Você está na página 1de 5

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

FACULDADE DE ENGENHARIA
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELETRICA
2º RELATÓRIO DE ELETRICIDADE II
Circuitos com energia elétrica contínua. A potência

Aluno ______________________________________ Matrícula _______________


4º período - ___ º semestre de 200___

ÍNDICE:
- 1ª parte: identificação ( folha de rosto )-- pag. 1
- 2ª parte: descrição do trabalho ------------ pag. 2
- 3ª parte: base de dados--------------------- pag. 14
- 4ª parte: exposição do experimento ------ pag. 15
- 5ª parte: gráficos---------------------------- pag. 16
- 6ª parte: anexos ----------------------------- pag. 17

Rio de Janeiro, ____ de ________________________ de 200____

_______________________________________

UERJ – 2002 – 1º SEMESTRE – ELETRICIDADE II – 2ª EXPERIÊNCIA - GABARITO pag. 14


3ª parte – base de dados
Item 2.6.c.4 e item 2.7 – TABELA 2 : QUADRO DE MEDIDAS

Multipli-
Leitura no Leitura no Leitura no cador MEDIDA Valor
alcance alcance alcance no alcance ( no alcan- teórico Percentual Escala
inferior superior correto correto ce correto ) esperado de erro utilizada
| | | | | | | |
V exemplo B.10 ------- 1,75 ± 0,03 1,52 ± 0,02 1 v 1,50 ± 0,05 1,5 v 0% 10 DC
VccAB ------- 9,5±0,5 9,5±0,1 1 volt 9,5±0,1 9,5 0% 10 DC

Item 2.3.b – lista de materiais e item 3.3 – TABELA 3 : LISTA DE MATERIAIS

Tipo de equipamento Nome do fabricante Modelo do equipamento Número de série N0 patrimonial UERJ
| | | | |
Resistor Desconhecido 18 Ω - 1/8 watts Não tem Não tem
Resistor Desconhecido 18 Ω - 10 watts Não tem Não tem
Multímetro Minipa ET 304 Desconhecido 56547
Gerador DC Eico 1064-S 17613 41256

Item 7 – descrição dos controles


No multímetro ( VOM ) : Chave de função e alcance. Permite a escolha da função ( volts CC, volts CA, Corrente CC ou
ohms ) em que será empregado. A mesma chave ajusta o aparelho para o alcance ( no caso da função ohms trata-se
do multiplicador ) desejado.
Obs : por uma questão segurança a função ohms não foi utilizada nesse experimento, e por isso o botão de ajuste de
0 (zero) ohms também não foi operado.
No gerador DC : Voltage – permite o ajuste da tensão que se deseja que o gerador forneça.
Range – devido ao limite de potência que o gerador pode fornecer, ajusta os limites permitidos entre tensão e cor-
rente. O produto V*I dos ajustes permitidos pela chave Range conduz numericamente à mesma potência .

Itens 2.6.b.1 E 2.6.b. – reprodução das tentativas de medidas feitas

FAIXA = 50
ALCANCE
FAIXA = 250 CORRETO-
FAIXA = 10

Item 6.4 circuitos equivalentes para estudo.

CIRCUITOS EQUIVALENTES
5,5 MΩ

5,5 MΩ
VOM=11MΩ

VCC
5,5 MΩ

11 MΩ

UERJ – 2002 – 1º SEMESTRE – ELETRICIDADE II – 2ª EXPERIÊNCIA - GABARITO pag. 15


4ª parte – Exposição do experimento. Questionário, memória de cálculos, comentários .
Questionário:
Item 6.1.a: para, do, do, para
6.1.b: os instrumentos de medições são cargas e por isso podemos usar a relação entre sentido de corrente e polaridade
de tensão que possuem e associar essas informações ao dispositivo.
Item 6.2.a: porque estão ajustados de tal modo que receberão do circuito uma quantidade de energia, por unidade de tempo
( potência ) , menor ou no máximo igual a que podem suportar
6.2.b: porque estão ajustados de tal modo que receberão do circuito uma quantidade de energia, por unidade de tempo
( potência ) , que será superior a que podem suportar.
Item 6.3: No maior alcance possível, isto é, 250 volts. Nesse alcance é garantido que o voltímetro não sofrerá sobrecarga,
isto é, o voltímetro será capaz de manipular com segurança a quantidade de energia por unidade de tempo ( potência ) ,
que irá receber do circuito mesmo que haja um eventual erro de ajuste do gerador, ou erro de montagem ou defeito em
algum dispositivo do experimento que venha provocar uma tensão, até mesmo elevada, fora do controle do operador.
Item 6.4: VCC / 2 Ver memória de cálculos e figura ilustrativa na base de dados .
Item 6.5: esta coluna não poderá ser preenchida pois o instrumento não permite leitura fora da escala e além disso o instru-
mento estará em sobrecarga elétrica e mecânica. Ver resposta ao item 6.2 acima.
Item 6.6: Os instrumentos indicadores analógicos têm na face do mostrador a informação que identifica a(s) grandeza(s)
que pode(m) medir. O gerador que foi utilizado nesse 2º experimento possue dois medidores onde podemos ler Volts
DC e Ampères DC.
Item 6.7: Na função ohms é o instrumento quem fornece energia ao circuito, enquanto nas outras funções é o circuito quem
fornece energia ao instrumento. Ao se tentar usar a função ohms, caso o circuito possua qualquer tipo de manifesta-
ção de energia possivelmente o circuito danificará o multímetro na função ohms pois o mesmo não estará ajustado para
manipular com segurança a energia que irá receber.
Item 6.8.a ) ±0,3 volts b) ±0,2 volts c) O multímetro fornecerá melhores leituras pois permite uma acuidade visual
melhor para o usuário, isto é, melhor precisão ( ou algarismos significativos ).
Item 6.9: Ajusta ao limite da máquina as máximas relações possíveis entre tensão e corrente . O gerador tem um limite de
potência que pode fornecer, daí o compromisso entre tensão e corrente máximas que pode fornecer simultaneamente.
O produto V*I dos ajustes permitidos pela chave Range produz numericamente esta potência .
Item 6.10: um preparatório para as experiências 3ª, 4ª e 5ª
Item 6.11: Circuitos com energia elétrica contínua . A potência .

Item 9 - Memória de cálculo:


Princípios e leis utilizados:
Circuito equivalente série e paralelo .
A potência em eletricidade.
Item 6.4 – ( ver figura na base de dados ) o voltímetro também é uma carga e está em paralelo com R=11 MΩ do circuito
em exame. A carga equivalente que existe entre os pontos onde o voltímetro foi conectado é, então, o equivalente paralelo
de duas resistências de 11 MΩ , igual a 5,5 MΩ e portanto V = VCC . 5,5 / 11 = VCC / 2 .
Itens 2.3.f e 2.6.c.3 – a potência dissipada pode ser calculada como V2/R , e portanto Potência em R1 = 9,52 / 18 ≈ 5 W

Item 2.3.f –Comentários:


Quando o circuito foi energizado o resistor queimou por ter sido ultrapassada a máxima potência que o mesmo
poderia suportar. O problema foi solucionado substituindo-o por outro resistor, de mesmo valor ohmico, porém com maior
dissipação de potência. O resistor inicial era de 1/8 de watts tendo sido submetido a aproximadamente 5 watts. O resistor
instalado posteriormente podia suportar até 10 watts.
Outro objetivo alcançado, similar ao do primeiro experimento, foi a verificação de que todo instrumento precisa ser
devidamente ajustado para ter um desempenho como o descrito pelo fabricante. Dos diversos desempenhos possíveis um
deles, isto é, uma determinada condição de ajustes, é o mais adequado e o instrumento será mais preciso, e como precisão e
exatidão “ costumam ” estar associados intimamente, partimos dessa premissa para escolher o ajuste, isto é, faixa ( alcance )
em que o instrumento seja mais exato ( procuramos onde o instrumento é mais preciso, para sabermos onde seria mais exa-
to) . Mas devemos sempre levar em consideração que esta não é uma premissa válida para qualquer instrumento de medi-
ção. Compare como se comporta o voltímetro ( multímetro na função volts ) com o comportamento do ohmímetro ( mul-
tímetro na função ohms ) da 1ª experiência

UERJ – 2002 – 1º SEMESTRE – ELETRICIDADE II – 2ª EXPERIÊNCIA - GABARITO pag. 16


VAB

0,2
FAIXAS ( ALCANCES )

0,25 2,5 50 1kV


1 10 250

UERJ – 2002 – 1º SEMESTRE – ELETRICIDADE II – 2ª EXPERIÊNCIA - GABARITO pag. 17


PREPARATÓRIO DE INSTRUMENTAÇÃO DAS EXPERIÊNCIAS COM C.C. ( 2a , 3a , 4a )
Responda baseando-se na 2a experiência.
1. - Identifique com o n° l, na região da chave de ajustes, a única função que poderá ser usada nessa
experiência .
2. - Identifique com o n° 2, na região da chave de ajustes, a função que não poderá ser usada nessa
experiência, devido a presença de uma fonte interna de energia no VOM .
3. - Identifique como n° 3, na região da chave de ajustes, o alcance com o qual iniciará, por questões 5C 3A
de segurança do VOM, a medida da tensão do gerador .
3 A.- Identifique com o n° 3A, na região das escalas, a escala que utilizará nessa medida inicial . 4C 4A
3 B.- Identifique com o n° 3B, na região das escalas, o valor de " fundo de escala " que utilizará
5A
nessa medida inicial . 3C
3 C.- Indique com o n° 3C, na região das escalas, a posição teórica do índice, nessa medida inicial .
4. - Identifique com o n° 4, na região da chave de ajustes, o alcance que usará na 2a tentativa de
medição . 3B
4 A.- Identifique com o n° 4A, na região das escalas, a escala que utilizará nessa 2a tentativa de
medição . 3 0 kΩ / VDC 4B
4 B.- Identifique com o n° 4B na região das escalas, o valor de " fundo de escala " que utilizará
1 0 kΩ / VAC
0dB=1mW600Ω
TAUT BAND AC V ADD
RANGE dB
nessa 2a tentativa de medição . FUSE &DIODE
PROTECTION
25 8
100 20 5B
4 C.- Indique com o n° 4C, na região das escalas a posição teórica do índice nessa 2a tentativa de 250 28
1000 40
medição .
5. - Identifique com o n° 5, na região da chave de ajustes, o alcance que usará na 3a tentativa de
medição . ET-304
5 A.- Identifique com o n° 5A, na região das escalas, a escala que utilizará nessa 3a tentativa de
12
medição . 3
5 B.- Identifique com o n° 5B, na região das escalas, o valor de " fundo de escala " que utilizará DCV OFF
1000 ACV
250&UP
nessa 3a tentativa de medição . 1 50 250
5 C.- Indique com o n° 5C, na região das escalas a posição teórica do índice nessa 3a tentativa de
medição . 10 100
6. - Identifique com o n° 6, na região da chave de ajustes, os alcances que não poderão ser usados em 0Ω ADJ 2,5 4
25
hipótese alguma nessa experiência, pois a única tensão existente será a do gerador . 6
7. - Identifique com o n° 7, na região da chave de ajustes, o terminal negativo (-) do VOM . 1 5 10
8. - Identifique com o n° 8, na região da chave de ajustes, o terminal positivo (+) do VOM .
9. - Identifique com o n° 9, na região da chave de ajustes, o terminal do VOM por onde entrará a 0,25 2,5
corrente necessária para que a leitura seja positiva . DC6A DC1kV
6A x1k
10. - Identifique com o n° 10, na região da chave de ajustes, o terminal do VOM por onde sairá a 7 8
0,5A x100
corrente necessária para que a leitura seja positiva . 11
10 50mA x10
11. - Mostre através de uma seta o sentido da corrente que passará internamente pelo VOM, de um 9
- COM 5mA x1 +VAΩ
terminal para o outro, identificados nos itens 9 e 10 acima, e identifique-a com o n° 11. 50µA
DCA Ω
12. - Identifique com o n° l2, na região da chave de ajustes, em que posição a chave deve ficar quan-
do o VOM precisa ser transportado ou quando vai ser guardado após o uso. 2
Nome do Aluno:____________________________________________ Matrícula _________________
UERJ – 2002 – 1º SEMESTRE – ELETRICIDADE II – 2ª EXPERIÊNCIA - GABARITO pag. 17

Você também pode gostar