Você está na página 1de 3

EXPERIMENTO DE OERSTED

Autores: Ana Julia Silva


Letícia Tupinambá
Universidade do Estado de Santa Catarina

Resumo

Com base no experimento de Oersted, este relatório tem por objetivo demonstrar a relação
entre campos elétricos e campos magnéticos. Em nossa aplicação, uma corrente é criada por
uma fonte, ligada em um interruptor por meio de fios condutores, e estes colocados próximos
a uma bússola magnética. Assim, a corrente agiu em torno do instrumento e gerou efeitos,
que foram registrados pela dupla.

1. Introdução aproximação de correntes elétricas com


alguma superfície imantada, onde esse
Com base na análise do dinamarquês imã pode ser considerado o vetor da
Hans Christian Oersted, que descrevia um indução magnética no sistema, orientando
fio metálico retilíneo transportando assim a direção do campo. Por essas
corrente elétrica era capaz de provocar definições conseguimos diferenciar o
uma deflexão em uma agulha imantada campo elétrico do campo magnético e com
(bússola) colocada nas suas este relatório reconhecemos que a carga
proximidades, ou seja, era possível gerar elétrica em movimento gera um campo
um campo magnético. Também percebeu com indução magnética em torno dela, e
que mudando a posição relativa entre a que a corrente elétrica é capaz de produzir
bússola e a agulha mudava, de modo que efeitos magnéticos.
as linhas do campo magnético gerado
circulavam ao redor do fio obedecendo a 2. Materiais e métodos
regra da mão direita. (Figura 1)
Para a realização deste experimento
foram utilizados os seguintes
equipamentos:

01 bússola;
01 fonte de alimentação regulada
para 3 VCC;
01 chave liga-desliga;
01 mesa projetável com tampo
articulado e sapatas niveladoras
Figura 1 - direção do campo magnético isolantes;
Fonte: Material de estudos UDESC 02 Cabos para realizar as
conexões elétricas, sendo um
O conceito básico de campo magnético positivo e outro negativo.
que consiste em uma região em volta de
um ímã onde acontecem as interações O objetivo do experimento é observar o
magnéticas, essa situação é resultado da efeito do campo magnético que vai ser
gerado por uma corrente sob a bússola. sentido da corrente (da direita para a
Assim, a bússola foi posicionada na mesa esquerda), deixando a mesma tensão, e
e ambos alinhadas com o polo norte ligando a chave novamente, percebeu-se
magnético da terra, passou-se um dos que o ponteiro da bússola muda de
cabos por baixo da mesa, e este alinhado direção, porém continua com o movimento
com a direção norte-sul, que entrará no de quase 90 graus.
negativo da fonte, e a fonte com 3V, sem
corrente, como mostra a imagem abaixo:

Figura 4 - efeito da corrente sobre a bússola


Figura 2 - bússola alinhada com a mesa com o sentido da corrente invertido
Fonte: Material de estudos UDESC Fonte: Material de estudos UDESC

Podemos observar que quando não há


E logo após, foi invertido o sentido da
corrente elétrica passando pelo fio a
corrente, trocando os polos positivos e
bússola continua apontando para o norte,
negativos na fonte.
ao aplicarmos uma determinada corrente
elétrica a bússola se moveu, e se
3. Resultados
invertemos, invertermos também a
Inicialmente quando acionada a chave, a polarização.
corrente vem na direção da entrada
positiva e sai pelo cabo negativo (corrente 4. Discussão
circula da esquerda para a direita). Ao ter
corrente, o ponteiro da bússola se O vídeo mostra que, no momento que o
movimenta. Depois de estabilizada, fio se encontra em linha reta abaixo da
percebeu-se que o ponteiro move quase bússola e aplica 3V de tensão, o ponteiro
90 graus. que estava apontando para o norte sofre
uma deflexão e aponta para o leste. Com
isto, observamos que o ponteiro da
bússola indica o sentido do campo
magnético, que obedece a regra da mão
direita. Quando o sentido da corrente foi
trocado o ponteiro muda sua direção e
aponta para o oeste, nos mostrando,
novamente, que o ponteiro da bússola
indica o sentido da corrente e obedece
Figura 3 - efeito da corrente sobre a bússola novamente a regra da mão direita. O imã
Fonte: Material de estudos UDESC pode ser representado, pelo vetor de
indução magnética, a direção desse vetor
Retirando a corrente e esperando a é aquela para onde o polo norte da agulha
bússola se estabilizar, foi invertido o da bússola aponta.
[3] Material de Estudos UDESC, Prof.
Rafael Costa Engel, “EXPERIMENTO VIII
– EXPERIMENTO DE OERSTED”. 2021.

Figura 5- sentido do vetor indução

As setas indicam as representações das


direções nos vetores de indução
magnética em cada figura.

5. Conclusão

Observamos que sempre que colocamos


o fio próximo à bússola, a direção
apontada pela agulha é perpendicular à
direção do fio, portanto a corrente elétrica
cria um campo magnético junto ao
caminho do fio, e este age como um ímã
sobre a
bússola. Quando os polos dos fios foram
invertidos, houve a mesma resposta, mas
em sentido contrário. Claro, a direção do
campo magnético criado pelo fio não era o
mesmo, se movimentava em sentido
oposto. Este experimento foi muito
importante para unir dois ramos que até
então eram tratados como independentes,
a elétrica e o magnetismo. Deles, foram
assentadas as bases para criação de um
novo ramo, o eletromagnetismo. Portanto,
com este relatório, conseguimos
comprovar que: “Ao circular uma corrente
elétrica por um condutor, surge no meio
que o circunda uma indução magnética,
cujo sentido, num dado ponto, depende do
sentido da corrente que circula.”

6. Referências Bibliográficas

[1] D. Halliday, R. Resnick e J. Walker;


Fundamentos de Física; Vol.3; Pág. 231;
Ed 5. LTC.

[2] Material de Estudos UDESC, Prof.


Rafael R. Francisco, “Magnetismo e Lei de
Ampère”. 2020.

Você também pode gostar