Você está na página 1de 48

Título Introdução do Direito das Obrigações

Número de aulas por semana 2


Número de semana de aula 1
Tema Introdução do Direito das Obrigações
Objetivos 1- Apresentar o Plano de Ensino e o mapa
conceitual da disciplina.

2- Apresentar as competências e habilidades


que se pretendem desenvolver,
destacando a necessidade de constante
articulação com outras disciplinas como
Direito Civil I.

3- Apresentar a metodologia dos casos


concretos e a forma como serão cobrados
durante o semestre.

4- Comentar e apresentar a bibliografia


básica e complementar da disciplina,
destacando os textos que foram
encaminhados com o material didático e
eventuais livros que estejam à disposição
na Biblioteca Virtual da Estácio.

5- Destacar a necessidade de trazer para sala


de aula o Código Civil.

6- Destacar a importância do processo de


auto-aprendizagem.

7- Apresentar a importância social e jurídica


da disciplina Direito Civil II.

8- Conceituar obrigação e Direito das


Obrigações.

9- Diferenciar responsabilidade, obrigação e


sujeição.

10- Diferenciar Direitos Reais e Direitos


Obrigacionais.

11- Conceituar e identificar as figuras


híbridas (obrigações ‘propter rem’; ônus
reais; obrigações com eficácia real).

12- Identificar e compreender as fontes das


obrigações.
Estrutura de conteúdo 1. Conceito de obrigações

2. Conceito de Direito das Obrigações


3. Diferenças entre responsabilidade, obrigação e
sujeição

4. Direitos Reais e Direitos Obrigacionais

5. Figuras Híbridas: obrigações ‘propter rem’;


ônus reais; obrigações com eficácia real.

6. Fontes das obrigações: fonte mediata e fonte


imediata
Recursos físicos quadro e pincel; datashow.
Aplicação prática e teórica Caso Concreto 1
Analise as seguintes situações:
I. Ajudar uma pessoa a atravessar a rua.
II. Comparecer a uma audiência.
III. Realizar o pagamento da mensalidade.
IV. Pagar pensão decorrente de condenação
por atropelamento.
V. Registrar um imóvel após sua aquisição.

Identifique nestas situações qual delas decorre


de responsabilidade; de obrigação jurídica; de
obrigação moral, de sujeição e de ônus jurídico,
explicando o porquê de cada escolha. Após,
identifique qual é a fonte imediata e a fonte
mediata da obrigação jurídica identificada.

Caso Concreto 2
Juliana passa por dificuldades financeiras e
emocionais e em uma única semana: negou-se a
respeitar a fila do cinema; não levou seu filho de
cinco anos ao colégio; deixou de pagar a
mensalidade do seu plano de saúde; recebeu
intimação para depor em processo judicial
proposto por Maria que se sentiu ofendida em
uma discussão iniciada por Juliana. Analisados os
fatos pergunta-se:
1- Juliana infringiu alguma obrigação em
alguma dessas situações? Justifique sua
reposta.
2- Há alguma situação que pode ser
identificada como estado de sujeição?
Explique sua resposta.
3- Henri de Page afirma que “a
irresponsabilidade é a regra e a
responsabilidade a exceção”. Está correto
o autor? Explique sua resposta indicando
em que situações para Juliana surgiu a
responsabilidade.

Questão Objetiva
(OAB 2010.2) Assinale a alternativa que
contemple exclusivamente obrigação ‘propter
rem’:
a) A obrigação de indenizar decorrente da
aluvião e aquela decorrente da avulsão.
b) A hipoteca e o dever de pagas as cotas
condominiais.
c) O dever que tem o servidor da posse de
exercer o desforço possessório e o dever
de pagar as cotas condominiais.
d) A obrigação que tem o proprietário de
um terreno de indenizar o terceiro que, de
boa-fé, erigiu benfeitorias sobre o
mesmo.
Considerações adicionais Referências Bibliográficas:
Nome do livro: Direito das Obrigações
Nome do autor: FARIAS, Cristiano Chaves de
Farias; ROSENVALD, Nelson
Editora: Lumen Juris
Ano: 2007
Edição: 3ª edição
Nome do capítulo: Introdução ao Direito das
Obrigações
Número de páginas do capítulo: 75
Título Elementos Constitutivos e Classificação das
Obrigações
Número de aulas por semana 2
Número de semana de aula 2
Tema Elementos Constitutivos e Classificação das
Obrigações
Objetivos 1. Identificar e compreender os elementos
constitutivos das obrigações.

2. Identificar e compreender as principais


classificações das obrigações.
Estrutura de conteúdo 1. Elementos constitutivos das obrigações
a. Elementos subjetivos
b. Elementos objetivos
c. Elemento abstrato
2. Classificação das obrigações
i. Obrigações consideradas em si
mesmas
a. Quanto ao vínculo obrigacional
b. Quanto ao objeto em relação a sua natureza
c. Quanto à liquidez
d. Quanto ao modo de execução
e. Quanto à estrutura
f. Quanto ao tempo de adimplemento
g. Quanto aos elementos acidentais
h. Quanto à pluralidade de sujeitos
i. Quanto ao conteúdo
j. Quanto ao objeto
ii. Obrigações reciprocamente
consideradas
Recursos físicos quadro e pincel; datashow.
Aplicação prática e teórica Caso Concreto 1
Luciana compromete-se a entregar a Roberta,
em razão de contrato de compra e venda, o
cavalo Pé-de-Pano, da raça Brasileiro de
Hipismo, várias vezes premiado. O preço
ajustado é de R$ 150.000,00 (cento e cinqüenta
mil reais).Identifique com relação ao cavalo:
a) quem é o accipiens e quem é
o solvens
b) qual é e o que é fonte mediata e a
fonte imediata da obrigação
c) qual é e o que é o objeto imediato e
o objeto mediato da obrigação
d) o objeto dessa obrigação preenche
os requisitos de validade?
Justifique sua resposta indicando
quais são os requisitos de validade

Caso Concreto 2
Leia a notícia a seguir (publicada no site Espaço
Vital em 04 nov. 10) - Ponto Frio indenizará
por não entregar fogão a cliente
O Ponto Frio foi condenado a pagar uma
indenização de R$ 2.000, por danos morais, por
não entregar fogão a um cliente. Francisco Sousa
adquiriu o eletrodoméstico e pagou o frete com a
promessa de que o produto seria entregue três
dias depois. Mesmo após dois meses, contudo, o
fogão não chegou a sua residência. A decisão é
do desembargador Rogerio de Oliveira Souza, da
9ª Câmara Cível do TJ do Rio de Janeiro.
Para o relator, trata-se de bem doméstico
essencial, que deixou de ser entregue em prazo
razoável, acarretando perda de tempo útil e
frustração de suas expectativas. “O dever de
indenizar resta evidente, sem maiores
considerações, uma vez que o consumidor
experimentou aborrecimentos e contratempos
que suplantam as chateações do cotidiano,
acarretando a perda de tempo útil e
tranqüilidade inadmissíveis na complexa vida
moderna”, afirmou o desembargador Rogério
Souza na decisão. (Proc. nº: 0160927-
20.2009.8.19.0001 - com informações do TJ-RJ).
Pergunta-se:
a) Identifique o vínculo jurídico originário,
sua fonte imediata e mediata e seu objeto
imediato e mediato.
b) Classifique a obrigação originária
utilizando todas as classificações
estudadas em sala de aula.
c) O dever de reparar por danos morais pode
ser classificado como uma obrigação?
Explique sua resposta.

Questão Objetiva
(MP-RS 2002) A concepção da relação
obrigacional como processo pode ser associada
com:
I. O contato social.
II. Os comportamentos sociais típicos.
III. A visão orgânica e total da obrigação.
IV. A existência de deveres secundários, anexos
ou instrumentais, resultantes da
incidência do princípio da boa-fé objetiva.
V. A existência de deveres de conduta, mesmo
depois de cumprido o dever principal.
Assinale a alternativa correta:
a) Somente as assertivas I, III, IV e V
estão corretas.
b) Somente as assertivas II, III, IV e V
estão corretas.
c) Somente as assertivas I, II, III e IV
estão corretas.
d) Somente as assertivas II, IV e V estão
corretas.
e) Todas as assertivas estão corretas.
Considerações adicionais Referências Bibliográficas:
Nome do livro: Direito civil brasileiro
Nome do autor: GONÇALVES, Carlos Roberto
Editora: Saraiva
Ano: 2010
Edição: 7ª.
Nome do capítulo: Capítulo 2 – Noções Gerais
de Obrigação
Número de páginas do capítulo: 16
Título Obrigações de Dar Coisa Certa
Número de aulas por semana 2
Número de semana de aula 3
Tema Obrigações de Dar Coisa Certa
Objetivos 1. Analisar o conceito de obrigações de dar.

2. Diferenciar obrigações de entregar e de


restituir.

3. Compreender as consequências do
inadimplemento das obrigações de dar coisa
certa.

4. Obrigações pecuniárias
Estrutura de conteúdo 1. Obrigação de dar coisa certa
a. Conceito
b. Distinção entre entregar e restituir
c. Reflexos jurídicos
2. Obrigações pecuniárias – conceito e
princípios
Recursos físicos quadro e pincel; datashow.
Aplicação prática e teórica Caso Concreto 1

Analise o relato a seguir e aponte pelo menos


sete erros na assertiva referente ao problema.
Os sete erros encontrados devem ser corrigidos
(reescrever parte da frase que está errada ou de
outra forma identificar o erro que se está
corrigindo) e, quando for possível, corrigi-lo
indicando o artigo respectivo!

Lucas compromete-se a entregar a Maria, em


razão de um contrato de compra e venda, o livro
Programa de Responsabilidade Civil, de Sérgio
Cavalieri Filho, Editora Atlas, até o dia 2 de abril
de 2011. Maria pagou pelo livro o equivalente a
R$ 80,00 (oitenta reais). Pode-se afirmar que,
quanto ao livro, Lucas é a solvens e Maria
a accipiens. Trata-se de uma obrigação moral,
divisível, simples, de trato sucessivo e
condicional. A sua fonte imediata é a lei e a fonte
mediata obrigação de dar coisa certa. O seu
objeto imediato é o contrato de compra e venda
e o objeto mediato é o livro, que pode ser
substituído por um livro de valor equivalente
caso Lucas não consiga a obra indicada por
Maria. Imagine que no dia da entrega começa a
chover o que ocasiona o alagamento da loja de
Lucas e conseqüente deterioração do livro, nesse
caso Maria poderá receber o livro tal qual se
ache, sem direito à indenização, nos termos do
art. 240, CC. Em outra situação, suponha que
Lucas, descuidado, perdeu o livro no dia da
entrega, pode-se, então, afirmar que Maria
poderá resolver a obrigação e exigir perdas e
danos nos termos do art. 239, CC, uma vez que
precisaria do livro até a data marcada para que
pudesse estudar para a prova que se realizaria
no dia 04 de abril.

Caso Concreto 2

Rosane empresta gratuitamente a Renata o seu


livro de Direito Civil para que ela estude para a
prova que se realizará no dia 1º. de outubro e o
restitua impreterivelmente no dia 02 de outubro.
a. Quanto ao livro
identifique: Accipiens e Solvens;
Fonte Imediata e Fonte Mediata;
Objeto Imediato e Objeto Mediato.
b. Classifique a obrigação existente
entre Rosane e Renata (utilize pelo
menos 05 classificações
estudadas).
c. Renata, descuidada, esquece o livro
na faculdade e no dia seguinte não
consegue mais recuperá-lo. O que
acontece com essa obrigação?
Fundamente sua resposta.
d. Em outra situação imagine que
Renata é assaltada a mão armada
quando estava se dirigindo à
faculdade. Dentro de sua bolsa que
foi levada pelo assaltante estava o
livro que iria devolver a Rosane. O
que acontece com essa relação
obrigacional? Justifique sua
resposta.
e. Agora imagine que Renata,
descuidada, não percebeu que sua
filha de 03 anos resolveu estudar
Direito Civil e fez várias anotações
no livro. Como ficará essa
obrigação? Justifique sua resposta.
f. Por fim, imagine que Renata não vai
à faculdade no dia 02 de outubro.
De madrugada sua casa é
inundada por fortes chuvas o que
acaba levando à perda do livro.
Será nesse caso aplicável a
regra res perit domino? Justifique
sua resposta.

Questão Objetiva

(OAB 2008.2 adaptada) Juliana, proprietária de


um canil, vendeu à Luiza, à vista, com a
exigência de pagamento antecipado, uma cadela
da raça labrador, com dois anos de idade e
com pedigree, a qual deveria ser entregue no
prazo de seis meses. Durante o período que
antecedeu à entrega, o animal vendido, sem que
Juliana percebesse, ficou prenhe de outro
labrador, também com pedigree, e deu à luz os
filhotes.
Considerando a situação hipotética acima e as
disposições do Código Civil vigente, assinale a
opção correta:
a) Por previsão legal, Luiza terá de entregar
metade dos filhotes a Juliana, sob pena
de enriquecimento sem causa.
b) Por já ter sido pago o preço, Luiza já era
proprietária do labrador e, por isso, terá
direito aos filhotes.
c) Os filhotes serão considerados frutos pelos
quais Juliana não pode exigir aumento do
preço uma vez que Juliana já havia feito o
pagamento.
d) Os filhotes serão considerados frutos,
pelos quais Juliana poderá exigir aumento
do preço e caso Luiza não aceite pagá-lo
Juliana poderá resolver a obrigação.
Considerações adicionais Referências Bibliográficas:
Nome do livro: Direito das Obrigações
Nome do autor: FARIAS, Cristiano Chaves de
Farias; ROSENVALD, Nelson
Editora: Lumen Juris
Ano: 2008
Edição: 3ª edição
Nome do capítulo: Modalidades de Obrigações
I
Número de páginas do capítulo: 52

Título Obrigações de Dar Coisa Incerta; de Fazer e de


Não Fazer
Número de aulas por semana 2
Número de semana de aula 4
Tema Obrigações de Dar Coisa Incerta; de Fazer e de
Não Fazer
Objetivos 1. Compreender as características da obrigação
de dar coisa incerta.

2. Diferenciar a obrigação de dar coisa incerta


das obrigações de dar coisa certa e de restituir,
analisando-as criticamente.

3. Compreender o processo obrigacional das


dívidas genéricas.

4. Perceber as transformações nas relações


obrigacionais de dar coisa certa ou incerta com o
advento da Lei 8.078/90.

5. Conceituar obrigações de fazer e compreender


seus reflexos jurídicos.

6. Conceituar obrigações de não fazer e


compreender seus reflexos jurídicos.
Estrutura de conteúdo 1. Obrigação de dar coisa incerta
a. Conceito
b. Concentração
c. Reflexos jurídicos
2. Obrigação genérica delimitada ou de
existência restrita.

3. A “desmaterialização” das obrigações de


dar

4. Obrigação de fazer
a. Conceito
b. Reflexos jurídicos
5. Obrigação de não fazer
a. Conceito
b. Reflexos jurídicos
Aplicação prática e teórica Caso Concreto 1
Analise o acórdão adiante e a seguir, responda o
solicitado: Instituição de ensino superior.
Cumprimento de obrigação de
_________________. Curso de Graduação.
Aluno reprovado por faltas. Pedido de retificação
indeferido pela instituição. Livro de registro de
freqüência. Documento hábil lançado pelo
professor. Provas não desconstituídas pelo autor.
1) O livro de Registro de Classe preenchido pelo
professor da disciplina é documento idôneo para
comprovar a freqüência dos alunos.2) Quando o
acadêmico excede o percentual mínimo de faltas
permitidas pela instituição está sujeito à
reprovação na matéria. Como não comprovou a
sua presença às aulas válida a decisão da
instituição que não deferiu o pedido de
retificação de faltas do apelado. Recurso da
instituição provido (reformando-se a decisão de
primeira instância que havia determinado o
abono de uma falta do aluno e conseqüente
revogação da reprovação por falta). Apelação
Cível 0226824-4 – Nona Câmara Cível do extinto
TA-PR. Acórdão nº 4029 – IX CCV.

Analisando à luz da classificação tricotômica das


obrigações:
a) Classifique e conceitue a obrigação
do aluno de comparecer às aulas,
destacando se se trata de
obrigação intuitu personae ou não.
b) Identifique a partir de que momento
o aluno pôde ser considerado em
mora.
c) Cabe execução específica dessa
obrigação? Fundamente sua resposta.

Caso Concreto 2
Roberto compra, em janeiro de 2008, uma parte
ideal de um terreno de Marcelo, localizado na
cidade de Curitiba. Roberto se obriga, em
decorrência de uma cláusula especial desse
contrato de compra e venda, a não construir
muros ao redor de sua futura residência
(cláusula que deverá ser mantida se,
futuramente, o imóvel for vendido a terceiros).
a. Identifique (com relação à
obrigação de não construir o
muro): o accipiens, o solvens,
fonte imediata e mediata da
obrigação e o objeto imediato e
mediato) da obrigação.
b. Classifique apenas a obrigação
decorrente da cláusula especial,
utilizando pelo menos cinco
classificações estudadas.
c. Imagine que em janeiro de 2012
é sancionada lei municipal
determinando que todas as casas e
edifícios de Curitiba devem ser
murados, mesmo aqueles
existentes dentro de condomínios
fechados. Portanto, nesse mês,
atendendo ao comando legislativo,
Roberto constrói o muro. Pode-se
afirmar que Roberto foi constituído
em mora? Fundamente sua
resposta.
d. Em outra situação, Roberto não
querendo mais que sua casa fique
exposta à casa de Marcelo, resolve
construir por conta própria um
muro. Há inadimplemento nesse
caso? Em caso afirmativo, a partir
de que momento se verifica e
quais são suas conseqüências?

Questão Objetiva
(TJRS 2000 adaptada) Considere as assertivas
abaixo:
I - Tendo A emprestado a B quinze sacos de
semente de soja, sobreveio imprevista inundação
que destruiu o produto que estava no depósito
de B. Mesmo assim, B está obrigado a satisfazer
sua dívida.
II - Na obrigação de dar coisa certa, o devedor
só poderá ser obrigado a entregar outra se for de
menor valor.
III - O devedor de obrigação de dar coisa incerta
sempre pode resolver a obrigação se, antes da
concentração, todos os objetos se perderem em
virtude de caso fortuito ou força maior.

Quais são corretas?


a) Apenas I
b) Apenas II
c) Apenas III
d) Apenas II e III
e) I, II e III
Considerações adicionais Referências Bibliográficas:
Nome do livro: Direito das Obrigações
Nome do autor: FARIAS, Cristiano Chaves de
Farias; ROSENVALD, Nelson
Editora: Lumen Juris
Ano: 2008
Edição: 3ª edição
Nome do capítulo: Modalidades de Obrigações
I
Número de páginas do capítulo: 52
Título Obrigações Alternativas e Facultativas; de Meio e
de Resultado
Número de aulas por semana 2
Número de semana de aula 5
Tema Obrigações Alternativas e Facultativas; de Meio e
de Resultado
Objetivos 1. Conceituar obrigações de meio e compreender
seus reflexos jurídicos.

2. Conceituar obrigações de resultado e


compreender seus reflexos jurídicos.

3. Conceituar obrigações alternativas e


compreender seus reflexos jurídicos.

4. Diferenciar obrigações facultativas e


alternativas.
Estrutura de conteúdo 1. Obrigação de meio
a. Conceito
b. Reflexos jurídicos
2. Obrigação de resultado
a. Conceito
b. Reflexos jurídicos
3. Obrigação alternativa
a. Conceito
b. Reflexos jurídicos
c. Diferenças entre obrigação
alternativa e obrigação facultativa
Recursos físicos quadro e pincel; datashow.
Aplicação prática e teórica Caso Concreto 1
Joana compromete-se a entregar para Joaquim,
em virtude de um contrato de compra e venda, o
cavalo manga-larga Pé-de-Pano ou o cavalo puro
sangue inglês Pé-de-Meia, tendo sido o direito de
escolha concedido a Joaquim. O preço do
contrato é ajustado em R$ 30.000,00 (trinta mil
reais), sendo que Joaquim pagou 50% no ato da
contratação. Responda:
a) Identifique, quanto aos
cavalos: accipiens e solvens; fonte
imediata e fonte mediata; objeto mediato
e objeto imediato.
b) Classifique a obrigação (utilize pelo
menos cinco classificações estudadas).
c) Suponha que os contratantes nada
tivessem acertado com relação ao direito
de escolha. Nessa situação, a quem
caberia a escolha? Fundamente sua
resposta.
d) Realizada e cientificada a escolha Joana
poderia entregar outro cavalo que não o
escolhido? Fundamente sua resposta.
e) O que aconteceria com essa obrigação
se esgotado o prazo para a concentração
da obrigação, Joaquim não comunicasse
Joana sobre sua escolha? Fundamente
sua resposta.
f) O que aconteceria se antes de
comunicada a escolha a Joana o cavalo
Pé-de-Meia morresse fulminado por um
raio? Fundamente sua resposta.
g) O que aconteceria se os dois cavalos
tivessem morrido em virtude do raio?
h) Imagine agora que os dois cavalos
morreram porque Joana deixou de
alimentá-los, como se resolveria a
obrigação? Fundamente sua resposta.

Caso Concreto 2
Decidiu o STJ: Agravo Regimental. Ação de
indenização. Erro
médico. Cirurgia Plástica. Obrigação de
resultado. Julgamento em sintonia com os
precedentes desta Corte. Culpa do profissional.
Fundamento inatacado. Danos morais. Quantum
indenizatório. R$ 20.000,00 (vinte mil reais).
Razoabilidade. I - A jurisprudência desta Corte
orienta que a obrigação é de resultado em
procedimentos cirúrgicos para fins estéticos. II -
Esta Corte só conhece de valores fixados a título
de danos morais que destoam razoabilidade, o
que não ocorreu no presente caso. III - O agravo
não trouxe nenhum argumento novo capaz de
modificar a conclusão alvitrada, a qual se
mantém por seus próprios fundamentos. Agravo
improvido. (AgRg no Ag 1132743/RS – Rel. Min.
Sidnei Beneti – T3 – Dje 25/06/2009).
1. Explique a diferença entre obrigação de
meio e de resultado e explique porque a
obrigação do cirurgião plástico vem sendo
declarada pelos Tribunais como uma
obrigação de resultado.
2. Posicione-se concordando ou discordando
com o enquadramento dado à cirurgia
plástica estética como obrigação de
resultado.
3. Apresente decisão do Tribunal de Justiça
de seu Estado sobre erro médico
cometido em cirurgia plástica estética,
destacando qual foi o posicionamento
tomado na decisão sobre o
enquadramento da obrigação.
Questão Objetiva
(TJSC 2006) Relativamente às obrigações
defazer e às obrigações alternativas, aponte a
alternativa incorreta:
a) A execução do fato por um terceiro não
exclui o direito do credor de obter a
indenização cabível.
b) O devedor responderá por perdas e
danos ainda que a prestação se torne
impossível sem sua culpa.
c) Se todas as obrigações alternativas se
tornarem inexeqüíveis sem culpa do
devedor, a obrigação extinguir-se-á.
d) Sendo fungível a obrigação de fazer, o
credor poderá mandar executá-la à custa
do devedor, nas hipóteses de recusa ou
mora deste.
e) Tratando-se de obrigação alternativa, a
escolha caberá ao juiz, se o terceiro a
quem o título deferir a opção, eximir-se
de exercê-la e não houver acordo entre as
partes.
Considerações adicionais Referências Bibliográficas:
Nome do livro: Direito civil brasileiro.
Nome do autor: GONÇALVES, Carlos Roberto
Editora: Saraiva
Ano: 2010
Edição: 7ª.
Nome do capítulo: Capítulo IV – Das
Obrigações Alternativas e CapítuloVII – Outras
Modalidades de Obrigações
Número de páginas do capítulo: 13 + 4 (17)
Título Obrigações (In)Divisíveis e Solidárias
Número de aulas por semana 2
Número de semana de aula 6
Tema Obrigações (In)Divisíveis e Solidárias
Objetivos 1. Conceituar obrigações divisíveis e indivisíveis
e compreender seus reflexos jurídicos.

2. Conceituar obrigações solidárias

3. Compreender os princípios gerais das


obrigações solidárias
Estrutura de conteúdo 1. Obrigação Divisível
a. Conceito
b. Reflexos jurídicos
2. Obrigação Indivisível
a. Conceito
b. Reflexos jurídicos
3. Introdução às Obrigações Solidárias
a. Conceito
b. Princípios Gerais
Recursos físicos quadro e pincel; datashow.
Aplicação prática e teórica Caso Concreto 1

Juliano e José obrigam-se a entregar a Carlos e


Camilo um cavalo da raça Brasileiro de Hipismo,
que fugiu de seu haras uma vez que João,
funcionário de José, esqueceu uma das porteiras
abertas. Carlos e Camilo podem exigir o
cumprimento desta obrigação? Identifique a
obrigação aqui existente e justifique sua
resposta.

Caso Concreto 2

Luana e Joana compraram de Cristiane uma casa


localizada na Rua Ruy Barbosa, n. 1. Acordaram
em contrato que as compradoras dariam uma
entrada de 50.000 (cinquenta mil reais) e após
trinta dias pagariam o restante equivalente a
outros 50.000 (cinquenta mil reais). Paga a
entrada, passados os 30 dias, Luana e Joana não
fazem o pagamento da segunda e última parcela.
Qual a natureza da obrigação? De quem Cristiane
poderá fazer a cobrança? Justifique sua resposta.

Questão Objetiva

1- (Magistratura TJMS 1999) Sendo vários os


devedores, na obrigação indivisível, sendo um só
eles demandado pelo total da dívida, na ação de
regresso deste contra os demais, pode um
desses devedores opor eventual novação por ele
feita com o credor, no caso de manter os termos
iniciais da obrigação?

a) Sim. Nas obrigações indivisíveis, no plano das


relações internas, cada devedor responde pela
sua cota parte, que, na falta de estipulação,
pressupõe-se serem iguais.
b) Não. Nas obrigações indivisíveis não se
admite, na fase da ação de regresso, a objeção
de direito pessoal em relação ao credor
originário.
c) Sim. Se houver estipulação contratual
expressa, permitindo a exceção pessoal.
d) Não. Nas obrigações indivisíveis, no plano das
relações internas, cada devedor responde pela
integralidade da dívida e, por isso, não pode opor
direito pessoal seu em relação ao credor comum.

2 - (OAB-MS 2000) Quanto às OBRIGAÇÕES é


falso afirmar que:
a) Se a coisa restituível se deteriorar sem culpa
do devedor, recebê-la-á, tal qual se ache, o
credor, sem direito a indenização;
b) A coisa incerta será indicada, sempre, pelo
gênero, quantidade e qualidade;
c) Na obrigação de fazer, o credor não é
obrigado a aceitar de terceiro a prestação,
quando for convencionado que o devedor o faça
pessoalmente;
d) Se, havendo dois ou mais devedores, a
prestação não for divisível, cada um será
obrigado pela dívida toda.

Considerações adicionais Referências Bibliográficas:


Nome do livro: Direito das Obrigações
Nome do autor: FARIAS, Cristiano Chaves de
Farias; ROSENVALD, Nelson
Editora: Lumen Juris
Ano: 2008
Edição: 3ª edição
Nome do capítulo: Modalidades de Obrigações II
– Classificação quanto aos elementos
Número de páginas do capítulo: 22
Título Obrigações Solidárias
Número de aulas por 2
semana
Número de semana de aula 7
Tema Obrigações Solidárias
Objetivos 1. Conceituar obrigações solidárias ativas e
compreender seus reflexos jurídicos.

2. Conceituar obrigações solidárias passivas e


compreender seus reflexos jurídicos.
Estrutura de conteúdo 1. Obrigação Solidária Ativa
a. Conceito
b. Reflexos jurídicos
2. Obrigação Solidária Passiva
a. Conceito
b. Reflexos jurídicos
Recursos físicos quadro e pincel; datashow.
Aplicação prática e teórica Caso Concreto 1

Rosângela e Andressa são credoras solidárias (em


um contrato de compra e venda de imóvel) de
Luiza pelo pagamento da quantia de R$
100.000,00 (cem mil reais), na proporção de 30%
para Rosângela e 70% para Andressa. Ajustou-se
que a devedora teria 30 dias, contados da
lavratura do contrato de compra e venda, para
realizar a integralidade do pagamento. A escritura
pública de compra e venda foi lavrada em 29 de
setembro de 2009 e no mesmo dia foi realizada a
tradição do imóvel. Responda:
a) Identifique (com relação ao imóvel):
i. Accipiens e solvens;
ii. Fonte imediata e
fonte mediata;
iii. Objeto imediato e
objeto mediato.
b) Classifique a obrigação relativa à
entrega do imóvel (utilize pelo menos
cinco classificações).
c) Qual seria a quota parte de Rosângela e
Andressa no crédito caso não houvesse
previsão expressa com relação à quota de
cada uma? Uma vez que há quotas
expressamente previstas, pode Rosângela
exigir o pagamento integral da dívida ou
deve ficar restrita à cobrança de sua
quota? Fundamente sua resposta.
d) A quem pode ser realizado o
pagamento? Fundamente sua resposta.
e) O que aconteceria com essa obrigação
se Andressa falecesse deixando dois
herdeiros? Fundamente sua resposta.

Caso Concreto 2

Júlia é credora de Juliana e Josefa, coobrigadas


solidariamente pelo pagamento da quantia de R$
100.000,00 (cem mil reais), decorrentes de um
contrato de compra e venda de um quadro
pintado por aquela artista. Responda:

a) Classifique a obrigação relativa à entrega


do quadro (utilize pelo menos cinco
classificações).
b) Qual é a quota de Juliana e Josefa com
relação à dívida? A credora só pode exigir
o pagamento das respectivas quotas?
Fundamente sua resposta.
c) O que aconteceria com essa obrigação se
Juliana ganhasse remissão de Júlia?
Fundamente sua resposta.
d) Em outra situação, o que aconteceria se
Júlia renunciasse à solidariedade em favor
de Josefa? Fundamente sua resposta.
e) O que aconteceria se Juliana tivesse
entregue o dinheiro a Josefa para que
pagasse a credora e Josefa, por puro
descuido, perdesse o dinheiro, ocasionando
mora no prazo de pagamento?
Fundamente sua resposta.

Questão Objetiva

1- (OAB MG 2001) Sobre as obrigações solidárias


é CORRETO afirmar:
a)A solidariedade pode ser presumida em se
tratando de obrigação derivada de ato
ilícito.
b)Havendo a morte de um dos devedores
solidários, cada um de seus herdeiros está
obrigado a pagar a cota que corresponder
ao seu quinhão hereditário, a menos que
seja indivisível a obrigação.
c) O conteúdo da obrigação solidária deve ser
exatamente o mesmo para todos os
devedores.
d) O pagamento feito pelo devedor a um dos
credores solidários não extingue
inteiramente a dívida, pois aqueles que
não receberam o seu crédito poderão
demandar o devedor comum para receber
a sua quota parte, segundo o princípio de
que "quem paga mal, paga duas vezes".

2- (OAB 2010.2) Com relação ao regime da


solidariedade passiva, é correto afirmar:
a) Cada herdeiro pode ser demandado pela
dívida toda do devedor solidário falecido.
b) Com a perda do objeto por culpa de um
dos devedores solidários, a solidariedade
subsiste no pagamento do equivalente,
mas pelas perdas e danos somente poderá
ser demandado o culpado.
c) Se houver atraso injustificado no
cumprimento da obrigação por culpa de
um dos devedores solidários, a
solidariedade subsiste no pagamento do
valor principal, mas pelos juros da mora
somente poderá ser demandado o culpado.
d) As exceções podem ser aproveitadas por
qualquer dos devedores solidários, ainda
que sejam pessoais apenas a um deles.
Considerações adicionais Referências Bibliográficas:
Nome do livro: Direito das Obrigações
Nome do autor: FARIAS, Cristiano Chaves de
Farias; ROSENVALD, Nelson
Editora: Lumen Juris
Ano: 2008
Edição: 3ª edição
Nome do capítulo: Modalidades de Obrigações II
– Classificação quanto aos elementos
Número de páginas do capítulo: 22
Título Transmissão das Obrigações
Número de aulas por semana 2
Número de semana de aula 8
Tema Transmissão das Obrigações
Objetivos 1. Conceituar cessão de crédito e compreender
seus reflexos jurídicos.

2. Conceituar assunção de dívida e compreender


seus reflexos jurídicos.

3. Conceituar cessão de contrato e compreender


seus reflexos jurídicos.
Estrutura de conteúdo 1. Cessão de Crédito
a. Conceito
b. Reflexos jurídicos
2. Cessão de Débito (Assunção de Dívida)
a. Conceito
b. Reflexos jurídicos
3. Cessão de Contrato
a. Conceito
b. Reflexos Jurídicos
Recursos físicos quadro e pincel; datashow.
Aplicação prática e teórica Caso Concreto 1

Na leitura da escritura pública de cessão de


créditos anexa observe os dados abaixo:

Na primeira folha, substituir as partes


ocultadas (no corpo da escritura) com a
seguinte redação:
[...] SAIBAM, quantos a presente virem que aos
vinte e dois dias do mês de junho de dois mil e
nove (22/06/2009) em Cartório, neste Distrito de
Uberaba, Comarca de Curitiba, Capital do Estado
do Paraná, perante mim, compareceram com
outorgante(s): Princesa Fiona, brasileira,
solteira, maior e capaz, princesa, portadora do
RG nº 0.002-01 e inscrita no CPF/MF nº
000.000.001-01) residente e domiciliada na Rua
do Castelo, nº 01, Far Far Way; neste ato
representada por sua bastante procuradora Fada
Madrinha, portadora do RG nº 0.003-02 e
inscrita no CPF/MF nº 000.000.002-02, advogada
(OAB-FFW 010), residente e domiciliada com
endereço profissional à Rua Encantamento, nº
01, Floresta Encantada; conforme poderes que
lhe foram conferidos através do Instrumento
Público de Procuração lavrado neste Cartório, no
livro 265P, às folhas 01 do livro nº 01, em data
de 1º./01/2007. E, de outro lado como
Outorgado Shrek do Pântano, brasileiro, solteiro,
maior e capaz, ogro, portador do RG nº 0.003-01
e inscrito no CPF/MF nº 000.000.003-03
residente e domiciliado na Rua do Pântano, n.
01, Pântano Encantado. Os presentes
reconhecidos como os próprios [...] *voltar a ler
o documento original considerando os dados aqui
constantes.

• Analise a escritura pública de cessão de


direitos e assinale com V (verdadeiro) ou
F (falso) – ao final corrija as frases
assinaladas como falsas:
( ) É cessão de crédito que tem: Princesa Fiona
como outorgante cedente (devidamente
representada); Shrek como outorgado
cessionário e o Estado do Paraná como cedido.
( ) Trata-se de negócio jurídico unilateral e
oneroso pelo qual Princesa Fiona transferiu à
Shrek os direitos sobre R$ 10.701,60 (dez mil,
setecentos e um reais e sessenta centavos) do
qual aquela era credora em decorrência da
condenação do Estado do Paraná em ação
declaratória que tramitou junto à 3ª Vara da
Fazenda Pública, Falências e Concordatas de
Curitiba-PR.
( ) Trata-se de forma de transmissão das
obrigações que exige o consentimento expresso
do Estado do Paraná.
( ) Trata-se de cessão de débito nos termos do
art. 299, CC, que obedeceu à forma prevista em
lei para a sua validade.
( ) Trata-se de cessão de crédito consensual
e pro solvendo.
( ) Pela cessão analisada o cessionário Shrek se
sub-rogou integralmente nos direitos do credor
primitivo.
( ) Princesa Fiona, no caso de insolvência do
Estado do Paraná, responderá ao cessionário
pela quantia de R$ 66.370,09 (sessenta e seis
mil, trezentos e setenta reais e nove centavos).
( ) A transmissão da obrigação em análise não
abrangeu os acessórios do crédito.
( ) A escritura de cessão de créditos em análise
é irrevogável e irretratável pela qual o
cessionário pagou o valor de R$ 10.701,60 (dez
mil, setecentos e um reais e sessenta centavos).
( ) A cessão de direitos em análise só terá
eficácia com relação ao Estado do Paraná após a
sua notificação que poderá ser judicial ou
extrajudicial.

Questão Objetiva

1- (OAB 2008.1) Acerca do direito das


obrigações, assinale a opção correta:
a) Se, em uma obrigação solidária
passiva, um dos devedores, sem a
anuência dos demais, renegociar a
dívida, assumindo a majoração dos
juros pactuados, a obrigação adicional
é devida por todos os co-obrigados em
face da aplicação da teoria da
representação, ou seja, da existência
de mandato recíproco entre os
devedores solidários.
b) A cessão de crédito afasta a
compensação, pois acarreta a
modificação subjetiva da relação
obrigacional, mediante a alteração do
credor. Assim, o devedor que,
notificado da cessão que o credor faz
dos seus direitos a terceiros, nada
opõe à cessão não pode alegar direito
à compensação.
c) A cessão de crédito consiste em
negócio jurídico por meio do qual o
credor transmite o seu crédito a um
terceiro, com modificação objetiva da
obrigação, e para cuja validade é
necessário o consentimento prévio do
devedor.
d) Nas obrigações alternativas, as
partes convencionam duas ou mais
prestações cumulativamente exigíveis,
cujo adimplemento requer o
cumprimento de apenas uma delas, ou
seja, concentra-se em uma única para
pagamento por meio de escolha, seja
do credor seja do devedor.

2- (TJMG/2003) A transmissibilidade das


obrigações pode se dar por vontade das
partes. “A cessão de crédito enfoca a
substituição, por ato entre vivos, da
figura do credor” (Silvio de Salvo
Venosa). Sobre esta cessão é incorreto
afirmar que:
a) Pode ocorrer a título oneroso ou
gratuito.
b) O crédito é transferido intacto, tal como
contraído.
c) Os créditos inalienáveis por natureza,
por força de lei ou por convenção entre o
credor e devedor não podem ser objeto
de cessão.
d) O cedente garante ao cessionário a
existência do crédito, nas cessões
onerosas.
e) O cessionário não pode tomar medidas
protetivas de seu crédito, antes de
notificar o devedor.
Considerações adicionais Referências Bibliográficas:
Nome do livro: Direito Civil Brasileiro
Nome do autor: GONÇALVES, Carlos Roberto
Editora: Saraiva
Ano: 2010
Edição: 7ª edição
Nome do capítulo: Título II – Transmissão das
Obrigações
Número de páginas do capítulo: 35
Título Adimplemento das Obrigações
Número de aulas por 2
semana
Número de semana de 9
aula
Tema Adimplemento das Obrigações
Objetivos 1. Compreender como se extinguem as obrigações.

2. Explicitar a natureza jurídica do pagamento,


conceituando seus elementos subjetivos e objetivos.

3.Compreender o pagamento pelo próprio devedor e


por terceiro, estabelecendo a distinção entre o
pagamento feito pelo terceiro com interesse jurídico
e pelo terceiro sem interesse jurídico e seus
respectivos efeitos jurídicos.

4. Apontar as formas de prova do pagamento e os


casos em que o pagamento deverá ser antecipado.

5.Estabelecer as regras para o tempo e lugar de


pagamento.
Estrutura de conteúdo 1. Pagamento – Generalidades
a. Quem deve pagar
b. A quem se deve pagar
c. Objeto do pagamento
d. Prova do pagamento
e. Pagamento feito por terceiro:
i. Inte
ressado
ii. Não
interessado
f. Lugar do pagamento
g. Tempo do pagamento
Recursos físicos quadro e pincel; datashow.
Aplicação prática e Caso Concreto 1
teórica
José, pessoa maior e capaz, decide comprar da
menor Maria (16 anos), legalmente representada por
João (seu irmão maior e capaz), o imóvel localizado
na Rua da Baixada, n. 1, Curitiba-PR. José dá o sinal
de negócio, as partes assinam a escritura pública de
compra e venda e avençam que o restante do
pagamento será parcelado em três vezes iguais de
dez mil reais, com vencimentos respectivos em 30 de
junho, 30 de julho e 30 de agosto deste ano, sendo a
cada um dos vencimentos emitido o respectivo
recibo. Analise e responda as seguintes questões:

Lembre-se: todas as proposições são independentes


e devem ser analisadas à luz do caput do problema.
Indique o artigo de lei que fundamentou as suas
respostas.

a) Identifique, com relação ao imóvel: quem


é accipiens e solvens; fonte imediata e mediata;
objeto imediato e mediato.
b) A quem José deve realizar os pagamentos para
que sejam considerados válidos? Explique sua
resposta.
c) Identifique qual é o lugar do pagamento das
prestações.
d) No dia 30 de junho José não tinha a quantia em
dinheiro combinada, mas oferece a Maria um carro
que vale R$ 35.000,00. A credora é obrigada a
aceitar? Justifique sua resposta.
e) Imagine que José não pagou a parcela do dia 30
de julho, mas ofereceu pagamento do dia 30 de
agosto do qual obteve quitação. Qual é a
consequência da quitação dada à última parcela?
Explique sua resposta.

Caso Concreto 2

Carlos deve a Leandro o equivalente a R$ 15.000,00


(quinze mil reais). Avençaram como data do
pagamento 06 de fevereiro do ano em curso. Como
Carlos estava extremamente doente, seu pai Gerson
sensibilizado com a situação de seu filho, dirige-se
ao credor na data combinada e oferece o pagamento
integral da dívida. Leandro rejeita o pagamento
alegando que Gerson não é terceiro interessado e,
por isso, não pode lhe dar a pretendida quitação.

Pergunta-se:

a. Identifique o local de pagamento. Explique


sua resposta.
b. Gerson poderia obrigar Leandro a receber o
pagamento? Explique sua resposta.
c. Em outra hipótese, supondo que Leandro
aceitou o pagamento, Gerson após a
recuperação de seu filho poderia cobrar os R$
15.000,00 pagos? Explique sua resposta.

Questão Objetiva

(TJMS 2000) Análise as assertivas abaixo.

I - O pagamento feito de boa-fé ao credor putativo é


válido, ainda provando-se depois que não era credor.
II - O pagamento que importar em transmissão da
propriedade de coisa fungível, não se poderá mais
reclamar do credor, que, de boa-fé, a recebeu, e
consumiu, salvo se o solvente não tivesse o direito
de alheá-la.
III - A entrega do título ao devedor firma a
presunção do pagamento, salvo se o credor provar,
dentro de sessenta dias, o não pagamento,
permitindo-se essa prova até mesmo quando essa
quitação se der por escritura pública.
IV - O pagamento em dinheiro, sem determinação da
espécie, far-se-á em moeda corrente no lugar do
cumprimento da obrigação, sendo lícito às partes
estipular que se efetue em certa e determinada
espécie de moeda, nacional ou estrangeira.

Assinale a alternativa correta.

a) Todas as assertivas são falsas.


b) Somente as assertivas I e IV são verdadeiras.
c) Somente as assertivas III e IV são falsas.
d) Somente a assertiva I é verdadeira.
Considerações adicionais Referências Bibliográficas:
Nome do livro: Direito Civil Brasileiro
Nome do autor: GONÇALVES, Carlos Roberto
Editora: Saraiva
Ano: 2010
Edição: 7ª edição
Nome do capítulo: Título III – Do Adimplemento e
Extinção das Obrigações
Número de páginas do capítulo: 37
Título Modalidades de Pagamento das Obrigações I
Número de aulas por semana 2
Número de semana de aula 10
Tema Modalidades de Pagamento das Obrigações I
Objetivos 1. Identificar e distinguir as diversas formas de
pagamento e extinção das obrigações.

2. Conceituar pagamento em consignação,


identificar seus pressupostos e compreender
seus efeitos jurídicos.

3. Conceituar pagamento com sub-rogação,


identificar seus pressupostos e compreender
seus efeitos jurídicos.

4. Conceituar dação em pagamento, identificar


seus pressupostos e compreender seus efeitos
jurídicos.

5. Conceituar remissão, identificar seus


pressupostos e compreender seus efeitos
jurídicos.
Estrutura de conteúdo 1. Pagamento em Consignação
a. Conceito
b. Pressupostos
c. Modalidades: depósito bancário e
depósito judicial
d. Efeitos jurídicos
2. Pagamento com Sub-Rogação
a. Conceito
b. Pressupostos
c. Modalidades: sub-rogação legal e
sub-rogação convencional
d. Efeitos jurídicos
3. Dação em Pagamento
a. Conceito
b. Pressupostos
c. Efeitos jurídicos
4. Remissão
a. Conceito
b. Pressupostos
c. Espécies
d. Efeitos jurídicos
Recursos físicos quadro e pincel; datashow.
Aplicação prática e teórica Caso Concreto 1
(OAB 2009.3) Marla, por meio de contrato
escrito, emprestou a Ana R$ 110 mil, que
deveriam ser devolvidos em 30/4/2009. Na data
do vencimento, Luiza, na condição de terceira
juridicamente interessada, procurou Marla para
efetuar o pagamento, e esta se recusou a
recebê-lo. Em razão da recusa, Luiza procurou
advogado para informar-se a respeito da medida
judicial cabível para proteger o direito de Ana,
sobretudo, em razão da mora. * Em face dessa
situação hipotética, indique a providência judicial
cabível e esclareça se Luiza possui legitimidade
para o seu ajuizamento, Indique, também, o(s)
efeito(s) jurídico(s) do pagamento caso Marla
venha a receber a quantia consignada, tudo
devidamente fundamentado.

Caso Concreto 2
João possuía seguro de vida junto à Seguradora
Vida Boa cuja apólice não indicava os
beneficiários. Após sua morte, apresentaram-se
para receber a indenização a esposa (apenas
separada de fato do marido e com quem não
tinha filhos) e a companheira do segurado,
havendo dúvida com relação a quem tem direito
a quem deve a Seguradora realizar o
pagamento? Explique sua resposta.

Questão Objetiva
(TRT 1ª. Região 2002) Dentre as proposições
abaixo, sobre o pagamento com sub-rogação,
marque a assertiva incorreta:
a) A sub-rogação transfere ao novo credor todos
os direitos, ações, privilégios e garantias do
primitivo, em relação à dívida, contra o devedor
principal, extinguindo-se a obrigação em relação
aos fiadores.
b) A sub-rogação opera-se de pleno direito, em
favor do credor que paga a dívida do devedor
comum ao credor, a quem competia direito de
preferência.
c) A sub-rogação opera-se de pleno direito, em
favor do adquirente do imóvel hipotecado que
paga ao credor hipotecário.
d) A sub-rogação opera-se, de pleno direito, em
favor do terceiro interessado que paga a dívida
pela qual era ou podia ser obrigado, no todo ou
em parte.
e) A sub-rogação convencional opera-se, em
favor do terceiro que paga, quando o credor
recebe e expressamente lhe transfere todos os
seus direitos ou quando terceira pessoa
empresta ao devedor a quantia precisa para
solver a dívida, sob condição expressa de ficar o
mutuante sub-rogado nos direitos do credor
satisfeito.

(TRT 4ª. Região – XII Concurso) Assinalar a


alternativa correta. Caio e Tício ajustaram
contrato de mútuo, no valor de R$ 100.000,00
(cem mil reais), no qual ficou consignado que
Tício deveria pagar a quantia num prazo máximo
de 60 (sessenta) dias. Ajustaram uma cláusula
penal moratória de 2% e, ainda, uma cláusula
penal compensatória correspondente a 10% do
contrato. Na data do adimplemento, Tício afirma
para Caio nada querer pagar. Um dia após, em
novo encontro, Tício oferece, para extinção total
do débito, uma quantia de R$ 70.000,00
(setenta mil reais) e mais uma máquina
fotográfica digital, no valor de R$ 10.000,00 (dez
mil reais). Considere que Caio concorde, receba
os bens e declare que Tício nada mais lhe deve.
a) A obrigação extinguiu-se pelo
pagamento direto apenas.
b) A obrigação extinguiu-se pelo
pagamento direto e pela dação em
pagamento, apenas.
c) A obrigação extinguiu-se por pagamento
direto, pela dação em pagamento e por
transação.
d) Todas as alternativas anteriores estão
incorretas.

Considerações adicionais Referências Bibliográficas:


Nome do livro: Curso de Direito Civil – v. 2
Nome do autor: NADER, Paulo
Editora: Forense
Ano: 2010
Edição: 5ª edição
Nome do capítulo: Capítulo 13 – Pagamento
em Consignação
Número de páginas do capítulo: 21
Nome do capítulo: Capítulo 14 – Pagamento
com Sub-Rogação
Número de páginas do capítulo: 21
Nome do capítulo: Capítulo 16 – Dação em
Pagamento
Número de páginas do capítulo: 13
Nome do capítulo: Capítulo 20 – Remissão
Número de páginas do capítulo: 11
Título Modalidades de Pagamento das Obrigações II
Número de aulas por 2
semana
Número de semana de 11
aula
Tema Modalidades de Pagamento das Obrigações II
Objetivos 1. Conceituar imputação do pagamento, identificar
seus pressupostos e compreender seus efeitos
jurídicos.

2. Conceituar novação, identificar seus pressupostos e


compreender seus efeitos jurídicos.

3. Conceituar compensação, identificar seus


pressupostos e compreender seus efeitos jurídicos.

4. Conceituar confusão, identificar seus pressupostos e


compreender seus efeitos jurídicos.
Estrutura de conteúdo 1. Imputação do Pagamento
a. Conceito
b. Pressupostos
c. Modalidades: pelo devedor e pelo
credor; imputação legal
d. Efeitos jurídicos
2. Novação
a. Conceito
b. Pressupostos
c. Modalidades: novação real e novação
subjetiva
d. Efeitos jurídicos
3. Compensação
a. Conceito
b. Pressupostos
c. Modalidades: voluntária; legal; judicial;
facultativa; automática; eventual
d. Efeitos jurídicos
4. Confusão
a. Conceito
b. Pressupostos
c. Efeitos jurídicos
Recursos físicos quadro e pincel; datashow.
Aplicação prática e Caso Concreto 1
teórica
João deve a Pedro o equivalente a R$ 40.000,00
(quarenta mil reais) decorrentes de contrato de mútuo
entre os dois celebrado e garantido por fiança prestada
por Maria. Pedro propõe liberar João da dívida se ele
concordar em contrair com José dívida de igual
quantia. João aceita a proposta, assumindo nova
obrigação com José por quantia equivalente. João,
então, é liberado da dívida que possuía com Pedro.
1. Que modalidade de pagamento pode ser
observada? Explique sua resposta.
2. A garantia dada por Maria se estende à nova
relação jurídica formada entre João e José?
Explique sua resposta.

Questões Objetivas

(TJMS 2001) Assinale a alternativa correta:


A, B e C devem solidariamente a D R$ 90.000,00. Este
deve a C R$ 50.000,00. Nesta hipótese, cobrado por
D, quanto ao total da dívida, A é obrigado a pagar:

a) R$ 90.000,00.
b)apenas R$ 60.000,00.
c) apenas R$ 40.000,00.
d) apenas R$ 30.000,00.

(OAB-PR 2006) - Analise as afirmativas abaixo e


assinale a alternativa CORRETA:

I - Antônio deve a Bernardo 200 mil reais por dívida


contraída em 1° março de 2005 e vencida em 1°
agosto de 2006 e mais 150 mil reais por dívida
contraída em 1° junho de 2006 e vencida em 1° de
julho de 2006, ambas comjuros de mora fixados em
0,5% ao mês. Hoje, Antônio paga a Bernardo 100 mil
reais em dinheiro, sem escolher qual débito está
sendo solvido. Essa escolha também não foi feita
pelo credor, que se limitou a firmar recibo declarando
ter recebido aquele valor. Diante dessas informações,
pode-se concluir que o pagamento em tela
deveráserá reputado como adimplemento parcial da
dívida contraída em 1° de março de 2005.

II - Antônio deve a Bernardo 200 mil reais por dívida


contraída em 1° março de 2005 e vencida em 1°
agosto de 2006 e mais 200 mil reais por dívida
contraída em 1° junho de 2006 e vencida em 1° de
julho de 2006. A dívida contraída em 1° de março é
um mútuo feneratício em que foram pactuados juros
remuneratórios de 1% ao mês ejuros moratórios de
0,5% ao mês. A dívida contraída em primeiro de
junho decorre de mútuo gratuito, para o qualforam
fixados apenas juros de mora de 0,5% ao mês. Hoje,
Antônio paga a Bernardo 100 mil reais em dinheiro,
sem escolher qual débito está sendo solvido. Essa
escolha também não foi feita pelo credor, que se
limitou a firmarrecibo declarando ter recebido aquele
valor. Diante dessas informações, pode-se concluir
que o pagamento em teladeverá será reputado como
adimplemento parcial da dívida contraída em 1° de
março de 2005.

III - Antônio deve a Bernardo 200 mil reais por dívida


contraída em 1° março de 2005 e vencida em 1°
agosto de 2006e mais 200 mil reais por dívida
contraída em 1° junho de 2006 e vencida também
em 1° de agosto de 2006, ambascom juros de mora
fixados em 0,5% ao mês. A dívida contraída em 1°
de março é um mútuo gratuito, ao passo quea dívida
contraída em 1° de junho é um mútuo feneratício,
com juros remuneratórios fixados em 1% ao mês.
Hoje,Antônio paga a Bernardo 100 mil reais em
dinheiro, sem escolher qual débito está sendo
solvido. Essa escolhatambém não foi feita pelo
credor, que se limitou a firmar recibo declarando ter
recebido aquele valor. Diante dessasinformações,
pode-se concluir que o pagamento em tela deverá
será reputado como adimplemento parcial da
dívidacontraída em 1° de junho de 2006.

a) todas as afirmativas estão corretas.


b) apenas as afirmativas II e III estão corretas.
c) apenas a afirmativa II está correta.
d) apenas a afirmativa III está correta.
Considerações Referências Bibliográficas:
adicionais Nome do livro: Curso de Direito Civil – v. 2
Nome do autor: NADER, Paulo
Editora: Forense
Ano: 2010
Edição: 5ª edição
Nome do capítulo: Capítulo 15 – Imputação do
Pagamento
Número de páginas do capítulo: 15
Nome do capítulo: Capítulo 17 – Novação
Número de páginas do capítulo: 15
Nome do capítulo: Capítulo 18 – Compensação
Número de páginas do capítulo: 21
Nome do capítulo: Capítulo 19 – Confusão
Número de páginas do capítulo: 11
Título Inadimplemento das Obrigações

Número de aulas por 2


semana

Número de semana de 12
aula

Tema Inadimplemento das Obrigações

Objetivos
1. Identificar as diversas formas de inexecução das
obrigações.

2. Distinguir o inadimplemento absoluto do relativo e


compreender seus efeitos jurídicos.

3. Conceituar e distinguir o caso fortuito da força maior


e compreender seus efeitos jurídicos.

4. Conceituar mora e compreender seus efeitos


jurídicos.

5. Compreender a violação positiva do contrato.

Estrutura de conteúdo
1. Inadimplemento

a) Inadimplemento absoluto

i. Inadimplemento Culposo

ii. Inadimplemento Fortuito

b) Inadimplemento relativo - Mora

i. Mora do devedor

ii. Mora do Credor

iii. Purgação e cessação da mora

2. Violação positiva do contrato

Recursos físicos quadro e pincel; datashow.

Aplicação prática e Caso Concreto 1


teórica
Sua Comissão de Formatura contratou buffet para a
realização do jantar de formatura. Ao chegarem ao local
da cerimônia vocês foram surpreendidos com a
informação de que a empresa contratada ainda não
chegou ao local. Imediatamente o presidente da
Comissão tenta sem sucesso contato com a empresa.
Preocupados em não deixar seus convidados com fome,
todos se reúnem e com a colaboração inclusive dos
convidados mandam vir pizzas para serem servidas. Às
duas da manhã a empresa contratada para servir o
jantar chega ao local e insiste em servi-lo, sendo
impedida pelo presidente da Comissão de Formatura que
alega que além de muitos já terem ido embora houve
descumprimento do avençado e o jantar a ser servido já
não era mais útil ao evento. Como ilustração dessa
situação assista a reportagem no site (ou em
anexo):http://www.youtube.com/watch?
v=9odhHHXKjas&feature=related

Pergunta-se:

1- Houve inadimplemento da empresa contratada?


Em caso afirmativo, que tipo de inadimplemento?
Explique sua resposta.

2- Agiu corretamente o presidente da Comissão de


Formatura ou a empresa pode alegar que foi
impedida de cumprir o contrato e exigir o
pagamento do avençado?

Caso Concreto 2

Jéssica está muito doente e, por orientação de seu


médico Paulo, submete-se a tratamento longo e
doloroso. Findo o tratamento, Jéssica é considerada
curada, mas descobre por meio de outro profissional que
havia outro tratamento para o seu problema, tão longo e
seguro quanto ao que foi submetida, mas muito menos
doloroso. Pode-se, nesta situação, identificar alguma
forma de inadimplemento da relação obrigacional
estabelecida entre Jéssica e o médico Paulo? Explique
sua resposta.

Questões Objetivas

(PGE-PR 2007) Sobre o inadimplemento das obrigações


é incorreto afirmar:

a) Na hipótese de inadimplemento absoluto,


responde o devedor por perdas e danos, mais
juros, atualização monetária e honorários
advocatícios.

b) Na hipótese de mora do devedor, perpetua-se a


obrigação, permitindo que se impute ao devedor
a responsabilidade pela impossibilidade da
prestação mesmo quando não houver sua culpa.

c) Nas obrigações decorrentes de ato ilícito


extracontratual, constitui-se o devedor em mora
independentemente de interpelação , judicial ou
extrajudicial.

d) Na hipótese de inadimplemento relativo, a parte


inocente pode opor a exceção de contrato não
cumprido.

e) Na hipótese de inadimplemento absoluto de um


contrato sinalagmático, pode-se exigir do
descumpridos a prestação do equivalente
adicionado mais perdas e danos,
independentemente do cumprimento da
correspectiva prestação devida pela parte
inocente.

(TRF 4ª. Região/ X Concurso) Relativamente à mora


debitoris, assinalar a alternativa incorreta:

a) Para que exista mora, é necessário que ocorra


retardamento culposo no cumprimento de
obrigação possível de ser realizada, por parte do
devedor.

b) A constituição em mora é essencial nas


obrigações provenientes de ato ilícito.

c) Não constitui mora, mas inadimplemento


absoluto, o fato de, por causa da mora, a
prestação se tornar inútil ao credor,
inviabilizando o cumprimento tardio da obrigação.

d) Nas obrigações de abstenção, o devedor incorre


em mora ao praticar o ato que devia abster-se,
independentemente de interpelação.

Considerações Referências Bibliográficas:


adicionais
Nome do livro: Direito Civil Brasileiro

Nome do autor: GONÇALVES, Carlos Roberto

Editora: Saraiva

Ano: 2010

Edição: 7ª.

Nome do capítulo: Título IV, Capítulo I (Disposições


Gerais) e II (Da Mora).

Número de páginas do capítulo: 25


Título Perdas e Danos e Juros
Número de aulas por semana 2
Número de semana de aula 13
Tema Perdas e Danos e Juros
Objetivos 1. Conceituar e compreender as perdas e danos.

2. Identificar os elementos das perdas e danos e


compreender seus efeitos.

3. Analisar a teoria da perda de uma chance.

4. Conceituar e compreender os juros no Direito


brasileiro.

5. Analisar o alcance dos juros no sistema civil.


Estrutura de conteúdo 1. Perdas e Danos
a. Conceito
b. Danos Emergentes
c. Lucros Cessantes
d. Efeitos
e. Dano Moral e Dano Patrimonial
2. Juros
a. Conceito
b. Juros Moratórios
c. Juros Remuneratórios
Recursos físicos quadro e pincel; datashow.
Aplicação prática e teórica Caso Concreto 1
Maria (16 anos), legalmente representada por
João seu irmão maior e capaz, resolve entregar a
José o cavalo Pé-de-Pano, da raça Brasileiro de
Hipismo, campeão da categoria mirim ou a égua
Rebecca, também da raça Brasileiro de Hipismo,
campeã de provas de adestramento, ambos
avaliados, cada um, em R$ 50.000,00 (cinqüenta
mil reais). José dá o sinal de negócio (R$
10.000,00 – dez mil reais) e fixam para Maria o
direito de escolha que deverá ser exercido no
prazo de 30 (trinta dias) contados do momento
em que Maria recebeu o sinal (30 de abril). Maria
decide, em 18 de maio que entregará o cavalo
Pé-de-Pano e imediatamente comunica José que
recebe a cientificação no dia 19 de maio. Maria
tem, então, até 1º de junho para entregar o
cavalo escolhido e caso não entregue foi prevista
uma multa de 2% ao mês até a efetiva entrega.
Quanto ao restante do valor, os contratantes
acordaram que seria realizado em 4 prestações
de quantia equivalentes e com vencimentos
respectivamente ajustados para 1º de junho, 1º
de julho, 1º de agosto e 1º de setembro, com
emissão de um recibo respectivo para cada
prestação paga e previsão de cobrança de juros
de 1% ao mês em caso de atraso nos
pagamentos. Analise e responda as questões
abaixo.
Lembre-se: todas as proposições são
independentes e devem ser analisadas à luz
do caput do problema. Quando necessário,
indique o artigo de lei que fundamentou cada
uma de suas respostas (não é necessário copiá-
los).
a) O que aconteceria se cientificada a
escolha o cavalo Pé-de-Pano moresse
fulminado por um raio?
b) José iria levar o cavalo a uma
competição, na qual era considerado
franco favorito, na qual, pela simples
participação, receberia o valor de R$
2.000,00 (dois mil reais). Pode ele
também requerer indenização (perdas e
danos) desse valor no caso de morte do
animal por culpa do devedor antes da
tradição? Explique.
c) Identifique a espécie de juros prevista
no contrato.

Caso Concreto 2
(OAB-PR 2004.2) Pedro da Silva adquiriu do
Atelier A.X. (que tem por atividade habitual a
comercialização de peças exclusivas) um vaso de
porcelana romena, confeccionado pelo falecido
artista plástico Nicolae Stefãnesco, para
presentear seu primo João Pereira, colecionador
de obras de arte, pagando pelo presente a
importância de R$ 40.000,00 (quarenta mil
reais). O Atelier A.X. comprometeu-se a entregar
o vaso pessoalmente a João Pereira na data de
seu aniversário, comemorado uma semana após
a compra. Contudo, no transporte da peça,
realizado pelo próprio Atelier A.X., o vaso sofreu
um leve arranhão devido ao manuseio negligente
da peça. A imperfeição passou despercebida pelo
aniversariante, mas foi rapidamente notada por
Pedro da Silva, em visita ao primo. Transcorridos
aproximadamente 35 (trinta e cinco) dias desde
a compra, Pedro da Silva, mesmo após diversos
contatos com o Atelier A.X., não obteve solução
para o problema. Sabendo que, por se tratar de
peça exclusiva, não existe possibilidade de
substituição do vaso e que Pedro da Silva não
pretende devolver o vaso ao Atelier, vez que o
presente já foi dado a seu primo João, pergunta-
se: pode Pedro da Silva exigir do Atelier A.X.
alguma providência visando reparar o prejuízo
decorrente do defeito do vaso, com base na
legislação em vigor? Justifique e fundamente sua
resposta.

Questão Objetiva
(TRF 4ª. Região – XII Concurso) Assinalar a
alternativa correta. Num contrato de comodato,
ficou ajustado que Caio deveria devolver o
automóvel de Tício num prazo máximo de 30
(trinta) dias. Nenhuma cláusula especial foi
ajustada pelas partes contratantes. Caio, já na
posse do bem, pensou em celebrar contrato de
seguro para a proteção do bem de Tício, sendo
certo que não o fez em virtude da seguradora lhe
ter pedido um valor muito alto a título de
prêmio. Até por isto, Caio tratou de manter o
veículo, como se seu fosse, zelando e cuidando
da conservação desse. Dias após, para azar de
Caio e sem que tivesse dado causa, foi assaltado
em uma sinaleira, ocasião em que lhe roubaram
o veículo de Tício. Como azar não vem sozinho,
em menos de 48 horas, ficou sabendo, pela
autoridade policial, que o veículo, em decorrência
de acidente de trânsito, fora totalmente
destruído. Diante do ocorrido, pode-se afirmar
que:
a) Caio nada deve para Tício.
b) Caio deve para Tício uma quantia
equivalente ao valor do veículo, apenas.
c) Caio deve para Tício uma quantia
equivalente ao valor do veículo e mais
perdas e danos.
d) Todas as alternativas anteriores estão
incorretas.
Considerações adicionais Referências Bibliográficas:
Nome do livro: Direito das Obrigações
Nome do autor: FARIAS, Cristiano Chaves de
Farias; ROSENVALD, Nelson
Editora: Lumen Juris
Ano: 2008
Edição: 3ª edição
Nome do capítulo: Do Inadimplemento das
Obrigações II – Itens 1 , 2 e 3
Número de páginas do capítulo: 25
Título Cláusula Penal e Arras
Número de aulas por semana 2
Número de semana de aula 14
Tema Cláusula Penal e Arras
Objetivos 1. Conceituar e compreender a cláusula penal.

2. Identificar as modalidades de cláusula penal e


seus efeitos.

3. Conceituar e compreender as arras.

4. Identificar as modalidades de cláusula penal e


seus efeitos.
Estrutura de conteúdo 1. Cláusula Penal
a. Conceito
b. Natureza Jurídica
c. Modalidades: compensatória e
moratória
d. Efeitos
2. Arras
a. Conceito
b. Modalidades: confirmatórias e
penitenciais
c. Efeitos
Recursos físicos quadro e pincel; datashow.
Aplicação prática e teórica Caso Concreto 1

(OAB 2010.2) Marlon, famoso jogador de futebol,


é contratado para ser o garoto propaganda da
Guaraluz, fabricante de guaraná natural. O
contrato de prestação de serviços tem prazo de
três anos, fixando-se uma remuneração anual de
R$ 50.000,00. Contém, além disso, cláusula de
exclusividade, que impede Marlon de atuar como
garoto-propaganda de qualquer concorrente da
Guaraluz, e cláusula que estipula o valor de R$
10.000,00 para o descumprimento contratual,
não prevendo direito a indenização suplementar.
Durante o primeiro ano de vigência do contrato,
Marlon recebe proposta para se tornar garoto
propaganda da Guaratudo, sociedade do mesmo
ramo da Guaraluz, que oferece expressamente o
“dobro do valor anual pago pela ‘concorrente’.
Marlon aceita a proposta da Guaratudo,
descumprindo a cláusula de exclusividade
contida no seu contrato anterior. Pelo
descumprimento, Marlon paga à Guaraluz o
montante de R$ 10.000,00, estipulado. Como
advogado consultado pela Guaraluz, responda:
I. Se o prejuízo da Guaraluz for superior a R$
10.000,00, será possível obter, de Marlon,
judicialmente, a reparação integral do dano
sofrido?

II. Além do valor pago por Marlon, a Guaraluz


tem direito a receber alguma indenização por
parte da Guaratudo?

Questões Objetivas

(TJSC 2008) Observadas as proposições abaixo,


assinale a alternativa correta:

I. Inadimplida a obrigação, responde


o devedor por perdas e danos, juros,
atualização monetária e honorários de
advogado.
II. A mora sempre independe de
interpelação, notificação ou protesto.
III. A cláusula penal compensatória
não dispensa o credor de demonstrar
as perdas e danos que sofreu com o
inadimplemento contratual.
IV. As arras penitenciais equivalem à
cláusula penal na hipótese de
inadimplemento culposo, perdendo-as,
se culpado quem as deu, ou devendo
restituí-las em dobro, se culpado
quem as recebeu.

a) Somente a proposição I está correta.


b) Somente as proposições I e IV estão
corretas.
c) Somente as proposições I, III e IV
estão corretas.
d) Somente a proposição III está correta.
e) Somente as proposições II e IV estão
corretas.

(TJMT 2004) No que se refere a obrigações,


assinale a opção correta:

a) Na assunção de dívida, ocorre a


substituição do sujeito passivo da relação
de crédito, extinguindo-se o vínculo
obrigacional, os acessórios e as garantias,
exceto as garantias de crédito prestadas
por terceiro.
b) Pode o juiz reduzir o valor da cláusula
penal na hipótese de cumprimento parcial
da obrigação pactuada ou quando verifica
que o montante da penalidade, apesar de
não ultrapassar o valor da obrigação
principal, mostra-se manifestamente
excessivo em comparação com a natureza
e a finalidade do negócio.
c) O pagamento de uma obrigação por um
terceiro que não tenha interesse na
relação original entre credor e devedor,
sem o consentimento do devedor ou com
a sua oposição, não obriga este a
ressarcir o terceiro que voluntariamente
quitou o seu débito.
d) A cláusula de arrependimento presume
acordo final das partes e assegurará o
adimplemento da obrigação, impondo
multa penitencial pelo não-cumprimento
da obrigação assumida.
Considerações adicionais Referências Bibliográficas:
Nome do livro: Direito das Obrigações
Nome do autor: FARIAS, Cristiano Chaves de
Farias; ROSENVALD, Nelson
Editora: Lumen Juris
Ano: 2008
Edição: 3ª edição
Nome do capítulo: Do Inadimplemento das
Obrigações II – Itens 4 e 5
Número de páginas do capítulo: 31
Título Atos Unilaterais

Número de aulas por semana 2

Número de semana de aula 15

Tema Atos Unilaterais

Objetivos 1. Compreender os atos unilaterais como fonte


das obrigações.

2. Conceituar promessa de recompensa e


compreender seus efeitos.

3. Conceituar gestão de negócios e compreender


seus efeitos.

4. Conceituar pagamento indevido e


compreender seus efeitos.

5. Conceituar enriquecimento sem causa e


compreender seus efeitos.

Estrutura de conteúdo
1. Atos Unilaterais

2. Promessa de Recompensa

a. Conceito

b. Natureza Jurídica

c. Requisitos

d. Efeitos

3. Gestão de Negócios

a. Conceito

b. Obrigações do gestor e do dono do negócio

c. Efeitos
4. Pagamento Indevido

a. Conceito

b. Espécies: indébito objetivo e indébito


subjetivo

c. Efeitos

5. Enriquecimento sem causa

a. Conceito

b. Efeitos

Recursos físicos quadro e pincel; datashow.

Aplicação prática e teórica Caso Concreto 1

João, separado judicialmente de Josefa, é


obrigado a pagar alimentos à filha comum Júlia.
Ocorre que João resolve tentar a vida em outro
país e, confiante de que não poderá ser preso
por não pagar a pensão avençada, deixa de
cumprir sua obrigação legal. Os pais de João,
preocupados com a situação da neta, mesmo
sem haver decisão judicial determinando que o
fizessem, passam a pagar os alimentos devidos.
Responda:

a) Que ato jurídico pode ser identificado no


pagamento realizado pelos avós? Após
identificá-lo, indique seus pressupostos.

b) Para que os pais de João tenham direito


de cobrar-lhe o que estão pagando a
título de alimentos é necessário que João
ratifique os atos por eles praticados?
Justifique sua resposta.

Caso Concreto 2

Todo ano, a OAB-PR, por meio da Escola


Superior de Advocacia, publica editais abrindo
inscrição para diferentes prêmios. O Edital
abaixo, refere-se ao Prêmio Adv. José Lamartine
Corrêa de Oliveira Lyra, concurso realizado em
2005. Observe algumas condições e requisitos do
edital abaixo e responda:

ESCOLA SUPERIOR DE ADVOCACIA

COORDENAÇÃO DE PRODUÇÃO TÉCNICO


CIENTÍFICA
PRÊMIO - ADV. JOSÉ LAMARTINE CORRÊA DE
OLIVEIRA [1] Regulamento do Concurso

Art. 1º - Fica instituído na Ordem dos Advogados


do Brasil – Seção Paraná, o Prêmio Advogado
José Lamartine Corrêa de Oliveira, destinado a
desenvolver os estudos de Direito Civil, a ser
outorgado em concurso de seleção intelectual e
conforme este Regulamento, sendo escolhido e
definido como tema “PESSOA JURÍDICA”.

Art. 2º - Os prêmios serão concedidos aos


primeiros três estudos, que demonstrarem por
meio de trabalhos especializados sobre o tema
“PESSOA JURÍDICA”, dedicação à pesquisa,
interesse pela problemática do trabalho científico
e adequados conhecimentos doutrinários
específicos das obras do Advogado José
Lamartine Corrêa de Oliveira.

Art. 3º - Poderão concorrer, exclusivamente os


advogados e estagiários regularmente inscritos
na Ordem dos Advogados do Brasil – Seção
Paraná, que estiverem em dia com as suas
obrigações junto a Instituição e os trabalhos
deverão conter, obrigatoriamente, referências
bibliográficas da lavra do homenageado.

Art. 4º - Os trabalhos deverão ser entregues até


o dia 27 de maio de 2005, diretamente na sede
da Escola Superior de Advocacia da OAB/PR, ou
através de remessa postal, com aviso de
recebimento, para o mesmo endereço, cujo
recebimento (protocolizado) não poderá ser
posterior ao dia 27 de maio de 2005, nos
seguintes termos:
§ 1º - [...]
§ 2º - [...]
§ 3º - [...]

Art 5º - Compete ao Presidente da Ordem dos


Advogados do Brasil – Seção Paraná, sancionar o
resultado do concurso e fazer a entrega dos
respectivos prêmios, em data e lugar
previamente divulgados.
Parágrafo Único - Compete ao Presidente da
Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Paraná,
designar a respectiva Comissão Julgadora,
integrada por professores ou advogados
especialistas, bem como designar Secretário
responsável para a organização e orientação dos
trabalhos.

Art 7º - Aos vencedores será outorgado um


diploma alusivo ao fato e como prêmio a
importância simbólica de R$ 3.000,00 (três mil
reais) ao primeiro colocado, R$ 2.000,00 (dois
mil reais) ao segundo e R$ 1.000,00 (hum mil
reais) ao terceiro colocado, bem como, serão
publicados os trabalhos vencedores, juntamente
com outras dez monografias classificadas pela
comissão para integrar um compêndio em
homenagem à José Lamartine Corrêa de Oliveira.
§ 1º - Considerada a importância prática ou
doutrinária dos trabalhos premiados, ficará a
Ordem dos Advogados do Brasil – Seção Paraná
autorizada a publicar qualquer um dos trabalhos
apresentados, passando a ter o direito exclusivo
de divulgação e promoção de todos os trabalhos,
cujos direitos autorais são com a inscrição de
cada candidato e respectiva apresentação dos
trabalhos, cedidos para a OAB/PR,
independentemente da necessidade de qualquer
outra autorização ou pagamento.
§ 2º - [...]
§ 3º - Os trabalhos encaminhados deverão
apresentar condições mínimas de cotejo, sendo
facultada à Comissão Julgadora premiar número
inferior aos três primeiros lugares, bem como,
assim classificá-los.

Art. 8º - [...]
§ 1º - [...]
§ 2º - [...]
Art. 9° - O presente regulamento entra em vigor
na data de sua publicação.

Curitiba, 11 de janeiro de 2005.

Manoel Antonio de Oliveira Franco

Presidente da OAB/PR

• Responda:

a) O edital refere-se a que tipo de ato


jurídico? Após identificado o instituto,
classifique-o, enumerando quais as
correntes que definem sua natureza
jurídica e qual a corrente adotada pelo
CC/02.

b) O edital preenche os requisitos legais de


validade? Fundamente sua resposta
indicando cada um dos elementos
básicos.

c) O edital pode ser revogado?


d) O julgamento final pode concluir pelo
não preenchimento das condições
mínimas e declarar não haver vencedor?
A decisão dos julgadores pode ser
judicialmente revista? Fundamente sua
resposta.

e) A quem pertencem os direitos autorais


dos trabalhos vencedores?

Questões Objetivas

(MP-PE – Promotor de Justiça – 2002) Minha


cachorrinha Cindy fugiu e publiquei anúncio
dizendo que daria quinhentos reais para quem a
encontrasse e me devolvesse. Osvaldo, pessoa
muito rica, encontrou-a e devolveu-me. Nesse
caso,

a) Não se configura a obrigação


unilateral, porque esta implica
promessa solene e formal.

b) Posso recompensar Osvaldo com


o valor que quiser, porque a
promessa não gera obrigação.

c) Não estou obrigado ao


pagamento, porque Osvaldo é
pessoa rica e não agiu movido pela
recompensa.

d) Tenho a obrigação de pagar o


valor prometido, porque me
comprometi àquele pagamento.

e) Não se trata de obrigação


unilateral, porque está ausente o
requisito da aceitação expressa.

(TJMS 2001) Sobre o pagamento indevido.

I - Fica isento de restituir o pagamento indevido


aquele que, recebendo-o por conta de dívida
verdadeira, inutilizou o título, deixou prescrever
a ação ou abriu mão das garantias que
asseguravam seu direito.

II - Aquele que pagou dívida prescrita, por erro,


ao julgá-la ainda exigível, tem direito à
repetição.

III - Aquele que recebeu indevidamente a coisa,


mesmo estando de má fé, deve ser indenizado
pelas benfeitorias necessárias, assistindo-lhe o
direito de retenção pela importância destas.

Assinale a alternativa correta.

a) Somente a proposição II é verdadeira.

b) As proposições I e II são verdadeiras.

c) Somente a proposição I é verdadeira.

d) As proposições I e III são verdadeiras.

NOTAS

[1] O resultado deste concurso foi divulgado


durante a III Conferência Estadual dos
Advogados, realizada em Curitiba-PR, de 14 a 16
de agosto de 2005, e teve por vencedor o
advogado Rodrigo Xavier Leonardo com a
monografia: Por que reler a obra de J.Lamartine
Corrêa de Oliveira Lyra hoje?

Considerações adicionais Referências Bibliográficas:

Nome do livro: Direito Civil Brasileiro

Nome do autor: GONÇALVES, Carlos Roberto

Editora: Saraiva

Ano: 2008

Edição: 5ª edição

Nome do capítulo: Dos Atos Unilaterais-


Capítulos I a IV

Número de páginas do capítulo: 28