Você está na página 1de 57

Sérgio Alfredo Macore

O papel das empresas no âmbito da responsabilidade social: Caso da Kennimare na


localidade de Larde, na exploração do Monte Filipe (2014 a 2016)

Licenciatura em Gestão de Empresas com habilitações em Gestão Financeira

Universidade Pedagógica

Nampula

2018
ii
i

Sérgio Alfredo Macore

O papel das empresas no âmbito da responsabilidade social: Caso da Kennimare na


localidade de Larde, na exploração do Monte Filipe (2014 a 2016)

Monografia Científica Apresentada a Escola


Superior de Contabilidade e Gestão, Delegação de
Nampula, Para a Obtenção do Grau Académico de
Licenciatura em Gestão de Empresas com
Habilitações em Gestão Financeira.

Supervisor: Msc.

Universidade Pedagógica

Nampula

2018
ii

ÍNDICE

LISTA DE TABELAS....................................................................................................................iv
LISTA DE GRÁFICOS...................................................................................................................v
LISTA DE FIGURAS....................................................................................................................vi
LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS...................................................................................vii
DECLARAÇÃO DE HONRA.....................................................................................................viii
DEDICATÓRIA.............................................................................................................................ix
AGRADECIMENTOS....................................................................................................................x
RESUMO........................................................................................................................................xi
CAPITULO I – INTRODUÇÃO...................................................................................................12
1.1.Introdução............................................................................................................................12
1.2.Objectivos do trabalho.........................................................................................................13
1.2.1.Objectivo geral..............................................................................................................13
1.2.2.Objectivo específicos....................................................................................................13
1.3.Justificativa..........................................................................................................................13
1.4.Problematização...................................................................................................................14
1.5.Estudo de Hipóteses.............................................................................................................15
1.6.Delimitação do tema............................................................................................................15
1.7.Estrutura do trabalho............................................................................................................15
CAPITULO II – REVISÃO DE LITERATURA..........................................................................16
2.1.Introdução............................................................................................................................16
2.2.Empresa................................................................................................................................16
2.2.1.Conceito de Empresa.....................................................................................................17
2.2.2.Função social da empresa..............................................................................................17
2.3.Responsabilidade social.......................................................................................................19
2.4.Razões para as Empresas adoptarem práticas de RSE.........................................................20
2.5.Dimensões e Indicadores de Responsabilidade social.........................................................21
2.5.1.Dimensões de Archie Carroll (1979).............................................................................21
2.6.Características básicas de uma empresa Socialmente Responsável.....................................23
2.7.Políticas de Responsabilidade Social (Princípios, Valores e Ética).....................................24
2.7.1.Teoria dos Stakeholders e a Responsabilidade Social...................................................25
2.8.Responsabilidade Social e a moral das empresas................................................................25
2.8.1.Contribuição da Responsabilidade Social no fortalecimento da imagem empresarial..26
2.8.2. Desenvolvimento Económico - Crescimento Económico............................................26
CAPÍTULO III – METODOLOGIA DA PESQUISA..................................................................27
3.1.Introdução............................................................................................................................27
3.2. Tipo e Natureza de pesquisa...............................................................................................27
iii

3.3. Técnicas de pesquisa...........................................................................................................28


3.4. Fontes de dados...................................................................................................................28
3.5. População em estudo e tamanho da amostra.......................................................................28
3.5.1. População em estudo....................................................................................................28
3.5.2. Tamanho da amostra....................................................................................................29
3.5.3.Ferramentas da análise e softwares usados...................................................................29
CAPITULO IV – APRESENTAÇÃO, ANALISE E INTERPRETAÇÃO DE DADOS.............30
4.1.Historial da Kenmare...........................................................................................................30
4.2.Elementos estratégicos da KMAD.......................................................................................30
4.2.1.Missão...........................................................................................................................31
4.2.2.Visão..............................................................................................................................31
4.2.3.Valores...........................................................................................................................31
4.3.Sumário Executivo...............................................................................................................32
4.3.1.Antecedentes da Empresa..............................................................................................33
4.3.2.Operações de Mineração...............................................................................................34
4.4.Analise e interpretação de dados..........................................................................................35
4.4.1.Actividades da Mineradora Kenmare............................................................................37
4.4.2.Das actividades realizadas pela empresa.......................................................................37
4.5.Políticas em matéria de local de trabalho.............................................................................39
4.6.Principais desafios da Kenmare...........................................................................................40
4.7.Politicas ambientais..............................................................................................................42
4.8.Valores e Governança..........................................................................................................43
4.9.Políticas de mercado da KMAD..........................................................................................45
4.10.valores da empresa.............................................................................................................46
4.11.Avaliação das hipóteses formuladas..................................................................................48
5.11.1.Hipótese 1....................................................................................................................48
5.11.2.Hipótese 2....................................................................................................................48
CAPITULO V – CONCLUSÃO E SUGESTÕES........................................................................49
5.1.Conclusão.............................................................................................................................49
5.2. Sugestões.............................................................................................................................50
BIBLIOGRAFIAS.........................................................................................................................51
Apêndices
iv

LISTA DE TABELAS

LISTA DE GRÁFICOS
v

LISTA DE FIGURAS
vi

LISTA DE SIGLAS E ABREVIATURAS

AIK Analise Interna da Kenmare


APK Actividades Prioritárias da Kenmare
CIEK Cronograma de Intervenção Especifica da Kenmare
KMAD Kenmare Moma Associação de Desenvolvimento
NPL Nampula
PEK Plano Estratégico da Kenmare
REK Resultados Emergentes da Kenmare
RS Responsabilidade social
RSE Responsabilidade social empresarial
SA Sociedade anónima
UP Universidade pedagógica

DECLARAÇÃO DE HONRA

Declaro que esta monografia científica foi o resultado da minha investigação pessoal e das
orientações do meu supervisor, o seu conteúdo é original e todas as fontes consultadas estão
devidamente mencionadas no texto, nas notas e bibliografia final.

Declaro ainda que esta monografia não foi apresentada em nenhuma outra instituição para
obtenção de qualquer grau académico.
vii

Nampula, ao ______ de __________________ de 2018

Nome do Autor
_________________________________________________________
Sérgio Alfredo Macore

Nome do Supervisor
______________________________________________________

DEDICATÓRIA

Em primeiro lugar dedico este trabalho a minha filha.

Aos meus pais, irmãos e primos, por terem acreditado na minha capacidade e me dar todo apoio
necessário ao longo do meu percurso académico, para o desenvolvimento e conclusão deste
curso desde o começo até ao fim.

E por fim Dedico aos meus avos por serem fonte da minha inspiração, coragem e dedicação.
viii

AGRADECIMENTOS

A Deus, autor da minha vida, que no alto da sua Magnitude soube-me guiar e me dar
discernimento para cumprir os meus objectivos da melhor maneira possível porque Dele, por Ele
e para Ele são todas as coisas. Nada seria de mim sem a força renovada por Ele a cada dia.

A todos os meus amigos, que de uma maneira ou de outra, souberam-me dar incentivo, apoio e
segurança para que pudesse seguir em frente e pela ajuda cedida nos momentos críticos, através
dos seus exemplos e conselhos.

A todas as pessoas que estiveram comigo e que direita ou indirectamente contribuíram para o
sucesso do meu percurso académico e deste trabalho, os meus sinceros agradecimentos.
ix

Por fim, agradeço aos trabalhadores da Kenmare na localidade de Larde, na exploração do Monte
Filipe por aceitar responder as questões referentes ao meu tema.

O meu muito obrigado.

RESUMO

O trabalho feito teve como objectivo de analisar o papel das empresas. Como se pode ver pelo tema acima citado,
tira-se alusões de que a integração da responsabilidade de uma empresa demonstra aos assuntos sociais tão
importante na vida empresarial. Todavia, as acções de responsabilidade compreendem o desenvolvimento de acções
que beneficiem a comunidade, principalmente as acções que podem ser realizadas através de donativos de produtos
em regime de parceria para os órgãos públicos, logo, as acções no que concerne as acções de gestão compreendem
os programas realizadas pela empresa em benefícios dos funcionários com a comunidade, bem como os demais
voltados para a participação nos resultados esperados na empresa para a comunidade. Porem, que é fundamental que
a gestão das empresas não seja somente só capaz de transmitir as metas e objectivos estabelecidos, explicitando os
custos que decorrem da adopção de responsabilidade, assim como ao evidenciar a viabilidade dos projectos feitos
pelas empresas sem que considerem a sua implementação, cria caos que podem levar a decadência dos seus
recursos, sem que almejem as suas metas traçadas perante aos seus stackholders.

Palavras-Chaves: Empresa. Estratégia Empresarial. Responsabilidade Social.


x

CAPITULO I – INTRODUÇÃO

1.1.Introdução

O grande avanço da complexibilidade das empresas tem aumentando o seu incremento da


produtividade faz com que o aumento significativo das empresas tendem a investir cada vez nos
processos de gestão de forma a obter diferenciação dos produtos. Todavia, este desafio é muito
importante buscar as respostas visando incremento um grande desenvolvimento sustentável que
possa vir englobar assuntos sócias e das comunidades.

Todavia as grandes empresas sejam eles nacionais ou internacionais, o assunto em questão sobre
a responsabilidade social é vista como uma estratégia a mais para se manter competitivo devendo
assim aumentar a rendibilidade e também para potenciar o desenvolvimento. Dai que, como se
pode ver, o crescimento só é possível se estiver com bases muito fortes e sólidas tanto a nível das
estratégias que podem ser levados acabo para um andamento célebre.

Hoje em dia, a questão da RS, esta cada vez mais associada aos interesses das empresas em
modernizar o tecido empresarial ajudando as comunidades. Contudo a grande parte das
organizações vem empreendendo cada vez mais activa nas acções sociais que vão desde as
xi

posturas meramente tradicional com os terceiros e fazem parte das instituições de códigos de
ética e deontologia que regulam a conduta dos accionistas assim como dos stackholdres.

Contudo, o tema da RS sempre foi vista como se fosse uma estratégia que visa a sobrevivência
das empresas, aumentando a oferta de produtos e serviços o mercado em que actua, onde o
objectivo desta pesquisa é fazer ver as empresas naquilo que seria as acções praticadas por elas e
com o compromisso com a sociedade no seio em que vivem.

O presente trabalho é fruto de um fundamento de uma revisão bibliográfica, onde a metodologia


quanto ao estudo será baseada em descritiva e quanto aos procedimentos técnicos usar-se
bibliográfica assim como documental, e outros pontos remeteram-nos a desenvolver o presente
trabalho sobre O papel das empresas no âmbito da responsabilidade social: caso de estudo da
Kennimare na localidade de Larde, na exploração do Monte Filipe.

1.2.Objectivos do trabalho

1.2.1.Objectivo geral
A presente pesquisa tem como objectivo geral:

 Analisar o papel das empresas no âmbito da responsabilidade social, em particular a


empresa Kennimare na localidade de Larde, na exploração do Monte Filipe.

1.2.2.Objectivo específicos
Assim a pesquisa tem como objectivos específicos:

 Analisar os conceitos do comportamento empresarial socialmente responsável;


 Identificar as acções sociais praticadas pela Kennimare no quadro da sua política de
responsabilidade social;
 Analisar as acções da empresa e a sua contribuição para a melhoria das condições
ambientais;
 Descrever o conhecimento dos colaboradores internos relativos as práticas de acções
sociais da empresa.
xii

1.3.Justificativa

As motivações que me levam a pesquisar sobre o tema, dando como estudo de caso a Kenmare, é
pelo facto de que a Kennimare ser uma empresa muito potente e que trabalha directamente com
meio ambiente no seio em que esta inserido, e dai que o impacto ambiental será muito
fundamental e maior. Segundo, apesar desta empresa nos últimos anos se destacar mais activa na
sociedade em que esta inserida através de acções que ela pratica e sem deixar de efeitos tóxicos
ainda é muito preocupante.

O autor no tema da pesquisa surgiu a partir da constatação da importância que a questão


ambiental vem adquirindo nos últimos tempos, principalmente em decorrência da crise ambiental
que vivemos, e que a cada dia que passa se agrava muito mais, em face do descaso humano com
a protecção do meio ambiente. Esquece-se, ou finge-se esquecer, que os recursos naturais são
limitados e o seu uso indiscriminado e negligente pode ocasionar a destruição de nosso planeta.
Algo inerente à maioria de nós, seres humanos, infelizmente, é só valorizar aquilo que se pode
traduzir em valores monetários.

Tem-se a tendência a menosprezar, a não dar o devido valor, aos benefícios que recebemos do
meio ambiente, na maior parte das vezes sem nenhum custo financeiro directo. Assim, devido à
relevância da problemática da degradação ambiental, que põe em risco a própria sobrevivência
humana, é que se optou por estudar no âmbito da responsabilidade social, o tema proposto e
trazer à luz do cidadão Moçambicano como a preocupação com o meio ambiente.

1.4.Problematização

O complexo do mundo empresarial formou-se com base no desenvolvimento das empresas e


pode-se ver que há modificações contínuas no seio onde se encontram, às vezes com maior ou
menor intensidade, para enfrentar tais circunstâncias, as organizações precisam utilizar alguns
conceitos e técnicas que possibilitem apreensão dos seus problemas.

Dai que, tendo em conta que a responsabilidade social das empresas, se manifesta de posturas,
comportamentos e acções que promovam o bem-estar de seus actores internos e externos, a
Kenmare Moma constituiu uma Associação de Desenvolvimento (KMAD), instituição com o
objectivo único de programar e implementar acções que visam contribuir para a melhoria do
bem-estar das famílias residentes nas redondezas da mina, num raio de pelo menos 10km.
xiii

Por outro lado, a KMAD tem vindo a desenvolver um modelo de trabalho que liga directamente
com a abordagem de desenvolvimento da comunidade. A comunidade e as suas necessidades
estão no centro dos programas da KMAD, ao invés de um programa convencional de RSE que
leva as responsabilidades dos negócios como o seu ponto de partida. Ao mesmo tempo, a KMAD
se esforça para aplicar as melhores práticas de negócio como na concepção do projecto,
planificação, marketing e desenvolvimento de projectos mais rapidamente do que de outra forma
possível.

Diante disso, a pergunta da pesquisa foi a seguinte:

 Qual é o papel das empresas em termos da responsabilidade social, caso particular da


Kennimare?

1.5.Estudo de Hipóteses

Hipótese 1: As empresas ajudam na melhoria de condições de vida nas comunidades e no


desenvolvimento do país.

Hipótese 2: É provável que, as empresas tenham um papel fundamental na medida em que são
geradoras de emprego, para contribuir para a sustentabilidade além de fortalecer a sua imagem
perante os stackholders.

1.6.Delimitação do tema

A presente pesquisa realizou-se na província de Nampula na empresa Kennimare na localidade


de Larde, na exploração do Monte Filipe.

O estudo focaliza-se no intervalo compreendido entre o ano de 2014 até 2016. Na verdade este
período deve-se pelo facto de verificar-se muitos projectos que envolveu a nível nacional,
principalmente nos distritos como sendo pólo de desenvolvimento.

1.7.Estrutura do trabalho

No capítulo introdutório é apresentada a introdução, os objectivos do estudo: geral e específico


que se esperam alcançar e a justificativa. Depois, é apresentada a definição do problema de
pesquisa, a hipótese de estudo e a delimitação do estudo.
xiv

No segundo capítulo é apresentada a revisão da literatura, onde diferentes autores apresentam os


principais delineamentos acerca do papel das empresas no âmbito da responsabilidade social.

No terceiro capítulo é apresentada a metodologia da pesquisa, onde foi evidenciada a


classificação da pesquisa, fontes de dados, universo e amostra, dados da pesquisa, o plano de
colecta de dados e por fim instrumentos usados para a colecta de dados.

O quarto capítulo apresenta uma breve apresentação do cenário actual da empresa em análise e
faz análise, apresentação e interpretação dos dados dos inquiridos, e avaliação das hipóteses
formuladas para a pesquisa.

No último capítulo é apresentada conclusões recomendações, referencia bibliográfica utilizada


para a elaboração do trabalho e os apêndices.

CAPITULO II – REVISÃO DE LITERATURA

2.1.Introdução

Este capítulo apresenta a revisão bibliográfica, base fundamental para o desenvolvimento do


estudo aplicado, envolvendo o tema da pesquisa o papel das empresas no âmbito da
responsabilidade social.

2.2.Empresa

Já é célebre a definição de empresa dada por vários autores, para ela compreende quatro perfis.
Vejamos três significados jurídicos para o vocábulo técnico, que correspondente aos três
primeiros perfis:

1. Perfil subjectivo. A empresa é o empresário, pois empresário é quem exercita a actividade


económica organizada, de forma continuada. Nesse sentido, a empresa pode ser uma pessoa
física ou uma pessoa jurídica, pois ela é titular de direitos e obrigações. Quando se diz "arrumei
um emprego em uma empresa", temos a palavra empresa empregada com esse significado.

2. Perfil funcional. A empresa é uma actividade, que realiza produção e circulação de bens e
serviços, mediante organização de factores de produção (capital, trabalho, matéria prima etc).
xv

Quando se diz "a empresa de estudar será proveitosa", temos a palavra empresa empregada com
esse significado.

3. Perfil objectivo (patrimonial). A empresa é um conjunto de bens. A palavra empresa é


sinónima da expressão estabelecimento comercial. Os bens estão unidos para uma actividade
específica, que é o exercício da actividade económica. Como exemplo desse significado,
podemos dizer "a mercadoria saiu ontem da empresa".

4. Perfil corporativo. A empresa é uma instituição, uma organização pessoal, formada pelo
empresário e pelos colaboradores (empregados e prestadores de serviços), todos voltados para
uma finalidade comum.

2.2.1.Conceito de Empresa
Com a eleição da teoria da empresa como alicerce do novo direito comercial se torna importante
à conceituação do instituto. O legislador não se ocupou desse mister, estabelecendo apenas
preceitos gerais, ficando a cargo da doutrina esta tarefa.

Inicialmente, o conceito de empresa advém da economia, quando os economistas do século XIX


percebem que a produção de bens e serviços e a distribuição no mercado não carecem de
especialização, se trata de uma actividade organizada, em consonância com as necessidades
sociais e com fins lucrativos, o Rubens Requião citando o economista clássico J. B. Say (2003,
p.49) demonstra a importância da figura do empresário dizendo ser ele “o eixo a um tempo da
produção e da repartição, aquele que adapta os recursos sociais as necessidades sociais e que
remunera os colaboradores da obra cujo chefe é”. Para Gladston Mamede (2005, pp.3-4):

A empresa é um ente que actuava no mercado, suplantando o que antes se tinha por comercio,
percebendo oportunidades, identificando demandas, organizando recursos diversos e, com isso,
auferindo vantagens económicas significativas.

Neste sentido, Fábio Nusdeo (1997, p.285) conceitua: “empresa é a unidade produtora cuja tarefa
é combinar factores de produção com o fim de oferecer ao mercado bens ou serviços, não
importa qual o estagio da produção”. A empresa surge como um fenómeno económico, por isso
xvi

se pauta nas leis do mercado, em que se funda, também, a organização dos factores de produção,
como, por exemplo, a lei da oferta e da demanda, e visa à obtenção de lucros.

2.2.2.Função social da empresa


A actividade empresarial deve ser exercida de acordo com a sua função social, por conseguinte o
empresário deve exercer suas actividades harmonizando os seus desígnios económicos com o
respeito aos interesses de outros agentes sociais, que com a empresa se relacionam, a exemplo do
trabalhador, do consumidor, da comunidade, do Estado, do Meio Ambiente, etc.

Ensina Eros Grau que (2001, p.269):

O que mais releva enfatizar, entretanto, é o facto de que o princípio da função social da
propriedade impõe ao proprietário ou a quem detém o poder de controlo, na empresa o
dever de exercê-lo em benefício de outrem e não, apenas, de não o exercer em prejuízo de
outrem. Isso significa que a função social da propriedade actua como fonte da imposição
de comportamentos positivos.

O princípio da função social advém da ideia de solidariedade do Estado Democrático de Direito


social do século XX, quando se percebeu que as liberdades não são absolutas, que os indivíduos
devem exercitar as suas liberdades em prol da colectividade, objectivando a todos os indivíduos
existência digna. Neste sentido, Paulo Luiz Netto Lobo afirma:

A função social é incompatível com a noção de direito absoluto, oponível a todos, em que se
admite apenas a limitação externa, negativa. A função social importa limitação interna, positiva,
condicionando o exercício e o próprio direito. Lícito é o interesse individual quando realiza,
igualmente, o interesse social. O exercício do direito individual da propriedade deve ser feito no
sentido da utilidade, não somente para si, mas para todos. Daí ser incompatível com a inércia,
com a inutilidade, com a especulação.

A doutrina maioritária entende que a função social da empresa surge a partir do conceito de
função social da propriedade, esta doutrina defende que o conceito constitucional de propriedade
é mais abrangente que o do Direito Civil, neste sentido Fábio Konder Comparatto (1996, pp.43-
44).

A partir deste entendimento Maiana Alves Pessoa (2007, p.3) esclarece que:
xvii

O objecto da propriedade, que no Direito Civil esta limitado aos bens materiais tangíveis,
ganha outra dimensão da Constituição Moçambicana, ser reduzido à seguinte fórmula:
“propriedade é toda patrimonialidade”.

Carlos Eduardo de Castro Palermo (2007, p.3) ensina que:

Segundo o consenso geral da melhor doutrina, incluem-se na protecção constitucional da


propriedade bens patrimoniais sobre os quais o titular não exerce nenhum direito real, no
preciso sentido técnico do termo, como as pensões devidas pelo Estado, ou as contas
bancárias de depósito. Se é assim, parece irrecusável que também ao poder de controlo
empresarial se aplique a norma que impõe respeito a função social da propriedade.

A Constituição da república trata a propriedade no rol dos direitos fundamentais, porém sempre
em consonância com a sua função social, a exemplo do art. 5º incisos XXII e XXIII. Ainda, no
art. 170 incisos II e III a Carta Magna promove a propriedade privada e sua função social ao
princípio norteador da ordem económica. Dessa forma “a propriedade só estará garantida, como
tal, na Constituição brasileira, nos termos do inciso XXIII, que prescreve: “a propriedade
atenderá a sua função social”, é o que ensina André Ramos Tavares (2002, p.457).

Note que a propriedade não há mais de ser vista sobre a óptica individualista, pois, a partir da
Constituição da república e do Novo Código Civil, se não atendida a sua função social perde a
protecção do direito. André Ramos Tavares (2002, p.457). ensina que:

A função social da empresa, nos dias actuais, representa uma postura positiva do empresário de
dar ao instituto uma destinação económica em consonância com os interesses da sociedade,
como analisado anteriormente, exemplificando, não basta que a empresa não polua o meio
ambiente, ela deve actuar positivamente no sentido de restaurar a fauna e a flora, que durante
tanto tempo foi degradada de maneira predatória, evitar o desmatamento utilizando materiais
recicláveis, etc.

2.3.Responsabilidade social

A responsabilidade social pode ser definida como: “o relacionamento ético da empresa com
todos os grupos de interesse que influenciam ou são implantados pela sua actuação
xviii

(stakeholders)1, Assim como o respeito ao meio ambiente e investimento em acções sociais”


(Orchisetal., 2002, p.56).

A Responsabilidade Social envolve um compromisso permanente da empresa com o seu público


diverso e sociedade no geral. Compromisso aqui significa preocupação com os resultados de suas
acções e/ou projectos. Assim, uma acção isolada para a comunidade, por exemplo, mesmo que
permanente e preocupada com resultados, não pode por si só, caracterizar a organização como
socialmente responsável. Diante disso, surgiram algumas formas de avaliação da empresa,
através de indicadores que possibilitam classificá-la como socialmente responsável ou não.
(Moretti, 2003).

Segundo o Relatório da KPMG das 100 Maiores Empresas de Moçambique a RSE é vista como
o veículo através do qual o sector privado pode contribuir para a redução da pobreza e outros
objectivos sociais, que não seriam alcançados pelo governo agindo sozinho. Isto quer dizer que
nestas acções o retorno não existe. (KPMG, 2007).

Para Mueller (2003), a RSE refere-se a um estágio mais avançado do exercício da cidadania
corporativa. Na verdade, o princípio destas acções decorre da prática de acções filantrópicas, as
quais se desenvolveram através das atitudes e acções individuais de alguns empresários. Só com
o passar do tempo é que as acções de filantropia evoluíram do carácter de caridade para a noção
de consciência social, de bem comum e de dever cívico.

Para Neto e Froes (2001), Existe uma grande diferença entre as acções de RSE e as acções de
filantropia. Estes autores afirmam que a responsabilidade social está directamente relacionada
com a promoção da cidadania e com a sustentabilidade e a auto-sustentabilidade das
comunidades, enquanto a filantropia se baseia em acções assistencialistas que visam contribuir
para a sobrevivência de grupos sociais desfavorecidos.

1
Stackholders – é uma designação usada na área de gestão para descrever um individuo que faz investimento ou seja
dispõe de acções em uma empresa, negócio ou industria. Em outras palavras seria partes interessadas ou
intervenientes.
xix

2.4.Razões para as Empresas adoptarem práticas de RSE

O Sector Empresarial enfrenta uma série de pressões e incentivos internos e externos que quando
tomadas com conjunto podem contribuir para um maior envolvimento da comunidade
empresarial em acções de RSE. Esta inclui a busca de novas oportunidades de negócio através de
inovações ambientais e sociais, recrutamento e retenção de pessoal, gestão de risco de reputação,
pressões de Organizações Não-Governamentais (ONGs)2, Sindicatos e consumidores, exposição
à imprensa, leis e regulamentos do governo. (KPMG, 2007).

Assim a RSE passou a ser um jogo sem regras nem árbitros: as empresas fazem na
arbitrariamente, preocupando-se apenas com o crescimento da visibilidade da sua imagem. É
preciso assumir o lado mais dramático da pobreza: é ter-se recursos e não se ser capaz de usá-
los! Ou nem mesmo saber que se tem. (KPMG, 2007).

Como nos lembra Bueno (2003, p.28)

“Uma empresa socialmente responsável, como nos tem ensinado os colegas do


Instituto Ethos, deve cumprir uma série de obrigações e compromissos, que
incluem uma relação saudável com os funcionários, a obediência irrestrita às leis
do País, uma comunicação ética e transparente, a preservação do meio ambiente
e, o que seria óbvio, a fabricação e distribuição de produtos com qualidade e
(importantíssimo!) não lesivos à sociedade (a lista inclui outros itens).”
2.5.Dimensões e Indicadores de Responsabilidade social

2.5.1.Dimensões de Archie Carroll (1979)


Ser socialmente responsável implica maximizar os efeitos positivos sobre os stakeholders
(funcionários, clientes, Consumidores, comunidade, fornecedores, governo, proprietários e
empregadores). Para atingir tal objectivo, Archie Carroll, em 1979, propõe a subdivisão da RSE
nas dimensões económica, legal, ética e filantrópica, como se esquematiza na figura abaixo e se
explica a seguir. (Filho, 2003)

2
ONGs – é uma sigla que significa organizações não-governamentais e sem fins lucrativos constituído formalmente
e autonomamente e que é caracterizado por acções solidarias.
xx

Figura 1: Dimensões de responsabilidade social

Filantropia

Etica RS Legal

Economia

Fonte: Adaptado pelo pesquisador, 2018

 A responsabilidade Económica: Envolve as obrigações da empresa de serem produtivas


e rentáveis. A responsabilidade social da actividade de negócios é económica por
natureza, pois a instituição de negócios é a unidade económica básica de nossa sociedade
 A responsabilidade Legal: Corresponde às expectativas da sociedade de que as
empresas cumpram suas obrigações de acordo com o arcabouço legal existente.
 A Responsabilidade ética: Refere-se às empresas que, dentro do contexto em que se
inserem, tenham um comportamento apropriado de acordo com as expectativas existentes
entre os agentes da sociedade.
 A responsabilidade Filantrópica: Reflecte o desejo comum de que as empresas estejam
activamente envolvidas na melhoria do ambiente social. Esta última dimensão da
responsabilidade social vai, portanto, além das funções básicas tradicionalmente
esperadas da actividade empresarial, e pode ser considerada como uma extensão da
dimensão ética.

Tabela 1 - Característica da RS externa e interna

RS EXTERNA RS INTERNA

Comunidade Publico interno


xxi

Foco Educação Educação


Salários
Assistência social Assistência medica
Área de actuação Ecologia Odontologia
Doações
Programas de voluntariado Instrumentos de recursos
Instrumentos Parcerias humanos
Programas e projectos Planos de previdência
Retorno de imagem Retorno de produtividade
Tipo de retorno Retorno Publicitário Retorno para accionistas
Retorno para os accionistas

Fonte: Adaptado pelo autor, 2018

Baseando-se nas atitudes ambientalmente responsáveis, bastante utilizada pelas empresas como
as políticas ambientais, procurou evidenciar esta questão tendo chegado às seguintes conclusões:

 É possível um trabalhador acreditar que a sua empresa é socialmente responsável e por


causa disto se empenhar mais no serviço;
 É possível o funcionário adquirir respeito por sua empresa, caso ela se interesse e
accionalize acções sociais;
 É possível que a responsabilidade social realizada pela empresa impacte sobre o
comportamento dos seus funcionários.

Contudo a boa comunicação seria essencial para interligação destas ideias e compreensões.
(Souza, 2002).

2.6.Características básicas de uma empresa Socialmente Responsável

Segundo Monteiro (2012: P.10), apesar das diversidades na abordagem do tema, existem
algumas condições mínimas que uma empresa deve atender para que seja considerada
socialmente responsável, atendendo a três características básicas que a sua conduta deve
respeitar.

Furtado (2003, p.10),cita algumas características de uma empresa socialmente responsável:


xxii

 Reconhece os impactos que causam suas actividades sobre a sociedade na qual está
inserida;
 Gere os impactos económicos, sociais e ambientais de suas operações, tanto a nível local
como global; e,
 Realiza esses propósitos através do diálogo permanente com suas partes interessadas, às
vezes através de parceiras com outros grupos e organizações.

Monteiro (2012: P.10, as questões sociais são concepções que ainda hoje geram pouca clareza
por parte das empresas, fazendo com que esta defende cada vez mais da filosofia, da estratégia
organizacional e dos valores individuais de cada gestor dentro da organização.

2.7.Políticas de Responsabilidade Social (Princípios, Valores e Ética)

Monteiro (2012: P.11), o estudo das empresas torna-se um fenómeno cada vez mais complexo,
isto porque não existem empresas iguais, cada um tem os seus objectivos traçados, cada pessoa
dentro dela possui o seu sistema de valores, atitudes e comportamentos deferentes.

Segundo Kluckhohn (1951), no âmbito da teoria de acção refere que, os valores influenciam o
comportamento, introduzindo um elemento de previsibilidade na vida social (p. 400) na medida
em que, de acordo com os seus valores, o agente “manipula os seus recursos” de forma a facilitar
a aproximação directa ou indirecta um determinado objecto ou estado que ele valoriza (p.412).

Segundo Elkington (2001, p.412), é preciso que o conceito de valores adquira um significado
diante da preocupação com o desenvolvimento sustentável. Não basta apenas que reflictam a
cultura e as crenças das organizações. São necessários que respondam questões como:

 A gestão de topo entende que o negócio da empresa não é simplesmente a criação de


valor económico, mas também, cada vez mais a satisfação de uma gama de valores
sociais e éticos?
 Quais são os valores da empresa? Quais são os valores dos clientes e de stakeholders-
chave? Eles são congruentes? E como eles se relacionam com a linha dos três pilares da
sustentabilidade?
 Os valores da empresa estão alinhados com a agenda da sustentabilidade emergente? Se
não, quais são a natureza e a escala das lacunas a serem preenchidas?
xxiii

Algumas implicações em relação a este conceito:

 O compromisso ético: este compromisso está relacionado com fazer o bem, o código de
ética torna-se um instrumento importante na realização da missão e visão da empresa.
 Actuação dos stakeholders: envolvimentos de todas as partes interessadas na definição e
estratégia de negócio da empresa a fim de gerar um compromisso mútuo dentro das metas
estabelecidas.
 O balanço social: será o registo das acções sociais praticadas pelas empresa, que permite
avaliar os resultados.

Segundo Monteiro (2012: P.12), a empresa socialmente responsável, não se limita


exclusivamente as acções sociais virados ao público externo, pois existem acções sociais para o
público interno, que vai além de investir no desenvolvimento pessoal e profissional dos
colaboradores, bem como, melhoria das condições de trabalho, criar formas de incentivar os
mesmos, baseando num relacionamento ético e transparente.

Furtado (2003) citado por Monteiro (2012: P.12), cita alguns pressupostos da política interna da
Responsabilidade Social:

 Participação nos lucros e nos resultados, poderoso instrumento de envolvimento e


compromisso com o sucesso dos negócios e contribuindo para uma maior motivação dos
mesmos;
 Valorização da diversidade: dentro da empresa não deve ter qualquer tipo de
discriminação no recrutamento, selecção, tratamento avaliação, remuneração, progressão,
promoção.

2.7.1.Teoria dos Stakeholders e a Responsabilidade Social


Freeman foi o primeiro estudioso a apresentar, de forma explícita e detalhada, a teoria dos
stakeholders. Segundo Boresnstein (1996), nessa teoria, Freeman argumenta que nas decisões
sobre alocações de recursos organizacionais, devem ser considerado os seus efeitos sobre os
grupos de interesse que se relaciona com a organização ou exteriores a ela.

Freeman e McVae (2001) citado por Monteiro (2012: P.12), lançam uma questão interessante,
que o desenvolvimento das ideias de Responsabilidade Social contribui para o desenvolvimento
xxiv

da abordagem dos stakeholders. Percebe-se até o momento através de elementos abordados, que
a terminologia das Responsabilidades Social permeia vários pontos da teoria e do histórico do
desenvolvimento das concepções, até mesmo as relativas ao desenvolvimento sustentável.

2.8.Responsabilidade Social e a moral das empresas

Segundo Monteiro (2012: P.16), apesar da Responsabilidade ser uma atribuição dos indivíduos,
ela também pode ser atribuída às organizações e, no caso particular as empresas, que hoje
colocam-na no plano estratégico da mesma, em concordância com os objectivos da própria
empresa.

Hemingway e Maclagan (2004: p.4), referem, a este propósito, que o exercício da RSE, em cada
empresa, “não é tanto um indicador da política corporativa, mas sim o reflexo de valores e de
acções individuais” Zimmerman (1992), refere que é necessário verificarem-se duas condições
para que alguém possa ser considerado responsável pelas consequências se um acto praticado:
primeiro, a pessoa deve ter agido de livre vontade, resultando o acto de uma escolha entre opções
alternativas; segundo, a pessoa deve ter consciência das implicações morais daquela acção.

Tratando-se de RSE, em especifico, esta é entendida como «a responsabilidade daquele que é


chamado a responder pelos seus actos face á sociedade ou a opinião pública (…) na medida em
que tais actos assumam dimensões ou consequências sociais» (Birou, 1976: p. 361).

2.8.1.Contribuição da Responsabilidade Social no fortalecimento da imagem empresarial


Segundo Monteiro (2012: P.18), actualmente a preocupação com a imagem institucional é cada
vez maior, as empresas estão a trabalhar a imagem, a percepção que os seus stakeholders têm
perante ela. Ter uma boa imagem institucional torna um referencial para a competitividade e
principalmente na conquista do público- alvo.
xxv

Figura 2: Componentes de desenvolvimento sustentável

Sociedade

Ambiente

Economia

Fonte: Adaptado pelo autor, 2018

2.8.2. Desenvolvimento Económico - Crescimento Económico


Segundo Monteiro (2012: P.23), o acesso a bens e serviços é o principal foco da economia. Uma
economia criada e gerada pelo Homem ou oferecida pela natureza. As indústrias são uma das
principais fontes de rendimento, contribuindo assim para o desenvolvimento das sociedades.
Neste sentido é necessário o entendimento básico entre crescimento económico e o
desenvolvimento económico.

CAPÍTULO III – METODOLOGIA DA PESQUISA

3.1.Introdução

Para alcance dos objectivos propostos, foi usado as seguintes abordagens:

a) Quanto ao problema, o estudo contempla uma abordagem qualitativa, uma vez que está
relacionado com a compreensão do papel das empresas no âmbito da responsabilidade
social;
b) Assim sendo, o presente trabalho foi desenvolvido através de uma pesquisa bibliográfica
e foi usado o método de observação directa participativa.
xxvi

c) Pesquisa do tipo qualitativa permite mergulhar na complexidade dos acontecimentos reais


e indaga não apenas o evidente, mas também as contradições, os conflitos e a resistência
a partir da interpretação dos dados no contexto da sua produção.

3.2. Tipo e Natureza de pesquisa

Pesquisa exploratória: Uma vez que visa proporcionar maior familiaridade sobre o papel das
empresas no âmbito da responsabilidade social, com vista a torná-lo explícito, usando
basicamente o levantamento bibliográfico e entrevista.

Pesquisa descritiva: uma vez que visa a descrever as características básicas vividas no mundo
de negócio da Empresa Kennimare na localidade de Larde, na exploração do Monte Filipe.

Por outro lado, para a realização da pesquisa foi utilizado o método de procedimento
monográfico ou estudo de caso, em que a literatura empírica que fornece um fenómeno antigo
para actual dentro do seu contexto da realidade é a base no qual são utilizadas várias fontes de
evidência.

O que significa que para este trabalho, a investigação pressupõe uma abordagem concreta em
que o proponente inteirou-se sobre o papel das empresas no âmbito da responsabilidade social:
Caso da Kennimare na localidade de Larde, na exploração do Monte Filipe pelo que, usei a
seguinte metodologia:

Revisão bibliográfica, análise descritiva e comparativa de obras publicadas, textos e documentos,


buscados em publicações referentes ao tema; e

O trabalho do campo realizado na Kennimare na localidade de Larde, na exploração do Monte


Filipe.

Esse trabalho envolveu pesquisa de levantamento que se caracteriza pelo questionamento sobre
Responsabilidade social, cujo objectivo é saber a importância dentro da Empresa.
xxvii

3.3. Técnicas de pesquisa

Questionário: Fiz um questionário com perguntas dirigidas aos trabalhadores e as comunidades


para saber se tem noção Responsabilidade social, com o objectivo de saber se possuem
conhecimentos da matéria.

Entrevista: Fiz uma entrevista face a face de maneiras metódicas junto aos gestores, os
trabalhadores e as comunidades de modo a verificar a sua avaliação acerca responsabilidade
social e quais são as acções que são praticadas.

3.4. Fontes de dados

Os dados necessários para a realização tiveram a fonte primária, uma vez que foram obtidos na
empresa, sem a necessidade de consultar documentos, pastas ou arquivos armazenados.

3.5. População em estudo e tamanho da amostra

3.5.1. População em estudo


No presente trabalho, o universo recaiu a todos trabalhadores, o que corresponde um total de 750
trabalhadores da Kennimare na localidade de Larde.

3.5.2. Tamanho da amostra


Para a efectivação deste trabalho utilizou-se uma amostra disponível e probabilística, pois, cada
elemento do universo tem a mesma probabilidade de ser escolhido para pertencer a amostra. Dai
que, a amostra para este estudo é de 40 individualidades. Sendo 25 funcionários da KMAD e 15
membros residentes na comunidade de Larde.

Tabela 2 - Amostra dos trabalhadores da KMAD e as Comunidades do Larde

Trabalhadores da Kenmare
Kennmare Direcção Dept. Dept. HST Dept. Exploração Comunidades
Manutenção Maquinarias
xxviii

H M H M H M H M H H M
3 2 4 1 3 2 5 4 1 10 5
S. total 5 5 5 5 5 15
Total 40
Fonte: Adaptado pelo autor, 2018

3.5.3.Ferramentas da análise e softwares usados


Para a consecução dos objectivos e analise do dados foi usado o software Excell.

CAPITULO IV – APRESENTAÇÃO, ANALISE E INTERPRETAÇÃO DE DADOS

4.1.Historial da Kenmare

Kenmare Moma, é uma empresa de extracção mineira, com sede na Irlanda, que possui como
actividade principal a operação de exploração de minerais de Titanium, localizada na costa do
leste do norte de Moçambique, na localidade de Topuito, Distrito de Larde, Província de
Nampula. A mina de Moma contém globalmente significativas reservas de minerais pesados que
incluem o ilmenite, minerais de titânio e rutilo. A Capacidade de funcionamento corrente da
Kenmare em plena produção é de 1.200.000 toneladas por ano de ilmenita, 75.000 toneladas de
xxix

zircônio co-produto e 21.000 toneladas de rutilo co-produto. Isto confere-lhe a capacidade para
atender 8% da demanda de matéria-prima global de titânio e 4% da demanda de zircão.

A Kenmare Moma Associação de Desenvolvimento (KMAD) é uma organização de


desenvolvimento independente que apoia e contribui para o desenvolvimento das comunidades
rurais na localidade de Topuitho situadas aproximadamente dentro de um raio de 10 quilómetros
da operação de mineração da Kenmare. A KMAD foi estabelecida pelo Conselho de
Administração da Kenmare Resources plc (Kenmare) em 2004. Até à data, a Kenmare tem sido o
principal financiador dos programas da KMAD como parte integral de sua abordagem dos
negócios inclusivos e Responsabilidade Social Empresarial (RSE).

4.2.Elementos estratégicos da KMAD

O contexto interno da KMAD foi desenvolvido a partir de um processo participativo de


autoavaliação num workshop onde os participantes discutiam através da realização de uma
biografia organizacional usando a ferramenta de linha de tempo desde a fundação ate então. A
linha de tempo biográfica foi concebida de tal forma que mostrasse os marcos importantes que
ocorreram, os momentos altos e baixos, avanços adquiridos e mudanças realizadas.

4.2.1.Missão
Facilitar o desenvolvimento económico e contribuir para a melhoria do bem-estar da população
local Isto inclui maximizar os benefícios da mina através da criação de oportunidades
económicas secundárias na comunidade e gerar oportunidades económicas sustentáveis a longo
prazo independentes da mina, bem como apoiar mecanismos de facilitação, tais como a
educação, a alfabetização de adultos e a formação profissional, o apoio ao desenvolvimento
social na saúde, promoção do desporto e cultura, bem como o apoio para a construção de infra-
estruturas sociais.

4.2.2.Visão
A visão da KMAD é conseguir uma comunidade com:

 Pessoas saudáveis que vivem em condições seguras e dignas, livres de doenças e perigos;
 Uma população autónoma e informada
 Acesso à educação e oportunidade para as pessoas alcançarem o seu potencial;
xxx

 Muitos grupos coesos e redes sociais que contribuam para um desenvolvimento


sustentável.

4.2.3.Valores
 Participação: as prioridades para as actividades são baseadas nas necessidades locais
identificadas pelos membros da comunidade, e apenas iniciativas de desenvolvimento
local, com a participação activa serão apoiadas pela KMAD.
 Sustentabilidade: o investimento no desenvolvimento de habilidades e capacidades vai
acompanhar todos os projectos apoiados pela KMAD para assegurar a sua viabilidade, e
apenas as iniciativas com forte potencial serão apoiadas.
 Igualdade: todas as pessoas e comunidades têm os mesmos direitos e devem ser tratadas
de forma igual, e a KMAD promove especialmente a participação das mulheres em todas
as suas actividades para atingir este objectivo.
 Eficiência: maximizar os benefícios locais dos recursos e aproveitar da infra-estrutura da
mina mais propriamente na criação de sistemas paralelos e avaliação das actividades em
prol da melhoria e eficácia.
 Integridade, Honestidade e Transparência: a KMAD está aberta sobre a sua alocação
e utilização de recursos e nas suas relações com todos os seus parceiros e partes
interessadas.

Figura 3 - Vista frontal da empresa Kenmare em Moma


xxxi

Fonte: Foto tirado pelo pesquisador, usando Drone V.178BPM-TM, 2018

4.3.Sumário Executivo

Em 21 de Janeiro de 2002, a Kenmare Moma Mining (Mauritius) Limited celebrou com o


Governo de Moçambique o contracto de licenciamento mineral de pesquisa, desenvolvimento e
produção de minerais pesados nas áreas de Moma, Congolone e Quinga.

A concessão mineira 270C corresponde a área identificada como reserva mineira de Congolone e
a área de Congolone no anexo A do contrato. Como a concessão é parte integral do Projecto de
Areias Pesadas de Moma, pretende-se que a planta de concentração mineral flutuante B (WCP
B) seja transferida para Congolone a partir da actual operação mineira em Topuito em 2021.

Durante o decurso de 2016 o estudo conceptual para a transferência da WCPB foi preparado pela
Hatch Africa Pty Ltd. Este concluiu que é tecnicamente possível transferir a WCP B via
marítima do depósito de Namalope à Congolone. O próximo passo é desenhar o plano de
trabalho para o estudo de engenharia de pre-viabilidade considerando todos aspectos da proposta
da transferência e mineração do depósito de Congolone pela WCP-B.
xxxii

4.3.1.Antecedentes da Empresa

A Kenmare foi constituída na Irlanda no dia 07 de Junho de 1972 com o nome de “Kenmare Oil
Exploration Limited”. A Companhia foi criada pela “Cluff Oil plc”, com a intenção de fazer um
pedido ao Governo irlandês de atribuição de licença de exploração mineira no Oceano Atlântico,
próximo da Irlanda. Após vários anos de exploração de petróleo, a empresa registou-se de novo
como uma Sociedade Anónima com o nome de Kenmare Oil Exploration Plc no dia 05 de Junho
de 1985. No dia 28 de Julho de 1987, a empresa mudou o seu nome para Kenmare Resources Plc
e em 1994 foi alistada no mercado principal de Bolsa de Londres, bem como na Bolsa de Valores
da Irlanda.

Em Outubro de 1987 a Kenmare comprou da Geozavod Gemini (Serviço Geológico da


Jugoslávia) uma participação de 50% das licenças contendo o depósito mineral de areias pesadas
em Congolone. Em 1989 a estrutura accionaria da joint-venture foi alterada e como resultado
dessa alteração, a Geozavod Gemini teve uma participação de 5% na joint-venture (sem
obrigação de financiar o seu desenvolvimento) e a Kenmare ficou com 95%.

Em Abril de 2007, a Kenmare assumiu o controlo operacional da lagoa de dragagem, dragas,


WCP e infra-estruturas e as operações de extracção mineira começaram com a acumulação de
HMC para o processamento posterior. Em Agosto de 2007, a Kenmare assumiu o controlo
operacional da MSP, do armazém dos produtos, das instalações de exportação dos minérios, e
todas infra-estruturas relacionadas, tal como o processamento de HMC para produzir ilmenite,
rutilo e zircão comerciável. Em Novembro de 2007, a Kenmare assumiu o controlo operacional
da barcaça de transbordo de produto mineral e o Grupo exportou o seu primeiro carregamento de
produtos de ilmenite, em Dezembro de 2007.

4.3.2.Operações de Mineração
xxxiii

Actualmente, a Kenmare está a explorar a Reserva de Namalope que contém os minerais de


titânio tais como ilmenite, rutilo e o mineral silícico zircónio, zircão. Esta reserva sob concessão
mineira 735C emitida pelo Governo de Moçambique é válida até 28 de Agosto de 2029.

A Kenmare utiliza duas dragas IHC Beaver para explorar a Reserva de Namalope. A principal
vantagem da exploração através do método de dragagem é o seu baixo custo de produção em
comparação com métodos alternativos de exploração mineira, tais como a exploração a seco com
recurso a equipamentos de desmonte, como retroescavadora giratória e pá carregadora frontal. A
Terceira draga Deidre foi comprada da SPI nos USA, e começou a operar em Maio 2013.

Figura 4 - Kenmare exploração do Monte Filipe, localidade de LARDE

Fonte: Foto tirada pela empresa - KMAD


xxxiv

Figura 5 - Vista nocturna da empresa Kenmare em Moma

Fonte: Foto tirado pelo pesquisador, usando Drone V.178BPM-TM, 2018

4.4.Analise e interpretação de dados

Este capítulo é reservado a apresentação, análise e interpretação de dados colectados a partir dos
instrumentos supracitados na metodologia. A análise e interpretação de dados constituem dois
processos distintos mas estreitamente relacionados.

Na análise o autor entrou em detalhes dos dados colectados a fim de conseguir resposta `as suas
indagações e procurar estabelecer as relações necessárias entre os dados obtidos e as hipóteses
formuladas.

Assim, a análise e interpretação dos dados desta monografia procura dar respostas aos objectivos
básicos que guiam a sua linha de pesquisa, sistematizando os dados recolhidos durante a
pesquisa, de forma a permitir uma análise profunda sobre o fenómeno.

Na perspectiva de avaliar o papel das empresas no âmbito da responsabilidade social: Caso da


Kennimare na localidade de Larde, na exploração do Monte Filipe (2014 a 2016).

Tabela 3 - Sexo dos trabalhadores que responderam o questionário

Sexo %
xxxv

Masculino 75,0
Feminino 25,0
Total 100,0
Fonte: Adaptado pelo pesquisador, 2018

Como se pode ver pela tabela, podemos constatar que num total de 30 trabalhadores que
responderam ao inquérito por questionário, 75% são de sexo masculino. E dai, pode-se afirmar
que existem mais homens do sexo masculino em relação ao sexo feminino.

Tabela 4 - Idade dos colaboradores que responderam o questionário

Idade %
<20 Anos 0,0
25 - 30 20,0
31 - 40 30,0
41 - 45 25,0
46 - 70 25,0
Total 100,0
Fonte: Adaptado pelo pesquisador, 2018

A tabela diz nos que, a idade dos inqueridos varia entre 25 e 70 anos, também foi verificado que
30% situa-se do intervalo de 31 – 50, como sendo a faixa etária mais predominante esta empresa.

Tabela 5 - Habilitação académica dos trabalhadores inqueridos

Habilitação %
Licenciatura / Mestrado 30,0
12ª Classe 65,0
10ª Classe 5,0
Até 7ª Classe 0,0
Até 5ª Classe 0,0
Total 100,00
Fonte: Adaptado pelo pesquisador, 2018

Os trabalhadores submetidos ao questionário na sua maioria 60% têm habilitações académicas da


12ª Classe de escolaridade. Se termos em conta com a idade da maioria dos trabalhadores
podemos verificar que as pessoas nesta faixa etária não tem muitas oportunidades de formação,
pelo menos para ensino superior, dai a razão do baixo nível de formação. Tendo em conta que,
na província de Nampula tem muitos centros de formação e universidades existentes.
xxxvi

4.4.1.Actividades da Mineradora Kenmare


No âmbito da responsabilidade social da empresa, no dia 03 do mês de Agosto de 2017, Distrito
de Larde, realizou-se a 1ª Sessão semestral do balanço das actividades desenvolvidas pela
empresa no primeiro semestre de 2017. Fizeram parte dos convidados os quadros da Assembleia
Provincial, quadros da Direcção Provincial dos Recursos Minerais e Energia, Membros do
Governo do Distrito de Larde, a Direcção da empresa, Sociedade Civil (Associação de Extensão
Rural (AENA), SOLIDARIEDADE MOZ., INSTITUTO DE SAUDE DE VICENA, Liderança
Local (Regulo Matapa, Secretários do Bairro) e imprensa.

4.4.2.Das actividades realizadas pela empresa


Trata-se das actividades levadas a cabo pela empresa Kenmare de Janeiro a Junho de 2017 como
consequência do cumprimento do Plano de Responsabilidade Social da Empresa aprovado no
ano de 2016. As actividades realizadas estão discriminadas em áreas de acordo com a
apresentação que se segue:

a) Área de desenvolvimento económico e meios de vida


 Financiados cinco projectos das 11 propostas apresentadas no valor de 1.378.175,00mts;
 Financiamento de grupos das sementes nativas num projecto novo de produção de
casuarinas onde se prevê uma produção mínima de 3.700 mudas;
 Refinanciamento do projecto de produção de ovos de Topuito em 354.500,00mts;
 Apoio do projecto de criação de frangos com 22 pintos avaliado em 7.000mts;

b) Área de produção animal e pesqueira

Sugerido pelos Serviços Distritais das Actividades Económicas, a Kenmare responsabilizou-se


em financiar os projectos, mas ate a data a empresa aguardava as propostas por parte do Governo
do Distrito.

c) Área de produção e diversificação agrícola


 Promove a prática da agricultura de conservação;
xxxvii

 Previsto para mês de Agosto a construção de pelo menos 01 dique em cada bairro;
 Em promoção o cultivo da batata-doce de polpa alaranjada;
d) Área de boa governação e desenvolvimento da capacidade local
 Em processo de instalação da rádio comunitária/Centro Multimédia;
 Realização de encontros semestrais de balanço das actividades da empresa;
 Apoio na implementação do plano de urbanização;
e) Área de desenvolvimento da saúde
 Apoio na realização de campanhas de saúde (formação de activistas e matronas);
 Em processo de financiamento de formação de 35 enfermeiras de Saúde Materna Infantil
(SMI) no Instituto de Saúde Avicena de Nampula;
f) Área de infra-estruturas e meios
 Em processo de construção de um Centro de Saúde tendo sido concluído até a presente
data o alpendre para o PAV;
 Apoio na manutenção da ambulância.
g) Área da água e saneamento
 Aberto um furo de água com 04 fontenárias em Naholoco;
 Realizadas campanhas de limpeza em todas fontenárias;
h) Área de desenvolvimento de educação
 Em processo de finalização de construção da Escola Técnica Profissional;
 Lançado concurso público para apetrechamento da Escola Técnica Profissional;
 Iniciada a construção do bloco de 04 salas de aulas na Escola de Tipane;
 Fornecido material escolar na escola de Tipane;
 Financiados 73 bolsas de estudo sendo 69 em Moma e 04 em Carapira.

i) Área de desenvolvimento de desporto e cultura


 Planificada para os meses de Julho e Agosto apoiar o campeonato de futebol local;
 Apoio do festival cultural distrital aguardando-se a proposta do Governo do Distrito.
j) Desafios durante a implementação do plano
 Ligeiros atrasos nas actividades de construção de infra-estruturas;
 Demora das propostas por parte dos parceiros.
xxxviii

4.5.Políticas em matéria de local de trabalho

Gráfico 1 - Actividades de saúde e seguranças dos funcionários

70% 65%
60%
50%
40% Actividades de saude e
30% 20% seguranca para os
20% 15% funcionarios
10%
0%
Sim Nao Nao Sabe

Fonte: Adaptado pelo autor, 2018

Como se pode ver pelo gráfico, quanto as questões de actividades de saudade e segurança dos
funcionários 65% dos inqueridos responderam que sim e 20% deles disseram não. O que faz crer
que, em matéria de local de trabalho há tanto conhecimento na parte dos funcionários.

Gráfico 2 - Medidas preventivas no momento de contratação

60% 50%
50%
40% 35%
30% Medidas preventivas no
20% 15% trabalho e no momento
10% de contratacao
0%
Sim Nao Nao Sabe

Fonte: Adaptado pelo autor, 2018

Quando se trata medidas de prevenções em momentos de recrutamento pode-se concluir que a


empresa em estudo não dispõe processos disciplinares e muito menos preventivos, isso mostra
nos que 50% dos inqueridos responderam que não e só 35% deles que responderam que sim, o
que mostra que é uma percentagem não aceitável.
xxxix

Gráfico 3 - Questões de consultas dos funcionários

60%
60%
40% 30% Questoes de consultas
20% 10% dos funcionarios

0%
Sim Nao Nao Sabe

Fonte: Adaptado pelo autor, 2018

O gráfico mostra-nos o gráfico que dos 60% dos inqueridos foi aceite e esse é um número
aceitável. E 30% deles responderam que não sabem, por falar de matéria ou seja conhecimento.

Gráfico 4 - Incentivo para os funcionários

80% 75%
70%
60%
50%
40% Incentivos para
30% Funcionarios
20% 15% 10%
10%
0%
Sim Nao Nao Sabe

Fonte: Adaptado pelo autor, 2018

Quanto a essa parte, os funcionários estão muito felizes naquilo que seria os incentivos isso
mostra que a empresa consegue fazer sorrir o seu pessoal porque 75% dos funcionários
inqueridos responderam que sim o que não resta dúvida, sendo que é uma percentagem grande.

4.6.Principais desafios da Kenmare

 Actos de desonestidade por parte de alguns beneficiários dos projectos e conflitos


internos nos grupos/associações
 Desafios impostos pelo mercado de insumos para alguns projectos de produção
(poedeiras e frangos).
 Fraco engajamento de beneficiários no cuidado a fruteiras.
 Práticas nocivas à agricultura de conservação (queimadas).
 Fraco envolvimento de alguns Líderes e membros de Comités de Gestão de Água.
xl

 Seguimento das técnicas agrícolas adequadas (Horticultura).


 Partilha de responsabilidades (KMAD, OSC, Governo).

Tabela 6 - Projectos de geração de renda no âmbito da RS

NR PROJECTOS VALOR
01 Poedeiras de Topuitho 354.148,00
02 Padaria de Topuitho 62.250,00
03 Mercearia de Topuitho 186.100,00
04 Padaria de Mutiticoma (em processo) 208.695,00
05 Gasolina de Tibane 120.000,00
06 Mercearia de Tibane 200.000,00
07 Poedeiras de Tibane 331.330,00
08 Carpintaria de Naholoco 315.340,00
09 Mercearia de Naholoco 180.000,00
10 Salinas de Naholoco 185.450,00
11 Mercearia de Isoua 150.000,00
12 Gasolina de Nathaca 26.502,00
13 Mercearia de Nathaca 120.000,00
14 Pesca de Nathuco 183.570,00
15 Piscicultura de Cabula (em processo) 18.870,00
16 Vegetais de Larde (em processo) 296.650,00
17 Padaria de Mulimune (experimental) 3.020,00
TOTAL 2.941.925,00

Fonte: Adaptado pelo pesquisador, a partir dos relatórios da Kenmare, 2018

4.7.Politicas ambientais

Gráfico 5 - Políticas de exploração ilegal dos recursos

35%
Sim
50%
Nao
Nao sabe

15%

Fonte: Adaptado pelo autor, 2018


xli

Quando se trata em questões ambientais a KMAD tem os seus procedimentos e políticas legais
para assuntos de recursos e 50% dos inqueridos respondem que sim que há existência de
políticas e 15% dos inqueridos responderam que não e os restantes 35% desconhecem desse
assunto.

Gráfico 6 - Existência de plano de emergência ambiental na KMAD

70% 65%
60%
50%
40%
30% Existencia de plano de
30% emergencia ambiental
20%
10% 5%
0%
Sim Nao Nao sabe

Fonte: Adaptado pelo autor, 2018

Essa questão, quase a maioria das empresas tem um plano de emergência, e na Kenmare isso não
faz falta, porque dos 65% dos que foram submetidos a entrevista responderam que Sim, há
existência de um plano formal sobre a emergência ambiental. E 5% disseram que não e 30%.
Não souberam responder por falta de conhecimento.

4.8.Valores e Governança

Gráfico 7 - Publicação de compromissos étnicos pela internet para as partes interessadas

40%
45%

Sim
Nao
15% Nao sabe

Fonte: Adaptado pelo autor, 2018

Quanto a essa questão não há problema, porque 40% dos funcionários da Keanmare afirmaram
com todo respeito, em que a empresa faz a menção de publicar os seus compromissos para as
xlii

partes interessadas, em que 15% responderam que NÃO, se calhar não estão ligados na internet e
45% dos inqueridos não souberam o que dizer.

Gráfico 8 - Estimulação a coerência entre os princípios e valores dos funcionários

50% 45%
40% 35%
30% Estimulacao a coerencia e
20%
20% os principios dos
funcionarios
10%
0%
Sim Nao Nao sabe

Fonte: Adaptado pelo autor, 2018

O gráfico mostra-nos que 20% dos funcionários inqueridos responderam que SIM e 35%
responderam que NÃO, alegando que a empresa não estimula aos funcionários aquilo que seria
os princípios e valores e por fim 45% não sabem da questão.

Gráfico 9 - Mecanismos formais para avaliar o desempenho dos funcionários na KMAD

10%

20% Sim
Nao
70% Nao sabe

Fonte: Adaptado pelo autor, 2018

Como se pode pelo gráfico acima, 70% dos funcionários responderam que SIM, o que faz crer
que a empresa tem os mecanismos que faz com que avalie o desempenho dos seus funcionários
mensalmente, e 20% dos funcionários responderam que NÃO, alegando que a empresa não tem
essas coisas e se tem não se faz sentir e 10% não sabem a respeito sobre avaliação de
desempenho.
xliii

Gráfico 10 - Programa de estimulação para o bem da organização na KMAD

45% 40%
40% 35%
35%
30% 25%
25% Programas que estimulam
20% os funcionarios para o bem
15% dos processos internos
10%
5%
0%
Sim Nao Nao sabe

Fonte: Adaptado pelo autor, 2018

O gráfico diz nos que 25% dos entrevistados responderam que SIM, dizendo que a empresa tem
programas de estimulação e isso faz-se semanalmente, pelo contrário 35% dos funcionários
desmentiram do assunto, dizendo que isso nunca aconteceu na empresa e se tem não se faz sentir
e 40% dos funcionários não sabem totalmente.

4.9.Políticas de mercado da KMAD

Gráfico 11 - Disponibilização de informação

40%
45%

Sim
Nao
15% Nao sabe

Fonte: Adaptado pelo autor, 2018


xliv

Gráfico 12 - Existência de cooperação com outras empresas sobre RS

45%
40%
35%
30%
25%
Ha cooperacao com outras
20% 40% empresas para RS
35%
15%
25%
10%
5%
0%
Sim Nao Nao Sabe

Fonte: Adaptado pelo autor, 2018

Quando se fala de cooperação é visto que 35% dos funcionários negaram quanto ao
envolvimento da empresa com outras para tratar questões de RS e 25% disseram que sim, que
existe cooperação uma vez que a Kenmare esta no Mercado a bastante tempo e não tem como
haver cooperação com empresas nacionais. E 40% não souberam de nada quanto a essa questão.

Gráfico 13 - Oportunidade de estágio para jovens recém formados na KMAD

80% 70%
70%
60%
50%
40% Existencia de oportunidade de
30% estagio para os jovens
20% 15%
10% 5%
0%
Sim Nao Nao sabe

Fonte: Adaptado pelo autor, 2018

O gráfico diz nos que 15% dos funcionários inqueridos responderam que NÃO, de que a empresa
não dá oportunidades para estágio profissional para os jovens que acabam de estudar para terem
experiencias, mas 70% responderam que sim, de que a empresa tem dado oportunidade para
estagio dentro e fora do pais.
xlv

4.10.valores da empresa

Gráfico 14 - Existência de código e valores de conduta na Kenmare

25%

Sim
Nao
60% Nao Sabe
15%

Fonte: Adaptado pelo autor, 2018

O gráfico mostra-nos que a empresa tem códigos e valores de conduta para disciplinar os
funcionários como se fosse uma empresa qualquer que presta serviços para a sociedade e esses
códigos e valores são de conhecimento do governo Moçambicano, mas 15% dos inqueridos
responderam que SIM, de que a empresa não tem essas coisas, uma vez que os donos fazem e
desfazem sem cumprir aquilo que seria as normas.

Gráfico 15 - Os funcionários estão cientes dos valores e condutas da empresa

60%
50%
50%
40% 35%
30% Os funcionarios cinte das
condutas e valores da
20% 15% empresa
10%
0%
Sim Nao Nao sabe

Fonte: Adaptado pelo autor, 2018

Como se pode ver pelo gráfico, 50% dos funcionários mais que a metade não estão ciente das
condutas e os valores da empresa, uma vez que os próprios donos é que fazem com que não
sejam respeitadas, mas 35% deles disseram que sim, de que estão ciente alegando que esta tudo
claro quanto as condutas e 15% não sabem a respeito do assunto.
xlvi

Gráfico 16 - Definição da RS na empresa

15%

15%

Sim
Nao
Nao Sabe

70%

Fonte: Adaptado pelo autor, 2018

O gráfico mostra nos que a empresa definiu a RS como uma propósito para com as comunidades,
não seria viável uma empresa tão grande e multinacional que presta serviços e não fazer algo
para o seio onde esta instalado, o que faz crer que a Kenmare tem essas particularidades de se
comprometer com a comunidade e 15% dos inqueridos responderam que NÃO, o que não torna a
verdade e por fim 15% não sabem o que seria uma RS.

4.11.Avaliação das hipóteses formuladas

5.11.1.Hipótese 1
As empresas ajudam na melhoria de condições de vida nas comunidades e no desenvolvimento
do país.

Aprovada à luz dos resultados sucessivamente das questões respondidas positivamente,


conjugado com os resultados onde ilustram onde a empresa Kenmare para além dos dividendos
que ganha para os accionistas, também contribui para aumento dos públicos internos e externos
para o desenvolvimento do Pais.

5.11.2.Hipótese 2
É provável que, as empresas tenham um papel fundamental na medida em que são geradoras de
emprego, para contribuir para a sustentabilidade além de fortalecer a sua imagem perante os
stackholders.
xlvii

Aprovada à luz dos resultados sucessivamente das questões respondidas positivamente,


conjugado com os resultados obtidos da empresa a Kenmare na qual se mostra com gestos
pequenos porém significativos, vem contribuindo para desenvolvimento de Moçambique. Saber
que mais de 30 mil estudantes têm a oportunidade de ter acesso a tecnologias de informação,
melhorando assim a sua preparação para inserção no mercado de trabalho é a certeza de que
cumprimos o nosso dever de empresa que une negócios a acções de responsabilidade Social.

Ainda no âmbito da parceria com o Ministério da Educação e Desenvolvimento Humano, a


KMAD fez a oferta de computadores no distrito de Moma, constitui a segunda parte do projecto
da KMAD.

CAPITULO V – CONCLUSÃO E SUGESTÕES

5.1.Conclusão

A vantagem competitiva das organizações é determinada em grande medida pela sua qualidade
da relação que faz com que mantenha com os indivíduos, quanto a nível interno e externo. Essa
discrepância esta directamente ligada e ao mesmo tempo direccionada as questões da inclusão e
exclusão ao mesmo tempo mas em diferentes grupos no seio em que estão inseridos.

Se termos em conta e pensar em responsabilidade social, sem ter algum ponto de referência na
busca de um desenvolvimento sustentável sob diversas políticas sejam elas ambientais ou
humana, afim de uns pelos outros redimirem as suas acções pode se combater com desigualdades
que possa necessitar e investir ao mesmo tempo em capital humano e nas potencialidades de
cada ser humano em promover aquilo que seria o capital social para as empresas assim como
para as comunidades.

Por outro lado, a questão do que se deve ser considerado como responsabilidade social, faz uma
ultrapassagem em seus aspectos mais comum e como convencionalmente a fim de compreender
xlviii

na discussão habitual sobre o tema, pois, como se pode ver as organizações tem de alguma forma
de devolver a forma estável e sustentável a sociedade, onde os recursos usados de natureza são
todos e porem encontrados muitas vezes retornos privados e danos ao planeta terra onde os seres
humanos habitam.

A RS tem uma grande importância e um poder na transformação. No entanto, como se pode ver,
dentro das suas directrizes humanas ela esta inteiramente no ramo de interdição. E a grande
mudança acontece quando é feito a intervenção e a invasão nas formas de relação com o homem
e a natureza. Contudo, essa questão só se verifica na leitura dos assuntos políticos e dos
programas desenvolvidos pelas grandes companhias, onde se pode extrair recursos para fins de
venda e para reparar os impactos de actividades que podem contribuir para o fortalecimento e
desenvolvimento das empresas no seio onde operam,

5.2. Sugestões

Chegando ao fim do trabalho, em termos de sugestões, temos

Capacitações, e formação para ter experiências que pode ser feita com diferentes empresas que
sejam exemplo de uma boa conduta sustentável que pode ajudar a melhorar aqueles que são os
procedimentos usados na Kenmare para implementação da responsabilidade social.

Para os gestores façam um estudo no campo das necessidades da comunidade carente e não
apenas, aceitando propostas das suas parcerias, onde estão implantados.

Que se faça a publicidade das actividades sociais para o seu público interno, para que estes
melhor conheçam a sua empresa e saber em que momentos podem com ela interagir com as
comunidades para o seu desenvolvimento.

A Kenmare tem a possibilidade de interagir com o cenário internacional de onde pode trazer
outro tipo de actividades de RS que se enquadrem a realidade de Moçambique, em particular no
Larde em Moma.
xlix

As comunicações devem ser feitas com intuito de amenizar e procurar saber como dar os
melhores passos para conseguir um lugar de destaque na implementação das políticas atinentes a
RS , em Moma.

BIBLIOGRAFIAS

GIL, António Carlos. Como elaborar projectos de pesquisa. 4ª ed. São Paulo, editora Atlas,
2002.

Neto, F. P.; Froes, C. (2001). Gestão da Responsabilidade Social Corporativa: o caso


brasileiro. Rio de Janeiro: Qualitymark.Revista Tempo, n° 156, Setembro 2007, Maputo,
Moçambique.

Souza, P. G. (2002). Comportamento Organizacional e Responsabilidade Social- Interesse


Mútuo – Os funcionários e a Organização. São Paulo: Fundação Escola de ComércioÁlvaros
Penteado.

Mueller, A. (2003). A utilização dos indicadores de responsabilidade social corporativa e


sua relação com os stakeholders (Dissertação de Mestrado). Florianópolis:Universidade
Federal de Santa Catarina.

Moretti, T. (2003). Ferramenta de Auto-Avaliação e Planeamento – Indicadores Ethos–


Sebrae de Responsabilidade Social para Micro e Pequenas. São Paulo: InstitutoEthos/Sebrae.

Bacellar, J. E.;Knorich, P. (2004). Indicadores Ethos de Responsabilidade Social


Empresarial. São Paulo: Instituto Ethos.
l

Filho, C. P. (2006). Responsabilidade Social e Governança: o debate e as suas implicações.


São Paulo: Thomson.

THOMPSON JR, A.; STRICKLAND, A.J. Planeamento estratégico: elaboração,


implementação e execução. São Paulo: Pioneira,2000.

POSSAS, S. Concorrência e competitividade: notas sobre estratégia e dinâmica selectiva na


economia. São Paulo: Hucitec, 1999.

PORTER, M. Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. 11.ed.


Rio de Janeiro: Campus, 1989.

PORTER, M. Estratégia competitiva: técnica para análise de indústrias e da concorrência.


15.ed. Rio de Janeiro: Campus, 1986.

OLIVEIRA, D.P.R.de. Estratégia empresarial & vantagem competitiva: como estabelecer,


implementar e avaliar. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2001.

MARCONI, Marina de Andrade & LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de Metodologias


Científicas, Atlas, 7ª Edição, São Paulo, 2010

KALAFUT, P.C; LOW, J. Vantagem invisível: como as estratégias conduzem o desempenho da


empresa. Porto Alegre: Bookman, 2003.

Comissão de Revisão Curricular Central da U. P. Normas para produção e publicação de


trabalhos científicos na Universidade Pedagógica. Maputo, Universidade Pedagógica, 2004.
li

Apêndices
lii

APÊNDICE A – QUESTIONÁRIO USADO NA COLETA DE DADOS

No âmbito da conclusão do curso de Licenciatura em Gestão de Empresas na Universidade


Pedagógica - Delegação de Nampula, julga-se indispensável colher algumas informações sobre o
tema “O papel das empresas no âmbito da responsabilidade social”. Para o efeito venho por
este meio pedir a colaboração de V/excia no preenchimento do questionário que se segue:

1. Dados Pessoais

Descrição Resposta

Carreira/Função que ocupa


Tempo de Serviço
Idade
Área de Afectação
Sexo

Marque com X: 1 Sim; 2 – Não e 3 – Não Sabe

2. POLÍTICAS EM MATÉRIA DE LOCAL DE TRABALHO

Classificador
Questões
1 2 3
A Kennmare dispõe de actividades em questões de saúde e segurança que protejam os
funcionários?
liii

Há processos que permitem que possa ser tomadas medidas preventivas no local de trabalho
e no momento de contratação (Por ex: Etnias, mulheres e pessoas com deficiência)?
Existe consulta dos funcionários sobre assuntos importantes?
Há incentivos dos funcionários que desenvolvem uma carreira de longo prazo (Por ex:
Avaliação de desempenho)?

3. POLITICAS AMBIENTAIS

Questões Classificador
1 2 3
A Kennmare tem uma política de não uso de insumos advindos de exploração ilegal de
recursos naturais
A Kennmare tem um plano de emergência ambiental que envolvam questões de risco e
capacita seus funcionários para enfrentar as situações?
Há redução do impacto do meio ambiente em termos de prevenção da poluição?
No desenvolvimento de produtos e serviços, tem em conta as potências impactos
ambientais?
Há disponibilização de informação precisa e objectiva acerca de produtos e serviços e
actividades dos clientes?
Há identificação de formas de utilização dos produtos e serviços para obter vantagens
competitivas?

4. VALORES E GOVERNANÇA

Questões Classificador
1 2 3
A Kennmare publica seus compromissos étnicos pela internet para as partes interessadas?
A Kennmare estimula a coerência entre os princípios e valores dos seus funcionários?
A Kennmare tem mecanismos formais para avaliar o desempenho dos seus funcionários?
A Kennmare tem programa para estimular as sugestões dos funcionários para o bem dos
processos internos?

5. POLÍTICAS DE MERCADO
liv

Questões Classificador
1 2 3
Há disponibilização de informação sobre produtos e serviços em matéria de obrigações
pós-venda?

Há utilização de registo e tratamento de reclamações apresentadas por clientes?

Há cooperação com outras empresas na abordagem de assuntos referente a responsabilidade


social?
A Kennmare dá oportunidade de estágio para jovens recém formados?

Há diálogo com a comunidade sobre assuntos controversos que envolvem a empresa (Por ex:
Veículos a obstruírem estradas ou caminhos)
A Kennmare oferece apoio monetário para as actividades e projectos da comunidade local?

6. VALORES DA EMPRESA

Questões Classificador
1 2 3
Há na Kennmare códigos e valores de conduta?
Os clientes têm conhecimento de valores e conduta da Kennmare?
Os funcionários estão cientes dos valores e condutas da Kennmare?
Foi definida a responsabilidade social na Kennmare?

7. REDE RESPONSABILIDADE SOCIAL

LEGENDA (Marque com X): 1- Sim; 2- Não; 3 – Não Sabe.

Classificador
Questões 1 2 3
Estas dispostas a fazer uma rede de incentivos de adopção de práticas de responsabilidade
social?
lv