Você está na página 1de 57

Redação de Artigos Científicos

Ricardo de Almeida Falbo

Metodologia de Pesquisa
Departamento de Informática
Universidade Federal do Espírito Santo
2010/1
Agenda
 Por que escrever um artigo?
 Para quem escrever um artigo?
 Veículos de Publicação
 Estrutura de Artigos Científicos
 Como escrever um artigo
 Problemas comuns

2
Por que escrever um artigo?
 Propósito: comunicar uma ideia para
pessoas que têm capacidade de levá-la
mais adiante ou que podem fazer bom
uso dela (GOLDREICH, 2004).
 A comunicação de boas ideias é o meio
pelo qual a ciência progride
(GOLDREICH, 2004).

3
O que é uma ideia?
 Uma ideia pode ser um novo modo de
olhar para um objeto / fenômeno (um
modelo), um novo modo de manipular
objetos (uma técnica) ou novos fatos
relativos a objetos / fenômenos
(resultados) (GOLDREICH, 2004).

4
Por que escrever um artigo?
 Além de comunicar uma ideia, de
alguma maneira você estará vendendo
a ideia, ou seja, tentando convencer o
leitor de que sua ideia é valiosa.

5
Para quem escrever um artigo?
 O objetivo de um artigo é prover a melhor
apresentação possível das ideias para uma
comunidade relevante.
 A comunidade inclui não somente os
especialistas trabalhando na área, mas
também os pesquisadores iniciantes e futuros
(GOLDREICH, 2004).
 Deve-se buscar ser atrativo para não
especialistas tanto quanto se pode esperar,
ao mesmo tempo sendo interessante e não
ofensivo a especialistas (MAJID, 2005).
6
Para quem escrever um artigo?
 Deve-se observar atentamente qual o
público de um evento ou periódico.
 É útil observar trabalhos anteriores
desse veículo de publicação.
 Deve-se usar um vocabulário
compatível e citar trabalhos relevantes
para essa comunidade.

7
Para quem escrever um artigo?
 O leitor deve ser o foco.
 Pode-se assumir que o leitor é
inteligente e tem um conhecimento
básico da área.
 É dever do autor fazer seu melhor para
ajudar potenciais leitores a extrair a
informação relevante de seu artigo
(GOLDREICH, 2004).

8
Para quem escrever um artigo?
 O autor deve despender bastante tempo
escrevendo o artigo para que os leitores
despendam menos tempo no processo de
extrair a informação relevante.
 Leitores estão rodeados de muitas
informações, a maioria delas irrelevante.
Assim, é extremamente importante destacar
claramente as novas ideias apresentadas no
artigo (GOLDREICH, 2004).
9
Veículos de Publicação
 Periódicos: considerados os veículos
mais importantes.
 Conferências e Simpósios: em Ciência
da Computação têm boa relevância,
maior que em outras áreas
(WAZLAWICK, 2009).

10
Veículos de Publicação
 Workshops e Seminários: em geral, são
eventos satélites de conferências
maiores. Normalmente são muito
restritos em termos de abrangência e
número de participantes. São
consideradas publicações de menor
impacto (WAZLAWICK, 2009).
 Livros e Capítulos de Livro
11
Veículos de Publicação
 Abrangência:
 Internacional: veículos publicados em língua
inglesa que contam com a participação de autores
de várias nações, sem a predominância de
nenhuma. Ex.: periódicos e conferências da ACM e
da IEEE.
 Nacional: veículos publicados em uma língua
diferente do inglês ou que, embora publicado em
inglês, tenha participantes predominantemente de
um único país ou região. Ex.: simpósios da SBC
(SBES, SBBD, SBRC, SBIA, Webmedia etc.) e
conferências latinoamericanas (CLEI, CIbSE etc.)
(WAZLAWICK, 2009).

12
Veículos de Publicação
 Abrangência:
 Regional: são veículos que abrangem
apenas uma estado ou região geográfica.
 Local: veículos que abrangem apenas uma
única instituição, sendo que a maioria dos
autores pertence a essa instituição
(WAZLAWICK, 2009)

13
Veículos de Publicação
 Qualis: lista de veículos utilizados para
a divulgação da produção intelectual
dos programas de pós-graduação stricto
sensu, classificados por abrangência e
qualidade.
 O Qualis é organizado por área de
conhecimento.

14
Considerações Importantes
 Não se deve submeter o mesmo artigo para
dois eventos simultaneamente.
 Não se deve submeter um artigo que apenas
reapresenta ideias de outros trabalhos.
 Salvo algumas exceções, não se deve
submeter um artigo que apenas reapresenta
ideias já publicadas pelo próprio autor
(autoplágio).

15
Considerações Importantes
 É possível publicar vários artigos a partir do
mesmo trabalho de pesquisa, desde que cada
um apresente uma ideia diferente.
 No caso de publicações mais antigas, pode-se
gerar um novo artigo aprofundando ou
estendendo resultados já apresentados
(WAZLAWICK, 2009).

16
Estrutura de Artigos Científicos
 Não há precisamente uma forma que
deve ser seguida em todos os artigos.
De fato, um ingrediente principal no
processo de escrita é a flexibilidade.
 A escolha da forma do artigo deve se
ajustar ao conteúdo em mãos
(GOLDREICH, 2004).

17
Estrutura de Artigos Científicos
 Cada evento / periódico tem suas
próprias regras de formatação, que
devem ser rigorosamente seguidas!
 Contudo, algumas regras gerais
aplicam-se a quase todos os artigos.

18
Estrutura de Artigos Científicos
 Título
 Autores e afiliações
 Palavras chave (*)
 Resumo / Abstract
 Texto
 Referências

(*) Dependendo do formato do evento / periódico

19
O Título
 O título é o primeiro meio de chamar a
atenção para um potencial leitor.
 Deve apresentar de maneira sintética a
a ideia do trabalho.
 Deve ser o mais informativo possível,
sem ser muito longo ou complexo.

20
Autores
 Quem participou da elaboração do
trabalho ou quem participou da escrita
do artigo?
 Quem apenas ajudou pontualmente,
merece somente um agradecimento.
 Em que ordem listar os autores?
 Ordem alfabética x Ordem de
participação

21
Autores
 No caso de artigos inspirados em
trabalhos de mestrado ou doutorado,
recomenda-se (WAZLAWICK, 2009):
 Em primeiro lugar deve aparecer o nome
do aluno.
 Em segundo, o nome do orientador
 Depois, poderão aparecer coorientadores,
colegas ou outros pesquisadores que
tenham efetivamente contribuído.

22
O Resumo
 Tem elevada importância.
 Algumas pessoas só vão ler o resumo e,
portanto, ele deve ser o mais informativo
possível.
 Deve:
 prover uma descrição de alto nível do conteúdo do
artigo.
 ser autocontido (GOLDREICH, 2004).
 falar qual a contribuição do artigo (WAZLAWICK,
2009).

23
O Resumo
 Não precisa (GOLDREICH, 2004):
 Ter uma motivação;
 Referenciar trabalhos anteriores;
 Prover uma descrição precisa dos resultados do
artigo (ao contrário, pode transmitir somente a
natureza dos novos resultados);
 Prover uma descrição de todos os resultados (ao
contrário, pode se concentrar nos mais
importantes).

24
O Resumo
 O desafio é manter o resumo conciso
ao mesmo tempo transmitir os
principais resultados e ideias do artigo
(MAJID, 2005).
 Um bom resumo responde à seguinte
questão: Por que eu devo ler este
artigo?

25
Palavras chave
 Usadas para pesquisa eletrônica em
bases de dados (juntamente com o
título e o resumo).
 Como escolhê-las?
 Pense sobre os tipos de busca que você
gostaria que levassem a seu artigo
(MAJID, 2005).

26
O Texto
 Não há precisamente uma forma que deve
ser seguida em todos os artigos.
 Itens típicos de um artigo:
 Introdução
 Revisão Bibliográfica (uma ou mais seções)
 Apresentação do Trabalho (uma ou mais seções)
 Trabalhos correlatos
 Conclusões

27
A Introdução
 Deve apresentar uma clara descrição do
trabalho, bem como uma boa
motivação para o mesmo.
 Deve prover também uma clara
colocação dos resultados principais e
uma descrição de alto nível das técnicas
adotadas (GOLDREICH, 2004).

28
A Introdução
 Alguns leitores (e até mesmo revisores)
não vão passar da introdução...
 Assim, deve ser cuidadosamente escrita
e deve dizer bastante sobre o trabalho
(MAJID, 2005).

29
A Introdução
 Deve conter:
 Motivação: apresenta o tema e o problema que
está sendo tratado pelo artigo, motivando o leitor
para sua relevância.
 Contexto: descreve o contexto no qual se deu a
pesquisa.
 Escopo do Trabalho e Principais Resultados:
apresenta o escopo delimitando o trabalho e seus
principais resultados.
 Objetivo: apresenta o objetivo do artigo.
 Organização do Trabalho: descrição sucinta das
demais seções do artigo.

30
A Introdução
 Deve-se evitar introduções muito
longas. A introdução deve ser a
necessária e suficiente para introduzir o
leitor no tema e motivá-lo para o
trabalho realizado, mostrando sua
importância para a área de estudo.

31
A Revisão Bibliográfica
 É importante ser objetivo na apresentação da
revisão bibliográfica.
 Deve-se incluir somente o que é importante
para a compreensão do trabalho.
 Ao incluir informações não relacionadas ao
trabalho, criam-se falsas expectativas no
leitor e perde-se valioso espaço para
apresentar o trabalho em si.

32
A Revisão Bibliográfica
 Deve abordar os conceitos usados, citando
referências relevantes para a comunidade
alvo do artigo.
 Deve mostrar de maneira sucinta e direta o
estado da arte, mostrando como o trabalho
desenvolvido se encaixa nessa evolução.
 Trabalhos correlatos podem ser apresentados
aqui ou posteriormente numa seção de
Trabalhos Correlatos junto com a
comparação.
33
Apresentação do Trabalho
 As seções de apresentação do trabalho,
como o nome indica, apresentam o
trabalho realizado e seus resultados.
 Não se deve voltar à apresentação de
ideias de outros autores.
 Comparações com trabalhos correlatos
devem ser feitas em uma seção de
Trabalhos Correlatos.

34
Apresentação do Trabalho
 Deve descrever o raciocínio seguido, os
detalhes da solução para o problema e os
resultados alcançados.
 Alguma forma de avaliação do trabalho deve
ser apresentada.
 Não é interessante apresentar muitas
pequenas ideias. Concentre-se em uma boa
ideia e a apresente adequadamente.

35
Apresentação do Trabalho
 Em trabalhos que apresentam um método,
recomenda-se a aplicação em um caso real.
 Comparação com outros métodos é
fundamental (seção de Trabalhos Correlatos),
indicando a métrica usada para a
comparação. Comparações subjetivas podem
ser objeto de crítica (p.ex., valores “atende”,
“não atende”, “atende parcialmente”).
 É fundamental destacar limitações
(WAZLAWICK, 2009).
36
Trabalhos Correlatos
 Em um artigo científico é fundamental
discutir trabalhos relacionados.
 Os trabalhos relacionados devem ser
sucintamente apresentados e
objetivamente contrastados com o
trabalho apresentado no artigo.

37
Trabalhos Correlatos
 Deve-se destacar diferenças positivas e
negativas.
 É importante indicar porque se considera algo
melhor ou pior, sobretudo quando se
considera que o trabalho apresentado é
melhor que o trabalho relacionado.
 Limitações também devem ser claramente
destacadas.

38
Trabalhos Correlatos
 Comentários negativos acerca dos
trabalhos relacionados devem ser
evitados.
 A forma de escrever deve ser muito
cuidadosa para evitar afirmações fortes
e críticas contundentes a outros
trabalhos.

39
Trabalhos Correlatos
 O que fazer se não achar nada
efetivamente relacionado?
 Deve-se delimitar claramente o escopo
da pesquisa bibliográfica, indicando
período, periódicos e eventos
pesquisados.
 Citar trabalhos moderadamente
relacionados (WAZLAWICK, 2009).

40
As Conclusões
 O que deve conter?
 Há controvérsias... Goldreich (2004), p.ex.,
advoga contra a necessidade de sempre se
ter esta seção, caso ela simplesmente repita
coisas ditas no resumo e/ou na introdução.
 Para ele, uma seção de conclusões é valiosa
quando contém material que ajusta-se
melhor depois da parte principal do artigo e
que, portanto, não é colocado na introdução.
41
As Conclusões
 Majid (2005) aponta que uma boa
introdução e um artigo bem escrito não
precisam de conclusões. Mas este é o
lugar para comentários finais que
somente podem ser entendidos após a
apresentação dos resultados. Aqui
também é o local para apresentar
direções para trabalhos futuros.
42
As Conclusões
 A seção de conclusões tipicamente
sumariza o artigo, apresenta conclusões
sobre a solução proposta e aponta
trabalhos futuros.

43
Referências
 A seção de referências só deve conter
as publicações efetivamente citadas no
artigo (e todas elas).
 Atenção especial deve ser dada ao
formato requerido pelo evento.

44
Como escrever um artigo
 De maneira geral, as recomendações
feitas para a redação de uma tese ou
dissertação valem para artigos
científicos.
 Contudo, como os artigos são muito
menores que uma dissertação / tese,
objetividade, foco e clareza tornam-se
elementos ainda mais importantes.
45
Como escrever um artigo
 Antes de começar a escrever o artigo:
 Estabeleça que ideia(s) pretende
comunicar no artigo.
 Identifique a comunidade para a qual se
pretende apresentar as ideias.
 Reflita sobre o porquê suas ideias são
importantes.
 Pense em como apresentá-las.

46
Como escrever um artigo
 Use exemplos.
 Deixe clara a sua contribuição.
 Não desperdice preciosas linhas com
informação irrelevante ou desconexa
(WAZLAWICK, 2009).
 Faça uma transcrição objetiva e precisa da
ideia de pesquisa, do desenvolvimento que a
validou e de seus resultados (WAZLAWICK,
2009).

47
Como escrever um artigo
 Pensar sobre layout, ordenação de
frases e coisas simples como pontuação
é muito importante, pois têm grande
efeito sobre o entendimento do artigo.
 As frases devem levar o leitor
suavemente ao longo da linha de
raciocínio (MAJID, 2005).

48
Como escrever um artigo
 Sempre que possível, evite notas de rodapé e
negrito.
 Use corretor ortográfico.
 Evite negações.
 Evite acrônimos inúteis.
 Não use acrônimos em títulos.
 Escreva no presente do indicativo. Evite o
futuro para falar de algo que vai aparecer a
seguir no artigo.

49
Problemas comuns
 O autor tenta colocar no artigo tudo o
que ele sabe sobre um assunto.
 O autor coloca suas ideias na primeira
localização possível e não na mais
adequada. Sua única preocupação é
dizer tudo em algum lugar no artigo
(GOLDREICH, 2004).

50
Problemas comuns
 Falta de hierarquia / estrutura.
 O autor explora todas as sutilezas e
refinamentos de suas ideias quando as
introduz, antes de clarear as ideias básicas.
 Falta ao autor uma consciência constante do
que se pode esperar que o leitor saiba em um
particular ponto do artigo (GOLDREICH,
2004).

51
Problemas comuns
 Labirinto de ponteiros implícitos, provocado
pelos pronomes demonstrativos (isto, aquilo,
aquele etc): Pode ser difícil para o leitor
descobrir a que entidades o autor está se
referindo.
 Sentenças com estrutura lógica complexa,
i.e., sentenças condicionais com muitas
condições e consequências, algumas delas
aninhadas (GOLDREICH, 2004).
52
Problemas comuns
 Figuras ilegíveis. Figuras são muito
úteis para comunicar ideias. Mas, para
tal, devem ser legíveis e bem
elaboradas.
 Figuras confusas quando impressas em
preto e branco.
 Referências erradas a figuras e tabelas.

53
Problemas comuns
 Símbolos e terminologia empregada não
foram definidos em certa medida antes
de serem usados.
 Assume-se que a notação adotada é
óbvia ou padrão (p.ex., símbolos
lógicos) (MAJID, 2005).

54
Artigos em Inglês
 A língua inglesa, ao contrário do português,
tem uma preferência por frases curtas.
 Uma boa regra é procurar por frases com
mais de uma ou duas linhas e tentar trocar
frases subordinadas (usando which, where
etc.) por novas frases.
 Problemas com pronomes (this, it, etc.)
também devem ser observados (MAJID,
2005).
 Escreva preferencialmente em voz ativa.

55
Avaliação
 Revisores são leitores críticos. Eles
apontam problemas e fazem sugestões.
 Nem sempre é necessário acatar as
sugestões dos revisores, mas deve-se
ter em mente que essas sugestões
indicam problemas na escrita corrente
(GOLDREICH, 2004).
 Assim, é sempre bom tentar melhorar.

56
Referências
 Goldreich, O., How to write a paper, 2004.
Disponível em
http://www.wisdom.weizmann.ac.il/~oded/writing.html
 Majid, S., Hints for New PhD students on How
to Write Papers, The Science Registry Ltd.,
2005.
 Wazlawick, R.S., Metodologia de Pesquisa
para Ciência da Computação, Editora Elsevier,
2009.

57

Interesses relacionados