Você está na página 1de 6

A Astrologia

A Astrologia é “filha” da Filosofia Hermetista, na realidade a observação dos movimentos dos


corpos celestes deu partida a muitos outros conhecimentos da humanidade, mas ao longo da
história, os assuntos foram se desconectando e gerando uma tremenda confusão. Os antigos
sábios eram astrônomos, astrólogos, filósofos, médicos, engenheiros, matemáticos, alquimistas
e agregavam esses e outros conhecimentos, pois em todas as esferas do conhecimento, a base
fundamental é a tradução das Leis que regem nosso Universo. Foram inúmeros os Sábios que
deixaram legados de conhecimento e que que sabiam que a Astrologia é em última instância a
ferramenta que nos possibilita entender o funcionamento do Universo.

Agharta:

ASTROLOGIA 
A Astrologia (Astronomia judiciária) na Antigüidade era a mesma
ciência que a Astronomia, só que seu interesse se centrava na
observação dos ciclos e suas reiterações, com propósitos
essencialmente prognosticadores. Assim, a Astrologia lia os
destinos particulares com base nos ritmos cósmicos e nas
coordenadas celestes. Em todo caso, Astronomia e Astrologia têm
como ponto básico comum a roda zodiacal, composta de 12 signos,
ou estádios que o Sol em seu percurso anual toca. Na realidade, o
zodíaco é imaginário, pois se trata da partição em 12 segmentos da
abóbada celeste e constitui um plano ideal paralelo à eclíptica, ou
seja, tangencial ao eixo do mundo. Se a abóbada celeste está
representada pelos 360 graus da circunferência, cada uma destas 12
partes ou símbolos, quase todos animais, contará com 30 graus, e
estas se sucederão regularmente ao longo do ciclo anual. O zodíaco
é, pois, fundamentalmente, uma medida do tempo (enquanto os
astros se referem mais especialmente ao espaço) e como tal deve se
tomar. Por outra parte, lembraremos que zodíaco significa "roda da
vida" e é óbvia a vinculação com o movimento.

A sucessão dos signos é a seguinte: Áries, Touro, Gêmeos, Câncer,


Leão, Virgem, Libra, Escorpião, Sagitário, Capricórnio, Aquário e
Peixes. Os 12 signos zodiacais, por sua vez, admitem uma divisão
tradicional quaternária em correspondência com os elementos da
Filosofia, da Ciência da Antigüidade e da Alquimia. A saber:

FOGO: Áries Leão Sagitário


TERRA: Touro Virgem Capricórnio
AR: Gêmeos Libra Aquário
ÁGUA: Câncer Escorpião Peixes

Observe-se que a sucessão dos elementos é constante: fogo, terra,


ar, água. Ao terminar a série, voltam a se reciclar na mesma
ordem. Ao longo dos 360 graus da circunferência, os 3 signos
referentes ao mesmo elemento se encontram em distintas porções
do círculo, formando um trígono. (Ver figura mais cima composta
de 4 trígonos).

É interessante conhecer o próprio horóscopo, como meio indireto e sugestivo de


perceber nosso caráter e circunstâncias temporais.

82 ASTROLOGIA  

Todos os planetas percorrem aparentemente a roda do zodíaco, e a duração


desse percurso é a que determina o ciclo particular de cada um deles, sendo
claros os dos dois chamados "luminares", o Sol e a Lua, que produzem os
ciclos anuais e mensais. As influências que estes planetas exercem na terra
variam, segundo se encontrem numa ou noutra casa zodiacal, pois as
qualidades destes signos podem ser afins, indiferentes ou hostis aos diversos
influxos planetários.

Seguindo o modelo cíclico solar sobre o qual trabalhamos, o primeiro


gráfico, representado mais adiante, é a roda dos signos no céu tal como se
vê olhando para o norte: Capricórnio corresponde ao inverno e à meia-noite,
Áries à primavera e ao amanhecer, etc. O movimento da roda celeste (em
sentido oposto aos ponteiros do relógio) é inverso ao do sol, que se desloca
sobre ela em sentido contrário (retrógrado), tal qual o podemos ver na
seguinte figura, de uso corrente para efetuar os horóscopos. O movimento
do sol é sempre retrógrado, porque se move em sentido contrário ao das
estrelas.
Capricórnio se encontra no extremo norte da eclíptica (de onde se deslocará
durante 30 dias, até deixar lugar para o signo seguinte) ao meio-dia do dia
que corresponde ao solstício de inverno, bem como à meia-noite do
correspondente ao solstício de verão, como pontos especialmente
destacáveis do ciclo anual, posição celeste que é a que correspondem estas
figuras. Entre os demais dias do ano e, portanto, no simbolismo que
expressa dito ciclo, assinalam-se igualmente os momentos do amanhecer no
equinócio de primavera e o do crepúsculo no equinócio do outono, ainda
que sempre há um momento do dia em que se dá esta posição das
constelações pois, como sabemos, a roda zodiacal dá uma volta completa
em 24 horas.

Já fizemos a advertência de que, para nossos estudos e cálculos astrológicos,


unicamente utilizaremos os sete planetas tradicionais, com exclusão de
Urano, Netuno e Plutão, já que estes três últimos foram introduzidos
recentemente e os estudos sobre os mesmos são incompletos.

Cada planeta tem um ou dois signos zodiacais que constituem seu domicílio,
e se diz que eles regem ou governam nestas casas e que suas influências são
complementares. Segundo se depreende do seguinte esquema, os luminares
têm um só domicílio, enquanto os outros cinco planetas têm dois, um diurno
e outro noturno:
Se o planeta se encontra no signo oposto ao de seu domicílio, diz-se que está
em “exílio", sendo suas influências contrárias ou desfavoráveis. Além disso,
quando a influência planetária é afim à do signo em que se encontra, diz-se
que o planeta está em “exaltação", e quando está no oposto suas energias
são hostis e o planeta se acha em "queda". Isto se compreende melhor com o
seguinte quadro:

PLANETAS DOMICÍLIO EXÍLIO EXALTAÇÃO QUEDA


SOL Leão Aquário Áries Libra
LUA Câncer Capricórnio Touro Escorpião
MERCÚRIO Gêmeos-Virgem Sagit.-Peixes Aquário Leão
VÊNUS Touro-Libra Escorpião-Áries Peixes Virgem
MARTE Aries-Escorpião Libra-Touro Capricórnio Câncer
JÚPITER Sagitário-Peixes Gêmeos-Virgem Câncer Capricórnio
SATURNO Capric.-Aquário Câncer-Leão Libra Áries

tendências negativas do ego – mapa astrológico mostra

Tudo se dá na "roda da vida", espelho e receptáculo das energias do Cosmo, que o


peregrino, efetivamente, tem que reconhecer em si mesmo para chegar ao centro ou
coração imóvel da roda, ali onde se produz a identificação com o Universal e o
retorno a sua verdadeira origem.

86 ASTROLOGIA  

Para realizar os cálculos astrológicos, além de observar as influências que


exercem os planetas nos distintos signos zodiacais, é importante também
tomar em conta as relações que eles têm entre si, segundo as distâncias em
que se encontrem uns dos outros. Isto determina o que se chamam os
"aspectos", entre os quais se destacam os seguintes:

– Conjunção: dois planetas estão em “conjunção", quando se encontram


juntos, no mesmo grau de longitude na eclíptica. Em geral se considera uma
influência construtiva.

– Oposição: quando estão separados 180º, dividindo o círculo pela metade, o


aspecto é inverso ao da "conjunção" e se chama "oposição", aspecto que em
geral se considera "maléfico", produtivo de fricção.

– Trígono: este aspecto é o que produzem dois planetas separados entre si


por 120º, dividindo ao círculo em três partes. Considera-se como o mais
favorável de todos e junta dois planetas em signos que correspondem ao
mesmo elemento.

– Quadratura: se a separação entre ambos os planetas é de 90º, diz-se que


estão fazendo quadratura, aspecto que se julga como o mais desfavorável,
ainda que muitas vezes se trata nada mais que de uma prova severa cuja
superação se faz necessária.

– Sextil: é o aspecto que se produz quando estão separados 60º, considerado


"benéfico", gerador de atividade e mudanças. Os planetas, neste caso, se
encontram em signos harmônicos.

– Quincúncio: a 150º de separação se produz este aspecto, considerado em


geral inconexo e contraditório.

Existem também outros aspectos de menor importância, que evitamos


mencionar no momento. As distâncias que se dão aqui indicam o aspecto em
seu ponto exato e ideal. A influência pode produzir-se ainda que as distâncias
difiram um pouco da indicada (às vezes até 5 e 10 graus de diferença). Deve-
se entender que as qualificações que se outorgam aos distintos aspectos, de
“benéfico" ou "maléfico", são-no de maneira geral, e que para determiná-los
precisamente é necessário observar o mapa zodiacal em conjunto Um aspecto
"maléfico" pode redundar em “benefícios" e vice-versa.

É muito importante que se entenda isso, para não nos deixemos influenciar por

tudo no Universo é onda e energia magnética. Hoje em dia, muitos conceitos que pareciam
“coisa de maluco”, tem explicações baseadas em estudos científicos. A Física Quântica,
transformou a Física tradicional num estudo restrito ao que é visível a olho nu, e nos dias de
hoje, estes conhecimentos são usados para criar bombas atômicas, telefonia celular, wi-fi, e
assim por diante. A química, a bioquímica, a neurociência e outras áreas da ciência, provam a
cada descoberta, o quanto nós éramos ignorantes, mas os conhecimentos milenares já
explicavam tudo! Tudo sempre esteve lá para compreensão de quem era capaz de captar a
mensagem.

Sem a base, que dá fundamento a Astrologia, ela passou a ser utilizada de forma leviana,
fazendo parecer que o conhecimento é pura superstição, e sem esta ligação, e sem nenhum
conhecimento das bases, a Astrologia passou a ser alvo de críticas, sendo chamada por muitos
de Pseudociência. A Astrologia vai agregar novamente todo esse conhecimento que se perdeu
ao longo do tempo, através do resgate dos verdadeiros conceitos na qual se fundamenta, e nós,
estamos aqui para ajudarmos isso a se tornar uma realidade.

Aqui, vamos resgatar o real sentido do conhecimento da Astrologia e trazer também tudo o que
existe de mais recente, em termos de descobrimentos científicos, que vão fazer o leitor/ouvinte
aprender como podemos utilizar este instrumento, a Astrologia, como uma poderosa
ferramenta de autoconhecimento e de transmutação de energia. Me acompanhe e você vai se
fascinar e compreender como transformar sua vida, em qualquer área, pois é para isso que
estamos aqui.

A Astrologia surgiu com a observação pura e simples dos movimentos dos planetas visíveis a
olho nu na antiguidade e sua correlação com eventos na Terra. Os signos, os Planetas e os
aspectos que existem entre eles, foram decodificados em formas de símbolos e arquétipos, que
tem aplicação na nossa vida cotidiana. Os arquétipos, que inclusive, se encontram no trabalho
de Carl Jung.

Vamos aqui neste espaço falar de astrologia como parte do entendimento de como o Universo
funciona e como todos podemos usar isso a nosso favor, sem mistério! Tudo o que eu puder
compartilhar para trazer luz à informação, eu vou fazer com intuito de esclarecer e não o de
convencer ninguém a nada.

Agharta:

Os sete planetas giram simbolicamente ao redor do Sol, sendo interiores a este Vênus,
Mercúrio, Lua e Terra, e exteriores os mais altos: Marte, Júpiter e Saturno.

A palavra Zodíaco, que pode se traduzir como “Roda da Vida” (também como Roda
animal), é a seqüência das doze constelações que se encontram de um e de outro lado
da eclíptica, ou seja, do plano curvo imaginário no qual o Sol percorre num ano a
totalidade da esfera celeste.

Em seus percursos os astros desenham formas diretamente ligadas à sorte da Terra e


de seus habitantes, os homens, membros ativos do sistema. Estas condições nos
marcam e nos servem para conhecer nossos limites, determinados primeiramente pelo
lugar e pelo tempo de nosso nascimento e, a partir de tais limites, poderemos optar
pelo ilimitado como fundamento de toda ordem verdadeira.

o estudo da Astrologia seja um auxiliar precioso do Processo de Conhecimento,


fundamentado na experiência que os astros e seus movimentos produzem no ser
individual e sua existência, e que podem ser manejadas de acordo às pautas benéficas
e maléficas que sua própria energia-força dual manifesta no conjunto cósmico.