Você está na página 1de 3

HISTÓRIA DA UMBANDA

Desenvolvido e Ministrado por Alexandre Cumino

Aula Digitada 02 Parte 01


Obs.: este documento é a transcrição fiel do discurso das vídeo-aulas, portanto poderá conter erros gramaticais
mantendo a originalidade da origem.

Origem Mágica: - “Magia é ato de evocar poderes e Mistérios Divinos e colocá-los em ação,
beneficiando-nos ou aos nossos semelhantes” – “Magia é o ato de ativar ou desativar mistérios de Deus”
– “Magia é “manipulação” mental, energética, elemental e natural de mistérios Divinos” – “Magia é o
ato de, a partir de um ritual evocatório específico, ativar energias e mistérios que, só assim, são
colocados em ação” – “Magia é um procedimento paralelo aos procedimentos religiosos ou é parte
deles” – “Umbanda é magia”.
Olá meus irmãos esse bloco é pra falar sobre a origem mágica da Umbanda, podemos dizer que
Umbanda é uma religião mágica aonde a gente encontra uma quantidade enorme de procedimentos
mágicos e religiosos. Em quase as religiões a gente encontra algum procedimento mágico ou de magia,
mas nem sempre as religiões identificam isso como um ato mágico. No caso da Umbanda a gente tem
orgulho de praticar magia e de identificar esses atos mágicos. Acima de tudo, magia é uma forma de
manipular forças, manipular elementos e colocá-los em ação. Acima de tudo, magia é uma ciência que
lida com forças, poderes e mistérios do mundo espiritual, do mundo natural, do mundo astral e do
mundo Divino, portanto, magia é uma ciência relacionada com a espiritualidade. De forma não
declarada a gente identifica, também, magia nas outras religiões, só pra gente ter um ponto de partida
ou de comparação já que a forma mais simples de falar sobre esses assuntos é abordar as religiões já
conhecidas, então, apenas lembrando, a gente já citou em uma outra situação a figura de Moisés pra
dizer que: “Nada nasce do nada, todas as religiões nascem de outras religiões” e Moisés é uma figura
totalmente emblemática e simbólica da formação de uma religião por meio de outras religiões e da
prática de magia. Então, no Velho Testamento a gente tem ali a presença de Moisés e nas passagens de
Moisés naquele texto, nós encontramos várias práticas de magia. Moisés estudou num ambiente Egípcio,
Moisés estudou com Jetro, Moisés volta com povo Semita, que em uma prática mágica que deu origem a
Cabala Hebraica, pois bem, Moisés em algumas passagens, ele tem um cajado – que é considerado
também um instrumento mágico por excelência – Moisés com esse cajado bate numa pedra e faz sair
água. Moisés joga esse cajado no chão e esse cajado se torna uma cobra. Moisés joga sete pragas no
Egito e usa símbolos mágicos pra essas pragas não entrarem na casa dos Semitas. Então, em Moisés a
gente vê várias práticas da arte real que é a Magia. A partir da figura dele no futuro surgiria a religião
que é a base, a figura de Moisés serve como base ali no Torá, no Velho Testamento, no Judaísmo.
Embora, não se fale de forma muito aberta, dentro do Judaísmo ou a partir do Judaísmo nós temos a
Mística Judaica. A Mística Judaica é a Cabala ou a Cabalá que, também, é uma forma de se praticar
magia Judaica. No Islã, nós temos o Sufismo que tem vertentes mais ou menos mágicas, com práticas
de magia a partir do Islã. Quando eu digo que se faz magia, a partir do Judaísmo com Cabala e magia a
partir do Islã com o Sufismo é porque existem símbolos e signos mágicos, existem fórmulas mágicas,
existem receitas para construir talismãs, para se usar adereços que tem um poder mágico e eles se
utilizam também de giz – de algo muito parecido com o que a gente usa na Umbanda que é a pemba –
também, se utilizam de velas, do elemento fogo, do elemento ar, terra, água e combinações desses
elementos para criar magia. Dentro do Cristianismo existe a alta magia que é aquela magia que aparece
na obra de “Eliphas Levi” ou na obra de “Papus”. E aí a gente vai encontrar em todas as culturas
práticas de magia: a magia Celta, a magia Egípcia, a magia Natural, a magia Indígena, então, magia é
algo que existe e faz parte do ser humano, não como folclore. Não estamos falando aqui de magia como
fruto da ignorância do ser humano, mas estamos falando de magia como uma ciência, como uma arte
de manipulação de forças, poderes e mistérios ligados as Divindades. E, isso é presente na Umbanda
desde o começo, desde que surgiu a religião de Umbanda existe a prática da magia.
Então, nós podemos recapitular o primeiro Terreiro de Umbanda que é a “Tenda Espírita Nossa
Senhora da Piedade” aonde se manifesta o Caboclo das Sete Encruzilhadas em Zélio de Moraes - a gente
vai ter uma aula, vamos ter uma aula pra falar sobre isso - A partir do primeiro Terreiro de Umbanda
HISTÓRIA DA UMBANDA
Desenvolvido e Ministrado por Alexandre Cumino

surge uma pessoa chamada: Leal de Souza, que é o primeiro autor de Umbanda. E o primeiro livro de
Umbanda, o primeiro título de Umbanda se chama: “O Espiritismo, a Magia e as Sete Linhas de
Umbanda”. Então, eu espero que fique um pouco mais claro o que é magia, embora, algumas pessoas
não consigam entender muito bem o que magia, todo mundo sabe, claramente, que às vezes você
pensa em alguém e aquela pessoa sente seu pensamento, você pensa em alguém e aquela pessoa liga
pra você, muitas vezes acontecem nas nossas vidas fatos simultâneos que a gente sabe que sofreram,
que ocorreram pela intercessão de um pensamento de uma terceira pessoa ou mesmo da presença das
Divindades. Então, nós cremos na força e no poder do pensamento positivo e negativo porque há quem
pense na gente com boas intenções, há quem pense na gente de forma mal intencionada. Então, a
pessoa quando pensa, ela projeta o sentimento junto, pra aquela no qual ela está pensando, mas às
vezes além de pensar em mim de uma forma bem intencionada, quem gosta de mim, reza por mim;
quem gosta de mim, acende uma vela por mim; quem gosta de mim coloca uma cruz, um santo, uma
vela, uma reza, coloca flores e começa reunir elementos aonde cada um desses elementos tem uma
força, tem um poder, tem um mistério. O conhecimento de como manipular a força desses elementos,
esse conhecimento, então, é que vai se chamar, então, a Magia - a ciência de manipulação desses
elementos. Então, na religião de Umbanda a gente vai reconhecer a prática da Magia onde as entidades
de Umbanda, eles têm a ciência da manipulação desses elementos. O Caboclo, o Preto Velho, o Baiano,
e o Boiadeiro, eles têm a ciência de como usar uma vela, eles têm a ciência de como fazer um trabalho
com velas, eles têm a ciência do por que usar uma vela amarela, uma vela verde, uma vela marrom,
uma vela azul, uma vela preta, uma vela vermelha. Eles têm a ciência da alta magia de Umbanda que é
a escrita mágica da Umbanda que fundamenta os pontos riscados de Umbanda, ponto riscado, a magia
de pemba, a magia pura. E aqui nós recomendamos a literatura: “Iniciação a Escrita Mágica”, do
Rubens Saraceni, da Editora Madras; “O Código da Escrita Mágica”, também de Rubens Saraceni e o
“Tratado Geral de Umbanda”, fala um pouco sobre a questão da magia de pemba. Então, essa ciência,
esse conhecimento é Magia. No momento em que uma entidade pede uma defumação, saber combinar
os elementos. O que é uma defumação? Defumação é um turíbulo com carvão em brasa e ali você
coloca ervas pra queimar – então, tenho ervas que são de Oxalá, de Oxóssi, de Oxum, de Xangô, de
Obaluayê, de Nanã, de Iemanjá, de Omulu - ter a ciência e conhecimento de cada erva, a qual Orixá
elas pertencem, o que cada erva realiza. Esta ciência é Magia porque é ciência de um poder espiritual,
porque cada erva está ligada a uma Divindade, então, com esta erva eu chamo a força daquela
Divindade, isso é magia. Mas, também é magia por uma imposição de mãos, por uma fórmula, por uma
determinação pela presença de um Orixá ou de um Caboclo expulsar uma entidade infeliz, prender,
agarrar e segurar um espírito trevoso, cortar uma demanda, tudo isso é prática mágica.
Então, Umbanda, ela é uma forma moderna, atual, contemporânea de praticar magia com
conhecimento, com informação, de uma forma riquíssima que pega desde da vertente religiosa, até a
vertente de mágica pura. A magia pura é aquele que é praticada sempre com um fim, o objetivo a ser
alcançado, por exemplo, a prática de fazer oferenda – é uma prática religiosa e ao mesmo tempo é uma
prática mágica. Quando eu faço uma oferenda para Ogum com intuito de agradecer algo, quando faço
uma oferenda pra Ogum apenas para que por meio daquela oferenda me aproxime do Orixá, então,
essa oferenda é uma oferenda de cunho religioso, de fé. Agora um consulente pode ir num Terreiro de
Umbanda dizer que está com os caminhos fechados e um Caboclo recomendar a ele que faça uma
oferenda pra Ogum para abrir os seus caminhos. Pode ser que ele nem saiba quem é Ogum, mas ele vai
lá numa estrada, ele vai num caminho ou vai numa estrada de ferro, e aí ele leva cravos vermelhos, ele
leva cerveja branca, ele leva velas brancas, velas vermelhas, velas azuis, ele leva um inhame, ele leva
mel, charuto acende, oferece, tudo isso pra Ogum. Com o objetivo de? Abrir o seu caminho, então, ele
está fazendo uma magia religiosa. Aí nós vemos a presença da magia, então, Umbanda é magia. Não é
apenas magia, Umbanda é religião e é também magia.
Portanto, nós podemos dizer que magia é uma das influências e origem da Umbanda. A Umbanda
é hoje, também, nossa forma de praticar magia. Magia que sempre foi perseguida pelas grandes
instituições religiosas, pois todo aquele praticante de magia tem um contato direto com a Divindade. O
HISTÓRIA DA UMBANDA
Desenvolvido e Ministrado por Alexandre Cumino

contato direto com a Divindade dispensa pontes, pontífices e intermediários, a prática da magia é uma
prática direta. Na religião de Umbanda, no Terreiro de Umbanda, nós temos um dirigente que é,
também, sacerdote. No entanto, o corpo mediúnico de um Terreiro de Umbanda é formado por
médiuns aonde todos médiuns de incorporação são elementos ativos dentro da religião. Por mais que eu
tenha um sacerdote que é o sacerdote daquele Templo, cada médium de incorporação é sacerdote de
um Templo vivo. Cada um de nós é um Templo vivo, aonde habita os Orixás e cada um de nós atua de
forma ativa na religião, diferente de outras religiões onde os adeptos participam de forma passiva, eles
chegam, sentam no banco ouvem a missa e voltam pra casa. Na religião de Umbanda cada médium é
um elemento ativo, por meio do qual as entidades incorporam, praticam religião e magia. E ensinam
práticas de magia, lhe ensina a fazer um agrado pra Oxum pra harmonizar o seu coração, lhe ensina a
fazer um banho de pipoca pra Obaluayê pra lhe trazer uma cura, lhe ensina a fazer um batimento de
folha no piso da sua casa pra fazer um descarrego na sua casa, lhe ensina a fazer um banho de ervas,
lhe ensina a fazer defumação. Então, o praticante de Umbanda, ele é também um praticante de magia
porque ao longo dos anos ele vai aprendendo diversas práticas de magias religiosas de Umbanda. Logo,
dizer que Umbanda é magia, também é um fato. E magia é origem, raiz e fundamento da religião de
Umbanda.
Muito obrigado e até o próximo bloco.

DIGITAÇÃO – Equipe Umbanda EAD

Você também pode gostar