível por 12 quando
5) Os múltiplos do número 2 são chamados de números pa- é divisível por 3 e por 4 ao mesmo tempo.
res, e a fórmula geral desses números é 2k (k ∈ N). Os demais Divisibilidade por 15: Um número é divisível por 15 quando
são chamados de números ímpares, e a fórmula geral desses nú- é divisível por 3 e por 5 ao mesmo tempo.
meros é 2k + 1 (k ∈ N).
6) O mesmo se aplica para os números inteiros, tendo k ∈ Z. Fatoração numérica
Trata-se de decompor o número em fatores primos. Para
Critérios de divisibilidade decompormos este número natural em fatores primos, dividi-
São regras práticas que nos possibilitam dizer se um número mos o mesmo pelo seu menor divisor primo, após pegamos o
é ou não divisível por outro, sem que seja necessário efetuarmos quociente e dividimos o pelo seu menor divisor, e assim suces-
a divisão. sivamente até obtermos o quociente 1. O produto de todos os
fatores primos representa o número fatorado. Exemplo:

31
RACIOCÍNIO LÓGICO
Divisores
Os divisores de um número n, é o conjunto formado por todos os números que o dividem exatamente. Tomemos como exemplo
o número 12.

Um método para descobrimos os divisores é através da fatoração numérica. O número de divisores naturais é igual ao produto
dos expoentes dos fatores primos acrescidos de 1.
Logo o número de divisores de 12 são:

Para sabermos quais são esses 6 divisores basta pegarmos cada fator da decomposição e seu respectivo expoente natural que
varia de zero até o expoente com o qual o fator se apresenta na decomposição do número natural.
12 = 22 . 31 =
22 = 20,21 e 22 ; 31 = 30 e 31, teremos:
20 . 30=1
20 . 31=3
21 . 30=2
21 . 31=2.3=6
22 . 31=4.3=12
22 . 30=4

O conjunto de divisores de 12 são: D (12)={1, 2, 3, 4, 6, 12}


A soma dos divisores é dada por: 1 + 2 + 3 + 4 + 6 + 12 = 28

Máximo divisor comum (MDC)


É o maior número que é divisor comum de todos os números dados. Para o cálculo do MDC usamos a decomposição em fatores
primos. Procedemos da seguinte maneira:
Após decompor em fatores primos, o MDC é o produto dos FATORES COMUNS obtidos, cada um deles elevado ao seu MENOR
EXPOENTE.

Exemplo:
MDC (18,24,42) =

Observe que os fatores comuns entre eles são: 2 e 3, então pegamos os de menores expoentes: 2x3 = 6. Logo o Máximo Divisor
Comum entre 18,24 e 42 é 6.

32
RACIOCÍNIO LÓGICO
Mínimo múltiplo comum (MMC) (CEFET – AUXILIAR EM ADMINISTRAÇÃO – CESGRANRIO)
É o menor número positivo que é múltiplo comum de todos Em três meses, Fernando depositou, ao todo, R$ 1.176,00 em
os números dados. A técnica para acharmos é a mesma do MDC, sua caderneta de poupança. Se, no segundo mês, ele deposi-
apenas com a seguinte ressalva: tou R$ 126,00 a mais do que no primeiro e, no terceiro mês, R$
O MMC é o produto dos FATORES COMUNS E NÃO-CO- 48,00 a menos do que no segundo, qual foi o valor depositado
MUNS, cada um deles elevado ao SEU MAIOR EXPOENTE. no segundo mês?
Pegando o exemplo anterior, teríamos: (A) R$ 498,00
MMC (18,24,42) = (B) R$ 450,00
Fatores comuns e não-comuns= 2,3 e 7 (C) R$ 402,00
Com maiores expoentes: 2³x3²x7 = 8x9x7 = 504. Logo o Mí- (D) R$ 334,00
nimo Múltiplo Comum entre 18,24 e 42 é 504. (E) R$ 324,00

Temos ainda que o produto do MDC e MMC é dado por: Resolução:


MDC (A,B). MMC (A,B)= A.B Primeiro mês = x
Segundo mês = x + 126
Os cálculos desse tipo de problemas, envolvem adições e Terceiro mês = x + 126 – 48 = x + 78
subtrações, posteriormente as multiplicações e divisões. Depois Total = x + x + 126 + x + 78 = 1176
os problemas são resolvidos com a utilização dos fundamentos 3.x = 1176 – 204
algébricos, isto é, criamos equações matemáticas com valores x = 972 / 3
desconhecidos (letras). Observe algumas situações que podem x = R$ 324,00 (1º mês)
ser descritas com utilização da álgebra. * No 2º mês: 324 + 126 = R$ 450,00
É bom ter mente algumas situações que podemos encon- Resposta: B
trar:
(PREFEITURA MUNICIPAL DE RIBEIRÃO PRETO/SP – AGEN-
TE DE ADMINISTRAÇÃO – VUNESP) Uma loja de materiais elétri-
cos testou um lote com 360 lâmpadas e constatou que a razão
entre o número de lâmpadas queimadas e o número de lâmpa-
das boas era 2 / 7. Sabendo-se que, acidentalmente, 10 lâmpa-
das boas quebraram e que lâmpadas queimadas ou quebradas
não podem ser vendidas, então a razão entre o número de lâm-
padas que não podem ser vendidas e o número de lâmpadas
boas passou a ser de
(A) 1 / 4.
(B) 1 / 3.
Exemplos: (C) 2 / 5.
(PREF. GUARUJÁ/SP – SEDUC – PROFESSOR DE MATEMÁ- (D) 1 / 2.
TICA – CAIPIMES) Sobre 4 amigos, sabe-se que Clodoaldo é 5 (E) 2 / 3.
centímetros mais alto que Mônica e 10 centímetros mais baixo
que Andreia. Sabe-se também que Andreia é 3 centímetros mais Resolução:
alta que Doralice e que Doralice não é mais baixa que Clodoaldo. Chamemos o número de lâmpadas queimadas de ( Q ) e o
Se Doralice tem 1,70 metros, então é verdade que Mônica tem, número de lâmpadas boas de ( B ). Assim:
de altura: B + Q = 360 , ou seja, B = 360 – Q ( I )
(A) 1,52 metros.
(B) 1,58 metros.
(C) 1,54 metros. , ou seja, 7.Q = 2.B ( II )
(D) 1,56 metros.
Substituindo a equação ( I ) na equação ( II ), temos:
Resolução: 7.Q = 2. (360 – Q)
Escrevendo em forma de equações, temos: 7.Q = 720 – 2.Q
C = M + 0,05 ( I ) 7.Q + 2.Q = 720
C = A – 0,10 ( II ) 9.Q = 720
A = D + 0,03 ( III ) Q = 720 / 9
D não é mais baixa que C Q = 80 (queimadas)
Se D = 1,70 , então: Como 10 lâmpadas boas quebraram, temos:
( III ) A = 1,70 + 0,03 = 1,73 Q’ = 80 + 10 = 90 e B’ = 360 – 90 = 270
( II ) C = 1,73 – 0,10 = 1,63
( I ) 1,63 = M + 0,05
M = 1,63 – 0,05 = 1,58 m
Resposta: B Resposta: B

33
RACIOCÍNIO LÓGICO
Fração é todo número que pode ser escrito da seguinte for-
ma a/b, com b≠0. Sendo a o numerador e b o denominador.
Uma fração é uma divisão em partes iguais. Observe a figura:

O MMC entre os denominadores (3,2) = 6

• Multiplicação e Divisão
Multiplicação: É produto dos numerados pelos denomina-
O numerador indica quantas partes tomamos do total que dores dados. Ex.:
foi dividida a unidade.
O denominador indica quantas partes iguais foi dividida a
unidade.
Lê-se: um quarto.

Atenção:
• Frações com denominadores de 1 a 10: meios, terços,
quartos, quintos, sextos, sétimos, oitavos, nonos e décimos.
• Frações com denominadores potências de 10: décimos,
centésimos, milésimos, décimos de milésimos, centésimos de – Divisão: É igual a primeira fração multiplicada pelo inverso
milésimos etc. da segunda fração. Ex.:
• Denominadores diferentes dos citados anteriormente:
Enuncia-se o numerador e, em seguida, o denominador seguido
da palavra “avos”.

Tipos de frações
– Frações Próprias: Numerador é menor que o denomina-
dor. Ex.: 7/15 Obs.: Sempre que possível podemos simplificar o resultado
– Frações Impróprias: Numerador é maior ou igual ao deno- da fração resultante de forma a torna-la irredutível.
minador. Ex.: 6/7
– Frações aparentes: Numerador é múltiplo do denomina- Exemplo:
dor. As mesmas pertencem também ao grupo das frações im- (EBSERH/HUPES – UFBA – TÉCNICO EM INFORMÁTICA – IA-
próprias. Ex.: 6/3 DES) O suco de três garrafas iguais foi dividido igualmente entre
– Frações mistas: Números compostos de uma parte inteira 5 pessoas. Cada uma recebeu
e outra fracionária. Podemos transformar uma fração imprópria
na forma mista e vice e versa. Ex.: 1 1/12 (um inteiro e um doze (A)
avos)
– Frações equivalentes: Duas ou mais frações que apresen-
tam a mesma parte da unidade. Ex.: 2/4 = 1/2 (B)
– Frações irredutíveis: Frações onde o numerador e o deno-
minador são primos entre si. Ex.: 5/11 ;
(C)
Operações com frações

• Adição e Subtração (D)


Com mesmo denominador: Conserva-se o denominador e
soma-se ou subtrai-se os numeradores.
(E)

Resolução:
Se cada garrafa contém X litros de suco, e eu tenho 3 garrafas,
Com denominadores diferentes: é necessário reduzir ao então o total será de 3X litros de suco. Precisamos dividir essa
mesmo denominador através do MMC entre os denominadores. quantidade de suco (em litros) para 5 pessoas, logo teremos:
Usamos tanto na adição quanto na subtração.

Onde x é litros de suco, assim a fração que cada um recebeu


de suco é de 3/5 de suco da garrafa.
Resposta: B

34
RACIOCÍNIO LÓGICO

PORCENTAGEM

São chamadas de razões centesimais ou taxas percentuais ou simplesmente de porcentagem, as razões de denominador 100, ou
seja, que representam a centésima parte de uma grandeza. Costumam ser indicadas pelo numerador seguido do símbolo %. (Lê-se:
“por cento”).

Exemplo:
(CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS/SP – ANALISTA TÉCNICO LEGISLATIVO – DESIGNER GRÁFICO – VUNESP) O
departamento de Contabilidade de uma empresa tem 20 funcionários, sendo que 15% deles são estagiários. O departamento de
Recursos Humanos tem 10 funcionários, sendo 20% estagiários. Em relação ao total de funcionários desses dois departamentos, a
fração de estagiários é igual a
(A) 1/5.
(B) 1/6.
(C) 2/5.
(D) 2/9.
(E) 3/5.

Resolução:

Resposta: B

Lucro e Prejuízo em porcentagem


É a diferença entre o preço de venda e o preço de custo. Se a diferença for POSITIVA, temos o LUCRO (L), caso seja NEGATIVA,
temos PREJUÍZO (P).

Logo: Lucro (L) = Preço de Venda (V) – Preço de Custo (C).

Exemplo:
(CÂMARA DE SÃO PAULO/SP – TÉCNICO ADMINISTRATIVO – FCC) O preço de venda de um produto, descontado um imposto
de 16% que incide sobre esse mesmo preço, supera o preço de compra em 40%, os quais constituem o lucro líquido do vendedor.
Em quantos por cento, aproximadamente, o preço de venda é superior ao de compra?
(A) 67%.
(B) 61%.
(C) 65%.
(D) 63%.
(E) 69%.

35
RACIOCÍNIO LÓGICO
Resolução:
Preço de venda: V
Preço de compra: C
V – 0,16V = 1,4C
0,84V = 1,4C

O preço de venda é 67% superior ao preço de compra.


Resposta: A

Aumento e Desconto em porcentagem


– Aumentar um valor V em p%, equivale a multiplicá-lo por

Logo:

- Diminuir um valor V em p%, equivale a multiplicá-lo por

Logo:

Fator de multiplicação

É o valor final de , é o que chamamos de fator de multiplicação, muito útil para resolução de cálculos
de porcentagem. O mesmo pode ser um acréscimo ou decréscimo no valor do produto.

Aumentos e Descontos sucessivos em porcentagem


São valores que aumentam ou diminuem sucessivamente. Para efetuar os respectivos descontos ou aumentos, fazemos uso dos
fatores de multiplicação. Basta multiplicarmos o Valor pelo fator de multiplicação (acréscimo e/ou decréscimo).

Exemplo: Certo produto industrial que custava R$ 5.000,00 sofreu um acréscimo de 30% e, em seguida, um desconto de 20%.
Qual o preço desse produto após esse acréscimo e desconto?

Resolução:
VA = 5000 .(1,3) = 6500 e
VD = 6500 .(0,80) = 5200, podemos, para agilizar os cálculos, juntar tudo em uma única equação:
5000 . 1,3 . 0,8 = 5200
Logo o preço do produto após o acréscimo e desconto é de R$ 5.200,00

36
RACIOCÍNIO LÓGICO
Proporção
PROPORCIONALIDADE DIRETA E INVERSA É uma igualdade entre duas frações ou duas razões.

Razão
É uma fração, sendo a e b dois números a sua razão, chama-
-se razão de a para b: a/b ou a:b , assim representados, sendo
b ≠ 0. Temos que:
Lemos: a esta para b, assim como c está para d.
Ainda temos:

Exemplo:
(SEPLAN/GO – PERITO CRIMINAL – FUNIVERSA) Em uma
ação policial, foram apreendidos 1 traficante e 150 kg de um
produto parecido com maconha. Na análise laboratorial, o peri-
to constatou que o produto apreendido não era maconha pura,
isto é, era uma mistura da Cannabis sativa com outras ervas.
Interrogado, o traficante revelou que, na produção de 5 kg desse
produto, ele usava apenas 2 kg da Cannabis sativa; o restante
era composto por várias “outras ervas”. Nesse caso, é correto • Propriedades da Proporção
afirmar que, para fabricar todo o produto apreendido, o trafi- – Propriedade Fundamental: o produto dos meios é igual ao
cante usou produto dos extremos:
(A) 50 kg de Cannabis sativa e 100 kg de outras ervas. a.d=b.c
(B) 55 kg de Cannabis sativa e 95 kg de outras ervas.
(C) 60 kg de Cannabis sativa e 90 kg de outras ervas. – A soma/diferença dos dois primeiros termos está para o pri-
(D) 65 kg de Cannabis sativa e 85 kg de outras ervas. meiro (ou para o segundo termo), assim como a soma/diferença
(E) 70 kg de Cannabis sativa e 80 kg de outras ervas. dos dois últimos está para o terceiro (ou para o quarto termo).

Resolução:
O enunciado fornece que a cada 5kg do produto temos que
2kg da Cannabis sativa e os demais outras ervas. Podemos es-
crever em forma de razão , logo :

– A soma/diferença dos antecedentes está para a soma/di-


ferença dos consequentes, assim como cada antecedente está
para o seu consequente.

Resposta: C

Razões Especiais
São aquelas que recebem um nome especial. Vejamos al-
gumas:

Velocidade: é razão entre a distância percorrida e o tempo


gasto para percorrê-la. Exemplo:
(MP/SP – AUXILIAR DE PROMOTORIA I – ADMINISTRATIVO
– VUNESP) A medida do comprimento de um salão retangular
está para a medida de sua largura assim como 4 está para 3. No
piso desse salão, foram colocados somente ladrilhos quadrados
inteiros, revestindo-o totalmente. Se cada fileira de ladrilhos, no
sentido do comprimento do piso, recebeu 28 ladrilhos, então o
Densidade: é a razão entre a massa de um corpo e o seu número mínimo de ladrilhos necessários para revestir totalmen-
volume ocupado por esse corpo. te esse piso foi igual a
(A) 588.
(B) 350.
(C) 454.
(D) 476.
(E) 382.

37
RACIOCÍNIO LÓGICO
Resolução:

Fazendo C = 28 e substituindo na proporção, temos:

4L = 28 . 3
L = 84 / 4
L = 21 ladrilhos
Assim, o total de ladrilhos foi de 28 . 21 = 588
Resposta: A

MEDIDAS DE COMPRIMENTO, ÁREA, VOLUME, MASSA E TEMPO

O sistema métrico decimal é parte integrante do Sistema de Medidas. É adotado no Brasil tendo como unidade fundamental de
medida o metro.
O Sistema de Medidas é um conjunto de medidas usado em quase todo o mundo, visando padronizar as formas de medição.

Medidas de comprimento
Os múltiplos do metro são usados para realizar medição em grandes distâncias, enquanto os submúltiplos para realizar medição
em pequenas distâncias.

UNIDADE
MÚLTIPLOS SUBMÚLTIPLOS
FUNDAMENTAL
Quilômetro Hectômetro Decâmetro Metro Decímetro Centímetro Milímetro
km hm Dam m dm cm mm
1000m 100m 10m 1m 0,1m 0,01m 0,001m

Para transformar basta seguir a tabela seguinte (esta transformação vale para todas as medidas):

Medidas de superfície e área


As unidades de área do sistema métrico correspondem às unidades de comprimento da tabela anterior.
São elas: quilômetro quadrado (km2), hectômetro quadrado (hm2), etc. As mais usadas, na prática, são o quilômetro quadrado,
o metro quadrado e o hectômetro quadrado, este muito importante nas atividades rurais com o nome de hectare (ha): 1 hm2 = 1 ha.
No caso das unidades de área, o padrão muda: uma unidade é 100 vezes a menor seguinte e não 10 vezes, como nos compri-
mentos. Entretanto, consideramos que o sistema continua decimal, porque 100 = 102. A nomenclatura é a mesma das unidades de
comprimento acrescidas de quadrado.

Vejamos as relações entre algumas essas unidades que não fazem parte do sistema métrico e as do sistema métrico decimal
(valores aproximados):
1 polegada = 25 milímetros
1 milha = 1 609 metros
1 légua = 5 555 metros
1 pé = 30 centímetros

Medidas de Volume e Capacidade


Na prática, são muitos usados o metro cúbico(m3) e o centímetro cúbico(cm3).
Nas unidades de volume, há um novo padrão: cada unidade vale 1000 vezes a unidade menor seguinte. Como 1000 = 103, o
sistema continua sendo decimal. Acrescentamos a nomenclatura cúbico.

38
RACIOCÍNIO LÓGICO
A noção de capacidade relaciona-se com a de volume. A unidade fundamental para medir capacidade é o litro (l); 1l equivale a
1 dm3.

Medidas de Massa
O sistema métrico decimal inclui ainda unidades de medidas de massa. A unidade fundamental é o grama(g). Assim as denomi-
namos: Kg – Quilograma; hg – hectograma; dag – decagrama; g – grama; dg – decigrama; cg – centigrama; mg – miligrama
Dessas unidades, só têm uso prático o quilograma, o grama e o miligrama. No dia-a-dia, usa-se ainda a tonelada (t). Medidas
Especiais:
1 Tonelada(t) = 1000 Kg
1 Arroba = 15 Kg
1 Quilate = 0,2 g

Em resumo temos:

Relações importantes

1 kg = 1l = 1 dm3
1 hm2 = 1 ha = 10.000m2
1 m3 = 1000 l
Exemplos:
(CLIN/RJ - GARI E OPERADOR DE ROÇADEIRA - COSEAC) Uma peça de um determinado tecido tem 30 metros, e para se con-
feccionar uma camisa desse tecido são necessários 15 decímetros. Com duas peças desse tecido é possível serem confeccionadas:
(A) 10 camisas
(B) 20 camisas
(C) 40 camisas
(D) 80 camisas

Resolução:
Como eu quero 2 peças desse tecido e 1 peça possui 30 metros logo:
30 . 2 = 60 m. Temos que trabalhar com todas na mesma unidade: 1 m é 10dm assim temos 60m . 10 = 600 dm, como cada
camisa gasta um total de 15 dm, temos então:
600/15 = 40 camisas.
Resposta: C

(CLIN/RJ - GARI E OPERADOR DE ROÇADEIRA - COSEAC) Um veículo tem capacidade para transportar duas toneladas de carga.
Se a carga a ser transportada é de caixas que pesam 4 quilogramas cada uma, o veículo tem capacidade de transportar no máximo:
(A) 50 caixas
(B) 100 caixas
(C) 500 caixas
(D) 1000 caixas

39
RACIOCÍNIO LÓGICO
Resolução: Um gráfico é, essencialmente, uma figura construída a partir
Uma tonelada(ton) é 1000 kg, logo 2 ton. 1000kg= 2000 kg de uma tabela; mas, enquanto a tabela fornece uma ideia mais
Cada caixa pesa 4kg precisa e possibilita uma inspeção mais rigorosa aos dados, o
2000 kg/ 4kg = 500 caixas. gráfico é mais indicado para situações que visem proporcionar
Resposta: C uma impressão mais rápida e maior facilidade de compreensão
do comportamento do fenômeno em estudo.
Os gráficos e as tabelas se prestam, portanto, a objetivos
COMPREENSÃO DE DADOS APRESENTADOS EM GRÁ- distintos, de modo que a utilização de uma forma de apresenta-
FICOS E TABELAS. NOÇÕES DE ESTATÍSTICA: MÉDIA, ção não exclui a outra.
MODA, MEDIANA E DESVIO PADRÃO Para a confecção de um gráfico, algumas regras gerais de-
vem ser observadas:
Tabelas Os gráficos, geralmente, são construídos num sistema de
A tabela é a forma não discursiva de apresentar informa- eixos chamado sistema cartesiano ortogonal. A variável inde-
ções, das quais o dado numérico se destaca como informação pendente é localizada no eixo horizontal (abscissas), enquanto a
central. Sua finalidade é apresentar os dados de modo ordena- variável dependente é colocada no eixo vertical (ordenadas). No
do, simples e de fácil interpretação, fornecendo o máximo de eixo vertical, o início da escala deverá ser sempre zero, ponto de
informação num mínimo de espaço. encontro dos eixos.
− Iguais intervalos para as medidas deverão corresponder a
Elementos da tabela iguais intervalos para as escalas. Exemplo: Se ao intervalo 10-15
Uma tabela estatística é composta de elementos essenciais kg corresponde 2 cm na escala, ao intervalo 40-45 kg também
e elementos complementares. Os elementos essenciais são: deverá corresponder 2 cm, enquanto ao intervalo 40-50 kg cor-
− Título: é a indicação que precede a tabela contendo a de- responderá 4 cm.
signação do fato observado, o local e a época em que foi estu- − O gráfico deverá possuir título, fonte, notas e legenda, ou
dado. seja, toda a informação necessária à sua compreensão, sem au-
− Corpo: é o conjunto de linhas e colunas onde estão inse- xílio do texto.
ridos os dados. − O gráfico deverá possuir formato aproximadamente qua-
− Cabeçalho: é a parte superior da tabela que indica o con- drado para evitar que problemas de escala interfiram na sua cor-
teúdo das colunas. reta interpretação.
− Coluna indicadora: é a parte da tabela que indica o con-
teúdo das linhas. Tipos de Gráficos

Os elementos complementares são: • Estereogramas: são gráficos onde as grandezas são repre-
− Fonte: entidade que fornece os dados ou elabora a tabela. sentadas por volumes. Geralmente são construídos num sistema
− Notas: informações de natureza geral, destinadas a escla- de eixos bidimensional, mas podem ser construídos num siste-
recer o conteúdo das tabelas. ma tridimensional para ilustrar a relação entre três variáveis.
− Chamadas: informações específicas destinadas a esclare-
cer ou conceituar dados numa parte da tabela. Deverão estar
indicadas no corpo da tabela, em números arábicos entre pa-
rênteses, à esquerda nas casas e à direita na coluna indicadora.
Os elementos complementares devem situar-se no rodapé da
tabela, na mesma ordem em que foram descritos.

Gráficos
Outro modo de apresentar dados estatísticos é sob uma for-
ma ilustrada, comumente chamada de gráfico. Os gráficos cons-
tituem-se numa das mais eficientes formas de apresentação de
dados.

40
RACIOCÍNIO LÓGICO
• Cartogramas: são representações em cartas geográficas
(mapas).

b) Gráfico de barras: segue as mesmas instruções que o grá-


fico de colunas, tendo a única diferença que os retângulos são
dispostos horizontalmente. É usado quando as inscrições dos re-
tângulos forem maiores que a base dos mesmos.

• Pictogramas ou gráficos pictóricos: são gráficos puramen-


te ilustrativos, construídos de modo a ter grande apelo visual,
dirigidos a um público muito grande e heterogêneo. Não devem
ser utilizados em situações que exijam maior precisão.

c) Gráfico de linhas ou curvas: neste gráfico os pontos são


dispostos no plano de acordo com suas coordenadas, e a seguir
são ligados por segmentos de reta. É muito utilizado em séries
históricas e em séries mistas quando um dos fatores de variação
é o tempo, como instrumento de comparação.
• Diagramas: são gráficos geométricos de duas dimensões,
de fácil elaboração e grande utilização. Podem ser ainda subdi-
vididos em: gráficos de colunas, de barras, de linhas ou curvas
e de setores.

a) Gráfico de colunas: neste gráfico as grandezas são compa-


radas através de retângulos de mesma largura, dispostos verti-
calmente e com alturas proporcionais às grandezas. A distância
entre os retângulos deve ser, no mínimo, igual a 1/2 e, no máxi-
mo, 2/3 da largura da base dos mesmos.

d) Gráfico em setores: é recomendado para situações em


que se deseja evidenciar o quanto cada informação representa
do total. A figura consiste num círculo onde o total (100%) repre-
senta 360°, subdividido em tantas partes quanto for necessário

41
RACIOCÍNIO LÓGICO
à representação. Essa divisão se faz por meio de uma regra de A partir das informações contidas nos gráficos, é correto
três simples. Com o auxílio de um transferidor efetuasse a mar- afirmar que:
cação dos ângulos correspondentes a cada divisão. (A) nos dias 03 e 14 choveu a mesma quantidade em Fortale-
za e Florianópolis.
(B) a quantidade de chuva acumulada no mês de março foi
maior em Fortaleza.
(C) Fortaleza teve mais dias em que choveu do que Florianópolis.
(D) choveu a mesma quantidade em Fortaleza e Florianópolis.

Resolução:
A única alternativa que contém a informação correta com
os gráficos é a C.
Resposta: C

Média Aritmética
Exemplo: Ela se divide em:
(PREF. FORTALEZA/CE – PEDAGOGIA – PREF. FORTALEZA)
“Estar alfabetizado, neste final de século, supõe saber ler e in- • Simples: é a soma de todos os seus elementos, dividida
terpretar dados apresentados de maneira organizada e cons- pelo número de elementos n.
truir representações, para formular e resolver problemas que Para o cálculo:
impliquem o recolhimento de dados e a análise de informações. Se x for a média aritmética dos elementos do conjunto nu-
Essa característica da vida contemporânea traz ao currículo de mérico A = {x1; x2; x3; ...; xn}, então, por definição:
Matemática uma demanda em abordar elementos da estatísti-
ca, da combinatória e da probabilidade, desde os ciclos iniciais”
(BRASIL, 1997).

Observe os gráficos e analise as informações.


Exemplo:
(CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS/SP – ANA-
LISTA TÉCNICO LEGISLATIVO – DESIGNER GRÁFICO – VUNESP) Na
festa de seu aniversário em 2014, todos os sete filhos de João
estavam presentes. A idade de João nessa ocasião representava
2 vezes a média aritmética da idade de seus filhos, e a razão en-
tre a soma das idades deles e a idade de João valia
(A) 1,5.
(B) 2,0.
(C) 2,5.
(D) 3,0.
(E) 3,5.

Resolução:
Foi dado que: J = 2.M

(I)

Foi pedido:

Na equação ( I ), temos que:

Resposta: E

42
RACIOCÍNIO LÓGICO
• Ponderada: é a soma dos produtos de cada elemento mul-
tiplicado pelo respectivo peso, dividida pela soma dos pesos.
Para o cálculo

Exemplo:
Na figura abaixo os segmentos AB e DA são tangentes à cir-
ATENÇÃO: A palavra média, sem especificações (aritmética cunferência determinada pelos pontos B, C e D. Sabendo-se que
ou ponderada), deve ser entendida como média aritmética. os segmentos AB e CD são paralelos, pode-se afirmar que o lado
BC é:
Exemplo:
(CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO/SP – PRO-
GRAMADOR DE COMPUTADOR – FIP) A média semestral de um
curso é dada pela média ponderada de três provas com peso
igual a 1 na primeira prova, peso 2 na segunda prova e peso 3 na
terceira. Qual a média de um aluno que tirou 8,0 na primeira, 6,5
na segunda e 9,0 na terceira?
(A) 7,0
(B) 8,0
(C) 7,8
(D) 8,4
(E) 7,2 (A) a média aritmética entre AB e CD.
(B) a média geométrica entre AB e CD.
Resolução: (C) a média harmônica entre AB e CD.
Na média ponderada multiplicamos o peso da prova pela (D) o inverso da média aritmética entre AB e CD.
sua nota e dividimos pela soma de todos os pesos, assim temos: (E) o inverso da média harmônica entre AB e CD.

Resolução:
Sendo AB paralela a CD, se traçarmos uma reta perpendicu-
lar a AB, esta será perpendicular a CD também.
Resposta: B Traçamos então uma reta perpendicular a AB, passando por
B e outra perpendicular a AB passando por D:
Média geométrica
É definida, para números positivos, como a raiz n-ésima do
produto de n elementos de um conjunto de dados.

• Aplicações
Como o próprio nome indica, a média geométrica sugere
interpretações geométricas. Podemos calcular, por exemplo, o
lado de um quadrado que possui a mesma área de um retângulo, Sendo BE perpendicular a AB temos que BE irá passar pelo
usando a definição de média geométrica. centro da circunferência, ou seja, podemos concluir que o ponto
E é ponto médio de CD.
Exemplo: Agora que ED é metade de CD, podemos dizer que o compri-
A média geométrica entre os números 12, 64, 126 e 345, é mento AF vale AB-CD/2.
dada por: Aplicamos Pitágoras no triângulo ADF:
G = R4[12 ×64×126×345] = 76,013

Média harmônica
Corresponde a quantidade de números de um conjunto di-
vididos pela soma do inverso de seus termos. Embora pareça (1)
complicado, sua formulação mostra que também é muito sim-
ples de ser calculada: Aplicamos agora no triângulo ECB:

(2)

43
RACIOCÍNIO LÓGICO
Agora diminuímos a equação (1) da equação (2):

Note, no desenho, que os segmentos AD e AB possuem o mesmo comprimento, pois são tangentes à circunferência. Vamos
então substituir na expressão acima AD = AB:

Ou seja, BC é a média geométrica entre AB e CD.


Resposta: B

PROBLEMAS DE LÓGICA E RACIOCÍNIO.

As sequências podem ser formadas por números, letras, pessoas, figuras, etc. Existem várias formas de se estabelecer uma
sequência, o importante é que existem pelo menos três elementos que caracterize a lógica de sua formação, entretanto algumas
séries necessitam de mais elementos para definir sua lógica1. Um bom conhecimento em Progressões Algébricas (PA) e Geométri-
cas (PG), fazem com que deduzir as sequências se tornem simples e sem complicações. E o mais importante é estar atento a vários
detalhes que elas possam oferecer. Exemplos:

Progressão Aritmética: Soma-se constantemente um mesmo número.

Progressão Geométrica: Multiplica-se constantemente um mesmo número.

Sequência de Figuras: Esse tipo de sequência pode seguir o mesmo padrão visto na sequência de pessoas ou simplesmente
sofrer rotações, como nos exemplos a seguir. Exemplos:

Exemplos:
Analise a sequência a seguir:

Admitindo-se que a regra de formação das figuras seguintes permaneça a mesma, pode-se afirmar que a figura que ocuparia a
277ª posição dessa sequência é:

1 https://centraldefavoritos.com.br/2017/07/21/sequencias-com-numeros-com-figuras-de-palavras/

44
RACIOCÍNIO LÓGICO
Resolução:
A sequência das figuras completa-se na 5ª figura. Assim, continua-se a sequência de 5 em 5 elementos. A figura de número 277
ocupa, então, a mesma posição das figuras que representam número 5n + 2, com n N. Ou seja, a 277ª figura corresponde à 2ª figura,
que é representada pela letra “B”.
Resposta: B

(CÂMARA DE ARACRUZ/ES - AGENTE ADMINISTRATIVO E LEGISLATIVO - IDECAN) A sequência formada pelas figuras representa
as posições, a cada 12 segundos, de uma das rodas de um carro que mantém velocidade constante. Analise-a.

Após 25 minutos e 48 segundos, tempo no qual o carro permanece nessa mesma condição, a posição da roda será:

Resolução:
A roda se mexe a cada 12 segundos. Percebe-se que ela volta ao seu estado inicial após 48 segundos.
O examinador quer saber, após 25 minutos e 48 segundos qual será a posição da roda. Vamos transformar tudo para segundos:
25 minutos = 1500 segundos (60x25)
1500 + 48 (25m e 48s) = 1548
Agora é só dividir por 48 segundos (que é o tempo que levou para roda voltar à posição inicial)
1548 / 48 = vai ter o resto “12”.
Portanto, após 25 minutos e 48 segundos, a roda vai estar na posição dos 12 segundos.
Resposta: B

PROBLEMAS DE CONTAGEM E NOÇÕES DE PROBABILIDADE

A Análise Combinatória é a parte da Matemática que desenvolve meios para trabalharmos com problemas de contagem. Ve-
jamos eles:

Princípio fundamental de contagem (PFC)


É o total de possibilidades de o evento ocorrer.

• Princípio multiplicativo: P1. P2. P3. ... .Pn.(regra do “e”). É um princípio utilizado em sucessão de escolha, como ordem.
• Princípio aditivo: P1 + P2 + P3 + ... + Pn. (regra do “ou”). É o princípio utilizado quando podemos escolher uma coisa ou outra.

Exemplos:
(BNB) Apesar de todos os caminhos levarem a Roma, eles passam por diversos lugares antes. Considerando-se que existem três
caminhos a seguir quando se deseja ir da cidade A para a cidade B, e que existem mais cinco opções da cidade B para Roma, qual a
quantidade de caminhos que se pode tomar para ir de A até Roma, passando necessariamente por B?
(A) Oito.
(B) Dez.
(C) Quinze.
(D) Dezesseis.
(E) Vinte.

45
RACIOCÍNIO LÓGICO
Resolução:
Observe que temos uma sucessão de escolhas:
Primeiro, de A para B e depois de B para Roma.
1ª possibilidade: 3 (A para B).
Obs.: o número 3 representa a quantidade de escolhas para
a primeira opção. Onde:
n = Quantidade total de elementos no conjunto.
2ª possibilidade: 5 (B para Roma). P =Quantidade de elementos por arranjo
Temos duas possibilidades: A para B depois B para Roma, Exemplo: Uma escola possui 18 professores. Entre eles, se-
logo, uma sucessão de escolhas. rão escolhidos: um diretor, um vice-diretor e um coordenador
Resultado: 3 . 5 = 15 possibilidades. pedagógico. Quantas as possibilidades de escolha?
Resposta: C. n = 18 (professores)
p = 3 (cargos de diretor, vice-diretor e coordenador peda-
(PREF. CHAPECÓ/SC – ENGENHEIRO DE TRÂNSITO – IOBV) gógico)
Em um restaurante os clientes têm a sua disposição, 6 tipos de
carnes, 4 tipos de cereais, 4 tipos de sobremesas e 5 tipos de
sucos. Se o cliente quiser pedir 1 tipo carne, 1 tipo de cereal, 1
tipo de sobremesa e 1 tipo de suco, então o número de opções
diferentes com que ele poderia fazer o seu pedido, é:
(A) 19 • Com repetição
(B) 480 Os elementos que compõem o conjunto podem aparecer re-
(C) 420 petidos em um agrupamento, ou seja, ocorre a repetição de um
(D) 90 mesmo elemento em um agrupamento.
A fórmula geral para o arranjo com repetição é representa-
Resolução: da por:
A questão trata-se de princípio fundamental da contagem,
logo vamos enumerar todas as possibilidades de fazermos o pe-
dido:
6 x 4 x 4 x 5 = 480 maneiras.
Resposta: B.
Exemplo: Seja P um conjunto com elementos: P = {A,B,C,D},
Fatorial tomando os agrupamentos de dois em dois, considerando o ar-
Sendo n um número natural, chama-se de n! (lê-se: n fato- ranjo com repetição quantos agrupamentos podemos obter em
rial) a expressão: relação ao conjunto P.
n! = n (n - 1) (n - 2) (n - 3). ... .2 . 1, como n ≥ 2.
Resolução:
Exemplos: P = {A, B, C, D}
5! = 5 . 4 . 3 . 2 . 1 = 120. n=4
7! = 7 . 6 . 5 . 4 . 3 . 2 . 1 = 5.040. p=2
A(n,p)=np
ATENÇÃO A(4,2)=42=16

0! = 1 Permutação
1! = 1 É a TROCA DE POSIÇÃO de elementos de uma sequência.
Tenha cuidado 2! = 2, pois 2 . 1 = 2. E 3! Utilizamos todos os elementos.
Não é igual a 3, pois 3 . 2 . 1 = 6.
• Sem repetição
Arranjo simples
Arranjo simples de n elementos tomados p a p, onde n>=1
e p é um número natural, é qualquer ordenação de p elementos
dentre os n elementos, em que cada maneira de tomar os ele-
mentos se diferenciam pela ordem e natureza dos elementos.
Atenção: Todas as questões de permutação simples podem
Atenção: Observe que no grupo dos elementos: {1,2,3} um ser resolvidas pelo princípio fundamental de contagem (PFC).
dos arranjos formados, com três elementos, 123 é DIFERENTE de
321, e assim sucessivamente. Exemplo:
(PREF. LAGOA DA CONFUSÃO/TO – ORIENTADOR SOCIAL –
• Sem repetição IDECAN) Renato é mais velho que Jorge de forma que a razão en-
A fórmula para cálculo de arranjo simples é dada por: tre o número de anagramas de seus nomes representa a diferen-
ça entre suas idades. Se Jorge tem 20 anos, a idade de Renato é

46
RACIOCÍNIO LÓGICO
(A) 24.
(B) 25.
(C) 26.
(D) 27.
(E) 28.

Resolução:
Anagramas de RENATO
______
6.5.4.3.2.1=720

Anagramas de JORGE
_____
5.4.3.2.1=120

Razão dos anagramas: 720/120=6


Se Jorge tem 20 anos, Renato tem 20+6=26 anos.
Resposta: C.

• Com repetição
Na permutação com elementos repetidos ocorrem permutações que não mudam o elemento, pois existe troca de elementos
iguais. Por isso, o uso da fórmula é fundamental.

Exemplo:
(CESPE) Considere que um decorador deva usar 7 faixas coloridas de dimensões iguais, pendurando-as verticalmente na vitrine
de uma loja para produzir diversas formas. Nessa situação, se 3 faixas são verdes e indistinguíveis, 3 faixas são amarelas e indistin-
guíveis e 1 faixa é branca, esse decorador conseguirá produzir, no máximo, 140 formas diferentes com essas faixas.
( ) Certo
( ) Errado

Resolução:
Total: 7 faixas, sendo 3 verdes e 3 amarelas.

Resposta: Certo.

• Circular
A permutação circular é formada por pessoas em um formato circular. A fórmula é necessária, pois existem algumas permuta-
ções realizadas que são iguais. Usamos sempre quando:
a) Pessoas estão em um formato circular.
b) Pessoas estão sentadas em uma mesa quadrada (retangular) de 4 lugares.

Exemplo:
(CESPE) Uma mesa circular tem seus 6 lugares, que serão ocupados pelos 6 participantes de uma reunião. Nessa situação, o
número de formas diferentes para se ocupar esses lugares com os participantes da reunião é superior a 102.
( ) Certo
( ) Errado

Resolução:
É um caso clássico de permutação circular.
Pc = (6 - 1) ! = 5! = 5 . 4 . 3 . 2 . 1 = 120 possibilidades.
Resposta: CERTO.

47
RACIOCÍNIO LÓGICO
Combinação
Combinação é uma escolha de um grupo, SEM LEVAR EM CONSIDERAÇÃO a ordem dos elementos envolvidos.

• Sem repetição
Dados n elementos distintos, chama-se de combinação simples desses n elementos, tomados p a p, a qualquer agrupamento de
p elementos distintos, escolhidos entre os n elementos dados e que diferem entre si pela natureza de seus elementos.

Fórmula:

Exemplo:
(CRQ 2ª REGIÃO/MG – AUXILIAR ADMINISTRATIVO – FUNDEP) Com 12 fiscais, deve-se fazer um grupo de trabalho com 3 deles.
Como esse grupo deverá ter um coordenador, que pode ser qualquer um deles, o número de maneiras distintas possíveis de se fazer
esse grupo é:
(A) 4
(B) 660
(C) 1 320
(D) 3 960

Resolução:
Como trata-se de Combinação, usamos a fórmula:

Onde n = 12 e p = 3

Como cada um deles pode ser o coordenado, e no grupo tem 3 pessoas, logo temos 220 x 3 = 660.
Resposta: B.

As questões que envolvem combinação estão relacionadas a duas coisas:


– Escolha de um grupo ou comissões.
– Escolha de grupo de elementos, sem ordem, ou seja, escolha de grupo de pessoas, coisas, objetos ou frutas.

• Com repetição
É uma escolha de grupos, sem ordem, porém, podemos repetir elementos na hora de escolher.

Exemplo:
Em uma combinação com repetição classe 2 do conjunto {a, b, c}, quantas combinações obtemos?
Utilizando a fórmula da combinação com repetição, verificamos o mesmo resultado sem necessidade de enumerar todas as
possibilidades:
n=3ep=2

PROBABILIDADES
A teoria da probabilidade permite que se calcule a chance de ocorrência de um número em um experimento aleatório.

Elementos da teoria das probabilidades


• Experimentos aleatórios: fenômenos que apresentam resultados imprevisíveis quando repetidos, mesmo que as condições
sejam semelhantes.

48
RACIOCÍNIO LÓGICO
• Espaço amostral: é o conjunto U, de todos os resultados possíveis de um experimento aleatório.
• Evento: qualquer subconjunto de um espaço amostral, ou seja, qualquer que seja E Ì U, onde E é o evento e U, o espaço
amostral.

Experimento composto
Quando temos dois ou mais experimentos realizados simultaneamente, dizemos que o experimento é composto. Nesse caso,
o número de elementos do espaço amostral é dado pelo produto dos números de elementos dos espaços amostrais de cada expe-
rimento.
n(U) = n(U1).n(U2)

Probabilidade de um evento
Em um espaço amostral U, equiprobabilístico (com elementos que têm chances iguais de ocorrer), com n(U) elementos, o even-
to E, com n(E) elementos, onde E Ì U, a probabilidade de ocorrer o evento E, denotado por p(E), é o número real, tal que:

Onde,
n(E) = número de elementos do evento E.
n(S) = número de elementos do espaço amostral S.

Sendo 0 ≤ P(E) ≤ 1 e S um conjunto equiprovável, ou seja, todos os elementos têm a mesma “chance de acontecer.

ATENÇÃO:
As probabilidades podem ser escritas na forma decimal ou representadas em porcentagem.
Assim: 0 ≤ p(E) ≤ 1, onde:
p(∅) = 0 ou p(∅) = 0%
p(U) = 1 ou p(U) = 100%

Exemplo:
(PREF. NITERÓI – AGENTE FAZENDÁRIO – FGV) O quadro a seguir mostra a distribuição das idades dos funcionários de certa
repartição pública:

FAIXA DE IDADES (ANOS) NÚMERO DE FUNCIONÁRIOS


20 ou menos 2
De 21 a 30 8
De 31 a 40 12
De 41 a 50 14
Mais de 50 4

Escolhendo ao acaso um desses funcionários, a probabilidade de que ele tenha mais de 40 anos é:
(A) 30%;
(B) 35%;
(C) 40%;
(D) 45%;
(E) 55%.

49
RACIOCÍNIO LÓGICO

Resolução:
O espaço amostral é a soma de todos os funcionário:
2 + 8 + 12 + 14 + 4 = 40
O número de funcionário que tem mais de 40 anos é: 14 + 4 = 18
Logo a probabilidade é:

Resposta: D

Probabilidade da união de eventos


Para obtermos a probabilidade da união de eventos utilizamos a seguinte expressão:

Quando os eventos forem mutuamente exclusivos, tendo A ∩ B = Ø, utilizamos a seguinte equação:

Probabilidade de um evento complementar


É quando a soma das probabilidades de ocorrer o evento E, e de não ocorrer o evento E (seu complementar, Ē) é 1.

Probabilidade condicional
Quando se impõe uma condição que reduz o espaço amostral, dizemos que se trata de uma probabilidade condicional.
Sejam A e B dois eventos de um espaço amostral U, com p(B) ≠ 0. Chama-se probabilidade de A condicionada a B a probabilidade
de ocorrência do evento A, sabendo-se que já ocorreu ou que vai ocorrer o evento B, ou seja:

Podemos também ler como: a probabilidade de A “dado que” ou “sabendo que” a probabilidade de B.

– Caso forem dois eventos simultâneos (ou sucessivos): para se avaliar a probabilidade de ocorrem dois eventos simultâneos
(ou sucessivos), que é P (A ∩ B), é preciso multiplicar a probabilidade de ocorrer um deles P(B) pela probabilidade de ocorrer o
outro, sabendo que o primeiro já ocorreu P (A | B). Sendo:

50
RACIOCÍNIO LÓGICO

– Se dois eventos forem independentes: dois eventos A e B de um espaço amostral S são independentes quando P(A|B) = P(A)
ou P(B|A) = P(B). Sendo os eventos A e B independentes, temos:

P (A ∩ B) = P(A). P(B)

Lei Binomial de probabilidade


A lei binominal das probabilidades é dada pela fórmula:

Sendo:
n: número de tentativas independentes;
p: probabilidade de ocorrer o evento em cada experimento (sucesso);
q: probabilidade de não ocorrer o evento (fracasso); q = 1 - p
k: número de sucessos.

ATENÇÃO:
A lei binomial deve ser aplicada nas seguintes condições:
– O experimento deve ser repetido nas mesmas condições as n vezes.
– Em cada experimento devem ocorrer os eventos E e .
– A probabilidade do E deve ser constante em todas as n vezes.
– Cada experimento é independente dos demais.

Exemplo:
Lançando-se um dado 5 vezes, qual a probabilidade de ocorrerem três faces 6?

Resolução:
n: número de tentativas ⇒ n = 5
k: número de sucessos ⇒ k = 3
p: probabilidade de ocorrer face 6 ⇒ p = 1/6
q: probabilidade de não ocorrer face 6 ⇒ q = 1- p ⇒ q = 5/6

GEOMETRIA BÁSICA: ÂNGULOS, TRIÂNGULOS, POLÍGONOS,


DISTÂNCIAS, PROPORCIONALIDADE, PERÍMETRO E ÁREA

Geometria plana
Aqui nos deteremos a conceitos mais cobrados como perímetro e área das principais figuras planas. O que caracteriza a geome-
tria plana é o estudo em duas dimensões.

Perímetro
É a soma dos lados de uma figura plana e pode ser representado por P ou 2p, inclusive existem umas fórmulas de geometria
que aparece p que é o semiperímetro (metade do perímetro). Basta observamos a imagem:

51
RACIOCÍNIO LÓGICO

Observe que a planta baixa tem a forma de um retângulo.

Exemplo:
(CPTM - Médico do trabalho – MAKIYAMA) Um terreno retangular de perímetro 200m está à venda em uma imobiliária. Sabe-se
que sua largura tem 28m a menos que o seu comprimento. Se o metro quadrado cobrado nesta região é de R$ 50,00, qual será o
valor pago por este terreno?
(A) R$ 10.000,00.
(B) R$ 100.000,00.
(C) R$ 125.000,00.
(D) R$ 115.200,00.
(E) R$ 100.500,00.

Resolução:
O perímetro do retângulo é dado por = 2(b+h);
Pelo enunciado temos que: sua largura tem 28m a menos que o seu comprimento, logo 2 (x + (x-28)) = 2 (2x -28) = 4x – 56. Como
ele já dá o perímetro que é 200, então
200 = 4x -56  4x = 200+56  4x = 256  x = 64
Comprimento = 64, largura = 64 – 28 = 36
Área do retângulo = b.h = 64.36 = 2304 m2
Logo o valor da área é: 2304.50 = 115200
Resposta: D

• Área
É a medida de uma superfície. Usualmente a unidade básica de área é o m2 (metro quadrado). Que equivale à área de um qua-
drado de 1 m de lado.

52
RACIOCÍNIO LÓGICO
Quando calculamos que a área de uma determinada figura é, por exemplo, 12 m2; isso quer dizer que na superfície desta figura
cabem 12 quadrados iguais ao que está acima.

Planta baixa de uma casa com a área total

Para efetuar o cálculo de áreas é necessário sabermos qual a figura plana e sua respectiva fórmula. Vejamos:

(Fonte: https://static.todamateria.com.br/upload/57/97/5797a651dfb37-areas-de-figuras-planas.jpg)

Geometria espacial
Aqui trataremos tanto das figuras tridimensionais e dos sólidos geométricos. O importante é termos em mente todas as figuras
planas, pois a construção espacial se dá através da junção dessas figuras. Vejamos:

Diedros
Sendo dois planos secantes (planos que se cruzam) π e π’, o espaço entre eles é chamado de diedro. A medida de um diedro é
feita em graus, dependendo do ângulo formado entre os planos.

53
RACIOCÍNIO LÓGICO
Poliedros Por essas condições e observações podemos afirmar que to-
São sólidos geométricos ou figuras geométricas espaciais dos os poliedros de Platão são ditos Poliedros Regulares.
formadas por três elementos básicos: faces, arestas e vértices.
Chamamos de poliedro o sólido limitado por quatro ou mais po- Exemplo:
lígonos planos, pertencentes a planos diferentes e que têm dois (PUC/RS) Um poliedro convexo tem cinco faces triangulares
a dois somente uma aresta em comum. Veja alguns exemplos: e três pentagonais. O número de arestas e o número de vértices
deste poliedro são, respectivamente:
(A) 30 e 40
(B) 30 e 24
(C) 30 e 8
(D) 15 e 25
(E) 15 e 9

Resolução:
O poliedro tem 5 faces triangulares e 3 faces pentagonais,
logo, tem um total de 8 faces (F = 8). Como cada triângulo tem 3
lados e o pentágono 5 lados. Temos:

Os polígonos são as faces do poliedro; os lados e os vértices


dos polígonos são as arestas e os vértices do poliedro.
Um poliedro é convexo se qualquer reta (não paralela a ne-
nhuma de suas faces) o corta em, no máximo, dois pontos. Ele
não possuí “reentrâncias”. E caso contrário é dito não convexo.

Relação de Euler Resposta: E


Em todo poliedro convexo sendo V o número de vértices, A
o número de arestas e F o número de faces, valem as seguintes Não Poliedros
relações de Euler:
Poliedro Fechado: V – A + F = 2
Poliedro Aberto: V – A + F = 1

Para calcular o número de arestas de um poliedro temos


que multiplicar o número de faces F pelo número de lados de
cada face n e dividir por dois. Quando temos mais de um tipo de
face, basta somar os resultados.
A = n.F/2

Poliedros de Platão
Eles satisfazem as seguintes condições:
- todas as faces têm o mesmo número n de arestas; Os sólidos acima são. São considerados não planos pois pos-
- todos os ângulos poliédricos têm o mesmo número m de suem suas superfícies curvas.
arestas; Cilindro: tem duas bases geometricamente iguais definidas
- for válida a relação de Euler (V – A + F = 2). por curvas fechadas em superfície lateral curva.
Cone: tem uma só base definida por uma linha curva fecha-
da e uma superfície lateral curva.
Esfera: é formada por uma única superfície curva.

Poliedros Regulares
Um poliedro e dito regular quando:
- suas faces são polígonos regulares congruentes;
- seus ângulos poliédricos são congruentes;

54
RACIOCÍNIO LÓGICO
Planificações de alguns Sólidos Geométricos

Fonte: https://1.bp.blogspot.com/-WWDbQ-Gh5zU/Wb7iCjR42BI/AAAAAAAAIR0/kfRXIcIYLu4Iqf7ueIYKl39DU-9Zw24lgCLcBGAs/
s1600/revis%25C3%25A3o%2Bfiguras%2Bgeom%25C3%25A9tricas-page-001.jpg

Sólidos geométricos
O cálculo do volume de figuras geométricas, podemos pedir que visualizem a seguinte figura:

a) A figura representa a planificação de um prisma reto;


b) O volume de um prisma reto é igual ao produto da área da base pela altura do sólido, isto é:
V = Ab. a
Onde a é igual a h (altura do sólido)

c) O cubo e o paralelepípedo retângulo são prismas;


d) O volume do cilindro também se pode calcular da mesma forma que o volume de um prisma reto.

55
RACIOCÍNIO LÓGICO
Área e Volume dos sólidos geométricos

PRISMA: é um sólido geométrico que possui duas bases


iguais e paralelas.

Exemplo:
Uma pirâmide triangular regular tem aresta da base igual a
8 cm e altura 15 cm. O volume dessa pirâmide, em cm3, é igual a:
(A) 60
(B) 60
(C) 80
(D) 80
(E) 90

Resolução:
Do enunciado a base é um triângulo equilátero. E a fórmula
da área do triângulo equilátero é . A aresta da base é a = 8 cm
e h = 15 cm.
Exemplo: Cálculo da área da base:
(PREF. JUCÁS/CE – PROFESSOR DE MATEMÁTICA – INSTI-
TUTO NEO EXITUS) O número de faces de um prisma, em que a
base é um polígono de n lados é:
(A) n + 1.
(B) n + 2.
(C) n.
(D) n – 1.
(E) 2n + 1.

Resolução:
Se a base tem n lados, significa que de cada lado sairá uma Cálculo do volume:
face.
Assim, teremos n faces, mais a base inferior, e mais a base
superior.
Portanto, n + 2
Resposta: B

PIRÂMIDE: é um sólido geométrico que tem uma base e um


vértice superior.

Resposta: D

56
RACIOCÍNIO LÓGICO
CILINDRO: é um sólido geométrico que tem duas bases Resolução:
iguais, paralelas e circulares. Em um cone equilátero temos que g = 2r. Do enunciado o
raio é 8 cm, então a geratriz é g = 2.8 = 16 cm.
g2 = h2 + r2
162 = h2 + 82
256 = h2 + 64
256 – 64 = h2
h2 = 192

Resposta: D

ESFERA: superfície curva, possui formato de uma bola.

CONE: é um sólido geométrico que tem uma base circular e


vértice superior.

TRONCOS: são cortes feitos nas superfícies de alguns dos


sólidos geométricos. São eles:
Exemplo:
Um cone equilátero tem raio igual a 8 cm. A altura desse
cone, em cm, é:

(A)

(B)

(C)

(D)

(E) 8

57
RACIOCÍNIO LÓGICO
Exemplo:
(ESCOLA DE SARGENTO DAS ARMAS – COMBATENTE/LOGÍSTICA – TÉCNICA/AVIAÇÃO – EXÉRCITO BRASILEIRO) O volume de
um tronco de pirâmide de 4 dm de altura e cujas áreas das bases são iguais a 36 dm² e 144 dm² vale:
(A) 330 cm³
(B) 720 dm³
(C) 330 m³
(D) 360 dm³
(E) 336 dm³

Resolução:

AB=144 dm²
Ab=36 dm²

Resposta: E

Geometria analítica
Um dos objetivos da Geometria Analítica é determinar a reta que representa uma certa equação ou obter a equação de uma
reta dada, estabelecendo uma relação entre a geometria e a álgebra.

Sistema cartesiano ortogonal (PONTO)


Para representar graficamente um par ordenado de números reais, fixamos um referencial cartesiano ortogonal no plano. A
reta x é o eixo das abscissas e a reta y é o eixo das ordenadas. Como se pode verificar na imagem é o Sistema cartesiano e suas
propriedades.

Para determinarmos as coordenadas de um ponto P, traçamos linhas perpendiculares aos eixos x e y.


• xp é a abscissa do ponto P;
• yp é a ordenada do ponto P;
• xp e yp constituem as coordenadas do ponto P.

58
RACIOCÍNIO LÓGICO
Mediante a esse conhecimento podemos destacar as formu- Condição de alinhamento de três pontos
las que serão uteis ao cálculo. Consideremos três pontos de uma mesma reta (colineares),
A(x1, y1), B(x2, y2) e C(x3, y3).
Distância entre dois pontos de um plano
Por meio das coordenadas de dois pontos A e B, podemos
localizar esses pontos em um sistema cartesiano ortogonal e,
com isso, determinar a distância d(A, B) entre eles. O triângulo
formado é retângulo, então aplicamos o Teorema de Pitágoras.

Estes pontos estarão alinhados se, e somente se:

Por outro lado, se D ≠ 0, então os pontos A, B e C serão vér-


tices de um triângulo cuja área é:
Ponto médio de um segmento

onde o valor do determinante é sempre dado em módulo,


pois a área não pode ser um número negativo.

Inclinação de uma reta e Coeficiente angular de uma reta


(ou declividade)
À medida do ângulo α, onde α é o menor ângulo que uma
reta forma com o eixo x, tomado no sentido anti-horário, cha-
mamos de inclinação da reta r do plano cartesiano.

Baricentro
O baricentro (G) de um triângulo é o ponto de intersecção
das medianas do triângulo. O baricentro divide as medianas na
razão de 2:1.

Já a declividade é dada por: m = tgα

Cálculo do coeficiente angular


Se a inclinação α nos for desconhecida, podemos calcular o
coeficiente angular m por meio das coordenadas de dois pontos
da reta, como podemos verificar na imagem.

59
RACIOCÍNIO LÓGICO
Com o coeficiente angular, podemos utilizar qualquer um
dos dois pontos para determinamos a equação da reta. Temos
A(1, 4), m = -3 e Q(x, y)
y - y1 = m.(x - x1) ⇒ y - 4 = -3. (x - 1) ⇒ y - 4 = -3x + 3 ⇒ 3x +
y - 4 - 3 = 0 ⇒ 3x + y - 7 = 0

Equação reduzida da reta


A equação reduzida é obtida quando isolamos y na equação
da reta y - b = mx

Reta

Equação da reta
A equação da reta é determinada pela relação entre as abs-
cissas e as ordenadas. Todos os pontos desta reta obedecem a
uma mesma lei. Temos duas maneiras de determinar esta equa-
ção:

1) Um ponto e o coeficiente angular

Exemplo:
Consideremos um ponto P(1, 3) e o coeficiente angular m – Equação segmentária da reta
= 2. É a equação da reta determinada pelos pontos da reta que
Dados P(x1, y1) e Q(x, y), com P ∈ r, Q ∈ r e m a declividade interceptam os eixos x e y nos pontos A (a, 0) e B (0,b).
da reta r, a equação da reta r será:

2) Dois pontos: A(x1, y1) e B(x2, y2) Equação geral da reta


Consideremos os pontos A(1, 4) e B(2, 1). Com essas infor- Toda equação de uma reta pode ser escrita na forma:
mações, podemos determinar o coeficiente angular da reta: ax + by + c = 0

onde a, b e c são números reais constantes com a e b não


simultaneamente nulos.

60
RACIOCÍNIO LÓGICO
Posições relativas de duas retas C) Retas coincidentes: Se r1 e r2 são coincidentes, as retas
Em relação a sua posição elas podem ser: cortam o eixo y no mesmo ponto; portanto, além de terem seus
coeficientes angulares iguais, seus coeficientes lineares também
A) Retas concorrentes: Se r1 e r2 são concorrentes, então serão iguais.
seus ângulos formados com o eixo x são diferentes e, como con-
sequência, seus coeficientes angulares são diferentes.

Intersecção de retas
Duas retas concorrentes, apresentam um ponto de intersec-
ção P(a, b), em que as coordenadas (a, b) devem satisfazer as
equações de ambas as retas. Para determinarmos as coordena-
B) Retas paralelas: Se r1 e r2 são paralelas, seus ângulos com das de P, basta resolvermos o sistema constituído pelas equa-
o eixo x são iguais e, em consequência, seus coeficientes angu- ções dessas retas.
lares são iguais (m1 = m2). Entretanto, para que sejam paralelas,
é necessário que seus coeficientes lineares n1 e n2 sejam dife- Condição de perpendicularismo
rentes Se duas retas, r1 e r2, são perpendiculares entre si, a seguin-
te relação deverá ser verdadeira.

onde m1 e m2 são os coeficientes angulares das retas r1 e r2,


respectivamente.

Distância entre um ponto e uma reta


A distância de um ponto a uma reta é a medida do segmento
perpendicular que liga o ponto à reta. Utilizamos a fórmula a
seguir para obtermos esta distância.

61
RACIOCÍNIO LÓGICO

onde d(P, r) é a distância entre o ponto P(xP, yP) e a reta r .

Exemplo: Equação Geral da circunferência


(UEPA) O comandante de um barco resolveu acompanhar A equação geral de uma circunferência é obtida através do
a procissão fluvial do Círio-2002, fazendo o percurso em linha desenvolvimento da equação reduzida.
reta. Para tanto, fez uso do sistema de eixos cartesianos para
melhor orientação. O barco seguiu a direção que forma 45° com
o sentido positivo do eixo x, passando pelo ponto de coordena-
das (3, 5). Este trajeto ficou bem definido através da equação:
(A) y = 2x – 1
(B) y = - 3x + 14 Exemplo:
(C) y = x + 2 (VUNESP) A equação da circunferência, com centro no pon-
(D) y = - x + 8 to C(2, 1) e que passa pelo ponto P(0, 3), é:
(E) y = 3x – 4 (A) x2 + (y – 3)2 = 0
(B) (x – 2)2 + (y – 1)2 = 4
Resolução: (C) (x – 2)2 + (y – 1)2 = 8
xo = 3, yo = 5 e = 1. As alternativas estão na forma de equação (D) (x – 2)2 + (y – 1)2 = 16
reduzida, então: (E) x2 + (y – 3)2 = 8
y – yo = m(x – xo)
y – 5 = 1.(x – 3) Resolução:
y–5=x–3 Temos que C(2, 1), então a = 2 e b = 1. O raio não foi dado
y=x–3+5 no enunciado.
y=x+2 (x – a)2 + (y – b)2 = r2
Resposta: C (x – 2)2 + (y – 1)2 = r2 (como a circunferência passa pelo pon-
to P, basta substituir o x por 0 e o y por 3 para achar a raio.
Circunferência (0 – 2)2 + (3 – 1)2 = r2
É o conjunto dos pontos do plano equidistantes de um pon- (- 2)2 + 22 = r2
to fixo O, denominado centro da circunferência. 4 + 4 = r2
A medida da distância de qualquer ponto da circunferência r2 = 8
ao centro O é sempre constante e é denominada raio. (x – 2)2 + (y – 1)2 = 8
Resposta: C
Equação reduzida da circunferência
Dados um ponto P(x, y) qualquer, pertencente a uma circun- Elipse
ferência de centro O(a,b) e raio r, sabemos que: d(O,P) = r. É o conjunto dos pontos de um plano cuja soma das distân-
cias a dois pontos fixos do plano é constante. Onde F1 e F2 são
focos:

62
RACIOCÍNIO LÓGICO

“Em todo triângulo retângulo o quadrado da hipotenusa é


igual à soma dos quadrados dos catetos”.
a2 = b2 + c2

Exemplo:
Um barco partiu de um ponto A e navegou 10 milhas para
Mesmo que mudemos o eixo maior da elipse do eixo x para o oeste chegando a um ponto B, depois 5 milhas para o sul che-
o eixo y, a relação de Pitágoras (a2 =b2 + c2) continua sendo vá- gando a um ponto C, depois 13 milhas para o leste chagando a
lida. um ponto D e finalmente 9 milhas para o norte chegando a um
ponto E. Onde o barco parou relativamente ao ponto de partida?
(A) 3 milhas a sudoeste.
(B) 3 milhas a sudeste.
(C) 4 milhas ao sul.
(D) 5 milhas ao norte.
(E) 5 milhas a nordeste.

Resolução:

Equações da elipse
a) Centrada na origem e com o eixo maior na horizontal.

x2 = 32 + 42
x2 = 9 + 16
x2 = 25
b) Centrada na origem e com o eixo maior na vertical. Resposta: E

TEOREMA DE PITÁGORAS
Em todo triângulo retângulo, o maior lado é chamado de hi-
potenusa e os outros dois lados são os catetos. Deste triângulo
tiramos a seguinte relação:

63
RACIOCÍNIO LÓGICO

ANOTAÇÕES ______________________________________________________

______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
_____________________________________________________
______________________________________________________
_____________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
__________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________
______________________________________________________

64
ATUALIDADES
1. Meio ambiente e sociedade: problemas, políticas públicas, organizações não governamentais, aspectos locais e aspectos glo-
bais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 01
2. Descobertas e inovações científicas na atualidade e seus impactos na sociedade contemporânea. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
3. Mundo Contemporâneo: elementos de política internacional e brasileira; cultura internacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
4. Cultura brasileira (música, literatura, artes, arquitetura, rádio, cinema, teatro, jornais, revistas e televisão) . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
5. Elementos de economia internacional contemporânea . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
6. Panorama da economia brasileira. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
7. Ética e cidadania. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
8. Relações humanas no trabalho. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
ATUALIDADES
Nas regiões de fronteira agrícola, ou em países de industrializa-
MEIO AMBIENTE E SOCIEDADE: PROBLEMAS, POLÍTI- ção recente, tais como os tigrinhos asiáticos, é muito comum o uso
CAS PÚBLICAS, ORGANIZAÇÕES NÃO GOVERNAMEN- de queimadas para limpar campos. Estas se dão nos meses mais se-
TAIS, ASPECTOS LOCAIS E ASPECTOS GLOBAIS cos do ano, em áreas de pastagens ou queima de coivaras, casando
acidentes em rodovias, com mortes de pessoas, animais, e sérios
A QUESTÃO AMBIENTAL problemas respiratórios em cidades circundadas por canaviais, num
dos casos mais alarmantes de poluição atmosférica.
Antes de mais nada é bom lembrar que só podemos entender A escravidão de menores e de armazém é uma constante nas
a questão ambiental, aqui no Brasil, na forma da onda da globaliza- áreas de carvoaria, como as denunciadas na região Centro Oeste e
ção neoliberal que vem promovendo uma total perda da soberania Norte do Brasil.
nacional sobre a gestão dos seus recursos naturais, coibindo assim a Neste sentido, são também graves as denuncias feitas a China
alternativa de projetos de desenvolvimento sustentáveis, aprofun- dentro da OMC, já que este país é um paraíso proletário e um dos
dando as desigualdades sociais, dilapidando os recursos naturais, principais acusados de Dunnping Social. Não se esqueça da escra-
excluindo em grande parte a população do mercado de trabalho, vidão de mulheres no mundo muçulmano e da venda de mulheres
sem que participe dos frutos propiciados pelo avanço da ciência e chinesas (Cidadania).
tecnologia.
Quanto a esta questão, não confundir, por exemplo, efeito es- Aquecimento Global
tufa, (natural, conceito da Física) com efeito de estufa (aquele pro-
vocado pela ação do homem, conceito da geografia). Lembre-se: a Iceberg passa pela costa da Nova Zelândia em função do aque-
última grande conferência sobre o clima, se deu em Kioto, Japão, no cimento global.
ano de 1997, sendo que este ano houve mais um encontro em Bohn Estudos e alertas de especialistas sobre os efeitos nefastos do
no qual ficou claro que alguns países não estão cumprindo suas re- aquecimento global no futuro do planeta chamaram a atenção da
soluções. Dois resistentes foram a Austrália e o Japão. O Governo população para o problema em 2006. Ambientalistas e pesquisado-
Bush neoliberal de direita não ratificou o acordo de Kioto mesmo
res defendem que as ações contra a mudança climática devem ser
sendo os EUA responsáveis pela emissão de ¼ dos “gases de estufa”
imediatas para evitar um verdadeiro “desastre” para a economia
do globo. Um capítulo polêmico deste encontro, foi a emissão dos
mundial, que poderia sofrer decréscimo de até 20% na produção
gases de estufa, cujas quantidades devem ser reduzidas ao nível de
em 50 anos por culpa da alta das temperaturas do planeta.
quinze anos atrás.
Os Americanos são 100 milhões de carros. Cada americano » Mudança climática ameaça alimentação dos humanos
consome energia para: 3 suíços, 4 italianos, 160 tanzanianos e 1100 » Derretimento de geleiras indica aquecimento global
ruandeses. Utilizam 40% dos recursos renováveis do globo sendo » Europa vive o outono mais quente dos últimos séculos
que suas fontes de energia são baseadas em combustíveis fósseis: » Mudança climática causa extinção de mamíferos
Carvão, Petróleo e Gás Natural. » Planeta pode entrar em colapso em 50 anos, diz estudo
A questão ambiental é uma questão global, sendo necessária » Al Gore tenta salvar a Terra em filme
uma ação conjunta de todos os países do globo. As energias carbo-
nadas, petróleo e carvão, principalmente, as queimadas*, os gases Essa é a advertência do relatório preparado pelo economista
emitidos pelas fábricas, são causas básicas do efeito de estufa, ilha Nicholas Stern, que convocou os governos de todo o mundo a fixar
de calor, chuva ácida e inversão térmica, problemas sério dos tem- um preço para as emissões de CO2 mediante o pagamento de im-
pos atuais e que reforçam uma de nossas principais contradições. postos. O relatório adverte que, com uma alta das temperaturas de
Ela reside no fato de não coadunarmos desenvolvimento científico 3ºC a 4ºC, o aumento do nível dos mares transformará centenas de
e questão ambiental. Lembre-se de que, no Brasil, estamos conhe- milhões de pessoas em vítimas de inundações a cada ano.
cendo sérios retrocessos na legislação ambiental. Os principais são As áreas litorâneas do sudeste da Ásia, sobretudo Bangladesh e
poder reflorestar com eucalípteros e o projeto de desmatamento Vietnã, assim como as pequenas ilhas do Caribe e do Pacífico terão
da amazônia em fase de discussão. O projeto da bancada ruralista que ser protegidas do mar. Grandes cidades como Tóquio, Londres,
prevê redução da área de preservação dos atuais 80% para 20% na Nova York ou Cairo também ficarão expostas ao risco de inunda-
Amazônia e de 35% para 20% no Cerrado Amazônico. ções.
Na quarta conferência mundial sobre o clima, chegou-se a con- O lançamento do documentário Uma Verdade Inconveniente,
clusão de que a temperatura da terra deve elevar-se mais 5 graus protagonizado pelo ex-vice-presidente dos Estados Unidos Al Gore,
até 2100. Os gases de estufa proveniente da queima combustíveis ajudou a dar voz para o problema em 2006. Al Gore, que visitou o
fósseis, em especial o petróleo e carvão, faz nossa necessidade de Brasil, defende que a adoção de medidas contra a emissão de gases
fontes alternativas como a solar, a eólica, a das marés, a dos gé- efeito estufa é mais uma questão “ética” e “moral” do que política.
iseres ou a de biomassa, que são as fontes da revolução técnico
científica. A agenda 21 é uma plano ambicioso que prevê a implan-
Convenção da ONU
tação de um programa de desenvolvimento sustentável para todo o
globo para o século XXI. Nela os países X se comprometem destinar
Diversos locais declarados patrimônio da humanidade podem
0,7% dos seus PIBs para aplicação neste programa. Por enquanto só
estar ameaçados pelas conseqüências da mudança climática global,
mandaram as fábricas que mais poluem. Há uma proposta de cres-
cimento zero não aceita pelos países periféricos uma vez que teriam segundo o atlas apresentado em Nairóbi na Convenção das Nações
que estagnar o seu processo de industrialização. Unidas sobre Mudança Climática, que reuniu durante duas semanas
5 mil participantes.

1
ATUALIDADES
A reunião da ONU, além de trazer dados novos sobre as con- importante que o petróleo. No Centro Oeste do Brasil, a calagem
sequências climáticas, teve o objetivo de dar prosseguimento ao de solo causa eutrofização de mananciais, constituindo-se em um
Protocolo de Kyoto, o acordo mundial fechado em 2005 que prevê grave impacto sobre recursos hídricos. Não falta água por falta de
cortes na emissão de gases estufa até 2012. O encontro acertou chuvas. A grande causa da escassez é o mau uso dos solos agrícolas
que as negociações para levar adiante e ampliar Kyoto deveriam e urbanos por compactação pelo uso de máquinas e pastoreio ou
acontecer em 2008 e alguns delegados criticaram a falta de uma ainda pela impermeabilidade de área urbana. Fala-se em taxar todo
ação firme para combater o aquecimento da Terra. e qualquer uso de água. É necessário racionalizar o uso da água e,
Apesar dos esforços para conter o avanço dos danos ambien- em caso extremo, seu racionamento. Quarenta municípios goianos
tais, o ritmo das emissões de carbono no mundo mais que duplicou já apresentam problemas crônicos com abastecimento de água. No
entre 2000 e 2005, de acordo com levantamento publicado pela município de Bom Jesus de Goiás os pivôs de irrigação chegaram a
rede mundial sobre o tema, a Global Carbon Project. As emissões ser paralisados por ordem do ministério público. Todas as grandes
vinham crescendo a menos de 1% anualmente até o ano 2000, mas cidades do mundo já se ressentem deste recurso, em especial as
aumentaram a uma taxa de 2,5% ao ano. Segundo a organização, megacidades dos países periféricos, serão palcos, mais e mais, de
a aceleração se deve sobretudo ao aumento do uso de carvão e à disputas por rios que as abastecem e de grandes epidemias. O Nilo
falta de ganhos na eficiência do uso da energia. e o Níger são dois bons exemplos destas disputas. O Brasil embora
tendo a maior reserva de água disponível do globo apresenta re-
Alimentação giões em estresse hídrico, menos de 2000 metros cúbicos de água
por habitante por ano. Este é o caso de muitas áreas do Nordeste.
A mudança climática também põe em risco a comida dos seres
ENERGIA
humanos e torna ainda mais difícil o desafio de alimentar a cres-
cente população mundial, de acordo com a Organização das Nações
O século XIX foi da máquina a vapor, um motor a combustão
Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO).
externa. O século XX foi do motor a combustão interna. Já o século
Um novo estudo sobre os oceanos sugeriu que o fitoplâncton
XXI será da célula de combustível que promete divorciar o automó-
- o primeiro elo na cadeia alimentar marítima - será fortemente
vel da poluição. Quanto a nossa crise energética, tanto a Petrobrás
afetado pelo aquecimento climático. A pesca nos trópicos e nas
quanto o setor energético e tudo o que é público no Brasil passaram
médias latitudes pode ser severamente afetada pela perda destes
a sofrer as conseqüências do projeto neoliberal. A receita do FMI
microorganimos como resultado de águas mais quentes, acrescenta foi retirar dinheiro das estatais para equilibrar as contas públicas.
o artigo do botânico Michael Behrenfeld, da Universidade Estadual O resultado foi que não só a Petrobrás como todo o setor energé-
do Oregon (EUA). tico sofreram com tais medidas resultando em graves “Acidentes
O acelerado derretimento das geleiras foi apontado como um Ecológicos”, ameaças, ou até mesmo, apagões. Agora dois setores
fato que mostra o imediatismo do problema. “No passado as ge- geoestratégicos estão prontos para serem privatizados. Outros se-
leiras do norte mostravam um padrão que não correspondia aos tores como saúde, transporte e educação também estão sucatea-
modelos de mudança climática (provocada pelo aquecimento glo- dos. Desta forma os meios de comunicação de massa imperam em
bal), poderiam até mesmo ser usadas como um argumento contra suas opiniões. “Achamos” que tudo no Brasil deve ser privatizado.
o aquecimento global. Mas agora, dados dos últimos anos mostram Quanto as fontes de energia, temos que analisá-las em termos
uma mudança que se encaixa perfeitamente bem com os modelos de disponibilidade, viabilidade, extração, transporte, armazena-
de mudança climática”, disse o professor de glaciologia Per Hol- mento, distribuição, poluente ou limpa, renovável ou esgotável.
mlund, da Universidade de Estocolmo. Assim, no caso do Brasil, as fontes alternativas, (biomassa, eólica
Se o aquecimento global prosseguir, o gelo do Ártico poderá ou solar) assumem uma importância fundamental por ser um país
derreter totalmente até 2080, alertou um grupo de cientistas eu- tropical. A energia solar é considerada a fonte energética do século
ropeus. “Se a situação evoluir como prevêem os físicos, os campos XXI. Na década de 70, houve o fortalecimento da OPEP e OPAEP,
de gelo do Oceano Ártico desaparecerão completamente até 2080”, (países produtores de petróleo) em reação às sete irmãs (empresas
disse Eberhard Fahrbach, do Instituto Alfred Wegner (AWI), mem- que controlam a distribuição do petróleo no globo e estão em pro-
bro do grupo Damocles de pesquisas sobre o Ártico europeu. cesso de fusões). No mundo, como um todo, os países buscaram as
fontes alternativas como forma de se prevenirem ante as crises do
Calor petróleo. Lembre-se do programa Proálcool, da tentativa ineficaz
das nucleares que Fernando Henrique acabou por quase desativar.
A Europa viveu um dos verões mais quentes da sua história, É bom lembrar dos erros de projetos, como a represa de Balbina no
com ondas de calor por todo o continente. A Europa teve também Amazonas, causando sérios problemas ao meio ambiente. Por estes
o outono mais quente em décadas, até mesmo séculos, o que põe fatores, a dédada de 70 é considerada a “década da crise energéti-
em risco o início da temporada de esportes de inverno nos Alpes. ca”, além, é claro, da variável social, com baixos salários e repres-
Na Holanda, o Instituto Real de Meteorologia informou que este ou- são militar duríssima. Lembrar da Operação Condor dos militares
tono foi o mais quente do país em 300 anos, com uma temperatura latino-americanos que trabalharam em conjunto na repressão as
média de 13,5ºC. forças revolucionárias. Já a dédada de 80 foi considerada a “década
da destruição e perdida” com problemas ambientais sérios, dentre
ÁGUA eles o acidente com o Césio em Goiânia.
Associe fontes de energia ao tipo de transporte adotado em
A água potável será um dos recursos mais caros (custo bene- cada país.
fício) do século XXI. Sendo assim, os rios internacionais são, cada Desta forma, fica mais fácil entender quais países são mais ve-
vez mais geoestratégicos, motivando conflitos entre os países en- lozes na produção, como os tigres ou tigrinhos asiáticos, e porque
volvidos. Um grande exemplo é a questão do Nilo, ou ainda, as países como o Brasil, Índia, China, Indonésia e Rússia são conside-
nascentes do rio Jordão, palco das disputas entre árabes e judeus, rados “países baleias”, por serem grandes e lentos. O modelo de
no Oriente Médio. Nestas regiões, água é, relativamente, mais transporte rodoviário é o mais caro.

2
ATUALIDADES
O ferroviário é muito viável para o Brasil. Lembre-se da Norte- Do ponto de vista das políticas públicas, ou dos direitos sociais
-Sul que vai interligar Belém (PA) a Senador Canêdo e começou, este que elas materializam, a verdadeira tarefa histórica que se impu-
ano, suas obras em nha ao Governo Lula era romper com as modificações restritivas no
espaço público da proteção social, sob forte impacto das políticas
Anápolis. neoliberais. Caberiam, então, ações decisivas para se garantir o am-
plo financiamento público para as políticas sociais, que suplantasse
A hidrovia é, sem dúvida, o transporte mais barato, em termos a lógica da restrição orçamentária.
de custo benefício. Recentemente, num total desrespeito a legis- Haveria de se superar de vez a lógica financista, que subordina
lação ambiental, barcaças de grande calado resolveram, a revelia, as decisões em termos de direitos sociais à disponibilidade de caixa,
tentar abrir uma hidrovia no rio Araguaia. Seria o Araguaia adequa- finalmente conhecidas após as decisões de cúpula a respeito das
do para se fazer uma Hidrovia? Não se esqueça das voçorocas neste taxas de juros, superávit fiscal, câmbio, política tributária, enfim,
rio. quando os grandes números do fundo público já estão comprome-
Todo país para atrair investimentos dentro da novíssima divisão tidos com as elites de sempre.
internacional do trabalho, deve ser viável, o que significa trabalhar Porém, seguem inalteradas as limitações ao processo de ex-
em Just In Time, tendo que possuir boa infra-estrutura. Será que o pansão das garantias coletivas na esfera dos direitos sociais, que
Brasil em crise energética irá atrair investimentos?. De que adianta mais do que nunca se mostram imprescindíveis para subverter as
ter minérios se não se pode extraí-lo a menor custo? Minério tem históricas estruturas de poder político e econômico próprio das
muito pouco valor agregado. Jamais houve vantagem comparativa sociedades latino-americanas, uma vez que estas, e especialmente
para países que produzem matérias primas. O gaseoduto virá da a brasileira, se estabeleceram sobre IANNI,Otávio (1996), A ideia
Bolívia chegando até Goiás, contudo, toda obra deve pautar-se em de Brasil moderno, São Paulo: Brasiliense, p.267. padrões extrema-
Eia-Rima confiável. A instalação de várias Empresas, como a per- mente injustos e assimétricos de usufruto da riqueza coletivamente
digão em Rio Verde, (Detroitização) podem causar sérios impactos construída e de processos cada vez mais excludentes de acesso ao
ambientais. Alguns bem visíveis, são os impactos na represa de trabalho digno.
Corumbá, com a matança de toneladas de peixes. Serra da Mesa, Não é a toa que o atual governo jamais pautou o debate pú-
(agora Cana Brava e Peixe também no rio Tocantins) a represa do blico sobre as propostas de superação da pobreza com o combate
Yang Tsé Kiang na China. da riqueza acumulada privada e abusivamente, como se esperava
Preste atenção nas negociações para venda da Celg e das cons- em termos de reforma tributária e fiscal, cujas iniciativas pontuais
truções da ETA e da ETE em Goiânia, que envolvem a preservação permanecem valorizando a renúncia fiscal dos setores agro-expor-
do rio Meia Ponte e sua recuperação, em 50 anos, tendo como mo- tadores, parasitas da cadeia produtiva do grande latifúndio.
delo o Tâmisa. O uso bélico da energia nuclear constitui-se num dos Mas nenhuma destas limitações e contradições pode ser reme-
graves problemas atuais. Os TNPs devem ser revistos por todos os tida ao plano da fatalidade. Todos os constrangimentos concretos
países. É lógico, (nascentes do rio Ganges e Indu) países como o decorrem de opções estratégicas, racionalmente adotadas pelo
Paquistão e a Índia, que disputam a Kashimira, fazem vista grossa Presidente Lula e sua equipe, quando se constata o aprofundamen-
as sanções da ONU, onde fica, bem visível o colonialismo do Grupo to do modelo econômico neoliberal com sua lógica recessiva e, em
dos 7 mais a Rússia, sobre os países emergentes. Estes países estão direção complementar, a destinação significativas de recursos pú-
desenvolvendo, mais e mais, armas biológicas (motivo das sanções blicos para os serviços das dívidas internas ou externas.
da OMC ao Iraque). Estas são consideradas bombas atômicas dos Devemos reconhecer que a articulação orgânica das medidas
países pobres. Será que o Taleban irá conseguir armas Atômicas? de políticas públicas redistributivistas, com investimentos impor-
tantes nas áreas da saúde, educação, assistência social, previdên-
Políticas Públicas cia, segurança alimentar, geração de emprego e renda, agricultura
familiar e reforma agrária pode ser altamente emancipadora quan-
É desnecessário registrar mais uma vez a perversidade dos his- do estas políticas públicas são asseguradas em escala de massas,
tóricos indicadores de concentração da renda e de patrimônio no com a mobilização efetiva a população para o exercício cotidiano da
Brasil, eles são gritantes demais em nosso dia-adia. participação política protagônica.
Mas é preciso alertar: todos estão perfeitamente preservados Diferentemente do esperado, não se constatou no governo
nos últimos três anos, por força da impotência das medidas sociais, Lula o compromisso real com um amplo e consistente sistema de
políticas e econômicas do Governo Lula. atenção e proteção no âmbito das necessidades humanas sociais,
A análise sobre a atuação do atual governo diante das tarefas que contemplasse a contribuição decisiva de todas as áreas sociais,
impostas pela pobreza e desigualdade social pode ser, desde a par- educacionais e político-culturais, combinadas com as outras medi-
tida, melhor compreendida se lembrarmos a advertência de Otavio das complementares de garantia do exercício do protagonismo da
Ianni sobre as contradições dos processos revolucionários brasilei- população e da emancipação dos indivíduos e grupos sociais.
ros: Nesta pátria desimportante, o quadro social de profunda de-
“como não há ruptura definitiva com o passado, a cada passo sigualdade e de extrema pobreza das maiorias segue o mesmo:
este se reapresenta na cena histórica e cobra o seu preço” desemprego, fragilização da capacidade socializadora das redes
O que ele nos lembra é que qualquer processo político efeti- familiares, falta de perspectivas para a juventude e abandono na
vamente comprometido com as causas populares deve enfrentar, velhice; trabalho infantil, exploração e abuso sexual de crianças e
sem acanhamento ou tolerância, o projeto conservador dominante adolescentes, crescimento das condutas.
em nossa história, fatalmente imobilizador das energias transfor- POCHAMAMM, Marcio demonstra que as transferências ao
madoras e democráticas. É, portanto, um libelo contra a dinâmica setor financeiro, como pagamento aos detentores dos títulos da
de conciliação com as elites que sempre predominou nos momen- dívida pública, alcançaram a seguinte tendência: anualmente o go-
tos de disputa com os sistemas de privilégios sobre os quais nossa verno Cardoso destinou R$ 71,4 bilhões; Sarney remeteu R$ 65, 5
economia capitalista dependente se ergueu. bilhões, e finalmente o Governo Lula R$ 60, 8 bilhões. Cf. Plutocra-

3
ATUALIDADES
cia do capital financeiro, disponível em: <http://agenciacartamaior. no que empreendem o velho paralelismo nas franjas dos sistemas
uol.com.br/agencia.asp?coluna=boletim&id=1251, consultado em públicos de proteção social. Não se interrompeu a tendência neoli-
05/01/2006. violentas e práticas econômicas que lucram com a beral de desconstrução da idéia-força do direito social, conquistado
criminalidade e a toxicodependência, penúria sócio-cultural, empo- na luta dos trabalhadores pelo acesso ao excedente, que deveria
brecimento político dos processos artísticos populares, a degrada- ser potencializado pelas estratégias organizativas populares e pelas
ção ambiental, morte por doenças curáveis, fome. medidas de fortalecimento subjetivo e político e de pertencimento
A proposta mais incentivada pelo governo Lula denomina-se a um projeto coletivo de classe, desta vez - como um governo de
Programa Fome-Zero, que consiste, segundo documentos oficiais, esquerda deve honrar - radicalmente democrático, portanto, revo-
“numa estratégia impulsionada pelo governo federal, para assegu- lucionário e anticapitalista.
rar o direito humano à alimentação adequada, priorizando as pes- Assim, já que o Fome Zero não é direito social nem projeto
soas com dificuldades, de acesso aos alimentos. Tal estratégia se in- de classe é mais uma vez favor, benesse, ação abnegada, doação,
sere na promoção da segurança alimentar e nutricional e contribui enfim, a repavimentação dos percursos que pretendem comprimir
para a erradicação da extrema pobreza e a conquista da cidadania o espaço público, transfigurá-lo em oposição ao projeto popular e
da população mais vulnerável à fome”. Nenhuma proposta pode- democrático. O tema da pobreza, sufocado da sua dimensão estru-
ria ser menos ambiciosa. Com toda propaganda veiculada não se tural, permanece confinado como um problema da esfera do consu-
verifica no Programa Fome Zero algo que é essencial para o povo mo e da estrutura familiar, por esta razão as medidas são tão tími-
brasileiro: a garantia do direito social, cuja ação do Estado reconhe- das. Por mais que a pobreza seja aguda e na medida em que é uma
ça o vínculo de classe, contribuindo para sedimentar uma noção fe- questão explosiva, o melhor mesmo é esterilizá-la, sobrepondo
cunda e radical de democracia popular, ao mesmo tempo libertária ações diversas e pulverizadas, que não atacam a raiz do problema.
e igualitária. O risco de se atuar na lógica do ajustamento de comportamentos
Como o passado que não quer passar, o que é perene no dese- individuais não é pequeno, haja vista o esforço em empreender e
nho dos atuais programas englobados sob a insígnia do Fome Zero é divulgar as chamadas condicionalidades para que as famílias te-
a trágica visão elitista de sempre, na qual o povo - a população sub- nham acesso aos benefícios.
-empregada e super-explorada – permanece como um indesejável Nos sombrios tempos de capitulação política do atual governo,
“resíduo social”, para o qual qualquer ajuda basta e qualquer apoio com a conhecida naturalização do estado de desigualdades, não é
serve. Não é por outra razão que as ações principais consistem no de se estranhar que a principal medida do governo Lula na área da
Programa BolsaFamília, na construção de cisternas no semi-árido previdência social tenha sido concluir a contrareforma do Governo
nordestino e uma ou outra ação pontual em termos de segurança FHC no que diz respeito aos direitos dos servidores públicos, insti-
alimentar. tuindo a cobrança de contribuição também aos aposentados e o
Nada que se assemelhe a uma potente articulação política e so- fim do regime jurídico único para os novos concursados, ou seja,
cial que seja capaz de enfrentar o mesmo pensamento conservador promovendo o cancelamento do direito à aposentadoria integral,
que naturaliza a pobreza e condena as iniciativas de investimento recém conquistada em 1988.
público no campo dos direitos sociais. Em termos de alocação orça- Empreendeu-se algo pavorosamente cínico, se considerarmos
mentária não é desprezível o redirecionamento de recursos paras que nestes anos todos o Partido dos Trabalhadores - partido do pre-
as ações de transferência de renda socioassistenciais como o Bolsa sidente Lula - foi uma trincheira no parlamento contra tal medida,
Família. Pela primeira vez, famílias miseráveis encontram alguma e que boa parte dos votos obtidos pelo Presidente Lula era fruto
medida de proteção social que seja não-contributiva. também deste compromisso, rapidamente esquecido. Mais abusivo
Mas os limites são muitos: os valores das prestações são muito ainda, se lembrarmos que a base social sindical do PT, era fortemen-
pequenos, os critérios de acesso altamente rigorosos e excludentes te apoiada no funcionalismo público e que o impacto nas contas da
e a sua implementação não se faz acompanhada ainda de um forte previdência social seria, como é, inexpressivo. No fundo esta ação
aparato político-pedagógico de emancipação política, educacional serviu apenas para provar às elites e à opinião pública conservadora
e cultural para os pais e os jovens. que o governo dos trabalhadores poderia cortar na própria carne,
Ao contrário, as ações ainda permanecem sob o império da atacando direitos consagrados, ao invés de encaminhar a luta pela
despolitização, operada, mais uma vez, pela perda de vínculo de sua extensão para o conjunto dos trabalhadores do setor privado.
classe destas políticas públicas com as disputas históricas ao fundo Boicotes explícitos ao Sistema Único de Saúde permanecem,
público. No que se oculta tais vínculos, ou seja, não se combate a assustadoramente, sob o governo Lula. A definição do percentual
destinação dos recursos públicos ao velho sistema de privilégios e de recursos financeiros federais, previstos na Constituição Federal
assegura sua alocação para as ações de redução das desigualdades para o SUS, permanece descumprida pela política econômica. Na
sociais, tudo permanece como nos modelos atuais, uma ação polí- comparação internacional nossos atuais 3,2% do PIB, destinados
tica governamental ambígua, que oscila entre o apelo eleitoreiro e à saúde, representam porcentagem menor do que da Bolívia, Co-
uma versão ainda estigmatizadora da pobreza. lômbia, África do Sul, Rússia, Venezuela, Uruguai, Argentina (cerca
Adotar o caminho salvacionista do Fome Zero pode ser um de 5.12%), Cuba (6,25%), EEUU (6,2%) Japão, Inglaterra, Austrália,
grande giro, mas de 360°. Portugal, Itália, Canadá, França, Alemanha (8,1%).
A proliferação das propostas neste campo do combate à pobre- O sub-financiamento do SUS revela-se como uma medida con-
za sem enfrentar suas causas - as estratégias macroeconômicas que creta a impossibilitar a oferta de serviços públicos, gratuitos e com
promovem a super-acumulação capitalista-rentista e do seu equi- qualidade, como reza a Constituição, e conforme as necessidades
valente, a crescente pauperização do povo – reproduz a submissão da população. Como um direito social altamente valorizado no mer-
e a docilidade que parecem condenar à mesmice os governos de cado privado, já que a saúde é uma necessidade humana vital, a
centro-esquerda, tais como o Governo Lula. disputa com o setor lucrativo não ingressou na agenda de priorida-
Tão grave quanto o pequeno investimento financeiro é cons- des do governo Lula, onde interesses e pressões de mercado dos
tatar que as ações do Governo Lula se organizam precariamente, produtores de equipamentos, de medicamentos, de tecnologias e
em nome de uma solidariedade sem sujeitos e sem projetos, reedi- de prestadores de serviços e corporações poderosas mantêm-se
tando os mecanismos de dominação e de subalternização políticas, intactos.

4
ATUALIDADES
O quadro de desfinanciamento da saúde pública gera o inevitá- Organizações Não Governamentais
vel: intensa repressão de demanda, insuportável congestionamen-
to nos pronto-socorros e consultórios de especialidades, precariza- As organizações não-governamentais desempenham um papel
ção da atenção básica preventiva e o predomínio de intervenções fundamental na modelagem e implementação da democracia par-
tardias, com suas doenças preveníveis não prevenidas, com doen- ticipativa. A credibilidade delas repousa sobre o papel responsável
ças agravadas não atendidas precocemente, mortes evitáveis não e construtivo que desempenham na sociedade. As organizações
evitadas, e expansão da saúde privada, via planos de saúde para formais e informais, bem como os movimentos populares, devem
classe média. ser reconhecidos como parceiros na implementação da Agenda 21.
Como se não bastasse toda esta herança intocada, o governo A natureza do papel independente desempenhado pelas organiza-
Lula aprofunda a crise, no que atua contra a regulamentação da ções não-governamentais exige uma participação genuína; portan-
Emenda Constitucional 29, que garante a vinculação de percentuais to, a independência é um atributo essencial dessas organizações e
mínimos para aplicação orçamentária na política de saúde. Os valo- constitui condição prévia para a participação genuína.
res são expressivos, cerca de R$ 2,3 bilhões representa a diferença Um dos principais desafios que a comunidade mundial en-
acumulada pelo não cumprimento por parte do governo federal da frenta na busca da substituição dos padrões de desenvolvimento
EC. 29 nos anos de 2001 a 2005, porém só no governo Lula este insustentável por um desenvolvimento ambientalmente saudável e
déficit acumula a cifra de R$1.832.000,00. sustentável é a necessidade de estimular o sentimento de que se
Se os direitos sociais devem ser universais e a proteção social
persegue um objetivo comum em nome de todos os setores da so-
que estes suscitam deve ser pública e gratuita, ou seja, desmer-
ciedade. As chances de forjar um tal sentimento dependerão da dis-
cadorizada, como explicar que na área de Educação a medida de
posição de todos os setores de participar de uma autêntica parceria
maior impacto tenha se restringido ao Programa Universidade para
social e diálogo, reconhecendo, ao mesmo tempo, a independência
Todos que nada mais é do que organizar ampliando o abusivo re-
curso da renúncia fiscal dos encargos previdenciários, no esforço dos papéis, responsabilidades e aptidões especiais de cada um.
de subvencionar o setor privado das universidades em troca de am- As organizações não-governamentais, inclusive as organizações
pliação de vagas por fora do sistema público e gratuito? sem fins lucrativos que representam os grupos de que se ocupa esta
Após três anos de governo, ainda hoje o Governo Lula não foi seção da Agenda 21, possuem uma variedade de experiência, co-
capaz de enfrentar uma grave lacuna na regulamentação da LDB, nhecimento especializado e capacidade firmemente estabelecidos
que é o desfinanciamento da educação infantil. nos campos que serão de particular importância para a implemen-
Mesmo sendo um direito absolutamente vital para as classes tação e o exame de um desenvolvimento sustentável, ambiental-
populares, no que garantiria creche pública para todas as crianças mente saudável e socialmente responsável, tal como o previsto em
até seis anos de idade, somente por meio de uma longa e penosa toda a Agenda 21. Portanto, a comunidade das organizações não
luta, travada pelos movimentos sociais, é que o governo Lula se ma- governamentais oferece uma rede mundial que deve ser utilizada,
nifestou - através de iniciativa legislativa ainda não aprovada - com capacitada e fortalecida para apoiar os esforços de realização des-
a possibilidade de assumir parte no cofinanciamento desta área, ses objetivos comuns.
uma vez que os municípios e estados, diante da omissão do gover- Para assegurar que a contribuição potencial das organizações
no federal, têm feito o mesmo: rejeitado um direito vital e universal não governamentais se materialize em sua totalidade, deve-se pro-
à educação às crianças pequenas, mantendo o ciclo de pobreza nos mover a máxima comunicação e cooperação possível entre elas
seus níveis imorais de hoje. e as organizações internacionais e os Governos nacionais e locais
Um marcador valioso para dimensionar os insignificantes esfor- dentro das instituições encarregadas e programas delineados para
ços na direção da transformação do desmonte das políticas públicas executar a Agenda 21. Será preciso também que as organizações
pode ser obtido com a análise do financiamento federal dos gastos não-governamentais fomentem a cooperação e comunicação entre
sociais em comparação com os grandes números do orçamento pú- elas para reforçar sua eficácia como atores na implementação do
blico, como condensado nos dados abaixo, em relação ao ano de desenvolvimento sustentável.
2004:
Por fim, cabe ressaltar que o governo Lula de fato realizou mo- Objetivos
dificações importantes, sobretudo quando comparado aos feitos
desastrosos do Governo anterior.
A sociedade, os Governos e os organismos internacionais de-
Porém, isto não elide o fato de que a timidez e o continuís-
vem desenvolver mecanismos para permitir que as organizações
mo no conteúdo, na forma e no alcance das políticas sociais em
não-governamentais desempenhem seu papel de parceiras com
nada asseguram qualquer alteração na composição das estruturas
responsabilidade e eficácia no processo de desenvolvimento sus-
de poder político e econômico, imprescindíveis à recomposição das
estruturas públicas de proteção social, com clareza de propósitos tentável e ambientalmente saudável.
universalistas, para além dos alegados problemas de caixa. Para fortalecer o papel de parceiras das organizações não-go-
Uma razão de Estado comprometida com as maiorias popu- vernamentais, o sistema das Nações Unidas e os Governos devem
lares participando efetivamente, não só da produção, mas em es- iniciar, em consulta com as organizações não-governamentais, um
pecial do usufruto da riqueza socialmente produzida e também da processo de exame dos procedimentos e mecanismos formais para
socialização do poder político-decisório, constitui-se como arranjo a participação dessas organizações em todos os níveis, da formula-
institucional possível, desejável e absolutamente imprescindível ção de políticas e tomada de decisões à implementação.
para a democracia radicalmente igualitária. Infelizmente o governo Até 1995, deve-se estabelecer um diálogo mutuamente produ-
Lula, desde seu primeiro dia, abriu mão desta histórica realização. tivo no plano nacional entre todos os Governos e as organizações
não-governamentais e suas redes auto-organizadas para reconhe-
cer e fortalecer seus respectivos papéis na implementação do de-
senvolvimento ambientalmente saudável e sustentável.

5
ATUALIDADES
Os Governos e os organismos internacionais devem promover Conseguir a participação das organizações não-governamen-
e permitir a participação das organizações não-governamentais na tais nos mecanismos ou procedimentos nacionais estabelecidos
concepção, no estabelecimento e na avaliação de mecanismos ofi- para executar a Agenda 21, fazendo o melhor uso de suas capacida-
ciais procedimentos formais destinados a examinar a implementa- des particulares, em especial nos campos do ensino, mitigação da
ção da Agenda 21 em todos os níveis. pobreza e proteção e reabilitação ambientais;
Levar em consideração as conclusões dos mecanismos de mo-
Atividades nitoramento e exame das organizações não-governamentais na
elaboração e avaliação de políticas relativas à implementação da
O sistema das Nações Unidas, incluídos os organismos interna- Agenda 21 em todos os seus níveis;
cionais de financiamento e desenvolvimento, e todas as organiza- Examinar os sistemas governamentais de ensino para identifi-
ções e foros intergovernamentais, em consulta com as organizações car maneiras de incluir e ampliar a participação das organizações
não-governamentais, devem adotar medidas para: não-governamentais nos campos do ensino formal e informal e de
Examinar e informar sobre as maneiras de melhorar os proce- conscientização do público;
dimentos e mecanismos existentes por meio dos quais as organi- Tornar disponível e acessível às organizações não-governamen-
zações nãogovernamentais contribuem para a formulação de po- tais os dados e informação necessários para que possam contribuir
líticas, tomada de decisões, implementação e avaliação, no plano efetivamente para a pesquisa e a formulação, implementação e
de organismos individuais, nas discussões entre instituições e nas avaliação de programas.
conferências das Nações Unidas;
Tendo por base o inciso (a) acima, fortalecer, ou caso não exis- Meios de implementação
tam, estabelecer mecanismos e procedimentos em cada organismo
para fazer uso dos conhecimentos especializados e opiniões das or- (a) Financiamento e estimativa de custos
Dependendo do resultado dos processos de exame e da evo-
ganizações nãogovernamentais sobre formulação, implementação
lução das opiniões sobre a melhor maneira de forjar a parceria e o
e avaliação de políticas e programas;
diálogo entre as organizações oficiais e os grupos de organizações
Examinar os níveis de financiamento e apoio administrativo às
não-governamentais, haverá gastos nos planos nacional e interna-
organizações não-governamentais e o alcance e eficácia da partici-
cional, relativamente baixos, mas imprevisíveis, a fim de melhorar
pação delas na implementação de projetos e programas, tendo em
os procedimentos e mecanismos de consulta.
vista aumentar seu papel de parceiras sociais; Da mesma forma, as organizações não-governamentais preci-
Criar meios flexíveis e eficazes para obter a participação das sarão de financiamento complementar para estabelecer sistemas
organizações não-governamentais nos processos estabelecidos de monitoramento da Agenda 21, ou para melhorá-los ou contribuir
para examinar e avaliar a implementação da Agenda 21 em todos para o funcionamento deles.
os níveis; Esses custos serão significativos, mas não podem ser estimados
Promover e autorizar as organizações não-governamentais e com segurança com base na informação existente.
suas redes autoorganizadas a contribuir para o exame a a avaliação (b) Fortalecimento institucional
de políticas e programas destinados a implementar a Agenda 21, As organizações do sistema das Nações Unidas e outras organi-
inclusive dando apoio às organizações não-governamentais dos paí- zações e foros intergovernamentais, os programas bilaterais e o se-
ses em desenvolvimento e suas redes auto-organizadas; tor privado, quando apropriado, precisarão proporcionar um maior
Levar em consideração as conclusões dos sistemas de exame e apoio financeiro e administrativo às organizações não-governa-
processos de avaliação das organizações não-governamentais nos mentais e suas redes autoorganizadas, em particular para aquelas
relatórios pertinentes da Secretaria Geral à Assembléia Geral e de sediadas nos países em desenvolvimento, que contribuam ao mo-
todos os órgãos das Nações Unidas e de outras organizações e fo- nitoramento e avaliação dos programas da Agenda 21, e proporcio-
ros intergovernamentais pertinentes, relativas à implementação da nar treinamento às organizações nãogovernamentais (e ajudá-las a
Agenda 21, em conformidade com o processo de exame da Agenda. desenvolver seus próprios programas de treinamento) nos planos
Proporcionar o acesso das organizações não-governamentais a internacional e regional, para intensificar seus papéis de parceiras
dados e informação exatos e oportunos para promover a eficácia de na formulação e implementação de programas.
seus programas e atividades e de seus papéis no apoio ao desenvol- Os Governos precisarão promulgar ou fortalecer, sujeitas às
vimento sustentável. condições específicas dos países, as medidas legislativas necessá-
rias para permitir que as organizações não-governamentais esta-
Os Governos devem tomar medidas para: beleçam grupos consultivos e para assegurar o direito dessas or-
Estabelecer ou intensificar o diálogo com as organizações não- ganizações de proteger o interesse público por meio de medidas
governamentais e suas redes auto-organizadas que representem judiciais.
setores variados, o que pode servir para: (i) examinar os direitos e
responsabilidades dessas organizações; (ii) canalizar eficientemen-
te as contribuições integradas das organizações não-governamen-
tais ao processo governamental de formulação de políticas; e (iii)
facilitar a coordenação não-governamental na implementação de
políticas nacionais no plano dos programas;
Estimular e possibilitar a parceria e o diálogo entre organiza-
ções nãogovernamentais e autoridades locais em atividades orien-
tadas para o desenvolvimento sustentável;

6
ATUALIDADES
A preservação dos recursos naturais passou a ser preocupação O agir administrativo na seara ambiental é repleto de deveres
mundial e nenhum país tem o direito de fugir dessa responsabili- para conservação e a proteção do meio ambiente. A inércia, au-
dade. sência de atuação e fiscalização do Estado trazem conseqüências
nefastas aos interesses da sociedade, ao meio ambiente e à quali-
A necessidade de proteção ambiental é antiga, surgindo quan- dade de vida do ser humano, sendo necessária a conscientização da
do o homem passou a valorizar a natureza, inicialmente de forma população que deve exigir o cumprimento das leis existentes que
mais amena, e atualmente, de forma mais acentuada. Primordial- asseguram uma efetiva proteção ambiental, sendo evidente a ação
mente, se dava a importância à natureza por ser uma criação divina. coercitiva dessas garantias e, portanto, obrigatório o seu cumpri-
Depois, que o homem começou a reconhecer a interação dos com- mento pelos governantes.
ponentes bióticos e abióticos que interagem no ecossistema é que Claro que na hipótese da negação de direitos assegurados pela
efetivamente sua responsabilidade aumentou. Carta Constitucional e legislação infraconstitucional que garantem
Com a evolução da sociedade, o homem foi rapidamente de- a democracia e os direitos fundamentais ao meio ambiente sadio
gradando o meio ambiente, contaminando-o com resíduos nucle- para as gerações presentes e futuras e da saúde pública ambiental
ares, disposição de lixos químicos, domésticos, industriais, hospita- resta tão-somente, o controle judicial das Políticas Públicas através
lares de forma inadequada, pelas queimadas, pelo desperdício dos do Poder Judiciário.
recursos naturais não renováveis, pelo efeito estufa, pelo desmata-
mento indiscriminado, pela contaminação dos rios, pela degrada- A proteção constitucional do meio ambiente
ção do solo através da mineração, pela utilização de agrotóxicos,
pela má distribuição de renda, pela acelerada industrialização, pelo Na Constituição Federal, o artigo 225[3] exerce o papel nortea-
dor do meio ambiente devido a seu complexo teor de direitos, men-
crescimento sem planejamento das cidades, pela caça e pela pesca
surado pela obrigação do Estado e da Sociedade na garantia de um
predatória.
meio ambiente ecologicamente equilibrado. Importante salientar,
A preocupação com a preservação do meio ambiente é recente
ainda, que a Constituição ao longo de vários outros artigos trata do
na história da humanidade, realidade esta também no Brasil. Com o
meio ambiente e das imposições legais para preservá-lo.
acontecimento de catástrofes e problemas ambientais, os organis-
mos internacionais passaram a exigir uma nova postura, sendo mar- A vontade do legislador brasileiro em relação à proteção ao
cante a atuação da Organização das Nações Unidas (ONU) que em meio ambiente está marcada na Constituição Federal através da
1972 organizou a Conferência das Nações Unidas sobre Meio Am- distribuição da competência em matéria ambiental que passou a
biente Humano. A partir dessa Conferência, com a elaboração da ser comum entre União, Estados e Municípios, conforme o artigo
declaração de princípios (Declaração de Estocolmo), os problemas 23, que dispõe: “VI proteger o meio ambiente e combater a polui-
ambientais receberam tratamentos diferentes, tendo repercussão ção em qualquer de suas formas; VII ­preservar florestas, a fauna e a
no Brasil. Há pouco a legislação nacional sofreu um forte impacto flora”. Restou, além disto, forte no artigo 225, que o bem ambiental
com o surgimento de novas leis e, em especial, da Lei 6.938/81, é um bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade
conhecida como Lei da Política Nacional do Meio Ambiente, que de vida, assegurando o direito ao meio ambiente ecologicamente
reconhece juridicamente o meio ambiente como um direito próprio equilibrado como direito de todos. Portanto, a natureza jurídica do
e autônomo e terminou com as preocupações pontuais, centradas bem ambiental é bem de uso comum do povo e essencial à sadia
em problemas específicos inerentes às questões ambientais de vi- qualidade de vida, criando um terceiro gênero de bem que não é
zinhança, propriedade, ocupação do solo, utilização dos recursos público e muito menos privado. Agora cabe tanto ao Estado (Poder
minerais e apropriação das florestas, etc.. A partir desse momento, Público) como à sociedade civil (coletividade) o dever de preservar
iniciou-se no Brasil uma Política Nacional do Meio Ambiente que os bens ambientais não só para quem está vivo nos dias de hoje
estabeleceu princípios, diretrizes e instrumentos para a proteção (presentes gerações) como para aqueles que virão (futuras gera-
ambiental. Sob a influência de paradigmas internacionais, o Brasil ções) a existência real dos bens ambientais.
avança e, na Constituição de 1988, criou-se o elemento normativo Não se pode esquecer, como já referido, de que o artigo 225
que faltava para considerar o Direito Ambiental uma ciência autô- é apenas o porto de chegada ou ponto mais saliente de uma série
noma dentro do ordenamento jurídico brasileiro, a exemplo do que de outros dispositivos que, direta ou indiretamente, instituem uma
já ocorria em outros países. verdadeira malha regulatória que compõe a ordem pública ambien-
O Direito Ambiental, segundo José Rubens Morato Leite: tal baseada nos princípios[4] da primariedade do meio ambiente e
“[...] se ocupa da natureza e futura gerações nas sociedades de da explorabilidade limitada da propriedade, ambos de caráter geral
risco, admitindo que a projeção dos riscos é capaz de afetar desde e implícito.
hoje o desenvolvimento do futuro, que importa afetar, portanto, as Sobre a proteção constitucional ao meio ambiente, José Ru-
garantias do próprio desenvolvimento da vida”.[1] bens Morato Leite expressa:
Na Constituição Federal de 1988, a proteção do ambiente e “Em termos formais, a proteção do meio ambiente na Consti-
salvaguarda da sadia qualidade de vida são asseguradas através da tuição de 1988 não segue - nem seria recomendável que seguisse -
implementação de políticas públicas[2]. Apesar da existência des- um único padrão normativo, dentre aqueles encontráveis no Direito
sas garantias constitucionais e da legislação infraconstitucional, que Comparado. Ora o legislador utiliza-se da técnica do estabelecimen-
vedam a poluição sonora causada por bares, que exigem o depósito to de direito e dever gené­ricos (p. ex.. a primeira parte do artigo
do lixo em aterros, que proíbem o lançamento de esgoto sem trata- 225, caput, ora faz uso da instituição de deveres especiais (p. ex.,
mento em corpos de água, restringem o corte de árvores, que exi- todo o artigo 225, § 1º.). Em alguns casos, tais enunciados norma-
gem Estudo de Impacto Ambiental (EIA), que exigem o Relatório de tivos podem ser apreciados como princípios específicos e explícitos
Impacto Ambiental (RIMA), que estabelecem diretrizes, critérios e (p. ex., os princípios da função ecológica da propriedade rural e do
procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil; etc., polui dor-pagador, previstos, respectivamente, nos arts. 186, II, e
verifica-se ausência de eficácia dessas garantias pela não aplicação 225, §§ 22 e 32), noutros, como instrumentos de execução (p. ex.,
efetiva dessas políticas públicas pelo Poder Público. a previsão do Estudo Prévio de Impacto Ambiental ou da ação civil

7
ATUALIDADES
pública). O constituinte também protegeu certos biomas hiperfrá- Dessa forma, ainda segundo Eduardo Appio:
geis ou de grande valor ecológico (p. ex., a Mata Atlântica, o Pan- “As políticas públicas podem ser conceituadas, portanto, como
tanal, a Floresta Amazônica, a Serra do Mar e a Zona Costeira)”.[5] instrumentos de execução de programas políticos baseados na in-
Na Constituição Federal, restou assegurado que todos têm di- tervenção estatal na sociedade com a finalidade de assegurar igual-
reito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso dade de oportunidade aos cidadãos, tendo por escopo assegurar as
comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se condições materiais de uma existência digna a todos os cidadãos”.
ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá- Por sua vez, as políticas públicas devem obrigatoriamente estar
-lo para as presentes e futuras gerações (artigo 225). diretamente voltadas a realizar os desígnios constitucionais, por-
Analisando o § 1º do artigo 225 da Constituição Federal, veri- tando os programas de ação governamental devem ser balizados
fica-se que para assegurar a efetividade desse direito ao meio am- em direitos previstos, ainda que de forma genérica, na Constituição.
biente ecologicamente equilibrado na forma do disposto no inciso Importante frisar que a implementação de políticas públicas
I, deste parágrafo, compete ao Poder Público preservar e restaurar não afasta a legalidade das mesmas.
os processos ecológicos essenciais e prover o manejo ecológico Na atualidade, os governos são questionados e cobrados, para
das espécies e ecossistemas. Também é responsabilidade do Poder apresentarem soluções às crescentes demandas sociais, não só
Público exigir, na forma da lei, para instalação de obra ou ativida- pelo aumento do déficit econômico, mas como resultado de uma
de potencialmente causadora de significativa degradação do meio participação cada vez maior do povo na vida política, o que é rele-
ambiente, estudo prévio de impacto ambiental a que se dará pu- vante para a consolidação do processo democrático no país.
blicidade (inciso IV). Além disso, ao Poder Público cabe controlar a Promover o desenvolvimento humano, proteger o cidadão e
produção, a comercialização e o emprego de técnicas, métodos e incentivar as atividades econômicas devem ser as principais atri-
substâncias que comportem risco para a vida, a qualidade de vida e buições do Estado.
o meio ambiente (inciso V). No que tange ao Direito Ambiental, é forçoso reconhecer-se a
Assim, pelo que se depreende do texto constitucional, a prote- existência de suficiente legislação ordinária e capítulo constitucio-
ção ao meio ambiente e ao meio ambiente equilibrado são conside- nal para a proteção do ambiente e salvaguarda da sadia qualidade
rados direitos fundamentais, sendo que a concretização/realização de vida. Todavia, é deficiente sua implementação, uma vez que os
dos mesmos é uma diretriz, um balizamento, uma determinação, órgãos estatais estão insuficientemente equipados para sua imple-
uma responsabilidade do Poder Público que deve implementá-las mentação, ou diante das dificuldades da realidade político-adminis-
notadamente através da adoção de Políticas Públicas Estatais, no trativa ou de interesses econômicos de grupos poderosos tornam-
caso ambientais. -se tolerantes/displicentes/condescendentes.
Por sua vez, o Estado ao criar normas jurídicas com o objetivo
Políticas públicas de obter apenas méritos políticos para os parlamentares que apre-
sentam os projetos de lei sem, contudo, ter interesse na efetiva
A população tem o direito de obter determinados serviços por aplicação dessa legislação, busca, sub-repticiamente, não ferir inte-
intermédio do Governo, cabendo a este assegurar determinados di- resses de industriais, construtoras, imobiliárias, estabelecimentos
reitos aos cidadãos, notadamente os direitos fundamentais sociais comerciais, enfim, grupos[8] com atividades econômicas que costu-
como saúde, educação, segurança pública. O Poder Executivo não mam provocar impactos negativos significativos ao meio ambiente.
apenas executa as leis, mas determina suas políticas e programas Estamos diante do que Antonio Herman de Vasconcelos e Benjamin
necessários à realização dos ordenamentos legais. descreve como o Estado teatral [9]. Portanto, ainda hoje temos uma
Nas políticas públicas, o próprio planejamento estatal tem por teatralidade estatal, existindo a separação entre a lei e sua imple-
finalidade o atingimento do interesse público, assim não se trata mentação, entre a norma escrita e a norma praticada, resultante
de eleição pura e simples de prioridades governamentais e, sim, a em uma Ordem Pública Ambiental incompleta.
concretização da opção já levada a efeito pelo legislador que, ao Nas questões ambientais o Poder Público tem o papel de pre-
elaborar tais metas em planos de ação executiva, deve junto com venção ao dano, sendo esse o seu dever constitucional.
o administrador, observar os objetivos de igualdade e justiça social Em que pese à obrigação do Estado de prover e concretizar
da República, que formam a base da Ordem Social Constitucional. políticas públicas que possibilitem uma vida digna ao cidadão com
As normas constitucionais balizam o legislador, ao passo que os conforto mínimo e condições razoáveis de subsistência quer no as-
mecanismos utilizados pelo administrador são tanto os regramen- pecto da saúde, lazer, trabalho, educação e um meio ambiente sa-
tos constitucionais como os textos infraconstitucionais que estejam dio, isso não ocorre efetivamente. São constantes as denúncias na
em consonância com a ordem instituída. Com efeito, as políticas mídia nacional, sendo a omissão estatal fato corriqueiro tanto na
públicas contempladas em legislação ordinária incumbem o admi- ausência de fiscalização quando da invasão de áreas de preservação
nistrador a sua aplicação e sua regulamentação. permanentes, loteamento irregulares, lixões a céu aberto, ausência
APPIO, trazendo a idéia de Gouvêa, reporta que: de água tratada e tratamento dos resíduos líquidos e sólidos das
“As políticas públicas consistem em instrumentos estatais de cidades, saúde ineficiente, rede de ensino pública sem qualidade e
intervenção na economia e na vida privada, consoante limitações sem produtividade, todos esses fatos são veiculados tanto na mídia
e imposições previstas na própria Constituição, visando assegurar impressa, internet, rádio, e TV. Para socorrer o cidadão e a socie-
as medidas necessárias para a consecução de seus objetivos, o que dade como um todo, nessas situações, tanto o Ministério Público
demanda uma combinação de vontade política e conhecimento como o próprio cidadão individualmente têm a possibilidade de sa-
técnico”. nar a omissão do Governo e exigir o cumprimento de uma política
Assim, as Políticas Públicas viabilizam esses direitos. Os ins- pública em juízo que não se dá apenas quando se trata de poder
trumentos, utilizados pelo governo para intervir na sociedade, na discricionário, pelo contrário, a busca por controle pode ocorrer em
economia, na política, executando programas políticos em busca diferentes momentos através de controle judicial de políticas públi-
de melhores condições de vida aos seus cidadãos, são as Políticas cas sociais e através dos magistrados na condução dessas políticas.
Públicas.

8
ATUALIDADES
Para Zenildo Bodnar: Existe, ainda, o questionamento sobre a natureza jurídica da
“A dogmática processual tradicional construída apenas para responsabilidade administrativa, ou seja, se é responsabilidade ci-
resolver conflitos individuais, também não equaciona com eficácia vil objetiva por risco ou por risco integral. A responsabilidade civil
as ofensas aos bens ambientais. Deve o Estado constitucional eco- objetiva por risco administrativo admite as excludentes de culpa da
lógico facilitar o acesso do cidadão à justiça ambiental não apenas vítima, caso fortuito, força maior e fato da natureza. A responsa-
criando novos instrumentos de defesa, mas principalmente confe- bilidade civil por risco integral não admite causas excludentes de
rindo uma interpretação adequada aos instrumentos processuais já responsabilidade.
existentes como da Ação Civil Pública e a Ação Popular, para confe- No regramento constitucional, a responsabilidade civil do Es-
rir-lhes a verdadeira amplitude e potencial idade. tado por danos provocados liga a responsabilidade à ação estatal
Dentro deste contexto, o papel do Poder Judiciário é ainda através de seus agentes, não existindo na Constituição previsto
mais importante na concretização do direito fundamental, ao meio qualquer tipo de dano provocado por caso fortuito, força maior,
ambiente saudável e do dever fundamental de todos de protegê-lo fato de natureza ou atos predatórios de terceiros, tão somente da-
para a construção deste verdadeiro Estado constitucional ecológi- nos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a terceiros, não
co”. [10] havendo nenhuma restrição.
Resta claro, que está no Poder Judiciário a responsabilidade Conforme disposto no artigo 225 da Constituição, é dever do
de atuar como um poder estratégico, assegurando que as políticas Estado – do Poder Público- preservar e restaurar os processos eco-
públicas garantam a democracia e assegurando, também, o cumpri- lógicos essenciais[11] e prover atuantemente, comissivamente, so-
mento dos direitos fundamentais. bre um ambiente ecologicamente equilibrado que é considerado de
uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impon-
Responsabilidade do Estado pela implementação de políticas do-se sua defesa ao Poder Público e à coletividade.
públicas em matéria ambiental O Estado deve agir através de seus órgãos ambientais de forma
eficaz atuando em defesa do meio ambiente para evitar sua degra-
Incontáveis são os danos causados pelo Poder Público, por dação, utilizando de todos os instrumentos à sua disposição e usar
ação ou omissão, direta ou indiretamente, ao meio ambiente, da- do poder/dever de polícia ambiental.
nos estes decorrentes da ausência da elaboração e implementação Na seara ambiental, o agir administrativo está permeado de
de políticas públicas na área ambiental, ocasionando: a) a poluição deveres de conservação do ambiente natural, impostos pela ordem
de rios e corpos d’água pelo lançamento de efluentes, esgotos ur- constitucional vigente e também pela legislação infraconstitucional
banos e industriais sem o devido tratamento; b) a degradação de recepcionada (como é o caso da Lei da Política Nacional do Meio
ecossistemas e áreas naturais de relevância ecológica; c) o depósito Ambiente, Lei Federal no. 6.938/81) e editada em conformidade
e a destinação final inadequados de lixo urbano; d) o abandono de com a Constituição de 1988. Essas previsões constitucionais e or-
bens integrantes do patrimônio cultural brasileiro. dinárias têm comando coercitivo condizente com a garantia de sua
Dispõe o § 3º, do artigo 225 da Constituição Federal, que as observância pelo governante e possibilita o controle de seus atos.
condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente, sujei- Em que pese ocorrer o cumprimento espontâneo das normas
tarão os infratores, pessoas naturais ou jurídicas, a sanções penais no meio social, não se pode duvidar da possibilidade de sua ino-
e administrativas independentemente da obrigação de reparar os
bservância, surgindo a necessidade da coercibilidade disposta nas
danos causados, restando evidente que a responsabilidade das pes-
regras jurídicas de direito objetivo.
soas naturais ou jurídicas está garantida constitucionalmente.
A formulação de políticas públicas relativas ao meio ambiente
compete ao Poder Legislativo que, em síntese, representa a vonta-
Em relação à Administração Pública, o tema também é tratado,
de do povo, formulando as diretrizes a serem seguidas. Por sua vez,
no capítulo ‘Da Administração Pública’, artigo 37, § 6º da Constitui-
compete ao Poder Executivo a sua execução e a implementação.
ção Federal, ao consignar que as pessoas jurídicas de direito público
Assim, não compete ao poder Judiciário a formulação de políticas
e as de direito privado prestadoras de serviços públicos responde-
públicas ambientais.
rão pelos danos que seus agentes, nessa qualidade, causarem a ter-
ceiros, assegurado o direito de regresso contra o responsável nos Um dos aspectos mais importantes da participação da socie-
casos de dolo ou culpa. O que a Constituição distingue, com efeito, dade na proteção do meio ambiente é o controle da Administração
é o dano causado pelos agentes da Administração pelos danos cau- Pública, por intermédio do Poder Judiciário exercido diretamente,
sados objetivamente, cobrindo o risco administrativo da atuação ou quando o cidadão ingressa com a Ação Popular ou através do Mi-
inação dos servidores públicos. nistério Público, o qual representa institucionalmente os interesses
Surgiu pela primeira vez no Brasil a responsabilidade civil obje- da sociedade, quando constatada a ineficiente implementação de
tiva por dano ambiental através do Decreto no. 79.347, de 20-03-77 políticas públicas para garantir a higidez ambiental e a saúde da
que promulgou a Convenção Internacional sobre responsabilidade população, socorrendo-se, nesta hipótese, ao Poder Judiciário para
civil em danos causados por poluição por óleo, de 1969. Em segui- garantir o exercício efetivo desse direito.
da, foi promulgada a Lei no. 6.453, de 17­10-77, que, em seu artigo Sobre a celeuma da Partição do Poderes, vem sendo supera-
4º, caput, acolheu a responsabilidade objetiva relativa aos danos da nos Tribunais, uma vez que a Constituição não estabeleceu um
provenientes de atividade nuclear. sistema radical de não interferência entre as diferentes funções do
A responsabilidade civil objetiva por danos ambientais foi con- Estado. Nesse aspecto, José Afonso da Silva:
sagrada na Lei nº. 6.938/81, que dispõe sobre a Política Nacional de “De outro lado, cabe assinalar que nem a divisão de funções
Meio ambiente, que expressa no artigo 14, parágrafo 1º. entre os órgãos do poder nem sua independência são absolutas.
“Sem obstar a aplicação das penalidades previstas neste artigo, Há interferências, que visam ao estabelecimento de um sistema de
é o poluidor obrigado, independentemente de existência de culpa, freios e contrapesos, à busca do equilíbrio necessário à rea­lização
a indenizar ou reparar os danos causados ao meio ambiente e a ter- do bem da coletividade e indispensável para evitar o arbítrio e o
ceiros, efetuados por sua atividade. O Ministério Público da União e desmando de um em detrimento do outro e especial­mente dos go-
dos Estados terá legitimidade para propor ação de responsabilidade vernados”. [12]
civil e criminal por danos causados ao meio ambiente”.

9
ATUALIDADES
Nesse sentindo, quando ocorrem omissões do Poder Público
na execução de políticas públicas relativas ao meio ambiente, a so- DESCOBERTAS E INOVAÇÕES CIENTÍFICAS NA
ciedade tem no Poder Judiciário a sua salvaguarda, significando que ATUALIDADE E SEUS IMPACTOS NA SOCIEDADE
compete ao Poder Judiciário, por meio de ações judiciais, determi- CONTEMPORÂNEA
nar que o Estado adote medidas de preservação ao meio ambiente,
como a implantação de sistema de tratamento de esgotos ou de Uma questão crucial e oportuna para um país emergente, que
resíduos sólidos urbanos ou, ainda, a implantação definitiva de es- busca caminhos para alcançar um nível de produção e renda com-
paço territorial protegido, já instituído por norma, ou a preservação patíveis com as necessidades da sociedade, são os processos, e os
de um bem de valor cultural. seus desafios, para gerar valor econômico a partir do conhecimen-
to. Ou seja, é a relação entre o dispêndio em pesquisa e desenvol-
Gestão de Bens Comuns vimento (DPD) e o crescimento do produto interno bruto (PIB) do
país, no presente cenário de um mundo globalizado, além da forma
Políticas Públicas são diretrizes e princípios norteadores da em que esse DPD é aplicado.
ação do poder público. Comecemos por compreender como se realiza o processo em
No tocante às questões ambientais, Esquivel afirma que, a pro- que um dado conhecimento é incorporado ao valor econômico de
posta para uma política para o ambiente, em um país, é motivada um produto ou processo.
por fatores como a conscientização dos governantes sobre o tema Esse mecanismo é complexo e variável para cada tipo de agre-
e influências externas a que seu governo está atrelado. A Política gação.
Pública Ambiental é o documento estratégico da gestão ambiental e Entretanto, é possível estabelecer algumas etapas comuns a
transcende o debate sobre os problemas de preservação ambiental, todos os processos, sistematizando-os para que possamos melhor
ou seja, dar-se-á pleno enfoque à gestão ambiental. compreendê-los e até interferir, com a formulação de políticas pú-
A gestão ambiental é regida por princípios e direcionamentos blicas para o seu pleno desenvolvimento.
gerais, de onde partem todas as ações secundárias, formulados O uso de um conhecimento científico em uma nova aplicação
para resolver problemas ambientais que afetam a sociedade. Es- determina o que vamos chamar de uma descoberta tecnológica.
quivel comenta que o poder público representa, por meio dos seus Esse conhecimento tanto pode ser já consagrado em outros usos
níveis federal, estadual e municipal, o principal agente do meio am-
(por exemplo, válvula de emissão termoiônica para fazer o cines-
biente.
cópio da televisão) ou acabado de ser descoberto (uso do cristal
líquido para fazer uma tela de calculadora). Nessa fase embrionária,
Órgãos de Gestão Ambiental
uma descoberta tecnológica é, em si mesma, essencialmente um
novo conhecimento, um conhecimento tecnológico, que se consti-
Esfera Federal
tui na própria proposta de uma aplicação criativa do conhecimento
científico.
Órgão Superior: O Conselho de Governo, formado pela Casa
Nesse estado nativo, é de muito interesse para atividade aca-
Civil e todos os Ministros; tem a função de assessorar o Presidente
da República na formulação da Política Nacional do Meio Ambiente. dêmica, principalmente para a capacitação de recursos humanos
Órgão Consultivo e Deliberativo: O Conselho Nacional do Meio para a pesquisa, e também porque pode ser objeto de publicações
Ambiente (CONAMA) reúne os diferentes setores da sociedade e e teses. Mas não tem ainda, de per se, um valor econômico, pois
tem caráter normatizador dos instrumentos da Política Ambiental. não é suficientemente robusta para competir, no mercado, com as
O CONAMA é a entidade que estabelece padrões e normas federais. alternativas tecnológicas existentes, e nem é ainda patenteável.
O CONAMA é um colegiado representativo dos setores fede- À essa descoberta tecnológica começam, então, a ser agrega-
rais, estaduais e municipais, empresarial e sociedade civil. É presi- dos inúmeros aperfeiçoamentos, ou inovações tecnológicas, con-
dido pelo Ministro do Meio Ambiente e composto pelas seguintes tadas, muitas vezes, às centenas e até milhares, tanto no produto
instâncias: Plenário, Câmaras Técnicas e Grupos de Trabalho. quanto no seu processo de fabricação. Essas inovações vão imple-
Órgão Central: Ministério do Meio Ambiente (MMA), agente mentando a robustez da tecnologia até dar-lhe suficiente competi-
formulador de Políticas Públicas Ambientais. tividade, para que possa vir a disputar com as outras tecnologias do
Órgão Executor: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos mesmo produto ou processo, ou do seu substituto, uma parcela do
Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), tem a tarefa de executar e seu mercado.
fazer executar as Políticas Ambientais. É importante notar que, em sua grande maioria, essas inova-
ções não exigem que seja gerado um novo conhecimento, mas são
Esfera Estadual simplesmente o uso criativo, para o caso específico, de conheci-
mentos já existentes. Por exemplo, fazer a tela do cinescópio plana
Em geral, Secretarias e Fundações Estaduais do Meio Ambiente ou tornar a tela de cristal líquido em matriz ativa.
com a função de executar a Política Ambiental, monitorar o meio Assim, são, em geral, patenteáveis mas não publicáveis.
ambiente e realizar educação ambiental. Desta forma, podemos conceituar uma descoberta científica
ou tecnológica como um ato acadêmico, realizado no âmbito da
Esfera Municipal universidade, destinado à capacitação de recursos humanos qua-
lificados e gerador de novos conhecimentos publicáveis nos perió-
Em geral, Secretarias e Fundações Municipais do Meio Ambien- dicos especializados, como prova de sua originalidade e valor como
te, responsáveis pelo controle e fiscalização das atividades de pro- um conhecimento.
teção e melhoria da qualidade ambiental. A inovação, ao contrário, como acima apresentado, é uma ati-
vidade econômica, executada no ambiente da produção, e que se
destina a dar mais competitividade a uma tecnologia, ou descober-
ta tecnológica, de um produto ou processo, ampliando a sua parce-
la de mercado e, assim, agregando valor econômico e lucratividade.

10
ATUALIDADES
Portanto, uma tecnologia constitui-se de uma descoberta, o A medida internacionalmente usada para avaliar o grau de
uso de algum conhecimento recente ou não em uma nova aplica- inovação é a outorga ou obtenção de patentes de invenção. Como
ção, robustecida por centenas ou milhares de inovações utilizando as patentes têm âmbito local, toma-se o mercado americano para
criativamente conhecimentos existentes. Um mesmo produto tem, comparação, por ser o maior mercado mundial, com 157 mil paten-
em geral, umas poucas descobertas amplamente conhecidas atra- tes em 2000. Apenas 12 países geram 95% dessas patentes ameri-
vés de publicações e centenas ou milhares de inovações, protegidas canas. Entre esses, só dois emergentes: Taiwan, o quarto, e Coréia,
do conhecimento e uso por terceiros através de patentes. o oitavo. A nossa posição é humilhante para a nossa criatividade, o
Como exemplo, temos a tela de monitor que, em 70 anos de tamanho e a diversidade da nossa economia e as expectativas da
existência, teve duas descobertas tecnológicas, válvula termoiônica nossa sociedade: tivemos menos de um milésimo das patentes, em
e cristal líquido, e milhares de inovações patenteadas por diversos 2000.
fabricantes, pois é óbvio que os atuais modelos no mercado só têm Mas o mais grave é que enquanto crescemos de três em três
em comum com os primeiros as descobertas tecnológicas. Outro patentes, os países acima citados agregam cerca de uma quarta
exemplo é a propulsão do avião que, em cem 130 anos, só teve parte a cada ano, dobrando a cada três anos. São países que mobili-
três descobertas: a hélice, o turbo-hélice e o jato. Mas o número de zam a sua criatividade para alcançar a autonomia tecnológica, asse-
inovações conta-se aos milhares. gurar a competitividade, elevar a renda, distribuila de forma justa e,
Note-se que as inovações podem ser desenvolvidas em desco- assim, construir o próprio futuro. E inovação tecnológica própria é
bertas tecnológicas recentes ou antigas, pelos que realizaram a des- o que não temos na medida do necessário. Veja-se o quadro abaixo.
coberta ou por outros produtores. Assim, a Coréia, embora domine Patentes outorgadas nos Estados Unidos
o mercado de monitores, não descobriu nenhuma das duas tecno-
logias usadas para telas. O mesmo ocorre com a telefonia celular,
que não é descoberta da Nokia, da Samsung ou da Motorola, os
três principais fabricantes. Assim como a Embraer não descobriu
o avião.
Como a descoberta tecnológica, em seu estado natural, não
tem viabilidade no mercado sem as inovações, fica claro que essas
é que são o real mecanismo de agregação de valor econômico, na
medida em que transformam uma descoberta em um produto ou
processo capaz de disputar o mercado, pela quase contínua incor-
poração de conhecimentos.
Um aspecto relevante é que uma descoberta tecnológica pode
consumir 10, 20 ou mais anos para alcançar suficiente robustez para Fonte: U.S. Patent and Trade Mark Office. (1) Ajuste linear.
tornar-se uma tecnologia e disputar mercado. E, por vezes, isso ja-
mais acontece e a descoberta acaba definitivamente abandonada. A consequência direta da competência na inovação é que o
O seu risco, portanto, é muito elevado. A inovação, ao contrário, na país pode disputar o mercado internacional pela via das exporta-
medida em que é o atendimento de uma demanda real do merca- ções. Isso amplia o mercado para os seus produtos e, assim, propi-
do, por ser mais objetiva, é rapidamente implementada e, por essas cia condições de um crescimento mais rápido da economia, isto é,
razões, tem baixo risco. do PIB. Veja-se, no quadro abaixo, como o nosso desempenho se
Portanto, mesmo para um país que descobre novas tecnolo- compara com países que têm uma intensiva geração de inovações,
gias, como os países do primeiro mundo, é indispensável ter uma uma vez que é no setor produtivo que se executam mais de 70% do
eficiente geração de inovações no setor produtivo, para que alcance DPD total do país.
uma agregação efetiva de valor econômico com o uso do conheci- Crescimento do PIB e do dispêndio em inovação, taxas anuais
mento. E este, entretanto, nem precisou ser gerado no próprio país, médias (%)
como é o caso de Taiwan e Coréia.
Portanto, para transformar conhecimento em valor agregado,
a geração de inovações é condição indeclinável. E a descoberta de
novas tecnologias é conveniente, desde que o setor produtivo seja
um gerador de inovações.
A posição do nosso país está muito aquém do desejável e até
do necessário para alimentar o nosso desenvolvimento sustentado.
Temos realizado, nos últimos 30 anos, o DPD de modo irregular e,
principalmente, ineficiente, para a transformação de conhecimento
em valor econômico, posto que a nossa política de fomento à pes-
quisa (ou política de ciência & tecnologia, na nomenclatura oficial)
não contempla a geração de inovações pelo setor produtivo, mas
apenas as descobertas científicas e tecnológicas, realizadas no âm-
bito acadêmico. É o que mostram a medida da nossa inventividade
e de crescimento do PIB.

Fontes: 1) Banco Mundial; 2) página Internet; 3) KITA, 2000.

11
ATUALIDADES
Temos o pior desempenho entre os países acima e nem sequer Busca
temos os dados de dispêndio em inovação do nosso país, estimados Faça sua pesquisa na Internet:
em cerca de 0,10 a 0,15 do PIB. O mais grave, porém, é que a dis-
tância entre a nossa economia e a dos EUA aumentou nos últimos A União Astronômica Internacional excluiu Plutão como um
vinte anos. Além disso, fomos ultrapassados em PIB per capita por planeta de pleno direito do Sistema Solar no dia 24 de agosto de
Taiwan (US$ 14,4 mil) e pela Coréia (US$ 13,7 mil), contra apenas 2006, após longas e intensas controvérsias sobre esta resolução.
US$ 3,5 mil do nosso país, o 81o do mundo. Em 1981, porém, o
PIB per capita da Coréia era um quarto menor e o de Taiwan só Plutão não é mais considerado planeta
5% maior do que o nosso. Ou seja, em cerca de 20 anos, o PIB per
capita de Taiwan cresceu quase quatro vezes mais do que o nosso, Com a decisão votada no plenário da XXVI assembléia geral da
e o da Coréia, cerca de cinco vezes mais. entidade, realizada em Praga, se reduziu o número de planetas no
O nosso mau desempenho em inovações deixou as indústrias Sistema Solar de nove para oito. Os mais de 2,5 mil analistas de 75
nacionais, que sobreviveram à desnacionalização dos anos noven- países reunidos na capital checa reconhecem desta forma que se
ta, sem um mínimo de competitividade, condição essencial ao cres- cometeu um erro quando se outorgou a Plutão a categoria de pla-
cimento da sua produção. Ora, sem fomento governamental para neta, em 1930, ano de sua descoberta.
inovações tecnológicas e sem tempo e capital para desenvolvê-las A definição adotada preenche um vazio que existia neste cam-
com risco próprio, as empresas foram compelidas a recorrer ao li- po científico desde os tempos do astrônomo polonês Copérnico
cenciamento de patentes e de tecnologias do exterior. Isso propi- (1473-1543). A nova definição estabelece três grupos de planetas, o
ciou um crescimento moderado de 23% do PIB, de 1992 a 1997, ao primeiro com os oito planetas “clássicos” - Mercúrio, Vênus, Terra,
custo de se elevarem as patentes licenciadas em quase cem vezes Marte, Júpiter, Netuno, Saturno e Urano -, depois um segundo, que
e os gastos diretos com licenciamentos externos em mais de nove são os asteróides, e um terceiro grupo, com Plutão e o novo objeto
vezes, no período, como se nota no quadro abaixo. UB313, descoberto no ano passado.
Plutão, além de ser reduzido a um planeta anão, agora é o as-
Gastos com licenciamentos externos (US$ milhões) teróide número 134340 do Centro de Planetas Menores, organiza-
ção oficial que coleta dados sobre asteróides e cometas.
Segundo o acordo acertado na reunião da UAI, será chamado
de planeta um corpo celeste que esteja na órbita de uma estrela,
sem ser ele mesmo uma estrela. O corpo celeste também precisa
ter massa suficiente para que sua própria gravidade molde-o numa
forma praticamente esférica, e que tenha limpado os arredores de
sua órbita.
Plutão, descoberto há 76 anos pelo cientista americano Clyde
Tombaugh (1906-1997), é objeto de polêmica há décadas, princi-
palmente devido a seu tamanho, que foi reduzido ano após ano
e que foi estabelecido agora em 2,3 mil quilômetros de diâmetro.
Assim, Plutão é muito menor que a Terra (12.750 quilômetros)
e até mesmo menor que a Lua (3.480 quilômetros) e o UB313 (3 mil
quilômetros), que no entanto está muito mais longe do Sol.
Outro argumento contra Plutão é a forma pouco ortodoxa de
Fonte: Banco Central sua órbita, cuja inclinação não é paralela à da Terra e a dos outros
sete planetas do Sistema Solar.
O desafio, portanto, é gerar no país as inovações tecnológicas Mesmo assim, centenas de cientistas dos Estados Unidos firma-
exclusivas que nos faltam para propiciar, à nossa produção, um alto ram um abaixo-assinado contra a recente decisão internacional de
valor econômico agregado e uma forte competitividade nos merca- retirar o status de planeta de Plutão. A rebelião astronômica mostra
dos internacionais. Os exemplos de Taiwan e Coréia, países emer- que o debate sobre a definição dos planetas deve prosseguir.
gentes que realmente estão crescendo pela via da inovação própria,
são os exemplos. Outros são China e Índia, que já seguem a mesma Projeto Genoma
trilha com resultados significativos. Para vencer esse desafio, preci-
samos criar políticas públicas de fomento à inovação própria gerada O Projeto Genoma Humano é um empreendimento internacio-
no setor produtivo, principalmente para tecnologias já existentes e nal, iniciado formalmente em 1990 e projetado para durar 15 anos,
comerciais. Mas, para realizá-lo, precisamos, decididamente, em- com os seguintes objetivos:
penhar-nos em mobilizar os produtores, bem como a toda a socie- Identificar e fazer o mapeamento dos 80 mil genes que se cal-
dade. cula existirem no DNA das células do corpo humano;
Determinar as sequências dos 3 bilhões de bases químicas que
Plutão deixa de ser considerado planeta compõem o DNA humano;
Armazenar essa informação em bancos, desenvolver ferramen-
AFP tas eficientes para analisar esses dados e torná - los acessíveis para
Plutão agora é um planeta-anão novas pesquisas biológicas.

12
ATUALIDADES
O PHG tem como um objetivo principal construi uma série de Com a chave do código, os cientistas vão compreender o pro-
diagramas descritivos de cada cromossomo humano, com reso- cesso que gera tais males, para então desenvolver exames de diag-
luções cada vez mais apuradas. Para isso, é necessário: dividir os nóstico e tratamentos. Há esperança de cura com a substituição de
cromossomos em fragmentos menores que possam ser propaga- genes anormais.
dos e caracterizados; e depois ordenar esses fragmentos, de forma
a corresponderem a suas respectivas posições nos cromossomos Mulher com primeiro rosto transplantado
(mapeamento).
Depois de completo mapeamento, o passo seguinte é deter- A primeira reação da mulher de 38 anos que foi submetida à
minar a sequência das bases de cada um dos fragmento de DNA já cirurgia pioneira de transplante de rosto da história foi agradecer
ordenados. O objetivo é descobrir os genes na sequência do DNA e aos médicos.
desenvolver meios de usar esta informação para estudo da biologia Segundo os cirurgiões, ela pediu uma caneta e um papel e es-
e da medicina, na cura de doenças por exemplo. creveu em francês a palavra “merci” [obrigada, em português].
Ele começou como uma iniciativa do setor público, tendo a li- De acordo com eles, a palavra foi escrita depois de ela ter se
derança de James Watson, na época chefe dos Institutos Nacionais olhado no espelho, 24 horas após a cirurgia que ocorreu no último
de Saúde dos Estados Unidos (NIH). Numerosas escolas, universida- domingo na cidade de Amiens, no norte da França.
des e laboratórios participam do projeto, usando recursos do NIH A mulher recebeu tecidos, artérias e veias de outra mulher que
e Departamento de Energia norteamericano. Ó este órgão financia havia tido morte cerebral. Em maio passado, a transplantada foi
cerca de 200 investidores separados nos EUA. atacada por seu cão, um labrador (em geral, uma raça dócil), e teve
Em outros países, grupos de pesquisadores em universidades seu rosto desfigurado.
e institutos de pesquisa também estão envolvidos no Projeto Ge- Segundo o jornal londrino “Daily Telegraph”, a mulher se cha-
noma. ma Isabelle Dinoire. É divorciada e mãe de dois adolescentes. Isa-
Além destes, muitas empresas privadas grandes e pequenas belle mora em Valenciennes (norte da França).
também conduzem pesquisa sobre o genoma humano.
Basicamente, 18 países iniciaram programas de pesquisas so- BIOTECNOLOGIA E TRANSGÊNICOS
bre o genoma humano. Os maiores programas desenvolvem- se na
Alemanha, Austrália, Brasil, Canadá, China, Coréia, Dinamarca, Es- A biotecnologia, conceitualmente, é a união de biologia com
tados Unidos, França, Holanda, Israel, Itália, Japão, México Reino tecnologia; é um conjunto de técnicas que utilizam os seres vivos
Unido, Rússia, Suécia e União Européia. no desenvolvimento de processos e produtos que tenham uma fun-
Comparando o mapeamento e seqüenciamento genético ao ção econômica e/ou social. A biotecnologia envolve várias áreas do
mapeamento de uma estrada que se estendesse, digamos, de Por- conhecimento e, em conseqüência, vários profissionais, sendo uma
to Alegre a Manaus. O Projeto Genoma Humano, conduzido pelos ciência de natureza multidisciplinar.
órgãos do governo tem obtido dados de alta qualidade e precisão, Apesar do termo biotecnologia ser novo, o princípio é muito
registrando os detalhes das células humanas - inclusive as porções antigo. Por exemplo, a utilização da levedura na fermentação da uva
do DNA que não contém gene algum e que constituem 97% do seu e do trigo para produção de vinho e pão vem de muitos anos antes
total. A iniciativa privada, porém, juntou- se ao projeto em vista do de Cristo. Com a evolução da ciência em seus diversos setores, inú-
potencial de lucro que as pesquisas podem trazer, especialmente meras metodologias biotecnológicas têm sido sistematizadas, au-
para as indústrias farmacêuticas. A rapidez na obtenção de resulta- mentando seus benefícios econômicos, sociais e ambientais. Vários
dos, que podem ser transformados em patentes, tornou- se crucial cientistas, com suas descobertas, tiveram grande importância para
para. a evolução e sistematização da biotecnologia. Por exemplo, Louis
Com a iniciativa privada ocupando- se apenas dos genes mais Pasteur com a descoberta dos microrganismos em 1861, Gregor
interessantes e os pesquisadores do governo dedicando- se ao se- Mendel com a descoberta da hereditariedade em 1865, James Wat-
quenciamento dos demais, as duas formas de trabalho podem se son e Francis Crick com a descoberta da estrutura do DNA (ácido de-
complementar, em benefício do conhecimento geral. soxirribonucléico, molécula responsável pela informação genética
Com a entrada da iniciativa privada no Projeto Genoma, dando de cada ser vivo) em 1953, entre outros.
preferência a uma abordagem dirigida apenas aos genes que apre- A partir da descoberta da estrutura do DNA, houve uma revo-
sentam interesse para a cura de doenças, o setor público passou a lução incrível na área da genética e biologia molecular, surgindo,
rever seu cronograma e espera concluir o Projeto em 2003 e não então, a chamada biotecnologia moderna, a qual consiste na ma-
em 2005, como proposto inicialmente. nipulação controlada e intencional do DNA por meio das técnicas
As tecnologia, os recursos biológicos e os bancos de dados de engenharia genética. Por meio de tais técnicas foi possível a pro-
gerados pela pesquisa sobre o genoma terão grande impacto nas dução de insulina humana em bactérias e o desenvolvimento de
indústrias relacionadas à biotecnologia, como a agricultura, a pro- inúmeras plantas transgênicas a partir da década de 80.
dução de energia, o controle do lixo, a despoluição ambiental. As várias técnicas relacionadas à biotecnologia têm trazido, via
O Projeto Genoma Humano, conseguiu até agora identificar os de regra, benefícios para a sociedade. As fermentações industriais
genes contidos em dois cromossomos , 22 e o 21. na produção de vinhos, cervejas, pães, queijos e vinagres; a produ-
A conquista do genoma promete uma revolução na medicina ção de fármacos, vacinas, antibióticos e vitaminas; a utilização de
cujos resultados brotarão aos poucos ao longo das próximas dé- biofungicidas no controle biológico de pragas e doenças; o uso de
cadas. Os genes são instruções que determinam as características microrganismos visando à biodegradação de lixo e esgoto; o uso de
físicas de cada indivíduo, como a cor dos olhos e a formação óssea. bactérias fixadoras de nitrogênio e fungos micorrízicos para a me-
Também produzem proteínas indispensáveis ao funcionamento do lhoria de produtividade das plantas; o desenvolvimento de plantas
corpo, como as que ajudam o estômago a dirigir comida ou a meta- e animais melhorados utilizando técnicas convencionais de melho-
bolizar carboidratos. Genes defeituosos desequilibram o organismo ramento genético e também a transformação genética.
e podem causar doenças.

13
ATUALIDADES
Os maiores avanços científicos no primeiro trimestre do ano. Reportado um segundo paciente curado do vírus HIV

Os cientistas e pesquisadores de todo o mundo estão sempre O segundo paciente a ser curado do vírus HIV, agente causador
procurando descobrir e criar inovações no mundo da ciência e da da aids, é informado à comunidade médica, o que demonstra que
tecnologia. Seus avanços alteram a vida na Terra e mudam nossa uma cura completa da doença é possível.
percepção da realidade. As maiores descobertas científicas são um Ambos os pacientes foram livres do vírus que causa aids após
testemunho inspirador das capacidades humanas. Todos os anos, um transplante de células-tronco de medula óssea de um doador
cientistas fazem descobertas incríveis. O que os cientistas apren- com uma mutação genética rara do gene CCR5. O primeiro paciente
deram em 2017 pode ajudá-los a fazer novos avanços em 2018, e a comprovar isso foi um homem de Berlim, Timothy Brown, que
as descobertas científicas em 2018 podem influenciar os avanços ficou conhecido na literatura médica como “o paciente de Berlim”.
científicos 2019. Ele passou pelo procedimento que eliminou o vírus da seu orga-
Esta lista de descobertas científicas 2019 apresenta avanços e nismo há mais de uma década. Brown parou de tomar os medica-
recentes divulgações que abrangem uma ampla gama de discipli- mentos anti-retrovirais utilizados para suprimir o HIV e permaneceu
nas. Desde aprender novidades sobre mundos além do nosso pla- sem vírus.
neta a até desbloquear possibilidades dentro de nossas próprias O segundo homem que teve o mesmo sucesso contra o HIV é
células, algumas descobertas provocaram uma compreensão mais um paciente que não teve o nome divulgado, identificado apenas
rica do nosso passado. como “o paciente de Londres”. Esse segundo portador do vírus a ser
Esses avanços e feitos da ciência até agora lhe darão esperança curado parou com sua medicação há dezoito meses e não mostrou
em um futuro mesmo em vezes sombrio. As mais recentes notícias sinais de o vírus ter retornado ao seu corpo.
da ciência são inspiradoras para uma nova geração de pensadores Como transplantes da medula óssea não são uma solução a ser
que continuarão a empurrar os limites da capacidade humana. aplicada em larga escala para o tratamento contra o HIV, os cientis-
Leia abaixo as maiores descobertas de 2019 e os últimos avan- tas esperam que estes sejam os primeiros passos para “uma estra-
ços científicos no balanço da Sociedade Ciência no primeiro trimes- tégia segura, econômica e fácil capaz de alcançar esses resultados
tre do ano, numeradas apenas para fins didáticos, não sendo a or- usando tecnologia de genes ou técnicas de anticorpos”. Atualmen-
dem apresentada um julgamento de importância. te, é necessário aos pacientes com HIV tomar uma pílula diária para
se manter uma pessoa com saudável e lhes assegurar uma vida nor-
Estudo Universidade de Yale reativa atividade celular em cé- mal.
rebro de porcos horas após a morte O artigo científico publicado na Nature, uma das mais respei-
tadas publicações científica do mundo, em 5 de março de 2019,
Uma equipe de pesquisa na Universidade de Yale estudou em detalha como o tratamento da célula-tronco funciona e quais as
porcos a restauração da circulação cerebral e das funções celulares possibilidades são para o que vem depois.
horas após aqueles animais terem morrido.
Os pesquisadores descobriram que “uma quantidade surpre- Genoma do tubarão branco é decodificado
endente de função celular foi preservada ou restaurada”. Isso im-
plica que nossa compreensão neurologia previa, que toda atividade Em 18 de fevereiro de 2019, cientistas anunciaram que termi-
celular pára uma vez cortado o suprimento de oxigênio, ainda é li- naram a decodificar o genoma do tubarão branco (Carcharodon
mitado. carcharias). Como o maior peixe predador da Terra, o sucesso evo-
Os pesquisadores que conduziram esse estudo, por uma ques- lutivo dos tubarões sugere uma riqueza de informações genéticas
tão de ética, tiveram cuidado evitar estimular a atividade cerebral possíveis, desde o aumento da cicatrização de feridas até uma no-
responsável pelo pensamento e a consciência, atividades essas que tável tolerância a danos no DNA. Ao dizer isso, não podemos perder
não foram nem mesmo preservadas artificialmente após a morte de vista que os tubarões evoluíram do resto do reino animal há 400
dos animais. Ainda assim, as implicações éticas da função celular milhões de anos, antes mesmo que os primeiros anfíbios aventurei-
post-mortem colocam em questão as leis em vigor sobre o bem-es- ros deixassem os oceanos para terra seca. As adaptações genéticas
tar animal e até a proteção de seres humanos que foram declarados que esses animais vêm desenvolvendo contidas em seus DNA, que
com morte cerebral. os cientistas agora decodificaram, oferecem muitas possibilidades
Usando trinta e duas cabeças de porco obtidas de abatedouros, no mundo da saúde e da medicina. Com toda essa informação ge-
a equipe limpou e isolou cada cérebro antes de ligar os principais nética, revelou o estudo, o grande tubarão branco tem um genoma
vasos sanguíneos a um dispositivo que bombeava um coquetel quí- 1,5 vezes maior do que o de humanos.
mico especialmente formulado por seis horas. O procedimento teve
início cerca de quatro horas depois que os porcos passavam. A tec- 2 – As primeiras plantas germinam na Lua
nologia usada no estudo é chamada BrainEx.
Embora estar ciente de que a restauração a nível celular da Alimentadas com ar, água e nutrientes, bem como levedura e
atividade de alguns neurônios é possível horas após a morte pos- ovos de mosca de fruta na tentativa de formar uma biosfera auto-
sa ser eticamente complicada, a pesquisa também “oferece uma -sustentável, sementes de algodão e batata germinaram seus pri-
nova maneira de estudar doenças ou lesões cerebrais”. Indepen- meiros brotos em 14 de janeiro de 2019. E esse foi um feito notável,
dentemente disso, a distinção entre um “cérebro vivo” e um “cé- já que estes plantas estão fazendo isso na Lua, embora não direta-
rebro celularmente ativo” é essencialmente a mesma diferença mente no solo lunar. Esta é a primeira vez que as plantas germinam
entre “quase completamente morto” e “completamente morto”. E na Lua, outra ótima notícia da missão chinesa Chang’e 4.
a designação “quase completamente morto” não costuma carregar Esse avanço científico com plantas brotando na Lua é impor-
consigo uma conotação positiva. tante para aprendermos qual a nossa chance cultivar alimentos na
O artigo científico descrevendo o trabalho dos pesquisadores Lua. E isso pode ser importante cada vez mais necessário à medida
da Universidade de Yale foi publicado na Nature. que exploramos o espaço.

14
ATUALIDADES
Aprender como é possível estabelecer na Lua um ponto de par- Em 10 de abril de 2019, a colaboração que reuniu importantes
tida para outros planetas é especialmente importante para a China, instituições científicas em todo chamada Event Horizon Telescope
que espera enviar missões tripuladas a Marte. (EHT) divulgou a primeira imagem bem-sucedida do horizonte de
eventos de um buraco negro. O buraco negro em questão está da
Primeiro desembarque no lado “escuro” da da Lua galáxia Messier 87: a maior e mais massiva (termo técnico da física)
galáxia do nosso superaglomerado local de galáxias. Os astrônomos
Depois de lançar o Chang’e 4 no início de dezembro de 2018, de o mundo expressaram admiração e empolgação pela primeira
a China realizou outro feito notável. O país asiático pousou de sua visão real, já que todas as outras imagens existentes até então eram
sonda no lado oculto da Lua em 03 de janeiro de 2019 às 10h26 da simulações computacionais feitas a partir de dados observacionais
manhã, horário de Pequim, tornando a sonda Chang’e 4 a primeira e matemáticos, deste misterioso devorador galáctico.
nave espacial a realizar tal façanha. No centro da Messier 87, uma enorme galáxia no aglomerado
Na foto acima, vemos uma imagem do outro lado da Lua. Regis- de galáxias de Virgem, está o buraco negro supermassivo. Designa-
trada pelo aterrissador chinês Chang’e-4, à esquerda está a borda da simplesmente de M87 (a 87ª galáxia no catálogo de Messier) e
do corpo da sonda, enquanto à direita está a parte direita da perna localizada a mais de 55 milhões de anos-luz da Terra, é nela que o
da sonda, bem como a base do pé, que afundou parcialmente no monstruoso gigantesco buraco negro está, bem no seu centro, com
regolito lunar. O vídeo com o registro o pouso do qual a imagem massa equivalente a 6,5 bilhões de vezes a massa do nosso sol. E
provem foi divulgado pela estatal chinesa CNSA (sigla para China esse é o buraco negro registrado pelos cientistas do EHT, denomi-
National Space Administration), a agência espacial chinesa, que co- nado M87*.
ordena o Chinese Lunar Exploration Program – CLEP. “Este é um grande dia para a astrofísica”, disse a diretora Na-
Já a segunda imagem deste item mostrada abaixo, também di- tional Science Foundation (NSF), France Córdova, em comunicado.
vulgada pela CNSA, é a primeira fotografia colorida retornada da “Estamos vendo o invisível. Buracos negros têm impulsionado a
superfície do outro lado da Lua. A câmera de implementação do imaginação por décadas. Eles têm propriedades exóticas e são mis-
rover da Chang’e-4 fez este registro, que mostra uma cratera cheia teriosos para nós. No entanto, com mais observações como esta,
de poeira nas proximidades, e a implantação rampa do rover no eles estão revelando os seus segredos. É por isso que a NSF existe.
topo da foto. Nós capacitamos cientistas e engenheiros para iluminar o desco-
Embora o lado “escuro” da Lua nem sempre seja verdadeira- nhecido, para revelar a majestade sutil e complexa do nosso univer-
mente escuro, o lado mais distante do satélite da Terra é relativa- so”. A NSF é uma agência governamental ligada ao governo federal
mente desconhecido, já que está constantemente voltado para lon- dos Estados Unidos que promove a pesquisa e educação fundamen-
ge do planeta. tal em todos os campos da ciência e da engenharia.
A incapacidade de ver diretamente a superfície lunar no lado
“de trás” do nosso satélite natural também aumenta a dificuldade
de pousar qualquer espaçonave nela. Embora o lado mais distante
da Lua já tenha sido completamente mapeado, o módulo Chang’e
4 é o primeiro artefato humano a realmente aterrissar nessa parte
intocada do satélite.
Além do feito ser notável no sentido da exploração em si, uma
sonda no outro lado da Lua pode abrir caminho para que possamos
observar o espaço mais claramente, graças à própria Lua bloque-
ando os sinais de rádio vindos da Terra. Como explicou Yu Guobin,
o porta-voz da missão, “esta sonda pode preencher a lacuna da
observação de baixa frequência na radioastronomia e fornecerá in-
formações importantes para o estudo da origem das estrelas e da A imagem acima é um fotografia da distante galáxia M87. A
evolução de nebulosas”. gigantesca galáxia elíptica Messier 87 aparece nesta imagem de
campo profundo, uma imagem produzida a partir do zoom em uma
Cientistas revelam a primeira imagem real de um buraco ne- pequena região do espaço. Foi o buraco negro supermassivo no co-
gro ração desta galáxia que teve sua imagem recentemente capturada
por uma equipe internacional de pesquisadores e somente reve-
lada ao mundo depois de dois anos de pesquisas e confirmações.
Apesar de seu tamanho supermassivo, o M87* está longe o
suficiente de nós para representar um enorme desafio para que
qualquer telescópio existente hoje capturasse sozinho a imagem.
De acordo com a Nature, para que isso fosse possível, exigiria algo
com uma resolução mais de mil vezes melhor do que o Telescópio
Espacial Hubble. Em vez disso, os astrônomos decidiram criar algo
maior. Muito maior.
Em abril de 2018, os astrônomos sincronizaram uma rede glo-
bal de radiotelescópios para observar o ambiente nas imediações
cósmicas do M87*. Com todos os telescópios trabalhando juntos,
as instituições de pesquisa se organizaram para formar o Event Ho-
rizon Telescope (EHT), um observatório virtual do tamanho de um
planeta capaz de capturar detalhes sem precedentes de corpos ce-
leste em grandes distâncias.

15
ATUALIDADES
Apesar de amplamente difundida, há muitos protestos e críti-
MUNDO CONTEMPORÂNEO: ELEMENTOS DE POLÍTICA cas à globalização, sobretudo ressaltando os seus pontos negativos.
INTERNACIONAL E BRASILEIRA. CULTURA INTERNA- As principais posições defendem que esse processo não é democrá-
CIONAL tico, haja vista que os produtos, lucros e desenvolvimentos ocorrem
predominantemente nos países desenvolvidos e nas elites das so-
Quando falamos em geografia politica e econômica, pensamos ciedades, gerando margens de exclusão em todo o mundo. Críticas
em globalização. também são direcionadas à padronização cultural ou hegemoniza-
Uma das características da globalização é a crescente integra- ção de valores, em que o modo de vida eurocêntrico difunde-se no
ção econômica em escala planetária, devido ao aumento das trocas cerne do pensamento das sociedades.
comerciais e financeiras, que consolida a formação de um mercado De toda forma, a Globalização está cada vez mais consolidada
mundial influenciado pelas empresas transnacionais. no mundo atual, embora existam teóricos que, frequentemente, re-
Nesse contexto, ganhou notoriedade a Organização Mundial afirmam a sua reversibilidade, sobretudo em ocasiões envolvendo
do Comércio (OMC), instituição internacional que visa fiscalizar e revoltas contra o seu funcionamento ou o próprio colapso do sis-
regulamentar o comércio mundial. tema financeiro. O seu futuro, no entanto, ainda está à mercê não
A globalização é o processo de interligação e interdependência tão somente das técnicas e da economia, mas também dos eventos
entre as diferentes sociedades e resulta em uma intensificação das políticos que vão marcar o mundo nas próximas décadas.
relações comerciais, econômicas, políticas, sociais e culturais entre O Enem apresenta uma tendência de abordar temas que pos-
países, empresas e pessoas. Esse fenômeno é possibilitado pelo suam certa atualidade, ou seja, que se relacionem com eventos ou
avanço das técnicas, com destaque para os campos das telecomuni- acontecimentos que sejam de relevância para o contexto atual da
cações e dos transportes. sociedade. Por esse motivo, além de estudar os temas básicos da
A expressão “globalização” foi criada na década de 1980. No Geografia, é preciso sempre estar informado através do acompa-
entanto, não podemos dizer que ela seja um processo recente, uma nhamento de notícias tanto na mídia televisiva quanto na impressa
vez que teria se iniciado ao longo dos séculos XV e XVI, com a ex- e, também, na internet.
pansão ultramarina europeia, que iniciava uma era de integração Nesse sentido, a Globalização emerge como um dos principais
plena entre o continente europeu e as demais partes do planeta. temas a serem abordados pela banca examinadora, haja vista que
Por outro lado, foi apenas na segunda metade do século XX que todos os seus conceitos e efeitos podem ser visualizados direta ou
esse fenômeno encontrou a sua forma mais consolidada. indiretamente nas sociedades do mundo contemporâneo. Portan-
Podemos dizer que o mundo só alcançou o nível atual de inte- to, a globalização no Enem é uma oportunidade de compreender as
gração graças aos desenvolvimentos realizados, como já dissemos, relações geopolíticas e sociais à luz dos estudos da Geografia.
no âmbito dos transportes e das comunicações. Esses meios são A globalização é, de modo geral, vista como o processo de
importantes por facilitarem o deslocamento e a rápida obtenção de integração e inter-relação mundial envolvendo a economia, a cul-
informações entre pontos remotos entre si. Tais avanços, por sua tura, a informação e, claro, os fluxos de pessoas. Esse fenômeno
vez, ocorreram graças à III Revolução Industrial, também chamada instrumentaliza-se pela difusão e avanço dos meios de transporte
de Revolução técnico-científica informacional, que propiciou o de- e comunicação, haja vista que regiões distantes, antes tidas como
senvolvimento de novas tecnologias, como a computação eletrôni- isoladas umas das outras, integram-se plenamente.
ca, a biotecnologia e inúmeras outras formas produtivas. O termo Globalização, apesar de ser considerado por muitos
Outro fator que também pode ser tido como uma das causas um processo gradativo que se iniciou com a expansão marítima eu-
da Globalização é o desenvolvimento do Capitalismo Financeiro, a ropeia, difundiu-se no meio intelectual apenas a partir da década
fase do sistema econômico marcada pela fusão entre empresas e de 1980. Assim, a sua consolidação ocorreu na segunda metade do
bancos e pela divisão das instituições privadas em ações. Hoje em século XX em diante, com a difusão do neoliberalismo, a propaga-
dia, o mercado financeiro, por meio das bolsas de valores, operam ção de tecnologias, a integração econômica e comercial entre os
em redes internacionais, com empresas de um país investindo em países, a formação e expansão dos blocos econômicos e o fortale-
vários lugares, alavancando o nível de interdependência econômi- cimento das instituições internacionais, tais como a OTAN e a ONU.
ca. Além disso, os principais agentes da globalização são, sem dúvidas,
A título de comparação, a carta de Pero Vaz de Caminha ao rei as empresas transnacionais, também conhecidas como multinacio-
de Portugal sobre o descobrimento do Brasil levou alguns meses nais ou globais.
para chegar ao seu destino. Em 1865, o assassinato do presidente
dos Estados Unidos, Abraham Lincon, foi informado duas semanas
depois na Europa. Já em 11 de setembro de 2001, os atentados ter-
roristas às torres gêmeas do World Trade Center foram acompanha-
dos em tempo real, com o mundo vendo ao vivo o desabamento
dos prédios.
Um dos mais notáveis efeitos da Globalização é, sem dúvidas,
a formação e expansão das multinacionais, também conhecidas
como empresas globais. Essas instituições possuem seus serviços
e mercadorias disponibilizados em praticamente todas as partes do
planeta. As fábricas, em muitos casos, migram das sociedades in-
dustrializadas para os países periféricos em busca de mão de obra
barata, matérias-primas acessíveis e, claro, maior mercado consu-
midor, isso sem falar na redução ou isenção de impostos.
Outro efeito da Globalização foi a formação dos mercados re-
gionais, por meio dos blocos econômicos. Esses acordos entre os
países facilitaram os processos de negociação para aberturas eco-
nômicas e entrada de pessoas e bens para consumo.

16
ATUALIDADES
Globalização e Economia Agropecuária

Sistemas Agrícolas

Sistemas agrícolas são classificações utilizadas para a produção


agrícola e pecuária. Há dois sistemas, o intensivo e o extensivo.
Para definir se o sistema agrícola é intensivo ou extensivo são
considerados os pontos da produção em qualquer tamanho de pro-
priedade.
O sistema é revelado por resultados como a produtividade por
hectare e o investimento na produção.

Sistema Intensivo
No modelo da agricultura brasileira, o sistema intensivo é o
mais praticado. Por ele, são aplicadas técnicas modernas de previ-
são que englobam o preparo do solo, a forma de cultivo e a colheita.
A produtividade não está somente no rendimento obtido dire-
to do solo, mas do seu redimensionamento para resultar na maior
produção possível por metro quadrado (a chamada produtividade
Os países dominam as grandes empresas ou as grandes em- média por hectare).
presas dominam os países? No período de colheita, as perdas são equacionadas para que
atinjam o mínimo. O mesmo vale para o armazenamento.
As empresas transacionais que comercializam no mundo todo Esse sistema é criticado porque agride o meio ambiente por
são os principais agentes da globalização econômica. conta de fatos como: desmatamento para implantação de mono-
É certo que ainda falamos de governo e nação, no entanto, es- culturas ou pasto, uso de agrotóxicos, erosão e empobrecimento do
tes deixaram de representar o interesse da população. Agora, os solo após sucessivos plantios.
Estados defendem, sobretudo, as empresas e bancos.
Na maior parte das vezes são as empresas americanas, euro- Sistema Extensivo
peias e grandes conglomerados asiáticos que dominam este pro- O sistema extensivo é o que menos agride o meio ambiente. É
cesso. o sistema tradicional em que são utilizadas técnicas rudimentares
que garantem a recuperação do solo e a produção em baixa escala.
Globalização e Neoliberalismo Em geral, o sistema extensivo é usado pelo modelo denomina-
A globalização econômica só foi possível com o neoliberalis- do agricultura familiar e, ainda, pela agricultura orgânica.
mo adotado nos anos 80 pela Grã-Bretanha governada por Mar- No primeiro, a produção é destinada à subsistência e somen-
garet Thatcher (1925-2013) e os Estados Unidos, de Ronald Reagan te o excedente é vendido. Há o uso de agrotóxicos, mas em baixa
(1911-2004). escala.
O neoliberalismo defende que o Estado deve ser apenas um Já o modelo de agricultura orgânica dispensa o uso de agrotóxi-
regulador e não um impulsor da economia. Igualmente aponta a cos, privilegia alimentos saudáveis e permite a exploração racional
flexibilidade das leis trabalhistas como uma das medidas que é pre- do solo.
ciso tomar a fim de fortalecer a economia de um país.
Isto gera uma economia extremamente desigual onde somente Agricultura moderna
os gigantes comerciais tem mais adaptação neste mercado. Assim, A agricultura moderna faz uso de várias tecnologias, como os
muita gente fica para trás neste processo. tratores, colhedeiras, ceifadeiras, adubo, fertilizantes, etc. Além
disso, também seleciona sementes modificadas geneticamente. No
Globalização e Exclusão entanto, ela não se limita ao uso de máquinas; há também uso de
Uma das faces mais perversas da globalização econômica é a biotecnologia.
exclusão. Isto porque a globalização é um fenômeno assimétrico e Ela se baseia no aumento da sua produção à medida em que
nem todos os países ganharam da mesma forma. incrementa tecnologia. Isso nos leva ao importante conceito de pro-
Um dos grandes problemas atuais é a exclusão digital. Aqueles dutividade agrícola, que se diferencia de produtividade industrial. O
que não têm acesso às novas tecnologias (smartphones, computa- primeiro é a relação entre a produção realizada e a área cultivada.
dores) estão condenados a ficarem cada vez mais isolados. Quando falamos de geografia agrária, podemos aumentar a produ-
tividade sem aumentar a área plantada.
Globalização Cultural Esse tipo de agricultura é capitalizada, baseada em grandes
Toda essa movimentação populacional e também financeira investimentos. Por isso, a forma mais concreta de se falar em geo-
acaba provocando mudanças culturais. Uma delas é a aproximação grafia agrária moderna é através dos famosos complexos agroindus-
entre culturas distintas, o que chamamos de hibridismo cultural. triais. Existe uma troca constante entre a indústria tecnológica e a
Agora, através da internet, se pode conhecer em tempo real agropecuária, na qual a primeira oferece tecnologia e a outra ajuda
costumes tão diferentes e culturas tão distantes sem precisar sair com capital. Por fim, ainda temos o sistema financeiro, responsável
de casa. por bancar toda essa cadeia produtiva.
No entanto, os deslocamento de pessoas pode gerar o ódio ao
estrangeiro, a xenofobia. Do mesmo modo, narcotraficantes e ter-
roristas têm o acesso à tecnologia e a utilizam para cometer seus
crimes.

17
ATUALIDADES
Agricultura tradicional Os maiores rebanhos de suínos no planeta estão na China, Es-
Ao contrário da agricultura moderna, a agricultura tradicional tados Unidos, Rússia e Brasil.
faz uso de métodos ultrapassados e de mão de obra em larga esca-
la. No entanto, há um caso particular, cujo o uso extenso de mão Tipos de criação caprina
de obra na versão moderna é necessário, que é a fruticultura. Se ti- - Extensiva - criação de cabras para a produção de carne, mais
vermos uma produção agrícola de fruticultura, nos dois casos serão comum em regiões de relevo acidentados e de climas semiáridos
empregadas muita mão de obra, uma vez que certas partes dessa ou áridos.
produção não podem ser mecanizadas, por exemplo, a colheita das - Intensiva - produção estabulada de cabritos para o aproveita-
frutas. mento da pele e da carne e de cabras fornecedoras de leite.
Outra diferença em relação à agricultura moderna, é que na A China, a Índia e a Itália são os grandes produtores.
tradicional é necessário incorporar terras para aumentar a produ-
ção. Então, tal tipo de é considerada de baixa produtividade e capaz Tipos de criação asinina
de gerar tantos impactos ambientais quanto a moderna. A agricul- - Extensiva - jumentos e jegues destinados para corte ou para o
tura tradicional é típica dos países em desenvolvimento, o que não uso na tração animal (carroças puxadas por jumentos são um exem-
significa que não seja praticada na geografia agrária dos países de- plo de tração animal).
senvolvidos. O mesmo ocorre com a moderna; embora seja pratica- - Intensiva - para selecionar reprodutores.
da mais amplamente nos países desenvolvidos, também é praticada
em menor escala em alguns países em desenvolvimento. Tipos de criação equina
- Extensiva - criação de éguas e cavalos para tração, montaria
Pecuária ou corte.
Na pecuária, o rendimento também é avaliado para definir o - Intensiva - estabulada e com o propósito de selecionar e pre-
sistema aplicado. Da mesma maneira que ocorre com a agricultura, parar éguas e cavalos para atividades esportivas (“corrida de cava-
o modo de produção intensivo é direcionado para resultados ele- lo” e “partidas de polo”).
vados.
A produção de gado pode ser a pasto ou em sistema de confi- Muares
namento e a densidade de cabeças deve ser a maior possível. Burros e bestas ou mulas originadas pelo cruzamento entre
Para melhor desempenho da produção pecuária são avaliados equinos e asininos.
os investimentos em: qualidade do solo, rendimento do pasto, con-
formação de carcaça (quando o gado de corte oferece maior quan- Avicultura
tidade de carne), oferta de leite e genética de qualidade. É a criação de aves para o corte e para a produção de ovos.
Nas áreas rurais de quase todos os países do globo são criados gali-
Tipos de pecuária nhas e frangos, gansos, marrecos, codornas, perus e patos. O mais
Denomina-se de pecuária a criação e reprodução de animais importante rebanho de aves, quantitativamente e quanto ao valor
com finalidades econômicas. Os animais assim criados e reproduzi- econômico, consiste nos galináceos (frangos e galinhas).
dos são conhecidos como gado.
Diversos são os tipos de gado: os bovinos, os ovinos, os suínos, Tipos de criação galinácea
os caprinos, os asininos, os equinos e os muares. - Extensiva - destinada ao corte sendo a carne consumida pelo
próprio produtor ou enviada para frigoríficos com a objetivo de
Tipos de criação bovina aproveitamento econômico.
- Extensiva - gado solto nas pastagens onde são criados novi- - Intensiva - criação feita em granjas e fundamentalmente vol-
lhos e engordados o “gado de corte”, bois que servem para a produ- tada para a produção de ovos.
ção de carnes para mercado. Outras atividades
- Intensiva - gado criado em estábulos, normalmente vacas Piscicultura - criação e reprodução de peixes e crustáceos em
para a produção de leite. Na criação intensiva, a utilização de rações cativeiro (no Chile, destaca-se a criação de salmão; no Brasil está
adequadas e os cuidados veterinários possibilitam a inseminação bastante difundida a criação de trutas).
artificial e a seleção de touros e de raças. Sericicultura - criação de casulos de bichos-da-seda, ampla-
Os maiores rebanhos bovinos do mundo estão localizados na mente praticada na Ásia (China, Japão, República da Coreia ou Co-
Índia, nos Estados Unidos, na Rússia, no Brasil, na Austrália e na reia do Sul e na República Democrática da Coreia ou Coreia do Nor-
Argentina. te, os maiores produtores mundiais de seda).
Um tipo de gado bovino muito produzido hoje é o búfalo, prin-
cipalmente na Índia, na China, no Paquistão e nos Estados Unidos. Estrutura agrária
A expressão estrutura agrária é usada em sentido amplo, signi-
Tipos de criação ovina ficando a forma de acesso à propriedade da terra e à exploração da
- Intensiva - criação de ovelhas para a produção de lã, principal- mesma, indicando as relações entre os proprietários e os não pro-
mente na Austrália, na Nova Zelândia e na Rússia. prietários, a forma como as culturas se distribuem pela superfície
- Extensiva - ovelhas de corte para a produção de carne. da Terra (morfologia agrária) e como a população se distribui e se
relaciona aos meios de transportes e comunicações (habitat rural).
Tipos de criação suína A estrutura agrária são as características do espaço que são:
- Extensiva - criação de porcos para a produção de banha e de Estrutura fundiária- concentração de terras(muitas terras pouco uti-
carnes para consumo do próprio produtor. Nesse tipo de criação, lizada) Produção agrícola- exportação no caso do Brasil Relações de
pouco são os cuidados técnicos e com a higiene. trabalho- mão de obra , máquinas fazendo o trabalho que um dia
- Intensiva - porcos estabulados com cuidados científicos e mui- foi feito pelo homem
ta higiene; destinados a produção de couro e carnes para indústrias
e frigoríficos.

18
ATUALIDADES
A Fome no mundo – Produção, distribuição e consumo de ali- Globalização e sua influencia na economia
mentos Acima já falamos um pouco sobre o conceito da globalização,
Em várias partes do mundo persistem os problemas de saúde então aqui, falaremos sobre o papel da globalização na economia.
ligados à falta de alimentos. Segundo a Organização Mundial de Ao longo do século XX, a globalização do capital foi conduzindo
Saúde (OMS) a subnutrição ainda é causa indireta de cerca de 30% à globalização da informação e dos padrões culturais e de consumo.
das mortes de crianças no mundo. Afetando o desenvolvimento fí- Isso deveu-se não apenas ao progresso tecnológico, intrínseco à Re-
sico e mental de milhões de crianças, a subalimentação também volução Industrial, mas - e sobretudo - ao imperativo dos negócios.
compromete seu desenvolvimento intelectual e profissional, dimi- A tremenda crise de 1929 teve tamanha amplitude justamente por
nuindo o número de cidadãos preparados para contribuir com o ser resultado de um mundo globalizado, ou seja, ocidentalizado,
desenvolvimento de seus países. face à expansão do Capitalismo. E o papel da informação mundia-
Este é o ciclo vicioso a que são condenadas regiões pobres em lizada foi decisivo na mundialização do pânico. Ao entrarmos nos
todo o mundo: falta de acesso a alimentos gera subnutrição. Esta anos 80/90, o Capitalismo, definitivamente hegemônico com a ru-
prejudica o desenvolvimento intelectual e profissional de parte ína do chamado Socialismo Real, ingressou na etapa de sua total
da população. Na falta de cidadãos preparados, o crescimento da euforia triunfalista, sob o rótulo de Neo-Liberalismo. Tais são os
economia fica comprometido e desta forma não geram-se menos nossos tempos de palavras perfumadas: reengenharia, privatização,
recursos para produzir ou comprar alimentos para toda a população economia de mercado, modernidade e - metáfora do imperialismo
– principalmente aquela mais necessitada. Por isso, é preciso que os - globalização.
países detentores de tecnologia agrícola desenvolvida atuem nes- A classe trabalhadora, debilitada por causa do desemprego,
tes países na transferência de conhecimentos. resultante do maciço investimento tecnológico, ou está jogada no
A fome ainda presente no século XXI não é por falta de alimen- desamparo , ou foi absorvida pelo setor de serviços, uma econo-
tos. A produção mundial de comida é suficiente para abastecer os mia fluida e que não permite a formação de uma consciência de
atuais 7,3 bilhões de habitantes da Terra. Se parte da população classe. O desemprego e o sucateamento das conquistas sociais de
dos países menos desenvolvidos não tem acesso a quantidades su- outros tempos, duramente obtidas, geram a insegurança coletiva
ficientes de comida, isto se deve a fatores como insuficiente pro- com todas as suas mazelas, em particular, o sentimento de impo-
dução local; falta de recursos do país para adquirir alimentos no tência, a violência, a tribalização e as alienações de fundo místico
mercado internacional; e elevação dos preços internacionais devido ou similares. No momento presente, inexistem abordagens racio-
a ações especulativas, entre outros. nais e projetos alternativos para as misérias sociais, o que alimenta
A Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricul- irracionalismos à solta.
tura (FAO) alerta que a população mundial deverá atingir 9 bilhões A informação mundializada de nossos dias não é exatamente
em 2050, o que incrementará a procura por alimentos. Segundo os troca: é a sutil imposição da hegemonia ideológica das elites. Cria
especialistas, para fazer frente a esta demanda, o mundo deverá a aparência de semelhança num mundo heterogêneo - em qual-
atacar este problema em três frentes principais. Primeiro, aumentar quer lugar, vemos o mesmo McDonald`s, o mesmo Ford Motors, a
a produção de produtos agrícolas, sem comprometer os recursos mesma Mitsubishi, a mesma Shell, a mesma Siemens. A mesma in-
naturais, não avançando sobre áreas de vegetação natural. Isto sig- formação para fabricar os mesmos informados. Massificação da in-
nifica que o Brasil, por exemplo, precisará investir muito mais em formação na era do consumo seletivo. Via informação, as elites (por
pesquisa e tecnologia – o que em parte já vem fazendo – para obter que não dizer: classes dominantes?) controlam os negócios, fixam
uma melhor produtividade das áreas agrícolas já existentes. regras civilizadas para suas competições e concorrências e vendem
O segundo aspecto a ser considerado é a melhoria dos sistemas a imagem de um mundo antisséptico, eficiente e envernizado.
de armazenagem e distribuição das colheitas. Dados apontam que A alta tecnologia, que deveria servir à felicidade coletiva, está
cerca de 30% dos produtos agrícolas mundiais são perdidos entre o servindo a exclusão da maioria. Assim, não adianta muito exaltar as
campo e o ponto de venda do produto. Será necessário, na maioria conquistas tecnológicas crescentes - importa questionar a que - e a
dos países produtores, construir mais silos e armazéns, ampliar a quem - elas servem. A informação global é a manipulação da infor-
rede rodoviária, ferroviária e ampliar e modernizar as instalações mação para servir aos que controlam a economia global. E controle
portuárias. é dominação. Paralelamente à exclusão social, temos o individualis-
A última providência sugerida pelos estudiosos é reduzir a mo narcisístico, a ideologia da humanidade descartável, o que favo-
perda de alimentos nos pontos de venda e entre os consumidores. rece a cultura do efêmero, do transitório - da moda.
Segundo um relatório elaborado pela FAO, depois de comprados, De resto, se o trabalho foi tornado desimportante no imagi-
aproximadamente 50% dos alimentos são jogados fora, tanto na Eu- nário social, ofuscado pelo brilho da tecnologia e das propagandas
ropa quanto nos Estados Unidos. No Brasil aproxima 70.000 tonela- que escondem o trabalho social detrás de um produto lustroso,
das (aproximadamente 2.800 carretas) de alimentos acabam no lixo pronto para ser consumido, nada mais lógico que desvalorizar o
a cada ano no Brasil. Compra de produtos em excesso, mal acon- trabalhador - e, por extensão, a própria condição humana. Ou será
dicionamento são fatores que fazem com que milhões de famílias possível desligar trabalho e humanidade? É a serviço do interesse
descartem quantidade imensas de alimentos, sem reaproveitá-las. de minorias que está a globalização da informação.
No futuro serão necessárias campanhas em todos os países – prin- Ela difunde modas e beneficia o consumo rápido do descartá-
cipalmente os ricos – incentivando e ensinando o reaproveitamento vel - e o modismo frenético e desenfreado é imperativo às grandes
de alimentos. Se os alimentos forem melhor manuseados e aprovei- empresas, nesta época pós- keynesiana, em que, ao consumo de
tados, haverá comida para todos. massas, sucedeu a ênfase no consumo seletivo de bens descartá-
veis. Cumpre à informação globalizada vender a legitimidade de
tudo isso, impondo padrões uniformes de cultura, valores e com-
portamentos - até no ser “diferente” (diferente na aparência para
continuar igual no fundo). Por suposto, os padrões de consumo e
alienação, devidamente estandartizados, servem ao tédio do urba-
nóide pós-moderno.

19
ATUALIDADES
Nunca fomos tão informados. Mas nunca a informação foi tão Essas estratégias são na verdade cada vez mais excludentes. O
direcionada e controlada. A multiplicidade estonteante de informa- raio de ação das transnacionais se concentra na órbita dos países
ções oculta a realidade de sua monotonia essencial - a democrati- desenvolvidos e alguns poucos países periféricos que alcançaram
zação da informação é aparente, tal como a variedade. No fundo, certo estágio de desenvolvimento. No entanto, o caráter setorial e
tudo igual. Estamos - e tal é a pergunta principal - melhor informa- diferenciado dessa inserção tem implicado, por um lado, na consti-
dos? Controlada pelas elites que conhecemos, a informação globa- tuição de ilhas de excelência conectadas às empresas transnacio-
lizada é instrumento de domesticação social. nais e, por outro lado, na desindustrialização e o sucateamento de
grande parte do parque industrial constituído no período anterior
Principais tendências da globalização por meio da substituição de importações.
A crescente hegemonia do capital financeiro As estratégias globais das transnacionais estão sustentadas no
O crescimento do sistema financeiro internacional constitui aumento de produtividade possibilitado pelas novas tecnologias e
uma das principais características da globalização. Um volume cres- métodos de gestão da produção. Tais estratégias envolvem igual-
cente de capital acumulado é destinado à especulação propiciada mente investimentos externos diretos realizados pelas transnacio-
pela desregulamentação dos mercados financeiros. nais e pelos governos dos seus países de origem. A partir de 1985
Nos últimos quinze anos o crescimento da esfera financeira foi esses investimentos praticamente triplicaram e vêm crescendo em
superior aos índices de crescimento dos investimentos, do PIB e do ritmos mais acelerados do que o comércio e a economia mundial.
comércio exterior dos países desenvolvidos. Isto significa que, num Por meio desses investimentos as transnacionais operam pro-
contexto de desemprego crescente, miséria e exclusão social, um cessos de aquisição, fusão e terceirização segundo suas estratégias
volume cada vez maior do capital produtivo é destinado à especu- de controle do mercado e da produção. A maior parte desses fluxos
lação. de investimentos permanece concentrada nos países avançados,
O setor financeiro passou a gozar de grande autonomia em re- embora venha crescendo a participação dos países em desenvolvi-
lação aos bancos centrais e instituições oficiais, ampliando o seu mento nos últimos cinco anos. A China e outros países asiáticos, são
controle sobre o setor produtivo. Fundos de pensão e de seguros os principais receptores dos investimentos direitos.
passaram a operar nesses mercados sem a intermediação das insti- O Brasil ocupa o segundo lugar dessa lista, onde destacam-se
tuições financeiras oficiais. os investimentos para aquisição de empresas privadas brasileiras
O avanço das telecomunicações e da informática aumentou a (COFAP, Metal Leve etc.) e nos programas de privatização, em parti-
capacidade dos investidores realizarem transações em nível global. cular nos setores de infraestrutura.
Cerca de 1,5 trilhões de dólares percorre as principais praças finan-
ceiras do planeta nas 24 horas do dia. Isso corresponde ao volume Liberalização e Regionalização do Comércio
do comércio internacional em um ano. O perfil altamente concentrado do comércio internacional tam-
Da noite para o dia esses capitais voláteis podem fugir de um bém é indicativo do caráter excludente da globalização econômica.
país para outro, produzindo imensos desequilíbrios financeiros e Cerca de 1/3 do comércio mundial é realizado entre as matrizes e
instabilidade política. A crise mexicana de 94/95 revelou as conse- filiais das empresas transnacionais e 1/3 entre as próprias trans-
qüências da desregulamentação financeira para os chamados mer- nacionais. Os acordos concluídos na Rodada Uruguai do GATT e a
cados emergentes. Foram necessários empréstimos da ordem de criação da OMC mostraram que a liberação do comércio não resul-
38 bilhões de dólares para que os EUA e o FMI evitassem a falência tou no seu equilíbrio, estando cada vez mais concentrado entre os
do Estado mexicano e o início de uma crise em cadeia do sistema países desenvolvidos.
financeiro internacional. A dinâmica do comércio no Mercosul traduz essa tendência. Na
Ao sair em socorro dos especuladores, o governo dos Estados realidade a integração do comércio nessa região, a exemplo do que
Unidos demonstrou quem são os seus verdadeiros parceiros no ocorre com o Nafta e do que se planeja para a Alca em escala conti-
Nafta. Sob a forma da recessão, do desemprego e do arrocho dos nental, tem favorecido, sobretudo a atuação das empresas transna-
salários, os trabalhadores mexicanos prosseguem pagando a conta cionais, que constituem o carro chefe da regionalização.
dessa aventura. Nos períodos “normais” a transferência de riquezas O aumento do comércio entre os países do Mercosul nos últi-
para o setor financeiro se dá por meio do serviço da dívida públi- mos cinco anos foi da ordem de mais de 10 bilhões de dólares. Isto
ca, através da qual uma parte substancial dos orçamentos públicos se deve em grande parte às facilidades que os produtos e as empre-
são destinados para o pagamento das dívidas contraídas junto aos sas transnacionais passaram a gozar com a eliminação das barreiras
especuladores. O governo FHC destinou para o pagamento de juros tarifárias no regime de união aduaneira incompleta que caracteriza
da dívida pública um pouco mais de 20 bilhões de dólares em 96. o atual estágio do Mercosul.
No mesmo período, o Mercosul acumulou um déficit de mais
Novo Papel das Empresas Transnacionais de 5 bilhões de dólares no seu comércio exterior. Este resultado re-
As empresas transnacionais constituem o carro chefe da glo- flete as consequências negativas das políticas nacionais de estabili-
balização. Essas empresas possuem atualmente um grau de liber- zação monetária ancoradas na valorização do câmbio e na abertura
dade inédito, que se manifesta na mobilidade do capital industrial, indiscriminada do comércio externo praticadas pelos governos FHC
nos deslocamentos, na terceirização e nas operações de aquisições e Menem.
e fusões. A globalização remove as barreiras à livre circulação do O empenho das centrais sindicais para garantir os direitos
capital, que hoje se encontra em condições de definir estratégias sociais no interior desses mercados tem encontrado enormes re-
globais para a sua acumulação. sistências. As propostas do sindicalismo de adoção de uma Carta
Social do Mercosul, de democratização dos fóruns de decisão, de
fundos de reconversão produtiva e de qualificação profissional têm
sido rechaçadas pelos governos e empresas transnacionais.

20
ATUALIDADES
A liberalização do comércio e a abertura dos mercados nacio- Com o crescimento expressivo da atuação do capital em nível
nais têm produzido o acirramento da concorrência. A super explo- mundial, chegou-se a questionar o papel do Estado, isto é, o Esta-
ração do trabalho é cada vez mais um instrumento dessa disputa. O do seria de fato um agente importante neste processo ou atuaria
trabalho infantil e o trabalho escravo são utilizados como vantagens como um impeditivo para a livre circulação do capital, uma vez que
comparativas na guerra comercial. poderia criar regras ou leis que inviabilizariam a livre circulação do
Essa prática, conhecida como dumping (rebaixamento) social, capital? Segundo este raciocínio, as transnacionais estariam coman-
consiste precisamente na violação de direitos fundamentais, utili- dando a dinâmica econômica mundial em detrimento dos Estados.
zando a superexploração dos trabalhadores como vantagem com- Vale destacar que muitas empresas transnacionais passaram a de-
parativa na luta pela conquista de melhores posições no mercado sempenhar papéis que antes eram oferecidos pelo Estado, como
mundial. Nesse contexto, as conquistas sindicais são apresentadas serviços ligados à infraestrutura básica (exemplo: transporte e sa-
pelas empresas como um custo adicional que precisa ser eliminado neamento básico).
(“custo Brasil”, “custo Alemanha” etc.). No entanto, as sucessivas crises geradas pelo capitalismo mos-
traram que o papel do Estado não se apagou, como pensavam al-
Blocos econômicos e comércio mundial. guns, pelo contrário, em momentos de crise financeira, o Estado é
As transformações econômicas mundiais ocorridas nas últimas chamado a ajudar as empresas em dificuldade econômica. Portan-
décadas, sobretudo no pós segunda guerra mundial, são funda- to, o papel do Estado no contexto de globalização reestruturou-se,
mentais para entendermos as dinâmicas de poder estabelecidas passando este a atuar como um salvador dos excessos e econômi-
pelo grande capital e, também, pelas grandes corporações trans- cos promovidos pelas empresas nacionais ou internacionais, con-
nacionais. Além delas, não podemos deixar de mencionar a impor- trolando taxas de juros, câmbios, manutenção de subsídios em se-
tância crescente das instituições supranacionais, que atuam como tores estratégicos, bem como fiscalizando, direta e indiretamente,
verdadeiros agentes neste jogo de interesses, como por exemplo, o os recursos energéticos.
Fundo Monetário Internacional (FMI), o Banco Mundial, entre ou-
tros. A Formação dos Blocos Econômicos
O surgimento dos blocos econômicos coincide com a mudança
exercida pelo Estado. Em um primeiro momento, a ideia dos blocos
econômicos era de diminuir a influência do Estado na economia e
comércio mundiais. Mas, a formação destas organizações suprana-
cionais fez com que o estado passasse a garantir a paz e o cresci-
mento em períodos de grave crise econômica. Assim, a iniciativa
de maior sucesso até hoje foi a experiência vivida pelos europeus.
A União Europeia iniciou-se como uma simples entidade eco-
nômica setorial, a chamada CECA (Comunidade Europeia do Carvão
e do Aço, surgida em 1951) e depois, expandiu-se por toda a econo-
mia como “Comunidade Econômica Europeia” até atingir a confor-
mação atual, que extrapola as questões econômicas perpassando
por aspectos políticos e culturais.
Além da União Europeia, podemos citar o NAFTA (North Ameri-
can Free Trade Agreement, surgido em 1993); o Mercosul (Mercado
Nova York, uma das cidades mais globalizadas do mundo Comum do Sul, surgido em 1991); o Pacto Andino; a SADC (Comu-
(Foto: Wikimedia Commons) nidade de Desenvolvimento da África Austral, surgida em 1992),
entre outros. A busca pela ampliação destes blocos econômicos
O cenário que se afigura com a chegada destes novos agentes mostra que o jogo de poder exercido pelas nações tenta garantir as
econômicos é imprescindível para compreendermos o significado áreas de influência das mesmas, controlando mercados e estabele-
da chamada globalização econômica. Esta tem como características: cendo parcerias com nações que despertem o interesse dos blocos
-A ruptura de fronteiras, ou seja, tal ruptura é atribuída à dinâ- econômicos.
mica do capital, que circula livremente pelo globo, sem respeitar a Além disso, o jogo de poder também está presente interna-
delimitação de fronteiras territoriais; mente aos blocos, ou seja, existem países líderes dentro do bloco,
-Perda da soberania local, ou seja, países, estados e cidades que acabam submetendo os outros países do acordo aos seus inte-
tem que se submeter à lógica do capital para conseguir gerar lucro resses. Assim, nem sempre a constituição de um bloco econômico é
em seus orçamentos; benéfica a todos os membros; por exemplo, a constituição do NAF-
-Expansão da dinâmica do capital, fato que se relaciona à rup- TA (México, Canadá e EUA) fez com que a frágil economia mexicana
tura de fronteiras, ou seja, o capital se dirige agora também à pe- aumentasse ainda mais sua dependência em relação aos EUA, o Ca-
riferia do capitalismo, uma vez que as transnacionais compreende- nadá, por sua vez, passou a ser considerado uma extensão dos EUA,
ram que a exploração (no sentido de explorar a força de trabalho dada sua subordinação à economia de seu vizinho.
diretamente) dos países subdesenvolvidos promoveria grandes
lucros para estes.

21
ATUALIDADES
Divisão internacional de Trabalho Mas dentro do território está inserida uma cultura que é desen-
Recebe o nome de Divisão internacional de Trabalho (DIT), a volvida pelo povo, o significado é o conjunto de pessoas que vivem
prática de repartir as atividades e serviços entre os inúmeros países em uma nação, essa é constituída pela sociedade politicamente or-
do mundo. Trata-se de uma divisão produtiva em âmbito interna- ganizada com governos e leis próprias, para elaboração e realização
cional, onde os países emergentes ou em desenvolvimento, expor- do cumprimento de tais leis caracteriza o papel do estado, o estado,
tadores de matéria-prima, com mão-de-obra barata e de industria- nesse sentido, tem sua essência no valor político, pois significa que
lização quase sempre tardia, oferecem aos países industrializados, a nação é soberana, ou seja, exerce poder sobre seu território, e
economicamente mais fortes, um leque de benefícios e incentivos também é independente e reconhecida internacionalmente pelos
para a instalação de indústrias, tais como a isenção parcial ou total outros países.
de impostos, mão-de-obra abundante, leis ambientais frágeis, entre Estado tem outro significado que difere do citado anterior-
outras facilidades. mente, se define como divisão interna do país, ou seja, os estados
Um dos principais conceitos da DIT é que nenhum país conse- que compõe a federação (ex. Goiás, Rio de Janeiro), no entanto al-
gue ser competitivo em todos os setores, e de fato, acabam por se guns países usam outras expressões como cantões, repúblicas, pro-
direcionar suas economias. No fundo, o objetivo é o mesmo da divi- víncias etc., para designar as divisões internas dos países.
são de tarefas numa fábrica, o de gerar um elevado grau de especia- Alguns povos possuem cultura independente, porém não tem
lização para que a produção seja mais eficiente, exatamente como território, são os chamados minorias nacionais, que vivem subordi-
Adam Smith em sua Riqueza das Nações já afirmava no século XVIII. nados aos regimes políticos divergentes às suas culturas, são tam-
O processo de DIT se expandiu na mesma proporção do capi- bém denominadas de sentimento nacionalista que corresponde a
talismo no mundo moderno, expressando as diferentes fases da aspiração de um povo em conquistar a sua independência política e
evolução histórica do capitalismo, desde a ligação entre metrópo- territorial, do estado ao qual está subordinado.
les e colônias, chegando às relações em que países desenvolvidos Por causa disso, vários movimentos surgiram, sendo marcados
se agregam aos subdesenvolvidos. A é geralmente dividida em três muitas vezes por lutas armadas ou pacíficas, mas na maioria das
fases, obedecendo à dinâmica econômica e política do período his- vezes o primeiro perfil predomina, os principais povos sem terri-
tórico em que elas existiram. tório que buscam sua independência territorial e político-cultural
A primeira DIT corresponde ao final do século XV e ao longo do são o povo Basco, na Espanha, os Curdos, no Oriente Médio, Ira, na
século XVI, no qual o capitalismo estava em fase inicial, chamada Irlanda, entre outros.
de capitalismo comercial. Era caracterizado pela produção manual No mundo existem várias áreas de focos de tensão provocadas
a partir da extração de matérias-primas e acúmulo de minérios e por questões de fronteiras, que são as disputas territoriais por zona
metais preciosos por parte das nações (metalismo). de fronteira, nessas podemos citar o exemplo da China, Paquistão
A segunda DIT ocorre no século XVI, mas principalmente a par- e Índia, Armênia, a Irlanda do Sul e do Norte e a Faixa de Gaza. As
tir do século XVII, com a Primeira e a Segunda Revolução Indus- disputas por territórios fazem crescer a produção bélica no mundo
trial. As colônias e os países subdesenvolvidos passaram a fornecer e aumenta os focos de possíveis confrontos armados.
também produtos agrícolas, assim como vários tipos de minerais e As lutas das minorias nacionais e as disputas por zona de fron-
especiarias. teira têm alterado a configuração das fronteiras em várias partes do
Finalmente, a terceira DIT ou “Nova DIT” surge no século XX, mundo, atualmente os cartógrafos têm encontrado muito trabalho
com a revolução técnico-científica-informacional e a consolidação para elaboração de mapas políticos, pois as questões geopolíticas
do capitalismo financeiro, que permite a expansão das grandes deixam as delimitações em constante processo de mutação, no sé-
multinacionais pelo mundo. Nesse período, os países subdesenvol- culo XX, a Europa foi a região do mundo que mais sofreu a modifi-
vidos iniciam seus processos tardios de industrialização, entre eles o cações.
Brasil. Tal acontecimento foi possível graças à abertura do mercado Indústrias consideradas poluidoras também procuram cada vez
financeiro desses países e pela instalação de empresas multinacio- mais os países subdesenvolvidos, onde seu consumo de grandes
nais ou globais, oriundas, quase sempre, de países desenvolvidos. quantidades de matéria-prima e de energia é ignorado além da far-
Uma das críticas à DIT é que seu processo se dá de maneira ta e barata mão-de-obra a disposição.
desigual, onde os países industrializados costumam levar vanta-
gem no comércio global. Além disso, as empresas transnacionais Estados Territoriais e Estados Nacionais
buscam seus próprios interesses, sem considerar as consequências
sociais, econômicas e ambientais nos países onde suas filiais estão
instaladas.

Nação e Território
Território significa os limites que delimitam ou separam um ter-
ritório do outro formando várias fronteiras em todo mundo, essas
delimitam o mundo em mais de 190 países, os territórios são con-
cebidos através de acordos ou conflitos, esses são estabelecidos de
acordo com os interesses socioeconômicos e culturais.
A partir das divisões dos países formam-se variadas culturas,
entende-se por cultura o conjunto de conhecimentos humanos ad-
quiridos a partir das relações sociais ao longo do tempo e que são
passadas para as gerações subsequentes, é o aspecto que mais ca-
racteriza os grupos humanos.
Alguns elementos são determinantes na composição de qual-
quer cultura, seja ela arcaica ou moderna, os elementos que mais
demonstram a identidade cultural são, principalmente, a língua e
a religião.

22
ATUALIDADES
As fronteiras definem a extensão geográfica da soberania do Pouco depois, o novo Estado encontrou a sua moldura jurídica.
estado. No interior do espaço que delimitam, no território nacio- A Constituição francesa de 1791 adotou a doutrina dos Três Pode-
nal, o poder do estado é soberano. É ele que estabelece as divisões res de Montesquieu, estabelecendo a separação entre os poderes
internas, realiza os censos, organiza as informações sobre a popu- básicos do Estado: Executivo, Legislativo e Judiciário. Em 1792, a
lação e as atividades econômicas e formulas estratégicas de desen- Revolução derrubou a monarquia e proclamou a República. Uma
volvimento ou de proteção desse território. convenção nacional, eleita pelo sufrágio universal, reunia os repre-
A noção política de fronteira foi elaborada pelo Império Roma- sentantes do povo. Definia-se, assim, o formato do Estado nacional
no. O limes – uma linha demarcatória dos limites do império – sepa- contemporâneo.
rava os romanos dos “bárbaros”. As célebres legiões romanas pro-
tegiam o império guarnecendo os limes. Estar no interior do espaço
demarcado pelo limes era fazer parte da civilização romana. Estar
no exterior desse espaço equivalia a ser bárbaro, termo depreciati-
vo que englobava em um único conjunto uma infinidade de povos.
A noção contemporânea de fronteira política internacional se-
parando Estados soberanos, porém, surgiu no final da Idade Média,
com os Estados territoriais.
O Estado territorial originou-se na Europa do Renascimento,
quando o poder político foi unificado pelas monarquias e ganhou
uma base geográfica definida, passível de ser delimitada por fron-
teiras lineares. Nessa época, foram criados exércitos regulares sob
as ordens do rei e corpos estáveis de funcionários burocráticos,
que, entre outras coisas, organizavam a coleta dos impostos. Algu-
mas cidades tornaram-se capitais permanentes, residência fixa de
monarcas e sede de aparelho administrativo. Organização do Estado Nacional
O Estado territorial correspondeu à monarquia absolutista. O Estado se manifesta por seus órgãos que são:
Nele. o território era patrimônio do monarca, fonte de toda sobe-
rania. Os súditos, ou seja, todos aqueles que viviam nos territórios a) Supremos (constitucionais) – a estes incumbe o exercício do
unificados pela soberania do monarca, deviam-lhe obediência e le- poder político. Formam o governo ou os órgãos governamentais.
aldade. São estudados pelo Direito Constitucional.
b) Dependentes (administrativos) – formam a Administração
Pública. São estudados pelo Direito Administrativo.

Administração Pública
“É o conjunto de meios institucionais, materiais, financeiros e
humanos preordenados à execução das decisões políticas”.

Conclui-se assim que:

- ela é subordinada ao poder político


- é meio (e não fim)
- é conjunto de órgãos a serviço do poder político e das ativida-
des administrativas.

Organização Administrativa
É imputada a diversas entidades governamentais autônomas,
daí porque temos:
A Revolução francesa de 1789 assinalou um momento-chave
da transformação do estado territorial absolutista em Estado nacio- - A Adm. Pública Federal (da União)
nal. A revolta da burguesia contra o poder absoluto do monarca e - A Adm. Pública Estadual (de cada Estado)
contra os privilégios da nobreza explodiu em 20 de junho de 1789, - A Adm. Pública municipal ou local (do DF e de cada Municí-
quando seus representantes exigiram que o rei convocasse uma As- pio).
sembleia Constituinte. Depois da Queda da Bastilha, a Assembleia
Constituinte revogou os privilégios da nobreza e do clero, tais como Cada uma delas pode descentralizar-se formando:
servidão, dízimos, monopólios, isenções de impostos e tribunais a) Administração Direta (centralizada) conjunto de órgãos su-
especiais. No dia 26 de agosto daquele ano, era divulgada a Decla- bordinados diretamente ao respectivo poder executivo;
ração dos Direitos do Homem. Esse documento não só previa prin- b) Administração Indireta (descentralizada) - com órgãos inte-
cípios e garantias fundamentais, como a liberdade, a segurança e a grados nas muitas entidades personalizadas de prestação de servi-
propriedade, como estabelecia o direito à rebelião contra a tirania. ços ou exploração de atividades econômicas.
A soberania era retirada das mãos do rei e transferida para o povo,
ou seja, para os cidadãos.

23
ATUALIDADES
Formam a Adm. indireta: Governo e Administração
O próprio Hely Lopes Meirelles tinha dificuldades em distinguir
- autarquias governo e de administração. Todavia, demonstrava que o governo
- empresas públicas (e suas subsidiárias) significava a totalidade de órgãos representativos da soberania e a
- sociedades de economia mista (e suas subsidiárias) administração pública, subordinada diretamente ao poder execu-
- fundações públicas (fundações instituídas ou mantidas pelo tivo, alcançava o complexo de funções que esse órgão exercitava
poder público) no desempenho de atividades, que interessam ao Estado e ao seu
povo”.
As autarquias são alongamentos do Estado. Possuem persona-
lidade de direito público e só realizam serviços típicos, próprios do Organização do Estado e da Administração
Estado. A lei 7032/82 autoriza o Poder Executivo a transformar au- A organização do Estado é matéria constitucional. São tratados
tarquia em empresa pública. sob este tema a divisão política do território nacional, a estrutura-
As empresas públicas e sociedades de economia mista são pes- ção dos Poderes, a forma de Governo, a investidura dos governan-
soas jurídicas de direito privado, criadas por lei (vide art. 37, XIX tes e os direitos e as garantias dos governados. Realizada a orga-
e XX, CF). O que as diferencia é a formação e a administração do nização política do Estado soberano, nasce por meio de legislação
capital. Na empresa pública este capital é 100% público. Na socie- complementar e ordinária, a organização administrativa das entida-
dade de economia mista há participação do Poder Público e de par-
des estatais, das autarquias e empresas estatais que realizarão de
ticulares na formação do capital e na sua administração. O controle
forma desconcentrada e descentralizada os serviços públicos e as
acionário é sempre público (a maioria das ações com direito a voto
demais atividades de interesse coletivo.
deve pertencer ao poder público). Tanto uma como outra explora
O Estado Federal brasileiro compreende a União, os Estados-
atividades econômicas ou presta serviços de interesse coletivo, ou-
torgado ou delegado pelo Estado (vide art. 173, § 1o, CF). Elas estão -membros, o Distrito Federal e os Municípios. Estas são, assim, as
sujeitas a regime jurídico próprio das empresas privadas (inclusive entidades estatais brasileiras que possuem autonomia para fazer as
quanto às obrigações trabalhistas e tributárias) e não podem gozar suas próprias leis (autonomia política), para ter e escolher gover-
de privilégios fiscais não extensivos ao setor privado (vide art. 173, no próprio (autonomia administrativa) e auferir e administrar a sua
§ 2o, CF). renda própria (autonomia financeira). As demais pessoas jurídicas
As fundações públicas, pessoas jurídicas de direito privado, são instituídas ou autorizadas a se constituírem por lei ou se constituem
universalidades de bens, personalizada, em atenção a fins não lu- de autarquias, ou de fundações, empresas públicas, ou entidades
crativos e de interesse da coletividade (educação, cultura, pesquisa paraestatais. Ou seja, estas últimas são as componentes da Admi-
científica etc.). Ex.: Funai, Fundação Getúlio Vargas, Fundação de nistração centralizada e descentralizada.
Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo, Febem etc. A instituição A organização da Administração ocorre em um momento pos-
de fundações públicas também depende de lei (vide art. 37, XIX, terior à do Estado. No Brasil, após a definição dos três Poderes que
CF). integram o Governo, é realizada a organização da Administração, ou
O estudo da Administração Pública tem como ponto de partida seja, são estruturados legalmente as entidades e os órgãos que re-
o conceito de Estado. A partir daí é que se vislumbram as considera- alizarão as funções, por meio de pessoas físicas chamadas de agen-
ções a respeito das competências de prestação de serviços públicos tes públicos. Tal organização se dá comumente por lei. Ela somente
aos seus cidadãos. se dará por meio de decreto ou de normas inferiores quando não
implicar na criação de cargos ou aumento da despesa pública.
Estado de Direito O direito administrativo estabelece as regras jurídicas que orga-
Predominantemente vive-se hoje em Estados de Direito, ou nizam e fazem funcionar os órgãos do complexo estatal.
seja, em Estados juridicamente organizados que obedecem às suas Medauar indica que a Administração Pública é o objeto precí-
próprias leis. puo do direito administrativo e se encontra inserida no Poder Exe-
cutivo. Dois são os ângulos em que a mesma pode ser considerada,
Administração Pública funcional ou organizacional.
É necessário que se compreenda o significado de administra- No sentido funcional, Administração Pública representa uma
ção pública para o bom entendimento a respeito do que se preten-
série de atividades que trabalham como auxiliares das instituições
de estudar neste momento.
políticas mais importantes no exercício de funções de governo. Aqui
De Plácido e Silva define Administração Pública, lato sensu,
são organizadas as prestações de serviços públicos, bens e utilida-
como uma das manifestações do poder público na gestão ou exe-
des para a população. Em face da dificuldade de se caracterizar ob-
cução de atos ou de negócios políticos. A Administração Pública se
confundiria, assim, com a própria função política do poder público, jetivamente a Administração Pública, autores distintos fazem sua
expressando um sentido de governo que se entrelaçaria com o da identificação de modo residual, ou seja, as atividades administra-
administração e lembrando-se que a política pode ser compreen- tivas seriam aquelas que não são nem legislativas, nem judiciárias.
dida como a ciência de bem governar um povo constituído sob a Já sob o aspecto organizacional, por Administração Pública po-
forma de um Estado. de-se entender o conjunto de órgãos e entes estatais responsáveis
Administração pública seria, então, simples direção ou gestão pelo atendimento das necessidades de interesse público. Aqui a Ad-
de negócios ou serviços públicos, realizados por suas entidades ou ministração Pública é vista como ministérios, secretarias, etc.
órgãos especializados, para promover o interesse público. José Cretella Jr utiliza o critério residual para definir a Adminis-
A administração pública federal cuida dos interesses da União, tração Pública por aquilo que ela não é. A Administração Pública
a Estadual dos Estados, a municipal dos interesses dos municípios seria toda a atividade do Estado que não seja legislar ou julgar.
e a distrital dos mesmos assuntos do governo do Distrito Federal, Já pelo critério subjetivo, formal ou orgânico a Administração
sede da Capital Federal. seria o conjunto de órgãos responsáveis pelas funções administra-
tivas. Administração seria uma rede que fornece serviços públicos,
aparelhamento administrativo, sede produtora de serviço.

24
ATUALIDADES
O critério objetivo ou material considera a Administração uma No plano interno, o poder soberano não encontra limites ju-
atividade concreta desempenhada pelos órgãos públicos e destina- rídicos. Mas parte da doutrina entende que a soberania estatal é
da à realização das necessidades coletivas, direta e imediatamente. restringida por princípios de direito natural, além de limites ideoló-
O mesmo autor, em seu livro Direito Administrativo Brasileiro, gicos (crenças e valores nacionais) e limites estruturais da socieda-
utiliza a opinião de Laband e relembra não se poder esquecer que de (sistema produtivo, classes sociais). Já no plano internacional, a
Administração, no campo do direito público, tem o significado per- soberania estatal encontra limites no princípio da coexistência pací-
feito de “gerenciamento de serviços públicos”. fica das soberanias estatais.

Elementos do Estado Poder Global e a Nova ordem mundial


Os três elementos do Estado são o povo, o território e o go- A Nova Ordem Mundial – ou Nova Ordem Geopolítica Mun-
verno soberano. O povo pode ser entendido como o componente dial – significa o plano geopolítico internacional das correlações de
humano de cada Estado. Já o território pode ser concebido como a poder e força entre os Estados Nacionais após o final da Guerra Fria.
base física sobre a qual se estabelece o próprio Estado. Com a queda do Muro de Berlim, em 1989, e o esfacelamento
Governo soberano, por sua vez, é o elemento condutor do Es- da União Soviética, em 1991, o mundo se viu diante de uma nova
tado. Ele detém e exerce o poder absoluto de autodeterminação e configuração política. A soberania dos Estados Unidos e do capita-
auto-organização emanado do povo. lismo se estendeu por praticamente todo o mundo e a OTAN (Orga-
A chamada vontade estatal se apresenta e se manifesta por nização do Tratado do Atlântico Norte) se consolidou como o maior
meio dos Poderes de Estado. e mais poderoso tratado militar internacional. O planeta, que antes
1. Território: base física do Estado; se encontrava na denominada “Ordem Bipolar” da Guerra Fria, pas-
2. Povo: associação humana; sou a buscar um novo termo para designar o novo plano político.
3. Governo: comando por parte de autoridade soberana. A primeira expressão que pode ser designada para definir a
Nova Ordem Mundial é a unipolaridade, uma vez que, sob o ponto
de vista militar, os EUA se tornaram soberanos diante da impossi-
bilidade de qualquer outro país rivalizar com os norte-americanos
nesse quesito.
A segunda expressão utilizada é a multipolaridade, pois, após
o término da Guerra Fria, o poderio militar não era mais o critério
principal a ser estabelecido para determinar a potencialidade global
de um Estado Nacional, mas sim o poderio econômico. Nesse plano,
1. Território novas frentes emergiram para rivalizar com os EUA, a saber: o Japão
É a base física sobre a qual se fixa o povo e se exerce o poder e a União Europeia, em um primeiro momento, e a China em um
estatal. Cuida-se da esfera territorial de validade da ordem jurídica segundo momento, sobretudo a partir do final da década de 2000.
nacional (KELSEN). Por fim, temos uma terceira proposta, mais consensual: a uni-
multipolaridade. Tal expressão é utilizada para designar o duplo ca-
2. Povo ráter da ordem de poder global: “uni” para designar a supremacia
Conjunto das pessoas dotadas de capacidade jurídica para militar e política dos EUA e “multi” para designar os múltiplos cen-
exercer os direitos políticos assegurados pela organização estatal. tros de poder econômico.
Difere-se da população, cujo conceito envolve aspectos mera-
mente estatísticos do número total de indivíduos que se sujeitam Mudanças na hierarquia internacional
ao poder do Estado, incluindo, por exemplo, os estrangeiros, apátri- Outra mudança acarretada pela emergência da Nova Ordem
das e os visitantes temporários. Mundial foi a necessidade da reclassificação da hierarquia entre os
Povo também não se confunde com “nação”. Embora o concei- Estados nacionais. Antigamente, costumava-se classificar os países
to de nação esteja ligado ao conceito de povo, contém um sentido em 1º mundo (países capitalistas desenvolvidos), 2º mundo (países
político próprio: a nação é o povo que já adquiriu a consciência de socialistas desenvolvidos) e 3º mundo (países subdesenvolvidos e
si mesmo. emergentes). Com o fim do segundo mundo, uma nova divisão foi
O povo é o titular da soberania (art. 1º, parágrafo único, da elaborada.
CF/88). É aos componentes do povo que se reservam os direitos A partir de então, divide-se o mundo em países do Norte (de-
inerentes à cidadania. No Brasil, contudo, a regra de que os direitos senvolvidos) e países do Sul (subdesenvolvidos), estabelecendo
políticos são reservados somente a quem pertença ao povo com- uma linha imaginária que não obedece inteiramente à divisão nor-
porta exceção, por causa do regime de equiparação entre brasilei- te-sul cartográfica, conforme podemos observar na figura abaixo.
ros e portugueses, quando houver reciprocidade (art. 12, § 1º, da
CF/88).
3. Governo
É o conjunto das funções necessárias à manutenção da ordem
jurídica e da administração pública.
Deve ser soberano, ou seja, absoluto, indivisível e incontestá-
vel no âmbito de validade do ordenamento jurídico estatal. Todavia,
existem formas estatais organizadas sob dependência substancial
de outras (exemplos: San Marino, Mônaco, Andorra, Porto Rico),
que por isso não podem ser chamadas de Estado perfeito. Ou seja,
a soberania é uma qualidade do poder que mantém estreita ligação
com o âmbito de validade e eficácia da ordem jurídica. Trata-se da
característica de que se reveste o poder absoluto e originário do
governo, que é exercitado em nome do povo.

25
ATUALIDADES

Mapa com a divisão norte-sul e a área de influência dos principais centros de poder

É possível perceber, no mapa acima, que a divisão entre norte e sul não corresponde à divisão estabelecida usualmente pela Linha
do Equador, uma vez que os critérios utilizados para essa divisão são econômicos, e não cartográficos. Percebe-se que alguns países do
hemisfério norte (como os Estados do Oriente Médio, a Índia, o México e a China) encontram-se nos países do Sul, enquanto os países do
hemisfério sul (como Austrália e Nova Zelândia), por se tratarem de economias mais desenvolvidas, encontram-se nos países do Norte.
No mapa acima também podemos visualizar as áreas de influência política dos principais atores econômicos mundiais. Vale lembrar,
porém, que a área de influência dos EUA pode se estender para além da divisão estabelecida, uma vez que sua política externa, muitas
vezes, atua nas mais diversas áreas do mundo, com destaque para algumas regiões do Oriente Médio.

A “Guerra ao terror”
Como vimos, após o final da Guerra Fria, os Estados Unidos se viram isolados na supremacia bélica do mundo. Apesar de a Rússia ter
herdado a maior parte do arsenal nuclear da União Soviética, o país mergulhou em uma profunda crise ao longo dos anos 1990 e início dos
anos 2000, o que não permitiu que o país mantivesse a conservação de seu arsenal, pois isso custa muito dinheiro.
Em face disso, os Estados Unidos precisavam de um novo inimigo para justificar os seus estrondosos investimentos em armamentos e
tecnologia bélica. Em 2001, entretanto, um novo inimigo surgiu com os atentados de 11 de Setembro, atribuídos à organização terrorista
Al-Qaeda.

A tragédia de 11 de Setembro vitimou centenas de pessoas, mas motivou os EUA a gastarem ainda mais com armas.

Com isso, sob o comando do então presidente George W. Bush, os Estados Unidos iniciaram uma frenética Guerra ao Terror, em que
foram gastos centenas de bilhões de dólares. Primeiramente os gastos se direcionaram à invasão do Afeganistão, em 2001, sob a alegação
de que o regime Talibã que governava o país daria suporte para a Al-Qaeda. Em segundo, com a perseguição dos líderes dessa organização
terrorista, com destaque para Osama Bin Laden, que foi encontrado e morto em maio de 2011, no Paquistão.
O que se pode observar é que não existe, ao menos por enquanto, nenhuma nação que se atreva a estabelecer uma guerra contra o
poderio norte-americano. O “inimigo” agora é muito mais difícil de combater, uma vez que armas de destruição em massa não podem ser
utilizadas, pois são grupos que atacam e se escondem em meio à população civil de inúmeros países.
Fronteiras Estratégicas e os muros que dividem o mundo

A expressão Cortina de ferro refere-se à fronteira que, a partir do fim da Segunda Guerra Mundial, dividiu a Europa ocidental do leste
Europeu, região dominada pela União Soviética. Em um dos discursos mais famosos do período da Guerra Fria, Winston Churchill, então
primeiro-ministro britânico, afirmou que:

26
ATUALIDADES
“De Estetino, no [mar] Báltico, até Trieste, no [mar] Adriático, Embora os tempos de Globalização apregoem a maior aproxi-
uma cortina de ferro desceu sobre o continente. Atrás dessa linha mação das diferentes partes do planeta, com a diminuição das dis-
estão todas as capitais dos antigos Estados da Europa Central e tâncias e dos obstáculos, ainda são vários os muros que dividem
Oriental. Varsóvia, Berlim, Praga, Viena, Budapeste, Belgrado, Bu- o mundo e que continuam a difundir-se por ele. Se, de um lado,
careste e Sófia; todas essas cidades famosas e as populações em temos a facilidade do deslocamento e da comunicação, por outro
torno delas estão no que devo chamar de esfera soviética, e todas temos a adoção de políticas de contenção dessas facilidades, atra-
estão sujeitas, de uma forma ou de outra, não somente à influência vés da imposição de barreiras que visam, sobretudo, à divisão das
soviética mas também a fortes, e em certos casos crescentes, medi- pessoas e à materialização das fronteiras que existem somente na
das de controle emitidas de Moscou.” imaginação política dos governos e de alguns povos.
Era 5 de março de 1946 e a Segunda Guerra Mundial recém A seguir você poderá conferir um breve resumo dos principais
acabara. Vivia-se um período de tensão entre a comunista União muros do mundo na atualidade. Se, antes, o Muro de Berlim era
Soviética e as outras potências Aliadas, todas de economia capitalis- alcunhado pelos países ocidentais capitalistas de “Muro da Vergo-
ta. O discurso de Churchill é considerado um marco para o início da nha”, o que dizer então dos muros atuais erguidos por esses mes-
Guerra Fria, pois colocou fim à aliança que derrotara Alemanha na mos países?
Guerra e iniciou o processo de divisão da Europa e, posteriormente,
do mundo, em duas zonas de influência: capitalista e comunista. Muro de Israel
A expressão usada por Churchill era uma metáfora sobre a in- O Muro de Israel – também chamado de Muro da Cisjordânia
fluência soviética na região e a separação econômica existente en- – é um dos mais polêmicos muros da atualidade, pois se estabelece
tre o leste europeu e a Europa capitalista. No entanto, a metáfora em torno da área onde se encontram os territórios dos povos pales-
tornou-se realidade com a construção de muros militarmente pro- tinos, que perderam parte de suas áreas após a instauração do Es-
tegidos pelos soviéticos, sendo o Muro de Berlim o mais famoso tado de Israel pela ONU em 1947 e os desdobramentos posteriores
deles. a esse episódio histórico.
No mesmo discurso, Churchill disse ainda que era necessário
evitar que outra catástrofe como o nazifascismo voltasse a destruir
a Europa. Referia-se ao comunismo. Em resposta, Stálin, líder da
União Soviética, afirmou que as baixas soviéticas durante a guerra
haviam sido muito maiores que as britânicas ou norte-americanas e
que, portanto, era os soviéticos que a Europa devia agradecer pela
libertação do nazifascismo.
Em 1985, Mikhail Gorbachev assumiu a liderança da União So-
viética e deu início a um processo de abertura politica e econômica
do regime, chamadas, respectivamente, de perestroika e glasnost.
Tais reformas contribuíram para diminuir a tensão entre o bloco
capitalista e a União Soviética, mas resultaram no fim da mesma.
Em 1989, com a queda do Muro de Berlim, o mundo polarizado
começou a ruir. Com a derrubada de Gorbachev, em 1991, o regime
soviético chegou ao fim. Trinta anos depois de criada, a cortina de
ferro se abriu definitivamente.
São vários os muros que dividem o mundo. Os de maior evidên- Imagem do Muro de Israel, na Cisjordânia
cia estão no México, na Cisjordânia, em Ceuta e Melilla, no Chipre,
além de inúmeros outros casos e exemplos. A construção desse muro iniciou-se em 2002 e ainda se encon-
tra em fase de execução. Seu objetivo é isolar os povos islâmicos da
Cisjordânia do território judeu sob a alegação de que, assim, evi-
tar-se-ia a proliferação de atentados terroristas. A perspectiva é de
que, ao final, o muro da Cisjordânia tenha pouco menos de 800 km.
Existem várias críticas direcionadas ao Muro de Israel, como a
de que ele separaria famílias, isolaria os povos palestinos de suas
fontes de trabalho e de recursos naturais, além de acusações que
afirmam que esse muro estaria sendo construído em áreas para
além da fronteira, reduzindo ainda mais o território já diminuto dos
palestinos.

Os muros proliferam-se nas fronteiras políticas e atuais do


mundo

27
ATUALIDADES
Muro do México Muro do Chipre (linha verde)
O Muro do México vem sendo construído desde 1994 pelos O Muro do Chipre, também chamado de Linha Verde, é uma
Estados Unidos, principalmente com a articulação dos acordos re- barreira dentro da ilha europeia que já foi dominada por vários po-
ferentes ao NAFTA (Tratado de Livre Comércio da América do Nor- vos ao longo da história. Após a independência do país, iniciaram-se
te). Construído em várias partes da fronteira entre os dois países vários conflitos envolvendo a maioria turca e a minoria grega. Por
e contando, atualmente, com mais de mil e cem quilômetros de essa razão, foram promovidas várias tentativas de paz que culmina-
extensão, o seu objetivo é conter a onda migratória de mexicanos e ram no estabelecimento da linha verde pela ONU e na construção
outros povos em direção aos EUA. do muro na cidade de Nicósia, em 1974.

Vista do Muro do Chipe, na linha verde de Nicósia

Apesar de parte do muro ter sido destruída e de haver certa


Muro construído nos arredores da cidade mexicana de Tijuana tensão entre os dois lados, ele ainda existe. No entanto, é permitido
cruzar de um lado para outro, embora a barreira ainda sirva como
Além da barreira em si, o Muro do México conta com fiscais uma espécie de vigilância e também como uma forma de demarca-
dentro e fora de suas construções, além de equipamentos detecto- ção territorial.
res de movimento e outras formas de vigiar a fronteira. No entanto, Além de todas essas barreiras, ainda existem vários outros mu-
mesmo com a existência da barreira, são muitos os mexicanos que ros espalhados pelo mundo, como o construído pelo Egito na região
migram de uma área para outra, isso sem mencionar o número de de fronteira com a Faixa de Gaza; o que divide o Kwait do Iraque e
pessoas que morrem durante o percurso, feito muitas vezes por es- até mesmo um muro entre Índia e Paquistão na Caxemira, além de
pecialistas em tráfico de pessoas, os chamados “coiotes”. outros casos. De toda forma, a existência desses muros derruba o
Esse muro é considerado por muitos um símbolo da ordem ge- mito de que, com os avanços tecnológicos, as fronteiras estariam
opolítica atual, que é marcada pela divisão do mundo entre os paí- mais fluidas e menos fortes. Pelo contrário, a fixação dessas frontei-
ses do norte desenvolvido e do sul subdesenvolvido, expressando, ras ainda continua sendo uma tônica no contexto geopolítico global
assim, as relações de desigualdade econômica e histórica, além das contemporâneo.
relações de dependência entre as diferentes partes do planeta.
Elementos de política brasileira.
Muros de Ceuta e Melilla
As cidades de Ceuta e Melilla encontram-se no extremo nor- A primeira constatação que se pode fazer a propósito da prová-
te do continente africano, no Marrocos, e são banhadas pelo Mar vel política externa do futuro governo do presidente Luís Inácio Lula
Mediterrâneo. No entanto, elas são de domínio espanhol, sendo da Silva é a de que se tratará de uma diplomacia evolutiva, tanto
consideradas como cidades autônomas da Espanha. Por esse moti- em seus contornos conceituais como em seu modus operandi. No
vo, são muitos os imigrantes africanos que se deslocam para essas dia seguinte à sua eleição consagradora no segundo turno das elei-
áreas com vistas a alcançar o território espanhol. ções presidenciais, e não conhecido ainda o nome que integrará seu
futuro governo na qualidade de chanceler – que poderia ser tanto
um representante da diplomacia profissional, como um “civil” com
conhecimento da área –, pode-se dizer que o PT percorreu um lon-
go caminho de construção tentativa de um pensamento em política
externa, desde o programa de cunho socializante do partido criado
mais de duas décadas atrás, até o programa da campanha presiden-
cial de 2002 e, mais importante, o primeiro pronunciamento oficial
do presidente eleito, em 28 de outubro de 2002.
Com efeito, o programa fundacional do PT previa uma “política
internacional de solidariedade entre os povos oprimidos e de res-
peito mútuo entre as nações que aprofunde a cooperação e sirva
à paz mundial. O PT apresenta com clareza sua solidariedade aos
movimentos de libertação nacional...” Não constava, do primeiro
Muro construído na cidade de Melilla * programa, menção explícita à “política externa”, mas, o “plano de
ação” contemplava os seguintes pontos em seu item “VIIndepen-
Sendo assim, a Espanha também decidiu pela criação de dois dência Nacional: contra a dominação imperialista; política externa
muros, um em cada cidade. Mesmo assim, o número de imigrantes independente; combate a espoliação pelo capital internacional;
é muito alto e não são raras as pessoas que morrem partindo em respeito à autodeterminação dos povos e solidariedade aos povos
direção ao território espanhol através do Mar Mediterrâneo. A ex- oprimidos”.
tensão desses muros é de 20 km.

28
ATUALIDADES
Como se vê, uma plataforma típica dos partidos esquerdistas Em todo caso, a partir desse período, Lula passou a viajar bas-
da América Latina no período clássico da Guerra Fria e dos “movi- tante pelo Brasil e ao exterior e patrocinou em São Paulo um “foro”
mentos de libertação nacional”. de partidos de esquerda da América Latina, que depois consolidou-
Desde então, o partido e seus dirigentes evoluíram sensivel- -se como reunião periódica de formações “progressistas” da região
mente, mas o itinerário não deixou de ser algo errático, ou pelo me- e contrárias às supostas ou reais políticas “neoliberais” de estabi-
nos hesitante (ou relutante) na adesão a princípios consagrados da lização econômica no continente. A despeito de uma condenação
política externa brasileira, como poderia ser observado mediante genérica do chamado “consenso de Washington”, o candidato do
um exame perfunctório dos principais temas de relações interna- PT também desenvolveu um maior conhecimento a respeito das
cionais do Brasil selecionados como plataforma de campanha nas opções na frente externa, tendo chegado a posições definidas, em-
eleições presidenciais de 1989 até hoje. Vejamos rapidamente algu- bora nem todas explícitas, em relação aos grandes problemas inter-
mas dessas posições. nacionais enfrentados pelo Brasil.
Em 1989, a principal característica do candidato Lula era sua O PT foi também o que primeiro definiu um programa de Gover-
identificação com a luta dos oprimidos da América Latina. O can- no para as eleições de 1994, com propostas bem articuladas, mas
didato do PT apresentou um amplo e abrangente programa de go- por vezes contraditórias, que refletiam um intenso debate interno
verno e, segundo se depreendia das resoluções políticas adotadas entre as diversas correntes do partido. Alguns grupos representa-
pelo Partido em seu IV Encontro Nacional (junho de 1989), preten- tivos de “minorias” (negros, ecologistas, homossexuais e outros
dia propor uma “política externa independente e soberana, sem grupos de “excluídos” ou “marginalizados”) lograram incluir suas
alinhamentos automáticos, pautada pelos princípios de autodeter- reivindicações específicas nesse programa. Com base no programa
minação dos povos, não-ingerência nos assuntos internos de outros do Partido e em texto assinado pelo próprio candidato, quais foram,
países e pelo estabelecimento de relações com governos e nações em todo caso, os principais elementos da agenda do PT em relação
em busca da cooperação à base de plena igualdade de direitos e à política externa nacional e às relações internacionais nesse ano
benefícios mútuos”. do Plano Real (definido pelo PT como um “estelionato eleitoral”)?
Mesmo se esses princípios não diferiam muito da política ex- O problema básico da política externa brasileira, tal como de-
terna efetivamente seguida pelo Brasil, ainda assim uma vitória do tectado no programa, foi designado como sendo a ausência, “há
candidatotrabalhador, representaria uma reavaliação radical das mais de quinze anos, de um projeto nacional de desenvolvimento”,
posturas brasileiras na área, já que a “Frente Brasil Popular” prome- opinião reafirmada pelo candidato em artigo publicado no Boletim
tia adotar uma “política antiimperialista, prestando solidariedade da Associação dos Diplomatas Brasileiros.
irrestrita às lutas em defesa da autodeterminação e da soberania Lula reconhecia, também em acordo com o programa, que
nacional, e a todos os movimentos em favor da luta dos trabalhado- “durante os governos militares, mais particularmente no período
res pela democracia, pelo progresso social e pelo socialismo”. Um do general Geisel, existia um projeto nacional, politicamente auto-
hipotético Governo da Frente defenderia a “luta dos povos oprimi- ritário e socialmente excludente” que, a despeito das críticas que
dos da América Latina” e Lula chegou mesmo a propor a “decre- seu partido pode fazer, “abriu brechas para que o Brasil reorien-
tação de uma moratória unilateral para ‘solucionar’ a questão da tasse sua política externa”. Em 1994, segundo o programa, persis-
dívida externa”. tia “inercialmente a política externa daquele período, adequada
Aliás, na proposta que o PSB – um dos membros da Frente – empiricamente às novas realidades...”. Mas, em face do quadro de
apresentou de um “programa mínimo” das esquerdas para as elei- mudanças, o “Governo Democrático e Popular deveria desenvolver
ções presidenciais de 1989, se defendia a “imediata suspensão de uma política externa que buscará simultaneamente uma inserção
qualquer pagamento relacionado com a dívida externa”, a consti- soberana do Brasil na mundo e a alteração das relações de força
tuição de um “entendimento entre os diversos países devedores internacionais contribuindo para a construção de ordem mundial
com vistas a fortalecer o não-pagamento” e o estabelecimento de justa e democrática”.
“relações fraternas com todos os partidos que tenham como obje- O programa de então destacava como áreas prioritárias da
tivo a construção da democracia e do socialismo com o objetivo de “nova política externa” a América Latina e o Mercosul, referindo-se
unir esforços na preparação de uma alternativa à crise do modo de aqui, de forma equivocada, ao “Merconorte”. Ele não deixava tam-
produção capitalista”. pouco de dar ênfase às “relações de cooperação econômica e nos
Em 1994, o candidato do PT lançou-se em campanha à frente domínios científico e tecnológico, com uma correspondente agenda
de todos os demais, tendo preparado-se, aliás, para disputar no- política”, na esfera Sul-Sul, com países como a China, Índia, Rússia e
vamente a presidência praticamente desde o final das eleições de África do Sul e com os países de língua portuguesa. Algumas iniciati-
1989. Alguns meses depois dessas eleições, o líder do PT tinha com vas internacionais eram listadas, como, por exemplo, a “rediscussão
efeito anunciado, em coalizão com alguns outros partidos de es- dos problemas das dívidas externas dos países periféricos”, propos-
querda, a formação de um “governo paralelo”, seguramente um dos tas sobre a fome e a miséria no mundo ou ainda a convocação de
poucos exemplos de shadow cabinet ao sul do Equador. uma conferência internacional – “de porte semelhante à ECO92”
Infelizmente, a experiência não chegou realmente a frutificar, – para discutir a situação do trabalho no mundo e medidas efeti-
pelo menos no que se refere à atividade de um “ministro paralelo” vas contra o desemprego. O programa também prometia recuperar
das relações exteriores. o Ministério das Relações Exteriores, “cuja estrutura foi sucateada
Não se teve notícia de que o chanceler “paralelo” – designado nos últimos anos”.
na pessoa do filósofo e professor Carlos Nelson Coutinho – tivesse Em seu artigo assinado, depois de listar algumas das transfor-
avançado um programa, ou sequer elementos, de uma “política ex- mações por que passou o mundo no período recente, o candidato
terna alternativa”, com propostas concretas para o relacionamento Lula indicava alguns elementos para a formulação da “nova política
internacional do Brasil. externa para o Brasil”. “Em primeiro lugar, o Brasil só poderá ter
uma política externa consistente se tiver um claro projeto nacional
de desenvolvimento, com o correspondente fortalecimento da de-
mocracia, o que significa universalização da cidadania, do respeito

29
ATUALIDADES
aos direitos humanos, reforma e democratização do Estado”. Esse De maneira mais positiva, o programa enfatizava a intenção de
projeto nacional de desenvolvimento compreende um “modelo de fortalecer as relações do Brasil com os outros países do Sul, “em
crescimento que favoreça a criação de um gigantesco mercado de especial com os da América Latina, da África meridional e aos de
bens de consumo de massas que permita redefinir globalmente a expressão portuguesa”. O processo de integração subregional, fi-
economia, dandolhe, inclusive, novas condições de inserção e de nalmente, era visto muito positivamente, mas ficava claro o desejo
cooperatividade internacionais”. “Em segundo lugar, o Brasil não de efetuar uma “ampliação ereforma do Mercosul que reforce sua
pode sofrer passivamente a atual (des)ordem mundial. Ele tem de capacidade de implementar políticas ativas comuns de desenvolvi-
atuar no sentido de buscar uma nova ordem política e econômica mento e de solução dos graves problemas sociais da região”. Depre-
internacional justa e democrática”. endia-se, contudo, das declarações de diversos membros da coali-
Considerando que a política externa é, antes de mais nada, zão que o Mercosul era considerado como uma espécie de “bastião
uma questão de política interna, o candidato reafirmava seus pres- antiimperialista”, em contraposição ao projetos norte-americanos
supostos de atuação: “A política externa não vem depois da defini- de diluir esse esquema num vasto empreendimento livre-cambista
ção de um projeto nacional. Ela faz parte deste projeto nacional”. do Alasca à Terra do Fogo. De forma geral, a ALCA se apresentava
Parafraseando Clausewitz, o candidato do PT, portanto, também como um anátema na política externa de um Governo liderado pelo
poderia hipoteticamente dizer: “A política externa é a continuação PT, perdendo apenas em importância na escala de inimigos ideoló-
da política interna por outros meios”. gicos para o neoliberalismo e a globalização selvagem promovida
pelas grandes empresas multinacionais.
Em 1998, já em sua terceira candidatura, desta vez por uma Já em 2002, o cenário mudou substancialmente, com a expres-
coligação a “União do Povo Muda Brasil”, com PT/PDT/PCdoB/PSB/ são inédita de um novo realismo diplomático, a começar pela polí-
PCB Lula esforçou-se por colocá-la sob o signo da continuidade e tica de alianças buscada pelo candidato Lula, desta vez não unica-
da inovação, este último aspecto apresentando-se, desde o início mente à esquerda, mas envolvendo em especial o Partido Liberal,
da campanha, sob a forma de uma aliança política privilegiada com que forneceu seu candidato a vice. Ainda que partindo na frente
seu concorrente trabalhista das experiências anteriores, o líder do de todos os demais candidatos, tanto em termos de candidatura
PDT Leonel Brizola. Este antigo líder da história política brasileira oficiosa como no que se refere aos índices de aceitação eleitoral,
chegou a causar constrangimentos para o então relativamente mo- o candidato do PT e o próprio partido foram desta vez extrema-
derado candidato “dos trabalhadores”, ao defender uma postura mente cautelosos na formulação das bases da campanha política, a
intransigente em relação ao capital estrangeiro e às privatizações começar pelas alianças contraídas com vistas a viabilizar um apoio
de empresas públicas, chegando mesmo a declarar que não só esse “centrista” ao candidato.
processo seria interrompido mas que algumas das leiloadas seriam Lula foi também bastante cauteloso na exposição de sua idéias,
suscetíveis de reversão ao domínio estatal num eventual governo ainda que algumas delas, ainda no início da campanha, tenham sido
da coligação. exploradas por seus adversários (como por exemplo o apoio às polí-
ticas subvencionistas da agricultura européia ou a proposta de que
O próprio candidato à presidência defendeu uma redução das
o Brasil deveria deixar de exportar alimentos até que todos os brasi-
importações por via de medidas governamentais, embora de cará-
leiros pudessem se alimentar de maneira conveniente). Nessa fase,
ter tarifário, o que garantiria a transparência da política comercial
ele ainda repetia alguns dos velhos bordões do passado (contra o
de um Governo do PT e seus aliados partidários. As “Diretrizes do
FMI e a Alca, por exemplo), que depois foram sendo corrigidos ou
Programa de Governo” da coalizão popular acusavam o Governo
alterados moderadamente para acomodar as novas realidades e a
FHC de ter praticado uma abertura “irresponsável” da economia
coalizão de forças com grupos nacionais moderados que se pensava
e de ter desnacionalizado a “nossa indústria e nossa agricultura,
constituir de forma inédita.
provocando desemprego e exclusão social”. A ênfase na perda de
Em matéria de política externa, mais especificamente, a inten-
soberania econômica do País era aliás o ponto forte da campanha
ção – aliás partilhada com os demais candidatos e, de certa forma,
de Lula na área internacional, elemento combinado a uma política implementada pelo governo FHC – era a de ampliar as relações do
externa de tipo voluntarístico que se propunha mudar a forma de Brasil com outros grandes países em desenvolvimento, sendo in-
inserção do Brasil no mundo a partir da manifestação da vontade variavelmente citados a China, a Índia e a Rússia. No plano econô-
política, aqui ignorando aparentemente as linhas de força nas insti- mico, o compromisso – também expresso pelos demais candidatos
tuições internacionais e nas relações com os demais países, parcei- – era o de diminuir o grau de dependência financeira externa do
ros ou “adversários” na atual ordem econômica mundial. Brasil, mobilizando para tal uma política de promoção comercial ati-
O Ponto 12 dessas diretrizes, “Presença soberana no mundo”, va, com novos instrumentos para esse efeito (possivelmente uma
defendia, de forma conseqüente, uma “política externa, fundada secretaria ou ministério de comércio exterior). Segundo a “Carta ao
nos princípios da autodeterminação”, que faria — segundo o texto, Povo Brasileiro”, divulgada por Lula em 22 de junho, o povo brasilei-
“expressará nosso desejo” de ver — o Brasil atuar “com decisão vi- ro quer “trilhar o caminho da redução de nossa vulnerabilidade ex-
sando alterar as relações desiguais e injustas que se estabeleceram terna pelo esforço conjugado de exportar mais e de criar um amplo
internacionalmente”. Ainda nessa mesmo linha, um eventual Go- mercado interno de consumo de massas”.
verno liderado pelo PT lutaria “por mudanças profundas nos orga- De maneira ainda mais enfática, nesse documento, Lula afir-
nismos políticos e econômicos mundiais, sobretudo a ONU, o FMI e mou claramente que a “premissa dessa transição será naturalmen-
a OMC”. Com efeito, documento liberado quando do agravamento te o respeito aos contratos e obrigações do País”.
da crise financeira, em princípios de setembro de 1998, avançava Depois de algumas ameaças iniciais de se retirar das negocia-
a proposta de “participar da construção de novas instituições fi- ções da Alca (que seria “mais um projeto de anexação [aos EUA] do
nanceiras internacionais”, uma vez que “as atualmente existentes que de integração”), Lula passou a não mais rejeitar os pressupos-
— FMI, OMC, BIRD — são incapazes de enfrentar a crise”. De forma tos do livre-comércio, exigindo apenas que ele fosse pelo menos
ainda mais explícita, a coalizão de Lula pretendia combater o Acor- equilibrado, e não distorcido em favor do parceiro mais poderoso, o
do Multilateral de Investimentos em fase de negociação na OCDE, que constituiu notável evolução em relação a afirmações de poucas
considerado como “atentatório à soberania nacional”. semanas antes. O principal assessor econômico do candidato, de-

30
ATUALIDADES
putado Aloízio Mercadante foi bastante cauteloso na qualificação tar os desafios do mundo globalizado. Para tanto, é fundamental
das eventuais vantagens da Alca: “Esta não deve ser vista como uma que o bloco construa instituições políticas e jurídicas e desenvolva
questão ideológica ou de posicionamento pró ou contra os Estados uma política externa comum.”
Unidos, mas sim como um instrumento que pode ou não servir aos Persistia, igualmente, no programa, a atitude de princípio con-
interesses estratégicos brasileiros” (Valor Econômico, 15.07.02). Os trária à Alca e um certo equívoco quanto aos objetivos de uma zona
contatos mantidos pela cúpula do PT com industriais, banqueiros de livre-comércio, pois que se via nesse processo a necessidade do
e investidores estrangeiros tendiam todos a confirmar esse novo estabelecimento de políticas compensatórias, quando são raros os
realismo diplomático, e sobretudo econômico, do candidato. exemplos de acordos de simples liberalização de comércio que con-
De fato, os principais dirigentes do PT começaram, em plena templem tais tipos de medidas corretivas:
campanha, a se afastar cautelosamente das propostas tendentes a “Essa política em relação aos países vizinhos é fundamental
realizar um plebiscito nacional sobre a Alca (organizado pela CUT, para fazer frente ao tema da Área de Livre Comércio das Améri-
pelo MST e pela CNBB), uma vez que ele teria resultados mais do cas (ALCA). O governo brasileiro não poderá assinar o acordo da
que previsíveis, todos negativos para a continuidade dessas nego- ALCA se persistirem as medidas protecionistas extra-alfandegárias,
ciações. De modo ambíguo, porém, o assessor Mercadante parecia impostas há muitos anos pelos Estados Unidos. (…) A política de
acreditar na possibilidade de um acordo bilateral com os EUA, sem livre comércio, inviabilizada pelo governo norteamericano com to-
explicar como e em que condições ele poderia ser mais favorável das essas decisões, é sempre problemática quando envolve países
do que o processo hemisférico: “é importante que, independente- que têm Produto Interno Bruto muito diferentes e desníveis imen-
mente da Alca, o Brasil e os Estados Unidos iniciem um processo sos de produtividade industrial, como ocorre hoje nas relações dos
de negociação bilateral direcionado para a ampliação do seu inter- Estados Unidos com os demais países da América Latina, inclusive
câmbio comercial e a distribuição mais justa de seus benefícios”. o Brasil. A persistirem essas condições a ALCA não será um acor-
O PT parecia assim ter iniciado, ainda que de maneira hesitante, o do de livre comércio, mas um processo de anexação econômica do
caminho em direção ao reformismo moderado. Continente, com gravíssimas consequências para a estrutura pro-
O programa divulgado pelo candidato em 23 de julho de 2002 dutiva de nossos países, especialmente para o Brasil, que tem uma
era bastante ambicioso quanto aos objetivos de “sua” política ex- economia mais complexa. Processos de integração regional exigem
terna, uma vez que prometia convertê-la num dos esteios do pro- mecanismos de compensação que permitam às economias menos
cesso de desenvolvimento nacional: “A política externa será um estruturadas poder tirar proveito do livre comércio, e não sucumbir
meio fundamental para que o governo implante um projeto de de- com sua adoção. As negociações da ALCA não serão conduzidas em
senvolvimento nacional alternativo, procurando superar a vulnera- um clima de debate ideológico, mas levarão em conta essencial-
bilidade do País diante da instabilidade dos mercados financeiros mente o interesse nacional do Brasil.”
globais. Nos marcos de um comércio internacional que também Um certo idealismo mudancista se insinua igualmente no pro-
vem sofrendo restrições em face do crescente protecionismo, a po- grama, ao pretender um eventual governo do PT conduzir uma
lítica externa será indispensável para garantir a presença soberana “aproximação com países de importância regional, como África do
do Brasil no mundo.” Parece ter ocorrido aqui, ao contrário das oca- Sul, Índia, China e Rússia”, com o objetivo de “construir sólidas rela-
siões anteriores, uma espécie de sobrevalorização da política exter- ções bilaterais e articular esforços a fim de democratizar as relações
na, ou em todo caso, uma esperança exagerada em suas virtudes internacionais e os organismos multilaterais como a Organização
transformadoras. das Nações Unidas (ONU), o Fundo Monetário Internacional (FMI),
Com efeito, o candidato Lula pretendia, nada mais nada menos a Organização Mundial do Comércio (OMC) e o Banco Mundial”. Por
que reorganizar o mundo e o continente sul-americano a partir de outro lado, a antiga desconfiança em relação ao capital estrangeiro
suas propostas diplomáticas, o que denota ou excesso de otimismo cedeu lugar a uma postura mais equilibrada, uma vez que se afir-
ou desconhecimento quanto aos limites impostos pela realidade in- mou no programa de 2002 que o Brasil “não deve prescindir das
ternacional a esses grandes projetos mudancistas no cenário exter- empresas, da tecnologia e do capital estrangeiro”, alertando então
no, sobretudo vindos de um país dotado de recursos externos limi- que os “países que hoje tratam de desenvolver seus mercados in-
tados como o Brasil. “Uma nova política externa deverá igualmente ternos, como a Índia e a China, não o fazem de costas para o mun-
contribuir para reduzir tensões internacionais e buscar um mundo do, dispensando capitais e mercados externos”. Mas, se advertia
com mais equilíbrio econômico, social e político, com respeito às também que as “nações que deram prioridade ao mercado externo,
diferenças culturais, étnicas e religiosas. A formação de um governo como o Japão e a Coréia, também não descuidaram de desenvolver
comprometido com os interesses da grande maioria da sociedade, suas potencialidades internas, a qualidade de vida de seu povo e as
capaz de promover um projeto de desenvolvimento nacional, terá formas mais elementares de pequenos negócios agrícolas, comer-
forte impacto mundial, sobretudo em nosso Continente. Levando ciais, industriais e de serviços.”
em conta essa realidade, o Brasil deverá propor um pacto regional O excessivo viés em favor do mercado interno foi corrigido no
de integração, especialmente na América do Sul. Na busca desse programa, que tende por outro lado a esquecer a ênfase atribuída
entendimento, também estaremos abertos a um relacionamento pelo governo FHC ao crescimento das exportações: “Sem cresci-
especial com todos os países da América Latina.” mento dificilmente estaremos imunes à espiral viciosa do desem-
Em contraposição ao candidato governista, supostamente her- prego crescente, do desarranjo fiscal, de déficits externos e da in-
deiro da política de integração do presidente FHC mas de fato cético capacidade de honrar os compromissos internos e internacionais. O
quanto a suas vantagens para o Brasil, o candidato Lula era o mais primeiro passo para crescer é reduzir a atual fragilidade externa. (…)
entusiástico promotor do Mercosul, mas ainda aqui com pouco rea- Para combater essa fragilidade, nosso governo vai montar um sis-
lismo em relação às chances de uma moeda comum no curto prazo tema combinado de crédito e de políticas industriais e tributárias.
ou a implantação de instituições mais avançadas: “É necessário re- O objetivo é viabilizar o incremento das exportações, a substituição
vigorar o Mercosul, transformando-o em uma zona de convergência competitiva de importações e a melhoria da infra-estrutura. Isso
de políticas industriais, agrícolas, comerciais, científicas e tecnológi- deve ser feito tanto por causa da fragilidade das contas externas
cas, educacionais e culturais. Reconstruído, o Mercosul estará apto como porque o Brasil precisa conquistar uma participação mais sig-
para enfrentar desafios macroeconômicos, como os de uma política nificativa no comércio mundial, o que o atual governo menosprezou
monetária comum. Também terá melhores condições para enfren- por um longo período”.

31
ATUALIDADES
Em suma, o candidato do PT realizou um notável percurso em De modo geral, a “nova diplomacia” não parece afastar-se mui-
direção de uma postura mais realista no campo da política exter- to da “velha”, com talvez uma afirmação mais enfática dos “inte-
na, assim como no terreno mais geral das políticas econômicas, resses nacionais” e da defesa da soberania: “É uma boa hora para
notadamente no que se refere ao relacionamento com o capital reafirmar um compromisso de defesa corajosa de nossa soberania
estrangeiro e com as instituições financeiras internacionais. Cabe regional. E o faremos buscando construir uma cultura de paz entre
registro, em todo caso, a seu acolhimento, não totalmente desfa- as nações, aprofundando a integração econômica e comercial entre
vorável, em relação ao acordo anunciado pelo governo de mais um os países, resgatando e ampliando o Mercosul como instrumento
pacote de sustentação financeira por parte do FMI, desta vez pela de integração nacional e implementando uma negociação soberana
soma inédita de 30 bilhões de dólares. A nota divulgada pela cam- frente à proposta da ALCA. Vamos fomentar os acordos comerciais
panha de Lula na ocasião foi bastante cautelosa no que se refere bilaterais e lutar para que uma nova ordem econômica internacio-
ao cumprimento das obrigações externas, ainda que registrando nal diminua as injustiças, a distância crescente entre países ricos e
negativamente o encargo passado ao governo futuro de manter um pobres, bem como a instabilidade financeira internacional que tan-
superávit primário na faixa de pelo menos 3,75% do PIB até 2004. tos prejuízos tem imposto aos países em desenvolvimento Nosso
Ao encontrar-se com o presidente FHC, a pedido deste, para tratar governo será um guardião da Amazônia e da sua biodiversidade.
da questão do acordo com o FMI, em 19 de agosto, o candidato do Nosso programa de desenvolvimento, em especial para essa região,
PT reiterava seu entendimento de que as dificuldades decorriam do será marcada pela responsabilidade ambiental.” Em outros termos,
“esgotamento do atual modelo econômico”, confirmando também, abandonou-se a tese da Alca “anexacionista” em favor de uma ne-
com franqueza, seu compromisso afirmado na “Carta ao Povo Bra- gociação séria dos interesses brasileiros nesses acordos de liberali-
sileiro”: o de que, “se vencermos as eleições começaremos a mudar zação comercial.
A defesa do multilateralismo não destoa, em praticamente
a política econômica desde o primeiro dia”.
ponto nenhum, das conhecidas posições defendidas tradicional-
Não obstante, Lula oferecia uma série de sugestões para, no
mente pela diplomacia brasileira:
seu entendimento, “ajudar o País a sair da crise”, muitas delas me-
“Queremos impulsionar todas as formas de integração da Amé-
didas de administração financeira, de política comercial e de reati-
rica Latina que fortaleçam a nossa identidade histórica, social e cul-
vação da economia. tural. Particularmente relevante é buscar parcerias que permitam
O PT e seu candidato das três disputas anteriores se esforça- um combate implacável ao narcotráfico que alicia uma parte da ju-
vam, dessa forma, em provar aos interlocutores sociais – eleitores ventude e alimenta o crime organizado.
brasileiros – e aos observadores externos – capitalistas estrangeiros Nosso governo respeitará e procurará fortalecer os organismos
e analistas de Wall Street – que o partido e seus aliados estavam internacionais, em particular a ONU e os acordos internacionais re-
plenamente habilitados a assumir as responsabilidades governa- levantes, como o protocolo de Quioto, e o Tribunal Penal Interna-
mentais e a representar os interesses externos do País com maior cional, bem como os acordos de não proliferação de armas nuclea-
dose de realismo econômico e diplomático do que tinha sido o caso res e químicas. Estimularemos a ideia de uma globalização solidária
nas experiências precedentes. e humanista, na qual os povos dos países pobres possam reverter
Essa evolução moderada foi confirmada, finalmente, no pri- essa estrutura internacional injusta e excludente.”
meiro pronunciamento do presidente eleito, em 28 de outubro de Em suma, atendidas algumas ênfases conceituais e a defesa
2002. Nesse texto, consciente da gravidade da crise econômica e afirmada da soberania nacional, a política externa do governo que
dos focos de tensão externa remanescente, Lula advertiu: “O Brasil inicia seu termo em janeiro de 2003 não destoará, substancialmen-
fará a sua parte para superar a crise, mas é essencial que além do te, da diplomacia conduzida de maneira bastante profissional pelo
apoio de organismos multilaterais, como o FMI, o BID e o BIRD, se Itamaraty no período recente, conformando aliás uma concordância
restabeleçam as linhas de financiamento para as empresas e para de princípio com a tradicional “diplomacia do desenvolvimento” im-
o comércio internacional. Igualmente relevante é avançar nas ne- pulsionada pelo Brasil desde largos anos. No plano operacional, pa-
gociações comerciais internacionais, nas quais os países ricos efe- rece inevitável o aumento do diálogo do Itamaraty com o Congresso
tivamente retirem as barreiras protecionistas e os subsídios que e outras forças organizadas da sociedade civil, como os sindicatos,
penalizam as nossas exportações, principalmente na agricultura.” as organizações não-governamentais e representantes do mundo
A segunda frase, particularmente, poderia, sem qualquer mudança, acadêmico. Trata-se, em todo caso, de uma saudável inovação para
ter sido pronunciada pelo presidente Fernando Henrique Cardoso, uma instituição cujo moto organizador parece consubstanciar-se na
por seu chanceler ou por seu ministro da economia. frase “renovar-se na continuidade”. Com talvez alguma surpresas
Também, diferentemente da “ameaça” de cessar as exporta- verbais, naturais em momentos de mudança paradigmática como
a que vive o Brasil, tanto a inovação como a continuidade parecem
ções de alimentos até que todos os brasileiros pudessem se alimen-
garantidas no futuro governo sob a hegemonia do novo centro po-
tar de maneira conveniente, Lula traçou um retrato convincente
lítico brasileiro. As gerações mais jovens do Itamaraty certamente
das possibilidades nessa área: “Nos últimos três anos, com o fim da
receberam com bastante satisfação a confirmação da mudança po-
âncora cambial, aumentamos em mais de 20 milhões de toneladas
lítica no cenário eleitoral e parecem animadas com as perspectivas
a nossa safra agrícola. Temos imenso potencial nesse setor para de- de mudança – talvez até geracional – que podem operar-se na Casa
sencadear um amplo programa de combate à fome e exportarmos de Rio Branco. A confirmar-se a “continuidade da renovação”, o Ita-
alimentos que continuam encontrando no protecionismo injusto maraty tem todas as condições de emergir, nos próximos quatro
das grandes potências econômicas um obstáculo que não poupa- anos, com uma nova legitimidade no plano societal interno, ao ser
remos esforços para remover.” Igualmente, não há nada aqui que implementada a nova diretriz de colocar, de maneira mais afirmada,
não poderia receber o endosso – e de fato já integra o discurso – da a política externa a serviço de um projeto nacional de desenvolvi-
administração atuante até o final de 2002. mento econômico e social.

32
ATUALIDADES
música erudita e instrumental, livros de arte, acervos de museus,
CULTURA E SOCIEDADE BRASILEIRA: MÚSICA, LITERA- itinerância de exposições de artes plásticas e acervos de bibliotecas
TURA, ARTES, ARQUITETURA, RÁDIO, CINEMA, TEA- públicas. É uma política fiscal generosa e adequada pois, em fun-
TRO, JORNAIS, REVISTAS E TELEVISÃO ção do conhecido déficit fiscal do Estado brasileiro e das enormes
carências de recursos para áreas prioritárias, as empresas privadas
A partir de meados da década de 90, o Brasil vem conhecendo são convidadas a se associarem ao Governo Federal e aos produto-
uma extraordinária retomada de suas atividades culturais. O cinema res culturais para garantirem o desenvolvimento da cultura.
foi a primeira área a beneficiar-se disso. O sucesso com que foram Com efeito, a partir de importantes reformas introduzidas em
recebidos pelo público filmes como Carlota Joaquina, O Quatrilho, 1995 e 1996 na legislação de incentivo fiscal à cultura, e só a nível
O Que é Isso Companheiro? e Central do Brasil indica que o cinema federal, onde o incentivo ocorre a partir de deduções no Imposto de
brasileiro poderá reconquistar, a curto prazo, o lugar de destaque Renda dos patrocinadores privados, o Governo atraiu investimen-
que havia alcançado no panorama cultural, no início dos anos 60, tos que ultrapassaram os 180 milhões de reais nos dois primeiros
com Terra em Transe e outros filmes. É um sinal de que a indústria anos de governo. E a atual política de financiamento da cultura está
cinematográfica tem futuro no país. longe de se limitar apenas a estimular os investimentos privados
Mas o cinema não é o único. Também na área do patrimônio na área. O Governo Federal reconhece que também lhe cabe papel
artístico e cultural as iniciativas são tantas e tão diferentes, toma- fundamental no financiamento a fundo perdido da cultura, particu-
das em distintas esferas de responsabilidade pública, que estão a larmente no que diz respeito às atividades que, pela sua natureza,
demonstrar que em sociedades como a brasileira, quando se logra não chegam ou não têm atrativo no mercado. Por essa razão, pela
alcançar um estágio razoável de controle da inflação e de estabilida- primeira vez em muitas décadas, aumentou-se em mais de 100%
de econômica, a energia social antes empregada pela comunidade o orçamento do Ministério da Cultura de um ano para o outro, fa-
na luta pela sobrevivência pode ser canalizada também para a pre- zendo-o passar de R$ 104 milhões, em 1995, para R$ 212 milhões,
servação das identidades culturais. em 1996.
O restauro do Pelourinho, no Centro Histórico de Salvador Além disso, através de suplementações orçamentárias e de
(Bahia), a reforma e recuperação da Pinacoteca do Estado e do Mu- um acordo inédito com o BID, ao final de quatro anos, em 1998, o
Governo Federal aplicou quase 300 milhões de dólares no restauro
seu do Ipiranga (São Paulo), a retomada de cuidados com o centro
de sítios históricos e na recuperação de áreas urbanas, em vários
histórico do Rio de Janeiro e do centro colonial de cidades como São
estados do País, onde há forte interação entre a cultura e partes
Luiz (Maranhão), Ouro Preto e Diamantina (Minas Gerais), e Recife
do tecido urbano deteriorado ou em deterioração. Ainda, através
e Olinda (Pernambuco), e as celebrações, por todo o País, dos 300
de investimentos diretos, o Ministério da Cultura tem apoiado a re-
Anos de Zumbi e da Década dos Povos Indígenas, mostram que, a cuperação de arquivos públicos, fomentado produções na área das
despeito de avanços que ainda são necessários nas áreas econômi- artes cênicas, estimulado a renovação e a consolidação de orques-
ca e social, às vésperas de celebrarmos os 500 anos do Descobri- tras sinfônicas e apoiado a reforma de museus, teatros e espaços
mento, os brasileiros estão redescobindo a importância da sua pró- culturais de diferentes naturezas. São todos sinais de que o Estado e
pria memória histórica e cultural. São sinais de enorme renovação a sociedade percebem, cada vez mais, a importância da cultura para
da própria cultura. a qualidade de vida das pessoas.
A retomada cultural no Brasil pode ser percebida também na Tal política de financiamento é adequada à realidade cultural
música, na literatura e, mais importante ainda, em um extraordiná- brasileira? Para justificá-la, podemos mencionar algumas razões.
rio fenômeno de mídia, que reflete o interesse dos brasileiros pela O Brasil é um país de cultura extremamente rica e diversificada. A
produção cultural do País. origem dessa característica está no peculiar processo de formação
Certamente, a revalorização das atividades dos museus e das da sociedade brasileira, que desde o seunascimento no século XVI,
artes plásticas -com exposições de pintura e escultura de artistas recolheu a generosa contribuição de povos e etnias tão diferentes
como Rodin, Miró, Monet e Maillol, sem esquecer a própria Bienal quanto os índios autóctones, os portugueses descobridores, os afri-
de Artes de São Paulo - são reflexos desse interesse, ao mesmo tem- canos feitos escravos e, depois, franceses, espanhóis, holandeses,
po em que o criam. Desde 1994, tais eventos atraíram a atenção de italianos, japoneses, árabes e tantos outros que, como conquis-
mais de 2 milhões de pessoas, deixando para trás a percepção tra- tadores ou aventureiros, vieram deixar a sua marca cultural aqui,
dicional que creditava o interesse pela linguagem plástica apenas a acrescentando valores novos aos trazidos pelos pioneiros desbra-
parcelas eruditas do público. Na realidade, essas mostras de extra- vadores.
ordinária beleza e valor transformaram-se em manifestações cultu- Tudo isso fez da cultura brasileira um formidável e curioso ca-
rais de massa, particularmente do público mais jovem, mostrando leidoscópio, em que se mesclam raças e se misturam múltiplas con-
que o espaço está aberto para novas iniciativas semelhantes. cepções de vida, expressando uma enorme variedade de influên-
Há, evidentemente, muitas outras manifestações interessantes cias. O mais interessante, no entanto, é que toda essa diversidade
e inovadoras acontecendo na cultura brasileira. Mas o que foi dito não implica, ao contrário do que ocorre em algumas sociedades,
conflitos ou exclusões de qualquer natureza em relação ao diferen-
é suficiente para colocar em discussão um outro aspecto tão im-
te, isto é, àqueles que expressam identidades culturais distintas. Ao
portante quanto inovador. Trata-se da questão do financiamento da
contrário, uma das mais extraordinárias características da cultura
cultura.
brasileira está em seu caráter acolhedor e integrador. É um sinal de
Desde meados de 1995, o Governo Federal vem implemen-
que, no Brasil, as diferentes origens do povo brasileiro servem para
tando, na área cultural, uma vigorosa política de parceria entre o integrá-lo e não para excluí-lo ou dividi-lo.
Estado brasileiro, os produtores culturais e a iniciativa privada. Tal Por isso mesmo, é indispensável que a política de financiamen-
política se apoia na legislação de incentivo fiscal às atividades artís- to da cultura, no Brasil, seja vigorosa o suficiente para impulsionar
ticas e culturais e permite, no caso do cinema, que os investidores o seu desenvolvimento e, ao mesmo tempo, capaz de assegurar a
privados deduzam 100% do que aplicam e, no caso das outras áreas realização plena da riqueza e diversidade formadoras da sua ma-
culturais, entre 66 e 76%, dependendo da natureza das empresas, triz. Com efeito, o financiamento da cultura em países pluriculturais
podendo-se chegar aos mesmo 100% para o caso das artes cênicas, como este tem de ser tarefa de distintas fontes de financiamento:

33
ATUALIDADES
o Estado, os produtores culturais e as empresas privadas. Isso asse- culturalista de tradição anglo-saxônica, onde importa antes de tudo
gura tanto que o interesse público seja preservado, através da ação um ideal de “representação federada” dos grupos culturalmente
do Estado, como que a sociedade civil possa intervir no processo de definidos em uma arena pública competitiva.
criação artística, através de seus projetos e de seus investimentos. Hoje, depois de um longo período em que a célula-mater da
A política de parceria é o fundamento da atual política cultural identidade social foi a nação, forças centrífugas têm trazido para a
que se baseia na essência da cultura brasileira, isto é, a sua riqueza arena política diversos outros atores. Identidades étnicas, de gêne-
e diversidade. Identidade e diversidade são termos de forte carga ro, religiosas, sexuais, de idade, de condição social etc., entraram
emocional e política, que aparentemente apontam para campos na competição pela primazia na definição do lugar do indivíduo
opostos: o que privilegiar, o idêntico ou o diverso? Num extremo no mundo. Ao lado e freqüentemente contra a ação política ins-
estaria a idéia, cara à sociedade ocidental moderna, de que todos titucional, surgiram as ONG’s como expressão mais “pura” da so-
somos iguais (perante a lei, perante Deus). ciedade civil. No Brasil, essa tendência fragmentadora vem sendo
No outro, a liberdade, igualmente cara, de grupos comparti- temperada pela tradição do Estado central forte, tradicionalmente
lharem características e valores específicos que os diferenciam dos visto como árbitro de conflitos entre cidadãos iguais, e que passa a
demais. Neste embate, o universalismo é acusado de totalitário e ser visto também como arena onde os desiguais podem expressar
o particularismo de discriminatório e defensor das desigualdades. a sua diversidade. O Ministério da Cultura é chamado a reconhe-
O Ministério da Cultura – através da Secretaria da Identidade e Di- cer e proteger as culturas contra forças que as ameaçam por um
“neocolonialismo” interno ou externo. Tais identidades culturais
versidade Cultural e da Fundação Casa de Rui Barbosa – promoveu,
se constróem no embate concreto dos grupos em sociedade e são
ao longo de 2004, uma série de encontros para discutir os signifi-
cambiantes. Assim como o indivíduo é múltiplo e fragmentado em
cados, a história, os dilemas e as implicações político-jurídicas da
sua psique, ele partilha de múltiplas e instáveis identidades sociais,
identidade e da diversidade cultural, assim como sua relevância e
que se reafirmam e se redefinem. O grande desafio do Estado na-
aplicações ao contexto brasileiro. O propósito de tais discussões cional e da sociedade internacional organizada hoje é exercer sua
foi lançar alguma luz sobre conceitos amplamente usados e pouco função agregadora, favorecendo o diálogo em lugar do conflito, es-
entendidos e servir como subsídio à tomada de decisões sobre po- timulando a criatividade de forças centrífugas, sem permitir que o
líticas públicas. caos acabe por inviabilizar a criação.
A moderna idéia de cultura está, desde o seu surgimento, in- A reivindicação dos direitos do cidadão pode ser percebida
trinsecamente associada à idéia de diversidade. Produto do roman- como um processo de demanda por direitos universais. Universal
tismo alemão, ela passou a reunir na mesma noção, desde o início no sentido de que tais direitos e os movimentos sociais associados
do século XIX, a tradição humanista de cultivo das realizações supe- com o seu desenvolvimento tendem a reforçar um ideal capaz de
riores do espírito nas artes e ciências e a nova valorização, de raiz englobar toda a sociedade. Os direitos civis, políticos e sociais fo-
iluminista, da diversidade de costumes e crenças dos povos como ram configurados com base nessa idéia.
via para o conhecimento do humano. O que tornava possível essa Sua implementação possibilitou uma certa homogeneização
aproximação era o fato de ambas as componentes caracterizarem- social, o que está claro, por exemplo, no direito de uma educação
-se pela afirmação de valores e atribuição de sentido ao mundo. igual e gratuita para todos.
Integrados numa totalidade, costumes coletivos e obras individuais Entretanto, ao reforçarem um ideal oposto, o universal e o ho-
ganhavam um pressuposto de coerência e influência recíproca, en- mogêneo, em vez do particular e do heterogêneo, os movimentos
fatizado por sua descrição através da analogia com o organismo. sociais mais recentes dizem não ser mais possível um sistema jurídi-
Essa mesma analogia facilitava a apresentação dos povos como in- co cego a diferenças – étnicas, de cor, de gênero, etc. A questão que
divíduos coletivos, e a afirmação das identidades nacionais como se coloca para o debate é se a implementação do direito à diferença
um processo correspondente à maturação e aperfeiçoamento das representa ou não o antagonismo entre uma cidadania universal-in-
capacidades singulares de cada indivíduo. Compartilhamento de clusiva e outra particular-plural.
valores e significados e singularização diante de outros conjuntos Nesse sentido, é significativo que a Unesco tenha aprovado em
da mesma natureza são assim o verso e o reverso, as duas dimen- 2001 a sua Declaração Universal sobre a Diversidade Cultural. O
sões inseparáveis da idéia de cultura. documento chama a atenção para algumas questões interessantes,
Cabe lembrar que a gênese dessa idéia ocorre num contexto das quais se destaca, numa reflexão sobre o tema no Brasil, o conte-
údo do Artigo 3º: “A diversidade cultural amplia as possibilidades de
de conflito, com o significado político de oposição ao império na-
escolha que se oferecem a todos: é uma das fontes do desenvolvi-
poleônico, apoiado por sua vez no universalismo revolucionário da
mento, entendido não somente como crescimento econômico, mas
doutrina dos direitos do homem. O potencial agressivo da idéia de
também como meio de acesso a uma existência intelectual, afetiva,
cultura nacional não tardou a se manifestar nas lutas posteriores à
moral e espiritual satisfatória”.
unificação alemã e nas duas guerras mundiais. Concomitantemen- A diversidade de condições econômicas e sociais entre as vá-
te, os organismos internacionais comprometidos com esforços de rias regiões do Brasil, aliada ao peso de um passado histórico espe-
paz, como a Liga das Nações e a ONU, através da Unesco, desde cífico está na base da diversidade de suas manifestações culturais.
cedo se empenharam em promover o potencial de tolerância e diá- A circunstância histórica que fez com que em determinada região
logo presente naquela mesma idéia. tenha havido maior concentração de escravos, ou de imigrantes ou
Por outro lado, identidades culturais singularizantes não tarda- de populações indígenas só recentemente contatadas conforma a
ram a ser reivindicadas por outros tipos de grupos humanos, aquém fisionomia cultural do lugar; bem como o isolamento em que se
ou além do recorte nacional, com as mesmas oscilações entre for- mantiveram localidades distantes do interior foi fundamental para
mas pacíficas e conflitivas de afirmação. Todas essas variações aca- a preservação de usos e falares antigos e já desaparecidos nas gran-
baram por dar origem a diferentes modelos de articulação da diver- des cidades.
sidade cultural no seio dos Estados nacionais, desde o que inspirou Essas peculiaridades culturais locais conformam identidades
André Malraux na criação do Ministério da Cultura francês, em que culturais específicas. Elas podem se manifestar tanto nas variações
as identidades distintas tenderiam a se integrar em níveis sucessiva- de uso da língua portuguesa, quanto na de realizar determinados
mente ampliados de perspectiva universalizante, ao modelo multi- trabalhos, nos hábitos alimentares, na indumentária, na maneira de

34
ATUALIDADES
construir as habitações, nas tradições religiosas, nas festas e nas Engajamento social;
manifestações artísticas. Produzir o mapa cultural do Brasil é loca- Novas técnicas de escrita e arte;
lizá-las e identificá-las, estabelecendo a cartografia cultural do país Produção de contos e crônicas.
em sua diversidade. Ao mesmo tempo, este mapa deve identificar A literatura contemporânea é divida em duas linhas principais:
também uma espécie de bacia hidrográfica cultural que ligaria en-
tre si os grupos que compartilham características culturais indepen- TRADICIONAL
dente de sua localização física. Autores já consagrados ganham mais destaque ainda, como
O Brasil garante em sua constituição de 1988 direitos diferen- João Cabral e Drummond, além do destaque para novos artistas,
ciados para as minorias indígenas. De maneira semelhante, algu- como Dalton Trevisan e Lygia Telles.
mas políticas públicas vêm sendo implementadas com o objetivo de Esses tinham como linha de escrita o tradicional: regionalismo,
dar maior projeção social e econômica às minorias étnicas e de cor. intimismo, introspecção e psicológico.
No nosso contexto, coloca-se para discussão:
1. como a implementação desses direitos diferenciados assim ALTERNATIVO
como dessas políticas públicas fundamentadas na discriminação Porém, havia ainda aqueles que queriam romper com o tra-
positiva (ou ação afirmativa) são compatíveis com os princípios do dicional, trazendo novos estilos ou novas maneiras de exprimir
universalismo e do individualismo jurídico que definem o sistema a arte, principalmente na poesia, na qual os sentimentos que há
jurídico brasileiro; muito tempo ficaram oprimidos pela Ditadura ganham espaço, por
2. qual a melhor maneira de implementar essas políticas sem exemplo:
que grupos sociais fiquem em desvantagem em relação a outros; Concretismo;
3. quais os impactos que essas políticas virão a ter para a so- Poema processo;
ciedade (países que as adotaram podem servir de exemplo para o Poesia social;
debate). Poesia marginal.
Fonte: https://www.assisprofessor.com.br/concursos/aposti-
las/camara_deputados/3.%20Conhecimentos%20Gerais.pdf CONCRETISMO
LITERATURA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA: CONTEXTO HIS- Idealizado pelos irmãos Haroldo e Augusto de Campos e Dé-
TÓRICO, PRINCIPAIS AUTORES E OBRAS cio Pignatari, esse movimento começou na revista “Noisgrandes”,
porém ganhou destaque somente na Exposição Nacional da Arte
CONTEXTO HISTÓRICO Concreta em São Paulo.
O Brasil viveu o desenvolvimento tecnológico há poucas déca- No geral, esse tipo de poesia não possui uma forma e nem ver-
das, causando impactos tanto na indústria, quanto política e na so- sos, fugindo do lirismo, como se o poema estivesse sendo feito em
ciedade. Nos anos 60 – enquanto J.K. governava -, aconteceram vá- uma tela, podendo ser lido em qualquer direção. Veja um exemplo,
rios reflexos na sociedade disso, vide a bossa nova, o cinema novo, abaixo, para compreender melhor:
o teatro de Arena, as vanguardas, o movimento da Tropicália e o
surgimento da televisão.
Porém, com a crise causada pela renúncia de Jânio Quadros e
o golpe militar que depôs João Goulart do poder, o momento de
felicidade do país deu origem ao de descontentamento, provocado
pela censura e sensação de medo constante, principalmente pelo
fechamento do Congresso, pelos vários jornais sendo calados, pela
perseguição, pela tortura e pelo exílio de intelectuais, políticos e
artistas.
É nesse momento que a cultura precisou encontrar formas
diferentes de se expressar, mesmo que por baixo dos panos. Esse
também foi o período em que o Brasil conquistou a sua terceira
vitória na Copa do Mundo, sendo utilizada como motivo nacionalis-
ta, silenciando a população por um tempo. É nesse momento que
surge o ditado “Brasil – ame-o ou deixe-o”.
No final dos anos 70, o presidente Figueiredo sanciona a Lei da
Anistia, permitindo a volta dos exilados para o território nacional.
Isso desperta o sentimento de otimismo para aqueles que estavam
descontentes com o regime militar da época.
A ditadura militar, por sua vez, acaba em 1985, e o movimento
Diretas Já! ganha força em 1989, tendo Fernando Collor de Mello
como o novo presidente do Brasil, posteriormente deposto 2 anos
depois.

LITERATURA BRASILEIRA CONTEMPORÂNEA: CARACTERÍSTICAS


No geral, a literatura contemporânea procura:
Diminuição das fronteiras entre a arte popular e a erudita;
Intertextualidade;
Vários estilos de narrativa;
Preocupação com o presente;
Temas cotidianos;
Metalinguagem;

35
ATUALIDADES
POESIA PROCESSO POESIA MARGINAL
No ano de 1964, Décio Pignatari e Luiz Ângelo Pinto criaram o Um exemplo da contracultura no Brasil, durante os tempos “ne-
poema código ou semiótico, geralmente visual, como se fosse um gros” da Ditadura Militar, a poesia marginal vinha com o intuito de
poema dadaísta, veja exemplo, abaixo: expressar a violência diária e ir contra o conservadorismo da época.

São marcadas principalmente por ironia, sarcasmo, gírias e hu-


mor. Os grandes nomes do movimento são Paulo Leminski, Torqua-
to Neto, Chacal e Ana Cristina Cesar.

PROSA NA LITERATURA CONTEMPORÂNEA


Há vários tipos no Brasil que ganham destaque:

ROMANCE REGIONALISTA

POESIA SOCIAL Com uma pegada ainda consequente do Romantismo, muitos


O nome mais conhecido desse tipo de poesia é Ferreira Gullar, escritores comentam sobre as zonas rurais e os problemas relacio-
que no ano de 1964 sai fora do padrão da poesia concreta e de for- nados. Alguns dos principais escritores e suas obras são:
ma lírica, impondo o verso com temas de interesse social, principal-
mente relacionados à Guerra Fria, Corrida Atômica, Neocapitalismo Mário Palmério – Vila dos Confins;
e mais. José Cândido de Carvalho – O Coronel e o Lobisomem;
Antônio Callado – Quarup;
Porém, depois do golpe militar, ela é considerada uma poesia Herberto Sales – Além dos Maribus.
de resistência, tendo grandes nomes, como Thiago de Mello, Affon-
so Romano de Sant’Ana, Chico Buarque e muito mais. ROMANCE INTIMISTA
Com linha mais de sondagem do ser humano, os autores têm
uma pegada mais angustiada, com traumas e vários problemas psi-
cológicos que envolvem tanto o campo espiritual, quanto moral e
metafísico. Os principais nomes desse estilo são:
Lydia Fagundes Telles – Ciranda de Pedra;
Autran Dourado – Ópera dos Mortos;
Lya Luft – Reunião de Família;
Fernando Sabino – O Encontro Marcado;
Chico Buarque – Estorvo.

ROMANCE URBANO/SOCIAL
Mostra os centros urbanos e seus problemas relacionados à
burguesia, luta do proletariado, violência urbana, solidão e muito
mais. Os principais nomes são:
José Conde – Um Ramo Para Luísa;
Carlos Heitor Cony – O Ventre;
Dalton Trevisan – Cemitério de Elefantes.

ROMANCE POLÍTICO
Depois do fim da Ditadura Militar, vários romances surgiram
como forma de expressão de tudo que se passou e ficou sufocado.
Esse tipo de literatura possui algumas classes variadas, como:

36
ATUALIDADES
Paródia histórica com nomes como Ariano Suassuna, com A Pe-
dra do Reino, e João Ubaldo Ribeiro, com Sargento Getúlio. ELEMENTOS DE ECONOMIA INTERNACIONAL CON-
Também, o romance reportagem surge, usando a linguagem TEMPORÂNEA
jornalística para explanar os relatos de tortura, como uma voz de
denúncia e protesto. Os grandes nomes são: A relativa sincronização do ciclo econômico nas três principais
Ignácio de Loyola Brandão – Zero, não Verás País Nenhum; regiões econômicas, evidenciada pela desaceleração nos Estados
Roberto Drummond – Sangue de Coca-Cola; Unidos da América (EUA), pela fraca atividade na área do Euro e
Rubem Fonseca – O Caso Morel. pela depressão no Japão, pode significar que a retomada da econo-
O romance policial também ganha destaque com a narrativa mia internacional será mais lenta do que inicialmente imaginado.
urbana, com autores como Marcelo Rubens Paiva, com Bala na Agu- Além disso, a ameaça de ataque norte-americano ao Iraque lança
lha, e Rubens Fonseca, com A Grande Arte. incertezas adicionais sobre o preço futuro do petróleo.
O romance histórico também traz à tona histórias com caracte- A relação entre as três principais moedas internacionais alte-
rísticas policiais e políticas. Grandes nomes dessa forma de protesto rou-se levemente em agosto, na esteira da melhora do mercado
são Ana Miranda, com Boca do Inferno, Fernando Morais, com Olga, de ações, principalmente nos Estados Unidos, ajudando, assim, a
e Rubem Fonseca, com Agosto. recompor, em parte, o valor efetivo do dólar comparativamente ao
Ainda, surge o Realismo fantástico ou Surrealismo, no qual al- iene e ao euro. Existem, contudo, dúvidas quanto à sustentabilida-
guns escritores tratam da situação do Brasil de modo metafórico, de dessa recuperação, tendo em vista que o dólar ainda se encontra
como Murilo Rubião, com O Pirotécnico Zacarias, J. J. Veiga, com A valorizado em relação à média histórica. Ademais, a forte desace-
Hora dos Ruminantes, e Érico Veríssimo, com Incidente em Antares. leração da economia norte-americana no segundo trimestre deve
frustrar as expectativas de lucros em ambiente já bastante contur-
ROMANCE MEMORIALISTA/AUTOBIOGRÁFICO bado pelas denúncias de fraudes contábeis em algumas das princi-
Um estilo que ganha força durante os anos 80, misturando-se pais corporações norte-americanas. Por fim, o déficit em transações
à autobiografia e às reflexões intelectuais de quem viveu no exílio correntes dos EUA permanece bastante significativo, associado à
ou sofreu com torturas durante o Regime Militar. Os nomes mais ampliação do déficit fiscal.
marcantes são Fernando Gabeira, com O que é isso, Companheiro?, Na América Latina, o longo processo de negociação entre o go-
Marcelo Rubens Paiva, com Feliz Ano Velho, e Érico Veríssimo, com verno argentino e o FMI ainda não permite vislumbrar solução para
Solo de Clarineta I e II. a moratória naquele país. Por outro lado, o apoio do Tesouro dos
Estados Unidos e a renovação de acordos Stand-by com Uruguai,
ROMANCE EXPERIMENTAL E METALINGUÍSTICO Paraguai e Brasil trouxeram maior alento à região, mas não foram
Marcado pela sua estrutura fragmentada e diferente, há no- suficientes para restaurar inteiramente a confiança do mercado fi-
mes marcantes como Osman Lins, com Avalovara, Ignácio de Loyola nanceiro internacional. Essa maior aversão global ao risco refletiuse
Brandão, com Zero, e Ivan Ângelo, com A Festa. em piores condições de financiamento privado para os mercados
emergentes, dificultando inclusive a rolagem integral das linhas de
CONTOS E CRÔNICAS créditos comerciais para países como o Brasil.
Nos anos 70, os contos e as crônicas ganham o mundo pela nar- Entre os países emergentes asiáticos, embora o ritmo da ati-
rativa mais simples e curta, atendendo à necessidade dos leitores vidade econômica tenha arrefecido, as projeções apontam para
que buscavam algo mais rápido de ser consumido. crescimento do produto acima da média mundial. De fato, a firme
Esse tipo de literatura é marcado por sequência anormal, relato expansão da demanda interna na região, associada à demanda ex-
pessoal, vários flashes, mistura entre poesia e prosa, além de apare- terna, sustenta taxas de crescimento mais vigorosas nessas econo-
cimento de estados emocionais com frequência. mias, frente à desaceleração observada no resto do mundo.
Os nomes mais marcantes são: Dalton Trevisan, Hilda Hist, Luís
Vilela, Marcelo Rubens Paiva, Domingos Pellegrini JR., Vinícius de Estados Unidos
Moraes, Rachel de Queiroz, Carlos Drummond de Andrade, Fernan-
do Sabino, Luís Fernando Veríssimo, além de muitos outros. A revisão da série do PIB dirimiu as dúvidas restantes quanto
à ocorrência de recessão nos EUA no ano passado. Ademais, dados
OUTROS ESTILOS preliminares indicam que a economia norte-americana apresentou
A literatura contemporânea também deu abertura a outros ti- forte desaceleração no segundo trimestre do ano corrente. Nessas
pos de literatura que envolvem multimodalidades, ou variadas for- condições, o temor de nova recessão ganhou força (double-dip),
mas composicionais, como é o caso de Valêncio Xavier e seu livro contribuindo para deteriorar ainda mais as expectativas de empre-
Mez da Grippe, no qual o autor narra uma história, valendo-se de sários e consumidores.
vários gêneros textuais para compor o livro, como notícias, entre- Dados mais recentes mostram que a demanda de consumo
vistas, poesias e propagandas. continua em expansão, ainda que em ritmo lento, influenciada por
A literatura produzida por povos quilombolas e indígenas tam- fatores extraordinários, como o financiamento sem juros na compra
bém ganha destaque, como é o caso de Daniel Munduruku, com de automóveis. Os preços dos imóveis mantiveram-se em alta, mas
Coisas de Índio, e Kaka Werá Jecupé, com A terra dos mil povos, que há o risco de que tal espiral reflita, na verdade, a realocação do por-
revelam outras formas de literatura que já existiam antes mesmo da tfólio de ativos de risco para ativos reais, movimento característico
colonização no Brasil. de ambientes de maior incerteza.
Carolina de Jesus também inova no cenário literário brasileiro As bolsas de valores e o dólar apresentaram recuperação em
com Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada lançado em 1960. agosto, compensando, em parte, as fortes baixas do ano, contri-
O livro abre espaço para a literatura feminista. buindo para que o preço das ações e o valor efetivo do dólar si-
tuem-se em níveis bem acima dos padrões históricos.

37
ATUALIDADES
Por outro lado, é ainda difícil antecipar em toda sua extensão As condições do mercado de trabalho mantiveram-se relativa-
e profundidade os efeitos negativos que o abalo da confiança nas mente inalteradas nos últimos meses. Assim, a taxa de desemprego
grandes corporações norte-americanas exercerá sobre as decisões do setor não-agrícola manteve-se estável em julho, em 5,9%, com
de investimento e seu financiamento. Nessas condições, aumentam apenas seis mil novos postos de trabalho tendo sido ocupados no
as preocupações quanto ao enorme déficit em conta-corrente dos mês. O número de horas trabalhadas na semana declinou, em julho,
Estados Unidos, cuja correção abrupta e não-coordenada faria de- para o nível mais reduzido, desde outubro do ano passado.
sencadear pressões ainda mais intensas sobre o dólar. Tendo em vista a evolução da demanda, a deterioração das
Assim, embora os indicadores econômicos e financeiros ain- condições do mercado financeiro, o clima de desconfiança em rela-
da emitam sinais parcialmente contraditórios, cresce a percepção ção às corporações e a menor robustez dos ganhos de produtivida-
entre investidores e analistas de que a economia norte-americana de, o Federal Reserve decidiu manter a meta da taxa dos fed funds
dificilmente repetirá no futuro próximo as elevadas taxas de cres- inalterada em 1,75% a.a. na última reunião, em 13 de agosto.
cimento econômico e de produtividade assinaladas nos anos no- Adicionalmente, foi adotado viés de baixa, de vez que os ris-
venta. cos de desaceleração econômica são agora percebidos como mais
De acordo com dados do PIB revisados pelo Bureau of Eco- presentes. Essa interpretação está refletida no comportamento dos
nomic Analysis (BEA) para o período 1999-2001, o crescimento da preços, que, tanto no nível do produtor quanto no do consumidor,
economia norte-americana foi consideravelmente mais fraco que apresentam trajetórias estáveis.
o esperado na maior parte do ano 2000 e na primeira metade de
2001. De fato, o PIB apresentou crescimento negativo nos três pri- Japão
meiros trimestres de 2001, de -0,6%, -1,6% e -0,3%, nessa ordem,
na série anualizada, quando na série anterior a contração havia sido No segundo trimestre de 2002, registrou-se percepção mais
restrita ao terceiro trimestre do ano. Além disso, o crescimento do favorável quanto à evolução da economia japonesa, embora, no
primeiro trimestre de 2002 foi corrigido de 6,1% para 5%, enquanto âmbito interno, persistisse o cenário deflacionário, apesar da po-
dados preliminares para o segundo trimestre do ano indicam de- lítica monetária fortemente expansionista, o consumo privado não
saceleração do crescimento para 1,1%, resultado do aumento das apresentasse sinais consistentes de recuperação e a taxa de desem-
importações e da menor expansão do consumo. prego permanecesse em patamar elevado. No setor externo, a re-
O ritmo de expansão das vendas no varejo arrefeceu levemen- cuperação das economias dos Estados Unidos e do leste asiático
te, passando de 1,5%, em junho, para 1,2%, em julho, considerada reverteu a trajetória declinante da balança comercial, a despeito da
a série dessazonalizada. Excluídas as vendas de automóveis, a taxa apreciação do iene. A economia permanece fortemente dependen-
de crescimento alcançou 0,2% em julho. te da demanda externa e da implementação de reformas estrutu-
O número de construções de novas residências iniciadas em rais, especialmente a do setor bancário.
julho, a exemplo do registrado no mês anterior, recuou 2,7%, após As encomendas às fábricas estão estacionadas desde junho de
assinalar expansão de 11,2% em maio. No trimestre encerrado em 2001, muito embora seu núcleo, que exclui encomendas voláteis,
julho, o início de construções cresceu 1,1%, ante o patamar de igual tenha crescido durante todo o primeiro semestre de 2002. O início
período do ano passado. de novas construções alcançou 102,2 mil unidades, em média, no
O déficit orçamentário no ano fiscal, que termina em setembro, segundo trimestre, ante 86,3 mil no primeiro. O consumo privado
aumentou para US$147,2 bilhões em julho. As previsões mais re- permanece estável, devido ao continuado enfraquecimento da ren-
centes indicam déficit de 1,5% do PIB no presente ano fiscal. da e às incertezas no mercado de trabalho.
No que se refere ao déficit do comércio exterior, totalizou As exportações atingiram U$104,9 bilhões no segundo trimes-
US$40,8 bilhões em junho, retrocedendo 2,2% no mês, mas ex- tre, crescendo 10,4% em relação ao primeiro trimestre e 3,4% re-
pandindo 15,2% no segundo trimestre, em relação ao período ime- lativamente a igual período de 2001. As importações alcançaram
diatamente anterior. O crescimento do déficit comercial deve-se, U$82,6 bilhões, expandindo 7,4% e decrescendo 7,1%, respectiva-
principalmente, à expansão das importações, superior à das expor- mente, nas mesmas bases de comparação.
tações, desde o início do ano. A produção industrial cresceu de fevereiro a maio de 2002, im-
A produção industrial vem crescendo de forma lenta, mas contí- pulsionada sobretudo pela demanda externa por bens de capital. A
nua, desde o início do ano. Em julho, a produção expandiu-se 0,2%, taxa de desemprego alcançou 5,4% em junho, inalterada em rela-
desacelerando um pouco em relação a junho, quando aumentou ção a maio, mas próxima ao recorde de 5,5% do pósguerra. Ressal-
0,7%. Refletindo esse crescimento continuado, a utilização da capa- te-se que a elevação do número de desempregados reflete também
cidade vem aumentando mês a mês, alcançando 75,6% em julho. o processo de reestruturação corporativa, que implicou dispensa de
Os ganhos de produtividade da economia norteamericana funcionários, como forma de redução de custos.
também foram reajustados para baixo, no período 1999-2001, as- Em primeira estimativa, o Banco do Japão divulgou que o PIB
sinalando-se que os resultados refletem não só as revisões perió- cresceu 1,4%, ou 5,7% em termos anualizados, no primeiro trimes-
dicas do PIB, efetuadas pelo BEA, como a revisão anual dos dados tre de 2002, após três trimestres consecutivos de retração. O cresci-
do mercado de trabalho, pelo Bureau of Labor Statistics (BLS). A mento foi impulsionado, em grande medida, pelo desempenho das
produtividade do setor não-agrícola sofreu forte desaceleração no exportações líquidas, responsáveis pela metade do resultado. Na
segundo trimestre de 2002, aumentando 1,7% na série anualizada. comparação com igual período do ano precedente, o PIB decresceu
No mesmo sentido, a produtividade do setor manufatureiro no se- 1,6%. Alegando crescimento insuficiente da demanda externa e bai-
gundo trimestre caiu à metade da taxa registrada no primeiro tri- xo desempenho da demanda interna, o Banco Central do Japão re-
mestre. Todavia, o ganho anualizado de 4,3% no segundo trimestre visou suas expectativas de crescimento para os anos fiscais de 2002
é o melhor resultado do setor nos últimos vinte anos, quando utili- e 2003, de -0,1% para -0,3%, e de 1,6% para 0,8%, respectivamente.
zada a mesma base de comparação. As pressões deflacionárias permaneceram, com o Índice de
Preços ao Consumidor (IPC) registrando, em junho, variação anual
negativa pelo 33º mês consecutivo. O governo credita essa tendên-
cia ao enfraquecimento da demanda, queda nos preços da terra e
concorrência de produtos importados. No mesmo sentido, o Índice

38
ATUALIDADES
de Preços no Atacado (IPA) vem registrando variação anual nega- Em relação ao mesmo mês de 2001, a taxa registrou, em julho,
tiva desde setembro de 2001. Para contrarrestar tal tendência, o elevação em dez dos doze países da região.
governo vem exercendo política monetária fortemente expansio- O PIB da Área do Euro cresceu 0,6% no segundo trimestre,
nista, cuja meta de excesso de liquidez, representada pelo saldo comparativamente ao segundo trimestre de 2001, após elevar-se
na contacorrente do Banco Central, tem variado entre ¥10 trilhões 0,3% no primeiro trimestre, na mesma base de comparação. Por
e ¥15 trilhões (US$83 bilhões e US$124 bilhões). Adicionalmente, setores da economia, os maiores aumentos ocorreram em serviços
continuou comprando mensalmente ¥1 trilhão em títulos públicos financeiros e em outros serviços, 1,6% e 1,8%, respectivamente, e
como forma de manter o mercado bancário líquido. as maiores contrações na construção e na indústria, 1,7% e 0,9%,
Em abril deste ano, o governo extinguiu a garantia do seguro- seqüencialmente. A variação do PIB relativa ao trimestre anterior,
depósito para contas de poupança acima de ¥10 milhões, manten- ajustada sazonalmente e anualizada, alcançou 1,4%. O consumo
do garantia ilimitada para depósitos em conta corrente, a vigorar privado, que correspondeu a 57% do PIB, subiu 0,3% no segundo
até abril de 2003. Essa medida levou à expressiva saída de depó- trimestre, enquanto a formação bruta de capital fixo, responsável
sitos de poupança para conta-corrente, com o saldo das primeiras por 21% do PIB, contraiu 2,9%, relativamente ao mesmo trimestre
reduzindose de ¥145 trilhões para ¥93 trilhões. de 2001.
A confiança empresarial medida pelo índice Tankan, que afere
O arrefecimento da inflação no segundo semestre permitiu que
as expectativas de curto prazo das grandes indústrias, alcançou -18
o Banco Central Europeu (BCE) mantivesse a taxa básica de juros
pontos no segundo trimestre, ante -38 pontos no período anterior,
em 3,25% a.a., prevalecente desde novembro de 2001. O Índice de
registrando a primeira variação positiva desde o segundo trimestre
Preços ao Consumidor Harmonizado (IPCH), cuja variação anual se
de 2000. Embora o mesmo índice para as condições de oferta e de-
manda tenha evoluído de -45 para -36, uma provável recuperação manteve acima de 2,5% no primeiro trimestre, mudou de patamar
nos lucros corporativos no segundo semestre ocorreria devido mais nos últimos meses, registrando elevações de 2% em maio, 1,8% em
a esforços de reestruturação e outros cortes de custos do que, pro- junho e 1,9% em julho. Se confirmada a contenção das pressões
vavelmente, pelo aumento nas vendas. inflacionárias que se manifestaram no início do ano, haverá espaço
para que o BCE reduza a taxa de juros visando evitar desaceleração
Área do Euro adicional do nível de atividade econômica.
A frágil recuperação da economia ameaça comprometer as me-
O ritmo de expansão da economia permanece próximo da es- tas fiscais de alguns países da Área do Euro, tendo em vista que o
tagnação, como atestam os desempenhos do PIB e de outros in- déficit público anual deve se manter abaixo do limite de 3% do PIB,
dicadores de oferta e demanda. Produção industrial e vendas ao conforme determinado pelo Pacto de Estabilidade e Crescimento,
varejo exibem desempenho frágil, ao mesmo tempo que se elevam firmado em 1997. Nesse sentido, a Alemanha, que no primeiro se-
as taxas de desemprego. A incerteza quanto à recuperação da eco- mestre apresentou déficit equivalente a 3,5% do PIB, possivelmente
nomia americana, a insegurança frente ao risco de desemprego e a excederá o teto de 3% para o ano, haja vista os gastos adicionais
deterioração dos preços de ativos de renda variável se traduzem em decorrentes dos efeitos das enchentes. Adicionalmente, a França
pessimismo por parte de empresas e consumidores, como apontam enfrentará dificuldades para se manter abaixo do valor de referên-
os principais indicadores de confiança. A única sinalização positiva, cia, em 2003, se o desempenho econômico permanecer debilitado,
quanto ao nível de atividade, provém da balança comercial, cujos assim como a Itália, que pretende reduzir a carga tributária, no pró-
elevados superávits continuaram a se ampliar ao longo do segundo ximo ano.
trimestre. As expectativas do setor empresarial e dos consumidores, que
De fato, a demanda interna tem se mostrado incapaz de sus- vinham apresentando evolução positiva desde novembro de 2001,
tentar a retomada do crescimento. deterioraram-se a partir de maio, de acordo com indicadores de
As vendas ao varejo vinham exibindo comportamento irregular confiança da Área do Euro e das principais economias da região. O
desde o final de 2001, com variações anuais pequenas, embora po- índice do Instituto de Pesquisas Econômicas (IFO), que afere expec-
sitivas. Em junho, declinaram 0,9%, após elevações de 0,8% e 0,7% tativas de negócios na Alemanha, recuou de 91,6 pontos em maio,
em abril e maio, respectivamente. As variações mensais foram de
para 91,3 e 89,9 nos meses seguintes, alcançando 88,8 pontos em
-1%, 0,3% e -0,5% em abril, maio e junho.
agosto. Na Itália, indicador equivalente estimado pelo Istituto di
Os saldos comerciais positivos prosseguiram em trajetória de
Studi e Analisi Economica (Isae) declinou de 97,2 para 93,2 pontos
expansão, a despeito da acentuada apreciação do euro em relação
de maio para julho e na França, o índice do Institut National de la
ao dólar. No segundo trimestre, essa evolução decorreu, principal-
mente, do crescimento das exportações, que se recuperaram após Statistique et des Études Économiques (Insee) passou de 101 para
atingirem, em fevereiro, o valor mais baixo desde agosto de 2000. 98 pontos em igual período. O índice para a Área do Euro, calculado
As importações vêm crescendo desde dezembro, embora ainda se pela Comissão Européia, registrou retração de -9 para -10. Compor-
mantenham abaixo do patamar observado no início de 2001. O tamento semelhante pode ser observado com relação aos indicado-
superávit comercial alcançou US$7,9 bilhões em maio e US$10,2 res de confiança do consumidor destes países. Entre esses, o índice
bilhões em junho, resultado de exportações de US$82,6 bilhões e referente aos consumidores italianos registrou o maior declínio, de
US$86,9 bilhões e de importações de US$74,7 bilhões e US$76,7 119 para 113,3 pontos, de maio a julho, ao passo que o indicador
bilhões, nos meses de maio e junho, respectivamente. para a Alemanha subiu de 89 para 92 pontos no mesmo intervalo.
A produção industrial prosseguiu apresentando variações anu- O índice da Comissão Européia recuou de -8 para -10. Economias
ais negativas ao longo do segundo trimestre, assinalando decrés- emergentes
cimos de 1,2% em maio e junho. Em termos mensais, a produção
industrial declinou 0,7% em abril, manteve-se estável em maio e China
expandiu 0,5% em junho. As indicações provenientes do mercado
de trabalho também são desfavoráveis. A taxa de desemprego man- No segundo trimestre de 2002, o PIB apresentou crescimento
tevese em 8,3% de maio a julho, após permanecer em 8,2% nos anual de 8%. Essa expansão foi impulsionada pelas altas de 8,6%
quatro primeiros meses do ano. nas vendas no varejo e de 21,5% no investimento.

39
ATUALIDADES
A atividade econômica no país continuou em ritmo elevado em A inflação em doze meses, medida pelo IPC, alcançou 15% em
julho, alavancada pela expansão das exportações, que se beneficia- julho, ante 14,7% no mês precedente. Esse crescimento refletiu, em
ram do bom desempenho das vendas ao exterior de produtos elé- parte, a tendência de alta nos preços ao produtor observada desde
tricos e eletrônicos, e do investimento, impulsionado pelos maiores abril, visto que, desse mês até julho, a inflação anual no âmbito do
gastos na construção de edifícios, reflexo da adoção de pacote de produtor deslocou-se de 6,8% para 11,4%.
estímulos fiscais desde o início de 2002. Em relação ao mês anterior, Em relação ao comércio exterior, as exportações totalizaram
o crescimento com ajuste sazonal desses componentes do gasto US$8,2 bilhões e as importações, US$4,8 bilhões, em julho. A con-
agregado atingiu 5,3% e 1,9%, respectivamente. Em comparação ao tinuidade de saldos mensais positivos ao longo do ano resultou
mês correspondente em 2001, as exportações expandiram 28,1% e em superávit acumulado de US$21 bilhões no primeiro semestre
o investimento, 22,9%. de 2002. O superávit acumulado em doze meses até junho atingiu
Ainda em julho, as vendas no varejo mantiveram-se em nível US$42,4 bilhões, 2,5% abaixo do superávit acumulado até maio.
elevado, sustentadas pelas despesas com alimentação, registrando Ao final de julho, as reservas internacionais atingiram US$43,3
crescimento mensal de 0,8%, com ajuste sazonal. Na comparação bilhões, ante US$43,6 bilhões no mês anterior e US$36,5 bilhões ao
com igual mês do ano anterior, as vendas expandiram 8,6%. O IPC final de julho de 2001. O aumento paulatino do nível de reservas
apresentou variação negativa de 0,1% em julho, evidenciando me- externas tem contribuído para a estabilidade da moeda doméstica
nores preços da alimentação e relativa estabilidade do segmento de no patamar de 30 rublos por dólar, ao longo do ano. Ainda em julho,
produtos não alimentícios. a taxa interbancária de juros elevou-se para 13,4% a.a., ante 6,4%
Considerando a variação em 12 meses, o IPC registrou variação a.a., em junho, e 5,2% a.a., em maio, voltando a aproximar-se da
igualmente negativa, de 0,9%. taxa assinalada em fevereiro.

Coréia do Sul Turquia

No segundo trimestre de 2002, o PIB a preços constantes apre- A aprovação pelo Parlamento de reformas necessárias para o
sentou crescimento de 7,8%, em relação ao trimestre anterior, re- início de negociações visando o ingresso do país na União Européia
cuperando, em parte, a contração de 10,2% assinalada no primeiro (UE), a contenção da inflação e o sólido desempenho fiscal foram
trimestre do ano, comparativamente ao último trimestre do ano an- determinantes para o restabelecimento da confiança, face as incer-
terior. Em relação a igual trimestre de 2001, o PIB real expandiu-se tezas de ordem política associadas às eleições de novembro.
6,3%. A recuperação da atividade econômica decorreu da intensi- Esse quadro foi corroborado com a aprovação, pelo FMI, da ter-
ficação na produção industrial, que cresceu 8,1% no segundo tri- ceira revisão do acordo assinado em fevereiro, o que possibilitou
mestre do ano, comparativamente ao período anterior, sustentada, desembolso adicional de US$1,15 bilhão.
principalmente, pelo desempenho das exportações, que expandi- O arrefecimento da inflação contribuiu para a continuada redu-
ram 12,9% no período. Considerada a mesma base de comparação, ção da taxa de juros overnight, que foi fixada em 46% a.a. no início
a formação bruta de capital fixo elevou-se 12,4% e a atividade de de agosto. O banco central reduziu a taxa em seis ocasiões, desde
construção, 25,1%. o início do ano, acumulando contração de 13 p.p. A variação anual
A produção industrial dessazonalizada elevou-se 1,9% em ju- do índice de preços ao consumidor, que havia alcançado 52,7% em
lho, em comparação ao mês anterior, e 8,9% frente ao mesmo mês abril, declinou para 42,6% em junho, 41,3% em julho e 40,2% em
de 2001, contribuindo para que a taxa de desemprego totalizasse agosto, sugerindo o cumprimento da meta para a inflação, de 35%,
2,7%, mesmo patamar de junho, ante 3,4% em julho de 2001. para 2002.
No mesmo mês, a inflação anual, medida pelo IPC, alcançou O PIB cresceu 2,3% no primeiro trimestre, em relação ao mes-
2,1%, ante 2,6% de junho. As variações, igualmente anuais, de 0,9% mo trimestre de 2001. Na mesma base de comparação, estimati-
nos preços ao produtor e de -7,2% nos preços de importação contri- vas apontam crescimento superior a 7% no segundo trimestre,
buíram em grande parte para a desaceleração do IPC. A taxa básica sustentado sobretudo pela indústria e pelo comércio. A produção
de juros foi definida pelo Banco Central da Coréia do Sul em 4,27% industrial vem se desacelerando desde março, embora prossiga
a.a., ante 4,35% a.a. em junho, tendo como referência o ambien- mantendo elevações significativas. Após crescer 19,2% em março,
te econômico caracterizado pela expansão da produção industrial, a variação anual reduziu-se para 14,6% e 11% nos meses seguintes,
recuperação do investimento, menor variação de preços e perspec- situando-se em 6,6% em junho.
tivas de fortalecimento do won frente ao dólar, que deverão amor- A dívida pública registrou declínio de 6,1% em termos reais nos
tecer pressões inflacionárias pelo lado da demanda. sete primeiros meses do ano, declinando de US$84,4 bilhões para
O ambiente de recuperação da atividade, sinalizando condi- US$77,2 bilhões. Essa evolução permitiu que a meta de superávit
ções mais favoráveis para o desempenho da economia, foi confir- primário no primeiro semestre fosse superada em 0,4% do PIB. A
mado pelo Índice de Confiança do Consumidor (ICC), válido para o meta para 2002 é de 6,5% do PIB.
horizonte de seis meses, que se situou em 107,8 em julho, ante 98,4 A balança comercial acumulou resultados negativos desde
no mês correspondente de 2001. março, tendo registrado déficit de US$5,6 bilhões no primeiro se-
mestre. Em junho, o déficit recuou para US$1,1 bilhão, ante US$1,3
Rússia bilhão em maio, resultado de US$2,6 bilhões de exportações e de
US$3,7 bilhões de importações.
A produção industrial russa aumentou 3,3% em julho em rela-
ção a junho. A elevação na atividade industrial decorreu do cresci- América Latina
mento na produção de combustíveis, metalurgia de não-ferrosos,
química e petroquímica, máquinas para uso industrial e alimenta- A desaceleração da atividade econômica mundial, cujo cresci-
ção. Como consequência, a taxa de desemprego situou-se em 7,7%, mento declinou de 4,7% em 2000 para 2,2% em 2001, refletiu-se
permanecendo estável pelo terceiro mês consecutivo, no patamar negativamente no desempenho das economias latino-americanas,
mais reduzido do ano. traduzido em expansão lenta do PIB, em cenário de redução dos
fluxos de capitais internacionais.

40
ATUALIDADES
As projeções de crescimento econômico para a América Latina registraram U$655 milhões no fim de julho, comparativamente a
e Caribe em 2002 sofreram revisões para baixo. O FMI prevê de- U$1,47 bilhão, no fim de junho, e a U$3,1 bilhões, no final de 2001.
clínio do produto regional de 0,4%, após crescimento de 0,7% em Nesse cenário, o governo recorreu ao FMI e a agências multilate-
2001. rais, obtendo recursos da ordem de US$3,9 bilhões, dos quais U$2,8
O resultado é fortemente influenciado pelo colapso da ativi- bilhões originários do FMI, U$0,3 bilhão, do Banco Mundial (Bird), e
dade produtiva na Argentina e suas repercussões regionais. Além U$0,8 bilhão, do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).
da Argentina, projeta-se queda do produto no Paraguai, Uruguai e O Paraguai, seriamente afetado pela retração do comércio com
Venezuela. Os países de maior importância econômica relativa na os parceiros do Mercado Comum do Sul (Mercosul), teve aprovado
região, México e Brasil, crescerão ao redor de 1,5%, assim como a acordo Stand-by com o FMI no valor de US$200 milhões. No que
Colômbia. Para o Chile, o crescimento previsto é de 2,6%. No en- se refere às negociações da Argentina com o FMI, em agosto, o go-
tanto, essas perspectivas dependem muito dos desdobramentos verno argentino enviou esboço de carta de intenções ao Fundo es-
nas principais economias desenvolvidas. Na maioria dos países da tabelecendo projeções de variáveis macroeconômicas para 2002 e
região, as possibilidades de adoção de uma política macroeconômi- diretrizes do governo para a reestruturação do setor bancário.
ca anticíclica são limitadas, seja pela necessidade de financiamento Entretanto, observa-se entraves à assinatura de um acordo no
externo, seja pela existência de desequilíbrios fiscais, que impedem curto prazo. No entanto, no início de setembro, o FMI adiou, em um
a adoção de políticas fiscais expansionistas. ano, o pagamento de uma dívida de US$2,78 bilhões do país com
o organismo.
Apesar do menor dinamismo no comércio internacional, a re-
gião deverá apresentar superávit na sua balança comercial, fruto de
Petróleo
maiores esforços de diversos países em ganhar novos mercados e
de desvalorizações das moedas locais.
A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), em
Segundo projeções do FMI, o saldo positivo atingirá US$9,9 bi- reunião ordinária de 26 de junho, em Viena, tendo revisto a situa-
lhões, resultado de crescimento nas exportações de bens e redução ção do mercado de petróleo, bem como as perspectivas de oferta e
das importações. Conseqüentemente, reduz-se o déficit em conta demanda do produto para o segundo semestre de 2002, observou
corrente. As exportações e importações do México, maior impor- que as medidas de redução adotadas durante 2001 e 2002, apoia-
tador e exportador da América Latina, cresceram, em julho, 8,7% e das por medidas de alguns produtores não pertencentes a essa or-
7,9%, respectivamente, ante julho de 2001, totalizando US$14 bi- ganização na primeira metade de 2002, restabeleceram o relativo
lhões e US$14,6 bilhões. equilíbrio do mercado. Contudo, observou-se que a relativa tensão
Associada à flexibilização dos regimes cambiais e à adoção de nos preços correntes do mercado é resultante, fundamentalmente,
políticas monetárias baseadas em metas para a inflação, as políti- da situação política vigente.
cas macroeconômicas nacionais têm-se mostrado mais eficientes Nesse contexto, e considerando, adicionalmente, as dúvidas
em vários países, desde a segunda metade dos anos noventa. Em quanto à recuperação econômica mundial, o crescimento modesto
contrapartida, dificuldades de ordem interna ou externa não deter- da demanda e os confortáveis níveis de estoque de petróleo ora
minaram aumento generalizado dos preços, conforme observado existentes, a Opep decidiu manter os níveis acordados de produção,
em 2001, quando a taxa média de inflação ao consumidor na re- em 21,7 milhões de barris por dia (mbd), até o final de setembro.
gião alcançou 6,1%. Para 2002, espera-se a elevação dessa taxa, em No segundo trimestre de 2002, a demanda global de petróleo,
função da aceleração do nível de preços na Argentina, Uruguai e segundo a Agência Internacional de Energia (AIE), alcançou 75,41
Venezuela. Nos demais países persiste a taxa moderada assinalada mbd, ante 76,65 mbd, no primeiro trimestre, devido principalmen-
nos últimos anos. te à redução ocorrida nos países da Organização para Cooperação e
A crise de governança corporativa nos Estados Unidos, asso- Desenvolvimento Econômico (OCDE). Em particular para os
ciada às incertezas das economias latino-americanas, em especial Estados Unidos, a recuperação na demanda de petróleo parece
as do Cone Sul, a partir do segundo trimestre de 2002, fizeram rea- estar ganhando momentum. Dados preliminares sugerem recupe-
parecer o movimento de fuga para qualidade (flight to quality) pre- ração em maio e junho, embora para o segundo trimestre o com-
dominante em 2001. Em diversos países da região, a superposição portamento seja de estabilidade.
de tensões políticas domésticas às incertezas associadas aos funda- Ainda de acordo com a AIE, a demanda global para o terceiro
trimestre está estimada em 76,28 mbd e para o quarto trimestre,
mentos macroeconômicos gerou aumento da percepção de risco
em 78,18 mbd, mostrando expansão em ambos os períodos, devi-
por parte do mercado financeiro internacional.
do, principalmente, ao aumento da procura nos países da OCDE.
A conjuntura internacional adversa foi particularmente agrava-
Estimativas preliminares indicam produção média para julho
da pelas preocupações dos investidores com a situação da Argenti-
de 76,5 mbd, representando aumento de 780 mil barris por dia em
na e o receio de contágio para outros países da região, que acabou relação a junho, ocasionada, em parte, pelo aumento da produção
atingindo, principalmente, Uruguai e Paraguai. O Brasil, afetado da Opep.
pela crise argentina, passou também a sofrer crescente pressão à O preço do petróleo tipo Brent no mercado à vista, final de
medida que incertezas associadas à futura política econômica eram período, aumentou de US$25,45/barril, em junho, para US$25,57/
agravadas pelo aumento generalizado da aversão global ao risco. barril, em julho, e US$27,01/barril, em agosto. O declínio nos es-
Tendo em vista a deterioração do ambiente econômico interno toques brutos dos Estados Unidos nos últimos meses e a ameaça
e externo, Uruguai, Paraguai e Brasil firmaram novos acordos Stan- de guerra deste país contra o Iraque acarretaram pressão para o
dby com o FMI. aumento dos preços, compensada, em parte, pela elevação da pro-
No caso uruguaio, o aprofundamento da crise bancária fez dução de petróleo pelos países da Opep.
com que os depósitos bancários passassem de U$13,6 bilhões no No mercado futuro, as cotações do petróleo tipo Brent mos-
início do ano para U$8 bilhões no fim de julho. Os depósitos de traram-se decrescentes para prazos subseqüentes de entrega, ne-
não residentes declinaram 60% e os de residentes, 35%, compara- gociados em mesma data. Para os contratos negociados no final
tivamente ao início de 2002. A redução dos depósitos no sistema de agosto, os níveis de preços superaram os registrados em meses
bancário determinou brusca queda das reservas internacionais, que anteriores.

41
ATUALIDADES
Conclusão serviço público, corte de direitos sociais, congelamento de salários
e aumento de impostos, entre outras medidas. Tem como efeito
Confirma-se a redução no ritmo de crescimento da economia direto o aumento do desemprego, a redução do poder aquisitivo da
mundial. população e a desaceleração da economia, provocando protestos
A retomada da economia norte-americana, variável chave para populares que enfraqueceram ou derrubaram governos.
determinar a trajetória da economia internacional, mostrou-se in- A prolongada estagnação econômica e o alto desemprego es-
suficiente para reverter o fraco dinamismo da atividade econômica tão causando um terremoto político no continente, porque os elei-
das principais economias mundiais. Por conseguinte, o crescimento tores, desiludidos com os partidos tradicionais, estão transferindo o
do comércio mundial será relativamente limitado, pela permanên- seu apoio para legendas mais radicais, tanto de esquerda, como de
cia do quadro recessivo no Japão, com repercussão nos países asiá- direita. A principal bandeira da esquerda é o fim da austeridade, en-
ticos, muito embora estes mantenham maior ritmo de crescimento, quanto a extrema direita combate a imigração e o projeto da União
e por um ritmo de crescimento bastante reduzido na Europa. Europeia. Os países com o maior avanço dos partidos extremistas
Ao recrudescimento das dificuldades externas inerentes às de direita são a Áustria, França, Reino Unido, Hungria, Alemanha,
economias emergentes, em especial às da América Latina, como a Itália e Grécia. O “Podemos”, da extrema esquerda já é a terceira
questão do efeito-contágio, veio se somar o agravamento da perda força política da Espanha. Na Grécia, a esquerda contra a austerida-
de dinamismo da economia mundial e a redução do volume global de assumiu o governo no início de 2015.
de financiamento em direção a estes países. Neste último caso, a
combinação de riscos e incertezas gerou aumento desproporcional Recuperação a passos lentos
da percepção de risco, refletido no patamar de risco país, exacer-
A economia global agora avança devagar, e aos trancos e bar-
bando a contração de fluxos de capital.
rancos. O Fundo Monetário Internacional (FMI) estima que, pelo
Ainda que no mercado financeiro globalizado as economias
menos até 2016, o ritmo de crescimento do PIB mundial não avance
mostrem estreito grau de interdependência, principalmente nas
além dos 3,5% ao ano – e com riscos de retrocesso. Compare: nos
economias emergentes, a superação da atual crise será determina- anos anteriores à crise, a média de crescimento do PIB mundial es-
da pela dinâmica da economia mundial e pela capacidade das eco- tava entre 4% e 5% ao ano.
nomias, em especial as latino-americanas, em adotar as reformas A recuperação depende de fatores como o preço das matérias-
econômicas necessárias de modo a criar o ambiente de estabilidade -primas básicas (commodities), como o ferro e os produtos agrope-
competitiva, favorável ao investimento e exportações, a fim de re- cuários, que têm preço internacional negociado em bolsas de valo-
duzir o grau de vulnerabilidade externa, elevado na maioria delas. res mundiais. Isso significa que o comércio da soja, do minério de
Diante deste contexto de incerteza, um novo conflito no Orien- ferro ou do trigo tende a ser feito pelo mesmo preço em qualquer
te Médio poderá alterar radicalmente o cenário para a economia parte do mundo, já que o mercado é articulado.
mundial, a começar por nova escalada nos preços internacionais Segundo a OMC, entre 2000 e 2012, as matérias-primas básicas
do petróleo. Dessa forma, a volatilidade no mercado de petróleo duplicaram de preço, em parte devido à maior demanda dos países
deverá ser intensa nos próximos meses, afetando negativamente a emergentes.
economia mundial no restante do ano. Mas a economia dos emergentes está freando. E as commodi-
ties começaram a cair de preço. O preço do barril de petróleo, por
Cenário Econômico Atual exemplo, que chegou a mais de 100 dólares no final de 2014, caiu
para menos de 30 dólares no início de 2016.
A atual crise econômica mundial iniciou em setembro de 2008, Essa queda beneficia os países que importam, como os Estados
com o estouro da bolha imobiliária nos Estados Unidos. Sua origem Unidos, mas é ruim para os exportadores, como a Rússia.
foi o farto crédito imobiliário oferecido nos anos anteriores. Com as A economia mundial está sujeita, também, a oscilações sociais,
taxas de juros norteamericanas num patamar muito baixo, os ban- ambientais e geopolíticas. O envelhecimento da população, com a
cos fizeram empréstimos de longo prazo a clientes sem boa avalia- diminuição do contingente de jovens, reduz a capacidade de traba-
ção como pagadores – chamados de subprime. lho de diversas nações, ao mesmo tempo que aumentam as despe-
O crédito fácil intensificou a procura por imóveis, que tiveram sas dos governos com aposentadorias e pensões.
os preços elevados. Mais tarde, o governo norte-americano subiu Regiões atingidas por desastres naturais, como terremotos
os juros para combater a inflação. Com isso, as prestações dos fi- e tsunamis, param de produzir e exigem dos governos gastos em
pacotes de ajuda. As mudanças climáticas, com grandes períodos
nanciamentos ficaram mais caras e muitos compradores pararam
de seca ou inundações, afetam a produção agropecuária. O esgo-
de pagar.
tamento de recursos naturais, como a água, encarece a vida em
Os imóveis (garantias dos empréstimos) foram retomados pe-
algumas regiões do planeta. E epidemias e pandemias reduzem a
los bancos, que os colocavam à venda para cobrir os empréstimos
produtividade de uma população e aumentam as despesas em saú-
não pagos. O aumento da oferta fez os preços dos imóveis caírem. de pública.
Mesmo com a venda, os bancos não conseguiam recuperar o preju- Do ponto de vista geopolítico, os maiores riscos vêm de guerras
ízo. A quebra do banco Lehman Brothers, marco da crise, provocou e conflitos. As sanções econômicas impostas a países beligerantes,
um efeito dominó no mercado financeiro mundial. como ocorre com Ucrânia e Rússia, têm impacto no comércio inter-
A crise econômica atingiu duramente a União Europeia. Afetou nacional.
com maior intensidade os países da zona do euro, com elevada dívi-
da pública. O país mais atingido foi a Grécia. Outros países bastante Estados Unidos
afetados foram: Portugal, Irlanda, Itália, Espanha e Chipre.
Como condição para receber ajuda econômica, medidas de A economia norte-americana vem se recuperando da crise eco-
austeridade são adotadas pelos países em crise. O objetivo é o cum- nômica de 2008. O desemprego caiu para taxas baixas, o PIB está
primento de metas orçamentárias e de limite de endividamento es- crescendo e a produção industrial se recupera. O dólar, moeda dos
tabelecidos pela União Europeia. Incluem privatizações, redução do EUA, valorizou-se perante as principais moedas globais.

42
ATUALIDADES
Contribui para a recuperação econômica o aumento na produ- A Oxfam aponta especialmente as grandes empresas, acusadas
ção de petróleo e gás, com a consequente diminuição das importa- de estarem “a serviço dos mais ricos” e de se guiarem por um úni-
ções. Os Estados co objetivo: maximizar a rentabilidade de acionistas e investidores.
Unidos voltaram a ser o maior produtor mundial de petróleo. Em 2015, as dez maiores empresas do mundo obtiveram um fatura-
O aumento da produção se deve ao desenvolvimento de uma nova mento superior à receita total dos Governos de 180 países. No en-
tecnologia para a extração do óleo e do gás na rocha de xisto, a tanto, esse crescimento não foi distribuído entre todas as camadas
preços competitivos. da sociedade.
Em dezembro, o Federal Reserve, banco central dos Estados Essas empresas usam o seu poder para garantir que tanto a le-
Unidos, subiu a faixa para sua taxa de juros em 0,25 ponto percen- gislação quanto a elaboração de políticas nacionais e internacionais
tual, para entre 0,25% e 0,50% ao ano. Esta é a primeira alta do sejam feitas sob medida para proteger seus interesses, melhorar
preço do dinheiro, desde 2006. A taxa de referência estava entre sua rentabilidade e minimizar o pagamento de impostos. É um tipo
zero e 0,25% ao ano. de “capitalismo clientelista e de curto prazo” que coloca em desvan-
tagem as pequenas e médias empresas, incapazes de fazer frente às
Emergentes grandes corporações.
Entre as estratégias para pagar o mínimo de imposto possível,
As economias emergentes – incluindo os Brics (Brasil, Rússia, o relatório cita o uso de paraísos fiscais, prática que provoca preju-
Índia, China e África do Sul) – entraram numa nova fase: continuam ízos anuais de ao menos 100 bilhões de dólares para os países em
crescendo, mas não com o mesmo fôlego. O alto preço das com- desenvolvimento.
modities no mercado internacional alavancou um crescimento rá- Em comunicado, a diretora-executiva da Oxfam Internacional,
pido dos emergentes na primeira década do século XXI. Além de Winnie Byanyima, afirmou que, “quando uma em cada dez pessoas
apresentarem taxas significativas de crescimento, essas economias no mundo sobrevive com menos de US$ 2 por dia, a imensa riqueza
que acumulam apenas alguns poucos é obscena”.
passaram bem pelos problemas criados pela crise em 2009 e 2010.
“A desigualdade está prendendo centenas de milhões de pes-
No entanto a crise global terminou por afetar a todos por causa
soas na pobreza; está fraturando nossas sociedades e minando a
da queda no comércio internacional. O terremoto que atingiu os
democracia”, afirmou. Byanyima acrescentou ainda que ao mesmo
mercados financeiros levou à redução dos investimentos nos emer-
tempo que muitos salários se encontram estagnados, as remune-
gentes. Hoje, o crescimento médio do PIB dessas economias está rações dos presidentes e altos diretores de grandes empresas têm
três pontos percentuais abaixo do registrado em 2010. São três os disparado. “Os investimentos em saúde e educação são cortados,
principais fatores que refreiam o crescimento dos emergentes: enquanto as corporações e os super-ricos reduzem ao mínimo sua
• a queda no preço do petróleo e outras commodities; contribuição fiscal”.
• o recuo no comércio internacional; O ritmo no qual os mais ricos acumulam cada vez mais riqueza
• os gargalos de infraestrutura internos. poderia dar lugar ao primeiro “trilionário” do mundo em apenas 25
anos. “Com essa concentração de riqueza, esta pessoa necessitaria
Esses três fatores afetam principalmente a China. A redução no esbanjar um milhão de dólares por dia durante 2.738 anos para gas-
ritmo de crescimento chinês, de 10% para cerca de 7% nos próxi- tar toda sua fortuna”, segundo a Oxfam.
mos anos, não é preocupante, pois se mantém uma expansão forte. As mulheres sofrem maiores níveis de discriminação no traba-
No entanto, essa desaceleração afeta os países da Ásia e os demais lho e assumem a maior parte das funções não remuneradas. No
emergentes, como o Brasil, exportadores de matéria-prima para a ritmo atual, levará 170 anos para se conseguir a igualdade salarial
indústria chinesa. entre homens e mulheres.
Entre 1988 e 2011, a renda dos 10% mais pobres da população
Concentração Global da Riqueza mundial aumentou em média US$ 3 por ano, enquanto a do 1%
mais rico cresceu 182 vezes mais, a um ritmo de US$ 11.800 por
O crescimento econômico só está beneficiando aqueles que ano. Em outro relatório, em 2016, a Oxfam já havia dito que o 1%
têm mais. A superconcentração da riqueza está aumentando e ame- mais rico da humanidade tinha uma renda maior que o resto dos
açando a estabilidade e o crescimento global. Estudo divulgado pela 99% do mundo.
organização não governamental britânica Oxfam, demonstra que Para a ONG, o modelo econômico atual é baseado numa série
apenas oito pessoas são detentoras de uma riqueza equivalente ao de falsas premissas, entre as quais está a ideia de que a riqueza
acúmulo total da metade menos favorecida do mundo, ou seja, 3,6 individual extrema não é prejudicial, mas um sintoma de sucesso,
bilhões de indivíduos. ou que o crescimento do PIB deve ser o principal objetivo da ela-
Segundo o documento, intitulado “Uma economia a serviço boração das políticas. As premissas equivocadas incluem acreditar
que os recursos do planeta são ilimitados ou que o atual modelo
dos 99%”, seis dos indivíduos mais ricos do mundo são dos Estados
econômico é neutro do ponto de vista do gênero.
Unidos, um é da Espanha e um é do México. Todos são empresá-
A organização adverte que, se tais pressupostos não forem re-
rios e homens. São eles: Bill Gates, da Microsoft; Amancio Orte-
vistos, será impossível reverter a situação e defende a construção
ga, da Inditex (Zara); Warren Buffett, maior acionista da Berkshire
de uma “economia mais humana” que beneficie o conjunto da po-
Hathaway; Carlos Slim, proprietário do Grupo Carso; Jeff Bezos, da pulação. Esse novo sistema deveria se basear na cooperação entre
Amazon; Mark Zuckerberg, do Facebook; Larry Ellison, da Oracle; os Governos, privilegiar a utilização de energias renováveis, acabar
e Michael Bloomberg, da agência de informação de economia e fi- com a extrema concentração da riqueza e apoiar homens e mulhe-
nanças Bloomberg. res.
A organização atribui a responsabilidade por essa situação, que Propõe-se que os governos aumentem os impostos tanto das
qualifica de “extrema, insustentável e injusta”, ao atual modelo eco- grandes fortunas como das rendas mais altas; que cooperem para
nômico, “a serviço do 1% mais rico da população”. garantir que os trabalhadores recebam salários dignos e que freiem
a evasão e as artimanhas fiscais para reduzir ao mínimo o imposto
das grandes corporações empresariais.

43
ATUALIDADES
Além disso, recomenda que os governos apoiem as empresas A China é uma ditadura que reprime a liberdade de expressão e
que operam em benefício de seus trabalhadores e da sociedade e viola os direitos humanos. No entanto, há uma resistência interna, e
não só no interesse dos acionistas; e que assegurem que as econo- diversos dissidentes desafiam o regime.
mias sirvam de maneira equitativa a mulheres e homens. O crescimento econômico da China está desacelerando e há
temores sobre as consequências da transição para um ritmo mais
Brasil lento e sustentável. A diminuição do crescimento do PIB vem ao
encontro da mudança proposta pela China. O país passa por um
No Brasil, a desigualdade é elevada, mas já foi maior. Entre ambicioso processo de transição: quer depender menos das expor-
2004 e 2014, o índice de Gini calculado pelo Instituto Brasileiro de tações e da indústria, e mais dos serviços e do consumo interno.
Geografia e Estatística (IBGE) para os rendimentos de trabalho caiu Antes da crise econômica mundial, crescia à taxa de 10% ou
de 0,545 para 0,490 – quanto mais próximo de zero, menor a desi- mais ao ano.
gualdade. Em termos de rendimentos totais, a queda foi de 0,501 Um menor crescimento chinês afeta o ritmo da atividade eco-
para 0,497. Ambas as quedas se devem à elevação na renda das nômica no mundo, principalmente dos exportadores de commodi-
camadas mais pobres da população. No entanto, a concentração de ties como o Brasil.
renda ainda é muito grande, inclusive entre os mais ricos. A China decretou o fim da política do filho único, permitindo
Segundo a Receita Federal, 8,4% da população se apropria de que agora cada casal tenha até dois filhos. A política do filho úni-
59,4% das riquezas nacionais. E os 0,1% mais ricos detêm 6% do co entrou em vigor entre o fim de 1979 e 1980. O objetivo era de
total de riqueza e renda declaradas. Ou seja, 6% de todo o patrimô- reduzir os problemas de superpopulação da China. Segundo espe-
nio e renda declarados no Brasil estão nas mãos de apenas 26,7 mil cialistas, as medidas serviram para evitar que a população atual do
contribuintes. Essa camada no topo da pirâmide da desigualdade país fosse de 1,7 bilhão de habitantes, contra os atuais 1,3 bilhões.
tem rendimento total médio da ordem de 5,8 bilhões de reais ao O governo chinês sempre defendeu que a restrição ao número
ano. de filhos, sobretudo em áreas urbanas, contribuiu para o desenvol-
O principal indicador usado para medir a concentração de ren- vimento do país e para a saída da pobreza de mais de 400 milhões
da na população de um país ou uma região é o índice (ou coeficien- nas últimas três décadas. No entanto, também admitiu que estava
te) de Gini. É uma régua que mostra o desvio na distribuição da chegando a hora de essa política ser encerrada.
riqueza, numa escala de 0 a 1. Quanto mais próximo de zero, menor O envelhecimento rápido da população está entre os efeitos
a desigualdade. secundários mais prejudiciais da política do filho único para a China.
O índice pode ser calculado sobre diferentes parâmetros – ren- Em 2012, pela primeira vez em décadas, a população em idade ativa
da familiar, renda per capita ou renda vinda apenas do trabalho. caiu. O índice de fecundação no país, de 1,5 filhos por mulher, é
Segundo os dados do Banco Mundial, de 2013, os cinco países com muito inferior ao nível que garante a renovação geracional.
os mais baixos índices de desigualdade são Suécia (0,250), Ucrâ- A poluição atmosférica é um gravíssimo problema nas metró-
nia (0,256), Noruega (0,258), Eslováquia (0,260) e Belarus (0,265). poles chinesas. É comum o uso de máscaras para se protegerem da
O Brasil figura na lista do Banco Mundial (que realiza um cálculo névoa de poluição.
diferente do IBGE) com o índice de Gini de 0,547. Trata-se de um O país disputa com o Japão a posse das ilhas de Senkaku, para
dos mais elevados níveis de desigualdade do mundo – na compara- os japoneses, ou Diaoyu, para os chineses, localizadas no Mar da
ção com os vizinhos sul-americanos, o indicador é maior que o da China Oriental.
Argentina (0,445) e do Uruguai (0,453). Já as reivindicações de Pequim no Mar do Sul da China a co-
locam em rota de colisão com seus vizinhos no Sudeste Asiático –
China além da China, Vietnã, Filipinas, Brunei, Taiwan e Malásia disputam
a soberania nessa região. O Mar do Sul da China é fundamental para
A civilização chinesa tem mais de quatro mil anos. Após um lon- a indústria da pesca, rica em reservas de petróleo e estratégica para
go período imperial e uma breve república, uma revolução liderada o transporte marítimo.
pelo Partido Comunista Chinês (PCCh), de Mao Tsé-tung, deu ori- Mesmo com a indefinição das fronteiras, a China ampliou a
gem à República Popular da China, em 1949. O país foi reorganizado ofensiva para consolidar a ocupação da área em 2014, ao construir
nos moldes comunistas. ilhas artificiais em Spratly e instalar plataformas para a exploração
Com a morte de Mao, em 1976, a China implementou um mo- de petróleo na região. Essa iniciativa chinesa é vista como uma for-
delo, ainda vigente, chamado por seus dirigentes de socialismo de ma de impor sua hegemonia no Sudeste Asiático.
mercado. Trata-se de uma combinação de características do socia- Mas em julho deste ano, atendendo a uma reclamação das Fi-
lismo (no qual as empresas e a terra são propriedade do Estado) lipinas, a Corte Permanente de Arbitragem decidiu que a China não
com aspectos do capitalismo (a presença de empresas privadas, so- tem “direitos históricos” sobre o Mar do Sul da China. O governo de
bretudo multinacionais, em algumas áreas do país). Pequim disse que não irá acatar a decisão.
No final da década de 1970, o país começou a abrir parte de
sua produção para as multinacionais, com a criação de Zonas Eco-
nômicas Especiais. Os investimentos estrangeiros e a abundância de PANORAMA DA ECONOMIA NACIONAL
mão de obra mal remunerada alavancaram as exportações, pois os
produtos são baratos. Em três décadas, a China deixou de ser um O pau-brasil foi a primeira riqueza a ser explorada, porém essa
país pobre e agrário e tornou-se uma potência econômica. O país exploração não era lucrativa e por isso, Portugal resolve colonizar
é a segunda maior economia do mundo, respondendo por mais de o Brasil. Foi implantado o sistema de capitanias hereditárias, onde
10% do PIB mundial, atrás apenas dos Estados Unidos. a nobreza portuguesa recebia posse da capitania e era obrigada a
Apesar do vertiginoso crescimento econômico, o país convive explorá-la.
com problemas que causam instabilidade ao atual modelo políti- Com isso a agricultura passa a ser a atividade econômica (cana
co-econômico: significativa desigualdade social, corrupção, degra- de açúcar). No século XVII, houve grande desenvolvimento na agri-
dação ambiental e crescente descontentamento popular. A China é cultura e por isso foi criado o primeiro tipo de sociedade colonial. A
o principal parceiro comercial e destino das exportações do Brasil. pecuária se estendeu e o povoamento começou a surgir.

44
ATUALIDADES
Com a demanda do açúcar, começaram a surgir as bandeiras Vargas trabalha para voltar à presidência e por isso, várias co-
indígenas que acabaram despovoando o interior. missões foram criadas para desenvolver a economia. Em 1954, Ge-
Com a revolução industrial na Europa, o estado passou a não túlio se suicida e os primeiros rumores de golpe surgem.
interferir na economia e o trabalho do homem foi valorizado. No Em 1956, Juscelino assume buscando a união dos empresá-
século XIX, houve uma séria queda na agricultura da cana, tabaco e rios, políticos, militares e assalariados. JK adota o recurso ao ca-
algodão pois não tinham os mesmos rendimentos anteriores, a pe- pital estrangeiro para sustentar a indústria pesada. É desta época,
cuária e a mineração também regrediram e a indústria não progre- os primeiro contatos brasileiros com o FMI. O Brasil era o terceiro
dia. Mas com a abertura dos portos, o Brasil passou a comercializar país receptor de capital de risco americano destinado a indústria
com outros países e implantou novas indústrias. manufatureira.
Na época do império, a cafeicultura era a principal atividade A industrialização da economia tinha um importante papel na
econômica, e logo após vinha, a cana, algodão, etc. No século XIX mudança de costume dos brasileiros. Jânio toma posse e encontra
o café chega ao Vale do Paraíba. As condições climáticas e da terra um país em crise deixado por JK.
eram favoráveis o que ajudou a tornar o café ainda mais importan- Porém Jânio renuncia e João Goulart assume. O crescimento
te economicamente. Mas o esgotamento das terras, abolição, altos da indústria e do PIB desabam e os investimentos sofrem uma vio-
preços, fizeram com que a cafeicultura no Vale decaísse. lenta queda. As forças armadas derrubam Goulart e Castelo Branco
Por causa da abolição do tráfico, o capital foi investido na in- assume, tornando as eleições indiretas e dividindo os partidos em
dústria e por isso de 1850 à 1864, houve inflação e crise financeira. dois (Arena e MDB).
Em 1889, acontece o golpe militar, pois conflitos entre a igreja e o Em 1964, foi criado o programa de ação econômica do governo.
governo e a abolição dos escravos, fazem com que o governo perca Criado pelo ministro da economia para reduzir a inflação. Criou-se
também a correção monetária para financiar o déficit do governo.
suas bases econômicas, militares e sociais.
Surgiu o BNH, reformas bancárias e a repressão dos valores do ser-
O café naquele momento era tão importante, que o governo
viço público, porém a inflação subiu.
iria comprar uma parte da produção para manter o preço. Mas a
Em 1966, houve um corte de dinheiro corrente, com isso a in-
crise de 29 afetou a cafeicultura, abaixando o preço do produto.
flação caiu e quando Costa e Silva assumiu, houve um aumento no
Neste momento, ocorreram muitas falências e perda de poder das PIB.
oligarquias. Com a isenção do IR e do IPI, as exportações cresceram. Foi
Logo após a posse de Vargas, a economia agrícola sofre mu- também criado o Banco
danças pois diminuíram sensivelmente as exportações, a própria Central, substituindo o Sumoc. Nesta época, o ministro da fa-
população diminuiu e muitas fábricas fecharam. zenda Delfim Neto, reduz os juros e com isso, reduz a inflação.
Por isso, um novo mercado interno foi criado e com isso, au- Costa e Silva foi substituído por Médici, que manteve Delfim
mentou a burguesia que se interessava na indústria e na vida urba- Neto a frente da economia, e este conseguiu abaixar ainda mais a
na. Em 1933, a indústria era a principal fonte econômica no país. É inflação e crescer o PIB.
a partir daí que surgem os primeiros redutos parlamentares e com Com a criação do I PND, o Brasil poderia atingir metas e resulta-
isso o Estado começa a tratar das questões do comércio exterior e dos significativos. Foram 3 anos de euforia até a guerra dos Árabes
das indústrias separadamente. A criação de organismos como o Ins- X Israel, o que aumentou o preço do petróleo e derivados, o que
tituto Nacional do Açúcar e do Álcool acabou sendo benéfica para a gerou uma crise econômica internacional e fez a produção e o PIB
indústria e influiu na política do desenvolvimento econômico. desabarem.
Neste momento, a indústria começa a crescer e São Paulo tor- A crise volta a abalar o país, a dívida externa muito alta, o défi-
na-se o maior centro industrial da América Latina. Cria-se aí o Esta- cit e outros problemas voltaram a assustar. Com a formulação do II
do Novo que controla as atividades econômicas. PND, Geisel, agora no poder, contactava com estrangeiros a possibi-
Vargas começa a investir na indústria pesada, o que desagrada lidade de se instalar usinas no país. Mas como iria ajudar um plano
os próprios industriais. baseado no endividamento ?
Mas tinha ainda a questão das siderúrgicas, pois Vargas queria Por isso, o II PND teve de ser reformulado e acabou abandona-
acabar com o monopólio da Cia. Iron Ore. Com a segunda grande do. Em 78, Geisel revogou atos de banimento, criou a lei de segu-
guerra, o crescimento econômico poderia diminuir, mas como não rança nacional e suspendeu a censura.
havia mais exportações, acabou abrindo ainda mais o mercado in- O retorno a democracia parece certo neste momento e quando
terno, o que foi bom para a economia. Figueiredo assume, promete devolver o poder aos civis, o que acon-
Com o fim da guerra e a união aos aliados, o Brasil passou a tece 6 anos mais tarde debaixo de uma crise econômica muito séria.
Em 1980, a situação econômica não era nada boa, pois as dívi-
exportar em demasia e as vezes até o que não era necessário. Países
das não deixaram a inflação baixar. O país entra em recessão. Houve
desenvolvidos se reestruturaram e por isso havia pouco interesse
queda na produção industrial em 1981 e o desemprego era grande.
na exportação de produtos nacionais. Apesar deste problema, foi
A dívida chegou a níveis absurdos e o FMI passou a mandar no
criada a Companhia Siderúrgica Nacional e a indústria se moder-
país. Em 1985, Tancredo
nizou. Neves assume, mas morre logo após. Sarney toma seu lugar já
Em 1948, cria-se o regime de licença prévia, o que funcionou em eleições diretas, que vieram logo após. Em 1986, o novo minis-
durante algum tempo. O Sumoc acabou com os paralelos criando tro da economia Dilson Funaro, cria o plano
um fundo único de cambio. Em 1949, institui o orçamento de cam- Cruzado, congelando os preços, salários, extinção da correção
bio e as operações vinculadas. monetária, criação do índice de preços e OTN.
Com a guerra da Coréia, o governo passa a fazer estoques de A inflação caiu, já que a situação internacional era favorável.
produtos com medo de escassez. As exportações foram mal. Ape- O ágil começou a aparecer e por isso foi criado o Cruzado II, o que
nas o café ainda ia bem. Em 1953, o Sumoc cria os leilões de cambio descongelou os preços e aumentou as tarifas.
e resolve o problema. Os produtos importados, foram divididos em Luís Carlos Bresser Pereira, cria o plano Bresser, para congelar
categorias segundo sua importância, o que foi bom para a econo- os preços novamente. Mas problemas como o ágil e o desabasteci-
mia, fazendo com que a balança tenha fechado em Superávit. mento voltaram a acontecer.

45
ATUALIDADES
Em 1989, foi criado o Plano Verão. Preços, salários e aluguéis do Mar do Norte, para entrega em Janeiro, valorizou-se 3,2% fixan-
foram congelados, a moeda se desvalorizou e houve privatizações. do-se no mercado de Londres em 58,80 dólares. Com a tempestade
Mas tudo foi por água abaixo, pois as aplicações no over foram de neve que se esperava para dia 16 no Norte dos Estados Unidos
grandes e com isso a inflação voltou a crescer. onde é utilizada 80% da energia para aquecimento, e com a descida
Eleito, Collor cria seu plano, com itens como por exemplo: blo- das temperaturas muito abaixo do normal noutras regiões, a procu-
queamento das contas correntes e poupanças, congelamentos, fim ra de combustível aumentou, tendo as refinarias crescido a produ-
do Cruzado Novo, e etc. ção. Prevê-se que as temperaturas possam descer mais, obrigando
Em 1991, a ministra Zélia Cardoso de Melo, cria um novo con- ao aumento da procura de combustível para aquecimento. O gás
gelamento, desindexação da economia, criação da TR., etc e como natural, subiu acima dos 9% no mesmo dia, atingindo novo recor-
era de se esperar, esse plano também fracassou. de. A Arábia Saudita, no seguimento da sua declaração no segun-
Collor é afastado e quem assume é Itamar Franco, seu vice, que do semestre do ano intensificou a produção tendo afirmado que
não faz grandes mudanças. o petróleo necessário à crescente procura mundial seria satisfeito.
O até então ministro Fernando Henrique, é chamado e começa Em conformidade os preços do barril registaram grandes descidas
a elaborar um novo plano para estabilizar a economia. FHC se des- nos principais mercados internacionais, tendo o consumo das gaso-
vincula do ministério para ser candidato e é eleito. linas diminuído em alguns mercados e as refinarias do Golfo México
O Plano Real de Fernando Henrique se divide em três fases: voltaram a subir a oferta após a passagem do furacão Katrina, ten-
do havido sinais dada comunidade internacional de que algumas
1ª.- Ajuste fiscal para equacionar o desequilíbrio orçamentário
economias emergentes devem travar a sua procura como forma de
da União.
fonte de produção de energia, como é o caso da China e Índia, que
2ª.- Eliminar a inflação através da URV.
após aumentos sucessivos na produção doméstica, devem entrar
3ª.- Transformação da URV em Real.
numa fase de maior estabilidade. A China tornou público a 21, re-
A condução do plano procura evitar o erro dos choques hetero- sultados da análise da actividade econômica tendo revisto em alta
doxos, qual seja a grande expansão do crédito e da demanda após o nível de riqueza criada internamente, situando-se na 4 maior eco-
a queda da inflação. nomia mundial. O estudo recaiu sobre os 3 mais importantes secto-
A economia a nível global apesar das crises e das incertezas res que são a agricultura, indústria e serviços prestados, o que levou
vividas teve um comportamento positivo tendo contribuído o forte a corrigir o Produto Interno Bruto (PIB) de 2004, bem como os seus
crescimento econômico e o aumento significativo da liquidez em dados históricos. O governo chinês não revelou se vai fazer alguma
termos internacionais. Os maiores importadores mundiais que são alteração corretiva aos valores anteriormente divulgados do PIB,
os Estados Unidos e a China deram o impulso necessário na área mas é de prever que este tipo de levantamento econômico avalie
comercial. Os défices públicos e da balança comercial dos Estados de forma correta a contribuição dos serviços para o crescimento da
Unidos foram financiados pelos países produtores de petróleo e pe- economia e que tem sido subestimado. A riqueza produzida a nível
los países asiáticos. A economia mundial deve terminar este ano doméstico pela China foi no ano passado de 1,649 biliões de dólares
com um crescimento muito perto dos 4%, considerando a subida cerca de 1,385 biliões de euros, altura em que a China teve a maior
dos preços do petróleo conforme previsto pelos governadores dos taxa de crescimento em 7 sete anos que foi de 9,5%. Existe na Wall
bancos centrais dos 10 países mais ricos do mundo (G-10). A Chi- Street o sentimento generalizado de que o PIB chinês de 2004 deve
na, Índia, Paquistão e diversos países de economias emergentes do ser alterado para 2 biliões de dólares, correspondente a 1,669 bili-
Sudeste asiático estão a crescer a taxas muito próximas dos 10%, ões de euros, que significa um aumento de 20%.
tendo a China apresentado um crescimento de 9,5% no primeiro tri- Confirmada esta previsão, a China passa a ser o 4 país a nível
mestre do ano, tendo provocado aumentos considerados anormais mundial com riqueza produzida, ou seja avançar 3 posições em re-
na procura de petróleo para satisfazer as necessidades de energia, lação ao lugar que neste momento ocupa. Esta análise profunda da
obrigando a uma subida dos preços do barril de crude. Os Estados economia da China tem como fim, permitir ao governo justificar a
Unidos continuam a ser o maior consumidor de petróleo do mundo, redução do investimento público e consiguir melhorar a confiança
seguidos da China que em 2003 tornou-se o segundo maior consu- dos investidores estrangeiros face às estatísticas do país, servindo
midor representando 8,1% do consumo, importando 13% de petró- ainda, como meio importante de redução da corrupção e da fraude
leo a nível mundial, representando em termos de importações 51% fiscal, numa área em que as autoridades têm extrema dificuldade
e na arrecadação dos impostos, essencialmente no sector dos ser-
do consumo mundial, face aos 59% dos Estados Unidos e aos 86%
viços. O Banco Central ou Banco Popular da China (BPC) sem qual-
do Japão, devendo atingir em 2025 cerca de 77%. Em simultâneo o
quer aviso prévio a 21 de Julho divulgou a desindexação da moeda
aumento das cotações das vendas dos produtos petrolíferos estão a
chinesa ao dólar americano, tendo criado um sistema de maior fle-
reduzir o poder de compra dos Países Desenvolvidos (PD), fazendo
xibilidade em termos de gestão dos câmbios do yuan ou renmibi,
que a inflação se possa vir a tornar uma verdadeira ameaça. A crise constituído por um cabaz de moedas ou divisas, chamado de G-4,
que vivem os PD não permite dispor de mecanismos que façam in- em que o dólar continua a ser a moeda dominante, do euro, iene e
verter esta tendência da economia mundial a curto prazo. O Banco won da Coreia do Sul. O G-4 constitui o pilar do sistema de tripé da
Central Europeu (BCE), confirmou o crescimento da economia a ní- especialização a nível internacional da China. A China como sabe-
vel global, sendo a inflação um sério perigo, uma vez que é provoca- mos em termos económicos é carente em 3 factores; a importação
do pela alta dos preços do petróleo, sendo dessa forma uma amea- de produtos considerados intermédios, provenientes de países re-
ça ao crescimento sustentável, com efeitos negativos na economia gionais de maior desenvolvimento industrial como o Japão e a Co-
e por sua vez nas respectivas políticas orçamentais. O preço do pe- reia do Sul; a compra do crude que é uma “commodity” em dólares;
tróleo deve terminar o ano muito perto dos 60 dólares o barril, ten- do mercado dos Estado Unidos, uma vez que a China é o principal
do ultrapassado esse montante dia 21 nos mercados internacionais, exportador e a Europa o destino das exportações dos produtos co-
e o gás natural atingiu um novo valor máximo, com a descida das nhecidos como “made in China”. No cabaz das ditas moedas foram
temperaturas no Norte dos Estados Unidos, tendo em Nova Iorque, incluídos o dólar canadiano, australiano e o de Singapura, o bath, a
o preço do barril para entrega em Janeiro subido 2,5%, fixando-se libra e o ringgit da Malásia, moedas correspondentes aos parceiros
em 60,69 dólares. O preço do barril de Brent, petróleo de referência comercias chineses.

46
ATUALIDADES
O BPC valorizou o yuan face ao dólar somente em 2,2%, e em relação ao euro foi em serpente até ao momento com pequenas
desvalorizações e valorizações. Esta pequena valorização do yuan veio a contrariar as previsões dos especuladores que esperavam uma
valorização de 5%. O yuan poderá ser valorizado entre 2% a 3% no final de 2006. O yuan está desvalorizado 40% em relação ao dólar e
tivemos a oportunidade de fazer o historial e consequências dessa desvalorização real e efectiva. Esta medida inclui-se adentro de uma
visão geo-estratégica a longo prazo, em que a China tem como intenção pôr a moeda chinesa como moeda mundial de topo, ficando os
mercados financeiros dependentes das suas flutuações. Vai ser inevitável nos próximos 20 anos. A China terá de esperar pelo próximo
ano e seguinte, considerados críticos, e no segundo ano em Outubro realizarse-á, o 17.º Congresso do Partido Comunista Chinês (PCC). A
valorização pequena dos 2,2%, foi um sinal de carácter político com vista a acalmar os americanos. Mas são os factores económicos tão
importantes quanto os políticos. Esta pequena valorização levou em linha de conta o facto da economia da China estar dependente do
comércio internacional em 70%, e a exportação dos produtos chamados de “made in China” faz-se de duas formas: pelo sistema industrial
de multinacionais estrangeiras, onde os capitais americanos têm uma considerável percentagem, e por empresas controladas em termos
financeiros pelos chineses da diáspora, que representaram em 2004, cerca de 60% das exportações. Alterar o câmbio da moeda é o mesmo
que alterar os benefícios concedidos à deslocalização. Uma outra situação a levar em conta são as cerca de 30 mil empresas exportadoras
de têxteis, brinquedos e outros bens de consumo de pequenas dimensões, para as quais, os 2,2%, representam um corte dos pequenos
3% a 5% que têm de margem de lucro. O tratamento em termos de matéria cambial é extremamente sensível uma vez que segundo os
relatórios das instituições internacionais e da Reserva Federal Americana, a China tem um sistema bancário na sua maioria considerado
na bancarrota, altamente corrupto, faltando o conhecimento técnico no que diz respeito ao crédito e que é segurado pelo governo. Umas
das razões para os chineses não valorizarem significativamente e de forma rápida o yuan, que seria o colapso do sistema bancário. Mesmo
com esta alteração de 2,2% no câmbio, prevê-se que 50% dos pequenos exportadores privados se extinga, e não irá significar uma menor
dor de cabeça para os industriais americanos daqueles sectores e uma situação favorável para o défice comercial dos Estados Unidos uma
vez que os importadores e consumidores americanos vão colmatar essa lacuna chinesa, comprando produtos da América Central, e de
outros países da Ásia e da Europa de Leste. Os americanos irão comprar barato de outros mercados, pelo que é pura areia para os olhos.
Uma mudança brusca do sistema financeiro chinês causaria um tremor de terra devastador. Os bancos alimentaram uma autêntica “bolha”
de investimento no país, que tarde o cedo atingirá o topo, e uma das razões da China não valorizarem muito e de forma rápida o yuan,
seria a possibilidade de poder criar o colapso de todo o sistema como dissemos. A valorização, ainda que pequena, tem um efeito real e
efectivo no aumento da liquidez traduzida em dólares por parte dos investidores do país onde se incluem as maiores empresas estatais e
na valorização dos activos em yuan, mas traduzidos em dólares nos mercados internacionais, essencialmente no sector de empresas de
“hi-tech”. A maior liquidez em dólares significa a pressão estratégica do ir à globalização seguida pelas empresas estatais e privadas da
China. O mercado de fusões e aquisições a nível mundial está a crescer com as entradas chinesas na bolsa dos Estados Unidos, Hong Kong
e Singa