Você está na página 1de 25

VAZÃO DE PROJETO

RACIONAL MODIFICADO

JÁ VAMOS INICIAR
DEIXE NOS COMENTÁRIOS DE ONDE VOCÊ FALA
RACIONAL MODIFICADO
HIETOGRAMA
PRA QUE SERVE?
RACIONAL E MODIFICADO
QUANDO EU USO?
EXEMPLO PRÁTICO
APRESENTAÇÃO
→ José Costa
→ Engenheiro Civil
→ Mestre Unicamp
→ Atuação de 11 anos em multinacional
→ Casado, pai do Davi e do Isaque

“DESCOMPLICO A SEU ENTENDIMENTO SOBRE


HIDRÁULICA E HIDROLOGIA”
PARA QUE SERVE?
MÉTODO RACIONAL

Intensidade
[mm/H]
Runoff
[adm]
𝐂 ×𝐢×𝐀
𝐐=
𝟑, 𝟔
Área
[km²]
Vazão
[m³/s]
MÉTODO RACIONAL
𝐂 ×𝐢×𝐀
𝐐=
𝟑, 𝟔

𝐕𝐞𝐬𝐜𝐨𝐚𝐝𝐨
𝐂=
𝐕𝐩𝐫𝐞𝐜𝐢𝐩𝐢𝐭𝐚𝐝𝐨
Fonte: DAEE
MÉTODO RACIONAL 2
𝐂 ×𝐢×𝐀
𝐐=
𝟑, 𝟔

Tempo de
Retorno
[anos]
𝐤 × 𝐓𝐚
Duração 𝐢=
da chuva
[min]
𝐭+𝐛 𝐜
k, a, b, c
Parâmetros de ajuste de cada região

𝟑 𝟎.𝟑𝟖𝟓 3
𝐋
𝐭𝐜 = 𝟓𝟕 ×
∆𝐡
L: km
L: m
1
MÉTODO RACIONAL
𝐂 ×𝐢×𝐀
𝐐=
𝟑, 𝟔

ÁREA DE
CONTRIBUIÇÃO
MÉTODO RACIONAL MODIFICADO

▪ Coeficiente de retardo

▪ Segundo o IGAM 2010, pode ser utilizado


para áreas de até 10km²

▪ Intuito de reduzir as vazões de pico


elevadas geradas pelo método racional
para áreas superiores a 2km²

Vieira. L. Aplicação de modelos hidrológicos com SIG em obras civis lineares, Dissertação São Carlos, 2015
MÉTODO RACIONAL MODIFICADO (DNER 1975 e IGAM)

𝑸 = 𝟎, 𝟐𝟕𝟖 × 𝑪 × 𝒊 × 𝑨 × 𝝋

𝐂 ×𝐢×𝐀
𝐐= 𝟏 C: runoff (adm)
𝟑, 𝟔 𝝋= 𝒏 i: Intensidade de chuva (mm/h)
𝟏 𝟏𝟎𝟎𝑨 A: Área da bacia (km²)
𝐐= = 𝟎, 𝟐𝟕𝟖
𝟑, 𝟔

𝑛 = 4 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑑𝑒𝑐𝑙𝑖𝑣𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒𝑠 𝑖𝑛𝑓𝑒𝑟𝑖𝑜𝑟𝑒𝑠 𝑎 0,5%


𝑛 = 5 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑑𝑒𝑐𝑙𝑖𝑣𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒𝑠 𝑣𝑎𝑟𝑖𝑎𝑛𝑑𝑜 𝑑𝑒 0,5% 𝑎 1%
𝑛 = 6 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑑𝑒𝑐𝑙𝑖𝑣𝑖𝑑𝑎𝑑𝑒𝑠 𝑠𝑢𝑝𝑒𝑟𝑖𝑜𝑟𝑒𝑠 𝑎 1%

Vieira. L. Aplicação de modelos hidrológicos com SIG em obras civis lineares, Dissertação São Carlos, 2015
MÉTODO RACIONAL MODIFICADO (DNIT)

𝑸 = 𝟎, 𝟐𝟕𝟖 × 𝑪 × 𝒊 × 𝑨 × 𝝋
ÁREA RURAL
𝐂 ×𝐢×𝐀
𝐐= C: runoff (adm)
𝟑, 𝟔 𝝋 = 𝑨−𝟎.𝟏𝟎 i: Intensidade de chuva (mm/h)
𝟏 A: Área da bacia (km²)
𝐐= = 𝟎, 𝟐𝟕𝟖
𝟑, 𝟔
ÁREA URBANA

𝝋 = 𝑨−𝟎.𝟏𝟓

Vieira. L. Aplicação de modelos hidrológicos com SIG em obras civis lineares, Dissertação São Carlos, 2015
MÉTODO RACIONAL (McMATH)

𝑸 = 𝟎, 𝟎𝟎𝟗𝟏 × 𝑪 × 𝒊 × 𝑨𝟎,𝟖 × 𝑺𝟎,𝟐

C: runoff (adm)
i: Intensidade de chuva (mm/h)
A: Área da bacia (ha)
S: Declividade (m/m)

Vieira. L. Aplicação de modelos hidrológicos com SIG em obras civis lineares, Dissertação São Carlos, 2015
350

300

250

200
VAZÕES

150

100

50

0
1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 15 20 25 30
ÁREAS

Qracional Qmodificado Q - McMath


EXEMPLO
EXEMPLO PRÁTICO
DADOS DE ENTRADA

ÁREA: 10000000 m² 10 km²


TALV EGUE: 1000 m 1 km
COTA DE CRISTA: 1000 m
COTA DE BASE: 990 m
DESNÍV EL: 10 m
RUNOFF: 0.35 adm
TR: 100 Anos

Tabela 1 - Coeficiente Runoff (DAEE)


Uso do solo ou grau de urbanização Mín Máx
Área totalmente urbanizada 0.5 1
Área parcialmente urbanizada 0.35 0.5
Área predominantemente de plantações, pastos, etc 0.2 0.35

Tabela 2 - Tempo de retorno em anos (DAEE)


Uso do solo ou grau de urbanização Urbano Rural
Canalização céu aberto - Trapezoidal 50 50
Canalização céu aberto - retangular 100 100
Canalização contorno fechado 100 100
Travessias: pontes, bueiros e estruturas afins 100 100
EXEMPLO PRÁTICO
Tempo de concentração
.
L
=5 ×

tc: 23.4896 min

Intensidade de chuva
i= Londrina (PR) tc = (m)
T= (Anos)
i= 114.566 mm/H

3.132,56 × T , 9
i=
+ 30 ,9 9
EXEMPLO PRÁTICO
Vazão RACIONAL
de projeto MODIFICADO McMATH
Declividade
∆ A: 10 km²
×i× =
= A: 1000 ha
3,6
I: 0.01 m/m
I: 0.01 m/m
Q: 111.383 m³/s I: 1 %
1 = 0,00 1 × ×𝑖× , × ,
𝜑=
100 Q: 36.4892 m³/s

𝜑: 0.31623

n: 4 (I<0,5%)
n: 5 (0,5% < I < 1%)
n: 6 (1% < I)

= 0,2 × ×i× ×
Q: 35.2507 m³/s
120
111.383

100

80

60

40 35.25 36.48

20

0
Racional Modificado McMATH
EXCEL
AULAS GRATUITAS

Eng. José Costa


contato@engjosecosta.com.br
DÚVIDAS?

Eng. M.Sc. José Costa

@eng_jose_costa engjosecosta Eng. José Costa Eng. José Costa t.me/engjosecosta

MUITO OBRIGADO!

Você também pode gostar