Você está na página 1de 3

VARIAÇÃO CAMBIAL DE DIREITOS E OBRIGAÇÕES

As empresas que tiverem crédito a receber e/ou obrigações a pagar em moeda


estrangeira deverão, por ocasião do levantamento de balanços, proceder à
atualização da expressão monetária, em reais, desses valores com base na taxa
cambial vigente na data do levantamento do balanço.

TAXAS CAMBIAIS A SEREM UTILIZADAS

Devem ser utilizadas as taxas cambiais verificadas no fechamento do mercado


de câmbio, no último dia útil de cada mês, que são fornecidas pelo Banco
Central do Brasil - www.bcb.gov.br - na seção "Câmbio e Capitais
Estrangeiros" - subseção "Taxas de Câmbio/Cotações".

Na atualização de direitos de créditos, devem ser utilizadas as taxas para compra,


enquanto que na utilização de obrigações, devem ser utilizadas as taxas para venda.

Taxas Diferenciadas "Compra" e "Venda"

Observe que a taxa de compra do câmbio é inferior à taxa de venda. Isto


porque a instituição financeira que negocia câmbio "compra" num valor
inferior e vende-a por um valor superior (lucro de intermediação financeira
cambial).

Por isso que a venda do dólar a uma instituição é feita pela taxa "de compra",
e a compra é feita pela taxa "de venda".

No balanço, portanto, os direitos creditórios (como, por exemplo, créditos a


receber por vendas ao exterior) devem sempre ser feitas pela taxa "de
compra", enquanto as obrigações (dívidas), pela taxa "de venda", pois, de
acordo com as normas cambiais vigentes no Brasil, tanto para receber recursos
do exterior quanto quitar uma dívida em moeda estrangeira há obrigação de se
recorrer a uma instituição financeira.

O registro contábil das variações cambiais deve seguir estes parâmetros das
duplas taxas de negociação.

CONTABILIZAÇÃO

O registro contábil da atualização monetária deve ser feito a débito ou a


crédito da conta atualizada, tendo como contrapartida contas de resultado, de
variações monetárias ativas (receita) ou de variações monetárias passivas
(despesa).

Na hipótese de a moeda nacional se desvalorizar em relação à moeda


estrangeira na qual foi realizado o negócio, as atualizações com base nas taxas
cambiais geram variação monetária passiva (despesa) nas obrigações e
variação monetária ativa (receita) nos direitos de crédito.

Se, no período a que se referir à atualização monetária, a moeda nacional se


valorizar diante da moeda estrangeira, o comportamento da variação
monetária será ao contrário, isto é, os direitos geram variação monetária
passiva e as obrigações geram variação monetária ativa.

Exemplo:

Contabilização das atualizações monetárias dos créditos e obrigações em


moeda estrangeira de uma empresa que, em 31 de dezembro, registrava:

a) valor a receber de cliente: US$ 10.000,00;

b) empréstimo a pagar: US$ 5.000,00;

c) valores dos saldos registrados na contabilidade:

Ativo Circulante:

Clientes do Exterior: R$ 39.000,00

Passivo Circulante:

Empréstimos no Exterior: R$ 18.000,00

Supondo uma cotação do dólar norte americano em 31 de dezembro, de R$


4,00 para compra e de R$ 4,01 para venda, obteremos as seguintes variações
cambiais:

Clientes do Exterior:

US$ 10.000,00 x R$ 4,00 = R$ 40.000,00

Variação Cambial: R$ 40.000,00 - R$ 39.000,00 (saldo contábil) = R$


1.000,00

Empréstimos no Exterior:

US$ 5.000,00 x R$ 4,01 = R$ 20.050,00

Variação Cambial: R$ 20.050,00 - R$ 18.000,00 (saldo contábil) = R$


2.050,00

Lançamentos contábeis com base na variação cambial em 31 de dezembro:


D - Clientes do Exterior (Ativo Circulante)
C - Variação Monetária Ativa (Resultado)
R$ 1.000,00

D - Variação Monetária Passiva (Resultado)


C - Empréstimos no Exterior (Passivo Circulante)
R$ 2.050,00

Base: NBC TG 02.

Você também pode gostar