Você está na página 1de 129

Relações Internacionais de

Âmbito Subnacional:
A Experiência de Estados e
Municípios no Brasil

Jacques Marcovitch
Pedro B. A. Dallari
(organizadores)
É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte e autoria, proibindo qualquer uso para fins comerciais

Instituto de Relações Internacionais – Universidade de São Paulo

Revisão de originais e editoração eletrônica: Com-Arte Jr. e


Rosane Taruhn (Bibliotecária IRI-USP) CRB-8/2464

Dados internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)


Jacques Marcovitch
Pedro B. A. Dallari
(organizadores)

Relações Internacionais de âmbito Subnacional:


A Experiência de Estados e Municípios no Brasil

DOI: 10.11606/9788569229001

Ensaios apresentados pelos conferencistas que participaram dos seminários organizados na disciplina
de graduação e de pós-graduação do IRI/USP, Temas e Prática em Relações Internacionais, ministrada
em 2013 sob a coordenação dos professores Jacques Marcovitch e Pedro B. A. Dallari.

Instituto de Relações Internacionais


Universidade de São Paulo
2014
Sumário

Entes Subnacionais e os Desafios da Globalização - Jacques Marcovitch e Pedro Dallari............. 5

A diplomacia dos Estados da Federação - Rubens Barbosa......................................................... 10

As Relações Internacionais do Estado de São Paulo - Rodrigo Tavares....................................... 12

Relações Inter(sub)nacionais: O caso do Estado do Rio de Janeiro - Pedro Spadale................. 28

O processo de internacionalização de Minas Gerais: possibilidades e


desafios - Chyara Sales Pereira..................................................................................................... 40

A Experiência da Assessoria de Cooperação e Relações Internacionais do


Governo do Estado do Rio Grande do Sul - Tarson Núñez........................................................... 48

A Secretaria Municipal de Relações Internacionais e Federativas da


Prefeitura Municipal de São Paulo - Leonardo Barchini Rosa......................................................... 57

Paradiplomacia na Cidade do Rio de Janeiro - Laudemar Gonçalves de Aguiar Neto..................... 73

Estudo de caso – Município de Belo Horizonte - Rodrigo de Oliveira Perpétuo.............................. 80

ANEXO - Disciplina: “Temas e Prática em Relações Internacionais”.......................................... 123

04 Instituto de Relações Internacionais


Entes Subnacionais e os Desafios da Globalização1

Jacques Marcovitch2
Pedro B. A. Dallari3

As relações de instituições subnacionais brasileiras com suas congêneres globais contribuem


para a inserção do país no cenário internacional e não contrariam a autoridade do governo central
sobre estas iniciativas. Há muito foi delineado um quadro realista, com os estados e municípios
cuidando livremente de seus interesses em tratados com o exterior. Mas, por restarem dúvidas,
mesmo que raras, em torno da plena legitimidade dessa diplomacia federativa, o IRI/USP incluiu
o tema na disciplina “Temas e Prática em Relações Internacionais”, programando, durante o ano
letivo de 2013, uma jornada de encontros e debates em torno da matéria. Esta publicação, que
agora chega aos leitores interessados, enfeixa conteúdos de algumas explanações de estudiosos
que atenderam o chamamento da Universidade para um painel expositivo de sua expertise no
tema.
Na palestra de abertura, do embaixador Rubens Barbosa ficou claro que a descentralização
política e a criação do Mercosul nos anos 1980 e 1990 correspondem a um reconhecimento das
práticas de cooperação direta entre Estados federativos e países amigos, cabendo ao governo
federal a indelegável função de controle, decisão e acompanhamento.
Neste mesmo período, que coincidiu com a redemocratização brasileira, dois outros fato-
res contribuíram para a consolidação da política externa federativa: a abertura e a estabilização
da nossa economia. Novamente coube ao embaixador Barbosa esclarecer que o Ministério das
Relações Exteriores não poderia, como órgão controlador, fomentar discordâncias numa direção
e fazer o mesmo, simultaneamente, em outra que lhe fosse oposta. Em oito estados brasileiros já
funcionam representações do Itamaraty, o qual também não apresenta qualquer dificuldade para
a abertura de escritórios de Estados da Federação no exterior, como é o caso da Bahia, Pará,
Distrito Federal e Rio Grande do Sul. Vêm surgindo, com frequência, em nossa legislação, ele-
mentos facilitadores da cooperação internacional entre governos estaduais do Brasil e governos
centrais de outros países.
Assim, dos quinze seminários organizados (Anexo A), nove compõem esta publicação,
quando foram debatidas as dimensões e a cultura de internacionalização que hoje permeiam a
estrutura de vários estados e municípios das regiões Sul e Sudeste do Brasil. Representantes
dos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais e Rio Grande do Sul, assim como das
capitais São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, ampliaram o mapeamento das iniciativas

1 A palestra com o título “A capacidade jurídica dos entes subnacionais no plano internacional”, apresentada por Pedro Dallari, está
disponível em: http://iptv.usp.br/portal/video.action?idItem=19103 Acesso em 19 ago. 2014.

2 Jacques Marcovitch é Professor da FEA e do IRI, Universidade de São Paulo, da qual foi Reitor. Autor dos livros Para Mudar o
Futuro: Mudanças Climáticas, Políticas Públicas e Estratégias Empresariais (2006) e A Gestão da Amazônia: Ações Empresariais,
Políticas Públicas e Estratégias Empresariais (2011), entre outros.

3 Pedro Bohomoletz de Abreu Dallari é Professor Titular de Direito Internacional e Diretor do Instituto de Relações Internacionais
(IRI), Coordenador do Centro Ibero-americano (CIBA) da Universidade de São Paulo. Exerce, atualmente, a função de Coordenador
da Comissão Nacional da Verdade (Brasil). Autor de livros e artigos nas áreas de Direito Internacional e Relações Internacionais.

05 Instituto de Relações Internacionais


subnacionais e despertaram grande interesse dos futuros diplomatas ou qualificados funcionários
brasileiros da cooperação internacional que buscam amadurecimento em suas carreiras.
Dessa forma, pela atualidade dessas informações e importância de sua divulgação, os tex-
tos são aqueles apresentados pelos palestrantes, sem uma preocupação maior com referências
bibliográficas, visto apresentarem experiências atuais que merecem ampla divulgação, como uma
transcrição das palestras apresentadas, que também podem ser vistas nos vídeos disponíveis na
Biblioteca Digital do IRI e apontados em cada um dos textos. Durante os seminários realizados
na Universidade de São Paulo, Chyara Sales Pereira, Assessora de RI do governo do Estado de
Minas Gerais, definiu a área da diplomacia federativa, ou paradiplomacia, colocando a “cultura
internacional como uma estratégia que está sendo utilizada para nortear a projeção internacional
das unidades subnacionais, o nome dado à ação externa propriamente, no âmbito das discus-
sões das relações internacionais, é paradiplomacia”. Ou seja, refere-se às atividades paralelas,
complementares ou conflitivas em relação à diplomacia central.
O representante do governo estadual paulista, Dr. Rodrigo Tavares, numa retrospectiva dos
fatos que consolidaram as relações internacionais de âmbito subnacional no Brasil, lembrou o ci-
tado em entrevista pelo então presidente Fernando Henrique Cardoso, em 1998: “(...) Agora está
ocorrendo um fato que não tem nada a ver com o velho Estado nacional: os governadores vão
para o exterior, fazem acordos, trazem dinheiro. Isso, no passado, era impensável [...].”
Os estudantes de Relações Internacionais (RI) encontrarão outros subsídios de grande
relevância para ampliar a sua percepção da matéria. Caso da estratégia inovadora que o governo
paulista implementou no seu plano de atuação internacional, conforme pode ser visto no texto
respectivo, com 54 metas quantificáveis a serem alcançadas pelas secretarias, já endossada em
grande parte pelo Ministério das Relações Exteriores. Em cada grupo de 20 empresas do mundo,
14 mantém escritórios de representação em São Paulo. O Estado cultiva relações institucionaliza-
das com 108 países, 14 redes multilaterais e 20 organizações internacionais. O seu governador
assina a cada ano pelo menos 50 acordos com outras nações e as 26 secretarias estaduais
gerenciam, no mesmo período, 150 programas conjuntos. Os dados ilustram a magnitude das
atividades internacionais no âmbito do Estado de São Paulo, que tem obrigações externas equi-
valentes às de um grande país. Somente estas breves informações evidenciam que é irreversível
um programa que já alcançou tamanho porte. Assim, faz-se urgente o definitivo enquadramento
do que ainda não dispõe de uma clara sustentação jurídica.
Já a experiência do Estado do Rio de Janeiro, relatada por Pedro Spadale da Subsecretaria
de RI da Casa Civil do Estado do Rio de Janeiro, em matéria de inserção internacional, é possi-
velmente a mais antiga entre os estados brasileiros:

[...] anteriormente a 1960, o Rio de Janeiro foi a capital brasileira por dois séculos,
desde 1763, como sede da colônia, capital do império português no início do sé-
culo XIX, do Império do Brasil e da República, o que sempre possibilitou que o Rio
fosse o principal centro de intercâmbio internacional do país durante o período. A
criação do que pode ser considerada talvez a primeira unidade administrativa de-
signada para se ocupar especificamente da formulação de estratégias de inserção

06 Instituto de Relações Internacionais


internacional de um estado da federação brasileira se deu em 1983, com a criação
da Assessoria de Relações Internacionais, chefiada à época pelo Professor Clóvis
Brigagão, no início do governo de Leonel Brizola.

Em relação ao estado do Rio Grande do Sul (RS), foi mostrado por Tarson Núñez, Assessor
de Cooperação e RI, que “As ações de RI do governo estadual tomam como base o programa de
governo apresentado no processo eleitoral de 2010. A candidatura de Tarso Genro tinha como
slogan ‘Rio Grande do Sul, do Brasil e do Mundo’, sinalizando de forma muito objetiva com o
compromisso de potencializar a inserção do RS no cenário mundial como instrumento para o
desenvolvimento do estado. A formulação programática proposta destacava justamente a impor-
tância da esfera internacional para o RS”.
Passando para as capitais dos estados brasileiros da região Sudeste, Leonardo Osvaldo
Barchini Rosa, da Secretaria Municipal de Relações Internacionais e Federativas de São Paulo
(SMRI), relatou que:

O envolvimento do governo paulistano com as RI é bem anterior à criação da SMRI,


e que os primeiros esforços em organizar a ação internacional da cidade foram
feitos pela então prefeita Luiza Erundina (Partido dos Trabalhadores), no fim dos
anos 1980, dentro da Secretaria de Negócios Extraordinários. No entanto, com o fim
do mandato, o órgão foi extinto pela administração posterior, tendo sido retomado
somente em 2001. O Município de São Paulo é um dos poucos no Brasil que conta
com uma secretaria municipal para lidar com os assuntos internacionais. Criada no
governo da então prefeita Marta Suplicy (Partido dos Trabalhadores), em 2001, a Se-
cretaria Municipal de Relações Internacionais (SMRI) foi responsável pela estrutu-
ração e sistematização da agenda internacional da cidade, conferindo importância
e peso político às Relações Internacionais no âmbito municipal e dentro da própria
prefeitura.

Na cidade do Rio de Janeiro, conforme Laudemar Gonçalves de Aguiar Neto, da Coordena-


doria de RI da Prefeitura do Rio de Janeiro, houve

a criação, pelo Decreto nº 6917 de 02 de setembro de 1987, da Coordenadoria de


Relações Internacionais e do Cerimonial – CRI, ligada diretamente ao Gabinete do
Prefeito. O Rio de Janeiro tornou-se, então, o primeiro município do Brasil a ter uma
estrutura exclusivamente dedicada ao tema. A recém-criada Coordenadoria passou
a contar, além do Coordenador, Embaixador Cláudio Garcia de Souza, com dois
assessores e quatro assistentes. As competências envolvem a assessoria, a formu-
lação e a execução da política de Relações Internacionais da Prefeitura, envolvendo
as relações com organismos e agências internacionais, nacionais, órgãos diplomá-
ticos e demais entidades de representação estrangeira e a preparação de acordos
de cooperação e de irmanação e a participação em eventos e atividades no exterior.

Esta nova situação, por assim dizer, foi discutida em seus aspectos empíricos na apresen-
tação de Rodrigo de Oliveira Perpétuo, da Secretaria de RI de Belo Horizonte, assim como de-

07 Instituto de Relações Internacionais


monstrada a atuação detalhada dessa Secretaria. Para Perpétuo, “[...] as relações internacionais
praticadas por governos não centrais podem transcender a dimensão da cooperação, podendo
permear também outras vertentes, tais como o marketing do território, a atração de investimentos
privados, a representação institucional e a captação de recursos [...]”.
Apesar dos muitos avanços, cabe averiguar se essas iniciativas de âmbito subnacional têm
sido suficientes para o Brasil responder aos desafios da globalização. Na dimensão ambiental,
por exemplo, enquanto as grandes potências parecem convencidas da necessidade de migrar
para uma maior eficiência energética e tecnologias mais limpas, os recursos necessários a uma
ambiciosa transição para uma economia de baixo carbono estão ainda limitados. Muitos dos re-
cursos que poderiam ter sido alocados à causa ambiental foram canalizados para gastos militares
e, mais tarde, para salvar o sistema financeiro do seu colapso.
Embora o panorama da economia global continue turbulento, alguns países têm assentado
as bases de novas formas de desenvolvimento. Esses países têm buscado os fundamentos de
um ciclo de desenvolvimento baseado em sólida arquitetura financeira, enraizado em tecnologias
mais limpas e numa matriz energética eficiente apesar de um horizonte repleto de desafios.
Estamos em um tempo que exige o reposicionamento dos governos, das organizações públicas
e privadas, além do delineamento de novos modelos de governança, com dirigentes mais sensíveis
às mudanças externas para sobrelevar os interesses nacionais. Para tanto, estudos específicos são
desenvolvidos, com base em rankings globais que medem, dentre outros: a renda per capita associa-
da à esperança de vida ao nascer, o índice de qualidade de vida, a qualidade da vida comunitária, a
qualidade da educação, os fatores de liberdade política, governança pública, igualdade entre gêneros
e segurança física individual, os níveis de emprego, a capacidade de inovação e a competitividade.
Entre os países com patamar elevado nessas métricas, encontram-se aqueles com consoli-
dada ação internacional subnacional, entre os quais Bélgica, Canadá e Suíça. Países que, apesar
das permanentes tensões políticas internas, decorrentes de acentuada diversidade sociocultural,
estão classificados em alta escala nas variáveis enunciadas, além de deter um número expressivo
de universidades entre as melhores do mundo.
O que é possível aprender com esses países que se destacam pela ação internacional
descentralizada e que chegaram a um nível satisfatório de educação e qualidade de vida? Nes-
ses países cabe destaque à governança com elevada sensibilidade estratégica, fator que induz
o reposicionamento das organizações e empresas, por meio da inovação. Os elementos diferen-
ciadores que seguem decorrem em grande parte de uma elevada consciência dos riscos e da
necessidade de mitigá-los sem adiamentos:
1. Postura estratégica capaz de apreender tendências globais, mudanças no entorno
e oferecer uma resposta mais rápida às expectativas da sociedade.
2. Contínuo reposicionamento das organizações públicas e privadas. Diante de um
entorno em rápida transformação cabe ao governo e às cadeias setoriais um rápi-
do reposicionamento.
3. Capacidade de inovação decorrente do ambiente institucional, do sistema educa-
cional e de pesquisa, da infraestrutura tecnológica, da resposta eficiente à deman-
da do mercado e da criatividade inserida no conhecimento gerado e nos resultados.

08 Instituto de Relações Internacionais


4. Consciência disseminada dos riscos e esforço coletivo de mitigá-los que elevam a
resiliência aos riscos econômicos, geopolíticos, tecnológicos e ambientais.
Nesse quadro de profundas transformações, a extensão territorial brasileira sugere uma
atenção especial para as especificidades regionais. Essas sinalizam para a necessidade de com-
petências em relações internacionais de âmbito subnacional nas cinco grandes regiões do País.
Uma das regiões brasileiras que merece destaque nesse sentido é a Amazônia, com seus desa-
fios a serem enfrentados conjuntamente pelos nove países que integram a Amazônia continental.
Com apenas três décadas de aplicação por várias instituições subnacionais ou agentes
econômicos, esse modelo de relações externas chegou aos currículos acadêmicos ainda mais
rapidamente no curso de duas décadas (2000 e 2010). O perfil dos estudantes na USP registra,
em primeiro plano, a capacidade de aceitar este desafio, adequando a gestão local às possibili-
dades oferecidas pela globalização.
De modo geral, as universidades brasileiras, públicas ou privadas, vêm registrando crescen-
te expansão do número de estudantes optantes por essa área que, desde já, se inscreve entre as
mais úteis e promissoras do século XXI. O fato é bastante animador porque situa o jovem brasilei-
ro como potencial observador do mundo, qualificado para adquirir ou desenvolver os predicados
que a função exige.

09 Instituto de Relações Internacionais


A diplomacia dos Estados da Federação1

Rubens Barbosa2

Numa Federação, como o Brasil, o equilíbrio entre o poder central e os Estados está regulado
pela Constituição, mas sempre surgem questões específicas que desafiam esse equilíbrio e apre-
sentam problemas e conflitos de interesses muitas vezes de difícil solução. Alguns casos recen-
tes, como a guerra tributária dos portos e a distribuição dos royalties do pré-sal, além da questão
da criação de um imposto de valor agregado em substituição a um imposto estadual, o ICMS, são
exemplos expressivos dessa dificuldade.
A formulação e a execução da política externa é, segundo a Constituição, de competência
exclusiva do governo federal, por intermédio do Itamaraty. Algumas iniciativas isoladas de Estados
que assinaram diretamente acordos internacionais claramente se chocaram com a competência
exclusiva do Ministério das Relações Exteriores (MRE). A maior projeção externa do País e o
crescimento da economia brasileira fizeram com que aumentassem o número de altos dignitários
no Brasil e os contatos com o exterior em todos os níveis, federal, estadual e mesmo municipal.
Com a globalização, as facilidades de comunicação e de transportes, outra área passou
a ser afetada pelos crescentes contatos externos dos Estados federativos: a política externa.
Levando em conta as transformações por que passam as relações internacionais, em função da
interdependência financeira e, sobretudo, comercial, as relações entre o governo de Brasília e
os Estados e municípios passaram a requer um permanente diálogo, de troca de informações e
de consultas, para maior coordenação e maior harmonia nos diversos níveis de relacionamento
externo do Brasil.
A descentralização política, depois de 1985, o processo de integração regional, principal-
mente com a criação do Mercosul, em 1991, e a abertura e a estabilidade econômicas, iniciadas
nos anos 1990, foram alguns dos principais fatores que contribuíram para a emergência da diplo-
macia federativa no Brasil.
Desde 1997, o Itamaraty decidiu abrir escritórios regionais para trabalhar com os Estados
mais de perto e de forma mais coordenada. Hoje há representação do MRE em oito Estados:
Amazonas, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Santa Ca-
tarina e São Paulo. Nos últimos 30 anos, a começar pela iniciativa do governador Leonel Brizola
no Rio em 1985, começaram a ser criadas Secretarias de Relações Internacionais no chamado
nível subnacional, isto é, dos Estados. Hoje todos os Estados da Federação, com exceção do
Maranhão, mantêm um setor do governo voltado para os contatos externos. Alguns Estados esta-
beleceram escritórios no exterior, como a Bahia e o Pará. Além destes, o Distrito Federal e o Rio
Grande do Sul têm planos para abrir delegações no exterior neste ano.

1 Vídeo da palestra disponível em: <http://iptv.usp.br/portal/video.action?idItem=10965>. Acesso em 19 ago. 2014

2 Rubens Barbosa foi representante do Brasil junto a ALADI em Montevidéu (1991-1994), Embaixador do Brasil em Londres (1994-
1999) e em Washington (1999-2004). Atualmente é Presidente do Conselho de Comércio Exterior da Fiesp, Membro do Gacint da
USP, editor responsável da revista Interesse Nacional e consultor de negócios.

10 Instituto de Relações Internacionais


Visitantes estrangeiros buscam contatos com os Estados depois de manterem entendimen-
tos com Brasília. Compromissos internacionais, especialmente em questões relacionadas com
comércio exterior e meio ambiente, muitas vezes encontram problemas de execução em vista
de normas estaduais. Os impostos estaduais, como o ICMS, têm sido obstáculos à abertura de
mercados para produtos estrangeiros, muitas vezes influindo em sentido contrário aos esforços
do governo federal.
A inexistência de um marco jurídico de cooperação internacional descentralizada, contudo,
tende a dificultar a coordenação das ações internacionais dos Estados com o governo central.
Nesse contexto, o Estado de São Paulo inovou ao estabelecer, em abril de 2012, um plano de
atuação internacional, denominado “São Paulo no Mundo: Plano de Relações Internacionais 2011-
2014”.
Esse plano estabelece três objetivos gerais, que delineiam os eixos orientadores das rela-
ções internacionais do governo estadual, 16 prioridades setoriais e 54 metas específicas quantifi-
cáveis, definidas por todas as secretarias estaduais. Os três objetivos gerais são: elevar o nível de
participação do Estado de São Paulo no contexto da intensificação do papel regional e global do
Brasil; contribuir para a governança democrática e o desenvolvimento de parcerias entre os po-
vos; e promover o desenvolvimento sustentável do Estado de São Paulo, harmonizando os seus
pilares econômico, social e ambiental e garantindo o bem-estar das futuras gerações.
Discutido desde o início com o Itamaraty, o plano paulista é o primeiro dessa natureza no
Brasil - e um dos primeiros em nível global - e se justifica pela importância do mais importante
Estado da Federação no cenário internacional. Com um produto interno bruto (PIB) de US$ 798
bilhões, o Estado é a 18.ª maior economia do mundo e a segunda maior da América do Sul, de-
pois do Brasil. Se comparado com outras regiões, São Paulo é a 7ª mais rica, atrás de Estados
nos EUA (Califórnia, Texas, New York), na China (Guangdong e Jiangsu) e no Japão (Tóquio).
Das 20 maiores empresas do mundo, 14 têm escritórios de representação em São Paulo. Muitos
Estados norte-americanos e regiões europeias também estão representados na capital paulista.
Com a presença do ministro Antonio Patriota, que registrou a cooperação e a coordenação
do Estado de São Paulo com o governo federal na área internacional, o governador Geraldo
Alckmin pôs em vigência o plano. Dando seguimento a medidas concretas para implementar da
melhor maneira possível o Plano de Relações Internacionais, o governo de São Paulo e a Fiesp
assinaram recentemente convênio para melhor coordenarem as ações de promoção comercial,
de missões comerciais ao exterior e de recepção de autoridades que visitem nosso Estado.
A diplomacia federativa responde aos desafios da globalização e da conveniência de des-
centralização do poder público. São Paulo e o governo federal deram os primeiros passos concre-
tos nessa direção.

11 Instituto de Relações Internacionais


As Relações Internacionais do Estado de São Paulo1

Rodrigo Tavares2

“(...) Agora está ocorrendo um fato que não tem nada a ver
com o velho Estado nacional: os governadores vão para o exterior,
fazem acordos, trazem dinheiro. Isso, no passado, era impensável (...)”

– Fernando Henrique Cardoso, 19983

Introdução

O Estado de São Paulo, como 19ª maior economia do mundo e principal polo financeiro e indus-
trial da América Latina, mantém uma próspera atividade internacional desde o século XIX. O ar-
tigo é dividido em 4 partes. Em primeiro lugar, traça-se o enquadramento científico da diplomacia
federativa, desde o seu início nos anos 1980 até os dias de hoje. Em segundo lugar, descreve-se
o ordenamento jurídico e político da diplomacia federativa em outros países. Na terceira parte,
foca-se o contexto brasileiro, estabelecendo uma dicotomia entre as amplas atividades internacio-
nais dos Estados brasileiros e o tímido amparo constitucional dessas ações. Finalmente, o artigo
centra-se no caso específico do Estado de São Paulo, dando um especial destaque à gestão
Geraldo Alckmin (2011-2014).

1. O que é a diplomacia federativa?

O conceito de diplomacia federativa (ou paradiplomacia4, cooperação internacional descentrali-


zada, política externa federativa, microdiplomacia, diplomacia constitutiva, ou pós-diplomacia5),
engloba um conjunto de ações internacionais conduzidas por governos subnacionais, regionais,
municipais ou, simplesmente, não centrais. Esta nova dimensão das relações internacionais é o re-
sultado natural de duas forças motrizes: a globalização veloz e a tendência de descentralização do
poder público. O mundo atual é caracterizado pelo entrelaçamento entre economias e sociedades
nacionais, o que estimula a erosão das barreiras geográficas à atividade socioeconômica. A tradi-

1 Vídeo da palestra disponível em: < http://iptv.usp.br/portal/video.action?idItem=10964> . Acesso em 19 ago. 2014.

2 Rodrigo Tavares é Assessor Especial para Assuntos Internacionais do Governo do estado de São Paulo (2011). É formado pelas
universidades de Harvard, Berkeley/Califórnia, Gotemburgo (Ph.D.) e Columbia (pós-doutorado). Em 2008, 2009 e 2010 foi convidado
pelo Secretariado da ONU para escrever os relatórios anuais do Secretário Geral Ban Ki-moon sobre o desenvolvimento da África.

3 CARDOSO, Fernando Henrique (1998), O Presidente Segundo o Sociólogo: Entrevista de Fernando Henrique Cardoso a Ro-
berto Pompeu de Toledo. São Paulo: Companhia das Letras, p. 263.

4 Em grego, o prefixo para significa complemento de, assistente de, em paralelo com, além de, ou subsidiário de.

5 Termo proposto em AGUIRRE, Iñaki (1999), “Making Sense of Paradiplomacy? An Intertextual Enquiry about a Concept in Search of
a Definition” in Francisco Aldecoa e Michael Keating (Eds.), Paradiplomacy in Action: The Foreign Relations of Subnational Governments.
London e Portland: Frank Cass, 1999, p. 205. Segundo o autor, o ponto de referência das relações internacionais de governos regionais
não deveria ser o Estado central. O fenômeno não seria, assim, um complemento da diplomacia clássica, mas estaria além dela.

12 Instituto de Relações Internacionais


cional distinção entre assuntos domésticos e assuntos externos é, consequentemente, cada vez
mais difícil de demarcar6, abrindo espaços para novos atores internacionais como empresas multi-
nacionais, sindicatos, fundações, ONGs, movimentos sociais e, naturalmente, governos regionais.
Ainda que os mundos acadêmico e político tenham despertado para a diplomacia federativa
na década de 19807, só nas décadas seguintes houve uma erupção de publicações científicas
sobre este tema, o que sinaliza o interesse da academia em decifrar uma prática cada vez mais
comum nas relações internacionais8. Se analisados no microscópio, estes trabalhos científicos
convergem, em larga medida, na definição de paradiplomacia, descrevendo-a como o envolvi-
mento de governos subnacionais nas relações internacionais, por meio do estabelecimento de
contatos, formais e informais, permanentes ou provisórios (ad hoc), com entidades estrangeiras
públicas ou privadas, objetivando promover resultados socioeconômicos ou políticos9.
O primeiro ciclo de publicações focava-se nas regiões da Europa10 (Flandres11, País Basco12),
EUA13 e Canadá14. Mais recentemente, porém, a literatura tem contemplado também o resto do

6 ROSENAU, James (1997), Along the Domestic-Foreign Frontier: Exploring Governance in a Turbulent World. Cambridge e Nova
York: Cambridge University Press; ALDECOA, Francisco e KEATING, Michael , “Introduction”, in Francisco Aldecoa e Michael Keating
(Eds.) op. cit., p. VII.

7 Os primeiros trabalhos foram DUCHACEK, Ivo D. (1986a), “International Competence of Subnational Governments: Borderlines and
Beyond” in Oscar J. Martinez (Ed.), Across Boundaries: Transborder Interaction in Comparative Perspective. El Paso: Texas Western
Press; DUCHACEK, Ivo D. (1986b), The Territorial Dimensions of Politics: Within, Among, and Across Nations. Boulder and London:
Westview Press; DUCHACEK, Ivo; LATOUCHE, D; STEVENSON, G.. (1988), Perforated Sovereignties and International Relations:
Trans-Sovereign Contacts of Subnational Governments, New York and London: Greenwood.

8 MICHELMANN, Hans J.; SOLDATOSSoldatos, Federalism and international Relations: the Role of Subnational Units. Oxford e New
York: Oxford University Press, 1990; HOCKING, B., Localizing Foreign Policy: Non-Central Governments and Multilayered Diplomacy.
London and New York: Macmillan and St. Martin’s Press, 1993; HOCKING, B. (Ed.), Foreign Relations and Federal States. London:
Leicester University Press, 1993; HOCKING, B. (1997), “Regions and International Relations” in M. Keating e J. Loughlin (Eds.), The
Political Economy of Regionalism. London: Belhaven; ALDECOA, Francisco; KEATING, Micheal (Eds.), op. cit.; GRUBISA, Damir,,
Paradiplomacy in Action: The Foreign Relations of Subnational Governments. London: Mediterranean Politics, 1999; LECOURS, André
(2002), “Paradiplomacy: Reflections on the Foreign Policy and International Relations of Regions” in International Negotiation, v, 7, 1,
p. 91-114; LACHAPELLE, Guy e PAQUIN, Stéphane (2005), “Why do Sub-states and Regions Practice International Relations?” in Guy
Lachapelle e Stéphane Paquin (Eds.), Mastering Globalization: New Sub-States’ Governance and Strategies. Abingdon e New York:
Routledge.

9 CORNAGO, Noé (1999), “Diplomacy and Paradiplomacy in the Redifinition of International Security: Dimensions of Conflict and Co-
operation” in Francisco Aldecoa e Michael Keating (Eds.), op. cit., p. 40; DUCHACEK, Ivo D. (1986b), op. cit, p. 246-7.

10 PALARD, Jacques (1999), Les Relations Internationales des Régions en Europe. Québec: Institut Québécois des Hautes Etudes
Internationales, Université Laval; BLATTER, Joachim, et. al (2008), “The Foreign Relations of European Regions: Competences and
Strategies” in West European Politics, v. 31 (3).

11 CRIEKEMANS, David (2006), “How Subnational Entities Try to Develop Their Own ‘Paradiplomacy’: The case of Flanders (1993-
2005)”. Apresentado na conferência Challenges for Foreign Ministries: Managing Diplomatic Networks and Optimising Value. Genebra,
31 de maio.

12 UGALDE, Alexander (1999), “The International Relations of Basque Nationalism and the First Basque Autonomous Government
(1890-1939)” in Francisco Aldecoa e Michael Keating (Eds.), op. cit.

13 FRY, Earl H. (1998), The Expanding role of State and Local Governments in U.S. Foreign Affairs. New York: Council on Foreign Rela-
tions Press; KINCAID, John (1999), “The International Competence of US States and their Local Governments” in Francisco Aldecoa e
Michael Keating (Eds.), op. cit., p. 111-133.

14 BERNIER, Ivan; THÉRIEN Jean-Philippe (1994), “Le comportement international du Québec, de l’Ontario et de l’Alberta dans le
domaine économique” in Études internationals, v. 25 (3), p. 453-486; BALTHAZAR, Louis (1999), “The Québec Experience: Success or

13 Instituto de Relações Internacionais


mundo15, incluindo o Brasil16. Praticamente concluídos os estudos empíricos das práticas internacio-
nais das regiões, a mais recente vaga de publicações concentra-se nas ações externas conduzidas
por estas entidades em áreas específicas, como meio ambiente17; foca a contribuição de atores
específicos, como governadores estaduais18; ou aventura-se na construção das primeiras teorias
explanatórias19.
Apesar da maioria das publicações salientar o caráter irreversível da paradiplomacia, é
importante registrar também a existência de vozes dissonantes que alertam para a possível de-
sestabilização causada por esta prática20. Sublinha-se frequentemente o fato de que acordos in-
ternacionais entre governos subnacionais e entre estes e Estados estrangeiros não serem regidos
pela Convenção de Viena sobre Direito dos Tratados, de 1969 (entrou em vigor em 1980)21. Os
primeiros trabalhos acadêmicos sobre diplomacia federativa iluminavam também a possibilidade
de a política externa regional refletir a ambição autonomista ou independentista de algumas re-
giões, como o País Basco, Québec ou Flandres. Com o passar do tempo, o estudo da paradiplo-
macia se emancipou deste debate, cunhando-se o termo “protodiplomacia” para descrever estas

Failure?” in Francisco Aldecoa e Michael Keating (Eds.), op. cit., p. 153-169.

15 RAVENHILL, John (1999), “Federal-State Relations in Australian External Affairs” in Francisco Aldecoa e Michael Keating (Eds.), op.
cit., p. 134-152; MAKARYCHEV, Andrey S. (1999), “Russian Regions as International Actors” in Demokratizatsiya, v. 7 (4), p. 501-526;
JAIN, Purnendra (2005), Japan’s Subnational Governments in International Affairs. London e New York: Routledge; MICHELMANN,
Hans (2009) (Ed.), Foreign Relations in Federal Countries. Montreal: McGill University Press.

16 BARRETO, Maria Inês (2001), Gestão Estratégica do Poder Executivo do Estado de São Paulo Frente ao Processo de Integração
Regional do Mercosul. Tese de Doutorado em Administração, Fundação Getúlio Vargas, Escola de Administração de Empresas de
São Paulo; VIGEVANI, Tullo (Ed.) (2004), A Dimensão Subnacional e as Relações Internacionais. São Paulo: UNESP; BRIGAGÃO,
Clóvis (2005), Relações Internacionais Federativas do Brasil: Estados e Municípios. Rio de Janeiro: Gramma; NUNES, Carmen Juçara
da Silva (2005), A Paradiplomacia no Brasil: O Caso do Rio Grande do Sul. Dissertação de Mestrado em Relações Internacionais,
Universidade Federal do Rio Grande do Sul; VIGEVANI, Tullo (2006), “Problemas para a Atividade Internacional das Unidades Sub-
nacionais: Estados e Municípios Brasileiros” in Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 21 (62); CASTELO BRANCO, Álvaro Chagas
(2008), Paradiplomacia e Entes Não-Centrais no Cenário Internacional. Curitiba: Juruá Editora; BARROS, Marinana Andrade (2010), A
Atuação Internacional dos Governos Subnacionais. Belo Horizonte: Editora Del Rey; SALOMON, Monica (2011), “Paradiplomacy in the
Developing World: The Case of Brazil” in Mark Amen, et. al. (Eds.), Cities and Global Governance: New Sites for International Relations.
Surrey e Burlington: Ashgate.

17 EATMON, Thomas D. (2009), “Paradiplomacy and Climate Change: American States as Actors in Global Climate Governance” in
Journal of Natural Resources Policy Research, v. 1, nº. 2, p. 153–165; OSOFSKY, Hari M. (2010), “Multiscalar Governance and Climate
Change: Reflections on the Role of States and Cities at Copenhagen” in Maryland Journal of International Law, v. 25, p. 64-85.

18 MCMILLAN, Samuel Lucas (2008), “Subnational Foreign Policy Actors: How and Why Governors Participate in U.S. Foreign Policy”
in Foreign Policy Analysis, v. 4, p. 227–253.

19 LACHAPELLE, Guy e PAQUIN, Stéphane (2005), “Why do Sub-states and Regions Practice International Relations?” in Guy
Lachapelle e Stéphane Paquin (Eds.), op. cit.; DEFORCHE, Peter e DEFORCHE, Jana (2010), “Going Beyond Paradiplomacy? Add-
ing Historical Institutionalism to Account for Regional Foreign Policy Competences” in The Hague Journal of Diplomacy, v. 5, p. 151-171.

20 REZEK, Francisco (2005), Direito Internacional Público. Curso Elementar. São Paulo: Saraiva, 10a ed. p. 234.

21 De acordo com a Convenção, “tratado” significa um acordo internacional concluído por escrito entre Estados e regido pelo Direito
Internacional, quer conste de um instrumento único, quer de dois ou mais instrumentos conexos, qualquer que seja a sua denomi-
nação específica” (Art. 2º, inc. I, alínea a, itálico adicionado). Esta visão tradicional do Direito Internacional tem sido frequentemente
questionada. Por exemplo, a possibilidade de Estados desprovidos de personalidade jurídica internacional celebrarem tratados foi
reconhecida pela Convenção das ONU sobre o Direito do Mar (1982) (Art. 305, inc.1, alínea d). Co-operation” in Francisco Aldecoa e
Michael Keating (Eds.), op. cit., p. 40; DUCHACEK, Ivo D. (1986b), op. cit, p. 246-7.

14 Instituto de Relações Internacionais


tendências secessionistas22. A paradiplomacia só é transformadora do próprio Estado em países
já em processo de desintegração. É consequência, não causa23.

2. Diplomacia Federativa em nível mundial

A prática da diplomacia federativa é recorrente em vários países. Nas palavras da icônica ex-presi-
dente da Letônia, Vaira Vīķe-Freiberga, “independentemente da distância, da reduzida dimensão,
das parcas competências ou da própria pobreza, todas as regiões do mundo têm pelo menos uma
joia única que podem partilhar com os outros” 24.
Existe um caleidoscópio de como a diplomacia federativa é exercida em nível global. No
caso suíço, a Constituição Federal da Confederação Helvética (de 1999) estabelece que os can-
tões participam na preparação de decisões de política externa relacionadas a seus poderes e
interesses essenciais (Art. 55). Os cantões têm também o direito de concluir tratados com Estados
estrangeiros em matérias que se inserem na sua esfera de competência (Art. 56).
Nos Estados Unidos, ainda que a Constituição seja vaga relativamente à competência in-
ternacional dos Estados, isso não impediu que eles tivessem aberto 183 escritórios de repre-
sentação no exterior (13 estados têm escritório em São Paulo)25 e assinado milhares de acordos
com países terceiros (dados de 1999), sem que a União veja nessa conduta uma violação de
soberania.26 Fenômeno semelhante acontece no Canadá. Ainda que a Constituição de 1982 seja
pouco elucidativa sobre o tema, algumas províncias canadenses têm uma vigorosa atividade
internacional.
O Québec, por exemplo, tem 29 escritórios no exterior (incluindo em São Paulo). Na Áustria,
a constituição confere aos entes federados a prerrogativa de celebrar tratados com Estados limí-
trofes ou com outros entes não centrais (Art. 16). A Holanda, ainda que não seja uma federação,
tem-se mostrado sensível à internacionalização da política local. Ilustrativamente, ao revisar em
1995 a sua estratégia de relações externas, o Governo alertou para a nebulosidade existente
entre política externa e doméstica: “se a política doméstica está ganhando gradualmente uma
dimensão internacional, também a política externa está ganhando um caráter doméstico” 27.
No caso alemão, a Constituição (de 1949, com emendas) reconhece tanto o direito a ser
consultado quanto o treaty-making power aos Estados federados alemães (Länder) (Art. 32). His-

22 DUCHACEK, I. (1988), “Multicommunal and Bicommunal Polities and Their International Relations (1988), in Ivo Duchacek, D.
Latouche e G. Stevenson (Eds.), op. cit., p. 22.

23 KEATING, Michael (1999), “Regions and International Affairs: Motives, Opportunities and Strategies”, in Francisco Aldecoa e
Michael Keating (Eds.), op. cit., p. 13.

24 Citada em BRANDE, Luc Van Den (2010), “Sub-State Diplomacy Today” in David Criekemans (Ed.), Regional Sub-State Diplomacy
Today. Leiden e Boston: Martinus Nijhoff, p. 201.

25 New York, Wisconsin, Maryland, Ohio, Virginia, Florida, Georgia, Massachusetts, Nevada, North Carolina, Pennsylvania, Philadel-
phia, Texas (Porto de Houston).

26 KINCAID, John (1999), “The International Competence of US States and their Local Governments” in Francisco Aldecoa e Michael
Keating (Eds.), op. cit, p. 111 e 129.

27 Citado em HOCKING, Brian (1999), “Patrolling the ‘Frontier’: Globalization, Localization and the ‘Actorness’ of Non-Central
Governments,” in Francisco Aldecoa e Michael Keating (Eds.), op. cit., p. 18.

15 Instituto de Relações Internacionais


toricamente, os estados alemães conduzem uma dinâmica atividade internacional. Só a Baviera
tem 19 escritórios de representação no exterior (incluindo um em São Paulo). Na Bélgica, a consti-
tuição de 1993 assinala em seu Art. 167 que o Rei (ou seja, o governo federal) conduz as relações
internacionais do país, “sem prejuízo da competência das comunidades e das regiões para lidar
com a cooperação internacional, incluindo a celebração de tratados, nas áreas da sua competên-
cia (...).”
Na América Latina, foi a Argentina quem inaugurou a cláusula constitucional da diplomacia
federativa. Com efeito, é reconhecido às províncias argentinas, a partir de então, o treaty-making
power, com alguns limites. De acordo com o art. 124 da Constituição: “as províncias podem criar
regiões para o desenvolvimento econômico e social e estabelecer órgãos com faculdades para o
cumprimento dos seus fins e poderão também celebrar convênios internacionais tanto quanto não
sejam incompatíveis com a política exterior da nação (...)”. A reforma constitucional promovida na
Argentina no início da década de 1990 buscou atender aos anseios da corrente política que luta-
va pela implantação do “verdadeiro federalismo”, através de disposições que garantissem maior
autonomia para as províncias em suas áreas de atuação.28
No caso europeu, um fenômeno concomitante fertilizou a prática da paradiplomacia. Na
década de 1970, surgiram no continente as primeiras associações setoriais de regiões, como a
Association of European Frontier Regions ou a Association of Regions of Industrial Technology
com o objetivo de elevar a sua capacidade reinvidicativa junto a seus países ou às instituições
europeias. Com a mesma filosofia, na década de 1980 os autointitulados “Quatro Motores da
Europa” (Rhône-Alpes, Baden-Württemberg, Lombardia e Catalunha) assinaram um memorando
para promover a cooperação econômica e social entre eles e para advogar o princípio da subsi-
diariedade.
Em termos gerais, o princípio da subsidiariedade visa garantir um determinado grau de
autonomia a uma autoridade subordinada, em face de uma instância superior, ou a um poder
local face ao poder central. Assim sendo, implica uma repartição de competências entre diversos
níveis de poder, princípio que constitui a base institucional dos estados federais. Este princípio foi
formalmente consagrado no direito da União Europeia pelo Tratado de Maastricht (1992), que o
enunciou no segundo parágrafo do artigo 5º. Em termos institucionais, o princípio permitiu a cria-
ção do Comitê de Regiões, que formalizou a participação dos governos subnacionais na política
comunitária europeia. Hoje, a Comissão Europeia, o Conselho e o Parlamento devem consultar
o Comitê das Regiões antes de serem tomadas as decisões sobre questões relativas à adminis-
tração local e regional (por exemplo, sobre política de emprego, ambiente, educação ou saúde
pública). O Comitê tem atualmente 353 membros de todos os 28 países da UE.
A paradiplomacia é não só reconhecida em cartas constitucionais ou visível em práticas
europeias de integração regional, mas é também admitida por organizações intergovernamentais,
que passaram a incorporar, em suas estruturas e em suas agendas, a participação subnacional
direta. A IV Convenção de Lomé, celebrada em 1989 entre a UE e 71 países da África, Caribe e
Pacífico, dispunha sobre a importância de organizações privadas e públicas, que não o governo
central, traçarem parcerias em prol do desenvolvimento (Art. 20). A Agenda 21 (um dos principais

28 CASTELO BRANCO, Álvaro Chagas (2008), op. cit., p.66.

16 Instituto de Relações Internacionais


resultados da conferência Rio-92) no seu Art. 28, ou a Declaração de Istambul sobre Assenta-
mentos Humanos (Habitat II, 1996) no Art. 12 valorizam e reconhecem também a legitimidade do
poder local na discussão e na decisão sobre temas globais. O Mercosul caminha na mesma dire-
ção. Em 2004, na Cúpula de Ouro Preto, constituiu-se o Foro Consultivo de Municípios, Estados
Federados, Províncias e Departamentos do Mercosul de forma a criar um espaço de participação
direta dos governos subnacionais na estrutura institucional do Mercosul.

3. Diplomacia Federativa no Brasil

A redemocratização ocorrida nos anos 1980 e a consequente descentralização política, a in-


tegração regional na América Latina e a abertura e estabilidade econômica iniciadas nos anos
1990 foram os principais motivadores da diplomacia federativa no Brasil. Todavia, não há ainda
um modelo institucionalizado de atuação internacional dos entes não centrais no ordenamento
jurídico brasileiro.29 A Constituição Federal de 1988 não prevê a possibilidade de que Estados fe-
derados, Distrito Federal e municípios desenvolvam relações internacionais. O art. 21-I determina
que “compete à União manter relações com Estados estrangeiros e participar de organizações
internacionais”. Já o art. 84 dispõe que “compete privativamente ao Presidente da República: VII
- manter relações com Estados estrangeiros e acreditar seus representantes diplomáticos; VIII -
celebrar tratados, convenções e atos internacionais, sujeitos a referendo do Congresso Nacional.”
Mesmo sem amparo constitucional, a diplomacia federativa tem sido praticada diariamente,
sem necessariamente afrontar o estado de direito. Isto é realizado de duas formas. Em primei-
ro lugar, a Constituição concede aos estados e municípios amplas competências nas áreas de
saúde; patrimônio histórico, cultural e paisagístico; cultura, educação e ciência; meio ambiente;
habitação; e combate à pobreza (Art. 23). Muitos entes federados têm usado destas prerrogativas
através de programas e acordos internacionais. As atividades internacionais representam, desta
forma, a externalização das suas competências domésticas. Em segundo lugar, é possível inferir
do art. 52 da Constituição que os Estados e municípios têm capacidade de iniciar operações ex-
ternas de natureza financeira, que deverão ser, contudo, autorizadas pelo Senado Federal.30 Des-
de os anos 90 que vários entes federados mantêm negociações diretas com entidades externas
de crédito como o BIRD, BID ou JICA.
Criou-se desta forma um consenso em torno da premissa que a lei fundamental brasileira
não proíbe a atuação dos entes federados no exterior. As restrições jurídicas que existem confi-
nam-se apenas à prática de alguns atos específicos, como a celebração de tratados. Aceita-se,
deste modo, que os entes federados atuem externamente, desde que tratem de assuntos que
digam respeito especificamente às suas competências constitucionais.
De fato, ainda antes da adoção da Carta Magna de 1988, as unidades federativas brasilei-
ras entraram no jogo das relações internacionais. Em 1982, ano em que os governadores come-
çaram a ser eleitos diretamente, Leonel Brizola, Governador do Estado do Rio de Janeiro, institui

29 CASTELO BRANCO, Álvaro Chagas (2008), op. cit, p.18; BARROS, Marinana Andrade e (2010), A Atuação Internacional dos
Governos Subnacionais. Belo Horizonte: Editora Del Rey, p.58

30 O art. 52, tratando de competências privativas do Senado Federal, estatui, no inciso V, competir à câmara alta “autorizar o
erações externas de natureza financeira, de interesse da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Territórios e dos Municípios”.

17 Instituto de Relações Internacionais


o primeiro órgão de articulação internacional de um ente federado brasileiro (capitaneado pelo
Prof. Clóvis Brigagão). Em 1987, o Governador do Rio Grande do Sul criou a Secretaria Especial
para Assuntos Internacionais (concebida pelo Prof. Ricardo Seitenfus). Estes dois casos “marcam
um momento de inflexão na Federação brasileira, pois a agenda internacional deixava de ser
um assunto restrito ao executivo federal e à chancelaria”.31 Amparados pelo espírito federalista
da Constituição de 1988 e instigados por razões de ordem prática, vários outros estados e mu-
nicípios se lançaram na senda de novos territórios de interação internacional, mais fecundos do
que os tradicionais acordos de ‘cidades irmãs’, caracterizados por seu cunho protocolar e, muitas
vezes, infrutuoso.
O Itamaraty só se começou a posicionar face a este novo fenômeno em meados da década
de 1990. Em 1995, a expressão “diplomacia federativa” foi utilizada pela primeira vez, oficialmen-
te, em um discurso do então chanceler Luiz Felipe Lampreia, realizado na Comissão de Relações
Exteriores da Câmara dos Deputados, para denominar as ações internacionais de Estados e
municípios brasileiros.32 No mesmo ano, a diplomacia federativa foi incluída, pela primeira vez,
no Manual do Candidato à Carreira de Diplomata do Instituto Rio Branco como um dos possíveis
tópicos da prova.33
Em 1997 o governo federal fez a sua primeira intervenção para garantir alguma supervisão
a estas atividades paradiplomáticas. Nesse ano, por determinação do então Presidente Fernando
Henrique Cardoso, foi criada a Assessoria de Relações Federativas (ARF), junto ao Gabinete do
Ministro das Relações Exteriores, com o objetivo de dar assistência aos Governos dos Estados e
Municípios brasileiros nas suas iniciativas externas, tratativas com Governos estrangeiros, orga-
nismos internacionais e organizações não-governamentais. Foram também criados escritórios de
representação do Itamaraty em nove estados (Amazonas, Bahia, Minas Gerais, Paraná, Pernam-
buco, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Santa Catarina e São Paulo). A ARF só ganhou espaço
político no Itamaraty, porém, quando, em 2003, se fundiu com outra assessoria para se tornar a
Assessoria Especial de Assuntos Federativos e Parlamentares (AFEPA), hoje liderada pelo Em-
baixador Pedro Borio.
A instalação, nos primeiros meses do governo Lula da Silva, da Secretaria de Relações
Institucionais da Presidência da República (SRI) e da Subchefia de Assuntos Federativos (SAF)
injetou um dinamismo adicional a este processo.34 Uma das inovações do período foi a criação,
em 2003 (instituído por decreto em 2007), do Comitê de Articulação Federativa (CAF), entre a
União e os municípios, para tratar dos assuntos de competência comum. Além disso, a Agência
Brasileira de Cooperação (ABC), vinculada ao Ministério das Relações Exteriores, tem também

31 NUNES, Carmen Juçara da Silva (2005), A Paradiplomacia no Brasil: O Caso do Rio Grande do Sul. Dissertação de Mestrado
em Relações Internacionais, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, p.43

32 CASTELO BRANCO, Álvaro Chagas (2008), op. cit, p.92-93

33 RODRIGUES, Gilberto M.A. (2009), “Internacionalismo Municipal” in Gilberto M.A. Rodrigues, Marcos Xavier e Wagner de Melo
Romão (Eds.), Cidades em Relações Internacionais. São Paulo: Desatino, p. 44.

34 A organização do seminário, Primeira Reunião de Operadores Estaduais sobre Cooperação Internacional Federativa, em
auditório do Palácio do Planalto, com os secretários e assessores internacionais dos estados membros da federação, no dia 12 de
fevereiro de 2004, foi uma extraordinária iniciativa da Subchefia de Assuntos Federativos.

18 Instituto de Relações Internacionais


atuado como facilitadora e promotora da cooperação internacional entre os entes subnacionais
brasileiros e países terceiros. Em 2011, por exemplo, publicou um edital de convocação para
projetos franco-brasileiros de cooperação descentralizada trilateral em benefício do Haiti e do
continente africano.
Nos últimos dez anos, o Itamaraty e a Presidência da República têm incentivado vários en-
contros entre entes federados para discutir suas atividades internacionais. Em fevereiro de 2004,
por iniciativa da SAF, realizou-se a Primeira Reunião de Operadores Estaduais sobre Cooperação
Internacional Federativa, no Palácio do Planalto, com os secretários e assessores internacionais
dos estados membros da federação. Em novembro do mesmo ano aconteceu, também por ini-
ciativa da SAF, o I Seminário sobre Coordenação Federativa para a Promoção de Exportações,
com a presença de várias agências federais e interlocutores estaduais. Ainda mais importante foi
a organização, em maio de 2005, do I Fórum de Secretários de Relações Internacionais de Cida-
des, em Salvador da Bahia35, e, em 2006, do I Encontro Negociações Internacionais - Estados e
Municípios, em Brasília, pela Fundação Alexandre de Gusmão, FUNAG e AFEPA. Pela primeira
vez na história do Itamaraty, foram expostas as grandes linhas da política externa brasileira para
um público de prefeitos, secretários municipais e estaduais. Em outubro de 2011, a SAF organi-
zou o colóquio federativo “Cooperação Internacional Descentralizada: marco legal e mecanis-
mos institucionais”, que reuniu especialistas, acadêmicos, operadores e gestores internacionais
de estados e municípios, além de especialistas internacionais, a fim de debater o marco legal da
ação internacional dos entes federados, assim como a criação de mecanismos de apoio às suas
atividades. Em 2012 e 2013 a SAF organizou vários outros encontros em Brasília, incluindo alguns
no âmbito do Foro Consultivo de Municípios, Estados, Províncias e Departamentos do Mercosul
(FCCR), focados na capacidade paradiplomática dos entes subnacionais brasileiros. Se eventual-
mente o governo federal, e em particular o Itamaraty, reagiu com desconforto às primeiras ações
paradiplomáticas nos anos 1980, hoje seu posicionamento é de valorização destes instrumentos
estaduais.
Além da capacitação técnica e institucional dentro do Brasil, o governo federal tem também
buscado ativamente parcerias internacionais de cooperação técnica descentralizada. Em 2004,
assinou um Protocolo de Cooperação com as regiões italianas de Umbria, Marche, Toscana e
Emiglia Romagna e, em 2006, participou do Primeiro Encontro de Cooperação Descentralizada
e Federativa franco-brasileira, realizado em Marselha, e promovido pela região Provence-Alpes-
-Côte d’Azur (PACA). De forma ainda mais proeminente, o Brasil e a França assinaram em 2008
um Protocolo Adicional ao Acordo-Quadro de Cooperação sobre a Cooperação Descentralizada
que, ao ser aprovado pelo Senado em 2011, concede aos estados e municípios brasileiros o di-
reito de celebrarem acordos de cooperação diretamente com entidades francesas equivalentes.
Além disso, foi firmado com os EUA, em abril de 2012, um “Memorando de Entendimento entre
o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo dos Estados Unidos da América para
apoiar a Cooperação Estadual e Local.” Ao negociar parcerias e firmar acordos diretamente com

35 Seguiram-se encontros em Campinas (2006), Porto Alegre (2008), Fortaleza (2009), Salvador (2011). Em Fortaleza institu-
cionalizou-se o Fórum Nacional de Secretários e Gestores Municipais de Relações Internacionais (FONARI), com a finalidade de
representar os interesses dos municípios brasileiros quanto às suas articulações internacionais junto ao Ministério das Relações
Exteriores e outros órgãos do governo federal.

19 Instituto de Relações Internacionais


atores subnacionais estrangeiros, ou ao celebrar memorandos com países sobre relações inter-
nacionais subnacionais, o Governo brasileiro torna inequívoco o seu reconhecimento da legitimi-
dade dos entes federados para as relações internacionais.36
Interessante é também o fato de os Presidentes Fernando Henrique Cardoso e Lula da Silva
terem, de certa forma, estimulado a diplomacia federativa ao incluir representantes estaduais e
municipais em missões e visitas oficiais. A inclusão, por parte do Presidente Lula, dos governa-
dores Geraldo Alckmin (SP), Aécio Neves (MG), Blairo Maggi (MT) e Zeca do PT (MS) em uma
importante missão comercial à China, pouco tempo após ter tomado posse, é paradigmática. A
Presidente Dilma está seguindo o mesmo caminho. Em sua viagem a Cuba, no início de 2012, o
governador Jaques Wagner (BA) integrou a comitiva.
As tentativas para cristalizar legalmente a diplomacia federativa, porém, não se materiali-
zaram. A primeira tentativa foi em 2005, por intervenção do então deputado federal André Costa
(PDT-RJ), diplomata de carreira, que apresentou uma Proposta de Emenda Constitucional - PEC
(475/2005).37 A PEC recebeu parecer contrário do relator da Comissão de Constituição e Justiça
e de Cidadania (deputado Ney Lopes, PFL-RN) – que a considerou inconstitucional – e foi arqui-
vada no início da legislatura seguinte do Congresso, em janeiro de 2007. A segunda tentativa foi o
Projeto de Lei do Senado n.98 de 2006, apresentado pelo Senador Antero Paes de Barros (PSDB-
-MT). A Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional manifestou-se pela aprovação do
projeto, na forma de um substitutivo que fazia menção expressa à possibilidade de os governos
subnacionais brasileiros formarem acordos internacionais, mas acabou rejeitado em 2010.
Apesar desta anfibologia constitucional, a diplomacia federativa é cada vez mais prepon-
derante no Brasil. Vinte e seis dos 27 governos estaduais mantêm atividades internacionais que
são ancoradas em Secretarias Estaduais (Bahia, Pernambuco, Rio Grande do Sul, Roraima, San-
ta Catarina); Secretarias Adjuntas ou Sub-Secretarias (Amazonas, Rio de Janeiro); assessorias,
coordenadorias, assessorias especiais, departamentos, diretorias, comitês ou superintendências
(Acre, Alagoas, Ceará, DF, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Ge-
rais, Pará, Paraíba, Paraná, Piauí, Rondônia, Rio Grande do Norte, São Paulo, Sergipe, Tocan-
tins); ou agências de desenvolvimento (Amapá). De acordo com a SAF, cerca de 100 prefeituras
brasileiras têm, também, atividades internacionais.
Outros estados estabeleceram escritórios no exterior, como a Bahia, que mantém um es-
critório instalado no Centro de Negócios da APEX em Pequim, e o Pará que tem escritórios em
Pequim (com cerca de 10 pessoas), Xangai e Shenzhen, em parceria com a Câmara de Comércio
chinesa.

4. Diplomacia Federativa no Estado de São Paulo

O Estado de São Paulo mantém relações internacionais possivelmente desde sua fundação. Sim-

36 RODRIGUES, Gilberto Marcos Antonio (2008), Relações Internacionais Federativas no Brasil. Dados [online], v.51, n. 4, pp.
1015-1034.

37 A “PEC da Paradiplomacia” propôs acrescentar o § 2º ao art. 23 da CF, com o seguinte teor: “Os Estados, Distrito Federal e
municípios, no âmbito de suas competências, poderão promover atos e celebrar acordos ou convênios com entes subnacionais
estrangeiros, mediante prévia autorização da União, observado o art. 49, I, e na forma da lei”.

20 Instituto de Relações Internacionais


bolicamente, São Paulo de Piratininga, fundada em 1554, nasceu pela intervenção direta de dois
jesuítas nascidos fora do Brasil (espanhol e português). A internacionalização do Estado iniciou-
-se, contudo, de forma substantiva no século XIX. Não seguindo diretrizes centralistas ou institu-
cionais, a internacionalização aconteceu espontaneamente, como consequência da imigração e
da abertura do setor privado ao exterior. Paulatinamente, o estado tornou-se um dos locais mais
cosmopolitas em nível mundial, abrigando, por exemplo, as maiores comunidades italiana, japo-
nesa, portuguesa e libanesa fora dos respectivos países de origem. Estima-se que, em 1920, 18
por cento da população do Estado era estrangeira. Cerca de 150 nacionalidades estão atualmente
representadas no Estado.

4.1 Dimensão Econômica

São Paulo também se abriu a investimentos privados externos. Paradigma disso é o pa-
pel fundamental que teve a São Paulo Tramway, Light and Power Company, empresa de capital
canadense, em atividades de geração, distribuição de energia elétrica e transporte público por
bondes em São Paulo (1901-1981). Outro gigante francês, a Rhodia, instalou sua primeira fábri-
ca de produtos químicos e farmacêuticos no Brasil (em Santo André, São Paulo) em 1921. Foi,
possivelmente, o primeiro investimento direto estrangeiro (IDE) no Estado. No mesmo período, o
italiano Francesco Matarazzo criou, a partir de São Paulo, o maior complexo industrial da América
Latina do início do século XX (Indústrias Reunidas Fábricas Matarazzo). Ainda hoje a atuação
internacional do Estado de São Paulo é alimentada fortemente pelo setor privado. A Federação
das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), principal entidade de representação das indús-
trias do Estado, tem uma vigorosa atuação internacional, desenvolvida pelo seu Departamento
de Relações Internacionais e Comércio Exterior (DEREX), onde trabalham cerca de 50 pessoas.
Em 2011, a FIESP realizou 224 reuniões institucionais com visitantes estrangeiros e emitiu 235
mil certificados de origem.
A abertura de São Paulo ao exterior explica, em larga medida, sua atual pujança econômica.
Com um PIB de R$ 1.466.977,00 (2012), o Estado é a 19ª maior economia do mundo e a 2ª maior
na América do Sul (depois do Brasil). Se comparado com outras regiões, São Paulo é a 7ª região
mais rica, só ficando atrás de estados nos EUA (Califórnia, Texas, Nova York), China (Guangdong,
Jiangsu) e Japão (Tóquio). A região metropolitana abriga a maior concentração de empresas mul-
tinacionais no hemisfério Sul, sendo, por exemplo, a área com maior concentração de empresas
suecas e alemãs no planeta. Das 20 maiores empresas do mundo na lista da Forbes, 14 têm es-
critórios de representação em São Paulo. Levantamento recente publicado na revista Veja, usando
indicador elaborado pela Economist Intelligence Unit, revela que o Estado de São Paulo é o mais
bem preparado para receber o fluxo recorde de investimento estrangeiro que chegará ao país nos
próximos anos (o Estado lidera ou co-lidera nos quesitos ambiente político, ambiente econômico,
políticas para investimentos estrangeiros, recursos humanos, infraestrutura, e sustentabilidade).38

38 “Ranking de Gestão dos estados brasileiros – 2012” (Veja, disponível em http://veja.abril.com.br/multimidia/infograficos/ranking-


de-gestao-dos-estados-brasileiros)

21 Instituto de Relações Internacionais


4.2 Dimensão Governamental

As primeiras experiências internacionais do Governo de São Paulo não foram originais. Tal
como outros estados da federação, São Paulo começou a engatinhar no exterior através da ado-
ção de “convênios de fraternidade” com o objetivo de “incentivar a amizade e o respeito mútuos”.
Por abrigar a maior comunidade nipônica fora do Japão, o Governo assinou acordos dessa natu-
reza com as províncias de Mie (1973), Gunma (1980), Tokushima (1984), Toyama (1985), e Tóquio
(1990). Simbolicamente, o Japão foi o primeiro parceiro internacional do Governo.
Em 1991, o Governo estadual decidiu dar às suas atividades internacionais um cunho mais
institucional, tendo constituído a Assessoria Especial de Assuntos Internacionais, com status de
Secretaria de Estado (gestão Luiz Antônio Fleury Filho). Em novembro do mesmo ano, foi também
instituído o Sistema Paulista de Promoção Internacional, objetivando a promoção de um maior
grau de inserção da economia paulista no cenário internacional. Dificuldades na implementação
desta estrutura levaram à extinção da Assessoria em 1995 (governo Mário Covas). Só em 2003
as relações internacionais foram novamente integradas na estrutura do Governo através da cria-
ção da Unidade de Assessoramento em Assuntos Internacionais (comumente designada como
“Assessoria Especial para Assuntos Internacionais”), na estrutura da Casa Civil (gestão Geraldo
Alckmin), que funcionou como um braço logístico do Governador na preparação de reuniões e
viagens internacionais. Em 2003 foi também criado o Conselho Estadual de Relações Interna-
cionais e Comércio Exterior (CERICEX) (gestão Geraldo Alckmin), que tinha por objetivo opinar
quanto à adoção, implementação e coordenação de políticas e medidas do Estado de São Paulo
relativas ao comércio exterior e relações internacionais. O CERICEX, contudo, acabou por não
preencher totalmente a sua vocação e foi extinto em 2010.
Dois anos antes, com o objetivo de dinamizar a componente de investimentos do Estado,
foi instituída a Agência Paulista de Promoção de Investimentos e Competitividade (Investe SP),
vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia (gestão José Serra).
A agência tem como missão ser a porta de entrada das empresas que pretendem se instalar ou
expandir seus empreendimentos no Estado de São Paulo.
Desde o início, a atuação internacional do Governo é simplesmente um desdobramento
(spillover) das suas competências domésticas. Através de ações funcionais e específicas, o Go-
verno movimenta-se na esfera internacional para recolher os recursos e as boas práticas que ga-
rantam a eficácia da implementação dessas ações no campo interno. As relações internacionais
são sempre um meio, nunca um fim.

4.2.1 Gestão Geraldo Alckmin

O início do Governo de Geraldo Alckmin coincidiu com a intensificação da globalização do


Brasil e com o crescimento expressivo do interesse político, cultural e econômico pelo país. Hou-
ve, por isso, necessidade de ajustar a estrutura de relações internacionais do Governo de forma
a atender e capitalizar a nova demanda internacional. Estabeleceram-se, por conseguinte, 10
objetivos na área internacional para 2011-2014.

22 Instituto de Relações Internacionais


O primeiro compreendia o reajustamento do modus operandi da Assessoria Especial para
Assuntos Internacionais. Seu objetivo passou a ser o de coordenar as atividades do Estado de
São Paulo no exterior, em articulação com as Secretarias estaduais. Gradualmente, o número de
Secretarias envolvidas em atividades internacionais cresceu, atingindo-se a plenitude (26 Secre-
tarias) no final de 2011. Concomitantemente, vários outros órgãos, autarquias e empresas públicas
iniciaram ou turbinaram suas atividades internacionais, como a SABESP (que sempre manteve
uma atuação internacional vigorosa), CETESB, Companhia Docas de São Sebastião, CPTM,
Dersa, Emplasa, IPT, Metrô, Centro Paula Souza, Procuradoria Geral do Estado ou a Correge-
doria Geral da Administração. A internacionalização de toda a estrutura do Governo tem estimu-
lado, de forma progressiva, a emergência de uma cultura de relações internacionais no seio da
administração pública paulista. Para garantir total coerência nestas atividades, o Governo dispõe,
desde 2011, de um arquivo diplomático, que registra todas as ações internacionais (missões ao
exterior, receptivo de delegações, programas de cooperação, acordos assinados etc.) com mais
de 100 países. Este arquivo, com mais de mil páginas de informação, é atualizado diariamente.
Em segundo lugar, o Governo adotou, em lei, no início de 2012, o seu plano de governo na
área internacional (“São Paulo no Mundo: Plano de Relações Internacionais 2011-2014”). O plano
estabelece três objetivos gerais, que delineiam os eixos orientadores das relações internacionais
do Governo, 16 prioridades setoriais e 54 metas específicas quantificáveis (definidas por todas as
Secretarias estaduais). Criou-se assim uma inserção internacional organizada, autônoma e com
objetivos de longo prazo. O plano, preparado ao longo de nove meses, recebeu importantes sub-
sídios de representantes industriais, do corpo diplomático residente em São Paulo e do Ministério
das Relações Exteriores. É o primeiro plano estadual desta natureza no Brasil e um dos primeiros
em nível mundial.
O terceiro objetivo pressupunha incrementar o número de audiências do Governador, Vi-
ce-Governador, Secretários Estaduais e Assessor Especial para Assuntos Internacionais com
autoridades internacionais. Não só um objetivo quantitativo, visava-se principalmente que estes
encontros se regessem por princípios operacionais e pragmáticos com vista à obtenção de re-
sultados concretos. Em 2011 e 2012, o Governo de São Paulo recebeu cerca de 900 delegações
estrangeiras. O governador Geraldo Alckmin recebeu cerca de 20 Chefes de Estado e de Governo
tornando-o um dos líderes da América Latina com uma agenda internacional mais robusta. Para
gerir esta demanda, foi criada a coordenadoria de Protocolo na Assessoria Especial para Assun-
tos Internacionais.
O quarto objetivo é consequência direta do terceiro e visava alargar o portfólio de parcei-
ros, projetos e programas de cooperação internacional, mantendo um espírito de abertura e de
equidade. Atualmente, o Governo mantém relações internacionais com 107 países, 20 governos
subnacionais e 15 redes multilaterais. No total, gere um portfólio de cerca de 150 projetos de co-
operação em áreas tão díspares quanto ciência e tecnologia, meio ambiente, segurança pública,
educação, agricultura ou direitos da pessoa com deficiência. Em 2011 e 2012, o Governo do Es-
tado de São Paulo, ou entidades a si associadas, assinaram cerca de 90 acordos internacionais.
Para administrar estas ações, foi criada a coordenadoria de Cooperação Internacional na Asses-
soria Especial para Assuntos Internacionais.
O quinto objetivo foi inspirado pela necessidade de dar um cunho operacional às atividades

23 Instituto de Relações Internacionais


do Governo através da organização de eventos internacionais. Desde o início de 2011, o Governo
já organizou cerca de 85 eventos de cunho internacional, incluindo seminários, palestras, sessões
de apresentação ou cúpulas. Estes eventos são organizados pela coordenadoria de Eventos In-
ternacionais na Assessoria Especial para Assuntos Internacionais.
Em sexto lugar, o Estado reforçou sua presença em redes, fóruns e organizações internacio-
nais, como a Cúpula de Líderes Regionais, Metropolis, Urban Age, Fórum de Regiões Mundiais,
Organização das Regiões Unidas (FOGAR), Rede de Governos Regionais para o Desenvolvi-
mento Sustentável (nrg4SD), Grupo do Clima, Conselho Mundial da Água, Governos Locais pela
Sustentabilidade (ICLEI), Associação Latino-Americana de Metrôs e Subterrâneos, Associação
Internacional do Transporte Público, Comitê de Metrôs do Imperial College de Londres, Regiões
de Ação Climática (R20) e Rede Mercocidades (como membro observador). Ainda que São Paulo
pertença a todas estas redes, a qualidade da sua participação varia, naturalmente, de acordo com
seus interesses e recursos. Em abril de 2012, o Palácio dos Bandeirantes recebeu a 6a Cúpula de
Líderes Regionais, entidade que reúne nove grandes economias regionais (São Paulo, Bavária,
Shandong, Québec, Alta Áustria, Geórgia, Maharashtra, Karnataka, Província Oeste do Cabo) e
representa 350 milhões de pessoas. Tratou-se da maior cúpula internacional, que reuniu cerca de
300 pessoas, jamais organizada no Palácio dos Bandeirantes.
Em sétimo lugar, adotou-se a primeira estratégia de comunicação internacional do Governo,
alicerçada no atendimento à imprensa estrangeira e na adoção de políticas de marketing inter-
nacional. Ainda que o site internacional de São Paulo (www.saopauloglobal.sp.gov.br) tenha sido
apresentado em setembro de 2013 e tenham crescido velozmente as inserções de São Paulo na
imprensa internacional39, os próximos anos serão fundamentais para que o Estado cimente a sua
estratégia de comunicação para atrair investimentos, turistas, estudantes, além de recursos inter-
nacionais. A adoção de uma marca própria (branding) está sendo equacionada.
Em oitavo lugar, criou-se uma coordenadoria de pesquisa que visa monitorizar e estudar
boas práticas de governança internacionais nas áreas de trabalho do Governo e produzir análises
estratégicas sobre as principais tendências internacionais com relevo para o Brasil e para São
Paulo, além de atuar em parceria com as universidades da região. O objetivo é o de que, futura-
mente a coordenadoria se transforme em um Observatório Internacional de Políticas Públicas.
Em nono lugar, a Investe SP ganhou uma posição de destaque como agência de atração de
investimentos internacionais. Um dos seus objetivos estratégicos, definido em reunião do Conse-
lho Deliberativo em 2011, é tornar-se uma das 25 melhores agências de investimento do mundo
até 2020. Em 2011, a agência captou 21 novos empreendimentos totalizando investimentos de R$
6,6 bilhões e uma geração de 4.985 empregos diretos. Em 2012, os investimentos somaram R$
5,05 bilhões. A agência possui atualmente 52 projetos em negociação, com investimento potencial
de R$ 12,6 bilhões.
Finalmente, o Governo tem também como objetivo garantir a devida institucionalização nor-
mativa da paradiplomacia. Para atender este objetivo, a administração paulista encaminhou ao
Itamaraty, em abril de 2013, um longo parecer sobre o tema solicitando um posicionamento formal

39 Vide, por exemplo, Geraldo Alckmin e Rick Scott, “Florida, São Paulo: Broadening Economic Bridges to Success” in Miami Her-
ald, 30 de outubro de 2011; Geraldo Alckmin e Deval Patrick, “Patrick and Alckmin: Partners in Global Economy” in The Metrowest
Daily News, 25 de dezembro de 2011.

24 Instituto de Relações Internacionais


por parte do Ministério. A resposta do Itamaraty, expressa em 18 de julho do mesmo ano por in-
termédio da Consultoria Jurídica:
a) Reconhece a “inegável força da paradiplomacia” no cenário internacional;
b) Sublinha que a “falta de institucionalização jurídica da paradiplomacia no Brasil” não
inibe a atuação internacional dos entes subnacionais;
c) “Dá respaldo” às atividades paradiplomáticas dos entes federados quando focadas nas
áreas de competência estadual/municipal, estabelecidas pela Constituição federal (e.g.
saneamento, transportes, segurança pública, meio ambiente, administração penitenciá-
ria, desenvolvimento econômico, saúde etc.);
d) Atesta que a consulta à União, relativa à celebração de acordos com entes estrangeiros,
só terá que ser realizada quando houver transferência de recursos financeiros, sem pre-
juízo de outras consultas que se julguem pertinentes;
e) Esclarece que acordos internacionais firmados pelos entes subnacionais brasileiros fa-
zem parte do ordenamento jurídico administrativo interno.
Este posicionamento reveste-se de particular importância porque contribui, de forma tangí-
vel, para a institucionalização jurídica da diplomacia federativa no Brasil. O parecer da Consultoria
Jurídica do Ministério subsidiará um decreto de cooperação internacional que deverá ser firmado
em outubro de 2013 pelo governador Geraldo Alckmin.

5. Conclusões

A diplomacia federativa é um dos principais paradigmas das relações internacionais. Discreta em


forma e conteúdo, constitui-se como uma mudança importante na prática da diplomacia.40 Cada
vez mais a ação diplomática deve ser vista de forma multifacetada e plural (multi-layered),41 onde
atuam vários atores em diferentes campos. O Brasil, porém, não está ainda totalmente preparado
para esta nova realidade. Como afirmou José Flávio Sombra Saraiva, “o Brasil é um exemplo ex-
traordinário de descompasso entre os aspectos formais e reais, no que tange à dimensão da ação
externa dos entes federativos. Há quase um abismo entre palavras e gestos.”42
É necessário, por isso, que haja uma melhor definição de parâmetros e demarcação de
fronteiras. Em várias outras áreas de competência comum entre a União e os entes federados –
como saúde, educação e questões fiscais – o Brasil tem experiências acumuladas. Nessas áreas
existe um alto grau de relacionamento técnico entre as partes envolvidas e existe uma demarca-
ção de funções relativamente clara. Um bom exemplo disso é o Conselho Nacional de Política
Fazendária (CONFAZ).
A área internacional mantém-se, contudo, pouco coordenada. Não existem reuniões inter-

40 PAQUIN, Stéphane (2005), “Les Actions Extérieures des Entités Subétatiques: Quelle Signification pour la Politique Comparée
et les Relations Internationales“ in Revenue Internationale de Politique Comparée, v. 12 (2), p. 129-142; CAMARGO, Noé (2010),
“On the Normalization of Sub-State Diplomacy” in David Criekemans (Ed.), Regional Sub-State Diplomacy Today. Leiden e Boston:
Martinus Nijhoff, p.14.

41 HOCKING, B. (Ed.) (1993), Foreign Relations and Federal States. London: Leicester University Press.

42 SARAIVA, José Flávio Sombra (2004), “A Busca de um Novo Paradigma: Política Exterior, Comércio Externo e Federalismo no
Brasil”, in Revista Brasileira de Política Internacional, v. 47 (2), p. 131-162. Today. Leiden e Boston: Martinus Nijhoff, p.201.

25 Instituto de Relações Internacionais


governamentais permanentes, um conselho coordenador ou qualquer outra prática institucio-
nalizada. Onde termina a atuação dos estados e começa a política externa da União? O bom
senso diz-nos que a União dirime assuntos de alta política (high politics)43, enquanto os entes
federados tratam de baixa política (low politics), mas falta coordenação entre estas atividades.
No citado discurso de Luiz Felipe Lampreia, que inaugurou a expressão “diplomacia federativa”,
o então Chanceler já sublinhava que “essa nova e dinâmica dimensão da nossa diplomacia
requer um esforço permanente de diálogo, de troca de informações e de consultas entre o
Executivo federal e as Regiões, Estados e Municípios, de forma que haja a maior coordenação
e a maior harmonia possível nos diversos níveis do relacionamento internacional do Brasil.”44
Em nível estadual, o Plano de Relações Internacionais do Governo de São Paulo define os
primeiros pontos cardinais de um território cujas fronteiras ainda não se conhecem totalmente.
É uma primeira contribuição.
Além da falta de coordenação, existe ainda alguma volatilidade jurídica. Como discutido
no colóquio organizado pela SAF em outubro de 2011, acima mencionado, a inexistência de
um marco jurídico da cooperação internacional descentralizada dificulta, confunde e inibe as
ações internacionais de unidades subnacionais, cujas competências constitucionais exclusi-
vas e comuns legitimam a sua atuação. A diplomacia federativa de facto e de jure não cami-
nham em sintonia.
Finalmente, existe ainda “falta de conhecimento das oportunidades existentes e fal-
ta de experiência específica”45 em política internacional dos governantes e técnicos locais.
Apesar da formação em Relações Internacionais ser cada vez mais popular nas universi-
dades, o país ainda carece de quadros e de expertise nesta área, o que nos obriga a estar
alertas relativamente à sustentabilidade da paradiplomacia no Brasil. Como também alertou
Salomon, a maioria das atividades internacionais de municípios e estados brasileiros são,
na verdade, propostas pelos parceiros estrangeiros, não tendo os entes federados tradição
de iniciativa.46
Apesar destes obstáculos, a prática da paradiplomacia é tão irreversível quanto a sua
contribuição para o desenvolvimento do Brasil. Devem-se somar, não subtrair, esforços para
projetar o país no exterior. O interesse do Governo federal em aumentar a pauta exportadora
brasileira, por exemplo, abre certamente oportunidades para a ação no exterior dos entes
federados. Como afirmou Palombra, “no momento em que os governos nacionais decidem
partilhar a sua soberania com as suas regiões internas, o seu escopo de poder pode, na
verdade, aumentar e não diminuir. De fato, o aspecto mais notável do poder dos países neste
século é que ele continua a aumentar, apesar da tendência de descentralização regional”.47 O

43 É relativamente fácil inserir no campo exclusivo da União assuntos como defesa e segurança nacional, imigração e questões
fronteiriças, o reconhecimento internacional de Estados e de governos, e relações diplomáticas e consulares.

44 Citação em CASTELO BRANCO, Álvaro Chagas (2008), op. cit., p.92.

45 CASTELO BRANCO, Álvaro Chagas (2008), op. cit, p. 89

46 SALOMON, Monica (2011), “ Paradiplomacy in the Developing World: The Case of Brazil” in Mark Amen et. al. (Eds.), Cities
and Global Governance: New Sites for International Relations. Surrey e Burlington: Ashgate, p.54.

47 LA PALOMBRA, J. (1994), “International Firms and National Governments: Some Dilemmas”, in The Washington Quarterly, v.

26 Instituto de Relações Internacionais


crescimento de clusters de atividade econômica regional, como o Vale do Silício (Califórnia) ou
Bangalore (Karnataka), fortalecem a identidade e a robustez econômica dos EUA e da Índia, não
o contrário. O debate no Brasil está longe de estar concluído.

17, n. 2, p.89-99

27 Instituto de Relações Internacionais


Relações Inter(sub)nacionais:
O caso do Estado do Rio de Janeiro1
Pedro Spadale*

1. Introdução

O campo de estudos das Relações Internacionais (RI) tem seu nascimento logo após o fim da 1ª
Guerra Mundial, fruto da união de esforços de profissionais de distintas origens acadêmicas que
buscavam compreender as causas que levavam à guerra e evitar que novos conflitos de larga es-
cala voltassem a ocorrer. Entretanto, as relações entre as nações antecedem em muito, evidente-
mente, o estabelecimento de uma abordagem científica interdisciplinar com vistas à compreensão
deste fenômeno.
Por sua vez, a interação política, econômica, comercial, social e cultural entre regiões e
cidades de diversas partes do mundo também é algo milenar e que remete às civilizações mais
antigas do nosso planeta. Muito antes dos Estados nacionais nascerem, as vilas, os povoados,
os feudos, as regiões, os pequenos reinos, enfim, os diversos tipos de aglomerações humanas
organizadas em um delimitado território interagiam fortemente entre si, seja disputando por terras
e suas riquezas, seja cooperando por meio do comércio e do intercâmbio de cultura e do conhe-
cimento.
Da mesma forma, portanto, que a disciplina das RI é criada com alguns séculos de atraso
em relação ao nascimento de seu objeto de estudo – a interação entre os Estados-Nação –, o
estudo científico do relacionamento entre entes subnacionais de diferentes países é iniciado de
forma muito mais tímida e, vale dizer, ainda mais atrasada do que o caso das RI.
A compreensão das dinâmicas que caracterizam o fenômeno dos intercâmbios regionais e
locais de espaços por vezes geograficamente muito distantes, classificado por alguns analistas
como “paradiplomacia”, é algo recente no mundo e ainda mais incipiente no Brasil. Nesse con-
texto, vale destacar a importância da iniciativa da Universidade de São Paulo em fomentar este
debate em torno de um dos temas menos estudados no vasto universo das RI, a interação global
de governos subnacionais, com suas mais variadas dinâmicas e motivações.
A experiência do Estado do Rio de Janeiro em matéria de inserção internacional é possi-
velmente a mais antiga entre os estados brasileiros2. Vale chamar a atenção, em primeiro lugar,
para o fato de que, anteriormente a 1960, o Rio de Janeiro foi a capital brasileira por dois sécu-
los, desde 1763, como sede da colônia, capital do império português no início do século XIX, do

1 Artigo elaborado como base para a palestra ministrada pelo autor para a disciplina “Temas e Prática em Relações Internacionais”,
em outubro de 2013, no Instituto de Relações Internacionais da USP. Este artigo também contou com a colaboração de toda a equipe
da Subsecretaria de Relações Internacionais. Vídeo da palestra disponível em:
<http://iptv.usp.br/portal/video.action?idItem=17805>. Acesso em 19 ago. 2014.

* Pedro Spadale, Subsecretário de Estado de Relações Internacionais da Casa Civil do Governo do Estado do Rio de Janeiro.

2 Do ponto de vista da cronologia histórica, é importante salientar que o atual Estado do Rio de Janeiro é fruto da fusão, em 1974, do
Estado da Guanabara, criado após a transferência da capital para Brasília em 1960 e que representava o território do antigo distrito
federal, com o então Estado do Rio de Janeiro, cuja capital ficava em Niterói e representava o restante do território, que, acrescido da
cidade do Rio, conformaria posteriormente seu estado homônimo.

28 Instituto de Relações Internacionais


Império do Brasil e da República, o que sempre possibilitou que o Rio fosse o principal centro de
intercâmbio internacional do país durante o período.
A criação do que pode ser considerada talvez a primeira unidade administrativa designada
para se ocupar especificamente da formulação de estratégias de inserção internacional de um esta-
do da federação brasileira se deu em 1983, com a criação da Assessoria de Relações Internacionais,
chefiada à época pelo professor Clóvis Brigagão, no início do governo de Leonel Brizola. Em virtude
de sua forte ligação com a Internacional Socialista, o então governador Brizola sentiu a necessidade
de contar com uma estrutura que pudesse desenvolver seu relacionamento com o exterior.
Ao longo das décadas seguintes, nos diferentes governos que sucederam, a área inter-
nacional contou com variadas denominações, estruturas, vinculações hierárquicas com deter-
minadas secretarias de estado, inclusive com fusão em certo período de meados da década de
noventa com o cerimonial do governador, com diferentes focos de atuação e responsabilidades.
Ao trazer para o tempo mais recente, é possível perceber uma mudança substantiva na
atuação internacional do Estado do Rio de Janeiro a partir de janeiro de 2007, com o início da
gestão do governador Sérgio Cabral. O objetivo principal da atual gestão era reposicionar o Rio
no mundo, perante potenciais parceiros, investidores, turistas e formadores de opinião. Não há
dúvida de que tal objetivo foi cumprido. A percepção estrangeira a respeito do Rio de Janeiro foi
elevada a um novo patamar nos últimos anos.
No contexto da atual estratégia fluminense de inserção internacional, pode-se destacar,
entre diversas outras iniciativas, a realização de dois tipos de ações. Por um lado, foi executada
uma programação de road shows no exterior liderados pelo Governador do Estado, com vistas
a conhecer as experiências de políticas públicas bem-sucedidas em outros países, o encontro
com potenciais investidores e compradores das exportações fluminenses e a captação de novos
financiamentos externos. Por outro lado, de forma complementar aos objetivos anteriormente des-
critos, o Rio de Janeiro disputou, com sucesso, a sede dos maiores eventos esportivos da huma-
nidade – os Jogos Olímpicos de 2016 e a Copa do Mundo de 2014 – e sediou outros megaeventos
internacionais, como a Jornada Mundial da Juventude em 2013, a Conferência Rio+20 em 2012,
os Jogos Mundiais Militares em 2011, além de uma série de importantes encontros de negócios.
Um destaque precisa ser dado para a atuação internacional do Estado do Rio de Janeiro
durante a Rio+20, em 2012. O governo do Rio encarou a realização daquela que viria a ser qua-
lificada como a maior conferência internacional de todos os tempos, em termos de número de
participantes, não apenas como uma obrigação de receber bem os visitantes brasileiros e estran-
geiros e apoiar a organização de um megaevento em sua capital, com todas suas implicações
de segurança, mobilidade, saúde e defesa civil, entre outras. O Estado do Rio, em parceria com
outros governos subnacionais, teve também importante participação nas discussões substantivas
referentes ao desenvolvimento sustentável, tema esse que, como nenhum outro da agenda in-
ternacional, pressupõe o engajamento de múltiplos níveis de governança em todo o planeta para
que se possa avançar mais rapidamente.
Apenas para citar algumas responsabilidades legais de governos subnacionais na Cons-
tituição brasileira, estados e munícipios têm responsabilidade sobre o licenciamento ambiental,
saneamento básico, tratamento de lixo, planejamento urbano, transportes públicos, políticas de
inclusão social, incentivos tributários para novos empreendimentos, entre tantos outros.

29 Instituto de Relações Internacionais


Dessa forma, como stakeholders indispensáveis no contexto do desenvolvimento susten-
tável, governos subnacionais de todas as regiões do mundo se reuniram no Rio de Janeiro em
junho de 2012, com a realização de um sem-número de encontros de governos regionais e locais
que produziram importantes documentos com várias metas traçadas para os próximos anos. Ape-
nas no pavilhão construído pelo Estado do Rio de Janeiro para a Rio+20, foram organizados 30
eventos ao longo de 11 dias, reunindo 17 governadores e dezenas de representantes de provín-
cias, regiões e estados, brasileiros e estrangeiros, além de milhares de representantes da socie-
dade civil, do setor privado, das redes e organizações internacionais, inclusive com a participação
do Secretário-geral da ONU, Sr. Ban Ki Moon.
Fato significativo foi, ainda, o reconhecimento da importância, em diferentes partes do texto
final da Conferência, intitulado “O Futuro que Queremos”3, da participação dos governos subna-
cionais no enfrentamento dos desafios relacionados à sustentabilidade. Tratava-se de reivindica-
ção desses atores, porém em relação à qual havia certo ceticismo de que fosse atendida.
Todas as ações internacionais da administração fluminense são desenvolvidas ou ao me-
nos apoiadas, em maior ou menor grau, por um departamento especificamente voltado para as
relações internacionais, situado na estrutura da Casa Civil, que é a secretaria de estado respon-
sável pela coordenação de todas as ações de governo. As atividades desse setor internacional
serão descritas a seguir.

2. A Subsecretaria de Relações Internacionais

Logo no início do primeiro mandato do governador Sérgio Cabral, em 2007, foi criada a Subsecre-
taria de Relações Internacionais (SSRI), subordinada à Secretaria de Estado da Casa Civil, que
foi chefiada no período 2007-2010 por diplomatas de carreira, os ministros Ernesto Otto Rubarth e
José Carlos de Araújo Leitão. A nova e atual estrutura da SSRI, refletindo seus eixos de atuação,
é definida neste período, dando maior foco às linhas de trabalho do órgão.
O marco jurídico está contido nos seguintes atos:
- Decreto nº 40.514, de 09 de janeiro de 2007, que estabelece a criação do cargo de Subse-
cretário de Estado da Subsecretaria de Relações Internacionais (SSRI) e dois cargos de Assessor
Especial, também vinculados à SSRI, na estrutura da Secretaria de Estado da Casa Civil. Este
decreto, embora tenha previsto a existência da SSRI, não estipula sua estrutura nem áreas de
competência. Os demais cargos em comissão e os respectivos ocupantes são alocados na SSRI
através do Decreto nº 40.563, de 23 de janeiro de 2007.
- Decreto nº 41.324, de 28 de maio de 2008, que dispõe sobre a estrutura básica da Secre-
taria de Estado da Casa Civil. No Anexo I é apresentada, no item II, a estrutura organizacional bá-
sica da Casa Civil, onde prevê no subitem 2.4 que a SSRI conta com a Assessoria de Cooperação
Internacional, Assessoria de Financiamentos Externos, Assessoria de Comércio e Investimentos
e Assessoria de Relações Institucionais. No item VI, são explicitadas as competências de cada
área da Casa Civil, sendo o subitem 12 que atribui à Subsecretaria de Relações Internacionais
as responsabilidades de “planejar, coordenar, integrar, articular e executar as ações do Governo

3 Disponível em: https://rio20.un.org/sites/rio20.un.org/files/a-conf.216l-1_english.pdf.pdf

30 Instituto de Relações Internacionais


do Estado do Rio de Janeiro no plano internacional, em parceria com as Secretarias de Estado
e demais órgãos da administração estadual, do governo federal, das prefeituras e entidades do
setor privado.”
- Resolução Casa Civil nº 150, de 9 de julho de 2009, que aprova o Regimento Interno da
Secretaria de Estado da Casa Civil e detalha, nos artigos 49 a 54, as competências da SSRI e de
suas Assessorias.
O marco jurídico da SSRI possui, portanto, seus primeiros atos em janeiro de 2007, segui-
dos por decreto de maio de 2008, no qual é estipulada a nova e atual estrutura da SSRI, refle-
tindo seus eixos de atuação e, em julho de 2009, é definido com exatidão quais são as linhas de
trabalho do órgão.
Além das quatro Assessorias, cada uma composta por uma dupla de especialistas (um As-
sessor-Chefe e um Assessor), o corpo técnico conta com os seguintes colaboradores: o Subse-
cretário de Estado de Relações Internacionais, responsável pelo órgão; um Assessor Especial de
Relações Internacionais, adjunto do Subsecretário e responsável pela coordenação das atividades
das Assessorias; um Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental, único funcionário
de carreira concursado do órgão, sendo que estes gestores são descentralizados a partir da Secre-
taria de Estado de Planejamento e Gestão para as diversas secretarias de estado; e um Assistente
de Relações Internacionais, espécie de trainee, que presta apoio a todas as áreas da SSRI.
Importante mencionar que há anos adota-se uma política interna, ainda que informal, de
progressão funcional destes colaboradores técnicos, a começar pelo autor deste artigo, cujo in-
gresso na então Assessoria Especial de Relações Internacionais se deu em 2001, como estagi-
ário, tendo percorrido todos os cargos do órgão. Da mesma maneira, todos os quatro atuais As-
sessores-Chefe e o Assessor Especial também ingressaram na Subsecretaria como Assessores.
A equipe técnica conta, portanto, com doze funcionários, todos graduados em RI (com uma
única exceção), fluentes em outros idiomas e praticamente todos pós-graduados. É complemen-
tada por uma equipe administrativa e de apoio de quatro pessoas (secretária executiva trilíngue,
assistente administrativa, auxiliar de serviços gerais e motorista) e uma equipe de quatro estagi-
ários, totalizando 20 colaboradores na Subsecretaria.

2.1 Foco de atuação

Em relação à atuação da Subsecretaria, é necessário deixar claro que o papel de qualquer


órgão responsável pela gestão das relações internacionais de um governo subnacional é essen-
cialmente um trabalho de articulação internacional, de criação de interfaces com atores externos
para o desenvolvimento de parcerias que contribuam para a consecução dos objetivos daquele
governo estadual ou municipal. As prioridades do departamento internacional sempre serão, por-
tanto, as prioridades da administração pública, pois se trata de uma área-meio que busca apoiar
as áreas-fins da administração a atingirem suas metas.
No que se refere aos eixos de atuação da SSRI, esses estão distribuídos, portanto, nas qua-
tro Assessorias da Subsecretaria: Comércio e Investimentos, Cooperação Internacional, Finan-
ciamentos Externos e Relações Institucionais. Seguem alguns comentários sobre as atividades
desenvolvidas nas quatro diferentes áreas supracitadas.

31 Instituto de Relações Internacionais


2.1.1 Promoção do comércio exterior e atração de investimentos

Na área econômico-comercial, o objetivo é a atração de investimentos externos diretos


(IEDs) para o Estado e a promoção do comércio exterior fluminense, tanto das exportações quan-
to das importações, em estreita coordenação com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento
Econômico, Energia, Indústria e Serviços (SEDEIS) e a Companhia de Desenvolvimento Indus-
trial (CODIN).
Além dos órgãos da administração estadual, as principais instituições com as quais esta
área também interage fortemente são as seguintes: Agência Brasileira de Promoção de Exporta-
ções e Investimentos (Apex-Brasil); Departamento de Promoção Comercial e Atração de Investi-
mentos do Ministério das Relações Exteriores (DPR-MRE); Secretaria de Comércio Exterior do
Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (SECEX-MDIC); Agência de Promo-
ção de Investimentos na Cidade do Rio de Janeiro (Rio Negócios); Federação de Indústrias do
Estado do Rio de Janeiro (FIRJAN), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas
(Sebrae); Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ), além das seções econômicas e co-
merciais de embaixadas e consulados, câmaras de comércio bilaterais e empresas multinacionais
brasileiras e estrangeiras.
A metodologia de trabalho desta área está baseada na indicação por parte da SEDEIS e da
CODIN de quais são os setores econômicos estratégicos do Estado a serem estimulados, seja
por meio da atração de investimentos nestes setores e para determinados espaços estratégicos a
serem mais desenvolvidos, seja por meio da promoção de exportações e importações, com foco
no apoio às micro, pequenas e médias empresas. Utiliza-se, ainda, metodologia desenvolvida
pelo Banco Mundial para a realização desse trabalho de promoção comercial, assim como as
melhores práticas das experiências coreana e chinesa nessa matéria.
Nesse sentido, uma vez indicadas pela SEDEIS e pela CODIN as prioridades do desen-
volvimento econômico, o setor de Comércio e Investimentos realiza um trabalho de prospecção
de potenciais mercados para exportações e, no que se refere aos IEDs, busca-se a identificação
de potenciais investidores nos setores que são estratégicos. A realização desse trabalho é feito
sempre em parceria com as instituições citadas anteriormente.
No que concerne ao comércio exterior, importante registrar que a SSRI exerce as funções
de coordenação no Estado do RJ das ações do PNCE - Plano Nacional de Cultura Exportadora,
organizado pela SECEX/MDIC, articulando as ações de diversas instituições, tais como: Apex-
-Brasil, BNDES, BB, CEF, Correios, FIRJAN, Sebrae, entre outros.
Em termos de resultados efetivos, no período compreendido entre janeiro de 2010 e dezem-
bro de 2013, foram recebidas (missões inbound) 211 delegações comerciais de todas as regiões
do mundo e com focos de interesse os mais variados. No que diz respeito às missões para o ex-
terior (missões outbound), realizaram-se 16 missões comerciais em quatro anos, de 2010 a 2013.
O potencial de investimentos gerado a partir da assistência direta prestada pelo setor eco-
nômico-comercial da SSRI, em colaboração com outros parceiros (principalmente CODIN, Rio
Negócios e Apex) e investidores estrangeiros é estimado em US$ 8,2 bilhões, com a expectativa
de geração de 11.660 empregos diretos.
O panorama dos investimentos no Estado do Rio de Janeiro, de origem tanto privada quanto

32 Instituto de Relações Internacionais


pública, de procedência nacional e estrangeira, é impressionante. Segundo consta da última edi-
ção do estudo “Decisão Rio”4, realizado periodicamente pela FIRJAN, referente ao período de 3
anos entre 2012 e 2014, o Estado será receptor de um total de R$ 211 bilhões (US$ 120 bilhões).
De acordo com o estudo, trata-se da maior concentração de investimento por metro quadrado em
todo o planeta. No setor industrial, por exemplo, dos US$ 23 bilhões investidos, US$ 10 bilhões
têm origem estrangeira, sobretudo dos países europeus (79% do total), o que demonstra os re-
sultados efetivos do trabalho de promoção do Rio de janeiro no exterior.
O desafio dessa área é conseguir não apenas atender a forte demanda que chega princi-
palmente do exterior, mas também conseguir realizar um trabalho estruturado e sistemático de
inteligência comercial, voltado tanto para a identificação de potenciais investidores, como para a
prospecção de novos mercados para as exportações fluminenses. Em função da limitada capa-
cidade de recursos humanos próprios, a solução encontrada para desenvolver esse trabalho de
Business Intelligence foi criar parcerias com empresas juniores de universidades que contam com
cursos de RI.

2.1.2 Desenvolvimento de cooperação técnica internacional

A área de cooperação internacional lato sensu se subdivide em dois eixos, o da cooperação


técnica e o da cooperação financeira. Esse último, por obedecer a uma série de procedimentos
próprios, desenvolve seus trabalhos a partir de um setor dedicado exclusivamente aos financia-
mentos externos.
No que se refere à cooperação técnica, a atenção dessa área tradicionalmente esteve vol-
tada para a cooperação recebida, seja por meio do recebimento de algum tipo de capacitação ou
assistência técnica, seja pela transferência de uma “Boa Prática” experimentada em alguma outra
cidade, estado ou país.
O foco do trabalho de cooperação ao longo do tempo demonstrou uma grande vinculação
com a assistência prestada por governos locais, regionais ou nacionais de países desenvolvidos,
notadamente os países da Europa mais ocidental e escandinava, dos Estados Unidos, Canadá
e Japão. Basicamente, os treinamentos, workshops, seminários, cursos, viagens, assim como o
intercâmbio das políticas públicas bem sucedidas, foram sempre ofertados pelas agências e insti-
tuições de cooperação dos países que prestam assistência ao desenvolvimento internacional; em
sua maioria, portanto, dos países desenvolvidos.
Deve-se mencionar que, durante o Governo Anthony Garotinho, de 1999 a 2002, tendo à
frente da Assessoria Especial de Relações Internacionais o Professor Theotônio Dos Santos,
buscou-se desenvolver a cooperação Sul-Sul, com uma aproximação maior com a China, através
de suas Províncias, que possuem uma agressiva atuação internacional, e também com Cuba. Na
sequência, no Governo Rosinha Garotinho, de 2003 a 2006, com a chefia da Coordenadoria de
Assuntos Internacionais durante todo o período exercida pelo Professor Antônio Carlos Peixoto, o
principal foco passou a ser uma aproximação com os países sul-americanos e suas províncias,
departamentos, regiões e estados.

4 Disponível em: http://www.firjan.org.br/decisaoport2012-2014/

33 Instituto de Relações Internacionais


Importante salientar que aproximações institucionais levadas a cabo única e exclusivamen-
te por motivações políticas nem sempre geram parcerias frutíferas, o que deve ser evitado. As-
sinaturas de memorandos de entendimentos, protocolos de intenções, acordos de cooperação,
convênios, entre outros, podem simplesmente representar uma boa “photo opportunity”, mas não
gerar resultados concretos.
Para que sejam frutíferos, os instrumentos assinados devem ser tratados como projetos que
precisam ser integralmente executados para atingir efetivamente seus propósitos. É fundamental
que as parcerias internacionais contem com o devido apoio político e, como premissa, que essas
parcerias reflitam o interesse das secretarias estaduais ou municipais que forem diretamente re-
lacionadas ao tema em questão. Em outras palavras, qualquer iniciativa de estabelecimento de
parceria internacional deve estar calcada em um interesse muito direto e objetivo da administra-
ção pública, o que vai dar garantia da sua efetividade, e não ser um fim em si própria.
Por outro lado, uma boa cooperação bilateral não precisa estar necessariamente respalda-
da por algum tipo de ato jurídico, sobretudo quando não há responsabilidades financeiras envolvi-
das. Um bom exemplo de cooperação frutífera foi desenvolvida desde 2007 com os colombianos,
especialmente com o Departamento de Antioquia e a Prefeitura de Medellín, iniciada com a visita
do governador Sérgio Cabral a Bogotá e Medellín, em março de 2007. Nesta ocasião, foi possível
conhecer a experiência dessas localidades em combater o crime organizado e esse aprendizado
inspirou, posteriormente, com suas devidas adaptações, a política da implantação das Unidades
de Polícia Pacificadora (UPPs) no Rio de Janeiro. Tal iniciativa de cooperação efetiva, que incluiu
a realização de missões técnicas à Colômbia das secretarias estaduais de segurança, obras,
transportes, cultura, educação, assistência social e direitos humanos, no período 2007-2009, foi
desenvolvida independentemente de sua formalização por meio de um ato jurídico, sendo que um
acordo de cooperação com Medellín foi assinado apenas em 2010.
Um exemplo de iniciativa com baixa efetividade no âmbito do fenômeno da “paradiplomacia”
em todos os cantos do mundo é a prática da irmandade, ou irmanamento, como se denominam
aqueles acordos de Estados-Irmãos ou Cidades-Irmãs, que são basicamente declarações polí-
ticas de intenções de estreitamento dos laços políticos, institucionais, econômicos, comerciais,
sociais e culturais entre suas partes.
Conquanto seja instrumento utilizado há décadas por inúmeros governos subnacionais ao
redor do mundo, pode-se afirmar seguramente que, na maioria dos casos, o estabelecimento de
uma parceria do tipo Estados-Irmãos não gera praticamente nenhum resultado concreto. Esse
tipo de instrumento não tem sido mais utilizado há alguns anos pelo Estado do Rio de Janeiro.
Remetendo à experiência fluminense, há, no entanto, um caso interessante de um Estado-
-Irmão do Rio de Janeiro, que é o Estado de Maryland, nos EUA, vizinho à capital norte-americana
(Washington D.C.), cujo relacionamento remonta ao ano de 1964 e que gerou ótimos resultados.
Essa “irmandade”, estabelecida há cinco décadas, rendeu um vasto programa de intercâmbio de
estudantes de ensino médio e universitário que envolveu centenas de participantes de cada lado,
além da construção de uma escola primária na região metropolitana do Rio de Janeiro, no muni-
cípio de Nilópolis, a Escola Municipal “Companheiros de Maryland”.
Mais recentemente, a cooperação bilateral se intensificou em torno de alguns temas bem
definidos, sobretudo o meio ambiente, com foco nas trocas de experiências na gestão e proteção

34 Instituto de Relações Internacionais


das baías de Chesapeake e da Guanabara; a Educação, com a instalação de uma escola de
ensino médio relacionada ao projeto Dupla Escola, que é uma escola pública de tempo integral e
com ensino bilíngue, português-inglês, em parceria com o Prince George’s County, e que come-
çou a funcionar no início de 2014 em Nova Iguaçu; e a Saúde, com a recente inauguração, em
São Gonçalo, do primeiro núcleo de referência no atendimento a pacientes politraumatizados do
Estado, tendo sido seus profissionais (médicos e enfermeiros) capacitados no Centro de Trauma
da Universidade de Maryland, em Baltimore, considerado referência nos EUA.
Não necessariamente, portanto, uma relação de Estados-Irmãos estará sempre fadada ao
insucesso. O importante é que um eventual “irmanamento” não seja um ponto de partida, mas sim
o resultado do amadurecimento de um processo de aproximação entre dois estados, com uma
série de temas substantivos no intercâmbio bilateral, desenvolvidos ao longo de alguns anos.
Entre outros casos bem sucedidos de cooperação técnica descentralizada que foram ce-
lebrados nos últimos anos pelo Estado do RJ, vale destacar os seguintes estados/províncias/
regiões: Antioquia e Medellín, na Colômbia (temas: segurança, mobilidade urbana, educação, po-
líticas para a juventude, desenvolvimento social e cultural); Québec, no Canadá (cultura – cinema,
desenvolvimento sustentável com foco em mecanismos de economia verde, mobilidade urbana);
Bretanha, na França (foco nas questões marítimas, especialmente na formação profissionalizante
para o setor marítimo); província de Buenos Aires (segurança e saúde pública – UPA); regiões de
Hessen (cultura – restauração e conservação de material audiovisual) e da Renânia do Norte e
Vestfália, na Alemanha (sistema dual – formação técnico-profissionalizante).
No que diz respeito à cooperação técnica com Agências de governos nacionais, deve-se
fazer referência a cinco casos: USAID, norte-americana (jovens em situação social vulnerável
nas cidades com menor IDH do Estado, com capacitação para o mercado de trabalho; segurança
cidadã); AECID, espanhola (segurança e gestão de emergências e desastres – capacitação de
policiais, bombeiros e defesa civil); AFD, francesa (mobilidade urbana e planejamento urbano
metropolitano integrado); JICA, japonesa (redução de riscos de desastres – prevenção, resposta,
mobilização, reconstrução); GIZ, alemã (cooperação científico-tecnológica em torno de questões
energéticas).
O Governo do Estado também desenvolve relações estreitas com algumas agências, pro-
gramas, centros ou escritórios do sistema ONU estabelecidos na cidade do Rio, como é o caso do
UN-HABITAT, programa da ONU para os Assentamentos Humanos, espécie de “Ministério das Ci-
dades da ONU”, cujo Escritório Regional para América Latina e Caribe tem sede no Rio; UNICEF;
UNESCO; Centro Mundial de Desenvolvimento Sustentável da ONU (criado durante a Rio+20,
também conhecido como CENTRO RIO+); Centro de Excelência da ONU de Redução de Riscos
de Desastres (UNISDR - EIRD), e do Centro de Informação das Nações Unidas (UNIC-Rio).
Ademais, o Estado do RJ ingressou nos últimos dois anos em algumas redes internacionais
de governos regionais5, seja de natureza mais abrangente (ORU-FOGAR – Organização das
Regiões Unidas) ou mais específica (nrg4SD - Network of Regional Governments for Sustainable

5 Para melhor definição, entende-se por governos regionais os estados, províncias, regiões, departamentos, enfim, todas aquelas
denominações atribuídas aos governos subnacionais de nível intermediário, situados entre a esfera nacional ou federal e a esfera
local ou municipal. Os governos locais são os que correspondem às Prefeituras no Brasil, aquelas instâncias administrativas em nível
municipal, que também possuem responsabilidades muito distintas nos diferentes países.

35 Instituto de Relações Internacionais


Development; TCG - The Climate Group, R20 - Regions for Climate Action). O desafio é a partici-
pação nas redes internacionais de governos subnacionais de maneira efetiva, contribuindo para
orientar as discussões e os rumos de tais instituições de modo que ampliem cada vez mais a
quantidade de membros e a efetividade de suas ações.
Em matéria de cooperação recebida, o setor de cooperação técnica internacional possui o
desafio de conseguir mapear com exatidão quais são as prioridades em cada área da administra-
ção pública (p.e. saúde, educação, segurança, etc.) e ter a capacidade de identificar, a partir de um
trabalho pró-ativo e sistemático, as políticas públicas bem sucedidas no exterior referentes a essas
áreas, montando um “Banco de Melhores Práticas” de temas de interesse do Estado. Pretende-se de-
senvolver esse trabalho em parceria com universidades do Rio de Janeiro que possuem curso de RI.
Quanto à cooperação prestada, pretende-se iniciar a realização de um trabalho consistente
de oferecimento de cooperação técnica em torno de determinados temas, tais como segurança
e saúde, por exemplo, para outros países ou regiões, oferecendo um conjunto consistente de
informações (toolkits) sobre as boas práticas executadas no Rio de Janeiro. Para contribuir à
realização deste trabalho de expandir a cooperação prestada, busca-se intensificar a parceria
com agências de desenvolvimento internacional dos países desenvolvidos, sobretudo a partir de
iniciativas de cooperação triangular.
Nos últimos anos, um grande número de delegações governamentais estrangeiras tem vi-
sitado os projetos, programas e políticas que estão sendo implementados em diversos territórios
do Estado, sobretudo nos segmentos de segurança pública, saúde, educação, urbanização, entre
outros. Como exemplo de exportação de melhores práticas fluminenses, pode ser citado o caso
da província de Buenos Aires, cujo governador, ao visitar o Rio, teve a oportunidade de conhecer
os modelos das Unidades de Pronto Atendimento (UPAs 24horas), e decidiu por reproduzi-las
localmente, com a implantação até o momento de sete Unidades de Pronta Atención em toda a
região metropolitana da capital argentina.

2.1.3 Captação de financiamentos externos

Conforme dito anteriormente, o segmento de Cooperação Financeira internacional está es-


tabelecido em uma área especificamente voltada para a captação de recursos estrangeiros desti-
nados a financiar projetos do Governo do Estado em suas diversas áreas.
Inicialmente, é importante que haja uma explicação preliminar de que o processo de contra-
tação de financiamentos externos, entre todas as ações internacionais de um governo estadual
ou municipal brasileiro, é o único que possui a necessidade prévia de aprovação por parte de
instâncias federais. Em virtude do fato de que a União é solidária em caso de default, os pode-
res executivo e legislativo federais precisam aprovar qualquer empréstimo a ser contraído pelos
estados e municípios. Trata-se de um processo relativamente longo e demorado, que leva vários
meses até a assinatura do contrato.
Até recentemente, o Estado do RJ possuía grande limitação em matéria de “espaço fiscal”,
que é o limite de endividamento estipulado pelo Governo Federal em função da situação fiscal
daquele estado ou município. Até o fim de 2006, apenas sete contratos haviam sido assinados
pelo governo fluminense, todos entre 1994 e 1999, totalizando US$ 1,34 bilhão.

36 Instituto de Relações Internacionais


A partir de 2007, com a melhoria da situação fiscal do Estado, foi possível aumentar a con-
tratação de empréstimos externos.
No período compreendido entre 2007 e 2013, foram assinados 23 contratos de financia-
mento, totalizando US$ 4,5 bilhões, com quatro instituições: Banco Mundial (BIRD), Corpora-
ção Andina de Financiamento (CAF), Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e Agência
Francesa de Desenvolvimento (AFD).
Os 23 projetos estão distribuídos da seguinte forma entre as quatro fontes de financiamento:
BIRD: 61% do total dos recursos, totalizando US$ 2,78 bilhões, em dez projetos contratados; CAF:
16% do total, totalizando US$ 740 milhões, em quatro projetos contratados; BID: 14% do total,
somando US$ 646 milhões, em oito projetos contratados; AFD: 9% do total, no valor de US$ 394
milhões, em um projeto contratado. A distribuição dos financiamentos por temas ficaria da seguin-
te forma: Mobilidade urbana – 27%; Gestão pública – 29%; Infraestrutura – 16%; Desenvolvimento
urbano – 11%; Meio ambiente – 10%; Desenvolvimento rural – 3%; Turismo e Lazer – 3%; Inclusão
Social – 2%.
O papel da Subsecretaria de Relações Internacionais no que se refere aos financiamentos
externos é basicamente o de apoiar as Secretarias de Estado a preparar projetos a serem subme-
tidos às instituições estrangeiras, assim como durante todo o processo de sua execução, mesmo
após a assinatura do contrato. A SSRI presta ainda grande apoio na organização de missões de
instituições estrangeiras ao Rio e também na preparação de missões técnicas das secretarias de
estado ao exterior, no âmbito dos programas em andamento.
Importante ressaltar que a liderança de todo o processo negociador referente aos financia-
mentos é da Secretaria estadual de Fazenda, em parceria com a secretaria ou órgão estadual to-
mador do financiamento e a SSRI. Por sua vez, a aprovação dos projetos estaduais que pretendem
buscar empréstimos externos acontece no âmbito de uma comissão liderada pelo Vice-Governa-
dor e pelos Secretários da Casa Civil, Fazenda e Planejamento e Gestão, denominada Comissão
de Coordenação e Controle das Operações de Crédito e Concessão de Garantias (COPEC).
O segmento de financiamentos externos, da mesma forma que o de cooperação técnica,
precisa conhecer bem quais são as prioridades, programas e projetos da administração pública,
de modo que possa articular as necessidades estaduais com possíveis novas fontes de financia-
mento. O desafio desta área é, portanto, na mesma linha das outras áreas da SSRI, conseguir
atender a enorme demanda de trabalho geradas pelas secretarias estaduais, tendo em vista a
grande quantidade de projetos em andamento atualmente e, além disso, agir pró-ativamente no
sentido de incentivar novas parcerias de financiamento, casando as necessidades de recursos
com as potenciais fontes externas.
Outro desafio importante que passou a ser a prioridade do setor é a captação de financia-
mentos não reembolsáveis (também conhecidos como “recursos a fundo perdido”), que são doa-
ções, concedidos a partir de instituições multilaterais como o BIRD e o BID, assim como agências
nacionais de cooperação, sobretudo dos países desenvolvidos, e de fundações privadas.
Mais uma vez, o objetivo é realizar um match making entre demanda e oferta, entre projetos
que costumam ter um viés mais social ou de treinamento e capacitação, em valores financeiros
relativamente modestos, mas que podem fazer toda a diferença para um pequeno projeto que não
carece de um volume muito expressivo de recursos.

37 Instituto de Relações Internacionais


A forma encontrada para se atingir esse objetivo, diante de um reduzido quadro de técnicos
na Subsecretaria, foi, mais uma vez, estabelecer parceria com universidades para a criação de
um “Banco de Fontes de Financiamento”, de modo que pesquisadores externos possam realizar
esse trabalho sistemático e criterioso de prospecção de potenciais fontes de financiamento, reem-
bolsável ou não reembolsável, para os projetos estaduais.

3 Relações institucionais de um estado cosmopolita

O Rio de Janeiro vive, nos últimos e nos próximos anos, uma agenda internacional muito intensa.
De forma inédita, os maiores eventos da humanidade, tanto esportivos (Olimpíadas e Copa do
Mundo), quanto religiosos (Jornada Mundial da Juventude 2013 – 3 milhões de pessoas) e até
mesmo oficiais, como a Rio+20, maior conferência da história da ONU e de todos os tempos, têm
ocorrido em uma mesma cidade.
A quantidade de visitas oficiais ao Rio de autoridades estrangeiras, nacionais e subnacio-
nais, além de representantes de organizações internacionais, tem sido enorme nos últimos anos.
Visitas que vão de Barack Obama ao Príncipe Harry, do Secretário-geral da ONU ao Papa Fran-
cisco. Além de chefes de Estado e de Governo, também há visitas de ministros, governadores,
prefeitos, parlamentares, membros das Casas Reais, enfim, autoridades de todos os tipos e de
praticamente todos os países, em missões com os mais variados interesses e agendas.
Cabe à área internacional apoiar os parceiros estrangeiros na organização das visitas ofi-
ciais ao Estado, em parceria com outros órgãos estaduais e, muito frequentemente, também com
a Prefeitura do Rio. Da mesma forma, esta área organiza a vertente logística das missões ao ex-
terior do governador ou de comitivas do Estado do RJ.
Além dos aspectos operacionais decorrentes da realização das missões estrangeiras no
Rio ou das missões fluminenses ao exterior, o setor também é responsável pela interlocução com
os consulados e embaixadas em questões de natureza protocolar. Ademais, essa Assessoria
prepara briefings informativos para todas as reuniões internacionais mantidas pelo governador ou
vice-governador, com contribuições dos outros setores da Subsecretaria.
O desafio nesse segmento de trabalho institucional é o de realizar um trabalho mais forte
de comunicação, com a disponibilização de uma página da SSRI na Internet, a utilização das
mídias sociais e o desenvolvimento de um relacionamento mais estreito com correspondentes de
imprensa estrangeira que estão baseados no Rio.

4 Considerações finais

Diante da apresentação das linhas gerais da atuação internacional do Estado do Rio de Janeiro, é
possível perceber que a ênfase é ser result-oriented, ou seja, realizar ações que vão ao encontro
das necessidades objetivas da administração pública estadual e dos interesses da população. A
maior armadilha para a atuação internacional de um governo subnacional é a falta de efetividade
de suas ações voltadas para o exterior, contexto esse em que não é possível haver uma percep-
ção clara do retorno concreto gerado a partir do relacionamento internacional.
Além do foco nos resultados, o desafio enfrentado particularmente no Rio, e que deve ser

38 Instituto de Relações Internacionais


comum à grande maioria dos departamentos internacionais de governos subnacionais, é o de
conseguir vencer a lógica de apenas responder às demandas, com o propósito de também atuar
pró-ativamente, a partir de uma agenda própria. Nada que um bom grupo de Internacionalistas,
como os colegas da SSRI e os futuros colegas de RI da USP, não enfrente com todo o entusiasmo
gerado a partir do sonho da construção de um mundo melhor.

39 Instituto de Relações Internacionais


O processo de internacionalização de Minas Gerais:
possibilidades e desafios1

Chyara Sales Pereira*

1. Introdução

Se a cultura internacional é uma estratégia que está sendo utilizada para nortear a projeção
internacional das unidades subnacionais, o nome dado à ação externa propriamente, no âmbito
das discussões das relações internacionais, é paradiplomacia. Ou seja, refere-se às atividades
paralelas, complementares ou conflitivas em relação à diplomacia central. Vale dizer que, assim
como a natureza da ação paradiplomática, a denominação dessa ação ainda está em processo
de assimilação pelo campo de discussão das relações internacionais, pois, com efeito, as rela-
ções internacionais são o domínio clássico dos Estados nacionais ou dos governos centrais das
federações.
Assim, no caso específico dos atores subnacionais a projeção externa é dependente do
modelo de organização do Estado nacional. Nesse sentido, modelos federativos largamente des-
centralizados, a exemplo do norte-americano, outorgam às unidades federadas grande autonomia
para a condução de suas operações no ambiente internacional. No caso brasileiro, a União tem
competência exclusiva na manutenção de relações com países estrangeiros. Nesse sentido, o
modelo federativo brasileiro opera a transferência da soberania externa de suas unidades ao po-
der central que representa a federação no ambiente internacional.
Nesses termos, podemos levantar uma primeira discussão de que na prática a realidade
contemporânea está alterando amplamente os referenciais teóricos e os ordenamentos consti-
tucionais. O fato é que a realidade contemporânea vem moldando novas relações entre Estado
federal e suas unidades constituintes. O Estado-Nação tradicional vê, desta forma, sua soberania
esmaecida por agentes externos e também internos. Existem evidências de Estados-Nação que,
diante desse novo fenômeno, estão desenvolvendo alternativas. Por exemplo, com sua reforma
constitucional de 1994, a Argentina permitiu uma inédita amplitude de ação externa de suas pro-
víncias. Para alguns autores, a Argentina teria adquirido uma dinâmica de “desfederalização”, por
causa dessa transformação constitucional.
No caso brasileiro, podemos notar uma centralização maior decorrente do próprio perfil de
seu federalismo. No entanto, a inserção independente de suas unidades subnacionais motivou o
Estado federal a criar uma agência para conhecer e monitorar as ações autônomas externas de
seus entes federados, a Subchefia de Assuntos Federativos (SAF), órgão que se destina a fazer a
interface entre um dado ministério, os governos estaduais e municípios. Tal instância possui como
Objetivo maior melhor captar os interesses e as ações das unidades federadas na formulação da
política externa.
Dentro da realidade brasileira de crescente interesse das unidades subnacionais em esta-

1 Vídeo da palestra disponível em: <http://iptv.usp.br/portal/video.action?idItem=17811>. Acesso em: 19 ago. 2014.

* Assessoria de Relações Internacionais do governo do Estado de Minas Gerais

40 Instituto de Relações Internacionais


belecer vínculos econômicos internacionais, é necessário que se busque alternativas conciliado-
ras para viabilizar os interesses das unidades federadas brasileiras sem que sejam usurpados
os limites constitucionais existentes. Isso se justifica, pois as unidades subnacionais estão cada
mais vez deixando de ser apenas unidades administrativas voltadas à resolução interna de seus
interesses, assumindo uma nova condição política no sentido de definir estratégias de desenvol-
vimento e promoção econômica.
A Assessoria de Relações Internacionais do Governo de Minas, ciente das mudanças nes-
ses marcos conceituais e estruturais que estão redimensionando o papel das unidades sub-
nacionais busca, cada vez mais, internalizá-las em seu plano de ação. Acredita-se que, dessa
maneira, Minas Gerais saia na frente em uma nova modalidade de política pública que promova o
desenvolvimento econômico e garanta condições para tornar Minas Gerais o melhor estado para
se viver e investir.
A Assessoria de Relações Internacionais está imersa na nova estrutura organizacional que
marcou a reforma administrativa do Governo Aécio Neves, em 2003. Agindo de forma orientada
naquilo que é sua competência: coordenação do relacionamento institucional e das missões de
negociação do Estado junto às agências multilaterais e bilaterais de crédito vinculados ao finan-
ciamento do desenvolvimento e da promoção de investimentos, a assessoria às demais áreas
do governo em assuntos internacionais e a promoção do relacionamento com o Ministério das
Relações Exteriores e instituições correlatas.
A destinação de um órgão específico situado na Secretaria-Geral da Governadoria para a
organização e planejamento da inserção do Estado no cenário internacional permitiu o cresci-
mento sistemático e consistente de missões e de atividades ligadas a autoridades e instituições
internacionais.
Além disso, cumpre destacar que o processo de internacionalização passa a ser tratado
como uma política pública, percorrendo os diversos órgãos de Estado, numa gestão inovadora –
e desafiante – que integra os atores intragovernamentais e externos em torno de uma REDE de
articulação. Sua importância está justamente no fato de cada ator manter a sua autonomia e inde-
pendência, mas, por outro lado, compartilhar os compromissos e Objetivos que sustentam a rede.

1. Breve histórico da Área Internacional – Antes de 2003 e de 2003 aos dias de hoje

Até 2003, os assuntos internacionais do Estado de Minas Gerais eram tratados pela Assessoria
Especial para Assuntos Internacionais e de Cerimonial, localizada na estrutura da Secretaria
de Estado de Governo. Criada em junho de 1999, tal assessoria tinha como finalidades auxiliar
o governador na formulação e implementação da política estadual de relações internacionais e
coordenar processos de captação de recursos internacionais.
Na busca de cumprir tais atribuições, que levariam a uma atuação externa mais eficaz, o
ambiente institucional foi organizado a partir da elaboração do decreto n°40.180, que instituiu o
Sistema Estadual de Promoção Comercial e de Cooperação Internacional. Esse sistema consistia
no estabelecimento de quatro núcleos, que atuavam no âmbito setorial, junto às secretarias afins2.

2 Para melhor definição, entende-se por governos regionais os estados, províncias, regiões, departamentos, enfim, todas aquelas
denominações atribuídas aos governos subnacionais de nível intermediário, situados entre a esfera nacional ou federal e a esfera

41 Instituto de Relações Internacionais


No âmbito interno da Assessoria, as ações empreendidas seguiam seis linhas:
• Coordenação de cooperação científico-cultural;
• Coordenação de promoção comercial;
• Apoio a projetos especiais e eventos internacionais;
• Apoio a prefeituras e instituições estaduais na definição e implementação de progra-
mas setoriais e análise de cooperação internacional;
• Acompanhamento e análise da conjuntura internacional.

Os principais programas desenvolvidos a partir dessas diretrizes tinham por objetivo a qua-
lificação de recursos humanos voltada à promoção comercial e cooperação internacional e o
estágio supervisionado na área de relações internacionais.
A partir de 2003 houve uma alteração na estrutura burocrática do Governo, transferindo e
transformando a Assessoria Especial para Assuntos Internacionais e de Cerimonial em Subse-
cretaria de Assuntos Internacionais (SEAIN), como órgão da Secretaria de Estado de Desenvolvi-
mento Econômico (SEDE). A intenção foi reproduzir, em alguma medida, a estrutura existente no
nível federal com uma agenda mais ampla que aquela com organismos internacionais e bancos
multilaterais nos diálogos estabelecidos para cooperação financeira, incorporando também aque-
la cooperação internacional de natureza não-financeira.
Tudo isso dotou o Governo do Estado de Minas Gerais de componente institucional respon-
sável pela coordenação das operações internacionais, não apenas dos setores-alvo da referida
secretaria, como também do Estado, no que respeita aos seus órgãos da administração direta e
indireta.
De fato, e esta competência foi reiterada e especificada no Decreto 43.232 de 27 de março
de 2003, que estabeleceu as responsabilidades específicas atinentes à Subsecretaria de Assun-
tos Internacionais. Assim, conforme o artigo 27 do referido decreto:

A Subsecretaria de Assuntos Internacionais tem como finalidade planejar, organizar,


dirigir, coordenar, executar, controlar e avaliar as ações setoriais, a cargo do Estado,
relativas às oportunidades de investimentos, de viabilização de financiamentos ex-
ternos e de promoção de negócios de interesse para o Estado identificados na área
internacional.

Tal finalidade, por sua vez, desdobrou-se em competências específicas a seguir sumariza-
das:
1. Coordenação do relacionamento institucional e das missões de negociação do Estado
junto às agências multilaterais e bilaterais de crédito vinculadas ao financiamento do de-
senvolvimento e da promoção de investimentos;
2. Manutenção do intercâmbio com instituições bancárias, entidades da iniciativa privada e
organizações não-governamentais, visando cooperação técnica, financeira e operacional
de interesse do Estado e dos setores-alvo da Secretaria;

local ou municipal. Os governos locais são os que correspondem às Prefeituras no Brasil, aquelas instâncias administrativas em nível
municipal, que também possuem responsabilidades muito distintas nos diferentes países.

42 Instituto de Relações Internacionais


3. Promoção de Estudos visando o fortalecimento do comércio e exportação de produtos
estaduais e formação de novos ativos na economia mineira;
4. Manutenção do intercâmbio com órgãos e entidades públicas e privadas com vistas à coo-
peração técnica e financeira para a consecução de programas no âmbito de sua atuação;
5. Estímulo à iniciativa privada para a promoção do comércio exterior e a atração de investi-
mentos;
6. Estímulo à viabilização de investimentos externos nas áreas de abrangência da secretaria;
7. Proposição e participação de/em eventos de interesse da economia mineira no país e no
exterior;
8. Proposição, apoio e coordenação de estudos que criem as condições para a produção de
bens do conhecimento e para o desenvolvimento de capital intelectual na área de atuação
da Secretaria, visando a exportação e investimentos nacionais e internacionais;
9. Promoção do relacionamento comercial da economia mineira com o mercado internacio-
nal;
10. Assessoramento das demais áreas do governo em assuntos internacionais;
11. Provisão de informações à comunidade exportadora e às unidades da Secretaria;
12. Promoção do relacionamento com o Ministério das Relações Exteriores;

A análise dessas competências nos permite depreender hoje três áreas de atuação distin-
tas e articuladas: Relações Internacionais, Comércio Exterior e Promoção de Investimentos. O ali-
nhamento das áreas de atuação da SEAIN/SEDE ao modelo de gestão orientada para resultados,
implantado pelo Estado de Minas Gerais, foi responsável pelo lineamento das políticas públicas
setoriais através de programas prioritários e estruturadores que assinalavam suas diretrizes es-
tratégicas, assim como descrevemos a seguir:

(i) Comércio Exterior: no que respeita à área de Comércio Exterior, a SEAIN/SEDE concentrou
seus esforços (1) na construção da logística necessária às exportações de produtos mineiros,
em especial no que concerne ao programa de estruturação da “Plataforma Logística da Região
Metropolitana de Belo Horizonte”; (2) na promoção da cultura exportadora em Minas Gerais, es-
pecialmente no que respeita às pequenas e médias empresas; (3) na melhoria dos fatores de
competitividade das empresas mineiras; e, (4) na promoção comercial. A política de incentivo ao
comércio exterior revelada no conjunto de programas gerenciados pela SEAIN/SEDE projeta três
áreas de resultados distintas, a saber: (a) criação de fontes alternativas para o financiamento do
desenvolvimento através do aumento da arrecadação resultante do aumento das exportações
das empresas mineiras; (b) geração de empregos e (c) formação de capital, provenientes da ins-
talação de novas empresas em Minas Gerais, a partir, especialmente da plataforma logística do
comércio exterior.

(ii) Relações Internacionais: a área de Relações Internacionais, por seu turno, desenvolveu dois
eixos de atuação distintos e articulados: (1) cooperação internacional e (2) operações de crédito.
Do ponto de vista das Relações Internacionais, as políticas desenvolvidas pela SEAIN/SEDE
através de seus programas prioritários, têm como área de resultados a criação de fontes alterna-

43 Instituto de Relações Internacionais


tivas para o financiamento do desenvolvimento através da atração de investimentos em projetos
de cooperação técnica e empréstimos junto aos organismos internacionais e bancos multilaterais.
É importante dizer que, até 2003, as operações internacionais do Estado de Minas Gerais, a des-
peito das ações da Assessoria Especial para Assuntos Internacionais e de Cerimonial, tiveram
lugar através de projetos de cooperação técnica desenvolvidos por setores da administração dire-
ta junto a organismos internacionais – em especial meio ambiente e educação – e por intermédio
dos acordos com províncias irmãs.
Desde 1973 Minas Gerais estabeleceu os seguintes acordos internacionais com províncias
e/ou regiões, a saber:
a) Yamanashi, Japão (1973): formação profissional e educacional, tendo como principais des-
dobramentos as visitas técnicas de estudantes e jovens profissionais à Yamanashi. As
ações decorrentes desse acordo também contemplam as áreas de energia elétrica, agroin-
dústria, meio ambiente, mineração, transformação de metais, manufaturas, informática e
mão de obra.
b) Piemonte, Itália (1993): cooperação econômica, científica, tecnológica, industrial, cultural,
de promoção de investimentos nos setores automobilístico, energia elétrica, alimentício,
transformação de metais, informática e setor manufatureiro.
c) Jiangsu, China (1996): cooperação nas áreas econômica, comercial, científica e tecnoló-
gica, cultural e esportiva.
d) Cingapura (2008): foi firmado um Memorando de Entendimento que se pretende viabilizar
serviços nas áreas de hardware e software para o setor público, na área da tecnologia da
informação (TI), na área de desenvolvimento de projetos multissetoriais e em programas
de aprendizado e treinamento. A importância de se firmar um instrumento de cooperação
entre Cingapura e Minas Gerais se constituiu na possibilidade de viabilizar serviços nas
áreas de hardware e software para o setor público, na área da tecnologia da informação
(TI), na área de desenvolvimento de projetos multissetoriais e em programas de aprendi-
zado e treinamento.
e) Nord-Pas-de-Calais, França (2008): foi firmado um instrumento de cooperação entre Nord-
-Pas-de-Calais e Minas Gerais cujo objetivo reside na viabilização de intercâmbios no
âmbito do desenvolvimento e melhorias regionais, incentivando o desenvolvimento e a
prosperidade das partes envolvidas, nos aspectos econômico, ambiental e social.
f) Lombardia, Itália (2008): foi assinado um Protocolo de Intenções com o objetivo de facili-
tar a colaboração mútua em diversos setores, mais notadamente, nos setores de saúde;
desenvolvimento local e desenvolvimento econômico com a preparação/envolvimento das
Pequenas e Médias Empresas; esportes e juventude; inovações no campo da bio-energia
e estudos e experiências na área da logística avançada dos transportes.
g) Queensland, Austrália (2003): as atividades de interesse para cooperação são mineração
e meio ambiente. Uma missão do Estado está sendo organizada em conjunto com a FIE-
MG e a Câmara de Comércio da Austrália. Há possibilidade de assinatura de nova Agenda
de Trabalho, a última agenda assinada foi do biênio 2005/2006.
h) Quebec, Canadá (1996): há trocas intensas e discussões sobre as áreas de saúde (sobretu-
do hemocentros, como demonstrado pelo forte interesse do Hemo-Quebec), social e cultural.

44 Instituto de Relações Internacionais


Desde 2003, ainda como SEAIN/SEDE, a área internacional do Governo de Minas buscou
suplementar os instrumentos de cooperação com províncias/regiões estrangeiras com agendas
de trabalho específicas dotadas de objetivos e metas específicos, de grupo coordenador, formado
pelos atores envolvidos no processo de cooperação, designado para sua gestão.
Adota-se aqui uma definição abrangente da cooperação técnica internacional que a compre-
ende como um conjunto de atividades que, relacionando o Estado de Minas Gerais a organismos
e agências internacionais, bem como a países e províncias estrangeiras, resultam no incremento
de seu capital humano e institucional. Nesse sentido, os programas e projetos de cooperação
técnica internacional se estruturaram em torno de duas dimensões complementares que devem
alinhar-se às estratégias mais amplas de desenvolvimento do Estado:

a) Cooperação Técnica (ou assistência técnica): atividades cujo objetivo é elevar a produtivi-
dade dos fatores de produção locais através da assimilação pelo Estado de bens intangíveis
como o conhecimento:
i. Transferência de conhecimentos e habilidades que fortaleçam o capital humano do
estado, potencializando o uso de seus fatores de produção;
ii. Fortalecimento das instituições públicas e das empresas de Minas Gerais quanto ao
seu alinhamento em relação aos princípios do desenvolvimento sustentável e da respon-
sabilidade social;

b) Assistência Financeira: atividades cujo objetivo é a provisão dos recursos necessários


à construção da infra-estrutura do desenvolvimento, impactando diretamente sobre cresci-
mento econômico e sobre o desenvolvimento social.

Mas além do mencionado acima, é importante dizer que o Estado está desenvolvendo dire-
trizes que consolidem melhor a política de atração de investimentos, assim como a estratégia de
inserção internacional e captação de oportunidades de investimentos. Com as últimas transforma-
ções do sistema internacional e, como consequência, dos fluxos de bens tangíveis e intangíveis,
houve um redimensionamento da posição do Brasil na geometria comercial, refletindo diretamen-
te no nível de seus entes federados. Inicialmente, éramos território de recebimento passivo, se é
que podemos assim dizer, de fluxos dos investimentos e agora estamos assumindo uma posição
inédita de pautar a qualidade desses fluxos. Para tanto, o Governo vem sentido a necessidade
cada vez maior do território se preparar, via políticas públicas, para se tornar mais atrativo para
os investimentos externos.
O inédito é que, no caso de Minas Gerais, os investimentos externos estão nascendo das
agendas de trabalho dos acordos de cooperação que mantemos com outros entes federados.
Então, temos um diálogo da esfera privada nascendo de um diálogo entre governos. O desafio
atual é aprimorar o fluxo de entrada e encaminhamento interno na dimensão pública desses in-
vestimentos. Ou seja, é preparar aqueles setores diretamente envolvidos no processo para recep-
cionar, tramitar, reter e finalizar o diálogo de forma que isso não seja uma ação apenas da área
internacional.

45 Instituto de Relações Internacionais


2. A Assessoria de Relações Internacionais

Esse desafio ainda é maior pela nova posição ocupada pela área internacional desde 2011, quan-
do, na gestão do governador Antonio Anastasia, ela deixou de pertencer a um órgão executivo
do Governo, ou seja, a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico/SEDE e voltou a
ser uma Assessoria, mas agora situada na Secretaria-Geral da Governadoria. De forma geral, os
objetivos estratégicos, o estado da arte, os marcos-legais e institucionais permaneceram; a gran-
de diferença que podemos apontar consiste na natureza das atividades desenvolvidas, pois pelo
fato de ser agora uma Assessoria, esta deve ser muito mais de ordem de meio do que finalística.
Isso significa que o grande papel da área internacional consiste em articular os atores,
orientá-los e supervisioná-los em suas ações e implementação. Tal dinâmica provocou o fortaleci-
mento e, até mesmo, a criação de áreas internacionais nas várias unidades da administração di-
reta e indireta, demandando uma mão-de-obra técnica que tivesse intimidade com a “linguagem”
do ambiente internacional e seus atores.

3. A Rede de Articulação Internacional de Minas Gerais

A opção institucional do Estado de Minas Gerais para a operação de seus programas e projetos
de cooperação internacional, assim como da agenda internacional propriamente recaiu sobre
uma estrutura horizontal e descentralizada: uma rede humana capaz de articular os setores da
administração pública e esses aos centros de ensino e pesquisa3. Redes são mecanismos institu-
cionais – formais ou informais – de coordenação no interior de uma organização, entre unidades
organizacionais, ou mesmo entre organizações. O que distingue as redes de outras formas de
coordenação – hierarquia ou mercado – diz respeito à horizontalidade dos relacionamentos que
têm lugar em seu interior (Thompson, 1991).
Com efeito, os atores envolvidos em uma rede cultivam relações baseadas na confiança
construída em torno de um interesse comum – a projeção internacional do Estado de Minas Ge-
rais – e em um estoque de conhecimentos compartilhado. A importância do conhecimento como
amálgama responsável pela coesão entre os operadores e a consequente coerência e eficiência
de suas operações, não deve ser desprezada.
Ao contrário, a Rede de Articulação Internacional pretende estruturar-se como um ambiente
de aprendizagem. Como tal, a Rede não deve se constituir apenas sobre o acúmulo de conhe-
cimentos gerados por suas operações, mas sobretudo sobre o processo de aquisição de infor-
mações para seu posterior tratamento como conhecimento que informa a ação. Nesse sentido,
o processo de aprendizado implicado nas operações da rede revelar-se-á como um processo
contínuo de transformação que pode ser apreciado como um ciclo: (i) aquisição de informações;
(ii) integração das informações adquiridas no contexto organizacional; (iii) interpretação coletiva
da informação e (iv) operação.
Como podemos perceber, desde 2003 o Governo de Minas fez uma opção de institucio-
nalizar a área internacional tendo como orientação os principais marcos conceituais da atuação

3 A Rede de Articulação Internacional do Estado de Minas Gerais foi criada pelo Decreto 44.039 de 3 de junho de 2005.

46 Instituto de Relações Internacionais


internacional de unidades subnacionais no âmbito das relações internacionais, assim como da
cooperação internacional. O próximo passo é constituir cenários de longo prazo para a atuação
internacional de Minas Gerais, analisando contextos de cooperação dos países emergentes e em
desenvolvimento, por meio da inserção do Brasil neste ambiente, avaliando os riscos e oportu-
nidades que se abrem para a internacionalização de Minas Gerais. Para tanto, a Assessoria de
Relações Internacionais da Secretaria-Geral da Governadoria firmou recentemente um projeto
em parceria com o Departamento de Relações Internacionais da PUC Minas com financiamento
do Fundo de Amparo a Pesquisa de Minas Gerais (FAPEMIG).

47 Instituto de Relações Internacionais


A Experiência da Assessoria de Cooperação e Relações
Internacionais do Governo do Estado do Rio Grande do Sul1

Tarson Núñez*

1. A criação da ACRI

A Assessoria de Cooperação e Relações Internacionais (ACRI) foi criada no início de 2011 como
uma estrutura de assessoramento dentro do Gabinete do Governador do RS. Sua criação marca
uma profunda alteração no conteúdo e na metodologia da ação internacional do governo esta-
dual, decorrente de uma compreensão do novo governo acerca da importância estratégica das
relações internacionais para o desenvolvimento do Rio Grande do Sul.
Até o ano de 2010, as ações internacionais do governo estadual se concentravam em torno
da Secretaria de Desenvolvimento e Assuntos Internacionais (SEDAI), que tinha um foco estri-
tamente econômico, implementando ações de promoção das exportações e atração de investi-
mentos. As ações internacionais das demais secretarias, quando existiam, não eram tratadas de
maneira integrada a uma estratégia de ação internacional do governo. A partir deste desenho
institucional, as ações do governo do RS na esfera internacional se ressentiam de uma grande
fragmentação, na medida em que não havia um esforço de integrar as iniciativas setoriais em
uma estratégia comum. Cada secretaria implementava iniciativas de maneira isolada a partir de
seus interesses específicos, sem uma relação mais estruturada com um projeto de governo. De
outro lado, a dimensão econômica polarizava as ações governamentais em torno de uma agenda
restrita a ações no âmbito das relações de mercado.
O novo desenho institucional, estabelecido a partir de 2011, tem como base uma compre-
ensão da centralidade das relações internacionais nos marcos de uma estratégia de desenvol-
vimento do Rio Grande do Sul. Com uma economia onde as exportações cumprem um papel
fundamental tanto na produção primária como na indústria manufatureira, a esfera internacional é
decisiva para o crescimento econômico do estado. Por outro lado, a condição de estado de fron-
teira, situado exatamente na divisa com os principais parceiros brasileiros no âmbito do Mercosul,
faz com que a dimensão das relações internacionais seja efetivamente estratégica para o futuro
do estado.
Tendo como base esta compreensão, a criação de uma estrutura de coordenação para as
ações internacionais, diretamente ligada ao Gabinete do Governador, tem justamente o papel de
permitir uma coordenação e articulação do conjunto de iniciativas do governo na esfera interna-
cional. Esta nova compreensão permitiu, de um lado, superar a ênfase estritamente econômica
das ações dos governos anteriores, ampliando o escopo das RI no âmbito do governo. De outro
lado, traz o tema das relações internacionais para o centro do governo, fortalecendo seu papel
nos marcos de uma estratégia de desenvolvimento para o estado.
Se do ponto de vista das relações internas do governo a criação da ACRI teve este papel

1 Vídeo da palestra disponível em: http://iptv.usp.br/portal/video.action?idItem=10969. Acesso em: 19 ago. 2014.

* Assessoria de Cooperação e Relações Internacionais do Rio Grande do Sul

48 Instituto de Relações Internacionais


de centralizar as ações e alinhá-las com uma estratégia de desenvolvimento, do ponto de vista da
relação do governo com os atores da sociedade civil no RS e com as demais esferas de governo
no âmbito da federação, a criação da ACRI responde também à necessidade de aproveitar uma
janela de oportunidade criada pelo novo protagonismo do Brasil na esfera internacional a partir
de 2003. Nosso país, nos últimos dez anos, passou a ocupar um espaço crescente no âmbito
internacional, o que abre novas possibilidades para os estados subnacionais em termos das
oportunidades de aprofundamento de suas agendas internacionais.
Durante os anos dos governos de Lula, o Rio Grande foi governado por partidos de opo-
sição ao governo nacional. Em função disso, foi difícil estabelecer uma sinergia entre as ações
internacionais do governo federal e as do estado do Rio Grande do Sul. Por isto, e por uma falta
de compreensão destes governos acerca da importância das ações internacionais, o Rio Grande
teve pouca capacidade de aproveitar a crescente visibilidade do Brasil na esfera internacional.
Trazendo para o centro da estratégia do governo as ações internacionais, o governador Tarso
Genro busca também estabelecer uma sinergia com as ações do governo nacional.

1.1 Marco Jurídico, Institucionalização e Estrutura

A ACRI foi criada através da lei 13.601 de janeiro de 2011, que reformulou as estruturas do
governo do estado do Rio Grande do Sul. Segundo esta lei, à ACRI “compete apoiar o governador
em assuntos técnicos e políticos em temas referentes ao relacionamento de cooperação e de
integração comunitária com outros países e organismos internacionais”2. A ACRI se caracteriza
por ser uma estrutura de assessoria do Gabinete do Governador, e não como uma secretaria de
Estado, e este desenho institucional está associado a uma concepção do trabalho de RI como um
trabalho transversal, que deve envolver o conjunto de órgãos de governo. Neste sentido, a asses-
soria cumpre um papel de coordenação e de orientação política, partindo do pressuposto de que
a implementação das ações na esfera internacional deve competir a cada uma das secretarias no
seu âmbito de atuação.
À ACRI cabe estabelecer, a partir das orientações do centro de governo, a consistência e
coerência das ações das secretarias nos marcos mais gerais da estratégia de desenvolvimento
do governo. Neste sentido, sua atuação se dirige para a construção de um trabalho com cada
uma das secretarias de Estado no sentido de contribuir com as ações das mesmas no âmbito
internacional. A partir das diretrizes estabelecidas pelo centro do governo, a assessoria trabalha
com as secretarias para apoiar e fomentar ações no âmbito internacional.
Além disso, como estrutura ligada ao gabinete, a ACRI coordena a organização das mis-
sões internacionais que envolvem a participação direta do governador. Para além das iniciativas
setoriais, que envolvem cooperação técnica, promoção comercial e atração de investimentos en-
quanto ações de setores específicos do governo, a assessoria tem como função planejar e orga-
nizar as missões que contam com a participação direta do chefe do Executivo.
Por fim, cabe também à ACRI a coordenação das relações do governo do Estado com to-
das as comitivas e missões recebidas pelo estado do Rio Grande do Sul. Missões diplomáticas,

2 Lei 13.601, artigo 16, I, c.

49 Instituto de Relações Internacionais


recebendo embaixadores e o corpo consular acreditado no RS, missões empresariais, delega-
ções internacionais, têm na assessoria de cooperação e relações internacionais o interlocutor
local que organiza as agendas e o trabalho com as equipes locais de governo.
Ainda que seja apenas uma estrutura de assessoria, a ACRI tem uma equipe técnica multi-
disciplinar de 14 pessoas. Esta equipe se divide em um corpo técnico formado por um coordena-
dor e 7 técnicos de distintas áreas (ciências sociais, direito, jornalismo), a maioria deles com ex-
periência prévia em RI, tanto no âmbito federal como municipal. Além deles, há uma equipe para
a gestão administrativa de duas pessoas, além de 4 estagiários, todos com formação na área de
RI. Do ponto de vista funcional, a estrutura se compõe de 7 cargos de confiança e 3 funcionários
do quadro do governo estadual, além dos quatro estagiários.
Uma das preocupações centrais da atuação da ACRI diz respeito à formação de quadros
de estado para as relações internacionais. Nosso objetivo é consolidar uma cultura de RI dentro
do governo, formando quadros técnicos permanentes no estado para atuar nas relações interna-
cionais. Neste sentido, o esforço é por consolidar uma equipe técnica permanente, formada por
quadros concursados, tanto no âmbito da ACRI como em cada uma das secretarias.
O coordenador da assessoria tem formação acadêmica na área da Ciência Política, tendo
concluído o mestrado no programa de pós-graduação da UFRGS, onde está concluindo o douto-
rado no mesmo programa. Mas além desta formação acadêmica, o coordenador tem experiência
em gestão pública, tendo sido coordenador do Gabinete de Planejamento da prefeitura municipal
de Porto Alegre entre 1993 e 1996, e diretor do Departamento de Desenvolvimento Regional e
Urbano da Secretaria de Planejamento do governo do Estado entre 1999 e 2002. Sua experiência
em RI se relaciona com uma trajetória profissional na assessoria do movimento sindical, como
assessor da CUT nos anos 90 durante o processo de discussão da participação das organizações
sociais no âmbito do Mercosul, além de fazer parte do coletivo da Secretaria de Relações Inter-
nacionais do PT neste mesmo período.

1.2 O Processo de Formulação e Implementação das Políticas de RI do RS

As ações de RI do governo estadual tomam como base o programa de governo apresenta-


do no processo eleitoral de 2010. A candidatura de Tarso Genro tinha como slogan “Rio Grande do
Sul, do Brasil e do Mundo”, sinalizando de forma muito objetiva com o compromisso de potencia-
lizar a inserção do RS no cenário mundial como instrumento para o desenvolvimento do estado.
A formulação programática proposta destacava justamente a importância da esfera internacional
para o RS.
A partir desta definição programática, foi elaborado, em fevereiro de 2011, um documento
que sintetiza as formulações programáticas do governo, apontando as prioridades alinhadas com
o governo federal. Integração continental com ênfase no Mercosul, multilateralismo e fortaleci-
mento das relações no âmbito dos BRICS e do G20, ampliação da participação da sociedade
civil na implementação das políticas internacionais do RS são os elementos centrais desta estra-
tégia. Por fim, o Gabinete do Governador formula e difunde periodicamente notas diretrizes que
orientam a ação do conjunto do governo em torno dos diversos temas, muitas vezes abordando
diretamente as relações internacionais.

50 Instituto de Relações Internacionais


Neste contexto, cabe ressaltar o conceito de ação internacional proposto pelo governador,
que destaca que as relações internacionais do governo devem ter como ponto de partida três
âmbitos fundamentais: as relações econômicas, as relações político-institucionais e as relações
culturais. Toda e qualquer iniciativa internacional do governo deve buscar incorporar esta três
dimensões de atuação.
As relações econômicas, tendo em conta o papel decisivo que a esfera internacional tem
para o desenvolvimento do Rio Grande do Sul. Neste sentido, nosso esforço se direciona para
a ampliação das exportações, através da diversificação das parcerias comerciais do estado. Ao
mesmo tempo, a ação na esfera econômica objetiva também a atração de investimentos, prio-
ritariamente aqueles que possam contribuir para a incorporação de novos setores na economia
possibilidades de ação internacional do estado. As relações político-institucionais são fundamen-
tais, sobretudo no que diz respeito à cooperação técnica na área de formulação e implementação
de políticas públicas. Estabelecer relações de cooperação técnica que contribuam para qualificar
as ações de governo, tomando como base experiências já existentes em outros países, é uma
dimensão fundamental das relações internacionais do governo do RS.
Além disso, as relações político-institucionais têm também um papel que vai além do debate
e da qualificação das políticas públicas. A promoção de valores como a democracia, os direitos
humanos e a solidariedade internacional também são uma dimensão fundamental das relações
políticas do estado na esfera internacional. E esta ação não se esgota na relação institucional
entre governos. As atividades da ACRI e do governo do Estado passam também pelo estabeleci-
mento de relações no âmbito da sociedade civil e dos movimentos sociais na esfera internacional.
O apoio e participação no âmbito do Fórum Social Mundial, ou ações como apoiar a realização
do Fórum Social Palestina Livre, em Porto Alegre, em 2012, são exemplos de que as ações de RI
do governo estadual não precisam se limitar às relações institucionais com estruturas estatais.
Por fim, o terceiro pilar das ações internacionais do governo do Estado do Rio Grande do
Sul se relaciona com a cooperação na área cultural. O governador Tarso Genro defende que as
ações internacionais devem ter como pressuposto serem instrumentos para uma verdadeira inte-
gração entre os povos, não apenas relações institucionais entre governos ou relações comerciais
entre empresas. Neste sentido, a cooperação cultural é uma dimensão fundamental para estabe-
lecer laços de identidade e afinidade entre os povos dos países com os quais o RS se relaciona.
Por isso, a ACRI implementa toda uma agenda de cooperação cultural com a maioria dos países
com os quais o RS vem estabelecendo relações.
Por fim, a implementação das políticas de RI do RS passa também por todo um processo de
construção participativa envolvendo os atores sociais que, de uma forma ou de outra, se relacionam
com nossas ações internacionais. Universidades, entidades empresariais, cooperativas, sindica-
tos de trabalhadores, organizações não-governamentais são interlocutores importantes tanto na
formulação como na implementação das ações internacionais do governo do Estado. Tendo como
ponto de partida o Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social, espaço de concertação das
políticas de governo com a sociedade civil, o governo organiza suas ações sempre em parceria
com os distintos atores da sociedade. E todas as missões do governo do Estado nas quais participa
o governador, incluem sempre na delegação representações da sociedade civil, de universidades,
entidades empresariais, prefeituras, cooperativas e outras organizações da sociedade civil.

51 Instituto de Relações Internacionais


1.3 A Forma de Condução de Programas/Projetos

Do ponto de vista conceitual e programático, a ACRI opera tomando como ponto de partida
a necessidade de ação concertada com o Estado Nacional. Como unidade subnacional, o RS
precisa atuar no âmbito internacional de maneira sintonizada com as ações da União. Nessa me-
dida, a ACRI buscou, desde o início, estabelecer um contato permanente com as distintas áreas
do governo federal que atuam na área.
Nossas ações, portanto, buscam estar sempre sintonizadas com o Itamaraty, seja através
do contato direto com o MRE em Brasília, seja através de um trabalho permanente com o escri-
tório do Itamaraty no RS (Eresul). Além disso, toda e qualquer missão internacional desenvolvida
pela ACRI passa necessariamente por uma articulação com nossas embaixadas nos países em
questão.
Na área econômica, nossas ações se alinham de forma sistemática com o MDIC e a APEX,
parceiros constantes na organização de missões tanto na área da promoção de exportações
como na área de atração de investimentos. Outras interfaces com o governo federal são tam-
bém implementadas em termos de ações relacionadas à inserção do RS nas políticas nacionais,
como, por exemplo, a relação com o Ministério da Integração Nacional, no âmbito do Plano de
Desenvolvimento e Integração da Fronteira (PDIF), ou com o Ministério da Justiça, no âmbito da
Estratégia de Fronteira (ENAFRON). Por fim, no âmbito das iniciativas associadas ao Mercosul,
atuamos também em profunda sintonia com a Secretaria de Assuntos Federativos.
Do ponto de vista interno, a condução do trabalho da ACRI tem como pressuposto uma rela-
ção muito direta com cada uma das secretarias de Estado envolvidas. Seja por indução do centro
de governo, seja por iniciativas setoriais, as oportunidades de ação internacional são identifica-
das, desencadeando um processo de trabalho no qual a assessoria cumpre um papel de apoio e
estímulo para as ações de governo na esfera internacional. À ACRI cumpre possibilitar e apoiar as
ações de cooperação, que serão implementadas no âmbito de cada uma das secretarias.
Outra das tarefas importantes da ACRI é a de administrar a relação entre o governo esta-
dual e as estruturas representativas dos distintos países com os quais o Rio Grande se relaciona.
Estas estruturas vão desde o corpo consular acreditado no estado, passando pelas embaixadas
em Brasília e os seus consulados gerais, assim como as distintas Câmaras de Comércio insta-
ladas em Porto Alegre e em outras partes do Brasil. Este trabalho envolve desde atividades de
natureza mais formal e cerimonial, como a recepção de embaixadores, até o planejamento e im-
plementação de ações conjuntas.
A principal atribuição da ACRI é a organização das missões governamentais, aquelas mis-
sões que envolvem a participação direta do governador. Além destas, a assessoria estimula e
apoia a realização de missões temáticas no âmbito de ação de cada uma das secretarias. Desde
2011, o estado do Rio Grande do Sul realizou missões com a presença do governador ao Uruguai
(fevereiro 2011), Coreia do Sul (maio 2011), Argentina (maio 2012), Portugal, Espanha e Inglaterra
(maio 2012), França (novembro 2012), Cuba (março 2013), Palestina e Israel (abril 2013). Temos
ainda prevista uma missão para a China, em dezembro de 2013.
Além disso, à ACRI compete também coordenar um conjunto de programas de cooperação
técnica institucionalizados do RS com países e com governos subnacionais. Estes programas,

52 Instituto de Relações Internacionais


que se caracterizam por uma ação sistemática baseada em grupos de trabalho bilaterais, esta-
belecem as metodologias de trabalho, os objetivos e os prazos das ações de cooperação, envol-
vendo via de regra distintos grupos de secretarias de estado segundo os conteúdos das relações
com os distintos países que se relacionam com o RS. Temos cooperações institucionalizadas
com governos nacionais como Cuba, Uruguai, França, Canadá, Estados Unidos, ou subnacionais
como a província de Shiga (Japão), Vêneto (Itália), e Santa Fé (Argentina). Em cada um destes
programas temos determinados temas, metas e cronogramas de trabalho.
Além dos programas de cooperação estabelecidos de acordo com as parcerias de natureza
nacional e subnacional, a ACRI trabalha também com ações de natureza temática, nas quais,
independente de países, trabalha com determinados conteúdos. Ações na área da promoção dos
direitos humanos, que podem envolver tanto uma relação com o Alto Comissariado das Nações
Unidas para os Direitos Humanos, como uma relação com os governos de Argentina e Uruguai no
debate sobre a herança das ditaduras no Cone Sul. Ações de articulação com a sociedade civil no
âmbito internacional, como a participação e o apoio ao Fórum Social Mundial, tanto quando ele se
realiza em Porto Alegre como em suas edições realizadas em outros países.
Por fim, para além dos programas mais estruturados de cooperação com os distintos países
com os quais o Rio Grande se relaciona, a ACRI apoia também as ações de cooperação técnica
específicas das secretarias. Ações de cooperação na área da agricultura familiar (com Uruguai,
Palestina), ações de cooperação e intercâmbio cultural (com Uruguai, Israel e Coreia do Sul),
ações de cooperação nas áreas de mobilidade urbana e na formação de servidores públicos
(com a França) ou na área de transparência governamental (com os Estados Unidos) são alguns
exemplos.

1.4 A Gestão das Interfaces nos Âmbitos Interno e Externo

Como já foi mencionado acima, a ação da ACRI se baseia em uma articulação direta com
as distintas secretarias de governo. As iniciativas se desencadeiam a partir da indução por parte
do centro do governo, por proposições e convites de parceiros externos ou por iniciativa das pró-
prias secretarias, a partir da identificação de oportunidades relacionadas com as suas atividades
fim. Com base nestas oportunidades, se implementam as ações de cooperação coordenadas
pela ACRI.
Com o objetivo de dar uma maior consistência e institucionalizar o processo de implementa-
ção das ações internacionais, o governo buscou estabelecer alguns regramentos que possibilitem
unificar procedimentos, racionalizar as ações e monitorar os resultados das ações internacionais.
Dois mecanismos fundamentais foram estabelecidos para normatizar as ações: uma portaria es-
tabelecendo uma tipologia que oriente a organização das missões e uma ordem de serviço que
permita centralizar na ACRI o conjunto de iniciativas internacionais do governo.
A portaria regulamenta as ações internacionais, estabelecendo quatro tipos de missões
internacionais: missões prospectivas, missões precursoras, missões governamentais e missões
técnicas. As missões prospectivas são missões com o objetivo de identificar oportunidades e
possibilidades de ações conjuntas. São missões de natureza exploratória e que têm como função
avaliar as possibilidades de cooperação com os países em questão. Missões precursoras são

53 Instituto de Relações Internacionais


organizadas a partir da identificação de um potencial de cooperação que possa envolver a parti-
cipação direta do governador e a organização de uma missão governamental.
Missões governamentais são as missões realizadas com a participação do governador, a
partir dos resultados obtidos pelas missões prospectivas e/ou por convites recebidos que sejam
avaliados como possibilidades promissoras pelo centro do governo. Nas missões governamen-
tais, via de regra, buscamos envolver uma ampla participação não apenas de órgãos de governo,
mas também de representações políticas (deputados e prefeitos) e da sociedade civil (entidades
empresariais e sindicais, universidades etc). O conceito dessas missões é de que elas sejam
missões de Estado, não apenas iniciativas governamentais, uma vez que o governo considera
fundamental o envolvimento da sociedade civil nas suas ações internacionais.
Outra iniciativa que tem como objetivo possibilitar um monitoramento mais objetivo dos
resultados obtidos nas ações governamentais na esfera internacional, é a Ordem de Serviço (OS
10/2012) elaborada pelo governador, que estabelece que cada secretaria, antes de realizar uma
missão, deve comunicar à ACRI a composição, os objetivos, o período de realização e os custos
da missão. A normatização da autorização das missões através da OS 10 tem como objetivo
permitir o controle das iniciativas das secretarias, assim como contribuir para o monitoramento e
avaliação dos resultados das missões.
Por fim, o último instrumento de construção de uma política unificada de RI no âmbito do
governo foi a institucionalização do Fórum de Relações Internacionais. Este fórum, uma instância
de coordenação da ação do conjunto das secretarias de Estado, reúne-se uma vez por mês com a
coordenação da ACRI e conta com a participação de um representante de cada secretaria de Es-
tado. Neste fórum, são socializadas as iniciativas internacionais do centro do governo e de cada
secretaria, são debatidas as diretrizes estratégicas do governo na área e são realizadas trocas de
experiências entre as iniciativas setoriais.
O fórum tem ainda um papel formativo, uma vez que tem também o objetivo de criar uma
cultura de RI em todas as secretarias de Estado. Este objetivo se materializa tanto no trabalho
de debate conjunto sobre as iniciativas de cada órgão, com a ACRI proporcionando orientação e
apoio técnico às ações das secretarias, como com a realização de atividades formativas, com o
convite a especialistas acadêmicos ou de órgãos como o Itamaraty, que são convidados a proferir
palestras sobre os distintos aspectos das relações internacionais.

1.5 Mensuração dos Objetivos Através de Metas e Resultados

O desafio de estabelecer um processo mais objetivo de avaliação dos resultados das mis-
sões internacionais vem sendo enfrentado através da implementação do Sistema de Monitora-
mento de Missões Internacionais (SMMI), através do qual a ACRI busca criar indicadores objeti-
vos que permitam uma mensuração dos resultados das ações internacionais. Tendo como base
os dados obtidos através da OS 10, a assessoria está sistematizando e quantificando as iniciati-
vas internacionais assim como os seus resultados.
Este trabalho, iniciado em junho de 2013, permitirá estabelecer um sistema permanente
de monitoramento que possibilite uma avaliação dos resultados obtidos nas ações internacionais
até agora. Para onde fomos, quem foi mais ativo na esfera internacional, quantas missões foram

54 Instituto de Relações Internacionais


organizadas, quais os resultados obtidos, são dados que, uma vez sistematizados, permitirão ter
instrumentos objetivos de avaliação dos resultados.
Esta avaliação, no entanto, depende fundamentalmente da construção de indicadores que
permitam estabelecer de forma mais objetiva critérios para avaliação dos resultados de nossas
ações internacionais. Estes indicadores estão ainda em fase de construção. Esta discussão foi
iniciada no âmbito do Fórum de RI, em julho, e deverá ser concluída até o final do ano.
Em alguns casos, como, por exemplo, na área econômica, esta mensuração pode ser rela-
tivamente mais simples: o aumento de exportações ou o número de novas empresas internacio-
nais instaladas no RS a partir das missões do governo são indicadores facilmente quantificáveis.
Mas na área da cooperação técnica, a formulação de indicadores tende a ser mais complexa.
É evidente que se pode, por exemplo, quantificar os protocolos de cooperação ou memorandos
de entendimento assinados com outros governos nacionais e subnacionais. Mas o acúmulo de
experiência e o aprendizado obtido em missões de cooperação técnica são dimensões mais com-
plexas e difíceis de quantificar de maneira objetiva.

2. Lições da Experiência Vivida e Desafios Enfrentados

A principal lição aprendida na experiência de dois anos e meio de existência da ACRI se


relaciona com a identificação do enorme potencial que tem a cooperação internacional no sentido
da qualificação das políticas públicas implementadas pelo governo do Rio Grande do Sul. A co-
operação técnica tem possibilitado aprendizados recíprocos, por meio dos quais nosso governo
tem conseguido avançar em políticas públicas com base nas experiências existentes em outros
países. As políticas de fomento à indústria criativa implementadas pelo governo do Uruguai, suas
experiências em termos de inclusão digital, ou as experiências dos governos africanos na incor-
poração da medicina tradicional como complemento às políticas públicas de saúde são exemplos
concretos.
Este processo é uma via de duas mãos, uma vez que o RS tem sido solicitado a compar-
tilhar suas experiências exemplares em termos de práticas participativas ou sua tecnologia de
cultivo do arroz. Este intercâmbio em termos de cooperação técnica em políticas públicas é um
processo que fortalece os laços entre países, governos e seus povos, contribuindo para gerar um
círculo virtuoso de qualificação de políticas públicas.
Uma segunda lição aprendida diz respeito às possibilidades de envolvimento da sociedade
civil nas ações internacionais do governo. Identificamos de maneira muito clara uma grande sen-
sibilidade por parte dos diversos atores sociais envolvidos em nossa ação, o que permite gerar
uma sinergia com as distintas organizações sociais no sentido de um maior envolvimento das
mesmas nas ações do estado na esfera internacional.
No âmbito dos desafios enfrentados, o principal é o da precariedade da experiência e ca-
pacitação para RI no âmbito de um governo subnacional. Esta precariedade diz respeito tanto a
uma falta de compreensão e conhecimento político acerca de RI nas secretarias quanto do ponto
de vista de uma falta de capacitação técnica stricto sensu. Política e institucionalmente não há,
na maioria das secretarias, uma compreensão clara da complexidade e da importância da ação
internacional. Esta é uma área nova para estruturas que via de regra são montadas para atuar

55 Instituto de Relações Internacionais


de uma maneira exclusivamente interna. Faltam quadros qualificados e conhecimento acerca do
potencial de atuação internacional de governos subnacionais, o que faz com que não existam
estruturas e mesmo orçamento nas secretarias para este tipo de atuação.
Além disso, há precariedades de natureza mais objetiva, como a baixa formação e capaci-
dade técnica dos quadros de governo. A falta de quadros com conhecimento de língua estrangeira
e a precariedade do conhecimento acerca das possibilidades de atuação no âmbito internacional
são obstáculos muito objetivos que se constituem em um grande desafio a ser enfrentado.
Outro desafio se relaciona com a complexidade da composição de interesses específicos
da esfera subnacional em relação às ações e decisões nacionais na esfera internacional. O caso
do Rio Grande do Sul é paradigmático neste sentido, sobretudo se considerarmos, por exemplo, o
caso do Mercosul. Do ponto de vista dos interesses nacionais, o Mercosul é muito vantajoso para
o Brasil. Contudo, seus impactos específicos na economia gaúcha fazem com que não exista uma
convergência completa entre os interesses nacionais e regionais.
Compatibilizar as especificidades e interesses regionais com a dinâmica nacional é um de-
safio que se coloca quando se pensa na ação internacional das unidades subnacionais. O mesmo
tipo de contradição se coloca também quando se pensa na atração de investimentos internacio-
nais, um processo que coloca em oposição as distintas unidades da federação e que demandaria
uma maior atenção por parte do governo nacional.

56 Instituto de Relações Internacionais


A Secretaria Municipal de Relações Internacionais e Federativas da
Prefeitura Municipal de São Paulo 1

Leonardo Osvaldo Barchini Rosa*

1. Antecedentes

A. Panorama internacional

A discussão sobre o envolvimento de governos subnacionais nas relações internacionais ganhou


projeção a partir da década de 1980, como parte dos debates sobre a globalização e a governan-
ça global, frente à necessidade de compreender as transformações ocorridas no sistema interna-
cional no final do último século. Uma mudança importante se refere à proliferação de novos atores
na arena internacional, seja de atores não-estatais (empresas multinacionais, ONGs, movimentos
sociais, entre outros), como de atores subnacionais estatais, tais como prefeituras, governos es-
taduais e provinciais. Essa ampliação de novos sujeitos nas relações internacionais alimentou os
debates voltados à compreensão de como esses atores se organizam para contestar, demandar
ou produzir alternativas aos processos e às políticas globais centrados na soberania do Estado.
Um marco importante na consolidação dos governos locais, enquanto atores internacionais,
está ligado à realização da Segunda Conferência Mundial sobre os Assentamentos Humanos -
HABITAT II, em 1996, em Istambul, Turquia. Além de consolidar a temática urbana nas agendas
de discussão globais, a HABITAT II marcou o reconhecimento no âmbito das Nações Unidas da
condição especial dos centros urbanos enquanto indutores de desenvolvimento local, chamando
a atenção para a necessidade de envolvimento cada vez maior das autoridades locais para lidar
com questões de caráter global.
Já no contexto sul-americano, um marco importante para o fortalecimento dos governos sub-
nacionais na arena internacional está ligado à articulação da rede Mercocidades, em 1995. Criada
para propiciar a participação ativa dos governantes locais no processo de integração regional,
a rede Mercocidades teve um papel notável como indutora da atividade internacional de alguns
municípios e estados brasileiro e contribuiu significativamente para a consolidação do Foro Con-
sultivo de Municípios, Estados Federados, Províncias e Departamentos do MERCOSUL, em 2004.

B. A cidade de São Paulo

O Município de São Paulo é um dos poucos no Brasil que conta com uma secretaria municipal
para lidar com os assuntos internacionais. Criada no governo da então prefeita Marta Suplicy

1 Vídeo da palestra disponível em: < http://iptv.usp.br/portal/video.action?idItem=19115>. Acesso em 19 ago. 2014.

* Secretário Municipal de Relações Internacionais e Federativas de São Paulo. Graduado em Direito (UNICEUB) e Mestre em Ciên-
cias Sociais pelo Centro de Pesquisa e Pós-Graduação sobre as Américas da Universidade de Brasília. Foi funcionário do Ministério
da Educação (MEC), de 1994 a 2002, lotado na CAPES desde 1996. Ocupou os cargos de Coordenador-Geral de Cooperação Interna-
cional da CAPES (2006-2008), Chefe da Assessoria Internacional no MEC (2008-2011), Chefe de Gabinete do Ministro da Educação
(2011) e Diretor de Programas da Secretaria Executiva do MEC (2012).

57 Instituto de Relações Internacionais


(Partido dos Trabalhadores), em 2001, a Secretaria Municipal de Relações Internacionais (SMRI)
foi responsável pela estruturação e sistematização da agenda internacional da cidade, conferindo
importância e peso político às Relações Internacionais no âmbito municipal e dentro da própria
prefeitura.
Por sua vez, vale lembrar que o envolvimento do governo paulistano com as RI é bem ante-
rior à criação da SMRI, e que os primeiros esforços em organizar a ação internacional da cidade
foram feitos pela então prefeita Luiza Erundina (Partido dos Trabalhadores), no fim dos anos 1980,
dentro da Secretaria de Negócios Extraordinários. No entanto, com o fim do mandato, o órgão foi
extinto pela administração posterior, tendo sido retomado somente em 2001.
A SMRI foi esboçada como uma secretaria-meio, com a finalidade de coordenar, implemen-
tar e intermediar as relações internacionais entre órgãos da Prefeitura de São Paulo e instituições
estrangeiras; prestar assessoria direta ao gabinete do(a) prefeito(a) em contatos e atividades in-
ternacionais; e como um canal institucional de contato com o corpo consular e diplomático aloca-
do em São Paulo. Na época de sua criação, a SMRI foi responsável por conferir à cidade de São
Paulo uma atuação internacional protagônica, sobretudo por meio da participação nas principais
redes transnacionais de governos locais e por estabelecer uma nova relação das cidades com
os organismos multilaterais. A então prefeita Marta chegou presidir a rede Cidades e Governos
Locais Unidos (CGLU), principal rede de governos subnacionais e reconhecida como a “ONU das
cidades”.
Diante destas definições, à época foram estabelecidos cinco eixos de atuação para a Se-
cretaria: a participação em redes internacionais de cidades; o encaminhamento de projetos para
organizações multilaterais (BIRD, BID, FAO, OIT, UNESCO, OMS, UN-Habitat); o desenvolvimen-
to de um intercâmbio de políticas públicas e acordos de cooperação técnica entre São Paulo e
outras cidades; a captação de recursos para a cidade e o estímulo a investimentos; a realização
de missões institucionais e técnicas; e, por fim, a divulgação de políticas inovadoras e bem-suce-
didas da cidade de São Paulo.
De modo geral, as administrações municipais posteriores procuraram dar continuidade às
principais atividades da Secretaria, como os acordos e convênios internacionais já celebrados,
conferindo maior ou menor ênfase a determinados segmentos de ação, como no caso das redes
de cidades. Ao passo que grandes redes como CGLU e Metrópolis perderam força durante os
mandatos dos prefeitos José Serra e Gilberto Kassab (ARAÚJO, 2012), este último foi responsá-
vel pela inserção e o fortalecimento da cidade de São Paulo em plataformas transnacionais im-
portantes, como a rede C40, que conferiu grande visibilidade internacional à cidade e às políticas
públicas em curso voltadas à mitigação dos efeitos da mudança do clima.
Desde a sua criação, a SMRI assinou mais de 50 acordos de cooperação bilateral e pos-
sui hoje mais de 40 cidades-irmãs. Destacam-se como projetos coordenados ou apoiados pela
Secretaria: o programa URB-AL, da União Europeia; o acordo com a região de Île-de-France,
na França, em 2006; a realização da X Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e De-
senvolvimento (UNCTAD), em 2004; a Cúpula Mundial de Prefeitos da rede C40, em 2011; e a
candidatura de São Paulo a sede da Exposição Universal de 2020, que será abordada com maior
detalhamento mais a frente.
Em 2013, com a mudança da gestão municipal em virtude da eleição do prefeito Fernando

58 Instituto de Relações Internacionais


Haddad, a Secretaria passou por um processo de reestruturação, ganhando uma nova atribuição,
as Relações Federativas. Embora relações com os demais entes da federação já pautasse algu-
mas ações da Secretaria, não era tratada do modo específico como o é hoje. Dessa maneira, a
SMRI passou a ser denominada Secretaria Municipal de Relações Internacionais e Federativas
(SMRIF).

2. Marco Jurídico

A criação da Secretaria Municipal de Relações Internacionais foi estabelecida pela Lei Municipal
Nº 13.165, de julho de 2001 (ver seção Anexos), pela então prefeita Marta Suplicy. Em 2013, a
redefinição de atribuições da SMRI foi consolidada na Lei Nº 15.764, de maio de 2013. A lei dispõe
a respeito das competências dos dirigentes da Secretaria, da sua estrutura organizacional e das
principais atribuições de cada coordenadoria.
A despeito da extensa agenda da Secretaria, a grande inovação do Decreto de 2013 refere-
-se à inclusão da competência federativa nas atribuições da SMRIF, o que indica o interesse da ci-
dade de São Paulo a exercer com mais assertividade a cooperação internacional descentralizada.

3. Estruturas

• Secretário Municipal: Agente político titular da pasta, responsável pela orientação estratégi-
ca da Secretaria e representação internacional do prefeito.
• Secretário Municipal Adjunto: Agente técnico-político auxiliar e substituto do Secretário Mu-
nicipal, responsável pela condução das ações resultantes da política estratégica estabelecida.
• Chefe de Gabinete: Ordenador de despesas e gestor do orçamento da pasta.
• Coordenadores gerais: Responsáveis por ações estratégicas e integração do corpo opera-
cional da Secretaria.
• Assessores Técnicos: São encarregados de ações temático-geográficas; pela pesquisa de
dados conjunturais, econômicos e políticos; por textos e análises de orientação das atividades
da Secretaria. A assessoria é responsável pela interlocução e encaminhamento de demandas
externas às demais Secretarias e órgãos da administração municipal, contato com o corpo
consular e órgãos públicos estrangeiros. Os assessores também atuam no receptivo interna-
cional, em particular no acolhimento de delegações internacionais, públicas e privadas.

4. Coordenadorias

• Assessoria Especial para Assuntos Internacionais


A Assessoria Especial para Assuntos Internacionais da Secretaria de Relações Internacio-
nais e Federativas tem entre suas principais atribuições: coordenar as relações com o Ministério
de Relações Exteriores (MRE) e com o Corpo Consular residente em São Paulo; apoiar a coor-
denadoria de Projetos Especiais no que tange às ações do Comitê de Candidatura da Cidade de
São Paulo à EXPO 2020.
A Assessoria também dá suporte direto aos gabinetes do Secretário e Secretário-Adjunto

59 Instituto de Relações Internacionais


no que diz respeito ao acompanhamento das atividades da Secretaria. A equipe é responsável
pelo encaminhamento de demandas e o envolvimento das demais coordenadorias, além da co-
ordenação de reuniões de alinhamento. Internamente, a equipe promove iniciativas de debates e
compartilhamento de informações, como são os casos da reunião semanal de coordenação de
agenda e os diálogos sobre temas de interesse da cidade de São Paulo, que contam com a par-
ticipação de palestrantes convidados.
A equipe mantém ainda interlocução constante com o Gabinete do Prefeito e da Vice-Pre-
feita, no que se refere à sua agenda internacional, que inclui tanto a participação em missões ao
exterior, quanto audiências com autoridades estrangeiras em São Paulo.
Por último, a equipe é responsável pela interação com a academia, tendo como objetivo
promover a intensificação do diálogo entre a Prefeitura e as universidades, para além do campo
das relações internacionais.

• Assessoria Especial de Relações Metropolitanas


A Assessoria Especial de Relações Metropolitanas (AERM) visa à construção de uma agen-
da metropolitana comum envolvendo as Secretarias Municipais, Estaduais, as Subprefeituras, as
diferentes Prefeituras da Região Metropolitana de São Paulo e os Consórcios Intermunicipais,
com intuito de articular e estabelecer ações integradas nas diversas políticas públicas.
A Assessoria Especial de Relações Metropolitanas é também encarregada de acompanhar
as atividades do Conselho de Desenvolvimento Metropolitano. Graças à recente eleição do Pre-
feito à Presidência deste Conselho, a Coordenadoria assume igualmente a tarefa de assessorá-lo,
preparando pautas com a Secretaria Executiva do Governo Estadual e gerenciando as atividades
e demandas advindas deste fórum.
A AERM atua em parceria com a agenda de Relações Federativas da Secretaria, no que tan-
ge às ações e convênios firmados junto ao Governo do Estado de São Paulo, ao Governo Federal
e às Prefeituras da Região Metropolitana de São Paulo. A pauta internacional aparece com grande
importância para a busca de referências e novos paradigmas de governança metropolitana.

• Coordenadoria de Assessoria Internacional e Cooperação Bilateral


A Coordenadoria de Assessoria Internacional (CAICB) oferece suporte às Secretarias Muni-
cipais e ao Gabinete do Prefeito em relação às demandas de órgãos internacionais e governos es-
trangeiros, bem como acompanha os acordos bilaterais que a cidade de São Paulo possui, como
os acordos de cidades-irmãs e o estabelecimento de cooperação técnica em temas específicos,
junto às outras Secretarias Municipais.
Nesse sentido, a CAICB atua como principal interlocutora da Prefeitura Municipal de São
Paulo no seu relacionamento com outras cidades do exterior, mapeando demandas internas para
o desenvolvimento de projetos de cooperação técnica internacional, além de recepção e articu-
lação de missões estrangeiras.
É ainda competência do CAICB identificar melhores práticas urbanas e criar parcerias inter-
nacionais como um mecanismo para aprimorar as políticas públicas que visam à qualidade de vida
em São Paulo, a fim de dar suporte para a concretização das principais metas do plano de governo.

60 Instituto de Relações Internacionais


• Coordenadoria de Cooperação Internacional e Redes de Cidades
A Coordenadoria de Cooperação Internacional e Redes de Cidades (CCIRC) é responsável
pela atuação internacional da Prefeitura de São Paulo nos âmbitos multilaterais como fóruns, re-
des de cidades e organismos internacionais e também pela avaliação e proposição de projetos e
cooperações multilaterais internacionais.
A cooperação multilateral visa a divulgar internacionalmente as experiências de gestão pú-
blica e de projetos sociais inovadores desenvolvidos pela Prefeitura de São Paulo, bem como
absorver boas práticas internacionais ao redor do mundo.
Apenas em 2013, a equipe participou de encontros das seguintes redes de cidades: WACAP
- Aliança Global de Cidades contra a Pobreza; GNSC – Rede Global de Cidades mais Seguras;
Reunião de Coordenadores e Subcoordenadores da Rede Mercocidades; FONARI ­– Fórum So-
cial Mundial e Fórum de Autoridades Locais (Tunis, Tunísia); CIDEU – Centro Ibero-americano
de Desenvolvimento Estratégico Urbano; FALP – Fórum de Autoridades Locais de Periferia; Reu-
nião do Comitê Executivo da rede Cidades e Governos Locais Unidos; Reunião sobre Coopera-
ção Descentralizada da Secretaria de Assuntos Federativos; Metropolis – Associação Mundial de
Grandes Metrópoles; e AICE – Encontro de Cidades Educadoras da América Latina.

• Coordenadoria de Relações Federativas


A Coordenadoria de Relações Federativas tem por competência manter relacionamento
com os Poderes Legislativo e Executivo da União, com vistas a viabilizar a inserção do Município
em programas federais, acompanhar a pauta legislativa e identificar oportunidades de coopera-
ção institucional.
A coordenação é estruturada em dois eixos principais de atuação. O primeiro, voltado ao
Poder Executivo Federal, subdivide-se nas áreas “social”, “cidadania” e “infraestrutura”, cada uma
responsável pelo acompanhamento dos Ministérios, programas e ações que compõem a área.
Já o segundo eixo, voltado principalmente para o Poder Legislativo, subdivide-se em “pauta”
e “orçamento”, que tratam, respectivamente, das matérias em tramitação no Congresso Nacional e
todo o processo de elaboração e execução do orçamento federal, visando o melhor acompanha-
mento do ambiente legislativo no que for relacionado às competências municipais e o repasse de
recursos para obras e projetos locais.

• Coordenadoria de Projetos Especiais


A Coordenadoria de Projetos Especiais (COPE) foi criada para suprir a necessidade da
gestão local de megaeventos, apoiando a preparação e organização da Copa de Futebol da FIFA
em 2014, os Jogos Olímpicos em 2016 e coordenando a candidatura da cidade para sediar a
Exposição Universal de 2020.
Em 2014, São Paulo será uma das cidades-sede da Copa do Mundo de Futebol, hospedan-
do inclusive a abertura do evento. A Copa atrairá cerca de 1,8 milhões de turistas, dos quais cerca
de 200 mil serão estrangeiros. A SMRIF compõe o Comitê SPCOPA junto a outras Secretarias
Municipais, e será responsável pela preparação da cidade para receber o evento.
Apesar de os Jogos Olímpicos de 2016 serem sediados no Rio de Janeiro, a competição
feminina e masculina de futebol serão realizadas em São Paulo, Belo Horizonte, Salvador e Bra-

61 Instituto de Relações Internacionais


sília. Na cidade de São Paulo, toda a infraestrutura construída para a Copa de Futebol de 2014,
na região de Itaquera, será reutilizada para sediar estes jogos de futebol em 2016. Neste sentido,
a cidade deverá se preparar para receber o fluxo turístico gerado em razão dos Jogos Olímpicos
e daí a importância do monitoramento e coordenação das atividades relacionadas ao evento.
A Secretaria Municipal de Relações Internacionais e Federativas, tendo ainda como uma de
suas atribuições a projeção da imagem da cidade de São Paulo no cenário internacional iniciou,
em 2007, tratativas para receber a Exposição Universal de 2020.
As Expos acontecem a cada cinco anos e hoje são poderosas ferramentas de desenvol-
vimento local para as cidades que as recebem. Tem sido um fato constante um país sediar uma
Expo após ter recebido Jogos Olímpicos e Copa do Mundo, como foi o caso do Japão, Espanha,
Alemanha e Coréia. Dentre os vários exemplos de impacto positivo para a cidade-sede, Hannover
2000 e Xangai 2010 podem ser citados como casos recentes de sucesso.

5. Equipe

• Secretário de Relações Internacionais e Federativas: Leonardo Osvaldo Barchini Rosa


Possui graduação em Direito e Mestrado em Ciências Sociais pelo Centro de Pesquisa e
Pós-Graduação sobre as Américas da Universidade de Brasília. Foi funcionário do Ministério da
Educação (MEC), de 1994 a 2002, lotado na CAPES desde 1996. Na CAPES foi Assessor da
Presidência (1996-1999), Assessor do Geral de Cooperação Internacional (1999-2004), Coorde-
nador-Geral Adjunto de Cooperação Internacional (2004-2005) e Auditor-Chefe (2005-2006). É
da carreira de Ciência e Tecnologia do Governo Federal, sendo admitido por Concurso Público
como Analista em Ciência e Tecnologia Sênior em 2002. Ocupou o cargo de Coordenador-Geral
de Cooperação Internacional da CAPES (2006-2008). Foi Chefe da Assessoria Internacional no
Ministério da Educação (2008-2011), Chefe de Gabinete do Ministro da Educação (2011) e Diretor
de Programas da Secretaria Executiva do Ministério da Educação (2012).

• Secretário-Adjunto de Relações Internacionais e Federativas: Vicente Carlos Y


PlaTrevas
Desde 2012, atua como Coordenador do Observatório dos Consórcios Públicos e do Fe-
deralismo. Foi Consultor da Presidência da Caixa Econômica Federal(2009-2012) e ex-Subchefe
de Assuntos Federativos da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República
(2003-2007). Foi Secretário-Executivo da Presidência Brasileira da Rede Interamericana de Alto
Nível sobre Descentralização, Governo Local e Participação Cidadã (RIAD) da OEA, Coordena-
dor do Comitê de Articulação Federativa da Presidência da República e Coordenador Brasileiro
do Foro Consultivo de Estados, Províncias, Departamentos e Municipalidades do MERCOSUL
(FCCR). Além de outras funções no âmbito federal, ocupou as funções de Secretário Nacional de
Assuntos Institucionais do PT, Secretário de Planejamento, Desenvolvimento Urbano e Assuntos
Metropolitanos da Prefeitura do Município de São Vicente–SP e Subprefeito da Sé, durante o
governo de Luiza Erundina. Foi Diretor do Instituto de Planejamento Urbano e Regional da PUC-
-SP, Membro do Conselho Curador da Fundação Cásper Líbero e Vice-Diretor Geral da Fundação
Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Com formação em Sociologia, lecionou nas Facul-

62 Instituto de Relações Internacionais


dades Serviço Social e de Filosofia, Ciências e Letras da PUC-SP, no Institut de Service Social
et Recherches Sociales de Montrouge, França e foi Diretor de Estudos do Institut International de
Recherche et de Formation en Vue Du Développement Harmonisé – IRFED, Paris.

• Assessoria e Corpo Administrativo


A SMRIF é composta por 47 Funcionários, que se dividem em atividades de assessoria
ao Gabinete e administrativas. O perfil da assessoria é jovem, composto majoritariamente por
funcionários de formação multidisciplinar, sobretudo da área de Relações Internacionais, mas há
também profissionais oriundos do Direito, Gestão de Políticas Públicas.

6. Principais atividades

As atividades da SMRIF englobam a participação nas redes de cidades, projetos para organi-
zações multilaterais, relação com comunidades de origem estrangeira, participação em eventos
internacionais e nacionais (bem como a organização e realização de eventos deste tipo), prospec-
ção de recursos internos e externos, busca de acordos de cooperação entre São Paulo e outras
cidades e parcerias com empresas multinacionais.

Abaixo estão relacionados alguns dos principais projetos da SMRIF:

a) Acordos bilaterais
A cidade de São Paulo possui hoje mais de 50 acordos bilaterais com diferentes cidades,
como Buenos Aires, Houston, Lyon, Milão, Paris, Seul, Turim, e regiões como Île-de-France e a
região polonesa de Wielkopolska. Em 2013, foi assinado um acordo de cooperação entre a Pre-
feitura de São Paulo e as Nações Unidas, com o objetivo de ampliar e respaldar ainda mais as
atividades de cooperação internacional empreendidas pela SMRIF.

b) Cidades-irmãs
A formalização de irmandade entre São Paulo e cidades estrangeiras precede a criação da
SMRI e hoje a capital paulistana possui mais de 40 cidades irmãs, algumas das quais há mais de
50 anos, como é o caso de Milão e Osaka. Hoje desafio da Secretaria é o de avaliar os acordos
já existentes e recuperar agendas com as cidades com as quais se busca maior aproximação,
fazendo uso de acordos bilaterais mais específicos e pautados em ações concretas.

c) Acordo com a região de Île-de-France


A SMRI coordenou a implementação do Termo de Cooperação de 2006 entre a Prefeitura
Municipal de São Paulo e o Conselho Regional de Île de France (CRIF), França, nas áreas de
saúde, cultura e desenvolvimento na cidade de São Paulo. O acordo estabelecia a execução de
cinco projetos em São Paulo por meio do co-financiamento por parte da região francesa e, em
contrapartida igual ou superior, por parte da PMSP. As atividades envolveram o mapeamento das
atividades ligadas às áreas das ciências da vida, saúde e biotecnologia na cidade de São Paulo;
a capitalização da instituição de crédito popular São Paulo Confia; a elaboração do plano de ne-

63 Instituto de Relações Internacionais


gócios online do Comitê de Desenvolvimento do Município de São Paulo; a construção do Centro
Cultural e de Capacitação de Cidade Tiradentes; e a capacitação dos agentes para o Programa
Saúde da Família (PSF).

d) Missões Institucionais e Técnicas


As missões institucionais realizadas pela SMRIF têm como objetivo fazer a representação
da cidade em eventos e fóruns internacionais, buscando reposicioná-la no cenário internacional
e imprimir uma nova narrativa sobre a cidade de São Paulo junto aos interlocutores externos.
Por sua vez, as missões técnicas têm como principal função o reconhecimento de melhores
práticas urbanas, a fim de requalificar a gestão pública municipal. Essas missões são articuladas
em conjunto com as demais secretarias e órgãos da administração municipal, a partir da identifica-
ção de soluções urbanas inovadoras em temas de interesse da Prefeitura de São Paulo. Em 2013,
foram realizadas até o momento missões técnicas “intersecretariais” à Itália e à Argentina. A missão
Itália foi articulada pela SMRIF, no âmbito dos programas do Governo Federal entre cidades italia-
nas e brasileiras “Brasil Próximo” e “100 Cidades para 100 Projetos”, com a finalidade de conhecer
as agendas de empreendedorismo e desenvolvimento econômico local direcionadas a Pequenas e
Médias Empresas (PME) do setor de serviços de Turim e Perugia. A delegação foi composta pelo
Secretário de Desenvolvimento, Trabalho e Empreendedorismo de São Paulo, Secretário-Adjunto
de Relações Internacionais e Federativas e representantes da Frente Nacional dos Prefeitos (FNP).
O grupo se reuniu com autoridades e técnicos das prefeituras locais, bem como de empresas e
agências ligadas ao empreendedorismo e ao desenvolvimento econômico das respectivas regiões.
Já a missão à Argentina teve por objetivo conhecer os aspectos de desenvolvimento do Sis-
tema Municipal de Saúde da cidade de Rosário, assim como o Sistema de Mobilidade urbano-
-regional integrado da província de Santa Fé. A delegação foi composta por representantes da
Secretaria Municipal de Saúde e da SMRIF e se reuniu com técnicos da prefeitura de Rosário e
do governo da Província de Santa Fé, bem como de empresas e agências ligadas ao desenvol-
vimento destes dois setores públicos.

7. Candidatura de São Paulo à Exposição Universal de 2020

Esta iniciativa, concebida em 2007, foi lançada oficialmente, com apoio oficial do Governo Fede-
ral, em novembro de 2011, na Assembléia Geral do Bureau Internacional des Expositions (BIE),
em Paris. O desafio de propor aos mais de 160 países votantes a primeira Expo na América
Latina surge dessa forma como um projeto factível, real e com grande possibilidade de impul-
sionar avanços extraordinários nas áreas de habitação, mobilidade urbana, educação e cultura.
Diferentemente dos grandes eventos esportivos que o Brasil abrigará nesta década, a Exposição
Universal tem duração de seis meses e prevê público de pelo menos 35 milhões de visitantes. O
tema central e os subtemas estão baseados na busca por oportunidades dos principais setores
da atividade humana visando o crescimento sustentável e harmonioso. Após os seis meses de
duração do evento, as cidades-sede permanecem com um importante legado de revitalização de
áreas urbanas degradadas, melhoria e transformação do transporte urbano, com crescimento de
linhas de metrô e ônibus, e projetos de recuperação e preservação do meio-ambiente.

64 Instituto de Relações Internacionais


A Prefeitura de São Paulo apresentou, na defesa da candidatura da cidade, como principais
argumentos os crescentes índices de desenvolvimento humano e de qualidade de vida dos bra-
sileiros e paulistanos, resultado de políticas públicas inovadoras e sustentáveis, voltadas para a
redução das desigualdades sociais.
O tema de São Paulo para a Expo 2020 “Força da Diversidade, Harmonia para o Cresci-
mento” pretende estimular, portanto, a criação, pelos países, cidades e instituições públicas e pri-
vadas participantes, de projetos de inovação, novas políticas sociais e econômicas, programas de
combate às mudanças climáticas, políticas ambientais, novos sistemas de produção e distribuição
de energia e projetos para soluções em infraestrutura.
Em razão da eleição da cidade sede da Exposição Universal em novembro próximo, grande
parte do trabalho da Secretaria tem sido concentrado nas atividades relacionadas à campanha
diplomática e no cumprimento de algumas etapas da candidatura estabelecidas pelo Bureau
International des Expositions - BIE (entidade responsável pela regulamentação das Exposições
Universais).
A cidade de São Paulo concorre com as cidades de Dubai, nos Emirados Árabes Unidos,
Ecaterimburgo, na Rússia, e Izmir, na Turquia, concorrentes fortes, que acabam por aumentar o
grau de exigência da articulação entre os governos municipal, estadual e federal e de eficiência
das campanhas diplomáticas empreendidas pelos diferentes países. A vice-prefeita de São Paulo,
Nádia Campeão, preside o Comitê de Candidatura para a Expo e, em 2013, liderou missões a
Paris, Lisboa, Argentina, Uruguai, Chile, Peru, dentre outros países, com o intuito de divulgar o
projeto da candidatura brasileira e solicitar o apoio desses países. A eleição da cidade sede será
realizada em novembro de 2013.

8. Desafios

A legislação brasileira parece não ter acompanhado o ritmo de mudanças no cenário internacio-
nal, que demandam a atuação cada vez maior dos governos subnacionais como co-executores
de políticas públicas internacionais (visto que os entes municipais não possuem personalidade
jurídica internacional).
A análise da legislação brasileira revela que as ações paradiplomáticas não encontram res-
paldo constitucional e, apesar de sua crescente importância, ainda se desenvolvem no âmbito da
informalidade do ponto de vista jurídico. Mesmo diante da falta de regras mais claras, as unidades
subnacionais têm atuado no plano externo de forma cada vez mais assertiva e o compartilha-
mento de experiências entre localidades sobre os principais problemas sociais enfrentados pelas
cidades tem se revelado bastante frutífero, o que demonstra a relevância das relações travadas
entre municípios de diferentes Estados.
Além desta limitação constitucional, constitui um grande desafio para a SMRIF a inclusão
das competências metropolitana e federativa em suas atribuições, iniciativa que redimensiona
o peso da Secretaria para a Prefeitura e que não só fortalece o potencial para a formulação de
políticas públicas para a região metropolitana, como aproxima a cidade de São Paulo dos demais
entes da Federação.

65 Instituto de Relações Internacionais


9. Referências Bibliográficas

ARAÚJO, I. V. DE. A Influência Partidária no Nível Municipal: Paradiplomacia na Cidade de São


Paulo. Dissertação (Mestrado em Relações Internacionais). Instituto de Relações Interna-
cionais, Universidade de São Paulo, 2012.

COSTA, C. M. S. M. Governos Subnacionais e Política Externa: o caso da agenda de mudanças


climáticas. Dissertação (Mestrado em Relações Internacionais). Instituto de Relações Inter-
nacionais, Universidade de São Paulo, 2013.

ONUKI, Janina; OLIVEIRA, Amâncio Jorge. Paradiplomacia e Relações Internacionais: a expe-


riência da cidade de São Paulo. 21 p. São Paulo: Centro de Estudos das Negociações
Internacionais, USP, maio 2013.

66 Instituto de Relações Internacionais


ANEXO I

LEI Nº 13.165, 05 DE JULHO DE 2001


(Projeto de Lei nº 283/01, do Executivo)

Cria a Secretaria Municipal de Relações Internacionais - SMRI e dá outras providências.


MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são confe-
ridas por lei, faz saber que a Câmara Municipal, em sessão de 29 de junho de 2001, decretou e
eu promulgo a seguinte lei:

Art. 1º - Fica criada a Secretaria Municipal de Relações Internacionais - SMRI, com o objetivo de
coordenar convênios e projetos de cooperação internacional que envolvam a Cidade de São Pau-
lo, inserindo-a de forma ativa no cenário mundial, em razão de sua dimensão econômica, social
e cultural.

Art. 2º - A Secretaria Municipal de Relações Internacionais tem como principais atribuições:

I - assessorar a Prefeita em contatos internacionais com Governos e entidades públicas ou pri-


vadas;

II - estabelecer e manter relações e parcerias com organismos internacionais multilaterais, cida-


des-irmãs do Município de São Paulo, entidades voltadas à organização de cidades, organiza-
ções não governamentais internacionais, representantes diplomáticos de Governos, representan-
tes de trabalhadores e de empresários internacionais, empresas internacionais estabelecidas ou
não neste Município, e outras entidades afins;

III - fornecer suporte técnico aos órgãos da Administração Direta e Indireta do município de São
Paulo em contatos internacionais, bem como no desenvolvimento e elaboração de convênios e
projetos de cooperação internacional.

Art. 3º - A Secretaria Municipal de Relações Internacionais constitui-se do Gabinete do Secretá-


rio, composto por Coordenadores Gerais, para gerenciar os projetos e convênios internacionais,
Assessores Técnicos e Assistência Administrativa.

Art. 4º - Ficam criados no Quadro dos Profissionais da Administração do Município de São Paulo,
com as denominações, referências de vencimento e formas de provimento indicadas, os cargos
constantes do Anexo Único desta lei, que passam a integrar o Anexo I, Tabela A - Cargos de Pro-
vimento em Comissão - Grupo 5, da Lei n° 11.511, de 19 de abril de 1994.

Art. 5º - Mantidas a referência e a forma de provimento, o cargo de Secretário Municipal de Rela-


ções Internacionais, constante do Decreto n.º 40.230, de 1º de janeiro de 2001, passa a denominar-
-se Secretário Municipal e fica transferido para a Secretaria Municipal de Relações Internacionais.

67 Instituto de Relações Internacionais


Art. 6º - Para atender às despesas decorrentes desta lei no presente exercício, fica o Executivo
autorizado, nos termos do artigo 42 da Lei Federal nº 4.320, de 17 de março de 1964, a abrir cré-
ditos adicionais especiais, até o valor de R$ 472.000,00 (quatrocentos e setenta e dois mil reais),
criando a atividade “Administração do Gabinete do Secretário Municipal de Relações Internacio-
nais”.

§ 1º - O decreto que abrir os créditos adicionais de que trata o “caput” deste artigo indicará, nos
termos do artigo 43 da Lei Federal nº 4.320, de 17 de março de 1964, os recursos disponíveis
para acorrer às despesas.

§ 2º - Nos exercícios subseqüentes as despesas com a execução desta lei correrão por conta de
dotações orçamentárias próprias, suplementadas se necessário.

Art. 7º - Esta lei entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em con-
trário.

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO, aos 05 de julho de 2001, 448º da fundação de


São Paulo.

MARTA SUPLICY, PREFEITA


ANNA EMILIA CORDELLI ALVES, Secretária dos Negócios Jurídicos
JOÃO SAYAD, Secretário de Finanças e Desenvolvimento Econômico
HELENA KERR DO AMARAL, Secretária Municipal da Administração
Publicada na Secretaria do Governo Municipal, em 05 de julho de 2001.
RUI GOETHE DA COSTA FALCÃO, Secretário do Governo Municipal

Anexo Único a que se refere o art. 4º da Lei n.º 13.165, de 05 de julho de 2001

CARGOS EM COMISSÃO DA SECRETARIA MUNICIPAL DE RELAÇÕES


INTERNACIONAIS

CARGO REF. QTDE PARTE TAB. FORMA DE PROVIMENTO


Chefe de Gabinete DAS-15 1 PP-I Livre provimento em comissão pelo Prefeito.
Coordenador Geral DAS-14 3 PP-I Livre provimento em comissão pelo Prefeito, dentre portadores
de diploma de nível superior.
Assessor Técnico III DAS-13 2 PP-I Livre provimento em comissão pelo Prefeito, dentre portadores
de diploma de nível superior.
Assessor Técnico DAS-12 2 PP-I Livre provimento em comissão pelo Prefeito.
Assistente Técnico II DAS-11 3 PP-I Livre provimento em comissão pelo Prefeito.
Assistente Técnico I DAS-9 3 PP-I Livre provimento em comissão pelo Prefeito.
Secretaria Municipal de Relações Internacionais

68 Instituto de Relações Internacionais


ANEXO II

LEI Nº 15.764, DE 27 DE MAIO DE 2013


(Projeto de Lei nº 237/13, do Executivo, aprovado na forma de Substitutivo do Legislativo)

Dispõe sobre a criação e alteração da estrutura organizacional das Secretarias Municipais que
especifica, cria a Subprefeitura de Sapopemba e institui a Gratificação pela Prestação de Servi-
ços de Controladoria.

FERNANDO HADDAD, Prefeito do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são
conferidas por lei, faz saber que a Câmara Municipal, em sessão de 16 de maio de 2013, decretou
e eu promulgo a seguinte lei:

SECRETARIA MUNICIPAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS E FEDERATIVAS – SMRIF

TÍTULO XI
SECRETARIA MUNICIPAL DE RELAÇÕES INTERNACIONAIS E FEDERATIVAS – SMRIF
CAPÍTULO I

DA FINALIDADE E COMPETÊNCIAS

Art. 222. A Secretaria Municipal de Relações Internacionais e Federativas – SMRIF, criada pela
Lei nº 13.165, de 5 de julho de 2001, fica reorganizada nos termos deste Título.

Art. 223. A Secretaria Municipal de Relações Internacionais e Federativas tem por finalidade pro-
mover e coordenar ações conjuntas e de cooperação com a União, os Estados, os Municípios, em
especial, os da Região Metropolitana da Grande São Paulo e entes e organizações internacionais
e estrangeiros.

Art. 224. Compete à Secretaria Municipal de Relações Internacionais e Federativas assessorar o


Prefeito e os órgãos da Administração Direta e Indireta do Município:

I – nas relações e no desenvolvimento de ações conjuntas e de cooperação com os demais entes


da Federação;
II – nos assuntos relacionados à Região Metropolitana da Grande São Paulo e seus órgãos de
gestão;
III – nas relações de cooperação com instituições e centros de estudos sobre federalismo;
IV – nas relações com associações e entidades de representação de Municípios;
V – nas relações e no desenvolvimento de ações conjuntas e de cooperação com governos es-
trangeiros e seus representantes diplomáticos e consulares;
VI – nas relações e no desenvolvimento de ações conjuntas e de cooperação com entidades pú-
blicas e privadas de caráter internacional;
VII – nas relações e parcerias com organismos e fóruns internacionais multilaterais, em especial,

69 Instituto de Relações Internacionais


com redes de cidades, cidades-irmãs do Município de São Paulo e no âmbito do Mercado Comum
do Sul – MERCOSUL, da União de Nações Sul-Americanas –UNASUL e a Comunidade dos Es-
tados Latinoamericanos e Caribenhos – CELAC;
VIII – na organização e coordenação de eventos de relevância nacional e internacional;
IX – na identificação de projetos, ações e boas práticas nacionais e internacionais de interesse
do Município.

CAPÍTULO II
DA ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

Art. 225. A Secretaria Municipal de Relações Internacionais e Federativas tem a seguinte estrutura:
I – Gabinete do Secretário, com Chefia de Gabinete;
II – Coordenação para Assuntos Metropolitanos e Estaduais;
III – Coordenação para Assuntos Federativos;
IV – Coordenação para Assuntos Internacionais;
V – Coordenação de Cooperação Internacional e Rede de Cidades;
VI – Coordenação de Projetos Especiais;
VII – Supervisão de Administração e Finanças.

Parágrafo único. No exercício de suas atribuições, a Secretaria Municipal de Relações Internacio-


nais e Federativas poderá manter escritório permanente no Distrito Federal.

CAPÍTULO III
DAS ATRIBUIÇÕES DAS UNIDADES

Art. 226. A Chefia de Gabinete tem as seguintes atribuições:

I – planejar, coordenar, supervisionar e orientar as atividades técnicas e administrativas de apoio


ao Secretário Municipal de Relações Internacionais e Federativas e ao Secretário Adjunto;
II – executar atividades relacionadas com as audiências e representações políticas e institucio-
nais do Secretário Municipal de Relações Internacionais e Federativas;
III – examinar e preparar o expediente encaminhado ao Titular da Secretaria;
IV – supervisionar e coordenar as atividades de administração geral da Secretaria.

Art. 227. A Coordenação para Assuntos Metropolitanos e Estaduais tem por atribuição assessorar
o Prefeito e os órgãos municipais nas relações:

I – com o Estado de São Paulo e a União, inclusive quanto às questões orçamentárias, convênios
e políticas públicas;
II – com os órgãos de gestão da Região Metropolitana da Grande São Paulo e Municípios que a
integram;
III – com associações e entidades de representação de Municípios.

70 Instituto de Relações Internacionais


Art. 228. A Coordenação para Assuntos Federativos tem as seguintes atribuições:

I – assessorar o Prefeito e os órgãos municipais nas relações com a União e entidades da admi-
nistração federal indireta;
II – acompanhar os projetos e programas de interesse do Município em tramitação no governo
federal;
III – identificar e promover oportunidades de ações conjuntas no âmbito da União.

Art. 229. A Coordenação de Assuntos Internacionais tem as seguintes atribuições:

I – assessorar o Prefeito e os órgãos municipais nas relações internacionais bilaterais;


II – identificar e promover oportunidades de ações conjuntas e de cooperação de interesse do
Município com órgãos e entidades estrangeiros.

Art. 230. A Coordenação de Cooperação Internacional e Redes de Cidades tem por atribuição
assessorar o Prefeito:

I – no relacionamento e em parcerias com organismos e fóruns internacionais multilaterais, em


especial, com o Mercado Comum do Sul – MERCOSUL, a União de Nações Sul-Americanas –
UNASUL e a Comunidade dos Estados Latinoamericanos e Caribenhos – CELAC;
II – na atuação em redes de cidades e no relacionamento com cidades-irmãs;
III – identificar e promover oportunidades de ações conjuntas e de cooperação de interesse do
Município com organismos e fóruns internacionais.

Art. 231. A Coordenação de Projetos Especiais tem as seguintes atribuições:

I – assessorar o Prefeito e os órgãos municipais na realização de eventos de relevância nacional


ou internacional;
II – identificar projetos, ações e boas práticas nacionais e internacionais de interesse do Município.

Art. 232. A Supervisão de Administração e Finanças tem as seguintes atribuições:

I – gerir o quadro de pessoal, os recursos orçamentários e financeiros, os contratos, convênios,


acordos, ajustes e outros instrumentos congêneres e os equipamentos de informática;
II – adquirir bens e serviços;
III – administrar os bens patrimoniais móveis;
IV – providenciar serviços gerais e de manutenção.

71 Instituto de Relações Internacionais


CAPÍTULO IV
DAS COMPETÊNCIAS DOS DIRIGENTES

Art. 233. Ao Secretário Municipal de Relações Internacionais e Federativas compete planejar,


dirigir, coordenar, orientar a execução, acompanhar e avaliar as atividades das unidades que inte-
gram a Secretaria e exercer outras atribuições que lhe forem cometidas pelo Prefeito.

Art. 234. Aos demais dirigentes da Secretaria Municipal de Relações Internacionais e Federativas
compete planejar, dirigir, coordenar e orientar a execução, acompanhar e avaliar as atividades de
suas respectivas unidades e exercer outras atribuições que lhe forem cometidas, em suas res-
pectivas áreas de competência.

CAPÍTULO V
DAS DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 235. Fica extinta na Secretaria do Governo Municipal a Assessoria de Assuntos Metropolita-
nos prevista na Lei nº 13.169, de 11 de julho de 2001.

Parágrafo único. Em decorrência do disposto no “caput” deste artigo, ficam transferidos para a
Coordenação para Assuntos Metropolitanos e Estaduais, da Secretaria Municipal de Relações
Internacionais e Federativas, os bens patrimoniais, acervo e pessoal da Assessoria de Assuntos
Metropolitanos.

Art. 236. A Assessoria Técnica e a Assessoria Jurídica, da Secretaria do Governo Municipal, pres-
tarão o suporte necessário à Secretaria Municipal de Relações Internacionais e Federativas, no
âmbito de suas respectivas áreas de atuação.

72 Instituto de Relações Internacionais


Paradiplomacia na Cidade do Rio de Janeiro1

Laudemar Gonçalves de Aguiar Neto2

1. Gênese da unidade na esfera subnacional

A cidade do Rio de Janeiro foi fundada em 1565, após a expulsão dos franceses da região por
Estácio de Sá. Em 1763, o Rio recebeu novo status, ao ser transformada em capital do Vice-Reino
do Brasil.
Em 1808, a Família Real Portuguesa instalou-se na cidade, promovendo diversas e profun-
das transformações. Esse processo intensificou-se em 1815, quando o Rio de Janeiro passou a
ser a capital do recém-criado Reino Unido do Brasil, Portugal e Algarves.
Após a Independência do Brasil, já em 1834, uma emenda à Constituição do Império fez do
Rio um Município Neutro, autônomo em relação à Província do Rio. Já a Constituição de 1891, a
primeira após a Proclamação da República, concedeu à cidade o status de distrito federal.
Em 1960, o Rio de Janeiro deixou de ser a capital do Brasil com a inauguração de Brasília,
mas manteve sua autonomia com a criação do Estado da Guanabara. Essa condição foi transfor-
mada em 1975, quando, por meio de Lei Complementar, o Governo Geisel fundiu os estados da
Guanabara e do Rio de Janeiro, tornando a cidade do Rio a capital do novo Estado do Rio.
Segundo o Censo de 2010, a cidade tem 6.320.446 habitantes num território de 1.200,278 km².

2. Marco jurídico na unidade

O Cerimonial foi criado em 1975 como órgão de Assistência Direta e Imediata ao Prefeito, tendo inte-
grado a estrutura do Gabinete do Prefeito até 1986, quando foi criada, através do Decreto nº 5752 de
8 de abril de 1986, a Assessoria Internacional, que passou a incorporar as competências e as atribui-
ções do Cerimonial.
Em 1987, foi extinta a Assessoria Internacional com a criação, pelo Decreto nº 6917 de 2 de
setembro de 1987, da Coordenadoria de Relações Internacionais e do Cerimonial (CRI), ligada dire-
tamente ao Gabinete do Prefeito. O Rio de Janeiro tornou-se, então, o primeiro município do Brasil a
ter uma estrutura exclusivamente dedicada ao tema. A recém-criada Coordenadoria passou a contar,
além do coordenador e embaixador Claudio Garcia de Souza, com dois assessores e quatro assis-
tentes.
As competências envolvem a assessoria, a formulação e a execução da política de Relações

1 Vídeo da palestra disponível em: <http://iptv.usp.br/portal/video.action?idItem=17807>. Acesso em 19 ago. 2014.

2 Laudemar Gonçalves de Aguiar Neto foi aprovado no Concurso de Admissão à Carreira Diplomática em 1981. Após formar-se no
Instituto Rio Branco, serviu em diversas Embaixadas, como Moscou e Paris. Trabalhou em diferentes áreas no Ministério de Relações
Exteriores e na organização do Grupo de Trabalho Logístico da I Cúpula América-Latina e Caribe – União Europeia (1999); foi Secre-
tário Nacional de Organização da Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável (Rio+20), a maior conferência
já realizada pelo Sistema ONU. Desde janeiro de 2013 é Coordenador de Relações Internacionais da Prefeitura do Rio de Janeiro.

73 Instituto de Relações Internacionais


Internacionais da Prefeitura, envolvendo as relações com organismos e agências internacionais, na-
cionais, órgãos diplomáticos e demais entidades de representação estrangeira e a preparação de
acordos de cooperação e de irmanação e a participação em eventos e atividades no exterior. Dentre
as competências há ainda as atividades de cerimonial, em colaboração com outros órgãos ou entes
federativos, quando necessário.
Tradicionalmente, a CRI tem sido chefiada por diplomata de carreira. Em janeiro de 2013, o
ministro Laudemar Aguiar foi oficialmente nomeado como coordenador, iniciando seus trabalhos num
momento-chave para a cidade do Rio de Janeiro, de grande visibilidade internacional, com a realiza-
ção da Copa das Confederações e da Jornada Mundial da Juventude em 2013, da Copa do Mundo
em 2014 e dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Verão em 2016, além da celebração do aniversá-
rio de 450 anos da Cidade em 2015.
Como parte da estratégia de adensamento da estrutura da Coordenadoria, o prefeito Eduardo
Paes, em seu segundo mandato, reforçou o quadro de funcionários da CRI, de forma que ela pudesse
se adequar aos novos desafios, como a maior visibilidade global do Rio de Janeiro.

3. Institucionalização e estrutura

A CRI age como facilitadora de projetos internacionais das secretarias e órgãos vinculados à Prefei-
tura, identificando oportunidades e acompanhando iniciativas internacionais de cooperação nas mais
diversas áreas, como desenvolvimento urbano sustentável, conhecimento e inovação, inclusão social
e acessibilidade. É a principal interlocutora da Prefeitura com repartições consulares, missões diplo-
máticas, entidades regionais e multilaterais, bem como com as redes internacionais de cidades. A CRI
é ainda responsável por organizar e apoiar a vinda de missões de autoridades internacionais em visita
ao Rio de Janeiro.
A Coordenadoria subdivide-se em cinco gerências que operam em constante interface: Coope-
ração Multilateral; Cooperação Bilateral; Relações Institucionais; Interlocução e Mobilização Interna-
cional; e Organização de Missões e Eventos.

a) Relações Institucionais
A Gerência de Relações Institucionais coordena as iniciativas e as prioridades da Coordenado-
ria de Relações Internacionais com órgãos e instituições governamentais. Esta coordenação ocorre
em três níveis fundamentais. Internamente, a gerência coordena esforços com as secretarias, ór-
gãos, institutos e agências municipais. No nível horizontal, as relações institucionais são realizadas
diretamente com prefeituras de capitais e outras cidades brasileiras e também através do FONARI
(Fórum Nacional de Secretários e Gestores Municipais de Relações Internacionais). Verticalmente,
essa gerência interage com os órgãos do governo do Estado, como a Subsecretaria de Relações
Internacionais do Governo do Estado do Rio de Janeiro, e Governo Federal, como a Secretaria de As-
suntos Federativos (SAF) da Presidência da República; a Agência Brasileira de Cooperação (ABC) e
a Assessoria Especial de Assuntos Federativos e Parlamentares (AFEPA) do Ministério das Relações
Exteriores, entre outras.
A Gerência de Relações Institucionais identifica pontos focais nos órgãos e instituições gover-
namentais a fim de criar ligações estreitas e mapear prioridades comuns. Por um lado, a Gerência

74 Instituto de Relações Internacionais


de Relações Institucionais propõe-se a receber demandas das secretarias e agências e filtrá-las de
acordo com suas competências. Por outro, a gerência tem um papel pró-ativo de identificar projetos
internacionais que beneficiem estas secretarias e órgãos, facilitando sua implementação.

b) Cooperação Bilateral
A Gerência de Cooperação Bilateral encarrega-se do relacionamento da CRI com representa-
ções consulares, missões diplomáticas e com as cidades e regiões com as quais o Rio de Janeiro pos-
sui relações diretas e desenvolve projetos de cooperação. A cooperação bilateral pode ocorrer tam-
bém independentemente de acordos formais, por meio de parcerias diretas entre instituições públicas.
A cooperação bilateral descentralizada entre cidades e regiões é motivada, na maioria dos casos,
por razões político-históricas (ex. Paris, Lisboa), de interesse específico como no caso dos Jogos Olím-
picos (ex. Londres, Barcelona, Sidney), intercâmbio técnico (ex. Paris, Colônia, Cidade do Cabo) ou mes-
mo pela interlocução da cidade em organismos multilaterais de cidades (ex. Nova York, Cidade do Mé-
xico). Estas cooperações podem ser de cunho técnico, cultural, educacional, empresarial e tecnológico.
Além disso, as relações bilaterais muitas vezes são regidas por acordos de irmanação, contan-
do o Rio de Janeiro atualmente com 71 cidades-irmãs. A CRI tem buscado identificar projetos con-
cretos com essas cidades de forma a transformar acordos que hoje são meramente protocolares em
acordos com resultados tangíveis.
A relação da CRI com os 68 consulados, tanto gerais quanto honorários, instalados no Rio de
Janeiro e com outras representações diplomáticas em Brasília, também é um dos eixos de ação da
Gerência de Cooperação Bilateral. Esta colaboração é uma ferramenta fundamental para prospectar
projetos internacionais e sinergias com cidades e instituições nos diferentes países. Como casos con-
cretos, é possível citar a colaboração com os Consulados do Japão na área de defesa civil, dos Estados
Unidos na área de acessibilidade urbana, da China no ensino do mandarim em escolas municipais.

c) Cooperação Multilateral
Há atualmente uma forte tendência dos governos das grandes cidades de atuar globalmente,
participando das redes de articulação de governos locais. Portanto, a Gerência de Cooperação Multi-
lateral ocupa-se da formulação de conteúdo e acompanhamento da agenda política do Rio de Janeiro
em tais redes de articulação de governos locais. As principais redes com as quais a gerência interage
são: a C40 (Cities Climate Group) em parceria com a Clinton Climate Initiative; ICLEI (Governos Locais
pela Sustentabilidade); UCCLA (União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa); CGLU (Cidades
e Governos Locais Unidos); Metropolis (Associação Mundial das Grandes Metrópoles); UCCI (União
de Cidades Capitais Iberoamericanas); e Organizações das Nações Unidas e seus órgãos especia-
lizados como a UN-Habitat, UNESCO, PNUD e UNICEF. Além disso, esta gerência apoia grandes
eventos, seminários e conferências como o “International World Wide Web Conference – WWW2013”
e o Urban Age.
Após a Rio+20, em que a cidade organizou a Cúpula dos Prefeitos Rio+20 como um importante
evento paralelo, a agenda do desenvolvimento sustentável ganhou ainda mais destaque e relevância
para o Rio. De fato, sustentabilidade é premissa do plano estratégico da cidade. Assim, projetos como
o Morar Carioca Verde, as metas para redução de gases de efeito estufa da cidade, o Projeto Corre-
dor Verde, o Programa de Desenvolvimento de Baixo Carbono em parceria com o Banco Mundial, as

75 Instituto de Relações Internacionais


iniciativas para o desenvolvimento do transporte não motorizado, como as ciclovias e o Bike Rio, e
todos os ativos ambientais da cidade reforçam o Rio de Janeiro como referência em desenvolvimento
urbano sustentável.

d) Interlocução e Mobilização Internacional


A Gerência de Interlocução e Mobilização Internacional, em coordenação estreita com a Comu-
nicação Social e outras áreas municipais envolvidas, busca transmitir a interlocutores internacionais
informações consolidadas sobre o Plano Estratégico da Prefeitura do Rio de Janeiro no período de
2013-2016 e além de 2016 sobre projetos inovadores que vêm sendo implementados nos últimos anos
na cidade com vistas a ampliar sua inserção global. Procura, ainda, em cooperação com outras áreas
vinculadas à atuação internacional da cidade – Rio Eventos, Empresa Olímpica Municipal, Imagem Rio
e RioTur – contribuir para a imagem renovada e atualizada do Rio de Janeiro no cenário internacional.

e) Organização de Missões e Eventos


A Gerência de Organização de Missões e Eventos apoia a execução da agenda de compromis-
sos internacionais da Prefeitura. É responsável pelo recebimento de missões de autoridades estran-
geiras à cidade do Rio de Janeiro e pela organização de suporte a eventos de cunho internacional dos
quais a Prefeitura participa e organiza.
Essa gerência é responsável, ainda, pela definição de um roteiro e opções de visitas aos equi-
pamentos da Prefeitura, como: o Centro de Operações do Rio, o Porto Maravilha, o Parque Madureira,
as Praças e Naves do Conhecimento, as Clínicas da Família, as Escolas do Amanhã, o Museu de Arte
do Rio, o Centro de Tratamento de Resíduos em Seropédica e o Morar Carioca Verde. Essas visitas
serão oferecidas a representantes de embaixadas, consulados e entidades internacionais, para difun-
dir a cidade enquanto modelo de planejamento e gestão e referência em desenvolvimento sustentável,
em pesquisa e inovação, em economia criativa e em inclusão social. Por meio das visitas aos equi-
pamentos da Prefeitura, a CRI demonstra o desenvolvimento integral do município e a revitalização
de espaços urbanos e ao mesmo tempo abre um canal fértil para intercâmbio de ideias e a troca de
experiências com representantes de outros países.
A unidade coordena a cessão das dependências do Palácio da Cidade para a realização de even-
tos de cunho internacional como almoços de trabalho, recepções, entre outros. É responsável por orien-
tar os realizadores antes, durante e após os eventos, proporcionando todo o apoio logístico necessário.
A Gerência de Organização de Missões e Eventos também organiza e acompanha a agenda
do Coordenador de Relações Internacionais do Gabinete do Prefeito em visitas externas a projetos da
Prefeitura.

4. Perfil do principal responsável

Laudemar Gonçalves de Aguiar Neto foi aprovado no Concurso de Admissão à Carreira Diplomáti-
ca em 1981. Após formar-se no Instituto Rio Branco em 1983, serviu nas Embaixadas em Moscou
(1986-1989), Madri (1989-1992), Montevidéu (1998-2001), Londres (2003- 2008) e Paris (1995-1998/
2008-2011). Foi, ainda, Chefe do Escritório em Adana (Turquia) de repatriamento de brasileiros e fa-
miliares do Líbano (junho-julho 2006). Além disso, trabalhou na Divisão de Programas de Promoção

76 Instituto de Relações Internacionais


Comercial (1984-1986), no Departamento de Política Tecnológica, Financeira e de Desenvolvimento
(1992-1993), no Departamento de Organismos Internacionais (1993-1995) e foi Chefe de Gabinete
do Subsecretário-geral de Assuntos Multilaterais do Ministério das Relações Exteriores (2001-2003).
Finalmente, trabalhou como coordenador de arquitetura e montagem, de imprensa e de recur-
sos humanos e serviços do Grupo de Trabalho Logístico da I Cúpula América-Latina e Caribe – União
Européia (Cimeira) – (abril-junho 1999); e foi Secretário Nacional de Organização da Conferência das
Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável-Rio+20 (junho 2011-outubro 2012), a maior confe-
rência já realizada pelo Sistema ONU.

5. Qualificação profissional da equipe

Coordenadoria de Relações Internacionais


Pós-
Graduação Mestrado Doutorado MBA
graduação
Diplomacia N/A - 2 1 -
Direito 2 1 - - -
Relações
8 1 1 1 1
Internacionais
Ciência
1 - - - -
Política
Políticas
- 1 2 - -
Públicas
Ciência da
1 - - - -
Computação
Comunicação
- - 1 - -
Estratégica
Produção e
Gestão de - 1 - - -
Projetos
Marketing 1 - - - -
Turismo e
- 1 - - -
Business
Administração
- 1 - - -
Internacional
Biologia 1 - - - -
Produção e
Gestão de - 1 - - 1
Eventos
Marketing
e Relações - 1 - - -
Públicas
Comunicação 1 - - - -
*Dados sobre Coordenador, Coordenador Adjunto, Gerentes e Assessores.

77 Instituto de Relações Internacionais


6. Delineamento de políticas públicas

Por não ser uma atribuição constitucional de governos subnacionais, relações internacionais depen-
dem majoritariamente da vontade política de cada gestão em se dedicar ao tema e com que nível de
comprometimento. Essa questão é sensível particularmente porque, via de regra, as atividades inter-
nacionais envolvem compromissos de médio e longo prazo.
Assim como a política externa visa a ser uma política de Estado e não de Governo devido às
suas especificidades, o ideal seria que as prioridades de órgãos municipais e estaduais também se
baseassem no planejamento estratégico. Como descrito abaixo, o Rio de Janeiro já realizou um pla-
nejamento pós 2016 – ano do término do mandato municipal.
Nesse sentido, a Coordenadoria de Relações Internacionais trabalha para intensificar os laços
com os demais órgãos municipais, e destes com organizações internacionais de diversas naturezas,
de modo que resultados positivos alcançados até o final do atual mandato gerem compromissos,
estratégias e estímulos para que haja continuidade do trabalho na área de paradiplomacia na cidade
do Rio de Janeiro. Assim, a importância do trabalho em relações internacionais revela-se por meio da
capacidade da Coordenadoria em traduzir as prioridades municipais em ações concretas de coope-
ração internacional.
Além disso, o atual contexto de consolidação da paradiplomacia no mundo facilita o reconhe-
cimento da importância desse trabalho. Progressivamente, se percebe que a cooperação descen-
tralizada pode ser mais eficaz do que a interestatal. Esse fato faz sentido especialmente no contexto
brasileiro, em que a Constituição de 1988 aumentou significativamente a descentralização de diversas
políticas públicas.
Além disso, o processo massivo de urbanização pelo qual o planeta está passando evidencia
os problemas similares que as cidades enfrentam. Desse modo, o compartilhamento de boas práticas
torna-se cada vez mais importante.

7. Mensuração dos objetivos por meio de metas e resultados

O ano de 2009 foi marcado pelo lançamento do Plano Estratégico 2009-2012 da Prefeitura do Rio de
Janeiro. O plano é o principal instrumento do governo para garantir mais foco e transparência à admi-
nistração da cidade, com o objetivo de traduzir suas aspirações para o futuro, por meio de iniciativas
concretas da presente administração.
A partir de um diagnóstico que identificou os principais desafios e vantagens competitivas da ci-
dade, foram articulados os objetivos centrais do governo e as diretrizes para as 10 áreas de resultados
da Prefeitura. Em seguida, essas diretrizes foram traduzidas em 46 metas e 37 iniciativas estratégicas
que representam o caminho pelo qual se pretende cumprir os compromissos firmados.
Para o melhor acompanhamento deste plano foram pactuados Acordos de Resultados, que re-
presentam uma ferramenta de gestão usada na administração pública para: (i) garantir um maior com-
prometimento de toda a máquina pública municipal com os resultados da Prefeitura; (ii) institucionalizar
uma nova cultura que privilegie o planejamento com metas claras; (iii) motivar a participação dos servi-
dores com um modelo de meritocracia que avalie e premie aqueles que atingirem bons resultados; e (iv)
antecipar problemas e apontar soluções através do acompanhamento formal dos resultados obtidos.

78 Instituto de Relações Internacionais


Em abril de 2013, A Prefeitura do Rio publicou o Quadro de Metas e Indicadores de Desempe-
nho para o Acordo de Resultados de 2013, entre o município e órgãos da administração pública. No
total, 42 entidades da administração municipal integram o novo acordo, que apresenta 209 metas
estratégicas e tem abrangência de aproximadamente 83% dos servidores da prefeitura.
Este é o primeiro ano de acompanhamento de todos os compromissos estabelecidos no Plano
Estratégico 2013-2016, além de ser a quinta edição do Acordo de Resultados, um processo inovador
no Rio de Janeiro.
No balanço do Acordo de Resultados de 2012, a Prefeitura do Rio ficou com média geral de de-
sempenho em 8,4. No total, 33 secretarias e órgãos atingiram suas metas totais ou parciais, somando
notas iguais ou superiores a oito. Os órgãos que atingiram nota 10 foram a Empresa Olímpica Munici-
pal (EOM), o Instituto Pereira Passos (IPP), a Procuradoria Geral do Município (PGM) e o Instituto de
Previdência e Assistência (PreviRio).
De acordo com o Plano Estratégico da Prefeitura da cidade do Rio de Janeiro para 2013-2016,
a Prefeitura tem metas ambiciosas e planos concretos para atingi-las. Entretanto, o Plano de Metas
ainda não conta com metas específicas para a Coordenadoria de Relações Internacionais, tendo em
vista, sobretudo, que o trabalho da CRI é mais focado em atividades meio e de médio e longo prazos
e, portanto, muito difíceis de serem mensuradas.
Entretanto, algumas realizações, apesar do caráter subjetivo, podem servir como base para
ponderação das atividades da CRI, como a captação de eventos, a obtenção de premiações inter-
nacionais e a captação de projetos de cooperação. A visita do Papa Francisco ao Palácio da cidade
durante a Jornada Mundial da Juventude e a crescente coordenação com os órgãos municipais são
exemplos de êxitos obtidos desde o início da gestão do ministro Laudemar Aguiar.

79 Instituto de Relações Internacionais


Estudo de caso – Município de Belo Horizonte1

Rodrigo de Oliveira Perpétuo

Preâmbulo

Este artigo tem por objetivo apresentar de forma geral o processo de institucionalização da Secretaria
de Relações Internacionais de Belo Horizonte, que tem como principal primícia a internacionalização
da cidade. Para tanto, em seu escopo poder-se-á encontrar, em formato cronológico e sistemático, os
marcos legais de sua criação; os principais projetos, programas e ações realizadas ao longo de sua
história institucional; algumas propostas de atuação previstas para ser implantadas a partir de 2014.
No contexto de mudanças mundiais ocorridas em decorrência de dois fenômenos em especial:
a globalização e o redesenho territorial, pode-se identificar a inserção de novos atores na cena inter-
nacional, dentre os quais estão: organizações não governamentais, empresas e corporações multina-
cionais, igrejas, grupos culturais e governos regionais ou locais.
A atuação internacional de governos locais, especialmente das cidades, é um fenômeno com-
plexo e que começou a avançar no Brasil de forma coordenada e mais qualificada a partir de 2002,
quando, além do envolvimento de associações nacionais de cidades, como a Frente Nacional de Pre-
feitos (FNP), a Confederação Nacional dos Municípios (CNM) e a Associação Brasileira de Municípios
(ABM), o Governo Federal ampliou o seu apoio a este processo através de outros canais institucionais
que não somente o Itamaraty.2
Faz-se importante destacar, então, que as relações internacionais praticadas por governos não
centrais estão, de certa maneira, associadas ao seu processo de desenvolvimento e contribuem para
a consolidação e o fortalecimento de uma tendência do sistema internacional: a conexão entre os
fenômenos globais e os locais.

1. Introdução

Antes de apresentar a conjuntura histórica e atual das relações internacionais em Belo Horizonte,
será necessário fazer uma discussão sobre o significado da função diplomática a apresentar algumas
reflexões importantes sobre o termo.
A diplomacia tem suas origens no período em que os Estados como são conhecidos hoje nem
existiam. Ela sempre foi importante para as civilizações desde a antiguidade até os dias atuais. Mas
foi a padronização das relações internacionais ocorrida após o Congresso de Viena, em 1815, que
intensificou e incentivou tanto a prática das relações internacionais, cujo centro era o Estado, quanto
toda a teoria referenciada no Estado-Centrismo (MURRAY, 2008).

1 Colaboradoras: Sandra Martins Farias; Janine Avelar; Stephania Aleixo. Vídeo da palestra disponível em: <http://iptv.usp.br/portal/
video.action?idItem=17803>. Acesso em 19 ago. 2014

2 Criação da Assessoria de Cooperação Internacional Federativa em 2003 (Decreto nº 4607, de 26 de fevereiro de 2003) e da Sub-
chefia de Assuntos Federativos (SAF), no âmbito da Secretaria das Relações Institucionais em 2004 (Lei nº 10.869, de 13 de maio de
2004) (VIGEVANI, 2004 e 2006).

80 Instituto de Relações Internacionais


Ainda que na atualidade os Estados permaneçam sendo os principais responsáveis pela for-
mulação e execução da política externa, eles não são os únicos participantes da cena diplomática. Se
nos primórdios da diplomacia havia apenas um único ator, hoje existem vários canais, redes e ambien-
tes alternativos, todos eles permitindo o exercício diplomático de negociações, representações, comu-
nicação, fluxo de informações e atuação política por parte de um crescente grupo de novos players.
Murray sugere que pode haver distintas definições de diplomacia, desde aquela relacionada
diretamente à manutenção da paz e a prevenção da guerra, passando por definições tradicionalis-
tas, como a fornecida por Barridge: “diplomacia é o termo dado aos canais oficiais de comunicação
empregados por membros de um sistema de Estados e cujo propósito é assegurar os objetivos de
suas políticas internacionais sem recorrer à força” (BARRIDGE apud MURRAY, 2008, p.23). Ou a de
Lee e Hudson, que relatam que “em sua essência, a ideia de diplomacia é a de diálogo entre Estados
inseridos em uma estrutura anárquica de unidades políticas independentes” (LEE; HUDSON apud
MURRAY, 2008, p.27).
Dentre os conceitos da diplomacia o definido como tradicionalista defende a continuidade na
ênfase da centralidade do Estado para a diplomacia, ou seja: a diplomacia é atividade exclusiva do Es-
tado, é concebida como instrumento facilitador das relações entre Estados Soberanos, sua apreensão
a insere como diretamente relacionada à agenda político-militar clássica. Todas estas proposições dos
tradicionalistas ainda são válidas para os estudos da diplomacia, entretanto é necessário ter uma visão
mais crítica do argumento que vincula o Estado como único ator significativo na cena internacional.
Justamente em função do reconhecimento da pluralidade dos atores em cena, Murray deixa
clara sua preferência pela definição de diplomacia apresentada por Sharp, já que ela não sugere que
o ambiente diplomático seja dominado exclusivamente pelos Estados e seus aparatos profissionais:
“a diplomacia é o caminho pelo qual as relações entre grupos que se consideram separados devem
ser conduzidas se o princípio da vida em sociedade for tido como um princípio positivo e se conflitos
desnecessários e indesejáveis podem ter alguma chance de ser evitados” (SHARP apud MURRAY,
2008, p.24, tradução do autor). Nesta perspectiva de proposições mais recentes sobre a diplomacia e
o leque de atores que abrange, propagada pela escola nascente, pode-se identificar cinco distinções
básicas nas noções tradicionalistas de diplomacia: a) desafia a noção de que a diplomacia seja inter-
pretada como algo rígido, centralizador e concentrada apenas no Estado Nacional; b) enxerga a diplo-
macia praticada pelos Estados Nacionais como um fator de prevenção à transição para um sistema
internacional mais pacífico; c) acredita que a diplomacia tradicional está em crise e que é inadequada
e incapaz de pensar os desafios do século XXI de maneira adequada; d) considera que as institui-
ções diplomáticas tradicionais estão obsoletas; e) enfatiza os seus esforços acadêmicos em atores
diplomáticos alternativos ou não convencionais. A escola nascente pode ser compreendida como uma
reação à demora dos Estados Nacionais em reconhecer novos protagonistas na cena internacional
e em incluir em suas pautas uma agenda crescente em importância, como a promoção dos direitos
humanos e questões ligadas ao desenvolvimento e à cooperação (DIAMOND; MACDONALD apud
MURRAY, 2008, p.30).
Uma terceira vertente de concepção sobre o termo diplomacia é a corrente inovadora, podendo
ser considerada como uma perspectiva que baliza aspectos das duas primeiras. Desta corrente pode-
-se destacar os seguintes pontos: critica o conflito entre as duas primeiras correntes – tradicionalista
e nascente, visto que aprofunda a competição e não se concentra em pesquisas e argumentos, e em

81 Instituto de Relações Internacionais


decorrência considera o diálogo entre as duas outras correntes como algo fútil e improdutivo e reco-
nhece na cena diplomática a existência de diversos atores.
Ainda que as concepções sobre diplomacia não reconheçam a participação de cidades ou go-
vernos não centrais na diplomacia, a taxonomia proposta por ele é válida e útil para o argumento de
que os governos não centrais podem ser atores relevantes no sistema internacional e podem também
contribuir para a formulação e implementação da política internacional. Podem também contribuir para
a formulação e implementação da política externa dos países aos quais pertencem.
Diplomacia pode, portanto, ser entendida, em termos gerais, como as instituições e processos
a partir dos quais Estados e outros atores (organizações internacionais, ONGs, corporações multina-
cionais, governos não centrais, associações, redes, para citar alguns) apresentam-se e apresentam
os seus interesses aos outros interlocutores externos (PLUIJM; MELISSEN, 2007).
Recentemente, alguns autores, como Hocking, adotaram o termo “diplomacia de múltiplas ca-
madas” ou de “múltiplas vias” para descrever a atuação internacional dos governos locais, indicado
claramente a necessidade de articulação e complementaridade entre as ações internacionais das
distintas esferas de governo (HOCKING, 1993). Para este autor, termos como “paradiplomacia” ou
“protodiplomacia” foram criados para ressaltar o “conflito” de interesses entre o governo nacional e o
local. Contudo, o fenômeno de internacionalização de cidades e regiões não deve ser necessariamen-
te entendido como conflito que ameaça o “monopólio” do Estado Nacional de formular e executar a
política externa ou como uma perspectiva que procura superdimensionar a autonomia dos governos
não centrais no cenário internacional. Esta proposta apreende o cenário internacional atual como de
multinível, com múltiplos atores, inclusive governos locais, e considera a diplomacia como um sistema
no qual os atores se relacionam e interagem no seio da estrutura estatal.
Visando uma melhor compreensão do contexto atual das relações internacionais, será apresen-
tado e analisado a seguir o conceito cunhado pelo professor Soldatos e que ainda hoje é predominan-
te na literatura relativa à participação e inserção de governos não centrais no sistema internacional.

Paradiplomacia e seus termos correlatos

O professor Soldatos foi o primeiro a utilizar o termo paradiplomacia (nos anos de 1980), sempre
relacionando-o a debates clássicos sobre os conceitos de: soberania nacional, federalismo e política
pública, fazendo com que servisse para descrever as atividades internacionais dos estados federados
canadenses e norte-americanos à luz da globalização. Zabala (ZABALA, 2000) admite como a defini-
ção mais aceita de paradiplomacia é aquela dada por Prieto, para quem:

A paradiplomacia pode ser definida como o envolvimento de governo subnacional


nas relações internacionais, por meio do estabelecimento de contatos, formais e informais,
permanentes ou provisórios, com entidades estrangeiras públicas ou privadas, objetivando
promover resultados socioeconômicos ou políticos, bem como qualquer outra dimensão
externa de sua própria competência constitucional. Embora bastante contestado, o con-
ceito de paradiplomacia não impossibilita a existência de outras formas de participação
subnacional no processo da política externa, mais diretamente ligado ao departamento de
relações exteriores de governos centrais, como a assim chamada diplomacia federativa,

82 Instituto de Relações Internacionais


tampouco impede o papel cada vez maior dos governos subnacionais nas estruturas de
multicamadas para a governança regional ou mundial (PRIETO, 2000, p. 56).

Vale ressaltar, entretanto, que Duchacek (DUCHACEK, 1986, 1990), que fez referência a esse
fenômeno como “atividades de transoberania”, utilizava o termo microdiplomacia, até aceitar o conceito
de paradiplomacia proposto por Soldatos:

Inicialmente, eu utilizava o termo coloquial “microdiplomacia” e, já que poderia inferir


a partir dele certo sentido pejorativo do mesmo, aceitei o termo “paradiplomacia”, muito
mais adequado, do professor Soldatos. Não apenas não configura nenhuma conotação pe-
jorativa, senão que“para”expressa adequadamente o que significa: paralelo a, coordenado
com, complementar a, e, às vezes, em conflito com a “macrodiplomacia” centro a centro
(DUCHACEK, 1990, p. 32).

Para Zabala (ZABALA, 2000), Soldatos utilizou o termo “paradiplomacia” em clara alusão ao
neologismo “microdiplomacia”, criado originalmente por Duchacek (DUCHACEK, 1986) para definir o
que ele batizara de “microdiplomacia regional”, que naquela época se referia às relações internacio-
nais regionais transfronteiriças, levadas a cabo conjuntamente entre governos regionais de países tais
como Estados Unidos e Canadá ou Estados Unidos e México. Zabala, ao considerar inapropriado o
uso desses conceitos — já que o prefixo “para”, nesse caso, designaria, além de algo paralelo, aquilo
que estivesse associado a uma capacidade acessória ou subsidiária, em referência à atuação “diplo-
mática” dos governos não centrais (RIBEIRO, 2008) —, ironiza Soldatos e Duchacek por abusarem
de termos correlatos, já que acrescentaram aos citados anteriormente “protodiplomacia”, que seria:

A prática de relações internacionais por parte de um governo não central que aspira
a estabelecer-se como Estado plenamente soberano [...].A protodiplomacia representa um
trabalho diplomático preparatório com vistas a uma futura separação e ao reconhecimento
diplomático internacional de tal situação (DUCHACEK, 1986, p. 22, tradução do autor).

E “macrodiplomacia”, que seria simplesmente a diplomacia Nação-Nação. Para ilustrar o argu-


mento, abrem-se parênteses para resgatar a taxonomia apresentada por Duchacek (e apropriada por
Soldatos) para os distintos tipos de paradiplomacia:

• Microdiplomacia transfronteiriça regional: refere-se a interações regionalmente limitadas


entre governos locais. Foi chamada pelo próprio Duchacek posteriormente de paradiploma-
cia regional. E Soldatos (SOLDATOS, 1990) ainda subdivide essa categoria em paradiplo-
macia macrorregional, que ocorre quando os atores se ocupam de assuntos que concer-
nem comunidades que não são contíguas; e em paradiplomacia microrregional, na qual os
temas referem-se a comunidades geograficamente contíguas. Neste caso, a paradiplomacia
microrregional pode ser também transfronteiriça, quando a continguidade das comunidades
em questão implica fronteiras comuns;
• Microdiplomacia transregional: trata-se do contato entre governos não centrais que não

83 Instituto de Relações Internacionais


são vizinhos geográficos, mas cujos governos nacionais o são;
• Paradiplomacia global: consiste em contatos de governos não centrais com suas contra-
partes em nações distantes ou que relacionam entre si governos não centrais com centros
comerciais, industriais ou culturais em outros continentes, mas também com as diversas
agências dos governos nacionais estrangeiros. Há que se ressaltar que Soldatos (SOL-
DATOS, 1990) utiliza o termo paradiplomacia global em sentido diferente de Duchacek. O
sentido dado por Soldatos é funcional, e não geográfico, como em Duchacek;
• Protodiplomacia (ou protodiplomacia global): é um termo que pode ser usado para des-
crever aquelas iniciativas e atividades de um governo não central no exterior, que oferecem
uma mensagem mais ou menos separatista com respeito aos seus laços econômicos, so-
ciais e culturais com outras nações; neste contexto, a autoridade regional ou provincial utili-
za suas missões culturais e comerciais como protoembaixadas ou protoconsulados de um
Estado potencialmente soberano (DUCHACEK, 1986, p. 240, 246-48; 1990, p. 16).

Faz-se necessário ressaltar dois aspectos da análise feita por Zabala (2000) e que de certa for-
ma encontra inspiração em Hocking (HOCKING, 2000) e reverberação em Ribeiro (RIBEIRO, 2008).
O primeiro aspecto é o incômodo do autor com a variação de significados do termo. Zabala acentua
que, inicialmente criado como referência à ação internacional dos governos não centrais, o termo pa-
radiplomacia passa a se referir também a formas de diplomacia não governamentais, não importando
se no âmbito nacional, regional ou local. Assim, conforme Ribeiro assinalou: o termo remeteria a qual-
quer tipo de atividade internacional de caráter não governamental de atores não estatais, incluindo-se
corporações transnacionais, associações profissionais internacionais, comunidades religiosas, lob-
bies internacionais, associações científicas, etc. (RIBEIRO, 2008, p. 161).
Este novo uso foi adotado inicialmente por Der Derian (DER DERIAN, 1987, p. 5), quando ele
apresenta seis paradigmas inter-relacionados para analisar as origens e transformações da diploma-
cia: mitodiplomacia, protodiplomacia, antidiplomacia, neodiplomacia e tecnodiplomacia. Ele avança
com a discussão e apresenta, ainda, o que chamou de transparadigmas, subdividos em três catego-
rias: criptodiplomacia, paradiplomacia e até machodiplomacia. Não interessa aqui aprofundar a abor-
dagem genealógica de Der Derian, mas apenas utilizá-la como ilustração para o aspecto da variação
terminológica, ressaltado por Zabala2.
O segundo aspecto, e talvez o mais importante, é que a preocupação principal da análise geral
de Soldatos, Duchacek ou mesmo de Der Derian não está tanto na inserção internacional dos gover-
nos não centrais. A questão principal, nas palavras de Zabala:3

Consiste em articular um novo discurso analítico conceitual crítico sobre o federalis-

3 Ribeiro apresenta uma recuperação bem completa dos conceitos de paradiplomacia e suas dimensões e tipologias em seu
artigo “A ação internacional das entidades subnacionais: teorias e visões sobre a paradiplomacia”, publicado em 2008, pela Revista
Cena Internacional. Além do que foi apresentado aqui, e para oferecer ao leitor mais um pouco da amplitude terminológica, a autora
recupera os conceitos de Paquin (2004) de paradiplomacia clássica (quando é atribuído um mandato a representantes oficiais para
negociar com atores internacionais por meio de um governo não central ou por um conselho municipal) e identitária (que busca o
reforço ou a construção de uma nação minoritária no contexto de um país com múltiplas nações, sem, contudo, apresentar interesse
separatista).

84 Instituto de Relações Internacionais


mo, sublinhando os novos desafios enfrentados pelo“novo federalismo”e as suas consequ-
ências diplomáticas, tais como a“fragmentação”ou“segmentação”da diplomacia central e,
eventualmente, do próprio Estado federal, contanto que o sistema político até então fosse
indiscriminadamente centralizado em matérias de política exterior (ZABALA, 2000, p. 215).

A partir desta formulação, ou seja, da preocupação central de Soldatos e Duchacek não ser com
a inserção dos governos locais na cena internacional, mas sim com a fragmentação da diplomacia,
Zabala formula as seguintes questões, que podemos resgatar neste artigo: “o que poderia acontecer
se a diplomacia deixasse de ser mercado cativo monopolizado pelo governo central? Seria bom ou
ruim? Constitucional ou inconstitucional? Racional ou irracional?” (ZABALA, 2000, p. 215).
Zabala, na conclusão de sua análise sobre a conceituação e terminologia utilizada para des-
crever o fenômeno, emprega o termo “pós-diplomacia”, referindo-se ao fenômeno de inserção de go-
vernos não centrais na cena internacional como um processo cuja lógica conduz, em todos os casos,
para além do Estado-Nação moderno. Nas palavras dele: “mais além da diplomacia” (ZABALA, 2000,
p. 233).

Política externa federativa e diplomacia federativa: algumas contribuições brasileiras à discussão


conceitual

Haja vista a crescente participação dos entes federados brasileiros na cena internacional, mui-
tas vezes com o apoio do próprio governo federal, deve-se reconhecer a contribuição brasileira para a
discussão conceitual que se apresenta.
Há algumas expressões correlatas que estão surgindo na academia brasileira, tais como po-
lítica externa federativa e diplomacia federativa, sendo este último o termo utilizado pelo Itamaraty
(PEREIRA, 2004).
Rodrigues (RODRIGUES, 2008) considera a possibilidade “na perspectiva acadêmico-científi-
ca” de se reconhecer que alguns governos locais têm ou tiveram política externa, o que é no mínimo
controverso. Ao identificar como relevantes alguns fatores como o nível de organização estratégica da
inserção, o nível de autonomia e a perspectiva de longo prazo dos seus objetivos, Rodrigues define
política externa federativa como sendo “a estratégia própria de um estado ou município, desenvolvida
no âmbito de sua autonomia, visando à inserção internacional, de forma individual ou coletiva” (RO-
DRIGUES, 2008).O autor identifica a existência de três marcos de análise da formação e desenvol-
vimento da “política externa federativa” no Brasil: democratização, integração e globalização. Ele res-
salta, ainda, que a política externa federativa de estados federados possui características diferentes
daquela empenhada por municípios e assinala que o Itamaraty reconheceu o fenômeno e procurou se
adaptar a ele, ainda que de forma reativa. Por fim, Rodrigues afirma que a política externa federativa
agrega novos ingredientes à relação entre o pacto federativo e a inserção internacional do país, sendo
um deles a perspectiva de participação democrática na política externa, e o outro a consolidação de
novos temas, desde as políticas sociais até a promoção dos direitos humanos, na pauta da política
externa brasileira.
Quanto ao termo “diplomacia federativa”, a diplomata Abreu apresenta a seguinte definição:

85 Instituto de Relações Internacionais


Diplomacia federativa é uma proposta de incentivar, apoiar e coordenar as ações
externas de Estados (subnacionais) e municípios, no intuito de ajudá-los a identificar novas
oportunidades internacionais de cooperação, de comércio, de atração de financiamentos
e de inovações tecnológicas, habilitando-os a atingir novos patamares de competitividade
econômica e qualidade de vida. E nosso público-alvo não se limita aos poderes públicos
locais. Inclui também os grupos de interesse, o empresariado e suas entidades de classe,
a representação política das Assembleias Legislativas, Câmaras Municipais, o setor aca-
dêmico (ABREU, 2004, p. 149).

Faria (FARIA, 2008) tem uma visão mais crítica em relação ao termo, estabelecendo duas pers-
pectivas em destaque. A primeira, formal, que apresenta o objetivo da diplomacia federativa como o de
promover mais cooperação entre os entes federados, gerando coordenação nas estratégias interna-
cionais e o compartilhamento de informações e de recursos materiais (PEREIRA apud FARIA, 2008,
p. 87). A segunda, mencionando a seguinte questão:

Se o intuito subjacente é o de evitar a falta de sintonia e as contradições entre o


governo federal, os governadores e prefeitos e os representantes parlamentares, cabe per-
guntarmos em que medida tais esforços não pretendem também tutelar tais atores, ou pelo
menos manter suas iniciativas sob vigilância (FARIA, 2008, p. 87).

Nesse sentido, Rodrigues assinala que diplomacia federativa “diz respeito à visão que o governo
federal possui da inserção internacional dos governos locais” (RODRIGUES, 2008, p. 1025).
Apesar do avanço conceitual, especialmente no sentido de reconhecimento acadêmico da ati-
vidade internacional dos entes federados brasileiros, o Itamaraty, com seu intuito às vezes claro e às
vezes velado de controle, e mesmo os autores Rodrigues (RODRIGUES, 2008) e Abreu (ABREU,
2004), também não resolvem a questão, já que não fizeram clara distinção entre “política externa” e
“diplomacia” e utilizaram o termo “federativo” com diferentes significados, ora remetendo à visão do
governo nacional (diplomacia federativa), ora à ação dos entes federados (política externa federativa).
Particularmente, acredita-se que seja mais adequado que se pense na atuação internacional
dos governos locais a partir da perspectiva diplomática, com um possível viés para o reconhecimento
da existência de políticas locais de relações internacionais, naqueles casos em que os aspectos da
qualidade, profissionalismo, planejamento, continuidade e sustentabilidade estiverem contemplados.
Assim, preserva-se o termo política externa para questões macro, notadamente de responsabilidade
dos governos nacionais.

Avançando da cooperação descentralizada à cooperação internacional descentralizada


federativa: da contribuição europeia ao aporte brasileiro

Vale também analisar uma das tentativas europeias de conceitualização, a partir do termo “coo-
peração descentralizada”. Uma das hipóteses atreladas a este conceito é a de que os governos locais
são agentes fundamentais do desenvolvimento e se converteram em atores-chave da cooperação
internacional. Esta hipótese, de acordo com Rimez (2009), está baseada em alguns comunicados da

86 Instituto de Relações Internacionais


Comissão Europeia, em particular o intitulado “Autoridades locales: agentes del desarrollo”, de outubro
de 2008, e o Programa de Acción de Accra. A Comissão Europeia, por sua vez, definiu a cooperação
descentralizada como:

Uma nova abordagem da cooperação que busca estabelecer relações diretas entre
instituições de representação local, além de estimular a capacidade dessas instituições
para elaborar e executar projetos de desenvolvimento com participação direta da popula-
ção, levando em consideração seus interesses e pontos de vista sobre desenvolvimento
(COMISSÃO EUROPEIA, 1992).

Com base neste conceito, Rimez (RIMEZ, 2009) sugere que, para que os governos locais e re-
gionais possam avançar em seu processo de inserção internacional, é imprescindível que passem de
um enfoque de projetos ao de uma política pública de cooperação descentralizada que lhes permita
inserir os seus projetos em uma estratégia de longo prazo. Ele propõe, ainda, duas importantes ações
para o avanço a um enfoque de política pública: a) promover a cultura de avaliação ex-ante para mais
pertinência das ações e ex-post para medir os impactos das ações de cooperação (mas não diz como
e com quais indicadores, o que desponta como o maior desafio nesse caso); b) profissionalizar a ges-
tão da cooperação nas cidades (enfatiza a formação de capital humano). Entretanto, conforme avalia
Romero (2004), o conceito de cooperação descentralizada ainda é ambíguo, contendo interpretações
diversas, o que pode prejudicar sua utilização.
Alguns autores preferem referir-se à cooperação descentralizada como aquela operada e prati-
cada apenas por governos locais, por causa da sua natureza permanente, somada ao fato de caber
a eles, de acordo com os ordenamentos jurídicos nacionais, a gestão local e regional. Assim, alguns
buscam compreender a cooperação descentralizada em sentido mais restrito, entendendo que esta
seria estabelecida apenas por esferas locais das administrações públicas. Hafteck é um dos autores
que utilizam este conceito, afirmando que:

Cooperação descentralizada consiste em uma relação substancial colaborativa


entre governos subnacionais de diferentes países, visando a um desenvolvimento local
sustentável que implica algumas formas de trocas e suportes conduzidas por estas institui-
ções ou outros atores locais (HAFTECK, 2003).

Mesmo os que adotam o termo reconhecem que a nomenclatura “cooperação descentralizada”


tem seus limites para designar a atuação dos governos não centrais, devido à grande margem para
interpretações múltiplas (envolvimento ou não de ONGs, academia e outros atores da sociedade civil,
assim como formas de financiamento). Para tentar resolver a questão, Barros (BARROS, 2009) utilizou
o seguinte conceito:

Cooperação descentralizada pode ser compreendida como o processo de interna-


cionalização dos governos subnacionais, o qual pode ser empreendido de maneira direta
ou indireta, ou seja, com ou sem a participação do governo federal, por meio de acordos
formais ou informais, a partir da associação e colaboração com governos nacionais e sub-

87 Instituto de Relações Internacionais


nacionais estrangeiros, instituições e organismos estrangeiros e internacionais. Importa,
portanto, que em uma das pontas deste processo haja um governo não central que atue
além das fronteiras nacionais (BARROS, 2009, p. 10).

Antes de apresentar essa definição, esta autora, buscando uma adequação terminológica, usa
o termo “cooperação pública descentralizada internacional”, referindo-se a ele como coerente e restrito
somente à ação dos governos não centrais. Ora, se o conceito se refere à ação de governos, mesmo
que sejam locais, ela é, por natureza, pública. Portanto, o caráter público da cooperação está implícito
na definição, sendo desnecessária a utilização da palavra “pública” no termo proposto. No intuito de
avançar nesses conceitos, Kleiman (KLEIMAN, 2009) lança o termo cooperação internacional fede-
rativa:

Trata-se de uma política governamental voltada para a promoção e a articulação de


iniciativas externas promovidas pelos governos subnacionais, no sentido de apoiá-los na
identificação de oportunidades e com o objetivo de estabelecer acordos de cooperação,
bem como fomentar sua participação nos fóruns de negociação e cooperação. O conceito
de cooperação internacional federativa está centrado no fortalecimento da estrutura fede-
rativa do Estado nacional, no qual a mobilização e a articulação entre as esferas de governo
em torno das diretrizes da política externa tornam-se recurso importante não somente para
a estratégia de inserção do país no cenário internacional, mas como fator de promoção de
desenvolvimento dos governos subnacionais (KLEIMAN, 2009, p. 104).

O problema tanto para o termo “cooperação descentralizada” como para o termo “cooperação
internacional” federativa é que os dois reduzem a atuação internacional de uma cidade ou governo
local à dimensão da cooperação. Na verdade, as relações internacionais praticadas por governos não
centrais podem transcender a dimensão da cooperação, podendo permear também outras vertentes,
tais como o marketing do território, a atração de investimentos privados, a representação institucional
e a captação de recursos, apenas para citar algumas, já que essa questão será abordada ainda ao
longo deste capítulo.

Diplomacia das cidades e diplomacia multinível

Por fim, vem do Instituto Holandês de Relações Internacionais um conceito que, se não for o
mais adequado, é o que se apresenta de forma simples, porém completa, e que, ao lado do conceito
de diplomacia multinível apresentado por Hocking (HOCKING, 1993), servirá bem ao propósito de se
buscarem termos compreensíveis aos leigos e úteis tanto aos pesquisadores como aos técnicos. O
conceito de diplomacia das cidades foi apresentado por Pluijm e Melissen, em seu trabalho de 2007,
como:

As instituições e processos pelos quais cidades ou governos locais em geral com-


prometem-se em relações com outros atores em nível político internacional, com o objetivo
de representar os seus próprios interesses perante uns aos outros. Diplomacia das cidades

88 Instituto de Relações Internacionais


é uma atividade profissional, pragmática e em crescimento, que está transformando e con-
tinuará a transformar os processos diplomáticos atuais (PLUIJM; MELISSEN, 2007, p. 11).

Deve-se ressaltar que não há descolamento entre o conceito de diplomacia das cidades e a
definição de diplomacia (McMILLAN, 2008). As definições tradicionais de diplomacia moderna tendem
a ser baseadas em três princípios: a) a condução de relações pacíficas; b) entre estados mutuamen-
te reconhecidos e soberanos; c) em expectativas de relações de longo prazo (PLUIJM; MELISSEN,
2007).
Dessa forma, pode-se concluir que a noção de paradiplomacia (e toda a terminologia que des-
se termo deriva) é inoportuna e inadequada, já que as cidades e os governos locais não necessa-
riamente utilizam rotas alternativas ou paralelas de diplomacia, mas sim participam da mesma rota
dos Estados-Nação, de forma complementar (ou antagônica, ainda que pacífica, principalmente nos
poucos casos de intenção separatista).
Uma vez apresentada esta revisão conceitual, importante para a compreensão do fenômeno
de inserção das cidades e, de maneira mais ampla, dos governos não centrais na cena internacional,
passarão a ser analisadas as motivações e os determinantes para a criação e formalização de áreas
de relações internacionais nas estruturas organizacionais desses governos.
Tal análise comportará também os fatores que legitimam e impulsionam uma cidade ou região
a buscar mecanismos de inserção internacional e estará focada no caso brasileiro, ainda que alguns
fatores possam ser considerados globais.

Motivações e determinantes para a ação internacional das cidades e governos regionais

O Brasil vem experimentando uma transição socioeconômica que lhe dá condições de conside-
rar outras formas de práticas e estratégias de relações internacionais. Protagonismo mais acentuado
perante a região latino-americana e o alinhamento com países em desenvolvimento de outras regiões
já podem ser percebidos. A concepção de uma política nacional para a diplomacia das cidades ou,
de maneira mais ampla, para a diplomacia multinível também poderia ser avaliada no momento atual.
Diversas cidades, os estados brasileiros e o Distrito Federal possuem uma área dedicada a
relações internacionais em suas estruturas organizacionais (CAPELLA, 2009). O aumento de áreas
dedicadas às relações internacionais em governos dos entes federados pode ser um indicador de
mais interesse pela atividade. Entretanto, Hocking (HOCKING, 2000) chama a atenção para o cuidado
que se deve ter para não se interpretar simplesmente a multiplicação de ações internacionais de auto-
ridades regionais e locais como indicativo de ambições de desenvolvimento de uma “política exterior”.
Há de fato a necessidade de se relacionarem as motivações domésticas e internacionais, bem como
considerar as interações entre ambas. Além disso, deve-se ter em conta que os governos não centrais
possuem funções administrativas limitadas e que, em termos de recursos humanos, muitas vezes há
apenas um assessor dedicado, em meio período, na estrutura governamental para desempenhar tal
papel (HOCKING, 2000).
Ao analisar o processo de inserção internacional de uma cidade, uma das primeiras perguntas
que devem ser feitas é: por que as cidades buscam se inserir internacionalmente? Ramos (RAMOS,
2008) identifica três grandes grupos de razões ou motivações que podem levar as cidades a buscarem

89 Instituto de Relações Internacionais


projeção internacional: econômicas, políticas ou culturais. Esses eixos não são mutuamente excluden-
tes. Ao contrário, há complementaridade entre os três. O processo em si deve ser pensado em um
novo cenário global, no qual os governos locais passam a se constituir como protagonistas do seu
próprio desenvolvimento (MALÉ, 2009).
Ou seja, a inserção internacional de governos não centrais não é um fenômeno monocausal.
Por isso, deve-se atentar para o fato de que as diversas variáveis consideradas determinantes desse
processo se influenciam mutuamente (BARROS, 2009). Além disso, vale ressaltar, também, que os
atores municipais ou regionais não estão descolados dos governos nacionais, de seus interesses e
de suas políticas. Por outro lado, não é tão simples afirmar que instituições internacionais atualmente
possam ser parte de uma estrutura de política externa feita por governos nacionais, influenciando
ações, por um lado, e sendo utilizadas para o alcance de certos objetivos, por outro lado. Nenhum dos
níveis de ação política deve ignorar o outro: supranacional, nacional e doméstica. Assim, as estruturas
de política interna, a natureza da distribuição de poder no campo doméstico e mesmo o caráter de
culturas políticas nas comunidades locais passam a ser relevantes para a construção e manutenção
de regimes internacionais, conforme argumenta Hocking (HOCKING, 1993).
Nas próximas linhas serão considerados cinco fatores determinantes para a diplomacia das
cidades ou para a criação de uma estrutura municipal ou regional voltada para as relações interna-
cionais: a) globalização e integração regional; b) inserção de novos temas na agenda internacional; c)
federalismo; d) o processo de urbanização; e) democratização da política externa brasileira.

a) Globalização, integração regional e a participação dos governos não centrais na


cena internacional.

No mundo do século XXI prevalece o sentimento de que eventos mundiais tendem a


convergir rapidamente e a delinear um mundo único, integrado, em que influências eco-
nômicas, sociais, culturais, tecnológicas e comerciais atravessam fronteiras tradicionais,
conhecidas como nações. É um mundo no qual as relações podem tornar-se instantâne-
as, articuladas com um conjunto de processos técnicos, sociais, econômicos e culturais
(GALLEGOS, 2003). Ele é caracterizado pela rápida abertura das economias nacionais
aos mercados internacionais e por importantes avanços tecnológicos nos processos de
comunicação e no provimento da informação e do conhecimento (JARQUE, 2003). Con-
figura-se, portanto, em um mundo em transformação. As implicações de tais mudanças
podem ser potencialmente “revolucionárias” e por isso podem também levar a mudanças
significativas em todas as esferas da vida humana, gerando novos desafios e respon-
sabilidades para todos os tipos de organizações (PARKER, 1998). No fim da década de
1980, de acordo com Duchacek, já havia a percepção do que era chamado “globalização
do localismo” ou, nas palavras de Rosenau, “o aumento nas habilidades e sofisticação de
subgrupos em abordar a política internacional desde uma perspectiva e através de meios
locais” (DUCHACEK, 1990).
Certamente incluem-se aí as cidades e os seus processos de inserção internacional.

90 Instituto de Relações Internacionais


• Globalização:

O conceito de globalização deve ser visto e analisado como sendo complexo. Para que se
tenha uma visão dessa complexidade e da possibilidade de ambiguidades, este artigo apre-
senta, de forma muito breve, a abordagem conceitual de globalização formulada por Bartel-
son (BARTELSON, 2000). Esse autor distingue três conceitos de globalização: globalização
como transferência; globalização como transformação; globalização como transcendência.
A globalização como transferência significa trocas diversas (políticas, econômicas ou cul-
turais) entre as unidades constituídas e aceitas pelo sistema (BARTELSON, 2000, p. 184).
Assim concebida, a globalização é um produto da dinâmica do sistema e não o modifica nem
à sua estrutura. Essa definição é a que mais se aproxima da percepção de globalização do
senso comum.
Já a globalização como transformação é um processo multidimensional que ocorre tanto
dentro como fora do sistema (BARTELSON, 2000, p. 187). Por esta ótica, a globalização
pode afetar tanto as regras constitutivas do sistema como também a identidade das unidades
que o compõem. A globalização como transformação relativiza as noções de territorialidade
e soberania, tal qual as entendemos. Para compreender esse conceito, deve-se entender o
mundo não de forma fragmentada, mas como um sistema integrado.
Também a globalização como transcendência requer a hipótese do global. Este conceito
articula tempo e espaço de forma supraterritorial e se coloca como um processo que dissolve
a divisão entre inside e outside, ou seja, dissolve a fragmentação entre os que estão dentro e
fora do sistema internacional. Nesse sentido, a globalização como transcendência não ape-
nas pressupõe a modificação do sistema e de suas unidades, mas, além disso, preconiza
uma superação do mesmo.
Considerando que não existem verdades, mas admitindo que os conceitos de globalização,
como transformação e como transcendência, propostos por Bartelson (BARTELSON, 2000),
implicam uma redefinição do papel do Estado-Nação e do significado da soberania estatal.
Há, assim, a necessidade de uma visão compreensiva e interdisciplinar da globalização
como fenômeno de transformação de nossa realidade. Ao analisar os efeitos da globalização
na sociedade internacional, especialmente a partir do final do século passado, e ao conside-
rar os conceitos de globalização como transcendência e como transformação propostos por
Bartelson (BARTELSON, 2000), pode-se dizer que esse fenômeno contribui para processos
de descentralização de poder e, logo, para mais autonomia aos governos locais (PEREIRA,
2004). Também se pode inferir que ela pode ser percebida como um fator que, aliado a ou-
tros, pode justificar a existência de uma estrutura específica de relações internacionais em
nível municipal, já que também impõe novos desafios e uma nova agenda aos atores locais.

• Integração regional:

Um fator que também pode ser considerado um estímulo à prática de relações interna-
cionais por parte dos governos não centrais é a integração regional. Considerando-se pro-
cessos como, por exemplo, o da União Europeia (UE) e o do Mercado Comum da América

91 Instituto de Relações Internacionais


do Sul (MERCOSUL), a partir da hipótese de que esses tendem a envolver e a interessar a
opinião pública doméstica dos países envolvidos, pode-se dizer que eles contribuem para o
aumento da politização de temas associados à política externa, levando-os a diversos seto-
res da sociedade, como empresas, universidades e governos locais e regionais, entre outros.
Faria (FARIA, 2008), em seu artigo “Opinião pública e política externa: insulamento, politi-
zação e reforma na produção da política exterior do Brasil”, destaca dois exemplos de avan-
ços da integração no âmbito do MERCOSUL que podem ser aplicados à realidade brasileira
e que é oportuno resgatar para ilustrar este ponto. O primeiro é o processo de incorporação
da Venezuela como sócio pleno do bloco, que tem redundado em inúmeras polêmicas no
âmbito da sociedade brasileira, com ampla cobertura da mídia (FARIA, 2008, p. 88). O outro
é o recém-instalado Parlamento do MERCOSUL (PM), criado com o objetivo de imprimir
uma nova dinâmica ao bloco, propiciando melhor capacidade de harmonização das legisla-
ções nacionais e a mobilização de uma diversidade de atores sociais e políticos, capazes de
ampliar a visibilidade e a legitimidade do MERCOSUL (FARIA, 2008, p. 89).
A opinião de Faria (FARIA, 2008, p. 89) está em consonância com este trabalho acerca
desses dois fatores, já que mesmo que o PM não concretize o “salto supranacional” desejado
por muitos, sua criação, em conjunto e em harmonia com outros instrumentos institucionais
do MERCOSUL, terá o potencial de conduzir a integração a um novo patamar, ampliando a
visibilidade do bloco nas sociedades nacionais e a mobilização dos atores sociais e políticos,
ou seja, também se incluem aí os governos locais e regionais.
A perspectiva de intensificação da promoção de agendas associadas à integração, seja
desde uma perspectiva mais ampla, como a da promoção da cidadania regional; seja desde
uma perspectiva temática, como a da integração produtiva; ou mesmo desde a perspectiva
de ações mais urgentes, como questões de integração fronteiriça; é indicadora de uma ten-
dência à participação das cidades e governos regionais em processos de integração.
A Declaração de Valparaíso (2004) sinaliza a importância da integração regional para
avanço em temas como o desenvolvimento econômico, a coesão social e a governabilidade
democrática, e ressalta a importância do envolvimento dos governos locais nesses proces-
sos como uma possibilidade de transformar a realidade da região do MERCOSUL, hoje com
44% de sua população vivendo em situação de pobreza.
Pode-se afirmar, portanto, que os processos de integração regional têm sido poderosos
espaços de ação para as cidades e estados federados e para governos municipais e regio-
nais de maneira geral. Essas ações podem acontecer tanto em sua dimensão primária, ou
seja, nas fronteiras, como em sua dimensão temática, que permite o envolvimento progressi-
vo de diversos atores locais no processo (RODRIGUES, 2008). A integração regional, muitas
vezes, é a primeira instância para a internacionalização do governo local, constituindo-se em
diversos casos como o primeiro nível de ação no âmbito da diplomacia das cidades.

92 Instituto de Relações Internacionais


b) A inserção de novos temas na agenda internacional

Tradicionalmente, o sistema internacional foi pautado por temas que pouco tinha a ver
com os campos de competência de governos não centrais. A partir do início dos anos de
1990, percebe-se que, paulatinamente, a divisão entre o interno e o externo ao Estado,
quando se trata de questões como saúde pública, comunicação, transporte, organização
do território, cultura e serviços sociais, passa a se tornar cada vez menos clara.
Por isso, é razoável afirmar que uma das consequências e também uma das causas
da globalização é a inserção de novos temas na agenda internacional. Além de questões
clássicas, como segurança e desarmamento, temas como: as mudanças climáticas e
o meio ambiente, combate à pobreza e direitos humanos, economia e comércio, além
de questões relacionadas à transferência de tecnologia, utilização de fontes de energias
renováveis, desafios tais como o tráfico de drogas, migração e profusão de epidemias,
podem abrir novos espaços para a transformação do poder local como ator internacional
(DUCHACEK, 1990).
Pode-se utilizar, como o fez Barros (BARROS, 2009), da teoria da interdependência
complexa para melhor explicar a relação entre o processo de globalização e a inserção
de novos temas na agenda internacional. A teoria desenvolvida por eles mostra que há
várias conexões internacionais que não acontecem somente a partir dos Estados Nacio-
nais, mas através de diversos outros atores e de diversos canais de interação, sejam eles
formais ou informais. Para Keohane e Nye (KEOHANE; NEY, 2001), o significado da exis-
tência desse ambiente de interdependência é que não há apenas um ator relevante no
sistema internacional. O Estado-Nacional não atua sozinho, mas influencia e é influencia-
do por diversos outros atores. Ou seja, a emergência de novos atores faz também emergir
uma nova agenda internacional. Conforme a teoria da interdependência complexa, as
interações entre os atores múltiplos levam nitidamente a custos recíprocos. Esses custos
não são necessariamente simétricos, conscientes ou benéficos, e sua principal conse-
quência é o próprio aumento da interdependência entre os atores. A conclusão é que o
fenômeno descrito passa a afetar a dinâmica da política mundial e o comportamento dos
Estados Nacionais em um processo cíclico, já que as ações dos governos influenciarão,
da mesma maneira, os padrões de interdependência. O principal resultado para os Esta-
dos-Nação é a perda relativa de sua autonomia (BARROS, 2009, p. 18).
O jargão “pensar globalmente, agir localmente” parece ganhar força adicional a partir
da pactuação internacional em torno dos Objetivos do Milênio – ODMs, definidos pela
ONU no ano de 2000, que, mesmo que de maneira não intencional, reforçaram a legi-
timidade da atuação internacional das cidades e governos locais de todo o mundo, ao
reconhecerem indiretamente sua importância e ao torná-los parte envolvida na solução
dos problemas globais.
É importante, então, refletir em como a extensão da influência das novas formas de
vinculação entre o doméstico e o internacional pode levar a novos tipos de atores e a no-
vas formas de institucionalidade para a vivência e atuação em um mundo globalizado ou
mesmo para uma resposta à globalização (PUNTIGLIANO, 2008).

93 Instituto de Relações Internacionais


c) Federalismo

O federalismo pode ser considerado outro fator que impulsiona as cidades para uma
atuação internacional. Ivo Duchacek (DUCHACEK, 1990) apresenta o federalismo como
sendo um sistema de governo plural e democrático no qual esferas de governo legislam
e administram os seus territórios sem que uma esteja à mercê da outra, em jurisdições
distintas, ainda que entrelaçadas. Ele chama a atenção para a importância de dois fatores
críticos: a autonomia dos entes federados, presente nessa forma de organização de um
Estado; e o respeito à jurisdição, apesar de que, no caso do federalismo, a esfera de go-
verno da União sempre abarcar a totalidade do Estado. No que diz respeito à autonomia
dos entes federados, é razoável também a afirmação de Kincaid (KINCAID, 1990) de que
há uma espécie de soberania dual em democracias federalistas, já que ao mesmo tempo
em que deveria haver coordenação entre as diferentes esferas de governo, esses gover-
nos supostamente coordenados também possuem poderes exclusivos e, em algumas
situações, concorrentes. Isto pode levar à reflexão acerca da ambiguidade do monopólio
dos governos centrais sobre as ações internacionais de um determinado país.
No caso brasileiro, o processo de descentralização administrativa designando novas
competências aos municípios, por um lado, e o processo de reconhecimento dos mesmos
como entes da Federação da República Brasileira, por outro, concedendo a eles elevado
grau de autonomia, abrem claramente a possibilidade de sua atuação internacional nos
limites da lei e no âmbito de sua competência. Para Cervera (CERVERA apud JIMÉNEZ,
2008), o município é um ator internacional, não por pertencer a uma determinada catego-
ria de grupos sociais, mas por dispor da capacidade de participar em relações que sejam
internacionalmente significativas. Por isso, são também essas novas competências e os
desafios de lidar com as mesmas a partir de uma agenda de políticas e serviços públicos
eficientes, com recursos escassos, que fomentam e legitimam a possibilidade de ação
internacional dos municípios brasileiros.
O federalismo, sistema em que a União, os estados e os municípios são esferas de
poder que se manifestam como forças concorrentes e que ao mesmo tempo configuram
partes do conjunto do Estado estabelecendo entre si relações causais e interdependentes
(JIMÉNEZ, 2008), pode ser definido como “um sistema político descentralizado, no qual
um governo geral é constituído por um grupo (dois ou mais governos) que, sob esse ar-
ranjo, reserva para si poderes substanciais” (ELAZAR, 1994, p. 7).
A complexidade do federalismo está na busca do equilíbrio. Equilíbrio de poderes,
de competências administrativas, de recursos e de níveis de autonomia. Em seu estudo
acerca do federalismo mexicano, Jiménez (JIMÉNIZ, 2008) observa que, apesar de haver
tendência de práticas de subordinação em toda estrutura política, qualquer tipo de prática
subordinativa é contrária ao princípio federalista.
Foi a Carta Constitucional de 1988 que estabeleceu as regras do regime democrático
federalista vigente atualmente no país. Além disso, a Constituição de 1988 apresenta im-
portante inovação em relação a outros sistemas republicanos federativos, já que a forma
federalista tornou-se cláusula pétrea, o que fez com que seja impossível que se apre-

94 Instituto de Relações Internacionais


sentem propostas de emendas tentando aboli-la (BRASIL, 2007). A partir de 1988, os
municípios passaram a fazer parte da federação e com isso ganharam autonomia política,
jurídica e administrativa em relação ao governo federal. Pouquíssimos países federais
são trinos. Na América Latina, apenas o Brasil. Saraiva (SARAIVA, 2004) refere-se a essa
incorporação como “relativa autonomia” das municipalidades.
A despeito da necessidade de se atentar para distorções e problemas que existem
na federação brasileira e no pacto federativo constituído, é importante ressaltar que os
municípios e estados brasileiros jogaram um papel fundamental no processo de redemo-
cratização do Brasil.
Entretanto, o Estado brasileiro ainda não aprecia a ideia de fragmentação da autorida-
de nas questões internacionais. Saraiva, ao defender uma mudança de paradigma no que
se refere ao tratamento do governo federal ao tema, é claro em sua análise:

A tese da iminência do descontrole interno e a hipótese das dificuldades que ema-


nariam da descentralização coordenada na formulação de políticas públicas com impacto
internacional são comuns na burocracia federal, particularmente do Itamaraty e do Banco
Central. A ideia da formulação pela coordenação da diversidade de interesses do federa-
lismo social, a envolver as unidades subnacionais, recebe ainda forte reação contrária do
poder central (SARAIVA, 2004, p. 136).

Saraiva já chamava a atenção para a importância da conexão existente entre federa-


lismo e relações internacionais, especialmente no que se refere à inserção dos governos
não centrais na cena internacional. Para ele, a atuação internacional dos governos locais
é um recurso estratégico, desde que se dê de forma cooperativa. Por isso, apresenta três
propostas de ação ao governo federal brasileiro: a) acompanhar e sistematizar as expe-
riências locais que demonstraram êxito; b) promover mais coordenação política; c) criar
estruturas adequadas tanto no Itamaraty como nas cidades e estados para qualificar a
atuação externa federativa, desenvolvendo também processos de formação contínua nas
três esferas de governo. Essas propostas, segundo ele, contribuiriam para a consolidação
do que Amado Luiz Cervo chamou de “Estado logístico”:
O Estado logístico, ao procurar expor a vontade de fortalecer o núcleo nacional da
ação externa do Brasil, passa a operar diretamente na transferência à sociedade da res-
ponsabilidade empreendedora, ajudando-a a atuar no ambiente externo. A busca por um
melhor modo de equilibrar os benefícios da interdependência por meio de uma inserção
madura no mundo globalizado é o elemento aglutinador das posições e opções.
O fato é que a Constituição Federal (CF) de 1988, em suas mais de 50 emendas, não
prevê a possibilidade de que estados federados, Distrito Federal e municípios desenvol-
vam relações internacionais. Todavia, a Constituição não é totalmente silenciosa sobre o
tema na ótica federativa. Contudo, mesmo sem previsão constitucional, a atuação inter-
nacional dos governos locais brasileiros vem se tornando cada vez mais comum e vem
sendo praticada sem necessariamente afrontar o Estado de direito. A inserção internacio-
nal dos entes federados está ocorrendo no âmbito das suas competências, definidas no

95 Instituto de Relações Internacionais


artigo 23 da CF (que inclui os temas saúde; patrimônio histórico, cultural e paisagístico;
cultura; educação e ciência; meio ambiente; habitação; e combate à pobreza).
É possível observar em democracias federalistas o desejo de racionalizarem proces-
sos políticos em uma escala nacional. No que se refere à inserção dos governos locais na
cena internacional, talvez seja prematuro falar em uma regulação ou coordenação nacio-
nal, já que elas são recentes, muito diversas, inovadoras (para o conceito de diplomacia
da escola tradicional) e muito dinâmicas (KINCAID, 1990). Apesar de Kincaid sugerir que
as cidades e governos regionais não desejam essa coordenação em função da sua ne-
cessidade e busca por autonomia, isso diverge do presente trabalho. Há, sim, aversão ao
controle e essa aversão está intimamente ligada ao valor da autonomia para os governos
não centrais. Porém, para ambos, governo central e local, é desejável que haja elevado
grau de coordenação e cooperação nas ações, para que se reforcem mutuamente e para
que sejam complementares, em alguns casos. Kincaid (KINCAID, 1990) revela a exis-
tência de alguns mecanismos de coordenação, como associações de secretários e/ou
autoridades locais, associações de profissionais e entidades de classe e agências inter-
governamentais. Mesmo assim, ele refere que a atuação dessas organizações é limitada,
já que possuem a capacidade de promover, em algum grau, certo nível de coordenação
setorial.
Já que a ação internacional dos governos não centrais toca a delicada questão da
soberania, Kincaid (KINCAID, 1990) sugere que o modelo apropriado de regulação neste
caso é o da soft law, já que ele envolve acordos voluntários e códigos de conduta de na-
tureza mais informal, ao contrário do modelo hard law, que é geralmente rígido e inapro-
priado para circunstâncias novas e emergentes.
A descentralização ocorrida em diversos âmbitos da administração pública brasileira
deve ser percebida como um instrumento que permite que as instituições da sociedade
civil organizada e o Estado possam articular-se, respeitando âmbitos de competência.
Com efeito, a sociedade moderna é plural, ativa e contestadora. Deve-se reconhecer a
pluralidade social como provedora de equilíbrio para diversos centros de poder e de deci-
são, o que pode levar a uma percepção do federalismo como alternativa democrática que
favoreça a pluralidade e a diversidade (JIMÉNEZ, 2008).
Portanto, por permitir o aumento da participação não apenas de autoridades munici-
pais e regionais, mas também dos cidadãos nos processos de formulação política nacio-
nal e, por isso, contribuir com a democratização do processo político nacional a partir da
inclusão de novos atores (KINCAID, 1990), o federalismo pode ser entendido como um
fator de legitimação e motivação para que os governos não centrais brasileiros promovam
e mantenham relações internacionais em suas respectivas competências, que, por sua
vez, têm o potencial de reforçar o próprio sistema federalista.

d) O processo de urbanização

A primeira cidade moderna a atingir a marca de um milhão de pessoas foi Pequim, no ano
de 1800. Mas foi apenas recentemente que o número de cidades com esse elevado nú-

96 Instituto de Relações Internacionais


mero de habitantes se expandiu rapidamente. Em 2015 estima-se que serão 521 cidades
a possuir população igual ou superior a um milhão de pessoas. Importante notar que 286
delas estarão na região da Ásia do Pacífico (JOHNSON, 2008).
Já o século XX foi tido como o século da urbanização (LERNER, 2003). Em 1950 havia
apenas duas cidades com população superior a 10 milhões de habitantes: Nova Iorque
e Tóquio. Em 1975, outras duas cidades entraram para esse grupo: Shangai e cidade do
México. E em 2004, numa clara demonstração da aceleração do processo de urbaniza-
ção em todo o mundo, o número de cidades, ou megacidades, como são conhecidas as
metrópoles com 10 milhões ou mais de pessoas, já eram 22 (JOHNSON, 2008).
Estudiosos da ONU referem-se ao novo milênio como o Milênio Urbano, já que desde
2008 a população que vive em cidades é maior do que a população rural, fato registrado
pela primeira vez na história da humanidade. Projeções revelam que no ano de 2050 um
percentual de 75% da população mundial viverá em áreas urbanas (UN-Habitat, 2007),
em sua maioria, localizadas nos países atualmente em desenvolvimento (LE SAUX; HI-
DOUCI, 2009). A América Latina já atingiu esse percentual, tendo mais de 400 milhões
de pessoas habitando suas cidades (JARQUE, 2003). Para Lerner (LERNER, 2003), será
principalmente nas cidades que se definirá a qualidade do ambiente global e das relações
humanas.
Conforme estudo apresentado pela UN-Habitat (2007), há três importantes tendên-
cias que caracterizam o processo de urbanização contemporâneo: a) metropolização ou
formação de cidades conurbadas; b) processo de migrações urbanas; c) pobreza e desi-
gualdade social urbana.
No que se refere ao processo de metropolização, há um claro desafio de governança,
já que as grandes metrópoles são conformadas por mais de uma cidade. Além disso, vale
realçar que as maiores cidades do mundo estão localizadas nos países em desenvolvi-
mento. Como este é um processo relativamente novo e intenso e como muitas vezes não
há instâncias institucionalizadas para tratar desta questão, cada vez mais haverá necessi-
dade de fortalecer as relações intermunicipais e de aperfeiçoar os mecanismos da gestão
metropolitana.
Desta forma, essas tendências certamente servem de alerta para governos no mundo
todo, em todos os níveis, local, regional e nacional, para a gravidade e amplitude da ques-
tão a ser enfrentada no que se refere à gestão urbana nas próximas décadas. As cidades
aparecem hoje, em consequência de inúmeras transformações que ocorreram ao longo
da história, como o lócus da economia, das relações sociais e da cultura. O processo de
urbanização tem se estruturado a partir de uma tríade composta de fragmentação, ho-
mogeneização e hierarquização do espaço, o que leva à formação de cidades cada vez
mais segregadas e segregadoras. Essa dinâmica é claramente observada nas grandes
cidades, principalmente nos países de desenvolvimento tardio e em desenvolvimento,
devido à concentração de atividades produtivas, ao grande contingente populacional e
ao crescimento acelerado e desordenado do tecido urbano, em termos de extensão e
densidade construtiva.
O fenômeno da urbanização, além de apresentar o desafio de provimento da infraes-

97 Instituto de Relações Internacionais


trutura física e o desafio técnico de enfrentamento dessas questões, traz também desa-
fios relacionados à governança e à gestão urbana integrada ou metropolitana, ou seja,
questões relacionadas aos direitos humanos básicos, ao direito à dignidade, ao direito à
cidade.
No que diz respeito à América Latina, o elevado grau de urbanização e a forma desor-
denada como ela ocorreu, somada ao processo de descentralização dos Estados que a
região experimentou a partir da década de 1980, permite registrar uma possível leitura: a
de que até bem pouco tempo as cidades não dispunham de legitimidade política suficien-
te, nem de capacidades legal, técnica ou financeira para regular e orientar o desenvolvi-
mento urbano (BORJA, 2003). No caso brasileiro, por exemplo, é possível afirmar que, ao
mesmo tempo em que houve um processo de urbanização acelerado, especialmente a
partir da década de 1950, ele não foi acompanhado de políticas urbanísticas de planeja-
mento efetivas. O resultado foi a configuração de um país com cidades que crescem em
níveis consideráveis, mas de forma desorganizada.
Considerando, então, que a demanda por esse tipo de serviço e bens no Brasil é não
apenas notável, mas de extrema relevância, resultado desse processo de urbanização
crescente ocorrido nas últimas décadas e realizada de forma desordenada (VAZ, 2009),
faz-se necessário estimular a construção de capacidades locais para lidar com essas
questões. Capacidades em termos de recursos humanos, mas também em termos de
recursos financeiros. Parece oportuno estabelecer uma estreita relação entre políticas
públicas e o reforço do papel dos governos locais como protagonistas do desenvolvimento
local.
A perspectiva de finalização do ciclo de desigualdades social e territorial tem sido atre-
lada cada vez mais à capacidade técnico-gerencial do poder público. Tomando os devidos
cuidados para se evitar o insulamento gerencial, armadilha na qual o gestor público, em-
bora capaz de identificar os problemas, é incapaz de priorizá-los (VAZ, 2009), e conside-
rando que o desafio urbano do século XXI não é suficientemente conhecido, a coopera-
ção internacional pode ser identificada como um importante e poderoso instrumento de
aperfeiçoamento constante das políticas públicas locais. E a captação de financiamentos
ou doações internacionais pode ser considerada uma importante alternativa para viabili-
zar a execução e implantação dessas políticas. A valorização da gestão pública local e a
necessidade do seu aperfeiçoamento contínuo, impostas pelo processo de urbanização
como ele tem ocorrido, podem, por isso, ser tidas como fatores de estímulo às relações
internacionais por parte de cidades e governos locais.

e) Democratização da política externa brasileira

Antes de uma rápida reflexão acerca do processo de democratização da política externa


brasileira (PEB) como um fator impulsionador das relações internacionais em nível local
e regional, deve-se propor uma referência conceitual para o que venha a ser política ex-
terna: “política externa é o conjunto de objetivos, estratégias e instrumentos selecionados
pelos formuladores de política que compõem o escopo do envolvimento e das ações

98 Instituto de Relações Internacionais


internacionais de uma organização” (McMILLAN, 2008, p. 237).
A compreensão das complexidades das políticas internacionais demanda crescente-
mente por uma consciência sobre a política doméstica e suas estruturas institucionais.
Pode-se observar, então, uma tendência global: governos não centrais agirem em sintonia
com interesses socioeconômicos locais, buscando tanto influência nas políticas externas
praticadas pelo governo central, como também operar na arena internacional defendendo
seus próprios interesses. Esse processo foi denominado por Hocking (1993) como locali-
zação da política externa.

Ele identifica dois fatores principais no que diz respeito à causa da localização da
política externa: a) a natureza dinâmica do ambiente no qual as políticas públicas são con-
duzidas; b) a capacidade crescente de diversos representantes de interesses e grupos de
pressão em usar a arena política local como um meio de atingir objetivos no nível interna-
cional, e vice-versa (HOCKING, 1993).

Para Hocking (HOCKING, 1993), há duas interpretações possíveis para o fenômeno


da localização da política externa: a) pode representar, para alguns, democratização alta-
mente desejável dos processos da política internacional, tradicionalmente reservados ao
poder executivo nacional; b) ou pode representar, para outros, perigosa degradação do
poder dos governos centrais, referente ao processo de condução de uma política externa
coerente.
Apesar de reconhecer que não é uma necessidade que governos locais participem de
forma internacionalmente ativa, o argumento defendido por Hocking (HOCKING, 1993)
é de que está clara e latente a necessidade que os formadores de política externa têm
atualmente de operar cada vez mais em um ambiente político multinível, integrando as
arenas local, nacional e internacional, já que o alcance de metas em um nível de atividade
política demanda a habilidade para operar em outros. Ou seja: o sucesso local depende
da habilidade global e, nas palavras de Hocking (HOCKING, 1993), “a diplomacia assu-
miu uma dimensão doméstica”.
No caso brasileiro, há amplo reconhecimento do caráter insulado do processo de pro-
dução da política externa, fortemente centralizado no Itamaraty. Há, contudo, indícios de
alterações importantes nesse padrão tradicional, a partir do início da década de 1990. Es-
ses indícios são acompanhados de pressões crescentes para que tal processo se torne
mais permeável às articulações, interesses e demandas de uma diversidade de outros
atores, tanto estatais como societários (FARIA, 2008). A crescente cobertura que a im-
prensa vem dedicando ao tema da política externa e a discussão da PEB nos debates
das campanhas presidenciais são exemplos do potencial dessas pressões. Apesar de ser
importante, a maior atenção da opinião pública por si não necessariamente implica alto
grau de democratização da PEB (FARIA apud LOPES, 2008).
Acredita-se que a inserção de municípios e estados federados na cena internacional e
a consequente criação de estruturas institucionais nos organogramas dos mesmos pos-
sam ser um instrumento interessante de democratização da política externa brasileira.

99 Instituto de Relações Internacionais


Talvez o argumento mais forte nesse sentido seja o fato de serem os governos locais,
democraticamente eleitos, a instância de poder mais próxima da população. Essa proxi-
midade pode contribuir para que o debate, assim como as ações internacionais, passe a
fazer parte do cotidiano da população, a partir de projetos de cooperação e da interação
com a imprensa, com a academia e com entidades representativas da sociedade civil.
O governo federal, também atento ao crescente movimento de participação de estados
e municípios brasileiros no sistema internacional, tomou algumas iniciativas que podem
ser interpretadas como, no mínimo, um reconhecimento da existência desse fenômeno.
É importante, então, pensar como a administração pública brasileira, especialmente na
esfera federal, confrontou as mudanças advindas do processo de globalização, especial-
mente após o término da Guerra Fria. Puntigliano, ao considerar que a globalização dimi-
nuiu distâncias e acentuou a interdependência, observou que, no caso da política externa
brasileira, o período pós-guerra Fria implicou a erosão do Estado-Centrismo por causa
do fortalecimento de novas formas de autoridade inter e transnacionais (PUNTIGLIANO,
2008, p. 28). Esse processo destaca a relevância da territorialidade e também a porosi-
dade das fronteiras, pretendendo demonstrar que o mundo contemporâneo é complexo e
multicêntrico e nele são criados novos processos, novas regras e novas estruturas.
Entretanto, antes de verificar algumas mudanças na estrutura organizacional do go-
verno federal, especialmente no Itamaraty, e particularmente relacionadas com a questão
da inserção internacional dos entes federados brasileiros, faz-se necessária breve carac-
terização da política externa brasileira, que será feita com base em Pinheiro (PINHEIRO,
2000).
Pinheiro identifica dois paradigmas diplomáticos para a política externa brasileira, colo-
cada em prática no século passado. O primeiro, a partir da gestão do Barão do Rio Branco
(1902-1912) até o início do governo do presidente Collor de Mello (1990), é marcado pela
oscilação entre o americanismo e o globalismo. O outro paradigma, difundido a partir dos
anos de 1990, quando se teria inaugurado um novo tempo na política e economia nacio-
nais, seria marcado pela abertura comercial.
Pinheiro (PINHEIRO, 2000) propõe uma divisão da história da PEB. Nessa divisão, as
fases do americanismo são: início do século XX até o final da década de 1950 e entre
1964 e 1974. E os anos da política externa independente, quando surge o globalismo
(1961–1964), que ressurge no governo Geisel (1974), cedendo lugar para novas articula-
ções a partir dos anos 1990.
É importante ressaltar a constatação de Pinheiro de que essa rápida análise da política
externa brasileira sugeriria a constância de uma concepção realista ao longo da história
(SILVA apud PINHEIRO, 2000). Essa constatação leva a uma importante observação para
os nossos propósitos de analisar a inserção internacional dos governos não centrais bra-
sileiros. Ela sugere que há alto grau de continuísmo na política externa brasileira, mesmo
com mudanças em algumas estratégias, tais como mais protagonismo em organizações
internacionais (OIs). Pode-se dizer que a característica de concepção essencialmente
realista da política externa brasileira contribui para tornar mais lento e difícil o processo de
incorporação de outros atores, inclusive as cidades, como passíveis de participar tanto da

100 Instituto de Relações Internacionais


formulação quanto da execução da política externa brasileira. Porém, Faria (FARIA, 2008)
identifica fatores de pressão pelo “desencapsulamento” da produção da PEB. Para ele, o
duplo processo, em curso desde o início da década de 1990, de mudança no modelo de
desenvolvimento e no padrão de inserção internacional do país é decisivo nesse sentido.
Além disso, Faria (FARIA, 2008) enfatiza a autonomia adquirida pelos estados e mu-
nicípios brasileiros com a Constituição de 1988, o que permitiu que os governos não
centrais brasileiros passassem a defender com mais veemência os seus interesses par-
ticulares também no que se refere às relações internacionais. Ele acrescenta ainda dois
fatores adicionais relevantes para o processo de “oxigenação” da PEB: a) a chamada
“diplomacia presidencial”; b) o chamado “institucionalismo da semiperiferia” (FARIA apud
FARIA 2008), capitaneado pelo Brasil no âmbito sul- americano (FARIA, 2008, p. 86).
Pode-se dizer que ambos geram grande reverberação doméstica.
Como um dos reflexos desse processo lento e gradual de “desencapsulamento”, pode-
-se observar que, gradativamente, a estrutura organizacional do Ministério das Relações
Exteriores (MRE) vem se transformando, talvez como reconhecimento do fato de que há
transformação da realidade, perda da condição hegemônica do paradigma realista de
base hobbesiana, embora o mesmo não possa e não deva ser invalidado completamente.
Apesar dos estudos sobre globalização e sobre reformas de Estado, pouco foi pesqui-
sado no que se refere à relação entre os dois. A estrutura do Itamaraty passou por várias
mudanças ao longo dos anos. Particularmente no que se refere a adaptações organiza-
cionais do governo federal em relação à ação internacional dos municípios e estados bra-
sileiros, pode-se observar que o MRE criou, em 1997, a Assessoria de Relações Federati-
vas (ARF). Além dos entes federados brasileiros, a ARF cuidava também das relações do
Itamaraty com organizações da sociedade civil. Em julho de 2003, a ARF foi transformada
em Assessoria Especial de Assuntos Federativos e Parlamentares (AFEPA), órgão em
funcionamento até os dias atuais. Além disso, o MRE também promoveu a abertura de es-
critórios regionais de representação do Itamaraty em oito estados da federação e mudou
a sua posição tradicional de autoisolamento (CARDOSO apud PUNTIGLIANO, 2008),
honrando um mote usado nos anos de 1970, que dizia: “a melhor tradição do Itamaraty é
saber renovar-se” (BARROS, 1989).
A descentralização do MRE é positiva no sentido em que pode proporcionar incen-
tivos para intensificar e consolidar a democratização do debate sobre política externa e
relações internacionais no Brasil, geralmente restrito a alguns setores da academia e ao
governo federal (PEREIRA, 2004). Para Hirst e Pinheiro (HIRST; PINHEIRO, 1995), foi
na transição entre o governo Fernando Collor de Melo e Itamar Franco que se rompeu
com a noção anteriormente consagrada de que a continuidade e o consenso constituí-
am aspectos invioláveis da política internacional do país. Esse rompimento é importante,
porque permitiu um “desencapsulamento” da política externa brasileira e ampliou as suas
condições de transparência e accountability. A agenda externa passava a não ser mais
apenas o resultado da vontade do Estado, mas incorporava também questões suscitadas
pela sociedade civil. Um exemplo disso foi o processo de preparação da Eco-92, quando o
relacionamento do Itamaraty com as organizações não governamentais (ONGs) revelou-

101 Instituto de Relações Internacionais


-se positivo. Mas não foi apenas no âmbito do Itamaraty que foram criadas instâncias
de relação com os entes federados. A instalação da Subchefia de Assuntos Federativos
(SAF) na estrutura da Secretaria de Relações Institucionais da Presidência da República,
em 2003, é tida como um avanço na forma e na qualidade do tratamento do governo
federal aos entes da federação. E a criação de uma assessoria internacional na SAF é
mais um sinal de reconhecimento por parte do governo brasileiro de que há uma gradual
elevação de status quo dos governos não centrais no processo de gestação das relações
internacionais do mundo contemporâneo (SARAIVA, 2004).
A democratização e a politização da PEB, ainda em processo, e ao que parece irrever-
sível (FARIA, 2008, p. 89), sinalizam o fato, talvez óbvio, de que política externa e opinião
pública têm o potencial de se afetarem mutuamente. Conforme o entendimento de Warren
(WARREN apud LOPES, 2008), para a manutenção do caráter democrático da gestão de
uma política pública é preciso tornar disponível para todo cidadão interessado as informa-
ções relativas ao processo decisório. Só assim, respeitada a condição de transparência
na gestão e providos os canais para o controle democrático (accountability), será possível
falar em democratização da política externa.
O envolvimento dos entes federados nos processos de formulação e mesmo de exe-
cução da PEB pode ser encarado como um fator que possivelmente potencializaria não
apenas o envolvimento da opinião pública em questões internacionais, mas também a
defesa dos interesses da sociedade, já que os prefeitos e governadores eleitos democra-
ticamente pelo voto possuem legitimidade para tanto.

2. Histórico das Relações Internacionais na Prefeitura de BH

Na introdução deste artigo procurou-se estabelecer uma conexão entre desenvolvimento e rela-
ções internacionais em nível local, destacando-se a importância das políticas públicas em qual-
quer processo de transformação de um determinado território e das relações sociais que ali ocor-
rem. Procurou-se enfatizar, em uma análise mais ampla, alguns dos principais conceitos sobre a
atividade internacional de governos não centrais e, também, as principais motivações e determi-
nantes para que um governo local venha a ter uma área institucional em sua estrutura de governo
dedicada às relações internacionais.
Nesta parte do artigo será apresentado a legislação da cidade de Belo Horizonte, es-
pecialmente no que se refere à criação de estruturas dedicadas à atividade internacional no
âmbito do poder executivo municipal. A perspectiva é expor, de modo sucinto e cronológico,
as leis que lançaram as bases para a criação da Secretaria Municipal Adjunta de Relações In-
ternacionais (SMARI) da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH). Julgamos importante incluir esta
cronologia pois permite visualizar, ainda que de forma abrangente, em que medida o trabalho
de internacionalização do município é intensificado a partir da criação da SMARI, e em que
medida as ações anteriores influenciaram na estruturação e mesmo na definição da agenda da
Secretaria.
A revisão será feita através de um resgate das leis que lançaram as bases para a criação
da SMARI. Parece importante também considerar os aspectos políticos e conjunturais ao desen-

102 Instituto de Relações Internacionais


volver a análise, já que é fato que na maior parte das vezes eles se sobrepõem ao aspecto emi-
nentemente técnico. A partir desse resgate, pode-se apresentar um olhar sobre como a pauta das
relações internacionais entra na agenda da PBH e quais estruturas foram criadas e designadas
para tratar da mesma, desde 1993 até a criação da SMARI.

LEGISLAÇÃO DESCRITIVO
1º de agosto de 1995 Lei nº 6.918, que cria a Secretaria Municipal de Assuntos Extraordinários, que
tem como principal objetivo o acompanhamento dos programas de intercâmbio
e cooperação desenvolvidos ou relacionados à Administração Municipal.
17 de janeiro de 1997 Portaria nº 3.505, que estabelece os projetos referentes à internacionalização
de Belo Horizonte que passam a ser atribuição da SMIC – Secretaria Munici-
pal de Indústria e Comércio (SMIC).
Dezembro de 2000 Lei nº 8.146, que regulamenta as atividades de relações internacionais que
passam a ser vinculada à recém-instituída Secretaria Municipal de Governo,
Planejamento e Coordenação Geral, tendo em vista a extinção da Secretaria
Municipal de Indústria e Comércio – SMIC.
21 de novembro de Decreto nº 10.877, que cria a Gerência de Relações Internacionais (GRIN),
2001 vinculada à Secretaria Municipal de Governo, Planejamento e Coordenação
Geral, que passa a gerir os projetos de internacionalização da cidade de Belo
Horizonte no âmbito da Administração Municipal.
14 de Agosto de 2002 Portaria nº 4.025, que cria o do Grupo Técnico para coordenar as ações
de internacionalização da Prefeitura de Belo Horizonte (GT). Este grupo de
trabalho é composto pelas seguintes áreas: Secretaria Municipal de Governo,
Planejamento e Coordenação Geral; Secretaria Municipal de Modernização
Administrativa e Informação; Secretaria Municipal da Coordenação de Política
Urbana e Ambiental; Secretaria Municipal da Coordenação da Política Social;
Secretaria Municipal da Coordenação de Finanças; Assessoria de Comunica-
ção Social; e Belotur.
03 de outubro de Decreto nº 11.456, que estabelece que a Gerência de Relações Internacionais-
2003 GRIN, inicialmente vinculada à Secretaria Municipal de Governo, Planejamen-
to e Coordenação Geral, com uma reforma da Administração Municipal passa-
rá a ser subordinada à Secretaria Municipal da Coordenação de Planejamento,
Orçamento e Informação.
1º de janeiro de 2005 Lei nº. 9.011, que cria a Secretaria Municipal Adjunta de Relações Internacio-
nais – SMARI (denominação atual) estabelecendo-a como um órgão subordi-
nado à Secretaria Municipal de Governo – SMGO.
14 de janeiro de 2011 Lei nº 10.101, define nova configuração organizacional da Prefeitura de Belo
Horizonte e determina que a Secretaria Municipal Adjunta de Relações Inter-
nacionais - SMARI passa a ser subordinada à Secretaria Municipal de Desen-
volvimento.

103 Instituto de Relações Internacionais


2.1 Marco Jurídico – ANEXO I

As regulações jurídicas que embasaram a criação e as transformações das ações e ativi-


dades relativas à Relações Internacionais no cômpito da Administração Pública Municipal de Belo
Horizonte e que foram apresentadas sucintamente no item 2 deste artigo encontram-se, em sua
integralidade, anexas a este texto.

2.2 Estrutura atual da SMARI

Para esta quarta parte será apresentada a estrutura funcional da Secretaria Municipal Ad-
junta de Relações Internacionais em termos de sua equipe técnica no que tange às característi-
cas profissionais e de formação acadêmica.
Apresentar a estrutura desta Secretaria é importante para que se possa ter uma ideia sólida
da qualidade do ambiente organizacional vivenciada pelos membros da equipe e que permite
visualizar as interações entre estrutura física e corpo técnico.

2.3 Perfil do Secretário Municipal Adjunto de Relações Internacionais – Rodrigo de


Oliveira Perpétuo

Rodrigo de Oliveira Perpétuo é Mestre em Relações Internacionais pela Pontifícia Universi-


dade Católica de Minas Gerais – Julho/2010; Especialista em Cooperação Descentralizada pela
Universidade Aberta da Catalunha – Agosto/2006; Especialista em Administração pela Fundação
Dom Cabral – Dezembro/2007; e Graduado em Economia pela Universidade Federal de Minas
Gerais, sendo proficiente em Inglês e Espanhol.
É Secretário Municipal Adjunto de Relações Internacionais da Prefeitura de Belo Hori-
zonte desde 2005, quando este órgão estava vinculado à Secretaria Municipal de Governo.
Ao longo de sua atuação frente à SMARI participou ativamente de reuniões, comitês e demais
atividades concernentes às diretrizes definidas para esta Secretaria. Dentre estes pode-se
destacar:

• Coordenador do FONARI - Fórum Nacional de Secretários e Gestores Municipais de


Relações Internacionais no biênio 2011/2013;
• Coordenador da Rede Brasileira da Associação Internacional de Cidades Educadoras
de 2005 a 2011;
• Coordenador da Secretaria Executiva da Rede Mercocidades no biênio 2010/2011;
• Coordenador do Congresso Mundial do ICLEI 2012;
• Visitante Internacional do Programa de Jovens Lideranças da Sociedade Civil – Secre-
taria de Estado dos Estados Unidos – Setembro de 2009;
• Visitante Internacional do Programa de Lideranças Brasileiras – Embaixada da Espanha
no Brasil – Abril de 2011.

104 Instituto de Relações Internacionais


2.3.1 Perfil dos demais integrantes da Equipe SMARI (em julho de 2013)

Setor Responsável Perfil


Professora - Português-Inglês;
Graduada em Letras (UFMG) – Português/Inglês;
Maria Ângela Bomfim
Apoio ao Gabinete Especialista em Língua Inglesa na área de Ensino
Ribeiro
(UFMG); Especialista em Língua Inglesa para pro-
fessores (Oxford, Inglaterra).
Analista de Políticas Públicas;
Ananias José Graduado em Comunicação Social com Habilitação
em Jornalismo.
Analista de Políticas Públicas;
Graduada em Comunicação Social com Habilitação
em Publicidade e Propaganda pelo Centro Univer-
Assessoria de sitário de Belo Horizonte (UNI-BH), Pós-graduada
Comunicação em Gestão e Políticas Culturais pela Faculdade de
Janine Avelar
e Marketing Ciências Econômicas da Universidade de Bar-
Internacional celona, Espanha; e Mestre em Desenho Urbano:
Arte, Cidade e Sociedade (com ênfase em arte
no espaço público) pela Faculdade de Bela Artes
Universidade de Barcelona, Espanha.
Assessora;
Assessoria
Analista de Relações Internacionais pela PUC-MG;
de Atração de
Stephania Aleixo de Especialista em Cooperação Descentralizada AL
Investimentos
Paula e Silva & EU (Universidade Aberta da Catalunha); Pós-
e Cooperação
-graduada em Gestão Empresarial com ênfase em
Internacional
Gestão de Projetos (Fundação Dom Cabral).
Educadora Social;
Bacharel em Ciências Sociais pela UFMG; Es-
pecialista em Gestão do Patrimônio Cultural pela
Gestão Sandra Martins
PUC-Minas; Mestre em Antropologia pela UFMG;
Administrativa Farias
e Doutora em Integração na América Latina pela
USP.

Luiza Ferreira dos Assistente Administrativo;


Santos Bacharel em Direito

3. Programas e Projetos desenvolvidos

Nas próximas linhas serão apresentadas com detalhe as propostas de trabalho de cada um dos
setores que compreendem a Secretaria de Relações Internacionais, em termos de seus objetivos
e principais projetos desenvolvidos. Desse modo, poder-se-á ter uma melhor visão da proposta de
trabalho da SMARI e de sua finalidade última.

105 Instituto de Relações Internacionais


3.1 Assessoria de Atração de Investimentos e Cooperação Internacional

Esta assessoria atua em duas principais frentes de trabalho: atração de investimentos es-
trangeiros e promoção comercial internacional. A primeira inscreve-se na busca por parceiros
internacionais que possam, a partir de contatos e da apresentação do potencial econômico da
cidade de Belo Horizonte, se tornar parceiro no âmbito de novos acordos comerciais e/ou investi-
mento em projetos já existentes na cidade. Dentre os principais objetivos pode-se citar:

• Promover negócios entre as empresas locais e as internacionais;


• Posicionar o município como destino atraente para receber investimentos estrangeiros;
• Articular e organizar encontros empresariais em parceria com as áreas de promoção eco-
nômica de consulados e embaixadas;
• Contribuir para a elaboração e atualização de material promocional de Atração de Investi-
mentos de Belo Horizonte trilíngue;
• Responder às demandas de empresas estrangeiras interessadas em se instalar ou ampliar
as suas atividades em Belo Horizonte;
• Apoiar e participar de missões comerciais organizadas pelas câmaras de comércio do mu-
nicípio;
• Contribuir para a realização de eventos internacionais com importância econômica para a
cidade.

Dentre os projetos desta primeira frente de trabalho pode-se destacar como o principal:
GOAL BELO! - Projeto de Atração de Investimentos nos âmbitos das Copas das Confederações
FIFA 2013 e do Mundo FIFA 2014.
Uma segunda frente de trabalho da Assessoria insere-se no campo da Cooperação Inter-
nacional para o Desenvolvimento, cujo foco encontra-se no fomento às ações que promovam a
cooperação entre países, podendo ser viabilizado por meio da participação em redes de coopera-
ção internacionais voltadas para o desenvolvimento local/regional, pela troca de experiências em
termos de “melhores práticas” e no estímulo a iniciativas de cooperação direcionadas ao Capacity
building. Dentre os principais objetivos destacam-se:

• Formular, implementar e coordenar projetos e/ou iniciativas de cooperação internacional


que visem a capacitação dos servidores públicos (Capacity building) e o desenvolvimento
sustentável de políticas e serviços públicos;
• Contribuir para a implementação de projetos e/ou iniciativas de cooperação internacional
que promovam o desenvolvimento sustentável;
• Inserir estrategicamente a Prefeitura de Belo Horizonte em plataformas internacionais que
possibilitem no contato com outros grandes centros urbanos a projeção internacional do
município, a troca de informações, a aprendizagem mútua, a capacitação e a captação de
eventos internacionais;
• Fomentar e coordenar as relações e parcerias internacionais estratégicas com cidades es-
trangeiras, organizações internacionais e Organismo de Fomento Internacional.

106 Instituto de Relações Internacionais


Nesta segunda frente de trabalho as principais ações estão concentradas na participação
de redes de cooperação estratégicas e são viabilizadas pela formalização de Termos de Coope-
ração ou pela inclusão formal em redes de trabalho voltadas para a cooperação.

As principais parcerias cidade-cidade

Parceria estratégica BH & Medellín


Medellín (Colômbia) é a capital industrial e comercial, centro da moda e a segunda cidade mais
importante da Colômbia. A cidade é também referência em políticas públicas na América Latina,
sendo reconhecida por várias organizações internacionais, tais como o BID e o UN-Habitat. Todas
estas características transformam a cidade em um excelente parceiro para troca de experiências.
O objetivo da parceria é ampliar e aprofundar as relações bilaterais nas seguintes áreas: pla-
nejamento urbano, reabilitação de assentamentos precários, relações internacionais, educação
e desenvolvimento econômico, além de promover o intercâmbio de boas práticas, em áreas de
interesse.

Parceria estratégica BH & Lille


Em 2004, a cidade de Lille na França se tornou a capital europeia de cultura. Desde então, a
cidade tem criado diversos programas culturais, com atividades e eventos que transformam todo
o lugar em um palco de drama, arte, teatro, cinema e exibições musicais. Além disso, a cidade
tem se comprometido cada vem mais com o desenvolvimento sustentável, inovando o conceito
de moradia sustentável.
Buscando a parceria entre as duas cidades, foi assinado, em 2011, um protocolo de intenções
entre a Prefeitura de Belo Horizonte e a Comunidade Urbana de Lille Metrópole, a fim de contribuir
para a promoção da inserção internacional e fortalecer a participação em âmbitos de negociação
multilateral de ambos os municípios, além de desenvolver as políticas públicas locais por meio do
intercâmbio de experiências. Aproveitando as experiências já desenvolvidas por Lille, definiu-se
que a pauta de cooperação entre as cidades contemplará intercâmbio de iniciativas de promoção
da sustentabilidade, cultura e desenvolvimento.

Parceria estratégica BH & Maputo


A partir de um projeto de cooperação conduzido pelas Cidades e Governos Locais Unidos (CGLU),
que buscava beneficiar a cooperação entre cidades brasileiras e moçambicanas, foi criada a par-
ceria estratégica entre Belo Horizonte e Maputo.
As experiências adquiridas pela Prefeitura de Belo Horizonte nas áreas de desenvolvimento eco-
nômico – no contexto dos mercados informais –, trânsito e mobilidade – serviriam de base para a
criação de alternativas viáveis aos desafios locais enfrentados na capital e maior cidade de Mo-
çambique. Dentro desta lógica, foram apresentados projetos desenvolvidos pela PBH, como o BH
Negócios, durante a viagem realizada a Maputo. Até o ano de 2012 foram realizados, no âmbito
desta cooperação, dois projetos de captação de recursos. As áreas visadas na parceria entre estas
cidades incluem a intervenção em áreas de assentamentos precários e também aspectos culturais.

107 Instituto de Relações Internacionais


As participações em Redes e Associações Internacionais de Cidades

Fórum Nacional de Secretários e Gestores Municipais de Relações Internacionais – FONARI


Formalizado em 2009, o Fórum Nacional de Secretários e Gestores Municipais de Relações Inter-
nacionais, FONARI, objetiva representar os interesses dos municípios brasileiros quanto às suas
articulações internacionais.
O Fórum nasce como uma associação civil, sem fins lucrativos, constituída por secretários, as-
sessores e coordenadores de Relações Internacionais dos municípios brasileiros. Suas ativida-
des se concentram na intensificação e na qualificação do debate e das ações, que contribuam
para a internacionalização de unidades subestatais, mais especificamente para as unidades do
nível municipal, e em consonância com a política externa do Governo Brasileiro.
Hoje o FONARI conta com 25 cidades e municípios membros e 4 estados observadores. A estru-
tura está dividida em uma Assembleia Geral, em um Conselho Executivo – formado por Rio de
Janeiro, Rio Branco, Guarulhos e Porto Alegre –, uma Subcoordenação – cargo ocupado por São
Paulo – e a Coordenação, a cargo da Prefeitura de Belo Horizonte, representada pelo Secretário
Municipal Adjunto de Relações Internacionais, Senhor Rodrigo Perpétuo, até 2013.
Em seu histórico, o FONARI já participou de reuniões importantes e relevantes como o 4º Diálogo
Federativo, realizado em Junho de 2012, onde o fórum auxiliou a Agência Brasileira de Coopera-
ção (ABC) na criação de editais para processo de internacionalização das cidades. Esteve pre-
sente, também em 2012, no 39º Conselho da rede MERCOCIDADES e na 17ª Cúpula da mesma
rede, discutindo o papel das cidades no âmbito internacional e divulgando o FONARI a outras
redes de cidades.
A fim de dar continuidade ao debate de cooperação descentralizada e multinível com o Governo
Federal, o fórum contou com representantes na II Reunião de Cooperação Internacional Fede-
rativa, em setembro de 2012. Neste ano de 2013, o principal encontro dos membros do FONARI
ocorrerá em dezembro em Belo Horizonte, onde serão realizados o Fórum e a Assembleia do
FONARI, a fim de desenhar a estratégia do FONARI para os próximos anos.

Centro Ibero Americano de Desenvolvimento Estratégico Urbano – CIDEU


Tem como principal missão promover a maneira estratégica de pensar sobre os processos de
elaboração e gestão de projetos urbanos, visando alcançar o desenvolvimento sustentável das
cidades latino-americanas através do planejamento estratégico.
O CIDEU possui atualmente 132 membros de 21 países iberoamericanos. Houve uma intensifi-
cação das relações da PBH e esta rede quando a cidade recebeu o XVIII Congresso do CIDEU
em julho de 2010, e foi ainda mais ampliada quando a Prefeitura presidiu a instituição no período
entre agosto/2010 e abril/2011.

Governos Locais Pela Sustentabilidade – ICLEI


É uma associação democrática internacional de governos locais dedicados a prevenir e remediar
problemas ambientais locais, regionais ou globais. Foi lançada em 1990, na sede das Nações
Unidas em Nova Iorque.
Esta rede está vinculada a 12 megacidades, 100 supercidades e regiões urbanas, além de 450

108 Instituto de Relações Internacionais


cidades grandes, bem como 450 pequenas e médias cidades e municípios em 84 países.
A PBH filiou-se ao ICLEI em 1993 e sediou em 2012 a maior edição do Congresso Mundial do
ICLEI já realizada. Este evento, além de ter marcado a preparação de inúmeros prefeitos para a
Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável – a Rio+20 –, contou com a
presença de 1664 participantes (911 representantes de governos locais; 176 pesquisadores; 94
representantes de empresas; 71 organizações locais; 89 oficiais de governos eleitos – incluindo
prefeitos, vice-prefeitos, governadores, comissários e conselheiros; 259 palestrantes, facilitadores
e conferencistas). Durante a Conferência Rio+20, o prefeito Marcio Lacerda participou das dis-
cussões do Global Town Hall (arena organizada pelo ICLEI para debates, apresentações, diálogo
e debates sobre o futuro urbano sustentável), junto ao Secretário das Nações Unidas, Sr. Ban
Ki-Moon.

MERCOCIDADES e Fórum de Cidades e Regiões do MERCOSUL


Descrição: é uma rede de cooperação horizontal que busca fortalecer o papel que exercem os mu-
nicípios no MERCOSUL, de forma a garantir o processo de integração exigido pela globalização.
Desta rede participam 272 cidades, dos seguintes países: Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai,
Venezuela, Chile, Bolívia, Colômbia e Peru. A Prefeitura Municipal de Belo Horizonte iniciou sua
relação com a Rede Mercocidades a partir de sua adesão em 1996 e sua participação foi amplia-
da quando a cidade assumiu a Secretaria Executiva nos anos 1999/2000 e 2010/2011. O início
desta última se deu com a realização em Belo Horizonte da XV Cúpula da Mercocidades em
dezembro de 2010.

Cidades e Governos Locais Unidos – CGLU


É a maior organização de governos locais e regionais no mundo e tem a missão de ser voz e de-
fensora global dos governos locais democráticos, promovendo seus valores, objetivos e interes-
ses através da cooperação entre governos locais no âmbito da ampla comunidade internacional.
Presente em 140 países de todos os continentes, os membros da CGLU representam mais da
metade da população mundial, já que a rede está presente em 131 dos 192 estados membros
da ONU em 07 regiões do mundo. Mais de 1.000 cidades de 95 países são membros diretos da
CGLU. A Prefeitura de Belo Horizonte aderiu à CGLU em 2005 e, atualmente, beneficia-se do
projeto Rota de Maputo para a Cooperação Sul-Sul para Governos Locais.

Associação Mundial das Grandes Metrópoles – METRÓPOLIS


Reconhecida como uma das maiores representantes das regiões e áreas metropolitanas no âm-
bito mundial, sua missão é promover o desenvolvimento sustentável destas e, assim, melhorar a
qualidade de vida de seus cidadãos. Para atingir esse objetivo, a METROPOLIS atua como um
foro internacional para explorar questões e inquietudes comuns a todas as grandes cidades.
A Rede METRÓPOLIS está presente em aproximadamente 100 das maiores cidades do mundo
(cidades e regiões metropolitanas com mais de 01 milhão de habitantes). A Prefeitura Municipal
de Belo Horizonte aderiu à METRÓPOLIS em 1999 e atualmente participa ativamente das ativi-
dades das relacionadas às seguintes iniciativas: Governança Urbana Integrada e Iniciativa ME-
TRÓPOLIS sobre Mudanças Climáticas.

109 Instituto de Relações Internacionais


Associação Internacional de Cidades Educadoras – AICE
O objetivo comum dos membros da AICE é o de trabalhar em conjunto em projetos e atividades a
fim de melhorar a qualidade de vida dos habitantes, por meio de sua participação ativa no uso e
desenvolvimento da própria cidade e de acordo com a carta aprovada das Cidades Educadoras.
A Associação Internacional de Cidades Educadoras possui 453 cidades membros em 37 países.
A PBH aderiu à AICE em 2000 e atualmente é a coordenadora da Rede Territorial Brasileira.

Fundo Mundial para o Desenvolvimento das Cidades – FMDV


Criada em outubro de 2010, a FMDV é uma organização política internacional que tem como obje-
tivo reforçar a solidariedade e capacidade financeira entre as autoridades locais e é uma instância
complementar às redes existentes de coordenação, mobilização e advocacia.
O FMDV conta atualmente com 36 membros. A Prefeitura de Belo Horizonte é membro fundador
e vem, ao longo dos anos, acompanhando as atividades desenvolvidas no âmbito de suas atri-
buições.

Projetos / Programas / Alianças

Projeto AL-LAs - Aliança de Autoridades Locais Latino Americanas para Internacionalização e


Cooperação Descentralizada
O projeto “Aliança de Autoridades Locais Latino Americanas para a Internacionalização e Coope-
ração Descentralizada” foi proposto, junto a União Europeia, pelo Governo da Cidade do México.
Seu objetivo é fortalecer a ação coletiva das autoridades da América Latina, suas redes e asso-
ciações para melhorar a qualidade das políticas públicas dos entes envolvidos e seu desenvol-
vimento territorial. Para isso, o projeto conta com a participação de diversas cidades, tais como:
Cidade do México, Lima (Peru), Quito (Equador), Medellín (Colômbia), Montevidéu (Uruguai),
Morón (Argentina); além de contar com a participação de outras instituições, a saber: o Fundo
Andaluz de Municípios para a Solidariedade Internacional (FAMSI), da Espanha, e as Cidades
Unidas da França.
Durante a execução do projeto, Belo Horizonte ficou responsável pela formatação e realização
de uma oficina prevista para realizar-se em dezembro de 2013 e pela elaboração de um caderno
focando no tema Sustentabilidade.

BH & Haiti: Um Belo Horizonte para o Haiti


O programa “Contagem, Betim e BH: um Belo Horizonte para o Haiti”, é uma iniciativa inscrita no
escopo voltado para a “Formação de Jovens Lideranças Haitianas”. Ele foi criado e formalizado
no ano de 2010, por meio da parceria entre as Prefeituras de Belo Horizonte, Betim, Contagem e
o Centro Universitário Izabela Hendrix. O programa tem como objetivo oferecer aos alunos haitia-
nos que vieram estudar no Brasil, bolsistas do Centro Universitário Izabela Hendrix, uma ampla
formação em liderança, governabilidade, gestão, políticas públicas e tecnologia da informação,
para que, ao retornarem ao seu país de origem, possam aplicar os conhecimentos aqui adquiri-
dos (enquanto multiplicadores), em prol da reconstrução do Haiti.

110 Instituto de Relações Internacionais


Improve your English
O programa surgiu da parceria com a Embaixada dos Estados Unidos, o Instituto Cultural Brasil
Estados Unidos (ICBEU) e a Secretaria Municipal de Educação de Belo Horizonte, para promover
o ensino da língua inglesa, por meio da capacitação de professores e alunos da Rede Municipal
de Ensino (RME).
Iniciado em 2011 com a capacitação dos professores de inglês da RME, o programa Improve Your
English evoluiu para a capacitação direta dos alunos da Rede a partir da inserção no programa da
Embaixada dos EUA intitulado Access. No ano passado foram 30 alunos da RME certificados no nível
Upper Intermediate e 6 alunos foram selecionados pela Embaixada dos Estados Unidos para parti-
cipação no Programa de Imersão Access, que reúne alunos deste Programa em todo o Brasil. Esta
participação no programa de Imersão Access ocorreu em janeiro de 2013 na cidade do Rio de Janeiro.

Belo Horizonte Cidade Sustentável


O Projeto BH Cidade Sustentável é um dos resultados do Congresso Mundial ICLEI 2012, e teve
inspiração no Projeto Rio Cidade Sustentável. Sua proposta é implementar soluções replicáveis
de infraestrutura urbana e social que promovam o desenvolvimento sustentável. Para isso, reúne
um grupo diversificado de empresas, em colaboração com o poder público e instituições civis para
intervir em uma área urbana, dentro dos padrões sustentáveis, buscando promover o desenvolvi-
mento local e a inserção desta comunidade no contexto urbano da cidade. Este projeto é viabili-
zado por meio do Convênio com o Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sus-
tentável (CEBDS), assinado durante a realização do evento Rio+20, promovido no ano de 2012.

URBAN LEADS
Em 2012, Belo Horizonte foi eleita cidade satélite do projeto “Promovendo Estratégias de Desen-
volvimento Urbano de Baixo Carbono em Países Emergentes” (Urban LEDS), originário do ICLEI
em parceria com a ONU-Habitat e financiado pela Comissão Europeia, que terá início em 2013.
Além disso, o projeto prevê a colaboração com iniciativas sinérgicas do BID e, dessa forma, com
outras cidades brasileiras. Com a realização desta iniciativa são esperados os seguintes resul-
tados: adoção de modelo de desenvolvimento de baixo carbono; definição de plano de ação de
desenvolvimento de baixo carbono; elaboração de inventários de Gases de Efeito Estufa (GEE);
implantação de projetos de mitigação de GEE.

Água Brasil
Três das mais importantes instituições brasileiras se uniram ao WWF-Brasil para implantar um
programa de desenvolvimento sustentável no campo e na cidade, o Programa Água Brasil. Con-
cebido pelo Banco do Brasil, o programa é desenvolvido em parceria com a Fundação Banco do
Brasil, a Agência Nacional de Águas e o WWF-Brasil. O programa tem duração prevista de cinco
anos (até 2015) e envolve reciclagem de resíduos sólidos, coleta seletiva, consumo responsável,
boas práticas agrícolas, restauração florestal e finanças sustentáveis. A prefeitura de Belo Hori-
zonte passou a integrar o Programa Água Brasil com o intuito de disseminar o conceito e a prática
do consumo responsável e estimular a mudança de comportamento e de valores em relação à
produção e ao destino de resíduos sólidos.

111 Instituto de Relações Internacionais


3.2 Assessoria de Marketing e Projeção Internacional de Belo Horizonte

A Secretaria Municipal Adjunta de Relações Internacionais, buscando atingir uma das


suas principais diretrizes: tornar Belo Horizonte uma cidade internacionalmente conhecida e re-
conhecida por suas boas práticas, criou a Assessoria de Marketing e Projeção Internacional de
Belo Horizonte.
Essa assessoria, tendo em vista o momento especial que a capital mineira vive e as pos-
sibilidades de sua inserção no mercado internacional, por meio do incremento das ações de atra-
ção de investimentos internacionais, pelas parcerias que vem sendo realizadas com cidades e
redes de cooperação (locais e regionais), bem como por estimular a atração de turistas à cidade,
viu a necessidade de ampliar os projetos de divulgação internacional da cidade. Para tanto, inves-
tiu em projetos e ações que apresentassem a cidade como local de grande potencial turístico e
de negócios, de modo a cumprir os seguintes objetivos:

• Qualificar a projeção e divulgação internacional do município;


• Atrair e reter talentos nacionais e internacionais para a capital mineira;
• Sensibilizar gestores e técnicos da PBH quanto a importância das ações de marketing in-
ternacional do município;
• Agregar valor ao processo de viagens internacionais realizadas pelos servidores e funcio-
nários da Prefeitura de BH;
• Contribuir para qualificação do corpo de servidores e funcionários;
• Promover o intercâmbio de boas práticas públicas
• Promover e intensificar o intercâmbio de experiências culturais e acadêmicas de modo a
ampliar as perspectivas de internacionalização de BH;
• Contribuir para tornar BH uma metrópole de projeção internacional por meio da divulgação
de suas boas práticas;
• Posicionar Belo Horizonte como destino atrativo para negócios de alto valor agregado, como
destino atrativo para eventos internacionais, como referência em boas práticas públicas,
qualificando sua inserção, projeção e divulgação internacional.

4. Principais Projetos:

Comissão Interdisciplinar de Trabalho em Marketing Internacional


Esta comissão foi criada em 2013 e tem como objetivo trabalhar e desenvolver conteúdos e pro-
gramas para tornar a cidade de Belo Horizonte mais conhecida internacionalmente. Para con-
secução deste objetivo integram a Comissão os seguintes órgãos da Administração Municipal:
Secretaria Municipal Adjunta de Relações Internacionais – Coordenação; Secretaria Municipal de
Desenvolvimento; Empresa Municipal de Turismo de Belo Horizonte; Assessoria de Comunicação
Social do Município; Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Informação; Fundação
Municipal de Cultura e Secretaria Municipal Extraordinária das Copas. Dentre os principais temas
abordados pode-se citar:
• Planejamento de Marketing Internacional;

112 Instituto de Relações Internacionais


• Divulgação em mídias internacionais;
• Postulação de políticas públicas municipais a prêmios internacionais;

Apoio a Eventos de Caráter Internacional


O apoio à realização e divulgação de eventos com caráter internacional também está inserido no
eixo de Marketing Internacional. Esta Secretaria vem apoiando uma média de 15 a 20 eventos por
ano. Em 2013, o foco principal foi apoiar eventos com ênfase em desenvolvimento econômico e
atração de investimentos, tais como: 7º Encontro de Negócios na Língua Portuguesa; Workshop
Internacional de Inovação e Clusters da UFMG; Reunião dos 50 anos da Organização Mundial do
Café (OIC) e Feira Internacional do Café.
Entre 2012 e 2013 o Congresso Mundial de Universidades Católicas da PUC (CMUC) e Semana
Missionária, organizado pela Arquidiocese de Belo Horizonte, recebeu apoio da SMARI na forma
de acompanhamento para facilitar demandas de infraestrutura para sua viabilização. Este evento
contou com a participação de 25 mil pessoas e ocorreu nas semanas que se seguiram a realiza-
ção da Copa das Confederações.

Café com o Mundo


Realizado desde 2010, o programa Café com o Mundo tem o objetivo de socializar e difundir in-
formações relevantes e boas práticas vivenciadas e/ou observadas por autoridades, técnicos e
servidores da Administração Pública Municipal em viagens internacionais, por meio de palestras
e workshops, de forma a multiplicar o conhecimento adquirido entre outros servidores municipais
da administração direta e indireta.
Em 2010 foram realizadas 6 edições, em 2011 e 2012 foram 4 edições por ano, totalizando 14
edições, sendo duas dessas com convidados internacionais.
Além do compartilhamento de informações durante as palestras, o servidor ou o público em geral
também pode acessar o conteúdo por meio da plataforma web criado para a divulgação do pro-
grama: http://www.pbh.gov.br/cafecomomundo

Programa Voluntariado Internacional


O programa de Voluntariado Internacional tem por finalidade proporcionar a estrangeiros residen-
tes em Belo Horizonte a oportunidade de conhecer as políticas públicas implantadas pela Prefei-
tura e no decorrer da experiência participar do cotidiano de algumas das áreas da administração
direta e indireta da cidade. Os voluntários poderão adquirir e intercambiar novas experiências e
conhecimentos, além de contribuir no processo de internacionalização da cidade de Belo Hori-
zonte.

5. Lições e Contribuições

A participação das cidades no sistema internacional é um fenômeno que vem cada vez mais ga-
nhando força.
Em relação às diversas dimensões de atuação internacional de um município, é importante
frisar que ao se trabalhar uma agenda de cooperação internacional, amplia-se o capital social do

113 Instituto de Relações Internacionais


município e a sua rede de relacionamento. Amplia-se também a visibilidade das políticas públi-
cas e, logo, a credibilidade política, tanto da cidade como do Prefeito, no cenário internacional.
Essa dimensão, portanto, complementa e contribui para a agenda de atração de investimentos e
captação de recursos e também para a agenda de marketing e promoção da cidade. Além disso,
ao estabelecer vínculos e ações de cooperação internacional, abre-se espaço para uma relação
mais concreta com representantes diplomáticos de outros países e para a realização de eventos
internacionais, o que colabora com a agenda de relações políticas e representação institucional.
Ou seja, as ações de relações internacionais no nível local não devem ser consideradas isola-
damente, mas sim como um conjunto de estratégias que acabam por se fortalecer mutuamente,
independentemente da prioridade estabelecida por um ou outro governo. Não atuar em alguma
das dimensões da diplomacia das cidades, ou seja, negligenciar totalmente um dos aspectos da
ação internacional dos governos locais significa não aproveitar externalidades positivas e oportu-
nidades geradas pela ação empenhada na dimensão escolhida.
Por fim, resta concluir que há avanços concretos e perceptíveis no que tange à inserção de
governos não centrais na cena internacional. Esse é um movimento que se qualifica, ao mesmo
tempo em que se legitima como um instrumento de enfrentamento aos problemas da sociedade
contemporânea. Entretanto, é inegável que ainda há difíceis desafios a serem superados. As prin-
cipais críticas têm início com o argumento, defendido também por alguns setores do Itamaraty, de
que o fenômeno da diplomacia das cidades representa um “perigo à unidade nacional” (KINCAID,
1990) e que “muitas ações internacionais de governos não centrais podem levar a uma fragmen-
tação da política externa, o que pode levar uma nação a correr o risco de provocar percepções
conflitantes por parte de seus interlocutores na cena internacional” (DUCHACEK, 1990, p. 28). De-
pois, passam pelo argumento jurídico de que “muitas vezes as ações internacionais dos governos
não centrais são inconstitucionais e ferem o monopólio da política externa por parte do governo
nacional” (DUCHACEK, 1990, p. 28). E chegam à quase acusação de que “não há por parte dos
profissionais de relações internacionais que atuam em nível local o preparo e o profissionalismo
dos oficiais dos governos nacionais, que são treinados para o trabalho da diplomacia e das rela-
ções internacionais” (DUCHACEK, 1990, p. 28).
As críticas apresentadas no início dos anos de 1990 ainda são atuais. As diferenças estão:
nas características do sistema internacional, não mais polarizado por duas grandes potências; na
dimensão e importância que assuntos relacionados à urbanização tomaram para a solução de
problemas globais, sejam eles associados ao meio ambiente, à promoção dos direitos e à garan-
tia da dignidade humana, fortalecendo a necessidade de envolvimento do poder local na busca e
implementação das respostas a esses desafios; e, ainda, no surgimento e aperfeiçoamento das
instituições ligadas ao movimento de internacionalização de cidades, sejam elas ligadas à própria
ONU, como a agência UN- Habitat, sejam elas associações ou redes nacionais e internacionais
de governos locais.
Mais que uma tendência, há necessidade de profissionalização e qualificação constante da
diplomacia das cidades. O reconhecimento da possibilidade de atuação internacional de novos
atores, como os governos locais, é uma realidade. O maior desafio agora é provar a sua eficá-
cia, a sua possibilidade de incidência ou influência tanto no sistema internacional como em seu
próprio território. Isso apenas será possível a partir da atuação harmônica com outras esferas

114 Instituto de Relações Internacionais


de governo e a partir de uma institucionalidade local que permita a atuação profissional eficiente
e estratégica. Dessa forma, a academia, ao promover e estimular novos estudos sobre o tema
relações internacionais, poderá se transformar em uma parceira fundamental para a superação
dos desafios que estão impostos, contribuindo para o fortalecimento da inserção internacional das
cidades e dos governos locais e, por consequência, fortalecendo as políticas públicas dos seus
respectivos países. Só assim a diplomacia dos governos locais terá a possibilidade de contribuir
para a construção de um mundo que poderá levar a cidade para muito além da nação.

Bibliografia

ABREU, Márcia D. O município e o desenvolvimento sustentável: propostas e oportunidades


globais, ações locais. In: Seminário sobre saneamento básico do Vale do Itajaí. 10, 1997,
Blumenau. Documento Mímeo, 2004.
BARROS, Alexandre. Formulation of Brazilian foreign policy. In: MUÑOZ, H.; TULCHIN, J.S. (eds).
Latin America in World Politics. Bouder, Wetview Press, 1989.
BARROS, Marinana Andrade. A atuação internacional dos governos subnacionais. Belo Horizon-
te: Del Rey, 2009.
BARTELSON, Jens. Three concepts of globalization. In: International Sociology. London, Thou-
sand Oaks, CA and New Delhi: SAGE, v. 15, n. 2, p. 180-196, Jun. 2000.
BELO HORIZONTE. Lei Orgânica do município de Belo Horizonte. Belo Horizonte: Diário Oficial
do Município de Belo Horizonte, seção 5, artigo 84, 1990.
_____. Prefeitura de Belo Horizonte. Decreto 10.877. Cria a Gerência de Relações Internacionais
(GRIN), vinculada à Secretaria Municipal de Governo, Planejamento e Coordenação Geral,
que tinha como titular o próprio Prefeito. Belo Horizonte: Diário Oficial do Município de Belo
Horizonte, 2001.
_____. Prefeitura de Belo Horizonte. Lei no 6.198. Cria a Secretaria Municipal de Assuntos Ex-
traordinários e dá outras providências. Belo Horizonte: Diário Oficial do Município de Belo
Horizonte, 1995.
_____. Prefeitura de Belo Horizonte. Lei 9.011. Cria a Secretaria Municipal Adjunta de Relações
Internacionais (SMARI) da Prefeitura de Belo Horizonte. Belo Horizonte: Diário Oficial do
Município de Belo Horizonte, seção VII, art. 16, 2005a.
_____. Secretaria Municipal de Relações Internacionais. Belo Horizonte: Relatório de Gestão
2001-2004, 2005b.
_____. Secretaria Municipal Adjunta de Relações Internacionais. Belo Horizonte: Relatório de
Gestão 2005, 2006a (não publicado).
_____. Prefeitura de Belo Horizonte. Decreto 12.552. Belo Horizonte: Diário de Minas, 2006b.
_____. Secretaria Municipal Adjunta de Relações Internacionais. Belo Horizonte: Relatório de
Gestão 2006, 2007 (não publicado).
_____. Secretaria Municipal Adjunta de Relações Internacionais. Belo Horizonte: Relatório de
Gestão 2007, 2008 (não publicado).
_____. Secretaria Municipal Adjunta de Relações Internacionais. Belo Horizonte: Relatório de
Gestão 2008, 2009 (não publicado).

115 Instituto de Relações Internacionais


BORJA, Jordi. El pensamiento estratégico y los desafios de la urbanización latinoamericana. In: 10
Años de Planificación Estratégica en Iberoamérica. Centro Iberoamericano de Desarrollo
Estratégico Urbano, Barcelona, 2003.
BRASIL. Câmara dos Deputados. Projetos de Lei e Outras Proposições – PEC 475/2005. Disponí-
vel em: http://www2.camara.gov.br/internet/proposicoes. Acesso em 10 nov. 2009.
_____. Constituição da República Federativa do Brasil / obra coletiva de autoria da Editora Revista
dos Tribunais. 4. ed. rev. ampl. e atual. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.
_____. Senado Federal. Projetos e matérias legislativas – PSL 98/2006. Disponível em: <http://
www.senado.gov.br/sf/atividade/materia/detalhes.asp?p_cod_mate=77481>. Acesso em
10/11/2009.
CAPELLA, André. Avances y retos de la Cooperación Descentralizada en Brasil. In: Revista de la
Cooperación Descentralizada Unión Europea, Barcelona, p. 44-47, nov. 2009.
COMISSÃO EUROPEIA. Descentralized Co-operation: objetcitves and methods. Bruxelas: 26 de
nov. de 1992.
CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS. CNM. Estudo observatório da cooperação
descentralizada no Brasil. Brasília: CNM, 2009.
CONFERÊNCIA SOBRE PARTENARIADO LOCAL UNION EUROPEA - AMERICA LATINA. De-
claração de Valparaíso. Chile, 2004. Disponível em: <http://www.sre.gob.mx/dgomra/alc_ue/
Guadalajara/Previas/08_Docto_ing.pdf>. Acesso em 28/02/2010.
DUCHACEK, Ivo. Perforated sovereingnties: towards a typology of new Actors in international re-
lations. Cap. 1. In: MICHELLMAN, Hasn J.; SOLDATOS, Panayotis (eds.). Federalism and
international relations: the role of subnational Units. Oxford: Clarendon Press, 1990, p. 1-33.
_____. The territorial dimension of politics: within, among and across nations. Bouder e London:
Westview Press, 1986.
ELAZAR, Daniel. Federalismo. Arché. São Paulo, ano III, n. 7, p. 7-30, 1994.
FARIA, Carlos Aurélio. Opinião pública e política externa: insulamento, politização e reforma na
produção da política exterior do Brasil. Revista Brasileira de Política Internacional, v. 51, v.
2, p. 82-97. 2008.
GALLEGOS, Paco Moncayo. Diez años de CIDEU. In: 10 años de planificación estratégica en
iberoamérica. Barcelona: Centro Iberoamericano de Desarrollo Estratégico Urbano, 2003.
HAFTECK, Pierre. An introduction to decentralized cooperation: definitions, origens, and concep-
tual mapping. In: Public Administration Development, p. 333-345, 2003.
HIRST, Mônica; PINHEIRO, Letícia. A política externa do Brasil em dois tempos. Revista Brasileira
de Política Internacional, v. 38, n. 1, p. 5-23, 1995.
HOCKING, Brian. Localizing foreing policy: non-central governments and multilayered diplomacy.
New York: Sr. Martin ́s Press, 1993.
_____. Vigilando la frontera: globalización, localización y capacidad de actuación de los gobiernos
no centrales. Cap.2 In: KEATING, Michael; ALDECOA, Francisco (Eds.) Paradiplomacia:
las relaciones internacionales de las regiones. Madrid, Barcelona: Marcial Pons, Ediciones
Jurídicas y Sociales, S.A., 2000, p. 29-54.
JARQUE. Carlos. Globalización y ciudad en América Latina. In: 10 años de planificación estratégica
en iberoamérica. Barcelona: Centro Iberoamericano de Desarrollo Estratégico Urbano, 2003.

116 Instituto de Relações Internacionais


JIMÉNEZ, Paulino. El federalismo y municipio contemporâneo en las relaciones internacionales:
el caso mexicano. Buenos Aires: Argentina Global, Centro Argentino de Estudos Internacio-
nales. 2008.
JOHNSON, Chris. How big is big? Introduction to connecting cities: city-regions. a research publi-
cation for the 9th World Congress of Metropolis. JONSHON, Chris et al. (editors). Sydney:
Metropolis Congress, 2008.
KEOHANE, Robert O.; NYE, Joseph. Power and interdependence. 3. ed. New York: Longman,
2001. 334 p.
KINCAID, John. Constituent diplomacy in federal polities and the nation-state: conflict and co-ope-
ration. Cap. 3. In: MICHELLMAN, Hasn J.; SOLDATOS, Panayotis (eds.), Federalism and
international relations: the role of subnational units. Oxford: Clarendon Press, 1990, p. 54-75.
KLEIMAN, Alberto. A cooperação internacional federativa como política de Estado. In: RODRI-
GUES, Gilberto; XAVIER, Marco; ROMÃO, Wagner (orgs). Cidades em relações internacio-
nais: análises e experiências brasileiras. São Paulo: Desatino, p. 99-117, 2009.
LERNER, Jaime. O século das cidades. In: 10 años de planificación estratégica en iberoamérica.
Barcelona: Centro Iberoamericano de Desarrollo Estratégico Urbano, 2003.
Le SAUX, Alain; HIDOUCI, Ghazi. El fondo mundial para el desarrollo de las ciudades. Revista del
Observatorio de la Cooperación Descentralizada Unión Europea. Barcelona, n. 6, p. 20-23,
Nov. 2009.
LOPES, Dawisson. A plausabilidade de uma gestão democrática da política externa: algumas
hipóteses (insatisfatórias) sobre o caso brasileiro. Cena Internacional. Brasília, v. 10, n. 2, p.
98-118, 2008.
MALÉ, Jean Pierre. La cooperación descentralizada: um nuevo paradigma de cooperación hori-
zontal entre sociedades locales y territorios. In: LOSADA, Agostí; GODINEZ, Victor; RIMEZ,
Marc (org). De Valparaíso a México: la Agenda de Paris vista desde lo local. Estudos de
investigación 7. Barcelona: Observatorio de Cooperación Descentralizada Unión Europea -
América Latina. 2009.
McMILLAN. Samuel. Subnational foreing policy actors: how and why governors participate in U.S.
Foreing Policy. Foreing Policy Analysis, Universtiy of South Carolina, v. 4, p. 227-253, 2008.
MURRAY, Stuart. Consolidating the gains made in diplomacy studies: a taxonomy. international
studies perspectives. Oxford, p. 22-39, 2008.
O ́SHAUGHNESSY, John; O ́SHAUGHNESSY, Nicholas. Treating the nation as a brand: some ne-
gected issues. Journal of Macromarketing, 2000. Disponível em: <http://jmk.sagepub.com/
cgi/content/abstract/20/1/56>. Acesso em 27/05/2010.
PAQUIN, Stéphane. Paradiplomatie et relations internationales: theorie des strategies internatio-
nales des regions face a la mondialisation. Bruxelles: Presses Interuniversitaires Européen-
nes, 2004.
PARKER, Bárbara. Evolução e revolução: da internacionalização à globalização. Handbook de
estudos organizacionais: modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais.
São Paulo: Atlas, 1998, p. 400-443.
PEET, Richard; HARTWICK, Elaine. Theories of development. New York/London: The guilford
press, 1999, 234p.

117 Instituto de Relações Internacionais


PEREIRA, José Alexandre. O federalismo na diplomacia brasileira: o interesse do Itamaraty nas
ações externas dos governos subnacionais. Revista Cena Internacional, v. 6, n. 2, p. 144-
159, 2004.
PINHEIRO, Letícia. Traídos pelo desejo: um ensaio sobre a teoria e a prática da política externa
brasileira contemporânea. Revista Contexto Internacional. Rio de Janeiro, v. 22, n. 2, p. 305-
335, jul.-dez., 2000.
PIRES, Júlio; PIO, Álvaro. Descentralização: financiamento e serviços em Belo Horizonte. Belo
Horizonte: Banco Interamericano de Desenvolvimento, julho de 2008.
PLUIJM, Rogier; MELISSEN, Jan. City diplomacy: the expanding role of cities in internacional po-
litics. The Hague, Instituto de Relações Internacionais da Holanda Clingendael. Clingendael
Diplomacy Papers, n. 10, 2007.
PRIETO, Noé Cornago. Diplomacia, paradiplomacia y redefinición de seguridad mundial: dimen-
siones de conflicto y cooperación. Cap. 3 In: ALDECOA, Francisco; KEATING, Michael
(Eds.). Paradiplomacia: las relaciones internacionales de las regiones. Madrid y Barcelona:
Marcial pons, Ediciones Jurídicas y Sociales, S.A., p. 55-77, 2000.
PUNTIGLIANO, Andrés. Going global: an organizational study of brazilian foreign policy. Revista
Brasileira de Política Internacional, v. 51, n. 1, p. 28-52, 2008.
RAMOS, Leonardo. Internacionalização de cidades e gestão pública. O Debatedouro, 2008. Dis-
ponível em: <http://www.odebatedouro.org/ramos78.html>. Acesso em 27/05/2010.
RIBEIRO, Maria Clotilde. A ação internacional das entidades subnacionais: teorias e visões sobre
a paradiplomacia. Revista Cena Internacional. Brasília: Instituto de Relações Internacionais
da Universidade de Brasília (IREL/UnB), v. 10, n. 2, p. 160-184, 2008.
RIMEZ, Marc. La Conferencia de México: un primer acercamiento a la agenda de París. In: Revista
del Observatorio de la Cooperación Descentralizada Unión Europea – América Latina. In-
tendencia de Montevidéu / Deputación de Barcelona, n. 6, p. 6-9, Nov., 2009.
RODRIGUES, Gilberto. Relações internacionais federativas no Brasil. Revista de Ciências So-
ciais. Rio de Janeiro, v. 51, n. 4, pp. 1015 a 1034, 2008.
RODRIGUES, Gilberto; XAVIER, Marco; ROMÃO, Wagner (orgs). Cidades em relações interna-
cionais: análises e experiências brasileiras. São Paulo: Desatino, 2009.
ROMERO, Maria del Huerto. Aportes para la construction de un marco de referencia conceptual
en el espacio de las relaciones Unión Europea-América Latina. In: BATISTA, S.; JAKOB-
SEN, K; EVANGELISTA, C. La apertura al exterior de las ciudades latinoamericanas y la
cooperación descentralizada. Anuário de la Cooperación Descentralizada. Observatorio de
Cooperación Descentralizada Unión Europea-América Latina. Colección de Estudios de In-
vestigación, n. 3, p. 44-63, 2005.
_____. Uma aproximación conceitual y contextual de la cooperación descentralizada. In: ZÚÑIGA,
Victor; ROMERO, Maria del Huerto (Orgs.). Tejendo lazos entre territorios: la cooperación
descentralizada local Unión Europea- América Latina. Valparaíso, p. 19-51, 2004.
SALOMÓN, Mônica. La Acción exterior de los gobiernos subnacionales y el análisis de políticas
exteriores. 1o Encontro Nacional da Associação Brasileira de Relações Internacionais. Bra-
sília, Jul. 2007.

118 Instituto de Relações Internacionais


SARAIVA, José Flávio. A busca de um novo paradigma: política exterior, comércio externo e fe-
deralismo no Brasil. Revista Brasileira de Política Internacional, v. 47, n. 2, p. 131-162, 2004.
SERRA, Ana. Cooperação descentralizada: o caso europeu. In: RODRIGUES, Gilberto; XAVIER,
Marco; ROMÃO, Wagner (orgs). Cidades em relações internacionais: análises e experiên-
cias brasileiras. São Paulo: Desatino, p. 73-95, 2009.
SOLDATOS, Panayotis. An explanatory framework for the stydy of federated states as foreing-
-policy actors. Cap. 2. In: MICHELMANN, Hans J.; SOLDATOS, Panayotis (eds.). Federalism
and international relations: The role of subnational units. Oxford: Clarendon Press, p. 34-53,
1990.
STWART, John. A dogma of our times: the separation of policy-making and implementation. Public
Money & Management, v. 16, Issue 3, p. 33-40, Jul. 1996.
UN-HABITAT. State of the World ́s Cities 2006/07. The Milenium Development Goals and Urban
Sustainability: 30 Years of Shaping the Habitat Agenda, 2007.
VAZ, Alexandre. Urbanização e planejamento em pauta: o OP como instrumento efetivo de ação.
In: Pensar BH/Política Social. Belo Horizonte: Prefeitura de Belo Horizonte / Câmara Interse-
torial de Políticas Sociais, n. 24., 2009.
VALADEZ, Isaí. Políticas publicas para el desarrollo regional sustentable: un estúdio sobre la par-
ticipación en la estrategia microrregiones. Territorio y Economia. Sirem, México, Verano, n.
18, p. 4-35, 2007.
VIGEVANI, Tullo. El marco jurídico e institucional para la gestión internacional de los actores sub-
nacionales gubernamentales en Brasil. Revista Integración & Comércio. Buenos Aires, v.
21, n. 8, pp 27-46, 2004.
_____. Problemas para a atividade internacional das unidades subnacionais: estados e municí-
pios brasileiros. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 21, n. 62, p. 127-139, out., 2006.
ZABALA, Iñaki. Qué sentido tiene hablar de paradiplomacia? Una encuesta intertextual en torno
a un neologismo polisémico. Cap. 10. In: KEATING, Michael; ALDECOA, Francisco (Eds.)
Paradiplomacia: las relaciones internacionales de las regiones. Madrid, Barcelona: Marcial
Pons, Ediciones Jurídicas y Sociales, S.A., p. 203-235, 2000.
ZAPATA, Eugene. Guía para la acción exterior de los gobiernos locales y la cooperación descen-
tralizada Unión Europea-América Latina. Manual práctico para internacionalizar la ciudad,
v. 1. Barcelona: Observatório de la Cooperación Descentralizada UE-AL, Deputación de
Barcelona, 2007.

119 Instituto de Relações Internacionais


Sites visitados:
www.cideu.org.
www.cities-for-mobility.org.
www.edcities.org.
www.fmdv.net.
www.it4all-regions.org.
www.mayorsforpeace.org.
www.mercociudades.org.
www.metropolis.org.
www.munimadrid.es/portales/munimadrid/es/Inicio/El-Ayuntamiento/Union-de-ciudades-
capitales
www.oecd.org/dataoecd/58/19/41202043.pdf
www.pbh.gov.br.
www.portalfederativo.gov.br.
www.portal.pps.org.br/portal/showData/12715
www.progetto100citta.it.
www.un.org/en/members/growth.shtml

120 Instituto de Relações Internacionais


ANEXO I - MARCO JURÍDICO

LEI Nº 10.101, DE 14 DE JANEIRO DE 2011.

Altera a Lei nº 9.011/05 e dá outras providências

“Seção XVIII
Da Secretaria Municipal de Desenvolvimento

Art. 80-C - A Secretaria Municipal de Desenvolvimento tem por finalidade articular a definição e
a implementação da política de desenvolvimento econômico do Município, de forma integrada
e intersetorial, visando ao fomento industrial, comercial e de prestação de serviços, à promoção
de programas estratégicos de planejamento urbano e à execução de atividades destinadas ao
desenvolvimento econômico sustentável do Município, harmonizado com a inclusão social de
todos os cidadãos.

Art. 80-D - Compete à Secretaria Municipal de Desenvolvimento:


I - coordenar a elaboração e a execução de políticas e projetos destinados ao fomento econô-
mico no Município, assim compreendidas as ações destinadas ao incremento e ao aperfeiçoa-
mento da qualidade dos setores produtivos do Município, por meio da execução de atividades
de atração, incentivo à criação, à preservação e à ampliação de empreendimentos, incluindo
as que decorram de sua inserção em planos metropolitanos, regionais, estaduais, nacionais e
internacionais;
II - coordenar e promover a colaboração entre os órgãos e as entidades da Administração
Municipal e a iniciativa privada, visando à realização de atividades de interesse público mútuo,
especialmente por meio de estímulos de parcerias público-privadas;
III - coordenar as atividades de planejamento urbano e de implementação do Plano Diretor do
Município, em colaboração com os demais órgãos e entidades da Administração Municipal;
IV - normatizar e avaliar a realização de ações de intervenção urbana;
V - coordenar a estratégia, monitorar e avaliar a implementação dos planos, programas e proje-
tos de desenvolvimento urbano;
VI - coordenar a elaboração dos planos regionais e dos projetos de requalificação urbana, em
colaboração com as Secretarias de Administração Regional Municipal;
VII - coordenar a elaboração de proposta de legislação urbanística municipal;
VIII - coordenar as atividades de relações internacionais do Município em conjunto com os
demais órgãos e entidades da Administração Municipal;
IX - prestar suporte técnico e administrativo ao Conselho Municipal de Política Urbana - COM-
PUR -, ao Conselho Municipal de Turismo - COMTUR - e ao Conselho Municipal de Desenvolvi-
mento Econômico - CODECOM;
X - promover a colaboração entre os órgãos e as entidades da Administração Municipal e a
iniciativa privada visando à articulação e ao fomento das atividades turísticas do Município;
XI - gerenciar o Fundo Municipal de Desenvolvimento Econômico;

121 Instituto de Relações Internacionais


XII - planejar e coordenar as políticas de ciência e tecnologia destinadas a apoiar o desenvol-
vimento do setor no Município;
XIII - coordenar a execução de suas atividades administrativas e financeiras;
XIV - coordenar outras atividades destinadas à consecução de seus objetivos.

Art. 80-E - Compõem a Secretaria Municipal de Desenvolvimento:


I - a Secretaria Municipal Adjunta de Desenvolvimento Econômico;
II - a Secretaria Municipal Adjunta de Trabalho e Emprego;
III - a Secretaria Municipal Adjunta de Planejamento Urbano;
IV - a Secretaria Municipal Adjunta de Relações Internacionais.

Subseção IV

Da Secretaria Municipal Adjunta de Relações Internacionais

Art. 80-L - A Secretaria Municipal Adjunta de Relações Internacionais tem por finalidade es-
tabelecer e manter relações e parcerias internacionais e planejar e coordenar as políticas e
ações para negociação e captação de recursos financeiros junto a organismos multilaterais e
agências governamentais estrangeiras.

Art. 80-M - Compete à Secretaria Municipal Adjunta de Relações Internacionais:

I - estabelecer e manter relações e parcerias com organismos internacionais multilaterais,


cidades-irmãs do Município de Belo Horizonte, entidades voltadas à organização de cidades,
organizações não-governamentais internacionais, representantes diplomáticos de governos,
representantes de trabalhadores e empresários internacionais, empresas internacionais estabe-
lecidas ou não no Município, e outras entidades afins;
II - formular diretrizes, planejar e coordenar, em articulação com os demais órgãos e entidades
da Administração Pública, as políticas e ações voltadas para a negociação e a captação de
recursos junto a órgãos e instituições internacionais;
III - fornecer suporte técnico aos órgãos da Administração Direta e Indireta do Poder Executivo
em contatos internacionais, bem como no desenvolvimento e na elaboração de convênios e
projetos de cooperação internacional;
IV - desenvolver outras atividades destinadas à consecução de seus objetivos

122 Instituto de Relações Internacionais


ANEXO Disciplina: “Temas e Prática em Relações Internacionais”
BRI-0001 | PGI-500

Horário: 5as feiras das 17h30 às 19h00


Professores: Jacques Marcovitch e Pedro Dallari
Local: Sala E1 – FEA

PROGRAMA – 2013

I - Objetivos da disciplina

A disciplina consiste num projeto acadêmico sobre temas relacionados às Relações Internacio-
nais oferecendo ao aluno possibilidades de aplicação dos conhecimentos adquiridos no curso.
Além disso, a disciplina “Temas e Prática em Relações Internacionais” está estruturada para indu-
zir o aluno a pensar no seu projeto de vida como cidadão e profissional. Como cidadão, acompa-
nhando com maior profundidade e posicionando-se criticamente quanto à evolução das relações
internacionais. A percepção de um mesmo fato sob perspectivas distintas, às vezes opostas,
desenvolve este posicionamento crítico. Como futuro profissional identificando, no convívio com
o outro, suas próprias habilidades e atitudes a serem valorizadas, assim como as competências
a serem desenvolvidas à luz de sua visão de futuro.
A disciplina oferece a cada semestre letivo um tema estruturante e relevante para as relações
internacionais na perspectiva brasileira. Cada tema é desenvolvido por meio de uma abordagem
conceitual e de encontros com profissionais de reconhecido talento e competência que têm se des-
tacado no campo das relações internacionais. A origem institucional diversificada dos expositores
convidados permitirá ao aluno o contato com uma diversidade de referências de tempo e valores.

II – Temática a ser estudada em 2013: Relações Internacionais de âmbito subnacional.

A questão a ser explorada para a construção do conhecimento sobre a prática das relações inter-
nacionais na esfera de estados e municípios no Brasil inclui palestras e estudos de casos. Trata-
-se de analisar a influência das relações internacionais de esferas subnacionais com instâncias
públicas ou privadas de outros países.
A prática de Relações Internacionais de âmbito subnacional emerge no final dos anos 1990,
e vem adquirindo continuada relevância no século XXI. Administrações estaduais ou municipais,
empresas, universidades, instituições dedicadas à promoção da pesquisa e da inovação, parti-
dos políticos e sindicatos, no mundo inteiro, mantêm estruturas voltadas exclusivamente para o
encaminhamento de seus interesses específicos e nem sempre contemplados nas agendas de
governos centrais.
O roteiro de atividades terá como referência um quadro conceitual sobre federalismo e as
relações internacionais de âmbito subnacional. Serão igualmente identificadas métricas de avalia-

123 Instituto de Relações Internacionais


ção nesta área por governos estaduais e municipais. Os estudos de caso terão por foco a estraté-
gia e a gestão de unidades responsáveis pelas políticas de RI no mesmo âmbito. Além da gênese
da unidade, é preciso abordar os aspectos de institucionalização, estruturação, perfil do principal
responsável, qualificação profissional da equipe, gestão das interfaces internas e externas, deli-
neamento de políticas públicas e condução de programas ou projetos.
Um precedente que lembra a força desta área de estudo em nível global é a movimentação
do Estado da Califórnia (EUA) no que diz respeito às questões ambientais. Outras unidades fe-
derativas americanas igualmente assumem posições próprias e divergentes de Washington com
relação à Convenção das Mudanças Climáticas.
Se as iniciativas de âmbito subnacional têm uma função complementar e, portanto, aperfei-
çoadora nas relações internacionais, poderíamos interpretar esta “dissidência” como hipótese de
mudança nas tímidas posições dos Estados Unidos em negociações climáticas, por exemplo. A
estrutura liberal dos Estados Unidos permite que, dos seus 50 estados federados, pelo menos 28
venham adotando políticas até mais avançadas do que as previstas no acordo global para reduzir
gases poluentes e combater o aquecimento do planeta.
Dois estados politicamente muito fortes como Nova York e Califórnia, lideram este processo.
A Califórnia é o quarto produtor industrial do mundo e a sua política em relação ao aquecimento
global atenua fortemente as posições assumidas pelo governo central dos Estados Unidos. Esta
governança subnacional mantém contínuo intercâmbio com especialistas climáticos de países
signatários do Protocolo de Kyoto, inclusive o Brasil.
Citamos este exemplo externo para sublinhar até que ponto estratégias subnacionais po-
dem evoluir sem infringirem regras de lealdade interna ao Estado democrático. No Brasil, não
alcançamos, nem desejamos qualquer nível de contradição. O que se busca é verificar, a partir de
medições adequadas, o quanto as estruturas dedicadas às relações internacionais têm contribu-
ído localmente para fortalecer os interesses de estados e municípios empenhados neste aspecto
de governança.
Os seminários terão duas etapas: a primeira reunirá conferencistas para discorrer sobre as
variáveis históricas e conceituais da questão em análise; e a segunda, entre setembro e novem-
bro, para a apresentação de estudos de caso por parte de dirigentes de unidades responsáveis
pelas relações internacionais em estados e municípios selecionados.
Os autores e apresentadores de estudos de caso serão convidados a abordar os seguintes tó-
picos: gênese da unidade, marco jurídico das relações internacionais da unidade, institucionalização
e estrutura da unidade, perfil do principal responsável, qualificação profissional da equipe, gestão das
interfaces no âmbito interno, gestão das interfaces no âmbito externo, delineamento de políticas públi-
cas, condução de programas ou projetos e mensuração dos objetivos: metas e resultados.

III – Calendário

Agosto: 01, 08, 15, 22, 29
Setembro: 12, 19, 26
Outubro: 03, 10, 17, 24
Novembro: 07, 21, 28

124 Instituto de Relações Internacionais


Relações internacionais em Estados e Municípios: Quadro de Referência

Agosto

01 Relações Internacionais de âmbito subnacional: conceito, práticas e métricas.


Profs. Jacques Marcovitch e Pedro Dallari IRI/USP
08 Política Externa e os Estados da Federação.
Emb. Rubens Barbosa – Conselho de Comércio Exterior/FIESP
15 Sérgio Vieira de Mello – Pensamento e Memória: 2003-2013.
Embaixador Ronaldo Sardenberg – Representante Permanente do Brasil junto às Na-
ções Unidas de 1990 a 1994 e de 2003 a 30 de junho de 2007.
22 Métricas de avaliação nas relações internacionais de âmbito subnacional
Prof. Jacques Marcovitch – IRI/USP.
29 Relações Internacionais de âmbito subnacional: Um quadro de referência
Dr. Rodrigo Tavares – Assessoria Especial para Assuntos Internacionais do Governo do
Estado de São Paulo.

Relações internacionais em Estados e Municípios: Estudos de Casos

Setembro

12 A Experiência da Assessoria de Cooperação e Relações Internacionais do Governo


do Estado do Rio Grande do Sul
Tarson Núñez – Assessoria de Cooperação e Relações Internacionais do Rio Grande do Sul
19 As Relações Internacionais do Estado de São Paulo
Rodrigo Tavares – Assessoria Especial para Assuntos Internacionais do Governo do Estado
de São Paulo
26 Estudo de caso – Município de Belo Horizonte
Rodrigo de Oliveira Perpétuo – Secretaria Municipal de Rel. Internacionais de Belo Horizonte

Outubro

03 Relações Inter(sub)nacionais: o caso do Estado do Rio de Janeiro


Pedro Spadale - Subsecretaria de Relações Internacionais da Casa Civil Estado do
Rio de Janeiro.
10 Paradiplomacia na Cidade do Rio de Janeiro
Laudemar Gonçalves de Aguiar Neto – Coordenadoria de Relações Internacionais da
Prefeitura do Rio de Janeiro
17 O processo de internacionalização de MG – possibilidades e desafios
Chyara Sales Pereira – Assessoria de Relações Internacionais do governo de Minas Gerais
24 A capacidade jurídica dos entes subnacionais no plano internacional
Prof. Pedro Dallari, IRI/USP

125 Instituto de Relações Internacionais


Novembro

07 A experiência do Québec no âmbito das relações internacionais.


Elise Racicot, Escritório do Governo do Quebec em São Paulo
21 A Secretaria Municipal de Rel. Internacionais e Federativas de São Paulo
Leonardo Osvaldo Barchini Rosa – Secretaria Municipal de Relações Internacionais e
Federativas de São Paulo
28 Relações Internacionais de âmbito subnacional vista por diplomatas
Helena Maria Gasparian

IV – Bibliografia (outras leituras são indicadas de acordo com o tema a ser abordado).

ALDECOA, Francisco; KEATING Michael (eds.). Paradiplomacy in Action: The Foreign Relations
of Subnational Governments. Portland: Frank Cass, 1999.
BARBOSA, Rubens. A diplomacia dos Estados da Federação. O Estado de S.Paulo. Opinião,
27, Nov. 2012. Disponível em: <http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,a-diplomacia-
-dos--estados-da-federacao-,965698,0.htm>
_____. A identidade brasileira no exterior. O Estado de S.Paulo. Opinião, 11 dez. 2012. Dispo-
nível em: <http://www.estadao.com.br/noticias/impresso,a-identidade-brasileira-no-exte-
rior-,971960,0.htm>
BOEX, Jamie. Performance Measurement Framework at Sub National Government Level – Defi-
nitions and Typology.Trabalho em progresso. PEFA Secretariat, 12 fev. 2013. Disponível em:
<https://www.pefa.org/sites/pefa.org/files/PEFA%20at%20SNG%20level_definitions%20
%26%20typology_JB_Feb2013.pdf>
Cooperação brasileira para o desenvolvimento internacional: 2005-2009. Instituto de Pesquisa
Econômica Aplicada, Agência Brasileira de Cooperação. Brasília: IPEA/ABC, 2010.
CRIEKEMANS, David (Ed.). Regional Sub-State Diplomacy Today. Martinus Nijhoff Publishers:
Leiden / Boston, 2010.
EARL, H. Fry. The Expanding Role of State and Local Government in U.S. Foreign Affairs. NY:
Council of Foreign Relations Press, 1998. 
HOLDEN, Robert H.; VILLARS, Rina. Contemporary Latin America: 1970 to the Present. Wiley
Blackwell Publishers, 2013.
HOPKINS, John. The Future of Subnational Governments in a Supranational World –Lessons
from the European Union. Disponível em:
<https://www.victoria.ac.nz/law/research/publications/vuwlr/prev-issues/pdf/vol-38-2007/
issue-1/future-hopkins.pdf>
POTERS, Anne et al. Non-State Actors as Standard Setters. Cambridge University Press, 2009.
Cooperação brasileira para o desenvolvimento internacional: 2005-2009. Instituto de Pes-
quisa Econômica Aplicada, Agência Brasileira de Cooperação. Brasília: IPEA/ABC, 2010.
GLASER, Charles L. Rational Theory of International Politics: The Logic of Competition and Coo-
peration. Princeton: Princeton University Press, 2010.
GOMES FILHO, Francisco. A Paradiplomacia Subnacional no Brasil: Uma Análise da Política de

126 Instituto de Relações Internacionais


Atuação Internacional dos Governos Estaduais Fronteiriços da Amazônia. 2011. 276 f. Tese
(Doutorado Interinstitucional em Relações Internacionais e Desenvolvimento Regional),
UnB/UFRR/FLACSO, Brasília, 2011. Disponível em: <http://repositorio.bce.unb.br/bitstre-
am/10482/9379/1/2011_FranciscoGomesFilho.pdf
“Guidelines for Strenghthened Bilateral Relations”, EEA and Norway Grants 2009-2014, Adopted
by the Financial Mechanism Committee 29.03.2012. Disponível em: <http://www.eeagrants.
org/asset/4689/1/4689_1.pdf>
LAKE, David A. Hierarchy in International Relations. Ithaca: Cornell University Press, 2009.
LEPORI, Benedetto; DUNKEL, Anke. Evaluation of the Impact of Swiss Bilateral Research Pro-
grams. Lugano: Università della Svizzera Italiana, 2011. Disponível em: <https://correio.usp.
br/service/home/~/?id=11549&part=3&auth=co&disp=i>
LI, Mingjiang; KWA, Chong Guan (eds.). China-ASEAN Sub-Regional Cooperation: Progress,
Problems and Prospect. World Scientific Pub Co, 2011.
MARCOVITCH, Jacques. (Org.). Cooperação Internacional: Estratégia e Gestão. São Paulo:
Edusp, 1994. Disponível em: < http://www.erudito.fea.usp.br/cooperacao/ >
_____O papel atual do Brasil na América do Sul. Revista Política Externa, vol. 20, n. 2, set/out/
nov. 2011.
_____ Sérgio Vieira de Mello : Pensamento e Memória. São Paulo : Edusp/Saraiva, 2004.
PAQUIN, Stéphane. Les actions extérieures des entités subétatiques: quelle signification pour
la politique comparée et les relations internationales? Revue internationale de politique
comparée fev/2005, v. 12, p. 129-142. Disponível em: <http://www.cairn.info/revue-interna-
tionale-de-politique-comparee-2005-2-page-129.htm>
_____. La Paradiplomatie et les relations internationales. Théorie des stratégies internationales
des régions face à la mondialisation. Bruxelles: Les presses interuniversitaires européen-
nes-Peter-Lang, 2004, 189 p.
PERPÉTUO, Rodrigo de Oliveira. “A Cidade além da Nação: A institucionalização do processo
de internacionalização de Belo Horizonte”. Dissertação apresentada ao curso de Pós-Gra-
duação em Relações Internacionais da PUC/MG, 2010. Disponível em: <http://blogfonari.
files.wordpress.com/2012/08/rodrigo-perpc3a9tuo-_dissertac3a7c3a3o-09-jul-2010.pdf>
REI, Fernando; CUNHA, Kamyla; SETZER, Joana. Paradiplomacia ambiental: a
participação brasileira no regime internacional de mudanças climáticas. Revista de Direito
Ambiental, ano 18, v. 71, julho-setembro 2013.
SARDENBERG, Ronaldo. “Sérgio Vieira de Mello: Paz e Direitos Humanos”. In: MARCOVITCH, Jac-
ques (org). Sérgio Vieira de Mello : Pensamento e Memória. São Paulo : Edusp/Saraiva, 2004.
TOMZ, Michael. Reputation and International Cooperation. Princeton: Princeton University Press,
2007.
ZARTMAN, William; TOUVAL, Saadia Touval (Editores). International Cooperation: The Extents
and Limits of Multilateralism. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.
MILANI, Carlos R. S.; RIBEIRO, Maria Clotilde Meirelles. “International Relations and the Paradi-
plomacy of Brazilian Cities: Crafting the Concept of Local International Management”. BAR
- Brazilian Administration Review. Anpad, v. 8, n. 1, art. 2, pp. 21-36, jan/mar. 2011. Disponí-
vel em <http://www.scielo.br/pdf/bar/v8n1/v8n1a03.pdf>

127 Instituto de Relações Internacionais


Avaliação

A avaliação da disciplina é feita com base na frequência e conceitos atribuídos ao aluno.

Pesos das disciplinas:

BRI-0001: 02 créditos
PGI-5003: 02 créditos

Frequência

A frequência mínima obrigatória nos seminários é de 70% para os alunos de BRI-0001 e de


75% para os alunos de PGI-5003.

Atribuição de conceitos aos alunos de BRI- 0001

A atribuição de conceitos é feita mediante análise de dois ensaios sucintos (até uma lauda por
seminário) contendo a síntese das conferências realizadas e uma apreciação crítica pelo aluno
do conteúdo da palestra. Os ensaios são avaliados com base nos seguintes critérios: 1. Abran-
gência de todas as atividades da disciplina no bimestre; 2. Expressão escrita; fluidez, clareza,
ortografia, concordância, estilo; 3. Originalidade do conteúdo; 4. Conhecimento próprio sobre os
temas abordados; 5. Apreciação crítica dos temas abordados.

Atribuição de conceitos aos alunos de PGI-5003

A atribuição de conceitos é feita mediante análise de dois ensaios e um artigo a ser submetido
para publicação. Os dois ensaios (até uma lauda por seminário) devem conter a síntese das
conferências realizadas e uma apreciação crítica pelos pós-graduandos do conteúdo de cada
palestra. Além dos dois ensaios, cada pós-graduando deve apresentar um trabalho final, em
forma de artigo que poderá ser submetido para publicação em revista especializada de ampla
circulação (ex.: Revista Política Externa). Atividades complementares serão propostas aos pós-
-graduandos durante o semestre.

Código de Ética

Com referência aos procedimentos de avaliação, recomenda-se aos alunos que tomem conhe-
cimento do Código da Ética da USP que se encontra disponível em: <http://www.usp.br/leginf/
resol/r4871m.htm>.

128 Instituto de Relações Internacionais


ISBN: 978-85-69229-00-1

Av. Prof. Lúcio Martins Rodrigues, s/n, Trav. 4 e 5


05508-020 - Cidade Universitária - São Paulo - SP
Tel / Fax: (11) 3091 1898
www.iri.usp.br

Você também pode gostar