Você está na página 1de 38

Guia Mangá

fíica
Mecânica Clásica

Hide Nita
Keia Takau
TREND-PRO C., Ld.

novatec
Original Japanese-language edition Manga de Wakaru Butsuri  ISBN 4-274-06665-7 © 2006 by Hideo Nitta and
TREND-PRO Co., Ltd., published by Ohmsha, Ltd.
English-language edition The Manga Guide to Physics ISBN 978-1-59327-196-1 © 2009 by Hideo Nitta and TREND-
PRO Co., Ltd., co-published by No Starch Press, Inc. and Ohmsha, Ltd.
Portuguese-language rights arranged with Ohmsha, Ltd. and No Starch Press, Inc. for Guia Mangá Física Mecânica
Clássica ISBN 978-85-7522-196-9 © 2010 by Hideo Nitta and TREND-PRO Co., Ltd., published by Novatec Editora
Editora Ltda.

Edição original em japonês Manga de Wakaru Butsuri  ISBN 4-274-06665-7 © 2006 por Hideo Nitta e TREND-PRO
Co., Ltd., publicado pela Ohmsha, Ltd.
Edição em inglês The Manga Guide to Physics ISBN 978-1-59327-196-1 © 2009 por Hideo Nitta e TREND-PRO Co.,
Ltd., co-publicação da No Starch Press, Inc. e Ohmsha, Ltd.
Direitos para a edição em português acordados com a Ohmsha, Ltd. e No Starch Press, Inc. para Guia Mangá Física
Mecânica Clássica ISBN 978-85-7522-196-9 © 2010 por Hideo Nitta e TREND-PRO Co., Ltd., publicado pela Novatec
Editora Ltda.

Copyright © 2010 da Novatec Editora Ltda.


Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998.
É proibida a reprodução
reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer processo, sem prévia autorização, por escrito, do a utor
e da Editora.
Editora.
Editor: Rubens Prates
Ilustração: Keita Takatsu
Tradução: Silvio Antunha
Revisão técnica: Peter Jandl Jr.
Editoração eletrônica: Camila Kuwabata e Carolina Kuwabata
ISBN: 978-85-7522-196-9
978-85-7522-196-9
Histórico de impressões:
Janeiro/2013
Janeiro/2 013 Terceira reimpressão
Março/2012 Segunda reimpressão
reimpressão Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)
Março/2011 Primeira reimpressão
reimpressão (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil)
Fevereiro/2010 Primeira edição
Nitta, Hideo
Guia mangá física / Hideo Nitta, Keita
Takatsu, Trend-pro Co ; [ilutrações] Keita
NOVATEC EDITORA LTDA. Takatsu ; [tradução Silvio Antunha]. --
São Paulo : Novatec Editora ; Tokyo : Ohmsha,
Rua Luís Antônio dos Santos 110 2010. -- (The manga guide)
02460-000 – São Paulo, SP – Brasil
Tel.: +55 11 2959-6529 Título original: The mangá guide to physics
Fax: +55 11 2950-8869 ISBN 978-85-7522-196-9

E-mail: novatec@novatec.c
novatec@novatec.com.br
om.br 1. Física - História em quadrinhos 2. Física -
Site: www.novatec.com.br Obras de divulgação I. Takatsu, Keita.
Twitter: twitter.com/novateceditora II. Trend-pro Co. III. Título. IV Série.

Facebook: facebook.com/novatec
LinkedIn: linkedin.com/in/novatec

10-00148 CDD-530

Índices para catálogo sistemático:


1. Física : História em quadrinhos 530
2. Física : Mangá 530
OG20121103
Sumái 
Pefáci  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . xi

Pólg 
A Fíica ia vcê d éi? . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .1
.1
1
Lei da Açã e Reaçã  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13

Lei da ação e reação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14


Como funciona a Lei da ação e reação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Equilíbrio . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Equilíbrio x Lei da ação e reação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Força gravitacional e da Lei da ação e reação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30
As três leis do movimento de Newton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33
Quantidades escalares x quantidades vetoriais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Fundamentos dos vetores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Vetores negativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Diferença entre dois vetores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Multiplicação de vetoriais por escalares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Equilíbrio e forças vetoriais. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
As três leis do movimento de Newton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Como desenhar um diagrama de corpo livre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Como expressar terceira lei de Newton com uma equação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Gravidade e gravitação universal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43

2
Fça e Mvimen . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45

Velocidade e aceleração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
Movimento simples . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
Aceleração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Laboratório: como descobrir a distância percorrida quando a velocidade varia . . . . . . . 53
Leis de Newton: primeira e segunda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
Lei da inércia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
Lei da aceleração . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 66
Laboratório: como descobrir o valor exato de uma força . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73
Movimento de uma bola arremessada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 75
As três regras do movimento acelerado uniforme . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 85
Adição de vetores: o método ponta-para-início . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 86
A composição e decomposição de forças . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 87
A primeira lei do movimento
movimento de Newton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
A segunda lei do movimento de Newton . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
A orientação de velocidade, aceleração, e força . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 90
O objeto não tem força própria . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
A unidade de força . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92
Medindo massa e força . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93
Determinando o peso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 94
Entendendo o movimento parabólico. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96
Uso do cálculo para descobrir aceleração e velocidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 99
Uso da área de um gráfico V-T para descobrir a distância percorrida por um objeto . . . . . . . . 100

3
Mmen Linea . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 103

Momento linear e impulso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104


O momento linear. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 106
Laboratório: variação no momento linear devido a diferença na massa . . . . . . . . . . . . . 109
Variação do momento linear e impulso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 111
Laboratório: como encontrar o momento linear de um saque . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 117
A conservação do momento linear. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
A terceira lei de Newton e a conservação do momento linear . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120
Laboratório: o espaço sideral e a conservação do momento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 126
Exploração do impulso no mundo real. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
Redução de impacto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129
O avanço do saque de Megumi. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 133
Momento linear e impulso . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 139
Impulso e momento em nossas vidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 140
Como obter a lei da conservação do momento . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 141
Colisão elástica e inelástica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 143
Unidades para momento linear . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
Lei da conservação do momento para vetores . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 144
Lei da ação e reação x Lei de conservação do momento. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 146
A propulsão de um foguete . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 147

 4 
Enegia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 151

Trabalho e energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 152


O que é energia?. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 153
Laboratório: qual a diferença entre momento e energia cinética? . . . . . . . . . . . . . . . . . . 162
Energia potencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 164
Trabalho e energia potencial. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 169
Laboratório: o trabalho e a conservação da energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 172
Trabalho e energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 175
Laboratório: a relação entre trabalho e energia cinética. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 178
Distância de frenagem e velocidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 180
A conservação da energia mecânica. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
A transformação da energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 184
Conservação da energia mecânica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 187

viii umái 
Laboratório: a lei da conservação da energia mecânica em ação. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 191
Como descobrir a velocidade e a altura de uma bola arremessada. . . . . . . . . . . . . . . . . . 194
Laboratório: a conservação da energia mecânica em um ladeira. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 195
Unidades de medição de energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 200
Energia potencial . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 201
As molas e a conservação da energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 202
Velocidade para arremessar para cima e altura atingida. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 203
A orientação da força e do trabalho . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 204
Como descobrir uma quantidade de trabalho com força não uniforme (unidimensional). . . . . 205
A força não conservativa e a lei da conservação da energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
Atrito: uma força não conservativa. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 207
O atrito em uma ladeira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 208
A colisão de moedas e a conservação da energia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 210

Epílg . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 215

Apêndice
Cm Enende a Unidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 225

Índice . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 229

umái ix
P R Ó L O G O

A Fíica ia vcê d éi? 


c     
 h      
c      u      
 h        i     
 i     
u        i     
 i       -    
 i       t     
 i        a     
-    
t       c     
 a       !      
c     
 !      

 e ! 
 S a q u
Meu
Deu!

 Z   
 U   
 M   !   

 P o u ! 

Shazam! 

Aençã 
n jg,
Megumi!

PRECISO me
cncena...
Bem,
Cm  enã,
Ha ane... fam na
pva de qual fi a ua
Fíica?  epa paa
a Queã 9? 

Eam
cmpaand 
a epa.

9) Suponha que você esteja rebatendo uma bola com uma raquete de tênis.
O que é maior: a força da bola empurrando a raquete ou a força da raquete
empurrando a bola? Selecione a resposta correta.
A . A força da raquete empurrando a bola é maior que a força da bola
empurrando a raquete.
B . A força da bola empurrando a raquete é maior que a força da
raquete empurrando a bola.
C . A força da bola empurrando a raquete é a mesma que a força da
Eu eclhi raquete empurrando a bola.
a C. D. A relação entre a força da bola empurrando a raquete e a força da
raquete empurrando a bola depende do peso da raquete e da velo-
cidade da bola.
Esa nã...
Eu MARQUEI A.
P quê? 
Sentindo-se um gênio  

 R E
 R E R E

O que
que dize,
Sayaka? 

R E R E 
R E 

Oh, queida
Megumi.
Equeceu da
Teceia Lei
de Newn? 

 s o b r e
Nã lemba?!  a b  o l a e
É a Lei da Açã   o  ç a d r a q u e t
 r
 F  a
e Reaçã.

 q  e t e
 u
 a d a r a  o l a
 ç  b
 F o r  b r e a
 s o

A fça da
aquee be
a bla e a
fça da bla
be a aquee
ã empe
equivalene.

Pan,
a epa
cea é C!
PUXA!

 4 Pólg 
A ppói,   E
  R
  E
vcê   R
  E
ambém nã    R
equeceu
...nã e da mal
d ns  n jg ambém!
jg depi
da aula? 

 calma

Cla... Cla...
Cla que
É, nã!
bem...

Bem...

Tme
 C l i c cuidad  Grr...
paa...

Nã ps 
cm ela!

O que fi
C     
 l      is? 
 a     
n     
g     
 !      

 C E !
 A
P  
 a n  
c  
A fça
Esa nã. be a bla
Nã cnig me  precisa e
cncena. mai!

Eu...
Eu
implemene
nã cnig 
paa de
pena...

R e d 
e !  
Opa!

Se a fça
be a aquee
e a bla fem
equivalene...

6 Pólg 
UFA!
Se ela fem
equivalene...
A r  
e  !  

Seá que ela


nã e anulam
muuamene? 

Ma enã 
a bla nã 
e mveia? 
Is nã faz
enid!

fiu
fim de fiu
jg!

Sayaka Tud bem.


R E R E 
R E 

venceu! Quem pede faz


a limpeza.

puxa.
N final da
ade...
Supi.

Pedi paa
Sayaka...
V    
u     
ó     
ó     
s    
 h     
E nã cnig 
enende.

Oh,
deculpe!

T u n c 

Aiii...

que
Rya
diab...?! Nnmua,
meu clega? 

8 Pólg 
Ele é mui 
cnhecid na na Olimpíada
ecla, pi Inenacinal
ganhu a medalha de Fíica.
de paa

Bem, deixe-me
ve...
P que vcê...
Bem, é que...
inha uma
bla PERTO
DE MIM.

Penei que Teia id 


pdeia ajuda, melh e
e enei aiá-la vcê apena
n ce. a enegase
cm uma Bem...
pesa nmal. Ach que
vcê em
azã 

Ma nã 
enh 
codenaçã 
nenhuma.

A Fíica ia vcê d éi? 9


Tud bem, fi
um acidene. Calculava  
O que fazia mvimen da
aqui, afinal?  bla enquan 
asiia a 
jg.

Uau! TÍPICO DE
t u  QUEM GANHOU
 n c 
A medalha
t u  de paa na
 n c 
Olimpíada de
Fíica!

Enã...
Vcê ambém me
viu pede? 

Bem,
im.

Ouça!...

Vu dize p


que pedi    B  u   
f   a  
jg.

COMO
AsIM? 
Lemba que na Eu enendi
pva de Fíica erad. Is 
de hje havia TIROU MINHA
uma peguna CONCENTRAÇÃO.
be êni.
Tiu, é? 

Cla.

Sim.

Megumi explica SUAS DÚVIDAS...

Sei... Nnmua-kun,
vcê pde
me ajuda P que
a enende eu?!...
Fíica? 

?? 
O quê?...

Nã 
cneguia me
cncena Vcê é CRAQUE,
n jg. NÃO É? 
P fav, me
ajude!
Ps 
pedi? 
ai... QUE DOR
HOrÍVEL. Deve
e nde vcê
me aingiu cm a
bla.
...
Hum...
ma...
Uiii...

O quÊ? Vcê
eá eguand 
a bariga, A
BOLA NÃO BATEU
AÍ!

Ok, ud bem!


Vu faze is!

Mem? 

PODE APOSTAR!

Ma vcê vai


me pmee
uma cia: vai
e efça
a máxim paa
enende? 

12 Pólg 
A pimeia Lei d Mvimen de Newn

A primeira lei do movimento de Newton afirma que um objeto continua a manter seu
estado de repouso ou de movimento uniforme a menos que esteja sob o efeito de uma
força líquida externa. Um objeto isolado no espaço sideral, onde nenhuma gravidade é exer-
cida, vai ficar eternamente em repouso ou viajar com velocidade uniforme, a menos que
outras forças sejam aplicadas nele. Um objeto em repouso pode ter forças que agem sobre
ele, porém, a soma dessas forças deve ser igual a zero. Por exemplo, um objeto em repouso
colocado sobre a mesa de trabalho está sujeito à força da gravidade para baixo. O objeto
permanece em repouso porque recebe da mesa de trabalho uma força vertical para cima, o
que produz a força resultante de zero.
Agora que entendemos as forças que agem sobre um objeto em repouso, podemos
continuar para entender o que acontece quando a força líquida sobre um objeto não é zero.

A Segunda Lei d Mvimen de Newn

Quando uma força é aplicada sobre um objeto, ele começa a se mover com uma aceleração
uniforme proporcional à força líquida aplicada e inversamente proporcional à sua massa.
Presumindo que o vetor de uma força aplicada ao objeto é F, a aceleração do objeto é a, e a
massa do objeto é m, a segunda lei do movimento leva a seguinte equação:

F = ma

A massa é uma quantidade que tem apenas magnitude, então é uma quantidade esca-
lar. Porém, lembre-se de que força e aceleração são vetores, então preste especial atenção
à aceleração do objeto e à orientação da força. Elas estarão na mesma direção!
O carro de controle remoto que você viu na página 49 se move em um quadrado e
atinge uma velocidade uniforme enquanto viaja em linha reta. Nesse momento, a força
líquida do carro é zero. Porém, quando o carro vira em alguma esquina, uma força deve
ser exercida para mudar a direção de sua velocidade. Essa é uma diferença importante: a
aceleração não tem que mudar a magnitude de uma velocidade! Ela pode apenas mudar a
direção de uma velocidade!

A Oienaçã de Velcidade, Aceleaçã, e Fça

De acordo com a segundo lei do movimento, a orientação da aceleração sempre equivale


a orientação da força. Porém, a orientação de velocidade não corresponde diretamente à
orientação da força nem da aceleração. Da relação entre aceleração e velocidade (explicada
na página 52) vem a seguinte equação:

variação da velocidade = aceleração × tempo

90 Capíul 2 Fça e Mvimen 


Isso significa que a orientação da variação da velocidade equivale à orientação da ace-
leração! É uma diferença sutil, mas importante.
Vejamos um exemplo. Suponha que existe um objeto em movimento à velocidade
constante v . Quando nenhuma força age sobre o objeto, ele se move em linha reta à velo-
cidade v1, de acordo com a primeira lei do movimento. Se uma força vertical for aplicada
ao objeto no tempo t, como a velocidade do objeto mudaria? Presumindo que a acelera-
ção criada pela força é a e a velocidade depois de aplicada a força é v2, você pode obter a
seguinte equação:

v 2 − v 1 = at 

ou

v 2 = v 1 + at 

v 1 Trajetória quando nenhuma força age (linear)

Força para baixo

v 1

Velocidade v 1
antes de uma Mudança na velocidade at 
força ser aplicada Velocidade v 2
depois de uma
força ser aplicada

Trajetória quando uma força é aplicada


(observe que a orientação da velocidade mudou)

Assim, a adição de uma força muda a direção do movimento de um objeto. Podemos


facilmente prever o movimento desse objeto dividindo v 2 em suas partes constituintes hori-
zontais e verticais. Sua velocidade horizontal deve ser igual a v1, pois não havia nenhuma
força na direção horizontal. A mudança na velocidade vertical do objeto é simplesmente at !
No exemplo do arremesso de uma bola na página 75, a força da gravidade continua
agindo sobre a bola, mesmo quando a bola se move para cima. Quando a bola está subindo
no ar, sua velocidade vertical está diminuindo devido à força da gravidade. Assim que inicia
a queda, ela ganha velocidade para baixo. A velocidade horizontal da bola não muda, apenas
sua velocidade vertical varia. O movimento da bola segue a forma de uma parábola, como
mostra a figura a seguir.

A Oienaçã de Velcidade, Aceleaçã, e Fça 91


Velocidade da bola Caminho da bola

t  = 0
t  = 0,4
t  = 0,2 t  = 0,2 t  = 0,6
Orientação da força
da gravidade
t  = 0,4 (que também é
a orientação da
aceleração)
t  = 0,6
t  = 0 t  = 0,8

t  = 0,8

Observe que o componente horizontal


desse vetor não muda!

O Obje Nã Tem Fça Pópia


Quem não estudou física tende a pensar que um objeto em movimento tem força. É uma
noção comum, mas incorreta. Como aprendemos no Capítulo 1, a força é gerada entre
pares de elementos cujos movimentos afetam uns aos outros. Um objeto em movimento
não tem força interna que o faça ficar em movimento: isso é simplesmente o resultado da
primeira lei do movimento.
Vamos observar o exemplo de uma bola sendo arremessada no ar. A bola recebe uma
força da mão até o momento em que deixa a mão (como resposta, devido à lei da ação e
reação, a mão recebe uma força da bola, mas essa força nada tem a ver com o movimento
da bola). Assim que a bola deixa a mão, ela só recebe a força da gravidade da terra. A força
da mão sobre a bola não permanece depois de a bola deixar a mão.

A Unidade de Fça
A segunda lei de Newton informa a unidade de força:

força = massa × aceleração

Nessa equação, a unidade da massa é quilograma (kg), enquanto a unidade da


aceleração é metros por segundo ao quadrado (m/s2). Portanto, a unidade da força é
igual a kg × m/s2. Para representar isso mais facilmente, podemos usar a unidade chamada
de newton (N):

1 newton = 1 (kg × m/s2)

Você pode usar newtons para representar forças. Como talvez você imagine, essa
unidade é assim chamada em homenagem ao grande Isaac Newton, que estabeleceu os
fundamentos da física. A força de 1 N é equivalente à força necessária para acelerar um
objeto com a massa de 1 kg a 1 m/s2.

92 Capíul 2 Fça e Mvimen 


Vcê pde pena
Enegia pencial na energia
 potencial cm a
enegia da piçã.

Ane, mencinei que


a enegia mecânica
inclui a enegia
cinéica e a enegia O que is 
pencial. que dize? 

bem,

 potencial e
efee à capacidade
amazenada de
faze abalh.

Enã a energia
 potencial ignifica
 energia armazenada ? 

Vam ua  eu


al em alua
cm exempl.

164 Capíul 4 Enegia


Nese pn,
vcê em
enegia POTENCIAL
GRAVITACIONAL,
e nã enegia
cinéica.

Ma à medida
que vcê cai, ua enegia
cinéica aumena. Em ua
N mmen em que palava, n pn mai al,
vcê alcança a piçã  vcê fica eacináia. Enã 
mai ala n al, deve exii alguma enegia
ua enegia cinéica amazenada ecndida que
deapaece (v  = 0). pde gea enegia cinéica.

esa deve e a Sim, a enegia pencial


enegia pencial. de uma alua em
paicula cia enegia
cinéica em um bje 
em queda.

Se Rya egu a um bje  O bje na mã de Quand  bje cai,


nesa alua, ele amazena Rya em enegia ua enegia pencial e
enegia pencial nese pencial. anfma em enegia
bje. cinéica.
A enegia pencial
que vem da alua
é chamada de
 energia POTENCIAL
 GRAVITACIONAL

pque ua fne


é a gavidade da
era. Vcê que dize que
exiem u ip
de enegia pencial? 

Ceamene.
P exempl,
cnidee uma
ia de bracha
u uma mla.

Ele em an


binqued...

Quand vcê la  


eilingue, a enegia
pencial da ia de
bracha via enegia
cinéica paa  i.

Quand é eicada
paa fa, a ia A ia de bracha,
de bracha
amazena enegia u a mla, em enegia
pencial. paa eaua a i mema
paa eu cmpimen 
iginal. Ese ip de
enegia pencial é
chamad de energia
 POTENCIAL ELÁSTICA.

166 Capíul 4 Enegia


Asim, de md 
a anfma
Vcê pecia levana enegia, vcê deve
 bje u puxa imp UMA FORÇA
a pna da ia de POR UMA diância.
bracha paa da
enegia pencial a 
bje.
Is é
efeid 
cm 
abalh.
D mem jei,
vcê deve imp
fça a um bje 
paa cia enegia
cinéica.

Bem, is nã 


paece e nada
caual.
Tóóóiiimmm!  

Vcê eá cea.


O abalh em Cmpnene da
mecânica é definid  fça aplicada
exaamene asim: na dieçã d 
delcamen 
abalh =
delcamen de um bje × 
cmpnene da fça aplicada
na mema dieçã 

viu? 

fça

Obje 

Delcamen d bje 

em ua palava Bem, im, ma


 abalh é igual à ambém em
diância muliplicada que cnidea a
ienaçã desa
pela fça...
fça.

Enegia pencial 167


Quand vcê levana
um bje na veical,
 abalh fei é
igual à fça aplicada
muliplicada pela
diância levanada.

Pém, e
implemene eguam
 bje em mvê-l,
nã geam abalh 
n enid da mecânica,
mem e ficam mui 
canad.

Fça
Fça
Vcê gea
abalh 
quand  egua
levana a mala

Ma egua
a mala não é
abalh.
mvimena

Vcê deve pena n 


Sei. Mem e abalh cm um  bje deve e enegia
fica canada, mei de aumena u cinéica u pencial. Ma vcê
is nã que diminui a enegia de nã pde dize:  bje em
dize que geei um bje. Depi de abalh. O abalh é gead 
gea abalh em um n bje p uma fça.
abalh. bje, vcê
pde dize que...

 Puf 

 ui 

Ok,
enendi!
A mala de Rya eá
peada!
Tabalh e Enegia Pencial P exempl, vam
cnidea ea mala
nvamene.

Enã, vcê pde


aumena a enegia
pencial a gea
abalh.

 ão
força da m 
×
 u ra q  u e o o bje to é
 t
Al
le va n ta do

Sim, e vcê gea


abalh paa levana
Aqui,
um bje, a enegia
fi gead abalh.
pencial dele aumena.

A ienaçã da fça e d 


mvimen da mala eula
em um val piiv paa a
quanidade de abalh.

Is ignifica que


a enegia pencial
aumenu.

Tabalh e Enegia Pencial 169


O val d abalh 
e na negaiv e
eu abaixa a mala? 

Exaamene.

Enegia
pencial
aumena
Fça Fça

Segua

Enegia
pencial
Mvimena diminui

Tabalh Piiv Tabalh Negaiv  

Quand vcê diminui a


enegia pencial da mala,
a ienaçã da fça é
cnáia à dieçã d 
mvimen, ignificand 
que abalh negaiv fi
gead na mala.

Da mema fma,
quand puxa a
já que exie
ia de bracha, e  s   enegia
vcê eá geand 
s  
t   
 i   
pencial
abalh piiv,
c  
 a   amazenada.

F
Bem,
deixe-me pena...
pdem ua uma
plia, u uma ampa.

Ma vu eclaece:


 abalh nã é Sim, a ua ese
limiad p fça méd, vcê eduz
aplicada dieamene a quanidade de fça
paa cima. que em que aplica
a bje paa gea
enegia pencial.

Nese ca, a diância


que  bje deve
pecre é mai, ma a
fça aplicada é men. p!
Pém,
 abalh al
ealizad é  mem, e
ele eiveem end 
levanad na mema alua.

Is é
cnequência
da Cnevaçã 
de Enegia.

enend.

Tabalh e Enegia Pencial 171


Pega esa!

Nã 
impa quã 
pdea eja a
cada dela...

Velcidade
depi d 
aque
Impul dad 
pela aquee
Fça

mmen 
depi d  mmen 
Velcidade aque
ane d  depi d 
aque aque

A elaçã 
ene   deemina a
mmen e a velcidade d 
fça... meu en.

Enã...
r
r
r
e
e
e
c
c

Epílg 215
me!

A velcidade
ambém
deemina eu
mvimen 
ubequene!

Rya
eninu mui 
bem a liçã!

Oa, i 
fi mui 
epe de
ua pae.

Ma nã fi


Rya...

Vcê abe ud  


que pecia abe.
quem fez Tud  que vcê
is hje, pecia paa vence
fi?  é e cncena!

216 Epílg 
p!

Tum 

 Pa nt 
Vanagem  Pa nt...

paa Sayaka.

aga,

eu vu pega ainda,


vcê, Megumi. nã.

 Pu f, 
 pu f 

Ninmi...
Ei!

ME-MEGU
EU Vcê eá
CONSEGUI... aqui!!

...

PEDI AOS
Rya?!?!! ORGANIZADORES
paa adiaem
minha
apeenaçã.

Valeu!
Is é óim.

Megu,
lembe-e
apena de e
cncena n 
jg. Tud bem!

Eu ps 
vence.
É  meu aque.
Ei, finalmene
vcê me
chamu de
Megu!

O que eá
ACONTECENDO
COM ese di
ned? 

Impul 

Ca a
mmen 
bla!

DESTRUA,
ESMAGUE ela!
 Ace, ás! 

Ese fi mui 


ápid.

Ela eá mui 


melh!

Gaia de
abe quem é  
nv einad
de êni dela!!! De
nv!!!

220 Epílg 
a caminh.

 Ace, ás! 
Vantagem 
 para Megumi! 

Nã vu Vam


admii is. cnegui, ó 
mai um aque.
Su a
núme um.

Mai uma
vez.

Cncenaçã,
Sayaka!!!

Eu vu
cnegui!!!

Epílg 221
Lemb 
pefeiamene
da ua liçõe,
Rya.

Tna meu
cp flexível.

Maximiza a fça
quand a aquee
bae na bla!

222 Epílg 
 ACE! 

GAME, SET,
ACABOU!
Eu...

Vencida p
Megumi!

Cnegui!
Eu venci, Rya!

Hein?!

Epílg 223

Você também pode gostar