Você está na página 1de 3

Primeira Prova - Teoria e Método da Geografia 2021 (valor: 35 pontos)

Nome(s): Larrysa Helen Cristiano Turno: Noturno

Questão 1: A partir da leitura e discussão em aula do texto de La Blache (1985), consulte e leia, no
site da Universidade Paris 1 (está em português), os textos da exposição realizada para a
comemoração do centenário de morte do autor. A exposição apresenta, a partir de materiais
originais (cadernos, desenhos e relatos de viagem), os principais aspectos da vida e obra de Vidal de
La Blache.

https://nubis.univ-paris1.fr/exhibits/show/seguindo-os-passos-de-um-geogr

Realize o seguinte exercício:

Aponte dois aspectos reveladores dos procedimentos de método e das formas de pesquisa utilizados
por Vidal de La Blache. Para isso, apresente os aspectos que julgar mais importantes relatados no site
indicado, comparando-os ao discurso do autor encontrado no texto debatido em aula (selecione os
trechos que julgar mais significativos).

Vidal de La Blache considera a Geografia como uma ciência cujo campo de estudo é a superfície
terrestre, tendo como objeto a relação entre o homem e o meio, que pode ser apreendido na
perspectiva da paisagem das regiões, a fim de entender os fenômenos as que produzem em suas
particularidades como elemento para a produção de analogias que permitam a compreensão do todo,
partindo de uma geografia regional, para a construção de uma geografia geral.

Dos aspectos relacionados aos procedimentos de método e das formas de pesquisa utilizados por Vidal
de La Blache destacam-se o método descritivo e o trabalho de campo como técnica privilegiada de
pesquisa.

O desenvolvimento de sua atividade geográfica que subsidia sua obra se dá por meio de suas viagens,
La Blache “… se deslocava frequentemente sozinho, observando, perguntando, desenhando,
saboreando os lugares e a travessia dos espaços, mas, como um intelectual viajante, sempre com a
preocupação de um programa de renovação da geografia”, por meio do trabalho em campo, La Blache
buscava a identificação dos fenômenos in loco, num contato direto com o objeto, sobre o qual se faria a
observação, a descrição, a classificação, análises e deduções, que foram a base para seus estudos
descritivos e narrativos realizados em suas viagens, onde eram observados o quadro natural,
característica da população, da cultura e da economia.

Seus registros em campo eram realizados em cadernos que continham desde “coordenadas de posição,
estado do mar e do céu”, desenhos, mapas a informações catalogadas de forma minuciosa sobre “o
estado mundo, os seus meios naturais, os usos de seus recursos por sociedades tradicionais ou
industriais”, informações essas utilizadas para construir essa ciência dos lugares.

Questão 2: A partir da leitura e discussão realizadas em aula sobre as perspectivas e características da


Geografia Quantitativa / Neopositivista, responda: Em que o método neopositivista difere da
proposta Positivista de ciência? Quais expressões desta diferença puderam ser reconhecidas nos
modos de se fazer Geografia? (a resposta deve ter no máximo meia página – utilizar apenas textos
trabalhados em aula para responder).

A ciência positivista é empírica, considera a realidade a partir de suas características físicas,


fundamentada na observação, descrição, enumeração, classificação e hierarquização dos fatos, que
objetiva estabelecer leis gerais sobre todos os fenômenos observáveis a partir de relações de causa, por
meio do método indutivo, para explicar sobre essa realidade. A ciência neopositivista apesar de
também ser de base empírica, busca avançar para além da descrição, buscando elaborar teorias e
hipóteses, buscando por padrões e modelos e modelos que possam ser quantificados e aplicados,
utilizando a linguagem matemática para expressar seus resultados, garantindo uma neutralidade, com
o distanciamento entre o pesquisador e seu objeto.

Aplicadas na geografia essas ciências produziram diferentes métodos de análise do espaço geográfico
com validade dentro do contexto em que se encontravam. Ao passo que a Geografia Tradicional, de
fundamentação positivista, ofereceu por meio do método descritivo a obtenção de informações sobre
os territórios ainda desconhecidos, a geografia quantitativa, de fundamentação neopositivista surge
num momento onde já se possuía um grande conhecimento sobre esses territórios, então ela propõe a
organização ou ordenamento dessa realidade, desses territórios, a partir desses modelos quantificados
dos fenômenos espaciais, que permitissem planejar esse ordenamento, intervindo de forma prática no
espaço, projetando o futuro.

Questão 3: A partir da leitura e discussão realizadas em aula sobre as perspectivas e características da


chamada Geografia Humanista e do método fenomenológico, proceda o seguinte exercício: De que
modo as transformações ocorridas na área central de uma cidade (o exemplo pode ser Uberlândia, ou a
cidade de sua preferência) poderiam ser avaliadas através da adoção da fenomenologia como princípio
de método? Quais seriam as preocupações e como um geógrafo poderia realizar tal tipo de estudo a
partir da chamada Geografia Humanista? (a resposta deve ter no máximo meia página, utilizar apenas o
texto trabalhado em aula).

Questão 4: A partir dos argumentos de Milton Santos (1977), no texto trabalhado em aula, responda:
Como as formas geográficas podem promover o aprofundamento das ações capitalistas no espaço?
Aponte um exemplo recente desta situação no território brasileiro e o avalie a partir dos
pressupostos de método propostos pela Geografia Crítica (resposta com máximo de uma página,
incluindo eventuais figuras - conteúdos consultados e utilizados devem ser acompanhados de
referências).

As formas geográficas podem promover o aprofundamento das ações capitalistas no espaço no sentido
em que a medida que o capitalismo se desenvolve no seu processo científico-tecnológico, ele
desenvolve novas formas. A implantação dessas novas formas, vem com a substituição de formas
antigas que alteram a dinâmica produtiva, favorecendo o ganho de capital. Ou seja, as formas se
configuram como meios de introduzir o capital tecnológico numa economia subdesenvolvida, tendo o
uso das formas como estratégia para intervir nas estruturas locais acarretando mudanças
socioeconômicas de forma indireta.
Enviar a prova em arquivo PDF (usando esta mesma formatação), até o dia 20 de agosto, por e-mail ao
professor: mirlei.ufu@gmail.com

Boa prova!