Você está na página 1de 7

ESCOLA SECUNDÁRIA DO CASTÊLO DA MAIA

R E G U L A M EN T O D E
F U N C IO N AME N T O E
AVA L I A Ç ÃO
ÁREA DE PROJECTO 12º ANO

COORDENAÇÃO DE AP12
SETEMBRO DE 2010
PR E Â MBU L O

O presente regulamento de funcionamento surge da necessidade de formalizar uma prática já


enraizada na cultura da Escola, no que respeita a organização desta área curricular não disciplinar. Tal
prática, marca caracterizadora da nossa especificidade, decorre de uma concepção de AP12 a qual
vem ao encontro de uma decisão havida há quatro anos pelo então Conselho Executivo, chancelada
pelo Conselho Pedagógico, de colocar em funcionamento todas as turmas de 12º Ano, dois blocos à
mesma hora, no mesmo dia (que tem vindo a ser a sexta-feira), permitindo aos alunos que escolham a
área que melhor se enquadra no que projectam ser o seu percurso formativo e/ou profissional
futuros. Assim sendo, os alunos percebem que, ao inscreverem-se em Área de Projecto, não vão
frequentar a área curricular no seio da sua turma de referência, antes a frequentarão de acordo com a
seriação de um dos temas de projecto para o qual manifestem claramente a sua vontade,
submetendo-se a critérios de ordenação próprios e que, a seguir, se descrevem. Poderá ocorrer, por
vezes, que fruto dessa seriação o aluno fique sob a orientação de um docente que não seja de uma
área disciplinar afim, pelo que se terá em atenção a validade da proposta de trabalho-projecto a
desenvolver pelo aluno, devendo ser cooptados outros docentes ou especialistas que a validem ou
que acompanhem o seu desenvolvimento, sempre que necessário.

Em suma, a maior vantagem da forma como AP12 está organizada na nossa Escola decorre do
facto de que é permitido ao aluno experienciar vivências formativas concretas e diversas, a partir do
desenvolvimento de um trabalho-projecto cujo enfoque é feito numa perspectiva projectiva para o
prosseguimento de estudos e/ou para a integração na vida activa, não fechando, ainda, a
possibilidade a que se experimentem outras áreas distintas desse percurso formativo, mas que o aluno
considere como uma mais-valia para si.

C O M O SE PROC ED E À I N SCR IÇ Ã O E SER I A ÇÃ O D E A L UN O S EM A P12

A “primeira aula” de AP12 corresponde a uma sessão de trabalho colectiva, onde a totalidade
dos alunos inscritos e dos docentes orientadores de projecto têm um primeiro momento de encontro
cujo principal objectivo é apresentar o modo de funcionamento da disciplina e cada um dos temas
orientados pelo grupo de docentes. Preferencialmente, esta sessão está a cargo do docente que tem a
função de coordenar a equipa de docentes da disciplina.

Seguidamente, após um breve período de reflexão ou esclarecimento de dúvidas, cada aluno


desloca-se à sala onde funcionará o tema que é alvo da sua principal preferência, sendo,
normalmente, necessário proceder a seriação de alunos de modo a garantir o primeiro critério de
elaboração destas turmas: a equidade do número de alunos. Assim, o docente orientador, na sua sala,
fará passar uma folha de registo de presenças contendo várias colunas de preenchimento obrigatório,
entre as quais constam a 2ª e 3ª opções de tema a frequentar. Depois da entrada em sala de aula e do
registo na respectiva folha, caso se verifique que estão interessados mais de 20 alunos em cada tema
de AP12, aplicar-se-ão os critérios de seriação abaixo enunciados:

• Equidade do número de alunos por AP;


• Média global de 10º/11º ano com a totalidade das disciplinas;
• Média com indicação de número de disciplinas em atraso;
• Em caso de empate, far-se-á entrevista a cada um dos interessados;
• Em situação não prevista, solicitar-se-á a intervenção da Directora.

2
As turmas constituídas em AP12 são afixadas com a antecedência necessária à realização da
segunda “aula”, sendo que, em caso de reclamação, compete à Directora a decisão final, ouvido o
docente que coordenar a disciplina e o docente orientador de projecto, se implicado.

O Q U E É A D I SC I PL I NA D E Á RE A D E PRO JEC TO D E 1 2 º A NO

DEFINIÇÃO

Área de Projecto é uma “área curricular não disciplinar, inscrita no currículo do ensino
secundário, com uma natureza inter e transdisciplinar, visando a realização de projectos concretos
por parte dos alunos, com o fim de desenvolver nestes uma visão integradora do saber, promovendo
a sua orientação escolar e profissional e facilitando a sua aproximação ao mundo do trabalho. ” (in
Orientações de AP 12º Ano, DGIDC/DSEE-DES, 2006).

CARACTERÍSTICAS

De uma forma muito breve, pode dizer-se que a Área de Projecto, enquanto área curricular não
disciplinar, visa a mobilização e a integração de competências adquiridas nas diferentes disciplinas ao
longo do percurso do ensino secundário; que se orienta para o desenvolvimento e aprofundamento
de competências de trabalho autónomo e em equipa no âmbito da elaboração de trabalhos de
iniciação à investigação; que recorre à aplicação de conhecimentos adquiridos nas disciplinas do
currículo; que privilegia a utilização de ferramentas simples de tratamento de dados, assim como a
análise e interpretação qualitativa e quantitativa da informação e a monitorização de fenómenos
físicos e/ou humanos. Em suma, esta área constitui-se como um espaço de confluência de
competências de saberes e de aprofundamento de conhecimentos ou de aquisição de competências
contextualizadas em trabalho concreto.

Pretende-se, assim, que esta área curricular seja um espaço e um tempo em que o aluno/equipa
de alunos, sob a supervisão e acompanhamento contínuo e sistemático do docente orientador, possa
consolidar ou realizar aprendizagens, recorrendo à metodologia de trabalho de projecto, através da
articulação de saberes de diversas áreas curriculares, em torno de problemas ou temas de pesquisa ou
de intervenção, de acordo com as suas necessidades e os seus interesses, de forma responsavelmente
autónoma.

OBJECTIVOS

Ser a experiência de uma vida de aprendizagens que culminará na obtenção de um diploma


de Secundário ou na possibilidade de prosseguimento de estudos ou, ainda, numa entrada no mundo
do trabalho, assim se poderá definir o objectivo fulcral de AP12. O modo como aquele se
operacionaliza decorre da assunção dos seguintes objectivos:

• Aproximar a escola da comunidade e da sociedade;


• Permitir aos jovens conhecerem e reflectirem sobre problemas actuais (sociais, culturais,
ambientais, etc.), numa perspectiva humanista;
• Promover a orientação escolar e profissional dos alunos;
• Facilitar a aproximação ao mundo de trabalho;
• Promover o gosto pela investigação e pela descoberta, pela superação das dificuldades na
procura do mérito e da excelência;
• Promover o trabalho colaborativo entre os membros do grupo e entre os grupos;
• Desenvolver projectos concretos, previamente aprovados (Anteprojecto) pela equipa de
docentes e, se necessário, pela Directora, no total respeito pelas normas definidas;

3
• Recorrer a metodologia de trabalho-projecto, pautada por critérios de qualidade e rigor na
selecção da informação e de boas práticas no uso das novas tecnologias de informação,
planeando previamente todo o trabalho no seio do grupo, no total respeito pelas orientações
do docente responsável.

DINÂMICA DE AULA E RELAÇÃO PEDAGÓGICA

Para que todos os grupos possam construir um caminho seguro no decurso da sua participação
nesta área, concebeu-se um conjunto de esquemas que permitem elucidar da dinâmica que implica o
trabalho de projecto e o tipo de relação pedagógica a desenvolver no seu âmbito, não deixando
qualquer margem para dúvidas de que, dentro da sala de aula e no decurso de qualquer actividade
que, fora dela, o aluno/grupo de alunos esteja a desenvolver para o trabalho-projecto, há uma relação
hierárquica de responsabilidade e autoridade a qual se enfoca no docente orientador de projecto e
respeita todo o enquadramento legal e regulamentar dos diplomas em vigor, os quais figuram no
Regulamento Interno.

Assim, centrando-nos na relação professor-aluno, temos:

Considerando a relação intra-grupo, temos:

4
Considerando a relação inter-grupos, temos:

Nota final: As relações a estabelecer entre os grupos/alunos e entidades externas à escola (seja
enquanto parcerias ou no âmbito de protocolos, ou de outro tipo institucional) carecem sempre de
autorização expressa da Directora.

AVA L I A Ç Ã O

A área curricular de AP12 tem uma avaliação eminentemente de carácter formativo


que assenta no acompanhamento sistemático e contínuo do planeamento, da elaboração,
da execução e finalização dos projectos, em tempo útil, e uma avaliação sumativa que
permite formalizar, numa escala de 0 (zero) a 20 (vinte) valores, a aferição do mérito do
trabalho individual e grupal, a partir da aplicação de diversos instrumentos de avaliação
com os quais se procura obter uma maior justiça e equidade nessa mesma aferição.

Sendo assim, os critérios de avaliação de AP12 têm em conta:

1. As fases da metodologia de trabalho de projecto

1º Período – enfoque no Planeamento;


2º Período – enfoque no Desenvolvimento;
3º Período – enfoque na Finalização.

2. Os itens e instrumentos em avaliação, de acordo com o enfoque assinalado


nas fases enunciadas, considerados para 100%, traduzíveis na escala de 0-20
valores:
a. 1º, 2º e 3º Períodos – Perfil competencial1 do aluno (5 níveis de
desempenho: Excelente; Muito Bom; Bom; Suficiente;
Insuficiente), avaliado ao longo do ano tendo em conta o princípio
da progressividade (20%);

1 Em fase de elaboração, estando prevista a sua conclusão a tempo de ser divulgado aquando das reuniões
intercalares de 1º Período.

5
b. 1º Período – Anteprojecto2 (50%), apresentação/defesa oral de
trabalho (15%), «webfolio» alojado na plataforma «Moodle» da
Escola (15%);

c. 2º Período – Relatório de desenvolvimento (40%),


apresentação/defesa oral de trabalho (25%), «webfolio» alojado na
plataforma «Moodle» da Escola (15%);

d. 3º Período – Produto final (25%) Relatório de finalização (20%),


apresentação/defesa oral de trabalho (20%), «webfolio» alojado na
plataforma «Moodle» da Escola (15%).

No final de cada fase do trabalho de projecto, cada grupo produzirá um dossier que
ficará em arquivo na Escola, do qual constarão todos os elementos significativos da sua
consecução.

De modo a garantir o carácter sistemático e contínuo da avaliação formativa e


sumativa desta área curricular não disciplinar, considera-se, ainda, o seguinte na
atribuição da classificação final de ano (CF):

CF = 0,25*Class 1º Período + 0,25*Class 2º Período + 0,50*Class 3º Período

Tendo em conta o acima enunciado, e atendendo ao perfil de excelência de


desempenho dos alunos que se pretende desenvolver no quadro desta área curricular, a
classificação de um aluno, no final do seu percurso em Área de Projecto de 12º ano, será
sempre o reflexo da totalidade das partes que compõem esse mesmo percurso,
envolvendo-se neste processo avaliativo todos os elementos que nele participam ao nível
do Conselho de Turma e da Equipa de Docentes de AP12.

C O N SI D ER AÇ Õ E S FI NA I S

Em tudo o que expressamente não estiver considerado neste Regulamento, dever-


se-á ter em conta o regulamentado nos diplomas legais em vigor no que respeita os
Cursos Científico-Humanísticos, assim como as Orientações para Área de Projecto
dos Cursos Científico-Humanísticos homologadas a 9 de Agosto de 2006
(disponíveis em http://sitio.dgidc.min-edu.pt/secundario/) e a Lei, em geral.

2 De modo a garantir a equidade de tratamento dos anteprojectos concebidos, caberá à equipa de docentes
apreciá-los prévia e conjuntamente, ponderando da sua validação ou não, apresentando as razões que o
fundamentem. Seguidamente, deverá a Coordenadora fazê-los submeter à autorização da Directora da Escola,
de modo a que esta dê o seu parecer final.

6
Este Regulamento foi aprovado em Conselho Pedagógico de 28 de Setembro de 2010.