Você está na página 1de 191

 

Durante   vários   verões,   Miranda   Albright   viu   horrorizada,   mas


 vergonhosamente   excitada,   o   seu   perverso   vizinho   Ethan   Hamon,   o   notório
 conde  de  Rothschild,  "entreter"  uma  sucessão  de  amantes  nos  terrenos  da  sua
 propriedade.  Agora  que  o  pai  dela  morreu,  deixando  para  trás  uma  montanha
 
de  dívidas,  Miranda  deve  fazer  o  impensável.  Ethan  prometeu  apoiar  as  suas
 
irmãs  mais  novas,  Financeira  e  socialmente,  por  um  preço  escandalosamente
 
caro:  Miranda  deve  oferecer-­‐se  completamente  ao  conde  durante  três  meses,
sem  remorsos  e  sem  restrições.
 Noventa  dias  e  noites  de  sensualidade  desenfreada  esperam-­‐na  nos  braços  de
 um   galã   que   vê   a   sua   submissão   como   nada   mais   do   que   um   grande   jogo
 erótico.  Porém,  nem  Miranda  nem  Ethan  percebem  que  o  fogo  arde  por  detrás
 de   um   rubor   inocente.   E   assim   que   a   paixão   dela   é   desencadeada   pelos   lábios
 e   pelo   toque   de   Ethan,   é   a   aluna   que   vai   ensinar   ao   professor   os   caminhos   do
prazer  proibido...  e  do  amor.
Prólogo

1814

− Oslo?
Miranda Albright agachou-se debaixo de um ramo e afastou os galhos
da cara, enquanto tentava acalmar-se. A frustração borbulhava no seu
íntimo, ameaçando transbordar e eliminar a sua última réstia de controlo.
A vontade de se atirar para o meio do mato e ceder a uma birra de criança
era quase irresistível.
− Oslo! − sussurrou pela segunda vez, agora com os dentes cerrados.
Não apareceu nenhum cão milagrosamente.
− Maldito animal − murmurou, passando por cima de um tronco caído e
avançando por entre os ramos emaranhados das árvores.
Viera atrás do cachorro da mãe desde que ele se libertara da trela, o que
parecia ter acontecido há horas. À velocidade que as suas curtas patinhas
conseguiam levá-lo, poderia perfeitamente já estar no distrito mais
próximo.
Ou, no mínimo, na propriedade do vizinho.
No preciso instante em que este pensamento lhe cruzou a mente, ouviu
o eco de uma risada masculina vinda de perto. Ficou imediatamente
petrificada e olhou em volta para determinar a origem do som. Repetiu-se,
dessa vez mais rouca.
Percebeu, assustada, que se tratava mesmo do vizinho. Já antes escutara
o riso do conde de Rothschild; era ele, sem a mínima dúvida. Impertinente,
como se tivesse um segredo que jamais partilharia com ela. Era um riso
provocador, um riso trocista.
Avançou silenciosamente na direção do som. Esperava de todo o
coração que o maldito lulu-da-pomerânia (1) da mãe não tivesse
interrompido as diversões da tarde do indivíduo. Só o encontrara algumas
vezes, principalmente em festas campestres com os pais, mas nunca lhe
parecera um homem muito paciente. Pela postura, pela maneira como
olhava para os outros, era visível que estava habituado a conseguir o que
desejava e quando o desejava.
Rothschild não parecia certamente o tipo de homem que apreciasse
aquela espécie de diabo disfarçado de pelo cor de laranja a correr por cima
da sua manta de piquenique. Tinha a certeza de que ouviria um raspanete
dele e dos seus companheiros, caso as suas piores fantasias se tornassem
realidade.
Preparada para uma severa repreensão, entrou numa zona onde as
árvores se adelgaçavam e olhou na direção de onde lhe chegara a voz. O
que viu petrificou-a, e ficou de queixo caído.
Supusera que encontraria o conde com um grupo de amigos, a pescar na
lagoa, ou talvez a partilhar uma refeição. Qualquer tipo de diversão normal
seria de esperar com aquele belo tempo estival.
Observou, em vez disso, um tipo muito diferente de entretenimento,
sobre o qual as viúvas e as mulheres casadas sussurravam em segredo, sem
no entanto o partilharem com ela, dizendo que a sua hora chegaria em
breve. Uma atividade que a mãe jurou que apenas falaria com Miranda
quando ela se preparasse para a noite de núpcias.
Contudo, aquela não era a noite de núpcias de Miranda. E, no entanto,
não conseguia desviar os olhos. Ali estava ao ar livre, à vista de todos, o
elegante conde de Rothschild... na companhia de uma mulher.
Havia tantas coisas na cena capazes de chocá-la, que Miranda não sabia
por onde começar.
Primeiro que tudo, Rothschild estava sem camisa. Miranda já tinha visto
homens sem camisa, apesar das tentativas da mãe para a proteger. Por
vezes, os trabalhadores do campo despiam-nas e Miranda vislumbrava-os
de relance da carruagem do pai, quando se dirigiam para a cidade. Essa
visão sempre lhe provocara uma emoção proibida. Uma emoção
exacerbada por aquilo que estava a testemunhar secretamente nesse
instante.
Aqueles trabalhadores, que muitas vezes pareciam suaves, mesmo à
distância, em nada se pareciam com o conde. Os músculos ressaltavam no
seu corpo esguio, movendo-se sob a pele, enquanto mudava de posição na
manta de piquenique que fora estendida junto ao lago. Tinha a pele
bronzeada, como se andasse muitas vezes sem a proteção decente de uma
camisa. E algumas madeixas encaracoladas de cabelo escuro caíam-lhe
sobre a testa, assemelhando-o a um demónio desgrenhado e tentador.
Quando a mulher debaixo dele gemeu, Miranda sobressaltou-se.
Estivera tão concentrada no indivíduo que nem sequer prestara atenção à
sua amante. Será que a conhecia? À primeira vista, não notou nada de
familiar, não que Miranda pudesse tê-la reconhecido com a cabeça virada
para o lado, de costas para o arbusto onde Miranda estava escondida. E,
nesse momento, o rosto dela não interessava tanto Miranda como o seu
estado de nudez que superava o de Rothschild.
O vestido da senhora formava uma pilha ao lado da camisa e do casaco
do conde. Ela exibia somente uma fina combinação enrolada à volta da
barriga, deixando-a nua da cintura para baixo, à exceção de um par de
meias rendadas brancas e de uns chinelos de cetim de salto alto. Os
chinelos eram impossíveis de ignorar, dado repousarem sobre os ombros
bronzeados e bem definidos do conde.
Ele ajoelhava-se entre as pernas dela e estava…
Miranda inclinou a cabeça, semicerrando os olhos para ver melhor,
embora soubesse que não devia fazê-lo.
Deus do céu, ele estava a lambê-la… ali. Naquele sítio que a mãe a
mandara ignorar, ordem essa a que ela secretamente desobedecia. No lugar
que latejava loucamente, enquanto observava Rothschild dando prazer à
mulher, que gemia e se contorcia. As ancas da mulher desconhecida
erguiam-se, e ela arqueava as costas a cada lambidela. Os gritos
aumentaram de intensidade a cada beijo íntimo.
Miranda mudou de posição. Devia virar as costas. Devia fugir! Aquele
não era um lugar recomendável. Contudo, era incapaz de deixar de
observar. Deixar de esperar pelo que veria a seguir. Sentia-se incapaz de
parar a urgência crescente no seu íntimo, que já sentira antes, mas jamais
tão forte e com tanta necessidade de ser satisfeita. Fechou os olhos por
instantes, mas os gemidos continuaram a ecoar e provocaram uma breve
imagem.
Uma imagem em que Miranda recebia prazer do conde na vez daquela
mulher sem rosto.
Abriu os olhos e arregalou-os face àquele pensamento chocante. O que,
com mil diabos, se passava na sua cabeça? Tapou a boca para impedir que o
suspiro involuntário revelasse a sua espionagem, mas ainda assim não
desviou o olhar da cena que se desenrolava na sua frente.
Rothschild levantou-se e Miranda obteve uma visão mais nítida da sua
companheira. Era sem dúvida uma forasteira, não uma mulher da aldeia ou
um membro de uma família das redondezas. A mulher soergueu-se um
pouco, apoiando-se nos cotovelos com um sorriso, enquanto observava
Rothschild a despir as calças, enxotando-as depois para o lado.
Miranda fixou o olhar. Embora já tivesse observado o peito de um
homem, este era totalmente diferente. As pernas musculosas rematavam
um traseiro igualmente musculoso, e ambos estavam tão bronzeados como
as costas e os braços. Deus do céu! Isso significava que ele se expunha
regularmente nu ao ar livre.
E depois havia o músculo proeminente entre as pernas. Miranda tinha
ouvido os criados chamarem-lhe «picha» quando não sabiam que ela estava
ao alcance das vozes. Era tão duro como qualquer outra parte do seu corpo,
elevando-se ereto na direção do ventre.
A mulher por baixo dele passou a língua pelos lábios enquanto o fitava
tão descaradamente como Miranda o fazia. A estranha sorriu com uma
expressão perversa e lasciva, que levou a jovem a sentir-se muito ingénua e
ciumenta. Havia uma tal confiança em cada movimento da outra mulher,
uma sensualidade que Miranda reconhecia, mas que ainda era incapaz de
dominar, graças às constantes críticas e intromissões da sua mãe.
− Vem cá – ordenou a mulher, abrindo um pouco mais as pernas.
− Oh, que beleza! – elogiou Rothschild num tom arrastado, enquanto
contemplava a oferta flagrante com um sorriso perverso.
Ajoelhou-se entre as pernas apartadas da mulher. Baixou os lábios na
direção do sexo feminino, imobilizando-lhe os braços atrás da cabeça. Em
seguida, impulsionou os quadris e o seu membro desapareceu no corpo
dela.
Miranda ouvira antes os criados e as amigas casadas falarem à boca
pequena sobre sexo. As descrições variavam entre «paradisíaco» e
«horrível». Contudo, a julgar pelos gemidos lascivos da mulher deitada na
manta de piquenique, Miranda pôs-se a pensar que a primeira era uma
descrição mais adequada. Se o que aquela mulher sentia se repercutia em
Miranda só por estar a observá-los, tinha de ser celestial.
Miranda virou-se um pouco, ansiando por se tocar, desejosa de acalmar
a tensão que crescia como um inferno entre as pernas. Sabia que as suas
próprias mãos lhe concederiam prazer. Já o fizera antes, deleitando-se com
o alívio obtido.
Seria isso o que sentiria, caso um homem como o conde lhe apartasse as
pernas, como o fazia com aquela mulher, e a penetrasse com aqueles breves
movimentos circulares das ancas musculosas?
Iria Miranda gemer e gritar assim caso fosse Rothschild a possuí-la? Se
fosse ela a quem ele reclamasse tão descaradamente?
Fechou novamente os olhos, enquanto o sangue lhe aflorava às faces.
Como desejava conhecer as respostas àquelas perversas e silenciosas
perguntas. Como desejava experimentar aquele tipo de paixão.
Ao sentir um empurrão na mão, Miranda soltou um gritinho de
surpresa. Baixou os olhos e verificou que Oslo encontrara o caminho de
volta até junto dela e estava sentado ao seu lado, abanando freneticamente
a cauda, com a cabeça inclinada enquanto aguardava.
Deitou um olhar de relance na direção do par, ao mesmo tempo que
pegava no cão e o encostava ao peito para que ele não se escapasse pela
segunda vez. Com a sorte que tinha, Oslo seria bem capaz de sair disparado
como um raio para a clareira e revelar a sua humilhante intrusão.
Aparentemente, Rothschild não ouvira o seu grito, mas a mulher por
baixo dele apertou as mãos à volta dos seus musculosos antebraços.
Emitiu um som lascivo e rouco, antes de perguntar: − Ouviste aquilo?
Miranda agachou-se imediatamente ainda mais, espreitando através da
relva alta e pedindo baixinho para que não tivesse de suportar a
humilhação de ser apanhada. O perverso conde assumiria, sem dúvida, que
ela os espiava há algum tempo. Pior ainda, sentia-se excitada com a cena.
Nunca a esqueceria. Nunca. E como poderia enfrentá-lo depois?
Pior ainda, se ele fosse a sua casa e contasse aos pais o que ela andara a
fazer? Não conseguiria suportar as reações deles, sobretudo da mãe, que
tornaria a sua vida um inferno caso o soubesse.
Miranda susteve a respiração enquanto Rothschild levantava a cabeça.
A respiração saía-lhe ofegante.
− O quê?
− Um grito – insistiu a mulher.
Rothschild rodeou-lhe lentamente as ancas, e a mulher praguejou,
emitindo uma palavra que Miranda nunca tinha ouvido mas que não
precisava de conhecer para saber que não convinha a uma senhora. Por que
razão a palavra vulgar lhe humedecia ainda mais as coxas? Era como se o
fruto proibido fosse também inegavelmente excitante.
− São provavelmente aqueles pavões absurdos que o Brendan trouxe
com ele na semana passada – resfolegou, impulsionando novamente as
ancas com um gemido. – Esquece.
− Pavões, hein? – retorquiu a mulher com uma gargalhada, ao mesmo
tempo que lhe rodeava o pescoço com os braços e o puxava para um beijo
profundo.
Miranda esperou até os dois estarem completamente absortos naquela
união antes de apertar Oslo com mais força contra si e começar a rastejar
para longe da sua linha de visão. Mesmo depois de saber que já não podiam
vê-la, e atrevendo-se a pôr-se de pé, continuou a ouvir à distância os
gemidos de encorajamento da mulher e os grunhidos de gozo de
Rothschild. Pior ainda, quando os sons decadentes se perderam, não
conseguiu apagar a perfeita nitidez de tudo o que testemunhara. E
as imagens continuaram a excitá-la desmedidamente.
Rebuscou na peliça a trela partida de Oslo e atou-a desajeitadamente à
volta do pescoço do cão antes de o pousar no chão e iniciar o caminho de
regresso a casa. Era inundada a cada passo pela imagem escaldante de
Rothschild a enterrar-se na mulher; pela forma como ele a saboreava
intimamente, pelos gemidos dela e o roçar da pele nua.
− Oh, meu Deus! – arquejou Miranda. – Quero aquilo, quero tanto uma
paixão semelhante. Como é que alguém pode contentar-se com menos?

(1) Os lulus-da-pomerânia ou simplesmente pomerânios, como são
conhecidos, são os cães mais pequenos do grupo Spitz. Apesar do tamanho,
são vivazes e dinâmicos, tornando-se excelentes cães de guarda, mas é
muito comum serem adotados como cães de companhia. ( N. da T. )
Capítulo 1

Três anos mais tarde
1817

− Mamã – disse Miranda Albright com um suspiro ao observar a mãe
exibir outro vestido de seda para a sua irmã mais nova, Penelope. – Não
devia ter comprado essas coisas sem falar primeiro comigo!
Dorthea Albright virou o corpo rechonchudo para a filha mais velha
com um franzir de sobrolho.
− Esta casa é minha, Miranda! Não tenho de pedir permissão às minhas
filhas para nada.
Miranda fechou os olhos e contou até dez em silêncio e muito
lentamente. A hesitação não bastou para dominar a sua raiva e frustração.
Ainda assim, conseguiu manter um tom calmo ao responder.
− Mas, mamã, tudo isso é tão caro! – pronunciou por entre os dentes
cerrados, com um movimento de cabeça para o monte de tecidos e de
chapéus e… aquelas eram joias empilhadas no sofá? – Há seis meses que
tenho gerido as finanças e sei perfeitamente o que se enquadra ou não no
nosso orçamento.
− Ah, sabes? – bufou a mãe, revirando os olhos. – Sabes é como manter-
nos na pobreza.
− Se insiste em viver acima das nossas posses – redarguiu Miranda,
cerrando os punhos ao lado do corpo –, pelo menos fale comigo para que
possa preparar-me para a despesa adicional. E talvez juntas sejamos
capazes de encontrar maneiras de sermos mais frugais. As nossas dívidas…
A mãe levantou a mão, repelindo o comentário de Miranda.
− Seria bem melhor que encontrasses um marido rico que solucionasse
os nossos problemas financeiros do que gastares o tempo à volta dos
nossos livros de contabilidade! Quando o teu pai era vivo, conseguia dar-
nos tudo o que queríamos, o que precisávamos e mais! Por que razão tudo
mudou? Simplesmente porque ele deixou este mundo?
A mãe fungou e, embora se sentisse frustrada, Miranda sentiu uma certa
empatia pelos sentimentos visíveis no rosto marcado de Dorthea.
Independentemente dos erros do pai, a família amava-o e sentia muito a
sua falta.
Penelope deitou um breve e compreensivo olhar a Miranda antes de
pousar a mão no braço da mãe.
− Mamã, sabe que a Miranda está apenas a zelar por nós, e eu não
preciso de três vestidos verdes.
Talvez se devolvermos dois deles…
− É o verde que melhor se adequa aos teus olhos – interrompeu a mãe. –
Torna menos óbvio que estejam demasiado juntos.
Miranda esboçou um trejeito. Deus do céu! A mãe não tinha um mínimo
de tato. Passara a vida a ser posta de lado. Era-lhe difícil suportar ver
aquele veneno bem-intencionado ser dirigido à sua irmã.
− Os olhos da Penelope estão perfeitamente espaçados!
A mãe fulminou-a e decretou: − Ela precisará de todos os vestidos
quando começar a sua temporada. Não quero que ninguém diga que as
minhas filhas se apresentam mal vestidas! Esta é a minha última palavra
sobre o assunto.
Dorthea recolheu os vestidos, agarrou na mão de Penelope e deitou um
olhar furioso a Miranda, antes de sair da divisão com a pompa e
circunstância de uma rainha.
Miranda deixou escapar um gemido quando a porta da sala se fechou
atrás delas. Se a mãe era uma rainha, governava, na verdade, um reino
bastante pobre. O pai podia ter-lhes dado tudo o que elas «queriam,
precisavam e mais», mas havia sido à custa da estabilidade financeira de
que desfrutavam.
O seu vício do jogo, aliado a uma vida de maus investimentos e de luxo,
reduzira os cofres a praticamente nada. Só a manutenção da casa bastava
para colocá-las à beira da ruína.
Para piorar a situação, na qualidade de terceiro filho de um marquês
não particularmente abastado, o pai não tinha terras que compensassem os
seus prejuízos. Apenas possuía vícios, dívidas e sorrisos amáveis.
− Que Deus tenha em paz a sua alma! – murmurou Miranda, enquanto
revia novamente as cifras.
Nada mudara. Pousou então a cabeça na beira da mesa, suspirando.
O que, com mil diabos, poderiam fazer?
− Miranda? – pronunciou uma voz vinda do sofá, junto da janela.
Miranda endireitou-se sobressaltada. A sua irmã do meio, Beatrice,
fitava-a de braços cruzados.
Quase se tinha esquecido da presença da jovem. Uma ocorrência rara, já
que a miúda mimada raramente se permitia ser algo que não fosse o centro
das atenções.
− O que é, Beatrice? – perguntou Miranda com mais um suspiro.
− Não podes recusar-nos a temporada! – declarou Beatrice, começando
a bater no chão com o chinelo por baixo da bainha do seu robe
extravagante. – Só porque decidiste ser uma solteirona, isso não significa
que todas sejamos forçadas a seguir os teus passos.
− Dificilmente posso ser considerada uma solteirona aos vinte anos,
Beatrice – reagiu Miranda, encolhendo-se. – E a tua temporada não
acontecerá pelo menos durante mais um ano, portanto, se fosse a ti, não me
preocupava.
− Ah! – exclamou Beatrice, dando três longos passos na sua direção. –
Como queres que não me preocupe? Já recusaste os vestidos da Penelope e,
se levares a tua avante, não serei moderna nem apetecível quando fizer a
minha entrada na sociedade!
Miranda abriu a boca para responder, mas Beatrice sacudiu um dedo
diante do seu rosto.
− E uma solteirona faz-se pelas atitudes e não pela idade – ripostou
Beatrice. – Já podias ter casado com uma dúzia de homens ricos…
− Uma dúzia é como quem diz – murmurou Miranda.
A irmã prosseguiu, sem atender à interrupção: − E, antes do mais,
poderias salvar-nos deste sofrimento, mas recusaste. Não queres ser feliz! –
O
lábio de Beatrice começou a tremer e os seus olhos azuis encheram-se
de lágrimas. – Além disso, também não permitiste que nós fôssemos felizes.
Miranda suspirou quando a irmã recolheu as saias e fugiu da sala,
batendo a porta atrás de si com estrondo. Se Beatrice não fizesse a mesma
coisa todos os dias, Miranda podia ter-se comovido, mas naquele dia sentia-
se demasiado cansada para colaborar nos jogos infantis da irmã.
Analisou de novo os valores financeiros. Deus do céu! Quando chegasse
o momento da apresentação de Beatrice à sociedade, talvez nem tivessem
dinheiro para comida, muito menos para vestidos.
A porta produziu um estalido e Miranda necessitou de todas as forças
para não deitar a cabeça na mesa e pôr-se a soluçar. Não conseguiria
aguentar mais uma birra. Pura e simplesmente era incapaz.
Contudo, foi Penelope quem entrou na sala, e não Beatrice ou a mãe. As
duas jovens trocaram um sorriso cansado. Miranda podia contar com
Penelope. Era a sua melhor amiga e confidente… pelo menos na maior
parte dos assuntos. Existia ainda um segredo que nem Penelope conhecia.
E se Miranda levasse a melhor, tal nunca aconteceria.
− Tentei convencer a mamã a devolver os vestidos, mas ela recusa –
informou Penelope, afundando-se na cadeira à frente de Miranda com um
suspiro fatigado. – Lamento muito.
− Nunca acreditei que ela cedesse – retorquiu Miranda, abanando a
cabeça. – E devia ser eu a pedir desculpa, e não tu.
Penelope inclinou-se, surpreendida.
− Tu? Pedires desculpa? Por que razão? Desde que o papá morreu há
seis meses, foste a única pessoa que impediu esta família de andar a pedir
esmola nas ruas. Percebo isso, mesmo que não seja o caso da mamã e da
Beatrice. Não tens de pedir desculpa por nada.
Miranda levantou-se e dirigiu-se à janela. Olhou lá para fora e engoliu
uma praga, ao observar três criados que plantavam novas roseiras. Quando
é que elas haviam sido encomendadas? Com os diabos! Aquilo significava
mais dinheiro arrancado aos parcos recursos da família para coisas frívolas
a que apenas a mãe se atreveria a apelidar de necessárias. A cabeça
começou a latejar-lhe.
− Como a Beatrice gosta de frisar diariamente, eu podia ter aceitado
propostas de casamento de vários homens que se encontravam, todos eles,
numa posição financeira de salvar esta família da ruína. Se o tivesse feito,
os nossos problemas não seriam tão prementes agora. – Miranda continuou
de olhos postos no exterior, mas mal via os jardins. – Por causa das minhas
decisões, a tua temporada não será como deveria. E ainda falta a Beatrice,
para nem falar da Winifred!
Penelope pôs-se de pé e avançou até junto de Miranda, rodeando-lhe os
ombros com o braço.
Apertou-a, e Miranda sentiu-se confortada, embora por breves
instantes.
− Esquece a Beatrice. Se lhe disseres que o céu é azul, ela argumenta o
contrário apenas para ouvir a própria voz. E a Winifred ainda agora fez
dezasseis anos e tem a cabeça nas nuvens. Nem sequer pensa ainda na
temporada. Quanto a mim, decerto não te censuro por não teres aceitado
essas propostas. Por um lado, foram todas feitas muito antes de saberes da
nossa… − hesitou – … da nossa situação. Dois dos cavalheiros eram
bastante horríveis. Quanto ao outro, não o amavas, e tu queres amor.
Miranda esboçou um trejeito. Não, ela queria paixão, mas recusava falar
disso à irmã. Tão-pouco tencionava contar-lhe como sabia tanto sobre o
tema da paixão.
Imagens eróticas começaram a apoderar-se-lhe da mente, como
acontecia cada vez mais frequentemente naquela época do ano, mas
afastou-as.
− As mulheres na nossa posição não podem esperar por amor. Fui
egoísta, e agora estamos todas a pagar o preço – suspirou Miranda. – Não
me apercebi pura e simplesmente de como a nossa situação era terrível até
à morte do papá. Nessa altura, já estava rotulada como uma mulher que
recusava propostas. Uma futura solteirona, e duvido que conseguisse obter
mais uma proposta, mesmo que o tentasse. Certamente não de um homem
com capacidade para nos ajudar.
Penelope apertou-lhe o braço.
− Como é que está a nossa situação financeira, Miranda? Fala sem medo.
Miranda virou-se para a irmã e franziu o sobrolho. Ocultara o grosso
dos pormenores às irmãs, mas o peso da verdade começava a bulir-lhe com
os nervos. E não havia forma de disfarçar após se ter deitado a alterar o
conforto das suas vidas quotidianas. Já principiara a elaborar um
inventário de objetos que podiam ser vendidos sem levantar as suspeitas
da mãe. Infelizmente, não restavam muitas coisas na casa que se
encaixassem nessa descrição. O pai saíra-se muito bem a livrar-se delas
pelas suas próprias mãos. Se a mãe soubesse quantas das suas queridas
joias já pertenciam ao passado…
− Se não descobrirmos uma maneira de arranjar rapidamente dinheiro
para esta família – sussurrou –, podemos muito bem perder tudo, incluindo
a nossa casa.
− Oh, céus! – retorquiu Penelope, empalidecendo. – Embora soubesse
que a nossa vida corria mal, esperava que estivéssemos em melhor
situação. – Recuou alguns passos e levou uma das mãos ao coração. – Oh,
papá… como pudeste ser tão tolo?
Miranda esboçou um silencioso aceno de concordância, ignorando a dor
da perda que ainda a afligia ao pensar no pai. Nutria um misto de
sentimentos no que se lhe referia: ira e tristeza, amor e dor.
− O que podemos fazer? – soou a voz de Penelope, interrompendo-lhe
os pensamentos.
Miranda esfregou os olhos.
− Um bom casamento pode ser a única solução.
− O meu bom casamento, queres tu dizer – murmurou Penelope.
− Temo bem que sim – suspirou Miranda. – Eu falhei, mas ainda há
esperança para ti, antes que toda a gente esteja a par dos nossos problemas
e o nosso nome fique manchado. Precisas de uma época alta, de uma
temporada espetacular. E eu necessito de encontrar uma maneira de o
conseguir.
Na verdade, andei a pensar no assunto e creio ter encontrado uma
solução.
Penelope colocou a cabeça de lado com uma expressão surpreendida.
− O que queres dizer?
Miranda abanou a cabeça.
− Não, não te preocupes com isso. Basta que vás experimentar os
vestidos e faças a mamã feliz. Se ela estiver feliz, não notará a minha falta.
− A tua falta? – redarguiu Penelope, passando da surpresa ao alarme. –
Onde vais?
Miranda esboçou um trejeito. Ali estava uma pergunta a que não podia
responder.
− Tenho de fazer uma coisa.
Penelope mordeu o lábio e fitou Miranda com preocupação. Mas depois
encolheu os ombros.
− Muito bem. Cuida bem de ti.
Miranda deu uma palmadinha na mão da irmã e escapou-se da sala.
Porém, enquanto arranjava as suas coisas, foi incapaz de reprimir um
arrepio. O que estava prestes a fazer podia ajudá-la ou arruiná-la
completamente. Era algo que temia e aquilo por que mais ansiava.
Preparava-se para oferecer uma pechincha ao homem que lhe tinha
ensinado tudo o que sabia sobre desejo e paixão. O homem que nunca
soubera que era o seu tutor.
Ethan Hamon, conde de Rothschild, bebeu um longo gole de xerez,
saboreando-o. Céus, como era bom estar em casa! Apesar da vida que
desfrutava em Londres, ansiava o ano inteiro pelos poucos meses que
passava ali em Hamon House. Praticava desporto, usufruía das idas e
vindas dos amigos durante o verão… e, por norma, tinha uma amante
diferente todos os anos.
Excetuando aquele. Nenhuma mulher lhe despertara suficientemente a
fantasia para a trazer à sua propriedade e desfrutar de longos dias e noites
de um gozo corrupto.
Verdade seja dita que estava a sentir-se cansado do jogo, daquelas
mulheres provocadoras e afetadas com toda uma fingida relutância e, por
fim, da entrega, com uma paixão fabricada. Nesse ano queria… algo
diferente.
De fato, não sabia muito bem o que significava «diferente». Talvez
descobrisse quando se lhe deparasse.
− Milorde?
Ethan virou-se para o mordomo, com uma sobrancelha arqueada.
− Sim, Winston?
− Tem uma visita, milorde. Disselhe que não estava em casa, mas ela
insistiu. Parecia estar bem a par do seu calendário.
O mordomo deu uma fungadela manifestando o seu desagrado pelo
estilo de vida de Ethan, mas o conde ignorou-a. Habituara-se às maneiras
de Winston, e dado que ele era um mordomo perfeito em todos os outros
aspetos, valia a pena suportar a censura subtil e os olhares de soslaio.
− Uma visita? Que interessante! – exclamou Ethan, pousando o corpo. –
Conheço essa senhora?
Os lábios de Winston formaram uma linha reta.
− Já esteve aqui antes, senhor, se é a isso que se refere. Trata-se de Miss
Miranda Albright, a filha do seu falecido vizinho, Mister Thomas Albright.
Ethan franziu o sobrolho. Miranda Albright estava na sua casa?
− Veio com a mãe? – perguntou com um arrepio.
Dorthea Albright era o seu pior pesadelo e ele fazia o possível e o
impossível para a evitar.
− Não, senhor – respondeu o mordomo, torcendo o nariz, antes de
acrescentar: − Miss Albright está sozinha.
Ethan endireitou-se. Miranda estava sozinha? Nunca lhe cruzara a
mente que pudesse ver-se a sós com a senhora. Sobretudo porque ela era
apenas isso… uma senhora. Nunca ia onde quer que fosse sem um bando de
damas de companhia para observarem cada um dos seus movimentos.
Apesar desse fator detestável, Ethan reparara nela. Era obviamente
cuidadoso em relação às mulheres que optava por perseguir, mas isso não
significava que fosse imune aos encantos das que se encontravam fora do
seu alcance. E não havia qualquer mal em observar.
Por conseguinte, assim o fez. Miranda Albright era uma beldade. Tinha o
cabelo louro, uns luminosos olhos azuis e era alta, dona de uns membros
esguios que por vezes imaginara a rodearem-lhe o pescoço.
Todas essas coisas o atraíam, mas havia algo mais que a tornava
inesquecível. Como era apropriado a uma senhora da sua posição, ela quase
nunca o fitava diretamente, mas, quando o fazia, ficava sempre com a
sensação de que ela conhecia algo secreto a seu respeito. Algo que ninguém
mais sabia.
Não era obviamente verdade. Uma jovem reclusa como Miranda jamais
poderia imaginar a vida que Ethan levava, mas ainda assim… o seu olhar
era sedutor.
E agora estava ali na sua casa. Sozinha e a exigir uma audiência com ele.
Que intrigante.
− Vou recebê-la – indicou num tom calmo.
Winston emitiu um profundo suspiro indicativo do seu desagrado face
àquela decisão.
− Ela espera-o no salão, milorde.
Após o criado ter feito uma vénia e saído, Ethan alisou o casaco. Parecia
indubitavelmente descomposto após uma última semana de deboche em
Londres e de uma longa viagem de carruagem até ao campo. Como iria
reagir a jovenzinha quando ele entrasse no salão com a barba por fazer e o
aroma a xerez nos lábios?
Não seria interessante observar?
Sorriu ao de leve enquanto percorria o corredor e abriu a porta do
salão.
Miranda estava sentada numa cadeira perto da lareira, com o pé
estremecendo nervosamente debaixo dela. Quando a porta se abriu,
levantou-se e virou-se na sua direção. Por um breve momento, o rosto
expressou nervosismo e uma perceção da inconveniência da situação.
Contudo, no momento em que o fitou diretamente, tudo mudou. Os seus
enormes olhos azuis – tão luminosos que quase lhe recordaram o mar em
zonas mais quentes do mundo do que a Inglaterra – percorreram-lhe o
corpo de alto a baixo. E não se tratava de uma leitura rápida e nervosa, mas
de outra coisa.
Ela deteve-se em cada polegada do seu corpo e, por um breve instante,
algo brilhou no seu rosto que quase petrificou Ethan.
Desejo, um quente, ousado e inebriante desejo.
Percebeu naquele instante que estava a olhar precisamente para o que
procurara em todas as cortesãs e viúvas de Londres, enquanto buscava a
amante desse ano.
E na sua frente estava a imagem de uma mulher que ele jamais poderia
ter sem uma aliança em ouro a rodear-lhe o dedo.
Aquilo era um erro. Um erro terrível. Contudo, Miranda foi incapaz de
reunir forças para se afastar.
Apenas conseguiu ficar no meio do salão de Rothschild, a olhar para ele.
Bebendo-o e pensando em todas as coisas perversas que o vira fazer.
Por Deus, ele era o homem mais bonito que tinha visto em toda a sua
vida de consentida reclusão.
Mas não podia imaginar que até mesmo a mulher mais experiente
pudesse fitá-lo sem perder a cabeça. De fato, sabia que era impossível. Vira
muitas delas renderem-se ao seu toque durante os três anos em que andara
a espiar os seus encontros.
As coisas que ele fizera àquelas mulheres que se lhe rendiam. A maneira
como agira…
O mero pensamento fê-la contorcer-se e uma humidade premente
inundou-lhe as coxas. Não! Não podia pensar nisso agora. Não, se quisesse
falar com ele sem parecer tola e confusa.
− O-olá – balbuciou com a voz embargada.
Verificou, surpreendida, que ele deixava a porta aberta, apoiando o
largo ombro na entrada.
− Que surpresa, Miss Albright! – saudou com um toque de humor, como
se estivesse a troçar dela.
Era sempre essa a sensação que lhe dava e fê-la ruborizar.
− Percebo que não era esperada – retorquiu, unindo as mãos trémulas
atrás das costas, ciosa de poder ocultar o seu nervosismo.
− Nem convidada – interrompeu-a com um largo sorriso que pareceu
inundar-lhe o bonito rosto. – Mas não posso dizer que foi uma surpresa
desagradável. Admito que me sinto bastante curioso para saber o motivo
da sua visita. Quer esclarecer-me?
A jovem mudou nervosamente de posição, fitando a porta aberta. Por
que razão ele não tinha entrado?
− Pretendo discutir um assunto delicado – balbuciou. – Gostaria que os
criados não nos ouvissem.
Rothschild inclinou a cabeça e observou-a atentamente. Havia algo na
maneira como ele a examinava, como se não tivesse a certeza se havia de
comê-la ou comprazê-la. Miranda não sabia qual das opções preferia.
− Os meus criados não têm ouvidos, minha querida – disse, finalmente,
mantendo-se na entrada.
Miranda franziu o sobrolho.
− Todos os criados têm ouvidos, milorde, mesmo quando fingem o
contrário. Sabe-o tão bem como eu.
− Tinha-me esquecido da sua curiosidade e do seu atrevimento.
Esboçou um sorriso perverso, mas era como se a observação fosse mais
para si. A jovem cruzou os braços sobre o peito como uma barreira.
− Não vai fechar a porta? – perguntou, erguendo o queixo, orgulhosa.
O sorriso do conde tornou-se menos genuíno.
− Não, minha querida, não vou. Não quero ouvir a sua mãe dizer que lhe
destruí a reputação e exigindo que peça a sua mão em casamento. Não
tenciono cair na armadilha, se é esse o objetivo da sua visita.
Miranda deu um passo em frente sem pensar.
− Como se atreve! Claro que não vim aqui para lhe armar uma cilada! E
a minha mãe não tem nada a ver com este assunto! – Hesitou antes de
prosseguir: − Bom, na verdade, tem, mas só indiretamente.
Ela não me mandou aqui como parte de qualquer esquema.
O conde recostou-se à ombreira e examinou-a.
− Arguta, picante e bonita, também. É uma pena! – Pareceu refletir
momentaneamente na sua afirmação e depois encolheu os ombros e fechou
a porta atrás dele. – Muito bem. Mas admita que, se estiver a mentir, não
casarei consigo para salvar qualquer mácula na sua reputação. Se criar uma
situação por si própria, viverá com as consequências.
Caso Miranda não estivesse tão nervosa, poderia ter soltado uma
gargalhada. Deus do céu! O homem não fazia a mínima ideia do que ela
estava prestes a propor-lhe. De qualquer maneira, era demasiado
presunçoso e convencido. Talvez fosse divertido vê-lo totalmente chocado.
Assustador, mas divertido.
− Fale, Miss Albright – convidou, enquanto se servia de uma bebida. –
Dispõe de toda a minha atenção, e não a perca fitando-me assim em
silêncio.
Miranda estremeceu. Estivera a fitá-lo. Era difícil evitá-lo com a sua
camisa esticada sobre os braços quando se dobraram para agarrar num
copo.
− Sim, claro. – Parou e aclarou a garganta enquanto pensava nas
palavras que havia preparado.
Tinha praticado aquele discurso pelo menos uma centena de vezes, mas
mesmo assim saiu-lhe com dificuldade. – Eu… eu receio ter de ser franca,
pois disponho de pouco tempo.
Ele soltou aquela deliciosa gargalhada rouca que já lhe ouvira tantas
vezes. Fechou imediatamente os olhos e abafou um suspiro.
− A franqueza agrada-me, pois tenho pouca paciência.
Miranda abriu os olhos. Ele bem podia dizer aquilo, mas ela sabia que
não era verdade. Desde a primeira tarde em que o espiara, há três anos,
quantas vezes o observara deitado naquele mesmo sítio junto ao lago e a
satisfazer uma mulher durante horas a fio, sem atender às suas próprias
necessidades? Isso requeria paciência e, caso os seus gemidos de alívio
quando finalmente penetrava as amantes constituíam qualquer sinal, era
pura generosidade.
− Como gostava de saber o que está a pensar neste momento – disse ele.
O tom de voz baixara e suavizara-se e os olhos emitiam um brilho
concentrado e intenso.
A jovem arquejou e virou as costas. Maldição! Aquilo era mais difícil do
que pensara. Tremendo, recompôs-se. Tratava-se da sua última opção. Não
podia desperdiçar a oportunidade.
− Certamente sabe que o meu pai morreu há seis meses.
− Sim – admitiu num tom que não indicava minimamente o que pensava
do assunto, e ela não se atreveu a olhá-lo. Não interessava o que ele achava
sobre o seu pai ou a sua perda.
− Não há muitas pessoas ao corrente, mas a minha família encontra-se
numa situação precária.
Virou-se, mas continuou a fixar o chão para evitar o seu olhar
penetrante.
− Já tinha calculado – retorquiu ele.
Miranda ergueu o rosto, surpreendida. Seria tarde demais? A notícia da
vergonha da sua família já se espalhara a tal ponto?
− Oh, não! – sussurrou.
− Não se preocupe, minha querida – disse ele com um encolher de
ombros. – Não me parece que os… problemas do seu pai já se tenham
tornado públicos. Pelo menos, não para os que não têm de enfrentar os
próprios vícios.
− Nesse caso, como é que está ao corrente? – inquiriu, suspirando de
alívio.
Ethan pôs a cabeça de lado.
− Não quero revelar quaisquer segredos sobre o seu pai que possam
desgostá-la.
− Viu-o jogar? – quis saber Miranda com um estremecimento.
O conde assentiu uma única vez com a cabeça.
− Mas em que é que essa situação me diz respeito? Não tenho qualquer
dívida da sua propriedade e, mesmo que fosse esse o caso, duvido que
desse andamento ao assunto. Posso ter uma reputação, Miss Albright, mas
nunca foi de um homem que deixasse uma mulher e as suas quatro filhas
desamparadas.
Miranda quase soltou uma gargalhada.
− Bom, alguns homens não têm a sua… − Estremeceu ao olhar para ele.
Deus do céu! A maior parte dos homens não tinha nada semelhante a
Rothschild. – A sua bondade. Outros há, que se fazem passar por
cavalheiros e que são uns patifes, a exigirem o reembolso de dívidas do
meu pai. A minha mãe não parece importar-se com o fato de que em breve
perderemos tudo. Está decidida a que as minhas irmãs desfrutem, cada
uma, das temporadas mais espetaculares que a sociedade já testemunhou.
E não lhe interessa que esse objetivo, em última análise, nos ponha na rua.
− Embora lamente os seus problemas, continuo sem saber o que isso
tem a ver comigo.
Rothschild não parecia minimamente preocupado com os seus
problemas, mas parecia intrigado, e, por conseguinte, Miranda continuou a
falar.
− Apadrinhou duas das suas primas em épocas altas de grande sucesso
há pouco tempo – disse ela.
Ele não conseguiu dissimular um arrepio, e ela quase sorriu. Portanto,
não gostara de apresentar as jovens à sociedade. Dificilmente poderia
culpá-lo. As primas dele eram bastante bonitas, mas de uma total
frivolidade.
− Sim. As duas conseguiram passar a perna a dois homens inocentes e,
mais importante, aristocratas.
− É a isso exatamente que me refiro! − disse Miranda com um aceno de
cabeça entusiástico. – Trata-se do tipo de partido que uma de nós terá de
conseguir.
− Um aristocrata rico! – Rothschild cruzou os braços e fitou-a durante
um longo momento com uma expressão horrorizada estampada no rosto. –
Eu não!
Miranda estremeceu frente ao seu tom estarrecido. Deus do céu! Ela
seria assim tão desinteressante?
A jovem arqueou uma sobrancelha, esperando parecer fria e
condescendente.
− Claro que não. Não vim aqui atirar-me nos seus braços, a mim ou às
minhas irmãs, em busca de um casamento.
Obviamente que isso resolveria todos os seus problemas, mas estava
fora de questão. Não acalentava a ilusão de que um homem com apetites
tão lascivos a desejasse, e a ideia de lhe entregar uma das suas inocentes
irmãs era ainda menos apelativa.
− Isso enquadra-se mais com a sua mãe, hein? – redarguiu Rothschild
com uma piscadela de olho audaciosa.
Miranda sabia que devia fingir-se indignada, mas foi incapaz. As táticas
agressivas da sua mãe quando se tratava de obter bons casamentos para as
filhas constituíam, em parte, o motivo por que Miranda sabia que
provavelmente nunca encontraria um marido.
− Esperava que pudesse prestar à minha família a mesma cortesia com
que brindou as suas primas.
Ele pestanejou uma, depois duas vezes, como se não tivesse
compreendido exatamente as suas palavras.
− Quer que apadrinhe a sua temporada?
− Não a minha, Lorde Rothschild. A das minhas irmãs! – disse, unindo as
mãos, rezando para que ele acedesse. – Sei que é pedir muito quando só
está vagamente aparentado com a minha família.
Contudo, preciso que apadrinhe as suas épocas altas. Caso recuse, não
sei o que nos acontecerá!
Capítulo 2


Ethan fitou Miranda Albright. A jovem era, sem dúvida, apetecível, mas
também começava a achá-la parvinha. Nada que o espantasse, tendo em
conta a mãe.
Como é que Miranda podia pensar que ele se disporia voluntariamente
a patrocinar as épocas altas das irmãs? Se não tivesse sido chamado a esse
dever pela sua querida tia, nunca serviria de benfeitor às primas! Os meses
em que elas haviam andado à caça de marido tinham sido os mais penosos
da sua vida, exigindo sacrifício e uma capacidade de adaptação que ainda
lhe provocava dor nos dentes quando os recordava.
Não conseguia pensar em nada que pudesse tentá-lo a repetir igual
processo para três verdadeiras estranhas.
− Deus do céu, mulher! – exclamou pousando o copo com um tinir de
vidro na madeira. – Por que motivo não recorreu à sua família? O que a
levou a envolver-me nesse disparate?
Miranda corou de um embaraço que se apressou a dissimular. O conde
admirou essa capacidade.
Embora sempre a tivesse encarado como uma típica Miss Sociedade,
bonita mas fútil, ela mostrava-se diferente. Conservava-se à sua altura,
engolindo emoções, sem desistir do seu estranho pedido, quando a maioria
das mulheres já estaria histérica nesse momento.
− A família da minha mãe não possui recursos para nos ajudar. Não têm
posição nem riqueza – contrapôs num tom calmo. – E o meu pai afastou-se
cada vez mais da família, à medida que se arruinava por causa do vício do
jogo. Tentei contactar o seu irmão mais velho, o marquês, mas ele recusa
qualquer proximidade connosco. A sua resposta foi, essencialmente, que o
meu pai nos tinha feito a cama e não lhe cabia impedir que nos deitássemos
nela.
Havia uma amargura subjacente na sua voz que não se refletia na
expressão ou na postura. Ethan tentou ficar imune, mas recordou-lhe
demasiado a sua própria e triste educação, bem como laços de família
quebrados. Obviamente, jamais o confessaria a Miranda, mas entendia a
dor que ela tentava ocultar.
− E os amigos da sua família? – inquiriu, procurando uma última forma
de escapar ao pedido que ela lhe fazia. – Um deles seria decerto uma maior
ajuda do que a de um homem que mal conhece.
− Muitos dos supostos amigos do meu pai são os que reclamam as suas
dívidas – retorquiu sem fazer qualquer tentativa para dissimular a raiva. Os
olhos azuis brilhavam com uma fúria e uma determinação que
surpreenderam Ethan. – E não quero aceitar as condições que alguns deles
pedem para cancelar as nossas obrigações.
Ethan arqueou uma sobrancelha e observou-a de alto a baixo.
Conseguia imaginar sem dificuldade as pechinchas que esses homens
poderiam oferecer. Quem não conseguiria? Miranda Albright nada tinha de
mimado, mas continuava a manter um ar de inocente sensualidade em tudo
o que fazia, desde o olhar ardente ao porte. O homem que a possuísse bem
poderia ensinar-lhe todas as tradições de pecado, paixão e prazer.
− Desejam-na, hein? – perguntou, sem conseguir reprimir as palavras
que soltou apenas para observar a sua reação.
Por um momento, ela pareceu chocada com aquela ousadia, mas os
lábios desenharam uma linha reta.
− Não. Isso perturbar-me-ia muito menos. A minha irmã mais nova foi o
que um dos homens pediu.
Ela tem apenas dezasseis anos.
Ethan sentiu-se invadido por uma onda de raiva e repugnância e cerrou
os punhos.
− Estupor!
Miranda esboçou um aceno de concordância.
− Percebe agora por que razão se impõe que arranje uma boa
temporada para as minhas irmãs?
Miranda avançou, erguendo a mão como se fosse agarrar-lhe no braço,
mas deteve-se. Fitou-o e, em seguida, à sua mão descaída, e ele não
consegui deixar de fazer o mesmo. Ficou dececionado quando ela baixou os
braços ao longo do corpo, em vez de lhe tocar.
− Continua a dizer que pretende que as suas irmãs mais novas
participem na temporada – observou, surpreendido com o tom rouco da
sua própria voz. – Todavia, ainda tem uma idade aceitável. Por que razão
não arranja simplesmente um marido?
− Já passei por duas temporadas – respondeu, enquanto o rosto se
tornava uma máscara de pedra. – Se até agora fui incapaz de encontrar um
partido adequado, não penso que a minha sorte vá mudar.
De qualquer maneira, começo a achar que um casamento não me
conviria. Sou demasiado independente.
Ethan fitou-a. Não era a primeira vez que ouvia o discurso da
«independência.». Na maioria das vezes provinha de solteironas
endurecidas e solitárias desinteressantes; de mulheres incapazes de
encontrar pares por causa da sua aparência ou vozes estridentes; de
mulheres sem esperança de virem a casar, quanto mais de fazerem um bom
casamento.
Contudo, ao fixar os olhos de Miranda Albright, não leu a desilusão
frequentemente espelhada em mulheres que haviam perdido a esperança
de casar. Ela emitia um brilho de genuína independência, a certeza de que
poderia vir a casar, mas não com alguém que correspondesse aos seus
desejos.
Aliás, não lhe constara que ela recusara pelo menos duas − talvez
tivessem sido três – propostas muito respeitáveis, ainda antes da morte do
pai, quando poderia não ter percebido as consequências desse fato? Não,
ela não era uma solitária desinteressante.
Avançou na direção da jovem, quase sem pensar. Miranda observou o
movimento e arregalou os olhos, mas não recuou, nem mesmo quando ele
ficou demasiado perto. Uma fome voraz invadiu-o face à sua coragem, ao
lampejo de sensualidade que ela provavelmente não entendia ou
reconhecia.
Havia tanto que podia ensinar-lhe. Coisas que podia fazer-lhe. Contudo,
uma mulher da sua posição e passado jamais lho permitiria… não era
verdade?
Só havia uma maneira de descobrir.
− A independência é ótima – declarou Ethan com um sorriso que a sua
última amante definira como a corrupção personificada. Dissera-o,
obviamente, quando a sua boca suave lhe envolvia o membro.
— Mas o que dizer dos prazeres que vai perder, rendendo-se à situação
de uma solteirona?
Miranda engoliu em seco e sentiu um nó na garganta. Ela tinha uma
boca lasciva, dotada de lábios carnudos. Como é que não reparara nesse
fato? Era exatamente o tipo de boca que um homem desejava sentir a
percorrer-lhe a pele.
A jovem mexeu-se um pouco, ao mesmo tempo que um atraente rubor
lhe coloria as faces. Pela maneira como desviou o olhar, sabia exatamente a
que tipo de prazeres ele se referia.
Ethan aproximou-se mais. Agora, o seu corpo quase tocava o dela,
espicaçando-o com a sensação que despertaria caso lhe tocasse na pele nua.
Ela emanava um leve odor semelhante ao aroma inebriante de lilases.
− Suponho que exista o companheirismo – balbuciou, ao mesmo tempo
que os seus olhos azuis escureciam e ela procurava fitar qualquer outro
lugar da sala, menos ele.
− Companheirismo é algo que pode obter de um cão. Não, Miss Albright,
refiro-me aos prazeres físicos – declarou num tom suave. – Não se
interroga sobre o que acontece entre um homem e uma mulher? Sobre os
mistérios que ninguém quer revelar-lhe até se casar?
Miranda engoliu novamente em seco, mas depois endireitou os ombros
e fitou-o diretamente nos olhos. Um brilho de desafio transpareceu no azul
e voltou a invadi-lo a sensação de que ela conhecia os seus segredos.
− Sei o que acontece – murmurou ela baixinho.
Ethan recuou, surpreendido e assustado.
− Quer dizer que já esteve com um homem?
Miranda não desviou o olhar, nem hesitou. Apenas o profundo rubor
das faces revelou as suas emoções sobre o tema.
− Não.
Ethan observou-a de alto a baixo. O que havia nela que lhe provocava
aquele desejo? Por norma, apenas queria fazer sexo. Enterrar-se no húmido
e atraente calor até se esgotar. O que interessava a fonte de gozo? Uma bela
mulher que o fizesse sorrir era sempre agradável, mas não obrigatório.
Contudo, Miranda Albright, com os seus inocentes rubores e uma chama
oculta, fazia com que a desejasse. E ele conseguia sempre o que queria.
Fosse de que maneira fosse.
− Acha que é esse o único caminho?
A jovem assentiu com a cabeça, sem hesitar.
− Sei que é.
Ethan passou a mão pelo queixo áspero.
− E se lhe dissesse que estou disposto a patrocinar a temporada das
suas irmãs, mas apenas por um preço?
Para seu crédito, Miranda nem sequer pestanejou de surpresa.
− Nunca esperei que fizesse isso de graça.
− Então, veio aqui disposta a negociar? – surpreendeu-se Ethan,
recuando.
Miranda engoliu em seco. Ele voltou a imaginar aqueles lábios carnudos
envolvendo-lhe o sexo e dificilmente conteve um gemido. Aquela inocente
não fazia ideia dos seus encantos.
− Pensei em oferecer-lhe algumas das minhas joias, mas, infelizmente,
descobri há pouco tempo que o meu pai as falsificara na totalidade,
inclusive o alfinete da minha avó – disse, repuxando os lábios.
− Não as aceitaria nem que fossem diamantes – retorquiu Ethan,
agradado pela maneira como os olhos dela se fixavam nos seus. – E que
mais?
Os lábios de Miranda estreitaram-se com um laivo de irritação, e ele
dificilmente susteve uma gargalhada. Raios! Era mesmo divertido enervá-
la.
− Em seguida, pensei que talvez pudesse prometer-lhe uma parte do
dinheiro para os alfinetes das minhas irmãs, caso descobrissem maridos
«com recursos».
− Uma promessa difícil de fazer – redarguiu Ethan, arqueando uma
sobrancelha. – Não só está a prometer as reservas de outra pessoa, mas
apenas se as suas irmãs forem bem-sucedidas na caça dos maridos. Parece
um mau investimento.
− Então, é óbvio que não tenho dinheiro – suspirou a jovem. – E vim
aqui com a esperança de que me sugerisse qualquer tipo de pagamento que
lhe conviesse. O que posso oferecer-lhe?
Ethan abafou um gemido, sentindo o membro relaxar sob a braguilha.
Com mil diabos! A jovem ignorava todas as obscuras e perigosas imagens
que aquela pergunta inocente inspirava.
− A minha exigência não difere em muito do que os outros homens
estão a tentar cobrar pelas dívidas do seu pai – respondeu num tom suave.
– Contudo, possuo gostos um pouco mais sofisticados do que desejar uma
adolescente que ainda mal acabou os estudos. Não, é a si que quero.

* * *

Miranda pestanejou à medida que as palavras de Ethan se infiltravam na


sua mente. Ela? Ele queria-a a ela? Como quisera todas as restantes
mulheres com quem o tinha observado?

Não, não era possível que se lhe referisse nesse sentido. Não Ethan
Hamon. Não o perverso conde de Rothschild, que tinha à disposição
mulheres bonitas e experientes. Não o homem que ela espiara a comprazer
duas cortesãs ainda no verão passado, deixando ambas a suplicarem por
mais quando Miranda se esgueirou para casa, a fim de aliviar as suas
frustrações sozinha.
Não era possível que a quisesse.
− Quer dizer para… − Lutava para encontrar qualquer outra explicação.
Ele tinha dinheiro, tinha criados, não tinha filhos que precisassem de uma
governante. Não precisava dela.
Excetuando o objetivo que era tão difícil de aceitar.
Engoliu em seco e fitou-o. O olhar do conde era ardente e eliminava
qualquer dúvida que pudesse ter quanto ao que ele quisera dizer. Sentiu-se
despida sob aquele olhar. Nua. Desejada. Possuída. E
ele ainda nem sequer lhe tocara.
− Refere-se à minha virgindade – sussurrou.
Ethan piscou ligeiramente os olhos, mas a reação desapareceu de
imediato. Recuou um passo e agarrou na bebida esquecida. Bebeu um gole
antes de responder.
− De início, mas não é tudo o que quero – disse, observando-a da cabeça
aos pés e fazendo com que se sentisse ainda mais exposta daquela segunda
vez. – Está a pedir-me que apadrinhe potencialmente três temporadas,
minha querida, caso uma das garotas não seja logo bem-sucedida.
E tendo em conta os gostos da sua mãe, não será barato. Há ainda que
ter o meu tempo em consideração. O meu patrocínio significará que terei
de assistir, pelo menos, a três monótonos bailes e festas nos próximos anos.
Não me parece que a sua simples inocência valha o suficiente para
compensar tudo isso.
Miranda emitiu um suspiro. Na sua qualidade de dama, tinham-lhe
ensinado que a sua virgindade era o seu bem mais importante. A única
coisa frágil que a separava entre uma vida e outra. Perdê-la significava
perder qualquer oportunidade do casamento que a mãe há muito planeava
para ela.
Poderia muito bem significar uma perda total de dignidade, caso a
verdade fosse revelada.
− A minha virgindade é tudo o que tenho – declarou.
Ethan parou a meio do gole e fitou-a. Os seus olhos castanho-escuros
eram quase negros e duros como o aço. Pousou o copo com um sonoro
tilintar e avançou na sua direção.
− Não. Isso é o que as matronas lhe dizem para mantê-la na linha, que
uma pequena barreira a separa do pecado ou da santidade, do bem e do
mal. Contudo, tem muito mais para oferecer do que isso.
Ethan parou a poucos centímetros dela, invadindo-lhe o espaço pela
segunda vez. Tal como acontecera da primeira, a sua proximidade pôs-lhe a
cabeça a andar à roda. Ele ergueu a mão e percorreu languidamente com
um dos dedos os caracóis ao longo do pescoço. Miranda arquejou. O
conde nunca lhe tocara, nem sequer na mão. E aquilo… bom, não se
tratava do género de toque íntimo que lhe observara ao longo dos anos,
mas não era visivelmente correto.
Tentou suster a respiração, manter a calma enquanto aquele dedo
continuava a percorrer-lhe a pele até lhe chegar ao queixo. O toque dele
provocou-lhe um estremecimento em todo o corpo.
− Então… quer-me três vezes? – perguntou.
Ethan soltou uma gargalhada e retirou a mão.
− Céus! Temos, portanto, o nosso talento sexual em elevada
consideração, não é verdade?
As faces de Miranda ruborizaram-se, mas forçou-se a permanecer onde
estava e a suportar a troça de Ethan.
− Não tenho talento sexual…
− Ficaria surpreendida – murmurou ele.
A jovem ignorou aquela seca interrupção.
− Estou apenas a tentar compreender os termos da proposta que me
dirige.
Um súbito e breve sorriso repuxou-lhe os cantos dos lábios.
− Com que então, muito profissional! Já fez isto antes?
− Claro que não – respondeu, cruzando os braços sobre o peito e
fulminando-o com o olhar. – Diga-me exatamente o que está a pedir-me.
Agora.
− Com certeza, Miss Albright – anuiu o conde, inclinando a cabeça com
um sorriso sarcástico. – Aqui está o que desejo. Ficarei na minha
propriedade durante alguns meses, como sempre faço todos os anos por
esta altura.
Miranda corou ao pensar como conhecia bem a situação. Aquela era a
época do ano por que ansiava mais do que qualquer outra. Mal sabia que
Ethan tinha chegado de Londres, iniciava as suas caminhadas de verão… as
suas sessões de espionagem em que observava Ethan a receber prazer, a
dar prazer, a fazer coisas chocantes. E adorava cada um desses momentos
proibidos e roubados.
− O que quero é que seja minha amante neste verão.
Miranda recuou um passo e deixou pender os braços ao longo do corpo.
− Eu… sua amante?
Quantas vezes ansiara por uma tal situação? Imaginara-se entregue ao
sabor dos desejos de Ethan, aguardando que a tomasse em todas as poses
perversas que a sua mente conseguia delinear. Quantas vezes se acariciara
imaginando que Ethan lhe tocava com as mãos, a boca e o sexo? E agora ele
oferecia-se para lhe realizar a sua fantasia durante todo o verão.
− Sim – anuiu o conde, parecendo realmente um pouco desconfortável.
– Embora alegue que sabe o que se passa entre um homem e uma mulher,
uma senhora da sua estirpe pode não entender que um homem solteiro
com os meus meios e apetites mantenha frequentemente uma mulher para
satisfazer as suas necessidades. Por norma, trago sempre alguém nas
minhas visitas ao campo, mas, este ano, eu…
− Parou e o seu olhar ardente deteve-se na sua boca. – Bom, não o fiz. Se
vou apadrinhar as suas irmãs, espero que me recompense, tornando-se
minha amante. Um mês dos seus préstimos por cada irmã que patrocine.
São essas as condições.
− Deseja-me, por conseguinte, durante todo o verão? – sussurrou
Miranda, baixando os olhos timidamente para o chão.
− Sim. Os seus dias e as suas noites pertencer-me-ão. – A voz dele
tornara-se novamente rouca, e Miranda deitou-lhe um olhar de soslaio. O
conde fitava-a como o vira observar todas as mulheres que possuíra. Com
um olhar de desejo, de espera.
Era isso então o que constituía ser desejada. Como mil espinhos
ardentes que lhe percorriam a coluna de cima a baixo e faziam o seu corpo
arder de necessidade. Encolheu-se um pouco perante o seu escrutínio, mas
a mudança de posição apenas piorou a dor latejante entre as suas pernas.
O que ele pedia era uma loucura, e ela seria idiota em anuir. Abdicar da
virgindade e em seguida tornar-se amante do vizinho iria arruiná-la
totalmente para qualquer outro homem respeitável. Caso aquele negócio
fosse descoberto, também destruiria provavelmente a oportunidade de as
irmãs realizarem um bom casamento. Decerto, jamais voltariam a ser
aceites na sociedade.
Contudo, sentiu-se excitada com a perspetiva. Desde a primeira tarde
em que observara Ethan a fazer amor com uma das suas amantes, tinha
ansiado secretamente por aquele tipo de paixão, pelo desejo que
transbordava até não poder ser contido. Desejava um homem que a
possuísse, a forçasse ao prazer e a ensinasse a retribuir.
Aqueles obscuros e perigosos desejos eram o principal motivo por que
recusara todas as propostas para a sua mão, apesar de todas as outras
teorias sobre a sua recusa. Não era fria, não era snobe, nem sequer
mercenária. Na verdade, observara simplesmente cada homem que se
propusera e vira que estes desejavam uma boa esposa. Qualquer deles
daria um marido à altura: gentis, imparciais e sem pressionarem o pedido
com demasiada frequência ou vigor. Se recusasse, aceitariam. E caso se
atrevesse a pedir mais, ficariam chocados.
Aqueles homens fariam amor com ela… e não sexo, como ouvira Ethan
mencionar tantas vezes, do seu esconderijo. Jamais experimentaria perigo
ou ousadia nas suas mãos.
Não seria essa a situação com Ethan. Se aceitasse a proposta dele, caso
se lhe entregasse, ele ensinar-lhe-ia as coisas pecaminosas que sempre
desejara aprender, e mais. Faria com que ela estremecesse de alívio. Nunca
a levaria a sentir-se envergonhada pelas suas curiosidades e os seus
desejos naturais. Dar-lhe-ia o que ela queria.
Em troca, ele aceitaria o que desejava. Levá-la-ia além dos seus limites.
Era essa a faceta perigosa da oferta. Mais perigosa do que se o acordo
fosse descoberto e ela fosse levada à ruína.
− Tem uma resposta, Miss Albright? – perguntou ele baixinho.
− Tenho perguntas e estipulações da minha parte – respondeu.
As pernas tremiam-lhe, então ela avançou até à cadeira mais próxima e
sentou-se, rezando para que parecesse calma e tranquila, e não assustada e
dolorosamente excitada.
− Ah, sim? – comentou ele com uma gargalhada. – Então, isto é uma
negociação?
− Deve ser – disse ela com um aceno de cabeça. – Tenho muito a perder.
O sorriso trocista de Ethan desvaneceu-se.
− Suponho que sim. Então, faça-me as suas perguntas e veremos se
podemos chegar a um acordo.
Miranda endireitou os ombros e desejou que as mãos não lhe
tremessem. Ele não podia ver até que ponto a emocionava ou receberia
mais do que podia dar-lhe.
− Tornará público o nosso acordo?
− Claro que não – respondeu, colocando a cadeira na frente dela e
estendendo graciosamente as pernas. – Quero-a na minha cama, e não no
meu camarote da ópera. Ninguém precisa de saber da nossa combinação.
− Nem mesmo os seus amigos mais íntimos?
Ethan inclinou-se para diante e fitou-a bem nos olhos.
− Ninguém, Miranda.
A jovem estremeceu. Era a primeira vez que ele pronunciava o seu
nome próprio. Parecia rolar sobre a sua língua como uma carícia,
percorrendo-lhe o corpo numa onda estranha e poderosa.
Obrigou-se a manter a postura.
− E os seus criados?
− Eles são críticos, mas de total confiança. Tenho a certeza. Estiveram
aqui outras mulheres que seriam, digamos, prejudicadas, caso as suas
visitas fossem reveladas.
Miranda assentiu com a cabeça e sentiu-se melhor. Ethan teria
obviamente de ser discreto no passado. E se viesse a saber-se que ele a
arruinara e depois se recusara a casar com ela, não ficaria certamente bem
visto. Confiou, portanto, na sua discrição.
− Resta-nos discutir a duração do acordo – suspirou. – Não posso
ausentar-me de casa um verão inteiro sem que ninguém desconfie do meu
paradeiro, milorde. Contrariamente às suas viúvas ou cortesãs, eu tenho
uma mãe bastante dominadora.
− Estou a par – disse Ethan, recostando-se com um estremecimento. –
Nesse caso, como serei pago pelo meu investimento?
Miranda respirou fundo.
− E se eu aparecesse uma vez por semana? Contudo, ficaria o dia inteiro
e a noite. Ter-me-ia durante vinte e quatro horas, e eu… − Hesitou, insegura
quanto à prudência da declaração seguinte.
Porém, não havia nada a fazer, não lhe restava alternativa. –
Concordarei em fazer o que desejar, o que quer que deseje durante essas
vinte e quatro horas.
Capítulo 3


Ethan endireitou-se na cadeira, ao mesmo tempo que o rubor lhe afluía
às faces. Pela primeira vez em muitos anos, sentiu-se realmente chocado.
Não horrorizado, mas totalmente surpreendido. O pior de tudo era que
tivesse sido uma inocente e graciosa jovem do campo a pô-lo em sentido.
Ela não fazia ideia do que lhe oferecia, nem de como a proposta era
tentadora.
Miranda respirou fundo e prosseguiu, antes que ele pudesse
interrompê-la: − O resto da proposta permanece a mesma. De quatro em
quatro semanas ganharei uma temporada para uma das minhas irmãs. A
minha total rendição, dentro dos novos limites do acordo, convém-lhe?
Ethan emitiu um gemido ante aquelas palavras. Total rendição. Que
imagens lhe ocorreram!
Daquela jovem mulher, deitada na sua cama, meneando as ancas sob o
seu corpo. Cobrindo-o.
Possuí-la de todas as formas perversas até ela pedir mais e ele ter a sua
conta, debochando-a completamente.
Mas era aí que residia o problema, certo? Miranda não era apenas uma
viúva encantadora que podia usar e pôr de lado sem a prejudicar. Talvez
não tivesse muita honra, mas sabia o que o acordo podia causar à
reputação de Miranda. A última coisa que desejava era que ela viesse ao seu
encontro mais tarde, fazendo acusações e exigências de reparação. Se
aceitasse a sua proposta, algo que nem podia acreditar que tomava em
consideração, tinha de certificar-se de que ela compreendia exatamente o
que a rendição significava aos seus olhos.
− Assim que me entregar a sua virgindade, prejudicará gravemente as
suas opções de futuro – declarou, mexendo-se pouco à vontade na cadeira.
A maldita ereção que a sirigaita lhe provocara fervia, alimentada por todas
as imagens que criava com a sua oferta.
− Há algo mais a experimentar na vida do que o casamento – disse ela,
com um leve encolher de ombros. – Mal a minha família esteja instalada na
vida, posso tornar-me governanta. Ou dama de companhia de uma senhora.
Ou… talvez decida permanecer uma concubina, assim que as minhas irmãs
estejam todas casadas, claro.
Ethan levantou-se com tal ímpeto da cadeira, que ela balançou. Uma
concubina. Então, ele iria treiná-la para que desse prazer a outros homens,
era isso?
− Sabe o que isso significa? – rugiu, surpreendido com o tom e o ímpeto
da sua voz. – Faz alguma ideia do que está a propor?
Miranda também se levantou e estendeu as mãos num gesto submisso
que combinava com as palavras proferidas.
− Claro que sei.
Ethan avançou e agarrou-a pelos cotovelos, atraindo-a contra si, para
que o corpo esguio tocasse o dele. Miranda era mais alta do que julgara. A
testa mantinha-se ao nível dos seus lábios, e é bom que se diga que ele era
mais alto que a maioria dos homens.
− Não entende nada – rugiu, conservando-a bem firme de encontro a
ele, ao mesmo tempo que lhe erguia o queixo com a mão. – Assim que o
fizer, não poderá voltar atrás. Jamais será a mesma. Não quero que mais
tarde venha ter comigo a chorar de arrependimento.
O seu lábio inferior tremeu, mas aguentou o olhar dele, enquanto
pronunciava num tom rouco: − Há muito tempo que deixei de chorar. Mal
comecemos, não desejarei voltar atrás. Sei o que estou a fazer.
− Não, não sabe – disse ele, incapaz de recuar. – Mas virá a saber, jovem
inocente. Acredite no que lhe digo.
Esmagou os lábios contra os dela no momento em que a frase lhe saía
dos lábios. Miranda enrijeceu por um momento nos seus braços, com as
mãos presas entre os corpos, cerrando os punhos contra o peito de Ethan.
O seu ser assemelhava-se a vidro nos braços dele, inflexível. Apesar da
paixão que ele conseguia sentir a pulsar à superfície, a reação da jovem não
o impulsionou, sendo visível que não estava pronta para o que tinha a
oferecer-lhe.
Estava prestes a recuar, quando algo aconteceu. De um momento para o
outro, ela libertou-se de toda a tensão, do choque, das recusas de que ele
estava certo que diria, agora que a sua resolução estava a ser testada. Tudo
isso desapareceu, e ela cedeu. As suas pernas entrelaçaram-se nas dele e as
ancas moldaram-se ao seu corpo. Os punhos da jovem descerraram-se e as
suas mãos começaram a acariciá-lo, deslizando pelos seus ombros,
enquanto os seios se achatavam contra o seu peito. E os lábios, que se
haviam mostrado frios e fechados, entreabriram-se subitamente.
Ethan esqueceu qualquer lição que tentava ensinar-lhe enquanto a
penetrava com a língua. Ela sabia bem: um misto de chá, um toque de
menta e uma pitada de citrino. Tudo se combinou e explodiu na sua língua,
enquanto a beijava e exigia ainda mais.
Contudo, Miranda não ofereceu a resistência que ele esperava e
também não estava meramente a permitir-lhe que a possuísse. Em vez
disso, enquanto ele enrolava a língua à volta da dela, os dedos juvenis
emaranharam-se nos seus cabelos e a língua brincou com a dele, ao mesmo
tempo que o beijo se tornava mais profundo.
E, por fim, quando Ethan achava que um primeiro beijo não podia ser
mais suave, ela meneou as ancas e a junção das coxas acariciou-lhe o pénis.
Arregalou os olhos e baixou-os na sua direção, embora continuasse a beijá-
la. Miranda fechou os olhos, exibindo um ar inocente. Tudo o que fazia
provinha de pura intuição.
Mas até que ponto chegaria esse instinto? Ela entregar-se-lhe-ia
totalmente, apesar das consequências?
Só havia uma maneira de descobrir.
Ethan colocou-lhe as mãos sob o traseiro, erguendo-a num movimento
ritmado. De alguma forma, esperava que ela se afastasse, mas, em vez disso,
Miranda interrompeu o beijo e inclinou a cabeça para trás, com um longo e
trémulo suspiro de prazer.
O sangue ferveu-lhe nas veias e ajustou as suas posições, conduzindo-a
até ao sofá. Caíram em cima das almofadas felpudas e o peso dele enterrou-
a em cima delas. Ainda assim, ela não lhe pediu que parasse. Em vez disso,
acomodou-se e limitou-se a fitá-lo. Tinha uma expressão um pouco
atordoada e um pouco sonhadora, como se não acreditasse no que estava a
acontecer.
Também ele não acreditava, mas não queria parar.
− Se o fizer, terá de esquecer todas as lições que lhe ensinaram sobre a
prudência…
Vincou a declaração, desapertando os botões da frente do seu vestido
com um movimento hábil. O tecido abriu-se, revelando uma tentadora
amostra de carne suave e pálida.
− Tudo o que acredita sobre a modéstia – prosseguiu, enfiando a mão
dentro do vestido e percorrendo com os dedos a orla da usada combinação
de algodão. Os olhos de Miranda arregalaram-se enquanto os dedos
masculinos se baixaram pelo decote, acariciando-lhe os seios.
− Exigirei paixão.
Ethan puxou, e a combinação deslizou, revelando a perfeita esfera de
um seio desnudo.
O rosto de Miranda ruborizou-se quando Ethan fitou o que pusera a
descoberto, mas não desviou o olhar, nem fez qualquer gesto para se
cobrir.
O conde observou os dedos escuros contrastando com a carne pálida.
Ela tinha uns seios pequenos, mas que se enquadravam melhor no seu
corpo esguio do que se fossem pesados e fartos. Agradava-lhe cobrir toda a
superfície com a palma da mão. Enquanto o fazia, Miranda cerrou os olhos.
− Oh! – arquejou, enquanto fechava os dedos na almofada sob o seu
corpo.
− Não pode simplesmente ficar aí a «suportar» o meu toque e esperar
que considere isso como pagamento – prosseguiu ele, observando o rubor
que lhe coloria o rosto enquanto a massajava. Tão sensível. Interrogou-se
sobre o que ela faria se lhe passasse o polegar sobre o mamilo… assim.
Miranda abriu os olhos e brindou-o com um olhar selvagem ao mesmo
tempo que um suspiro lhe escapava dos lábios.
− Compreende o que lhe digo? – insistiu, passando repetidamente o
polegar pelo seu mamilo, que logo se endureceu. Miranda arqueou as
costas. – Não quero uma mártir frígida.
Não que ela parecesse minimamente frígida.
A respiração de Miranda saía-lhe em arquejos.
− Não… não sou uma mártir, milorde. Posso estar a fazer isto pela
minha família, mas… mas há outras razões.
Ethan deixou de beliscar-lhe o mamilo e fitou o seu rosto corado.
− Que outras razões?
− Eu quero… − Estremeceu um pouco e corou ainda mais. – Quero isto.
Quero que me toque.
Quero sentir-me viva. Quero conhecer o prazer. Por favor, por favor,
não mo negue.
Ethan fitou o rosto de Miranda que refletia uma enorme franqueza e
honestidade. A situação não era um jogo para ela, como no caso de muitas
das mulheres com quem se deitara ao longo dos anos. Não fazia aquele
pedido por uma questão de tédio ou de desespero. Aos seus olhos, aquele
toque constituía…um despertar.
Envolveu-lhe a nuca com os dedos, numa carícia suave, percorrendo-lhe
a pele entre o colarinho e o pescoço.
− Por favor – sussurrou ela.
Os lábios de Ethan desceram, silenciando-lhe os apelos. Fez mais força,
enfiando-lhe a língua na boca e iniciando um ritmo que em breve se
ajustaria ao corpo. Queria bebê-la, encher-se dela, afogar-se naquele aroma
único e no sabor a lilases.
Miranda ergueu-se e puxou o corpo de Ethan para cima dela com mais
força ainda. Era divino sentir o seu peso, tal como tinha imaginado muitas
vezes. Fazia com que se sentisse viva, e isso valia qualquer preço.
A mão dele pousou novamente no seio desnudo, prosseguindo o
dedilhar suave e ritmado do mamilo enrijecido. Miranda tinha-se
acariciado com frequência, sobretudo depois de observar Ethan com as
amantes, mas nunca dedicara muito tempo aos seios. Nunca se apercebera
de como eram sensíveis, nem de como o prazer que lhe proporcionava
acariciar o mamilo se repercutia por todo o corpo. Conseguia uma
satisfação entre as pernas, que pulsavam em sintonia com o seu toque.
Ethan puxou-lhe o resto do vestido pelos ombros e deixando-o
enrodilhado na cintura entre os dois. Miranda arqueou as costas para lhe
facilitar o acesso. Não tinha vergonha. Na verdade, sentia-se orgulhosa pela
forma como ele a fitava, orgulhosa do desejo que lhe iluminava os olhos
escuros.
Ela excitava-o; tendo em conta a sua vasta experiência, era uma vitória.
Uma vitória rapidamente esquecida quando ele a brindou com um
sorriso perverso e baixou os lábios ardentes até um dos mamilos
endurecidos. Prendeu-o entre os lábios e rodou a língua áspera em redor
dos bicos extremamente sensíveis.
Miranda emitiu um pequeno grito de prazer causado por aquela nova
exploração. Um calor húmido, um formigueiro, um prazer localizado…
invadiram-na, percorrendo-lhe todo o corpo. O sexo latejou e uma
humidade inundou-lhe as coxas, enquanto ele chupava com força, quase lhe
provocando dor.
− Nunca ninguém te fez estas coisas? – murmurou Ethan junto à sua
pele, antes de mordiscar ao de leve o mamilo inchado e mudar para o outro.
− Não, nunca – gemeu a jovem, sacudindo a cabeça de um lado para o
outro nas almofadas enquanto ele a lambia como um gato.
O conde ergueu os olhos e Miranda não percebeu se estava satisfeito ou
desagradado com a sua confissão. Contudo, não deixou de lhe dar prazer,
provocando sensações que ela nunca conhecera.
Fazendo coisas que ela só havia testemunhado de longe e imaginado
nos sonhos mais obscuros.
Ele deslizou as mãos, ao mesmo tempo que a boca continuava o seu
perverso trabalho. Dedos esguios e quentes acariciaram-lhe as costelas, o
ventre, e, por fim, agarraram no vestido amarrotado e puxaram-no
totalmente. A jovem ergueu as ancas para facilitar a descida e depressa se
viu nua, excetuando as meias e os chinelos.
Quando Ethan recuou para a fitar, Miranda corou um pouco ao lembrar-
se da primeira vez que o vira junto ao lago. A amante estava vestida de
maneira semelhante, com os chinelos brancos por cima dos ombros,
enquanto ele a penetrava. Ela ficaria na mesma posição?
Contraiu-se ao pensar naquilo, e Ethan ergueu as duas sobrancelhas,
antes de voltar a pousar as mãos no seu corpo. Dessa vez, colocou a palma
da mão sobre uma das coxas. Miranda estremeceu com aquele toque
íntimo, mas não fugiu. Verificou que ele se mostrava admirado com a sua
ausência de timidez e de surpresa. Contudo, Ethan não fazia ideia de todas
as formas em que ela havia sido instruída na paixão, de todas as fantasias
que lhe tinham habitado a mente ao longo dos últimos anos.
O conde foi gentil ao apartar-lhe as pernas cada vez mais, até ficar
exposta na sua frente. Miranda observou-lhe a expressão, enquanto ele, por
sua vez, lhe perscrutava o corpo. Adorava a voracidade que lhe detetara no
olhar, avivando-lhe o rosto. Adorava a maneira como os ombros se
enrijeciam com o esforço de prosseguir devagar e o volume duro e
insistente da sua ereção pressionando o tecido fino das calças.
As mãos de Ethan subiram ao longo das coxas, e ele pôs uma delas em
concha, agarrando-lhe o sexo. Agora que ela estava nua, a sensação
multiplicou-se, mais poderosa. Nunca ninguém lhe tinha tocado daquela
maneira. Apenas os seus próprios dedos haviam explorado as suas pregas,
enterrando-se no interior.
O toque dele era muito mais agradável. Ethan espicaçou-a, acariciando-
a primeiro com a palma da mão, exercendo uma leve pressão destinada a
habituá-la à intimidade das suas mãos. Contudo, quando ela entreabriu os
lábios com um suspiro de prazer, a pressão intensificou-se e mudou.
Ethan apartou-lhe as pregas, abrindo-a com os dedos. Deslizou um
deles através da abertura húmida. Miranda pôs-se a menear as ancas, e o
movimento fez com que o dedo se enterrasse mais.
Os dois pararam, fixando-se. Era aquilo. Era aquilo que Miranda tinha
sonhado durante anos a fio.
E agora Ethan penetrara-a não com o membro, mas estava, de qualquer
maneira, dentro dela. Nada mudaria isso, nada apagaria o que estava a
sentir.
E nada jamais lhe produzira aquela sensação de bem-estar. Ethan
enfiou mais o dedo e curvou-o na sua direção, como a indicar-lhe que se
entregasse.
Miranda foi incapaz de resistir à tentação. Descaiu a cabeça para trás de
encontro às almofadas, ao mesmo tempo que cedia àquelas estranhas e
fortes sensações. Ethan alongou o canal inexperiente, abrindo-a e
despertando-a de maneiras que ela apenas tinha imaginado. Cada toque
dos dedos dele fazia-a mais consciente do seu corpo e da pressão latejante
entre as coxas.
Ethan enfiou mais um dedo, que se juntou ao primeiro, e Miranda soltou
um arquejo. Deus do céu, como se sentia cheia, tão perversamente devassa,
nua e de pernas abertas no sofá, enquanto ele enfiava e retirava os dedos
do seu corpo. A sensação era avassaladora, muito mais poderosa do que
quando era ela a fazer igual movimento.
O conde percebeu quão perto Miranda estava de se vir. Refletia-se nas
linhas tensas do rosto e na concentração do olhar. E o corpo também
denotava a iminência do orgasmo. O seu sexo apertou-se e o fluido húmido
escorreu nos dedos dele.
O seu pénis latejou em simultâneo, e a necessidade sussurrava-lhe que a
possuísse, a reclamasse, que esquecesse tudo à exceção de se enterrar nela
até bem fundo.
No entanto, conseguiu afastar-se. Parou os movimentos, conservou-a
mesmo à beira do orgasmo sem a tomar, ao mesmo tempo que deixava de
mexer os dedos e de lhe titilar o clítoris com o polegar.
Miranda emitiu um gemido de protesto e ergueu a cabeça para o fixar.
− Porquê… porquê?
Ethan sorriu, ainda que tivesse de fazer um grande esforço.
− Esta é a tua última oportunidade de mudares de opinião, Miranda. A
forma como te entregas é apenas o começo. E uma vez percorrido o
caminho, não poderás voltar atrás. Mal digas que sim, serás minha. Por
conseguinte, deves estar segura.
Os olhos de Miranda refletiam um brilho selvagem, e o azul-claro
espelhava emoções tão fortes que Ethan quase desejou desviar o rosto. Não
queria testemunhar todo o receio, a preocupação e o desejo da jovem.
Aproximava-a em demasia.
Contudo, manteve-se focado nela, aguardando as palavras seguintes.
− Sim – gemeu ela, meneando as ancas. – Deixa de brincar comigo. Sabes
que a minha resposta é afirmativa. Quero isto.
Ethan descontrolou-se face às suas súplicas. Retirando os dedos do seu
interior, levantou-se e tirou a roupa, sem se preocupar onde as várias peças
caíam. Apenas lhe interessava possuir aquela mulher.
Nesse mesmo momento.
Quando ficou totalmente nu, virou-se para ocupar o seu lugar entre as
pernas dela e viu que Miranda o fitava. Ela soergueu-se um pouco no sofá,
observando o membro que se encontrava a poucos centímetros. Não
parecia nada chocada com aquela visão, como ele imaginava que seria o
caso de uma virgem normal. Isso significava que tinha mentido ao dizer que
nunca se deitara com um homem?
Não que fosse importante. Virgem ou não, ele ia possuí-la, e não apenas
daquela vez. Mal aquele negócio fosse selado com a união dos corpos,
pertencer-lhe-ia até ao fim do verão ou até se aborrecer dela, o que
acontecesse primeiro.
Miranda inclinou a cabeça.
− Posso… − disse, hesitante, ao mesmo tempo que o rubor lhe corava as
faces.
− O quê? – conseguiu pronunciar por entre os dentes cerrados.
− Tocar – completou ela, erguendo o rosto. – Posso?
− Oh, sim claro!
A mão dela tremia quando se aproximou dele. Ethan acompanhou-lhe
os dedos como um falcão à caça, esperando e antecipando o momento em
que o seu punho o envolvesse. Quando isso aconteceu, quase se
descontrolou, com aqueles dedos macios envolvendo-lhe o membro, da
base à cabeça numa tímida mas agradável carícia.
− Estou a fazê-lo corretamente? – perguntou ela, continuando a
acariciá-lo com suavidade.
Ethan sentiu os joelhos a tremer.
− Na perfeição. E tenciono expandir ainda mais essa técnica – retorquiu,
afastando-lhe a mão, embora o seu pénis se contorcesse num protesto. –
Mas não agora. Agora, quero fazer isto.
Colocou-se entre as pernas dela e enfiou-lhe os dedos nos cabelos.
Miranda entreabriu os lábios surpreendida, e ele aproveitou a
oportunidade e enfiou-lhe a língua na boca. A sua resposta mudou de
imediato. Chupou-o num duelo com o seu próprio beijo, que era cru,
genuíno e totalmente erótico.
Talvez tivesse cometido um erro ao evitar virgens. Se podiam fazer com
que se sentisse assim…
Ethan atraiu-a a si, cobrindo o corpo dela com o seu. A jovem era tão
flexível, moldava-se tão bem, numa suavidade contrastante com a sua
dureza. Contudo, ele queria mais, mais do que um contacto superficial.
Queria estar dentro dela, serem um só.
Separou-lhe mais as pernas com uma coxa, acomodando-se, enquanto
continuava a devorar-lhe a boca com voracidade. Sentia-se voraz, tão
faminto dela que dificilmente era capaz de se controlar.
A cabeça do seu membro descobriu a entrada, húmida, quente e pronta.
Aquele mero roçar, de pele contra pele, causou-lhe um arrepio de gozo na
espinha. Estendeu os braços em busca do traseiro dela e fez força
lentamente e devagar.
Ethan interrompeu o beijo com um gemido rouco enquanto as paredes
internas femininas pulsavam à sua volta, massajando-o quando ele se
enfiou. Alguma outra mulher se mostrara tão ardente? De repente, não
conseguiu lembrar-se e apenas conseguiu sentir aquele intenso prazer.
Susteve a respiração à medida que avançava e abriu os olhos. Miranda
fitava-o, de lábios entreabertos e olhos arregalados. Parecia
simultaneamente assustada e excitada, e o peito subia e descia com uma
respiração irregular.
− Estou quase lá − tranquilizou-a por entre os dentes cerrados. Céus,
como desejava fazer mais força, possuí-la como um animal com cio.
Contudo, ainda não. Ainda não.
Avançou mais e encontrou a barreira do corpo dela. Por conseguinte,
ela não lhe tinha mentido.
Nenhum homem a reivindicara daquela maneira. Toda a sua inocência
era verdadeira, tal como o seu desejo ardente e as atitudes tentadoras eram
naturais.
− Vou adorar ensinar-te − murmurou, antes de lhe depositar um beijo
nos lábios, dessa vez suave.
Miranda descontraiu-se enquanto ele lhe mordiscava o lábio inferior e
lhe chupava vagarosamente a língua. Quando ela gemeu de prazer, Ethan
abriu caminho e quebrou a última barreira da sua inocência.
O corpo de Miranda enrijeceu-se e ela arqueou os braços com um
suspiro de dor. Embora o membro dele pulsasse de desejo, Ethan manteve-
se muito quieto, deixando que a jovem se adaptasse à nova sensação do seu
membro encavado até ao fundo.
− Desculpa − murmurou, de encontro ao seu cabelo.
− Não − disse ela, abanando a cabeça e encostando a testa ao seu ombro.
– É melhor, agora… só que estou cheia.
Contorceu-se um pouco, apertando-o no interior.
Ethan rugiu com o gozo que lhe percorreu todo o membro e contraiu os
testículos. Caso não se precavesse, ela acabaria por ser penetrada com
muita força daquela primeira vez.
− Não brinques − avisou, movendo suavemente as ancas.
Miranda afastou-se e fixou-o com um sorriso decididamente perverso.
− Tu gostas de brincadeiras, Ethan.
− Sem dúvida − confessou ele, movendo novamente as ancas. – E
também virás a gostar, quando acabarmos.
Atraiu-a mais de encontro ao corpo e pressionou, penetrando-a o mais
suavemente que conseguiu quando o sexo dela começava a denotar os
primeiros sinais do orgasmo iminente. Miranda apertou-lhe os ombros,
enterrando-lhe as unhas na carne e soltando pequenos gemidos de prazer
enquanto ele a possuía.
Sempre que ele fazia força para diante, assemelhava-se a uma tortura
agradável. Um ato de equilíbrio em que ele tentava permanecer firme por
causa dela, embora o corpo reivindicasse que fosse duro e selvagem. Nunca
se debatera tão profundamente com o seu próprio prazer. Por norma,
conseguia que fosse a companheira a primeira a vir-se, mas com Miranda
apetecia-lhe ser rude e egoísta.
Contudo, o fato de ser a primeira vez de Miranda impediu-o de ceder
àqueles instintos básicos.
Meneou as ancas para se certificar de que lhe acariciava o clítoris a cada
movimento. A respiração de Miranda tornou-se mais ofegante e ela
enterrou-lhe as unhas com mais força nos ombros. Ela tentava acompanhar
o ritmo do pénis dele com o das suas ancas, apertando e erguendo-se
contra o corpo de Ethan.
Por fim, revirou os olhos e emitiu um grito agudo, que ecoou pela sala. O
corpo explodiu-lhe numa onda trémula e ardente, que o enlouqueceu.
Deixou de poder controlar-se. Encavou-a no meio do orgasmo, contraindo
os testículos, atingindo o pico do gozo, que tornava tudo muito mais doce e
acuto.
Com um rugido de posse, penetrou-a até ao fundo e veio-se antes de se
esvair no seu abraço.
Capítulo 4


Miranda conservava-se nos braços de Ethan, com metade do corpo
descaído do sofá, enquanto as respirações ofegantes se misturavam na sala
silenciosa.
Agora que o tremor do seu corpo diminuíra e a pulsação regressara ao
normal, conseguia finalmente entender o que acontecera.
Entregara a sua inocência, aquele bem que, desde tenra idade, fora
ensinada a considerar a sua única moeda de troca. E dera-a a Ethan Hamon,
o único homem com quem sempre fantasiara.
Arrependia-se da opção? Não. Havia sido poderosa, agradável e uma
mudança de vida como sempre sonhara.
Estirou-se contra o peito dele com um sorriso, antes de erguer o rosto
para o olhar. A cabeça dele repousava no braço do sofá e ele fitava o teto
com uma expressão imperscrutável.
− É sempre assim? – perguntou ela baixinho e examinando a linha firme
do seu maxilar.
Ethan apertou os lábios e baixou os olhos para os dela. Afastou-se do
corpo com uma leve praga e levantou-se. Pegou nas calças atiradas ao acaso
e respondeu: − Sim. Isto é o sexo, minha querida.
Miranda mordiscou o lábio inferior, observando Ethan, que se vestia
com movimentos bruscos e controlados. Não a fitou uma única vez. Quase
não reconheceu a sua presença, à exceção de lhe estender ocasionalmente
uma peça de roupa que ficara enredada na dele. Mostrava-se frio, distante.
Sentiu um nó no estômago a cada momento de silêncio. O que se
passara de errado? Não lhe tinha agradado? Ele parecera gostar do seu
toque. Viera-se com um grito muito mais alto do que o ouvira soltar
durante os anos em que o havia espiado. Porém, agora não parecia nada
feliz com a sua conquista.
Talvez conquistar uma virgem inexperiente não tivesse sido tão
satisfatório quanto esperara.
As faces ruborizaram-se de vergonha; desembaraçou rapidamente a
combinação do vestido amarrotado para o enfiar pela cabeça e recuperar
um semblante de decoro. Vozes de dúvida invadiram-na, lembrando-a de
que Ethan Hamon não era um homem de palavra. Podia facilmente mudar
de opinião sobre o negócio que tinham fechado, deixando-a sem honra nem
esperança para a família. Podia até contar a toda a gente a sua rendição,
sem atender às consequências para ambos.
Levantando-se com dificuldade, sacudiu o vestido e alisou as pregas de
tecido gasto. Recusou fitá-lo, começando a apertar novamente os botões da
frente com os dedos trémulos.
− Vem cá.
Miranda sobressaltou-se quando a voz de Ethan lhe interrompeu a
tarefa. Ergueu o rosto e verificou que ele finalmente a olhava. Tinha a
camisa meio apertada, estava descalço e estendia a mão, indicando-lhe que
se aproximasse.
Miranda obedeceu com o coração palpitante.
− Sim?
− Permite-me.
Agarrou nas partes abertas do vestido e começou a abotoar os botões
com a mesma eficácia com que os desabotoara, mas com muito menos
paixão. O gesto parecia vazio, distante, como se estivesse a ajudar uma
criança e não uma amante.
Miranda mordeu o lábio. Não tencionava mostrar-se desgostosa na
frente dele. Um homem como Ethan não desejaria uma mulher histérica a
chorar na sua sala. Isso apenas serviria para provar que ela lhe traria mais
problemas do que compensações.
− Ethan − sussurrou, odiando o leve tremor que a voz denunciou.
O conde hesitou antes de apertar o último botão. Ergueu lentamente o
rosto para o dela e uma centelha de calor brilhou no fundo dos olhos. Eram
escuros e perigosos, mas deram-lhe esperança.
Ele ainda a desejava.
Como se lhe tivesse lido o pensamento, Ethan agarrou-lhe no queixo e
inclinou o rosto, percorrendo o lábio inferior com a polpa do polegar. As
sensações escaldantes que lhe tinham explodido na cabeça uns momentos
antes recomeçaram, espicaçando a jovem com uma promessa de orgasmo.
Ficou chocada com a rapidez com que era capaz de desejar, embora o corpo
lhe doesse.
− E agora? – murmurou, pondo a língua de fora e passando-a ao de leve
sobre o polegar curioso.
− Com mil raios! – exclamou Ethan, rodeando-lhe a cintura com o braço.
Puxou-a de encontro ao corpo e fitou-a, baixando o rosto. Tinha uma
expressão intensa e um brilho indecifrável nos olhos escuros, por trás
daquele fogo de desejo.
− Vais para casa − decidiu, por fim, num tom rouco, ao mesmo tempo
que a largava e recuava.
Estendeu as palmas das mãos na direção dela, como se fossem um
escudo. – Vai para casa, Miranda.
Uma onda de pânico invadiu-a; ela respirou fundo.
− Mas nós… o nosso acordo…
− Sexta-feira − rugiu ele num tom áspero que silenciou os seus
protestos. – Neste verão, as tuas sextas-feiras serão minhas. Volta daqui a
dois dias e começaremos esse negócio a sério.
Miranda fitou-o demoradamente. Em parte sentia-se aliviada por Ethan
não ter quebrado o acordo antes mesmo de começar. Ainda assim, a sua
atitude impediu-a de sentir alguma segurança quanto ao futuro.
− Muito bem − balbuciou, virando as costas.
O conde queria que se fosse embora, e ela não tinha poder de
argumentação a esse respeito. Mas se tinham estabelecido condições e
selado o acordo, por que razão ele se tornara tão eficiente e frio?
Ethan Hamon tinha fama de ser um homem de paixão, e não de
compaixão. Aos olhos dele, aquela experiência não era emocional. O desejo
não era esmagador. E ela teria de obedecer às suas instruções nesse aspeto
ou ver-se inteiramente perdida.
Procurou o tom de voz mais calmo e desprendido que conseguiu: −
Voltarei na sexta-feira de manhã.
− Mas não demasiado cedo − avisou Ethan, quando ela abriu a porta
para se dirigir ao hall de entrada. – E… Miranda?
A jovem virou-se.
O conde observava-a, centrado no seu rosto.
− Um banho quente aliviará o ardor. Manda a criada preparar um
quando chegares a casa.
Ela fitou-o com as faces coradas. Talvez, no fundo, houvesse alguma
compaixão naquele homem.
− Obrigada, milorde. Até sexta-feira.
Em seguida, fechou a porta atrás dela e afastou-se a correr.
Mal a porta se fechou nas costas de Miranda, Ethan dirigiu-se ao bar e
serviu-se de um uísque duplo.
Bebeu a primeira dose em dois tragos e deitou mais líquido no copo
antes de se dirigir à janela, pondo-se a observar os terrenos à frente da
casa.
Premiu os lábios, incapaz de negar que procurava Miranda. E avistou-a,
avançando aos tropeções pelo relvado na direção do lago e do atalho
através dos campos para casa da família.
Mesmo naquele momento em que a jovem pouco mais era do que uma
figurinha desaparecendo no horizonte, o seu corpo retesou-se, e o sexo
avolumou-se ao pensar nela. Ainda lhe sentia o sabor na língua, apesar da
bebida. O cheiro dela, agora misturado com o almiscarado do sexo, pairava
fortemente na sala, espicaçando-o com imagens e sensações escaldantes.
Acabou o segundo uísque e foi buscar outro.
Ela perguntara se «aquilo» era sempre assim. E ele tinha mentido e
fizera um comentário insensível sobre sexo que a magoara e a levara a
fechar-se. Não se orgulhava do seu comportamento, mas não estava
disposto a admitir que a resposta a essa pergunta era decididamente «não».
Ethan deitara-se com muitas mulheres ao longo dos anos. Amantes
bonitas e hábeis que sabiam exatamente o que fazer com a boca, as mãos,
os seios, o sexo. Contudo, nada na sua experiência o tinha preparado para o
que acontecera naquele dia e naquele salão com uma virgem. Uma virgem,
Deus do céu!
Ele perdera totalmente o controlo.
Foi com dificuldade que Ethan se afastou da janela, decidido a não
seguir a figura longínqua de Miranda com um olhar de cachorrinho
perdido. Em vez disso, afundou-se numa cadeira do lado oposto da sala e
fixou o sofá em desordem. Recordava-lhe a maneira como Miranda se lhe
entregara.
Talvez fosse isso. Talvez se sentisse intrigado pela combinação da sua
entrega total com a sua virgindade. Ambas eram uma novidade. No
passado, nunca desflorara ninguém e, na verdade, evitara essa situação. E já
confessara a vários amigos que começava a ficar cansado das paixões das
senhoras mais experientes que o acolhiam entre as pernas.
A intensa paixão e a singularidade de ser o primeiro homem de Miranda
tinha-o afetado mais do que esperava, porém, agora que entendia a razão,
podia combater o sentimento. Não estava disposto a ser dominado por uma
inocente. De fato, na sexta-feira iniciaria o processo de a possuir
totalmente.
Essa atitude colocaria um ponto final na sensação estranha que o
assaltava nesse momento. E se, depois de tudo acabar, Miranda quisesse
realmente tornar-se uma concubina, a sua tutela seria uma gentileza. Ele
podia ensinar-lhe tanta coisa sobre o desejo, a paixão, o prazer.
Estremeceu ante a ideia de Miranda poder tornar-se amante de alguém.
Troçara um pouco quando ela o sugerira pela primeira vez, mas agora…
Agora, começava a pensar que ela poderia dar uma amante de grande
qualidade.
Miranda parou junto à escada de acesso ao terraço e ergueu os olhos
para a casa onde passara toda a vida. Foi a primeira vez que hesitou em
entrar. Não era a mesma mulher que a deixara umas horas antes.
Apenas haviam passado umas horas e, contudo, tinha a sensação de que
tudo mudara. Todos conseguiriam perceber? Adivinhariam a verdade mal
os fitasse?
Pareceu-lhe possível. Sentia-se diferente. Ainda lhe doía o corpo do que
fizera com Ethan, invadida pela lembrança das suas mãos e da sua boca, do
corpo masculino penetrando-a e reivindicando-a da forma mais primitiva
imaginável.
Estremeceu com aquela recordação e ficou chocada com o fato de por
trás da profunda dor existir um formigueiro de prazer. Como era lasciva
por ainda desejar mais depois de tudo o que tinha feito.
E agora repetiria essa experiência uma vez por semana durante três
longos meses. Doze dias que pertenceriam totalmente a Ethan e aos seus
caprichos.
De início, o acordo não lhe parecera grande coisa, mas agora… agora
constituía uma perspetiva avassaladora.
− Finalmente chegaste, Miranda!
Miranda sobressaltou-se quando a sua névoa foi trespassada pela voz
da mãe, vinda do terraço por cima. Ergueu o rosto e avistou a mãe e a sua
irmã Beatrice descendo as escadas ao seu encontro. A mãe não parecia
muito satisfeita, o que era comum de há meses a essa parte.
Com um suspiro, Miranda preparou-se para o ataque no preciso
momento em que as duas a alcançaram.
− Onde estiveste, filha? E por que razão pareces saída de um naufrágio?
– rugiu a mãe.
Miranda levou instintivamente as mãos ao cabelo. Esforçara-se ao
máximo por melhorar a aparência durante o longo caminho de regresso a
casa que a separava da propriedade de Ethan, mas soubera que não
bastaria.
− Eu sei onde ela esteve – declarou Beatrice com um sorriso
desdenhoso.
Miranda arregalou os olhos ao desviar o rosto para a sua irmã mais
nova. Ela não estava obviamente a falar verdade. Nem mesmo Penelope
sabia onde ela tinha ido. Beatrice não podia saber! Mas se fosse o caso…
− A Penelope disse que ela foi dar um dos seus passeios. Parece que
atravessou um pântano – finalizou a irmã.
A mãe premiu os lábios.
− Deus do céu, menina! Porque insistes em dar esses passeios pelos
bosques? Era preferível gastares o tempo a fazer visitas e a conseguir-nos
convites.
Miranda suspirou, em parte aliviada, em parte aborrecida.
Aparentemente, o seu segredo estava seguro, mas apenas em troca do
mesmo discurso que ouvira centenas de vezes.
− O ar puro faz-me bem – argumentou, dando a volta junto à mãe e à
irmã e dirigindo-se à escada de acesso ao terraço.
− Provoca-te sardas – insistiu a mãe. – E se alguém te tivesse visto nesse
preparo?
− Quem poderia ter-me visto, mãe? – suspirou Miranda ao entrar no
salão.
− E Lorde Rothschild? – sugeriu Beatrice.
Miranda estacou e girou sobre os calcanhares, fitando a irmã.
− Lorde Rothschild? – repetiu com a garganta repentinamente seca. A
cabeça dela começou a latejar.
− Oh, ele voltou? – interessou-se a mãe com um gemido.
Beatrice assentiu com a cabeça.
− Ouvi da boca da Susanna Carlton que ele está de volta ao campo para
a sua visita anual. Por vezes, vagueia pelos bosques.
− Provavelmente em busca de jovens inocentes para seduzir – disse a
mãe com um estalido da língua. – Estás a ver, Miranda? Se tivesses
tropeçado no caminho dele, já não acharias que o ar puro te faz tão bem.
Miranda cruzou os braços, tomada do súbito desejo de defender Ethan
contra a sua família.
− Não gosta dele, mas aceita sempre os seus convites.
A mãe pestanejou, como se não percebesse o reparo.
− Claro. Ele pode ser um patife, mas é bem relacionado. E até ter a
decência de abandonar o país, porque não tirarmos vantagem?
− Oh, mãe! – gemeu Miranda, pondo-se a esfregar as têmporas.
A mãe agarrou-lhe nas mãos, unindo-as e apertando-as quase ao ponto
de lhe provocar dor.
Miranda fitou-a surpreendida e detetou uma sombra de medo no olhar
furioso da mãe. Nunca a vira naquele estado, nem mesmo quando
discutiam os seus problemas financeiros. Miranda sempre achara que
Dorthea não entendia as dificuldades em que se encontravam.
Afinal, talvez entendesse.
− Miranda, podes julgar-me e aos meus métodos, mas não quero
esperar pelo destino. Temos de tomar as rédeas dos nossos próprios
destinos. – A mãe soltou-lhe as mãos e as emoções desapareceram do seu
rosto redondo. – Agora, por favor, vai lá para acima arranjar-te.
Miranda esboçou um leve aceno de cabeça e obedeceu.
Enquanto subia as escadas que levavam ao seu quarto, pensou no que a
mãe lhe dissera.
− Temos de tomar as rédeas dos nossos próprios destinos – murmurou.
Foi essa a sua intenção nesse dia ao pedir ajuda a Ethan e ao aceitar as
condições do acordo.
Contudo, não segurara as rédeas em nenhum momento do encontro.
Ethan seduzira-a, dera-lhe prazer e dominara-a desde que entrou no salão
até a mandar sair.
Ela permitira-lhe que o fizesse, cedendo ao que ele desejava com pouca
resistência, excetuando a sua estipulação de limitar os encontros a uma vez
por semana.
Se se tratasse de um namoro, não se preocuparia tanto com a questão
do domínio. Era previsível que um cavalheiro tomasse a primazia num
cenário em que acabaria casado com uma mulher.
Contudo, aquele acordo não terminaria em casamento. Não terminaria
com um vínculo de confiança ou mesmo de amor, apesar da rendição do
seu corpo aos caprichos dele. Se deixasse que Ethan a controlasse
permanentemente, sairia ferida.
− Ele poderá roubar-me o coração – sussurrou quando entrou no quarto
e tocou a campainha para chamar a criada.
Era uma verdade que sentia e até quase conseguia saborear. Depois de
anos de fascínio por aquele homem, a entrega deixara-lhe uma sensação…
boa. Há meses que não se sentia tão feliz. Não precisaria de se entregar
muito mais para que essas emoções se transformassem em amor. E amar
Ethan era a maior idiotice que poderia cometer.
− Miss? – chamou a criada, abrindo a porta do quarto.
Sobressaltada, Miranda virou-se para a jovem.
− Maddy, hoje caí durante o meu passeio e estou um pouco suja.
Gostaria de um banho quente.
A criada inclinou a cabeça com uma expressão surpreendida. Por
norma, a família não tomava banho a meio da tarde. Contudo, acabou por
encolher os ombros.
− Com certeza, miss. Vou tomar providências imediatamente.
− Obrigada.
Quando a jovem saiu, Miranda foi colocar-se atrás do biombo que
estava ao canto do quarto e começou a tirar o vestido. Ao fazê-lo, não
conseguiu deixar de notar pequenas marcas na pele, pequenas nódoas
negras que tinham sido deixadas pelas mãos e pela boca de Ethan. Engoliu
uma praga. Ele já lhe pusera o ferro, e ainda agora haviam começado a
relação.
− Não posso permitir que se apodere de todo o meu ser – decidiu,
envolvendo o corpo num roupão usado.
Todavia, como podia impedir que isso acontecesse? Como podia
conseguir tomar as rédeas do seu «destino», segundo as palavras da mãe.
Miranda sentou-se diante do toucador e começou a escovar o cabelo
emaranhado. O pensamento voou-lhe para o encontro com Ethan. Revisitou
cada momento na sua mente de uma forma lenta e sensual, e o seu corpo
reagiu em conformidade.
Fora tão bom ser tocada. Tocar-lhe.
Tocar-lhe.
Miranda endireitou-se. A única vez em que sentiu algum controlo foi
quando tocou em Ethan.
Quando lhe acariciou o pénis, ele estivera à sua mercê, e não o
contrário. Ao dar-lhe prazer, mantivera algum poder no processo.
Era isso mesmo. Não podia deixar-se seduzir. Tinha de ser ela a seduzi-
lo. Observara-o durante anos a fio, não era verdade? Sabia do que ele
gostava, o que o fazia gemer, algo que ele desconhecia a respeito dela.
Se pusesse em prática o que tinha visto, o que observara as outras
mulheres fazerem ao longo dos anos, poderia manter Ethan à distância e
segurar firmemente o seu coração nas mãos.
A sedução era a resposta.
E só porque nunca tinha tentado seduzir alguém, isso não significava
que fosse incapaz de o conseguir. As mulheres faziam-no todos os dias, e
algumas eram menos inteligentes do que ela. Além de que tinha anos de
espionagem a seu favor.
A porta abriu-se atrás de si e entraram duas criadas transportando a
banheira e mais duas atrás com a água quente. Enquanto preparavam o
banho, Miranda olhou-se ao espelho com uma firmeza renovada.
Faria isso. Tinha de ser. Naquela altura, a sua única esperança era a
sedução.
Capítulo 5


Um passeio pelos bosques era normalmente a distração favorita de
Miranda nos meses de verão.
Mesmo antes de se tornar obcecada por espiar as proezas sexuais de
Ethan, adorara a tranquilidade da natureza, a sensação do sopro da brisa
suave no seu rosto. O tempo que passava sozinha tinha-a ajudado a lidar
com as exigências da mãe dominadora e a perceber lentamente que o pai
não era o herói em que acreditara na sua infância afastada da realidade.
Mas, nesse dia, o passeio assemelhava-se mais a uma caminhada para a
morte. Mal reparava no que a rodeava e muito menos colhia tranquilidade
enquanto avançava na direção da casa de Ethan.
Em vez do silêncio, um refrão insistente soava-lhe na mente. Uma
pergunta fugaz sobre Ethan. O que é que ele lhe faria? O que lhe diria?
Aquele dia marcava as primeiras vinte e quatro horas do acordo entre
os dois. Desaparecida a barreira da virgindade, Ethan começaria a sério o
prometido deboche.
Ao ultrapassar a última fila de árvores, Miranda sentiu um arrepio,
embora o ar estivesse quente.
Do outro lado do relvado, a casa senhorial de Ethan erguia-se como um
farol, ou um beco sem saída.
Ainda não sabia qual deles.
Contudo, era aquele o seu destino e já não podia voltar atrás.
Miranda endireitou os ombros, tentou apagar o nervosismo do rosto e
obrigou-se a continuar. Não daria a Ethan a satisfação de detetar as suas
preocupações, mas manteria o controlo. Usaria contra ele tudo o que
observara em segredo.
Pelo menos, iria tentar, pois era a sua única arma nessa guerra sensual.
Subiu as escadas de mármore que conduziam à porta da frente da casa e
estendeu uma mão trémula para bater. Contudo, antes que os nós dos
dedos tocassem na superfície brilhante, a porta abriu-se e revelou a cara
severa do mordomo de Ethan. Mostrava como sempre uma expressão de
censura, e Miranda sentiu o sangue subir-lhe às faces. Era óbvio que os
criados de Ethan, ou pelo menos alguns deles, se encontravam a par do seu
segredo.
− Bom dia, Winston – conseguiu balbuciar com a dignidade possível
naquelas circunstâncias.
− Bom dia, Miss Albright – respondeu ele com um ligeiro aceno de
cabeça. – Ele está à sua espera. Queira seguir-me, por favor.
Miranda ocultou as mãos trémulas atrás das costas e foi atrás de
Winston, que a conduziu por um longo corredor até às escadas secretas.
Olhou em volta enquanto subiam ao segundo andar.
O aspeto da casa de Ethan sempre a tinha chocado desde que ficara a
par dos seus rendez-vous secretos. Não por ser decadente, mas exatamente
o oposto. A decoração era elegante e masculina, em tons escuros e com bom
gosto.
Tornava os seus vícios muito mais fascinantes. Como se ele fosse duas
pessoas numa só. Uma, o lorde aparentemente pecaminoso com fama de
sedutor, e a outra, um cavalheiro respeitável que se escondia sob a
superfície e apreciava as coisas requintadas que a vida tinha para oferecer.
Winston parou diante de uma porta trancada a meio do corredor. Tirou
uma chave do bolso do colete e abriu-a, mas não entrou. Em vez disso, fez
sinal a Miranda para que entrasse na frente dele.
− Encontrará uma porta ao longo da parede oeste – explicou de
sobrolho franzido. – Atravesse-a e Lorde Rothschild irá juntar-se-lhe daqui
a momentos.
Miranda contemplou a sala escura antes de afastar os pensamentos
para longe e esboçar um aceno de cabeça a Winston.
− Obrigada.
− Bom dia, miss – despediu-se quando ela entrou e ele fechou a porta.
Miranda hesitou à espera do som da fechadura a ser novamente
trancada, aprisionando-a como em qualquer romance gótico em que o
cavalheiro perverso seduz a heroína virgem. Contudo, tal não aconteceu.
Em vez disso, os passos abafados de Winston afastaram-se da porta da sala.
Mas Ethan não tinha de trancá-la, pois não? Ela fechara o acordo de sua
livre vontade e podia partir a qualquer momento.
Desde que abdicasse do prémio das temporadas para as suas irmãs.
Não, não podia fazer tal coisa, não após ter entregado a sua virgindade.
Como o conde vincara dois dias antes, não havia como voltar atrás.
E quando era honesta, não queria voltar atrás. Desde o primeiro
encontro que pensava constantemente na sensação da pele de Ethan contra
a dela, no sabor dos seus lábios, na forma como o seu corpo se retesou e
encheu quando ele a possuiu. Acordara mais do que uma vez húmida e
excitada, ansiosa por estar com ele. E as suas tentativas de alívio, que
sempre a tinham satisfeito antes, haviam caído por terra comparadas com a
recordação do toque de Ethan.
Deitou um olhar de relance à sua volta. Era uma divisão simples, quase
uma passagem para outra, e não propriamente um quarto. O único
mobiliário resumia-se a uma poltrona de abas junto à porta por onde
Winston lhe dera instruções para entrar. Parecia tudo muito normal, mas
por trás dela esperava o pecado, o prazer e sabe-se lá o que mais.
Miranda susteve a respiração. Chegara o momento decisivo. O último
instante entre a sua vida antes deste acordo e a sua vida futura.
Abriu a porta.
No interior, os reposteiros de veludo escuro estavam corridos e, por
conseguinte, havia pouca luz.
Apenas a lareira e alguns candeeiros espalhados lhe iluminaram o
caminho. Mas quando os olhos se adaptaram à obscuridade, respirou
fundo.
Se alguma vez havia imaginado como seria a casa de Ethan, aquela sala
ultrapassava as suas fantasias mais perversas. Uma cama enorme era a
peça central, munida de um dossel e cortinados de cambraia que
tombavam sobre o colchão. O tecido fino permitia-lhe avistar a colcha de
um veludo escuro e sensual, que seria uma carícia sobre a pele nua.
Passeou o olhar em redor e percebeu que a cama era apenas o começo.
Uma mesa com várias correias encontrava-se colocada do lado oposto do
quarto, umas para os pulsos e outras para os tornozelos. Estremeceu ante o
pensamento chocante de ficar amarrada. Era algo em que nunca tinha
pensado. Ethan iria fazer-lhe isso?
Desviou os olhos antes de ponderar a sério na sua crescente excitação.
Na parede oposta havia um espelho enorme com uma moldura dourada
incrustada com imagens de animais míticos em várias fases e tipos de
cópula.
Quando se virou em estado de choque para analisar o quarto em
pormenor, os olhos adaptaram-se e ela detetou um vislumbre de
movimento num canto escuro da divisão. Recuou sobressaltada quando
uma figura sombria se levantou de uma cadeira escondida e se mostrou à
luz.
Ethan.
Miranda susteve a respiração. Ele tinha alguns botões da camisa
desapertados e o brilho das chamas refletia-se na pele queimada do sol.
Nessa manhã não se barbeara e os ralos pelos escuros definiam ainda
melhor a linha do maxilar. Estava descalço, tal como da última vez que o
tinha visto, logo a seguir a fazerem amor.
E, tal como da última vez, o seu olhar estava cheio de desejo, mas
desprovido de qualquer outra emoção.
− Bom dia – saudou num tom arrastado.
Miranda endireitou os ombros, consciente de que devia manter a
mesma distância.
− Milorde.
Ethan brindou-a com um sorriso indulgente.
− Embora me agrade ser tratado por teu senhor, acho que
ultrapassámos esses chavões vazios.
Trataste-me várias vezes por Ethan. – Hesitou e deu uma palmadinha
no queixo. – Na verdade, até o gemeste numa delas. Prefiro que me trates
assim quando estivermos a sós.
Miranda corou frente àquela visível referência ao primeiro encontro de
ambos, mas conseguiu esboçar um ligeiro aceno de cabeça.
− Muito bem.
− Sinto-me curioso. Que desculpa deste à tua … − hesitou e Miranda
achou que estremecera um pouco − … mãe por uma ausência de vinte e
quatro horas?
Miranda mexeu-se desconfortavelmente. Embora tivesse os seus
problemas pessoais com Dorthea, por regra não gostava de mentir. E fora
difícil encontrar uma desculpa que apaziguasse a sua intrometida mãe.
− Ela pensa que Lady Ingleworth de Tipton simpatizou comigo e me
pediu que todas as sextas-feiras fosse ler e tocar piano para ela e passasse
lá a noite. Visto que se trata de uma duquesa viúva, a minha mãe quer
incentivar essa suposta amizade – explicou cuidadosamente.
Ethan reclinou-se com um leve assobio.
− Engenhoso, minha querida. Lady Ingleworth praticamente não sai de
casa. Não haverá o constrangimento de um encontro com ela em Londres e
de seres apanhada numa mentira.
Miranda suspirou. Ethan estava visivelmente divertido com a situação,
o que não era o seu caso. A ideia de que a sua mentira fosse descoberta e a
mãe a espicaçasse até a verdade vir ao de cima mantinha-a acordada
durante a noite.
− Sim, também foi o que pensei.
− Hum! – exclamou, parecendo entediado com o assunto. – O que achas
do meu quarto? – acrescentou com um gesto em redor e sem tirar os olhos
de cima dela.
− Adapta-se muito melhor a si do que o resto da casa – respondeu,
cruzando os braços.
− Que impertinência, mas talvez seja verdade. O resto da casa destina-se
a consumo público. Há que fazer concessões para as suas afetadas
expectativas. Contudo, este é o meu quarto.
− O seu quarto? – repetiu Miranda, sentindo repentinamente a garganta
seca. Então, era aqui que ele dormia, se vestia, sonhava. Aquelas atividades
mundanas não passavam de imaginação, embora conhecesse os íntimos
pormenores das suas ligações.
Ethan esboçou outro sorriso, dirigiu-se à mesa onde havia uma garrafa
de vinho tinto e serviu-lhe um copo.
− Não, não. Até eu só consigo viver numa tal decadência durante breves
períodos. Este é o quarto onde recebo, à falta de uma melhor definição.
Miranda aceitou o copo que ele lhe estendeu e bebeu um gole do vinho.
Era um vintage de qualidade, que lhe escorreu pela garganta, e não barato e
aguado, como o que era servido em sua casa. A mãe passava o tempo a
queixar-se, mas ela convencera-se de que não era assim tão mau.
Enganara-se. Aquele líquido suave deslizou-lhe pela garganta com um
sabor celestial.
− Não recebe assim tantas vezes – redarguiu Miranda, bebendo mais um
gole. – Nunca tinha visto este quarto, e não se esqueça de que convidou a
nossa família para diversos eventos ao longo dos anos.
Ethan arqueou uma sobrancelha.
− Se alguma vez imaginasse que te tornarias uma aluna deliciosa,
Miranda, há muito que te teria convidado para este quarto.
− Mentira! – exclamou Miranda com uma risada. – Nem sequer fui digna
de um olhar antes de aparecer aqui sem escolta.
Ethan recuou, aparentemente surpreendido com aquela explosão.
Miranda fitou o copo meio vazio.
Esquecera-se da pouca quantidade de álcool de que o seu corpo
necessitava para começar a dizer coisas que não desejava em voz alta. Pôs o
copo de lado, antes que deixasse escapar algo mais, e fez um esforço para
parecer à vontade, mau grado o seu súbito constrangimento.
Ele inclinou a cabeça, aproximando-se mais.
− Não tenho por hábito desflorar mulheres que, na melhor das
hipóteses, desejam mais do que alguns meses na minha cama. Parti do
princípio de que querias um compromisso para toda a vida e afastei-me.
Mas reparei em ti, minha querida.
O seu sorriso era positivamente animalesco, e ele aproximou-se como
se fosse um gato e ela um rato indefeso. Miranda sentiu-se repentinamente
nessa situação.
− Reparou em quê? – perguntou baixinho.
− Nos teus olhos, na tua figura elegante, nesses belos seios – respondeu
num tom baixo e sedutor que lhe mexeu com as emoções. – Mas reparei
sobretudo na forma como me olhavas, como se conhecesses os meus
segredos.
Miranda estremeceu. Não se apercebera de que as suas avaliações sobre
ele haviam sido tão transparentes. Graças a Deus que ele desconhecia
exatamente que segredos ela sabia.
− Imagino que tenha muitos segredos, Ethan – ripostou, afastando-se e
começando a percorrer a divisão.
− E começo a pensar que também tens alguns – disse ele a rir. – Vai ser
divertido arrancar-tos e explorá-los.
Miranda virou-se para ele, ofegante, e viu que Ethan a observava
atentamente.
− Canalha!
− Sem dúvida – concordou com um sorriso bem-humorado e apontando
para a parede atrás dela. – Que tal a minha obra artística?
Miranda franziu o sobrolho dada a repentina mudança de assunto e só
depois se virou para o quadro que ele indicara. Susteve a respiração. À
distância, mal reparara nos esboços pendurados na parede; estes, tal como
a moldura do espelho que tinha visto antes, expunham uma variedade de
acasalamentos pecaminosos.
O quadro diante dela retratava um casal a valsar, o que não seria
ultrajante, caso os dançarinos não estivessem totalmente nus. O membro
do homem era volumoso, estimulando os lábios húmidos do sexo da
parceira.
Enquanto os dois giravam pela pista de dança, a orquestra e os outros
bailarinos observavam, com expressões lascivas e agarrando os seus pares.
Miranda sentiu o calor do corpo de Ethan quando ele se colocou atrás
dela.
− Então?
− É chocante – admitiu com voz trémula. Era igualmente excitante, mas
jamais o confessaria.
− Todos esses retratos serão provavelmente chocantes – disse Ethan,
movendo os lábios junto ao seu pescoço.
Afastou-lhe alguns cabelos da pele com a palma da mão, antes de
premir os lábios contra os dela.
Miranda estremeceu quando entreabriu a boca e ele a titilou com a
língua. Sentiu a humidade entre as pernas trémulas.
− Contudo, deves observá-los atentamente – sussurrou Ethan. – Podem
ser uma cópia do que te espera.
Miranda retesou o corpo. Ethan exigiria, por conseguinte, que ela
participasse em todos os vícios retratados nos quadros nas paredes. Voltou
a percorrer a divisão com o olhar. Tratava-se de um antro de prazeres
sensuais de que pessoas decentes não falariam. Coisas que receava não
estar pronta para fazer, apesar de tudo o que pensava saber.
Fora suficientemente idiota para pensar que conseguia dominar aquele
homem, mas estava fora do seu elemento. Ao observar todas aquelas
imagens, todos os dispositivos que ele usava habitualmente com as
amantes, sentia-se insegura quanto a fazê-lo sem perder a alma.
− Para – sussurrou enquanto ele lhe rodeava a cintura com os braços e a
encostava ao peito.
Parecia bom demais.
− Parar? – repetiu ele, continuando a balançá-la contra o seu corpo para
que sentisse a sua dura ereção no traseiro. – Queres mesmo que pare ou
estás simplesmente com medo dos teus desejos?
Com medo de que, se fizeres o que te peço, não voltes a ser a mesma?
Que mude as tuas ideias sobre sensualidade e lascívia a tal ponto que
esqueças o que consideras «adequado»?
Miranda afastou-se, e ele soltou-a de imediato. A jovem cobriu as faces
ruborizadas quando se virou para o enfrentar. Denotava uma expressão
quase entediada.
− Não sei – sussurrou. – Não sei.
Ethan fixou os olhos nela durante um longo e silencioso momento. Em
seguida, virou-se e apontou para a porta.
− Não és uma prisioneira, Miranda. Se não conseguires aguentar as
condições do nosso acordo, podes ir embora. Mas isso anula tudo.
Miranda fitou a porta que se situava a poucos centímetros.
Representava em simultâneo a liberdade e uma prisão totalmente
diferente. Se saísse, condenaria a família à ruína; e, pior ainda, nunca iria
explorar os prazeres que Ethan lhe oferecia. Podiam assustá-la, mas uma
vida com o tédio como atração aterrorizava-a ainda mais.
− Qual é a decisão? – perguntou ele baixinho.
Miranda olhou-o. Ele parecia não atribuir a mínima importância ao que
ela viesse a fazer. Na verdade, o sorriso zombeteiro levou-a a pensar que
ele esperava vê-la fugir como uma parvinha.
Aquela expressão apenas contribuiu para firmar a sua resolução.
− Vou ficar – sussurrou. – Cumprirei a minha parte do nosso acordo.
Ethan foi invadido por duas emoções distintas quando Miranda
pronunciou as palavras com voz trémula. Ambas eram igualmente
perturbadoras. Por um lado, não conseguiu deixar de ficar impressionado
pela sua força oscilante. Qualquer outra inocente que enfrentasse o tipo de
deboche com que ele estava a tentá-la provavelmente fugiria sem olhar
para trás. Contudo, Miranda fitava-o com um olhar intenso, que o atingiu no
estômago e aumentou a sua ereção.
A outra emoção era pior. Sentiu-se aliviado por a jovem não tencionar
virar as costas ao negócio fechado, como se se preocupasse realmente com
ela.
Tal era impossível. As mulheres que passavam pela sua cama nunca lhe
tinham despertado mais do que um vago interesse. Nunca conheceu os seus
passados, os seus sonhos ou objetivos. Não queria saber. Dava-lhes gozo,
mas era esse o máximo da sua preocupação. As mulheres iam sendo
substituídas na sua vida e, por conseguinte, não lhe importavam.
Mas, no caso de Miranda, não desejava apenas um corpo quente na sua
cama, pelo menos nesse momento. Contudo, a sensação passaria, tinha de
passar.
Cruzou os braços e fitou-a de alto a baixo. Observou o vestido que ela
usava, que tinha uma gola demasiado alta e as mangas demasiado
compridas. Tecido a mais e folhos em excesso. Uma mulher como ela devia
vestir-se com uma simplicidade provocante. Adoraria vê-la com um vestido
que lhe moldasse as curvas. Talvez sem nada por baixo.
Ethan abafou um gemido e pronunciou entre dentes: − Tens demasiadas
camadas de roupa. Quero que te dispas.
Miranda retesou o corpo durante uma fração de segundo, mas depois
obedeceu, erguendo as mãos para os botões apertados na frente do vestido.
Desabotoou rapidamente os dois primeiros; Ethan abanou a cabeça.
− Não. Devagar. Quero ver-te a revelar o corpo polegada a polegada.
Ver-te despir é um prazer de que quero desfrutar.
A jovem hesitou, fitando-o com a expressão de uma coelhinha
assustada. O olhar vagueou de relance pela segunda vez na direção da porta
atrás dele, mas Miranda não esboçou qualquer movimento rumo à
liberdade. Por fim, pressionou os dedos no botão a seguir e desapertou-o.
As mãos tremeram-lhe quando apartou o tecido, revelando alguns
centímetros de pele nua.
Ethan humedeceu os lábios e recuou até uma cadeira junto à lareira.
Sentou-se e depois mandou-a prosseguir com um aceno de cabeça.
Miranda aproximou-se dele, contorcendo as ancas enquanto
desapertava o botão seguinte.
Mantinha uma expressão receosa, mas o corpo parecia saber o que
fazer, embora aqueles atos contrariassem o que a mente e o decoro lhe
indicavam como correto. De alguma forma, isso levava-o a desejá-la ainda
mais. Podia ensiná-la a escutar os desejos do corpo acima das vozes que a
aconselhavam num murmúrio a pôr de lado o deboche e a paixão.
Com um arrepio, Miranda despertou o último botão e apartou o tecido,
revelando uma expansão de carne nua e os contornos de uma combinação
de algodão usada. Ethan franziu o sobrolho. Os problemas financeiros da
família eram indubitavelmente graves, pois, das duas vezes em que
Miranda se despira para ele, expusera roupa interior velha e gasta. Tratava-
se de algo que teria de remediar.
− Volta-te – ordenou. – E despe o vestido. Devagar.
Miranda hesitou antes de se virar de costas para ele. Ethan esperava
que ela deixasse cair o vestido aos pés com um único movimento, mas, em
vez disso, fitou-o por cima do ombro. Ambos cruzaram o olhar e ele detetou
uma pequena chama de desejo no azul luminoso dos olhos dela. Por mais
incómodo que um show de strip se afigurasse a Miranda, também o
apreciava em qualquer cantinho escondido do seu íntimo. Gostava de se
desnudar perante ele, camada por camada.
O seu pénis latejou.
− Tira-o – exigiu baixinho.
Ela fez deslizar o vestido por um dos ombros, em seguida pelo braço,
com um ritmo vagaroso.
Ethan endireitou-se e observou a forma como ela libertava o braço,
mantendo o corpete encostado ao peito. Com a mão oposta, libertou o outro
braço ao mesmo ritmo.
Nunca desviou o olhar do rosto masculino, fitando-o com aquele azul
luminoso por cima do ombro.
Em seguida, largou o vestido, que descaiu até à cintura. Prendeu os
polegares à volta da cintura e sacudiu ligeiramente as ancas.
O tecido escorregou-lhe ao longo do corpo e ela soltou os polegares,
deixando-o cair aos pés.
Capítulo 6


Ethan humedeceu os lábios repentinamente secos. A combinação de
Miranda estava gasta, mas isso tinha os seus benefícios. Por um lado, era
demasiado apertada e moldava-se ao corpo, torneando as curvas das ancas;
era também demasiado curta, visto que provavelmente a bainha fora
remendada mais do que uma vez. Tapava-a apenas até ao cimo das coxas,
revelando o belo e curvilíneo traseiro.
− Volta-te – ordenou entre dentes, chocado pela tremura da sua própria
voz e pelas rápidas pulsações. Tinha o pénis extremamente duro e nem
sequer tocara nela. O seu corpo estava descontrolado, rebelde e tenso.
Miranda libertou-se do vestido e afastou-o com um pontapé, antes de
seguir a ordem dele e fitá-lo.
Os mamilos ressaltavam contra o algodão, perfeitamente delineados
pelo brilho da lareira. O tecido estava tão gasto que ele conseguia ver a pele
rosada através do branco. Desejou lambê-la, chupá-la até ela gemer e gritar.
Estava pronto para saltar da cadeira, nervoso, rijo e ansioso.
Em vez disso, continuou a observá-la. A combinação moldava-lhe o
ventre e as coxas. O tecido esticado permitia-lhe mesmo detetar a sombra
escura dos pelos entre as pernas. A visão quase o enlouqueceu, o membro
latejou e o sangue ferveu-lhe nas veias.
− Despe-a – murmurou.
Miranda arqueou uma sobrancelha e um poder perverso surgiu-lhe no
olhar.
− Como, Ethan? Tens de me dizer o que queres que faça para te agradar
devidamente.
De súbito, o conde perdeu toda a vontade de assistir a um espetáculo.
Apenas queria vê-la nua.
Desejava-a por baixo dele, por cima dele, à volta dele. Desejava-a
ofegante e suada. Desejava-a a gemer e agarrada a ele. Desejava-a e ponto
final.
− O que me agradaria era que te livrasses disso. Tira-a da maneira mais
rápida – rugiu.
− Não consegue decidir-se – disse ela baixinho com um riso nervoso. –
Tira-a devagar, tira-a rapidamente…
Ethan levantou-se de um salto, e Miranda recuou dois passos, de olhos
arregalados.
− Muito bem – concordou, erguendo a mão num gesto de defesa.
Agarrou na borda da combinação e puxou-a para cima, rolando o tecido
apertado ao longo das ancas, do ventre, dos seios e, finalmente, puxou-a
pela cabeça, deixando-a cair no chão junto ao vestido.
Ethan observou, incapaz de apagar o desejo do rosto. Deus do céu! Ela
era encantadora, dotada de membros esguios, de uma pele macia e lisa…
era como se tivesse sido feita para satisfazer todos os seus desejos, todas as
suas fantasias.
Desejava tocar-lhe, prender-lhe as pernas à volta da cintura e copular
com ela ali mesmo no chão.
Nem parecia dele, que sempre tinha preferido uma sedução lenta e o
prolongar do gozo. Esse cenário tranquilo de desejo fora sempre uma
maneira de garantir que as parceiras se encontravam à sua mercê, e não o
contrário.
Não poderia ser diferente com esta mulher. Caso se descontrolasse e a
possuísse qual animal com cio, dar-lhe-ia poder a mais. Embora Miranda
fosse demasiado inocente para saber como usá-lo, tratava-se de um risco
que não estava disposto a correr. Tinha de permanecer calmo, concentrado,
indiferente.
Caso lhe tocasse, não o conseguiria, precisamente agora que se sentia
tão próximo do orgasmo.
− Vai para a cama – sussurrou num tom áspero.
Miranda foi tomada de um súbito arrepio e desviou o olhar do dele para
a grande cama encostada à parede oposta. Ethan já notara a forma como a
jovem a havia fitado antes e interpretara, como se ela as tivesse
pronunciado em voz alta, as fantasias e as perguntas que lhe passaram pela
mente sobre o que lhe faria.
Mudou de posição com o membro a latejar e a pulsação acelerada.
− Vai − repetiu.
Miranda obedeceu, atravessando o quarto na direção da cama vazia
como uma condenada. Quando chegou aos pés da cama, estendeu uma mão
trémula e passou as pontas dos dedos pela colcha em veludo. Ethan engoliu
em seco quando ela emitiu um leve suspiro. Miranda estava totalmente
sintonizada com a sensação. Coisas como o roçar de veludo, o farfalhar de
algodão, o toque da seda… podiam transformar-se em ferramentas de
sedução.
Guardou a informação para mais tarde e disse: − Sobe.
A jovem deitou um rápido olhar por cima do ombro antes de pisar a
pequena escada ao lado da cama. Quando gatinhou para o colchão, Ethan
avistou de relance o sexo dela no momento em que apartou as coxas.
Brilhava envolto na luz suave da lareira, já humedecido de desejo. Não
demoraria muito a excitá-la ao rubro.
− Deita-te sobre as almofadas e abre as pernas − ordenou,
aproximando-se dos pés da cama.
Agarrou com força o estribo da escada, a fim de controlar-se e não se
atirar para cima dela, possuindo-a sem preliminares.
Miranda corou, mas não hesitou em dobrar os joelhos e apartar as
coxas. Brindou-o, assim, com uma visão completa dos lábios inchados, do
pequeno clítoris endurecido e da fenda molhada, que cada movimento do
corpo implorava que fosse preenchida.
− Acaricia-te.
Miranda sentou-se com uma expressão surpreendida e fitou-o.
− O quê?
Ethan agarrou no estribo com mais força.
− Ouviste-me perfeitamente. Disse para te acariciares. Dá prazer a ti
própria. Já o fizeste antes, não é verdade?
Esperava que ela negasse. As mulheres da estirpe dela eram quase
sempre informadas de que o corpo se destinava ao uso de um homem e
apenas para essa finalidade. As mães estúpidas e as governantas
solteironas diziam às jovens que nunca cedessem aos seus próprios
desejos, que o sexo era um dever, muito semelhante a organizar o menu do
dia numa grande casa. Algo necessário, mas não especialmente agradável.
− Sim, fiz – respondeu Miranda e virou o rosto ruborizado.
− Fizeste? – repetiu ele, chocado com a resposta inesperada.
O seu pénis estava tão rijo que achava que poderia pregar pregos com
ele. Não se lembrava de alguma vez se ter sentido tão excitado, o que era
estranho, considerando o tipo de mulher com quem costumava encontrar-
se.
Miranda assentiu com a cabeça, sem desviar o olhar do rosto dele.
− Mostra-me − rugiu ele. – Quero ver como te satisfazes. A respiração de
Miranda saía em pequenos arquejos enquanto se manteve perfeitamente
imóvel durante um longo e silencioso momento. Ethan quase chegou a
pensar que forçara demasiado a corda e ela fugiria, mas quando estava
prestes a lembrar-lhe a sua precária posição, Miranda descerrou os punhos
e fez deslizar uma das mãos até a pousar no ventre liso.
Os dedos esguios roçaram a pele, acariciando-a ao de leve num
movimento descendente, cada vez mais abaixo, polegada a polegada,
enquanto Ethan apertava o apoio cada vez com mais força.
Inclinou-se, observando a mão da jovem a acariciar a coxa, alisando a
pele, antes de cobrir o sexo com a palma da mão.
Miranda conservou-se quieta por um breve momento, com a respiração
ofegante. Ethan desviou o olhar da mão para o rosto dela e verificou que a
jovem já não parecia constrangida, mas excitada.
Fitava-o, observando a sua reação enquanto se tocava. Quando os
olhares se cruzaram, fixou-o longamente, e depois baixou as pálpebras e
gemeu.
Ethan baixou o olhar e viu que ela começara a acariciar o sexo. Apartou
as pregas da carne escorregadia, massajando cada uma delas num
movimento lento e sedutor. As polpas dos dedos giravam sobre a pele
húmida, abrindo-se e estimulando-se. Suspirou à medida que o corpo
relaxava e ficava mais húmido ante o toque dos dedos exploradores.
O clítoris inchou com as carícias, ficando mais escuro e reclamando
atenção. Ela roçou-o ao de leve, respirou fundo, mas depois afastou-se.
Ethan sorriu. Ela estava a provocar-se, demorando o gozo até não poder
mais. Isso significava que gostava daquele exercício e não o fazia apenas
para aliviar as suas necessidades.
Com os diabos! Havia uma gata selvagem aprisionada na concha
daquela jovem protegida. Era uma mulher apaixonada e fogosa. Ethan
queria tirá-la para fora, esmagar a concha, deixar Miranda apenas com os
seus desejos. Queria deixá-la excitada e ávida.
Contudo, por mais que desejasse fazê-lo naquele momento, conteve-se.
A paixão da jovem era quase esmagadora e, se tentasse aproveitá-la, era
bem possível que arrastasse os dois. Devia ser paciente. Tinha o verão todo
para usufruir do seu despertar, para moldá-la, introduzi-la em todos os
vícios do seu reportório e destruí-la em prol de homens chatos e de um
sexo monótono.
Quase gemeu ante a ideia. Seria uma maravilha.
Miranda arqueou as costas enquanto os dedos trabalhavam
furiosamente. Enfiou o indicador dentro do corpo e apertou o polegar
sobre o clítoris. Gemidos irromperam-lhe da garganta ao mesmo tempo que
meneava as ancas e um rubor lhe cobria o peito.
Deu vazão ao alívio, sacudindo o corpo e estremecendo, movendo a
cabeça para trás e para diante na almofada enquanto se vinha. Em seguida,
os tremores pararam e o corpo descontraiu-se. Abriu os olhos.
Ao olhar para Ethan, transmitiu-lhe uma sensação demasiado intensa.
Com um gemido, ele largou o apoio da pequena escada e avançou na sua
direção.
A respiração de Miranda saía-lhe em arquejos incontroláveis à medida
que iniciava uma lenta descida do enorme prazer do orgasmo. Já havia
participado em tais atividades, sozinha na cama, sobretudo depois de
observar Ethan com as suas parceiras, e sentia o corpo vazio e ávido.
Contudo, as suas experiências em nada se tinham parecido com aquela.
Sozinha, tivera vergonha dos seus atos furtivos. Nunca deixara de ouvir
no íntimo o eco de vozes, dizendo-lhe que nunca envergonhasse o corpo,
nunca desejasse, nunca cedesse às necessidades. As suas tentativas para se
satisfazer tinham sido sempre furtivas, debaixo dos cobertores, através da
camisa.
Todavia, isto fora totalmente diferente. Acariciar-se daquela forma, de
pernas apartadas, nua na cama de prazeres pecaminosos de Ethan
enquanto ele a observava… havia sido divino. De início sentira-se
indubitavelmente envergonhada, mas ao ver até que ponto o seu desejo o
incentivava, esquecera a autoconsciência e as regras que os outros lhe
tinham inculcado. Ethan jamais a criticaria duramente pelos seus desejos, e,
nesse momento, só Ethan importava.
Sentimento e emoção prevaleceram no momento em que afastou os
receios e a explosão que viveu quase ultrapassara o que vivera quando
Ethan se enterrara no seu corpo uns dias antes.
Quase.
Ao erguer o rosto na sua direção, verificou que algo no olhar dele
mudara. Ethan tornara-se perigoso e… descontrolado.
Estava descontrolado devido ao pequeno espetáculo que ela lhe
proporcionara. Invadiu-a um surto de triunfo à mistura com esperança.
Talvez, afinal, não estivesse tão fora do seu elemento.
Ethan largou o apoio onde se agarrara e deu a volta à cama. Miranda
esqueceu subitamente todas as ideias de controlo. No seu entusiasmo pela
vitória alcançada, esquecera-se de que um homem descontrolado era
frequentemente um homem perigoso. O olhar de Ethan transmitia que
apenas desejava saltar para cima dela, possuí-la, reivindicá-la.
Estremeceu quando ele se aproximou, disposto a um toque animalesco
e exigente. Contudo, apesar do brilho de paixão nos olhos escuros, agarrou-
lhe nos ombros com dedos suaves. Puxou-a mais para baixo e enrolou-a na
coberta até o seu corpo ficar envolto num céu de veludo.
Não pronunciou uma palavra quando se dirigiu ao centro do quarto
onde tudo havia começado.
Pegou no copo de vinho há muito esquecido e sorveu o líquido restante
de um trago, após o que lhe serviu uma nova dose.
− Bebe – ordenou num tom baixo e rouco, quando regressou até à cama,
de braço estendido. – Vou mandar vir comida. Parece-me que tens fome.
Miranda olhou para o pequeno relógio da lareira e ficou surpreendida
com o tempo decorrido desde que saíra de casa. Passava da hora do
almoço. Sentira-se demasiado nervosa para tomar o pequeno-almoço e,
mesmo que assim não fosse, tratava-se de uma refeição que deixara de
fazer para economizar recursos. O estômago roncou baixinho ante a
menção de comida.
− Mas não… − começou e interrompeu-se com as faces ruborizadas.
− Queres que encha o teu corpo com o meu e te faça gritar? – completou
Ethan num tom complacente ao dirigir-se até à porta e tocando a
campainha para chamar um criado.
− Sim – concordou Miranda, forçando-se a não desviar o olhar. Se ele
optava por ser tão rude, ela tinha de se mostrar à altura.
Ethan não respondeu quando um criado apareceu à porta interior.
Miranda não conseguiu distinguir a pessoa, mas os dois falaram por um
momento antes de Ethan fechar a porta e regressar até junto da cama.
Subiu para o lado dela e fitou-a. O seu olhar era intenso, como se tentasse
ler-lhe a personalidade, mergulhar na sua alma e desvendar segredos.
Virou-se instintivamente, negando-se a permitir aquela intimidade.
Ethan grunhiu desagradado por um momento antes de lhe imobilizar as
mãos ao lado da cabeça. Inclinou-se sobre ela, com o rosto a escassos
centímetros. A respiração quente aflorou-lhe o rosto quando lhe pegou no
queixo e a virou para que o fitasse. Os narizes estavam à distância de um
centímetro e os lábios deliciosamente próximos. Contudo, não se inclinou
para a beijar e não lhe tocou.
− Miranda, nada me agradaria mais do que foder contigo. – A jovem
esboçou um trejeito ante aquela franqueza, e Ethan franziu o sobrolho. –
Não te encolhas com essa palavra. É exatamente o que quero. Não quero
fazer amor contigo como um cavalheiro. Quero abrir-te as pernas e
encavar-te.
Quero amarrar-te e fazer com que supliques. Quero lamber cada
polegada do teu corpo até estares tão molhada de desejo a ponto de quase
escorregar de dentro de ti a cada encavadela. Isso é que é foder e não
devias ter medo. É para isso que foste feita, talvez mais do que qualquer
outra mulher que conheci.
Miranda mal podia respirar através do calor que subitamente se gerou
entre eles. O seu corpo, ainda quente das carícias e do gozo a que fora
submetido, chispou ante aquelas palavras francas e obscuras. Deviam tê-la
assustado, mas, em vez disso, excitaram-na.
− Então, porque é que não o fazes? – retorquiu, detestando a sua voz
trémula.
Ethan hesitou, mas depois afastou-se, e ela deixou de estar manietada.
Devia ter sido um alívio; ao invés, ficou desapontada.
− Ainda não estás pronta para isso. Quase não entendes a tua
sensualidade e estás longe de aceitar a minha. – Recostou-se com as mãos
atrás da cabeça e esboçou um sorriso perverso e cheio de promessas. –
Assim, vou controlar-me um pouco. A espera tornará tudo melhor.
Foi a vez de ela franzir o sobrolho. Embora nunca o admitisse em voz
alta, não queria esperar.
Queria que ele fizesse todas as coisas que descrevera como «foder».
− Mas…
− O erotismo é mais do que a mera posse, Miranda – disse ele baixinho,
interrompendo-lhe o protesto quando meteu a mão por baixo das pregas
da colcha e encontrou a sua perna esquerda.
Afastou a colcha até revelar a perna dela e percorreu-a languidamente
com os dedos. – Trata-se dos teus sentidos.
O único sentido em que Miranda podia concentrar-se era naquele toque,
enquanto os compridos e ásperos dedos de Ethan deslizavam pela sua
barriga da perna e lhe rodearam o joelho.
− Para usufruíres totalmente da paixão, tens de usar todos os teus
sentidos. A visão para observares o que estás a fazer e o que te fazem. E
para descobrires o que gostarias de experimentar.
Sorriu quando lhe massajou o joelho e lhe arrancou um suspiro dos
lábios.
− O paladar, desde o sabor da pele do teu amante à forma como uma
uva explode na tua língua. O tato para sentires não só a maneira como o
membro de um homem te enche, mas a forma como os teus dedos se
enrolam nos pelos do seu peito ou o áspero deslizar da língua quando se
entrelaça na tua. A audição, a maneira como o teu amante pronuncia o teu
nome, a forma como um gemido ecoa num quarto silencioso. Até mesmo o
olfato para saboreares o odor a pétalas de rosa quando afloram a tua pele
ou o cheiro de um homem que te deseja.
Os dedos de Ethan detiveram-se no seu joelho, acariciando-lhe a rótula,
provocando um estremecimento. Miranda observou como a tocava e as
suas palavras sobre os sentidos encontraram pouso. Os dedos masculinos
bronzeados eram escuros, contrastando com a sua pele pálida, e o
contraste revelou-se chocante e agradável. O polegar dele era mais áspero
do que os outros dedos e, quando roçou a parte interior do joelho,
provocou uma cascata de sensações titilantes, que se repercutiram por
todo o seu corpo.
− Primeiro, concentra-te na visão.
Miranda estremeceu quando ele afastou a mão. Agora que ele deixara
de lhe tocar, era como se lhe tivessem tirado a tábua de salvação. Sentiu-se
um pouco… perdida, o que era muito mau.
Observou-o dirigindo-se a uma arca entalhada que se encontrava no
canto do quarto. Retirou alguns objetos do interior e, quando voltou,
colocou-os ao lado dela, na cama. Livros.
− O que é isto? – perguntou, folheando as páginas enquanto ele
atravessou a divisão e abriu a porta. Quando regressou, carregava uma
bandeja com um prato cheio de comida. O estômago de Miranda produziu
um ruído surdo ante a mistura de odores a queijo forte e fruta. Pensou
novamente na admoestação de Ethan quanto a usar todos os seus sentidos
para descobrir a verdadeira natureza do erotismo. Quem sabia que as
sandes podiam ser tão sensuais?
− Observa-os – disse, indicando os livros enquanto pousava a bandeja
ao lado dela. – Examina-os.
Deixa-te excitar e chocar por eles. Vou mesmo abandonar-te, para
fazeres isso durante algum tempo.
− O quê? – retorquiu Miranda, esquecendo os livros quando Ethan se
inclinou para depositar um beijo muito ao de leve na sua testa.
− Não quero que te deixes influenciar pelas minhas preferências – disse
ele com um sorriso perverso. – Pelo menos, ainda não. Voltarei daqui a
pouco.
Antes que ela pudesse contestar, Ethan saiu do quarto e fechou a porta
atrás dele. Miranda fitou a barreira entre eles ao ouvir a segunda porta
fechar-se à distância. Tinha vindo para ser seduzida e debochada, e ele
deixara-a com comida e livros! Sentiu-se irritada.
Maldito homem!
Com um suspiro de frustração, apoiou-se nas almofadas, trincou uma
uva entre os lábios e saboreou pecaminosamente a explosão de sabores na
língua, como Ethan a tinha instruído, abrindo depois o primeiro livro. O que
viu quase a fez derrubar o tabuleiro.
Tratava-se de uma história erótica, preenchida com esboços detalhados
para ilustrar o que estava a ler! Miranda folheou os outros livros e
descobriu que eram todos semelhantes.
Ethan deixara-a com livros para a excitar e torná-la ainda mais
frustrada e ansiosa pelo seu toque.
Miranda esboçou um trejeito. Ali estava ela a tentar manter algum
controlo sobre a situação, mas ele não fazia as coisas que ela esperava.
Ainda assim… fitou a comida e em seguida o livro que tinha na mão.
Que mal tinha em dar uma vista de olhos? Talvez aprendesse mais
talentos para juntar ao seu arsenal.
Ethan manteve-se na divisão exterior obscurecida, que levava de volta
ao quarto onde Miranda o aguardava. Fixou a porta, com o braço esticado,
mas não entrou. Ainda não.
Haviam passado duas horas desde que lhe dera uma pilha da sua vasta
coleção de obras eróticas e a deixara a explorá-las por conta própria. Oh,
tinha-lhe dado uma longa explicação sobre o acordar dos sentidos e a
aprendizagem dos desejos ocultos, e isso constituía uma parte da razão por
que o fizera. Contudo, existia outra parte, uma parte perturbadora e que
tentara esquecer.
Havia qualquer coisa naquela mulher que o descontrolava.
O controlo tinha sido a sua única constante ao longo dos anos, a única
coisa que o separava de ser casualmente debochado e o completo animal
que o seu pai tinha sido. Ethan sabia que não podia fugir à sua predileção
pelo pecado e o sexo, pois esses desejos corriam-lhe no sangue. O pai
lembrava-lhe regularmente esse fato.
Contudo, Ethan também sabia que, se o permitisse, esses desejos
podiam consumi-lo, mudá-lo, incapacitá-lo de escolher e optar pelo fino véu
de respeitabilidade a que continuava a agarrar-se.
Quem iria adivinhar que os seus desejos o dominariam no corpo de uma
franzina e pobre jovem do campo?
Era ridículo!
Abriu a porta com um pouco mais de violência do que fora sua intenção
e entrou. Parou de imediato.
Miranda estava deitada na cama, mas não lia, nem aguardava para o
tentar com paixões inocentes.
Estava enroscada e profundamente adormecida.
A colcha de veludo mantinha-se enrolada à volta do seu corpo, embora
tivesse descaído e revelasse um dos pequenos seios. Uma perna longa e
esguia apresentava-se fora do casulo que criara para si própria.
Oferecia uma imagem deliciosamente erótica, deitada daquela maneira.
Assemelhava-se a uma lenda em que um deus encontrava uma jovem
inocente à sua espera e a possuía.
Era isso o que Ethan deveria ter feito. Tê-la acordado com profundos
beijos lascivos, começando pelos lábios entreabertos e descendo até um
lugar muito mais doce.
Contudo, não obedeceu aos seus instintos. Deslizando para o lado dela,
pegou num dos livros que lhe tinha deixado. Estava aberto na página que
ela lera antes de adormecer. Uma parte da história em que um homem
possuía a sua ávida parceira, ao ar livre, correndo o risco de ser apanhado,
exposto.
Sacudiu a cabeça. Aquela era uma das suas fantasias preferidas. Uma
fantasia que realizara mais do que uma vez em várias zonas públicas
naquela mesma propriedade. Talvez fizesse o mesmo com Miranda. Mais
tarde.
Ethan aproximou-se dela, hesitante. Com as costas da mão, afastou-lhe
uma madeixa loura do rosto.
Ela sorriu no meio do sono com aquele toque.
Miranda era tão inocente, tão meiga. Essas coisas nunca o haviam
atraído e, contudo, agora emocionavam-no. Sentiu-se invadido por uma dor
que lhe subia do íntimo, uma dor que não conhecera desde criança, quando
observava a mãe a soluçar e a beber uma garrafa de vinho. Nesse momento,
quisera ajudá-la, e não podia.
Agora, desejava agarrar Miranda, e não deveria.
Em vez disso, recuou e abandonou-a ao seu sono e aos sonhos que a
tomavam.
Capítulo 7


− Oque é que, em nome de Deus, se passa de errado contigo, Miranda?
A jovem sobressaltou-se ante a pergunta incisiva da mãe. Pôs de parte
os devaneios e fitou o lado oposto da mesa do pequeno-almoço com um
olhar que esperava assemelhar-se a um sorriso.
− Desculpe, mamã. Estava só a divagar.
− Há três dias que o fazes – resmungou Dorthea, espalhando manteiga
na torrada.
Miranda encolheu os ombros com um ar indiferente, o que pareceu
acalmar a mãe, que concentrou as atenções em Beatrice e Winifred,
sentadas de cada lado dela. Miranda suspirou.
Sim, há três dias que «fazia aquilo», desde o seu primeiro dia inteiro na
casa de Ethan.
Estremeceu um pouco com o pensamento. Como podia ter adormecido
naquele covil de sensualidade que ele havia criado? Sim, sentira-se exausta
desde que o pai morrera e tomara a seu cargo a tarefa de fazer
malabarismos com os problemas familiares. E aquela cama era tão luxuosa
e confortável. O fato de se espreguiçar a meio do dia, usufruindo de comida
e de leitura decadente…
levara-a a esquecer os seus problemas e permitira-lhe relaxar.
Mas que idiota devia ter parecido aos olhos de Ethan. Provavelmente
era esse o motivo por que ele não tinha voltado para a reivindicar.
Na manhã seguinte, o conde mostrara-se bastante gentil. Beijara-a na
face antes de ela partir e sussurrara-lhe que o erotismo também significava
muitas vezes espera e desejo.
Bom, desde essa altura que esperava e desejava, interrogando-se sobre
se Ethan continuava interessado nela. E se estivesse farto?
Por que razão não estaria? Ela não era certamente sofisticada como as
suas anteriores amantes.
Podia ter observado algumas das coisas perversas que lhe agradavam,
mas não era dotada para as mesmas. Talvez o conde não tivesse ficado tão
excitado como pensava com o seu pequeno espetáculo de se despir, ou já
lamentasse o acordo que haviam fechado depois de ela falhar tão
completamente as suas expectativas.
Enquanto a mãe tagarelava ao fundo, Penelope estendeu a mão e
pousou-a no joelho de Miranda, por baixo da mesa. Sobressaltou-se, e a
irmã arregalou os olhos pela forma como ela sacudiu o corpo.
− Querida, pareces muito distante desde que regressaste da casa de
Lady Ingleworth – sussurrou a irmã, deitando um olhar de relance para a
mãe, a fim de ter a certeza de que ela não estava a ouvir. – O velho dragão
deu-te muito trabalho?
Miranda encolheu-se. Mentir à mãe já era bastante difícil, mas à irmã
significava pura tortura. Com apenas dois anos de diferença e uma
personalidade idêntica, eram muito amigas, mais do que apenas irmãs. E
agora Miranda ocultava tantos segredos de Penelope que mal conseguia
mantê-los organizados na mente.
− Não. Desculpa se tenho estado distante – retorquiu, apertando os
dedos da irmã para a tranquilizar. – A minha visita foi… educativa, mais
nada.
− Educativa? – repetiu Penelope, franzindo o sobrolho. – O que queres
dizer com isso?
Antes que Miranda tivesse de se explicar, o mordomo entrou na sala do
pequeno-almoço. Parou na entrada com uma pequena vénia e anunciou: −
Uma carta para Mistress Albright, do conde de Rothschild.
O silêncio reinou por momentos na mesa e as cinco mulheres fitaram o
criado. As outras pareceram surpreendidas, mas o coração de Miranda
subiu-lhe à garganta. Por que razão Ethan escrevia à sua mãe, por quem,
dissera ele em mais de uma ocasião, apenas sentia desdém?
Deus do céu! Iria expor Miranda como uma devassa?
Sentiu-se nauseada ao observar a mãe, que se pôs de pé e estendeu a
mão.
− Do conde de Rothschild? Para mim? Dá-ma cá, Adams!
O mordomo emitiu um suspiro quase impercetível e permitiu que a
carta lhe fosse arrancada das pontas dos dedos antes de abandonar a sala.
A mãe de Miranda voltou a afundar-se na cadeira e fitou a carta escrita com
a caligrafia elegante e preguiçosa de Ethan, mas a que não faltava uma força
subjacente.
Miranda revirou os olhos. Deus do céu! Estava obcecada pelo homem e
até tentava decifrar a sua personalidade pela caligrafia dele.
− Por que razão nos escreveria? – murmurou a mãe ao virar a carta
entre os dedos e quebrando o selo. – Que homem perverso!
− Um homem perverso a cujas festas sempre assistiu com o papá todos
os verões – riu Penelope.
A mãe disparou um olhar penetrante na direção de Penelope.
− A tua irmã é uma má influência sobre ti, pois disseme exatamente o
mesmo! E, como lhe expliquei, não preciso de gostar do indivíduo para
beneficiar da sua posição na sociedade.
Miranda fechou os olhos e abafou um suspiro. A mãe sempre havia sido
uma arrivista, tentando agarrar todas as oportunidades para elevar a
posição da família. Embora não quisesse que Dorthea descobrisse a
verdade, Miranda quase se interrogou sobre qual seria a reação da mãe se
soubesse do negócio que havia sido fechado em prol das suas irmãs.
A mãe importar-se-ia que ela se tivesse vendido, caso isso significasse
uma oportunidade de um bom casamento para Penelope, Beatrice ou
Winifred?
Ou talvez preferisse ignorar.
− Oh! – exclamou a mãe, ofegante, ao ler a carta.
O coração de Miranda saltou-lhe no peito ao tentar decifrar a expressão
chocada da mãe.
− Oh, meninas! Ouçam isto! – A mãe levantou-se e pôs-se a percorrer a
sala de um lado para o outro, lendo em voz alta. – «Minha cara senhora, tive
há pouco conhecimento de que devia ao seu falecido marido um favor que
não consegui pagar antes da sua recente morte. Por conseguinte, sinto-me
no dever de compensar a sua restante família. Gostaria de oferecer-lhe
ajuda, financeira e socialmente, patrocinando a temporada da sua segunda
filha mais velha, Miss Penelope. Se estiver de acordo, por favor mande-me
notícias para a minha propriedade. Com os melhores cumprimentos,
Rothschild.»
Miranda deixou sair o ar dos pulmões, invadida por uma explosão de
alívio. Ele não revelara o acordo entre ambos. Graças a Deus!
Ao alívio seguiu-se a confusão. Porque é que Ethan já se tinha oferecido
para patrocinar Penelope?
Foi arrancada às suas reflexões quando a sala se encheu de guinchos e
comentários femininos. A mãe emitiu um grito mais adequado a um
estudante do que a uma senhora, e as suas duas irmãs mais novas
começaram a falar ao mesmo tempo, tagarelando sobre vestidos e bailes e
se, também elas, conseguiriam patrocinadores.
− Pronto, Miranda! – disse a mãe com um olhar triunfante. – Podes
abandonar a tua implicação sobre a nossa situação financeira. O nosso
querido Lorde Rothschild vai cuidar de nós.
− Ainda há um momento o apodava de perverso – retorquiu Miranda
baixinho enquanto punha o guardanapo de lado e se levantava da mesa.
Dirigiu-se às enormes janelas que davam para os jardins.
− Não disse tal coisa! – ripostou a mãe. – E mesmo que o seja, o que nos
interessa? O seu dinheiro e as suas ligações decerto proporcionarão à tua
irmã melhor sorte na sua temporada do que experimentaste na tua.
Miranda cerrou os punhos e manteve o olhar fixo no exterior. A
hipocrisia da mãe era difícil de engolir, mas não se encontrava em posição
de atirar pedras.
Penelope inclinou a cabeça.
− Mas não entendo isto, mamã!
− Ele está a oferecer-se para te patrocinar, tontinha! – riu a mãe. – O que
há mais para entender?
− Mas porquê? – insistiu a irmã, estendendo a mão para a carta que
ainda pendia dos dedos da mãe. – Ele diz que devia um «favor» ao papá.
Isso significa que estava em dívida para com a nossa família? Nesse caso,
porque não nos dá uma reparação financeira? Patrocinar uma temporada
parece uma despesa quase ilimitada, para já nem falar de uma imposição
social. – Virou-se para Miranda com uma interrogação no olhar. –
Encontraste essa dívida ao papá quando examinaste os registos?
Miranda virou-se lentamente e fitou a irmã. Quase podia sentir as
mentiras aflorarem-lhe aos lábios, e eram realmente amargas.
Mas antes que pudesse pronunciá-las, a mãe interrompeu, arrebatando
a carta.
− O que é que isso interessa? Terás uma temporada maravilhosa,
Penelope! É só o que importa e não discutas o resto.
Penelope não pareceu convencida.
− Apenas me interrogo sobre o custo. Lorde Rothschild nunca foi
chegado à nossa família e não é certamente conhecido como generoso.
Miranda avançou, disposta a defender Ethan contra a crítica da irmã.
Sobretudo tendo em consideração como fora «generoso» com ela nos seus
últimos dois encontros, pensando sempre no seu prazer antes do dele. E
sem mesmo o ter na última vez.
− É sim!
O silêncio reinou na sala mais uma vez, mas era Miranda que todos
fitavam. A própria mãe, que examinava a carta de Ethan com um sorriso,
franziu o sobrolho, confusa.
− De que é que estás a falar? – inquiriu Penelope, pondo as mãos nas
ancas. – Tu própria só encontraste o indivíduo algumas vezes e conheces a
sua reputação!
Miranda mexeu-se incomodada e censurando-se em silêncio pela sua
explosão. Não precisava de defender Ethan e a atitude só servira para focar
as atenções em si.
− Eu… eu só queria dizer que deve ser de alguma maneira generoso, ou
não teria feito essa oferta – retorquiu com um encolher de ombros e
desviando o olhar da irmã, que sabia interpretá-lo na perfeição. – Concordo
com a mamã. Talvez seja melhor não discutir nem tentar encontrar razões
para este presente inesperado, Penelope. Devemos aceitá-lo e aproveitar ao
máximo a temporada que ele quer dar-te.
Penelope olhou-a como se lhe tivesse nascido uma outra cabeça.
− Concordas com a mamã? – repetiu, sem entender.
− É a primeira vez – observou Beatrice com uma risada.
A própria Winifred parecia incrédula.
− É a primeira coisa sensata que ela disse em meses – fungou a mãe. –
Tenho de começar a tomar disposições. Deveremos comprar vestidos
novos e encontrar um apartamento em Londres para a temporada. Oh, será
uma maravilha!
− Mãe! – exclamou Miranda, levantando os braços. Há menos de dois
minutos que tinham recebido uma promessa de dinheiro e a mãe já gastara
todo e mais algum. – Nem sequer sabemos quanto é que ele tenciona…
A mãe afastou os seus protestos com um gesto da mão e dirigiu-se à
porta.
− Venham, Penelope, Winifred, Beatrice.
As irmãs mais novas obedeceram imediatamente, mas Penelope
permaneceu onde estava, continuando a fitar Miranda com uma expressão
incrédula. Miranda lutou por manter uma fisionomia isenta de qualquer
emoção. A última coisa que desejava era que Penelope descobrisse a
verdade. A sua irmã ficaria indubitavelmente chocada se soubesse até onde
Miranda se aventurara.
− Vou já, mamã – disse suavemente Penelope. – Primeiro, quero falar
com a Miranda.
− Há tanta coisa para fazer. Não te demores – ordenou a mãe antes de
sair apressadamente da sala, deixando as duas irmãs mais velhas sozinhas.
Penelope inclinou a cabeça.
− Sabias disto antes de a mamã receber a missiva do Rothschild?
− Claro que não – respondeu Miranda, arregalando os olhos. – Onde
foste buscar essa ideia?
− À tua reação, Miranda! Concordas com a mamã, que mergulha de
cabeça em todas as situações sem pensar nas consequências? Não estás
certamente a pensar que o Rothschild irá apadrinhar esta temporada sem
esperar algo em troca – disse Penelope com um arrepio. – Lembra-te do
que Mister Stephanson queria.
Miranda esboçou um trejeito. Esse homem pedira a sua irmã mais nova,
Winifred, em paga do que o pai delas lhes devia. Nem sequer a mãe se
dispusera a descer tão baixo.
− Lorde Rothschild não é esse tipo de… de… − engoliu uma quantidade
de pragas − … de pessoa.
Se o conde diz que tinha uma dívida para com o pai, porque não deixar
que a pague dessa forma?
Resolverá muitos dos nossos problemas.
A irmã sacudiu a cabeça com um brilho de preocupação no olhar.
Miranda suspirou. Com aqueles protestos, Penelope apenas pensava no
bem da família, e Miranda dificilmente podia censurá-la. Em qualquer outra
situação, faria o mesmo tipo de perguntas.
Se ao menos pudesse explicar, mas não era possível. A irmã ficaria
horrorizada, caso Miranda confessasse a verdade.
Em vez disso, pegou na mão da irmã.
− É isto que quero que faças, Pen.
Penelope sorriu com aquela alcunha de infância.
− O quê, Mir?
− Aceita a temporada que te é oferecida. Desfruta cada momento, dança,
ri. Talvez até te apaixones, se puderes, embora fosse melhor que te
apaixonasses por um homem rico.
Penelope riu.
O sorriso de Miranda desvaneceu-se um pouco.
− Faças o que fizeres, não te preocupes com Lorde Rothschild nem com
mais nada. Deixa que me ocupe dele.
A irmã suspirou.
− Tem cuidado com o preço que ele quer que paguemos pela sua
«generosidade». Pode ser demasiado elevado, Miranda.
Com aquelas palavras, a irmã depositou-lhe um beijo ao de leve na face,
deixando Miranda a esfregar as têmporas com as mãos. Dali a uns dias,
estaria de volta a casa de Ethan, pagando o preço sobre o qual Penelope
divagara.
Isso se Ethan ainda a desejasse. Caso contrário, poderia ser o preço
mais elevado de todos.
Ethan percorria o quarto de um lado para o outro, odiando a forma
como o olhar se desviava para o relógio pousado na cornija da lareira. O
tempo parecia avançar vagarosamente, atormentando-o com cada
tiquetaque dos segundos.
Era sexta-feira.
Os dias da semana não tinham habitualmente qualquer sentido para
Ethan, sobretudo no campo.
Mas no espaço de pouco tempo, a sexta-feira adquirira um significado
especial aos seus olhos.
Significava Miranda.
Até então nunca se sentira tão obcecado por uma mulher, sobretudo
por uma com quem apenas estivera uma vez em mais de duas semanas. Por
norma, já teria estado uma dúzia de vezes ou mais com a amante. Na
verdade, já se sentiria entediado e inquieto, incitado a sexo cada vez mais
ultrajante para saciar os desejos e manter o interesse.
Contudo, Miranda… Miranda era diferente. Ocupara-lhe a mente em
todos os momentos, em todas as horas desde que partira há apenas uma
semana. Deu consigo próprio a imaginar o que ela fazia ou com quem
estava, o que tinha vestido e se pensava nele.
Essas divagações surgiam sempre nos momentos mais inoportunos:
quando estava a tratar de algum negócio com o capataz da propriedade,
por exemplo, ou durante uma visita com um velho amigo que passara pelo
condado uns dias antes e comentara a chocante ausência de camaradagem
por parte de Ethan. Até mesmo uma proposta para visitar uma cortesã local
não o atraíra nada por comparação a Miranda.
Queria afastar aquela necessidade de estar com ela mais do que com
qualquer outra mulher. Queria afastar aquela… aquela estranha
preocupação quanto ao seu bem-estar. E nesse dia iria recuperar o controlo
sobre as suas emoções e o corpo dela.
A porta abriu-se e Winston meteu a cabeça no quarto.
− Miss Albright espera-o no outro quarto, milorde. Precisa de alguma
coisa esta manhã?
O sangue de Ethan ferveu-lhe nas veias ante o fato de Miranda se
encontrar ali na sua casa, esperando-o no quarto que tinha preparado para
sexo, e apenas para isso. Deus do céu! Desejava tocar-lhe e saboreá-la.
− Privacidade – retorquiu, dirigindo-se à porta e passando junto ao
mordomo. – Tudo o que precisaremos é de privacidade, exceto se te
chamar.
Não ouviu a resposta de Winston devido ao fluxo de sangue que lhe
encheu os ouvidos. Tinha o corpo e a mente demasiado ocupados em
chegar perto de Miranda para prestar atenção a qualquer outra coisa.
Empurrou a porta exterior que dava para o seu quarto especial e parou.
Calma. Controlo. Tinha de se lembrar desses dois elementos. Podia obter
prazer, e pretendia fazer exatamente isso. Todavia, não podia deixar que a
inocência de Miranda o corrompesse, na falta de um termo melhor.
Escancarou a porta com tanta força que ela bateu contra a parede
oposta. Miranda encontrava-se em pé, no meio do quarto, de olhos postos
na cama, mas sobressaltou-se devido ao estrondo da madeira e deu meia
volta para o fitar.
Ethan respirou fundo e observou-a.
Sempre fora o tipo de homem que atravessava quartos para falar com
mulheres ousadas. Até mesmo as viúvas decentes que se haviam deitado na
sua cama apresentavam-se vestidas de uma forma provocante. Decotes
pronunciados e cores berrantes eram habitualmente o seu canto de sereia.
Mas com Miranda era tudo diferente, como parecia ser o tema. Ali
estava ela, rodeada de veludo preto e objetos sexuais e, no entanto, a sua
recatada sensualidade atraía-o mais do que qualquer outra coisa. Tinha um
vestido azul a condizer com a cor deslumbrante dos seus olhos, mas não se
tratava do tipo de roupa destinada a atrair os homens. O decote era
moderno, mas não mostrava o sulco dos seios. O tecido não era
transparente nem apelava para que lhe tocassem.
Então, porque é que a sua mera presença lhe provocava uma ereção?
Talvez se devesse ao fato de o vestido não proclamar a sua intenção e
desejo. Não se mostrava exposta à cobiça de qualquer homem. Ela
pertencia-lhe. Ele era o único que conhecia a forma dos seus seios quando o
vestido os destapava, o único que a tocara de uma forma íntima, o único
que experimentara a paixão abrasadora oculta sob a fachada de uma jovem
decente.
Esses pormenores tinham uma força surpreendente.
− Olá, Ethan – saudou, inclinando a cabeça para o fitar.
Ele deu-se conta de que se mantivera totalmente imóvel a contemplá-la,
pelo menos, durante um minuto.
− Bom dia – conseguiu articular enquanto fechava a porta atrás dele.
Miranda fixou a porta, e Ethan teve a sensação de detetar alívio na sua
expressão.
− Confesso que estava nervosa por vir até aqui – disse ela, ficando a vê-
lo aproximar-se.
Ele parou.
— Nervosa? Porquê?
− O teu bilhete para a minha mãe na segunda-feira fez com que me
sentisse preocupada por poder ter causado qualquer desagrado – admitiu,
depois de uma pausa, ao mesmo tempo que um adorável rubor lhe subia às
faces e ela baixava o olhar para o soalho de madeira.
O conde recuou, surpreendido.
− Estou a cumprir a minha parte do acordo. Ofereci-me para apadrinhar
a temporada da tua irmã mais velha. Era o que querias, não era?
A jovem mexeu-se pouco à vontade e continuou sem o olhar de frente.
− Sim, claro, mas eu não… quero dizer, só vim aqui uma sexta-feira.
Ainda não ganhei a temporada dela.
− Obtiveste um quarto do preço que combinámos – retorquiu Ethan
com um encolher de ombros. – Desde que continues a aparecer e a
portares-te como combinámos, não vejo motivo para não fazer os
pagamentos à medida que avançarmos – prosseguiu, aproximando-se dela,
incapaz de se conter. – Não tencionas desistir, pois não?
Por fim, os olhares cruzaram-se, e Miranda susteve a respiração, quase
como se tivesse esquecido a sua aparência e se recordasse quando ele se
aproximou mais. O sangue ferveu-lhe nas veias ao mesmo tempo que os
lábios se entreabriam num leve suspiro.
− Não, Ethan – murmurou.
− Ficaste triste ao pensar que me tinhas desapontado? – perguntou,
estendendo-lhe as mãos.
Agarrou-lhe no braço e atraiu-a, moldando o corpo contra o dela.
A jovem respirou fundo e as pupilas dilataram-se-lhe de desejo.
− S-sim.
− Porque pensaste que tinhas perdido a oportunidade de ajudar a tua
família? – pressionou-a ao mesmo tempo que enfiava os dedos no seu
cabelo louro e soltava os alfinetes que o prendiam e que se espalharam
ruidosamente no chão à sua volta. – Ou foi por outro motivo?
Miranda soltou um gemido rouco quando o cabelo lhe caiu sobre os
ombros numa cascata perfumada.
− Ethan…
O conde agarrou-lhe na nuca e ergueu-lhe o queixo.
− Qual foi?
Miranda engoliu em seco, e ele observou fascinado os seus movimentos
delicados. Como era possível achar erótico até o mais simples dos seus
gestos?
− Sentime triste – murmurou com voz trémula – porque achei que
podias mandar-me embora se não me quisesses mais. Fiquei triste porque
pensei que nós não… não…
− Comprei-te, essencialmente, por três meses, Miranda – rugiu
enquanto pousava os lábios na curva do pescoço feminino e sentia o seu
latejar. – Não faço a mínima tenção de te mandar embora.
Pôs a língua de fora para saborear a sua carne, e Miranda levantou as
mãos e rodeou-lhe os ombros ao mesmo tempo que soltava um ligeiro
gemido. O som foi infinitamente excitante, um ruído de prazer e dor que
ecoou a frustração que ele vinha a sentir desde que se tinham afastado há
uma semana. Sem palavras, repercutia o desejo de Miranda, os seus receios,
as suas fantasias.
E afastava para bem longe as suas intenções de se mostrar frio e
controlado. O desejo tomou-o como um inferno; necessitava de tê-la
debaixo dele. Tinha de saboreá-la.
Tinha de o fazer naquele momento.
Capítulo 8


Miranda sentiu uma mudança em Ethan à medida que os beijos dele no
seu pescoço se tornavam mais ávidos e selvagens. Chocava-a o fato de estar
tão sintonizada com ele, quando mal o conhecia. Parecia-lhe errado sentir
qualquer tipo de ligação emocional com ele sem saber nada da sua família,
do seu passado ou dos seus sonhos. O seu lado racional segredava-lhe que
se afastasse, mas o corpo não o permitia. Em vez disso, moldou-se ao corpo
dele, arqueando-se ao encontro dos lábios que a procuravam.
− Céus! És como uma droga! – murmurou ele quase mais para si do que
para ela. – Tão doce.
Os olhos escuros prenderam-se nos dela. Havia tantas promessas
lascivas naquele único olhar que os joelhos de Miranda começaram a
tremer e ela sentiu a humidade reveladora de desejo invadir o seu corpo
trémulo. Tudo isso com um olhar. Que poder aquele homem exercia sobre
ela em tão pouco tempo.
− Pergunto a mim mesmo, Miranda – disse ele, fazendo-a recuar até ao
sofá colocado no meio da sala – se o teu sabor será tão doce em todo o
corpo?
− O quê? – redarguiu, quase incapaz de pensar e muito menos de falar
enquanto ele lhe puxava os botões, tirando-lhe o vestido e a roupa interior,
deixando-a totalmente nua.
A sua mente nublada tentou apreender o que ele perguntara e
subitamente tornou-se claro. Ele queria lambê-la, saboreá-la como o vira
fazer dúzias de vezes a outras mulheres. Um beijo íntimo.
Ethan inclinou-a sobre o sofá, apoiando-lhe a cabeça numa das
almofadas, ao mesmo tempo que lhe arrastava o traseiro para a berma.
Pousou as suas mãos quentes nas coxas femininas que se apartaram como
se ela tivesse nascido para se lhe entregar.
Tal como fizera na primeira vez em que tinham estado juntos, Ethan
contemplou-a durante um longo momento. Miranda percebeu quanto ele
gostava de observar a sua excitação e o poder que desfrutava ao concluir
até que ponto conseguia levá-la.
− Uma lambidela, Miranda – sussurrou, enquanto se ajoelhava no chão
entre as suas pernas. – Vais gostar, juro.
A jovem mal conseguiu esboçar um aceno de cabeça. Ethan não fazia
ideia de quantas vezes ela divagara sobre aquela mesma experiência, sobre
observar a sua cabeça escura mergulhando entre as suas coxas pálidas,
sentir a boca dele apoderar-se do seu sexo.
Contudo, ele não se limitou a pressionar a boca sobre ela. Aproximou-se
mais e soprou uma golfada de ar quente sobre os seus ultrassensíveis
lábios exteriores. O corpo feminino retesou-se ao mesmo tempo que as
pregas escorregadias se humedeciam ainda mais, prontas para o prazer
vindouro.
Deslizou as mãos um pouco mais alto, até os polegares lhe roçarem as
pregas do sexo. Miranda estremeceu e foi incapaz de suster um gemido.
Aguardara que ele lhe tocasse desde a última vez que tinham feito amor.
Vivera obcecada com isso durante dias a fio. Agora que o momento chegara,
o mínimo toque fazia com que o corpo ávido lhe estremecesse à beira de
um forte orgasmo.
Ethan acariciou-a ao de leve, e em seguida abriu-a, expondo a fenda
molhada e o botão endurecido do clítoris. Ethan deixou escapar um
palavrão tão baixo que ela não conseguiu perceber o que ele dissera.
Depois a sua língua áspera presenteou a abertura com uma demorada e
lânguida lambidela.
Meneando desesperadamente as ancas devido àquela sensação
crescente, Miranda gritou.
Aquele toque correspondeu às suas fantasias, foi mais além inclusive.
Foi paradisíaco, quente e focalizado. Era como se Ethan tivesse descoberto
todas as partes do seu corpo capazes de experimentar prazer, unindo-as
num só lugar com a sua língua.
A textura áspera acariciou-lhe o clítoris, fazendo-o inchar e pulsar a
cada lambidela. Não conseguia deixar de erguer as ancas a cada carícia nem
silenciar os ávidos gemidos de encorajamento. O prazer subia em espiral
pelo seu corpo, os nervos formigavam e os músculos contraíam-se. Sentiu a
aproximação do orgasmo, erguendo-se como um muro na sua frente. E
seria intenso e forte. Miranda ansiava a explosão de sensações.
O prazer cristalizou-se num instante, dominando-a ao mesmo tempo
que os gemidos se transformavam em gritos e as ancas balançavam, num
total descontrolo do corpo. Ethan continuou a atormentá-la com a boca,
saboreando, lambendo, chupando, até a debilitar com o orgasmo e quase
sem forças para aguentar as suas estocadas.
Ethan afastou-se com um sorriso perverso nos lábios, enquanto
examinava as suas faces ruborizadas.
− Era capaz de passar o dia a observar como te vens – disse. − Na
verdade, é o que farei.
Os olhos de Miranda arregalaram-se quando ele se pôs em pé e se
despiu com experiência.
Quando afastou as calças do membro e o soltou, ela sentou-se.
Por mais que se tivesse sentido fascinada ao ver Ethan agraciar as
amantes com a sua boca hábil, Miranda apenas imaginara como seria fazer-
lhe o mesmo. Agora deparava-se com a oferta da sua ereção.
Estendeu a mão para Ethan, antes que ele pudesse cobrir-lhe o corpo,
agarrando-o tal como fizera na primeira vez que tinham estado juntos. Ele
soltou uma exclamação abafada com o toque e apartou as pernas como se
tentasse não se lançar para diante.
− Ethan, eu quero... – hesitou, sem saber como explicar o que queria. –
Quero fazer-te o que acabaste de me fazer.
O conde arregalou os olhos e fitou-a como se ela se tivesse oferecido
para copular toda a criadagem.
− E o que sabes sobre isso? – inquiriu, enquanto a observava girando o
polegar em torno da cabeça do membro. Abafou um gemido ao ser tocado.
Miranda engoliu em seco. A última coisa que desejava era confessar a
sua predileção por espiar as proezas sexuais do conde ao longo de todos
aqueles anos.
− Eu… eu vi num dos teus quadros.
A explicação pareceu satisfazê-lo.
− Muito bem. Nada de dentes, por favor.
A jovem assentiu com a cabeça, mas deixara de fitar-lhe o rosto. Em vez
disso, observava a sua ereção. Ele estava quente e duro na sua mão e o sexo
levantava-se na direção do estômago bem moldado, numa orgulhosa
afirmação do seu poder viril.
Miranda inclinou-se para diante, cada vez mais perto, e, por fim,
aflorou-o suavemente com a face.
Ethan reprimiu um gemido e baixou os olhos, surpreendido. Esperara a
sua boca, talvez um ousado toque da língua, mas não aquela carícia da face.
Nenhuma mulher lhe havia feito tal coisa antes. O roçar da pele de encontro
ao seu pénis era tão… tão meigo, sensual mas pessoal, e aumentou-lhe a
ereção.
Miranda ergueu o rosto e os seus olhares cruzaram-se por instantes. Os
olhos azuis da jovem emitiam um brilho de avidez à mistura com um pouco
de preocupação inexperiente. Contudo, havia igualmente determinação e
um desejo escaldante.
Miranda voltou a focar a atenção na tarefa que tinha entre mãos.
Colocou a língua de fora e passou-a numa carícia sobre a cabeça inchada da
ereção. Ethan estremeceu ante o calor da sua boca, o intenso prazer que
aquele toque fugaz lhe causava. Todavia, em nada se comparou à explosão
de sensações que se apoderaram do seu corpo quando ela o envolveu com
os lábios e o enfiou lentamente na quente gruta da sua boca.
A jovem movia-se gradualmente, testando o perímetro do sexo,
absorvendo-o com um ritmo doloroso que apenas contribuiu para
atormentá-lo. Caso se tivesse tratado de qualquer outra mulher, acreditaria
que o fazia de propósito, brincando com ele. Mas não Miranda, pois tudo o
que ela fazia era inexperiente e natural, como se tivesse nascido para dar
prazer a um homem.
Para lhe dar prazer.
Começou a recuar, quase o tirando da sua boca, mas em seguida parou.
A língua rolava, envolvendo-o para diante e para trás, com uma firme
pressão que lhe obscurecia a visão com o êxtase total do seu toque. Os
joelhos dele quase se dobraram. Inclinou-se e agarrou-lhe os ombros para
impedir que os joelhos cedessem.
− Fiz mal? – murmurou ela, soltando-se para o fitar.
− Não – conseguiu articular por entre os dentes cerrados. – Perfeito.
Volta a fazê-lo, mas um pouco mais rapidamente.
Miranda assentiu com a cabeça e repetiu o ato, seguindo as suas
instruções sobre o aumento de velocidade. Ethan mal conseguia ver através
do nevoeiro que a boca dela lhe causava na mente.
Qual rápida aprendiza e estudante de sedução, Miranda chupou-o como
se conhecesse todos os meandros do prazer de um homem. E caso os seus
pequenos e vibrantes gemidos fossem um sinal, o que fazia dava-lhe tanto
prazer como a ele. Isso ainda tornava o ato mais escaldante, pois nem todas
as mulheres retiravam gozo daquela atividade. Algumas das suas amantes
haviam-na mesmo usado como moeda de troca no passado.
Ethan enfiou-lhe os dedos nos cabelos, guiando as estocadas com uma
suave premência ao mesmo tempo que inclinava a cabeça para trás,
saboreando a sensação.
Contudo, à medida que a boca dela aumentou o ritmo e Miranda
acrescentou instintivamente suaves carícias com a mão, o prazer
transformou-se em algo mais potente. O prazer dele aumentou, mais
escaldante e rápido até o orgasmo o invadir como a um garanhão
descontrolado.
− Miranda – gemeu, recuando para evitar vir-se na sua boca. – Basta!
A jovem ignorou a ordem e fixou uma das mãos em torno das suas
costas para o manter na sua boca.
− Miranda! – protestou num tom débil.
Ela emitiu um som de gozo e Ethan gemeu, tentando desesperadamente
suster o orgasmo, mas em vão.
Com um grito sonoro, perdeu o controlo e emitiu um jorro escaldante.
Esperava que Miranda recuasse com a explosão, mas ela permaneceu onde
estava, bebendo cada gota do seu sémen, até ele amolecer e se retirar dos
seus lábios.
Ethan ofegava, tentando recuperar o fôlego. Quando a pulsação
regressou ao normal e a sua visão clareou, invadiram-no todas as sensações
do que ocorrera. Baixou os olhos para Miranda, que se deixara cair para
trás nas almofadas com o braço sobre o rosto. Ethan estremeceu. Ela ficara
provavelmente traumatizada, embora tivesse sido a única culpada. Ele
tentara avisá-la.
− Estás bem? – perguntou num tom estranhamente duro, pois não
estava habituado a reconfortar as amantes.
Miranda destapou a face e fitou-o. Ele aguardava lágrimas ou choque; ao
invés disso, ela sorriu e o rosto denotou um brilho de prazer.
− Melhor do que bem. Eu… − hesitou com um bonito rubor − … dei-te
prazer?
Ethan franziu o sobrolho e voltou costas. Se lhe dera prazer? Porra, ela
quase lhe arrancara a cabeça, tal a intensidade do gozo. Oh, já se tinha
vindo daquela maneira antes, mas nunca por perder o controlo. Sempre se
orgulhara de ser capaz de tomar as rédeas no momento do orgasmo.
Contudo, Miranda varrera tudo isso com algumas estocadas da sua bela
língua. A jovem voltara a assumir o controlo.
Virou-se para ela.
− Sim. Foi encantador – respondeu com um sorriso condescendente.
O meigo sorriso de Miranda cedeu imediatamente lugar a um trejeito de
mágoa.
− Encantador? – repetiu, como se a palavra fosse veneno nos seus
lábios.
− Sim – disse ele, assentindo com a cabeça. – Contudo, não me parece
que tenhamos algo mais que fazer, hoje. Podes regressar a casa.
Miranda levantou-se com dificuldade.
− Mas pouco passa do meio-dia! Só cheguei há algumas horas. Sou tua
até amanhã.
Ele virou-se, franzindo um sobrolho. Aquele lembrete convocava
imagens muito fortes de todas as coisas que desejava fazer-lhe. Contudo,
fosse qual fosse o cenário, apenas se imaginava a perder o controlo vezes
sem conta. Possuindo-a, mas incapaz de se manter um pouco distante do
prazer.
Pior ainda, viu-se a desejar mais, a desejar falar com ela, a confortá-la e
a fazer com que aquele brilho de dúvida desaparecesse do seu olhar.
Impossível.
− Não compreendes? Não quero que fiques aqui mais tempo, Miranda –
rugiu, virando-se para ela.
— Considera este como um dia livre a descontar na tua dívida!
A jovem cambaleou para trás como se tivesse sido atingida fisicamente,
e a dor refletiu-se tão visivelmente em cada traço do seu rosto que se
tornou palpável no quarto onde estavam. Contudo, afastou calmamente a
dor, empurrando-a para longe, o que era familiar a Ethan. Também ele
praticara esse mesmo método durante tantos anos que lhe perdera a conta.
Miranda assentiu com a cabeça e estendeu a mão para a roupa.
− Muito bem, Lorde Rothschild. Se é esse o seu desejo, vou-me embora.
Miranda virou as costas enquanto se vestia, ocultando todas as curvas
que ele tivera tanto prazer em revelar. Ao vê-las desaparecer sob o tecido
usado do vestido, sentiu muito menos gozo do que quando a desnudara.
Depois de apertar o último botão e usar o enorme espelho junto à cama
para ajeitar as tranças emaranhadas, virou-se para o companheiro. Embora
tentasse ocultá-la por trás de uma fachada de calma, a dor muda ainda
brilhava nos seus olhos.
− Boa tarde – murmurou. – Mande-me recado se não quiser voltar a ver-
me.
Em seguida, saiu sem olhar para trás.
Ethan fixou a porta que se fechou atrás dela. Uma aversão por si próprio
invadiu-o, cobrindo tudo com uma escura nuvem de irritação e ódio.
Ele magoara-a e não devia preocupar-se por tê-lo feito. Afinal, ela não
passava da mulher com quem andava a dormir e, no passado, jamais
concedera emoções positivas às amantes.
Contudo, Miranda era diferente, e o problema residia aí. Havia algo nela
que o levava a preocupar-se, a esquecer o passado e todas as coisas que era
capaz de fazer e que acabariam por destruir uma mulher como ela.
Tinha de tomar uma atitude a esse respeito, algo para recuperar o seu
poder.
Podia quebrar o acordo.
Uma onda te terror invadiu-o. Não, não era essa a solução. Desejava
Miranda, e a única forma de expurgar esse desejo consistia em possuí-la até
se cansar dela. Mas não podia deixar que as naturais e inexperientes
paixões de Miranda o levassem a perder novamente a cabeça. Da próxima
vez que ela o visitasse, não permitiria que isso acontecesse.
Libertar-se-ia de emoções. Já o fizera no passado e podia perfeitamente
voltar a fazê-lo.
Miranda correu pela floresta até ter a certeza de que se encontrava
longe da vista da casa. Não por achar que Ethan estaria a observá-la. Se o
conde mal a olhava quando estava no quarto com ele, por que razão iria
segui-la enquanto se afastava aos tropeções?
A humilhação apoderou-se dela. Ficara tão emocionada com o que
acontecera. Tinha gostado de proporcionar prazer a Ethan, sentindo o
vacilar do seu famoso controlo. Contudo, em seguida, ele despedira-a com a
maior frieza e indiferença.
Os seus olhos encheram-se de lágrimas, mas engoliu-as valentemente.
Não ia chorar, não depois de tudo o que lhe acontecera.
Ao longe avistou os contornos da sua casa. Alisou o vestido e passou a
mão pelo rosto. Calma, iria manter-se calma. Levantar suspeitas na família
só iria piorar as coisas.
Deslizou da clareira para o relvado com um sorriso que parecia
congelado no rosto. Esboçou um aceno de cabeça ao jardineiro, acenou de
longe a um dos rapazes da cavalariça. Tudo estava bem, tudo era
maravilhoso. Apenas tinha de chegar ao seu quarto. Uma vez lá, poderia
deixar que todas as emoções se apoderassem dela.
Ao chegar a casa, abriu a porta e deslizou para o átrio. A escada que
levava aos aposentos familiares encontrava-se a uns meros centímetros.
Bastava-lhe atravessar silenciosamente o corredor e estaria…
Uma tábua rangeu sob os seus pés, ecoando no corredor. A cabeça loura
da sua irmã mais nova, Winifred, surgiu imediatamente para fora da sala e
o rosto abriu-se-lhe num sorriso.
− Miranda! – gritou, ao mesmo tempo que saía para o corredor e a
abraçava. – Julgámos que ficarias com Lady Ingleworth até amanhã!
− Olá, Winnie – suspirou Miranda, abrindo ainda mais o sorriso
congelado em prol da irmã, ao mesmo tempo que acariciava ao de leve o
cabelo louro de Winifred. – Eu…
− A Miranda voltou? – ecoou a voz áspera da mãe, vinda da sala, e ela
fechou os olhos com força.
Raios! – Por que razão regressaste tão cedo? Supostamente, devias ficar
na casa de Lady Ingleworth até amanhã!
Miranda entrou no salão como uma prisioneira condenada. A mãe
estava sentada a tomar chá com Penelope e Beatrice. Quando Miranda
acenou com a cabeça num cumprimento, a mãe examinou-a de alto a baixo
e fungou.
− Causaste-lhe má impressão, não é verdade? – pressionou Dorthea.
− Estás toda despenteada – comentou Beatrice, pousando a chávena de
chá com uma expressão de júbilo. Decerto sabia que as suas observações só
aumentariam o desprezo da mãe.
Miranda rangeu os dentes.
− Lady Ingleworth constipou-se. Quando cheguei, estava indisposta,
queria descansar e, por conseguinte, mandou-me cedo para casa.
− Provavelmente, ela apenas se ri dos nossos infortúnios – reagiu a mãe.
– Talvez não devas voltar lá.
− Não pode estar a falar a sério, mamã – disse Miranda, arregalando os
olhos.
Dorthea respondeu, cruzando os braços com um sorriso petulante: −
Agora que temos a ajuda de Lorde Rothschild, precisamos dela?
Miranda sentiu a cabeça latejar. Se a mãe não lhe permitisse continuar a
farsa, não imaginava como explicaria as suas ausências enquanto pagava a
dívida a Ethan.
Se ele ainda a quisesse... Afastou violentamente essa ideia.
− Precisamos de todas as boas influências que conseguirmos, não é
verdade? – retorquiu.
A mãe pareceu ponderar durante um longo momento.
− Suponho que não fará mal termos outro potencial patrocinador para a
nossa causa. De momento, permitirei que isso continue. Mas não falemos
mais desse assunto. Vem sentar-te connosco.
A mãe apontou para uma das cadeiras vazias, com um olhar cheio de
expectativa. Era uma ordem, não um pedido.
Miranda fitou a porta com ansiedade. Não tinha a certeza de poder
aguentar um chá com toda a família. Não nesse momento. Se ao menos o
soalho não tivesse rangido.
− Mamã, estou cansada do meu passeio. Gostava de ir lá para cima e
deitar-me um pouco. Depois de ter repousado, terei muito gosto em cear
com todas. – Rebuscou a mente à procura de uma cenoura que pudesse
oferecer à mãe em troca de umas horas de calma. – Talvez depois
pudéssemos jogar às copas.
Estremeceu ante a ideia. Detestava jogar às cartas com a mãe.
− Ora! Podes descansar aqui e tomar chá com a tua família – insistiu a
mãe. – Senta-te.
Miranda obedeceu com um estremecimento, demasiado cansada e
sensível para enfrentar uma discussão. Penelope fitou-a do outro lado da
mesa, com a preocupação estampada no rosto. Miranda lutou para afastar
as emoções do rosto, esperançada de que a irmã não a pressionasse para
obter informações mais tarde.
Era uma batalha perdida.
− A respeito do nosso novo patrocinador, estávamos precisamente a
falar de Lorde Rothschild antes de chegares – disse Beatrice com um leve
sorriso. – A mamã está a planear organizar um grande baile dentro de duas
semanas para lançar a temporada da Penelope.
− Um baile! – repetiu Miranda enquanto todos os pensamentos da sua
mágoa e da confusão se desvaneciam. – E a despesa, mamã?
A mãe fulminou-a com o olhar.
− Não é o nosso dinheiro, minha querida, portanto deixa a tua avareza
de lado. Um baile será perfeito. A tua irmã será o centro das atenções, e a
Beatrice e a Winifred conseguirão mostrar-se.
Podemos usar a generosidade de Lorde Rothschild enquanto a temos.
Miranda cerrou os olhos com um gemido. A mãe podia estar certa em
alguns aspetos. Desde esse dia que os seus receios sobre Ethan estavam de
volta aliados a uma vingança. Ela não faltara à palavra nem se afastara.
Porém, nunca tinham discutido as condições caso ele renegasse o acordo
entre ambos. Tanto quanto sabia, podia dizer-lhe que nunca mais
aparecesse. Se ele o fizesse, estariam totalmente perdidas.
Só que não era a consequência o que mais a preocupava. Para ser franca
consigo própria, a parte mais perturbadora dos acontecimentos do dia
residia em poder perder o seu tempo ao lado de Ethan.
Ela desejava mais, mais do seu toque e do seu corpo. Mais de tudo.
Que garota idiota!
− Há alguma maneira de a fazer desistir dessa ideia? – inquiriu Miranda
com um suspiro.
− Não – ripostou a mãe. – É o melhor para nós.
Levantou-se da mesa. Não conseguia conter a sua frustração por mais
tempo, agora que chegara ao limite.
− Então, faça o que quiser. Sou incapaz de prolongar a discussão depois
de um dia tão cansativo.
Vejo-vos a todas ao jantar.
Abandonou a sala, consciente das expressões boquiabertas da família
nas suas costas. Nunca se mostrara tão indiferente perante a mãe. Devia
sentir-se culpada, mas estava demasiado perturbada emocionalmente para
sentir mais do que humilhação, receio e a saudade que lhe apertava o
coração.
Ao caminhar penosamente até à escada, ouviu passos atrás dela. Virou-
se à espera de deparar com a mãe a morder-lhe os calcanhares, disposta a
puni-la pelo seu comportamento, mas era Penelope quem a seguia.
O que, na verdade, era pior.
− O que te passou pela cabeça, Miranda? – indagou a irmã num tom
baixo e preocupado. – Nunca te tinha visto tão perdida!
Miranda esboçou um trejeito. Perdida. Era mesmo assim que se sentia.
− Estou simplesmente cansada – mentiu, virando as costas.
Penelope agarrou-lhe na mão e fê-la parar.
− É mais do que isso, Miranda. És a minha melhor amiga. Sei quando
estás perturbada, triste e magoada. O que aconteceu? Por favor, confia em
mim, como antes.
Miranda soltou-se.
− Não quero falar no assunto, Penelope. Deixa andar, Penelope!
− Deixo andar?! – repetiu a irmã, abanando a cabeça.
Miranda susteve a respiração sacudida por um repentino soluço.
− Sim. Deixa correr e deixa-me ser como sou.
Em seguida, rodou sobre os calcanhares e correu a refugiar-se na
privacidade dos seus aposentos.
Capítulo 9


Passara quase uma semana e Miranda não tivera notícias de Ethan.
Todos os dias aguardou qualquer sinal sobre o que ele sentia por ela, sobre
o acordo, sobre tudo o que acontecera na semana anterior. Contudo, Ethan
mantivera um estranho silêncio.
Na quinta-feira à tarde começou a percorrer o quarto de um lado para o
outro, praticamente de cabeça perdida com a espera. Se não recebesse
notícias dele, a única alternativa era ir ter com ele no dia seguinte, tal como
haviam acordado inicialmente. Não lhe agradava a ideia de ser mandada
embora por ele, ou pior − estremeceu – por um dos criados de Ethan, mas
era um risco que tinha de correr.
Já correra tantos no passado, que mal havia em correr mais um?
A porta atrás dela abriu-se e Angelica, a criada de dia que partilhava
com Penelope e Winifred, entrou no quarto. Beatrice insistira em ter a sua
criada pessoal, e a intervenção da mãe permitira essa despesa inútil à irmã
mais nova. Miranda rangia os dentes sempre que pensava nisso.
− Bom dia, miss – saudou Angelica com uma pequena vénia.
Tinha uma expressão estranha, como se guardasse um segredo e
estivesse prestes a revelá-lo.
Miranda suspirou. A criada podia colocar-se na fila, pois havia muitas
pessoas com segredos naquela casa, e ela ocupava o primeiro lugar da lista.
− Acho que hoje chega uma trança simples – disse Miranda, sentando-se
no toucador e contemplando o espelho.
A garota assentiu com a cabeça, mas não fez qualquer movimento para
se aproximar e iniciar os deveres. Limitou-se a fitar Miranda no reflexo do
espelho, com os lábios trémulos.
Miranda suspirou. Achou que não havia maneira de lhe escapar. Se
quisesse que Angelica lhe arranjasse o cabelo e a ajudasse a vestir, era
forçada a interrogá-la sobre a sua estranha expressão.
− O que se passa? – perguntou com um sorriso forçado, enquanto se
virava na cadeira e fitava a criada. – Parece que tens algo a dizer.
A jovem assentiu com a cabeça e tirou uma carta do bolso. Miranda
franziu o sobrolho. Tencionava despedir-se? Tinha a certeza de que a
criada recebera o salário e não era obrigada a aturar a mimada Beatrice.
Não imaginava que Penelope ou Winifred fossem a razão de qualquer
problema.
− Miss, eu tenho… – Angelica hesitou, mordendo nervosamente o lábio
antes de acrescentar: – Tenho uma carta para si.
Miranda cerrou os olhos. A criada estava, por conseguinte, a despedir-
se. Perfeito. Mais um ponto a acrescentar à infindável lista de coisas para
resolver.
− Não me dás oportunidade de corrigir qualquer reclamação que
tenhas?
− Oh, não, miss! – exclamou a criada, dando um passo na sua direção. – A
carta não é minha. Um… − prosseguiu com uma risada. – Um cavalheiro
deu-ma e pediu que lha entregasse.
Miranda levantou-se de um salto, antes de se dar conta de que queria
pôr-se em pé.
− Um cavalheiro?
− Bom. O criado de um cavalheiro – explicou Angelica, corando.
Miranda arrancou-lhe a carta das mãos e virou-a entre os dedos. O
papel estava selado com o sinete de Rothschild. O coração bateu mais forte
quando ela observou o bilhete, sabendo que ele representava a sua
condenação ou a sua salvação.
− Obrigada, Angelica. Porque não vais ajudar primeiro a Winifred ou a
Penelope e voltas daqui a algum tempo? – perguntou, sem desviar os olhos
do sinete.
A criada assentiu com a cabeça, recuando na direção da porta. Contudo,
parou antes de sair. Tinha um olhar tão severo, que Miranda desviou a
atenção do bilhete para a fitar.
− O que se passa?
− Miss, sei que não me compete, mas devo dizer-lhe que tenha cuidado.
Uma jovem senhora como é o seu caso pode ignorar que tipo de homem é
Lorde Rothschild. Gosto de si, miss, e não queria que lhe acontecesse nada
de mal – respondeu a criada, corando até à raiz dos cabelos. – Desculpe o
meu atrevimento, mas tem sido tão boa para mim.
Miranda assentiu com a cabeça, sentindo-se verdadeiramente
emocionada com a preocupação da criada. Embora o fato de outra pessoa
ter qualquer conhecimento, embora vago, sobre a sua relação com Ethan
fazia o coração bater-lhe mais rapidamente de nervosismo. Quantas mais
pessoas estivessem a par do seu segredo, mais probabilidades havia de ser
revelado.
− Obrigada por pensares no meu bem-estar, Angelica – agradeceu com
um sorriso. – Mas não há razão para te preocupares. Conheço bem a
reputação de Lorde Rothschild e jamais permitiria ser magoada.
Estremeceu ao pensar como se sentira magoada desde que ele a
mandara embora, mas afastou o pensamento. No mais fundo do coração
sabia que não poderia esperar nada de Ethan. Se mantivesse essa ideia bem
firme, ele não a desapontaria quando acabasse tudo com ela e a afastasse.
Era inevitável; estaria preparada.
− Contudo, Angelica – prosseguiu, atravessando o quarto e pegando na
mão da garota −, teria de enfrentar muitas complicações se a minha família
descobrisse que ele me enviara um bilhete privado através de canais tão
pouco ortodoxos. Posso confiar que manterás isso em segredo, até mesmo
das minhas irmãs, e sobretudo da minha mãe?
A jovem hesitou, e Miranda apercebeu-se de que a sua preocupação era
genuína e que crescia a cada momento. Contudo, em seguida, ela assentiu
com a cabeça.
− Considerando que é a única que garante o salário a todos nós,
guardarei o seu segredo. Não quero que tenha problemas.
O corpo de Miranda acusou o alívio sentido; apertou os dedos de
Angelica, e só depois a deixou sair.
− Muito bem. Agora vai ajudar a Winifred. Podes voltar depois de teres
acabado o teu trabalho com ela e a Penelope.
A criada esboçou uma pequena vénia e saiu. Miranda dirigiu-se
rapidamente até junto da lareira, onde teria mais luz, e quebrou o selo da
missiva de Ethan. As mãos tremiam-lhe quando desdobrou a folha de papel.
«Cara Miss Albright», começava assim, e ela franziu o sobrolho ao ler
aquelas palavras formais.
«Espero que não esteja a pensar em romper o nosso acordo. As
condições mantêm-se, e tem muito a perder caso não apareça amanhã à
hora marcada. Espero vê-la. Com os melhores cumprimentos, Rothschild.»
Miranda fitou, chocada, aquelas palavras lacónicas, quase ameaçadoras.
Ali estivera ela à espera e preocupada em ser posta de lado por Ethan, mas,
em vez disso, ele enviara-lhe uma carta fria, em que parecia não se recordar
da permuta emocional entre ambos uma semana antes. Ethan agia como se
fosse ela a culpada pela despedida antecipada, quando fora ele a mandá-la
embora.
As emoções começaram a fervilhar no seu íntimo, mas tinham mudado
com umas meras palavras da parte dele. A tristeza dera lugar à raiva. O
nervosismo foi substituído pela indignação e a antecipação pela irritação.
Como é que ele se atrevia? Como ousava entrar no jogo do rato e do
gato com ela? Como se atrevia a fazer ameaças veladas e calmas acusações
quando ela seguira todas as instruções à risca?
Estava farta dos jogos do conde, e no dia seguinte certificar-se-ia de que
ele o soubesse.
− Miranda, sabias que a Angelica começou pela Winifred esta manhã? –
perguntou Penelope, ao mesmo tempo que empurrava a porta do quarto da
irmã e entrava. – Sentes-te bem?
Miranda afastou-se da lareira, sobressaltada, sem largar a carta de
Ethan.
— Assustaste-me, Penelope.
A irmã inclinou a cabeça.
— Desculpa. O que é isso? – perguntou, apontando para a missiva.
Miranda ficou imediatamente sem pinga de sangue e as mãos
começaram a tremer.
— Nada – mentiu, escondendo o bilhete atrás das costas. – Nada.
Penelope avançou de mão estendida.
— Estás a mentir. O que é isso? O que se passa?
A irmã estendeu os braços por trás dela para lhe arrancar o bilhete, mas
Miranda soltou-se.
— Não é preciso preocupares-te – insistiu ao mesmo tempo que atirava
o papel para a lareira.
Penelope arregalou os olhos devido àquela reação e fixou o bilhete
reduzido a cinzas. Em seguida, virou o rosto para Miranda.
— O que se passa de errado contigo? Há algumas semanas que te
comportas de uma forma estranha.
Não falas comigo, não te explicas e agora preferes queimar uma carta a
deixar que a leia – reagiu Penelope com voz trémula. – Nunca guardámos
segredos uma da outra, Miranda. Contudo, agora parece que toda a tua vida
é um mistério para mim. Receio por ti, receio por nós. O que continha
aquela carta? Mais notícias desagradáveis sobre o papá?
Miranda estremeceu. Detestava estar a preocupar a irmã, quando,
afinal, todas as suas ações se destinavam a reduzir a ansiedade de Penelope
e a tornar-lhe a vida mais confortável.
— Por favor, Penelope – disse, pegando na mão da irmã numa tentativa
desajeitada de a confortar. – Não é nada. Vamos fingir que isto nunca
aconteceu.
Penelope abanou a cabeça e os olhos azul-esverdeados escureceram
mais refletindo um medo crescente.
— Não posso fazê-lo. Era uma carta de um dos credores do papá? Estão
a ameaçar-te? A tentar fazer mais negociações desprezíveis?
Miranda engoliu o sabor amargo de mais uma odiosa mentira.
— S-sim. Era de um dos credores do papá. Um homem horrível que…
que não sabe o que quer.
Penelope recuou e passou a mão pelo rosto.
— Deixa-me ajudar-te – sussurrou. – Deixa, pelo menos, que te
aconselhe para não teres de fazer tudo isso sozinha.
— Não podes ajudar-me, Penelope – suspirou Miranda. – Não com esta
questão, mas prometo que tudo se resolverá rapidamente.
A irmã premiu os lábios, visivelmente irritada por Miranda recusar a
sua ajuda. Não podia culpar a irmã. Imaginava como ela própria ficaria
preocupada, caso fosse Penelope a afastá-la depois de tantos anos de uma
íntima amizade. Mas era por um bom motivo. A irmã não precisava de
saber que tipo de acordos Miranda fizera em prol da família. Previa a
reação de Penelope se esta viesse a descobrir.
Penelope abanou a cabeça e dirigiu-se à porta do quarto.
— Miranda, sei que tudo o que fazes se destina a proteger a família, mas
temo que te sacrifiques nesse processo. É por isso que sei que preciso de
encontrar um bom casamento o mais depressa possível. Prometo-te que
conseguirei e te libertarei de alguma dessa pressão. – Abriu a porta, mas
virou-se antes de sair. – Temo que o meu casamento seja a única maneira
de voltar a recuperar a minha irmã… a minha verdadeira irmã.
— Eu sou a tua verdadeira irmã – protestou Miranda. – Mas agora está
tudo a mudar e só me resta a alternativa de acompanhar a mudança para
manter a nossa família unida. Por vezes, isso significa fazer coisas que
talvez não compreendas nem aproves. Contudo, garanto-te que o que faço
nos ajudará a todas.
Penelope fitou-a demoradamente.
— Para teu bem, espero que resolvas o que quer que te preocupe. E fá-
lo rapidamente. Nada, nem sequer a família, vale o teu sofrimento.
Em seguida, a irmã deslizou para fora do quarto, fechando a porta atrás
dela. Miranda fixou o sítio onde Penelope se mantivera de olhos
arregalados e distantes. Sim, aquela situação tinha de ser solucionada
rapidamente, e era isso que tencionava fazer. No dia seguinte.
Ethan estava sentado no seu quarto ao fundo do corredor, longe
daquele onde sabia que Miranda o aguardava. O relógio de bolso indicou-
lhe que ela esperava há quase meia hora. Nesse momento estaria
provavelmente a andar às voltas, preocupada e interrogando-se.
Fazia parte do seu plano mostrar a Miranda e a si próprio que era ele e
não ela a controlar aquele negócio. Da mesma forma que escrevera o
desagradável bilhete do dia anterior. E por mais desagradável que fosse,
continuaria a exercer esse controlo quando fosse ter com ela.
Mudou de posição, fitando a porta e em seguida novamente o relógio.
Mais cinco minutos e iria juntar-se-lhe. Os segundos passaram; consultou o
relógio.
Quatro minutos, trinta segundos.
Aquilo não era controlo, mas o sobressalto da expectativa. Se não se
mostrava capaz de tomar as rédeas no seu próprio quarto, como podia
esperar manter a calma quando se visse frente a frente com Miranda?
— Raios! – grunhiu ao dirigir-se para a porta, abrindo-a e percorrendo
o corredor até ao outro quarto. Entrou, endireitou os ombros e atravessou
a segunda porta.
Ficou chocado quando, ao entrar no quarto, encontrou Miranda à sua
espera. Ela tinha os braços cruzados, batia no chão com o chinelo por baixo
da saia desbotada e o rosto denotava uma fria máscara de raiva.
Não era nada do que aguardava e estacou subitamente ao vê-la. Deus do
céu! Quando estava irritada, ela ficava ainda mais bonita. As suas emoções
vieram ao de cima e interrogou-se sobre como poderia mantê-la
constantemente naquele estado só para desfrutar do fogo daquele olhar.
— Tu! – pronunciou, ofegante, apontando-lhe o dedo. – Como te
atreves?
— A fazer-te esperar? – retorquiu tranquilamente, fechando a porta
atrás dele. – Hoje, o teu tempo pertence-me. Posso desperdiçá-lo ou usá-lo
como achar conveniente.
— Quero lá saber do tempo, Ethan – reagiu ela, abanando a cabeça. –
Refiro-me à maneira como me trataste esta semana.
— Como assim? – disse ele, com um arquear das sobrancelhas. – Não
me lembro de nos termos encontrado esta semana. Como podia ter-te
ofendido?
Miranda avançou com as mãos pousadas nas ancas.
— Na sexta-feira passada escorraçaste-me como se não suportasses
mais a minha presença. E, em seguida, deixaste-me ficar uma semana a
pensar se te desagradara a ponto de não me quereres de volta. Quando me
contactaste, deste a entender que podias não me querer de volta e irias
desistir do nosso acordo. Sinto-me cansada do teu comportamento.
Ethan inclinou a cabeça, surpreendido.
— Que baboseiras são essas?
— Queres-me ou não? – perguntou ela, rangendo os dentes.
Ele recuou, admirado com a sua franqueza. Gostava daquela Miranda
atrevida, embora a sua pergunta o tivesse apanhado totalmente
desprevenido.
— Se, afinal, tudo isto não passa de um jogo perverso que te delicia,
podes guardar o dinheiro e esquecer o nosso acordo. Bom dia, milorde.
Avançou para a porta, mas, ao passar junto dele, Ethan estendeu a mão
e agarrou-a pelo cotovelo.
— É um jogo, minha querida – disse, atraindo-a a si. A jovem fulminou-o
com o olhar, embora sem conseguir ocultar nele a chama do desejo. –
Nunca o defini como qualquer outra coisa.
Miranda tentou escapar-se, mas ele prendeu-a com força.
— Não gosto de ser um mero peão – sibilou num tom furioso, mas
igualmente de desejo. – Estabelecemos todas as condições sobre o que
aconteceria se recusasse ceder aos teus desejos. Mas e se tu recusares
satisfazer os meus?
Ethan fitou-a, chocado.
— Estás a dizer que ficaste insatisfeita?
A jovem engoliu em seco, mas foi esse o único indício do seu
nervosismo.
— Sim, é exatamente isso que estou a dizer – anuiu num tom baixo e
firme. – Na sexta-feira passada mandaste-me para casa antes de eu estar…
pronta.
Ethan pestanejou. Nunca ninguém desde o seu primeiro encontro
sexual, há mais de quinze anos, se queixara da sua perícia. Nenhuma
mulher expressara qualquer desagrado sobre o seu desempenho. A
insinuação de Miranda era uma ofensa relativamente à única coisa em que
se sabia especializado.
Com um leve rugido, agarrou no outro cotovelo da jovem e atraiu-a de
encontro ao peito. O macio corpo feminino moldou-se ao dele, as curvas
quentes desencadearam uma tempestade de reação no seu corpo excitado.
— Bom, terei de me esforçar para não voltar a cometer o mesmo erro –
prometeu num tom meigo, antes de baixar a cabeça e reivindicando os seus
lábios.
O beijo foi rude, áspero, punitivo, mas, para surpresa dele, a punição
abateu-se sobre os dois.
Tocar-lhe, saboreá-la, fez com que o seu corpo excitado se tornasse
mais ávido e desejoso. Em nada contribuiu para lhe proporcionar o
controlo que procurava tão desesperadamente.
Introduziu a língua entre os lábios dela, mergulhando com toda a ânsia
que tinha acumulado durante quase uma semana. Sentiu que Miranda
lutava por se manter distante, e aguardou. A jovem conservou-se rígida
durante algumas estocadas suaves antes de o corpo se fundir contra o dele,
antes que a língua se entrelaçasse na dele.
Como ela sabia bem, Deus do céu! E o toque, que se tornava cada vez
mais ousado, alimentou as fortes necessidades do seu corpo, as que lhe
roubavam o controlo, as que lhe diziam que precisava de mergulhar bem
fundo naquela mulher, que precisava de reivindicá-la de todas as formas
animalescas possíveis.
Empurrou-a para trás, passo a passo, na direção da cama, enfiando-lhe a
língua na boca da mesma maneira que lhe enfiaria o membro na sua gruta
apertada. Porém, antes que pudesse alcançar o seu destino, ela empurrou-o
com um gemido.
— Não, não. Isto só faz parte do teu jogo – sussurrou Miranda num tom
rouco de desejo. – Estás a brincar comigo.
Ethan assentiu com a cabeça e continuou a empurrá-la para a cama.
— Tenciono brincar contigo, Miranda. E, quando acabar, vais retirar o
que disseste sobre estares insatisfeita. Farei com que me implores antes de
saíres daqui, amanhã.
A jovem arregalou os olhos e empurrou-o para trás com mais força.
— Não…
Ethan interrompeu-a com outro beijo, ao mesmo tempo que a erguia
para cima da cama e lhe cobria o corpo com o dele, imobilizando-a com o
seu peso. Ela arqueou-se, lutando, mas ele, mesmo assim, sentiu a rendição
do corpo dela.
Ethan parou.
— Continuas a recusar? Agora, quem é que está a jogar? A tua bela
boquinha diz que não, mas o resto do teu corpo diz que sim.
— Não – sussurrou ela, mas deixou de se debater. Aguentou-lhe o olhar
com um misto de confusão, interesse e um mínimo de receio.
Ethan desapertou-lhe os botões da frente do vestido e apartou o tecido.
Puxou pela combinação e desnudou-lhe um seio. O mamilo estava duro,
erguendo-se na sua direção.
— Olha, Miranda – convidou, assentindo com a cabeça para a carne
revelada. A jovem baixou os olhos e um rubor cobriu-lhe as faces. – Como te
afirmei, o teu corpo diz que sim.
Rolou o polegar em torno do seu mamilo antes de passar a língua pela
pequena saliência.
— Não – opôs-se ela com o que mais parecia um gemido, fechando os
olhos.
Ethan continuou a chupar o seio, enfiando o mamilo na quente caverna
da sua boca, enquanto deslizava a mão pelo seu torso. O corpo de Miranda
balançou sob os seus dedos, incitando-o até ele chegar ao monte entre as
pernas. Estremeceu e apertou-lhe os braços com força. Ele ergueu-lhe o
vestido, puxando as camadas de tecido até conseguir meter uma mão por
baixo. Deslizou-a ao longo da parte interior da coxa até encontrar a quente
abertura.
Apesar da batalha travada, ela já estava molhada e pronta para ser
possuída. Ethan abafou um gemido enquanto a acariciava. Desejava tanto
pôr o pénis para fora e mergulhar nela, tomá-la até se vir e ficar satisfeito.
Contudo, aquele encontro destinava-se ao controlo, ao controlo sobre
ela e sobre si próprio.
Miranda gemeu, virando a cabeça para o lado enquanto os dedos
masculinos apartavam as pregas escorregadias, procurando o clítoris.
Encontrando-o, estimulou-o com o polegar ao mesmo tempo que enfiava
um dedo dentro dela. A jovem estremeceu em redor do dedo, atraindo-o
até às suas profundezas.
— Ainda não, Miranda? – sussurrou, retirando o mamilo dos lábios com
um leve ruído.
A jovem abriu os olhos e aguentou. Tinha as pupilas dilatadas de um
desejo escaldante, e pela forma como o corpo se apertava em redor dos
dedos dele, não demoraria muito a levá-la ao orgasmo. Todavia, continuou
a lutar com ele.
— Não – insistiu com um fraco gemido.
— Ah – riu ele. – Bom, não te vou possuir até confessares que me
desejas, até implorares pelo meu membro.
— Não o farei – disse Miranda, abanando a cabeça.
Ethan rodou o dedo, acariciando o feixe oculto de nervos no interior do
corpo húmido. Ela estremeceu de imediato, à beira do orgasmo.
— Farás, sim – garantiu Ethan.
— Porque fazes isto? – perguntou, ofegante, enquanto ele enfiava e
retirava o dedo com um lento e atormentante ritmo. A pele dela começou a
avermelhar à medida que o prazer a invadia.
— Perguntaste-me se te queria ou não – respondeu Ethan, sorrindo.
Aproximou-se mais dela tocando-a quase nariz com nariz. Miranda
susteve a respiração ante a súbita proximidade, mas não tentou desviar-se
da respiração dele na sua face.
— Quero-te, Miranda Albright. Desejo cada parte do teu corpo e quero
que me entregues tudo.
— Não posso – contrapôs ela, fechando os olhos. – Não posso dar-te
tudo, Ethan. É demasiado.
— Essa palavra não existe – murmurou ele, antes de roçar levemente os
lábios nos dela.
A jovem gemeu à medida que ele aumentou o ritmo dos dedos e se
aproveitou dos seus lábios apartados para a beijar mais intensamente.
Miranda descontraiu-se por uma fração de segundo, o que bastou para se
vir.
Ethan foi apanhado desprevenido pela força do seu orgasmo. Depois de
toda a sua resistência, parecia que o fato de ser controlada por ele lhe dava
tanto prazer como qualquer outra coisa que fizera. O corpo feminino
estremeceu violentamente, apertando-se contra o dele, derramando um
jorro húmido sobre os seus dedos. Arqueou as costas, premindo os seios de
encontro ao seu peito, ao mesmo tempo que interrompia o beijo e gritava o
nome dele na sala silenciosa.
Amoleceu debaixo dele quando o orgasmo findou e ele retirou os dedos.
Rolando o corpo e ficando ao lado dela, Ethan baixou os olhos na sua
direção.
— Fizeste valer o teu ponto de vista – admitiu Miranda baixinho. –
Provaste que consegues satisfazer-me, mesmo quando não quero que o
faças. E agora, acabaram-se os jogos? Posso ir-me embora?
— Apenas se quiseres romper o acordo – disse ele, franzindo o
sobrolho.
Levou o dedo aos lábios e sugou o doce néctar da sua excitação.
Miranda arregalou os olhos, mas ele deu-se igualmente conta de que o
mamilo exposto voltou a endurecer-se.
— Miranda, ainda nem sequer comecei a fazer valer o meu ponto de
vista, nem se acabaram os jogos.
— O que queres de mim? – perguntou ela, estremecendo.
— Levanta-te. Quero ver-te despida.
Miranda sentou-se e fitou-o.
— Queres observar-me novamente a tirar a roupa?
Um arrepio de lascívia invadiu-o ante a recordação da primeira sexta-
feira que passaram juntos.
— Não, Miranda. Desta vez, quero ser eu a desnudar o teu corpo.
Capítulo 10


Miranda fitou Ethan demoradamente. Pela primeira vez desde que
fechara o negócio com ele, percebeu como um acordo é perigoso. Mesmo
quando lhe tirou a virgindade, quando lhe ordenou que se tocasse para
obter prazer, mesmo quando a mandou embora... nunca se sentira tão
vulnerável como naquele momento.
Ethan mostrara-se poderoso e exigente quando lhe tocou. Devia tê-la
feito recuar, mas ao ficar aprisionada sob o seu corpo e ao sentir que lhe
arrancava o prazer, fora mais excitante do que qualquer outra coisa que já
tinha visto ou experimentado. Contudo, isso não lhe bastava. Ele queria
mais, reivindicava uma rendição total.
Mesmo quando admitira que tudo entre eles não passava de um jogo.
Bom, era um jogo em que ela concordara participar e não havia retorno.
Nessa noite, ia experimentar todas as plenas consequências de ser amante
de Ethan.
Deslizou para fora da cama e virou-se para ele. Que espetáculo devia
oferecer com o vestido retorcido na cintura, um seio à mostra e uma parte
do cabelo descaída sobre o rosto. Tinha a certeza de parecer totalmente
devassa. Os olhos de Ethan estreitaram-se, e Miranda não tinha a certeza se
gostava do que via.
Contudo, quando ele desceu da cama para se colocar na frente dela,
todas as dúvidas se dissiparam. Um forte e impulsivo desejo emanava de
cada fibra do seu ser, quase extravasando como uma onda de calor que a
rodeou e lhe fez doer o corpo de desejo renovado.
Miranda estremeceu, aguardando o que quer que se seguisse.
Ethan estendeu a mão na sua direção, e Miranda ficou muito quieta,
pronta a ser agarrada e possuída. Mas em vez disso, ele enfiou-lhe os dedos
no cabelo, encontrando os alfinetes e soltando as madeixas, que lhe
tombaram numa cascata sobre os ombros e as costas.
Ethan segurou numa madeixa e levou-a até junto do nariz, inalando
profundamente.
— Um encanto – murmurou e afastou-lhe o cabelo para trás.
Enfiou a mão por baixo do vestido e puxou o tecido para baixo. A peça
de roupa caiu no chão, deixando-a com a combinação gasta.
— Precisas de roupa interior nova – declarou num tom meigo. – De
vestidos novos. Devias usar uma parte do dinheiro destinado à temporada
da tua irmã para comprar coisas.
O sangue afluiu às faces de Miranda. Não era a primeira vez que ele
fazia comentários sobre a sua roupa, e tratava-se obviamente de algo que a
embaraçava. Claro que desejava vestidos, camisas e sapatos. Houve uma
altura em que adorava usar coisas bonitas e em que se preocupava com a
sua aparência. Mas, com o passar do tempo, tinha vindo a aceitar que os
seus desejos não eram importantes até a situação da sua família estar
solucionada.
— É tentador, mas não posso – respondeu com um encolher de ombros.
– A minha época passou.
Agora, o dinheiro tem de ir para a Penelope. De qualquer maneira,
ninguém olhará para mim.
O conde soltou uma forte gargalhada e enfiou os dedos por baixo das
alças da sua combinação.
— Se não olharem, são idiotas.
— Nunca olhaste para mim – sussurrou com a voz embargada enquanto
ele lhe puxava a combinação até à cintura e depois sobre as ancas,
deixando-a nua.
Ethan abanou a cabeça e observou-lhe avidamente o corpo antes de se
fixar nos seus olhos.
— Já te disse que sempre reparei em ti. Sempre.
Algo surgiu no seu rosto, algo que ela nunca tinha visto antes, e desejou
afastar-se de uma intensidade que não compreendia.
— E tu também devias reparar – acrescentou, pousando-lhe as mãos
nos ombros e virando-a.
A jovem viu-se diante do espelho de corpo inteiro que se encontrava na
parede, junto à cama.
Aquele com uma moldura que tanto a surpreendera no seu primeiro dia
neste quarto. Agora, foi a imagem refletida que a chocou.
Ali estava ela, totalmente despida, com a pele ainda ruborizada de
desejo e do orgasmo. E se tal não bastasse para a surpreender, atrás dela
encontrava-se a sua grande fantasia: Ethan Hamon. O seu corpo robusto
recortava-se por trás dela e as mãos bronzeadas contrastavam com a sua
pele branca.
— Olha para ti, Miranda – disse ele, inclinando-se sobre o seu ouvido. A
imagem dele a aproximar-se era erótica, e o seu corpo ficou húmido em
resposta. Viu como os mamilos endureciam.
Corou e tentou afastar-se.
— Não consigo.
— Olha – ordenou ele, agarrando-a com força, num tom de voz meigo e
sedutor. – Olha.
Uma mão escorregou dos seus ombros, e ela observou, hipnotizada,
enquanto os dedos masculinos lhe acariciavam a clavícula e em seguida
desciam até ao peito, envolvendo-lhe um dos seios. Não conseguiu reprimir
um gemido ante a sensação e a imagem. Juntos eram quase demasiado. Os
seus joelhos começaram a tremer, mas ele manteve-a firme e em pé,
enquanto continuava aquele tormento perverso.
A mão dele continuou a descer, acariciando-lhe o estômago até a sua
pele sensível se arrepiar e vibrar a cada toque. O corpo retesou-se de
antecipação, e ela sentia-se incapaz de desviar os olhos enquanto ele lhe
agarrava o monte. Recostou-se contra o peito dele com um enorme suspiro
de prazer.
— Nenhum homem poderia olhar para ti sem imaginar fazer isto –
sussurrou ele, respirando fortemente contra o seu pescoço ao mesmo
tempo que lhe apartava as pregas e revelava o sexo molhado no espelho.
Apalpou-a suavemente, deixando-a ver a reação do seu corpo;
sensações violentas percorriam-na, aquecendo-lhe o sangue e inundando-
lhe os ossos de um forte prazer.
— Nenhum homem poderia olhar para ti sem imaginar fazer mais –
acrescentou antes de afastar os dedos do sexo dela e recuar.
Miranda observou-o no espelho, tentando desesperadamente não
implorar. Ele tinha dito que ia forçá-la a pedir o seu membro, e ela não
queria dar-lhe essa satisfação, embora fosse obrigada a um enorme esforço
para se reprimir. O seu corpo vibrava de desejo com a necessidade de o
sentir enterrado bem fundo dentro dela. Era tudo o que desejara durante
três longas semanas e não tinha a certeza de conseguir aguentar outra
recusa.
Ethan puxou uma cadeira para a frente do espelho e virou-a um pouco
de lado para que quem estivesse sentado pudesse ver perfeitamente a
imagem. Em seguida, apontou para o assento almofadado.
Miranda hesitou, fitando-o com uma interrogação no olhar.
— Senta-te – ordenou, embora não houvesse crueldade ou raiva no tom
de voz. – Por favor.
Não lhe restava alternativa e, por conseguinte, obedeceu. Era estranho
ver-se sentada recatadamente numa cadeira, naquela total nudez,
sobretudo quando Ethan se mantinha completamente vestido a observá-la.
Apanhou-a desprevenida ao ajoelhar-se na sua frente. Apartou-lhe as
pernas, sem lhe dar tempo de questionar ou resistir, e abriu-as. Embora
estivesse diante dela, a forma como havia colocado a cadeira proporcionou-
lhe uma visão perfeita da cena no espelho. Miranda reprimiu um gemido
ante a visão dele inclinando-se para a sua gruta apertada.
Ethan soprou o hálito quente sobre os seus lábios trémulos, e a jovem
arqueou-se numa entrega com um grito desesperado de necessidade. Os
olhos cerraram-se com a intensidade do prazer.
— Olha – ordenou ele novamente. – Ou não ganharás nada.
Miranda forçou-se a abrir os olhos e a observar-se no espelho. Ethan
deslizou as mãos quentes por baixo do seu traseiro e ergueu-a, arrastando-
a um pouco para baixo e colocando-a de forma a que os seus lábios
pudessem aceder facilmente.
— Observa – disse, enquanto os olhares se cruzavam no espelho.
Ela brindou-o com alguns bruscos acenos de cabeça e arquejou quando
ele baixou a boca na sua direção. O que apenas tinha sido uma exploração
da sensação transformou-se numa visão erótica semelhante às que ela
testemunhara secretamente no passado. Só que esta era muito melhor,
dado que podia sentir e observar em simultâneo. Podia tocar em Ethan e
ser tocada, e não apenas fantasiar.
A língua dele dançava no seu corpo, descobrindo todos os lugares
suscetíveis de proporcionarem prazer. Miranda observou o clítoris
avolumar-se sob os lábios masculinos, as pregas avermelharem-se e a
fenda ficar escorregadia e pronta para mais do que apenas a sua língua.
Entrelaçou os dedos no cabelo de Ethan e voltou a surpreender-se ante
o contraste da sua pele branca contra os seus cabelos negros. Parecia que
aqueles eram os papéis predestinados aos seus encontros: luz e escuridão,
inocência e perícia.
Ele chupou-lhe o clítoris, e ela arqueou o corpo, desesperadamente,
gritando à medida que o gozo intenso subia em espiral. No preciso
momento em que se sentiu começar a cair no abismo, ele recuou, furtando-
lhe o orgasmo.
— Implora, Miranda – pronunciou num tom áspero, com os lábios
vibrando no seu corpo. – Diz que me queres.
A jovem fechou os dedos no cabelo dele, erguendo silenciosamente as
ancas numa súplica. Ele ignorou a prece, mantendo-a bem firme e
limitando-se ao tormento ocasional contra a sua carne trémula.
— Diz – repetiu.
— Quero-te – gritou ela, ao mesmo tempo que a respiração lhe saía em
golfadas.
O conde sorriu e acariciou-a com a língua como recompensa.
— Queres o quê?
— Quero-te… – pronunciou num tom vacilante. – Dentro de mim. Quero
o teu… pénis.
Estremeceu quando a palavra lhe saiu dos lábios. Era a primeira vez que
a pronunciava em voz alta. Invadiu-a um arrepio ao ser tão ousada.
— Oh, meu Deus – murmurou, levantando-se e puxando-a com ele.
Miranda cambaleou com os joelhos a tremer, mas ele agarrou-a,
mantendo-a direita ao mesmo tempo que manobrava a cadeira para que
ficasse com o espaldar para eles. Virou-a até a colocar de frente para a
cadeira.
— Mantém-te firme – disse, enquanto lhe depositava um beijo quente
na nuca. – E observa.
Miranda agarrou nas costas da cadeira e fitou-o por cima do ombro.
Ethan estava a livrar-se da roupa. Começou pela camisa de linho, em
seguida tirou as botas, e as calças deslizaram pelas pernas.
A jovem respirou fundo, novamente impressionada pela beleza do
corpo masculino. Como era robusto nos lugares devidos, mas havia
sobretudo a ereção de aço que se curvava sobre o estômago, anunciando
perfeitamente os seus desejos.
Ethan colocou-se atrás dela e inclinou-lhe o rosto para um beijo quente,
sondando-lhe os lábios.
Miranda derreteu-se naquele beijo, apertando as costas da cadeira com
as mãos trémulas. Ele apartou-lhe um pouco as pernas, e a jovem sentiu a
cabeça inchada do pénis encostada à sua fenda escorregadia. Ele esfregou-a
sobre a abertura e ela gemeu.
— Pronta? – sussurrou ao mesmo tempo que pousava uma das mãos
nas costas dela e a incitava a curvar-se.
— Sim – respondeu ela no mesmo tom.
Antes que ela findasse a palavra, penetrou-a. Dessa vez não houve dor,
apenas uma quente pressão quando a encheu, possuiu e reivindicou.
Miranda arquejou quando ele se enfiou totalmente até os testículos
embaterem no seu traseiro. Sentiu-se lasciva e feminina enquanto se
apertava à volta dele.
— Porra! – rugiu Ethan, enterrando os dedos nas suas ancas. – Continua
a fazer isso.
Ela obedeceu, apertando e alargando-se quando ele começou a retirar-
se. Ethan avançou, e ela gritou à medida que todo o seu corpo se contorcia
num espasmo.
— Olha para o espelho – arquejou Ethan. – Vê como és bonita.
Miranda virou a cabeça e sobressaltou-se com a imagem. O cabelo louro
tombava-lhe sobre os ombros e a cadeira. Tinha o rosto corado, refletindo
todo o prazer que a invadia. Parecia lasciva e apetitosa assim curvada sobre
a cadeira, com aquele homem, aquele belo e complicado homem atrás dela.
Quando ele se retirou, viu o duro talo da sua ereção reluzindo ante a
excitação dela, e foi a coisa mais erótica que alguma vez se lhe deparara.
O seu orgasmo explodiu quase de imediato. Gritou, embatendo contra
ele com uma rapidez e uma força idênticas à do corpo masculino. As mãos
dele rodearam-lhe os seios e o seu rosto contorceu-se devido ao esforço
que fazia para se controlar. Foi, porém, uma batalha perdida. Quando o
orgasmo dela rugiu, Miranda observou o momento em que ele atingiu o
pico do gozo. Soltou um gemido longo e rouco, as costas retesaram-se-lhe e
sentiu como a bombeava com um jorro quente no seu corpo quando os
últimos tremores do seu orgasmo se transformaram em meras sacudidelas.
Miranda suspirou ao sentir o peso do seu corpo nas costas e o membro
ainda enterrado dentro dela.
Observou a imagem no espelho, ambos esgotados de prazer,
entrelaçados, e pôs-se a pensar como aquela imagem era bela.
E na brevidade a que estava destinada.
Miranda sorriu quando Ethan pousou, entre eles, na cama, uma bandeja
de comida. Transbordava de fruta, queijo, sandes, uma refeição digna de
reis.
— Come – ordenou ele com um leve sorriso enquanto agarrava numa
sandes. – Precisas de manter forças.
O seu estômago deu sinal no momento em que meteu uma uva na boca.
— Ainda não acabaste, pois não? – espicaçou-o.
O rosto dele ficou sério e inclinou-se para depositar um leve e quente
beijo nos seus lábios.
— Nem sequer comecei.
Miranda estremeceu quando ele se recostou nas almofadas e cruzou as
pernas nuas. Tinha vestido um robe de seda preto, ao passo que ela apenas
se enrolara nos lençóis de cetim. Lembrou-se da primeira tarde em que
viera àquele quarto secreto. Só que, dessa vez, Ethan não parecia
interessado em abandoná-la às suas perversas fantasias. Detestava
confessá-lo até para si própria, mas sentia-se feliz por isso. A ideia de que
ele pudesse abandoná-la naquele momento causava-lhe, na verdade, uma
dor física. Após a intensidade do encontro anterior, necessitava da
presença dele.
Ethan rolou para o lado e apoiou-se num cotovelo enquanto devorava a
sandes com duas enormes dentadas.
— A tua mãe faz-te muitas perguntas sobre o teu tempo com «Lady
Ingleworth»?
Miranda encolheu-se ao ouvir a pergunta e pousou a sua sandes no
tabuleiro.
— A minha mãe não me pergunta nada de nada, exceto se achar que
pode ganhar algo com a resposta – suspirou.
— É uma mercenária – redarguiu Ethan antes de pegar numa uva e a
colocar entre os lábios.
Miranda suspirou quando os pensamentos sobre a mãe lhe ocorreram.
Sentiu uma estranha vontade de justificar as atitudes de Dorthea, de se
explicar.
— Ela não nasceu na mesma classe a que o meu pai pertencia. Passou a
maior parte da vida do lado de fora a olhar para dentro. Talvez… talvez o
seu comportamento seja apenas a sua forma de se agarrar ao que receia
perder.
Ethan encolheu os ombros e franziu os lábios.
— Só abona a teu favor que sejas tão imparcial relativamente a uma
mulher que passa o tempo a censurar-te. – Miranda entreabriu os lábios e
ele fitou-a. – Disse que te observei, não disse? Ouvi o que ela te disse. Não
sabe falar baixo.
— Não, não sabe – anuiu a jovem com as faces ruborizadas.
— Porém, não te pareces nada com ela – prosseguiu Ethan num tom
meigo, erguendo os dedos e acariciando-lhe o queixo. Miranda susteve a
respiração, mas o toque foi breve e ele afastou a mão. – Nem sei como
podes ser parente dela.
Miranda encolheu os ombros e examinou a sandes distraidamente.
Nunca ninguém lhe falara daquela maneira sobre a sua família, e as
palavras levaram-na a refletir nos seus modos.
— Sei que não gostas dela e admito que, por vezes, pode ser difícil
aturá-la, mas penso que somos parecidas em muitos aspetos.
— Quais? – rugiu ele.
— Somos as duas capazes de não nos pouparmos a esforços para
proteger a nossa família. Talvez não pelos mesmos motivos, mas os
resultados são idênticos.
Verificou que ele a olhava com uma expressão pensativa no rosto
habitualmente descontraído.
— Contudo, ela é uma manipuladora, e tu não – comentou baixinho.
— A manipulação é apenas uma outra forma de mentir. E nos últimos
tempos tenho mentido bastante.
— Não – ripostou Ethan, abanando a cabeça. – A manipulação é um jogo
em que se pretende alcançar o objetivo sem olhar a meios. Há uma grande
diferença.
Miranda conservou-se em silêncio durante um longo momento. Ethan
era o mestre em jogos, manipulação. Admitia sem rodeios que o acordo
entre os dois era um jogo. Ela representava um jogo aos seus olhos. Uma
recompensa a ser ganha e usada até se cansar dela. Sabia que era assim,
mas a ideia magoava-a.
Sobretudo porque nesse momento se sentia próxima dele. Aquela era
talvez a primeira conversa a sério que haviam tido. E agradava-lhe. Gostava
de ser capaz de falar abertamente com uma pessoa que não pretendia
julgá-la nem repreendê-la.
Soltou uma leve risada para afastar as ideias sombrias e disse: – Ela vai
dar uma festa. Na próxima semana.
— Eu sei – respondeu Ethan, bebendo um gole de vinho. – Recebi um
convite esta manhã, antes de chegares. Segundo a sua prosa fluente, serei o
convidado de honra – acrescentou com um arrepio.
Miranda não conseguiu suster o riso.
— Sim, a minha mãe simpatiza bastante contigo, agora que nos ajudas
financeiramente. Tenho a certeza de que te bajulará a noite inteira.
Ethan bebeu o resto do vinho de um trago.
— Credo! Gostaria de não ter aceitado o convite.
A jovem soltou nova risada ao ver a sua expressão aflita.
— Oh, claro que tens de vir, de beber o vinho e apreciar a orquestra.
Afinal, és tu que pagas.
Por um instante, Ethan mudou de uma expressão fingidamente penosa
para uma expressão verdadeiramente magoada. Franziu a testa e fitou-a
com calma.
— Não, Miranda. Acho que quem está a pagar és tu – contrapôs
baixinho.
A jovem inclinou a cabeça para o olhar. Embora o rosto dele se tivesse
tornado inexpressivo, juraria haver detetado tristeza na voz. Contudo, tal
era impossível. O conde de Rothschild vivia a vida sem arrependimentos.
Ouvira-lhe essa declaração muitas vezes enquanto o espiava. Fazia o que
fazia e enfrentava as consequências, mas jamais olhava para trás. Nunca
pedia desculpa por ser quem era.
Contudo, naquele momento olhava-a como se desejasse…não sabia o
que ele desejava, mas emanava um anseio que ela entendia perfeitamente,
embora não percebesse o motivo.
— Ethan – pronunciou baixinho, estendendo a mão para lha pousar na
face. – Foi o que concordei fazer. Não posso queixar-me, nem o desejo.
O conde fitou-a demoradamente, e em seguida agarrou na bandeja e
levou-a. Quando regressou à cama, os olhos emanavam outro brilho, e ela
estremeceu ante o indício.
— Ethan… – começou, mas ele tapou-a com o corpo, silenciando-a com
um beijo que lhe destruiu a resistência e despertou os sentidos. Ficou
confusa com aquele repentino ardor, mas não se debateu.
Era inútil, sabendo ele o enorme poder que detinha sobre ela.
Na verdade, agradava-lhe aquele domínio, o fato de ele poder possuí-la
sempre que lhe apetecesse, o fato de se sentir enfraquecida e lasciva com
um toque fugaz.
Ethan afastou os lençóis e abriu o robe. Ela envolveu-lhe de imediato a
cintura com as pernas, erguendo-se ao encontro do pénis e gemendo contra
os seus lábios, enquanto ele a penetrava. Todos os pensamentos se
desvaneceram, e ela rendeu-se ao toque masculino.
Rendeu-se-lhe, esquecendo qualquer custo, esquecendo tudo, menos a
sensação de ser levada ao pico do prazer.
Ethan suspirou quando deslizou os braços do corpo de Miranda. No seu
sono, a jovem emitiu um pequeno protesto e depois arqueou-se contra ele,
antes de rolar para o lado.
Aquele pequeno gesto provocou-lhe de imediato uma ereção, mas em
vez de tirar partido das suas pernas ligeiramente apartadas, tapou-lhe o nu
e tentador traseiro com o lençol e levantou-se.
Dirigiu-se à lareira e observou as chamas extintas. Nessa noite, algo
havia mudado entre eles. Oh, ele conseguira reivindicar o seu poder.
Dominara Miranda, possuíra-a e levara-a mesmo a implorar.
Contudo, algo mudara.
Depois, quando por norma ansiava pela fuga, gostara mesmo de
continuar deitado ao lado dela, partilhando comida e diálogo. Graças a isso,
compreendia muito mais sobre a sua família e não armazenara aquela
informação como uma arma naquela guerra erótica. Apenas desejava
conhecê-la, além do seu corpo.
Essa perceção deveria tê-lo assustado, mas, em vez disso, sentiu… uma
paz enorme. Gostava tanto de Miranda quanto a desejava. E porque não?
Ela era… interessante.
Desde que estivesse consciente da armadilha quanto a aproximar-se em
demasia, não havia motivo para que deixasse de usufruir daquela relação a
todos os níveis. E quando tudo acabasse, esqueceria.
Tinha a certeza.
Mas quando se virou para a fitar, toda essa certeza desapareceu,
deixando-o apenas com lascívia e algo mais perturbador que não conseguia
definir.
Capítulo 11


Ethan agarrou na mão de Miranda e puxou-a de volta para a cama. A
jovem riu ao cair sobre o colchão e o som ecoou dentro dele. Tratava-se de
um som invulgar e, depois de ter ouvido mais pormenores sobre a vida
dela, compreendeu o motivo. Mesmo assim, sempre que Miranda ria ou
sorria, não conseguia deixar de imitá-la. Agradava-lhe tanto a sua faceta
lúdica quanto a faceta apaixonada.
Bom, quase tanto. Rolando, cobriu-lhe o corpo com o dele e beijou-a.
O riso da jovem diminuiu e as risadas transformaram-se em gemidos.
Permitiu-lhe o prazer durante alguns breves momentos, mas depois
Ethan sentiu que lhe empurrava o peito.
— Não, não – protestou entre gemidos, enquanto ele lhe chupava o
pescoço e mordiscava o lóbulo da orelha. – A minha mãe já me espera há
um quarto de hora e, se me atrasar demasiado, é bem capaz de mandar
alguém numa carruagem à minha procura. Se descobrirem que não
trabalho para Lady Ingleworth, tudo estará perdido.
— Muito bem – anuiu Ethan, rolando para o lado com um enorme
suspiro.
Miranda pôs-se em pé e voltou a abotoar o vestido que retirara da sua
pequena mala. Mais um vestido usado que em nada se assemelhava ao que
merecia usar. Ethan imaginou-a brevemente envolta num tecido de cetim
vermelho-vivo, com um decote acentuado e uma cintura subida. Algo que
pudesse facilmente puxar e revelar o seu…
— Ethan, estás a ouvir? – perguntou ela, com uma risada.
O conde afastou a fantasia com uma sacudidela de cabeça, embora a
forte ereção que levantava os lençóis não fosse desaparecer facilmente.
— Sim. O que é?
— Estava a dizer que te verei daqui a uns dias na reunião da minha mãe.
Ele abanou distraidamente a cabeça, enquanto a observava a prender o
cabelo. O pescoço dela fascinava-o. Ela fascinava-o; Ethan desejava que ela
não tivesse de ir embora.
Perceber isto sobressaltou-o, e afastou essa ideia com um esgar.
Tratava-se obviamente de lascívia, nada mais do que lascívia, que em breve
se desvaneceria.
Não seria assim?
Claro que seria. Sempre tinha sido assim.
— Adeus – despediu-se ela, encaminhando-se para a porta.
Ethan saltou para fora da cama antes que ela saísse e agarrou-lhe no
braço. Obrigando-a a dar meia volta, encostou-a à parede e esmagou-lhe os
lábios com um beijo que poucas dúvidas deixava quanto ao seu desejo.
Miranda cedeu, arqueando as ancas contra as dele, nuas, apertando-lhe as
costas despidas. No momento em que o desejo se tornou demasiado, ele
afastou-a com um sorriso perverso.
— Vejo-te na festa.
Miranda esboçou um aceno de cabeça atordoado e saiu, cambaleando.
Mal ela se foi, Ethan apoiou a cabeça na porta e soltou uma praga. Devia
estar contente por poder controlar tão facilmente o seu desejo. Por a
controlar.
Todavia, não o invadiu qualquer sensação de triunfo por tê-la
conquistado. Talvez ela o ignorasse, mas também ele fora conquistado.
Quando ela se descontrolara, acontecera-lhe o mesmo. Quando ela lhe tinha
implorado o pénis, pareceu-lhe mais rendição do que conquista.
Ali estava ele agora encostado à porta como um tolo, interrogando-se
sobre como sobreviveria até à próxima vez que a visse.
Bom, ocorreu-lhe uma ideia que o ajudaria a passar o tempo. Agarrou
no roupão com um sorriso e dirigiu-se ao corredor à procura de Winston.
Tinha um plano para Miranda e, se quisesse estar pronto para o dia da
festa, precisaria de agir rapidamente.
— Sabes quanto dinheiro a mamã está a gastar com essa festa? –
perguntou Penelope enquanto seguia Miranda até ao quarto de dormir e
fechava a porta atrás de si.
Miranda suspirou. Só tinha regressado da casa de Ethan dez minutos
antes e a mãe já lhe criara novos problemas.
Sentou-se à frente do toucador e começou a soltar o cabelo. Corou ante
o reflexo, lembrando-se da última vez em que se vira com o cabelo louro à
volta dos ombros. Ethan estivera por trás dela, penetrando o seu corpo
apertado e transportando-a a um forte e esmagador prazer. Mesmo agora, o
corpo estremeceu-lhe de gozo ao recordar.
— Miranda? – acordou-a Penelope, colocando-se atrás da imagem do
espelho.
— Desculpa – pediu a jovem, afastando a imagem. – Não queria estar
distraída.
— Pareces cansada – comentou a irmã, observando-lhe o rosto.
O rubor afluiu ao rosto de Miranda. Se parecia cansada, era porque
tinha passado a noite sob o corpo suado de Ethan, contorcendo-se de
prazer enquanto ele a possuía vezes seguidas.
— Miranda? – pronunciou Penelope num tom suficientemente áspero
para a arrancar àquelas recordações agradáveis.
— Eu… eu não dormi muito bem a noite passada.
— Lady Ingleworth destinou-te qualquer quarto horrível da criadagem?
– questionou a irmã, franzindo o sobrolho. – Desejava que não tivesses de
sacrificar um dia por semana apenas para caíres nas boas graças do dragão.
Miranda sentiu o aguilhão da culpa. Amaldiçoadas fossem as mentiras
que pareciam multiplicar-se de cada vez que a irmã lhe falava.
— Não é preciso preocupares-te – disse, escolhendo cuidadosamente as
palavras. – A sério que não me importo com o que faço.
— Como é possível? – suspirou Penelope. – És forçada a sacrificar o teu
tempo, a tua companhia, o teu próprio corpo por nós, quando tenho a
certeza de que preferias ocupar-te com centenas de outras coisas.
Miranda esboçou um leve sorriso.
— Não consigo pensar em mais nada que gostasse de fazer – retorquiu,
afastando emoções. – De qualquer maneira, se ajudar a nossa família a
longo prazo, sou capaz de aguentar muito. Contudo, deixemos de lado as
minhas atividades. Estás pronta para o baile?
— Acho que sim – respondeu Penelope com uma careta. – Fui equipada,
lecionada e testada até achar que ia endoidecer. Contudo, a mamã parece
convencida de que não deixarei ficar totalmente mal a família. – Afundou-se
numa cadeira gasta junto à janela, franzindo o sobrolho. – Há tanta coisa
que depende do meu sucesso.
Miranda apercebeu-se, sobressaltada, de que enquanto andara tão
envolvida com Ethan, a irmã tivera as suas próprias dificuldades. Agora que
prestava atenção a Penelope, reparou na palidez da irmã. E se havia sinais
de cansaço no seu rosto, Penelope parecia encontrar-se à beira da exaustão.
Estava pálida e fundas olheiras marcavam-lhe a pele sob os bonitos
olhos.
Como poderia ter sido tão egoísta a ponto de ignorar todos os sinais?
Miranda pôs-se rapidamente em pé e colocou-se ao lado da irmã.
Pousou a mão no ombro de Penelope e apertou-o.
— Não te preocupes tanto. Não necessitas de encontrar um marido
imediatamente, e se não gostares de ninguém que se aproxime, peço-te, por
amor de Deus, que não aceites propostas nem te sacrifiques em prol dos
nossos problemas familiares.
— Mas se a minha temporada falhar… – começou Penelope.
— Terás uma outra – contrapôs Miranda, abanando a cabeça. – E a
Beatrice também a terá, bem como a Winifred.
— Sei que não podemos permitir-nos esse tipo de despesa – disse
Penelope com um trejeito. – A mamã já gastou o dinheiro que Lorde
Rothschild depositou nas nossas contas.
Miranda deu um passo atrás, chocada.
— O quê?
— Tentei dizer-te quando entrei – declarou Penelope, fitando-a. – A
mamã tem deitado o dinheiro pela janela. Anda louca a comprar vestidos
novos e a preparar a casa para os nossos convidados – prosseguiu,
abanando a cabeça. – E dado não sabermos até onde irá a generosidade de
Lorde Rothschild, esta pode ser a nossa única oportunidade para que eu
encontre um marido.
Miranda tapou os olhos. O pobre Ethan não fazia ideia daquilo em que
se metera quando prometera pagar a temporada da irmã. Decerto ficaria
horrorizado quando percebesse que o seu generoso primeiro pagamento
para a sua apresentação em sociedade já se esgotara. A única esperança de
Miranda era a de que não voltasse atrás no acordo.
Se bem que, na noite anterior, ele não parecesse com pressa de o fazer.
Mesmo assim, o seu corpo valeria tanto aos seus olhos? Sobretudo podendo
ele encontrar facilmente outra mulher para as suas diversões, uma que não
o obrigasse a puxar os cordões à bolsa.
A ideia assemelhou-se a uma picada no peito.
Afastou as emoções. De momento, não havia nada que pudesse fazer
para remediar a situação.
Teria simplesmente de discutir as finanças com ele, mais tarde. Talvez
na festa.
— Falarei com a mamã – decidiu Miranda –, embora não saiba se vai
servir de muito. Ela nega-se a ser refreada. Na verdade, as minhas
admoestações só parecem incitá-la a gastos mais exorbitantes.
— Eu sei. Também já tentei – confessou Penelope, erguendo os braços
num gesto de frustração. – Porque é que ela faz isso?
Miranda dirigiu-se à janela e contemplou os terrenos lá em baixo.
— Talvez seja a sua maneira de conservar a memória do papá. Ele
proporcionou-lhe uma existência fantástica. Se enfrentar a realidade de
como ele vivia realmente, isso destruirá a sua imagem. Obrigá-
la-á a admitir que o papá não era o sol e a lua, que era apenas um ser
humano e cheio de defeitos.
Penelope abanou a cabeça.
— Acho que a verdade seria mais importante para ela do que a falsa
imagem de um homem morto.
Eu também amava o papá, mas reconheço as suas falhas.
Miranda fitou a irmã por cima do ombro. Sempre havia encarado
Penelope como sua igual, apesar dos dois anos que as separavam, mas
naquele momento a irmã parecia muito jovem e inocente.
— O amor entre um homem e uma mulher é diferente do amor entre
um pai e uma filha – retorquiu num tom meigo. – Por vezes, só vemos o que
queremos ver.
Penelope abanou a cabeça com um riso incrédulo.
— Como se soubesses alguma coisa sobre o amor.
Miranda encolheu-se. Não, nunca estivera apaixonada. No entanto,
sentia algo por Ethan, algo forte e encantador que superava em muito o
mero prazer que recebia do seu toque, algo que a fazia desejar esquecer o
jogo perverso a que a submetia e o fato de ele estar simplesmente a
desfrutar o ato de corromper uma inocente, de quem se livraria mal se
aborrecesse do desafio.
— Tens razão – concordou, forçando uma ligeireza de tom que não
sentia. – Nada sei sobre o amor e certamente não devia propor-me
entender as razões da mamã. Porém, duvido que algo que eu diga vá
impedi-la de fazer o que deseja. Portanto, esperemos que um
elegantíssimo, fabulosamente rico e totalmente generoso cavalheiro
apareça na festa e se sinta tão atraído por ti que não consiga deixar de
pedir a tua mão antes que o relógio bata a meia-noite.
Penelope levantou-se da cadeira com uma gargalhada e avançou para a
porta do quarto.
— Mais parece que estás a desfiar um conto de fadas. Ambas sabemos
que não existem finais felizes. Vou deixar-te para te refrescares antes do
almoço. Precisarás do resto do dia para aguentar a interminável conversa
da mamã sobre a comida para o baile. Vemo-nos daqui a pouco.
Miranda assentiu com a cabeça, mas quando a porta se fechou atrás da
irmã, observou novamente o relvado. Não havia finais felizes…
A sua faceta racional sabia que era verdade. Testemunhara o esterco
que o pai fizera das suas vidas. Ao aperceber-se da vida dupla que ele
levava, perdera todas as ilusões sobre cavaleiros de armaduras reluzentes e
o amor que superava todos os vícios.
Todavia, nas últimas semanas começara a esperar em qualquer parte
secreta do seu íntimo que ainda existisse um pouco de conto de fadas
guardado para alguém. As palavras da irmã lembraram-lhe que não devia
contar com desejos e príncipes.
Sobretudo príncipes que faziam propostas escandalosas e exigências
tirânicas que lhe deixavam o corpo dorido e o coração ansioso por coisas
que nunca poderia ter.

* * *

– Ethan, é tão bom voltar a ver-te.

Ethan levantou-se quando Cassandra Willows entrou na sua sala de


estar. Ela estendeu-lhe as mãos e beijou-o em cada face, antes de recuar
para o contemplar da cabeça aos pés. Aquele olhar era totalmente familiar.
Afinal, ela vira-o com muito menos roupa.
— Sempre tiveste uma bela figura – elogiou com um sorriso. – Contudo,
diz ao teu alfaiate que use mais azul. Sempre te ficou na perfeição.
Fez um gesto na direção do assento que ele desocupara quando ela
entrou e sentou-se na sua frente.
Ethan riu recostando-se na cadeira.
— Direi ao meu alfaiate que a mais bela costureira de todo o país tem
essa opinião – tranquilizou-a.
Fitou Cassandra. Ainda há bem pouco tempo teria tentado encontrar
uma maneira de a libertar daquele bonito vestido de folhos que ela
ostentava. Contudo, embora a visão dos seios fartos lhe agradasse
enormemente, ficou surpreendido ao descobrir que não tinha qualquer
interesse em ver algo mais.
Não que lhe faltasse beleza. O cabelo castanho-escuro de Cassandra, a
estrutura pequena e roliça, os seios redondos continuavam perfeitos. E a
forma como lhe sorriu indicava-lhe, sem sombra de dúvida, que ela não se
oporia a partilhar uma tarde de prazer.
Só que ele… não queria.
— Recebeste o meu bilhete? – perguntou, aclarando a garganta,
esperançado de que o seu desconforto desaparecesse.
— Sim – respondeu ela, assentindo com a cabeça. – E esforcei-me ao
máximo para fazer o que pediste o mais rapidamente possível. É difícil
conceber uma peça para uma mulher que não conheço e cujas medidas
ignoro.
Ethan franziu o sobrolho.
— O que quer que tenhas feito não pode ser pior do que aquilo que ela
usa, garanto.
— Hum... É assim tão mau?
— Um horror – admitiu, pensando nas roupas gastas de Miranda. – E
quanto ao resto?
Cassandra sorriu. Além de criar belos vestidos tanto para damas como
para cortesãs, mantinha um próspero negócio paralelo com brinquedos e
objetos de natureza sensual que se destinavam a uma clientela muito
seleta.
— Também está pronto. – Levantou-se e atravessou a sala a fim de
tocar uma campainha junto à porta. Enquanto esperava pela assistente,
virou-se para examinar o seu rosto de perto. – Desde que recebi o teu
recado ontem, quase morri de curiosidade para saber a quem se destinam
esses presentes. Constou-me que este ano não trouxeste uma amante para
a propriedade.
Ethan encolheu os ombros. Prometera a Miranda não revelar a sua
identidade, e não tinha tenção de fazê-lo.
— Os boatos são enganosos, não são?
— Bem disse ao Richardson que ele estava enganado – sorriu
Cassandra.
Ethan não deu qualquer resposta, e antes que ela exigisse mais
informações, a assistente apareceu com uma caixa. Cassandra recebeu-a e
despediu a jovem com um aceno de cabeça.
Virou-se e estendeu-lhe o presente com um sorriso.
— Aqui tens.
Ethan aceitou-o com um pouco mais de interesse do que desejaria e
abriu a caixa. Sorriu ao ver o que estava dentro.
— Perfeito. Obrigado, Cassandra.
— De nada. Sinto-me contente por poder ajudar, sobretudo com a
quantia exorbitante que vais pagar. – Os dois soltaram uma gargalhada. –
No entanto, já deves estar farto da jovem senhora. Essas coisas são um
presente de despedida?
— Não – respondeu Ethan, franzindo o sobrolho.
Cassandra recuou com um sorriso de espanto.
— A sério? Não me lembro de teres comprado um presente para uma
mulher que não fosse um consolo para o teu afastamento. Conte-me mais
sobre a dama que inspirou tamanha generosidade, milorde.
Ethan fechou a caixa e apertou-a de encontro ao peito.
— Não há nada para contar.
Cassandra arregalou imensamente os olhos.
— Estás apaixonado por essa jovem, Rothschild?
— O quê? – redarguiu ele, quase deixando cair a caixa.
— Há algo no teu olhar. Diz-me que não te rendeste finalmente aos
encantos de uma dama.
Ethan esboçou um trejeito e encaminhou-se para a porta.
— Claro que não. Por que tipo de idiota me tomas? O teu pagamento
chegará ao fim do dia.
Cassandra cruzou os braços e observou-o a abrir a porta com força.
— Muito bem, Ethan – disse baixinho. – Acho que entendo
perfeitamente.
— Entender?! – retorquiu num tom trocista. – Não há nada que
entender. Boa tarde.
Contudo, quando se afastou da confortável casa de Cassandra e montou
no cavalo a fim de regressar à propriedade, interrogou-se sobre a
afirmação temerária da mulher. Por norma, ela era muito observadora, mas
decerto não mostrara esse tipo de emoção ridícula no rosto.
O tipo de emoção que não acabaria da melhor maneira para quem fosse
dirigida.
Capítulo 12


Ethan percorreu a sala, consultando o relógio sempre que dava mais
uma volta. Estava quase na hora.
Abanou a cabeça devido a tamanha ansiedade, mas desistira de tentar
abafá-la. Dali a pouco estaria com Miranda e não conseguia pensar noutra
coisa.
Haviam passado dois dias desde que a vira. Dois morosos dias em que
apenas pensara nela. O cheiro de Miranda ainda permanecia nas almofadas
do seu quarto secreto. Como é que o sabia?
Porque voltava repetidamente ao quarto, a fim de respirar esse odor.
Contudo, a espera estava a findar, porque ela chegaria a sua casa dentro
de momentos. Embora não fosse sexta-feira, embora ela não fosse ficar,
mas tinha planos para ela.
Sabia perfeitamente que não deveria fazê-lo. Se fosse esperto, cumpriria
os termos do acordo.
Contudo, era impossível, pois desejava-a por demais, mais do que se
lembrava de desejar qualquer mulher, até mesmo as suas amantes
favoritas. Nunca nenhuma conseguira atear o fogo do seu íntimo como
Miranda apenas com um olhar inexperiente.
Cassandra achava que ele estava apaixonado por ela, mas não era
verdade. Desde que saíra da casa da sua velha amiga no dia anterior que se
convencera de que Cassandra estava a ver coisas que não existiam. Ela não
passava de uma mulher tola e romântica.
A porta do salão abriu-se para dar entrada a Winston.
— Miss Albright, senhor – anunciou.
Ethan sentiu a pulsação acelerar e fez um sério esforço para manter
uma expressão calma quando o criado se afastou para dar passagem a
Miranda. A jovem entrou na sala com um breve aceno de cabeça ao criado,
mas quando a porta se fechou, pousou o olhar em Ethan e sorriu.
Deus do céu, como ela era bela! Tão fresca, sincera e viva. E invadiu-o a
ânsia que sentia por lhe tocar. Desejou respirá-la, absorvê-la, possuí-la de
todas as maneiras.
— Boa tarde – saudou ela, tirando as luvas. – Fiquei surpreendida com o
teu chamamento. Como é que consegues entregar esses bilhetes
diretamente à minha criada?
Ethan disfarçou com um sorriso a reação que ela lhe provocava.
— Um dos meus criados anda a visitar a tua criadinha há uns meses. E
sente-se feliz por ter uma desculpa para ir ter com ela e entregar os meus
bilhetes.
— Angelica? – retorquiu Miranda, embasbacada. – A sério? Sempre me
pareceu tão inocente!
Ethan aproximou-se dela e aspirou fundo o perfume do seu cabelo.
— Também a mim, minha namoradeira, mas conheço bem as pessoas.
Miranda ruborizou-se desde o pescoço ao decote do vestido e desviou o
olhar.
— Acho que tens razão nesse aspeto.
— Espero que não a despeças, agora que conheces o seu segredo –
murmurou Ethan enquanto dava a volta por trás dela e lhe envolvia a
cintura com os braços. Ela inclinou-se logo. – Dá muito jeito poder enviar-te
recados sempre que me apetecer.
Miranda suspirou quando ele baixou os lábios sobre o seu pescoço.
— Seria muito hipócrita da minha parte despedi-la por fazer
exatamente o mesmo que eu faço.
— Exatamente o mesmo? – retorquiu ele, mordiscando-lhe ternamente
o pescoço.
— Talvez não exatamente o mesmo – disse Miranda com um arrepio.
Ethan riu e deslizou as mãos até lhe aconchegar os seios. Miranda, com
os joelhos a tremer, inclinou o corpo contra o dele.
— Porque… porque é que me chamaste aqui? – arquejou, enquanto os
polegares masculinos lhe esfregavam os mamilos, endurecendo-os através
do tecido do vestido.
— Obrigado por me recordares – sussurrou, virando-a para ele.
Miranda fitou-o com um brilho de desejo no olhar. O membro dele já
estava rijo e pronto, mas sabia que não teria um orgasmo. Pelo menos, de
momento.
Contudo, ia desfrutar aquele «presente» especial para ela.
— Tenho uma coisa para ti – disse ele.
— O quê? – perguntou ela, inclinando a cabeça.
Com um sorriso perverso, Ethan ajoelhou-se e começou a erguer-lhe as
saias.
Nada do que Ethan fizesse deveria ter chocado Miranda, mas o fato de
ele se ajoelhar na sua frente e deslizar as mãos sob as suas saias
surpreendeu-a.
— Ethan! – gritou, empurrando-lhe os ombros com as mãos.
Ele ergueu o rosto na sua direção com aquele sorriso lascivo e calculista
que sempre a abalava.
— Chiu – acalmou-a, enquanto os dedos subiam pelos seus joelhos
trémulos, para lá das coxas húmidas. Ergueu-lhe a saia ao avançar, até a
enrolar à volta da cintura, deixando-a totalmente exposta.
— Segura-o – ordenou, indicando o tecido.
Miranda largou-lhe o ombro com a mão trémula e agarrou no vestido
dobrado sem saber o que mais fazer.
— O que pretendes? – inquiriu, atropelando as palavras.
— Isto – murmurou, antes de lhe afastar a combinação e apartar as
pernas. Ela fechou os olhos, antecipando a carícia dos lábios, e não teve de
esperar muito tempo.
A língua dele sondou-a, despertando-lhe os sentidos e tornando-a
perfeitamente consciente da cena patente aos olhares de quem quer que
entrasse no quarto. Contudo, não levantou objeções. Não lhe importava
nada se o crítico Winston escancarasse as portas e trouxesse montes de
curiosos. Desejava a boca de Ethan, desejava a língua de Ethan, desejava
vir-se. Que o resto fosse para o diabo!
Ele chupou-lhe o clítoris, mas sem o titilar como havia feito antes.
Pretendia a explosão do orgasmo, e, quase de imediato, ondas de prazer
formaram-se-lhe no ventre e espalharam-se sem controlo pelo sexo.
— Ethan – gemeu Miranda, apertando-lhe o ombro com uma das mãos
enquanto torcia a saia na outra. – Ethan.
— Deixa-te ir – murmurou ele junto à sua pele, e a vibração levou-a aos
píncaros numa explosão de sensações proibidas.
Meneou as ancas ao encontro da boca dele, pronunciando-lhe o nome
repetidas vezes num gemido enquanto Ethan lhe arrancava um gozo
crescente ao corpo ávido. Por fim, os estremecimentos diminuíram e o
formigueiro desvaneceu-se num sussurro.
— Este é o teu primeiro presente – disse ele por baixo dela. Em seguida,
Miranda sentiu um forte e agradável apertão no clitóris, que fez com que os
joelhos lhe cedessem.
Ethan pousou as mãos em concha no traseiro, acariciando os dois
globos enquanto a segurava e a fitava. Miranda sabia que os seus olhos
emitiam um brilho selvagem e não desviou o rosto.
— O que… o que é isso? – arquejou, engolindo em seco ao mesmo tempo
que a firme pressão no clítoris a fazia latejar de uma maneira perigosa e
sensual. Tratava-se de uma recordação permanente da sua excitação, um
toque que a excitava mas não lhe permitia ir mais longe.
Ethan voltou a puxar-lhe a combinação ao longo das coxas e em seguida
obrigou-a meigamente a largar a saia. Deixou-a cair sobre ela e levantou-se.
— É um brinquedo especial destinado a manter-te à beira do orgasmo, a
manter-te pronta para me receberes – explicou ao virar-se para lhe servir
um gole de xerez.
Estendeu-lhe o copo, e ela fitou-o. Ethan parecia tão calmo, como se
estivessem a discutir o tempo e não a mola com que ele apertara as suas
partes mais íntimas.
— Bebe – convidou ele, sorrindo.
Miranda engoliu o xerez de um trago. O ardor da bebida apenas
contribuiu para lhe avivar o calor que agora sentia entre as coxas,
estimulando-lhe o gozo mas sem lho permitir.
— Quero que a uses durante o resto do dia – explicou, recolhendo o
copo vazio. – E esta noite, na festa.
Miranda abanou a cabeça em busca de um motivo para poder conseguir
formar frases coerentes.
— Porquê?
Ethan aproximou-se mais.
— Porque quero que saibas a cada momento do resto do dia que és
minha. Sempre que te olhar do outro lado da sala, quero que sintas esse
beliscão de gozo. Quero que antecipes tudo o que tenciono fazer-te quando
te tiver a sós.
Miranda virou a cabeça ante aquela declaração e o brilho de posse nos
olhos dele.
— Mas… mas não é sexta-feira. Hoje não sou tua – contrapôs.
Ethan inclinou a cabeça e fitou-a durante um longo e pesado momento.
Em seguida, estendeu a mão e pousou-a na face. A expressão do seu olhar
mudou ligeiramente. A posse não desaparecera, mas juntara-se a algo mais,
um toque de ternura que nunca tinha visto naquele homem.
— Miranda, peço-te que a uses porque quero que tenhas aquela
sensação que apenas poderemos explorar mais tarde. Quero que a uses
porque me agradará saber que tens essa recordação. Por favor –
acrescentou, engolindo em seco.
A jovem arregalou os olhos ao ouvi-lo dizer «por favor». Ele não estava
a exigir que ela usasse o presente, estava a pedir-lhe que o fizesse, a dar-lhe
algum daquele precioso controlo que ela agarrava à mínima oportunidade.
Não podia recusar, nem recusar a si própria.
— Sim.
— Ótimo.
Sem desviar o olhar do seu rosto, pôs a mão por trás das costas e
agarrou numa caixa belamente decorada.
— E aqui está o teu segundo presente.
Miranda estremeceu; o clítoris latejava sem piedade. Que outros
brinquedos perversos lhe oferecia?
— Toma – incitou ele, balançando a caixa para trás e para a frente.
Foi com os dedos trémulos que estendeu a mão para receber o presente.
Quase se sentia como Eva com a serpente, como se estivesse a infringir
todas as regras que instituíra para si própria.
— O que é isso? – murmurou através dos lábios secos. Como é que ele
podia estar tão calmo? O seu corpo ardia-lhe da cabeça aos pés.
— Abre e vê.
Miranda estremeceu quando puxou pela fita e removeu a tampa da
caixa. Remexeu o papel luxuoso e aromatizado e encontrou uma macia
combinação de folhos.
— Oh, Ethan! – exclamou, arquejante. – Que bonita!
O conde humedeceu os lábios.
— Usa-a esta noite também.
A jovem examinou a peça de roupa interior. Era tão sensual e
encantadora. O tecido fino era da mais alta qualidade e não combinava
obviamente com o resto do seu guarda-roupa.
— Mas se a minha mãe…
Ethan abanou a cabeça.
— Usa-a por baixo de tudo. Só eu e tu saberemos, desde que a tua criada
seja tão discreta quanto o afirmas. Usa-a esta noite, Miranda – disse Ethan,
aproximando-se e acariciando-lhe levemente o queixo.
— Assim farei – sussurrou ela com um trémulo aceno de cabeça.
Ethan recuou.
— E agora é melhor regressares, antes que reparem na tua ausência.
Ver-te-ei daqui a poucas horas.
Miranda assentiu com a cabeça e virou-se para a porta. Mas antes que
pudesse sair, ele estendeu os braços e puxou-a para trás. Baixou a boca e
roçou os lábios suavemente nos dela. A jovem entreabriu-os, e ele aceitou o
convite, deslizando, saboreando, mas sem a possuir totalmente. Foi um
beijo terno, mas ainda assim excitante. O clítoris pulsou entre as suas
pernas e o sexo ficou húmido de um desejo renovado.
— Foge, Miranda – sussurrou, virando-a na direção da porta –, antes
que eu perca a cabeça.
Ela obedeceu e saiu apressadamente do quarto.
Ethan tamborilou com os dedos ao longo do copo de vinho vendo
desenrolar-se à sua volta o baile das Albright. Cavalheiros e damas
sorridentes, os mesmos que ainda há poucas semanas troçavam da
desgraça da família, dançavam agora ao som da talentosa orquestra.
Comiam e bebiam, apelidando o evento de celebração do verão.
Abanou a cabeça, pensando até que ponto aquela lealdade era
passageira. Claro que não lhes era superior, pois, um ou dois meses antes,
estaria a fazer exatamente o mesmo. Contudo, agora sentia-se irritado, pois
sabia que, dentro de mais algumas semanas, a sociedade podia voltar
facilmente a ostracizar as Albright. Só esperava que o seu dinheiro e o seu
apoio impedissem que tal se desse.
Perscrutou a multidão, ignorando amigos e alguns olhares
provocadores das suas ex-amantes. Da mesma forma que acontecera com
Cassandra uns dias antes, nenhuma daquelas mulheres o atraía
minimamente. Deixara de ser importante que, caso se aproximasse delas,
decerto ganharia uns momentos escaldantes num estúdio calmo ou num
atalho do jardim.
Claro que desejava esses momentos, mas com uma determinada
mulher. Nesse preciso instante, a multidão afastou-se e revelou-a.
Miranda.
Deu um passo na sua direção antes de se dar conta do que fazia e em
seguida parou. Deus do céu!
Não perseguia mulheres, embora a mera visão do seu perfil, enquanto
conversava com um grupo de senhoras, lhe despertasse emoções e
fantasias ridículas.
Miranda voltou-se ao sentir o olhar dele e sobressaltou-se ao perceber
que a observava. Os olhos cruzaram-se, e Ethan leu a excitação no seu
rosto. Por conseguinte, ela ainda usava o seu pequeno presente, continuava
pronta para ele, mesmo à beira do orgasmo. A jovem baixou o rosto e
corou, e ele não conseguiu dissimular um sorriso. Ela conhecia-lhe os
pensamentos.
Deu mais um passo na sua direção. Se conduzisse bem a manobra, podia
apanhá-la sozinha e aliviar a tensão dos dois corpos. Até mesmo um rápido
encontro seria preferível àquele desejo que o tornava consciente de cada
um dos movimentos dela.
Ignorando tudo à sua volta, começou a aproximar-se com determinação.
Contudo, antes de dar três passos, ouviu alguém guinchar o seu nome.
— Lorde Rothschild!
Ficou paralisado. Reconheceria o som da voz da mãe de Miranda onde
quer que fosse. Andara a esconder-se dela durante anos a fio, tentando
manter-se afastado da linha de visão da mulher.
Contudo, dado que aquela era a sua festa e ele a pagara, não podia
aplicar-lhe esse golpe.
Compondo um sorriso falso nos lábios, virou-se para ela.
— Ah, Mistress Albright! Que prazer vê-la! Lamento que a minha
chegada tardia não tenha permitido que nos cumprimentássemos
devidamente à porta.
— Oh, não tem importância! Estamos tão felizes por ter podido
aparecer.
Sorriu-lhe com os olhos brilhantes. Ethan achou que nunca tinha visto
Dorthea Albright com um ar tão feliz. Inclinou a cabeça enquanto a
observava subtilmente dos pés à cabeça. Nunca reparara muito nela, mas,
nesse momento, interrogou-se como era possível que aquela mulher
tivesse dado Miranda à luz. Não era alta nem esbelta, mas de estatura
média e formas um pouco arredondadas devido à idade e à maternidade.
Não tinha um cabelo louro e sedoso, mas de um castanho-rato. Contudo,
havia algo que Mrs. Albright tinha legado à filha: os seus luminosos olhos
azuis.
E, de repente, Ethan sentiu-se menos arrepiado.
— Sei que lhe escrevi uma carta, Lorde Rothschild, mas queria
agradecer-lhe pessoalmente a sua generosidade para com a minha filha,
Penelope – disse Mrs. Albright, dando-lhe uma palmadinha desajeitada no
braço. – Estou em falta por não lhe ter feito uma visita.
O arrepio voltou, e Ethan teve de fazer um esforço para manter o
sorriso. Dorthea Albright falava tão alto que todos à volta dele os fitavam. O
tato de Miranda, e os seus outros mais encantadores atributos, deviam ter
sido herdados do pai, de uma avó ou de uma prima afastada. De quem quer
que fosse, menos da mãe.
— O seu bilhete foi mais do que suficiente, querida senhora – disse ele
curvando-se numa ligeira vénia – Não precisamos de falar mais desse
assunto.
Ela abanou a cabeça.
— Precisamos, sim. Suplico um momento do seu tempo, milorde, num
sítio onde possamos falar em privado.
Ethan percorreu a sala com o olhar na direção de Miranda. Nesse
momento, ela estava na companhia de um homem, um homem atraente.
Ethan cerrou os punhos junto ao corpo ao mesmo tempo que um
inesperado aguilhão de ciúme o espicaçou, sobretudo quando o indivíduo
fixou demoradamente o decote de Miranda.
Não que Miranda notasse a apreciação, pois mal dava atenção à sua
companhia. Reparara na abordagem da mãe e fitava-os com um rubor mais
mortificado do que de excitação. Com os diabos!
Ethan odiava que o desejo que cultivara tivesse saído frustrado.
— Milorde? – repetiu a mãe dela.
— Sim, Mistress Albright – anuiu com um suspiro. – Claro que podemos
falar a sós.
Indicou-lhe o caminho com um gesto e saiu com ela da sala, ao longo do
corredor, até um escritório privado. Quando a mulher fechou a porta atrás
deles, olhou em volta. O que havia sido uma divisão sofisticada tornara-se
sombria. O forro dos sofás estava gasto e o papel de parede a descascar.
Tudo uma prova do que Miranda lhe tinha dito e ele adivinhara. O pai
colocara a família numa situação desesperante.
— Lamento o estado da divisão – desculpou-se Mrs. Albright com um
esgar. – A Miranda tem-se mostrado muito parcimoniosa quanto à
conservação da casa. Tenta agir como se fosse para nosso bem, mas é difícil
suportar a sua mesquinhez, sobretudo quando o pai zelava tanto pelo
nosso bem-estar. Tenho a certeza de que a sua avareza é injustificada.
Ethan premiu os lábios. Era aquilo, por conseguinte, o que Miranda se
via obrigada a suportar, aquelas críticas permanentes da mãe, que se
negava a enfrentar a realidade. Não era de admirar que Miranda parecesse
sempre cansada, nem que o estado do guarda-roupa fosse a última das suas
preocupações.
— Tenho a certeza de que a sua filha pensa no que é melhor para a sua
família – retorquiu, tentando desesperadamente controlar o tom de voz,
quando o que lhe apetecia era dizer que se calasse.
— Talvez – concordou Mrs. Albright com um encolher de ombros. –
Mesmo assim, duvido que a Penelope pudesse desfrutar de uma época alta
se não fosse a sua intervenção.
— Como lhe disse – reagiu Ethan, cerrando os punhos –, não
precisamos de tocar mais nesse assunto. Fornecerei os fundos necessários
para a apresentação da Penelope à sociedade. Só tem de me enviar as
contas.
Os olhos da mulher brilharam, e Ethan abafou uma praga. Tudo aquilo
ia sair-lhe muito mais caro do que pensara.
— É muito gentil, milorde. E sinto que devemos fazer algo para o
recompensar – pronunciou Mrs.
Albright dando um passo em frente e esfregando as palmas das mãos
uma na outra. – Interrogo-me sobre se haverá uma razão mais profunda
para a sua bondade do que qualquer dívida que tivesse para com o meu
querido Thomas?
Ethan inclinou a cabeça. De que é que ela estava para ali a falar?
Certamente desconhecia a verdade sobre o seu acordo com Miranda.
Dorthea Albright era, obviamente, uma mercenária, mas duvidava que
aprovasse que a filha negociasse a sua virgindade. Pelo menos, assim o
esperava.
— Não faço ideia do que possa estar a referir, minha senhora –
retorquiu num tom entediado e indiferente.
Mrs. Albright esboçou um sorriso cúmplice.
— Ora, Lorde Rothschild. Interrogo-me sobre se não terá sentido uma
atração pela minha querida Penelope? E se não deseja que ela tenha uma
apresentação maravilhosa para que a sociedade veja a gema que
descobriu?
Ethan pestanejou. Embora quase sentisse pena dela, parecia tão
esperançada.
— Uma atração pela Penelope? Não, minha senhora. Ela é uma jovem
encantadora, mas não tenho qualquer propósito a seu respeito.
— Nesse caso, a Beatrice? Ou a Winifred? – sugeriu ao mesmo tempo
que fazia dissipar o sorriso e franzia a testa. – A Winifred é um pouco jovem
para si, mas aprovaria a união dentro de alguns anos.
— Não faço tenção de conquistar qualquer delas, garanto-lhe –
respondeu. – Não há nenhum motivo oculto para o meu apoio às
temporadas delas.
Era mentira, mas não estava disposto a revelar a verdade.
Mrs. Albright mordiscou o lábio por um instante, como se estivesse a
reavaliar a situação. Em seguida, voltou a sorrir.
— Talvez passando algum tempo com elas o seu interesse aumente.
Depois de toda a sua ajuda, oferecer-lhe a mão de uma das minhas filhas é o
mínimo que posso fazer.
Ethan cambaleou para trás, tomado de pânico. Tinha cultivado uma
certa fama, que mantinha à distância uma parte das mamãs que apalpavam
terreno. Porém, havia outras que atribuíam mais credibilidade à sua
posição social do que ao seu carácter questionável. Dorthea pertencia sem
sombra de dúvida ao segundo grupo, disposta a ignorar as suas facetas
menos respeitáveis em troca do privilégio e do poder que lhe conferia o seu
título.
— Penelope, Beatrice e Winifred são todas muito bonitas e dotadas –
insistiu ela.
Ele fitou-a, demasiado chocado para responder, e, em seguida, percebeu
algo.
— A senhora não menciona a sua filha mais velha, Miranda – disse. –
Exceto para a criticar.
Dorthea suspirou e virou as costas.
— A Miranda é sem dúvida muito bonita e eficiente em muitas coisas.
Contudo, é excessivamente dinâmica e independente. Receio que tenha
herdado essa faceta do pai.
Ethan susteve uma risada cruel. Miranda era muito mais sensível e
controlada do que o pai tinha sido.
— E acha que eu não a desejaria por esse motivo?
Mrs. Albright fitou-o com um encolher de ombros.
— Ela já rejeitou uma quantidade apreciável de pretendentes para que
alguém queira conquistá-la.
Contudo, se quisesse casar com ela, não o desencorajaria. Como lhe
disse, tem muitas facetas positivas.
— Casar com a Miranda – repetiu ele.
As palavras mergulharam no seu íntimo com um zumbido semelhante
ao de milhares de abelhas.
Um casamento significaria que Miranda passaria a pertencer-lhe. Não
haveria despedida após uma noite pecaminosa de prazer. Não haveria
limitações ao tempo que passassem juntos. Ela seria dele, não apenas uma
noite por semana, nem um mês ou um verão… para sempre.
A noção de eternidade sempre o abalara, e dessa vez nada mudou. Um
futuro com Miranda seria maravilhoso, pelo menos durante algum tempo.
Contudo, acabaria por se fartar dela. Miranda ficaria magoada e triste.
Discutiriam, e ele seria infiel. Talvez se sentisse mesmo impelida a beber,
como acontecera à sua mãe.
Não era uma vida que se lhe adequasse.
— Lamento, Mistress Albright – disse. – Embora me sinta encantado
com a sua oferta, não faço tenção de casar.
Dorthea recuou, surpreendida com aquelas palavras.
— Não faz tenção? Mas é um conde e deve casar para assegurar a sua
progenitura.
Ethan suspirou. Caso desejasse que esta mulher o deixasse em paz, teria
de fazer jus à reputação que criara para si próprio, o suficiente para mantê-
la à distância, mas garantindo que continuaria a aceitar o seu dinheiro.
— A minha progenitura, querida senhora – declarou com uma voz
arrastada. – Tenho a certeza de que o meu legado se prolongará de
qualquer maneira. Por que razão necessitaria de herdeiros legítimos?
Posso desfrutar de tudo o que este título me proporciona e deixar a
garantia da progenitura aos meus irmãos mais novos ou a um primo.
Mrs. Albright arregalou os olhos e corou até à raiz dos cabelos.
— Como? Nunca pensei! Peço que me desculpe.
Rodou sobre os calcanhares e dirigiu-se para a porta. Quando ela bateu
nas suas costas, Ethan ficou sozinho. Contudo, isso deu-lhe pouca
satisfação, pois significava que apenas tinha por companhia os seus
pensamentos inquietantes.
— Mamã – sibilou Miranda, aparecendo da ombreira de uma porta
junto à divisão onde a mãe estivera a conversar com Ethan.
Dorthea virou-se e fitou-a. Oh, Deus do céu! A situação não era nada
positiva. Miranda reconheceu aquele olhar. A mãe estava ofendida,
ultrajada, e não ia escapar-se a ouvir tudo sobre o que acontecera.
— O que esteve a fazer? – sussurrou Miranda, quando a mãe a
enfrentou, bufando e resmungando entre dentes. – Vi que puxou Lorde
Rothschild de lado.
— Lorde Rothschild, de fato – retorquiu a mãe, batendo freneticamente
com o pé no chão enquanto olhava por cima do ombro para a porta da sala
fechada. – O homem é um canalha.
— O que aconteceu? – gemeu Miranda. – Ou será que quero saber?
— Queria simplesmente agradecer-lhe a sua generosidade – retorquiu a
mãe, irritada. – E oferecer-lhe em casamento a mão de uma das tuas irmãs,
como recompensa.
Miranda sentiu um aperto no coração.
— O quê? Não acredito que lhe tenha oferecido um casamento!
— Porque não? – redarguiu a mãe, inclinando a cabeça como se não
entendesse o problema. – Achei que ele seria um bom partido, sobretudo
para a Penelope, já que ela vai ser apresentada em sociedade. Até pensei
que ele podia ter-nos ajudado para conseguir acesso à tua irmã. Contudo,
ele destruiu-me totalmente essa ideia. Disse que não estava interessado em
nenhuma das minhas filhas!
Miranda pestanejou ao mesmo tempo que a dor surgia do nada e a
atingia como um soco no estômago.
— Ele disse isso?
— Sim – confirmou a mãe, voltando a olhar para trás. – Admitiu que
pretende ser um conde devasso e nem sequer quer casar nem ter
herdeiros! Consegues imaginar? Que desperdício de um título nobre!
A jovem assentiu com a cabeça, mas quase não a ouvia. Ainda estava a
recompor-se. Sabia que Ethan dissera o que dissera para manter a mãe à
distância. Nunca seria tão cruel a ponto de fazer aquela afirmação cara a
cara, mas, mesmo assim, tratava-se de um lembrete das suas intenções.
— Ter-lhe-ia respondido à letra, se não estivesse a dar-nos tanto
dinheiro. E deve aumentar a parada depois daquele breve encontro – disse
a mãe com um trejeito. – Bom, regressemos ao baile.
Não vale a pena perdermos mais tempo com esse canalha.
Miranda abanou a cabeça.
— Vá andando, mamã. Irei ter consigo daqui a pouco. Tenho de dar uma
palavra ao lacaio.
— Muito bem – anuiu a mãe, que já estava a olhar para o salão de baile.
– Mas toma cuidado contigo. Quem sabe quando é que esse homem horrível
voltará ao corredor. Não gostava que te comprometesses com esse ocioso
irresponsável.
— Claro que terei cuidado, mamã – sussurrou, fitando a porta da sala.
Esperou até a mãe desaparecer de volta pelo corredor antes de
endireitar os ombros e dirigir-se à sala onde Ethan permanecia.
Provavelmente, ele estava desapontado com a mãe dela e talvez não
quisesse vê-la. Contudo, era incapaz de se manter afastada. Mau grado toda
a dor e o constrangimento, havia uma ânsia que a empurrava para ele. Uma
necessidade ainda mais forte e palpável devido à mola com que ele lhe
apertara o clítoris umas horas antes.
Por conseguinte, abriu a porta e entrou.
Capítulo 13


—Ethan? – chamou Miranda baixinho, fechando a porta atrás das
costas. A divisão estava mergulhada na obscuridade e levou-lhe algum
tempo a habituar os olhos.
Em seguida, avistou-o. Ethan encontrava-se de pé junto à janela, onde
aparentemente estivera a contemplar o exterior. Porém, agora fitava-a com
as chamas da lareira a brilharem-lhe nos olhos.
— Olá, Miranda – saudou com uma voz sedutora que lhe acordou os
sentidos, dançando sobre a sua pele e descendo até ao seu sexo latejante.
Abafou um gemido e tentou recordar-se do motivo que a trouxera ali.
Concentração, precisava de concentração.
— Eu… eu peço desculpa pela atitude da minha mãe – sussurrou com a
voz embargada ao mesmo tempo que se aproximava dele quase
involuntariamente. O corpo excitado superava a razão. – Ela contou-me o
que te disse. Nunca devia ter-te oferecido um casamento como uma espécie
de reembolso pelo teu patrocínio.
Corou ao pensar no que já designava como «reembolso.»
— Apeteceu-me dizer-lhe que já estava a ganhar mais do que o
suficiente pela minha «generosidade» – retorquiu com um sorriso felino
quando ela se aproximou –, mas sustive os meus piores impulsos. Não me
parece que ela ficasse feliz por conhecer o nosso acordo, especialmente
porque é tão idiota que não vê a verdade quando esta está diante dos seus
olhos.
— A verdade? – repetiu Miranda, obrigando-se a parar fora do seu
alcance. Que verdade? Que ele não queria nenhuma das jovens Albright?
Tentou afastar a ferroada daquela ideia e concentrar-se na sua resposta.
— Sim. A tua mãe é completamente idiota, muito mais do que tinha
imaginado – disse ele. – Acha que o seu futuro depende do casamento
apropriado de uma das tuas irmãs mais novas, mas não é verdade. O futuro
dela depende de ti.
Afastou-se da janela e aproximou-se, girando à volta dela, mas sem lhe
tocar. O calor do corpo masculino e o leve odor do creme de barbear
envolveram-na. Desejou ansiosamente pegar-lhe na mão e pousá-la no seu
seio, esfregar-se contra ele como uma gata, roubar-lhe um beijo se ele não
lho desse.
Contudo, as palavras da mãe ainda lhe soavam nos ouvidos.
— O que queres dizer com o seu futuro depende de mim? – conseguiu
articular num tom trémulo.
— Observei-te esta noite e vi como outros homens te olhavam. Podias
descobrir facilmente uma forma de voltares a cair nas boas graças dos
cavalheiros da sociedade. Podias optar por ser mulher ou amante de
qualquer deles.
Miranda engoliu em seco e sentiu um nó apertado na garganta em
simultâneo com um latejar entre as pernas. As palavras dele eram
chocantes, mas estava decidida a não reagir como uma tola inocente.
— Ah, sim? – retorquiu num tom fingidamente afetado. – Talvez
devesse fazer isso quando o nosso acordo terminar.
Ethan parou e ela apercebeu-se de que cometera um erro ao provocá-lo.
Dissera aquilo para o magoar tanto como ele a magoara ao opinar que não
queria nada com nenhuma das mulheres Albright.
Em vez disso, tinha ateado aquele sentido de posse que espreitava junto
à superfície e nesse momento lhe ensombrava o rosto.
— Quando estavas com eles, pensaste naquela mola que te coloquei? –
inquiriu com voz áspera.
A primeira reação de Miranda foi a de ignorar a pergunta e dirigir-se
rapidamente para a porta, mas era tarde de mais, pois Ethan não permitiria
e agarrá-la-ia antes que ela desse dois passos. Só lhe restava a opção de
responder e falar honestamente, por mais que lhe custasse.
Assentiu com a cabeça, ao mesmo tempo que as faces se lhe
ruborizavam.
— Claro que pensei. Sabias que o faria, e foi esse o motivo do teu
presente. Querias que me lembrasse de ti, independentemente de com
quem estivesse ou do assunto que discutíssemos. Era um constante
lembrete de… – interrompeu-se.
— Do quê? – disse ele, rodeando-lhe a cintura com o braço e atraindo-a.
– De mim? Do meu pénis todo enterrado em ti? Da maneira como gritas o
meu nome quando te vens?
Miranda assentiu com a cabeça; um tremor correu-lhe por todo o corpo
ao inclinar o rosto para receber um beijo. Ansiava por ele e receava fazer
quase tudo para ter nem que fosse um ligeiro toque do que desejava. Era
esse o poder que Ethan detinha sobre ela.
— E, por um único momento que fosse, julgaste que qualquer outro
homem poderia satisfazer-te tanto como eu? – inquiriu num tom rouco,
com os lábios pairando sobre os dela.
Miranda entreabriu os lábios, deixando escapar um grito abafado.
— Não – admitiu.
Ethan baixou os lábios e esmagou os dela, punindo-a com o seu beijo
áspero, ofertando-lhe gozo.
O corpo da jovem pulsou selvaticamente, perto do orgasmo apenas com
aquele toque relativamente leve. Gemeu, arqueando-se contra ele, tentando
alcançar o orgasmo por que ansiara desde essa tarde.
— E não queres outro homem além de mim? – insistiu, empurrando-a
contra a janela até o seu traseiro tocar no vidro, transmitindo-lhe o frio
através do vestido de cetim. Por um breve momento, pensou que alguém lá
em baixo podia vê-los, mas não se importou. Aquela ideia só contribuiu
para que se sentisse ainda mais excitada.
— Foste sempre tu – confessou, arquejante. – Nunca houve ninguém,
nunca haverá ninguém que me faça desejar assim. Por favor, por favor.
Aquela declaração pareceu surpreendê-lo. Recuou com um olhar
ardente, mas sobressaltado.
Porém, voltou a esmagar-lhe os lábios e colocou as mãos em concha à
volta do seu traseiro, erguendo-a e abrindo-lhe as pernas.
Miranda gemeu de prazer ao mesmo tempo que as suas extremidades
nervosas pulsavam descontroladas. Havia sido estimulada durante tantas
horas pelo presente dele que estava louca de desejo, a tal ponto que se
sentia assustada.
— Possui-me – gemeu contra o seu ouvido, aplicando beijos escaldantes
no seu pescoço. – Por favor, faz com que me venha. Preciso de vir-me.
Ethan acelerou os movimentos ante aquele pedido. Puxou-lhe a saia,
enrolando-a até o ar fresco da sala lhe roçar a pele sensível. Miranda estava
totalmente consciente de cada carícia, de cada mudança de temperatura, de
tudo.
Mas sobretudo dele. O mero toque dos seus nós dos dedos quando lhe
afastou a combinação bastou para que meneasse selvaticamente as pernas.
A respiração dele na sua pele tornou-a ciente de como estava excitada,
molhada e pronta.
E quando estava quase a vir-se, ele parou.
— Estás a usá-la – gemeu ele.
Miranda arquejou, sem saber momentaneamente ao que Ethan se
referia.
— A combinação? Claro. Deste-ma.
Um ligeiro sorriso perverso aflorou-lhe os lábios.
— Mais tarde vou despir-te e ver-te com ela. Mas por agora…
Puxou as calças, desapertando os botões com gemidos frustrados, e em
seguida o membro surgiu, inchado, ereto e pronto. Ela passou a língua
pelos lábios. Nunca o desejara tanto; não queria ternura, mas só o desejava
a ele. Com violência e rapidez. Queria que ele a levasse aos píncaros e a
possuísse. Talvez não fosse para sempre; na verdade, sabia que não seria
assim. Contudo, naquela noite, ninguém podia arrancar-lhe o prazer.
Ethan agarrou-a com as mãos em concha, arrancando-lhe um grito.
— Estás a pingar – gemeu. – Tão pronta.
— Por favor – sussurrou Miranda, arqueando-se na sua direção e
indiferente à súplica que fazia. – Por favor, por favor, por favor.
— Sim – anuiu ele, colocando-se em posição e empurrando. A fenda
molhada não ofereceu resistência, e ele enterrou-se todo com uma única
estocada.
Miranda agarrou-se aos seus ombros ainda cobertos à medida que o
prazer ameaçava fazê-la desmaiar. A visão turvou-se e todo o seu corpo
estremeceu com a força da união. Ele continuou a encavá-la
impiedosamente, rebolando as ancas para que o clítoris inchado se
esfregasse nele.
Fitou-a sem nunca abrandar o ritmo e, em seguida, enfiou a mão entre
ambos. Encontrou a mola com que a prendera e, com um movimento do
pulso, retirou-a. A reação foi imediata.
Miranda gritou com um prazer que se lhe apoderou de todo o corpo.
Deixara de focar-se no clítoris, mas espalhara-se por todo o lado. A
sensação provocou-lhe um formigueiro nos dedos dos pés, invadiu-lhe os
seios, tornou os braços pesados e inúteis. Meneou as ancas contra ele e as
lágrimas escorreram-lhe pelas faces à medida que o orgasmo se
prolongava. E Ethan continuou o movimento rotativo das ancas, continuou
a estimulá-la a cada estocada. Fê-la ondular com mestria, e ela limitou-se a
agarrá-lo, exausta, sem que ele parasse.
Ethan apertou-a com força, permanecendo dentro do seu sexo trémulo
e latejante enquanto a afastava da janela. Virando-se, transportou-a até ao
sofá, onde a deitou e cobriu com o seu corpo.
Beijou-a profunda e avidamente, e ela sentiu que o corpo amolecido
ficava de novo em chamas.
Como é que ele podia fazer-lhe aquilo, mantê-la sempre à beira do
precipício? A próxima onda abateu-se sobre ela e apenas conseguiu
aguentar-se, enquanto ele lhe arrancava cada vez mais prazer a cada
ímpeto.
Ethan sentiu que perdia o controlo à medida que aumentava o ritmo. O
orgasmo dela fez com que o sexo ficasse mais apertado, tornou-a mais
quente e molhada. Era quase demasiado. Contudo, não bastava. Ele só
queria estar dentro dela, permanecer dentro dela. Guardá-la como uma
parte dele, sem ter de discutir ou pensar nisso.
Queria-a, apenas. Na totalidade.
Miranda ergueu os lábios ao encontro dele, apertando-o, e ele explodiu.
Tapou-lhe a boca com a dele para abafar o seu rugido de pleno gozo ao
mesmo tempo que ejaculava profundamente no seu ventre.
À medida que o prazer se esbateu, os beijos de Ethan tornaram-se
menos fortes e mais suaves. As mãos dela deixaram de apertá-lo e começou
a acariciar-lhe as costas. A união passara de posse a ternura. Ethan recuou,
surpreendido, fitando-a. Miranda devolveu-lhe o olhar com igual surpresa,
como se também se tivesse apercebido da mudança.
Ele abriu a boca para dizer algo quando se apercebeu de um movimento
pelo canto do olho. Ergueu o rosto e deparou com a irmã mais nova de
Miranda, Penelope. Ela mantinha-se na ombreira da porta, observando-os,
com a boca aberta. O rosto refletia todas as emoções que a percorriam.
Estava simultaneamente horrorizada e excitada, receosa e estimulada.
Há quanto tempo estivera a observá-los?
Subitamente, Penelope deu-se conta de que ele a examinava. Os olhos
de ambos cruzaram-se, e ela tapou a boca antes de girar sobre os
calcanhares e fugir sem uma palavra.
— Ethan? – murmurou Miranda debaixo dele, erguendo-se para lhe
aconchegar o rosto e virá-lo na sua direção. Tinha um rosto suave à luz da
lareira e esboçava um sorriso hesitante e inseguro.
Fitou-a, ao mesmo tempo que sentia o peso das consequências do que
sucedera. Penelope vira-os.
A expressão dela indicou-lhe que ela observara o tempo suficiente para
saber que era a irmã com quem ele copulava tão apaixonadamente.
E agora tinha de dizer a Miranda. Partir-lhe o coração, horrorizá-la e
destruir um encontro que um momento antes roçara a perfeição. Sentiu um
aperto no peito ante a ideia de magoá-la daquela forma.
Beijou-a ao de leve antes de se levantar e começar a arranjar-se. Pelo
franzir dos seus lábios, percebeu que aquele afastamento a confundia e
perturbava.
— Miranda, tenho de te dizer uma coisa – começou, detestando o que
estava prestes a fazer.
A jovem lutou para se sentar, alisando o vestido. Tinha os olhos muito
abertos de expectativa, uma emoção que tentou disfarçar, sem conseguir.
— O quê?
Ethan mexeu-se, tentando encontrar a maneira menos dolorosa de a
informar, mas não havia nenhuma.
— Miranda, alguém… alguém acabou de nos ver – disse meigamente.
A jovem levantou-se de um salto e ficou tão pálida que ele estendeu a
mão para a agarrar, caso estivesse prestes a desmaiar. A respiração saía-lhe
em arquejos enquanto o fitava.
— Viu-nos? – repetiu num tom à beira da histeria. – Da janela?
Ethan abanou a cabeça sem lhe largar o braço, agora mais suavemente,
passando os dedos pela pele macia numa tentativa desajeitada para a
acalmar. Miranda baixou os olhos para a mão dele, observando-o a acariciá-
la. Tinha uma expressão nublada e impenetrável.
— Não, minha querida, não foi da janela. Eu devia ter fechado a porta à
chave quando percebi que seria incapaz de esperar para te possuir –
suspirou. – Porém, estava um pouco perturbado e só estou habituado a
fazer essas coisas na minha casa ou em casas menos respeitáveis com
mulheres muito menos respeitáveis, onde ser apanhado não causa
quaisquer problemas, exceto algum embaraço.
Miranda inclinou a cabeça.
— Perdeste o controlo?
Ethan encolheu-se. Era esse, então, o problema? Mas não podia lidar
com isso de momento.
Tocou-lhe na mão.
— Alguém abriu a porta, Miranda. Ignoro durante quanto tempo nos
observou. Quando percebeu que a vi, fugiu.
Miranda entreabriu os lábios sensuais e tapou a boca com a mão.
— Não – murmurou, soltando um gemido magoado através dos dedos,
enquanto cambaleava uns passos para trás. – Não, não. Quem foi? Deus do
céu! Estou totalmente arruinada. Destruída. Deus do céu, as minhas irmãs…
os seus futuros... Oh, não, não, não…
— Chiu – acalmou-a Ethan, estendendo os braços, desejoso de a apertar
de encontro ao peito e confortá-la. Contudo, ela recusou e afastou-se,
enquanto os seus gemidos magoados continuavam a ecoar no quarto que
os separava.
O conde premiu os lábios, magoado pela recusa do seu apoio. Um
momento! Magoado? Nem pensar, ninguém o magoava, especialmente uma
mulher como ela. Endireitou os ombros.
— Foi a Penelope que nos viu, e, a julgar pela sua expressão, já estava a
observar-nos há tempo suficiente para saber que eras tu que eu encostava
contra a janela – declarou num tom frio e metódico.
Miranda virou-se para ele com uma expressão tão horrorizada e
humilhada que quase o atingiu como um golpe físico. Era o que Ethan
receava, que o encontro de ambos lhe parecesse um erro aos seus olhos,
algo que quisesse apagar.
— Penelope? – repetiu e as mãos começaram a tremer-lhe. – Não.
A última palavra assemelhou-se a um sussurro, mas foi mais dolorosa
do que qualquer dos seus gemidos anteriores. A derrota transpareceu-lhe
no rosto, uma tristeza tão profunda que ele a sentiu nas entranhas,
juntamente com algo que não se permitia sentir há muitos, muitos anos.
Culpa.
Fizera isto a ela ao oferecer-lhe um negócio demoníaco, ao levá-la a
ultrapassar os seus limites sexuais, exigindo-lhe um prazer repetido,
reivindicando cada vez mais.
Miranda pestanejou, atordoada.
— Tenho… tenho de ir procurá-la. Preciso de lhe falar – disse ao mesmo
tempo que se virava e se dirigia para a porta com passos trémulos.
— Espera, espera, Miranda! – exclamou, apanhando-a com três rápidas
passadas, agarrando-lhe no braço e puxando-a. – O que vais dizer-lhe sobre
o que viu?
— Oh, meu Deus! – gemeu, tentando soltar-se, o que ele não permitiu.
— Talvez devesse ser eu a falar-lhe. Tu não sabes explicar-lhe o que ela
viu.
Miranda fixou-o, e algo que nunca lhe vira antes brilhou nos seus olhos.
Experiência e conhecimento. Na verdade, quando o observou naquele
momento, sentiu-se como se fosse o estudante e ela a professora.
— Achas que não, Ethan? Sei muito mais do que possas pensar. Na
verdade, creio que sou a pessoa indicada para explicar o que ela viu. Afinal,
eu costumava observar-te quando te encontravas com as tuas amantes
junto ao lago da tua propriedade, todos os verões. Esgueirava-me todas as
semanas para assistir às coisas chocantes que farias a seguir.
Ethan largou-a e recuou com uma expressão chocada.
— Fazias isso?
Um rubor coloriu-lhe as faces, mas manteve o queixo erguido e assentiu
com a cabeça.
— Sei exatamente o que assistir a uma cena dessas pode fazer a uma
garota, que pensamentos podem ocorrer-lhe. Pode mudá-la para sempre –
respondeu, com uma expressão preocupada. – Mudou-a para sempre.
A confissão de Miranda afundou-se no seu íntimo, provocando-lhe um
misto de pensamentos eróticos e vergonhosos. Não era de admirar que a
jovem se tivesse mostrado sempre tão aberta a todos os prazeres que ele
queria partilhar com ela. Já assistira a todos e observara os seus hábitos
sensuais. E também vira o pouco que essas outras mulheres haviam
significado aos seus olhos.
— Miranda – ofegou ao mesmo tempo que uma série de perguntas lhe
afloravam à mente.
A jovem abanou a cabeça e virou as costas.
— A Penelope é minha irmã e preciso de ser eu a explicar-lhe tudo isto.
Se não o fizer, as consequências podem ser terríveis.
Ethan franziu o sobrolho.
Ela pretendia dizer que lamentava ter observado as suas escapadelas
sexuais? Que isso a afetara de uma forma negativa?
— Miranda… – repetiu.
A jovem virou-se para ele com um olhar furioso e cheio de lágrimas.
— Por favor, Ethan. Basta. Vai-te embora. Vai para casa. Por favor.
Sem lhe dar tempo para responder, correu em direção à porta e deixou-
o sozinho com um emaranhado de pensamentos que o invadiram à mistura
com mil perguntas, mil recordações e mil emoções que nunca tinha
desejado sentir.
Capítulo 14


Miranda percorreu rapidamente os corredores sinuosos e os cantos da
casa à procura da irmã.
Inundada por emoções selváticas, sentia a histeria formar-se no peito,
ameaçando enchê-la de culpa e de arrependimento. O que havia feito? O
que é que Penelope estava a sentir e a fazer?
Não, não podia deixar que os sentimentos levassem a melhor. Contudo,
depois de rebuscar todos os lugares secretos e cantos escuros onde,
quando eram miúdas, se haviam escondido e sussurrado, e não
encontrando vestígio da irmã, as emoções falaram mais forte. A cada
fracasso quanto a encontrar Penelope, os seus receios ameaçaram que os
joelhos lhe cedessem.
Conhecia demasiado bem a irmã. Penelope não ia simplesmente
regressar à festa e fingir que tudo corria normalmente, depois do que tinha
visto.
Oh, meu Deus! O que ela tinha visto!
Miranda encostou-se por um momento à parede, tentando recompor-se.
Aquele encontro com Ethan fora o mais animalesco e apaixonado desde
que haviam fechado o acordo. Existira um desespero em ambos, que ela
sentira no beijo de Ethan, embora lutasse contra ele no seu íntimo, um beijo
que a abalara e mudara.
Teria recebido bem essa mudança se ao menos, no instante em que o
seu mundo mudou, não tivesse também sem dúvida alterado o mundo da
irmã. Penelope era uma inocente e sentia-se provavelmente chocada ou
mesmo destruída.
Miranda forçou-se a permanecer forte e continuou a sua busca. Podia
ouvir o som da música à distância e rezou para não ser apanhada pela mãe,
pois estava toda despenteada e perturbada. Seria muito difícil enfrentar
essa censura.
Esgueirou-se através de uma porta da criadagem, que levava ao
exterior. Caso Penelope tivesse fugido do salão, teria usado a pequena
escada e a porta secreta escondida. Seria apanágio da irmã desejar respirar
o ar fresco, longe dos limites sufocantes da casa e do alcance da
intrometida mãe.
Miranda saiu para o ar frio da noite e olhou em volta. Se caminhasse
para a esquerda, encontraria os jardins principais por trás do terraço do
salão de baile. Era improvável que Penelope tivesse optado por esse
caminho, arriscando encontrar outras pessoas no seu estado de tristeza.
Miranda optou por seguir pela direita e dirigiu-se a um mirante do lado
oposto do relvado, longe da casa principal. Dava para as colinas que faziam
parte da propriedade adjacente de Ethan, embora a escuridão impedisse
Penelope de testemunhar a sua frescura.
Não que Miranda acreditasse por um segundo que a irmã tivesse o
cenário em mente quando saíra a correr. Miranda percorreu
apressadamente o relvado, apenas iluminado pelo brilho da lua cheia.
Ao chegar junto ao pequeno mirante, ouviu o som de uma pessoa em
movimento, de arquejos sustidos. Em seguida, aproximou-se o suficiente
para avistar o contorno sombrio da irmã, sentada no banco ao centro do
mirante, de ombros curvados.
Invadiu-a uma sensação de alívio, a que se seguiu o medo. O que é que a
irmã pensaria dela nesse momento?
— Penelope? – chamou quando se encontrava a alguns passos.
A respiração ofegante parou e a figura endireitou-se, sobressaltada.
— Consigo ver-te, minha querida – disse Miranda meigamente. – Não
vale a pena esconderes-te.
— Vai-te embora! – disse Penelope, levantando-se e dando meia volta
para fitar Miranda.
O luar incidiu no rosto da irmã, e Miranda encolheu-se. Penelope tinha o
rosto molhado de lágrimas e a boca retorcida de tristeza.
— Não posso – suspirou Miranda. – Sei o que viste; temos de falar sobre
isso.
O rubor tingiu as faces de irmã, que virou a cara, afundando-se de novo
no banco no meio do mirante. Miranda fitou o lugar vazio ao lado dela.
Sentiu-se tentada a ocupá-lo e a abraçar Penelope para a reconfortar.
Porém, tudo na linguagem corporal da irmã lhe indicou que ela não
desejava esse conforto. Estava demasiado horrorizada e confusa para ser
tocada, especialmente por Miranda.
Por conseguinte, Miranda recuou e apoiou-se no corrimão.
— Porque foste à sala? – perguntou, apalpando terreno com o máximo
cuidado. A irmã já estava angustiada e uma palavra errada poderia estragar
tudo.
Penelope fitou o chão sob os pés.
— A mamã começou a resmungar por não teres voltado a aparecer e
pôs-se a falar de fugires aos teus deveres. Esgueirei-me para te vir buscar e
levar de volta, antes que ela ficasse frenética.
Miranda esfregou os olhos. A sua leal irmã tinha ido protegê-la, o que
piorava a situação.
— Ouvi ruídos na sala e pensei que pudesses ser tu. Então, abri a porta
– prosseguiu Penelope, sustendo a respiração – e vi Lorde Rothschild com
uma mulher encostada à janela. De início, fiquei demasiado chocada para
dizer ou fazer alguma coisa.
Miranda premiu os lábios. Como conhecia bem aquele sentimento.
Tinha sido tomada por uma sensação de choque e incerteza da primeira vez
que vira Ethan com uma das suas amantes. Isso e a perceção de que devia
virar as costas, embora não conseguisse fazê-lo.
A respiração ofegante de Penelope fez com que Miranda regressasse ao
presente.
— E depois, ele moveu-se um pouco e vi que eras tu a quem… ele fazia
aquilo. Fiz um movimento e abri a boca para o deter. Achei que ele devia
estar a forçar-te, mas em seguida gemeste e sorriste. E percebi que
gostavas, que não estavas a ser forçada nem a resistir.
Miranda baixou a cabeça. Sentia-se envergonhada com as palavras da
irmã, mas não podia nem ia negá-las só para salvar as aparências.
— Não, não estava – sussurrou finalmente.
Penelope fitou-a com uma expressão brusca e em seguida desviou o
olhar.
— Essa perceção impediu-me de dizer algo. Limitei-me a observar-vos.
Não consegui virar as costas. E depois, ele ergueu o rosto e viu-me. Então,
fugi. Não sabia o que fazer. Apenas… fugi – concluiu num fio de voz.
Miranda esboçou um aceno de cabeça.
— Assim que o Ethan... Lorde Rothschild... me informou que nos tinhas
visto, vim à tua procura.
Lamento que tenhas assistido à cena, Penelope. Não desejava chocar-te
assim por nada deste mundo.
Pela primeira vez, desde que Miranda a encontrara, Penelope não
desviou o olhar.
— Trataste-o pelo primeiro nome. Isso deve significar que sentes uma
certa proximidade com ele, para além do que vi esta noite.
Miranda mordeu o lábio. Há semanas que andava a mentir à irmã,
furtando-se às suas perguntas, afastando as suas intuições. Agora, devia-lhe
honestidade, quanto mais não fosse para esclarecer a confusão de Penelope
e aliviar-lhe a dor e o choque.
Ainda assim, a irmã chegara ao cerne da questão, a lugares donde
Miranda tentara desviá-la desde a primeira vez que se dirigiu a casa de
Ethan e lhe pediu ajuda. Penelope referia os sentimentos mais profundos
que nutria por ele.
Aqueles que receava mais do que qualquer toque.
Penelope continuou antes que Miranda se visse forçada a comentar: –
Não foi a primeira vez que fizeste aquilo com ele, pois não?
Pelo menos, essa pergunta era mais simples.
— Não – admitiu Miranda –, não foi.
Penelope sentou-se em silêncio, ponderando aquela declaração. Em
seguida, abriu muito os olhos e levantou-se de um salto.
— É por isso, Deus do céu, é por isso que ele se ofereceu para
patrocinar a minha temporada, não é verdade? É afinal à casa dele que tens
ido todas as semanas. Não à de Lady Ingleworth, mas à sua casa, para ele…
ele poder fazer-te essas coisas.
Miranda encolheu-se. Posto naqueles termos, o acordo entre ambos
parecia tão vulgar, tão ordinário, quando era algo muito mais profundo.
Pelo menos para ela.
— Há umas semanas fui ter com o Ethan e informei-o da nossa situação.
Pedi-lhe ajuda, sabendo perfeitamente que ele exigiria qualquer tipo de
compensação em troca – suspirou. – Ele pediu como pagamento… –
acrescentou ao mesmo tempo que o sangue lhe afluía ao rosto. – Ele
desejava-me, e eu acedi.
Penelope abanou a cabeça.
— Fizeste isso por mim. Entregaste a tua virgindade para que eu
pudesse ter uma época alta. Oh, Miranda, lamento tanto. Nunca desejaria
tal coisa. Deves sentir-te pessimamente.
A voz da irmã soçobrou, e ela tapou o rosto com as mãos e pôs-se a
chorar silenciosamente.
Miranda deu um passo em frente, abanando a cabeça. Não podia deixar
que Penelope acreditasse que ela havia sido forçada a fechar um acordo
que detestava.
— Não, Penelope, não chores. É verdade que firmei o acordo com o
Rothschild por ti e pela nossa família. Contudo, o que fiz nunca foi terrível.
Fi-lo por nós, mas… – hesitou – ... também o fiz por mim. Desejei entregar-
lhe a minha inocência. Desejei os prazeres pecaminosos ofertados por ele.
Nunca fui obrigada a nada. Entrei no acordo sem escrúpulos.
A irmã baixou vagarosamente as mãos e fitou-a com uma expressão
chocada.
— Não, não pode ser verdade.
Miranda corou ainda mais.
— É verdade. Há… há algo em mim, Penelope, algo de que nunca te falei.
Durante anos, ansiei por paixão, desejo e por prazer. É esse o motivo por
que não aceitei nenhuma das propostas de casamento que me fizeram ao
longo dos anos. Olhava para esses homens que me pediam a mão e nenhum
deles se encontrava à altura das fantasias que tinha em mente.
— Fantasias – repetiu a irmã num tom cavo.
Miranda acenou com a cabeça e decidiu ocultar que Ethan sempre havia
sido o motivo.
— Porém, com o Ethan, sabia que seria livre para querer, sentir, desejar,
e tal aconteceu. Lamento que nos tenhas visto e ficasses magoada por isso.
E lamento ter-te mentido. Contudo, não…não posso lamentar ter firmado
esse acordo.
— Como podes dizer que não te arrependes? – disparou Penelope,
levantando-se de um salto e agarrando as mãos da irmã, apertando-lhe os
dedos com tanta força que a magoou. – Terás de cometer uma fraude ou
contar a qualquer pretendente toda a verdade sobre a tua virgindade. Seja
como for, perdeste a oportunidade de um bom casamento e de uma vida
normal.
Miranda soltou os dedos com um suspiro.
— Talvez te tenha escapado, mas já não há uma fila de homens a
proporem-me casamento. Mesmo que assim fosse, temo que a minha
reação fosse idêntica. Penelope, não me parece que seja talhada para o que
designas como uma vida «normal». Não desejo afetos educados e relações
distantes.
Quando estou nos braços do Ethan, envolve-me o calor e o desejo. Não
poderia contentar-me com menos a partir de agora.
Ficou surpreendida com a verdade existente naquelas palavras. De
alguma forma, pensara que após ter expurgado aqueles desejos durante
algumas semanas, eles iam desaparecer e levá-la a aceitar uma relação mais
normal e tranquila, caso encontrasse essa oportunidade. Em vez disso,
quanto mais tempo passava com Ethan, menos imaginava uma vida sem
paixão.
Uma vida vivida sem… ele.
— Estás apaixonada por ele – declarou a irmã num tom de voz isento de
emoção, afastando-se um pouco.
Miranda soltou uma exclamação abafada. De início, ao ouvir Penelope
dizer que havia uma proximidade entre ela e Ethan, fora uma realidade
difícil de enfrentar. Contudo, agora, expressara a mais profunda e tola
emoção que Miranda podia associar a um homem capaz de admitir sem
rodeios que ela não passava de um jogo aos seus olhos, uma conquista
temporária. E as palavras da irmã ressoaram no seu íntimo com uma
dolorosa verdade.
Miranda estava apaixonada por ele. Talvez uma parte dela sempre o
estivera desde o primeiro momento em que ele havia inconscientemente
despertado a sua verdadeira natureza, três anos antes.
O tempo que passara ao seu lado durante o último mês havia cimentado
esses sentimentos. O fato de saber que ele podia ser em simultâneo terno e
dominador, meigo e controlador… somente aprofundara as emoções que
havia tentado ignorar mesmo quando a apanhavam de surpresa.
— É complicado – sussurrou Miranda com um aperto no coração.
— Casará contigo, agora que te arruinou? – ripostou Penelope,
cruzando os braços.
Miranda fechou os olhos e tentou afastar as fantasias inspiradas pela
pergunta. Não podiam passar disso mesmo, de fantasias.
— Duvido muito. Ele repetiu várias vezes que não tem desejo de casar.
— Vou contar à mamã – ameaçou Penelope, após uma fria pausa.
— Não! – ripostou Miranda, arregalando os olhos. – Não, Penelope. Se o
fizesses, estragarias tudo.
Ela armaria uma cena, seria incapaz de se controlar. Se a verdade fosse
tornada pública, arruinaria as tuas chances de um bom casamento, e a
Beatrice e a Winifred seriam banidas pela alta sociedade.
Se o fizeres, não teremos oportunidade de recompor a nossa situação
financeira. Podíamos muito bem acabar na rua e vermo-nos forçadas a algo
muito pior do que o Ethan me pediu.
Penelope respirou fundo, e a Miranda só lhe restava esperar que ela
estivesse a ponderar as implicações.
A irmã estreitou os olhos.
— Muito bem. Não contarei à mamã, mas apenas para salvar a Beatrice
e a Winifred, e não a ti.
Miranda esboçou um trejeito, mas assentiu com a cabeça.
— Compreendo.
Penelope soltou uma gargalhada desagradável.
— Também gostava de compreender. Durante todo este tempo, julguei
que não tinhas casado porque querias amar alguém. Mas, na verdade, foste
simplesmente egoísta e desejavas uma grande paixão.
Uma fantasia idiota.
Miranda tapou a boca e um gemido de dor escapou-se-lhe por entre os
lábios. Penelope, a sua melhor amiga e também sua irmã, fitava-a nesse
momento com um enorme desprezo.
— Eu…
Penelope ergueu a mão.
— Não. Já ouvi o suficiente. Juro-te, Miranda, que farei o que tu não
quiseste fazer. Desistirei de quaisquer esperanças que pudesse ter para o
meu futuro, caso tal signifique garantir segurança a esta família. Aceitarei a
primeira proposta de casamento que receber de um cavalheiro em posição
de nos ajudar.
Miranda abanou a cabeça.
— Não, não podes sacrificar-te dessa maneira.
Penelope encolheu os ombros.
— Entregaste o teu corpo para me disponibilizares a oportunidade.
Farei o que quiser para tirar partido da situação. E se tentares deter-me –
prosseguiu, virando as costas –, revelarei o teu ato, arruinando-nos a todas.
Não quero falar novamente sobre o assunto, Miranda. Agora, tenho de
regressar à festa e voltar à minha caçada. Tenho de encontrar um marido
adequado e depressa, antes que fiques sem mais nada de que abdicar para
me ajudares.
— Penelope! – gritou Miranda, cerrando os punhos.
Contudo, a irmã ignorou-a, desceu do mirante e atravessou a escuridão
rumo à casa.
Miranda entrou no salão de baile com um falso sorriso desenhado nos
lábios frios. As próximas horas seriam uma tortura e, contudo, nada podia
fazer para lhes escapar.
Percorreu o salão com o olhar. Os convidados continuavam a girar em
torno da pista de dança ao som da música alegre. Ainda desfrutavam das
bebidas a rodos. Miranda vacilou. Como é que a vida de todos os outros se
mantinha inalterável quando parecia que a dela explodira? Como podiam
ignorar que ela não era a mesma mulher que ainda há pouco se escondia
sob as saias da mãe?
Afinal, conhecia muito bem o motivo. Eram as suas mentiras que
ocultavam a verdade. Compusera aquele sorriso falso que lhe provocava
uma dor no rosto e subira ao quarto para se arranjar antes de voltar à festa.
A verdade residia simplesmente em mais uma coisa que enterraria no seu
íntimo.
— Ah, chegaste finalmente!
Miranda suspirou quando a mãe avançou ao seu encontro pelo meio da
multidão, com uma expressão carrancuda.
— Onde estiveste?
— Precisava de apanhar ar fresco, mamã – disse com um encolher de
ombros. – Mas agora regressei e não voltarei a sair.
A resposta pareceu acalmar a mãe, que assentiu com a cabeça.
— Muito bem. Tu e a tua irmã não se despediram de Lorde Rothschild
quando ele se foi embora mais cedo. Depois do nosso prévio e horrível
encontro, a minha opinião sobre ele baixou muito, mas teria sido preferível
que estivessem aqui para se despedirem e salvar as aparências.
Miranda assentiu com a cabeça, mas criara uma carapaça frente às
permanentes censuras da mãe.
Então, pela primeira vez, Ethan fizera o que lhe tinha pedido.
Abandonara a festa. Devia sentir-se agradecida, pois a sua presença apenas
serviria para perturbar Penelope, mas não era alívio o que sentia.
Era perda. Ansiava por ver Ethan, confortar-se com a presença dele,
falar-lhe das duras palavras da irmã no jardim. O fato de desejar tudo isso
apenas cimentava a realidade de que o amava e deixara de sentir-se
chocada.
Nada havia a fazer.
— A Penelope tem levado o seu dever muito mais a sério, desde que
regressou ao salão de baile.
Miranda voltou a prestar atenção ao ouvir o nome da irmã.
— O quê?
— Parece ter compreendido que o seu casamento pode ser a nossa
salvação – respondeu a mãe com uma expressão de júbilo. – Olha para ela,
rodeada de cavalheiros.
A mãe abrangeu toda a sala com um gesto orgulhoso, e Miranda
sobressaltou-se. Na verdade, a irmã era o centro das atenções. À sua volta
giravam viúvos ricos, aristocratas e homens em busca de herdeiros
legítimos. Todos preenchiam os requisitos financeiros necessários para
salvar a família e todos faziam com que Miranda se arrepiasse por
diferentes razões.
E se o olhar vazio de Penelope constituía algum sinal, a irmã partilhava
os mesmos pensamentos.
— Mamã, não deixemos que a Penelope se case apenas por dinheiro –
insistiu Miranda, apertando o braço da mãe, envolto em seda. – Podia vir a
ser tão infeliz…
— Não há outra escolha, Miranda – ripostou ela, soltando-se. – Devias
sabê-lo melhor que ninguém.
E não quero que uses a tua influência sobre ela para interferir, ouves
bem?
Quando a mãe virou as costas e avançou pesadamente pelo salão,
Miranda combateu as lágrimas.
— Não tenho qualquer influência, mamã – sussurrou. – Nem mesmo
sobre as minhas emoções, muito menos sobre as da Penelope.
Capítulo 15


Ethan percorria o quarto de um lado para o outro, incapaz de pegar no
sono, embora já tivessem passado muitas horas desde que obedecera a
Miranda e abandonara a casa dela. À sua mente acorriam recordações
agradáveis e desagradáveis. Imagens da entrega de Miranda, a perversão
do seu corpo contra o dele e, inevitavelmente, a dor nos seus olhos quando
a colocara a par da espionagem de Penelope. Contudo, havia algo que se
sobrepunha ao emaranhado dos seus pensamentos e lhe martelava a
cabeça como um tambor inevitável.
Culpa.
Há muito que Ethan cortara com essas emoções, praticamente na
mesma altura em que aceitou que o seu carácter tinha sido formado pelos
antepassados. Não podia mudá-lo, mas apenas render-se-lhe e esforçar-se
ao máximo por reduzir a dor que causava aos outros.
Era esse o motivo por que nunca mantinha uma amante mais do que
uns meses e também porque sempre escolhia mulheres experientes que
não queriam mais do que alguns encontros apaixonados.
Era esse o motivo por que nunca casara nem tencionava fazê-lo.
Contudo, Miranda entrara no seu mundo e quebrara as regras que ele
tinha imposto a si próprio.
Ela era diferente de qualquer outra mulher que levara para a cama.
Concedera-lhe um prazer alucinante, mas também lhe agitara o coração de
uma forma que tanto tentara ignorar.
E que compensação lhe tinha dado? Quebrara o precioso elo que ela
partilhava com a sua irmã mais chegada. Não duvidava que a relação entre
ambos mudara para sempre, e tudo porque ele perdera a cabeça e o corpo
com o prazer de tocar em Miranda, sem pensar nas consequências.
A culpa não lhe agradava. Esquecera a forma como esse sentimento o
devorava, semelhante a veneno.
Bebeu um gole do uísque de que se servira e em que não tocara há
quase uma hora. O líquido morno e envelhecido queimou-lhe a garganta,
mas não lhe acalmou os pensamentos conturbados.
Se fosse outro homem, vestiria a pele de um herói. Regressaria a casa de
Miranda, deitaria a porta abaixo e exigiria a oportunidade de emendar o
que destruíra. Isso… significava supostamente casar com ela.
Com um arrepio, Ethan serviu-se de outro uísque. Era a segunda vez
que tinha ponderado a situação nessa noite.
Mas que pensamento, Deus do céu! Sim, conservaria Miranda ao seu
lado, o que constituía uma ideia tentadora, pelo menos de momento.
Contudo, era aí que residia o problema. Conhecia-se demasiado bem. Não
era a primeira vez que se deixava encantar por amantes, mas esse desejo
sempre findava. Era óbvio que nunca sentira por qualquer delas o mesmo
que o ligava a Miranda, mas estaria disposto a arriscar? Vincular-se para
sempre e depois cansar-se dela no prazo de semanas ou de meses?
Contemplou o futuro que o esperava se tomasse essa decisão. Ela
desejaria filhos, e ele provavelmente acederia a essa vontade. Porém, não
seria um pai para eles, ignorava como o fazer. O seu próprio pai não
constituía decerto um modelo a seguir.
E o velho também não fora um marido exemplar. Com o tempo, depois
de mil pequenas ofensas e traições, Miranda ficaria magoada e a dor
transformar-se-ia em raiva e em seguida desespero. Ela era forte e, por
conseguinte, talvez não optasse por afogar as mágoas na bebida, como a
mãe o fizera, mas as consequências seriam imensas e dolorosas para todos
os implicados.
Não, atos heroicos não eram a resposta, mas devia haver algo que
pudesse fazer para consertar o que havia sido quebrado; ou, pelo menos,
dar a Miranda algum tipo de compensação pelo que se perdera.
As temporadas.
Ethan deixou de andar de um lado para o outro e pousou a bebida. Tudo
havia começado porque Miranda desejava aquelas temporadas. Ele podia
dar-lhas, sem pedir mais do que ela já lhe havia concedido em troca. Não
era a solução ideal. Afinal, ele não se fartara dela e não iria apagar o fato de
a irmã os ter visto juntos. Deixá-la ir seria…
Impossível.
Não podia fazê-lo, por enquanto. Ethan passou a mão pelo rosto e soltou
uma praga. Era demasiado egoísta para romper os laços com Miranda, mas
de que outra forma poderia salvá-la? Ajudá-la?
Deixou de andar às voltas no quarto. Havia uma segunda oferta em
perspetiva. Não era perfeita, mas, caso ela aceitasse, podia tê-la e protegê-la
sem que o futuro dos dois fosse afetado.
Já era alguma coisa.
Dirigiu-se à porta e puxou a campainha para chamar Winston.
Momentos depois, o mordomo apareceu.
— Sim, milorde?
— Vai chamar o Brideson. Preciso de falar com ele imediatamente.
— O lacaio, senhor? – inquiriu Winston, franzindo o sobrolho.
Ethan acenou com a cabeça, e Winston esboçou uma vénia e foi à
procura do indivíduo. O lacaio que mantinha um caso secreto com a criada
de Miranda podia enviar-lhe uma última mensagem. E
esperava que o gesto que se dispunha a fazer pudesse contribuir em
algo para lhe minorar a dor.
De momento, era isso que desejava fazer acima de tudo.
«Por favor, vem ter comigo.
Rothschild.»
Miranda fixou aquele simples bilhete, lendo-o três, talvez quatro vezes
desde que Angelica o entregara uns momentos antes. Ao contrário de
anteriormente, não havia insinuações na mensagem dele, nem qualquer
ameaça subtil. Tratava-se de um simples pedido, formulado de uma
maneira simpática.
Ainda assim, Miranda não conseguiu detetar um significado subjacente.
Ele desejava que fosse ao seu encontro para discutir o que se passara na
noite anterior? Queria que ela aparecesse para continuar a ligação de
ambos, como se a noite anterior não tivesse acontecido? Ou talvez
desejasse terminar tudo pessoalmente.
Miranda levantou-se com um arrepio e atirou o bilhete para a lareira.
Sentiu-se receosa. Desejava e, por outro lado, não desejava ver Ethan.
Apesar de todas as tentativas para afastar as imagens dele da sua mente,
ele ocupara todos os seus pensamentos desde a noite anterior. As imagens
de Ethan eram tão poderosas que mal conseguira dedicar a sua atenção a
outras pessoas no sarau.
Permanecera obviamente na festa, cumprindo o seu dever e observando
desanimada como as intenções da irmã se tornavam cada vez mais claras,
mas tinha a cabeça e o coração noutro lugar.
Nunca se sentira tão só e concluiu que Ethan era a pessoa que mais
desejava.
Eram essas as razões que a levavam a temer ir vê-lo nesse dia. Sabia
perfeitamente como era idiota amá-lo, desejar o seu apoio, desejar mais do
que o prazer devastador que ele podia proporcionar. Enfrentá-lo, com os
seus sorrisos presunçosos e a sua irresistível sensualidade apenas serviria
para a chamar ainda mais à realidade.
E tinha algum receio de se lançar nos seus braços e suplicar conforto e
amor, o que somente contribuiria para arruinar tudo, mais do que já estava.
Porém, não havia como evitá-lo. Ethan acenava e ela não podia recusar.
Por conseguinte, tinha de comparecer e dar o seu melhor para controlar as
emoções, como ele sempre fazia.
Contemplou-se uma última vez no espelho. Até mesmo ela podia ver
que parecia cansada devido à noite agitada de insónia. Contudo, remediar a
situação era impossível.
Miranda desceu as escadas e forçou um sorriso ao entrar na sala do
pequeno-almoço, porém, quando transpôs a porta, verificou que apenas
Penelope se encontrava à mesa, a ler o jornal da manhã, sem tocar no prato
com ovos, brioches e salsichas que arrefecia ao seu lado.
Miranda sentiu um aperto no coração quando a irmã lhe deitou um
olhar de relance e voltou a centrar a atenção no jornal sem a
cumprimentar.
— Bom dia – tentou Miranda, fechando a porta atrás de si e dirigindo-se
ao aparador para se servir de alguma comida. Não que tivesse fome, mas,
mesmo assim, tratava-se de uma tentativa de se reconciliar com a irmã,
agora que as emoções já não estavam à flor da pele, como acontecera na
noite passada.
Penelope não respondeu nem acusou a presença da irmã mais velha
quando ela ocupou o lugar habitual ao lado da irmã. Miranda sacudiu o
guardanapo e pousou-o no regaço.
— Onde estão as outras? – perguntou.
Penelope não desviou os olhos da leitura.
— A mamã e as meninas ainda estão na cama por se terem deitado
tarde. Eu não consegui dormir.
Miranda fechou os olhos devido ao tom acusador da irmã.
— Também tive dificuldade em adormecer.
Apenas obteve o tiquetaque do relógio como resposta.
Virou-se na cadeira e olhou a irmã de frente.
— Por favor, Penelope. Decerto não fazes tenção de me ignorar
totalmente para o resto da tua vida.
Sei que estás irritada e confusa.
— Não estou confusa – contrapôs a irmã, enfrentando finalmente o seu
olhar. – Sei exatamente como me sinto e aquilo que vi. E também sei
exatamente o que fazer agora.
— Sim, as tuas intenções foram bem claras ontem à noite. Decidiste
casar por dinheiro, talvez só para me magoares? – reagiu Miranda,
erguendo os braços. – Que tipo de futuro é esse?
— O futuro que preciso de cumprir – declarou Penelope com um
suspiro, virando a página do jornal e concentrando-se de novo na leitura. –
E tal como te disse na noite passada, não quero falar sobre esse assunto.
Não quero os teus conselhos sobre como manipular os homens.
Miranda cerrou os punhos debaixo da mesa, tomada por uma onda de
raiva. Entendia perfeitamente que a irmã se sentisse chocada e mesmo
desapontada, mas a sua atitude começava a irritá-la.
Penelope nem sequer tentava compreender o seu ponto de vista.
— Talvez deva ir-me embora antes que troquemos ofensas – suspirou. –
Ainda mais dolorosas do que as que foram ditas.
A irmã estreitou os olhos e fixou-a novamente.
— Onde é que vais?
Miranda hesitou. Tencionava obviamente ir ter com Ethan, mas essa
confissão só ia piorar a situação. Todavia, não queria prosseguir com as
mentiras.
— Vou dar um passeio – respondeu, por fim, esperando que a irmã não
a pressionasse mais.
As suas esperanças saíram frustradas quando Penelope arregalou os
olhos.
— Vais ter com ele, não é verdade?
Miranda levantou-se e dirigiu-se à janela do outro lado da sala.
— Sim – anuiu num tom suave. – Ele pediu para me ver.
— Então, despacha-te. Não queres chegar atrasada ao encontro com o
Rothschild, certo? – reagiu Penelope, abanando a cabeça. – Sabe-se lá o que
ele exigiria se o fizesses.
— As coisas não são assim – gritou Miranda, mas as palavras soaram a
falso. Fora assim no passado e, na verdade, ignorava o que Ethan exigiria ou
não agora.
— Não interessa – disse a irmã, recostando-se na cadeira, como se
tivesse sido derrotada. – Vai e faz o que ele te pedir. Não quero pensar
nisso. Preciso de me concentrar naquilo que tenho de fazer no futuro.
Miranda baixou a cabeça. Encontrava-se numa situação insustentável. A
irmã estava prestes a cometer um erro terrível, mergulhando
insensatamente em qualquer casamento que se lhe apresentasse e,
contudo, Penelope recusava ouvir qualquer conselho da sua boca. E
também não aceitaria conselhos de quem quer que fosse. A mãe apoiaria o
esquema e as outras irmãs eram demasiado jovens para prestar uma ajuda
adequada.
Miranda suspirou e foi colocar-se junto ao ombro da irmã.
— Penelope…
Não obteve qualquer reação, mas, mesmo assim, Miranda insistiu.
— Sei que neste momento te sentes magoada e irritada comigo.
Entendo perfeitamente, quer acredites ou não. É óbvio que não deixarás
que te afaste dos teus esquemas, nem me darás a oportunidade de me
redimir ou de explicar os meus atos. Pelo menos, de momento. Contudo,
quero dizer-te uma coisa.
A irmã continuou de olhos fixos no jornal, mas Miranda sentiu que a
escutava.
— Penelope, não posso impedir que aceites a primeira proposta de
casamento de um homem capaz de ajudar financeiramente a nossa família.
Contudo, espero que, quando casares, encontres a paixão.
Os ombros da irmã encolheram-se sob a tensão nervosa.
— Posso não estar feliz por te sentires magoada com o que fiz, mas no
que se refere ao tempo que passei com o Ethan, não vou pedir desculpa por
isso – suspirou. – A paixão e o desejo são coisas poderosas e maravilhosas.
E continuo a acreditar do fundo do coração que uma vida sem elas é uma
vida sem verdade. De momento, talvez não estejas de acordo, mas penso
que um dia virás a compreender. Pelo menos, assim o espero.
Penelope não ergueu os olhos, e Miranda dirigiu-se à porta.
— Vemo-nos quando hoje regressar mais tarde.
Em seguida deixou a irmã e a casa, resolvida a enfrentar o destino com
o homem que lhe ensinara tudo o que sabia sobre paixão e desejo. E, goste-
se ou não, amor.
— Bom dia, Winston – saudou Miranda, esperando não parecer
assustada quando o mordomo abriu a porta e lhe deu passagem.
— Bom dia, Miss Albright – respondeu o mordomo, acenando com a
cabeça. – Lorde Rothschild aguarda-a.
As mãos de Miranda começaram a tremer, e ela escondeu-as atrás das
costas. Deus do céu!
Precisava de algum tempo a sós para se recompor. A caminhada não
tinha servido para lhe acalmar os nervos, como havia esperado. Afinal, cada
passo só a tornara mais ansiosa.
— Não é preciso acompanhar-me pelas escadas. Conheço o caminho.
O mordomo inclinou a cabeça.
— Na verdade, miss, Sua Senhoria não solicitou que fosse conduzida ao
local de encontro habitual.
Sabe onde fica o lago da propriedade?
Miranda sentiu um nó na garganta. Se sabia onde ficava o lago?
Perfeitamente, embora não tencionasse admiti-lo ao mordomo. Lamentava
ter de fazê-lo a Ethan. O que pensaria dela?
— Miss?
Forçou-se a acenar com a cabeça.
— S-sim.
— Lorde Rothschild irá ter consigo daqui a pouco. Precisa que a
acompanhe?
Miranda abanou a cabeça enquanto o seguia até um salão e atravessava
as portas duplas que levavam a um terraço e a umas escadas dando para os
jardins situados nas traseiras da casa.
— Não. Consigo encontrá-lo sozinha.
— Muito bem, miss.
Miranda tentou concentrar-se quando saiu para o exterior e tomou a
direção do lago. Em vez disso, a sua mente rebelde transbordava de
recordações do que havia testemunhado do seu esconderijo nos bosques,
junto à água; e das recordações de Ethan, acariciando-a com paixão.
Quando o lago se recortou à distância, suspirou. Ethan estava
visivelmente a tentar transmitir-lhe uma mensagem com aquela escolha do
local de encontro, mas era incapaz de decifrar o conteúdo da mesma. Podia
ser uma oferta de tréguas, uma tentativa de sedução ou uma maneira de
romper os elos que os uniam.
Sentou-se à beira da água, à espera, e o olhar desviou-se para os
bosques. Daquele local, pareceram-lhe mais densos do que no interior. Não
conseguiu lembrar-se exatamente do local do seu esconderijo. Os ramos e
as folhas decerto o haviam tapado por completo. Não era de admirar que
Ethan ficasse surpreendido com a sua confissão.
— Onde é que te escondias?
Sobressaltou-se com a voz de Ethan e pôs-se em pé. Ao voltar-se,
avistou-o descendo lentamente a colina até ficar ao seu lado. Olhou-o de
alto a baixo, bebendo a sua figura, como sempre acontecera.
Nesse dia, ele parecia mais formal do que da primeira vez quando ela
aparecera um mês antes a pedir-lhe ajuda, mas não tanto como no baile da
noite anterior, quando se mostrara um cavalheiro da cabeça aos pés.
Apesar do laço no pescoço, denotava um olhar cansado e uma barba
áspera no queixo bem definido.
Miranda queria desesperadamente tocar-lhe; em vez disso, manteve os
punhos cerrados ao lado do corpo.
— Estive a tentar descobrir, mas não consigo.
— Então, era o lugar perfeito – sorriu ele. – Senta-te aqui – convidou,
indicando o lugar onde ela o aguardara. – Também ficaremos confortáveis.
Miranda acenou com a cabeça. Não era o que esperava depois da noite
anterior. No passado, Ethan sempre se havia mostrado trocista e
dominador. Fora terno, mas nunca tão amistoso, como se estivesse a tentar
pô-la à vontade.
Talvez fosse esse o caso. Talvez também ele reconhecesse a estranheza
da situação atual. E, embora apreciasse a tentativa, no íntimo desejava
aquela sedução dominadora, que compreendia e a que sabia reagir.
Aquilo… aquilo era confuso.
— Preferia não te ter confessado a verdade – disse, virando a cabeça e
olhando para a água. – Nunca quis que ninguém soubesse o que… fiz.
Ethan estendeu a mão e os dedos quentes acariciaram-lhe o queixo
antes de lhe virar o rosto na sua direção.
— Estou contente por saber. Isso explica muitas coisas.
O sangue afluiu-lhe às faces, mas Miranda não desviou o olhar.
— Tais como?
Ele sorriu.
— Olhares sempre para mim como se conhecesses os meus segredos.
Foi por isso que me atraíste, embora soubesse que jamais poderia
concretizar esses desejos.
Miranda inclinou a cabeça.
— Ainda não percebo como conseguiste ler os meus pensamentos com
tanta clareza, muito antes de nos conhecermos realmente.
Ethan suspirou e afastou os dedos do rosto dela.
— Nem eu mesmo sei, mas é verdade. Reparei em ti, Miranda. Observei-
te e desejei-te, mas nunca pensei que viesse a possuir-te. Talvez nunca o
devesse ter feito.
A jovem mulher sentiu um aperto tão grande no coração que mal
conseguia respirar. Porém, manteve um tom de voz comedido.
— Lamentas o que fizemos? Por causa dos problemas que a minha mãe
e a minha irmã causaram.
Sei que dificulta a situação. Tenho a certeza de que as tuas outras
amantes nunca te levantaram problemas do género.
Ethan fitou-a.
— Problemas para mim? Não. Referia-me a que talvez não o
devêssemos ter feito devido ao que te causou. Cheguei a pensar que talvez
nem conseguisses sair de casa para vires ter comigo depois de ontem à
noite.
— O que terias feito se te mandasse recado de que me impediam? –
inquiriu Miranda, recuando.
— Teria ido ao teu encontro – respondeu com naturalidade. – Contudo,
sinto-me contente por não me ver obrigado a ultrapassar a tua mãe para
falar contigo. Este é um assunto que só a nós diz respeito.
Não diz respeito à tua família.
Miranda tapou os olhos e suspirou.
— Quem me dera que isso fosse verdade, Ethan. Porém, agora deixou de
ser apenas entre nós. A noite passada alterou a situação, e não há retorno.
Ethan franziu a testa e denotou uma expressão suave e compreensiva.
Tratava-se novamente de emoções a que ela não sabia como reagir, vindas
dele. Pareciam tão estranhas num rosto onde até então só vira o reflexo de
paixão, controlo e desejo.
— O que aconteceu depois de nos termos separado ontem à noite? –
perguntou ele meigamente. – Quero ouvir tudo.
Miranda suspirou. Há doze horas que desejava contar-lhe, falar com ele,
receber o seu conforto. E, nesse momento, vendo-se confrontada com tudo
aquilo, ignorava como começar, sem revelar demasiado de si nem da
situação em que se haviam metido.
Todavia, não lhe restava alternativa. Ethan nunca tinha aceitado recusas
e duvidava que começasse a fazê-lo agora. Contou-lhe lentamente a história
de ir atrás da irmã, o desagradável encontro das duas no mirante, a súplica
atendida de que Penelope mantivesse em segredo o que testemunhara e,
por fim, a última troca de palavras dessa manhã.
Ocultou apenas o fato de a irmã a ter ajudado a entender até que ponto
o amava. Era uma confissão que não poderia fazer. Nem agora, nem nunca.
Quando acabou, Ethan manteve-se em silêncio durante um longo
momento. Limitou-se a contemplar a água, observando um casal de gansos
que nadavam para a margem oposta do lago.
— Desculpa, Miranda. Nunca foi minha intenção magoar-te –
pronunciou finalmente num tom suave.
— Espero que o saibas.
Miranda fitou-o, boquiaberta.
— Tu, magoares-me? Não, fui eu que me magoei. Sabia desde o primeiro
momento que as minhas mentiras poderiam atormentar-me. A Penelope
suspeitou das tuas intenções e das minhas atitudes a partir do momento
em que te ofereceste para patrocinar a sua temporada, e eu comecei a
divagar sobre Lady Ingleworth. – Esfregou os olhos. – Só não sabia que
quebraria a minha relação com o único membro da família a que me sinto
fortemente ligada. Contudo, a culpa é minha. Sabia o que desejarias e o que
exigirias de mim… provavelmente ainda antes de vir aqui nessa primeira
tarde.
Não posso mentir e dizer que não era o que tinha desejado ou acordado.
Ethan estendeu o braço e pegou-lhe na mão, aconchegando-a entre as
palmas. Observou os dedos entrelaçados, como se ponderasse o significado
do ato.
— Quero ajudar-te, sabes bem.
Miranda fitou-o, admirada com aquela repentina bondade e a atenção
para com ela. Tratava-se de uma descoberta perigosa e inesperada. Levava-
a a desejar encostar-se ao seu peito, ser abraçada e consolada. Tudo coisas
que nada tinham a ver com ele.
— Não me parece que possa fazer-se algo. A minha irmã está furiosa e
magoada. Esperemos que isso mude, mas não me parece que qualquer
intervenção da minha ou da tua parte acelere o processo.
Encontro-me num caminho e ela noutro, pelo menos por agora.
Estamos as duas a tentar ajudar a nossa família, por isso talvez esse
objetivo comum volte a ligar-nos no futuro.
Ethan franziu o sobrolho.
— Fizemos o pacto de manter este acordo até ao final do verão e de nos
encontramos uma única vez por semana. Contudo, acho que poderia fazer
mais por ti e pela tua família, Miranda. Acho que poderia impedir a
Penelope de se lançar num casamento mercenário, sem amor.
Miranda estremeceu ao pensar no que a irmã desejava fazer.
— O que poderias fazer? Estou disposta a ouvir qualquer sugestão.
Ethan pigarreou e mudou de posição como se estivesse incomodado.
Era estranho ver como não parecia à vontade na sua própria pele, o único
sítio onde ela sabia que estava totalmente satisfeito e controlado.
— Miranda, e se alterássemos o nosso acordo? Gostaria… –
Interrompeu-se e fitou-a. A intensidade do seu olhar queimou-a e
paralisou-a, ainda que desejasse virar as costas. – Quero que te tornes
minha amante.
Capítulo 16


Pronto. Dissera-o com todas as palavras. Ethan franziu a testa. Não se
sentiu tão aliviado como julgara. E Miranda não parecia tão satisfeita como
ele pensara quando revolvera mentalmente a ideia vezes sem conta
durante a noite passada.
— Tua… tua amante? – repetiu ela, engolindo em seco. Empalidecera e
mantinha os olhos azuis muito abertos e plenos de um tal misto de
emoções que ele não conseguia separá-las nem identificá-las.
Ethan assentiu com a cabeça. Quão terríveis eram aquelas palavras
vindas da boca dela, como se estivesse a oferecer-se para a comprar de uma
outra maneira. Por que razão se sentia repentinamente culpado ao colocar-
lhe a alternativa?
Pigarreou e tentou esclarecer.
— Sim. Não tenho uma verdadeira amante há… bom, há muito tempo.
Tenho amantes, mas são todas temporárias. Porém, quando tinha amantes,
cuidava delas. Podia dar-te uma bonita casa em Londres, onde organizarias
as temporadas das tuas irmãs. Certificar-me-ia de que terias conta aberta
em todas as lojas e de que a tua família era convidada para todos os eventos
em que a sua presença pudesse ser desejável e útil.
Miranda abanava a cabeça, mas sem dar a sensação de que concordava
ou entendia as suas palavras. Era mais como se precisasse de se mover
para libertar um pouco da tensão que lhe fervilhava no corpo.
— E seríamos, obviamente, muito discretos – prosseguiu ele. – Sei que
não te encontras na posição de mulheres que por regra se tornam amantes.
Pelo menos até a tua família solucionar os problemas financeiros, os teus
atos podiam arruinar as suas oportunidades. Dessa forma, teria a certeza
de que o teu nome ficaria a salvo.
Miranda levantou-se e caminhou até à beira do lago. Contemplou a
água, mantendo-se no mais absoluto silêncio.
Por fim, a sua voz interrompeu a pesada tensão que se formara entre
eles.
— Deus do céu! Pensas em tudo, não é verdade?
Ethan acenou com a cabeça, ponderando se devia ou não ir ter com ela,
tocar-lhe. Desejava, só Deus sabia como, desejava atraí-la de encontro ao
corpo, abraçá-la, beijá-la e acariciá-la até fazer com que esquecesse, pelo
menos durante um pouco, as dificuldades que a noite anterior lhe trouxera.
Contudo, a julgar pelas aparências, não era isso o que ela desejava dele,
pelo menos de momento.
Assim, permitiu-lhe esse espaço.
— Sim – anuiu. – Comecei a ponderar isto na noite passada e não
consegui pensar em nada mais desde que a ideia me ocorreu. Disseste-me
muitas vezes que tomarias em consideração uma vida de amante quando o
nosso acordo terminasse.
Engoliu em seco o gosto amargo que aquele pensamento sempre lhe
causava. A imagem de Miranda com qualquer outro homem desagradava-
lhe em absoluto. E aquela combinação evitaria que tal acontecesse, pelo
menos até conseguir suportar a ideia.
— Se realmente falavas a sério, não podias considerar-me como teu
protetor?
Miranda virou-se para o fitar com uma expressão tão indecifrável que
ele recuou. Ethan sempre conseguira ler-lhe o pensamento; era uma das
coisas que o fascinavam. Miranda nunca fingia nem ocultava nada. Era
simplesmente como era e não arranjava desculpas pelo que lhe ia no
coração.
Nesse momento, esse mesmo coração estava trancado, e Ethan
descobriu que perdera a ligação que o unia a ela desde que haviam fechado
o acordo.
— Passei um mês contigo – pronunciou Miranda baixinho – e não
duvido de que serias um protetor maravilhoso para qualquer mulher que
tivesse a sorte de partilhar a tua cama e ser tua amante.
Ethan não percebeu uma vez mais as emoções que acompanharam a
resposta da jovem. Sentia-se aliviado com a ideia de que ela lhe pertenceria,
mas também desanimado. Como se desejasse… alguma coisa mais, embora
estivesse perfeitamente consciente de que era tudo o que podia oferecer-
lhe.
— Isso significa que aceitarás a minha proposta?
— É tentadora, Ethan – respondeu num tom trémulo, embora
mantivesse uma expressão corajosa. – Tal como sempre foste tentador para
mim. Contudo, tornar-me tua amante não me ajudaria, mas apenas
contribuiria para cavar um fosso mais profundo entre mim e a Penelope. E
quando te cansasses de mim, ficaria em muito pior situação do que aquela
em que me encontro agora.
Ethan abanou a cabeça.
— Mas eu prometo pagar as temporadas das tuas irmãs até…
— Até quando? – interrompeu-o mais uma vez com aquele sorriso
estranho e cansado. – Até uma delas arranjar um marido rico? Até as três
estarem casadas? Até tu encontrares uma nova amante que te interesse
mais? Não, Ethan. Não posso depender das promessas que fazes quando
ainda me desejas. Quando esse sentimento acabar, virás a lamentar ter feito
esse acordo, e eu…não conseguiria suportar perder o teu respeito. Neste
momento, é tudo o que me resta.
— Então, não aceitas? – retorquiu o conde, franzindo o sobrolho.
— Não posso – disse, fixando o chão, entre os pés. – Gostaria de dizer
que sim, mas não posso.
Ethan fechou os olhos. Portanto, ela não lhe pertenceria para além do
acordo que haviam firmado.
Apenas lhe restaria o verão, que se esgotava a um ritmo
impressionante. Tão rapidamente que não bastaria. Nesse momento, soube
tão bem como sabia o seu nome, que mais dois meses de prazer não
atenuariam em nada a mágoa que sentia.
Todavia, se era somente isso o que lhe restava…
Miranda estremeceu e continuou de olhos baixos.
— Na verdade, também eu estive a ponderar a nossa situação desde a
noite anterior. E temo que haja apenas uma solução. Uma solução que
detesto, mas é tudo o que posso fazer.
Ethan inclinou a cabeça ante a tristeza que lhe detetava na voz, como se
estivesse prestes a perder algo que significava muito aos seus olhos.
Susteve a respiração quando percebeu o que se passava.
Ela não podia querer dizer… ela não iria…
— Miranda… – começou, como se pudesse impedir as palavras dela com
uma súplica. Não queria ouvi-las.
— Não posso prosseguir o acordo que fizemos no mês passado – disse
ela, estremecendo.
— Impossível – ripostou ele, abanando a cabeça. – Não é o que desejas.
A jovem ergueu o rosto e a dor que os olhos expressavam era quase
impossível de suportar.
— Achei estupidamente que podia aceitar a tua oferta sem
consequências, mas o preço a pagar pelo prazer foi demasiado elevado. E
por mais que deseje continuar a encontrar-me contigo, continuar… – uma
lágrima correu-lhe pela face, e ela limpou-a com as costas da mão e um
franzir de sobrolho – ...continuar a estar contigo, não posso.
Ethan cerrou os punhos. Invadiu-o uma dor tão profunda como nunca
sentira. Eliminara esses sentimentos há tanto tempo que foi apanhado
desprevenido. Fora por esse motivo que trancara o coração, por detestar o
descontrolo que a mágoa lhe provocava.
Contudo, aparentemente desta vez era incapaz de dominá-lo. Por mais
que tentasse, não conseguia uma maneira de concordar com Miranda e
deixar que ela se afastasse. Queria que ficasse, embora não pudesse dar-lhe
o que ela desejava, ser o que ela desejava.
Porém, só lhe restava uma alternativa, a única coisa que tentara evitar
com todas as fibras do seu ser. Mas, nesse momento, via-se confrontado
com uma escolha: fazer a proposta a que tantas vezes se evadira no
passado ou perder Miranda.
Quando redigida nestes termos, só existia uma resposta.
— Então, casa comigo – explodiu, admirado com a sua reação.
Miranda recuou, de olhos arregalados. Ethan não podia censurá-la pela
sua incredulidade. Ele próprio experimentava a sua dose de surpresa. O
que estava para ali a dizer?
— Não falas a sério – murmurou. – Ainda na noite passada disseste à
minha mãe que não fazias tenção de casar.
Ethan hesitou. Era verdade, dissera isso, e na altura falara verdade.
Contudo, agora, o desejo de conservar Miranda ao seu lado, de a ajudar,
superava a sua aversão à felicidade conjugal. Embora os seus motivos para
permanecer solteiro não tivessem desaparecido, eram secundários.
— Disse realmente isso à tua mãe – concordou –, em parte para a
chocar e levá-la a deixar-me em paz e, em parte, porque daria um marido
terrível. Sobretudo para ti, Miranda. Sei que é verdade, e tu também o
sabes. No entanto, faço esta proposta porque não consigo suportar a ideia
de que te magoei tanto sem fazer uma tentativa para reparar o dano.
A jovem mulher fechou os olhos.
— Então, casarias comigo para atenuar o teu sentimento de culpa.
Ethan encolheu os ombros.
— Não vou mentir e proferir belas palavras, que apenas servirão para
nos atormentar mais tarde.
Não posso ser desonesto, tratando-se disto, mas a minha proposta
mantém-se. Pensa no assunto, Miranda. Serias condessa, o meu dinheiro e
os meus bens pertencer-te-iam. O meu título e o seu prestígio podiam
ajudar as tuas irmãs. E poderíamos ficar juntos enquanto nos apetecesse.
— E quando deixares de querer a minha presença na tua cama? –
objetou sem que a voz lhe tremesse, embora não o olhasse.
— Mesmo assim, não perderias todos os benefícios de seres minha
mulher – retorquiu, encolhendo um dos ombros. – E prometo que nunca te
colocaria numa posição ridícula em público.
Miranda não fez qualquer comentário, mas por fim olhou-o de frente.
— O que te leva a afirmar que nunca darias um bom marido, sobretudo
para mim?
Ethan franziu o sobrolho.
— Está no meu sangue, Miranda. Não há forma de lutar contra o
destino.
Ela premiu os lábios, que formaram uma linha reta.
— O que significa isso?
Ele passou uma das mãos pelo cabelo. Nunca falara do assunto com
quem quer que fosse. Nem com amigos, familiares, muito menos com
amantes. Detestava pensar no passado, quanto mais falar nele.
— Esquece – pediu, abanando a cabeça. – Contenta-te em saber que é
verdade.
Miranda emitiu um suspiro de desagrado, que o levou a fitá-la. Cruzou
os braços e fulminou-o.
Deixara de ter na frente a jovem tímida que se dobrava à sua vontade.
Esta Miranda era diferente.
Havia um misto de fogo e de aço nos seus olhos, e Ethan ficou chocado
ao perceber que aquela força sempre existira, que de outro modo ela não
poderia ter aguentado os golpes aplicados pela família.
Simplesmente nunca lhe mostrara aquele seu lado. Em vez disso,
apoiara-se nele durante o breve tempo que haviam passado juntos, confiara
nele. Na altura, Ethan não compreendera, mas ela permitiu que a
protegesse e dominasse em simultâneo.
E agora deixara de ser assim. Estranho como aquilo que não havia
compreendido estar na sua posse era a única coisa que desejava mais do
que tudo no mundo.
— Não me digas que queres casar comigo, mas que não me farias feliz.
Não me avises, embora me tentes. Não digas que não queres mentir,
estando, afinal, a esconder a verdade. – Expressava-se num tom
invulgarmente duro, mas ele sentiu que se devia mais a tristeza do que a
raiva. – Quero saber o motivo. Deves-me essa resposta antes de te dar a
minha.
— Queres ouvir coisas terríveis, Miranda? – rugiu, avançando na sua
direção. – Queres ouvir pormenores de que os teus ouvidos inocentes se
encontram por norma protegidos?
Miranda acenou com a cabeça, embora um pouco da bravata no seu
olhar e na atitude desaparecessem. Mesmo assim, manteve a sua posição.
Apesar da sua frustração e da raiva, Ethan admirou-a por isso.
— Muito bem. Aqui está o que queres saber. O meu pai copulava com
tudo o que tinha saias e um sorriso – resmungou Ethan por entre dentes,
lutando com a memória e a emoção a cada palavra. – Corneava a minha
mãe em público, em privado e na cama dela com a puta da criada. E quando
ela chorava, bebia e implorava um pouco de decoro, sabes o que lhe
respondia?
Miranda engoliu em seco e abanou a cabeça.
— Que lhe estava no sangue e não podia evitá-lo. Era aquela a sua
natureza e não podia lutar contra isso.
Ethan cerrou os punhos enquanto a imagem da mãe com as faces
molhadas de lágrimas lhe bailava na mente. Imagens muito nítidas da mãe
deitada no chão do quarto, com uma garrafa na mão, soluçando e
recusando que o filho – na altura talvez com oito anos – a ajudasse.
— Ethan… – começou Miranda, estendendo-lhe quase instintivamente a
mão.
Ele afastou os pensamentos e empurrou-lhe a mão. Sim, queria que ela
lhe tocasse, mas, se o fizesse, podia perder a compostura, e isso ela não
queria.
— Não, querias a verdade e, por conseguinte, vais ouvi-la – disse,
passando junto a ela. Sentiu o olhar dela a queimar-lhe as costas, mas
ignorou-o. – A minha mãe procurou conforto na bebida, cada vez mais, a
fim de acabar com a dor e dissipar a humilhação. Talvez a ajudasse, mas
não a mim. Eu não tinha ninguém. Tornei-me o suporte da minha mãe, o
seu conselheiro. Até mesmo o seu bode expiatório quando as noites eram
longas.
Miranda fechou os olhos.
— O amor de mãe tanto pode magoar como acalmar – pronunciou
baixinho.
Ethan acenou com a cabeça. Pelo menos naquele ponto tinham algo em
comum.
— E depois havia o meu pai. Tinha de observar o que ele fazia, ouvi-lo
dissertar sobre os aspetos positivos da sedução. Dizia-me que tinha de
aprender, tinha de saber, porque o seu sangue também corria nas minhas
veias e um dia viria a ser como ele. Jurei que isso não aconteceria, mas,
quando fiz quinze anos, ele levou uma prostituta muito bonita ao meu
quarto e a natureza seguiu o seu curso.
Virou-se para a fitar. Miranda começara a chorar baixinho. Parecia
transpirar piedade por todos os poros. Ele sentiu-a no seu olhar, irradiando
do seu corpo. Afastou-se sem desejar essa emoção; não queria uma migalha
que fosse.
— Queres saber? Na verdade, ele tinha razão sobre mim – prosseguiu
sem erguer a voz. – Sou igual a ele. Apenas tive controlo bastante para
afastar os meus desejos de mulheres que ficariam magoadas quando
acabasse com elas. Fiquei-me pelas cortesãs, as viúvas e as mulheres
casadas, senhoras que conheciam o sexo e o prazer, mas não desejavam
mais nada. Fui mesmo ao ponto de parar de sustentar amantes, porque às
vezes exigiam mais do que eu podia oferecer-lhes em prazer e dinheiro.
Aproximou-se dela e prendeu-lhe os braços, não permitindo que ela
fugisse. Atraiu-a de encontro ao seu corpo, sentindo-lhe as formas. Tal
como sabia que ia acontecer, o seu corpo reagiu. Entesou-se imediatamente
e o sangue fervilhou-lhe nas veias. Todas essas coisas serviam para provar
a sua teoria e, a julgar pelo misto de horror e desejo que o olhar dela
refletiu, Miranda sabia-o tão bem como ele.
— Em seguida, vieste ter comigo – sussurrou num tom rouco – e fizeste-
me quebrar todas essas regras. Eras inocente e uma senhora. Quer
acredites ou não, comecei a interessar-me pela tua força oculta e a tua
sensualidade natural. Então, agora estou a oferecer-te algo que jurei que
nunca iria oferecer. Contudo, tens de saber, Miranda, deves saber que
chegará uma altura em que não conseguirei deixar de procurar a
companhia de outra mulher. Desejarei amar-te – disse, sustendo a
respiração. – Quero amar-te, mas não posso, ou não poderei, ou talvez as
duas coisas. Dar-te-ei tudo menos isso. Tudo exceto fidelidade. Estou a ser
suficientemente honesto?
Miranda soltou uma pequena exclamação, respirou fundo, e Ethan
percebeu que ela prendera a respiração desde que lhe tocara. Tremia nos
seus braços e o pulso latejava. E as suas lágrimas silenciosas, tão diferentes
dos soluços dolorosos que havia testemunhado na mãe, atormentavam-no.
— Sabes o que corre no meu sangue? – murmurou a jovem com voz
trémula.
Ethan largou-a e amparou-a, antes de recuar.
— Não.
— Da minha mãe tenho a manipulação e um desejo mercenário por
dinheiro e fama. Do meu pai herdei uma ânsia incontrolável de obter mais e
mais. Mais de tudo. – Limpou as lágrimas que se lhe colavam às faces. –
Contudo, escolhi impedir que os demónios deles me atormentassem ou que
controlassem a minha vida. Escolhi não seguir os caminhos que me abriam
com as suas ações.
Aproximou-se dele, com as mãos estendidas. Os dedos quentes
envolveram-lhe o braço e o seu olhar era uma súplica.
— Nós escolhemos, Ethan. Podes escolher ser o tipo de homem que
quiseres ser. E se gostasses o suficiente de mim para desistir de todas as
outras, assim farias. Se me amasses e não desejasses apenas amar-me, nada
mais importaria.
Soltou-o e recuou.
— Mas não o fazes, e ninguém tem culpa. É assim. Contudo, já que
estamos a ser honestos um com o outro, então deves saber que te amo,
Ethan.
Aquelas palavras, pronunciadas num sussurro, atingiram-no com a
força de um soco numa rixa de taberna. Ficou sem fôlego, sentiu um nó no
estômago e quase se dobrou em dois devido ao choque.
— O quê?
Miranda sorriu.
— Sei que não são as palavras que desejas ouvir, pois estás convencido
das qualidades inferiores do amor, mas são verdadeiras. Amo-te e ninguém
tem culpa. É assim. A proposta de casamento que estás a fazer-me é quase
irresistível. Sinto-me tentada a amar-te enquanto me permitires. Contudo,
se o fizesse, amaldiçoava-nos aos dois. Não conseguiria aguentar que te
afastasses de mim com um sentimento de culpa por saberes que as tuas
escolhas me magoariam. E não podia deixar que o desejo de salvar a minha
família da ruína me roubasse a alma. Não é isso o que quero para nós.
Miranda dirigiu-se à beira do lago e olhou para o sítio que estivera a
contemplar quando ele chegou. O sítio de onde confessara tê-lo observado
secretamente durante todos aqueles anos. Ethan não conseguia desviar os
olhos dela. Ainda estava a recompor-se da sua declaração de amor que lhe
penetrava em todos os poros, transformando-o sob a pele.
Contudo, ao olhar para Miranda, não sentiu culpa, remorso, nem mesmo
pânico. Tudo o que via era a mulher mais bonita que conhecera, tudo o que
sentia era desejo.
— A minha irmã diz que sou egoísta, porque prefiro a paixão à
segurança. Porém, ela engana-se – disse Miranda, emitindo um longo
suspiro. – Sou egoísta porque prefiro o amor à paixão, e isso não podes dar-
me. De qualquer maneira, não posso aceitar a segurança sem amor. Talvez
o conseguisse vindo de outros homens, mas não de ti. Não de ti.
Ethan não conseguiu desviar os olhos. Sentia as emoções à flor da pele,
mas de momento o choque entorpecera-o.
— Por conseguinte, estás a dizer que não. Não serás minha amante e
não casarás comigo. Estás decidida a cortar todos os laços que nos unem –
concluiu, mas as palavras pareciam vir de uma outra voz à distância.
Miranda fitou-o com o sorriso mais triste que já existiu.
— Devo fazê-lo. As outras escolhas são simplesmente demasiado
dolorosas. Contudo, há uma coisa que quero de ti antes de colocarmos
ponto final nesta questão.
— O quê? – inquiriu Ethan num tom duro. – O que mais podes pedir
depois de me negares tudo?
Miranda aproximou-se e pousou as palmas das mãos no peito dele. O
calor daquele toque percorreu-o como as chamas do inferno.
Ela ergueu o rosto e sussurrou: – Quero que faças amor comigo. Aqui
neste sítio onde aprendi tanta coisa sobre paixão, desejo e querer.
Ethan fechou os olhos e um gemido escapou-lhe dos lábios. Mesmo
agora, sabendo que ela lhe dizia que aquela seria a última vez em que se
tocavam, o seu corpo reagiu violentamente, a prova de que tudo o que lhe
contou sobre as suas fraquezas era verdade.
— Porquê? – sussurrou, mesmo quando a boca se moveu na sua
direção, incapaz de controlar o beijo.
— Porque quero a recordação – disse ela, entrelaçando os dedos nos
pelos curtos e ásperos da nuca masculina. – Dá-me essa última recordação.
Por favor.
A boca de Ethan uniu-se à dela como resposta.
Capítulo 17


Devido às emoções que ocupavam cada fibra do ser de Ethan, Miranda
esperava que o seu beijo fosse rude, exigente, até mesmo castigador.
Contudo, tal como há muito vinha a surpreendê-la, apanhou-a novamente
desprevenida. Agiu com suavidade, roçando os lábios nos dela, mal lhe
tocando por um breve momento antes de a pressão aumentar.
Passou-lhe os dedos pelo cabelo e inclinou-lhe o rosto, a fim de aceder
melhor. Miranda deixou que fosse ele a conduzir, entregando todo o seu
ser, tudo o que sempre desejara, a um homem que já lhe dissera que não
podia dar-lhe a única coisa que ela pretendia em troca. Os olhos encheram-
se-lhe de lágrimas no momento em que a língua dele lhe entreabriu os
lábios e girou no interior da sua boca, saboreando-a.
Aquele era o último momento que teriam juntos. Era a única coisa que
sabia ao certo. E Miranda zelaria para que valesse a pena todos os
sacrifícios. Tencionava guardar cada toque escaldante na memória para
que, no futuro, revivesse infindavelmente aquela última vez. Não lhe
interessava o que pudesse acontecer no futuro solitário.
Prendeu-lhe os ombros, querendo mais intensidade, toda a sua paixão,
mas ele conteve-se, prosseguindo em vez disso com a suave exploração.
O cabelo da jovem mulher tombou-lhe em cascata sobre os ombros,
uma cortina dourada que podia defendê-los, pelo menos por um momento,
do mundo exterior. Deixou que a protegesse, abandonando toda a tristeza e
a preocupação para que aquelas duras emoções não estragassem a
vivência.
Ethan soltou-a e recuou. Os olhos emanavam um brilho selvagem e
desesperado, desmentindo o controlo do seu beijo. Fitou a encosta coberta
de relva.
— Normalmente, teria um cobertor – disse com um pedido de desculpa
na voz rouca.
Ela sorriu.
— Eu sei.
O olhar fixou-se no dela com um misto de selvajaria e de tristeza.
— Contigo foi diferente – pronunciou baixinho. – Sei que não é
suficiente, mas é verdade.
As lágrimas que se esforçara por conter regressaram aos olhos de
Miranda, e ela estendeu a mão para lhe tocar no braço.
— É o suficiente por agora, por hoje.
Ethan contemplou-a durante um longo e silencioso momento e, em
seguida, despiu o casaco.
Pousou-o no chão, aberto, e depois ocupou-se da gravata e da camisa.
— Pelo menos posso dar-te alguma proteção – explicou ao mesmo
tempo que tirava a camisa pela cabeça.
Miranda observava, hipnotizada pelos contornos maravilhosos do seu
corpo. Os músculos ressaltavam sob a pele a cada movimento. Estendeu a
camisa ao lado do casaco e depois virou-se para ela com os olhos brilhando
de desejo.
Estendeu a mão e passou os dedos pelos folhos do decote do vestido da
jovem. Miranda fechou os olhos enquanto os nós dos dedos roçavam a sua
pele sensível.
— Ethan – ofegou, agarrando-lhe no braço nu para o deter.
O braço rodeou-lhe a cintura e atraiu-a de encontro ao quente peito nu,
enquanto continuou a acariciar-lhe a pele com leves carícias que a
enlouqueciam. Ergueu os lábios numa oferta muda, mas ele ignorou-a,
fitando a forma como os dedos se espalmavam na sua pele branca e no
tecido usado do vestido.
— Vira-te – ordenou num tom rouco.
Miranda obedeceu, incapaz de negar-lhe o que quer que fosse quando o
seu corpo desejava o toque dele e tinha as pernas trémulas de antecipação.
Ethan prendeu-lhe os braços, começando por deslizar as palmas das mãos
até aos ombros e depois de volta aos botõezinhos que fechavam o vestido.
Ela arquejou, aproximando-se mais com uma exigência sem palavras de
que a despisse.
Contudo, ele não queria ser obrigado a fazer algo mais rapidamente ou
de maneira diversa do que parecia ter planeado. Em vez disso, afastou-lhe o
cabelo para o lado e depositou um beijo quente no seu pescoço, por cima da
linha do vestido, e depois outro e mais outro.
Miranda soltou um pequeno grito. Nunca percebera que as suas costas
eram tão sensíveis, mas aquelas suaves carícias incendiavam-lhe o corpo,
emitiam ondas de um calor húmido que se instalava entre as pernas
trémulas. Ethan podia ter-lhe erguido a saia e possuí-la naquele momento
sem qualquer resistência do seu corpo.
Na verdade, era isso que desejava, mas ele não lho daria. Era o seu
suplício final. A última vez em que se viessem juntos não seria rápida e
apaixonada, mas suave e lenta, como se quisesse arrastar o momento.
Desapertou um botão e abriu o tecido, revelando somente um pequeno
vislumbre da pele. Os lábios afloraram o cimo da sua espinha, e Miranda
estremeceu. As costas dela roçaram-lhe a pélvis e sentiu a pressão dura do
pénis contra os dois globos. Era um fraco consolo sabendo que ele estava
tão excitado como ela.
— Já deixaste bem claras as tuas exigências, Miranda – sussurrou
enquanto desapertava o botão seguinte e revelava um pouco mais de pele.
– Se esta vai ser a última vez em que te toco, não tenciono copular contigo
como um animal.
Miranda não conseguiu reprimir um gemido ante a imagem, mas deixou
de se esfregar contra ele. O ato não lhe minorava o desejo e, na verdade, só
aumentava a forte necessidade, que, aparentemente, ele não estava com
pressa para aliviar.
O botão seguinte soltou-se, e Ethan concentrou-se no topo da
combinação em vez de na pele nua.
Suspirou ao beijá-la através do fino tecido.
— Insisto em que mereces cetim – declarou, desabotoando o resto dos
botões e beijando-a até ao fundo da espinha. – Seda. Gostava de te ter visto
com esses tecidos.
Miranda resfolegou ante o desejo que a sua voz expressava.
— Mas sempre que vestir esta combinação, pensarei em ti – suspirou.
Uma onda de emoção invadiu Ethan e os dedos vacilaram-lhe. Aquela
seria a última vez que tocaria em Miranda. O pensamento chocou-o, mas
afastou a ideia desagradável. Enfiou as mãos sob o vestido e empurrou-o. O
tecido caiu para diante, e Miranda nada fez para impedir que se lhe
enrolasse à volta da cintura nem resistiu quando ele o fez descer pelas
ancas. Afastou-o e virou-a de frente para ele.
— Tens a pele mais macia do que qualquer cetim – murmurou antes de
baixar a boca ao encontro dela.
Sentiu-a estremecer quando ela se abriu numa entrega. Miranda
rodeou-o com os braços e abraçou-o fortemente, como se não quisesse
deixá-lo ir. Contudo, era o que faria. Apesar de todas as suas ofertas,
tencionava que fosse aquela a última vez em que estariam juntos.
Ethan detestava a ideia, e a sua primeira reação foi a de possuí-la de
uma forma dura e castigadora. Fazer com que se viesse vezes sem conta até
desfalecer nos seus braços. Contudo, para além da raiva, a única emoção
que compreendia e não evitava totalmente era algo mais poderoso.
Ele queria fazê-la sentir que se interessava por ela da única maneira
que sabia. Reconhecia que não era suficiente, mas ia dar-lhe tudo o que
tinha antes de fazer o impensável e deixá-la ir embora.
As ancas de Miranda inclinaram-se, roçando a sua ereção com um
movimento suave. Ela sabia como o enlouquecer de verdade, mesmo
quando queria controlar-se. Encontrou a orla da combinação e puxou-a
sobre a sua cabeça com as mãos subitamente trémulas.
Recuando, colocou o fino tecido ao lado do casaco e da camisa que
despira, um cobertor improvisado para a proteger da relva espinhosa.
Em seguida, passou-lhe um braço à volta das costas e outro à volta da
cintura, segurando-a ao mesmo tempo que a deitava sobre as roupas.
Estendeu-se ao lado dela e contemplou o cabelo louro espalhado sobre o
seu casaco escuro, os olhos claros brilhando de emoção e de desejo. Bebeu
todos os pormenores, marcando a fogo aquela imagem na sua mente.
— Na primeira vez que me viste, o que é que eu estava a fazer? –
murmurou.
Os olhos da jovem escureceram com um leve brilho perverso. Em vez de
responder, apartou as pernas e acenou-lhe com a cabeça. Não demorou
muito para o convencer a colocar-se entre as suas coxas. Miranda sorriu
quando ele colocou as mãos nos seus ombros e a empurrou para baixo.
Esboçou um leve sorriso quando começou a beijar-lhe o corpo, roçando
os mamilos com a língua.
Eles endureceram ao mesmo tempo que uma leve brisa soprava sobre o
lago, e Miranda gemeu, prendendo-lhe os ombros e incitando-o a que
descesse.
Ethan esfregou a face áspera contra o seu ventre liso, enfiou a língua no
recorte do umbigo e depois tomou posição entre as suas pernas. Miranda
ergueu os joelhos, colocou-os à volta dos seus ombros e abriu-se para o
mútuo prazer.
Ele apartou-a com os polegares, e quando uma segunda brisa os
bafejou, ela estremeceu, soltando gemidos cada vez mais fortes, que se
misturavam com o chilrear dos pássaros e o som da água marulhando
contra a beira do lago.
Quando ele pousou a boca no seu sexo, os gemidos transformaram-se
num grito. Miranda já estremecia com a segunda lambidela, erguendo as
ancas ao encontro da sua boca com o sexo trémulo e apertado. Ethan
chupou-lhe o clítoris, e ela derramou uma doçura de mel sobre a sua língua,
gritando o nome dele.
Miranda ofegava quando o estremecer do corpo se dissipou. Ali estava a
viver as fantasias que tinha imaginado na escuridão sombria do
esconderijo arborizado. Estava deitada na margem do lago, a receber
prazer de Ethan, como uma devassa, ao ar livre, onde qualquer pessoa
poderia encontrá-los.
Era tudo o que alguma vez tinha imaginado ou esperado, mas também
lhe causava menos satisfação do que sonhara, porque era uma forma de
despedida. As consequências nunca haviam feito parte das suas fantasias
perversas.
Elas faziam indubitavelmente parte da realidade, um misto de prazer e
de dor.
Ethan deslizou pelo seu corpo e beijou-a. Ela saboreou a doce essência
do seu orgasmo na língua dele, a que se aliava um toque de desespero,
semelhante ao que a invadia.
Quando se afastou, fitou-a com um olhar intenso.
— Quem me dera ter sabido que estavas a observar.
Miranda sorriu.
— Tinha medo de que me descobrisses, mas por vezes desejei que o
fizesses. Interroguei-me sobre como reagirias se me visses ali a espiar-te e
incrivelmente excitada por tudo aquilo a que não devia assistir.
Ethan colocou as mãos em concha sob os seus seios, acariciando os
mamilos sensíveis com o polegar.
— O que imaginas que faria?
— Mandavas-me embora – respondeu, ofegante e tomada de prazer. –
Ou dominavas-me, como dominavas todas as outras mulheres.
— Quem disse que não deixaria que assumisses o controlo? – riu ele.
Miranda fitou-o através de um olhar nublado.
— Ninguém te domina, Ethan. Ninguém o fez.
Depois de a contemplar por um momento, prendeu-lhe as ancas. Rolou
de costas, arrastando-a, puxando-a para cima dele.
— Tenta – sussurrou, enquanto lhe agarrava a nuca, baixando-lhe a
boca ao seu encontro.
Miranda beijou-o, deleitando-se com a sensação do seu corpo por baixo
dela e a rigidez da ereção de encontro ao seu ventre nu, através das calças.
Mexeu-se, abrindo as pernas e cavalgando os quadris masculinos bem
modelados.
O beijo aumentou de intensidade, e ela iniciou um ritmo ao encontro da
sua língua, gemendo enquanto as coxas roçavam nas suas calças ásperas.
Ethan enfiou uma mão entre elas, mesmo quando pressionou os lábios
no pescoço dela e libertou a sua ereção. O pénis ergueu-se entre os corpos,
quente, duro e pronto.
Os olhares encontraram-se sem se desviar. Ethan perscrutou-a e leu
tudo o que ela lhe dissera antes. O seu amor, a mágoa, a perda.
Surpreendeu-se com a ideia de que uma mulher como aquela pudesse dar-
lhe tanto. Desejou ser capaz de dar-lhe o mesmo e muito mais em troca. No
entanto, conhecia-se demasiado bem. De momento, ela interessava-lhe,
mas dali a um mês, um ano… os seus desejos levariam a melhor.
Contudo, agora podia dar-lhe uma coisa, algo que negara a todas as suas
outras amantes.
— Assume o controlo, Miranda – sussurrou, agarrando-lhe as ancas e
colocando-a numa posição mais adequada. Ela apoiou-se sobre os joelhos e
a ponta do seu pénis roçou o sexo molhado dela.
O olhar de Miranda nunca vacilou quando se baixou sobre ele. O pénis
de Ethan enfiou-se, centímetro a centímetro, lenta e dolorosamente. Ela
apertou-o numa luva molhada e recetiva, e ele gemeu de prazer. Desejou
agarrar-lhe nas ancas e conduzir o ritmo. Desejou erguer-se e possuí-la até
ela gritar. Contudo, oferecera-lhe o controlo, e limitou-se a ranger os dentes
e a deixá-la fazer o que quisesse.
Miranda recebeu-o até ao fundo, envolvendo-o num calor tão puro e
ardente que a sua visão se toldou, mas depois parou. Mexeu-se,
acomodando-se à nova posição, e um grito de prazer soltou-se
involuntariamente dos lábios de Ethan.
— Cavalga – conseguiu rugir. – Por favor.
A jovem mulher sorriu ante a súplica e obedeceu. Rebolou as ancas e
iniciou um ritmo suave e contínuo. Quando os dedos dele se enterraram
nas suas ancas, agarrou-os com as mãos e ergueu-os por cima da sua
cabeça, entrelaçando os dedos de ambos e fixando-os no terreno relvado.
Os seus movimentos tornaram-se mais rápidos e susteve a respiração.
Ethan observou como o rosto se contorcia de prazer e de poder, e o pénis
avolumou-se ainda mais. Estivera sempre tão concentrado em dominá-la
que nunca se havia detido a testemunhar como era bonita quando assumia
o controlo. Assemelhava-se a uma deusa, cavalgando-o extasiada e levando-
o aos píncaros, mesmo quando ela própria percorria um igual caminho de
loucura.
Um grito saiu-lhe dos lábios e as ancas iniciaram um movimento mais
rápido, arrastando-o com ela e sugando-lhe o orgasmo numa explosão
ofuscante de calor e prazer. Ethan esvaziou-se dentro dela com um rugido
de gozo e ela desfaleceu contra o seu peito, premindo os lábios nos dele,
enquanto os corpos se fundiam uma última vez.

* * *
A brisa agitou os cabelos de Ethan e ele abriu os olhos. Começou a
procurar Miranda, mas estava sozinho. Após a sua poderosa união, tinham
permanecido deitados na relva, com os corpos entrelaçados até ele ter
adormecido. Contudo, algures durante o seu sono, ela fora-se embora.

Para sempre.
A recordação cerrou-se como um punho à volta do seu coração. Sentou-
se. Ela tapara-o com a sua camisa enrugada, manchada de relva, e ele
atirou-a para longe. Não desejava qualquer recordação dela, agora que ela
partira.
Não devia sentir tamanha dor. A perda de Miranda tinha sido inevitável.
Soubera-o desde o início.
Tivera essa consciência quando se oferecera para ser o seu protetor e
mesmo seu marido. Contudo, a realidade da situação assemelhava-se a sal
numa ferida aberta.
Praguejando, apanhou a roupa e começou a vestir-se. Chegara a altura
de regressar a Londres. Na cidade, com os prazeres de mulheres, amigos e
da bebida, esqueceria a jovem inocente que lhe mudara o mundo, a que o
levara a oferecer coisas que jurara nunca partilhar e recusara ter menos do
que a única coisa incapaz de lhe dar.
De volta a Londres, esqueceria.
Tinha de esquecer.
Capítulo 18


Um mês depois

Miranda nunca gostara de Londres, não que tivesse visitado
frequentemente a cidade. A única aparição em público fora durante a sua
primeira temporada, antes da morte do pai. Na altura, sentira-se muito
excitada, segura de que encontraria o amor e uma grande paixão. Contudo,
a verdade tinha sido muito diferente. Os bailes decorreram com gente a
mais, a mãe falara demasiado alto e as duas mulheres mais bonitas da
sociedade tinham sido apresentadas nesse mesmo ano, por conseguinte
nunca havia sido considerada um «diamante de primeira água». Quanto aos
homens... bem, Ethan não estava entre eles e finalmente ansiara por voltar
a casa.
Desta vez, a cidade apresentava-se como se recordava dela. A
transbordar de gente, apertada e com o fedor a carvão tão intenso que se
tornava enjoativo e lhe sujava os pulmões.
No outono, Londres era ainda pior, porque o vento soprava com mais
força e as ruas apresentavam-se tristes e molhadas, nada que se parecesse
com a mansão da família no campo, onde as folhas eram brilhantes e o ar
fresco e limpo.
Suspirou. Infelizmente, nem mesmo a sua casa se assemelhava a um lar.
Desde os acontecimentos do mês anterior que também havia deixado de se
sentir confortável nela. Não tinha a certeza de onde pertencia, nem sequer
se pertencia a qualquer lugar.
A única certeza era de que jamais teria regressado a Londres se
Penelope não houvesse finalmente traçado o seu próprio caminho.
Miranda fitou a irmã, sentada no banco oposto da carruagem e olhando
através da janela com aquela expressão apagada e distante que há duas
semanas lhe pairava no rosto, desde que aceitara a súbita proposta de
casamento de Lorde Norman, um visconde de sessenta anos que se pusera
a rondar o local depois de Ethan ter abandonado a propriedade.
A mãe ficou obviamente empolgada. Já gastara todo o dinheiro de Ethan
e agora entrava em cena o de Norman, disposto a pagar um casamento de
arromba que era totalmente impróprio para uma jovem de dezoito anos e
um homem com o triplo da sua idade e que já se casara duas vezes. Porém,
a mãe insistiu e Norman pareceu adorar a consciência generalizada de que
ele caçara uma jovem e bonita noiva. Miranda sentia um nó no estômago ao
imaginar como ele devia gabar-se diante dos amigos.
Nesse momento, a carruagem serpenteava pelas ruas de Londres, em
direção à casa do visconde e à festa que se realizaria nessa noite em honra
do casamento iminente.
Miranda tentou que Penelope a fitasse, mas a irmã ignorou-a. Apesar de
todas as suas tentativas para reparar a situação, continuavam zangadas. Na
verdade, as coisas pareciam cada vez piores. A hostilidade de Penelope
aumentara desde o seu súbito noivado, o que fazia com que Miranda
sentisse um aperto no coração.
Assim como as constantes perguntas que lhe acorriam à mente. Uma
vez que Penelope não lhe perdoava, mesmo passado um mês, mesmo
depois de Ethan desaparecer das suas vidas… Miranda tomara a decisão
certa ao deixar que ele se fosse embora? Ao recusar ser sua amante ou sua
mulher?
Aquelas perguntas atormentavam-na durante a noite, tal como sonhos e
recordações do seu toque, do beijo, do seu corpo movendo-se dentro dela.
— Miranda, estás a ouvir?
Miranda sobressaltou-se. Tornara-se tão perita a bloquear a voz da mãe
que nem sequer se apercebera de que Dorthea tinha falado.
— Desculpe, mamã. Estava a divagar. O que disse? – perguntou,
rangendo os dentes na esperança de poder simular uma atitude paciente. A
noite já prometia ser bastante difícil sem o «conselho» de Dorthea.
A mãe emitiu um suspiro de desagrado por ter sido ignorada e em
seguida respondeu: – Estava a dizer que devias esforçar-te em frente aos
homens que marcarem presença esta noite. Já estamos obviamente fora da
estação, por conseguinte, a escolha será escassa, mas podes atrair as
atenções do homem certo, se tentares. Não és totalmente desprovida de
encanto, sabes?
Miranda premiu os lábios.
— Obrigada, mamã.
Penelope estreitou os olhos, embora não os desviasse da janela.
— A Miranda não quer encontrar o homem «certo».
Miranda fechou os olhos ante o tom amargo da irmã.
— Nem tu, Penelope. Por favor, não queres reconsiderar…
A mãe bateu com o leque no assento da carruagem.
— Para! Para já com isso! Não voltes a tentar dissuadir a tua irmã desta
união. Lorde Norman é um cavalheiro respeitável, genial, muito…
— Rico, mamã? – interrompeu Miranda, cruzando os braços.
— Sim, também é isso – anuiu a mãe, franzindo o sobrolho. – E não me
olhes como se eu fosse um vampiro cruel por apoiar a união. Julguei que
ficarias contente por já não teres de economizar moedas como uma
avarenta.
— Mas a que preço? – gritou Miranda, fitando novamente Penelope. – O
sacrifício…
— Estou só a seguir as vossas instruções – sibilou Penelope, afastando-
se finalmente da janela. – E podem deixar de falar sobre mim como se eu
não estivesse na carruagem. Tomei a minha decisão e não voltarei atrás.
Deixem tudo como está.
Miranda abriu a boca, mas antes que pudesse argumentar mais, a
carruagem parou e um lacaio abriu a porta. Penelope saiu como se fosse
perseguida pelos cães do inferno e a mãe colocou-se logo atrás e continuou
a falar e a dar conselhos enquanto avançavam.
Suspirando, Miranda aceitou a mão do lacaio e desceu para o caminho
de cascalho. Ergueu os olhos e avistou uma bela casa, decorada com
enormes colunas e uma escadaria de mármore. A libré dos criados era
impecável e a lista de convidados do mais requintado.
Sim, financeiramente, a irmã aceitara um bom partido. E não haveria
forma de discutir com ela a carga emocional ou física que essa união
poderia ocasionar. Penelope deixara de ser a sua melhor amiga. Miranda
tinha perdido essa posição numa noite escura e apaixonada. Isso e muito
mais.
Contudo, nada podia fazer a esse respeito e, por conseguinte, dirigiu-se
à casa e à festa que já zunia no interior. Ao entregar a capa a um criado,
olhou em redor. A irmã já tinha dado o braço ao seu novo noivo e
conversava com um pequeno grupo de convidados, enquanto a mãe
observava e interpunha comentários. Os criados moviam-se de grupo em
grupo, distribuindo bebidas e levando os copos vazios. Do outro lado do
salão de baile, a orquestra tocava e os foliões dançavam, sorrindo e
gargalhando.
Miranda misturou-se por entre a multidão com um franzir de sobrolho.
Estava tão longe de tudo aquilo. Sentia-se entorpecida, como se observasse
tudo através de uma cortina de água. Nunca se sentira tão sozinha.
Sorriu para rostos vagamente familiares enquanto atravessava o salão,
mas não se deteve a falar com ninguém. Apenas desejava chegar a qualquer
lugar discreto e sentar-se por um momento a sós, antes de fingir mostrar-
se satisfeita com a infeliz escolha de marido feita pela irmã.
Do outro lado da pista de dança havia uma cadeira vazia junto a um
grupo de três homens. Avançou nessa direção e ia a meio caminho quando
um dos homens se moveu e ela estacou, fitando-o.
A menos de uns vinte passos estava Ethan.
— Perdeste toda a graça, Rothschild.
Ethan ergueu os olhos do ponche aguado e fitou o seu melhor amigo,
Randolph Whiting. Bom, Whiting era supostamente o seu melhor amigo.
Desde o seu regresso a Londres que Ethan achava a presença dele mais
aborrecida do que divertida. Na verdade, era o que começava a sentir
quando passava algum tempo com todos os seus amigos.
— Como assim, Whiting? – ripostou num tom arrastado, observando a
multidão com um bocejo cínico. Só desejava ir para casa.
— Desde que voltaste do campo que te tornaste um tédio – prosseguiu
Whiting, engolindo a bebida de um trago e esboçando um esgar. – Quase
não sais, não queres jogar, e constou-me que mandaste embora a Francesca
quando ela apareceu nua na tua casa. Contudo, nunca recusaste uma noite
de prazer na companhia dela, portanto sei que não pode ser verdade.
Ethan franziu o sobrolho. Ignorava como a história viera a lume, mas
era verdade. Uma das suas ex-amantes, Francesca Salvoy, aparecera à sua
porta, uma semana antes, oferecendo todo o tipo de prazeres sensuais. Ele
observou-a, tão bonita, atraente e acolhedora, e não sentiu… nada. Nem
sequer um latejar do pénis.
Francesca ficara tão raivosa quando a mandara gentilmente embora,
que devia ter resolvido espalhar a história e sem dúvida acrescentar um
ponto, o que era a sua melhor vingança.
— Nessa noite não me apetecia – defendeu-se.
Também era mentira. Nessa noite fora atormentado por sonhos de
Miranda e tinha acordado duro como o aço. Há um mês que a cena se
repetia. Era invadido todas as noites por sonhos escaldantes com Miranda e
não se interessava por mais ninguém, por mais nada. Toda a sua vida
mudara, a sua perspetiva de si próprio e dos outros.
Sentia-se infeliz.
— Não te apetecia? – retorquiu Whiting, pronunciando cada palavra
lentamente, como se não entendesse o conceito, após o que inclinou a
cabeça com uma expressão confusa.
Ethan apertou o copo com tanta força que os nós dos dedos
embranqueceram.
— Sim. Percebo que se trata de uma noção que não compreendes, mas
não estava na disposição de estar com ela nem com algo que se lhe
relacionasse.
Whiting fitou-o com um olhar estranho e deixou sair a respiração com
um longo assobio.
— Não sei o que diabo te aconteceu no campo, meu velho, mas espero
que recuperes depressa.
Ouve, és um amigo de há muito e, por conseguinte, devo dizer-te que as
pessoas começam a sussurrar que ficaste mole… literalmente.
Ethan abanou a cabeça. Uns meses antes, a reputação de que desfrutava
havia sido o seu maior orgulho. O fato de saber que era considerado um dos
maiores amantes de Inglaterra e que as mulheres se vangloriavam de ter o
seu pénis dentro delas…correspondia a uma medalha de honra.
Já não era assim. Oh, fizera um grande esforço ao voltar. Tinha ido ver
antigas amantes e visitara o clube erótico de John e Arabella Valentine. Aí
solicitara as atenções de uma mulher loura, alta e magra com uns olhos
azuis gelados… mas em vão. Assim que ela entrou no quarto, sentira-se
indignado por ter tentado substituir Miranda por uma imitação barata. A
prostituta, inclusive, olhara-o com piedade ao receber o dinheiro pela
perda de tempo.
Passada uma semana, desistira de tentar procurar prazer. Não que
houvesse perdido a excitação, só que a mesma se centrava numa mulher, e
se não a tivesse, concluiu que ninguém mais lhe interessava.
Olhou em volta com um suspiro abafado. Só lhe apetecia ir-se embora.
Queria lá saber daquela festa, dos amigos ou do que as pessoas pensavam a
seu respeito. Apenas queria estar só e afogar as mágoas em algo mais forte
do que o fraco ponche de George Norman.
— Vá lá, Rothschild. Olha em redor – convidou Whiting com um gesto
que abrangia toda a sala. – Há tantas mulheres bonitas que querem deitar-
se na tua cama. Se te recompuseres, estarás de volta ao caminho certo e
provavelmente conseguirás melhor do que o Norman. Ele sabe como agir.
— O que queres dizer? – perguntou Ethan, fitando a bebida.
De fato, pouco lhe interessava, mas se não perguntasse, Whiting apenas
se tornaria mais aborrecido. Além de que falar sobre o visconde Norman
era muito mais confortável do que falar de si próprio.
— Estás completamente fora do mundo? – inquiriu Whiting com uma
risada. – Sabes, por acaso, a que se deve esta festa?
Ethan encolheu os ombros. Nem sequer tinha planeado aceitar o
convite até Whiting ter aparecido, essa noite, insistindo na sua presença.
— Não.
— Céus! Lê as notícias, amigo. O Norman vai desposar uma mulher com
menos do triplo da sua idade – disse Whiting a sorrir com uma enorme
admiração. – Nunca pensei que o velho fosse capaz.
Ethan ergueu o copo com um olhar incrédulo, imaginando o barrigudo e
careca visconde.
— O Norman vai casar novamente? Não, isso não pode ser verdade.
Como é que conseguiu?
— Com dinheiro, claro – riu Whiting. – Comprou o prazer com dinheiro
à vista. Talvez desta vez o velho produza um herdeiro. A pobre jovenzinha
idiota do campo com quem vai casar é sem dúvida um belo espécime.
Consigo imaginá-la daqui a um ou dois anos quando estiver desgastada e
provavelmente entediada com as desajeitadas apalpadelas de um homem
que poderia ser seu avô.
— Quem é ela? – perguntou Ethan, que estava apenas a fazer conversa,
mas pareceu-lhe a observação conveniente.
— Oh, meu Deus! Como é que ela se chama? – retorquiu Whiting,
coçando pensativamente o queixo.
— Prudence? Persephone? Petunia… não, espera aí! É Penelope.
Ethan arregalou os olhos e a pulsação duplicou de imediato. Penelope?
Não. Não, era um nome vulgar. Não podia ser a irmã de Miranda, embora a
pobre jovem do campo a casar por dinheiro se enquadrasse no cenário.
— Lembras-te do apelido? – perguntou, pousando a bebida no tabuleiro
de um criado que ia a passar. Cerrou os punhos atrás das costas e rezou
para que aparentasse indiferença. Não lhe convinha nada despertar a
curiosidade de Whiting.
— Porque é que queres saber? – riu o amigo. Examinou Ethan por
momentos e o sorriso alargou-se.
— Ah, estou a perceber. Toda essa tristeza não passa de uma grande
fita, não é verdade? Estás apenas a tentar lançar o isco para apanhar a
tímida jovenzinha disposta a curar um coração partido. Oh, não, não te vou
contar mais nada sobre ela. A pequena Petunia é minha.
— Penelope – corrigiu Ethan por entre dentes, enquanto o invadia um
sentimento de desprezo por Whiting. – E só estou interessado no apelido
da jovem. Qual é?
— Que mosca te mordeu, Rothschild? – perguntou Whiting, recuando
ante o tom de voz.
— Quero saber o último nome dela. Diz-mo – repetiu, avançando na
direção do amigo.
Deve ter-se mostrado bastante ameaçador, pois Whiting apressou-se a
dar um passo atrás, de olhos arregalados.
— É Alton ou Alworth…
Ethan fechou os olhos e rezou para que a sala deixasse de andar à roda.
— Albright?
— Sim, isso mesmo. É filha do filho mais novo de um nobre qualquer.
Não me lembro de onde vem, mas pode ser de perto de uma das tuas
propriedades…
Ethan não ouviu mais nada. Rodou sobre os calcanhares e começou a
percorrer o salão. Se Penelope estava ali, Miranda também estava. E ele
tinha de a encontrar.
Os olhos examinaram rapidamente a multidão, nublados pelas fortes
emoções que lhe invadiam cada fibra do corpo. A mente repetia
constantemente o mesmo refrão: «A Miranda está aqui. A Miranda está
aqui.»
Contudo, não a viu. Rebuscou todos os cantos e perscrutou os rostos de
todas as mulheres. Sempre que avistava cabelo louro, o coração saltava-lhe
no peito. Porém, ela não se encontrava em parte alguma.
Em seguida, a multidão abriu alas e Penelope surgiu. Encontrava-se de
pé, junto a Lorde Norman, de cabeça inclinada como se estivesse atenta a
toda a tagarelice do indivíduo. Mas o rosto apresentava-se totalmente
desprovido de emoção, como se tivesse sido limpo com um pano.
O coração de Ethan apertou-se de culpa ao recordar todas as emoções
atormentadas que o rosto da jovem denotara ao ver Ethan com a irmã.
Aquela noite continuava visivelmente a perturbá-la e afetara
provavelmente a sua relação com Miranda. Raios! Se as irmãs continuavam
zangadas, isso significava que, afinal, Miranda não tinha acompanhado a
irmã mais nova?
Abriu caminho com os cotovelos na direção do par, esquivando-se a
amigos e ex-amantes na sua procura obstinada. Tinha de se manter calmo e
alegre, como se falar com Penelope não fosse a coisa mais importante da
sua vida nesse momento. Se Norman pressentisse que assim era, podia
querer proteger a sua futura noiva e Ethan não teria oportunidade de a
interrogar.
Forçou um sorriso e estendeu a mão quando se aproximou.
— Olá, Norman! Que festa maravilhosa. Muitas felicidades. Ouvi dizer
que vai casar com esta dama encantadora.
O rosto de Norman refletiu alguma surpresa quando apertou a mão de
Ethan. Ethan não podia censurá-lo, pois, na verdade, não eram os melhores
amigos. Nem sequer tinha a certeza de haver sido convidado para aquele
sarau.
Por outro lado, Penelope parecia totalmente chocada. Empalideceu ao
fitar Ethan, arregalou os olhos e entreabriu um pouco os lábios.
— Boa noite, Rothschild! – saudou Norman. – Sim, obrigado. O
casamento está marcado para daqui a poucas semanas. Conhecia a minha
noiva?
— Sim – respondeu Ethan, assentindo com a cabeça. – Tive o prazer de
a encontrar algumas vezes.
A propriedade do seu pai fica junto à minha. Boa noite, Miss Penelope.
— Ah, claro. Tinha-me esquecido disso – reagiu Norman com um aceno.
Virou-se para Penelope com um sorriso de expectativa, mas a jovem
continuou imóvel, sem deixar de fitar Ethan com os lábios um pouco
entreabertos.
Finalmente, pareceu dar-se conta de que todos aguardavam a sua
resposta e apagou a expressão horrorizada.
— Boa noite, Lorde Rothschild – acabou por cumprimentar num tom
gelado.
Ethan sorriu como se ela o tivesse recebido calorosamente.
— Na verdade, interrogava-me se poderia ter a honra de dançar com a
futura noiva, caso não se importasse, Norman. Partilhamos uma vizinha
comum e desejava inteirar-me sobre o seu estado de saúde.
Norman vagueou o olhar de Ethan para Penelope e a anterior simpatia
foi substituída pela preocupação. Ethan não podia censurar o indivíduo,
pois a sua reputação era bem conhecida. Fora para a cama com a mulher de
muitos homens e mais do que uma havia sido esposa insatisfeita de
maridos muito mais velhos.
Contudo, Ethan sabia igualmente que Norman era um homem vaidoso.
E o fato de a sua noiva dançar com o indivíduo mais corrupto de Londres
faria com que a sua união desse azo a mais badalação.
Ethan só esperava que a vaidade superasse a prudência.
— Claro, Rothschild – anuiu Norman. – Se os dois têm algo para discutir,
não vejo qualquer mal numa dança.
Soltou o braço de Penelope e deu-lhe um suave empurrão na direção de
Ethan. A jovem retesou o corpo.
— Não me apetece dançar – disse ela sem o olhar.
Norman fitou-a, de olhos arregalados ante a ideia de que ela pudesse
esquivar-se ao aristocrático Ethan.
— Minha querida, temos de ser delicados. Esta é a nossa festa de
noivado. Não podes recusar dançar com os nossos convidados de honra.
Ethan inclinou a cabeça e fixou-a. Queria que ela soubesse que
compreendia exatamente a sua reação e o motivo, mas que não permitiria
que se furtasse assim tão facilmente à sua companhia.
— Não tomarei obviamente muito do seu tempo e não lhe pedirei que
participe de uma das danças mais extenuantes, caso se sinta cansada. Veja,
começaram a tocar uma valsa.
— Vai – disse Norman num tom de ordem e não de pedido. Ethan olhou
de relance para o homem e interrogou-se sobre que tipo de marido seria
para a pobre Penelope. Contudo, não era essa agora a sua preocupação.
Penelope premiu os lábios e deu um passo na direção de Ethan. Quando
ele estendeu o braço, fitou-o como se esperasse que o toque dele a
queimasse, mas finalmente aceitou a oferta e deixou que a conduzisse até à
pista de dança.
Quando deram a primeira volta da valsa, Penelope fitou-o com um olhar
de raiva.
— Seu homem horrível. Como ousa aproximar-se e pedir-me para
dançar consigo? Sabe quanto o desprezo!
— Estou plenamente consciente desse fato, minha senhora – sussurrou
num tom semelhante a um aviso. – Porém, se não sorrir nem controlar o
tom de voz, chamará a atenção dos restantes convidados, o que prejudicará
a sua família e a sua irmã.
Penelope estreitou os lábios, mas conseguiu sorrir e baixou a voz para
um sussurro áspero.
— Só você mesmo para fazer ameaças. Não me fale da minha irmã.
Ninguém deseja a sua presença aqui, por isso, vá-se embora.
— Não – recusou ele, apertando-lhe os dedos com força em redor da
cintura, na eventualidade de ela tentar escapar. – Não, até a ver. Onde está
ela?
— Quem?
— Não estou disposto a entrar nos seus jogos, Penelope – respondeu,
estreitando os olhos. – Sabe que me refiro à Miranda. Diga-me onde ela
está. Agora.
Penelope arregalou os olhos.
— Ela… ela não está aqui.
Ethan perscrutou-lhe o rosto.
— Está a mentir, minha querida, e isso não me agrada. Onde está ela?
Pode dizer-me ou eu faço uma cena enorme e rebusco tudo até a encontrar
eu mesmo.
Pela maneira como o rosto se lhe contorceu, era visível a fúria de
Penelope, até que ponto desejava esbofeteá-lo e gritar com ele. Viu-se
forçado a admirar aquele sentido de proteção, mesmo numa situação
desesperada como aquela. Embora Penelope continuasse furiosa com
Miranda, também não queria magoá-la.
E será que Ethan a magoaria? Não sabia. Apenas sabia que se sentia
compelido a vê-la, a contemplá-la. Talvez se limitasse a isso. Não valia a
pena ir mais longe quando o final não se revelasse feliz.
— Não lhe bastou o que fez? – sussurrou Penelope com os olhos cheios
de lágrimas, olhos de um azul-esverdeado e mais escuros do que os de
Miranda, mas sem o brilho dos dela.
— Quero vê-la – admitiu Ethan. – Odeia-me e odeia o que viu entre nós;
eu sei e até compreendo.
Contudo, você não entende. O fato de ir casar com o George Norman
prova isso. Preciso de a ver.
Penelope mantinha-se quieta, e Ethan quase podia ver todas as cenas
que lhe invadiam a mente. Por fim, cerrou os dentes de frustração, mas ele
percebeu que ganhara a batalha.
— Vi a Miranda ir até ao terraço uns minutos antes e ainda não voltou –
disse ela. – Mas, por favor, deixe-a em paz. Já nos prejudicou o suficiente a
todos.
Ethan baixou os olhos para Penelope. Havia algo no tom de voz, no
rosto, que o fez pensar.
— Vai casar com o Norman para proteger a sua família ou para punir a
Miranda? Ou talvez para se punir devido a ter ficado intrigada com o que
viu naquela sala?
Penelope ficou branca como a cal e, por um breve momento, o muro que
erguera à sua volta caiu.
Ethan leu-lhe no olhar o seu medo, a sua insegurança, a tristeza das
escolhas feitas. Contudo, em seguida a música acabou e ela soltou-se dos
seus braços.
— Nada disso é da sua conta, milorde, independentemente do que
partilhou com a minha irmã no passado. Entre nós não existe qualquer
vínculo e nunca existirá. Agora, por favor, peço-lhe que deixe a Miranda em
paz.
Em seguida, esboçou uma ligeira vénia em benefício do noivo que os
observava e afastou-se rapidamente.
Ethan não fez qualquer pausa para ponderar o que Penelope dissera.
Apenas imaginava a tristeza que Miranda sentia devido à opção de
casamento da irmã e talvez no futuro pudesse dar uma ajuda nessa
questão. Contudo, por agora, apenas precisava de encontrar Miranda.
Encontrá-la e…
E não sabia mais o quê.
Dirigiu-se às portas do terraço como se o resto do mundo não existisse.
Se as pessoas chamaram o seu nome, não atendeu. Se abriu caminho por
entre os grupos, não sentiu o movimento dos corpos à sua volta, nem ouviu
os protestos. Só conseguia pensar em Miranda e que, dali a um momento,
abriria a porta do terraço e ia vê-la.
Empurrou a porta e saiu. O ar estava frio devido à chuvada desse dia,
uma mudança de tempo surpreendente do calor húmido que reinava no
salão de baile lotado. Olhou em volta e, durante um momento, não viu
ninguém no terraço. O coração subiu-lhe à garganta.
Penelope tinha-lhe mentido? Nesse momento, estaria a afastar Miranda
ou a rir da sua estupidez, visto que ela nem sequer aparecera? Engoliu uma
praga e virou-se para regressar ao interior quando um leve movimento nas
sombras do outro lado do terraço lhe chamou a atenção.
Ethan dirigiu-se ao passadiço de cascalho, estreitando os olhos para
conseguir divisar através das sombras. Havia uma pessoa escondida no
canto. Tinha a certeza.
— Quem está aí? – gritou.
Não obteve resposta, mas apenas um restolhar de tecido. Continuou em
frente, e só tinha dado uns passos quando uma voz trémula lhe respondeu:
– Para, Ethan.
Estacou quando uma mulher surgiu da luz difusa emitida pelas janelas
cobertas de gelo do salão de baile.
A única mulher pela qual estivera obcecado durante semanas a fio.
Miranda.
E percebeu num momento terrível e maravilhoso que o impossível era
verdade. Ele estava total, completa e desesperadamente apaixonado por
ela.
Capítulo 19


Miranda não desviou o olhar de Ethan quando ele estacou a meio do
terraço e se limitou a fixá-la. Entreabriu um pouco os lábios e empalideceu
quase como se estivesse surpreendido com a presença dela ali. Contudo,
isso era impossível. Tinha a certeza de que era ele, pois vira-o interagir com
a irmã e sabia que ele saíra para o terraço com a intenção expressa de a
encontrar.
Deus do céu! Como ele estava bonito, impecavelmente vestido com o
traje escuro de cerimónia.
Tão diferente da última vez que o tinha visto, nu e estendido na relva
diante do lago, com o cabelo emaranhado pelos seus dedos. Fora tão difícil
deixá-lo naquele dia.
Engoliu em seco ante a recordação e susteve as lágrimas. Porque é que
ele teimava em persegui-la? Como podia ser tão cruel?
— Ethan – arquejou.
A voz de Miranda pareceu despertá-lo da névoa que o rodeava.
Atravessou, sem uma palavra, a distância que os separava. Antes que ela
pudesse reagir ou recuar, abraçou-a e baixou os lábios ao encontro dos
dela.
Miranda queria lutar, mas o calor da sua respiração quando a língua lhe
entreabriu os lábios era demasiado excitante e tentador. Não resistiu, nem
mesmo quando ele a afastou para longe das janelas até meio das sombras
onde ela se escondera.
Inclinou-lhe suavemente a cabeça e devorou-lhe a boca num beijo duro
e violento, como um homem faminto. Miranda sentiu uma pitada de doçura
à mistura com o gosto de algo mais forte.
Provavelmente, o uísque que ele bebera no início da noite e outra coisa
– um sentimento de desespero.
Desespero como ela sentiu quando ele roçou as ancas nas dela e
despertou todas as necessidades que ela tentara reprimir desde que o
havia abandonado no campo. Sabia exatamente onde essas necessidades a
conduziriam.
— Não – murmurou de encontro aos seus lábios por entre gemidos. –
Não, Ethan, por favor.
Empurrou-o, e ele recuou com um rugido feroz de desagrado. Contudo,
quando a fitou, ela não detetou qualquer censura ou raiva no olhar. Apenas
frustração e… e algo mais que não reconhecia.
— Desculpa – pronunciou, ofegante.
Miranda tapou as faces coradas com os dedos enluvados e saiu das
sombras, regressando à luz difusa. Pelo menos ali sentia a existência de
alguma proteção.
— Ethan, vai para dentro. Esquece que estou aqui. Esquece-me –
sussurrou.
O conde permaneceu semioculto pela sombra e a escuridão não
permitia qualquer leitura da sua expressão.
— Sabias que estava aqui?
Miranda saboreou o gosto do beijo nos lábios. Mais uma recordação,
como se precisasse de mais uma a acrescentar ao monte delas.
— Sim. Vi-te quando chegámos há pouco menos de uma hora.
Apesar da luz escassa, viu que Ethan franzia o sobrolho.
— E vieste até cá fora para te esconderes de mim?
Ela susteve a respiração.
— Sim. Não queria ver-te. Não queria… – Acenou com a mão para o
lugar sombrio onde ele a recordara de tudo o que nunca poderia ter.
Ethan avançou um passo e a luz ressaltou-lhe os traços do rosto. Parecia
cansado e tinha olheiras.
Não parecia de forma alguma um homem que se houvesse divertido
recentemente. Porém, Miranda não estava certa do que ele sentia, além do
desejo que fora evidente no seu beijo.
— Porquê?
— Porque me magoa demasiado ver-te – confessou, detestando a forma
como a voz lhe tremia, detestando que ele a obrigasse a confessar de novo o
que sentia por ele. – Vou voltar para dentro.
Virou-se para cumprir as palavras, mas ele deu um salto para diante e
agarrou-lhe no braço, prendendo-a.
— Espera, espera, Miranda – disse.
A capa havia escorregado quando a beijou e, por conseguinte, os seus
dedos quentes acariciaram-lhe a pele desnuda. Miranda fechou os olhos,
desejando que o corpo não reagisse, mas em vão. Os nervos em franja
recordaram de imediato o que o toque dele provocava. O corpo começou a
aquecer, os mamilos endureceram e um calor húmido preparou-a para uma
união que desejava mais do que tudo no mundo, mas que ela não podia
permitir.
Soltou-se com dificuldade e fitou-o.
— O que desejas, Ethan? Já dissemos tudo o que tínhamos a dizer um ao
outro, não foi?
— Não. Julguei que sim, mas não é verdade – respondeu.
Os dedos dele moveram-se como se desejasse tocar-lhe, mas não o fez.
Miranda não estava segura de ter ficado contente ou triste.
— Então, o que mais existe? – retorquiu com um suspiro de frustração.
— Uma única coisa e o mais importante, Miranda – disse, sustendo a
respiração. – Estou apaixonado por ti.
Ethan não pensara em pronunciar aquela declaração, mas acabara de se
decidir. Não fizera sem sombra de dúvida tenção de dizer aquilo num
terraço como parte de uma tentativa de manter Miranda ao seu lado.
Contudo, o desespero levara a melhor e a verdade saíra-lhe dos lábios.
Miranda fitou-o de olhos muito abertos e cheios de lágrimas. Abriu e
fechou a boca algumas vezes, como se estivesse à procura de uma resposta.
— Amas-me? – sussurrou por fim, incrédula, mas, antes que pudesse
repetir as palavras, abanou a cabeça. – Não, isso não é justo, Ethan.
— Justo? – disse ele, franzindo o sobrolho.
— Não podes dizer o que anseio desesperadamente por ouvir numa
tentativa para me levares de novo para a tua cama! – exclamou num tom
irritado.
— Não é minha intenção.
Cerrou os punhos, frustrado. Nunca havia pensado em dizer uma coisa
daquelas a uma mulher, e ali estava Miranda, duvidando das suas palavras.
E ele falava a sério. Quanto mais pensava no assunto, quanto mais o
revoluteava mentalmente, mais se apercebia de que era verdade.
A jovem aproximou-se com as narinas dilatadas. Ethan sentiu uma
enorme mágoa ao detetar toda a raiva apaixonada e o desejo reprimido que
a invadiam.
— Disseste-me com toda a clareza que, por mais que desejes cuidar de
mim, és incapaz de o fazer.
Não percebo porque é que quatro semanas longe de mim mudariam
essa ideia. Isto é apenas um jogo para ti. Sou uma mera conquista. E não
posso ser, Ethan! É demasiado cruel – prosseguiu, cerrando a mão contra o
peito. – O meu coração não é igual ao teu. Não consigo abafar as minhas
emoções.
Tentei, e foi inútil.
Ethan não lhe tocara propositadamente, numa tentativa de respeitar o
seu espaço, mas aquelas palavras eram demasiado. Agarrou-lhe nos braços
e atraiu-a a si. Tão de perto que a respiração lhe agitou os caracóis que lhe
emolduravam o rosto.
— Não estou a brincar contigo, não és a minha conquista, e neste
momento a única crueldade provém de ti – murmurou num tom rouco, que
ecoou no ar da noite tranquila que os envolvia. – Amo-te.
Um leve soluço brotou-lhe da garganta e as lágrimas começaram a
escorrer-lhe pelas faces.
— Ethan… – sussurrou num trémulo apelo.
Ele afrouxou o abraço até se tornar numa carícia, não um castigo.
— Sei porque é que tens dificuldade em acreditar depois de tudo o que
te disse antes de partir; também me é difícil acreditar. Mas quando
regressei a Londres, nada foi o mesmo. Toda a minha vida estava errada.
Tentei regressar aos tempos de antigamente, mas deixaram de me atrair.
Fui mesmo ao ponto de ir procurar outras mulheres…
Miranda encolheu-se e recuou.
— Não quero ouvir isso.
— Ouve-me bem! – gritou ele, sacudindo-a ao de leve. Ela arregalou os
olhos e deixou de falar, deixou de lutar. – Não desejava mais ninguém. Não
estive com mais nenhuma mulher desde que fiz amor contigo junto ao lago
naquela tarde antes de me ir embora.
Miranda resfolegou, inclinando a cabeça, enquanto tentava ler a
verdade nos seus olhos.
— O quê?
— Eu sei – disse ele, assentindo com a cabeça. – Desde a minha primeira
experiência que nunca passei mais do que uns dias sem ter sexo. Mas
sempre que tentei estar com outra mulher, só pensava em ti. E a única
espécie de alívio que tive desde a última vez que te vi foram os meus
sonhos. – Inclinou-se mais e aspirou um sopro do seu perfume. – E os meus
sonhos não são nada comparados com a realidade de te tocar, Miranda. São
insatisfatórios.
A jovem mulher estremeceu, e ele sentiu a pulsação dela acelerar-se sob
as suas mãos. Todavia, apesar da sua reação física, soltou-se e recuou
alguns passos.
— Então, desejas-me. Talvez mais do que a qualquer outra pessoa neste
momento – sussurrou com voz trémula. – Mas isso não é amor.
— Desejar-te é apenas uma parte do que me falta – disse ele. – Sabes o
que desejei fazer quando te vi?
Miranda fitou-o, incrédula. Ele abanou a cabeça.
— Não, não é isso – hesitou, sem conseguir dominar um sorriso tímido.
– Bom, isso também, mas acima de tudo só desejava apertar-te, sentir-te
nos meus braços. Desejava beijar-te. Tentara ignorar o quanto sentia a tua
falta, mas invadiu-me essa onda e apenas pensava em pronunciar o teu
nome, em falar-te. Nunca deixei de pensar em ti um único momento desde
que nos separámos. No teu corpo, sim, mas em ti, Miranda, em ti.
Uma lágrima escorreu-lhe pela face, e Ethan deu um passo em frente e
limpou-a com o polegar.
Miranda fechou os olhos, virou o rosto para a palma da mão dele, e
manteve-se assim durante um longo e silencioso momento.
Em seguida, abriu os olhos.
— Quero tanto acreditar em ti, Ethan, mas não posso – disse, recuando
em direção à porta do terraço. – Desculpa. Não posso correr esse risco.
Baixou a cabeça e esquivou-se para o interior.
Ethan ficou a olhar para a porta do terraço quando ela se fechou nas
suas costas. Sentia como se lhe estivessem a rasgar o coração ao meio.
Miranda não acreditava nele. Extravasara tudo o que lhe ia no peito, e ela
não acreditava.
Dirigiu-se ao muro do terraço e observou os áridos jardins lá em baixo.
Sentia-se tão vazio como eles se apresentavam sob a fria brisa outonal.
Tinha passado a vida a fugir ao amor. Não o quisera em nenhuma das
suas relações. Mas, no caso de Miranda, fora incapaz de evitá-lo. A dor que
crescia no seu íntimo e lhe atingia todos os músculos era pior do que a
morte, pior do que qualquer outra coisa alguma vez sentida.
Ele arriscara tudo…
Ethan ergueu a cabeça. Fora essa a palavra que Miranda tinha usado,
não fora? Risco.
Ele arriscara tudo?
Miranda fizera-o. Fora a casa dele, sabendo que tinha muito a perder.
Aceitara aquele pacto com o diabo, entregando a sua inocência e
depositando o futuro nas suas mãos. Tinha suportado os seus desejos e, por
vezes, a sua crueldade, sem nunca saber se a mandaria embora.
E, por fim, declarara o amor que lhe dedicava, consciente de que ele
seria incapaz de dizer o mesmo. Quando lhe concedeu um vislumbre de um
futuro difícil e insatisfatório, recusara-o, embora pudesse ter sido tão fácil
para ela. Tivera coragem suficiente para desejar mais, coragem para não se
entregar por menos.
Isso era risco.
— Queres perdê-la? – murmurou, ouvindo as palavras pronunciadas
pela sua própria voz. – Arriscarias tudo para a conquistar?
Antes de acabar a pergunta, já conhecia a resposta.
— Que ideia é essa de quereres voltar para casa? – inquiriu a mãe de
Miranda, franzido o sobrolho com desagrado.
Miranda engoliu em seco, esforçando-se por conter as lágrimas que lhe
picavam os olhos e lhe apertavam a garganta.
— Te-tenho uma súbita dor de cabeça – mentiu.
A mãe abanou a cabeça.
— Precisamos de ficar para causar boa impressão por causa da tua
irmã. Estou certa de que, se lhe pedirmos, Lorde Norman permitirá que
descanses um pouco num dos seus salões, ou…
— Por favor, mamã – interrompeu-a Miranda num tom mais áspero do
que desejava. – Não posso ficar aqui.
A mãe fitou-a surpreendida, e Miranda cerrou os punhos ao lado do
corpo. Mesmo que a mãe recusasse, pensava seriamente em fugir. Não
podia ficar depois do que acontecera.
Miranda gastara cada dia do mês anterior a compreender de novo a sua
vida, a tomar consciência de que entregara a sua inocência e o seu coração,
perdera a irmã e se perdera. E no momento em que começava a aceitar
todas essas coisas, tudo mudou quando Ethan voltara a entrar na sua vida
sem que se tivessem despedido há todas aquelas semanas.
As declarações dele de que a amava tinham-na ferido mais do que um
punhal. Oh, como desejava acreditar nas suas palavras e como lhe
despedaçava o coração não acreditar. Mas como poderia fazê-lo? No
passado fora um mero brinquedo nas mãos dele, e aquela podia ser
simplesmente a sua próxima jogada.
— Muito bem, Miranda – anuiu a mãe calmamente. – Se te sentes assim
tão indisposta, vou mandar chamar a carruagem para que te leve a casa.
Estás muito pálida e, na verdade, não queremos que desmaies.
Miranda recuou. Ao longo dos anos tinha-se habituado aos argumentos
estridentes da mãe sobre quase todas as questões. Devia estar com um
aspeto terrível para Dorthea aquiescer tão simplesmente à sua vontade.
— Obrigada – agradeceu com um misto de alívio e um toque de
desapontamento, que tentou ocultar no mais íntimo de si. Ir embora
significava voltar a fechar a porta a Ethan.
A mãe estendeu um braço, e Miranda agarrou-o. Nem sequer se tinha
apercebido de que estava a tremer até tocar em alguém que não estava.
Começaram a atravessar vagarosamente a sala na direção de Lorde
Norman e de Penelope para que ela pudesse apresentar desculpas e
despedir-se.
— Miranda Albright!
Miranda ficou paralisada com o som daquela voz que se erguia acima do
ruído da festa e do som da orquestra.
— Miranda Albright! – repetiu a voz, e as pessoas calaram-se. As
cabeças viraram-se na direção de um ponto nas suas costas e voltaram a
fixá-la com olhares curiosos.
— Quem está a chamar o teu nome tão grosseiramente? – disse a mãe,
enquanto largava Miranda e girava sobre os calcanhares.
Miranda sabia a resposta, antes que a mãe soltasse uma exclamação
abafada: – Lorde Rothschild!
Miranda virou-se lentamente e deparou com Ethan a três metros de
distância, no centro da pista de dança, que se esvaziou rapidamente.
O olhar do conde fixou-se no dela e os joelhos de Miranda quase
cederam ao divisar a expressão leal e carinhosa no seu atraente rosto.
— Ethan – sussurrou num tom muito baixo e magoado. – O que estás a
fazer?
— Miranda, és a mulher mais forte que alguma vez conheci – disse ele
acima dos murmúrios excitados da multidão compacta que ora olhava para
um, ora olhava para o outro. – Não te poupas a esforços e fazes sacrifícios
para ajudar a tua família, mas não devias ser a única a correr riscos.
A jovem estremeceu ao ouvir a palavra «risco». Era o que ela lhe dissera
no terraço um momento antes. Que não tinha coragem para correr o risco
de acreditar na sua declaração de que a amava. Ele encarara, sem dúvida,
isso como uma espécie de desafio, mas o que pensava? Que chamá-la aos
gritos lhe provaria alguma coisa?
Respirou fundo e abriu a boca para ripostar quando ele repentinamente
se ajoelhou no meio do duro chão de madeira. Ela avançou dois passos e
depois conteve-se.
Os murmúrios da multidão transformaram-se em sussurros chocados,
mas Ethan ignorou-os e conservou o olhar fixo no dela.
— Miranda, mereces indubitavelmente um homem melhor do que eu.
Ela abafou um soluço e piscou os olhos para reprimir as lágrimas que
lhe turvavam a vista.
— Por favor…
Ethan abanou a cabeça.
— Mas eu amo-te. E vou fazer figura de idiota diante de todas estas
pessoas se isso for uma prova para ti.
— Não tens de o fazer – sussurrou ela por entre as lágrimas que
começavam a cair.
— Mas faço. Devo dizer, na frente de todos os mexeriqueiros de
Londres, que nunca amarei outra mulher. E que qualquer mulher que se
aproxime de mim com a esperança de que justifique a reputação que
cultivei ao longo da última década e meia ficará extremamente
desapontada. Porque, mesmo que nunca te sintas disposta a aceitar o meu
amor, jamais o partilharei com outra mulher.
Nunca mais.
Todo o sangue afluiu às faces de Miranda quando algumas das mulheres
mais novas da multidão soltaram leves suspiros de tristeza.
— Não podes estar a falar a sério – retorquiu com mais um passo na sua
direção.
Ethan fitou-a com um brilho nos olhar pleno de todas as esperanças que
ela não se atrevia a ter.
— Olha para mim, Miranda. Faria figura de idiota se não estivesse a
falar a sério? Amo-te. E se for preciso esperar um dia, um mês, um ano ou
dez anos para que acredites em mim, se for preciso abdicar de tudo o que
sou e de tudo o que possuo para o provar, um dia casarei contigo.
Ela fitou-o, ainda demasiado chocada para compreender totalmente as
suas palavras. Percorreu a multidão com o olhar. Algumas das matronas
produziam estalidos de desagrado com a língua e havia, pelo menos três
mulheres que observavam Miranda como se quisessem arrancar-lhe os
olhos, enquanto vários homens, com quem Ethan estivera a falar antes,
abanavam as cabeças, desdenhosos.
Respirou fundo. Ele colocara-se à sua mercê. Com aquele discurso, ao
pôr-se de joelhos para lhe declarar a sua total rendição, deitara por terra
aquela preciosa reputação que tornara a sua vida tão encantadora. Ele
afastara publicamente qualquer potencial amante e repudiara a vida de que
ele e os amigos tanto gostavam.
Em resumo, dera-lhe tudo o que tinha sido e pedira em troca tudo o que
ela era.
Miranda sentiu que lhe tocavam no braço e, ao virar-se, deparou com
Penelope ao seu lado. A irmã tinha o rosto afogueado e os olhos muito
abertos e plenos de emoção.
— Não faças isso, Miranda – sussurrou fora do alcance dos ouvidos dos
que as rodeavam.
Miranda olhou novamente para Ethan e em seguida para a irmã. Tocou
ao de leve no rosto de Penelope.
— Não te rendas ao amor por dever, Penelope, não por estares zangada
comigo.
O rosto da irmã contorceu-se quando Miranda se voltou de novo para
Ethan. As lágrimas corriam-lhe livremente pelas faces, mas já não eram
lágrimas de dor, descrença ou de raiva. Ele conseguira transformá-las em
lágrimas de alegria, de esperança.
Estendeu o braço e agarrou-lhe no rosto com a mão em concha.
— Ethan – sussurrou.
Ele sorriu.
— Só te peço para acreditares que sou sincero.
— Acredito em ti – disse ela. – E amo-te muito.
Os olhos dele brilharam como os de uma criança na manhã de Natal.
Levantou-se rapidamente, agarrou-a pela cintura e ergueu-a nos braços. A
multidão à volta rompeu em aplausos quando os seus lábios se uniram aos
dela.
Miranda ria e chorava ao mesmo tempo enquanto ele a beijava.
Ethan recuou.
— Casa comigo, e prometo que um dia conquistarei o teu amor.
Ela acenou com a cabeça, ao mesmo tempo que o abraçava e atraía de
encontro ao corpo.
— Já conquistaste o meu amor para o resto das nossas vidas.

FIM

Você também pode gostar