Você está na página 1de 62

COMPILAÇÃO

 DE  PERGUNTAS  DE  EXAME


DOENÇAS  INFECIOSAS

Notas  sobre  a  compilação:


-­‐   a  par3r  da  versão  anterior  da  compilação,  foram  eliminadas  as  perguntas  repe3das  e  as  perguntas  de  3pos  
que  não  correspondem  aos  moldes  atuais  do  exame  (de  múl3pla  resposta  e  de  completar  espaços);  
-­‐   as  restantes  questões  encontram-­‐se  agrupadas  por  temas;  
-­‐   foi  man3da  a  numeração  das  questões  que  consta  na  versão  anterior  da  compilação;  
-­‐   as  propostas  de  solução  das  questões  não  foram  modificadas.  

|  COMPILAÇÃO  DE  PERGUNTAS  DE  ESCOLHA  MÚLTIPLA


!    Infeção  pelo  VIH 2
!    Infeções  por  vírus  do  grupo  Herpes 8
!    Tuberculose 12
!    Sépsis 13
!    Infeção  SNC 18
!    Normas  gerais  de  anQbioterapia,  resistência  aos  anQmicrobianos 24
!    Zoonoses  e  Medicina  de  Viagem 25
!    Infeções  emergentes/Gripe 31
!    Síndromes  febris 33
!    HepaQtes 35
!    Critérios  de  gravidade  nas  infeções  respiratórias  da  comunidade 37
!    Prevenção  da  patologia  infeciosa:  imunizações 38

!    Diversos  (incluindo  exame  1º  bloco  2014/2015) 39


Soluções  das  perguntas  de  escolha  múlQpla 50

|  COMPILAÇÃO  DE  PERGUNTAS  DE  DESENVOLVIMENTO 51


UC  de  Medicina  5.°  ano

Delegados:  Sónia  Costa  |  Tiago  Oliveira


-­‐  COMPILAÇÃO  DE  PERGUNTAS  DE  ESCOLHA  MÚLTIPLA  -­‐

INFEÇÃO  PELO  VIH

10.  RelaBvamente  à  epidemiologia  da  Infeção  VIH  em  Portugal:  (assinale  a  falsa)  
a.   A  mais  frequente  doença  definidora  de  SIDA  é  a  Tuberculose  Pulmonar.  
b.   O   VIH-­‐2   é   responsável   por   cerca   de   30   %   dos   casos   declarados,   o   que   se   deve,  
provavelmente,  às  relações  estreitas  de  Portugal  com  países  da  África  Ocidental.  
c.   A   principal   categoria   de   transmissão   nos   doentes   atualmente   diagnosQcados   é   a  
heterossexual.  
d.   Na   primeira   década   da   epidemia   a   principal   categoria   de   transmissão   foi   a  
toxicodependência  V.  
e.   As  esQmaQvas  das  Nações  Unidas  indicam  para  o  nosso  país  uma  taxa  de  prevalência  de  
Infeção  VIH  entre  os  adultos  (15-­‐49  anos)  de  0,4  %.  

11.   Após   um   acidente   profissional   hospitalar   em   que   houve   uma   picada   acidental   com  
agulha  previamente  uBlizada  na  realização  de  gasometria  arterial  em  doente  com  infeção  VIH:  
(assinale  a  afirmação  verdadeira)  
a.   O   acidentado   deve   realizar   teste   virológico   (PCR)   às   24-­‐48   horas,   pois   só   haverá  
documentação  serológica  de  eventual  contágio  após  decorrido  o  período  janela.  
b.   A  desinfeção  com  álcool  90°  e  aplicação  de  garrote  são  as  medidas  mais  eficazes  a  tomar  
de  imediato  para  evitar  contágio  pelo  VIH  
c.   Se  o  doente  fonte  já  fez  terapêuQca  anQrretrovírica  devemos  realizar  teste  de  resistências  
aos  anQrretrovíricos  e  só  depois  iniciar  tratamento  profiláQco  do  acidentado  com  um  esquema  de  
2  ou  3  fármacos  para  os  quais  não  tenham  sido  idenQficadas  resistências  
d.   Deve   ser   imediatamente   administrada   imunoglobulina   humana   normal   para   diminuir   o  
risco  de  contágio  pelos  vírus  VIH,  VHB  e  VHC  
e.   Se  o  doente  fonte  apresentava  doença  oportunista  o  risco  de  contágio  é  maior.  

12.  São   manifestações   clínicas   de   infeção   VIH   sintomáBca,   não   definidoras   de   SIDA   todas   as  
seguintes  exceto:  
a.   Herpes  mucocutâneo  crônico  (duração  superior  a  4  semanas)  
b.   Trombocitopenia  
c.   Candidose  oral  
d.   Emagrecimento  superior  a  10%  peso  
e.   Leucoplasia  oral  

26.  Em  relação  à  Infeção  VIH  assinale  a  verdadeira.  


a.   O  VIH-­‐2  está  associado  a  doença  com  evolução  mais  rápida  
b.   O  VIH  liga-­‐se  às  células  através  dos  recetores  CD4  e  correcetores  CCR4  ou  CXCR5  
c.   O  grupo  mais  prevalente  do  VIH  Qpo  1  é  o  grupo  M  
d.   A  rapidez  de  evolução  da  doença  depende  exclusivamente  da  carga  vírica  
e.   A  presença  de  adenopaQas  num  indivíduo  com  infeção  VIH  indica  progressão  para  a  fase  
sintomáQca  

27.  Em  relação  ao  diagnósBco  da  Infeção  VIH  assinale  a  verdadeira:  
a.   Dois   testes   de   pesquisa   de   anQcorpos   de   Qpo   ELISA   negaQvos,   realizados   com   intervalo   de  
6  semanas  permitem  excluir  com  segurança  o  diagnósQco  de  infeção  VIH  
b.   Os   testes   de   pesquisa   de   anQgénio   p24   são   atualmente   os   mais   uQlizados   para   rastreios   em  
larga  escala  (por  exemplo  na  população  prisional),  uma  vez  que  são  mais  sensíveis  
-­‐   2  -­‐  
c.   A   pesquisa   de   anQcorpos   para   o   VIH-­‐1   por   teste   ELISA   ultrassensível   é   o   método   mais  
eficaz  de  diagnósQco  na  fase  de  primoinfeção  
d.   A  pesquisa  de  anQgénio  p24  é  o  método  mais  sensível  e  específico  para  o  diagnósQco,  em  
qualquer  fase  da  infeção  
e.   Mesmo   nos   doentes   com   infeção   VIH   sem   tratamento,   a   carga   vírica   determinada   por   PCR  
pode  ser  negaQva  (viremia  inferior  a  50  cópias/ml)  

31.Em  relação  à  profilaxia  pós-­‐exposicional  da  infeção  VIH  (PEP),  em  contexto  profissional,  
assinale  a  verdadeira:
a.   O  LCR,  secreções  brônquicas,  urina  e  esperma,  são  considerados  fluídos  contagiosos  
b.   Só  o  sangue  ou  fluídos  biológicos  com  sangue  são  considerados  contagiosos  
c.   A  exposição  de  pele  íntegra  a  sangue  por  período  superior  a  2  minutos  jusQfica  que  se  inicie  PEP  
d.   Na  ausência  de  lesões  das  mucosas,  a  projeção  acidental  de  sangue  para  o  nariz  ou  boca  
não  jusQfica  a  insQtuição  de  PEP  
e.   O  interesse  do  início  de  PEP  mais  do  que  72  horas  após  o  acidente  é  reduzido  

32.Em  relação  à  profilaxia  de  infeções  oportunistas  em  doentes  com  infeção  VIH,  assinale  a  
verdadeira:
a.   Deverá   ser   iniciada   profilaxia   de   reaQvação   de   infeção   citomegálica   com   vanganciclovir   em  
todos  os  doentes  com  contagem  de  CD4  inferior  a  50/mmc  
b.   Deverá  ser  iniciada  profilaxia  d  
c.   e   pneumonia   por   Pneumocys3s   jirovecii   com   claritromicina   em   todos   os   doentes   com  
contagem  de  CD4  inferior  a  200/mmc  
d.   Deverá  ser  iniciada  profilaxia  de  infeção  criptocócica  com  fluconazol  em  todos  os  doentes  
com  contagem  de  CD4  inferior  a  50/mmc  
e.   Deverá  ser  iniciada  profilaxia  de  infeção  por  Mycobacterium  avium  com  cotrimoxazol  em  
todos  os  doentes  com  contagem  de  CD4  inferior  a  50/mmc  
f.   Deverá   ser   iniciada   profilaxia   de   pneumonia   por   Pneumocy3s   jirovecii   com   trimetropim/
sulfametoxazol  em  todos  os  doentes  com  candidose  orofaríngea.  

33.Qual  dos  seguintes  doentes  com  infeção  VIH  não  apresenta  critérios  de  SIDA?
a.   Homem  com  diagnósQco  de  tuberculose  pulmonar  e  CD4=325/mm3  
b.   Mulher  com  diagnósQco  de  carcinoma  do  colo  útero  invasivo  e  CD4=185/mm3  
c.   Mulher   com   o   diagnósQco   de   herpes   genital,   com   lesões   crónicas   (mais   de   1   mês   de  
duração)  e  CD4=95/mm3  
d.   Homem  com  emagrecimento  superior  a  10%  do  seu  peso  habitual,  astenia  (incapacitante  
para   a   aQvidade   da   vida   diária),   anorexia,   diarreia   persistente   e   febre   com   mais   de   1   mês   de  
evolução  sem  outra  causa,  com  CD4=45/mm3  
e.   Homem  com  herpes  zoster  aQngindo  2  dermátomos  e  com  CD4=200/mm3  

48.Em  relação  à  profilaxia  pós-­‐exposicional  para  o  VIH,  assinale  a  verdadeira:


a.   Deverá  ser  oferecia  a  qualquer  mulher  violada.  
b.   Só  deve  ser  iniciada  após  confirmação  do  diagnósQco  no  doente  fonte  da  exposição.  
c.   Pode  ser  iniciada,  no  caso  de  profissionais  de  saúde,  até  10  dias  após  exposição.  
d.   Tem  uma  eficácia  limitada  e  riscos  elevados  na  grávida  pelo  que  está  contraindicada  neste  
grupo  populacional.  
e.   Deve   ser   feita   com   zidovudina   (AZT),   em   monoterapia,   visto   ser   o   único   fármaco   que  
demostrou  eficácia  neste  contexto.  

50.Qual  dos  seguintes  doentes  com  infeção  VIH  não  apresenta  critérios  de  SIDA?  (apenas  uma  
resposta):

-­‐  3  -­‐
a.   Homem  com  diagnósQco  de  tuberculose  pulmonar  e  CD4=365/mm3.  
b.   Mulher  com  diagnósQco  de  carcinoma  colo  útero  in  situ  e  CD4=185/mm3.  
c.   Mulher   com   diagnósQco   de   herpes   genital,   com   lesões   crónicas   (mais   de   1   mês   de  
duração)  e  CD4=95/mm3.  
d.   Homem  com  emagrecimento  superior  a  10%  do  seu  peso  habitual,  astenia  (incapacitante  
para  aQvidade  de  vida  diária),  anorexia,  diarreia  e  febre  com  mais  de  1  mês  de  evolução  e  CD4=45/
mm3.  
e.   Homem  com  herpes  zóster  aQngindo  2  dermátomos  e  com  CD4=242/mm3  

162.   Na   maioria   dos   doentes   com   infeção   VIH   as   infeções   oportunistas   surgem   a   parBr   de   um  
limiar  de  linfócitos  T  CD4+:  
a.   Superior  a  350/  mmc,  mas  inferior  a  500/  mmc.  
b.   Superior  a  200/  mmc,  mas  inferior  a  350/  mmc.  
c.   Inferior  a  400/  mmc.  
d.   Inferior  a  200/  mmc  
e.   Inferior  a  100/  mmc.  

161.  O  VIH  1  tem  tropismo  para  células  com  recetores  CD4*,  sendo  o  linfócito  T  CD4*  o  principal  
alvo.   A   fixação   do   vírus   a   essa   célula   faz-­‐se   pela   ligação   a   uma   proteína   do   invólucro   do   vírus  
denominada  gp20  mas  a  penetração  do  vírus  na  célula  hospedeira  necessita  da  presença  de  um  
dos  correcetores  CCR5  ou  CXCR4.
a.   Verdadeiro  
b.   Falso  

193.Leia  atentamente  as  seguintes  afirmações  relaBvas  à  infeção  por  VIH  e  assinale  a  correta.
a.   O  síndrome  retrovírico  agudo  não  é  um  diagnósQco  a  considerar  no  doente  com  meningite  
aguda  de  LCR  claro.  
b.   Num  doente  com  candidose  orofaríngea,  dispneia  e  tosse  não  produQva  de  início  insidioso  
e   hipoxemia   grave   deve   sempre   considerar-­‐se   como   hipótese   de   diagnósQco   a   pneumonia   por  
Pneumocys3s  carinii.  
c.   A  vontade  expressa  do  doente  não  é  uma  indicação  válida  para  a  realização  do  teste  para  o  
VIH.  
d.   A  carga  vírica  e  a  contagem  de  linfócitos  T  CD4+  não  têm  valor  prognósQco.  
e.   A   terapêuQca   anQrretrovírica   só   deve   ser   iniciada   num   doente   com   uma   infeção  
oportunista  definidora  de  SIDA.  

207.   As   infeções   oportunistas   que   podem   surgir   no   decurso   da   infeção   por   VIH   resultam  
frequentemente  de...  
a.   Aquisição   de   micro-­‐organismos   exógenos   -­‐   vírus,   parasitas,   fungos,   bactérias,   incluindo  
micobactérias.  
b.   Persistência   duma   infeção   primária   por   micro-­‐organismos   pouco   patogênicos   em  
hospedeiros  sem  compromisso  imunológico.  
c.   Reinfeção  por  micro-­‐organismos  exógenos.  
d.   ReaQvação  de  microrganismos  endógenos.  
e.   Todas  as  situações  são  possíveis.  

221.O  diagnósBco  de  SIDA  é  baseado  na  ocorrência,  num  doente  infetado  por  HIV,  de  doenças  
específicas.  Assinale  a  resposta  errada.
a.   As  doenças  definidoras  de  SIDA  são  apenas  de  causa  infeciosa.  

-­‐   4  -­‐  
b.   As  infeções  oportunistas,  causadas  habitualmente  por  microrganismos  pouco  patogênicos  
em   hospedeiros   não   imunodeprimidos,   surgem,   a   maioria   das   vezes,   em   consequência   da  
reaQvação  de  microrganismos  endógenos.  
c.   As   infeções   oportunistas   ocorrem,   na   maioria   dos   doentes,   quando   o   número   de   linfócitos  
T  CD4+  é  <200/mmc.  
d.   O   sarcoma   de   Kaposi,   linfomas   não   Hodgkin   e   carcinoma   invasivo   do   colo   do   útero   são  
neoplasias  que  surgem  na  SIDA  e  com  ínQma  relação  com  vírus  oncogénicos.  
e.   Após  o  tratamento  de  indução  da  pneumonia  por  PneumocysQs  carinii  e  da  toxoplasmose  
cerebral  é  fundamental  um  tratamento  supressivo  com  cotrimoxazol  para  evitar  a  recorrência.  

260.O  diagnósBco  de  SIDA  é  baseado  na  ocorrência,  num  doente  infetado  pelo  HIV,  de  doenças  
específicas.  Assinale  a  resposta  errada.
a.   As  doenças  definidoras  do  síndrome  apenas  são  de  causa  infeciosa  ou  neoplásica.  
b.   As   infeções   oportunistas,   causadas   habitualmente   por   micro-­‐organismos   pouco  
patogênicos  em  hospedeiros  não  imunodeprimidos,  surgem,  a  maioria  das  vezes,  em  consequência  
da  reaQvação  de  micro-­‐organismos  endógenos,  
c.   As   infeções   oportunistas   ocorrem,   na   maioria   dos   doentes,   quando   o   número   de   linfócitos  
T  CD4+  é  <200/mmc.  
d.   As  únicas  neoplasias  oportunistas  definidoras  de  SIDA  -­‐  sarcoma  de  Kaposi,  linfomas  não  
Hodgkin   e   carcinoma   invasivo   do   colo   do   útero,   estão   inQmamente   relacionadas   com   vírus  
oncogénicos.  
e.   Após  o  tratamento  de  indução  da  pneumonia  por  PneumocysQs  carinii  e  da  toxoplasmose  
cerebral  é  fundamental  um  tratamento  supressivo  com  cotrimoxazol  para  evitar  a  recorrência.  

270.Os  vários  períodos  evoluBvos  da  infeção  VIH  têm  diferentes  caracterísBcas  clínicas,  
imunológicas  e  virológicas.  Assinale  a(s)  afirmação(ões)  certa(s):
a.   A   primoinfeção   e   a   SIDA   caracterizam-­‐se   por   intensa   replicação   vírica   e   elevada  
contagiosidade  
b.   A  destruição  média  anual  de  linfócitos  T  CD4+  é  de  ±200/  mmc.  
c.   A  primoinfeção  tem  tradução  clínica  sintomáQca  na  maioria  dos  doentes  
d.   O  sarcoma  de  Kaposi  é  a  neoplasia  diagnosQca  de  SIDA  mais  frequente  
e.   A   PPC   surge,   habitualmente,   em   doentes   com   linfócitos   T   CD4+   <200/   mmc.   Assim,   o  
cotrimoxazol  está  indicado  na  profilaxia  primária  desta  infeção  oportunista  quando  a  taxa  desses  
linfócitos  aQnge  esse  valor.  

271.Qual  das  neoplasias,  pela  sua  relação  benemcio/  custo,  jusBfica  rastreio  sistemáBco  no  
doente  com  infeção  VIH.
a.   Sarcoma  de  Kaposi  
b.   Carcinoma  do  canal  anal  
c.   Carcinoma  do  colo  uterino  
d.   Linfoma  não  Hodgkin  
e.   Adenocarcinoma  do  colon  
272.Quais  as  infeções  oportunistas  definidoras  de  SIDA  que  exigem  medidas  especiais  de  
isolamento.
a.   Tuberculose  pulmonar  
b.   Pneumonia  pneumocócica  
c.   Criptococose  pulmonar  
d.   Criptosporidiose  crônica  
e.   Variceia  

-­‐  5  -­‐
273.O  seguimento  do  doente  com  infeção  VIH  exige  uma  das  seguintes  orientações.
a.   Apenas  exame  clínico  periódico  
b.   Estudos  virológico  e  imunológico  cada  6  meses  
c.   Apenas  estudos  virológico  e  imunológico  cada  3/  4  meses  
d.   Exame   clinico,   estudos   virológico   e   imunológico   cada   3/   4   meses   ou   de   acordo   com   os  
achados  clínicos  e/ou  laboratoriais  
e.   Apenas  estudo  imunológico  periódico  para  decidir  o  tratamento  

289.Qual  das  afirmações  está  correta  considerando  um  adulto  com  infeção  VIH.
a.   A   presença   de   anQcorpos   anQ-­‐toxoplasma   implica   a   insQtuição   de   quimioprofilaxia,  
independentemente  do  n°  de  linfócitos  CD4.  
b.   Na   presença   de   lesão   cerebral   evocadora   num   doente   com   anQcorpos   anQ-­‐toxoplasma,  
está   indicada   a   insQtuição   de   terapêuQca   específica,   mesmo   na   ausência   de   confirmação   do  
diagnósQco,  por  biópsia.  
c.   O  tratamento  da  toxoplasmose  cerebral  deve  ser  prolongado,  até  o  doente  apresentar  CD4  
>  500/mmc.  
d.   O   tratamento   de   eleição   da   toxoplasmose   cerebral   é   a   associação   clindamicina/
sulfadiazina.  
e.   A  infeção  primária  é  a  forma  mais  frequente  de  doença  nestes  indivíduos.  

310.   RelaBvamente  ao  tratamento  da  infeção  VIH  assinale  a  afirmação  correta:  
a.   Está  sempre  indicado  quando  o  número  de  linfócitos  T  CD4  é  <350/mmc  
b.   O   surgimento   de   resistências   não   é   uma   limitação   importante   porque   existem   mais   de  
vinte  fármacos  disponíveis  
c.   O  melhor  indicador  da  resposta  terapêuQca  é  a  quanQficação  da  carga  vírica  
d.   A  toxicidade  hepáQca  é  um  efeito  lateral  raro  
e.   A  sua  escolha  não  depende  da  existência  de  outras  comorbilidades,  mas  apenas  do  estadio  
da  infeção  

327.  Na  maioria  dos  doentes  com  infeção  HIV  as  infeções  oportunistas  surgem  a  parBr  de  um  
limiar  de  linfócitos  TCD4+.  Assinale  a  resposta  correta:
a.   Superior  a  350/  mmc,  mas  inferior  a  500/  mmc  
b.   Superior  a  200/  mmc,  mas  inferior  a  350/  mmc  
c.   Inferior  a  350/  mmc  
d.   Inferior  a  200/  mmc  
e.   Inferior  a  100/mmc  

331.   O  seguimento  do  doente  com  infeção  VIH  jusBfica  apenas  estudos  virológico  e  imunológico  
cada  3/  4  meses,  de  modo  a  decidir  a  melhor  oportunidade  para  iniciar  a  quimioprofilaxia  das  
infeções  oportunistas  e  o  tratamento  anBrretrovírico.  
a.   Falso  
b.   Verdadeiro  

336.No  adulto  e  na  criança  com  idade>  18  meses,  o  diagnósBco  da  infeção  VIH  baseia-­‐se  
fundamentalmente  na  pesquisa  de:
a.   AnQcorpos  específicos  +  2  testes  ELISA  e  1  teste  confirmatório  
b.   Material  genéQco  do  vírus  por  PCR  
c.   Cultura  vírica  
d.   AnQgénio  p24  
e.   Nenhuma  das  anteriores  

-­‐   6  -­‐  
337.   O   principal   objeBvo   do   tratamento   anBrretrovírico   é   a   supressão   completa   da   replicação  
vírica  por  tempo  tão  prolongado  quanto  possível.  Em  relação  a  este  tratamento  assinale  o  mais  
adequado:
a.   A   associação   de   3   fármacos   com   capacidade   supressiva   completa   e   duradoira,  
habitualmente  2  N-­‐ITR  e  1  IR,  é  a  opção  mais  eficaz  para  o  início  de  tratamento  
b.   O  início  do  tratamento  pode  fazer-­‐se  nos  primeiros  meses  com  dois  potentes  IR  passando  a  
uma  associação  tripla  se  houver  moQvação  do  doente  para  um  tratamento  indefinido  no  tempo  
c.   É   fundamental   a   adesão   à   medicação   a   qual   deve   ser   >95%   para   minimizar   o   risco   de  
falência  terapêuQca  
d.   Na   seleção   do   esquema   terapêuQco   terá   de   ter-­‐se   em   consideração   a   potência   dos  
fármacos,   a   comodidade   posológica,   a   tolerância,   os   efeitos   adversos   e   as   interferências  
medicamentosas  
e.   A  qualidade  de  vida  dos  doentes  é  um  aspeto  menos  relevante  na  decisão  de  escolha  do  
tratamento  

365.Leia  atentamente  as  seguintes  afirmações  relaBvas  à  infeção  por  VIH  e  assinale  a  resposta  
verdadeira.
a.   A   primoinfeção   por   VIH   não   é   um   diagnósQco   a   considerar   na   presença   de   meningite  
aguda  de  LCR  claro  
b.   Num  doente  com  candidose  orofaríngea,  dispneia  e  tosse  não  produQva  de  início  insidioso  
e   hipoxemia   grave   deve   sempre   considerar-­‐se   como   hipótese   de   diagnósQco   a   pneumonia   por  
PneumocysQs  carinii  
c.   A  vontade  expressa  do  doente  não  é  uma  indicação  válida  para  a  realização  do  teste  para  o  
VIH  
d.   A  carga  vírica  e  a  contagem  de  linfócitos  T  CD4+  não  têm  valor  prognósQco  
e.   A   terapêuQca   anQrretrovírica   deve   ser   sempre   iniciada   no   momento   do   diagnósQco   de  
uma  infeção  

367.As  infeções  oportunistas  que  surgem  no  decurso  da  infeção  VIH  resultam,  na  maioria  das  
vezes,  da  reaBvação  de  microrganismos  endógenos.
a.   Verdadeiro  
b.   Falso  

368.O  VIH-­‐2  é  menos  patogénico  que  o  VIH-­‐1,  menos  transmissível,  mas  tem  evolução  clinica  
mais  rapidamente  progressiva.
a.   Verdadeiro  
b.   Falso  

Têm  indicação  para  pesquisa  de  anB-­‐HIV  todos,  exceto:  Recém-­‐nascidos.

Num  HIV+,  com  CD4<50,  o  cotrimoxazole  é  usado  para  P.  jirovecii  e  a  azitromicina  para  MAC.

-­‐  7  -­‐
INFEÇÕES  POR  VÍRUS  DO  GRUPO  HERPES
13.   A  propósito  dos  síndromes  mononucleósicos  é  falso  que:  
a.   A  infeção  pelo  vírus  da  rubéola  pode  ser  uma  das  eQologias  
b.   A  presença  de  exsudados  amigdalinos  exclui  o  diagnósQco  de  mononucleose  infeciosa  
c.   O  surgimento  de  exantema  em  doentes  tratados  com  amoxicilina  é  frequente  
d.   O  diagnósQco  de  mononucleose  citomegálica  é  serológico  
e.   O  síndrome  retrovírico  agudo  pode  ser  considerado  como  diagnósQco  diferencial  
24.   Em  relação  às  infeções  por  vírus  da  família  Herpes,  assinale  a  única  verdadeira:  
a.   O  Vírus  Citomegálico  é  uma  causa  frequente  de  queraQte  no  imunodeprimido  
b.   O  Exantema  Súbito  pode  ser  causado  pelos  vírus  Herpes  6  ou  7  
c.   A  presença  de  vesículas  na  fase  exantemáQca  é  muito  •pica  da  Mononucleose  Infeciosa  
d.   Os   vírus   Herpes   Simples   1   e   2   e   Herpes   8   têm   em   comum   o   aQngimento   mucocutâneo   e   a  
latência  neuronal  
e.   O  vírus  Herpes  Simples  2  é,  atualmente,  a  principal  causa  de  infeção  congénita  do  recém-­‐
nascido  nos  países  desenvolvidos  

25.   Em  relação  às  infeções  por  Vírus  Varicella-­‐Zoster  assinale  a  verdadeira:  


a.   A   varicela   não   confere   imunidade   pelo   que   o   idoso   não   vacinado   pode   ser   reinfetado,  
desenvolvendo  herpes  zoster  
b.   O  ganciclovir  é  o  fármaco  mais  eficaz  no  tratamento  do  herpes  zoster,  parQcularmente  na  
redução  da  incidência  de  neuralgia  pós-­‐herpéQca  
c.   A  neuralgia  pós-­‐herpéQca,  apesar  de  rara,  é  mais  grave  nos  adolescentes  e  adultos  jovens  
d.   A   administração   de   anQvíricos   como   forma   de   profilaxia   em   crianças   expostas   é  
fundamental  para  o  controle  de  surtos  
e.   A   ataxia   cerebelosa   aguda   é   a   complicação   neurológica   mais   frequente   da   varicela   na  
criança  

34.Em  relação  às  infeções  por  vírus  herpes  simples  assinale  a  verdadeira
a.   O   herpes   labial   deve   ser   tratado   com   ganciclovir,   logo   que   as   lesões   permitam   confirmar   o  
diagnósQco  
b.   O  herpes  genital  é  causado  pelo  HSV2  e  o  herpes  labial  pelo  HSV1  
c.   A   encefalite   herpéQca   surge   habitualmente   cerca   de   3   semanas   após   a   infeção   primária  
por  HSV2  
d.   Hipodensidades  no  lobo  temporal  observáveis  na  TAC  cerebral  são  um  achado  compa•vel  
com  o  diagnósQco  de  encefalite  herpéQca  
e.   Na  ausência  de  lesão  genital  visível  na  grávida,  o  risco  de  herpes  neonatal  é  nulo  

35.Em  relação  à  varicela


a.   O  período  de  incubação  desta  doença  pode  chegar  a  3  semanas  
b.   A   presença   de   lesões   bolhosas   é   o   achado   clínico   mais   importante   para   confirmar   o  
diagnósQco  
c.   No   adulto   apresenta   maior   gravidade   por   ser   mais   frequente   o   aQngimento   do   SNC,  
nomeadamente  a  ataxia  cerebelosa  aguda.  
d.   O  aQngimento  hepáQco  e  renal  é  comum  nas  crianças  
e.   A   celulite   peri-­‐orbitária   por   Pseudomonas   aeruginosa   é   a   complicação   mais   comum   do  
zoster  o‚álmico  
-­‐   8  -­‐  
46.Em  relação  ao  potencial  oncogénico  de  alguns  vírus,  assinale  a  afirmação  falsa:
a.   O   vírus   Herpes   simplex-­‐1   está   associado   ao   desenvolvimento   de   neuroblastomas   na  
infância  
b.   O  Herpes-­‐8  encontra-­‐se  praQcamente  em  todos  os  casos  de  sarcoma  de  Kaposi.  
c.   O  vírus  Epstein-­‐Barr  (EBV)  está  associado  ao  desenvolvimento  de  carcinoma  nasofaríngeo.  
d.   Existe   uma   forte   associação   entre   o   EBV   e   o   linfoma   cerebral   primário   em   doente   com  
infeção  pelo  VIH.  
e.   O  EBV  está  associado  ao  desenvolvimento  de  linfoma.  

47.Em  relação  às  infeções  por  vírus  Herpes  simplex,  assinale  a  verdadeira:
a.   O   herpes   labial   deve   ser   sempre   tratado   com   aciclovir,   logo   que   as   lesões   permitam  
confirmar  o  diagnósQco.  
b.   O  herpes  genital  é  causado  pelo  Herpes  simplex-­‐1  e  o  herpes  labial  pelo  Herpes  simplex-­‐2.  
c.   A  encefalite  herpéQca  surge  habitualmente  cerca  de  3  semanas  após  infeção  primária  por  
Herpes  simplex-­‐2.  
d.   Hipodensidades  no  lobo  temporal  observáveis  na  TAC  cerebral  são  um  achado  compa•vel  
com  diagnósQco  de  encefalite  herpéQca.  
e.   Na  ausência  de  lesão  genital  visível  na  grávida,  o  risco  de  herpes  neonatal  é  nulo.  

185.Em  relação  ao  Síndrome  mononucleósico  assinale  a  afirmação  correta.


a.   Pode  ser  de  eQologia  medicamentosa.  
b.   Pode  ser  causado  por  qualquer  um  dos  oito  vírus  humanos  da  família  Herpesviridae.  
c.   Quando  sintomáQco,  a  sua  forma  mais  comum  de  apresentação  é  a  icterícia.  
d.   Caracteriza-­‐se  por  linfomonocitose  com  mais  de  50%  de  linfócitos  a•picos.  
e.   Tem  como  complicação  mais  frequente  a  rotura  de  baço.  

200.Em  relação  ao  Síndrome  mononucleósico  assinale  a  afirmação  correta.


a.   Pode  ser  causado  por  qualquer  um  dos  oito  vírus  humanos  da  família  Herpesviridae.  
b.   Pode  ser  de  eQologia  medicamentosa.  
c.   Quando   sintomáQco,   a   forma   mais   comum   de   apresentação   clínica   é   a   hepaQte   -­‐   forma  
ictérica.  
d.   Caracteriza-­‐se  por  linfocitose  com  mais  de  50%  de  linfócitos  a•picos.  
e.   Tem  como  complicação  mais  frequente  a  rotura  de  baço.  

217.Em  relação  às  infeções  por  vírus  da  família  Herpesviridae  assinale  a  resposta  errada.
a.   A  latência  e  o  potencial  oncogénico  são  caracterísQcas  destes  vírus,  conquanto  só  para  os  
vírus  de  Epstein-­‐Barr  e  Herpes  humano  Qpo  8  esteja  estabelecido  o  potencial  oncogénico.  
b.   A  infeção  por  vírus  citomegálico  é  com  frequência,  mesmo  no  indivíduo  imunodeprimido,  
assintomáQca.  
c.   A   infeção   citomegálica   é   uma   causa   de   síndrome   mononucleósico   e   de   síndrome   pós-­‐
transfusional.  
d.   O   quadro   hematológico   caracterísQco   da   mononucleose   infeciosa   é   a   leucocitose   com  
linfomonocitose  >50%  e  presença  de  células  a•picas  num  valor  >10%.  
e.   A   primoinfeção   pelo   vírus   de   Epstein-­‐Barr   é   uma   das   principais   causas   de   síndrome  
mononucleósico.   O   seu   diagnósQco   é   confirmado,   na   totalidade   dos   casos,   pela   reação   de   Paul-­‐
Bunnell-­‐Davidsohn.  

-­‐   9  -­‐  
244.Em  relação  à  varicela  deverá  ser  feita  profilaxia  após  exposição  com  imunoglobulina  
específica  às  seguintes  situações,  com  exceção  de  uma.
a.   Crianças  imunodeprimidas  até  96  horas  após  a  exposição.  
b.   Recém-­‐nascido  exposto  à  varicela  entre  5  dias  antes  do  parto  ou  48  horas  após.  
c.   Grávida  sem  história  de  doença  até  1  semana  após  a  exposição.  
d.   Doente  com  SIDA  sem  antecedentes  de  varicela  até  4  dias  após  a  exposição.  
e.   Idoso  até  4  dias  após  a  exposição.  

249.Em  relação  à  varicela  assinale  a  resposta  correta.


a.   O  aciclovir  está  indicado  apenas  se  surgirem  complicações,  como  pneumonia  ou  encefalite  
b.   Na  criança  a  complicação  mais  frequente  é  a  nefrite  
c.   No  adulto  a  complicação  mais  frequente  é  a  ataxia  cerebelosa  aguda  
d.   No   idoso   é   comum   a   zona,   que   pode   surgir   como   reaQvação   de   infeção   prévia   ou   por  
reinfeção  
e.   Na  grávida  recomenda-­‐se  fazer  profilaxia  após  exposição  com  imunoglobulina  

255.Em  relação  à  infeção  por  vírus  citomegálico  assinale  a  resposta  errada.


a.   A  primoinfeção  é  frequentemente  subclínica  
b.   Pode   ser   causa   de   infeção   congénita   e,   neste   caso,   é   sintomáQca   em   cerca   de   25%   dos  
casos  
c.   O  diagnósQco  de  infeção  aguda  é  baseado  na  presença  de  anQcorpos  heterófilos  
d.   Pode  ser  causa  de  reQnite,  pneumonite  e  encefalite  em  doentes  com  infeção  por  VIH  ou  
em  transplantados  de  órgãos  sólidos  
e.   É  uma  causa  de  síndrome  mononucleósico  

306.   Em  relação  à  zona  ou  herpes  zoster  assinale  a  resposta  correta:  


a.   É  mais  comum  no  idoso  
b.   Ocorre  geralmente  poucos  anos  após  o  contágio  
c.   Apresenta  elevada  contagiosidade,  exigindo  sempre  internamento  e  isolamento  do  doente  
d.   A  meningoencefalite  é  a  complicação  mais  frequente  
e.   Em  geral  há  aQngimento  de  2  ou  3  dermátomos  

313.   RelaBvamente  ao  síndrome  mononucleósico  é  verdade  que:  


a.   A  presença  de  anQcorpos  heterófilos  permite  diagnosQcar  mononucleose  infeciosa  
b.   O   diagnósQco   de   mononucleose   por   vírus   citomegálico   pode   ser   feito   peta   presença   de  
anQcorpos  inespecíficos  
c.   A  proporção  de  infeções  assintomáQcas  pelo  vírus  Epstein-­‐Barr  não  varia  com  a  idade  
d.   A  sua  eQologia  é  sempre  vírica  
e.   É  um  diagnósQco  que  se  baseia  no  exame  clínico  

320.   Em  relação  à  varicela  assinale  a  resposta  correta:  


a.   Pode   ser   causa   de   síndrome   mononucleósico,   tal   como   outros   vírus   da   família  
Herpesviridae  
b.   A   presença   de   lesões   no   mesmo   estadio   em   todo   um   segmento   do   corpo   é   um   achado  
fundamental  para  o  diagnósQco  
c.   O   tratamento   está   indicado   nas   crianças   e   adolescentes,   mas   não   nos   adultos  
imunocompetentes  
d.   A  grávida  no  3.º  trimestre  de  gestação  deve  ser  tratada  com  aciclovir  
e.   Pode  ser  totalmente  controlada  pela  vacinação  

-­‐   10  -­‐  
325.   Em  relação  à  infeção  por  vírus  citomegálico  assinale  resposta  errada:  
a.   É  frequentemente  subclínica  no  indivíduo  não  imunodeprimido  
b.   Pode  dar  infeção  do  recém-­‐nascido  que  é  sempre  sintomáQca  e  grave  
c.   É  causa  de  pneumonia  em  imunodeprimidos  
d.   Pode  dar  reQnite  na  fase  avançada  da  infeção  VIH  
e.   No  adulto  jovem  pode  ser  causa  de  síndrome  mononucleósico  

339.  A  primoinfeção  por  vírus  Herpes  simplex  Bpo  I  é  frequentemente  sintomáBca,  sendo  a  
forma  de  apresentação  mais  habitual  a  gengivoestomaBte  herpéBca.
a.   Verdadeiro  
b.   Falso  
346.Em  relação  à  varicela  assinale  a  resposta  correta.
a.   É   caracterísQco   desta   doença   a   presença   de   exantema   com   todas   as   lesões   no   mesmo  
estádio  de  evolução  
b.   Na  criança  as  infeções  bacterianas  cutâneas  são  as  complicações  menos  frequentes.  
c.   A  pneumonia  é  uma  complicação  que  surge  por  sobre-­‐infeção  bacteriana  ou  por  ação  do  
próprio  vírus  da  varicela.  
d.   O  fármaco  de  eleição  para  tratamento  da  varicela  é  o  ganciclovir  
e.   O  adulto  deve  ser  sempre  tratado  com  anQbióQco  dada  a  frequência  das  complicações  por  
infeções  bacterianas  secundárias  

349.   Em  relação  à  mononucleose  infeciosa  assinale  a  resposta  correta.  


a.   A  infeção  ocorre  mais  frequentemente  no  adulto  jovem  
b.   Febre,  amigdalite/faringite,  adenopaQas  e  esplenomegalia  são  frequentes  
c.   A  leucocitose  com  neutrofilia  80%  é  muito  sugesQva  
d.   O  Monospot  teste  é  sempre  posiQvo  
e.   A  pesquisa  do  anQ-­‐EBNA  IgM  é  a  base  do  diagnósQco  da  infeção  aguda  
f.   Tem  como  complicação  mais  frequente  a  rotura  do  baço  

355.A  varicela  pode  evoluir  com  complicações.  Qual  das  seguintes  não  é  complicação?
a.   Púrpura  trombocitopénica  
b.   Celulite  
c.   Síndrome  hemolíQco  urémico  
d.   Herpes  zoster  
e.   Ataxia  cerebolosa  aguda  

359.Em  relação  ao  diagnósBco  diferencial  do  síndrome  mononucleósico  assinale  a  resposta  verdadeira.
a.   A   infeção   VIH   e   a   endocardite   infeciosa   podem   apresentar-­‐se   desta   forma   nos  
toxicodependentes  
b.   Os  vírus  citomegálico,  Epstein-­‐Barr  e  Herpes  humano  Qpo  8  são  agentes  eQológicos  possíveis  
c.   A  mononucleose  infeciosa  é  mais  frequente  nos  idosos  
d.   Pode  ser  causado  por  agentes  infeciosos,  mas  também  por  fármacos  
e.   Pode  ter  eQologia  fúngica  

363.Em  relação  à  mononucleose  infeciosa  assinale  a  afirmação  verdadeira.


a.   É  causada  pelo  vírus  citomegálico  
b.   Pode  ser  causada  por  qualquer  vírus  da  família  Herpesviridae  
c.   Quando  sintomáQca,  a  sua  forma  mais  comum  de  apresentação  é  a  gengivoestomaQte  
d.   Caracteriza-­‐se  por  linfomonocitose  com  mais  de  10%  de  linfócitos  a•picos  
e.   Tem  como  complicação  mais  frequente  a  rotura  de  baço  

-­‐   11  -­‐  
TUBERCULOSE

15.   São  fatores  de  risco  de  tuberculose  aBva  todos,  exceto  (assinale  a  resposta  errada):  
a.   Viragem  do  teste  tuberculínico  recente  (<2  anos)  
b.   Uso  de  drogas  endovenosas  
c.   Idade  de  35  ou  mais  anos  
d.   Má  nutrição  
e.   Tratamento  com  antagonistas  do  TNF-­‐α  

28.   RelaBvamente  à  situação  da  tuberculose  no  mundo  assinale  a  afirmação  errada:  
a.   Mais  de  50  países  já  declararam  casos  de  tuberculose  XDR  
b.   Uma  das  maiores  preocupações  é  a  coinfeção  VIH/tuberculose  na  África  subsariana  
c.   Um   dos   "objeQvos   do   milénio"   (MDG's)   é   reduzir   pelo   menos   em25%   a   prevalência   e   as  
mortes  por  tuberculose  até  2015  comparaQvamente  a  1990  
d.   Embora   com   diferentes   magnitudes,   a   prevalência   e   a   mortalidade   por   tuberculose  
diminuíram  em  todas  as  6  regiões  da  OMS  
e.   Portugal  foi  um  dos  países  que  declarou  casos  de  TB  XDR  

29.   RelaBvamente  à  tuberculose  aBva  (ou  tuberculose  doença)  assinale  a  afirmação  correta:  
a.   O  seu  diagnósQco  assenta  na  prova  de  tuberculina  
b.   O  seu  tratamento  tem  a  duração  de  dois  meses  
c.   Na   tuberculose   pulmonar   no   doente   imunocompetente   são   caracterisQcamente   afetadas  
as  bases  dos  pulmões  
d.   Todos  os  contactos  ínQmos  de  um  caso  bacilífero  devem  fazer  tratamento  de  tuberculose  
latente  
e.   O  seu  risco  de  ocorrência  nos  primeiros  dois  anos  após  infeção  pelo  M.  tuberculosis  é  de  
cerca  de  5%  

59.RelaBvamente  à  situação  da  Tuberculose  em  Portugal,  assinale  a  afirmação  errada:


a.   É  uma  doença  de  declaração  obrigatória.  
b.   A  vigilância  epidemiológica  assenta  em  componentes  clínico  e  laboratorial.  
c.   Embora   tenha   havido   uma   diminuição   da   incidência   ao   longo   dos   úlQmos   anos,   a  
proporção  de  casos  mulQrresistentes  mantém-­‐se  elevada  (>3%).  
d.   Os  reclusos  estão  entre  os  grupos  mais  afetados.  
e.   É  um  dos  países  do  mundo  com  maior  número  de  casos  de  tuberculose  XDR.  

314.   A  tuberculose  é  um  importante  problema  de  saúde  pública  em  Portugal  (assinale  a  resposta  
correta):  
a.   A  vacina  BCG  não  tem  qualquer  interesse,  mesmo  em  países  com  elevada  prevalência  de  
tuberculose  
b.   É  a  principal  infeção  oportunista  definidora  de  SIDA  em  Portugal  
c.   Em  Portugal  deixou  de  ser  um  problema  na  população  não  infetada  por  VIH  
d.   Na  maioria  dos  casos  o  seu  tratamento  é  feito  com  três  fármacos  durante  seis  meses  
e.   A  realização  de  anQbiograma  só  está  indicada  para  situações  de  fracasso  terapêuQco  

-­‐  12  -­‐


SÉPSIS

5.   O  Síndroma  do  Choque  Tóxico  Estreptocócico  (apenas  uma  resposta  certa)  


a.   Tem  origem,  quase  sempre  numa  infeção  invasiva  
b.   Tem  como  agente  causal  o  Streptococcus  agalac3ae  
c.   Acompanha-­‐se,  habitualmente,  de  hemoculturas  negaQvas  
d.   Tem  uma  taxa  de  mortalidade  inferior  a  15%  
e.   É  mais  frequente  nos  recém-­‐nascidos  

6.   Assinale  a  afirmação  correta:  O  Síndroma  do  Choque  Tóxico  Estafilocócico  


a.   É  causado  por  uma  endotoxina  
b.   É  mais  grave  se  esQver  associado  ao  período  menstrual  
c.   Acompanha-­‐se  geralmente  de  bacteriemia  
d.   E  pouco  provável  se  o  doente  apresentar  sintomatologia  digesQva  
e.   Passou  a  ser  menos  frequente  durante  o  período  menstrual  desde  que  foram  reQrados  do  
mercado  os  tampões  hiperabsorventes  

7.   No  choque  sépBco  (apenas  uma  resposta  certa).  


a.   A  administração  de  grande  quanQdade  de  fluidos,  por  via  endovenosa,  é  prejudicial  
b.   A  administração  de  aminas  só  deve  ser  feita  nos  casos  que  não  respondem  à  anQbioterapia  
c.   O  primeiro  objeQvo  da  terapêuQca  é  baixar  a  febre  
d.   O  pulmão  é  aQngido  apenas  numa  fase  tardia  
e.   Todas  as  respostas  estão  erradas  

19.   No  choque  sépBco  (assinale  a  única  correta)  


a.   O  foco  inicial  de  infeção  mais  frequente  é  o  trato  urinário  
b.   A  hipotensão  pode  corrigir-­‐se  apenas  com  a  administração  de  fluidos  
c.   O  tratamento  anQbióQco  empírico  implica  sempre  associação  de  anQbióQcos  
d.   Se   houver   necessidade   de   cirurgia   para   resolução   do   foco,   esta   não   deve   ser   feita  
enquanto  o  doente  esQver  instável  
e.   Todas  as  alíneas  estão  erradas  

20.   A  sépsis  grave  (assinale  a  única  correta)  


a.   Acompanha-­‐se   de   hipoperfusão   orgânica   que   pode   ser   resolvida   com   a   administração  
endovenosa  de  fluidos  
b.   Se  acompanhada  de  oligúria  terá  mais  provavelmente  causa  urinária  
c.   Se   Qver   origem   na   comunidade   e   se   não   for   aparente   qualquer   focalização,   a  
administração  empírica  de  uma  cefalosporina  de  3a  geração  não  é  uma  aQtude  correta  
d.   Tem  como  causa  eQológica  apenas  bactérias  
e.   Só   deverá   ser   tratada   em   contexto   de   cuidados   intensivos   quando   evolui   para   choque  
sépQco  

43.No  choque  sépBco  com  ponto  de  parBda  abdominal  (apenas  uma  respota  certa)
a.   O  controlo  do  foco  implica  sempre  laparotomia  
b.   O  início  da  anQbioterapia  só  influencia  negaQvamente  o  prognósQco  se  ocorrer  mais  de  72  
horas  após  o  início  do  quadro  
c.   A  TAC  abdominal  é  um  exame  importante  
d.   A   terapêuQca   anQbióQca   só   se   deve   iniciar   depois   de   idenQficar   o   agente   causal   e   a  
sensibilidade  aos  anQbióQcos  
e.   É  o  foco  mais  comum  de  sépsis  

-­‐   13  -­‐  
44.No  choque  sépBco  o  uso  de  aminas  simpaBcomiméBcas  (dopamina,  noradrenalina  e  
adrenalina)  poderá  ter  interesse  por  (assinale  a  única  alínea  certa):
a.   Ter  efeito  vasodilatador  
b.   Melhorar  a  imunidade  
c.   Diminuir  o  aporte  de  oxigénio  aos  tecidos  
d.   Ter  efeito  anQarrítmico  
e.   Todas  erradas  

45.No  choque  (assinale  a  única  alínea  errada):


a.   Há  sempre  disfunção  de  mais  de  quatro  órgãos  
b.   Nalguns  Qpos  de  choque,  a  permeabilidade  vascular  pode  ser  aumentada  
c.   A  administração  endovenosa  de  líquidos  é  fundamental  
d.   Há  uma  deficiência  na  perfusão  orgânica  
e.   A  insuficiência  renal  pode  obrigar  ao  uso  de  técnicas  con•nuas  de  subsQtuição  renal.  

56.Assinale  a  única  afirmação  correta:


a.   O  ponto  de  parQda  do  choque  sépQco  raramente  é  pulmonar.  
b.   A  endocardite  é  uma  causa  cada  vez  mais  rara  de  Sépsis  grave.  
c.   O  doente  diabéQco  tem  mais  risco  de  desenvolver  quadros  sépQcos  graves.  
d.   A   hipotensão   num   doente   com   infeção   significa   sempre   que   o   doente   está   em   choque  
sépQco.  
e.   As  bactérias  são  a  única  causa  infeciosa  de  choque  sépQco.  

57.Assinale  a  única  afirmação  correta:  Doente  com  febre,  e  manifestações  de  Síndrome  de  
Resposta  Inflamatória  Sistémica  com  sinais  de  hipoperfusão  orgânica:
a.   Deve  proceder-­‐se  à  administração  imediata  de  anQpiréQcos.  
b.   A  administração  de  anQbióQcos  só  deve  fazer-­‐se  após  confirmação  de  uma  causa  infeciosa.  
c.   Os  lactatos  no  sangue  arterial  estão  provavelmente  baixos.  
d.   A  existência  de  leucopenia  no  sangue  periférico  exclui  a  hipótese  de  infeção.  
e.   Nenhuma  das  afirmações  está  correta.  

61.Sépsis  com  exantema  petequial.  Para  além  de  tratamento  anBbióBco  indique  outra  aBtude  
correta:
a.   PL  deve  ser  medida  de  diagnósQco  imediata  
b.   Quimioprofilaxia   com   ciprofloxacina   deve   ser   efetuada   a   todos   os   contactos,   crianças   e  
adultos  
c.   Vacina  é  sempre  alternaQva  de  profilaxia  nos  contactos  
d.   Vacina  conjugada  para  o  serogrupo  B  pode  ser  administrada  após  os  2  meses  
e.   Na  grávida  deve-­‐se  fazer  profilaxia  com  ce‚riaxona  

189.Na  avaliação  e  tratamento  de  um  doente  com  sépsis  é  importante  ter  em  atenção  os  
seguintes  parâmetros.  Indique  a  afirmação  errada:
a.   Uma   tensão   arterial   média   inferior   a   55   mmHg   é   indicação   para   iniciar,   de   imediato,  
fluidoterapia.  
b.   A   presença   de   sufusões   hemorrágicas   tem   correlação   prognósQca   e   é   indicação   para   fazer-­‐
se,  de  imediato,  a  correção  das  alterações  da  coagulação.  
c.   A  acidose  lácQca  é  um  fator  de  mau  prognósQco.  
d.   A  insuficiência  renal  oligúrica  tem  correlação  prognósQca.  
e.   A  icterícia  é  geralmente  devida  a  colecisQte  aliQásica.  

-­‐   14  -­‐  
219.Os  critérios  de  diagnósBco  do  síndrome  de  choque  tóxico  estafilocócico  são  os  enunciados,  
com  exceção:
a.   Febre  elevada  
b.   Hipotensão  
c.   Ausência  de  exantema  
d.   Desorientação  ou  alteração  da  consciência,  na  ausência  de  sinais  neurológicos  focais  
e.   Transamínases  >2  vezes  o  normal  

225.Num  doente  com  sépsis  podem  ser  fatores  importantes  para  esclarecimento  do  diagnósBco  
(indique  a  resposta  errada).
a.   A  história  de  consumo  de  drogas  endovenosas.  
b.   A  presença  de  lesões  eritematosas  e  petequiais  na  planta  dos  pés.  
c.   A  presença  de  prótese  valvular  cardíaca.  
d.   O  exame  ginecológico  pode  ser  muito  importante  na  admissão.  
e.   A  Pseudomonas  aeruginosa  é  o  agente  mais  frequente  de  sépsis.  

229.Na  definição  de  sépsis  há  elementos  a  considerar  para  o  seu  diagnósBco  (indique  a  resposta  
verdadeira).
a.   A  presença  de  hipotermia  exclui  o  diagnósQco.  
b.   A  idenQficação  de  S.  pneumoniae  nas  secreções  brônquicas  confirma  o  diagnósQco.  
c.   Sépsis  com  hipotensão,  apesar  de  ressuscitação  com  fluidos,  define  o  síndrome  de  choque  
sépQco.  
d.   A  presença  de  leucopenia  (por  exemplo:  leucócitos  de  2500/mmc)  exclui  o  diagnósQco.  
e.   É   fundamental   ter   presentes   4   dos   critérios   de   SIRS   (síndrome   de   resposta   inflamatória  
sistémica).  

254.   Na   avaliação   de   um   doente   com   sépsis   é   importante   ter   em   atenção   os   seguintes  


parâmetros,  exceto  um.  Assinale-­‐o.  
a.   A  fluidoterapia  está  indicada  se  tensão  arterial  média  <55  mmHg  
b.   Na  presença  de  sufusões  cutâneas  deve  efetuar-­‐se,  de  imediato,  estudo  da  coagulação  e  
fazer-­‐se  a  correção  das  suas  alterações  
c.   A  insuficiência  renal  aguda  é  uma  complicação  comum  
d.   A  leucopenia  não  tem  significado  prognósQco  
e.   A  colheita  de  hemoculturas  deve  ser  imediata  

256.Doente   de   35   anos,   toxicodependente   com   abuso   de   drogas   por   via   endovenosa,   recorreu   ao   SU  
por  febre  de  39,5°C  com  início  súbito,  cefaleias  e  mal  estar  geral.  O  doente  apresentava  FR:  32  ciclos/  
min,  TA:  85/55  mmHg,  Pr:  124/  min;  Hgb  10.6  g/dL,  Leuc  24800/mmc,  80%  PWIN,  Plaq  80000/mmc.  
Das  aBtudes  referidas  qual  a  que  consideraria  mais  adequada?
a.   Deveria  ser  realizado  um  ecocardiograma  para  exclusão  de  endocardite  
b.   O  estudo  de  gases  de  sangue  não  teria  qualquer  interesse  
c.   A   anQbioterapia   poderia   ser   adiada   por   24   horas,   aguardando   o   resultado   das  
hemoculturas  
d.   A  pneumonia  por  Pneumocys3s  carinii  é  um  diagnósQco  provável  
e.   Após  estudo  analíQco,  incluindo  hemoculturas,  poderia  ter  alta  medicado  com  anQbióQco  
de  amplo  espectro  e  orientado  seguimento  ambulatório  

257.Na  definição  de  sépsis  assinale  a  resposta  correta.


a.   A  presença  de  hipotermia  exclui  o  diagnósQco  
b.   A  idenQficação  de  S.  pneumoniae  nas  hemoculturas  não  é  suficiente  para  o  diagnósQco  

-­‐   15  -­‐  
c.   Hipotensão  não  controlada  pela  reposição  com  fluidos  por  via  endovenosa  e  necessidade  
de  suporte  com  aminas  define  o  choque  sépQco  
d.   No  tromboembolismo  pulmonar  devem  estar  presentes  todos  os  critérios  de  SIRS  
e.   É   fundamental   ter   presentes   3   dos   critérios   de   SIRS   (síndrome   de   resposta   inflamatória  
sistémica)  para  estabelecer  o  diagnósQco  

288.   Doente  toxicodependente,  com  abuso  de  drogas  por  via  endovenosa,  recorreu  ao  SU  por  
febre   de   39ºC,   com   início   súbito,   cefaleias   e   mal-­‐estar   geral.   O   doente   apresentava   FR:   32   ciclos/  
min,  TA:75/55  mmHg,  Pr:  124/min  Hgb  10.6  g/dL,  Leuc  24800/mmc,  80%  PMN,  Plaq  80000/mmc.  
Que  afirmação  consideraria  errada:  
a.   Podemos  afirmar  que  o  doente  tem  SIRS.  
b.   Poder-­‐se-­‐á  considerar  o  diagnósQco  de  sépsis  com  foco  cardíaco.  
c.   Deve  efetuar-­‐se  de  imediato  hemoculturas  e  iniciar  anQbioterapia  empírica.  
d.   A   anQbioterapia   poderia   ser   adiada   24   horas   para   colheita   de   estudo   analíQco   mais  
completo  e  realização  de  ecocardiograma.  
e.   A  ressuscitação  com  soro  fisiológico  deverá  ser  iniciada  de  imediato.  

295.Num  doente  admiBdo  no  SU  com  sépsis  e  insuficiência  respiratória  é  fundamental  (indique  a  
resposta  errada:
a.   Efetuar  radiografia  pulmonar  para  verificar  se  a  causa  primária  é  uma  pneumonia.  
b.   O   rastreio   da   infeção   VIH   deve   ser   efetuado,   independentemente,   do   conhecimento   de  
risco  epidemiológico.  
c.   Iniciar  anQbioterapia  considerando  os  agentes  mais  comuns  de  pneumonia.  
d.   As  hemoculturas  são  na  maior  parte  dos  casos  negaQvas,  pelo  que  não  tem  interesse  a  sua  
realização.  
e.   O   edema   agudo   do   pulmão   e   o   tromboembolismo   devem   ser   considerados   no   diagnósQco  
diferencial.  

297.São  aspetos  importantes  na  avaliação  de  um  doente  com  sépsis  os  seguintes,  exceto  um:
a.   História  de  toxicodependência.  
b.   Presença  de  exantema  petequial.  
c.   A  depressão  da  consciência  é  sempre  indicadora  de  foco  neurológico.  
d.   É  importante  a  realização  de  exame  do  sedimento  urinário.  
e.   Na  sépsis  com  pneumonia  o  S.  pneumoniae  é  um  agente  frequente.  

300.   Uma  das  seguintes  aBtudes  deve  ser  considerada  no  doente  com  sépsis.  
a.   Início   imediato   de   um   anQbióQco   de   amplo   espectro,   sem   necessidade   de   efetuar  
invesQgação  eQológica.  
b.   Colocação  imediata  de  algália.  
c.   A  albumina,  administrada  por  via  endovenosa,  é  o  coloide  de  1.ª  opção.  
d.   A  colocação  de  acessos  endovenosos  não  é  uma  prioridade.  
e.   No   doente   em   choque   sépQco   a   colheita   de   produtos   biológicos   para   exame  
microbiológico  antes  do  início  de  anQbioterapia  é  fundamental.  

315.  Uma  das  seguintes  situações  clínicas  pode  ser  considerada  como  sépsis,  
independentemente  do  método  de  diagnósBco:
a.   Rubéola  
b.   Colite  por  Clostridium  difficile  
c.   Pneumonia  pneumocócica  
d.   Meningite  por  Enterovírus  
e.   Endocardite  estafilocócica  

-­‐  16  -­‐

340.   São  critérios  de  diagnósBco  de  choque  sépBco  os  seguintes,  exceto  um:  
a.   Temperatura  <36  °C  
b.   Hipotensão   manQda   >30   minutos,   sem   resposta   ao   tratamento   com   fluídos   por   via  
endovenosa  
c.   Ausência  de  exantema  
d.   Leucopenia  <4000/mmc  
e.   Disfunção  mulQorgânica  

341.   Na   avaliação   de   um   doente   com   sépsis   é   importante   ter   em   atenção   aspetos   que   podem  
influenciar  o  prognósBco.  Apenas  uma  afirmação  está  errada:  
a.   Uma  tensão  arterial  média  <55  mmHg  é  indicação  para  fluidoterapia  
b.   Na   presença   sufusões   cutâneas   deve   ser   efetuado   estudo   da   coagulação   e   correção   das  
alterações  observadas  
c.   A  insuficiência  renal  é  uma  complicação  comum  
d.   A  alteração  da  consciência  não  tem  interesse  neste  contexto  
e.   A  colheita  de  hemoculturas  deve  ser  imediata  

370.Num  doente  com  sépsis  podem  ser  fatores  importantes  os  seguintes:  (indique  a  resposta  
errada).
a.   História  de  hospitalização  e  de  algaliação  recente  
b.   Presença  de  lesões  eritematosas  e  petequiais  na  planta  dos  pés  
c.   Presença  de  lesões  inflamatórias  cutâneas  
d.   O  exame  ginecológico  não  é  relevante  no  momento  da  admissão  
e.   A  N.  meningi3dis  é  um  agente  frequente  de  sépsis  

No  choque  sétpBco  (assinalar  a  verdadeira):  A  precocidade  da  anQbioterapia  influencia  o  prognósQco.


-­‐  17  -­‐
INFEÇÃO  SNC

3.  Num   doente   admiBdo   no   SU   com   febre,   cefaleias   e   vómitos   com   24   horas   de   evolução   e  
exantema   petequial   com   início   4   horas   antes   e   que   tem   vindo   a   aumentar   (indique   a   resposta  
certa)  
a.   Estaria  indicada  a  administração  imediata  de  imunoglobulina  policlonal.  
b.   O  tratamento  empírico  com  ce‚riaxone  é  uma  aQtude  correta  nesta  situação.  
c.   A  quimioprofilaxia  aos  contactos  com  claritromicina  deve  ser  imediata  
d.   O  estudo  da  coagulação  não  é  relevante  nesta  situação  clínica  
e.   As  hemoculturas  não  têm  interesse  porque  são  geralmente  negaQvas  

4.  Homem  de  50  anos  internado  com  alteração  do  estado  de  consciência  (escala  de  Glasgow-­‐8).  Início  
de  astenia,  tosse  produBva  e  emagrecimento  (10  Kg)  um  mês  antes.  Após  efetuar  TAC  cerebral  que  
revelou  atrofia  corBco-­‐subcorBcal,  é  efetuada  PL  que  revela  um  LCR  límpido  com  
350   células/mmc,   com   70%   de   linfócitos,   glicose   de   20   mg/dl   (nr-­‐50   mg/dl)   e   proteínas   de  
190  mg/  dl  (nr-­‐55  mg/dl).  É  pedido  exame  bacteriológico  de  roBna.  
Que  outras  aBtudes  acharia  jusBficadas  neste  contexto:  (apenas  uma  resposta  certa):  
a.   Atendendo   à   apresentação   clínica   e   às   caracterísQcas   do   LCR,   a   eQologia   fúngica   seria   a  
mais  provável  
b.   A   radiografia   pulmonar   no   SU   não   teria   interesse   uma   vez   que   o   doente   não   Qnha  
sintomatologia  de  doença  respiratória  
c.   Pedia   coloração   pelo   método   Ziehl-­‐Neelsen,   PCR   para   Mycobacterium   tuberculosis   e  
cultura  em  meio  de  Lowenstein  
d.   Iniciava  empiricamente  o  Aciclovir  oral  
e.   Iniciava  claritromicina  ev  e  aguardava  exame  microbiológico  

14.   RelaBvamente  à  meningoencefalite  herpéBca  (assinale  a  certa):  


a.   Na  maioria  dos  casos  o  diagnósQco  é  clínico  
b.   A  presença  de  herpes  labial  é  frequente  
c.   É  frequente  encontrar  no  LCR  uma  pleocitose  de  >1000/mmc  
d.   O  início  do  tratamento  com  aciclovir  não  deve  ser  protelado  até  confirmação  diagnósQca.  
e.   A  confirmação  do  diagnósQco  só  é  possível  por  análise  histológica  de  amostra  obQda  por  
biopsia  cerebral  
16.  Num   doente   admiBdo   no   SU   com   febre,   cefaleias   e   vómitos   com   24   horas   de   evolução   e  
exantema  petequial  com  início  4  horas  antes  e  que  tem  vindo  a  aumentar.  (indique  a  resposta  
certa)  
a.   Estaria  indicada  a  vigilância  no  SU  24  horas  e  antes  da  programação  de  alta.  
b.   A  quimioprofilaxia  aos  contactos  com  claritromicina  deve  ser  imediata  
c.   A  presença  de  exantema  não  qualquer  correlação  com  a  eQologia  
d.   O  tratamento  com  ce‚riaxone  após  a  dexametasona  pode  ser  uma  aQtude  correta  nesta  
situação.  
e.   A  presença  de  plaquetas  normais  exclui  causa  infeciosa.  

17.  As   infeções   víricas   do   SNC   podem   ser   benignas   e   autolimitadas   ou   graves   (ex.   encefalite)  
(Indique  a  afirmação  falsa)  
a.   As  manifestações  podem  ser  semelhantes  à  infeção  bacteriana  
b.   O  aumento  de  células  no  líquor  nem  sempre  traduz  infeção  
c.   O  estudo  com  TAC  cerebral  pode  ser  fundamental  
d.   Deve  ser  sempre  efetuada  profilaxia  anQvírica  aos  contactos  

-­‐   18  -­‐  
e.    Os  agentes  eQológicos  mais  comuns  são  os  Enterovírus

38.Num   doente   de   30   anos,   com   artrite   reumatoide,   admiBdo   no   SU   com   febre,   cefaleias   e  
vómitos  com  24horas  de  evolução  e  crise  convulsiva  em  casa  1hora  antes.  Admissão  na  Sala  de  
Emergência  em  coma  (ECG=8).  (indique  a  resposta  certa)
a.   Estaria   indicada   a   vigilância   na   SE   24   horas,   antes   da   programação   da   PL   se   não   repeQr  
convulsões  
b.   Deverá   colher   de   imediato   hemoculturas,   iniciar   uma   cefalosporina   de   3ª   geração   e  
seguidamente  efetuar  TAC  cerebral  
c.   Deverá   colher   de   imediato   hemoculturas,   efetuar   PL   e   iniciar   uma   cefalosporina   de   3ª  
geração  associada  a  ampicilina  
d.   Deverá  colher  hemoculturas,  iniciar  tratamento  com  ce‚riaxone  e  ampicilina,  efetuar  TAC  
cerebral  e  se  exclusão  de  contraindicação  efetuar  PL  
e.   Todas  as  afirmações  são  falsas  

39.As  infeções  víricas  do  SNC  podem  ser  benignas  e  autolimitadas  ou  graves  (encefalite)  –  
(indique  a  afirmação  falsa)
a.   A  apresentação  clínica  pode  ser  semelhante  à  meningite  bacteriana  
b.   O  estudo  com  TAC  cerebral  pode  ser  elucidaQvo,  embora  não  diagnósQco  
c.   O  aumento  de  células  no  líquor  nem  sempre  traduz  infeção  
d.   Deve  ser  sempre  efetuada  profilaxia  anQvírica  aos  contactos,  se  infeção  por  Arbovírus  
e.   Os  corQcoides  não  estão  contraindicados  em  encefalites  graves  por  HSV1  

53.Em  relação  às  infeções  do  SNC,  diga  qual  a  afirmação  correta:
a.   A   presença   de   ‰stula   de   líquor   é   um   fator   predisponente   importante   para   todas   as  
eQologias  da  meningite  (bacteriana,  vírica  e  bacilar).  
b.   Um   doente   com   PL   que   revela   um   LCR   claro   com   proteínas   elevadas   e   glicose   indoseável   a  
eQologia  vírica  é  de  considerar  como  1ª  hipótese,  se  a  apresentação  do  quadro  clínico  foi  aguda.  
c.   Num   doente   com   imunodepressão   com   PL   que   mostra   um   LCR   claro   e   proteínas   pouco  
aumentadas   e   glicose   baixa   poderá   ter   interesse   pedir   a   coloração   pela   Qnta-­‐da-­‐china   e   cultura  
para  Cryptococcus.  
d.   Num   doente   com   imunodepressão   (como   o   descrito   acima)   deve   ser   administrada  
dexametasona  antes  da  primeira  dose  de  anQbióQco.  
e.   Nenhuma  afirmação  é  correta.  

163.   Na  meningite  tuberculosa  (assinale  a(s)  resposta(s)  certa(s)):  


a.   O  início  agudo  é  frequente.  
b.   Os  défices  neurológicos  são  comuns  e  evocadores  do  diagnósQco.  
c.   El  pode  manifestar-­‐se  por  sintomatologia  psiquiátrica  
d.   O   tratamento   quando   tardio   é   um   dos   fatores   mais   importantes   de   avaliação   do  
prognósQco.  
e.   As   caracterísQcas   do   LCR   são   pleocitose   >1000   células/mmc,   predominantemente   PMN,  
hipoglicorráquia  e  proteinorráquia  elevadas.  

196.Em  relação  à  meningite  bacteriana  aguda  assinale  a  resposta  errada.


a.   O  H.  influenzae  Qpo  b  é  o  agente  mais  comum  na  nossa  população.  
b.   A  Listeria  monocytogenes  deve  ser  considerada  no  doente  com  cirrose  alcoólica.  
c.   O  herpes  labial  é  comum  na  infeção  pneumocócica  e  meningocócica.  
d.   O   estudo   do   LCR   revela   pleocitose   >1000   células/mmc,   predomínio   de   PMN,  
proteinorráquia  elevada  e  hipoglicorráquia.  

-­‐   19  -­‐  
e.    Nos  extremos  de  vida  o  tratamento  deverá  ser  feito  com  ce‚riaxone  e  ampicilina.

205.Na  meningite  por  vírus  entéricos  não  pólio  qual  das  afirmações  é  a  correta.
a.   A  pleocitose  com  predomínio  de  PMN  é  frequente.  
b.   A  hiperproteinorraquia  no  LCR  e  o  aspeto  xantocrómico  são  comuns.  
c.   Está  sempre  indicado  o  tratamento  com  aciclovir.  
d.   O  isolamento  do  agente  em  cultura  é  o  método  habitualmente  usado  para  a  confirmação  
do  diagnósQco.  
e.   A  confirmação  do  diagnósQco  deve  fazer-­‐se  por  pesquisa  de  ARN  do  vírus  por  PCR.  

206.Em  relação  à  meningite  bacteriana  aguda  assinale  a  resposta  errada.


a.   N.  meningi3dis  é  o  agente  mais  comum  na  nossa  população.  
b.   A   Listeria   monocytogenes   deve   ser   considerada   no   doente   com   linfoma   ou   outra   doença  
linfoproliferaQva.  
c.   O  herpes  labial  é  comum  na  infeção  pneumocócica  e  meningocócica.  
d.   O   estudo   do   LCR   revela   pleocitose   >1000   células/mmc,   predomínio   de   PMN,  
proteinorráquia  elevada  e  hipoglicorráquia.  
e.   Nos  extremos  de  vida  o  tratamento  deverá  ser  feito  com  ce‚riaxone.  

209.Na  meningite  tuberculosa  devemos  considerar  que  ...  Assinale  a  resposta  certa.
a.   A   doença   tem   início   agudo   e,   com   frequência,   pode   apresentar-­‐se   com   manifestações  
neuropsiquiátricas.  
b.   O   estudo   do   LCR   revela   pleocitose   >1000   células,   predomínio   de   PMN,   glicose   muito   baixa  
e  proteinorráquia  elevada.  
c.   A  coloração  pelo  método  Ziehl-­‐Neelsen  não  tem  qualquer  interesse.  
d.   O   exame   cultural   em   Lowenstein   não   tem   uQlidade,   já   que   é   demorado   e   pode   não   ter  
implicações  no  tratamento.  
e.   A  pesquisa  no  LCR  do  ADN  do  M.  tuberculosis  por  PCR  permite  o  seu  diagnósQco  rápido.  

222.As  formas  clínicas  mais  frequentes  de  apresentação  das  infeções  do  SNC  são  a  meningite,  a  
encefalite  e  o  abcesso/empiema.  Assinale  a  resposta  errada.
a.   A   Listeria   monocytogenes   e   o   S.   pneumoniae   são   eQologias   possíveis   de   meningite   nos  
doentes  com  linfomas.  
b.   A   meningite   criptocócica   surge   com   maior   frequência   em   imunodeprimidos   e   tem,  
usualmente,  início  insidioso  com  febre,  cefaleias  e  disfunção  neurológica.  
c.   Nos  países  desenvolvidos  a  N.  meningi3dis  e  o  S.  pneumoniae  são,  atualmente,  os  agentes  
mais  comuns  de  meningite  bacteriana.  
d.   O   diagnósQco   de   encefalite   herpéQca   deve   ser   evocado   peia   clínica   e   neuroimagiologia   -­‐  
aQngimento   do   lobo   temporal.   A   sua   confirmação   baseia-­‐se   na   pesquisa   do   ARN   vírus   Herpes  
simplex  no  LCR  por  PCR.  
e.   No   doente   com   meningite   tuberculosa   ou   com   doença   neurológica   parenquimatosa,  
independentemente,  de  conhecer-­‐se  ou  não  risco  comportamental,  jusQfica-­‐se  rastrear  a  infeção  
HIV.  

241.Na  meningite  tuberculosa  devemos  considerar  que...  Assinale  resposta  verdadeira.


a.   A   clínica   é,   habitualmente,   abrupta   e,   com   frequência,   apresenta-­‐se   com   défices  
neurológicos.  
b.   No   estudo   do   LCR   é   comum   urna   pleocitose   >1000   células/   mmc,   uma   glicorráquia   normal  
e  uma  proteinorráquia  >100  mg/  dl.  
c.   A  coloração  pelo  método  Ziehl-­‐Neelsen  não  tem  qualquer  interesse.  

-­‐   20  -­‐  
d.   Apesar   de   se   pode   idenQficar   o   M.   tuberculosis   por   PCR   é   sempre   necessário   fazer-­‐se   o  
exame  cultural  em  Lowenstein.  
e.   A  decisão  do  tratamento  deve  basear-­‐se  na  clínica  e  no  estudo  do  LCR,  e  deve  fazer-­‐se  com  
isoniazida  e  rifampicina  durante  12  meses.  

250.Em  relação  à  meningite  bacteriana  aguda  assinale  a  resposta  correta.


a.   Deve  sempre  insQtuir-­‐se  quimioprofilaxia  aos  contactos  ínQmos  
b.   A  Listeria  monocytogenes  é  uma  eQologia  a  ser  considerada  no  doente  diabéQco,  cirróQco,  
com  insuficiência  renal  crónica  ou  doenças  hemolinfoproliferaQvas  
c.   O  exantema  petequial  e  o  herpes  labial  são  sinais  evocadores  da  eQologia  por  H.  influenzae  
Qpo  b  
d.   O  estudo  do  LCR  revela  geralmente  glicorraquia  normal  ou  aumentada  
e.   Nos   extremos   de   vida   é   suficiente   o   tratamento   com   uma   cefalosporina   de   3ª   geração  
(cefotaxima  ou  ce‚riaxona)  

261.   As  formas  clínicas  mais  frequentes  de  apresentação  das  infeções  do  SNC  são  a  meningite,  
a  encefalite  e  o  abcesso/empiema.  Assinale  a  resposta  errada  
a.   A   Listeria   monocytogenes   e   o   S.   pneumoniae   são   eQologias   possíveis   de   meningite   nos  
doentes  com  linfoma  ou  outras  doenças  hemolinfoproliferaQvas.  
b.   A   meningoencefalite   tuberculosa   tem,   habitualmente,   início   insidioso   e,   com   frequência,  
apresenta-­‐se  com  défices  neurológicos.  
c.   Nos  países  desenvolvidos  a  N.  meningiQdis  e  o  S.  pneumoniae  são,  atualmente,  os  agentes  
mais  comuns  de  meningite  bacteriana.  
d.   O  diagnósQco  de  encefalite  herpéQca  deve  ser  evocado  pelo  quadro  clínico  e  aQngimento  
do   lobo   temporal,   devendo   a   sua   confirmação   basear-­‐se   na   pesquisa   do   RNA   do   vírus   Herpes  
simplex  no  LCR  por  PCR.  
e.   No   doente   com   meningite   tuberculosa,   criptococose   meníngea   ou   doença   neurológica  
parenquimatosa,   independentemente,   de   conhecer-­‐se   ou   não   risco   comportamental,   jusQfica-­‐se  
rastrear  a  infeção  HIV.  

263.A  meningite  bacteriana  aguda  é  uma  emergência  médica.  A  este  propósito  assinale  a  
resposta  errada
a.   O   seu   diagnósQco   deve   ser   considerado   no   doente   com   febre,   cefaleias   e   disfunção  
neurológica,   entre   outras   manifestações.   A   confirmação   desse   diagnósQco   deve   fazer-­‐se   por  
estudo  do  LCR  e  hemoculturas.  
b.   O   exantema   petequial   é   evocador   do   diagnósQco   de   meningite   meningocócica   e,   neste   caso,  
implica  fazer-­‐se,  de  imediato,  a  profilaxia  com  rifampicina  ou  ciprofloxacina  a  conviventes  ínQmos  e  a  
todos  os  profissionais  de  saúde  que  contactaram  com  o  doente.  
c.   Uma   pleocitose   no   LCR   >1000   células/mmc,   predomínio   de   PMN   (>80%),   uma   glicorráquia  
<40  mg/dl  e  uma  proteinorráquia  >80  mg/dl  são  evocadores  de  eQologia  bacteriana.  
d.   No  recém-­‐nascido  e  no  doente  com  idade  >50  anos  o  tratamento  anQbióQco  consiste  na  
associação  de  cefotaxima  (2g  ev  cada  6  horas)  com  ampicilina  (2  g  ev  cada  4  horas).  
e.   A   imunização   com   a   vacina   conjugada   contra   o   meningococo   Grupo   C   de   crianças   com  
idade  <2  anos  poderá  estar  indicado  se  for  esse  o  serogrupo  responsável  por  um  surto.  

274.   Em  relação  à  meningite  vírica  assinale  a(s)  resposta(s)  certa(s).  


a.   O  líquor  é  geralmente  claro  
b.   O  vírus  adenóide  é  a  eQologia  mais  comum  
c.   Os  enterovírus  não  são  uma  eQologia  habitual  
d.   A  glicorraquia  pode  em  alguns  casos  estar  diminuída  -­‐  paroQdite  

-­‐   21  -­‐  
e.   As  proteínas  são  geralmente  inferiores  a  100  mg/  dl  

275.   Num   doente   com   meningite,   cujo   exame   objeBvo   mostra   exantema   petequial,   que  
aBtude(s)  deve(m)  ser  tomada(s):  
a.   De   imediato,   após   estudo   adequado   e   colheita   de   fluidos   biológicos   para   estudo  
microbiológico,  deve  insQtuir-­‐se  tratamento  anQbióQco  
b.   Deve   ser   insQtuída   quimioprofilaxia   com   ciprofloxacina   a   todos   os   conviventes   ínQmos,  
incluindo  crianças  
c.   Deve  ser  feita  a  vacinação  específica  a  todos  os  contactos  
d.   Deve  ser  dada  quimioprofilaxia  com  rifampicina  às  crianças  e  adultos  conviventes  ínQmos  
do  doente  
e.   Não   há   jusQficação   para   a   quimioprofilaxia   de   todos   os   profissionais   de   saúde   que  
contactaram  com  o  doente  
277.  A  meningite  é  uma  infeção  do  SNC  com  múlBpla  eBologia.  Assinale  a(s)  resposta(s)  certa(s)
a.   Embora  mais  comum  no  adulto,  pode  também  surgir  em  crianças  
b.   Vírus,  bactérias,  incluindo  micobactérias,  fungos  e  parasitas  são  eQologias  possíveis  
c.   Deve  ser  considerado  esse  diagnósQco  sempre  que  há  febre,  rigidez  da  nuca  e  disfunção  
neurológica  
d.   O  traumaQsmo  craniano  é  um  fator  predisponente  e  evocador  da  eQologia  pneumocócica  
e.   O   tratamento   anQbióQco,   geralmente,   com   uma   cefalosporina   de   3a   geração,   deve   ser  
insQtuído   de   imediato   em   todas   as   situações,   independentemente,   do   grupo   etário   ou  
comorbilidades  

278.Na  suspeita  clínica  de  meningite  tuberculosa,  devemos  considerar  que:


a.   A   coloração   pelo   método   Ziehl-­‐Neelsen   não   é,   geralmente,   muito   informaQva,   pela   sua  
baixa  sensibilidade  
b.   Habitualmente,   a   pleocitose   é   <500   leucócitos/   mmc,   a   glicorráquia   é   muito   baixa   e   a  
proteinorráquia  elevada  
c.   O   exame   microbiológico   em   meio   de   Lowenstein   não   tem   qualquer   uQlidade,   já   que   é  
muito  demorado  
d.   A  pesquisa  do  ADN  do  M.  tuberculosis  por  PCR  permite  um  diagnósQco  rápido  
e.   Perante   a   suspeita   clinica   deve   iniciar-­‐se   tratamento   com   isoniazida,   rifampicina,  
etambutol  e  pirazinamida  

311.   Na  invesBgação  de  uma  suspeita  de  infeção  do  SNC  é  correto  afirmar  que:  
a.   A  realização  da  punção  lombar  deve  sempre  preceder  o  início  de  anQbioterapia  empírica  
b.   A  colheita  de  hemoculturas  deve  ser  sempre  considerada,  o  mais  precocemente  possível  
c.   Embora   nem   sempre   seja   possível,   a   realização   de   uma   TC   cerebral   deve   sempre   preceder  
uma  colheita  de  LCR  por  punção  lombar  
d.   A   pesquisa   do   VSH   por   PCR   tem   pouco   valor   no   diagnósQco   de   meningoencefalite  
herpéQca  
e.   O   aspeto   macroscópico   do   LCR   não   se   correlaciona   com   o   resultado   do   seu   exame  
citológico  

322.  As  formas  clínicas  mais  frequentes  de  apresentação  das  infeções  do  SNC  são  a  meningite,  a  
encefalite  e  o  abcesso/  empiema.  Assinale  a  resposta  errada:
a.   A   Listeria   monocytogenes   e   o   S.   pneumoniae   são   eQologias   possíveis   de   meningite   nos  
doentes  com  linfomas  

-­‐   22  -­‐  
b.   A   meningite   criptocócica   surge   com   maior   frequência   em   imunodeprimidos   e   tem,  
usualmente,  início  insidioso  com  febre,  cefaleias  e  disfunção  neurológica  
c.   Nos  países  desenvolvidos  a  N.  meningi3dis  e  o  S.  pneumoniae  são,  atualmente,  os  agentes  
mais  comuns  de  meningite  aguda  bacteriana  
d.   O   diagnósQco   de   encefalite   herpéQca   deve   ser   evocado   pela   clinica   e   neuroimagiologia   -­‐  
aQngimento  do  lobo  temporal.  A  sua  confirmação  baseia-­‐se  na  pesquisa  do  ARN  do  vírus  Herpes  
simplex  no  LCR  por  PCR  
e.   No   doente   com   meningite   tuberculosa   ou   com   doença   neurológica   parenquimatosa,  
independentemente   de   se   conhecer   ou   não   o   risco   comportamental,   jusQfica-­‐se   rastrear   a   infeção  
HIV  
350.Em  relação  à  meningite  bacteriana  assinale  a  afirmação  correta.
a.   O  exantema  petequial  é  comum  na  infeção  pneumocócica  
b.   A  Listeria  monocvtogenes  deve  ser  considerada  no  doente  cirróQco  com  meningite  
c.   Nos  países  desenvolvidos  o  H.  influenzae  Qpo  b  é  o  agente  eQológico  mais  comum  
d.   O   estudo   do   LCR   revela   aspeto   turvo,   pleocitose   >1000   células/mmc,   proteinorráquia  
elevada  e  glicorráquia  normal  
e.   Nos  extremos  de  vida  o  tratamento  com  uma  cefalosporina  de  3a  geração  é  suficiente  

351.Em  relação  à  meningite  por  vírus  entéricos  assinale  a  resposta  correta.


a.   Deve  ser  sempre  tratada  com  anQvíricos,  sendo  o  fármaco  de  primeira  escolha  o  pleconaril  
b.   Deve  ser  sempre  tratada  com  anQvíricos,  sendo  o  fármaco  de  primeira  escolha  o  aciclovir  
c.   Deve  ser  sempre  tratada  com  anQvíricos,  sendo  o  fármaco  de  primeira  escolha  a  ribavirina  
d.   Deve  ser  sempre  tratada  com  anQvíricos,  podendo  ser  uQlizado  qualquer  um  dos  fármacos  
referidos  nas  alíneas  anteriores  
e.   Nenhuma  das  afirmações  está  correta  

352.As  formas  clínicas  mais  frequentes  de  apresentação  das  infeções  do  SNC  são  meningite,  
encefalite  e  abcesso/empiema  cerebral.  Assinale  a  resposta  errada:
a.   O   diagnósQco   de   meningite   deve   ser   considerado   no   doente   com   febre,   cefaleias   e  
disfunção  neurológica,  entre  outras  manifestações.  A  confirmação  do  diagnósQco  deve  fazer-­‐se  por  
estudo  do  LCR  e  hemoculturas  
b.   O  diagnósQco  de  encefalite  herpéQca  deve  ser  evocado  pela  clínica  e  neuroimagiologia.  A  
sua  confirmação  baseia-­‐se  na  pesquisa  do  ADN  do  vírus  Herpes  simplex  no  LCR  por  PCR  
c.   O   S.   pneumoniae   é   uma   eQologia   possível   de   meningite   em   doentes   com   doenças  
hemolinfoproliferaQvas  
d.   A   meningite   criptocócica   surge   com   maior   frequência   em   imunodeprimidos,   sendo   a  
anfotericina  B  é  o  fármaco  de  eleição  no  tratamento  
e.   No  doente  com  meningite  tuberculosa  ou  com  doença  neurológica  parenquimatosa,  só  se  
jusQfica  rastrear  a  infeção  HIV  se  for  conhecido  risco  comportamental  

-­‐  23  -­‐


NORMAS  GERAIS  DE  ANTIBIOTERAPIA,  RESISTÊNCIA  AOS  ANTIMICROBIANOS

41.Na  escolha  de  um  anBbióBco  é  importante  ter  em  conta  (assinale  a  afirmação  errada)
a.   A  idade  do  doente  
b.   O  local  do  organismo  em  que  se  localiza  a  infeção  
c.   A  gravidade  da  infeção  
d.   A  gravidez  
e.   Todas  as  hipóteses  estão  erradas  

42.Na  administração  de  anBbióBco  à  grávida  é  importante  considerar  (assinale  a  afirmação  


verdadeira)
a.   A  fase  da  gravidez  
b.   As  diferenças  no  volume  de  distribuição  da  grávida  
c.   O  Qpo  de  classe  a  que  pertencem  
d.   A  passagem  através  da  placenta  
e.   Todas  as  respostas  

-­‐  24  -­‐


ZOONOSES  E  MEDICINA  DE  VIAGEM

8.   Em  relação  à  malária  é  verdade  que:  


a.   A   quimioprofilaxia   está   sempre   indicada,   desde   que   se   viaje   para   uma   zona   de   risco   de  
malária  
b.   A  clínica  é  patognomónica  
c.   O   tratamento   de   um   episódio   de   malária   por   P.   falciparum   implica   frequentemente   a  
prescrição  de  sulfato  de  quinino  e  doxiciclina  
d.   O  tratamento  inicial  de  malária  deve  ser  sempre  iniciado  por  via  endovenosa  
e.   Na  África  subsaariana  a  resistência  à  cloroquina  é  rara  

9.   V.V.,  25  anos,  saudável,  plano  Nacional  de  Vacinação  cumprido,  vai  de  férias  para  Madagáscar  
por   2   semanas.   Esteve   alojado   num   resort   de   luxo.   A   viagem   não   foi   preparada   porque   não  
houve  tempo  antes  da  parBda  para  se  dirigir  a  nenhuma  consulta  do  viajante.  Cinco  dias  após  o  
regresso   adoece   com   febre,   prostração,   mialgias,   artralgias,   cefaleias   e   náuseas.   Sem   outros  
sintomas,   nomeadamente   respiratórios   ou   manifestações   hemorrágicas.   Sem   exantema.   Recorre  
ao   SU   onde   se   constata   prostração,   ausência   de   icterícia,   estabilidade   hemodinâmica,   febre.  
Discretas   adenomegalias   cervicais.   No   estudo   analíBco   apresenta   leucopenia,   trombocitopenia  
ligeira,  hiponatremia  e  subida  das  transamínases  inferior  a  2x  o  valor  máximo  normal.  Estudo  da  
coagulação  normal.  Rx  pulmonar  sem  alterações  significaBvas.  São  diagnósBcos  possíveis  todos  
os  seguintes  exceto:  
a.   Sarampo  
b.   Dengue  
c.   Malária  
d.   Síndrome  mononucleósico  
e.   Primoinfeção  pelo  VIH  

22.   V.V.,   25   anos,   saudável,   plano   Nacional   de   Vacinação   cumprido,   foi   de   férias   para   a  
Tailândia  por  1  semana.  Permaneceu  num  resort  de  luxo  junto  à  praia  de  Phuket.  Cinco  dias  após  
o   regresso   adoece   com   febre   elevada,   prostração,   mialgias,   artralgias,   cefaleias   intensas,   dores  
retro-­‐orbitárias.   Sem   outros   sintomas,   nomeadamente   respiratórios   ou   manifestações  
hemorrágicas.  Tem  um  discreto  exantema  macular  no  tronco  e  parede  abdominal.  Recorre  ao  SU  
onde   se   constata   prostração,   estabilidade   hemodinâmica,   febre,   sem   alterações   auscultatórias,  
sem  hepatoesplenomegalia.  
No   estudo   analíBco   apresenta   leucopenia,   trombocitopenia   ligeira,   hiponatremia   e  
subida  das  transamínases  inferior  a  2x  o  valor  máximo  normal.  O  estudo  da  coagulação  mostra  
prolongamento  ligeiro  do  tempo  de  Quick  e  do  Ap€.  Rx  pulmonar  sem  alterações  significaBvas.  
Equaciona  como  diagnósBco  mais  provável:  
a.   Sarampo  
b.   Dengue  
c.   Pneumonia,  nomeadamente  por  Mycoplasma  pneumoniae  ou  Chlamydia  pneumoniae  
d.   Gripe  A  
e.   Febre  amarela  

23.   Em  relação  à  leptospirose  humana  todas  as  seguintes  afirmações  são  verdadeiras  exceto:  
a.   É  causada  por  uma  espiroqueta  (L.  interrogans)  
b.   Pode  apresentar-­‐se  sob  a  forma  de  meningite  de  líquor  claro  ou  de  síndrome  febril  
c.   Cursa  frequentemente  com  2  fases  disQntas:  fase  sepQcémica  e  fase  imune  
d.   As  formas  graves,  ictéricas  consQtuem  cerca  de  10%  de  todas  as  formas  de  leptospirose  
e.   Por  causa  do  desenvolvimento  de  resistências  não  é  hoje  aceitável  tratar  com  penicilina  

-­‐   25  -­‐  
36.   V.V.,   30   anos,   saudável,   plano   Nacional   de   Vacinação   cumprido,   foi   trabalhar   para   Angola   na  
construção   civil   por   3   anos.   Efetuou   vacina   da   febre   amarela   antes   da   viagem   e   outras   que   não  
recorda  e  foi-­‐lhe  prescrita  quimioprofilaxia  de  malária  que  abandonou  ao  fim  de  2  meses  de  estada  
em   Angola.   Dois   meses   depois   de   abandonar   a   profilaxia   de   malária   adoece   com   febre   elevada,  
prostração,   mialgias,   artralgias,   cefaleias   intensas,   diarreia.   Sem   outros   sintomas,   nomeadamente  
respiratórios   ou   manifestações   hemorrágicas.   Recorre   a   um   médico   Bnha   3   dias   de   evolução   de  
sintomas.   Está   desidratado,   taquicárdico,   hipotenso.   No   estudo   analíBco   apresenta   anemia,  
leucopenia  e  trombocitopenia  ligeiras,  hiponatremia  e  subida  da  transaminases  inferior  a  2x  o  valor  
máximo  normal,  com  bilirrubinas  normais.  O  estudo  da  coagulação  mostra  o  prolongamento  ligeiro  
do  tempo  de  Quick  e  o  aPTT.  RX  pulmonar  sem  alterações  significaBvas.  Na  avaliação  deste  doente  
será  importante  tudo  exceto:
a.   Fazer  a  pesquisa  em  lâmina  de  Plasmodium  
b.   Internar   o   doente   para   correção   hidroelectrolíQca,   estabilização   hemodinâmica,  
esclarecimento  e  tratamento  do  quadro  
c.   Fazer  a  pesquisa  de  Leptospira  na  urina  
d.   Considerara  a  possibilidade  de  Dengue  
e.   Colher  hemoculturas  

37.Em  relação  à  malária  é  verdade  que:


a.   As   artemisininas   usadas   em   associação   com   outros   fármacos   são   pouco   eficazes   quando  
comparadas   com   a   eficácia   do   sulfato   de   quinino   associado   a   tetraciclina   (p.ex.   doxiciclina)   no  
tratamento  da  malária  cloroquinorresistente.  
b.   A  clínica  é  patognomónica  
c.   O   diagnósQco   é   habitualmente   efetuada   por   técnica   de   biologia   molecular   (por   pesquisa  
de  material  genéQco  do  Plasmodium)  em  amostra  de  sangue  periférico  
d.   Nas  zonas  endémicas  a  mortalidade  a  mortalidade  é  mais  elevada  nas  pessoas  idosas  
e.   É  transmiQda  ao  ser  humano  pelo  mosquito  fêmea  Anopheles  

54.  V.V,  20  anos,  saudável,  PNV  cumprido,  regressa  do  Brasil  (S.  Paulo)  onde  esteve  6  meses  em  
programa   de   intercâmbio   universitário,   num   hospital   pediátrico   da   cidade.   Não   viajou   dentro   do  
Brasil.   Efetuou   Vacina   da   febre   amarela   antes   da   viagem   (assim   exigia   o   protocolo   de  
intercâmbio)   e   vacina   da   hepaBte.   Três   dias   após   a   chegada   a   Portugal   adoece   com   febre  
elevada,  prostração,  mialgias,  artralgias,  cefaleias  intensas,  diarreia.  
Sem   outros   sintomas,   nomeadamente   respiratórios   ou   manifestações   hemorrágicas.  
Recorre  a  um  serviço  médico.  Está  desidratado,  taquicárdico,  hipotenso.  Apresenta  um  discreto  
exantema   troncular,   eritematoso   de   que   se   não   Bnha   apercebido.   No   estudo   clínico   apresenta  
anemia,   leucopenia   e   trombocitopenia   ligeiras,   hiponatremia   e   subida   das   transamínases  
inferior  a  2x  o  valor  máximo  normal,  com  bilirrubinas  normais.  O  estudo  da  coagulação  mostra  
prolongamento  ligeiro  do  tempo  de  Quick  e  do  aPTT.  Rx  pulmonar  sem  alterações  significaBvas.  
Na  avaliação  deste  doente  será  importante  tudo  exceto  uma:  
a.   Fazer  pesquisa  em  lâmina  de  Plasmodium  
b.   Internar  o  doente  para  esclarecimento  do  quadro,  estabilização  hemodinâmica  e  correção  
hidroeletrolíQca  e  tratamento  
c.   Fazer  serologia  para  vírus  citomegálico  e  Epstein-­‐Barr  
d.   Considerar  a  possibilidade  de  Dengue  
e.   Considerar  a  possibilidade  de  primoinfeção  pelo  VIH  

55.São  exemplos  de  zoonoses  todas  as  seguintes  patologias  exceto  uma:
a.   Sarampo  
b.   Leptospirose  
c.   Carbúnculo  

-­‐  26  -­‐


d.   Febre  escaro-­‐nodular  
e.   Variante  de  Creutzfeldt-­‐Jakob  

63.No  diagnósBco  de  Brucelose  é  importante,  exceto:


a.   Reação  de  Wright  
b.   Reação  de  Weil-­‐Felix  
c.   Hemocultura  
d.   Reação  Rosa  de  Bengala  
e.   Testes  ELISA  para  anQcorpos  específicos  

192.O  Kala-­‐azar  tem  como  forma  de  apresentação  clínica  mais  caracterísBca  uma  das  seguintes:
a.   Febre,  adenopaQas  e  exantema  acompanhados  de  leucopenia.  
b.   Febre,  pancitopenia,  esplenomegalia  e  diarreia.  
c.   Febre  prolongada,  tosse  seca,  hepato-­‐esplenomegalia,  adenopaQas  e  leucopenia.  
d.   Astenia,  febre,  hepato-­‐esplenomegalia,  pancitopenia  e  hiperproteinemia.  
e.   Febre,  icterícia,  pancitopenia  e  hipoalbuminemia.  

194.O  tratamento  ou  a  profilaxia  da  toxoplasmose  deve  ser  feito  com...  (assinale  a  afirmação  
correta).
a.   Sulfadiazina  e  pirimetamina  em  todas  as  situações.  
b.   Sulfadiazina   e   pirimetamina   em   todos   os   imunodeprimidos   que   apresentem   serologia  
posiQva,  mesmo  que  assintomáQcos.  
c.   Cotrimoxazol  é  o  fármaco  mais  uQlizado  na  profilaxia  primária  no  imunodeprimido.  
d.   A   profilaxia   secundária   é   dispensável   nos   doentes   com   infeção   VIH   logo   que   iniciem  
tratamento  anQrretrovírico.  
e.   Espiramicina  em  todas  as  grávidas  com  serologia  posiQva  (IgG).  

203.RelaBvamente  à  leptospirose  humana  assinale  a  afirmação  correta.


a.   É  sempre  sintomáQca.  
b.   Uma  forma  de  apresentação  habitual  é  a  meningite  aguda  purulenta.  
c.   A  hepaQte  vírica  pode  ser  um  dos  seus  diagnósQcos  diferenciais.  
d.   O   Síndrome   de   Weil   é   uma   designação   usada   tanto   para   as   formas   de   apresentação   minor  
como  para  as  major.  
e.   O  diagnósQco  pode  ser  estabelecido  por  pesquisa  de  anQcorpos  específicos  no  sangue  ou  
deteção  do  ARN  do  agente  no  LCR,  sangue  ou  urina.  
210.A  toxoplasmose  humana,  geralmente,  apresenta-­‐se  como...  Assinale  a  resposta  certa.
a.   Síndrome  febril  agudo  com  icterícia.  
b.   LinfadenopaQas  generalizadas.  
c.   Síndrome  febril  com  aQngimento  mulQssistémico  na  grávida.  
d.   Meningite  aguda  de  líquor  claro.  
e.   Doença  congénita  no  recém-­‐nascido  de  mãe  com  infeção  latente.  

216.As  manifestações  clínicas  mais  comuns  da  brucelose  incluem  todas,  exceto  uma  das  
seguintes.
a.   Febre.  
b.   Sudação.  
c.   Artralgias.  
d.   Tosse  produQva.  
e.   Cefaleias.  

-­‐  27  -­‐

226.Em  Portugal,  a  leishmaniose  visceral  ou  kala-­‐azar  é,  atualmente,  uma  doença  infeciosa  com  
maior  ocorrência  em...  (assinale  a  resposta  verdadeira).
a.   Crianças  dos  5  aos  15  anos  que  contactam  com  cães.  
b.   Adultos  residentes  em  área  endémica.  
c.   Crianças  até  aos  5  anos,  imunodeprimidas.  
d.   Adultos  imunodeprimidos.  
e.   Profissionais  com  risco  de  exposição,  tais  como,  veterinários.  

232.V.V.,  45  anos,  saudável,  vai  de  férias  durante  15  dias  para  o  Rio  de  Janeiro  e  litoral  carioca  
(Angra   dos   Reis).   No   aconselhamento   pré-­‐viagem   quais   das   seguintes   medidas   consideraria  
necessárias.
a.   Cuidados  alimentares  e  prevenção  da  picada  de  insetos.  
b.   Vacina  da  poliomielite  (preferencialmente,  vacina  inaQvada  -­‐  Salk).  
c.   Quimioprofilaxia  de  malária  com  mefloquina.  
d.   Vacina  da  febre  amarela.  
e.   Todas  as  anteriores.  

236.Em  relação  à  toxoplasmose  cerebral  no  imunodeprimido  assinale  a  resposta  verdadeira.


a.   As  lesões  são,  habitualmente,  únicas  e  surgem  em  indivíduos  sem  história  nem  evidência  
serológica  de  infeção  prévia.  
b.   São,   geralmente,   lesões   arredondadas,   bem   delimitadas,   da   substância   branca,   não  
captantes  de  contraste.  
c.   A   confirmação   do   diagnósQco   pode   ser   feita   pela   avaliação   da   resposta   clínica   e  
imagiológica  à  terapêuQca.  
d.   As   lesões   são   habitualmente   hiperdensas,   com   efeito   de   massa   e   com   intensa   captação   de  
contraste.  
e.   A  pesquisa  de  anQcorpos  anQ-­‐toxoplasma,  se  negaQva,  exclui  o  diagnósQco.  

239.As  manifestações  clínicas  e  laboratoriais  mais  comuns  do  kala-­‐zar  incluem  as  seguintes,  
exceto  uma.
a.   Febre.  
b.   Astenia.  
c.   Esplenomegalia.  
d.   Leucocitose  com  eosinofilia.  
e.   Hipergamaglobulinemia.  

240.Em  relação  à  toxoplasmose  humana  assinale  a  resposta  verdadeira.


a.   O  principal  reservatório  é  o  cão.  
b.   A   transmissão   da   infeção   ao   homem   pode   ocorrer   através   de   ingestão   de   alimentos  
contaminados,  picada  de  inseto,  sangue  ou  por  via  inalatória.  
c.   No  hospedeiro  não  imunodeprimido  as  principais  formas  sintomáQcas  de  apresentação  clínica  
são  o  síndrome  mononucleósico,  síndrome  febril  agudo  e  linfadenopaQas.  
d.   No  doente  imunodeprimido  a  forma  de  apresentação  clínica  mais  frequente  é  a  reQnite.  
e.   A   prevenção   primária   reveste   parQcular   importância   em   grávidas   e   imunodeprimidos,  
aconselhando-­‐se,  entre  outras  medidas,  evitar  o  contacto  com  indivíduos  infetados.  

243.A  febre  da  carraça  é  uma  zoonose  muito  frequente  no  país  em  época  esBval.  Assinale  a  
resposta  verdadeira.
a.   A  R.  typhi  é  o  agente  eQológico  desta  ricketsiose.  

-­‐   28  -­‐  
b.   O  agente  eQológico  é  transmiQdo  acidentalmente  ao  homem  após  exposição  ambiental  a  
urina  de  rato.  
c.   As  manifestações  clínicas  mais  sugesQvas  são  a  febre,  a  icterícia  e  a  hepatoesplenomegalia.  
d.   O  diagnósQco  deve  ser  confirmado  pela  pesquisa  de  anQcorpos  pela  reação  de  Weil-­‐Felix.  
e.   O  tratamento  de  eleição  é  a  doxiciclina,  durante  7  dias.  

246.O  diagnósBco  da  toxoplasmose  cerebral  no  doente  imunodeprimido  pode  ser  baseado  numa  
das  seguintes  condições  (assinale  a  resposta  correta).
a.   A   TC   cerebral   mostra,   habitualmente,   lesões   múlQplas,   hiperdensas,   com   captação   intensa  
e  uniforme  de  contraste  
b.   A  resposta,  clínica  e  imagiológica,  à  terapêuQca  específica  permite  confirmar  o  diagnósQco  
c.   O  estudo  serológico  (pesquisa  de  anQcorpos  específicos)  negaQvo  exclui  este  diagnósQco  
d.   Na  infeção  VIH  surge  só  com  contagens  de  linfócitos  T  CD4+  <10/mmc  
e.   A  biópsia  cerebral  é  imprescindível  para  confirmar  o  diagnósQco  

248.A  leishmaniose  visceral  tem  como  manifestações  comuns  as  seguintes,  exceto  uma.  
Assinale-­‐a.
a.   Exantema  
b.   Febre  
c.   Pancitopenia  
d.   Esplenomegalia  
e.   Hipergamaglobulinemia  

259.RelaBvamente  à  leptospirose  humana  assinale  a  resposta  verdadeira.


a.   É  sempre  sintomáQca  
b.   A  forma  de  apresentação  mais  habitual  é  a  meningite  purulenta  
c.   O  diagnósQco  pode  ser  estabelecido  por  deteção  de  anQcorpos  específicos  no  sangue  ou  
pesquisa  do  ADN  do  agente  no  LCR  
d.   O  Síndrome  de  Weil  é  uma  designação  usada  quer  para  as  formas  de  apresentação  minor  
quer  para  as  major  
e.   A  hepaQte  vírica  não  é  um  dos  seus  diagnósQcos  diferenciais  

294.   Num   viajante   com   febre,   cefaleias   e   mialgias   com   10   dias   de   evolução   todas   as  
afirmações  estão  corretas  exceto  uma:  
a.   Se  regressou  recentemente  de  férias  de  Moçambique  deve  ser  efetuada  pesquisa  de  
Plasmodium.  
b.   Se  pesquisa  de  Plasmodium  negaQva,  deve  ser  repeQda  pelo  menos  24  horas  depois.  
c.   A  leptospirose  é  um  diagnósQco  que  não  deve  ser  considerado  neste  contexto.  
d.   Mesmo  na  suspeita  de  uma  causa  de  infeção  não  bacteriana  as  hemoculturas  devem  ser  
sempre  efetuadas.  
e.   Se   leucocitose   com   linfomonocitose   deverão   ser   consideradas   causas   de   síndrome  
mononucleósico.  

309.O  diagnósBco  da  toxoplasmose  cerebral  do  imunodeprimido  deve  basear-­‐se  em  (assinale  a  
resposta  correta):
a.   A   TC   cerebral   mostra,   habitualmente,   lesão   solitária,   hiperdensa,   sem   captação   de  
contraste  

-­‐   29  -­‐  
b.   O  estudo  serológico  (pesquisa  de  anQcorpos)  negaQvo  exclui  este  diagnósQco  
c.   Na   infeção   VIH   o   limiar   de   CD4   a   parQr   do   qual   esta   patologia   oportunista   deve   ser  
considerada  é  de  500  linfócitos/mmc  
d.   A  realização  de  biópsia  cerebral  é  imprescindível  para  a  confirmação  do  diagnósQco  
e.   A  resposta,  clínica  e  imagiológica,  à  terapêuQca  específica  permite  confirmar  o  diagnósQco  

318.  A  toxoplasmose  é  uma  doença  habitualmente  benigna.  Das  situações  assinaladas  uma  tem  
indicação  para  tratamento  específico:  
a.   Doentes  com  coriorreQnite  
b.   Todas  as  grávidas  com  anQcorpos  IgG  específicos  no  início  da  gestação  
c.   Todos  os  imunodeprimidos  com  anQcorpos  IgG  específicos  
d.   Adulto  com  doença  de  Siim  
e.   Crianças  com  menos  de  2  anos  

332.  A  toxoplasmose  é  uma  antropozoonose  frequentemente  subclínica  cuja  morbilidade  é  


apenas  importante  nas  gestantes,  pois  pode  dar  formas  graves  de  infeção  congénita.
a.   Falso  
b.   Verdadeiro  

347.Na  leishmaniose  visceral  a  pesquisa  do  agente  pode  ser  feita  em  diferentes  produtos
biológicos.  No  entanto,  terá  maior  sensibilidade  em  amostras  de...
a.   Sangue  e  secreções  brônquicas  
b.   Medula  óssea  e  baço  
c.   Pele  e  mucosa  intesQnal  
d.   LCR  e  ‰gado  
e.   Gânglios  linfáQcos  e  sangue  

348.A  toxoplasmose  é  uma  doença  habitualmente  benigna.  Das  situações  assinaladas  apenas  
uma  está  correta.
a.   Todas  as  grávidas  com  serologia  posiQva  devem  ser  tratadas  com  espiramicina  
b.   O  tratamento  deve  ser  feito  com  sulfadiazina  e  pirimetamina  em  todas  as  situações  
c.   O   tratamento   deve   ser   feito   em   todos   os   imunodeprimidos   que   apresentem   serologia  
posiQva,  mesmo  que  assintomáQcos  
d.   No  imunodeprimido  o  cotrimoxazol  é  o  fármaco  mais  uQlizado  na  profilaxia  primária  
e.   A   profilaxia   secundária   é   dispensável   nos   doentes   com   infeção   VIH,   logo   que   iniciem  
tratamento  anQrretrovírico  

358.No  diagnósBco  da  toxoplasmose  cerebral  do  imunodeprimido  assinale  a  resposta  


verdadeira.
a.   A   TC   cerebral   mostra,   habitualmente,   lesão   solitária,   hiperdensa,   sem   captação   de  
contraste  
b.   O  estudo  serológico  (pesquisa  de  anQcorpos  específicos)  negaQvo  exclui  esse  diagnósQco  
c.   Na  infeção  VIH  o  limiar  de  linfócitos  T  CD4  a  parQr  do  qual  esta  patologia  oportunista  deve  
ser  considerada  é  350/mmc  
d.   A  realização  de  biopsia  cerebral  é  imprescindível  para  a  confirmação  do  diagnósQco  
e.   A  resposta,  clínica  e  imagiológica,  à  terapêuQca  específica  permite  confirmar  o  diagnósQco  

-­‐   30  -­‐  
INFEÇÕES  EMERGENTES/GRIPE

30.   RelaBvamente  à  pandemia  de  gripe  A  em  2009  é  falso  que:  


a.   As  grávidas  consQtuíram  um  dos  grupos  para  vacinação  prioritária  contra  a  gripe  A  
b.   A  vacina  uQlizada  em  Portugal  não  Qnha  adjuvante  
c.   Os  adultos  jovens  foram  os  mais  afetados  em  termos  de  incidência  de  casos  
d.   A   letalidade   observada   foi   inferior   na   generalidade   dos   países   Europeus   às   esQmaQvas  
feitas  no  início  da  pandemia  
e.   Os   anQvirais,   como   o   oseltamivir,   estavam   indicados   para   tratamento   dos   casos,  
nomeadamente  com  critérios  de  gravidade  

60.Em  11  de  junho  de  2009  a  OMS  declarou  o  início  de  uma  pandemia  de  gripe.  (assinale  a  
afirmação  correta)
a.   O   novo   vírus   pandémico   é   do   Qpo   A   embora   as   pandemias   habitualmente   sejam   causadas  
por  vírus  da  gripe  de  Qpo  
b.   O  vírus  pandémico  é  sensível  aos  anQvíricos  Qpo  inibidores  da  proteína  M2.  
c.   As  classes  etárias  mais  afetadas  até  agora  são  aquelas  acima  dos  60  anos.  
d.   Em   termos   quanQtaQvos,   a   letalidade   até   agora   verificada   não   difere   significaQvamente   da  
esQmada  para  a  gripe  sazonal.  
e.   A  vacina  pandémica  que  está  agora  a  ser  administrada  em  Portugal  é  uma  vacina  de  vírus  
atenuados.  

184.Em  relação  à  gripe  assinale  a  resposta  correta.


a.   O   vírus   Influenza   Qpo   B   será   o   que   tem   maior   probabilidade   de   originar   uma   pandemia   de  
gripe.  
b.   A  amantadina  é  o  fármaco  mais  eficaz  para  o  tratamento  da  gripe  por  vírus  Influenza  Qpo  
A.  
c.   Nos  casos  graves  deve  ser  feito  tratamento  com  ribavirina  por  via  IV.  
d.   A  infeção  pelo  vírus  Influenza  A  pode  complicar-­‐se  de  pneumonia  vírica.  
e.   A  rimantadina  é  frequentemente  uQlizada  no  tratamento,  dado  ter  baixa  toxicidade.  

202.Em  relação  à  gripe  assinale  a  resposta  correta.


a.   A  infeção  pelo  vírus  Influenza  A  nunca  se  complica  de  pneumonia  vírica.  
b.   Os   vírus   Influenza   Qpo   A   e   Qpo   B   são   os   que   têm   maior   probabilidade   de   originar   uma  
pandemia  de  gripe.  
c.   Nos  casos  graves  de  gripe  o  tratamento  deve  ser  feito  com  ribavirina  por  via  endovenosa.  
d.   O  oseltamivir  é  o  fármaco  mais  eficaz  para  o  tratamento  da  gripe  por  vírus  Influenza  
e.   A  rimantadina  é  frequentemente  uQlizada  no  tratamento,  dada  a  sua  baixa  toxicidade.  

223.A  gripe  é  uma  infeção  respiratória  que  pode  ser  prevenida  com  a  vacinação.  A  vacina  está  
indicada  (indique  a  resposta  verdadeira).
a.   Em  crianças  com  idade  <6  meses  por  serem  mais  susce•veis.  
b.   Os  doentes  com  DPOC  não  têm  indicação  para  a  vacinação.  
c.   Crianças  dos  6  meses  aos  18  anos  em  tratamento  crónico  com  ácido  aceQlsalicílico.  
d.   Grávidas  no  1º  trimestre  de  gravidez  no  período  da  gripe.  
e.   Nos  trabalhadores  de  Saúde  saudáveis  não  está  recomendada.  

224.A  gripe  é  uma  infeção  respiratória  comum.  Assinale  a  resposta  verdadeira.


a.   É  sempre  causada  por  um  mesmo  Qpo  de  vírus  ARN.  
b.   Os  doentes  com  insuficiência  cardíaca  têm  risco  acrescido  de  complicações  e  de  morte.  

-­‐   31  -­‐  
c.   Crianças   em   tratamento   crônico   com   ácido   aceQlsalicílico   não   têm   aumento   do   risco   de  
gravidade.  
d.   A  vacina  está,  prioritariamente,  indicada  entre  os  2  e  os  64  anos.  
e.   As  complicações  desta  infeção  são  sempre  respiratórias.  

253.  A   gripe   é   uma   doença   infeciosa   aguda   do   aparelho   respiratório   que   tem   como   agente  
eBológico  o  vírus  Influenza.  Assinale  a  resposta  errada.  
a.   Manifesta-­‐se  de  forma  súbita  com  febre,  mal-­‐estar,  cefaleias  e  mialgias  
b.   A  complicação  mais  comum  é  a  pneumonia  por  vírus  Influenza  
c.   Dada   a   morbilidade   da   gripe,   aconselha-­‐se   fazer   a   sua   prevenção   com   a   vacina   por   vírus  
inaQvados  administrada  entre  Setembro  e  Outubro  
d.   O  vírus  com  mais  agressividade  para  o  homem  é  o  vírus  Influenza  A  
e.   A  vacina  por  vírus  atenuados  é  dada  por  via  inalatória  
291.A  gripe  é  uma  doença  infeciosa  aguda  do  aparelho  respiratório  que  tem  como  agente  
eBológico  o  vírus  Influenza.  Assinale  a  resposta  correta.
a.   Manifesta-­‐se  de  forma  insidiosa  com  febre,  mal-­‐estar,  cefaleias  e  mialgias.  
b.   As  complicações  são  mais  comuns  nos  extremos  de  vida.  
c.   Dada   a   morbilidade   da   gripe,   aconselha-­‐se   fazer   a   sua   prevenção   com   a   vacina   por   vírus  
vivos  atenuados,  administrada  entre  Setembro  e  Outubro.  
d.   O  vírus  com  mais  agressividade  para  o  homem  é  o  vírus  Influenza  A  H5N1  
e.   Os  inibidores  da  neuraminidase  são  a  primeira  opção  de  tratamento.  

317.   Em  relação  à  gripe  assinale  a  resposta  correta:  


a.   As  manifestações  mais  comuns  são  diarreia,  tosse  e  rinite  
b.   O  oseltamivir  pode  ser  uQlizado  para  a  profilaxia  
c.   Nos  casos  graves  deve  ser  feito  tratamento  com  aciclovir  endovenoso  
d.   O  vírus  influenza  B  é  o  responsável  pelos  casos  mais  graves  
e.   A  amantadina  é  um  inibidor  da  neuraminidase  

362.A  gripe  é  uma  infeção  respiratória  que:  (assinale  a  resposta  verdadeira).


a.   Ocorre  sempre  sob  a  forma  de  pandemia  
b.   É  causada,  nos  humanos,  apenas  pelo  vírus  Influenza  Qpo  A  
c.   A  vacinação  está  indicada  no  grupo  etário  dos  65  ou  mais  anos  
d.   Tem  reservatório  humano  exclusivo  
e.   A  morbilidade  e  a  letalidade  são  desprezíveis  

364.A  gripe  é  uma  doença  infeciosa  aguda  do  aparelho  respiratório  que  tem  como  agente  
eBológico  o  vírus  Influenza.  Assinale  a  resposta  errada.
a.   Manifesta-­‐se  de  forma  súbita  com  febre,  mal-­‐estar,  cefaleias,  mialgias  e  tosse  
b.   Uma  das  complicações  mais  comuns  é  a  pneumonia  bacteriana  secundária  
c.   Dada   a   morbilidade   da   gripe,   aconselha-­‐se   fazer   a   sua   prevenção   com   a   vacina   por   vírus  
inaQvados  administrada  entre  Setembro  e  Outubro  
d.   O  vírus  com  mais  agressividade  para  o  homem  é  o  Influenza  Qpo  B  
e.   A  vacina  por  vírus  atenuados  é  dada  por  via  inalatória  

-­‐  32  -­‐


SÍNDROMES  FEBRIS

18.  No  síndrome  febril  indeterminado  as  causas  infeciosas  são  comuns.  Considerando  as  causas  
mais  comuns,  indique  quais  os  exames  que  considera  importantes  para  o  estudo  inicial  (assinale  
a  alínea  mais  correta)
a.   A  realização  hemoculturas,  de  2-­‐3  conjuntos  (pelo  menos  2),  de  preferência  de  diferentes  
punções  venosas  
b.   A   pesquisa   de   M.   tuberculosis   por   PCR,   ZN   e   cultura   em   Lowenstein   só   deve   ser   feita   se   as  
hemoculturas  forem  negaQvas  
c.   A  pesquisa  de  anQgénios  capsulares  de  Cryptococcus  no  sangue  e  LCR  deve  ser  roQna  em  
todos  os  doentes  
d.   A   prova   da   tuberculina   deve   ser   efetuada   sempre   porque   tem   elevada   especificidade  
quando  consideramos  o  diagnósQco  de  tuberculose  
e.   A   brucelose   deve   ser   considerada,   e   para   o   seu   diagnósQco   deve   ser   efetuada   pesquisa   do  
agente  no  sangue,  por  PCR  na  1.ª  semana  da  doença  

40.Considerando  as  possíveis  eBologias  de  febre  prolongada  –  (Indique  a  afirmação  falsa)
a.   A  toxoplasmose,  brucelose,  leptospirose  e  tuberculose  são  zoonoses  que  podem  causar  SFI  
b.   A  febre  escaronodular  é  uma  doença  comum  na  área  mediterrânea  
c.   A  leptospirose  é  uma  eQologia  a  considerar  na  febre  sem  foco,  sendo  a  porta  de  entrada  
do  agente  frequentemente  cutânea  
d.   A   infeção   primária   por   VIH   pode   apresentar-­‐se   com   síndroma   febril   prolongado   com   ou  
sem  exantema  
e.   Todas  são  falsas  

49.Em  relação  à  hipertermia  todas  as  afirmações  abaixo  referidas  são  corretas,  exceto  uma:
a.   Pode  ser  causada  por  excesso  de  roupas  sobretudo  nas  crianças.  
b.   Pode  ser  causada  por  um  tumor  cerebral.  
c.   Deve  efetuar-­‐se  arrefecimento  com  “nuvem”  (meios  ‰sicos)  
d.   A  causa  pode  ser  também  uma  intoxicação  por  salicilados  
e.   A  prescrição  de  ibuprofeno  pode  ajudar  a  controlar  a  febre.  

51.Num  doente  com  febre  de  início  súbito  e  que  recorre  ao  SU  por  mal-­‐estar  devemos  ter  em  
atenção:  (assinale  a  falsa)
a.   Os  sinais  vitais  na  admissão  (TA,  FC,FR)  são  prediQvos  de  uma  situação  clínica  grave  
b.   A  presença  de  taquipneia  é  sempre  um  alerta  para  uma  situação  a  merecer  vigilância.  
c.   A  presença  de  um  exantema  é  uma  indicação  para  internamento.  
d.   A  presença  de  uma  picada  de  carraça  é  sempre  indicação  para  tratamento  anQbióQco.  
e.   A  presença  de  uma  disfunção  é  sempre  indicação  vigilância  clínica  e  estudo.  

52.No  síndrome  febril  de  causa  indeterminada,  as  causa  infeciosas  são  comuns.  Considerando  as  
causas  mais  comuns,  indique  quais  os  exames  que  não  faria  na  roBna  inicial  de  estudo.  (apenas  
uma  resposta)
a.   A   realização   hemoculturas,   de   2-­‐3   conjuntos   (pelo   menos   2),   preferencialmente   de  
diferentes  punçoes  venosas  são  fundamentais  para  o  estudo.  
b.   A   pesquisa   de   M.   tuberculosis   por   PCR,   Ziehl-­‐Nielson   e   cultura   em   Lowenstein   deve   ser  
feita  se  as  hemoculturas  forem  negaQvas  
c.   A   pesquisa   de   anQgénios   capsulares   Cryptococcus   no   sangue   e   LCR   deve   ser   roQna   em  
todos  os  doentes.  

-­‐   33  -­‐  
d.   A   prova   da   tuberculina   tem   elevada   especificidade   quando   consideramos   o   diagnósQco   de  
tuberculose.  
e.   Não  consideraria  verdadeiras  as  hipóteses  c)  e  d).  

186.No  estudo  do  doente  com  febre  deve  considerar-­‐se  que...  (Indique  a  afirmação  correta).
a.   Não  tem  interesse  avaliar  antecedentes  de  internamente  recente.  
b.   Não   está   indicado   o   rastreio   sépQco   nos   doentes   com   imunodepressão   e   alteração   da  
consciência.  
c.   Na  presença  de  exantema  a  eQologia  é,  geralmente,  bacteriana.  
d.   No  doente  com  febre  e  polipneia  o  foco  de  infeção  é  sempre  pulmonar.  
e.   Se  houver  leucopenia  a  eQologia  vírica  é  a  mais  frequente.  

305.   O  que  se  deve  considerar  no  estudo  do  doente  com  febre  (indique  a  resposta  correta):  
a.   Não  tem  interesse  conhecer-­‐se  a  história  de  internamento  recente  
b.   Não   há   indicação   para   rastreio   sépQco   no   doente   com   imunodepressão   e   alteração   da  
consciência  
c.   As  infeções  víricas  raramente  cursam  com  febre  
d.   No  doente  com  febre  e  toracalgia  deve  considerar-­‐se  primariamente  que  o  foco  de  infeção  
é  pulmonar  
e.   Numa   criança   até   aos   3   anos   com   diarreia   deve   considerar-­‐se   a   infeção   por  
Cryptosporidium,  já  que  se  acompanha  frequentemente  de  febre  elevada.  

Para  tratar  hipertermia  (assinalar  a  falsa):  uso  de  ibuprofeno.

Doente  com  febre  súbita  no  SU  (orientação):  picada  de  carraça  é  indicação  para  tratamento  com  
anQbióQco  e  disfunção  de  órgão  é  indicação  para  estudo  e  vigilância.
-­‐  34  -­‐
HEPATITES

2.   Criança   de   15   anos,   residente   em   bairro   social,   admiBda   no   SU   com   náuseas   e   vómitos   com   7  
dias   de   evolução,   ictérica,   fezes   claras   e   hepatomegalia.   Pai   é   toxicodependente.   O   estudo  
analíBco  mostra  TGP  de  3000  U/L,  TGO  1200  U/L  e  Fosf.  Alc.  220  U/L.  Foi  feito  o  diagnósBco  de  
hepaBte  aguda.
Em  relação  à  hepaBte  por  vírus  hepatotrópicos,  perante  o  quadro  descrito  indique  a  afirmação  falsa.
a.   Se  considerasse  no  diagnósQco  eQológico  hepaQte  B  o  marcador  a  pedir  seria  o  anQgénio  
HBc  (anQgénio  do  core).  
b.   A  idade  é  importante  para  o  diagnósQco  eQológico  da  doença.  
c.   No   estudo   analíQco   complementar   tem   importância   prognosQca   o   estudo   de   coagulação   e  
o  valor  de  bilirrubina  total.  
d.   Para   estudo   eQológico,   pediria   o   anQ-­‐HA   IgM,   dado   o   diagnósQco   de   hepaQte   A   ser   de  
considerar  neste  grupo  etário.  
e.   Se  considerar  o  diagnósQco  de  hepaQte  C  aguda  os  marcadores  presentes  poderão  ser:  o  
anQcorpo  anQ-­‐HCV  negaQvo  e  o  PCR  do  HCV  posiQvo.  

191.A  hepaBte  C  é  um  importante  problema  de  saúde  pública.  Não  é  correto  afirmar  que…
a.   Pode  ser  uma  infeção  de  transmissão  sexual.  
b.   A  eficácia  do  tratamento  da  infeção  crónica  não  depende  do  genóQpo  do  vírus.  
c.   Tem  repercussão  na  ocorrência  de  carcinoma  hepatocelular.  
d.   A  ingestão  de  bebidas  alcoólicas  agrava  o  prognósQco.  
e.   As  formas  agudas  sintomáQcas  são  menos  frequentes  do  que  na  hepaQte.  

218.Em  relação  às  questões  enunciadas,  assinale  a  resposta  certa.


a.   A  hepaQte  A  pode  ter  evolução  fulminante  no  indivíduo  infetado  pelo  vírus  da  hepaQte  C,  
devendo   nesses   doentes   fazer-­‐se   o   rastreio   da   hepaQte   A   e   vacinação   contra   a   hepaQte   A,   se  
imune.  
b.   O  marcador  para  avaliar  a  transmissibilidade  do  vírus  da  hepaQte  B  é  o  HBeAg.  
c.   O   anQ-­‐HBc   é   o   marcador   de   eleição   para   avaliar   a   situação   de   portador   do   vírus   da  
hepaQte  
d.   O  tratamento  indicado  para  minimizar  o  risco  de  transmissão  materna  do  vírus  da  hepaQte  
é  a  administração,  ao  recém-­‐nascido,  da  IGHB  nas  primeiras  12h  e  da  vacina  da  hepaQte  B  até  ao  
7º  dia.  
e.   A   forma   sintomáQca   da   hepaQte   C   aguda   não   é   comum.   O   seu   diagnósQco   baseia-­‐se   na  
seroconversão  tardia  e  deteção  do  ADN  do  vírus  por  técnicas  de  biologia  molecular.  

230.Criança  de  5  anos,  residente  em  zona  rural,  admiBda  no  SU  com  náuseas  e  vómitos  com  4  
dias   de   evolução.   Apresenta   icterícia,   colúria   e   hepatomegalia.   Do   estudo   analíBco   salienta-­‐se:  
TGP  2500  U/L,  TGO  1200  U/L.  Assinale  a  resposta  errada.
a.   Efetuaria  o  diagnósQco  de  hepaQte  aguda.  
b.   O  estudo  de  coagulação  seria  importante  para  avaliação  do  prognósQco.  
c.   O  diagnósQco  que  consideraria  em  primeiro  lugar  seria  de  hepaQte  A  e  pediria  o  anQ-­‐HA  
IgM.  
d.   Para   estudo   eQológico   pediria,   em   primeiro   lugar,   o   anQ-­‐HE   IgG,   por   ser   o   diagnósQco  
eQológico  mais  provável  neste  grupo  etário.  
e.   Para  estudo  eQológico  é  importante  saber  se  foi  feita  imunização  da  hepaQte  

251.A  hepaBte  A  pode  ter  evolução  fulminante  no  indivíduo  infetado  peio  vírus  da  hepaBte.  
Assinale  a  resposta  correta.
a.   Nesses  doentes  o  rastreio  da  hepaQte  A  deve  fazer-­‐se  por  roQna  

-­‐   35  -­‐  
b.   A  prevalência  de  hepaQte  A  não  depende  das  condições  socioeconómicas  de  um  país  
c.   Nesses   doentes   o   diagnósQco   de   hepaQte   A   fulminante   só   é   considerado   perante   a  
idenQficação  do  RNA  do  vírus  por  PCR  
d.   A  vacinação  contra  a  hepaQte  A  está  indicada  no  doente  com  anQ-­‐HA  total  posiQvo  
e.   A   vacinação   contra   a   hepaQte   A   não   deve   ser   considerada   no   doente   com   coinfeção   por  
VIH/  VHC  

280.Criança  de  8  anos,  residente  em  zona  rural,  admiBda  no  SU  com  náuseas  e  vómitos  com  7  dias  de  
evolução;  subicterícia;  fezes  claras;  hepatomegalia.  O  estudo  analíBco  mostra  TGP  de  3000  U/L,  TGO  
1200  U/L,  Fosf.  alc.  220  U/L.  Perante  o  quadro  descrito  indique  a  afirmação  certa.
a.   A  idade  não  é  determinante  para  o  diagnósQco  eQológico  da  doença.  
b.   No   estudo   analíQco   complementar   não   teria   importância   prognósQca   o   estudo   de  
coagulação  nem  o  valor  de  bilirrubina  total.  
c.   Para   estudo   eQológico,   pediria   em   primeiro   lugar   o   anQ-­‐HE   IgG,   dado   o   diagnósQco   de  
hepaQte  E  ser  muito  comum  neste  grupo  etário  no  nosso  país.  
d.   No  diagnósQco  eQológico  consideraria  em  primeiro  lugar  a  hepaQte  B  e  pediria  o  HBsAg  e  o  
anQ-­‐HBs.  
e.   Consideraria  em  primeiro  lugar  o  diagnósQco  de  hepaQte  A  e  pediria  o  anQ-­‐HA  IgM.  

298.  Criança   de   8   anos   de   idade,   residente   em   ambiente   rural,   foi   admiBda   no   SU   por   anorexia,  
náuseas   e   vómitos   com   uma   semana   de   evolução.   Apresentava   icterícia,   colúria   e   hepatomegalia.   Do  
estudo  analíBco  salientava-­‐se  TGP  2500  U/L,  TGO  1200  U/L.  Assinale  a  resposta  errada.  
a.   O  diagnósQco  mais  provável  seria  de  hepaQte  vírica  aguda.  
b.   O  estudo  de  coagulação  teria  interesse  na  avaliação  do  prognósQco.  
c.   O  diagnósQco  que  consideraria  em  primeiro  lugar  seria  de  hepaQte  A  e  pediria  o  anQ-­‐HA  IgM.  
d.   Para   estudo   eQológico   pediria,   em   primeiro   lugar,   o   anQ-­‐HE,   por   ser   o   diagnósQco  
eQológico  mais  provável  neste  grupo  etário.  
e.   No  estudo  eQológico  interessa  saber  se  foi  feita  imunização  da  hepaQte  

312.   Em  relação  à  hepaBte  vírica  aguda  assinale  a  afirmação  errada:  


a.   O  risco  de  hepaQte  E  fulminante  é  maior  na  grávida  
b.   O  aparecimento  dos  anQcorpos  para  o  vírus  da  hepaQte  C  é  tardio  
c.   A  serologia  para  a  hepaQte  A  deve  sempre  ser  avaliada  nos  doentes  com  hepaQte  C  crónica  
d.   A  presença  do  anQgénio  HBs  é  suficiente  para  fazer  o  diagnósQco  de  hepaQte  B  aguda  
e.   O   tratamento   anQvírico   específico   da   hepaQte   vírica   aguda   baseia-­‐se   nos   mesmos  
fármacos  usados  no  tratamento  da  hepaQte  crónica  
329.  A  hepaBte  A  pode  ter  evolução  fulminante  no  indivíduo  infetado  pelo  vírus  da  hepaBte.  
Assinale  a  resposta  correta:
a.   Apenas  se  se  tratar  de  um  genóQpo  1  
b.   O  rastreio  da  hepaQte  A  nesses  doentes  deve  fazer-­‐se  por  roQna  
c.   A  vacinação  contra  a  hepaQte  A  está  indicada  no  doente  com  anQ-­‐HA  +vo  
d.   Nesta  situação  há  indicação  para  imediato  tratamento  com  interferão  peguilado  
e.   A  transplantação  hepáQca  não  é  uma  forma  de  tratamento  adequado  por  causa  de  haver  
recorrência  da  hepaQte  C  

338.  Num  doente  infetado  com  o  vírus  da  hepaBte  C,  a  pesquisa  do  ARN-­‐VHC  feito  por  PCR  pode  
ser  negaBva.  
a.   Verdadeiro  
b.   Falso  

-­‐   36  -­‐  
CRITÉRIOS  DE  GRAVIDADE  NAS  INFEÇÕES  RESPIRATÓRIAS  DA  COMUNIDADE

21.   A  pneumonia  da  comunidade  (assinale  a  única  correta)  


a.   É  uma  causa  importante  de  morte  apenas  nos  doentes  imunodeprimidos  
b.   É,  com  muita  frequência,  causada  pelo  Streptococcus  pneumoniae  
c.   O  prognósQco  não  é  afetado  pela  presença  de  insuficiência  renal  crônica  
d.   Pelo  menos  nos  primeiros  dois  dias,  deverá  ser  sempre  tratada  no  hospital  
e.   A  terapêuQca  anQbióQca  só  deverá  iniciar-­‐se  após  o  diagnósQco  eQológico  

58.Assinale  a  única  afirmação  correta:


a.   A  confusão  mental  ocorre,  frequentemente,  no  doente  adulto  jovem,  com  pneumonia  da  
comunidade.  
b.   O  pneumococo  é  a  bactéria  que  mais  frequentemente  causa  pneumonia  da  comunidade.  
c.   As   cefalosporinas   estão   contraindicadas   no   tratamento   empírico   da   pneumonia   da  
comunidade  pelo  risco  crescente  de  pneumococos  resistentes.  
d.   A   hipertensão   não   é   um   sinal   de   mau   prognósQco   na   pneumonia   de   um   doente   jovem,  
previamente  saudável.  
e.   Só   quando   a   PaO2   é   inferior   a   80   mmHg   no   sangue   arterial   do   doente   a   respirar   ar  
atmosférico,  é  que  se  considera  que  a  hipoxemia  que  ocorre  na  pneumonia  é  grave.  
-­‐  37  -­‐
PREVENÇÃO  DA  PATOLOGIA  INFECIOSA:  IMUNIZAÇÕES

198.Qual(is)  das  seguintes  vacinas  está(ão)  indicada(s)  no  Programa  Nacional  de  Vacinação,  para  
aplicação  em  adultos.
a.   Gripe.  
b.   Tétano.  
c.   Poliomielite.  
d.   a)  e  b)  
e.   a)  e  c)  

237.O  Programa  Nacional  de  Vacinação  inclui  as  seguintes  vacinas  que  serão  administradas  
gratuita  e  universalmente  a  todos  os  indivíduos  com  exceção  de  uma.  Assinale-­‐
a.   Tétano,  di‚eria  e  tosse  convulsa.  
b.   Poliomielite.  
c.   Haemophilus  influenzae  Qpo  B  
d.   Rubéola,  Sarampo  e  ParoQdite.  
e.   HepaQte  A.  

252.Qual  das  seguintes  vacinas  não  deverá  ser  administrada  aos  doentes  com  imunodepressão  grave.
a.   Vacina  anQ-­‐poliomielíQca  inaQvada  
b.   Vacina  contra  a  hepaQte  B  
c.   Vacina  contra  a  gripe  
d.   Vacina  anQ-­‐tetánica  
e.   Vacina  contra  a  varicela  
282.O  Programa  Nacional  de  Vacinação  inclui  as  seguintes  vacinas  que  serão  administradas  
gratuita,  e  universalmente  a  todos  os  indivíduos  (assinale  a  resposta  errada).
a.   HepaQte  A.  
b.   Tétano  e  di‚eria.  
c.   Tosse  convulsa.  
d.   Haemophilus  influenzae  Qpo  B.  
e.   Rubéola,  Sarampo  e  ParoQdite.  

286.Qual  das  aBtudes  correta  deve  tomar-­‐se  para  prevenir  a  poliomielite?


a.   A  vacina  recomendada  no  Programa  Nacional  de  Vacinação  é  dada  por  via  oral  aos  2,  4,  6  
meses  e  5-­‐6  anos.  
b.   A   vacina   oral   está   parQcularmente   indicada   nas   situações   de   imunodepressão,   pois   atua  
apenas  localmente  -­‐  intesQno.  
c.   Esta   doença   foi   erradicada,   mas   é   recomendável   manter   a   vacinação   universal   durante  
mais  alguns  anos,  tal  como  foi  feito  em  relação  à  varíola.  
d.   O  risco  de  poliomielite  paralíQca  associada  à  vacina  oral  é  a  principal  razão  para  o  uso  da  
vacina  parentérica.  
e.   A  vacina  de  vírus  vivos  atenuados  parentérica  pode  levar  à  imunização  dos  conviventes  dos  
indivíduos  vacinados.  

343.Apenas  em  uma  das  seguintes  situações  há  indicação  para  a  vacina  da  gripe.
a.   Todas  as  crianças  com  idade  <2  anos  
b.   Indivíduos  com  idade  >50  anos  
c.   Os  profissionais  de  saúde,  veterinários  e  caçadores  
d.   Todos  os  conviventes  de  crianças  em  tratamento  crônico  com  aspirina  
e.   Todas  as  mulheres  que  pretendam  engravidar  entre  Outubro  e  Dezembro  

-­‐   38  -­‐  
DIVERSOS

Exame Novembro 2014 (1º bloco)

1.  HIV  (F)
a)  prevenir  risco  pré-­‐exposição  na  pessoa  saudável
b)pós-­‐exposição  no  profissional  de  saúde
c)
d)
e)
 
2.  O  que  deve  usar  um  paciente  com  HIV  (F)
a)  máscara  cirúrgica
b)  profilaxia  para  a  toxoplasmose
c)  profilaxia  com  azitromicina  no  HIV  com  CD4  inferior  a  50
d)  profilaxia  com  cotrimoxazole  no  HIV  com  CD4  inferior  a  200
e)Tratamento  de  M.  tuberculosis
 
3.  Errado  
a)  pesquisar  leptospira  na  urina  após  3  dias
b)
c)
d)
e)
 
4.  Zoonose  (F)
a)  HBV
b)  dengue
c)  malária
d)
e)
 
5.  HVZ  (V)
a)  neuralgia  aumentada  em  doentes  idosos  com  DM
b)
c)
d)
e)
 
6.  Meningite  linfociBca  em  HIV(F)
a)  exclui  TB
b)
c)
d)
e)
 
 
7.  ?
a)  hemophillus  B
b)  meningite  complicações  me  105
c)
d)
e)
 
8.  Febre  carraça,  não  podes
a)  usar  penicilina
b)
c)
d)
e)
 
9.  choque  sépBco  (F)
a)  ha  sempre  vasocontrição
b)
c)
d)
e)
 
10.  Falsa
a)  faz-­‐se  sempre  TC  antes  da  PL
b)
c)
d)
e)
 
11.  HIV+TB  (F)
a)  mortalidade  em  mais  de  50%associada  a  pacientes  com  HIV
b)  >  prev  TB  15/100000
c)  isolamento  de  contacto  não  previne  a  infeção
d)  a  clínica  nos  imunodeprimidos  pode  ser  frustre  mas  as  caracterísQcas  do  LCR  são  
iguais
e)

1.   Doente   de   70   anos   domésBca,   residente   em   meio   rural.   Recorre   ao   médico   de   família   por  
dificuldade   na   abertura   da   boca.   Na   história   clínica   pode   apurar-­‐se   antecedentes   de   ferimento  
no   braço   esquerdo   8   dias   antes,   em   fase   de   cicatrização.   Que   aBtude   consideraria   correta?  
(apenas  uma  resposta  certa)
a.   Enviava  a  doente  a  uma  consulta  de  estomatologia  
b.   Considerava   haver   necessidade   de   internamento   e   possível   admissão   numa   Unidade   de  
Cuidados  Intensivos  
c.   A   ausência   de   paroxismos   na   admissão   significa   que   a   doença   vai   ter   uma   evolução  
favorável  
d.   Administrava   toxoide   anQtetânico   e   imunoglobulina   (Tetuman)   e   reobservava   1   semana  
depois  
e.   Dava  alta  à  doente  medicada  com  amoxicilina  

62.Em  relação  à  paroBdite  epidémica:


a.   AQngimento  do  SNC  é  comum  
b.   A  orquiepidimite  é  uma  complicação  frequente  nas  crianças  
c.   O  tratamento  com  anQvírico  EV  é  necessário  sempre  que  há  meningite  ou  pancreaQte  
d.   O  diagnósQco  implica  sempre  a  realização  de  estudo  serológico  ou  isolamento  do  vírus  em  
cultura  visto  que  o  quadro  clínico  é  inespecífico  
e.   É  raro  verificar-­‐se  elevação  da  amílase  e  lípase  séricas  

64.Mulher  de  60  anos,  com  síndrome  febril,  astenia  e  mialgia.  No  4º  dia  de  febre  surge  exantema  
maculo   papular.   Apresentava   ainda   lesão   eritematosa   submamária.   Hb=13g/dL  
Leucócitos=80.000  TGO=50  TGP=50  PCR  aumentada.
a.   Deverá  iniciar  de  imediato  amoxicilina+ácido  clavulâmico  
b.   Não  colhia  hemoculturas  porque  provavelmente  são  negaQvas  
c.   Devia  efetuar  reação  de  Wright  
d.   DiagnósQco  será  confirmado  provavelmente  por  reação  de  imunofluorescência  indireta  
e.   As  formas  graves  são  raras  
f.   As   complicações   mais   comuns   neste   contexto/clínica   são   a   meningoencefalite   e   o  
aQngimento  hepáQco  
g.   Todas  as  alíneas  estão  erradas  

197.Em  relação  às  questões  seguintes  assinale  a  resposta  certa.


a.   A  primoinfeção  sintomáQca  pelo  virus  Herpes  simplex  Qpo  1  surge  em  cerca  de  90%  dos  casos.  
b.   A   gripe   tem   elevada   contagiosidade   e,   após   um   período   médio   de   incubação   de   2   dias,  
manifesta-­‐se   de   modo   abrupto   com   febre   elevada,   cefaleias,   mialgias,   astenia,   tosse,   rouquidão,  
entre  outras.  
c.   Na   infeção   por   VIH   os   períodos   de   mais   intensa   replicação   vírica   e   maior   risco   de   contágio  
são  o  Síndrome  retrovírico  agudo,  a  infeção  crónica  assintomáQca  e  a  SIDA.  
d.   A   febre   escaronodular,   frequente   no   país   em   época   esQval,   é   uma   doença   exantemáQca  
provocada  pela  Rickeusia  ricke•si,  a  qual  é  transmiQda  ao  homem  pela  picada  de  uma  carraça.  
e.   A   quimioprofilaxia   da   malária,   se   bem   cumprida,   é   suficiente   para   prevenir   a   totalidade  
dos  casos  de  malária  nos  viajantes  para  regiões  endémicas.  

-­‐   39  -­‐  
199.Na  gastroenterite  aguda  o  tratamento  deve  ser  decidido  após  a  história  clínica  e  o  exame  
objeBvo.  Indique  a  afirmação  correta.
a.   Se   o   doente   Qver   febre   elevada   (39°C)   e   leucocitose   com   neutrofilia   deverá   efetuar  
anQbióQco.  
b.   No  idoso  está  indicado  fazer,  de  imediato,  colonoscopia  total.  
c.   Um  jovem  sem  comorbilidades  poderá  ser  sempre  tratado  em  ambulatório.  
d.   Na  diarreia  do  lactente  devem  ser  considerados  os  rotavírus.  
e.   Num  doente  com  SIDA  a  causa  mais  comum  é  a  Isospora  belli.  

211.Em  relação  à  escarlaBna  assinale  a  resposta  certa.


a.   A   febre,   a   amigdalite   e   o   exantema   são   as   manifestações   mais   comuns   no   adulto,   grupo  
etário  onde  esta  infeção  é  mais  frequente.  
b.   Não  é  causa  de  febre  reumáQca.  
c.   O  agente  eQológico  é  o  Streptococcus  do  grupo  B  
d.   Pode  ser  prevenida  com  a  vacina.  
e.   O  tratamento  de  eleição  é  a  penicilina  G.  

212.Agricultor  de  60  anos  com  ferimento  lacerocontuso  da  perna  esquerda  recorreu  ao  SU  para  
tratamento.   Apresentava   alterações   tróficas   dos   membros   inferiores,   em   consequência   de  
insuficiência   vascular   periférica.   Diz   ter   feito   apenas   uma   dose   de   vacina   anBtetânica   quando  
cumpriu  serviço  militar,  aos  20  anos  de  idade.  Que  fazer?
a.   Limpeza   cirúrgica   da   ferida   com   remoção   de   corpos   estranhos   e   tecidos   necrosados   e  
tratamento  anQbióQco  com  penicilina  G.  
b.   Administrar  imunoglobulina  anQtetânica  de  origem  humana.  
c.   Administrar   toxoide   anQtetânico   e   aconselhar   a   recorrer   ao   médico   de   família   para  
completar  a  vacinação  anQtetânica,  seguida  por  reforço  cada  10  anos.  
d.   As  duas  primeiras.  
e.   As  três  primeiras.  

213.Poderão  ser  evitadas  através  do  uso  de  imunoglobulinas  específicas,  após  exposição  ao
agente  eBológico,  as  seguintes  situações,  exceto...
a.   Raiva.  
b.   HepaQte  B.  
c.   HepaQte  C.  
d.   Varicela.  
e.   Tétano.  

214.Em  relação  às  questões  enunciadas  assinale  a  resposta  errada.


a.   O   diagnósQco   eQológico   da   meningite   bacteriana   é,   com   frequência,   confirmado   por  
estudo   microbiológico   do   LCR.   Mesmo   assim,   jusQfica-­‐se   fazer   hemoculturas   antes   da  
administração  do  anQbióQco.  
b.   A   brucelose,   causada   por   melitensis,   abortus,   suis   e   burne‘,   é   uma   zoonose   que   se  
transmite,  fundamentalmente,  por  via  mucocutânea  e  digesQva.  A  via  inalatória,  modo  de  contágio  
dominante  da  febre  Q ,  pode  também  ser  responsável.  
c.   O   diagnósQco   de   encefalite   herpéQca,   evocado   pelo   quadro   clínico   e   por   TAC   ou   RMN  
cerebral,  deve  ser  confirmado  pela  pesquisa  do  ADN  do  vírus  Herpes  simplex  no  LCR  por  PCR.  
d.   Num  doente  admiQdo  com  insuficiência  respiratória  deve  efetuar-­‐se  radiografia  pulmonar  
e  rastrear  a  infeção  por  VIH.  
e.   O   tratamento   da   tuberculose   deve   fazer-­‐se   sempre   com   3-­‐4   fármacos   nos   2   primeiros  
meses,  seguido  da  associação  de  Isoniazida  com  rifampicina,  até  totalizar  6-­‐12  meses.  

-­‐   40  -­‐  
215.Em  relação  às  questões  seguintes  assinale  a  resposta  certa.
a.   A   primoinfeção   sintomáQca   pelo   vírus   Herpes   simplex   Qpo   1   surge   em   cerca   de   90%   dos  
casos.  
b.   A   gripe   tem   elevada   contagiosidade   e,   após   um   período   médio   de   incubação   de   2   dias,  
manifesta-­‐se   de   modo   abrupto   com   febre   elevada,   cefaleias,   mialgias,   astenia,   tosse,   rouquidão,  
entre  outras.  
c.   A   mononucleose   infeciosa   é   mais   comum   no   adulto   do   que   na   criança,   sendo   a   febre,   a  
amigdalite   ou   faringite,   as   adenopaQas   e   a   hepatoesplenomegalia   as   manifestações   mais  
frequentes.  
d.   A   febre   escaronodular,   frequente   no   país   em   época   esQval,   á   uma   doença   exantemáQca  
provocada  pela  Ricke•sia  ricke•si,  a  qual  é  transmiQda  ao  homem  pela  picada  de  uma  carraça.  
e.   A   malária   é   uma   doença   infeciosa   com   elevado   risco   de   contágio   em   áreas   endémicas   que  
jusQfica   profilaxia   adequada.   Esta,   se   bem   cumprida,   é   suficiente   para   prevenir   a   totalidade   dos  
casos  de  malária  nos  viajantes  para  essas  regiões.  

220.Num  doente  admiBdo  com  gastroenterite  aguda  é  importante  ter-­‐se  em  consideração...
Assinale  a  resposta  errada.
a.   Pode  ter  interesse  conhecer-­‐se  a  toma  recente  de  anQbióQcos.  
b.   Na  aQtude  terapêuQca  imediata  tem  interesse  o  conhecimento  de  imunodepressão.  
c.   As   diarreias   infamatórias,   com   aQngimento   do   intesQno   distal,   são   geralmente   de   causa  
vírica.  
d.   Num   doente   com   70   anos,   desidratado   e   com   hipotensão,   a   aQtude   mais   correta   é   a  
insQtuição  de  terapêuQca  sob  vigilância  hospitalar.  
e.   Numa  criança  até  aos  3  anos  são  comuns  as  diarreias  de  causa  vírica.  
f.   A  cólera  dá,  na  maioria  dos  casos,  doença  de  gravidade  leve  ou  moderada.  

65.Amigdalite  estreptocóccica:
a.   Tratamento  com  quinolona  por  resistência  a  penicilina  
b.   No  caso  de  alergia  a  penicilina  usar  cefuroxima  
c.   As  resistências  às  penicilinas  e  a  melhor  adesão  terapêuQca  jusQficam  que  se  recomende  
azitromicina  como  primeira  linha  
d.   Penicilina  G  benza•nica  é  primeira  linha  
e.   A  vancomicina  é  única  alternaQva  no  caso  de  mulQ-­‐resistência  

187.Na  gastroenterite  aguda  o  tratamento  deve  ser  decidido  após  a  colheita  da  história  clínica  e  
exame  objeBvo.  Indique  a  afirmação  correta.
a.   Um  doente  jovem  e  sem  co-­‐morbilidades  poderá  ser  sempre  tratado  em  ambulatório.  
b.   Se  o  doente  Qver  febre  elevada  (39°C)  e  leucocitose  deverá  efetuar  anQbióQco.  
c.   Num  doente  imunodeprimido  a  causa  mais  comum  é  o  Cryptosporídium  spp.  
d.   No  idoso  está  indicado  estudo  endoscópico  digesQvo.  
e.   Na  diarreia  do  lactente  devem  ser  considerados  os  rotavírus.  

188.Num  doente  com  infeção  respiratória  aguda,  qual  das  afirmações  está  correta.
a.   Dado  ser  um  início  agudo  náo  tem  interesse  fazer  a  auscultação  pulmonar.  
b.   Se  o  doente  Qver  dispneia  o  estudo  de  gases  de  sangue  deve  ser  imediato.  
c.   A  radiografia  pulmonar  é  indicadora  do  diagnósQco  eQológico.  
d.   Na   presença   de   leucocitose   e   neutrofilia   deve   ser   considerada   a   eQologia   por   vírus  
Influenza.  

-­‐   41  -­‐  
e.   No   estudo   de   uma   pneumonia   lobar   com   derrame,   a   pesquisa   na   urina   de   anQgénios  
capsulares  para  Legionella  pneumophila  e  S.  pneumoniae  não  têm  qualquer  interesse,  dada  a  sua  
baixa  sensibilidade.  

201.Num  doente  com  infeção  respiratória  aguda,  qual  das  afirmações  está  correta.
a.   Não  tem  interesse  fazer  a  auscultação  pulmonar  por  ter  um  início  agudo.  
b.   Na  avaliação  do  doente  não  tem  qualquer  interesse  o  estudo  de  gases  de  sangue.  
c.   A  radiografia  pulmonar  é,  quase  sempre,  indicadora  do  diagnósQco  eQológico.  
d.   Na   presença   de   leucocitose   e   neutrofilia   deve   ser   considerada   a   eQologia   por   vírus  
Influenza  
e.   No  estudo  de  uma  pneumonia  lobar  devem  fazer-­‐se  hemoculturas  e  pesquisa  na  urina  de  
anQgénios  capsulares  para  L.  pneumophila  e  S.  pneumoniae.  

231.Em  relação  às  questões  seguintes  assinale  a  resposta  verdadeira.


a.   A   primoinfeção   sintomáQca   por   vírus   Herpes   simplex   Qpo   I   surge   em   cerca   de   90%   dos  
casos.  O  herpes  labial  em  doentes  febris  deve  alertar  para  infeções  secundárias  por  S.  pneumoniae,  
N.  meningi3dis  ou  S.  pyogenes.  
b.   A   febre   Q,   frequente   em   época   esQval,   é   uma   doença   exantemáQca   provocada   pela   Coxiella  
burneS  cujo  modo  de  transmissão  dominante  se  faz  por  picada  de  uma  carraça.  
c.   A  malária  é  uma  doença  infeciosa  com  elevado  risco  de  contágio  em  áreas  endêmicas.  A  
quimioprofilaxia,   se   bem   cumprida,   é   suficiente   para   prevenir   a   totalidade   dos   casos   de   malária  
nos  viajantes  para  essas  regiões.  
d.   A   infeção   citomegálica   e   o   síndrome   retrovírico   agudo   podem   ser   causas   de   síndrome  
mononucleósico.  Nesta  úlQma  enQdade  clínica  o  diagnósQco  é  baseado  na  pesquisa  do  ARN  do  VIH  
por  PCR  e  seroconversão.  
e.   A   mononucleose   infeciosa   é   mais   comum   no   adulto   do   que   na   criança,   sendo   a   febre,   a  
amigdalite   ou   faringite,   as   adenopaQas   e   a   hepatoesplenomegalia   as   manifestações   mais  
frequentes.  

233.Num  doente  admiBdo  com  gastroenterite  aguda  é  importante  ter-­‐se  em  consideração...
(indique  a  resposta  errada).
a.   Pode  ter  interesse  conhecer-­‐se  a  toma  recente  de  anQbióQcos.  
b.   As   diarreias   inflamatórias,   com   aQngimento   do   intesQno   distal,   são   geralmente   de   causa  
vírica.  
c.   Na  aQtude  terapêuQca  imediata  tem  interesse  o  conhecimento  de  imunodepressão.  
d.   Num   doente   com   70   anos,   desidratado   e   com   hipotensão,   a   aQtude   mais   correta   é   a  
insQtuição  de  terapêuQca  sob  vigilância  hospitalar.  
e.   Numa  criança  até  aos  3  anos  são  comuns  as  diarreias  de  causa  vírica.  
f.   A  cólera  dá  na  maioria  dos  casos  doença  de  gravidade  leve  ou  moderada.  

234.Em  relação  à  escarlaBna  assinale  a  resposta  verdadeira.


a.   Febre   reumáQca,   glomerulonefrite   aguda   e   abcesso   periamigdalino   são   complicações  
possíveis.  
b.   É  mais  comum  no  adolescente.  
c.   A   idenQficação   do   Staphylococcus   aureus   no   exsudado   amigdalino   é   fundamental   para  
confirmar  o  diagnósQco.  
d.   Nos  doentes  alérgicos  à  penicilina  G  o  tratamento  de  eleição  é  a  amoxicilina.  
e.   A  porta  de  entrada  do  agente  eQológico  é,  exclusivamente,  a  amígdala.  

-­‐   42  -­‐  
235.Num  doente  com  febre,  cefaleias  e  mialgias,  com  10  dias  de  evolução  de  doença  indique  a  
afirmação  errada.
a.   Se  regressou  recentemente  de  férias  de  Moçambique  deve  ser  efetuada  pesquisa  de  
Plasmodium  spp.  
b.   O  exame  objeQvo  poderá  indiciar  a  causa  da  febre.  
c.   Na  presença  de  icterícia  deverá  considerar-­‐se,  em  primeiro  lugar,  o  diagnósQco  de  hepaQte  
vírica  aguda.  
d.   Mesmo   na   suspeita   clínica   de   uma   causa   de   infeção   não   bacteriana   as   hemoculturas  
devem  ser  sempre  efetuadas.  
e.   Se  houver  leucocitose  com  linfomonocitose  deverão  ser  consideradas  causas  de  síndrome  
mononucleósico.  

238.Agricultor  de  60  anos  com  ferimento  lacero-­‐contuso  da  perna  esquerda  recorreu  ao  SU  para  
tratamento.
Apresentava  alterações  tróficas  dos  membros  inferiores,  em  consequência  de  insuficiência  
vascular  periférica.
Negou  vacinação  anBtetânica  prévia.  Que  fazer?
a.   Limpeza   cirúrgica   da   ferida   com   remoção   de   corpos   estranhos   e   tecidos   necrosados   e  
prescrever  tratamento  anQbióQco.  
b.   Administrar  toxoide  anQtetânico.  
c.   Administrar  imunoglobulina  anQtetânica  humana.  
d.   Apenas  as  questões  1  e  2  são  corretas.  
e.   As  questões  1,  2  e  3  são  corretas.  

242.Em  relação  às  seguintes  doenças  infeciosas  assinale  a  resposta  errada.


a.   Os   agentes   eQológicos   mais   comuns   de   pneumonia   aguda   da   comunidade   são   o   S.  
pneumoniae,  a  L.  pneumophila  e  o  M.  pneumoniae,  entre  outros.  
b.   O  diagnósQco  do  kala-­‐azar,  doença  infeciosa  com  maior  ocorrência  na  adolescência,  deve  
ser  evocado  pela  febre,  esplenomegalia  e  pancitopenia.  
c.   Em  Portugal  a  tuberculose  é  a  infeção  oportunista  mais  frequente  nos  doentes  com  infeção  
HIV  e  a  principal  manifestação  definidora  de  SIDA.  
d.   Fazem   parte   dos   critérios   de   diagnósQco   do   síndrome   de   choque   tóxico   a   febre   >39,0°   C,   a  
hipotensão  sistólica  <90  mmHg,  o  exantema  macular  difuso,  a  disfunção  hepáQca  e  neurológica.  
e.   Após   exposição   ao   agente   eQológico,   o   tétano,   a   hepaQte   B   e   a   varicela   poderão   ser  
evitadas  através  do  uso  de  imunoglobulinas  específicas.  

245.São  complicações  comuns  da  paroBdite  epidémica  as  seguintes,  exceto  uma.  Assinale-­‐
a.   Orquiepididimite.  
b.   PancreaQte  aguda.  
c.   Hipoacusia.  
d.   Meningite  aguda.  
e.   HepaQte  aguda.  

247.Em  relação  às  infeções  por  Enterovírus  assinale  a  resposta  correta.


a.   São  mais  frequentes  no  Inverno  
b.   São  a  principal  causa  de  meningite  aguda  na  criança  e  no  idoso  
c.   A  doença  pé-­‐mão-­‐boca  é  uma  forma  de  apresentação  comum  no  adulto  
d.   São  uma  das  principais  causas  de  miocardite  vírica  
e.   O  síndrome  febril  exantemáQco  é  uma  forma  de  apresentação  rara  na  criança  

-­‐   43  -­‐  
258.Num  doente  com  gastroenterite  deve  considerar-­‐se  uma  das  seguintes  condições.  Assinale  a  
resposta  correta.
a.   No  doente  imunodeprimido  não  é  necessário  efetuar-­‐se  rastreio  sépQco  
b.   Na  história  clínica  não  tem  interesse  conhecer  a  toma  de  anQbióQcos  
c.   As  diarreias  inflamatórias,  com  aQngimento  do  intesQno  proximal,  podem  ser  causadas  por  
Vibrio  cholerae  
d.   Na  colite  as  dejeções  são  frequentes  e  de  grande  volume,  geralmente,  com  fezes  aquosas  
e.   Na  cólera  a  maioria  das  formas  são  graves,  podendo  causar  choque  hipovolémico  

267.Em  relação  às  questões  seguintes  assinale  a  resposta  certa.


a.   A   primoinfeção   sintomáQca   pelo   vírus   Herpes   simplex   Qpo   I   surge   em   cerca   de   90%   dos  
casos,  devendo  a  sua  ocorrência  em  doentes  febris  alertar  para  doenças  infeciosas  secundárias  por  
S.  pneumoniae,  N.  meningiQdis  e  S.  pyogenes.  
b.   A   febre   escaronodular,   frequente   no   país   em   época   esQval,   é   uma   doença   exantemáQca  
provocada  pela  Ricke•sia  ricke•si,  a  qual  é  transmiQda  ao  homem  pela  picada  de  uma  carraça.  
c.   A  malária  é  uma  doença  infeciosa  com  elevado  risco  de  contágio  em  áreas  endêmicas.  A  
quimioprofilaxia,   se   bem   cumprida,   é   suficiente   para   prevenir   a   totalidade   dos   casos   de   malária  
nos  viajantes  para  essas  regiões.  
d.   A   infeção   citomegálica   e   o   síndrome   retrovírico   agudo   podem   ser   causas   de   síndrome  
mononucleósico.  
e.   Nesta   úlQma   enQdade   clínica   o   diagnósQco   é   baseado   na   pesquisa   do   ARN   do   VIH   por   PCR  
e  documentação  de  seroconversão.  
f.   A   mononucleose   infeciosa   é   mais   comum   no   adulto   do   que   na   criança,   sendo   a   febre,   a  
amigdalite   ou   faringite,   as   adenopaQas   e   a   hepatoesplenomegalia   as   manifestações   mais  
frequentes.  

.Num  doente  admiBdo  com  gastroenterite  aguda  deve  considerar-­‐se:  (indique  a  resposta  
verdadeira)
a.   Na   história   clínica   não   tem   qualquer   interesse   saber   que   houve   toma   recente   de  
anQbióQcos  
b.   No  doente  imunodeprimido  deve  ser  efetuado  rastreio  sépQco  
c.   As   diarreias   inflamatórias,   com   aQngimento   do   intesQno   distal,   são,   habitualmente,   de  
causa  vírica  
d.   Nas  diarreias  inflamatórias  as  dejeções  são  frequentes,  de  grande  volume  e,  geralmente,  
aquosas.  
e.   Na  criança  até  aos  3  anos  de  idade  a  causa  mais  comum  de  diarreia  são  os  parasitas.  

283.Agricultor   de   60   anos   com   ferimento   lacero-­‐contuso   da   perna   esquerda   recorreu   ao   SU   para  


tratamento.   Apresentava   alterações   tróficas   dos   membros   inferiores,   em   consequência   de  
insuficiência  vascular  periférica.  Negou  vacinação  anBtetânica  prévia.  Que  fazer?  (assinale
a  opção  errada).  
a.   Limpeza   cirúrgica   da   ferida   com   remoção   de   corpos   estranhos   e   tecidos   necrosados   e  
prescrever  tratamento  anQbióQco.  
b.   Administrar  imunoglobulina  anQtetânica  humana.  
c.   Administrar  toxoide  anQtetânico.  
d.   a)  e  b).  
e.   a),  b  e  c).  

-­‐   44  -­‐  
285.   Qual  a  aBtude  correta  que  se  deve  tomar  em  relação  à  profilaxia  do  tétano?  
a.   A  administração  de  toxoide  tetânico  na  presença  de  ferimento  sujo  é  sempre  suficiente.  
b.   A  administração  de  anQbióQco  e  a  limpeza  cirúrgica  dos  ferimentos  são  suficientes,  desde  
que  o  indivíduo  tenha  feito  mais  do  que  três  doses  de  vacina.  
c.   A   administração   de   imunoglobulina   está   recomendada   se   o   indivíduo   apresenta   ferida  
limpa,  recebeu  previamente  mais  do  que  três  doses  de  vacina,  mas  nenhuma  nos  úlQmos  5  anos.  
d.   A   administração   de   toxoide   e   imunoglobulina   são   indispensáveis   em   todos   os   indivíduos  
que  apresentem  ferida  conspurcada  e  não  tenham  prova  de  ter  recebido  mais  do  que  três  doses  de  
toxoide.  
e.   A   administração   de   imunoglobulina   é   fundamental   em   todos   os   indivíduos   que   não  
tenham  recebido  qualquer  dose  de  toxoide  nos  úlQmos  10  anos,  independentemente  do  Qpo  de  
ferimento.  

287.Em  relação  à  faringite  estreptocócica  qual  a  afirmação  correta?


a.   Existe  uma  vacina  eficaz  para  prevenção  da  escarlaQna.  
b.   Tratamento  de  eleição  é  a  penicilina  ou,  nos  casos  de  alergia,  uma  fluoroquinolona.  
c.   A  confirmação  do  diagnósQco  pode  ser  feita  com  o  teste  rápido  de  pesquisa  de  anQgénio.  
d.   A   cultura   e   teste   de   sensibilidade   aos   quimioterápicos   são   fundamentais,   pois   este  
microrganismo   apresenta   frequentemente   resistências   aos   anQmicrobianos,   nomeadamente,  
penicilina  e  macrólidos.  
e.   A  febre  reumáQca  é  uma  complicação  mais  frequente  no  adulto  do  que  na  criança.  

290.Qual  a  aBtude  correta  que  deve  ser  tomada  em  relação  à  paroBdite  epidémica?
a.   O  tratamento  de  eleição  é  o  aciclovir,  parQcularmente,  se  há  aQngimento  do  SNC.  
b.   A  meningite  é  uma  complicação  rara  (<1%),  mas  grave,  dando  geralmente  sequelas,  como  
surdez  ou  dificuldade  de  aprendizagem.  
c.   A  orquiepididimite  é  mais  frequente  no  lactente  do  que  no  adolescente  ou  adulto.  
d.   A  presença  de  exantema  é  um  achado  frequente  nesta  doença.  
e.   O  aQngimento  de  ambas  as  paróQdas  é  comum.  

292.   Num  doente  admiBdo  com  gastroenterite,  apenas  uma  afirmação  está  correta.  
a.   No  doente  diabéQco  deve  ser  efetuado  rastreio  sépQco.  
b.   Na  história  clínica  não  tem  interesse  saber-­‐se  se  o  doente  fez  anQbióQcos.  
c.   As   diarreias   inflamatórias,   com   aQngimento   do   intesQno   proximal,   são   geralmente,   de  
causa  vírica.  
d.   Na  colite,  as  dejeções  são  frequentes  e  de  grande  volume,  geralmente,  com  fezes  aquosas.  
e.   Na  criança  até  aos  2  anos,  a  eQologia  mais  comum  de  diarreia  é  bacteriana.  

293.Em  relação  às  seguintes  questões  assinale  a  resposta  correta:


a.   O  kala-­‐azar  é,  atualmente,  uma  doença  infeciosa  com  maior  ocorrência  em  crianças  dos  5  
aos  15  anos  que  contactam  com  cães.  
b.   O  diagnósQco  de  meningite  aguda  deve  ser  considerado  no  doente  com  febre,  cefaleias  e  
disfunção  neurológica,  entre  outras.  O  estudo  do  LCR  permite  a  confirmação  do  diagnósQco,  pelo  
que  não  se  jusQficam  as  hemoculturas.  
c.   O  exantema  petequial  é  evocador  de  meningite  meningocócica  e,  neste  caso,  deve  fazer-­‐se  
profilaxia   com   rifampicina   ou   ciprofloxacina   a   conviventes   ínQmos   e   profissionais   de   saúde   que  
contactaram  com  o  doente.  
-­‐   45  -­‐  
d.   A  malária  é  uma  doença  infeciosa  com  elevado  risco  de  contágio  em  áreas  endémicas.  A  
quimioprofilaxia,   se   bem   cumprida,   é   suficiente   para   prevenir   a   totalidade   dos   casos   de   malária  
nos  viajantes  para  essas  regiões.  
e.   A  primoinfeção  assintomáQca  por  vírus  Herpes  simplex  Qpo  I  surge  em  cerca  de  90%  dos  
casos.  O  herpes  labial  em  doentes  febris  deve  alertar  para  infeções  secundárias  por  S.  pneumoniae,  
N.  meningi3dis  ou  S.  pyogenes.  

296.Em  relação  às  seguintes  questões  assinale  a  resposta  correta:


a.   A   febre   Q,   frequente   em   época   esQval,   é   uma   doença   exantemáQca   provocada   pela  
Coxiella  burneS,  cujo  modo  de  transmissão  dominante  se  faz  por  picada  de  uma  carraça.  
b.   As   manifestações   clínicas   mais   comuns   da   brucelose   humana   incluem   febre,   sudação,  
cefaleias,  mialgias  e  tosse  produQva.  
c.   No  hospedeiro  imunodeprimido  as  principais  formas  sintomáQcas  de  apresentação  clínica  
da  toxoplasmose  são  o  síndrome  mononucleósico  e  o  síndrome  febril  agudo.  
d.   A   mononucleose   infeciosa   é   mais   comum   no   adulto   do   que   na   criança,   sendo   a   febre,   a  
amigdalite   ou   faringite,   as   adenopaQas   e   a   hepatoesplenomegalia   as   manifestações   mais  
frequentes.  
e.   A   infeção   citomegálica   e   o   síndrome   retrovírico   agudo   podem   ser   causas   de   síndrome  
mononucleósico.  Nesta  úlQma  enQdade  clínica  o  diagnósQco  é  baseado  na  pesquisa  do  ARN  do  VIH  
por  PCR  e  seroconversão.  

299.   Em  relação  às  seguintes  questões  assinale  a  resposta  errada:  


a.   Na  meningite  tuberculosa  a  clínica  é  insidiosa  e,  com  frequência,  apresenta-­‐se  com  défices  
neurológicos.   No   estudo   do   LCR   é   comum   uma   pleocitose   <500   células/mmc,   hipoglicorráquia   e  
proteinorráquia  >100  mg/dl.  
b.   Após   exposição   ao   agente   eQológico,   o   tétano,   a   hepaQte   B   e   a   hepaQte   A   podem   ser  
evitadas  através  do  uso  de  imunoglobulinas  específicas.  
c.   Em   crianças   imunodeprimidas,   grávidas   e   RN   expostos   ao   vírus   5   dias   antes   ou   2   dias   após  
o  parto  deve  fazer-­‐se  a  profilaxia  da  varicela  com  imunoglobulina  específica.  
d.   Em  Portugal  a  tuberculose  é  a  infeção  oportunista  mais  frequente  nos  doentes  com  infeção  
VIH  e  a  principal  manifestação  definidora  de  SIDA.  
e.   As  doenças  definidoras  de  SIDA  são  apenas  de  causa  infeciosa.  

301.Na  gastroenterite  aguda  o  tratamento  deve  ser  decidido  após  a  história  clínica  e  exame  
objeBvo  (indique  a  resposta  correta).
a.   Um  doente  jovem  e  sem  comorbilidades  deverá  ser  sempre  tratado  em  ambulatório.  
b.   Se  o  doente  Qver  febre  elevada  e  leucocitose  deverá  ser  sempre  internado.  
c.   Doente  coabitante  com  imunodeprimido  deve  ser  tratado  no  hospital.  
d.   No  doente  diabéQco  está  indicado  tratamento  anQbióQco.  
e.   Na  diarreia  do  lactente  está  sempre  indicado  tratamento  com  amoxicilina.  

304.   Os  enterovírus  podem  ser  causa  de  todas  as  situações  referidas,  com  exceção  de  uma.  
a.   Síndrome  febril  exantemáQco.  
b.   Glomerulonefrite  aguda  
c.   Meningite  assépQca  
d.   Miocardite  
e.   Encefalite  

-­‐   46  -­‐  
307.   Um   agricultor   de   71   anos   teve   ferimento   lacero-­‐contuso   na   perna   direita,   durante   a   sua  
aBvidade   profissional.   Tinha   apenas   conhecimento   de   uma   administração   de   vacina   anBtetânica  
quando   cumpriu   Serviço   Militar   Obrigatório.   Nesta   situação,   para   além   da   limpeza   e  
desbridamento  da  ferida,  dever-­‐se-­‐ia:  
a.   Administrar  toxoide  tetânico  
b.   Administrar  anQbióQco  
c.   Administrar  imunoglobulina  anQtetânica  humana  
d.   Todas  as  anteriores  
e.   Apenas  as  alíneas  a)  e  b)  

308.   São  complicações  da  escarlaBna  as  seguintes,  exceto:  


a.   Linfadenite  supuraQva  
b.   Sépsis  
c.   Ataxia  cerebelosa  aguda  
d.   Febre  reumáQca  
e.   Glomerulonefrite  aguda  pós-­‐estreptocócica  

316.   Na   gastroenterite   aguda   o   tratamento   de   suporte,   nomeadamente,   a   hidratação   e   correção  


de  desequilíbrios  eletrolíBcos,  é  fundamental.  O  tratamento  anBbióBco  empírico  recomenda-­‐se  
apenas  numa  das  situações:
a.   Doente  com  idade  superior  a  6  meses  
b.   Doente  com  mais  de  5  dejeções  por  dia  
c.   Doente  coabitante  com  crianças  de  idade  compreendida  entre  2  e  5  anos  
d.   Doente  idoso  (>75  anos)  
e.   Doente  homossexual  

319.   Em  relação  à  escarlaBna  assinale  a  resposta  correta:  


a.   Não  é  causa  de  febre  reumáQca  
b.   É  mais  comum  no  adulto  
c.   A  idenQficação  do  agente  é  fundamental  para  efetuar  o  diagnósQco  
d.   O  tratamento  de  eleição  é  a  penicilina  G  cristalizada  
e.   Pode  ser  prevenida  com  a  vacina  

333.Homem   de   38   anos   de   idade,   aBvidade   agropecuária,   adoeceu   de   modo   súbito   com  


síndrome   febril,   astenia   intensa   e   mioartralgias;   referia   sudação   profusa   de   predomínio  
nocturno.  Cerca  de  um  mês  mais  tarde  surgiu  dor  lombar  com  irradiação  para  o  membro  inferior  
esquerdo,   pelo   que   recorreu   ao   médico   assistente.   O   estudo   analíBco   revelou   Hgb   11   g/dL,  
Leucócitos  3000/mmc,  Neutrófilos  52%,  Plaquetas  80000/mmc;  Ureia  32  mg/  dL,  Glicose  92  mg/  
dL,  TGO  70  U/L,  TGP  120  U/L;  Proteína  C  reaBva  posiBva.  Exame  sumário  de  urina:  ves„gios  de  
albumina,  sedimento  normal.  Rx  da  coluna  lombossagrada:  sinais  de  espondilodiscite  ao  nível  de  
L4-­‐L5.  Quais  as  aBtudes  que  deverão  ser  tomadas?
a.   Realização  de  hemoculturas  
b.   DiagnósQco  mais  provável  é  de  espondilodiscite  piogénica  
c.   Não   tem   interesse   efetuar   a   reação   de   Wright   por,   nesta   fase   da   doença,   ainda   não   ser  
posiQva  
d.   Pode  ter  indicação  para  tratamento  com  doxiciclina  -­‐  100  mg  cada  12h,  e  estreptomicina  
-­‐   1g  im/  dia  
e.   Há  indicação  para  realização  imediata  de  biópsia  hepáQca  

-­‐   47  -­‐  
342.  Num  doente  admiBdo  com  gastroenterite  aguda  deve  ter-­‐se  em  consideração  uma  das  
seguintes  afirmações:
a.   Não  é  importante  conhecer-­‐se  a  toma  recente  de  anQbióQcos  
b.   Na  presença  de  imunodepressão  deve  ser  efetuado  rastreio  sépQco  
c.   As  diarreias  invasivas  são  mais  frequentemente  de  causa  vírica  
d.   Na  colite  amebiana  as  dejeções  são  frequentes  e  de  grande  volume,  geralmente,  com  fezes  
aquosas  
e.   Nas  crianças  até  aos  3  anos  de  idade  os  parasitas  são  a  causa  mais  comum  de  diarreia  

344.Em  relação  a  estas  questões  assinale  a  resposta  correta.


a.   A   infeção   VIH   evolui   por   vários   períodos,   sendo   um   dos   de   mais   intensa   replicação   vírica   e  
maior  risco  de  contágio  o  síndrome  retrovírico  agudo.  
b.   As   infeções   oportunistas   diagnosQcas   de   SIDA   que,   pelo   seu   risco   de   contágio,   põem   em  
risco  a  Saúde  Pública  e  exigem  medidas  de  isolamento  são  a  tuberculose  pulmonar  e  a  pneumonia  
por  P.  carinii.  
c.   A  malária  é  uma  doença  infeciosa  com  elevado  risco  de  contágio  em  áreas  endêmicas.  A  
profilaxia   com   mefloquina,   quando   bem   cumprida,   é   suficiente   para   prevenir   a   totalidade   dos  
casos  de  malária  nos  viajantes  para  essas  regiões.  
d.   A   varicela   é   uma   doença   infeciosa   de   baixa   contagiosidade   e   caracterizada   por   lesões  
maculares,   papulares   e   vesiculares   em   diferentes   fases   de   evolução,   o   que   permite   a   sua   disQnção  
do  herpes  disseminado  e  da  varíola,  esta  úlQma  em  vias  de  exQnção.  
e.   Na  meningite  tuberculosa  a  clínica  é  de  início  subagudo  e,  com  frequência,  apresenta-­‐se  
sob  a  forma  de  quadros  neuropsiquiátricos.  

345.A  paroBdite  epidémica  pode  ter  como  complicações  mais  comuns  todas  as  situações,  exceto  
uma.
a.   Nefrite  aguda  
b.   Meningite  aguda  
c.   Orquiepididimite  
d.   PancreaQte  aguda  
e.   Hipoacusia  

353.Em  relação  a  estas  questões  assinale  a  resposta  errada.


a.   A  Coxiella  burneS  é  o  agente  eQológico  da  febre  Q.  O  anQmicrobiano  indicado  para  o  seu  
tratamento  é  a  doxiciclina  durante  3  semanas  
b.   O  rastreio  da  hepaQte  A  em  doentes  co-­‐infetados  pelo  VHC  deve  fazer-­‐se  por  roQna  para  
decidir  da  vacinação  contra  a  hepaQte  A  
c.   O  diagnósQco  de  febre  da  carraça  deve  ser  evocado  pela  febre,  escara  e  exantema.  Embora  
o  diagnósQco  seja  clínico,  pode  fazer-­‐se  a  sua  confirmação  por  pesquisa  de  anQcorpos  específicos  
através  da  reação  de  Weil  Felíx  
d.   As  formas  de  apresentação  clínica  da  leptospirose  humana  são  o  síndrome  febril  agudo,  a  
meningite   e   o   síndrome   de   Weil.   O   seu   diagnósQco   é   fundamentalmente   baseado   em   estudo  
serológico  
e.   O   principal   objeQvo   do   tratamento   anQrretrovírico   é   a   supressão   completa   da   replicação  
vírica   por   tempo   tão   prolongado   quanto   possível.   A   associação   de   3   fármacos   com   capacidade  
supressiva   completa   e   duradoira   é   a   opção   mais   eficaz   para   início   de   tratamento.   No   entanto,   é  
fundamental   a   adesão   à   medicação,   a   qual   deve   ser   >95%   para   minimizar   o   risco   de   falência  
terapêuQca.  

-­‐   48  -­‐  
354.Assinale  a  afirmação  correta.
a.   BCG   é   uma   vacina   inaQvada,   consQtuída   por   bacilos   mortos   de   uma   esQrpe   de  
Mycobacterium  tuberculosis  
b.   São   causas   de   síndrome   mononucleósico   os   vírus   da   imunodeficiência   humana,   Epstein-­‐
Barr,  citomegálico  e  herpes  humano  Qpo  8,  entre  outros  
c.   O  seguimento  do  doente  com  infeção  VIH  apenas  jusQfica  estudos  virológico  e  imunológico  
cada   3/   4   meses,   de   modo   a   decidir   a   melhor   oportunidade   para   iniciar   a   quimioprofilaxia   das  
infeções  oportunistas  e  o  tratamento  anQrretrovírico  
d.   Febre   prolongada,   sudação   profusa,   algias   e   leucopenia   num   individuo   criador   de   gado  
ovino,  residente  no  Norte  de  Portugal,  sugerem  o  diagnósQco  de  febre  Q  
e.   As   infeções   oportunistas   que   podem   surgir   no   decurso   da   infeção   VIH   resultam,  
predominantemente,   da   reaQvação   de   microrganismos   endógenos   e   ocorrem,   habitualmente,  
quando  o  número  de  linfócitos  T  CD4+  é  <200/mmc  

356.Os  Enterovirus  são  causa  importante  e  frequente  de:


a.   Meningite  aguda  
b.   Pneumonia  da  comunidade  
c.   Síndrome  mononucleôsico  
d.   Diarreia  aguda  do  adulto  
e.   EpigloQte  

366.Doente   toxicodependente   com   abuso   de   drogas   por   via   endovenosa   recorreu   ao   SU   por  
febre   de   39   °C   com   inicio   súbito,   cefaleias   e   mal-­‐estar   geral.   O   doente   apresentava   FR:   32   ciclos/  
min,   TA:   85/55   mmHg,   Pr:   124/   min;   Hgb:   10.6   g/   dL,   Leucócitos   24800/   mmc,   PMN:   80%,  
Plaquetas  80000/  mmc.
Que  aBtude(s)  consideraria  adequada(s)?
a.   Efetuar,  de  imediato,  hemoculturas  
b.   Efetuar  estudo  da  coagulação  
c.   Não  teria  qualquer  interesse  realizar  o  estudo  de  gases  de  sangue  
d.   Deveria   iniciar,   após   colheita   de   produtos   biológicos   para   estudo   microbiológico,  
anQbioterapia  
e.   Deveria  ser  realizado  um  ecocardiograma  

369.  Doente   de   45   anos   de   idade,   diabéBca,   recorreu   ao   SU   por   febre   com   arrepios,   cefaleias,  
dores   abdominais,   vómitos   e   diarreia   com   24   horas   de   evolução.   Dois   dias   antes   da   admissão  
hospitalar  esteve  no  baBzado  do  neto,  onde  ingeriu  alimentos  com  maionese  e  vários  doces  com  
creme.   A   doente   estava   queixosa   e   desidratada;   referia   urinar   muito   pouco;   o   abdômen  
apresentava-­‐se  muito  doloroso,  mas  sem  sinais  de  irritação  peritoneal;  o  restante  exame  msico  
era   normal.   Sinais   vitais:   TA:   90/   50   mmHg;   FC   130   min;   FR:   24/min;   Tax   39°   C;   Hbg   12   g/dl;  
Leucócitos  14500/  mmc;  Neutrófilos  80%;  Ureia  60  mg/  dl;  Glicose  300  mg/dl,  Na+  128  mEq/l,  K+  
3.6  mEq/l,  Cl-­‐  110  mEq/  l.  

369.1.  Qual  a  hipótese  eBológica  mais  provável?


a.   Gastroenterite  aguda  por  Saimonelía  não  typhi  
b.   Febre  Qfóide  
c.   Gastroenterite  por  Rotavírus  
d.   Gastroenterite  por  Escherichia  coli  toxinogénica  
e.   Gastroenterite  aguda  por  Vibrio  cholerae  

369.2.   E  que  aBtude  adotaria?  


a.   Tratamento  anQeméQco  com  metoclopramida,  hidratação  oral,  dieta  pobre  em  resíduos  e  
orientação  da  doente  para  o  médico  de  família  
b.   Efetuava   hemoculturas   e   coproculturas   e   internava   a   doente   para   tratamento   com  
ciprofloxacina  e  fluidoterapia  por  via  EV  
c.   ManQnha   vigilância   e   aguardaria   o   resultado   das   hemoculturas   e/ou   das   coproculturas  
para  decidir  o  tratamento  
-­‐   49  -­‐  
SOLUÇÕES  DAS  PERGUNTAS  DE  
ESCOLHA  MÚLTIPLA
3
107. 1
1.b 54. e 160.d 213.c 266.c 9
3
108. 2
2.a 55. c 161.a 214.a 267.d 0.
3
2
109. 1.
3.b 56. a 162.d 215.b 268. d
3
2
163.b; 2.
4.c 57. 110. c;d 216. 269. d
3
111. 2
5.a 58. e 164.e 217. 270. 3.
3
2
4.
6.e 59. 112. 165.e 218. 271.c e
3
2
113. 5.
7.e 60. b 166.e 219.c 272.b b
3
2
114. 6.
8.c 61. d 167.d 220. 273.d e
3
2
115. 7.
9.a 62. c 168.a 221.a 274. d
3
2
8.
10.b 63. 116. 169.a 222.d 275.e e
3
2
9.
11.e 64. 117. 170.e 223.d 276.b b
3
3
0.
12.a 65. 118. 171.e 224.e 277. c
3
3
1.
13.b 66. 119. 172.c 225.e 278. a
3
3
14.d 67. 120. 173.e 226. 279. 2.
3
3
3.
15.c 68. 121. 174.a 227.e 280.e a
3
3
4.
16.d 69. 122. 175.a 228. 281. e
3
3
5.
17.d 70. 123. 176.e 229.c 282.a a
3
3
6.
18.a 71. 124. 177.c 230.d 283.e a
3
3
7.
19.e 72. 125. 178.d 231.d 284.c d
3
3
8.
20.a 73. 126. 179.a 232.e 285.d a
3
3
9.
21.b 74. 127. 180.e 233. 286. b
3
4
0.
22. 75. 128. 181.a 234. 287.b c
3
4
1.
23.e 76. 129. 182.b 235.c 288.d d
3
4
24.c 77. 130. 183. 236.c 289.b 2.
3
131. 4
25.e 78. b 184. 237.e 290 3.
3
4
132. 4.
26.c 79. a 185.a 238.e 291. a
3
133. 4
27.e 80. b 186.e 239. 292. 5.
3
4
134. 6.
28.c 81. c 187. 240.c 293.e c
3
135. 4
29.e 82. a 188.b 241.d 294. 7.
3
4
136. 8.
30.b 83. e 189.e 242.e 295.d d
3
4
137. 9.
31. 84. e 190.c 243.e 296.e a
3
5
138. 0.
32. 85. c 191.b 244.c 297.c b
3
5
139. 1.
33. 86. a 192.d 245. 298.d e
3
5
140. 2.
34. 87. b 193.b 246. 299.e e
3
5
141. 3.
35. 88. e 194.c 247.d 300. c
3
5
142. 4.
36. 89. b 195.e 248. 301. e
3
5
143. 5.
37. 90. e 196.a 249.e 302. c
3
5
144. 6.
38. 91. d 197.b 250.b 303.c a
3
145. 5
39. 92. c 198.b 251. 304. 7.
3
146. 5
40. 93. a 199. 252.e 305. 8.
3
5
147. 9.
41. 94. d 200.b 253. 306.a d
3
148. 6
42. 95. a 201. 254.d 307.d 0.
3
6
149. 1.
43. 96. e 202. 255.c 308.e c
3
150. 6
44. 97. e 203.c 256.a 309.c 2.
3
6
151. 3.
45. 98. c 204.b 257.c 310.b d
3
152. 6
46. 99. e 205.e 258. 311. 4.
3
6
153. 5.
47. 100. c 206.a 259.c 312.d b
3
6
101. 154. 6.
48. b c 207.e 260.a 313.a e
3
6
102. 155. 7.
49. a a 208.a 261.d 314.b a
3
6
103. 156. 8.
50. b c 209.e 262. 315.e a
3
104. 157. 6
51. c e 210.b 263.e 316. 9.
3
7
158. 0.
52. 105. b 211. 264.e 317. d
106. 159.
53. e e 212.e 265. 318.
-­‐  50  -­‐

-­‐   COMPILAÇÃO  DE  PERGUNTAS  DE  DESENVOLVIMENTO  -­‐  


1.  Homem,   de   45   anos,   casado,   agricultor,   antecedentes   de   epilepsia   medicado   com   Diplexil   há  
vários   anos.   Iniciou   há   3   dias   mal-­‐-­‐-­‐estar   geral,   sensação   de   febre   que   não   quanQficou,   dores  
abdominais   e   náuseas.   Refere   urina   escura   e   hoje   notou   icterícia   das   escleróQcas   pelo   que   recorre  
ao  médico.  A  hipótese  de  diagnósQco  considerado  no  Serviço  de  Urgência  como  mais  provável  foi  
de  leptospirose.  Para  confirmar  este  diagnósQco,  responda  às  seguintes  questões:  
1.   Que  outros  dados  da  história  clínica  e  antecedentes  seria  importante  obter?  
2.   O  que  procuraria  no  exame  objeQvo?  
3.   Que  meios  auxiliares  de  diagnósQco  pediria?  
4.   Apresente  um  plano  terapêuQco,  de  seguimento  e  prognósQco  relaQvo  à  leptospirose.  
5.   Faça  uma  jusQficação  para  dois  outros  diagnósQcos  possíveis.  

2.   Em   relação   ao   choque   sépBco:   Defina   choque   sépQco   e   descreva   as   linhas   gerais   do  


tratamento.  

3.HepaBtes  por  vírus  de  transmissão  entérica:


1.   Agentes  eQológicos.  
2.   Aspetos  epidemiológicos.  
3.   Formas  de  apresentação  clínica  e  complicações.  
4.   Métodos  de  diagnósQco.  
5.   Prevenção.  

4.Em  relação  à  leptospirose  humana  descreva,  após  idenQficar  a  sua  eQologia,  as  principais  caracterísQcas  
epidemiológicas  e  clínicas,  os  métodos  de  diagnósQco,  o  seu  tratamento  e  prevenção.
5.Em   relação   às   meningites   bacterianas   agudas   descreva,   após   idenQficar   a   sua   eQologia,   as  
principais  caracterísQcas  epidemiológicas  e  clínicas,  os  métodos  de  diagnósQco,  o  seu  tratamento  e  
as  aQtudes  a  tomar  na  prevenção  primária  e  secundária.

6.Na   prevenção   das   doenças   infeciosas   as   medidas   vacinais   Qveram   importante   repercussão   na  
saúde  pública.  Quais  as  que  estão  contempladas  no  Programa  Nacional  de  Vacinação  português  e  
quais  as  orientações  preconizadas  nesse  plano.

8.Em   relação   aos   síndromes   mononucleósicos   descreva,   após   idenQficar   a   sua   eQologia,   as  
principais  caracterísQcas  epidemiológicas,  clínicas  e  os  seus  métodos  de  diagnósQco.

9.Em  relação  às  meningites  agudas  descreva  as  principais  caracterísQcas  epidemiológicas  e  clínicas  
mais  relevantes,  os  métodos  de  diagnósQco,  o  seu  tratamento  e  a  prevenção.

10.Desenvolva   o   tema   "Meningites"   em   relação   à   eQologia,   clínica,   diagnósQco,   tratamento   e  


profilaxia  nos  contactos  e  profissionais  de  saúde,  caso  haja  indicação.

11.Caracterize   as   principais   caracterísQcas   da   epidemiologia,   da   clínica,   incluindo   métodos   de  


diagnósQco,  do  tratamento  e  da  prevenção  da  brucelose  humana.

12.Caracterize   as   principais   caracterísQcas   da   epidemiologia,   da   clínica,   incluindo   métodos   de  


diagnósQco,  do  tratamento  e  da  prevenção  da  leptospirose  humana.

13.Em   relação   às   ricke€sioses   mais   prevalentes   em   Portugal   descreva,   após   idenQficar   a   sua  
eQologia,  as  principais  caracterísQcas  epidemiológicas  e  clínicas,  os  métodos  de  diagnósQco,  o  seu  
tratamento  e  prevenção.

-­‐  51  -­‐